Anda di halaman 1dari 2

AS CINCO FAMILIAS DE BUDAS OU OS CINCO PRINCIPIOS BÚDICOS

Antes de começarmos estudos tântricos é muito importante estudar os cinco princípios búdicos. Eles são uma
ponte para a sua aplicação no dia a dia. E necessário compreender e conectar com estes princípios para que
possamos compreender a transformação que a prática de Tantra pode nos oferecer. Trabalhando com as cinco
famílias nos começamos a compreender que nós já temos certas qualidades. Com esta perspectiva não é possível
ignorar ou rejeitar estas forças. Nós temos nossa agressão e nossa paixão, e todos os instintos que fazem parte de
nós. Eles são o potencial que temos e é aí que devemos começar o trabalho em nossas neuroses, hábitos e
complexos. As cinco famílias são um guia pra esse trabalho.

Estes princípios ou famílias são associados com cada um e descreve o seu estilo fundamental, a perspectiva
intrínseca ou maneira de perceber o mundo e viver no mundo. Cada família e associada com um tipo iluminado e
um neurótico ou não desenvolvido. O aspecto primitivo e ou neurótico de cada família pode ser transmutado em
sabedoria ou aspecto iluminado. Assim come descrevemos o tipo das pessoas, as famílias búdica também são
associadas com cores, elementos, paisagens, direções e estações—ou com qualquer aspecto do mundo dos
fenômenos.

A primeira família é a Vajra—Akshobya-que literalmente significa: nitidez, afiamento, dureza de um diamante,


cristalização, destrutividade. A pedra celestial que corta através de qualquer objeto solido. A família Vajra e
simbolizada pelo bastão chamado vajra ou Dorje em Tibetano. Este cetro tem 5 pontas que são relacionadas com
as 5 emoções: agressão, orgulhos, paixão, inveja (ciúme) e ignorância. As pontas afiadas representam cortar
através de qualquer tendência emocional neurótica; representam também a qualidade afiada de se estar
consciente das muitas possibilidades e perspectivas. Podem cortar e penetrar indo até a raiz e por isto deve ser
tratado com cuidado. A ideia aqui é que vajra corrige e remedia as distorções das energias primordiais de uma
maneira precisa e afiada. E como ser expostos subitamente a um inverno um inverno cortante. Intelectualmente
vajra é muito cortante. Quando somos expostos a um frio destes imediatamente experimentamos um choque
térmico. Uma mente logica, mas com uma abertura e perspectiva constante. Para outras parece que esta pessoa
tem uma bola de cristal que pode ser vista de diversas perspectivas.

A perspectiva neurótica do vajra e associada com raiva e fixação intelectual. Fixo numa logica particular, e a
qualidade cortante pode se tornar rigidez, possessivo de seu insight, em vez de uma perspectiva. A raiva pode se
tornar pura agressão ou um senso de estar sempre certo. E associado com a água. Água turva e turbulenta
simboliza a natureza defensiva e agressiva da raiva, enquanto água clara sugere a nitidez, precisão e clara
reflexão da sabedoria vajra. A sabedoria do espelho, que evoca a imagem calma de um lago ou piscina. Associada
o Leste, a cor azul, elemento água, animal elefante, qualidade consciência, símbolo vajra, propriedade calor.

A segunda família é Ratna—Ratnasambhava--possui um senso real de expansão pessoal e de enriquecimento do


ambiente. E expansão, enriquecimento, abundância. Tal abundância pode ter também problemas e fraquezas. No
senso neurótico, se manifesta através de ostentação e acumulação além dos limites de nossa sanidade.
Acumuladores. E como nadar num lago denso de mel e manteiga. Este manto de mel e manteiga e muito difícil de
ser removido. Manifesta-se como excesso de gentileza, bonzinho, etc. Não pode ser removido só por uma
limpeza superficial, e preciso aplicar todo tipo de agentes de limpeza para retirar.

A expressão positiva da família Ratna, o principio da riqueza é extraordinário. A gente se sente rico e saciado, e
nos estendemos para o mundo pessoalmente, diretamente, emocionalmente e psicologicamente e até
espiritualmente. Nos estamos constantemente irradiando. A expansão poderosa da Ratna. O aspecto iluminado
da ratna e chamado de sabedoria da equanimidade. Associado com o elemento da terra. Como um pedaço de
madeira jogado na terra apodrecendo no campo. Gostaria de ficar aí, mas ao mesmo tempo todo tipo de
cogumelos e plantas brotam nele e permitem que animais também se alojem e alimentem de si. Direção sul; cor
amarela; Elemento terra; animal leão.

A terceira família é Padma—Amitaba--que literalmente significa a flor do lótus. O símbolo da padma iluminada e
o lótus, que cresce e floresce do lodo, e ainda assim floresce pura e limpa, virginal e clara. Padma neurose é
conectada com paixão, apego e o desejo de possuir. Você fica completamente envolvido em seduzir o mundo,
sem a preocupação da verdadeira comunicação, como um pavão. Tradicionalmente o buda da família Padma,
Amitaba é representado sentado num pavão, o que representa a subjugação da neurose padma. A pessoa com a
neurose Padma, fala gentilmente, incrivelmente gentil, pode ser muito sexy, solicito/a. “Se me ferir está bem, é
parte do amor.” Esta sedução pode ser excessiva e manipulativa ou pode ser compassiva, dependendo de como
você a trabalha.

Padma está conectada com o fogo. No seu estado confuso, o fogo não distingue entre as coisas que agarra,
queima e destrói. No estado iluminado o calor da paixão e transformado no calor da compaixão. Quando a
neurose padma é transformada ela se torna extraordinariamente precisa e consciente; ela se torna tremendo
interesse. Tudo é visto na sua maneira própria, nas suas particularidades e característica. Por isto é chamada de
sabedoria da discriminação consciente. A qualidade genuína da sedução de Padma é uma abertura sincera, a
vontade de perceber e doar o mundo e ao mundo. O que Padma traz para o mundo é um senso de prazer, um
senso de promessa. Em toda experiencia se sente que tem uma promessa maior. Sente-se uma constante
magnetização e hospitalidade espontânea. Esta qualidade Padma é como banhar-se em perfume o chá de
jasmim. Toda vez que se banhamos nos sentimos renovados e refrescados. Perfeita hospitalidade. Direção Oeste;
cor Vermelha; Agregado percepção; elemento fogo, propriedade dureza; animal Pavão.

A quarta família é a Karma—Amogasidi--Não se refere ao debito kármico, aqui simplesmente significa ação. A
qualidade neurótica da ação ou atividade está ligada com ciúme, inveja e comparação. O aspecto iluminado da
Karma e a sabedoria de tudo completar. É o senso transcendente de completa satisfação da ação completa sem
ser puxada pela neurose. É um senso de realização na nossa relação com o mundo. É a energia de eficiência.

Se temos neurose da família Karma, nos sentimos muito irritados quando vemos coisas fora do lugar, e isso se
torna um problema. Também nos sentimos frustrados por não ter responsabilidades, nada para podermos
trabalhar. Pensamos que pessoas que não estão organizadas são ruins ou tem um problema, são ineficientes,
mesmo quando são músicos ou cientistas talentosos. Apreciamos uma pessoa eficiente e organizada, mas nos
encontramos com inveja ou ciúme de tal pessoa. O problema é que estas pessoas querem um mundo uniforme e
rodem se ressentir das pessoas que pensam diferente delas. É uma maneira linear e ressentida de ver o mundo. A
sabedoria Karma perde o ressentimento, mas conserva a energia, a disposição e a abertura permanece. Esta
pessoa vê o potencial das situações e automaticamente toma a medida apropriada. A ação preenche a si mesma.
Direção Norte; Agregado vontade; Sabedoria Plena; cor Verde; símbolo vajra duplo; elemento ar; propriedade
movimento; animal garuda.

A quinta família é a Buda—Vairochana--É associada com o elemento do espaço. A energia búdica é a fundação
do espaço básico. É o espaço básico de onde tudo provem, o vazio, que permite que todos os princípios
funcionem. Pessoas nesta família tem um forte senso de experiencia contemplativa, e são muito meditativos, ou
reflexivos. A neurose da família buda e a qualidade de ser avoados em vez de amplitude de pensamento. É
comum estar associado com a falta de vontade de se expressar, não participar mesmo quando algo é feito contra
elas. Não se importam com nada, não limpam, não organizam, etc. Não se interessam pelos detalhes. Não se
interessam por motivar os outros. Querem sempre ficar no seu canto.

Quando esta qualidade se transforma em sabedoria, se torna um estado de grande expansão interna e externa.
Uma sabedoria que organiza tudo e sabe tudo. Na mandala tântrica ela é o centro organizador de todas as
sabedorias búdicas, a qualidade do potencial completamente aberto. Pode acomodar tudo e é vasta como o
espaço. Posição centro; Sabedoria absoluta; cor Branca; símbolo roda; elemento espaço; propriedade coesão;
animal dragão.