Anda di halaman 1dari 3

Estudos geocronológicos U / Pb e Sm / Nd da Província de Borborema, nordeste do

Brasil: conclusões iniciais

A Província Borborema localizada no NE do Brasil compreende a parte central de um


amplo cinturão orogenético pan-africano-brasileiro que se formou em conseqüência da
convergência tardia neoproterozóica e da colisão do cráton São Luis-África Ocidental e
os crátons São Francisco-Congo-Kasai. Os novos resultados da parte leste desta
província ajudam a definir a arquitetura interna básica e a história pré-colisional desta
província, com ênfase particular em ternatianos cratônicos mais antigos, sua
fragmentação durante o Mesoproterozóico e sua montagem no West Gondwana
durante a orogenia pan-africana-brasileira em ca. 600 mil.

A região pode ser dividida em três grandes domínios geotectônicos: a) Maciço Rio
Piranhas-Caldas Brandgo, com rochas supracrustais paleoproterozóicas e
neoproterozóicas, ao norte do Lineamento de Patos; b) o craton São Francisco (SFC)
arqueano a paleoproterozóico ao sul; e c) um domínio complexo de rochas do
embasamento do período paleoproterozóico a arqueano, com diversas faixas de
dobramento mesoproterozóicas a neoproterozóicas no centro (sul do lineamento de
Patos e norte de SFC). Os domínios norte e central compreendem a Província de
Borborema.

Gnaisses arqueanos do embasamento e granulitos transamazônicos do norte do Cráton


do São Francisco estão expostos na parte sul do domínio central, subjacentes às partes
do sul da faixa de Sergipano. O embasamento no maciço do Rio Piranhas parece consistir
principalmente de rochas gnáissicas Transamazônicas (2,1 a 2,2 Ga); As idades do
modelo Nd (T & ca de 2,6 Ga para gnaisses 2,15 Ga indicam um componente arqueano
substancial nos protólitos desses gnaisses. O maciço de Caldas Brandgo ao leste produz
as idades Transamazônica e arqueanas U/Pb zircão e Nd (Tdm), indicando arquitetura
complexa. As rochas metassedimentares da Formação Jucurutu produzem zircões
detríticos com idades de cristalização originais de até 1,8 Ga, indicando que essas rochas
podem ser Paleoproterozóicas tardias e se correlacionam com outras rochas
supracrustais cratônicas de 1,8 Ga no Brasil, como o Grupo Roraima e o Grupo
Espinhaço.

A maioria das unidades graníticas metavulcânicas e pré-brasilianas das faixas Sergipano


(SDS), Pajeu-Paraíba (SPP), Riacho Pontal (SRP) e Piancó-Alto Brígida (SPAB) formam o
domínio central formado por 1,0 +/- 0,1 Ga , com base em idades U / Pb de zircões. As
idades do modelo Nd (TDM) para essas mesmas rochas, assim como os granitos
Brasilianos se infiltraram nelas e grande parte do maciço de Pemambuco-Alagoas,
comumente são 1,3-1,7 Ga, indicando que as rochas das faixas não eram totalmente
derivadas do embasamento (material mais antigo) (> 2,1 Ga) ou crosta juvenil (1.0 Ga),
mas incluem misturas de ambos os componentes. Uma interpretação simples da gênese
do granito Brasiliano e dos dados de Nd implica que não existe um embasamento
Transamazônico ou Arqueano subjacente a grandes partes dessas faixas ou do maciço
de Pemambuco-Alagoas. Uma exceção é um cinturão de plutons brasilianos sieníticos
(Linha Syenitóide) e gnaisses hospedeiros entre SPAB e SPP que claramente tem uma
fonte transamazônica (ou mais antiga). Além disso, há vários blocos menores de gnaises
arqueanos a transamazônicos que podem ser definidos dentro e entre essas faixas de
dobramento. Esses blocos não parecem constituir um complexo contínuo de
embasamento, mas parecem ser fragmentos crustais mais antigos isolados.

Introdução

Uma das principais Assembléias Continentais na história geológica foi a formação do


Gondwana ocidental durante o final do Neoproterozóico e início do Paleozóico. Esta
montagem envolveu grandes segmentos de crosta continental que foram deformados
de forma variável durante a convergência dos crátons da África Ocidental, Amazônia e
SBo Francisco-Congo cerca de 600 Ma (Brito Neves e Cordani, 1991). A Província
Borborema do nordeste do Brasil é a designação usual (Almeida et al., 1981) para a parte
ocidental de um grande cinturão móvel (Pan-Africano no leste e Brasiliano no oeste) que
se estende do Brasil até a África central (Fig. 1) em reconstruções pré-deriva (por
exemplo, de Wit et al., 1988), e que se formou como conseqüência da convergência e
colisão dessas massas cratônicas. As maiores partes deste cinturão estão agora situadas
na África: as províncias de Dahomey, Pharusian-Hogar e da Nigéria (cerca de 2.000, OOO
km2). Na América do Sul, além da Província Borborema (cerca de 450.000 km2), a
mesma zona orogenética continua sob a província do Parnaíba (600.000 km2), uma
bacia sedimentar Paleozóica-Mesozóica. Assim, a plena compreensão da ancestralidade
e assembléia do Gondwana não é possível sem a compreensão da evolução da Província
Borborema e regiões adjacentes na África e no Brasil. Apesar dos inúmeros estudos
geocronológicos K / Ar e Rb / Sr na Província Borborema, ainda há muitas incertezas com
relação às histórias geológicas de seus vários domínios estruturais e litológicos. Em
grande medida, essas incertezas são uma consequência de complexas histórias
geológicas, culminando com orogenia de colisão de cerca de 600 Ma, mas em outros
aspectos elas refletem uma falta de investigação geológica, geoquímica ou geofísica
detalhada. Iniciamos um extenso programa de estudos isotópicos U / Pb e Sm / Nd para
definir melhor a história crustal da Província Borborema antes da formação do
Gondwana ocidental ca. 600 Ma e examinar em detalhes mais precisos a cronologia dos
eventos associados à orogenia Brasiliana. Estamos usando métodos U / Pb para
estabelecer cronologias precisas e precisas para ambos os conjuntos litológicos e
eventos erógenos e análises Sm / Nd para definir as idades gerais de vários blocos
crustais, tanto por meio da análise do embasamento exposto quanto pelo uso de pós-
tectônicos, 500 -600 Ma, granitos Brasilianos como sondas para a crosta inferior e
média. Esses dados, juntamente com estudos em andamento por outros, estão
fornecendo uma compreensão muito melhor da história e da montagem do Gondwana
ocidental e resolveram muitos problemas, embora vários outros problemas tenham sido
levantados como resultado dos novos dados.

Apesar dos inúmeros estudos geocronológicos K / Ar e Rb / Sr na Província Borborema,


ainda há muitas incertezas com relação às histórias geológicas de seus vários domínios
estruturais e litológicos. Em grande medida, essas incertezas são uma consequência de
complexas histórias geológicas, culminando com orogenia de colisão de cerca de 600
Ma, mas em outros aspectos elas refletem uma falta de investigação geológica,
geoquímica ou geofísica detalhada. Iniciamos um extenso programa de estudos
isotópicos U / Pb e Sm / Nd para definir melhor a história crustal da Província Borborema
antes da formação do Gondwana ocidental ca. 600 Ma e examinar em detalhes mais
precisos a cronologia dos eventos associados à orogenia Brasiliana. Estamos usando
métodos U / Pb para estabelecer cronologias precisas e completas para conjuntos
litológicos e eventos erógenos e análises Sm / Nd para definir as idades gerais de vários
blocos crustais, tanto por meio da análise do embasamento exposto quanto pelo uso de
materiais pós-tectônicos. -600 Ma, granitos Brasilianos como sondas para a crosta
inferior e média. Esses dados, juntamente com estudos em andamento por outros, estão
fornecendo uma compreensão muito melhor da história e da montagem do Gondwana
ocidental e resolveram muitos problemas, embora vários outros problemas tenham sido
levantados como resultado dos novos dados.

Este artigo resume nosso progresso até o momento, com ênfase na estrutura geral
temporal e litotectônica da província. Trabalhos subseqüentes apresentarão dados
detalhados e interpretações para regiões individuais ou domínios geológicos.