Anda di halaman 1dari 7

Eletrostática

NOME: TURMA: DATA:

Campo elétrico indiferentes à carga criadora Q.


Matematicamente podemos expressar a intensidade do
Um campo é uma grandeza física associada ao espaço
campo por:
onde o valor mensurável da sua intensidade se designa
intensidade do campo e define-se classicamente como a força
por unidade da grandeza submetida à ação do campo.
Vamos caracterizar o campo elétrico fazendo analogia
com o campo gravitacional terrestre.

Importante!
Como se representa esquematicamente, um corpo de
prova de massa m, colocado num ponto P próximo da Terra • Se q > 0 então F e E têm mesmo sentido.
(suposta estacionária), fica sujeito a uma força atrativa P = mg • Se q < 0 então F e E têm sentidos opostos.
(peso do corpo). Isso significa que a Terra origina, ao seu redor, o
campo gravitacional que age sobre m. • F e E têm sempre a mesma direção.
Analogamente, uma carga elétrica altera as
Em campo elétrico vamos considerar que o campo
propriedades de uma região do espaço em torno dela.
elétrico é inteiramente de responsabilidade da carga geradora
(Q), que é fixa em um determinado local do espaço em relação a
um referencial.
A carga de prova (q) será considerada uma carga móvel
cuja ação sobre a geração do campo é desprezível. Ela apenas
sobre a ação do campo criado exclusivamente pela carga
geradora (Q).
Podemos ter o campo elétrico existindo pela ação da
Campo elétrico é uma propriedade física estabelecida carga geradora sem que exista a presença da força elétrica, pois
em todos os pontos do espaço que estão sob a influência de uma para que essa possa ser atuante é necessário que uma segunda
carga elétrica (carga criadora). Tal que uma outra carga (carga de carga (carga de prova) esteja sob a ação desse campo.
prova), ao ser colocada num desses pontos, fica sujeita a uma Precisamos de ao menos duas cargas na região de campo para
força de atração ou de repulsão exercida pela carga fonte. que a força elétrica se manifeste.
O campo elétrico desempenha o papel de transmissor
de interações entre cargas elétricas. Experimento de Millikan

As cargas que ficam fora do campo elétrico mostram-se


Eletrostática

Linhas de força
A linha de força é considerada uma linha imaginária, que
cria uma forma geométrica para se ver um campo elétrico, sendo
que em cada um dos seus pontos existe um vetor campo elétrico.

As linhas de força do campo elétrico produzido por uma


só carga puntiforme isolada são retas que passam por essa carga.

A experiência da gota de óleo foi uma experiência


conduzida por Robert Andrews Millikan para medir a carga
elétrica do elétron. Ele conseguiu isso balanceando
cuidadosamente as forças elétricas e gravitacionais em
minúsculas gotas de óleo carregadas e suspensas entre dois
eletrodos de metal. Conhecendo o campo elétrico, a carga da
gota poderia ser determinada. Repetindo o experimento em No caso de uma carga puntiforme positiva, as linhas de
várias gotas, percebeu que os valores medidos eram sempre força são retas, radiais, saindo da carga.
múltiplos de um mesmo número. Millikan interpretou esse Para uma carga puntiforme negativa, as linhas de força
número como sendo a carga de um único elétron, cujo valor são também radiais, mas voltadas para a carga, já que o campo
atualmente aceito é 1,602 x 10−19 C. em qualquer ponto é voltado em direção à carga.

Representação do campo elétrico na carga geradora


O vetor campo elétrico num ponto P, devido a uma carga
geradora Q positiva, sempre tem sentido de afastamento em
relação a ela, enquanto o vetor campo elétrico devido a uma
carga geradora Q negativa, sempre tem sentido de aproximação
em relação a ela, independentemente do sinal da carga de prova.

Para representar o campo elétrico devemos usar por Linhas de força de um dipolo, que é um arranjo de duas
definição uma carga de prova positiva. cargas puntiformes de mesmo módulo e sinais contrários.
A quantidade de linhas indica o módulo da carga
elétrica, assim na figura acimas temos cargas elétricas de
módulos iguais.

Note que existem cargas de prova de ambos os sinais,


mas para padronizar a representação devemos escolher
obrigatoriamente uma carga de prova de sinal positivo. Na representação acima, o módulo da carga positiva é o
dobro do módulo da carga negativa.

2
Eletrostática

Distribuição das cargas elétricas


As cargas elétricas em excesso em um condutor vão se
repelir, tendendo a se afastar umas das outras o máximo
possível. Isso só é possível quando estas cargas se distribuem na
superfície externa.

A distribuição das cargas elétricas na superfície de um


Duas linhas de força jamais se cruzam. condutor em equilíbrio eletrostático permite que se obtenha no
A intensidade do campo elétrico é maior na região de seu interior uma blindagem eletrostática, que é uma região livre
maior densidade de linhas de força e menor na região de menor as influências elétricas externas.
densidade de linhas de força. Essa proteção elétrica permite que aparelhos elétricos
como rádios, CD players entre outros funcionem livres das
interferências externas graças aos gabinetes metálicos que criam
uma blindagem eletrostática.
Densidade superficial de cargas
No processo de eletrização de um condutor, ocorre uma
movimentação de portadores de carga elétrica até que o corpo
atinja o chamado equilíbrio eletrostático, situação em que todos
os portadores responsáveis pela eletrização se acomodam na
superfície externa do condutor.
Densidade de linhas de força é a quantidade dessas
linhas por cada unidade de área.
Representação do campo elétrico na carga de prova

A densidade superficial de cargas é uma grandeza física


escalar algébrica, dotada de mesmo sinal da carga Q, tendo por
Quando a carga de prova q é positiva, os vetores força
unidade, no SI, C/m2.
elétrica e campo elétrico têm a mesma direção e o mesmo
sentido. Quando a carga de prova q é negativa, os vetores força
Poder das pontas
elétrica e campo elétrico têm a mesma direção, mas sentidos
opostos.
Vetor campo elétrico resultante
O vetor campo elétrico num ponto P, devido a uma carga
Q positiva, sempre tem sentido de afastamento em relação a ela,
enquanto o vetor campo elétrico devido a uma carga Q negativa,
sempre tem sentido de aproximação em relação a ela, Em um condutor esférico eletrizado em equilíbrio
independentemente do sinal da carga de prova. eletrostático, a distribuição das cargas é uniforme. Entretanto, se
o condutor em equilíbrio eletrostático não for esférico a
concentração das cargas será maior nas regiões pontiagudas.

Dica! Imagine o ponto P como se fosse uma carga de prova


positiva: Nessa situação o campo elétrico terá sempre o mesmo Quando um condutor pontiagudo e eletrizado é
comportamento da força elétrica. mergulhado no ar, os átomos que existem na atmosfera são
polarizados pelo campo elétrico, nas proximidades das pontas.
Se a intensidade do campo elétrico for suficientemente
alta, os íons atraídos ou repelidos entrarão em colisão com os
3
Eletrostática

outros átomos, produzindo mais íons e tornando o ar condutor


nas proximidades da ponta (fenômeno conhecido como poder
das pontas).
Quando a ionização fica mais intensa, a região em torno
da ponta poderá ficar luminosa devido à energia liberada nas
colisões, podendo inclusive provocar um deslocamento de ar
denominado vento elétrico.
Densidade volumétrica de cargas

No processo de eletrização de um dielétrico, os


portadores responsáveis pela eletrização acomodam-se por todo
o do condutor, não sendo possível o deslocamento para a
superfície externa.

A densidade volumétrica de cargas é uma grandeza física


escalar algébrica, dotada de mesmo sinal da carga Q, tendo por
unidade, no SI, C/m3.

Rigidez dielétrica
Dois corpos condutores, imersos em um meio
inicialmente “isolante”, são carregados de carga de polaridade
oposta, gerando entre eles uma diferença de potencial elétrico.
Quando se atinge em um valor limite, o qual varia em função do
material dielétrico, há o fenômeno da ruptura dielétrica, e o meio
isolante passa a ser momentaneamente um meio condutor,
quando se salta um arco (feixe de elétrons).

Para-raios
Conhecendo o poder das pontas, Benjamim Franklin
teve então a ideia de construir um dispositivo que exercesse uma
proteção contra raio. Este dispositivo, o para-raios exercerá
função de criar em volta dele um ar com características
condutoras que fará com que o raio caia sobre ele e não em
qualquer lugar da vizinhança. É por isso que uma casa sempre
tem que ter um para-raios ou estar na zona de proteção de algum
outro.
Os para-raios são hastes metálicas ligadas por cabos
condutores ao solo, colocadas nos telhados das residências e
edifícios de modo a criar um caminho por onde o raio possa
passar em direção ao solo, sem causar danos.

4
Eletrostática

R = H  tg
Onde R é o raio de atuação da proteção do para-raios,

Densidade volumétrica de cargas


No processo de eletrização de um dielétrico, os
portadores responsáveis pela eletrização acomodam-se por todo
o do condutor.

A densidade volumétrica de cargas é uma grandeza física


escalar algébrica, dotada de mesmo sinal da carga Q, tendo por
unidade, no SI, C/m3.

Campo elétrico uniforme


Campo elétrico uniforme é uma região do espaço onde
o vetor representativo do campo (𝐸⃗ ) tem, em todos os pontos, a
mesma intensidade, a mesma direção e o mesmo sentido.

5
Eletrostática

Embora não exista na prática uma superfície ilimitada, o


campo elétrico gerado na prática por uma superfície limitada e
uniformemente eletrizada é praticamente uniforme, com
intensidade nos pontos situados nas proximidades de sua região
central dada por:

E=
2
Condutor esférico
Uma das maneiras mais comuns de se conseguir um
campo elétrico uniforme é utilizar duas placas condutoras planas
Uma partícula eletrizada gera campo elétrico na região
e iguais, paralelas entre si e eletrizadas com cargas de mesmo
do espaço que a circunda, porém, no ponto onde foi colocada, o
módulo e sinais opostos.
vetor campo elétrico, devido à própria partícula, é nulo.

O campo elétrico resultante na região externa às placas * Não há consenso sobre a validade da equação para o campo
é praticamente nulo e entre as placas é dado por: elétrico na superfície de um condutor.

 Blindagem eletrostática e a Gaiola de Faraday


E=
 A gaiola de Faraday foi um experimento conduzido por
Michael Faraday para demonstrar que uma superfície condutora
eletrizada possui campo elétrico nulo em seu interior dado que
as cargas se distribuem de forma homogênea na parte mais
externa da superfície condutora (o que é fácil de provar com a Lei
de Gauss), como exemplo podemos citar o Gerador de Van de
Graaff.

Essa gaiola tem inúmeros usos atualmente, o carro, por


exemplo, é basicamente uma gaiola de Faraday.
6
Eletrostática

Os aparelhos eletrônicos, como o Blu-ray, ficam envoltos por


uma capa metálica para não serem danificados por um campo
elétrico externo

É o efeito da gaiola de Faraday, e não os pneus de


borracha, que protege um automóvel em caso de queda de um
raio nas proximidades.

As fontes de alimentação são ótimos exemplos de


equipamentos que atuam como uma Gaiola de Faraday