Anda di halaman 1dari 10

XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 1

PROJETO DE ENSINO PSSC: UMA ANÁLISE DOS


EXERCÍCIOS/PROBLEMAS

Laís Perini1, Gabriela Kaiana Ferreira 2, Luiz Clement3

1
C C T-UDESC/Aluna do Curso de Licenciatura em Física, lais.fisica@gmail.com
2
C C T-UDESC/Aluna do Curso de Licenciatura em Física, gabikaiana@gmail.com
3
C C T-UDESC/Professor do Departamento de Física, lclement@joinville.udesc.br

Resumo

A resolução de problemas é considerada, no âmbito do ensino de Ciências/Física,


uma atividade didática fundamental para a construção de conhecimentos nesta área. No
entanto, em sua maioria, estas atividades não passam de tarefas repetitivas de resolução de
exercícios/problemas que envolvem apenas a memorização conceitual e/ou a aplicação
direta de equações. Esse aspecto nos motivou a elaborar um projeto de pesquisa intitulado
“Estudo sobre Atividades Didáticas de Resolução de Problemas no Ensino de Física”,
desenvolvido junto a Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), com o objetivo
geral de estabelecer alguns parâmetros para uma utilização efetiva de atividades de
Resolução de Problemas como recursos didáticos para o Ensino de Ciências Naturais, em
particular para o Ensino de Física. Uma das frentes de investigação nesse projeto de
pesquisa foi a realização de uma avaliação sistemática da utilização de
exercícios/problemas presentes em Manuais/Livros Didáticos de Física para o Ensino
Médio, estabelecendo critérios e categorias de classificação. Neste trabalho, em particular,
temos como objetivo apresentar e discutir um conjunto de critérios e categorias de análise
de exercícios/problemas e a categorização dos exercícios/problemas presentes nos Livros
Texto do projeto PSSC (Physical Science Study Committee). Constatamos que a maioria
dos exercícios/problemas presentes nos livros texto do PSSC são questões que exigem um
tratamento matemático, ou seja, são quantitativos. Destes, novamente há um número
expressivo de questões de aplicação direta de equações. Além disso, poucos são os
exercícios/problemas que apresentam uma contextualização cotidiana. Um aspecto
interessante é a presença, até significativa, de questões que contem em seus enunciados
diagramas, figuras e/ou gráficos, propiciando a aprendizagem e o desenvolvimento de
diferentes habilidades.

Palavras-chave: Resolução de Problemas, Ensino de Física, Ma nuais Didáticos.

Introdução

Tradicionalmente, nas aulas de Física no Ensino Médio é reservado um


tempo bastante significativo para seções de Resolução de Problemas. Ao mesmo
tempo é constatado também um baixo desempenho dos alunos, neste tipo de
atividades (Gil Pérez, Martinez Torregrosa & Senent, 1988; Peduzzi, 1997; Clement,
2004; entre outros). Embora o desempenho não seja o esperado, isso não significa
que a atividade de resolução de problemas não se constitua em um recurso didático
importante para ensinar e aprender Física, pois, segundo Polya (1997):
“Resolver problemas é da própria natureza humana. Podemos caracterizar
o homem como o ‘animal que resolve problemas’; seus dias são
preenchidos com aspirações não imediatamente alcançáveis. A maior parte
de nosso pensamento consciente é sobre problemas; quando não nos

____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009
XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 2

entregamos à simples contemplação, ou devaneios, nossos pensamentos


são voltados para algum fim” (p.2).
Isso nos levou a elaboração de um projeto de pesquisa intitulado “Estudo
sobre Atividades Didáticas de Resolução de Problemas no Ensino de Física”,
desenvolvido junto a Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), com o
objetivo geral de estabelecer alguns parâmetros para uma utilização efetiva de
atividades de Resolução de Problemas como recursos didáticos para o Ensino de
Ciências Naturais, em particular para o Ensino de Física. Uma das frentes de
investigação nesse projeto de pesquisa foi a realização de uma avaliação
sistemática da utilização de exercícios/problemas presentes em Manuais/Livros
Didáticos de Física para o Ensino Médio, estabelecendo critérios e categorias de
classificação. Neste trabalho, em particular, temos como objetivo apresentar e
discutir um conjunto de critérios e categorias de análise de exercícios/problemas e a
categorização dos exercícios/problemas presentes nos Livros Texto do projeto
PSSC (Physical Science Study Committee). Além disso, apresentamos e discutimos
alguns aspectos que julgamos importantes na proposição de exercícios/problemas
em aulas de Física.
Projeto PSSC – Physical Science Study Committee
O PSSC foi desenvolvido durante a década de 50 e se constituiu em um
projeto com uma proposta metodológica revolucionária, utilizando material textual
diferenciado, com uma linguagem moderna e uma seqüência conceitual nova,
incorporando tópicos conceituais até então pouco explorados. A motivação filosófica
do PSSC baseava -se na busca da participação ativa do aluno em todas as
atividades. Assim sendo, com os diferentes recursos didáticos buscava sempre uma
inter-relação entre situações-problema, prática experimental e desenvolvimento
teórico da Física, apresentando ao aluno uma visão diferenciada da ciência escolar,
aproximando-a da atividade científica.
O contexto social, político e econômico dos EUA; acontecimentos como a
corrida armamentista, a escassez de profissionais atuantes na área de ciências
exatas e o desânimo dos jovens perante o prosseguimento de uma carreira
cientifica, juntamente com o advento do lançamento do Sputnik (pelos russos), no
ano de 1957, serviram como incentivo de financiamentos para o desenvolvimento do
projeto. Por esses e outros motivos, aproximadamente 5 milhões de dólares foram
arrecadados, valor significantemente alto e revolucionário para o período. Neste
âmbito pode-se dizer que o PSSC é uma referência na história dos Projetos de
Ensino, pois foi o primeiro desenvolvido em larga escala, além de ser um dos
precursores na preparação de material didático específico para o ensino de Física.
Analisando o material didático proposto, e trabalhos que analisaram o PSSC
(Carvalho, 1972), constata-se que o curso do PSSC foi estruturado sobre três pilares
fundamentais: os filmes, as experiências de Laboratório e os Livros Texto. O curso
PSSC, bem como o material textual (foco de nossa análise) está dividido em quatro
partes, sendo que os conteúdos foram estabelecidos mediante critérios que fugiam
das propostas tradicionais de currículo. Muitos tópicos de obrigatoriedade nos
cursos de Física tradicionais não eram explanados, uma vez que houve a
preferência, dos formuladores do Curso, pelas idéias que mais contribuíram para a
compreensão do mundo físico, para o desenvolvimento do “pensamento científico”.
Os quatro temas abordados eram, nesta ordem: O Universo; Ótica e Ondas;
Mecânica; Eletricidade e Estrutura Atômica.

____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009
XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 3

Desenvolvimento do Trabalho

Faremos a descrição do desenvolvimento do trabalho dividindo-a em três


etapas:
Etapa I – Escolha e definição do material didático para análise
Neste estudo, optamos pela escolha do projeto PSSC – Physical Science
Study Committee – por duas razões, a saber: a) o PSSC caracteriza-se como um
grande referencial histórico, pelo fato de ter sido o precursor da era dos grandes
projetos de ensino; b) o projeto foi traduzido para diversas línguas, inclusive para o
português, tendo uma difusão considerável no Brasil, durante a sua tentativa de
implementação nas escolas; c) mesmo tratando-se de um projeto criado para uma
realidade educacional diferente da nossa, influenciou fortemente o desenvolvimento
de material instru cional para o ensino de Física de nosso país.
Etapa II – Critérios e categorias de análise dos exercícios/problemas
Para chegarmos aos critérios e categorias de análise dos
exercícios/problemas presentes no material didático do PSSC, tomamos como ponto
de partida alguns trabalhos presentes na literatura da área1, bem como, os
resultados preliminares obtidos com o desenvolvimento de nosso projeto de
pesquisa sobre a temática de Resolução de Problemas no ensino de Física2. Desse
estudo e com o refinamento de nossas categorias prévias, chegamos a um conjunto
de categorias de classificação cuja representação sintética encontra -se no diagrama
abaixo:

Figura 01: Categorias de classificação dos exercícios/problemas.


As categorias representadas na Figura 01 visam uma classificação dos
exercícios/problemas de acordo com zonas de exigência impostas ao solucionador,

1
Pozo (1998); Clement (2004); Nascimento, Clement e Terrazzan (2003); Nascimento, Terrazzan,
Clement e Immich (2005); Silva, Porto e Terrazzan (2007).
2
Publicados no VI ENPEC – Encontro Nacional de Educação em Ciências (Clement e Perini, 2007).
____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009
XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 4

além de determinar a natureza de aspectos intrínsecos à formulação do problema.


Cada exercício/problema pode ser classificado, inicialmente, de acordo com o tipo
de exigência que propõe ao solucionador, podendo representar, a este, tanto uma
Situação Problema quanto um Problema de Reprodução Literal.
Situações problema
São problemas que exigem mais que a simples memorização de conceitos,
princípios ou fenômenos, uma vez que a sua resolução envolve um processo de
interpretação e tomada de decisões. Uma situação problema pode ter enunciados de
diferentes naturezas, podendo ser representada por um problema aberto, fechado,
ou por uma pequena investigação.
• Problemas Abertos: são problemas/exercícios que abrangem situações amplas
cuja resolução não é obtida de forma imediata ou automática. Neste caso,
necessariamente, o solucionador deve envolver-se em um processo de reflexão
e de tomada de decisões, culminando, usualmente, no estabelecimento de uma
determinada seqüência de passos ou etapas.
Quadro 01: Exemplo de um Problema Aberto.
Livro texto PSSC: Parte III, exercício 25.27.
Aproximadamente com que fração da massa inicial escapará da Terra um foguete que use combustível
químico?

• Problemas fechados : são problemas/exercícios que fornecem


dados/informações que especificam e delimitam determinada situação, tornando-
a única, se analisarmos do ponto de vista relacionado ao processo de resolução
adotado e ao resultado final a ser obtido.
• Pequenas investigações : consideramos “pequenas investigações” os problemas
nos quais os alunos devem, necessariamente, envolver-se em um trabalho
prático para solucioná-los. É importante ressaltar que este tipo de problemas,
ainda que de forma bastante simplificada, apresenta uma aproximação com o
trabalho de investigação científica. Isso se deve ao fato de que na solução
destes problemas os alunos devem analisar a situação problema ou o sistema
envolvido, formular hipóteses, elaborar estratégias de resolução e, por fim,
avaliar (tanto qualitativamente quanto quantitativamente, dependendo das
possibilidades apresentadas pelo enunciado) os resultados obtidos.
Tanto os problemas fechados quanto as pequenas investigações podem ser
classificados de acordo com o tipo de tarefa a ser desempenhada durante a
resolução dos mesmos. As tarefas podem ser:
Qualitativas: são problemas/exercícios que exigem do solucionador raciocínio e
argumentação teórica, ou seja, manipulação de informações, conceitos e princípios
físicos sem artifícios matemáticos.
Quadro 02: Exemplo de Questões Qualitativas
Situação Problema Fechada Pequena Investigação
Livro texto PSSC: Parte II, exercício 16.1 Livro texto PSSC: Parte I, exercício 10.4
Suponha que você, de sua janela, vê seu No jogo do mexerico, um chefe compõe uma
vizinho do outro lado da rua, sentado na mensagem que, então, sussurra para o próximo
varanda. De quantos modos poderia você fazer jogador, que escreve o que julga ter ouvido, e o
algo para atrair sua atenção, fazê-lo mover-se, repete para a próxima pessoa. Cada pessoa
ou, de qualquer maneira, influir em suas ações? (amplificador) no trajeto da mensagem pode
Quais os modos que envolvem transmissão de introduzir suas próprias idéias (ruídos) na

____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009
XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 5

matéria, e quais envolvem propagação de amplificação original (sinal). Tente este jogo,
onda? comparando a versão final escrita com a original.
Que tipo de Ruído introduz cada amplificador
particular?
Quantitativas : Ao contrário dos problemas/exercícios qualitativos, os quantitativos
caracterizam-se pela necessidade de manipulações de dados numéricos e artifícios
matemáticos durante a resolução. Estes exercícios/problemas podem envolver
simplesmente substituições em equações ou necessitar também a obtenção de
dados em tabelas e/ou gráficos.
Quadro 03: Exemplo de Questões Quantitativas.
Situação Problema Fechada (Nível II) Pequena Investigação (Nível I)
Livro texto PSSC: Parte IV, exercício 30.4 Livro texto PSSC: Parte I, exercício 3.2
Três espiras condutoras circulares de raio r1 e r2 são Permaneça a uma distância de 75 a 150
dispostas como indica a Figura. As duas espiras metros de um edifício de fachada
percorridas por I1 e I2 estão no mesmo plano razoavelmente lisa e de vários andares
horizontal, e a terceira espira, com corrente I3, é (também serve um beco sem saída entre
perpendicular às outras duas. Os raios r1 e r2 valem edifícios). Bata palmas fortemente, e escute o
5,0 cm e 15 cm, respectivamente. eco que é, naturalmente, muito mais fraco
a) Se I3 = 20 A e I2 = que o som original.Bata, então,
10 A, qual deve ser o compassadamente, e ajuste seu ritmo de
valor de I1 e qual sua batida até não conseguir ouvir o eco, por ele
orientação, para que o chegar ao mesmo tempo que o som mais alto
campo magnético em está sendo produzido. Peça para alguém
O tenha direção contar o número de palmas que você bate
vertical e aponte para em dez segundos, Meça a distância, e
fora da página? calcule a velocidade do som (não
b) Que pode você esquecendo de dobrar a distância para obter
dizer sobre este valor o trajeto percorrido).
de B?

Como pôde ser constatado nos exemplos acima, classificamos os


problemas/exercícios quantitativos em diferentes níveis de exigência impostos ao
solucionador, quais sejam:
Nível I: A solução exige apenas a aplicação direta de uma ou duas equações;
Nível II: A solução exige a utilização de mais de duas equações, uma interpretação
mais apurada de dados e o envolvimento da interpretação de diferentes formas de
linguagem (gráficos, figuras, tabelas e textos).
Exercícios/Problemas de Reprodução Literal
A solução destes problemas requer apenas um conhecimento declarativo,
não levando em consideração em que medida o aluno conhece o significado de
expressões e “fatos”. Pode-se resolver este tipo de questões simplesmente
copiando, repetindo a informação requerida, sem compreender claramente o seu
significado. Os problemas de reprodução literal podem ser classificados de acordo a
natureza de seu conteúdo, ou seja, podem envolver a memorização de Dados/Fatos,
Conceitos/Princípios ou ainda Processos/Fenômenos.
Quadro 04: Exemplo de Exercícios de Reprodução Literal.
Dado/Fato Conceito/ Princípio Processo/ Fenômeno
Exemplo externo à Livro texto PSSC: Parte Livro texto PSS C: Parte II, exercício
coleção II, exercício 12.11 19.1
Qual é a temperatura de Qual é a distância focal de Por que não podemos ver a interferência de
luz proveniente de duas fontes luminosas

____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009
XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 6

fusão da água? um espelho plano? independentes?

Dentro desta classificação podemos ainda enquadrar os problemas em


categorias mais gerais, que envolvem o contexto da situação problematizada. Este
contexto pode ser:
• Interno à Física: Apresenta a estrutura do enunciado e a formulação do
problema baseados em aspectos internos à estrutura conceitual da Física.
• Vivência Cotidiana: São problemas/exercícios em que a resolução exige tanto
interpretação e análise como a utilização de conceitos, princípios ou a aplicação
de equações. Estes problemas/exercícios contextualizam situações geralmente
voltadas ao cotidiano ou à interpretação de fenômenos naturais, processos ou
aparatos tecnológicos.
Etapa III – Categorização dos exercícios/problemas e análise dos resultados
Definidos os critérios de análise, coleção didática e categorias de
classificação, passamos para a categorização dos exercícios/problemas e,
posteriormente, para a análise dos resultados.

Resultados e Análise

Nos quatro volumes (Partes I, II, III e IV) do projeto PSSC encontramos um
total de 776 exercícios/problemas. Deste total, 210 exercícios/problemas estão no
Livro Texto Parte I – O Universo; 176 no Livro Texto Parte II – Ótica e Ondas; 206 na
Parte III - Mecânica e 184 na Parte IV – Eletricidade e Estrutura Atômica. Os livros
texto apresentam uma característica comum ao que se refere a distribuição dos
exercícios/problemas, mantendo uma organização de três seções distintas:
• Exemplos : são exercícios/problemas que aparecem ao longo da discussão
textual e visam a exemplificação dos conceitos e leis físicas abordadas.
• Para Casa: essas seções encontram-se ao final de cada capítulo e
compreendem um conjunto de exercícios/problemas para os alunos resolverem
em casa.
• Para Classe e Laboratório: essas seções também aparecem ao final de cada
capítulo e compreendem exercícios/problemas que são indicados a serem
resolvidos em sala de aula. Uma característica interessante de vários dos
exercícios/problemas que aparecem nessas é da solução dos mesmos exigir um
trabalho experimental.
Proporcionalmente temos a seguinte distribuição dos exercícios/problemas
nas diferentes seções:
Tabela 01: Distribuição dos exercícios/problemas por seções
Livro Texto Exemplos Para Casa Para Classe e Laboratório
Parte 1 14 16 180
Parte 2 3 11 162
Parte 3 7 8 191
Parte 4 25 7 152
Total 49 42 685
A partir da tabela 01 podemos concluir que:
a) Exemplos : concentra 6,31% do total de exercícios/problemas. Analisando cada
um dos Livros Texto constamos que o livro Parte I possui 6,66% dos seus
exercícios/problemas alocados nessa seção; o Parte II possui 1,70%; o Parte III
____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009
XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 7

possui 3,40% e o Parte IV, por sua vez, apresenta 13,6% do total de
exercícios/problemas nesta seção.
b) Para Casa: concentra 5,41% do total de exercícios/problemas. Analisando cada
um dos Livros Texto obtivemos: Parte I possui 7,62% dos seus
exercícios/problemas alocados nessa seção; Parte II 6,25%; Parte III 3,88% e
Parte IV, por sua vez, apresenta 3,80% do total de exercícios nesta seção.
c) Para Classe e Laboratório: concentra 88,3% do total de exercícios/problemas.
Analisando cada um dos Livros Texto constamos que: Parte I possui 85,7% dos
seus exercícios/problemas alocados nessa seção; Parte II possui 92,0%; Parte
III possui 92,7% e Parte IV, por sua vez, apresenta 82,6% do total de exercícios
nessa seção.
O gráfico da Figura 02 ilustra a distribuição geral dos exercíc ios/problemas
nessas seções, ao longo do projeto:

Figura 02: Distribuição dos exercícios/problemas por seções.


O gráfico da Figura 02 deixa evidente que a maior concentração dos
exercícios/problemas está na seção Para Classe e Laboratório. Isso evidencia uma
das grandes perspectivas do projeto PSSC que visava uma inter-relação entre
situações-problema, prática experimental e desenvolvimento teórico da Física,
almejando assim, uma participação mais ativa do aluno em todas as atividades.
Quanto à categorização feita, podemos apresentar os seguintes resultados e
análises:
Tabela 02: Distribuição de exercícios/problemas por categoria.
Situação problema Reprodução literal
Natureza do enunciado Natureza conceitual
Livro Fechado Pequenas investigações
Dado/ Conceito/
Texto Aberto
Quantitativo Quantitativo Processo/
Fato Princípio Fenômeno
Qualitativo Nível Nível Qualitativo Nível Nível
1 2 1 2
ParteI 2 37 79 66 11 3 10 0 1 1
ParteII 5 72 43 40 10 0 1 0 2 3
ParteIII 2 35 92 61 12 1 3 0 0 0
ParteIV 0 49 58 69 7 0 1 0 0 0
Total 9 193 272 236 40 4 15 0 3 4

A partir da análise da tabela 02 percebe-se que há uma distribuição de


exercícios/problemas pelas diferentes categorias de classificação, no entanto,
constata-se uma maior concentração nas categorias Fechado quantitativo (níveis 1 e
2) e Fechado qualitativo.

____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009
XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 8

Analisando os resultados obtidos para cada Parte, ou Livro Texto, podemos


perceber que os livros Parte I e Parte III têm como característica predominante o
trabalho com questões Fechadas - quantitativas de Nível I. Isso pode ser explicado
se levarmos em conta o fato de que o conteúdo conceitual presente nesses Livros
(gravitação, estudo de grandezas e medidas, mensuração, para o primeiro livro, e
mecânica para o terceiro) já apresenta uma estruturação tradicionalmente embasada
em exercícios de repetição de algoritmos de resolução. Já os livros texto das Partes
II e IV apresentam peculiaridades quanto ao tipo de questões predominante: na
Parte II, que trata de conteúdos da Óptica e Ondulatória, há uma predominância de
problemas Fechados e Qualitativos; no livro texto Parte IV, que trata dos conteúdos
de Eletricidade e Estrutura Atômica, por sua vez, predominam problemas Fechados
e Quantitativos de Nível II, exigindo análises maiores por parte do aluno ao procurar
resolvê-los. Esses dados fortalecem uma hipótese de que há uma relação entre o
conteúdo conceitual e a natureza e forma de apresentação dos
exercícios/problemas.
Quanto ao contexto das situações, podemos perceber, a partir dos dados
expos tos no gráfico abaixo, que a grande maioria dos enunciados preserva o
contexto Interno à Física (89,9%), enquanto que apenas 10,1% dos exercícios
abordam o contexto de Vivência Cotidiana. Cabe ressaltar que nenhum dos
exercícios de Reprodução Literal foi classificado como de Vivência Cotidiana. Um
dos possíveis motivos para este resultado é o caráter declarativo e mnemônico
apresentado, muitas vezes, por este tipo de problema.

Figura 03: Distribuição dos exercícios/problemas por natureza.


Na tabela 4, podemos observar a distribuição dos exercícios/problemas
quanto à natureza em cada uma das quatro partes dos Livros Texto.
Percentualmente temos a seguinte distribuição: Parte I – 92,4% de
exercícios/problemas voltados à estrutura Interna da Física e 7,6% de voltados à
Vivência Cotidiana; Parte II – 84,7% voltados à estrutura Interna da Física e 15,3%
voltados à Vivência Cotidiana; Parte III 87,9% voltados à estrutura Interna da Física
e 12,1% voltados à Vivência Cotidiana e na Parte IV obtemos 94,6% voltados à
estrutura Interna da Física e 5,4% voltados à Vivência Cotidiana.
Tabela 04: Distribuição dos exercícios/problemas por natureza e volumes.

Livro Situação problema Reprodução literal


Texto Interna à Vivência Interna Vivência
Física cotidiana à Física cotidiana
Parte I 192 16 2 0
Parte II 144 27 5 0
Parte III 181 25 0 0
Parte IV 174 10 0 0
Total 691 78 7 0

____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009
XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 9

Fizemos também uma análise quanto à forma de apresentação dos


enunciados dos exercícios/problemas, como pode ser observado no gráfico da
Figura 5 :

Figura 05: Forma de apresentação dos exercícios/problemas.


Percebe-se que os problemas apresentam -se, principalmente, apenas em
forma de texto. Este resultado, porém, é um pouco alterado nas Partes II e IV dos
Livros Texto, como é possível observar na tabela a seguir:
Tabela 05: Forma de apresentação do enunciado por Livro Texto.

Livro Des/ Texto Texto Des/Diag Texto


Texto Graf/ +Des/ +Graf/ +Des/Diag
Texto Diag Tab +Graf/Tab
Diag Tab +Graf/Tab
Parte I 166 0 0 22 22 0 0
Parte II 127 0 0 48 1 0 0
Parte III 185 0 0 15 6 0 0
Parte IV 117 0 0 58 7 0 2
Total 595 0 0 143 36 0 2
A alteração citada pode ser observada quando analisamos o aumento
proporcional do número de exercícios/problemas que utilizam o formato de
apresentação Texto+Desenho ou Diagrama. Ac reditamos, que essa característica se
deve, principalmente, pelos campos conceituais abordados. No livro texto – Parte II
aborda-se a óptica e ondas, em que é fundamental a representação de diagramas e
desenhos para a ilustração dos fenômenos a serem explorados. O mesmo ocorre
com o livro texto – Parte IV, em que são abordados assuntos relativos a eletricidade
e estrutura atômica.

Considerações Finais

Constatamos que a maioria dos exercícios/problemas presentes nos livros


texto do PSSC são questões que exigem um tratamento matemático, ou seja, são
quantitativos. Destes, novamente há um número expressivo de questões de
aplicação direta de equações. Fato esse que reflete uma concepção de ensino
fortemente baseada na memorização, mesmo em um projeto que visava uma
participação ativa dos alunos. Além disso, a incidência de exercícios/problemas
relacionados à vivência cotidiana não foi expressiva no projeto, ficando em apenas
10,1% do total. No entanto, é importante ressaltarmos que consideramos fazer parte
desta categoria apenas situações que realmente problematizavam um contexto
externo à estrutura da própria física. Sendo assim, uma simples menção a um
contexto cotidiano não determina que este foi problematizado.
Vale a pena ressaltar, que a perspectiva do projeto PSSC era a busca da
participação ativa do aluno em todas as atividades. Neste sentido, constata-se que

____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009
XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2009 – Vitória, ES 10

nos exercícios/problemas essa perspectiva se fez presente ao apresentarem


problemas que classificamos como Pequenas Investigações e, um pequeno número
de Problemas Abertos. Este tipo de problemas são pouco explorados nos livros
didáticos atuais, quando não esquecidos completamente. Acreditamos que
problemas dessa natureza certamente envolvem o solucionar durante o processo de
resolução, permitindo que faça análise, emita e teste hipóteses, desenvolvendo
aprendizagens de distintas naturezas (conceituais, procedimentais e atitudinais).
Outro aspecto interessante é a presença significativa de questões que contêm em
seus enunciados diagramas, figuras e/ou gráficos, propiciando a aprendizagem e o
desenvolvimento de diferentes habilidades. Por fim, julgamos importante a
diversificação tanto no tipo de problemas a serem apresentados aos alunos, bem
como na forma de enunciação dos mesmos.

Referências

CARVALHO, Ana Maria P. O ensino de Física na Grande São Paulo – Estudo


Sobre um Processo de Transformação - .São Paulo: USP, 1972. 163 p. Tese de
Doutorado – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1972.
CLEMENT, Luiz. Resolução de Problemas e o Ensino de Procedimentos e Atitudes
em Aulas de Física. Santa Maria: UFSM, 2004. Dissertação de Mestrado,
CLEMENT, Luiz; PERINI, Laís. Exercícios/Problemas em Livros Didáticos de
Física do Ensino Médio: Forma de Apresentação e Proposição. 2007. Trabalho
apresentado ao VI ENPEC – Encontro Nacional de Educação em Ciências,
Florianópolis, 2007.
GIL PÉREZ, Daniel; MARTÍNEZ TORREGROSA, Joaquín; SENENT PÉREZ, F.. El
fracaso em la resolucion de problemas de física: uma investigación orientada por
nuevos supuestos. In: Enseñanza de las Ciencias, Barcelona: UAB/UV, v.6 n.2,
p.131-146, 1988.
NASCIMENTO, Tiago Belmonte; CLEMENT, Luiz; TERRAZZAN, Eduardo A Uma
Análise dos Exercícios/Questões/Problemas Presentes em Livros Didáticos de Física
do Ensino Médio. In: Salão de Iniciação Científica da Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, 15, 2003, Porto Alegre/BRA. Atas do XV Salão de Iniciação
Científica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/BRA:
2003, CD-ROM.
NASCIMENTO, Tiago B.; TERRAZZAN, Eduardo A.; CLEMENT, Luiz; IMMICH,
Vanessa. Um estudo sobre a caracterização de “Problemas” em coleções
didáticas de Física. 2005. Trabalho apresentado ao XVI Simpósio Nacional de
Ensino de Física, Rio de Janeiro, 2005.
PEDUZZI, Luiz O. Q. Sobre a resolução de problemas no ensino da física. Caderno
Catarinense de Ensino de Física, Florianópolis: v.14, n.3, p.229-253, 1997.
POLYA, G. A arte de Resolver Problemas. Rio de Janeiro: Interciência, 1997.
POZO, Juan Ignácio (org.). A solução de Problemas: Aprender a resolver, resolver
para aprender. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
SILVA, Daniele. G. da; PORTO, Luiz E. S.; TERRAZZAN, Eduardo A.
Caracterização de “questões” de Física em livros didáticos de ensino médio.
2007. Trabalho apresentado ao XVII Simpósio Nacional de Ensino de Física, São
Luís, 2007.
____________________________________________________________________________________________________
http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/ 26 a 30 de Janeiro de 2009