Anda di halaman 1dari 14

1º  Congresso  Internacional  de  Habitação  no  Espaço  Lusófono  

Desenho  e  realização  de  bairros  para  populações  com  baixos  rendimentos.  


 
Tema   e   variações,   outro   modo   de   pensar   a   diversidade.   O   caso   da   CHE   O   Lar   do  
Trabalhador,  Matosinhos.  
Marta  Cruz,  arquitecta.  Investigadora  pós-­doutoramento.  
 
 
Resumo    
Esta  comunicação  pretende  dar  a  conhecer  os  resultados  da  investigação  desenvolvida  no  âmbito  de  
uma  tese  de  doutoramento  sobre  o  espaço  doméstico  da  habitação  unifamiliar.  A  investigação  teve  por  
base   o   estudo   do   caso   da   CHE   "O   Lar   do   Trabalhador"   em   Matosinhos,   projectada   pelo   arquitecto  
Rogério   Cavaca   em   várias   fases   desde   os   anos   80   até   aos   nossos   dias   que   combinam   a   habitação  
colectiva  em  edifícios  de  apartamentos  duplex  e  triplex  e  a  habitação  unifamiliar  em  banda.    
O  questionamento  de  base  prende-­se  com  a  capacidade  do  espaço  doméstico  integrar   a  diversidade  
dos  modos  de  vida  e  dos  usos  ao  longo  do  tempo.  Procura-­se  compreender  o  modo  como  um  mesmo  
espaço   pode   tornar-­se   um   instrumento   para   a   construção   de   diversos   projectos   familiares,  
considerando  a  inevitabilidade  da  estandardização  dos  espaços  em  contexto  urbano,  e  a  inevitabilidade  
da   diversidade   das   práticas   sociais   no   contexto   de   uma   sociedade   individualizada   (Singly,   2005)   e  
plural  (Lahire,  1998).    
   
Esta  questão  foi  aprofundada  simultaneamente  do  ponto  de  vista  da  forma  arquitectónica  e  do  ponto  de  
vista  da  organização  do  espaço  doméstico,  procurando  reconhecer  na  arquitectura  da  casa  em   estudo  
as   qualidades   espaciais   que   favorecem,   por   um   lado,   a   permanência   da   família   nas   suas   diferentes  
fases  do  ciclo  de  vida  familiar,  e  por  outro,  a  construção  de  uma  relação  identitária  de  diferentes  tipos  
de  família  com  um  mesmo  espaço  de  habitação.    
 
 
Introdução  
 
A  diversidade  dos  modos  de  vida,  das  práticas  e  das  representações  sociais,  validada  nos  
anos  70  e  80  pela  crítica  social  ao  universalismo  Moderno,  foi  motivo  para  um  conjunto  de  
reflexões   teóricas   e   metodológicas   em   arquitectura   que   centraram   o   seu   discurso   na  
perspectiva  do  habitante  e  nos  seus  universos  simbólico-­ideológicos.  
Numa   das   suas   vertentes,   o   projecto   de   arquitectura   assumiu-­se   como   o   suporte  
(Habraken,   1976)   da   vida   social   e   das   preferências   dos   habitantes,   considerando   que   a  
existência  de  padrões  e  de  regularidades  na  estruturação  da  vida  social  (Alexander,  1977)  
não   impede   nem   compromete   a   complexidade   e   diversidade   da   experiência   do   habitar  
(Kroll,   1986).   O   projecto   de   arquitectura   seria   assim   uma   proposta   de   base   a   ser  
completada   e   manuseada   pelos   habitantes   em   quadros   mais   ou   menos   predefinidos,  
através  da  possibilidade  da  casa  evolutiva,  da  noção  de  flexibilidade  ou  da  grelha  geradora.  
Esta   perspectiva   privilegia   a   acção   criativa   do   habitante   com   o   espaço   ao   longo   de   um  
determinado   período   de   tempo,   configurando   e   reconfigurando   os   ambientes   da   vida  
doméstica.  
 
Paralelamente   a   esta   metodologia   de   projecto   aberto   ou   de   projecto   em   aberto,   que  
possibilita   a   acção   continuada   do   habitante   sobre   o   espaço   após   a   sua   construção,  

1  
 
desenvolveu-­se  também   uma  reflexão   em  torno  da  ideia  da  escuta  activa  do  habitante  no  
processo   de   concepção   e   construção   do   espaço,   a   participação.   Esta   ideia   conheceu   um  
longo  caminho  de  avanços  e  recuos,  desde  os  anos  70  até  aos  dias  de  hoje,  na  tentativa  de  
consolidar  uma  prática  de  projecto   capaz  de   receber  o  contributo  dos  futuros  habitantes  a  
montante   e   a   par   das   decisões   a   tomar   no   desenvolvimento   da   solução   arquitectónica.  
Inversamente  à  ideia  renovadora  de  uma  arquitectura  como  suporte  -­  a  arquitectura  aberta  -­
,  a  ideia  da  participação  não  era  nova  nos  anos  70.  Correspondia  antes  a  uma  vontade  de  
estender  o  modelo  de  proximidade  e  de  partilha  que  já  existia  na  relação  do  arquitecto  com  
o   seu   cliente   particular   a   um   contexto   económico   e   a   uma   população   tendencialmente   à  
margem  de  uma  relação  projectual  qualitativa  e  particularizada.  
 
Embora   ambas   as   abordagens   tenham   sido   frequentemente   remetidas   para   o   campo   da  
utopia  ou  das  ideias  irrealizáveis,  fruto  de  uma  difícil  concretização  e  de  resultados  poucos  
claros,  elas  abriram  caminho  para  uma  prática  arquitectónica  mais  atenta,  e  motivam  agora  
um   outro   entendimento   sobre   o   modo   como   é   possível   conciliar   a   diversidade   cultural   e  
morfológica  das  sociedades  com  a  sistematização  dos  seus  espaços  habitacionais  urbanos.    
 
1_A  Cooperativa  de  Habitação  Económica    
 
Neste   artigo,   pretende-­se   dar   a   conhecer   o   estudo   conduzido   sobre   um   conjunto  
habitacional  construído  em   finais   de   80   pela   Cooperativa  de   Habitação   Económica   "O  Lar  
do   Trabalhador",   desenvolvido   no   âmbito   de   uma   tese   de   doutoramento   em   arquitectura  
apresentada  em  2009  à  ENSA  Marseille,  França.    
 
O   questionamento   de   base   da   investigação   desenvolvida   prende-­se   com   a   referida  
necessidade  de  contemplar  no  projecto  de  arquitectura  a  diversidade  dos  modos  de  vida  e  
dos  usos  das  famílias,  e  de  o  fazer  não  apenas  numa  perspectiva  sincrónica,  considerando  
a   variedade   das   práticas   domésticas   e   familiares   no   momento   da   sua  
concepção/construção,   mas   também   numa   perspectiva   diacrónica,   compreendendo   que   a  
arquitectura   é   constantemente   chamada   a   responder   a   necessidades   diferentes   daquelas  
que  foram  tidas  em  conta  aquando  da  sua  concepção.  
 
Em   Portugal,   logo   a   seguir   à   revolução   de   1974,   o   SAAL   (Serviço   Ambulatório   de   Apoio  
Local)  foi  a  iniciativa  mais  arrojada  no  sentido  de  reconhecer  a  capacidade  das  populações  
de  não  apenas  acompanharem  a  concepção/construção  das  casas,  mas  de  efectivamente  
as  produzirem  com  os  seus  capitais  próprios:  tempo,  dinheiro,  trabalho  e  competências.  De  
curta   duração,   o   SAAL   revelou   também   as   dificuldades   deste   processo   participativo   e   de  
descentralização  da  produção  da  habitação:  os  arquitectos  tinham  dificuldades  em  integrar  
os  contributos  dos  habitantes  despreparados  para  a  necessária  reflexão  que  a  concepção  
do   espaço   implica;;   os   habitantes   entendiam   frequentemente   a   participação   como   um  
encargo  que  as  suas  vidas  de  esforço  e  de  trabalho  dificilmente  comportavam;;  e  finalmente,  
a   participação   era   um   processo   moroso   através   do   qual   a   habitação   era   objecto   de   uma  
maturação  e  de  um  questionamento  que  não  se  coadunava  com  a  situação  de  urgência  que  
se  vivia  no  país.  Nem  os  políticos,  nem  os  arquitectos,  nem  as  populações  estavam,  pois,  
preparados  para  este  passo,  e  o  SAAL  acabaria  por  se  extinguir.  

2  
 
 
Outros   programas   tiveram   um   desenvolvimento   distinto.   As   Cooperativas   de   Habitação  
Económica  (CHE),  por  exemplo,  cuja  acção  foi  sempre  menos  radical  e  menos  panfletária,  
puderam   explorar   diferentes   formas   de   concretização   dos   princípios   participativos   e   de  
envolvimento   das   famílias   no   processo   de   produção   da   habitação.   São   situações   que  
importa   estudar   e   compreender   para   poder   ultrapassar   a   divisão   entre   uma   arquitectura  
vocacionada   para   uma   atenção   ao   particular,   para   a   resposta   a   uma   situação   específica,  
logo,  qualitativa,  e  uma  arquitectura  massificada,  destinada  à  resolução  em  grande  escala  
da  questão  da  habitação  para  todos,  logo,  quantitativa.  
 
As  CHE  conheceram  um  forte  impulso  nos  anos  70  e  80  enquanto  dispositivo  de  produção  
da   habitação   a   custos   controlados.   Paralelamente   à   possibilidade   do   acesso   à   habitação  
dada   por   este   meio   às   populações   com   menos   capacidade   para   comprar   casa   no   sector  
privado,  as  CHE  foram  também  uma  experiência  de  participação   moderada  dos  habitantes  
na  concepção  arquitectónica  das  suas  casas,  assegurando  as  principais  condições  para  a  
produção  de  uma  arquitectura  aberta.  Por  um  lado,  a  garantia  do  financiamento  protegia  as  
famílias   da   especulação   do   mercado,   garantindo   o   acesso   à   habitação;;   por   outro,   a  
constituição   precoce   das   cooperativas   permitia   que   todo   o   processo   fosse   vivido   pelos  
cooperantes,   desde   a   compra   dos   terrenos,   ao   projecto   das   habitações,   e   à   posterior  
construção  da  obra,  garantindo  a  sua  participação.  
 
A   cooperativa   em   estudo   foi   projectada   pelo   arquitecto   Rogério   Cavaca   em   várias   fases  
desde   os   anos   80   até   aos   nossos   dias,   combinando   em   cada   fase   a   construção   de  
habitação   colectiva   em   edifícios   de   apartamentos   duplex   e   triplex   e   a   construção   de  
habitação   unifamiliar   em   banda.   A   investigação   foi   desenvolvida   estudando   as   moradias  
unifamiliares  da  primeira  fase  de  construção  projectada  nos  finais  da  década  de  80.    

   
Figura  1_Vista  aérea  e  vistas  de  rua  da  primeira  fase  da  CHE  O  Lar  do  Trabalhador  
 

3  
 
 
2_Tema:  o  projecto  de  arquitectura  
 
Nesta  primeira  fase  de  construção,  o  projecto  de  arquitectura  teve  como  princípio  gerador  o  
desenvolvimento  de  uma  única  solução  que  respondesse  simultaneamente  às  expectativas  
dos   habitantes,   às   condicionantes   do   território   e   às   exigências   económicas   e   construtivas  
da   Habitação   a   Custos   Controlados.   Assim,   os   apartamentos   em   duplex   e   triplex   e   as  
habitações  individuais  seguem  o  mesmo  projecto  de  base  com  algumas  adaptações.    
 
 

 
 
Figura  2_Projecto  de  base  -­  plantas  
 
Para  as  casas  em  banda,  o  projecto  de  base  (lotes  de  6m  de  frente)  desenvolve-­se  em  três  
pisos,  correspondendo  o  rés-­do-­chão  ao  piso  de  entrada  que  dá  acesso  às  zonas  comuns:  
cozinha,   sala   comum,   lavabo,   e   aos   espaços   exteriores:   varanda   e   jardim.   O   andar  
corresponde   às   zonas   privadas   dos   quartos   e   quartos   de   banho   completos.   Por   fim,   em  
meia  cave,  encontramos  os  espaços  de  serviço,  a  garagem  e  o  pátio  inglês.    
 
Enquanto   proposta,   este   projecto   de   base   constituiu-­se   como   um   consenso   entre   o  
projectista   e   os   futuros   habitantes,   por   isso   lhe   chamámos   tema.   Correspondendo  
largamente  ao  modelo  corrente  da  casa  individual  (Hall,  1957),  a  solução  arquitectónica  não  
questiona  as  convenções  sociais  da  época  em  termos  de  distribuição  e  de  organização  da  
vida   doméstica,   propondo   um   espaço   hierarquizado   e   compartimentado   numa   divisão  
dia/noite,   público/privado,   individual/colectivo   (Bourdieu,   1972).   No   entanto,   uma   análise  

4  
 
mais   detalhada   do   projecto   permite   identificar   o   modo   como   certos   elementos   espaciais  
diferenciam  o  espaço,  potenciando  a  posterior  variação  da  solução  arquitectónica.  
 
O   projecto   apresenta   uma   delicada   construção   de   relações   em   altura,   materializadas   por  
uma  subdivisão  de  cada  piso  em  dois  meios  pisos  permitindo,  não  apenas  um  ganho  de  pé-­
direito   no   piso   da   cave,   mas   também   a   distinção   de   duas   zonas   em   cada   piso   e   uma  
qualificação  da  relação  com  exterior,  quer  ao  nível  da  rua,  quer  ao  nível  do  logradouro.  

Figura  3_Projecto  de  base  -­  cortes  verticais  


 
Assim,   ao   nível   do   rés-­do-­chão,   a   entrada   na   casa   faz-­se   progressivamente,   desde   a   rua  
até  ao  espaço  da  sala,  diferenciando  em  poucos  metros  um  espaço  de  entrada,  um  espaço  
de  distribuição  e  um  espaço  de  circulação.    
 
Este   desdobramento   da   escada   liberta   a   relação   vertical   entre   pisos,   reduzindo-­a   a   um  
único   lanço   de   tiro,   menos   cansativo   para   os   habitantes   e   menos   condicionante   na  
organização  do  interior.  O  percurso  interior  de  acesso  ao  andar  é  simultaneamente  pausado  
e  dinâmico,  orientando  o  olhar  do  habitante  para  o  centro  da  casa  e  para  a  fachada  poente  
ou  sul,  mais  iluminadas,  permitindo  a  entrada  da  luz  até  à  fachada  norte  ou  nascente,  mais  
sombrias.    
 

5  
 
 
Figura  4_Vistas  interiores  
 
Se   é   evidente   que   a   elevação   do   rés-­do-­chão   favorece   um   melhor   desenvolvimento   dos  
espaços   da   cave,   o   modo   como   estes   espaços   se   relacionam   com   o   exterior,   e   mesmo  
entre  si,  merece  um  olhar  atento.  Um  dos  espaços  de  serviço  dispõe  de  uma  janela/porta  
de   proporções   e   detalhe   equivalentes   aos   das   portas   da   sala   no   rés-­do-­chão   e   comunica  
com   o   pátio   inglês,   criado   com   o  propósito   de   proteger   os   usos  mais   utilitários   do   espaço  
exterior  (secagem  da  roupa,  etc.)  e  de  abrir  este  mesmo  espaço  adjacente.  Recebendo  luz  
natural  com  qualidade  equivalente  à  dos  quartos  do  andar,  este  espaço  constitui  mais  uma  
alternativa   aos   espaços   de   estar   ou   de   dormir   do   que   um   simples   espaço   de   serviço.   Do  
mesmo   modo   que   protege   o   jardim   do   desalinho   das   tarefas   domésticas,   o   pátio   inglês  
protege  também  este  espaço  ambivalente  de  um  contacto  demasiado  franco  com  o  jardim  
que  comprometeria  um  uso  mais  privado  do  mesmo.  
 

 
Figura  5_Vistas  interiores  e  exteriores  
 
Nas  relações  transversais  foi  posto  um  cuidado  equivalente.  A  casa,  aparentemente  inscrita  
num  volume  compacto,  organiza-­se  no  seu  interior  com  base  na  procura  de  relações  visuais  
e  de  atravessamentos  de  luz,  distinguindo  o  que  se  vê  a  partir  de  dentro  e  o  que  de  fora  é  
visto.  A  variação  de  níveis  de  pavimentos  e  tectos  decorrentes  do  desdobramento  dos  pisos  
em   meios   pisos   traduz-­se   numa   espacialidade   dinâmica   e   aberta,   apesar   da   forte  
compartimentação  interna.    
 

6  
 
Assim,  a  base  programática  e  funcional  da  casa  foi  fundamentalmente  um  ponto  de  apoio  
para  um  exercício  projectual  mais  complexo.    
Foi   também   uma   trama   para   um   controlo   de   custos   e   de   tempos   de   execução   da   obra,  
assim   como   garantia   de   sistematização   dos   elementos   construtivos   como   as   carpintarias  
dos  vãos  exteriores  e  interiores,  as  peças  sanitárias  ou  os  módulos  de  cozinha.    
 
 
3_Variação  tipológica  (sincrónica)  
 
Este  projecto  consensual  e,  em  certos  aspectos,  convencional,  constituiu  uma  base  -­  tema,  
para   um   exercício   de   variação   decorrente   das   adaptações   requeridas   pelos   futuros  
habitantes   durante   a   discussão   do   projecto   e   pela   variação   resultante   de   um  
amadurecimento  do  projecto,  principalmente  no  que  respeita  à  sua  implantação  no  terreno.    
A   própria   solução   arquitectónica   compreendia   desde   o   início   uma   série   de   variações  
apresentadas   aos   habitantes   como   escolhas   possíveis,   decorrentes   de   um   entendimento  
geral  que  o  arquitecto  fez  das  particularidades  a  contemplar  no  conjunto  residencial.    
 
As  primeiras  variações  do  projecto  decorrem  de  uma  interpretação  sensível  do  terreno  que  
o  arquitecto  molda  como  um  recurso  de  base.  Desde  logo,  para  10  dos  68  lotes  destinados  
à  habitação  individual  em  banda  foi  proposta  uma  volumetria  diferente.  Esses  lotes  teriam  8  
metros   de   frente,   em   lugar   dos   6   metros   do   projecto   de   base,   mas   uma   área   exterior   de  
superfície  reduzida.  As  habitações  resultantes  dessa  implantação  têm  um  desenvolvimento  
diferente   das   restantes   e   uma   área   interior   maior,   traduzida   no   acrescento   de   um  
compartimento  ao  nível  do  rés-­do-­chão  e  no  aumento  das  dimensões  dos  compartimentos  
restantes   pisos.   Assim,  uma  parcela  de   terreno   menos   profunda   foi   compensada   por  uma  
maior  frente  de  lote  que  gerou  habitações  maiores.  
 

 
Figura  6_Lotes  de  8m  -­  plantas  

7  
 
Embora   com   a   mesma   frente,   os   restantes   lotes,   têm   dimensões   variadas   dada   a  
irregularidade   da   configuração   do   terreno.   Aproveitando   esta   circunstância,   o   arquitecto  
adapta   o   projecto   de   base,   diversificando   as   habitações   com   recurso   a   poucas   alterações  
no  projecto.  
 
A   solução   de   base   permite,   na   verdade,   um   ajuste   do   projecto   tendo   em   conta   a  
profundidade   do   lote.   A   variação   faz-­se   subtilmente   com   o   aumento   da   profundidade   da  
sala  comum,  acompanhada  da  introdução  de  uma  varanda  ao  nível  do  andar  que  mantém  
os  quartos  com  a  mesma  dimensão  num  e  noutro  caso.    
 
A   estrutura  da  casa  mantém-­se,   assim   como  todas   as   relações   formais   e   funcionais,  com  
excepção   do   modo   de   acesso   à   sala   que,   no   caso   das   casas   menos   profundas,   se   faz  
através   da   porta   lateral,   transformando-­se   a   grande   abertura   em   frente   às   escadas   numa  
janela  interior.  Através  deste  detalhe,  embora  os  circuitos  físicos  internos  da  habitação   se  
alterem,   mantêm-­se   as   relações   visuais   entre   a   sala   e   o   hall   de   entrada   e   o   referido  
atravessamento  da  luz  natural.    
Esta   opção,   nascida   da   necessidade   de   resolver   as   parcelas   de   terreno   com   limites  
desiguais,   estimulou   no   conjunto   edificado   a   alternância   entre   uma   casa   maior   com   um  
terreno  mais  pequeno  e  uma  casa  mais  pequena  com  um  terreno  maior.    

 
Figura  7_Planta  de  conjunto  
 
Todas   as   habitações   se   apresentaram   em   várias   opções   desde   as   mais   comuns,   como  a  
opção   entre   3   ou   4   quartos   no   andar,   até   às   mais   transformadoras   da   espacialidade   da  
casa   como   a   opção   do   piso   da   cave   com   comunicação   com   o   jardim,   através   do   pátio  
inglês,   ou   fechado   e   sem   pátio   inglês.   Os   futuros   habitantes   puderam   tomar   as   suas  
decisões  em  função  das  condicionantes  do  seu  orçamento  ou  da  configuração  da  família.    

8  
 
 
 
Figura  8_Variação  tipológica  -­  plantas  

9  
 
4_Variação  dos  usos  (diacrónica)  
 
Passados  20  anos  sobre  a  construção  deste  conjunto  residencial,  o  espaço  arquitectónico  
resultante   do   projecto   de   arquitectura   atrás   interpretado   foi   analisado   com   objectivo   de  
conhecer   o   modo   como   o   espaço   da   habitação   foi   respondendo   às   inevitáveis  
transformações   sociais,   económicas   e   tecnológicas   ocorridas   nas   últimas   décadas,  
reflectindo   sobre   a   pertinência   da   sua   configuração   actual   enquanto   espaço   de   vida   da  
família  contemporânea.  
 
Este   questionamento,   complementar   ao   anterior,   visa   penetrar   a   espessura   do   tempo  
decorrido   na   experiência   do   espaço   pelas   famílias,   procedendo   a   uma   análise   das  
variações  diacrónicas  que  se  traduzem  em  mudanças  no  espaço  físico  da  habitação  ou  em  
alterações   de   uso   do   espaço   original.   Estamos   aqui   a   avaliar   o   espaço   do   ponto   de   vista  
das   suas   potencialidades   de   uso,   do   ponto   de   vista   da   sua   variação   levada   a   cabo   pelos  
habitantes.   É   certo   que   essa   acção   do   habitante   sobre   o   seu   próprio   espaço,   à   qual   se  
chamou   competência   (Raymond,   1984),   é   favorecida   ou   inibida   pela   arquitectura   da  
habitação   (Portas,   2004)   e   que,   ao   tomar   este   ponto   de   vista,   a   reflexão   ultrapassa   o  
domínio   da   arquitectura   para   se   confrontar   com   as   dimensões   humanas   e   sociais   do  
espaço.  
Assim,  o  conjunto  das  moradias  foi  abordado  com  uma  metodologia  composta,  mobilizando  
instrumentos   de   diferente   pertença   disciplinar,   de   modo   a   apreender   as   realidades  
observadas.   Se   por   um   lado   se   procurou   aceder   ao   universo   próprio   das   famílias,  
identificando   a   diversidade   da   sua   composição   e   as   transformações   da   vida   familiar   no  
quotidiano   doméstico,   por   outro,   procurou-­se   conhecer   o   modo   como   o   espaço   físico   da  
casa  se  relaciona  com  as  práticas,  favorecendo  ou  limitando  as  dinâmicas  de  vida.  
 
O   levantamento   gráfico   do   estado   actual   das   casas,   registando   as   alterações   feitas   ao  
longo  dos  anos  pelos  habitantes,  foi  complementado  pelo  registo  fotográfico  dos  mesmos  e  
pela  realização  de  entrevistas  semi-­directivas  às  famílias.  Esta  metodologia,  que  podemos  
designar   de   etno-­arquitectónica   (Pinson,   1988;;   1992),   visa   complementar   a   informação  
verbal   com   a   informação   visual,   captando   a   riqueza   dos   universos   domésticos   e   a  
complexidade  da  acção  dos  habitantes  sobre  o  seu  próprio  espaço.  
 
A   observação   dos   espaços   domésticos   e   a   compreensão   da   história   de   vida   das   famílias  
evidencia,   em   primeiro   lugar,   a   ideia   da   transformação   como   uma   forma   de   relação  
contínua  com  o  espaço  e  como  uma  necessidade  da  vida  quotidiana.  Essa  transformação  é  
simultaneamente   espacial   e   familiar   e   motor   do   processo   de   apropriação,   uma   vez   que   a  
família  é  uma  estrutura  dinâmica  cujo  quotidiano  varia  de  uma  fase  para  a  outra.  O  espaço  
da  casa  deve  assim  responder  a  situações  muito  diversas  no  tempo  de  vida  das  famílias.  
No   entanto,   por   mais   central   que   seja,   a   transformação   do   espaço   não   implica   sempre  
alterações  importantes  das  estruturas  físicas  da  casa.  Pelo  contrário,  essa  transformação  é  
feita  de  pequenos  acertos  e  ajustes,  um  processo  por  vezes  pouco  consciente  de  marcação  
e  de  afectação  que  acompanha  as  variações  do  quotidiano.    
 

10  
 
Na   observação  e   interpretação   dessas   experiências,   a   importância   dos   ritmos   próprios   da  
família   nos   diferentes   momentos   do   seu   ciclo   de   vida,   alterna   com   as   diferenças  
encontradas   entre   o   ponto   de   vista   das   famílias   instaladas   desde   a   construção   da  
cooperativa   e   as   famílias   que   vieram   posteriormente   a   adquirir   estas   casas   em   segunda  
mão.    
Marcadas   por   um   desejo   de   intervenção   no   espaço,   as   casas   das   famílias   recentemente  
instaladas  são  as  mais  transformadas  no  sentido  de  uma  abertura  mais  franca  dos  espaços  
e   de   uma   relação   menos   hierarquizada   dos   mesmos.   Este   desejo   é   inexistente   nos  
primeiros  habitantes.  
 
Nestes,  a  experiência  de  vida  na  casa  nunca  sugeriu  a  sua  remodelação  completa,  mas  sim  
a   parcial   reconfiguração   de   espaços   mais   sujeitos   a   desgaste   (a   cozinha   ou   as   casas   de  
banho)  e  a  renovação  ou  substituição  de  materiais  de  revestimento  ou  de  acabamento.    
Assim,   para   a   generalidade   das   famílias   cooperantes,   a   estrutura   inicial   do   projecto  
baseada  na  forte  compartimentação  e  hierarquização  do  espaço  e  na  convencionalidade  da  
distribuição  funcional,  foi  uma  trama  na  qual  foi  possível  inscrever  a   especificidade  do  seu  
modo  de  vida  e  as  variações  do  seu  quotidiano.  
 
O  estudo  realizado  permitiu  relacionar  a  diversidade  das  práticas  quotidianas  com  o  espaço  
da  habitação,  concluindo  sobre  o  modo  como  a  forma  arquitectónica  incorporou,   favoreceu  
ou  condicionou  as  mudanças  sugeridas  pelo  desenrolar  da  vida  doméstica  e  familiar.  
A   observação   das   práticas   dos   habitantes   fez-­nos   assim   regressar   ao   projecto   de  
arquitectura  para  um  novo  olhar  sobre  os  seus  princípios  de  composição  e   organização.  É  
um   olhar   informado   pelo   tempo   decorrido   e   pelas   vivências   dos   habitantes   que   dirige   a  
reflexão  no  sentido  do  valor  de  uso  dos  espaços  arquitectónicos  (Cruz,  2009),  acrescido  ao  
valor   estético,   ao   valor   construtivo   e   ao   valor   funcional   -­   a   famosa   tríade   de   Vitrúvio   -­  
presente  no  exercício  do  projecto.    
 
À  luz  da  experiência,  das  vivências,  da  sobreposição  do  tempo  e  da  apropriação  do  espaço,  
certos  aspectos  do  projecto  ganham  importância  e  revelam  "a  sincronia  secreta  e  lenta  das  
grandes  estruturas  da  vida,  do  inconsciente  e  das  culturas"  (Choay,  1972),  outros  revelam  a  
sua   fragilidade   face   ao   longo   curso   da   vida   e   à   inconstância   de   ritmos   no   quotidiano  
doméstico.    
Foi   o   caso   da   compartimentação,   inicialmente   vista   como   um   impedimento   a   um   uso  
contemporâneo,  amplo  e  livre  da  casa,  que  se  revelou  um  instrumento  para  uma  dinâmica  
positiva  de  alternância  de  usos  dos  espaços  sem  implicar  a  sua  transformação;;  foi  o  caso  
do   esquema   distributivo   que   proporcionou   a   independência   dos   percursos   e   das  
circulações,  multiplicando  as  escolhas  e,  por  conseguinte,  a  liberdade  de  uso;;  e  foi  também  
o  caso  do  desdobramento  de  cada  piso  em  dois  meios  pisos  que,  além  das  relações  visuais  
e   das   transparências   criadas,   aumentou   as   distâncias,   libertando   os   espaços   de   relações  
óbvias.    
Outros  elementos,   correntemente  entendidos   como   vantajosos,  condicionaram   os   usos  no  
tempo  e  diminuíram  as  escolhas  das  famílias  por  uma  associação  demasiado  directa  de  um  
espaço   a   uma   função,   ou   por   uma   subordinação   de   um   espaço   a   outros.   Falamos   de  
armários  embutidos  que  fixam  o  uso   dos  espaços  como  quartos  de  dormir  ou  dos  quartos  

11  
 
de   banho   incorporados   nos   quartos   que   levam   à   atribuição   quase   sistemática   destes  
espaços  ao  casal.  
 
É  de  sublinhar,  preparando  a  conclusão,  o  modo  como  uma  certa  indefinição  no  destino  a  
dar   aos   espaços   situados   na   cave   se   constituiu   como   um   factor   de   diferenciação   do  
universo   doméstico.   Onde   umas   famílias   vêem   um   quarto,   outras   vêem   um   escritório,  
outras   um   quarto   de   brincadeiras   para   as   crianças,   outras   uma   salinha.   Não   será   a   esta  
capacidade   de   se   metamorfosear,   ou   de   assimilar   a   várias   práticas   que   se   chamará  
flexibilidade  do  espaço?    
Não  será  esta  uma  forma  de  participação  activa  do  habitante?  Completando  o  sentido,  co-­
construindo  o  significado  de  cada  espaço,  da  casa  e  do  seu  projecto  doméstico,  o  habitante  
torna-­se   um   co-­autor   de   um   projecto   de   espaço   doméstico   que   não   só   se   adapta   à   sua  
circunstância,  como  o  acompanha  nas  intermitências  do  dia-­a-­dia.  
 
 
Conclusão  
 
O   estudo   deste   caso   à   luz   das   inquietações,   das   premissas   e   das   experiências   de   uma  
arquitectura  aberta  e  participada  permitiu  entrever  a  complexidade  do  exercício  do  projecto  
e  a  delicadeza  dos  compromissos  gerados  entre  os  habitantes  e  o  projectista  num  contexto  
de  interacção.  
 
Se   está   demonstrada   a   necessidade   do   habitante   apropriar   e   modelar   o   espaço   da   sua  
habitação   ao   longo   do   tempo   em   que   dela   dispõe   (Raymond,   1966;;   Combart   de   Lauwe,  
1967),  o  modo  e  o  contexto  em  que  essa  acção  é  possível  ainda  são  pouco  conhecidos.  A  
flexibilidade   proposta   nos   anos   70   demonstrou   paulatinamente   os   limites   de   uma  
arquitectura   mutável   (Friedman,   1958),   que   deixa   o   habitante   perante   um   espaço  
demasiado  livre  e  indefinido.    
O   papel   do   espaço   arquitectónico   como   significante   e   como   referente   passa  
necessariamente   pela   formalização   de   relações,   pela   organização   de   um   quotidiano,   em  
suma,   passa   pela   proposta   cultural   que   o   projecto   de   arquitectura   transporta   nas   suas  
formas.   A   acção   do   habitante   sobre   o   seu   espaço   será   entendida   como   uma   escolha   ao  
nível   do   uso,   como   uma   decisão   a   tomar   perante   um   conjunto   de   possibilidades   que   o  
habitante  reconhece  num  quadro  formal  culturalmente  significativo  e  significante.    
Esta  questão  coloca-­se  com  particular  importância  no  quadro  da  produção  da  habitação  a  
custos   controlados,   destinada   a   uma   população   pouco   preparada   para   arriscar   soluções  
demasiado   afastadas   das   convenções   sociais,   e   muito   sensível   à   conformidade   da   sua  
habitação  relativamente  aos  grandes  consensos  sociais  (Léger,  1990).  
 
Participar  torna-­se  assim  um  processo  estendido  no  tempo  que  se  inicia  com  a  cooperação  
no  desenvolvimento  do  projecto  de  arquitectura,  e  que  se  prolonga  pela  construção  de  um  
sentido   e   pela   co-­construção   de   um   significado   para   o   espaço.   A   participação   não   será  
apenas   relativa   aos   habitantes   que   estão   na   origem   do   espaço   edificado,   participando   ao  
nível   do   projecto   de   arquitectura,   mas   relativa   a   todos   os   que   mais   ou   menos   livremente  
com  ele  se  cruzam  e  nele  têm  a  possibilidade  de  inscrever  a  sua  prática  e  o  seu  quotidiano.    

12  
 
 
Assim,   o   projecto   de   arquitectura   do   espaço   doméstico,   concebido   entre   a   proposta   e   a  
resposta  a  necessidades  e  a  modos  de  estar,  veicula  uma  matéria  significante  que  se  torna  
significado  na  sua  particularização,  na  sua  interpretação  pelos  habitantes  em  função  de  um  
projecto  de  vida.    
Apoiada   na   ideia   de   flexibilidade   e   de   participação,   esta   reflexão   procura   ir   mais   além   na  
temática   de   uma   arquitectura   aberta,   levantando   o   interesse   de   uma   arquitectura   de   uso  
ambíguo   ou   ambivalente   que   possibilite   uma   prática   variável   inscrita   num   espaço  
formalmente  reconhecido  e  funcionalmente  significante.  
 
Perante  o  estudo  realizado  sobre  a  CHE  O  Lar  do  Trabalhador,  podemos  avançar  que  uma  
tal   arquitectura   teria   um   desenvolvimento   distributivo   modular,   socialmente   consensual,  
compatível  com  um  sistema  construtivo  económico  e  com  a  repetição  de  elementos  formais  
e   espaciais.   Esta   seria   a   base   sobre   a   qual,   longe   do   determinismo   mas   também   da  
indiferenciação  espacial,  o  habitante  poderia  encontrar  margem  de  manobra  para  desenhar  
o  seu  espaço  de  vida,  interpretando  sucessivamente  o  projecto  de  arquitectura   através  do  
uso  e  da  prática  quotidiana.  
 
 
Bibliografia  
 
ALEXANDER,  Christopher  et  al.  -­  A  pattern  language:  town,  buildings,  construction.   Oxford  
N.Y.:  Oxford  University  Press,  1977.  
 
BOURDIEU,  Pierre  -­  Esquisse  d'une  théorie  de  la  pratique.  Genève:  Droz,  1972.  
 
CHOAY,  Françoise  -­  Postface  in  La  dimension  cachée.  Paris:  Seuil,  1971.      
 
CHOMBART   DE   LAUWE,   Paul-­Henri   -­   Famille   et   habitation   I.   Sciences   humaines   et  
ª  
conceptions  de  l´habitation.  Paris:  CNRS,  1967.  (1 ed.  1959)  
 
CRUZ,  Marta  -­  Les  non-­dits  de  l'espace  domestique.  Valeur  d'usage  de  l'ambiguïté  pour  les  
familles   contemporaines.   Thèse   de   doctorat   en   Architecture,   École   Nationale   Supérieure  
d'Architecture  de  Marseille,  2009.  (policopiado)    
 
ELEB,   Monique   -­   "Le   roman   du   couple   et   la   scène   spatiale"   in   COLLIGNON,   Béatrice   et  
STASZAK,   Jean-­François.   Espaces   domestiques.   Construire,   habiter,   représenter.   Saint-­
Germain-­du-­Puy:  Bréal,  2003.  
 
FRIEDMAN,  Yona  -­  L'architecture  mobile.  Paris:  Tournai,  Casterman,1958.  
 
HABRAKEN,   John   et   al.   -­   Variations,   the   systematic   design   of   supports.   Cambridge   et  
Londres:  MIT  Press,  1976.  (1ª  ed.1974)    
 

13  
 
LÉGER,   Jean-­Michel   -­   Derniers   domiciles   connus:   enquête   sur   les   nouveaux   logements,  
1970-­1990.  Paris:  Créaphis,  1990.  
 
LAHIRE,  Bernard  -­  L'homme  pluriel:  OHVUHVVRUWVGHO¶DFWLRQ.  Paris:  Nathan,  Coll.  "Essais  et  
recherches",1998.  
 
KROLL,  Lucien  -­  The  architecture  of  complexity.  Londres:  Batsford,  1986.  (1ª  ed.  1983)  
 
PINSON,   Daniel   -­   Du   logement   pour   tous  aux   maisons   en  tous   genres.   Paris:   Recherche,  
Plan,  Construction  et  Architecture,  MEL,  1988.  
 
PINSON,   Daniel   -­   Modèles   d'habitat   et   contre-­types   domestiques   au   Maroc.   Tours:  
Fascicules  de  recherche  nº23,  1992.  
 
PORTAS,   Nuno   -­   A   habitação   social:   proposta   para   a   metodologia   da   sua   arquitectura.  
Porto:  FAUP,  2004.  (1ª  ed.1959,  Edição  do  autor)    
 
RAYMOND,  Henri  et  al.  -­  L'habitat  pavillonnaire.  Paris:  CRU,  1966.  
 
RAYMOND,  Henri  -­  L'architecture,  les  aventures  spatiales  de  la  raison.  Paris:  CGP,  1984.    
 
SEGAUD,  Marion  -­  Anthropologie  de  l'espace.  Habiter,  fonder,  distribuer,  transformer.  Paris:  
Colin,  2008.  (1ª  ed.  2007)  
 
SINGLY,  François  de  -­  L'individualisme  est  un  humanisme.  Paris:  Éditions  de  l'Aube,  2005.    
 
 

14