Anda di halaman 1dari 13

ESCOLA SUPERIOR PEDAGÓGICA DO KW ANZA – NORTE

REGIÃO ACADÉMICA VII

DEPARTAMENTO DE INVESTIGAÇÃO DE LÍNGUAS

PROGRAMA ANALÍTICO

Designação da cadeira: FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DA


EDUCAÇÃO
Curso Linguística Portuguesa, Inglesa e Francesa
Regime Semestral
Posição no curso 1º Ano
Enquadramento no Plano Não Nuclear
Curricular
Tempos lectivos 3 Teóricos
semanais
Total de horas Semestral 45 Tempos
Precedência não Filosofia Geral
obrigatória

1. FUNDAMENTAÇÃO:

A Filosofia é uma disciplina transversal e multidisciplinar, pois, ajuda a buscar as razões


mais profundas da realidade existencial.
Filosofia na educação transforma-se em Filosofia da Educação enquanto reflexão
rigorosa, radical e global ou de conjunto sobre os problemas educacionais. Os
problemas educacionais envolvem sempre os problemas da própria realidade. A filosofia
da Educação vai então ajudar o futuro professor a compreender os problemas
educacionais de acordo os contextos sócio-histórico, cultural económicos e políticos bem
como factores ideológicos que incidem no processo de docente – educativo.

1
2. OBJECT IVOS:
Objectivo educativo:
 A Filosofia Pedagógica tem como objectivo geral levar o professor a compreensão
da conjuntura existencial para poder exercer sua actividade docente – educativa
com mestria.

Objectivos específicos:
Especificamente a Filosofia da Educação visa:
 Fundamentar logicamente os conhecimentos adquiridos e relacioná-lo com a vida
prática.
 Analisar, os conceitos que integram e conformam a acção educativa;
 Descrever a percurso histórico da Filosofia no Mundo e em Angola;
 Compreender o enquadramento epistemológico da Educação e as correntes que
sustentam as opções educativas tomadas, no contexto da política educativa.
 Desenvolver a autonomia, o senso crítico e ético em relação à sociedade, ao
homem, à educação e ao quotidiano escolar;
 Entender o sentido geral da tarefa educativa como processo optimizador das
aprendizagens.

3. SISTEMA DE CONHECIMENT OS:

UNIDADE I – PRELIMINARES SOBRE A FILOSOFIA .. Erro! Marcador não definido.

1.1. Conceito etimológico do termo filosofia ................................................................

1.2. Definição da Filosofia como problema Filosófico ...................................................

1.3. Filosofia como ciência ...........................................................................................

1.4.Objecto de estudo da Filosofia ...............................................................................

1.5. Método da Filosofia ...............................................................................................

1.6. Objectivos de estudo da Filosofia de Educação ....................................................

1.7. Importância da Filosofia.........................................................................................

1.8. Origem da Filosofia................................................................................................

1.8.1. Reflexão sobre a unicidade e multiplicidade do ser ............................................

1.8.2. Mito: Primeira forma de interpretação do Mundo ................................................


2
1.8.3. Tipos de Mito …………………………………………

1.8.5. Filosofia e outros ramos do saber.......................................................................

1.9. Diferenciação entre Filosofia e Ciência .................................................................

1.10. Filosofia e sua aplicação prática ..........................................................................

1.10.1. Conceito de Filosofia da Educação ..................................................................

1.10.2. Valor da filosofia na educação ..........................................................................

1.10.3. Filosofia nas Escolas Pedagógicas ..................................................................

1.10.4. Objectivos da Filosofia Pedagógica ..................................................................

1.11. Reflexão sobre o Valor da Filosofia na Formação da criança .............................

UNIDADE II - A FILOSOFIA NO TEMPO ....................... Erro! Marcador não definido.

2.1. Idade Antiga …………………………………………………

2.1.1. Pré - socráticos: ..................................................................................................

2.1.2. Época Socrática..................................................................................................

2.1.2.1. Sócrates através de Platão 470 – 399 a.C. .....................................................

2.1.2.1.1. Conceito de ser humano segundo Sócrates .................................................

2.1.2.1.2. Método de ensino : maiêutica .......................................................................

2.1.3. Platão – 429 – 347 a.C. ......................................................................................

2.1.3.1. O mito da caverna ...........................................................................................

2.1.3.2. O que nos diz o Mito da Caverna? ..................................................................

2.1.4. Aristóteles – 384 – 322 a.C. ...............................................................................

2.1.5. Réplica de Aristóteles ao Dualismo Platónico ....................................................

2.1.6. O Helenismo (323 a.C a 146 a.C).......................................................................

2.2. Idade Média (V d. C. – XIII d. C.) ...........................................................................

2.2.1. Santo Agostinho (354 -430) ................................................................................

2.1.2. Conceitos que sustentam a prática de ensino Agostiniano ................................

2.2. São Tomás de Aquino (1224 a 1274) ....................................................................

Caracterização da época: Alta escolástica ...................................................................

3
2.2.1. Método de Ensino ...............................................................................................

2.2.2. Pensamento pedagógico de São Tomás de Aquino ...........................................

2.2.3. Aprender é um acto Mecânico ou Autopoiético? ................................................

2.3. A escolástica …………………………………………………

2.4. Surgimento da Inquisição ......................................................................................

2.5. Renascença (SÉC. XIV d. C – XV d. C.) ...............................................................

2.6. Reforma Luterana e Contra Reforma ....................................................................

2.6.1. Educação Jesuíta ...............................................................................................

2.7. Surgimento das Ciências Exactas: Grandes Invenções da Humanidade

2.8. Idade Moderna (SÉC. XVI - XVIII) .........................................................................

2.8.1. Pedagogia tradicional .........................................................................................

2.8.2. Críticas à educação medieval .............................................................................

2.8.3. Algumas figuras célebres da Pedagogia Moderna .............................................

2.8.3.1.João Amós Comênio (1592-1670) ....................................................................

2.8.3.2. Jean Jacques Rousseau (1712 – 1778) ..........................................................

2.8.3.3. Herbert Spencer (1820-1903) ..........................................................................

2.8.3.3.1. Princípios educativos de Jean - Jacques Herbart .........................................

2.9. Idade contemporânea (Séc. XIX / XXI…) ..............................................................

2.9.1. Sistema Hegeliano..............................................................................................

2.9.2. Reações ao Sistema Hegeliano e suas consequências

2.10. Sistemas Pedagógicos contemporâneos .............................................................

2.10.1. Construtivismo pós-piagetiano..........................................................................

2.10.2. Complexidade e Transdisciplinaridade de Edgar Morin ....................................

2.10.3. Pedagogia Renovada ou Escola Nova .............................................................

2.10.4. Fenomenológico - existencialista ......................................................................

2.10.5. Pensamento Pedagógico do Terceiro Mundo ...................................................

2.11. Repensar a África no contexto filosófico contemporâneo ....................................

4
2.12. Críticas de Paulo Freire à Pedagogia Tradicional................................................

2.13. Educação Bancária..............................................................................................

2.14. Pedagogia Tecnicista .......................................... Erro! Marcador não definido.

2.15. Pedagogia progressista .......................................................................................

UNIDADE: III - PROBLEMAS FILOSÓFICOS DA ACTUALIDADE ............................

3.1. Principais Problemas Filosóficos da Actualidade...................................................

UNIDADE: IV - FILOSOFIA EDUCATIVA EM ANGOLA Erro! Marcador não definido.

4.1. Breve Reflexão ………………………

4.2. Angola ante os novos paradigmas educativos: para uma filosofia educativa
contextual ………………………

4.2.1. Respaldo Histórico..............................................................................................

4.2.2. A educação em Angola antes da ocupação efectiva ..........................................

4.2.2.1. A educação em Angola no período colonial (1926 a 1961) .............................

4.2.2.1.1.Apartheid branda ...........................................................................................

4.2.2.1.2. O Ensino para indígenas ..............................................................................

4.2.2.1.3.Educação nas vésperas da Luta Armada de Libertação Nacional em Angola


(1961 – 1975)

4.2.2.2. A Educação em Angola e a construção de um Estado Unitário

4.2.2.3. Factores subjacentes na construção do Sistema Educativo Angolano

4.2.2.3.1. Factores políticos e ideológicos ....................................................................

4.2.2.3.2. Factores sócio-culturais ................................................................................

4.3. Unidireccionamento do processo de ensino-aprendizagem

4.4. A “desideologização” do sistema educativo...........................................................

4.5. Fundamentos teóricos e curriculares da Educação em Angola .............................

4.6. Os ventos de Vigotsky na praxis – educativa Angolana ........................................

4.7. Piaget no ensino Angolano: Mito ou realidade ......................................................

4.8. O vislumbrar do constructivismo interactivo no SEA .............................................

4.9. Avanços e recuos no Sistema Educativo Angolano (SEA) ....................................


5
4.10. Resolução no Decrteto – Lei nº 18, de Maio de 1991 (18/91) .............................

4.11. Governo de Unidade e Reconciliação Nacional (GURN, 1992 - 2002)................

4.12. O multipartidarismo e o contraditório ideológico ..................................................

4.12.1. O contraditório na educação e a construção de uma sociedade plural ............

4.12.2. Da educação centralizada à educação participativa

4.13. Influência do capitalismo mercantil: a «caça de diplomas» .................................

4.14. O pluralismo frustrado .........................................................................................

4.15. Reforma Educativa em Angola (Lei 13/2001) ......................................................

4.15.1. Factores motivadores da 2ª Reforma Educativa em Angola

4.15.2. A concepção holística do processo docente-educativo ....................................

4.15.3. Áreas-chave da Educação para o Desenvolvimento ........................................

3.15.4.Vertentes de Educação .....................................................................................

4.14.5. Objectivos da Reforma Educativa em Angola ..................................................

4.15.6. Perspectivas teóricas da Reforma Educativa em Angola .................................

3.15.6.1.Fundamentos filosóficos da Reforma Educativa em Angola ...........................

4.15.6.2.Fundamentos sócio-políticos da Reforma Educativa em Angola ....................

4.15.6.3.Fundamentos culturais da RE em Angola ......................................................

4.15.6.4.A escola centro da promoção dos valores humanos ......................................

4.15.6.6.A formação integral da pessoa humana

4.15.6.7.Fundamentos ético – morais da RE e a Educação Religiosa .........................

4.15.6.8.Fundamentos psicopedagógicos ....................................................................

4.15.6.9.Fundamentos didáctico-metodológico ............................................................

4.15.6.10.O porquê da adopção deste modelo de ensino - aprendizagem?

4.16. De uma política do ensino à práxis-educativa contextual ....................................

4.16.1.Estratégias de implementação da 2ª Reforma Educativa ..................................

4.16.2.Estrutura actual do Sistema Educativo Angolano

4.16.3.Principais inovações no âmbito da 2ª Reforma Educativa .................................

6
4.16.4.Principais inovações na perspectiva estruturante do Sistema Educativo ..........

4.16.5.Principais inovações na perspectiva organizacional do currículo

4.17.Análise SW OT (DAFO) da Reforma Educativa em Angola ..................................

4.17.1.Fortalezas: Pontos de força da reforma educativa ............................................

4.17.2. Debilidades: Pontos fracos da Reforma Educativa ...........................................

3.17.3. Ameaças Marcantes na Reforma Educativa .....................................................

3.17.3.Oportunidades detectadas para o sucesso da Reforma Educativa ...................

4.18.Perfil do Professor na Angola de Hoje ..................................................................

4.18.Que modelo de professor adoptar para uma práxis-educativa mais contextual e


criativa? …………………………………………………

4.19.Redimensionamento do Ensino Superior (Decreto Nº 7/09 de 12 de Maio) .........

3.20. Universidades Públicas em Angola por Regiões Académicas .............................

4.21. Universidades e Institutos Superiores Privados em Angola ................................

UNIDADE IV – PROBLEMAS FILOSÓFICOS ..............................................................

Problema Lógico; Problema Gnoseológico; Problema Linguístico; Problema


Cosmológico; Problema Antropológico; Problema Metafísico; Problema Religioso;
Problema Ético; Problema Pedagógico; Problema Político e Social; Problema Estético;
Problema Histórico; Problema Axiológico; Problema Cultural.

4.SISTEMA DE APRENDIZAGEM
Aulas e exposições teóricas e práticas.
Os estudantes seguirão as aulas com ajuda de um fasciculo sistematizado pelo
professor com indicação da bibliografia que os estudantes poderão consultar para
fazerem leituras complementares. Isto não descarta a possibilidade dos estudantes
trazerem livros de outros autores com conteúdos programados.

O professor poderá resumir a aula e projectar o conteúdo na tela e em conjunto abre um


debate em torno da matéria projectada (Aulas em forma de Seminários).

5.SISTEMA DE AVALIAÇÃO
Duas frequências obrigatórias; Elaboração, apresentação e discussão de trabalhos
individuais e colectivos; Avaliações sistemáticas.

7
6.BIBLIOGRAFIA

ABRANTES, J. M. (2004). José Eduardo dos Santos e os desafios do seu tempo:


Palavras de um Estadista (1979-2004) (Vol. II). (J. M. Guerra, Ed.) Luanda:
Maianga.
ABROMOVICH, F. (1985). Quem educa quem? (6ª ed.). São Paulo: Summus.
ADEA. (27 de Julho de 2016). Qualidade de Ensino no Continente. Jornal da ZIMBO.
Luanda, Angola.
ALEXANDRE, I. B. (2013). A influência da monodocência no processo de ensino-
aprendizagem, no ambito da reforma educativa na 5ª e 6ª classe da Escola
Primária da Kalossombekwa II (Benguela-Angola). Universidad Autónoma de
Asunción, Facultad de Comunicación y Humanidades. Asuncón: UAA.
ARANHA. (1996). História da Educação. São Paulo: Moderna.

ARAÚJO, A. F., & ARAÚJO, J. M. (2004). Figuras do Imaginário: Para um novo espírito
pedagógico. Lisboa: Instituto Piaget.
BENEDITO, N. d. (2012). Centralização, autonomia e diversidade nos Sistemas
Educativos de Angola e Portugal. Alpiarça: Cosmos.
BETI, Mango. (2000). A França contra a África: Regresso aos Camarões. Lisboa.
Caminho.
BINGA, Estêvão. (2011). Epistemologia e a História das Ciências Sociais. (Texto de
Apoio). PIAGET. Benguela.
BINJI, Pedro. (2013). A Reforma Educativa em Angola: O desafio da construção duma
escola libertadora. Padova. Centro Missionario de Cappuccini.
BLANC, A. C. (2008). Inventer, compter et classier de Piaget aux débats actuals. (L.
Figueiredo, Trad.) Lisboa: Horizontes Pedagógicos.
CABRAL (Coorda.), J. F. (2014a). Avaliação Global da Reforma Educativa. Ministério da
Educação de Angola, Comissão de Acompanhamento e Avaliação da Reforma
Educativa. Luanda: Moderna.
CABRAL (Coordb.), J. F. (2014b). Avaliação Global da Reforma Educativa e Medidas
para acção. MED. Luanda: Moderna.
CALVA, L. M. (2010). Planeación y evaluación del processo enseñanza - aprendizaje
(Manual de docente) (4ª ed.). México: Trillas.
CAMBUTA, D., JOSÉ, F. A., CABRAL, L. E., & KAVELA, P. C. (07 de enero de 2014).
Módulo Educatón y Curriculum. Ensaio sobre Teoria Humanista. Assunción,
Paraguay: UAA.
CARDOSO, J. R. (2013). O professor do futuro: Valorizar os professores, melhorar a
educação. Lisboa: Guerra e Paz.

8
CARVALHO, A. D. (2006). Dicionário de Filosofia da Educação. ((Coord.), Ed.) Porto:
Porto.
CÓRIA-SABINI, M. A. (2010). Psicologia do Desenvolvimento (2ª ed.). (C. S. Rosa, Ed.)
São Paulo: Ática.
BOCHENSKI, J. M. (1973). Diretrizes do pensamento filosófico.São Paulo: EPU.

CHAUÍ, et all. (1985). Primeira Filosofia. Lições Introdutórias. São Paulo: Ed. Brasiliense.
DAVID, C. H., & CHIMUCO, F. (2012). Breve Historial da Educação Especial. Aulas de
N.E.E. Benguela: ISCED/UKB.
DEZ ANOS AO SERVIÇO DA REVOLUÇÃO. (1979-1989). (s/l).
DIÁRIO DA REPÚBLICA DE ANGOLA. (2009). de 3ª Feira/ 07 de Abril de 2009; Iª Série-
Nº 64. Decreto Nº 05 de Maio.
DIÁRIO DA REPÚBLICA ANGOLA. (2009). de 3ª Feira/ 07 de Abril de 2009; Iª Série-Nº
64. Decreto Nº 07 de 12 de Maio.
DIÁRIO DA REPÚBLICA DE ANGOLA (7 de Outubro de 2016). Iª Série Nº 170. Lei de
Bases do Sistema de Educação e Ensino nº 17/16. Luanda: Imprensa
Nacional.
DIRECÇÃO PROVINCIAL DOS SERVIÇOS DE ESTATÍSTICA. (1974). Informação
Estatística. Luanda.
DOLLE, J.-M. (2005). Pour comprendre Jean Piaget (2ª ed.). (L. Leitão, Trad.) Lisboa:
Horizontes Pedagógicos.
ESTRELA, Edite, et all. (2011). Saber Escrever uma Tese e Outros textos. Lisboa. Dom
Quixote. 8ª ed.
FERNANDO, Boa Ventura José. (2010). A escola Católica em Angola e o desafio da
Construção da comunidade educativa. Monopoli. Edizioni Viveri.
FORTUNATO, J. (14 de Julho de 2015). O estado da educação em Angola. Debate
Livre. (F. Mendes, Entrevistador) TVZIMBO. Central, Luanda.
FREIRE, P. (1983). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
FREIRE, P. (2011). Cartas a quien pretende enseñar (2ª ed.). Argentina: Siglo Veintiuno.
FREIRE, P. (2011). La educación como práctica de la libertad (3ª ed.). (L. Ronzoni,
Trad.) Buenos Aires: Siglo Veintiuno.
FREIRE, P. (2011). Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a pedagogia do
oprimido (3ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.
FREIRE, P. (2013). Pedagogía de la autonomia: Saberes necessários para la práctica
educativa (5ª ed.). (G. Palacios, Trad.) Buenos Aires: Siglo Veintiuno.
FREITAS, Gustavo. (1978). História. Lisboa, Plátano Editora.
GADOTTI. (2003). História das idéias pedagógicas. São Paulo: Ática.
GANGA, J. P. (03 de Setembro de 2015). Urbanização da cidade de Luanda:Impacto
Sócio-cultural. (TVZIMBO, Entrevistador) Luanda-Sul, Talatona, Angola.

9
GARCÍA, M. R. (2012). Prisioneiros da UNITA nas Terras do Fim do Mundo. (E. Furtado,
Trad.) Luanda: Mayamba.
GASPAR, Suzana. (2001). É hora de arregaçar as mangas. (Excerto do Material de
Língua Portuguesa). Benguela: PUNIV.
GIGLIO, Z. G. (2007). Criatividade. In R. S. Margareth Brandini Park, Palavras-chave em
Educação não-formal (p. 105). São Paulo: Unicamp.
GLADWELL, M. (2008). Outliers - A história do sucesso: Os melhores, os mais
inteligentes, os mais bem sucedidos; Porqu muitos têm sucesso e outros não? (M.
Marques, Trad.) Córdova, Portugal: Dom Quixote.
GONÇALVES, António Custódio. (2005). A história revisitada de Kongo e de Angola.
Lisboa: Editorial Etampa. Visto dia 08/01/2014.
GONÇALVES, Elias Rocha. (2008). A Pedagogia do Encantamento (Novo paradigma da
Educação para o Século XXI), Rio de Janeiro, IBEC Ed.
HEIMER, W. F. (1972). educação e sociedade nas áreas rurais de Angola: Resultados
de um inquérito. Obtido em 08 de Janeiro de 2014, de Apresentação do Inquérito.:
http://pt.wikipedia.org/wiki/.
JASPERS, Karl. (1977). Iniciação filosófica. Lisboa: Guimarães.
JÚNIOR, P. (2 de Fevereiro de 2016). Criatividade Promovida pelo BPC. (TVZIMBO,
Entrevistador).
KADI, M. D. (2014). Ilombwelelu ya Dizwi Dya Kimbundu. Luanda: MINCULT.
KAMBALU, Lourenço Flaviano. (2011). Lógica, linguagem e argumentação.(Sebenta).
Benguela. UCAB.
KAVELA, Guilherma F. (2009). África, eldorado do século XXI. In: Jornal Mural. ISCED-
Bengula. UKB.
KAVELA, Pedro Ch. (2005). A Insatisfação Humana ante o Progresso Técnico-Científico.
(TFC de Bacharelato), Benguela, SMBP.
________________. (2013). Fundamentos de Filosofia Educativa. (Texto de Apoio),
Ndalatando, ESPKN.

________________. (2014). Angola ante os novos paradigmas educativos


(Para uma filosofia educativa contextual). In: XII TALLER INTERNACIONAL
“LA EDUCACIÓN SUPERIOR Y SUS PRESPECTIVAS”. Habana. Placio del
las Covenções.
__________________. (2017). A influência da criatividade dos professores no processo
de ensino – aprendizagem na primeira classe, no âmbito da Reforma
Educativa nas escolas primárias do Cazengo, província do Kwanza-Norte /
Angola, no Ano Lectivo 2015. (Dissertação de Mestrado). Paraguai:
Universidad Autónoma de Asunción

KNELLER, Georges. (1972). Introdução à filosofia da educação. 4ª ed. Rio de Janeiro:


Zahar.
Extraído de Estudos Leopoldenses, São Leopoldo, v. 21, n. 85. Revisado e modificado
pelo autor em 18/02/2001.

10
MACHADO, J. (2011). Pais que educam, professores que amam: Como encontrar a
alegria de ensinar e o gosto de aprender-Conselhos simples para ensinar filhos e
inspirar alunos. Lisboa: Marcador.
MASLOW, A. (14 de Abril de 2014). Delta-homens. Obtido em 17 de Junho de 2015, de
images.esoterikha.com/coatching-pnl/piramide-de-maslow-motivaao.jpg:
http://www.esoterikha.com.
MED. (2005). Guias do Professor. Luanda: Texto Editores.
MEDAURA, O. (2007). Una didáctica para un profesor diferente (2ª ed.). Buenos Aires,
México: Lumen-Hvmanitas.
MONDIN, Batista. Introdução a Filosofia. (1997). São Paulo, Ed. Paulinas, 3ª ed.

______________. (1997). História da Filosofia. vol. I. São Paulo. Ed. Paulina.2ª ed.

MORGADO, A. (29 de Setembro de 2015). Em Debate: A visão das mulheres sobre os


40 Anos de Independência. DEBATE LIVRE EM DIRECTO. (F. Mendes,
Entrevistador) Luanda, Angola.

NETO, T. d. (2014). História da educação e Cultura de Angola: Grupos Nativos,


Colonização e a Independência (2ª ed.). Luanda: ALPIARÇA.

NGULUVE, Alberto Kapitango. (2010). Educação Angolana: Políticas de Reformas do


Sistema Educacional, S. Paulo. Biscalchin Ed.

OLIVEIRA, Paula Ramos. (2004). Filosofia para a Formação da Criança. São


Paulo.Thomson.

PAULO VII. (1967). Mensagem dirigida aos povos de África. Gravissimo Educationis.
Vaticano: Vaticano II.
PESSANHA, M., BARROS, S., SAMPAIO, R., SERRÃO, C., VEIGA, S., & ARAÚJO, S.
C. (2012). Psicologia da Educação. Luanda: Plural Editores.
PINTO, R. (2007). Meios e Educação. Porto: Porto Editora.
PIAGET, J. (2006). Psycologie et Pedagogie (9ª ed.). (D. A. Lindoso, Trad.) Rio de
Janeiro: Forense Universitária.
QUISSANGA, Bernardo Francisco, et all. (2015). O Mito da Caverna. (Trabalho
Investigativo da cadeira de Filosofia da Educação). Ndalatando:ESPKN.

REALE, Giovanni. (s/d). História da Filosofia. Vols. I, I, I. São Paulo, Ed. Paulinas.
RELA, J. M. (2005). Angola - O futuro já começou. Luanda: Nzila.
RELA, J. M. (2008). Angola: O futuro já começou (2ª ed.). Luanda: Nzila.
SANTOS, J. C. (2009). Repensar o Homem na Angola do Século XXI: Uma antropologia
em perspectiva, Luanda. XÁ DE CAXINDE.
SAVIANI, Dermeval. (1980). Educação: do senso comum à consciência filosófica. São
Paulo: Cortez.
11
SILVA, E. (2011). Universidade pública Angolana e gestão académica. In T. &. Manuel &
Mendes, Compreensão da Universidade: Do interpretativo ao pragmático (p. 39).
Benguela: KAT.
SIMÕES, F. C. (15 de Julho de 2016). Qualidade do Ensino em Angola. Especial
ZIMBO. (F. Mendes, Entrevistador) Luanda, Angola.
SOUSA, Ngangula. (2011). A Prova que Não Prova Nada: Avaliação da Aprendizagem.
Londrina. ArtGraf. 2ª ed.
SOUSA, N. M. (2015). A formação de professor para o Ensino Superior: Professor nota
20 professor nota 0. Curitiba: Fabiana.
SUGASTTI., M. (2013). Programa de la assinatura de Educatión y curriculum.
Assunción: UAA.
VEIGA, A. (2003). Educação hoje (6ª ed.). Lisboa: Perpétuo Socorro.
W ALILE, Avelino. (2007). Introdução à Filosofia. (Texto de Apoio, 11ª). Benguela.
PUNIV.
XYPAS, C. (1999). Piaget et l´education. (M. F. Oliveira, Trad.) Lisboa: Horizontes
Pedagógicos.
ZASSALA, C. (2003). Oreinatação escolar e profissional em Angola. Luanda: Mayamba.
ZASSALA, C. (2012). Orientação escolar e profissional em Angola (2ª ed.). Luanda:
Mayamba:Kulonga.
ZAU, Filipe. (2009). Educação em Angola: Novos trilhos para o desenvolvimento, Lisboa:
Movilivros.
ZAU, F. (2013). Educação em Angola: Novos trilhos para o Desenvolvimento (3ª ed.).
Lisboa: movilivros.

FONTES ELECTRÓNICAS
ABBAGNANO, Nicola. (s/d). História da Filosofia. Vol.1. Lisboa. Presença. In:
www.pt.sccribd.com/doc/28799443.
COSTA, Daniel (2009). Novas Regiões Académicas. in: O PAÍS.net, visto dia
14/04/2013.
FARIAS, E. De Almeida. (2007). É de pequeno que se torce o pepino. In :
www.recantosdasletras.com.br/artigos/553477. Visto dia 06/04/2014.

Fenomenalismo_existencialismo. In: psicologiaacadémica.blogspot.com/html. Acessado


dia 07/04/2014. http://www.e_biografias.net/hegel/. Visto dia 07/04/2014.
Karl-Marx. In: whttps://pt.wikipedia.org/wiki/_Karl-Marx. Acessado dia 07/04/2014.

NOVA ETAPA. (27 de 10 de 2009). Formação de Formadores-A Relação Pedagógica.


(HQ, Editor, G. d. Organizações, Produtor, & YouTube) Obtido em 12 de Agosto
de 2015, de
Google.com/search?q=video+sobre+relacao+pedagogica&tbm=nws&tbo=u&hl=pt:
m.youtube.com/watch?debug_prerolls=false&layout.
SAMUELS, M. (1970). education in Angola, 1878-1914: A históry of cultural transfer and
administration, Nova Iorque. Obtido de http://www.education in angola.net.

12
SILVA, Elisete Marques, "O papel societal do sistema de ensino na Angola colonial
(1926-1974)", Kulonga: Revista de Ciências da Educação e Estudos
Multidisciplinares (Luanda, Nº. Especial, 2003, pág. 51 - 75). Visto dia
08/01/2014.
SILVA, Ana C. F. (2012). O pensamento pedagógico de Jean-Jaques Rousseau &
Herbat Spencer. In: http://acristinafds.blogspot.com/2012/01. Visto dia
07/04/2014.
SPINELLI, Miguel. (2003). Helenização e Recriação de Sentidos. A Filosofia na Época
do Cristianismo-Séculos II, III e IV. Porto Alegre. Edipurs. In: W ikipédia, a
Enciclopédia livre.com. Visto dia 06/04/2014.
TEÓFILO, Vivalda (2010). Criação de novas Regiões Académicas propicia aumento da
oferta. in: Jornal de Angola, portalangop. co.ao, visto dia 14/04/2013.
VYGOTSKI, S. L. (23 de Abril de 1991). A formação social da mente. (L. M. Fontes, Ed.,
& M. S. (coord.), Trad.) Obtido em 14 de Junho de 2015, de Google Académico-
yahoo.Search Results: http://www.pr.gov.br/bpp.pdf.

O DOCENTE
___________________________________________

PEDRO CHIANGALALA KAVELA, MSc.


(Assistente)
(Filósofo, Defectólogo, Pedagogo, Andragogo)

Telefeones: 925 039 252 / 998 515 015

Email: pedrochiangalalacavela@yahoo.com

LinkedIn: Pedro Tchiyangalala Kavela

Facebook: Pedro Tchiangalala Kavela-Nietzsche

13