Anda di halaman 1dari 174

António Arnaldo Carvalhais Correia

Trabalho Experimental para o 8o Ano

Anexos

Departamento de Física
Faculdade de Ciências da Universidade do Porto
Abril de 2001
TRABALHO EXPERIMENTAL
PARA O 8o ANO

ANEXOS

/
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

ÍNDICE

Protocolos dos trabalhos experimentais 1

Trabalho experimental n" 1 - Produção e propagação do som 2


Trabalho experimental n" 2 - Movimento ondulatório 4
Trabalho experimental n" 3 - Como se propaga o som 6
Trabalho experimental n" 4 - velocidade de propagação do som 8
Trabalho experimental n" 5 - Variação da intensidade auditiva com a distância do detector à fonte 10
Trabalho experimental n° 6 - Atributos e qualidade do som 12
Trabalho experimental n°7 - E possível ouvir sons de todas as frequências? 14
Trabalho experimental n" 8 - Fenómenos associados às ondas 75
Trabalho experimental n" 9 - Difracção e interferência 17
Trabalho experimental n" 10 - Reflexão e Absorção do som 19
Trabalho experimental n" 11 - Efeito Doppler 21
Trabalho experimental n" 12 - Fontes de luz e propagação rectilínea da luz 22
Trabalho experimental n" 13 - Triângulo de visão - Até onde chega a luz 24
Trabalho experimental n" 14 - Difracção e interferência 26
Trabalho experimental n° 15 - polarização da luz 28
Trabalho experimental n" 16 - Dispersão da luz 29
Trabalho experimental n" 17 - Objectos transparentes opacos e translúcidos - Cor 31
Trabalho experimental n" 18 - Leis da reflexão 33
Trabalho experimental n" 19 - Espelhos curvos 35
Trabalho experimental n" 20 - Refracção e reflexão total 37
Trabalho experimental n"21 - Lentes delegadas 39
Trabalho experimental n"22 - Caracterização das imagens dadas por lentes 41
Trabalho experimental n" 23 - Miragens 43
Trabalho experimental n° 24 - Detector de luz 44
Trabalho experimental n" 25 - Olho humano 45
Trabalho experimental n"26 - Persistência de visão 47
Trabalho experimental n"27 - Fibras ópticas 48
Trabalho experimental n° 28 - Construção de uma máquina fotográfica 49
Trabalho experimental n°29 - Caixa mistério 50
Trabalho experimental n" 30 - Geradores de corrente contínua 57
Trabalho experimental n" 31 - Diferença de potencial /corrente eléctrica 53
Trabalho experimental n"32 - Há conservação da carga? 55
Trabalho experimental n" 33 - Resistência dos condutores - Bons e maus condutores da corrente eléctrica. 58
Trabalho experimental n" 34 - Lei de Ohm 60
Trabalho experimental n" 35 - circuitos em série e em paralelo 62
Trabalho experimental n" 36 - Efeito magnético da corrente eléctrica 64

- ii -
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n" 37 - Efeitos químicos da corrente eléctrica 65


Trabalho experimental n" 38 - Potência e energia 66
Trabalho experimental n" 39 - Custo da energia 68
Trabalho experimental n"40 - Campo magnético 70
Trabalho experimental n°41 - Geradores mecânicos - Dínamos e alternadores 72
Trabalho experimental n° 42 - Transformadores 74
Trabalho experimental n" 43 - Big Bang 76
Trabalho experimental n" 45 - Porque é que as estrelas cintilam 78
Trabalho experimental n" 46 - As estrelas não estão à mesma distância 80
Trabalho experimental n" 47 - Coordenadas em Astronomia 81
Trabalho experimental n" 48 - Medir a altura do Sol 83
Trabalho Experimental n" 49 - Sistema Sol - Terra - Lua 85
Trabalho experimental n" 50 - Sucessão das estações do ano - Duração dos dias e das noites 86
Trabalho experimental n" 51 - Atracção universal 88
Trabalho experimental n" 52 - Peso ea massa 90
Trabalho experimental n" 53 - A conquista do espaço 92

Fichas pré e pós ensino 93

Ficha pré ensino - Som e audição 94


Ficha pós ensino - Som e audição 97
Ficha pré ensino - Luze visão 100
Ficha pós ensino - Luz e visão 103
Ficha pré ensino - Energia eléctrica 107
Ficha pré ensino - Astronomia 111

Grelhas síntese das respostas aceites 114

Som e Audição Pré-Ensino 775


Som e Audição Pós-Ensino 776
Luze Visão Pré-Ensino 777
Luz e Visão Pós-Ensino 775
Produção, Distribuição e Utilização da Electricidade - Pré-Ensino 779
Produção, Distribuição e Utilização da Electricidade - Pós-Ensino 720

Tabelas das categorias de respostas antes e depois do ensino 121

Som e Audição 722

Luz e Visão 726

Planificações 133

SOM E AUDIÇÃO 134


BLOCO CIÊNCIA TECNOLOGIA E SOCIEDADE 142
LUZE VISÃO 143

- iii-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

BLOCO CIÊNCIA TECNOLOGIA E SOCIEDADE 151


PRODUÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ELECTRICIDADE 152
BLOCO CIÊNCIA TECNOLOGIA E SOCIEDADE 163
NÓS E O UNIVERSO 164
BLOCO CIÊNCIA TECNOLOGIA E SOCIEDADE 170

- IV-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

ANEXO 1

Protocolos dos trabalhos experimentais

-i-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 1 - Produção e propagação do som

Informação 1:
Em linguagem corrente, o conceito de som está relacionado com a audição e, sempre
que uma onda elástica se propaga num gás, líquido ou sólido e chega ao nosso ouvido, produz
vibrações na sua membrana

Informação 2:
Como sabes, foi através de sons que o Homem começou a comunicar à distância.

Previsão
Tenta explicar porque era possível esta comunicação.

O que te propomos nestas actividades é que experimentes produzir alguns sons.

Material

pandeiretas; bolas de esferovite;


diapasão; vela;
tina com água; martelo;
7 garrafas; tambor;
colher de pau. gerador de sinais
altifalante

I a Proposta de trabalho

Percute o diapasão (dá uma pequena pancada com o martelo) e observa a respectiva
vibração, atendendo ao som que produz;
Experimenta tocar no diapasão em vibração;
Percute de novo o diapasão e toca com uma das hastes na superfície da água da tina de
ondas;
Regista o efeito provocado na superfície da água;
Interpreta (dá uma explicação) o que observaste.

2a Proposta de trabalho

Percute o diapasão e rapidamente toca com ele na bola de esferovite suspensa no


suporte;
Regista as tuas observações.

3a Proposta de trabalho

Alinha 7 garrafas e deita água dentro de cada uma, mas a alturas diferentes;

-2-
Trabalho experimental em Física para o 8" ano

Sopra no gargalo de cada garrafa, de forma a pores a coluna de ar a vibrar e escuta;

Com o martelo bate levemente em cada garrafa, como se se tratasse de um xilofone e


escuta;
Descreve os sons que ouviste.

4a Proposta de trabalho

Liga o gerador de sinal ao altifalante e coloca sobre este as pequenas bolas de


esferovite.
Varia a intensidade do sinal e observa o comportamento das bolas de esferovite
Descreve o que observas e procura uma justificação.

No caso de não existir nenhum gerador de sinais, pode ser em alternativa, realizada a
seguinte actividade:

Polvilha o tambor (caixa redonda coberta com um plástico preso com um elástico) com
um pouco de açúcar;
Com uma colher de pau, bate com força na tampa da caixa de bolos colocada perto de
tambor;
Descreve o que observas.

5a Proposta de trabalho

Acende uma vela;


Pega num tubo de cartão e dirige uma das extremidades para a vela, enquanto falas pela
outra extremidade;
Regista o que observas na chama da vela;
Experimenta falar mais alto ou mais baixo;
Regista as tuas observações.

Questões para reflexão:

1 - Como é que dois astronautas podem comunicar na Lua?


2 - Na experiência das garrafas, diz de que depende o som emitido por cada uma delas
quando lhes bates com o martelo;
3 - Descreve os diferentes sons que conseguiste produzir.
4 - Compara a explicação que deste inicialmente (previsão) com os resultados da
investigação e discute-os com os teus colegas.

-3-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 2 - Movimento ondulatório

Informação:
Ao longo da tua vida, já presenciaste muitos fenómenos ondulatórios, porém, talvez
nunca tenhas reflectido sobre as suas características.
As ondas podem ser longitudinais, quando vibram na direcção da propagação, ou
transversais quando vibram perpendicularmente à direcção de propagação.
São caracterizadas pelo comprimento de onda e pela frequência.

Material:

Corda;
mola comprida;
tina de ondas;

I a Proposta de trabalho
Ondas transversais e longitudinais
1- Com a mola esticada, dá um impulso transversal à mola e observa.
2- Aperta cerca de 5 espiras da mola, solta-as e observa.
3- Compara as duas situações e indica as semelhanças e as diferenças.

2a Proposta de trabalho

1 - Coloca a tina de ondas sobre o retroprojector e, com a ponta da esferográfica, bate


levemente na superfície da água, no centro da tina e observa a propagação das ondas.
2 - Propõe um modelo para a propagação das ondas sonoras e discute-o com os teus
colegas de grupo.

3 a Proposta de trabalho

1 - Coloca a corda no chão em linha recta, segura numa extremidade e agita a corda de
modo a provocares ondas sinusoidais e observa a distância entre duas cristas.
2 - Faz variar a frequência das ondas e relaciona a distância entre as cristas
(comprimento de onda) com a frequência das oscilações.
Regista o que observas:

-4-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

4a Proposta de trabalho

Informação:
Como sabes os sons são resultantes das vibrações dos corpos, vibrações essas que se
transmitem no ar sob a forma de ondas sonoras.
O microfone é um aparelho que converte em impulsos eléctricos as ondas sonoras. Ao
serem enviadas ao osciloscópio, este permite "visualizá-las".

Visualização de uma onda no osciloscópio

Material:
gerador de sinais;
osciloscópio;
altifalante;
microfone;

a - Depois do professor ligar o microfone ao osciloscópio e o altifalante ao gerador de


sinais, regula a intensidade do som emitido pelo altifalante, de modo a ser perfeitamente
audível, sem no entanto perturbar.

b - Coloca o gerador de sinais com uma frequência de cerca de 200 Hz e observa o


osciloscópio.
c - Varia a frequência.
d - Varia a intensidade do sinal e observa a amplitude da onda.
e - Retira o gerador de sinais e o altifalante e emite som das vogais em frente ao
microfone.
f - Compara o som emitido por alguns colegas e relaciona-o com o sinal no
osciloscópio.
g - Regista o nome do colega com a vós mais aguda e do colega com a vós mais grave,
justificando as tuas opções.

-5-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 3 - Como se propaga o som

Informação
Como constataste ao longo das actividades anteriores, todos os sons resultam da
vibração de objectos, vibração essa que se propaga, até aos nossos ouvidos.

Material:

bomba de vácuo; campânula;


relógio e lanterna eléctrica; tina com água;
diapasões; instrumento percutor;
barra de metal com pelo menos 1 m de comprimento;

Previsão
Procura uma explicação de como o som se propaga desde a fonte sonora até aos nossos
ouvidos e discute a tua proposta com os teus colegas.

I a Proposta de trabalho

Depois do professor montar a bomba de vácuo, coloca o relógio e a lanterna eléctrica


acesa, sobre a base onde vai assentar a campânula. De seguida, coloca a campânula,
verificando se continuas a ouvir o tic-tac do relógio e a observar a luz da lanterna.
Liga a bomba de vácuo por forma a extraíres todo o ar da campânula e verifica se
continuas a ouvir o tic-tac e a observar a luz da lanterna.
Regista as tuas observações e compara a propagação da luz com a do som.

2a Proposta de trabalho

Coloca a tina de água sobre a mesa, retira o diapasão da caixa de ressonância e


mergulha-o na água da tina. Com o instrumento percussão dá uma pancada no diapasão.
Repete o ensaio mas fora de água e compara a intensidade do som, quando é recebido
através da água, com o recebido através do ar.

3a Proposta de trabalho

Coloca a barra sobre a mesa e com o instrumento de percussão pede a um teu colega
para dar uma pancada num dos extremos e procura ouvir o som no outro extremo.
Repete o ensaio mas agora batendo apenas na mesa e procura ouvir o som que se
propaga através da mesa.
Compara a intensidade do som ouvido, através do ar com o recebido através da barra de
ferro, ou através da mesa.

Poderás dar uma explicação para a propagação do som através da barra ou da mesa.

-6-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Questões para reflexão:

1 - Compara as observações com as tuas hipóteses iniciais.


2 - Por vezes, quando atravessamos a linha de caminho de ferro e queremos verificar
se um comboio se aproxima, encostamos o ouvido ao carril, dá uma explicação.
3 - Nos filmes de ficção científica, ouvem-se muitas explosões de naves espaciais
nos combates em pleno espaço intergaláctico. Faz uma análise crítica dessa situação.
4 - Na Lua, dois astronautas, se tirassem os capacetes, não conseguiam ouvir-se.
Dá uma explicação.

-7-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 4 - velocidade de propagação do som

Informação
Podemos determinar a que distância de nós está uma tempestade, se medirmos o
intervalo de tempo entre o relâmpago e o som do trovão. Isto deve-se ao facto de a velocidade
de propagação do som ser muito menor que a velocidade de propagação da luz.

Material:
Corda; osciloscópio;
Tiras de papel; dois microfones;
cronometro; barra metálica;
Instrumento de percussão;
I a Proposta de trabalho

Velocidade de propagação de uma onda numa corda.

A - Prende a corda numa extremidade.


B - Pede a um colega que segure na outra
extremidade.
C - Coloca as duas pequenas tiras de papel sobre a
corda, separadas de um metro.
D - Pede ao teu colega que dê um pequeno
impulso à corda.
E - Com um cronometro mede o tempo que o pulso demora a percorrer o espaço entre
as duas tiras de papel.
F - Determina a velocidade de propagação da onda na corda.

2a Proposta de trabalho

Velocidade de propagação do som em diversos materiais:

1 - Liga os dois microfones ao osciloscópio, cada um deles a uma entrada.


2 - Coloca os microfones sobre a mesa separados de uma distância d, que deves medir e
registar.

-8-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

3 - Junto a um dos microfones, dá uma palmada com as mãos e verifica no osciloscópio


o intervalo de tempo entre as duas oscilações.
4 - Repete mais duas vezes e determina o valor médio do intervalo de tempo.
d
5 - Determina a velocidade de propagação do som no ar, utilizando a equação v = —

6 - Procede da mesma forma que em c, porém, agora, dá uma pancada seca na mesa
junto ao primeiro microfone e calcula a velocidade de propagação do som na madeira.
7 - Repete para a barra de ferro.
8 - Compara a velocidade de propagação em cada um dos meios.

-9-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 5 - Variação da intensidade auditiva com a


distância do detector à fonte
Informação
Apercebemo-nos dos sons, porque, em cada caso, a vibração do objecto que produziu
o som (como a vibração que observaste no diapasão), se propagou através do ar até aos
nossos ouvidos (um corpo ao vibrar, faz vibrar tudo o que se encontra perto dele) e, assim, o
diapasão faz vibrar o ar e este faz vibrar os nossos tímpanos. O som é um fenómeno
associado à vibração de corpos. A transmissão do som é a onda sonora.
A intensidade auditiva (qualidade que permite distinguir um som forte de um som
fraco está relacionada com uma grandeza física chamada intensidade sonora. Na verdade,
quanto mais longe se encontra a fonte sonora do detector do som, maior será a área
abrangida pela sua propagação e, portanto, menor a intensidade. A energia transmitida a
cada partícula é cada vez menor e, por isso, as partículas mais distantes oscilam com menor
amplitude.
A unidade de nível sonoro, relacionada com a intensidade sonora, é o decibel (dB).

No nosso dia a dia, ouvimos simultaneamente muitos sons - pessoas a falar, buzinas de
automóveis... Através do ouvido, conseguimos distinguir com facilidade esses diferentes sons.

Previsão

Em tua opinião, por que é que ouvimos melhor os sons que estão mais próximo de nós
do que os que estão mais afastados?

Material

osciloscópio ou medidor de nível acústico; cartolina;


diapasão; alarme;
microfone; altifalante;

I a Proposta de trabalho

1 - Põe a fonte sonora em funcionamento (diapasão);


2 - Coloca o microfone a uma determinada distância da fonte sonora e regista essa
distância;
3 - Verifica a amplitude da onda;
4 - Experimenta aumentar e diminuir o volume da fonte sonora e compara novamente
as amplitudes ;
5 - Repete a experiência colocando o microfone sucessivamente a diferentes distâncias
e compara as amplitudes das ondas no osciloscópio;
6 - Tira conclusões, referindo-te a qual das distâncias corresponde uma maior
intensidade sonora, traduzida pela amplitude observada no osciloscópio e se a amplitude da
onda sonora aumenta ou diminui quando se aumenta ou diminui, o volume da fonte sonora,
ou seja, se o aumento do volume corresponde a um aumento da intensidade sonora;

-10-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Nota: No caso de a escola possuir um medidor de nível acústico, é vantajoso substituir o


osciloscópio e o microfone pelo medidor de nível acústico.

2a Proposta de trabalho

1 - Substitui o diapasão por um alarme e repete os ensaios anteriores.


2 - Com a cartolina faz uma espécie de funil.
3 - Acciona o alarme e compara a intensidade do som a mesma distância com o alarme
no interior do funil e fora do funil.

3a Proposta de trabalho

Relaciona a distância da fonte com intensidade sonora e compara com as hipóteses


formuladas no início.

Questões para Reflexão

1 Explica por que é que, muitas vezes, para nos fazermos ouvir melhor à distância,
colocamos as mãos, em concha em redor da boca.
2 - Os jovens gostam de ouvir música "muito alto", com um nível de intensidade muito
elevado. Indica quais os perigos a que estão sujeitos.

-11-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 6 ­ A tributos e qualidade do som

Informação
Muitas vezes, confundimos a altura de um som com a sua intensidade.
A altura de um som (qualidade que nos permite classificar os sons em agudos/altos ou
graves/baixos está relacionada com a frequência da onda sonora,, isto é, com o número de
oscilações por segundo.. O som agudo é um som de elevada frequência e um som grave é
um som de pequena frequência.

Material
diapasões;
gerador de sinais; flauta;
altifalante; xilofone;
microfone; viola;
osciloscópio; gravador;
viola; cassete;

I a Proposta de trabalho

1 ­ Com a ajuda do professor, liga o altifalante ao gerador de sinais e o microfone ao


osciloscópio.
2 ­ A proxima agora o altifalante do microfone, selecciona uma altura e varia a
intensidade do som.
i IdOODOO

M
■o o MJ» oSl
T ;r) T

3 ­ Repete para outras alturas;


4 ­ Selecciona agora uma intensidade e varia a altura do som.;
5 ­ Repete para outras intensidades;
6 ­ Para cada uma das situações anteriores quais as variáveis que se mantiveram
constantes e qual ou quais variaram (número de oscilações por unidade de tempo e amplitude
das oscilações);
7 ­ Compara o que observaste no osciloscópio com o som que ouviste através do
altifalante e tira conclusões, referindo se existe ou não alguma relação entre a intensidade do
som e a sua altura e relaciona a altura do som com a sua frequência.

2a Proposta de trabalho

Com a viola, investiga a altura do som, em função do comprimento, da espessura e da


tensão da corda.

-12-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

3a Proposta de trabalho

1 - Retira o gerador de sinais e percute o diapasão em frente ao microfone. Observa a


onda que se forma no osciloscópio e regista o número de ondas por segundo;
2 - Procede da mesma forma para outros diapasões e compara as frequências dos
diapasões;
3 - Com uma flauta, procura tocar uma música em frente ao microfone, variando a
duração do som;
4 - Faz vibrar uma corda da viola;
5- Aumenta a tensão dessa corda e provoca nova vibração;
6 - Regista as diferenças.

Informação:
Quando diversos instrumentos produzem a mesma nota musical, todos somos capazes
de os distinguir pelo timbre (atributo que permite distinguir dois sons com a mesma
frequência, intensidade e duração, mas produzidos por instrumentos diferentes).
Isto deve-se a cada onda emitida ser uma onda complexa (som fundamental) constituída
por uma combinação de várias ondas (sons harmónicos).

4a Proposta de trabalho

Na cassete estão gravados alguns estratos musicais. Introduz a cassete no gravador,


ouve com atenção e procura identificar cada um dos instrumentos, justificando as opções
feitas.

5a Proposta de trabalho

Procura dar a mesma nota musical na flauta, no xilofone e na viola e verifica as


diferenças entre os sons emitidos.

-13-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 7 - É possível ouvir sons de todas as


frequências?

Informação
O homem apenas consegue ouvir sons com frequência compreendida entre 20 Hz e 20
KHz, porém frequências inferiores a 20 Hz (infra-sons) e superiores a 20 kHz (ultra-sons)
podem detectados por outros animais. Por exemplo, os morcegos não vêem, no entanto eles
caçam e detectam qualquer obstáculo. Os ultra-sons também são muito utilizados pelo
homem, na cartografia dos oceanos, na pesca, na medicina etc.

Propõe hipóteses para a forma como os morcegos se orientam.

Material

apito de caça; microfone;


gerador de sinais; osciloscópio;

Proposta de trabalho

O apito de caça é usado pelos caçadores para chamarem os cães, no entanto, o som
emitido, não é ouvido pelos outros caçadores. Propõe uma explicação para esse facto.

1 - Sopra no apito de caça e verifica se ouves algum som.

2 - Depois do professor ligar o microfone ao osciloscópio e o altifalante ao gerador de


sinais, regula a intensidade do som emitido no altifalante, de modo a ser perfeitamente
audível, sem no entanto perturbar. Faz uma investigação sobre os limites de audição do
ouvido humano.
3 - Consulta o manual e compara os resultados da tua investigação com os valores
indicados no manual.

4 - Sopra novamente o apito em frente ao microfone e observa o osciloscópio.

-14-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 8 - Fenómenos associados às ondas

Informação
As interferências e a difracção são características exclusivas dos movimentos
ondulatórios.

Material:

Cordel; mola comprida;


gerador de sinais; tina de ondas;
vibrador; retroprojector;

I a Proposta de trabalho

a - Pede a um colega para segurar na extremidade do cordel. Com ele esticado, produz
na outra extremidade uma vibração e observa o que acontece.
b - Procede da mesma forma para a mola comprida com ondas transversais e
longitudinais.

2a Proposta de trabalho

Montar a tina de ondas sobre o retroprojector

Antes do professor proceder aos ensaios, formula hipóteses sobre as seguintes situações.

I o O que acontece às ondas quando encontram a superfície metálica.

2o O que acontece quando as ondas geradas por uma única fonte encontram uma
pequena fenda na barreira que divide a tina em duas partes.

3 o O que acontece quando são geradas simultaneamente duas ondas na tina.

-15-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Observa os ensaios feitos pelo professor, compara-os com as hipóteses formuladas e


procura uma justificação.

3a Proposta de trabalho

Informação:
Um dos processos de determinar a velocidade de propagação de uma onda, numa corda
ou num tubo, é gerar ondas estacionárias. Apenas como curiosidade, poderás determinar a
velocidade de propagação das ondas na corda presa nas duas extremidades pela seguinte
2//
formula v = ,em que n é igual ao número de ventres.
n
1 - Prende uma extremidade do cordel a um suporte e a outra ao vibrador e liga o
vibrador ao gerador de sinais.
2 - Liga o gerador de sinais ao vibrador e começa por seleccionar a frequência de 10
Hz.
3 - Varia lentamente a frequência e procura aquelas em que a amplitude de vibração é
máxima e compara para cada caso o número de ventres.

-16-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 9 - Difracção e interferência


Material:

fonte sonora; duas placas de esferovite;


2 altifalante; osciloscópio;
microfone; gerador de sinais;
2 diapasões de igual frequência;

Previsão:

Quando estás atrás de um muro ou de uma árvore, consegues ouvir perfeitamente os


sons que se produzem do outro lado. Procura uma explicação para esse facto.

I a Proposta de trabalho

Liga a fonte sonora e coloca, entre o altifalante e o microfone, duas placas de esferovite,
deixando entre elas uma pequena abertura e investiga o que acontece ao som, ao atravessar a
fenda.
Relaciona os resultados desta actividade com o que observaste na actividade anterior
(tina de ondas) e apresenta uma explicação.

2a Proposta de trabalho

Retira as placas de esferovite, liga outro altifalante ao gerador de sinais e cada um dos
altifalantes nos extremos da bancada.
Com o microfone ligado ao osciloscópio, investiga o que acontece à onda que resulta da
sobreposição do som dos dois altifalantes.
Quando encontrares diferenças, desliga um dos microfones e compara.
Faz um esquema que justifique os resultados da investigação.

3a Proposta de trabalho

-17-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Desliga o gerador de sinais e substitui os altifalantes pelos dois diapasões, todavia


coloca num deles uma tira de fita adesiva de modo a alterares ligeiramente a sua frequência.
Investiga o que acontece.

4a Proposta de trabalho

Na mesa de trabalho encontram-se três diapasões, dois deles com a mesma frequência e
um outro de frequência diferente.
Coloca-os a pequena distância frente a frente. Dá uma pancada num deles e tira
conclusões.

Nota: Os conceitos de difracção, interferência, batimentos e rssonância serão estudados


no ensino superior.

-18-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 10 - Reflexão e Absorção do som

Informação
Como constataste ao longo destas pequenas actividades, todos os sons resultaram da
vibração de objectos que se propagou (se espalhou) através do ar, até aos nossos ouvidos.
Isto acontece porque a vibração se vai transmitindo sucessivamente às partículas do ar,
de modo a suceder uma série de compressões e rarefacções a que se chama onda sonora.
Por exemplo, no caso da actividade com as garrafas, quanto mais curta era a coluna de
ar, mais agudo era o som produzido.

No estudo que tens vindo a fazer sobre o som, já aprendeste que as ondas sonoras se
propagam no ar.

Previsão

Explica o que acontece (em tua opinião), quando as ondas sonoras encontram um
obstáculo.

Depois de expores a tua ideia, tenta verificar se ela é concordante com o que
efectivamente se passa, realizando a actividade que se segue.

Material

2 tubos de cartolina;
Placas rectangulares de cartolina, metal, madeira, espuma, esferovite e cortiça;
1 relógio (ou outra fonte sonora);

Ia Proposta de trabalho

Começa por colocar os tubos e uma das placas conforme mostra a figura:

S?
Junto de um dos tubos coloca a fonte sonora; encosta o
ouvido à outra extremidade;

S^
Põe a fonte sonora em funcionamento e escuta;
Procede de igual modo com as outras placas;
Regista o que observas, preenchendo a tabela abaixo.

Esferovite Cartolina Metal Madeira espuma cortiça

-19-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

2a Proposta de trabalho

Isolamento do som

Material:
caixa forrada com esponja
osciloscópio ou medidor de nível sonoro
varias tampas para a caixa de diversos materiais: cartão, madeira, esferovite, cortiça,
esponja e tecido
fonte sonora (gravador)
microfone

Coloca o gravador dentro da caixa e o microfone de fora da caixa e em frente à abertura


da caixa.
Verifica a intensidade.
Sem alterares a intensidade da fonte, tapa sucessivamente a caixa com as diferentes
tampas e regista, para cada caso, a intensidade do som.

Esferovite Cartão Metal esponja tecido cortiça

Compara as duas investigações e coloca os materiais por ordem crescente de absorção


do som.
Compara a tua investigação com a tabela de coeficientes de absorção.

-20-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 11 - Efeito Doppler


Informação:
A variação da frequência com o movimento foi proposta, pela primeira vez, em 1842,
pelo físico austríaco Johann Cristian Doppler e foi testado experimentalmente em 1845, na
Holanda por Buys Ballot.

Material:
gravador cassete gravada
alarme pilha de 6 V
condutores

I a Proposta de trabalho

Na cassete estão gravados os ruídos provocados pelo motor de um automóvel e pelo seu
apito, quando parado e quando está em movimento.
Introduz a cassete no gravador, liga-o e em conformidade com o som, procura
identificar as diversas situações do carro em relação ao gravador.

2a Proposta de trabalho

Pede a um colega que faça rodar o alarme como se indica na


figura e verifica o som resultante.

Com base no que aprendeste sobre a relação entre a altura do


som e a sua frequência, procura uma explicação para o efeito de
Doppler.

-21-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 12 - Fontes de luz e propagação rectilínea da luz


Ia Proposta de trabalho
Fecha os olhos por alguns instantes e sentirás que seria muito difícil viver num mundo
sem luz.

Previsão:
Procura explicar se a luz se propaga numa direcção privilegiada, ou se se propaga em
todas as direcções.
Dá uma explicação para o seguinte facto:
Se o Sol se extinguisse neste momento, ainda veríamos a sua luz durante mais 8
minutos.

Questões:

1- A distância da Terra ao Sol é aproximadamente 1,34X108 Km e a luz do Sol demora


7 minutos e 30 segundos a chegar à Terra . Determina a velocidade de propagação da luz.
2- Qual ou quais dos objectos a seguir indicados são fontes de luz?
Sol;
Os faróis de um carro que circula de noite;
Lâmpada da sala de aula com o interruptor fechado;
Lâmpada da sala de aula com o interruptor aberto;
Lua;
Vela acesa;
A resistência de um aquecedor eléctrico em funcionamento;
O flash de uma máquina fotográfica que transportas numa mala.

Discute, com o colega da tua carteira, quais as semelhanças e as diferenças entre as


diferentes fontes de luz anteriormente indicadas.

2a Proposta de trabalho

Informação:

A luz propaga-se em linha recta e em todas as direcções.

Previsão:

Com o material a seguir indicado, propõe e desenvolve uma actividade que demonstre
que a luz se propaga em linha recta.

-22-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Material:

fios condutores; prego;


interruptor; alvo;
pilha; tubo flexível com cerca de 1 m de comprimento;
lâmpadas; cilindro de madeira;
3 cartões;

Com base na actividade anterior, propõe uma hipótese para a formação de sombras.

Desenvolve uma actividade para testar a hipótese formulada.


Faz no teu caderno diário um esquema que represente a formação da sombra de um
objecto.

Questões:

1 - Se a potência da lâmpada fosse superior e se a sua posição em relação ao cilindro de


madeira fosse a mesma, a sombra sofreria alguma alteração? Justifica.

Faz um esquema e localiza a posição da fonte luminosa.

3 - No dia 11 de Agosto de 1999, observou-se, em algumas regiões da Terra, um


eclipse solar. Como se pode explicar esse fenómeno? Completa o esquema.

O
Lua

-23
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 13 - Triângulo de visão - Até onde chega a luz


Material:

caixa de cartão com interior forrado a papel branco;


a caixa deve, ter no centro de cada uma das faces laterais mais pequenas, um pequeno
orifício e no centro da tampa um orifício maior para observação;
1 alvo;
pequenos objectos de cor (tampas de esferográfica);
dois focos de luz;
1 laser;
1 apagador;

I a Proposta de trabalho

A figura representa uma fonte luminosa, um objecto e um observador.

Propõe um modelo que interprete a forma como vemos os objectos.

Experimentalmente, vais procurar confirmar se o modelo proposto explica a visão.

Cuidados a ter em atenção:

Durante a observação, a sala deverá estar o menos


iluminada possível, as lâmpadas do tecto desligadas e as w
cortinas corridas.

Coloca os objectos no interior da caixa e tapa-a.


Coloca o alvo em frente a um dos orifícios laterais e introduz um foco da luz no seu
interior, de modo que este saia pelo outro orifício e incida no alvo.
Observa pelo orifício da tampa e descreve o que observas.

-24-
Trabalho experimental em Física para o 8 ano

2a Proposta de trabalho

Abre a caixa e, com o apagador, espalha pó de giz. Tapa­a novamente e compara com a
situação anterior. Dá uma justificação.

3a Proposta de trabalho

a) Tapa um dos orifícios laterais com papel branco, faz entrar novamente o
foco de luz pelo outro orifício e observa.
b) Substitui o foco de luz pelo laser (foco vermelho) e procede como em a)
c). Compara estas duas situações entre si e com o primeiro procedimento e
procura dar uma explicação para o mecanismo de visão.

4a Proposta de trabalho

Informação:
Observamos os objectos que nos rodeiam, porque aos nossos olhos chega a luz por eles
emitida ou reflectida. Os raios de luz, antes de chegarem aos nossos olhos, cruzam­se com
outros raios emitidos pelas fontes de luz e reflectidos por outros objectos, porém isto não
afecta a nossa visão.

Procura uma explicação para a informação.

Coloca as duas fontes de luz sobre a mesa, de modo que os respectivos focos se cruzem.
Com o apagador deita pó de giz e observa o que acontece a cada um dos focos antes e
depois de se cruzarem.

Questão:

Nos filmes do espaço, aparecem muitas vezes combates com espadas laser. Achas
que isso é possível?

■25
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 14 - Difracção e interferência

Ponto da situação:

Quando estudamos o som, aprendemos:


• O som propaga-se em todos os meios materiais;
• A velocidade de propagação depende do meio;
• O som propaga-se por meio de ondas;
• Uma onda caracteriza-se pela sua amplitude (A), pela frequência (V ) e pelo
comprimento de onda X.

Previsão:

Quando uma onda atravessa uma fenda muito estreita ou duas ou mais fendas muito
próximas, em frente a estas, aparecem zonas em que a intensidade é máxima e zonas em que a
intensidade é nula "fenómenos de difracção e interferência".
No caso da previsão se confirmar, a luz terá comportamento ondulatório? Justifica:

Material

banco de óptica (OS-8515); laser de díodo (OS-8525);


disco de fendas (OS-8523); écran;
folha de papel branco;

Cuidados a ter em atenção:


Nunca olhes de frente para o laser, podes cegar.

Ia Proposta de trabalho

Monta o laser numa extremidade do banco de óptica e coloca o disco de fendas sobre o
seu suporte, a cerca de 5 cm do laser;
Cobre o écran com a folha de papel branco e coloca-o na outra extremidade;
Liga o laser;
Roda o disco de forma a colocares diferentes tipos de fendas em frente do feixe de laser;
Para cada fenda regista o que observas no écran.

-26-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

fenda
laser écran

Propõe uma explicação para o que observas.

Informação
A onda electromagnética é uma onda transversal.

2a Proposta de trabalho

As ondas electromagnéticas também necessitam de um meio de suporte para se


propagarem?

Discute com os teus colegas uma forma ou uma situação que possa responder à questão,
recordando a experiência que fizeste na unidade do som.

-27-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 15 - polarização da luz

Informação
Até aqui aprendeste que a luz tem características ondulatórias, porém as ondas vibram
em todas as direcções. Os polaroides são constituídos por placas nas quais são inseridas
moléculas de cadeias longas, que são estiradas para se alinharem paralelamente umas às
outras. Estas placas absorvem as radiações que vibram na direcção paralela a essas moléculas
e transmitem a radiação perpendicular.

Material:
banco de óptica; 2 polarizadores; fonte de luz

I o Procedimento

Coloca, no meio do banco de óptica, um suporte com dois polarizadores e a caixa de


raios no extremo com a fonte de luz pontual, em direcção aos polarizadores.
Observa a fonte pontual através dos polaroides, ao mesmo tempo que rodas um deles
em relação ao outro.

2 o Procedimento
Desmonta o sistema e coloca um polaroide sobre o livro de física.
Coloca o segundo polaroide sobre o primeiro e roda-o lentamente.

Justifica o que observaste nos dois procedimentos.

Alternativa:

Material
Dois pares de óculos polaroides.

Coloca um par de óculos e observa os objectos à tua volta.


Segura o segundo par de óculos diante dos teus olhos.
Fecha um dos olhos e roda devagar o segundo par de
óculos, de modo que uma das lentes fique sempre sobreposta
com a lente do outro par que está no teu olho aberto.
Questão:

Também será possível polarizar as ondas sonoras que se propagam no ar ou nos


líquidos?
Justifica.

-28-
Trabalho experimental em Física para o 8° ano

Trabalho experimental n° 16 - Dispersão da luz


Formula hipóteses sobre a constituição da luz branca.

Material

CD; folha de papel branco;


caixa de raios; lente convergente;
2 ramboedros ou 2 prismas;

Ia Proposta de trabalho

Segura no C D e faz incidir sobre ele a luz do Sol ou de uma lâmpada da sala de aula.
Sugere uma explicação para o que observaste.
Com o material disponível faz uma investigação exaustiva sobre a constituição da luz
branca e de outras luzes de monocromáticas.

Nota - Podes utilizar a caixa de raios de várias formas:


Com um só raio de luz branca;
Vários raios de luz branca;
Raios de luz azul, verde ou vermelha.

2a Proposta de trabalho

a) Enche o copo com água e coloca-o à beira da mesa, faz incidir sobre ele um foco de
luz e observa o arco íris formado no chão. (Se as cores não forem perfeitamente nítidas,
coloca uma folha de papel branco, no ponto em que as cores se projectam).
b) Faz bolas de sabão, coloca-as ao sol e observa as cores.
c) Enche a tina com água, molha um pincel com verniz e deixa cair uma gota de verniz
na água da tina.
d) Coloca a tina num ponto afastado de qualquer luz directa e observa a superfície sobre
vários ângulos.

Informação:
O verniz forma uma película fina sobre a superfície da água. Quando os raios de luz
incidem na película, uma parte de cada um dos raios é reflectido na superfície de fora,
enquanto que a outra parte continua atravessando a película, sendo depois reflectida na
superfície que está em contacto com a água. Os raios reflectidos, nas duas superfícies, vão
interferir, dando origem ao padrão de cores.

Faz um pequeno relatório sobre a constituição da luz branca, confrontando as


conclusões com as hipóteses formuladas anteriormente.

-29-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Questões:
O espectro electromagnético inclui apenas as cores ou existem outras radiações?

Que fenómenos estão presentes na formação do arco-íris?

Trabalho para casa


A luz visível é apenas uma pequena parte do espectro electromagnético.
Faz uma investigação do espectro electromagnético e verifica o intervalo de frequências
e comprimentos de onda em que se situa a luz visível.

-30-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 17 - Objectos transparentes opacos e


translúcidos - Cor

Informação
O nosso mundo é um mundo alegre e cheio de cor, no entanto, já notaste que as cores
dos objectos são diferentes quando iluminados pela luz do Sol, por uma lâmpada de
incandescência ou quando iluminados pelas lâmpadas de vapor de sódio "amarelas" muito
utilizadas na iluminação pública.

Conseguimos também ver os objectos através de vidros, porém não os conseguimos ver
da mesma forma.
Sugere hipóteses sobre a cor dos objectos.

Material

quadrados de 5x5 cm de vidro de janela, vidro martelado e madeira;


quadrados de acrílico verde, azul e vermelho;
soluções coloridas;
tampas de esferográfica azul, vermelha, verde, amarela e preta;
lanterna eléctrica;
papel celofane verde, vermelho, azul e amarelo;
caixa de cartão;

I a Proposta de trabalho

Todos nós sabemos que não conseguimos ver os objectos através de paredes, porém
vemo-los perfeitamente através de uma janela.

Procedimento

Coloca cada um dos quadrados sobre o livro de Física e procura ver o que está por
baixo.
Regista as diferenças e classifica-os, em conformidade, como transmitem a luz.

2a Proposta de trabalho

Faz uma investigação sobre a cor dos objectos, regista com cuidado as tuas observações.

-31-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

3 a Proposta de trabalho

Os artistas usam pigmentos e tintas para pintarem os seus quadros. As suas cores
primárias são o amarelo, o ciano e o magenta que resultam da subtracção das cores primárias
"Azul, verde e vermelho" que incidem nesses pigmentos.
Em óptica, aquelas cores são secundárias e resultam da adição das cores primárias.

Tarefa:
Com o material disponível, combina as radiações verde, vermelha e azul e verifica a cor
resultante. Nota: com a tampa de uma esferográfica podes bloquear um dos raios.
Confirma o resultado da actividade anterior, utilizando papéis coloridos sobre os quais
deves fazer incidir as radiações.

Material

caixa de raios (raios coloridos);


lente convexa;
folha de papel colorido;
pequeno alvo que podes improvisar;
folhas de papel colorido "azul, vermelha, verde e amarela";

Procedimento:

Coloca a caixa de raios no interior da caixa e regula-a para que os raios coloridos
incidam numa das paredes, onde colocas os papéis coloridos.
Faz incidir sobre os diferentes papéis cada um dos raios (azul, verde e vermelho) e
observa.
A medida que executas as tarefas, regista os resultados e conclui sobre o efeito das
radiações sobre a cor dos objectos opacos e transparentes.

Questões:

1 - Explica por que se alterou a cor de alguns papéis, quando estes foram
iluminados por uma luz colorida.
2 - Um objecto é verde, quando iluminado com luz branca. Qual será a sua cor, se
for iluminado com luz amarela? Justifica.

-32-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 18 - Leis da reflexão

Problema
Quando estamos num compartimento de uma casa e olhamos para um espelho
poderemos ver o que se passa noutro compartimento, com a ajuda de um espelho.
Sabemos também que a nossa imagem é simétrica em relação ao espelho e tem as
mesmas dimensões.
Além disso, sabemos que vemos um objecto, quando os raios por ele emitidos entram
nos nossos olhos.
Formula hipóteses que expliquem a formação das imagens pelos espelhos planos.

I a Proposta de trabalho

Material:

vidro espelhado; caneta de acetato;


lâmina de acrílico; borracha;
caixa de raios; transferidor;
espelho plano; régua;
folhas de acetato; lápis;
folhas de papel su; placa de vidro;
lixa; livro de física;
plasticina;

Coloca o espelho plano verticalmente com a ajuda de plasticina e, em frente ao espelho


coloca o livro de física e compara-o com a sua imagem no espelho.

No nosso dia a dia, deparamo-nos com fenómenos de reflexão e de refracção, quando


vemos a nossa imagem reflectida num espelho, ou observamos objectos na água ou através do
vidro.

2a Proposta de trabalho

Coloca um lápis em frente a um espelho plano e observa a sua posição e a da sua


imagem.
Coloca o vidro espelhado sobre o livro e lê através do espelho.

-33-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

3a Proposta de trabalho

Propõe uma actividade que te confirme as leis da reflexão e te permita compreender o


modo como se formam as imagens.
Alguns conceitos:

Raio incidente - raio que incide na


superfície.
Raio reflectido - raio que se reflecte na
superfície.
Angulo de reflexão - ângulo que o raio
reflectido faz com a normal à superfície em
que incide.
Nota: podes fazer passar os raios
directamente sobre o transferidor.

4a Proposta de trabalho
Passa duas ou três vezes a lixa pela placa de vidro e substitui-a pelo espelho.
Compara a reflexão na placa com a reflexão no espelho.

Questões:
1 Já verificaste que nas ambulâncias a palavra A M B U L Â N C I A está escrita
da seguinte forma

ADMÂJUflMA
Dá uma explicação.
2 Analisa com os teus colegas de grupo as leis da reflexão, como os raios emitidos pelo
objecto chegam aos nossos olhos.
Indica onde o observador vê a imagem
do lápis formada pelo espelho. Faz um
esquema dos raios que permitem localizar a
imagem.
Confronta as conclusões com as
hipóteses formuladas inicialmente.

-34-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 19 - Espelhos curvos

Informação:
As leis da reflexão, que estudamos nos espelhos planos, também são válidas nos
espelhos curvos, no entanto as imagens são alteradas.
As imagens podem ser reais "podem ser projectadas num alvo" ou virtuais , direitas ou
invertidas, maiores, menores ou iguais aos objectos.

Material:
Caixa de raios
Espelho côncavo
Espelho convexo
Folhas de papel branco A4
Lápis

I a Proposta de trabalho

a) Coloca uma folh . de papel A4 na mesa.


b) Coloca sobre a folha o espelho côncavo,
traça o perfil do espelho e o eixo principal.
c) Ajusta a caixa de raios para cinco raios e coloca-a sobre uma folha de papel A4
e traça o percurso dos raios.
d) Localiza o foco do espelho "Ponto onde se encontram todos os raios
reflectidos" e determina a distância focal.
e) Ajusta a caixa de raios para apenas 1 raio o que acontece ao raio reflectido
quando o raio incidente :
I o passa pelo foco;
2o incide no vértice;
3 o é paralelo ao eixo principal.
Nota: não te esqueças de traçar o percurso dos raios.

2a Proposta de trabalho

Substitui o espelho côncavo pelo espelho convexo e procede da mesma forma.

Nota: Encontra o foco deste espelho, quando prolongas os raios reflectidos e este se
encontram do outro lado do espelho.

Material:

banco de óptica alvo


espelho côncavo f = + 25 cm espelho convexo f = - 25 cm
vela fita métrica
Fósforos

3 a proposta de trabalho

-35-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Monta o esquema da figura

Efectua 4 ensaios, colocando a vela a diferentes distâncias do espelho e, em cada ensaio,


desloca a posição do alvo até encontrares uma imagem nítida da chama projectada no alvo.
Se não conseguires encontrar essa imagem, olha directamente para o espelho.
Regista, em cada caso, a posição e o tamanho da imagem em relação ao objecto.
Classifica cada uma das imagens obtidas nas quatro situações como reais ou virtuais.

4a proposta de trabalho

Substitui o espelho côncavo pelo espelho convexo e procede da mesma forma.

Nas figuras, estão representados espelhos curvos e um objecto. Traça um diagrama de


raios. Localiza e classifica a imagem.

Questão:
Em alguns cruzamentos, encontram-se espelhos curvos.
Indica a utilidade desses espelhos e classifica-os como côncavos ou convexos. Justifica.

-36-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 20 - Refracção e reflexão total

Informação
A luz não se propaga com igual velocidade em todos os meios ópticos. É máxima no ar
e menor nos outros meios.
Quando a luz atravessa uma superfície de separação de dois meios, ela muda de
direcção, a não ser que incida perpendicularmente a essa superfície.
Quando a luz se propaga num meio e incide numa superfície de separação de um outro
meio menos réfringente, a partir de determinado ângulo de incidência, ocorre reflexão total.

Fundamentos teóricos.
Em geral, quando a luz incide numa superfície de separação de dois meios
transparentes, parte dela reflecte-se e parte refracta-se.

Material:
placa de acrílico; lápis;
folhas de papel a*; régua;
fonte de raios; transferidor;
caneca metálica; moeda;
laser; tina;

I a Proposta de trabalho

Coloca a placa de acrílico sobre o livro e compara a posição das letras que vês através
da placa com a posição das que observas directamente.
Fórmula hipóteses que expliquem o que observas.

2a Proposta de trabalho

Substitui a superfície espelhada que utilizaste no estudo da reflexão pela placa de


acrílico e propõe uma actividade para testar as hipótese formuladas.
Nota: deves traçar com o lápis, na folha de papel, o percurso dos raios, medir todos os
ângulos e registá-los .

Analisa e discute com os teus colegas as hipóteses formuladas.

-37-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

3a Proposta de
trabalho
Substitui a placa de
acrílico rectangular pelo semi
circulo de acrílico e verifica
o ângulo a partir do qual a
luz não atravessa a interface
acrílico ar.

4a Proposta de trabalho

Coloca uma moeda no fundo da caneca


metálica. Baixa-te lentamente até deixares de
ver a moeda.
Sem alterares a tua posição, deita água
no copo até veres novamente a moeda.
Procura uma explicação e traça um raio
luminoso desde a moeda até entrar no olho de
um observador.

5a Proposta de trabalho

Coloca a tina com água sobre a bancada e faz incidir na superfície da água o feixe laser.
Pede a um colega que, com o apagador, deite pó de giz sobre o feixe e observa todo o
percurso do feixe.
Faz um esquema que ilustre a situação.

Questões para reflexão.


1 - Qual seria o percurso do feixe luminoso, se este partisse do interior da água?

2 - A Joana precisava de comprar uma camisola. Parou na vitrina de uma montra


que expunha camisolas. Verificou com espanto que via mais nítida a sua imagem que as
camisolas que estavam na montra.
Indica, explicando, qual a região mais iluminada: o interior da montra ou o exterior
onde se encontrava a Joana?
3 - Já observaste que quando os vidraceiros estão a colocar vidros numa casa, num
prédio ou numa loja, pintam uma cruz branca nos vidros. Procura uma explicação para
essa atitude.

-38-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 21 - Lentes delegadas

Teoria
O foco de uma lente convergente é o ponto onde convergem os raios luminosos que
incidem na lente e são paralelos ao eixo principal.
O foco de uma lente divergente, é o ponto de onde parecem divergir os raios que
incidem paralelamente ao eixo principal.
Um lente tem sempre dois focos e nas delgadas são equidistantes de um e outro lado da
lente.
A distância focal (/) é a distância medida do meio da lente ao foco. É positiva para as
lentes convergentes e negativa para as divergentes.

A potência ou vergência de uma lente é o inverso da distância focal p = — a unidade


/
de potência é a dioptria (D).

Material
caixa de raios; folhas de papel a4;
2 lentes convergente; régua;
1 lente divergente; lápis;

Num dia de sol, se utilizarmos uma lupa, podemos incendiar um fósforo. Dá uma
explicação e faz um esquema explicativo.

I a Proposta de trabalho

Numa folha de papel desenha o perfil de uma lente convergente

Traça uma linha a unir os bordos da lente e outra linha perpendicular àquela "eixo
principal" como se ilustra na figura.
Localiza os focos da lente. Mede a distância focal e determina a potência da lente.
Procede da mesma forma para as outras lentes.

-39-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Resultados
Lente convergente Lente convergente Lente divergente
1 2
Distância focal
Potência

Localização das imagens

A imagem de um ponto pode ser determinada, traçando dois raios a partir do ponto
objecto em direcção à lente.
No ponto onde eles se voltarem a encontrar ou se encontrem os seus prolongamentos,
está localizada a sua imagem.

2a Proposta de trabalho

Com a caixa de raios regulada apenas para um raio traça o percurso de raios luminosos
que incidam nas lentes nas seguintes situações:
Paralelos ao eixo principal
A passar pelo foco da lente
No ponto em que o eixo principal intersecta a lente

Utiliza, para cada lente, nova folha de papel. Traça o perfil da lente e representa os

Questão:
É costume afirmar que, no verão, muitos incêndios nas florestas são provocados por
objectos de vidro abandonados. Procura uma justificação para essa afirmação.

-40-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 22 - Caracterização das imagens dadas por


lentes
Material
Banco de óptica Lentes convergentes f= + 2 0 c m e f = + 10cm
Alvo Lente divergente f = -15 cm
Caixa de raios

Informação:
Tal como nos espelhos curvos, as imagens obtidas pelas lentes também dependem do
tipo de lentes que estamos a utilizar.

Procedimento:
1 - Faz a montagem como indica a figura, utilizando as lentes indicadas na tabela.

2 - Coloca a caixa de raios na posição zero da calha do banco de óptica, com a figura
em direcção à lente.
3 - Coloca a lente no banco de óptica, de modo que o objecto fique à distância indicada
na tabela.
4 - Antes de ligares a fonte de luz, faz um esquema, no caderno, do percurso dos raios
luminosos e classifica o tipo de imagem que esperas obter.

5 - Liga a caixa de raios, desloca o alvo até encontrares uma imagem nítida. No caso de
não conseguires encontrar nenhuma imagem projectada no alvo, observa a fonte através da
lente e com o outro olho procura localizar a posição da imagem "podes utilizar um lápis até
que te pareça que a imagem obtida através da lente, se sobrepõe ao lápis".

-41-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Tipo de lente Posição do Posição da Real Maior Direita


objecto imagem ou Menor ou Ou
relativamente à relativamente à virtual igual Invertida
lente lente
Convergente 50 cm
(raio = 40 cm) 40 cm
f = + 20cm 30 cm
10 cm
Convergente 25 cm
(raio = 20 cm) 20 cm
f=+10cm 15 cm
8 cm
Divergente 50 cm
40 cm
f = -15cm 30 cm
10 cm

Questões:
1- Indica as diferenças entre as imagens reais e virtuais.
2- As máquinas de projectar utilizam lentes convergentes ou divergentes?
Explica.

-42-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 23 - Miragens

Informação:
Aos viajantes do deserto, muitas vezes, parece-lhes ver água, onde apenas existe areia
aquecida.
Também, quando no verão viajamos numa estrada asfaltada, parece que à nossa frente a
estrada está molhada. Todavia quando nos aproximamos, ela está completamente seca.

Estes fenómenos designam-se por miragens. Formula hipóteses sobre a formação de


miragens.

Material:
tina comprida;
água;
4 pacotes de açúcar ou sal;
laser;

Proposta de trabalho
Coloca água na tina, sem entornares e, com cuidado, espalha ao longo da tina o açúcar
dos quatro pacotes", sem provocares qualquer agitação na água da tina.
Espera cerca de dez minutos e faz incidir o foco num dos topos da tina e observa.
Nota: a preparação da solução açucarada pode ser feita anteriormente pelo professor.

Compara o trajecto do feixe com as hipóteses anteriormente formuladas.

" No dia anterior, deve o professor colocar a tina com água no local da experiência e espalhar na tina o açúcar de
6 pacotes sem homogeneizar a solução.

-43-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 24 - Detector de luz

Informação:
A intensidade de corrente eléctrica que passa no circuito é directamente proporcional à
intensidade de luz que incide no fototransistor.

Material:
fototransistor tipo TL 78 ou um LDR; condutores;
resistência de carvão 5,6 kí2; bananas ou crocodilos;
miliamperímetro; esferográfica tipo Bic transparente e vazia;
fonte de alimentação 6 V;

J o R
mA Resistência

4
4 LDR fototransistor

O circuito esquematiza o modo como funciona o fototransistor.


Liga as bananas, a resistência e o fototransistor e insere o fototransistor e a resistência
no interior da esferográfica.
Liga o circuito exterior à fonte e ao miliamperímetro.
Coloca uma fonte luminosa (lâmpada) sobre a mesa e acende-a.
Coloca o detector de luz a 20 cm da lâmpada e ajusta a sua direcção, de forma que o
miliamperímetro indique o valor máximo.
Afasta o detector para outras posições e procede do mesmo modo.
Regista as leituras na tabela.

Distância Leituras no miliamperímetro (mA)


(cm)

Podes repetir os ensaios para outras fontes.

Questões:
1 As leituras efectuadas correspondem apenas à intensidade da luz da lâmpada?
Explica.

2 Quais as condições experimentais para que as leituras correspondam à intensidade


da luz da fonte?

-44-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 25 - Olho humano

Informação
Na aula anterior, foi analisada a constituição do olho humano. A luz proveniente dos
objectos converge a partir do cristalino, de modo a que as imagens se formem na retina
"superfície sensível à luz".
Como sabes algumas pessoas vêem mal ao longe "olho míope", outras vêm mal ao
perto "hipermetropia ".

Material:
banco de óptica;
fonte de luz;
lentes de distância focal (-150 mm, 100 mm, 200 mm e 250 mm);
alvo;

Procura com este material simular um olho humano:


1 - normal
2 - míope
3 - hipermétrope

Faz esquemas.

Procedimento experimental:

Utiliza a fonte como objecto, o alvo como retina e a lente de f = 100 mm como
cristalino.
Fixa o "cristalino" no banco de óptica e desloca a retina até encontrares uma imagem
nítida.
1 - Desloca ligeiramente a retina em direcção ao cristalino, até que a imagem apareça
desfocada.
Antes de prosseguir, identifica a deficiência de visão e o tipo de lentes que deves utilizar
como óculo, para corrigir a deficiência.
Como não temos muitas lentes, procede do seguinte modo:
Coloca a lente que serve de óculo em frente à retina e desloca-a até encontrares
novamente uma imagem nítida na retina.
2 - Retira a lente que serviu de óculo e ajusta novamente a retina, até encontrares
novamente uma imagem nítida.
Afasta ligeiramente a retina do cristalino, de modo que a imagem fique desfocada.

-45-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Procede como anteriormente.

Escreve as conclusões

Questões:

1 O oftalmologista, para receitar o tipo de lentes, a fim de corrigir os defeitos de visão,


possui um conjunto muito grande de lentes. Como é que ele procederá para identificar as
lentes necessárias à correcção dos defeitos de visão?

2 As lentes dos óculos do João têm uma potência de - 0,75 D, enquanto que a potência
dos óculos da Teresa são de 0,5 D.
2.1 Identifica os defeitos de visão de cada um deles.

2.2 Determina a distância focal de cada uma das lentes.

-46-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 26 - Persistência de visão

Informação:
Uma fita cinematográfica é constituída por uma longa série de fotografias transparentes
que passam rapidamente de modo que, quando observamos uma fotografia, ainda temos na
retina a imagem da anterior, dando assim a sensação de movimento.

Material:

cartolina branca; vara de madeira;


lápis de carvão e lápis de cor; alvo;
tesoura; slide;
fio; máquina de projectar;

I a Proposta de trabalho:

Corta um rectângulo de cartolina branca com tamanho idêntico ao da figura.


Desenha ou copia numa face o pássaro e na outra a gaiola.
Faz dois orifícios e prende a cada um deles um fio.
Faz rodar rapidamente o rectângulo de cartolina e interpreta o que observas.

2a Proposta de trabalho:

Introduz um slide na máquina de projectar e foca-a para um alvo. Depois de focada,


retira o alvo. Pede a um colega para, nesse local, agitar rapidamente a vara de madeira.
Explica o que observas

-47-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 27 - Fibras ópticas

Informação:
Na sociedade dos nossos dias, justamente chamada de sociedade da informação, as
telecomunicações desempenham, nas suas diferentes vertentes (telefone, televisão,
informação computarizada), um papel fundamental. As fibras ópticas actuam como guias de
ondas, que são sucessivamente reflectidas ao longo de toda fibra.

Material

um foco de luz;
tira de acrílico com cerca de 1 m de comprimento e uma secção quadrada de cerca de 1
cm2;
laser;
fibra óptica;

I a Proposta de trabalho:

Faz incidir o foco de luz na extremidade da fibra óptica e aponta a outra extremidade
para uma folha de papel branco. Regista o que observas e dá uma explicação.

2a Proposta de trabalho

Coloca a tira de acrílico num suporte e faz incidir, numa das extremidades o laser.
Nota: O raio de laser é muito potente e se incidir no olho pode cegar. Assim, nunca
olhes de frente, nem o apontes para os teus colegas.
Compara com a explicação dada anteriormente.

-48-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 28 - Construção de uma máquina fotográfica

Material:

cartão forte;
lente convergente com uma distância focal de 20 cm;
cola;
papel vegetal ou vidro fosco;

Constrói duas caixas com cerca de 22 cm de profundidade e 10 cm de cada um dos


outros lado. Uma delas deve ser ligeiramente inferior, de modo que possa deslizar no interior
da outra, sem contudo permitir a entrada de luz.
Corta o fundo de uma das caixas, deixando, no entanto, um rebordo de cerca de 1,5 cm
e cola nesse rebordo o papel vegetal. No centro da outra caixa, faz um orifício com o diâmetro
um pouco inferior ao diâmetro da lente e fixa-a.
Nota: O tamanho da caixa deve ser ligeiramente superior à distancia focal da lente
utilizada. Assim, se não arranjares uma lente com essa distância focal, constrói a caixa de
acordo com a lente. Se não conseguires arranjar nenhuma lente, podes ainda construir a
máquina fotográfica. Porém, os resultados não são tão satisfatórios, para isso deves fazer a
seguinte alteração:
Cola no orifício da lente papel de alumínio e faz um pequeno orifício nesse papel.
Depois da máquina construída, aponta-a para uma árvore ou uma casa. Observa a
imagem que se forma no papel vegetal e caracteriza-a.

-49-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 29 - Caixa mistério

Material:
caixa fechada com alguns componentes
eléctricos;

Ia Proposta de trabalho

Identifica os componentes que estão no


interior da caixa e faz um esquema do circuito eléctrico que exemplifique como a lâmpada
acende.

2a Proposta de trabalho

Pede ao professor o material que julgas necessário e verifica se o circuito funciona.


No caso de não funcionar, procura uma explicação.

-50-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 30 - Geradores de corrente contínua

Informação:
Geradores são dispositivos que transformam algumas formas de energia em energia
eléctrica.

Material:
um colector de células fotovoltaicas;
uma ventoinha;
um motor;
duas tinas;
condutores;
Ao longo da unidade, já utilizamos várias vezes, como gerador de energia eléctrica, a
pilha. E do teu conhecimento, porém, que os automóveis usam acumuladores "bateria". Indica
as semelhanças e as diferenças entre a pilha e o acumulador.

Ia Proposta de trabalho:

Liga o colector de células fotovoltaicas à ventoinha ou ao motor e coloca o sistema


num ponto onde incida luz do sol. Se na sala não entrar nenhuma luz solar, faz incidir sobre as
células fotovoltaicas um foco de luz.

Questões:
1- Indica as transformações de energia que ocorrem no sistema.

2- Em que situações e em que zonas da Terra será mais rentável utilizar este processo de
produção de energia eléctrica?

2a Proposta de trabalho:

Material:
Limões
Placas de cobre
Placas de zinco
Um multímetro
Um LED

Com o material indicado, monta o esquema da figura,(antes de colocares as placas,


macera um pouco o limão) e o voltímetro às placas.
Coloca em série duas ou três pilhas (limões com as placas) e liga um LED aos terminais
da associação.
Regista o que observas.

-51-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Nota: A pilha, construída com o limão, tem uma f e m um pouco inferior a 1 V e uma
resistência interna muito elevada. Para além disso, funciona durante pouco tempo, porque
polariza rapidamente. No entanto, volta a funcionar quando se limpam os eléctrodos.

3 a Proposta de trabalho:

Material:

2 pilhas
3 lâmpadas e respectivos suportes
1 Interruptor
Condutores

Faz um esquema de um circuito com três lâmpadas em série, um interruptor e uma


pilha.
Monta o circuito e observa o brilho das lâmpadas.
Prevê como varia o brilho das lâmpadas, se colocares em série com a primeira pilha,
uma segunda e, depois, uma terceira.

Verifica experimentalmente e tira conclusões.

Questões:
1- Indica as transformações de energia que ocorrem no sistema.
2- Quais as semelhanças e as diferenças entre a pilha construída na segunda proposta e
uma pilha comercial?

-52-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 31 - Diferença de potencial /corrente eléctrica

Material:
Interruptor; multímetro;
Pilha; fios condutores;
fonte de corrente contínua; lâmpada;

I a Proposta de trabalho:

Observa o circuito da figura e assinala com uma cruz a ou as afirmações verdadeiras:

Com o interruptor aberto:


Há corrente na lâmpada
Há corrente na pilha

Justifica

A diferença de potencial nos terminas da pilha (1,2) tem o valor de 6 V.


Existe d. d. p.:
nos terminais da lâmpada (3,4)
nos terminais do interruptor (5,6)

Justifica.

Supõe que se fecha o interruptor.


Nestas condições:
Há corrente na lâmpada
Há corrente na pilha
Existe d. d. p.:
nos terminais da pilha (1,2)
nos terminais da lâmpada (3,4)
nos terminais do interruptor (5,6)
Justifica as tuas opções.

Supõe, agora, que deixas o circuito ligado durante 10 minutos. O que acontece ao brilho
da lâmpada durante esse intervalo de tempo? Justifica.

-53-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

No caso de substituirmos a pilha por uma fonte de tensão (fornece tensão constante),
o que acontece ao brilho da lâmpada durante os mesmos dez minutos? Justifica.

2a Proposta de trabalho:

Monta o circuito e testa as tuas opções.


Compara os resultados da investigação com as hipóteses formuladas e procura uma
explicação.

-54-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 32 - Há conservação da carga?


Material:

pilha de ou fonte de corrente contínua; fios condutores;


três amperímetro de ponteiro ao centro; duas lâmpadas;
resistência; interruptor;

Ia Proposta de trabalho

Na figura está esquematizado um circuito eléctrico constituído por uma pilha, duas
lâmpadas e três galvanómetros (amperímetros).

Supõe que o ponteiro do amperímetro Al se desloca uma unidade para a direita. Prevê o
que acontece aos ponteiros dos amperímetros A2 e A3.

Amperímetro A2:

Não se desloca
Desloca-se uma unidade para a direita
Desloca-se mais que uma unidade para a direita
Desloca-se menos que uma unidade para a direita
Desloca-se uma unidade para a esquerda
Desloca-se mais que uma unidade para a esquerda
Desloca-se menos que uma unidade para a esquerda

Amperímetro A3:

Não se desloca
Desloca-se uma unidade para a direita
Desloca-se mais que uma unidade para a direita
Desloca-se menos que uma unidade para a direita
Desloca-se uma unidade para a esquerda
Desloca-se mais que uma unidade para a esquerda
Desloca-se menos que uma unidade para a esquerda

-55-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Justifica as tuas opções.

Supõe, agora, que se retira o amperímetro A2 e, no seu lugar, se coloca uma resistência.

A3

I
O&HnmaaBanilHBS^ÉI

A/WV

Prevê o que acontece nesta situação aos ponteiros dos amperímetros Al e A3.

Amperímetro Al:

Desloca-se uma unidade para a direita


Desloca-se mais que uma unidade para a direita
Desloca-se menos que uma unidade para a direita
Desloca-se uma unidade para a esquerda
Desloca-se mais que uma unidade para a esquerda
Desloca-se menos que uma unidade para a esquerda

Amperímetro A3:

Não se desloca
Desloca-se uma unidade para a direita
Desloca-se mais que uma unidade para a direita
Desloca-se menos que uma unidade para a direita
Desloca-se uma unidade para a esquerda
Desloca-se mais que uma unidade para a esquerda
Desloca-se menos que uma unidade para a esquerda

Justifica as tuas opções.

-56-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

2a Proposta de trabalho

Monta os circuitos e confronta os resultados com as hipóteses formuladas


anteriormente. Procura uma explicação.

-57-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 33 - Resistência dos condutores - Bons e maus


condutores da corrente eléctrica
Material:

fios de cromoníquel de diferente secção e comprimento;


fios de tungsténio de diferente secção e comprimento;
elástico;
pilha;
amperímetro;
multímetro;
interruptor;

Informação
A resistência de um condutor é a oposição desse condutor à passagem da corrente
eléctrica e é uma grandeza física característica desse condutor a determinada temperatura.

Formula hipóteses sobre os parâmetros de que depende a resistência dos condutores.

I a proposta de trabalho

Confirma as tuas hipóteses,


ligando aos terminais 1 e 2 do circuito
os diversos condutores de cromoníquel
e tungsténio.
Antes de ligares o circuito,
verifica para cada caso, a resistência
do condutor com o multímetro a
funcionar como ohmímetro.

Condutor Comprimento Secção Intensidade de R/Q


corrente

Tungsténio

Cromoníquel

Completa a tabela e conclui.

-58-
Trabalho experimental em Física para o 8° ano

2a proposta de trabalho:

Coloca entre os terminais le 2 um elástico.


O que podes concluir?

3 o Proposta de trabalho

Informação
Designa-se por reóstato uma resistência variável que se introduz em série num circuito,
com a finalidade de variar a corrente no circuito.

Construção de um reóstato:

Monta, depois, o circuito da figura e desliza o


crocodilo C, ao longo do fio fino. Observa o brilho da
lâmpada.

Questões:
Por que é que o brilho da lâmpada aumenta quando
aproximas o contacto da pilha?
De que depende a resistência deste reóstato?

Nota: Não deve utilizar-se fio de cobre para


construir o reóstato, porque tem uma resistência muito
pequena.

-59-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 34 - Lei de Ohm

Informação:
Diz-se que um condutor é óhmico, quando a sua resistência a determinada temperatura
não depende da diferença de potencial aos seus terminais.

Material:
3 resistências; 1 interruptor;
1 fonte de corrente; condutores;
1 amperímetro; 1 voltímetro;
lâmpada 12 v e respectivo casquilho; 1 termístor;
pilha; crocodilos;
fio de aço ou cromoníquel fino com cerca de 2,0 m de comprimento;

I a proposta de trabalho

Formula hipóteses sobre a resistência dos condutores e, no final, discute-as em grupo.

Esquematiza o circuito da figura e monta-o.


Lê o valor de cada uma das resistências, através
do código de barras.

Para cada resistência, regula a fonte para uma


diferença de potencial. Liga o interruptor e regista os
valores indicados pelo amperímetro e pelo voltímetro.
Faz novas leituras para outros dois valores de
diferença de potencial na fonte.

R/a U(V) 1(A) U


I
Resistência 1

Ri=
Resistência 2

R2=
Resistência 3

R3=

-60-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Com os valores da tabela, constrói o gráfico que relaciona o valor da intensidade de


U("\A A corrente que atravessa o
condutor com a d. d. p. aos seus
terminais.

O que podes concluir


acerca da resistência dos
condutores à passagem da
corrente eléctrica?
Compara os resultados da
investigação com as hipóteses
-> 1(A) formuladas.

2a proposta de trabalho:

Com um multímetro, mede a resistência da lâmpada de 12 V.


Utiliza condutores e um interruptor e liga-a à fonte de corrente na posição de 12 V,
durante cerca de 5 minutos. No final, retira a lâmpada com cuidado, para não te queimares e,
mede novamente a sua resistência. Dá uma explicação.

3a proposta de trabalho:
Com um multímetro, mede a resistência de um termístor à temperatura ambiente.
Introduz o termístor, primeiro, em água com gelo e depois em água quente. Mede, em
cada caso, a sua resistência.
Conclui.

Questão para reflexão:

Como sabes, os condutores estão normalmente cobertos por plástico ou borracha. Dá


uma explicação fundamentada.

-61-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 35 - circuitos em série e em paralelo

Conceito:
Os receptores podem ser associados em série, em paralelo ou misto. Cada um dos
circuitos tem as suas aplicações.

Material:

fonte de tensão; 3 casquilhos;


voltímetro; amperímetro;
6 lâmpadas (três igual potência e três de potência diferente); 4 interruptores;

Observa com atenção os circuitos l e u

A. ^ \ Fonte ^ - - ^ A.
— • - • -•-•-
L2 L,
M

Quando estão as três lâmpadas ligadas, indica o que acontece ao brilho das lâmpadas no
circuito I quando:
se retira a lâmpada 1
se retira a lâmpada 2
se retira a lâmpada 3.

Procura uma explicação.

E se procedermos da mesma forma no circuito H?

I a Proposta de trabalho

Monta o circuito I, e verifica as hipóteses formuladas. Dá uma explicação.

-62-
Trabalho experimental em Física para o 8a ano

Vais agora investigar o que acontece ao brilho das lâmpadas, à intensidade de corrente e
à d. d. p. ao longo do circuito, quando se aumenta o número de lâmpadas, colocadas em série
no circuito.
Em primeiro lugar, começa por colocar apenas uma lâmpada no circuito e verifica a
d.d.p. aos terminais da lâmpada e a intensidade de corrente que a percorre.
Coloca a segunda lâmpada em série com a primeira e verifica a d.d.p aos terminais de
cada uma das lâmpadas e da associação, bem como a intensidade de corrente que as percorre.
Coloca agora três lâmpadas em série e recolhe as respectivas leituras.

Notas:
1 Em cada ensaio, mantém constante a tensão da fonte.
2 Para cada ensaio, faz três leituras e regista o valor médio.

U(V) U asso \v) 1(A) R(Q)


Li
L1+L2

Li + L2 + L3

Interpreta os dados recolhidos.

2a Proposta de trabalho

Procede da mesma forma para o circuito II "associação em paralelo" no entanto, nesta


associação, mede não só a intensidade de corrente que atravessa cada uma das lâmpadas, mas
também a que atravessa o condutor que está ligado directamente à fonte.

U(V) Uasso \ y ) IL (A) Ip(A) R(Q)


L,
Li + Lz
u, II Ri
u, II Ri
u2 I2 R2
L! + L2 + L3
u, II Ri
u2 I2 R2
u3 I3 R3

Interpreta os dados e responde à seguinte questão:

Como estão ligadas as lâmpadas em nossas casas? Explica.

-63-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 36 - Efeito magnético da corrente eléctrica

Informação
Designa-se por corrente contínua a corrente que tem um sentido constante e por corrente
alternada a corrente cujo sentido varia periodicamente.

Material:
fonte de corrente contínua e corrente alternada;
condutor rectilíneo;
interruptor;
fonte de corrente;
fios condutores;
agulha magnética;
lâmpada e suporte;
osciloscópio;

I a Proposta de trabalho:

Monta o circuito da figura, fazendo passar o


condutor rectilíneo, por cima da agulha magnética. Não te esqueças de intercalar no circuito
um interruptor "não indicado na figura".
Coloca a fonte em corrente contínua.
Fecha o interruptor e observa o que acontece à agulha magnética.
Desliga o interruptor e observa novamente o que acontece à agulha magnética.
Com o interruptor aberto, altera as ligações na pilha, por forma que, quando o
interruptor for novamente ligado, a corrente circule em sentido contrário.
Dá uma explicação para o que observaste.

2a Proposta de trabalho:
Como se comporta a agulha magnética, se o condutor rectilíneo for atravessado por
corrente alternada? Justifica.

Verifica a tua hipótese, colocando a fonte a fornecer corrente alternada.

3a Proposta de trabalho:
Faz o esquema de um circuito com uma lâmpada alimentada pela fonte e monta-o.
Liga o osciloscópio aos terminais da lâmpada.
Verifica o sinal no osciloscópio, quando a lâmpada é alimentada por corrente contínua e
por corrente alternada.
Procura uma justificação para a diferença do sinal.

-64-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 37 - Efeitos químicos da corrente eléctrica

Informação:
Quando uma corrente eléctrica atravessa um líquido condutor "electrólito", provoca
determinadas reacções químicas. Este processo designa-se por electrólise e é muito utilizado
na indústria.
A electrólise da água consiste na sua decomposição nos elementos que a constituem
(oxigénio e hidrogénio), por acção da corrente eléctrica. No ânodo, ligado ao pólo positivo,
forma-se o oxigénio e, no cátodo, ligado ao pólo negativo, forma-se o hidrogénio .

Material:
Voltâmetro;
fonte de corrente contínua;
interruptor;
condutores;
dois tubos de ensaio;
esguicho com água destilada;
ácido sulfúrico 0,1 mol/dm3;

Procedimento:
Liga o voltâmetro a uma fonte de corrente contínua
e regula a fonte para 6 V.
Com o interruptor aberto, deita água destilada no voltâmetro, até cerca de três quartos
da sua capacidade.
Com cuidado, enche um tubo de ensaio com a mesma água e introdu-lo no voltâmetro
sobre um eléctrodo (observa a figura).
Procede da mesma forma para o outro tubo de ensaio.
Liga o interruptor e observa.

Desliga o interruptor e adiciona, com cuidado, algumas gotas de ácido sulfúrico à água e
observa o que acontece.
Deixa o voltâmetro ligado cerca de 10 minutos e compara os volumes de gás em cada
um dos tubos.

Questões:
1 Explica o facto de não ocorrer qualquer reacção química, antes de adicionares o ácido.

2 - Relaciona a quantidade de hidrogénio com a quantidade de oxigénio que constituem a


água.

-65-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 38 - Potência e energia

Informações:
Potência é a energia transferida por unidade de tempo.
A potência, indicada numa lâmpada ou num aquecedor, só é correcta, quando estão
submetidas à d. d. p. indicada pelo fabricante.
A unidade do sistema internacional de energia é o joule (J), porém, em energia eléctrica,
é mais comum utilizar-se o quilowatt hora (kWh).
E= P*t.

Material:
fonte de tensão; 3 lâmpadas de potência diferente;
voltímetro; amperímetro;
condutores;

Ia Proposta de trabalho.
Faz um esquema de um circuito, com uma lâmpada, um interruptor e uma fonte de
alimentação.

Para cada lâmpada, verifica as informações dadas pelo fabricante e regula a tensão da
fonte em conformidade.
Preenche a tabela com os valores registados e determina a resistência de cada uma das
lâmpadas. Não te esqueças de efectuar três leituras para cada caso e registar o valor médio.

Potência/lâmpada UÇV) 1(A) R(Q) U*I R*I2

Discute os resultados em grupo e tira conclusões.

Questão: Supõe que as lâmpadas estavam acesas naquelas condições, durante 10


minutos.
Determina, para cada lâmpada, a energia dissipada por efeito de joule.

-66-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

2a Proposta de trabalho:

Repete os ensaios anteriores com tensões diferentes das indicadas nas lâmpadas e
conclui.

Potência/lâmpada U(V) 1(A) R(Q) U*I R*I2

3a Proposta de trabalho:

Observa os esquemas dos circuitos I e II

^3
I II
As lâmpadas 1 e 3 têm a mesma potência e a lâmpada 3 é de menor potência.
Compara o brilho de cada uma das lâmpadas, em cada um dos circuitos. Explica.

O que acontece ao brilho de cada uma das outras lâmpadas, se a lâmpada 1 do circuito I
fundir?

O que acontece ao brilho das outras lâmpadas se fundir a lâmpada 3 do circuito H?

E se fundir a lâmpada 1 do mesmo circuito?

4a Proposta de trabalho

Verifica experimentalmente as hipóteses anteriormente formuladas ou


mesmo outros circuitos.

-67-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 39 ­ Custo da energia

Informação:
As lâmpadas economizadoras são mais caras, porém duram cerca de oito vezes mais que
as lâmpadas de incandescência e têm muito maior rendimento, de tal forma que uma lâmpada
economizadora de 11 W produz, nas mesmas condições, a mesma iluminação que uma
lâmpada de 60 W".

Material:

Candeeiro; tomada;
contador de energia; lâmpada fluorescente economizadora de 11 w;
lâmpada de incandescência de 60 w;

I a Proposta de trabalho

EN
t&te h t c t r l e l d a d * dk> M o r t . , S . A .

-J -!
- - 4 - 4(/)
2 •5
UNPAOC COMERCIAL
VILA REAL SIMPLES <- 20,7
PERÍODO OE FACTURAÇÃO
1999-11-16 1999-12-16 59912069919
N« FACTURA NIR
0353246801991216

g •£

esI
8
TPO DC CONSUMO LEI1.
A NIEROR IBT.A CTUA l W O DE lílTURA F. M U I CONSUMO F A C T U R A D O (kWh) PREÇO VAIOR IV
A
te GRAFICO DE FACTURAÇÃO ( E K . ) 1999-07-16 (kWfl>
A NTERDR NO PERÜDO (FjcA Wn)

Si
11900 ELECTRICIDADE 59119 2142 510 17,78 9068,0 1
ses a a 10200
î"S 8500
*ZÎ ce
MOO
s 5100
< 3400
1700
IVA 1 ( 5,OX X 10088,00 ■

11 8 O J F H A H J J A S O N D
Ë 99 POTENCIA < 3 , 4 5 KVA ) 1010,0 1
« s TAXA DE EXPLORA ÇÃO (DOE) 10,0 1
GASTO MEDO DIABO ( 3 6 6 DIAS) : 1 3 7 $ TAXA RS ( D L - 3 8 9 / 7 6 ) 278,0

~ H IVA TOTA L 504,0

10870.0
■ M i M « F M O l * M * l a r i l . V M 4Mt-KRTO fli^ilili ««OK:» l'UHTO t.'mi WC • M I W Til r ^ M t i i W r I I I 1 1 I

A factura recibo da electricidade resulta das leituras do contador de energia.


Quanto mais elevada for a potência de um aparelho e quanto mais tempo estiver em
funcionamento, maior é a energia utilizada e maior é a despesa no final do mês.
Podes determinar a conta de electricidade de um aparelho a partir da seguinte expressão:

custo(escudos) = potência(kW) x tempoQi) x preço.do.kWh{escudos)

Verifica no recibo, se os consumidores apenas pagam a energia que utilizam.

" Têm no entanto, um conteúdo espectral diferente e efeito estroboscópico que têm que ser tidos em conta, em
certas aplicações.

­68­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

2a Proposta de trabalho

Nota: Como um choque de 220


V pode ser muito perigoso, a
montagem é feita pelo professor.

Depois de o professor fazer a


montagem do circuito, regista a leitura
do contador. Coloca a lâmpada de
incandescência no candeeiro e liga­o,
durante 15 minutos, e volta a registar
a leitura.

Procede da mesma forma para a lâmpada economizadora.

Tipo de lâmp. Leitura inicial Leitura final Energia utiliz. Custo de Custo da
(kWh) (kWh) (KWh) 1 kWh (esc) energia (esc)
Incandescência

Economizadora

1­ Observa as informações constantes num catálogo da "OSRAM".

Uma lâmpada fluorescente economizadora tem o preço de 1500$00, enquanto que uma
lâmpada de incandescência apenas custa 100$00.
Como poderás convencer os teus pais a substituírem as lâmpadas de incandescência por
lâmpadas fluorescentes?
TW rr, !

n
■ > 1

■W.

XflOOh H x lOOOh

7W 2C1 - 40 W
11W « 60 W
- 75 W
ÔOW
Ü3W: Er~1
' N
r—~y
-.
•-
100 W
120 W

­69­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 40 - Campo magnético

Informação
Em 1820, o físico dinamarquês Hans Christian Oersted descobriu que um íman era
afectado por uma corrente eléctrica que passasse num condutor junto dele, provando assim
que a corrente eléctrica, tal como o íman, também produzem um campo magnético, o que
neste, caso se designa por campo electromagnético.

Material:
íman; lápis;
fio fino isolado; interruptor;
fonte de corrente contínua; agulha magnética;
limalha de ferro; pimenteiro;
pequenos objectos de ferro ou aço (clipes); pequenos pedaços de cobre e plástico;
2 placas de cartão brancos com cerca de 20 cm por 20 cm;
condutores de cobre com 30 cm de comprimento e 5 cm de diâmetro;
bobine enrolada numa placa de acrílico;

Ia Proposta de trabalho

Procura identificar o material que é atraído pelo íman. Procura uma explicação.

2a Proposta de trabalho

Deita a limalha de ferro no pimenteiro.


Coloca uma placa de cartão sobre a mesa e
pulveriza-a com limalha de ferro.
Coloca agora um íman sobre outra placa de
cartão e procede da mesma forma.
Procura uma justificação para a disposição da
limalha de ferro nos dois cartões.
Com cuidado, traça com um lápis uma linha
de campo. Coloca, sobre essa linha, uma agulha magnética e desloca-a ao longo da linha e
regista o que observas.

3 a Proposta de trabalho

Enrola o fio fino em volta do prego de modo a


formares cerca de 50 espiras.
Monta o circuito da figura.
Liga o interruptor e aproxima do prego os clipes.
Levanta o electroíman e desliga o interruptor.
Procede da mesma forma com os pedaços de cobre e
plástico e observa o que acontece. Identifica os pólos do
electroíman com a agulha magnética.

-70-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Experimenta alterar o sentido da corrente.


Justifica o que observas.

Questão: Explica o motivo pelo qual se não utilizou um condutor não isolado em volta
do prego.

4a Proposta de trabalho

Tal como fizeste nas experiências anteriores, liga o circuito, pulveriza a placa de
acrílico com limalha de ferro. Coloca a agulha, primeiro, numa extremidade da bobine e
depois na outra.
Altera o sentido da corrente e repete os ensaios.

Depois destas experiências, faz um pequeno relatório sobre o que observaste e indica as
semelhanças e diferenças entre o campo magnético e o campo electromagnético.

-71-
Trabalho experimental em Física para o 8° ano

Trabalho experimental n° 41 - Geradores mecânicos - Dínamos e


alternadores

Informação:
Os geradores, que se baseiam no princípio da indução magnética, podem ser geradores
de corrente contínua que se designam por dínamos e geradores de corrente alternada que se
designam por alternadores.

Material:
dínamo de bicicleta; ^^^^^ *
volante par fazer rodar o dínamo; ft „ '""W M^Jf *"***"

galvanómetro;
osciloscópio;

Como sabes, estão a montar um parque eólico no Alvão e já está em exploração o


parque eólico do Marão. Identifica as transformações de energia que ocorrem nesses
geradores e o processo como ocorrem essas transformações.

I a Proposta de trabalho:

Faz um esquema de um circuito com uma lâmpada alimentada pelo dínamo.


Monta o esquema e liga o osciloscópio aos terminais da lâmpada.
Faz girar o rotor do dínamo.
Regista o sinal do osciloscópio.

Questões:

1 - Indica o tipo de corrente fornece o dínamo da bicicleta


2 - Indica as transformações de energia que ocorrem no sistema.
3 - Este tipo de geradores existe em centrais hidroeléctricas. Indica outras centrais em
que a energia eléctrica é obtida por este processo.

-72-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

2a Proposta de trabalho:

Para poderes explicar o princípio do gerador, liga os terminais da bobine ao


galvanómetro.

Em cada uma das seguintes situações, observa com


atenção o galvanómetro.
1 - Coloca o íman próximo da bobine.
2 - Introduz rapidamente o íman no interior da bobine e
observa o galvanómetro.
3 - Deixa ficar o íman no interior do galvanómetro.
4 - Retira rapidamente o íman do interior da bobine.
Procura uma explicação para os resultados da actividade e relaciona-a com o gerador.

-73-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 42 - Transformadores

Informação:
Transformador é um dispositivo que permite alterar diferenças de potencial e
intensidade de corrente. Funciona segundo o princípio de indução de Faradey. Uma força
electromotriz (f e m) alternada numa das bobines, produz, por indução, na outra bobine, uma
(f e m), também alternada.
A bobine, ligada à fonte de alimentação, designa-se por primário. A outra bobine
designa-se por secundário.

Material:

fio de cobre fino envernizado; alicate;


núcleo de ferro laminado em u; fita cola;
2 voltímetros; interruptor;
fonte de corrente alternada/contínua;

Como sabes, a nossa região é grande produtora de energia eléctrica, sendo esta
produzida nas albufeiras e barragens, mini hídricas e nos parques eólicos. Indica justificando,
se os geradores destes centros produção de energia são geradores de corrente contínua ou
alternada.

I a Proposta de trabalho:

1 - Constrói duas bobines, enrolando o fio de cobre em volta dos ramos do núcleo em U.
Num dos ramos, a bobine deve ter 90 espiras e no outro 45 espiras.

2 - Coloca a fonte a fornecer 4V de corrente contínua, utilizando como, primário, a


bobine com 45 espiras.
Regista o que observas.

-74-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

2a Proposta de trabalho:

Utiliza, como primário, a bobine com 45 espiras e coloca a fonte a fornecer corrente
alternada, sucessivamente nas posições de 2 V, 4 V e 6V.
Utiliza agora a bobine 90 espiras, como primário, e procede da mesma forma.
Regista os valores na tabela.

Primário Secundário
Np uD Ns us

Procura uma relação entre o número de espiras e a diferença de potencial em cada uma
das bobines.

Questão:

Poderás explicar o motivo pelo qual a rede de distribuição eléctrica fornece corrente
alternada e não corrente contínua?

-75-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 43 - Big Bang

Informação:
Há cerca de 15 mil milhões de anos, formou-se o Universo, a partir de uma grande
explosão "Big Bang". A partir daí, formaram-se as galáxias e as estrelas.
Edwin Hubble verificou entre 1920 e 1935, que as galáxias se afastavam e a sua
velocidade de afastamento aumentam com a distância a que estão de nós.

Material:

Balão;
canetas de feltro;

Como a velocidade das galáxias aumenta com a distância a que se encontram da Terra,
será a Terra, ou o nosso sistema solar o Centro do Universo? Justifica.

Proposta de trabalho:
Estende o balão sobre a mesa e desenha, na sua superfície, várias galáxias. Localiza a
Via Láctea.
Pede a um colega para soprar lentamente no balão e observa o que acontece às posições
das galáxias.
Compara a velocidade das outras galáxias, em relação à Via Láctea, em conformidade
com a distância.
Procede da mesma forma em relação a outra qualquer galáxia .
Regista o que observas. Tira conclusões e compara-as com a hipótese inicial.

-76-
Trabalho experimental em Física para o 8" ano

Trabalho experimental n° 44
Estrelas e constelações

Informação:
Quando estamos fora da cidade e olhamos para o céu nas noites sem nuvens, vimos o
céu repleto de estrelas, sendo possível identificar imediatamente pelo menos três constelações
"ursa maior, ursa menor e a Cassiopeia"

Material:

globo celeste transparente;


planisfério;
retroprojector;

Ia Proposta de trabalho.

Coloca o globo transparente sobre o retroprojector e observa o tecto da sala.


Identifica a estrela polar e algumas constelações.
Roda lentamente o globo e observa o movimento aparente das estrelas.
Qual o nome da estrela, em torno da qual as outras parecem rodar?

Na época dos descobrimentos, os marinheiros orientavam-se por essa estrela. Qual o


ponto cardeal que ela indica?

2a Proposta de trabalho.

Devido ao movimento de rotação e translação da Terra, as estrelas parecem alterar a sua


posição, não só durante a noite, como ao longo do ano.
Roda o planisfério e verifica o a alteração do mapa estelar ao longo do ano.
Nota: No caso do planisfério ser transparente, poderá ser colocado no retroprojector.

3a Proposta de trabalho:

Poderás fotografar o céu e verificares o movimento aparente da esfera celeste,


procedendo do seguinte modo:
Numa noite escura e sem nuvens, monta a máquina fotográfica num tripé e aponta-a
para a estrela polar.
Faz uma exposição de cerca de duas horas ou mesmo mais, utilizando um disparador
flexível com bloqueio.
Nota: a objectiva apenas deve receber luz dos astros a fotografar.

-77-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 45 - Porque é que as estrelas cintilam

Informação
Na Terra verificamos que as estrelas cintilam, porém os Astronautas no espaço, não
observam qualquer cintilação.

Dá uma explicação:

Material
tina de vidro grande; cola;
lanterna; tesoura;
vareta de vidro; água;
papel metalizado dourado; telescópio;
folha de alumínio;

Quando olhas numa noite sem luar, o brilho das estrelas parece variar muito
rapidamente "cintilam". Tendo em atenção o que aprendeste na unidade de luz e visão,
procura uma explicação.

I a Proposta de trabalho

Amachuca a folha de alumínio e, de seguida, abre-a e estende-a.


Recorta algumas estrelas pequenas do papel metalizado dourado e cola-as no papel de
alumínio.
Coloca a tina meia de água sobre a folha de alumínio e obscurece a sala.
Ilumina a água da tina com a lanterna, primeiro, com a água calma e, de seguida, agita-a
com a vareta.
Regista as diferenças e procura uma explicação.

Diafragma
2a Proposta de trabalho

Nota muito importante: Nunca olhes


directamente para o Sol, através do telescópio. Podes
queimar a retina e ficares cego.

Apaga as lâmpadas da sala, coloca o telescópio


junto a uma janela e aponta-o para o Sol.
Coloca uma folha de cartolina branca junto à
ocular e observa a mancha luminosa e os pontos
escuros no interior da mancha.

-78-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Para verificares que os pontos escuros não são devidos a qualquer sujidade nas lentes,
mas sim a manchas solares, dá toques ligeiros no tubo do telescópio e verifica se as manchas
se movem ou não com a mancha luminosa.
Regista o que observas.

79
Trabalho experimental em Física para o 8° ano

Trabalho experimental n° 46 - As estrelas não estão à mesma distância

Informação
As estrelas da mesma constelação parecem igualmente próximas, apenas porque estão
quase na mesma direcção, quando vistas da Terra. Porém, em geral, nada têm a ver umas com
as outras, pois não estão igualmente afastadas.

Material:

caixa de sapatos; lápis;


folha de papel branco; régua;
caneta corrector; tinta azul;
7 alfinetes da cabeça; cola;

Mizar

AIkaid -s£r
Alioth
Megrez
>f Dubhe

Phecda Merak

Proposta de trabalho:
A Ursa maior é uma constelação facilmente visível na
abóbada celeste, cujas estrelas parecem todas à mesma distância.
Observa figuras para construíres o modelo.
1 - Corta a folha de papel branco com as dimensões da face
menor da caixa, pinta-a de azul e, com o corrector, desenha as
estrelas da constelação.
2- Cola a folha de papel e, no fundo da caixa, traça linhas em
direcção às estrelas.
3- Tendo atenção às distâncias de cada uma das estrelas
constantes na tabela, divide proporcionalmente o lado mais
comprido da caixa e espeta os alfinetes nas posições relativas.
4- Observa através do orifício.

Estrela Dubhe Merak Phecd Megrez Alioth Mizar AIkaid


Distância (anos-luz) 110 80 90 60 65 90 200

80-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 47 - Coordenadas em Astronomia

Informação:
Podemos medir a distância entre as estrelas, se conhecermos o ângulo entre duas
posições "paralaxe" e a distância entre essas posições. Aquele ângulo é determinado
paralaxe.

Material:

2 tiras de madeira;
lápis;
régua;
fita métrica;

I a Proposta de trabalho:
Construção de uma Balestilha

Corta uma tira de madeira com o comprimento de 57,3 cm e outra com 22 cm.
Traça com uma régua uma escala em cm e mm.
Com estas medidas, cada mm corresponde a 6'.

Com este aparelho, podes medir indirectamente a altura de uma árvore, ou de um


edifício.
Na figura, representa-se a forma como se pode realizar a medição.

,o „• ii_L

No caso de conheceres a altura do objecto a medir, poderás encontrar a distância a que


se encontra.

2a Proposta de trabalho:

Observa a figura.
Pega no lápis com o braço esticado, olha para o lápis
tendo por fundo uma das paredes da sala.
Fecha um dos olhos de cada vez e observa a
posição do lápis relativamente ao fundo.
Procede da mesma forma, aproximando o lápis dos
olhos e compara.

-81-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Esta mudança aparente da posição de um objecto, em relação ao fundo, designa-se por


paralaxe. É devida ao facto de os nossos olhos estarem separados cerca de 6 cm, variando
ligeiramente de indivíduo para indivíduo.

Os astrónomos também medem indirectamente as distâncias a que se encontram as


estrelas, porém, devido às enorme distâncias, não é possível utilizar os olhos para medir a
paralaxe, utilizando o movimento de translação da Terra.
Observa a figura e indica qual o intervalo de tempo entre as duas observações.

Orbita
da Terra

_ _ - - Estrela - — - _
1 *
* * :
Estrelas distantes
TiS = ToS = 1 UA

-82-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 48 - Medir a altura do Sol

Informação:
O astrolábio é um instrumento muito antigo. Foi adaptado pelos portugueses, para medir
a altura dos astros na época dos descobrimentos.

Material:
cartão forte; Raios
solares
tesoura;
prego com 4 a 6 cm;
fio de prumo;
transferidor;
lápis ou esferográfica;
haste de madeira;
quadrado de madeira com cerca de 15 cm de lado;
2 folhas de papel branco;
palhinha de refresco;
parafuso ou prego pequeno;

I a proposta de trabalho
Altura do Sol Fio de prumo
Corta um disco de cartão com cerca de 35 cm de
diâmetro e com um transferidor gradua o disco entre 0 ° e
90°.
Coloca o prego de 4 a 6 cm no centro e prende-lhe o fio de prumo
Orienta o disco e verifica a altura do Sol.

2 a proposta de trabalho

Corta um semi - círculo de cartão e gradua-o com o transferidor


Cola-lhe a palhinha de refresco e prende o
conjunto à haste de madeira com um prego ou um
parafuso.
Corta um disco graduado em graus e assinala os
pontos cardeais, fazendo corresponder o sul com o zero
e cola-o no quadrado de madeira.
Coloca um prego pequeno no fundo da haste a
servir de ponteiro.

Com o astrolábio, podes medir a altura e o azimute de um astro. Para isso, coloca o
astrolábio numa superfície horizontal de modo que o zero aponte para sul.
O azimute corresponde ao ângulo lido na base.
A altura do astro corresponde à amplitude lida no semicírculo.

-83-
Trabalho experimental em Física para o 8a ano

3 a proposta de trabalho

Eratóstenes, por volta de 230 A. C , conseguiu medir indirectamente o perímetro da


Terra.
Conhecia que, no solstício de Junho ao meio dia, os raios solares incidiam verticalmente
em Siena (Assuão), no Egipto.
No mesmo dia e à mesma hora, verificou que na cidade de Alexandria, no mesmo
meridiano e separada de 5 000 estádios, os raios solares faziam 7,2° com a vertical.
Determina o perímetro da Terra encontrado por Eratóstenes e compara-o com o valor
hoje dado como correcto.

Dados:
1 estádio = 0,1575 km
raio da Terra = 6 378 km

-84-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho Experimental n° 49 - Sistema Sol - Terra - Lua

Informação
No nosso dia a dia, quando olhamos para o céu e seguimos o Sol, parece que este se
move em volta da Terra. Este movimento aparente é idêntico ao movimento aparente das
árvores e das casas da berma da estrada, quando viajamos de carro ou de comboio.

Material
sistema Sol - Terra -Lua;

I a Proposta de trabalho

Faz rodar o sistema Terra - Lua em


volta do Sol e observa o movimento.
As posições da Lua, relativamente à
Terra e ao Sol, têm como causa a
observação de porções variáveis da metade
da sua superfície iluminada, cujos
aspectos, designamos por fases da Lua.
Coloca o sistema, nas posições relativas em que se observam cada uma das fases "lua
cheia, quarto minguante, lua nova e quarto crescente".
Em algumas posições do sistema, podem ocorrer eclipses. Coloca o sistema nessas
posições e classifica, para cada caso, o tipo de eclipse. Faz esquemas:

2a Proposta de trabalho:

Quando olhamos para a Lua, principalmente na lua cheia, observamos sempre a mesma
figura: "planícies brilhantes, mais reflectoras e planícies escuras que ainda hoje se designam
por mares, apesar de na Lua não existir água".
Dá uma explicação:

Desvia algumas mesas e coloca um dos teus colegas a simular a Terra.


Coloca outro colega a simular a Lua no seu movimento de translação, de modo que este,
no seu movimento, fique sempre virado para a Terra.
O que podes concluir?

-85-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 50 - Sucessão das estações do ano - Duração dos


dias e das noites

Informação
A Terra tem dois movimentos, um em torno do seu eixo a que se deve a sucessão dos
dias e das noites e outro de translação em volta do Sol, descrevendo uma elipse com o Sol
num dos focos.

Como sabes, a temperatura nos pólos é muito menor que no equador, para além disso,
em qualquer lugar, os dias são mais quentes no Verão e mais frios no Inverno. Procura uma
explicação.

Apenas nos equinócios de Março (20 ou 21 de Março) e de Setembro (22 ou 23 de


Setembro), os dias são iguais às noites. Nos restantes dias do ano, a noite, ou é maior, ou
menor que o dia. Dá uma explicação.

Material:

2 lanternas de Reuter; fonte de alimentação;


2 suportes; cartão;
2 folhas de papel; dois alfinetes;
duas tampas de lata finas e pintadas de preto; fio;
1 globo; lápis;

I a Proposta de trabalho:

A órbita da Terra, tal como a


dos outros planetas, é elíptica,
ocupando o Sol um dos focos.
Para traçares uma elipse procede
do seguinte modo:
Espeta dois alfinetes no cartão a
uma distância aproximadamente de 10
cm.
Prende um fio entre os dois
alfinetes com um comprimento
superior à distância entre os alfinetes e
traça a elipse.

-86-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

2a Proposta de trabalho:

Coloca as duas lanternas, cada uma no seu suporte, de modo a ficarem à mesma altura.
Faz incidir a luz de uma lanterna perpendicularmente sobre uma folha de papel.
Faz incidir a luz da outra lanterna obliquamente sobre a outra folha de papel.
Com um lápis, traça os contornos que a luz desenha no papel.
Substitui as folhas de papel pelas tampas e aguarda aproximadamente dez minutos.
Com cuidado toca com os dedos em cada uma das latas e conclui.

3 a Proposta de trabalho:

Coloca o globo terrestre em cima da mesa e simula o Sol com uma lanterna, mantendo-a
paralela à bancada, em direcção ao globo terrestre. Observa a parte iluminada e faz rodar
lentamente o globo.
Coloca o globo em posições sucessivas de modo a descrever uma órbita em volta da
lanterna, mantendo sempre o eixo com a mesma inclinação e, em cada uma das posições,
repete o ensaio anterior.
Tira conclusões e compara-as com as hipóteses formuladas inicialmente.

Questão:
Na figura, estão indicados os movimento Zénite i

aparente do Sol nos solstícios de Junho e


Dezembro e os equinócios de Março e Setembro. POLO CELESTE
NORTE ^
Faz corresponder cada um dos arcos
diurnos ao respectivo equinócio ou solstício.
Justifica.

Nadir

-87-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 51 - Atracção universal

Adaptado de Quino. Toda a Mafalda

A Mafalda "reside" na Argentina. Interpreta o seu problema e como ela o resolveu.

I a Proposta de trabalho:

Segura uma moeda numa mão e na outra uma folha de papel e deixa-os cair ao mesmo
tempo.
Repete o ensaio. Nesta situação, amachuca a folha de papel, de modo a ficar como uma
bola. Observa as diferenças e justifica.

Procede da mesma forma, com duas moedas de diferente massa " 5$00 e 200$00".

2a Proposta de trabalho:

Diz a lenda que, quando Newton estava


sentado debaixo de uma macieira, ao observar a
queda de uma maçã, deduziu que a força que faz
cair a mação é a mesma que faz mover a Lua em
volta da Terra.
Esta força descreve a interacção universal.
F
s-G-~r
Faz uma bola de papel e ata-lhe um fio.
Faz rodar a bola sobre a tua cabeça e depois
de algumas voltas larga o fio.

Qual a força que mantém a bola em movimento de rotação?

-88-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Indica o que aconteceria à Lua, se, de repente, a força de atracção entre a Terra e a Lua
desaparecesse.

3a Proposta de trabalho:

Explica o modo como actua esta força.

Aproxima lentamente um prego de um íman em repouso sobre a mesa e verifica a


distância a que ele é atraído.
Procede da mesma forma para os pregos de diferente massa.
Relaciona a força com a distância.

4a Proposta de trabalho:

Coloca pequenos pedaços de papel bem secos sobre a mesa e esfrega na camisola uma
esferográfica. Aproxima-a dos papéis e regista o que observas.

-89-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 52 - Peso e a massa

Informação:
O peso de um corpo é aproximadamente igual à força gravítica. Não é uma propriedade
característica dos corpos e mede-se com dinamómetros, enquanto que a massa, é uma
característica dos corpos e mede-se com balanças.

Material:
tina grande onde caiba uma balança;
balança de pratos;
dinamómetro;
água;
massas marcadas;
corpos com a mesma densidade das massa marcadas;

Por certo, já viste na televisão o filme em que Armstrong e Aldrein, astronautas norte
americanos, pisaram pela primeira vez a Lua em 20 de Julho de 1969, caminhando aos saltos.
Indica se o peso dos astronautas, na Lua, é igual, maior ou menor do que o seu peso na
Terra. Dá uma explicação.

Supõe que transportavam uma balança para se "pesarem". A sua massa seria igual,
maior ou menor do que na Terra? Explica.

I a Proposta de trabalho:

Pendura um corpo no dinamómetro e regista o seu peso.


Retira o corpo do dinamómetro, coloca-o no prato da balança, pesa-o e regista o valor
da sua massa.
Nota: apesar desta operação se designar por pesagem, o que medimos não são pesos,
mas massas.

2a Proposta de trabalho:

Coloca a balança no interior da tina e deita-lhe água, até cobrir os pratos da balança.
Pendura novamente o mesmo corpo no dinamómetro, mergulha o corpo totalmente na
água e regista o peso do corpo nesta situação.
Procede da mesma forma para determinares a massa do corpo.
Compara os valores obtidos nos dois procedimentos e conclui.

-90-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Trabalho experimental n° 53 - À conquista do espaço

Informação:
As viagens no espaço começaram em 1957, quando a União Soviética lançou o primeiro
satélite artificial "Sputnik".
O primeiro homem no espaço foi Yuri Gagarine que, no Satélite Vostok - 1 , orbitou em
torno da Terra.
Em 19 de Julho de 1969, os astronautas da Apolo - 11, Neil Armestrong e Edwin,
Aldrin pisaram pela primeira vez a Lua "um pequeno passo para o homem e um grande passo
para a humanidade " Neil Armestrong.

Material:

balão;

Proposta de Trabalho:

O princípio de propulsão do balão é semelhante ao do balão cheio de ar


"i
Enche o balão e larga-o.
Dá uma explicação para a acção que faz mover o balão.

-92-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

ANEXO 2

Fichas pré e pós ensino

-93-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Ficha pré ensino - Som e audição


Aluno Turma

1 - Vivemos num mundo de sons.


Explica como se produz e se propaga o som.

2 - Na figura, estão representados uma fonte sonora e um ouvido.

Faz um esquema que represente a forma como o som vai da fonte ao ouvido.

3 - Dos seguintes meios: água, ar, vácuo, madeira e barra metálica.

3.1 - Indica o meio em que o som se propaga melhor.

3.2 - Em algum ou alguns desses meios o som não se propaga? Justifica.

4 - Agita-se uma campainha na água, consegues ouvir o som fora da água? Justifica.

5 - O João e a Ana foram à estação esperar um amigo. Enquanto esperavam, apostaram


quem é que se apercebia primeiro da chegada do comboio. A Ana encostou o ouvido a um
carril, enquanto que o João procurava escutar o ruído através do ar.

5.1 - Indica, justificando, quem ganhou a aposta.

-94-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

5.2 ­ Enquanto estiveram na estação, ouviram o apito do comboio nas três situações:
I o Quando o comboio se aproximava com grande velocidade
2o Quando estava parado na estação.
3 o Quando se afastava, também com velocidade elevada.
Indica, justificando, se os apitos do comboio que o João e a Ana ouviram eram ou não
iguais.

6 ­ Dois astronautas encontram­se na Lua.


Supõe que tinham auscultadores nos capacetes e um deles agita uma campainha.
Conseguiam os astronautas ouvir a campainha? Justifica.

7 ­ O professor de Física encontra­se na sala de aula com a porta entreaberta. Chama o


João que vai a passar no corredor. Pode o João ouvir o professor?
Em caso afirmativo, esquematiza, na figura, como é que o som chega ao João.

professo: ®

□ □ □ E3
João
CU Cd □ □

Cd Cd Cd CU

8 ­ Numa zona ampla, existe uma barreira "montanha ou parede". Quando falas, ouves,
passados alguns instantes, a repetição da tua voz "eco".
8.1 ­ Dá uma explicação.

8.2 ­ Qual o motivo por que na sala de aula não há eco?

9 ­ Cada vez mais a sociedade se preocupa com a poluição. A poluição sonora é muito
prejudicial à saúde.
Indica o que entendes por poluição sonora.

-95-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

10 Quando se escuta um som, este pode ser agradável ou desagradável, porém esta
classificação é subjectiva, pois pode ser agradável para uns e desagradável para outros.
10.1 - Indica algumas características que permitem distinguir os sons.

10.2 - Supõe que um maestro diz a um tocador de violino que quer o som mais alto. O
que pretende o maestro? Escolhe, justificando, uma das opções:
A - Um aumento da intensidade do som.
B - Que coloque o violino em cima de uma cadeira
C - Um som mais agudo
D - Um som mais grave

-96-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Ficha pós ensino ­ Som e audição


Aluno n° Turma

1 Vivemos num mundo cheio de sons.


a) Explica como se produz e propaga o som no ar.

b) Escreve o nome de um instrumento de sopro, um de cordas e um de percussão


e descreve como funcionam.

2 A figura representa um alarme no interior de uma caixa fechada, com um orifício,


totalmente forrada com espuma excepto no pequeno orifício. Como sabes, conseguimos ouvir o
som do alarme no exterior.
a) Esquematiza como se propaga o som desde o alarme, até atingir os nossos ouvidos, no
exterior da caixa.

alarme

■ ..-. ■ .. ■ ■ ..-■■■■.;: ■ : ::-.:■;,:;:,:: w y:.: v., ./:,,:.:. ■:, :■. ! : :;.■ ; i,,. ! :\

b) Como se designa este fenómeno que permite ouvir o som através do orifício?

3 Dos seguintes meios "água, ar, vácuo, madeira e barra metálica", indica,
justificando:
a) O meio em que a velocidade do som é mais elevada.

b) Se em algum ou alguns desses meios o som não se propaga, justifica.

­97­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

4 O Tó Zé e a Ana encontravam-se no meio de uma recta de uma estrada, quando


ouviram, ao longe, a sirene de um carro dos bombeiros que se aproximava a grande velocidade.
Ao chegar junto a eles, o condutor parou para pedir uma informação e voltou a partir, sempre
com a sirene ligada.
Indica se o som da sirene ouvido pela Ana e o Tó Zé era ou não igual, nas três situações.
Justifica.

5 A Teresa foi a um concerto e, como chegou atrasada, antes de entrar na sala, conseguiu
identificar o som de diversos instrumentos.
a) Indica as características que permitem distinguir os sons.

Quando estava sentada, ouviu o maestro dizer a um dos músicos que queria o som mais
baixo.
b) Indica, justificando, o que pretende o maestro e qual a característica que o
músico deve alterar.

6 Três amigos, o João, o Pedro e a Teresa, foram divertir-se para a piscina. Em


determinada altura, o João estava sentado na borda da piscina, enquanto que o Pedro e a Teresa
nadavam com a cabeça dentro de água. Nesta altura, o Pedro accionou, dentro de água, uma
buzina.
Supondo que o João (fora da água) e a Teresa ( dentro de água) estão à mesma distância
da buzina, indica, justificando, qual deles ouviu melhor o som da buzina.

7 Numa zona muito ampla em que existe uma barreira "montanha ou parede", quando
falas, ouves, passados alguns instantes, a repetição da tua voz "eco",
a) Dá uma explicação.

b) Qual o motivo por que na sala de aula não há eco?

c) Determina a distância mínima a que se deve encontrar uma barreira, para se


ouvir o "eco", supondo que o som se propaga a uma velocidade de 330 m/s.

-98-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

d) Consegue ouvir-se o eco na Lua? Justifica.

8 - A Joana foi fazer um audiograma aos ouvidos. Para a frequência de 5 000Hz, o nível
sonoro estava compreendido entre:

Ouvido direito 30 dB a 100 dB


Ouvido esquerdo 40 dB a 70 dB

8.1 Qual dos ouvidos apresenta menor limiar auditivo?


8.2 - Qual dos ouvidos apresenta maior limiar de tolerância auditiva?
8.3 - Qual dos ouvidos apresenta maior deficiência auditiva? Justifica.

9 Considera as seguintes frequências de sons:

A - 5 Hz; B - 35 KHz ; C - 10 kHz ; D - 26 000 Hz ; E - 15 Hz

9.1 Coloca as frequências por ordem decrescente.


9.2 Utilizando as letras A, B, C, D e E, indica as que correspondem a infra-sons, sons
audíveis pelo homem e ultra-sons.
9.3 Determina o comprimento de onda da frequência C, sabendo que a velocidade de
propagação do som é de 340 m/s.

-99-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Ficha pré ensino - Luz e visão


Aluno n" Turma

1 Um carro circula de noite com os faróis acesos, por uma estrada rectilínea. Um peão
que circula na mesma estrada consegue ver as luzes.

II IH IV

0m 100 m 200 m 300 m

Em que secção ou secções ( numeradas de I a IV) há luz?

Explica a tua resposta.

2 Imagina uma lanterna acesa nas duas situações:


I o Numa noite sem luar
2o Num dia de sol

Indica qual das situações é verdadeira:


a) A distância percorrida pela luz é maior na primeira situação.
b) A distância percorrida pela luz é maior na segunda situação.
c) A distância percorrida pela luz é igual nas duas situações.
Explica a tua opção.

3 Uma bailarina está vestida com uma saia azul, uma blusa branca, um colete preto e
umas sapatilhas amarelas.
Completa a tabela seguinte, indicando a cor de cada peça de vestuário da bailarina,
quando sobre ela incide luz colorida de diferentes projectores:

Vestuário
Cor da luz do projector saia blusa Colete Sapatilhas
Branca Azul branca Preto Amarelas
Vermelha
Azul
Verde

-100-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

4 - Se usarmos uma lupa num dia de sol, poderemos


incendiar um fósforo. Dá uma explicação breve do que acontece.

5 - Na figura 4, está representado um espelho plano numa sala escura. As paredes da


sala são negras e não há pó nem fumo no ar da sala.

Figura 4 figura 5

A sala tem uma janela muito pequena por onde entra um feixe muito estreito de luz .
5.1 - A Rita, colocada do outro lado da sala, poderá ver ou não a luz que entra pela
janela?
Explica. __^_

5.2 - Supõe agora que a sala estava pintada de branco e que o espelho era colocado em
frente à janela (figura 5), de tal modo que o raio de luz incida perpendicularmente ao espelho.
Achas que a Rita poderá ver uma cadeira situada do outro lado da sala?
Explica.

5.3 - Se agora retirássemos o espelho de forma a que o raio de luz incidisse na parede,
nesta situação, a Rita veria ou não a cadeira?
Explica.

-101-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

6 - O João observa uma moeda que está colocada numa tina com água (figura I).
Qual das figuras A, B ou C, melhor ilustra a observação do João?

-Ci

B
A ., B

7 A Joana está a observar um livro que está em cima de uma mesa.


Faz um esquema que exemplifique a forma como a Joana vê o livro

-102-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Ficha pós ensino - Luz e visão


Aluno n" Turma

1 Um carro circula de noite com os faróis acesos, por uma estrada rectilínea. Um peão
que circula na mesma estrada consegue ver as luzes.

ii m IV

w m
Om 100 m 200 m 300 m

Em que secção ou secções ( numeradas de I a IV) há luz?_

Explica a tua resposta.

2 Imagina uma lanterna acesa nas duas situações:


I o Numa noite sem luar
2o Num dia de sol

Indica qual das situações é verdadeira:


a) A distância percorrida pela luz é maior na primeira situação.
b) A distância percorrida pela luz é maior na segunda situação.
c) A distância percorrida pela luz é igual nas duas situações.
Explica a tua opção.

3.1 A figura representa uma caixa fechada no interior da qual se colocou uma lâmpada
de incandescência. A luz apenas pode sair por um pequeno
orifício, onde se podem colocar filtros de diversas cores. IV
Numa sala completamente às escuras, ligou-se a \A V

1
lâmpada e fez-se incidir o foco num alvo, primeiro, sem \B\
qualquer filtro, depois com o filtro azul e, por último, com o
filtro amarelo. lâmpada
Sem qualquer filtro, observou-se que o alvo apresentava
filtro
faixas de diversas cores. Completa o quadro de modo a s E \
indicares a cor de cada uma das faixas, quando se colocaram,
alvo\L
sucessivamente, os filtros azul e amarelo.

A B C D E
Sem filtro verde azul amarelo preto branco
Filtro azul
Filtro amarelo

103-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

3.2 Com as três cores primárias


faz um esquema que justifique a cor azul
observada num objecto que é azul TZ--
quando é iluminado com luz branca, lâmpada
quando se coloca um filtro vermelho
Filtro
entre a fonte de luz e o objecto. vermelho

4.1 - Se usarmos uma lupa num dia de sol, poderemos


incendiar um fósforo. Dá uma explicação breve do que acontece.

4.2 Para que o fósforo acenda, qual o tipo de lente utilizada e


onde se deve colocar o fósforo?

5.1 A figura representa uma lente convergente à frente da qual está colocado um objecto
representado por uma seta. Traça um diagrama de raios e localiza a imagem obtida.

1 "Cl"
ÍI\
"Cf"

F
v F

5.2 Com as palavras real, virtual, maior, menor, invertida ou direita, classifica a
imagem obtida.

5.3 Indica se esta imagem pode ou não ser projectada num alvo.

5.4 A distância focal desta lente é de 20 cm. Determina a sua potência.

6 - Na figura I, está representado um espelho plano, numa sala escura. As paredes da


sala são negras e não há pó, nem fumo no ar da sala.

Figura I figura II

-104-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

A sala tem uma janela muito pequena por onde entra um feixe muito estreito de luz .
6.1 - A Rita, colocada do outro lado da sala, poderá ver ou não a luz que entra pela
janela?
Explica.

6.2 - Supõe agora que a sala estava pintada de branco e que o espelho era colocado em
frente à janela (figura H), de tal modo que o raio de luz incidisse perpendicularmente ao
espelho.
Achas que a Rita poderia ver uma cadeira situada do outro lado da sala?
Explica.

6.3 - Se agora retirássemos o espelho de forma a que o raio de luz incidisse na parede,
nesta situação a Rita veria ou não a cadeira?
Explica.

7 - 0 João observa uma moeda que está colocada numa tina com água (figura I).

7.1 Qual das figuras A, B ou C melhor ilustra a observação do João?

7.2 Traça, na figura I, os raios da moeda até ao olho e localiza a imagem da moeda.

8 A Joana está a observar um livro que está em


cima de uma mesa.
Faz um esquema que exemplifique a forma como
a Joana vê o livro.

-105-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

9 Como sabes dois dos defeitos mais comuns da visão são a hipermetropia e a miopia,
que no entanto podem ser corrigidos com lentes adequadas.
Das três figuras a seguir indicadas, uma delas representa um olho normal, outra um olho
hipermétrope e outra um olho míope.

9.1 Identifica cada um dos olhos, justificando a tua opção.

9.2 Indica o tipo de lentes que corrige cada um dos defeitos de visão. Justifica.

-106-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Ficha pré ensino - Energia eléctrica


Aluno Turma

1 Explica o que entendes por corrente eléctrica.

2 Na figura abaixo, estão representadas algumas montagens utilizadas por estudantes


de outras escolas, para acender uma lâmpada.

5V

ú 1

5V

B C D E F não sei
a) A lâmpada acende-se nas montagens:
b) Existe corrente eléctrica nas montagens:
c) Existe diferença de potencial (tensão) nas
montagens:

3 - Observa a montagem:
3.1 - Com setas nos condutores (a e b), indica o sentido
da corrente em cada um dos condutores.
3.2 Assinala com uma cruz a afirmação correcta.
a) A corrente que passa no condutor a é superior à
que passa no condutor b.
b) A corrente que passa no condutor a é menor do que
a passa no condutor b.
c) A corrente que passa no condutor a é igual à que passa no condutor b.
d) Não sei.

Dá uma explicação.

-107-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

3.3 - A lâmpada
a) pára a corrente d) conduz a corrente
b) trava acorrente e) não sei
c) gasta a corrente

3.4 - Passado algum tempo, o brilho da lâmpada diminui até se extinguir


completamente. Dá uma explicação para o que acontece.

3.5 - Supõe que a pilha anterior tem uma diferença de potencial (tensão) de 8 V e é
substituída por outra de 12 V. Nestas condições, o brilho da lâmpada aumenta.
Das situações abaixo indicadas, indica aquela que te parece mais correcta.
a) A corrente na lâmpada é superior, porque a tensão aumentou.
b) A tensão nos terminais da pilha é superior, porque a corrente aumenta.
c) Não há qualquer relação entre a corrente e a tensão nos terminais da pilha.
d) Não sei.

4.1 - A figura representa um circuito com duas lâmpadas iguais. Qual das situações
abaixo indicadas é correcta?
a) O brilho da lâmpada A é superior ao da
lâmpada B.
b) O brilho da lâmpada A é inferior ao da
lâmpada B.
c) O brilho da lâmpada A é igual ao da lâmpada
B.
Dá uma explicação.

4.2 - Supõe que se coloca um interruptor e uma


resistência entre as duas lâmpadas.
Com o interruptor aberto, há corrente:
a) na lâmpada A
b) na lâmpada B
c) na resistência
d) na pilha
e) não há corrente em nenhum componente.
Dá uma explicação.

4.3 - Com o interruptor fechado, indica o que acontece ao brilho de cada uma das
lâmpadas, em relação à primeira situação (sem resistência). Dá uma explicação.

-108-
Trabalho experimental em Física para o 8" ano

5 - O circuito da figura representa um circuito constituído por uma pilha de 4,5 V,


uma lâmpada e um interruptor. Aos terminais da pilha de 4,5 V e da lâmpada estão ligados
dois voltimetros.

£
CpJ
4,5 V

- - ;
A B
5.1 Nas condições da figura o voltímetro ligado à pilha indica:
a) 4,5V;
b) mais de 4,5 V;
c) menos de 4,5 V e mais de 0 V;
d) OV;
Explica.

5.2 O voltímetro ligado à lâmpada indica:


a) 4 ,5 V;
b) mais de 4,5 V;
c) menos de 4,5 V e mais de 0 V;
d) OV;
Explica.

5.3 A d. d. p. aos terminais do interruptor é:


a) O V;
b) 4,5 V;
c) mais de 4,5 V;
d) menos de 4,5 V e mais de 0 V;
Explica.

5.4 Ligando-se o interruptor, voltímetro ligado à pilha indica:


a) 4,5 V;
b) mais de 4,5 V;
c) menos de 4,5 V e mais de 0 V;

-109-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

d) OV;
Explica.

5.5 O voltímtro ligado à lâmpada indica:

a) 4 ,5 V;
b) mais de 4,5 V;
c) menos de 4,5 V e mais de 0 V;
d) OV;
Explica.

6.1 - O circuito da figura representa quatro lâmpadas iguais (LI, L2, L3 e L4) e uma
pilha. Para cada caso, assinala a resposta correcta.
LI

L2 L3

L4
Ctx/tO

a) as lâmpadas têm todas o mesmo brilho;


b) o brilho de 11 é superior ao das outras lâmpadas;
c) o brilho de 11 é igual de 14 e superior ao brilho de 12 e 13;
d) o brilho de LI é igual de L4 mas inferior ao brilho de L2 e L3;
Explica.

6.2 - Supõe que se funde a lâmpada L4, o que acontece ao brilho das outras lâmpadas?
Justifica.

6.3 - Se em vez de se fundir L4, se funde L3, o que acontece ao brilho das outras
lâmpadas? Justifica.

-110-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Ficha pré ensino - Astronomia


Aluno n° Turma.

1 O Universo formou-se aproximadamente há 13 mil milhões de anos, a partir de uma


explosão "Big Bang".
Actualmente o centro do Universo é:
A Terra
O Sol
A nossa galáxia
Outro ponto
Não tem centro

2 A Terra tem um movimento de rotação em torno do seu eixo e um movimento de


translação em volta do Sol.
Durante uma órbita completa em volta do Sol, quantas voltas dá em torno do seu eixo?
Explica.

3 Durante o dia, assistimos ao nascer do Sol. Vimo-lo subir no horizonte e, depois do


meio dia, desce no horizonte até se pôr. Será que o Sol se move em volta da Terra? Dá uma
explicação.

4 Faz um esquema que represente o sistema Sol - Terra - Lua, desenhando as órbitas de
dois dos astros.

5 Imagina que há quatro pessoas em diferentes sítios da Terra (A, B, C e D). Cada uma
delas deixa cair uma moeda. Desenha cada uma das pessoas nas respectivas posições,
indicando o percurso percorrido pela moeda.

- Ill-
Trabalho experimental em Física para o 8" ano

6 Indica os motivos por que os dias são mais quentes no verão do que no inverno.

7 Desenha as posições do Sol, da Terra e da Lua, para que possam ocorrer eclipses e
representa o percurso dos raios solares:
a) Da Lua
b) Do Sol.

8 Na figura, estão representados três planetas com a mesma composição e diferentes


tamanhos.

a) Um corpo com a massa de 50 Kg, no planeta A, é transportado para o planeta B. A


massa do corpo no planeta B é:
50 kg
mais de 50 kg
menos de 50 kg
Explica.

b) Em A o corpo pesa 500 N, o seu peso em B é:


500 N
mais de 500 N
menos de 500 N
Explica.

- 112-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

9 A senhora Amélia, que vive em África junto ao equador, resolveu passar férias no
Pólo Norte.
Antes de partir, pesou-se numa balança de casa de banho e verificou que pesava 600 N.
Transportou consigo a balança e no final das férias, antes de partir, alarmou-se, porque a
balança indicava 604 N.
Indica, justificando, qual das seguintes situações ocorreu:
a alimentação no hotel era óptima e engordou;
a balança avariou-se no transporte;
nenhuma das situações ocorreu. A massa da senhora não se alterou, mas
efectivamente o seu peso aumentou.

-113-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

ANEXO 3

Grelhas síntese das respostas aceites

-114-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Som e Audição Pré-Ensino

Aspectos que as respostas às diferentes questões, na ficha pré ensino, sobre o som e
audição, devem incluir, para serem classificadas como respostas tipo "aceite".

Questões Aspectos a considerar


1 Explica que o som resulta de vibrações.
Propaga-se através de ondas.
2 Representa as ondas em círculos concêntricos a partir da fonte.
3.1 Necessita de um meio material.
4 Quanto maior for a densidade (ou mais juntas as partículas) e maior a
5.1 elasticidade do meio, maior é a velocidade de propagação.
3.2 Na Lua não existe atmosfera.
6 0 som não se propaga no vácuo.
5.2 Quando o comboio se aproxima, a frequência ouvida é superior à frequência
emitida pelo comboio.
0 som ouvido é mais agudo.
Quando o comboio se afasta, a frequência ouvida é menor que a frequência
emitida pelo apito do comboio.
0 som ouvido é mais grave.
7 Refracção.
Representar as ondas até ao orifício e novamente como se gerassem no
orifício.
8.1 Reflexão.
Ouvir o som emitido e após alguns instantes o som reflectido.
8.2 Referir que é necessário um determinado intervalo de tempo para se distinguir
os sons.
Para ouvir o eco, é necessário que as paredes estejam afastadas de pelo menos
17 m.
9 Referir como causas,
elevado volume,
duração do som.
ruídos.
10.1 Timbre, Volume e frequência.
10.2 Relacionar a altura com a frequência.
Mais alto, maior frequência, mais agudo.

-115-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Som e Audição Pós-Ensino


Aspectos que as respostas às diferentes questões, na ficha pós ensino, sobre o som e
audição, devem incluir, para serem classificadas como respostas tipo "aceite".

Questões Aspectos a considerar


la 0 som resulta da vibração dos corpos.
As vibrações propagam-se às partículas do meio, através de ondas sonoras
longitudinais.
lb Nome dos instrumentos.
Como funcionam.
2a Representa, no interior da caixa, ondas concêntricas, em torno do alarme até
atingirem as paredes da caixa.
Representa as ondas a partir do orifício, como se estas se gerassem no orifício.
2 b) Difracção.
3 a) Barra metálica.
Quanto maior for a densidade do meio, maior é a velocidade de propagação.
3 b) No vácuo. 0 som necessita de um meio para se propagar.
4 Quando a fonte se aproxima, o observador ouve um som de frequência superior à
frequência emitida pela fonte. Então o som ouvido é mais agudo ou mais alto.
Quando a fonte se afasta, o observador ouve um som de frequência inferior á
frequência emitida pela fonte. Então o som ouvido é mais grave ou mais baixo.
5 a) Atributos do som (Intensidade, altura, duração e timbre).
5 b) Um som mais grave.
Diminuir a frequência, quanto menor for a frequência, mais baixo é o som.
6 A Teresa. A intensidade do som que chega ao João é menor, devido à reflexão do
som na superfície de separação entre a água e o ar. Apenas parte se réfracta.
7 a) Ocorre reflexão do som.
7 b) Na sala de aula, o som também se reflecte.
Porém, o ouvido apenas se distingue duas vezes seguidas o mesmo som, se
estiverem separados de 0,1 segundos.
7 c
v=— ; Aí = 0 , l s ; d = 3 3 0 * 0 , l = 33m

Como o som percorre duas vezes o mesmo percurso, a distância mínima da
barreira é de 16,5 m.
7 d) O som necessita de um meio para se propagar.
Na Lua não existe atmosfera. Então não se pode propagar.
Se não se propaga, não pode existir eco.
8.1 Direito.
8.2 Direito.
8.3 Esquerdo.
9.1 B;D;C;E;A.
9.2 Infra-sons A; E.
Sons audíveis pelo homem C.
Ultra-sons B; D.
9.3
v = A * / ; A = —.
/

- 116-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Luz e Visão Pré-Ensino

Aspectos que as respostas às diferentes questões, na ficha pré ensino, sobre luz e visão,
devem incluir, para serem classificadas como respostas tipo "aceite".

Questões Aspectos a considerar


1 IV. A luz propaga-se em linha recta, até encontrar um obstáculo.
Para ver a luz, é necessário que esta sofra difusão.
2 E igual nas duas situações.
3 Ter em atenção a absorção selectiva das cores.
4 A lupa faz convergir os raios luminosos para o foco, concentrando a
energia naquele ponto.
5.1 Não pode ver a luz, porque não há reflexão difusa em quaisquer partículas.
No espelho há reflexão numa só direcção.
Ao incidir na parede preta é absorvida.
5.2 Não consegue ver a cadeira.
A luz ao incidir perpendicularmente no espelho, inverte o sentido, não
atingindo as paredes nem a cadeira.
5.3 Sim.
Quando a luz atinge a parede branca, é reflectida em todas as direcções, e
aquela que atinge a cadeira é novamente reflectida em todas as direcções, e
também em direcção aos olhos da Rita.
6 Em A.

7 0 esquema deve ser constituído por um raio de luz da vela ao livro, onde é
reflectido em direcção ao olho.

-117-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Luz e Visão Pós-Ensino


Aspectos que as respostas às diferentes questões, na ficha pós ensino, sobre luz e visão,
devem incluir, para serem classificadas como respostas tipo "aceite".

Questões Aspectos a considerar


1 Secção IV.
A luz propaga-se em linha recta até embater num objecto, podendo ser então
reflectida, transmitida ou absorvida.
2 A distância percorrida pela luz é igual nas duas situações.
A propagação da luz emitida pela lanterna é independente da luz proveniente
de outras fontes, (princípio da independência dos raios luminosos.
3.1 Reconhecer que a cor dos objectos está relacionada com a reflexão ou
transmissão selectiva das cores (radiações).
3.2 Entre a caixa e o filtro ( raios azul, verde e vermelho).
Do filtro ao objecto raio vermelho
Objecto preto
4.1 0 lupa faz convergir os raios do sol, aumentando a energia nesse ponto e, por
conseguinte, a temperatura no fósforo, até o incendiar.
4.2 Lente convergente
No foco da lente
5.1 Diagrama de raios
Traçar a imagem obtida
5.2 Real, invertida e maior que o objecto
5.3 Sim.
5.4 1
p=— p= 1 p = 5D
f 0,20
6.1 Não . A luz é reflectida no espelho e absorvida na parede negra. Não
conseguimos ver a luz no seu percurso, porque não existem partículas para
difundir a luz, em direcção aos nossos olhos.
6.2 Não. A luz incide no espelho perpendicularmente e é reflectida na mesma
direcção, não incidindo qualquer luz na cadeira.
6.3 Sim. A luz, ao incidir na parede branca, é reflectida em todas as direcções e
quando incide na cadeira é, por sua vez, reflectida também em todas as
direcções, parte dela em direcção aos olhos da Rita.
7.1 A.
7.2 Traçar os raios e localizar a moeda.
8 Triângulo de visão.
9.1 A - míope.
B - normal.
C - hipermétrope
Justificação
9.2 Identifica cada uma das lentes a utilizar.
Justificação.

-118-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Produção, Distribuição e Utilização da Electricidade - Pré-Ensino


Aspectos que as respostas às diferentes questões, na ficha pré ensino, sobre os circuitos
eléctricos, devem incluir, para serem classificadas como respostas tipo "aceite".

Questões Aspectos a considerar


1 Questão aberta.
Movimento ordenado de cargas.
2 a) A e D circuito fechado com os pólos da pilha ligados aos dois terminais da
lâmpada.
2 b) Em A, C, D e E há corrente, quando a lâmpada acende e quando a pilha está
em curto circuito.
2 c) A, B, D e F apenas não existe d. d. p. quando os terminais da pilha estão em
curto circuito.
3.1,3.2 e Sentido unidireccional, conservação da carga ou conservação da corrente.
3.3
3.4 Transformação da energia química em energia eléctrica, aumento da resistência
interna da pilha.
3.5 A intensidade da corrente numa resistência depende da tensão aplicada aos
seus terminais.
4.1 A intensidade de corrente é igual nas duas lâmpadas. Como as lâmpadas são
iguais, o brilho também é igual.
4.2 Não há corrente, porque o circuito está aberto.
4.3 0 brilho das lâmpadas diminui igualmente. Ao introduzir a resistência, diminui
a intensidade de corrente, (não ver o circuito sequencialmente mas como um
todo).
5.1 a) Circuito aberto, a d. d. p. é igual àfem (não há queda de tensão na resistência
interna da pilha).
5.2 d) como não passa corrente na lâmpada é porque a d. d. p. é nula
5.3 b) Como não há corrente, não há queda de tensão na pilha, nem na lâmpada.
5.4 e 5.5 c) A d. d. p. é menor devido à queda de tensão na resistência interna da pilha.
6.1 LI e L4 têm o mesmo brilho, L2 e L3 também têm igual brilho, mas menor que
o Brilho de LI e L4, porque a corrente que atravessa L2 e L3 é metade da
corrente que atravessa LI e L4.
6.2 Fundindo L4, interrompe o circuito, nenhuma lâmpada acende.
6.3 Fundindo L3, a resistência do circuito aumenta, por conseguinte, a intensidade
diminui nas lâmpadas LI e L4, porém na lâmpada L2 a corrente é agora igual à
que atravessa as outras lâmpadas e superior à situação anterior. Assim, o brilho
é igual em todas as lâmpadas, porém em relação à situação anterior, LI e L4
brilham menos e L3 brilha mais.

-119-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Produção, Distribuição e Utilização da Electricidade - Pós-Ensino


Aspectos que as respostas às diferentes questões, na ficha pré ensino, sobre astronomia,
devem incluir, para serem classificadas como respostas tipo "aceite".

Questões Aspectos a considerar


1 0 universo não tem centro.
2 0 período do movimento de translação é de 365 dias (um ano).
O período de rotação da Terra é de 1 dia (24 horas).
Numa órbita completa em volta do Sol, dá 365 voltas em torno do seu eixo.
3 Teoria heliocêntrica.
0 movimento do Sol é aparente.
Devido ao movimento da Terra, parece que o Sol se move em sentido
contrário.
4 0 esquema deve incluir:
Órbitas elípticas " é de aceitar órbitas esféricas".
Movimento da Terra em torno do Sol.
Movimento da Lua em volta da Terra.
5 Conceito de em "cima" e em "baixo" de acordo com a direcção do centro da
Terra.
Trajectória da moeda até à superfície e em direcção ao centro da Terra.
6 Devido à inclinação do eixo da Terra:
Maior altura do Sol acima do horizonte, os raios solares atingem a Terra com
maior inclinação.
0 tempo que o Sol permanece acima do horizonte é superior, fazendo com
que a parte diurna seja superior à parte nocturna.
7 Propagação rectilínea da luz.
Fonte extensa.
Sombra e penumbra.
Eclipse da Lua - Terra entre o Sol e a Lua (lua cheia).
Eclipse do Sol - Lua entre o Sol e a Terra (Lua nova).
8 a, 9 A massa é uma característica dos corpos "é invariante".
8 b, 9 0 peso, não sendo uma característica dos corpos, varia com a massa e com o
raio do planeta.

- 120-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

ANEXO 4

Tabelas das categorias de respostas antes e depois do ensino

-121-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Som e Audição

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 3 11,1 13 48,1 7 25,9 2 7,4 2 7,4
E2/pré ens 2 8,0 5 20,0 13 52,0 0 0,0 5 20,0
C/pré ens 1 4,0 13 52,0 9 36,0 1 4,0 1 4,0
El/pós ens 21 77,8 2 7,4 3 11,1 1 3,7 0 0,0
E2/pós ens 15 60,0 9 36,0 0 0,0 1 4,0 0 0,0
C/pós ens 5 20,0 11 44,0 7 28,0 2 8,0 0
0,0
Tabela 1 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas à questão: como se
produz e propaga o som

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 11 40,7 0 0,0 14 51,9 0 0,0 2 7,4
E2/pré ens 8 32,0 0 0,0 16 64,0 0 0,0 1 4,0
C/pré ens 8 32,0 0 0,0 12 48,0 0 0,0 5 20,0
El/pós ens 25 92,6 0 0,0 1 3,7 1 3,7 0 0,0
E2/pós ens 18 72,0 0 0,0 5 20,0 0 0,0 2
8,0
C/pós ens 7 28,0 0 0,0 16 64,0 1 4,0 1
4,0
Tabela 2 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas na representação
das ondas.

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 2 7,4 11 40,7 12 44,4 2 7,4 0 0,0
E2/pré ens 4 16,0 6 24,0 14 56,0 1 4,0 0 0,0
C/pré ens 3 12,0 6 24,0 13 52,0 3 12,0 0 0,0
El/pós ens 17 63,0 5 18,5 5 18,5 0
0,0 0 0,0
E2/pós ens 10 40,0 8 32,0 7 28,0
0 0,0 0 0,0
C/pós ens 14 56,0 6 24,0 5 20,0
0 0,0 0 0,0
Tabela 3 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas o som necessita de
um meio de suporte para se propagar.

Aceites Incompletas Concep. altern.


Outras N. sabe n.resp
n°de %de n° de %de n°de %de
n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos
alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 0 0,0 1 3,7 24 88,9
1 3,7 1 3,7
E2/pré ens 0 0,0 1 4,0 20 80,0
1 4,0 3 12,0
C/pré ens 1 4,0 5 20,0 17 68,0
1 4,0 1 4,0
El/pós ens 5 18,5 19 70,4 2 7,4
1 3,7 0 0,0
E2/pós ens 3 12,0 14 56,0 8
32,0 0 0,0 0 0,0
C/pós ens 0 0,0 20 80,0 4
16,0 0 0,0 1 4,0
Tabela 4 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas, propagação do
som na água.

-122-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 1 3,7 12 44,4 13 48,1 1 3,7 0 0,0
E2/pré ens 4 16,0 10 40,0 5 20,0 1 4,0 5 20,0
C/pré ens 3 12,0 12 48,0 7 28,0 2 8,0 1 4,0
El/pós ens 11 40,7 7 25,9 7 25,9 2 7,4 0 0,0
E2/pós ens 10 40,0 3 12,0 10 40,0 1 4,0 1 4,0
C/pós ens 3 12,0 12 48,0 9 36,0 1 4,0 0 0,0
Tabela 5 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas, a relação entre as
velocidades em meios diferentes.

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 0 0,0 1 3,7 23 85,2 1 3,7 2 7,4
E2/pré ens 0 0,0 1 4,0 17 68,0 3 12,0 4 16,0
C/pré ens 0 0,0 2 8,0 21 84,0 2 8,0 0 0,0
El/pós ens 8 29,6 3 11,1 14 51,9 2 7,4 0 0,0
E2/pós ens 3 12,0 6 24,0 16 64,0 0 0,0 0 0,0
C/pós ens 0 0,0 3 12,0 20 80,0 0 0,0 2 8,0
Tabela 5 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas, sobre o efeito de
Doppler.

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 1 3,7 7 25,9 16 59,3 2 7,4 1 3,7
E2/pré ens 0 0,0 5 20,0 17 68,0 0 0,0 3 12,0
C/pré ens 1 4,0 6 24,0 16 64,0 1 4,0 1 4,0
El/pós ens 17 63,0 3 11,1 6 22,2 0 0,0 1 3,7
E2/pós ens 8 32,0 12 48,0 5 20,0 0 0,0 0 0,0
C/pós ens 14 56,0 5 20,0 6 24,0 0 0,0 0 0,0
Tabela 7 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas, o som não se
propaga na Lua.

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 0 0,0 2 7,4 21 77,8 0 0,0 4 14,8
E2/pré ens 0 0,0 0 0,0 22 88,0 0 0,0 3 12,0
C/pré ens 0 0,0 2 8,0 20 80,0 0 0,0 3 12,0
El /pós ens 24 88,9 1 3,7 1 3,7 0 0,0 1 3,7
E2/pós ens 19 76,0 0 0,0 4 16,0 1 4,0 1 4,0
C/pós ens 8 32,0 1 4,0 14 56,0 1 4,0 1 4,0
Tabela 8 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas na representação da
difracção do som, através de pequenas aberturas .

-123-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 1 3,7 4 14,8 18 66,7 2 7,4 2 7,4
E2/pré ens 0 0,0 3 12,0 14 56,0 1 4,0 7 28,0
C/pré ens 1 4,0 1 4,0 21 84,0 2 8,0 0 0,0
El/pós ens 21 77,8 3 11,1 0 0,0 3 11,1 0 0,0
E2/pós ens 11 44,0 7 28,0 7 28,0 0 0,0 0 0,0
C/pós ens 8 32,0 8 32,0 8 32,0 1 4,0 0 0,0
Tabela 9 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas como explicar o
eco.

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 1 3,7 1 3,7 19 70,4 2 7,4 4 14,8
E2/pré ens 0 0,0 3 12,0 19 76,0 2 8,0 1 4,0
C/pré ens 0 0,0 1 4,0 22 88,0 0 0,0 2 8,0
El/pós ens 12 44,4 4 14,8
8 29,6 2 7,4 1 3,7
E2/pós ens 4 16,0 5 20,0 12 48,0 3 12,0 1 4,0
C/pós ens 0 0,0 9 36,0 13 52,0 3 12,0 0 0,0
Tabela 10 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas, porque é que na
sala de aula não se detecta o eco.

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 0 0,0 9 33,3 14 51,9 2 7,4 2 7,4
E2/pré ens 0 0,0 8 32,0 16 64,0 1 4,0 0 0,0
C/pré ens 0 0,0 7 28,0 15 60,0 1 4,0 2 8,0
El/pós ens 15 55,6 6 22,2 3 11,1 3 11,1 0 0,0
E2/pós ens 13 52,0 8 32,0 3 12,0 1 4,0 0 0,0
C/pós ens 12 48,0 6 24,0 6 24,0 0 0,0 1 4,0
Tabela 11 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas, quais os atributos
do som.

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ens 0 0,0 5 18,5 22 81,5 0 0,0 0 0,0
E2/pré ens 0 0,0 7 28,0 18 72,0 0 0,0 0 0,0
C/pré ens 0 0,0 4 16,0 20 80,0 1 4,0 0 0,0
El/pós ens 9 33,3 6 22,2 11 40,7 1 3,7 0 0,0
E2/pós ens 5 20,0 8 32,0 10 40,0 2 8,0 0 0,0
C/pós ens 4 16,0 4 16,0 12 48,0 2 8,0 3 12,0
Tabela 12 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas, sobre a relação
entre a altura do som e a sua frequência.

-124-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

1 2 3.2 4 5.1 5.2 6 7 8.1 8.2 10.1 10.2


El/pré/aceites 3 11 2 0 1 0 1 0 1 1 0 0
E2/pré/aceites 2 8 4 0 4 0 0 0 0 0 0 0
C/pré/aceites 1 8 3 1 3 0 1 0 1 0 0 0
El/pós/aceites 21 25 17 5 11 8 17 24 21 12 15 9
E2/pós/aceites 15 18 10 3 10 3 8 19 11 4 13 5
C/pós/aceites 5 7 14 0 3 0 14 8 8 0 12 4
El/pré/c. altern 7 14 12 24 13 23 16 21 18 19 14 22
E2/pré/c. altern 13 16 14 20 5 17 17 22 14 19 16 18
C/pré/c. altern 9 12 13 17 7 21 16 20 21 22 15 20
El/pós/c. altern 3 1 5 2 7 14 6 1 0 8 3 11
E2/pós/c. altern 0 5 7 8 10 16 5 4 7 12 3 10
C/pós/c. altern 7 16 5 4 9 20 6 14 8 13 6 12
Tabela 13 - Número de alunos com respostas nas categorias de aceites e alternativas, em cada uma das questões,
pré e pós ensino do som e audição

-125-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Luz e Visão
corda Azul azul Verme Casta roxo verde branco preto amarei n.sabe
saia esver- lho nho 0 n.
Cor do foco deada responde
El 3 4 6 4 4 1 5
Vermelho E2 3 3 4 4 1 9 1
C 1 9 4 3 2 6
El 21 1 1 4
Azul E2 24
C 19 3 3
El 6 1 7 1 1 11
Verde E2 1 6 1 3 2 10 2
C 4 4 1 8 8
Tabela 14 - Resposta antes do ensino sobre a cor de uma saia (azul iluminada por um foco branco) quando
iluminada por focos vermelho, azul e verde.

corda Azul Verme- castanh Roxo verde branco preto Amare- n.sabe
blusa lho 0 lo não responde
cor do foco
El 22 1 1 3
Vermelho E2 24 1 0
C 17 2 2 1 3
El 23 1 3
Azul E2 22 1 1 1 0
C 18 2 2 3
El 1 23 3
Verde E2 3 19 3 0
C 16 2 3 4
Tabela 15 - Resposta antes do ensino sobre a cor de uma blusa (branca iluminada por um foco branco)
quando iluminada por focos vermelho, azul e verde.

cor do colete azul Verme- cinzento roxo verde branco preto amarelo n.sabe
escuro lho escuro n.
cor do foco escuro responde
El 1 3 1 1 18 3
Vermelho E2 10 2 1 11 1 0
C 2 2 3 3 9 6
El 6 1
1 15 4
Azul E2 9 1 1 12 2
C 6 2 10 1 6
El 1 1 5 16 1 3
Verde E2 1 10 1 12 1
C 4 3 1 12 5
Tabela 16 - Resposta antes do ensino sobre a cor de um colete (preto iluminado por um foco branco) quai
iluminada por focos vermelho, azul e verde.

-126-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

cordas Azul Verme- Casta- laranja verde Verde branco preto Amare n.sabe
sapatilhas lho nho amare- n. responde
Cor do foco lado
El 4 2 9 2 1 3 6
Vermelho E2 1 7 1 16 0
C 15 5 5
El 3 1 1 13 2 1 3 3
Azul E2 4 20 1
C 22 1 2
El 7 6 3 2 1 3 5
Verde E2 15 3 5 2 0
C 16 2 7

Tabela 17 - Resposta antes do ensino sobre a cor das sapatilhas (amarelas iluminadas por um foco branco)
quando iluminadas por focos vermelho, azul e verde.

luz que atravessa o vermelha preta não indica a não filtra não sabe
filtro cor
El/pós ensino 18 6 1 2
E2/pós ensino 17 1 4 1 2
C/pós ensino 4 1 12 8
Tabela 18 - Resposta após o ensino sobre a cor da luz que atravessa um filtro vermelho.

cor do objecto preto azul outra cor não indica preto


El/pós ensino 14 0 4 4 5
E2/pós ensino 10 2 3 2 8
C/pós ensino 4 2 2 9 8
Categorias Aceites Luz pinta os Mistura Não altera a n. sabe
objectos de cores cor
El/pós ensino 14 2 2 0 9
E2/pós ensino 10 1 2 10 2
C/pós ensino 4 1 1 2 17
Tabela 19 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto azul, iluminado por uma luz que
atravessa um filtro vermelho

cor azul vermelho amarelo ciano magenta branco Preto n. sabe


El/pós ensino 1 3 2 2 0 0 3 16
E2/pós ensino 0 3 4 6 1 0 9 2
C/pós ensino 4 0 4 0 0 0 16 1
Categorias Aceites
Luz pinta os Mistura de cores Não altera a cor n. sabe
objectos
El/pós ensino 16 1 10 0 0
E2/pós ensino 9 0 14 0 2
C/pós ensino 16 4 4 0 1
Tabela 20 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto verde, iluminado por uma luz que
atravessa um filtro azul.

-127-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Cor Azul amarelo Branco preto


El/pós ensino 23 2 1 1
E2/pós ensino 23 0 0 1
C/pós ensino 17 2 2 4
Categorias aceites Mistura de cores n. sabe
n.responde
El/pós ensino 23 4 0
E2/pós ensino 23 1 1
C/pós ensino 17 8 0
Tabela 21 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto azul,
iluminado por uma luz que atravessa um filtro azul.

cor azul verde amarelo ciano magenta branco preto n. sabe


El/pós ensino 4 7 0 2 2 3 8 1
E2/pós ensino 1 10 2 0 8 4
C/pós ensino 6 13 1 0 5
Categorias aceites luz. p. objectos mistura as cores não altera a cor N. sabe
El/pós ensino 8 4 15 0 0
E2/pós ensino 8 1 10 2 4
C/pós ensino 5 6 14 0 0
Tabela 22 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto amarelo, iluminado por uma luz que
atravessa um filtro azul.

cor azul amarelo branco Preto n. sabe


El/pós ensino 22 1 3 1
E2/pós ensino 23 1 1
C/pós ensino 16 4 5 0
Categorias aceites mistura as cores não altera a cor N. sabe
El/pós ensino 22 2 3 0
E2/pós ensino 23 0 1 1
C/pós ensino 16 5 4 0
Tabela 23 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto branco, iluminado por uma luz que
atravessa um filtro azul.

cor azul amarelo Neutro Branco preto n. sabe


El/pós ensino 1 1 25
E2/pós ensino 1 1 22 1
C/pós ensino 2 1 2 20
Categorias aceites luz. p. mistura as não altera a cor n. sabe
objectos cores
El/pós ensino 25 1 1
E2/pós ensino 22 1 1 1
C/pós ensino 20 2 3
Tabela 24 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto preto, iluminado por uma luz que
atravessa um filtro azul.

- 128-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

cor azul verde vermelho amarelo magenta branco preto n. sabe


El/pós ensino 8 13 1 2 1 2
E2/pós ensino 4 12 2 1 2 2 2
C/pós ensino 6 1 3 15
Categorias Aceites luz. p. objectos mistura as cores não altera a cor n. sabe
El/pós ensino 13 1 13
E2/pós ensino 12 1 10 2
C/pós ensino 1 3 21
Tabela 25 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto verde, iluminado por uma luz que atravessa
um filtro amarelo.

cor azul verde amarelo magenta branco preto n. sabe


El/pós ensino 1 7 3 3 2 10 1
E2/pós ensino 9 2 10 4
C/pós ensino 3 10 2 4 6
Categorias Aceites Luz pinta os Mistura as não altera a cor n. sabe
objectos cores
El/pós ensino 10 3 12 1 1
E2/pós ensino 10 0 11 0 4
C/pós ensino 6 2 14 3 0
Tabela 26 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto azul, iluminado por uma luz que
atravessa um filtro amarelo.

cor azul verde Vermelho amarelo preto n. sabe


El/pós ensino 2 1 24
E2/pós ensino 1 22 2
C/pós ensino 4 1 19 1
Categorias Aceites Luz pinta os mistura as cores não altera a cor n. sabe
objectos
El/pós ensino 24 3 0
E2/pós ensino 22 1 2
C/pós ensino 19 6 0
Tabela 27 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto amarelo, iluminado por uma luz que
atravessa um filtro amarelo.

cor azul verde amarelo neutro branco preto n.sabe


El/pós ensino 1 2 24
E2/pós ensino 1 20 4
C/pós ensino 1 4 4 16
Categorias Aceites Luz pinta os Mistura as cores não altera a cor
n. sabe
objectos
24 2 1 0
20 0 1 4
16 4 5 0
Tabela 28 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto preto, iluminado por uma luz que
atravessa um filtro amarelo.

-129-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

cor Verde Amarelo branco preto n. sabe


El/pós ensino 20 6 1
E2/pós ensino 1 20 1 3
C/pós ensino 18 4 3
Categorias Aceites Luz pinta os mistura as não altera a n. sabe
objectos cores cor
El/pós ensino 20 1 6
E2/pós ensino 20 1 1 3
C/pós ensino 21 4 3
Tabela 29 - Resposta após o ensino sobre a cor de um objecto branco, iluminado por
uma luz que atravessa um filtro amarelo.

A luz. p. mist. Cores não alt. a N. sabe


objectos cor
El/pré ensino 47,4 11,1 23,0 4,4 14,1
E2/pré ensino 53,6 12,8 26,4 3,2 4,0
C/pré ensino 39,2 9,6 36,8 2,4 12,0
El/pós ensino 67,0 5,8 21,5 4,1 3,4
E2/pós ensino 65,1 1,8 18,9 2,7 12,4
C/pós ensino 50,2 9,8 30,9 5,3 6,5
Tabela 30 - Percentagem média de cada uma das categorias de respostas sobre a cor
dos objectos

I até II até III até IV n. sabe


El/pré ensino 4 7 14 1 1
E2/pré ensino 3 5 10 6 1
C/pré ensino 7 9 8 1
El/pós ensino 0 0 6 21 0
E2/pós ensino 2 5 17 1
C/pós ensino 8 9 7 1 0
Tabela 31 - Número de alunos em cada uma das categorias de respostas à questão: em
que secção ou secções existe luz

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ensino 4 14,8 8 29,6 15 55,6 0 0,0 0 0,0
E2/pré ensino 1 4,0 8 32,0 16 64,0 0 0,0 0 0,0
C/pré ensino 0 0,0 2 8,0 23 92,0 0 0,0 0 0,0
El/pós ensino 18 66,7 4 14,8 5 18,5 0 0,0 0 0,0
E2/pós ensino 14 56,0 3 12,0 7 28,0 1 4,0 0 0,0
C/pós ensino 8 32,0 2 8,0 15 60,0 0 0,0 0 0,0
Tabela 32 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas à questão: A luz
de uma lanterna chega mais longe de dia ou de noite

-130-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ensino 0 0,0 2 7,4 21 77,8 2 7,4 2 7,4
E2/pré ensino 1 4,0 4 16,0 16 64,0 4 16,0 0 0,0
C/pré ensino 0 0,0 2 8,0 20 80,0 1 4,0 2 8,0
El/pós ensino 11 40,7 3 11,1 13 48,1 0 0,0 0 0,0
E2/pós ensino 7 28,0 2 8,0 15 60,0 1 4,0 0 0,0
C/pós ensino 7 28,0 2 8,0 13 52,0 1 4,0 2 8,0
Tabela 33 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas à questão: Explica
como uma lente pode incendiar um fósforo num dia de sol

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ensino 0 0,0 3 U.1 24 88,9 0 0,0 0 0,0
E2/pré ensino 0 0,0 2 8,0 23 92,0 0 0,0 0 0,0
C/pré ensino 0 0,0 0 0,0 20 80,0 0 0,0 5 20,0
El/pós ensino 5 18,5 10 37,0 12 44,4 0 0,0 0 0,0
E2/pós ensino 1 4,0 4 16,0 17 68,0 2 8,0 1 4,0
C/pós ensino 0 0,0 4 16,0 20 80,0 0 0,0 1 4,0
Tabela 34 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas à questão: A Rita
pode ver a luz de um feixe estreito que entra por uma janela e incide num espelho colocado numa parede de
uma sala pintada de preto, onde não há pó nem partículas em suspensão

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ensino 2 7,4 4 14,8 20 74,1 0 0,0 1 3,7
E2/pré ensino 1 4,0 4 16,0 18 72,0 1 4,0 1 4,0
C/pré ensino 1 4,0 1 4,0 14 56,0 0 0,0 9 36,0
El/pós ensino 9 33,3 5 18,5 12 44,4 0 0,0 1 3,7
E2/pós ensino 5 20,0 2 8,0 17 68,0 0 0,0 1 4,0
C/pós ensino 3 12,0 2 8,0 16 64,0 3 12,0 1 4,0
Tabela 35 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas à questão: Pode a
Rita ver uma cadeira colocada do outro lado da sala pintada de branco, onde entra um feixe de luz que incide
perpendicularmente num espelho.

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ensino 0 0,0 5 18,5 20 74,1 1 3,7 1 3,7
E2/pré ensino 0 0,0 1 4,0 21 84,0 3 12,0 0 0,0
C/pré ensino 0 0,0 8 32,0 8 32,0 0 0,0 9 36,0
El/pós ensino 15 55,6 4 14,8 7 25,9 0 0,0 1 3,7
E2/pós ensino 6 24,0 3 12,0 15 60,0 1 4,0 0 0,0
C/pós ensino 3 12,0 2 8,0 17 68,0 2 8,0 1 4,0
Tabela 36 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas à questão: Pode a Rita
ver uma cadeira colocada do outro lado da sala pintada de branco, onde entra um feixe de luz que incide
perpendicularmente na parede.

- 131-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

A B C n. sabe
El/pré ensino 15 6 6 0
E2/pré ensino 10 8 7 0
C/pré ensino 17 2 1 5
El/pós ensino 22 2 3 0
E2/pós ensino 20 1 2 2
C/pós ensino 20 1 2 2
Tabela 37 - Número de alunos em cada uma das categorias de respostas à
questão: Uma moeda colocada numa tina com água, qual das figuras melhor
ilustra a observação do João

A CA não sabe
El/pós ensino 17 10 0
E2/pós ensino 13 11 1
C/pós ensino 5 17 3
Tabela 38 - Número de alunos em cada uma das categorias de
respostas, na representação dos raios luminosos da moeda ao
olho do observador

Aceites Incompletas Concep. altern. Outras N. sabe n.resp


n°de %de n° de %de n°de %de n°de %de n°de %de
alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos alunos
El/pré ensino 2 7,4 0 0,0 19 70,4 5 18,5 1 3,7
E2/pré ensino 2 8,0 0 0,0 21 84,0 2 8,0 0 0,0
C/pré ensino 1 4,0 0 0,0 17 68,0 4 16,0 3 12,0
El/pós ensino 16 59,3 0 0,0 10 37,0 0 0,0 1 3,7
E2/pós ensino 11 44,0 0 0,0 13 52,0 0 0,0 1 4,0
C/pós ensino 8 32,0 0 0,0 15 60,0 0 0,0 2 8,0
Tabela 39 - Número e percentagem de alunos em cada uma das categorias de respostas, na representação do
mecanismo de visão

Questões 1 2 3 4 6,1 6,2 6,3 7,1 7,2 8


El/pré/aceites 1 4 13 0 0 2,0 0 15 2
E2/pré/aceites 6 1 13 1 0 1,0 0 10 2
C/pré/aceites 1 0 10 0 0 1,0 0 17 1
El/pós/aceites 21 18 18 11 5 9 15 22 17 16
E2/pós/aceites 17 14 16 7 1 5 6 22 13 11
C/pós/aceites 1 8 12 7 0 3 3 20 5 8
El/pré/c. altern 25 15 10 21 24 20 20 12 19
E2/pré/c. altern 18 16 11 16 23 18 21 15 21
C/pré/c. altern 24 23 12 20 20 14 8 3 17
El/pós/c. altern 6 5 9 13 12 12 7 5 10 10
E2/pós/c. altern 7 7 6 15 17 17 15 3 11 13
C/pós/c. altern 24 15 12 13 20 16 17 3 17 15
Tabela 40 - Número de alunos com respostas nas categorias de aceites e alternativas, em cada
uma das questões, pré e pós ensino da Luz e visão.

-132-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

ANEXO 5

Planificações

-133-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

ta
ü D
00 Ü ô o a °
43 O 3G « on G O
ES
o
£ <u
o t/3
jÇJ ca
*•,—.
T j OJ
o E £
eu

o
£ C

t/J

»­i
O
&
O
CL
«0
M
sCL
V
S o
la ss
•9 ' a
ca Tr.l
riJ o
c3 c £­§\g­
IT)
2 £ ca S S8
•li O O <IJ
r/l ti
M •­ ­G
o» o o 'Si ca 2 .S
■4—>
T3 *­> ­i­i .i­i
­D O M
O) <u
fc fi CU

.5 «
C L <CS ^
T3 2 ­o 4» CU T3 c
ca 44 & ë 2 w o
S » ,2 o
t/i
£ vu o
44 a ca ca o 3
*­• ca r~H

•s. > > cu S f .2 Tu ­í­j


«;
­4—»

ca » ° ST •Sn»
ca ca ' 5 b . "
S­a 3 CM « cd ca H £ -a * « S
ex G o o 2
~ O o
03
o S c i3 o S3 ca «s Z
oi « r i
O,
O 'G S
<ü eu
a S cd T l
cs r* -d S |
CL CU
£g CU ^3 2 <>> ;: 55 ca d
p la S
> CO ca c/l c « a w
*­ o IH
> S rt p 53 £ °- fi *•§ « 3 o
« H C CL
T3 cr
SH O Ü
CN O CM 42 ~a t u 23 G
« ii G «
O
iça
O ca oo (D 00W O Tt S °
cu* oo 'G cu ca O
CU ca O c T3 ■4­1

00 O N <cu G '53
cr ca T3 ■c P ca O
cr 00 o
CL cu Ci G
cã*
o •c o të
t+i
CU
O
p­4j O CU ca > o O
Tj Cu 53 ca oo
•a . 43 « '> o 00 oo O
CU
>
c/>

&
O
TU
ca
■S
MU
>
ca
3
O o
T3
2 G 2 G
O I O
ica
o
N o
T3
i/3
2
'Sb
o
o
tzi
cu
ca
oo M
00
O
ca
o
T3
es 'g all I cãca
CU ^r!
ti
­4—»
00
ca
W)
'­4­1
OO
S oo
O
ca
u
T3
C/3
O
IH
o ­ c2 G
00
IH
_G Rh g ■S
M CL
o S
ea ca
T3
CU
>
cu oo
u G
^ ica eu g
«5
CU 3
­, 'S G IH C _G 4á
'So
03 O "

« S
P o
c iça T3 oj ^cu
u
<u 13
G
Si ■c *s cu
O
O
O m O
G ca ca
u
<u 13
c
O «
■G ç > G S ■4—I
S ca ca ­ D ca

la W a S
on P
P V'S
P
oo v2 o ca
o u Pi la
o ca
■S s c
CS
t i
*■> G i­i ca ' > 'C N oo
Pi •a
oo u — ,o d cu
*C
la 43 "g O
P eu SH o cu
"5 oo ­r<
O >
S 1
■ í—t
CU
■*—»

ca
a
CU ST! °
cu p Ë
.CU
G
P ■4—»

ca ta
cr1 c S u
fil 1-3
T3 ca
s S2 43 CU CS 6 § ■4­1
CU e
ca CU H 00
O > O .5 o o IH
o
? = •S
CU
IH
T3
CS
U 8 «« «a CGU c3 O T3 ca OO
ca o o
CL
o H
° O0
oo ­G
ca P
cu
.P
S c3 «
O
O o
P Vi
o
o ta
42 «a .G d
S 'p* H § s o
§ õ O
o M G
cu G S \,_H
00 ca
<4­>

o
■4­»
cu
cu
O o y s 8 S Pi U •S Ë s > 42 Oi 00 OH S Cl U
i <
U CU o
CM OO
Q SU ca eu
O ti T3
o o O o
Ë £ oo
o G 00 .2 ca
c ■p
Oica
T3 O O '3 T3
' N
la oo G c G
CU
p -a oca <cu O
Ë ca o oo ca 3 O p
s T3
O
o
CU Vi
ica R
ti
CU
T3
G
O ica
oo cr
­o
CU

c (H > ­ OO
S
ca > 2 O 00
Pi o cu
oo 00 L-H O
00 ■+H SP ca 'u ca 4­»
­ d T3 _. oo 11 ca C
O ^CU
#i>
o â^ a H o 2 ca6 0 o
•Ê3 cà eu CU
S o
'­G e ica . 2 G
M
•G G
u
cu o O
o> v G
p O §•§•8 cs a . s O oo O
T3 O 00
ï - v8 Cl <cu
CL G
o d G ecr
o
CJ
cu <ca O ti
D i oo ~
ca «
.H2 ca G 1 8 O G oo
g ac u
E
o cr g D i ^ 3 to G O S
o> eu ca
G ca P TG3 .
O a sD i ,tH
cr g v2 eo cr eu 3 ^­i
00
o
t i X)
cu —
ca
ti
^
o
S3 S § g-g» 8 O
2 *H
O oo
c3 ° o
c3 C L eu oo ' 3 G c3 43 53
ca
> G O O O |
G ca g o
g g O ^fc Geu oo * P
ca 8 ^ D. P
c3 d
e cu a ■B 43 ç j ^ O £­2.2.
G -■o p
o .S ­G
G > *
3 "G '5 ca G O P C L G ça • 4 H
6 0 CG
CJ W "O .G t -\ W

eu Ë § "3 60
c3"§ O
43 > o ­O cu cu
U o áa eu O Oi
h
oo cu
r) §
\J P­
õ
OO
G Ë O
P Oi o Oí Oi 2 G
C
2 oi cl
43 -r
oi Ë
o 00
­*­4
.2 'é3 .2
'S3 p 00 ca cu
u 00 00 S in c «
G o a O
T3
O ­G
­G s| p ca
E sp ^G "­>e O
+­»
00 eu eu lH *3 O 00 g G > G
O ■*­i ­p O t/3 CU
•p
-s
G O .-G t: o c
ica o
B H ° s f a g cá a
o ica cu o
<u o 00 U G "G g 8 P 2 g . ■G

{J ca ca
­4­J
G ii 54 a CU
O § E ■4­»
G
> :2 5 £ G eu O G
U > O «<H eu O O Ë C H U o ■
2 d

­134
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

O O
CS — o ica
o
ica
o
3 WD
CS o ca O ca
00
c a ­C c W> •
o xs ca cg la
r—< *-"■
txV, 2 «a
S u xi E Ë * 'ca

a °n ^ £ S C 6 ■a a
o* M
ça o
<u , 2 ÇJ 03 o <u 2 <u
e
o Oi­O o ■d
0) •O "O CA ■o ­ o c ca
ca o
,c3 ca ca
<u C
„2 t/3
■£
o ca o ca ca ■S £ .2
-2 *> W
« T3 "O O O 3B
cs I
o ca
ca
­5 ' es
ç^i o o 6 o
CS O o es T t ©x) IH O T3
ft O 3 U o CS
3 ÍX
h» M JH W> & Ë >-§ rt
cN PH vca
H s a
H C

Ë
o
O

O
(CS
o>
cs
OX)
Wl CS
cs a
OX)
o
vCj
u
P"
■4-1
CS Ë a
IM O
C/l
VI -a
O CU
w cs es
ox)
cs "S
cu
o
u
jg
a t'­
a) es
va»
O
Ë "3
O S
U >
U
a


CL, C 1 ssï
M
n0 T3 ~
>3 o
CO 5 ^ h
eu
-4-1 ica
a oca ­a ca
o^
a» o ci* ca
o • S ica u u a i
U ca O o
O , o ca S ff £P ë
S
OH
S SP r°s .9 &«*
> CL,
& Q -g > a
­135­
distância percorrida ao comprimento de onda, o
tempo ao período para:

V = — = AV
T
Recursos:
Manual.
Protocolo.
Material indicado no protocolo.
Acetato.
Conteúdos: Estratégias:
Amplitude. Relacionar qualitativamente a Como varia a intensidade do som com a Trabalho experimental
Intensidade. intensidade do som com a amplitude distância à fonte? n° 5 - Variação da inten-
Nível sonoro. da onda sonora. sidade auditiva com a
Reconhecer que a intensidade diminui Com situações do dia a dia, relacionar a distância distância do detector à
com a distância à fonte sonora. à fonte com a intensidade do som e o nível fonte
Distinguir a intensidade do som do sonoro. Variar a posição do ins-
Conceitos mais nível sonoro. Formular hipóteses sobre a forma de, à mesma trumento de detecção à
importantes: Identificar decibel (dB) como uma distância da fonte, o som ouvir-se melhor. fonte emissora.
Amplitude. medida do nível sonoro. Verificar experimentalmente que a intensidade
Intensidade. dos sons diminui com a distância à fonte. Não Som através de um funil.
Nível sonoro. explorar o inverso do quadrado da distância.
Escala de decibéis. Verificar o que acontece quando se envia o som
numa direcção ( chamar a atenção que o aumento
do nível sonoro também poderá ser originado pela
ressonância provocada pelo funil).
Consolidar os conceitos com um acetato.

Recursos:
Manual.
Protocolo e material nele indicado.
Acetato.

- 136-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

-137-
Trabalho experimental em Física para o 8" ano

-138
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

S 00
-o S 3 O
o o o
aj 3 <U
3
oo
O
saO CO
S
X
3
oo
O
­4—» 1/3
o
B 1—1
00
r/1 s O) S
u D O O crt u
3 <u
E O *i S o
oo .ia t-H 03
-a -o 3 O
-a
o O lâ « Já O
c
<cd
<U w
o «
w
3 o
<u ca &
T3 P H
íh^
3
u< o oo u N D .§ «H <?>
o O T3
T3
00
'r^~1 00
r/l ^3 íff cu 3
PU 23
3
Pi H 2 §e- 3« ■*-•
D B « o\ « O
O
" vCd GO

H c4
""l
3 O ° s tu
CO T3 H S3 .5
O .3

cd
T3
oo
o;
IO
o*
cU
o
; 3 r/i
B< S
c3 O
r/1 00
CS

3
S
3
i—H r/l
03 O
T3
&
w O
)n-|
r/1 X
1) tu
> c
5 B

139
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

<u ft
00
5 o o o
T3
u
G 4) "S
Ü I eu E «
00
eu ­C O
03 103
X
­o
03
O «i
Q
o
a
C/3 ü3 IO tu
43
T03
S 'G
3
a>
c3 "B 2 o
<u O& «o BS
00

& 3o
-t—>
%n 00 03 0) c« tu 8
CU 103
O a 55 * o -o

OH
O
o c ^ v T 3 03 03 03
4-»
03
7 3
GO
flj «KM
­M
O PL, O
IH ■ 1­H
T3 O GO .OO g o <u O «*—I
'3 00 I 103 O !§ D. (03 g
G % i '-3 o o> P H CL, » C O Ë 73 ■
'S
00
ft O
e
S ta U ft
s s 03 r-l
e m a CO
ft
O
BB ÇU u° S
8 Ë *
<N u "8 =6 H c
-O «
03 ^H
g 03
00
03
r/1 eu
IH
o <U u
CU
> Cu G 55
O- Tl
53
eu
aj
T3
ft § «
03 su S
O
­*—
00» oo
Tl G
O « ^3
ü en cu M
oo
S •- C £
s
00
03
H M S
O •"-'
"O G O
O
o 3 *eu 55 X w <«i
oo O (U O

i 1%
1)
­Í­H O 103 > ft
O T3
O O" <D o
01
O
103 H* g ë ^ .g
WH X 03 , © m 03 T 3
tu
3 tu S G 3 « O
O"1 ic3
6 8 « fi O o u
c^
O r­
T—1
03 r/i 00 S .« 03 ■ ­
3
r/l
ft IO S3 § «f«
O
O 3 O» G tu
­l—» O «.vi
00 00 3 u « O 03
C O <» v 3
O EQ PH ÇL,M
ft O o 00
ce] Ç 4 «
00
C < T3
3
03
o E
icd
O
g T3 o
CD G 00 o tU ,-
00
00
G E ë
' C <U 103
O O
tU do S C
03
O (D U;
­O T 3 X> g * eu Jj T3 O 03 ■*­• 03 oO
S M§
tU
E ë ■« S o Cu o
& ë T3 O
tU
T3 °00 o
O T3
G O
3
3 tu
•*—>
a g 03 « 00 tU 103
El « M S (U
03 § ­T3o
« «U CU
Ü g lO
8 .a* g
(U O «3 3
3 T3 O ^u §•3 . G2 CT 1
tu os
03 b û
3 00 cd « cU JS 03 o ft 3 *J
03
a* o G o
ft eu 3 G *7 &g tu
C/l

2 "a
C/3

ftu xt
<
00 X )
o cs
­4—' 3
00 T 3 'on 3 03 ft 9­ vtu CT1 od g
s2G <s
« c3
o t/3 03 ™ 53
03 <U 0 3 TO3 ftu
N âo ^
il
CJ GO

Ia D a
103 ;^­l •^ tu
E o Sft g a
4G
G CTS O
O
u o o ■S
c Ko oo .3 ft T3
•S o T3
ft p
M

U 55 S C
O
tu a § g 'g
8 5 » H CO Pá
S Pá
00 O
(U o o ë eu
Pá .22 G
E 03 00 E
o vx .«S
O 0
E eu s-. on
T3 G
00
o O ft •a
0 00
o c 03
-3 0
Sft -a o
00
-3 Á E ft ­<
0 o ^3 Cu g ­g 2O ^lá ««
lis
impo

CU
Flexão

G o 103 O
O
U
103
X
U
3
O
103
O .
103

U 2 .§
00 I
+­» Q
o | 8i"i 'T J
ft

tU
U s S 1) 1
ft VO rrt
r*i r­ o T!
(U -G 3 <u S 3 _ <£ o g «2Í « E u
Pá < Pá Pá < Pá PH w Ü . S M > ë ­o

­ 140­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

.2
'5 TJ rr|
c TJ
«u Tl
3
cr T )
PU
CU
>
3
o
efe CU
CU
o U
E >
CU
CU <D
o S Od
o X
<11
cd IH
O
o «+­<
CU
'J
-*—» ■3 •*—>
C TJ
—H CU
03
ca CU O
o on G
«U
c c
CU D «♦­H

o 3 CU
cr 3 cr
ã
(1)
(U
-1
1(T|

cr1 u
«4­1
C o tí
ü O ■1—»
u
(CU ti irr| G 0
o *->
G D CU cU o
­G ■1—»

s
G
O a G
T)
p
o O
> a «+H

Q (D '"G13

­ 141­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

■c •ps
o o o o
O
43
43 «3 oo 00
<u O ü
■a o 43
Vi
CU
■i O
IH
O
D. CH

a G c
O
o IH
(D sa o o 53 c
o G
■4—' 'o
o
'S -o .SP o
"S T3
S
S o
oo C
CO o
>
0) S M-HS oo Ë «+—< U
> 03 G M­H
1 — <

o (D
Ü
> o O D O Cu
< G u U G OS < Q
Q 3 00 U Q u

03
C

­o
<u
E o 03
E E lH
O
CO CO
3
co
3
O
1 O
oo
O
2
o
CO
03
ÊP 103 3
O O O
cu O '3 co
G g
o
U
T3
S
CO
d
"o O
~o IH
O
OH
03
03

i> o H CO
o3 3 'oo
C O -a
fi
­4—1

«3 O 3 io3 O S
3
cu O
00
CO O
CO
O co
O
00
O
<D
t/i 03
cu S JS O
03
IH O N 103
O*
•■5 c
X5 -a
4—1
<4H
CS
O CH
00
03
3
03
G 'B D T3
CA
o O
oo
O
O "o oo

O
T3 £ ­4—»
00
T3 'o -8 CH
o
<D o "C O G GO -a N
T3 tcd <i> 103 03
4> x ­4—1
y o U CO

o ."H <u O
*s o
fi 13 ta o 03 ta £ o 4­» 3 "°
.9 (D
O CJ
o 53 a; o VU 4H
3
a tó W U aí U H
ü w
u
O T3
1CS co
03
w (T|
00
es
CJD 00

-+-* m 2
o
t/5 HJ
CU
>
r/l
'ir?
§
oo
G O
HH
cu
r/l
3 â
T3 fcj O
CC oo O 3
O ü -o "o
X 3 o OH
(1)
CS E o !03 03
-o
i
O* <D
D 03
cs O N Ë
u oo
3
O O
H £ O

142­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

cs o — C S
2 3 ­o .. o
o tes
Sí S cs
-o oI
O T3 O O
« et
a CU ICS bû JS O X! Xj
E c N «
o 03
a, g ^3 Xí es eu
C3 iyj 03
c3 (H
u o S o B O U
'C "S M '03 ­S
-D
S B "3
fl 03
­S o X) CO
a< s­ "tí ü t-( H Sá ?3 103 03 O

ai o>
01
1
■a ©
oi

fi (CS
x cr
D to
&, N

8­Jl
*­•
•a tí
_
C Ü o g
« H +3
<D

03
>

^3
S -a
ai os
T» 'S
o o c> H->

•«si
w ■4­J ­.
T3 •mm \QJ 03 C
OS X! fe cs
a ­a IH CS CO O CO O
+■> < c j co
T3 m . M oo Sá o «Ç -g O ici o "3 ÏT3 O
O­ C 5 03 OH

si
0 0
£ Xi *s CS X! H « S N S3 ^ M 2 c
CS
a
u
<! H
v>
s u S
.2 o
PH T 3 I§ 1 ■ «
A f) o
ça I H tes M
PH ^ »
M
-H <
n C O. «g
&o'S S
03
>0
C(U
U ( S Q C U
m H 8 o­ c
OH g o

T3
B aã IH
*■ , 5 . 3
O o3 o
N u P>
CO «
(U 3
« S
U ti—i
s 1
03
03

Srxl
O
C
­a o o 03
o co ■c
•2 9 OH
O
M CS U co
vat M 00 IH
T3 S E
"S ° U
Ç« B O CO
;g CU o
_>
co B 'G *H—»

o CO
3 e
03 3
O
u
eu
Md B co xP o
t/1
on
t/5 O o3 .­H

>
«2 O CO
03
l-H
<u
O 3
1CS O 3
03 on
oo
te
o .? C 03
t/i 2 o
SI S bû « O C
a* O TSE <u 3 °
FJ ­s
■ 4 ­ *

O X es p
S S o <u S PH

o co
103 00
00
CO
O
N
3 ■ > eu 9 -S. O
H­< N
(U
co
O
C 2 C oo

eu CS ■a o N
*J « «a ^ O <n E S .S
"S o 4á
3
fi 7 3 S , Já es 3 ._ Tt M
O s ta
^3 a u o3
U S 03°^ £t< g"
bû § Ë 8 8 8 ­
c o ­ ­a ^
o
VJ °1­1 H § -c /-\
o ioo tD
O cd
S o o
PH PH
tí co H

­143
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

CO

O ­*—»
CO N ^ ca
> B
<à - D O
Tl W .52 *3o
C3 -C *rt

S o
CO
c 111
S fi w
È tes
fc< cs
0> N

a, o &o C o 2 "8
S2 < Ü <U O <U
2 2 03
T3 <D O

Is g a u
C 'o
c
O M

c
O

i2 cr s s o «c
2 £ £ 1/)
n" O 2 O CS 1 - 1
^ * ■c & g
CO
<L> CN << 3 co H S
.S'| x 2 , o M

£ cr <u cr o o

co ce
2 O
en
'3o
^CU
•*5
3
u
es ev. CU

% s 03
U
'3
-*—»
tu
"o
-o >
o
cu
ce
O g 03 E
"^3 co

S P
a
3
o U P6
U
-8
—> * J
—' OH
<U <ü
TJ O
co H
2 ^
3- o

8I ai
C
a o
co O r-
13 in &
i_ D G
O "J co

E
c 8
2 g 5

CO
CO
co N
N « îê H 03 CS co _
W3
O —
73 «J
3

«
co S ^
CO
O
•3
O
V-» as% 03

^3 CO S <3 (D T3
O M T3 S)
« <o
8 o g c
o
cu 03
S
1u ! tI; «o-8 3Ü
CU O
o 2 c &2 o G ã o a s
U Õ P .S s O

Q Q
C
O 13
<U U Il &
cj § 8

­144­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

M N CO
1-H
5 5 o o I fi CO
o o (U
O

CU e ^ 03 X
ü g 2
T3 XI
X
03
u I O
tu
N
3 S .-S o3 „ T3 x1
CO
o3
<*-» N H N s ** 8 u IH CO
O ü
co
CO
O
CO
«
o O o
03 O) fl 03
CO 3 3 T * tU O CO
O -d IH CU i—i CU —i CU 3 X) 03 CO
O tu tu XSH
<D co
OH o O)
x « °-§ m OH
OH

i—,
x\<u o
WH

o 2 -o g co , cQ3 pj o
o— o o
O ■ * ­ »

io3 CO o its co
O O
CO
OH O 103
CO o CO <cD
CO
O
O
H co -O co co
03 X CO £í i_, X
13 ■ ( X Ico « I s "S 2
X N H »
X Icuco
H «J
Ï1 OH O li CU O
x <u O cü; CJ O
-4—»
CJ P H —H M-, —
•^ 73 '5 « i- 1
Cli i - 11
- i- OH o< Bw XI
u, c <15>
t-H
o
CO CO <T1

0 o -3
« pi o
H 2H Q CN Q .S
«
IH
« 2 xO
x1
O
i ij
<N
!U O
.S .2 o
-|-H
2-1 Ü OH H

l-H U
radiações electromagnéticas.

Recursos:
Manual.
Acetatos.
Protocolos e material neles indicado.
Conteúdos: Estratégias: Trabalho experimental
Leis da reflexão. Indicar que a luz se reflecte quando Em que consiste a reflexão da luz? n° 18 - Leis da reflexão
Espelhos planos. incide numa superfície. Discussão das imagens dadas pelas superfícies Ia e 2a Propostas de
Espelhos curvos. Distinguir a reflexão difusa e a espelhadas. trabalho:
Imagens reais e especular. Comparar a reflexão numa superfície espelhada e Caracterização das ima­
virtuais. Conhecer as leis da reflexão. numa superfície rugosa. Relacionar a difusão da gens dadas pelos espelhos
Construção de Interpretar a formação de imagens luz numa superfície rugosa com a difusão no pó planos.
imagens. com base nas leis da reflexão. de giz ou no fumo. 3a Proposta de trabalho:
Reconhecer que as imagens dadas Verificar experimentalmente as leis da reflexão e Leis da reflexão.
Conceitos mais pelos espelhos planos e convexos são transcrevê­las para o quadro. 4a Proposta de trabalho:
importantes: imagens virtuais. Reflexão difusa.
Reflexão difusa. Reconhecer que as imagens dadas As imagens dos espelhos curvos são
Reflexão especular. pelos espelhos côncavos podem ser semelhantes às dos espelhos planos? Trabalho experimental
Leis da reflexão. reais ou virtuais. Trabalho experimental sobre a reflexão nos n° 19 - Espelhos curvos
Imagem real. espelhos curvos e caracterização das imagens l a e 2 a Propostas de
Imagem virtual. obtidas. trabalho:
Fazer diagramas de raios de modo a construir e Localizar o foco dos es­
localizar as imagens dadas pelos espelhos pelhos curvos.
côncavos, convexos e planos. 3a e 4a Propostas de
trabalho:
Recursos: Imagens reais e virtuais
Manual. obtidas através de espe­
Protocolos. lhos curvos.
Material referenciado nos protocolos.

U
a
o
2

CA
O

0)
vcy
li
H

-a
2

■<­>
-o
o
u

C/5

*->
H
G

CU
CU
CU

ca
ca

••
H

"Sc

­146­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

Cfi
CS
b 2 "õS
9) § .a t»
o
tes
o<
-2 *£ "O IS cs
TJ
cs
u 2 ° co §3
£3 co o3
MM O
o> o •o ^ J2 X CS G
+-> 103
O i "q
eu
1/3 W M
w
o
. ics

OH >
ri
CM
cs a
o
"cS '
S S^ X i «N .1 S c£
o g CS < S ■a
? ^s rU » cs s
>
°s 2 H s -S ií
co
o >
03
co io3
O H

-a
o -* -s
tes co
c­ c» O
N CS
0 c
b£ £ 2
<1> B
S3 S« ­a
CO
cs X)
"C
O
7 § co
O
o co XI rt
tes 03 C3 03 co E
O* 11 <U
ü .a S O
o X>
* O
>
ch ■g
•w
b
CO
CO J s1 <D
X)
CS O 03
<U N S
<u B
3
H~t
t/1 o3
es 5 "5 03
t-i
W >
03 'J3
CO co B « 2 03
03 03
B O
O & e id u ­ CD3 «
CU B „ t»T3 o 43 x i
B1 O
CT CO
n ° « a x> os
M
r~ C
S eu
•jr> «-< i 3 S « E co ?3
03 £
-3
<+H
3
U C O
H aO < 03
a au
co
O
03
çç3 " S 3 «* 4-« 03
E S C
E 03
eu <U
XI ^H O
o <u CD •""
" N -a co ­<u « O 3 £H 03
N 3 (U o B XI
D
—c
—'
cS
" !s U B
B 03
« T3
03

103 J3
X)
-a o
« «g,
«g Ê?i
"tí

.2 S
CO

OH
CO O 03 tu Ü ü dû
a - OH c s
<£ E
U C U
«-I >
I
CO
"S
a B* B
(U 03
■4-»

a O BÜ
<U S o>­l "in
Ï-H
£<g O •'
OH CO
H

o3 ca O
2 <U CSH O O 03
C O «i 2
•H xt
xi .y
O
•9 S 2 N
C >,
^3 c« air­d
§ rrt O«* C U
^ -g O rH .S -n
O g" S. 2 B <U
o ^ a s «S CO --H C
ctu
■*-»
o co
- ce •s «g .xi2 <uo­ . 2 1 <u S B .2 <U
o3
03
tu
C
d ) C(_,
►5 S sr <u P U -2
ai xi S xi O cu õ
co
CU
j­j CO
C CS co
CO
CD >
rrj
co
N <U
B
ctí Cd
. bû
(D
Sco a5 «w SD
a» - H ptjc x i x i
73 co g tj 3
eu
S c •»« M XI
Id o P eu o 03
o3
O 103
a>** vw
o3 tu ;<
X euy-'
eu^ « g| B<§ c
5 D
eu
Pu gj
eu tu XI
H3 eu
u - I <a
­­ o B
Qg ü

­147­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

CO
o
Cu
co O o
■ * ­ * 2 O
T3 '53 3«a S
ceu
o c C3
a s 2 3

» huma
xperim
IH
fl)
­t­» 0) 3 cu C X ! 03
S
■ * ­ » O
c
<L> 4» 0)
03 «
co o
cõ" O 4­»
"E
O <u ­C Cu
a
« X Ç8 3 co
o v53
c "o
0)
a
■4­» r/l
g
03 C bû
c C
(1)
O ^ o o
<u O
ti 00
03 « ' ,2 ^a
J2 o 73 ■ o3
3 O
C
■g ?E | M 43 X!
«
V)
tN
3 03
4-1
X!
CS
DH
X
•(U~
H C >
2 o
H
«- o
CS
a O
C H
o ■o 1-1 C oo

<u 03 03
3 a o
a K
03
S «
03 co
o v53
co C M bû
CO
(U
<u

« 2
> 03 bû S
S <u « 2
03 03 C

g
bO c K 43
N
_3
03 <U o
103 O
to
03 S « S '53 c/)
3
O >-" lO o
<D O
M 03
ge ej
c
2 03 o 3 42 3 o
S3
o>
3
cr «s -a U C •2
M . - co N
« D o g S 'o
C
•a a «ab û 4abûÏ T3a »o
VU Si
3 I-l
O 03 co 103
Q1 . «a
° 8 a *- O
p
03
bû 03 co p
co jx "3 03
"o "a
S o s 'S co CH

O g 43
O
3
to O a 2y ••=!
eB 'S 'CS
103 •,£? 03 O 03
OH
S£ S

C0 <D v(U

o ^
'S .22
U 43 « o c G
o H3 o

CO 103
03
O O co a s o 03
­3
^3 a o
■*—»
> co
O
C
-o as
2 ~° 'B.
O
><
O T3 ■*•»

"S o H
© 103
u
■*—»

U
© u. aÜ VH
•■n ni co
O 3
S '3
O
IH J) H D
U o -t-^
n -*—> O . 3 co o « Q (U
(J ^—» C (1) t W U C o P-
n c P—H
o n «J o =5 O O
O OH CM P U O CM CM CH >

­148­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

03
V) T3 03
cu
OO
B
CS
u O
103
^
S
3 eu
O v _ 03
3
CJ
(D
bO
03
!03
00
O
<u
OH
&a oo "■* •rt
S tes
oo
03
ce
a > X es o3 a O "O 03
<0>
S <D IH bû 2
g
es S3
oo 03 03 03 c
U >3 C p<
oo 03
S3 O . 55 03 -3 a» a B
u o3 *e =
o D
CU 03 03 ■ £
.2 a ^ o
" ? I
r--
c3 o
O Î03
H­ 1
\
/- u ­a U
es ■ a ^
03
T3
0­.2 «H o
2 S& aa «u .a £
^(S tes r a os v
O 'g O o
.S 00
cs c *
4—*
oo
--H
o3
00
03 *­H ü3
s *o -a
a >• A os '3 •£ ° > S So3 uD c'C ^ya H a 3 «S <
3
t­i F
o £ e".
fi CN- 03
OH H U O
OO
a oo
03 <U U '3 03
O
o
O
•­ a3 °T '■*­»

&
103
O
-o
00
^03
^o 03 ^O 03 T3
bû 0)
O
o as
O
■w
03
O
a oo
03
03
OH 2 o
03
03
a (U
B S 03
O
'o eu o T3 eu &
c s -a O
103
3
1 S 03 oo
03
Si a vo O
(U
T3
00 - M OO
03 03 £
«5
o «a a g u
N O
­*—> o u
O
va oo ­O
O
00 '3D .S 13 C -*—» <§
OH > oo
3 3 (D
^O
03
03
c es «8 Û
I
u 03 o 03
eu *i Su 3 a a . t-i
1-4

Pi 00 M . 3 +3
3 03 03
oo JD
i .£?&.
.§"8 W « 03 O C
O
a
'3 03 *03 a SH
(U
^o3 03 a o X5
'o
O C O
oo <U oo
bb a a > u ST S > S
c .?3 2 o 'a
^03
2 O 03
u h co l
3
oo 03 oo
O
1
o
O
103
3
(D T3 oo
a 03 '"
O il
*£ g m Sf
o
103 ID . OH
o a o o3 oo
« ■ a u a oo 2 oo
00
3
^ H

S 13 « 13/8
­2 ^03
2H ° o a I­O ­sg» C
(U ^ 00 O
I S cil
O
S<S£
O O ­O
U O a o
S-H

O
- r t

oo
< 2 do.
00 O0
­O aï
O 3 c5
a T3
c X
3
ou
bû (U

(U 00
03

a
T3 a
U oo 3
13
a s o3
S có "Z3 o
M
a o '•&
.2 ° vc c
a OH Õ „
i­i
s
,3 O o3
oo
­<U
3 oo
<D oo <u
> (U 03
J3 O
D
U aj­< ™ N
3
03
O
o 5 o
oo £3 ^2
a .aa .a
(U oo T 3 T3 03

03
O

oo ^03 es oo
O
T3
l­i

O0 E cu
^3
0) •a 2
03
O
"■t—»
sa 03
O
03 a eu •33 S '■4—<

OH
o . u
oo 53 c
a •-o
U oo
X)
00 as •­ S g 3 iJ
« ­S
03
o a
PH
3 U U - H­3 P H

­149­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

«3
O
"o
o
o
s
O
c
o
03
O
-o
03

feb c
D

w c o «
i O u
cr « *s
S§ Üs
03 O 03

150-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

o ■c
X O •c X
O •c o
C/3
(U 03 o u X
vi
XI
03
S­H
O
X on
iU ■a 00 13
Pu, 2 IH
IH
O ■S
O H
& S Cu
&
c o IH
c3 c S o3
o <D
bû o c 6Ü p c
'Õ '3 '5 'S T3 0

1
'■*—í '4­»
o C
00 o C '4—»
on C
,*>
VI O on C
on Ë > g <4­H
> m 03
8 ,«■>

> o 13 o
SfH > (1)
< 00 U Q c U Q C 13 < Q £ rt Q

00
0
CJ
4—»
P<
^0
«
0 1/1
03 4­>
0
U
c X
4­»
(!)
Q-
S
o

C
•O
on
03
o
o
4—»
1
(Z)
C
00

U
00
<u
vi o S) w OJ
<u 103 o3 G c
E 3 OJ
ou
es o 03
■ë
-o 0 N (U 00
on ai O
(U 3
© <D <D 1—­H

lO 10 fi <U n lO
0
'S3
u
O
03
o
03
00 S T3
1/1
i«l
0 03

C
O

tu
O
i 0
(D
Un ­4—»
a
0
«
O
O
on
O U 00 (U on

U < w iE Q <

o
tes
e><
es on
o3
W) O 3
■ M
C/3 C
OH on
0> <U "EL
>• O 03 on
C ^ O
03 C
O
HH U
O
O
<U
X 1—1
V
"a, 03 cl
T3 on
o3
3
4—»
O
■ 1—!
V3 0
03 on
13 on O
O O
03
03
A 103
0) 3 C
^^ O
T l on
es 03
03 <D E
,0
es
s*
N
4­»
T3

O
D
IH
<U
on 1
H O
on
s

­151­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

03
T3
0 S °
° OH M oo
2 S P 'ê3 03
­a
a a o
« ° fe 3 M cd
Vi
-O O) 0
u o 3 a
OH 3 C3 > on
O 1 O S cr oo tí s
es on ' d - ~ s, S <u O O
(D
C
O
C3 ■*-> til
0 1 o C/3 c3 O
s ­o
OH
on
S 2 x S Si
Vi

13 a u 00 o Ci
03

O
VI
ao (D
"3
03 03
on
O
3
°CS -S a 5 s
O 03 ri
■4—»
on T3­o 3
> o 03
gg a O
t-i 10 O
OH rt 103
Oi <5 a s G 0) ■c ü O i on
Q ifl . H D,
M
§3 00
3 OH (1)
> a
OH
03
00 T3O
VH o
OH -O
O, 3 U
< '3 £
03
Ia
o o
on
o o

T3 a
oi 03 U
T3
CS •3 ­°
O <U

vi u
<S o
03 t - te tf
•« U
0 £ Cy>

2 -2
el
VI
O
2 1
Vi £) 3
u a
es <es O «á
u GO M

Oi 03 o
o •Û 3
OH
on
03
2 a 3 "3
<D N 03
'3D
H­>
CS
n '§ •o* 5
03 o ­c22 M IH
s-
3 ' O 3 (D
vi o
n2
9-
O « *-"
on C /0 03
w AH <D

on
?3 on
6b £
M
tf
Ss «
^ §8
| 8­|
4) 3 H-J
on 3 O
te § aa
on
O s au
"3 3 on
u •3 00 3
o> Sg2
lê? ­S H o
s S, §
o KH <U <U

on .°03 s a on
O 'o
3 l-i OH on
*J C .52 o "3 <U
'3 S03 00 IS
3 ü O on on
l-H

u an (-H
i—i on <U CU H­J O
3 O 3 O +->
> 3
TJ OU
8 J-Sá
OH
O <U
.u ^3 on O
on X)
O ■*­! 1) g r a u OH on o3 O .f3
TJ S Tl P O (U 'oo
-3
«
O on V
f3l
O " 3 on S3 a H2 O
U 03 O 0/3 o •c ­s "^ K S
H­J
3 01) IÏÏ­3
U - O O u.2 S S 3 2 S fi
O a; U l-< a so -3 r Î .P
U Pá U •Si u-, -a
W U v3 O
CO T 3

152
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

-153-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

n CO (U
X) a
3 ics
n O tu CO
CU •c
§ 3 3 •G &
tO
o3 S g irt
4­n
XI 'U
c
>H
V(U
CO
03 4­4 r/i 11)
<a to
X) a <L> co
3 <u <n ■4—»

<U O CO

6
o o •o n 3 cd o o
^ X) "O a a
CU
r/1
O 'S g o 4­4 CO O cu O
«S* C
cu S 3 a '3
CO

<u fi eo ■t—»

'3 xt
3
'D
■a £8 l­H

fi 3 X I tOo (U
T"}
O
CJ
IH

I ss g
■o & rt
3
cr
o
ei
4­4
CO
O
O
o
CU
c3 3
B
oJ
­1—»

O J3 " ■ S>
U
O
103
d
o
o
■4­» <U
"S c3
o
CO
03
i­i
CO
fi U
o3
U T) E
CU
CU
O
S XJ Xt -a
11
ro
"go G Cu —
es I a
OC
­I o & S rtt S3 ­t—»

03
CO
(D O t-i C/3 "~j 3 CO Hi fl> fl> O
S e -s 3 (­1
Cu
CU 03
Cu -° 53 Su
co
(U o o cU
e to
4­4

C
3 ­4­4
Oi) G
J .SI
03 " 3 eu
cr
CU
OH
CN
cu
> S^
'5
es ro 3
«­ o es 04 cr <U
­4­»

o
U
Xl
C «0
C3 P H 03 ^ D
■1—1
o
o.
H S "0
O
o 03
o _> CO
pjj 03 «eu « ««
'■O
03 Q
03
Ë 5 co
co cu 03
õ .2 o vu O CU S eu 3 ^ ^ 03
&< or N
3
CO
03
& O o
vo3 G
3 C U
C t) S O O XI
co
.2 «J co co XI
C
U
XI
1°o,
rt O ­d 3
O H 03 eu
_0 CU
" 3 ^ ­ C S ­a
O CU
u oa
O O
c © F!
U
^ ^ O
c 03
3 X5 ro o
03 n o
OH O

*<D
03 O

O H 03 1 3
_ ■ * ­ »
03
3 o
O co T 3
2 o i­i X2 c .2 X) xt >—i co u 03 103
cr « CU U
!03 T3 '3 co O .
o CU c S '3 O
H—<
&
03 0
Ù 3
G M
'C fi CO
03 n OH C
XI o B V,
t/3

3-e C «
03 a 1-8 e cu CO
es O t) co 03 03 T3
«i u H
•c O H O eu 3 . a
­4­» o ° O cu . CO
fi O IH
tu 03 cá ^
S xi IP
-CU t:
03 O 03 O
O tu io3 C U OH X u tá eu ■42 O
cu cu es t­M •S <u OH eu C

1!
X cu ,­H ­o X
3 « S3 o cr^ a­» co s
c j j es o O
103
03 03 «
O Z , eu
O XI O
S .2 S O o a
"OS ta « co ­a B « 1 o U03 Q rs

CU
03 ­03 103 2
to '^­4 . ­ H
c ■ a W O«
3 co
­3 •G o § % eu eu O CH

O

5 c •9 3 S s .g o M Já «J O O H vif S FI « O
_ co J 3
co ­ 3
■4­»
O
a •a 0 cr > fi .3 eu tes X5 T 3 o w vo3 g 103 3 5
'3 co S 03 o
> o ­ í co y o> S 2 O <cu 0 3 C U 03 . g c o ­2
fi
OH
S CO
" 3 o CO OH
eu es tu ÊS «i M
2

c O
O
. cü XI
O
H o C
OU O o
O

CU 103 i co
CU
CO
O
O
î>
t*
eu
09
2 a (H eu 3vrx)
§ 3
SH t > 2
cr ,
^ t­H o03
1C3 . ^
O eu H^ -
o S 5 ■5 ° 03 4­4
rt i, Ü fi ^cu o
3 ° -5 'C CU
e 2 O O
S g" OH « ­== "C q 03 eu
S
o
S £ 1 3 x) eu <­i—i vo C
03
eu
dl
O
4­4 u
*cs S 3
ÏH
2
_ o
U +­>
o çu fcj ° r 103
O o
2
o
M
bû­< cu Q b0
I.,
1 /S x o
CU O J 3
­a
S<£ fi s O co O C U SH °
O
oJ
S -3 a
8w cr o 3
9
ry 1 <0
fi 4Í

X) ° «ri*

eu
4—4
co
VI 4 ­
eu 3
• (■N • 41
n fi 03 03 eu
es CO XI
S eu
■M
03 o o
O
& eu
O O
ë 3 3
O
o3
XI
co C eu eu XI cu ' C O 3
O
eu
-3 ttt) 13 ts o O
cd S O . O
3 va eu eu . cu ­eu eu ^Çj XI O
>­H X 103
O
eu o
t.1
o3 O
03 X) CU C VO x) 4­4 O
03
3
3
o
eu u
a OH
03
'o
C 2 o
fi c 103
XI eu X
ti 203 o eu S b ­ g cu eu
03
XI
co C
%n <U H
a
S 3
y
eu
C xi £
o
3
3
U
O
.1 w CU c f i
4­»
_
eu
o
4­>
C
3
fi -g I «­t­!I s O
a
C
cu eu o
5 1 vcu
BHS
3 5
co
C
O
O 3 CM Q DHPH O .a o ^ "eu § 3 u

­154­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

CO C/3
1—» CO S eu cd
03
c
cu 03
O
o
C *
«ceu 1caS cd o (D h
b Ë
£ Ë S
cu BÜ 3 E cd cd .Ë 3 cd D C
E
u C a
o 5 B
o
rr 1 co " o
o s cd G X
D g u s cu
CU <cu xt «o
a
X
Oi
CO
CU CO
M
CO
E X)
xi 2 D o U
g /Cd
o en
s« M O <u
Ü
3
ÇU
3
a» v -4—» T3 0 o «ri o 5 cr cr
o tf i< l i c cd ü X
43 o o o Xl CH\3 X
03 1 ­«­1 * J
s s S. ° I g" on' co ti Cu
03 X)
C c
X!
2
3 Ë R<XÍ s â Ë
°Q ­o Oi H -a
H
w.
fi o o ■ ° 1 9> e 2
XI U ^3
« ^
3 73 2
'ed "d
> 3
O
U
eu u
U> B
co cu
O IH
­a o X)
o "3 CO

CU S
E 8 cu 3
E Ë XI
C
o §
O s
CU E cu <cd O
O
X
cd O XI 3 co
­§
O •• m »H O cd
1/3 o
co
O

r
03
CU
ti 3 C i-S C/3
O T3
«3 bí ■fcj O O . cu cd co C
li CD vcu u 00 — i oo x i *i li
vqj S
3 ■ * - >

03 13 O O cd 3 ü
cu
I
cu
CU
cd X I
S l i .H CO "S
es C/3 o o 2 cd O <U
cd u 52 e c c
■c w <U 3 O
c
■a
CD
4^ c
<CU
■M o xi
tí o .2 S <CU c o
■c
o s £ O3
cd
E
cu
C/3
• <-i
C/1
CU
£3 O «
Ç CD co
3 ü O
C5Û g

cd x
cd co IË
00 CN­ O XI 3 cd ü
O CS li eu
CO VCU O ^ «» Já IH
O
"o
cd
3
O
4^
cd o CU 3 co C U v f3
CU —
S i s Xl ;3
" U oi 2 "3 "o
"C 3 <n C ­*—» o
O"
T3 v
u o ­g Oo 7G
03
cd O
p O
G § a "8 § 2
o
S o o u cu c r <

< O cu
Pi >
<, <u o
cd
Ë
eu d)
•c
v<U cd X
co 3 . o
o
■Í—<
C3JJ
•1—1

3 VCU '3 co (1)


O 11 bü
IH 4—»
•S o 0 cd
CJ
0 Cu &
Ë fc « flt
&
3 u X3 o c CJ
3 CJ
(1)
C o co Pu
„ (1) O 0
•c cd
CHXI
eu X I
3 CÜ 1 8 E 0 0 O
icd
cr X £ 0
S cd
Tl g g. E tu £3
Ü
cd
CJ
CO
0
B- eu r,
•c ­§c2 co
CO
eu C
c; ­4—> c
0 Ü
> G c
2£ HH O &

cd cd cd
o 0
•c '5 co cd

co cd
co 4­»
cd
o c "3 co
CU
"o eu
4—» 0
co 3 ^eu
cd
o
'3 co
eu X) co
O ■§•8
28 o cd <CU
E G
co
eu eu eu
•c eu xl cd O
X ) 'cd
IH
4—»
eu ti 00
3
x o (D
CU
3

Ë
co
0 B co Ë cd
co ^U u 0
4­» O C X ^ cj^ eu cd eu XojI cd X t *-> CJ ' 0
o
"eu
cd
+->
"S |
eu O
cd
X)
'co
eu O cd
"& È: 1 Ç
S «J
o X
eu uu c
C <«
u' î XS <CJ
cd «U
Ë
eu Ë eu
co 3 *2
*5
o <u S 4 j S S O
g g "C 3 «à
' GS
O
0

E X3l
0 ci)
X
ro
cd
CJ
•c
C
<eu
4­»
co
a « I S Sá à
C eu co ■4 «= C XC •m

ï U
o CJ ^ C
w O CM
O Í
g
O « II 3
•H -in co O
x) CQ 8 o
cj
CJ
vÇJ

PH
C M vej C • «
e? eu
u _y*i xl
Xl
o xi
«i
cu o 1—1
U R
O
U X
0
0
^cu eu
co

eu P Í

­155­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

.2 Ë
OJ
N
3
o o
1 < <o
G O
aeu O

eS CS 2á E w o O <U c0t
"§ d O ^
1/3 3
E co •s
o B •CO 2 (D 5 ifi S3
<D >
t. O "3 l­H
oj *" « a> *-> É to CS O a» ■4­1

u
ft 3 OJ
O
i5 S ^
G OJ S3
g ft>0 OJ
3 X I T3
•3 C feb
1/3
5 o «3 O ft 2 3 2
cu ^
&•?
G « O O O
U S .
■•­> ,
« 3 cs
co (U
<L) -S3
CO

o ­g
*H on
O U
> v-< ■_■
Sá « ■ 55 ft O &° 2 J3 eu o
IO
o
C
u
2II
o j
ri*-
' >"8 lo
O * r5 TOOU
0) C ") ^3 •H c
ft (J £ *fi I eft
03 cu ft
X! V ) cu 8
a m
' C o\
c R & X O
P
u
H G \ H02J ■—
A

o ° „en §U ■8 «
OJ T3 IH CN +3
­°. Já ~
ü CS >> T3 es

CO
CS

C/3
oj
G
c O
03 ­a «
•4—»
CS
co
SO C C/3
o C/3
s
O O T3 2 03
'So­g O t/3 G 'So
vcu i> CO
L.
•*­> — va) 3 ■t­l ce
eu
« eu CU 03 cu
b — o u
U TJ u
icS eu *J
CO
eu O
c C/3
ft
O 13
•C
w C
eu eu
-O
<u M cu
M D
CS u
eu
•■■ 3
*­> eu
­4—<

U cr CS
S
S
Ë CS
E 03 ­O
S OJ C/3
<u > CU
c oo _o co IO
0) o ú "o CU*
O o .2
c« o
03'3
"S o 3 o
s CO
co
O CO
03

v<D O
Ë OJ
J^

OJ tí3 ft o OJ CS
+-*
_0J CO *-> OJ
­a ­o T 3 <U
D G c« •4—»

T3 O /CS 3 ■3 M ° G CO ^ CS " O
CS

3 Ë
O
*c3
3
OJ
E
CS
<CU
to « S
°* T3
O
O
^OJ
C
O
O
£ IS
(D CS
O CO VflJ 53 ft"§
•H * j O *J ­H CS
■"­> co co G o ,
CO oj oj ' ^ 2 rv OJ M

CS
U
> ft I fi fi »! I
O
tes
c
tt
OJ
OJ
^
ü
3
OJ

cr
CS
s
S OJ
ft CO
| §s les
o
_CS
co
O
O
■G
•S ­c .£
V
0J
-3

'51 « i ^ co CU
u OJ "J3 13 CS - .
tu 3
o cr
<u
OJ
C .5
oj
Ë a
•a a? o
N

2 « jj
G ftl

J= o
3
*—' ■*­» ­ 4 ­ *
§ 53 8 o !CS Ë o ^>
O 3
O 3 oj . G ii

ëo | 3 Si 8
co
OJ
O try u
tó -o G "3 . 3 ^*
es O
T3 co ft£ os
00 oo
'3 O O eu
c U co O oj
<oj 03 c/3
C/3
3 cs
Õ § M
O -G co Ë | ^
"G T3
<u Ë
vO O C/3 E
"O (D oj 3 ?» G co O o O ^3 Ë . OJ
eu ­c G ,. CJ cs T3 ­2 "Q
Rw
G
es
73
G ­a
§o | ^
p
'S S 5 2 .. H T3 es O
g OJ
" 3 es
jj 8 2 '0 o
' CS
§ 2
E ë 3
ft Z, G les
s .S| "3° T25
3
3 icS C s; ­o
O
° "o*«3
♦-•
ft
G
x r . les c OJ
Ü 3 â
13 ^
E

3 3 OJ OJ
- O G o S «3 o c es a ■♦-» e E
o
y ft <D
OJ CS ^ U <U O _H ^ U oj > OJ ■G G Ît3

"O tu
" O T3 U SQ

­156­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

03 O
« cu
ci,
o
o
o au
£ o
a
CU
o
03
°ë3 O fi
o
103 w X> *o S ■S u S
O* M
o ■s fi 03 G
.2 03 103
O
73
o«> S ­2
M cu
cs
l-H
■*­»

1)
o co

■=
° gg
-O XI E 1J H S
CO t»
03
-§ s 03 « C es o ü
03
X)
O
TJ
03
CO
1 sa ëo «
^3
CO
O
Cu
W 03

«
03
O 8ë co o3
° IH "D
o3

S « 73 ' O CX 53 03

3 CJ 2 ^ ó
S s \%£
C u r^­»
G cuË
ca c o cs- \eu
— 3 •""
<u Ou •«­»
cd
Cu o —
CS W Cu
H fi B 73 S H £»■ 03 T 3 p S cs P 73

O
cu X)
3 03
O
cr O
o cs >
o CO
o cu O
­t—I
cu G
o
vu u
o CO Cu
u 73 o3
Cu . O)
■ * ­ »

CO U-H
O ■M
O o3 O
<u
G N fi Cu
CO '■*-»
03
O O
U
o co
o3
­4—» 03 CO
CO
a O x! .2 S Cu '•G O
O CO 53o o co 3 co
Cu (D S- _G vcu u <Û O U
co S
fci'co s u « 2 >­ X!
03
•iH
eu
Cu CD cu
cu
73 XS X!
CO G fc­ S o
•F 3
CO « ca a
(U
O 13 s
o
x)
I
0)
o3 a cu ­ë
51 XI
eu
3 X5 fi o
CO
<u CD 03 j j
03
X)
CO
B ss 3 £ O co
O co
o 73 S
CS
co 03 g 53 g
103 O co
fi
3 ­fi •a
o3 73
O
CM
CU

CU >
G
8 3 o\| -g J
75 3 3 Õ _ > o o o C
co O
(D co § 2
O
co S 13
CD « 45 2 y
O 00
Pi xl S PM C7s O Cui­I
co
73 v & S
O
Cu K cd CD
co O
X! cd
o iO Js O co nr)
O 03 o r
s
o
o3

.2 I eu
Já o TjL
73 . 2
o «D
U C O C L 73 SP 73
-*—» 03 o3 fi
G
ë ° ÎT 3 CL G
M 8o B «(U co
o3
G
U E f g o -Ctt
o oi
• -2 já . 2 v<3 Ce o ^C co

ã1
o3 O

Je S Já o co XJ X! eu - a
<§ i x) bû
o3 ^G ° 3 J3 ou o cd
c­ s ••H o3
co ->-i OU co o
03 «C
g xOi CU ­ 3 Xt

D

03 si (U
«
03
O

<U , 2
G
«ü
S,
cr
«
Ë
2" o2

s
«-
g
■*-*
efl
O
t3
r*
ou
o3 &.£
ÇU co vou
S =3 y 0033 CL p O . 'co
faut íH O G
G
3 <D O p u ­ ­ H ou • d - G £b
S & S ET 3 co
X) X} U cu cu c
ou eu cd
8< > «-» G «
cu
> 73 a
cd
►3 o o
o ­O ou «5 Xl
cu) cs co o CS C« oiÇO
;T
§>.g
c
o o cu E a
CU
X3 eu G w
o eu
S <u o . y
■B o d
co
3 ou O § ^ Já co ^00
O 3 g xi S£ S 'S Ü
eu «a iça ço rt
•«M n
c "co
^ ouoj eu 2 2 S ­2 vë a
H 72 u S Sá" " o * cd Xt 3 cd .»-H
. eu • 03
y
-v 3
s
G cd fi & . 2 o c- O 3 « g _ c S c
O XI S o -, 2 'C 73 co G
P .G 73
Tu eu
8 H «S g & - 73 © S 2 g
>, * I c u co o rG
—! e
cd *"*
CuhS
cu o —!
53
c P3 8
2 Já G ° < £ Q g 8 a
O 3 Wï­d
CuXt tí o ft fi u
157­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

o ca
T3
ca
5S
jC cu
x> *c3 o ca g Qi
ca
oi vccT
eo ­o & !
ca
-a
,9 o <u 8 31
CO
o ca CO
.3 S *.
O
d,
O
S °
ca co
(U (D *■
I 3 '
.3 00
M
l- Cu O
o y
gg
o o
­t—»
CJ
<U >
es m
o
li
cu
C
cn U o o o W H C cu

«
3

.2
'0
c
<CU
o <M
-o
ca
O
CJ CO * * { > • •
CO
T3
G
■ *"H I a j O
co
LH
CJ
OJ
MC M u
CU
c tí ** cu
O ca
o •d
u
2a a
•d ta ­S ­3 cu
■í—»

o E
*« scu
<u ts g
"3
d
O o
T)
s.!
g< ce
«
o CJ
o
<L) o 4­J
52 8
­1 CO «1
cr <J
< Pi IQ "­o*
es «

00 o
O ica
-3 T3 c
u
1 §
ca
ca
T3
'S
­o
ca
S Î3
ca c«
c<-l
o
Ë
S 3
12
'9 E ,y
3 <d
E § o II ca 3 V(U
G
3 h o o
Ë
o ca
o E 3
ca
­§.2 . CO
o o cr
'5 (D PH
U o
c IO
CO
«u (D Tl ca
o « õ ca
CO

d O 3 o
Aí u
a g ­o Cu ■'—1
d '■3
cr ^ca
ca o i) O x o o 'd
a! ^
o o 3
CN
i­H
.2 rt 5b S3
O OJj O S3 "
o OH
ii

<U
­4­»

u
<u
<] ;iflH cu ca
ft oo Dq jd T3
O ca hl)
'2 « its S " G "4)
3 O
T) l­H
u vca fa J aj
2 Ë Sufi ií­8
evo Dá D
3 3
<u
-8 ~ £ca ca
S oo >o ca cá
­3 '5b
x•Ej o CQ t o
2 'd
o
E -s •d
CO
O CU rt
G
D "3 (D D­ o
­O
sa
cu
+1
"O
t—i
00 <u O
IO CJ
"3
^
i) oI
• ^H Si
CO
G ■4-»
ca
(U <u
ca
ca
co CU 00 ca _, S3 <u
oe
t-H
cá • co d
(D cá o S's <Ü
O o . "3
" 3 '5b 9* O M T3
2 «J CL­2
P U « 2 ­ 2 •c
1
•IH Ca ■T-t
f r - l .1—(
- i TZ? ^^ T"t ert I- t-t C
U a ­5b 1 a .& v 3 ^ .2 33 fe"& o c c S3 5 § <+-H
3 S3 CO

Q — <U
O C C
«
OH pq g & S 5 g 5 jg "3 .fit) S ca
CL, pq eti a­

158
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

aï 3 X)
O
03
6
3
O 103
O D
. 5 es -o u T3
03
N ai <D
(-1 T» i — i T l rr| 03
O ­4—<
o 3
03 O
eu a (J 1) 03 «n ni
T)
U T3 o
CO CO to
O (D
IH 3 O
es
3
4­» 'S ■4­*
3 03S C
S O o
­.—1 G
*- o (U
o
H E3 3 C
D 3

159­
fusíveis. magnético da corrente eléctrica. limitam-se a enrolar condutores à volta do fusível
Disjuntores. Reconhecer que podem ocorrer para restabelecer o circuito. Indicar os perigos
acidentes graves se os circuitos não dessa prática.
estiverem protegidos com disjuntores
ou fusíveis. Recursos:
Factura de energia.
Manual.
Artigo de jornal.
Fusíveis e disjuntores.

Conteúdos: Estratégias: Trabalho experimental


Campo magnético. Reconhecer que um íman gera, à sua Como construir um electroíman? n° 40 - Campo
Efeito magnético de volta, um campo magnético. magnético
uma corrente. Identificar os pólos de um íman. Realização das propostas de trabalho do
Concluir que pólos do mesmo nome protocolo experimental. 2a proposta de trabalho:
Conceitos mais se repelem e de nomes contrários se Visualizar o campo
importantes: afastam. magnético criado por um
Campo magnético. Reconhecer que o íman atrai metais Recursos: íman.
Efeito magnético da com propriedades magnéticas. Manual. 4a proposta de trabalho:
corrente eléctrica. Verificar que uma corrente também Protocolo e material nele indicado. Visualizar o campo
cria um campo magnético. magnético criado por uma
Construir um electroíman. bobine atravessada por
uma corrente contínua e
identificar os seus pólos.
Alterar o sentido da
corrente e identificar
novamente os pólos.
3a proposta de trabalho:
Construir um electroíman.
Conteúdos: Estratégias: Trabalho experimental
Corrente contínua e Verificar, experimentalmente, a Como se produz a corrente alternada? n° 41 - Geradores me-
corrente alternada. indução de uma corrente eléctrica por Discussão sobre o tipo de corrente utilizada em cânicos: Dínamos e al-

- 160-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

00
_^ a*
o cd b S •2 -2
X! XJ g fi
« 12es
Z a 13 C
I
­t—»
O
.5
M
Cd
c
X) o
cd o
£ j cd
D Ë
P
IN O

Vi
Qi
cu
TJ
cd
­4—»
Ë
o
o
O TJ
•O
cd
3
m
«
.5
*1
<U e g
eu es
IN
00 v
U H O ~" O
O O cd O D Tl ° o S H
T3 CM I
03
E
O 2 £ e « O o cd
u & | Ë
o* S ° IE ( N f l C
í a 8'á
t> O o cd es
^O cd O u O
00 N-) O O <N
cd TJ oo B
'cd H cd X! <N O
cd" cd
E £? o 3
I——*
cd Ë
cd
B
eu
o cd
8 J« icd
fi
O
TJ

Ó ­eu 13
^ a>
Í O l­H

B " S
o
oo
cd
S o icd S « PÍ
cd
es
M
*J
■c
8- B o
TJ
S Ë B o fi CM^3
o
8 cü
-S * ­t—» B O B S?
o eu o xj
. o cd c ­ oo
3 TJ . . eu
> B tes
00 g eS o ld
cd eo
Ë rj o cd cd CU O B
<u ■S
1 TJ <g o <2 cd
bO OO
O
o
TJ
C
ce t a TJ ­Q
B
.3
<U
■ * ­ •

cd
TJ eo
o
H
■4—»

eu
"g3 B
. cu cd cu
C/3
SM
3 • Já
-S a* X)
Ë S oo
!cd
TJ
oooo
IH M TJ o o •3-8 cj 83 3 fi -2 cd •
CM O 2 Ë o 13 xi o (U cd cd ­i­> <U TJ ai cd
v<D § -3 TJ <U TJ IN T3 00 +* cd
S 'C 60 rt S CU
oo
Cu cd N
TJ cd E rt « 2 O > c3 3
B 00 •a * . o Cu o • = ;
cd X
fi vr! O O o "C es
B
3
O
oo > 3 CH­
O O B ü
eu u /cd Ë S a a u "cd
TJ
IS
cd Já <- oo <D
C

CU C U 'I 2 3 X! cd
"5
B
3
oo 5 es 00 00 D cd
cd <T*
00 CU
cd a h ­3
cd bû
D
(U
TJ
B
K
B
cr
eu O
«U S"­­ c3|
U
B
O
X)
o S
O
^<u
S. si TJicdO
CM
X
u
o
cd oo
o
- <! cu cd o
00
'3 00 K «
eu - d es B Ë O
oo eu uu cd 0 ­ 5
S O ° 8"o 2 Ë O O c3 O B 1 fi "S ■J3 TJ cd O
N o
cd TJ S Ë8 O" 2 S to 5 à .2 -a -r XI O
oo
oo
CM
o
Q .a
o cd 2
5 •|a 'òo Ë '53 53
î> .Ë
8x1 P IN
O g» g u o
3 P O bû tu
u 'À
ved
X
° <F PH U O -4-t
S<<£ PH eu es ^cd
Q u S ­a
Pi CM

B OH o Õ °
■4­» B U cd CHX>
E

o
o cd oò
rt
o «3
2 P a eu ' C
*-* 43 /-H

^ g Ë TJ «
ç > i cd
e u icd fd
­*—» 5 B
g «a C TJ <D
O O
O cd O ë ss
o
T3 .Wj eu
O ' 3 çd cd C
icd bû 3 b ed
cd • Ë
& £ vS
v

oo
i3
c !-g
O f ­ 1 ­4—»

>Q o
CM
X ^J
O

O
. icd
cd o cd oo
cd o 3 cd TJ cd
T3 •X!
cd ^<U
TJ es cd cd o o o O
O ■c
cd B ­' O TJ O
bb C M oo fi cu E >
© SI N ^ eu O -ci « 4J
cd X i 2 <u oo Tra3 T3
cd ■*■>
: o3 'S O <U
B <D
«U «
a "o u
B ,2 B » « «
o .2 g?
ïl
r* CU O •B cd eu "* n H
cu C icd cd ai U -2 X B
C
PH
o
O Sa* o 8 l—I o

­161­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

X)
o
03
O
•<Ji•
o T3
<Z) G
U
3 <D

(3
03
•c
(1)
*->
03
S
D

li

O
■o
'N
-o
C

3
T3
C

- 162
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

C/3
C3
I—(
CU
■8
■í—»

CU o •c o O •c o
CA _c o
CA
•c o
CA
O 13 CU 13 o 13 CU 13
O JO t­
C/3 CO o ■§ CA IH
■s
cu
03
U 13
o*
u,
CU
(H
O
O
CH

53 c3 53 Í3
03
o IH ca G CH
T3 M CU top O
O
CU G G CU n cu
g
o « T3 '3 '3 ­3 top O CU T3 top o
G
CU TJ
C G G G
o 00 o 3
■*­»
'u CA CA

a o
CA rA
CA ,Ü ,Ü
CU
CU
> <U CU <4H
CU
CU _CJ
E <HH CU
> Cd C(H
(1)
>
CO
g C(H
"03 o > "S o
cu
13
CH cü <u CH CU
IVO Q C C/3
U Q G
05 < Q G Q
< u
O
ti
u S
o
CU
ca
o o
ca
o
T3
.2
'5
W CA
o
•c CA

<3 O ■í—»
o O
ca
­3
O CU
ca seu
i—^
u CU CU
CU 13
o >
>
'cã
X) ca S3 c
(1)
T)
ca
­3
<
^ca
>
o O
ca '5b CH E
> o
o
z G
IH
CU cu CU
C CU
c c O <l>

u _>;
8
CA

CU
O c S r> •a
■tH
u
>£> ­ÍH > cu O
"o o O
­o ca
T3
CU
­a
CA | j G
cu cu
tea
iça ca CA c
H > c
CA
> CU ca
T3
CU G ^<U
Já F CU CA

ca cu o ca "O cu '3
a ca
CU
' CU
ÏÎ
O
"O
­t—»
c
t3
>
ca iça
o
CA
O
CU
ca O CA
CA
d)
> o
u CU
C/3
T3
e?
cu
^ca
>
HH

13
CU

O
CH
CA
_cu
13 •ã O
■ f í cu 3
(1)

ca
'•&
v >
ca
>
CS c o O o o G too ­3
Ë o
G S ca ­o "3 .G OH CU CU ca
l—H
c/3 CU 3 3 cu
­ H
ca CA -o 3 c
O O
CA
ca
ca CA
C 13 CU o •H
CU E ­o CU CU

u "3 +^ CA CA
ca CU T3 >
T3 ca
cu toO CA
CU
O CA •c ca
o OG ca CA ■4—»
CA ca
IH ca X) c IO
2 3
■*—>

o
'&
u U
C
CU
CU
C
W
ZJ
rG
PH
S H
ca
>
CA
C
S
CU
G
CU u O
O
CU
<
cu
CU CA
CU
Q W
cu
n
o ü u CU
O
CU o
icd CU
o< cd o
cs o o ca ­o
ca
W) ­a CU ca
■*­»
•c o ­*—» "& -3
çu
C/3 ■*—i
ca CU
o iça
S G 'Õ
CU
^CU 13 o* cu
í>
13 o CH
CA"
CU O
CA
a ca CU '5 ca
o
T3
13
CA

ca
CU
'& ■3 "C '£ c cu
CU CU
c G ­a o o ca
ca ^cu o
C/3
CU
ca
■o
kb
cu
o
cu
C
13 '1 •d
­tH
O
O o
CA
IH
tea
ca o CU
IO
13
o* G &, ca O O ca
ja G cu CA ca
tea
oN
C3 T3 G C "& ca ca '&
u O
IH
çr
cu
ca
c
cu N cu
H CH CU G
w

163
>

O
z
z
p
o
O
S

u
3
u

o
V

O
O

O
J-

-3
o

O
O
to

0)
to
to

to
.o
"3

to
to
to
to

0)

o
cu
es
es

^3

o
n
*3
o

o
•■s
10

"3
<!
-o
;?

<u

>•
S3
&
1

2
•a
1
Conteúdos: Estratégias: Trabalho experimental
Formação do Conhecer a teoria do Big ­bang. Como terá surgido o Universo? n° 43 - Big-bang e
Universo. Reconhecer que o Sol faz parte de um Passar um conjunto de slides sobre o Universo e expansão do universo
Galáxias, estrelas, grande grupo de estrelas que formam sobre os diferentes astros que o povoam. Simulação com um balão.
planetas, cometas e a Via Láctea. Leitura e discussão de artigos de jornal e/ou
nublosas. Localizar a Terra e o sistema solar no revistas.
Via láctea. Universo. Realização do trabalho experimental sobre a
Distinguir estrelas dos planetas e das expansão do Universo.
Conceitos mais nublosas.
importantes: Recursos:
Big­bang. Manual.
Galáxias, estrelas, Artigos.
planetas, cometas e Slides.
nublosas. Protocolo e material nele indicado.
Via láctea.
Localização do
sistema solar na via­
láctea.
Conteúdos: Estratégias: Trabalho experimental
Constelações. Identificar constelações. O que são constelações? n° 44 - Estrelas e
Mapas celestes. Localizar a estrela polar e algumas Pedir aos alunos para observarem o céu numa constelações
constelações. noite sem nuvens. Localizar algumas
Conceitos mais Interpretar o movimento aparente das Utilizar cartas celestes. constelações .
importantes: estrelas. Utilizar o retroprojector para projectar o globo Verificar o movimento
Constelações. Distinguir corpos luminosos de transparente. aparente das estrelas.
Estrela polar. corpos iluminados.
Reconhecer que as estrelas cintilam. Recursos: Trabalho experimental
Manual. n° 45 - Por que é que as

164­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

r/1
n
E O o
o
3 01 co
icS T3

O
S eg B
OI
C/J
CS
T3
1ü T3

03 fi
03
B T3
o

3
D Ë2.Ï CS
B
Í3
3
4­>
on
03
WH
cu 03 03 S
'5 T3 •£ - "o O)
-o 0)
03
e ■cl
fi u T l o3
­o O ££ a O» o
o
CS O T l 3 ÇD 03
O
103
!03
O
o U
103 O 73
io3
S**
O 03 S o> g o O CJ (D VH
es & 1 B 5
"3 o « c
/03
"3 t > o T3 3
­4—»

u B <u S O T3
« ■ CS r r *­» O
Ë -D X! \ C O o E
1 ■Ss S'
CO
S S3 O CS ' » «CO H E CS U eu
B •- "S JH 00
H E eu H Tf
CO
03
TJ
o­ .52
23 cs
03 cU
t­ ü C

o
-o
03
ío
M
"3 B
O
cu
oo ^CU
CJ
B
O
O
3

O C/3
CO T3 c
T3
B
O
CO
C à? S cs g , *
00
0) s <U
es g CS
•;H
03
_
T3
CS
u
23 >
<D
U
cu D •53o | E * Ci
C
,03,
B
13
f5 <eS ' u
« S S
eu

<B 32
o *­ 3 1
«S °
•a
o) •c T3 cs
CO
O
03

6
D
S
I
tg
CO
acu
""*
W

oo <U
­4­»

C/5
cu B
1—-i
E O B
O CU
o
eu CU u 8 «g «
o o to
r/1 o
03 o O MU
o g 42
­4—>

S y o B o çu
i O
a 5.2 a
u PH
2° o
U UPS
00 cS
o O O CO
B T3 CS •d 00 00
00
O 00 cS ÇS
2
Õ
■*­»
^CJ a
­^
03
CJ .a a
a 00 ­í—»

-I O ai
'co
O
CO

*c
CJ
M

S -s
,

00 T3
3 03
T3
O
ú S»
­S B
co
cS

O
«
g
­
CS
PH
cS
1CS
O i
u
CO
0
CO
CS
o E
co «2
1 3
3 CS Ë «2 . 2
00 CJ
M
S 3 O
3 E
3 CO 3 co
(U .N <o3 '«S O 0JJ CU
' O O CO
co rB CO 03 CS CS ir!
O T3 o
03 ti co
23 "3 3 WH
cã­ ­o CS
c CU 03
­^
o •S 15 SP O es o3
CO
<D

C3
«5 s
S, =* -I
O
" g S3
O i <U
Ë 3 ... i 3
03
CO
3 O o3 O O
CL)
cu *a
C3 U t )
^ CO
u PH
U "O
co
ca o3
■*H

O <D
•• 3 a cu E
2 <cs a 3 ■*­» O o
3 CJ
T3 .23
v g T3
S cu
O Já
oo T j 03
CO
03
Tl
CO
03
CJ
oI
co B
co
O
■*J
cS
CJ
03
CJ
cs
T3
E lc
a­.
o
cu so
O 42 23 t u co co
ics o 3 „ O O
E
O
"°00 u
Si? g
O ^0
ci
3
CU
E CU
CJ
c
O co
CU
O T3 ^O
N
_3
eu
cS
3 'i cu cs
(—H
23 ­C T3
. 2 ; co 2 CS vc3
PHT3
O
13 S> -8
CS,
— 3
"^
CS 3 -a c
O 0 0
0
U
E ^ S.- i3 3
o
I o
<u -a
« co <U 3
DO 3 gJ 3 S CJ

JÎ ^ 1 'B
0 ^ ­ 3 • S T3 O T3 co 3 3
WH
cS '•£ B "3H b o 3
co o £
­ 4 — '

CO
0
U
l—>
CO
3 t; c
s P
s 3 c3 _Q
cs <3 Pi U
1 23 cu „ C cu
< PH
03 CS
P H CO CU
W s ÍD O O .23 3
U co co
­165­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

o O o
tes (U es
1e — I
5 o>
03 O
T3
O „ o
"3
c/)
O
X)
O CS

<D O C Il t»
xi 2 '2 o IO
"es 'S Xi O <U
Sw 2 ci 5û Çb ­a
* o -S « ■s 2
on
t/3
<é3
1 S J U X!
o & 2 S, ci 03 cS
Ë
O H
oo
■ * ­ <
<ú - H 3 —I
cS
cs g » Já M S O <D cS
u s s? •d 3 T3 S
o K 03 es es C ­a cS ~ t_j 3
o u O T 3 •d u L Î *3 O « O S
£ i H0) ­C •d v 2 ex a O
23 >es M
O
O O 5 P S
2 o\ 03 3
■2 ^
03 o es O w es
w t» co 'Xi " 3 CL
O <L> - ,
2 -1 cS ­ <
SD
8
(U
3
CT 1
­OÍ3 3
C oo 4)

U c 2*J I* S
o I -s &^ a
E o ■a P uüi
u oC ­2 § ex « '^ c
H
03
00
CO O
0) T3 M!
« r
(N
oo cs H .3. o­ o tnt/5
(D
d Ü a "3

^H H CS
T3 CS
e­ oo" 1-H

es U
ii
IN
eu 'S E
oo
H c O
es
­O •3 2 o
00 U 3 T3
O O
O « * O
o
as
■M 03
T3
u
103
o3 03
o
oo
•a oo
es
O .2 B oo 3
M
N o O o
cc O 33 CL oo
■-B
'So

3 va»­r "O ia ' i va»
u
cu «I 103
0

y» a wa
es 3
2 u
O
­3
oo
3
u

c
• ^*
3

Pi
i e M^ « 2 3 o
§
Ü
13
3
oo

oo X oo ce
es CS O O 13
O M ooo
1
OO
es s a
3 b u ­3
D es O
u w T3 O les 03

p e
oo O
C3 es o 00 !03 03 -: 8 & - §8
3 00 N
M,o U
C "3
o3 es v
o3 «S "Q 1 "o3 a s as
S õo 3 B <u oo ­ t ;

a >S ° o 2
oo
es S <oo U
- : fi
U O 3

>' e
ics ça o O "p m oo 00
^^ x:
•3 > vo U C 3 -Q
O o
2 o 3 03
o
(U O •3
1.? ■c
oo s« E >< es m 55 o oo 00
00 O
103 va)
et y g 2-8 S Ë o T3 ­ g
g
3 'S 00
3 •3 1) "3 O <U
O S S ^ H VOS 03 "3 o
O S S 2
es <U 3 W
O T3
03
3
CJ
00
3
vcS
§
r
00
O
­O •«­j es .s'a y
3
<u vQ
T3 o
.2 g • 3
-S .2
O oo
­3
<u ^U (03
2 H3 ­2 fe O ^ Õ O
(03
S ­3 .3 es 3 03 3 S g o £
o s oo H O es > T3 (U ­o
.3 es 00 oo
oo
E § "3 'es
2 UI
i. es 2 3 õ«3 5O X3 oo«
O
cs «O ­ 3 « Z Q 03 H
eu u Ë > 0) Ë° es J 2 'ès Ë
o
O
O
>
O oo
•3 o O 3 CT1
+­*

S
03 ci O . 3 00 OO U cs O
(D
CT-ç) E
3 es p « H Ë u oo 'S O g 13 X) B
3 «a exs E cr E 8 Q 03 O o3 O O » oo
3 'S
oo Q
u Î3 Ë & o Ë p
(H
Ë ^ (U 2 3 o <1) u es u 'es ;
(U
••H
o
!CS
t) <D
o
<U 103 O) cd
^—i
8 S 3 O B S «S3S ir! M
CT Ë
o oo E l s
2 C
t ­2 c e *
O O
03 n
c
Ü
s ­ Ë o u o Ë Õ (U o t)
C «U S 22 o ­g u oo o Ë
CL oo
cej ­3 U g y S 'G o b .2 ■ R OO O
(U oo OJ
. 3 ■ 3 —-i
O D
3 o e <U o r-1 vin 3 O ti
<2 to CX S IH
« S « O ■S ­3 O OO
-3 (U s 2 8i s 03 <u o
Pi O
O
.3
o & H J3
u g M "33 'S T3 03 cS «j
3
S^ eS U
03
3
JH ° Õ
oo
U o
o O
o Q
(U

oo 3 T3 ­3 PU
O T3 5 s 2 Pi s PÍ 00
00

SS uo

sa
oo
T3 <U
_ lC
­ ­O o
!03
O
es
cS
•3 ­S
oo (U
O
03

b
00
O
•3
(D
Pá 8 •&
•i
o c3
00
•3
2 g o »i
•• 00 o
l-H
00
00
O
00
2 S ­Si 'S o T3
O .2 o H "3 S CL CJ
­3
•M
S 1 ** <S , 2­ cS3 03
cS cS
00
T3
'S ë 60
u o, ça
3 S I U
es rj !03
O
13 ­3
03
. ,
•r!
O
«CJ «3
Fi
'SUS
w Q.13 =2 "o 3
O

3
• O
c>
&
o
S Ë 3 O vO !0 E r s ~
C C
& 3 ^ ^O
C 2
I
O 103
Bm • 3•—< tx­r> O •S« s es 00
U .3 u 3 . 1 4 8 oo3 5 es ' "^
oo
(D
_—
~ '3 3 0 e0 Ü *"" ' S 00 u
33 U cS
00
s s-s U■s H Q =3 O CT roo «2 o Q ^3 SJ g £
Q '•& O
00

­166­
Fases da Lua. Conhecer que o período de translação A que se devem as fases da Lua? Simulação das fases da
Eclipses do Sol e da da Lua, em volta da Terra, é Lua e dos eclipses com o
Lua. aproximadamente de 28 dias. Discussão sobre as fases da Lua com projecção cosmógrafo.
Reconhecer que as fases da Lua de acetatos.
Conceitos mais correspondem à porção iluminada da Projecção de um vídeo sobre o eclipse do Sol de
importantes: Lua vista da Terra. Agosto de 1999, discussão dos eclipses e
Fases da Lua. Identificar as fases da Lua. projecção de acetatos.
Eclipses totais e Conhecer o que são eclipses. Simulação das fases da Lua e dos eclipses com o
parciais do Sol e da Distinguir eclipses totais de parciais. cosmógrafo.
Lua. Reconhecer que os eclipses do Sol
ocorrem quando o Sol, a Terra e a Recursos:
Lua estão alinhados, localizando-se a Manual.
Lua entre o Sol e a Terra. Acetatos.
Reconhecer que os eclipses da Lua Vídeo.
ocorrem quando o Sol, a Terra e a Protocolo e material nele indicado.
Lua estão alinhados, localizando-se a
Terra entre o Sol e a Lua.
Reconhecer que não ocorrem eclipses
todos os meses, porque a inclinação
do plano da órbita da Lua faz um
ângulo de 5o com o plano da órbita da
Terra.
Conteúdos: Estratégias:
Campo magnético Reconhecer a existência de um campo Como nos podemos orientar?
terrestre. magnético Terrestre.
Pólos magnéticos. Localizar com a bússola o pólo Norte Relembrar o conceito de campo magnético.
Pontos cardeais. magnético. Verificar, com a bússola, a existência do campo
Reconhecer que os pólos Norte e Sul magnético terrestre e verificar a direcção do
magnéticos não coincidem com os Norte magnético.
Conceitos mais pólos geográficos. Diálogo sobre os Descobrimentos e como os
importantes: Identificar a declinação magnética navegantes da altura se orientavam.
Pólos Norte - Sul com o ângulo que a direcção norte - Localização dos pontos cardeais e diálogo sobre

-167-
Trabalho experimental em Física para o 8o ano
magnéticos e sul magnético faz com a direcção as técnicas de orientação nocturna e diurna.
geográficos. norte - sul geográfica.
Orientação pela Reconhecer que em Portugal a Recursos:
bússola, pelas declinação magnética é de 8o. Manual.
estrelas e pelo Sol. Localizar os pontos cardeais. Acetatos.
Conhecer como se pode orientar com Bússola.
uma bússola, pelas estrelas e pelo Sol Mapas.
Conteúdos: Estratégias: Trabalho experimental
Lei da atracção Conhecer a lei da atracção universal. Por que é que os corpos caem para a Terra? n° 51 - Atracção
universal. Identificar a força gravítica como universal
Unidade SI de força. responsável pela queda dos corpos e Simular com ímans a Lei da atracção universal e Verificação experimental
Peso de um corpo. pelo movimento de um planeta em explorar a expressão que traduz a lei da atracção de forças à distância
Massa de um corpo. volta do Sol ou em volta de outro universal. (magnéticas e entre
Unidade SI de planeta. Com o programa Kepler, explorar a lei da partículas carregadas).
massa. Indicar que a intensidade da força atracção gravítica. Extensão à atracção
gravítica depende da massa dos gravítica.
Conceitos mais corpos e da sua distância de acordo Discussão e interpretação das propostas de
importantes: com a expressão: trabalho dos protocolos experimentais.
P _riMxm
Lei da atracção Trabalho experimental
universal. Recursos: n° 52 - Medir o peso e a
Peso de um corpo Reconhecer que o peso de um corpo Manual. massa de um corpo.
Massa de um corpo. na Lua é diferente do seu peso na ímans. Simular as mesmas
Terra. Diskete de computador "Kepler" SOFT operações na Lua,
Reconhecer que a massa dos corpos é CIÊCIAS. realizando-as no interior
invariante. Mapas. de uma tina com água.
Indicar que o peso se mede com
dinamómetros e a massa se mede com
balanças.
Conteúdos: Estratégias: Trabalho experimental
Lei da acção - Explicar o lançamento de foguetões Por que é que o homem explora o espaço? n° 53 - A conquista do
reacção. com a lei da acção - reacção. Diálogo sobre a história da exploração espacial. espaço

-168-
Trabalho experimental em Física para o 8° ano
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

O
103
CO

G
CL,
O
tH
CL,
.
o3 CU
T3 CU
O G
103 (50
O
«2
3 3
6 G(D
S5 T3

■ •
co
O CO

IH
G 'S
CJ E
03°
cu o
•'—1
co Pí cu
CO
G 03
cr
CO CO
CU
Cu '>
CU
cu C
T3 CU
o T3
­G 03
CO

~3 G o
­9 G 00
03 03 '■S
<
C/3
„ , N
CO
CU
O ;a
03 'o
03
O
CO &
CO
O '3 CU
CO
G
O
6
o
'3 o •c
G J2£
<o3 *ã3 cVHã
t! ■4—»
O
o ^^
O, 'S3
w
CO

1
a
•03 'o
<+d
CU
03
ti
(D
O 1 '"oSo b
CO
D
G ­^ o
O ;G cü
o ^<D
-t—» -*—»
<Ú (D
03
Pi CO S

oò &o
■ «
'o3 cô
CU
CU '5 S o
103
i+3 c« G
o
G
■03•s O 5 o
03
(D '53 s-,
CO u o 03

O
CO
<U
4—<
<u
cu
­*—»
MU
4—» U
G
O 1 03
T3
co
(­,
CU

>
G
c3 G
C4­^ 00
03
3 'S G

­169­
Trabalho experimental em Física para o 8o ano

d
­i—»

d ■c d d
­C o
<Z)
j =
£
"c3 CU "cd
X) IH
"3
X) X
t/3 CS O cd cd
H IH
£3 Cu ■4­»
Ti o
■4—»

la cd"
O
& O Ú
c
O
c IH oi G
O
cu S3 oi o
IH

o 'c T3 • !—1
4­» o G O
3 G G '-G G
•F* CO o c CO o O
Ë g <4H
CO
2 C+H

cu > 13 o CU > 13 O CU CU
> 13 cu
00 U Q oo U Q oo Q
< 5 a
03
3
J
03 d
-o o
CD C
cdH
CO 00 CO
03 CU CU
d fa ■4—»
■ »H
<U D CU O
O
o | H G G
^cd 03 CO
"Si "O 03
T3

•4—(
cu
cd
■ »H
CO
O o O S
> T3
led
O
CU
CO
cd o
CH
cd CO cd cd CO
G CU o
O
-a
i
H->
u IH O

CU CU
CO icd "c3 cd
> O ■ H
"o "o t3 O
sr S O '3
icd IH cd G o
"o 00
cd
cd o o CU
T3
O CH <cu
•4H

cd
S3 Ë a
«D
| _cd
to
cd "Ei
X
CO
CU OH
CO
cu
CA
cu
■4—»
CO
­4—*
l/l
■»H
CO

•a C
cd 2
"õS
cu
cd
O
icd f~|
CU
CO
CU
'co
CO
a G G o CU
O
O
O cu
_W)
'co
d G cd
CH
cd
O
ca T3
CO
03 CU
S _o IH
O
cd
•4-t
cd
O O CO T3 'Õ CO
Cfl O icd O o "El X) 0)
O icd
O
'■*­>
CO CO
-♦->
G
CU
-a 'G X
cu O CU
• i—i 03 '3 D '3 CU
O
icd
CO
CU
cd co cu
CO cd
CO CO
N ­t—>
-O cu CU
a «D
CO CO
o '■*n ­4wí OH O O
­4­»

£3 "53 •*H
CO
c? G o 13
O o C O
o
CU
O t/3 ■—1 B ff ­4­»
O o3 w cd q
G O !53 ta
3 U U •G
Cw
00
w PH W U
O

w 00

o
»cj
O
ca
.Sf cd
G
+3
C/3
■J
cu
>> 1
S3 03 ld
in '5
CU CU cd
T3 H1 OH
CO
t/3
O

"o "o
CU
O
icd
£ 00 00 o
o3 cd cd
13 S IH
42 B O
03 CU
■4—» cl
IH CO w
•f—1
H i/3 00

­170­