Anda di halaman 1dari 2

Aprendendo Com a Solidão de Jó

 “Eis que temos por felizes os que perseveram firmes. Tendes ouvido da paciência de Jó e vistes que fim o Senhor
lhe deu; porque o Senhor é cheio de tenra misericórdia e compassivo” Tg 5:11

Introdução: A história de Jó é rica em poesia, uma demonstração de que é possível manter beleza em meio as mais
terríveis assolações. Como pode um homem tão machucado pela vida manter viva a esperança de restauração? Jó não
é um opróbrio, um monumento a miséria, tão pouco é sinônimo de pobreza, mas de um homem que sofre e ainda assim
mantêm a fé. Ele é o representante sublime e impactante de crueldade e beleza, de opostos que permanecem como
incógnitas pontuando vida e morte. Em Jó, nos cercamos de questionamentos e também de respostas que permeiam os
humanos: Por que sofrem os justos? Qual a origem do mal?

 Jó era um homem gentil, rico e de muitos amigos. Um personagem real que viveu no período patriarcal, tendo sido
citado pelo profeta Ezequiel (Ez 14:14) e apóstolo Tiago. Acredita-se que ele era descendente de Naor, irmão de
Abraão e que conhecia bem as promessas de Deus para seu povo, visto que, sempre se referia a Deus como El
Shaday; forma hebraica para “Todo Poderoso”. Esse modo de relacionar-se com Deus, indica reverência e
dependência, Jó era testemunha do favor de El Shaday, a quem se mantinha fiel.
Em Jó, se faz presente morte e vida, o estado último do “fim do túnel” e da graciosa redenção. É a bondade de Deus
sustentando o que parece desprovido de sustento, nos dizendo que não há acaso, nem vácuo no viver, mas que para
tudo e todos existe propósito e através da fé no Redentor, o “impossível” se converte em milagre.
 Li um caso recentemente. Trata-se do pastor Edward G. Dobson. Influente e cheio de amigos, dirigiu uma
congregação de aproximadamente cinco mil membros, foi conselheiro de presidentes americanos e ícone de milhares
de líderes. Hoje, tem por companhia: a solidão. Foi diagnosticado com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), também
conhecida como doença de Lou Gehrig. Deram-lhe de 3 a 5 anos de vida e desde o diagnóstico, já viveu 11 anos. Ele
diz:
“Eu fui de 100 quilômetros por hora a zero de uma hora para outra. Eu sei que soa um pouco sentimental… mas a verdade é
que quanto mais eu vivo, menos as respostas eu tenho. As respostas desapareceram com a multidão”

 Procuramos respostas na multidão. Olhamos para os outros e eles nos dizem como estamos. O outro, acaba sendo
nosso espelho. Se nos amam, estamos bem, se nos negam e nos abandonam, estamos mal. Essa é uma realidade.
Assim como o pastor Dobson, a tribulação feroz que se abateu sobre a vida de Jó. Quem olhava para ele via a própria
morte. Sem família, dinheiro, amigos. Um miserável. Ninguém foi capaz de lhe dizer uma Palavra de ânimo, de
esperança, mas os julgamentos condenatórios não faltaram. Ao lermos o livro de Jó, percebemos claramente que na
solidão ele teve a oportunidade de se achegar mais perto de Deus. Era Jó e Deus. Seus companheiros Zofar, Eliú, Elifaz e
Abiúde tentaram responder e decifrar as causas do sofrimento, contudo não foram capazes de confortar e intercederem por Jó.

 O que aprendemos? As respostas que precisamos, não vêm das multidões. Estas, porém nos ensinam, na medida em
que convivemos e também nos afastamos dela. Não estou a dizer que solidão faz bem ou que devemos procurá-la,
de modo algum! O que digo é: homem algum é capaz de redimir, resgatar a alma do outro. É claro que nosso
próximo pode ser, e muitas vezes é, instrumento de Deus para nos abençoar. Mas nossa força, fé, esperança, e toda
expectativa, deve ser voltada para Deus.
Jó não ignorou em momento algum o poder de Deus e a sua vontade. Jó se colocou ainda que sem saber, sob o domínio
de Deus sendo humilde e fiel mesmo em meio a dor.

Creio que nessa hora de imensa solidão, onde seus amigos e irmãos o abandonara, e os que ficaram, estavam ali para
lhe causar mais dor e angustia, inclusive sua mulher. Mas Jó pensou: "Sim, estou passando tudo isso, não sei quando vai
acabar, mas sei que Ele virá e me restaurará" (Jó 19:25). JEOVÁ-JIRÉ: "O Senhor proverá" não será difícil para ele minha
situação, sei que ele proverá. No tempo certo ele proverá. Ele proveu um cordeiro para Isaque, proverá também para mim. Ele
não falha, não chega atrasado, Jeová Jiré vira ao meu socorro.

 Jó, experimentou a amargura da solidão ao perder todos os bens e ser privado da presença dos filhos, ele se viu doente
e só, no que desabafou: “ Por que em vez do meu pão, me vêm gemidos, e os meus lamentos se derramam como
água?” Jó 3:24

E uma das perguntas que Deus traz para Jó é: "Onde está o caminho em que se reparte a luz e se espalha o vento oriental
sobre a terra?". Jó não sabia. Ninguém sobre a face da terra sabe! Ainda mais quando o vento se apresenta em redemoinho: a
que horas se intensificara ou desaparecerá, quantas coisas serão levadas e quantas permanecerão. Jó não sabia o porquê do

APRENDENDO COM A SOLIDÃO DE JÓ. PASTORA RAQUEL GUIMARAES


sofrimento, não conhecia os mistérios da terra, mas tudo quanto atravessou de angustia, serviu para que conhecesse a Deus: "
“Eu te conhecia só de ouvir falar, mas agora os meus olhos te vêem.” (Jó 42.5)
Por que ele venceu? Por que resistiu pacientemente? Eis a questão: Jó estava firmado em Deus, por isso, não foi vencido pela
solidão. Ao contrário: aprendeu com ela, se utilizou dela para crescer, ficar mais íntimo de Deus.

 O pastor Dobson. De quem falamos anteriormente, disse ter encontrado as respostas que precisava, na solidão: ele diz:
“se eu soubesse que ia morrer, teria realmente lido a Bíblia e orado como mais. Mas durante anos o oposto era
verdade. Eu mal tinha tempo de ler a Bíblia e tinha grande dificuldade de orar. Você fica tão sobrecarregado com
outros compromissos que perde a perspectiva correta.

Falando sobre o vento na Bíblia, em muitos casos, está relacionada com o domínio de Deus sobre todas as coisas. Assim como
não somos capazes de controlar o tempo e o vento, não somos capazes de prever o amanhã. Amparados nessa certeza está
uma outra; de que há um Deus que pode fazer e trazer todas as coisas de forma Soberana, e ainda vai alem. A liberdade
de escolha do homem, não pode prejudicar a ordem dos dias, nem diminuir ou anular a Soberania de Deus. Ainda que o
vento sopre sobre os servos de Deus, esse vento não será capaz de impedi-los de chegar aonde Deus escolheu.

 Essa ação Divina e Soberana, nos leva a Ezequiel 37:9:"Profetize ao espírito; profetize, filho do homem, e diga-
lhe: Assim diz o Soberano, o Senhor: Venha desde os quatro ventos, ó espírito, e sopre dentro desses mortos,
para que vivam". Ali Deus estava restaurando a vida, a nação de Israel através da oração do profeta. Aprendo aqui a
não desistir de orar pelas causas que parecem perdidas porque a qualquer tempo, que não me é permitido
saber, mas crer, o vento poderá soprar e restaurar o que é motivo de angustia e dor.

"Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.
Pode vir o mar revolto e suas ondas me cercar de todos os lados, como aconteceu com os discípulos de Jesus na Galileia, Jesus
dormia na proa do barco mas tinha ciência do que estava acontecendo. Ainda hoje, este mar se revolta as vezes e traz grande
fúria. Mas há alguém na proa do teu barco que se levanta e repreende o vento e a fúria do mar, trazendo depois de tempestade,
bonança.

Assim como aconteceu com Jó e com os discípulos de Jesus, algumas situações na vida parecem conduzir a morte, até
que se ouve a voz de Deus do meio do redemoinho ou no meio do mar e a restauração chega, a alegria vem. Por isso,
amados irmãos, essa vida maltrata, o mundo conspira contra o bem, o vento sopra forte quando navegamos com Jesus.
Contudo, a salvação virá porque "Todas as coisas contribuem para o bem dos que amam a Deus" (Romanos 8:28) e essa
verdade o vento não pode levar. Você pode sim dizer: JEOVÁ-RAFA: "O Senhor que me sara" (Êxodo 15:26) - "Eu sou o
Senhor que te sara", tanto em corpo e alma. No corpo, através da preservação e da cura de doenças, e na alma, pelo perdão de
iniquidades.

JEOVÁ-NISSI: "O Senhor é minha bandeira" (Êxodo 17:15), Esse nome comemora a vitória sobre os amalequitas no
deserto em Êxodo 17.
“ Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra. E depois de consumida a minha pele,
contudo ainda em minha carne verei a Deus, Vê-lo-ei, por mim mesmo, e os meus olhos, e não outros o contemplarão “.
Jó 19:25-27
Se de alguma forma, você se sente só e abandonado, lembre-se: Deus esteve todo o tempo com Jó, Ele não o desamparou nem
por um segundo, assim é conosco: “e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.”
Mateus 28:20. EL ROI: "Deus que vê está com você" (Gênesis 16:13) - o nome atribuído a Deus por Agar, sozinha
e desesperada no deserto depois de ter sido expulsa por Sara

Encontremos propósito na solidão e não nos deixemos abater por ela. EL-GIBOR: "Deus Poderoso" (Isaías 9:6)
Guerreiro forte e poderoso, vai realizar em minha vida tudo aquilo que ele planejou. Acredito nessa promessa e
mesmo quando as coisas parecem ir de mal a pior, confio na provisão de Deus. Me entristeço e choro, mas graças a Deus, que
na oração e na Palavra, recebo conforto e ânimo que não encontro em nenhum outro lugar. Aprendi a não buscar respostas na
multidão. Hoje, mesmo quando tudo está em pedaços, tem alguém do outro lado clamando e dizendo: preciso de uma palavra,
você pode orar por mim?”. Deus nos consola, para consolarmos. O segredo? Ele nos molda na solidão.

“O Senhor, pois, virou o cativeiro de Jó, quando este orava pelos seus amigos; e o Senhor deu a Jó o dobro do que
antes possuía. “ Jó 42:10. Homens cheio de fé e tementes a Deus encontram respostas na solidão.

APRENDENDO COM A SOLIDÃO DE JÓ. PASTORA RAQUEL GUIMARAES