Anda di halaman 1dari 17

CYBERBULLYING NA ESCOLA ATRAVÉS DAS REDES SOCIAIS

Orientador: Prof. Me. Fernando Cesar Bertolino Junior


Edson Reis de Almeida
edson.almeida31@etec.sp.gov.br
Guilherme Henrique Furquim Reis Cordeiro
gh.ufologo@gmail.com
Mateus Santos de Freitas Martins
mateussfmartisn@gmail.com
Paulo Afonso Ferreira Junior
paulo.ferreira124@etec.sp.gov.br
Vanessa Monteiro Cunha
vanessam.cunha@hotmail.com

Resumo

O presente trabalho possui o objetivo de identificar o cyberbullying pelas


redes sociais, através de uma pesquisa virtual realizada por Google Docs onde
se indicava uma série de comportamentos que poderia ser relacionada a essa
prática. Também se buscou por meio da leitura e pesquisa de diversas autores,
a definição mais próxima para o cyberbullying, com aquilo que realmente
acontece em nossa realidade. Foram pesquisados 108 alunos de três
instituições de ensino, na pesquisa pode se observar uma grande um grande
conhecimento sobre o tema, boa parte já havia ouvido falar sobre o
cyberbullying, outro resultado relevante foi que mais da metade dos alunos
também já haviam sido vítimas dessa atitude. Concluímos então a necessidade
da abordagem do tema com os alunos, uma ampla discussão sobre o tema,
tendo em vista a quantidade surpreendente de pessoas que já haviam sido
vítimas dessa violência. Procurar entender melhor como ele se manifesta para
que possamos criar ações corretivas e preventivas para essas situações.

Palavras-chave: Cyberbullying, Adolescentes, Redes Sociais

INTRODUÇÃO

O cyberbullying ou comumente chamado de bullying virtual, é aquele que


acontece por meio de computadores, smartphones ou qualquer outro dispositivo
utilizando a internet. Na maioria das vezes, essa violência é cometida contra
crianças e adolescentes através das redes sociais.
Apesar de ser uma ramificação do bullying, podemos classificá-lo como
uma violência, apenas dando mais foco para o ambiente onde ele se apresenta,
como no caso, em ambientes virtuais. Proliferando principalmente nas redes
sociais, fóruns e aplicativos de mensagens.
Uma pesquisa realizada pela TIC Kids¹, divulgada em 2016, revelou que
80% da população brasileira entre 9 a 17 anos utilizam a internet, e desse
montante, 66% utilizam a rede por mais de uma vez ao dia. Através desses
dados podemos concluir que a grande massa da geração Z, ou seja, os jovens
nascidos entre 1990 e 2010, estão altamente conectados com esse movimento
e são eles o foco do presente estudo sobre o cyberbullying.
O foco do estudo é entender as manifestações das violências e como elas
aparecem, saber entender quem são os agentes causadores disso e quais são
os motivadores. Entender também as relações da escola para a proliferação
dessas práticas.
A escola nem sempre é um lugar tranquilo para a convivência dos jovens,
muitos podem entendê-la como um lugar hostil, principalmente quando o jovem
não se enquadra nos quesitos considerados “normais” para convivência. A
relação de diferenciação de personalidade faz com que o adolescente que
diverge dos seus outros colegas possua uma fragilidade para que seja um
receptor dessa violência, no caso aqui apontado como o cyberbullying, e através
disso tentaremos entender as causas de dependência afim de fazer com que a
escola consiga atingir novos meios de chegar a atender e orientar melhor o aluno
nessa situação, fornecendo a ele todo um suporte especial para que esse tipo
de ação não interfira negativamente na sua vida.
Infelizmente essas manifestações não são facilmente erradicadas,
precisamos de muito estudo e entendimento para buscar as melhores maneiras
de coibir essas práticas. Sendo assim, um dos objetivos do estudo é entender
melhor o relacionamento dos alunos, as situações ocorridas e para com esses
resultados fornecer alguma sugestão de melhoria para que práticas hostis como
essa possam ser cada vez mais erradicadas.

Referencial teórico
Com o crescente número de usuários da internet esse número passa a
ser bastante expressivo no contexto da juventude escolar de uma forma geral,
de forma que a internet possibilita uma gama de aspectos tanto positivos quanto
negativos em todas as áreas que são atuantes na vida cotidiana do ser humano.
Desde contatos corporativos e transações administrativas à relacionamentos e
troca de experiências na rede, a internet tem se consolidado cada vez mais na
vida humana. Com isso, as interações que envolvem a internet acarretam em
aspectos positivos e negativos (Uhls, 2001, p.12). Isso tudo pode modificar e
transformar a maneira como entendemos e percebemos a comunicação no
âmbito atual e que modifica e transforma o perfil da humanidade de uma maneira
geral.
Desde sempre a humanidade tem a necessidade de se comunicar com
seus pares de maneira a expressar e compartilhar experiências e vivências
gerais, com o crescimento e propagação da tecnologia, com SMS, celulares e
internet a conversa “face a face” deu lugar a mensagens instantâneas enviadas
através de um aparelho portátil, com isso a ressignificação dos conceitos sobre
comunicação vem sendo modificado sobre tudo na ótica dos modelos culturais
existentes na sociedade moderna.
Nessa temática, a agressividade no mundo virtual acaba tomando cada
vez mais espaço e notoriedade e com isso o cyberbullying acaba se tornando o
objeto de estudo de vários profissionais que tentam compreender a correlação
entre a juventude e o mundo informatizado e conectado. Se tratando de
violência, a agressividade virtual ganha até mesmo mais peso quando
comparada a violência não digital. Nesse caso, o agressor pode assumir diversas
“formas”, se tornando mais desinibido, corajoso, assume posições como dono
da verdade e da moral, e com isso acabam construindo atrás das telas dos
computadores e smartphones uma potencial agressividade desenfreada.
O cyberbullying como objeto de estudo aponta que distúrbios e doenças
como: síndrome do pânico, ansiedade, depressão, assim como problemas
relacionados a aprendizagem estão intimamente ligados a prática do
cyberbullying na vida de crianças e jovens, sendo problemas proeminentes de
curto, médio e longo prazo.
Como no Brasil o acesso à tecnologia da informação é algo bastante
crescente, o número de casos de cyberbullying vem crescendo a cada dia, bem
como o número de jovens com distúrbios psicológicos e defasagem em relação
a aprendizagem, segundo levantamento feito nessa pesquisa, que os casos
dessa prática em jovens se compara muitas vezes com índices obtidos nos
Estados Unidos, não oferecendo diferenças discrepantes em relação ao
desenvolvimento dos países, afinal o Brasil é bastante atuante em relação à
tecnologia da informação (Centro de Estudos sobre Tecnologias da Informação,
2011).
A evolução da tecnologia da informação, vem demonstrando uma maior
proximidade das pessoas em relação a tecnologia, os smarthphones, se
transformaram em objetos de trabalho, estudo, lazer e comunicação, com isso
um leque de possibilidades se desenrolou na vida da humanidade e isso tem um
impacto profundo na vida de jovens e adolescentes. Segundo Palfrey & Gasser
2011, a nova geração já é intitulada de nativos digitais, ou seja, pessoas que
nascem inseridas no mundo e ambiente extremamente digital, conectados. Essa
interação transformou a maneira com que conhecíamos as relações
interpessoais, e com isso em conjunto, as formas de aprendizagem e
relacionamento.
Através da pesquisa, pode-se perceber que o uso ou proximidade ao
mundo digital, não faz distinção quanto a classe social ou idade, afinal segundo
o IBGE, 92% dos brasileiros possuem aparelho celular. Com o aumento
expressivo do acesso a essa tecnologia, o uso da internet para prática muitas
vezes pautadas em discriminação, preconceito e intolerância acabam ganhando
uma notoriedade bastante significativa nas escolas e lares brasileiros.
Como o objeto de estudo desse trabalho trata-se do ambiente escolar
podemos perceber que a escola enquanto ambiente educacional precisa cuidar
para que o ambiente escolar crie um corpo de discente altamente conhecedor
das regras quanto ao uso de novas tecnologias da comunicação e aos incentivos
a prática saudável de convivência (Ybarra, Diener ‑West, & Leaf, 2007).

Metodologia
Este estudo baseou-se em uma estratégia qualitativa de pesquisa, de
caráter exploratório, por meio de uma pesquisa de campo. Vamos abordar
também os critérios para a construção do universo de estudo, o método de coleta
de dados, a forma de tratamento desses dados e, por fim, as limitações do
método escolhido.
Quanto aos fins, o tipo de investigação escolhido para a realização da
pesquisa qualitativa enquadra-se como exploratória. Ela é realizada em áreas na
qual há pouco conhecimento acumulado e sistematizado. Por sua natureza de
sondagem, não comporta hipóteses que, todavia, poderão surgir durante ou ao
final da pesquisa” (VERGARA, 2009, p. 42). No que diz respeito aos meios de
investigação, optamos pela pesquisa de campo, que, também de acordo com
Vergara, é: “investigação empírica realizada no local onde ocorre ou ocorreu um
fenômeno ou que dispõe de elementos para explicá-lo. Pode incluir entrevistas,
aplicação de questionários, testes e observação participante ou não” (2009,
p.43). Em relação aos procedimentos qualitativos, segundo Creswell (2007,
p.184 e 188), eles “se baseiam em dados de texto e imagem, têm passos únicos
na análise de dados e usam estratégias diversas de investigação”. O
pesquisador vai ao local onde está o entrevistado para conduzir a pesquisa,
permitindo envolvimento do pesquisador nas experiências dos participantes ou
entrevistados. A pesquisa qualitativa é interpretativa, e o pesquisador se envolve
de forma intensa com os entrevistados.
Marton (1986, p.31) assevera que “quando investigamos o entendimento
das pessoas a respeito de vários fenômenos, conceitos e princípios, nós
repetidamente achamos que cada fenômeno, conceito ou princípio pode ser
entendido qualitativamente de diferentes maneiras”. Marton (1986) prossegue
dizendo que a fenomenografia é um método de pesquisa por meio do qual o
pesquisador pretende mapear qualitativamente as maneiras de experimentação
das pessoas, a forma como elas percebem, conceituam e entendem
determinado fenômeno ou o mundo a sua volta.
Segundo Tesch (1990), a ênfase se coloca no “como”. O método
fenomenográfico estuda de que forma as pessoas explicam a si mesmas e aos
outros, o que está por trás e como essas explicações são modificadas. Marton
(1986, p.33) explica que o objetivo não é tentar descrever as coisas “como elas
são”, mas tentar caracterizar como elas aparecem para as pessoas. O ponto de
partida da fenomenografia, ensina o autor, é o “relacional” – as relações entre o
indivíduo e determinado aspecto do mundo ao seu redor.
Ainda de acordo com Marton (1999), o objetivo da pesquisa é descrever
qualitativamente as diferentes maneiras de experimentação de vários
fenômenos (ou do mesmo fenômeno) e a forma como as pessoas enxergam
determinada realidade. Essencialmente, é um estudo de variações – variações
qualitativas entre as maneiras de se ver, experimentar e entender o mesmo
fenômeno. Em estudo seminal sobre o fenomenografia, em 1981, Marton
argumenta que objetivo da pesquisa fenomenográfica não é classificar pessoas,
comparar grupos ou fazer julgamentos das pessoas, mas encontrar formas de
pensamento das pessoas e a maneira como elas interpretam determinados
aspectos da realidade.
Cada fenômeno pode ser experimentado qualitativamente de diferentes
maneiras. Para isso, no entanto, é preciso ter sempre o discernimento do
contexto, atribuindo um significado e vendo cada “coisa” de forma particular. A
variabilidade, nesse contexto, é fundamental. Sem ela, muitos dos conceitos
tornam-se sem sentido e passam a não existir. O conceito de gênero, por
exemplo, desapareceria se existisse apenas um gênero no mundo (MARTON,
1999, p.4-5).
Akerlind (2005, p.331) considera, ainda, que as experiências de um
indivíduo a respeito de um fenômeno são sensíveis e podem mudar, variando de
acordo com o tempo e a situação. O mesmo fenômeno, portanto, pode ter
interpretações e entendimentos diferentes da mesma pessoa em tempos e
situações diferentes. Marton (1986, p.37), por sua vez, afirma que cada
fenômeno pode ser compreendido de formas qualitativamente diferentes.
Segundo o autor, em alguns casos, podem-se ter duas maneiras de entender
determinado princípio; em outras, as variações podem ser bem maiores.

PESQUISA
Tomando como ponto de partida o objetivo desta pesquisa – que é
investigar a percepção dos adolescentes sobre o cyberbullying, decidimos adotar
o método de pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, que consideramos o
mais apropriado para o tipo de análise que pretendemos fazer. Antes, porém,
cabe-nos contextualizar o tipo de pesquisa escolhido para um melhor
entendimento a respeito.
A escolha dos sujeitos da pesquisa foi feita a partir de alguns critérios
previamente estabelecidos. Tais critérios foram: alunos do Ensino Médio Técnico
Profissionalizante, com idades entre 15 e 17 anos. O método utilizado foi um
questionário, com respostas anônimas, no período de 3 dias.
Embora tenhamos ciência de que a sociedade esteja sempre se
modificando, a escolha por esse público, embora com pouca idade e com uma
vivência de vida historicamente pouco curto, ele apresenta diversas
transformações tanto da sociedade em geral quanto da própria educação.
A seleção desse critério deve-se ao fato de acreditar que por meio dele
poderíamos perceber melhor relações estabelecidas dentro do espaço escolar
público. Pensamos ser importante deixar claro que não houve, para fins de
seleção, a busca por adolescentes de uma mesma idade, pois entendemos que,
com variadas idades e formações, temos maiores possibilidades de realizar uma
pesquisa mais ampla, visto que cada idade e vivência exige uma postura
diferenciada com relação as perguntas elaboradas. Também não foi critério para
a escolha a questão do gênero, pois, embora acredite que o gênero tenha
substancial importância não era esse o foco da presente pesquisa.

Resultados e Discussões

O questionário realizado na pesquisa, composto por 31 questões é


apresentado abaixo:

1) Qual sua idade?


2) Sexo
3) Escolaridade
4) Já reprovou de ano alguma vez?
5) Quantas vezes você reprovou?
6) Dentro da sua turma como classifica o seu rendimento escolar?
7) Qual a tua facilidade para fazer amigos?
8) Selecione dentro da escala o quanto você gosta da sua escola.
9) Já presenciou situações de violência na sua escola?
10) Quem participou nessas situações de violência?
11) Das situações apresentadas, indique qual/quais aconteceram com você
no ensino médio? [Usaram palavras de baixo calão para se referir a você,
utilizando de preconceito, brincadeiras e chacotas]
12) Das situações apresentadas, indique qual/quais aconteceram com você
no ensino médio? [Os seus colegas te ignoram e te deixam de fora dos
jogos e das brincadeiras de propósito?]
13) Das situações apresentadas, indique qual/quais aconteceram com você
no ensino médio? [Os seus colegas te agrediram, bateram, fecharam na
sala ou em outro local da escola?]
14) Das situações apresentadas, indique qual/quais aconteceram com você
no ensino médio? [Os seus colegas contam mentiras a teu respeito, para
que os outros não gostem, ou tirem sarro de você?]
15) Das situações apresentadas, indique qual/quais aconteceram com você
no ensino médio? [Alguns colegas da escola te ameaçaram / ou o
forçaram a fazer coisas contra a sua vontade?]
16) Destas situações apresentadas, indique qual / quais aconteceram contigo
nos últimos meses: [Você ignorou ou deixou os seus colegas de fora dos
jogos e das brincadeiras de propósito?]
17) Destas situações apresentadas, indique qual / quais aconteceram contigo
nos últimos meses: [Você agrediu, bateu, fechou na sala ou em outro local
da escola, algum colega da escola?]
18) Destas situações apresentadas, indique qual / quais aconteceram contigo
nos últimos meses: [Você usou palavras de baixo calão para se referir a
colegas, utilizando de preconceito, brincadeiras e chacotas]
19) Destas situações apresentadas, indique qual / quais aconteceram contigo
nos últimos meses: [Você conta mentiras a respeito de seus colegas, para
que os outros não gostem, ou tirem sarro deles?]
20) Destas situações apresentadas, indique qual / quais aconteceram contigo
nos últimos meses: [Você ameaçou / ou forçou algum colega a fazer
coisas contra a vontade dele?]
21) Costuma conversar com alguém sobre os cuidados que precisa ter
quando navega na Internet?
22) Sente-se seguro em falar com quem sobre esses cuidados? Poderá
selecionar mais que um componente.
23) Já teve uma situação desagradável quando estava utilizando a Internet?
24) O que aconteceu?
25) Conhece alguém que passou por algum(ns) dos itens listados na situação
anterior?
26) O que aconteceu?
27) Você já praticou alguma das situações anteriores?
28) Quais dessas você já praticou?
29) Já ouviu falar sobre bullying?
30) Já ouviu falar sobre cyberbullying?
31) Fique à vontade para relatar algum caso de cyberbullying que ocorreu a
você ou com algum amigo(a). Sua resposta será anônima e não será
divulgada para ninguém.

Foram entrevistados 108 jovens cujas faixas etárias são dispostas


conforme mostra a figura 1.

Figura 1 – Faixa etária dos jovens estudantes entrevistados

De acordo com a pesquisa, apenas 1,85% deles nunca ouviu falar em


bullying e aproximadamente 10,2% desconhece o cyberbullying (figura2).

Figura 2 – Número de pessoas que já ouviram falar sobre cyberbullying


Fato interessante, ao mesmo tempo em que poucas pessoas não sabem
o que é o Bullying, ou seja, a maioria sabe, já ouviu falar sobre ou até mesmo
presenciou algum tipo de situação, ainda existe um número razoável de pessoas
que não conhecem o Cyberbullying, mesmo nos dias de hoje onde estamos mais
conectados do que nunca.

Figura 3 – Porcentagem de alunos que já presenciaram algum tipo de violência na escola.

Dos 108 estudantes que participaram da pesquisa um pouco menos da


metade já presenciou algum tipo de violência na escola e conforme demonstrado
na figura 3, em todos os casos presenciados, os envolvidos eram alunos.

Figura 4 - Envolvidos em violência na escola

Aproximadamente 32,4% dos estudantes praticam ou praticaram o


Bullying em algum momento na escola, desde brincadeiras maldosas, chacotas
e palavrões e aproximadamente 53% deles já estiveram do outro lado, sofreram
e/ou sofrem Bullying na escola, conforme observado na figura 5.

Figura 5 – Situações de Bullying sofridas no Ensino Médio

Apenas 27,8% dos estudantes não costuma conversar com alguém sobre
os cuidados que precisa ter ao utilizar a internet e 93,5% possui liberdade para
conversar sobre o assunto em casa, seja com um familiar ou amigo mais
próximo. Vale ressaltar que por mais que a maioria tem tal liberdade de conversar
sobre o assunto, muitos não chegam a concretizar tal conversa.
Figura 6 – Alunos que já passaram por situações desagradáveis na internet

Mais da metade dos estudantes, mais precisamente 55,55%, já passaram


por situações desagradáveis utilizando a internet (figura 6), a maioria deles em
redes sociais e 60,1% conhecem alguém que tenha passado por tais situações,
conforme podemos ver na figura 6.

Figura 7 – Situações que aconteceram na internet

De acordo com a pesquisa, demonstrada na figura 7, a maioria das


pessoas que sofreram bullying na internet, teve fotografias ou dados pessoais
divulgados na internet sem a permissão delas.
Número pequeno de estudantes disseram já ter praticado Cyberbullying,
apenas 6,5%.

Conclusão
Muitos adolescentes e jovens são discriminados no ambiente escolar e a
maioria dos agressores fazem as agressões pelo cyberbullying.
Diante dos fatos e pesquisa expostos nesse trabalho, mesmo a maioria dos
jovens entrevistados conhecendo sobre cyberbullying, muitos ainda tem
dificuldade em se abrir quanto a esse perigo.
Todavia, estes estudantes revelam ter uma opinião bastante clara em
relação à forma como as vítimas devem lidar com o problema. Sublinham a
importância da comunicação com os outros, como forma de romper com o
sofrimento solitário. Valorizam o papel dos pais e dos professores, mas também
o dos colegas. Atribuem a estes últimos um papel de apoio; aos pais o de
acompanhamento e supervisão e aos professores o de formação especialmente
no uso das tecnologias e das relações interpessoais, e não descuram a
importância da ação dos adultos/educadores junto aos jovens agressores.
O estudo parece indicar alguma ligação entre a prevalência do
cyberbullying e o ambiente social e relacional sentido na escola. Segundo Marton
(1986, p.42) é comum o jovem referir-se ao ambiente escolar, especificamente à
existência de sentimentos de mal estar e com isso várias denuncias sobre
existência de sentimentos de discriminação, medo e inferioridade. A
discriminação é um fato com o qual convivem os alunos de todo o Brasil e
demonstrado na pesquisa, que justificam pela dificuldade de convívio com as
diferenças, nomeadamente as diferenças culturais em que predominam
sentimentos ligados às diferentes identidades nacionais e culturais, o que aponta
para a necessidade de uma educação intercultural, neste contexto educativo,
como noutros com multiculturalidade significativa.
Outro fato pertinente é em questão as doenças emocionais e
consequentemente as físicas causadas pelo cyberbullying, pois como esses
adolescentes e jovens guardam para si e não compartilham com pessoas
próximas esse efeito avassalador, isso acaba afetando o emocional, trazendo
sérios problemas para eles.
Como o cyberbullying caminha em conjunto com a vitimização dentro da
escola e nas interações sociais que esse público possui, com isso esse
fenômeno toma uma importância bastante séria mediante a se transformar em
objeto de estudo de psicólogos, educadores e profissionais da área da sociologia
e filosofia. O problema maior enfrentado por esses profissionais é o alcance
desconhecido que essa prática acarreta para a vítima, tornando essa área pouco
explorada e com uma dimensão tão vasta se tratando de traumas e resultados
dessa prática na aprendizagem de alunos por exemplo.
Os motivos em que os jovens se envolvem com questões sobre bullying
ou cyberbullying está extremamente relacionado a diversas causas específicas,
entre elas destacam-se a de natureza individual (falta de empatia, baixa
autoestima, falta de autocontrole, perturbações da saúde mental), de natureza
social e familiar (falta de supervisão ou supervisão excessiva, maus tratos).
Porém, os resultados obtidos no presente estudo indicam que o ambiente
escolar, desempenha um papel relevante nas situações vividas na internet, mais
precisamente nas redes sociais, o que está de acordo com os resultados
encontrados por Willard (2007, pg 52), que afirma que é nas escolas que o
fenômeno do cyberbullying germina. Apesar do número de estudos acerca do
assunto ter aumentado exponencialmente, julgamos ser de grande importância
o desenvolvimento de pesquisas que aprofundem o conhecimento sobre as
ligações existentes entre o ambiente escolar, cyberbullying e ambiente familiar.
Chega-se à conclusão que os docentes, por esta amostragem pesquisada
devem procurar detectar em nossos alunos quando estão sofrendo algum tipo
de bullying virtual, e ganharmos a confiança deles para assim podermos ajudá-
los, afinal somos referência para eles.

Referências Bibliográficas

ABRAMOVAY, Mirian. Cotidiano das escolas: entre violências? Brasília:


UNESCO, Observatório de Violências nas Escolas, Ministério da Educação,
2006. UNESCO. <Disponível em:
http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001452/145265por.pdf>. Acesso em:
30/09/2018.

AKERLIND, G. S. Variation and Commonality in Phenomenography Research


Methods. Higher Education Research & Development. v.24, n.4, p.321-334.
<Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp141268.pdf>

AMADO, João; MATOS, Amanda: PESSOA, Teresa: JÄGER, Thomas.


Cyberbullying: um desafio à investigação e à formação. Faculdade de
Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Portugal.
<Disponível em:
http://repositorio.ipsantarem.pt/bitstream/10400.15/360/1/M16.pdf>. Acesso em:
24/09/2018.

CRESWELL, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo


e misto (2a ed.). Porto Alegre: Artmed. <Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/ram/v17n2/1678-6971-ram-17-02-0180.pdf>

MARTON, F. (1986). Phenomenography - a research approach to investigating different


understandings of reality. Journal of Thought21(3), 28-49. <Disponível
em: http://www.jstor.org/stable/42589189>

PALFREY, J., & Gasser, U. (2011). Nascido na era digital: Entendendo a primeira
geração de nativos digitais (M. F. Lopes, Trans.) <Disponível em:
https://books.google.com.br/books?id=CCe1XUHL9J0C&pg=PA119&lpg=PA119
&dq=Ybarra,+Diener+%E2%80%91West,+%26+Leaf,+2007&source=bl&ots=Z
KOUx5hB-X&sig=vznq_Djvj_lb_TcH5JI-s2l3HFQ&hl=pt-
BR&sa=X&ved=2ahUKEwim3Ob8-
OjfAhXXJ7kGHdzxCJUQ6AEwB3oECAAQAQ#v=onepage&q=Ybarra%2C%20
Diener%20%E2%80%91West%2C%20%26%20Leaf%2C%202007&f=false>

PEREIRA, Ana Carina Stelko; WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque.


Reflexões sobre o conceito de violência escolar e a busca por uma
definição abrangente. Universidade Federal de São Carlos. <Disponível em:
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
389X2010000100005>. Acesso em: 24/09/2018.

TESCH, R. (1990) Qualitative research: Analysis types and software tools. Falmer, New York.
<Disponível em:
https://www.scirp.org/(S(i43dyn45teexjx455qlt3d2q))/journal/PaperInformation.aspx?PaperID=2
3153>

UHL-BIEN, (2001). Complexity leadership theory: Shigting leadership from the


industrial age to the knowledge era. The Leadership Quarterly, p.12. <Disponível
em:
https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/5471/1/2016_Dos%20estilos
%20aos%20compromissos%20de%20aprendizagem-
qd%20as%20intera%C3%A7%C3%B5es%20lideram.pdf>

VERGARA, Sylvia Constant. Começando a definir a metodologia. In: VERGARA,


Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 10. Ed. São
Paulo: Atlas, 2009. Cap. 4, p. 41-49 <Disponível em:
http://www.ibracon.com.br/premiouniversitario/pdf/vencedora2011.pdf>

WENDT, Guilherme Welter. Cyberbullying em adolescentes brasileiros.


Universidade do Vale do Rio dos Sinos. <Disponível em:
http://repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/4749/GuilhermeWe
ndt.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 24/09/2018.

WENDT, Guilherme Welter; CAMPOS, Débora Martins de; LISBOA, Carolina


Saraiva de Macedo. Agressão entre pares e vitimização no contexto escolar:
bullying, cyberbullying e os desafios para a educação contemporânea.
Universidade do Vale do Rio dos Sinos. <Disponível em:
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-
10492010000100004>. Acesso em: 24/09/2018.

Willard, N. (2005). Educator’s guide to cyberbullying and cyberthreats.


Consultado em Novembro, 2018, <Disponível em:
http://www.accem.org/pdf/cbcteducator.pdf>

Willard, N. (2007). Cyber -safe kids, cyber -savvy teens: Helping young people
learn to use the Internet safely and responsibly. Consultado em Novembro, 2018,
<Disponível em: http://www.accem.org/pdf/cbcteducator.pdf>

YBARRA, Diener ‑West, & Leaf, 2007. Prevalence and frequency of Internet
harassment instigation: implications for adolescent health. J Adolesc Health;
<Disponível em:
https://pdfs.semanticscholar.org/1844/3a6b44501cf9afc07234f1b824d0e2ea8c4
b.pdf>