Anda di halaman 1dari 14

01.

Conforme reza a Constituição da República, a competência para o julgamento dos crimes


dolosos contra a vida é do(a).
a) juizado especial federal.
b) júri.
c) Juiz criminal de primeira instância.
d) justiça militar.
e) Ministério Público.

02. De acordo com o princípio da presunção de inocência, previsto no artigo 5° , inciso LVII, da
Constituição Federal, explícito no processo penal,
a) iniciada a ação penal e feita a citação, o réu não é obrigado a comparecer em Juízo e se
autoacusar, mas, comparecendo, não tem direito ao silêncio.
b) em caso de dúvida, por aplicação do princípio da prevalência do interesse da sociedade (in dubio
pro societate), condena-se o acusado.
c) o ônus da prova de inocência cabe à defesa, após recebimento da denúncia ou queixa-crime e
consequente início da ação penal.
d) surge como sua decorrência lógica, a indispensabilidade da medida cautelar extrema, de prisão,
ainda que desnecessária à instrução e à ordem pública.
e) presume-se inocente o acusado até pronunciamento de culpa, por sentença condenatória,
transitada em julgado.

03. Segundo a Constituição Federal, para que alguém seja considerado culpado é suficiente.
a) condenação recorrível do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
b) sentença judicial criminal de primeira instância recorrível.
c) decisão unânime do tribunal do júri da qual ainda caiba recurso.
d) denúncia do Ministério Público recebida pelo Poder Judiciário
e) sentença penal condenatória transitada em julgado.

04. Sobre o inquérito policial, é correto afirmar que


(A) se trata de um procedimento administrativo dispensável e disponível.
(B) uma vez arquivado, somente poderá ser desarquivado a requerimento do Ministério Público.
(C) não haverá inquérito policial nos casos de ação penal privada, devendo o ofendido ingressar
diretamente com a queixa-crime em juízo.
(D) a Autoridade Policial deverá colher informações sobre a existência de filhos, respectivas idades
e se possuem alguma deficiência e o nome e o contato de eventual responsável pelos cuidados dos
filhos, indicado pela pessoa presa.
(E) o prazo para seu encerramento será de 5 (cinco) dias quando o indiciado estiver preso, contados
a partir de sua prisão e de 30 (trinta) dias quando o indiciado estiver solto ou quando não houver
indiciado.

05. A respeito do Inquérito Policial, assinale a alternativa correta.


a) Nas ações penais públicas, condicionadas à representação, os inquéritos policiais podem ser
iniciados por provocação das vítimas ou, de ofício, pela Autoridade Policial.
b) O Delegado, encerrada as investigações, convencido da inexistência de crime, poderá determinar
o arquivamento do inquérito policial.
c) Nos inquéritos policiais que apuram crime de tráfico de pessoas, a Autoridade Policial poderá
requisitar diretamente às empresas prestadoras de serviço de telecomunicações, informações sobre
posicionamento de estações de cobertura, a fim de permitir a localização da vítima ou do suspeito
do delito em curso.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
d) Nas comarcas em que houver mais de uma circunscrição policial, diligências em circunscrição
diversa da que tramita o inquérito policial dependerá de expedição de carta precatória.
e) As diligências requeridas pelo ofendido, no curso do inquérito policial, serão ou não realizadas a
juízo da Autoridade Policial.

06. A autoridade policial pode determinar o arquivamento de autos de inquérito policial?


a) Não, por expressa disposição legal.
b) Sim, desde que constate que a punibilidade está extinta.
c) Sim, desde que constate que os fatos foram praticados sob alguma causa excludente de ilicitude.
d) Sim, desde que constate que os fatos foram praticados em legítima defesa ou estado de
necessidade.
e) Sim, desde que exaustivas diligências comprovem a impossibilidade de elucidar a autoria
criminosa.
07. Sobre o inquérito policial, é correto afirmar que:
a) sua finalidade é fornecer à vítima os elementos necessários à propositura de ação indenizatória.
b) é indispensável à propositura da ação penal, de forma que esta não pode ser proposta sem a
instauração bem como a conclusão do inquérito.
c) o prazo para a conclusão do inquérito é de 10 (dez) dias, em caso de indiciado solto.
d) é um procedimento inquisitório, de caráter administrativo, instaurado pela autoridade policial.
e) é destinado a apurar a autoria e a materialidade de infrações penais ou de ilícitos administrativos.

08. Salvo exceções expressamente previstas em leis especiais, o prazo para a conclusão do inquérito
policial cujo indiciado estiver preso, que tramita junto à Polícia Civil (Estadual) e à Polícia Federal
é, respectivamente, de
a) 10 dias; 10 dias.
b) 10 dias, prorrogáveis por mais 10 dias; 15 dias.
c) 10 dias; 15 dias prorrogáveis por mais 15 dias.
d) 5 dias, prorrogáveis por mais 5 dias; 10 dias.
e) 5 dias; 10 dias.

09. Uma vez relatado o inquérito policial,


a) o delegado pode determinar o arquivamento dos autos.
b) o Promotor de Justiça pode denunciar ou arquivar o feito.
c) o Promotor de Justiça pode denunciar, requerer o arquivamento ou requisitar novas diligências.
d) o Juiz pode, diante do pedido de arquivamento, indicar outro promotor para oferecer denúncia.
e) a vítima pode, uma vez determinado o arquivamento, iniciar ação penal substitutiva da pública.

10. O inquérito policial, nos crimes em que a ação pública depender de representação,__________ ;
nos crimes de ação privada, a autoridade policial somente poderá proceder a inquérito___________.
Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas.
a) depende de queixa crime para sua instauração … após colher o consentimento da vítima ou de
terceiro patrimonialmente interessado na investigação do fato
b) pode ser instaurado independentemente dela, mas só pode embasar ação penal após manifestação
positiva da vítima … após oferecimento de queixa crime
c) só pode ser iniciado se não houver transcorrido o prazo decadencial de seis meses … quando
acompanharem a representação do ofendido o nome e qualificação de ao menos três testemunhas
d) não poderá sem ela ser iniciado … a requerimento de quem tenha qualidade para intentá-la
e) depende de queixa crime para sua instauração … após oferecimento de queixa crime

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
11. Com relação às previsões relativas ao Inquérito Policial no Código de Processo Penal, é correto
afirmar que
a) o inquérito, nos crimes em que a ação pública depender de representação, poderá, sem ela, ser
iniciado, mas seu encerramento dependerá da juntada desta.
b) durante a instrução do Inquérito Policial, são vedados os requerimentos de diligências pelo
ofendido, ou seu representante legal; e pelo indiciado, em virtude da sua natureza inquisitorial.
c) nos crimes em que não couber ação pública, os autos do inquérito permanecerão em poder da
autoridade policial até a formalização da iniciativa do ofendido ou de seu representante legal,
condição esta obrigatória para a remessa dos autos ao juízo competente.
d) todas as peças do inquérito policial serão, num só processado, reduzidas a escrito ou
datilografadas e, nesse caso, rubricadas pela autoridade.
e) qualquer pessoa do povo que tiver conhecimento da existência de infração penal em que caiba
ação pública poderá, por escrito, comunicála à autoridade policial, sendo vedada a comunicação
verbal.

12. Assinale a alternativa correta no que tange ao arquivamento do Inquérito Policial, segundo o
disposto no Código de Processo Penal.
a) Depois de ordenado o arquivamento do inquérito pela autoridade judiciária, por falta de base para
a denúncia, a autoridade policial somente poderá proceder a novas pesquisas com autorização da
autoridade judiciária que determinou o arquivamento.
b) A autoridade policial poderá mandar arquivar autos de inquérito.
c) Depois de ordenado o arquivamento do inquérito pela autoridade judiciária, por falta de base para
a denúncia, a autoridade policial não poderá proceder a novas pesquisas se de outras provas tiver
notícia.
d) Depois de ordenado o arquivamento do inquérito pela autoridade judiciária, por falta de base para
a denúncia, a autoridade policial poderá proceder a novas pesquisas se de outras provas tiver
notícia.
e) A autoridade policial poderá mandar arquivar autos de inquérito somente nos casos em que for
constatada atipicidade da conduta.

13. Nos termos do quanto determina o § 4 do art. 5.º do CPP, o inquérito que apura crime de ação
pública condicionada
a) depende, para instauração, da respectiva representação.
b) deve ser instaurado de ofício pela autoridade policial.
c) deve ser instaurado após minucioso relatório da autoridade.
d) depende, para instauração, da indicação de testemunhas idôneas do fato a ser apurado.
e) deve ser instaurado no prazo de 6 (seis) meses contados da data do fato.

14. O inquérito policial


a) somente será instaurado por determinação do juiz competente.
b) pode ser arquivado por determinação da Autoridade Policial.
c) estando o indiciado solto, deverá ser concluído no máximo em 10 dias.
d) nos crimes de ação pública poderá ser iniciado de ofício.
e) não poderá ser iniciado por requisição do Ministério Público.

15. Considerando o teor da Súmula vinculante n.º 14 do Supremo Tribunal Federal, no que diz
respeito ao sigilo do inquérito policial, é correto afirmar que a autoridade policial.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
a) não poderá, em hipótese alguma, negar vista ao advogado, com procuração com poderes
específicos, dos dados probatórios formalmente anexados nos autos.
b) não poderá negar vista dos autos de inquérito policial ao advogado, entretanto a extração de
cópias reprográficas fica vedada.
c) poderá negar vista dos autos ao advogado caso os ele- mentos de prova do procedimento
investigatório sejam sigilosos para a defesa
d) poderá negar vista dos autos ao advogado caso haja no procedimento investigatório quebra de
sigilo bancário ou degravação de conversas decorrentes de interceptação telefônica
e) poderá negar vista dos autos ao advogado sempre que entender pertinente para o bom andamento
das investigações.

16. De acordo com a regra do art. 10 do CPP, “o inquérito deverá terminar no prazo de _____ dias,
se o indiciado tiver sido preso em flagrante, ou estiver preso preventivamente, contado o prazo,
nesta hipótese, a partir do dia em que se executar a ordem de prisão, ou no prazo de______ dias,
quando estiver solto, mediante fiança ou sem ela.” Assinale a alternativa que preenche, adequada e
respectiva- mente, as lacunas do texto.
a) 5 … 15
b) 5 … 30
c) 10 … 30
d) 10 … 90
e) 30 … 90

17. Sobre a ação penal, é correto afirmar:


a) não será admitida ação privada nos crimes de ação pública, ainda que esta não seja intentada no
prazo legal.
b) ao ofendido, ou a quem tenha qualidade para representá-lo, caberá intentar a ação penal pública
que dependa de representação do ofendido.
c) a queixa contra qualquer dos autores do crime somente obrigará o processo de todos nos casos de
crimes hediondos.
d) o prazo para oferecimento da denúncia, estando o réu preso, será de 5 dias, contado da data em
que o órgão do Ministério Público receber os autos do inquérito policial, e de 15 dias, se o réu
estiver solto ou afiançado.
e) o Ministério Público poderá desistir da ação penal apenas nos casos em que as provas sejam de
difícil produção.

18. A, empresário do ramo de confecção têxtil, teve sua marca reproduzida, sem autorização, em
diversas camisetas. Instaurado inquérito policial, constatou-se que a empresa que confeccionou as
camisetas era de propriedade de B – por coincidência, sobrinho de A - e um terceiro C. B, ouvido
pela Autoridade Policial, alegou desconhecer que a marca reproduzida era de propriedade do tio.
Afirmou, ademais, não saber que reproduzir ou imitar marca, sem autorização do titular, seria
crime. C, por sua vez, disse que achava que a reprodução da marca contava com a autorização, já
que o titular era o tio de seu sócio. Finalizado o inquérito policial, identificados os supostos autores
do crime contra o registro de marca (processável por ação penal privada), A propôs queixa-crime
apenas contra C, deixando de fora B, seu sobrinho. Da identificação dos supostos autores do crime à
propositura da queixa-crime transcorreram 04 (quatro) meses. Mas, da instauração do inquérito
policial à propositura da queixa-crime transcorreu período superior a 06 (seis) meses. A respeito da
situação hipotética, afirma-se corretamente que,
a) uma vez transcorrido período superior a 06 (seis) meses entre a instauração do inquérito policial e
a propositura da queixa-crime, A decaiu do direito de processar os autores do fato.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
b) uma vez transcorrido período superior a 30 (trinta) dias entre a identificação dos autores e a
propositura da queixa-crime, a ação penal está perempta.
c) por se tratar de crime de ação penal privada, incabível instauração de inquérito policial, devendo
a investigação ficar a cargo do ofendido.
d) nas ações penais privadas, aplica-se o princípio da indivisibilidade, segundo o qual a queixa
contra qualquer dos autores obriga processar a todos, exceto quando há perdão ou renúncia por
parentesco.
e) ao deixar de propor queixa-crime em face de B, A, tacitamente, renunciou a seu direito de queixa
que, por expressa previsão legal, estende-se a C.

19. De acordo com o artigo 25 do Código de Processo Penal, a representação do ofendido será
a) irretratável, a qualquer tempo.
b) irretratável, depois de oferecida a denúncia.
c) retratável.
d) condicionada à apresentação de provas ao Ministério Público.
e) condicionada à contratação de advogado para a realização do ato.

20. Nos crimes de ação _________ , esta será promovida por denúncia do Ministério Público, mas
dependerá, quando a lei o exigir, de __________ do Ministro da Justiça, ou de __________ do
ofendido ou de quem tiver qualidade para representá-lo. Assinale a alternativa que, respectivamente,
preenche, de modo tecnicamente correto, as lacunas.
a) privada … autorização … requisição
b) pública … representação … requisição
c) privada … requisição … autorização
d) pública … requisição … representação
e) privada … autorização … representação

21. XISTO, querelante em ação penal privada, ao término da instrução e representado por advogado
constituído, requereu a absolvição de CRISTÓVÃO, querelado. Deve o juiz
a) determinar a extração de peças processuais e o encaminhamento à autoridade policial, para
apuração da prática, pelo querelante, de denunciação caluniosa.
b) designar audiência para tentativa de conciliação das partes, em homenagem ao princípio da
intervenção mínima.
c) considerar perempta a ação penal, porque o querelante deixou de formular pedido de condenação
nas alegações finais.
d) encaminhar os autos em vista ao Ministério Público, titular da ação penal, para manifestação de
interesse na produção de outras provas.
e) absolver CRISTÓVÃO, com fundamento no artigo 386, inciso VII, do Código de Processo Penal.

22. A ação penal somente pode ser proposta contra quem se imputa a prática da infração penal.
Outra pessoa, ainda que tenha obrigações de caráter civil decorrentes do delito, não pode ser
incluída na ação, isto em função do princípio da
a) obrigatoriedade.
b) indisponibilidade.
c) intranscendência.
d) oficialidade.

23. Assinale a alternativa correta em relação à Ação Penal.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
a) A queixa contra um dos autores do crime não obrigará ao processo de todos, cabendo ao
Ministério Público decidir pela sua viabilidade.
b) A renúncia ao exercício do direito de queixa, em relação a um dos autores do crime, a todos se
estenderá, sem que produza, todavia, efeito em relação ao que a recusar.
c) O perdão poderá ser aceito por procurador com poderes especiais.
d) Nos casos em que somente se procede mediante queixa, considerar-se-á perempta a ação penal
quando, iniciada esta, o querelante deixar de promover o andamento do processo durante 15 dias
seguidos.
e) No caso de morte do acusado, o juiz admitirá todos os meios de prova para declarar extinta a
punibilidade.

24. Segundo as disposições do Código de Processo Penal relativas à ação penal, é correto afirmar
que
a) o perdão concedido a um dos querelados aproveitará a todos, independentemente da aceitação ou
recusa dos demais querelados.
b) salvo disposição em contrário, o ofendido, ou seu representante legal, decairá no direito de
queixa ou de representação, se não o exercer dentro do prazo de seis meses, contado do dia em que
o crime foi praticado.
c) a renúncia ao exercício do direito de queixa, em relação a um dos autores do crime, a todos se
estenderá.
d) nos casos em que somente se procede mediante queixa, considerarse-á perempta a ação penal
quando, iniciada esta, o querelante deixar de promover o andamento do processo durante 15
(quinze) dias seguidos.

25. A ação penal de iniciativa pública é promovida


a) pelo Ministério Público ou ofendido, mediante denúncia.
b) pela vítima ou seu representante legal.
c) pelo Ministério Público, mediante queixa-crime.
d) exclusivamente pelo Ministério Público, mediante denúncia.
e) pelo ofendido, representado por advogado com poderes especiais.

26. Quando o querelante deixa de comparecer, sem motivo justificado, a qualquer ato do processo a
que deva estar presente, dá-se a
a) absolvição.
b) perempção.
c) remissão.
d) remição.
e) revelia.

27. Assinale a alternativa que justifica corretamente qual o prazo para o ofendido ou o seu
representante legal requerer a instauração de inquérito policial, quando o crime for de alçada
privada.
a) O Código de Processo Penal não disciplina expressamente a respeito e, assim, entende-se que o
direito de requerimento de instauração de inquérito policial deve ser exercido no mesmo prazo do
direito de queixa, ou seja, 3 meses, contados da data dos fatos.
b) O Código de Processo Penal não disciplina expressamente a respeito e, assim, entende-se que o
direito de requerimento de instauração de inquérito policial deve ser exercido no mesmo prazo do
direito de queixa, ou seja, 6 meses, contados da data em que se souber quem foi o autor do crime.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
c) O Código de Processo Penal dispõe expressamente que o direito de requerimento de instauração
de inquérito policial deve ser exercido no prazo de 3 meses, contados da data dos fatos.
d) O Código de Processo Penal dispõe expressamente que o direito de requerimento de instauração
de inquérito policial deve ser exercido no prazo de 6 meses, contados da data em que o crime
ocorreu.

28. Gustavo, Delegado de Polícia, é a autoridade policial que preside duas investigações autônomas
em que se apura a suposta prática de crimes de homicídio contra Joana e Maria. Após realizar
diversas diligências, não verificando a existência de justa causa nos dois casos, elabora relatórios
finais conclusivos e o Ministério Público promove pelos arquivamentos, havendo homologação
judicial. Depois do arquivamento, chega a Gustavo a informação de que foi localizado um gravador
no local onde ocorreu a morte de Maria, que não havia sido apreendido, em que encontrava-se
registrada a voz do autor do delito. A autoridade policial, ademais, recebe a informação de que a
família de Joana obteve um novo documento que indicava as chamadas telefônicas recebidas pela
vítima no dia dos fatos, em que constam 25 ligações do ex-namorado de Joana em menos de uma
hora. Considerando as novas informações recebidas pela autoridade policial, é correto afirmar que:
(A) não poderá haver desarquivamento do inquérito que investigava a morte de Joana, mas poderá
ser desarquivado o que investigava a morte de Maria, tendo em vista que o documento obtido pela
família de Joana não existia quando do arquivamento;
(B) poderá haver desarquivamento dos inquéritos diretamente pela autoridade policial, mas não
poderá o Ministério Público oferecer imediatamente denúncia, ainda que haja justa causa, diante
dos arquivamentos anteriores;
(C) poderá haver desarquivamento dos inquéritos que investigavam as mortes de Joana e Maria,
pois em ambos os casos houve prova nova, ainda que o gravador já existisse antes do arquivamento;
(D) poderá haver desarquivamento do inquérito que investigava a morte de Joana, mas não do de
Maria, tendo em vista que apenas no primeiro caso houve prova nova; (E) não poderá haver
prosseguimento das investigações, tendo em vista que houve decisão de arquivamento que fez coisa
julgada.

29. Com relação ao inquérito, assinale a afirmativa incorreta.


a) O inquérito é um procedimento investigatório prévio, no qual diversas diligências são realizadas
na busca da obtenção de indícios que permitam o titular da ação propô-la contra o autor da infração
penal.
b) O inquérito policial é inquisitivo, não vigorando o princípio do contraditório pleno, apesar de a
autoridade que o presidir ter a obrigação de agir dentro dos termos da lei.
c) Apesar de o inquérito ser sigiloso, é direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso
amplo aos elementos de prova que, já documentados, digam respeito ao exercício do direito de
defesa.
d) O inquérito, que é obrigatório, pode ser iniciado de ofício, por requisição da autoridade judiciária
ou do Ministério Público, ou a requerimento do ofendido ou de quem tiver qualidade para
representálo.
e) O inquérito, nos crimes em que a ação pública depende de representação, não poderá ser iniciado
sem ela.

30. Na doutrina de Eugênio Pacelli de Oliveira, o “inquérito policial, atividade específica da polícia
denominada judiciária, isto é, Polícia Civil, no âmbito da Justiça Estadual, e a Polícia Federal, no
caso da Justiça Federal, tem por objetivo a apuração das infrações penais e de sua autoria". Sobre o
tema, assinale a afirmativa correta.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
a) Nos crimes de ação penal privada, a autoridade policial somente poderá proceder a inquérito a
requerimento de quem tenha qualidade para intentá-la. Já nos crime de ação penal pública,
condicionada à representação ou incondicionada, o inquérito policial poderá ser iniciado de ofício.
b) De acordo com o Código de Processo Penal, o inquérito deverá ser finalizado no prazo de 10
dias, se o indiciado estiver solto, e no de 60 dias, quando estiver preso.
c) Se o caso for de difícil elucidação, terminado o prazo para finalização do inquérito, poderá a
autoridade policial reter os autos por decisão própria.
d) Uma vez arquivado o inquérito pela autoridade judiciária, em nenhuma hipótese poderá a
autoridade policial proceder a novas pesquisas.
e) O ofendido, ou seu representante legal, e o indiciado poderão requerer qualquer diligência, que
será realizada ou não, a juízo da autoridade.

31. Quanto ao sigilo do inquérito policial, é correto afirmar que


a) a autoridade policial poderá negar a vista dos autos ao advogado sempre que entender pertinente,
desde que o faça em decisão fundamentada.
b) o advogado somente poderá ter acesso aos autos do inquérito policial com autorização judicial.
c) a autoridade policial poderá negar ao advogado o acesso aos elementos de prova que ainda não
tenham sido documentados no procedimento investigatório.
d) a autoridade policial poderá negar a vista dos autos ao advogado somente quando o suspeito tiver
sido indiciado formalmente.
e) visando resguardar o sigilo do inquérito policial e a eficácia da investigação, a autoridade policial
poderá negar ao advogado que esteja atuando com procuração o acesso aos depoimentos prestados
pelas vítimas.

32. Quanto ao inquérito policial, é correto afirmar que


a) nos casos de crimes persequíveis por ação penal pública condicionada à representação, o
Ministério Público só poderá pedir o arquivamento da investigação se houver anuência da vítima.
b) o inquérito policial arquivado a pedido do Ministério Público com fundamento na falta de justa
causa para a instauração da ação penal poderá ser desarquivado a qualquer tempo com o surgimento
de novos elementos de convicção acerca da ocorrência do fato investigado.
c) o inquérito policial arquivado a pedido do Ministério Público com fundamento na manifesta
atipicidade do fato não poderá ser desarquivado, ainda que venham novos elementos de convicção
acerca da ocorrência da conduta anteriormente investigada.
d) nos crimes persequíveis por ação penal privada, o ofendido poderá requerer o arquivamento do
inquérito policial, cabendo ao Promotor de Justiça opinar sobre o pedido, uma vez que o Ministério
Público atua como interveniente obrigatório.
e) se, requerido o arquivamento do inquérito policial, o juiz discordar do pedido, poderá determinar
o retorno da investigação para que o promotor de justiça reconsidere a sua manifestação anterior.

33. A respeito da notitia criminis, assinale a alternativa correta.


a) A notitia criminis deverá conter, sempre que possível, a narração do fato, com todas as suas
circunstâncias, a individualização do indiciado, as razões de convicção sobre ser ele o autor do fato
e a indicação de testemunhas, com indicação de sua profissão e residência e, necessariamente, a
capitulação correta dos crimes sobre os quais versa.
b) Qualquer pessoa do povo que tiver conhecimento da existência de infração penal de qualquer
natureza poderá comunicá-la à autoridade policial, e, esta, verificada a procedência das
informações, mandará instaurar inquérito.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
c) Nos crimes de ação penal pública condicionada à representação, a notitia criminis não poderá ser
encaminhada ao membro do Ministério Público, salvo nos casos em que a autoridade policial
indeferir a instauração de inquérito.
d) A notitia criminis deverá conter, sempre que possível, a narração do fato, com todas as suas
circunstâncias, a individualização do indiciado e as razões de convicção sobre ser ele o autor do fato
e a indicação de testemunhas, com indicação de sua profissão e residência.
e) Quando versar sobre crime de ação penal privada e o lesado possuir todos os elementos
informativos necessários à elucidação do caso, a notitia criminis poderá ser ofertada diretamente ao
juízo competente.

34. Maria, 30 anos, foi vítima da prática de um crime de estupro, crime este de ação penal pública
condicionada à representação. Apesar de não querer falar sobre os fatos ou contribuir para eventuais
investigações, a mãe de Maria comparece à Delegacia e narra os fatos. Diante da situação
apresentada e sobre o tema inquérito policial, é correto afirmar que:
a) apesar de o oferecimento de denúncia depender de representação, a instauração do inquérito
policial independe da mesma;
b) ainda que conclua pela atipicidade dos fatos, uma vez instaurado formalmente o inquérito
policial, não poderá a autoridade policial mandar arquivar os autos;
c) o inquérito policial tem como uma de suas características a indispensabilidade;
d) o Código de Processo Penal proíbe a reprodução simulada dos fatos antes do oferecimento da
denúncia, ainda que com a concordância do indiciado; e) o inquérito policial tem como
características a oralidade, a informalidade e o sigilo.

35. De acordo com o Código de Processo Penal, é vedada a decretação da prisão preventiva se a
autoridade judiciária constatar que o agente
(A) não se encontrava em nenhuma das hipóteses legais que justificam a lavratura do auto de
flagrante delito.
(B) praticou a ação ou omissão que lhe é atribuída acobertado por alguma das excludentes de
ilicitude.
(C) era menor de 21 (vinte e um) anos de idade por ocasião do crime ou maior de 70 (setenta) anos
de idade por ocasião da decisão.
(D) tiver condenação anterior por crime doloso, independentemente da data do cumprimento da
pena ou da extinção da punibilidade.
(E) não fornecer, no momento da prisão, dados de sua identidade, mesmo que esta tenha sido
apurada em momento posterior.

36. O juiz poderá revogar a prisão preventiva se, no correr do processo, verificar a falta de motivo
para que subsista, ficando impedido de decretá-la novamente.
( ) Verdadeiro / ( ) Falso

37. No caso de prisão em flagrante, será entregue ao preso, mediante recibo, a nota de culpa,
assinada pela autoridade, com o motivo da prisão, o nome do condutor e os das testemunhas, no
prazo improrrogável de quarenta e oito horas a contar da lavratura do auto de prisão em flagrante.
( ) Verdadeiro / ( ) Falso

38. A prisão preventiva


(A) é decretada pelo juiz.
(B) somente poderá ser decretada como garantia da ordem pública.
(C) não poderá ser revogada pelo juiz.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
(D) poderá ser decretada pelo delegado de polícia.
(E) é admitida para qualquer crime ou contravenção.

39. Considera-se em flagrante delito:


(A) o agente que é surpreendido com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir
ser ele autor da infração, em qualquer momento da investigação.
(B) o agente que é investigado pela prática da infração penal no momento em que a autoridade
policial consegue reunir as provas de ter sido ele o autor do crime.
(C) o agente das infrações permanentes, enquanto não cessar a permanência.
(D) o agente que foge após a prática da infração penal enquanto não for capturado.
(E) o agente que é surpreendido na fase dos atos preparatórios da infração penal.

40. No tocante à prisão preventiva, é correto afirmar:


(A) poderá ser decretada quando houver dúvida sobre a identidade civil da pessoa ou quando esta
não fornecer elementos suficientes para esclarecê-la.
(B) se o crime envolver violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso,
enfermo ou pessoa com deficiência, só poderá ser decretada em substituição das medidas protetivas
de urgência.
(C) não poderá ser decretada em caso de descumprimento de qualquer das obrigações impostas por
força de outras medidas cautelares.
(D) não pode ser decretada durante o Inquérito Policial, mas apenas durante o processo penal após o
oferecimento da denúncia.
(E) poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência
da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, sendo, em tais casos, irrelevante
haver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.

41. Dentro de 24h (vinte e quatro horas) depois da prisão, será encaminhado ao juiz competente o
auto de prisão em flagrante acompanhado de todas as oitivas colhidas e, caso o autuado não informe
o nome de seu advogado, cópia integral para
(A) a Defensoria Pública.
(B) o Ministério Público.
(C) a Procuradoria Geral do Estado.
(D) a Ordem dos Advogados do Brasil.
(E) a Procuradoria Geral da União.

42. Considere a situação a seguir.


Mévio e Tício roubam banco na cidade de Três Corações, no Estado de Minas Gerais. Quando se
vêem cercados pela polícia, mantêm vários reféns no interior do estabelecimento, ameaçando matá-
los caso não lhes seja entregue um carro forte para fuga. A situação se prolonga e, temendo um
desate mais grave, a polícia cede e entrega o carro forte com o compromisso da liberação imediata
dos reféns, o que ocorre. Os roubadores são perseguidos por policiais a distância, que recebem
contínuas informações fidedignas sobre o trajeto percorrido na estrada pelos roubadores, em
perseguição ininterrupta, após originário contato visual. Após dois dias de perseguição, o carro forte
ingressa no Estado de São Paulo, onde uma barreira policial logra pará-lo, na cidade de Serra
Negra/SP, culminando com a detenção dos infratores. Pode-se dizer que
(A) a situação, quando da prisão dos roubadores, é de flagrância, e o auto de prisão em flagrante
será lavrado na cidade de Serra Negra/SP.
(B) a situação não é de flagrância, em razão de terem decorrido dois dias após a prática do delito.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
(C) a situação, quando da detenção dos roubadores, é de flagrância, e o auto de prisão em flagrante
deve ser lavrado na cidade de Três Corações/MG.
(D) a situação não é de flagrância, mas pode ser decretada a prisão temporária dos infratores.

43. LUCIANO deduziu, por seu defensor, um pedido de relaxamento de flagrante reputado
irregular. Diz que foi encontrado, logo depois da prática de um crime de roubo perpetrado com
emprego de ameaça, sem que houvesse perseguição ao agente, com uma faca e vários objetos
similares àqueles subtraídos, sendo preso apenas em razão dessa circunstância. O Juiz negou o
relaxamento da prisão, entendendo tratarse de caso de
(A) flagrante próprio.
(B) flagrante presumido.
(C) quase-flagrante.
(D) flagrante preparado.

44. Analise as proposições seguintes, a respeito da prisão em flagrante.


I. Quem, logo após o cometimento de furto, é encontrado na posse do bem subtraído, pode ser preso
em flagrante delito, ainda que inexistam testemunhas da infração.
II. Nos crimes permanentes, entende-se que o agente está em flagrante delito enquanto não cessar a
permanência.
III. Qualquer do povo deverá prender quem quer que seja encontrado em flagrante delito.
IV. Na falta ou impedimento do escrivão, qualquer pessoa designada pela autoridade policial lavrará
o auto de prisão em flagrante, depois de prestado o compromisso legal.
V. Apresentado o preso, a autoridade competente deverá interrogá-lo e entregar-lhe a nota de culpa,
e em seguida proceder à ouvidas do condutor e das testemunhas que o acompanham, colhendo, no
final, as assinaturas de todos. Estão corretas somente as proposições
(A) I, III e IV.
(B) I, II e IV.
(C) I, II e V.
(D) III, IV e V.
(E) II, III e V.

45. Quando presentes prova do crime e indícios de autoria, a prisão preventiva pode ser decretada
em caso de descumprimento de qualquer das obrigações impostas por força de outras medidas
cautelares,
a) como garantia da ordem pública, da ordem econômica ou por conveniência da instrução criminal,
apenas.
b) como garantia da ordem pública, da ordem econômica ou para assegurar a aplicação da lei penal,
apenas.
c) como garantia da ordem pública, por conveniência da instrução criminal ou para assegurar a
aplicação da lei penal, apenas.
d) como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal ou
para assegurar a aplicação da lei penal.

46. Relativamente ao princípio de vedação de auto-incriminação, analise as afirmativas a seguir:


I. O direito ao silêncio aplica-se a qualquer pessoa (acusado, indiciado, testemunha, etc.), diante de
qualquer indagação por autoridade pública de cuja resposta possa advir imputação da prática de
crime ao declarante.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
II. O indiciado em inquérito policial ou acusado em processo criminal pode ser instado pela
autoridade a fornecer padrões vocais para realização de perícia sob pena de responder por crime de
desobediência.
III. O acusado em processo criminal tem o direito de permanecer em silêncio, sendo certo que o
silêncio não importará em confissão, mas poderá ser valorado pelo juiz de forma desfavorável ao
réu. IV. O Supremo Tribunal Federal já pacificou entendimento de que não é lícito ao juiz aumentar
a pena do condenado utilizando como justificativa o fato do réu ter mentido em juízo.
Assinale:
a) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas.
b) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.
c) se apenas as afirmativas I e IV estiverem corretas.
d) se apenas as afirmativas I, II e IV estiverem corretas.
e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

47. Qual dos elementos abaixo não está previsto no art. 312 do Código de Processo Penal como um
dos requisitos para a decretação da prisão preventiva?
A) Quando necessária para assegurar a aplicação da lei penal.
B) Quando conveniente para a instrução criminal.
C) Quando imprescindível para apaziguar o clamor público.
D) Quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.
E) Quando necessária para garantir a ordem econômica.

48. O deputado “M” é um famoso político do Estado “Y”, e tem grande influência no governo
estadual, em virtude das posições que já ocupou, como a de Presidente da Assembleia Legislativa.
Atualmente, exerce a função de Presidente da Comissão de Finanças e Contratos. Durante a reunião
semestral com as empresas interessadas em participar das inúmeras contratações que a Câmara fará
até o final do ano, o deputado “M” exigiu do presidente da empresa “Z” R$ 500.000,00 (quinhentos
mil reais) para que esta pudesse participar da concorrência para a realização das obras na sede da
Câmara dos Deputados. O presidente da empresa “Z”, assustado com tal exigência, visto que sua
empresa preenchia todos os requisitos legais para participar das obras, compareceu à Delegacia de
Polícia e informou ao Delegado de Plantão o ocorrido, que o orientou a combinar a entrega da
quantia para daqui a uma semana, oportunidade em que uma equipe de policiais estaria presente
para efetuar a prisão em flagrante do deputado. No dia e hora aprazados para a entrega da quantia
indevida, os policiais prenderam em flagrante o deputado “M” quando este conferia o valor
entregue pelo presidente da empresa “Z”. Na qualidade de advogado contratado pelo Deputado,
assinale a alternativa que indica a peça processual ou pretensão processual, exclusiva de advogado,
cabível na hipótese acima.
A) Liberdade Provisória.
B) Habeas Corpus.
C) Relaxamento de Prisão.
D) Revisão Criminal.

49. O Código de Processo Penal dispõe que no regime da prisão preventiva


a) é vedada a decretação da prisão preventiva antes do início do processo criminal.
b) a decretação da prisão preventiva como garantia da ordem pública requer indício suficiente da
existência do crime.
c) a prisão preventiva decretada por conveniência da instrução criminal ou para assegurar a
aplicação da lei penal possuem relação de cautelaridade com o processo penal.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
d) a reincidência é irrelevante para a admissão da prisão preventiva. e) a gravidade do delito
dispensa a motivação da decisão que decreta a prisão preventiva.

50. Sobre a prisão em flagrante, é correto afirmar que


a) é ato exclusivo da autoridade policial nos casos de perseguição logo após a prática do delito.
b) deve o delegado de polícia representar pela prisão preventiva, quando o agente é encontrado,
logo depois, com instrumentos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração, dada a
impossibilidade de prisão em flagrante.
c) é vedada pelo Código de Processo Penal, em caso de crime permanente, diante da possibilidade
de prisão temporária.
d) a falta de testemunhas do crime impede a lavratura do auto de prisão em flagrante, devendo a
autoridade policial instaurar inquérito policial para apuração do fato.
e) o auto de prisão em flagrante será encaminhado ao juiz em até 24 horas após a realização da
prisão, e, caso não seja indicado o nome de seu advogado pela pessoa presa, cópia integral para a
Defensoria Pública.

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net
GABARITO

1-B 47-C
2-E 48-C
3-E 49-C
4-D 50-E
5-E
6-A
7-D
8-C
9-C
10- D
11-D
12-D
13-A
14-D
15-A
16-C
17-D
18-E
19-B
20-D
21-C
22-C
23-C
24-C
25-D
26-B
27-B
28-C
29-D
30-E
31-C
32-C
33-D
34-B
35-B
36-FALSO
37-FALSO
38-A
39-C
40-A
41-A
42-A
43-B
44-B
45-D
46-C

Rua Mal. José Inácio da Silva, 355 - Passo d'Areia - Porto Alegre – RS
Tel. (51) 3361-6700 - Fax (51) 3345-3668 - www.faculdade.dombosco.net