Anda di halaman 1dari 1

TEORIAS ORGANIZACIONAIS – PPGADM 2019

Professor: Marcos Moraes


Aluna: Mara Célia Ferreira Ataide
Matrícula: 2019100281

RESUMO 1 – A construção social da realidade

Assim como o homem não nasce biologicamente pronto, ele também não está
socialmente formado. Seu organismo físico ainda precisa se desenvolver ao longo da vida
para que ele adquira sua melhor preparação de enfrentamento ao meio, da mesma maneira o
homem social constrói seu “eu” de uma forma bem específica que será moldado pelo contexto
em que vive. Esse processo de formação gera uma identidade subjetiva e objetiva a ser
reconhecida, ou seja, delas dependem da participação de outros atores sociais também em
construção constante. Por isso dizer que a “autoprodução” do homem e sempre um
empreendimento social. Mas ele precisa de mecanismos para dar estabilidade ao
comportamento humano, instituindo assim a ordem social.
A institucionalização surge então para dar um certo conforto para as pessoas pois
através dela é possível haver certa previsibilidade dos hábitos, reduzindo assim as decisões
que se fossem tomadas para tudo gerariam um grande dispêndio de carga emocional. Ela é
resultado de um desenvolvimento histórico, onde as condutas são tipificadas e reproduzidas
por um grupo, e seu fortalecimento vem através da repetição através das gerações, contudo ela
sofre alterações ao longo dessas sucessões. As instituições objetivam a vida dos homens, que
em seu mundo pessoal está repleto de subjetividades. O homem vê o mundo sob uma
perspectiva própria, e quando ele foge da visão da perspectiva institucional ele se afasta da
realidade objetiva e passa a ter seu comportamento e moralidade questionados.
Quando determinadas experiências são consideradas importantes, seja para o grupo ou
para o indivíduo, elas passam por um processo de sedimentação. Para torná-las acessíveis a
todos elas são repassadas através da linguagem, e o ato contínuo desse repasse de
conhecimento se transforma em tradição, que vão se incorporando a outras tradições,
passando assim a ser reconhecido como um sistema de controle e reconhecimento da
realidade objetiva.
As instituições estabelecem e exigem um conjunto de papéis das pessoas, pois elas
possuem a função de controlar seu próprio processo de existência. Contudo alguns papéis não
são para todos, parte do acervo de conhecimentos é papel apenas para atores restritos. Dessa
foma, é a ordem social estabelecida que irá determinar quais os papéis gerais assim como os
individuais.
A institucionalização é completa quando os problemas são comuns a todos, as
realidades compartilhadas e a ordem institucional abrange toda a sociedade. Mas ela também
pode ser parcial quando o conjunto de problemas comum a todos é pequeno, levando à
institucionalização deste reduzido conjunto.
A realidade se objetiva através da significação das coisas e está em constante
transformação. E a legitimação ocorre justamente quando há compreensão sobre os conjuntos
simbólicos, seus conceitos e ações para manter estes símbolos. Os instrumentos dessa
manutenção são as ideias, teorias, processos, estratégias e planos que geram a base do
universo simbólico. Outro importante fator da legitimação é a organização social, onde há o
confronto entre a teoria e os especialistas, que por vezes não conseguem encaixa-las às suas
práticas, o que leva a uma nova adequação da realidade objetiva.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A Construção Social da Realidade: Tratado de Sociologia do


Conhecimento. Petrópolis: Vozes. 2002. p.69-157.