Anda di halaman 1dari 5

ESCOLA ESTADUAL BENJAMIM GUIMARÃRES

Diretor: Eduardo Lopes Barcelos


Rua Maria Ambrosina Mourão Guimarães, 212
Bom Sucesso – MG

CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA


A MITOLOGIA DOS ORIXÁS

Professor: Cássio Silva Castanheira


e-mail: cassio.castanheira@ig.com.br

Bom Sucesso – MG
2013

ANAIS DO II CONGRESSO DE PRÁTICAS EDUCACIONAIS DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS


7 à 11 de outubro de 2013 I Jaboticatubas-MG I ISBN: 978-85-86503-58-0
MAGISTRA - Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores de Minas Gerais I SEE-MG
INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

Para resgatar e valorizar a cultura afro-brasileira, bem como cumprir a atual


proposta curricular do MEC pela lei 10.639 de 09 de janeiro de 2003, propomos aos
alunos do ensino médio da E.E.Benjamim Guimarães o estudo desse dinâmico e
complexo universo dos orixás, que já está presente no imaginário brasileiro, podendo
ser encontrado na nossa literatura, música, telenovelas, pinturas e ritos religiosos.
Atualmente a história que está proposta nos currículos e livros didáticos colocam os
brancos (europeus) sempre como protagonistas, relegando aos negros (africanos) um
começo sempre a partir da escravidão. Existe um desprezo pelo passado dos “negros” na
África, que se dividiam em centenas de etnias e foi marcado por realezas e uma
estrutura social bem definida.
Este trabalho tem como objetivo permitir que os alunos se apropriem de um rico
repertório de saberes e referenciais trazidos da África, que são as histórias dos orixás,
seus símbolos e características. Acreditamos que, com a valorização da cosmovisão e
identidade negra previne-se o racismo e a intolerância.

ANAIS DO II CONGRESSO DE PRÁTICAS EDUCACIONAIS DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS


7 à 11 de outubro de 2013 I Jaboticatubas-MG I ISBN: 978-85-86503-58-0
MAGISTRA - Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores de Minas Gerais I SEE-MG
PRÁTICA DESENVOLVIDA

No início do trabalho, utilizando duas aulas no começo do mês de outubro de


2012 para uma discussão sobre a questão racial no Brasil e a necessidade de um resgate
da memória ancestral africana. Nestas aulas foi solicitado aos alunos que falassem sobre
os seus conhecimentos sobre a África, sobre os orixás e religiões africanas e afro-
brasileiras (Candomblé e a Umbanda). O que se verificou foi representações
estereotipadas, com imagens depreciativas da cultura africana que permeiam nossa
sociedade. Propomos então a partir do livro “Mitologia dos orixás” de Reginaldo Prandi
(2009) estudar a história dos orixás mais conhecidos por eles. Em seguida, com a ajuda
do professor, os alunos compreenderam que estas histórias presentificam as ações do
povo negro, legitimam sua vivência, sua cosmogonia e fornecem uma interpretação da
sua realidade. Posteriormente, com a intenção de criar uma relação afetiva entre os
alunos e os orixás, nas três aulas seguintes foi sugerido que eles fossem ao Laboratório
de Informática digitar em um site de busca da Internet a seguinte frase “Qual o meu
orixá protetor”. A partir desse momento foi escolhida uma página única, onde todos
digitaram o dia, o mês e o ano de seu nascimento para descobrir qual era o seu orixá
protetor. Na página escolhida (centropaizãodeangola.com.br) deixa esclarecido que é
possível saber somente o orixá protetor porque o orixá de cabeça só é possível saber
indo ao terreiro de candomblé ou umbanda. Também foi salientado para os alunos que
não se tratava de uma evangelização e sim de uma apropriação de saberes da cultura
africana. De posse do nome do seu orixá, cada aluno fez uma pesquisa sobre a História,
as cores, a saudação, a comida que é oferecida e os seus símbolos. Posteriormente eles
levaram este material para casa e confeccionaram pequenos cartazes com o desenho do
orixá e um resumo da pesquisa. Na semana da consciência negra de novembro de 2012
estes cartazes foram afixados em portais de madeira e expostos no salão de entrada da
Escola Estadual Benjamim Guimarães para serem admirados pela comunidade escolar.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O trabalho de valorizar a cosmovisão negra e a mitologia afro-brasileira é


importante na prevenção do racismo e da intolerância. Mas é importante citar outros
livros que discutam questões raciais como “A Construção Social da Cor”, de José
D’assunção Barros (2009) que explica como os africanos foram levados a esquecer
ANAIS DO II CONGRESSO DE PRÁTICAS EDUCACIONAIS DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
7 à 11 de outubro de 2013 I Jaboticatubas-MG I ISBN: 978-85-86503-58-0
MAGISTRA - Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores de Minas Gerais I SEE-MG
gradualmente as suas identidades tribais em favor de um novo tipo de identidade, que os
identificavam como “negros” por oposição ao colonizador “branco”. Outro livro muito
importante é “Os negros e a escola brasileira” da professora Eliane Cavalleiro (1999),
que aborda o preconceito na sala de aula. Conforme esta pedagoga, os professores
reservam uma cota maior de contato físico e palavras carinhosas aos alunos brancos,
inferiorizando assim os alunos negros. Mas demonstrando um olhar diferente que
surpreende é o livro “Negritude sem Etnicidade” de Sansone (2007), que vislumbra
novas possibilidades para uma luta anti-racista que não depende de identidades étnicas.
Contudo, é bom lembrar que há também um universo mítico a ser explorado, os
mitos resgatam histórias das divindades que governam os aspectos do mundo natural
como raio, trovão, rios, chuvas e a fertilidade da terra. Os mitos fornecem uma
interpretação da realidade negra, sua cosmovisão, sua forma de lidar com a vida, com a
morte, com o medo.

CONCLUSÃO

Neste trabalho, os alunos puderam compreender um pouco da linguagem mítica


e se aproximaram da cultura negra a partir de uma cosmovisão africana. Eles
valorizaram a diversidade existente em nossa sociedade, questionando as representações
estereotipadas da cultura negra modificadas devido ao sincretismo religioso. Também
puderam compreender que com a mitologia dos orixás, os negros explicam o
comportamento humano, materializam o desconhecido e lidam com os problemas da
vida cotidiana. Em síntese esta pesquisa contribuiu para o fortalecimento de um
processo de resistência da cultura Afro-brasileira, e com a formação de alunos críticos e
construtivos, capazes de influenciar e promover avanços na luta contra o preconceito e o
racismo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARROS, José D’assunção. A Construção Social da cor. Petrópolis, RJ. Vozes, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Diretrizes Curriculares Nacionais para a


Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro-
brasileira e Africana: MEC, 2005.
ANAIS DO II CONGRESSO DE PRÁTICAS EDUCACIONAIS DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
7 à 11 de outubro de 2013 I Jaboticatubas-MG I ISBN: 978-85-86503-58-0
MAGISTRA - Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores de Minas Gerais I SEE-MG
CAVALLEIRO, Eliane ett alli. Os negros e a escola brasileira. Florianóplis (SC) NEN
(Série Pensamento negro em educação), 1999.

OLIVEIRA, Eduardo. Cosmovisão Africana no Brasil: elementos para uma filosofia


afrodescendente. Fortaleza: Ibeca, 2003.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SASSONE, Lívio. Negritude sem Etnicidade. Salvador, BA: EDUFBA Pallas; 2007.

ANAIS DO II CONGRESSO DE PRÁTICAS EDUCACIONAIS DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS


7 à 11 de outubro de 2013 I Jaboticatubas-MG I ISBN: 978-85-86503-58-0
MAGISTRA - Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores de Minas Gerais I SEE-MG