Anda di halaman 1dari 19
Hesoonr on irmarna x Corruns kosea\ ‘Talvez en toga pare casa a minha ovethinha desgarraca [.] NSo 6 prinyeia nem a Ultima a sor sedizida (..] ¢ abandonada [...]: hf mnitas dessas mocinhas télas. que hoje anda de cetim e velude-e amanhi, quando menos se espera, vio weet rus com a alé dosboteatins. Diinia, por saa ver, contrariando todas as prediegc, apreventa sinats de ter atingido visivel prosperidade:“trajada com todo o hnxo da moda [..] os dedos faiscantee” Soa volta ao local de origem, que sé resume a uma breve visita, focorre numa pungente inversto dramética da parabole: no encontio com © pai, a auséncia deste € preenchida pelo tixialo no cemitéri, “um lugar ms ¢ extremamente tite” Chegando nama éarruagem de seis cavalos, “com trés pequenos senhorezinhos e mais a amé-de-leite, Déinia aparenta estar plena- mente realizada tanto no nivel soci4l como no econémico. Talver Piichkin tenha mesmo frastrado o leitor cuja expectativa foi ajusta- «daa um modelo ja conhecide (a parabola). Parece certo, no entanto, que, a0 desmanchar as regras do jogo, o autor oferece era troca uma nova leitura, eria tiva e aurpreendente, eposide a estética do cliché, da repetigi0, uma estética da oposiggo,a recusa da norma, ABSTRACT: This article deals with questions relevant to Pushkin’s prose and attempts to ‘explain zome of the rnin stylistic features encountered in the author stores. KEYW/ORDS.A.S. Pushkin, Russian ltersture of theTO® century: short story, {AY St A Dama de Espadas e 0 Tema das Cartas e do Carteado na Literatura Russa do Comeco do Século XIX’ Year Loman: RESUMO: Lotman toma como pont de pertida para sua pesquisa o joao de cattas rastreands nele um modelo universal que dominau o imaginario dos cantersporanecs \alizeraturerusza no final dosécula X¥IE-comnegaclo sécule XD.Em saguide, faz um estude sa cults de periede imporal potersburguss, mostrardo queesta podera ser interpreta dda como uma cadeiade casualldades que tazlembrar 0 papeldo acaso nos jogos de azar aswando-seentie,nis conceitosde determinism e ecspo,9 autor se concenttana ans reds A Demade Expedas para spontat como este elementos conifilantos rar abslha dos por Pachkin na construcio do enrede desta novela, PALAVRAS-CHAVE:A prose de Pichkin;A Dama de Espada; 0s jogos de ezar na itersture E necessirio, antes de mais nada, estabelecer o significado que seré atribuido 2 nogio de “tena” na exposicao que se segue. Ao examinar textos de entedos diferentes, convencemo-nos faciImente de que esiao reduzidos a urn cerio nit mero, surpreencentemente limitado, de enredos invaridveis. Estes enzedos na ifercntes cultures nacionais, mas também, reve Jando uma constincia excepcional, perpassam 0s textos lterdrios desde os mait apenas se repetem nas mais antigot mitos reconstimidasiaté as narrativas do sé As casas dese fendmen reiteradamente observado extrapolam os limstes dos problemas que ros inreressam neste caso, No entanto, existe ambem um outro lado dese Jenomeno: a terefa do pesquisador, ao transpor os niveis da absteagao, no s el dos diferentes textos. Nao dei limita apenas a reconstruis uina base invarié |LVinxona low w-eaea ap i xspcenic rp pessoa uuteparype sasae XD sin Tana (8. ster, Leto SPb, 1995, pp. 787-814) (N do). Camensvo ps Lrremarons # Cusruna Ruste ‘xa de ser importante também um outzo aspecto: 0 exame dos mecanismios de Acsenvolyimento de um cequema original do enredo em textos extremamente distintes, ‘Osmecanism)s que asseguram a individnalidade da confignrasao do enredo cde um dado texto s40 complexos ¢ multiformes, Neste caso, nos:0 objetivo foi irigit a atencao para um deles: no nivel da realizacao do enredo no texto, apiredém incluidas na narrativa palevras de um determinade significado ma terial que, por forga de sua importancia espectfica e de sua freqiente repetigio ‘nacaltura de um dado tipo, ganharam significadas fixos.liga¢Ges sitaacionais, sofreram um procesto de “mitologizacio”: séo elas que se tornam sinais-sim- bolas de outros textos e se associam a determinados enredos, externos em rela- 40 a0 enredo em questao. Tais palavras podem conclensar em si todo us coa- junto de textos. Ao serem ‘nseridas ha nafrativa, por forga da necessidade de rromear este ou aqusle elemento, elas comegam a se decenvolver em constr bee de enredo nio-vinculadas 20 envedo original, formando corm ele situa {ses complecas conflitantes, Assim. no movimento de embste dessescomes0s, 6 entedo original pode ser bastante deformado. escas palavras vamos deno- ‘mina “temes" da narrativa, Semelhante nogdo de toma far lembrer alguns 25 pectos do fmotivo’4egundo a interpretagio de A. N-Nesselévski, 0 qual, 20 Tesealtara situasao dos diferentes niveis do enredo e do motivo, escreven ser © gored bagy erase jocenn 18 diferentes situa mosives; Mais diane trataremos da correlacdo de “tea” € “motivo” cm NOSS8 EXposi¢ao. ‘Acapacigade de qualquerFéaliao enredo transformers era temadepene de varios fatores. Em primiro lugar, tata-se de assiaalar equi « importincie Ge um dado elemento em um determinado sistema de cultura, Ao PEPE todas maces da cultra hamans, adquisinde todo um conjunto de relagées om cada tim de seus estratos de época, realiae como “casa “estrada “fog” iimpregneram-se de ligagSes associativas tao ricas e complexas que, tendo em vista enedo original, sua insezgao no texto cra imediatamente indancras ppossibilidads potenciats de deavios imprevaivcis da narrative. Se temas desse tipo esto ligados a um movimento continuo, que pexpassa| todas os esteatos da cultura, » assumem um aspecto que extrapola a épace (concretizando-se inevitavelmente nas formasde uma dada cultura), entio,a0 lado dels, hi temas que se caracterizam por uma concretizacaohistoricamen- te marcada ¢ que se referem a estrutaras menos profundas do texto, Come 2.A.N, Vesselowhi, Homopuvecsas Hosmuna(Poitica Histnice), Leningrado, 19405 50. pact da fran de Vecslévek BV. Tomachévski cA. P-Tehuulsov deinieamn motivo ‘como a mais simples unidade narraiva, 80 “A Daaca De Espapas 8 0 TEMA DASCARTAS £ DO CARTEACO. caemplos de temas com uma concreinagio hictoricamente marcad, podem ser citados “o cuelo’, 0 desfile militar’, “o automovel” ou ainda “a tourada’,"0 tharémy’, que, para a literatura do romantismo europeu, tornaram-se referencia ‘a determinadas culvuras “exGticex” ‘0 fandamental é que, dependendo da netureza dessa ou daquela realia, de sua estrutura, fangdo, fregtiéncia deemprego no texto e doaspectoexterior de sua transformagio em tema do texto, isso pode estimular determinados cami- nnhos de sen funcionamento artistico: alguns temas tornam-se formas de ‘modelizagao do-espace (“a casa’, "a estrada”); outros, da estrutura coletivo (“a fila’, “o desfile militar”, “a enfermaria mimero 6°, "a prisio”)s ow 1105, ainda, da natureza dos conilites (“o duclo’,“o combate’, “o jogo" Examinaremos neste artigo um aspects bastante concreto do tema e bem cespecttico de uma determinada época historica nitidamente caracterizada, Isso nos permitira individualizar alguns problemas teoricos. tera do Ascartas constituem oma sealiacultural determinada. No entanto, a com binagdo da organizagao interna que Ihes¢ imanente, da fungao que desempe- nnham na sociedade de uma determinada epoca ¢ das associayves histrieo ccaturais, que eram percebidas com andlogos ubstancisis do carteedo, trans formou-as em(lato semidtico)Da mesma forma que no barroco o mundo era petcebide como um enormelivro criado por Deus es imagem desce livro tor- nnava-se modelo de interes nocéies complexas (e.a0 penetrar no exto,tomna vase o tera do entedo), as carts e 0 carteado assumem no final do século XVLlkcomeco do XIX, caracteristicas de um modelo universal ~ 0 Jogo de Cartas -,tornando-se 0 cenlua de wna formagiom ica peculiar tama época. [No me falem em Voltaire ou Descartes ara sion wanda € jogos cleseart, vida € banca: no destino aposto Bas regras do jogo a todes imponho!. Que as cartas, como tema determinade com funsio social prépria e meca, nismo imanente, tenham delimitado nao s6 os atos de pessoas reais mas tain bém de personagens da literatura, que a mera introducao do baralho na acao tenha possibilitado uma certa previsibilidade de seu desenvolvimento ulterior, 3.M.L-Letmontor, Obras (6 volumes), MoscouLeningredo, 1985, v0} 5,p. 329 (Canenno pi Lrranaruma & CULTURA RUSSA pode ser fustrado de modo convincente pelo seguinte epis6dio: erm 1820. Hofimenn publicou a novela Spielerliek/Astradughes rassas ndo se Gzeram cexperar em 1822 aparecen a traducao de V. Poliakoy no mamero 13/14 de O Mensageiro da Europa; em 1836, ade F.Bezsorntkin, num live de E.T.A. Hofimenn (Os Irnavs Serapie:). © enrcdo desenvolvido na novela da perda da mulheramada no carteade ~ néo pascou despercebide. mais do que pr ‘vel que tonke deopertado o interesse ce Ligrmontoy que, pelo visto, na se- ganda metade de 1837, inicion a elaboracio de A Tesoureira de Tambovsk. Contude, 20 elaborar sta obra, Hoffmann evidentemente nao conhecia ahis- toria que fia sensacao em Moscou, em 1802, cuando o principe Aleksandr Nikoldievitch Golitsyn, 0 famoso Cosi-rara, um perdubirio,jogador e malan~ dro da lta-rods, perdeu na jogatina sa muather,a princesa Maria GrigSriovna (naccida Vidzeraskaia), para nm dos mais itosres idalgos de Moscow 0 prin- cipe ev Kirllovitch Ravaumévski,conhecido na seciedade como le Comte Léon, fho de ur hetma, macon, um mecenas,cujas tasna casa de Rua Tvierskaia € em Pictiovsk-Rezanévski ctam objeto de felatonio em toda a Moscou © {ivércin da princesa, que se sucedeta ito, eo seu segundo casamento conferi- am ao escandale um colorido sencacionalista, Seosmesmos enredos ocorrem demode independente na iteratura ena vida, ¢ passive to-somente conclair “que se estabelece ur certo mecanismo,o qual resttinge nitidamente a varied dedas condatas possives e, por assim dicerfitrao situagio, teduzinde prati Cameale © numer ilimitedo de impulse © emfonulos a um crenlo de agies bastante limitado. Neste e250,"o filira” vai se apresentar como um e6digo es- pecial, que determina acifragem clas inineras stuagoes “na entrada’ fezeno 2 corsespondéndia delas com tim numero limitado de exredos “na sada A Somatoria dos desdobrameatos dos enredos ji existe potencialmente contida cm tal codigo, Como (codigo adicionaL bstabelecido no texto, originando os Inovimentos do enredo que, segundo expressio ce Veseldvski, “st tesem’ no tsquema hasico lest, & que se manifesta todo ¢ qualquer “tema”. Assim, por exemplo.do ponto de vista do esquema invariavel do enredo do cous mpatsxic thoso,construide por V1. Propp, nto importa no que consiste o recurso magi “Goro corcel,a espada, a gusla ou 0 ago de feriro hume?, Evidentemente, poréin, hho momentoem que. ne texto reals fz qualquer tipo dg escolh desse reper: trio, todo uma evie de acontecimentos¢predeterminada nos movimente pos- e 4.Videprimeiracamparagaodosenredos cess obraser: Seiten, S Pichkine Hof: aes Corpuratvos de Hietriae tenn, Dorp, 12, p.2 S.CLNE Propp, Morflogia do Conto Maravifiese, Mos:ou, 1969 p.13. [Ha tradugzo brs sikiade Jana Paswich Sacha: Rio de Iancirs,Foronse Universite, 1984 (N, da T)] ta Tipro- apes evry HERG - ioffro-nin A Dusta 22 Evpanae 2 0 Tena nas Castas & oo Canteane.- terior do texto, No caso em questéo, © mecanismg fliranie, cuja introdugae assogura urna nitidalimitagdo na variedade dos enredos, 66 tema das cartes A capecificdade semidtica do jogo de carta, em sia e:séncia imanente refere-se sa natuseza dupa, De tm Lido, ocarteado ¢ wm jogo, eto 6 repre senta em sium modelo esitwacto confltante. Neste sentido, apresenta-se en sua unicidade como analogo aalgumas situacoes confitamts reais. Posbui re ras no seu interiogequc incluem uin sista hierqaico de valores rlativo Cae gale es dofganhs« da"peri” Dentro dos lanites do jogo, porém,« (adas nairPecanem relazées semanticas com as denotacdes qué s Enconirim fora dclas. Quando na imaginagio pertarbada de Hermann ascar ‘as assumem uma seadntica cxicrna ao jogo ("o tres lorie diante dele qua expléndida magnélia, sete aparecin Ihe como um portio gotive, 0 &, come tuma aranha enorme"), 6 sina de que ele Ihe atibui significados que elas nic “passnem.no sistema em quesifat. Por outro Indo, entretanto, ascatas si0-ut lizadas nao somente no jogo. mas também na adivinhacao’. Nesta sua hipostas: diferentes funcoes sto ativadas: uma que prognostic ¢ outta que programa 6. No existe uma isi das cara srt na sa, tampouco existe pesquisa prt culacs str da vi etdara ete eampo, enw Ufala o otendimente da fg des cari como imate terra No selitiano ruse do séeulo XVIIL-comerg do XIS Setontnorno ema irendagoem acaricidal No cnn ‘esas primers cram ailizchs em mgr apenas va achinhaciceprofsorais Era sin Cativronte maa india ssid fa pr amucores no car da que irs rind rah Fn Simas se ifernsavas quant nanrers Go dese do pret Hvis em crealaao no cars tarda do exter como esti brats cio 19 durdaspcpainsempreeeparienes, tpn da fica del A otehenn em Mose ocjopnee war ven peda man erga Manns name man eng eee ‘morn, ilizwam s+ cite nacionas barstaenqantoqae nos jogoe”deceniee" tracer se, em repra, canta importadis. No inal Jes anos 1820, produ de caras e108 acros gers Aes eesan monopelizados pel vise fiantrGpics da imperatris Maria FiSderewna, onde qe 1 desenho cas carta procuridas ~ pois ea justamente com eas que se jognva em AA Dare Exped foi etabiizado egentou forma canbnica semelhante a tual 7. CLM. L. Lekoratsev, B. A. Uspénski, “Onncaaue ono everest ¢ apocrsn cwmraxcrceat Yaee San. Typoyennzo zoe. Yiewa 1965 Duan. 181; Tpyder no senreae suemenaue 0.2 (*Deveriia de am cites de antate simples” I) Notas Cietificas d Universidade Bz Tart, 1962, frm 181; Trabetho sobre os Seaside Sign9s VOL 2) A Egorov, “Tlaccrwaine cennoreveckie excrete ramonoriigsweron” ("Or sem semticos mals simipiese uma tipolegia das entedos”) idem. 89