Anda di halaman 1dari 146

Título original

The Circle maker


Copyright da obra original © 2011 por Mark Batterson.
Edição original por Zondervan. Todos os direitos reservados.
Copyright da tradução © Vida Melhor Editora S.A., 2012.

Publisher Omar de Souza


Editor responsável Renata Sturm
Produção editorial Thalita Aragão Ramalho
Capa Douglas Lucas
Tradução Aquiles Queiroz
Copidesque Fernanda Silveira
Revisão Margarida Seltmann
Magda Carlos
Diagramação Inquilinos
Produção de ebook S2 Books

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE
SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ

T93c Batterson, Mark, A força da oração perseverante/ Mark Batterson; [tradução de Aquiles Queiroz]. – Rio de Janeiro: Thomas
Nelson Brasil, 2012.
Tradução de: The Circle maker ISBN 978-85-7860-421-9
1. Oração . 2. Conduta. 3. Vida religiosa 4. Espiritualidade. I. Batterson, Mark. II. Título.

cdd : 248.86
cdu : 27-183

Thomas Nelson Brasil é uma marca licenciada à Vida Melhor Editora S.A.
Todos os direitos reservados à Vida Melhor Editora S.A.
Rua Nova Jerusalém, 345 – Bonsucesso Rio de Janeiro – RJ – CEP 21402-325
Tel.: (21) 3882-8200 – Fax: (21) 3882-8212 / 3882-8313
www.thomasnelson.com.br
Sumário

1. A lenda do fazedor de círculos


2. Fazedores de círculos
3. O milagre de Jericó
4. Orando em frente

PARTE 1
O primeiro círculo — sonhe grande

5. Nublado com chances de codorna


6. Você nunca poderá saber
7. A solução para 10 mil problemas

PARTE 2
O segundo círculo — ore com força

8. Quociente de persistência
9. O favor daquele que habita na sarça ardente
10. Milhares de cabeças de gado nas colinas
11. Sem resposta

PARTE 3
O terceiro círculo — pense longe

12. Longo e tedioso


13. O maior de todos
14. A velocidade da oração
15. Lista dos objetivos de vida

PARTE 4
Continue circulando
16. Milagre duplo
17. Oração engarrafada
18. Havia então um
Epílogo: O círculo de giz
Agradecimentos
CAPÍTULO 1

A lenda do fazedor de círculos

rianças pequenas dançavam na chuva como se aquela fosse a primeira chuvarada que tivessem

C visto. E era. Seus pais jogavam a cabeça para trás, abriam a boca e recolhiam as gotas como
se fossem libações. E eram mesmo. Quando não chove há mais de um ano, as gotas de chuva
são como diamantes caindo do céu.
Seria para sempre lembrado como o dia. O dia em que as trovoadas eram como aplausos ao Todo-
poderoso. O dia em que pular nas poças tornou-se um ato de louvor. O dia em que a lenda do fazedor
de círculos nasceu.
Era o século 1 a.C., e uma seca devastadora ameaçava destruir uma geração — a geração anterior
a Jesus. O último dos profetas judeus havia morrido há quase quatro séculos desde então. Os
milagres eram uma memória tão remota que pareciam ser uma falsa memória. E Deus não se ouvia
em lugar nenhum. Porém havia um homem, um sábio excêntrico, que vivia do lado de fora das
muralhas de Jerusalém, que ousava orar mesmo assim. Seu nome era Honi.[1] E ainda que as pessoas
não pudessem mais ouvir Deus, ele acreditava que Deus ainda podia ouvi-lo.
Quando a chuva é abundante, mal se pensa nela. Durante uma seca, é só no que se pode pensar. E
Honi era a única esperança deles. Famoso por sua habilidade em orar por chuva, foi nesse dia, o dia
que Honi ganharia seu apelido.
Com um cajado de dois metros nas mãos, Honi começou a girar como um compasso. Seu
movimento circular era ritmado e metódico. 90 °. 180 °. 270 °. 360 °. Ele nunca olhava para cima,
enquanto a multidão olhava para ele. Após o que pareceu horas, mas foi de fato apenas alguns
segundos, Honi permaneceu dentro do círculo que desenhara. Então caiu de joelhos e ergueu suas
mãos para os céus. Com a autoridade do profeta Elias, que clamou aos céus por fogo, Honi pediu
chuva.

Deus do universo, juro em vosso grande nome que não me moverei para fora deste círculo
enquanto vós não tiverdes mostrado misericórdia por seus filhos.

As palavras sopraram um calafrio pela espinha de todos aqueles que estavam próximos o
suficiente para ouvir. Não era o volume de sua voz, era a autoridade de seu tom. Sem sombra de
dúvida. Sua oração não vinha de suas cordas vocais. Assim como a água de um poço artesiano, as
palavras fluíam da profundeza de sua alma. Sua oração era resoluta ainda que humilde, confiante
ainda que submissa, esperançosa ainda que modesta.
Então aconteceu.
À medida que sua oração ascendia aos céus, as gotas de chuva desceram para a terra. Uma
exclamação ouviu-se de milhares de congregados em torno de Honi. Cada uma das cabeças voltou-se
para o alto quando as primeiras gotas de água vertiam, porém Honi permaneceu prostrado. O povo
rejubilava cada gota, porém Honi não estava satisfeito com uma chuva leve. Ainda ajoelhado dentro
do círculo, Honi ergueu sua voz por cima dos sons de celebração.
— Não foi por essa chuva que eu orei, mas por uma chuva que encha cisternas, poços e cavernas.
A chuva converteu-se de leve em uma torrente cujas gotas, segundo as testemunhas, eram do
tamanho de ovos. Choveu tão forte e tão densamente, que as pessoas fugiram para o Monte do
Templo a fim de escapar da enchente instantânea. Honi permaneceu, e orou dentro de seu círculo
protegido. Mais uma vez ele refinou seu ousado pedido:
— Não foi por essa chuva que eu orei, mas pela chuva de graça, bênção e favor.
Então, como uma bem proporcionada chuva de verão em uma tarde quente de verão, começou a
chover calma e pacificamente. Cada gota era uma marca tangível da graça de Deus. E a chuva não
somente encharcava a pele; encharcava o espírito de fé. Tinha sido difícil crer, no dia anterior àquele
dia. No dia posterior àquele dia, era impossível não crer.
Por fim, o pó tornou-se lama e voltou a ser pó. Após saciar a sede, a multidão dispersou. E o
fazedor de chuva voltou a seu abrigo humilde nos arredores de Jerusalém. A vida voltou ao normal,
porém a lenda do fazedor de círculos havia nascido.
Honi foi celebrado como herói da cidade pelas pessoas cuja vida ele tinha salvado. Porém, uma
pessoa no sinédrio veio questionar o fazedor de círculos. Uma facção acredita que fazer um círculo e
exigir chuva era uma desonra a Deus. Talvez fossem os mesmos membros do sinédrio que iriam
criticar Jesus por curar a mão ressecada de um homem no sabá, uma geração mais tarde. Ameaçaram
Honi de excomunhão, porém, já que o milagre não podia ser repudiado, Honi por fim recebeu as
honras por seu ato de ousadia em oração.
A oração que salvou uma geração foi considerada como uma das mais significativas orações da
história de Israel. O círculo que ele desenhou na areia tornou-se um símbolo sagrado. E a lenda de
Honi, o fazedor de círculos, permanece para sempre como um testamento do poder de uma única
oração para mudar o rumo da História.
CAPÍTULO 2

Fazedores de círculos

Terra deu mais de 2 mil voltas em torno do sol desde o dia em que Honi desenhou seu círculo

A na areia, porém Deus ainda está procurando por fazedores de círculos. E a lição eterna
aprendida com essa lenda antiga é tão verdadeira hoje quanto foi então: oradores ousados
honram Deus e Deus honra os oradores ousados. Deus não se ofende com grandes sonhos ou com
suas orações mais ousadas. Ele se ofende com tudo o que for menos que isso. Se suas orações não
são impossíveis para você, elas estão insultando Deus. Por quê? Porque elas não demandam
intervenção divina. Mas peça para Deus repartir o mar Vermelho ou fazer com que o sol permaneça
parado ou faça flutuar um machado de ferro, e Deus é compelido à ação onipotente.
Não há nada que Deus ame mais que manter as promessas, responder a orações, operar milagres e
realizar sonhos. Esse é Deus. É isso que ele faz. E quanto maior for o círculo que desenhamos,
melhor será, porque Deus obtém mais glória. Os maiores momentos da vida são os momentos
milagrosos em que a impotência humana e a onipotência divina se cruzam — e elas se cruzam quando
desenhamos um círculo em torno das situações de nossa vida e convidamos Deus a intervir.
Prometo a você uma coisa: Deus está a postos e aguardando. Assim, ainda que eu não faça ideia
da situação em que você esteja metido, tenho confiança de que você está a apenas uma oração de
distância de ter um sonho realizado, uma promessa atendida ou um milagre operado.
É absolutamente imperativo que de saída você compreenda e aceite esta simples verdade, capaz
de mudar sua vida: Deus é para você.[2] Se você não acredita nisso, suas orações serão pequenas e
tímidas. Se você acredita nisso, então suas orações serão grandes e ousadas. E, de um modo ou de
outro, suas orações, pequenas e tímidas ou grandes e ousadas, irão afetar a trajetória de sua vida e
transformá-lo em uma pessoa totalmente diferente. As orações são profecias. São a melhor maneira
de prever seu futuro espiritual. Quem você vai se tornar é determinado pela maneira como você ora.
No fim das contas, a transcrição de suas orações torna-se o roteiro de sua vida.
Nas páginas que se seguirão, você encontrará modernos fazedores de círculos que o inspirarão a
sonhar grande, orar com força e pensar longe. O golfista profissional que orava no campo de golfe
que agora é seu irá inspirá-lo a sonhar grande. O funcionário público que deixou para trás doze mil
concorrentes e conseguiu o emprego dos sonhos, para o qual concorreu por doze anos seguidos, irá
desafiá-lo a manter-se na promessa que Deus pôs em sua alma. Os pais que oraram por seu filho e
pela futura esposa de seu filho por 22 anos e duas semanas irão inspirá-lo a orar além de si mesmo.
E uma resposta de Deus, 50 anos depois, para uma oração de um evangelista por uma sala de cinema
na Capitol Hill feita em 1960, irá inspirá-lo a pensar longe e a orar com força. Este livro irá mostrar
como receber as promessas que Deus nos deu, a perseguir sonhos do tamanho de Deus e a aproveitar
as oportunidades oferecidas por Deus. Você aprenderá como desenhar círculos em torno de sua
família, seu trabalho, seus problemas e suas metas. Porém, antes que eu mostre como desenhar
círculos de oração, é importante compreender por que isso é tão importante. Desenhar círculos não é
um truque mágico para conseguir o que se quer de Deus. Deus não é um gênio em uma lâmpada, e seu
desejo não é uma ordem dele. É melhor que a ordem dele seja seu desejo. Se não for, você não estará
desenhando círculos de oração, você terminará andando em círculos.
Para desenhar círculos de oração é preciso primeiro discernir o que Deus quer, quais os desígnios
de Deus. E até que sua soberania se torne seu desejo santificado, sua vida de oração estará fora da
tomada da fonte de energia. Certamente, você pode empregar alguns dos princípios que aprenderá
neste livro, e eles talvez o ajudem a conseguir o que quer, porém conseguir o que se quer não é o
objetivo final; o objetivo final é glorificar a Deus ao desenhar círculos em torno das promessas, dos
milagres e dos sonhos que ele quer para você.

Meu primeiro círculo

Ao longo dos anos, venho desenhando círculos em torno das promessas nas Escrituras e nas
promessas que o Espírito Santo tem concebido em meu espírito. Já desenhei círculos de oração em
torno de situações impossíveis e pessoas impossíveis. Desenhei círculos em torno de todas as coisas,
de objetivos para a vida até terrenos de propriedade. Porém permita-me começar pelo começo e
retraçar o primeiro dos círculos de oração que desenhei.
Quando era um seminarista de 22 anos, tentei implantar uma igreja no litoral norte de Chicago,
porém essa planta nunca fincou raízes. Seis meses mais tarde, com uma igreja fracassada em meu
currículo, Lora e eu mudamos de Chicago para Washington, DC. A oportunidade de tentar a
implantação de uma nova igreja apresentou-se, e minha reação natural era dizer não, porém Deus
deu-me a coragem para encarar meus temores, engolir meu orgulho e tentar mais uma vez.
Nada foi fácil em nosso primeiro ano de implantação da igreja. A receita total de nossa igreja era
de 2 mil dólares por mês, e, desse dinheiro, 1.600 dólares iam para o aluguel do refeitório de uma
escola pública de Washington onde realizávamos o culto de domingo. Em um bom domingo, umas 25
pessoas dariam as caras. Foi então que aprendi a fechar meus olhos na oração porque era deprimente
demais mantê-los abertos. Ainda que eu tivesse uma formação no seminário, não fazia ideia de como
liderar. Isso é desafiador quando você é o líder. Sentia-me subqualificado e sobrecarregado, mas é
aí que Deus nos coloca exatamente no lugar que ele quer para nós. É assim que você aprende a viver
em dependência primária — e dependência primária é a matéria-prima com a qual Deus opera seus
maiores milagres.
Certo dia, quando sonhava com a igreja que Deus queria estabelecer na Capitol Hill, senti-me
impelido pelo Espírito Santo a fazer uma caminhada de oração. Muitas vezes costumava andar e orar
em torno do quarto de hóspedes de nossa casa que funcionava também como escritório da igreja, mas
esse ímpeto foi diferente. Estava lendo o livro de Josué, na época, e uma das promessas saltou das
páginas do livro direto para meu espírito.

Como prometi a Moisés, todo lugar onde puserem os pés eu darei a vocês.[3]

Enquanto lia a promessa feita a Josué, senti que Deus queria que eu declarasse como sua
propriedade a terra à qual ele nos convocara e orasse ao longo do perímetro da Capitol Hill (a
região de Washington em que se localizam as sedes do poder Legislativo e Judiciário norte-
americano). Sentia a confiança de Honi de que, da mesma maneira como a promessa havia sido
transferida de Moisés para Josué,[4]Deus queria transferi-la agora para mim, se eu tivesse fé
suficiente para circundá-la. Assim, em uma manhã quente e úmida de agosto, fiz o que seria meu
primeiro círculo de oração. Ainda consta como a mais longa caminhada de oração que já fiz e o
maior círculo de oração que já desenhei.
Partindo da porta da frente de nossa casa na Capitol Hill, caminhei para o leste na rua F e tomei o
rumo sul na rua 8. Atravessei a East Capitol, a rua que corta os quadrantes nordeste e sudeste da
cidade, e voltei para o oeste na rua M sudoeste. Então, completei o círculo, que foi na verdade mais
um quadrado, ao tomar o norte na rua South Capitol. Fiz uma pausa para orar na frente do Capitólio
(onde estão o Senado e o Congresso norte-americanos) por alguns minutos. Então completei o círculo
de sete quilômetros e meio ao virar à direita na Union Station (estação ferroviária) e voltar para
casa.
É difícil descrever o que senti quando terminei de desenhar aquele círculo. Meus pés estavam
inchados, porém meu espírito flutuava. Senti o mesmo tipo de confiança divina que os israelitas
devem ter sentido quando cruzaram o rio Jordão em solo firme e puseram os pés na Terra Prometida
pela primeira vez. Não podia esperar para ver como Deus iria honrar aquela oração. O círculo de
oração havia tomado quase três horas para ser completado porque meu passo, na oração, é mais lento
que meu passo normal, porém Deus tem respondido àquela oração de três horas ao longo dos últimos
quinze anos.
Desde o dia em que desenhei o círculo de oração em torno da Capitol Hill, a National Community
Church (Igreja da Comunidade Nacional) cresceu até ter sete filiais na área metropolitana da grande
Washington. Estamos prestes a lançar nosso primeiro campus internacional em Berlim, na Alemanha.
E Deus nos deu o privilégio de influenciar dezenas de milhares de pessoas nesta última década e
meia.

Todas as apostas estão encerradas

Quando olho para trás, por cima dos ombros, fico agradecido pelos milagres que Deus nos
concedeu, e tenho a firme consciência de que cada milagre tem uma genealogia. Se você refizer os
passos desses milagres até a origem deles, encontrará um círculo de oração. Os milagres são
subprodutos das orações que foram feitas por você ou para você. E essa é toda a motivação de que
você precisa para orar.
Deus determinou que certas expressões de seu poder serão exercitadas somente em resposta a
orações. Resumidamente, Deus não o fará se você não orar. Nós não temos porque nós não pedimos,
ou talvez deva dizer, não temos porque não fizemos o círculo. A maior tragédia na vida são as
orações que não são respondidas porque não foram feitas.
Mas também há boas notícias: se você orar, todas as apostas serão encerradas. Você pode viver
com expectativa divina porque você nunca saberá quando, como ou onde Deus irá responder a sua
oração, porém prometo a você uma coisa: ele irá responder. E suas respostas não são limitadas por
seus pedidos. Oramos a partir de nossa ignorância, porém Deus responde em sua onipotência. Deus
tem a habilidade de responder às orações que deveríamos ter feito, mas que não dispúnhamos do
conhecimento ou da habilidade de fazer.
Durante minha caminhada de oração em torno da Capitol Hill, desenhei círculos em volta de
coisas para as quais eu nem mesmo sabia como pedir. Sem mesmo sabê-lo, desenhei círculos de
oração em torno das pessoas que um dia viriam à fé em Jesus Cristo em nosso refeitório antes que
isso fosse sequer uma ideia. Mesmo sem sabê-lo, caminhei diretamente a um terreno na esquina da
rua 8 com a Avenida Virgínia SE, que viríamos a adquirir treze anos mais tarde, resultado de uma
doação de três milhões de dólares que nem era sequer uma oração, na época. Mesmo sem sabê-lo,
caminhei diretamente a uma marquise de teatro na Barracks Row, a principal rua da Capitol Hill, que
iríamos renovar e abrir como nossa sexta filial, quinze anos mais tarde.
Essas respostas são um testemunho do poder de Deus e um lembrete de que, se você fizer os
círculos, Deus responderá àquelas orações de alguma maneira, em algum momento. Deus vem
respondendo àquela oração por quinze anos, e ele vai continuar respondendo às orações, para
sempre. Da mesma maneira que a oração de Honi, suas orações têm o potencial de mudar o curso da
história. É hora de começar a desenhar os círculos.
CAPÍTULO 3

O milagre de Jericó

sodos os livros têm uma história por trás. Há o momento em que uma ideia é concebida na

T imaginação do autor e essa ideia fica destinada a tornar-se um livro. E porque acredito que a
história por trás irá ajudá-lo a apreciar a história, deixe-me compartilhar a gênese do livro que
você está lendo.
Durante meu último ano na faculdade, desenvolvi um apetite voraz pela leitura. Gastava todo o
dinheiro que me sobrava e todo o tempo que tinha em livros. Desde então, li milhares de livros em
assuntos que variavam de espiritualidade à neurologia; da biografia à astronomia. Além de minhas
estantes estarem totalmente lotadas, tenho livros pelo chão em pilhas precárias que parecem a Torre
inclinada de Pisa. Já que o espaço em minhas prateleiras já se esgotou há anos, nem todos os livros
que leio “chegam à prateleira”. No entanto, tenho uma prateleira que contém somente meus livros
favoritos, algumas poucas dúzias deles. Um deles tem por título O livro das lendas.
Uma coleção das histórias do Talmude e da Midrash, O livro das lendas contém os ensinamentos
dos rabinos judeus passados de geração a geração. Por ter mais de um milênio de sabedoria
acumulada, ler O livro das lendas parece uma exploração arqueológica. Já havia escavado 202
páginas quando me deparei com uma história que bem podia ter sido um tesouro enterrado. Era a
lenda de Honi, o fazedor de círculos. E isso mudou para sempre a maneira como eu oro.
Sempre acreditei no poder da oração. De fato, a oração é a herança espiritual que recebemos de
nossos avós. Eu tinha um avô que se ajoelhava ao lado da cama à noite, retirava seu aparelho
auditivo e orava por sua família. Ele não conseguia escutar a si mesmo sem o aparelho auditivo, mas
toda a família podia ouvi-lo. Poucas coisas são tão marcantes quanto ouvir alguém interceder
genuinamente por você. E mesmo ele tendo morrido quando eu tinha seis anos, suas orações não
morreram. Nossas orações nunca morrem. Houve momentos em minha vida em que o Espírito de
Deus sussurrou a meu espírito: “Mark, as orações de seu avô estão sendo respondidas em sua vida
neste exato instante”. Esses momentos me ensinaram a ter humildade em minha vida. E, após
descobrir a lenda de Honi, o fazedor de círculos, dei-me conta de que meu avô vinha fazendo
círculos de orações antes mesmo de eu ter nascido.
A lenda de Honi, o fazedor de círculos, foi como uma revelação do poder da oração. Ela deu-me
novo vocabulário, novas visualizações, nova metodologia. Não só me inspirou a fazer orações
ousadas como me ajudou a orar com mais perseverança. Comecei a fazer um círculo em torno de
todos e de tudo na oração. Obtive inspiração em particular da marcha em volta de Jericó, quando
Deus cumpriu uma promessa de quatrocentos anos ao prover a primeira vitória na Terra Prometida.
Ainda que a história não mencione explicitamente as pessoas assumindo posições de oração, não
tenho dúvidas de que os israelitas estavam orando enquanto davam voltas em torno da cidade. Não é
isso que você faz instintivamente quando encara um desafio que está muito além de sua capacidade?
A imagem dos israelitas circulando Jericó por sete dias é comoventemente parecida com os círculos
de oração. Também é o pano de fundo para este livro.

A marcha de Jericó
A primeira visão de Jericó foi tanto assombrosa quanto assustadora. Enquanto vagavam pelo
deserto por quarenta anos, os israelitas não tinham visto nada parecido com a silhueta de Jericó.
Quanto mais se aproximavam, menores se sentiam. Finalmente compreendiam como a geração
anterior havia se sentido como gafanhotos e tinham fracassado em entrar na Terra Prometida por
conta do medo.
Uma muralha inferior de dois metros de largura e outra, superior, de quinze metros de altura,
encerravam a antiga metrópole. As muralhas de tijolos eram tão espessas e altas que a cidade de 48
mil metros quadrados parecia uma fortaleza inexpugnável. Parecia que Deus havia prometido algo
impossível, e seu plano de batalha aparentava não ter sentido algum: “Marche uma vez ao redor da
cidade, com todos os homens armados. Faça isso durante seis dias. […] No sétimo dia, marchem
todos sete vezes ao redor da cidade.”[5]
Cada um dos soldados daquele exército deve ter se perguntado o porquê. Por que não usar um
aríete? Por que não escalar as muralhas? Por que não bloquear o fornecimento de água ou disparar
flechas flamejantes por cima das muralhas? Em vez disso, Deus disse ao exército israelita para
marchar em silêncio em torno da cidade. E ele prometeu que, depois de darem treze voltas em sete
dias, que a muralha iria desmoronar.
Na primeira vez que circularam, os soldados devem ter se sentido um pouco bobos. Mas, a cada
volta, a caminhada foi ficando mais longa e mais forte. A cada volta, uma confiança divina foi
aumentando a pressão dentro daquelas almas. No sétimo dia, a fé já estava a ponto de estourar.
Levantaram antes do amanhecer e começaram a circular às seis horas da manhã. A cinco quilômetros
por hora, cada volta de dois quilômetros e meio em torno da cidade levava meia hora.
Aproximadamente às nove horas da manhã eles começaram a volta final. Obedecendo ao comando de
Deus, não haviam dito uma palavra por seis dias. Eles apenas circulavam silenciosamente a
promessa. Então os sacerdotes soaram suas trombetas e um grito simultâneo se seguiu. Seiscentos mil
israelitas soaram um rugido divino que poderia ser registrado na escala Ritcher, e as muralhas
começaram a desmoronar.
Depois de sete dias circulando Jericó, Deus cumpriu uma promessa de quatrocentos anos. Ele
provou, mais uma vez, que suas promessas não têm data de validade. E Jericó se ergueu, e
desmoronou, como um testemunho para esta simples verdade: se você continuar circulando a
promessa, Deus irá, por fim, cumpri-la.

Qual é a sua Jericó?

Esse milagre é um microcosmo.


Não somente revela a maneira como Deus operou esse milagre em particular como também
estabelece um padrão a ser seguido. Desafia-nos a circular com confiança as promessas que Deus
nos deu. E suscita a pergunta: qual é a sua Jericó?
Para os israelitas, Jericó simbolizava o cumprimento de um sonho originado em Abraão. Era o
primeiro passo no recebimento da Terra Prometida. Era o milagre pelo qual estavam esperando e
desejando por toda a sua vida.
Qual é a sua Jericó?
Por qual promessa você tem orado em volta? Por qual milagre você tem marchado em círculo? Em
torno de qual sonho sua vida dá voltas?
Para desenhar círculos de oração é preciso primeiro identificar sua Jericó. Você tem de definir as
promessas que Deus quer que você reconheça como sendo para você, os milagres nos quais Deus
quer que você acredite e os sonhos que Deus quer que você persiga. Então você tem de continuar
dando voltas até que Deus dê a você o que ele quer e o que está em seus desígnios. Esse é o objetivo.
Eis, porém, o problema: a maioria de nós não recebe o que quer simplesmente porque não sabemos o
que queremos. Jamais damos voltas em torno das promessas de Deus. Nunca escrevemos uma lista de
objetivos para a vida. Nunca definimos o sucesso para nós mesmos. E nossos sonhos são tão
nebulosos como os nimbos-cúmulos.
No lugar de desenharmos círculos, desenhamos vazios.

Circulando Jericó

Mais de mil anos depois do milagre de Jericó, outro milagre aconteceu no mesmíssimo lugar.
Jesus estava em seu caminho por Jericó quando dois homens cegos acenaram para ele, como para um
táxi: “Senhor, filho de Davi, tenha misericórdia de nós!” Os discípulos viram isso como uma
interrupção humana. Jesus viu como um encontro divinamente marcado. Assim, ele para e responde
com uma pergunta direta. “O que vocês querem que eu lhes faça?”[6]
Sério? Era mesmo necessário fazer essa pergunta? Não era óbvio o que eles queriam? Eles são
cegos. Ainda assim Jesus forçou-os a verbalizar seu desejo. Ele os fez declarar, mas não foi porque
Jesus não soubesse o que eles queriam; ele queria que eles soubessem o que eles queriam. E é aí que
se começa a traçar o círculo: saber o que circular.
E se Jesus fizesse a você a mesma pergunta: O que você quer que eu faça? Você seria capaz de
recitar as promessas, os milagres e os sonhos que Deus pôs em seu coração? Eu receio que muitos de
nós ficaríamos mudos. Não fazemos ideia do que queremos que Deus faça por nós. E a grande ironia,
é claro, é que se não podemos responder a essa pergunta, então somos tão cegos espiritualmente
quanto aqueles homens eram cegos fisicamente.
Portanto, ainda que Deus seja por nós, a maioria de nós não faz ideia do que queremos que Deus
faça por nós. E é por isso que nossas orações são tediosas não somente para nós, elas não são
inspiradoras para Deus. Se a fé é ter certeza do que esperamos, então não ter certeza do que
esperamos é a antítese da fé, não é mesmo? A fé bem desenvolvida resulta em orações bem-
definidas, e orações bem-definidas resultam em uma vida bem-vivida.
Se você ler este livro sem responder a essa pergunta, você não terá compreendido nada. Da
mesma maneira que os dois cegos nos arredores de Jericó, você precisa de um encontro com o filho
de Deus. Você precisa de uma resposta para a pergunta que ele ainda está fazendo: o que é que você
quer que eu faça por você?
Obviamente, a resposta a essa pergunta varia ao longo do tempo. Precisamos de milagres
diferentes em diferentes momentos da nossa vida. Perseguimos sonhos diferentes durante diferentes
momentos da vida. Merecemos diferentes promessas em situações diferentes. É um alvo móvel, mas
você tem de começar de algum lugar. Por que não aqui, e agora?
Não basta ler a Bíblia. É preciso circular as promessas.
Não basta fazer pedidos. Escreva uma lista de objetivos de vida que glorifiquem Deus.
Não basta orar. Mantenha um diário de orações.
Defina seu sonho.
Faça por merecer sua promessa.
Fale claramente o milagre que procura.

Diga claramente

“Jericó” pode ser dito de muitas maneiras diferentes. Se você tem câncer, diz-se “cura”. Se seu
filho se distanciou de Deus, diz-se “salvação”. Se seu casamento está em ruínas, diz-se
“reconciliação”. Se você tem uma visão que está além dos seus recursos, diz-se “provisão”. Porém o
que quer que seja, você tem de dizer de modo claro. Algumas vezes, “Jericó” é dito sem se empregar
letras. É um CEP para onde você foi chamado ou uma cifra em dinheiro que vai tirá-lo da dívida. E
algumas vezes “Jericó” tem o mesmo som do nome de alguém. Para mim, Jericó tem três maneiras
diferentes de se dizer: “Parker”, “Summer” e “Josias”.
Quando meu amigo Wayne e sua mulher Diane estavam esperando seu primeiro filho, começaram
a orar por seu bebê. Acreditavam que a oração era sua principal responsabilidade como pais, então
por que esperar até que seu bebê tivesse nascido? A cada noite, Wayne punha suas mãos sobre o
ventre de Diane e orava as promessas nas Escrituras que eles haviam circulado para seu bebê.
Durante os primeiros estágios da gravidez, depararam com um livro que dizia que nunca era cedo
demais para começar a orar pelo futuro cônjuge de seu bebê. No começo, pareceu meio estranho orar
por um marido ou uma esposa mesmo antes de saber qual é o sexo do bebê, mas eles oraram pelo
bebê e pelo cônjuge do seu bebê, dia após dia, até o dia do parto.
Wayne e Diane decidiram esperar até o nascimento para descobrir o sexo de seu bebê, mas
oraram para que Deus revelasse que nome deveria ter. Em outubro de 1983, o Senhor deu-lhes um
nome de menina. Escrevia-se “Jessica”. Então, em dezembro, o Senhor deu-lhes um nome de menino,
e eles começaram a orar por “Timothy”. Não tinham certeza do porquê de Deus ter-lhes dado dois
nomes diferentes, mas fizeram círculos de oração em torno de Jessica e de Timothy até que Diane
deu à luz.
Em 5 de maio de 1984, Deus respondeu a suas orações, e a resposta tinha o nome de Timothy.
Wayne e Diane continuaram a circular seu filho em oração, mas também começaram a orar pela
garota com quem ele um dia iria se casar. Vinte e dois anos e duas semanas de orações acumuladas
culminaram em 19 de maio de 2006 — o dia em que a noiva de Timothy caminhou em direção ao
altar. Seu nome? Jessica.
Eis o resto da história.
A futura nora deles tinha nascido em 19 de outubro de 1983, no mesmo mês em que Deus havia
lhes dado o nome “Jessica”. A mais de mil quilômetros de distância, Wayne e Diane estavam orando
por seu nome. Achavam que Jessica seria sua filha, não sua nora, mas Deus sempre guarda uma
surpresa na sua manga soberana. Para Wayne e Diane, Jericó dizia-se de duas maneiras diferentes:
Timothy e Jessica — e ambos com o mesmo sobrenome.
Para o caso de você estar se perguntando, a Timothy era permitido namorar garotas que não se
chamassem “Jessica”! Wayne e Diane nem sequer haviam dito a Timothy que Deus lhes dera o nome
de sua futura esposa antes mesmo de seu nascimento — até o dia em que ficaram noivos.
Tenho a honra de servir como pastor de Timothy e Jessica. Assim, da mesma maneira que eles são
os primeiros beneficiados das orações de seus pais, eu sou o segundo beneficiado. Eles têm sido uma
imensa bênção para a National Community Church como líderes de pequenos grupos, e como em
todas as bênçãos, pode-se achar a origem em um círculo de orações.

Orações vagas

Há alguns anos, li uma frase que mudou a maneira como oro. O autor, pastor de uma das maiores
igrejas em Seul, na Coreia, escreveu: “Deus não responde a orações vagas.” Quando li essa
declaração, eu imediatamente me senti culpado por toda a imprecisão de minhas orações. Algumas
delas eram tão imprecisas e vagas que não havia como saber se Deus as havia respondido ou não.[7]
Foi durante essa temporada espiritual, quando Deus estava me desafiando a dizer claramente
minhas orações sendo mais específico, que eu embarquei em um jejum pentecostal de dez dias. Do
mesmo modo que os 120 fiéis oraram em um salão por dez dias, senti-me impelido a jejuar e orar
pelos dez dias que levavam a Pentecostes. Meu raciocínio era bem simples: se fizermos o que eles
fizeram na Bíblia, talvez experimentemos o que eles sentiram. Você não pode forjar um milagre como
o de Pentecostes, porém, se jejuar por dez dias, um milagre como o de Pentecostes pode acontecer.
Durante aquele jejum pentecostal de dez dias, estava dando aulas em nossa igreja sobre milagres,
e havíamos justamente recebido um deles. Nós miraculosamente adquirimos um pedaço da Terra
Prometida que havíamos circulado em nossa oração por mais de cinco anos. Pegamos pedras que
haviam sido colocadas na fundação e demos a cada um como lembrança concreta do milagre
corporativo que Deus havia operado para a National Community Church. Tirando daquela fé
empresarial, desafiamos as pessoas a tomar para si a pergunta que Jesus propôs aos dois cegos nos
arredores de Jericó: o que você quer para si? Então escrevemos nossos desejos sagrados nessas
pedras. Eu disse claramente sete milagres, e comecei a circulá-los em oração.
Para ser completamente sincero, nem todos os sete milagres que eu pedi aconteceram. Na verdade,
em um deles chegou mesmo a acontecer o contrário do que pedira. Eu havia pedido a Deus que nos
desse uma das salas de cinema da Union Station onde nossa igreja se reunia por mais de uma década,
porém, no lugar de nos dar um dos cinemas, ele os levou embora. As salas de cinema foram fechadas
inesperadamente, e tivemos menos de uma semana para evacuá-lo. Foi extremamente decepcionante e
me deixou desorientado na época, mas tenho de admitir que esse aparente “antimilagre” foi o
catalisador de alguns milagres maiores e melhores que aconteceram em seguida. O que parecia ser a
resposta errada, se mostrou ser a melhor resposta. Assim, nem toda oração será respondida da
maneira como a escrevemos, mas estou convencido disto: os milagres que aconteceram não teriam
acontecido se não tivesse feito um círculo em torno dele primeiro.
Quanto mais fé você tiver, mais específicas serão suas orações. E quanto mais específicas forem
suas orações, mais glória Deus receberá. Assim como Honi, que orou por um tipo específico de
chuva, orações delimitadas dão a Deus a oportunidade de revelar mais nuances de sua soberania. Se
nossas orações não são específicas, no entanto, Deus é roubado da glória que merece porque temos
de adivinhar se ele atendeu ou não a oração. Nunca sabemos se as respostas foram resultado de uma
oração específica ou uma coincidência que aconteceria de qualquer modo.
Aquela pedra com sete milagres escritos nela ainda repousa em uma prateleira no meu escritório.
Vez por outra eu a pego e mantenho-a em minha mão enquanto oro. Não há nada mágico nisso, mas
funciona como uma salvaguarda da oração. Ela garante que eu não esquecerei para que estou orando.
Ela também garante que Deus recebe glória quando os milagres acontecerem. Quando você diz
claramente suas orações, e é específico, elas no fim darão glória a Deus.

A escada do sucesso

É fácil estarmos tão ocupados subindo a escada do sucesso que fracassamos em notar que a
escada não está encostada nas muralhas de Jericó. Perdemos de vista nossos objetivos definidos por
Deus. Nossa eterna prioridade perde importância para nossas responsabilidades crônicas. E
colocamos nosso sonho divinal no penhor. Assim, no lugar de dar voltas em Jericó, acabamos
desgarrados no deserto por quarenta anos.
Há alguns anos, desfrutei um raro dia sem compromissos. Eu havia acabado de deixar minha
família no aeroporto de Los Angeles após adoráveis férias de primavera no sul da Califórnia. Fiquei
para trás para participar de uma conferência de liderança, mas tinha um dia livre de qualquer
compromisso e nada para fazer. Assim, achei uma cafeteria na rua 3, em Santa Mônica, e passei o dia
circulando Jericó.
Aquele tempo livre, assim como o sol da Califórnia, propiciou uma epifania. Enquanto eu
bebericava meu frapê de chocolate branco, constatei que eu nunca chegara a definir sucesso para
mim. Havia escrito um par de livros e começava a viajar no circuito dos palestrantes, mas nenhum
desses objetivos tinha sido tão recompensador quanto eu esperava que fosse. Muitas vezes sentia um
misto de animação e tristeza profunda quando passava pelos procedimentos de segurança em um
aeroporto a caminho de uma apresentação qualquer. Minha vida lembrava um pouco aquela piada
que sempre conto, na qual um piloto de avião chega ao intercomunicador e diz “tenho boas notícias e
más notícias. A má notícia é que estamos perdidos. A boa é que estamos cumprindo o prazo”. É
assim que eu sentia minha vida, mas não era uma piada.
Nunca encontrei ninguém que não quisesse ser bem-sucedido, mas bem poucas pessoas de fato
definiram para si claramente o sucesso. Herdamos a definição familiar, ou adotamos uma definição
cultural. Porém, se você não disser claramente para si o que é o sucesso, você não tem como saber se
você o alcançou. Você pode alcançar seus objetivos somente para se dar conta de que aqueles não
deveriam ter sido seus objetivos para começo de conversa. Você circulou a cidade errada. Você
subiu a escada errada.

Outras maneiras de dizer

À medida que as pessoas passeavam pelas vitrines da rua 3, fui rabiscando uma definição pessoal
de sucesso em um guardanapo. Aquele guardanapo poderia ser uma tábua de pedra escrita pelo dedo
de Deus no monte Sinai. Deus redefiniu o sucesso e o disse claramente para mim, naquele
guardanapo. Assim como as definições em um guardanapo que capturam as diferentes dimensões de
uma palavra, eu anotei duas maneiras de dizer o que é o sucesso.
A primeira definição pode parecer genérica, mas é específica para toda e qualquer situação:
1 . Faça o melhor que puder com o que você tiver e onde você estiver. O sucesso não é
circunstancial. Geralmente colocamos nosso foco no que estamos fazendo ou para onde estamos indo,
mas a principal preocupação de Deus é quem estamos nos tornando ao longo do processo. Falamos
sobre “fazer” os desígnios de Deus, mas os desígnios de Deus têm mais a ver com “ser” do que com
“fazer”. Não se trata de começar no lugar certo na hora certa; trata-se de ser a pessoa certa, mesmo
se você estiver na situação errada. O sucesso não tem nada a ver com o quão talentoso, ou com
quanto dinheiro você tenha. Tem tudo a ver com glorificar Deus em toda e qualquer situação ao fazer
o melhor de si. O sucesso é escrito com gerência, e gerência é escrita com sucesso.
A segunda definição que anotei tem a ver com meu chamado. Seja escrevendo, pregando ou sendo
pai, esta é a paixão que move minha vida:
2. Ajude as pessoas a maximizar seu potencial dado por Deus. O potencial é a dádiva de Deus
para nós; o que fazemos com ele é nossa dádiva de volta a Deus. Ajudar as pessoas a maximizar seu
potencial divino é a razão de Deus ter me colocado neste planeta. É isso que me faz acordar cedo e
me mantém acordado até tarde. Nada é mais recompensador para mim do que ver as pessoas
crescendo em seus dons e dádivas de Deus.
A terceira definição revela o desejo mais profundo de meu coração:
3. Meu desejo é que as pessoas que me conhecem mais me respeitem mais. O sucesso não é
medido pela quantidade de pessoas de quem sou pastor ou pela quantidade de exemplares vendidos
dos meus livros; o sucesso é viver a vida com tal integridade autêntica que aqueles que me conhecem
mais serão os que me respeitarão mais. Não me importam nada a fama ou a fortuna. Eu quero ser
famoso na minha casa. Essa é a grande fortuna.
Se você não tem uma definição pessoal de sucesso, é provável que você seja bem-sucedido na
coisa errada. Você chegará à ponta da sua vida e se dará conta de que definiu o sucesso de modo
errado. E, se você definiu de modo errado, você o obteve de modo errado.
Você tem de circular os objetivos que Deus quer que você persiga, as promessas às quais Deus
quer que você tenha direito, e os sonhos que Deus quer que você tente alcançar. E, quando tiver
definido e dito “Jericó”, você tem de circular com oração. Então terá de continuar circulando até que
as muralhas desabem.

Saia de dentro das muralhas

Dar voltas em Jericó deu aos israelitas uma perspectiva de 360 graus da promessa emparedada.
Ajudou-os a forjar em seus espíritos o milagre dos tijolos de barro. Deu definição ao sonho de
quinze metros de altura. É precisamente isso que faz a oração. Ajuda-o a sair do problema. Ajuda-o a
circular o milagre. Ajuda-o a ver tudo em volta da situação.
Não leia este livro se não encontrar tempo e lugar para circular Jericó. Faça um retiro em oração.
Mantenha um diário de oração. E afaste-se. Fique sozinho com Deus, ou, se você funciona melhor
com processos interpessoais do que pessoais, leve alguns amigos com você. Eles podem formar um
círculo de oração em torno de você.
Se você puder, vá para algum lugar que o inspire. Uma mudança de cenário muitas vezes
representa uma mudança de perspectiva. Uma mudança na rotina muitas vezes resulta em revelação.
Expressando isso como uma fórmula, mudança de ritmo + mudança de lugar = mudança de
perspectiva.
Sempre segui o método de Arthur McKinsey de resolver problemas. Penso nisso como oração de
solução.

Se você pensar em um problema como se ele fosse uma cidade medieval murada, então muita gente
irá atacá-lo, como com um aríete. Irão atacar os portões e tentar passar pela linha de defesa com
força e brilhantismo intelectual. Eu apenas monto acampamento do lado de fora da cidade.
Espero. E penso. Até que um dia — talvez quando eu já o tiver transformado em um problema
completamente diferente — a ponte levadiça caia e os defensores digam “nós nos rendemos”. A
solução para o problema vem toda de uma vez.[8]

Os israelitas não conquistaram Jericó por conta de uma estratégia militar brilhante ou pela força
bruta. Eles aprenderam como deixar o Senhor lutar suas batalhas por eles. Desenhar círculos de
oração é bem mais poderoso que qualquer aríete. Não apenas derruba portas, derruba muralhas de
quinze metros de altura.
Quando eu refaço o caminho dos milagres em minha vida, fico impressionado com a quantidade
deles que aconteceu do lado de fora das muralhas da cidade. Eles não aconteceram durante uma
reunião de planejamento; aconteceram durante uma reunião de oração. Não foi a solução de problema
que resolveu o dia, foi a solução de oração. Eu fiquei do lado de fora das muralhas da cidade e
marchei em volta da promessa, em volta do problema, em volta da situação. E quando você faz isso,
não será apenas a ponte levadiça que descerá: as muralhas irão desabar.
CAPÍTULO 4

Orando em frente

ntes de existir Madre Teresa havia a Madre Dabney.

A Em 1925, Elizabeth J. Dabney e seu marido foram trabalhar em uma missão na Filadélfia, a
cidade do amor fraterno, mas não havia muito amor em seu bairro. Era um buraco do inferno.
Seu marido fora chamado para pregar. Em seu portfólio constavam orações, mas ela não somente
orava; ela orava em frente.
Uma tarde, enquanto pensava sobre uma situação difícil em seu bairro no norte da Filadélfia, ela
pediu a Deus que lhe desse uma vitória espiritual se ela combinasse com ele uma aliança. Ele
prometeu que sim, e ela sentiu que o Senhor a impelia a ir se encontrar com ele na manhã seguinte, à
beira do rio Schuylkill, precisamente às 7h30. Madre Dabney estava tão nervosa em perder seu
compromisso de oração que passou a noite toda acordada, tricotando.
Na manhã seguinte, ela foi ao rio, nas cercanias dos muros da cidade, e o Senhor lhe disse: “Este é
o local.” A presença de Deus a ofuscou. E ela desenhou um círculo na areia:

Senhor, abençoarás meu marido no lugar ao qual vós o enviardes para estabelecer vosso nome, se
romperdes e destruirdes a muralha que nos separa, se concederdes a ele uma igreja e uma
congregação — um crédito ao seu povo e a toda cristandade — eu vos seguirei por três anos em
oração, tanto de dia quanto de noite. Eu vos encontrarei todas as manhãs às nove horas em ponto.
Jamais tereis de esperar por mim; lá estarei para saudar-vos. Passarei o dia todo lá. Devotarei
todo meu tempo para vós.
Além disso, se ouvirdes minha voz de súplica e alcançardes aquela vizinhança ímpia e
abençoardes meu marido, irei jejuar 72 horas a cada semana, ao longo de dois anos. Ainda que
esteja passando pelo jejum, não irei para casa dormir em minha cama. Permanecerei na igreja, e,
se pegar no sono, deitarei sobre o jornal ou o carpete.[9]

Assim que fez a aliança de oração, foi como se as nuvens partissem. A glória de Deus caiu dos
céus como as gotas que encharcaram Honi no dia em que ele fez seu círculo na areia. A cada manhã
às nove horas, Madre Dabney saudava o Senhor com um sincero “Bom dia, Jesus”. Ela esgarçou a
pele de seus joelhos dormentes, mas Deus estendeu seu poderoso braço direito. Ela jejuou 72 horas
por semana, mas o Espírito Santo lhe proveu diretamente.
Logo a missão tornou-se pequena demais para acomodar tanta gente. Seu marido pediu a ela que
orasse por outro lugar de congregação, próximo àquele. Ela orou, e um homem que mantinha seu
negócio a mais de 25 anos fechou sua loja, e assim puderam alugar o prédio. Madre Dabney não
podia receber um não. Ela era uma fazedora de círculos, e os fazedores de círculos têm uma teimosia
santificada.
Madre Dabney sentia-se mais confortável na presença de Deus do que na presença das pessoas.
Assim como Honi, alguns chegaram a criticar a maneira como ela orava. Amigos bem intencionados
imploraram para que ela desse um tempo e comesse alguma coisa, mas ela se ateve ao cumprimento
do altar. E quanto mais ela orava em frente, mais Deus provinha.
O legado da oração de Madre Dabney seria uma nota de pé de página esquecida há muito tempo se
não fosse por uma manchete. O Pentecostal Evangel publicou seu testemunho sob o título “O que
significa orar em frente”. Aquele artigo em particular disparou um movimento de oração em todo o
mundo. Madre Dabney recebeu mais de três milhões de cartas de pessoas que queriam saber como
orar em frente.

Teoria contrafatual

Os fazedores de círculo são fazedores de história.


No grande plano da história de Deus, há uma nota de pé de página por trás de cada manchete. A
nota de pé de página é a oração. E, se você focalizar nas notas de pé de página, Deus irá escrever as
manchetes. São suas orações que irão mudar o roteiro eterno. Assim como as orações de Honi
salvaram uma geração, suas orações podem mudar o curso da história.
Eu amo história, e, em particular, um ramo da história chamado Teoria Contrafatual. Os teóricos
contrafatuais fazem a pergunta e se. Por exemplo, e se a Revolução Americana tivesse fracassado?
Ou, e se Hitler tivesse sido vitorioso na Segunda Guerra Mundial? Como a história teria se
desdobrado? Como se pareceria a realidade alternativa? E quais são as notas de pé de página mais
importantes que teriam ou poderiam ter mudado as manchetes da história?
Ler sobre a história bíblica como um teórico contrafatual é um exercício interessante. E o milagre
de Jericó é um grande exemplo. E se os israelitas tivessem parado de dar voltas no sexto dia? A
resposta é óbvia. Teriam entregado os pontos do milagre logo antes de ele acontecer. Se tivessem
parado de circundar depois de doze voltas, teriam feito uma longa caminhada a troco de nada. Assim
como a geração que os precedera, teriam dado as costas à promessa. E a mesma coisa é válida para
nós.
Já declarei nosso principal problema: a maioria de nós não consegue o que quer porque não
sabemos o que queremos. Eis nosso problema secundário: a maioria de nós não consegue o que
quer porque desiste de circular.
Desistimos fácil demais. Entregamo-nos muito cedo. Largamos de orar logo antes de o milagre
acontecer.

Orando por algo versus orando em frente

Nossa geração precisa desesperadamente redescobrir a diferença entre orar por e orar em frente.
Há certamente circunstâncias em que orar por alguma coisa dará resultados. Acredito nas orações
curtas antes das refeições porque, francamente, acredito em comer a comida enquanto ela ainda está
quente. Contudo, há também situações em que você precisa se agarrar às pontas do altar e se recusar
a soltar até que Deus responda. Assim como Honi, você se recusa a sair do círculo, até que Deus o
mova. Você intercede até que Deus intervenha.
Orar em frente tem a ver com consistência. É dar a volta em Jericó tantas vezes que você chega a
ficar tonto. Assim como a história que Jesus contou sobre a viúva que atazanou o juiz com suas
persistentes demandas, orar em frente não aceita não como resposta.[10] Os fazedores de círculos
sabem que é sempre cedo demais para desistir de orar porque nunca se sabe quando as muralhas
estão para cair. Você está sempre a uma oração de distância do milagre.
Orar em frente tem a ver com intensidade. Não é quantitativo, é qualitativo. Desenhar círculos de
oração envolve mais do que palavras; são gemidos de virar as tripas e lágrimas de partir o coração.
Orar em frente não é apenas puxar as orelhas de Deus, é tocar o coração de nosso Pai celestial.
Há pouco tempo, participei da oração do café da manhã de Páscoa do presidente, na Casa Branca,
junto com duas centenas de líderes religiosos de todos os cantos dos Estados Unidos. Antes de
começar, um pastor afro-americano de 76 anos, que havia servido ao lado de Martin Luther King Jr.
no movimento pelos direitos civis, fez uma oração. Eu mal podia ouvir o que dizia, mas sua fé estava
em alto e bom som. Ele orava com tanta familiaridade com o Pai, que era arrebatador. Era como se
suas palavras estivessem respaldadas na fé em Deus. Após ele ter dito amém, voltei-me para meus
amigos pastores Andy Stanley e Louie Giglio e disse: “Sinto-me como se nunca tivesse orado antes.”
Senti como se ele conhecesse Deus de uma maneira que eu não conhecia, e isso me desafiou a ficar
mais perto de Deus. Pergunto-me se é assim que os discípulos se sentiam quando pediam a Jesus para
ensinar-lhes a orar. Suas orações eram tão qualitativamente diferentes que faziam parecer que eles
não haviam orado antes.
Quando foi a última vez que você caiu de cara no chão diante do Todo-poderoso? Quando foi a
última vez que seus joelhos ficaram dormentes diante do Senhor? Quando foi a última vez que você
varou a noite, orando?
Há alturas mais altas e profundidades mais profundas na oração, e Deus quer levá-lo para lá. Ele
quer levá-lo a lugares aos quais você nunca foi. Há novos dialetos. Há novas dimensões. Mas se
você quer que Deus faça alguma coisa nova em sua vida, você não pode fazer a mesma coisa de
antes. Isso irá envolver mais sacrifício, mas se estiver disposto a chegar lá, você se dará conta de
que não sacrificou nada enfim. Envolverá mais riscos, porém, se está disposto a chegar lá, você se
dará conta de que não arriscou nada, enfim.
Faça o sacrifício.
Corra o risco.
Desenhe o círculo.

A última propriedade da Capitol Hill

Após o aparente antimilagre das salas de cinema fechando as portas na Union Station, nossa igreja
começou a correr atrás de propriedades na Capitol Hill para construir um campus urbano que
incluísse uma cafeteria, um teatro e escritórios centralizados para nossa grande equipe. Com um
preço de 3.500 dólares por metro quadrado, e a relativa indisponibilidade de terrenos para
construção na Hill, eu me perguntava se não estaríamos procurando por uma coisa que não existia.
Após uma busca exaustiva, só encontramos uma propriedade que atendia a nossas especificações,
então a apelidamos de “a última propriedade da Capitol Hill”. Estrategicamente situada na
interseção da Capitol Hill com o Navy Yard e as comunidades da Riverfront, a localização era
absolutamente perfeita. A frente da propriedade dava para a autoestrada I-295/395, a principal
artéria cruzando o coração da capital, nos dando uma visibilidade e acessibilidade incomparáveis.
A primeira vez que pus os pés na propriedade na esquina da rua 8 com a Avenida Virgínia SE,
senti-me como se estivesse diante da Terra Prometida. Por várias semanas, circulei em silêncio
aquele quarteirão orando, como fizeram os soldados que marcharam em torno de Jericó. Então, logo
antes de fazer uma proposta oficial, nossa equipe executiva de líderes reuniu-se com o corretor
imobiliário na propriedade para dar uma última olhada. Estávamos cheios de animação e
sonhávamos com as possibilidades, porém nossos sonhos foram esmagados quando, vinte minutos
depois, nosso corretor nos ligou para informar que uma empresa de construção havia assinado um
contrato levando a propriedade, no momento exato em que estávamos lá dentro.
Foi profundamente decepcionante porque já tinha vislumbrado nosso novo campus naquele local.
Fiquei muito confuso porque achava que era ali que Deus nos queria. Porém devemos louvar a Deus
pela decepção, porque ela nos coloca de joelhos. A decepção é como a desfibrilação de um sonho.
Se reagirmos do modo certo, a decepção pode mesmo restaurar nosso ritmo de oração e ressuscitar
nossos sonhos.
Mais tarde, naquela noite, nossa família pôs-se a orar. Um de nossos filhos fez uma prece simples:
“Deus, oro para que esta propriedade possa ser usada em vossa glória.” Nesse momento, minha fé
voltou a ter batimento cardíaco. Senti em meu espírito que Deus estava tentando nos dar aquela
propriedade. Eu acreditava que ela pertenceria a nós porque sabia que pertencia a Deus. Assim, por
três meses circulamos a propriedade em oração. Marchei em torno daquele quarteirão como os
israelitas marcharam em torno de Jericó. Ajoelhei-me na propriedade. Pus as mãos na velha
vidraçaria que ocupava aquele endereço desde 1963. Até tirei meus sapatos, assim como Josué fez
antes da batalha de Jericó, porque eu acreditava que aquele era solo sagrado.

Sem sorte

Ao fim do prazo de carência de sessenta dias, a empresa de construção que tinha a preferência no
contrato da propriedade pediu mais dez dias para conseguir o financiamento necessário. Aquela
parecia ser nossa oportunidade, então oferecemos um depósito não retornável, e o proprietário disse
que nos daria o contrato. Pensávamos que Deus havia respondido a nossas orações, mas não
havíamos acabado de circular. Vinte e quatro horas depois, o dono mudou de ideia, e perdemos o
contrato pela segunda vez.
Finalmente, ao fim daqueles longos dez dias, esperei ansiosamente por uma ligação do corretor.
Estava na esperança de que, na terceira tentativa, teria sucesso. Recebi a mensagem em uma noite de
sexta-feira quando estava com a família no cinema assistindo a Karatê Kid. Estava desfrutando a
refilmagem da primeira montagem, mas a mensagem de texto tirou toda a graça para mim. Queimou o
filme: “Estamos sem sorte.” Então, esse pensamento inspirado pelo Espírito acendeu minhas
sinapses: talvez estejamos sem sorte, mas não estamos sem orações.
Apesar de termos perdido o contrato pela terceira vez, de algum modo eu ainda acreditava que
Deus faria alguma coisa para, além de todas as probabilidades, nos dar a Terra Prometida. De algum
modo, a fé se parece com uma negação da realidade, mas é porque estamos nos atendo a uma
realidade que é mais real do que aquela que podemos perceber com nossos cinco sentidos. Não
tínhamos um contrato físico para a propriedade, mas tínhamos um contrato espiritual via oração. E
um contrato espiritual é mais vinculante que um contrato escrito.
Alguns dias depois do terceiro golpe, voei para o Peru para seguir a trilha inca até Machu Picchu
com meu filho Parker. Por quatro dias, ficamos sem comunicação com o mundo civilizado. Quando
chegamos a Águas Calientes, uma cidadezinha aos pés da Cordilheira dos Andes, eu liguei para Lora
de um telefone público. Tenho certeza de que os nativos estavam se perguntando o porquê daquele
norte-americano grandalhão estar pulando para cima e para baixo dentro daquela cabine de telefone,
mas fiquei maravilhado com a notícia que Lora me dava: conseguimos o contrato! Eu não conseguia
acreditar, mas podia. Oramos em frente, e Deus veio a nós.
Não consegui deixar de rir diante das circunstâncias. Era quase como se Deus dissesse: “Vamos
tirar Mark do caminho para que possamos resolver essa questão.” Olhando para trás, acho que Deus
queria que eu estivesse fora do país e sem meios de comunicação para que não restassem dúvidas
sobre o que se tratava: um milagre de Jericó.

Louve em frente

Deixe-me agora voltar um pouco a história. Vamos fazer uma engenharia-reversa no milagre.
Deixe-me retraçar o círculo de oração.
Durante o período de carência, quando a empresa de construção tinha a preferência pelo contrato
da propriedade, estava lendo a história do milagre de Jericó e notei uma coisa que não tinha visto
ainda. Durante as devoções, certo dia, uma frase saltou da página direto para meu espírito.

Jericó estava completamente fechada por causa dos israelitas. Ninguém saía nem entrava. Então o
Senhor disse a Josué: “Saiba que entreguei nas suas mãos Jericó […]”.[11]

Prestou atenção no tempo verbal? Deus fala no pretérito, não no futuro. Ele não diz “entregarei”,
Deus diz “entreguei”. Este é o significado: a batalha fora vencida antes mesmo de iniciar. Deus já
lhes tinha dado a cidade. Tudo o que eles tinham a fazer era circulá-la.
Ao ler a história, sentia-me como se o Espírito de Deus dissesse para o meu espírito: “Pare de
orar pelo que quer, e comece a louvar-me por isso.” A fé verdadeira não somente celebra ex post
facto, depois de o milagre já ter acontecido; a verdadeira fé celebra antes de o milagre acontecer,
como se o milagre já tivesse acontecido, porque você sabe que Deus irá prover em sua promessa.
Isso vai soar talvez como sacrílego, mas algumas vezes você precisa parar de orar. Depois de
orar em frente, você tem de louvar em frente. Você tem de parar de pedir a Deus que faça alguma
coisa e começar a louvá-lo pelo que ele já fez. A oração e o louvor são ambos expressões de fé, mas
a louvação é uma dimensão superior da fé. A oração é pedir que Deus faça alguma coisa, no tempo
futuro; o louvor é acreditar que Deus já fez alguma coisa, tempo passado.
Antes de você pensar que se trata de um esquema, “ore e pegue”, deixe-me lembrá-lo que Deus
não pode ser subornado ou chantageado. Deus não faz milagres para satisfazer nossos caprichos
egoístas. Deus faz milagres por uma razão, e somente por esta razão: para declarar sua glória.
Acontece apenas que somos os beneficiários.

Continue a dar voltas em Jericó

Não muito tempo depois dessa descoberta devocional, compartilhei esse princípio do “tempo
passado” em nossa igreja. Nós literalmente paramos de orar para que Deus nos desse a propriedade.
Começamos a louvá-lo porque sentíamos que Deus já havia prometido isso para nós. Na semana
seguinte, recebi um e-mail de um casal que havia tido a mesma revelação. Por muitos anos, haviam
orado para ficarem grávidos. Então, tinham parado de orar e começaram a louvar porque sentiam, em
seu espírito, que Deus já lhes havia prometido a criança. E quando Deus dá a promessa, você tem de
louvá-lo por isso.

É exatamente isso que Deus nos levou a fazer: a parar de orar e começar a louvar por aquilo que
ele estava prestes a fazer por nós. Éramos considerados estéreis por cinco anos, mas Deus já
havia me dito que eu seria mãe um dia. No terceiro ano da “infertilidade”, comecei a louvá-lo
pelo filho que ele iria nos dar, no lugar de demandar que ele nos desse uma criança. Hoje temos
oito preciosos filhos com os quais Deus nos abençoou, tanto pelo nascimento quanto pela adoção.
Não tenho dúvida de que isso é porque comecei a louvá-lo. Era um verdadeiro sinal para Deus de
que eu acreditava que ele nos daria uma criança — e ele o fez.

Há momentos na vida em que você tem de parar de demandar e começar a louvar. Se Deus pôs
uma promessa em seu coração, louve-o por ela. Você tem de celebrar como se já tivesse acontecido.
Você tem de parar de pedir, porque Deus já respondeu. E, para ficar registrado, mesmo se Deus não
responder do jeito que você quer, você ainda o louva em frente. É aí que é mais difícil louvar a
Deus, porque é aí também que nossa oração é mais pura e mais agradável a Deus.
Logo após Deus ter me dado essa revelação, segui para a propriedade pela qual estávamos
orando, pus-me de joelhos, e comecei a louvar a Deus pela promessa. Ele havia cravado meu
coração. Havíamos perdido o contrato em três ocasiões diferentes, mas continuamos a louvar a Deus.
O negócio mixou por três vezes, mas a ressurreição é a viga mestra da fé cristã. E não é só uma coisa
que celebramos na Páscoa. A ressurreição é algo que celebramos todos os dias, de todas as
maneiras. A oração tem o poder de fazer ressuscitar os sonhos mortos e dar-lhes uma nova vida —
vida eterna.
Não sei ao certo qual promessa Deus pôs em seu coração. Não sei a que sonhos você se atém ou a
que milagres você está se aferrando, mas ofereço a você esta exortação: continue a circular Jericó.
E não apenas ore em frente; louve em frente.
PARTE 1

O primeiro círculo —
sonhe grande

té o dia da sua morte, Honi, o fazedor de círculos manteve-se hipnotizado por uma frase em

A um versículo das Escrituras — o Salmo 126:1: “Quando o Senhor trouxe os cativos de volta a
Sião, foi como um sonho.” Aquela expressão, “foi como um sonho”, provocou uma pergunta à
qual Honi se aferrou ao longo de toda a sua vida:
Seria possível para um homem sonhar continuamente por setenta anos?[12]
O mapeamento neural mostrou-nos que, à medida que envelhecemos, o centro gravitacional
cognitivo tende a passar do lado direito, imaginativo, para o lado esquerdo, onde está a lógica. E
essa tendência neurológica representa um grave perigo espiritual. Em determinado ponto, a maioria
de nós para de viver de imaginação e começa a viver de memória. No lugar de criar o futuro,
começamos a repetir o passado. No lugar de viver na fé, vivemos pela lógica. No lugar de ir atrás de
nossos sonhos, paramos de dar voltas em Jericó.
Mas não tem de ser assim.
Harriet Doerr sonhava ir para a faculdade em uma época em que a população masculina era, na
maioria, composta de homens. A falta de dinheiro, e depois os filhos, a impediram de ir, mas o sonho
nunca morreu. Meio século depois, Harriet conseguiu seu diploma de bacharel na Universidade de
Stanford, aos 67 anos. Quando a maioria dos seus contemporâneos estava se aposentando, Harriet
estava apenas começando. Ela também sonhava escrever um livro. Seu primeiro romance, Stones for
Ibarra, foi publicado quando Harriet era um jovem de 74 anos.
É possível sonhar continuamente por setenta anos?
Nas palavras de Harriet Doerr, “uma das melhores coisas de se envelhecer é poder assistir à
imaginação ultrapassar a memória”.[13]
Então, quem tem razão? Os neurologistas? Harriet? A resposta é: ambos.
À medida que envelhecemos, ou a imaginação ultrapassa a memória ou a memória ultrapassa a
imaginação. A imaginação é a estrada menos percorrida, mas é o sendeiro para a oração. Oração e
imaginação são diretamente proporcionais: quanto mais você ora, maior se torna a imaginação,
porque o Espírito Santo a maximiza com sonhos do tamanho de Deus. Um teste decisivo para a
maturidade espiritual é saber se seus sonhos estão se tornando maiores ou menores. Quanto mais
velho, mais fé deve ter, porque você já vivenciou mais da fé de Deus. E é a fé de Deus que aumenta
nossa fé e amplia nossos sonhos.
Certamente não há nada errado com um eventual passeio pelas alamedas da memória, mas Deus
quer que você continue sonhando até o dia em que você morrer. Nunca é tarde demais para ir atrás
dos sonhos que Deus colocou em seu coração. E, já que estamos falando nisso, nunca se é jovem
demais também. A idade nunca é uma desculpa válida.
É possível sonhar continuamente por setenta anos?
Ironicamente, Honi respondeu sua questão com a própria vida. Ele nunca parou de sonhar porque
nunca parou de orar. E como ele poderia, depois de Deus ter respondido a sua oração por chuva?
Uma vez tendo vivido um milagre como esse, você acredita em Deus e em milagres ainda maiores e
melhores.
Se você persistir em orar, irá continuar sonhando, e, do mesmo modo, se você continuar sonhando,
persistirá orando. O sonho é um tipo de oração, e a oração é um tipo de sonho. Quanto mais você
orar, maiores serão seus sonhos. E quanto maior forem seus sonhos, mais você terá para orar. Nesse
processo de traçar círculos de oração cada vez maiores, a esfera da glória de Deus é expandida.
Nossa data de morte não é a data gravada em nosso túmulo. O dia em que paramos de sonhar é o
dia em que começamos a morrer. Quando a imaginação é sacrificada no altar da lógica, Deus é
roubado da glória que a ele pertence por direito. De fato, a morte de um sonho é muitas vezes um tipo
sutil de idolatria. Perdemos a fé no Deus que nos deu o grande sonho e nos contentamos com um
sonho pequenino, que podemos alcançar sem seu auxílio. Vamos atrás de sonhos que não requerem
intervenção divina. Vamos atrás de sonhos que não requerem oração. E o Deus que é capaz de
incomensuravelmente mais do que nosso lado direito do cérebro pode imaginar é suplantado por um
deus — com “d” minúsculo — que cabe dentro das restrições lógicas de nosso cérebro esquerdo.
Nada honra mais a Deus que um grande sonho que esteja muito além de nossa capacidade de
alcançá-lo. Por quê? Porque não há maneira de levarmos crédito por ele. E nada é melhor para nosso
desenvolvimento espiritual que um grande sonho, porque ele nos mantém de joelhos na dependência
de Deus. Desenhar círculos de oração em torno de nossos sonhos não é somente um mecanismo pelo
qual conquistamos grandes coisas para Deus, é um mecanismo no qual Deus conquista grandes coisas
para nós.
É possível para um homem sonhar continuamente por setenta anos?
Se você continuar desenhando círculos de oração, a resposta é sim.
Espero que você possa continuar sonhando até o dia em que morrer. Que a imaginação ultrapasse
a memória. E que você morra jovem, com uma idade avançada.
CAPÍTULO 5

Nublado com chances de codorna

ntes que a primeira gota de chuva caísse, Honi deve ter se sentido meio bobo. Em pé, sob um

A círculo e exigindo chuva, é uma proposta arriscada. Honi não havia traçado um semicírculo;
ele havia desenhado um círculo completo. Não havia cláusula de cancelamento, não havia
prazo de validade. Honi fechou-se em um círculo, e a única saída era um milagre.
Desenhar círculos muitas vezes se parece com um exercício tolo. Mas assim é a fé. A fé é a
disposição de parecer tolo. Noé pareceu tolo construindo um barco no meio do deserto. O exército
israelita pareceu tolo marchando em torno de Jericó soando as trombetas. Um menino pastor
chamado Davi pareceu tolo disparando contra um gigante com uma atiradeira. Os Reis Magos
pareceram tolos rastreando uma estrela para Timbuktu. Pedro pareceu tolo saindo do barco no meio
do mar da Galileia. E Jesus pareceu tolo usando uma coroa de espinhos. Porém, o resultado fala por
si mesmo. Noé foi salvo do dilúvio; as muralhas desabaram; Davi derrotou Golias; os Reis Magos
descobriram o Messias; Pedro caminhou sobre a água; e Jesus foi coroado Rei dos Reis.
Tolice é uma palavra com a qual Moisés estava bem familiarizado. Ele teve de se sentir tolo
quando ficou diante do Faraó exigindo que ele deixasse o povo de Deus ir embora. Ele se sentiu tolo
erguendo seu cajado por sobre o mar Vermelho. E ele certamente se sentiu tolo prometendo carne
para comer para toda a nação de Israel, em pleno deserto. Porém sua disposição para parecer tolo
resultou em milagres épicos — o êxodo de Israel para fora do Egito, a abertura do mar Vermelho e o
milagre da codorna.
Desenhar círculos muitas vezes parece tolice. E, quanto maior o círculo que você traçar, mais tolo
você se sentirá. Mas se você não estiver disposto a sair do barco, você nunca caminhará sobre a
água. Se você não estiver disposto a dar voltas em torno da cidade, as muralhas nunca desabarão. Se
você não estiver disposto a seguir as estrelas, você perderá a maior aventura de sua vida.
Para poder vivenciar um milagre, você tem de assumir riscos. E um dos mais difíceis tipos de
riscos que se pode assumir é arriscar sua reputação. Honi já tinha uma reputação como fazedor de
chuva, mas estava disposto a arriscá-la ao orar por chuva mais uma vez. Honi assumiu o risco — e o
resto é história.
Os grandes capítulos na história sempre começam com risco, e isso também é verdadeiro nos
capítulos da sua vida. Se você não estiver disposto a arriscar sua reputação, você jamais construirá o
barco como Noé; ou sairá do barco como Pedro. Você não pode construir a reputação de Deus se não
estiver disposto a arriscar a sua. Há momentos em que você precisa ir em frente e se lançar. Os
fazedores de círculos correm riscos.
Moisés havia aprendido bem sua lição: se você não assume o risco, você abre mão dos milagres.

Milagres de alimentação

Amo os milagres, e amo comida, então eu realmente amo milagres de alimentação. E, ainda que
haja muitos milagres de alimentação nas Escrituras, o dia em que Deus proveu codornas no meio do
nada talvez seja para mim o mais assombroso. Quando os israelitas deixaram o Egito, uma
tempestade de codornas definitivamente não estava na previsão meteorológica.

[…] e até os próprios israelitas tornaram a queixar-se, e diziam: “Ah, se tivéssemos carne para
comer! Nós nos lembramos dos peixes que comíamos de graça no Egito, e também dos pepinos,
das melancias, dos alhos-porós, das cebolas e dos alhos. Mas agora perdemos o apetite; nunca
vemos nada, a não ser este maná!”[14]

Os israelitas estavam reclamando. Eu sei, é chocante! No lugar do maná, eles queriam carne para
comer. Sendo eu um carnívoro inveterado, compreendo bem. Se você não foi ainda a uma
churrascaria, você ainda não está pronto para morrer. Mas que memória seletiva tinham os israelitas!
Eles se lembravam dos peixes que comiam de graça no Egito, e esqueciam-se do simples fato de
que a comida era de graça porque eles eram cativos! Os israelitas não eram apenas escravos, tinham
sido vítimas de genocídio. Ainda assim sentiam falta de carne no cardápio? E não é um pouco
irônico que os israelitas estivessem reclamando de um milagre enquanto pediam por outro? Sua
capacidade de reclamar era simplesmente estonteante, e ralhamos com os israelitas por resmungarem
a respeito de uma refeição de maná que lhes era milagrosamente entregue a cada dia — mas não
fazemos nós a mesma coisa?
Há milagres em torno de nós, o tempo todo, e ainda assim é tão fácil encontrar alguma coisa da
qual se pode reclamar, em meio a esses milagres. O mero ato de ler envolve milhões de impulsos
disparando entre bilhões de sinapses. Enquanto você lê, seu coração continua trabalhando, fazendo
circular quatro litros de sangue por centenas de milhares de veias, artérias e capilares. E é incrível
que você consiga até mesmo se concentrar, considerando o fato de que você está em um planeta que
está viajando a 107 mil quilômetros por hora pelo espaço, enquanto gira em seu eixo a uma
velocidade de 1.600 quilômetros por hora. Porém, nós nem pensamos nesses milagres do maná que
acontecem todos os dias.

Dando uma de Adam Taylor

Apesar da reclamação constante dos israelitas, Deus respondeu pacientemente a seu drama
alimentar com uma das mais imperscrutáveis promessas das Escrituras. Ele não apenas prometeu uma
refeição de um prato de carne; Deus prometeu carne por um mês. E Moisés mal podia acreditar.
Literalmente.

Aqui estou eu no meio de seiscentos mil homens em pé, e dizes: “Darei a eles carne para comerem
durante um mês inteiro!” Será que haveria o suficiente para eles se todos os rebanhos fossem
abatidos? Será que haveria o suficiente para eles se todos os peixes do mar fossem
apanhados?[15]

Moisés está fazendo as contas, e elas não fecham. Nem chegam perto! Está tentando pensar de que
modo concebível Deus poderia cumprir essa promessa, e não consegue pensar em nenhuma solução.
Ele não pode ver como Moisés poderia cumprir essa promessa impossível nem mesmo por um dia, o
que dizer de um mês!
Você já esteve nessa situação?
Você sabe que Deus quer que você fique com o trabalho que paga menos, mas isso não faz sentido.
Deus quer que você viaje em uma missão, mas isso não faz sentido. Você sabe que Deus quer que
você se case, vá para a faculdade ou adote um animal, mas isso não faz sentido.
Há dois anos, Adam Taylor seguiu para uma de nossas missões anuais na Etiópia. Enquanto estava
lá, soube que Deus o havia convocado para investir mais que uma semana de sua vida. Deus estava
convocando aquele homem a ir mais fundo. O momento definitivo foi quando um rapaz de quinze
anos chamado Lilly apareceu, saindo de dentro do bueiro. Ele não tinha sapatos, então Adam
espontaneamente lhe deu os seus. Lilly levou Adam em uma excursão pelos esgotos quando ele
encontrou uma comunidade inteira de órfãos vivendo nas ruas. Naquele momento, Adam soube que a
Etiópia era sua Jericó.
A perspectiva de deixar para trás um salário anual com seis dígitos não fazia sentido, mas Adam
não se importava. Mudou-se para Adis Abeba, na Etiópia, confiando que Deus proveria, e começou
um ministério chamado Change boys [Mudar meninos], que resgatava os meninos de rua e dava-lhes
um lugar para morar. De fato, 24 meninos vivem com Adam em uma casa que Deus miraculosamente
proveu. Adam assinou o contrato de aluguel da casa, sem saber como Deus proveria. Ao mesmo
tempo, lançamos nosso catálogo anual de Natal que recolhia doações para diversos projetos em
missões. Adam não sabia disso, mas Change Boys era um dos projetos. Então era muito adequado
que a família espiritual de Adam, a National Community Church, pagasse por um ano inteiro de
aluguel. Quando Adam soube da notícia, chorou. E nós também.
A história de Adam inspirou outras pessoas em nossa igreja a também dar um salto de fé. De fato,
seu nome acabou virando uma expressão: “dar uma de Adam Taylor” tornou-se sinônimo de dar um
salto de fé.

Promessas impossíveis

Carne para um mês parecia uma promessa impossível. E Moisés tinha de decidir se fazia ou não o
círculo em torno dela. A lógica gritava que não, a fé sussurrava que sim. E Moisés tinha de escolher
entre as duas.
Esse conflito me lembra de outro milagre de alimentação que aconteceria no deserto da Judeia uns
1.500 anos depois. Uma multidão de umas cinco mil pessoas estava escutando Jesus. Ele não queria
dispensá-los com fome, mas não havia lugar nenhum onde comer. Então um menino, cujo nome não
sabemos, ofereceu seu almoço de cinco pãezinhos e dois peixes para Jesus. Foi um belo gesto, mas
André verbalizou o que todos os outros discípulos deviam estar se perguntando: “mas o que é isto
para tanta gente?”[16]Assim como Moisés, André começou fazendo os cálculos em sua mente, e a
conta não fechou.
Em termos de adição, 5 + 2 = 7. Porém, se você adicionar Deus à equação, 5 + 2 ≠ 7. Quando
você abre mão das coisas e entrega a Deus, ele as multiplica, para que 5 + 2 = 5.000. Não apenas
Deus multiplica a refeição para que ela alimente cinco mil pessoas, mas a quantidade de sobras foi
maior do que a quantidade de comida que de que os discípulos dispunham no começo. Isso só
acontece na economia de Deus! As doze cestas de sobras de pão mostram que a mais exata das
equações seria esta: 5 + 2 = 5.000 + 12.
Se você colocar o pouco que tem em sua mão nas mãos de Deus, a conta não vai apenas fechar,
Deus a multiplicará.
Uma nota de pé de página: você se recorda do que Jesus fez antes do milagre? Está escrito que
Jesus “deu graças”. Ele não queria esperar para fazê-lo depois do milagre. Ele agradeceu a Deus
antes que o milagre acontecesse. Jesus pôs o “princípio Jericó” em prática ao louvar Deus antes que
o milagre acontecesse como se já tivesse acontecido, porque sabia que seu Pai iria manter sua
promessa. Ele não apenas orou em frente. Ele louvou em frente.

Isso é loucura

Você está a uma decisão de distância para uma vida totalmente diferente. Uma decisão definitiva
pode mudar sua trajetória e colocá-lo em um novo caminho em direção à Terra Prometida. Uma
decisão definitiva pode mudar completamente a previsão de sua vida. E essas decisões serão os
momentos definitivos de sua vida.
A promessa das codornas foi um desses momentos definitivos para Moisés. Ele tinha uma decisão
definitiva para tomar: desenhar ou não o círculo.
O que você faz quando os desígnios de Deus não fecham a conta? O que você faz quando um sonho
não cabe nas restrições lógicas de seu cérebro esquerdo? O que você faz com uma promessa que
parece impossível? O que você faz quando a fé parece tolice?
Então Moisés saiu e contou ao povo o que o Senhor tinha dito.[17]
Moisés arriscou sua reputação e circulou a promessa. Jogou todas as fichas de sua credibilidade
no meio da mesa e disse aos israelitas que Deus iria lhes dar carne para comer. Essa deve ter sido
uma das mais difíceis decisões que ele teve de tomar, um dos sermões mais assustadores que ele teve
de pregar, uma das mais loucas visões que ele teve de lançar. Ela não fechava as contas, mas os
desígnios de Deus nunca fecham as contas, ainda que pelos cálculos humanos. Moisés não fazia ideia
de como Deus cumpriria sua promessa, mas não é a nossa conta de qualquer jeito. São as contas de
Deus. Muitas vezes deixamos o como se intrometer no que Deus quer que façamos. Não conseguimos
vislumbrar como fazer o que Deus nos convocou para fazer, então simplesmente não fazemos nada.
Isso é o que eu chamo de momento “isso é loucura”. Se tivéssemos a transcrição dos pensamentos
de Moisés, eu imagino que leríamos “Isso é loucura, loucura, loucura”.
Já tive um momento “isso é loucura” no último verão, quando viajava pelo Peru. Após escalar a
trilha inca até Machu Picchu, Parker e eu tivemos a oportunidade de marcar como cumprida uma das
metas de nossa vida ao voar de paraglide sobre o vale sagrado. Voar de paraglide (um misto de
paraquedas e planador) é uma daquelas experiências que parecem sensacionais quando nossos pés
estão plantados em terra firme, porém, quanto mais perto você chega da ribanceira, mais você se
pergunta se deveria estar correndo para saltar dela. Tenho um leve medo de altura, e esse medo não
foi aliviado pela instrução de sessenta segundos dada em inglês capenga por um parceiro peruano de
voo duplo que tinha a metade da minha altura. Suas instruções? “Corra o mais rápido que puder em
direção ao despenhadeiro.” Só isso.
Enquanto eu corria em direção à queda livre de 3 mil quilômetros, um pensamento ficava se
repetindo, como um disco arranhado: “isso é loucura, isso é loucura, isso é loucura!” Mas isso foi
logo seguido por “Isso é incrível, isso é incrível, isso é incrível!”
Saltamos do despenhadeiro e uma corrente de ar levantou nosso paraquedas. Quando vi, estava
planando sobre o Vale Sagrado a quatro mil metros de altura. Tirando o fato de ter perdido meu
almoço sete vezes em vinte minutos, voar de paraglide foi uma das coisas mais estimulantes que já
fiz na vida. Aprendi que se você não está disposto a se colocar em situações tipo “isso é loucura”,
você nunca terá momentos “isso é incrível”. Se você não está disposto a correr pelo abismo, você
jamais voará. Também aprendi que andar de paraglide é excelente para sua vida de oração. Você não
consegue não orar quando está correndo para um abismo. A mesma coisa é verdade quando damos
um salto de fé.

A lei das medidas

Ainda que não esteja registrado nas Escrituras, prometo a vocês que Moisés orou. Não é isso que
fazemos quando não conseguimos resolver as coisas por nós mesmos? Quando deparamos com
situações que estão além de nossa conta ou além de nossa compreensão, nós oramos. Moisés deve ter
se sentido como se estivesse saltando de um abismo, mas foi aí que o paraquedas das promessas de
Deus se abriu. Muitas vezes parece que fazer círculos em torno das promessas de Deus é arriscado,
porém não é tão arriscado quanto não circular as promessas de Deus. O maior dos riscos é deixar de
circular as promessas de Deus porque abrimos mão dos milagres que Deus quer operar.
Um dos momentos decisivos na história da National Community Church foi o dia em que tomamos
a decisão definitiva de começar a doar para missões. Não éramos sequer uma instituição que
conseguisse se bancar a si mesma, na ocasião, mas eu me sentia como se Deus nos estivesse
convocando para começar a doar. Para ser honesto, aquela convocação provocou uma pequena
discussão. Você já sentiu alguma vez que Deus o convocou para alguma coisa, porém, logo depois de
um pequeno cálculo, você fica com a impressão de que o Onisciente errou nas contas? Tentei
argumentar com ele. Como podemos doar se não temos nem para nós mesmos? Mas eis o que aprendi
sobre discussões com Deus: se você ganhar a discussão, estará de fato perdendo, e se você perder a
discussão, estará de fato vencendo.
Perdi a discussão com Deus e ganhei o dia. Assinamos um cheque de cinquenta dólares para a
missão e o que aconteceu no dia seguinte não fecha a conta. No mês seguinte, nossas doações
triplicaram de dois mil para seis mil dólares e nunca olhamos para trás. Minha única explicação é
que Lucas 6:38 era verdade. E quando circulamos essa promessa, ao preencher o primeiro cheque,
Deus multiplicou suas provisões.

Deem, e lhes será dado: uma boa medida, calcada, sacudida e transbordante será dada a vocês.
Pois a medida que usarem também será usada para medir vocês.

Acredito na lei das medidas. Se você der muito, Deus o abençoará muito. Isso certamente não
significa que você pode usar Deus como um caça-níquel, mas, se der pelas boas razões, estou
convencido disto: Você jamais dará mais do que Deus dá. Isso não é possível porque Deus
prometeu que, no grande plano da eternidade, ele sempre dará de volta mais daquilo do que você
abriu mão.
Estamos projetando um orçamento para missões de mais de um milhão de dólares, porém aquele
cheque de cinquenta dólares ainda é uma das maiores doações que já demos a missões. A conta não
fechava, mas Deus a fez multiplicar. E ele fará o mesmo por você. Se você atender seu chamado, o
“isso é loucura” tornar-se-á “isso é incrível”. Quando você vive em obediência, você se coloca na
posição para ser abençoado. E você nunca sabe como ou quando Deus vai aparecer. Ele pode até
mandar ventos na direção oeste a oitenta quilômetros por hora, com cem por cento de chance de
codornas.

Codornarmagedom

Depois disso, veio um vento da parte do Senhor que trouxe codornizes do mar e as fez cair por
todo o acampamento, a uma altura de noventa centímetros, espalhando-as em todas as direções
em um raio de um dia de caminhada. Durante todo aquele dia e aquela noite e durante todo o dia
seguinte, o povo saiu e recolheu codornizes. Ninguém recolheu menos de dez barris.[18]

Os israelitas estavam acampados no deserto de Parã, uma região a uns oitenta quilômetros de
distância do mar Mediterrâneo e uns oitenta quilômetros a sudoeste do mar Morto. Este é o
significado: codornas tendem a viver próximo da água, e não voam a longas distâncias. Se não fosse
por um vento sobrenatural vindo do oeste, jamais teriam chegado tão para o interior. Então esse é um
milagre meteorológico. E não foi só um milagroso vento do oeste. As nuvens abriram-se e choveu
codorna do céu.
Quando as codornas se cansam, elas se deixam cair. Não estamos falando de um pato que desce
em ângulo perfeito para pousar na água. As codornas estavam caindo do céu como imensos pedaços
de granizo. Algumas cabeças devem ter se machucado no dia em que choveu codorna. Estava todo
mundo atrás de uma aspirina em Israel naquele dia. As Escrituras também dizem que algumas das
codornas também voaram para o acampamento a um metro do chão, então devem ter havido alguns
hematomas abaixo da cintura também.
Com base no sistema hebraico de medição, “uma caminhada de um dia” era aproximadamente uns
25 quilômetros, em qualquer direção. Assim, se você encontrar o quadrado do raio e multiplicá-lo
por pi, estamos falando de uma área que tem quase 1.800 quilômetros quadrados. Para dar uma ideia,
o distrito de Columbia, onde fica a cidade de Washington, tem 180 quilômetros quadrados. Não
somente era uma área dez vezes maior que a capital dos Estados Unidos, como também estava
coberta de codornas até um metro de altura.
Você consegue imaginar ver tantas aves voando para o acampamento? Era como uma tempestade
de pássaros. Codornarmagedom. A nuvem de aves era tão massiva que se parecia com um eclipse
solar. Para o resto da vida, as testemunhas daquele dia contarão codornas.
Assim que as codornas pararam de cair do céu, os israelitas começaram a recolhê-las. Cada
israelita juntou não menos do que dez barris. Dez barris multiplicados por 600 mil homens equivale a
6 milhões de barris, no mínimo. Um barril equivalia mais ou menos a duzentos livros, e, assumindo
que as codornas eram de um tamanho médio, choveu alguma coisa como 105 milhões de codornas.
Você leu certo: 105 milhões de codornas. Deus não provê apenas de modo drástico; Deus provê em
proporções drásticas.
Uma das razões de eu amar esse milagre é porque é um milagre trocadilho. O milagre está
registrado no livro dos Números, e o nome grego para “números” é arithmoi. E é daí que tiramos
“aritmética”. Registrado no livro da aritmética está um milagre que nem sequer começa a fechar a
conta.
Moisés jamais poderia ter antecipado essa resposta à oração. Era imprevisível e sem precedentes,
mas Moisés tinha o coração para circular a promessa! E quando você circula a promessa, você nunca
sabe como Deus proverá, mas será sempre nublado com chances de codornas.
Você acha que talvez precise parar de fazer aritmética e começar a fazer geometria? Seu trabalho
não é processar números e fazer com que a conta dos desígnios de Deus feche. Afinal de contas, os
desígnios de Deus não são uma prova dos nove. Quando Deus entra na equação, o resultado sempre
supera o início. Seu único trabalho é desenhar círculos na areia. E se você fizer a geometria, Deus
multiplicará os milagres em sua vida.

Tabuadas de multiplicação

Recentemente estava ajudando meu filho mais novo Josiah com suas tabuadas de multiplicação.
Pegamos os cartões e estávamos trabalhando na tabuada de cinco. Assim que ele terminou, passamos
para a de seis. E, quando já tinha dominado a de seis, passamos adiante para a de sete. É assim que
se faz no mundo da multiplicação. Você aprende a multiplicar com números cada vez maiores.
Também é desse jeito que você deve trabalhar espiritualmente, porém muitos de nós nunca passamos
da adição e subtração.
Jesus ensinava multiplicação. Prometeu que iria multiplicar suas bênçãos se trabalhássemos como
se dependesse só de nós e orássemos como se dependesse só de Deus. E ele usou cem, sessenta e
trinta como multiplicadores.

Outra ainda caiu em boa terra, germinou, cresceu e deu boa colheita, a trinta, sessenta e até cem
por um.[19]

Há poucos anos, Lora e eu circulamos a promessa contida na parábola do semeador, ao fazermos a


maior promessa de nossa vida. Uma promessa de fé é uma quantia em dinheiro rubricada para
missões que está acima e além de nossa capacidade. Não se baseia em um orçamento, mas na fé.
Honestamente, não fazíamos ideia de como poderíamos dar o valor com o qual havíamos nos
comprometido, mas Deus havia falado especificamente a cifra que sabíamos que daria. Sabíamos que
seria preciso uma provisão sobrenatural, mas acreditávamos que Deus iria honrar nossa promessa,
porque nossa promessa honrava a Deus.
No dia em que fizemos a promessa, 31 de julho de 2005, registrei em meu blog o que eu
acreditava: “recebi uma convocação que nem sequer posso pôr em palavras. Mal posso esperar para
ver como Deus proverá o que nos prometeu.” Dois meses mais tarde, no dia 4 de outubro de 2005,
fechei meu primeiro contrato para um livro. O adiantamento naquele acordo de quatro livros era
trinta vezes maior do que a promessa que houvera feito. Coincidência? Acho que não. Foi como a
codorna que veio do meio do nada! Estava muito animado com o contrato para os livros, mas estava
ainda mais animado por preencher o maior cheque que havia preenchido para uma causa do Reino.
Acredito que aquele contrato era o resultado direto de ter circulado a promessa.
Em dezembro de 2010, assinei outro contrato de publicação com minha nova editora e Lora e eu
nos sentimos compelidos a dar um percentual significativo do adiantamento para a National
Community Church. Não foi antes da declaração do imposto de renda do ano seguinte que eu dei
conta de que essa dádiva era exatamente trinta vezes maior que a promessa original que havíamos
feito cinco anos antes. Coincidência? Acho que não.
Não faço ideia de qual seja a sua situação financeira, mas sei de uma coisa. Se você der além da
sua capacidade, Deus o abençoará além de sua habilidade. Deus quer abençoá-lo multiplicando por
trinta, sessenta, cem vezes. E se você estiver disposto a subtrair o que está gastando em si mesmo e
somar com o que você está investindo no Reino, Deus fará a multiplicação. Se você acredita nisso,
você circulará as promessas de Deus e colherá a recompensa. Se você não o fizer, não colherá.[20]
Se você ainda está vivendo no mundo da adição e da subtração, o dízimo é difícil de doar porque
você se sente como se estivesse subtraindo 10% de sua receita. Mas uma vez que você passou para o
mundo da multiplicação, você se dá conta de que Deus pode fazer mais com 90% do que você
poderia com 100%. Por quê? Porque quando você soma Deus na equação de suas finanças, isso muda
o jogo. Se você der generosamente e com sacrifício, pode chegar o dia em que você estará dando
mais do que está recebendo de salário. Se você acreditar nisso, essa promessa pode valer a pena
circular!

Unção de multiplicação

Deus não se ofende com grandes sonhos, ele se ofende com o que for menos que isso. Seus sonhos
podem começar pequenos, e Deus honrará esses sonhos humildes, mas, à medida que sua fé cresce,
do mesmo jeito crescem seus sonhos, até que você ouse sonhar trinta, sessenta, cem vezes mais. E
quando você desenhar esses círculos do tamanho de Deus, isso dará ao Onipresente espaço para
trabalhar.
No outono de 2006, eu estava palestrando em uma conferência de homens em Baltimore,
Maryland. Foi a semana anterior à programada para o lançamento de meu primeiro livro, In a pit
with a lion on a snowy day [Em uma cova com um leão em um dia de neve]. Eu falei em uma sessão
matinal para cerca de 1.200 homens e, em seguida, sentei-me e escutei um fazedor de círculo
chamado Tommy Barnett. Tommy compartilhava conosco as notas de rodapé para a história de como
ele e seu filho, Matthew Barnett, começaram o Dream center [Centro de sonhos] de Los Angeles mais
de uma década atrás. Eles circularam o hospital de quinze andares Queen of Angels, e Deus deu a
eles 60 mil dólares. Isso só acontece na economia de Deus!
Depois de compartilhar conosco a história de provisão miraculosa de Deus, Tommy convidou ao
altar quem quisesse uma multiplicação de unção. Eu não tinha nem certeza se a ideia de uma
multiplicação de unção estava mesmo na Bíblia, mas se Tommy estava oferecendo, eu estava
tomando. Senti-me um pouco estranho indo para o altar, como sempre acontece, mas eu estava
desesperado pela bênção de Deus sobre meu primeiro livro. Eu estava dolorosamente ciente do fato
de que 95% dos livros não chegam a vender 5 mil exemplares, mas rezei um círculo em torno do
livro e pedi a Deus para colocar uma multiplicação da unção sobre ele. Reuni tanta fé quanto podia e
pedi a Deus para ajudar-me a vender 25 mil exemplares. Claro, eu acrescentei no obrigatório “se for
da vossa vontade” no final. Esse chavão pode soar espiritual, mas era menos uma submissão à
vontade de Deus e mais uma provisão de dúvida. Se você não for cuidadoso, a vontade de Deus pode
se tornar um cláusula de cancelamento se as coisas não saírem do jeito que você quer. A verdade é
que o número que sussurrei a Deus era de 100 mil exemplares. Nas profundezas do meu coração,
esse era o meu grande sonho. Eu só não tinha fé suficiente para verbalizar esse número. Já me sentia
tolo o suficiente ao verbalizar 25 mil.
Como é típico de Deus, ele superou as minhas expectativas. Ele tem um jeito de fazer nossos
sonhos mais loucos parecerem mansos, os nossos maiores sonhos parecerem pequenos. Acredito que
a bênção de Deus sobre aquele meu livro remonta ao círculo de oração que eu desenhei em torno
dele. Não basta escrever livros, eu os circulo em oração. Para mim, escrever é como orar com um
teclado. Eu também recrutei uma equipe de fazedores de círculo para orar por mim enquanto eu
escrevia o livro. Então nós oramos círculos em torno das pessoas que comprariam o livro.
Especificamente, oramos para que Deus fizesse o livro chegar às mãos certas, no momento certo. De
certo modo, estou surpreso pela maneira com que Deus usou parágrafos do livro para salvar
casamentos, impelir decisões e gerar visões. Por outro lado, não estou surpreso. Não é coincidência
quando as pessoas me dizem que Deus trouxe o livro em sua vida no momento perfeito. É a
providência. Para mim, um livro vendido não é um livro vendido, é uma oração respondida.
Fui um escritor frustrado por treze anos. Sonhei em escrever um livro, mas nunca conseguia
concluir um manuscrito. O ponto de virada foi quando desenhei um círculo em torno do sonho,
durante quarenta dias de oração e jejum. Jejuei de todas as maneiras para manter-me concentrado em
meu objetivo. Então, pus os pés no círculo da escrita com uma determinação à la Honi, que não se
entregaria enquanto eu não tivesse um manuscrito à mão. Quarenta dias mais tarde, o sonho tornou-se
uma realidade. Não escrevi aquele livro, eu o orei.
Como autor, aprendi a orar círculos em torno de meus livros. Como pastor, aprendi a orar círculos
em torno de nossa igreja. Como pai, aprendi a orar círculos em torno de meus filhos. Não faz
diferença o que você faz, você tem de circulá-lo em oração. Se você for um professor, faça círculos
em torno de sua turma, colocando as mãos sobre a escrivaninha e pedindo a Deus que abençoe os
alunos que se sentam ali. Se você é um médico, faça círculos em torno de seus pacientes e peça a
Deus que lhe dê uma percepção de raios x. Se você é um político, faça círculos em torno dos
eleitores a quem você serve e da legislação que você escreve. Se você é empresário, faça círculos
em torno do seu produto ou serviço.
Se você fizer os cálculos geométricos e desenhar círculos em torno da sua Jericó, Deus se
encarregará da multiplicação. E, quanto maior for o círculo de oração, mais Deus poderá multiplicar.
Se você receber a promessa, quem sabe? Deus talvez mande 105 milhões de codornas para seu
acampamento.
CAPÍTULO 6

Você nunca poderá saber

u quase disse não a um milagre.

E Um casal que mal começara a frequentar a National Community Church pediu uma reunião, e
eu quase recusei o pedido porque eles disseram que queriam falar sobre a administração da
Igreja. Eu amo conversar sobre a missão e a visão da igreja. Sobre a administração? Nem tanto!
Mais: estava lutando contra o prazo de entrega de um livro, então não tinha muito tempo em minha
agenda. Assim, eu quase disse não, e, se tivesse feito, teria perdido um milagre.
Enquanto estávamos sentados em meu escritório acima da Cafeteria Ebenézer, fizeram-me uma
série de perguntas sobre estatutos, controles financeiros e demonstrativos de resultado, e protocolos
de tomadas de decisão. E, ainda que me sentisse um pouco acuado no momento, dei-me conta de que
estavam simplesmente fazendo uma auditoria. Assim como os investidores que pesquisam uma
empresa antes de comprar ações, estavam se certificando de que aquele seria um bom retorno para
seu investimento. Após responder por uns noventa minutos àquele inquérito, terminaram por
perguntar-me qual era nossa visão. Estava tão empolgado para falar sobre o que me importava,
depois daquele papo de políticas e protocolos, que desembuchei. Falei de nossa visão e de começar
um Dream Center na Ala 8, a parte mais pobre de nossa cidade, e a razão pela qual a capital dos
Estados Unidos ser também, muitas vezes, a capital do assassinato no país. Falei sobre transformar
nossa cafeteria na Capitol Hill em uma rede de cafeterias, com todo lucro revertendo para as
missões. Falei sobre o lançamento de nosso primeiro campus internacional em Berlim, na Alemanha.
E contei-lhes sobre nossa visão de lançar múltiplos campi em salas de cinemas e em estações de
metrô ao longo da Grande Washington. Então a reunião chegou a um fim um tanto abrupto e
constrangedor. Eles disseram que queriam investir na National Community Church, mas não disseram
quanto, ou como. Partiram, e fiquei coçando a cabeça.
Não tinha muita certeza do que sairia daquela reunião, mas, poucas semanas depois, pedi a minha
assistente que marcasse uma reunião pelo telefone. Em uma tarde normal de quarta-feira, por volta de
uma da tarde, recebi um dos telefonemas mais inesquecíveis de minha vida.
“Pastor Mark, queremos dar prosseguimento a nossa reunião e informá-lo de que queremos dar um
presente à National Community Church.”
Meu coração logo começou a disparar.
Nossa congregação é incrivelmente generosa, mas a idade média dos frequentadores é de apenas
28 anos, e quase dois terços são solteiros, o que significa que a maioria de nossos membros está bem
longe de seu potencial de renda. Eles pagam o dízimo com fé, trabalhando como professores em
nossas escolas ou como baristas nas cafeterias, mas não têm renda ou economias para fazer grandes
doações financeiras. Estão concentrados em pagar empréstimos estudantis ou economizar para
quando se casarem.
A maior doação que havíamos recebido até aquele momento tinha sido um dízimo de 42 mil
dólares na venda de uma casa, mas eu não conseguia parar de me perguntar se aquela doação
prometida chegaria a superar esse dízimo. Afinal de contas, você não anuncia que vai fazer uma
doação se ela não for digna de um anúncio, não é?
— Queremos fazer uma doação, e é sem compromisso. Mas antes de dizer quanto vamos doar,
queremos que saiba por que estamos doando. Estamos fazendo essa doação porque você tem uma
visão que está além de seus recursos.
Nunca esquecerei esta frase: “[…] visão além de seus recursos.”
O raciocínio por trás da doação foi tão significativo quanto a própria doação. E o raciocínio tem
nos inspirado a continuar mantendo sonhos irracionais. Aquelas cinco palavras, “visão além de seus
recursos”, tornou-se um mantra para o ministério da National Community Church. Recusamo-nos a
deixar que o orçamento determinasse nossa visão. Essa abordagem do lado esquerdo do cérebro é a
abordagem do lado errado do cérebro, porque está baseada em nossos recursos limitados, e não na
providência ilimitada de Deus. A fé está permitindo que nossa visão dada por Deus determine nosso
orçamento. Isso certamente não quer dizer que temos uma prática financeira relapsa, e que gastamos
mais do que temos, e acumulamos dívidas. Significa que você dá um salto de fé quando Deus lhe dá
uma visão porque você confia que o Senhor que lhe deu essa visão irá provê-la. E, para que fique
registrado, se a visão vem de Deus, ela certamente estará além dos nossos sonhos.
Ter visões além de nossos recursos é sinônimo de sonhar grande. E pode parecer que você está se
preparando para fracassar, mas você estará na verdade preparando Deus para um milagre. Como
Deus vai operar esse milagre, é com ele. Seu trabalho é desenhar um círculo em torno do sonho dado
por Deus. E, se você fizer seu trabalho, pode bem se deparar um dia afundado em um metro de
codornas.
— Queremos dar a sua igreja três milhões de dólares.
Fiquei sem palavras.
E sou um pregador.
Foi um desses momentos sagrados quando o tempo para. Eu ouvi, mas mal podia acreditar. Estava
ofuscado pela bênção. Assim como o vento que trouxe 105 milhões de codornas ao acampamento, a
provisão de Deus veio de lugar nenhum. Nem sequer estávamos fazendo uma campanha de
arrecadação!
Não são nossos planos feitos pelo homem que movem o Todo-poderoso, o Todo-poderoso é que é
movido pelos sonhos e pelas orações audaciosas. No silêncio constrangedor da minha falta de
palavras, ouvi a vozinha do Espírito. O Espírito Santo apertou o botão de rebobinar e lembrou-me de
um círculo de oração que eu havia desenhado alguns anos antes.
Deixe-me retraçar o círculo.

A promessa de oração

No dia 15 de março de 2006, abrimos as portas de nossa cafeteria na Capitol Hill. O custo total de
construção da Cafeteria Ebenézer foi de mais de 3 milhões de dólares, e nossa hipoteca foi de 2
milhões de dólares. Certo dia, estava orando pela providência de Deus quando me senti compelido a
orar por um milagre de 2 milhões de dólares. A primeira coisa que tive de fazer foi decifrar se
aquele impulso vinha apenas do meu desejo de livrar-me das dívidas ou se era o Espírito Santo que
havia depositado essa promessa em meu coração. É difícil discernir entre os desejos naturais e os
desejos sagrados, mas estava 90% certo de que era o Espírito Santo que havia colocado aquela
promessa em meu coração. Não fazia ideia de como Deus a cumpriria, mas sabia que precisava
circular a promessa em oração.
Mencionei o milagre dos 2 milhões de dólares a alguns fazedores de círculos, que começaram a
orar comigo pela providência divina. Houve certamente semanas e meses em que fracassei em sequer
pensar ou orar pela promessa, mas continuei circulando a promessa de 2 milhões de dólares vez por
outra ao longo de quatro anos.
Cerca de um ano depois de Deus ter me dado a promessa de oração, obtive o que achei que fosse
uma ideia de 2 milhões de dólares para uma companhia on-line chama GodiPod.com. Lora e eu
investimos o capital para dar partida em nosso negócio, mas aquela ideia de 2 milhões de dólares
virou um prejuízo pessoal de 15 mil dólares. Olhando para trás, acho que estava tentando fazer um
milagre por conta de Deus. É o que fazemos muitas vezes, não é? Quando Deus não responde a nossa
oração imediatamente, tentamos responder por ele. Como no dia em que Moisés decidiu resolver a
questão com as próprias mãos e matou um capataz egípcio, muitas vezes nos adiantamos a Deus. Mas
sempre que tentamos fazer o trabalho de Deus, ele sai pela culatra. Tentar adiantar-se a Deus custou
a Moisés quarenta anos. É claro, mesmo assim, Deus redimiu os quarenta anos que Moisés viveu
como fugitivo pastoreando ovelhas ao prepará-lo para pastorear suas ovelhas, o povo de Israel. Se
nos arrependermos, Deus irá sempre reciclar nossos erros.
Um lado bom de nosso fracasso empresarial foi que aprendi algumas lições valiosas sobre
orações não respondidas que valem bem mais que a pancada de 15 mil dólares que tomamos com o
GodiPod.com. Para começo de conversa, cheguei à humilde conclusão de que nossas orações são
muitas vezes desviadas somente porque não somos oniscientes. Serei o primeiro a admitir que já fiz
círculos de orações em torno de coisas erradas, e por motivos errados, e que Deus não responde a
essas orações do jeito que eu queria que ele o fizesse. Para ser absolutamente honesto, teria de
admitir que a maioria de nossas orações tem como principal objetivo o conforto pessoal, em vez de
glorificar a Deus. Se Deus respondesse a essas orações egoístas, iriam, na verdade, causar um curto-
circuito no propósito de Deus para nossa vida. Iríamos fracassar em aprender as lições que Deus
quer nos ensinar ou em cultivar o caráter que Deus quer que desenvolvamos.
Uma segunda lição aprendida é que “não” nem sempre quer dizer “não”. Algumas vezes, “não”
significa “ainda não”. Nós desistimos rápido demais de Deus quando ele não responde as nossas
orações quando queremos que ele o faça, ou do jeito que queremos que ele o faça. Talvez nossos
prazos não se encaixem no cronograma de Deus. Talvez “não” signifique simplesmente “ainda não”.
Talvez seja apenas um atraso divino.
Por fim, aprendi que não devemos procurar por respostas tanto quanto devemos procurar por
Deus. Ficamos superansiosos. Tentamos apressar nossas respostas, em vez de confiar no tempo de
Deus. Mas eis um lembrete importante: se você procurar pelas respostas, não irá encontrá-las.
Chegará um momento, após você ter orado em frente, em que precisará entregar os pontos de deixar
Deus seguir em frente. Como? Resistindo à tentação de forjar a própria resposta em sua oração.
Teria sido fácil embolsar a promessa de 2 milhões de dólares depois do fracasso da
GodiPod.com, mas continuei circulando aquela promessa. Ainda acreditava que Deus iria responder
de alguma maneira àquela promessa. Eu nunca teria adivinhado que a recompensa aconteceria
durante uma reunião sobre a administração da igreja, mas eu havia parado de tentar forjar minha
resposta e havia passado a simplesmente confiar que Deus daria uma resposta quando estivesse
pronto para isso. Então, em uma tarde, em torno das três horas, Deus veio de lugar nenhum e entregou
sua promessa como uma surpresa santa.
O elemento surpresa

Nossa família tem uma porção de ditados que passaram de geração para geração; são parte de
nosso folclore familiar. Não tenho certeza qual a origem deste, mas lembro-me de minha avó
repetindo mais de uma vez: “Você nunca poderá saber. ” Esse ditado também parece incompleto,
então você tem de lê-lo duas vezes. Quer a tradução? “Tudo pode acontecer.”
Deixe-me redimir esse ditado e dar-lhe um viés de oração. Quando você circula uma promessa em
oração, Você nunca poderá saber . Tudo pode acontecer! Você nunca saberá quando ou como Deus
irá responder. A oração acrescenta um elemento surpresa à sua vida, que é mais divertido que uma
festa surpresa ou um presente surpresa ou um romance surpresa. De fato, a oração torna a vida uma
festa, um presente, um romance.
Deus já me surpreendeu tantas vezes que já não me surpreendo com suas surpresas. Isso não quer
dizer que eu as ame menos. Sou maravilhado pelas estranhas e misteriosas maneiras como Deus
trabalha, mas acabei por esperar o inesperado, porque Deus é previsivelmente imprevisível. Deus
sempre tem uma surpresa santa guardada em sua manga soberana! A única coisa que posso prever
com absoluta certeza é isto: quanto mais você orar, mais surpresas santas acontecerão.
Há poucos meses, Deus me surpreendeu com a oportunidade de palestrar na capela da NFL (Liga
Nacional de Futebol Americano). Já havia feito algumas palestras lá, mas essa era especial porque
era para o time pelo qual eu torcia desde garoto. E não só isso, todos os meus jogadores favoritos, de
todos os tempos, de quem eu vestia a camisa nos dias de jogo, estariam lá. Vou ser honesto, estava
um tanto nervoso. Há alguma coisa nisso de falar para grandalhões que pintam o rosto, vestem
capacetes e infligem dor que é um pouco intimidador, e o mais parrudo de todo o time estava na
primeira fila.
Orei do fundo do meu coração naquela noite, porque, francamente, eu queria muito que eles
vencessem no dia seguinte! Mas também sabia que aquele era um compromisso divino, e senti-me
ungido de modo único. Havia uma razão para que Deus tivesse escolhido um fã ardoroso para
palestrar ao time. Mais tarde, eu apertei a mão dos jogadores, e o pensamento que vinha a minha
cabeça era que estava tudo resolvido, você nunca poderá saber. Depois de encerrada a temporada,
fui jantar com o atleta por quem eu torcera durante toda a sua carreira. Após o jantar, estávamos os
dois no estacionamento do restaurante, e não pude conter o riso. Disse a ele que havia orado por ele
mil vezes, mas que cada oração estava concentrada no futebol. Naquela noite eu orei por ele. Não
pelo jogador de futebol. A pessoa. Isso é bem coisa de Deus, não é? Quando você faz um círculo de
oração, mesmo que esse círculo seja limitado por sua ignorância, você nunca sabe como ou quando
ou onde Deus lhe responderá. Uma oração leva a outra, que leva a outra, e para onde elas vão levá-lo
ninguém sabe, exceto aquele que tudo sabe.
Ao longo do último ano, vim repetindo uma oração com grande frequência: “Senhor, faça alguma
coisa imprevisível e incontrolável.”
Essa é uma oração assustadora, especialmente para alguém obcecado pelo controle como eu, mas
não me assusta tanto quanto uma vida vazia de surpresas divinas. E você não pode ter as duas coisas.
Se você quer que Deus o surpreenda, você tem de abrir mão do controle. Você vai perder um pouco
da previsibilidade, mas começará a ver Deus agindo de modos incontroláveis.
Tudo pode acontecer. Em qualquer lugar. A qualquer hora.
Uma tarde

Acredito que todas as palavras nas Escrituras sejam inspiradas por Deus, até a menor letra ou o
menor traço. E ainda que capítulos como o Salmo 23 ou versículos como João 3:15 sejam os mais
memorizados, há sempre momentos nos quais o mesmo Espírito Santo que inspirou aqueles irá
inspirar os leitores das Escrituras com uma menor letra ou um menor traço insuspeitos. Alguma
palavra ou frase irá saltar da página e entrar em seu espírito. Uma dessas inspirações insuspeitas
aconteceu quando eu lia Atos 10:3, logo antes do telefonema dos 3 milhões de codornas.
Certo dia, por volta das três horas da tarde, ele teve uma visão.[21]
Aqui vai o contexto. Havia um capitão romano chamado Cornélio que deu generosamente aos
pobres e “orava continuamente para Deus”.[22]Esse hábito de orar o manteve ligado à frequência de
Deus e criou o palco para sua visão. Nesse ponto, o Cristianismo era uma seita do Judaísmo, mas
essa visão mudou o curso da cristandade porque o Evangelho foi aberto aos gentios. O Cristianismo
cruzou o Rubicão, e tudo o mais que havia pela frente!
A visão veio em um momento bem proposital, não? “Certo dia, por volta das três horas da tarde.”
Mas é isso o que me encanta. Quando você ora regularmente, nunca sabe quando Deus irá aparecer
ou falar. Hoje pode ser o dia. Quando você vive em modo de oração, você vive na expectativa
divina. Você sabe que as coincidências são providências. Qualquer momento pode se transformar em
um momento divino. Deus pode invadir a realidade de sua vida às três da tarde e mudar tudo.
No momento em que ouvi 3 milhões de dólares soube que Deus havia respondido a nossas
orações ao longo de quatro anos por um milagre de 2 milhões de dólares. A única diferença era que
foram 3 milhões no lugar de 2 milhões de dólares. Fiquei um pouco confuso pelo fato de não serem
exatamente 2 milhões de dólares. Eu obviamente não iria reclamar. Foi aí que o Espírito Santo, em
sua vozinha, disse a meu espírito: Mark, eu só queria mostrar que posso fazer melhor do que você
espera. E com “melhor”, ele queria dizer um milhão de dólares a mais!
Deus não apenas fez “melhor do que esperamos” aquela vez. Menos de um ano depois, recebemos
uma doação de 4 milhões de dólares que era “melhor” que a doação de 3 milhões de dólares.
É como se Deus dissesse: posso fazer melhor de novo. Com aquela providência de sete milhões
de dólares que caiu dos céus, compramos “a última propriedade na Capital Hill” sem ficarmos
endividados.
Somente Deus.

Deixe-me perplexo

Uma das maiores surpresas nas Escrituras aconteceu no dia de Pentecostes. Ninguém poderia ter
escrito que aquele milagre iria acontecer. Quando Pedro se levantou naquela manhã, não fazia ideia
de que Deus iria verter seu espírito como chamas de fogo ou que os crentes iriam espontaneamente
falar em línguas que nunca haviam aprendido ou que batizariam 3 mil pessoas antes de o dia
terminar. Era imprevisível e incontrolável. Ainda assim, quão apropriado era que aquela surpresa
santa acontecesse no dia do aniversário da igreja. Deus nos deu uma festa surpresa!
Há alguns poucos anos, tive uma revelação enquanto lia a descrição do que aconteceu no dia de
Pentecostes. Diz-se que as pessoas estavam “atônitas e perplexas”.[23] Todos nós queremos ser
maravilhados por Deus, não é? É fácil orar “maravilhe-me!”, mas não conheço ninguém que ore
“deixe-me perplexo!” Mas esse é o pacote. Se você não estiver disposto a ficar perplexo, nunca vai
ficar maravilhado.
Cornélio teve uma visão um dia, às três da tarde. No dia seguinte, por volta do meio-dia, Pedro
teve uma visão que o deixou perplexo, enquanto orava no telhado da casa de Simão, o curador. Ele
viu um amplo lençol coberto de animais, répteis e pássaros, e o Senhor disse a Pedro: “mate e
coma”. Você tem de amar a resposta de Pedro: “De modo nenhum, Senhor!” [24] Pedro repreende
Jesus. Mas antes que você critique Pedro, dê-se conta de que muitas vezes fazemos a mesma coisa
quando Deus nos dá um sonho que está além de nossa capacidade de compreensão.
Pedro lutou muito para processar aquela visão que o deixou perplexo. Ele não estava somente
perplexo, as Escrituras dizem que ele estava “perplexo”.[25]Por quê? Porque a visão estava em
direta violação de tudo o que ele sempre soube. As leis alimentares dos judeus proíbem comer
animais impuros. Pedro diz: “Jamais comi algo impuro ou imundo!”[26] Então Deus, em sua infinita
paciência, repete a visão por três vezes. Esse deve ter sido o número mágico para Pedro. Da terceira
vez funcionou.
É nesse lugar que Deus quer fazer algo sem precedentes, que muitos de nós empacam
espiritualmente. No lugar de operar pela fé, voltamos ao nosso padrão lógico. No lugar de abraçar o
próximo passo de Deus, caímos de volta à lide de nossas velhas rotinas.
Pedro estava perplexo por essa visão, mas deu um passo de fé. Ele arriscou sua reputação ao
romper as leis dos livros judaicos e entrar na casa de Cornélio. Era sem precedentes porque era
considerado impuro, porém aquele pequeno passo mostrou-se ser um salto gigantesco. O portão da
casa do oficial romano era como um portal. Naquele nanossegundo em que Pedro cruzou a soleira,
todos os gentios ganharam acesso completo ao Evangelho. Se você não é judeu, sua genealogia
espiritual remonta a esse momento. Pedro teve a fé de cruzar esse abismo porque ele circulou uma
visão repleta de perplexidade com oração. Cada um dos gentios que veio para a fé em Jesus Cristo é
uma resposta ao círculo de oração que Pedro desenhou uma tarde, no telhado de Simão, o curador.
Você está disposto a ficar perplexo? Está aberto a surpresas santas? Tem a coragem para que
Deus aja imprevisível e incontrolavelmente?
Se você não está aberto para o “sem precedentes”, você repetirá a história. Se você estiver, sim,
aberto, você mudará a história. A diferença está na oração.

A visão do papel de embrulho

Harriet nasceu na mais distinta família de clérigos dos Estados Unidos. Seu pai, Lyman Beecher,
era considerado o maior orador do país. Esse manto foi passado para o irmão dela, Henry Ward
Beecher. Mas seria Harriet quem mudaria o curso da história norte-americana.
Um domingo de manhã, em 1851, durante o culto comunitário, Harriet caiu em um transe não
diferente daquele no qual Pedro caíra no telhado de Simão, o curador. Em seu transe, Harriet viu um
velho escravo sendo espancado até a morte. A visão a deixou tão perturbada, que ela mal pôde
conter as lágrimas. Ela trouxe os filhos de volta da igreja e não almoçou naquele dia. Começou
imediatamente a redigir a visão que Deus lhe tinha dado, com as palavras jorrando da caneta.
Quando acabou o papel, encontrou papel pardo, de embrulho, e continuou a escrever. Quando
finalmente terminou, e leu o que havia escrito, mal podia acreditar no que havia redigido. Era
simplesmente inspiração divina. Harriet dizia que Deus havia escrito o livro, ela havia apenas
colocado as palavras no papel.
Em janeiro de 1852, um ano depois da visão de Harriet Beecher Stowe, o manuscrito de 45
capítulos de A cabana do pai Tomás estava pronto para ser publicado. O editor, John P. Jewett, não
achava que o livro venderia muito, mas 3 mil exemplares foram vendidos no primeiro dia. A
primeira tiragem esgotou no segundo dia. A terceira e quarta tiragens foram vendidas antes mesmo
que o livro fosse revisado. O livro que Jewett não achava que venderia muito acabou em quase todas
as casas dos Estados Unidos, incluindo a Casa Branca. Nenhum outro romance teve efeito maior na
consciência de um país que a visão de Harriet Beecher Stowe em A cabana do pai Tomás . De fato,
quando Harriet se encontrou com o presidente Lincoln, ele teria dito: “Então você foi a mulher que
deu início a essa grande guerra!”
Nunca subestime o poder de uma única oração. Deus pode fazer qualquer coisa por meio de
qualquer um que circule seus grandes sonhos com orações audaciosas. Com Deus, não há
precedentes, porque todas as coisas são possíveis. Fornecer carne por um mês no meio do nada não é
problema quando você é dono do gado nas colinas. Deus pode usar as orações audaciosas de um
sábio excêntrico para pôr fim a uma seca ou a caneta audaciosa de uma jovem mãe de família para
pôr fim à escravidão. Se você tiver o coração de circular o sonho em oração, jamais poderá saber.

Tempestade de oração

Acredito em planejamento. De fato, fracassar em planejar é planejar fracassar. Mas eu também


acredito nisto: uma oração audaciosa pode conquistar mais que milhares de planos benfeitos. Então
vá em frente e planeje, mas também se certifique de circular seus planos em oração. Se seus planos
não nascerem da oração e forem banhados em oração, não serão bem-sucedidos. Isso eu sei por
experiência própria. Antes de nossa igreja em Chicago, eu desenvolvi um plano de 25 anos. Aquele
plano detalhado era um projeto para minhas aulas no seminário, e eu realmente tirei uma nota dez
com ele. Na verdade, deveria ter tirado nota zero, porque o plano fracassou. Ainda tenho aquele
plano de 25 anos em meus arquivos. Ele me mantém humilde. E também me faz recordar que “se não
for o Senhor o construtor da casa, será inútil trabalhar na construção”.[27]
Poucas coisas são tão dolorosas quanto um plano fracassado, mas sempre obtive um pouco da
leveza e humildade do velho adágio: “se você quer fazer Deus rir, conte a ele seus planos”. Enquanto
estávamos ocupados planejando, algumas vezes Deus está rindo. E se nossos planos são de longo
prazo, aquela risadinha contagiosa provavelmente vai fazer anjos de todas as categorias gargalharem.
Não é uma risada irônica ou vingativa, como se Deus zombasse de nossos fracassos. Acho que Deus
fica, às vezes, espantado com a pequenez de nossos planos. Ele deixa que nossos pequenos planos
fracassem para que os seus grandes sonhos para nós possam prevalecer. Então continue fazendo
planos como se só dependesse de você, mas se certifique de orar como se só dependesse de Deus. A
oração é o alfa e o ômega do planejamento. Não fique apenas na tempestade cerebral, embarque na
tempestade de orações.
Quando Deus me deu a segunda chance de implantar uma igreja, fiz tudo de acordo com o
planejado, mas também me dediquei mais à oração. Comecei com um círculo em torno da Capitol
Hill, mas foi uma visão maravilhosa, enquanto estava em modo de oração, que mudou a trajetória de
nossa igreja.
Estava caminhando de volta para casa na Union Station certa manhã, quando Deus me deu uma
visão de nosso futuro na esquina da rua 5 com a rua F NE. Não havia coro de anjos. Nenhum grafite
na calçada. Mas, nos olhos de minha mente, vi um mapa do sistema de metrô de Washington, DC, e
vislumbrei que nos encontraríamos em uma sala de cinema perto de estações de metrô em toda a área
do DC. Uma das razões para que essa visão me deixasse tão perplexo era que o termo “igreja em
multilugares” ainda não existia no dicionário eclesiástico. Era sem precedentes. Uma década mais
tarde, a National Community Church reuniu-se em seis salas de cinema, e com 39 cinemas na região
metropolitana de Washington, temos muito espaço para crescer! Nossa visão para 2020 é termos
vinte locais. Traduzindo: estamos chegando em um cinema perto de você! Na fé, sonho com o dia em
que haverá uma igreja em cada cinema dos Estados Unidos. Por que não?
Fazer igrejas em locais públicos como cinemas tornou-se parte de nosso DNA. Nós amamos as
cadeiras confortáveis e as telas grandes. Também gostamos do cheiro da pipoca. É nosso incenso.
Sempre que sinto o cheiro de pipoca amanteigada, é meu reflexo pavloviano erguer as mãos em
louvação.
Você está disposto a ficar perplexo? Se você estiver, então Deus poderá e irá maravilhá-lo.
Você nunca poderá saber.
CAPÍTULO 7

A solução para 10 mil problemas

ntes que a tempestade de codornas aparecesse no radar, Deus fez uma pergunta a Moisés. É

A mais que uma pergunta. Foi a pergunta. Sua resposta a essa pergunta, a pergunta, irá
determinar o tamanho dos seus círculos de oração.
Estará limitado o poder do Senhor?[28]
A resposta óbvia para essa pergunta é “não”. Deus é onipotente, o que significa, por definição,
que não há nada que Deus não possa fazer. Ainda assim, muitos de nós oramos como se nossos
problemas fossem maiores que Deus. Então permita-me recordá-lo dessa verdade de alta octanagem
que irá abastecer sua fé: Deus é infinitamente maior que o maior dos seus problemas ou o maior dos
seus sonhos. E, já que estamos falando sobre isso, sua graça é infinitamente maior que o maior de
seus pecados.
O místico moderno A. W. Tozer acreditava que uma visão pobre de Deus é a causa de centenas de
maus menores, mas uma visão rica de Deus é a solução para milhares de problemas temporais. Se
isso é verdade, e eu acredito que é, então seu maior problema não é um divórcio iminente ou um
negócio fracassado ou um diagnóstico médico. Por favor, entenda, não estou menosprezando seus
problemas de relacionamento, de finanças ou de saúde. E certamente não quero minimizar os
desafios avassaladores que você possa estar enfrentando. Porém, para retomar uma perspectiva
divina para nossos problemas, é preciso responder a esta pergunta: seus problemas são maiores que
Deus, ou Deus é maior que seus problemas? Nosso maior problema é nossa visão pequena demais de
Deus. Essa é a causa dos males menores. E é uma grande visão de Deus que será a solução para
todos os outros problemas.
Estará limitado o poder do Senhor?
Você já respondeu a essa pergunta? Só há duas respostas possíveis: sim ou não. Até você se
convencer de que a graça e o poder de Deus não têm limites, você fará círculos pequenos de oração.
Assim que tiver abraçado a onipotência de Deus, você irá fazer círculos cada vez maiores sobre os
seus sonhos dados por Deus, do tamanho de Deus.
Qual é o tamanho de Deus? Ele é do tamanho suficiente para curar seu casamento ou curar seus
filhos? Ele é maior que um exame positivo ou uma avaliação negativa? Ele é maior que seu pecado
secreto ou seu sonho secreto?

Medindo Deus

Moisés ficou perplexo com a promessa que Deus lhe tinha dado. Como seria possível que Deus
fornecesse carne para um mês? As contas não fechavam! Mas ao fim desse momento crítico, quando
Moisés teve de decidir se circulava ou não a promessa, Deus fez a pergunta.
Estará limitado o poder do Senhor?
Quando Deus me impeliu a orar pelo milagre de 2 milhões de dólares, eu tive de responder à
pergunta. Parecia-me uma promessa impossível, mas, para um Deus que poderia prover 105 milhões
de codornas no meio do nada, o que eram 2 milhões de dólares?
O tamanho das orações depende do tamanho de nosso Deus. E, se Deus não conhece limites, então
nossas orações tampouco deve conhecer. Deus existe além do espaço das quatro dimensões que ele
criou. Temos de orar desse mesmo modo!
Isso me lembra do homem que estava medindo Deus perguntando: “Deus, quanto é um milhão de
anos para o Senhor?” Deus respondeu: “Um milhão de anos é como um segundo.” Então o homem
perguntou: “E quanto é um milhão de dólares para o Senhor?” Deus respondeu: “Um milhão de
dólares é como um centavo.” O homem então sorriu e perguntou: “Deus, tem um centavo para me
dar?”, e Deus respondeu de volta: “Claro, espere um segundo.”
Com Deus, não há grande ou pequeno, fácil ou difícil, possível ou impossível. Isso é difícil de
compreender porque tudo o que conheceremos são as quatro dimensões nas quais nascemos, mas
Deus não está sujeito às leis naturais que ele mesmo instituiu. Ele não tem começo nem fim. Para o
infinito, todos os finitos são iguais. Mesmo nossas mais duras orações são fáceis para o Ser
Onipotente responder por que não há grau de dificuldade.
Se você é como eu, tem a tendência de usar palavras grandes para fazer pedidos grandes. Você
usará seu melhor vocabulário para suas maiores orações, como se a resposta de Deus dependesse de
uma combinação correta de palavras. Confie em mim, não faz diferença o tamanho ou o volume de
sua oração; tudo se reduz a resposta à pergunta.
Estará limitado o poder do Senhor?
Com Deus, nunca é uma questão de “ele consegue?”. É somente uma questão de “ele quer?”. E
ainda que você nem sempre saiba se ele irá querer, você sabe que ele conseguirá. E, já que você
sabe que ele consegue, você pode orar com confiança divina.

Verrugas

Eu respondi à pergunta quando tinha uns treze anos, ou, melhor dizendo, a pergunta foi
respondida para mim. Nossa família visitava uma nova igreja em um domingo, e um time de oração
daquela igreja apareceu sem ser anunciado na frente de nossa casa, na segunda-feira. A campainha
nos tomou meio de surpresa. Do mesmo jeito que a fé deles. Após se apresentarem, simplesmente
perguntaram se precisávamos de oração para alguma coisa. Naquele ponto da minha vida, eu
batalhava contra uma asma grave. Tinha sido hospitalizado umas doze vezes antes da adolescência.
Então pedimos a eles que orassem a Deus pela minha cura. O time de oração fez um círculo em torno
de mim e eles puseram suas mãos sobre minha cabeça. Isso me deixou um pouco desconfortável, mas
nunca tinha ouvido ninguém orar assim, com tanta intensidade. Eles oravam como se acreditassem.
Então partiram.
Em algum momento entre eu cair no sono naquela noite e acordar na manhã seguinte, Deus operou
um milagre, mas não foi o milagre que eu esperava. Ainda tinha asma na manhã seguinte, mas todas
as verrugas do meu pé tinham ido embora. Sem brincadeira. No começo, fiquei pensando que talvez
Deus tivesse entendido a oração errado. Ou talvez fosse uma espécie de pegadinha. Não conseguia
evitar me perguntar se a oração era como aquele jogo de telefone sem fio, em que uma mensagem é
passada de uma pessoa para outra até que finalmente chegue a Deus. Talvez em algum ponto entre
aqui e o céu, a asma foi traduzida por verruga. Ou talvez havia alguém com verrugas que estava
respirando maravilhosamente naquele dia porque recebeu a resposta às minhas orações enquanto eu
recebia a resposta à oração dele.
Foi aí que ouvi a vozinha do Espírito Santo pela primeira vez em minha vida. Por favor,
compreenda que sussurros do Espírito são raros e espaçados, mas aqueles sussurros ressoam para
sempre. O Espírito disse a meu espírito: Mark, eu só quero que você saiba que eu consigo.
Assim como no dia depois do dia em que Deus mandou a chuva em resposta à oração de Honi, é
difícil não acreditar no dia seguinte. Uma vez tendo passado pelo milagre, não há como voltar. É
difícil duvidar de Deus. Eu me pergunto se teria sido assim com Moisés, que foi capaz de circular a
impossível promessa de carne para comer. Deus já havia enviado o maná. Deus já havia partido o
mar Vermelho. Deus já havia operado dez miraculosos sinais e livrado Israel do cativeiro egípcio.
Como é que você pode não acreditar quando Deus já se provou tantas e tantas vezes?
Aqui cabe uma nota de pé de página.
Esta pergunta — estará limitado o poder do Senhor? — é traduzida de modo diferente em
diferentes versões da Bíblia. Uma das traduções diz: “Seria o braço de Deus curto demais?” Outra
tradução diz: “Seria a mão de Deus muito curta?”[29] Em todos os casos, a mão ou o braço do
Senhor são usados como metáfora para o poder de Deus.
Sabendo disso, reconsidere os dez milagres que Deus operou para livrar Israel do Egito. Esses
milagres não são atribuídos à mão ou ao braço de Deus.
Isto é o dedo de Deus.[30]
Ainda que não saibamos de qual dedo especificamente se tratava, aqueles dez milagres foram
atribuídos a um deles. Sabe qual é o meu palpite? O dedo mindinho! E, se um único dedo é capaz de
dez milagres, então o que pode conquistar a mão ou o braço de Deus?
Quando se trata de adivinhar os desígnios de Deus, eu de vez em quando acerto, de vez em quando
erro. E minha média de acertos na oração não é melhor que a de qualquer outra pessoa quando se
trata de saber para que lado Deus vai bater o pênalti. Sempre erro nos palpites, mas não duvido do
poder de Deus. Deus consegue. Nem sempre sei se ele assim quer, mas sei que ele sempre pode.

Quinze e meio bilhões de anos-luz

Ainda que o poder de Deus seja tecnicamente incomensurável, o profeta Isaías nos permite um
relance da onipotência e da onisciência de Deus ao compará-los ao tamanho do universo. A distância
entre sua sabedoria e a nossa, de seu poder e o nosso, é comparada à distância entre uma ponta e
outra do universo.

Assim como os céus são mais altos do que a terra, também os meus caminhos são mais altos do
que os seus caminhos e os meus pensamentos mais altos do que os seus pensamentos.[31]

O universo é tão grande que seria necessária uma fita métrica inconcebivelmente longa. A unidade
básica de medição é o ano-luz. A luz viaja a quase 300 mil quilômetros por segundo, o que é tão
rápido que, no tempo em que você leva para estalar os dedos, ela já deu a volta no planeta uma meia
dúzia de vezes.
Para colocar a velocidade da luz e o tamanho do universo em perspectiva, o sol está a cerca de
150 milhões de distância da Terra. Se você pudesse dirigir até o sol, viajando a 100 quilômetros por
hora, 24 horas por dia, 365 dias por ano, levaria mais de 170 anos para chegar lá. A luz que aquece
seu rosto em um dia ensolarado, no entanto, deixou a superfície do sol há apenas oito minutos. Desse
modo, ainda que 150 milhões de quilômetros pareçam uma longa distância em termos terrenos, é
nosso vizinho de porta na medida celestial. O sol é a estrela mais próxima em nossa pequenina
galáxia chamada Via Láctea. Há mais de 80 bilhões de galáxias no universo, o que significa, só para
constar, que há mais de dez galáxias por pessoa! Não acho que você tenha de se preocupar com ficar
sem espaço para alguma coisa quando chegar ao céu.
Em um minuto, a luz atravessa quase 18 milhões de quilômetros. Em um dia, a luz viaja 260
bilhões de quilômetros. Em um ano, a luz viaja imperscrutáveis 10 trilhões de quilômetros. Mas isso
é só um ano-luz. A borda do universo, de acordo com os astrofísicos, está a 15,5 bilhões de anos-luz
de distância. Se isso parece incompreensível, é porque é virtualmente inimaginável. Ainda assim,
Deus diz que essa é a distância entre seus pensamentos e os nossos. Então eis o que penso: seu
melhor pensamento, no seu melhor dia, será sempre 15,5 bilhões de anos-luz abaixo da grandeza de
Deus. Mesmo o mais brilhante entre nós subestima Deus por 15,5 bilhões de anos-luz. Deus é capaz
de fazer 15,5 bilhões de anos-luz além do que você pode pedir ou imaginar.
Por definição, um grande sonho é um sonho que é maior que você. Em outras palavras, está além
de sua habilidade humana alcançá-lo. E isso significa que haverá momentos em que você duvidará de
si mesmo. Isso é normal. Mas é aí que você precisa lembrar que seu sonho não é nunca maior que
Deus, que Deus é 15,5 bilhões de anos-luz maior que seu sonho.
Se você nunca teve um sonho do tamanho de Deus, que quase matou você de medo, então você
ainda não começou a viver de verdade. Se você nunca se sentiu avassalado pela impossibilidade de
seus planos, então seu Deus é pequeno demais. Se sua visão não é de deixá-lo perplexo, então você
precisa expandir o raio dos seus círculos de oração.

Qualificado versus convocado

Um grande sonho é simultaneamente a melhor e a pior sensação do mundo. É gratificante porque


está além de sua capacidade; é assustador pela mesma razão. Então, se você for sonhar grande, você
tem de administrar a tensão emocional. Encarar seus medos é o começo da batalha. Então você terá
de circulá-los mais e mais vezes.
Você já se sentiu como se seu sonho fosse grande demais para você?
Moisés se sentiu assim mais de uma vez. Quando Deus o chamou para liderar os israelitas para
fora do Egito, Moisés sentiu-se como se fosse grande demais. Sentiu que não estava qualificado para
a tarefa, então pediu a Deus que enviasse outro alguém para fazê-lo. Isso faz parte. Pela minha
experiência, você nunca se sente qualificado. Mas Deus não convoca os qualificados, Deus qualifica
os convocados.
Eu não estava qualificado para ser pastor na National Community Church. A única coisa que tinha
em meu currículo era um estágio de verão de nove semanas. Não tínhamos nada a ver com cafeterias.
Ninguém em nossa equipe tinha trabalhado com cafeterias quando começamos a perseguir esse
sonho. Mas não faz mal se você não está qualificado para o empréstimo, qualificado para o emprego
ou qualificado para o programa. Se Deus o convocou, você está qualificado.
A questão nunca é “você está qualificado?”. A questão sempre é “você foi convocado?”.
Faço essa distinção de “qualificado” e “convocado” entre aspirantes a escritor o tempo todo.
Muitos escritores se preocupam se seus livros serão publicados ou não. Essa não é a questão. A
questão é esta: você foi convocado a escrever? Essa é a única questão a que você tem de responder.
Você foi convocado a escrever? Se a resposta for sim, então você tem de escrever o livro como um
ato de obediência. Não faz mal se alguém vai ler o livro ou não.
Lembro-me do dia em que entrei na Union Station para me informar sobre alugar os cinemas para
nossos cultos de domingo. Senti-me intimidado pela oportunidade. Parecia-me boa demais. Parecia-
me grande demais. Éramos uma igreja de umas cinquenta pessoas, naquele momento, e a Union
Station era o destino mais visitado em Washington, DC. Como poderiam cinquenta pessoas prestar
culto em um lugar onde 25 milhões de pessoas passam a cada ano? Nós mal ocupávamos uma sala de
estar. Como poderíamos preencher o que já tinha sido, uma época, o maior ambiente sob um teto do
mundo? O sonho era grande demais para mim, mas nunca é grande demais para Deus. E o que parecia
grande, por fim tornou-se pequeno demais para conter o que Deus estava fazendo por nosso
intermédio.
Se você quer se manter evoluindo espiritualmente, você precisa se manter alongando. Como? Indo
atrás de sonhos que são maiores do que você. Quando a National Community Church era uma igreja
de umas cinquenta pessoas, demos um imenso salto na fé ao nos tornarmos anfitriões do Comboio da
Esperança que alimentou mais de 5 mil pessoas. Sabíamos que seriam necessários quatrocentos
voluntários. Sabíamos que dispúnhamos somente de cinquenta pessoas. Mas sentíamos que Deus nos
estava convocando para fazer aquilo.
Alguns anos atrás, fomos os anfitriões do Comboio da Esperança no estádio de futebol Robert F.
Kennedy. Dessa vez, alimentamos cerca de 10 mil convidados. Enquanto nos recuperávamos do
grande desgaste de tempo, energia e recursos, sentíamos que Deus nos desafiava: Por que vocês não
fazem isso todos os dias? Para ser honesto, estávamos bem satisfeitos com o que fazíamos uma vez
por ano, mas Deus aumentou as apostas. Agora nosso sonho é um Dream Center no sudeste do distrito
que sirva como uma máquina de amparar necessidades 24 horas por dia. Está além de nossa
capacidade, mas é por isso que acreditamos que Deus irá abençoá-la.

O complexo de Moisés

Bill Grove tinha um grande sonho. E também o que ele mesmo descrevia como um complexo de
Moisés. Seu grande sonho era ser o gerente-geral do TPC Scottsdale, o campo de golfe oficial. Mas
o sonho parecia muito grande para esse ex-jogador profissional. Assim como Moisés, Bill passou
dificuldades para acreditar que ele estava qualificado para gerenciar o que a revista Golfweek
descreveu como um dos “melhores campos de golfe do país”.
Bill duvidava de si mesmo, mas não duvidava de Deus. Ele circulou aquele sonho por mais de
uma década. O momento decisivo foi naquela noite de quarta-feira, após um culto de oração em sua
igreja, quando Bill, sua mulher Debbie e sua filha Kacey, de oito anos, foram de carro até o campo
TPC Scottsdale e pararam no estacionamento. Deram-se as mãos e circularam a casa como se ela
fosse Jericó. Sete vezes deram a volta nela. As pessoas que jantavam no restaurante da casa olharam
estranho para eles, mas Bill, Debbie e Kacey continuaram a circular. Eles oraram pelo favor de
Deus. Oraram pela glória de Deus. Oraram pelos desígnios de Deus.
A cada círculo, era como se Deus ficasse maior e maior. A cada círculo, a dúvida diminuía e a
confiança aumentava. A cada círculo, uma batalha de oração era vencida.
Não muito tempo depois de desenhar esse círculo, Bill conseguiu seu emprego dos sonhos como
gerente-geral do TPC Scottsdale, e Deus vem respondendo às orações de Bill pelos dezessete anos
em que ele disso se ocupou. A TPC Scottsdale, hoje sede do maior torneio PGA no país, tem sido
apontada como um dos cinquenta melhores destinos para o golfe no mundo pela revista Condé Nast
Traveler, uma das mais influentes revistas de viagem. E, ainda que você tivesse de descobrir isso
por conta própria, já que Bill é modesto demais para mencionar, Bill foi reconhecido por suas
conquistas na Seção Sudoeste da PGA com a maior das honras: Profissional de Golfe do Ano.
Bill é o primeiro a dar a Deus todas as glórias de suas conquistas profissionais e pessoais. Elas
não são um testamento a Bill Grove, são um testamento ao que Deus pode alcançar por meio de um
humilde servo que ousou ter sonhos grandes e fazer orações audaciosas.

Uma carta para Deus

Agora deixe-me remontar à origem desse círculo.


Algumas vezes, quando você ouve respostas a orações que outras pessoas vivenciaram, pode ser
desencorajador, em vez de encorajador, porque você se pergunta por que Deus respondeu às orações
deles, e não às suas. Porém, deixe-me lembrá-lo de que essas respostas nunca vieram tão rápida ou
tão facilmente quanto parecem. Geralmente há uma história por trás da história. Então somos rápidos
em celebrar uma resposta a uma oração, mas a resposta provavelmente não veio rapidamente. Nunca
encontrei uma pessoa que não enfrentasse grandes decepções no caminho de seu grande sonho.
Bill nunca teria conseguido seu emprego dos sonhos se não tivesse perdido seu emprego de onze
anos como diretor de um campo de golfe particular, em 1985. Foi um golpe devastador para seu ego,
ainda que ele tenha perdido o emprego por questões honestas. Quando Bill se recusou a entrar em um
acordo de negócios injusto, seu plano foi defenestrado, assim como seu emprego. Bill tinha tanto
medo e estava tão desesperado que se pôs de joelhos no chuveiro, certa noite, e chorou pedindo
misericórdia. Ele orou a única oração de que podia se lembrar: “Lancem sobre ele toda a sua
ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês.”[32] Bill disse: “Quando entrei naquele chuveiro,
sentia-me como se tivesse duzentos quilos nas costas e saí de lá como se tivesse a força para erguer
duzentos quilos.”
Algumas vezes o poder da oração é o poder de levarmos em frente. Nem sempre muda sua
situação, mas lhe dá a força para suportá-la. Quando você ora em frente, o peso é tirado de seus
ombros e colocado nos ombros daquele que carregou a cruz para o Calvário.
Após Bill ter se virado fazendo trabalhos eventuais como profissional do golfe por seis anos, ele e
Debbie jogaram as mãos para o céu e puseram-se de joelhos porque não estavam nem perto de
alcançar seus sonhos. Foi então que resolveram escrever uma carta para Deus. Colocaram a carta na
porta da geladeira e, a cada vez que passavam pela geladeira, louvavam a Deus, no estilo de Jericó,
porque ele iria prover.
Ao longo da década seguinte, um trabalho levou a outro até que Bill alcançou seu emprego dos
sonhos como gerente-geral da TPC Scottsdale. Não aconteceu da noite para o dia, mas aconteceu. A
cada vez que eles precisavam vender a casa antiga e começar um novo emprego, Bill e Debbie
escreviam uma carta para Deus e a colocavam na porta da geladeira. Era sua maneira única de
circular sua situação com oração. Eles nem sempre conseguiam o que queriam, nem quando queriam.
Algumas vezes parecia que Deus estava levando tempo demais, e algumas vezes ele estava. Mas
Deus nunca perde seus compromissos. Após uma década de atrasos e retornos divinos, Bill
conseguiu o emprego dos sonhos que havia circulado em oração por mais de uma década.
Seu sonho é grande demais para você?
É melhor que seja, porque isso o forçará a fazer círculos de oração em torno dele. Se você
continuar fazendo círculos em oração, Deus ficará cada vez maior, até que você veja sua oração
impossível como ela é de verdade: uma resposta fácil para um Deus Todo-poderoso.
PARTE 2

O segundo círculo
— ore com força

Então Jesus contou aos seus discípulos uma parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar
sempre e nunca desanimar. Ele disse: “Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus nem
se importava com os homens. E havia naquela cidade uma viúva que se dirigia continuamente a
ele, suplicando-lhe: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário.’” “Por algum tempo ele se
recusou. Mas finalmente disse a si mesmo: ‘Embora eu não tema a Deus e nem me importe com os
homens, esta viúva está me aborrecendo; vou fazer-lhe justiça para que ela não venha me
importunar.’”[33]

parábola da viúva insistente é uma das mais confusas imagens da oração nas Escrituras. Ela

A nos mostra como é que se ora com força: batendo na porta até que os nós de seus dedos
fiquem em carne viva, chorando até perder a voz, implorando até que suas lágrimas sequem.
Orando com força é orar em frente. E, se você orar em frente, Deus seguirá em frente. Mas sempre
será a vontade de Deus, o modo de Deus.
A frase com que se costuma descrever a persistência da viúva, “ela está me aborrecendo”, é uma
terminologia aproximada. Orar com força é ficar os sete rounds com Deus. Uma oração peso-pesado
com o Deus Todo-poderoso pode ser excruciante e exaustiva, mas é assim que as maiores vitórias na
oração são conquistadas. Orar com força é mais que três palavras, é sangue, suor e lágrimas. Orar
com força é bidimensional: orar como se dependesse de Deus e trabalhar como se dependesse só de
você. É como orar até Deus responder, não importa quanto tempo leve. É fazer o que quer que seja
para mostrar a Deus que você está levando a sério.
Tempos de desespero pedem medidas desesperadas, e não há um ato mais desesperado do que
orar com força. Há momentos em que você precisa jogar a precaução fora e fazer um círculo na
areia. Há momentos em que você tem de desafiar o protocolo, cair de joelhos e orar pelo impossível.
Há momentos em que você precisa recolher cada grama de sua fé e clamar para que a chuva caia dos
céus. Para a viúva insistente, esse era o momento.
Ainda que não saibamos qual era a injustiça que tinha sido cometida, sabemos que a viúva
persistente não aceitaria um não como resposta. É isso que fez dela uma fazedora de círculos. Talvez
seu filho tenha sido preso por falsas acusações, por um crime que não cometeu. Talvez o homem que
havia molestado sua filha ainda estava solto pelas ruas. O que quer que tenha sido, ela sabia que não
poderia desistir. O juiz sabia que ele iria circular sua casa até morrer se não obtivesse justiça. O juiz
sabia que não tinha modo de a viúva desistir.
Será que O Juiz sabe sobre você?
Quão desesperado você está por um milagre? Desesperado a ponto de orar a noite toda? Quantas
vezes você está disposto a circular a promessa? Até o dia de sua morte? Por quanto tempo você
baterá na porta da oportunidade? Até pôr abaixo a porta?
Se você não está desesperado, não tomará medidas desesperadas. E se você não orar como se
dependesse de Deus, os maiores milagres e as melhores promessas permanecerão fora do alcance da
sua oração. Mas se você aprender como orar com força, como a viúva persistente, Deus irá honrar
suas orações audaciosas porque suas orações audaciosas honram a Deus.
Assim como Honi, o fazedor de círculos, o método da viúva persistente era heterodoxo. Ela
poderia, e, tecnicamente, deveria, ter esperado a data de sua audiência com o juiz. Ir até a casa do
juiz foi como cruzar o nível profissional. Estou até surpreso porque o juiz não expediu um mandato
de restrição contra ela. Mas isso revela uma coisa sobre a natureza de Deus. Deus não poderia se
importar menos com o protocolo. Se assim o fizesse, Jesus teria escolhido os fariseus como seus
discípulos. Mas não foram eles que Jesus honrou. Jesus honrou a prostituta que invadiu a festa na
casa do fariseu para untar seus pés. Jesus honrou o coletor de impostos que subiu no telhado de
alguém para ajudar seu amigo. E, nessa parábola, Jesus honrou a mulher que perturbou o juiz porque
não parava de insistir.
O denominador comum de cada uma dessas histórias é o desespero divino. As pessoas tomaram
medidas desesperadas para chegar a Deus, e Deus as honrou por isso. Nada mudou. Deus ainda está
honrando os desesperados espirituais que invadem festas e sobem em árvores. Deus ainda está
honrando aqueles que desafiam o protocolo com suas orações ousadas. Deus ainda está honrando
aqueles com audácia e tenacidade. E a viúva persistente foi escolhida como o padrão ouro quando se
trata de orar com força. Sua persistência inquebrantável fez a única diferença entre justiça e injustiça.
A viabilidade de nossas orações não é contingente a embaralhar as 26 letras do alfabeto português
para achar uma combinação certa, como “abracadabra”. Deus já sabe qual vai ser o último sinal de
pontuação mesmo antes de você pronunciar a primeira sílaba. A viabilidade de nossas promessas
tem mais a ver com intensidade do que com vocabulário. Isso é modelado pelo próprio Espírito
Santo, que tem intercedido intensa e incessantemente por toda a sua vida.
O Salmo 32:7 é uma promessa que deve ser circulada. Gosto especialmente da tradução Almeida
Corrigida e Revisada Fiel: “Tu me cinges de alegres cantos de livramento.”
Muito antes de você ter acordado nesta manhã e muito tempo depois de ter ido dormir nesta noite,
o Espírito de Deus vem circulando-o com alegres cantos de livramento. Ele vem circulando-o desde
o dia em que você foi concebido, e irá circulá-lo até o dia em que morrer. Ele está orando com força
por você e com murmúrios inexprimíveis que não podem ser formulados em palavras,[34] e essas
intercessões que não se pode ouvir devem preenchê-lo com indizível confiança. Deus não está à sua
disposição no sentido passivo, Deus está por você no mais ativo dos sentidos imagináveis. O
Espírito Santo está orando forte por você. E sincronicidades sobrenaturais começam a acontecer
quando entramos para o time de Deus.
CAPÍTULO 8

Quociente de persistência

m provas padronizadas de matemática, as crianças japonesas geralmente tiram notas melhores

E que as norte-americanas. Ainda que algumas pessoas assumam ser a razão dessa diferença uma
natural inclinação para a matemática, os pesquisadores descobriram que pode ter mais a ver
com o esforço do que com a habilidade. Em um estudo envolvendo crianças do primeiro ano, foi
dado aos alunos um quebra-cabeça para ser resolvido. Os pesquisadores não estavam interessados
em detectar se as crianças conseguiriam ou não montar o quebra-cabeça, eles simplesmente queriam
ver quanto tempo eles levavam tentando, antes de desistir. As crianças norte-americanas levavam, em
média, 9,47 minutos.[35] As crianças japonesas tentavam, em média, 13,93 minutos.[36] Em outras
palavras, as crianças japonesas tentavam por cerca de 40% a mais. Alguém ainda se espanta por eles
conseguirem notas melhores nos exames de matemática? Os pesquisadores concluíram que a
diferença nas notas em matemática talvez tenha menos a ver com o quociente de inteligência e mais a
ver com o quociente de persistência. Os alunos do primeiro ano no Japão simplesmente tentam mais.
Esse estudo não só explica a diferença em notas padronizadas de matemática; as implicações são
verdadeiras não importa em que você as aplica. Não faz diferença se nos esportes ou na academia, na
música ou na matemática. Não há atalhos. Não há substitutos. O sucesso é um derivado da
persistência.
Há mais de uma década, Anders Ericsson e seus colegas na elitista Academia Berlinense de
Música fizeram um estudo com seus músicos. Com a ajuda dos professores, dividiram os violonistas
em três grupos: solistas de nível internacional, e aqueles que provavelmente nunca chegariam a tocar
profissionalmente. Todos haviam começado a tocar por volta da mesma idade, e praticaram mais ou
menos o mesmo volume de tempo até a idade de oito anos. Foi aí que seus hábitos de prática
começaram a divergir. Os pesquisadores descobriram que, ao chegar na idade de vinte anos, os
violinistas medianos haviam registrado em média 4 mil horas de prática; os grandes violinistas
haviam totalizado 8 mil horas; os tocadores de elite haviam chegado a 10 mil horas. Ainda que não
se possa negar que a habilidade inata possa determinar seu potencial, seu potencial só é canalizado
por meio do esforço persistente. A persistência é a bala mágica, e o número mágico parece ser 10
mil.
O neurologista Daniel Levitin observou:

A imagem emergente de tais estudos é que dez mil horas é a prática exigida para se alcançar o
nível de maestria associado aos especialistas de nível mundial — em quaisquer campos. Em todos
os estudos, de compositores, jogadores de basquete, escritores de ficção, patinadores, pianistas
clássicos, jogadores de xadrez, mestres do crime e o que você quiser, esse número vem sempre à
tona… Ninguém ainda encontrou um caso em que a expertise de nível mundial fosse alcançada em
menos tempo. Parece que o cérebro precisa desse tempo todo para assimilar todo o necessário
para conquistar a verdadeira maestria.[37]

Com a oração seria diferente?


É um hábito a ser cultivado. É uma disciplina a ser desenvolvida. É uma habilidade a ser
praticada. E ainda que não queira reduzir o tempo de oração a um registro no relógio de ponto, se
você quer alcançar a maestria, talvez leve 10 horas. Certamente, isto eu posso dizer: quanto maior o
sonho, mais forte terá de ser sua oração.

Uma pequena nuvem

Há muitos séculos antes da seca que ameaçava destruir a geração de Honi, houve outra seca em
Israel. Por três longos anos, ninguém pôde pular em poças em Israel. Então o Senhor prometeu a
Elias que enviaria chuva, porém, conforme todas as promessas, Elias ainda tinha de circulá-la com
oração persistente. Então Elias escalou o topo do monte Carmelo, pôs-se de rosto no chão, e orou
por chuva. Por seis vezes mandou que seu servo olhasse em direção ao oceano, mas não havia sinal
de chuva. E é aí que a maioria de nós entrega os pontos. Paramos de orar porque não conseguimos
ver nenhuma diferença tangível com nossos olhos naturais. Permitimos que as circunstâncias se
interponham entre Deus e nós, no lugar de colocar Deus entre nós e nossas circunstâncias.
Assim como Honi, que disse “não vou me mover daqui”, Elias anteviu-se ao solo sagrado.
Permaneceu na promessa que Deus lhe tinha dado. Acho que Elias teria de orar por 10 mil vezes, se
fosse necessário, porém, entre a sexta e a sétima oração, houve uma sutil mudança na pressão
atmosférica. Depois do sétimo círculo, o servo míope de Elias estirou seus olhos e viu uma pequena
nuvem do tamanho da mão de um homem erguendo-se do mar.
Não posso evitar fazer a pergunta contrafatual: e se Elias tivesse desistido de orar depois daquela
sexta oração? A resposta óbvia seria que ele teria perdido a promessa de Deus e perdido o milagre.
Mas Elias continuou orando, e Deus veio. O céu enegreceu, fortes ventos sopraram pela terra
ressecada, gotas de chuva caíram pela primeira vez em três anos. E não era uma leve garoa, era uma
tempestade terrível.[38]
É fácil desistir de nossos sonhos, desistir dos milagres, desistir das promessas. Perdemos nossa
esperança, perdemos nossa fé. E, assim como um pequeno vazamento, muitas vezes acontece conosco
sem mesmo sabermos até que nossa vida de oração para e se esvazia.
Há pouco tempo dei-me conta de que havia deixado de circular um dos sete milagres que havia
escrito em minha pedra de orações durante o jejum de dez dias de Pentecostes que havia feito há
alguns anos. Uma vez acreditei que Deus iria curar minha asma, mas fiquei cansado de pedir. Senti
como se Deus me tivesse colocado em espera, então simplesmente desisti. Então uma conversa com
um amigo reativou minha fé, e recomecei a fazer círculos em torno desse milagre.
Há algum sonho que Deus queira que seja reavivado? Há alguma promessa pela qual você precise
clamar? Há algum milagre no qual você precise voltar a acreditar?
A razão pela qual muitos de nós desistem cedo demais é que nos sentimos fracassados quando
Deus não responde a nossa oração. Isso não é fracasso. A única maneira de você fracassar é
desistindo de orar.
A oração é uma proposta da qual não se pode voltar atrás.

Uma vida não escandalizada

John e Heidi experimentaram fantásticas respostas para suas orações. Eles fazem parte de um
círculo de oração que ora por mim quando estou escrevendo meus livros. Também fazem parte do
círculo que orou pelo milagre de 2 milhões de dólares. Deus deu a eles respostas incríveis para suas
orações por outras pessoas, mas muitas das orações que fizeram em nome dos próprios desafios
seguiram sem resposta. Um salto de fé em direção ao mundo do cinema resultou na perda das
economias de sua vida porque o suporte financeiro não se materializou como fora prometido. Sua
família teve de sair de casa por conta de um incêndio. Perderam seus pais e suas mães, que faleceram
no período de quatro anos. E uma rara condição genética representou um fardo físico, emocional e
financeiro. Algumas vezes parecia que Deus respondia a todas as orações que eles faziam, exceto
àquelas que oravam para si.
Houve momentos em que eles simplesmente sentiram vontade de jogar a toalha da oração, mas
uma promessa os sustentou ao longo do período mais difícil: “Feliz é aquele que não se escandalizar
por minha causa.”[39]
Deixe-me contextualizar a promessa.
Jesus está fazendo promessas a torto e a direito. Está curando doenças, livrando demônios e
restaurando a visão aos cegos, mas João Batista perde o bonde do milagre. Parece que Jesus está
curando todo mundo exceto seu mais fervoroso seguidor, que está na prisão. E João é nada menos
que seu primo. Era de se esperar que Jesus poderia, ou deveria, ter organizado uma operação de
resgate e o livrado antes de ser decapitado. Jesus envia uma mensagem por meio dos discípulos de
João. Diz-lhes para contar a João sobre todos os milagres que ele vinha operando e, então, pede a
eles que entreguem a promessa: “E feliz é aquele que não se escandaliza por minha causa.”
Você já sentiu alguma vez como se Deus estivesse operando milagres para todo mundo e para os
parentes deles, mas que você sempre era deixado para trás? Não pareceu como se Deus estivesse
deixando você do lado de fora das promessas? Não pareceu que Deus estava atendendo as orações
de todo mundo menos a sua?
Eu me pergunto se não seria desse jeito que João Batista estaria se sentindo.
O que você faz quando sente que Deus está respondendo às orações de todo mundo, menos às
suas?
Nas palavras de meus amigos que passaram por sua cota de orações não respondidas: “Tentamos
viver nossa vida sem ficarmos escandalizados por Deus. As promessas de Jesus são de que seremos
abençoados se não nos escandalizarmos. Obviamente, não estamos na prisão, prestes a sermos
decapitados, mas temos visto muitas respostas a nossas orações para outras pessoas, quando fizemos
nossas orações, para nossas finanças, nossa saúde ou nossos filhos. Ainda assim, em nossa vida,
bem…”
É nesse ponto em que a maioria de nós vive a maior parte do tempo — nos três pontinhos
conhecidos como reticências. As reticências denotam uma pausa no discurso ou um pensamento não
concluído. Quando estamos esperando que Deus responda a uma oração, é o período das reticências.
Você pode desistir ou persistir. Pode entregar os pontos ou pode orar em frente. Pode ficar
frustrado com Deus ou escolher viver não escandalizado.
O que sustentou John e Heidi durante as reticências de sua vida foi um renovado encontro com o
amor de Cristo. O longo sofrimento do Salvador na cruz os inspirou, nos inspirou, para seguir em
frente e orar em frente. E não somente vivemos à sombra da cruz: vivemos sob a luz da ressurreição,
mesmo em nossos dias mais escuros. Então meus amigos escolheram seguir sem serem
escandalizados. “Viver sem ser escandalizado não é como uma experiência zen. É viver uma vida
entregue à soberania de Deus, a seu mistério, seu amor. Jesus promete bênçãos se não estivermos
escandalizados quando ele fizer coisas pelos outros. E, se ele faz para os outros, pode ser que faça
por nós. Não sei por que Deus faz o que faz. Sei que 100% das orações que eu não fizer não terão
resposta.” Eu amo essa abordagem à oração, essa abordagem à vida. É o mantra dos fazedores de
círculos: 100% das orações que não fizermos não serão respondidas.

A gramática de Deus

É difícil manter a esperança durante um longo período de reticências, mas sempre que sou tentado
a desistir, lembro-me do sermão de um velho pregador, intitulado “A gramática de Deus”. Já esqueci
a maioria dos sermões que ouvi, e isso é um pouco deprimente para um pastor, mas esta declaração é
inesquecível: “Nunca coloque um vírgula onde Deus pôs um ponto, e nunca ponha um ponto onde
Deus pôs uma vírgula.”
Algumas vezes o que percebemos como um ponto é, na verdade, uma vírgula. Pensamos que o
silêncio de Deus é o fim de uma frase, mas é só uma pausa providencial. Orar em frente é a
conjunção que permite que Deus não termine a frase, mas faça uma declaração.

“Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. Mas sei que, mesmo agora, Deus te
dará tudo o que pedires.”[40]

Você prestou atenção na conjunção? Essa é uma das mais incríveis declarações de fé das
Escrituras, por conta da pequena conjunção “mas”, bem no meio da frase. Não parecia que o
parágrafo iria terminar após Marta dizer: “Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.”
Por quê? Porque seu irmão, Lázaro, já estava morto há quatro dias! Mas Marta não colocou um ponto
final aqui. Ela colocou uma vírgula. Mesmo tendo seu irmão morrido e sido enterrado, ela ainda se
agarrava à esperança.
A expressão “mesmo agora” está sublinhada e circulada em minha Bíblia. Mesmo quando parece
que Deus está quatro dias atrasado, é cedo demais para desistir. Mesmo quando parece que seu
sonho está morto e enterrado, é cedo demais para colocar um ponto final aqui. Afinal de contas,
“você nunca poderá saber”.
Há dois graus de fé nas declarações que Marta faz. O primeiro é uma fé de primeiro grau:
“Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.” A fé de primeiro grau é a fé preventiva.
Assim como a oração de Marta, que acreditava que Jesus poderia ter evitado que seu irmão
morresse, a fé de primeiro grau toma medidas preventivas. Pedimos para Deus evitar que as coisas
ruins aconteçam. Então oramos para termos segurança na viagem, ou oramos por uma rede de
proteção em torno de nossos filhos. E não há nada de errado com isso, porém há outra dimensão de fé
que acredita que Deus pode desfazer o que já foi feito. A fé de segundo grau é a fé de ressurreição. É
a fé que acredita que Deus pode reverter o irreversível. É a fé que acredita que nada acaba antes que
Deus diga que acabou. E encontra uma imagem perfeita na declaração “mesmo agora” de Marta:
“Mas sei que, mesmo agora, Deus te dará tudo o que pedires.”
Você já se sentiu como se Deus estivesse um dia atrasado, ou faltando um real?
Foi assim que Bill se sentiu quando se candidatou ao mesmo emprego, por doze anos seguidos!
Seu emprego dos sonhos era trabalhar para o Departamento de Estado, mas esse sonho foi-lhe
negado. Ele poderia ter colocado um ponto final depois da segunda ou terceira ou sétima recusa, e
alguns de seus amigos e familiares achavam que ele deveria tê-lo feito. Porém, quando um sonho vem
de Deus, ele tem mais que sete vidas. Foi a fé de segundo grau de Bill que permitiu que ele orasse em
meio às contrariedades. Ele nunca pôs um ponto final onde Deus pôs uma vírgula. Finalmente, após
sua décima segunda viagem a Jericó, Bill passou à frente de 1.200 outros candidatos para o emprego.
Então como é que você passa de uma fé de primeiro grau para uma fé de segundo grau? Bem, não
há uma resposta fácil. São os momentos difíceis que nos ensinam a orar com força. Mesmo quando a
candidatura é negada ou a adoção fracassa ou o negócio vai para o vinagre, você coloca uma vírgula.
Mesmo quando você acredita, mesmo agora. E, durante esses períodos de reticências, seu quociente
de persistência aumentará exponencialmente.

Hiperlink

Mesmo depois de três anos de seca, mesmo depois de uma luta ingrata com a depressão, Elias
acreditou que Deus poderia mandar a chuva, mesmo agora.
Não posso evitar me perguntar se Honi, o fazedor de círculos, estava inspirado pela história de
Elias orando pela chuva por sete vezes. Pergunto-me se o mandachuva original de Israel teria sido o
herói da infância de Honi. E me pergunto se a persistência de Honi na oração estava ligada a esse
milagre. Se Deus fez isso por Elias, ele pode fazer por mim. Na mesma tecla, não posso deixar de
me perguntar se a persistência de Elias na oração estava ligada ao milagre da chuva de codornas. Se
Deus pode mandar uma tempestade de codornas, ele certamente pode mandar uma tempestade de
água.
Uma coisa é certa: nossas mais poderosas orações estão ligadas às promessas de Deus. Quando
você sabe que está orando as promessas de Deus, você pode orar com confiança divina. É a
diferença entre orar sobre o gelo fino e orar sobre o chão firme. É a diferença entre orar com
hesitação e orar com tenacidade. Você não tem de ficar na dúvida quando você sabe que Deus quer
que você dê um duplo-clique em suas promessas.
Um dos desafios que John e Heidi tiveram de enfrentar enquanto tentavam viver sem se
escandalizar com Deus envolvia seu filho. Ele era um menininho que se desenvolvia normalmente até
o dia em que, súbita e misteriosamente, perdeu toda a comunicação. Eles se perguntaram se o menino
voltaria um dia a falar. O medo de uma variedade de diagnósticos, incluindo autismo funcional, os
fez cair de joelhos.
Durante esses dias de desespero, foram visitar seu pastor para obter conselho e encorajamento.
Enquanto orava por eles, o pastor recebeu uma promessa de Deus. Ele anotou Isaías 59:21 em um
papel e passou para eles.

“Quanto a mim, esta é a minha aliança com eles”, diz o Senhor. “O meu Espírito que está em você
e as minhas palavras que pus em sua boca não se afastarão dela, nem da boca dos seus filhos e
dos descendentes deles, desde agora e para sempre”, diz o Senhor.

O pastor fechou sua Bíblia e disse: “Acho que isso resolve a questão. Seu filho irá falar.”
Pelos dez últimos anos, suas orações têm se ligado a essa promessa. Naquele momento, John e
Heidi disseram: “Uma parede desabou no chão” e “uma promessa chegou apressadamente”. Foi o
mais natural dos momentos sobrenaturais em sua vida. Tem sido uma viagem tranquila desde então?
Não. Eles passaram por decepções? Sim. Mas essa promessa está circulada na Bíblia. “Deus nos deu
a promessa, e, não importa quantas vezes teremos de circulá-la, o acordo está fechado.”
Você já ouviu o adágio “Deus disse, eu acredito, e o acordo foi fechado”?
Foi fechado quando Jesus disse: “Está consumado.” Não foi apenas a última prestação de nossa
dívida de pecado, foi o sinal pago por todas as suas promessas, “pois quantas forem as promessas
feitas por Deus, tantas têm em Cristo o ‘sim’”.[41]
Lembra a promessa em Josué 1:3 que circulei quando fiz minha caminhada de oração em torno da
Capitol Hill? Deus prometera a Josué que ele iria dar-lhe todos os lugares onde ele pusesse os pés,
mas que havia um pequeno adendo ao fim da promessa: “como eu prometi a Moisés!” A promessa
fora dada originalmente a Moisés. Então foi transferida a Josué. De modo bem parecido, todas as
promessas de Deus foram transferidas para nós via Jesus Cristo. Ainda que essas promessas tenham
de ser interpretadas inteligentemente e aplicadas com precisão, há momentos em que o espírito de
Deus irá acelerar seu espírito para receber uma promessa que foi originalmente dirigida a outra
pessoa. Assim, ainda que tenhamos de ser cautelosos para não clamar às cegas as promessas que não
nos pertencem, nosso maior desafio é que não circulamos as promessas que poderíamos ou
deveríamos circular.
Pelas estimativas mais conservadoras, há mais de 3 mil promessas nas Escrituras. Pela virtude do
que Jesus Cristo conquistou na cruz, todas elas pertencem a você. Cada uma delas tem seu nome
escrito. A pergunta é: quantas delas você já circulou?

A ilha da árvore

Por esse princípio de ligar nossas orações às promessas de Deus ser tão importante, deixe-me
pintar outro quadro. As promessas de Deus são o terreno elevado, a terra santa, sobre a qual nos
erguemos. Circular essas promessas é o modo de assumirmos nossas posições.
Tenho um amigo que tem uma casa de madeira no lago Anna, no estado da Virgínia, e ele tem sido
gentil o suficiente para nos deixar passar as férias lá algumas vezes. Durante nossa primeira estada,
Summer e eu estávamos a seis meses da corrida aquática “Fuga de Alcatraz”, em São Francisco;
então colocamos nossas roupas de banho e fizemos um treinamento de natação. Havia uma árvore no
meio do lago que nos chamou a atenção. Eu nunca havia visto algo parecido, então decidimos nadar
até lá. Aquela era literalmente uma árvore solitária que crescia em uma ilha de menos de dois metros
de diâmetro no meio do lago. Não fazia ideia de como tinha chegado lá, mas você pode até vê-la no
Google Maps.
Enquanto nadávamos, Lora puxava Josiah em uma banheira inflável, ligada ao barco. À medida
que nos aproximávamos da ilha da árvore, disse a ela para pular para fora da banheira e nadar
comigo, mas Josiah estava com medo, porque estávamos no meio do lago. Como a maioria dos
meninos de oito anos, Josiah se sentia muito mais confortável na parte rasa da piscina, onde
conseguia enxergar o fundo. O que ele não sabia era que o lago tinha ficado raso à medida que nos
aproximávamos da ilha da árvore. Já dava pé para mim, enquanto a maioria de nós achava que ainda
estava fundo, porque estávamos no meio do lago. Então, fazendo um gesto dramático, pus-me de pé
no meio do lago, e ficou parecendo que estava andando sobre a água!
Quando Josiah se deu conta de que não era tão fundo quanto havia pensado, ele saltou da banheira
inflável e nadou até a ilha. Então ele ficou em pé na água! Esse momento é mais que uma lembrança
familiar divertida, é a imagem que vem à minha mente sempre que penso em manter as promessas de
Deus de pé.
As promessas de Deus são como aquela árvore no meio do lago. Há diferenças entre afundar e
nadar, porque há um lugar para ficar de pé. Quando John e Heidi sentiram como se fossem afundar,
Isaías 59:21 foi para eles uma árvore da ilha. Deu-lhes um lugar para ficar de pé, um lugar para
descansar. E quando Deus mantém sua promessa, você não vai ficar só em pé na água, você irá
valsar na Terra Prometida por entre as águas que Deus partiu.

Comece a fazer círculos

O que estou a ponto de compartilhar tem o poder de revolucionar o modo como você ora e o modo
como você lê a Bíblia. Muitas vezes vemos a oração e a leitura das Escrituras como duas disciplinas
espirituais distintas, sem muita superposição, mas e se elas fossem feitas para serem ligadas umas às
outras? E se a leitura fosse um modo de orar e a oração fosse uma maneira de se ler?
Uma das principais razões de não orarmos em frente é porque se esgotam as coisas que temos a
dizer. Nossa falta de persistência é, na verdade, a falta de assunto. Como em uma conversa
constrangedora, não sabemos o que dizer. Ou como uma última frase, ficamos sem coisas a dizer. É
aí que nossas orações viram um bando de clichês esfarrapados de tanto mau uso. Então, no lugar de
orar forte por um grande sonho, ficamos restritos ao papo furado. Nossas orações são tão
desprovidas de propósito como um bate-papo sobre o clima.
A solução? Ore com a Bíblia.
A oração não era para ser um monólogo. Era para ser um diálogo. Pense nas Escrituras como o
papel de Deus no roteiro; a oração é nosso papel. As Escrituras são o modo de Deus começar uma
conversa; as orações são nossa resposta. A mudança de paradigma, ou do modo como vemos as
coisas acontece quando você se dá conta de que a Bíblia não era para ser lida em frente, a Bíblia
era para ser orada em frente. E, se você orar com ela, você nunca vai ficar sem ter o que dizer.
A Bíblia é um livro de promessas e um livro de orações. E, ainda que a leitura seja reativa, a
oração é proativa. Ler é o modo pelo qual você realmente passa pela Bíblia; orar é o jeito pelo qual
a Bíblia passa por você. Quando você ora, o Espírito Santo irá acelerar certas promessas para seu
espírito. É muito difícil prever o que e quando e como, mas, ao longo do tempo, as promessas de
Deus virarão suas promessas. Então você tem de circular essas promessas, tanto figurativamente
quanto literalmente. Nunca leio sem ter à mão uma caneta para que possa sublinhar, anotar e circular.
Eu literalmente circulo minhas promessas na Bíblia. Então eu o faço figurativamente ao circulá-las
em oração.
Uma das minhas posses mais preciosas é a Bíblia de meu avô. Algumas vezes faço devoções com
essa Bíblia porque quero ver os versos que ele sublinhou. Amo ler as notas marginais. E amo ver que
promessas ele circulou. A coisa de que gosto mais sobre sua Bíblia é que ela teve de ser literalmente
colada de novo porque estava se despedaçando. Não era apenas bem lida. Era bem orada.
CAPÍTULO 9

O favor daquele que habita na sarça ardente

a primeira vez que vi o antro de crack fiquei surpreso em saber que aquele horror existia a

N menos de cinco quarteirões do Capitólio. Blocos de cimento fechavam as cavidades onde


costumava haver portas e janelas. As paredes de tijolos estavam pintadas em um horrendo
tom de verde, que deve ter sido moda em algum breve momento há muitas décadas. E os grafites nas
paredes pareciam o toque final apropriado para essa incômoda propriedade.
Já tinha andado por lá centenas de vezes. De fato, andei bem em frente à esquina da rua 2 com a
rua F NE quando orei um círculo em torno da Capitol Hill há quinze anos. Mas quando eu caminhava
nessa ocasião em especial, era como se um sonho fosse concebido em meu espírito por obra do
Espírito Santo: Este antro de crack daria uma excelente cafeteria.
Parecia ser uma ideia louca, e por muitos motivos. Primeiramente, ninguém em nossa equipe
jamais tinha trabalhado com cafeterias. Além disso, igrejas construíam igrejas, não cafeterias. Não
tínhamos nada a ver com o negócio das cafeterias, mas quanto mais pensava nisso, mais fazia sentido,
de um modo contraintuitivo. Afinal de contas, Jesus não ficava só zanzando pela sinagoga. Ele
perambulava entre os poços, e poços eram o lugar de encontro típico nas culturas antigas. Certo dia,
dei-me conta de que as cafeterias são os poços pós-modernos. A única diferença é que hoje tiramos
uma dose de espresso, no lugar de tirarmos água de um poço.
Assim nascia o sonho de criar um poço pós-moderno onde nossa igreja e nossa comunidade
pudessem se cruzar, e o sonho foi preenchido milhares de vezes a cada dia com cada cliente que
entra por nossas portas. A Cafeteria Ebenézer foi eleita a melhor cafeteria da região metropolitana de
Washington.[42] O espaço serve também como um de nossos sete campi da igreja. E, para completar,
cada centavo de nosso lucro de seis dígitos vai para projetos comunitários locais e para nossos
esforços humanitários em outros países. É mais que um milagre, é um milagre ao quadrado.
Agora, deixe-me voltar atrás e contar a história do começo.

De olho em um antro de crack

Uma das razões pelas quais a cafeteria parecia uma ideia louca era que a National Community
Church estava apenas dando seus primeiros passos quando o sonho foi concebido. Nós mal tínhamos
pessoas e dinheiro, mas essa é uma grande chance para se orar. E oramos arduamente por quase oito
anos. Colocamos nossas mãos sobre a parede e oramos. Ajoelhamo-nos no terreno e oramos.
Jejuamos e oramos. E perdi a conta de quantos círculos fizemos em torno daquele velho antro de
crack.
Inspirado pela história do milagre de Jericó, eu costumava orar em volta daquela propriedade,
sete vezes de cada vez. Era geralmente depois da quarta ou quinta volta que os seguranças do prédio
da Justiça Federal, do outro lado da rua, ficavam olhando estranho para mim. Este cara está de olho
em um antro de crack? Muitos desses guardas hoje são clientes habituais de nossa cafeteria. E, ainda
que eu não mais circule a propriedade em oração, meu lugar de oração preferido é o telhado da
Cafeteria Ebenézer. Eu subo as escadas, abro a porta e oro no telhado — então continuo recebendo
olhares estranhos dos seguranças do prédio em frente. Já nos avisaram algumas vezes que havia
alguém andando para lá e para cá no telhado.
Você tem um lugar favorito para orar? Um lugar onde acha que consegue um bom sinal? Um lugar
onde sua mente está mais concentrada? Um lugar onde tem mais fé?
Eu amo orar em cima do telhado da cafeteria porque sinto como se estivesse orando em cima de
um milagre. É difícil não orar com fé quando se está orando em cima de um lugar onde Deus já fez
um milagre.
Pergunto-me se é assim que Elias se sentiu quando orava por chuva no topo do monte Carmelo.
Deus já havia respondido a uma oração impossível no mesmo lugar. Elias havia desafiado os 450
profetas para um duelo de orações no monte Carmelo, quando cada lado pedia que Deus consumisse
seu sacrifício com fogo. Elias ganhou esse campeonato de maneira dramática quando Deus grelhou
seu sacrifício.[43] O Deus que envia fogo pode muito bem enviar chuva, não é? A resposta de Deus a
Elias deu-lhe a fé de que precisava para orar com força. E esse é um dos subprodutos das orações
respondidas. Ela nos dá a fé para acreditar em Deus em maiores e melhores milagres. A cada oração
respondida, fazemos círculos maiores de oração. A cada ato de fé, nossa fé aumenta. A cada
promessa mantida, nosso quociente de persistência cresce.
Olhando para trás, estou feliz que a cafeteria tenha levado oito anos de trabalho duro em oração
porque isso esticou nossa fé no processo. Quando você tem de orar por tanto tempo assim, você nem
sequer é tentado a achar que as coisas vêm de graça. Isso pode soar como se contrariasse o bom-
senso, mas se não fosse necessário um milagre, não seria um milagre.

Contrato vinculante

Originalmente, os dois advogados a quem pertenciam o terreno da rua F NE, 201, queriam 1
milhão de dólares pelo antro de crack por causa de sua localização excepcional. Está apenas a um
quarteirão da Union Station e em diagonal a um dos maiores prédios de escritórios de Washington,
onde estão as Comissões de Câmbio e Derivados. A esquina da rua 2 com a rua F NE também forma
o canto noroeste do distrito histórico da Capital Hill.
Não tínhamos nada parecido com 1 milhão de dólares, então oramos, e quanto mais forte
orávamos, mais o preço caía. Por fim, adquirimos o terreno por 325 mil dólares, mas isso não foi
menos o milagre do que o fato de quatro pessoas terem oferecido mais dinheiro pela propriedade do
que nós. E dois deles eram empresas de construção!
Então, como foi que conseguimos?
Minha única explicação foi que circulamos Mateus 18:18. Nossas orações estavam ligadas àquela
promessa, e nós demos um duplo-clique ao orarmos com força.
Tudo o que vocês ligarem na terra terá sido ligado no céu.[44]
A palavra ligar, ou vincular, quer dizer “associar, relacionar”. Isso é precisamente o que acontece
quando você ora. Quando você ora por alguma coisa no campo terreno, Deus faz uma associação
para isso no campo divino, se você está orando de acordo com a vontade de Deus. Assim, ainda que
7 de fevereiro de 2002 tenha sido a data em que assinamos o contrato físico, o contrato espiritual foi
“assinado” muitos anos antes. A data da primeira assinatura foi a data da primeira vez em que
fizemos um círculo em torno dela.
É interessante notar que as mentes mais arejadas prevaleceram, e que Honi foi honrado em sua
oração que salvou uma geração; o sinédrio lhe enviou uma missiva citando Jó 22:28: “O que você
decidir se fará, e a luz brilhará em seus caminhos.” Eles reconheceram o poder vinculante da oração
de Honi: “Você decretou abaixo [na terra] e o Ser Único […] cumpriu sua palavra acima [nos
céus].”[45] Essa linguagem é bem parecida com a promessa que Jesus fez em Mateus 18:18. Há uma
forte probabilidade de que Jesus estivesse familiarizado com a lenda do fazedor de círculos por
conta da proximidade histórica. Quem sabe ele estivesse pensando em Honi quando fez sua
promessa?

Vigiando e aguardando

A Bíblia nos diz que o Senhor está vigiando para que sua palavra se cumpra.[46]
Não há nada que Deus ame mais que manter suas promessas. Ele está na ativa, vigiando e
esperando por nós para simplesmente aceitá-lo e a sua palavra.[47] Ele está vigiando em Mateus
18:18. Ele está vigiando em Isaías 59:21. Ele está vigiando em Lucas 7:23. Ele está vigiando todas
as promessas, e, se isso não o preencher de santa confiança, nada irá fazê-lo.
Orar com força é permanecer nas promessas de Deus. E, quando permanecemos sobre suas
promessas, Deus mantém sua palavra. Sua palavra é seu vínculo.
Algumas vezes oramos como se Deus não quisesse manter suas promessas. Você não faz ideia do
quanto Deus quer manter suas promessas! Foi por isso que ele fez as promessas, para começo de
conversa. Algumas vezes oramos como se nossas orações audaciosas que circulam as promessas de
Deus pudessem ofender o Deus que as fez. Fala sério! Deus está ofendido por qualquer coisa abaixo
disso! Não há nada que Deus queira mais do que provar seu poder ao manter suas promessas. Mas
duvidamos de Deus porque duvidamos de nós mesmos. Não pedimos para Deus estender sua mão
porque não sabemos o que há em seu coração.
O Salmo 84:11 captura o coração de nosso Pai celestial:
Não recusa nenhum bem aos que vivem com integridade.[48]
Deus não está recusando nada. Não é de sua natureza recusar qualquer bem a nós. Ele certamente
não irá abençoar a desobediência, mas ele certamente abençoará a obediência. Se você tomar a
palavra de Deus, você fará a rejubilante descoberta de que Deus quer abençoá-lo bem mais do que
você quer ser abençoado. E sua capacidade de dar é bem maior que sua capacidade de receber.
Acho que puxei a dádiva de doar da minha mãe. Também puxei dela um pouco de idiossincrasia.
Geralmente, as crianças pedem a seus pais para abrirem os presentes antes das datas designadas, seja
o aniversário ou o Natal. Mas não na minha família. Minha mãe costumava me implorar para que eu
abrisse meus presentes antes da data designada porque ela mal conseguia esperar para dá-los. E
agora faço com meus filhos o que ela fazia comigo. Os pais que pedem a seus filhos que abram seus
presentes mais cedo podem parecer um pouco afobados e irresponsáveis, mas assim é o coração de
nosso Pai celestial. Ele mal pode esperar para manter suas promessas. Ele mal pode esperar para
cumprir sua palavra. Ele mal pode esperar para responder às nossas orações. E quando simplesmente
aceitamos a ele e a sua palavra, ele mal pode conter sua alegria.
Minha frase favorita no vigésimo terceiro Salmo é esta: “Sei que a bondade e a fidelidade me
acompanharão todos os dias da minha vida.”[49] A palavra acompanharão não é uma tradução forte
o suficiente. É um termo de caça em hebraico, como se Deus o estivesse caçando — mas não para
feri-lo. Deus o está caçando para abençoá-lo. Ele quer mostrar a você sua bondade e sua
misericórdia, mas muitas vezes fugimos dela. Por quê? Porque duvidamos de suas intenções. Não
conseguimos acreditar que Deus é por nós. É por isso que Deus nos faz recordar tantas vezes, e de
tantas maneiras diferentes, e com tantas palavras diferentes.

Circulando nossos filhos

Se você me perguntasse pelo o que oro mais do que qualquer outra coisa, a resposta seria: o favor
de Deus. Ainda que seja difícil descrever ou definir, eu acho que o favor de Deus é aquilo que Deus
faz por você que você mesmo não poderia fazer. Oro pelo favor de Deus em torno da National
Community Church. Oro pelo favor de Deus em torno de meus livros. Oro pelo favor de Deus em
torno de meus filhos.
Quando Parker era um bebê, circulei Lucas 2:52 e o transformei em uma oração de poder. Tenho
orado essa bênção em torno de cada um de meus filhos milhares de vezes. Quase todas as noites
circulo minhas crianças com esta simples oração: “Senhor, permita que cresçam em sabedoria,
estatura e graça diante de Deus e dos homens.” Eu tenho consciência de que Lucas 2:52 não é
tecnicamente uma promessa, mas acho que estou lastreado teologicamente. Lucas 2:52 é uma
descrição em quadros do desenvolvimento de Jesus enquanto criança, e somos convocados a ser
iguais a Jesus; então, por que não deveria circular este versículo? Por que deveríamos transformá-lo
em uma bênção e orá-lo em torno de nossos filhos?
Acredito que Deus esteja olhando por meus filhos assim como ele está olhando pelo mundo que
criou. Ele mantém um olho em Lucas 2:52 e um olho em meus filhos. E não tem dificuldade nenhuma
em olhar para ambos ao mesmo tempo. Ele está vigiando e esperando pela oportunidade de favorecer
seus filhos.
Uma de minhas responsabilidades como pai não é somente circular meus filhos em oração, mas
também circular as promessas de Deus. Os pais são profetas para seus filhos. Uma parte de nosso
papel de profeta é conhecer as Escrituras e conhecer nossos filhos bem o suficiente para saber que
promessas eles precisam circular. Josiah tem lutado contra alguns medos recentemente, então viemos
circulando Filipenses 4:4-8. Venho orando para que a paz de Deus, que transcende toda a minha
compreensão, salvaguarde a mente e o coração de Josiah em Jesus Cristo. Minhas orações noturnas
têm se ligado a essas promessas. Assim, circulamos as Escrituras ao orar. As Escrituras nos
circulam.
Há poucos anos, nossos amigos Dennis e Donna, que pastoreiam uma igreja vizinha na Capitol
Hill, nos contaram sobre alguma coisa que Deus havia lhes dito e que lhes causara forte impressão a
respeito de seus filhos. Eles identificaram palavras que eram tanto descritivas quanto prescritivas
para seus filhos, então mandaram emoldurar e penduraram nas paredes de seus quartos. Muitas vezes
se perguntaram se aquelas palavras significavam alguma coisa, mas a filha mais velha deles, que já
cresceu e saiu de casa, me contou recentemente que, algumas noites, quando não conseguia dormir,
olhava para aquelas palavras na parede, e elas lhe diziam algo. Aquelas palavras emolduradas
começaram a emoldurá-la. Ela começou a ver a si mesma à luz de sua identidade e seu destino
designados por Deus.
Lora e eu amamos a ideia, então a adaptamos para nossa filha Summer. Pouco antes de seu último
aniversário, Lora recrutou duas das tias de Summer para ajudar-nos a fazer uma lista das palavras
proféticas que tivessem a ver com a vida de nossa filha. Cada uma delas escolheu três palavras e
falou sobre elas em um jantar especial de aniversário. Então pedimos a um designer que as
transformasse em um cartaz. Cada palavra em uma tipologia diferente, e essas nove fontes
representam as nove diferentes dimensões do destino dela. Esse cartaz está pendurado na parede do
quarto de Summer, como um lembrete de sua verdadeira identidade em Cristo.
Não foi muito diferente do dia em que defini o sucesso na cafeteria da rua 3 Promenade, em Santa
Mônica; essas nove palavras definem o caráter de Cristo que vimos em Summer. Essas nove palavras
são nove profecias que oraremos em torno de Summer pelo resto de nossa vida. Colocá-las em um
cartaz foi uma maneira de circulá-las.

O favor daquele que habita na sarça ardente

Quanto mais eu vivo, mais anseio pelo favor de Deus. Os maiores momentos na vida são os
momentos nos quais Deus intervém em nosso favor e nos abençoa além do que esperávamos ou
achávamos que merecíamos. É um lembrete humilde de sua soberania. E esse favor torna-se nossa
memória favorita.
Nunca vou me esquecer de 12 de agosto de 2001.
A National Community estava ainda nos seus primeiros passos, já há cinco anos. Assim como arar
solo duro, não havia nada fácil em implantar uma igreja em Washington, DC. Levamos cinco anos
para que nosso grupo principal passasse de dezenove para 250 pessoas. Então foi quase como se o
Senhor tivesse declarado, “agora é o dia da salvação”.[50]
Uma jornalista que cobria assuntos religiosos para o Washington Post pediu-me uma entrevista,
intrigada com o perfil de nosso público. Ela então escreveu um artigo sobre como estávamos
alcançando as novas gerações e me disse que apareceria na seção de religião. Eu peguei a grossa
edição dominical do Post a caminho da Union Station naquela manhã e folheei rapidamente até a
seção de religião. Fiquei desapontado quando não encontrei o artigo. Pensei que não tivesse sido
aprovado pelos editores, e então pus de volta o jornal na banca, porque não iria comprar se o artigo
não estivesse lá. Foi aí que descobri que o artigo estava na primeira página!
Aquele foi o dia em que Deus pôs a National Community Church no mapa. Tínhamos levado cinco
anos para reunirmos 250 pessoas, mas dobramos de tamanho no ano seguinte. Foi como se Deus
tivesse aberto as comportas do favor, e centenas de leitores visitaram a National Community Church
como consequência daquele artigo. E o mais belo de tudo isso é que eu não podia pedir o crédito por
aquilo. Era nada mais ou, melhor dizendo, nada menos que o favor de Deus. Era a hora de Deus. Era
o favor de Deus. Era a palavra de Deus. E Deus estava vigiando.
Todos os versículos que falam em favor estão circulados na minha Bíblia, mas o meu favorito é
um sobre as bênçãos que Moisés pronunciou sobre José:

[…] Que o Senhor abençoe a sua terra com o precioso orvalho que vem de cima, do céu, e com as
águas das profundezas; com o melhor que o sol amadurece e com o melhor que a lua possa dar;
com as dádivas mais bem escolhidas dos montes antigos e com a fertilidade das colinas eternas;
com os melhores frutos da terra e a sua plenitude, e com o favor daquele que apareceu na sarça
ardente. […][51]
Você prestou atenção na palavra “favor” na última frase? O favor de Deus é multidimensional,
mas este deve ser meu tipo predileto: “O favor daquele que apareceu na sarça ardente.” E amo o fato
de que essa bênção é pronunciada pelo próprio Moisés. Ele sabe o que está falando porque foi ele
quem ouviu a voz da sarça.
A coisa mais difícil a respeito da oração é deixar Deus erguer o peso pesado. Você tem de confiar
no favor de Deus para fazer o que não pode fazer por si mesmo. Você tem de confiar que Deus irá
mudar corações, até mesmo o coração do Faraó.

Círculo completo

Deixe-me refazer o círculo todo até o velho antro de crack.


Oramos por aquela velha casa na rua F NE 201 por muitos anos, antes de eu reunir a coragem para
ligar para o número listado na placa de “vende-se”. O que é que eu iria dizer? “Oi, sou o pastor de
uma igreja sem pessoas e sem dinheiro. Gostaríamos de comprar seu antro de crack e transformá-lo
em uma cafeteria.” Parecia-me uma ideia ridícula, e pensei que soaria ainda mais ridículo para eles.
Porém, acredite se quiser, era precisamente o que Deus queria que eu dissesse.
Sabia que os dois advogados a quem pertencia aquela propriedade, ambos judeus, não
compreenderiam ou apreciariam quem éramos ou o que queríamos fazer como igreja, mas sentia
como se Deus quisesse que eu, de modo humilde, porém audacioso, lhes dissesse quem éramos e o
que queríamos fazer. Então, não me fiz de rogado, e falei francamente. Orei pelo favor. Então
compartilhei de nossa visão como se estivesse pregando para nossa congregação. E adivinhe só, eles
amaram. Minha única explicação para sua reação foi o favor daquele que habita na sarça ardente.
O favor daquele que habita na sarça ardente é uma dimensão única do favor de Deus que permite
que você fique diante daqueles que naturalmente estariam em oposição a você, mas eles
sobrenaturalmente se desviam, ou ficam atrás de você. É assim que o favor daquele que habita na
sarça ardente se manifestou quando Moisés se pôs diante do Faraó. Deus deu a um escravo, sobre
quem pesava um mandato de prisão, a audácia de declarar a promessa que ele lhe tinha dado na sarça
ardente. “Deixe o meu povo ir.”[52]
Comprar a propriedade na esquina das ruas 2 e F foi o primeiro milagre no processo de construir
a Cafeteria Ebenézer. Eu não recomendaria assumir esse tipo de risco a não ser que você soubesse
que o Espírito o compeliu, mas compramos a propriedade sabendo que teríamos de conseguir uma
alteração na postura municipal para que pudéssemos construir a cafeteria. Se nossos esforços de
alterar o zoneamento da cidade não dessem certo, nosso sonho iria morrer. Por oito longos meses,
nos reunimos com todo mundo, desde o pessoal do Departamento de Patrimônio Histórico até a
Secretaria de Planejamento e o Comitê de Restauração da Capitol Hill. Acima de tudo, contamos
com um grande apoio comunitário. Afinal de contas, estávamos investindo 3 milhões de dólares para
transformar um antro de crack em uma cafeteria. Porém, durante o processo de rezoneamento,
descobrimos que alguns vizinhos influentes haviam decidido se opor a nosso pedido por conta de
desinformação sobre o que pretendíamos fazer. Segui um link de um site no qual estavam difamando
nossas motivações. Para ser honesto, fiquei bastante irritado. Aquela oposição tinha o potencial de
acabar com nosso sonho de construir uma cafeteria, e ficava com mais e mais raiva cada vez que
pensava nisso. Foi aí que descobri o poder de orar círculos em torno dos faraós da vida. Cada vez
que tinha raiva, convertia aquela raiva em oração. Vamos dizer apenas que cheguei o mais perto que
já estive de viver orando sem parar!
Orei por nossos vizinhos por vários meses até nossa audiência perante a comissão de zoneamento.
Nunca me esquecerei da sensação enquanto caminhávamos para a sala de audiências e nos sentamos
a nossa mesa, de cada lado do corredor. Não tinha qualquer animosidade contra as pessoas que
estavam se opondo a nós. Nenhuma! Sentia uma compaixão inexplicável por aquelas pessoas, e não
estava nem um pouco preocupado com o que eles tinham para dizer ou fazer, porque eu os havia
circulado em oração. Também havia circulado a comissão de zoneamento. E não apenas obtivemos a
aprovação unânime da comissão, o que é um testemunho do favor daquele que habita na sarça
ardente, como também uma das pessoas que se opunham a nós é agora um freguês habitual da
Ebenézer.
Não vou mentir. Todo o trabalho que levou dois anos para alterar as posturas municipais para
aquela região foi emocional e espiritualmente exaustivo, mas é assim que você aumenta seu quociente
de persistência. Quando tudo acabou, agradeci a Deus pela oposição que encontrei porque ela
galvanizou nossa resolução e unificou nossa igreja. Ela também nos ensinou a orar como se
dependesse de Deus e a trabalhar como se dependesse de nós. Aprendi que não temos de ter medo
dos ataques dos inimigos. Eles são contraprodutivos quando os contra-atacamos com oração. Quanto
mais oposição encontrarmos, mas duro temos de orar, e quanto mais duro orarmos, mais milagres
Deus opera.
CAPÍTULO 10

Milhares de cabeças de gado nas colinas

ogo após o Seminário Teológico de Dallas abrir suas portas, elas quase tiveram de ser

L fechadas por bancarrota. Antes do seu primeiro dia letivo de 1929, o corpo docente reuniu-se
no escritório da presidência para orar pela providência de Deus. Eles formaram um círculo de
oração, e quando foi a vez de Harry Ironside, ele circulou o Salmo 50:10 com uma simples oração ao
estilo de Honi: Senhor, sabemos que o senhor tem cabeças de gado aos milhares nas colinas. Por
favor, venda algumas dessas, e mande o dinheiro para nós.”[53]
O intervalo de tempo entre nossos pedidos e a resposta de Deus é muitas vezes mais longo do que
gostaríamos, porém, algumas vezes, Deus responde imediatamente. Enquanto o corpo docente estava
orando, uma resposta de 10 mil dólares foi entregue. Uma versão da história atribui a doação a um
rancheiro do Texas que havia vendido duas carroças de gado. Outra versão a atribui a um banqueiro
do estado de Illinois. Mas seja qual for a explicação, foi Deus quem impeliu a doação e respondeu à
oração.
Em uma situação que lembra a daquele dia, em que Pedro bateu à porta da casa em que seu amigo
estava orando por uma fuga miraculosa da cadeia, a secretária do presidente interrompeu a reunião
de oração batendo à porta da presidência. O dr. Lewis Sperry Chafer, fundador e presidente do
Seminário de Dallas, abriu a porta e ela lhe entregou a resposta à oração. Voltando-se para seus
amigos e para seu colega, o dr. Hary Ironside, o presidente Chafer disse: “Harry, Deus vendeu o
gado!”
Uma das minhas mais antigas e queridas memórias é a de andar de carro de Minneapolis até Red
Wing, no estado de Minnesota, para ir colher maçãs com meus pais. Ainda posso ouvir meu avô
Johnson cantando o velho refrão “Deus tem gado aos milhares nas colinas”.
Eu não somente acredito naquela promessa de providência, como também ouço meu avô cantando-
a cada vez que leio o Salmo 50:10. Ainda que eu tenha passado por alguns atropelos financeiros,
também vivenciei milagres suficientes para saber que quando Deus dá uma visão, ele dá uma
provisão.

Voltando a se colocar de joelhos

Nunca me esquecerei do dia em que assinamos o contrato para adquirir a rua F NE, 201. Parte do
que a fez tão memorável é que o negócio havia sido desfeito no dia seguinte ao nascimento de Josiah.
Nosso agente imobiliário tinha ido à maternidade para que eu pudesse assinar os contratos.
Celebramos aquele milagre por poucos minutos; então, voltamos a nos colocar de joelhos, porque
precisávamos de mais um milagre. Havíamos assinado o contrato sabendo que não tínhamos dinheiro
para pagar o sinal. Tínhamos trinta dias para aparecer com um sinal de 10%, ou ele seria anulado e
cancelado.
Após 29 dias esgotando nossas opções, havíamos amealhado 25 mil dólares, e nos faltavam 7.500.
Não sabíamos mais a quem recorrer, então nos voltamos àquele que tem cabeças de gado aos
milhares nas colinas. Sabíamos que o sonho de construir uma cafeteria na Capitol Hill vinha de Deus,
e continuamos a circular a promessa do Salmo 50:10.
No dia seguinte, o dia antes de nosso prazo final, recebemos dois cheques pelo correio de antigos
membros da NCC. Ambos os casais haviam se mudado de Washington, mas ainda não haviam
encontrado uma igreja, então continuavam a pagar o dízimo para a NCC. Mais tarde descobri que um
dos cheques era mais polpudo que o dízimo normal porque era o dízimo de um bônus ganho em uma
nova firma de advocacia. Nenhum dos dois casais fazia a menor ideia de que tínhamos 24 horas para
conseguir 7.500 dólares, mas Deus sabia. Nenhum dos dois casais sabia que sua obediência era
nosso milagre, mas Deus sabia. Ele sempre sabe. E se orarmos alinhados aos desígnios de Deus, ele
sempre proverá. O total dos dois cheques somados? Exatamente 7.500 dólares.

O jogo das galinhas

Deus deve amar o jogo das galinhas, aquele em que duas pessoas se dirigem uma em direção à
outra, e aquela que não aguentar e desviar, perde. Ele joga com a gente o tempo todo. Ele tem esse
hábito de esperar até o último minuto para responder às nossas orações, para ver se nós nos
acovardamos, e desviamos, como as galinhas, ou oramos em frente. Se nos acovardamos, perdemos o
milagre; se oramos em frente, Deus virá por nós, mas pode ser que venha só no último minuto
possível. E, é claro, se você se acovardar e nem sequer tiver coragem de entrar no jogo, Deus
sempre lhe dará outra chance de jogar.
Esse padrão de providência-no-último-segundo é repetido ao longo das Escrituras, e acho que
isso revela a personalidade lúdica de Deus. Algumas vezes ficamos tão concentrados no caráter de
Deus, que esquecemos que Deus também tem personalidade. Ele ama se esconder atrás das esquinas
e nos surpreender. Eu tenho para mim que Jesus se divertiu chegando de mansinho até os discípulos
no meio da noite, no meio do lago, ao andar sobre a água. E que Deus se divertiu com a cara
estatelada de Moisés quando ouviu a sarça ardente. Ao ler as Escrituras, não consigo ter outra
conclusão a não ser esta: Deus ama mostrar-se de maneiras inesperadas, em momentos inesperados.
Amo essa parte da personalidade de Deus. Ainda que ela acrescente um pouco de estresse,
acrescenta também dramaticidade. De modo pequeno e grande, é a oração que põe as reviravoltas em
nossos roteiros pessoais, os quais fazem a vida valer a pena. É a oração que precipita e culmina nos
momentos de clímax, quando Deus aparece de maneira dramática. É a oração que pode transformar
uma história, a sua história, em um drama épico.
Já rabisquei as iniciais DPBNC nas margens de minha Bíblia em vários pontos nos quais Deus
proveu bem na hora certa. Ele o fez com a viúva que estava com sua última vasilha de azeite.[54]
Ele o fez quando os israelitas estavam aprisionados entre o exército egípcio e o mar
Vermelho.[55]Ele o fez quando o barco estava a ponto de soçobrar no mar da Galileia por conta dos
ventos de furacão.[56] E ele fez conosco, quando tínhamos 24 horas para conseguir 7.500 dólares.
Talvez você esteja em uma situação de desespero neste minuto. Parece que você está com a sua
última vasilha de azeite, ou que o exército egípcio está às suas costas, ou que o seu barco está a
ponto de soçobrar. Pode parecer que Deus não esteja perto, mas talvez Deus esteja preparando um
milagre. Isto eu posso dizer sem sombra de dúvidas: Deus tem um excelente tempo de cena. Ele está
pronto para fazer a sua entrada triunfal. Só o que ele está esperando é que você dê a deixa em oração.
O milagre do maná

Quando Deus proveu o miraculoso maná para os israelitas, quando eles vagavam pelo deserto,
está dito que ele proveu “a porção necessária para aquele dia”.[57] Só o necessário. A linguagem
descrevendo a providência de Deus é bem precisa. Aqueles que juntaram um bom bocado não
tiveram sobras, e aqueles que juntaram pouco tiveram o bastante. Deus proveu somente o necessário.
Então emitiu um mandamento curioso: “Ninguém deve guardar nada para a manhã seguinte.”[58]
Então, por que Deus proveu somente o suficiente? Por que Deus proibiria as sobras? O que está
errado em tomar a iniciativa de juntar um pouco de maná que desse para dois dias ou duas semanas?
Esta é minha interpretação sobre o milagre do maná: o maná era um lembrete da dependência
diária em Deus. Deus queria que eles cultivassem uma dependência diária ao prover as necessidades
em bases diárias. Nada mudou. Não é esse o sentido da Oração do Senhor? “Dá-nos hoje o nosso
pão de cada dia.”[59]
Queremos um suprimento da providência de uma semana, ou de um mês, ou de um ano, mas Deus
quer que nos coloquemos de joelhos a cada dia em crua dependência dele. E Deus sabe que se
provesse demais e cedo demais, perderíamos nossa fome espiritual. Ele sabe que deixaríamos de
confiar em nosso Provedor e começaríamos a confiar na provisão.
Um dos mal entendidos fundamentais da maturidade espiritual é pensar que ela deva resultar em
autossuficiência. É exatamente o oposto. O objetivo não é a autossuficiência, o objetivo é a
codependência em Deus. Nosso desejo pela autossuficiência é uma sutil expressão de nossa natureza
pecadora. É um desejo de chegar a um lugar em que não precisaremos de Deus, não precisaremos de
fé, e não precisaremos orar. Precisamos que Deus provenha mais, para que precisemos menos dele.

Complicações divinas

Uma das razões pela qual as pessoas ficam frustradas espiritualmente é que elas sentem como se
devesse ser mais fácil cumprir os desígnios de Deus. Não sei se isso vai ser encorajador ou
desencorajador, mas os desígnios de Deus nunca ficam mais fáceis. Os desígnios de Deus ficam mais
difíceis. E eis o motivo: quanto mais difícil ficar, mas duro você tem de orar.
Deus continuará colocando você em situações que esticarão sua fé e, à medida que sua fé esticar,
acontecerá o mesmo com seus sonhos. Se você passar no teste, você se formará em maiores e
maiores sonhos. E não vai ser mais fácil, vai ser mais difícil. Mas as complicações são provas das
bênçãos de Deus. E se é de Deus, então é uma complicação divina.
Você tem de fazer as pazes com esta dupla verdade: as bênçãos de Deus não vão apenas abençoá-
lo, elas também vão complicar sua vida. O pecado irá complicar sua vida de maneiras negativas. As
bênçãos de Deus irão complicar sua vida de maneiras positivas. Quando me casei com Lora, isso
complicou minha vida, e realmente complicou! Louvado seja Deus pelas complicações. Tivemos três
complicações chamadas Parker, Summer e Josiah. Não consigo imaginar minha vida sem essas
complicações. A cada promoção, há complicações. Quando sua receita aumenta, seus impostos
ficarão mais complicados. Aonde eu quero chegar? As bênçãos irão complicar sua vida, mas irão
complicar sua vida da maneira como Deus quer que seja complicada.
Há poucos anos, orei uma oração que mudou minha vida. Acredito que ela pode mudar a sua
também, mas é preciso uma tremenda coragem para orar com vontade. E você tem de levar em conta
o custo:
Senhor, complique minha vida.

Aflija o confortável

Meu portfólio como pastor tem dois lados: 1) confortar os aflitos e 2) afligir os confortáveis. É a
segunda parte da descrição do meu trabalho que é mais difícil. Vamos ser honestos: muitas, se não a
maioria, de nossas orações são de natureza egoísta. Oramos como se o principal objetivo de Deus
fosse nosso conforto pessoal. Não é. O principal objetivo de Deus é sua glória. E, algumas vezes, seu
ganho envolve um pouco de dor.
Algumas vezes oramos sem considerar as implicações ou ramificações. Quando eu oro para que
Deus abençoe a National Community Church, estou orando para que Deus faça minha vida mais
complicada e menos confortável. Era muito mais confortável quando a igreja tinha 25 pessoas. Era
muito menos complicado quando tínhamos um culto, em um único local. À medida que Deus
abençoou a National Community Church, tive de contar com o custo. Em um nível bem prático, a
resposta às minhas orações significou abrir mão de meus fins de semana para Deus. Quando
lançamos um culto nas noites de sábado e domingo, o custo foi mais dois tempos a cada fim de
semana que tive de devolver a Deus. No fim das contas, orar com força é pedir a Deus que faça sua
vida mais dura. Quanto mais arduamente você orar, mais arduamente terá de trabalhar. E isso é uma
bênção de Deus.
Orar com força é árduo porque você não pode apenas orar como se dependesse de Deus, você
também tem de trabalhar como se dependesse de você. Você não pode apenas estar disposto a orar a
respeito de algo, você tem de estar disposto a fazer alguma coisa a respeito. E é nesse ponto que
muitos de nós empacamos espiritualmente. Estamos dispostos a orar até o ponto do desconforto, mas
não mais além. Orar arduamente é desconfortável e inconveniente, mas é aí que você sabe que está
chegando perto de um milagre!
A razão por que Deus não responde a nossas orações não tem a ver com não estarmos orando forte
o suficiente. A razão, na maioria das vezes, é que não estamos dispostos a trabalhar duro o suficiente.
Orar com força é sinônimo de trabalhar duro. Pense em orar com força e trabalhar duro como
círculos concêntricos. É a maneira como desenhamos um círculo duplo em nossos sonhos e nas
promessas dele. Há momentos, após você ter orado em frente, em que você terá de começar a fazer
algo a respeito. Você tem de dar um passo de fé, e esse primeiro passo é sempre o mais difícil.

Meias felpudas

Há pouco tempo ministrei uma palestra na Church of the Highlands, em Birmingham, no estado do
Alabama, para meu amigo Chris Hodges. Visitei seu Dream Center no centro da cidade porque
queríamos fazer alguma coisa parecida em Washington. Ele faziam um trabalho incrível alcançando
cafetões e prostitutas. Aconselhavam os mais novos. Alimentavam os famintos. Qualquer que fosse a
necessidade, eles estavam lá para ajudar.
Uma das mulheres que lá trabalhavam era uma ex-jornalista chamada Lisa. Ela trabalhava em bom
emprego com um bom salário, o qual ela abandonou quando soube que Deus queria que trabalhasse
no Dream Center. Lisa é uma dessas pessoas que transpira alegria, vida, energia.
Durante nossa última excursão, Lisa falou de sua dependência diária de Deus para atender as
gritantes carências de sua comunidade. É preciso trabalho duro e orar com força. Então me contou
sobre um dos milagres que tinha vivenciado. Certo dia, enquanto circulava o Dream Center em
oração, sentiu que o Espírito Santo a propelia para que levasse suas meias felpudas com ela para o
trabalho. Ela achou que estava ficando louca. Era um dos mais estranhos chamados que já recebera, e
não conseguia se acostumar. Então ela pegou suas meias felpudas, colocou-as em sua bolsa e dirigiu-
se para o centro. Quando lá chegou, uma prostituta havia literalmente desmaiado à porta. Lisa abriu a
porta, carregou-a consigo e a aninhou em seus braços até que ela recuperasse a consciência, alguns
minutos mais tarde. Estava com tanto frio que tremia. Foi aí que Lisa perguntou a ela: “se você
pudesse ter qualquer coisa, o que seria?” Sem hesitação, ela disse: “Meias felpudas.” Lisa quase se
descontrolou. Como me disse mais tarde, contando a história, começou a chorar. Então eu comecei a
chorar também. Lisa disse a ela: “Veja só o que eu tenho.” Ela tirou as meias felpudas, e a mulher
sorriu: “Elas até combinam com a minha roupa.”
Deus é grande, não somente porque nada é grande demais para ele. Deus é grande porque nada é
pequeno demais para ele. Um pardal não cai sem que ele perceba e cuide, portanto, não deve ser
surpresa para nós que ele se preocupe com uma mulher que quer meias felpudas. Deus ama
demonstrar sua compaixão que a tudo abarca nas coisas pequenas, e, se pudéssemos aprender a
obedecer aos seus comandos, como Lisa o fez, estaríamos em meio a milagres muito mais vezes.
A razão pela qual muitos de nós deixam de ver os milagres é que não estamos olhando ou
escutando. A parte fácil da oração é falar. É muito mais difícil escutar a voz baixinha do Espírito
Santo. É muito mais difícil procurar por respostas. Mas dois terços de orar com força constituem-se
em ouvir e olhar.

Olhe em direção ao mar

Você se lembra do que Elias disse quando orou por chuva? Ele mandou que seu escravo olhasse
em direção ao mar. Por quê? Porque ele esperava por uma resposta. Ele não apenas orava, ele agia
em sua expectativa santificada olhando em direção ao mar.
Elias é definido no Novo Testamento (Tiago 5:17) como o padrão para a oração com força. Foi
sua oração para que não chovesse que aleijou a economia agrícola de Israel e colocou a nação de
joelhos. E foi sua oração ao estilo de Honi que terminou com uma seca de três anos e meio.

Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não chovesse, e não choveu sobre
a terra durante três anos e meio. Orou outra vez, e os céus enviaram chuva, e a terra produziu os
seus frutos.[60]

Orar fervorosamente significa literalmente “orar dentro de uma oração”. É mais que palavras.
Significa agir em suas orações porque você espera por uma resposta. Elias não somente orou contra
os profetas de Baal;[61] ele os desafiou a uma disputa de sacrifícios. Ele não disse à viúva de
Sarepta para orar;[62]ele lhe disse para assar um pão com o resto da massa que tinha. E, em um
milagre refeito, Elias não orou para que Deus dividisse o rio Jordão,[63] ele o golpeou com sua
veste enrolada.
Cada milagre foi precipitado por um passo de fé concreto: o sacrifício no monte Carmelo, assar o
pão e golpear o rio Jordão. E Deus honrou esses passos de fé ao mandar o fogo para consumir o
sacrifício de Elias, ao multiplicar aquele último pão para que durasse até o fim da massa e dividiu o
rio Jordão para que Elias e Eliseu pudessem atravessar em terra firme.
Uma razão para que muitos de nós nunca consigam uma resposta para nossas orações é que tudo o
que fazemos é orar. Você não pode simplesmente orar como Elias, você tem de agir como Elias.
Você não pode simplesmente colocar-se de joelhos, você tem de olhar em direção ao mar.
Aprendi essa lição durante nosso primeiro ano de implantação da igreja. Precisávamos
desesperadamente de uma bateria porque eu estava liderando a louvação e não tinha ritmo. Acho que
pedimos a Deus por um baterista umas duzentas vezes. Continuamos repetindo o mesmo pedido, mais
e mais vezes, como faz uma criança de dois anos: por favor, nos dê um baterista, nos dê um
baterista, nos dê um baterista. Até que um dia, foi como se Deus tivesse se cansado do disco
arranhado, e disse: “Se vocês querem um baterista, por que é que não compram uma bateria?” Nunca
havíamos pensado em realmente dar um passo de fé como se Deus fosse responder as nossas
orações. Por quê? Porque queremos a resposta antes de exercitar nossa fé! Mas se você quer que
Deus se mova, muitas vezes você tem de se mover primeiro.
Aqueles eram os dias antes do Google, então procurei nos classificados e achei uma bateria usada
para venda, em Silver Spring, Maryland. Pela fé, decidi comprá-la, mas foi preciso toda a fé que eu
tinha, porque custou todo o dinheiro que eu tinha. Nossa receita mensal era de 2 mil dólares, e 1.600
dólares eram separados para pagar a escola pública que alugávamos para realizar nossos cultos.
Aqueles 400 dólares que restavam eram para meu salário e outras despesas. O custo da bateria?
Quatrocentos dólares. Deus tem um jeito de nos empurrar até o nosso limite, não tem?
Parte de mim se sentia um tolo. Por que é que estou gastando todo o nosso dinheiro em uma
bateria para um baterista que nem sequer existe? Mas aquele era nosso “campo dos sonhos”
naquele momento. “Se você comprar, ele virá.” Se sabia que Deus estava me levando a dar aquele
passo de fé, acredito que ele o honraria. Comprei a bateria em uma quinta-feira, e nosso primeiro
baterista apareceu no domingo. E Deus nos enviou o melhor. Quando ele não estava tocando para nós
aos domingos, estava tocando para dignitários políticos e militares como membro da Marine drum
and bugle corps [Corpo de percussão e metais da Marinha dos Estados Unidos].

Pés molhados

Quando os israelitas estavam em vias de entrar na Terra Prometida, Deus ordenou que os
sacerdotes não somente olhassem para o mar, mas também que entrassem no rio. É um dos mais
contraintuitivos comandos das Escrituras.

Quando chegarem às margens das águas do Jordão, parem junto ao rio.[64]

Não sei quanto a você, mas eu particularmente não gosto de molhar meus pés. Teria preferido que
Deus tivesse repartido o rio, e, então, poria os pés no milagre. Queremos que Deus vá primeiro. Não
queremos molhar nossos pés. Mas é muitas vezes nossa indisposição em dar um passo de fé e molhar
nossos pés que evita que nós presenciemos um milagre. Algumas pessoas passam a vida inteira na
margem oriental do Jordão esperando que Deus reparta o rio, enquanto Deus espera que elas molhem
seus pés.
Após ter orado com força, você tem de engolir com força e dar um grande salto de fé. É assim que
você circula o milagre.
Há alguns anos, antes de termos comprado o antro de crack na Capitol Hill, Lora e eu fomos a um
leilão na escola de nossos filhos. Um dos itens à venda era um fichário de cinco centímetros de
espessura, doado pela Sociedade de Restauração da Capitol Hill. Ali continha todos os códigos de
zoneamento e orientações para novas construções na região. Eu sabia que precisávamos conhecer
aqueles códigos de zoneamento e aquelas posturas municipais se quiséssemos mesmo construir nossa
cafeteria na Capitol Hill, mas ainda não éramos donos da propriedade. Será que eu não deveria
esperar até ter o contrato nas mãos? Porém senti que o Espírito Santo tocava meu ombro, e dei um
passo de fé de 85 dólares. Foi o meu jeito de molhar os pés e entrar no Jordão. Afinal de contas, se
você não está disposto a arriscar 85 dólares em um sonho, então você provavelmente não está pronto
para um milagre de 2 milhões de dólares. Aquele fichário não somente nos ajudou na fase de
zoneamento e desenho de nosso projeto, como também ainda tem um lugar especial em meu
escritório, como um lembrete para que eu sempre entre no rio e ponha os pés no milagre.
Na época de cheias, o rio Jordão tinha mais ou menos a largura de um quilômetro e meio. Era tudo
o que separava os israelitas de sua promessa de quatro séculos. Seu sonho estava à distância de uma
pedrada. Mas, e se os sacerdotes não tivessem posto os pés no rio? E se eles estivessem esperando
que Deus repartisse o rio Jordão? Eles bem que poderiam ter passado o resto da vida na margem
oriental do rio Jordão. E é lá que muitos de nós passamos nossa vida. Estamos tão próximos ao
sonho, tão próximos à promessa, tão próximos do milagre… Mas não estamos dispostos a molhar os
pés.
Muitas pessoas não veem jamais Deus repartir o rio Jordão em sua vida porque seus pés estão
firmemente plantados no solo. Estamos esperando que Deus se mexa, enquanto Deus está esperando
que nós nos movamos primeiro. Dizemos a Deus: “Por que não reparte o rio?” E Deus nos diz: “Por
que vocês não molham os pés?” Mas, se você se mexer, verá Deus se mexer. E ele pode mover o céu
e a terra.

Impulso de oração

Pedro é o santo padroeiro dos pés molhados. Ele pode ter sido reprovado no teste de persistência
ao cair de sono no Getsêmani, mas passou no teste de molhar os pés quando se jogou de um barco no
meio do mar da Galileia no dia em que Jesus emitiu um dos mais insanos comandos das Escrituras:
“Venha.”[65] Pedro arriscou-se a bem mais que molhar os pés. O mar da Galileia era um tanque
agitado de 235 quilômetros quadrados, e estava no meio da noite.
A chave para sair do barco é ouvir a voz de Deus. Se você está para sair de um barco no mar no
meio da noite, é melhor se certificar de que Jesus disse mesmo “venha”. Mas, se Jesus diz “venha”, é
melhor você não ficar no barco.
Já houve algum momento, como o que aconteceu com Lisa, em que o Espírito Santo o impeliu
durante a oração a fazer alguma coisa que parecesse quase louca? Você já passou por um momento,
como o que aconteceu com Pedro, quando Deus o convocou a fazer alguma coisa que parecesse
insegura? Sua resposta a esses impulsos farão você ir adiante, ou o partirão. Pode parecer inseguro
ou insano, mas se você permanecer no barco, nunca irá caminhar sobre a água.
Há poucos anos, um amigo compartilhou um de seus impulsos de oração comigo, porque eu estava
envolvido. Estava viajando para proferir palestras, longe de minha família, quando Deus acordou
Rick no meio da noite. Ele sentiu que o Senhor o impelia a orar por minha família, e o impulso era
tão louco que ele acordou seus colegas de quarto. Note bem que é melhor garantir que o impulso vem
de Deus antes de sair acordando seus colegas de quarto! Após orar, ele sentiu que eles precisavam ir
até nossa casa. Então, às quatro da manhã, eles atravessaram a Capitol Hill e estacionaram em frente
a nossa casa e oraram por nossa família. Ele me diria, mais tarde: “Isso nunca aconteceu comigo
antes. Não sei por que Deus me acordou naquela madrugada, mas sabíamos que tínhamos de orar por
você.”
Honestamente não faço ideia da razão de Deus tê-lo impelido a orar dessa maneira, mas algumas
das maiores respostas de Deus à oração não são reveladas deste lado do espaço-tempo porque são
respostas invisíveis. Quando Deus faz alguma coisa acontecer, podemos agradecer a ele porque
podemos ver. Quando Deus evita que algo aconteça, não sabemos como agradecer-lhe porque não
sabemos o que ele fez. Porém, algum dia, Deus irá revelar as respostas invisíveis, e iremos louvá-lo
por elas.
Orar com força começa com ouvir a voz baixinha do Espírito Santo. E se você for fiel nas
pequenas coisas e obedecer a esses pequenos impulsos, então Deus poderá usá-lo para fazer grandes
coisas.

Vá pescar

Deixe-me pintar outro quadro. Parece-me apropriado, já que a oração é bem parecida com pescar.
Mais do que qualquer coisa, ela exige um alto quociente de persistência.

Quando Jesus e seus discípulos chegaram a Cafarnaum, os coletores do imposto de duas dracmas
vieram a Pedro e perguntaram: “O mestre de vocês não paga o imposto do templo?”
“Sim, paga”, respondeu ele.
Quando Pedro entrou na casa, Jesus foi o primeiro a falar, perguntando-lhe: “O que você acha,
Simão? De quem os reis da terra cobram tributos e impostos: de seus próprios filhos ou dos
outros?”
“Dos outros”, respondeu Pedro.
Disse-lhe Jesus: “Então os filhos estão isentos. Mas, para não escandalizá-los, vá ao mar e jogue
o anzol. Tire o primeiro peixe que você pegar, abra-lhe a boca, e você encontrará uma moeda de
quatro dracmas. Pegue-a e entregue-a a eles, para pagar o meu imposto e o seu.” [66]

Esse deve ser um dos comandos mais loucos das Escrituras. Parte de mim se pergunta se Pedro
teria achado que Jesus estava zombando dele. Ele poderia pensar isso, já que tenho certeza de que
Jesus fez Pedro cair em uma pegadinha vez por outra.
Então, por que Jesus age assim? Ele poderia ter provido a moeda de quatro dracmas de um modo
mais convencional, mas ele diz a Pedro para ir pescar. Acho que há algumas razões. Primeiramente,
Deus ama fazer milagres diferentes de modos diferentes porque isso revela diferentes dimensões de
seu poder e de sua personalidade. Porém, fico em dúvida se a maior razão seria que Jesus queria que
Pedro confiasse nele na área em que Pedro tinha a maior proficiência profissional e autossuficiência.
Como pescador profissional, pescar era a área em que Pedro estaria propenso a achar que menos
precisava de Jesus. Ele achava que conhecia todos os truques do métier, mas Jesus queria mostrar a
ele um truque novo. Vamos chamá-lo de “truque da moeda na boca do peixe”.
Sabemos como a história termina. Pedro pesca um peixe e ganha uma moeda malcheirosa. Mas se
você já pescou centenas de milhares de peixes, e nenhum deles tinha uma moeda na boca, como é que
você tem fé de acreditar que o próximo virá com uma moeda de quatro dracmas? Parece impossível,
não? Mas só há um jeito de descobrir se Deus irá manter sua promessa: obedeça ao impulso que
parece loucura.
Agora deixe-me fazer uma pergunta: onde é que você acha que precisa menos de Deus? Onde é
que você é mais proficiente, mais autossuficiente? Talvez seja precisamente aí que Deus quer que
você confie nele para fazer alguma coisa além de sua capacidade. É bem quando você pensa que já
entendeu tudo sobre Deus que ele faz o truque da moeda na boca do peixe. E são os estranhos e
misteriosos modos de Deus que renovam nosso espanto, nossa confiança e nossa dependência.
Permita-me deixar claro: se você quer ver milagres loucos acontecendo, obedeça aos impulsos
insanos do Espírito Santo. Pegue sua vara de pescar, dirija-se ao lago, reme seu barco, lance a linha,
prepare o anzol e rebobine o molinete. Quando estiver obedecendo aos impulsos e jogando sua linha,
nunca saberá que tipos de milagres você pescará do outro lado.
Vá pescar.
CAPÍTULO 11

Sem resposta

urante muito tempo, o basquete foi minha vida. Quando me formei no ginásio, fui para a

D Universidade de Chicago com uma bolsa integral de desempenho esportivo e ganhei uma
posição no time de basquete ao fim do meu ano de calouro. Então, me mudei para o Central
Bible College (Faculdade Central da Bíblia), onde ganhei honras da associação nacional em minha
formatura. É claro que era a NCCAA, e não a NCAA. A NCAA era a National Collegiate Athletic
Association (Associação Nacional de Atletismo Universitário), o C a mais era de “Cristã”. Eu era o
cestinha, com uma média de 21,3 pontos por jogo, e éramos os favoritos para ganhar o campeonato
nacional da NCCAA.
Estava na minha melhor temporada de todas, e não estava somente jogando bem, estava jogando
por Deus. Queria ganhar um campeonato nacional porque achava que seria uma ótima maneira de dar
glórias a Deus, mas o sonho morreu a algumas cestas de se tornar realidade, quando meu joelho
estourou. Dois meses antes do torneio nacional, minha carreira no basquete chegou a um doloroso fim
com um ligamento cruzado anterior.
Para ser honesto, a dor espiritual era pior que a dor física. No começo, fiquei com raiva. Deus,
estava jogando por vós. Como haveis podido deixar que isso acontecesse? No fim, minha raiva
passou para luto e então meu luto passou para a súplica. Lembro-me de chorar enquanto orava,
implorando que Deus curasse meu joelho. Eu sei que ele poderia tê-lo feito, mas, por questões por
mim desconhecidas, ele escolheu não fazê-lo. Fiquei relegado a torcer por meus colegas de time,
quando perdemos nas semifinais. No grande esquema das coisas, me dei conta de que um jogo era um
jogo, mas era uma amarga decepção. E ainda não sei o motivo.
Alguns dos momentos mais duros da vida são quando você orou com força, mas a reposta foi
“não”, e você não sabe o motivo. E talvez nunca saiba. Mas essa é a prova de fogo da confiança.
Você confia que Deus esteja do seu lado mesmo quando ele não dá aquilo que você pediu? Você
confia que ele tenha razões que estão além da sua razão? Você confia que o plano dele é melhor que
o seu?
Tenho um arquivo com Deuteronômio 29:29 que está repleto de perguntas sem respostas. Ele
simplesmente declara que há alguns mistérios que não serão revelados até que cruzemos daqui para a
eternidade. Eu não entendo por que Deus não curou meu joelho. Não entendo por que meu sogro
morreu no auge de sua vida. Não entendo por que os entes queridos perderam seus bebês. Tenho um
bando de perguntas sem resposta, e muitas delas derivam de orações que não foram respondidas.
A coisa mais difícil em relação a orar com força é suportar orações sem resposta. Se você não
salvaguardar seu coração, a raiva não resolvida em direção a Deus irá prejudicar sua fé. Algumas
vezes sua única opção é confiar, porque é a última carta em suas mãos, mas essa carta é um curinga.
Se você puder confiar em Deus quando a resposta for “não”, você tem mais chances de louvá-lo
quando a resposta for “sim”. Você tem de insistir e insistir. Por definição, orar com força é orar
quando é difícil orar. E são os momentos difíceis que nos ensinam a orar com força. Mas se você
continuar orando, a paz que transcende a compreensão irá salvaguardar seu coração e sua mente.
Assim, algumas vezes, as respostas às suas orações são um “não” e você nunca compreenderá o
motivo. Mas também há boas notícias: o que percebemos como orações sem resposta são muitas
vezes as maiores respostas.

O que está acontecendo, Deus?

Durante os dois primeiros anos de implantação da igreja, nosso escritório ficava no quarto extra
que tínhamos em casa. Era ótimo não ter de pegar trânsito para ir para o trabalho, mas, no fim, virou
uma enorme inconveniência quando nossa filha Summer nasceu. Nosso quarto extra transformou-se
em seu quarto à noite, e em meu escritório, de dia. Eu montava o berço toda a noite, e, de manhã, o
desmontava. Isso logo passou a incomodar, então começamos a procurar um escritório.
Após alguns meses procurando, finalmente encontrei uma casa de vila na rua F NE, 400 que
poderia ser convertida em escritório. Estava perfeitamente situada entre nossa casa e a Union Station,
e tinha a planta perfeita. Oramos para que Deus nos desse o contrato de locação, mas quando
entregamos a oferta na manhã seguinte, descobrimos que alguém tinha nos passado para trás na noite
anterior. Senti-me como se tivesse levado um daqueles golpes que tira o fôlego da gente. Tinha
certeza de que aquela casa de vila era a resposta ao que estávamos procurando, e assim fiquei
confuso e frustrado.
Levou alguns dias para eu me recuperar dessa decepção, mas retomamos as buscas. Poucas
semanas depois, encontramos uma casa de vila no quarteirão 600 da rua 3 NE, a apenas dois
quarteirões da Union Station. Era ainda mais perfeita que o lugar anterior, então oramos com ainda
mais força. Mais uma vez, quando apresentamos nossa proposta na manhã seguinte, descobrimos que
alguém havia se adiantado na noite anterior. Senti como se tivesse levado um segundo golpe, que
agora me deixava sem fé.
Depois de duas grandes decepções, joguei as mãos para o céu. Foi um desses momentos de “o que
está acontecendo, Deus?”. Não somente Deus não estava respondendo a nossas orações, como
também eu sentia como se ele estivesse se opondo a nossos esforços. Sentia como se Deus estivesse
realmente se colocando no caminho. E ele estava. E estou feliz que ele tenha se colocado no caminho.

A maior resposta

Duas semanas mais tarde, depois dessas duas orações não respondidas, estava no caminho de
volta para a casa da Union Station. Quando eu passava pela rua 205 F, o Espírito Santo vasculhou
minha memória, e um nome emergiu dos mais fundos recônditos da minha mente. Eu havia sido
apresentado a ele há anos, mas não sou muito bom de guardar nomes, e não tinha certeza de como se
chamava. Eu realmente me perguntei se o nome dele era mesmo Robert Thomas. Seja como for, senti
um impulso de falar com ele.
Não havia nenhuma placa de “vende-se” no quintal, mas eu sabia que tinha de obedecer àquele
impulso, então procurei o nome nas páginas amarelas e encontrei muitas entradas para “Robert
Thomas”. Tentei adivinhar qual seria aquele a quem estava procurando. Quando ele respondeu, eu
disse: “Alô, aqui é Mark Batterson. Não sei se você se lembra de mim, mas…” Ele nem me deixou
terminar a frase. Interrompeu-me: “Estava justamente pensando em você. Acho que vou vender a casa
da rua R, 205 e queria saber se você não gostaria de comprá-la antes de eu a colocar no mercado.”
Só Deus mesmo.
Aquela casa de vila tornou-se nosso primeiro escritório, porém mais significativo que sua função
era sua localização. A casa da rua F, 205 era colada à da rua R, 201. Começamos a colocar as mãos
sobre as paredes contíguas e a pedir a Deus que nos desse o antigo antro de crack da porta ao lado.
Recusei-me a considerar que aquilo fora uma coincidência. Escolhi acreditar que era providencial. E
era.
Se Deus tivesse atendido a nossas orações pelas casas na rua F ou na rua 3, ele nos teria dado o
plano B. Fiquei frustrado e confuso porque pareciam ótimas opções, mas não eram a melhor opção. E
Deus não se contenta com o que é bom. Na sua providência, Deus sabia que precisávamos da rua F,
205 para que, mais tarde, pudéssemos ter a rua F, 201. Por conta de complicações de construção e
zoneamento, teria sido impossível para nós construirmos nossa cafeteria na rua F, 201, se não
fôssemos donos da casa da rua F, 205.
Agradeço a Deus pelas orações não atendidas.
Nosso Pai celestial é sábio demais e nos ama demais para nos dar tudo o que pedimos. Algum dia
agradeceremos a Deus pelas orações que ele não atendeu tanto quanto pelas que ele atendeu. Nossa
frustração vai virar celebração se orarmos em frente com paciência e persistência. Pode não fazer
sentido por alguns anos. Na verdade, pode nunca fazer sentido aqui, deste lado da eternidade. Mas
aprendi uma valiosa lição sobre orações não atendidas:
Algumas vezes, Deus se coloca no meio do caminho para nos mostrar o caminho.

Jumentas falantes

Um dos milagres mais estapafúrdios na Bíblia envolve uma jumenta falante. Um profeta chamado
Balaão está se dirigindo para Moab porque recebeu um honorário para amaldiçoar os israelitas. No
caminho para lá, um anjo do Senhor interpõe-se. Balaão não vê o anjo, mas sua jumenta o vê. Por três
vezes a jumenta salva a vida de Balaão ao empacar, mas Balaão fica enfurecido com o animal. Então
Deus abre a boca da jumenta e diz a Balaão: “Que foi que eu lhe fiz, para você bater em mim três
vezes?”[67] E qual foi a resposta de Balaão a essa jumenta que salvou sua vida por três vezes?
“Você me fez de tolo! Quem dera eu tivesse uma espada na mão; eu a mataria agora mesmo.”
Para ser de todo justo, acho que nenhum de nós saberia como responder quando nossos animais de
estimação começassem a falar! Mas Balaão está tão enfurecido, que não está pensando direito. Cara,
se você tem uma jumenta falante nas mãos, a última coisa que você quer é matá-la! Você nem sequer
precisa daquele honorário. Você vai ficar rico. Você pode levar a jumenta falante para um show.
Fazer um número em Las Vegas…
Eu amo a resposta racional da jumenta. E não consigo evitar me perguntar se ela não teria um
sotaque britânico para acompanhar seu intelecto sofisticado: “Porventura não sou a tua jumenta, em
que cavalgaste desde o tempo em que me tornei tua até hoje? Acaso tem sido o meu costume fazer
assim contigo?”
O mais respeitado profeta no mundo antigo não sabe como retrucar. Sua única resposta à jumenta
erudita é “não”. E ele provavelmente balbuciou isso.
Então Deus abriu os olhos de Balaão para ver o anjo do Senhor, que disse ao profeta:

Eu vim aqui para impedi-lo de prosseguir porque o seu caminho me desagrada. A jumenta me viu e
se afastou de mim por três vezes. Se ela não se afastasse, certamente eu já o teria matado; mas a
jumenta eu teria poupado.[68]

Algumas vezes ficamos irritados como Balaão, quando não conseguimos chegar aonde
pretendemos. Detestamos os desvios! Eles são frustrantes. São confusos. Mas o desvio divino muitas
vezes nos coloca aonde Deus quer que sigamos. O verdadeiro milagre nessa história não é a jumenta
falante; o verdadeiro milagre é Deus que nos ama a ponto de se colocar no caminho quando estamos
seguindo o caminho errado. Esses são milagres que não queremos, mas são os milagres de que
precisamos. E, quando olho para trás em minha vida, fico agradecido pelos momentos em que Deus
se interpôs entre mim e meus planos e me desviou do caminho. O que parece uma oração não
atendida significa que Deus tem uma resposta melhor.
Quando estava no meu ano de formatura na faculdade, ofereceram-me um emprego na equipe, com
um dos meus heróis no ministério. Era um líder e comunicador incrivelmente carismático. Parecia-
me o emprego dos sonhos, mas quando eu caminhava por nossa capela orando por ele, senti como
uma pontada em meu espírito. Senti como se Deus estivesse se colocando em meu caminho. Sabia
que precisava dizer não, mas não sabia o motivo. Recusei a oferta e fui concluir o curso. Menos de
um ano depois disso, aquele pastor teve um caso extraconjugal, deixou a família e a igreja, e, por
fim, acabou cometendo suicídio. Não tenho dúvidas de que Deus poderia ter me protegido naquela
situação, mas ele simplesmente impediu que eu me envolvesse. Ele mudou meu caminho, do Missouri
para o estado de Illinois.
Então, quando estava no seminário em Chicago, tentei implantar uma igreja, porém, mais uma vez,
senti como se Deus estivesse se colocando no caminho. Era a hora errada e o lugar errado. Aquele
projeto de igreja implodiu, e Deus nos desviou de novo, de Illinois para Washington, DC. E estou
muito feliz por ele ter feito isso. Não gostaria de estar em nenhum outro lugar, com mais ninguém,
fazendo nenhuma outra coisa. Nosso destino estava em Washington, mas Deus teve de se colocoar no
caminho algumas vezes para que chegássemos até lá. Ele teve de deixar algumas orações sem reposta
para que pudesse nos dar a melhor resposta.
Estou tão grato por Deus não responder a todas as minhas questões! Quem sabe onde eu estaria
agora?! Porém, parte de orar com força é persistir na oração, mesmo quando não conseguimos a
resposta que queremos. É escolher acreditar que Deus tem um plano melhor. E ele sempre tem!

A chave de Davi

Estas são as palavras daquele que é santo e verdadeiro, que tem a chave de Davi. O que ele abre
ninguém pode fechar, e o que ele fecha ninguém pode abrir.[69]

Uma de minhas promessas mais circuladas está em Apocalipse 3:7,8. Orei essa promessa por
centenas de vezes, de centenas de jeitos diferentes. Já vi Deus abrir portas a que jamais imaginara ter
acesso. Já fiz coisas e fui a lugares e conheci pessoas que não seriam para eu fazer, ir ou conhecer.
Há pouco tempo, almocei com um ex-presidente e pensei comigo mesmo: “você nunca poderá saber”.
Isso certamente não é uma coisa que eu possa ter orquestrado, porém, quando você segue as pegadas
de Jesus, você nunca sabe que porta ele poderá abrir.
A chave de Davi é uma alusão a Eliaquim, o major-domo do palácio de Davi.[70] A chave não
era apenas um meio de acesso, era um símbolo de autoridade. Não havia nada que Eliaquim não
pudesse fechar ou abrir, trancar ou destrancar. O filho de Davi, Jesus Cristo, agora detém as chaves
de Davi e nos dá acesso a sua promessa e a todas as outras promessas.
A imagem que me vem à mente quando penso sobre essa promessa de portas abertas é a sequência
de abertura da série Agente 86. Posso até ouvir a música-tema. Maxwell Smart caminha por sete
tipos diferentes de portas que automaticamente se abrem à medida que ele avança para o quartel
general de alta segurança da Controle. A oração é assim. Tem um jeito de abrir as portas certas no
momento certo, mesmo se, alguma vezes, somos tão “sem noção” quanto o agente 86.
A primeira vez que circulei essa promessa de portas abertas foi em 1996.
Deixe-me retraçar esse círculo.

O tapete vermelho

Tínhamos acabado de receber a notícia de que a escola pública em que a National Community
Church se localizava iria ser fechada por violação do código de incêndio. Estávamos à beira de nos
tornarmos uma igreja sem-teto, e não tínhamos para onde ir. Tentamos pelo menos umas 25 opções,
mas cada porta em que batíamos era-nos fechada de supetão. Foi aí que ousei sonhar alto e orar com
força. E, como já compartilhei com vocês a história sobre como abordei o gerente das salas de
cinema da Union Station, eis aqui o resto da história.
Antes de perguntar ao gerente se poderíamos alugar a sala de cinema nas manhãs de domingo, orei
sete círculos em torno da Union Station. Não era tarefa fácil desviar das pessoas que corriam para
pegar os trens, dos táxis e dos ônibus de turistas. Na verdade, orei sete círculos em torno da Union
Station em várias ocasiões. Quanto mais eu precisava de coragem, mais círculos eu fazia.
Finalmente, depois de circular a Union Station por tempo suficiente para acumular coragem, entrei
pela porta da frente, pelo saguão, desci a escada rolante, sob a marquise, e entrei no cinema.
Quando as portas daquela escola pública de Washington se fecharam, senti-me como se a igreja
estivesse para desmoronar. Eu deveria saber que Deus nos estava preparando. Três dias antes de eu
caminhar até aquela sala de cinema, a ACM Theatres, a administradora, tinha lançado um programa
de cobertura nacional a fim de recrutar empresários e organizações não governamentais para usar as
salas quando a tela estivesse apagada. Até onde eu sei, fomos o primeiro grupo a responder àquela
iniciativa, e não fazíamos ideia do que estava se passando. Mas Deus sabia. E Deus não somente
abriu uma incrível porta para a oportunidade, como também estendeu o tapete vermelho.
A caminho da Union Station, após assinar o termo de arrendamento com o cinema, peguei na
estante o livro Uma história do grande terminal de Washington. Imediatamente o abri e, a primeira
coisa que li foi uma frase, em itálico, na primeira página: “E para outros propósitos.”
A frase fazia parte de uma lei do Congresso assinada por Teddy Roosevelt, em 28 de fevereiro de
1903. Ela dizia, simplesmente: “Um projeto de lei do Congresso para criar uma Estação da União e
para outros propósitos.” É a última frase, e para outros propósitos, que saltou da página e entrou no
meu espírito. Quase cem anos depois daquela lei ter sido promulgada, a Union Station passou a
servir aos propósitos de Deus, por meio do ministério da National Community Church. Roosevelt
achava que estava construindo uma estação ferroviária. Não fazia ideia de que estava construindo
uma igreja — uma igreja com um sistema de transporte de massa, estacionamento e uma praça de
alimentação com nada menos que quarenta restaurantes! E de que nossa sede tinha sido custeada pelo
Congresso!
Quando olho para trás, sorrio por termos sentido tanto medo quando as portas da Giddings School
fecharam. Se Deus não tivesse fechado aquelas portas, jamais teríamos olhado para a porta aberta na
Union Station. E é assim que funciona: Deus fecha portas para poder abrir outras, maiores e
melhores.
Em anos recentes, me dei conta de que só circulei metade das promessas em Apocalipse 3:8. Orei
por portas abertas, mas não por portas fechadas. Francamente falando, amamos quando Deus abre as
portas para nós! Mas, e quando Deus bate a porta em nossa cara? Nem tanto! Contudo, você não pode
semicircular a promessa. É um pacote fechado. Você não pode orar por portas abertas se não estiver
disposto a aceitar portas fechadas porque uma leva à outra.
Ao fim e ao cabo, aquela escola pública de Washington acabou reabrindo como a Academia
Results, da qual, por sinal, sou sócio. Cada vez que passo por aquelas portas, agradeço a Deus por
tê-las fechado para nós. Acabou dando resultado, literalmente.

Fique parado

Treze anos depois de caminhar por aquelas portas abertas da Union Station, as mesmas portas
foram fechadas de supetão. Em uma manhã de segunda-feira, em outubro de 2009, recebi um
telefonema de um representante da Union Station, informando-me que a gerência local estava
fechando os cinemas. E, como se não fosse um golpe duro o suficiente, ele me disse que o domingo
seguinte seria nosso último domingo. Nem tivemos tempo para ficar de luto porque tínhamos seis
dias para descobrir como dar as notícias a nossa congregação e decifrar o que fazer em seguida.
Minha mente estava girando.
Parte do motivo daquele telefonema ser tão devastador é que havíamos orado com força para que
Deus nos ajudasse miraculosamente a comprar aquelas salas de cinema. No lugar disso, perdemos o
arrendamento. Sabíamos, em nosso coração, que Deus era o único que poderia ter aberto aquelas
portas. Ele as havia miraculosamente aberto, mas ainda parecia um antimilagre. Não fazíamos ideia
do lugar para onde poderíamos ir, ou o que poderíamos fazer, mas foi aí que Deus nos colocou bem
onde ele nos queria.
Naquela semana, toda a nossa equipe estava programada para participar da Conferência Catalyst,
em Atlanta, Geórgia. Fiquei tentado a cancelar a viagem para continuar trabalhando em um plano de
emergência para a saída da Union Station. Parecia um prazo terrível, mas era o timing perfeito. Às
vezes, você tem de sair de sua rotina para que Deus possa falar com você de uma maneira não
rotineira. Eu sabia que não podia simplesmente pregar um sermão naquele fim de semana; eu
precisava de uma palavra do Senhor. E Deus me deu uma. Durante uma das sessões de ensino, Deus
me deu uma promessa na qual me manter, e pus cada grama do meu peso em Êxodo 14:13,14:

Não tenham medo. Fiquem firmes e vejam o livramento que o Senhor lhes trará hoje, porque vocês
nunca mais verão os egípcios que hoje veem. O Senhor lutará por vocês; tão somente acalmem-
se.[71]

Qual seria a coisa mais difícil a fazer com o exército egípcio atacando você na velocidade
máxima? A coisa mais difícil é precisamente o que Deus lhes disse para fazer: ficar parado. Deus
não apenas joga o jogo da galinha; ele também joga o jogo do sério. Quando nos vimos neste tipo de
situação, ficamos com urgência de fazer algo, qualquer coisa. Nós temos uma energia nervosa que
quer resolver o problema o mais rápido possível. Mas Deus lhes diz para não fazer nada além de
orar. Quanto mais próximo o exército egípcio chegava, mais intensos se tornaram suas orações. Eles
cerravam os dentes. Eles mantiveram o terreno sagrado. Eles oraram como nunca tinham orado antes.

Bem a tempo

Todos nós amamos os milagres. Nós apenas não gostamos de estar em uma situação que requeira
um. Nós odiamos estar entre um exército egípcio e um mar Vermelho, mas é assim que Deus revela a
sua glória. Queremos que Deus parta o mar Vermelho, quando o exército egípcio está ainda no Egito.
Queremos que Deus provenha nossa necessidade antes mesmo de precisar de sua providência. Mas
às vezes Deus espera. E depois ele espera mais tempo. No começo, os israelitas podem ver uma
nuvem de poeira no horizonte. Depois, já podem ouvir os cascos dos cavalos e as rodas de suas
bigas e carruagens. Então, eles estão tão perto que podemos reconhecer os rostos dos seus antigos
capatazes.
Os israelitas estão como patinhos sentados, e Deus é o único que os levou àquele lugar. Parece um
erro tático, não é? Não sou nenhum general, mas eu participei de brincadeiras de jogar papel
higiênico em casas suficientemente para saber que você sempre tem de planejar sua rota de fuga. No
entanto, Deus estabelece um acampamento onde não há meios de retiro. Eu acho que revela algo
sobre o seu jeito misterioso. Às vezes Deus nos leva para um lugar em que não temos para onde
voltar que não seja para ele; a nossa única opção é confiar nele.
Então, por que Deus esperou até o último segundo para fazer a sua jogada? Por que ele deixou o
exército egípcio chegar tão perto? Porque você poderia fazer um filme sobre isso algum dia! E nós
amamos esse tipo de filmes, não é mesmo? A menos, claro, que estejamos no meio deles. Mais uma
vez, o Deus que fornece apenas o suficiente reparte o mar Vermelho bem na hora certa.
Orar com força é confiar que Deus vai lutar nossas batalhas por nós. É a maneira pela qual
tomamos das nossas mãos os desafios que enfrentamos e os colocamos nas mãos de Deus Todo-
poderoso. E ele pode lidar com eles. O difícil é manter nossas mãos de fora.
Quando a Union Station fechou, eu queria resolver o problema, mas não podia. Tudo o que eu
podia fazer era ficar parado. Nunca me senti mais impotente como líder, mas nunca tinha me sentido
mais fortalecido também. Senti-me como Moisés quando me coloquei em frente à nossa congregação
naquele dia e me mantive nesta promessa: “Eu não sei o que vamos fazer, mas sei o que não vamos
fazer. Não vamos ter medo. Nós vamos ficar parados. E vamos ver o livramento do Senhor.”
E Deus nos livrou.
Menos de um ano depois de fechar a porta, Deus abriu dois conjuntos de portas no Teatro Gala em
Columbia Heights e Potomac Yard, em Crystal City, respectivamente, nossa quinta e sexta filial.
Aquela porta fechada levou a uma busca de bens, o que consequentemente nos levou a comprar a
última propriedade na Capitol Hill. E o que não sabia é que essas portas fechadas na Union Station
carregariam ao maior milagre na história da National Community Church. Deus abriu uma porta que
tinha um ferrolho.
PARTE 3

O terceiro círculo
— pense longe

róximo ao fim de sua vida, Honi, o fazedor de círculos, estava caminhando por uma estrada de

P terra quando viu um homem plantando uma alfarrobeira. Sempre um sábio inquisitivo, ele o
questionou:
— Quanto tempo vai levar para essa árvore dar frutos?
O homem respondeu:
— Setenta anos.
Ao que Honi devolveu:
— Você lá tem certeza de que vai viver outros setenta anos para comer desses frutos?
— Talvez não. No entanto, quando eu nasci neste mundo, encontrei muitas alfarrobeiras plantadas
pelo meu pai e pelo meu avô. Assim como eles plantaram essas árvores para mim, estou plantando
árvores para meus filhos e netos, para que eles possam comer o fruto dessas árvores.
Esse incidente levou a um insight que mudou a maneira como Honi orava. Em um momento de
revelação, o fazedor de círculos percebeu que orar é plantar. Cada oração é como uma semente
plantada no solo. Ela desaparece por um tempo, mas no fim dá frutos que abençoam as gerações
futuras. Na verdade, nossas orações dão frutos para sempre.
Mesmo quando morremos, nossas orações não morrem. Cada oração é uma vida, uma vida eterna,
nela mesma. Sei disso por conta dos momentos em minha vida, em que o Espírito Santo me fez
lembrar que as orações de meus avós estão sendo respondidas agora na minha vida. Suas orações
viveram mais que eles.
A oração é a herança que recebemos e o legado que deixamos. Honi, o fazedor de círculos, não
apenas fez a oração que salvou uma geração; suas orações perenes foram respondidas na próxima
geração também. Seu neto, Abba Hilquias, herdou o legado de oração de seu avô. Durante as secas,
Israel batia à sua porta, e Hilquias subia em seu telhado para orar por chuva, assim como seu avô
havia feito.
Quando oramos, nossas orações saem de sua realidade de espaço e tempo. Na verdade, não têm
restrições de tempo ou espaço, pois o Deus que as responde existe fora do espaço e do tempo que ele
mesmo criou. Você nunca sabe quando sua resposta atemporal vai reentrar na atmosfera da nossa
vida e encher-nos de divina antecipação. Nunca subestime sua capacidade de aparecer a qualquer
hora, em qualquer lugar, de qualquer maneira. Ele tem respostas infinitas para nossas orações finitas.
Ele as responde mais de uma vez. Ele as responde para sempre. O problema, é claro, é que queremos
resultados imediatos. Pela eternidade é legal, mas queremos respostas instantâneas.
Quando o comediante russo Yakov Smirnoff imigrou para os Estados Unidos, disse que o que ele
mais amava ali eram os mercados. Ele disse: “Eu nunca vou esquecer quando passei em um dos
corredores e vi uma embalagem com o desenho de uma jarra de leite, mas era um pó — bastava
adicionar água e você tinha leite! Logo a seguir vi outra com o desenho de uma laranja, era suco de
laranja em pó! Então eu vi uma embalagem de um pó, com o rosto de um bebê [talco], e pensei
comigo mesmo, que país!”
Vivemos em uma cultura de soluções rápidas, em tempo real. Entre o noticiário e o Twitter,
estamos sempre sabendo de tudo, sempre no aqui e agora. Nós não apenas queremos ter nosso bolo e
comê-lo, queremos a marca instantânea. Queremos colher um segundo depois de semear, mas não é
assim que funcionam os sonhos grandes e as orações com força. Precisamos ter a paciência do
plantador. Precisamos da visão do agricultor. Nós precisamos da mentalidade do semeador.
Por estarmos cercados de tecnologias que tornam nossa vida mais rápida e fácil, tendemos a
pensar sobre as realidades espirituais da mesma maneira. Porém, quase toda a realidade espiritual
nas Escrituras é descrita com os termos mais longos e mais duros, como na agricultura. Queremos
que as coisas aconteçam na velocidade da luz, no lugar de acontecerem na velocidade de uma
semente que se planta no solo. Queremos que nossos sonhos se tornem realidade da noite para o dia.
Queremos que nossas orações sejam respondidas imediatamente, se não antes. Mas a chave para se
sonhar grande e orar com força é pensar longo. No lugar de pensar em termos de tempo, tempos de
pensar em termos de eternidade. No lugar de pensar em termos de nós mesmos, temos de pensar em
termos de nossos filhos ou netos. No lugar de pensar em ciclos de sete dias, temos de pensar em
termos de setenta anos, como Honi, o fazedor de círculos fez.
Na ilha sueca de Visingsö, há uma misteriosa floresta de carvalhos; misteriosa porque os
carvalhos não são nativos da ilha, e sua origem é desconhecida há mais de um século. Então, em
1980, a Marinha local recebeu uma carta do departamento florestal relatando que a madeira naval
que eles haviam solicitado estava pronta. A Marinha nem ao menos sabia que tinha encomendado
madeira. Após uma pequena pesquisa histórica, descobriu-se que, em 1829, o parlamento sueco,
reconhecendo que os carvalhos levam 150 anos para amadurecer, e antecipando uma falta de madeira
na virada do século 21, havia mandado que 20 mil carvalhos fossem plantados em Visingsö, e
protegidos para a Marinha.[72]
Isso é pensar longo.
Para que fique registrado, o único opositor a esse projeto foi o bispo de Strängnäs. Ele não
duvidava de que ainda haveria guerras em andamento no fim do século 20, porém foi o único a
antever que os navios passariam a ser construídos com outros tipos de materiais.
Outra dimensão de pensar em longo prazo é pensar diferente, e a oração é a chave para ambos.
Orar não é apenas mudar as circunstâncias, mais importante que isso, ela nos muda. Não apenas
altera realidades externas, altera realidades internas, de modo que passamos a ver com os olhos
espirituais. Isso nos dá a visão periférica. Ela corrige a nossa miopia. Ela nos permite ver para além
das nossas circunstâncias, além de nós mesmos, além do tempo.
Não basta sonhar grande e orar com força. Você também tem de pensar longo. Se você não o fizer,
irá vivenciar graus de desencorajamento. Por quê? Porque temos a tendência a superestimar o que
podemos conquistar em um ano. É claro, temos tendência a subestimar o que podemos conquistar em
uma década. Quanto maior for a visão, mais duro você terá de orar e mais longo você terá de pensar.
Porém, se você continuar a circular, virá no tempo de Deus.
A visão para 2020 da National Community Church é ter vinte filiais até lá. Isso não é apenas
sonhar grande, mas pensar longo. Quando eu me sinto desanimado, nove em cada dez vezes, é porque
perdi minha perspectiva-alfarrobeira. A solução? Pense longo. Eu tenho de me lembrar do poder de
Deus, que não conhece limites espaço-temporais. Eu tenho de me lembrar da fidelidade de Deus para
responder às minhas orações, mesmo depois que já tiver há muito tempo partido.
CAPÍTULO 12

Longo e tedioso

ecentemente tive a honra de fazer a invocação no evento de arrecadação da Missão

R Internacional de Justiça no Omini Shoreham, em Washington, DC. Meu amigo, o fundador da


MIJ, Gary Haugen, compartilhou conosco a história da menina de treze anos que havia sido
milagrosamente resgatada de um bordel nas Filipinas. É duro ouvir as histórias de horror que ela
teve de suportar, especialmente quando você mesmo tem uma filha de treze anos. Então Gary mostrou
uma foto de seu rosto sorridente.
Só Deus.
Ele é o Deus que cura e que restaura os sorrisos.
Assim como muitas meninas escravizadas nas escuras profundezas do tráfico sexual, não lhe
permitiam sair de casa. Nunca. Imagine nunca ver a luz do dia ou sentir o calor do sol por anos sem
fim. Então, com os esforços legais da MIJ, ela foi resgatada.
Nunca vou esquecer a descrição de Gary. Ele tocou uma canção de Peter Gabriel, na versão de
Sara Groves, chamada The book of love [O livro do amor], e extraiu da canção um verso. A melodia
é cativante, mas a letra me arrebatou. Vem ecoando em meu córtex auditivo desde então. Pode soar
como uma brincadeira, mas acho que é uma celebração do “amor longevo”. Quanto mais longo você
estiver no amor, mais ele faz sentido.

O livro do amor é longo e tedioso…


É cheio de gráficos e fatos e números…
Mas eu amo quando você o lê para mim.

Gary então usou esta frase retirada da letra — “longo e tedioso” — para descrever o processo de
resgate da menina daquele bordel. Levou 50 viagens longas e tediosas para um tribunal e doze horas
de viagem do escritório da MIJ. Custou mais de 6 mil longas e tediosas horas, cobradas em
honorários, para preencher e tornar a preencher toda a papelada, a qual, obviamente, a menina não
tinha um centavo para pagar. E quem sabe quantos longos e tediosos círculos de oração foram
desenhados em torno daquele bordel e daquela menina.
Orar em frente é longo e tedioso, mas é o preço que você paga pelos milagres. E, não importa
quão longo e tedioso, você não pode pôr um preço em uma menina resgatada das trevas e trazida à
luz. Não há nada tedioso em relação a isso, mas poucos de nós estão dispostos a amar tão longo e
orar tão forte.
A International Justice Mission [Missão Internacional de Justiça] é a catalisadora de centenas de
milagres longos e tediosos a cada ano, e eu acho que conheço a razão. Descobri quando estava
assistindo a uma das reuniões de equipe. Eu deveria ter sido chamado durante uma reunião de
oração. Foi tanto convincente quanto inspirador. Foi convincente porque oravam com muito mais
intensidade e intenção do que orávamos, mas isso me inspirou a fazer da oração nossa máxima
prioridade. Não estou falando sobre o tipo de oração que é a primeira coisa em nossa lista; estou
falando sobre o tipo de oração que é toda a lista. Desde que nossas reuniões de equipe
transformaram-se em reuniões de oração, fiquei convencido de que uma oração pode alcançar mais
coisas que mil planos. Não consigo evitar me perguntar o que aconteceria se mais reuniões de equipe
se transformassem em reuniões de oração. Meu palpite é que aquelas reuniões longas e tediosas
resultariam em muito mais milagres animadores.
Assim como todo bom advogado, os da MIJ sabem como trabalhar como se dependesse só deles,
mas também sabem como trabalhar como se dependesse de Deus. Essa é uma combinação letal
quando se trata de lutar contra injustiça. Se você está disposto a sonhar grande e orar com força e
pensar longo, você pode colocar reis de joelhos e fechar a boca de leões.

Pare, ajoelhe-se e ore

Uma das minhas pinturas favoritas na National Gallery of Art é um retrato, de tamanho maior que o
natural, de Daniel na cova dos leões, pelo artista flamengo Pedro Paulo Rubens. Daniel é todo
musculoso, quase como um atleta anabolizado (e, quem sabe, talvez seja uma pintura fiel), porém
muito mais forte que seu físico externo é sua fortaleza interior. Seu quociente de persistência é sem
paralelos, como denota seu hábito de se colocar de joelhos três vezes ao dia e orar através de uma
janela aberta em direção a Jerusalém. Mesmo quando o rei Dario tornou a oração ilegal, Daniel
continuou a parar, ajoelhar-se e orar, três vezes ao dia.

Quando Daniel soube que o decreto tinha sido publicado, foi para casa, para o seu quarto, no
andar de cima, onde as janelas davam para Jerusalém e ali fez o que costumava fazer: três vezes
por dia ele se ajoelhava e orava, agradecendo ao seu Deus.[73]

Poucas pessoas oraram com mais consistência e intensidade que Daniel, e o que faz sua
persistência tão notável é que ele sabia que seu sonho de reconstrução de Jerusalém não seria
cumprido durante sua vida. Ele orou em direção à cidade que ele sabia que nunca iria ver com os
olhos físicos, mas a viu com seus olhos espirituais. Daniel profetizou que seriam necessários “setenta
anos” para a desolação de Jerusalém chegar a um fim.[74]
Seria possível para um homem sonhar continuamente por setenta anos?
Daniel fez exatamente isso. Ele nunca parou de sonhar grande ou orar com força, porque ele estava
pensando longo. Isso é o que os profetas fazem. Ele não estava apenas olhando, além do cativeiro
babilônico, para a restauração de Jerusalém, estava olhando ainda mais para o futuro, para a
primeira e a segunda vinda de Jesus Cristo. Daniel estava pensando em termos de milênios. Suas
orações e profecias foram as sementes da nossa salvação, e colheremos essas bênçãos até Cristo
voltar.
O que mais me impressiona sobre Daniel é que ele sabia que suas orações não seriam atendidas
por setenta anos, mas ele orou com um senso de urgência. Como um procrastinador que sou, eu teria
sido tentado a esperar até a última semana do sexagésimo nono ano antes mesmo de começar a orar.
Mas não Daniel. Ele tinha a capacidade de orar com urgência sobre coisas que não eram urgentes.
Essa é uma dimensão importante em se tratando de pensar longo.
Quando você começar a desenhar círculos de oração, muitas vezes se sentirá dentro de um
processo longo e tedioso, e pode ser frustrante quando você se sente como se ficasse circulando para
sempre. Você começa a se perguntar se Deus realmente está ouvindo, se Deus realmente se importa.
Às vezes o silêncio é ensurdecedor. Nós circulamos o câncer. Nós circulamos nossos filhos. Nós
circulamos o sonho. Mas não parece estar fazendo a diferença. O que você faz? Meu conselho: pare,
ajoelhe-se e ore. Continue circulando. Circule por setenta anos, se for preciso! O que mais você
faria? Para onde mais poderia se voltar? Que outras opções você tem? Ore em frente.
Vivemos em uma cultura que valoriza demais quinze minutos de fama e não dá valor à fé de uma
vida inteira. Talvez tenha de ser o contrário. Assim como nossos maiores sucessos muitas vezes vêm
no encalço de nossos maiores fracassos, nossas maiores respostas muitas vezes vêm no encalço de
nossas orações mais longas e tediosas. Porém, se você fizer as orações longas e tediosas, sua vida
será tudo, menos tediosa. Sua vida se transformará em uma aventura espiritual, como era para ser.
Nem sempre você vai chegar aonde queria, mas você vai chegar.

Noites insones

A noite que Daniel passou na cova dos leões deve ter sido a mais longa noite de sua vida. Ele não
fechou os olhos. Quando lá chegou, parecia ser a pior das coisas, e a última das coisas que lhe
aconteceria na vida. Ao sair de lá, mostrou-se ser a melhor coisa que já lhe acontecera. Sua fé não
somente calou a boca dos leões; sua fé pôs um rei e um reino de joelhos. Além disso, seu retrato
terminaria pendurado na National Gallery of Art.
Amamos uma boa noite de sono, mas noites insones são o que define nossa vida. Se você vai pôr
reis de joelhos ou calar a boca dos leões, vez por outra vai ter de passar uma noite em claro. Estou
mais e mais convencido de que a maior diferença entre o sucesso e o fracasso, tanto espiritualmente
quanto em termos de ocupação, é o horário para o qual seu despertador está ajustado. Se você voltar
a dormir, você perde. Porém, se você orar em frente, Deus virá, tão certo quanto o nascer do sol.
Algumas das noites mais longas da minha vida foram algumas das noites em que Parker era um
bebê. Ele sofria de cólicas, o que fazia com que chorasse sem parar, sem razão aparente. O júbilo de
ter nosso primeiro filho foi logo substituído pela privação do sono. Ele chorava muito, e com força,
fazendo com que aquelas noites fossem mais e mais longas. A única coisa que acalmava seu choro
eram banhos de banheira. Lembro-me de ir ao banheiro, abrir a torneira e segurá-lo por horas a fio.
Nossa conta d’água foi tão mais alta que o normal que a companhia de água realmente achou que
tínhamos algum tipo de vazamento. Nada! Era somente um bebê chorando.
Quando você está segurando um bebê que não para de chorar, você não pode parar de orar. É tudo
o que sabemos fazer. Parker deve ter sido um dos bebês mais orados de sua geração. Essa é a razão
pela qual sou agradecido por sua cólica. Essa é a razão pela qual Deus o usará de muitas maneiras.
Embrulhamos nossos braços em torno dele e oramos círculos em volta dele a cada vez que ele
chorava. Aquelas eram orações compridas e tediosas, mas agora que as vemos respondidas em sua
vida de adolescente, não trocaríamos aquelas noites insones por nada neste mundo.

Como chegar lá

Além de termos de cuidar de um bebê recém-nascido, estava tentando ser pastor de uma igreja
recém-nascida. Tínhamos um membro em particular que precisava de muito aconselhamento de crise,
e era sempre nas horas mais altas da madrugada. Certa vez ele ligou para meu telefone de casa, às
quatro da manhã, genuinamente preocupado por ele ser Jesus. Sem brincadeira. Eu garanti a ele que
eu conhecia Jesus, e que ele não era ele. Disse a ele que ficaria satisfeito em lhe dar algumas outras
boas razões, depois de algumas horas de sono. É claro, Parker começou a chorar assim que botei o
telefone no gancho!
Quando estava começando como plantador de igrejas, eu não queria que fosse um trabalho longo e
tedioso. Eu queria pastorear para mais de mil pessoas no momento em que eu completei trinta anos.
Quando estava começando como escritor, não queria que fosse a escalada lenta de um autor
desconhecido saído da obscuridade. Queria ser um best-seller do New York Times . Tenho uma
personalidade competitiva, quero ser sempre o primeiro ou o melhor. Quero chegar aonde estou indo
o mais rápido possível. Mas, quando olho para trás na minha jornada, tenho genuína gratidão porque
a National Community Church não cresceu tão rápido quanto eu queria. Não tenho certeza se teria
sobrevivido se a igreja tivesse prosperado logo. Tenho gratidão genuína por ter levado uma dúzia de
anos e meia dúzia de manuscritos inacabados para finalmente publicar meu primeiro livro, In a pit
with a lion on a snowy day [Em uma cova com um leão em um dia nevado]. Se eu o tivesse escrito
aos 25 anos, em vez de aos 35, teria sido somente sobre a teoria, e não teria substância.
Amo o que Deus está fazendo na National Community Church agora mesmo. Os milagres estão
acontecendo por todos os lados. Há mais oportunidades do que eu posso aproveitar. Deus está
alcançando milhares de vidas a cada semana. E amo cada momento disso tudo. Mas eu não trocaria
esses dias, quando nossa renda mensal era de 2 mil dólares e quando começávamos o culto com seis
pessoas, ou quando nos reuníamos na cafeteria da escola, sem ar-condicionado. Esses dias difíceis
me ensinaram a orar com força e nos levaram a pensar longo.
De vez em quando preciso de um dia com a agenda em branco, sem compromissos, sem nada para
se fazer, mas esses não são os dias em que vamos celebrar, ao fim de nossa vida. Nem sequer vamos
nos lembrar desses dias. Vamos nos lembrar dos dias em que tínhamos tudo a fazer e, com a ajuda de
Deus, fizemos. Não vamos lembrar as coisas que vieram facilmente; vamos lembrar as coisas que
vieram com dificuldade. Vamos lembrar os milagres no lado de lá, do “longo e tedioso”.
Escalar a trilha dos incas foi uma das coisas mais difíceis que já fiz. Levei quatro dias para
atravessar uma trilha que era de tirar o fôlego por conta de sua beleza, e também por conta da
altitude. Já era quase madrugada do quarto dia quando finalmente chegamos à Porta do Sol e vimos
Machu Picchu pela primeira vez. Trata-se de um dos lugares mais espetaculares no mundo para ver o
nascer do sol.
Já havíamos escalado quase cinquenta quilômetros em despenhadeiros ao longo de três dias. A
última parte da jornada, do Portal do Sol à cidade no alto da montanha, Machu Picchu, levou cerca
de uma hora. Quando chegamos, a cidade já estava infestada de turistas que haviam tomado um
ônibus até o topo. Era fácil sentir, pelo cheiro, quem era quem. Nossa aparência e nosso odor eram
de quem havia escalado por quatro dias até chegar lá; os turistas pareciam que tinham acabado de
comer ovos mexidos e tomado café.
No começo, senti pena de mim mesmo — tivemos de escalar quatro dias para chegar aqui! Então
tive pena deles. Vimos através de “olhos inca”, porque chegamos lá do jeito que eles chegavam.
Havíamos percorrido sua trilha. Ruínas antigas não deviam ser alcançadas tão facilmente. Tampouco
as verdades antigas. Aquela experiência ensinou-me uma verdade que carrego pela vida: não é só
onde você termina que é importante. É como você chega lá.
Quanto mais difícil, melhor.
É verdade na vida, é verdade na oração.
Raízes profundas

Meu sogro Bob Schmidgall era um fazedor de círculos. Ele fundou a Calvary Church, em
Naperville, no estado de Illinois, e foi pastor ali por mais de trinta anos. A igreja cresceu de um
membro a milhares de membros, e tornou-se uma das igrejas norte-americanas líderes em doações
para missões. A maior lição que aprendi com ele foi esta: se você se plantar em um lugar e deixar
suas raízes irem ao fundo, não há limite para o que Deus poderá fazer. Seu exemplo de longevidade
me inspirou em um dos meus objetivos na vida: ser pastor de uma igreja por mais de quarenta anos. E
seu legado de generosidade inspirou outro objetivo: levar a National Community Church a 25
milhões de dólares a missões.
Meu sogro cresceu em uma fazenda no interior de Illinois, o que significa que ele tinha uma
perspectiva de alfarrobeira. Também quer dizer que ele acordava bem cedo de manhã. Ele foi um
dos homens mais pios que já conheci, e acho que isso é porque ele acordava nas horas mais estranhas
para orar. Ele passava uma hora de joelhos antes mesmo que o resto do mundo acordasse. Em um dia
bom, ele também lia três jornais e registrava três quilômetros na esteira. Minha sogra uma vez
contou-me que tinha de reforçar os joelhos em suas calças, porque aquela era sempre a primeira
parte a ficar puída. Por trinta anos ele se plantou em um lugar. Por trinta anos ele plantou sementes.
Por trinta anos ele deixou que suas raízes se aprofundassem.
Um dos mais longos e difíceis dias da minha vida foi o dia de seu funeral, poucos dias depois de
sua morte chocante aos 55 anos. Milhares de pessoas vieram dar os pêsames, alguns que jamais o
haviam conhecido, mas cuja vida haviam sido indiretamente impactadas pelos sermões que ele
pregara e pelas orações que ele orara. Conhecemos pessoas que colocaram sua fé em Cristo enquanto
ouviam uma de suas mensagens no rádio. Conhecemos pessoas, cujos pais, filhos ou filhas, irmãos ou
irmãs, passaram a seguir Cristo na Calvary. Agora mesmo, quando viajo e ministro palestras em
conferências em todo o país, é raro não encontrar alguém que tenha sido tocado pelo ministério dele,
apesar dos treze anos de sua morte. Suas orações perenes ainda estão rendendo frutos.
Após o culto funerário, nossa família saiu pela porta lateral do santuário e entramos no carro que
ia logo atrás do rabecão, à frente do cortejo fúnebre. Enquanto seguíamos ao longo da Rota 59, da
Calvary Church até o cemitério de Naperville, olhei pelo espelho retrovisor para a mais longa fila de
carros que jamais havia visto. De acordo com a polícia de Naperville, ainda havia carros saindo do
estacionamento da igreja quando entramos no cemitério, distante oito quilômetros.
É com isso que se parece sonhar grande, orar com força e pensar longo. Seu legado é o de um
amor longo. Seu legado é o de pare, ajoelhe e ore. Seu legado é um bocado de manhãs bem cedo e
algumas noites sem sono.

Disponibilidade

Nossa família começou a frequentar a Calvary Church quando eu estava no oitavo ano. Já era uma
mega igreja, com milhares de membros, mas meu sogro tinha uma memória fantástica para nomes e
rostos. Se ele o encontrasse apenas uma vez, lembraria seu nome para sempre. Apesar do tamanho da
igreja, ele nunca perdeu seu coração de pastor. Tinha um espírito acolhedor que dava a ele um ar de
acessibilidade. Talvez seja por isso que meus pais sentiam que podiam ligar para ele às duas da
manhã, depois de meu médico ter expedido um código azul e de várias enfermeiras entrarem
correndo no meu leito de hospital na UTI. Achei que estava nas últimas.
Minha mãe permaneceu ao meu lado, enquanto meu pai tentava conseguir o número da casa da
família Schimdgall. Em menos de dez minutos, meu futuro sogro estava no meu leito de hospital em
seu terno negro, o mesmo o qual eu, mais tarde, poderia jurar que ele usava até para dormir.
Meu sogro era um homem grande, com mãos grandes. Elas se pareciam mais com ganchos de carne
do que com mãos. E quando ele orava pelas pessoas, suas mãos envelopavam sua cabeça como uma
touca. Quando ele pôs suas mãos em minha cabeça, lembro-me de ter pensado que não havia como
Deus não responder àquela oração. Ele tinha uma familiaridade com Deus que nos desarmava. Tinha
uma fé em Deus que nos reconfortava.
Ele poderia ter chamado um membro de sua equipe para fazer a visita. Ele não o fez. Ele poderia
ter esperado até a manhã. Ele não o fez. Ele se decidiu por uma curta noite de sono, sem aviso
prévio, para orar por um menino de treze anos que estava lutando para sobreviver. Mal sabia ele que
aquele menino iria se casar com sua filha um dia. Mal sabia ele que aquele menino lhe daria seu
primeiro neto, um bebê com muitas cólicas chamado Parker. Não há como ele ter jamais sabido, mas
esse é o mistério glorioso da oração.
Você nunca sabe por quem está orando. Você nunca sabe como ou quando Deus irá responder às
suas orações. Porém, se orar orações longas e tediosas, Deus lhe dará respostas animadoras. Se você
está disposto a interromper seu ciclo de sono, seus sonhos podem vir a se tornar realidade.

Oração em um bloqueio criativo

Aspirantes a escritor sempre me perguntam o que é preciso para se escrever um livro. Certamente
não sou autoridade no assunto, mas tenho uma resposta simples para essas ocasiões: privação do
sono. Quando estou na época de escrever, coloco meu despertador para muitas horas antes do que eu
gostaria, me arrasto para fora da cama e martelo meu teclado por várias horas, antes de colocar meu
chapéu de pastor.
Ter seu livro publicado é divertido. Escrever é outra coisa. É um processo longo e tedioso que é
muito sacrificante para quem é perfeccionista. Se eu amo escrever? Sim. Mas o que realmente amo é
ter escrito. E eu queria que ficasse mais fácil, mas não fica. Escrever este livro é tão longo e tedioso
quanto o anterior, e tenho certeza de que o próximo será tanto quanto este. Mas esse processo longo e
tedioso irá traduzir-se no milagre de outra pessoa.
Tive uma peleja com o bloqueio criativo outro dia — já me acostumei a esperar por isso, faz parte
do processo da escrita. Há dias em que você precisa orar em frente e escrever em frente, mesmo
quando não sente o fluxo criativo. Mas tive um caso grave de bloqueio, o que só foi piorado pelo
meu prazo de entrega iminente. Fiquei tão frustrado que decidi tomar minha terceira bebida cafeinada
do dia. Esse é o perigo de ter o escritório um andar acima de uma cafeteria. Nossos baristas
(operadores da máquina de café) sabem que têm de me recusar o café depois da terceira caneca!
Enquanto esperava na fila, não pude deixar de ouvir um de nossos clientes habituais que trabalha
no prédio em frente falando sobre meu último livro, Soulprint [Impressão da alma]. O barista
apontou para mim e disse: “O autor está bem aqui.” Ele me disse que o livro o havia ajudado em sua
jornada de recuperação. Isso o fazia recordar do longo e tedioso processo de doze passos dos AA
(Alcoólicos Anônimos). Ele achou que esbarrar comigo ali tinha sido um encontro marcado por
Deus. A verdade é que foi um encontro marcado por Deus para mim. Sentei-me à mesa de meu
computador com um sentimento renovado que me ajudou a orar em frente e furar meu bloqueio
criativo.
Aquele encontro me fez lembrar o motivo de eu escrever. Minha oração perene é que os leitores
irão circular uma página, um parágrafo, uma frase que talvez ajude a mudar sua vida. Já me entendi
com o fato de que aqueles milagres só acontecem depois de um longo e tedioso processo de escrever
e reescrever. Porém, se eu orar em frente e furar o bloqueio criativo, acredito que há um milagre
esperando por mim do outro lado.
CAPÍTULO 13

O maior de todos

oi um ano longo e tedioso. O crash da bolsa de valores de 1929 havia mergulhado os Estados

F Unidos nas profundezas da Grande Depressão, e a maioria dos negócios estava lutando para
não afundar. Entre esses homens de negócio estava um profissional do ramo hoteleiro chamado
Conrad Hilton. Os norte-americanos não estavam viajando e os hotéis estavam sofrendo com isso.
Hilton estava pegando dinheiro emprestado com seu bellboy (o rapaz das malas) para poder comer.
Foi durante esses dias difíceis que Hilton se deparou com uma foto do Waldorf Astoria na cidade
de Nova York. O Waldorf era o santo graal dos hotéis, com seis cozinhas, duzentos mestres-cuca,
quatrocentos garçons e 2 mil quartos. Tinha até hospital e ferrovia próprios. Olhando para trás,
Hilton observou que 1931 foi “uma época ultrajante para se sonhar”. Mas a crise econômica não o
impedia de sonhar grande, orar com força ou pensar longe. Hilton recortou a fotografia do Waldorf
da revista e escreveu sobre ela, “o maior de todos”. Então, pôs a fotografia sob o vidro de sua mesa.
Cada vez que Hilton se sentava à sua mesa, seu sonho o estava encarando.
Quase duas décadas vieram e se foram. Os Estados Unidos emergiram da Grande Depressão e
entraram na Segunda Guerra Mundial. A era das big bands deu lugar ao bebop. E teve início o baby
boom. Ao mesmo tempo, Hilton continuou circulando aquele hotel. A cada vez que ele passava pelo
Waldorf, tocava a ponta do seu chapéu, em deferência a seu sonho.
Hilton adquiriu um impressionante portfólio de hotéis, incluindo o Roosevelt, em Nova York, e o
Mayflower, em Washington, mas a Rainha, que era como ele chamava o Waldorf, fugia-lhe. Várias
tentativas de comprar o hotel fracassaram, mas ele continuou circulando aquele sonho. Finalmente,
em 12 de outubro de 1942, dezoito anos depois de ter desenhado um círculo em torno de seu sonho,
Hilton deu seu lance. Ele comprou 249.024 ações da Waldorf Corporation e coroou sua coleção de
hotéis com a Rainha.
Como ele fez isso?
Bem, Hilton certamente tinha sua boa cota de destreza nos negócios e tirocínio. Ele era um
visionário trabalhador, e tinha muito carisma. Mas a resposta correta está revelada em sua
autobiografia. É a resposta que ele aprendeu de sua mãe, que havia orado círculos em torno de seu
filho. Nas palavras de Hilton: “Minha mãe tinha uma resposta para tudo. Orar!”
Quando Conrad era um menininho, sua égua Chiquita morreu. Ele ficou devastado e exigiu uma
resposta. A resposta de sua mãe foi a resposta a tudo: “Vá e ore, Connie… Leve para Deus todos os
seus problemas. Ele tem respostas quando não as temos.”[75] Aquela lição não foi perdida nele, nem
quando menino, nem quando velho. Por dezoito longos e tediosos anos, Hilton trabalhou como se só
dependesse dele e orou como se só dependesse de Deus. Então sua persistência valeu a pena.
A última seção da autobiografia de Hilton é intitulada “Ore com consistência e confiança”. Aqui
Hilton nos fornece um sumário de sua abordagem nos negócios — essencialmente sua abordagem
para tudo na vida. “No círculo da vida bem-sucedida, orar é o aro que mantém a roda inteira. Sem
nosso contato com Deus não somos nada. Com ele, estamos ‘um pouco abaixo dos anjos, coroados de
glória e honra’”.[76]
A próxima vez que você se hospedar em um dos hotéis Hilton, lembre-se de que, muito antes de
aquele hotel ser feito de tijolo e concreto, foi feito de oração. Mas se você orar como se dependesse
de Deus e trabalhasse como se dependesse de você por dezoito anos, tudo será possível.
Particularmente amo o fato de Hilton ter tocado a ponta do seu chapéu sempre que passava pelo
Waldorf. Era um gesto de humildade, de respeito, de confiança. Quando você sonha grande, ora com
força, pensa longo, sabe que sua vez um dia chegará.
Hilton certamente celebrou a aquisição de seu grande sonho, mas ele nunca considerou a Rainha
como seu maior investimento ou conquista. Seu maior privilégio foi ajoelhar-se perante o Rei. Foi
isso que fez a Rainha possível. A Rainha sempre foi súdita do Rei.

Em seus joelhos

Daniel está entre as mentes mais brilhantes que a antiguidade conheceu. Ele foi um homem da
Renascença, 2 mil anos antes do Renascimento, com uma aptidão fora do comum tanto para a
filosofia quanto para a ciência. Ele conseguia explicar charadas e resolver problemas como ninguém
mais de sua geração, e ninguém conseguia sonhar ou interpretar sonhos como Daniel. Porém, o que o
distinguia dos outros não era seu QI. Era seu QP. Daniel orava círculos em torno da maior
superpotência da terra e, por ele ter se colocado de joelhos, pôs reis e reinos de joelhos.
Daniel não somente orava quando tinha um dia ruim; ele orava todos os dias. Ele não orava nas
emergências, quando, por exemplo, estava na cova dos leões; a oração era parte do ritmo e da rotina
da sua vida. Orar era sua vida, e sua vida era orar.
Tenho certeza de que Daniel orava com um grau maior de intensidade na noite anterior a ser
jogado na cova dos leões, mas essa intensidade era o subproduto de sua consistência. Ele abordava
qualquer situação, cada oportunidade, todos os desafios e cada pessoa pela oração. E foi essa sua
postura de oração que o levou a uma das mais inesperadas ascensões ao poder na história da
política. Como é que um prisioneiro de guerra se torna primeiro-ministro do país que o aprisionou?
Só Deus.
A ascendência de Daniel desafia a ciência política, mas define o poder dos círculos de oração. A
oração convida Deus para a equação, e, quando isso acontece, todas as apostas estão encerradas.
Não importa se é o vestiário, a sala de reunião ou a sala de aula. Não importa se você pratica a
advocacia ou toca em uma banda. Não importa quem você seja ou o que faça. Se você parar,
ajoelhar-se e orar, então nunca saberá aonde irá, o que fará ou quem encontrará.

Postura de oração

A postura física é uma parte importante da oração. É como uma oração dentro de uma oração. A
postura está para a oração assim como o tom está para a comunicação. Se as palavras são o que você
diz, então a postura é como você diz. Há uma razão para as Escrituras prescreverem uma série de
posturas, como ajoelhar, cair prostrado de rosto no chão, a imposição das mãos e untar a cabeça de
alguém com óleo. A postura física ajuda a postura do nosso coração e da nossa mente.
Quando estendo minha mão em oração, isso simboliza minha entrega a Deus. Algumas vezes eu
ergo um punho cerrado para celebrar o que Cristo conquistou para mim na cruz e declaro a vitória
que ele obteve. É o que fazemos depois de um grande jogo, então por que não durante um grande
louvor?
Durante a mais recente temporada da Quaresma, Parker e eu nos levantamos cerca de meia hora
mais cedo do que o normal para ter um tempinho extra a fim de ler as Escrituras. Também decidimos
que ficaríamos de joelhos enquanto orássemos. A postura física da oração, aliada a um coração
humilde, é a mais poderosa posição na terra. Não tenho certeza se a posição ajoelhada melhora
minha média de acertos na oração, mas ela me coloca no lugar certo. Só sei de uma coisa: a
humildade honra Deus, e Deus honra a humildade. E por que não ajoelhar? Certamente não pode
fazer mal.
Uma de minhas posturas preferidas eu aprendi dos Quakers. Eu conduzia nossa congregação nessa
oração frequentemente. Começamos com as mãos voltadas para baixo, simbolizando as coisas de que
precisávamos nos livrar. Isso envolve um processo de confessar nossos pecados, refutar nossos
temores e abrir mão do controle. Então voltamos nossas mãos para cima, para que fiquem em uma
postura de receptividade. Recebemos ativamente o que Deus quer nos dar — júbilo inenarrável, paz
que transcende a compreensão e graça não merecida. Recebemos os frutos e as dádivas de seu
Espírito com mãos e corações abertos.
Não há nada mágico sobre impor as mãos ou curvar-se de joelhos ou untar a cabeça com óleo, mas
há algo bíblico nisso tudo. Há também algo místico a respeito disso tudo. Quando praticamos essas
posturas indicadas, estamos fazendo o que tem sido feito por milhares de anos, e parte do pensar
longe é apreciar as tradições imemoriais que nos conectam a nossos antecessores espirituais.
A igreja na qual pastoreio é absolutamente ortodoxa na crença, mas um tanto heterodoxa na
prática. Fazer encontros em salas de cinema torna mais difícil manter uma porção das tradições da
Alta Igreja. As telas de cinema são nossos vitrais pós-modernos; o cheiro da pipoca é nosso incenso.
Mas só porque não praticamos uma porção de rituais religiosos extrabíblicos, não quer dizer que
desvalorizamos a tradição bíblica. Só porque acreditamos que a igreja deva ser o local mais criativo
do planeta, não quer dizer que desvalorizamos a tradição. Não somos religiosos a respeito da
religião, o constructo humano criado ao longo de gerações para cercar nossa fé com rituais. Nós nos
mantemos, no entanto, religiosamente atados às tradições imemoriais das Escrituras.
Aprendi que o que vai, volta. O que está na moda, uma hora sairá de moda, e o que estava fora de
moda um dia voltará. A tradição humana é como o pêndulo oscilante. Cantar hinos religiosos pode
ser coisa da velha guarda, mas basta esperar um pouco e cantar hinos para voltar a ser o pico da
criatividade de novo. De uma coisa eu sei: as tradições bíblicas nunca saem de moda. São tão
relevantes agora quanto o foram nos tempos antigos. E quando praticamos a postura de oração
prescrita nas Escrituras, isso nos ajuda a sonhar grande, orar com força e pensar longe.

Toque seu chapéu

Eu amo a descrição detalhada da postura de oração de Daniel. As nuanças não são insignificantes.
Ele orava três vezes ao dia. Ele subia as escadas. Ele as descia de joelhos. E ele abria a janela em
direção a Jerusalém. É a janela aberta que me intriga. Mesmo quando a oração foi criminalizada,
Daniel não fechou a janela para esconder seu ato ilegal. Acho até que ele abriu a janela um pouco
mais e orou um pouco mais alto. A pergunta, é claro, é por que ele abriu a janela em direção a
Jerusalém, em primeiro lugar.
Não é como se Deus não pudesse escutá-lo se a janela estivesse fechada. Não era como se a
resposta de Deus dependesse de sua direção principal. Deus pode nos ouvir, tanto faz se estamos
voltados para o norte, sul, leste ou oeste, mas olhar em direção a Jerusalém manteve Daniel apontado
na direção de seu sonho. Sua postura física espelhava sua postura mental. Era sua maneira de se
manter em foco. Era sua maneira de manter o sonho à sua frente e centralizado. Era sua maneira de
circular a promessa. Abrir sua janela em direção a Jerusalém era a maneira de Daniel tocar a ponta
do seu chapéu ao passar pelo Waldorf.
Há algo poderoso a respeito de estar próximo da pessoa, do lugar ou da coisa para qual você está
orando. Se não houvesse, meu futuro sogro teria orado por telefone mesmo, e voltado a dormir.
Algumas vezes o contato físico cria uma canalização espiritual. A proximidade cria a intimidade.
Estar perto proclama a autoridade. Fazer um círculo de oração é uma maneira de se marcar o
território — o território de Deus.
Passei mais de uma noite de sábado orando na esplanada em frente à Union Station quando
fazíamos cultos ali. Então, em uma manhã de domingo, caminhei pelos corredores, impondo a mão
sobre cada um dos assentos do cinema. Quando fizemos nossa primeira postagem como igreja, não
tínhamos dinheiro para mandar etiquetar os envelopes, então nós mesmos o fizemos. Não apenas
etiquetávamos os envelopes, púnhamos nossas mãos sobre cada nome, sobre cada endereço, sobre
cada destinatário. Uma das mais únicas e especiais orações de proximidade envolveu a dedicação de
um escritório do Senado para Deus. Fomos de escritório em escritório pondo nossas mãos em tudo,
de cadeiras a armários a baleiros.
Após ter apresentado Honi, o fazedor de círculos, à nossa congregação, recebi vários pedidos.
Havia muitos escritórios e apartamentos em Washington que foram circulados em oração. Em cada
ocasião, orar em proximidade tornou essas orações mais do que uma coisa superficial e rotineira.
Assim como a promessa dada a Josué, “todo lugar onde vocês puserem os pés será de vocês”,[77]
esse é um modo de exercitar a autoridade que Deus deu a seus filhos.
Por muitos anos impomos as mãos sobre a parede da rua F, 205, orando para que Deus nos desse a
rua F, 201. Quando Deus respondeu àquelas orações, impusemos nossas mãos do outro lado daquelas
paredes. Descemos três metros de escadas e fizemos uma reunião de oração na fundação de concreto
de nossa cafeteria. Não apenas impusemos as mãos naquelas paredes, mas nós circulamos as
promessas de Deus ao escrevê-las nas paredes. Aquelas paredes estão repletas de orações e
profecias. Já faz algum tempo que as cobrimos com revestimento acústico para nosso espaço de
apresentação, mas as orações estarão para sempre presentes.

Base espiritual

Um dos empregos de verão que tive enquanto estava no colégio foi pintar, mas isso não durou
muito porque, para falar a verdade, eu não era muito bom na atividade. Fui despedido em menos de
uma semana. Mas aprendi uma coisa antes de ser merecidamente dispensado: a base é uma parte
importante da pintura. Se você não tem a base certa, vai ficar pintando para todo o sempre. Se você
está pintando a parede com uma cor clara, vai precisar de uma base clara. Se estiver pintando com
uma cor escura, precisará de uma base escura. Pode parecer que a base é desnecessária. Pode
parecer que a base representa mais trabalho e leva mais tempo, mas ela, na verdade, aumenta a
qualidade, enquanto diminui a quantidade de trabalho.
Pense nisso.
Ao longo das últimas décadas, o psicólogo da Universidade de Nova York, John Bargh, conduziu
experiência de base em estudantes que não sabiam que estavam sendo examinados.[78] Um dos
experimentos envolvia um teste de frases embaralhadas. O primeiro teste estava salpicado de
palavras rudes como “perturbar”, “incomodar” e “intrometer-se”. O segundo teste continha palavras
educadas como “respeitar”, “considerar” e “render-se”. Em ambos os casos, os estudantes
pesquisados achavam que estavam fazendo testes de inteligência. Nenhum dos testados escolheu as
palavras conscientemente, mas elas criaram uma base em seu subconsciente.
Após fazer o teste de cinco minutos, foi pedido que os estudantes atravessassem o saguão e
perguntassem à pessoa que conduzia o experimento sobre qual seria sua próxima tarefa. Um ator
estaria estrategicamente conversando com o condutor quando os estudantes chegassem. O objetivo
era ver quanto tempo os estudantes levariam para interrompê-los.
Bargh queria saber se os estudantes que haviam recebido uma base de palavras educadas levariam
mais tempo para interromper a conversa que aqueles que haviam recebido a base com palavras
rudes. Ele suspeitava que a base “aplicada” ao subconsciente teria algum efeito, mas o efeito
observado foi profundo, em termos quantitativos. O grupo com a base de palavras rudes interrompeu,
em média, após cinco minutos, mas 82% daqueles com a base de palavras educadas nunca chegaram
a interromper. Quem sabe por quanto tempo eles teriam esperado, com paciência e educação, se os
pesquisadores não tivessem dado ao teste um limite de dez minutos.
Nossa mente está subconscientemente recoberta de uma base com tudo o que está acontecendo o
tempo todo. É um testamento ao fato de que nossa mente foi feita “de modo especial e
admirável”.[79] Também é um testemunho do fato de que temos de ser administradores melhores
daquilo que deixamos que entre no nosso córtex visual e auditivo. Tudo o que vemos e ouvimos está
nos dando uma base, positiva ou negativa. Essa é a razão pela qual acredito em começar o dia com as
palavras de Deus. Elas não somente preparam a base para nossa vida, mas também dão a base para
nosso coração. Elas não apenas nos dão a base espiritual, mas também a base emocional e
relacional. Quando lemos as palavras que o Espírito Santo inspirou, isso nos afina para a voz dele e
nos dá uma base para o seu chamado.
Há poucos anos, dois pesquisadores holandeses fizeram uma experiência parecida com um grupo
de estudantes, fazendo a eles 42 perguntas do jogo de tabuleiro “Master”.[80] À metade dos
pesquisados foi pedido que tirassem cinco minutos para refletir sobre o que significaria ser um
professor universitário e escrever tudo o que lhes vinha à mente. Ao outro grupo foi dito para sentar-
se e pensar sobre futebol durante cinco minutos.
O grupo do “professor” acertou 55,6% das perguntas.
O grupo do “futebol” acertou 42,6% das perguntas.
As pessoas do grupo do “professor” não eram mais espertas que as do grupo do “futebol”. E, se
assistir a esportes diminuísse a inteligência, eu seria um idiota. Especialmente durante a temporada
de futebol! O grupo do “professor” apenas estava com um posicionamento mental mais esperto.
O que isso tem a ver com a oração?
Orar é criar uma base. Orar nos dá um posicionamento mental espiritual. Orar ajuda-nos a ver e a
captar as oportunidades que Deus provê e que estão em torno de nós o tempo todo.

Cotovias e corujas
Daniel estava tão embasado com a oração, que ela não apenas santificou seu subconsciente, mas
lhe deu discernimento sobrenatural para criar uma base na mente subconsciente do rei
Nabucodonosor. Daniel discerniu o sonho do rei porque podia ler sua mente. É quase como se a
oração nos desse um sexto sentido.
Em algum lugar próximo à interseção da ciência com a espiritualidade há um princípio que muda
paradigmas, mais bem visto no exercício de base praticado pelo rei Davi:

De manhã ouves, Senhor, o meu clamor; de manhã te apresento a minha oração e aguardo com
esperança.[81]

Uma das razões pela qual muitas pessoas não sentem intimidade com Deus é porque não mantêm
um ritmo diário com Deus, elas têm um ritmo semanal. Isso funcionaria com seu cônjuge ou seus
filhos? Tampouco funciona com a família de Deus. Precisamos estabelecer um ritmo diário para
poder ter uma relação diária com Deus. A melhor maneira de se fazer isso é começar o dia em
oração.
Os dez minutos mais importantes do meu dia são os que gasto lendo as Escrituras e orando com
meus filhos no começo do dia. Nada chega nem em segundo lugar. Isso define o tom do dia. Abre as
linhas de comunicação. Faz-nos começar o dia com o pé direito.
Eu tenho consciência de que há cotovias e corujas. As corujas mal estão começando quando o
mundo se prepara para descansar, as cotovias estão alegres cedo demais. Mas tanto faz se você é
uma coruja ou uma cotovia, você ainda tem de começar o dia em oração para receber uma demão de
base.
Com efeito, um dos parágrafos definidores em minha leitura pessoal veio de uma biografia de D.
L. Moody. A página 129 está com o canto dobrado e toda sublinhada. Moody dizia que se sentia
culpado se ouvisse ferreiros martelando antes de sua oração. De alguma maneira, essa imagem me
converteu de coruja a cotovia. Senti como se meu destino fosse ser determinado nas primeiras horas
do dia. Moody foi um pregador incrível, mas era um orador melhor ainda. Em suas palavras: “Eu
preferia poder orar como Davi que pregar com a eloquência de Gabriel.”[82]
Eu amo a determinação na voz de Davi: “De manhã ouves, Senhor, o meu clamor.” É disso que
estamos falando. É difícil acordar cedo, mas é isso que faz a oração ser tão forte. É a mesma
determinação que vejo em Daniel.
Então Davi declara: “[…] te apresento a minha oração e aguardo com esperança.” A maioria de
nós apenas aguardaria. Davi aguardava com esperança. Há uma grande diferença.
Nossa principal desvantagem é nossa baixa expectativa. Subestimamos a bondade e a dimensão de
Deus em uns 15,5 bilhões de anos-luz. A solução para esse problema é a oração. Orar é como
santificamos nossas esperanças. Apresentar seu clamor a Deus é a maneira que Davi escolheu para
circular as promessas de Deus. Não tenho certeza se eram pedidos escritos, mas criaram uma
categoria no sistema de ativação reticular de Davi. Após ter apresentado seus clamores perante o
Senhor, ele estava embasado e pronto.
Uma maneira que encontrei para botar esse princípio em prática foi orar ao longo do calendário,
em vez de apenas ficar olhando. É incrível a diferença que isso faz quando oro círculos em torno das
pessoas com quem me encontro. Isso transforma simples encontros em encontros divinos. Quando
você vai a uma reunião com uma postura de oração, isso cria uma atmosfera positivamente
carregada.
Depor os clamores perante o Senhor era o modo de Davi tocar a ponta de seu chapéu para o
Waldorf. Era seu jeito de abrir sua janela em direção a Jerusalém. Era sua maneira de orar ao longo
do calendário.
Não sabemos o que ele fazia com seus clamores diários. Talvez ele os colasse à geladeira real;
talvez ele as grudasse no trono com um adesivo. O que sabemos é que elas santificaram suas
esperanças.

Idiossincrasias

Assim como todo mundo, tenho minha cota de idiossincrasias. Não sei por que, mas sempre ajusto
meu despertador para um número par. Um número ímpar me parece totalmente fora de propósito.
Sempre começo a me barbear pelo lado direito do rosto. Nunca começo a dirigir antes de verificar
meu espelho retrovisor esquerdo, porque, na última vez que o fiz, arranquei a mangueira de gasolina
que ainda estava abastecendo meu tanque. E sempre tiro os sapatos quando estou escrevendo.
Mesmo Jesus tinha suas idiossincrasias. Ele amava orar cedo pela manhã,9[83]mesmo depois de
passar a noite em ministério. E ele deve ter sentido uma especial intimidade com o Pai quando
escalava montes e caminhava ao longo das praias. Ele ia para esses lugares porque a proximidade é
uma parte importante da oração, mas isso vai além da geografia; acho que tem a ver também com
genealogia.
Uma das minhas idiossincrasias é que vez por outra faço minhas devoções usando a Bíblia do meu
avô. De fato, comecei este ano no livro de Daniel porque estava fazendo o jejum de Daniel. Perto do
fim de sua vida, meu avô sofreu com um problema de saúde que fazia suas mãos tremerem a ponto de
tornar sua caligrafia ilegível. Mas, com base na quantidade de sublinhados, Daniel era um de seus
livros favoritos. Eu sei disso porque ouvi histórias dele, de seus irmãos e primos sentados em torno
da mesa por horas a fio conversando sobre as profecias em Daniel. Eles pensavam longe e falavam
longe.
Ver os versículos que meu avô sublinhou tem um significado poderoso porque me ajuda a entender
sua mente e seu espírito. Espero que as promessas que eu circulei na Bíblia ajudem meus netos a
fazer a mesma coisa.
Uma dimensão importante da oração é descobrir o próprio ritual, uma rotina particular. Assim
como Daniel, você tem de encontrar sua janela aberta em direção a Jerusalém.
Tenho certeza de que Honi, o fazedor de círculos, orou de muitas maneiras diferentes, em
momentos diferentes. Ele tinha uma grande variedade de posturas de oração. Mas quando precisou
orar em frente, desenhou um círculo e se colocou de joelhos. Sua inspiração para o círculo de oração
foi Habacuque. Ele simplesmente fez o que aquele profeta havia feito: “Ficarei no meu posto de
sentinela.”[84]
Onde é que você sonha grande? Quando é que você ora com força? O que o ajuda a pensar longe?
Você tem de identificar momentos, lugares e práticas que o ajudam a sonhar grande, orar com
força e pensar longe. Quando eu quero sonhar grande, eu passeio pela National Gallery of Art.
Quando quero orar com força, subo a escada para o teto da Cafeteria Ebenézer. Quando preciso
pensar longe, tomo o elevador até a galeria de observação no sexto andar da Catedral Nacional.
Leva-se tempo para descobrir os ritmos e as rotinas que funcionam para você. O que funciona para
outros pode não funcionar para você, e o que funciona para você pode não funcionar para outros.
Sempre fui adepto de um sentimento compartilhado por Oswald Chambers: “Deixe que Deus seja tão
original com as outras pessoas quanto ele é com você.”[85]
Um dos maiores riscos ao escrever o livro que você está lendo é a aplicação desses princípios de
oração sem nem ao menos pensar. Não é uma fórmula, é fé. Não é uma metodologia, é uma teologia.
Realmente não importa se é um círculo, uma elipse ou um trapezoide. Desenhar círculos de oração
nada mais é que apresentar seus clamores perante Deus e aguardar com esperança. Se caminhar em
círculos o ajuda a orar com mais consistência e intensidade, então gire até ficar tonto; se não é,
busque outra coisa. Busque qualquer coisa que o ajude a orar em frente.

Experimento de oração

Temos um princípio fundador na National Community Church: tudo é um experimento. E porque


valorizamos a experimentação, nossa congregação se sente com poder para praticar antigas
disciplinas espirituais, de novas maneiras.
Há vários anos, liderei a cerimônia de casamento de David e Selina. Durante o aconselhamento
pré-nupcial, Selina contou-me a história por trás de sua história de amor. Foi um experimento de
oração que levou aos sinos de casamento. Selina tinha uma amiga que costumava organizar círculos
de oração, recrutando dez pessoas para orarem por uma coisa para uma pessoa a cada dia, ao longo
de trinta ou quarenta ou sessenta dias. O resultado foi impressionante. Aquele experimento de oração
plantou uma semente em seu espírito, e, poucas semanas depois, ela adaptou a ideia e criou o próprio
experimento.
Selina recrutou nove amigas e juntas formaram um círculo de oração. Fizeram uma aliança para
orar a cada uma, todos os dias, e decidiram concentrar suas orações nos seus grandes desafios — os
homens em sua vida. Nem todo mundo no círculo de oração conhecia umas as outras. Para falar a
verdade, nem todo mundo no círculo de oração gostava uma das outras. Porém, quando começaram a
orar para cada uma, todos os dias, Deus começou a uni-las. Costumavam ligar umas para as outras
quando se sentiam impelidas a compartilhar as impressões que o Senhor lhes dava durante a oração,
e era impressionante a quantidade de vezes que a oração atingia o alvo certo, no tempo certo.
Ao fim dos quarenta dias, o grupo decidiu renovar seu experimento de oração por igual período.
Os primeiros quarenta dias foram cheios de ataques espirituais, mas elas foram encorajadas a
continuar porque isso era prova de que estavam fazendo alguma coisa certa. Durante o segundo
período de quarenta dias, o grupo viu vitórias tremendas nas grandes coisas e nas pequenas coisas.
Foi durante esses quarenta dias que Selina conheceu David, mas foi a oração concentrada de nove
amigas que a preparou para encontrá-lo. Ela identificou algumas das mentiras nas quais acreditava, e
os erros que havia cometido. Então ela os circulou em oração, enquanto seu círculo de oração traçou
um círculo duplo em torno deles.
Eu gosto desse experimento de oração em particular não somente porque tive o privilégio de casar
David e Selina, mas gosto porque é o perfeito casamento entre orar com força e pensar longe. Orar
com forçar + pensar longe = manter a concentração.
O que aconteceria se você concentrasse todas as suas orações em uma coisa, por uma pessoa, por
um mês ou por um ano? Só há uma maneira de descobrir: faça o próprio experimento de oração.

Jogo com minutos

No dia 30 de janeiro de 1930, Frank Laubach começou um experimento de oração que chamou de
“o jogo com minutos”. Ele não estava satisfeito com seu grau de intimidade com Deus e decidiu fazer
alguma coisa a respeito. Assim como Honi, que lutou com uma questão específica ao longo de toda a
sua vida, Laubach pelejava com uma questão que moldava seu experimento de oração: É possível ter
contato com Deus o tempo todo? Ele escolheu fazer do resto de sua vida um experimento que
respondesse a essa questão.
Laubach buscava desconstruir os falsos constructos que haviam lhe ensinado. Então reconstruiu
sua vida de oração a partir do zero. Temos de fazer o mesmo. Orar não é algo que fazemos com os
olhos fechados; oramos com nossos olhos arregalados. Orar não é uma frase que começa com
“Querido Jesus” e termina com “amém”. De fato, a melhor oração nem sequer envolve palavras, a
melhor oração é uma vida bem vivida. A vida inteira deve ser uma oração, assim como a vida inteira
deve ser um ato de louvor.
Laubach descreveu o “jogo com minutos” nestes termos:

Tentamos trazer Deus à mente pelo menos no último segundo de cada minuto. Não temos de
esquecer as outras coisas ou parar de trabalhar, mas o convidamos a compartilhar tudo o que
fazemos ou pensamos. Centenas de pessoas têm experimentado isso até que encontramos modos de
deixar que Deus compartilhasse cada minuto de nossas horas despertas.[86]

Uma das maneiras com que Frank Laubach jogava era “disparar” orações para as pessoas nas
ruas. Algumas pessoas passavam direto sem qualquer reação, mas outras faziam cara de surpresa, e
riam. Algumas vezes o humor de uma pessoa mudava completamente.
Seis meses antes desse experimento, Laubach escreveu as seguintes palavras em seu diário de
oração:

A última segunda-feira foi o dia mais completamente bem-sucedido de minha vida até esta data,
no que se refere a dar meu dia em completa e contínua rendição a Deus… Lembro agora, quando
olhava as pessoas com o amor que Deus me deu, elas olhavam para trás e agiam como se
quisessem ir comigo. Senti então que por um dia vi um pouco daquela atração que Jesus exercia
quando caminhava pela estrada dia após dia, “intoxicado de Deus” e radiante com a infinita
comunhão de sua alma com Deus.[87]

Um experimento de oração como esse pode transformar o rotineiro trajeto de casa ao trabalho, ou
uma corrida na esteira ou uma reunião em uma disciplina espiritual cheia de significado. Ainda que
eu não aconselhe isso de “disparar”, é uma ótima maneira de puxar o gatilho em 1Timóteo 2:1:
“Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças por todos
os homens.”
E se parássemos de ler as notícias e começássemos a orar por elas? E se o almoço se
transformasse em momentos de oração? E se convertêssemos cada problema, cada oportunidade, em
oração?
Talvez chegássemos bem mais perto de nosso objetivo: orar sem parar.
CAPÍTULO 14

A velocidade da oração

o mundo da aviação, a barreira do som já foi considerada intransponível. Muitos engenheiros

N acreditavam que Mach 1 representava uma impenetrável parede de ar, e os pilotos que
haviam morrido tentando romper aquela barreira solidificaram a crença. Baixas velocidades
e ondas de choque não são motivos, mas assim que a aeronave atinge velocidades maiores, novas
aerodinâmicas são introduzidas. Quando um avião se aproxima da velocidade do som, as ondas de
choque aumentam, e fazem com que os pilotos percam o controle. A constituição da pressão do ar na
frente da aeronave cria uma onda de arrastão. E uma vez que o ar na parte de cima da asa está
viajando mais rápido que o ar na parte de baixo, por conta do princípio de Bernoulli, sabe-se que o
resultado esperado é que o avião aponte para baixo e aconteça uma catástrofe. Os britânicos, entre
outros, suspenderam suas tentativas de romper a barreira do som quando seu protótipo, o Swallow
[Andorinha], se autodestruiu quando alcançou a velocidade de Mach 0,94. Mas isso não impediu que
um jovem piloto norte-americano chamado Chuck Yeager tentasse o impossível.
No dia 14 de outubro de 1947, um quadrimotor B29 levantou voo de Muroc Field, no alto deserto
da Califórnia. Conectado à barriga do avião militar estava o avião experimental Bell X-1. A 7.500
metros de altitude, o X-1 foi solto expulso da fuselagem, seu motor entrou em combustão, e então
ascendeu para 13 mil metros. À medida que a aeronave alcançava Mach 1, ela começou a sacudir
violentamente. O desafio de controlar o avião foi complicado pelo fato de Yeager ter partido duas
costelas andando a cavalo, dois dias antes. Ele não contara sobre o acidente a seus colegas porque
não queria atrasar a história e sua chance de fazê-la. Quando seu avião alcançou Mach 0,965, o
velocímetro em seu painel ficou errático. Em Mach 0,995, a força gravitacional borrou sua visão e
revirou seu estômago. Então, quando parecia que a nave ira se desintegrar, houve uma forte pancada
sonora, seguida por um silêncio quase instantâneo e estranho. Quando o avião cruzou a barreira do
som, a 1.235 quilômetros por hora, a pressão do ar passou da dianteira para a traseira. As ondas de
choque que haviam martelado o cockpit transformaram-se em um céu de brigadeiro. Yeager atingiu
Mach 1,07, antes de desligar o motor e voltar à terra. A intransponível barreira havia sido transposta.
Tive o privilégio de ouvir Chuck Yeager recontar suas experiências no Museu Aeroespacial
Smithsonian, com o grupo de escoteiros de Parker. Do lado de fora do cinema em que Yeager
ministrava sua palestra, o Bell X-1 está simbolicamente pendurado em pleno ar, junto com outras
aeronaves e espaçonaves históricas. Cada uma delas representa uma ruptura. Cada uma delas é um
símbolo do impossível tornando-se possível. Cada uma é um testamento da engenhosidade e
irrepreensibilidade do espírito humano, o que é, claro, um dom do Espírito Santo.
Assim como existe a barreira do som, existe a barreira da fé. E romper a barreira da fé no campo
espiritual é muito parecido com romper a barreira do som no campo físico. Se você quer passar pela
experiência de uma ruptura sobrenatural, você tem de orar em frente. Porém, ao se aproximar da
ruptura, muitas vezes parece que vamos perder o controle, e que tudo vai ruir. É aí que você tem de
pisar fundo e orar em frente. Se você permitir, suas decepções irão arrastá-lo para baixo. Se você
permitir, suas dúvidas irão apontar seu nariz para o chão. Contudo, se você orar em frente, Deus virá,
e você passará pela experiência de uma ruptura espiritual.
Estampido sônico

Quase como um estampido sônico em seu espírito, chega um momento na oração em que você sabe
que Deus respondeu. Nesse momento, sua frustração e confusão dão lugar à calma e confiança. Seu
espírito torna-se um céu de brigadeiro porque você sabe que não está mais em suas mãos, está nas
mãos poderosas de Deus. A resistência natural que estava sacolejando você torna-se um momento
sobrenatural que passa a propeli-lo.
Lembro-me do momento em que soube em meu espírito que Deus estava para me dar a última
propriedade da Capitol Hill a qual estávamos circulando em oração. Não descobri que tínhamos
conseguido o contrato até minha viagem ao Peru, mas sabia que iríamos consegui-lo, mesmo após
termos perdido. Estávamos em uma reunião de equipe bem rotineira que havia se tornado uma
reunião de oração. Ficamos ajoelhados, mas senti que não estava baixo o suficiente. Senti-me tão
dependente e tão desesperado que terminei com o rosto no chão. Logo depois estava chorando
incontrolavelmente. Meu corpo estava literalmente em convulsão quando eu clamava a Deus por uma
resposta.
Esses momentos de absoluta entrega perante Deus são muito raros. Geralmente a autoconsciência
se intromete, mas não nesse dia. Eu entreguei os pontos. E, para ser bastante honesto, foi embaraçoso,
mas, se você está embaraçado pelos motivos justos, então é um embaraço pio. E quando você chega
ao ponto no qual você se preocupa mais com o que Deus pensa do que com o que as pessoas poderão
pensar, você está chegando perto de uma ruptura.
Acho que nossa equipe ficou um pouco desnorteada, mas ainda assim orou comigo enquanto eu
orava em frente. Formaram um círculo em torno de mim. E quando você concorda em oração, é como
um duplo círculo. Em determinado ponto, quando eu senti que estava desmoronando, ouvi um
estampido sônico em meu espírito. Era como a mudança das placas tectônicas lá dentro de minha
alma. A dúvida deu lugar à fé. Sabia que eu já podia parar de orar porque havia orado em frente. O
negócio estava fechado.

O jejum de Daniel

Nas conjunturas críticas de minha vida, fiz um jejum de Daniel. É chamado assim porque é
inspirado e definido pelos jejuns que Daniel fez em conjunturas críticas de sua vida. É diferente de
um jejum absoluto porque a dieta consiste geralmente de frutas, vegetais e água. E é geralmente feito
com um objetivo específico e por um prazo predefinido na mente. Foi um jejum de dez dias que deu o
pontapé inicial à ascensão de Daniel ao poder político; foi um jejum de 21 dias que terminou com o
encontro com o anjo.
Quando você jejua e ora em conjunto, é quase como uma esteira rolante que o leva ao destino
desejado em metade do tempo. Jejuar pode acelerar nossas orações. Uma vez que jejuar é mais
difícil que orar, jejuar é uma maneira de orar com força. Pela minha experiência, é o caminho mais
curto para uma ruptura.
Veja estas palavras ditas a Daniel:

Não tenha medo, Daniel. Desde o primeiro dia em que você decidiu buscar entendimento e
humilhar-se diante do seu Deus, suas palavras foram ouvidas, e eu vim em resposta a elas. Mas o
príncipe do reino da Pérsia me resistiu durante 21 dias. Então Miguel, um dos príncipes
supremos, veio em minha ajuda, pois eu fui impedido de continuar ali com os reis da Pérsia.
Agora vim explicar-lhe o que acontecerá ao seu povo no futuro, pois a visão se refere a uma época
futura.[88]

Você consegue imaginar sua conversa com um anjo da guarda? Será uma das conversas mais
reveladoras quando chegarmos ao céu, mas Daniel teve a chance de ter uma conversa breve com um
anjo, deste lado do continuum espaço-tempo. Para alguns de nós, tem sido uma conversa
extremamente longa porque mantemos nossos anjos da guarda ocupados demais. Isso é uma clara
verdade para Daniel. Não posso evitar me perguntar se eles tiveram uma conversa paralela sobre a
cova dos leões.
Assim como todas as saudações angelicais, ela começa com “não tenha medo”. Acho que é algum
tipo de protocolo dos anjos. Então os anjos revelam as realidades do campo espiritual de uma
maneira que não se viu em nenhum lugar das Escrituras. Sabemos que nossa batalha não é contra a
carne e o sangue, mas esse encontro sentimos na pele. O anjo revela a importância de se orar em
frente. O anjo revela a batalha espiritual travada além das cortinas de nossa consciência. O anjo
revela de que maneira são processadas as orações.
A oração de Daniel foi ouvida antes que as palavras sequer passassem através de suas cordas
vocais, mas não foi antes do vigésimo primeiro dia que ele vivenciou uma ruptura por conta da
opressão espiritual. Um espírito maligno, conhecido como o príncipe da Pérsia, resistiu ao chamado
por um reforço angelical até o vigésimo primeiro dia.
Eis a pergunta contrafatual: e se Daniel tivesse desistido de orar no vigésimo dia? A resposta é
simples: Daniel teria perdido o milagre no dia anterior ao dia. Não sei onde você está na linha do
tempo entre orar com força e a ruptura. Talvez esteja no primeiro dia; talvez esteja no vigésimo. De
qualquer modo, você pode orar com uma confiança divina, sabendo que com cada círculo de oração
você está uma oração mais próximo. Não desista. Assim como aconteceu com Daniel, a resposta está
a caminho.

Estômago vazio

Há mais de uma maneira de desenhar um círculo de oração. Na verdade, algumas vezes envolve
mais do que orar. Acredito que jejuar é um jeito de circular. Na verdade, um estômago vazio talvez
seja a mais poderosa postura de oração nas Escrituras.
Até mesmo Jesus disse que alguns milagres não são possíveis por meio da oração. Alguns
milagres só são acessíveis por meio da oração e do jejum. É necessária a combinação de oração e
jejum para destrancar alguns ferrolhos duplos.
Quando tenho uma grande decisão para tomar, eu a circulo com um jejum. Isso não somente
purifica meu corpo, mas também purifica minha mente e meu espírito. Quando preciso de uma
ruptura, eu a circulo com um jejum. Isso não apenas derruba os desafios que estou enfrentando, mas
também derruba as calosidades em meu coração.
Talvez exista algo pelo qual você venha orando e precisa começar a jejuar também. Você tem de
passar para o nível seguinte. Você tem de desenhar um círculo duplo ao jejuar por seus filhos ou para
um amigo ou para seus negócios.
Já tentei fazer do jejum uma rotina regular realizando um jejum de Daniel no começo de cada ano.
Durante o jejum de Daniel deste ano, senti-me impelido a orar por sete milagres. Sei o que você está
pensando: “Será que isso é tudo o que ele faz?” Você provavelmente está se perguntando se eu não
teria uma fixação com o número sete. Eu garanto a você que eu não tenho. E a verdade é que só fiz
isso duas vezes na minha vida. E mal posso acreditar, dada a quantidade e qualidade dos milagres
que recebi.
Já se passaram muitos anos desde que escrevi aqueles sete milagres em uma pedra, e acredito que
Deus queria esticar minha fé mais uma vez. Em vez de escrever em uma pedra, eu baixei o aplicativo
Evernote e digitei as orações em meu iPhone.
Foram dois entre sete milagres da primeira vez. E agora são cinco em sete. E os atuais sete
milagres são maiores que os anteriores.
Um dos sete milagres para o qual eu orei foi a quitação de 1 milhão de dólares de nossa hipoteca
da Cafeteria Ebenézer. Durante o jejum, quitamos aquela dívida. Para falar a verdade, pagamos todas
as nossas dívidas. E então, nos últimos doze meses, adquirimos mais de 10 milhões de dólares em
propriedades e estamos livres de dívidas pela primeira vez em anos!
Só Deus.
Porém, os maiores milagres não são financeiros. Os maiores milagres são as centenas de pessoas
que submeteram sua vida ao Senhor Jesus Cristo. Em nosso último batismo, dezenas de novos
membros da National Community Church professaram publicamente sua fé. Pedimos a cada candidato
ao batismo que escrevesse um testemunho de como chegou à fé em Cristo, e mal consigo lê-los em
meio às lágrimas. Cada um deles é um testamento à soberania de Deus e um troféu da graça de Deus.

A gênese

Agora deixe-me fazer uma pergunta sequencial: quando foi que a ruptura aconteceu a Daniel? Foi
no momento em que ele começou a circular no primeiro dia? Ou foi no momento em que ele havia
orado em frente e passado por uma ruptura angelical no vigésimo primeiro dia?
A resposta é ambas. Cada ruptura tem uma gênese e uma revelação, literal e figurativamente. Há a
primeira ruptura e a segunda ruptura.
Deixe-me retraçar o círculo.
Assim que você começou a orar, houve uma resposta.[89]
Essa revelação em especial tem o poder de mudar sua perspectiva em relação à oração. Ela o
inspirará a sonhar grande, orar com força e pensar longe. A resposta é dada muito antes de ser
revelada. Não é diferente do milagre de Jericó, quando Deus disse que já lhes tinha dado a cidade, o
verbo no particípio passado. Você se dá conta de que a vitória já foi alcançada? Estamos ainda
esperando por sua revelação no tempo futuro, mas a vitória já foi alcançada por meio da morte e da
ressurreição de Jesus Cristo. Já terminou. Não é só quando Deus fez o bem em uma graça; é quando
Deus fez o bem em cada promessa. Cada uma delas é um sim em Cristo. Tempo passado. Tempo
futuro. A revelação completa não vai acontecer até que ele retorne, o retorno que Daniel profetizou,
mas a vitória já foi conquistada, de uma vez por todas, para sempre.
Após a aquisição miraculosa da última propriedade da Capitol Hill na esquina da rua 8 com rua
Virginia, eu achei que Deus já tinha terminado, mas ele mal estava começando. O maior perigo de
quando Deus faz um milagre é quando nos sentimos confortáveis. É aí que temos de permanecer
humildes e com fome. Se não formos cuidadosos, podemos perder nossa fé simplesmente porque já
temos aquilo de que precisamos. Isso não é só gerenciamento de um milagre, é negligência da grossa.
Uma das razões pela qual Deus opera milagres é para esticar nossa fé para que possamos desenhar
círculos maiores e para que ele possa fazer maiores e melhores milagres.
Honestamente, estava exausto em razão daqueles nossos quatro meses desenhando círculos em
torno das esquinas das ruas 8 e Virginia, e estava satisfeito com nossas graças. Foi então que alguém
de nossa congregação, com mais fé que seu pastor, disse: “Temos de acreditar em Deus por todo o
quarteirão.” No começo, um quarteirão de uma cidade parecia um círculo grande demais para se
fazer, especialmente com propriedades na Capitol Hill custando 3.500 dólares o metro quadrado.
Mas foi como se houvesse um estampido sônico em meu espírito. Sabia que Deus queria que
fôssemos atrás da oficina mecânica na esquina da rua 7 com a Virgínia. O problema é que ela sequer
estava à venda.
Sabia que aquela oficina seria um espinho cravado na carne se não a comprássemos, porque ela
era muito feia. Então começamos a orar e, para ser honesto, eu queria, pelo menos uma vez, uma
resposta rápida. Ironicamente, a oficina mostrou-se ainda mais difícil. Os proprietários não eram
apenas resistentes a ofertas, nosso corretor nos disse que eles haviam rasgado ofertas na frente das
pessoas que as faziam — ofertas que superavam em 2 milhões nossa oferta inicial. Senti como se
fosse uma luta impossível, a não ser que Deus estivesse lutando ao nosso lado, então soube que a
vitória já tinha sido alcançada.
Sabia que não podia simplesmente orar por aquele milagre. Ele tinha de ser combinado com o
jejum, portanto pratiquei vários jejuns ao longo de vários meses. Também senti como se toda a nossa
equipe precisasse colocar as mãos sobre a propriedade, então fizemos uma viagem a campo no dia
15 de setembro de 2010. Ao colocarmos as mãos naqueles tijolos de concreto, aquele foi um
momento de gênese.
Por vários meses, nossas negociações permaneceram em impasse. O problema é que eles tinham
todas as cartas. Sabiam que nós queríamos a propriedade, e que precisávamos dela, e eles não
queriam nem precisavam vender. Nossa única carta era a oração, mas a oração é uma carta poderosa.
Circulamos a propriedade tantas vezes que fico até surpreso em saber que as paredes não
desmoronaram, como em Jericó.
No dia 15 de janeiro de 2011, quatro meses depois do dia em que pusemos nossas mãos sobre ela,
eu estava em uma viagem para Portland, no estado do Oregon. Quando o avião pousou, meu telefone
mostrou uma mensagem de texto de nosso corretor dizendo que o negócio estava fechado. Eu não
podia acreditar; e eu podia acreditar.
A pergunta, é claro, é esta: Quando foi fechado o negócio? Em 15 de janeiro? Ou foi fechado
antes, em setembro? A resposta é ambos. A gênese foi quando impusemos as mãos sobre a oficina
mecânica em 15 de setembro; a revelação foi o contrato assinado em 15 de janeiro. Em janeiro de
2011, provavelmente éramos a única igreja nos Estados Unidos que tinha uma cafeteria e uma oficina
mecânica.

Uma resolução

Cada milagre tem seu momento de gênese.


No primeiro século antes de Cristo, foi um círculo na areia desenhado por um sábio chamado
Honi. Para Moisés, foi declarar que Deus iria prover carne para comer no meio do nada, mesmo sem
se ter ideia de como fazê-lo. Para Elias, foi ajoelhar-se por sete vezes e orar por chuva. Para Daniel,
acho que foi naquela resolução.
O destino não é um mistério. O destino nada mais é que o resultado de nossas decisões diárias e
das decisões definitivas.
Daniel tomou sua decisão de parar, ajoelhar e orar três vezes ao dia. Essas decisões diárias vão
se somando. Se você toma boas decisões diariamente, elas têm o efeito cumulativo para pagar
dividendos pelo resto de sua vida.
Junto com decisões diárias, há as decisões definitivas. Só tomamos algumas poucas decisões
definitivas na vida, e então passamos o resto de nossa vida gerenciando-as. Talvez você tenha
tomado más decisões ou tenha chegado a um lugar ao qual você não gostou de ter chegado. A boa
notícia é que você só está a alguns passos de distância de uma decisão definitiva para uma vida
totalmente nova.
Daniel tomou uma dessas decisões definitivas quando era adolescente. Não parece grande coisa,
mas muda o rumo de sua história, e da própria História. A ascensão de Daniel ao poder tem origem
naquela decisão que ele tomou lá atrás.
Daniel, contudo, decidiu não se tornar impuro com a comida e com o vinho do rei.[90]
Daniel arriscou sua reputação ao se recusar a comer a comida real. Isso foi um insulto ao rei, mas
Daniel estava mais preocupado em não insultar Deus. Daniel sabia que isso iria violar as regras
alimentares dos judeus, e, ainda que não pareça grande coisa, se você obedecer a Deus nas pequenas
coisas, então Deus sabe que pode usá-lo nas grandes coisas! Foi a indisposição de Daniel em
comprometer suas convicções nas pequenas coisas que levou a sua grande ruptura. Daniel fez um
jejum de dez dias que fez com que ganhasse o favor do principal oficial do rei, e esse favor se
transformou em seu primeiro emprego na administração pública. Então, o “favor daquele que habita
na sarça ardente” continuou a abrir as portas por meio de uma série de promoções, até que Daniel
chegou a braço direito do rei.
Fico me perguntando se Daniel já teve um desses momentos quando ele se olhou no espelho e
perguntou “como é que eu vim parar aqui?” A resposta: decisões diárias e decisões definitivas.
Nunca subestime o potencial de uma resolução para mudar sua vida. Pode ser um momento de
gênese. O destino de Daniel remonta lá atrás para aquela resolução de não se deixar corromper, mas
tomar uma decisão é mais fácil que mantê-la. É aí que a oração, combinada com o jejum, entra na
jogada.

Tente, tente outra vez

Em maio de 2009, Brian e sua esposa Kristina estavam assistindo ao filme À prova de fogo. Foi
tanto uma gênese quanto uma revelação. Foi uma revelação porque Brian sabia que seu vício em
pornografia iria destruir o casamento, assim como o casamento descrito no filme. Isso vinha
destruindo-o desde os doze anos. Foi uma gênese porque Brian, assim como Daniel, resolveu não se
corromper.
Brian e sua namorada de faculdade estavam casados em 1995, mas ele continuou assistindo à
pornografia enquanto ela estava no trabalho. Ele achava que poderia parar quando tivessem seu
primeiro filho. Não aconteceu assim. Então, após assistirem à Fireproof, ele orou para que Deus o
ajudasse a acabar com aquilo de uma vez por todas. Seis semanas mais tarde, ele fracassou. Um ano
depois, após ganhar algumas batalhas e perder outras, ele voltou a recorrer a Deus. Seis semanas
depois, fracassou de novo. Então, no dia 29 de junho de 2010, ele pregou na cruz de Jesus que havia
ganhado a batalha contra o pecado.
O inimigo de nossa alma é conhecido como “o acusador dos nossos irmãos”,[91]e, quando se trata
de irmãos, a maioria das acusações de Satanás tem a ver com pecados sexuais. Para os homens, a
batalha espiritual é quase sempre vencida ou perdida no campo da tentação sexual. E, quando
perdemos uma batalha, o adversário quer que desistamos da luta. Posso lembrar-lhe de algo que o
adversário conhece muito bem? Você pode perder algumas batalhas, mas a guerra já foi ganha. E
ainda que o adversário nunca pare de nos acusar, nosso aliado Todo-poderoso nunca para de lutar
por nós, nunca desiste de nós.
No dia 8 de outubro de 2010, Brian celebrou cem dias livre de pornografia. Foi o mais longo
período de liberdade em um quarto de século. Foi nessa noite que o grupo dos homens na igreja
formou um círculo de orações em torno dele e orou pela pureza de sua alma pela sua força de
vontade. Brian não tem sido o mesmo desde então. Isso não quer dizer que não haverá mais batalhas
a lutar. A guerra nunca termina. Não significa que ele pode parar de circular. Ele tem de orar em
frente. Porém, Brian está agora ajudando outros homens, como líder do grupo masculino, conduzindo-
os no estudo do livro de Stephen Arterburns, Every man’s battle [A batalha do homem comum].
Brian está vencendo a batalha porque Cristo já venceu a guerra. Ele agora está orando círculos de
oração em torno dos homens que Deus está trazendo para seu círculo de influência.
O que eu amo em Brian é que, apesar dos sucessivos fracassos, ele continuou tentando. A maioria
de nós desiste depois de seis círculos ou vinte dias ou dois fracassos. No caso de você ter perdido a
mensagem da primeira vez, se você continuar tentando, você não está fracassando. A única maneira
de você fracassar é desistir de tentar. Se você ainda está tentando, mesmo se estiver fracassando,
você está sendo bem-sucedido. Deus é honrado quando você não desiste. Deus é honrado quando
você tenta outra vez. Deus é honrado quando você continua circulando.
Lembre-se da velha máxima: se você não for bem-sucedido, tente, tente outra vez. O ditado
remonta ao começo dos anos 1800 e vem do Manual dos professores escrito pelo educador norte-
americano Thomas H. Palmer. Sua intenção era encorajar os alunos a fazerem sua lição de casa,
mesmo quando era difícil, porque a persistência sempre compensa.
Em cada viagem espiritual há contratempos. E se você der ouvidos ao acusador dos irmãos, você
se sentirá como um fracassado. Vários homens já acreditaram nessas mentiras. A verdade é que a
vitória já foi alcançada. Para selar a vitória, tudo de que precisamos é uma decisão definitiva e uma
decisão diária. Isso não quer dizer que será fácil. De fato, quanto mais tempo você tiver amarrado,
mais difícil será. E isso pode ser avassalador quando você para e pensa; mas parte de pensar longe é
dividir sonhos, objetivos e problemas em pedaços, em passos de curto prazo. E sempre começa com
o primeiro passo.
Circule Daniel 1:8.
Tome a resolução de não se deixar corromper.
Então circule-a de novo amanhã. E no dia seguinte. E no dia depois desse.
Alguns de nós não começam a lutar a batalha porque não temos certeza se podemos vencer a
guerra, mas a guerra já foi vencida há quase dois mil anos no Calvário. Você tem de se preocupar é
com quem está vencendo a batalha hoje. Porque, do dia de amanhã, Deus é quem está cuidando.
Você consegue manter uma resolução por um dia? Claro que consegue.
Essa decisão definitiva irá levar a uma decisão diária, e, juntas, essas decisões levarão a um
destino diferente.

O espírito versus a carne

Na véspera de sua crucificação, Jesus estava no Getsêmani orando com força e pensando longe.
Estava prestes a encarar o maior teste de sua vida, e ele sabia que precisava orar em frente noite
adentro. Seus discípulos também deveriam estar orando, mas, em vez disso, estavam dormindo.
Provavelmente fingiram estar orando quando ele os acordou, mas babar e roncar denunciam qualquer
um. Você pode ouvir a decepção no tom de voz de Jesus quando lhes pergunta: “Vocês não puderam
vigiar comigo nem por uma hora?”[92]
Esse desafio vale a pena circular. Tome-o literalmente. Tome-o pessoalmente.
Jesus vinha pelos discípulos, mas os discípulos não oravam em frente por ele. Não duraram nem
uma hora. Os discípulos decepcionaram Jesus quando ele mais precisava deles. Isso não apenas
magoou Jesus; Jesus sabia que isso iria magoá-los também.
Deixe-me fazer o papel de teórico contrafatual.
Fico me perguntando se Pedro teria negado Jesus se tivesse orado, em vez de ter dormido. Talvez
ele tenha fracassado no teste por três vezes porque não tinha feito seu dever de casa de oração.
Encaramos essas três negações de Pedro como três tentações, mas talvez fossem três oportunidades
para acertar. Ainda que não possamos provar, acho que Pedro teria passado no teste se tivesse orado
em frente. Mas ele não o fez.
Então Jesus acerta na mosca, e vivemos no alvo.
O espírito está pronto, mas a carne é fraca.[93]
E como é! Nunca foram ditas palavras tão verdadeiras.
A maioria das pessoas tem um espírito pronto, é a carne fraca que atrapalha. O problema não é o
desejo, o problema é a força — mais especificamente a força de vontade. É aí que o jejum entra na
jogada. Jejuar dá a você mais força para orar porque é um exercício de força de vontade. A
disciplina física lhe dá a disciplina espiritual para orar em frente. Um estômago vazio leva a um
espírito cheio. A combinação de oração e jejum lhe dará a força e a força de vontade para orar em
frente até que você vivencie uma ruptura.

Velocidade de escape

No dia 16 de julho de 1969, Neil Armstrong, Michael Collins e Buzz Aldrin subiram a bordo da
Apolo 11 na plataforma de lançamento 39A no Centro Espacial Kennedy. O foguete multiestágio
pesava 47 toneladas, mas carregava 2.700 toneladas de combustíveis.
Romper a barreira do som é uma coisa, sair da atmosfera da Terra é outra coisa bem diferente. Na
decolagem, os quatro motores produziram 3.800 toneladas de empuxo para poder exceder a atração
gravitacional do planeta e alcançou uma velocidade de escape de 28 mil quilômetros por hora. Mas
isso só o coloca em órbita. Se você quer atirar até a lua, você tem de superar os 40 mil quilômetros
por hora.
A oração é a maneira que temos de escapar da atração gravitacional da carne e entrar na órbita de
Deus. É o modo de escaparmos de nossa atmosfera e entrar em seu espaço. É a maneira de superar
nossas limitações humanas e entrar no reino extradimensional no qual todas as coisas são possíveis.
Sem oração, não há escape. Com oração e jejum, não há dúvida. Os dois juntos irão levá-lo a
alturas espirituais com as quais você jamais sonhou. Você não vai apenas escapar da atmosfera, se
orar com um pouco mais de força, e jejuar um pouco mais, você pode até alcançar a lua.
No dia 20 de julho de 1969, Buzz Aldrin e Neil Armstrong pousaram o módulo lunar, a Águia, no
mar da Tranquilidade. A primeira coisa que fizeram foi celebrar a comunhão. Por conta de um
processo impetrado pela ativista ateísta Madalyn Murray O’Hair, quando a NASA transmitiu a
leitura de Gênesis pelos astronautas da Apolo 8, eles decidiram não mostrar essa parte na
transmissão.
Aldrin, um ancião da Igreja Presbiteriana (dos Estados Unidos) levou um kit de comunhão
fornecido pela Igreja Presbiteriana Webster, de Houston, no Texas. Na gravidade lunar, um sexto da
nossa, o vinho subiu graciosamente pela borda da taça. Logo antes de comer o pão e de beber da
taça, Aldrin leu do Evangelho de João:

Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito
fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma.[94]

Deve ser difícil não sonhar grande quando se está a 384.403 quilômetros da Terra. Deve ser
difícil não orar com força quando se está viajando a 40 mil quilômetros por hora pelo espaço. Deve
ser difícil não pensar longe e pensar diferente quando se está vendo o nascer da Terra da superfície
da lua.
Após o maior feito tecnológico que o mundo já vira, Aldrin circulou de volta para uma metáfora
agrícola sobre dar frutos. É um longo caminho desde o jardim do Getsêmani até o mar da
Tranquilidade, tanto em termos de quilômetros quanto em termos de anos. Porém, quando você planta
alfarrobeiras, você nunca sabe quando ou onde elas irão dar frutos. Mas irão dar frutos, depois de 2
mil anos e a 384 mil quilômetros de distância. Irão dar frutos por toda vida, daqui até a eternidade;
daqui ao infinito.
CAPÍTULO 15

Lista dos objetivos de vida m uma tarde de chuva de 1940, um sonhador de

E quinze anos chamado John Goddard pegou um pedaço de papel e escreveu


“Minha lista da vida” na parte de cima. Naquela tarde, escreveu 127 objetivos de
vida. É incrível o que se consegue fazer em uma tarde, não? Quando completou
cinquenta anos, John Goddard havia cumprido 108 dos 127 objetivos que listara. E
não eram objetivos simples.

☑ Extrair o veneno de uma cobra peçonhenta.

☑ Mergulhar sem cilindro a doze metros e prender a respiração por dois minutos e meio.

☑ Aprender jiu-jítsu.

☑ Estudar a cultura primitiva de Borneu.

☑ Decolar e pousar de um porta-aviões.

☑ Correr dois quilômetros em seis minutos.

☑ Ir a uma missão para uma igreja.

☑ Refazer as viagens de Marco Polo e de Alexandre, o Grande.

☑ Aprender francês, espanhol e árabe.

☑ Tocar flauta e violino.

☑ Fotografar as cataratas Vitória, na Rodésia (atual Zimbábue).

☑ Acender um fósforo com um rifle calibre .22.

☑ Escalar o monte Kilimanjaro.

☑ Estudar os dragões-de-komodo, na ilha Komodo.

☑ Construir um telescópio.

☑ Ler a Bíblia de uma ponta à outra.

☑ Circum-navegar o globo.
☑ Visitar o local de nascimento do avô Sorenson, na Dinamarca.

☑ Publicar um artigo na revista National Geographic.

Meu objetivo favorito na lista de Goddard é aquele que ele nunca alcançou, “visitar a lua”. Isso é
que é sonhar grande e pensar longe. Ele definiu esse objetivo antes de alguém conseguir escapar da
atmosfera da Terra.
John Goddard não conseguiu conquistar cada um dos objetivos que listou. Ele nunca subiu o
Kilimanjaro, e na sua intenção de visitar todos os países do globo ficaram faltando alguns países.
Também houve algumas decepções ao longo do caminho. Seu sonho de estudar os dragões-de-
komodo (o maior dos lagartos do mundo) foi por água abaixo quando seu navio afundou a trinta
quilômetros da costa. Então Goddard não alcançou todos os seus objetivos, mas duvido que ele não
teria alcançado metade do que alcançou se não tivesse definido os objetivos em primeiro lugar.
Afinal de contas, você nunca alcança os objetivos que não define.
O cérebro é um organismo que procura objetivos. Definir um objetivo cria uma tensão estrutural
em seu cérebro, que procura preencher o hiato entre onde você está e aonde quer chegar, quem você
é e quem você quer ser. Se você não definir os objetivos, sua mente ficará estagnada. Definir os
objetivos é uma maneira de dar direção à imaginação de seu cérebro direito. É também muito bom
para sua vida de oração.
Quando li pela primeira vez sobre a lista de objetivos de Goddard, me inspirei para compor
minha lista de objetivos para a vida. Ainda que tenha começado há mais de uma década, ainda vejo
minha lista de mais de cem objetivos de vida como um rascunho. A cada ano eu marco como
cumpridos alguns objetivos da lista, mas também anoto alguns novos objetivos.

Sonhos com prazos

O que objetivos de vida têm a ver com sonhar grande? E, falando nisso, o que definir objetivos
tem a ver com orar com força e pensar longe? A resposta é: “tudo.” Definir objetivos é uma ótima
maneira de fazer as três coisas simultaneamente.
Os objetivos são a causa e o efeito de se orar com força. De um lado, a oração é uma incubadora.
Quanto mais orar, mais objetivos do tamanho de Deus você terá para se inspirar a correr atrás.
Porém, a oração não somente inspira os objetivos de Deus, ela também garante que você continuará
orando com força porque essa é a única maneira de se conquistar um objetivo do tamanho de Deus.
Em termos simples, as orações naturalmente se transformam em objetivos, e os objetivos
naturalmente se transformam em orações. Os objetivos lhe dão um alvo para a oração.
Em seu inovador livro Sucesso feito para durar, Jim Collins e Jerry Porras apresentaram o
acrônimo GAO (Grandes e Audaciosos Objetivos).[95] Para mim, o significado do “O” na sigla é
outro. Penso em meus Grandes e Audaciosos Objetivos como minhas Grandes e Audaciosas Orações.
Elas me forçam a trabalhar como se dependesse de mim e orar como se dependesse de Deus.
Os objetivos são minha maneira de pensar longe. Já marquei como cumpridos um quarto dos
objetivos de vida de minha lista. Alguns deles, como palestrar na capela da Liga Nacional de Futebol
(NFL) ou de ser técnico de um esporte para cada um de meus filhos, já marquei várias vezes. Mas
alguns de meus objetivos de vida levarão uma vida para serem cumpridos. Talvez eu leve muitos
anos para escrever 25 livros. Não posso pagar a faculdade de meus netos antes de ter netos. E não
faço ideia de quando farei parte do batismo de 3 mil pessoas no mesmo lugar e na mesma hora, como
no dia de Pentecostes, mas isso está na minha lista de objetivos. E é por isso que eles são objetivos
de vida. Podem levar o tempo de uma vida para serem conquistados, mas vale a pena esperar por
eles, e trabalhar por eles.
Finalmente, definir objetivos é uma maneira de sonhar grande. Se a oração é a gênese dos sonhos,
então os objetivos são a revelação. Os objetivos são sonhos bem-definidos e mensuráveis. Ficar em
forma não é um objetivo, é um desejo. Correr meia maratona, no entanto, é um objetivo, porque você
sabe que terá cumprido o objetivo quando cruzar a linha final.
Objetivos são sonhos com prazo. E esses prazos, especialmente se sua personalidade é como a
minha, são realmente linhas de vida. Sem um prazo, nunca teria conquistado nada, porque sou ao
mesmo tempo um procrastinador e um perfeccionista. E é por isso que tantos sonhos terminam não
realizados. Se você não der a seu sonho um prazo, ele morrerá antes que você saiba. Os prazos
mantêm os sonhos vivos. Os prazos trazem os sonhos de volta à vida.
Sonhei em escrever um livro por treze anos, porém a falta de um prazo quase matou meu sonho.
Não foi antes de eu realmente definir um prazo, meu trigésimo quinto aniversário, que pude terminar
meu primeiro manuscrito e cumprir um objetivo de vida.

Visualização

“Mostre-me sua visão, e eu mostrarei o seu futuro.”


Eu tinha 27 anos quando ouvi essas palavras, e nunca vou me esquecer delas. Porém, não foram
somente as palavras que me impactaram, foi o fato de que elas foram ditas pelo pastor de uma das
maiores igrejas do mundo. Suas palavras tinham um peso maior porque ele sabia bem do que estava
falando. Muito poucas pessoas já sonharam sonhos maiores e oraram orações com mais força.
As Escrituras dizem que, sem uma visão, as pessoas se desviarão.[96] O oposto também é
verdade. Com uma visão, as pessoas prosperam. O futuro é sempre criado duas vezes. A primeira
criação acontece em sua mente quando você visualiza o futuro; a segunda criação acontece quando
você literalmente a encarna.
A visão começa com a visualização. Em 1995, Alvaro Pascual-Leone fez um estudo validando a
importância da visualização. Um grupo de voluntários praticou um exercício de piano para cinco
dedos enquanto neurotransmissores monitoravam sua atividade cerebral. Como era esperado, o
mapeamento mostrou que o córtex motor estava ativo enquanto praticavam o exercício. Então os
pesquisadores disseram aos participantes para ensaiarem mentalmente os exercícios de piano. O
córtex motor estava tão ativo quando faziam o exercício mentalmente quanto na hora de praticarem
fisicamente. Os pesquisadores chegaram a esta conclusão: os movimentos imaginados disparam
mudanças sinápticas no nível cortical.
Aquele estudo confirmou estatisticamente o que atletas já sabiam instintivamente. O ensaio mental
é tão importante, ou mesmo mais importante, que a prática física. É questão da mente sobre a matéria.
E isso é um testamento do poder da imaginação do lado direito do cérebro e da importância de
sonhos bem-definidos. Quando você sonha, sua mente cria uma imagem mental que se torna tanto uma
figura de um mapa como um mapa para seu destino. A figura do futuro é uma dimensão de fé, e o
modo como você a enquadra é circulando-a em oração.
Em 1992, um nadador canadense chamado Mark Tewksbury venceu a medalha olímpica para nado
de costas duzentos metros nos Jogos Olímpicos de Barcelona. Quando subiu no pódio, não era a
primeira vez que tinha feito aquilo. Ele havia subido ao pódio na noite anterior à prova e a tinha
imaginado antes de acontecer. Ele visualizou cada detalhe da corrida com os olhos de sua mente,
incluindo sua surpreendente vitória como azarão, por um dedo.
O time de vela da Austrália fez a mesma coisa na preparação para a Copa América de 1983. O
técnico tinha feito uma gravação da equipe australiana derrotando a equipe norte-americana, três
anos antes da corrida. Ele narrou a regata com o som de fundo de um veleiro cortando a água. Cada
membro da equipe ficou ouvindo aquela fita duas vezes por dia, durante três anos. Quando finalmente
abriram as velas na baía de San Diego, já haviam derrotado a equipe norte-americana por 2.190
vezes em sua imaginação.
O simples ato de imaginar não apenas refaz seu mapa mental: ele cria um mapa. E é esse o
propósito da definição de objetivos. Se os sonhos são a destinação, os objetivos são o GPS que o
levará até lá. Assim, antes de compartilhar minha lista de objetivos de vida, deixe-me retraçar meus
passos e mostrar como cheguei até eles.

Dez passos para definição de objetivos Os objetivos são tão únicos quanto nós. Eles
devem refletir nossa personalidade única e nossas paixões. E chegamos a eles por
diferentes vias. Porém, estes dez passos para a definição de objetivos podem nos guiar
enquanto circulamos nossos objetivos de vida.

1. Comece com uma oração


A oração é a melhor maneira de começar rapidamente o processo de definição de objetivos. Eu
recomendo bastante um retiro pessoal ou uma temporada de jejuns. Compilei minha lista de objetivos
de vida original durante um retiro de dois dias no Rocky Gap Lodge, em Cumberland, no estado de
Maryland. O cronograma folgado me deu a margem de que precisava para sonhar grande, orar com
força e pensar longe. Minha lista original constava de 25 objetivos. Durante um jejum de dez dias, há
alguns anos, eu a revisei e expandi.
Se você definir objetivos no contexto da oração, há uma chance bem maior de que seus objetivos
venham a glorificar Deus, e, se eles não glorificarem Deus, então não são dignos de serem definidos,
para início de conversa. Então comece com a oração.

2. Verifique seus motivos


Se você definir objetivos egoístas, você ficará melhor, espiritualmente falando, se não os
conquistar. É por isso que você deve verificar seus motivos.
Você tem de dar uma olhada longa e honesta no espelho e se certificar de que está indo atrás dos
objetivos pelas razões corretas.
Um de nossos objetivos — o de criar uma fundação familiar — foi inspirado pelo meu papel
como curador de uma fundação de caridade. O homem que criou o fundo foi tragicamente atingido e
morto por um automóvel quando visitava Londres, mas havia inscrito o fundo em seu testamento. Já
se passaram quase duas décadas desde a sua morte, mas seu legado são as centenas de ministérios
que receberam dinheiro na forma de doação. Não importa quanto ou quão pouco dinheiro ganhemos,
esse legado de generosidade está nos inspirando a fazer alguma coisa similar como família. Ao
compartilhar minha lista de objetivos de vida, sei que estou arriscando minha reputação, porque
algumas das motivações por trás de meus objetivos podem ser facilmente mal interpretadas. Ter uma
casa de férias, por exemplo, pode parecer egoísta, mas nossa motivação é usá-la para abençoar
pastores que não têm como pagar pelas suas férias. Por quê? Porque outros já nos abençoaram dessa
maneira quando éramos nós que não podíamos pagar. Sim, amaríamos ter um lugar para dar uma
escapada, porque vivemos no meio urbano. Sim, é um modo de diversificar nossos bens e
economizar para a aposentadoria. Porém, nossa motivação mais profunda é de simplesmente retribuir
a bênção.
Para que fique registrado, esse objetivo não foi marcado como cumprido na lista porque, quando
priorizamos nossos objetivos, ele ficou quase para o final. Não iremos atrás desse objetivo à custa
dos nossos objetivos que envolvem doação, porque nossos objetivos de doação têm precedência
sobre os outros relacionados à finança. Parei de definir objetivos de “ganhar” e passei a definir
objetivos de “doar”. Todos os nossos objetivos financeiros são objetivos de doar porque esse é
nosso foco. Nossa motivação para fazer mais é dar mais. Afinal de contas, você ganha a vida com o
que você consegue, mas você faz uma vida com o que você dá.

3. Pense em categorias
É difícil definir objetivos de vida do nada, então recomendo olhar para a lista de objetivos de
outras pessoas. Porém não copie e cole os objetivos de alguém simplesmente, use a lista de outras
pessoas apenas para se inspirar.
Outro truque que me ajudou foi pensar em categorias. Meus objetivos estão divididos em cinco
categorias: (1) família, (2) influência, (3) experiência, (4) físico e (5) viagem. A omissão óbvia é a
categoria para objetivos espirituais, mas isso foi de propósito. Todos os objetivos têm uma dimensão
espiritual. Alguns deles são obviamente espirituais, como o de levar cada um de meus filhos em uma
viagem de missão, ou ler a Bíblia de uma ponta à outra em sete traduções diferentes, mas correr um
triatlo com meu filho também é uma experiência espiritual. Qualquer objetivo que cultive disciplina
física irá cultivar disciplina espiritual também.
Mesmo o aparentemente menos espiritual dos meus objetivos, ir a uma final do futebol americano,
a Super Bowl, acabou mostrando ter um componente espiritual também. Após o time dos Packers ter
ganhado o jogo final da NFC em 2010, e ter se tornado um dos semifinalistas, eu “tuitei” uma
mensagem dizendo que oraria para conseguir bilhetes. Eu estava brincando, mas um pastor amigo de
Dallas, Bryan Jarrett, me levou a sério. Eu nunca gastei dinheiro comprando ingressos para mim
mesmo, mas estava feliz em orar por eles. E ainda por cima, a quadragésima quinta final do Super
Bowl caiu no aniversário de Josiah, e ele tinha de ir comigo! Por um dia, acho que ganhei o prêmio
de Melhor Pai. É claro, o lado ruim é que nada do que eu fizer depois se comparará àquilo. Ele
jamais ganhará um presente de aniversário tão bom quanto aquele. Nenhum de nós jamais esquecerá
essa experiência, mas o que fez a experiência ganhar ainda mais significado é que eu pude pregar o
Evangelho. Estava encantado por tomar parte da celebração do Super Bowl, mas isso não se
compara à celebração no céu para qualquer pessoa que pôs sua fé em Cristo na manhã em que eu
preguei. Aquele objetivo acabou sendo uma das maiores experiências de vitória da minha vida.

4. Seja específico
Assim como nossas orações, nossos objetivos têm de ser específicos. Se um objetivo não é
mensurável, não temos como saber se o conquistamos. Perder peso não é um objetivo se você não
tem um peso-alvo, dentro de um prazo preestabelecido.
Uma das maneiras pelas quais eu incrementei a especificidade de meus objetivos foi definindo
idades para eles. Quero completar um triatlo quando tiver entre cinquenta e sessenta anos. Esses são
objetivos que têm prazo de validade. E também acrescentei nuanças que deixaram meus objetivos
mais significativos. Eu não quero apenas ver a Torre Eiffel, quero beijar Lora no topo da Torre
Eiffel.
Foi extremamente difícil adicionar números para alguns de meus objetivos de doação, mas decidi
que era melhor pensar grande e faltar um pouco, que pensar pequeno e alcançar a meta. E tudo bem
se tivermos de fazer reparos e retificações em nossas visões.
Não posso controlar quantos livros vendo, e esse nunca foi meu foco. Escrevo porque fui chamado
a escrever. Porém, fui inspirado por um objetivo que foi definido por Jack Canfield e Mark Hansen,
coautores de Canja de galinha para a alma. Seus livros venderam mais de 80 milhões de
exemplares, e sua visão para 2020 é vender 1 bilhão de livros e doar 500 milhões para caridade. Eu
admiro a motivação e a especificação desse objetivo.
Um dos objetivos de vida que Lora e eu compartilhamos é chegar a viver 90/10. Em outras
palavras, queremos viver com 10% de nossa renda e doar os outros 90%. Esse objetivo foi inspirado
pela leitura da autobiografia de J. C. Penney, o fundador da loja de departamentos homônima. Ele
começou dando 10% e vivendo com os outros 90%, mas, no fim da vida, estava dando 90% e
vivendo com os 10% restantes. A cada ano, Lora e eu tentamos aumentar o percentual da renda que
doamos de volta a Deus. No fim, nosso objetivo é reverter o dízimo e dar a Deus uma cota de 90%.
Já que estamos falando de J. C. Penney, vale a pena compartilhar o que ele disse sobre a
importância dos objetivos. “Dê-me um estoquista com um objetivo, e lhe darei um homem que fará
história”, disse Penney. “Dê-me um homem sem objetivo, e eu lhe darei um estoquista.”

5. Escreva
Tenho um ditado que repito para nossa família e para nossa equipe o tempo todo: “O mais curto
dos lápis é maior que a mais comprida das memórias.” Se você não escreveu seus objetivos, na
verdade você ainda não os definiu. Alguma coisa poderosa acontece quando você verbaliza um
objetivo, seja em uma conversa ou em um diário. E é mais que uma boa ideia. É uma ideia de Deus:

Escreva claramente a visão em tábuas, para que se leia facilmente.[97]

Em mais de uma ocasião, pode-se alcançar um objetivo quase imediatamente depois de tê-lo
definido. Há poucos anos escrevi em meu blog a respeito de um novo objetivo que acabara de
acrescentar à lista: visitar a Schlosskirche, a Igreja do Castelo, em Wittenberg, na Alemanha, em que
Martinho Lutero afixou suas 95 teses que dispararam a Reforma Protestante. No dia seguinte, recebi
um convite para fazer parte do grupo de líderes e pensadores que discutiriam como seria uma
próxima Reforma. O lugar? Wittenberg, na Alemanha. E nossa reunião aconteceria no feriado do Dia
da Reforma (31 de outubro)!
Em algum ponto do processo de definição de objetivos, você tem de reunir a coragem para
verbalizá-lo. O ato de verbalização é um ato de fé. Quando você escreve um objetivo, você fica
devendo, e ele fica valendo. O mesmo vale para um diário de oração. Costumava achar que as
orações escritas eram menos espirituais porque eram menos espontâneas. Agora acho o contrário.
Uma oração escrita requer mais fé simplesmente porque é mais difícil escrevê-la do que dizê-la. Mas
a beleza das orações escritas, em particular, e dos diários de oração, em geral, é que você tem um
registro escrito de sua oração. Muitas vezes fracassamos em celebrar uma resposta a uma oração
simplesmente porque esquecemos o que pedimos antes que Deus a respondesse!

6. Inclua outras pessoas


Eu costumava ter uma porção de objetivos pessoais, mas substituí a maioria deles por objetivos
compartilhados. Nada torna a relação tão sólida quanto um objetivo em comum. Os objetivos são a
cola dos relacionamentos. E Deus criou o padrão com a Grande Comissão, a instrução dada pelo
Jesus ressuscitado aos seus discípulos para que eles espalhassem seus ensinamentos para todas as
nações do mundo. Se você quer ficar mais perto de Deus, vá atrás dos objetivos do tamanho de Deus
que ele definiu há cerca de 2 mil anos. Também descobri que quando você vai atrás de um objetivo
com outra pessoa, isso duplica seu júbilo.
Um dos meus objetivos de viagem é passar a noite na Ilha Catalina com Lora. Fiquei apaixonado
por essa ilha idílica quando a visitei pela primeira vez, há dez anos. Caminhei pelas ruas e fiz o tour
pela cidade. E até marquei como cumprido um dos meus objetivos da lista, ao andar de parasail
sobre o Pacífico. Foi um dia mágico, mas foi só para mim, e não foi a mesma coisa sem Lora. O dia
todo fiquei pensando: gostaria que Lora estivesse aqui. Então um dos meus objetivos é levá-la à ilha
algum dia para que possamos desfrutar juntos.
Muitos dos objetivos giram em torno da minha família. Foram feitos sob medida para a
personalidade e a paixão únicas de minha mulher e meus filhos. Josiah é um grande fã de futebol
americano, então ele entrou no objetivo de ir ao Super Bowl. Minha filha Summer tem o dom da
natação, então pensei que passar pela “Fuga de Alcatraz”, uma travessia de dois quilômetros da ilha
de Alcatraz até São Francisco, seria um grande objetivo para nós dois. E Parker tem meu gene
aventureiro, então foi comigo ao Peru no ano passado para escalar a trilha inca até Machu Picchu.
Um dos mais importantes objetivos de vida em minha lista é criar uma aliança disciplinar com
meus filhos. Acho que já cometi mais erros que a média dos pais, mas sabia que nisso eu tinha de
acertar. Quando Parker fez doze anos, circulei seu aniversário com oração. Passei meses orando e
planejando uma aliança disciplinar com três componentes: espiritual, intelectual e físico. O desafio
físico seria treinar e completar um triatlo. O desafio intelectual seria ler uma dúzia de livros juntos.
O desafio espiritual seria ler todo o Novo Testamento, identificar os valores básicos e compilar sua
primeira lista de objetivos para a vida.
No fim daquele ano, celebramos a conclusão dessa aliança ao ir atrás de um objetivo de vida que
estava tanto na sua quanto na minha lista: escalar o Grand Canyon, de uma margem à outra. Esses
dois dias permanecerão para sempre entre os dias mais desafiadores e gratificantes da minha vida.
Completamos a escalada de 38 quilômetros em julho, quando as temperaturas ultrapassavam 49°
Celsius. Perdi seis quilos em um dia! Foi uma das coisas mais difíceis que fiz, mas foi isso que fez o
dia tão memorável. Nunca vou me esquecer da sensação enquanto meu filho e eu subíamos pela trilha
do Anjo Brilhante e chegamos até o topo da margem sul. A primeira coisa que fizemos foi pegar um
sorvete de baunilha na carrocinha. Então, apenas ficamos na beirada, olhando para a trilha que
havíamos atravessado. Ninguém pode tirar esse momento da nossa memória.

7. Celebre ao longo do caminho


Quando você cumprir um objetivo, celebre-o. Quando Deus responder a uma oração, dê uma festa.
Devemos celebrar com a mesma intensidade de quando oramos. Uma das minhas palavras favoritas
em hebraico é “ebenézer”. Significa “até aqui, o Senhor nos ajudou”.[98] Quando você cumprir um
objetivo inspirado por Deus, este é um momento ebenézer. Você tem de encontrar um jeito único de
celebrar e comemorar. Sempre que escrevo um novo livro, por exemplo, nossa família celebra com
uma refeição especial no dia em que o livro é lançado. E eu escolho o restaurante!
Uma das minhas tradições favoritas é um jantar no Tony Cheng’s do bairro chinês na véspera do
Ano-Novo. Todos à mesa compartilham suas memórias favoritas do ano que passou, e é incrível
como muitas dessas memórias eram originalmente objetivos. Levar Summer para sua primeira peça
na Broadway, aprender a esquiar na neve com Parker e celebrar um aniversário de casamento na
Itália com Lora são algumas das minhas maiores lembranças, porém, como todas as lembranças,
começaram apenas como imaginação. Definir objetivos é a maneira como transformamos
imaginações em lembranças e, uma vez que você consegue isso, você tem de celebrar.

8. Sonhe grande
Sua lista de objetivos para a vida incluirá objetivos grandes e pequenos. Incluirão objetivos em
curto prazo e em longo prazo. Mas siga meu conselho: certifique-se de que você tem alguns objetivos
imensos em sua lista. Você precisará de alguns objetivos do tamanho de Deus que sejam
considerados uma loucura. Eis o motivo: grandes objetivos nos transformam em grandes pessoas.
Um dos meus objetivos loucos é fazer um filme. Não faço ideia de como esse objetivo será
cumprido. Se eu tivesse de adivinhar, é mais provável que eu escreva um roteiro do que seja um
dublê. Mas, quem sabe? Não faço ideia de como isso acontecerá, mas essa motivação remonta lá
atrás, a uma das minhas primeiras lembranças. Quando tinha cinco anos, coloquei minha fé em Cristo
depois de ter assistido a um filme chamado O refúgio secreto. De alguma maneira, Deus usou um
filme para salvar minha alma. Gostaria de fazer um filme que fizesse a mesma coisa para outra
pessoa.

9. Pense longe
A maioria de nós superestima o que pode ser alcançado em dois anos, mas subestimamos o que
pode ser alcançado em dez anos. Se quisermos sonhar grande, temos de pensar longe. Os grandes
sonhos muitas vezes se traduzem em objetivos longos e longes. Meu objetivo de levar a National
Community Church a doar 25 milhões de dólares a missões não acontecerá no ano que vem, mas se
dermos com fé e sacrifício ao longo dos próximos 25 anos, chegaremos lá. E Lora e eu queremos
liderar o caminho com um de nossos objetivos longos: doar 10 milhões de dólares enquanto
estivermos vivos.
Lembra-se da questão com que Honi, o fazedor de círculos, pelejou ao longo de toda sua vida? “É
possível um homem sonhar continuamente por setenta anos?” Se você quer sonhar até o dia da sua
morte, você tem de definir objetivos que levem uma vida para serem alcançados. E nunca é tarde
demais para começar.
Meu tio octogenário, Ken Knappen, sempre sonhou em escrever um livro, mas só alcançou seu
objetivo quando estava com oitenta anos. “É possível um homem sonhar continuamente por setenta
anos?” Evidentemente, é possível sonhar até seus oitenta anos, e além.
A triste verdade é que a maior parte das pessoas passa mais tempo planejando suas férias de
verão do que planejando o resto de sua vida. Isso é má administração da imaginação do cérebro
direito. Definir objetivos é uma boa administração. Em vez de deixar as coisas acontecerem, os
objetivos nos ajudam a fazer as coisas acontecerem. Em vez de viver por viver, os objetivos nos
ajudam a viver com um projeto. Em vez de viver de lembranças, os objetivos nos ajudam a viver de
imaginação.

10. Ore com força


Definir objetivos começa e termina com a oração. Os objetivos inspirados por Deus são
concebidos no contexto da oração, e a oração é o que os traz para a realização. Você tem de
continuar circulando seus objetivos na oração, como os israelitas circularam Jericó. E circular seus
objetivos não só cria as oportunidades inspiradas por Deus, mas também nos ajuda a reconhecer as
oportunidades inspiradas por Deus ao santificar nosso sistema de ativação reticular.

O sistema ativador reticular

Na base do tronco cerebral há um aglomerado de células nervosas chamado sistema ativador


reticular. Somos constantemente bombardeados por incontáveis estímulos disputando nossa atenção,
e é o trabalho do sistema ativador reticular que determina o que é notado e que passa despercebido.
Funciona como um radar: é ele quem distingue o que é informação do que é ruído.
Quando Deus nos deu o sonho de começar uma cafeteria, eu imediatamente comecei a perceber
tudo sobre cada loja que eu visitei. Antes do sonho, a única coisa que eu notava era o gosto da minha
bebida. Após o sonho, eu observei tudo, desde a sinalização e os assentos até o layout da loja e a
marca do produto. O sonho de começar uma cafeteria criou uma categoria no meu sistema ativador
reticular, e então comecei a colecionar ideias.
É por isso que a definição de objetivos é tão importante. Ela cria uma categoria em seu sistema
ativador reticular, e você começa a perceber qualquer coisa e todas as coisas que farão você
conquistar seu objetivo. A oração é importante pela mesma razão. Ela santifica seu SAR para que
você perceba o que Deus quer que você perceba. Quanto mais você orar, mais coisas perceberá.
Não é coincidência que estar vigilante e orando são identificados pelo apóstolo Paulo em sua
carta aos colossenses: “Dediquem-se à oração, estejam alerta e sejam agradecidos.”[99] A palavra
vigilante é uma referência aos antigos vigias, cuja função era se sentarem nos muros da cidade e fazer
a varredura do horizonte para atentar para exércitos ameaçadores ou caravanas comerciais. Eles
viam antes e mais longe do que qualquer outra pessoa. A oração abre nossos olhos espirituais para
que vejamos mais depressa e mais longe.
A palavra em aramaico para a “oração” significa “montar uma armadilha”. A oração é a maneira
de capturarmos os pensamentos, sonhos e ideias. E uma maneira de montar armadilhas de oração é
manter um diário de oração. Em minha opinião, manter um diário é uma das disciplinas espirituais
mais negligenciadas e subestimadas. Escrever um diário é a diferença entre aprender e lembrar. É
também a diferença entre esquecer e cumprir nossos objetivos.

Lista de objetivos de vida

Minha lista de objetivos de vida está sempre se modificando, mas eis a mais recente evolução.
Alguns de meus objetivos podem parecer grandiloquentes, enquanto outros podem parecer triviais.
Obviamente, os objetivos de viagem não são tão significativos quanto os objetivos financeiros, que
não são tão importantes quanto os objetivos de família. Os objetivos não estão em ordem de
importância ou prioridade. Os objetivos destacados são aqueles que já conquistei até o período em
que escrevi este livro.

Objetivos de família
☐ 1. Celebrar meu quinquagésimo aniversário de casamento.

☐ 2. Dedicar meu bisneto ao Senhor.

☑ 3. Celebrar um aniversário de casamento na Itália.

☐ 4. Celebrar um aniversário de casamento no Caribe.

☐ 5. Levar cada um de meus filhos em uma viagem de missão.

☑ 6. Ser técnico de um esporte para cada um de meus filhos.

☐ 7. Pagar a faculdade de meus netos.

☑ 8. Criar uma fundação familiar.

☐ 9. Deixar uma herança para meus filhos.

☐ 10. Escrever uma autobiografia.

☑ 11. Criar uma aliança disciplinar.

☐ 12. Levar cada um de meus filhos em uma peregrinação como rito de passagem.
☑ 13. Criar o brasão familiar.

☐ 14. Pesquisar a genealogia da família.

☐ 15. Localizar e visitar o túmulo de um ancestral na Suécia.

☐ 16. Levar meus filhos a uma feira rural.

☐ 17. Ir a um acampamento com meus netos.

☐ 18. Levar meus netos à Disneylândia.

☐ 19. Celebrar uma reunião de família em um cruzeiro.

☐ 20. Celebrar uma reunião de família na cidade de Alexandria, em Minnesota.

Objetivos de influência
☐ 21. Escrever mais de 25 livros de não ficção.

☐ 22. Ser pastor de uma igreja por mais de quarenta anos.

☐ 23. Ajudar 1 milhão de pais a disciplinar seus filhos.

☐ 24. Fazer um discurso inaugural em uma universidade.

☑ 25. Discursar na capela da Liga Nacional de Futebol Americano.

☐ 26. Escrever um best-seller do New York Times.

☐ 27. Escrever um livro de ficção.

☑ 28. Começar um grupo de monitoramento para pastores.

☐ 29. Criar uma conferência para escritores.

☑ 30. Criar uma conferência para pastores.

☑ 31. Dar aulas em uma faculdade.

☐ 32. Liderar a National Community Church para ter uma frequência de mais de 10 mil pessoas
por semana.

☐ 33. Batizar 3 mil pessoas no mesmo lugar ao mesmo tempo.

☐ 34. Construir um orfanato na Etiópia.


☐ 35. Construir uma casa de férias.

☐ 36. Obter o grau de doutor.

☐ 37. Começar uma rede de cafeterias que dá seu lucro líquido para causas do Reino.

☐ 38. Ajudar a implantar mais de cem igrejas.

☐ 39. Fazer um filme.

☐ 40. Ser anfitrião de um programa de rádio ou televisão.

Objetivos de experiências

☑ 41. Levar Summer a uma peça da Broadway.

☑ 42. Escalar a trilha inca até Machu Picchu com Parker.

☑ 43. Ir a uma final do Super Bowl com Josiah.

☐ 44. Passar uma noite na ilha Catalina com Lora.

☑ 45. Andar de paraglide com Parker.

☐ 46. Saltar de paraquedas.

☑ 47. Saltar de um precipício (de asa-delta ou paraglider).

☐ 48. Ir ao acampamento de caubóis com meus meninos.

☐ 49. Levar Parker a um festival de cinema.

☑ 50. Aprender a esquiar na neve.

☐ 51. Aprender a surfar.

☑ 52. Voar de helicóptero sobre o Grand Canyon.

☐ 53. Fazer um raft no Grand Canyon.

☐ 54. Tirar um sabático de três meses.

☐ 55. Fazer um retiro silencioso em um mosteiro.

☐ 56. Fazer uma excursão de canoa de uma noite com meus filhos.
☐ 57. Dirigir um carro esportivo com um de meus filhos.

☐ 58. Ler a Bíblia de uma ponta a outra em sete traduções diferentes.

☐ 59. Passear de balão de ar quente.

☑ 60. Andar a cavalo com toda a família.

☐ 61. Passar uma noite em um hotel em cima de uma árvore.

☑ 62. Ir a um jogo dos Packers em Lambeau Field.

☐ 63. Fazer o caminho de Santiago na Espanha.

☐ 64. Correr com os touros em Pamplona.

☑ 65. Jogar uma partida de golfe em St. Andrews, na Escócia.

☑ 66. Ver a Pedra do Destino no castelo de Edimburgo.

☐ 67. Fazer uma comédia stand up.

☐ 68. Levar Lora à entrega do Oscar.

☐ 69. Ir a uma conferência TED.

☐ 70. Participar de missões em cinco continentes diferentes.

Objetivos físicos

☑ 71. Escalar o Grand Canyon de uma margem à outra.

☐ 72. Escalar uma montanha da categoria 14 (acima de 4 mil metros).

☐ 73. Fazer a travessia “Fuga de Alcatraz” com Summer.

☐ 74. Correr uma corrida de dez quilômetros com meus filhos.

☐ 75. Correr um triatlo com Parker e Josiah.

☐ 76. Enterrar uma bola de basquete com quarenta anos ou mais.

☐ 77. Levantar mais de 120 quilos quando já tiver cinquenta anos.

☐ 78. Correr um triatlo com mais de sessenta anos.


☑ 79. Correr uma meia maratona.

☐ 80. Pedalar por 160 quilômetros.

☐ 81. Correr em uma urbanathlon (corrida de obstáculos urbana).

Objetivos financeiros

☐ 82. Estar livre de dívidas aos 55 anos.

☐ 83. Devolver cada centavo que ganhei na National Community Church.

☐ 84. Viver dos 10% e doar 90% da minha receita quando me aposentar.

☐ 85. Doar mais de 10 milhões de dólares.

☐ 86. Liderar a National Community Church para dar mais de 25 milhões de dólares a missões.

Objetivos de viagem

☐ 87. Seguir os passos de uma das jornadas missionárias de Paulo.

☐ 88. Tirar férias em um motor home com toda a família.

☑ 89. Escalar até o topo do Half Dome no parque nacional de Yosemite.

☑ 90. Hospedar-me no Ahwahnee Hotel no parque nacional de Yosemite.

☑ 91. Visitar a mansão Biltmore.

☑ 92. Hospedar-se no Old Faithful Inn no Parque Nacional de Yellowstone.

☑ 93. Escalar até o Inspiration Point, próximo ao lago Jenny, no parque nacional de Grand Teton.

☑ 94. Ir a um rodeio de faroeste.

☐ 95. Escalar até as igrejas cavadas na pedra em Lalibela, Etiópia.

☐ 96. Visitar os mosteiros de Meteora, na Grécia.

☐ 97. Ir a um safári africano.

☐ 98. Caminhar pela Via Dolorosa, na Terra Sagrada.


☐ 99. Visitar Jerusalém durante um feriado judaico.

☐ 100. Ver um canguru na Austrália.

☐ 101. Mergulhar na grande barreira de recife, na Austrália.

☐ 102. Beijar Lora no topo da Torre Eiffel, na França.

☐ 103. Escalar o Kilimanjaro.

☐ 104. Ver a aurora boreal.

☐ 105. Andar de caiaque no Alasca.

☑ 106. Visitar a Igreja do Castelo, em Wittenberg, na Alemanha.

☐ 107. Fazer um cruzeiro pelo rio Reno.

☐ 108. Andar de gôndola em Veneza.

☐ 109. Ver o sol nascer na montanha Cadillac, no Parque Nacional de Acadia.

☐ 110. Andar pelas trilhas do Parque Nacional Haleakala, no Havaí.

☑ 111. Pôr os pés sobre a linha do Equador.

☑ 112. Ver a Gruta Azul, na Itália.

☐ 113. Visitar o Partenon, em Atenas, na Grécia.

☐ 114. Passear de carruagem pelo Central Park, em Nova York.

☐ 115. Hospedar-me no Grand Hotel, na Ilha Mackinac.


PARTE 4

Continue circulando

mais recente objetivo de vida que risquei da minha lista foi escalar o Half Dome, no Parque

O Nacional Yosemite, com meu filho Parker. Em termos de grau de dificuldade, ele vem logo
atrás de escalar a trilha inca para Machu Picchu e de escalar o Grand Canyon de uma margem
à outra. Foi uma escalada de 25 quilômetros com uma ascensão de 1.500 metros. Mas a parte mais
difícil não foi o desafio físico; a parte mais difícil foi encarar meu medo de altura e subir pelos
cabos que escalavam a ladeira de 60° até o topo.
Na manhã da escalada, olhei para o Half Dome do chão do vale e este pensamento cruzou minha
mente: “Como é que vamos conseguir chegar lá em cima?” Parecia-me quase impossível, mas a
resposta foi simples: “Com um passo de cada vez.” É assim que você conquista qualquer objetivo.
Você pode escalar a mais alta montanha se simplesmente botar um pé na frente do outro e se recusar
a parar até ter chegado ao topo.
Desenhar círculos de oração é bem parecido com escalar uma montanha. O sonho ou a promessa
ou o milagre podem parecer impossíveis, mas se você continuar circulando, tudo será possível. A
cada oração, há uma pequena chance na elevação. A cada oração, você está um passo mais próximo
da resposta.
Após minha escalada no Half Dome, cheguei a dar-me conta do seguinte: o grau de satisfação é
diretamente proporcional ao grau de dificuldade. Quanto mais duro for a escalada, mais doce é o
topo. O mesmo vale para a oração. Quanto mais você tem de circular alguma coisa em oração, mais
satisfatória ela é espiritualmente. E, muitas vezes, mais glória Deus recebe.
Até recentemente, eu queria que Deus respondesse a todas as orações, assim que possível. Essa já
não é mais minha atitude. Não quero respostas fáceis ou respostas rápidas porque tenho uma
tendência a não lidar bem com as bênçãos que vêm muito facilmente ou muito rápido. Eu tomo o
crédito para mim, ou fico confiante demais que elas virão. Por isso, agora eu oro para que tome o
tempo necessário para ser duro o suficiente para que Deus receba toda a glória. Não estou
procurando o caminho mais fácil, estou procurando o caminho de maior glória. E isso requer orações
com alto grau de dificuldade, e um bocado de círculos.
É muito raro que nossas primeiras orações acertem na mosca dos bons, agradáveis e perfeitos
desígnios de Deus. A maioria dos pedidos de oração tem de ser refinada. Mesmo a “oração que
salvou uma geração” não acertou na mosca na primeira vez. Honi refinou seu pedido duas vezes:
“Não foi por essa chuva que orei.” Ele não estava satisfeito com uma garoa ou um toró. Precisou de
três tentativas para que saísse exatamente como ele queria: “chuva de graça, bênção e favor.” Honi
desenhou um círculo na areia. Então desenhou um círculo dentro de um círculo.
Uma das razões pelas quais ficamos frustrados na oração é nossa abordagem “assim que
possível”. Quando nossas orações não são respondidas com a velocidade ou a facilidade que
queremos, ficamos cansados de circular. Talvez tenhamos de mudar nossa abordagem de oração de
“assim que possível” para “no tempo que for necessário”.
Continue circulando!
CAPÍTULO 16

Milagre duplo

uando você vive pela fé, muitas vezes pode se sentir como se estivesse arriscando sua
Q reputação. Você está arriscando a reputação de Deus. Não é sua fé que está em risco aqui. É
a fé de Deus. Por quê? Porque Deus é quem fez a promessa, e ele é o único que pode mantê-la. A
batalha não pertence a você, pertence a Deus. E porque a batalha não pertence a você, tampouco
pertence a glória. Deus responde às orações para trazer glória para seu nome, o nome que está acima
de todos os nomes.
Desenhar círculos de oração não tem a ver com provar-se para Deus: trata-se de dar a Deus a
oportunidade de provar-se para você. Só para o caso de você ter esquecido — e para garantir que
você sempre lembrará — você pode contar com Deus. Não posso prometer que ele responderá no
seu cronograma. Mas posso prometer isto: ele responde a cada oração, e ele mantém todas as
promessas. É isso o que ele é. É isso que ele faz. E se você tem a fé para sonhar grande, orar com
força e pensar longe, não há nada que Deus ame mais que provar a fé dele.
O neto de Honi, o fazedor de círculos, Hanan ha-Nehba, continuou o legado de seu avô em espírito
e em ação. Quando Israel precisava de chuva, os sábios enviavam as criancinhas para puxarem a
borda de sua túnica e pedirem por chuva. Hanan ha-Nehba capturou o coração de seu avô e o
coração do Pai celestial com uma simples oração: “Mestre do universo, faça isso em nome desses
pequeninos, que não sabem a diferença entre o Pai que pode trazer a chuva e o papai que não pode.”
Apesar do que os céticos possam dizer, Deus não se ofende com seus sonhos grandes e suas
orações audaciosas. Ele é um Pai orgulhoso. O establishment religioso criticava Honi por desenhar
um círculo e exigir a chuva, mas isso deu a Deus uma oportunidade para provar seu poder e seu
amor. É isso que Deus quer. E é isso que a oração faz.

Não faça planos pequenos

“Não faça planos pequenos; eles não têm mágica para insuflar o sangue dos homens.” Essas
palavras são atribuídas ao arquiteto e visionário Daniel Burham. Após trabalhar como o principal
arquiteto da Feira Mundial de Chicago, em 1893, ele se voltou para uma grande visão — o grandioso
terminal de Washington.
Foi necessário um exército de trabalhadores, um ano inteiro e 3 milhões de metros cúbicos de
terra para aterrar o pântano que se tornaria a fundação da Union Station. Isso é terra suficiente para
encher 80 mil carretas que, enfileiradas, percorreriam quase mil quilômetros. Cinco anos e 25
milhões de dólares mais tarde, a visão de Burnham tornou-se uma realidade quando o Expresso de
Baltimore e Ohio Pittisburgh apitou entrando na Union Station às 6h50 da manhã de 27 de outubro de
1907.
Ao longo do século seguinte, reis e rainhas percorreram seus corredores. Durante ambas as
guerras mundiais, militares beijaram seus entes queridos e deram adeus, a caminho da guerra. E após
uma restauração que custou 160 milhões de dólares nos anos 1980, a estação de metrô modernizada e
o centro comercial, ela se tornaria o destino mais visitado de Washington, DC.
É difícil caminhar pela Union Station sem ouvir o eco das palavras de Daniel Burnham: “Não faça
planos pequenos.” É quase como se as grandiosas abóbadas erguessem o teto de seus sonhos. Por
treze anos incríveis, a National Community Church teve suas reuniões nas salas de cinema da Union
Station. Quando essas salas foram fechadas no outono de 2009, parecia que o trem havia deixado a
estação e nós o tínhamos perdido. Foi uma das grandes decepções da minha vida, e ficamos
enlutados por aquela perda por meses. Eu honestamente não acredito que iríamos encontrar um local
substituto que chegasse aos pés da visibilidade e acessibilidade da Union Station.
Estava errado.

Abarrotados

Algumas vezes agimos como se Deus estivesse surpreso pelas coisas que nos surpreendem,
porém, por definição, o Onisciente não pode ser surpreendido. Deus está sempre um passo à frente,
mesmo quando parece que ele está um passo atrás. Ele sempre tem uma surpresa santa em sua manga
soberana.
Quando as portas das salas de cinema da Union Station foram fechadas, sentia-me como se
estivesse entre o mar Vermelho e o exército egípcio. Não entendia por que Deus estava deixando que
aquilo acontecesse, e não sabia para onde ir ou o que fazer. Estava cheio de perguntas. Estava cheio
de dúvidas. Mas também estava contando com a promessa que havia circulado em Êxodo 14:
“Fiquem firmes e vejam o livramento que o Senhor lhes trará […].”[100] Eu apenas não sabia que
teríamos de nos manter firmes por um ano e meio.
Fomos pegos desarmados com o fechamento da sala de cinema, mas Deus já havia preparado
perfeitamente para nós o que ele já sabia que aconteceria. Como uma multi-igreja com cinco filiais,
tivemos a flexibilidade para redistribuir nossa congregação. Além disso, nossa cafeteria, com um
palco para apresentações, ficava a menos de um quarteirão da Station. O problema é que nossa
cafeteria não poderia lidar com uma capacidade grande. Sabíamos que era uma solução provisória,
enquanto procurávamos por todos os cantos por um ano e meio, mas nada encontramos. Era
desencorajador porque estávamos trabalhando como se dependesse de nós e orando como se
dependesse de Deus, mas era encorajador pela mesma razão. Tivemos paz porque estávamos orando
em frente. Sabíamos que nossa incapacidade de encontrar um local alternativo não era por falta de
tentativas ou falta de oração.
Continuamos firmes até que ficamos apenas com o teatro da cafeteria. Em determinado ponto,
brincávamos dizendo que queríamos alcançar todo mundo na Hill, exceto os bombeiros, mas não era
bem uma piada. Estávamos espremendo o dobro da capacidade projetada do espaço para
apresentações e estávamos fazendo isso quatro vezes por fim de semana. Quando começamos a ter
que mandar as pessoas embora, ficamos desesperados.
Então, certo dia, estava dirigindo por Barracks Row, a principal rua da Capitol Hill, e observei a
People’s Church. É impossível deixar de notá-la por conta da marquise de cinema que vinha
decorando a fachada por mais de um século.

Localização, localização, localização

A Barracks Row foi a primeira rua comercial da capital da nação por conta de sua proximidade
com a Navy Yard, que havia se estabelecido lá em 1799. Quem chegava a Washington vinha naquelas
docas e comia sua primeira refeição ou passava sua primeira noite na rua 8. Em 1801, Thomas
Jefferson escolheu a rua 8 como local dos alojamentos para os fuzileiros navais, dando à área sua
designação de barracks row [fila dos alojamentos]. A Row floresceu por um século e meio, mas os
conflitos de 1968 no DC espantaram os negócios da região e deixou a Barracks Row à míngua.
Parecia uma daquelas cidades-fantasmas dos filmes de faroeste que passavam na seção tripla exibida
no cinema da Row.
No fim dos anos 1990, um esforço de revitalização culminou no prêmio Great American Main
Street da Comissão Nacional para Preservação Histórica. As fachadas foram restauradas e
recuperaram sua grandiosidade original; o comércio local trouxe o sentimento comunitário de volta à
área; e uma grande variedade de restaurantes com novos conceitos restabeleceu a vida noturna.
Quando o desfile de 4 de julho, o dia da independência, voltou à rua 8, há alguns anos, a Barracks
Row era de novo a principal rua da Capitol Hill. A rota do desfile começa em nossa propriedade na
rua 8, esquina com a Virgínia, passa pela People’s Church três quarteirões ao norte e termina na 8
com a avenida Pennsylvania.
Se Deus tivesse me dito “eu lhe darei qualquer lugar que você queira para relançar sua filial da
Union Station”, eu teria escolhido a People’s Church. Ela tinha localização, localização, localização.
Mas eu me sentia mal por pensar isso e quase deixei para lá por uma razão óbvia: a People’s Church
se reunia lá. E, ao mesmo tempo, sentime impelido a ligar para o pastor, e aprendi uma valiosa lição
depois de o Espírito Santo ter me impelido a ligar para Robert Thomas uma década antes: você
nunca sabe que resposta poderá receber se não fizer a pergunta. Aquele simples telefonema levou-me
à aquisição da rua F, 201, que levou à Cafeteria Ebenézer. Eu não fazia ideia que aquele telefone iria
me levar a um duplo milagre, mas eu sabia que tinha de dar aquele telefonema.

O dobro do tempo

Eu googlei a People’s Church e encontrei o número de telefone de seu pastor, Michael Hall. Antes
mesmo que eu pudesse me apresentar, ele me disse que tinha sabido de nosso incidente com o
fechamento da Union Station. Ele foi tão cordial quanto se pode ser. De fato, ele nos ofereceu para
usar sua igreja temporariamente até que pudéssemos encontrar uma solução permanente. Declinei
dessa oferta gentil porque não seria um horário livre ou outro que iria aliviar nossos problemas de
localização, mas fiquei lisonjeado com a oferta.
Algumas semanas mais tarde, almoçamos juntos no Matchbox, um de meus restaurantes favoritos
da Barracks Row, localizado próximo à People’s Church. Imediatamente soube que tinha feito um
novo amigo. Fiquei chocado ao saber que ele tinha 71 anos, porque não parecia nem um dia a mais
que 55 anos. Devem ser os genes. Sua mãe, com 91 anos de idade, ainda está pregando.
Michael contou-me que seus pais, Fred e Charlotte Hall, haviam adquirido o velho cinema
Academy, em 1962, e começado a People’s Church. Ele me disse que o perfil demográfico da
congregação havia mudado ao longo da década anterior, e que a maioria dos membros vinha de
Maryland. E me contou que quase tinham vendido a igreja há poucos anos, por motivos financeiros,
mas que o negócio não dera certo porque a comunidade da Capitol Hill não queria uma boate lá, e,
além disso, toda a igreja foi contra a venda.
Um mês mais tarde, almoçamos juntos mais uma vez. Sentime como se Deus estivesse me
impelindo a perguntar se ele pensaria em vender a igreja. Honestamente, não me importava se a
resposta fosse sim ou não, só queria que ele não se ofendesse com a pergunta. Ele não se ofendeu em
nada, mas a resposta foi não.
À medida que eu passava a conhecer o pastor Michael Hall e sua esposa Terry, mais gostava
deles e os respeitava. Contaram-me a maravilhosa história de sua igreja. Contaram-me as alegrias
únicas de serem pastores brancos em uma congregação que era primariamente afro-americana. E me
falaram da visão deles para o futuro. Naquela idade, a maioria das pessoas já está pisando no freio.
Mas isso não funciona para Michael Hall. Ele tem o espírito de Caleb, que era tão forte aos 85 anos
quanto era aos quarenta.
Seis meses mais tarde, sentime impelido a perguntar de novo a Michael se eles pensariam um dia
em vender a igreja. Mais uma vez ele disse “não”, mas também disse: “Mark, se um dia viermos a
vender a igreja, será para você.” Então, em fevereiro de 2011, sentime impelido a perguntar mais
uma vez. Honestamente, não queria fazê-lo. A pressão por um espaço para nossa igreja continuava a
aumentar a cada mês que passava, mas, naquele ponto, eu valorizava meu relacionamento com
Michael e Terry bem mais do que a propriedade. Se não fosse para o bem da People’s Church, não
seria para o bem da National Community Church. Se não fosse uma vitória para eles, não seria uma
vitória para nós. Tinha de ser uma relação em que os dois lados vencessem. Pela terceira vez, a
resposta foi “não”, mas Michael também disse que oraria por isso, e eu sabia o que ele queria dizer.
Dois dias mais tarde, a caminho para o Super Bowl XLV, recebi uma mensagem de texto de
Michael dizendo que Deus havia mudado seu coração. Ele sentia que não era apenas o milagre para o
qual nós estávamos orando; sentia que era o milagre pelo qual eles estavam orando. Fiquei em
choque, não apenas pela mensagem, mas pelo fato de que um pastor de 71 anos usasse mensagens de
texto pelo celular! Aquele foi o primeiro milagre. O segundo milagre seria convencer uma
congregação que cinco anos antes tinha votado unanimamente por não vender. O terceiro milagre
seria encontrar uma propriedade em Maryland, onde a maioria de seus membros residia. Eu achei
que esses milagres levariam anos, se viessem a acontecer, porém quando Deus move, Deus move.
Após um ano e meio aguentando firme, o segundo e o terceiro milagres aconteceram em menos de
uma semana. Deus fez um milagre duplo no dobro do tempo.

Milagre duplo

No dia 23 de março de 2011, encontrei-me com Michael para assinar o contrato a fim de adquirir
a People’s Church. Levou apenas dois dias para encontrar seu pedaço da terra prometida na Branch
Avenue, a principal artéria que corre pelo coração do município de Prince George, em Maryland.
Logo quando estávamos prontos para assinar o contrato, o corretor ligou para dizer que o
proprietário havia baixado 375 mil dólares do preço de 795 mil dólares.
Só Deus mesmo.
Michael poderia ter recebido aquele telefonema logo antes ou logo depois de nossas reuniões, mas
no timing de Deus. É impecável. Soaram como 375 mil confirmações. E esse não foi o único milagre.
Dentro de 24 horas de contrato assinado, recebemos uma dádiva de 1,5 milhão de dólares que nos
colocou no meio do caminho até o preço de aquisição de 3 milhões de dólares. Era como se Deus
partisse o mar Vermelho e ambas as igrejas caminhassem em terra firme. Estávamos na direção da
Barracks Row, eles estavam destinados a Maryland. E passamos um pelo outro no meio do mar
Vermelho, louvando Deus por esse duplo milagre.
Pensamos que levaria pelo menos três anos para construir nosso novo campus na propriedade que
havíamos milagrosamente adquirido na esquina da rua 8 com a Virgínia. Então, Deus nos deu uma
pedra em que podíamos pisar, três quarteirões ao norte: a People’s Church. E aqui está a grande
ironia. Nosso auditório na fase um seria um cinema art déco. É quase como se Deus dissesse: “Já
construí o que você levaria três anos para construir.” Em sua providência, Deus deu a uma igreja
com uma visão para se reunir em salas de cinema em estações de metrô um velho cinema a dois
quarteirões da estação Eastern Market do metrô.
Oro para que eu tenha a metade do coração de Michael Hall quando tiver 71 anos. Foi preciso
coragem para deixar o conforto de um lugar em que eles se reuniam por 49 anos. Foi preciso
coragem para começar tudo de novo e replantar a People’s Church em Maryland. Mas foi tanto um
milagre para eles quanto para nós. Não somente todas as suas dívidas foram quitadas com a venda,
mas também tiveram dinheiro para adquirir sua propriedade e construir seu templo, sem contrair
outras dívidas. Contudo, o que mais os animou foi que teriam dinheiro suficiente para voltar a doar
para missões, o que era sua intenção desde o começo.
Resumindo a história: um milagre para eles + um milagre para nós = um duplo milagre.
Aqui cabe uma nota de pé de página.
Eu não era o único fazendo um jejum de Daniel no começo de 2011. Michael Hall também estava!
Coincidência? Acho que não. Olhando para trás, a única maneira de explicar esse duplo milagre é
por nós dois termos orado e jejuado. Foi a oração e o jejum que me deram a coragem de perguntar
pela terceira vez se ele me venderia o estabelecimento, e uma oração e jejum deram a ele a coragem
de dizer sim. Quando Michael me disse que iria orar, estava em uma temporada de jejum. Acredito
que sua mente aberta era o resultado de um estômago vazio. E quando duas pessoas jejuam e oram
como Daniel, isso torna os milagres duplos possíveis.
E mais uma nota de pé de página. Essa remonta a mais de cinquenta anos.
Deixe-me retraçar o círculo.

Oração profética

Em 1960, um evangelista chamado R. W. Shambach pregou um reavivamento em Washington, DC,


para os implantadores de igrejas Fred e Charlotte Hall. Sem nem mesmo eles saberem, Shambach
impôs suas mãos no cinema Academy e orou para que Deus lhe desse o estabelecimento. Aquela
oração foi respondida em 1962, quando a People’s Church adquiriu o velho cinema e o transformou
em um local de louvor. Eles serviram fielmente a Deus e a comunidade de lá por 49 anos.
Shambach também orou o que acredito que seja uma oração profética sobre aquele teatro.
Enquanto impunha as mãos sobre o edifício, ele o prendeu à glória de Deus. “Que esse lugar seja
para sempre usado para a glória de Deus.”
Aquela oração profética voltou um dia, no almoço. Michael disse que sabia que aquela oração era
a razão de o negócio com a boate ter fracassado. Ele também sabia que nós éramos o resultado
daquela oração. Eu também sabia.
É difícil descrever a sensação de quando você sabe que uma oração de cinquenta anos está sendo
respondida e você está bem no meio de um milagre. A oração de Shambach foi uma oração que selou
o teatro para a glória de Deus para sempre. Como uma cápsula do tempo, ela foi aberta e respondida
cinquenta anos depois.
Todas as orações são uma cápsula do tempo. Você nunca sabe onde ou quando ou como Deus irá
respondê-las, mas ele irá respondê-las. Não há data de vencimento, e não há exceções. Deus
responde às orações. Ponto final. Nós nem sempre vemos ou compreendemos, mas Deus sempre
responde.
Podemos viver na expectativa divina, porque Deus está calculando nossas pegadas. Quando R. W.
Shambach impôs as mãos sobre aquele teatro em 1960, ele fez um círculo de oração em torno dele.
Então eu dupliquei o círculo, em 1996, sem mesmo sabê-lo. Eu nem tinha me dado conta disso até
que estávamos para fechar aquele acordo para o qual havia circulado em oração em torno da
People’s Church quando fiz minha caminhada de oração em torno da Capitol Hill. Caminhei
diretamente para a rua 8. Caminhei bem embaixo da marquise. Sem mesmo sabê-lo, tinha circulado
duas vezes aquele milagre duplo, quinze anos antes de ele acontecer.
Após ter assinado o contrato, enviei um e-mail para um banqueiro amigo que vinha financiando
alguns de nossos sonhos. Eu tinha falado com ele recentemente sobre minha caminhada de oração em
torno da Capitol Hill, então ele sabia que esse era o quarto pedaço da Terra Prometida pelo qual eu
havia caminhado — junto com nosso primeiro escritório na rua F NE, 205, nossa cafeteria na rua F
NE, 201, e a última propriedade da Capitol Hill, na esquina da rua 8 com a Virgínia — que Deus nos
dava. “Há outras propriedades pelas quais você tenha caminhado, que eu precise saber?” Minha
resposta: “Bem, eu caminhei pelo Capitólio (o congresso e o senado). Quem sabe?”
Você nunca poderá saber.
CAPÍTULO 17

Oração engarrafada

u amo o fim do livro de Daniel. Ele está pensando longe e pensando em voz alta. Na sua última

E visão, ele faz a pergunta para a qual todos queremos resposta: “Meu senhor, qual será o
resultado disso tudo?”[101] Bem, Deus sempre responde, mas nem sempre é uma resposta
direta. Isso certamente não quer dizer que não seja uma resposta honesta; quer dizer apenas que é
complicada demais, com infinitas reviravoltas, para que nosso cérebro esquerdo lógico possa
compreender.
Siga o seu caminho, Daniel, pois as palavras estão seladas e lacradas até o tempo do fim.[102]
Dou-me conta de que isso está relacionado especificamente às profecias dadas a Daniel pelo
Espírito Santo, mas também acredito que há um princípio universal nessa passagem. Nossas orações
são profecias, e Deus Todo-poderoso as mantém seladas até o tempo designado. Ele nunca chega
cedo demais. E nunca vem tarde demais. Quando vier o tempo — kairos, e não chronos —, o selo da
oração será aberto e a resposta será revelada.[103]
Em algum momento, nossas palavras ditas deixam de existir porque estão sujeitas à lei da
entropia. Nossas palavras ditas, isto é, ondas de som, enfrentam a fricção e perdem energia. Nossas
orações, no entanto, estão seladas para sempre. Nossas orações nunca deixam de existir porque não
estão sujeitas às leis naturais, incluindo a lei da entropia. As leis sobrenaturais da oração desafiam
as leis naturais do tempo e do espaço.
Ainda que seja impossível rastrear a trajetória caótica de uma oração, nossas orações de alguma
maneira saem das quatro dimensões do espaço-tempo para poder alcançar o Deus que existe fora das
quatro dimensões do espaço-tempo que ele criou quando disse: “Haja luz.”[104] Nossas orações não
se dissipam com o tempo; nossas orações acumulam-se pela eternidade.
De acordo com o efeito Doppler, nosso universo ainda está em expansão. O significado disso é
este: as três palavras que Deus disse no começo do tempo, “haja luz”, ainda estão criando galáxias
na margem do universo. Se Deus pode fazer isso com quatro palavras, você está se preocupando com
o quê? Não há nada que ele não possa fazer. Afinal de contas, ele criou tudo a partir do nada.
Suas palavras nunca retornam vazias.[105] Tampouco retornam vazias suas orações quando você
ora a palavra de Deus e a vontade de Deus. O mesmo Deus que pairou sobre o caos no começo do
tempo está pairando sobre sua vida, e você nunca sabe quando sua resposta reentrará na atmosfera de
sua vida. Mas você pode saber disto: o Senhor está guardando sobre sua palavra para agir.[106]
Assim como nossas orações podem certamente vencer a velocidade do som e entrar na órbita de
Deus, a verdade reentrará na atmosfera em algum lugar, de alguma maneira, em algum momento. Uma
oração de aliança em 1960 selou o prédio da rua 8, 535 para a glória de Deus, e o selo foi aberto em
23 de março de 2011. Foi esse o dia em que inscrevemos nossas assinaturas em um contrato legal de
compra e venda para adquirir a People’s Church, mas o contrato espiritual havia sido selado muito
tempo antes.

As orações transmitem
Após termos assinado o contrato para adquirir a People’s Church, Michael e eu estávamos
conversando sobre que coisas iriam ser transferidas legalmente e que coisas não seriam. Então, em
um momento de revelação, nos demos conta de que todas as orações jamais oradas naquele lugar
seriam transferidas para nós. Fiquei tão devastado quando me dei conta disso, que as lágrimas
rolaram dos meus olhos. Se a People’s Church era uma coisa, ela era uma igreja de oração. De fato,
os pais de Michael quase a haviam batizado de “A casa da oração”.
Colheremos o que plantamos. Por quê? Porque a People’s Church plantou sementes de
alfarrobeira na Barracks Row, e colheremos os frutos das sementes que nossos pais espirituais
plantaram há muitos anos. E não são somente as orações que passaremos adiante, as visões também
são transferidas.
Poucos dias após assinar o contrato, Michael me enviou uma mensagem sobre uma visão que ele
havia tido dez anos antes de nos conhecermos. Em sua visão, vislumbrou pessoas jovens erguendo
suas mãos em oração, lotando o teatro e esparramando-se pela calçada. Michael disse: “Achei que
era para nós, agora dou-me conta de que era para vocês.”
A visão foi concretizada em nosso primeiro culto de nosso primeiro fim de semana. Não havia
mais onde se sentar. Preenchemos literalmente cada um dos assentos, lotamos o saguão e nos
esparramamos pela porta da frente e pela calçada. Não estava pensando sobre a visão quando pedi a
todos que erguessem suas mãos durante o louvor, mas Michael disse que aquela era a imagem que o
Senhor lhe havia mostrado, dez anos antes.

Dupla unção

Você se lembra de quando Elias deu seu manto a Eliseu? Aquilo foi mais que a transferência de
uma propriedade física; foi a transferência de uma unção espiritual. Não foi coincidência Eliseu ter
operado muitos dos mesmos milagres que Elias operou. Aquela unção foi muito mais valiosa que o
manto.
Quando estava ao lado do caixão de meu sogro, no dia seguinte ao de sua morte, uma torrente de
pensamentos e sensações me tomou, mas minha memória predominante foi a de pedir uma porção
dupla de sua unção, assim como Eliseu havia recebido de Elias. Acho que eu nem sabia o que estava
pedindo, mas isso não impediu que Deus respondesse àquela oração. Suas respostas são oniscientes
e onipresentes. Pedi uma porção dupla porque queria honrar seu legado com meu ministério, e havia
acreditado que Deus tinha honrado o pedido.
Sinto-me da mesma maneira em respeito a Michael Hall e à People’s Church. Oro por uma dupla
porção de sua unção. Amo o prédio, a construção e amo sua localização. Vamos encontrar maneiras
de desenvolvê-lo com criatividade e transformá-lo em um lugar em que a igreja e a comunidade
cruzam seus caminhos. Assim como a Cafeteria Ebenézer, essa sala de cinema se tornará um poço,
uma fonte, pós-moderno no qual nossa comunidade se encontrará e o evangelho será pregado. Porém,
bem mais valiosas que a propriedade física que foi transferida são as orações que serão continuadas.
Somos os beneficiários de 49 anos de orações acumuladas pelos santos de Deus. E cada uma delas
será transferida. Nenhuma delas será perdida em Deus.

Lágrimas engarrafadas
Uma das mais belas e poderosas imagens das Escrituras pode ser encontrada no Salmo 56:8. É
uma preciosa promessa que implora para ser circulada. É a última das promessas que circularei, mas
talvez seja um lugar para você começar a circular: “Recolhe as minhas lágrimas em teu odre.”
Há muitos tipos diferentes de lágrimas. Há as lágrimas vertidas pela mãe de um menininho na UTI
que é jovem demais para lutar contra a leucemia, mas que luta mesmo assim. Há as lágrimas vertidas
pelo pai da noiva ao andar com a filha pelo corredor até o altar no dia do casamento. Há as lágrimas
que mancham os papéis do divórcio, e lágrimas misturadas com suor que escorrem pelo rosto de
homens adultos que acabaram de ganhar um campeonato nacional. E há as lágrimas vertidas na
oração.
Cada uma das gotas de lágrimas é preciosa para Deus. São promissórias eternas. O dia virá em
que ele secará todas as lágrimas no céu. Até esse dia, Deus irá mover céus e terras para honrar cada
lágrima vertida. Nenhuma gota será perdida em Deus. Ele se lembra de cada uma delas. Ele honra
cada uma delas. Ele recolhe cada uma delas.
Da mesma maneira como Deus engarrafa nossas lágrimas acumuladas, ele recolhe nossas
orações.[107] Cada uma delas é preciosa para ele. Cada uma delas está selada por Deus. E você
nunca sabe quando ele vai tirar a rolha da garrafa e derramar uma resposta.
Algumas vezes tenho de lutar contra o medo.
Meu maior medo é que meus filhos poderão vir, um dia, a desgarrarem-se da fé, mas aprendi a
refutar esse medo, porque o medo não é de Deus. Então me lembro que circulei Lucas 2:52, e que
circulei meus filhos com orações por milhares de vezes. Essas orações foram engarrafadas por Deus,
e o Espírito Santo irá romper o selo dessas orações durante a vida de meus filhos, quando eu já tiver
ido embora.
Algumas vezes tenho de lutar contra a dúvida.
Tenho medo de que algum dia venha a desmerecer as bênçãos de Deus. Então me lembro de que
circulei o Salmo 84:11, “o Senhor não recusa nenhum bem aos que vivem com integridade”. Tudo o
que tenho a fazer é manter-me humilde e manter-me com fome.
Algumas vezes tenho de lutar com a fé.
Tenho medo de que o último milagre talvez seja o último milagre. Então me lembro que circulei
Deuteronômio 33:16, então “o favor daquele que apareceu na sarça ardente” está sobre mim. Não
faço ideia do que o futuro trará, mas sei quem me traz o futuro. Sua vida está nas mãos dele, e suas
orações estão na garrafa dele. E, assim como em uma mensagem na garrafa, suas orações são
carregadas pela corrente de seus desígnios soberanos. Quando e onde chegarão ninguém sabe ao
certo. Porém, aquelas orações engarrafadas serão destampadas no tempo de Deus, ao modo de Deus.
Ele as responderá em algum lugar, em algum momento, de algum modo. Tudo o que você tem a fazer
é circular.
Sonhe grande.
CAPÍTULO 18

Havia então um

a sua história épica, Antiguidades judaicas, Flávio Josefo registra os feitos de Honi, o fazedor

N de círculos, também conhecido como Onias, o fazedor de chuva. Ele documenta a seca do
primeiro século e aponta Honi como a única esperança de Israel. Josefo faz uma declaração
única que pontua cada reviravolta da história: “havia então um.”[108]

Havia então um, cujo nome era Onias, um homem direito era ele, e amado por Deus, que, em
determinada seca, orou para que Deus pusesse fim ao calor intenso, e cujas orações Deus ouviu e
enviou-lhes chuva.

Honi estava sozinho, de pé. Então se ajoelhou no círculo que havia feito. Isso foi tudo para mudar
o curso da História. Nas palavras do teólogo Walter Wink, “a História pertence aos
intercessores”.[109]
Após a chuva cair e a poeira assentar, Simeão ben Shatah, o dirigente do Sinédrio que ameaçou a
excomunhão, escreveu para Honi:

Não fosses tu, Honi, eu sancionaria excomunhão contra ti… Porém, que posso fazer contra ti, que
age de modo petulante ante o Onipresente, que faz o que quer que queiras por ti…
Uma geração que estava coberta pelas trevas tu iluminaste com tua oração… Uma geração que
estava prostrada tu ergueste com tua oração… Uma geração que estava humilhada por seus
pecados tu salvaste com tua oração.[110]

Um círculo de oração

Nunca subestime o poder de um círculo de oração.


Quando se sonha grande, ora com força e pensa longe, não há nada que Deus não possa fazer.
Afinal de contas, ele é capaz de fazer 15,5 bilhões de anos-luz além do que você possa pedir ou
imaginar. Quando você desenhar um círculo e cair de joelhos, você nunca poderá saber. Isso muda a
previsão para a sua vida. Está sempre nublado com chances de codorna.
Você não pode derrubar uma parede de quinze metros, mas pode marchar em torno de Jericó.
Você não pode fechar a boca dos leões, mas pode parar, se ajoelhar e orar. Você não pode fazer a
chuva, mas você pode desenhar um círculo na areia.
Não deixe o que você não pode fazer impedir de fazer o que você pode. Desenhe o círculo. Não
deixe quem você não é impedir você de ser quem você é. Você é um fazedor de círculos.
Há uma Madre Dabney lendo este livro, eu sei disso. Há uma Harriet Beecher Stowe, um Bill
Groves e um Michael Hall.
Havia então um.
E só é necessária uma pessoa, uma oração.
Por que não você?
É tão simples quanto desenhar seu primeiro círculo de oração, assim como eu fiz quando orei por
todo o caminho em torno da Capitol Hill. Pode ser uma promessa ou um problema. Pode ser um
amigo, ou um inimigo. Pode ser um sonho ou um milagre. Não sei como se chama, mas você tem de
dizer seu nome. Então você tem de continuar circulando.
Não tente fazer isso sozinho. Israel tinha um exército. Você tem de convidar outros para dentro de
seu círculo de oração. Juntos vocês irão formar um círculo de oração. E quando dois ou três
concordarem na oração, circulando duplamente seus sonhos designados por Deus, todas as apostas
estão encerradas.

Ecoando pela eternidade

No fim de nossas orações, dizemos “amém”, que quer dizer “que assim seja”. Significa o fim da
oração. Porém, o fim de uma oração é sempre apenas o começo. É o começo de um sonho. É o
começo de um milagre. É o começo de uma promessa.
A lenda de Honi, o fazedor de círculos, começa com uma oração por chuva. Agora é hora de
revelar o amém.
No ano 63 antes de Cristo, a Palestina foi retalhada em uma guerra civil sangrenta. Hircano II e
Aristóbolo II — os filhos de Alexandre Janeu, rei da Judeia — encontraram-se para uma batalha nas
imediações de Jericó. Aristóbolo foi forçado a fugir para o Templo em Jerusalém a fim de manter
seu último posto. Hircano e seu aliado, o sheik árabe Aretas, cercaram o Templo com 50 mil tropas.
Ninguém, à exceção dos sacerdotes e dos guardas do Templo, ficou do lado de Aristóbolo.
Foi então que o exército de Hircano encontrou o velho fazedor de chuva, Honi, que estava se
escondendo. O exército supersticioso trouxe Honi para Hircano, que ordenou que ele invocasse uma
maldição contra os defensores do Templo. Honi não podia e não iria obedecer à ordem, mesmo sob a
ponta da espada. Assim como o profeta Balaão, que se recusou a amaldiçoar Israel e fez uma oração
de acordo com sua consciência, Honi desenhou seu último círculo na areia.
Em uma das ironias da História, o homem que salvou uma geração com sua oração foi morto por
motivo de uma oração que foi contra os desejos de Hircano. Porém, Honi manteve-se fiel a suas
convicções, não apenas na vida, mas também na morte. Muitos anos antes, uma multidão de almas
sedentas cercou Honi quando ele desenhou um círculo na areia. Agora estava circundado pelos
selvagens soldados cuja vida ele havia salvo em sua oração por chuva. Eles o impeliram a falar, e,
assim, Honi emitiu suas últimas palavras enquanto vivo nesta terra, uma oração que ecoará ao longo
da eternidade.

Oh, Deus, o Rei de todo este mundo! Já que aqueles que estão comigo são seu povo, e aqueles que
estão sitiados pelos soldados também são seus sacerdotes, eu vos imploro que nem ouçais as
orações daqueles contra estes, nem que cumprais o que pedem as orações destes contra
aqueles.[111]

Então aqueles que o cercavam voltaram-se para ele e apedrejaram Honi, o fazedor de círculos, até
a morte. Pode parecer um fim trágico, mas Honi morreu do jeito que viveu. Orou até o dia em que
morreu. De fato, seu último sopro foi uma oração que o transportou até a eternidade. Acho que o
fazedor de círculos não aceitaria que fosse de nenhuma outra maneira.
Que maneira de viver.
Que maneira de morrer.
Que maneira de entrar na eternidade.
EPÍLOGO

O círculo de giz

le nunca recebeu educação formal, mas mesmo assim palestrou em Harvard.

E Ele nasceu em uma tenda de ciganos, ainda assim foi convocado à Casa Branca para
encontrar-se com dois presidentes norte-americanos. Nascido na floresta de Epping, nas
cercanias de Londres, em 1860, Rodney “Gypsy” [“Cigano”] Smith cruzou o Oceano Atlântico 45
vezes, orando o Evangelho a milhões de pessoas. Poucos evangelistas terão orado com mais paixão
que ele. Seu segredo? A oração particular. Mais poderosas que seus sermões eram suas orações.
O segredo de Gypsy foi revelado a uma delegação que buscava o reavivamento, que perguntou a
ele como Deus poderia usá-los, do mesmo modo que estava usando Gypsy. Sem hesitação, Gypsy
disse: “Vão para casa. Fechem-se em seus quartos. Ajoelhem-se no meio do chão e, com um pedaço
de giz, tracem um círculo em torno de vocês. Lá, de joelhos, orem fervorosa e apaixonadamente para
que Deus comece um reavivamento dentro daquele círculo de giz.”
Meu amigo Michael Hall contou-me essa história após eu já ter escrito este livro. A capa do livro,
na edição norte-americana, com um círculo de giz, já tinha sido criada. Honestamente, eu não estava
muito convencido sobre a capa até ouvir a história de Gypsy Smith. Depois disso, senti que a capa
era tanto histórica quanto profética. Se uma imagem vale mais que mil palavras, então um círculo de
giz na capa vale mais que mil orações. É aí que cada grande movimento de Deus se inicia. E que
possa ser iniciado com você, em você.
Agradecimentos

Para minha esposa Lora — você é o amor da minha vida.


Para meus filhos Parker, Summer e Josiah — nada se compara a ser o pai de vocês.
Para meus avós Elmer e Alene Johnson — suas orações vivem além de sua vida.
Para meu sogro Bob Schmidgall — você me mostrou como ajoelhar.
Para minha sogra Karen Schmidgall — suas intercessões são inestimáveis.
Para minha família espiritual, a National Community Church — eu não gostaria de estar em
nenhum outro lugar, fazendo nenhuma outra coisa, com nenhuma outra pessoa.
Para Beth, Heidi, Deb, Madeline, Jennifer e a equipe de oração da National Community Church —
obrigado por me circularem e circularem este livro em oração.
Para minha agente Esther — você acreditou neste livro antes que eu mesmo o fizesse.
Para meus editores John e Dirk — vocês são habilidosos cirurgiões da palavra. E, do lado
eletrônico, para Jake e o e-Team — obrigado pelos toques finais.
Para minha família editorial — Cindy Lambert, Don Gates, Verne Kenney e Scott Macdonald, seu
apoio pessoal e profissional para este livro foram muito além do que o profissionalismo.
Para a equipe da formação — John Raymond, TJ, Mike, Andy e Jay —, obrigado pelo “suor”
compartilhado neste projeto.
[1] Para ler mais sobre Honi, veja “The Deeds of the Sages”. In: The Book of Legends: Sefer Ha-Aggadah, ed. Hayim Nahman
Bialik e Yehoshua Hana Ravnitzky. Nova York: Schocken, 1992. pp. 202-3. Confira também Cohen, Abraham. Everyman’s Talmud.
Nova York: Schocken, 1995. p. 277. Malter, Henry. The Treatise Ta’anit of the Babylonian Talmud . Filadélfia: Jewish Publication
Society, 1978. p. 270. Observação: Honi, o fazedor de círculos, é algumas vezes chamado de Choni, o fazedor de círculos; Honi Ha-
Me’aggel; e Onias, o mandachuva.
[2] Veja Romanos 8:31.
[3] Josué 1:3.
[4] Observe que a promessa havia sido primeiramente dada a Moisés. A promessa foi então transferida para Josué. Da mesma
maneira, todas as promessas de Deus foram transferidas a nós por meio de Jesus Cristo. Ainda que as promessas possam ser
interpretadas e aplicadas de modo historicamente preciso e com exegese, há momentos em que o Espírito de Deus acelera nossos
espíritos e transfere uma promessa que ele tinha dado originalmente a alguma outra pessoa. Ainda que tenhamos de tomar cuidado
para não pedirmos respostas cegamente às promessas, acho que nosso maior desafio é que não circulemos tantas promessas quanto
acho que poderíamos ou deveríamos.
[5] Josué 6:3,4.
[6] Mateus 20:32.
[7] De acordo com o Salmo 37:4, Deus realmente descarrega novos desejos em nosso coração quando procuramos genuinamente
buscar sua glória. Esses desejos são muitas vezes concebidos no contexto da oração e do jejum. É preciso um tremendo discernimento
para distinguir entre os desejos celestiais e os desejos egoístas.
[8] In: M. Waldrop, Mitchell. Complexity: The Emerging Science at the Edge of Order and Chaos . Nova York: Simon & Schuster,
1992. p. 29.
[9] Mother Elizabeth J. Dabney, “Praying through”. www.charismamag.com/index.php/newsletters/spiritled-woman-emagazine/22087-
forerunners-of-faith-praying-through (acessado em 7 de junho de 2011).
[10] Veja Lucas 18:1-8
[11] Josué 6:1,2
[12] In: Malter, Henry. The Treatise Ta’anit of the Babylonian Talmud. Filadélfia: Jewish Publication Society, 1978. p. 270.
[13] In: Arteseros, Sally. American Voices: Best Short Fiction by Contemporary Authors. Nova York: Hyperion, 1992. p. 123.
[14] Números 11:4-6.
[15] Números 11:21,22.
[16] João 6:9.
[17] Números 11:24.
[18] Números 11:31,32.
[19] Mateus 13:8.
[20] Sou um membro orgulhoso do clube do calhambeque. Dirijo um Honda Accord que já rodou 400 mil quilômetros. Confira em
www.junkcarclub.com. É um esforço internacional para se gastar menos com carros para que possamos dar mais às causas do Reino.
[21] Atos 10:3.
[22] Atos 10:2.
[23] Atos 2:12.
[24] Atos 10:14.
[25] Atos 10:17, AA.
[26] Atos 10:14.
[27] Após nosso fracasso em implantar a igreja em Chicago, circulei o Salmo 127:1.
[28] Números 11:23.
[29] “Porventura tem-se encurtado a mão do Senhor?” (Números 11:23, AA).
[30] Êxodo 8:19.
[31] Isaías 55:9.
[32] 1Pedro 5:7.
[33] Lucas 18:1-5.
[34] Romanos 8:26.
[35] As crianças norte-americanas levaram, em média, 9,47 minutos: Gladwell, Malcolm. Outliers. Nova York: Little Brown, 2008. p.
249.
[36] Gladwell, Outliers. pp. 38-39.
[37] Levitin, Daniel, A música no seu cérebro, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
[38] 1Reis 18:45.
[39] Lucas 7:23.
[40] João 11:21,22.
[41] Coríntios 1:20.
[42] Washington, DC, área metropolitana, AOL City Guide, 2008.
[43] 1Reis 18:38.
[44] Mateus 18:18.
[45] Neusner, Jacob. The Rabbinic Traditions about the Pharisees Before 70: The Houses. Leiden: Brill, 1971. p. 179.
[46] Jeremias 1:12.
[47] Mateus 8:8 é um grande exemplo desse tipo de fé. O centurião não pede que Jesus venha curar sua filha. Ele apenas diz que basta
dizer “uma palavra”. Ele tinha herdado a crença de que a palavra de Deus era sua ligação. E está dito que Jesus “admirou-se”. Se
você consegue causar admiração no filho de Deus, você fez algo significativo.
[48] Salmo 84:11.
[49] Salmo 23:6.
[50] 2Coríntios 6:2.
[51] Deuteronômio 33:13-16.
[52] Êxodo 5:1.
[53] Ainda que os fatos gerais da história sejam verdadeiros, há diferentes versões, relacionadas a detalhes específicos. Tentei contar a
história a partir de minha pesquisa pessoal. A maioria das versões atribuiu o presente a um rancheiro do Texas, mas algumas pesquisas
parecem indicar que foi um banqueiro do estado de Illinois. De qualquer modo, Deus tem cabeças de gado aos milhares nas colinas e o
dinheiro em milhares de cofres de banco. E foi o valor da dádiva e o fato de ele chegar na hora tão oportuna, que compuseram o
verdadeiro milagre.
[54] 2Reis 4:1-7.
[55] Êxodo 14:21-31.
[56] Mateus 8:23-27.
[57] Êxodo 16:4.
[58] Êxodo 16:19.
[59] Mateus 6:11.
[60] Tiago 5:17,18.
[61] 1Reis 18:22-24.
[62] 1Reis 17:13.
[63] 2Reis 2:8.
[64] Josué 3:8.
[65] Mateus 14:29.
[66] Mateus 17:24-27.
[67] Números 22:28.
[68] Números 22:32,33.
[69] Apocalipse 3:7,8.
[70] Isaías 22:20-24.
[71] Êxodo 14:13,14.
[72] Brand, Stewart. The Clock of the Long Now: Time and Responsibility. Nova York: Basic, 1999. p. 162.
[73] Daniel 6:10.
[74] Daniel 9:2.
[75] Hilton, Conrad. Be My Guest. Nova York: Simon and Schuster, 1994. p. 17.
[76] Hilton, Be My Guest. p. 288.
[77] Josué 1:3.
[78] In: Gladwell, Malcolm. Blink: a decisão num piscar de olhos. Rio de Janeiro: Rocco, 2005. pp. 53-57.
[79] Salmos 139:14.
[80] Gladwell, Blink. p. 56.
[81] Salmos 5:3.
[82] Sweeting, Donald; Sweeting, George. Lessons from the Life of Moody. Chicago: Moody, 2001. pp. 128-129.
[83] Marcos 1:35.
[84] Habacuque 2:1, In: Bialik, Hayim Nahman; Ravnitzky, Yehoshua Hana. The Book of Legends: Sefer Ha-Aggadah. Nova York:
Schocken, 1992. p. 202.
[85] Chambers, Oswald. My Utmost for His Highest. Grand Rapids: Discovery House, 2006 June 13.
[86] Frank Laubach. The Game with Minutes. Westwood, N.J.: Revell, 1961.
[87] Frei Lawrence, Laubach, Frank. Practicing His Presence. Goleta, Califórnia: Christian Books, 1973, registro de 1° de junho de
1930.
[88] Daniel 10:12-14.
[89] Daniel 9:23.
[90] Daniel 1:8.
[91] Apocalipse 12:10.
[92] Mateus 26:40.
[93] Mateus 26:41.
[94] João 15:5
[95] Collins, Jim; Porras, Jerry. Sucesso feito para durar. São Paulo: Bookman, 2007. p. 93.
[96] Provérbios 29:18.
[97] Habacuque 2:2.
[98] 1Samuel 7:12.
[99] Colossenses 4:2.
[100] Êxodo 14:13.
[101] Daniel 12:8.
[102] Daniel 12:9.
[103] Ambas as palavras do grego podem ser traduzidas por “tempo”, mas elas têm significados diferentes. A palavra chronos refere-
se ao tempo mecânico ou linear. A palavra kairos tem mais a ver com a oportunidade, a passagem do tempo. É a habilidade de
reconhecer quando o momento certo é chegado. De fato, ela pode ser traduzida por “oportunidade”. Também há uma dimensão
providencial para kairos. Se chronos é o tempo do relógio, então kairos é o tempo divino.
[104] Gênesis 1:3.
[105] Veja Isaías 55:11.
[106] Jeremias 1:12.
[107] Veja Apocalipse 8:3.
[108] Josefo, Flávio. Antiguidades dos Judeus contra Apion. São Paulo: Juruá, 2001. p. 581.
[109] Esse é um dos meus ditados favoritos, mas quero compartilhar o contexto mais amplo dessa afirmação. Wink, Walter. The
Powers That Be: Theology for a New Millennium. Nova York: Doubleday, 1999. pp. 185-86. A oração de intercessão é uma
resistência espiritual a tudo o que está no caminho do que Deus prometeu. A intercessão visualiza um futuro para quem aparentemente
está condenado pelas forças momentâneas. A oração infunde o ar de um tempo que ainda vai ser na sufocante atmosfera do presente.
A história pertence aos intercessores que acreditam no futuro do ser. Essa não é simplesmente uma declaração religiosa. É também
verdade no comunismo, no capitalismo ou no anarquismo. O futuro pertence a quem quer que tenha uma visão de uma nova e
desejável possibilidade, que a fé fixa então como inevitável. Essa é a política da esperança. A esperança tem uma visão de seu futuro e
então age como se o futuro fosse, então, irresistível, desse modo criando a realidade que ele tanto anseia. O futuro não está fechado.
Há campos de força cujas ações são um tanto previsíveis. Porém, o modo como elas irão interagir não o é. Mesmo um reduzido grupo
de pessoas, firmemente comprometidas com a nova inevitabilidade na qual fixaram suas imaginações, podem decisivamente afetar a
forma que o futuro assumirá. Esses formadores do futuro são intercessores, que clamam o futuro pelo qual anseiam no novo presente.
No Novo Testamento, o nome, a textura e a aura do futuro é a ordem de Deus, sem dominação, o Reino de Deus. Não há dúvidas de
que nossas interseções algumas vezes nos moldam quando nos abrimos para novas possibilidades que não previmos. Não há dúvidas de
que nossas orações para Deus refletem-se de volta para nós como um comando para tornar-se a resposta de nossa oração. Porém, se
fosse para levarmos o entendimento bíblico a sério, a intercessão é mais que isso. Ela altera o mundo e muda o que é possível para
Deus. Cria uma ilha de relativa liberdade, em um mundo engessado pela necessidade ímpia. Um novo campo de força aparece onde
até então havia somente o potencial. A configuração por inteiro altera-se como resultado da mudança de uma única parte. Um espaço
se abre na pessoa que ora, permitindo que Deus aja sem violar a liberdade humana. A mudança em uma pessoa altera então o que
Deus pode fazer, portanto, naquele mundo.
[110] Neusner, Jacob. The Talmud: Law, Knowledge, Narrative. Lanham, Md.: University Press of America, 2005 p. 183.
[111] Schiffman, Lawrence H. Texts and Traditions: A Source Reader for the Study of Second Temple and Rabbinic. Hoboken,
N.J.: KTAV Publishing House, 1998. p. 261.