Anda di halaman 1dari 154

7

COLETÂNEAS de Volume

Aconselhamento
Bíblico
A PALAVRA DO EDITOR
02 Lidando com as Rachaduras
David W. Smith

BASES DO ACONSELHAMENTO BÍBLICO


09 Você Consegue Ver? - David Powlison
12 Treinamento de Líderes - Tony B. Giles
22 Julgar à Luz da Bíblia - D. Patrick Ramsey
33 Salmo 51: um guia bíblico para o arrependimento - David Covington

PRÁTICA DO ACONSELHAMENTO BÍBLICO


59 O Sonho de Quem? Que Tipo de Pão? - Paul David Tripp
65 No Olho do Furacão: como lidar com as crises - Ron e Sue Lutz
79 Convivendo com um Marido Irado - Edward Welch
89 Caminhando pelo Vale Sombrio do Aborto Espontâneo - Sue Nicewander e Jodi Jewell
103 A Bíblia e a Dor da Infertilidade - Kimberly e Philip Monroe
114 Verdades Inabaláveis para Criar seus Filhos sem a Ajuda do Cônjuge - Robert D. Jones
A Dimensão Espiritual do Relacionamento Conjugal - Jay E. Adams
130

ILUSTRAÇÕES PARA O ACONSELHAMENTO BÍBLICO


136 O Lugar de Deus no seu Casamento - Robert D. Jones

PERGUNTAS E RESPOSTAS
140 Existe Lugar para o Ciúme no Casamento? - John F. Bettler
145 Como Aconselhar os Casos de Violência Doméstica?
Edward T. Welch, Paul D. Tripp e David A. Powlison

1
A Palavra do Editor

Lidando com as
Rachaduras

D a v i d W. S m i t h 1

Há muitos anos, cheguei com vinte minha esposa e, em seguida, saí de casa
minutos de atraso para dar uma aula no para ministrar - com eloqüência e com-
seminário. Fiquei aliviado ao confirmar que pleta hipocrisia - a matéria Orientação para
os alunos ainda estavam à minha espera, a Vida Cristã! Ao entrar novamente em
pois era permitido ao aluno deixar a sala casa, fiz aquela pergunta que havia servido
de aula após dez minutos de atraso do pro- tantas vezes de sinal entre nós dois: “Está
fessor. Eu havia saído de casa com bastan- tudo bem entre nós?”. Eu já sabia a res-
te antecedência, mas os vizinhos certamen- posta. Jeanette desviou os olhos, confir-
te estranharam ao verem que abri e fechei mando aquilo que o Espírito havia trazido
a porta do carro, e entrei novamente em à minha consciência. “Querida”, eu disse,
casa. Eu havia usado palavras ásperas com “sei que errei ao falar de modo áspero e
insensível com você. Você pode me per-
doar?” Após o perdão concedido e um
1
David Smith integra atualmente a equipe do centro abraço carinhoso, saí novamente para o
médico Trinity Medical Associates em Knoxville, Seminário - atrasado, mas com o coração
Tennessee, como conselheiro bíblico. Ministra na leve.
área de aconselhamento bíblico há quarenta anos,
trinta dos quais foram investidos no Brasil, em ensino Nem sempre correspondo às cutuca-
no Seminário Bíblico Palavra da Vida em Atibaia, das do Espírito com tamanha sensibilida-
SP. No Brasil, participou do ministério de Capelania de. E sei de muitos casamentos nos quais
Hospitalar no Hospital das Clínicas da Faculdade de as ofensas acumuladas, não devidamente
Medicina da USP e ensinou no Seminário. Servo de
Cristo, em São Paulo. De volta aos Estados Unidos,
tratadas, ameaçam destruir o relaciona-
deu continuidade ao ministério de ensino na área do mento. Com o passar dos anos, as racha-
aconselhamento em The Master’s College (2001- duras aumentam. Os grãos de areia po-
2007) na Califórnia, incluindo viagens a Portugal e dem produzir uma pérola numa ostra, mas
Austrália com foco no treinamento de conselheiros as ofensas não tratadas de modo bíblico
bíblicos.

2 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


podem chegar a pesar toneladas no cora- di você em alguma coisa, me perdoe,
ção e abrir fendas no relacionamento en- sim?”. Ou, a desculpa acaba sendo uma
tre cônjuges. Muitas vezes, o tamanho da acusação disfarçada: “Errei, mas você tam-
ofensa é determinado pela intimidade de bém tinha sua parcela de culpa, não é?”.
quem a pratica. Por isso, o que parece só Às vezes, há uma tentativa de desculpar-se
um leve sarcasmo aos olhos de um marido para não assumir plena responsabilidade
parece assassinato aos olhos de sua esposa! pela ofensa: “Desculpe, sim? Na verdade
Logo a mágoa cresce, transformando-se em não era isso que eu quis dizer”. Muitas ve-
ressentimento que, por sua vez, torna-se zes, o cônjuge ofendido - sem querer - alia-
amargura. Às vezes, a amargura ferve, tor- se ao ofensor em sua tentativa de não en-
nando-se ódio. E talvez a indiferença e o carar o pecado e responde com um sim-
desdém são piores do que imaginamos: são ples “Não foi nada” ou “Deixa pra lá”. Mas
formas de ódio congelado! Alguns aconse- a mágoa fica.
lhados me dizem: “Não tenho uma raiz
de amargura no coração - tenho um O pedido de perdão
tronco!”.
Os problemas no casamento são, em
O próprio Senhor Jesus nos alerta que
sua grande maioria, problemas de pecado.
“é inevitável que venham escândalos...” (Mt
Portanto, é preciso encarar o pecado, tan-
18.7). Mesmo num casamento cristão, os
to no pedido de perdão como no ato de
escândalos vêm, pois marido e esposa não
perdoar. Provérbios 28.13 afirma: “O que
deixam de ser pecadores. O pecado é ca-
encobre as suas transgressões, jamais pros-
paz de rachar o relacionamento ou de cau-
perará; mas o que as confessa e deixa, al-
sar uma lenta erosão. A traição de um adul-
cançará misericórdia”. Existem certos pa-
tério pode rachar um casamento repenti-
ralelos entre a confissão que um filho de
namente, mas o sarcasmo, a falta de grati-
Deus faz a seu Pai celestial e o pedido de
dão, o espírito crítico, as acusações falsas,
perdão de um cônjuge ao outro. Por exem-
as datas pessoais esquecidas e palavras ás-
plo, em 1 João 1.9, a palavra traduzida
peras constantes podem lentamente sugar
como “confessar” significa “concordar, di-
a vida do casamento. Se escolhermos repe-
zer a mesma coisa”. Gary Inrig, dirigindo-
tidas vezes não pedir perdão nem perdoar,
se à nossa tentação de enganarmos a nós
... a vida é como se estivéssemos a
mesmos sobre o nosso pecado, comenta a
sós num buraco profundo. A nos-
nova perspectiva que o significado do ter-
sa liberdade acaba. De dia vemos
mo original lhe trouxe:
o sol, ouvimos as conversas e risa-
De repente, enxerguei a pala-
das dos outros ao redor, desfrutan-
vra “confissão” de um prisma dife-
do de uma vida sadia, porém sa-
rente. Ela não significa apenas ad-
bemos que nós estamos deixando
mitir que eu tenha feito algo erra-
de experimentar o gozo de viver
do. Significa concordar com Deus
que deveria ser nosso.2
acerca do meu comportamento,
Algumas vezes, o casal chega a se des-
culpar, mas de forma que não identifica e
muito menos reconhece o pecado: “Se ofen- 2
Richard P. Walters, Forgive and Be Free (Perdoe e
seja liberto), p. 16.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 3


dizendo a mesma coisa que Ele diz do, o pecado pode ser perdoado.
quanto ao que eu fiz. Quando con- O ofensor poderia ter dito: “Errei
fesso, coloco-me ao lado de Deus naquilo que falei e fiz hoje de ma-
como testemunha contra mim nhã. Fiquei irado e, com isso, pe-
mesmo, avaliando as minhas ações quei. Disse aquelas palavras por-
da mesma maneira que Ele as ava- que eu quis magoá-lo naquele mo-
lia, e respondendo a elas assim mento. Foi isso que eu, erradamen-
como Ele responde. É a atitude de te, tencionava com as minhas pa-
Davi ao derramar sua confissão lavras. Portanto, tanto as palavras
quebrantada no Salmo 51.3-4: como a intenção com a qual eu as
“Pois eu conheço as minhas trans- falei foram repugnantes aos olhos
gressões, e o meu pecado está sem- de Deus e prejudiciais a você. Você
pre diante de mim. Pequei contra pode me perdoar?”.4
ti, contra ti somente, e fiz o que é Existe um segundo paralelo entre a
mal perante os teus olhos, de ma- nossa confissão de pecado ao Pai celestial e
neira que serás tido por justo no o pedido de perdão entre cônjuges: em-
teu falar e puro no teu julgar”.3 bora recusar-se a pedir perdão não altere o
O pedido de perdão de um cônjuge fato do relacionamento, certamente altera
ao outro deve ser tão sincero, franco e ho- o gozo e o prazer no relacionamento. Du-
nesto quanto a confissão de pecado ao Pai. rante quase um ano, Davi escondeu o ter-
Douglas Wilson ilustra bem este rível pecado de adultério e homicídio. So-
princípio: freu conseqüências físicas e emocionais:
O perdão pressupõe um mau “Enquanto calei os meus pecados, enve-
procedimento concreto por parte lheceram os meus ossos pelos meus cons-
do ofensor. Mas é realmente difí- tantes gemidos todo o dia. Porque a tua
cil perdoar um procedimento mau. mão pesava dia e noite sobre mim; e o meu
Por isso, as pessoas tendem a pedir vigor se tornou em sequidão de estio” (Sl
perdão como se elas não fossem, 32.3,4). E sofreu conseqüências espiritu-
de fato, culpadas. “Sinto muito. ais: “Restitui-me a alegria da tua salva-
Fiquei irado e acabei falando coi- ção...” (Sl 51.12). Embora Davi fosse um
sas que, realmente, eu não queria verdadeiro filho de Deus, viveu na tristeza
dizer”. É relativamente fácil per- e miséria do seu pecado até que o confes-
doar porque a outra pessoa não sou. Igualmente, o fato do relacionamen-
queria dizer o que disse. Mas o to conjugal não se altera com as ofensas
pecado pode ser perdoado somen- acumuladas: marido e esposa continuam
te quando o ofensor admite que, como tal (até que o divórcio os separe?).
naquele momento, tencionava di- Mas o pecado inevitavelmente mina a qua-
zer exatamente o que disse. Iden- lidade do relacionamento: o gozo e inti-
tificado corretamente como peca- midade da comunhão um com o outro

3
Gary Inrig, Forgiveness (Perdão), p. 1. 4
Douglas Wilson, Reforming Marriage (Melhorando
o casamento), p.68-69.

4 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


acabam corroídos até que as barreiras se reflitam orgulho. Contudo, a nossa dispo-
removam com um sincero pedido de sição deve ser de pedir perdão o quanto
perdão. antes.
Existe ainda um terceiro paralelo: deve Focalizamos até aqui o ofensor e seu
haver uma disposição de resolver a ofensa pedido de perdão - um pedido que deve
o quanto antes. Douglas Wilson comenta: ser honesto, sincero, e imediato. E o ofen-
É fascinante observar que Deus dido? No casamento onde as ofensas já se
nunca nos incentiva a fazer o certo acumularam há anos, muitas vezes as con-
amanhã, ou apenas aos domingos, versas se restringem a negócios: “Você já
ou após várias sessões de abasteceu o carro?” ou “Lembrou de pagar
aconselhamento, ou só depois de a conta de luz?”. A desilusão, a tristeza e a
estudar os doze passos prescritos solidão profunda instalaram-se há tempo
para os que querem se livrar de um no relacionamento. A pequena raiz de
vício. Devemos sempre fazer o cer- mágoa já se transformou num tronco de
to o quanto antes.. Talvez estejamos amargura e, agora, só resta um lago con-
dispostos a acertar a situação com gelado de indiferença. Provérbios 18.19
o nosso cônjuge mais tarde; no acerta em cheio: “O irmão ofendido resis-
entanto, a comunhão fica interrom- te mais que uma fortaleza; suas contendas
pida e outros pecados encontram são ferrolhos dum castelo”.
caminho livre para entrar como um
dilúvio.5 O significado bíblico do perdão
Há um perigo enorme no conselho No aconselhamento de casais que san-
“Dê tempo ao tempo”, pois o que parece gram de mágoas e ofensas de ambos os la-
ser prudência acaba em procrastinação ou dos, costumo separar pelo menos duas ou
desobediência completa. Mateus 5.23-24 três sessões inteiras só para explicar os con-
apresenta-nos a urgência e a prioridade de ceitos bíblicos sobre o perdão. Ninguém
uma pronta reconciliação: “deixa perante tem um talento especial para perdoar,
o altar a tua oferta, vai primeiro reconcili- embora uma compreensão profunda e pes-
ar-te com teu irmão; e, então, voltando, soal da graça de Deus para com o meu
faze a tua oferta”. “Se o mero decorrer do próprio pecado ajude muito (Mt 18.21-
tempo pudesse resolver o problema do 35)! Muitas vezes, este é o ponto de início
pecado, o Filho de Deus teria morrido sem para lidarmos com as ofensas do cônjuge.
razão”.6 Certamente, perdoar é o maior desafio do
Naturalmente, uma sensibilidade ao amor cristão e o maior risco que alguém
momento e à maneira de pedir perdão pode pode assumir.
exigir algum tempo de oração e reflexão,
pois desejamos falar a verdade (identifican-
do o pecado sem diminuí-lo), mas sem 1. Uma perspectiva divina
palavras desnecessariamente duras ou que Entre muitos conceitos bíblicos im-
portantes com respeito ao perdão, quero
destacar três. Primeiro, perdoar significa
5
Douglas Wilson, o p. cit p. 70. ter uma perspectiva divina. Inúmeras vezes
6
Douglas Wilson, o p. cit.p. 69. na Bíblia, o referencial para o perdão que

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 5


concedemos aos ofensores é o perdão que gar nem fazer ameaças diante das
já recebemos do Senhor: “...perdoando-vos ofensas, mas nos entregar Àquele que
uns aos outros, como também Deus em julga retamente.
Cristo vos perdoou” (Ef 4.32); “Assim
3. Jesus perdoou por completo, não à
como o Senhor vos perdoou, assim tam-
prestação. Nós devemos fazer o mes-
bém perdoai vós” (Cl 3.13). Considere
mo!
também a pergunta principal do rei ao seu
servo na parábola do Senhor Jesus: “per-
doei-te aquela dívida toda porque me su- 2. Um ponto decisivo
plicaste; não devias tu, igualmente, com- Perdoar significa estabelecer um ponto
padecer-te do teu conservo, como também decisivo. O perdão não deixa de ser uma
eu me compadeci de ti?” (Mt 18.32-33). decisão deliberada perante uma ordem do
O exemplo do próprio Senhor Jesus é cons- Senhor “ uma ordem dirigida à nossa von-
trangedor para nós quando, ao ser crucifi- tade, não essencialmente às nossas emo-
cado, Ele disse: “Pai, perdoa-lhes, porque ções. Entre as muitas passagens que usam
não sabem o que fazem” (Lc 23.34). Ain- o imperativo na língua original, quero ci-
da antes da crucificação, quando ultrajado tar apenas Marcos 11.25: “E, quando
e maltratado, Ele deixou exemplo para nós: estiverdes orando, se tendes alguma coisa
“...pois que também Cristo sofreu em vos- contra alguém, perdoai, para que vosso Pai
so lugar, deixando-vos exemplo para celeste vos perdoe as vossas ofensas”. O
seguirdes os seus passos” (1Pe 2:21) - Ele perdão é difícil, mas ele não é opcional.
não se vingou, nem fez ameaças, mas “en- Ele pode ser acompanhado de emoções
tregava-se àquele que julga retamente” confusas e conflitantes. Ainda assim, pre-
(1Pe 2:23). cisa ser praticado pela fé baseada na Pala-
Perante a perspectiva divina, dada pelo vra de Deus. Repare que Marcos 11.25
referencial e o exemplo do próprio Senhor sugere um perdão unilateral, pois o ofen-
Jesus, os incentivos para perdoar nosso dido está em oração, sem que o ofensor
cônjuge transbordam das páginas da Bí- esteja por perto. O Senhor ordena
blia: perdoar, ali mesmo, naquele instante. In-
1. Perante tamanha graça e misericór- clusive, a própria comunhão do ofendido
dia do Senhor para com as nossas com Deus depende do perdão concedido
muitas ofensas, como deixaremos de ao ofensor: ...para que vosso Pai celestial
perdoar as ofensas do nosso cônjuge? vos perdoe as vossas ofensas. Tempos atrás,
escrevi o seguinte no Jornal Palavra da
2. Embora diferente do nosso sofri- Vida:
mento decorrente das ofensas, o so- O perdão é unilateral. O
frimento de Cristo serve de exemplo ofensor não precisa merecer meu
(1Pe 1.21). Ele não pecou, não se vin- perdão antes de eu o conceder. Se
gou, nem fez ameaças, mas absorveu eu retiver o perdão, sou eu mesmo
em Sua Pessoa as ofensas dos outros, que sofro as conseqüências. Con-
entregando-se Àquele que julga forme a autora Diane V. Funk, a
retamente. De modo semelhante, não amargura é uma doença de nossa
devemos pecar, não devemos nos vin- própria alma e somos nós que

6 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


murchamos em conseqüência de ca deixar a execução da justiça com
sua devastação. Precisamos tomar Deus, a exemplo do Senhor Jesus que
o remédio do perdão [unilateral] “...entregava-se Àquele que julga
para sermos curados. É verdade retamente” (1Pe 2.23). Quanto a
que alguns trechos da Palavra de mim, cancelo a dívida e abro mão da
Deus condicionam o perdão ao cobrança.
pedido do ofensor: “Se por sete
2. Uma decisão de não lembrar mais a
vezes no dia (o ofensor) pecar con-
ofensa, uma vez entregue nas mãos
tra ti, e (se) sete vezes vier ter con-
de Deus.
tigo, dizendo: Estou arrependido,
perdoa-lhe” (Lc 17.4). Outras pas- O alicerce bíblico dessa instrução
sagens [como Marcos 11.25] ex- provém de Hebreus 8.12 (que, por
pressam a ordem de perdoarmos sua vez, é uma citação de Jeremias
sem que haja mérito ou mesmo um 31.34): “Pois, para com as suas ini-
pedido da parte do ofensor. Pes- qüidades usarei de misericórdia, e dos
soalmente, tenho feito uma distin- seus pecados jamais me lembrarei”.
ção entre o perdão unilateral e o Já que devo perdoar como fui perdo-
perdão oficial. O perdão unilate- ado por Deus (cf. Ef 4.32; Cl 3.13),
ral é concedido o quanto antes, sem tomo a decisão de jamais lembrar-me
que o ofensor mereça ou mesmo da ofensa! A esta altura da conversa,
saiba do fato. O perdão oficial é os aconselhados costumam olhar para
verbalizado no momento em que mim de modo estranho. Muitas ve-
o ofensor o pede, reconhecendo seu zes, os casais já ouviram falar que o
erro e arrependendo-se dele. perdão significa esquecer-se da ofen-
No aconselhamento, apresento o per- sa (por sinal, um conceito errado).
dão como ponto decisivo aos casais de duas Mas não demorou muito para desco-
maneiras: brirem que não tinham a capacidade
1. Uma decisão de abrir mão da ofensa de praticar uma amnésia seletiva!
ou da vingança que ela pede. Repito “ perdoar significa não se lem-
brar da ofensa. E agora, uma explica-
A palavra grega traduzida como
ção importante: o Deus onisciente
“perdoar” significa “cancelar, soltar,
não se esquece de nada. Porém, Ele
abrir mão de”. Ao perdoar, eu abro
decide “ com base na nossa redenção
mão de um direito que na realidade
pelo sangue do Cordeiro “ não trazer
não é meu “ o direito da vingança.
à tona, não trazer à mente, não se lem-
Romanos 12.19 ordena “não vos
brar dos nossos pecados. Portanto, à
vingueis a vós mesmos, amados, mas
semelhança de Deus, prometemos
dai lugar à ira; porque está escrito: A
não levantar mais o assunto (uma vez
mim me pertence a vingança; eu re-
entregue nas mãos de Deus) perante
tribuirei, diz o Senhor”. Provérbios
três pessoas: Deus, os outros (inclu-
20.22 nos aconselha: “Não digas:
sive o ofensor) e eu mesmo (remoen-
Vingar-me-ei do mal; espera pelo
do nos pensamentos). Uma vez que
Senhor, e Ele te livrará”. Isso signifi-
entreguei a ofensa nas mãos dAquele

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 7


que julga retamente, não posso mais decisão de perdoar - uma estaca
passar o vídeo. Uma promessa difícil, fincada num momento definido da
pois, às vezes, é difícil abrir mão dos história de sua vida.
ressentimentos. Eles nos fornecem as-
sunto garantido nas conversas sobre
alguém que possamos culpar pelas 3. Um processo decorrente
nossas deficiências. Freqüentemente, Perdoar significa estabelecer um pro-
eles despertam comiseração nos ou- cesso decorrente da decisão de perdoar. O
tros para comigo. Permitir que a tempo presente do verbo perdoar em
amargura torne-se parte de nossa vida Efésios 4.32, Colossenses 3.13 e Marcos
é muitas vezes uma simples desculpa 11.25 indica uma atitude constante de per-
para agirmos de modo irresponsável. dão que deve continuar após o ponto deci-
sivo da resolução de perdoar. Inclusive, logo
No aconselhamento de casais, cos- após indicar que a vingança pertence a
tumo pedir que cada cônjuge passe Deus (Rm 12.19), a Bíblia nos incentiva
tempo a sós - no quarto, debaixo de a fazer o bem ao ofensor: “Não te deixes
uma árvore, em algum outro lugar vencer do mal, mas vence o mal com o
sossegado - para anotar (de modo bre- bem” (12.21). No mínimo, posso orar pelo
ve e rápido, sem remoer) as ofensas ofensor - “...orai pelos que vos perseguem”
recebidas. Cada um deve fazer tam- (Mt 5.44b). Porém, amar ao meu inimigo
bém uma lista das ofensas que come- talvez inclua algo tão simples como olhar
teu. De joelhos, em oração, é hora de nos olhos e dizer “Bom dia!”.
entregar as ofensas a Deus, abrindo Este volume de Coletâneas de
mão delas e da vingança que na reali- Aconselhamento Bíblico focaliza o casa-
dade pertence a Ele. Cada um deve mento. Talvez não haja tarefa mais impor-
fazer a promessa, perante o próprio tante no relacionamento entre dois melho-
Senhor, de não levantar mais as ofen- res amigos do que manter as contas em
sas perante Ele, os outros e nos seus dia, removendo os obstáculos logo que eles
pensamentos. Após a entrega, às ve- aparecem. Haverá lutas, e a maior delas é
zes sugiro que o aconselhado queime a luta contra o próprio orgulho. Porém,
o papel para simbolizar a decisão de- Deus promete maior graça aos humildes,
liberada de não se lembrar mais das e um casamento de dois humildes progri-
ofendas. Alguns desenham uma pe- de de joelhos, na profunda intimidade de
quena placa num papel e colocam dois corações submissos ao Senhor e um
dentro de sua Bíblia, com a data da ao outro.
Boa leitura!

8 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Você Consegue Ver?

D a v i d Pow l i s o n1

A terra está impregnada com o céu, vai prestar contas de toda palavra que sai
E cada arbusto inflamado de Deus; da sua boca? De que está sendo filmado?
Mas somente aquele que vê descalça as san- Você sabe que a sua caminhada pela vida
dálias; está impregnada com a presença obser-
O restante senta-se ao redor e colhe amoras.2
vadora do Deus soberano?
Você consegue ver? A sua terra está Você se dá conta de que Deus está em
impregnada com o céu e cada arbusto arde ação? “Deus age em todas as coisas para o
em glória? Você descalça as sandálias em bem daqueles que o amam, dos que foram
terra santa? Ou você continua a colher chamados de acordo com o seu propósito”
amoras, à toa e indiferente? (Rm 8.28 NVI). Você consegue ver cada
Você se dá conta de como Deus nos acontecimento, circunstância, provação,
vê? “Porque os caminhos do homem estão frustração, dor ou alegria como parte da
perante os olhos do SENHOR, e ele con- providência do Deus amoroso e soberano?
sidera todas as suas veredas” (Pv 5.21). Você confia e obedece ao seu Deus ou você
Você vive terminantemente em público? resmunga e manipula? Você vê as circuns-
Você está ciente de que tudo que você faz tâncias da sua vida impregnadas com a
e pensa é observado e, de modo figurati- presença de Deus e Seu propósito de torná-
vo, escrito em um livro? Está ciente de que lo semelhante a Jesus?
Você se dá conta de que Deus fala com
1
Tradução e adaptação de Do You See? Publicado em você? “Tenho visto que toda perfeição tem
The Journal of Biblical Counseling, v. 11, n. 3, Spring seu limite; mas o teu mandamento é ili-
1993, p. 3-4. mitado... Lâmpada para os meus pés é a
David Powlison é editor de The Journal of Biblical tua palavra e, luz para os meus caminhos”
Counseling. (Sl 119.96, 105). O que você vê quando
2
Elizabeth Barret Browning, “Aurora Leigh”, olha para a sua Bíblia? Você vê um livro
Livro VII.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 9


repleto de relevância? Você vê um livro novas e pessoais. Outros se voltam para as
impregnado da presença de Deus, à me- psicologias seculares em busca de compre-
dida que Ele fala sobre aquilo que é im- ensão e orientação. Em ambos os casos, a
portante para a vida diária? A sua Bíblia Bíblia não fala o suficiente a respeito do
está repleta de aplicações para os proble- que realmente importa na vida diária.
mas reais de pessoas reais, que vivem no Pense na seguinte ilustração. Aqueles
mundo real: ela é inesgotável, atual, que consideram a Bíblia relativamente
diversificada, flexível? Ou a Bíblia é relati- deficiente olham para ela e o que conse-
vamente deficiente para lidar com as lutas guem ver é semelhante a um piano de brin-
do ser humano? quedo, com apenas oito teclas. Aquelas oito
Atualmente, identifico dois grupos de teclas brancas talvez sejam de importân-
evangélicos, ambos crentes na Bíblia. O cia central na teoria musical: a escala de
primeiro tem uma Bíblia repleta de rele- Dó-Maior, começando com o Dó-Médio,
vância para a vida. O segundo, uma Bí- toca o Dó-Ré-Mi básico. Talvez elas sejam
blia de utilidade limitada. Essa diferença suficientes para os cânticos da Escola Do-
de percepção é a base para muitos dos con- minical. No entanto, não são suficientes
flitos e desentendimentos no campo do para tocar de maneira mais penetrante e
aconselhamento bíblico. atraente. Não haverá sonatas. Não haverá
Olhemos primeiramente para aqueles fugas nem concertos. Você não conseguirá
que crêem na Bíblia, mas consideram-na tocar as nuanças, as variações e as claves
um recurso de utilidade limitada. Para eles, menores da vida. E nenhum pianista ex-
a Palavra de Deus fornece uma estrutura periente se ocuparia em ficar tocando num
básica de significado da vida. Também é pianinho de brinquedo. Há instrumentos
um recurso para consolo nas provações ou mais flexíveis e interessantes à disposição.
para fortalecimento espiritual. Ela desven- Para o outro grupo, que também crê
da o caminho final para a salvação. É útil na Bíblia, ela é um piano de cauda. Aliás,
para a teologia, as verdades teóricas sobre é um piano de cauda acompanhado de toda
Deus, o céu e o inferno, a vida e a morte, uma orquestra, com grandes composito-
a visão cristã sobre... . A palavra de Deus é res, pianistas e maestros. Ela entoa todas
uma autoridade reconhecida para as refle- as notas, os ritmos, os tons, as claves, os
xões sobre as grandes questões da vida. efeitos especiais e as nuanças. Essa é a vi-
O que há de errado com esse parágra- são que os conselheiros bíblicos têm da
fo? Aparentemente, nada, exceto que tudo Bíblia. Ela é completa. O Compositor,
parece muito distante e vago. Até mesmo Maestro e Músico está em ação.
os teólogos liberais manifestam opiniões Quando aqueles que têm a Bíblia por
semelhantes. A discordância ocorre quan- deficiente escutam aqueles que conside-
do perguntamos se a Bíblia é verdadeira- ram-na completa falarem sobre a suficiên-
mente útil nas lutas da vida diária. Dian- cia das Escrituras para o aconselhamento,
te delas, esse grupo de crentes volta-se o que ouvem é: “Algo deficiente e incom-
para outras fontes em busca de perspecti- pleto é suficiente para uma obra muito
va e orientação. Alguns se voltam para re- complexa”. Isso parece uma pretensão ri-
velações, profecias, orientações e intuições dícula! O aconselhamento bíblico parece

10 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


absurdo, dogmático, obscurantista, cheio tocar O Bife. Um principiante no violino
de discursos rebuscados de pessoas com extrai um som estridente; um principian-
mente pequena que nada sabem e que se te no trompete extrai um mero ruído de
gloriam em sua ignorância. sopro; na bateria, o principiante marca o
Porém, quando aqueles que têm a Bí- compasso de forma monótona. Falhas
blia por completa falam da suficiência das como estas podem dificultar a compreen-
Escrituras, eles querem dizer - ou são da visão por parte dos espectadores, mas
deveriam querer dizer - que ela é “Algo vivo elas não tornam a visão inválida. Há uma
e atuante, com riquezas inesgotáveis, com- orquestra completa; vamos crescer nas áre-
pleto e relevante, suficiente para uma obra as falhas e aprender a tocar.
muito complexa”. Isso tem lógica! E quan- A falta de habilidade é mais fácil de
do o próprio Senhor fala às pessoas, em superar do que a falta de visão, porém Deus
meio às lutas do ministério pessoal, essa nos capacita a vencer ambas para o louvor
visão é provada. de Sua glória. A sua Bíblia é completa, mas
A falta de visão não é, obviamente, o as suas habilidades são limitadas? Uma
único tipo de falha. Há, também, falhas criança que vê pode tropeçar logo de iní-
na habilidade. Os conselheiros bíblicos, cio; porém, com o tempo, ela começa a
como indivíduos e mesmo como grupo, correr e saltar sob os cuidados do Pai. Ou
nem sempre realizam o melhor trabalho será que a sua Bíblia é relativamente defi-
ao tocar a música. Todos temos falhas na ciente? Uma criança cega nunca consegui-
habilidade. Alguém que vê o piano de cau- rá andar sem hesitar. Porém, o Pai pode
da, com visão perfeita, talvez saiba apenas abrir seus olhos.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 11


Treinamento de Líderes
Pastoreando líderes para pastorearem o rebanho

To n y B . G i l e s 1

Hoje tenho uma conversa marcada com há bastante administração e gerencia-


um membro da igreja cuja vida está des- mento - às vezes, até demais. Porém, é o
moronando. Estou um pouco inseguro e, pastoreio e o cuidado das almas que mar-
honestamente, um pouco nervoso tam- ca o chamado dos líderes espirituais. É aos
bém. O que lhe direi? O que posso fazer líderes que Pedro dá a seguinte instrução:
para ajudá-lo? Como posso incutir espe- “Pastoreai o rebanho de Deus que há en-
rança em meio ao desespero? É comum tre vós” (1Pe 5.2).
que eu me sinta pouco à vontade em situ- Quando cuido de pessoas, sei que não
ações do gênero. Mas, na verdade, isso posso evitar os seus problemas. Também
acontece praticamente com todo líder es- não posso simplesmente encaminhá-las
piritual que conheço - mesmo aqueles ve- para que outros as ajudem. Entretanto,
teranos experientes, cuja maturidade ge- deve haver mais que eu possa dizer além
ralmente brota da consciência de saber que de “Isso é muito duro, vou orar por você”,
eles não sabem todas as respostas. apesar de que não há nada mais impor-
Situações como esta parecem caracte- tante do que nossas orações a favor de ou-
rizar o meu ministério à igreja, mais do tros. A oração intercessora é um ministé-
que aquele trabalho que chamamos de rio pessoal. Porém, no pastoreio do reba-
administrativo ou de gerenciamento. Sim, nho, os líderes são chamados com freqüên-
cia a investir em vidas com orientação,
consolo e cuidado, bem como com con-
1
Tradução e adaptação de Leadership training: frontação e correção. Como pastores cui-
shepherding leaders to shepherd the flock. Publicado em
The Journal of Biblical Counseling, Summer 2006, p. dadosos, que representam nosso Pai e Seu
54-60. Filho, somos chamados a interceder. Como
Tony Giles é pastor de discipulado na Igreja pastores, líderes espirituais e amigos cris-
Presbiteriana Trinity em Charlottesville, Virginia. tãos, somos chamados a ministrar em pa-

12 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


lavras e ação. Isso inclui palavras que esti- Reino e trabalharem como parceiros pre-
mulam e incutem coragem no momento parados para atingir corações e vidas no
em que ela é necessária. Inclui palavras que rebanho? De que maneira podemos lhes
consolam ou confrontam, dependendo proporcionar um melhor entendimento de
daquilo que é mais apropriado à situação como Deus define a mudança no coração
e ocasião. Também pode juntar o consolo para que esta mudança redirecione alguém
à confrontação, dependendo do mo- de um comportamento pecaminoso para
mento. um viver mais piedoso?
Algumas vezes, minha conversa com
uma pessoa que está em crise lembra o O modelo de Deus:
velho método de dar tiros para todos os la- pastores para o rebanho
dos: se eu falar bastante e citar a Bíblia
O modelo de Deus para a liderança
suficientemente, talvez alguma coisa atin-
da igreja não é um grupo de tomadores de
ja o alvo e minhas palavras façam sentido.
decisões, mas pastores que lideram, guar-
Ou uso meu velho recurso de apoio: lanço
dam, orientam e cuidam da igreja. É no-
alguns dos meus versículos prediletos,
tável que as qualificações para um líder
aqueles que são pessoalmente úteis para
espiritual destaquem mais as questões de
mim, ou o texto que li pela manhã. E pode
caráter do que as habilidades ministeriais.
ser que simplesmente falte tempo e deci-
Podemos até dizer que a única qualifica-
damos orar. Visto que Deus é soberano e
ção bíblica que se parece com uma habili-
todo o Seu testemunho é o nosso arsenal
dade é a aptidão para ensinar. Um líder
na guerra pelas almas, esses métodos oca-
espiritual não precisa ser um gênio admi-
sionalmente funcionam. Entretanto, com
nistrativo. Tal habilidade viria a calhar, mas
maior freqüência, preciso realmente de um
não é um pré-requisito para o cargo. Na
entendimento mais preciso de como Deus
verdade, um dos perigos que enfrentamos
define mudança e vê o nosso coração, nos-
é a tentação de adaptarmos um modelo
so comportamento, o pecado, a santidade
de liderança da nossa cultura e importá-lo
e a esperança.
para dentro da igreja porque funciona ou
É esse entendimento que buscamos
porque é eficiente ou traz benefício finan-
promover com o preparo dos líderes espi-
ceiro. É muito melhor desenvolver um
rituais para pastorearem o rebanho. Co-
modelo distintamente bíblico de lideran-
brimos muitos tópicos no processo de equi-
ça, com ênfase em um caráter piedoso, que
par os líderes espirituais em potencial para
se preocupa em servir.
o trabalho que deles se espera. Queremos
Aqui está o princípio operante: se o
que eles se familiarizem com as diretrizes
pastoreio ocupa um lugar central no
administrativas e as normas da igreja, com
chamado de um líder espiritual, nosso
o processo orçamentário e até com fun-
treinamento deve levar isso em conta.
ções práticas como, por exemplo, servir a
Logicamente, quando pedimos aos
ceia. Porém, mais do que isso tudo, um
membros da igreja que identifiquem no
propósito supremo dá molde ao nosso trei-
corpo aqueles que Deus quer separar para
namento de líderes espirituais: prepará-los
servirem como líderes espirituais, eles
para o pastoreio. Como formar uma equi-
deveriam buscar entre os que demonstram
pe de irmãos para serem colaboradores no

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 13


um coração de pastor e já exercem, de fato, neste processo? Qual é o nosso papel no
algum tipo de pastoreio. Não podemos processo de mudança?
olhar para alguém que tem um potencial O processo tem início no coração e na
para líder espiritual e, depois, ver se vida dos próprios candidatos à liderança
conseguimos transformá-lo em líder espiritual. Ansiamos por ajudar um futu-
espiritual por meio de um programa de ro líder espiritual a alinhar-se com a obra
treinamento. Não. Queremos líderes do Espírito de Deus em sua vida. Quere-
espirituais que pastoreiem a igreja, e não mos que cada líder espiritual pergunte a si
apenas a administrem. Queremos líderes mesmo: Para onde minha vida caminha?
espirituais que dêem as mãos aos pastores Quais são os desejos que dominam o meu
e se unam ao trabalho de cuidar das coração? Quais são os obstáculos ou as fal-
ovelhas. sas imitações de relacionamentos
Pense no pastoreio. Ele exige um cora- edificantes? Como o evangelho transforma
ção voltado para pessoas, um conhecimento meu coração e minha vida? Como ele me
preciso das verdades bíblicas e um domí- ajuda a viver uma vida mais piedosa? E
nio da história bíblica. Mas o pastoreio como esse conhecimento e entendimento
também requer algumas habilidades: a podem ajudar para que eu trabalhe na vida
habilidade de ouvir, de relacionar-se com daqueles que me rodeiam?
as pessoas, de identificar o que as pessoas Recentemente, um líder espiritual elei-
precisam ver, entender e fazer em situa- to há pouco participava de sua primeira
ções difíceis, de reconhecer o que precisa reunião da liderança e ouvia com certo es-
ser dito em momentos específicos e o mo- panto enquanto os demais líderes
mento certo para dizê-lo. aprofundavam-se no nó da mais recente
confusão de relacionamento na igreja.
Uma abordagem para o Quando a poeira baixou, ele disse: “Eu não
ministério pessoal e discipulado fazia a mínima idéia do quanto nos envol-
vemos no coração e na vida de cada mem-
centrada no coração2 bro da igreja, e da extensão do cuidado e
O melhor caminho para preparar lí- da busca de solução para os relacionamen-
deres espirituais para o exercício de suas tos quebrados”. Naquela noite, ele saiu dali
funções é uma abordagem do discipulado com uma nova consciência a respeito do
e cuidado das ovelhas centrada no cora- que algumas vezes - se não freqüentemente
ção. A base é uma estrutura bíblica para o - é exigido dos líderes espirituais. Ele tam-
discipulado e ministério pessoal. Como bém desenvolveu um anseio mais profun-
Deus descreve o processo de mudança? do por sabedoria e pela prática do modelo
Qual é a dinâmica do crescimento pessoal bíblico de mudança.
e da santificação? Qual é o papel de Deus Um percentual significativo dos assun-
tos com que um líder espiritual ocupa-se
2
Usamos os cursos da Christian Counseling são questões pessoais ou interpessoais. Ra-
Educational Foundation How People Change (Como ramente há assuntos que envolvem apenas
as Pessoas Mudam) e Helping Others Change
(Ajudando Outros a Mudarem) como base para o
questões doutrinárias sem que a doutrina
nosso treinamento de líderes. Este currículo é escrito afete a vida cristã. Baseamos nosso treina-
por Timothy Lane e Paul David Tripp. mento de liderança em torno das questões

14 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


que se dirigem à vida cristã. Por exemplo, ra acontece de dentro para fora, pela graça
o estudo da declaração doutrinária da nossa e poder de Deus. Aquilo que domina o
denominação leva-nos ao mistério da Trin- coração, molda a vida. Quanto mais fun-
dade, mas nos concentramos nas implica- damentamos a pessoa em sua nova identi-
ções desta doutrina para o viver cristão. dade em Cristo, mais podemos chamá-la
Estudamos o papel do Espírito Santo na a uma nova obediência. E quanto mais
vida cristã, a doutrina das Escrituras (in- chamamos a pessoa a uma nova obediên-
cluindo a inspiração das Escrituras) e a cia, mais precisamos fundamentá-la em sua
autoridade das Escrituras. Discorremos nova identidade em Cristo.
sobre o céu, concentrando-nos na esperan- Em 1 João, uma carta que nos chama
ça da eternidade. ao auto-exame e à santidade (1Jo 1.5-10;
2.1,15; 5.1-4), também encontramos ilus-
Ensinamentos essenciais para uma trações ricas de quem somos em Cristo
liderança efetiva na igreja (1Jo 2.12-14; 3.1-2; 4.16; 5.11). Ver a
Cristo é essencial para admitir o nosso pe-
Nosso alvo é termos candidatos à lide-
cado e abandoná-lo.
rança espiritual que entendam melhor a
Uma espiritualidade centrada no evan-
vida cristã, pensem biblicamente a respei-
gelho evita o comportamentalismo, ao pas-
to das questões do viver diário e desenvol-
so que lida com o coração que conduz a
vam suas habilidades ministeriais. Os se-
comportamentos e atitudes que glorificam
guintes princípios deveriam constituir a
a Deus. Queremos líderes espirituais que
essência de um programa de treinamento
ajudem outros a perceberem a dinâmica
para uma liderança efetiva na igreja.
de uma vida centrada no evangelho. O
ministério de pastoreio da igreja requer fé
1. Uma espiritualidade centrada e arrependimento constantes.
no evangelho
O que está no centro da maioria dos 2. Uma perspectiva bíblica
modelos de vida cristã? Até certo ponto, é
de mudança
freqüente uma forma de moralismo ou de
Você já se sentiu animado com as pro-
espiritualidade do tipo cerrar os dentes. Nas
messas de alguém, para então ver a pessoa
nossas igrejas, muitos aprendem a viver
falhar em cumpri-las? Você já teve uma
com uma consciência hiperativa, que é o
compreensão clara de si mesmo que não
resultado inevitável de uma noção
levou a mudanças duradouras em sua vida?
distorcida do evangelho. Certa vez, alguém
Você já estabeleceu alvos que, de alguma
descreveu esse tipo de espiritualidade como
forma, perderam-se no ritmo frenético da
“a tirania do eu deveria”: “Eu deveria ler
vida? Você está ciente de que algumas
mais a Bíblia”, “Eu deveria orar mais”, “Eu
mudanças são necessárias, porém não sabe
deveria parar de olhar aquelas revistas”. E
como levá-las a termo? Você já se sentiu
embora muitos destes “eu deveria” sejam
confuso na tentativa de identificar quais
válidos, eles carecem de qualquer poder para
aspectos em sua vida eram de sua respon-
transformar uma pessoa. Eles se concen-
sabilidade e quais você podia, acertadamen-
tram nas questões comportamentais, en-
te, entregar a Deus? Você já foi beneficia-
quanto a mudança duradoura e verdadei-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 15


do por ter alguém a quem prestar contas? estende de capa a capa, bíblico pre-
Você já sentiu que as mudanças que você cisa significar “de acordo com aqui-
precisa fazer na sua vida são simplesmente lo que a Bíblia diz respeito como
impossíveis? um todo”. E a Bíblia diz respeito à
As perspectivas sobre mudança pessoal paixão incessante de Deus em ser
são as mais variadas. Novas abordagens conhecido, amado e servido - por
surgem a cada ano, baseadas nos diversos meio de Jesus Cristo - por aqueles
elementos bíblicos de mudança. Algumas que Ele criou. 3
correm o risco de enfatizar determinado
elemento em detrimento de outro, ofere- A palavra duradoura é chave quando se
cendo-nos uma metodologia distorcida e fala em mudança. Uma coisa é mudar o
ineficaz. Uma perspectiva bíblica de mu- meu comportamento, porém mudança
dança não deve se basear em alguns duradoura vem de dentro para fora e tem
versículos bíblicos isolados. Uma ampla a ver com os afetos do meu coração. O que
variedade de versículos dirige-se diretamen- quer que domine o coração exerce uma
te a questões como dinheiro e casamento, influência inescapável em nossa vida. Que-
sexo e maledicência. Isolados, porém, estes remos que nossos líderes espirituais sejam
versículos atingem, freqüentemente, ape- desafiados pela pergunta: Quando você
nas aspectos limitados da vida. O que fal- examina a sua vida ou a vida de outra pes-
ta nesta abordagem é o grande quadro de soa, quanta ênfase você coloca no coração?
como a Bíblia pensa sobre a vida. A pers- O que você diz para a pessoa que lê a
pectiva bíblica de mudança baseia-se no Bíblia e a fecha com um suspiro, pois se
testemunho integral de Deus e leva em sente oprimida por sua incapacidade e
conta tudo o que a Bíblia diz. desanimada por seus fracassos? Você diz:
Comece com a seguinte pergunta: “Abra sua Bíblia novamente e vamos dar
Quais são os métodos bíblicos para atin- uma olhada em sua identidade. Em segui-
gir os alvos de Deus para mudança em da, vamos considerar justificação, adoção
nossa vida? Como a Palavra de Deus des- e união com Cristo”. Queremos líderes
creve crescimento e mudança? (Leia Isaías espirituais que saibam ajudar pessoas a
55.10-13 e Jeremias 17.5-10). Deus nos compreenderem porque as disciplinas es-
transforma recapturando o coração para pirituais são importantes. Queremos que
servir somente a Ele. Queremos líderes as pessoas leiam a Bíblia porque nela en-
espirituais que saibam como ajudar os dis- contram o chamado a uma nova obediên-
cípulos a entenderem porque as discipli- cia e nova identidade como cristão.
nas espirituais são importantes. Como es-
creve David Henderson,
O termo bíblico precisa ser
redefinido. Não pode, meramen-
te, significar “extraído de alguma 3
David Henderson, Culture Shift: Communicating God’s
página das Escrituras”. À luz de Truth to Our Changing World (Mudança cultural:
como a Bíblia foi escrita, com uma comunicando a verdade de Deus em nosso mundo
única linha de pensamento que se em mudança) (Grand Rapids, MI: Baker, 1998), p.
27.

16 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


3. A exegese das Escrituras confrontar alguém sobre o seu pecado?
Os líderes espirituais em treinamento Como um líder espiritual distingue entre
precisam ser habilidosos na exegese de pas- o que é conversa generalizada sobre pro-
sagens bíblicas. A exegese evita o uso de blemas pessoais e o que é uma confissão
textos de prova e de passagens isoladas para genuína? É o Espírito quem convence do
estabelecer uma questão. O líder deve en- pecado.
sinar a passagem levando o contexto em O que um líder espiritual deve dizer
consideração. Enquanto um líder espiri- para alguém que se sente abandonado e só
tual talvez não saiba por si mesmo o que em suas lutas? Precisamos de líderes espi-
dizer ou por onde começar, a Palavra de rituais que saibam estar presentes para os
Deus expõe o coração da pessoa e abre as outros e com os outros em suas angústias.
portas para aquelas áreas que precisam de Precisamos de líderes espirituais que sai-
transformação (Sl 139.23-24). Os líderes bam não apenas servir a ceia, mas também
espirituais não só precisam de fundamen- levar os corações à fonte de água viva, Àque-
to teológico sólido, como eles também le que está sempre presente. O líder espi-
precisam saber manusear a Palavra de Deus ritual que pastoreia está preparado para
(2Tm 2.15). É preciso ter um domínio dos guiar um coração que anseia profundamen-
vários gêneros da literatura bíblica e da te por um ídolo e dirigi-lo ao profundo
centralidade de Cristo no Antigo Testa- anseio por Cristo, a esperança da eterni-
mento. 4 dade.

4. A obra do Espírito Santo 5. A comunidade


e a oração O melhor aprendizado não vem de
O poder de transformação é o poder palestras ou de tarefas de leitura. O me-
do evangelho e da obra de santificação do lhor aprendizado acontece na comunida-
Espírito. O processo de ajudar outras pes- de, porque é ali que se dá o processo mú-
soas a descobrirem onde a mudança é ne- tuo de mentorear - a discussão interativa
cessária depende do bisturi do Espírito. entre irmãos e irmãs reunidos ao redor de
Portanto, o futuro líder espiritual deve orar uma mesa. A vida comunitária provê não
por discernimento e aprender a ouvir. Lan- apenas a melhor maneira para aprender-
çar granadas bíblicas ou até mesmo apli- mos, mas também o único instrumento
car curativos bíblicos pode ser de pouca para descobrimos certas verdades sobre
ajuda e, freqüentemente, é prejudicial sem nossa própria vida. Veja Hebreus 3:12-13.
a direção do Espírito. Por exemplo, como A igreja, na comunhão do Espírito, é a
você lida com o dilema de como e quando comunidade formada pelo Espírito. Ob-
serve as passagens de mutualidade no Novo
Testamento, que descrevem o papel da
4
Veja Reading the Bible with Heart and Mind (Lendo a comunidade e a necessidade de amigos
Bíblia com o coração e a mente) de Tremper Longman espirituais que tenham disposição e este-
(Navpress, 1997) e The Ancient Love Song: Finding jam prontos a ministrar na vida do segui-
Christ in the Old Testament (A antiga canção de amor: dor de Cristo.
descobrindo Cristo no Antigo Testamento), de Muitos têm percebido o valor do rela-
Charles Drew (Philipsburg, NJ: P&R, 2000).
cionamento com um mentor e, ocasional-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 17


mente, encontramos relacionamentos do 6. Os exemplos pessoais ilustram
tipo um a um que funcionam bem. Temos os princípios
visto, no entanto, que o mentorear mú- Uma parte importante do treinamen-
tuo, que acontece na comunidade, tem to dos líderes espirituais diz respeito ao
uma chance maior de impactar significa- uso de histórias e ilustrações pessoais para
tivamente vidas. Um participante, chega- dar vida aos princípios bíblicos ensinados.
do há pouco, fez a seguinte observação: O líder eficaz fala com sinceridade sobre
Nos últimos quinze anos, cos- questões da própria vida para ilustrar os
tumava-me reunir com um peque- princípios bíblicos. Ele lidera pelo exem-
no grupo de homens, encontran- plo. Embora isso represente um trabalho
do-nos com certa regularidade e considerável de preparo para cada aula, ele
sempre com as mesmas pessoas. não pode simplesmente repetir o que está
Conversávamos sobre muitas coi- escrito em um livro, mas precisa estar pro-
sas durante nosso tempo juntos, fundamente familiarizado com os princí-
mas nunca falávamos sobre as ques- pios bíblicos e as ilustrações antes de usá-
tões do coração, que temos trata- los para instruir outros. O líder não pode
do nestas reuniões, coisas como chegar despreparado para o encontro de
ídolos do coração e relacionamen- treinamento. Ele deve antes examinar cada
tos que promovem santificação. lição e princípio em seu coração a fim de
Esse tipo de conversa honesta é o que poder ensinar fielmente aos que estão em
esperamos encontrar na igreja. Se quere- treinamento.
mos que isso venha a ser uma marca da Ao longo dos anos, tenho juntado vá-
nossa vida como corpo, a liderança da igre- rias prateleiras de livros que empresto às
ja deve abrir o caminho. Nesta área, nun- pessoas. Freqüentemente, respondo à ne-
ca avançaremos mais do que os nossos lí- cessidade de alguém sugerindo um livro
deres são capazes de e estão dispostos a fazer. que poderia ser útil, sempre com a espe-
Eles devem ser modelos. rança de poder encontrar-me posterior-
Nosso alvo tem sido evitar a mensa- mente com aquela pessoa, depois de con-
gem, mesmo involuntária, de que maturi- cluída a leitura, para discutirmos e apli-
dade espiritual significa uma vida livre de carmos o conteúdo. Às vezes, este método
problemas. Sinalizamos esta mensagem funciona. Mas seja pela minha agenda ocu-
errada quando nossos líderes espirituais não pada (e ocupada demais) ou pela falta de
são capazes e não estão dispostos a falar pleno interesse, a conversa de retorno,
sobre suas dúvidas, lutas e fracassos pes- quando chega a acontecer, é raramente tão
soais. Temos a liberdade de praticar a sin- efetiva quanto eu esperaria que fosse. Te-
ceridade porque o evangelho é verdadeiro. nho aprendido, ao longo dos anos, que é
Se os nossos líderes espirituais não enten- melhor pedir que a pessoa leia um capítu-
derem e não forem modelos nisso, perpe- lo de um livro ou um pequeno artigo, ou
tuaremos a falsa noção de que maturidade ouça um CD. Porém, a melhor aplicação
significa que não temos mais lutas com o de princípios bíblicos é feita a partir de
pecado que “ameaça à porta” (Gn 4.7) e exemplos extraídos da minha vida. Preciso
“nos assedia” (Hb 12.1).

18 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


estudar a minha jornada espiritual e estar so. Cada participante escolhe uma área de
pronto para contar a minha história. luta em sua vida e dá início a um processo
Um dos objetivos do treinamento de específico de auto-exame. Este processo é
líderes espirituais é enfatizar o chamado central para o curso de treinamento de lí-
para o discipulado de maneira clara e con- deres espirituais.
creta. O líder espiritual em treinamento Queremos que os nossos líderes espi-
aprende, primeiramente, a perguntar: “O rituais ajudem outros a considerarem quais
que essa pessoa precisa enxergar a respeito são as suas responsabilidades e qual é a res-
de si mesma, Deus, os outros, a vida, a ponsabilidade de Deus no processo de
verdade, as mudanças e assim por dian- santificação. Você não tem como ficar pa-
te?”. Em seguida, vem a pergunta: “Como rado esperando que Deus o transforme. Os
posso ajudá-la a ver aquilo que ela precisa resultados, tanto da irresponsabilidade
ver?”. O líder espiritual também aprende como da responsabilidade extremada de
a fazer perguntas do tipo: “O que Deus o tentar realizar a obra que cabe a Deus fa-
está chamando a fazer em meio à sua situ- zer, são frustração, desânimo e fracasso. O
ação e relacionamentos atuais?”. Esse é o papel espiritual de um líder na vida de um
tipo de ministração pessoal que é realmente membro da igreja exige que se esclareça a
pessoal e não geral a ponto de ser, na me- responsabilidade pessoal.
lhor das hipóteses, boa e inútil ou, na pior É com o caráter dos líderes espirituais
das hipóteses, contraproducente e preju- que a igreja encontra dificuldades com
dicial. maior freqüência. A Bíblia diz que deve-
mos ser “irrepreensíveis” (1Tm 3.2). No
7. Aprendizado envolve mudança entanto, o egoísmo no casamento, geral-
O treinamento de líderes espirituais mente, leva à falta de perdão, impede a
não consiste apenas de um conjunto de reconciliação e resulta em amargura e ati-
informações, pois discernimento e mudan- tudes reprováveis. Como funciona a ques-
ça são distintos e não podem ser confun- tão de ser irrepreensível num casamento em
didos. O aprendizado sempre leva à mu- que há egoísmo? E como devemos abordar
dança. Em nossos encontros, procuramos estas questões com os candidatos à lide-
favorecer o tipo de conversa que incentiva rança espiritual? À medida que avançamos
na vida dos participantes a espiritualidade no treinamento, lembramos com freqüên-
centrada no evangelho e a perspectiva bí- cia aos participantes: “Isso tudo tem a ver,
blica de mudança. Sendo assim, cada en- primeiro e primordialmente, com o seu
contro de treinamento dos líderes espiri- caráter. Depois, irá ajudá-lo à medida que
tuais encerra-se com a tarefa Transforme em você trabalha com outras pessoas”. E,
Realidade na sua vida. Como tarefa de casa, logicamente, aqueles que lideram o trei-
damos perguntas que exigem reflexão e namento devem ser irrepreensíveis tam-
aplicação pessoal. Não há “preencha os es- bém. Cabe-lhes conhecer em profundida-
paços em branco”. Após as primeiras aulas de o material de estudo, já tê-lo aplicado
de fundamentos, o treinador-líder apresen- ao próprio coração e experiência de vida e,
ta um Projeto de Crescimento Pessoal, que possivelmente, compartilhar alguns de
estabelece as bases para o restante do cur-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 19


seus fracassos e vulnerabilidades pessoais nova identidade. Nosso treinamento de
enquanto ministram as aulas. liderança é projetado para capacitar o in-
Quando os líderes espirituais em trei- divíduo para conectar estas duas verdades
namento são casados, incluímos suas es- e ajudar outros a também fazerem esta
posas nessa parte do programa de treina- conexão em sua vida e circunstâncias.
mento. À medida que a Palavra de Deus
expõe as questões do coração e da vida dos Questões práticas no
candidatos à liderança, as conversas que treinamento de líderes
devem acontecer entre os cônjuges reque-
Nos últimos anos, ministramos nosso
rem uma honestidade que fortalece o ca-
treinamento de líderes com duração de
samento. Queremos que os casamentos
nove meses. As aulas semanais são de 90
estejam baseados na verdade e na integri-
minutos. Dividimo-nos em dois grupos
dade. É mais difícil fingir quando você fala
para discutir as tarefas de casa e orar por
com sua esposa sobre as questões do cora-
30-35 minutos antes de cada lição de 40-
ção. As conversas que cada líder espiritual
45 minutos. Esse esquema exige um líder
ou candidato à liderança mantém com sua
auxiliar, que esteja suficientemente fami-
esposa fortalecem e intensificam seu casa-
liarizado com o conteúdo para conduzir a
mento e isto serve de modelo para aqueles
discussão sobre as tarefas de casa.
a quem eles pastoreiam.
Atualmente, o currículo How People
Recentemente, recebi o seguinte e-mail
Change (Como as Pessoas Mudam) é uma
de um candidato a líder espiritual:
parte fundamental de um longo caminho
Obrigado pela aula de ontem
de preparo para a indicação do líder espi-
à noite. Minha esposa e eu con-
ritual. O caminho inclui cinco cursos:
versamos durante todo o caminho
· Princípios Bíblicos para o Líder
até em casa e ao longo de boa par-
Servo
te da noite sobre muitas coisas –
· Como Entender a Bíblia
tudo, desde “Porque você não se
· Fundamentos Teológicos para os Lí-
abre mais?” até “O que você preci-
deres (Confissão de Fé de
sa tirar do seu prato?” e ainda “O
Westminster)
que está se passando em seu cora-
· How People Change (Como as Pessoas
ção agora?”. O Espírito está traba-
Mudam)
lhando.
· Helping Others Change (Ajudando
Outros a Mudarem)
Janela para o coração Estes cinco cursos estão abertos a qual-
O evangelho nem sempre está cheio quer membro da igreja – não apenas aos
de vida aos olhos do meu coração. Um pre- líderes espirituais em potencial. Na ver-
gador, certa vez, disse: “Parece que há um dade, anima-nos a perspectiva de que to-
vazamento no coração”. Então, preciso de dos façam os cinco cursos. Após comple-
lembranças constantes da obra completa tar os pré-requisitos, uma pessoa está qua-
de Cristo e de minha nova identidade em lificada para ser indicada quando for ob-
Cristo. Preciso de chamados renovados à servado que ela demonstra o coração e a
nova obediência que está enraizada nesta vida que devem caracterizar um líder espi-

20 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


ritual. Quando acontece a indicação, te- Desafios
mos uma entrevista inicial com o candi- Nosso programa de treinamento de lí-
dato para tratarmos das qualificações, do deres espirituais encontra dois desafios: o
estilo de vida, casamento, vida devocional tamanho da turma e a duração do treina-
e assim por diante. É aqui que trabalha- mento. Como ocorre em qualquer outro
mos exaustivamente algumas das questões programa de grupos pequenos, a efetividade
que talvez tenham sido tratadas apenas do curso depende de encontrarmos o ta-
superficialmente nos pré-requisitos. A esta manho certo da turma. As pessoas facil-
altura, identificamos qualquer área de pos- mente se escondem num grupo grande.
sível preocupação. Queremos ouvir o en- Temos visto que o tamanho ideal para a
tendimento do candidato com relação à turma é entre oito e dez participantes.
vida cristã centrada no evangelho e discu- Quando temos candidatos que participam
tir questões de caráter. do treinamento com as esposas, nosso gru-
Finalmente, chegamos às questões mais po torna-se grande demais para boas dis-
práticas da função dos líderes espirituais, cussões. Sendo assim, dividimos em dois
que incluem as diretrizes da igreja, o pro- grupos menores. Cada grupo tem um lí-
cedimento nas reuniões, como servir a ceia, der auxiliar, que promove a discussão so-
o governo da igreja e a disciplina eclesiás- bre a tarefa de casa e, quando necessário,
tica. Tratamos estes assuntos no final do pode substituir o líder. Temos descoberto,
processo que durou nove meses. Na parte porém, que é melhor ter uma só pessoa no
do treinamento em que lidamos com o papel de líder, ao invés de duas pessoas
caráter, costumamos incluir também os que se alternem.
diáconos. Embora o currículo pareça ser O maior desafio é como incluir no trei-
voltado ao desenvolvimento de habilida- namento da liderança tudo quanto preci-
des para o ministério de pastoreio, reco- samos ensinar e discutir. Há sempre mui-
nhecemos que todo diácono é também to mais a aprender.
chamado a um ministério pessoal. O tra-
balho do diácono cria constantes oportu-
nidades para conversas significativas e
discipulado.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 21


Julgar à Luz da Bíblia

D . Pa t r i c k R a m s e y 1

Julgar ou não julgar: eis uma questão soas fazem vista grossa ou concordam com
que enfrentamos no mundo atual. De acor- crenças e práticas das mais malignas. No
do com o dicionário Aurélio, o significado entanto, não toleram, quer seja por um só
de julgar é “decidir como juiz ou árbitro; momento, a prática de condenar o erro ou
dar sentença, sentenciar; supor, imaginar, o pecado. Em nome do amor, somos orien-
conjeturar; formar opinião sobre; avaliar”. tados a aceitar estilos de vida, religiões,
Portanto, à primeira vista, parece que o ato práticas e idéias de todo tipo. Os pontos
de julgar envolve crer que alguém ou algo de vista conservadores são raramente tole-
é falho, é mau ou está errado, e implica rados e ninguém deve ousar expressá-los
condenar ou repreender ao invés de descul- verbalmente. Você não deve criticar as
par ou elogiar. crenças, religiões ou práticas de outros, pois
Considerando esse sentido da palavra você seria considerado alguém arrogante,
julgar, muitos respondem à pergunta se sem amor, pronto a julgar e cruel.
devemos ou não julgar com um vibrante e Tragicamente, nesta área, a cultura
enfático NÃO. De fato, se em nossa cul- transformou a Igreja, em vez de a Igreja
tura existe algo imperdoável, não é o pe- transformar a cultura. Os cristãos estão
cado de blasfemar contra o Espírito San- dizendo a outros cristãos para não julga-
to, e sim o pecado de julgar outros. As pes- rem uns aos outros nem julgarem o mun-
do.
Certa vez, uma igreja enviou-me um
lembrete de oração, um pequeno pedaço
1
Tradução e adaptação de Judging according to the Bible.
Publicado em The Journal of Biblical Counseling. v.21, de fita no qual estava gravado o trecho de
n. 1, Fall 2002, p. 62-69. Atos 19.11-12. A carta que acompanhava
D. Patrick Ramsey é pastor da Christ Presbyterian informava que os guerreiros de oração havi-
Church em London, Kentucky. am orado sobre aquela fita e eles criam que

22 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


“a unção de Deus está sobre esse tecido”. tolerância o deixou desconfortável e ele fez
A carta estimulava-me a usar a fita como questão de dizê-lo:
um ponto central para minha fé, para que - É isso que me incomoda nos cristãos,
eu pudesse ter por certo minha cura e li- ele disse. Vocês parecem agradáveis a prin-
bertação ou a de um ente querido. A igre- cípio, mas depois começam a julgar tudo
ja sugeria que a fita poderia ser colocada e todos.
no carro, debaixo de um colchão ou numa - E o que há de errado com isso?
parede. Fiz uma pergunta provocativa.
À semelhança do que aconteceu com - Não é certo julgar outras pessoas.
Paulo, quando ele encontrou os inúmeros - Se é errado julgar outras pessoas, João,
ídolos em Atenas, o meu espírito revol- por que você está me julgando?
tou-se dentro de mim. Decidi escrever um Esta pergunta o fez parar. João foi pego
artigo para o jornal local, examinando a em seu próprio princípio, e ele sabia dis-
prática das fitas de oração à luz das Escri- so.
turas. No artigo, não guardei meu julga- - Você está certo - ele admitiu - eu o
mento de que o uso das fitas de oração estava julgando. Meio difícil de evitar.
não é bíblico, e é até mesmo supersticio- Ele parou por um momento, coçou a
so. É desnecessário dizer que algumas pes- cabeça e se reorganizou.
soas ficaram bastante ofendidas com o que - Que tal isso? Está tudo bem em jul-
escrevi. Uma carta carregada de muita gar as pessoas, contanto que você não im-
emoção disse-me enfaticamente para não ponha sua moralidade sobre elas - ele dis-
julgar, mas aprender a amar e apreciar o se, querendo pisar em solo mais seguro. É
meu próximo. A carta ressaltava que as aí que se ultrapassam os limites.
pessoas que haviam enviado aquelas fitas - Está bem, João. Posso fazer uma per-
de oração tinham se empenhado bastante gunta?
no seu preparo e queriam apenas alcançar - Claro.
pessoas para Jesus. - Essa é a sua moralidade?
O que devemos pensar do conceito de - Sim.
não julgar? Como podemos responder às - Então por que você a está impondo
pessoas que nos dizem para não julgar? De sobre mim? 2
acordo com esse ponto de vista, não pode- Muitos se apegam à crença de que toda
mos sequer responder, exceto para elogiar, a avaliação crítica é errada. No entanto,
pois de outro modo estaríamos julgando! acusam livremente aqueles que expressam
Mas, ironicamente, se fôssemos responder suas opiniões críticas de serem intoleran-
com uma crítica, ninguém poderia nos tes em relação aos outros. Sendo assim, por
condenar. Caso condenassem, eles tam- que eles podem exercitar seus julgamen-
bém estariam nos julgando. Considere a tos críticos? Eles afirmam tomar uma po-
situação a seguir. sição contra os que são críticos, mas eles
João era um tipo amigável e tolerante, mesmos permanecem livres para criticar
disposto a conversar comigo sobre o cris- todos quantos discordam deles. Isto é o
tianismo, até que surgiu a questão da ho-
mossexualidade. Minha aparente falta de 2
Disponível em www.lutheransforlife.org/living/
winter/getting_judmental.htm.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 23


cúmulo da arrogância! Eles estão certos e guém pode fazer isso sem avaliar de forma
todos os demais estão errados? Na visão crítica as crenças e/ou ações do próximo e,
deles: fim da discussão! em seguida, expressar-se.
É certo que não podemos evitar o Os líderes espirituais da igreja também
ato de julgar. Tiraremos o chapéu para algu- são chamados a julgar à medida que ad-
mas coisas enquanto censuraremos outras. ministram a disciplina na igreja (Mt
Formar opiniões – tanto positivas quanto 18.17-20). Paulo ordena que nos aparte-
negativas – é algo que todos nós fazemos. mos “de todo irmão que ande desor-
Mesmo alguém que aceitasse todos os pon- denadamente”, isto é, não conforme as
tos de vista, incluindo o da intolerância, Escrituras (2Ts 3.6; veja também 1Co 5).
seria culpado de julgar, pois tal conceito Como podemos fazer isso sem uma avalia-
implica que é errado não aceitar uma po- ção crítica e sábia das pessoas?
sição de intolerância. Então, a questão não Jesus exercia a prática de denunciar
é se devemos julgar ou não, porém, muito outros. Ele condenou o ensino dos fariseus
mais, como iremos julgar. Somente um (Mt 5-7), bem como suas práticas (Mt
ingênuo ou um hipócrita arrogante pode 23.1-36). Em duas ocasiões específicas,
dizer que é errado julgar. Ele repreendeu severamente Pedro e
Independentemente do problema Herodes, chamando o primeiro de “Sata-
da lógica, devemos rejeitar a prática de não nás” (Mc 8.33), e o segundo de “raposa”
julgar basicamente porque a Bíblia nos (Lc 13.32). Quando Jesus entrou no tem-
ordena que façamos avaliações tanto posi- plo, Ele se irou e condenou os mercado-
tivas como negativas. O apóstolo João es- res, virou as mesas e os expulsou com um
creveu: “Amados, não deis crédito a qual- chicote.
quer espírito; antes, provai os espíritos se Os muitos preceitos e exemplos bíbli-
procedem de Deus” (1Jo 4.1; veja tam- cos de santos que examinaram o mundo à
bém 1Ts 5.21; 1Co 14.29; Mt 7.15ss). A sua volta não deveriam nos surpreender.
razão pela qual Deus quer que provemos Desde o princípio, foi dada ao homem a
os espíritos é que muitos falsos profetas tarefa de exercer o domínio sobre a criação
têm saído pelo mundo afora e estão ten- (Gn 1.26-28; 2.15,19-29; Sl 8.6-9). Deus
tando nos enganar e nos levar para longe criou o homem à Sua imagem, equipan-
da verdade (Mt 24.5; 2Ts 2.1-3; Gl 1.6ss). do-o com as ferramentas e habilidades ne-
Depois de julgar ou provar, devemos reter cessárias (i.e. razão, olhos, ouvidos, mãos
o que é bom e rejeitar o que é pecaminoso etc.) a fim de que pudesse avaliar o seu
(1Ts 5.21; Gl 1.9). A igreja de Éfeso pro- ambiente e responder e ele, seja dando
vou aqueles que se declaravam apóstolos, nome aos animais ou abstendo-se do fruto
achou-os mentirosos e os rejeitou com fir- proibido3. Em resumo, julgar é humano.
meza. Por esta razão, Jesus elogiou
grandemente essa igreja (Ap 2.2).
Se alguém pecar contra você ou cair
3
Adão não caiu por ele ter considerado o valor do
fruto proibido, mas por tê-lo feito incorretamente.
em pecado, você deve confrontá-lo a fim Ele deixou de julgar as mentiras de Satanás à luz da
de restaurá-lo. Você deve repreendê-lo (Lv Palavra de Deus e buscou ser igual a Deus em
19.17) e falar-lhe da sua falta (Mt 18.15) determinar o bem e o mal. Ele deixou de seguir o
num espírito de mansidão (Gl 6.1). Nin- princípio n. 5, que será tratado neste artigo.

24 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Se o ato de julgar faz parte da nossa pessoa e diminui sua auto-estima. No en-
natureza, é inevitável e verdadeiramente tanto, longe de ser cruel e desalmada, a
bíblico, por que tantas pessoas são avessas repreensão pode ser uma verdadeira expres-
a ele? são de amor. Provérbios 27.5-6 diz: “Me-
lhor é a repreensão franca do que o amor
Razões pelas quais as pessoas são encoberto. Leais são as feridas feitas pelo
avessas a julgar que ama, porém os beijos de quem odeia
são enganosos”. Provérbios 28.23 afirma:
1. “A Bíblia nos diz “O que repreende ao homem achará, de-
para não julgarmos.” pois, mais favor do que aquele que lison-
Embora a Bíblia seja clara em defen- jeia com a língua”.
der a prática do julgamento, alguns textos Ironicamente, desalmado é justa-
parecem ensinar o contrário. Considere as mente aquele que se recusa a repreender
seguintes passagens: alguém por seu pecado. A recusa do Rei
Š “Não julgueis, para que não sejais Davi em confrontar e lidar apropriadamen-
julgados.” (Mt 7.1) te com os pecados de seus filhos contri-
Š “Um só é Legislador e Juiz, aquele buiu para seu triste fim (1Re 1.6). Amnom
que pode salvar e fazer perecer; tu,
porém, quem és, que julgas o 4
Alguns fazem referência também a João 8.2-11,
próximo?” (Tg 4.12) quando a mulher colhida em adultério foi levada
Š “Quem és tu que julgas o servo alheio? diante de Jesus. Jesus respondeu: “Aquele que dentre
vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire
Para o seu próprio senhor está em pé pedra”. Estas palavras costumam ser interpretadas
ou cai; mas estará em pé, porque o no sentido de que nenhum pecador tem o direito de
Senhor é poderoso para o suster.” (Rm julgar outro pecador. A implicação é que alguém
14.4) precisa ser isento de pecado para julgar. Visto que
nenhum de nós está isento de pecado, ninguém tem
Š “Porque de nada me argúi a cons-
o direito de julgar outra pessoa. É perfeitamente
ciência; contudo, nem por isso me possível que esta passagem não fosse parte do
dou por justificado, pois quem me manuscrito original. Mas ainda que pertença ao
julga é o Senhor. Portanto, nada original, a interpretação acima não pode ser correta
julgueis antes do tempo, até que porque Jesus não iria contradizer a Si mesmo (Mt
18.15 ss.), bem como o apóstolo Paulo (Rm 13).
venha o Senhor.” (1Co 4.4,5a) Uma interpretação possível é que as palavras “sem
Š Essas passagens, no entanto, tratam pecado” refiram-se a uma pessoa que não seja culpada
de como devemos avaliar e condenar daquilo que ela está julgando. Neste caso específico,
as práticas pecaminosas em nosso diria respeito a alguém que não fosse culpado de
adultério. Também é preciso levar em conta
julgamento.4
Deuteronômio 19.15: “Uma só testemunha não se
levantará contra alguém por qualquer iniqüidade ou
por qualquer pecado, seja qual for que cometer; pelo
2. “Julgar os outros é cruel e depoimento de duas ou três testemunhas, se
demonstra falta de amor.” estabelecerá o fato”. E mais, quando a ofensa fosse
punida pelo apedrejamento, as testemunhas deveriam
Aquele que ousa reprovar outra pessoa atirar a primeira pedra (Dt 17.7). Ao julgar pela
é, com freqüência, rotulado de grosseiro. resposta daqueles que acusavam a mulher, eles eram
A crítica é tida como algo que rebaixa a também culpados de adultério ou não haviam
testemunhado o crime.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 25


violentou a meia-irmã Tamar e não rece- Os cristãos devem ser cheios de zelo,
beu a repreensão apropriada. Em seguida, paixão e amor por Jesus, pelos irmãos na
seu meio-irmão Absalão escolheu fazer jus- fé e pelos descrentes. A lei completa de
tiça com as próprias mãos e o matou. Mais Deus resume-se em dois mandamentos de
uma vez, Davi não lidou com a situação amor (Mt 22.37-40). Jesus repreendeu a
de forma correta e, como resultado, igreja de Éfeso porque ela havia abando-
Absalão, seu filho, quis matá-lo e assumir nado seu primeiro amor (Ap 2.4). Ele fa-
o trono. lou aos crentes de Laodicéia que os vomi-
Se um parente ou amigo andar na taria de Sua boca por sua falta de zelo e
prática do pecado e, conseqüentemente, a paixão (Ap 3.15). Não é surpreendente,
caminho do inferno, você demonstrará fal- portanto, o apóstolo Paulo ter escrito que
ta de amor se não o julgar e avisar do peri- é bom sermos zelosos (Gl 4.18).
go. Se sua mãe estivesse prestes a atraves- Contudo, amor e zelo por si mesmos
sar uma ponte perigosa, você não diria al- não capacitam ninguém a viver de manei-
guma coisa? Da mesma forma, se um ami- ra agradável a Deus; eles são necessários,
go estivesse na prática homossexual, você porém insuficientes. Conhecimento e sa-
não lhe diria que “nem efeminados, nem bedoria devem acompanhar o amor e a
sodomitas, herdarão o reino de Deus” (1Co paixão por Deus. Em outras palavras, dou-
6.9-10)? trina e teologia são indispensáveis. Se o
coração e a mente de uma pessoa não es-
3. “Amor é a única coisa que tiverem cheios do conhecimento das Es-
crituras e de sabedoria, então o amor e o
conta!” zelo estarão, inevitavelmente, mal orien-
Está evidente em nossos dias que, para tados, pois ela não saberá amar apropria-
muitos, o amor é a única coisa que real- damente a Deus e ao próximo em palavras
mente importa na vida. Não importa o que ou ações.
você crê ou faz, contanto que você ame Je- A falta de conhecimento não pode ser
sus e as outras pessoas. Dizem que não substituída por mais amor. Mais amor le-
importa a nossa bandeira denominacional, vará apenas a um maior número de pro-
pois as distinções baseadas em diferenças blemas. Como diz em Provérbios 19.2,
de crenças e práticas teológicas são insig- “Não é bom ter zelo sem conhecimento,
nificantes para o chamado cristão. Conse- nem ser precipitado e perder o caminho”.
qüentemente, não deveríamos avaliar cri- É notório que os homens costumam ser
ticamente as crenças e práticas de outros. tão zelosos por chegarem ao destino dese-
O ponto de vista descrito acima, ape- jado, que eles não se dispõem nem a parar
sar de parecer muito piedoso, pode resul- para pedir informações. Às vezes, eles não
tar, e freqüentemente resulta, em conse- chegam ao seu destino!
qüências desastrosas. Ele parece certo.
Como toda boa heresia, ele defende algum
aspecto da verdade. Mas, como um pastor
escreveu, “Quando uma meia verdade é 5
Walter J. Chantry, Today’s Gospel: Authentic or
apresentada como toda a verdade, ela se Synthetic? (O Evangelho de Hoje: Autêntico ou
sintético?) (Carlisle, PA: Banner of Truth, 1970), p.
torna uma inverdade”.5 17.

26 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Semelhantemente, você pode ser sin- não crêem e não praticam a verdade (2Ts
cero em querer levar alguém a Cristo ou 3.14). A unidade é baseada na verdade e
suprir alguma outra necessidade. Porém, tem por propósito defender a verdade (Fp
sem conhecer o evangelho ou sem saber 1.27). Sendo assim, julgar é necessário para
como suprir a necessidade, todo o zelo do a unidade bíblica.
mundo não ajudará. Para simplificar, suas
boas intenções não são boas o suficiente! 5. “Só o arrogante e o orgulhoso
Esse foi o problema dos judeus. Paulo
testificou que eles tinham zelo por Deus, julgam os outros.”
mas zelo sem entendimento (Rm 10.2). Certamente é possível ser arrogante e
Conseqüentemente, eles buscavam a sal- orgulhoso ao julgar. Fazemos isso quando
vação no lugar errado, o que fez com que avaliamos de forma imprópria ou com um
levassem outros com eles pelo caminho padrão errado. Todavia, a forma e o pa-
largo do inferno (Rm 10.3; Mt 23.13). drão inadequados não eliminam a prática
Os judaizantes, ou seja, os cristãos apropriada de julgar. Jesus era “manso e
fariseus, tinham o mesmo problema. Eles humilde de coração”. Moisés era o “mais
eram cheios de zelo e preocupação pelos manso dos homens”. Ainda assim, tanto
cristãos gálatas. Porém, como Paulo diz, Jesus como Moisés julgaram o que viram e
eles não agiam bem (Gl 4.17). Ensinavam ouviram.
um falso evangelho (Gl 1.6-7) que veio a
desviar os gálatas. Os gálatas estavam tão 6. “A verdade é relativa.”
enfeitiçados pelo amor e a preocupação dos As pessoas compraram a idéia de que a
judaizantes (Gl 3.1, 4.17) que abandona- verdade é relativa: “O que é verdade para
ram o evangelho de Cristo, pregado por você não é necessariamente verdade para
Paulo (Gl 1.6, 4.16), e colocaram-se em mim!” ou “Cada cabeça, uma sentença!”.
situação de perigo (Gl 5.2-4). Logo, alega-se, não temos base para julgar
O conhecimento e a boa doutrina são uns aos outros.
essenciais no sentido de orientar nosso zelo Este argumento contém uma con-
e direcionar o nosso amor. Sendo assim, é tradição. Se toda verdade é relativa, então
necessário avaliarmos nossa doutrina e a a pretensa verdade de que “toda verdade é
extensão do nosso conhecimento. relativa” é também relativa e não pode ser
absolutamente verdadeira. O argumento
4. “Julgar causa divisões.” também é falho no fazer distinção entre a
Da mesma forma que o argumento verdade e as crenças. Enquanto as crenças
anterior sacrificou a verdade no altar do podem variar de pessoa para pessoa, a ver-
amor, este argumento sacrifica a verdade dade não pode. A verdade objetiva é en-
no altar da unidade. No entanto, a Bíblia contrada nas Escrituras (Jo 17.17). Por-
nos proíbe escolher entre a verdade e a tanto, podemos testar a crença subjetiva
unidade. Ela nos ordena que sejamos uni- de uma pessoa diante do padrão objetivo
dos (Ef 4.3) e permaneçamos na verdade da verdade.
(Gl 5.1), não nos associando com os que

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 27


7. “É pelo bem de todos que não Esta idéia importante deveria mode-
devemos julgar uns aos outros.” rar nossos julgamentos, especialmente à luz
Algumas vezes, as pessoas condenam a da advertência de Jesus: “Não julgueis,
prática de julgar como que para garantir para que não sejais julgados. Pois, com o
que elas mesmas não sejam julgadas. Ou- critério com que julgardes, sereis julgados;
tras não gostam de confrontar as pessoas e e, com a medida com que tiverdes medi-
se justificam por não fazê-lo dizendo que do, vos medirão também.” (Mt 7.1-2; veja
não devemos repreender uns aos outros. também Tg 2.12-13). William
Como devemos, então, julgar? Como Hendriksen comenta: “O padrão de jul-
podemos julgar sem sermos severos e arbi- gamento que você aplica aos outros será
trários? aplicado a você. Se você julgar sem miseri-
córdia, será julgado sem misericórdia.
Semelhantemente, se julgar com modera-
Princípios bíblicos para julgar ção, você também será tratado e julgado
Princípio n.1: com moderação”.6
Julgue os outros sabendo que Deus
também o julga. Princípio n.2:
Visto que todos nós pecamos e carece- Julgue todas as coisas.
mos da glória de Deus, estamos todos sob Como cristãos, devemos avaliar todas
o juízo de Deus (Rm 3.9-19). Contudo, as coisas com uma cosmovisão bíblica (2Co
mesmo em meio à nossa rebelião e peca- 10.5). Desta forma, avaliaremos toda idéia,
do, nosso Juiz Divino amou-no e nos en- prática, doutrina, estilo de vida e filosofia
viou Seu Filho para morrer por nós, a fim que estiver ao nosso redor.
de que, pelo Seu sangue, pudéssemos ser Não podemos acreditar e concordar
salvos de Sua ira (Rm 5.8-9). com tudo quanto vemos e ouvimos.
Ao avaliarmos uns aos outros, precisa- Salomão, sabiamente, orientou-nos que “o
mos ter a compreensão de que Deus foi simples dá crédito a toda palavra, mas o
misericordioso para conosco, apesar do fato prudente atenta para os seus passos” (Pv
de Ele nos ter julgado e encontrado caren- 14.15). Além disso, não devemos tolerar e
tes de Sua glória. Experimentar a graça de aceitar tudo o que vemos e ouvimos. Paulo
Deus em nossa vida deve nos tornar sensí- nos ordena que retenhamos o que é bom e
veis para com nossos irmãos pecadores (Mt nos abstenhamos de toda forma de mal
18.23-35). “A misericórdia triunfa sobre (1Ts 5.21-22).
o juízo!” (Tg 2.13). Devemos, também, Os cristãos não podem ser como es-
lembrar que se aproxima o dia quando ponjas que retêm o que é bom e o que é
Deus julgará todo pensamento, palavra e mau; antes, devem ser filtros que remo-
ação. “E não há criatura que não seja ma- vem toda substância indesejada. Portanto,
nifesta na sua presença; pelo contrário, o que assistimos na televisão, ouvimos no
todas as coisas estão descobertas e paten-
tes aos olhos dAquele a quem temos de
prestar contas.” (Hb 4.13)
6
William Hendriksen, The Gospel of Matthew (O
Evangelho de Mateus) (Grand Rapids, MI: Baker
Book House, 1973), p. 357.

28 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


rádio, lemos nos jornais e vivenciamos em Segundo, quais são as minhas motiva-
casa e no trabalho precisa ser avaliado. Pre- ções e os meus objetivos ao expressar meu
cisamos diferenciar entre o certo e o erra- ponto de vista? Compartilho meus julga-
do, o sábio e o insensato, o bem e o mal, e mentos em amor, visando a “edificação,
até mesmo entre o bom, o melhor e o ex- conforme a necessidade, e, assim, trans-
celente (Fp 1.9; Hb 5.14). mitir graça aos que ouvem” (Ef 4.29)? Ou
meu alvo é humilhar e ferir? Quero exibir
Princípio n.3: meu conhecimento e percepção? O pro-
pósito é enaltecer a mim mesmo (cf. Lc
Guarde muitos dos seus 18.9-14)?
julgamentos para si. Terceiro, se eu falar, lançarei coisas san-
Nem sempre devemos verbalizar nos- tas aos cães e pérolas aos porcos (Mt 7.6)?
sas opiniões. Mesmo que coloquemos à Muitas vezes, não há sentido em compar-
prova todas as coisas, não precisamos sem- tilhar suas opiniões com aqueles que não
pre compartilhar os resultados. Há tempo estão dispostos a ouvir ou considerar o que
de falar e tempo de calar-se (Ec 3.7). Pro- você tem a dizer. Provérbios 9.7-8 afirma:
vérbios 12.23 diz: “O homem prudente “O que repreende o escarnecedor traz
oculta o conhecimento, mas o coração dos afronta sobre si; e o que censura o perverso
insensatos proclama a estultícia” (veja tam- a si mesmo se injuria. Não repreendas o
bém Pv 29.11). Provérbios 17.28 conti- escarnecedor, para que te não aborreça;
nua: “até o estulto, quando se cala, é tido repreende o sábio, e ele te amará”. Aqui é
por sábio, e o que cerra os lábios, por sá- preciso julgar com discernimento, após ter
bio”. retirado a trave do próprio olho. Essa pes-
Você pode responder a algumas per- soa é “um cão, um porco, um escarnecedor
guntas antes de julgar publicamente ou- ou um perverso” que irá simplesmente re-
tra pessoa e/ou outro ponto de vista. Pri- bater ou até atacar?
meiro, é meu papel e/ou responsabilidade Quarto, o que eu tenho para dizer é
fazê-lo? Você pode visitar uma igreja e che- um assunto público ou particular? Há
gar à conclusão de que a proposição do momentos em que precisamos confrontar
sermão estava incorreta, mas não significa publicamente (Gl 2.11; 1Tm 5.20) e há
que você deve confrontar publicamente o momentos em que devemos segurar a lín-
pastor enquanto o cumprimenta no final gua até que possamos conversar em parti-
do culto. “Oferecer continuamente opi- cular (Mt 18.15).
niões não pedidas é uma marca de pre- Quinto, esse é o momento certo para
sunção intolerável.”7 falar? Provérbios 25.11 diz: “Como maçãs
de ouro em salvas de prata, assim é a pala-
vra dita a seu tempo”. Quando falar é tão
importante quanto o que ou como falar.
7
William Plumer, The Law of God (A Lei de Deus) Abigail, sabiamente, esperou que seu ma-
(Harrisonburg, VA: Sprinkle, 1996), p. 542. Em rido estivesse sóbrio antes de confrontá-lo
outro lugar, ele escreve: “Aconselhar é, com
freqüência, a melhor caridade; no entanto, quando
(1Sm 25.36). Apesar dos amigos de Jó te-
aconselhamos demais é um sinal de que nós precisamos rem feito um julgamento errado, eles ao
de conselho”.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 29


menos tiveram a compaixão de chorar com fazemos isso, Deus nos diz: “Tu, porém,
ele uma semana inteira antes de dizerem quem és, que julgas o próximo?” (Tg 4.12)
uma só palavra (Jó 2.13). e “Quem és tu que julgas o servo alheio?
Por último, será que sou excessivamente Para o seu próprio senhor está em pé ou
crítico? É importante que você não chame cai...” (Rm 14.4).
à atenção diante de cada erro ou pecado.
Como seria a vida se o seu cônjuge o con- Princípio n.6:
frontasse toda vez que você faz algo erra-
do? Seria simplesmente deprimente, para Julgue a si mesmo antes de julgar
dizer o mínimo! É sábio, portanto, per- outros.
guntar a si mesmo se você corrige seu côn- O cego não pode guiar outro cego
juge ou castiga seus filhos muito mais do (Lc 6.39). Quando somos culpados de al-
que você os elogia ou aprova. A pessoa que gum pecado, precisamos confessá-lo.
ama cobre uma multidão de pecados (1Pe Como disse Jesus, “Por que vês tu o ar-
4.8; Pv 10.12; 17.9) e rapidamente reco- gueiro no olho de teu irmão, porém não
nhece e aprecia o bem (Rm 1.8; 1Co 1.4- reparas na trave que está no teu próprio?
7; 13.6-7; 2Tm 1.5-6; Ap 2.2-3). Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me ti-
rar o argueiro do teu olho, quando tens a
trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a
Princípio n.4: trave do teu olho e, então, verás cla-
Seja justo ou imparcial em seus ramente para tirar o argueiro do olho de
julgamentos. teu irmão” (Mt 7. 3-5).
Certifique-se de usar o mesmo padrão
de julgamento para todos. Como pecado- Princípio n.7:
res que somos, temos a tendência de favo-
recer os ricos e famosos, os nossos amigos Antes de fazer um julgamento,
e, especialmente, nós mesmos. Por esta tenha certeza de que todos os fatos
razão, a Bíblia adverte-nos repetidas vezes estão reunidos e interpretados
contra a parcialidade (Dt 1.17; 16.19; Ex apropriadamente.
23.3; Lv 19.5; Jó 32.21-22). Se você tirar conclusões sobre deter-
minado assunto ou situação meramente
Princípio n.5: pela aparência, sem ouvir todos os fatos e/
O padrão ou regra que você deve ou considerá-los cuidadosamente, você
tem grande probabilidade de não fazer
usar ao julgar é a Bíblia. uma avaliação correta.8 Como diz Provér-
Há somente um Legislador e Juiz que
é Deus (Tg 4.12). É unicamente Ele quem
determina o certo e o errado. Portanto, a
Sua lei, conforme revelada nas Escrituras,
é o padrão que devemos usar em nossas
8
Às vezes avaliamos uma situação por meras
aparências. Por exemplo, você diz para seu filho não
avaliações. Não temos o direito de criticar brincar mais com o vizinho hoje. No entanto, algum
ou condenar alguém baseados em nossos tempo depois, você o vê voltando da casa do vizinho.
padrões pessoais de moralidade. Quando Imediatamente, você conclui que ele desobedeceu e

30 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


bios 29.20, “tens visto um homem preci- reta e evitado a repreensão de Cristo
pitado nas suas palavras? Maior esperança (Jo 7. 21-24).
há para o insensato do que para ele”. Quarto, você precisa amar a Deus e ao
A avaliação apropriada de uma situa- seu próximo (Fp 1.9-11). Se você não ti-
ção específica requer pelo menos quatro ver um interesse genuíno na glória de Deus
passos. Primeiro, você precisa reunir os fa- e no bem-estar do seu próximo, você não
tos. Considere Provérbios 18.13: “Respon- interpretará os fatos apropriadamente. O
der antes de ouvir é estultícia e vergonha”. ódio é tão poderoso que ele pode fazer com
Este ponto precisa ser enfatizado, pois te- que você rejeite ou distorça evidências con-
mos a tendência de nos apressarmos no tundentemente claras (cf. Rm 1.18ss). 9
julgamento, mesmo quando há apenas Como John Stott escreveu, “O ódio
uma sugestão de mau procedimento, es- distorce nossa perspectiva. Nós não julga-
pecialmente quando o acusado é alguém mos as pessoas erroneamente para depois,
desacreditado. como resultado, odiá-las; nossa visão das
Segundo, você precisa reunir todos os pessoas já é preconcebida pelo ódio. É o
fatos. Provérbios 18.17 diz: “O que co- amor que enxerga com retidão, pensa com
meça o pleito parece justo, até que vem o clareza e nos dá equilíbrio em nossas con-
outro e o examina”. Enquanto reúne to- clusões, julgamentos e conduta (cf. Jo 8.12;
dos os fatos, é importante que você o faça 11.9-10; 12.35)”. 10
com uma atitude de amor. Isto significa Visto que, por natureza, o homem abo-
que você fará inicialmente uma pergunta mina a Deus e ao seu próximo, ele distorce,
e não uma acusação. O amor sempre dá o cita erroneamente, deturpa os fatos e en-
benefício da dúvida (1Co 13.5-6). volve-se em raciocínios ardilosos com muita
Terceiro, é preciso pensar cuidadosa- freqüência. Ele é incapaz de enxergar a ver-
mente sobre os fatos que você reuniu. Os dade (inclusive seus preconceitos e incli-
fariseus foram rápidos em condenar Jesus nações), pois ele anda nas trevas e “as tre-
por Ele ter curado no sábado. Se eles ti- vas lhe cegaram os olhos” (1Jo 2.11). Con-
vessem tomado tempo para refletir na ques- seqüentemente, a salvação em Cristo é
tão, teriam chegado a uma avaliação cor- nossa única esperança. Sem Cristo, nada
podemos fazer, inclusive julgamentos cor-
retos.
já o castiga. Acontece que ele se ofende (com razão,
devo acrescentar) com sua repreensão! Por quê?
Porque você não tinha justificativa para o seu
julgamento. Você concluiu, ou melhor, adivinhou
que ele estava brincando com o vizinho. Ele pode
simplesmente ter ido devolver um brinquedo.
Ademais, você pensou o pior dele, o que é contrário
ao amor bíblico (1Co 13). Logicamente, você
racionaliza seu pecado alegando que estava certo em
sua avaliação, porém isso não satisfaz a Deus nem a
9
O pecado de agradar a homens também perverte
seu filho. Você não tem o direito de julgar algo que nossa perspectiva, embora na direção oposta, rumo
você não conhece (veja o Princípio n.9). Você à bajulação (Gl 1.10; 1Ts 2.4-9).
também não pode julgar alguém sem antes julgar a si 10
John Stott, The Letters of John (As Cartas de João)
mesmo (veja o Princípio n.6). (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1988), p. 100.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 31


Princípio n.8: Princípio n.9:
Julgue com espírito de mansidão Não julgue aquilo que você
(Gl 6.1; 2Tm 2.25). desconhece.
Você pode reunir todos os fatos corre- Não podemos conhecer as motivações
tamente e fazer uma avaliação certa. Po- de uma pessoa, pois somente Deus conhe-
rém, se o faz com justiça própria e com ce o coração. Depois que os Coríntios con-
espírito de orgulho, você está condenado denaram as motivações de Paulo, ele res-
diante de Deus. Os fariseus eram rígidos e pondeu: “Porque de nada me argúi a cons-
severos em relação às pessoas (Mt 23.4), ciência; contudo, nem por isso me dou por
julgando-as como se fossem inferiores, com justificado, pois quem me julga é o Senhor.
uma atitude de desprezo (Lc 18.9). Se você Portanto, nada julgueis antes do tempo,
precisar repreender alguém, faça-o com até que venha o Senhor, o qual, não so-
humildade e com muita mansidão. mente trará à plena luz as coisas ocultas
Este princípio nem sempre é fácil de das trevas, mas também manifestará os
ser colocado em prática, já que todos nós desígnios dos corações; e, então, cada um
lutamos com o pecado do orgulho. Por- receberá o seu louvor da parte de Deus”
tanto, pode ser útil, antes de corrigirmos (1Co 4.4-5).
alguém, meditarmos em alguns pontos “A regra é obter a perspectiva correta,
para avaliarmos como está o nosso orgu- se puder, e expressá-la com modéstia, po-
lho. Primeiro, devemos lembrar que somos rém claramente. Se há espaço para dúvi-
pecadores, que tropeçamos e precisamos das racionais, não seja categórico. Se você
de correção. Segundo, é somente pela gra- sabe alguma coisa, diga que sabe; se você
ça de Deus que conhecemos a verdade e, não sabe, diga que não sabe”.11
pela mesma graça, a pessoa que corrigir-
mos enxergará sua falha ou erro. Terceiro, Conclusão
precisamos relembrar nosso passado. Cer- Julgar é uma prática inevitável e bíbli-
ta vez, um sábio professor de seminário ca. Deus providenciou muitos princípios
disse: “Quando você começar a pensar que em Sua Palavra a fim de nos equipar para
é um pregador relativamente bom, vá e essa boa obra. Enfatizar a importância de
ouça alguns dos seus sermões antigos para aplicarmos os princípios bíblicos nunca é
receber uma dose de humildade!”. Deve- um exagero. É melhor nos abstermos de
mos pensar em como temos crescido em julgar do que fazê-lo indevidamente. Lem-
nossa vida cristã e como Deus nos tem le- bre-se das palavras de nosso Senhor Jesus:
vado, mansa e pacientemente, à Sua ver- “Não julgueis, para que não sejais julga-
dade. Desta forma, aprenderemos a ser dos. Pois, com o critério com que julgardes,
mais sensíveis. sereis julgados; e, com a medida com que
tiverdes medido, vos medirão também”
(Mt 7.1-2).

32 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Salmo 51
Um guia bíblico para o arrependimento

David Convington1

Todos nós cristãos, desde os mais no- to, mesmo depois de tê-lo praticado ou-
vos até os mais maduros na fé, encontra- tras vezes durante o aconselhamento, a
mos dificuldade na prática do arrependi- perspectiva do arrependimento o ame-
mento. Não lidamos com ele num primei- drontava.
ro momento. Finalmente, quando nos di- Por outro lado, Rafael surpreendeu-me
rigimos a Cristo em oração, costumamos certa vez quando, no meio de um de nos-
amenizar nosso pecado ou o chamamos de sos encontros, sugeriu: “Eu não deveria orar
algo menos feio do que ele realmente é. sobre isso agora mesmo?”. É evidente que
Tenho sido tentado a indagar se o ditado ele estava certo. Oramos, e eu me senti
“você pode levar um cavalo até a água, mas encorajado. Rafael e eu temos orado jun-
não pode fazê-lo beber” não se aplica tam- tos por arrependimento durante um bom
bém ao arrependimento. tempo. Ele sofre de uma leve incapacida-
Certa vez, ao despedir-me de Eduar- de mental e não sabemos se algum dia ele
do - um aconselhado de longa data e que poderá sair da casa de seus pais e levar uma
progredia bem - eu o encorajei novamen- vida independente. Suas primeiras orações
te a correr para Cristo com a sua mais re- de arrependimento, entretanto, mostra-
cente descoberta: um egoísmo mascarado. vam o mesmo ímpeto de resistência que
O tom do “Hum...” que ouvi como res- tenho observado em mim mesmo e visto
posta revelou-me que, até aquele momen- naqueles cuja capacidade mental é de lon-
ge mais perspicaz. Geralmente, Rafael os-
1
Tradução e adaptação de Psalm 51: Repenter’s Guide. cilava entre a falta de discernimento e a
Publicado em The Journal of Biblical Counseling, v. autoproteção, mas naquele dia o seu arre-
20, n. 1, Fall 2001, p. 21-39. David Covington e sua
esposa Sharon dirigem um ministério de
pendimento, embora simples, foi profun-
aconselhamento bíblico mantido pela sua igreja, do e bem focado. Ele me fez ver que, com
Meadow Valley Community Church, na Califórnia. treinamento e prática, a perspectiva de

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 33


Deus com respeito à oração de arrependi- Não há razão para ficarmos surpresos.
mento pode permear a vida do crente e as Nossas próprias orações, especialmente
nossas conversas de contrição com o Pai aquelas que deveriam descortinar nossos
podem crescer e amadurecer quando bi- corações e pecados diante de Deus, ten-
blicamente orientadas. dem a ser inconsistentes. Retraímo-nos do
Como dar uma orientação segura? Pri- toque firme, embora amoroso, de Deus.
meiro, a orientação acontece no contexto Todos nós precisamos ser ensinados e trei-
de relacionamento e não apenas pela trans- nados para orarmos biblicamente, e mui-
missão de técnicas relatadas em um ma- tos de nossos aconselhados precisam apren-
nual. Normalmente, não nos despedimos der os princípios básicos sobre a oração.
de um cristão sobrecarregado pelo pecado As Escrituras estão repletas de orações que
com palavras como “Agora que Deus já lhe podem nos ensinar, inspirar e servir de
mostrou que você está dominado pela co- modelo para nossas orações.
biça enganosa, por que não vai para casa e No Salmo 51, Deus oferece ajuda aos
ora a esse respeito?”. Os pastores, os con- arrependidos com qualquer grau de ma-
selheiros e os amigos cristãos costumam turidade, tipo de necessidade e de resis-
estimular o aconselhado a orar com eles. tência. Para o confuso, o Salmo fornece
Dessa forma, eles têm a oportunidade de uma oração modelo para memorizar e re-
presenciar como as pessoas falam com petir conforme a necessidade. Para o igno-
Deus. Entretanto, aquilo que ouvem pode rante, serve como um guia para formular
decepcionar. As pessoas balbuciam vagas as próprias orações. Para aquele que resiste
generalidades enfeitadas com frases pron- ao arrependimento, ele dá uma estrutura
tas que perspiram piedade e frases cheias que denuncia o desejo de assumir o con-
de “Senhor” e “Pai”. Elas confessam terrí- trole e usar o suposto arrependimento
veis ataques à glória de Deus como “fa- para nos fazer parecer piedosos diante de
lhas” e “dificuldades”. Clamam por “ajuda Deus e dos outros. Cada um de nós preci-
para meu problema de pecado”. Nossas sa de ajuda. Para que possamos conduzir
evasivas podem ser bem sutis. outras pessoas a um arrependimento ade-
Renato, separado há algum tempo de quado, precisamos conhecer pessoalmen-
sua esposa, veio em busca de ajuda para te a ajuda de Deus, conformarmo-nos à
uma reconciliação. No entanto, todas as Sua estrutura para o arrependimento,
vezes que orávamos juntos, ele parecia to- mergulharmos em Sua dinâmica e nos
mar emprestado de forma mecânica as direcionarmos ao Seu propósito. Sem isso,
palavras que já havia ouvido eu usar, sem descobriremos nossa inaptidão quando
compreender o significado de cada uma formos conversar com pessoas que têm di-
delas. As orações que nos desapontam ficuldade para praticar o arrependimento
como as de Renato mostram que, sem a bíblico. Pior ainda, podemos estar enga-
orientação graciosa de Deus, tentamos nados sobre a nossa aptidão e, desta for-
entrar em intimidade com Ele por qual- ma, desencaminhar o povo de Deus. Ao
quer caminho, exceto pela porta da estudarmos o Salmo 51, nosso objetivo é
frente.

34 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


que essa oração nos domine de tal maneira egocentrismo pode invadir o nosso mais
que fiquemos conformados, inspirados e íntimo tête-à-tête com Deus (Tg 4.3). Você
direcionados por ela. já ouviu (ou, como eu, já orou) variações
de uma ou mais das seguintes frases?
Os problemas comuns na oração Š “Deus, sinto-me mal com o que fiz.”
Por que a oração de arrependimento Š “Deus, por favor, ajude-me a nunca
precisa de uma orientação segura, e como mais fazer isso!”
isto deve acontecer? Antes de explorarmos Š “Ajude-me a enfrentar as conseqüên-
diretamente o Salmo 51, queremos apon- cias do meu pecado.”
tar alguns pontos básicos no ensino sobre Š “Ajude-me a deixar isso para trás e
a oração. Quais são os efeitos da nossa fra- seguir em frente.”
queza e pecaminosidade em nossa oração? Essas orações podem ser feitas por cris-
Quais são as armadilhas em que caímos ao tãos sinceramente arrependidos. No entan-
orar? Com o intuito de preparar o terreno to, tais declarações expõem uma preocu-
para o que vem a seguir, damos uma breve pação centrada em nós mesmos e o nosso
revisão do que Deus diz a respeito daquilo anseio por causar uma boa impressão dian-
que obstrui a oração de arrependimento. te de Deus, de nós mesmos e dos outros.
A suficiência de nossas orações não se São orações mais sobre eu mesmo do que
baseia apenas em conhecimento intelec- sobre Deus e minha condição diante de
tual. Deus promete outra ajuda. Paulo lem- Deus. Em nosso suposto arrependimen-
bra que “Não sabemos orar como con- to, podemos ter como alvo a gratificação e
vém...” (Rm 8.26) e chama nossa igno- o conforto pessoais tanto quanto os temos
rância de “fraqueza”. Deus promete corri- quando cometemos nossos pecados! Para
gir essa deficiência e nos acudir: “O mes- nos arrependermos de modo que a repu-
mo Espírito intercede por nós sobrema- tação de Deus, e não a nossa, cresça e se
neira, com gemidos inexprimíveis” (Rm espalhe, nosso coração precisa mudar e
8.26); “É Cristo Jesus quem... intercede colocar o Senhor em primeiro lugar.
por nós” (Rm 8.34). O Espírito Santo aju- Precisamos que Deus oriente nossas
da os cristãos a orarem “ e Ele mesmo ora orações de arrependimento. Para nós, a
“ suprindo o que está faltando em nossa tarefa de orientar a oração de outros é ar-
memória, em nosso entendimento e em riscada. O risco é ainda maior quando pres-
nossas palavras. Se não fosse assim, quem crevemos palavras e frases para a oração de
ousaria orar? O que mais pode explicar as outra pessoa. É correto sermos cautelosos
respostas providenciais de Deus às orações em colocar palavras na boca de outra pes-
de crianças e de pessoas fracas, tolas e sim- soa, especialmente palavras para uma ora-
ples como nós? O assunto que desenvolve- ção pessoal. Se sugerirmos ao aconselhado
mos a seguir tem base na nossa necessida- uma fórmula que o auxilie na oração de
de de confiar no Espírito Santo de Deus arrependimento, correremos o risco de
para nos ajudar a orar. transformar a oração em um rito. Quando
Nossas orações são prejudicadas por os discípulos de Jesus pediram que Ele os
algo mais do que nossa fraqueza ou falta ensinasse a orar, Ele lhes deu a oração que
de conhecimento. Tiago nos adverte que o conhecemos como Pai Nosso (Mt 6.9-13).

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 35


No entanto, algumas pessoas a utilizam limitá-los ao simples recitar de um texto
como se fosse uma fórmula mágica com impresso? Sim, é possível, e nosso próprio
poder intrínseco, outras como um mode- discipulado no arrependimento crescerá no
lo e outras ainda, supersticiosamente, a processo.
evitam.
As reações exageradas apontam para Salmo 51: um padrão para a oração
perigos reais, porém deixam de focar a raiz de arrependimento
do problema no coração daquele que ora.
A intenção de Deus é que o Salmo 51,
A pessoa que ora apenas as palavras pres-
como o restante do saltério, seja um script
critas pode fazê-lo com devoção, mas com
para a oração comunitária, palavras colo-
temor de expor o próprio coração aplican-
cadas na boca do povo de Deus desde o
do à essência de sua vida o formato da ora-
tempo de Davi até nossos dias. No Salmo
ção prescrita. Tais orações exigem reflexão
51, Davi abre as cortinas e nos leva ao apo-
e uma percepção honesta do próprio cora-
sento de oração do “homem segundo o
ção.
coração de Deus”. Ele nos mostra o for-
Poderíamos rejeitar as orações prontas
mato, o conteúdo e o propósito da oração
em favor das espontâneas, mas isso tam-
de arrependimento. A partir do estudo do
bém tem os seus perigos. Arriscamos de-
formato da oração, exploraremos seu con-
sobedecer a nosso Senhor: “Portanto, vós
teúdo e propósito.
orareis assim” (Mt 6.9). Arriscamos tam-
O Salmo 51 é semelhante a um “V”
bém esquecer algum aspecto chave da ora-
que acompanha o olhar de Davi, guiado
ção, ou mesmo nos acostumarmos com a
pelo Espírito Santo, em direção ao seu
nossa má compreensão da oração. Pode-
passado, ao presente e ao futuro. O “V”
mos orar apenas “o que vem naturalmen-
traça o percurso descendente da atenção
te”, reciclando nossos temores, falta de
de Davi, como se representasse uma linha
conhecimento, preocupações e anseios.
de tempo da esquerda para a direita. O
Rejeitar as orações congregacionais como
foco da oração de Davi parte da expressão
o Pai Nosso significa também nos privar-
exterior dos seus pecados e aprofunda-se
mos da comunhão em oração com os cris-
rumo ao mundo interior do seu coração,
tãos de outras culturas e tempos, e do be-
seguindo até à substituição do pecado pela
nefício de orações que podem desafiar e
justiça por meio do sacrifício de sangue.
enriquecer as nossas próprias orações.
Em seguida, ascende ao novo coração e
Quando insistimos apenas nas orações
sobe até alcançar novamente o mundo ex-
espontâneas, também nos arriscamos a orar
terior, o mundo das interações sociais e dos
fugindo da raia, obscurecidos no próprio
acontecimentos. Podemos, também, ex-
entendimento e desejosos de proteger nos-
pressar esse padrão “V” em termos teoló-
sa imagem. Cada vez que um aconselhado
gicos: primeiro Davi olha para a sua culpa
ora conosco, precisamos verificar se ele está
diante de Deus e para a causa desta culpa
distorcendo ou omitindo algum aspecto
no mundo exterior de seu comportamen-
crucial do arrependimento. É possível trei-
to; em seguida, aprofunda-se até a causa
nar os aconselhados para que corrijam es-
de suas ações no mundo interior de seu
sas distorções e omissões sem, contudo,
coração. Dali, a atenção do salmista apro-

36 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


funda-se ainda mais e chega à obra abrindo os olhos de Davi para enxergar e
expiatória. Nesse ponto mais profundo, ele odiar seu pecado e reconhecer sua necessi-
clama e recebe uma transformação espiri- dade da graça singular de Deus. Quando
tual, uma mudança de coração. Sua ora- foi confrontado, Davi confessou (2Sm
ção começa a subir, no caminho de volta, 12.13). Deus o capacitou para confessar
à medida que Davi examina a expressão diante de Natã. O amor de Deus tomou a
exterior de seu comportamento transfor- iniciativa para restabelecer o relacionamen-
mado conforme ele imagina que será quan- to. Deus também toma a iniciativa na res-
do Deus lhe responder. A intenção de Davi tauração com base na mesma compaixão
e do Deus de Davi é que sigamos esse pa- incalculável e maravilhosa.
drão em nossas orações pessoais de arre- O título histórico situa essa pérola da
pendimento. Porém, as orações de arrepen- oração na linha da história de vida do rei
dimento não existem em um vácuo. Davi: “Escrito quando o profeta Natã veio
A oração de arrependimento acontece falar com Davi, depois que este cometeu
em um contexto duplo: nosso relaciona- adultério com Bate-Seba”. O título locali-
mento de aliança permanente com Deus e za a oração de Davi no contexto em que
um incidente específico de pecado. Davi ele a pensou, orou e a escreveu. O pecado
ora na certeza de que ele pertence ao povo e a culpa de Davi (2Sm 11-12) estavam
de Deus e que o Senhor já o separou, jun- claros em sua mente quando ele voltou o
tamente com todos os israelitas, para um seu olhar arrependido ao passado (vv. 1-
relacionamento pactual com Ele. Deus 8). Baseado na misericórdia prometida e
mesmo iniciou e sustém esse relaciona- demonstrada por Deus, Davi olhou para
mento com base em Sua graça, amor, be- frente com expectativa, imaginando o fru-
nignidade e compaixão. Todos os pecados, to que o Senhor traria a partir de seu arre-
e esse incidente específico na vida de Davi, pendimento (vv. 13-19). Temos alguns
são contra Deus. Davi é o rei, o represen- vislumbres desse fruto nos atos subseqüen-
tante singular do povo em sua aliança com tes da bondade de Deus: o nascimento de
Deus, mas seu relacionamento com Deus Salomão, as vitórias militares, a lealdade
está abalado. Davi traiu a fidelidade exigida dos servos de Davi e as palavras finais de
nesse relacionamento de amor. Ele sabe que Davi em sua vida: “Tão certo como vive o
é culpado (1-5): “meu pecado... pequei”. SENHOR, que remiu a minha alma de
A brecha causada por sua violação afeta toda a angústia” (1Rs 1.29). São resulta-
negativamente todo o povo que ele repre- dos que mostram que Deus respondeu à
senta: Urias está morto, Bate-Seba foi de- oração de Davi, cumprindo e excedendo
sonrada, todos os problemas descritos em sua imaginação cheia de fé. Na plenitude
2 Samuel 13-25 estão diante dele. Porém, de Sua realização, Deus encoraja-nos a orar
a restauração dessa ruptura afetará muitos como Davi orou nesse salmo. De fato, a
para o bem e trará júbilo (13-19). primeira parte do título, “Ao mestre do
Antes mesmo de começar a escrever esse canto. Salmo de Davi”, indica que Davi
salmo ou fazer essa oração, Davi sabia que publicou essa oração para uso comum. Isto,
Deus já havia começado a restaurar o rela- por si só, é fruto de arrependimento e en-
cionamento em todas as suas dimensões,

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 37


coraja-nos a termos essa oração como pa- Ele termina olhando para frente, para atos
drão. externos que expressam redenção, e supli-
ca por misericórdia e ajuda para toda a
O formato do Salmo 51: nação de Israel. Ao mover-se de um olhar
um quiasma para trás a um olhar para a frente, de uma
súplica pessoal por ajuda a uma oração por
A letra grega “qui”, equivalente à nos-
todo o povo de Deus, o formato desse Sal-
sa letra “X”, dá nome à forma de escrever
mo também mostra que a história de Davi
do tipo “daqui até ali e de volta novamen-
está avançando com direção definida. Deus
te aqui”, destacada em várias passagens
transforma Davi. Ele faz tudo diferente, e
bíblicas. Na verdade, funciona mais como
faz diferença também em nós.
um “V”, cujo formato representa o movi-
Com um olhar mais atento ao formato
mento de uma história que sai de um pon-
“V” nesse salmo, vemos que, como em
to de partida (representado pelo ponto de
outros quiasmas, todo passo dado para
início do V, no alto à esquerda), move-se
baixo de um lado corresponde a um passo
gradualmente até um segundo estágio (re-
dado para cima do outro lado. Essa carac-
presentado pelo ponto mais baixo do V,
terística de equivalência na estrutura “V”
no seu centro), e então, traça os passos da
do salmo convida-nos a acompanhar o de-
volta a um estágio equivalente ao ponto
senvolvimento do pensamento de Davi.
de partida (representado pelo final do V,
Pela observação das semelhanças e diferen-
no alto à direita), só que com uma diferen-
ças entre os passos posteriores e anterio-
ça: a distância entre o início (no alto à es-
res, podemos enxergar quais mudanças fo-
querda) e o final (no alto à direita) mostra
ram importantes para Davi. Embora haja
que a história avança. A Bíblia tem muitos
muitas mudanças, uma das mais eviden-
quiasmas, alguns simples e outros mais
tes é que ele passou de um clamor indivi-
detalhados e complexos, que conseguem
dual para um clamor coletivo. Mais adian-
nos mostrar um significado nos textos que,
te olharemos esses passos mais de perto, já
de outra forma, não entenderíamos.2
que aplicaremos esse padrão às nossas ora-
O Salmo 51 é como um “V”. Ele traça
ções de arrependimento. Daremos, tam-
o movimento da oração de Davi do mun-
bém, atenção especial ao centro do “V”,
do exterior de suas ações (seu pecado) ao
onde Deus transforma o coração de Davi
mundo interior de seu coração, voltando
e, conforme a linha do “V”, a história muda
depois ao mundo exterior das ações que
de direção.
resultarão da obra da graça pela qual ele
clama. Ao mover-se do exterior para o in-
terior, e de volta ao exterior, este salmo Uma teologia do arrependimento
retorna nitidamente ao seu início. A ora- Quando prestamos atenção ao forma-
ção também tem direção certa; Davi olha to do Salmo 51, enxergamos um significa-
para trás, em direção ao próprio pecado, e do que poderíamos não perceber se nos
suplica por misericórdia e ajuda pessoal. detivéssemos apenas em seu conteúdo.
Primeiro, vemos que os passos na linha
2 Um quiasma, quando identificado realmente no descendente correspondem a passos simi-
texto e não forçado, ajuda de diversas maneiras os lares na linha ascendente do “V”. O Sal-
leitores a encontrarem o significado do texto.

38 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


mo parte da aliança de Deus com Israel, restauração. Conforme veremos a seguir,
passa pelo mundo exterior da ação peca- as diferenças entre os elementos correspon-
minosa de Davi e segue em direção a um dentes de cada par revelam ricos detalhes
afastamento de Deus. Ele desce até o ínti- do propósito de Deus para os
mo do coração de Davi e avança até as arrependidos.
profundezas onde Deus o transforma, res-
taurando o relacionamento. O novo cora- A. Aliança e louvor
ção, na linha ascendente, provoca mudan-
ças no mundo exterior das ações de Davi (título e v. 19)
que, por conseqüência, restaura os termos 1 Para o mestre de música. Sal-
do relacionamento da aliança de Deus com mo de Davi. Escrito quando o pro-
Seu povo. feta Natã veio falar com Davi, de-
A diferença básica entre qualquer pas- pois que este cometeu adultério
so da linha descendente do “V” e seu pas- com Bate-Seba.
so correspondente na linha ascendente é 19 Então te agradarás dos sa-
óbvia: o primeiro identifica uma violação crifícios sinceros, das ofertas quei-
da vontade de Deus e o segundo, a sua madas e dos holocaustos; e novi-
lhos serão oferecidos sobre o teu
altar.
3
A intenção do esboço abaixo é destacar um aspecto
do Salmo 51, sem com isso invalidar outras análises.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 39


O final do Salmo 51 retrata a restau- abandonou e prejudicou seu povo; ele dei-
ração da aliança entre Deus e Seu povo. xou de cumprir a sua tarefa de dar prote-
Segue-se um louvor recíproco, cheio de ção e provisão para o povo. Quando se re-
júbilo - o próprio Deus deleita-se na re- fere a esse estado lamentável, Davi lembra
conciliação! A restauração, no final do Sal- ao povo que o shalom, a paz de toda a na-
mo, está clara - uma restauração para todo ção, foi quebrada. Ele está na expectativa
o povo de Deus, embora o problema ini- da graciosa restauração de Deus para essa
cial fosse pessoal. Há grandes problemas paz, antecipando o louvor jubiloso com o
na comunidade pactual de Deus quando qual ele encerra a oração.
Davi começa sua oração, mas esses proble-
mas aparecem apenas de forma implícita e B. Restauração (v. 1-2 e 18)
na segunda metade do texto.
1 Compadece-te de mim, ó
A partir do versículo 13, podemos ver
Deus, segundo a tua benignidade;
as implicações dos efeitos coletivos do pe-
e, segundo a multidão das tuas
cado de Davi: “Então ensinarei os teus ca-
misericórdias, apaga as minhas
minhos aos transgressores, para que os pe-
transgressões.
cadores se voltem para ti” (v. 13). O
2 Lava-me completamente da
salmista esboça a seguinte implicação: “eu
minha iniqüidade e purifica-me do
não os tenho ensinando, e eles não estão
meu pecado.
se voltando para ti. Algo está errado! No
18 Faze bem a Sião, segundo a
momento, a minha língua não entoa a Tua
tua boa vontade; edifica os muros
justiça, embora devesse fazê-lo (v. 14).
de Jerusalém.
Meus lábios estão fechados e minha boca
Nos versos 1 e 2, Davi pede a Deus
não proclama o Teu louvor (v. 15). Deus
que o restaure; no verso 18, ele pede a Deus
não tem permitido a prosperidade de Sião;
que restaure toda a nação de Israel. Natu-
Ele não está erguendo seus muros (v. 18).
ralmente, os dois pedidos são apropriados
Há falta de sacrifícios sinceros e as ofertas
para um pecador arrependido, mas a mu-
queimadas não agradam a Deus. Deus não
dança confirma o coração arrependido de
está recebendo novilhos, símbolo do me-
Davi. O rei deve trabalhar para a prospe-
lhor que temos a oferecer (v. 19)”. Quan-
ridade de sua nação. Seu último pedido
do esse salmo foi escrito, todas essas im-
mostra que o anseio positivo de seu cora-
plicações apontavam para as más condi-
ção está em movimento: do individual para
ções de Israel, não apenas para as de Davi.
o coletivo, do particular para o público.
Todavia, são apenas implicações. Davi
Ele é enérgico na restauração dos relacio-
concentra sua oração em seu pecado e não
namentos que estavam quebrados e tam-
nos pecados de outros indivíduos, grupos
bém no cumprimento das obrigações que
ou mesmo da nação inteira. Davi ocupa-
havia negligenciado em seu pecado.
se em tirar a trave do próprio olho.
A parte final do salmo também nos
Entretanto, Davi escreveu essa oração
mostra uma mudança na aparência de
para ser lida e orada por toda a comunida-
Davi. Seu pecado foi motivado por um
de. O título histórico chama a atenção dos
desejo ímpio de prazer pessoal, que o le-
adoradores para o pecado de Davi. O rei

40 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


vou à tristeza, à culpa e à imundice. Em rém, dando atenção a como Deus as trans-
sua restauração, ele enxerga que o foco apro- formará. Em ambos os momentos, ele in-
priado de prazer não é o seu, mas o de fere que todos os eventos estão debaixo do
Deus: “Faze bem a Sião, segundo a tua boa controle de Deus, e que Seu propósito fi-
vontade” (v. 18), “... te agradarás...das ofer- nal é cumprido. A santidade de Deus é
tas queimadas” (v. 19). A energia alegre e comprovada e a graça de Deus prova-se
radiante do próprio Davi é um eficaz para nos transformar.
subproduto.
Š Versos 3-4
C. As ações visíveis e seus Davi afirma para Deus que ele reco-
nhece o próprio pecado e não consegue
resultados (v. 3-4 e 13-17) deixar de vê-lo. Esse fato indica uma mu-
3 Pois eu conheço as minhas dança: Davi apenas consegue ver o pró-
transgressões, e o meu pecado está prio pecado porque foi Deus quem o reve-
sempre diante de mim. lou. Davi não poderia chegar ao arrepen-
4 Pequei contra ti, contra ti dimento antes de estar ciente do seu peca-
somente, e fiz o que é mal perante do. O contexto histórico indica que essa
os teus olhos, de maneira que se- oração foi escrita logo após Natã ter dito:
rás tido por justo no teu falar e puro “Tu és o homem” (2Sm 12.7). E Davi res-
no teu julgar. pondeu: “Pequei contra o Senhor” (v. 13).
13 Então, ensinarei aos Deus tomou a iniciativa que levou o cora-
transgressores os teus caminhos, e ção de Davi a desejar o arrependimento
os pecadores se converterão a ti. registrado no Salmo 51.
14 Livra-me dos crimes de san- A visão que Davi tem de seu pecado é
gue, ó Deus, Deus da minha sal- mais clara do que aquela que nós temos
vação, e a minha língua exaltará a normalmente: “Contra ti, só contra ti...”.
tua justiça. Aqui nossa suscetibilidade quer gritar. Não
15 Abre, Senhor, os meus lá- tardamos em perguntar: “Mas ele não ti-
bios, e a minha boca manifestará rou férias da empresa quando deveria ter
os teus louvores. conduzido a guerra? Ele não seduziu Bate-
16 Pois não te comprazes em Seba? Ele não violou os direitos matrimo-
sacrifícios; do contrário, eu tos da- niais de Urias? Ele não gerou um filho que,
ria; e não te agradas de holocaustos. certamente, teria uma vida de vergonha
17 Sacrifícios agradáveis a pública? Ele não ordenou ilegalmente que
Deus são o espírito quebrantado; seu general conspirasse com ele um assas-
coração compungido e contrito, sinato? Ele não manipulou seus servos
não o desprezarás, ó Deus. numa armação a fim de proteger a própria
Nos versos três e quatro, Davi exami- imagem?”. É difícil pensarmos em alguém
na suas ações pecaminosas e como Deus na nação contra quem Davi não tivesse
lida com elas para cumprir o propósito pecado. Será que ele não reconhecia o que
divino. No paralelo quiástico dessa por- havia feito? Davi não estava cego em rela-
ção, os versos 13 a 17, ele também olha ção a esses fatos; o arrependimento genuí-
para suas ações exteriores, dessa vez, po-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 41


no, fruto da convicção do Espírito Santo, ração, o que resulta no agir diferente de
clareou sua visão. Davi sabia que essas pes- Davi. Na segunda etapa, as atitudes dife-
soas não existiam para si mesmas, mas para rentes de Davi alcançarão os resultados: os
a glória de Deus. E Davi havia usado ou- transgressores aprenderão os caminhos de
tros para a própria glória. Essa violação dos Deus e os pecadores se voltarão para Ele.
propósitos de Deus destaca-se de tal for- Nas ações futuras de Davi, assim como no
ma que, comparativamente, os pecados de passado, ele conta com Deus para operar a
Davi contra aquelas pessoas só poderiam mudança. No verso 3, vemos uma expres-
ser considerados posteriormente e numa são de confiança em Deus retrospectiva,
categoria subordinada. Até que o pecado enquanto que no verso 13 ela é prospectiva.
de Davi contra o Senhor fosse limpo, to- A primeira é solitária, enquanto a segunda
dos os seus esforços para estar limpo as reflete um círculo crescente de comunhão
olhos das criaturas de Deus, as vítimas com a nação.
humanas do seu pecado, seriam menos que A esperança crescente de Davi é ativa,
desprezíveis. Seriam esforços tão egoístas e não passiva, conforme mostra a o uso que
quanto a sua indolência, a luxúria, o te- Ele faz de uma imaginação orientada pela
mor a homens e a violência premeditada. aliança com Deus. Após olhar para trás e
O pecado de Davi resulta na glória de ver a maravilhosa fidelidade de Deus, mes-
Deus: o Senhor mostra a Sua justiça quan- mo em meio ao seu pecado, ele projeta essa
do pronuncia a sentença de julgamento fidelidade a fim de imaginar os resultados
contra o pecado de Davi. Davi entendeu a que ele pode esperar no futuro. Com a
condenação de Deus e a execução da sen- confiança de que Deus completaria a mu-
tença em forma de sacrifício substitutivo dança de coração que Ele já havia começa-
pelo pecado. Nós podemos compreender do, Davi pergunta a si mesmo: “E agora,
isso na obra expiatória de Cristo. A sobe- como serão realmente as minhas ações e
rania de Deus sobre o mal e o pecado, quais serão as suas conseqüências?”. Ele
mesmo de Seu povo, ecoa ao longo das imagina suas ações: ensinar os
Escrituras desde o pronunciamento de transgressores. Ele imagina os resultados
Deus contra Suas criaturas em Gênesis 3 desse ensino: pecadores que se voltam para
até Seu “propósito determinado” (At 2.23) Deus. Davi não se limita apenas à imagi-
cumprido na morte de Seu Filho. Davi nação, conforme veremos ao tratarmos dos
antecipou o que aconteceria. Ao olharmos versos 15 e 16.
hoje a partir da revelação que já possuí- No verso 14, a corrente de expansão
mos, vemos com maior clareza e com uma introduzida no versículo anterior “ causa e
expectativa confiante da vitória final de efeito que se torna causa para outro efeito
Deus. “ cresce ainda mais. “Salva-me, pois tu és
Š Versos 13-17 o Deus da minha salvação”. O salmista
O verso 13, à semelhança do verso 4, parece dizer: “Eu precisei de ti para sal-
ilustra uma relação de causa e efeito: o var-me antes e tu me atendeste. Eu sei que
efeito da primeira etapa torna-se a causa tu o farás novamente”. A imaginação de
da segunda. Na primeira etapa, Deus per- Davi continua a projetar o que resultará
doa a falta de Davi e transforma o seu co- da fidelidade de Deus: “E a minha língua

42 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


aclamará a tua justiça”. Ele antevê que seu 11 Não me expulses da tua
estado atual de silêncio mudará e que ele presença, nem tires de mim o teu
exaltará o Senhor diante dos outros. Essa Santo Espírito.
mudança é crucial no aspecto ascendente 12 Devolve-me a alegria da tua
da linha de arrependimento. Esse compo- salvação e sustenta-me com um
nente linear da obra de Deus é tão impor- espírito pronto a obedecer.
tante que Davi o repete no versículo 15: Como pode um bebê ser pecador an-
“Ó Senhor, dá palavras aos meus lábios, e tes mesmo de nascer? Ele não pode agir,
a minha boca anunciará o teu louvor”. contudo ele já é “pecador desde que me
Inicialmente, os versos 15 e 16 pare- concebeu minha mãe”. Davi sabia que sua
cem estar à parte da oração de arrependi- culpa começara com a condição de seu
mento de Davi. Na verdade, são a respos- coração, não com suas atitudes externas.
ta imediata de Deus à oração de Davi nos Ele sabia que seu ser era mau antes mes-
versos 13 e 14: “Quando me restaurares, mo que seu coração se expressasse em ati-
então ensinarei os teus caminhos aos tudes. Em contraste, o Espírito Santo, por
transgressores...”. Aqui, ele já está ensinan- quem Davi clama, é quem o impele à
do aos transgressores os caminhos de Deus! contrição e à santidade. O Espírito Santo
Não contente em imaginar que resultados liga Davi a Deus. Davi também sabe que
viriam pelo perdão de Deus, ele começa a o Espírito Santo de Deus lhe foi dado para
praticá-los mesmo antes de terminar de capacitá-lo a servir Israel, impelindo-o em
orar. direção ao seu chamado como um rei que
Nessa oração, Davi adverte seus com- agrada a Deus.
panheiros arrependidos sobre a tentativa
vã de satisfazer a ira a Deus diante do pe- E. Deus transforma os corações
cado por meio de meras ofertas e sacrifíci- (vv. 6 e 10)
os externos que não se baseiam em um
6 Sei que desejas a verdade no
coração quebrantado, arrependido e trans-
íntimo; e no coração me ensinas a
formado. Que Deus fiel, que começa a res-
sabedoria.
ponder a oração de Davi mesmo antes de
10 Cria em mim um coração
ele terminar! A imagem que Davi retrata
puro, ó Deus, e renova dentro de
desse Deus pronto para responder traz à
mim um espírito estável.
lembrança Sua promessa posterior, dada
O apelo de Davi pelo Espírito Santo,
por meio de Isaías: “Antes de clamarem,
nos versos 11 a 12, intensifica seu clamor
eu responderei; ainda não estarão falando,
por um novo coração, já feito no verso 10.
e eu os ouvirei” (Is 65.24).
No verso 6, passo correspondente à parte
inferior do “V”, Davi reconhece que lhe é
D. O coração mau de Davi e o impossível operar mudança no coração.
coração bom de Deus Como alguém limparia o próprio íntimo?
(vv. 5 e 11-12) A resposta é que Deus não apenas quer,
5 Sei que sou pecador desde mas Ele mesmo opera a transformação: “e
que nasci, sim, desde que me con- no coração me ensinas a sabedoria”. Como
cebeu minha mãe. pode um coração que foi pecador desde o

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 43


nascimento aprender a sabedoria? Aqui gar. Nosso pecado é concreto ou subjeti-
está o grande mistério: no verso 10, Davi vo? Davi ora como se Deus pudesse fazer
fala da criação de um novo coração dentro seu pecado realmente desaparecer, simples-
dele, e da renovação de seu espírito. Em- mente o apagando de seu campo de visão.
bora vivamos em dias de maior revelação É exatamente isso o que acontece. Nosso
sobre a obra de Deus no coração humano pecado é tanto concreto quanto subjetivo.
por meio da morte e ressurreição de Cris- A existência de nosso pecado depende da
to, ela ainda é um grande milagre. visão pessoal que Deus tem dele.
O movimento de Davi de uma visão
F. Venha lidar com meu pecado concreta do pecado no verso 7 para uma
(vv. 7 e 9) visão subjetiva no verso 9 indica um mo-
vimento do próprio coração de Davi. Sua
7 Purifica-me com hissopo, e
primeira perspectiva do pecado, enquanto
ficarei puro; lava-me, e mais bran-
culpado pelo pecado, é essencialmente a
co do que a neve serei.
de uma criatura. No entanto, o salmo re-
9 Esconde o rosto dos meus
vela um homem em movimento. A segun-
pecados e apaga todas as minhas
da perspectiva de Davi reflete sua convic-
iniqüidades.
ção crescente de que seu pecado existe por-
No sexto passo em direção descenden-
que Deus o vê. Na própria oração, Deus
te e no segundo em direção ascendente,
está atraindo Davi para mais perto de Seu
Davi suplica por redenção. No verso 7,
ponto de vista.
Davi pede a Deus pela única maneira que
ele conhece para lidar com seu pecado:
sacrifício substitutivo. Quase todas as ve- G. Restaura-me à alegria e ao
zes que as Escrituras mencionam o hissopo, júbilo (v. 8)
refere-se especificamente ao seu uso para 8 Faze-me ouvir de novo júbi-
purificação por aspersão e, geralmente, lo e alegria, e os ossos que esma-
com sangue de sacrifício. É a isso que Davi gaste exultarão.
se refere. Mesmo a morte de Jesus sendo As linhas que formam o verso 8 mar-
ainda futura, Davi sabia que somente uma cam o centro do Salmo 51. Davi faz dessas
vítima que o substituísse poderia limpá-lo duas linhas centrais uma única idéia para
de seu pecado. a compreensão do salmo. O que ele quer
No verso 7, Davi pede por purificação atingir? Nesse clamor central, Davi nos diz
do ponto de vista de um purificado. Já no e nos mostra que Deus transforma pesso-
verso 9, ele a pede do ponto de vista do as. Ao pedir a Deus que o transforme, Davi
purificador e suplica a Deus: “esconde o demonstra que Ele crê que o Senhor irá
Teu rosto dos meus pecados e apaga todas fazê-lo. Ele usa duas linhas para mostrar
as minhas iniqüidades”. Ele considera seu de duas perspectivas diferentes como será
pecado como que existindo somente aos essa maravilhosa resposta.
olhos de Deus. Isso nos lembra uma cri- Na primeira linha, Davi refere-se a si
ança brincalhona de dois anos de idade que mesmo da perspectiva de seu coração: “faze-
cobre seus olhos e pensa que está escondi- me ouvir...”. Na segunda, ele acrescenta
da pelo fato dela não conseguir nos enxer- um significado físico à primeira, referin-

44 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


do-se a si mesmo da perspectiva de seu duzir louvor audível. A habilidade de Davi
corpo: “e os ossos...”. Juntas, elas expres- para ouvir e pronunciar louvor a Deus foi
sam a unidade do corpo e do espírito na afetada pelo seu pecado. Da mesma for-
qual Deus nos criou e nos asseguram que ma, a liderança de Davi no louvor dissi-
Deus nos redime e nos transforma em pou-se ou falhou desde o seu adultério, de
ambos os aspectos. modo que os sons de júbilo e de alegria
“Faze-me ouvir de novo júbilo e ale- não eram mais ouvidos. É bem provável
gria...” Aqui, júbilo e alegria não são ape- que Davi soubesse que seu adultério havia
nas emoções; são sons audíveis. As pala- degradado de tal forma sua audição espi-
vras em hebraico para júbilo e alegria são, ritual que ele não conseguia mais ouvir os
geralmente, encontradas lado a lado. Na sons do agradável louvor a Deus. Ao pedir
maioria das vezes que elas aparecem no a Deus que lhe permitisse voltar a ouvir os
Antigo Testamento e, sempre que apare- sons de júbilo e alegria, ele está suplican-
cem juntas, referem-se a sons audíveis. No do por uma mudança de coração, uma res-
entanto, essas palavras não aparecem em tauração de sua capacidade de apreciar a
lugar algum antes dos Salmos. No deser- gloriosa celebração a Deus. Os sons dessa
to, o louvor no tabernáculo era silencio- celebração são coletivos e refletem um re-
so.4 Mas quando Davi trouxe a arca de gozijo compartilhado. São sinais das bên-
Deus para a tenda, no Monte Sião, ele in- çãos de Deus sobre um grupo. Davi está
troduziu o louvor a Deus em músicas e pedindo por uma restauração que inclui a
canções. Todas as referências bíblicas a “um comunidade da aliança.
novo cântico” aparecem ligadas às vitórias Apesar da referência aos ossos esmaga-
militares do rei.. 5 Deus deu a Davi descan- dos ser claramente física, ela possui aqui
so de seus inimigos e, em seus dias, todos significado também espiritual. “E os ossos
os cânticos de louvor foram novos. Os sons que esmagaste exultarão.” A declaração é
que Davi anseia por voltar a ouvir são os espantosa em seu significado redentor. Davi
cânticos que celebram a vitória de Deus reconhece que o pecado penetrara na sua
sobre Seus inimigos “ vitórias que são tam- própria essência. Seu pecado está tão pro-
bém de Davi. fundamente arraigado que Deus precisa
Embora os sons de júbilo e alegria se- quebrar os ossos para alcançá-lo. Aqui ve-
jam fisicamente audíveis, somente aquele mos que Deus já está operando, pois Davi
que tem ouvidos pode ouvir. E somente afirma que Ele já quebrou seus ossos. To-
aquele cujos lábios estão abertos pode pro- davia, Davi não dá adeus aos seus ossos
esmagados, feliz em livra-se deles; na ver-
dade, ele espera que Deus traga vida aos
4
Peter Leithart, “From Silence to Song: The
Transformation of Old Testament Worship“ (Do silêncio
ossos que foram esmagados “ uma nova
à música: a transformação do louvor no Antigo vida que exceda a antiga. Deus faz isso por
Testamento), gravação de palestra da Conferência nós também, quebrando e renovando o
Ministerial da Igreja de Cristo em Moscow, Idaho, nosso coração ao invés de descartá-lo. Ele
em Setembro de 2000.
salva pecadores perdidos de dentro para
5
Temper Longman, III e Daniel G. Reid, God Is A
fora. Os ossos também eram uma metáfo-
Warrior (Deus é um guerreiro) (Grand Rapids:
Zondervan, 1995). ra bíblica para a própria pessoa e, freqüen-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 45


temente, a Bíblia usa ossos quebrados para trutivo em outros. O foco aqui está na obra
simbolizar o julgamento de Deus.6 de Deus em transformar os corações e em
Nas duas linhas que constituem o cen- mudanças práticas que influenciam outros.
tro do Salmo 51, Davi faz um único apelo Nossas orações deveriam ser estru-
de duas maneiras. Ambas incluem signifi- turadas, como a de Davi, em categorias e
cado físico e espiritual. Davi está pedindo conceitos bíblicos. Mas, geralmente, so-
a Deus que faça uma transformação com- mos tentados a manter nossas antigas idéias
pleta em sua natureza. Essa transformação pecaminosas e disfarçá-las em vocabulário
é uma obra individual que tem efeitos co- santo. As palavras bíblicas, quando usadas
letivos. Enquanto ele expressa seu pedido, sem levar em conta o verdadeiro significa-
Deus já começou a responder. Ao clamar do que sacode a alma, colocam-nos na ar-
pela ajuda de Deus, Davi demonstra pro- madilha do legalismo. Até mesmo o nosso
funda confiança no fato de que Deus ouve arrependimento será apenas um sepulcro
e responde. Davi crê que o prazer de Deus caiado. A exemplo de Davi, aquilo que cre-
é nos fazer o bem de acordo com Sua terna mos e oramos a respeito do nosso pecado
bondade (vv. 1, 18). deve ser moldado pelo caráter santo de
Deus, Sua santidade dirigida a nós em fi-
Uma teologia prática do delidade pactual. Esse arrependimento é
arrependimento obra de Deus do começo ao fim. Ele toma
a iniciativa e Ele provê toda a ajuda neces-
O Salmo 51 é mais do que palavras a
sária para a sua concretização. Seu chama-
serem recitadas ou um padrão a ser imita-
do ao arrependimento (At 17.30) tem for-
do. É uma caixa-forte aberta, repleta de
ça e validade total, mesmo para as pessoas
recursos para nos ensinar.
fracas e pecadoras como nós.
Nossas orações de arrependimento de-
Como Davi, você vive sob o olhar de
veriam refletir o padrão “V” e se moverem
seu Criador e Redentor compassivo, bem
numa linha extensa, que vai do mundo
como entre pessoas que você deve amar e
exterior de nossos pecados contra Deus e
servir. Como Davi, você ama e serve a si
suas conseqüências, determinadas por
mesmo. Assim como fez com Davi, Deus
Deus, em direção ao mundo interior do
o perdoa e o salva mediante convicção do
nosso coração pecaminoso. De lá, parte para
pecado, fé, arrependimento, purificação e
a purificação e a transformação do nosso
restauração. Vamos olhar para como você
coração pelo sangue de Jesus Cristo, para
pode responder à graça de Deus com um
a crucificação dos nossos antigos desejos e
arrependimento verdadeiramente bíblico.
a revelação de novos desejos - os desejos
do Senhor. Esses novos desejos serão ma-
nifestados no mundo exterior por meio de A. A Palavra de Deus fala aos
ações íntegras. Eles resultarão em relacio- transgressores do relacionamento
namentos restaurados e um impacto cons- pactual (Título Histórico)
Assim como o pecado de Davi com
Bate-Seba, os seus pecados violam o rela-
6
Cf. Gn 2.23, 29.14; Nm 24.8; Dt 8.17.
cionamento entre você e Deus, e eles sem-
pre prejudicam também outros integran-

46 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


tes do povo de Deus. Seu pecado sempre mento pactual. O “amor infalível” de Deus
viola os dois grandes mandamentos: amar e Sua “grande compaixão” constituem os
a Deus e ao próximo (Mt 22.37-39). Nosso únicos fundamentos para a nossa súplica.
isolamento egoísta aparece como uma A fidelidade de Deus à Sua aliança por si
mancha escura que macula uma vida cole- só é a garantia que temos de que nosso
tiva radiante. O maravilhoso cenário da apelo por misericórdia e perdão será res-
graça de Deus descarta as desculpas atrás pondido. Quando nos arrependemos, so-
das quais queremos nos esconder: “Nin- mos chamados a crer que nossa transgres-
guém é perfeito”, “Não foi tão ruim as- são à aliança não a destruiu. Deus nos cha-
sim”, “Considere o que eu estava enfren- ma a praticar uma imaginação biblicamen-
tando”. A aliança que Deus estabeleceu te orientada: olhar o presente e o futuro
com você em Cristo, e não a sua condição pelos olhos de Deus, e considerar que Suas
caída, é o cenário grande e radiante que promessas são mais fortes do que as nossas
revela o quão escuro e sórdido é o pecado. intenções e ações pecaminosas. Obedecer
Assim como Davi, você vive ao lado de a esse chamado pode nos confrontar com
pessoas que Deus pode usar para a necessidade de nos arrependermos de
confrontá-lo com seu pecado. Essas pesso- dois possíveis compromissos secretos: o
as são pecadoras tanto quanto Natã o era compromisso com nossa capacidade pes-
quando confrontou Davi. Ainda assim, ele soal para violar o relacionamento pactual
foi capacitado, pela graça do Senhor, para por meio do pecado e o compromisso com
ser um mensageiro da Palavra de Deus. o amor à nossa autoridade pessoal para
Quer a Palavra chegue até você por meio julgar nosso pecado em vez de honrar o
de uma pessoa, de um livro ou no silêncio julgamento de Deus.
de seus pensamentos, você, assim como A alternativa? Busque a Deus. E per-
Davi, será chamado a responder a algu- gunte a si mesmo:
mas perguntas difíceis: Š Como posso começar a pedir ajuda?
Š Você está na defensiva porque está cer- Š Como posso abandonar as falsas es-
to ou porque quer acreditar que está peranças que costumo amar?
certo? Š Como posso voltar-me para o Deus
Š Você está mais desejoso de limpar a sábio e fiel?
sua reputação diante de pessoas do Š Quando eu pedir ajuda a Deus, por
que de Deus? que vou fazê-lo? Quais dos meus te-
Š Que palavra Deus dirige a você para souros são ameaçados ao buscar a aju-
expor o seu pecado e lhe dar esperan- da divina?
ça? As respostas devem levá-lo à cruz de
Cristo.
B. Restaura-me (vv. 1-2)
Os gemidos de Davi, nos versos 1-2,
C. Errei contra Ti, e Tu terás a
mostram que ele enxerga e sente essa terrí- palavra final (vv. 3-4)
vel tensão, que nós também deveríamos Qual o significado real do nosso peca-
sentir. Como Davi, nós também podemos do? Como Deus pode transformar o mal
clamar a Deus por alívio para essa tensão em bem? Deus é tão maior e poderoso do
devida à nossa infidelidade ao relaciona- que os nossos pecados que, de fato, Ele usa

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 47


os resultados do pecado para a Sua glória. Š “Você deveria ter visto o que os ou-
Deus nunca intenta o mal. Esse lindo e tros estavam fazendo” versus “Eu sou
enigmático vislumbre do plano de Deus o maior de todos os pecadores, salvo
leva-nos à beira de um insondável misté- pela graça”.
rio. Aqui precisamos parar, tirar nossos Š “Você não conhece meus pais” versus
chapéus e calçados, e reconhecer que “Eu posso honrar meus pais porque
estamos em solo santo demais para o nos- sou perdoado em Cristo”.
so entendimento. Š “Minha esposa não me aceitará mais”
Entretanto, há algo aqui que podemos versus “Eu confio na aprovação de
e devemos entender: Deus tem o pecado Cristo, não na de minha esposa”.
debaixo de Seu controle. Podemos ler o que O propósito final de Deus no pecado
Davi também deve ter lido - o relato de é uma espada de dois gumes. Primeiro, os
José a seus irmãos que temiam sua vingan- pecados daqueles que recusam a prática do
ça por eles o terem seqüestrado e vendido: arrependimento provarão, afinal, o quan-
“Vocês planejaram o mal contra mim, mas to Deus é justo e reto por condená-los ao
Deus o tornou em bem, para que hoje fos- juízo final e os punir com o fogo eterno.
se preservada a vida de muitos” (Gn 50.20). Mas para com aqueles que, pela fé, vol-
Davi enxergou algo semelhante. Embora tam-se dos seus pecados e buscam a Deus,
ele tivesse buscado o prazer pessoal por a Sua graça e misericórdia serão reveladas.
meio do sexo, da política e da guerra, Deus Segundo, Deus nos chama ao arrepen-
quis mostrar a Davi e a outros o quanto dimento de nossos pecados e a crer que a
Ele é justo e reto. O que Davi intentou Sua intenção final para com o nosso peca-
para o mal, Deus transformou em bem. do é mostrar o quão reto e justo Ele ao
Deus se mostra soberano sobre todas as derramar Sua ira sobre o Seu próprio Fi-
coisas. lho Jesus Cristo, lá na cruz. O meu peca-
Essa glória incompreensível de Deus do, e o desejo egoísta que está por trás dele,
chama-nos a um arrependimento que re- merecia nada menos do que a cruz quan-
jeita as interpretações egoístas do nosso do contrastado com a minha responsabili-
pecado e nos leva a um entendimento dade como criatura de glorificar a Deus
centrado em Deus. com um coração grato. Deus provou Sua
Š “Simplesmente não consigo acredi- justiça em Sua provisão para o meu peca-
tar que eu seria capaz de fazer algo do, e garantiu antecipadamente essa pro-
assim” versus “Eu sou capaz, sim. Eu va. Devemos nos arrepender de nosso pe-
fiz. Somente Jesus está isento de pe- cado, reconhecendo que as conseqüências
cado”. do pecado estão essencialmente sob o con-
Š “Nunca perdoarei a mim mesmo” trole de Deus, e Ele agirá de acordo com o
versus “Eu sou profundamente grato Seu agrado. Agrada a Deus ser glorificado
pelo sacrifício de Jesus e o perdão que nisso.
Ele me dá”. Faça a si mesmo as seguintes pergun-
Š “Isso prova que eu não valho nada” tas:
versus “Isso prova o quanto Cristo é Š Como atingi a Deus com o meu pe-
precioso”. cado?

48 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Se você não consegue responder, conti- sui um perfil de cobiça diferente, mas a
nue a sondar seu coração com per- maioria dos nossos anseios enganosos nos
guntas do tipo “Por quê?” até que é familiar. Podemos reconhecer em outras
consiga. pessoas aquilo que primeiramente identi-
Š Posso crer e dizer “Tu és totalmente ficamos em nós mesmos pela obra de con-
justo ao castigar o meu pecado e a vencimento do Espírito Santo.
maravilhosa graça é que justifica aque- A oração pública de Davi não inclui o
le que crê em Jesus”? catálogo pessoal de desejos pecaminosos
Š Posso louvar a Deus por ter derrama- que o levaram da cobiça ao parapeito, do
do Sua ira sobre Jesus? Posso agrade- parapeito à sedução de Bate-Seba e, em
cer a Jesus por ter carregado sobre a seguida, ao assassinato de Urias, à conspi-
cruz o meu pecado e me dado a jus- ração e ao acobertamento do crime. Ele
tiça dEle? omite os detalhes pessoais a partir do ver-
so 5, o que ajuda outros arrependidos a
D. Eu errei por causa de quem eu fazerem desse salmo uma oração pessoal.
sou (v. 5) Não é bom focarmos nos pecados de ou-
tras pessoas, mas apenas nos nossos. É por
O arrependimento sábio, à semelhan-
isso que as confissões coletivas, como o
ça do de Davi, não deve parar uma vez que
Salmo 51, devem ser gerais. Porém, em
você tenha reconhecido e confessado suas
nossas orações particulares, podemos e
ações ou palavras, ou mesmo aqueles sen-
devemos ser tão específicos e concretos a
timentos que você gostaria de ocultar. Pelo
respeito dos nossos pecados quanto puder-
exemplo de Davi, Deus nos chama a se-
mos.
guir a trilha do nosso pecado a partir do
Com base na história de 2 Samuel 11,
coração. Você só consegue fazer isso quan-
podemos conjeturar sobre os desejos de
do abre mão das pressuposições a seu res-
Davi. Ele ficou em Jerusalém quando de-
peito, que brotam tão naturalmente. “Sou
veria ter ido para o campo de batalha (v.
uma boa pessoa”, você pensa a seu respei-
1). Será que isso revela que um amor pelo
to. “Sou uma boa pessoa que, às vezes, faz
conforto teria substituído o amor pela sua
coisas erradas.” Deus diz que isso é uma
vocação de guerreiro de Deus? Davi ficou
mentira. Ele diz que a iniqüidade está no
observando, contemplando Bate-Seba:
seu coração e que o seu coração é enganoso
uma espécie de voyeurismo (v. 2). Será que
ao fazê-lo acreditar que você é bom. So-
isso reflete um foco no prazer sensual? Ele
mente Deus conhece o seu coração. Por-
usou seus servos para trazê-la (vv. 3-4). Será
tanto, apenas Ele pode julgar seus atos com
que isso revela amor pelo poder que o tro-
justiça (Jr 17.9-10).
no lhe conferia? Ele mandou chamar Urias
Uma vez que você tenha colocado à
e tentou manipulá-lo para que pecasse de
morte as suas preciosas pressuposições, você
tal modo a esconder o pecado do rei (vv.
ainda não terminou. Na verdade, está ape-
6-13). Será que isso aponta para um dese-
nas pronto para começar. Agora você pode
jo de manter a aparência, de proteger a
enxergar mais claramente e, com a ajuda
sua imagem diante dos outros por temor
de Deus, pode reconhecer os detalhes do
aos homens e orgulho? Davi compeliu o
seu coração pecaminoso. Cada pessoa pos-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 49


seu exército a conspirar, assassinar e renová-lo no “íntimo” e “recôndito”. O
acobertar (vv. 14-25). Será que isso brota crente possui maior perspicácia e profun-
de um amor pelos próprios planos e um didade em seu “homem interior”. Deus
desprezo pelos propósitos de Deus para o está operando em sua vida.
Seu exército e para o inimigo? Embora Š O que Deus prometeu fazer em seu
minha avaliação a respeito das motivações coração?
de Davi seja apenas uma conjectura, ela se Š O que Deus já fez em Cristo?
encaixa de forma plausível tanto na situa- Š Como você pode viver confiado na
ção quanto na confissão de Davi de que sua união com Cristo?
ele pecou unicamente contra Deus. Em
nosso arrependimento, devemos buscar o F. “Lida objetivamente com
desmascaramento do coração pecaminoso, qualquer pecado que cometi e
com discernimento bíblico que atinja o
âmago da questão.
limpa-me.” (v. 7)
Š Você pode dizer francamente “Eu Nossas orações de arrependimento de-
pequei porque sou um pecador”? vem nos levar à cruz. Devemos ser lavados
Š Quando você peca, a quem está ado- com o sangue do Cordeiro, simbolizando
rando em lugar de Deus? a satisfação vicária da pena por nosso pe-
Š Que ato de adoração a Deus você tem cado. Da mesma forma, nossos desejos
desprezado, substituindo-a por um pecaminosos também devem ser mortifi-
ato forjado para a satisfação pessoal? cados ali. Não há lugar para o estoicismo
Š Quais prazeres em Deus você tem nem para inclinações heróicas que não atin-
deixado de lado, preferindo o prazer gem os desejos egoístas e os ídolos de nos-
pessoal? so coração. Na morte de Cristo, derrota-
Š Como você tem rejeitado o temor a mos aquilo que Deus tem-nos apontado
Deus, substituindo-o pelo temor a sobre nossos desejos pecaminosos em bus-
homens guiado por sua imaginação? ca de prazer, poder, julgamento, amor, bem
Š Quais são os seus desejos específicos como o nosso medo pecaminoso da dor,
e desmedidos, a cobiça que motiva do fracasso, da injustiça e rejeição. Paulo
os seus pecados exteriores? explica: “Porque vocês já morreram, e a vida
de vocês está escondida com Cristo, que
está unido com Deus... Portanto, matem
E. Deus transforma os corações os desejos deste mundo que agem em
(v. 6) vocês, isto é, a imoralidade sexual, a inde-
O mistério de uma nova vida está en- cência, as paixões más, os maus desejos e a
cerrado na transformação que Deus opera cobiça, porque a cobiça é um tipo de ido-
no coração. Davi reconheceu que seu co- latria” (Cl 3.3, 5).
ração era essencialmente pecaminoso. Con- Š Como você pode dar as costas aos seus
tudo, ele se agarrou à obra de Deus para prazeres particulares e sórdidos, aos

50 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


seus preciosos temores? trâmite, Davi estava afastado de seus ami-
Š Como você pode se apropriar da morte gos, seus súditos e servos. Em seu pecado,
de Cristo pelos seus pecados? ele os havia usado para propósitos pesso-
ais. Antes do arrependimento, Davi con-
G. “Quebra-me a fim de seguia omitir essa incômoda realidade. Mas
transformar-me de ‘eu’ para ‘nós’” em seu arrependimento, ele a reconhece e
sente com toda força. Ao invés de correr
(v. 8) atrás de todos aqueles que ele havia ofen-
O âmago do arrependimento repousa dido, tentando consertar as coisas, ele faz
aqui. Teste suas orações à luz das percep- sua súplica a Deus, que é o próprio centro
ções de Davi que compõem essa súplica. de toda a comunidade.
Pecado não é somente algo que praticamos, O arrependimento genuíno também
mas algo tão intimamente precioso para aponta para o triunfo final de Deus sobre
nós que nada menos que o quebran- o pecado. Davi ora: “os ossos que esmagas-
tamento da alma começará a tocá-lo. te exultarão”. Ele usa uma metáfora para
O clamor de Davi é uma súplica do falar do seu espírito. Você sente o peso do
homem em sua totalidade. Ele clama como pecado? O seu espírito está esmagado?
um homem que foi queimado e almeja por Você está isolado daqueles que lhe são que-
ungüento que lhe traga alívio, como um ridos? Você está carregado de culpa e pro-
homem solitário há tempos e que anseia cura ser o seu próprio salvador? Você está
pelo som da voz de seu amigo. Você tem chegando ao desespero com aquilo que
se perguntado se o seu arrependimento parece ser uma profundeza sem fim do seu
expressa quem realmente você é? Inicial- pecado? Experimentamos esse esmaga-
mente, ore as palavras de Davi. Derrame mento como uma pressão para nos dirigir
seu coração juntamente com Davi diante a Deus. Somente Cristo sofreu, em nosso
do Juiz e Redentor. Depois, deixe a oração favor, a ira completa e esmagadora do Pai.
de Davi orientá-lo à medida que você com- Por meio dela, Ele nos conduz ao perdão,
põe sua própria oração. Isso pode preveni- não à destruição. Pelo triunfo de Cristo,
lo de inclinar-se para uma super- podemos nos mover confiantemente em
espiritualidade ou para orações meramente direção àqueles que manipulamos ou ne-
emocionais. gligenciamos, esperançosos de que nos re-
O exemplo de Davi tem como objeti- gozijaremos com Cristo e com todo o Seu
vo movê-lo da confissão e do arrependi- povo numa comunhão restaurada - talvez
mento pessoais em direção aos laços de no presente e, certamente, quando Ele
amor restaurados e renovados na comuni- voltar em glória.
dade, especialmente com os irmãos em Š Você sente o peso da convicção de
Cristo. Quando Davi suplicou por ouvir pecado?
júbilo e alegria, ele clamava por ser restau- Š Como você pode clamar a Deus por
rado ao louvor comunitário. Júbilo e ale- alívio?
gria são sons da comunidade redimida. Š Como você pode agradecer a Deus
Quando seu julgamento ainda estava em

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 51


por ter pesado sobre Jesus o juízo? E ’ . “Dá-me um bom coração”
Š Como você pode agradece a Deus por (v. 10)
colocar em seu coração uma convic- À semelhança das súplicas de Davi, as
ção de pecado? nossas súplicas por um coração puro são
Š Como você pode esperar ter a alegria respondidas com a dádiva do Espírito San-
e a comunhão restauradas em Cristo? to que estabelece uma parceria miraculosa
conosco. A linguagem de Davi sugere que
F ’ . “Lida com o meu pecado esse novo coração é tanto uma substitui-
subjetivamente, e esquece-o.” (v. 9) ção como uma reconstrução. Aqui está
A perspectiva de Davi sobre o seu outro mistério que invalida qualquer in-
pecado parece mudar do foco de um peca- tento de focarmos no redimido e leva-nos
dor que precisa de perdão para o do Salva- a voltar o olhar para o Redentor.
dor que perdoa. A visão que temos do nos- Š Como você pode viver com um espí-
so pecado deveria igualmente mudar. A rito quebrantado?
agonia pessoal diante da identificação de Š Como Deus prometeu ajudá-lo?
palavras, ações e atitudes ofensivas e egoís- Š Como você pode viver confiante nes-
tas é um começo plausível. Nossos olhos, sas promessas?
porém, deveriam se mover em direção aos
olhos de Deus e reconhecer, cada vez com D ’ . O bom coração de Deus
maior clareza, que o Seu horror e repug- (vv. 11-12)
nância pelo nosso pecado expressam a ver- Os versículos 11 e 12 estabelecem um
dadeira avaliação do pecado. Muito mais padrão impressionante para seguirmos em
radical do que a objetividade do pecado é nossas orações: aqui está a súplica de um
este aspecto subjetivo: o pecado é pessoal, homem absolutamente falido, cuja confi-
cometido contra Deus! Tal mover de nossa ança em Deus é provada mesmo em suas
visão em direção à visão de Deus prepara- palavras. Podemos ter semelhante confian-
nos, enquanto ainda clamamos a Ele, para ça enquanto oramos. Você também não
apropriarmo-nos das novas libertadoras: merece nada de Deus, a não ser o
em Cristo, Deus escondeu Seu rosto dos banimento de Sua presença, o apagar de
nossos pecados e apagou todas as nossas Seu Espírito e a perda da alegria. Com o
iniqüidades. arrependimento, no entanto, fica eviden-
Š Seu pensamento e oração sobre seu te que Deus, em Sua misericórdia, abstém-
pecado está mudando de “Isso foi er- se de lhe dar aquilo que você merece. Mes-
rado” em direção à “Isso entristeceu mo o seu arrependimento mais relutante
o Senhor”? descansa na fidelidade de Deus. Davi re-
Š Você consegue orar: “Meu pecado é conhece isso quando pede a Deus que lhe
contra Ti; por favor, não olha mais dê um espírito disposto a obedecer. Você
para meu pecado.”? também pode ter profunda confiança de
Š Você consegue pedir a Deus para que o Espírito Santo está trabalhando em
ajudá-lo a confiar nEle para apagar você e em seu favor enquanto você camba-
os seus pecados e não mais olhar para leia ao longo de sua oração falha.
eles?

52 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Š Você consegue crer no mistério in- e projetou os frutos de seu arrependimen-
compreensível do Espírito Santo? to a partir da fidelidade de Deus no passa-
Š Você vive como templo do Espírito do e fundamentado em Suas promessas.
Santo? Com base nas Escrituras de que ele dispu-
Š Você consegue orar como se as suas nha, e pela sua experiência pessoal com a
orações fossem apenas a ponta do fidelidade de Deus, Davi sabia que o Se-
iceberg que o Espírito Santo interce- nhor comprometera-se com os israelitas a
de por você? fim de transformá-los de pecadores em
pessoas piedosas. Ele sabia que, neste pro-
C ’ . Ações e conseqüências cesso, Deus pretendia usar pessoas como
(vv. 13-17) instrumentos, para que elas O glorificas-
sem. É isto que Davi imagina nos versículos
Davi crê que Deus toma a iniciativa
13 e 14. Deus revela Sua aliança para ori-
de restaurá-lo e, firmado nesta confiança,
entar a mente de Seu povo, a fim de que
faz planos para um viver justo. Deus ini-
possamos projetar legitimamente, e fun-
cia a restauração de Davi. Sob a direção de
damentados em Suas promessas, as expec-
Deus, Davi forma em sua mente imagens
tativas do futuro a partir de Sua fidelidade
de uma comunhão renovada com as pes-
passada.
soas que participam de sua vida. Davi ima-
Uma imaginação orientada pela fideli-
ginou, nos versos 13 e 14, as atitudes que
dade de Deus também deve ser parte de
fluiriam de seu novo coração e se concreti-
nossas orações de arrependimento. Na ver-
zariam. Ele começou a responder à per-
dade, temos uma vantagem significativa
gunta: “Que atitudes deveriam brotar de
sobre Davi, visto que a aliança com Deus
meu arrependimento?”. Isto não significa
nos está revelada de forma mais completa.
glorificar a imaginação de per si. Todos nós
Temos uma Bíblia completa e mais explí-
temos uma inclinação resoluta para o uso
cita que estabelece as diretrizes para a nos-
egoísta de nossa imaginação, e Davi havia
sa imaginação, pois o Espírito Santo reve-
usado sua imaginação a fim de planejar seu
la Jesus nas Escrituras. Além disso, Ele está
adultério e todas as fases de acobertamento
presente conosco para nos conduzir ao ca-
e as operações que controlariam os danos.
minho certo. Esse caminho, embora com
A diferença entre seu primeiro exercício
um único objetivo, assume geralmente
imaginativo e o segundo, altamente
duas formas: ele restaura relacionamentos
contrastante, está no que os controla.
destruídos e constrói novos relacionamen-
Ao imaginar o adultério, Davi foi con-
tos.
duzido pela visão de um mundo centrado
A oração de Davi no Salmo 51 não é
em Davi. Todas as pessoas que ele conhe-
específica no sentido de planejar ações que
cia - todo o povo de Israel, os amonitas e
poderiam restaurar todos os seus relacio-
até mesmo o próprio Deus - ganhavam im-
namentos quebrados, embora saibamos
portância somente em sua utilidade em
pelos relatos bíblicos que seu pecado ha-
prol dos interesses pessoais de Davi. Ao
via atingido toda a nação de Israel. A ge-
planejar os frutos de seu arrependimento,
neralidade deliberada de Davi poderia bro-
Davi foi motivado pela visão divina de um
tar de sua intenção, dirigida pelo Espírito
universo centrado em Deus. Davi planejou

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 53


Santo, de que o povo de Deus usasse esse turalmente a atenção dos outros para Ele.
salmo como oração coletiva e como um guia Não tenha medo de encavalar as marchas
para as orações pessoais. de vez em quando. O hábito se desenvol-
Entretanto, Davi faz planos em diver- verá com a prática, pois o Espírito Santo
sas categorias de relacionamento renova- está presente!
do. Davi não está fazendo promessas para Com extrema naturalidade, Davi pas-
que Deus o abençoe. Ele faz planos espe- sa a expressar diante de Deus aquilo que
cíficos para o futuro de acordo com a von- O agrada e O desagrada. Na verdade, Davi
tade geral expressada por Deus. Você pode está compartilhando essa informação
seguir esse esboço para as suas orações. conosco, pois precisamos sabê-la. Somos
Davi declara que ensinará os caminhos parecidos com ele, visto que rapidamente
de Deus aos transgressores, e eles se volta- nos esquecemos de que Deus prefere um
rão para Deus. Davi era um professor an- coração quebrantado e trôpego a um cora-
tes de praticar o adultério. Ele ensinava ção endurecido. Davi sabe de quais adver-
louvor aos músicos que escolhia para se- tências precisamos, pois ele mesmo preci-
rem seus discípulos. Em seu pecado, ele sou delas. Quanto mais você compreen-
ainda ensinou, mas pelo mau exemplo. der seu próprio pecado, mais facilmente
Davi voltará a ser um professor piedoso, poderá entender as outras pessoas, colo-
que direciona seus alunos para Deus e não car-se no lugar delas e falar-lhes exatamente
mais para si mesmo. E haverá resultados: o que elas precisam ouvir: a Palavra de
eles se voltarão para Deus. Você é pai ou Deus. Você está disposto a se preparar para
mãe? Marido ou esposa? Amigo? Geral- este ministério à medida que compreende
mente, cada um possui algum papel in- os seus pecados e fraquezas, e enxerga as
formal, embora muito real, na área de en- pessoas ao seu redor com compreensão e
sino. Como você pode ensinar a respeito compaixão?
de Jesus e de Seus caminhos misericordio- À medida que você considera e planeja
sos aos seus alunos por meio da palavra e suas orações, pense em ações específicas que
do exemplo? possam ativar a restauração. Após o arre-
A língua de Davi cantará a justiça de pendimento, mas antes de retornar ao cam-
Deus. As músicas desse tipo são músicas po de batalha, jejuar por seu filho e con-
coletivas, músicas que devem ser escritas, solar sua esposa, Davi considerou e plane-
aprendidas e ensinadas a outros para que jou tais ações. Que tipo de ações colocarão
as pessoas possam cantá-las coletivamen- em andamento a sua restauração?
te. Tudo isso demanda planejamento e Š Você deve pedir perdão? A quem? Pelo
preparo. Mesmo que as suas palavras de quê? Quando? Como?
louvor à bondade de Deus não sejam muito Š Você deve fazer alguma restituição?
musicais, você ainda pode planejar o que Em bens, tempo ou dinheiro? Quan-
vai dizer na próxima vez que vir as bênçãos to?
de Deus derramadas. Você está acostuma- Š Você deve exercitar uma disciplina
do a reclamar em determinadas situações? santa em vez de uma negligência ego-
Procure ver a mão de Deus e planeje o que ísta? Como começar?
você pode dizer para atrair graciosa e na-

54 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Š Você deve ser generoso? Quando? pecados se tornem dolorosamente óbvios
Quanto? para nós, para outros ou para ambos.
Š Você deve encontrar-se com alguém Quando isto ocorre, geralmente ficamos
a quem ofendeu em vez de evitá-lo? ansiosos para consertar nossos pecados;
Quando? Como? queremos endireitar o que fizemos. Isso
Š A quem Deus o chamou para amar? pode ser um bom impulso. No entanto,
Que tipo de serviço seria cabível? com freqüência, demonstra que não supor-
Na sua oração, planeje; no seu plane- tamos parecer errados para nós mesmos ou
jamento, ore. para outros, e que estamos ansiosos para
Os resultados do arrependimento não limpar nossa reputação. O Salmo 51 ad-
acontecem como uma resposta mecânica verte-nos que evitemos esse falso arrepen-
às nossas ações. Deus faz o que Ele quer, dimento, uma mera tentativa de ganhar
geralmente além do que planejamos ou uma ficha limpa.
preparamos. Foi assim com Davi. Quan- Ao desmascarar seu pecado, Davi re-
do nos arrependemos, participamos de um vela um anseio diferente - o anseio de um
fluxo de causa e efeito semelhante ao que homem tão ávido pela restauração nos ter-
Davi experimentou quando se arrependeu. mos de Deus que é capaz de expor pronta-
Em oração, ele previu conduzir os peca- mente o próprio pecado para que a repu-
dores a Deus, e a oração cumpriu-se mes- tação de Deus como Redentor brilhe com
mo antes que ele a terminasse. Deus fruti- maior intensidade. Esse anseio tem o seu
ficou o arrependimento de Davi imedia- lugar perfeito em nossas orações de arre-
tamente, e ainda continua a agir milhares pendimento. Não obstante, temos a segu-
de anos depois. O mesmo Deus fiel opera rança de que, mesmo se as nossas orações
quando você se arrepende. Esteja atento a parecerem desorganizadas, confusas e in-
isso. Espere ver a mão de Deus operando completas, um coração quebrantado e
por meio de seu arrependimento - o seu contrito é suficiente para que o Deus fiel
ato de arrependimento já é uma evidência atue.
da mão do Senhor. Š Como você pode continuar a cami-
O seu arrependimento deve incluir nhar nessa confiança que não lhe é
também uma visão clara do perigo da prá- natural - a confiança em Deus, em
tica do arrependimento como um fim em lugar da confiança em si mesmo?
si mesmo, como um meio de promover
seus interesses pessoais. O arrependimen- B ’ . Restaura-nos (v. 18)
to simplesmente para cumprir tabela, a O arrependimento no estilo do Salmo
oração mecânica e o arrependimento com 51 move-se de uma restauração vertical
o propósito de parecer bem aos próprios para uma restauração horizontal. Nossas
olhos e aos olhos de outros, agradam a orações de arrependimento, conforme
Deus tanto quanto os sacrifícios ofereci- modeladas pela Bíblia, começam com uma
dos por um coração endurecido e orgu- aversão pelo nosso pecado e um anseio pela
lhoso. Admitimos com nossos lábios que santificação pessoal. Mas como a fé é exer-
somos pecadores; funcionalmente, porém, citada no contexto do amor, suplicamos
esquecemos essa verdade até que os nossos ao Senhor pelos cristãos ao nosso redor,

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 55


pedindo que compartilhem da comunhão nhor Deus por meio do crescimento do
com o Espírito Santo e vivam na unidade Seu povo.
que convém ao Seu mandamento. Quan- Š Como você pode amar e louvar a Deus
do nossas orações carecem da dimensão diariamente com as pessoas à sua vol-
coletiva unida à dimensão pessoal, ou se ta?
terminamos nosso arrependimento com Š Como você pode liderar, servir, ensi-
um tom meramente pessoal, devemos nos nar, aconselhar e amar as pessoas que
perguntar o que está acontecendo.7 fazem parte do seu dia-a-dia, de for-
A oração de Davi a Deus, pedindo Sua ma que expresse a unidade com Cris-
bênção sobre a nação a qual ele foi chama- to?
do a reinar, traça o caminho numa direção Š Como podemos amar e servir a Deus
santa, oposta aos desejos centrados em si juntos?
mesmo que o levaram a pecar. Visto que,
anteriormente, ele havia colocado os inte- A ’ . Quando a aliança é restaurada,
resses nacionais de lado em favor de sua tanto Deus quanto as pessoas
satisfação pessoal, agora ele nem mesmo
menciona interesses pessoais. À medida que
enchem-se de alegria (v. 19)
progredimos no arrependimento, mostra- Na fidelidade da Sua aliança conosco,
mos a mesma preocupação por aquelas Deus não somente nos capacita ao arre-
pessoas a quem Deus colocou ao nosso pendimento, mas também reafirma o gozo
lado. Essa preocupação ganhará forma na completo de todos os benefícios e bênçãos
oração e vida na ação - o fruto do arrepen- daqueles que Lhe pertencem. N o s s a s
dimento. orações devem refletir uma preocupação
Os pontos básicos do chamado de com a satisfação e os prazeres de Deus aci-
Deus ao Seu povo estão claros. Temos um ma dos nossos. Isso não significa que de-
chamado geral para amar a Deus e ao pró- vemos abandonar todos os prazeres e
ximo. Recebemos também os chamados tornarmo-nos ascéticos. Longe disso! Pre-
específicos dirigidos aos pais e filhos, aos cisamos nos arrepender do prazer centrado
patrões e empregados, aos maridos e espo- em nós mesmos e compreender que o pra-
sas, aos governantes e governados, aos pas- zer centrado em Deus é repleto de delei-
tores e pastoreados. E ainda recebemos um tes para o contrito. Jesus sugere isso na
chamado mais específico na condição de parábola dos talentos em Mateus
ofensores ou de ofendidos. Enquanto pla- 25.21,23: “Venha e participe da alegria
nejamos o fruto do arrependimento, Deus do seu Senhor!”. Os novilhos oferecidos no
nos pede que orientemos nossa imagina- altar de Deus podem não parecer o ápice
ção pelas Escrituras e foquemos todas as da alegria para nós; no entanto, isso repre-
pessoas que foram concretamente afetadas sentava o mais elevado e sublime dos sa-
pelos nossos pecados. Nossa imaginação, crifícios para um israelita. Os deleites com-
dirigida pela Palavra, ansiará pelo propó- partilhados entre Deus e Seu povo arre-
sito culminante da aliança de Deus conosco pendido equiparam-se ao nosso prazer de
em Cristo - o crescimento da glória do Se- comer um belo churrasco, só que em esca-

56 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


la nacional! A principal emoção da adora- tamento fora da cidade. Segundo, ele re-
ção no templo era a alegria da comunhão conheceu publicamente a paternidade da
do povo de Deus. criança que Bate-Seba gerou, jejuando e
orando pela sobrevivência do menino. Ter-
A redenção no contexto maior: o ceiro, ele reconheceu publicamente que a
fruto do arrependimento soberania de Deus era superior à sua, que-
brando o jejum quando a criança morreu.
Davi leva-nos a supor que haverá fru-
Quarto, ele confortou sua esposa e deitou-
to, reconciliação e bênção a partir do arre-
se com ela, permitindo que ela concebesse
pendimento. De fato, ele nos mostra esse
e cumprisse sua obrigação para com Davi
fruto, tanto nas palavras do Salmo 51 como
e a nação por meio de um filho. Quinto,
pelo vínculo entre o título e a continuida-
quando o castigo divino pelo pecado de
de da sua história de vida.
Davi veio sobre ele na forma de rebelião
Está claro que Davi escreveu essa ora-
por parte de Absalão, Davi respondeu com
ção; é fácil, porém, desconsiderarmos o fato
preocupação pelo seu povo em vez de pre-
de que ele também a publicou. Parece ser
ocupação consigo mesmo, justamente o
consistente com os relatos históricos de 2
oposto do egoísmo que o motivou em to-
Samuel e de 1 Crônicas 15-16 supor que
dos os passos de seu adultério e
Davi, que escreveu as primeiras músicas
acobertamento. Davi considerou o bem
de louvor do tabernáculo de Israel, entre-
estar de Jerusalém antes da sobrevivência
gou também este salmo aos líderes que ele
pessoal: ele deixou a cidade em vez de su-
havia constituído para a adoração da na-
jeitar o povo a um prolongado e implacá-
ção. Tamanha transparência sugere arre-
vel cerco (2Sm 15.12), embora a fuga para
pendimento genuíno e uma preocupação
o deserto o deixasse mais vulnerável (2Sm
com a saúde espiritual da nação acima de
17.14). O arrependimento de Davi o
sua própria reputação.
motivou desde a rejeição pessoal de seu
Embora os relatos de 2 Samuel devam
pecado até o sentimento de amor e cuida-
ter sido compilados posteriormente à es-
do por outros, de acordo com suas obriga-
crita do Salmo 51, é provável que os pri-
ções e vocações pactuais estabelecidas por
meiros leitores estivessem bem cientes dos
Deus.
eventos históricos do seu contexto e fos-
O arrependimento verdadeiro leva-nos
sem capazes de chegar a conclusões seme-
em direção àqueles que ofendemos e àque-
lhantes àquelas que podemos tirar usando
les a quem servimos de acordo com o cha-
hoje a narrativa de 2 Samuel. O fruto do
mado específico de Deus para cada um de
arrependimento de Davi no Salmo 51
nós. Nosso arrependimento sincero gera
pode ser visto numa linha de cinco ações.
fruto. Se este fruto não ficar evidente, se-
Primeiro, Davi honrou Bate-Seba e
remos sábios em sondar nosso coração mais
manteve a união matrimonial com ela. Se
profundamente.
ele estivesse buscando apenas agradar a
Š Na sua situação, você tem algum
opinião pública, é mais provável que ti-
passo a dar agora?
vesse afastado Bate-Seba para um belo apar-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 57


Š Que atitudes fluem de seu arrepen- obra realizada por Jesus. No Salmo 51, Davi
dimento? antecipa a obra de Jesus em nosso lugar.
Š O que você deve fazer hoje e o que Nós, que pertencemos a Cristo, podemos
pode esperar até a semana seguinte? seguir os passos de Davi com base na obra
Š Por onde você pode começar? que Ele completou.
O Salmo 51 desbrava o caminho da-
Conclusão quilo que nos estava prometido em Jesus.
O Salmo 51 é um modelo para o cres- Hoje, podemos fazer orações de arrepen-
cimento espiritual - o alvo que aspiramos dimento nos moldes bíblicos porque Je-
para nós e para os nossos aconselhados. sus completou a obra da salvação. Fazen-
Com sua oração de confissão, Davi mos- do nossa a oração de Davi, e adaptando-a
tra-nos como devemos estruturar nossas às nossas situações, nós - e aqueles a quem
orações de arrependimento e deixa-nos um aconselhamos e amamos - podemos des-
exemplo para colocar em prática. Mas não frutar plenamente o caminho que Jesus
podemos esquecer que o nosso “devemos abriu para nós.
fazer” fundamenta-se sobre o “já feito” da

58 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


O Sonho de Quem?
Que Tipo de Pão?

P a u l D a v i d Tr i p p 1

Se você tivesse de colocar no papel o mentou: “É isso mesmo. Esse é o profeta.


seu sonho para o casamento, o que você Esse é o Messias. Ele chegou. Vamos fazer
escreveria? “Se somente isso fosse diferen- dele o nosso rei”. Você poderia pensar que
te...” ou “Se eu pudesse pelo menos ter esse foi o momento de glória para Jesus.
isso...” ou “Se Deus nos desse isso... então Afinal, Ele não veio para ser o rei daquele
seríamos felizes”. O que é o seu isso? Tal- povo? Não era Ele o profeta dos profetas?
vez, uma maneira melhor de fazer esta Claro que sim. Mas adivinhe o que Jesus
pergunta seja: “Que tipo de Messias você fez. Ele correu dali, fugiu, escondeu-se e
quer que Jesus seja no seu casamento?”. desapareceu. A multidão O procurou, pois
O capítulo 6 do Evangelho de João queriam instituí-lo rei, mas isso não era o
relata, com certeza, uma das histórias mais que Ele queria. No entanto, não foi justa-
conhecidas das Escrituras. Jesus tomou o mente para ser o Messias que Ele veio ao
lanche de um menino e, pelo Seu poder, mundo?
fez com que resultasse em alimento para Em João 6.25, Jesus tinha aca-
cinco mil pessoas e sobrassem ainda doze bado de atravessar o mar da
cestos de comida. Tremendo! O povo co- Galiléia quando a multidão o en-
controu.
E, tendo-o encontrado no ou-
1
Tradução e adaptação de “Whose dream? Which
bread?” Publicado em The Journal of Biblical tro lado do mar, lhe perguntaram:
Counseling, v. 15. n.3, Spring 1997, p. 47-50. Mestre, quando chegaste aqui?
Paul Tripp ministra como conselheiro há mais de 25 Respondeu-lhes Jesus: Em ver-
anos. É presidente de Paul Tripp Ministries, professor dade, em verdade vos digo: vós me
assistente no Westminster Theological Seminary na procurais, não porque vistes sinais,
Pensilvânia e parte do corpo docente da Christian
Counseling and Educational Foundation.
mas porque comestes dos pães e
vos fartastes.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 59


Trabalhai, não pela comida Chegamos! Desfaça as malas, querida”.
que perece, mas pela que subsiste Você continua em direção ao destino real.
para a vida eterna, a qual o Filho A placa, ou seja, o sinal, apenas aponta
do Homem vos dará; porque Deus, para a realidade.
o Pai, o confirmou com o seu selo. As pessoas presenciaram o milagre, mas
Dirigiram-se, pois, a ele, per- elas não entenderam o sinal. A bênção fí-
guntando: Que faremos para rea- sica do pão apontava para uma realidade
lizar as obras de Deus? espiritual mais profunda, e Cristo disse:
Respondeu-lhes Jesus: A obra “Vocês não estão entendendo”. A multi-
de Deus é esta: que creiais naque- dão via o milagre do pão como se fosse a
le que por ele foi enviado. realidade total. Cristo foi muito direto no
Então, lhe disseram eles: Que que Ele disse. A terminologia que Ele usou
sinal fazes para que o vejamos e quando disse “vocês se fartaram” pode ser
creiamos em ti? Quais são os teus literalmente traduzida como: “Bem, vocês
feitos? Nossos pais comeram o se empanturraram de comida, mas não
maná no deserto, como está escri- entenderam nada”.
to: Deu-lhes a comer pão do céu. O que motivava aquelas pessoas para
Replicou-lhes Jesus: Em ver- que buscassem a Cristo? O que elas pro-
dade, em verdade vos digo: não foi curavam realmente? Sugiro que não esta-
Moisés quem vos deu o pão do céu; vam à procura de Cristo em humilde sub-
o verdadeiro pão do céu é meu Pai missão a Ele como Messias nem com a
quem vos dá. Porque o pão de Deus disposição de segui-lo onde quer que fos-
é o que desce do céu e dá vida ao se. Sua busca por Cristo não foi gerada por
mundo. amor a Ele, mas por um amor egoísta e
Então, lhe disseram: Senhor, pela esperança de que Cristo seria a pessoa
dá-nos sempre desse pão. que supriria todas as suas supostas neces-
Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sidades. Esse era o quadro naquela ocasião.
sou o pão da vida; o que vem a mim Considere agora a sua vida, o seu casa-
jamais terá fome; e o que crê em mento. O que você quer de Cristo? Que
mim jamais terá sede. Porém eu já sonhos você coloca diante dEle? Será que
vos disse que, embora me tenhais seu sonho nada mais é do que a sua defi-
visto, não credes. nição pessoal de um casamento ideal? Es-
O que Jesus disse àquelas pessoas? Ele tou certo de que toda esposa já sonhou
disse: “Vocês não entenderam o principal”. com um marido ideal e todo marido já
Ao escrever seu evangelho, João fez algo sonhou com uma esposa ideal. É este o
muito útil. Ele não chamou os milagres seu desejo mais profundo hoje?
de milagres. Ele os chamou de sinais. O Em 1Pedro 1.3 lemos:
que um sinal faz? Ele aponta para algo. Bendito o Deus e Pai de nosso
Um sinal aponta o destino para onde você Senhor Jesus Cristo, que, segundo
deseja de fato ir. Quando você sai de férias a sua muita misericórdia, nos re-
com sua família, você não pára diante de generou para uma viva esperança,
uma placa na estrada e diz: “Chegamos! mediante a ressurreição de Jesus

60 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Cristo dentre os mortos, para uma O que acontece no presente? O presen-
herança incorruptível, sem mácu- te está relacionado a algo muito maior do
la, imarcescível, reservada nos céus que levantar–se cada manhã com um sor-
para vós outros que sois guardados riso. Muito maior do que finais de semana
pelo poder de Deus, mediante a românticos. Muito maior do que a satisfa-
fé, para a salvação preparada para ção na intimidade do casamento ou ter fi-
revelar-se no último tempo. lhos que você pode levar ao restaurante sem
Isso parece maravilhoso! Pedro diz: ter que passar vergonha. A mensagem de
“Você não entende o que já possui? Você Pedro é que Deus está disposto a reter es-
foi escolhido para ser salvo pela misericór- tas coisas com o propósito de produzir algo
dia de Deus. Seus pecados foram perdoa- maior, mais completo e profundo: a fé ge-
dos e você faz parte da família de Deus. nuína. Isto é o que Deus procura atingir
Não apenas isso, mas existe uma herança à por meio das experiências que nos fazem
sua espera que jamais poderá perecer, duvidar se Ele realmente nos ama e ouve
macular-se ou perder o seu valor”. Nós as nossas orações, que nos fazem ter inveja
olhamos tudo isso e dizemos: “Sim, é ma- de outros crentes e talvez até mesmo de
ravilhoso”. pessoas que não conhecem o Senhor. Por
Mas espere um momento. Vamos con- que passamos por situações semelhantes?
tinuar a leitura. O passado garante que Porque Deus ainda não terminou Sua obra
você foi perdoado pela misericórdia de em nós. Ele está nos conduzindo ao alvo
Deus. O futuro garante que você tem essa da fé, a salvação da alma. Ao passarmos
herança que está por vir. Mas o que acon- por tais situações, em lugar de dizermos:
tece no meio tempo? Voltemos ao ver- “Deus, por que eu?”, deveríamos dizer:
sículo 5. “Deus, obrigado. Continue a operar. Que-
[Vós] que sois guardados pelo ro tudo quanto o Senhor tem para me dar.
poder de Deus, mediante a fé, para O Senhor ainda não terminou a obra em
a salvação preparada para revelar- mim”. As lutas e tribulações do presente
se no último tempo. Nisso não são enganos de Deus. Elas fazem par-
exultais, embora, no presente, por te do amor redentor.
breve tempo, se necessário, sejais Parece-me que no coração de cada peca-
contristados por várias provações, dor existe o desejo de passar a vida num
para que, uma vez confirmado o resort. O conceito mais elevado do marketing
valor da vossa fé, muito mais pre- na atual cultura ocidental é o resort, com todos
ciosa do que o ouro perecível, mes- os serviços incluídos para o bem-estar e o
mo apurado por fogo, redunde em lazer. É o mais próximo que você pode chegar
louvor, glória e honra na revelação de ser um deus aqui na terra. Você paga e tem
de Jesus Cristo; a quem, não ha- o que quer, quando quer. Alguém me explicou
vendo visto, amais; no qual, não como fun-ciona: “Doze refeições ao dia”.
vendo agora, mas crendo, exultais Doze! “A última refeição é à meia noite e você
com alegria indizível e cheia de pode pedir para entregarem pizza no seu quar-
glória, obtendo o fim da vossa fé: a to às 2:00 da manhã se você quiser.” Parece
salvação da vossa alma. divertido. Ninguém pode lhe dizer não! A

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 61


qualquer momento você pode decidir o que estar. Quando duas pessoas estão
deseja fazer e ter. Se Deus quisesse que a vida compromissadas com Cristo, almejam
fosse um resort, estas seriam as características. conhecê-lo melhor, de modo mais com-
Precisamos entender um princípio fun- pleto e profundo e com o desejo de que
damental. Qual o propósito das bênçãos sua vida reflita louvor, adoração e glória a
que Deus lhe dá na sua família, no relacio- Ele, elas experimentam uma união e inti-
namento marido-esposa, no seu bem-es- midade que o mundo não conhece. Pelo
tar físico? O propósito é apontar para uma fato de não colocarem o foco em si mes-
bênção mais completa e profunda: a pre- mas, experimentam a unidade do Espírito
sença em sua vida do Senhor Jesus Cristo, que caracteriza os filhos de Deus em Jesus
Aquele que é a vida. A vida abundante não Cristo.
está em sua esposa, na casa ou nos filhos. Aqueles que têm seus olhos fitos ape-
Jesus Cristo é a vida abundante. Ele é nos- nas no pão terreno, acabam devorando uns
so e nós somos dEle. aos outros, pois nunca encontram satisfa-
Em João 6, Jesus disse: “Eu sou o pão ção. Você será um parasita para o seu côn-
da vida”. Pergunte a si mesmo que tipo de juge e sugará o sangue dele. No entanto,
pão você deseja realmente. Que tipo de ele nunca, jamais dará a você o suficiente.
pão você quer que o alimente? Não estou Existe apenas um Pão que é Jesus. E a vida
dizendo que não devemos buscar o me- está em nos alimentamos de Jesus, pela fé.
lhor para o casamento e a família, mas acre- Você sabe o que aconteceu quando Je-
dito que podemos facilmente perder o foco. sus proclamou essa mensagem? O que acon-
Creio que podemos ser como aquelas pes- teceu quando Ele disse: “Se vocês não co-
soas que procuravam a Jesus só para que merem a carne do Filho do Homem e não
Ele as empanturrasse de comida. beberem o seu sangue, não terão vida em
Sim, penso que podemos perder o foco. si mesmos” (Jo 6.53-59)? Não só o povo
Você pode ir a Jesus apenas porque está O deixou, mas a Bíblia diz que muitos dos
apegado a um sonho e espera que Ele, de Seus discípulos O deixaram também (Jo
alguma forma, possa ajudar a realizá-lo. É 6.66). Eles disseram: “Dura é esta pala-
só isso que você quer de Jesus e você ficará vra” (Jo 6.60). E, realmente, é dura. Seja
extremamente decepcionado se não con- honesto consigo mesmo. Dê lugar à hu-
seguir o que quer. mildade e à sinceridade. Qual é o anseio
Se você vive para o pão terreno e de- mais profundo do seu coração hoje? Ah,
pende dele como sua fonte de vida, você que seja por Jesus Cristo! Se seu anseio for
enfrenta sérios problemas quando ele fal- por Cristo, existem oportunidades mara-
ta. No entanto, se você vive para o pão es- vilhosas para crescimento e santificação
piritual, para um relacionamento mais mútua no casamento. Elas virão em meio
profundo com o Senhor Jesus Cristo, en- às tribulações. A vida não será um resort.
tão o seu casamento torna-se um lugar Ela será uma estrada cheia de buracos, mas
maravilhoso para colocar isso em prática. conduzirá à conformidade com Cristo.
Você viverá um relacionamento de comu- Conversei com uma senhora que esta-
nhão e compromisso com Cristo no quar- va casada há muitos anos. Eu diria hones-
to, na cozinha, nos corredores, na sala de tamente que ela estava casada com um

62 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


homem mau. Ele era iracundo, isso?”. Deus respondeu: “Tudo bem, que
controlador, manipulador e falava e fazia seja assim. Enviarei uma nação perversa e
coisas que machucavam. Essa senhora ha- violenta, que virá do norte para acabar com
via sonhado com o marido ideal. Ao ver as eles”. O profeta respondeu: “O quê?! O
bênçãos recebidas por outras mulheres da quê?!”. Ele pensava num reavivamento, não
igreja, ela se amargurou a ponto de dizer em juízo! E acrescentou: “Deus, como
que não conseguia mais ir aos cultos. Sen- pode fazer isso? Como pode usar uma na-
tia-se abandonada por Deus de tal forma ção mais perversa do que o Seu povo para
que não conseguia mais ler a Bíblia e orar. julgá-lo? Isso não faz sentido!”. O profeta
Eu queria que ela entendesse sua identi- travou uma luta com Deus, mas logo Deus
dade em Cristo e compreendesse o amor começou a revelar Seu poder e Sua glória.
do Senhor. Queria que ela entendesse que Esse profeta, Habacuque, terminou seu
Deus é refúgio e fortaleza, uma ajuda cons- livro com palavras preciosas: “Ainda que a
tante em meio às tribulações. A certa altu- figueira não floresça, nem haja fruto na
ra, enquanto eu citava textos bíblicos que vide; o produto da oliveira minta, e os cam-
falavam sobre o amor de Deus, que é abun- pos não produzam mantimento; as ove-
dante e maravilhoso, ela disse: “Pare!”. Pa- lhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos
rei. Ela prosseguiu, batendo com a mão currais não haja gado...”. O que esta des-
na cadeira: “Não quero mais ouvir que crição significava numa cultura que tinha
Deus me ama. Eu quero um marido que base na agropecuária? Nada sobrou - ne-
me ame!”. De quem é este sonho? nhuma planta, nenhuma árvore, nenhum
Agora, uma pergunta: Honestamente, animal. E ele prosseguiu: “todavia, eu me
o que acontece com você quando não con- alegro no SENHOR, exulto no Deus da
segue realizar o seu sonho? Seja sincero! minha salvação. O SENHOR Deus é a
Você mergulha em autocomiseração? Você minha fortaleza, e faz os meus pés como
se enche de culpa? Ou se enche de inveja e os da corça, e me faz andar altaneiramente”
cobiça? Duvida da bondade de Deus? Acha (Hc 3.17-19).
difícil ler a Bíblia, orar, manter comunhão Se o seu sonho desmoronasse, se nada
e adorar a Deus? O que estes sinais indi- restasse, você levantaria e diria: “Estou
cam? Eles mostram que você vive para o cheio de alegria porque Deus é o meu Se-
pão terreno. A bondade de Deus, Seu nhor, Ele é a minha vida e a minha força, e
amor, poder, força e glória, bem como o em meio a tanta perda e destruição conto
chamado de Deus para você, não mudam com Ele”? Você pode buscar a realização
diante da falta de pão. Que tipo de pão do seu sonho ou a realização do sonho do
você procura? Senhor para a sua vida. Você pode pedir
Um profeta do Antigo Testamento que Ele o molde à imagem de Cristo, para
olhou para o povo de Deus e disse: “Deus, que a sua vida O louve cada vez mais e sua
eu não entendo o que está acontecendo fé encontre expressão no relacionamento
aqui. O Senhor permitiu que o povo se conjugal e na sua maneira de responder ao
tornasse muito perverso. O Senhor é um seu cônjuge ou educar seus filhos. Qual
Deus Santo. Não entendo o que está fa- sonho você quer ver realizado?
zendo. Por que não faz algo com relação a

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 63


Que Deus nos ajude a sermos pessoas como a multidão e perdermos de
que vêem o sinal por trás do milagre, que vista a realidade espiritual por trás
olham para as bênçãos terrenas e dizem: do milagre. Senhor, minha oração
“Essas bênçãos direcionam-me a um rela- é que não busquemos a con-
cionamento mais profundo com o Senhor, cretização dos nossos sonhos e es-
uma realidade mais completa de Cristo em peranças pessoais, mas que possa-
minha vida. Aquilo que anseio, aquilo de mos expressar sede e fome pelo
que quero me alimentar, tudo quanto quero Senhor Jesus e o desejo de conhe-
é que minha vida gire em torno de comu- cer a Sua vontade em todas as
nhão, submissão, amor e obediência ao áreas da nossa vida. Queremos que
precioso Senhor Jesus Cristo”. O Messias Cristo reine em todos os ambien-
chegou! Vamos segui-lo pela fé. Minha tes de cada casa. Queremos que
oração é que sejamos pessoas que conti- Cristo reine no lugar mais escuro
nuem a seguir a Jesus mesmo se não hou- de cada coração. Vamos ao Senhor
ver mais plantas, animais nem pão. Levan- em amor e submissão alegre para
taremos pela manhã e diremos: “Estou tão nos alimentarmos pela fé. Que te-
cheio de alegria. Sou filho do Rei dos Reis nhamos alegria, fé e coragem mes-
e Senhor dos Senhores. Ele é a minha vida. mo quando não tivermos o pão fí-
Vou segui-lo pela fé!”. sico. Que diante das provações,
Senhor é tão fácil nos apegar- digamos: “Obrigado, Senhor, pelo
mos aos nossos sonhos e desejos. É Seu amor – o Senhor está comple-
tão fácil pensarmos no Senhor tando Sua obra redentora”. Ajuda-
como o provedor dos nossos so- nos, Senhor, em nome de Jesus.
nhos, tão fácil nos empolgarmos Amém.

64 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


No Olho do Furacão:
como lidar com as crises

Ron Lutz e Sue Lutz1

Uma pessoa que freqüenta há pouco Š um marido saiu de casa,


tempo nossa igreja, vinda de uma igreja
Š um adolescente foi preso,
tradicionalmente liberal, fez o seguinte
comentário após o culto do domingo: Š uma mãe descobriu pornografia
“Esta é uma boa igreja, mas há um bom no quarto do filho,
número de pecadores por aqui”. Sim, cer- Š uma moça foi hospitalizada após
tamente temos muitos pecadores em nos- uma tentativa de suicídio,
sa igreja. Também temos sofredores: pes-
soas que vivem num mundo caído de dor Š um membro da igreja ficou
e sofrimento, pessoas que são vítimas do sabendo que lhe resta apenas um
pecado de terceiros. Pecadores e sofredo- mês de vida,
res são os únicos tipos de pessoa que há Š uma adolescente engravidou. E
em nossa igreja - e na sua, também. assim por diante.
Se você estiver envolvido no ministé- Quando acontece uma crise que muda
rio, encontrará muitas cenas de partir o a vida de uma ou mais pessoas e nos faz
coração: crises, famílias destroçadas e vi- dizer “Jamais seremos os mesmos nova-
das complicadas. Os telefonemas chegam mente”, temos um momento significativo
e anunciam: para ministrar. Jesus Cristo entra no mun-
do dos pecadores e sofredores e começa a
1
Tradução e adaptação de In the eye of the storm:
dealing with crisis. Publicado em The Journal of Biblical operar.
Counseling, v. 22, n.4, Fall 2004, p. 49-58. Nosso artigo fala do poder do evange-
Ron Lutz é pastor da Igreja Presbiteriana New Life lho nas crises que destroçam o coração.
em Dresher, na Pensilvânia. Sue Lutz foi editora de Queremos fortalecer a sua fé e lhe dar uma
Resources for Changing Lives (Recursos para perspectiva bíblica, algumas ferramentas
Transformar Vidas) e conselheira na CCEF.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 65


práticas e uma estrutura de pensamento até mesmo, uma doença. Todos eles apre-
que possa ajudá-lo à medida que enfrenta sentam desafios e representam mudanças
essas situações. ou perdas. Os eventos excepcionais e
imprevisíveis também esgotam particular-
O que é uma crise? mente as forças, e é nestes que vamos nos
Em sua vida e na vida das pessoas de concentrar, mas os princípios aplicam-se
sua igreja, as crises são inevitáveis. Como a para todas as situações.
Bíblia diz em Jó 5.7, “O homem nasce Uma crise pode se desencadear devido
para as dificuldades tão certamente como a um acontecimento passado, um aconte-
as fagulhas voam para cima”. Em outras cimento do momento ou um acontecimen-
palavras, o imprevisível é previsível; as cri- to futuro.
ses podem ser esperadas. Š Acontecimento passado:
Mas o que é, exatamente, uma crise? uma mulher foi estuprada ou uma
Para o propósito do nosso artigo, uma cri- criança foi abusada sexualmente,
se é o que se dá quando um acontecimen-
to ou um relacionamento torna-se tão do- você, ou alguém que você ama, foi
loroso ou desafiador que a pessoa não preso, um ente querido ficou
consegue lidar bem com a situação. Esse paralítico ou morreu em um
problema esgota os recursos da pessoa. Uma acidente de carro.
ameaça, uma perda, um rompimento são Š Acontecimento presente:
tão significativos que aquilo que a pessoa
uma pessoa descobre que o cônjuge
normalmente faz para enfrentar a vida não
está em adultério, um pai encontra
é adequado, ou a pessoa está tão desespe-
drogas no quarto do filho, uma
rada que não consegue funcionar como de
adolescente é descoberta em
costume. 2 Porém, mesmo um aconteci-
práticas anoréxicas.
mento particularmente estressante - algo
de grande proporção - não desencadeia Š Acontecimento futuro:
automaticamente uma crise. Um aconte- um membro de sua igreja admite
cimento desencadeia uma crise somente que está pensando em suicídio, um
quando a pessoa que passa por ele desco- marido ameaça pedir o divórcio se
bre que não tem os recursos necessários a esposa não “entrar na linha”, um
para lidar com a situação. adolescente manifesta sua raiva
Alguns fardos são marcos previsíveis, com violência crescente.
transitórios, e fazem parte do desenvolvi-
mento normal da vida. Nestes podemos Em situações semelhantes, o sentimen-
incluir a adolescência, uma perda de em- to da pessoa atingida (e de todos os mem-
prego, uma mudança, a aposentadoria ou, bros da família) é de que a vida virou de
cabeça para baixo. Busca-se desesperada-
mente uma maneira de resolver o proble-
ma e restaurar a estabilidade.
2
Harold W. Stone, Crisis Counseling (Aconselhamento
na Crise), (Minneapolis: Fortress Press, 1993) e
Norman Wright, Crisis Counseling (Aconselhamento
na Crise) (Ventura, CA: Regal Books, 1993).

66 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Em muitas das situações, o impac- Š Nos momentos de crise, em geral,
to dura para o restante da vida, mas a cri- as pessoas estão mais abertas para
se, em si, não. Ao lidar com uma tragédia receberem ajuda daqueles em
ou uma mudança brusca e repentina na quem elas confiam. Quando seu
vida, a fase de crise costuma durar, em mundo está desabando e você não
média, seis semanas. Os seres humanos não sabe o que fazer, você fica mais
gostam de caos em sua vida. Eles não gos- disposto a enxergar as coisas de
tam de ter o seu mundo virado de cabeça uma maneira nova. Com
para baixo e de se sentirem impotentes. freqüência, os muros de
Procuram, portanto, maneiras de restau- autoproteção não estão tão altos.
rar o equilíbrio para retornar a uma vida
Š Nos momentos de crise, as pessoas
normal o quanto possível e o mais rápido
precisam de diferentes tipos de
possível.
ajuda. Uma crise exige ação. É o
O problema, no entanto, é que as
momento para servir a pessoa como
tentativas de solução podem, ou não, es-
um todo. O ministério inclui tudo,
tar de acordo com aquilo que Deus quer.
desde lavar a roupa até o
As pessoas podem, ou não, lidar com as
aconselhamento paciente, desde ir
questões que Deus quer que sejam trata-
com a pessoa à polícia até orar com
das. No papel de alguém que deseja aju-
ela e por ela, e muito mais.
dar, você deve aproveitar ao máximo a ja-
nela de oportunidade apresentada pela cri- Š Nos momentos de crise, os
se. Você deve ajudar numa perspectiva membros do corpo de Cristo são
multidimensional, mas também de forma preparados pelo Senhor, de forma
que mantenha em primeiro plano a atua- singular, para prover essa ajuda. A
ção de Deus e os aspectos espirituais da igreja tem muito mais recursos
situação. O lado positivo de uma crise é para ajudar na crise do que
que, geralmente, trata-se de um momen- qualquer especialista da nossa
to em que as pessoas ficam mais abertas cultura.
para receber ajuda e olhar a vida de ma- Se a pessoa que passa por uma crise é
neira diferente. Infelizmente, essa janela membro da sua igreja, pressupomos que
fecha-se à medida que as pessoas se ajus- já exista algum relacionamento com o pas-
tam à situação e seguem a vida dentro de tor e outros membros. A crise é o momen-
uma nova normalidade. Não é de admirar to certo para edificar esse relacionamento.
que os símbolos chineses para crise sejam O povo de Deus é flexível e dinâmico. Um
dois: um significa perigo e o outro, opor- pastor não insere o caso em uma lista de
tunidade. As vidas despedaçam-se, mas as espera para visitas quando se trata de uma
vidas podem brilhar de formas novas. crise. Os membros da igreja oferecem
Mantenha os seguintes princípios apoio prático de diversas maneiras, depen-
em mente, à medida que você como pas- dendo da necessidade.
tor, conselheiro, líder espiritual, amigo ou Mais importante ainda é que a igre-
membro do corpo de Cristo, oferece ajuda ja ajude a pessoa a enfrentar as questões
em uma crise. espirituais e do coração, reveladas inevita-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 67


velmente pelas crises. Os membros da igre- Deus trabalha em todas as coisas para o
ja ajudam com problemas do dia-a-dia bem do Seu povo. Podemos lembrar essa
como refeições, buscar e levar filhos na es- verdade. Podemos crer nela. Podemos agir
cola, finanças, providências legais e visitas com base nela.
ao hospital. Essa atenção dada às questões Joni Eareckson Tada e Steven Estes
práticas permite à pessoa em crise ter tempo colocam a questão da seguinte forma em
e energia para começar a analisar as dimen- “When God Weeps” (Quando Deus Chora)4:
sões espirituais da situação. Como disse O plano de Deus é espe-
Howard W. Stone em seu livro “Crisis cífico....toda provação na vida de
Counseling” (Aconselhamento na Crise), um cristão é determinada desde a
“Toda crise, na sua essência, levanta ques- eternidade por Deus, em sabedo-
tões de fé e perguntas do tipo ‘Qual é o ria e amor, projetada sob medida
significado da vida? Vale a pena a dor de para o bem eterno daquele crente,
continuar a viver? Eu fiz a coisa certa? Por mesmo quando não parece ser as-
que isso aconteceu comigo? Por que Deus sim. Nada acontece por acaso.
permite que eu sofra? Será que poderei ...nem mesmo a tragédia.... nem
confiar de novo em alguém?’”.3 Precisamos mesmo os pecados cometidos con-
estar bem preparados para dar tanto a aju- tra nós. Deus se importa mais com
da prática como as respostas que Deus ensinar-nos a odiar nossos pecados,
deseja que ofereçamos. crescer espiritualmente e amá-Lo
do que com nos dar conforto....Ele
Oportunidades nas crises: uma permite que continuemos a sentir
perspectiva bíblica o ferrão venenoso do pecado en-
quanto estamos a caminho do céu,
Toda crise apresenta uma oportunida-
pois nos relembra constantemen-
de para o bem. Somos tentados a ver na
te aquilo de que estamos sendo li-
crise apenas o mal, os elementos que
bertos e expõe o pecado como o
desencorajam, os problemas e a tragédia,
ferrão venenoso que, de fato, ele é.
e sentimo-nos sobrecarregados pela situa-
Portanto, o mal (o sofrimento) dá
ção. Uma parte de nós grita: “Não é para
meia volta e derrota o mal (o peca-
ser assim. Isso não é normal. Isso não está
do) - tudo para o louvor da sabe-
certo”. Algumas crises nos fazem querer
doria de Deus.
chorar e gritar com fúria.
Como os pastores, conselheiros e ami-
O Senhor, porém, age a todo o tempo.
gos envolvidos em uma situação de crise
Ele sabe o que faz. Isso não significa que
podem trazer ao problema uma perspecti-
devemos citar Romanos 8.28 mecanica-
va de fé que aponte para Cristo? Como
mente e esperar que as pessoas coloquem
podemos ser instrumentos de crescimen-
um sorriso no rosto. Contudo, em meio às
to e santificação para que as pessoas
lagrimas, à confusão, dor, agonia, choque,

3
Stone, Crisis Counseling (Aconselhamento na Crise),
4
Joni Eareckson Tada e Steven Estes, When God
p. 29. Weeps (Quando Deus Chora) (Grand Rapids:
Zondervan, 1997), p. 56.

68 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


direcionem os problemas para o bem? apoiando em lugar de buscar ao Senhor. A
Como podemos aplicar o evangelho e ver questão primordial é: depois de seis sema-
o corpo de Cristo em ação? nas, seis meses ou seis anos, estaremos nos
Em meio a uma crise, a pessoa ou as apoiando em quê? Como podemos evitar
pessoas envolvidas precisam reconhecer que a substituição de uma muleta por outra
elas têm três escolhas a fazer. Essas esco- ou de um ídolo por outro? Nossa inclina-
lhas não são distintas, mas se sobrepõem ção natural é querermos ser fortes pelas
uma à outra e se complementam. nossas próprias forças - procuramos desen-
volver habilidades, recursos e relaciona-
1. Você olhará para o Senhor e mentos que nos façam sentir mais auto-
suficientes e prontos para a próxima crise.
dependerá dEle? Ou você tentará Porém, isso não é o que Deus quer.
lutar sozinho? Certa vez, um amigo missionário pas-
A primeira escolha - tanto para quem sou por uma crise que expôs sua tendência
está na crise como para aqueles que pres- à auto-suficiência. Ele reconheceu que es-
tam ajuda - envolve o alvo da nossa reação. tava procurando ser forte o suficiente e es-
Nossa reação é centrada em Deus ou piritualmente equilibrado o suficiente para
centrada no problema? Em qualquer cri- que, no dia-a-dia, ele não precisasse de Je-
se, é compreensível a tentação de concen- sus! Ele não reconheceu sua autoconfiança
trar-se simplesmente em sobreviver ao pro- e independência até que uma crise a reve-
blema, lidar com ele e administrá-lo. Afi- lou. A crise ensinou-lhe que Deus quer uma
nal, há muito com o que lidar, muito para dependência diária ativa em Cristo.
administrar e muitos desafios a enfrentar. O que faz o aconselhamento cristão e
Precisamos ser sensíveis aos aspectos prá- a intervenção em uma crise serem distin-
ticos da vida, às necessidades físicas, finan- tamente cristãos e únicos? Ajudamos as
ceiras, legais e sociais daqueles que estão pessoas a lidarem com as seguintes per-
em crise. Precisamos lembrar as questões guntas:
de comunicação com familiares e amigos. Š Como o evangelho dirige-se a essa
Precisamos estar cientes de questões espe- situação?
cíficas que podem surgir no que se refere
aos filhos. Mas, em tudo isso, precisamos Š O que Cristo está fazendo nessa
ser cuidadosos para não nos perdermos nos crise?
detalhes e esquecermos o panorama Š Como essa situação pode ser usada
maior. Durante a fase mais crítica da crise, para fortalecer a fé de todos os
as pessoas buscam um jeito de adminis- envolvidos, a fim de que se
trar e lidar com cada coisa. Entregues a aproximem mais de Jesus a
nós mesmos, descobrimos maneiras as mais despeito das dificuldades?
diversas para sobreviver nesse mundo caí-
Pense no apóstolo Paulo e suas prova-
do. Infelizmente, e com freqüência, sobre-
ções, conforme descritas nas cartas aos
vivemos de maneira errada.
Coríntios (cf. 2Co 11.21-33). “Contudo,
As crises podem ser bênçãos maravi-
já em nós mesmos, tivemos a sentença de
lhosas no sentido de que elas tiram aque-
morte, para que não confiemos em nós, e
las muletas nas quais estávamos nos

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 69


sim no Deus que ressuscita os mortos” Antes, lidaremos com todos esses aspec-
(2Co 1.9). E o que Paulo diz adiante, em tos, mas com fé em Cristo, com o alvo de
2Coríntios 12? Ele diz que é grato pelas vermos a Sua mão, sujeitando-nos ao Seu
provações, porque elas o levaram ao Se- plano e aprendendo dEle em todo o pro-
nhor. cesso.
Então, ele me disse: A minha
graça te basta, porque o poder se 2. Você usará uma abordagem
aperfeiçoa na fraqueza. De boa von- centrada em Cristo? Ou uma
tade, pois, mais me gloriarei nas abordagem centrada no
fraquezas, para que sobre mim re-
pouse o poder de Cristo. Pelo que
problema?
sinto prazer nas fraquezas, nas in- O segundo princípio é conseqüência
júrias, nas necessidades, nas per- do primeiro. Queremos colocar a Pessoa
seguições, nas angústias, por amor de Deus e não a crise no centro da nossa
de Cristo. Porque, quando sou fra- atenção; queremos buscar os alvos do Se-
co, então, é que sou forte (2Co nhor mais do que buscamos solucionar o
12.9-10). problema. Queremos, também, centrar a
atenção no coração, não no problema.
O salmista também era grato pelas afli- Queremos atentar para o que Deus está
ções porque ele aprendeu a confiar no Se- fazendo em nós por meio dessa situação
nhor. “Antes de ser afligido, andava erra- difícil. Nas crises situacionais, a tentação
do, mas agora guardo a tua palavra” (Sl é focarmos nas soluções em curto prazo,
119.67). “Foi-me bom ter eu passado pela que apenas nos permitem passar pelo pro-
aflição, para que aprendesse os teus decre- blema doloroso. No entanto, as verdadei-
tos” (Sl 119.71). ras questões para uma pessoa em crise são
O que estou aprendendo sobre a bon- as seguintes:
dade, a sabedoria, a soberania, o amor e o Š O que Deus está fazendo na minha
controle do Senhor? Freqüentemente, nos- vida neste momento?
sos ídolos ficam abalados nas crises - a nossa
busca, consciente ou inconsciente, por Š Como Ele está me ensinando a
conforto, reputação, controle e estabilida- confiar nEle, amá-lo e buscá-lo em
de. As crises são uma lembrança inescapável oração?
do quanto necessitamos do Senhor. Elas Š Que problemas, pecados e hábitos
oferecem uma oportunidade para sairmos na minha vida essa crise expõe?
da complacência e aprendermos (ou
Š De que promessas bíblicas preciso
reaprendermos) a caminhar pela fé, e não
me apropriar?
por vista. Podemos nos arrepender da auto-
suficiência, do orgulho e de outras atitu- Š Que pecados preciso confessar?
des negativas. Isso significa que não aten- Š Como posso aprender a voltar-me
taremos simplesmente para as circunstân- para Deus nessas áreas e viver uma
cias e a logística externas (decisões sobre vida de fé diária?
dinheiro, cuidado dos filhos, plano de saú-
de, questões judiciais ou outras mais). Š O que uma mudança de coração
significa para mim?

70 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Š O que significam fé, corpo de Cristo para mim? As crises ofere-
arrependimento e obediência nessa cem oportunidades maravilhosas para ver-
situação? mos o povo de Deus refletir o Seu amor,
Sua sabedoria, Seu poder e verdade.
Š Como Deus está usando esse “fogo
Para os pastores, o desejo de ser o sal-
refinador” para me purificar,
vador-redentor-herói pode ser tentador. É
limpar e levar-me para mais perto
bom sentir-se necessário, ser um ajudador,
dEle?
um resgatador. Você pode ser tentado a
Quando você estiver em crise, faça es- estimular sutilmente que a pessoa se torne
sas perguntas a você mesmo. Se você for dependente de você e exclua, assim, Cris-
um conselheiro, encoraje a pessoa que está to e o restante de Seu corpo.
sofrendo a responder estas perguntas. A maioria das crises, porém, funciona
Você já ouviu alguém fazer uma decla- contra esse impulso. A verdade é que elas
ração do tipo “Eu jamais gostaria de viver exigem o envolvimento de muitos para a
aquele inferno novamente. Mas eu não tro- reconstrução da vida de uma pessoa. Você
caria o que eu aprendi por nada nesse pode ver o reflexo disso nas passagens de
mundo. Sou uma outra pessoa agora.”? mutualidade das Escrituras, que descrevem
Muitas pessoas dizem isso. Sua vida de- a atuação bíblica do corpo de Cristo. O
monstra mudanças duradouras e a presen- que 1 Coríntios 12, Romanos 12 e Efésios
ça de Deus. Porém, muitas outras pessoas 4 têm a dizer sobre crises? Estes textos
se apressam em resgatar a normalidade da ensinam que devemos estar atentos e pró-
vida diária sem experimentar aquela trans- ativos no envolvimento de todo o corpo,
formação duradoura e crescente que Deus devemos repartir o fardo e mostrar o po-
tenciona por meio do sofrimento. Embo- der do evangelho em ação de diversas ma-
ra elas precisem morrer para a neiras. Quando fazemos isso, aumentamos
autoconfiança, o que surge das cinzas é a probabilidade de mudanças duradouras
uma autoconfiança reabilitada. na situação, de apoio duradouro à pessoa
Nosso alvo, oração e esperança devem em crise e de crescimento duradouro tan-
ser que a crise seja usada pelo Senhor para to para os que ajudam como para os que
levar nosso coração em direção completa- recebem ajuda. Demonstramos o poder do
mente nova, do desespero para uma vida evangelho em ação. Demonstramos o que
de esperança e fé em Cristo. Queremos ser é o verdadeiro espírito de servo. Transmi-
transformados pelo evangelho e viver uma timos às pessoas necessitadas uma visão de
nova vida. ministério, de forma que elas estarão mais
propensas a prestarem ajuda a outras pes-
3. Você permitirá que o corpo de soas no futuro. E glorificamos a Deus à
medida que amamos outros por amor a Ele.
Cristo ajude? Ou você tentará
Uma mulher de nossa igreja, cuja fa-
lidar com a crise sozinho? mília tinha passado recentemente por uma
A terceira escolha e princípio têm a ver situação de crise, disse aos membros da
com o processo. Lidarei com essa crise de igreja: “Vocês têm sido as mãos e os pés de
forma isolada e individualista? Ou permi- Cristo para nós durante esse tempo difí-
tirei que o corpo de Cristo seja, de fato, o

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 71


cil. Não queríamos ser fracos, mas não ti- 2. Prepare-se para as batalhas
vemos escolha. E temos visto e sentido o espirituais
amor de Cristo por meio de vocês”. Embora cada crise seja diferente, as
O aconselhamento bíblico na crise deve reações das pessoas costumam ser seme-
incluir objetivos definidos com relação ao lhantes. As batalhas espirituais apresentam
processo para que todo o corpo de Cristo semelhanças entre si. Não importa qual seja
esteja envolvido de maneira apropriada. a luta, sua tendência é reagir às crises com
fadiga, exaustão emocional, sentimentos
Preparando-se para uma crise de inutilidade, ansiedade, depressão, ira,
Cada crise é diferente das demais. As tensão, desorganização em seus relaciona-
necessidades, o tipo de ajuda necessária, mentos e suas atividades e, algumas vezes,
as questões espirituais, tudo varia de uma pânico. Se você costuma investir tempo
crise para outra. Como líder, porém, você para pensar e orar sobre como ajudar uma
pode se preparar para atender a tais situa- pessoa em crise, você não se surpreenderá
ções. a cada novo acontecimento. Você será ca-
paz de dar assistência à pessoa nas ques-
1. Identifique recursos úteis tões complexas da situação que ela enfren-
Há recursos (artigos, panfletos, livros) ta.
que orientam sobre as questões específicas 3. Prepare-se para um
que envolvem as diferentes crises. Por exem- discipulado prolongado
plo, usamos muitos dos livretos de recur-
Não pense que um aconselhamento
sos dos quais Sue é editora. Eles abordam
efetivo na crise desfaz todos os nós e trans-
uma variedade de tópicos de crise: violên-
forma a pessoa em santa, curada e feliz em
cia doméstica, suicídio, vícios, abusos,
poucas semanas. Isso não acontece! Uma
pornografia e pecados sexuais.5 O livro
crise pode ser o ajuste inicial diante de um
Mulheres Ajudando Mulheres de Elyse
acontecimento que mudará a vida da pes-
Fitzpatrick e Carol Cornish inclui capítu-
soa dali para diante. O discipulado deve
los sobre diversas crises que atingem as
fazer parte do futuro da pessoa por algum
mulheres. 6 As Coletâneas de Aconselhamento
tempo. O que você quer oferecer, pela gra-
Bíblico trazem artigos sobre inúmeras si-
ça de Deus, durante o período crítico da
tuações de crise. Muitos livros bons sobre
crise é:
sofrimento, antigos e novos, estão dispo-
níveis. Elabore uma lista pessoal de recur- Š Provisão prática
sos e de pessoas que podem ajudá-lo a pen- Providencie apoio espiritual, emocio-
sar em situações específicas. nal, material e físico para capacitar a pes-
soa em crise a encarar o problema e come-
çar a lidar com ele construtivamente.
5
Resources for Changing Lives (Recursos para
Transfor mar Vidas) (Phillipsburg, NJ: P&R Š Perspectiva de fé
Publishing). Ajude a pessoa em crise a ver a presen-
6
Elyse Fitzpatrick e Carol Cornish, Mulheres Ajudando ça de Deus no problema. Isso trará um
Mulheres (Rio de Janeiro, CPAD: 1999).

72 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


impacto na maneira de definir o proble- blia, tentando administrar um problema
ma, nas soluções e na definição de alvos. de abuso sem relatá-lo a ninguém. Então,
acontece um incidente que é a gota d’água
Š Parceria na solução de e esgota seus recursos para lidar com o pro-
blema. Ela se dá conta de que, não impor-
problemas ta o que faça, jamais será bem-sucedida em
Dê os primeiros dois passos de forma conter o problema dentro de limites ra-
que a pessoa em crise sinta-se encorajada a zoáveis. Embora essa gota final possa não
dar passos de fé que a ajudarão a lidar so- parecer motivo suficiente para desenca-
zinha com a situação. Nunca deixamos de dear uma crise, a crise dispara porque a
necessitar do corpo de Cristo. Porém, jun- mulher percebe, finalmente, que não tem
tamente com o apoio que a igreja oferece controle sobre a situação. Enfim, ela bus-
na situação de crise, está a expectativa de ca ajuda.
que o grau de ajuda diminua à medida que Gisela e Marcos eram membros ativos
a situação atinge um ponto de resolução. da igreja. O casamento parecia um pouco
Enquanto a pessoa aprende a lidar com desgastado, mas não a ponto de estar a
seus desafios pela obediência e confiança perigo. No fim de semana, Marcos rece-
no Senhor, encoraje-a a apoiar-se em Deus beu um telefonema perturbador de sua
em lugar de desenvolver uma dependên- mãe. Quando Gisela lhe perguntou sobre
cia de você. Obviamente, precisamos da o telefonema, ele explodiu em ira, atirou-
sabedoria de Deus para discernir em cada a ao chão e bateu com sua cabeça repeti-
caso o que é uma dependência sadia e o damente na parede. Gisela lutou para
que não é. afastá-lo, saiu de casa e foi para a casa de
Use o check-list modelo, que você en- uma colega de trabalho, descrente. Essa
contra no final deste artigo, para avaliar as colega aconselhou Gisela a sair definitiva-
necessidades com que você pode se depa- mente de casa e pedir o divórcio. Gisela
rar em cada crise. Acrescente à lista as suas não tinha certeza de que seria certo pedir
categorias à medida que surgirem novas o divórcio, mas ela estava magoada, irada,
necessidades. Certifique-se de estar fami- desgastada, temerosa e cansada de ser con-
liarizado com a legislação local no que se trolada por Marcos. A colega insistiu que
refere a denunciar alguns casos. Gisela procurasse ajuda.
Aplicaremos agora esses princípios a Gisela procurou Maria, uma mulher
duas crises específicas: violência domésti- de sua igreja e grupo de oração, e pediu-
ca e um adolescente fora de controle. lhe que ela prometesse não contar a nin-
guém o que estava prestes a ouvir, pois era
Estudo de caso: violência doméstica muito doloroso e vergonhoso. A vergonha
A violência doméstica é um exemplo é o motivo pelo qual Gisela procurou
comum de uma situação que se prolonga primeiro alguém do trabalho e não da igre-
e pode explodir em crise. Freqüentemente, ja. Maria, sabiamente, respondeu que ela
o acontecimento que dispara a crise é “a tinha aprendido que não era certo fazer tal
gota que faltava para transbordar o copo”. promessa na ignorância dos fatos, mas que
Uma mulher pode ter vivido durante anos Gisela podia confiar que ela não faria fofo-
uma situação intolerável e contrária à Bí-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 73


ca. Ela envolveria outras pessoas apenas se desejos pessoais e alvos egoístas.
a situação, biblicamente, assim exigisse. Sua autoridade sobre Gisela
Gisela concordou porque confiava em esgotava-se diante de sua recusa em
Maria e compartilhou que estava cansada ser submisso às autoridades que
de assumir a culpa por todos os incidentes Deus colocara sobre Ele,
de violência que ocorriam em seu relacio- especificamente o seu pastor, os
namento com o marido. Após cada episó- líderes espirituais e as autoridades
dio, ele costumava desculpar-se pela agres- civis. Ele estava violando a lei e
são, mas a acusava de ter sido a causadora. recusando-se a levar seu pecado
Ele também dizia que se Gisela realmente diante da igreja.
o perdoava, como Deus diz que ela deve-
3. Visto que Gisela já tinha levantado
ria fazer, ela não contaria para ninguém
esse problema para Marcos muitas
sobre o que tinha acontecido. Gisela pe-
vezes, sem sucesso, ela estava
diu, repetidas vezes, que Marcos procu-
biblicamente livre para expandir o
rasse o pastor ou um conselheiro para
círculo e procurar a ajuda da igreja,
ajudá-lo, mas Marcos recusava-se, dizen-
conforme Mateus 18.15-17. Ela
do que aquilo era algo com que eles deve-
podia pedir que a igreja
riam lidar dentro do casamento. “Eu não
confrontasse e ajudasse seu marido.
sei, talvez ele esteja certo”, Gisela disse para
Maria. “Talvez eu devesse ter sido mais Gisela sentiu-se tanto aliviada quanto
sensível e deixado de perguntar sobre o apreensiva, mas concordou com Maria.
telefonema de sua mãe, pois eu percebi que O pastor ouviu a história de Gisela e
ele já estava perturbado. Porém, sinto-me entrou em contato com Marcos. Marcos
como se estivesse sempre fazendo a coisa admitiu a agressão, expressou remorso, mas
errada e eu nunca sei o que poderei fazer continuou a atribuir parte da culpa a
de errado na próxima vez”. Gisela. O pastor respondeu que poderiam
A resposta de Maria incluiu três existir problemas no casamento, mas a
pontos, que redefiniram o problema para prioridade era reconhecer que a violência
Gisela. nunca se justifica nem seria tolerada pela
igreja, pois Deus também não a tolera. Três
1. Não importa o que Gisela tivesse líderes espirituais foram designados como
feito para Marcos ficar indignado, equipe de apoio para ajudar Marcos e
nada justificaria uma reação Gisela. Maria também foi convidada a par-
violenta. Não importa o que mais ticipar da equipe para dar apoio contínuo
estivesse errado no relacionamento a Gisela.
deles, Marcos jamais poderia usar O pastor disse que se houvesse qual-
isso como uma desculpa para quer outro episódio de violência, ou mes-
agredir sua esposa. Deus chama o mo ameaça de violência, Gisela deveria te-
mal de mal, e nunca o justifica. lefonar para um dos membros da equipe
de apoio. Ela poderia fazer uma queixa à
2. A autoridade de Marcos no
polícia ou, simplesmente, fazer um bole-
casamento foi dada por Deus, mas
tim de ocorrência e manter um histórico
não poderia ser usada para servir
do comportamento agressivo de Marcos.

74 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Ele seria suspenso de participar da Ceia servirem um ao outro e
do Senhor diante de quaisquer eventuais encorajarem o crescimento mútuo
incidentes de violência, e enfrentaria ou- à semelhança de Cristo.
tras formas de disciplina se não eviden-
3. Gisela é responsável diante de Deus
ciasse arrependimento.
por buscar ajuda quando Marcos
Estabelecidos esses limites, Maria e os
é violento com ela.
líderes espirituais tiveram uma conversa
com Gisela e Marcos para esclarecer as con- Antes da crise, Gisela achava que seria
dições sob as quais Gisela voltaria para casa. sua tarefa administrar a ira de Marcos e
Dadas as orientações, ela estava disposta a proteger sua reputação e testemunho. Po-
retornar para casa. As diretrizes incluíam rém, ao permitir que a violência conti-
aconselhamento para ambos, separada- nuasse, ela deixou de honrar a Deus e amar
mente e, mais adiante, juntos. Gisela e genuinamente seu esposo. Deus queria que
Marcos concordaram em permitir que o ela recebesse a Sua força e Seu conforto.
conselheiro desse um relatório aos líderes Ele queria que ela buscasse os recursos do
espirituais periodicamente. Se o conselhei- povo de Deus para que seu casamento fos-
ro achasse que qualquer um dos dois não se transformado por arrependimento, fé e
estivesse colaborando, os líderes aplica- confiança no Seu poder. O problema, uma
riam a disciplina da igreja. A equipe pro- vez tratado, seria um testemunho da graça
videnciou para que Gisela e Marcos tives- de Deus. Mas isso seria impossível se a si-
sem um encontro semanal com um deles, tuação ficasse encoberta ao povo de Deus.
para orar e dar um relatório do A mudança de perspectiva deu a Gisela
aconselhamento. Eles também encoraja- esperança e força para buscar os recursos
ram Gisela e Marcos a pedir ajuda ao gru- dados a ela por Deus. Ela começou a ver
po de estudo bíblico ao qual pertenciam. como as suas percepções a respeito de si
Embora o casamento ainda tivesse muitos mesma, a respeito de Deus, do casamento
problemas a tratar, a violência cessou. e dos relacionamentos em geral, contribu-
No check-list da crise, essa situação exi- íram para os problemas conjugais.
giu atenção a questões de segurança, su- Marcos também precisou reconhecer
pervisão da igreja, aconselhamento e ain- como o pecado e a falta de fé contamina-
da comunicação, finanças e questões legais. ram seu relacionamento com Deus e com
Isso possibilitou à igreja ajudar Gisela e a esposa. Colocados os limites, que envol-
Marcos a lidarem com as questões do co- viam tanto a autoridade da igreja como as
ração. autoridades civis, a igreja ajudou Marcos
O aconselhamento pastoral encorajou a enfrentar o fato de que o seu comporta-
Gisela e Marcos a verem que o casamento mento violento e a sua resistência às auto-
é como um cordão formado de três fios: ridades eram pecados. Muitos irmãos ro-
1. Deus está envolvido no dearam Marcos com oração e prestação de
relacionamento conjugal, e Gisela contas. Esses homens foram firmes, porém
e Marcos têm acesso direto a Ele. compassivos, na ajuda que lhe deram para
vencer a ira e edificar seu papel de líder
2. Tanto Gisela quanto Marcos são
piedoso no lar. Marcos começou a ser ho-
responsáveis diante de Deus por
nesto com relação aos seus pecados, sem

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 75


transferência de culpa. Ele começou a olhar 1. Encoraje a família a buscar apoio
para as antigas questões não resolvidas no em oração com outras pessoas. Se
casamento. À medida que o acon- eles fazem parte de um grupo de
selhamento continuou, após as primeiras estudo bíblico, encoraje a família
semanas críticas da crise, Marcos teve opor- a compartilhar honestamente suas
tunidade de confrontar problemas de lon- lutas. Se sua igreja tem um grupo
ga data consigo mesmo, com seus pais, de oração para pais com filhos
com sua perspectiva a respeito de Deus e problemáticos, convide-os a
com seu casamento. A participação dos ir- participar desse grupo. Encoraje-
mãos da igreja na vida do casal manteve-se os a pedir que os líderes espirituais
após o período crítico inicial, pois até mes- orem especialmente por eles.
mo as mudanças positivas levantam novos
2. Ajude esses pais a refletirem sobre
problemas. Às vezes, à medida que um casal
os limites que eles estabeleceram.
passa por dores que trazem crescimento,
Eles estão certos em estabelecer
eles podem evitar questões cruciais ou se
limites e regras para os horários a
satisfazerem com a situação existente.
serem cumpridos, as tarefas e
Essa ilustração é uma combinação de
responsabilidades em casa,
três crises conjugais reais. Dos três casa-
juntamente com as conseqüências
mentos, um foi restaurado completamen-
pela transgressão como, por
te, outro melhorou consideravelmente en-
exemplo, a perda de privilégios e o
quanto que, no terceiro, o marido recu-
pagamento dos estragos feitos em
sou-se a parar de culpar a esposa e, no fi-
casa.
nal, recusou a ministração da igreja. Ele
foi desligado da igreja e eles se divorcia- 3. Ajude-os a examinarem o próprio
ram. Sua esposa reconstruiu uma vida cris- coração, sua fé, sua confiança no
tã frutífera. Senhor. Uma situação como essa
pode levantar muitas questões
Estudo de caso: um adolescente fora externas (cada dia traz uma nova
crise). Os pais podem entrar em
de controle uma dinâmica de sobrevivência, que
Uma família da sua igreja tem um fi-
deixa pouca energia para qualquer
lho adolescente que está fora de controle.
outra coisa. Como está a sua fé?
Ele desafia cada vez mais os pais, desobe-
Eles se culpam inadequadamente
dece às regras e aos horários da casa. Ele
pela situação? Confiam seu filho ao
também vai mal na escola, está envolvido
Senhor? Por outro lado, existem
com uma turma de maus elementos, uso
pecados de que devem se
de drogas e consumo de álcool e, prova-
arrepender? Eles fazem coisas que
velmente, mantém atividade sexual. Re-
agravam a situação? Negligenciam
centemente, ele foi violento em casa, es-
os outros filhos? Permitem que
tragou alguns móveis e chegou a bater em
uma pessoa mude radicalmente o
seu pai mais de uma vez. Ele ainda é me-
ambiente da família?
nor de idade. O que você pode fazer como
líder ou membro da igreja?

76 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


4. E o filho? O que pode ser feito com enfrentar e como ela fará.
e para ele? Quem pode ministrar a Terceiro, não tente tomar o lugar de
ele? Em quem ele confia? Que Deus; não deixe que a pessoa fique depen-
questões em sua vida provocam esse dente de você. Se você permitir que a pes-
tipo de comportamento? Tente soa fique à espera de que os outros solu-
convocar um líder de jovens, um cionem os seus problemas, você não a aju-
mentor ou conselheiro que possa dará a edificar sua fé. Não tente tomar o
trabalhar em sua vida e levá-lo à fé lugar da pessoa, assumindo decisões que
e ao arrependimento. ela deve tomar a respeito da própria vida.
Você não edificará a fé dessa pessoa se ela
5. Quando necessário, ajude os pais
se sentir irada e privada dos seus direitos
a considerarem um envolvimento
de decisão. Estabeleça uma parceria que
da polícia. Certa vez, um policial
ajude a pessoa em crise a confiar em Deus
conversou com os pais de um
enquanto ela lida com o problema.
adolescente sobre as implicações
Quarto, não impeça que a pessoa ex-
desse tipo de comportamento e
presse o que ela sente ou como ela vê o
explicou o que a polícia poderia
problema apenas porque isso seria pesado
fazer. Na vez seguinte, quando o
para você. É preciso entender aquilo que a
filho passou dos limites, os pais
pessoa sente e pensa para poder ministrar
chamaram o policial, que explicou
ao seu coração e construir uma perspecti-
as conseqüências ao rapaz. Isso,
va de fé em sua vida. Se a pessoa não se
juntamente com outras
sentir compreendida, ela não aceitará as
intervenções, tornou a situação em
soluções bíblicas que você oferecer. Seja
casa mais tolerável.
paciente e cheio de fé quando a pessoa se
sentir sobrecarregada. Relembre que Deus
O que fazer e o que não fazer no está na situação, mesmo quando ela não
aconselhamento de uma crise pode vê-lo. Você pode repetir as palavras
De modo geral, o que deve ser evitado de Jesus aos discípulos: “Tenho muitas
no aconselhamento de uma crise? Aqui coisas para lhes dizer, mas agora vocês não
estão quatro pontos chaves a serem lem- suportariam”. Expresse a sua fé e a con-
brados. fiança de que Deus está agindo em favor
Primeiro, não dê falsas garantias de que da pessoa e encoraje-a a pedir ao Senhor
tudo ficará bem. As circunstâncias podem para restaurar a própria fé.
não evoluir conforme o esperado. Apresen- Acima de tudo, enfrente cada crise com
te, sim, a promessa da presença, do poder oração e fé, pedindo a Deus que o capacite
e dos propósitos redentores de Deus, in- a ver as oportunidades. Avance pela fé.
dependentemente de qual seja a situação. Confie em Deus para fazer coisas maravi-
Segundo, não permita que a pessoa em lhosas!
crise volte constantemente àquilo que acon-
teceu. Não se permita entrar em análises
teóricas vagas. Ajude a pessoa a pensar so-
bre as questões específicas que ela precisa

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 77


No Olho do Furacão: 2. Qual a freqüência necessária de comunicação
entre pastores/líderes e os indivíduos em crise?
check-list para lidar com crises 7 3. Quais as expectativas e responsabilidades de
Considere as seguintes perguntas quando es- cada um dos envolvidos?
tiver trabalhando em um aconselhamento de crise. 4. Se o aconselhamento é indicado, qual o grau
Comunicação de comunicação necessário/desejado entre o
conselheiro e os pastores/líderes, e a conexão
1. Quem precisa ser comunicado sobre a situ-
entre o aconselhamento e a disciplina da igreja
ação? (Família? Liderança espiritual da igre-
(se esta for aplicada)?
ja? Pastores? Polícia? Grupo de oração? Mem-
bros da igreja? Escola? Emprego?) Finanças
2. Quem fará o contato com aqueles que preci- 1. Quais são as necessidades financeiras imedia-
sam ser informados? tas da pessoa? (Ele precisa de dinheiro vivo?
3. O que será dito a cada um? Fechar ou abrir uma conta? Notificar credo-
4. É necessário designar um porta-voz? res? Ajuda para pagar contas?)
5. Se a mídia está envolvida, é necessário um 2. Quais são as necessidades financeiras em lon-
suporte legal no que se refere à comunica- go prazo (honorários legais, treinamento pro-
ção? fissional, gastos com cuidado dos filhos, fisi-
oterapia)?
Questões de segurança 3. Quem a pessoa deve contatar caso precise de
1. Alguém está em perigo imediato? ajuda?
2. Caso afirmativo, que providências devem ser
tomadas? Preocupações da vida diária
a. Hospedagem (hotel, casa de um membro 1. Cuidar dos filhos (curto e longo prazo: cuidado
da igreja, um lugar seguro, hospital)? de tempo integral, depois da escola, à noite).
b. Carro ou outro tipo de transporte? 2. Refeições
c. Assistência legal (proteção contra a agres- 3. Transporte
são, etc.)?
d. Envolvimento policial? Aconselhamento
e. Assistência financeira? 1. Quais as necessidades pastorais e de
f. Cuidado dos filhos? aconselhamento de cada indivíduo? Quem
são as pessoas indicadas para prover esse
Questões médicas e de saúde aconselhamento?
1. É necessário algum cuidado médico? 2. Que grupos de relacionamento (na igreja ou
2. Quem o providenciará? outro lugar) podem dar apoio espiritual e
3. Quem acompanhará o paciente e supervisio- emocional à pessoa?
nará os cuidados? 3. Quem mobilizará esses grupos?
4. Que necessidades domésticas surgem devido
às necessidades médicas? Questões legais
5. É necessário algum tipo de internação (ex. 1. A pessoa precisa de consultoria legal?
abuso de drogas)? 2. A igreja precisa de consultoria legal
ao lidar com a situação?
Supervisão da igreja local
1. Que tipo de supervisão pastoral é necessária?
(Equipe de apoio de líderes espirituais? Uma
mulher madura na fé?) 7
Ron Lutz, Sue Lutz, Informal Crisis Counseling
Checklist (Checklist Informal para o Aconselhamento
na Crise)

78 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Convivendo com um
Marido Irado

E d w a r d We l c h 1

Não deveria ser assim. Uma mulher dos. A violência conjugal não está distri-
confia sua vida a um homem. Agora, aque- buída igualmente entre os gêneros. Man-
le mesmo homem a quem ela se entregou tenha o seu foco nas mulheres.
no casamento ameaça tirar-lhe a vida. Uma Nosso ponto de partida são alguns
traição ao extremo. Não deveria ser assim. pressupostos.
Sim, há também esposas iradas e ma- Š O problema é mais freqüente do que
ridos agredidos. As Escrituras dirigem-se pensamos. Para cada mulher que se
a eles também. As Escrituras, porém, dão dispõe a falar sobre o assunto, há
atenção especial às mulheres pela diferen- dezenas com medo demais para dizer
ça de sua força em comparação à força dos alguma coisa.
homens. As mulheres costumam ser a par-
Š A violência e a ira doméstica merecem
te mais frágil e ainda são consideradas
nossa atenção imediata, mesmo
como uma propriedade do homem em al-
quando há apenas um pequeno sinal
gumas culturas ao redor do mundo. Por-
do problema.
tanto, não pense que faço uma discrimi-
nação nem negligencio os maridos vitima- Š Como os demais pecados, você
encontra a ira violenta entre os
membros da igreja também.
Reputação e dinheiro podem mantê-
1
Tradução e adaptação de Living with an angry husband. la oculta por mais tempo, mas você a
Publicado em The Journal of Biblical Counseling, v. encontra igualmente distribuída nos
24, n. 4, Fall 2006, p. 46-53. diferentes grupos étnicos e sociais.
Edward Welch é conselheiro e diretor da escola de
aconselhamento bíblico da Christiam Counseling and Š Embora os poderes públicos possam
Educactional Foundation. É professor de Teologia certamente prestar ajuda às mulheres
Prática no Westminster Theological Seminary.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 79


vitimadas pela ira de seus maridos, a cia de violência em casa, ainda assim não
igreja deve responder ao problema e conseguiríamos expor o problema. Mas
agir. Deus odeia a injustiça. existe algo que a Igreja pode fazer.
Por exemplo, podemos ensinar que o
Š Talvez esta seja uma das únicas
silêncio não é uma opção na vida cristã. A
ocasiões quando aqueles que ajudam
mulher atingida pela violência vive diante
são chamados a manifestar uma
do Deus que ouve e se importa. Se ela não
indignação justa.
sabe por onde começar na hora de se diri-
Š Homens, e mulheres inclusive, gir a Deus, os Salmos podem lhe fornecer
enganam-se ao subestimar o quão as palavras. O Deus Santo é seu Pai e Ele
difícil pode ser conviver com um pede insistentemente aos Seus filhos que
cônjuge irado. O busquem quando há um problema. Se
ela buscar palavras nos Salmos, verá que
Deus a convida para ir até Ele, especial-
Onde estão a ira e a violência
mente quando há inimigos e opressores.
doméstica? O resultado natural do ato de abrir-se
Antes de considerarmos como ajudar com Deus é que a esposa ferida terá maior
uma mulher que sofre abusos, você preci- facilidade para falar com outras pessoas
sa estar ciente do problema. A ira e a vio- também. Uma das razões pelas quais ela
lência doméstica não se manifestam em consegue fazer isso é porque praticou o falar
público. Você não as vê. As esposas que - ela já quebrou o silêncio prescrito por
são alvo de ira costumam ser as últimas a seu marido. Existe, também, uma ligação
falarem a respeito da existência de um pro- direta entre o nosso relacionamento com
blema conjugal, pois carregam um senti- Deus e o relacionamento com outras pes-
mento de vergonha por serem agredidas soas. Se amarmos a Deus, amaremos aos
pela pessoa que, supostamente, melhor as outros. Se conseguirmos abrir nosso cora-
conhece. Em outras palavras, é bem pos- ção com Deus, seremos capazes de nos
sível que você conheça alguém que neste abrir com outras pessoas. Para as mulhe-
momento está sofrendo debaixo da ira pe- res, isso significa o reconhecimento de que
caminosa do cônjuge, e você nada sabe. Deus costuma vir a nós por meio de Seus
Os amigos, pastores e conselheiros, em- representantes humanos; elas ficam, en-
bora fiquem à espera e com portas abertas tão, mais dispostas a conversar com outra
e à disposição para ajudar, continuam a mulher.
esperar. O que você pode fazer quando uma
Preferimos tomar a iniciativa e inves- amiga confidencia que a ira de seu marido
tigar o relacionamento, sempre que possí- está fora de controle? E o que você pode
vel. Todavia, o problema da violência e do fazer quando a pessoa vitimada não quer
abuso nos casamentos resiste às iniciati- que ninguém mais saiba? Há algo de dia-
vas. Se batêssemos às portas e perguntás- bólico no silêncio face à injustiça; portan-
semos a todas as mulheres que conhece- to, a promessa de manter o segredo ape-
mos se elas já passaram por uma experiên- nas agrava o problema. É fácil, porém,
entender o que motiva uma mulher assus-

80 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


tada a não desejar que ninguém mais sai- Ela não consegue prever o que o pro-
ba o que acontece. Além da vergonha pes- vocará. Fica quieta, sem resposta. Fica
soal, existe um sentimento de que a míni- como um réu condenado, parado em fren-
ma provocação deixará seu marido ainda te ao juiz acusador. Tudo o que ela disser
mais irado. será analisado e usado contra ela. Ela res-
Quando a situação oferece risco de ponde com um “Sim” ou “Não”, e não
vida, o círculo dos que sabem a respeito muito mais. Então, com certeza, ela será
do problema precisa aumentar imediata- criticada duramente pelo seu silêncio.
mente. E mesmo quando não há iminência
de abusos físicos, a mulher vitimada pre- Cena 2:
cisa de outras pessoas que caminhem ao
Uma mulher conversa com as amigas
seu lado, pois sua situação exige oração e
sobre a decoração de sua casa:
sabedoria do corpo de Cristo. De qualquer
- Pintamos a sala de vermelho...
forma, é necessário compreender a mulher
Seu marido entra com uma tirada cheia
assustada e sua situação.
de ira:
- Isso é mentira. Porque você sempre
O mundo das mulheres vitimadas mente? A sala é vinho. E você sabe que
Sem dúvida, a quebra do silêncio pode essa sala nem está completamente pintada
parecer impossível às mulheres agredidas. ainda. Por que você é tão mentirosa? Você
Mas quando elas sabem que o próprio é simplesmente avoada. Nem isso serve
Deus não permanece em silêncio, falar com para descrevê-la. É como se a sua cabeça
outras pessoas é uma maneira de refletir a fosse um buraco negro. Sua cabeça é um
Deus. Não é uma traição para com o vácuo. Todo fio de inteligência é sugado
agressor, pois um dos alvos é trazer o peca- para dentro e desaparece.
do do agressor à luz para que ele tenha a O que ela poderia responder? Nada.
oportunidade de se voltar para Deus e, Para piorar as coisas, o marido faz alguns
conseqüentemente, afastar-se da ira de desses comentários em público. Quando
Deus. ela começa a chorar, ele retruca:
O que significa ser agredida e oprimi- - Está vendo, esse é o seu problema.
da? O que significa ser vitimada pela pes- Você não entende uma brincadeira.
soa mais próxima de você? Vamos dar uma
olhada em algumas cenas reais.
Cena 3:
Uma esposa tenta conversar com seu
Cena 1: marido sobre uma discussão que aconte-
Uma esposa, em conversa despreten- ceu naquela manhã, durante a qual ele a
siosa, começa a contar uma história a seu destruiu verbalmente sem razão aparente.
marido. Ela reúne coragem:
- Estava frio lá fora e... - Querido, você me machucou quan-
- Não estava frio lá fora. Estava fresco lá do ficou tão bravo esta manhã.
fora. Conte a história certa ou, simples- - Sobre o que você está falando? Você
mente, não a conte - seu marido rebate. está tentando começar uma discussão? Você
é muito sensível. Não consegue nem acei-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 81


tar uma brincadeira. Você aumenta a pro- tes como uma forma de simbolizar
porção de tudo. Você está sempre recla- contrição, mas não pense que a ira assassi-
mando. Você entende tudo errado. Está na está morta. O vulcão está adormecido,
bem. Está bem. Está bem. Desculpe-me mas não extinto. Ele não some com o tem-
por simplesmente querer falar com você. po; só acumula maior velocidade e inten-
Esqueça. Não falarei mais nada. sidade. A ira vicia. Ela dá à pessoa irada
Com estas palavras, ele declara uma aquilo que deseja: autoridade, controle,
guerra fria pelos próximos dias. influência e a sensação de ser respeitado.
Ouça esse tipo de comentário sem sen-
tido, ríspido e imprevisível, repetido de Cena 4:
novo, e de novo. Você consegue imaginar?
Um homem estava tão cego à sua ira,
Uma mulher irá se fechar. Ela começará a
que procurou ajuda - para a ira de sua es-
pensar que ela é o problema, e não o seu
posa. Ele deu a seguinte análise da situa-
marido. Alimente-se desse cardápio por
ção conjugal:
um ano e você pensará não só que é o pro-
- O problema é este: o pior dia da mi-
blema, mas, também, que você é louca.
nha vida foi o dia em que me casei com
A sensação de insanidade é, na reali-
esta mulher.
dade, um reflexo fiel do pecado irracional
(Deve ter sido um dia atroz, pois eles
e insano do marido. Seu discurso irracio-
já completaram quarenta anos de casamen-
nal não faz sentido nem passa num teste
to! E ele diz a mesma coisa para ela ao lon-
de lógica. E a mulher nunca consegue pre-
go dos quarenta anos.)
ver quando será atingida pelo próximo ata-
- Você pode me ajudar a lidar com esta
que de ira.
mulher? Ela é a mulher mais desgraçada-
Ela comenta que a grama está verde.
mente irada que já conheci.
Ele diz que está azul, simplesmente por-
Sua esposa ficou impassível. Obviamen-
que ela disse que está verde. Para terminar
te, ela já tinha ouvido tudo aquilo muitas
a discussão, ela se rende e diz:
vezes. Mas, possivelmente, a impa-
- Sim, ela está azul.
ssibilidade era porque ela já estava quase
Ela pode até começar a acreditar que a
morta em seu interior. Talvez estivesse pa-
grama está realmente azul. E o marido,
ralisada porque já estivera tantas vezes en-
agora, fica bravo porque acha que sua es-
tre a cruz e a espada. Se ela dissesse algu-
posa está sendo arrogante ou porque ela é
ma coisa, ele a chamaria de defensiva. Se
burra:
permanecesse em silêncio, seria tida por
- A grama, ele diz, está alaranjada.
passiva-agressiva. Após uma longa pausa,
Acrescente outros comportamentos ir-
durante a qual o marido esperava que o
racionais à lista: palavras de insulto que
conselheiro se solidarizasse com sua trági-
pareceriam infantis se não fossem tão ofen-
ca situação, a esposa quase levantou o olhar.
sivas. Profanação. Ordens. Ameaças. Con-
- Lamento por toda dor que tenho cau-
tato físico com fúria. Repressão. Empur-
sado a ele. Já tentei tirar minha vida várias
rões. Podem acontecer intervalos ocasionais
vezes e até mesmo nisso eu falhei.
quando o homem irado chega até a de-
monstrar certa gentileza e comprar presen-

82 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Tem-se a nítida impressão de que essa Segurança física
mulher paralisada nunca levantou a voz em A segurança física deve ser sua primei-
toda a sua vida. ra preocupação. Se a agressão em casa é
Acrescente solidão à lista de experiên- realmente violenta e perigosa, você pode
cias dessa esposa. Ela está sozinha dentro incentivar a esposa a buscar ajuda junto à
do seu relacionamento mais íntimo - seu Delegacia da Mulher para que o agressor
casamento - e ela não consegue nem falar seja mantido a uma distância segura. Como
sobre o maior fardo de sua vida, pois ex- você pode imaginar, esta talvez seja a deci-
pressar o problema pioraria a situação. são mais difícil que uma mulher venha a
Some-se a tudo isso a solidão em outros tomar e ela necessitará do apoio de amigos
relacionamentos. Que mulher tem prazer e pastores sábios.
em falar sobre um marido que a odeia? No Não pense que a mulher que busca a
final das contas, ela se sente culpada e pen- proteção da justiça não dá importância ao
sa que, talvez, ela esteja provocando os ata- seu casamento. A história de ira violenta
ques de ira do marido. É semelhante a uma do seu marido é provavelmente longa, e é
criança que é odiada pelos pais. Você con- somente o desespero extremo que a leva a
segue imaginar? Os pais deveriam amar quebrar o pacto do silêncio. A grande
seus filhos! Os maridos prometem amar maioria das mulheres que toma essa deci-
suas esposas. Assim como os filhos negli- são não está à procura de uma saída fácil.
genciados, as esposas começam a pensar Pelo contrário, elas ainda desejam salvar o
que elas são o problema. Esta saída é mais casamento. Geralmente, elas pensam que
fácil do que a alternativa de sentirem-se o marido poderia ainda se aquietar se lhe
incapazes de serem amadas por alguém fosse dado um pouco mais de tempo.
que, na verdade, age como seu inimigo. A ambivalência das mulheres agredidas
A norma é sentir uma culpa crônica, e fica evidente pelo fato de que muitas delas
esta culpa persiste independentemente de não levam adiante as ordens judiciais.
tudo quanto a mulher agredida tente con- Aquelas que dão início a processos judici-
fessar. ais acabam retirando suas queixas por uma
variedade de motivos. O marido parece
Questões difíceis para a Igreja arrependido ou ele detém o poder no rela-
Você ficou ciente da situação. Mas o cionamento e usa de sua influência para
marido irado ainda desconhece que outras persuadir a esposas a voltar atrás. A esposa
pessoas sabem o que acontece em seu ca- sente-se só e teme prejudicar o futuro do
samento. Você deve falar com o cônjuge casamento se continuar por esse caminho.
violento? E se ele não for membro de sua Os filhos pedem pelo pai. E o orçamento
igreja e você não tiver autoridade pastoral da família sai dos limites quando há duas
sobre ele? E se a mulher agredida está dis- residências a serem sustentadas.
posta a deixá-lo falar com seu cônjuge, A ajuda da liderança espiritual da igreja
porém ela lhe contou algumas coisas que pode ir ao encontro de algumas dessas pre-
ela não quer que você relate para mais nin- ocupações; no entanto, a atração emocio-
guém? Estas situações descrevem apenas o nal que a mulher agredida sente pelo ma-
começo das questões pastorais. rido irado é forte e resiste a conselhos. As-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 83


sim que a tempestade imediata passa, ela também ser traduzida da seguinte forma:
está pronta e, às vezes, ansiosa por ter o “Eu odeio o divórcio, diz o SENHOR, o
marido de volta. Porém, o ciclo de ira e Deus de Israel, e também odeio homem
violência continua. que cobre sua mulher de violência como
se cobre de roupas, diz o SENHOR dos
Questões teológicas Exércitos”.2 Independentemente de qual
Juntamente com as decisões desafiado- seja a melhor tradução, o Senhor expressa
ras sobre a segurança, a ira doméstica le- seu ódio por homens que são violentos e
vanta outras questões teológicas, que po- descartam pecaminosamente suas esposas
dem ser novas para algumas igrejas. Uma ao preferirem mulheres pagãs. O Senhor
mulher pode separar-se do marido em si- odeia a injustiça.
tuações de violência doméstica? A maioria
responderia que sim. O divórcio é permi- Disciplina da igreja
tido? Poucas mulheres procuram esta op- Outra questão desafiadora é a discipli-
ção, mas a questão é mais difícil. na da igreja para o marido irado. Se ele
A violência doméstica insere-se no cru- não é membro da igreja, surgem pergun-
zamento de dois ensinos bíblicos. Em pri- tas a respeito de se
se, como e quando o ho-
meiro lugar, o casamento é uma aliança. mem violento deve ser confrontado; po-
O casamento é uma promessa de fidelida- rém, obviamente, a disciplina da igreja não
de um ao outro. Em segundo lugar, e de deve ser considerada. Se ele é membro da
igual importância, Deus odeia a violência igreja, a disciplina é um instrumento da
e a natureza destrutiva deste pecado. Es- graça de Deus. Ninguém se entusiasma em
ses dois pontos parecem se contradizer. Um dar início a um processo de disciplina e
não prevalece sobre o outro. O desafio para podemos encontrar ainda mais razões para
o ministério pastoral é determinar qual evitar a disciplina com homens irados por-
questão teológica ou passagem bíblica é que não queremos incitar sua ira. Todavia,
relevante em cada momento específico. Há visto que a disciplina é uma orientação de
momentos em que é melhor enfatizar as Deus no cuidado pastoral, damos os pas-
promessas do casamento. Em outros mo- sos necessários em amor e com a esperança
mentos, é preciso enfatizar a destruição de que o pecador chegue ao arrependimen-
que o pecado causa. O desafio é buscar to e à reconciliação.
sabedoria espiritual para saber quando e É aqui que os líderes da igreja preci-
qual verdade enfatizar. sam de aconselhamento e de alguém para
O texto de Malaquias 2.16 - “Eu odeio acompanhá-los. Em uma cultura de lití-
o divórcio, diz o Senhor, o Deus de Israel” gios, os homens irados podem interpretar
- é usado, algumas vezes, para encerrar os passos de disciplina como uma declara-
qualquer discussão. Deus odeia o divór- ção de guerra e contra-atacarem. Com isto
cio; portanto, nem mesmo o considere nem em mente, a liderança da igreja deve avan-
considere a separação, que leva ao divór- çar nesse caminho em oração, com
cio. Em vez disso, siga o exemplo de Cris- aconselhamento e certificando-se de do-
to que foi obediente ao Pai em meio ao cumentar cada passo.
sofrimento. Esta passagem, porém, pode

84 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Cuidado pastoral Israel, ela pode querer que Deus que lhe
Se os líderes da igreja precisam de aju- dê vitórias terrenas sobre os inimigos. Ela
da nesse processo, quanto mais a mulher consegue facilmente pensar em coisas que
que faz parte dele. Uma mulher que foi lhe parecem melhores do que o Espírito,
agredida precisa do Pastor, e também de coisas mais tangíveis, mais imediatas, gra-
pastores, líderes espirituais e diáconos. Ela tificantes e prazerosas. Mas ela tem o me-
precisa de pessoas que estejam dispostas a lhor. Ela tem mais do que poderia sonhar.
caminhar com ela, preocupadas com seu Ela á uma mulher impotente, mas que tem
bem-estar espiritual em longo prazo. Os ao seu lado o Senhor Todo-Poderoso. É
conselheiros que oferecem algumas respos- uma mulher que duvida de sua própria
tas e dizem “ligue se precisar de mim” não sanidade, mas conhece a Verdade. A tarefa
ajudam muito. Aqueles que se dispõem a pastoral é enraizá-la em Cristo e lembrá-la
andar junto com ela precisam de perseve- desta realidade maior em sua vida.
rança, amor e sabedoria.
Suponha que você é um desses pasto- A presença de Deus pelo Espírito
res e a mulher vitimada contou-lhe a sua O Espírito é o mediador da presença
história. Você a ajudou a falar sobre sua do Deus que tudo vê. Lembre-se da histó-
experiência e ela está com medo, mas não ria de Agar. Deus está em todo lugar, sem
está preocupada com perigos físicos. Ela restrição de tempo e espaço. Ele vê o opri-
quer ficar em casa e viver com o homem mido e age em seu favor. Ele resgatou Agar
irado. Sua tarefa é remodelar o relaciona- e seu filho e os abençoou, permitindo que
mento, aparentemente sem esperança, à aquele jovem desse início a uma nação (Gn
luz da cruz de Cristo e do dom do Espíri- 21.18-20). Quando Deus vê, Ele age.
to. No Novo Testamento, encontramos o
A cruz de Cristo transborda de aplica- mesmo Deus, porém com nova dimensão.
ções para esta mulher. Deus aproxima-se Deus não apenas nos vê; Ele habita em
de nós; Ele conhece o sofrimento e toma o nós. 1Coríntios 6.19 expressa claramente
sofrimento sobre Si. Quando o Cristo cru- o relacionamento íntimo de Deus conosco.
cificado ressuscitou dos mortos e assentou- O Espírito está sempre conosco. Ele é
se nos céus, Ele nos deu o Seu Espírito - a Aquele que se aproxima de nós e nos con-
presença de Deus conosco. Apesar dessa sola.
realidade parecer distante para uma mu- Uma mulher vitimada e oprimida sen-
lher vitimada e assustada, esta é de fato a te-se desesperadamente só. Parece que nin-
maior fonte de esperança. guém consegue quebrar o isolamento pro-
Certamente, faz-se necessária uma vocado pelo seu marido. Porém, o Espíri-
reorientação na maneira de pensar da mu- to está sempre com ela. Ele é Aquele que
lher vitimada. Ela pode querer que Cristo jamais a deixa e nunca a abandona. Ela
lhe dê paz imediata em seu relacionamen- está em comunhão com o Espírito por cau-
to com o marido, segurança em seu casa- sa da obra terminada de Cristo, e seu ma-
mento, palavras de seu marido que, de for- rido não é forte o suficiente para quebrar
ma mágica, transformem um casamento este vínculo. Se ela já professou sua fé em
que teve problemas desde o início. Como

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 85


Jesus, esta é a evidência de que o Espírito de sermos amados. Quando a balança pen-
habita nela como mediador da presença de na outra direção, não amamos de ver-
de Jesus Cristo. dade. Amamos a fim de obtermos amor.
O Espírito Santo também é o Espírito Sentimos-nos, também, manipulados e
da Verdade, algo precioso para uma mu- controlados, pois queremos desesperada-
lher que está tão confusa pelas acusações mente algo que está em poder da outra
incessantes de seu marido. O Espírito pessoa. Se o nosso alvo principal é amar,
testifica sobre Jesus Cristo (Jo 14.16). O ninguém pode impedir-nos ou sabotar
Espírito está com Jesus desde o princípio. nossa missão.
O Espírito é testemunha da cruz de Cris- O Espírito parece estar distante? Ele
to e da ressurreição. O Espírito é testemu- não está. Busque e peça uma consciência
nha do fato de que Cristo reina no presen- maior de Sua proximidade.
te. O Espírito vem a nós e Ele imprime a Qual dentre vós é o pai que, se
realidade de Cristo e da cruz em nosso o filho lhe pedir pão, lhe dará uma
coração. O Espírito dará a esta mulher cla- pedra? Ou se pedir um peixe, lhe
reza na situação de seu lar? Sim. Porém, dará em lugar de peixe uma cobra?
esta clareza começa por uma visão clara do Ou, se lhe pedir um ovo lhe dará
caráter de Deus e do evangelho de Cristo. um escorpião? Ora, se vós, que sois
O Espírito Santo é o Espírito de Sabe- maus, sabeis dar boas dádivas aos
doria. E há mais. O Espírito conhece a vossos filhos, quanto mais o Pai
mente do Pai (1Co 2.11). Por que isto é celestial dará o Espírito Santo
importante? Essa mulher tem uma neces- àqueles que lho pedirem?
sidade tremenda de sabedoria. Ela pergun- (Lc 11.11-13)
ta: “Senhor, como devo agir hoje? Como Essa é a verdade de Deus, e uma vez
devo responder hoje? O que devo fazer que a mulher destruída e despedaçada esti-
hoje? O que devo dizer hoje? Digo algu- ver espiritualmente orientada, ela será
ma coisa? Não digo nada?” Em meio às abençoada. “Pois Deus não nos deu espí-
suas dúvidas, Deus provê a orientação do rito de covardia, mas de poder, de amor e
Espírito. Viver com um marido irado é moderação” (2 Tm 1.7). Ela se sente abso-
como viver no banco dos réus com o pro- lutamente impotente, inútil e desequili-
motor à sua frente. Às vezes, o promotor brada. Porém, ela possui o Espírito do Deus
pode parecer cordial, amigável e até soli- Vivo, o Espírito de poder, presença, ver-
dário; no momento seguinte, o ataque vem dade e sabedoria.
de onde você menos espera. O Espírito
guiará nestes momentos. Falar a verdade em amor
Enquanto estiver a caminho de adqui- A graça de Cristo leva-nos à ação. Nossa
rir sabedoria, é essencial que a mulher vi- fé expressa-se em amor. Para a pessoa que
timada preste atenção ao equilíbrio deli- passa por uma situação de abuso, o que
cado entre amar e desejar ser amada. No significa falar e praticar a verdade em amor?
casamento, devemos aspirar um Como você desarma uma pessoa irada, se
desequilíbrio sutil, no qual o compromis- é que isso é possível? Como essa mulher
so e desejo de amar superem nosso desejo pode falar e praticar a verdade em amor

86 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


no relacionamento com seu marido irado? Š Buscar ajuda, em lugar de silenciar-
Ela precisa dar pequenos passos, rodeada se pela vergonha e pelas ameaças. Ela
das orações de outras pessoas. Precisa tam- deve procurar ajuda para o próprio
bém lembrar que seu marido foi criado à bem, para o bem da outra pessoa e
imagem de Deus; quando ela se aproxi- do relacionamento.
mar dele, deve fazê-lo com respeito e hu- Š Assumir responsabilidade por suas
mildade. Ela deve lhe pedir perdão se oca- reações pecaminosas, sem assumir a
sionalmente não o tratou com respeito. Ele responsabilidade pelas ações do
poderia usar essa confissão de pecado con- marido.
tra ela? Talvez. Um marido egoísta e irado
pode usar qualquer coisa contra sua espo- Š Dizer a ele como ela se sente ao ser
sa. Porém, as reações do marido não de- alvo da sua ira e ódio. As pessoas
vem afastá-la de uma conduta que agrada iradas são cegas ao fato de como elas
a Deus. ferem os outros.
Mantenha o objetivo de desarmar com Š Perguntar a ele se acha que ela tem
o inesperado. O evangelho de Jesus pegou um problema. Perguntar se ele
a todos de surpresa; ninguém o previu, pois percebe que ele tem um problema.
esperavam bem menos do Messias. Como Š Falar com humildade, pois a
pessoas que receberam o evangelho, nossa humildade é mais poderosa do que a
mensagem e nosso método devem surpre- ira. “Não guardem ódio contra o seu
ender, desequilibrar e subverter as expec- irmão no coração; antes repreendam
tativas do mundo. Então, como essa mu- com franqueza o seu próximo para
lher pode fazer o inesperado? Ela pode: que, por causa dele, não sofram as
Š Perguntar ao marido por que ele acha conseqüências de um pecado.” (Lv
que ela é sua inimiga. Ele tem um 19.17-NVI)
motivo para a ira violenta que expressa
contra ela? Ele quer realmente Š Se ele afirmar que deseja mudar,
destruí-la e destruir o relacionamento perguntar quais passos ele dará nessa
conjugal? direção.

Š Sair de casa quando ele estiver Š Manter em mente Tiago 4:1,2. Não
pecaminosamente irado. Deixar claro lutar como ele luta. Quando vê os
que a violência é errada: “Não. Pare. desejos egoístas do marido chegarem
Até aqui chega”. ao extremo do descontrole, ela deve
ter cuidado para não imitar esse
Š Por mais que ela esteja apavorada, deve comportamento.
atentar para o fato de que ele é quem
está em perigo. Suas injustiças são, Š Não minimizar o comportamento
em última instância, contra Deus, e destrutivo do marido. A ira
Deus se opõe aos opressores pecaminosa é chamada na Bíblia de
orgulhosos. É realmente assustador ódio e assassinato (Mt 5:21,22).
agir como um inimigo de Deus. Š Ler o livro de Provérbios e sublinhar
os versículos que falam sobre a ira.
Provérbios menciona as “palavras que

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 87


ferem como espada” (Pv 12.18) e Quando Cristo subiu aos céus, Ele fez o
retrata as experiências da vida. inesperado. Ele nos presenteou com o dom
Š Lembrar que é possível vencer o do Espírito, e o Espírito nos dirige em es-
mal com o bem. perança e poder. O Espírito nos dá poder
e visão para vencer o mal com o bem, ven-
cer o mal com o amor.
Conclusão A mulher vitimada, que se sente tão
Vivemos num mundo onde o pecado só, é muito preciosa aos olhos de Deus e o
e suas tristes conseqüências estão dentro próprio Deus lhe dá poder para ser luz em
dos lares. Mas também vivemos após a cruz uma circunstância que, de outra forma,
e, como resultado, tudo é transformado. seria apenas trevas.

88 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Caminhando pelo Vale
Sombrio do
Aborto Espontâneo

E d w a r d We l c h 1

Ainda que eu ande pelo vale lha Jodi e seu marido visitaram-nos nos
da sombra da morte, não temerei feriados de Natal. Seu presente para nós
mal nenhum, porque tu estás co- foi o anúncio de sua primeira gravidez; no
migo; o teu bordão e o teu cajado entanto, nossa alegria foi de curta dura-
me consolam. (Salmo 23.4) ção. Pouco tempo depois, com olhos trans-
No mundo amaldiçoado pelo pecado, bordantes de lágrimas, Jodi contou-nos
o sofrimento e a morte fazem parte da exis- que o presente precioso que haviam rece-
tência humana. Meu coração já doeu de bido de Deus lhes fora tirado.
tristeza ao lado de uma amiga desolada, Como mãe, eu apenas podia sofrer
cujo filho de seis anos ficou esmagado com Jodi e Matt. Como conselheira que
embaixo de um caminhão em frente de nunca havia passado por um aborto, mi-
casa. Já chorei ao lado de uma mãe cujo nha mente estava repleta de perguntas.
bebê de nove meses perdeu uma luta do- Que tipo de ajuda eu poderia oferecer? Será
lorosa contra um tumor maligno no cére- que o aborto difere de outros tipos de
bro. morte? Como a morte de um feto afeta os
O dedo sombrio da morte alcançou pais e aqueles que interagem com eles? O
nossa família em 2003, quando nossa fi- que os impulsiona a caminharem mais
próximos ou mais distantes de Deus?
1
Tradução e adaptação de Walking through the Dark Minhas perguntas levaram-me a uma
Valley of Miscarriage. Publicado em The Journal of pesquisa por e-mails e telefonemas, e Deus
Biblical Counseling, v. 24, n. 1, Winter 2006, p. 49-7. abriu o coração de nove jovens cristãos
Sue Nicewander participa do ministério de acon- (Jodi, Matt, Nita, Nancy, Ruth, Kent,
selhamento bíblico da Calvary Baptist Church em
Wisconsin Rapids, Wisconsin. Jodi Jewell,
Erin, Mindy e Andrea) que se dispuseram
atualmente mãe de duas crianças, é filha de Sue a nos ajudar a entender sua caminhada
Nicewander. pelo vale sombrio do aborto. Eles com-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 89


partilharam seus questionamentos, as lu- Erin lutou com um enigma: “Deus nos
tas e os instrumentos que Deus usou para surpreendeu com a gravidez e depois Ele
fortalecê-los na fé a fim de que outros pos- levou o bebê quando finalmente já estáva-
sam ser consolados. mos aceitando a idéia”.
Para Nancy, foi um processo sagra-
A freqüência do aborto espontâneo do: “Tive tantos amigos que passaram pelo
Uma em cada quatro mulheres perde aborto acidental que senti como se Deus
o bebê no primeiro estágio da gravidez, estivesse fazendo algo muito natural. Foi
entre trinta e cinco e quarenta dias de ges- triste, não me entenda mal, mas não foi
tação. Na primeira gravidez, após as pri- arrasador”.
meiras semanas, existe uma possibilidade Percebemos que algumas dificuldades
de cinco por cento de aborto. A freqüên- eram comuns a todos os entrevistados.
cia cresce para vinte por cento se há um
histórico de abortos anteriores - vinte e oito A perda não reconhecida
por cento com dois abortos e quarenta e O aborto espontâneo difere de outros
três por cento com três abortos. tipos de morte. Ruth explicou: “Minha
Depois do aborto, a mãe passa por família e os amigos não conheciam esta
emoções intensas, dor física e fadiga. É uma pequena vida que se desenvolvia dentro de
situação difícil para o pai que a presencia. mim. Eles conheciam o bebê apenas por
“Uma das maiores lutas foi o sentimento me ouvirem falar a respeito dele”. Em tom
de inutilidade”, Matt explicou. “É muito de luto, ela acrescentou: “Não pude dar
difícil para um marido ver sua esposa pas- um nome para nenhum de meus bebês,
sar pela realidade física e emocional do pois ambos morreram antes que pudésse-
aborto e sentir-se impotente para ajudá- mos identificar o sexo. Não sei como me
la.” referir a eles. Tampouco há um lugar onde
Ruth perdeu dois bebês. Ela comen- posso ir para recordá-los”.
tou: “Aprendi muito sobre estatísticas a Infelizmente, os sentimentos de perda
respeito de concepção e aborto do ponto da mãe costumam receber pouca conside-
de vista científico. Quando olhamos para ração e são tidos como irreais. As dores
as estatísticas relativas à concepção de uma emocionais e físicas prolongadas podem até
vida, ficamos maravilhados. É algo incrí- ser consideradas irracionais ou exageradas.
vel e faz com que percebamos o quanto a A mãe sente dificuldade quando a tratam
vida é um milagre a ser apreciado”. como se o bebê nunca tivesse existido. For-
çada a sofrer no silêncio, ela pode derra-
As conseqüências do aborto mar culpa e emoções sobre o marido - uma
espontâneo armadilha perigosa, capaz de causar sérios
danos ao casamento.
Os pais respondem à perda de dife-
rentes maneiras. Anita passou por choque
e perplexidade:: “Como isso pôde aconte- A desconexão entre os cônjuges
cer agora que a nossa vida estava finalmen- Geralmente, as mães são mais afetadas
te entrando nos eixos?”. pela perda do bebê do que os pais. O ma-

90 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


rido, muitas vezes, não reconhece sufici- soa comum”, ele observou. “O que real-
entemente a profundidade do sofrimento mente achei interessante foi que quando
de sua esposa. Ele pode parecer distante. minha esposa abalava-se emocionalmente,
Em certo sentido, a maioria das esposas eu não fazia o mesmo. Concentrava-me em
reconhece que o marido é incapaz de en- confortá-la.”
tender plenamente seus sentimentos, pois Matt descreveu o enigma que os pais
não teve a mesma conexão física com a cri- enfrentam: “Pelo fato de me sentir inca-
ança. Freqüentemente, as atitudes do ma- paz de melhorar as coisas, tudo o que eu
rido podem parecer insensíveis ou até mes- tentava fazer (consolar, orar por ela e com
mo duras: “Eu também sinto falta deste ela etc.) parecia-me banal. Depois de al-
bebê, mas estou pronto para ir em frente. guns meses, descobri que eu não entendia
Por que você não está?”. o quão profundamente o aborto havia afe-
Kent admitiu: “Eu poderia ter-me an- tado Jodi. Pelo fato de eu não ter tido o
tecipado em dizer à minha esposa que não mesmo elo físico que ela teve com o bebê,
tinha sido culpa dela. Para mim, era ób- não percebi o quanto ela sofreu com o abor-
vio. A idéia nem passou pela minha cabe- to. Fiquei confuso quando ela quis lhe dar
ça, mas depois ela me disse que precisava um nome. Provavelmente, isso fez com que
ter ouvido isso de mim”. eu parecesse indiferente ou distante dela e
Apesar dos homens não compreende- das suas necessidades”.
rem por completo a luta de uma mãe,
muitos deles também sofrem profunda- A solidão
mente com a perda do bebê e procuram A solidão é um visitante freqüente para
uma maior identificação com a esposa. uma mulher que se sente desconectada de
Anita encontrou consolo nas expressões de seu marido, família, amigos e Deus. Seu
apoio de seu marido. Ela escreveu: “Meu isolamento torna-se mais acentuado quan-
marido me impressionou. Nos dias que se do ela acredita que é a única pessoa que
seguiram ao aborto, ele massageava a mi- sofre pelo bebê ou reconhece a sua exis-
nha barriga durante horas seguidas para tência.
aliviar as cólicas do meu útero. Ele ouvia “Descobri que poucas pessoas querem
com atenção e simpatia quando eu com- conversar sobre esse assunto”, Ruth escre-
partilhava meus sentimentos totalmente veu. “É uma experiência tão solitária por-
instáveis. Não lembro dele ter mostrado que é muito individual.”
tanta preocupação comigo desde o come- Os encontros com mulheres grávidas
ço do nosso namoro. Em nosso novo em- ou com mães de recém-nascidos tornam-
prego juntos, algumas vezes ele me dava se particularmente dolorosos. Jodi ainda
uma folga para me deixar chorar. Outras lembra como foi difícil participar do pri-
vezes, voltava ao nosso escritório com um meiro chá de bebê depois do aborto. Ela
buquê de flores para mim”. explicou: “Apesar de estar contente por
Kent estendeu as mãos em silêncio, minha amiga, minha tristeza colocou uma
deixando de lado o próprio sofrimento para nuvem na celebração. Queria me envolver
ministrar à sua esposa. “É provável que eu por inteira, mas meu coração ainda estava
tenha ido mais a fundo do que uma pes- machucado com a perda do meu bebê. Fui

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 91


mais uma espectadora do que uma parti- Sou mãe? Ruth descreveu sua luta quan-
cipante”. do as pessoas perguntavam quantos filhos
ela tinha. “De alguma forma, pelo fato de
Os altos e baixos emocionais meus filhos só terem seis semanas de ges-
A esposa que sofre um aborto espontâ- tação, as pessoas não os consideram meus
neo costuma passar por uma montanha filhos. Isso me incomoda.” Ela ainda se
russa de emoções, que cai e desliza inespe- lembra do dia das mães na igreja e de
radamente para o choque, o entorpecimen- quando as mulheres grávidas receberam
to, o espanto e os pensamentos penosos. uma rosa: “Se eu tivesse ficado grávida por
Ela pode ficar perplexa com a intensidade mais duas semanas, teria recebido uma
de suas emoções, mesmo quando conta rosa”, ela lamentou. Em outra ocasião, ela
com o apoio do marido para ajudá-la e sua se sentiu confusa quando alguém pediu
fé está firme em Deus. Sozinha, entregue que todas as mães se levantassem. “Meu
aos seus pensamentos, ela descobre bebê está no céu, será que devo me levan-
freqüentemente que a depressão é sua com- tar?”
panheira chegada. Ela pode ficar presa em Foi minha culpa? Uma mulher obser-
um turbilhão de emoções dolorosas, fan- vou: “É tão fácil olhar para o período ini-
tasias, negação e pessimismo. A ira pode cial da gravidez, antes de eu saber que es-
entremear o relacionamento com seu ma- tava grávida, e pensar que não deveria ter
rido e a família. Ela pode ficar ressentida trabalhado tão duro naquela pintura ou
com as pessoas que a forçam a superar de- que deveria ter dormido mais. Deixei de
pressa a dor. Às vezes, o medo paralisante tomar minha vitamina por um dia. Talvez
de enfrentar problemas físicos, passar por tenha segurado minha outra filha no colo.
novos abortos ou mudanças de vida leva a E de alguma forma sou mesmo culpada.
atitudes de autoproteção como, por exem- Deus permitiu que isso acontecesse como
plo, afastar-se das pessoas e ser defensiva. resultado do impacto do pecado desde os
Ela pode ficar imobilizada pela preguiça tempos de Eva”.
ou pela fadiga. Pode também ter dificul- O que posso fazer para prevenir que isso
dade para concentrar-se ou dormir. aconteça novamente? Um jovem pai per-
No entanto, mesmo em meio a tanta guntou: “Tem alguma coisa a mais que
agonia, várias mulheres relutam em abrir poderíamos ter feito? Teria ajudado se ti-
mão dos sentimentos que as torturam. “Pôr véssemos controlado semanalmente os ní-
de lado esses sentimentos seria rejeitar tam- veis hormonais e recorrido a medicamen-
bém a memória dessa criança”, explicou tos para ajustá-los conforme fosse necessá-
uma jovem mãe. “Será que eu estaria con- rio?”.
cordando que essa criança não existiu?” E as perguntas teológicas
Não me espantou o fato de surgirem
Um labirinto de questionamentos perguntas teológicas.
Sem dúvida, muitos questionamentos Por que eu? “Por que isso aconteceu
surgem da angústia de um aborto espon- justamente comigo? Eu queria esse bebê
tâneo. enquanto outras mulheres jogam seus be-

92 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


bês no lixo, abortam ou prejudicam o bebê essa caminhada, aponte com ternura para
enquanto estão grávidas.” o Senhor. “Levai as cargas uns dos outros
Como um Deus amoroso pode permitir e, assim, cumprireis a lei de Cristo” (Gl
que isso aconteça? Será que Deus me privou 6.2). Encoraje-os a freqüentarem a igreja
de seu amor? “Algumas pessoas me disse- fielmente e também a se envolverem com
ram: Deus amava tanto seu bebê que o quis um grupo de oração para que seus fardos
de volta para Ele”, Jodi disse. “Pensei: Será sejam compartilhados apropriadamente.
que Deus ama mais a meu filho do que a Anita viu a mão de Deus atuar por meio
mim? Mesmo que eu culpasse a mim mes- dos amigos que Ele proporcionou durante
ma ou a meu marido, de muitas formas eu seu período de sofrimento. “Senti que mi-
culpava Deus. Eu me sentia abandonada nha vida estava em convulsão, mas tam-
por Ele e pensava: Será que o Senhor me bém pude ver o cuidado de Deus propor-
odeia tanto assim para fazer isto comigo?” cionando-me apoio amoroso quando mais
E ainda outras perguntas: Será que al- precisei. Não posso deixar de acreditar que
gum dia eu verei meu bebê? Os bebês vão para Ele me ama e está ciente dos detalhes da
o céu? minha vida.”

Caminhando pelo vale sombrio com Fale com cuidado


alguém que já sofreu um aborto Seja sensível à orientação do Espírito
espontâneo. Santo para saber quando falar e quando
As sugestões e os princípios que da- ficar em silêncio. Não fale apenas para sen-
mos a seguir podem ser usados em ocasi- ti-se útil. Além disso, não tente resolver a
ões variadas para orientar o discipulado situação com uma explicação racional para
bíblico com alguém que sofreu um aborto a dor. Não procure explicar o inexplicável
espontâneo. nem dar soluções fáceis para a perda.
Evite respostas do tipo “Foi assim que
Deus decidiu lidar com a deformação”,
Ouça com compaixão “Deus amou tanto o seu filho, que quis
Ouça pacientemente, sem julgar. Ou- levá-lo para morar com Ele no céu”, “Bem,
vir com compaixão e fazer perguntas cui- pelo menos você ainda tem seus outros fi-
dadosas são atitudes importantes princi- lhos”, “Sei como você se sente”, “Deus pla-
palmente para uma mãe que acredita que nejou tudo dessa forma”, “Não era um bebê
sua dor é considerada irrelevante ou sem de verdade”, “Você pode tentar novamen-
importância. Ruth comentou: “As pessoas te”. Comentários como estes são insensí-
ajudaram-me mais quando ficaram ao meu veis e negam a inescrutável transcendência
lado e sofreram comigo. Quando a Bíblia de nosso Deus, que escolhe muitas vezes
diz que devemos chorar com os que cho- não nos proporcionar respostas.
ram e nos alegrarmos com os que se ale- E, por favor, não diga “vou orar por
gram, ela está realmente certa. Isso ajuda você”, a não ser que se disponha realmen-
a curar”. te a fazê-lo. Jodi disse que se cansou de
Envolva-se com gentileza, sem pressi- ouvir essas palavras porque não acreditava
onar. Dedique tempo para caminhar com nelas. “Vou orar por você” é uma mentira
os pais em meio ao sofrimento. Durante

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 93


cristã bem comum. Para provar que você Seja paciente
cumpre sua promessa, pare imediatamen- As Escrituras consideram que há tem-
te para orar com os pais. Faça com que eles po para chorar (Ec 3.1,4,7). Dê aos pais
saibam que você continua a orar por eles, tempo e espaço para chorarem. “Deixe os
buscando a Deus em favor deles. Periodi- pais chorarem com você”, Jodi aconselhou.
camente, pergunte se eles têm outras ne- “Provavelmente, esta é a coisa mais impor-
cessidades pelas quais você poderia orar, e tante que você pode fazer.” Ao invés de
ore. desculpar-se por ficar sem jeito diante das
Jodi aconselhou: “Diga ‘Sinto muito lágrimas que rolam dos olhos da mãe, ex-
pela sua perda’. Isso é tudo, a não ser que presse sua compaixão pelo sofrimento dela.
a pessoa peça conselho. É melhor ouvir do Tenha o cuidado de expressar tristeza ao
que falar. Fique apenas disponível. Nossa invés de desaprovação. Ruth foi criticada
sociedade sente-se incomodada com o si- por chorar, mas ela sabiamente respondeu
lêncio, com a quietude. Fique, porém, em com o Salmo 56: “Deus conhece as nossas
silêncio”. Os amigos e os conselheiros de- lágrimas. Ele tem um odre para recolhê-
vem tomar cuidado para considerar a per- las. Eu posso chorar, não tenho que fingir
da sem sentimentalismo e sem achar que que tudo está bem. Acabei de perder um
o assunto deve ser levantado cada vez que bebê”.
cruzam com os pais. Os casais enlutados Encoraje e direcione os pais para que
querem poder conversar sobre outras coi- passem tempo extra com o Senhor e Sua
sas também, embora não seja necessário Palavra enquanto choram. “A vida passa e
fingir que o aborto não aconteceu. você reconhece que tem de seguir cami-
Compartilhe uma experiência de per- nho”, Andrea observou. “O mundo não
da que vocês tenham em comum, não em pára por muito tempo por causa da tragé-
grandes detalhes, mas para expressar pre- dia de uma pessoa. Penso que Deus quer
ocupação e oferecer esperança. “Acho que que busquemos a Ele e Sua verdade. Se
eu teria gostado de ouvir alguém que me tentarmos caminhar rápido demais, per-
contasse, talvez por meio do simples rela- deremos as bênçãos que acompanham a
to de sua história, a dificuldade que o comunhão mais íntima com Ele. Mas tam-
marido tem de entender como o aborto bém não quero dizer que devemos nos
espontâneo afeta a esposa”, Matt espojar no sofrimento por um período de
confidenciou. “Não quero dizer que o abor- tempo excessivo.”
to não tenha tido importância ou tenha Mindy concordou: “Creio que não
sido insignificante na minha mente e no permiti a mim mesma sofrer com a perda.
meu coração, mas não entendi a extensão Tudo aconteceu tão rápido e minha vida
do impacto que ele teve na vida de Jodi estava tão agitada que não tomei tempo
logo após a perda, e também meses de- para lidar com a dor de forma saudável
pois. Ouvir isso de alguém que já tivesse quando tudo aconteceu”.
passado pela mesma situação teria me aju-
dado.”

94 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Compartilhe a Palavra de Deus “O Senhor está perto dos que
Permita que os pais façam perguntas têm o coração quebrantado e salva
difíceis e não os condene. Direcione-os para os de espírito abatido.” (Salmo
que baseiem suas perguntas no caráter de 34.18).
Deus e busquem as respostas nas Escritu- Cada uma dessas passagens coloca lado
ras. A Palavra foi importante para todos os a lado o sofrimento de Andrea e a bonda-
entrevistados, particularmente as passagens de de Deus.
relacionadas ao amor fiel de Deus e Sua Anita foi consolada pelo Salmo 100.5:
soberania. Andrea encontrou ajuda nos “Porque o SENHOR é bom, a sua miseri-
seguintes versículos de Salmos: córdia dura para sempre, e, de geração em
“Volta-te para mim e tem com- geração, a sua fidelidade”. Ela escreveu:
paixão, porque estou sozinho e afli- “De alguma forma, em meio àquele tem-
to. Alivia-me as tribulações do co- po de confusão, Deus me deu a confiança
ração; tira-me das minhas angús- de que Ele estava operando em Sua fideli-
tias. Considera as minhas aflições dade para a geração seguinte, mesmo que
e o meu sofrimento e perdoa to- essa geração não incluísse o meu filho”.
dos os meus pecados.” (Salmo Jodi descansou em duas passagens:
25.16-18a). “Como pastor, apascentará o seu rebanho;
“Uma coisa peço ao SENHOR, entre os seus braços recolherá os
e a buscarei: que eu possa morar cordeirinhos e os levará no seio; as que
na Casa do SENHOR todos os amamentam ele guiará mansamente” (Is
dias da minha vida, para contem- 40.11) e “Chegai-vos a Deus, e ele se che-
plar a beleza do SENHOR e me- gará a vós outros” (Tg 4.8).
ditar no seu templo. Pois, no dia Matt ainda lembra muito distintamen-
da adversidade, ele me ocultará no te que “na noite do aborto, fui sozinho para
seu pavilhão; no recôndito do seu a sala de estar e li Jó 41-43. Para mim, foi
tabernáculo, me acolherá; elevar- muito significativo ser lembrado de que
me-á sobre uma rocha. No seu Deus estava no controle do mundo e de
tabernáculo, oferecerei sacrifício de nossa vida, e que Ele agiu de acordo com
júbilo; cantarei e salmodiarei ao Sua vontade, não a nossa. Para outras pes-
SENHOR.” (Salmo 27.4-5, 6b). soas, não sei se aquela passagem teria cau-
“O SENHOR é a minha força sado um afastamento de Deus, lembran-
e o meu escudo; nele o meu cora- do-as de que Deus poderia ter prevenido
ção confia, nele fui socorrido; por o aborto pelo Seu poder. No meu caso,
isso, o meu coração exulta, e com penso que a passagem foi poderosa para
o meu cântico o louvarei.” (Salmo me curar, mas entendo que o Espírito San-
28.7). to conduz ao texto bíblico adequado para
“Eu me alegrarei e regozijarei cada indivíduo”.
na tua benignidade, pois tens vis- Consola-nos saber que Deus tem um
to a minha aflição, conheceste as propósito para uma criança que não nas-
angústias de minha alma.” (Salmo ceu (Jr 1.4-5). Esse conhecimento pode
31.7-8). nos dar esperança de que os planos de

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 95


Deus para a humanidade não estão restri- Reforce a perseverança, a fé e a confi-
tos somente a este mundo. ança em Deus. Encoraje os pais que so-
Seja cuidadoso com o momento e a frem a não abandonarem a sua fé. “Tenho
maneira de usar Romanos 8.28: “Sabemos que confiar que Deus vai me ajudar a ali-
que todas as coisas cooperam para o bem nhar meus sentimentos com a razão”, ex-
daqueles que amam a Deus, daqueles que clamou uma mulher. “Relembro todas as
são chamados segundo o seu propósito”. coisas que sei sobre Deus. Muitas vezes
Se escolher usar este versículo, tome o cui- tenho que dizer: ‘Não sinto assim, mas essa
dado de apontar para o fato de que a defi- é a verdade a respeito de Deus’. Não con-
nição de Deus para a palavra bem - “con- sigo viver sem Ele. Não consigo nada por
formidade à imagem de Seu Filho” - en- mim mesma. Dói muito”.
contra-se no versículo 29. Mostre que os Para um encorajamento à perseveran-
sofrimentos e as lutas reais não são ignora- ça, use passagens como Provérbios 3.5-6:
dos na Bíblia (Rm 8.18-27; 35-39). De “Confia no SENHOR de todo o teu cora-
outra forma, à medida que os pais lutam ção e não te estribes no teu próprio enten-
com a idéia de que alguma coisa boa deve- dimento. Reconhece-o em todos os teus
ria surgir em meio a tanta perda, o texto caminhos, e ele endireitará as tuas vere-
bíblico pode parecer sem sentido. Roma- das”.
nos 8.28 geralmente é muito apropriado
quando usado por uma pessoa que já pas- Ofereça consolo
sou por uma experiência de perda, que Escreva cartões e ofereça palavras de
pôde aplicá-lo à própria vida e é capaz de encorajamento, mas não palavras em ex-
ser sensível à dor dos pais. A verdade da cesso. Seja sensível, mas sem ignorar a dor.
passagem torna-se mais evidente após os Matt afirmou que “era melhor não dizer
pais terem caminhado pelo vale durante muito. Na maioria das vezes, eu apenas
algum tempo. precisava saber que as pessoas se importa-
Ainda que Deus nem sempre nos dê vam conosco e oravam por nós”. Tome cui-
explicações, as passagens a seguir podem dado para não ficar muito tempo com o
oferecer respostas úteis. Hebreus 4.15-16 casal e prolongar o assunto, mesmo quan-
e 1Pedro 2.18-21 expressam a experiência do está falando das Escrituras.
pessoal de Deus com a dor e o sofrimento. Sugira que ouçam músicas evangélicas
Deus entende o seu sofrimento porque Ele e escrevam um diário centrado em Deus.
também sofreu. Seu único Filho morreu Ruth manteve um diário organizado cui-
em meio à agonia. Alguns dos propósitos dadosamente para centrar os pensamen-
de Deus para a dor e o sofrimento podem tos na Palavra de Deus ao invés de sua dor.
ser encontrados em Romanos 5.3-5, Tiago “Gostaria de ter escrito um diário ao lon-
1.2-4 e 2Coríntios 1.3-4. Use essas passa- go de toda minha vida”, ela escreveu. Jodi
gens para incentivar esperança no plano tem talento na área musical e ficava tão
infalível de Deus para o casal. Tome cui- emocionada com algumas canções, que
dado para não minimizar a dor e esperar escreveu uma canção de ninar para cele-
que o casal sare muito rapidamente. brar o seu bebê.

96 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Fique ao lado dos pais enquanto eles Planeje oferecer ajuda prática e provi-
cultivam a lembrança do bebê. A maioria dencie alguém para cuidar das crianças,
das mães entrevistadas encontrou consolo lavar as roupas, preparar as refeições, fazer
em lembranças que reconheciam a existên- compras, dar carona e assim por diante.
cia do bebê. Muitas delas deram nomes Também ofereça ajuda específica, não diga
aos seus bebês. Um marido adicionou uma apenas “ligue se precisar de alguma coisa”.
pedrinha na pulseira de sua esposa para Encoraje o casal a buscar conselhos
lembrar o bebê. Outro casal plantou al- bíblicos com um cristão maduro que lhes
gumas árvores no jardim que florescerão seja familiar e com quem se sintam à von-
na primavera, a estação em que o aborto tade para conversar. “Vivi o paradoxo de
ocorreu. Outros pais criaram obras de arte, querer desesperadamente receber conselhos
escolheram ornamentos de Natal, adicio- e me sentir tão vulnerável a ponto de não
naram uma página num álbum de recor- querer confiar em ninguém que eu já não
dações ou fizeram um jardim especial. conhecesse”, disse Anita. “Eu me sentia à
O aniversário de um ano é uma data vontade para conversar com o pastor titu-
particularmente crítica para muitos, e os lar de nossa igreja. Mas quando fui agendar
memoriais parecem amenizar a dor. Ruth um encontro e percebi que a conversa se-
comentou: “De alguma forma o meu cor- ria com o pastor de aconselhamento, al-
po sabe o que aconteceu e geme por aque- guém que eu não conhecia, recusei. Con-
les bebês perdidos. Dois anos após o abor- versei com o ministro de louvor a quem eu
to de nosso primeiro filho, meu pastor foi conhecia razoavelmente bem e cuja esposa
convidado a falar no hospital local no cul- também tinha passado por um aborto es-
to anual para mães que sofreram um abor- pontâneo.”
to espontâneo. Os organizadores presen-
tearam-no com uma pequena cruz e pedi- Ajuda para o conselheiro bíblico
ram que escrevesse o nome de um bebê na Diante do aborto espontâneo, os ca-
cruz. Deus colocou em seu coração o nos- sais crentes foram testados em sua fé e for-
so bebê, e ele escreveu: ‘Bebê Christensen, çados a encarar perguntas extremamente
sempre amado’. Foi um lembrete maravi- pessoais, difíceis ou impossíveis de se res-
lhoso de que Deus estava cuidando do ponder. Alguns se sentiram sobrecarrega-
nosso precioso bebê”. dos. Quase todos se voltaram para as Es-
crituras em busca de respostas, porém
Procure mais ajuda muitos ficaram confusos por não consegui-
O aconselhamento informal oferecido rem encontrar consolo nos textos bíblicos.
por amigos pode ser muito eficiente quan- Como conselheiro bíblico, você está
do os conselhos são bíblicos. Liste os ami- diante de uma situação favorável para ex-
gos que podem estar disponíveis em mo- plorar assuntos teológicos importantes.
mentos críticos para sentar ao lado dos pais Faça-o com paciência e grande compaixão.
enlutados, prontos para ouvir - sem se sen- O sofrimento e a angústia não são peca-
tirem obrigados a falar - e preparados para minosos, mas o processo de caminhar pelo
oferecer ajuda bíblica na hora certa. vale pode ser longo e árduo. O conselhei-
ro sábio caminha com brandura ao lado

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 97


do casal para encorajar sua fé em Deus. ponto uma premissa errada pode ter pro-
Ouça atentamente e seja muito tardio no duzido ou intensificado sua angústia?
falar (Tiago 1.19). Lembre-se de que o Volte-se para as Escrituras para testar
Espírito Santo opera. Mantenha alguns as pressuposições e interpretações. Basea-
alvos em mente enquanto você trabalha do no caráter verdadeiro de Deus e na Sua
com os que sofreram com o aborto espon- bondade, ajude-os bondosamente a
tâneo. redirecionarem seus pensamentos e recons-
truírem perguntas de um ponto de vista
1. Identifique os anseios dos pais bíblico. Quando você reestrutura pergun-
e suas perguntas. tas com paciência, compaixão e cuidado, a
Procure conhecer os anseios que estão esperança começa a crescer.
no coração dos pais e suas expressões. Faça
muitas perguntas de exploração do tipo: 2. Ajude-os a expressarem a
O que dá direção e significado
à sua vida?
tristeza.
Onde você encontra forças para Encoraje o casal para que ande pela fé
prosseguir? e não por vista, apegando-se às promessas
O quão importante é para você de Deus. Use textos bíblicos como os Sal-
ser um pai (uma mãe)? Por quê? mos para dar exemplos de esperança. “Cla-
Como você reage quando as mam os justos, e o SENHOR os escuta e
suas emoções estão no auge? No os livra de todas as suas tribulações. Perto
que você pensa? está o SENHOR dos que têm o coração
A experiência do aborto o le- quebrantado e salva os de espírito oprimi-
vou mais para perto de Deus ou do” (Sl 34.17-18).
afastou você de Deus? Por quê? Mostre os benefícios duradouros que
Que relevância Deus tem para Deus está construindo em sua vida à me-
o seu dia-a-dia? dida que eles seguem a Cristo e Seu exem-
Quando Deus não age de acor- plo, ou seja, paciência, esperança, força e
do com as suas expectativas, o que perseverança.
você pensa, sente e faz? A tristeza de Andrea produziu uma
Você busca a Pessoa de Deus esperança renovada na soberania de Deus:
no seu sofrimento? Ou você busca “Quando buscávamos respostas, nosso pas-
respostas para as suas perguntas e tor disse de forma amorosa, honesta e fir-
alívio para a sua angústia? me: ‘Vocês precisam aceitar esse fato como
vindo das mãos de Deus. Ele não erra.
Repare também na natureza das per- Nada passa por entre Seus dedos’. Desde
guntas que eles fazem. Explore cuidadosa- então, Deus tem-nos dado força e cora-
mente as pressuposições por trás de cada gem para confiar nEle não importa o que
pergunta. Atente para a interpretação que aconteça ou como as coisas possam pare-
fazem da experiência do aborto espontâ- cer de uma perspectiva terrena”.
neo. As Escrituras são a base dos seus
questionamentos e conclusões? Até que

98 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


3. Identifique-se com o sofrimento Ajude os pais a focarem o caráter que
deles. Mostre que Deus é o nosso Cristo expressou quando viveu fortes emo-
ções e a moldarem suas reações de acordo
consolador.
com as de Cristo. Atente para como Cris-
Estabeleça o seguinte desafio: “Voltem-
to orou:
se para a Palavra de Deus, conversem com
Ele, Jesus, nos dias da sua car-
Deus e dependam de Deus, creiam verda-
ne, tendo oferecido, com forte cla-
deiramente e coloquem sua fé e esperança
mor e lágrimas, orações e súplicas
em Deus independentemente dos senti-
a quem o podia livrar da morte e
mentos, mesmo quando a dor e a tristeza
tendo sido ouvido por causa da sua
persistem. Permitam que as dificuldades
piedade, embora sendo Filho,
os aproximem dEle e leve-os para os bra-
aprendeu a obediência pelas coi-
ços eternos de Deus. Permitam que, na
sas que sofreu e, tendo sido aper-
tribulação, Deus lhes ensine mais e mais a
feiçoado, tornou-se o Autor da sal-
respeito de Sua Pessoa. Aprendam a bus-
vação eterna para todos os que lhe
car a Deus mais do que o conforto terre-
obedecem. (Hb 5-7-9)
no. Vocês descobrirão que Deus é digno
A semelhança de Cristo mencionada
de confiança”. Use o seguinte texto bíbli-
em Romanos 8.29 cresce em nossas expe-
co para encorajá-los: “Ora, o Deus de toda
riências de dor e de perda.
a graça, que em Cristo vos chamou à sua
eterna glória, depois de terdes sofrido por
um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiço- 5. Encoraje-os a edificarem seu
ar, firmar, fortificar e fundamentar” relacionamento com Deus.
(1Pe 5.10). Ensine que Deus retém algumas res-
postas, mas que Ele não se distancia de
4. Cuidado com a nós. Seus caminhos e pensamentos são al-
tos demais para nós e nem sempre pode-
autocomiseração e com mergulhar
mos alcançar Seu entendimento.
na ira, no medo e no desespero. Porque os meus pensamentos
A autocomiseração diz, na verdade, que não são os vossos pensamentos,
“Deus não tem sido bom para mim” e nem os vossos caminhos, os meus
“Deus não é grande o suficiente ou não se caminhos, diz o SENHOR, por-
importa o bastante para me proteger”. Ain- que, assim como os céus são mais
da que uma mulher não possa diretamen- altos do que a terra, assim são os
te mudar suas emoções, ela não precisa meus caminhos mais altos do que
deixar que elas a governem. Firme os olhos os vossos caminhos, e os meus pen-
na Palavra para encontrar a verdade sobre samentos, mais altos do que os vos-
a fidelidade, o amor, a soberania e o poder sos pensamentos (Is 55.8-9).
de Deus. Não só Deus está no controle, Andrea observou: “Sempre haverá
como também Ele deu aos crentes um es- muitas coisas na vida que escapam ao nos-
pírito de “poder, de amor e de equilíbrio” so entendimento. Cultivar uma perspec-
(2Tm 1.7). tiva bíblica da eternidade, com os olhos

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 99


fixos em Jesus, é o que faz toda a diferen- teus olhos me viram a substância
ça. Pode ser uma idéia simples, mas ela fez ainda informe, e no teu livro fo-
toda a diferença ao longo dos anos quando ram escritos todos os meus dias,
tivemos de lidar com cirurgias, questões cada um deles escrito e determi-
emocionais, o aborto e outras situações nado, quando nem um deles havia
mais. Deus é soberano e bom. Não são ainda (Sl 139.13-16).
duas verdades que se excluem mutuamen- E Deus está igualmente envolvido na
te, mas que convivem em perfeita unida- vida dos pais. “Estou plenamente certo de
de”. que aquele que começou boa obra em vós
há de completá-la até ao Dia de Cristo Je-
6. Enfatize a esperança que sus” (Fp 1.6).
resulta da adoração a Deus. Deixe que a fragilidade humana fale
A obra completa de Deus em Cristo da nossa total dependência de Deus. A vida
dá aos pais enlutados esperança no presen- é um presente que deve ser apreciado, mas
te e certeza do cuidado contínuo de Deus. não pode ser agarrado com muita força.
Ela também dá a esperança futura de que Kent disse que esse conselho pode ajudar
um dia estaremos com nossos queridos que nos estágios iniciais de cada gravidez. “A
partiram em Cristo. “Não queremos, po- primeira vez que ouvi mencionar o quanto
rém, irmãos, que sejais ignorantes com res- o aborto espontâneo é comum foi quando
peito aos que dormem, para não vos passamos por nossa primeira perda. Se eu
entristecerdes como os demais, que não já soubesse disso antes, não teria tomado
têm esperança” (1Ts 4.13). por tão certa aquela gravidez nem teria fi-
A identificação com o sofrimento de cado tão surpreso com o aborto.”
Cristo é motivo para renovar a adoração a Estimule as mães a cuidarem de sua
Deus à medida que eles reconhecem cla- saúde, mas lembre que Deus é soberano
ramente o sacrifício envolvido na morte de sobre a medicina. Em geral, a causa do
Seu Filho amado. aborto é desconhecida de todos, menos
Deus é exaltado em Sua atuação. Ele dEle. Portanto, as medidas preventivas e
planejou e criou o bebê. Os dias de vida as tentativas de explicar o que aconteceu
do bebê chegaram à sua plenitude e cum- podem ser frustradas. Ainda assim, o co-
priram o plano de Deus para aquela pe- ração pode descansar no Criador amoroso,
quena vida. infalível e grandioso.
Pois tu formaste o meu interi- “O aborto fez com que eu buscasse a
or, tu me teceste no seio de minha Deus para suprir minhas necessidades mais
mãe. Graças te dou, visto que por básicas”, disse Mindy. “Também acredito
modo assombrosamente maravi- que o meu relacionamento com Deus foi
lhoso me formaste; as tuas obras fortalecido por saber que Ele é soberano.”
são admiráveis, e a minha alma o Aponte para o céu. As conseqüênci-
sabe muito bem; os meus ossos não as ruins de viver neste mundo amaldiçoa-
te foram encobertos, quando no do pelo pecado fazem-nos gemer e ansiar
oculto fui formado e entretecido por nosso lar verdadeiro. Somos forastei-
como nas profundezas da terra. Os ros aqui, mas o céu nos aguarda.

100 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


7. Trabalhe para fortalecer o verem em qualquer angústia, com a con-
casamento. solação com que nós mesmos somos con-
Observe o caráter do amor sacrificial templados por Deus” (2Co 1.4). Ruth
de Deus em 1João 4.7-19. Muitos casais acredita que a morte desses bebês seja ins-
não entendem a natureza do amor de Deus trumento para aproximar algumas pessoas
e por isso não sabem amar uns aos outros de Deus. “Deus pode usar até mesmo a
em Cristo como Deus pede que façam. Veja vida de um bebê que não chegou a ver a
também Mateus 22.37-39 e Efésios 5.22- luz.” Deus usou uma carta de oração de
23. Procure fortalecer o relacionamento uma mãe para levar um ateu professo aos
conjugal pela edificação do amor bíblico Seus pés. Kent percebeu que o aborto abriu
entre marido e esposa. A partir de algumas portas para o evangelismo junto
1Coríntios 13, ensine que o amor age de aos colegas de trabalho: “A situação tirou
acordo com o melhor interesse da outra as pessoas da rotina e trouxe à mente Deus
pessoa. Compartilhe como eles podem e Sua vontade para nós”.
aplicar cada aspecto do amor mencionado Louve a Deus por Ele aprofundar a sua
naquela passagem. Ensine os casais a con- maturidade espiritual e a habilidade de
solarem, edificarem e apoiarem um ao ou- amar a outros. “Posso ouvir e comunicar
tro. A comunicação paciente é muito im- minha verdadeira tristeza”, escreveu Erin.
portante, mesmo quando é difícil saber o “Mas também posso comunicar minha
que dizer. esperança no Senhor e Sua soberania.” A
Encoraje o estudo das Escrituras e a conformidade à imagem de Cristo é um
oração, principalmente quando o medo de estilo de vida em que o amor por outras
outra gravidez afeta a intimidade do casal. pessoas é cada vez maior.
Cada um deve buscar servir ao invés de ser
servido, e deve aceitar ajuda com coração Esperança para os pais enlutados
grato. Mostre como Deus usa as lutas para Quando oferecida com paciência, com-
aproximá-los um do outro. Estimule o paixão e sensibilidade, a sabedoria de um
envolvimento da família em uma igreja conselho bíblico torna-se valiosa nos mo-
local fiel à Palavra para que tenham adora- mentos críticos durante e após o aborto
ção, encorajamento, consolo, comunhão, espontâneo. À medida que conduzimos os
exemplos piedosos, pregação, ensino, pres- casais às Escrituras nas horas de grande
tação de contas, evangelismo e outras opor- necessidade, eles encontram Jesus - pron-
tunidades ministeriais. to para consolar, exortar, fortalecer e per-
doar. A perda torna-se um ganho
inexplicável em Cristo.
8. Mostre-lhes como podem Para encerrar, aqui está a descrição que
ministrar a outros casais que Anita deu de um vale de esperança: “Te-
também passaram pelo aborto nho devorado o material de estudo bíbli-
espontâneo. co. Quero saber cada vez mais de Jesus e
As Escrituras mostram claramente que de como Ele se deixou conhecer por aque-
Deus “nos conforta em toda a nossa tribu- les que estavam com sede. Cheguei à con-
lação, para podermos consolar os que esti- clusão de que se algum dos meus bebês

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 101


tivesse conseguido sobreviver, eu não teria dida que essa verdade toma conta do meu
tido esses momentos com Jesus. Comecei coração, descubro que sou capaz agora de
a imaginar se foi para isso que Ele plane- abrir as mãos que se apegam forte demais
jou a perda, e se foi preciso perder os be- a tudo quanto penso que seja meu. Ironi-
bês para que eu tivesse mais sede dEle con- camente, quando mais entrego essas coi-
forme Ele queria de mim. Os dois anos sas, menos sou consumida pelo medo da
que se sucederam aos abortos têm sido re- perda. Uma fonte singela de graça cresce
pletos de oportunidades para descobrir que em meu coração”.
a única garantia nesta vida é Jesus. À me-

102 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


A Bíblia e a Dor da
Infertilidade

Kimberly e Philip Monroe1

I. Da esperança ao desespero Em resposta a uma pesquisa, 63% das


Kimberly e Philip Monroe1
mulheres que passaram pela infertilidade
e pelo divórcio qualificaram a infertilidade
como mais dolorosa do que o divórcio. Em
Você já passou por uma cirurgia para
outra pesquisa, mulheres que tinham
remover o apêndice? Você precisou de
doenças crônicas ou doenças com risco de
aconselhamento para lidar com problemas
vida qualificaram a dor emocional da
relacionados à perda dessa parte do seu
infertilidade como equivalente à de uma
corpo? Ou você já aconselhou alguém que
doença terminal.
perdeu o apêndice? É provável que não.
Lidar com a infertilidade é difícil. O
Você pode viver uma vida plena sem o
desejo que Deus deu de ter filhos fica frus-
apêndice. Você pode ir ao trabalho, cortar
trado. Durante a fase de crescimento, as
a grama, ir ao supermercado e ter uma vida
pessoas costumam dizer: “Quando você
normal. Por que, então, é tão devastador
casar e tiver filhos...”. Todos presumem que
quando seu sistema reprodutivo não fun-
sejamos férteis.
ciona, mas você ainda consegue fazer to-
A infertilidade despedaça sua identi-
das essas coisas?
dade. Formamos um quadro mental típi-
co: estar casado, ter a casa própria, um carro
e um cachorro. Mas onde estão os filhos?
1
Tradução e adaptação de The Bible and the Pain of A imagem colorida perde o brilho. A
Infertility. Publicado em The Journal of Biblical infertilidade costuma ser mal compreen-
Counseling, v. 23, n. 1, Winter 2005, p. 50-58. dida e as pessoas menosprezam-na. Al-
Kimberly Monroe é mãe de dois filhos (adotados!). guém que tem uma doença crônica ou ter-
Philip Monroe é diretor do programa de mestrado minal recebe apoio de todos à sua volta.
em aconselhamento no Biblical Seminary em
Mas um casal que luta com a infertilidade
Hatfield, na Pensilvânia.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 103


é tratado com leviandade. “Conte todas as Casei quando tinha trinta e seis anos.
bênçãos.” Se um casal diz que quer ter fi- Meu marido, Phil, ainda estudava no se-
lhos, outro responde: “Pode levar o meu!”. minário e decidimos esperar quase um ano
Um em cada seis casais sofre com a para a primeira tentativa de ter filhos.
infertilidade. Acima de trinta e cinco anos, Depois disso, começaram as tentativas. Em
um em cada quatro casais luta com a sete meses, nada aconteceu.
infertilidade. Há pessoas que lutam com a Presumi que minha fertilidade estava
infertilidade em sua igreja, no seu traba- intacta. Não fazia idéia de que ela cai su-
lho, no seu círculo de amigos. Esses casais bitamente à medida que os anos passam.
precisam da sua ajuda e cuidado. Presumi que, se eu ainda menstruasse,
poderia engravidar. Não é verdade. Depois
A infertilidade é uma forma de de sete meses procurando engravidar, fui
sofrimento ao meu ginecologista e ele me tranqüili-
zou: “Anote as variações diárias da tempe-
Vivemos no período pós-queda. Nos-
ratura do seu corpo. Quando você está
so corpo nem sempre funciona como de-
preste a ovular, sua temperatura aumenta
veria. Ana, Raquel e outras mulheres da
em cerca de um grau, e você está fértil”. O
Bíblia são testemunhas da grande angús-
médico também recomendou que eu fi-
tia e dor causadas pela infertilidade. Os
zesse alguns exames para verificar os níveis
casais estéreis sofrem essa mesma angústia
hormonais. Uma enfermeira ligou para dar
e dor nos dias de hoje. Trate-os com com-
a notícia perturbadora: “Seu quadro
paixão e cuidado.
hormonal está normal para uma mulher
no início da menopausa”.
O círculo vicioso de esperança e Menopausa! Eu tinha 37 anos de ida-
desespero de. Menopausa é para mulheres de cin-
Um aspecto singular da infertilidade é qüenta anos! Menopausa não é para mim!
o círculo vicioso de esperança e desespero. Como isto pôde acontecer? Ainda não tive
No começo do ciclo mensal, a mulher tem minha chance de engravidar! Entrei em
grandes esperanças. “Vou engravidar este pânico, mas meu médico não se alterou:
mês. Sei que vou!” O mês termina, e nada “Não se preocupe. No início, você entrará
de gravidez. Ela se desespera. O mês se- e sairá do ciclo da menopausa e engravidará
guinte chega com grande esperança nova- durante o período em que não estiver na
mente, mas sem gravidez. A esperança dá menopausa”. Minha esperança foi renova-
lugar ao desespero. Quando a mulher está da.
em tratamento para a infertilidade, ela tem Durante dois meses, agonizamos à es-
grandes expectativas. Submete-se ao pro- pera de consultar uma especialista em fer-
cesso indicado, procura várias alternativas, tilidade. Ela analisou os nossos exames de
faz tratamentos novos. Ela tem esperança; sangue, elaborou um histórico, examinou
quanto maior a esperança, porém, mais e fez perguntas extremamente pessoais com
profunda é a queda. O desespero intensi- relação à nossa vida sexual. Em seguida,
fica-se a cada tentativa fracassada de con- acomodou-se em sua cadeira e disse: “Acho
ceber. pouco provável que vocês tenham seu fi-

104 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


lho biológico”. Mal pude falar. No inter- para ter uma criança. Os médicos fazem
valo de uma hora passei de um pico de sondagens sobre sua vida sexual. Os pro-
esperança para um vale de desespero. cedimentos e os exames são incontáveis.
“Mas”, ela disse, “você pode tentar alguns As relações sexuais são agendadas. Outros
remédios para infertilidade nos períodos três aspectos são significativos.
em que não estiver na menopausa”. Š Desequilíbrios hormonais. No topo do
Começamos o processo de exames, tra- ciclo, quando há estrogênio, você está ati-
tamentos e remédios para infertilidade. Os va, pensa com clareza e age com um pro-
exames eram horríveis e a privacidade con- pósito. Você tem tudo sob controle. Mas
jugal desapareceu com o processo. A vida na parte do ciclo em que entra a
ficou mais complicada. Precisava tomar progesterona, você reage de maneira dife-
injeções todas as noites, e cada manhã eu rente. Fica difícil pensar e é mais fácil
dirigia do subúrbio ao consultório da es- atolar-se e cair na depressão.
pecialista, na cidade. Lá faziam os exames Š Despesas. Os gastos dependem da
de sangue e uma ultra-sonografia para ve- cobertura oferecida pelo seu plano de saú-
rificar se meu ovário tinha óvulos madu- de. O nosso plano era muito bom. Todos
ros. Outro médico fez uma biopsia os nossos exames e consultas foram cober-
endometrial para ver se eu poderia supor- tos, com exceção dos remédios. Gastamos
tar uma gravidez. cerca de dois mil dólares em remédios. Os
Seguimos os procedimentos durante o procedimentos médicos mais elaborados,
primeiro mês, mas sem resultados. No se- que não são cobertos pelo plano de saúde,
gundo mês, ainda nada. Depois de certo podem custar muito mais. As despesas
tempo, eu parecia uma viciada em drogas, podem acrescentar estresse a uma situação
pois tiravam sangue de um braço em um que já é estressante.
dia e do outro braço no dia seguinte. Co- Š Decisões. Por quanto tempo continuar
meçamos o terceiro ciclo, mas foi quando as tentativas? Quantos ciclos? Por quanto
meu pai faleceu. Fui para a Nova Inglater- tempo é possível suportar essa situação?
ra, ficar com minha família, e isso inter- Também existem questões de ética. Quais
rompeu o tratamento. são as opções? Podemos usar óvulos doa-
Comecei a fantasiar, a negociar com dos? Fertilização in-vitro? Os casais devem
Deus. “O Senhor levou o meu pai, mas conversar sobre essas questões e chegar a
talvez o Senhor coloque uma nova vida em um acordo.
mim, não é mesmo?” Por algumas sema-
nas, pensei assim: “Vamos lá, sei que é isso. As experiências emocionais
Tenho certeza que será desta vez”. Qual- Para o casal que enfrenta a
quer tipo de sintoma (náusea, tontura) tra- infertilidade, a variedade e profundidade
zia-me pensamentos positivos, seguidos de das emoções é grande.
uma decepção amarga. Š Ira. Não cerrei o punho contra Deus,
mas alguns o fazem. É uma área difícil para
Os aspectos clínicos o cristão, pois sabemos que gerar um filho
Os casais estéreis passam por experi- é mais do que o encontro entre um óvulo
ências e frustrações semelhantes na luta e um espermatozóide. A mão de Deus está

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 105


envolvida, bem como Suas bênçãos e a Sua crianças. Os parentes chegam para os jan-
vontade para nossa vida. Mas quando você tares de família com bebês adoráveis. Chá
não fica grávida, você questiona Deus. Por de bebê? Impossível! Uma amiga chegada
que, Senhor? Temos um casamento feliz. Por está grávida, mas será que vou ao chá de
que não temos um filho? bebê? Como posso demonstrar meu amor
A ira está sempre presente. Explode por ela ainda que eu não queira compare-
cada vez que algo relembra sua infertilidade cer?
como, por exemplo, os bebês, as mulheres Š O desconforto na igreja. A igreja que
grávidas e as propagandas na televisão. Uma freqüentamos reúne por volta de 300
mulher da minha igreja ficou grávida duas crianças. Sempre anunciam novos nasci-
vezes enquanto passávamos por esses pro- mentos. As pessoas seguram seus filhos no
cedimentos para vencer a infertilidade. Fi- colo durante o culto. Durante um ano,
quei ressentida. Envergonho-me da minha não passou um domingo sem que eu não
ira, mas foi isso que senti naquela época. chorasse na igreja. Sentia-me culpada pela
Š Os sentimentos de inaptidão. “Eu de- minha ira, pela inveja e por não me ale-
veria estar na prateleira das promoções. grar com as bênçãos dos outros.
Não sou uma mulher completa, pois não Š O isolamento. Se Deus não responde
posso fazer tudo quanto as mulheres fo- às minhas orações, devo ser uma pessoa
ram criadas para fazer.” Acho que o mari- inferior. Não é uma verdade teológica, mas
do teria o mesmo tipo de sentimentos se é o que eu pensava. Sentia-me isolada. Tí-
ele fosse estéril. Ele questionaria a sua nhamos um problema crucial e não havia
masculinidade por não poder ser pai. Ele nada que pudéssemos fazer. Procurávamos
não poderia passar adiante seu nome. ser sociais, mas queríamos nos afastar das
Š A sensação de perda do controle. Al- pessoas.
guns casais decidem dar início à família e Š O estresse conjugal. Tantas decisões.
a gravidez acontece no segundo ciclo. Pa- Que tentativas fazer? Por quanto tempo?
recem ter a vida sob controle. Sentimo- Tínhamos despesas, muita decepção e
nos totalmente fora do controle com a muito estresse. Tive medo que Phil se res-
infertilidade. Você faz aquilo que mandam sentisse contra mim por eu ser estéril. “Será
e agüenta uma jornada turbulenta e caóti- que ele se arrependeu de ter casado comi-
ca. Às vezes, é como se estivesse de longe go?” Esta pergunta surgiu um dia. Ele dis-
observando o que acontece, como se fosse se: “Você não é estéril, nós somos estéreis.”
apenas um espectador. A resposta dele consolou-me muito.
Š A tristeza. As comemorações e as da- Š A dor dos familiares. Os pais sofrem
tas especiais são difíceis. Pense no Dias das conosco. Eles querem ter netos e ver-nos
Mães. Em nossa igreja, certa vez, pediram felizes, mas sentem que nada podem fazer.
que todas as mães se levantassem, e todos Minha mãe insistia em perguntar: “Os
aplaudiram. Não há nada de errado nisso, médicos não podem fazer nada por você?”.
mas fiquei machucada. Queria me levan- Seus sogros podem alimentar ressentimen-
tar também, mas simplesmente desman- tos por você ser estéril. Você casou com o
chei-me. As comemorações são difíceis. Por filho deles e agora não pode lhes dar um
exemplo, o Natal é muito centrado nas neto. Minha cunhada teve um bebê du-

106 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


rante o primeiro ano do nosso tratamen- riedade de métodos. Pode parecer uma in-
to. Dois anos depois, eles nos ligaram di- vasão da sua privacidade.
zendo: “Estamos esperando outro bebê! É Š O teste da sua fé. “Se você tiver mais
um menino”. Lembro-me de ter pensado: fé, Deus a abençoará com uma criança.
“Eles têm dois filhos! Eles têm uma meni- Você simplesmente não tem fé suficien-
na e um menino, a família perfeita”. Se te.” “Você não está reagindo ao sofrimento
morasse perto deles e precisasse vê-los to- de forma correta.” “Confie em Deus! Ele
dos os dias, teria sido difícil alegrar-me com sabe o que é melhor para você. Ele tem
eles. Tive que lutar com esses sentimen- coisas boas para você.” As pessoas dizem
tos. essas coisas de maneira bem informal, e
Š As reações dos amigos. As pessoas cau- não ajudam em nada. Elas colocam mais
sam muito estresse com reações um peso para você carregar - você não tem
inapropriadas, comentários impensados ou fé suficiente! Em meio à nossa infertili-
conselhos inoportunos. Ao mesmo tempo, dade, chorei rios de lágrimas. Clamei a
elas podem ser um grande apoio. Se suas Deus e li a Bíblia. Li sobre Ana, Raquel,
amigas estiverem grávidas, você pode se Sara, Isabel - mas todas elas tiveram filhos!
sentir tentada a evitá-las. Elas podem não Li essas histórias repetidas vezes, pensan-
compreender os seus sentimentos e per- do que poderia ajudar. Ajudou de certa
guntar: “Por que você está tão chateada?”. forma, pois me mostrou o quanto a
Em seguida, elas dizem com aspereza: infertilidade é dura de suportar. Raquel
“Pare com isso!”. As pessoas não têm in- clamou: “Dá-me filhos, senão morrerei”.
tenção de magoar, mas é exatamente isso Em meio à minha angústia, eu chorava e
que elas acabam fazendo. desabafava. Se visse uma reportagem na
Š As histórias. As pessoas contam his- televisão sobre um bebê que fora jogado
tórias. “Tive uma amiga que adotou uma no lixo ou uma criança abusada, gritava
criança e depois ficou grávida. Você preci- diante da tela. Era um dos meios de cana-
sa adotar uma criança.” A sua resposta: lizar a minha ira.
“Certo. Ótimo plano. Vou adotar uma Š A angústia. Não houve um funeral,
criança para ficar grávida”. Sim, é isso que enterro, flores nem cartão de pêsames. No
você gostaria de dizer, mas fica calada. Você entanto, houve morte: a morte de uma
está diante de um grau de estresse e deses- esperança de me maravilhar com uma
pero parecido com o de lidar com uma criança que fosse fruto do nosso amor.
doença crônica ou terminal. Como um conselheiro trataria o meu
Š As reações de outros crentes. As pessoas caso? Estou irada. Sinto-me defeituosa.
têm idéias bem definidas sobre quais as Procuro descobrir onde Deus está em
técnicas de reprodução que são aceitáveis. meio a tudo isso, mas não consigo. Se eu
Vocês farão fertilização in-vitro? É a me- fosse até você, o que você me diria? Como
lhor coisa? É correto para um crente? As a sua experiência de ter filhos relaciona-se
pessoas dão suas opiniões sobre uma va- com a minha infertilidade?

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 107


II. Passando pela dor de um samos ter uma perspectiva distorcida dos
prazeres da vida - o que nos leva a buscá-
desejo frustrado los longe de Deus ou a exigir a sua
Philip Monroe concretização - desejar algo prazeroso não
A Bíblia está repleta de clamores e ge- é errado em si. Tiago 4.1 lembra-nos de
midos do povo de Deus. Você os encontra que o problema com relação aos desejos é
nas narrativas, poesias e profecias. Os sal- que eles causam uma luta interior. A Bí-
mos de lamentações são 52, em sua maio- blia reconhece que uma vida de fé inclui
ria escritos por Davi. É como se ele disses- chorar pelas perdas, clamar por entendi-
se: “Deus, o Senhor tem que me salvar! mento e refrigério, irar-se e desesperar-se,
Vou morrer! O que o Senhor está fazendo? mas de forma piedosa perante Deus.
Por que o Senhor não responde?”. Às ve-
zes, ele lamenta o próprio pecado. Mas As expressões de fé em meio ao
muitas vezes, clama por causa das conse- sofrimento
qüências dos pecados de outras pessoas.
Embora a Bíblia esteja repleta desses 1. O lamento pelas perdas
clamores, os pastores e os conselheiros bí- Homens e mulheres de fé choram en-
blicos, algumas vezes, sentem dificuldade quanto expressam sua fé em meio ao sofri-
em permitir que as pessoas sofram dessa mento. Clamam por alívio, escape, enten-
forma. Olhamos para a esperança que Deus dimento e perspectiva correta. “Deus, aju-
tem para elas em meio à dor. Queremos de-me a compreender o que está aconte-
que vejam as bênçãos de Deus e saiam do cendo.” Desejam algo que não têm, e la-
desespero. Temos medo de ouvir os seus mentam.
gemidos, pois sentimo-nos incomodados Um amigo chora pela morte de sua
com eles. Seus clamores desesperados tes- esposa de vinte e cinco anos. Ele quer vê-
tam a nossa fé. Ficamos impacientes e la, tocá-la, sentir seu cheiro e amá-la. Nas-
lançamo-lhes jargões bíblicos. Citamos cemos com esses desejos e anseios e senti-
versículos, mas os recitamos à distância e mos dor quando eles não são supridos.
sem compaixão. Quando fazemos isso, ti- Você conhece o cântico “Como a corça
ramos o privilégio da pessoa angustiada de anseia pela água, assim minha alma anseia
ter alguém que chore com ela. Ficamos in- por Ti” (baseado no Salmo 42.1)? A melo-
comodados com os clamores confusos, dia é linda, mas parece não se encaixar com
desordenados e até mesmo irados. Se Deus um texto de gemidos e anseios! “Não te-
dedicou boa parte do cânon a esses tipos nho água, estou seco.” Se você estivesse no
de clamores, por que nós, Seus embaixa- deserto por três dias, sem água como os
dores, não podemos dedicar tempo a eles israelitas em Êxodo, com certeza não can-
também? taria essa melodia. Você gemeria: “Não vou
Quero que considere, por um momen- conseguir! Estou sofrendo”.
to, algumas expressões bíblicas de fé em O que você faz quando os seus aconse-
meio ao sofrimento causado por desejos lhados expressam fortes desejos que ainda
não-realizados. Lembre-se: os desejos que não foram realizados? Você os atropela,
você e eu temos não são necessariamente esmaga? Você pode até barrá-los, mas não
pecaminosos. Embora nós, pecadores, pos- consegue eliminar um desejo. Gosto de

108 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


comer coisas doces, e com domínio pró- res nos dizem serem necessárias para a nossa
prio posso parar de comê-las. No entanto, felicidade. No entanto, no final das con-
o meu desejo permanece. Não podemos tas, essas coisas não trazem esperança e fe-
acabar com um desejo quando apenas pro- licidade. O livro de Eclesiastes descreve a
curamos bloqueá-lo. vaidade da vida. “Tenho visto tudo que é
Contudo, Deus usa nossos desejos para feito debaixo do sol; tudo é inútil, é correr
nos aproximar dEle. “Tu, Senhor, ouves a atrás do vento” (Ec 1.14). Em meio ao
súplica dos necessitados; Tu os reanimas e desespero, tornamo-nos facilmente pes-
atendes ao seu clamor” (Sl 10.17). Lamen- soas exigentes e amargas. Contudo, o de-
tar-se por perdas, guardando a fé, é uma sespero santo não é exigente. Ele permite
resposta aceitável diante do sofrimento. que outras pessoas ofereçam conforto, e traz
Jesus lamentou-se quando avistou Jerusa- à mente a fidelidade de Deus mesmo quan-
lém. “Jerusalém, Jerusalém... quantas ve- do ela não pode ser sentida.
zes eu quis reunir os seus filhos, como a
galinha reúne os seus pintinhos debaixo 4. O clamor santo por alívio e
de suas asas...” (Lc 13.34). Ele chorou por
Lázaro mesmo sabendo que o ressuscitaria entendimento
dentre os mortos. Você também pode ser Ao longo das Escrituras, as pessoas le-
fiel a Deus e, ainda assim, lamentar-se. vantam clamores durante o sofrimento.
Você já se perguntou por que Deus usou
tanto espaço na Bíblia para destacar esses
2. A ira santa clamores e gemidos? Seria para mostrar que
Como posso viver de maneira piedosa o mundo está falido? Sim, em parte. Po-
quando estou irado? Sem violar o fruto do rém, Deus fala que o nosso sofrimento é
Espírito, a ira santa é direcionada ao pro- precioso para Ele. Ele conta cada uma de
blema real - os resultados da queda. O nossas lágrimas (Sl 56.8). Clame a Deus
pecado causou destruição no mundo. Nes- assim como outros homens e mulheres de
se sentido, é correto irar-se contra o peca- fé fizeram ao longo dos séculos.
do. Deus é o nosso libertador, mas Ele nem
Porém, quando fico humanamente ira- sempre nos liberta conforme esperamos ou
do, não quero estar perto das pessoas. Não achamos que Ele deveria fazer. Às vezes,
quero estar com a pessoa com quem estou Ele nos liberta de formas completamente
zangado. Pelo contrário, quero estar longe incompreensíveis a nós.
como que para puni-la um pouco. Isso não Pense em exemplos bíblicos. Deus dis-
é ira santa. A ira santa une as pessoas pela se a Josué: “Caminhe ao redor de Jericó
reconciliação e as conduz para mais perto sete vezes. Cante. Toque as trombetas”.
de Deus. A ira santa dirige-se à injustiça e Não parece estranho? No entanto, as mu-
procura corrigi-la. ralhas de Jericó caíram.
Deus mandou Gideão reduzir seu exér-
3. O desespero santo cito de forma significante e sair à conquis-
O desespero santo reconhece a vaida- ta dos midianitas com apenas trezentos
de do mundo. Ansiamos por tantas coisas homens. Deus disse a Jeosafá: “Vá para a
que nossa cultura, os amigos e os familia- batalha, mas mande os cantores à frente”.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 109


O exemplo mais contundente, porém, é mitir que eles continuem em seus peca-
este: Deus mandou um servo sofredor para dos? Será que o Senhor vai nos salvar?”.
ser rei. Seria essa a melhor estratégia? Não, No meio do livro de Lamentações, depois
pela perspectiva humana. Deus nem sem- de vinte e dois versículos nos quais Jeremias
pre nos dá aquilo que queremos, quando descreveu como Deus o oprimiu, fez com
queremos ou como queremos. Precisamos que ele comesse pó, quebrou os seus ossos,
enxergar com novos olhos para ver o que pegou-o como um urso à espreita e o des-
Ele oferece. pedaçou, o profeta disse: “No entanto,
Deus ouve nossos clamores e gemidos. minha esperança está em Ti, pois estou
Ele está perto daqueles que têm o coração vivo. O Senhor está comigo”.
quebrantado e salva os de espírito abatido Fazemos as mesmas perguntas que
(Sl 34.18). Gemer de forma santa é lem- Jeremias fez: “Deus, será que o Senhor vai
brar as promessas de Deus, diante dEle. se lembrar de nós? Será que o Senhor vai
O salmista fez isso repetidas vezes. Ele nos salvar? Sabemos o final da história, mas
relembrou Deus de Sua promessa de estar não sabemos o que acontecerá nesta vida”.
com ele, guiá-lo, sustentá-lo e lhe dar um Bill Smith, um amigo sábio, disse: “A
futuro. vida cristã está mais repleta de andanças
Gemer de forma santa não é algo pas- pelo deserto do que de descanso na Terra
sivo. Implica a busca de um escape. Se você Prometida”. Não estamos mais no Egito.
está doente, procure os líderes da igreja Deus está conosco e nos libertou da nossa
(Tg 5.14). Peça que as pessoas orem por miséria. Ele nos salvou e nos redimiu, mas
você. Não é errado buscar soluções para ainda não chegamos à Terra Prometida.
pôr fim ao sofrimento. Gemer de forma O que os israelitas fizeram enquanto
santa é algo comunitário, pois permite que andavam pelo deserto? Eles murmuraram,
outros se unam ao seu sofrimento. gemeram e exigiram que Deus os levasse
Homens e mulheres da Bíblia clama- de volta para o Egito. Deus não respon-
ram por entendimento. Muitos desses cla- deu aos seus clamores. No entanto, Ele
mores eram confusos. Considere quantos respondeu aos clamores de Moisés. A fé
versículos do livro de Jó são clamores gu- fez a diferença. “Deus, conheço o Seu ca-
turais por entendimento. Deus não repre- ráter. Não entendo o que o Senhor está
endeu Jó, embora Ele tenha repreendido fazendo, mas sei que o Senhor é o meu
os seus conselheiros. Jó arrependeu-se por Deus.”
ter clamado por entendimento? Não. Ape-
sar de ser um homem justo, ele se arre- 5. A espera santa
pendeu de ter exigido uma resposta de
Os cristãos que sofrem também espe-
Deus com relação ao seu sofrimento.
ram. Não é uma espera passiva, semelhan-
Em Lamentações, Jeremias afligia-se
te a uma perseverança estóica. É um des-
por causa dos acontecimentos em Jerusa-
canso ativo na bondade de Deus com a
lém. Ele perguntou a Deus: “O Senhor
expectativa esperançosa de que um dia as
vai nos esquecer para sempre? Por que o
provações terão fim. Phil Ryken, pastor da
Senhor está usando os babilônios (aqueles
Décima Igreja Presbiteriana de Filadélfia,
pagãos) para nos punir? Como pode per-

110 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


disse: “Choramos e gememos nesta vida. verdades e misericórdias de Deus enquan-
Mas enquanto lamentamos, também es- to esperamos. Ele não se regozija no sofri-
peramos”.2 mento, e prometeu livramento. Esperamos
A espera protege o nosso coração. Ela mesmo que ainda busquemos respostas
nos ajuda a encontrar uma nova direção. para os nossos problemas.
Esperamos de forma ativa e não passiva
nem fatalista. Não exigimos que Deus faça Os alvos essenciais do
alguma coisa nem sentamos para esperar aconselhamento
até que Ele faça aquilo que exigimos. A
De que maneira os conselheiros podem
espera santa medita no caráter de Deus -
trabalhar com casais que lutam com a
sua bondade, santidade, justiça, misericór-
infertilidade? Três áreas requerem maior
dia, graça e majestade. A espera santa apre-
atenção.
cia as boas coisas que Ele já deu. A espera
santa diz: “Senhor, deixe-me enxergar aque-
las bênçãos inesperadas que o Senhor já 1. Avaliação
me deu”. Isso é esperar, é adorar. A espera Enquanto os aconselhados contam sua
ativa também requer um auto-exame. Você história, pergunte a si mesmo: “O que ouço
percebe o que você ama exageradamente, quando meu aconselhado fala sobre sua
aquilo que assumiu a proporção de cobiça dor?”. Por exemplo, como era o relaciona-
- como os tratamentos para a infertilidade. mento do casal antes do problema da
Você passa tanto tempo centrado naquele infertilidade? Como eles se comunicavam
único aspecto, que ele acaba tomando con- e ministravam à vida um do outro? Eles
ta da sua vida. Mas você pode esperar e conhecem a Cristo? Quem é Deus para eles?
dizer: “Não. Quero apreciar a Deus pelo Quem era Deus antes dos tratamentos para
que Ele é e pelo que Ele tem feito por mim. a infertilidade? Em que etapa de solução
Quero examinar meu coração. Não quero do problema eles estão agora?
ser consumido por uma busca insaciável
da fertilidade”. 2. Educação
Com certa freqüência, os conselheiros Se o casal já iniciou o tratamento para
bíblicos costumam conduzir logo a um a infertilidade há algum tempo, eles pro-
auto-exame e retratam o clamor e a espera vavelmente conhecem tudo sobre as últi-
santa como algo pacato. Se agirmos assim, mas novidades em questão de tratamen-
frustraremos a oportunidade que as pesso- tos. No entanto, podem precisar de orien-
as têm de expressar a sua fé de forma pie- tação em outros aspectos.
dosa, chorando e clamando a Deus. As Š Os ciclos emocionais e hormonais.
pessoas precisam lamentar e chorar. É uma Muitas vezes, os aconselhados pouco
forma de nos comunicarmos com Deus. sabem sobre os ciclos emocionais e
Esperar é adorar. Somos consolados pelas hormonais pelos quais a mulher passa a
cada mês. Quando o nível de estrógeno
Paráfrase de Philip Graham Ryken, Jeremiah and sobe, a mulher tem a tendência de sentir-
Lamentation: From Sor row to Hope (Jeremias e se feliz e cheia de energia. Provavelmente,
Lamentações: da tristeza à esperança) (Wheaton: ela tem maior esperança de engravidar.
Crossway Books, 2001)

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 111


Então sobe o nível de progesterona, ela fica uma mensagem breve e simples à qual
menstruada e tem uma queda tanto física possam se agarrar - sugira, talvez, um tex-
quanto emocional. Será que o casal enten- to ou um versículo bíblico. Eles precisam
de esses ciclos e considera as necessidades lutar, mas também devem esperar. Moti-
que surgem em diferentes etapas do cami- ve-os a adorarem a Deus na espera e nos
nho? Eles já consideraram quanto tempo clamores e a permitirem que Deus exami-
estão dispostos a seguir os tratamentos? ne o seu coração.
Que tratamentos eles têm escolhido? Para que possam prestar ajuda real a
Š O estresse. outras pessoas, os conselheiros precisam
Apesar de você não poder dizer sim- entender como eles mesmos reagem ao
plesmente “relaxe”, alguns estudos indi- sofrimento e à dor. Caso contrário, eles
cam que o casal que se estressa pouco e transmitirão seus erros e preconceitos aos
apresenta uma visão positiva da vida têm aconselhados. Como você, conselheiro, re-
maior probabilidade de conceber. No pa- age aos problemas da vida e à perda?
pel de conselheiro, analise como você pode Como você se lamenta? Será que você é um
ajudar a reduzir o estresse produzido pe- fatalista como eu? “Bem, não tem muito
los tratamentos. Sugira que eles tenham que podemos fazer. Não fique chateada,
momentos de meditação na Palavra de Kim, haverá outros ciclos.”
Deus e momentos de diversão como casal. Às vezes apresentamos uma resposta
Além disso, sugira que o casal não conver- pronta àqueles que estão sofrendo. Entra-
se sempre sobre a infertilidade, pois preci- mos em modo de conselho. “Você já tentou
sam se importar com as outras coisas que isso?” “Já tentou aquilo?” No entanto, essa
Deus está dando no momento. abordagem apenas procura resolver o pro-
blema e não estabelece um relacionamen-
3. O lamento certo to com o casal. Também existe a resposta
idealista. As pessoas dizem: “Não se preo-
Posso viver uma vida piedosa enquan-
cupe, tudo vai dar certo no final”. Minha
to me lamento, estou irado ou clamo a
primeira reação diante de uma afirmação
Deus? Verifique como o povo de Deus agiu
como esta é a irritação. “Como você sabe?”
na Escrituras. Quando se lamentavam de
Mas ao invés de dar uma resposta, desli-
forma piedosa, eles davam voz às suas do-
go-me e não dou ouvido.
res. Olhe para o livro de Lamentações.
O que você faz para evitar o incômodo
“Sinto-me isolado. Sinto-me só. Sinto-me
de uma conversa? Costuma contar a histó-
oprimido.” Os lamentos também expres-
ria de um amigo que passou por algo pare-
savam ira contra a injustiça e pediam que
cido? Não faça isso quando não estiver certo
Deus providenciasse um escape. Ajude
de que trará conforto. Geralmente, reagi-
seus aconselhados a expressarem tudo isso
mos de forma impaciente ao sofrimento
e, ao mesmo tempo, agradecerem a Deus
dos nossos aconselhados. Tome cuidado.
e terem esperança para o futuro. No en-
Avalie a sua experiência nessa área. Tal-
tanto, a ira e a dor impedem o pensamen-
vez você não tenha filhos e sofra com isso.
to claro. Seus aconselhados não conseguem
Talvez você tenha vários filhos, mas não
encontrar ajuda na leitura de um artigo
desejava tê-los. Talvez você seja um daque-
longo e profundo. Portanto, ofereça a eles
les que dizem: “Olha, pode ficar com meus

112 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


filhos!”. A sua experiência pessoal afeta até mos bênçãos porque somos pessoas boas
certo ponto a sua interação com os acon- ou por merecimento. Elas simplesmente
selhados. De qualquer forma, pense cui- chegam”. Foi um momento de revelação
dadosamente em como você encara e acon- para mim. Gradativamente, passei a me
selha um casal que sofre com a infertilidade. sentir menos incompleta. Comecei a acre-
ditar que “tudo coopera para o bem” (Rm
III. Rumo a uma esperança 8.28). Deus é bom e Ele quer o meu bem.
No entanto, no meu caso, esse bem não
mais duradoura inclui filhos biológicos. Tive que esperar e
Kimberly Monroe confiar nEle.
Após vários ciclos fracassados, nosso Quatro anos depois de termos inter-
médico disse: “Não seria antiético dar con- rompido os tratamentos, demos início ao
tinuidade aos tratamentos, mas não creio processo de adoção. Foi então que a aflição
que devemos fazê-lo. Já fizemos tentativas tomou conta de Phil. No processo de ado-
com todos os tratamentos possíveis, não ção, é preciso encarar o fato de que seu
há nada mais que possamos fazer. Você filho não terá a sua aparência. Eu já tinha
entrou na menopausa prematuramente”. superado o sofrimento, já sabia que meu
Concordamos com o conselho do médico filho não seria parecido comigo, mas Phil
e paramos com os tratamentos. ainda não tinha terminado de sofrer. Ele
Na primeira parte do artigo, deixei teve que lutar com isso. As pessoas sofrem
uma pergunta: “Como você me aconselha- de maneiras diferentes e em momentos
ria?”. Naquela ocasião, nós não procura- diferentes.
mos aconselhamento. Não pensamos nes- No final, recebemos uma bênção dife-
sa possibilidade. Estávamos cansados de rente daquela que originalmente quería-
tudo e queríamos descanso. No entanto, mos. Uma bênção muito doce e preciosa.
Deus curou nosso coração. O tempo aju- Deus operou em meio ao problema e à
dou - tempo para chorar e superar a dor. provação. Ele nos abençoou com uma vi-
Pensei que nunca mais iria querer segurar são mais clara de quem Ele é, do que real-
um bebê em meus braços. Mas eu o fiz. mente importa na vida cristã e de onde
Fazíamos parte de um grupo de oração da devemos firmar nossa esperança. Temos
igreja, que nos deu apoio, compreensão e uma esperança duradoura. Pedro diz:
amor. O líder sempre nos perguntava gen- “Conforme a sua grande misericórdia, ele
tilmente como eles podiam orar por nós, e nos regenerou para uma esperança viva, por
isso certamente nos ajudou. meio da ressurreição de Jesus Cristo den-
Certo dia, pensei: “Deus tem tantas tre os mortos, para uma herança que ja-
promessas para nós, mas Ele não prome- mais poderá perecer, macular-se ou per-
teu uma coisa. Em nenhum lugar nas Es- der o seu valor” (1 Pe 1.3-4).
crituras ele prometeu dar-me um filho. Ele Deus é glorificado quando alivia o nos-
não me desamparou. É bom desejar um so sofrimento; Ele também é glorificado
filho, mas não posso exigi-lo de Deus. Os quando não alivia o nosso sofrimento. Em
filhos são bênçãos, mas Deus não os pro- ambos os casos, Deus sempre procura dar
mete a nós individualmente. Não recebe- a maior bênção que Ele tem para você: a
comunhão íntima com Ele.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 113


Verdades Inabaláveis para
Criar seus Filhos sem a
Ajuda do Cônjuge

Robert D. Jones1

Eu estava com apenas dois anos de ida- la, lava a louça, auxilia nos deveres de es-
de quando meu pai teve uma morte pre- cola, disciplina, cuida da saúde e é um
matura. Minhas irmãs estavam com doze modelo a ser seguido - pode desgastar um
e quatorze anos. Minha mãe ficou choca- homem ou uma mulher dos mais resis-
da. Ela nunca se casou novamente e criou tentes. Os pais e as mães que estão sozi-
minhas duas irmãs e eu sem a ajuda de nhos precisam das verdades inabaláveis do
um companheiro. Seu mundo era duro, a nosso Salvador.
vida era difícil e a tarefa era pesada de su- Eu não crio meus filhos sozinho, mas
portar. conheço algumas pessoas que o fazem e
Se você é um pai ou uma mãe que cria simpatizo-me com elas. Mesmo que neste
os filhos sozinho, se já esteve nessa situa- artigo eu não possa expressar com toda a
ção ou conhece alguém que está, é prová- profundidade as suas mais variadas expe-
vel que você concorde comigo em dizer que riências, alguns conselhos da Palavra de
essa é, possivelmente, uma das tarefas mais Deus podem guiar e estabilizar o pai ou a
duras de enfrentar. Ocupar os papéis tan- mãe que cuida de seus filhos sem a ajuda
to de pai como de mãe - procurando ser de um cônjuge e busca conhecer e seguir
aquela pessoa que provê financeiramente a Jesus.
e também cozinha, dirige o carro, conso-
1. Veja a si mesmo primeiramente
1
Tradução e adaptação de Sturdy truths for single
parentes. Publicado em The Journal of Biblical
como um cristão e não como uma
Counseling, v. 25, n.2, Spring 2007, p. 37-47. mãe ou um pai que cria seus filhos
Robert D. Jones é professor assistente de sozinho.
Aconselhamento Bíblico no Southeastern Baptist Aqueles que cuidam sozinhos de seus
Theological Seminary em Wake Forest, na Carolina
do Norte. filhos sofrem freqüentemente de uma

114 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


distorção de identidade. Conforme nhuma das duas. Embora nossa posição
Andrew Farmer expressa de forma pers- como casados ou pais descreva uma cir-
picaz, cunstância, ela não constitui nossa identi-
Uma mãe ou um pai que cui- dade. Quer você seja você solteiro, quer
da sozinho dos filhos luta diaria- seja um pai ou uma mãe, ou viva aquele
mente com um problema básico híbrido desafiador de ter filhos e estar so-
de identidade. Sou uma pessoa zinho, nada disso define quem você é. E,
solteira que tem a responsabilida- quem é você? Ouça as palavras do apósto-
de de cuidar de filhos? Ou sou um lo Paulo a todos quantos pertencem a Cris-
pai ou uma mãe que vive basica- to Jesus:
mente no mundo dos solteiros? É Pois todos vós sois filhos de
duro desempenhar os dois papéis Deus mediante a fé em Cristo Je-
o tempo todo. sus; porque todos quantos fostes
Muitos dos que vivem essa si- batizados em Cristo de Cristo vos
tuação procuram ter comunhão revestistes. Dessarte, não pode ha-
com o ministério de solteiros, po- ver judeu nem grego; nem escravo
rém acham que é desafiador tran- nem liberto; nem homem nem
sitar no território social dos soltei- mulher; porque todos vós sois um
ros, caracterizado pela flexibilida- em Cristo Jesus. E, se sois de Cris-
de. Com freqüência, os solteiros to, também sois descendentes de
têm muito pouco conhecimento Abraão e herdeiros segundo a pro-
das pressões envolvidas na criação messa (Gl 3.26-29).
de filhos e podem preferir nem
Aqui Paulo destaca três categorias co-
mesmo incluir crianças em seu
muns para distinguir entre as pessoas da-
mundo. Outros buscam identifi-
queles dias - judeu versus grego, escravo
cação com as famílias com “pai e
versus senhor, homem versus mulher - e ele
mãe”, no mundo dos casais, o que
nos diz que em Jesus Cristo essas diferen-
pode proporcionar um ambiente
ças já não existem mais. Não o interprete
de segurança e treinamento mara-
mal. Paulo não desconsidera as etnias ou
vilhoso para as crianças... mas che-
as heranças culturais, ele não é alheio às
ga o momento em que os casais vão
dinâmicas entre escravos e senhores no tra-
para casa e, instantaneamente, a
balho nem ignora as diferenças entre o
solidão de criar os filhos sozinho
homem e a mulher. Pelo contrário, em
toma conta do vazio.2
outras cartas ele se dirige particularmente
Qual identidade, então, esse pai ou essa
a judeus, gregos, senhores, escravos, ho-
mãe deveria adotar? Em certo sentido, ne-
mens e mulheres - pessoas que represen-
tam as distinções que ele afirma não exis-
2
Andrew Farmer, "Appendix A: Single Parents and the
tirem mais em Cristo.
Church" (Apêndice A: A igreja e os pais que criam
seus filhos sozinhos), The Rich Single Life (A vida O que Paulo quer dizer? Simplesmen-
abundante do solteiro)(Gaithersburg, MD: te isso: Jesus Cristo define quem somos não
Sovereign Grace Ministries, 1998), 151. Versão para de acordo com a nossa condição social, mas
download disponível no: pela nossa união com Ele. O evangelho não
www.sovereigngraceministries.org.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 115


despreza nossa classe social nem castra a sua vida, você pode lidar com os altos e
nossa identificação sexual. Ele faz com que baixos da condição de ter filhos. No en-
elas sejam relativas e subordinadas de for- tanto, se você se deixou definir como uma
ma a não mais nos definir nem controlar. mãe casada ou um pai casado, sua vida
No final das contas, o que importa é que precisa agora de uma redefinição radical.
somos cristãos, filhos e filhas de Deus, Permita que o evangelho defina quem
herdeiros das bênçãos prometidas a você é.
Abraão, que se cumprem em nossa vida As implicações de criar os filhos sem a
por meio de Jesus. ajuda de um cônjuge são múltiplas. Em
A maneira de você ver a si mesmo tem primeiro lugar, significa que Jesus é, e an-
grande importância. Gosto muito de uma seia ser, a Pessoa mais importante em sua
fala de Donald Southerland no filme Uma vida, muito mais do que o cônjuge que
Saída de Mestre, lançado em 2003. você teve ou do que o cônjuge que você
Southerland faz o papel de John, um la- desejou ter.
drão bem-sucedido, porém já de uma cer- Quem mais tenho eu no céu? Não
ta idade, que se especializou no roubo de há outro em quem eu me
obras de arte e jóias de alto valor. Ao apre- compraza na terra. Ainda que a
ciarem os 35 milhões de dólares resultan- minha carne e o meu coração des-
tes de seu crime, ele lamenta com Charlie, faleçam, Deus é a fortaleza do meu
seu jovem aprendiz encenado por Mark coração e a minha herança para
Wahlberg, o fato de ter consumido a vida sempre (Sl 73.25-26).
inteira como ladrão e nunca ter parado Visto como, pelo seu divino po-
para ter uma família. Em tom paternal, der, nos têm sido doadas todas as
ele aconselha Charlie: “Sabe, Charlie, exis- coisas que conduzem à vida e à
tem dois tipos de ladrões neste mundo: piedade, pelo conhecimento com-
aqueles que roubam para enriquecer sua pleto daquele que nos chamou
vida e aqueles que roubam para definir sua para a sua própria glória e virtude.
vida”. Balançando a cabeça, ele acrescen- (2Pd 1.3).
ta: “Não pertença ao segundo grupo. Isto
faz com que você perca as coisas que real- Em segundo lugar, significa que al-
mente importam na vida”. guns cristãos foram abençoados pela pro-
Da mesma forma, eu poderia sugerir vidência de Deus com o casamento e ou-
que existem dois tipos de pessoas casadas: tros, com o celibato. Alguns tornam-se pais,
aquelas cujo casamento enriquece sua vida enquanto outros não têm filhos. Todos nós,
(algo bom) e aquelas cujo casamento defi- porém, somos cristãos, somos um em Cris-
ne sua vida (algo ruim). Se a definição da to e temos uma nova identidade ancorada
sua identidade dependia do casamento, a para sempre em nosso Senhor e não em
morte do cônjuge ou o divórcio lhe rou- nossa situação social.
baram a identidade e, provavelmente, Também significa que, aos olhos de
murcharam a sua alma. De forma seme- Deus, você que é uma mãe ou um pai que
lhante, se a maternidade ou a paternidade cuida sozinho dos filhos tem mais em co-
- dentro ou fora do casamento - enriquece mum com os crentes casados ou com aque-
les que não têm filhos do que com uma

116 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


pessoa que também cuida sozinha dos fi- e agora você está viúvo ou viúva. Além de
lhos, mas não conhece o Filho de Deus. ter que lidar com os desafios singulares da
Há laços comuns que ligam você tanto a tarefa de criar os filhos, você precisa tam-
Jesus como ao Seu corpo, a Igreja: a rege- bém superar o luto. O processo de luto é
neração, a presença do Espírito Santo, a bastante doloroso mesmo no melhor dos
Bíblia, os pecados perdoados agora e para casamentos. E se o relacionamento com o
sempre, o chamado para a ministração cônjuge falecido não era bom - se você cons-
mútua, Deus como Pai, a fé, a esperança e truiu sua vida ao redor do seu cônjuge
o amor. Você não está exilado na terra das como um ídolo ou se a distância, a culpa,
mães e dos pais que cuidam sozinhos dos a amargura ou os conflitos não resolvidos
filhos e banido da ilha dos, supostamente caracterizavam o casamento - o processo
importantes, casados. Também não está do luto pode se tornar complicado e pro-
marginalizado como cidadão de segunda longado.3
classe. Não, você vive bem no centro da Talvez você e seu cônjuge estejam se-
história redentora de Deus, no centro da parados ou se divorciaram. Juntamente
Sua obra no mundo, unido com Seu com a tristeza da perda em si, semelhante
Filho. à dinâmica do luto descrita acima, você
Na verdade, você não é uma MÃE tem de lidar com a bagagem do relaciona-
SOZINHA cristã ou um PAI SOZINHO mento quebrado e as complicações atuais
cristão (o adjetivo cristão suplementa aqui com seu ex-cônjuge. É possível que haja
uma identidade supostamente essencial). disputa pela guarda dos filhos, as respon-
Você é um CRISTÃO que, no momento, sabilidades compartilhadas, as visitas, o
pela providência de Deus, não está casado sustento financeiro, as decisões referentes
e tem um ou mais filhos. Ser uma mãe ou ao bem-estar da criança, aos privilégios dos
um pai que cuida dos filhos sem a ajuda avós e assim por diante. Você é o respon-
do cônjuge é a sua situação e não a sua sável pela guarda dos filhos? Este é um fa-
identidade. Você é, essencialmente, uma tor importante, assim como o grau de
filha ou um filho de Deus em união pro- envolvimento que seu “ex” deseja ter na
funda e eterna com Jesus Cristo. vida da criança. Acrescente à situação o
desejo de namorar novamente ou as pers-
2. Resolva apropriadamente as pectivas de um novo casamento. As pres-
sões que se juntam podem consternar até
diversas questões referentes a como o mais valente pai ou mãe.
você se tornou uma mãe ou um Ou talvez você nunca se casou. Pode
pai que cuida sozinho dos filhos. ter sido estuprada ou seduzida, ou se en-
Como você chegou a essa situação?
Como você lida com a providência divina
que permitiu que isso acontecesse? Deus 3
Embora o aconselhamento centrado em Cristo
está sempre pronto a ajudar na solução referente ao luto na perda do cônjuge (e temas
dessas questões inquietantes. semelhantes) ultrapasse os objetivos desse artigo,
recomendo o livreto de Paul Tripp, “Grief: Finding
É possível que o casamento tenha feito Hope Again” (Luto: encontrando esperança
parte de sua vida, mas seu cônjuge faleceu novamente), Winston-Salem, NC: Punch Press,
2004.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 117


volveu espontaneamente em um relacio- Deus fala à sua situação específica e a to-
namento de sexo pré-conjugal que nunca das as questões envolvidas - culpa, lem-
chegou até o casamento. Possivelmente, a branças tristes, ira, amargura, ressentimento,
descoberta da gravidez a surpreendeu. perda, angústia, medo e assim por diante.
Você enfrentou uma decisão monumental Todas as respostas, naturalmente, unem
e decidiu ficar com seu bebê, encarando você a Jesus Cristo. Por exemplo, você con-
corajosamente os membros da família, os segue ver na cruz de Jesus a resposta de
amigos e as vozes interiores que insistiam Deus para a culpa que você sente pelo fim
a favor do aborto. Quer você estivesse do casamento ou pelo pecado do sexo pré-
ciente ou não, você escolheu o caminho conjugal? Como mãe solteira ou pai sol-
de Deus para seu filho, visto que Deus é teiro, você provavelmente sente bastante
aquele que forma os bebês no ventre e so- culpa - eu conheci poucos em situação se-
mente Ele tem o direito de tirar qualquer melhante que não se sentissem incapaci-
vida humana. Talvez você tenha conside- tados para cumprirem devidamente a ta-
rado entregar seu bebê a pais qualificados refa de criar os filhos. Porém, remoer-se
e amorosos ou a uma agência confiável que em constante culpa pelo passado não é o
daria assistência nesse processo, mas no fi- que Jesus deseja para você.
nal você escolheu ser uma mãe solteira. Ou, talvez, você luta com amargura em
Andrew Farmer reconhece a pressão que relação ao seu ex-cônjuge e percebe que
pesa sobre você: isso não apenas controla a sua vida, mas
Falamos sobre a necessidade de também afeta as crianças, que espiram o
treinar os filhos com diligência e bafo de sua ira. Você consegue assimilar o
persistência piedosas, porém as que significa viver como alguém que foi
mães e os pais solteiros precisam, perdoado diante de Deus de uma dívida
com freqüência, criar seus filhos multimilionária de pecado, e livrar-se da
dentro de um sistema complicado amargura acumulada contra a outra pes-
e competitivo de autoridades e in- soa (Mt 18.21-35)?
fluências que costuma incluir a mãe É vital que você lide com sua bagagem
ou pai biológico, os avós, conse- acumulada; isso afetará você e os seus fi-
lheiros, audiências, advogados, es- lhos agora e nos dias vindouros. Jesus é
colas, mídia e colegas! Talvez ain- suficientemente poderoso para ajudar a
da mais desafiador é o fato de que vencer a amargura.
uma mãe solteira vive constante-
mente ciente de que sua maior ale- 3. Agarre-se às promessas especiais
gria, aquela criança maravilhosa,
está intrinsecamente ligada à ver- de Deus de cuidar das viúvas e ser
gonha pessoal, à dor, ao fracasso ou um Pai para os órfãos.
a perdas de enormes proporções. A Bíblia é abundante em promessas
Seja como for que você se tornou e per- para as viúvas e os órfãos. Farmer resume
manece uma mãe ou um pai sozinho com bem o assunto:
os filhos, a Bíblia transborda de palavras A esperança superabundante
de graça, poder e esperança para você. das mães que cuidam sozinhas de
seus filhos é a paternidade de

118 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Deus... Deus Pai tem um lugar Egito e de que o SENHOR te livrou
especial em Seu coração para as vi- dali; pelo que te ordeno que faças isso
úvas e os órfãos. Seu grande cora- (Dt 24.17-18; cf. 24.19-22).
ção bate com compaixão por aque-
Š Fazei justiça ao fraco e ao órfão,
les que Lhe pertencem e caminham
procedei retamente para com o aflito
sozinhos.4
e o desamparado. Socorrei o fraco e o
É possível ver o coração de Deus nas
necessitado; tirai-os das mãos dos
Suas promessas de cuidar de modo espe-
ímpios (Sl 82.3-4).
cial das viúvas e dos órfãos entre Seu povo:
Š Pai dos órfãos e juiz das viúvas é Deus Š Não removas os marcos antigos, nem
em sua santa morada. Deus faz que o entres nos campos dos órfãos, porque
solitário more em família... o seu Vingador é forte e lhes pleiteará
(Sl 68.5-6) a causa contra ti (Pv 23.10-11).

Š O SENHOR guarda o peregrino, Š No meio de ti, desprezam o pai e a


ampara o órfão e a viúva... mãe, praticam extorsões contra o
(Sl 146.9) estrangeiro e são injustos para com o
órfão e a viúva (Ez 22.7).
Š Porque o teu Criador é o teu marido;
o SENHOR dos Exércitos é o seu A Bíblia, claramente, refere-se a Deus
nome; e o Santo de Israel é o teu como Pai. Mas o próprio Deus e Seu Filho
Redentor; ele é chamado o Deus de não se sentem constrangidos de usar tam-
toda a terra (Is 54. 5; cf. Os 14.1-3). bém metáforas maternais para se referirem
ao Seu cuidado com Seu povo. Embora
Uma das maneiras pelas quais Deus essas ilustrações não digam respeito pro-
demonstra o Seu cuidado para com os que priamente a crentes viúvos ou a órfãos, o
criam sozinhos os filhos são os mandamen- princípio contido nas promessas do cui-
tos, ensinos, repreensões e advertências que dado de Deus para com aqueles que cui-
encontramos nas Escrituras para que as dam sozinhos de seus filhos, e para com os
pessoas protejam as viúvas e os órfãos: filhos também, vale igualmente para eles.
Š A nenhuma viúva nem órfão afligireis. Š Cantai, ó céus, alegra-te, ó terra, e
Se de algum modo os afligirdes, e eles vós, montes, rompei em cânticos,
clamarem a mim, eu lhes ouvirei o porque o SENHOR consolou o seu
clamor; a minha ira se acenderá, e vos povo e dos seus aflitos se compadece.
matarei à espada; vossas mulheres Mas Sião diz: O SENHOR me
ficarão viúvas, e vossos filhos, órfãos desamparou, o Senhor se esqueceu de
(Ex 22.22-24). mim. Acaso, pode uma mulher
Š Não perverterás o direito do esquecer-se do filho que ainda mama,
estrangeiro e do órfão; nem tomarás de sorte que não se compadeça do
em penhor a roupa da viúva. filho do seu ventre? Mas ainda que
Lembrar-te-ás de que foste escravo no esta viesse a se esquecer dele, eu,
todavia, não me esquecerei de ti
(Is 49.13-15).
4
Farmer, 153.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 119


Š Como alguém a quem sua mãe nha filha no coração, com quem eu possa
consola, assim eu vos consolarei; e em trocar idéias. Desde o divórcio, tenho der-
Jerusalém vós sereis consolados ramado mais lágrimas enquanto procuro
(Is 66.13). tomar as melhores decisões. Com uma
adolescente, centenas de decisões precisam
Š Jerusalém, Jerusalém, que matas os
ser tomadas diariamente”.
profetas e apedrejas os que te foram
Felizmente, Sandy leva essas lágrimas
enviados! Quantas vezes quis eu reunir
até Deus e busca a Sua ajuda para as deci-
os teus filhos, como a galinha ajunta
sões diárias. Deus, com certeza, tem em
os seus pintinhos debaixo das asas, e
Seu coração os melhores interesses de sua
vós não o quisestes! (Mt 23.37).
filha, mais do que ela mesma.
Qual a importância disto? Em meio
ao abandono de sua esposa, Scott perce-
beu que seu relacionamento crescente com
4. Creia e pratique os conselhos
Deus transformou suas lutas em bênçãos. bíblicos básicos dados para todos os
“Sem dúvida nenhuma, a única coisa que pais, incluindo aqueles que estão
me sustenta são as promessas de Deus. O sozinhos.
poder de Deus dá o que preciso para a vida Se criar filhos sozinho é, de fato, uma
e a piedade (2Pe 1.3). Sua força atua po- tarefa muito árdua, você certamente pre-
derosamente em mim (Cl 1.29). O tema cisa de orientação clara. E, felizmente, a
central da vida já não é mais as dificulda- Bíblia fala com você de capa a capa. “Que
des que me sobrevêm, mas a atuação de bom”, você diz, “eu estava procurando aju-
Deus para me conformar à imagem de Seu da. Dê-me alguns versículos que apontam
Filho.” para pais e mães que criam seus filhos so-
Como uma mãe ou um pai que cria zinhos e que dizem o que precisamos fazer
sozinho os seus filhos pode se achegar a com nossos filhos”.
Deus? Amy aponta para sua Bíblia: “Ler Desculpe. A Bíblia nem sempre res-
Salmos e Provérbios nos momentos de ponde às perguntas conforme as formula-
maior dificuldade ajudou-me muito. Par- mos nem nos dá verdades nas categorias
ticipar regularmente de estudos bíblicos, ou nos formatos que desejamos. De fato,
mesmo mais do que o normal, tem-me nas Escrituras, não há “os dez mandamen-
sustentado. Deus me convenceu de que tos” que tratam exclusivamente dos pais e
aprofundar meu relacionamento com Ele mães que criam seus filhos sozinhos. O que
era uma necessidade para minha sobrevi- deveríamos fazer a respeito da aparente
vência”. ausência de orientação bíblica dirigida es-
Por que isso é tão importante? Sandy pecificamente a eles? Vamos começar com
responde: “O desafio mais difícil que en- uma pergunta mais fundamental: Havia
frento enquanto mãe que cuida sozinha de pais ou mães que criavam seus filhos sozi-
uma filha é tomar decisões na sua educa- nhos nas comunidades da fé para quem o
ção sem poder contar com a ajuda de al- Antigo e Novo Testamentos foram escri-
guém que ame minha filha tanto quanto tos? Com certeza. Então, por que eles fo-
eu. Meu desejo constante é encontrar al- ram excluídos de receber conselhos bíbli-
guém com os melhores interesses de mi-

120 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


cos diretos a respeito de como criar os fi- não seus pais, quem deve criar os filhos
lhos? A resposta: Eles não foram excluí- que Deus lhe confiou.
dos. Quando Deus falou por meio das
Escrituras, Ele falou para mães e pais que 5. Preste atenção especial a como
contavam com a ajuda do cônjuge e tam-
bém para aqueles que criavam os filhos seus filhos lidam com a situação de
sozinhos. Em outras palavras, a orientação você ser uma mãe ou um pai que
geral dada a todos os pais e mães é tam- os cria sozinho. Oriente-os, mas
bém pertinente àqueles que estão sozinhos. sem impor sobre eles uma mentali-
Você não faz parte de uma subcategoria dade e identidade de vítimas.
especial de exceção. É sábio dar a devida atenção não so-
Quais são as diretrizes de Deus para mente a como a situação afeta você, mas
os pais? Embora os diferentes autores re- também a como ela afeta as crianças. Seja
sumam a criação de filhos de várias ma- qual for a razão de você estar sozinho, seus
neiras, a maioria inclui os seguintes com- filhos igualmente perderam um dos pais.
ponentes: Você não é o único que precisa reagir à
Š prover cuidado físico e emocional,
situação e ajustar-se sabiamente. O pai ou
Š prover instrução verbal,
a mãe de seu filho morreu (se você enviu-
Š prover disciplina física,
vou), saiu de casa (se houve um divórcio)
Š exemplificar na vida diária a depen-
ou pode ser um desconhecido para a
dência de Cristo, cujo alvo é a semelhança criança (se você não revelou a identidade
da Sua imagem, dele ou dela). Você sabe como seu filho
Š orar pelos filhos e com eles. está lidando com o acontecimento que o
Naturalmente, você não conseguirá dar deixou com apenas o pai ou a mãe em
todo tempo, energia, habilidade e casa?5
criatividade para essas cinco tarefas como Ao mesmo tempo, você precisa rejei-
um casal daria. E Deus não espera um es- tar algumas mentiras. Em primeiro lugar,
forço duplo de sua parte. Você não conse- não perca de vista a responsabilidade que
gue e nem deve tentar desempenhar o pa- seu filho tem de amar e obedecer a Deus,
pel de dois adultos. Mas, o que você pre-
cisa procurar cumprir para com os seus fi-
lhos, com a ajuda de Deus, são esses cinco 5
Considere a pesquisa desanimadora feita por Judith
ministérios. S. Wallerstein, Julia M. Lewis e Sandra Blakeslee,
The Unexpected Legacy of Divorce: A 25 Year Landmark
Além disso, embora você receba aju-
Study (O legado inesperado do divórcio: um estudo
da de outras pessoas - seus pais e amigos, a referencial de 25 anos) (NY: Hyperion, 2000). Para
igreja e outros mais - você continua a ser a uma perspectiva cheia de esperança bíblica, veja Amy
mãe ou o pai de seus filhos, designado e Baker, “Children of Divorce: Issues to Be Addressed in
autorizado por Deus. Não entregue a au- Helping the Children” (Os filhos do divórcio: questões
a serem tratadas para ajudar as crianças), um
toridade, a responsabilidade e a oportuni- seminário apresentado na Conferência de
dade a outros. Não existe doutrina bíblica Treinamento em Aconselhamento Bíblico da Faith
sobre os direitos e deveres das avós. Na Baptist Church, Fevereiro 2000. Para gravações de
soberania e providência de Deus, é você, e áudio, contate Faith Baptist Church
www.fbclafayette.org/store.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 121


a despeito das circunstâncias desagradáveis. Š Tu, porém, permanece naquilo que
Um lar quebrado não é desculpa para in- aprendeste e de que foste inteirado,
credulidade, rebeldia, ingratidão ou ido- sabendo de quem o aprendeste e que,
latria. A rebeldia juvenil continua a ser, desde a infância, sabes as sagradas
em última análise, rebeldia. E rebeldia letras, que podem tornar-te sábio
constitui pecado.6 para a salvação pela fé em Cristo Jesus
Em segundo lugar, rejeite as teorias (2Tm 3.14-15).
desanimadoras que condenam seus filhos
Deus usou uma mãe, uma avó e um
a problemas futuros simplesmente porque
mentor piedosos para ensinar e praticar o
eles não têm pais casados ou devido à in-
evangelho para Timóteo. Ele pode usar
fluência negativa que o pai ou a mãe exer-
influências semelhantes na vida de seu fi-
ce sobre eles. Seus filhos não são vítimas
lho, confirmando a promessa encorajadora
de um lar arrebentado. Eles são pessoas -
do apóstolo em 1Coríntios 7.14: “Porque
pessoas criadas à imagem de Deus, que
o marido incrédulo é santificado no con-
podem conhecer e seguir a Jesus para ter
vívio da esposa, e a esposa incrédula é san-
uma vida significativa que agrada a Ele.
tificada no convívio do marido crente.
Juntamente com meu testemunho pesso-
Doutra sorte, os vossos filhos seriam im-
al, posso citar vários outros homens e mu-
puros; porém, agora, são santos”.7
lheres tementes a Deus que cresceram com
Que passos você, como mãe ou pai que
apenas um dos pais.
cria seus filhos sozinho deve dar se a
No Novo Testamento, considere o
pecaminosidade de seu ex-cônjuge exerce
exemplo de Timóteo. Embora seus pais
uma influência negativa sobre seus filhos?
fossem casados, o casamento era espiritu-
Š Confie seus filhos ao Senhor. Lembre
almente misto. Somos apresentados a Ti-
que seus filhos são propriedade de
móteo em Atos 16.1, onde lemos que sua
Deus. Você é um mordomo da vida
mãe era uma crente em Jesus, mas seu pai,
de cada filho e não o proprietário.
aparentemente, não era. Que futuro have-
Peça humildemente a Deus que
ria para aquele jovem? Ouça seu pai espi-
trabalhe diretamente na vida de seu
ritual, o apóstolo Paulo, descrever o que
filho ou sua filha e use outros meios
Deus realizou na vida de Timóteo a des-
de graça para salvar, proteger e
peito de um pai descrente:
fortalecer.
Š ...pela recordação que guardo de tua
fé sem fingimento, a mesma que, Š Por amor aos filhos, apele ao seu ex-
primeiramente, habitou em tua avó cônjuge para mudar, restringir ou
Lóide e em tua mãe Eunice, e estou controlar um comportamento
certo de que também, em ti ofensivo. Se isso falhar, procure outros
(2Tm 1.5).
7
Os comentaristas diferem a respeito dos benefícios
da “santificação” e “santidade” que atingem um
cônjuge descrente ou um filho descrente. Entendo
que se trata de um privilégio especial “ uma ponte
6
Considere, por exemplo, Isaías 1.2; Malaquias 1.6; evangelística “ que os membros de uma família têm
Romanos 1.30; 2Timóteo 3.1-5; Êxodo 20.12; quando um pai ou uma mãe pertence a Jesus e vive
Efésios 6.1. sua vida de fé dentro do lar.

122 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


recursos judiciais ou de prestação de Š Solicite que um dos pastores ou líderes
contas como cláusulas no acordo da espirituais sente junto com você e
guarda compartilhada, aconselha- seus filhos para dar a eles uma
mento, encontros assistidos ou a perspectiva bíblica a respeito do que
solicitação de ajuda aos parentes e aconteceu em seu casamento, como
amigos. Em casos graves, pode ser Deus vê a situação que você e seu ex-
necessária a intervenção do Juizado cônjuge vivem atualmente e como Ele
da Infância e da Juventude. deseja que os filhos tratem os pais e
lidem com a situação de irem de uma
Š Continue a praticar o evangelho e a
casa para outra. Isso é vital
ensiná-lo aos seus filhos como fez
especialmente se os filhos estiverem
Eunice, a mãe de Timóteo, e reflita a
recebendo uma perspectiva
imagem de Cristo, que contrasta com
pecaminosamente preconceituosa
o estilo de vida do incrédulo e
sobre essas questões.
contrabalança a influência negativa.
Peça a Deus ajuda para caminhar Em meio a tudo isso, Deus lhe dá uma
debaixo da orientação do Espírito oportunidade prática para ensinar aos seus
Santo e demonstrar o fruto do filhos sobre Sua soberania, sabedoria e
Espírito, adornar o evangelho e tornar bondade. Você não pode consertar todos
Jesus atraente para seus filhos à os problemas e complicações que seus fi-
medida que eles consideram as lhos enfrentam, mas você pode transmitir
encruzilhadas no caminho da vida. uma imagem preciosa, firme e segura de
Em alguns casos, será preciso você Deus e Seus caminhos. Sintonize seus fi-
advertir e aconselhar sabiamente seus lhos com o Deus de toda a esperança, o
filhos antes ou depois do tempo que Deus de Romanos 8.28-29, que provê es-
eles passam com o pai ou a mãe. Por perança e propósito para sua vida e a de
exemplo: “Papai pode fazer algumas outros.
coisas diferentes do que a mamãe faz. Uma mãe que crias seus filhos sozinha
A razão por que a mamãe age dessa resumiu suas preocupações nas seguintes
forma é porque ela procura seguir a palavras:
Jesus. Seu pai, no momento, não está Š Não sou capaz de preencher o papel
buscando seguir a Jesus. Respeite seu de pai para nossos filhos;
pai, ame seu pai e ore por ele. Você
Š meu ex-marido e eu temos filosofias
deve lidar da seguinte maneira se
diferentes a respeito do que ensinar e
ele...”.
que exemplos dar para nossos filhos -
Š Lembre seus filhos de que devem prioridades e valores cristãos versus
tomar uma decisão individual de prioridades e valores do mundo;
seguir a Jesus e eles não podem culpar
Š procuro manter o foco no futuro ao
o pai, a mãe nem outra pessoa
invés de focar o passado;
qualquer por darem exemplos não-
bíblicos. Š quando nossas filosofias e prioridades
conflitam, procuro não levar para o
âmbito pessoal. Explico minha

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 123


posição, permaneço firme naquilo que tade de Deus para um relacionamento que
quero ensinar aos meus filhos e pode ser continuamente extenuante.8
procuro não atacar; Entretanto, há boas notícias aqui para
você que busca a vontade de Deus: você
Š minha maior preocupação é não deixar
não é responsável diante de Deus pela re-
que minha atitude afete meus filhos
ação dos outros. Além disso, Deus prome-
negativamente. Encontro-me na
te caminhar com você em meio a essas
situação de precisar criar os filhos
interações, conceder-lhe perdão quando
sozinha, mas não é esse o meu desejo.
você falha, fortalecer sua confiança nEle e
Observe quantas coisas nesta lista têm sua obediência a Ele, usar o conflito para
a ver com o relacionamento entre ela e o formar em você a imagem de Jesus e com-
ex-marido, e a sua atitude com respeito a pletar Sua boa obra em você até o dia em
ser uma mãe que cria os filhos sozinha. que Ele levará você para Seu reino eterno,
um lugar de paz, alegria e justiça eternas
6. Busque um relacionamento na presença do próprio Deus.
apropriado, sábio e agradável a
Deus com o pai ou a mãe de seu 7. Participe, tão intensamente
filho. quanto suas circunstâncias permi-
O chamado aqui é simples. No entan- tirem, na adoração, na comunhão
to, é profundo e, freqüentemente, extenu- e no ministério da igreja local, o
ante: amar a Deus com todo o seu ser e corpo de Cristo.
amar o ex-cônjuge assim como você natu- O divórcio ou a morte do cônjuge po-
ralmente ama a si mesmo (Mt 22.36-40). dem ter o efeito de anestesiar ou se consti-
Se o pai ou a mãe da criança faleceu ou se tuir em uma tentação para não confiar nas
ele ou ela não demonstra nenhum desejo pessoas e afastar-se de relacionamentos ín-
de envolver-se com os filhos, a tarefa tor- timos. Por diferentes razões, muitos daque-
na-se menos complexa. Porém, quando les que criam seus filhos sozinhos encon-
existe tensão no relacionamento com a
outra parte, esse chamado fica bem difícil. 8
Para auxílio na resolução de conflitos, veja Ken
“Se possível, quanto depender de vós, ten- Sande, “The Peacemaker: A Biblical Guide to
de paz com todos os homens” (Rm 12.18), Resolving Personal Conflict” (O pacificador: um guia
e com todo esforço para manter a cons- bíblico para a solução de conflitos interpessoais), 3ª
ciência pura diante de Deus e de outras edição (Grand Rapids, MI: Baker, 2004); Timothy
S. Lane, “Conflict” (Conflito) (Greensboror: New
pessoas (At 24.16). Cultivar atitudes de Growth, 2006); e Robert D. Jones, Resolvendo
misericórdia, saber quando e como con- conflitos biblicamente. Dokimos, São Paulo, Nutra,
frontar ou posicionar-se em prol da justi- v.1, p. 53-66, 2004.
ça (particularmente no que refere aos seus “Peacemaking for Families: A Biblical Guide to
filhos), confessar humildemente suas fal- Managing Conflict in Your Home” (Pacificação nas
famílias: um guia bíblico para lidar com conflito em
tas e buscar o perdão da outra parte, con-
seu lar) (Wheaton, IL: Tyndale, 2002), concentra-se
trolar sua língua, orar pelo seu ex-cônju- mais resumidamente em conflitos conjugais e inclui
ge, lidar com os sogros - estas e muitas capítulos que se aplicam à resolução de conflitos
outras atitudes e ações constituem a von- com sogros e filhos.

124 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


tram conforto na solidão, a ponto de se ajuda para levar ou buscar meus filhos nos
isolarem com seus filhos. treinos ou outras atividades, e a maioria
Trata-se de um erro - um erro com- das pessoas sente-se muito feliz em poder
preensível e fácil de ser cometido, mas que ajudar. Em geral, acho mais fácil procurar
não deixa de ser um erro. Você e sua famí- essa ajuda na igreja, pois sei que lá as pes-
lia precisam do corpo de Cristo. Embora soas estão à procura de oportunidades e
Deus, em Sua soberania, permitiu a sua têm disposição para servir”. Outra mãe,
posição de mãe ou pai que cria sozinho os embora aprecie esse tipo de ajuda, ressalta
filhos, Ele não chamou você para viver iso- o lado negativo: “Agendar compromissos
lado de outros crentes. é um pesadelo para mim, pois sou apenas
Você precisa da adoração corporativa, uma para dar conta de levar minha filha
momentos semanais para colocar seus de um lado para outro e também fazer meu
olhos em Deus Pai, em Jesus como seu trabalho. Minha filha sempre consegue
Salvador e no poder do Espírito Santo. As pegar uma carona com alguém, mas nem
pressões da criação dos filhos podem con- sempre é a carona que eu gostaria que ela
duzir a um afastamento com relação a ou- pegasse. Detesto não poder apanhá-la de-
tras pessoas. Congregar-se para louvar ao pois da escola, para encorajá-la se ela teve
Deus trino e receber Sua Palavra pregada um dia ruim ou vibrar com ela se obteve
conduz a Ele e às outras pessoas. um bom resultado em alguma prova ou
Você precisa da comunhão com outros tarefa escolar”.
crentes, tanto irmãos como irmãs em Cris-
to, que podem ajudar, encorajar e praticar
os muitos versículos bíblicos de
mutualidade. A imersão na família de 9
Embora este artigo trate da mãe e do pai que cria
Deus protege da solidão, da vida centrada seus filhos sozinho, há implicações consistentes para
em si mesmo e do sentimento de vítima. os líderes e membros da igreja. Novamente, ouça o
coração pastoral de Andrew Farmer: “Enquanto
Evidentemente, ela requer disposição de reconhecemos as diversas dimensões de lacuna na
sua parte para buscar humildemente e acei- vida das mães e dos pais que criam seus filhos
tar com gratidão a ajuda daqueles que de- sozinhos, também reconhecemos que Deus, em Sua
sejarem servir de diversas maneiras: auxí- sabedoria, providenciou um lugar ideal para as
famílias que só contam com o pai ou a mãe. Trata-se
lio no cuidado com as crianças, ajuda fi-
da igreja local: uma comunidade de fé, a família de
nanceira, inclusão da sua família para uma Deus. Nós que somos membros da igreja local, e
viagem de férias, aconselhamento em ques- recebemos a graça de Deus, precisamos dar as boas-
tões financeiras, instrução para os filhos, vindas em nosso meio a estes pais, mães e seus filhos.
ajuda na procura de emprego ou nas tare- Sem criar dinâmicas de dependência prejudiciais,
precisamos nos dispor a enxergar suas necessidades
fas e consertos domésticos que escapam à como legítimas e dignas de nossa atenção em longo
sua habilidade ou ao tempo de que você prazo. Precisamos também nos preparar para nos
dispõe.9 posicionarmos com eles diante do sistema legal, do
Entre os que trabalham fora, muitos sistema de assistência governamental e, mais
importante, em nossos pequenos sistemas sociais.
valorizam particularmente a ajuda no
Precisamos ser flexíveis na maneira de agir para que
transporte: “Como não posso estar em dois possamos incluir esses pais ou mães e seus filhos e
lugares ao mesmo tempo, aprendi a pedir ajudá-los a encontrarem o seu lugar prático na
família da igreja”. Farmer, 152.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 125


O aconselhamento pastoral pode ser do mesmo sexo com quem você possa cul-
valioso. Na experiência de um pai: “De tivar um relacionamento de parceria e co-
todos os tipos de apoio que busquei, o munhão centrada em Cristo.
aconselhamento pastoral foi o mais útil, Finalmente, além dos benefícios, fazer
receptivo e perseverante. Em minha opi- parte do corpo de Cristo também inclui
nião, isso se deve ao fato de que os pasto- responsabilidades. Você precisa servir.
res têm outra fonte de sustentação, que os Embora a combinação de criar os filhos
mantém saudáveis e equilibrados - Deus”. sem a ajuda de um cônjuge e também pro-
Ao tentar participar das atividades na ver as necessidades da casa possa consumir
igreja, não se acomode nas classes ou gru- todo o seu tempo, procure oportunidades
pos pequenos específicos para aqueles que para servir, até mesmo de formas peque-
criam seus filhos sozinhos. Pode ser uma nas e ocasionais. Quando existe disposi-
escolha sábia, inicialmente, pois oferece ção, as oportunidades costumam surgir.
alívio em curto prazo e ajuda no entro- Com o seu serviço, você não apenas agrada
samento com o restante da igreja. Porém, a Deus e ajuda outras pessoas, mas tam-
lembre-se de que o corpo de Cristo é mai- bém dá exemplo de um coração de servo
or do que você e os seus amigos que vivem para seus filhos e encontra grande alegria
uma situação semelhante à sua. Como ao seguir o modelo de seu Salvador, que
membro do corpo, você tem algo a ofere- ensinou que “mais bem-aventurado é dar
cer aos outros e eles têm algo a oferecer a que receber” (At 20.35).
você. Atualmente, por exemplo, lidero um Por outro lado, para alguns homens e
grupo na minha igreja que consiste pro- mulheres, estar sozinho na tarefa de criar
positadamente de pessoas casadas e soltei- os filhos significa uma mudança com rela-
ras e, entre os não-casados, estão pessoas ção aos planos de serviço cristão. Um pai,
com filhos e sem filhos. Eu desejo que meu estudante de seminário, chegou à seguin-
grupo seja um microcosmo da igreja em te conclusão agridoce: “Deus está me cha-
toda a sua extensão.10 mando para entregar meus objetivos e as-
Em especial, peça ajuda a Deus para pirações a Ele e aprender que amadurecer
encontrar na igreja uma ou duas amizades é mais importante do que alcançar meus
alvos em curto prazo: meu diploma no se-
minário, o ministério cristão e as melho-
10
Novamente, há implicações na maneira de
conduzirmos a igreja. Se eu me preocupo em não res oportunidades na minha carreira pro-
deixarmos de integrar as pessoas solteiras com as fissional atual”. Ironicamente, seja qual for
casadas, essa preocupação dobra com relação aos a direção vocacional que esse pai tomar, o
pais que estão sozinhos, triplica com as mães que resultado será certamente um servo de Je-
estão sozinhas, quadruplica com mães que além de
estarem sozinhas também são provedoras do lar e sus mais sábio e mais compassivo.
quintuplica com mães que estão sozinhas, são
provedoras do lar e cujo divórcio aconteceu por
abandono do marido por razões não-bíblicas.
Quando a norma é termos grupos só de casados e
grupos só de solteiros, deixamos de refletir a
verdadeira face da igreja e privamos as mães e os pais
que estão sozinhos de experimentarem a verdadeira
comunhão centrada em Cristo.

126 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


8. Exponha seus filhos, sempre que 9. No que se refere à possibilidade
possível, à presença de homens e de um casamento ou de um
mulheres cristãos que possam ser segundo casamento, busque o
modelos. conselho de Deus por meio de seu
Na maioria das igrejas, há cristãos com- pastor, dos líderes espirituais da
prometidos, homens e mulheres que po- igreja ou de um conselheiro
dem ser modelos para seu filho ou sua fi-
bíblico.
lha. Converse com os líderes espirituais a
Para você, que é uma mãe ou um pai
esse respeito. Eles mesmos podem ser tais
que cria sozinho os filhos, as questões que
modelos, já que a descrição de suas fun-
dizem respeito ao casamento ou a um se-
ções ministeriais inclui que sejam exem-
gundo casamento justificariam certamen-
plos de piedade (1Pe 5.2-4; Hb 13.7).
te um artigo ou um livro dedicado exclu-
Mantenha os olhos abertos para identifi-
sivamente a esse assunto. Buscar um par-
car crentes exemplares e não tenha medo
ceiro é o passo certo para você? Embora
de convidá-los para entrarem na vida de
em 1Timóteo 5.14 Paulo aprove o segun-
seus filhos, gradualmente, conforme apro-
do casamento das viúvas jovens, há poucas
priado. Você pode convidar um casal te-
declarações diretas nesse tema e, mesmo
mente a Deus para uma refeição ou verifi-
no caso das viúvas jovens, a sabedoria é
car com um cristão maduro e comprome-
necessária.
tido a possibilidade de ele cultivar uma
Aqui estão cinco perguntas que você
amizade com seu filho.
deve fazer:
“Mas eles têm tios, treinadores espor-
Š Estou livre, diante de Deus e de outras
tivos e líderes do grupo de escoteiros que
pessoas, para me casar ou recasar? Já
são boas pessoas”, você pode dizer. Isso é
lidei com as questões do passado ou as
bom. Verifique, porém, que tipo de men-
obrigações atuais conforme citadas no
sagem essas pessoas bem intencionadas
ponto dois acima? 11
passam a seus filhos se elas não seguem
declaradamente a Jesus. Elas podem pas- Š Desejo casar/recasar pelas razões certas?
sar a mensagem moralista de que é possí- A motivação para entrar em um ca-
vel ter uma vida muito boa sem Jesus Cris- samento é crucial. A motivação certa é
to. Em outras palavras, não se contente com “Eu quero amar e servir esse homem
meras influências de boa moral (embora ou essa mulher dentro de um relacio-
você deva preferi-las às influências imorais). namento conjugal concedido por
Seu alvo é levar os filhos a Cristo; não é Deus”. Porém, há motivações erradas
produzir pequenos fariseus. que reforçam nosso egoísmo natural:

11
Um artigo excelente para guiar seu pensamento
sobre se você deve casar-se é David Powlison e John
Yenchko, Devemos nos casar? Coletâneas de
aconselhamento bíblico, Atibaia, SBPV, v.2, p. 142-
154, 1999.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 127


“Eu preciso de um marido ou de uma Š Já considerei e busquei aconselhamento
esposa” ou “Meus filhos merecem uma sábio sobre os desafios singulares que
mãe ou um pai”. Por outro lado, há surgem com uma família “misturada”
motivações erradas para não se casar: ou “agregada”?
“Eu jamais confiarei em um homem Unir sua vida e a de seus filhos
ou em uma mulher novamente”. à vida de outra pessoa não é tarefa
Š Será que essa é a melhor pessoa para fácil, especialmente se a outra pes-
mim? Será que eu sou a melhor pessoa soa também tem filhos.12 Não é tão
para ele ou ela? fácil como os filmes do tipo Meus,
Seus, Nossos sugerem. Você quer
Dentro dos limites bíblicos claros
que esse homem ou essa mulher
de casar-se “somente no Senhor” (1Co
influencie e seja modelo para seus
7.39; cf. 2Co 6.14-17) - e com o com-
filhos? Você está preparado para
promisso mútuo de seguir a Cristo -
adaptar-se a um estilo diferente,
você tem um espectro bastante amplo
não apenas de casamento, mas tam-
na seleção de um parceiro. Porém,
bém de criação dos filhos? O que
como alguns descobriram a duras pe-
os seus filhos pensam dessa pessoa,
nas, é melhor permanecer sozinho
dos filhos dessa pessoa e da pro-
como pai ou mãe do que entrar em um
posta como um todo? Que impor-
casamento potencialmente destrutivo.
tância tem a opinião deles sobre a
Š Como eu e meu noivo ou minha noiva
sua decisão final? E o quanto você
podemos melhor nos preparar para o
permitirá que eles se apeguem ao
casamento?
parceiro em potencial antes de você
Você e seu noivo ou noiva estão dizer o “sim”? Procure aconse-
comprometidos com um preparo pré- lhamento; o amor romântico pode
conjugal sábio e centrado em Cristo? ser o tipo errado de amor cego.
Não caia na mentira que limita o
aconselhamento pré-conjugal aos jo- Conclusão
vens de dezoito anos com pouca expe- Criar os filhos sem a ajuda de um côn-
riência de vida. Todos podem benefi- juge é uma tragédia certa? Não para os pais
ciar-se do preparo pré-matrimonial, e as mães que pertencem a Jesus e dedi-
mesmo que “ e, talvez, especialmente cam-se a Ele. Seus filhos estão destinados
se “ você já foi casado. Atualmente, a a uma existência de segunda classe? Não.
maioria dos pastores comprometidos
com a Bíblia deseja que os casais de
noivos recebam ajuda de qualidade
12
Howard Eyrich, “The Christian Concept of an
Equal Yoke” (O conceito cristão de um jugo igual)
antes do casamento. Se o seu noivo ou
Three to Get Ready (Bemidji, MN: Focus, 1996), e
sua noiva não mostra interesse nem também Garry Friesen, “Decision Making and the
disposição para esse preparo, talvez Will of God: A Biblical Alternative to the Traditional
você tenha que questionar se ele ou ela View” (Decisões e a vontade de Deus: uma
está comprometido com seguir a Cris- alternativa bíblica para a Biblical Alternative to the
Traditional View” (Decisões e a vontade de Deus:
to após o casamento. uma alternativa bíblica para a visão tradicional)
(Sisters, OR: Multnomah, 2004).

128 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


No meu caso, por exemplo, Deus tinha provações são para testar nossa fé, para tor-
Suas mãos sobre a minha vida e conduziu- nar-nos mais fortes e afiar nosso caráter.
me a um relacionamento redentor com Por que, então, deveríamos resistir à bon-
Ele. dade de Deus?”. Qual é a maior esperança
O testemunho de Jenny pode ser o de Jenny? Jesus.
seu: “Não fixo meus olhos nas tristezas da Então, ele me disse: A minha
vida, mas na graça redentora de Deus. Isso graça te basta, porque o poder se
faz-me ajoelhar aos pés do Senhor, mas não aperfeiçoa na fraqueza. De boa von-
para suplicar por uma casa com jardim, tade, pois, mais me gloriarei nas
um marido e dois filhos. Não. Clamo de- fraquezas, para que sobre mim re-
sesperadamente pelas riquezas que só Ele pouse o poder de Cristo. Pelo que
pode dar - amor, alegria, paz, paciência, sinto prazer nas fraquezas, nas in-
benignidade, bondade, fidelidade, man- júrias, nas necessidades, nas per-
sidão e domínio próprio! E confio que seguições, nas angústias, por amor
Deus não é cego nem desprovido de com- de Cristo. Porque, quando sou
paixão, mas Ele tem tudo sob controle. A fraco, então, é que sou forte.
Bíblia afirma que teremos provações e as (2Co 12.9-10)

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 129


A Dimensão Espiritual do
Relacionamento Conjugal

Jay E. Adams1

Inicialmente, este artigo seria um ca- possibilidades de interpretação eu devo


pítulo de um livro sobre o relacionamen- rejeitar com todo vigor e a outra devo apoiar
to conjugal. Uma contribuição que me foi entusiasticamente. O que quero dizer com
solicitada para uma obra que reuniria o isso?
ponto de vista de diversos autores. Ele não Quando você pensa na “dimensão es-
foi publicado, pois minha abordagem bí- piritual” de uma coisa ou outra, você pode
blica do assunto não satisfez o editor. prontamente conceber esta “dimensão”
Minha luta como escritor começou como um dos aspectos, entre tantos, que
pelo título que me foi dado, visto que gas- podem ser considerados: físico, econômi-
tei tempo significativo na tentativa de co, psicológico e outros mais. No meio
entendê-lo. Não quero criticar o título em evangélico atual, adotar este ponto de vis-
si, embora eu preferisse algo mais vibran- ta significa, com muita freqüência, consi-
te. É a frase “dimensão espiritual” que me derar a “dimensão espiritual” como um
causou todo o problema. Não passe por mero ângulo de qualquer assunto de que
ela de leve, rapidamente, presumindo que você trate. É como se fôssemos adicionar
você a entendeu. Não é uma frase fácil de um equipamento espiritual a uma estru-
interpretar. Na verdade, cheguei à conclu- tura secular e humanista na educação, no
são de que ela pode ser lida de duas ma- aconselhamento, nos negócios, no casa-
neiras diferentes, se não opostas. Uma das mento ou outra área qualquer. De fato, as
pessoas que sustentam este tipo de pensa-
mento dão ao Espírito Santo um lugar
1
Tradução e adaptação de The Spiritual Dimension junto a outros tipos de energia, enquanto
of Marital Relationships. Publicado em The Journal
que a Palavra de Deus é colocada “ao lado
of Pastoral Practice, v. X, n. 1, 1989, p. 38-44.
de” e trabalhada para “calhar” com siste-
Jay Adams foi fundador de Christian Counseling and
Educational Foundation. mas que contêm idéias, valores, crenças e

130 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


práticas que, submetidos a uma análise ritual não é um mero ângulo da questão,
cuidadosa, revelam ter propósitos que se mas é o caminho para atingir cada ângulo.
chocam com muito do que o Espírito re- Por exemplo, em um livro que trata sobre
velou. A filosofia integracionista está tão o casamento, nenhum capítulo, nenhum
difundida que ela levanta seu próprio assunto deixa de estar relacionado com
slogan, que facilmente a identifica: “Toda Deus. Cada assunto levantado precisa ser
verdade é verdade de Deus”.2 Este slogan considerado na dimensão espiritual.
resume os argumentos e as justificativas Uma perspectiva errada da “dimensão
para as práticas integracionistas. Olhando espiritual” tem moldado amplamente a
por esse ponto de vista, existe uma dimen- filosofia de casamento daqueles casais bem
são, um aspecto ou um ângulo espiritual intencionados que vêem seu relacionamen-
do assunto casamento, assunto a respeito to fracassar. Talvez você seja um destes. É
do qual os educadores, sociólogos, psicó- possível que você tenha procurado solu-
logos e outros têm ainda mais a dizer. Essa ções em livros cristãos, mas sem encontrar
mentalidade resulta na prática do cristia- ajuda efetiva. Por quê? Porque muitos de-
nismo de uma hora, um dia e uma vez por les distribuem alimento contaminado e não
semana, que reconhece que Deus tem con- a pura verdade de Deus. Para remodelar o
trole apenas sobre uma fatia pequena de seu casamento de acordo com o plano de
nossa vida e do nosso tempo. É esta pers- Deus, é impossível usar um padrão seme-
pectiva da expressão “dimensão espiritu- lhante àquele que o levou ao fracasso. É
al” que eu espero que você também rejeite preciso um novo padrão, que reconheça
enfaticamente. que a dimensão espiritual alcança cada as-
Com igual força, espero que você abrace pecto do casamento.
com todo vigor a outra perspectiva: o Es-
pírito Santo está no controle e deve O plano de Deus
permear cada ângulo da questão, seja no Para remodelar o seu casamento de
casamento, nos negócios ou outras áreas acordo com a vontade de Deus, é preciso
mais. A dimensão espiritual alcança cada seguir o padrão de Deus. Esse padrão não
aspecto do casamento: físico, financeiro, está nas análises estatísticas dos sociólogos
sexual, social etc. Com esta perspectiva, o ou no consenso das melhores práticas da
relacionamento conjugal glorifica a Deus psicologia. Está na Palavra de Deus. Qual
dando-lhe o lugar central em tudo quanto é este padrão? Como ele permeia e con-
fazemos no casamento. A dimensão espi- trola tudo quanto faz parte do casamento?
Qual é o plano de Deus para o casamento
2
Esta frase é um truísmo que nenhum pensador que dá a cada ângulo da questão um tom
cristão iria negar, mas ela requer que se levante uma espiritual?
pergunta: “Claro, e ‘Todo erro é um erro de Satanás?’ Precisamos considerar inicialmente a
Para onde esse slogan nos conduz?” A justaposição palavra “espiritual”. Falar do casamento
dos slogans deixa claro que precisamos de um
conjunto de critérios para distinguir entre a verdade como “espiritual” é pensar como ele “fun-
de Deus e o erro de Satanás. Caso contrário, não ciona” de acordo com o plano do Espírito
chegaremos a lugar nenhum. Estes critérios são e pelo Seu poder. Dizer que uma atitude,
encontrados apenas na Bíblia, o padrão de Deus para um ato ou uma palavra que tem a ver com
determinar o que é e o que não é a verdade de Deus.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 131


o casamento é “espiritual” significa, por- O padrão de Deus para o casamento
tanto, falar de atos, palavras e atitudes que espelha o relacionamento entre
são produzidas pela habitação do Espírito
Cristo e Sua Igreja
em nós, de acordo com o Seu padrão.
“Bom, o que há de novo nisso?”, você
O padrão do Espírito está na Bíblia,
me pergunta. “É o padrão que eu tentei
claramente expresso em Efésios 5.21-33:
seguir e fracassei.”
Sujeitando-vos uns aos outros
O que há de novo é que se você fracas-
no temor de Cristo. As mulheres
sou, e o seu casamento precisa ser remo-
sejam submissas ao seu próprio
delado, você não deve ter seguido à risca
marido, como ao Senhor; porque
esse padrão. Pode ser que você tenha ten-
o marido é o cabeça da mulher,
tado seguir esse padrão como algo adicio-
como também Cristo é o cabeça
nal, algo que você faz somente quando se
da igreja, sendo este mesmo o sal-
ocupa com aquele determinado ângulo da
vador do corpo. Como, porém, a
questão. E essa é a razão por que não fun-
igreja está sujeita a Cristo, assim
cionou. O que estou sugerindo é que uma
também as mulheres sejam em
tentativa de uso parcial é equivalente a re-
tudo submissas ao seu marido.
jeitar o padrão todo. O padrão de Deus
Maridos, amai vossa mulher, como
permeia todas as áreas do casamento e pre-
também Cristo amou a igreja e a
cisa ser aplicado ao relacionamento conju-
si mesmo se entregou por ela, para
gal por inteiro.
que a santificasse, tendo-a purifi-
Pense no que significa o fato de a di-
cado por meio da lavagem de água
mensão espiritual permear cada ato, pen-
pela palavra, para a apresentar a si
samento e palavra no casamento. Como
mesmo igreja gloriosa, sem mácu-
marido, pense em tudo quanto você faz:
la, nem ruga, nem coisa semelhan-
“Devo agir para com minha esposa neste
te, porém santa e sem defeito. As-
aspecto como Cristo age para com Sua
sim também os maridos devem
Igreja”. Como esposa, em tudo quanto você
amar a sua mulher como ao pró-
disser, você deve se dirigir a seu marido
prio corpo. Quem ama a esposa a
como Cristo quer que Sua Igreja se dirija a
si mesmo se ama. Porque ninguém
Ele. Pense a esse respeito. Pense bastante e
jamais odiou a própria carne; an-
profundamente.
tes, a alimenta e dela cuida, como
Mas como Cristo se relaciona com a
também Cristo o faz com a igreja;
Sua Igreja? Com uma liderança amorosa e
porque somos membros do seu
sacrificial. Como Ele quer que a Igreja se
corpo. Eis por que deixará o ho-
relacione com Ele? Com submissão obe-
mem a seu pai e a sua mãe e se
diente e respeitosa. Esses são os ingredi-
unirá à sua mulher, e se tornarão
entes fundamentais do padrão. Tudo mais
os dois uma só carne. Grande é este
é uma elaboração desses dois princípios.
mistério, mas eu me refiro a Cris-
O casal cristão que coloca cada vez mais
to e à igreja. Não obstante, vós,
esses princípios em prática descobre que
cada um de per si também ame a
seu casamento ganha um molde novo e
própria esposa como a si mesmo, e
diferente. Com certeza, marido e esposa
a esposa respeite ao marido.

132 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


devem ser cristãos. Como já mencionei, a dinheiro trará bênção e benefício para mi-
dimensão espiritual no casamento, ou em nha esposa?”. Não pense: “O que eu gos-
qualquer outra área, depende do Espírito taria de fazer com o dinheiro?”. Assim como
Santo. Somente Ele pode nos dar o enten- Jesus colocou os interesses da Igreja antes
dimento do padrão de Deus, bem como o dos interesses próprios (Filipenses 2), você
desejo e a capacidade de seguir esse pa- também, para funcionar de acordo com o
drão. O ponto inicial é que você conheça padrão bíblico, deve fazer o mesmo em
Cristo como seu Salvador. Até que você diga cada ângulo do casamento: no aspecto fi-
sinceramente a Ele “Senhor, sou pecador, nanceiro, no aspecto social (você deve se
mas eu creio que Jesus morreu por meus esforçar para ir a lugares onde ela quer ir,
pecados”, ou palavras semelhantes, tudo gostar dos amigos dela e assim por dian-
quando escrevi até aqui é inútil. Minhas te), no uso do tempo (o quanto possível,
palavras dirigem-se à família de Deus. Você você deve ajustar as suas prioridades às
deve pertencer a essa família para que isso dela), no aspecto físico (você deve ser
diga respeito a você. atencioso com ela na área sexual), e
Para o marido, ser o cabeça significa assim vai.
assumir a liderança do lar. Embora a posi- Além disso, a sua tarefa como marido
ção de líder implique, à vezes, tomar a crente é iniciar e cultivar o amor no casa-
decisão final em questões pela aplicação de mento. Poucos homens aprenderam que o
princípios bíblicos, boa parte do tempo amor no casamento é uma responsabilida-
significa assumir responsabilidade por fa- de do marido. Onde se ensina isso? No
zer o bem para sua esposa assim como Cris- entanto, na Bíblia, a ordem de amar é
to fez para a Igreja. dirigida ao marido. O amor da esposa deve
Esposa, você deve agradecer a Deus ser responsivo, não iniciador. Por que? Por-
cada dia pelo fato dEle ter dado ao seu que o amor deve seguir o padrão de amor
marido a liderança do lar. Não se trata de exemplificado por Cristo para com a Igre-
uma liderança tirânica ou qualquer outro ja: nós (a Igreja) amamos porque Ele (Cris-
tipo de liderança opressiva, pois Paulo dei- to) nos amou primeiro (1Jo 4.19).
xou claro que é uma liderança semelhante A esposa cristã, quando segue o padrão
à de Cristo. Pense nisso! Como é esta lide- bíblico, deve praticar respeito e obediên-
rança na prática? Preste atenção: “E [o Pai] cia para com seu marido devido à posição
pôs todas as coisas debaixo dos pés [de que ele ocupa (cf. 1Pe 3:1-16). Não se trata
Cristo], e para ser o cabeça sobre todas as de uma obediência servil, mas de uma dis-
coisas, o deu à igreja” (Ef 1.22). posição para obedecer em resposta amoro-
A liderança de Jesus é para o bem da sa. Quando seu marido disciplinas as crian-
Igreja! Tudo quanto Ele faz como líder ças, você não deve contrariar a autoridade
amoroso da Igreja, um líder que se sacrifi- dele; você não deve desabafar no telefone
ca por ela, é feito para o seu benefício. com uma amiga sobre os defeitos e desli-
Marido, este é o tipo de liderança que você zes do seu marido. Construa respeito por
precisa praticar no lar. Quando você pen- ele nos seus filhos pela sua maneira de fa-
sa arbitrariamente em como gastar o di- lar com ele e sobre ele no lar, bem como
nheiro, pense antes assim: “Que uso do pela sua maneira de implementar as dire-

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 133


trizes e decisões de seu marido mesmo formidade interior não é uma questão de
quando elas contrariam as suas idéias. Cer- sentir vontade de fazer alguma coisa; é uma
tamente, a extensão da obediência não in- disposição de coração e mente pela qual
clui o pecado. Toda a autoridade humana você determina fazer o que agrada a Deus,
é limitada. Deus nunca dá a uma pessoa a quer isso agrade ou não a você. Em outras
permissão de exigir que outra peque. Mas, palavras, a sua motivação é crucial.
esposa, antes de resistir a uma ordem de A conformidade ao padrão de Deus
seu marido, você precisa estar certa de que apenas para tirar alguma vantagem pessoal
aquilo que ele pediu é claramente um pe- não é aceitável. Na verdade, de acordo com
cado e não apenas algo que você prefere o plano de Deus, ela nem mesmo é possí-
não fazer. E mesmo nas raras vezes em que vel. Para amar outra pessoa ou para res-
você deve resistir, você precisa fazê-lo com ponder amorosamente ao amor que al-
respeito.3 guém lhe oferece, precisa existir uma dis-
posição de colocar a outra pessoa em pri-
A conformidade interior meiro lugar. Essa é a essência do amor. O
É importante internalizar o padrão de seu amor precisa ser moldado no amor de
Deus e não apenas conformar-se exterior- Cristo, em todos os aspectos. Você precisa
mente com ele. Ou seja, Deus pede obe- ter a mesma mente (atitude) que Cristo
diência “de coração” (Rm 6.17). “Mas se teve quando Ele se fez homem e colocou o
não sinto respeito pelo meu marido, como nosso bem-estar e os nossos interesses à
posso obedecer de coração?” ou “Bom, e frente dos dele. Isso nos conduz a dois
se eu de fato não tenho vontade de colocar princípios que encontramos em Filipenses
minha esposa em primeiro lugar, como 2.3-4: “Nada façais por partidarismo ou
fica?” Boas perguntas! vanglória, mas por humildade, consideran-
A conformidade interior ao padrão de do cada um os outros superiores a si mes-
Deus é essencial. Mas não é uma questão mo. Não tenha cada um em vista o que é
de sentimento. Você pode se conformar propriamente seu, senão também cada
interiormente ao padrão divino a despeito qual o que é dos outros”.
dos seus sentimentos. Se você assumiu o Embora esses princípios sejam aplicá-
compromisso de agradar a Deus, isso é veis a todos os relacionamentos que temos
suficiente. Quando você tem o desejo de uns com os outros, eles se adaptam com
agradar a Deus, quando você tem uma profundidade ainda maior ao relaciona-
profunda gratidão por aquilo que Ele fez mento conjugal. O remodelar do seu ca-
por você em Cristo, então tem a motiva- samento começa pelo remodelar do seu
ção suficiente para se conformar ao padrão relacionamento com Deus. Tudo começa
dEle para o casamento. Jesus não sentiu com um compromisso de gratidão que diz:
vontade de ir para a cruz, mas Ele foi para “Vou agradar a Deus a qualquer custo, em
agradar ao Pai (Jo 8.29). Portanto, a con- qualquer lugar, em todas as áreas da mi-
nha vida, incluindo o meu casamento”.

3
Para conhecer mais detalhes sobre as funções do
marido e da esposa veja o livro de Jay Adams A Vida
Cristã no Lar, publicado no Brasil pela Editora Fiel.

134 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


E se apenas você estiver disposto? tão, quanto mais você se conforma aos pa-
Suponhamos que você queira drões de Deus para o casamento, mais o
remodelar o seu casamento de acordo com relacionamento conjugal melhora.
o plano de Deus, mas seu cônjuge não está
disposto a isso. O que acontece? O aspecto Conclusão
maravilhoso do amor é que, na Eu poderia falar aqui sobre a impor-
dependência de Deus, você tem controle tância da comunicação no casamento, com
total para praticá-lo. Ninguém pode base em Efésios 4, 1Pedro 3.7 e outros tex-
impedir você de amar! A sua obediência a tos mais. Poderia falar sobre ira e resolu-
Deus e a sua disposição para se conformar ção de conflitos, mas há outros artigos que
aos padrões bíblicos não depende do que o fazem. O que quero dizer como conclu-
o seu cônjuge faz ou deixa de fazer. são é apenas uma coisa. A maioria dos ca-
Certamente é mais prazeroso e fácil samentos desenvolve seus padrões habi-
quando há encorajamento mútuo. Mas não tuais característicos não de acordo com um
é necessário que ambos mudem para que plano, mas por impulso. A direção em que
você mude. 1 Pedro 3.1-17 é uma forte há menor resistência, os desejos pessoais,
testemunha deste fato. ou algo parecido, acabam, com o tempo,
Assim como a sua paz e a sua alegria por levar a um padrão. Mas você nunca
não dependem de ninguém mais a não ser chegará aos padrões de Deus seguindo li-
de Deus, o Espírito Santo que habita em vremente a correnteza. É possível fazê-lo
você pode levá-lo à conformidade com o apenas pelo arrependimento, em oração,
padrão bíblico para o casamento se você pela compreensão da Palavra e uma deci-
estiver disposto a isso. Você pode fazer tudo são consciente de segui-la. Esta decisão
quanto Deus pede que você faça. Marido, deve ser sustentada por uma
você pode assumir uma responsabilidade conscientização diária e contínua daquilo
amorosa pelo lar, tratar sua esposa como que você está fazendo e por um esforço
Cristo trata a Igreja. Esposa, você pode ser repetitivo para cumprir o plano de Deus
submissa e mostrar respeito ao seu mari- em todos os aspectos. Você deve escolher
do, obedecendo-o em lugar de resistir; se entre o impulso e a decisão.
o seu cônjuge for afetado positivamente, Decida agora remodelar o seu casa-
como Pedro destaca, será provavelmente mento de acordo com o plano maravilho-
por você seguir a instrução bíblica e não so de Deus evidenciado no padrão de rela-
por falar constantemente e importuná-lo. cionamento de Cristo com Sua Igreja. Se
Quando você faz o que deve, isso tem im- você o fizer, o seu casamento será aben-
pacto sobre o seu cônjuge de uma manei- çoado sobremaneira e crescerá (sem ser le-
ra ou de outra. As coisas nunca ficam iguais vado pela correnteza) rumo ao modelo pla-
quando você está disposto a mudar. En- nejado por Deus.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 135


O Lugar de Deus
no seu Casamento

Robert D. Jones1

Este diagrama (Figura 1) não foi cria-


do por mim. Provavelmente, é algo que
aprendi desde os primeiros dias da minha
experiência cristã. O desenho inclui um
triângulo que representa Deus, no alto, e
o casal logo abaixo.
Costumo usar o diagrama de formas
diferentes no primeiro encontro com ca-
sais. Às vezes, desenho o casal antes de
desenhar o triângulo que representa Deus.
Depois de nos apresentarmos uns aos ou-
tros, peço-lhes que compartilhem suas si- (Figura 1)
tuações de vida e alguns de seus proble-
mas conjugais (comunicação, procrasti- Devido à tendência natural de identi-
nação, crítica, outros mais). Uso isso para ficar a trave no olho do outro, tento fazer
coletar dados. perguntas a respeito de como cada um
contribuiu para o problema e o que ne-
cessitam mudar individualmente. Por
exemplo, não vou anotar implicante só
porque ele disse que ela é implicante. Per-
1
Tradução e adaptação de God’s place in your marriage. guntarei o que ela pensa sobre a questão.
Publicado em The Journal of Biblical Counseling, v.17,
n. 1, Fall 1998, p. 44-46.
“Você costuma ser crítica? Costuma se re-
Robert D. Jones é professor de aconselhamento
trair?” Nem sempre uso o diagrama na
bíblico no Southeastern Theological Seminary, em coleta de dados, mas ele me ajuda a dar o
Wake Forest, na Carolina do Norte. pontapé inicial.

136 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


O propósito principal do diagrama é entre você e Deus? Se pudermos trabalhar
colocar Deus no quadro e perguntar: inicialmente nestas (apontando para as
“Quantas pessoas existem neste relaciona- setas entre as pessoas e Deus), isso afetará
mento? Onde está Deus neste quadro?” sua maneira de tratar o cônjuge. Pode pa-
Representar Deus no topo do diagrama recer um pouco batido, mas a velha frase é
significa, em primeiro lugar, dar esperan- verdadeira: ‘Quanto mais duas pessoas se
ça e dizer que Deus tem a resposta para os aproximarem de Deus (como você pode
ver neste diagrama), mais próximas elas
estarão uma da outra’”.
Também uso este diagrama no primei-
ro encontro para reconhecer que nem to-
das as situações tratadas no aconselhamento
conjugal alcançam o resultado que deseja-
mos. Dar esta palavra de consolo desde o
início pode ser útil. “Não posso lhe garan-
tir como será o seu casamento se o seu côn-
juge não seguir a Cristo. Mas posso lhe
garantir que você poderá se aproximar de
Deus mesmo que o seu casamento desa-
be.” (Tento dizer isso de forma bastante
(Figura 2) diplomática!)
A esse ponto da conversa, costumo lan-
problemas. “Deus está presente e envolvi- çar mão de duas variações. A primeira con-
do em sua vida. Ele é soberano e Seu po- siste em desenhar uma cruz com uma seta
der tem-nos dado tudo quanto necessita- apontando para baixo para ser mais espe-
mos. Já temos todos os recursos e provi- cífico quando enfatizo que Deus fala por
sões para a vida e a piedade (At 17, 2Pe
1.3)”. Segundo, a figura lembra o casal de
sua responsabilidade. “Aqui está o Deus
que sonda. De que maneira Deus vê os seus
problemas?” Começamos a estabelecer a
verticalidade que é crucial no acon-
selhamento bíblico.
Inserir Deus no quadro traz esperança
e redireciona o foco. Às vezes, enfatizo esta
noção desenhando setas (Figura 2) entre
Deus e os cônjuges. Em seguida, pergun-
to: “Qual seta é mais importante em sua
vida? A seta entre você e seu cônjuge ou
(Figura 3)

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 137


meio de Sua Palavra (Figura 3) e, logo em pessoa, indicando a graça de Deus. “Você
seguida, instruir o casal a usar a Palavra ou está aqui hoje porque Deus está trabalhan-
a se voltar para a cruz para receber perdão. do em sua vida.” “Ele foi gracioso (caso a
Outra variação é representar a sobera- pessoa seja crente), dando-lhe a salvação.”
nia de Deus com um círculo (Figura 4). Se a pessoa não for crente, digo: “Ele está
Isso fala da presença de Deus em seu casa- falando com você hoje. Está lhe oferecen-
mento e me permite compartilhar verda- do um Salvador”. Você pode também de-
des importantes sobre a soberania de Deus. senhar as setas entre o marido e a esposa
para conversar sobre como eles tratam um
ao outro (Figura 2).
Durante o encontro, ainda outras va-
riações podem ser usadas na presença de
um dos cônjuges ou de ambos. A primeira
variação refere-se a tratar o cônjuge assim
como Deus o trata (Figura 5). Desenho

(Figura 4)

Posso também rabiscar os filhos, o sogro e


a sogra e outras pessoas mais, inserindo-as
no círculo da soberania de Deus. (Figura 5)
Às vezes, inicio o encontro seguinte
com uma revisão. Para desenhar, uso um
quadro branco grande, atrás de mim. Per- uma seta horizontal para mostrar como
cebo que esse diagrama é particularmente Deus quer que eles tratem um ao outro.
útil, pois os aconselhados apontam para o “Vocês sabem que devem amar um ao ou-
quadro branco quando voltam para os en- tro. Vamos escrever a palavra amor. Isto
contros seguintes. Eles lembraram da re- deve caracterizar o seu relacionamento.
presentação visual de Deus como sobera- Vocês também devem perdoar um ao ou-
no sobre as vidas, fonte de esperança e tro.”
Aquele a quem eles devem prestar contas. Em seguida, leio Efésios 4.29, que fala
Uso as setas nos dois sentidos. Geral- sobre perdão, e sigo até 5.1,2, que fala so-
mente, começo com a seta de Deus para a bre o amor. Logo, desenho uma seta mais

138 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


“Conte-me, como você está se compor-
tando com a sua esposa?
“Bem, ainda estou sendo crítico. Es-
tou irado.
Em seguida, vou perguntar:
“E como Deus trata você?
O diálogo conduz ao arrependimento
à medida que você mostra ao aconselhado
que a maneira pecaminosa de tratar seu
cônjuge difere de como Deus o trata (Fi-
gura 7).
(Figura 6)
“Você não se sente agradecido por Deus
grossa de Deus apontando para eles (Fi- não o tratar de acordo com seu pecado,
gura 6). “Você perdoa assim como você assim como você costuma fazer com sua
tem sido perdoado. Você ama assim como esposa?
tem sido amado.” Para evitar que eles te- Creio que essa ilustração junta os dois
nham uma visão passiva (“Deus faz tudo”), grandes mandamentos no contexto da gra-
geralmente conduzo esta parte com mui- ça redentora de Deus. Temos as direções
to cuidado. Aponto para o fato de que re- vertical e horizontal. Não existe
cebemos a ordem de amar. Mas de onde aconselhamento bíblico sem levar em con-
tiro este conceito? Deus é o modelo de como ta o relacionamento com Deus. Também
devo amar, além de ser minha motivação e não existe aconselhamento individual que
fonte de poder. Romanos 5.5 diz: “E a es- não tenha uma dimensão social nem en-
perança não nos decepciona, porque Deus
derramou seu amor em nossos corações,
por meio do Espírito Santo...”. O amor
deve ser motivado pelo evangelho. Por isso
temos a seta vertical. Procuro sempre me
certificar de que estou pregando o evange-
lho no meu ministério de aconselhamento.
Não quero presumir que os aconselhados
já o compreenderam. Quero ensinar-lhes
como entender a justificação e o trabalho
progressivo de Deus na santificação, e
lembrá-los de que é a Sua obra que pro-
duz a nossa obra. Sem o poder soberano (Figura 7)
de Deus, o aconselhamento seria
moralismo. volva um grupo. Ninguém vive em um
Você pode usar isso de maneira positi- mundo onde só existe o indivíduo e Deus.
va, como já demonstrei, mas também pode Sempre haverá outras pessoas lá fora. Para
usá-lo para identificar áreas problemáticas mim, o diagrama é funcional para repre-
no casamento. Nosso diálogo poderia ser: sentar os dois grandes mandamentos.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 139


Existe Lugar para o
Ciúme no Casamento?

J o h n F. B e t t l e r 1

Nos tempos do Antigo Testamento, a um pouco da oferta de cereal no altar e


“lei do ciúme” (Nm 5.29) aplicava-se a fazia a mulher beber da água amarga. Se a
algumas situações conjugais. Números mulher fosse culpada, a água causaria so-
5.30 menciona uma delas: “quando sobre frimento (v. 23-27).
o homem vier o espírito de ciúmes, e tiver Para nossos ouvidos, há algo bastante
ciúmes de sua mulher” por suspeitar que estranho nesse procedimento. Que mari-
ela lhe fosse infiel. A passagem descreve o do faria sua esposa se expor a esse tipo de
procedimento a ser seguido. O homem humilhação? E por que a mulher não ti-
devia levar sua mulher até o sacerdote jun- nha a mesma oportunidade de expor seu
tamente com uma oferta de farinha de ce- marido a um ritual igualmente humilhan-
vada em favor dela (Nm 5.15). A oferta te? Quando leio o Antigo Testamento, fica
era especificamente “uma oferta de man- evidente para mim que o marido era, em
jares de ciúmes” (Nm 5.15). O sacerdote geral, mais propenso a ser culpado de in-
executava um ritual a fim de determinar fidelidade. No entanto, não havia para a
se a mulher era, de fato, culpada. Ele es- esposa igual oportunidade de expor o seu
crevia as maldições em um rolo e lavava marido como ele poderia expô-la. Por quê?
em água amarga. Em seguida, queimava Isso certamente ofende nossos ouvidos po-
liticamente corretos, não é mesmo? O ri-
tual: água sagrada misturada com pó do
chão do tabernáculo! Em seguida, todas
1
Tradução e adaptação de In marriage, is jealousy always as maldições da lei eram cerimonialmente
wrong?. Publicado em The Journal of Biblical Counseling, lavadas naquela água para que a mulher as
v. 18, n.1, Fall 1999, p. 62-64.
bebesse. O que é isso? Parece mais um jul-
John Bettler foi diretor executivo da Christian
Counseling and Education Foundation por mais de
gamento das bruxas de Salém do que algo
30 anos. que esperaríamos ler na Palavra de Deus.

140 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Há um tom de magia nisso. O que deve- Às vezes, o ciúme tende a ser mesqui-
mos fazer com essa passagem em Núme- nho e egoísta. Por exemplo, fico com ciú-
ros 5? me se minha esposa pega o controle remo-
Talvez devamos fazer uma série de per- to antes de mim. O controle remoto tem
guntas diferentes. O que há nesse ritual um lugar certo - ao lado da minha poltro-
com que nós, que vivemos nos dias de hoje, na! Quando ela chega à sala antes do que
podemos nos identificar tanto quanto os eu e se apodera do controle, eu não posso
israelitas, que viveram há 4.500 anos atrás? curtir a televisão. Fico torcendo para ela
O que não teria aparência estranha nesta sair da sala em busca de algo para comer,
narrativa nem para nós nem para eles? Al- pois assim eu posso colocar o controle de
gumas partes do ritual parecem extrava- volta no seu lugar! Alguns podem se iden-
gantes para nós, mas não devem ter pare- tificar com essa situação, não é? Fico intri-
cido igualmente fora do comum para eles. gado com o fato de que as mulheres acham
Esse ritual e outros tipos de rituais seme- que o controle remoto pode ir para qual-
lhantes (julgamento por prova) eram mui- quer lugar que elas queiram.
to usados no Oriente Médio naqueles dias. Às vezes, fico com ciúme do nosso ca-
Mas o que não seria estranho para ambos? chorro. Gosto dele - é o único animal que
A resposta é: o ciúme. Nós entendemos o gosto de ter ao meu redor. É um pastor
ciúme e eles entendiam o ciúme. O texto alemão, macho - o único outro macho em
nos diz que essa é a lei sobre o ciúme (v. nossa casa. Mas, às vezes, fico com ciúme
29). Deus quer que aprendamos algo so- dele. Chegamos em casa depois de algum
bre o ciúme. Sim, existe um lugar para o tempo de ausência. O cachorro vai até
ciúme no casamento! Porém, quais fatores minha esposa, balança o seu rabo todo ale-
o tornam certo ou errado? gre e se esfrega nela. Minha esposa o acari-
A primeira coisa que Deus quer que cia e diz: “Ohhh, de quem é este cachorri-
você veja é que Ele tem ciúme do seu casa- nho? A mamãe ama o seu cachorrinho! Que
mento, e Ele quer que você também tenha cachorrinho bonzinho!”. Ela se derrama
ciúme do seu casamento. Há um determi- toda para ele! E eu? Por que ela não se der-
nado tipo de ciúme que um casal deve rama assim para mim? Se eu chego para
cultivar. Em 1Coríntios 6:9, Deus nos diz ela e tento fazer a mesma coisa, não fun-
que o fornicador e o adúltero não herda- ciona! Nosso ciúme pode se tornar bem
rão o reino dos céus. João nos diz que o mesquinho. Você, provavelmente, tem os
adúltero será excluído da cidade de Deus seus ciúmes mesquinhos também.
(Ap 21.8). O escritor da carta aos Hebreus Algumas vezes, nosso ciúme pode ser
nos diz que o casamento deve ser honrado fortemente destrutivo. Conheço um ho-
por todos e o leito conjugal imaculado, pois mem que desconfia da infidelidade da es-
Deus julgará o imoral e o adúltero (Hb posa, e tem boas razões para sua suspeita.
13.4). Você deve ansiar pela pureza e Mas, em resposta, ele tem se fechado e não
guardá-la com ciúme no seu casamento, e investe mais no casamento. Quando o con-
deve inquietar-se por qualquer ameaça à fronto a esse respeito, ele diz: “E o meu
unidade do casal. orgulho? Que outro tipo de homem eu

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 141


poderia ser diante da idéia de minha es- esposa e eu tomamos café da manhã, tra-
posa apenas pensar em outro homem?! vamos um diálogo:
Meu orgulho foi ferido. Não posso fazer - Querida, o que você vai fazer hoje?
nada a respeito disso”. Esse tipo de ciúme - É dia de colocar ferraduras nos
é muito egoísta, e destrói tanto a pessoa cavalos.
como o seu casamento. - Ah, o Roberto virá, não é mesmo?
Nosso ciúme pode ser mesquinho e Ela sorri para mim. Deixe-me pergun-
destrutivo, mas Deus ainda deseja que te- tar: Que marido não teria ciúme do
nhamos o tipo certo de ciúme pelo nosso Roberto? Preciso me preocupar com isso
casamento. Ele quer que invistamos ener- não porque penso que minha esposa fará
gia e esforço no casamento. Se você mudar algo inapropriado, mas porque eu me preo-
a palavra ciúme pela palavra zelo (o termo cupo com o meu casamento. O fato de eu
bíblico original é o mesmo para ambas), estar enciumado, na verdade transmite esta
você verá que Deus quer que sejamos zelo- mensagem a ela: “Eu me importo! Eu me
sos com o casamento. Ciúme pode ser o preocupo. Eu te amo”. O ciúme pode ser
sinal mais puro de amor. É possível olhar- um magnífico sinal do seu amor.
mos para o homem de Números 5 por Devido ao meu ministério no
outro ângulo. Talvez ele não queira enver- aconselhamento conjugal, as pessoas sem-
gonhar ou humilhar sua esposa. Ele a ama pre querem saber minha opinião sobre a
desesperadamente, sabe que há rumores maior ameaça aos casamentos. Geralmen-
espalhando-se pelo acampamento e tam- te, fazem essa pergunta pensando em al-
bém sabe que esses rumores não são ver- gum aspecto da cultura ou da sociedade
dadeiros. Ele confia em sua esposa, quer que impacta o casamento. Por exemplo,
defendê-la e mostrar diante da congrega- querem saber se o feminismo tem um im-
ção que ela é uma mulher honrada. Então pacto real sobre o casamento. O fato de
ele a traz ao ritual, não para humilhá-la, ambos os cônjuges trabalharem fora tem
mas para exaltá-la e demonstrar a sua fide- um impacto sobre o casamento? E o
lidade. Veja, o ciúme pode ser um sinal de relativismo, e o pós-modernismo? Certa-
amor. mente, tudo isso produz impacto. Porém,
Vou lhe dar um exemplo. Temos al- na minha experiência, não são esses os
guns cavalos e, a cada seis ou oito sema- maiores perigos. Antes, a maior ameaça ao
nas, um ferreiro precisa colocar ferraduras casamento é a indiferença. A indiferença
neles. O nome de nosso ferreiro é Roberto. ocorre quando você começa a tomar por
Ele é um homem de ombros bem largos e certo seu marido ou sua esposa. Você já
cintura fina. Você pensa numa casquinha não investe no relacionamento. Você pára
de sorvete quando olha para o tronco de de pensar em maneiras de demonstrar o
Roberto. Suas pernas são como carvalhos. seu amor. Você pára de ouvir com o intui-
Ele tem cabelo preto e volumoso. No ve- to de penetrar na alma e no coração do/a
rão, quando vem trabalhar nos cavalos, parceiro/a. Você pára de orar fervorosamen-
ele usa um avental de couro e seus múscu- te pelo seu casamento. Você está em peri-
los brilham com o suor. Enquanto minha go quando pára de ser ciumento.

142 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Há falsos amantes lá fora! Eles podem sou tão zeloso que meu nome é Zeloso”.
não ser outro homem ou outra mulher. Eles Em seguida, Ele diz: “tenho zelo pelo meu
podem ser o seu emprego, seus interesses nome, que é Zeloso, que é sinal do meu
ou atividades de lazer, seus amigos ou seu zelo”. Deus é um Deus zeloso, um Deus
conforto pessoal. Quando você começa a ciumento! Em Isaías lemos: “Eu sou o Se-
ficar indiferente para com seu casamento, nhor, este é o meu nome; a minha glória,
estes amantes desviam sua cabeça e seu pois, não darei a outrem” (42.8). Deus não
coração, e você mesmo estará no lugar da dividirá o Seu amor. Deus não dividirá a
mulher em Números 5. Aquele copo de Sua glória com outros.
água amarga será colocado em suas mãos e Alguns anos atrás, minha filha come-
o julgamento de Deus cairá sobre você. çou a competir com seu cavalo. Logo na
Deus quer que você tenha ciúme do seu primeira competição da qual participou,
casamento porque Ele mesmo o tem. ela ganhou em primeiro lugar. Em nossa
Yahweh, Jeová, o Deus de Israel é o comunidade, os resultados esportivos lo-
marido a quem, em última análise, o texto cais são publicados no jornal da quinta-
de Números 5 retrata.2 Israel está prestes feira seguinte ao fim de semana. Mal pude
a começar sua jornada. As instruções do esperar que aquele jornal fosse distribuí-
tabernáculo foram dadas. A ordem de do! Assim que o entregaram, abri na seção
marchar foi declarada. Eles estão a cami- de esportes e olhei as notícias locais. Loca-
nho da Terra Prometida. Deus diz: “Lem- lizei a lista dos vencedores. Porém, vi que
brem a quem vocês pertencem. Lembrem eles tinham cometido dois erros. Primei-
quem é seu marido. Eu sou o seu marido. ro, escreveram errado o nome de minha
E não esqueçam que eu não sou um mari- filha. Colocaram Jessica Dettler, ao invés
do indiferente. Tenho ciúme do seu amor”. de Bettler. Segundo, publicaram que ela
Deus tem ciúme. Lemos na Bíblia, repeti- ficou em segundo lugar, e não primeiro!
damente, sobre o ciúme de Deus. Quan- Liguei para o editor e disse: “Vocês terão
do os mandamentos são dados, Deus diz: de publicar uma correção!” Ele disse: “Você
“Lembrem-se de que eu sou o Senhor, teu deve estar louco! Viu quantos nomes estão
Deus, Deus zeloso (com ciúme)”. Em listados ali, em letras pequenas? Ninguém
Êxodo 34, a aliança é renovada porque Is- se importa!”. Eu respondi: “Eu me impor-
rael havia quebrado a primeira aliança ado- to! É o meu nome!”. É isso que Deus fala
rando o bezerro de ouro. As tábuas da lei sobre Si. Ele se importa com o Seu nome e
foram reescritas e o Senhor diz: ...“o nome Ele não dividirá Sua glória com outros. Ele
do Senhor é Zeloso; sim, Deus zeloso é não aceita ficar em segundo lugar!
Ele”. Não apenas Ele é um Deus zeloso, Muitas coisas competem com o nome
mas Seu nome é Zeloso. Em Ezequiel de Deus, mas Deus nunca abençoa a com-
39.25, Deus diz: ...“terei zelo pelo meu petição. Ele tem ciúme, tem zelo do Seu
santo nome”. Você percebe o padrão? Pri- nome. E Ele quer que você seja zeloso por
meiro, Deus diz: “Eu sou Deus zeloso. Eu Seu nome. Você é? Ele quer que seus acon-
selhados tenham zelo pelo Seu nome. Eles
têm? Há somente uma paixão que o con-
2
NdT. O Antigo Testamento usa repetidas vezes a trola? O que controla os seus aconselha-
figura de Israel como a esposa infiel de Jeová.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 143


dos? O que direciona toda a sua vida, os vez mais próximo aos lábios? Mas aquilo
seus pensamentos, suas decisões e sua von- aconteceu nos tempos do Antigo Testamen-
tade? Essa única paixão, essa única força to. No Novo Testamento, acontece outra
propulsora, esse único fator é a glória do coisa. À medida que a água aproxima-se
seu Deus? Se não for, você estará junto de seus lábios, seu marido adianta-se e ar-
àquela mulher e aquele copo de água amar- ranca o copo de água amarga de suas mãos.
ga será colocado em suas mãos. A maldi- Ele o traz até sua própria boca e bebe até a
ção, o julgamento de Deus, cairá sobre última gota. Desta forma, a maldição cai
você. Deus quer que você seja zeloso do sobre ele e não sobre sua esposa amada.
Seu nome. E Ele quer que você tenha zelo, Marido e esposa, conselheiro e acon-
ou seja, tenha ciúme do seu casamento. selhado: somos cada um a noiva de Cristo.
Você pode imaginar o terror que aque- Cristo tomou o copo de nossas mãos. Ele
la mulher experimentava ao ficar ali, com fez isso por nós. Agora, Ele diz: “Tenha
aquele copo de água nas mãos? Talvez ela ciúme do Meu amor, e demonstre-o ten-
fosse culpada, e soubesse disso. À medida do ciúme do seu casamento”.
que ela aproximava o copo de seus lábios, Existe lugar para o ciúme no casamen-
ela sabia que a maldição seria manifestada to. Porém, tem que ser o tipo de ciúme
diante de toda a congregação no instante que Deus tem por nós: para o nosso bem,
em que a água tocasse seus lábios. Aquela desejando que nosso relacionamento com
maldição, o julgamento de Deus, cairia Ele seja puro e sem mácula. É para a gló-
sobre ela. Você consegue ver suas mãos tre- ria do Seu nome que almejamos amar a
merem à medida que ela erguia o copo cada Deus e um ao outro com amor ciumento.

144 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


Como Aconselhar os Casos
de Violência Doméstica?

Como Ajudar a Vítima da na igreja. Quando elas se dirigem a você,


quais são os parâmetros bíblicos básicos
E d w a r d T. We l c h 1 que devem orientar o seu ministério?

“O SENHOR é também alto Você ouve o clamor do oprimido


refúgio para o oprimido, refúgio A vítima precisa ser ouvida. Como
nas horas de tribulação” imitador de Cristo, seu primeiro passo é
(Salmo 9.9). ouvir o clamor do aflito (Sl 10.17). Sem
dúvida, trata-se do óbvio; não poderia ha-
Alguns casais que sentam em paz no ver outro ponto de partida. Porém, há um
banco da igreja, guardando as aparências, pano de fundo que faz do ouvir algo mais
podem estar em guerra. Eles atacam um profundo do que uma simples coleta de
ao outro, defendem território, aplicam tá- dados ou um passo inicial mecânico. Pri-
ticas manipuladoras de guerrilha e esta- meiro, o Senhor estimula os clamores dos
belecem tréguas ocasionais. Quando a oprimidos. O número significativo de sal-
guerra está declarada, existe pecado em mos que clamam pela proteção de Deus
ambos os lados. Porém, em guerras conju- indica que servimos um Senhor amoroso
gais violentas, é comum que um homem que nunca se cansa de ouvir e agir diante
forte agrida uma mulher. Pela graça de dos gemidos dos necessitados. Deus é o
Deus, essas mulheres aflitas procuram aju- Justo Juiz que ouve as injustiças e odeia a

1
Tradução e adaptação de How Should You Counsel a
Couple in a Case of Domestic Violence?. Publicado em
The Journal of Biblical Counseling, v. 15, n.2, Winter
1997, p. 51-55.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 145


opressão. Mas Ele é mais do que juiz. Ele Visto que o ouvir bíblico faz parceria
é aquele que, em amor leal, aproxima-se com a ação, você pode determinar que ou-
do Seu povo oprimido. Esse ouvir aconte- vir (especialmente se a violência é pessoal
ce no relacionamento entre o fraco e o Pas- e perigosa) implica levar a vítima para um
tor-Ouvinte compassivo. exame médico, chamar a polícia ou provi-
Para salientar ainda mais a importân- denciar um abrigo temporário seguro. Se
cia do ouvir, considere como algumas víti- a casa da vítima é potencialmente insegu-
mas da violência relutam em falar aberta- ra, é sábio informar ao agressor que sua
mente. Elas podem temer que sua abertu- esposa relatou a violência e foi encaminha-
ra leve à retaliação por parte do agressor; da a um lugar seguro não revelado.
podem se sentir constrangidas por terem Se a mulher está certa de que retornar
contribuído para a guerra (apesar de não para casa não significa risco para sua inte-
serem responsáveis pela violência gridade física, então o seu ouvir deve in-
desencadeada contra elas); podem consi- cluir uma revisão sistemática dos padrões
derar que seus problemas não valham a controladores e violentos do casamento.
atenção de um ministro ou de um amigo Essa informação é mais útil se for escrita e
ou podem se sentir envergonhadas por seus específica. Em seguida, o agressor pode ser
maridos desgostarem delas a ponto de agi- confrontado de acordo com Mateus 18 e
rem com violência. esclarecido de que a liderança da igreja leva
Algumas relutam em falar diante da a violência doméstica muito a sério, age
tendência de certos pastores de irem rapi- para proteger a esposa, mesmo enquanto
damente ao refrão “esqueça e perdoe”. Em estiverem buscando ministrar ao marido,
outras palavras, assim que o agressor pede e exige dele uma prestação de contas.
perdão, a responsabilidade de perdoar e
nunca mais levantar a questão cai sobre a Você ensina o oprimido a colocar sua
vítima. Não somente a idéia de esquecer esperança em Deus
imediatamente o pecado é um ensino du-
A vítima deve ser encorajada na fé.
vidoso, como também fazer do “esqueça e
Como acontece nas demais situações de
perdoe” o encorajamento bíblico primá-
sofrimento, ela pode pensar que Deus está
rio em situações como estas é levar as mu-
indiferente e desinteressado enquanto que
lheres a sentirem-se como se elas, agora,
o agressor é todo-poderoso. Seja como for,
fossem as culpadas por não conseguirem
os tempos de aflição sempre são oportuni-
deixar o assunto para trás. À luz destes
dades para que o povo de Deus conheça e
ensinamentos e tendências, é impossível
confie no Deus que ouve. Além disso, o
ressaltar suficientemente a importância de
preparo de uma vítima para ir ao encontro
ouvir com atenção a mulher aflita. Portan-
de um agressor arrependido, e para se abrir
to, a ajuda à mulher começa pelo ouvir -
em amor e confiança, inclui ela estar
não como um detetive que deseja solucio-
fortalecida por uma fé robusta. Ela precisa
nar rapidamente um caso, mas como um
saber especialmente o seguinte:
irmão ou irmã que chora com aqueles que
choram.

146 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


1. Deus não abandona bom. No entanto, o que está claro é que o
(Salmos 10, 56.4). amor de Deus, demonstrado a nós em Je-
A presença de problemas pessoais não sus, excede os limites da imaginação, e Sua
significa que Deus esqueceu-se de Seu povo. justiça cala os observadores. Em um mun-
Antes, a constante evidência bíblica é de do onde uma mulher não pode confiar
que Deus move-se em resposta a orações naquele que lhe é mais chegado, a maior
por libertação. Embora nem sempre pos- bênção que você pode oferecer é a garantia
samos ver essa libertação de imediato, Deus da presença amorosa e atenta de Deus.
irá, sem dúvida, libertar o Seu povo. A his-
tória da obra de Deus em vidas não che- Você ensina o oprimido a desarmar o
gou ao fim. Relembre à vítima que precisa agressor
manter seus olhos abertos para observar a A vítima precisa saber como se anteci-
mão poderosa de Deus em sua vida. par e reagir à ira pecaminosa. Quer a mu-
lher retorne ou não para casa imediatamen-
2. Jesus conhece os nossos te, ela precisa aprender a ter um “espírito
de poder, de amor e de moderação” (2Tm
sofrimentos. 1.7). Com muita freqüência, suas reações
Jesus sofreu a violência em Seu pró-
à violência oscilam entre o retraimento e a
prio corpo, pelas mãos de Seu povo. De
vingança, e ambas revelam o controle con-
fato, a Sua experiência sobrepuja a nossa,
tínuo e o domínio do agressor sobre a sua
pois Ele sofreu até à morte. A percepção
vida. Em lugar desses dois extremos, as
desse sofrimento pode abrandar o sofri-
esposas precisam ser guiadas a um cami-
mento da mulher.
nho bíblico de humildade e poder.
Para a mulher que se sente abandona-
Um texto-chave é Romanos 12.21:
da por Deus, o sofrimento de Jesus pode
“Não te deixes vencer do mal, mas vence o
ser um grande consolo. É um conforto que
mal com o bem”. No contexto de Roma-
excede a solidariedade e o consolo ofereci-
nos 12, a passagem sugere que a liberdade
dos por outras mulheres que passaram por
completa com respeito aos que nos opri-
experiências semelhantes. Por meio de um
mem consiste em amar mais ao inimigo,
ministério dirigido a mulheres que sofre-
não menos. Isso faz com que a mulher su-
ram abuso, a vítima é rodeada de pessoas
pere a pergunta “O que eu preciso receber
que a compreendem; no trono de Deus,
dele?” e caminhe em direção a “Como ven-
ela é confortada por Aquele que entende
cer com o amor de Cristo?”.
perfeitamente, lamenta profundamente e
ama completamente. 1. Quando em dúvida, confesse o
seu pecado ao agressor.
3. A cruz é a evidência eterna do Talvez não haja reação mais poderosa
amor de Deus por Seu povo e de ao pecado de outros do que a própria con-
Sua dureza para com o pecado. fissão. Todos sabem o quanto é difícil con-
O pecado e o sofrimento serão sempre fessar um pecado a outra pessoa, mas con-
um mistério. Nenhum dos dois faz senti- fessar um pecado a um agressor violento
do no mundo que Deus criou para ser parece virtualmente impossível. Porém,

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 147


uma mulher que é forte no Senhor não se as conseqüências do pecado dele em sua
apóia na justiça própria; antes, ela pode se vida. O propósito não é machucar, mas
apoiar na justiça de Cristo e, portanto, curar.
pode confessar seu pecado. Isso,
logicamente, não quer dizer que suas ações 4. Fale com mansidão e amor.
tenham causado a violência ou a agressão.
No mundo onde o avanço tecnológico
A confissão é simplesmente por aquele(s)
determina o poder, negligenciamos
pecado(s) que Deus revelou em sua vida.
freqüentemente o poder das palavras. No
entanto, as palavras podem desarmar as
2. “E, então, você verá claramente pessoas iradas. O conhecimento de que “a
para tirar o argueiro do olho do resposta branda desvia o furor” (Pv 15.1)
seu irmão” (Mt 7.5). pode ser de grande encorajamento para
Para algumas mulheres, confrontar uma mulher. Ainda que ela não seja a
pode ser mais difícil do que confessar. Pode causadora da violência, essa mulher tem
ser mais fácil assumirem que mereceram algum poder para abrandá-la com humil-
um tratamento pecaminoso do que se dade, mansidão e amor.
posicionarem contra o pecado. Elas podem A violência doméstica é tão prejudici-
temer que a confrontação leve ao divórcio. al a um relacionamento conjugal quanto o
Porém, uma forma de amar o agressor é adultério. Jamais devemos minimizar seu
descrever claramente o seu pecado e as con- impacto sobre a vítima. Porém, como em
seqüências. Minimizar ou ignorar – de todos os sofrimentos, também não deve-
ambas as partes – pode ser espiritualmen- mos minimizar a graça de Deus para com
te fatal. Essa confrontação deve ser feita na essas vítimas. Deus reserva relances singu-
presença de outra(s) pessoa(s). lares de Si mesmo aos oprimidos e Ele lhes
dá poder para que se livrem desta dupla
de inimigos - o retraimento e a ira.
3. Perdoe prontamente, mas não
deixe que o pedido de perdão do
agressor seja o fim do tratamento Como Ajudar o Agressor
do problema. P a u l D . Tr i p p e D a v i d A . P o w l i s o n
A reconciliação começa quando o
agressor pede perdão. Em situações onde
há explosões violentas de ira, essa violên- “A graça de Deus se manifestou...
cia descortina um padrão mais extenso de e nos ensina a renunciar à impie-
obstinação, controle e arrogância, que ja- dade e às paixões mundanas e a
mais deve ser colocado de lado com as sim- viver de maneira sensata, justa e
ples palavras “Você me perdoa?”. A carne piedosa” (Tt 2.11a,12).
e o diabo exultam em vitória quando as Duas pessoas que sentam juntas no
feridas e os pecados são mantidos na escu- banco da igreja no domingo de manhã não
ridão. Portanto, uma possível maneira de estão imunes de praticar violência uma
amar seu cônjuge é fazer com que ele saiba contra a outra assim que estiverem sozi-
nhas. Ministrar a uma pessoa violenta -

148 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


assim como ministrar àqueles que come- lhos para oferecer àqueles que lutam com
tem pecados diretamente destrutivos - exi- a violência doméstica. Certa vez, eu (DP)
ge uma intervenção sábia, corajosa e aler- aconselhei um casal que tinha tido uma
ta, cheia de graça e verdade. Aqueles que briga com arma de fogo em sua casa! Meu
praticam a violência (por exemplo, um arrependimento pessoal da irritabilidade
abuso sexual) são criminosos, perversos e e da atitude crítica ajudou-me a entendê-
altamente enganadores. Assim também os los e a proceder com confiança. Os conse-
que praticam a violência doméstica preci- lheiros em potencial de pessoas violentas
sam de graça - graça efetiva, graça que não são pessoas isentas de pecado, que se
transforma vidas, graça verdadeira. À me- dirigem a pecadores. São pessoas que des-
dida que eles se dispõem a parar e a olhar cobriram a graça e que se dirigem àqueles
para si mesmos no espelho da verdade, à que dela necessitam.
medida que aceitam o verdadeiro Messias, Semelhantemente, você deve esperar
eles podem mudar e, genuinamente, mu- por dois pecadores enredados um com o
dam. As Escrituras falam extensivamente outro, e não por um monstro irredimível,
sobre os pecados da ira e da violência, e agressor de uma vítima inocente que não
falam sobre os caminhos do Redentor. Em precisa de redenção. Deus quer operar na
quê você deve centrar os seus esforços para vida de ambos. Portanto, explore os inci-
ajudar tais homens (e, às vezes, mulheres)? dentes de violência em detalhes. Geral-
mente, há áreas em que ambos precisam
A necessidade comum da graça da graça de Cristo para mudar. Talvez, um
As pessoas violentas têm muito em atraia maior atenção porque age com os
comum com as demais pessoas - tanto com punhos cerrados. Porém, olhando mais de
aquelas que se propõem a ajudá-las como perto, é possível que o outro saiba mane-
com aquelas a quem elas ferem. 1Coríntios jar a língua habilidosa e perversamente, de
10.12-13 diz que somos, basicamente, forma tal que envenena e culmina em vio-
todos iguais. A hostilidade interpessoal lência. As explosões de violência são, nor-
expressa-se de diferentes maneiras - em ati- malmente, atos extremos inseridos em um
tudes, verbalmente, financeiramente, fisi- contexto de conflitos habituais mais difusos
camente, sexualmente. Ela se expressa com e de menor intensidade. Procure identifi-
vários graus de intensidade, desde um mau car os pecados comuns que ambos mani-
humor ou provocação até uma agressão ou festam, bem como as explosões singulares
assassinato. Toda discussão, a princípio, faz de pecado de cada uma das partes. Você
parte da mesma família a que pertencem quer ajudar ambos para que se tornem
as explosões de completa violência. Portan- mais sábios, amorosos e pacificadores.
to, a violência doméstica não é diferente, As verdades contidas nos dois parágra-
em espécie, de outros pecados comuns. fos anteriores devem ser administradas com
Esse fato produz confiança e também hu- grande cuidado por aqueles que ministram,
mildade naqueles que buscam ajudar ou- pois os agressores costumam distorcê-las.
tras pessoas. Se você sabe como lidar com Todos nós somos tentados à ira? Os agressores
seus pecados de ira, você tem bons conse- tomam esse fato como uma desculpa: isso

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 149


“faz parte”, e a violência não é assim tão mais visíveis desviem a atenção da perver-
séria. As vítimas de violência também são sidade arraigada em um estilo de vida ca-
pecadores, cujos pecados, freqüentemente, pro- racterizado por paixões impiedosas e mun-
vocam ou tiram proveito do pecado do agressor? danas. Com freqüência, a consciência do
Os agressores fazem disso uma desculpa e pecado é superficial. A pessoa pode sentir
uma acusação: a culpa, na verdade, recai remorso de sua violência esporádica, mas
sobre a vítima. Você, conselheiro, precisa é raro que reconheça o seu estilo de vida
conhecer os dois parágrafos anteriores e não egoísta ou as paixões específicas que o
permitir que o agressor distorça a verdade motivam.
em mentiras deploráveis.
2. Espere encontrar padrões sutis
A evasão na neblina e complexos de auto-engano.
Você precisa conhecer de perto as pes- As pessoas abusivas, freqüentemente,
soas violentas, visto que elas criam facil- sentem pena de si mesmas: “Na verdade,
mente uma nuvem de confusão e evasão eu sou a vítima e minha ira é apenas uma
ao seu redor. O pecado é enganador; esse é reação”. Geralmente, expressam sua opi-
o ensino de Jeremias 17.9. As pessoas vio- nião de justiça própria como, por exem-
lentas não conhecem a si mesmas nem plo, “não sou realmente assim” ou “sei que
permitem que outros as conheçam. Você eu não deveria fazer isso, mas...”. Elas de-
precisa saber disso. Os agressores são monstram uma habilidade marcante para
dissimuladores e mentirosos habituais que, setorizar o coração e viver duas vidas, em
freqüentemente, criam padrões elaborados dois mundos. Um homem pode bater em
de engano. Eles têm a tendência de escon- sua esposa e, uma hora depois, mudar de
der o que fazem. Diante do erro, sua ten- canal e dirigir um estudo bíblico mansa-
dência é minimizar a seriedade, inverter a mente.
culpa para se mostrarem de alguma forma
ofendidos, inocentes e vitimados, ou ter
um ataque de desespero e arrependimento 3. Espere encontrar padrões
para fazer com que as pessoas sintam pena complexos de engano sedutor.
deles. Esteja alerta para as seguintes parti- As pessoas violentas (bem como os
cularidades do pecado que são típicas da agressores sexuais) são freqüentemente se-
pessoa violenta: dutores talentosos. Elas conquistam as
outras pessoas e ganham novamente a con-
1. Por trás de um ato de violência fiança das próprias pessoas que foram mal-
tratadas ou traídas. Na tentativa de ate-
há um egoísmo profundo nuar os fatos, manipulam habilidosamen-
Seu prazer, sua agenda, seus desejos, te tanto a vítima como quem as quer aju-
suas exigências, seus anseios dominam dar para que estes se sintam culpados e
grande parte de sua vida. O aconse- responsáveis por melhorar a situação.
lhamento não pode deixar que os pecados

150 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


4. Espere encontrar versões tipo “se você contar, então...”. A vítima
auto-enganosas de confissão e pode achar altamente constrangedor que
a família tenha esse tipo de problema e
arrependimento.
talvez relute em descrever todo o grau do
É quase como se eles pudessem enga-
mal. Tudo isso resulta no fato de que você
nar a Deus “ apesar de que, logicamente,
talvez tenha que ultrapassar uma conspi-
enganam somente a eles e aos outros. Eles
ração de silêncio na família, que serve ape-
parecem dizer as palavras cristãs certas ou
nas para proteger o agressor.
terem os sentimentos certos; porém, seu
A violência doméstica é um pecado “se-
arrependimento é freqüentemente alheio
creto”. Você precisa estar preparado para
a Deus. É um arrependimento que expres-
arrastá-lo para a luz.
sa remorso por prejudicar sua auto-ima-
gem ou sua reputação aos olhos do próxi-
mo. Esse tipo de arrependimento, na ver- A graça de Jesus Cristo
dade, está a serviço do próprio orgulho e As pessoas violentas precisam de Cris-
temor aos homens que originaram os pe- to, conforme Hebreus 3.12-14. O curso
cados de violência secreta. As pessoas vio- do pecado está sempre distante do Cristo
lentas costumam usar mal ou deixar de vivo. A violência é um problema do cora-
compreender a graça. A graça torna–se ção que necessita de atenção diária. Jesus
barata, e o arrependimento torna-se uma morreu pelos pecadores. Ele é gracioso, e
representação teatral para aliviar a consci- Sua graça é eficaz.
ência e voltar a cair nas boas graças das
pessoas. Pode até se tornar uma ferramen- 1. Tenha como alvo uma
ta de pecado, um conserto imediato - às reestruturação fundamental do
vezes calculista - que empurra os proble-
coração e do estilo de vida.
mas para baixo do tapete. Eles podem cho-
Os ajustes meramente cosméticos, que
rar, orar e prometer que nunca acontecerá
fazem o comportamento da pessoa pare-
novamente, sem quaisquer das mudanças
cer mais aceitável socialmente, não são su-
fundamentais que envolvem o arrependi-
ficientes. Você precisa expor as questões do
mento e a fé em Cristo: aquela mudança
coração que motivam a violência: anseios
de mente e o voltar-se que levam à mudan-
por poder, amor, controle, conforto, di-
ça de vida.
nheiro, respeito, prazer. Essa pessoa está
ansiando por quais coisas? A violência do
5. Com freqüência, eles intimi- agressor não tem a ver com o cônjuge; tem
dam e manipulam suas vítimas. a ver com ele mesmo e com as idolatrias
A violência é amedrontadora. Ela é uma notórias que ele trouxe para dentro do ca-
ferramenta de controle. Às vezes, você en- samento. As pessoas violentas fingem ser
contra dificuldade para colher os fatos, até deus e agem como o diabo, em vez de ser-
mesmo da vítima, pois ela pode ansiar por vir a Deus. Elas precisam se arrepender dos
preservar o interlúdio de paz do momen- pecados verticais que resultam nos peca-
to, pode temer que a honestidade leve à dos horizontais. Tanto as motivações como
vingança ou pode ter sofrido ameaças do

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 151


os comportamentos hostis precisam ser tar contas” (Hb 4.13). Começar a viver
desnudados (Tg 3.5-12, 3.14-16, 4.1-4, inteiramente em público é viver sem o se-
4.6 e 4.11-12). gredo do qual depende a violência.

2. Tenha como alvo solucionar 4. Leve as pessoas violentas a um


tanto as versões menores dos arrependimento centrado em Deus
pecados maiores como as explosões (Tg 4.6-10).
maiores. As mudanças interiores vêm em pri-
Arbitrariedades, murmuração, irrita- meiro lugar. Compare o arrependimento
bilidade, provocação e discussões precedem dos agressores com o verdadeiro arrepen-
normalmente a violência e expressam os dimento (Sl 50 e 51), a tristeza segundo
temas pecaminosos do coração. As pessoas Deus versus a tristeza do mundo. Conhe-
que aprendem a se arrepender da murmu- cer o Cristo do Evangelho é reestruturar o
ração - e, com isso, aprendem a ter grati- coração e a alma de modo tal que o pecado
dão e contentamento em Cristo - raramen- não mais prospere. Não se contente com
te precisam arrepender-se de abusos e nada menos do que isso. Aqueles que bus-
agressões. cam, acham. Aqueles que crêem, recebem
o Espírito Santo. Como saber que alguém
se arrependeu verdadeiramente? Você sa-
3. Dê às pessoas o próprio Cristo berá. O tempo sempre diferencia entre a
vivo. autenticidade e a falsidade. Você verá mu-
Jesus é abundante em bondade e ter- danças fundamentais nos relacionamentos,
rível em ira. As pessoas violentas precisam primeiramente com Deus e depois com
conhecer o amor de Cristo. Elas merecem outras pessoas.
a violência de Deus. Porém, Ele deu o
Cordeiro de Deus. Jesus amou os pecado-
res, os impiedosos, os maus, os fracos e os
5. Ajude os crentes arrependidos a
inimigos de Deus. Ele morreu, para que aprenderem as alternativas
aqueles que vivem não mais vivam para si práticas, pacíficas e amorosas que
mesmos. Deus dá, liberalmente, a graça e substituem a manipulação, a
a sabedoria do alto (Tg 1.5, 1.17, 3.17, inversão de culpa, a intimidação
4.6 e 4.10). A graça eficaz, que transfor-
e a violência (Tg 3.13; 3.17,18).
ma vidas, está disponível a todos que dela
As pessoas podem aprender a ouvir,
necessitam. As pessoas violentas precisam
perguntar, pedir perdão, dar um tempo,
aprender a temer o Deus de ira. Ele é ze-
pedir ajuda, adiar uma tomada de deci-
loso e santo (Tg 4.5 e 4.12). Uma pessoa
são, beneficiar os outros de maneiras tan-
que comete atos de violência vive sem o
gíveis - as atitudes da sabedoria do alto. O
temor do Senhor; ela age e reage como se
amor pode substituir não apenas os mo-
Deus não existisse. Mas, na verdade, “to-
mentos de violência, mas também o estilo
das as coisas estão descobertas e patentes
de vida mergulhado no egoísmo e na obs-
aos olhos daquele a quem temos de pres-
tinação. Não se trata de perfeição, mas de

152 Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7


progresso. A pessoa que aprende a dar mais prospera à luz do dia. Uma pessoa que foi
e mais de si mesma é uma pessoa com transformada em seu interior deseja, de
menos e menos espaço para odiar e agredir. bom grado e com humildade, as estrutu-
ras de prestação de contas disponíveis junto
6. Use os recursos disponíveis na ao povo de Deus para salvá-la de si mes-
ma.
comunidade cristã (Tg 5.19,20; Como você pode ajudar uma pessoa
Hb 3.12-14). secretamente violenta? Sua alma precisa de
As pessoas que se arrependem da vio- mudança para buscar e conhecer o Cristo
lência precisam de algo mais do que o do Evangelho. Sem esse relacionamento
aconselhamento formal uma vez por sema- fundamental e vivo com Cristo, você não
na. Elas necessitam de extrema honestida- pode ensinar verdades suficientes, não pode
de, prestação de contas, lembretes, fazer brilhar suficientemente a luz do
encorajamento, modelos, exposição diária discernimento, não pode colocar cercas
à vida cristã, orações de intercessão. Eu suficientes, fazer planos suficientes, esta-
jamais soube de uma ocorrência de vio- belecer compromissos suficientes, envol-
lência doméstica que tenha acontecido ver outras pessoas suficientemente nem
durante um culto público da igreja ou refletir suficientemente a Cristo. Porém,
enquanto a pessoa estava falando ao tele- quando os pecadores violentos abraçam o
fone com seu pastor ou líder de pequeno amor de Jesus Cristo, todas essas coisas -
grupo! Ajude aqueles que praticam o pe- doutrina, visão do coração, estrutura, pla-
cado da violência a deixarem de se escon- nos, compromisso, comunidade,
der e a viverem abertamente. O pecado aconselhamento - tornam-se canais e ex-
prospera nas esquinas escuras; a justiça pressões da graça eficaz.

Coletânia de Aconselhamento Bíblico Š Volume 7 153