Anda di halaman 1dari 8

Curso: Engenharia Mecânica

Disciplina: Ciências dos Materiais


Professor: Winston F. de L. Gonçalves
CAMPINAS – SP / SWIFT Lista: NP1

N.º Nome do aluno: RA: Turma:

Assinatura do aluno: Data da Entrega:

Terça-feira, 30 de abril de 2019.

INSTRUÇÕES
1. Esta lista tem fins de adicionar até 5,0 pontos na nota da prova NP1 de Ciência dos Materiais.
2. A resolução pode ser em grupos, mas cada aluno terá que entregar o seu com as suas respostas.
3. Toda resolução deve ser feita a mão, nada em arquivo digital.
4. Entregue na data estabelecida acima.
5. Resolva-o com paciência e caso haja alguma dúvida procure o professor
6. BOM TRABALHO!
QUESTÕES
Em toda esta lista, o aluno ira realizar os cálculos com base nos seus respectivos R.A.s. Para que isso seja possível,
algumas regras deverão ser utilizadas. A tabela abaixo indica quais as representações das letras para cada dígito do
R.A. Em caso de R.A. alfanumérico, substitui-se a letra pelo número correspondente a sua posição no atual alfabeto
brasileiro. Como exemplo, o aluno que apresenta o R.A.: A56TU81 e o enunciado do exercíco apresenta um dado como
sendo Y*W, significa que o valor do dado é 5*20 = 100. Como sugestão, organize o seu RA conforme a tabela
apresentada abaixo:
Enunciado Z Y X W V U T
RA (exemplo) A 5 6 T U 8 1
Representação 1 5 6 20 21 8 1
RA (aluno)
Valores
Em alguns casos, o número sequencial da lista de presença poderá ser cobrado. Neste caso, a representação será
pela letra N. Ou seja, se ao lado do seu nome na lista de presença da prova tiver um número 23, onde aparecer N
você deverá considerar o resultado numérico como sendo 23.
Sugestão: Deixe os cálculos de forma mais organizada possível, e quando julgar necessário, anote os motivos pelas
quais você está fazendo aquele cálculo. Assim, você não corre o risco de se perder durante o cálculo. Bom trabalho.

Questão 01. Considere um sistema com um furo e um eixo com N LX / kY. Neste Sistema há uma variação
térmica no furo de +T+Z ºC e no eixo e –(Y+W) ºC para que o acoplamento seja possível. Calcule os
afastamentos, as tolerâncias e o tipo de ajuste, quantificando a folga e a interferência. Em seguida, calcule a
força que o furo e o eixo sofrerão após o equilíbrio térmico de ambos.
Dados: E = (V*T)+(U*W)+1 GPa e α = (Z+T) * 10-6 ºC-1
Comprimento do contato do acoplamento = (N+5) mm
L = Primeiro dígito alfabético de seu R.A., representando o furo.
K = Último dígito alfabético de seu R.A., representando o eixo.
Obs1.: Consulte a norma NBR 6158/1995 para obter os valores.
Obs2.: Caso o digito alfabético não exista na norma NBR 6158/1995, utilize o segundo ou o penúltimo digito
alfabético do seu R.A. Caso seu R.A. não apresente mais opções, utilize a letra subsequente do alfabeto.

1
Questão 02. Observe a estrutura abaixo que está sofrendo tração, compressão, torção, flexão e cisalhamento.
Calcule os esforços em cada ponto da estrutura e calcule a força pontual da dilatação/contração térmica após a
variação de U-T ºC nesta estrutura. Calcule também a deformação pontual, linear e angular da estrutura e as
tensões de tração, compressão e se possível a de torção.

2
3
Questão 03. Um material tem a célula cristalina organizado no sistema CFC e tem seu parâmetro de rede igual
a 2,47 Å. Se temos uma barra deste material de N m de comprimento, qual a quantidade de átomos existente
em no comprimento desta barra?

Questão 04. Um material foi submetido ao ensaio de tração obtendo a tensão de escoamento de N+T kN e
tensão máxima de N+T+W kN, apresentando alongamentos respectivos de U mm e U+X mm. Calcule o módulo
de elasticidade (considerando o escoamento o limite da linearidade da lei de Hooke) e o módulo de resiliência
deste material, considerando que o corpo de prova continha N mm de diâmetro e U+Y mm de comprimento de
seção útil.

4
Questão 05. A haste apresentada na figura abaixo tem diâmetro de 30 mm e 1,2 m de comprimento. Ela está
engastada na parede A e em relação a parede B há uma pequena folga de 1,5 mm. Com base nestas informações,
desconsiderando o peso da haste e caso não haja cargas aplicada, mas ocorra uma variação de temperatura de
10ºC para 95ºC, qual será a reação em A e em B?
Dados: α = 27,3 x 10-6 ºC-1 e E = 350 GPa.

5
FORMULÁRIO

Três regras
básicas da
 Fx = 0 Construção
de diagramas − w( x) =
dv d 2 M
dx
=
dx 2
estática:  Fy = 0 da estática: B B
−  w( x)dx =  dv = v B − v A
M P =0 A A
B B

 v( x)dx =  dM = M
A A
B −MA

Aplicação de 𝐿𝐶𝐵 Aplicação de 𝐿𝐴𝐶


forças no 𝑅𝐴𝑥 = 𝑃 ( ) forças no 𝑅𝐵𝑥 = 𝑃 ( )
engaste 𝐿 engaste 𝐿
Tensão 𝐹 Tensão de v Q
Normal: 𝜎= cisalhamento: =
I t
𝐴
Deformação l f − li l Tensão de 𝑇∗𝑟
Linear: = = torção: 𝜏𝑜 =
𝐽
li li
4,81𝑇
𝑃∙𝐿 𝜏∎ =
𝛿=∑ 𝑎3
𝐴∙𝐸
20𝑇
𝜏∆ =
𝑎3
Módulo de ∆𝜎 Tensão de M c − Mz  y My  z
Elasticidade: 𝐸= Flexão:  Máx. = A = +
∆𝜀 I Iz Iy
Módulo de Carga crítica
2 EI
Resiliência: 𝜎𝑒 2 de Pcrítico =
𝑈𝑟 =
2𝐸 flambagem: l 2f
Força na Tensão crítica 2 E
de  crítica = P  ec  lf P 
dilatação 𝐹 = 𝛼 ∙ ∆𝑡 ∙ 𝐴 ∙ 𝐸  Máx. =  1 + 2  sec 
flambagem:
2 A  i  2i E  A 
térmica:
Deformação 𝑇∙𝐿 Transmissão
𝑃 = 𝑇 ∙ 𝑑𝑡
𝑑𝜃
𝜔=
𝑑𝜃
𝑃 =𝑇∙𝜔
Angular 𝜑𝑜 = ∑ de potência: 𝑑𝑡
𝐽∙𝐺
𝜔 =2∙𝜋∙𝑓
7,10 ∙ 𝑇 ∙ 𝐿
𝜑∎ =
𝑎4 ∙ 𝐺 𝑃 =𝑇∙2∙𝜋∙𝑓
46 ∙ 𝑇 ∙ 𝐿
𝜑∆ = 𝐽 𝑇
𝑎4 ∙ 𝐺 =
𝑟 𝜏𝐴𝐷𝑀
Geometria de   D2
seção ACirculo = =   R2 ARe tan gulo = bxh AQuadrado = a 2
4
transversal:
  D4 b  h3 a3
I Circulo = + A  d*2 I Re tan gulo = + A  d*2 I Re tan gulo = + A  d*2
64 12 12
lf
Q = A  y´ i=
I
= 𝐽 = 2 ∙ 𝑟4
𝜋 𝜋
𝐽 = 2 ∙ (𝑟𝑒4 − 𝑟𝑖4 )
A i
Dilatação ∆𝐿 = 𝛼 ∙ 𝐿0 ∙ ∆ 𝑛 ∙ 𝐴 Fator de
Massa 𝑛 ∙ 𝑉𝑐
térmica: ∆𝑆 = 𝛽 ∙ 𝑆0 ∙ ∆𝑇 𝜌= Empacotamento 𝐹𝐸𝐴 =
específica: 𝑉𝑐 ∙ 𝑁𝑎 𝑉𝑐𝑒𝑙𝑢𝑙𝑎
∆𝑉 = 𝛾 ∙ 𝑉0 ∙ ∆𝑇 Atômico:
Calor Sensível: Calor Corrente
𝑄 = 𝑚 ∙ 𝑐 ∙ ∆𝑇 latente:
𝑄 =𝑚∙𝐿 elétrica: 𝑈 = 𝐼∙𝑅

6
Tabela 02. Expressões dos sistemas cristalinos em suas relações para a distâncias entre os planos cristalinos.
Sistema Cristalino Expressão para dhkl em termos dos parâmetros reticulares e índices de Miller
1 h2 + k 2 + l 2
Cúbico =
d2 a2
1 h2 + k 2 l 2
Tetragonal = + 2
d2 a2 c
2 2
1 h k l2
Ortorrômbico 2
= 2 + 2 + 2
d a b c
1 4  h2 + h  k + k 2  l2
Hexagonal =   + 2
d 2 3  a  c
1 1  h 2 k 2  sen 2  l 2 2  h  l  cos  
Monoclínico =   + + 2 − 
d 2 sen 2   a 2 b2 c ac 
Triclinico Expressões muito complexas
Romboédrico Expressões muito complexas

7
8