Anda di halaman 1dari 334

ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423

__________________________ _________________________ _______________

Especificação para Equipamentos de


Cabeças-de-Poço e Árvores de Natal
Especificação API 6A, 18ª Edição – Maio/2002
ISO 10423:2001, MOD, indústrias de petróleo e
gás natural – Equipamentos de perfuração e produção -
Equipamentos de cabeças-de-poço e árvores-de-natal
VIGÊNCIA: 01/NOV/2002

American Petroleum Institute


ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
NOTAS ESPECIAIS
As publicações do API tratam essencialmente de problemas de natureza geral. Com relação a circunstâncias
particulares, as leis e regulamentos locais, estaduais e federais deverão ser analisados.
O API não se atribui a tarefa de preencher os deveres de empregadores, fabricantes, ou fornecedores em avisar,
bem como treinar e equipar adequadamente seus empregados, e outros sujeitos a exposição, a respeito de higiene e
segurança do trabalho, nem assume suas obrigações sob as leis locais, estaduais, ou federais.
As informações relativas à segurança e riscos à saúde, e precauções adequadas com respeito a materiais e
condições específicos, deverão ser obtidas junto ao empregador, fabricante ou fornecedor daquele material, ou consultando
a folha de dados de segurança do material.
Nada contido em qualquer publicação do API deverá ser interpretado como garantindo qualquer direito, por
implicação ou outra forma, à fabricação, venda ou uso de qualquer método, aparelho, ou produto coberto por cartas-
patente. Da mesma forma, nada contido na publicação deverá ser interpretado como garantindo quem quer que seja contra
responsabilidade pela infringência de cartas-patente.
De modo geral, as normas do API são analisadas e revisadas, ratificadas, ou retiradas pelo menos a cada cinco
anos. Eventualmente, uma única prorrogação de até dois anos será adicionada a este ciclo de revisão.
Esta publicação deixará de ter efeito cinco anos após a data de sua publicação como norma operacional API ou,
caso uma prorrogação tenha sido concedida, após a sua re-publicação. A situação da publicação poderá ser obtida através
do API Upstream Segment, fone (202) 682-8000. Um catálogo das publicações e das matérias do API é publicado
anualmente e atualizado trimestralmente pelo American Petroleum Institute, 1220 L Street, N.W., Washington, D.C. 20005.
Este documento foi produzido sob os procedimentos de padronização API, que garantem a notificação e
participação apropriada no processo de desenvolvimento e é designado como uma norma do Instituto Americano de
Petróleo. Questões referentes à interpretação do conteúdo desta norma ou comentários e perguntas referentes aos
procedimentos sob os quais esta norma foi desenvolvida, devem ser encaminhados por escrito ao diretor / gerente geral do
Upstream Segment, American Petroleum Institute, 1220 L Street, N.W., Washington, D.C. 20005 . Solicitações para
permissão de reprodução ou tradução de parte ou de todo material aqui publicado devem ser endereçadas ao diretor.
As normas API são publicadas para facilitar a ampla disponibilização de práticas operacionais e de engenharia
idôneas e comprovadas. Estas normas não pretendem tornar óbvia a necessidade de aplicação de um julgamento de
engenharia idôneo com respeito a quando e onde as m esmas devem ser utilizadas. A formulação e publicação das normas
API não pretende, de forma alguma, inibir quem quer que seja a utilizar quaisquer outras práticas.
Qualquer fabricante que marcar equipamentos ou materiais de acordo com os requisitos de marcação de uma
norma API, é unicamente responsável pelo cumprimento de todos os requisitos aplicáveis daquela norma. O API não
representa, autoriza ou garante que tais produtos estejam de fato conforme a norma API aplicável.

INTRODUÇÃO AO API
Esta norma encontra-se sob a jurisdição do Sub-comitê de Normas do American Petroleum Institute sobre
Válvulas e Equipamentos “Welhead” (API C1/SC6). Esta norma API é uma adoção modificada da versão em inglês da ISO
10423:1001. A ISO 10423 for preparada pelo Comitê Técnico ISO/TC 67 – Materiais, equipamentos e estruturas offshore
para indústrias de petróleo e gás natural, SC 4, Equipamento de perfuração e produção.

Algumas modificações foram introduzidas na presente norma. Estas alterações técnicas e editoriais não foram
incorporadas ao documento. Uma lista completa das modificações e sua justificativa é apresentada no Anexo O (Normativo)
– Anexo Regional do API. Para os fins desta norma, as seguintes alterações editoriais também foram feitas:

a) Cancelamento da Introdução à ISO, substituída pelas Notas Especiais e Introdução ao API .

b) Um anexo informativo nacional (Anexo N - Selo API) foi incluído para fins de orientação aos usuários.

Esta norma passará a vigorar na data impressa na capa, mas poderá ser usada voluntáriamente a partir da data
de sua distribuição.

As publicações API podem ser utilizadas por qualquer pessoa que assim o desejar. Todo esforço foi feito pelo
Instituto para garantir a precisão e confiabilidade dos dados contidos nas mesmas; no entanto, o Instituto não faz qualquer
representação, nem garante esta publicação e, por meio deste instrumento, expressamente rejeita qualquer obrigação ou
responsabilidade contra perdas ou danos resultantes de seu uso ou quanto à violação de quaisquer regulamentos federais,
estaduais ou municipais com os quais esta publicação possa conflitar.
Sugestões para revisão devem ser encaminhadas ao Upstream Segment, API, 1220, L Street, NW, Washington,
D.C. 20005.

2
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Introdução à ISO

Esta norma internacional é baseada na Especificação API 6A, décima-sétima edição, de Fevereiro/1996, sua
errata e suplemento, e na Especificação API 6AV1, primeira edição, de Fevereiro/1996.

O conteúdo da Especificação API 14D (no qual a ISO 10433 foi baseada) e a Prática Recomendada API 14H (na
qual a ISO 10419 foi baseada) foram incorporados na norma API 6A, décima-sétima edição.

O Sistema Internacional de unidades (SI) é utilizado nesta norma internacional. Todavia, os tamanhos nominais
são apresentados como frações no sistema em polegadas.

As frações e suas equivalentes decimais são iguais e intercambiáveis. As conversões métricas e dimensões em
polegadas desta norma internacional são baseadas nos desenhos srcinais em frações de polegadas. As dimensões
funcionais foram convertidas para o sistema métrico para assegurar intercambiabilidade de produtos fabricados nos
sistemas métricos ou de polegadas (vide também o Anexo B).

As tabelas referenciadas no corpo principal desta norma que se acham marcadas com um asterisco, estão
repetidas no Anexo B em unidades-padrão americanas com o mesmo número de tabela do corpo principal, porém com o
prefixo B. Vide também o Anexo M quanto à listagem de tabelas e figuras.

Os usuários desta norma internacional devem estar cientes de que requisitos adicionais ou diferentes poderão ser
necessários para aplicações individuais. Esta norma não tem a intenção de inibir um fornecedor de oferecer, ou o
comprador de aceitar, equipamentos ou soluções de projeto alternativos para a aplicação específica. Isto poderá ser
particularmente aplicável quando houver uma tecnologia inovadora ou desenvolvedora. Sempre que uma alternativa for
oferecida, o fornecedor deverá identificar quaisquer variações em relação a esta norma internacional, e fornecer os detalhes
pertinentes.

3
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Índice

Item Título Página


1 Escopo 7
1.1 Finalidade 7
1.2 Aplicabilidade 7
1.3 Condições de serviço 7
1.4 Níveis de especificação do produto (PSL) 7
2 Referências normativas 11
3 Termos, definições e abreviaturas 12
3.1 Definições 12
3.2 Abreviaturas 15
4 Projeto e desempenho – Requisitos gerais 16
4.1 Requisitos de desempenho – Geral 16
4.2 Condições de serviço 16
4.3 Métodos de projeto 16
4.4 Informações de projeto diversas 19
4.5 Documentação de projeto 20
4.6 Análise de projeto 20
4.7 Verificação de projeto 20
5 Materiais – Requisitos gerais 21
5.1 Geral 21
5.2 Especificações escritas 21
5.3 Suspensores de mandril da coluna de produção e do revestimento 21
5.4 Corpos, tampas, e conexões de extremidade e saída 22
5.5 Juntas de anel 26
5.6 Cupons de teste (CT) 26
5.7 Cupons de teste de qualificação (CTQ) 29
5.8 Qualificação do equipamento de tratamento térmico 30
5.9 Qualificação do material 30
5.10 Bujões macho e bujões de remoção de válvula 30
5.11 Válvulas de contrapressão 30
5.12 Penetrações da zona de pressão 30
5.13 Buchas de desgaste 30
5.14 Conectores com extremidade tipo cubo (hub-end) 30
6 Soldagem – Requisitos gerais 31
6.1 Geral 31
6.2 Juntas soldadas não sujeitas a pressão, exceto revestimentos com solda (PSL 1 a PSL 3) 31
6.3 Juntas soldadas de fabricação sujeitas a pressão para corpos, tampas, conexões de extremidade/ 31
saída, bujões macho, bujões de remoção de válvulas, e válvulas de contrapressão
6.4 Juntas soldadas de reparo sujeitas a pressão para corpos, tampas, conexões de extremidade e saída, 34
bujões macho, bujões de remoção de válvulas, e válvulas de contrapressão
6.5 Revestimento com solda para resistência à corrosão e/ou recobrimento superficial por soldagem à 34
resistência (hard facing), e controles de propriedade superficial dos materiais
7 Controle da qualidade 37
7.1 Geral 37
7.2 Equipamentos de medição e ensaios 37
7.3 Qualificações do pessoal de controle de qualidade 37
7.4 Requisitos de controle da qualidade 37

4
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Item Título Página


7.5 Requisitos para registros de controle da qualidade 58
8 Marcação dos equipamentos 60
8.1 Requisitos para marcação 60
8.2 Equipamentos da cabeça-de-poço 60
8.3 Conectores e conexões 60
8.4 Suspensores de revestimento e da coluna de produção 60
8.5 Válvulas e estranguladores 62

8.6 Conectores avulsos [flangeados, roscados, outros conectores de extremidade (OEC) e soldados] 62
8.7 Outros equipamentos 62
8.8 Prisioneiros e porcas 63
8.9 Árvores-de-natal 63
8.10 Bujões de remoção de válvulas 63
8.11 Bujões macho 63
8.12 Válvulas de contrapressão 63
9 Armazenamento e transporte 64
9.1 Drenagem após testes 64
9.2 Prevenção contra ferrugem 64
9.3 Proteção das superfícies de vedação 64
9.4 Instruções de montagem e manutenção 64
9.5 Juntas de anel 64
9.6 Controle da vida útil de materiais não-metálicos 64
10 Requisitos específicos ao equipamento 65
10.1 Conexões de extremidade e saída flangeadas 65
10.2 Conexões de extremidade e saída roscadas 96
10.3 Prisioneiros e porcas 101
10.4 Juntas de anel 103
10.5 Válvulas 109
10.6 Cabeças de revestimento e da coluna de produção 121
10.7 Suspensores do revestimento e da coluna de produção 124
10.8 Adaptadores da cabeça da coluna de produção 127
10.9 Estranguladores 128
10.10 Tês e cruzetas 131
10.11 Conexões de teste e calibração para equipamentos de 103,5 MPa e 138,0 MPa (15.000 e 20.000 psi) 135
10.12 Dispositivos de amostragem de fluídos 135
10.13 Árvores-de-natal 137
10.14 Conectores transversais 137
10.15 Carretéis adaptadores e espaçadores 140
10.16 Atuadores 141
10.17 Mecanismos de vedação de parafusos travantes, pinos de alinhamento e parafusos retentores 143
10.18 Outros conectores de extremidade (OEC) 143
10.19 Conectores de topo 144
10.20 Válvulas de segurança e atuadores de superfície e submarinas 144
10.21 Bujões macho 146
10.22 Bujões de remoção de válvulas 151
10.23 Outras penetrações da zona de pressão 151
10.24 Válvulas de contrapressão 151
11 Reparos e refabricação 151

5
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Anexo Descrição Página


A (informativo) Orientações para compra 152
B (informativo) Tabelas e dados em unidades-padrão americanas desta norma internacional 169
C (informativo) Método de cálculo dos comprimentos de prisioneiros para flanges tipos 6B e 6BX 222
D (informativo) Torque recomendado para parafusamento de flanges 224
E (informativo) Dimensões de projeto recomendadas do chanfro para solda 228
F (informativo) Procedimentos para verificação de desempenho 232
G (informativo) Projeto e classificação de equipamentos para uso a temperaturas elevadas 260

H (normativo) Projeto
e buchase fabricação deda
de desgaste, ferramentas de assentamento,
c abeça-de-poço recuperação e testes, ferramentas de limpeza
de superfície 263

I (normativo) Procedimentos para verificação de desempenho para válvulas de segurança de superfície (SSV)
e válvulas de segurança submarinas (USV) 266

J (normativo) Requisitos para reparos e refabricação 273


K (normativo) Especificações recomendadas para conectores de topo de árvores-de-natal 284
L (normativo) Especificações para preparações de remoção de válvulas e bujões de remoção de válvulas 299
M (informativo) Lista das tabelas e figuras 314
N (informativo) Selo API 323
O (normativo) Anexo regional do API 325
Bibliografia 331

6
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Especificação de Equipamentos para Cabeças-de-Poço e Árvores-de-Natal

1 Escopo
1.1 Finalidade Outros Equipamentos
• Atuadores
Esta norma internacional especifica os requisitos e • Cubos
apresenta recomendações para o desempenho, • Penetrações da zona de pressão
intercambiabilidade dimensional e funcional, projeto, •Juntas de anel
materiais, testes, inspeção, soldagem, marcação, manuseio, • Ferramentas de assentamento e testes (Anexo H)
armazenamento, compra, reparo e refabricação de • Buchas de desgaste (Anexo H)
equipamentos para cabeças-de-poço e árvores-de-natal,
paraEsta
utilização
norma nas indústrias
não se aplica à de petróleonoecampo,
utilização gás natural.
testes A nomenclatura utilizada nesta norma para
equipamentos típicos é apresentada nas Figuras 1 e 2.
no campo, ou reparos no campo, de equipamentos para Todas as partes cujas dimensões físicas se enquadrem nas
cabeças-de-poço e árvores-de-natal tabelas métricas incluídas no corpo desta norma ou nas
tabelas de unidades-padrão americanas do Anexo B, são
1.2 Aplicabilidade aceitáveis (vide Introdução).
Esta norma é aplicável aos seguintes equipamentos 1.2.2 Condições de Serviço
específicos:
a. Geral
a. Equipamentos para Cabeças-de-Poço As condições de serviço se referem às classificações
Alojadores da Cabeça do Revestimento
• para pressão, temperatura, e os vários elementos e
Carretéis da Cabeça do Revestimento
• condições operacionais do poço.
Carretéis da Cabeça da Coluna de Produção

Carretéis do Crossover
• b. Classes de Pressão
Alojadores e Carretéis da Cabeça Multiestágio
• As classes de pressão indicam as pressões nominais de
trabalho expressas em pressão manométrica (psig ou MPa).
b. Conectores e Conexões
Conectores do Crossover
• c. Classes de temperatura
Adaptadores da Cabeça da Coluna de Produção

Estas classes indicam as faixas de temperatura,
Conectores do Topo

desde a ambiental mínima até a máxima do fluído em vazão,
Tes e Cruzetas

expressas em graus Fahrenheit (°F) ou graus Celsius (°C).
Dispositivos de Amostragem do Fluído

Carretéis Adaptadores e Espaçadores



d. Classificações dos materiais
As classificações dos materiais indicam os materiais para
os componentes dos equipamentos. O Apêndice A oferece uma
c. Suspensores

doRevestimento
Suspensores de Mandril e da Coluna de Produção orientação (não requisito) para os componentes básicos do
poço e suas condições de operação.
• Suspensores Deslizantes (Slip Hangers)
1.3 Condições de serviço
d. Válvulas e Estranguladores (Chokes)
• Válvulas de Completação Simples Esta norma internacional define as condições de
• Válvulas de Completação Múltipla serviço, em termos de pressão, temperatura e classe de
• Válvulas com Atuadores material para os componentes do furo do poço, bem como
• Válvulas Preparadas para Atuadores as condições operacionais.
• Válvulas de Retenção
• Estranguladores 1.4 Níveis de especificação do produto (PSL)
• Válvulas de Segurança e Atuadores, de Superfície e
Esta norma estabelece os requisitos para cinco (5)
Submarinas
níveis de especificação do produto. Estas cinco designações
• Válvulas de contrapressão PSL definem os diferentes níveis de requisitos técnicos de
qualidade. O Anexo A apresenta orientações (não
e. Conectores Avulsos [Flangeados, Roscados, Outros requisitos) para seleção de um PSL aceitável.
Conectores de Extremidade (O.C.E.), e Soldados]
Conectores de Pescoço para Solda

Conectores Cegos

Conectores Roscados

Conectores Adaptadores e Espaçadores


Bujões macho

Bujões de remoção de válvulas


7
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1 Preparaçãoda válvula de contrapressão 12 Adaptadorduplo parafusado


2 Linha decontrole daválvula desegurança desubsuperfície 13 Pack-off do revestimento anular
3 Saída dalinha decontrole daSSSV 14 Suspensor dorevestimento (tipodeslizante,slip)
4 Adaptadorda cabeça da coluna de produção 15 Conexão roscada de saída
5 Parafuso travante 16 Bujão macho(bullplug)
6 Pack-offdo suspensor da coluna de produção 17 Alojador dacabeça do revestimento
7 Suspensor dacoluna deprodução depescoço prolongado,com
18 Revestimentode superfície
linha de controle da válvula de segurança do fundo do poço
8 Saída lateral parafusada 19 Chapa de apoio da cabeça-de-poço
9 Preparaçãode remoção da válvula 20 Retentordo pack-off da coluna deprodução
10 Pack-off do revestimentode fundo 21 Suspensorda coluna de produção (tipo deslizante,
slip)
11 Carretelda cabeça da coluna de produção 22 Coluna de produção

Figura 1 – Nomenclatura de conjunto típico de cabeça-de-poço

8
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

23 Conexão de saída lateral parafusada 29 Carretel da cabeça de revestimento


24 Selo do suspensor da coluna de produção com pescoço
30 Revestimento interno
prolongado
25 Selo do suspensor da coluna de produção anular 31 Revestimento intermediário

26
27 Mandril
Conexãododesuspensor da coluna de produção
saída flangeada 32 Selos
33 Conexão de extremidade
do mandril flangeada
do suspensor da coluna de produção
28 Mandril do suspensor de revestimento 34 Pack-off do suspensor tipo envoltório (wrap-around)

Figura 1 – Nomenclatura de conjunto típico de cabeça-de-poço (continuação)

9
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1 Válvula de calibração 7 Tê
2 Porca da tampa 8 Válvula lateral (wing)
3 Bujão 9 Estrangulador (choke)
4 Corpo 10 Válvula mestra
5 Conector de topo 11 Adaptador da cabeça da
6 Válvula de pistoneio ou coroamento coluna de produção

Figura 2 – Nomenclatura de árvore-de-natal típica

10
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
2 Referências normativas ASTM
A 193/A 193M Std. Spec. for Alloy Steel and Stainless
Os seguintes documentos normativos contêm provisões Steel Bolting Materials for High
que, por referência neste texto, constituem cláusulas desta Temperature Service
norma internacional. Para as referências datadas, não se A 194/ A 194M Std. Spec. for Carbon Alloy Steel Nuts for
aplicam suas subseqüentes revisões ou adendos. Todavia, Bolts for High Pressure or High
as partes contratantes baseadas nesta norma devem buscar Temperature Service, or Both
a possibilidade de aplicar as edições mais recentes dos A 320/ A 320M Alloy Steel Bolting Materials for Low
documentos normativos listados abaixo. Para referências Temperature Service
não datadas, aplica-se a última edição do documento A 370 Standard Methods and Definitions for
normativo a que corresponde. Os membros da ISO e IEC Mechanical Testing of Steel Products
mantêm controle das normas internacionais vigentes. A 388/ A 388M Std. Practice for Ultrasonic Examination
of Heavy Steel Forgings
ISO A 453/ A 453M Std. Spec. for High Temperature Bolting
2859-1:1999 Sampling Procedures for Inspection by Materials, with Expansion Coefficients
Attributes – Part I: Sampling Schemes Comparable to Austenitic Stainless Steels
Indexed by Acceptance Quality Limit (AQL) A 703/A 703M: 1999 Std. Spec. for Steel Castings,
for Lot-by-Lot Inspection General Requirements, for Pressure
10414-1 Petroleum and Natural Gas Industries – Containing Parts
Field Testing of Drilling and Completion D 395 Std. Test Methods for Rubber Property –
Fluids and Well Cement – Part 1: Water Compression Set
Based Fluids D 412 Std. Test Methods for Vulcanized Rubber
10422 Petroleum and Natural Gas Industries – and Thermoplastic Rubber and Thermo.
Threading, Gauging, and Thread Inspection Elastomers - Tension
of Casing, Coluna de produção and Line D 471 Std. Test Method for Rubber Property –
Pipe Threads – Specification Effect of Liquids
11960 Petroleum and Natural Gas Industries – D 1414 Std. Test Method for Rubber O-Rings
Steel Pipes for Use as Casing or Tubing for D 1415 Std. Test Method for Rubber Property –
Wells International Hardness
13533 Petroleum and Natural Gas Industries – D 1418 Std. Practice for Rubber & Rubber Lattices
Drilling and Production Equipment – - Nomenclature
Specification for Drill-Through Equipment D 2240 Std. Test Method for Rubber Property –
13628-4 Petroleum and Natural Gas Industries – Durometer Hardness
Design and Operation of Subsea E 10 Std. Test Method for Brinell Hardness of
Production Systems – Part 4 – Subsea Metallic Materials
Wellhead and Tree Equipment E 18 Std. Test Methods for Rockwell Hardness
13678 Petroleum and Natural Gas Industries – and Rockwell Superficial Hardness of

Evaluation
for Use with&Revestimento,
Testing of Thread Compounds
Tubing and Line E 92 Metallic
Std. TestMaterials
Method for Vickers Hardness of
Pipe Metallic Materials
E 94 Std. Guide for Radiographic Examination
API E 140 Std. Hardness Conversion Tables for
Spec. 7 Specification for Rotary Drill Stem Elements Metals
E 165 Std. Test Method for Liquid Penetrant
RP 14F Recommended Practice for Design and Examination
Installation of Electrical Systems for E 428 Std. Practice for Fabrication and Control
Offshore Fixed and Floating Production of Steel Reference Blocks Used in
Facilities for Unclassified and Class 1, Div. Ultrasonic Inspection
1 and Div. 2 Locations E 709 Std. Guide for Magnetic Particle
Examination
ASME E 747 Std. Practice for Design, Manufacture
B1.1 Unified Inch Screw Threads and Matl. Grouping Classification of W ire
B1.2 Gages and Gaging for Unified Inch
Screw Threads Image Quality Indicators (IQI) Used for
B1.20.1 Pipe Threads, General Purpose (Inch) Radiology

ASME Boiler and Pressure Vessel Code: 1998 EN 473 Qualification and Certification of NDT
Section V, Nondestructive Examination Personnel – General Principles
Section VIII, Division 1, Rules for
Construction of Pressure Vessels MSS SP-55 Quality Std. for Steel Castings for Valves,
Section VIII, Division 2: Alternative Flanges & Fittings and Other Piping
Rules for Construction of Pressure Vessels Components (Visual Method)
Section IX, Welding and Brazing NACE
Qualifications MR 0175:1999 Std. Matl. Requirements - Sulfide Stress
Cracking Resistant Metallic Materials for
ASNT Oilfield Equipment
SNT-TC-1A Personnel Qualification and Certification
in Nondestructive Testing SAE
AS 568A:1974 Aerospace Size Standard for O-rings

11
ESPECIFICAÇÃO API 6A
__________________________ _________________________ _______________
3 Termos, definições e abreviaturas carretel da cabeça do revestimento: Equipamento
montado em outra cabeça de revestimento que serve para
3.1 Definições suspender e selar uma coluna de revestimento secundária.
carretel de transição(crossover spool) : Equipamento
aço carbono:Liga de carbono e ferro com teor máximo de flangeado ou de outra forma conectado, com recurso de
2% de carbono (fração de massa), 1,65% de manganês vedação de área restrita, localizado na ou próximo da face
(fração de massa), e teores residuais de outros elementos, de seu flange inferior. Os c arretéis de transição são também
exceto aqueles intencionalmente adicionados em quantidades dotados de meios adequados para suspender e selar em
específicas para desoxidação (geralmente silício e/ou alumínio). volta de uma coluna interna de revestimento ou de
aço de baixa liga: Aço contendo menos de 5% (fração de produção. Este equipamento possui uma conexão de topo com
massa) do total de elementos de liga, porém mais do que o uma classe de pressão superior àquela da conexão inferior.
especificado para aço carbono. Os aços contendo menos de carretel de transição multiestágio (multistage crossover
spool):Equipamento flangeado ou de outra forma conectado,
11% de cromo (fração de massa) estão incluídos nesta
categoria. possuindo mais do que um meio de selagem de área restrita a
aço inoxidável: Aço contendo acima de 11 de cromo (fração fim de possibilitar suspensão e vedação em volta de múltiplas
de massa) a fim de torná-lo resistente à corrosão. Outros colunas internas do revestimento ou da coluna de produção
elementos poderão ser agregados para garantir propriedades em vários estágios. Um carretel de transição multiestágio
especiais. poderá ter um conector de topo com uma faixa de pressão
adaptador da cabeça da coluna de produção: superior àquela do conector inferior.
Equipamento que possibilita a adaptação da conexão mais chanfro de solda: Área entre dois metais a serem unidos,
elevada da cabeça da coluna de produção à válvula mais que tenha sido preparada para receber metal de enchimento
baixa da árvore. de solda.
adaptador de teste do furo do fundo (bottom hole test coluna de produção (tubing):Tubulação colocada dentro de
adapter): Vide “conector de topo”. um poço para conduzir fluído desde a formação produtora do
adaptador:Parte do equipamento sujeita a pressão com poço até a árvore-de-natal, ou para conduzir fluídos de kill ou
conexões de extremidade de dimensões nominais e/ou de tratamento emum poço. A coluna de produção distingue-
classes de pressão diferentes, usada para conectar outras se do revestimento (casing) pelo fato de ser recuperável
partes do equipamento de dimensões nominais e/ou classes durante a vida útil do poço.
de pressão diferentes. componente/parte: Peça individual usadas na montagem de
afogador (choke bean/flow bean):Peça substituível do unidades de equipamento (ex.: corpo, castelo, gaveta,
orifício usada em estranguladores positivos para controlar a prisioneiro, volante, etc., são partes de uma válvula). Uma
taxa de vazão. parte também poderá ser uma peça em forma não acabada.
alívio de tensão: Aquecimento controlado de material até a condição “como embarcado”: Condição do produto ou
uma temperatura pré-determinada, com a finalidade de equipamento quando está pronto paraembarque.
reduzir quaisquer tensões residuais após soldagem. conector de topo: Conexão mais elevada de uma árvore-de-
alojador da cabeça do revestimento: Equipamento natal que permite acesso pleno dobore do poço à árvore.
montado na extremidade mais elevada do revestimento de conector de transição (crossover connector): Adaptador com
superfície, que serve para suspender e selar uma coluna de recurso de vedação de área restrita, e com uma classe de
revestimento. pressão na conexão de topo superior àquela da conexão inferior.
alteração substancial Alteração
: identificada pelo fabricante conector avulso/conector solto (loose connector) :
que afeta o desempenho do produto no serviço designado. Conector, conforme fabricado, não destinado a ser parte
análise química: Determinação da composição química do integrante com outra unidade de equipamentos de cabeça-
material. de-poço e árvore.
árvore-de-natal (ou árvore): Conjunto de equipamentos, conexão de extremidade
incluindo adaptadores da cabeça da coluna de produção, conexão de saída:rosca integral macho ou fêmea;
válvulas, tês, cruzetas, conectores de topo e conector e flange de extremidade tipo cubo (hub), fixado
estranguladores, montados à conexão mais elevada da por prisioneiros ou parafusos passantes, ou quaisquer
cabeça da coluna de produção, utilizados para controlar a outros meios usados para conectar equipamentos que
produção do poço. contenham ou controlem pressão.
atuador da SSV/USV: Dispositivo que faz com que a válvula conexão flangeada fixada por prisioneiros : conexão
SSV/USV se abra quando for aplicada força, e se feche flangeada de extremidade e saída, na qual prisioneiros
automaticamente quando houver perda ou liberação da força. ancorados em furos roscados substituem os furos para
atuador:Mecanismo para operação remota ou automática de parafusos.
uma válvula ou estrangulador. conformidade: Atendimento aos requisitos específicos.
base de desempenho do material: Capacitações mínimas corpo:Qualquer seção de equipamento da cabeça-de-poço e
que devem ser demonstradas para o material, a fim de árvore situada entre as conexões das extremidades, com ou
satisfazer aos critérios desta norma. sem peças internas, que contém pressão dobore do poço.
bucha de desgaste (wear bushing) : dispositivo cilíndrico corrida: Material srcinário de uma fusão final. Para ligas
recuperável que protege as superfícies internas do refundidas, uma corrida será definida como a matéria-prima
equipamento de cabeça-de-poço e o topo do último trecho de srcinária de um único lingote refundido.
revestimento suspenso. critério de aceitação: Limites definidos colocados nas
bujão macho(bullplug) : fechamento sujeito à pressão para características dos materiais, produtos, ou serviços.
uma conexão fêmea roscada de extremidade ou saída, que cruzeta:Conexão sujeita a pressão, dotada de um mínimo
pode possuir um recesso interno e/ou test port. de quatro aberturas.
cabeça-de-poço:Compreende todos os equipamentos cubo (hub): aro saliente com um ressalto em ângulo e um
permanentes entre o trecho mais elevado do revestimento de mecanismo de vedação, utilizado para unir equipamento
superfície e a conexão adaptadora da cabeça da coluna de sujeito a pressão.
produção. data de fabricação: Data de aceitação final no fabricante
calibração:Comparação e ajuste a um padrão de precisão do equipamento acabado.
conhecido. data de reparo/refabricação: Data de aceitação final no
carretel da cabeça da coluna de produção: Peça de reparador/refabricante do equipamento acabado.
equipamento montada à cabeça mais elevada do dispositivo de lock-opensensível ao calor (heat sensitive
revestimento ou coluna menor do revestimento, que serve lock-open device): Dispositivo instalado no atuador de uma
para suspender a coluna de produção e selar o espaço anular SSV para mantê-la na posição totalmente aberta até que
entre a coluna de produção e o revestimento. seja exposto a calor suficiente para fazer com que o
dispositivo destrave e permita o fechamento da SSV.

12
ESPECIFICAÇÃO API 6A
__________________________ _________________________ _______________
dispositivo de vedação de área restrita ou fde área
packof indicação arredondada: Indicação superficial por END que
restrita:packoff ou outro dispositivo utilizado para isolar uma tem a forma circular ou elíptica, com seu comprimento inferior
área de pressão maior de uma área de pressão menor. a 3 vezes a sua largura.
NOTA: Este dispositivo serve para limitar as cargas causadas indicação linear:Indicação superficial por END, cujo
por pressão em conectores ou áreas de uma classe de comprimento é igual ou superior a três vezes sua largura.
pressão mais baixa. Também pode ser uma vedação que
abrange uma área de contenção de pressão menor do que a indicação relevante: Indicações superficiais por END, cujas
junta de anel ou selo do conector adjacentes. dimensões principais são superiores a1,6 mm (1/16”).
encaixe: Relação geométrica entre partes. Isto inclui os NOTA: As indicações inerentes não associadas com uma
critérios de tolerância adotados durante o projeto de um ruptura na superfície são consideradas não-relevantes.
componente e suas peças conjugadas. EXEMPLOS: Variações da permeabilidade magnética,
equipamento:Qualquer item ou equipamento montado ao stringers não-metálicos.
qual esta norma internacional é aplicável.
equipamento primário: unidades de equipamentos que integridade
estrutural de vazamentos
e contra pressão: Capacidade de resistência
de um produto em conter
não podem normalmente ser isolados do fluído do poço ou pressão aplicada.
da pressão do poço. internos do estrangulador (choke trim):Componentes do
equipamento secundário: unidades de equipamentos que estrangulador que controlam a pressão, incluindo
podem normalmente ser isolados do fluído do poço ou da afogadores, destinados a controlar ou regular a vazão dos
pressão do poço. fluídos. NOTA: Hastes inteiriças, e aquele segmento de
espaçador: equipamento sujeito a pressão usado para hastes multipartes que atravessam a zona limítrofe de
conectar e promover separação entre outras unidades de pressão, são componentes sujeitos a pressão.
equipamento. junta de solda:encaixe de componentes entre si com o fim
estrangulador (choke): Equipamento utilizado para de facilitar sua união por soldagem.
restringir e controlar a vazão de fluídos. liga resistente à corrosão (CRA): Liga de base não-
estrutura forjada:Aquela estrutura que não contém ferrosa, na qual um ou a soma dos teores especificados dos
elementos dendríticos fundidos. seguintes elementos excedem a 50% (fração de massa):
evidência objetiva: Experiências de campo, dados de testes, titânio, níquel, cobalto, cromo, e molibdênio.
publicações, análises de elementos finitos ou cálculos, lote de tratamento térmico (fornos de batelada): material
devidamente documentados, que verificam as características colocado em dispositivos de carga ou transporte e movido
de desempenho aplicáveis. como batelada através de um ciclo de tratamento térmico.
exame visual:Exame de partes e equipamentos quanto a lote de tratamento térmico (fornos contínuos): – grupo de
defeitos visíveis de material e mão-de-obra. peças de material com o mesmo tamanho nominal que é
exame volumétrico não-destrutivo/END volumétrico: movido seqüencialmente através do processo de tratamento
Exame quanto a defeitos internos do material por métodos térmico utilizando os mesmos parâmetros deprocesso.
como radiografia e/ou ensaio ultra-sônico. make-and-break: ação de acoplar e desacoplar uma
ferramenta de assentamento (running tool): ferramenta conexão.
usada para assentar, recuperar, posicionar ou conectar mandril do suspensor: parte de um suspensor de
remotamente equipamentos da cabeça-de-poço desde o piso revestimento ou de coluna de produção, que é fixada por
da broca (drill floor). uma conexão roscada à coluna tubular e forma a
fissuração mecanoquímica por sulfeto (sulfide stress extremidade superior daquela coluna tubular.
cracking): Fissuração de materiais metálicos devido à mandril do suspensor da coluna de produção: mecanismo
exposição a fluídos contendo ácido sulfídrico. usado para suportar uma coluna de produção em uma
flange cego: Flange sem furo central, usado para obstruir cabeça, através de uma rosca macho ou femea fixada na
totalmente uma conexão flangeada de extremidade ou saída. coluna de produção.
flange de pescoço: Flange dotado de um pescoço no lado mandril do suspensor de revestimento: mecanismo usado
oposto à superfície de vedação, preparado com um bisel para suportar uma coluna de revestimento em uma cabeça de
para soldagem ao tubo ou peças de transição revestimento por meio de uma rosca macho ou femea fixada ao
correspondentes. revestimento.
flange roscado: Flange dotado de uma face de vedação em material especificado: material que atende a requisito(s)
um lado e de uma rosca fêmea do outro lado, com a finalidade específico(s) de desempenho, especificados por um
de unir conexões flangeadas a conexões roscadas. fabricante ou norma industrial.
flange avulso:Flange, conforme fabricado, sem a mecanismo de vedação da passagem da válvula: partes
finalidade de se integrar com outra unidade de equipamento internas que bloqueiam o fluxo através do bore da válvula, tais
sujeito a esta norma internacional. Os flanges incluem os como gavetas, esferas, machos, portinholas, etc., e seus
dos tipos cego, roscado, espaçador, de pescoço para solda, respectivos assentos.
parafusados, ou de outra forma conectados. nível de reparo: nível no qual o equipamento será reparado
flange de transição(cross-over flange) : Flange ou refabricado sob esta norma internacional.
adaptador parafusado, duplo ou simples, com recurso de operação de fabricação: atividade envolvendo, porém não
vedação de área restrita e com uma classe de pressão na se limitando a, usinagem, soldagem, tratamento térmico ou
conexão de topo superior àquela da conexão inferior. outros processos utilizados para fabricar um produto acabado.
flange: Aro ressaltado dotado de furos para receber orifícios de conexão para calibração e teste: Orifícios
parafusos, e com um mecanismo de vedação usado para unir (ports) abertos e rosqueados em equipamentos de cabeças-
equipamento sujeito a pressão, com dimensões especificadas de-poço e árvores-de-natal, através dos quais a pressão
nesta norma. interna pode ser medida ou pode ser aplicada pressão para
fluído retido: Fluído efetivamente produzido por um poço, ou testar os mecanismos de vedação.
injetado dentro de um poço. packoffdo anular:mecanismo que veda a pressão do anular
forjado(substantivo): Peça de metal formatada pelo método entre o OD de um membro tubular suspenso ou de um
de forjamento. suspensor e o ID da cabeça ou carretel através do qual o
forjar: Deformar o material plasticamente até os formatos membro tubular passa ou o suspensor é erguido.
desejados, mediante força compressiva. O forjamento é
geralmente um processo a quente. O uso de matrizes é opcional. packoffdo revestimento do fundo: mecanismo que sela a
formato:Forma essencial de um produto, incluindo todas pressão do anular entre o OD de um membro tubular
as suas partes componentes. suspenso ou de um suspensor e o ID do carretel ou
função:Operação de um produto durante serviço. adaptador da cabeça da coluna de produção que está
fundido(substantivo): objeto na ou próximo da forma acabada, sendo colocado sobre o tubular suspenso ou o suspensor.
obtido por solidificação de uma substância fluída em um molde.

13
ESPECIFICAÇÃO API 6A
__________________________ _________________________ _______________
parafusamento exposto: parafusos que ficarm diretamente refabricação não inclui a substituição de corpos.
expostos ao ambiente corrosivo, ou que são enterrados, registros:informações recuperáveis.
isolados, equipados com protetores de flange, ou de outra reparador/refabricante: agente principal do reparo e/ou
forma protegidos de exposição atmosférica direta. refabricação de equipamentos para cabeças-de-poço e
parafusamento não exposto: parafusos que não ficam árvores-de-natal, que se proponha a atender a esta norma
diretamente expostos a ambientes agressivos e não se internacional.
destinam a ser enterrados, isolados, equipados com reparo:atividade envolvendo desmontagem, remontagem e
protetores de flange, ou de outra forma protegidos de testes de equipamentos para cabeças-de-poço e árvores-de-
exposição atmosférica direta. natal, com ou sem a substituição de peças. NOTA: Reparos
parafusamento de fechamento (bolting closure): não incluem operações de usinagem, soldagem, tratamento
Elementos de fixação roscados (prisioneiros, porcas, térmico, ou outras de fabricação, nem a substituição de
parafusos e pinos), utilizados para montar partes sujeitas a corpos.
pressão do bore do poço ou unir conexões de extremidade
ou saída. resistência
tensão, temperatura(yield
medidoaoà escoamento strength)
ambiente, Nívelocorre
ao : qual de
parafusos travantes (lock screws, tie-down screws): deformação plástica do material sem que este retorne às
pinos roscados que se estendem através da parede de uma suas dimensões srcinais quando a carga é aliviada. NOTA:
cabeça de revestimento ou da conexão da cabeça da coluna Todos os limites de escoamento especificados nesta norma
de produção, utilizada para travar suspensores ou energizar representam 0,2% do desvio da resistência ao escoamento
selos. (yield offset strength)conforme ASTM A370.
partes sujeitas à pressão: partes cuja falha de revestimento(casing):tubo assentado desde a superfície,
funcionamento conforme designado possa resultar em uma destinado a revestir as paredes de um poço.
liberação do fluído retido para a atmosfera. Ex.: corpos, seção circular equivalente (equivalent round – ER) :
tampas, e hastes. padrão comparativo de várias seções formatadas para barras
partes controladoras de pressão: partes destinadas a redondas, na determinação da resposta às características de
controlar ou regular o movimento de fluídos pressurizados, endurecimento quando do tratamento térmico de aço baixa
tais como mecanismos de vedação da passagem da válvula, liga e aço martensítico resistente à corrosão.
internos do estrangulador, e suspensores. selo dinâmico: selo no qual existe movimentação
parte/peça de reposição: Peça utilizada para reparo ou relativamente à superfície de vedação após montagem.
refabricação de um item de equipamento que atende aos selo estático: selo no qual não existe nenhuma
requisitos para o nível de reparo/refabricação aplicável. movimentação relativamente às superfícies de vedação, após
penetração da zona de pressão montagem.
(pressure-boundary penetration) : dispositivo que penetra seriação:atribuição de um código único a partes e/ou peças
dentro ou se comunica com o furo do poço(wellbore) e não é individuais do equipamento, com a finalidade de manter
definido em nenhum outro lugar desta norma internacional. registros.
EXEMPLOS: Conexão de injeção de graxa ou selante; válvula solda sujeita à pressão: solda cuja ausência reduz a
de retenção; bujão e conexão de controle, teste ou calibração; integridade de contenção de pressão do componente.
válvula agulha em teste;port de calibração ou injeção; pene- solda de fabricação: solda de união de duas ou mais partes.
tração da linha de controle. solda não sujeita à pressão: solda cuja ausência não reduz
período de espera (hold period):período de tempo em que a integridade de contenção de pressão do componente.
o produto é submetido a pressão e isolado da fonte de soldagem:fusão de materiais, com ou sem a adição de
pressão. metais de enchimento.
pessoal qualificado: indivíduos com características ou superfície molhada: qualquer superfície que fica em contato
capacitações obtidas através de treinamento, experiência, ou com o fluído pressurizado do poço, seja por projeto ou devido
ambos, conforme comparação com os requisitos a vazamento da vedação interna.
estabelecidos pelo fabricante/usuário/esta norma. superfície molhada acessível: superfície molhada que pode
prensagem isostática a quente ser visualizada para fins de END através de linha de visão
HIP (hot isostatic pressing) : processo especial de conforma- direta. NOTA: Isto exclui ports de teste, ports da linha de
ção a quente, utilizado para compactar e ligar pó metálico controle, furos de parafusos travantes, e outras penetrações
metalurgicamente. NOTA: Este processo ocorre dentro de um destes tipos.
recipiente metálico flexível, cujo conteúdo é levado ao formato suspensor de revestimentoslip : mecanismo usado para
tipo
desejado submetendo-se o recipiente a alta temperatura e suportar uma coluna de revestimento em uma cabeça por meio
pressão em uma autoclave. É produzida uma estrutura de agarramento do tubo com membros tipo cunha (wedge).
totalmente trabalhada. tampa (bonnet): fechamento sujeito a pressão para um
pressão nominal de trabalho: pressão interna máxima de corpo, diferente de uma conexão de extremidade ou saída.
trabalho que o equipamento é projetado para conter e/ou tê: conexão sujeita à pressão com três aberturas. NOTA:
controlar. NOTA: A pressão de trabalho não deve ser Duas aberturas opostas uma à outra formam a seção de
confundida com a pressão de teste. passagem do tê, e uma abertura ésituada a 90° da linha de
produtos trabalhados: produtos formatados por meio de passagem. Os tês poderão ser dotados de roscas, flanges,
forjamento ou prensagem isostática a quente. prisioneiros, ou outros conectores de extremidade.
qualidade vaso de pressão: material metálico especificado temperatura ambiente(room temperature) : Qualquer
para partes sujeitas à pressão ou controladoras de pressão, temperatura nafaixa de 4°Ca 50°C (40°F a 120°F).
que atende aos requisitos do nível de especificação de trabalho a quente: deformação plástica do material a uma
produto (PSL) aplicável. temperatura acima da temperatura de recristalização.
ranhuras com
revestidas circulares resistentes
metal resistente à com
à corrosão ranhuras
corrosão:
perda de tratamento térmico após soldagem (PWHT): qualquer
tratamento térmico subseqüente à soldagem, incluindo alívio
metal. NOTA: Este metal poderá ser tanto um CRA como de tensão.
um aço inoxidável austenítico. tratamento térmico: etapas alternadas de aquecimento e
rastreabilidade por job lot: capacidade das partes de serem resfriamento controlado de materiais, com a finalidade de
rastreadas como srcinárias de um job lot que identifica a(s) alterar suas propriedades físicas ou mecânicas.
corrida(s) incluída(s). trincamento por corrosão sob tensão (stress corrosion
cracking): trincamento resultante de corrosão e tensão
refabricação: atividade envolvendo desmontagem, combinadas.
remontagem e testes de equipamentos para cabeças-de- válvula de contrapressão: válvula de retenção unidirecional
poço e árvores-de-natal , com ou sem a substituição de peças ou bidirecional instalada através da árvore, dentro do
onde sejam empregadas operações de usinagem, soldagem, suspensor da coluna de produção, e que evita o escoamento
tratamento térmico, ou outras de fabricação. NOTA: A de fluídos do poço para fora do poço.

14
ESPECIFICAÇÃO API 6A
__________________________ _________________________ _______________
válvula de coroamento válvula de retenção: válvula que permite o livre escoamento
válvula de pistoneio: válvula montada na parte mais elevada de um fluído em um sentido, e que contém um mecanismo
do bore vertical da árvore-de-natal acima da saída da linha de para evitar automaticamente o fluxo no outro sentido.
fluxo.
válvula gaveta: conjunto de válvula dotado de uma gaveta válvula de segurança de superfície (SSV): conjunto
operando dentro do corpo, a 90° da tubulação, a fim de automático de válvula da cabeça-de-poço que fecha na perda
efetuar um fechamento. do suprimento de força.
válvula lateral (wing valve):válvula localizada na árvore-de- válvula de segurança submarina (USV): conjunto de válvula
natal, mas não na passagem vertical, que pode ser usada automático (instalado no local de uma cabeça de poço
para bloquear a vazão do poço. submarina), que fecha na perda do suprimento de força.
válvula macho: válvula dotada de um macho (reto, cônico, NOTA: Quando usado sob esta norma, subentende-se que o
esfera, etc.), montada permanentemente através da tubulação termo inclui uma válvula da USV e um atuador da USV.
válvula SSV:
a fim de que,
válvula quando
mestra: girada
válvula a 90°,
situada naefetue ummais
posição fechamento.
inferior do válvula USV:setor da SSV/USV que contém a corrente do
bore vertical da árvore-de-natal. NOTA: É usada para poço e bloqueia a vazão quando fechado.
fechamento completo do poço. válvula Venturi: válvula com uma passagem reduzida, na
válvula de passagem plena : válvula cujo
(full-bore) qual a transição das extremidades de abertura plena à área
mecanismo de fechamento possui dimensão dobore igual à de fechamento reduzido é bem desenhada para reduzir a
do corpo da válvula. perda de pressão.
válvula de passagem reduzida: válvula dotada de uma
abertura normal ou do tipo Venturi, circular ou não circular,
através do mecanismo de fechamento.

_________________________________________________________________________________________________________

3.2 Abreviaturas
Para os fins desta norma internacional, aplicam-se os OEM (srcinal equipment manufacturer): fabricante srcinal do
seguintes termos abreviados: equipamento

AQL (acceptable quality level): nível aceitável de qualidade PQR (procedure qualification record)
: registro de qualificação
do procedimento de solda
CRA (corrosion-resistant alloy): liga resistente à corrosão
PR (performance requirement): requisito de desempenho
DAC (distance amplitude curve): curva da amplitude com a
distância PSL (product specification level)
: nível de especificação de
produto
ER (equivalent round): seção circular equivalente
QTC ou CTQ (qualification test coupon)
: cupom de teste de
FEA (finite element analysis): análise de elementos finitos qualificação

HAZ ou ZTA (heat-affected zone): zona térmicamente afetada r.m.s. (root mean square): carga eficaz

HBW (Brinell hardness): dureza Brinell RL (repair/remanufacture level): nível de reparo/refabricação

HIP (hot isostatic pressing): prensagem isostática a quente Rm (ultimate tensile strength): limite de resistência à tração

HRB (Rockwell hardness scale B): dureza Rockwell escala B ROE (radius of exposure): raio de exposição
HRC (Rockwell hardness scale C):dureza Rockwell escala C SSV (surface safety valve): válvula de segurança de superfície
HT ou TT (heat treatment): tratamento térmico.
TC ou CT (test coupon): cupom de teste
ID (inside diameter): diâmetro interno
UNS (unified numbering system): sistema numérico unificado
NDE ou END (non-destructive examination)
: ensaios não-
destrutivos USV (underwater safety valve)
: válvula de segurança submarina

NPT (national pipe thread): rosca NPT WPQ (welder performance qualificação)
: qualificação de desem-
penho de soldador
OD (outside diameter): diâmetro externo
WPS (welding procedure specification)
: especificação de proce-
OEC (other end connection): outra conexão de extremidade dimento de soldagem

15
ESPECIFICAÇÃO API 6A
__________________________ _________________________ _______________
4 Projeto e desempenho – Requisitos gerais 4.2.1.2 Limitações dos Equipamentos Roscados
Os equipamentos projetados com extremidades
4.1 Requisitos de desempenho - Geral internas de extremidade e saída roscadas serão limitados às
dimensões de roscas e pressões nominais de trabalho
Os requisitos de desempenho são específicos e indicados na Tabela 1. As classificações não incluem os
exclusivos ao produto na condição “como embarcado”. suspensores da coluna de produção e de revestimento.
Todos os produtos serão projetados para desempenho
conforme os requisitos desta cláusula e da cláusula 10 4.2.1.3 Considerações de Projeto
enquanto nas faixas de pressão e temperatura e usados O projeto deverá levar em consideração os efeitos da
com os fluídos de teste consistentes com a classe de contenção de pressão e de outras cargas induzidas à
material da Tabela 3 para a qual eles são classificados. pressão. Condições especiais também deverão ser
Outros requisitos incluem capacidade de carga, ciclos, e consideradas, tais como alterações na classe de pressão
força ou torque de operação. Existem dois níveis de em conectores de transição e pressurização com bujões de
desempenho: PR1 e PR2. As válvulas operando como teste temporários. Os efeitos de cargas externas (i.e.,
válvulas de segurança serão do nível de desempenho PR2 e momentos fletores, trações, etc.) no conjunto dos
atenderão aos requisitos do anexo I. componentes, estão fora do escopo deste documento (vide
cláusula A.2)
4.2 Condições de serviço
4.2.2 Classes de Temperatura
4.2.1 Classes de Pressão
4.2.2.1 Geral
4.2.1.1 Geral Os equipamentos serão projetados para operar em
uma ou mais das classes de temperatura especificadas,
Os equipamentos deverão ser projetados para operar com os valores mínimo e máximo indicados na Tabela 2.
somente às seguintes pressões nominais máximas de trabalho: A temperatura mínima é a temperatura ambiente mais
baixa à qual o equipamento poderá ser submetido. A
temperatura máxima é a temperatura mais alta do fluído que
possa ficar em contato direto com o equipamento.
MPa psi
13,8 2.000 4.2.2.2 Considerações de Projeto
O projeto deverá considerar os efeitos da expansão
20,7 3.000 térmica diferencial por alterações de temperatura e
gradientes de temperatura que o equipamento poderá
34,5 5.000 experimentar em serviço. O projeto para classe de alta
temperatura, e.g. X e Y, levará em conta os efeitos da
69,0 10.000 temperatura nos níveis de resistência, vide anexo G.
103,5 15.000
138,0 20.000 4.2.2.2 Considerações
A seleção sobre a Classe
da classe de temperatura de Temperatura
é responsabilidade
única do usuário. Ao fazer esta seleção, o usuário deverá
considerar a temperatura que o equipamento irá
experimentar no trabalho de perfuração e/ou produção.

Tabela 1 – Classes de pressão para conexões de extremidade e saída com rosca interna

Dimensão Dimensão Pressão Nominal Pressão Nominal


Tipo de Rosca
(pol) NPS (mm) OD de Trabalho (MPa) de Trabalho (psi)

½ 21,3 69.0 10.000


Tubos de Condução/NPT
(Tamanhos Nominais) ¾a 2 26,7 a 60,3 34,5 5.000
2½ a 6 73,0 a 168,3 20,7 3.000
Coluna de Produção, Rosca não
Recalcada e Rosca Externa 1,050 a 4½ 26,7 a 114,3 34,5 5.000
Redonda Recalcada

4½ a 10¾ 114,3 a 273,0 34,5 5.000

Revestimento
Serrilhada, (8 Redonda,
e Linha Extrema) 11¾ a 13⅜ 298,5 a 339,7 20,7 3.000
16 a 20 406,4 a 508,0 13,8 2.000

16
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela 2 – Classes de temperatura 4.3.1.2 Conexões em cubo de extremidade e saída

O projeto de conexões em cubo de extremidade e saída


Faixa de Operação (16B e 16 BX) usados em equipamentos especificados
Classe de nesta norma, deverá atender aos requisitos de materiais e
Temp. °C °F
dimensionais da norma ISO 13533.
Mín. Máx. Mín. Máx.
4.3.1.3 Braçadeiras
K -60 a 82 -75 a 180
L -46 a 82 -50 a 180 As braçadeiras que atendam aos requisitos ISO 13533
P -29 a 82 -20 a 180 são aceitáveis para instalação em equipamentos
especificados nesta norma com cubos integrais que satisfa-
R Temperatura Ambiente Temperatura Ambiente çam aos requisitos da ISO 13533.
S
T -18
-18 aa 66
82 00 aa 150
180
4.3.2 Suspensores de revestimento, suspensores da
U -18 a 121 0 a 250 coluna de produção, válvulas de contrapressão,
V 2 a 121 35 a 250 parafusos de travamento, e hastes

Estes componentes serão projetados para satisfazer às


4.2.3 Classificações do Material características de desempenho e condições de serviço
documentadas pelo fabricante conforme 4.2. O fabricante
4.2.3.1 Geral deverá especificar métodos a serem usados no projeto que
sejam consistentes com as práticas de engenharia aceitas.
Os equipamentos deverão ser projetados com materiais,
incluindo metálicos, que atendam aos requisitos
4.3.3 Outros Conectores de Extremidade, Corpos, e
estabelecidos na Tabela 3. A tabela 3 não define o ambiente
Tampas
presente ou futuro da cabeça de poço, porém apresenta as
classes de materiais para aumentar os níveis de severidade 4.3.3.1 Geral
das condições de serviço e da corrosividade relativa.
Desde que as propriedades mecânicas sejam atingidas, Os componentes acima referidos, que utilizem materiais
poderão ser usados aços inoxidáveis em substituição a aços padrão (em projetos diferentes daqueles especificados nesta
carbono e de baixa liga; também poderão ser usadas ligas norma), serão projetados conforme um ou mais dos
resistentes à corrosão no lugar de aços inoxidáveis. métodos a seguir. Materiais padrão são aqueles materiais
cujas propriedades atendem ou excedem aos requisitos da
4.2.3.2 Classes de materiais Tabela 5.
A seleção das classes de materiais é da Outros conectores de extremidade, corpos e tampas,
responsabilidade final do usuário. Ao efetuar estas seleções, que utilizem materiais fora de padrão, deverão ser
o usuário deverá considerar os vários fatores ambientais e projetados de acordo com os requisitos do item 4.3.3.6.
Materiais fora de padrão são aqueles com resistência ao
variáveis de produção listados no Anexo A. escoamento mínima especificada superior a 517 MPa
4.3 Métodos de projeto (75.000 psi) que não atendem aos requisitos de ductilidade
da Tabela 5 para materiais padrão 75K.
4.3.1 Conexões No caso em que níveis de tensão calculados pelos
métodos de 4.3.3.2 a 4.3.3.6 excedam aos valores
4.3.1.1 Flanges permissíveis, outros métodos identificados pelo fabricante
deverão ser usados para justificar estas tensões. Os valores
Os flanges especificados nesta norma foram de análise de fadiga e de tensão de apoio localizada estão
projetados conforme os critérios e métodos de projeto fora do escopo desta especificação.
desenvolvidos pelo API.

Tabela 3 – Requisitos de Materiais

Requisitos Mínimos do Material


Classe do Material Corpo, Tampa, Conexões de Partes Controladoras de Pressão,
Extremidade e de Saída Hastes e Suspensores de Mandril
AA – Serviço Geral Aço carbono ou de baixa liga Aço carbono ou de baixa liga
BB – Serviço Geral Aço carbono ou de baixa liga Aço inoxidável
CC – Serviço Geral Aço inoxidável Aço inoxidável
a b b
DD – Serviço Corrosivo Aço carbono ou de baixa liga Aço carbono ou de baixa liga
EE – Serviço Corrosivoa Aço carbono ou de baixa liga b Aço inoxidável b

FF – Serviço Corrosivoa Aço inoxidável b


Aço inoxidável b

a b b
HH - Serviço Corrosivo CRAs CRAs

a
Conformedefinido na Norma NACE MR0175.
b
Em conformidade com a Norma NACE MR0175.

17
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
4.3.3.2 Método ASME local onde a tensão durante o teste não tenha excedido a
resistência ao escoamento. Os CPs não poderão ser
A metodologia de projeto descrita no ASME Seção VIII, cortados a fogo, pois isto poderia afetar a resistência do
Divisão 2, Apêndice 4, poderá ser usada nos cálculos de material.
projeto para equipamentos sujeitos a pressão. As tensões
de projeto permissíveis deverão se limitar pelo seguintes c) Corpos de prova alternativos
critério:
Quando houver sobra do mesmo pedaço de material, e
que tenha sido submetida ao mesmo tratamento térmico da
ST = 0.83SY e Sm = 2 SY /3
parte sujeita a pressão, os CPs poderão ser recortados
deste pedaço excedente. O CP não poderá ser removido por
onde
corte a chama ou qualquer outro processo envolvendo calor
Sm = intensidade da tensão de projeto à pressão suficiente que possa afetar as propriedades do material.
nominal de trabalho.
ST = intensidade máxima permissível da tensão de
d) Exceção
membrana primária geral à pressão de teste Caso a resistência ao escoamento não seja
hidrostático. determinada pelo corpo de prova, um método alternativo é
SY = resistência ao escoamento mínima especificada apresentado em 4.3.3.5.3 para avaliação dos resultados do
do material. teste de prova a fim de estabelecer a pressão de trabalho
máxima permissível.
4.3.3.3 Teoria da energia de distorção constante
(constant energy of distortion) 4.3.3.5.3 Procedimento de Teste

A teoria da energia de distorção constante, também a) Instrumentação


conhecida como Lei de Von Mises, poderá ser adotada para As deformações serão medidas no sentido da tensão
cálculos de projeto de equipamentos sujeitos a pressão. As máxima, tão próximo quanto possível das locações mais
regras para a consideração de descontinuidades e altamente tensionadas, através de medidores de
concentrações de tensão estão fora do escopo desta norma. deformação de qualquer tipo capazes de indicar valores a
Todavia, a espessura básica de parede do vaso de pressão 50 microdeformações (microstrain) (0,005%) (0,000 05
poderá ser calculada combinando-se tensões triaxiais pol./pol.). O fabricante deverá documentar o procedimento
baseadas na pressão de teste hidrostático e limitada pelo adotado para determinar a locação ou locações nas quais a
seguinte critério: deformação deve ser medida, e os meios para compen-
sação da temperatura e pressão hidrostática impostas nos
SE = SY instrumentos de medição.
onde: b) Aplicação da pressão
Aumentar gradativamente a pressão hidrostática no
SE = tensão
distânciaequivalente máxima
mais altamente permissível
tensionada na
dentro da vaso ou peça do vaso, até que aproximadamente a metade
parede do vaso de pressão, computada pelo da pressão de trabalho prevista seja atingida. A seguir, a
método da teoria da energia de distorção. pressão de teste será aumentada em estágios de
SY = resistência ao escoamento mínima especificada aproximadamente um décimo ou menos da pressão nominal
do material. de trabalho, até que a pressão requerida pelo procedimento
de teste seja atingida.
4.3.3.4 Análise de tensão experimental
c) Observações
A análise de tensão experimental descrita no ASME, Após cada incremento de pressão ter sido aplicado,
Seção VIII, Divisão 2, Apêndice 6, poderá ser usada como tomar e registrar as leituras dos medidores de deformação e
método alternativo àqueles descritos em 4.3.3.2 e 4.3.3.3. a pressão hidrostática. A seguir, aliviar a pressão e
determinar qualquer deformação permanente em cada
4.3.3.5 Qualificação do projeto por teste de prova medidor após qualquer incremento de pressão que indique
um aumento na deformação para este incremento sobre o
4.3.3.5.1 Geral incremento anterior de igual pressão. É requerida apenas
uma aplicação de cada incremento de pressão.
Como alternativa aos métodos analíticos acima
descritos, a classe de pressão do equipamento poderá ser d) Registros
determinada pelo uso de um teste hidrostático a pressão Plotar duas curvas de deformação contra a pressão de
elevada. Um vaso de teste, ou parte do vaso, é feito do teste para cada linha de medidor à medida que o teste
equipamento para o qual a pressão permissível máxima de progride, uma indicando a deformação sob pressão e a
trabalho será estabelecida. Ele não poderá ter sido submeti- outra mostrando a deformação permanente quando a
do anteriormente a uma pressão superior a 1,5 vezes a pressão é removida. O teste poderá ser interrompido
pressão permissível máxima de trabalho desejada ou quando a pressão de teste atingir o valor H que, pela
prevista. fórmula, justificará a pressão de trabalho desejada, porém
4.3.3.5.2 Determinação da resistência ao escoamento não deverá exceder a pressão na qual os pontos plotados
para a linha de medidor mais altamente deformada atinja
0,2% de deformação.
a) Método
A resistência ao escoamento do material na peça e) Classificação resultante
testada será determinada conforme o método prescrito na Computar a pressão máxima de trabalho permissível p
especificação de material aplicável. para as partes testadas sob este parágrafo, através de uma
das seguintes equações:
b) Preparação do corpo de prova (CP)
A resistência ao escoamento assim determinada será a Se a resistência ao escoamento média for determinada
média de três ou quatro CPs extraídos da peça testada após conforme 4.3.3.5.2:
o teste ter sido concluído. Os CPs serão recortados de um
p = 0,5 H (SY /SA)

18
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Se a média efetiva do limite de escoamento não for 4.3.6 Equipamentos específicos
determinada pelos corpos de prova:
Os requisitos para equipamentos específicos são
p = 0,4H apresentados na cláusula 10.

onde: 4.4 Informações de projeto diversa s


H = pressão do teste hidrostático na qual este teste
foi interrompido, conforme 4.3.3..5.3 b). 4.4.1 Geral
SY = resistência ao escoamento mínim o especificada. As conexões de extremidade e saída deverão ser parte
SA = resistência ao escoamento média efetiva dos integrante do corpo ou montadas por soldagem atendendo
corpos de prova. aos requisitos da cláusula 6. O projeto de equipamentos da
PSL 4 não deverá utilizar solda de fabricação.
4.3.3.6 Requisitos de projeto para materiais fora de
padrão 4.4.2 Tolerâncias
A metodologia de projeto descrita no Código ASME, Salvo especificado em contrário na tabela ou figura
Seção VIII, Div. 2, Apêndice 4, deverá ser adotada para o correspondente, as seguintes tolerâncias aplicar-se-ão:
projeto e cálculo de equipamentos sujeitos a pressão que
utilizem materiais fora de padrão. As tensões de projeto Métrico Polegada
permissíveis deverão se limitar aos seguintes critérios:
Tolerância Tolerância
2 Dimensão Dimensão
5
ST = o valor menor de /6 SY ou /3 Rm , mín. mm pol.
2 1
Sm = o valor menor de /3 SY ou /2 Rm , mín. x,x ± 0,5 x,xx ± 0,02
SS = o valor menor de 2 SY ou Rm , mín.
x,xx ± 0,13 x,xxx ± 0,005
onde:
Sm = intensidade da tensão de projeto à pressão 4.4.3 Parafusos
nominal de trabalho.
SS = intensidade máxima da pressão primária e 4.4.3.1 Parafusos de extremidade e saída
secundária combinadas.
ST = intensidade máxima permissível da tensão de a) Alinhamento do furo
membrana primária geral à pressão Os furos para parafusos de extremidade e saída para
hidrostática de teste. flanges serão igualmente espaçados e deverão remontar
Rm , mín. = limite de resistência mínima à tração linhas de centro comuns.
especificado do material. b) Contato da rosca do prisioneiro
SY = resistência ao escoamento mínima O comprimento do acoplamento da rosca dentro do
especificada do material. corpo para flanges fixados por prisioneiros deverá ser de no
mínimo uma vez o diâmetro externo do prisioneiro.
4.3.4 Parafusos de fechamento 4.4.3.2 Outros parafusos
O limite máximo permissível de tensão de tração para
parafusos de fechamento deverá ser determinado Os meios de ancoragem da rosca do parafuso deverão
considerando parafusamento inicial, pressão nominal de ser projetados para sustentar uma carga de tração
trabalho e condições de pressão do teste hidrostático. As equivalente à carga que possa ser transferida ao parafuso
tensões nos parafusos, baseadas na área da raiz da rosca, através de uma porca totalmente assentada.
não deverão exceder ao seguinte limite:
4.4.4 Conexões de teste, respiro, injeção e calibração
SA = 0,83 SY
4.4.4.1 Vedação
onde:
SA = limite máximo permissível da tensão de tração. Todas as conexões de teste, respiro, injeção e
SY = resistência ao escoamento mínima calibração deverão promover uma vedação hermética à
especificada do material do parafuso. pressão de teste hidrostático do equipamento no qual elas
estão instaladas.
As tensões nos parafusos serão determinadas
considerando toda a carga no fechamento, incluindo a 4.4.4.2 Ports para conexão de teste e calibração
pressão agente sobre a área de vedação, cargas da gaxeta
e quaisquer cargas mecânicas e térmicas adicionais. a) 69,0 MPa (10.000 psi) e abaixo
Os ports para conexão de teste e calibração para
4.3.5 Outros componentes pressões de trabalho de 69,0 MPa (10.000 psi) e abaixo
serão roscados internamente conforme os métodos
Todas as outras partes sujeitas à pressão e todas as especificados em 10.2, e não deverão ser inferiores a 12
partes controladoras de pressão serão projetadas para mm (½”) de diâmetro nominal. As conexões de alta pressão
satisfazer às características de desempenho especificadas descritas em 4.4.4.2b) poderão também ser usadas.
pelo fabricante e às condições de serviço do item 4.2. O
fabricante deverá especificar métodos a serem adotados no b) 103,5 MPa e 138,0 MPa (15.000 psi e 20.000 psi)
projeto que sejam consistentes com as práticas de As conexões de teste e calibração para estas pressões
engenharia aceitas. de trabalho deverão ser conforme 10.11.

19
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
4.4.4.3 Ports para respiro e injeção
4.6 Análise de projeto
Os ports para respiro e injeção deverão atender aos
requisitos especificados na documentação do fabricante. A documentação do projeto deverá ser analisada e
verificada por qualquer indivíduo qualificado que não seja
4.5 Documentação de projeto aquele que elaborou o projeto srcinal.

A documentação dos projetos deverá incluir os métodos, 4.7 Verificação de projeto


premissas, cálculos, e requisitos de projeto. Os requisitos de
projeto deverão incluir, porém não se limitando a, aqueles Os fabricantes deverão documentar seus procedimentos
critérios para dimensão, pressões de teste e operação, de verificação do projeto e os resultados da verificação de
material, ambientais, e outras exigências pertinentes sobre as desempenho dos projetos. Os procedimentos de verificação
quais o projeto é baseado. A documentação de projeto deverá de desempenho, incluindo os critérios de aceitação para
ser clara, legível, reproduzível e recuperável. A SSVs e USVs, são apresentados no anexo I. Procedimentos
documentação de projeto deverá ser mantidapor um prazo de de verificação adicionais, incluindo critérios de aceitação,
5 anos após a última unidade daquele modelo, dimensão e são apresentados no anexo F para serem utilizados se
pressão de trabalho, tiver sidofabricada. especificados pelo fabricante ou pelo comprador.

20
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
5 Materiais – Requisitos gerais
a) Requisitos para PSL 1:
5.1 Geral •Ensaios de tração.
•Ensaios de dureza.
Esta cláusula descreve os requisitos de desempenho,
processamento e composição para corpos, tampas, conexões b) Requisitos para PSL 2 a PSL 4:
de extremidade e saída, conectores de extremidade em cubo, •Idêntico aos requisitos para PSL 1, mais:
suspensores, válvulas de contrapressão, bujões macho, •Requisitos de impacto.
bujões de remoção de válvula, buchas de desgaste,
penetrações da zona de pressão, e juntas de anel. Outros 5.3.2 Processamento
componentes sujeitos a pressão e controladores de pressão
serão fabricados de materiais que satisfaçam ao item 5.2 e 5.3.2.1 Processos de fundição
aos requisitos
Todos osderequisitos
projeto dade
cláusula 4. desta cláusula se
materiais a) Requisitos para PSL 1:
aplicam aos aços carbonos, aços de baixa liga e aços Todos os fundidos usados para os mandris do
inoxidáveis martensíticos (outros que não sejam dos tipos de suspensor deverão atender aos requisitos aplicáveis das
endurecimento por envelhecimento). Outros sistemas de ligas cláusulas 5 e 7.
(incluindo aços inoxidáveis endurecidos por envelhecimento)
poderão ser usados, desde que satisfaçam às disposições b) Requisitos para PSL 2:
desta cláusula e aos requisitos de projeto da cláusula 4. Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1.
Os materiais para atuadores são descritos em 10.16.4. Adicionalmente, o fabricante do material deverá documentar
processos de fundição que estabeleçam limites para
5.2 Especificações escritas controle da areia, confecção do macho, aparelhamento,
fusão, tratamento térmico e ENDs a fim de garantir
5.2.1 Geral:Todas as partes metálicas e não-metálicas repetibilidade no fornecimento de fundidos que satisfaçam
sujeitas a pressão ou controladoras de pressão deverão estar aos requisitos desta norma.
documentadas por uma especificação de material escrita.
c) Requisitos para PSL 3 e 4:
5.2.2 Requisitos para materiais metálicos Deverão ser utilizados produtos forjados.

Os requisitos documentados pelo fabricante para 5.3.2.2 Processos de trabalho a quente


materiais metálicos de corpos, tampas, conexões de
extremidade e saída, hastes, mecanismos de vedação do a) Requisitos para PSL 1:
orifício da válvula, válvulas de c ontrapressão, bujões macho, Todos os materiais forjados serão conformados
bujões de remoção de válvula e suspensores de mandril, usando processo(s) de trabalho a quente que produzam
deverão definir os seguintes itens juntamente com os uma estrutura forjada uniforme.
critérios de aceitação/rejeição:
b) Requisitos para PSL 2 a PSL 4:
a) ParaRequisitos

PSL 1: de propriedades mecânicas. Aplicam-se
mente, os mesmos
o fabricante deverá requisitos
documentar do os
PSLprocessos
1. Adicional-
de
Qualificação do material.
• trabalho a quente.
Procedimento de tratamento térmico incluindo

tempo de ciclo, técnica de têmpera e temperaturas 5.3.2.3 Processos de fusão


com tolerâncias e agente de resfriamento.
•Composição do material, com tolerâncias. a) Requisitos para PSL 1 a PSL 3:
Requisitos de END.

O fabricante deverá especificar as técnicas de fusão
para todos os materiais do mandril do suspensor.
b) Para PSL 2 a PSL 4:
Idêntico aos requisitos para PSL 1, mais:

b) Requisitos para PSL 4:
Processo(s) de fusão permissíveis.

Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1 a PSL 3.
Além disso, o fabricante deverá documentar o processo de
Processos de conformação, incluindo processos de

fusão utilizado para material do PSL 4.
trabalho a quente e a frio.
Calibração do equipamento de tratamento térmico.

5.3.3 Tratamento térmico
5.2.3 Requisitos para materiais não-metálicos 5.3.3.1 Qualificação do Equipamento
Os selos não-metálicos sujeitos a pressão ou Todas as operações de tratamento térmico serão
controladores de pressão deverão ter seus materiais executadas utilizando equipamento qualificado de acordo
especificados por escrito. Os requisitos documentados do com os requisitos especificados pelo fabricante.
fabricante para materiais não-metálicos deverão definir o
seguinte: 5.3.3.2 Temperaturas
• Polímero(s) de base genérico(s) – ASTM D1418.
• Requisitos de propriedades físicas. a) Requisitos para PSL 1 a PSL 3:

Qualificação
requisitos dadoclasse
material – deverá atender aos
do equipamento. O tempo na temperatura e os ciclos de tratamento
térmico deverão atender às especificações de tratamento
• Requisitos de armazenagem e controle da vida útil. térmico do fabricante.
5.3 Suspensores de Tubulação da coluna de b) Requisitos para PSL 4:
produção e do revestimento Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1 a 3.
Adicionalmente, os níveis de temperatura para peças do
5.3.1 Material PSL 4 serão determinados mediante a utilização de um
dissipador térmico (heat sink).
Todos os suspensores de mandril da coluna de O dissipador térmico será construído da mesma classe
produção e do revestimento serão fabricados de materiais de material quando os componentes forem fabricados de
que atendam aos requisitos de propriedades aplicáveis uma liga das seguintes classes: aço carbono, aço liga, aço
especificados pelo fabricante. inoxidável, ligas à base de titânio, ligas de níquel-cobre e

21
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
ligas à base de níquel. Para componentes que não se 5.3.5.3 Testes de Impacto
enquadrem em uma das classes anteriormente citadas, o
dissipador térmico será construído da mesma liga do a) Corpos de prova
componente. A seção circular equivalente (ER) de todos os Os CPs para teste de impacto serão extraídos de um
dissipadores térmicos será determinada de acordo com os CTQ conforme descrito em 5.7.4.1.
métodos descritos em 5.7.2. A ER do dissipador deverá ser
superior ou igual à maior ER de qualquer componente em b) Método de teste
uma carga de tratamento térmico. Os testes de impacto serão executados conforme os
Como alternativa, uma peça de produção poderá servir procedimentos especificados na ASTM A 370 utilizando a
como dissipador térmico, desde que sejam atendidos todos técnica de Charpy V-Notch.
os requisitos desta subcláusula. A ponta sensora de A fim de qualificar o material para uma classe de
temperatura do termopar deverá estar dentro da peça ou do temperatura, os ensaios de impacto deverão ser realizados
dissipador térmico, e não mais próxima do que 25 mm (1”) à ou abaixo da menor temperatura daquela faixa de
de qualquer superfície externa ou interna. classificação.
Um mínimo de três CPs serão submetidos a teste de
5.3.3.3 Têmpera – Requisitos para PSL 2 a PSL 4 impacto a fim de qualificar uma corrida de material. As
(para materiais que sejam temperados e propriedades de impacto determinadas através destes
revenidos) testes deverão satisfazer aos requisitos especificadas pelo
fabricante.
a) Têmpera em água
A temperatura da água ou do agente de têmpera c) Reteste
utilizado para aproximar o grau de resfriamento da água não Caso um teste não seja satisfatório, poderá ser
poderá exceder a 40°C (100°F) no início da têmpera. Para efetuado um reteste de três CPs adicionais (removidos
têmpera tipo banho, a temperatura da água ou do agente de tipicamente da mesma locação dentro do mesmo CTQ sem
têmpera não poderá ultrapassar 50°C ((120°F) ao término nenhum tratamento térmico adicional), cada um dos quais
da têmpera. devendo apresentar um valor de impacto igual ou superior
ao valor médio mínimo requerido.
b) Outros agentes de têmpera
A faixa de temperatura de outros agentes de têmpera
5.4 Corpos, tampas, e conexões de extremidadee saída
deverá atender às especificações do fabricante.
5.4.1 Material
5.3.4 Composição química para PSL 2 a PSL 4

Os materiais do mandril do suspensor deverão atender a) Requisitos das propriedades de tração


às especificações do fabricante. Todos os corpos, tampas, e conexões de extremidade e
O fabricante deverá especificar a composição química saída, deverão ser fabricados a partir de materiais padrão
nominal, incluindo tolerâncias, do material. ou fora de padrão especificados na Tabela 4. Os materiais
A composição do material será determinada na base de padrão deverão atender às propriedades aplicáveis
corrida (ou na base
grau refundido), de de lingote
acordo comrefundido para materiais
uma norma de
reconhecida indicadas
satisfazer na
àsTabela 5. Os materiais
especificações fora de padrão
documentais deverão
do fabricante.
nacional ou internacionalmente especificada pelo fabricante. Estas especificações deverão incluir os requisitos mínimos
de resistência à tração, resistência ao escoamento,
5.3.5 Ensaios de qualificação do material – requisitos alongamento, redução de área, resistência e dureza
para PSL 2 a PSL 4: aplicáveis à liga específica. Todos os materiais fora de
padrão deverão exceder a uma resistência ao escoamento
5.3.5.1 Geral mínima de 75K, e atender a um alongamento mínimo de
15% e uma redução de área de 20%.
Se forem requeridas propriedades mínimas de impacto
e/ou tração a fim de qualificar o material para serviço, os b) Requisitos de resistência ao impacto
ensaios serão executados conforme descrito em 5.3.5.2 e A resistência ao impacto deverá atender aos requisitos
5.3.5.3. Deverá ser utilizado um CTQ (cupom de teste de da Tabela 6.
qualificação) descrito em 5.7. Caso sejam utilizados CPs de tamanho reduzido, os
requisitos de impacto Charpy V-Notch deverão ser iguais
5.3.5.2 Ensaios de tração àqueles dos CPs de 10mm x 10mm multiplicado pelo fator
de ajuste indicado na Tabela 5.4. CPs de tamanho reduzido
a) Corpos de prova (CP) não poderão ser utilizados para PSL 4.
Os corpos de prova para ensaio de tração serão
retirados de um CTQ conforme descrito em 5.7.4.1
5.4.2 Testes de qualificação do material
b) Método de ensaio
5.4.2.1 Geral
Os ensaios de tração serão realizados à temperatura
ambiente, conforme os procedimentos especificados na Quando propriedades mínimas de impacto e/ou tração
ASTM A 370. forem requeridas a fim de que o material seja qualificado
Deverá ser executado no mínimo um teste de tração. para serviço, os testes necessários serão executados em
Os resultados
requisitos do(s) pelo
especificados teste(s) deverão satisfazer aos
fabricante. corpos
um de prova
cupom extraídos
de teste de um cupom
de qualificação (CTQ),deonde
testeaplicável.
(CT) ou de

c) Reteste a) Requisitos para PSL 1:


Caso os resultados do(s) ensaio(s) de tração não Um CT aceitável descrito na Seção 5.6, ou um CTQ
atendam aos requisitos aplicáveis, poderão ser executados especificado em 5.7, será utilizado para qualificação do
dois testes adicionais em dois CPs adicionais (removidos do material.
mesmo CTQ sem nenhum tratamento térmico adicional),
numa tentativa de qualificar o material. Os resultados de cada b) Requisitos para PSL 2 a PSL 4:
um destes testesdeverão satisfazer aos requisitosaplicáveis. Deverá ser utilizado um CTQ conforme descrito em 5.7.

22
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 4 – Aplicações de material padrão para corpos, tampas, conexões de extremidade e saída
Classes de Pressão, MPa (psi)
Componente 13,8 (2.000) 20,7 (3.000) 34,5 (5.000) 69,0 (10.000) 103,5 (15.000) 138,0 (20.000)
Designação do Material
Corpoa, Tampa 36K, 45K 36K, 45K 36K, 45K 36K, 45K 45K, 60K 60K, 75K
60K, 75K 60K, 75K 60K, 75K 60K, 75K 75K, NS NS
NSb NS NS NS
Conexão Integral de
Extremidade
Flangeada 60K, 75K 60K, 75K 60K, 75K 60K, 75K 75K, NS 75K, NS
NS NS NS NS

Roscada 60K, 75K 60K, 75K 60K, 75K NA NA NA


NS NS NS
c c c c c c c
Outras

Conectores Avulsos
Pescoço p/Solda 45K 45K 45K 60K, 75K 75K, NS 75K, NS

Cego 60K, 75K 60K, 75K 60K, 75K 60K, 75K 75K, NS 75K, NS
NS NS NS NS

Roscado 60K, 75K 60K, 75K 60K, 75K NA NA NA


NS NS NS
c c c c c c
Outros
a
Se as conexões de extremidade forem da designação de material indicada, a soldagem será processada de acordo com a
cláusula 6, e o projeto conforme a Seção 4.
b
NS indica materiais fora de padrão (non-standard), conforme definido em 4.3.3 e 5.4.1.a.
c Conforme especificado pelo fabricante.

Tabela 5 – Requisitos de propriedades para materiais padrão para


corpos, tampas, e conexões de extremidade e saída
Designação 0,2% Resist. ao Escoamento Resistência à Tração - Alongamento em 50 mm Redução de Área
do Material mín. - MPa (psi) mín. – MPa (psi) (2”) mín. (%) mín. (%)
36K 248 (36.000) 483 (70.000) 21 Sem Requisito
45K 310 (45.000) 483 (70.000) 19 32
60K 414 (60.000) 586 (85.000) 18 35
75K 517 (75.000) 655 (95.000) 17 35

Tabela 6 – Requisitos para teste de impacto Charpy V-notch(10mm x 10mm)

Temperatura de Valor médio mínimo de impacto


Classe de teste Sentido transversal
Temperatura J (pé-lbf)
°C (°F) PSL 1 PSL 2 PSL 3 e PSL 4
K -60 (-75) 20 (15) 20 (15) 20 (15)
L -46 (-50) 20 (15) 20 (15) 20 (15)
P -29 (-20) - 20 (15) 20 (15)
R -18 (0) - - 20 (15)
S -18 (0) _ _ 20 (15)
T -18 (0) _ _ 20 (15)
U -18 (0) _ _ 20 (15)
V -18 (0) _ _ 20 (15)

23
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela 7 – Fatores de ajuste para corpos-de- A fim de qualificar o material para uma classe de
prova de impacto reduzidos (PSL 1-3) temperatura, os testes de impacto serão executados à ou
abaixo da menor temperatura daquela faixa de cl assificação.
Dimensão do CP Fator de ajuste Um mínimo de três CPs de impacto deverão ser
10 mm x 7,5 mm 0,833 testados para qualificar uma corrida de material. As
propriedades de impacto determinadas a partir destes testes
10 mm x 5,0 mm 0,667 deverão satisfazer aos requisitos aplicáveis da Tabela 6. Em
10 mm x 2,5 mm 0,333 nenhuma hipótese um valor individual de impacto poderá
ficar abaixo de dois terços (2/3) daquele requerido como
média mínima. Da mesma forma, não mais do que um dos
5.4.2.2 Testes de tração para PSL 1: três resultados dos testes poderá ficar abaixo da média
mínima requerida.

a) Corpos
Os CPsdeserão
provaremovidos de um cupom de teste (CT) d) Reteste para PSL 1 a PSL 4:
conforme descrito em 5.6 ou 5.7 onde aplicável. Este CT será Caso um teste resulte insatisfatório, poderá ser
usado para qualificar uma corrida e os corpos, tampas, e efetuado um reteste de três CP adicionais removidos do
conexões de extremidade/saída produzidos daquela corrida. mesmo CTQ (ou CT para componentes do PSL 1) sem
nenhum tratamento térmico adicional, sendo que cada um
b) Métodos deles deverá apresentar um valor de impacto igual ou
Os testes de tração deverão ser executados à tempera- superior ao valor médio mínimo requerido.
tura ambiente conforme os procedimentos especificados na
ASTM A 370. e) Orientação do corpo de prova
Deverá ser realizado no mínimo um teste de tração. Os Os valores listados na Tabela 6 são os mínimos
resultados do(s) ensaio(s) deverão satisfazer aos requisitos aceitáveis para produtos forjados testados no sentido
aplicáveis da Tabela 5. transversal, e para fundidos e qualificações de solda. Os
produtos forjados poderão ser testados no sentido
c) Reteste longitudinal ao invés do sentido transversal, devendo
Caso os resultados do(s) ensaio(s) de tração não apresentar o valor médio mínimo de 27 J (20 pés-lbf).
atendam aos requisitos aplicáveis, poderão ser executados
dois testes adicionais em dois CPs adicionais (retirados do 5.4.3 Processamento
mesmo CT ou CTQ sem nenhum tratamento térmico 5.4.3.1 Processos de fundição
adicional), numa tentativa de qualificar o material. Os
resultados de cada um destes testes deverão satisfazer às a) Requisitos para PSL 1:
exigências aplicáveis. Todos os fundidos usados para corpos, tampas e
conexões de extremidade/saída deverão satisfazer aos
5.4.2.3 Testes de tração para PSL 2 a PSL 4 requisitos aplicáveis das cláusulas 5 e 7.
a) Corpos de prova b) Requisitos para PSL 2:
Os CPs serão removidos de um CTQ conforme descrito
em 5.7. Idênticos aos requisitos do PSL 1. Adicionalmente, o
fabricante deverá documentar processos de fundição que
estabeleçam limites para controle da areia, confecção do
b) Método de teste macho, aparelhagem, fusão, tratamento térmico e ENDs, a
Os ensaios de tração deverão ser executados à tempe- fim de assegurar repetibilidade na produção de fundidos
ratura ambiente conforme os procedimentos especificados que satisfaçam aos requisitos desta norma internacional.
na ASTM A 370.
Deverá ser executado no mínimo um teste de tração. Os c) Requisitos para PSL 3 e PSL 4:
resultados do(s) teste(s) deverão satisfazer aos requisitos Deverão ser utilizados produtos forjados.
aplicáveis da Tabela 5.
5.4.3.2 Processos de trabalho a quente
c) Reteste
Caso os resultados do(s) ensaio(s) de tração não a) Requisitos para PSL 1:
satisfaçam os requisitos aplicáveis, poderão ser executados Todos os materiais forjados deverão ser conformados
dois testes adicionais em dois CPs adicionais (retirados do utilizando processos de trabalho a quente que produzam
mesmo CTQ sem nenhum tratamento térmico adicional), uma estrutura forjada homogênea.
numa tentativa de qualificar o material. Os resultados de
cada um destes testes deverão satisfazer às exigências b) Requisitos para PSL 2-4:
aplicáveis. Idênticos aos requisitos do PSL 1. Adicionalmente, o
fabricante deverá documentar os processos de deformação
5.4.2.4 Testes de impacto para PSL 1 a PSL 4 a quente.

a) Amostragem 5.4.3.3 Processos de fusão


Serão executados testes de impacto em uma corrida de a) Requisitos para PSL 1 a PSL 3:
material quando um corpo, tampa ou conexões de O fabricante deverá especificar os processos de fusão
extremidade/saída, produzidos daquela corrida, requeiram adotados.
testes.
b) Requisitos para PSL 4:
b) Corpos de prova Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1 a PSL 3.
Os CP serão removidos de um CT conforme descrito Além disso, o fabricante deverá documentar o processo de
em 5.6 ou 5.7 onde aplicável. Este CT será usado para fusão utilizado para material do PSL 4.
qualificar uma corrida e os corpos, tampas e conexões de
extremidade/saída produzidos daquela corrida. 5.4.4 Tratamento térmico

c) Método 5.4.4.1 Qualificação do equipamento


Os testes de impacto deverão ser executados conforme Todas as operações de tratamento térmico serão
os procedimentos especificados na ASTM A 370 utilizando a executadas utilizando equipamento qualificado de acordo
técnica de Charpy V-notch. com os requisitos especificados pelo fabricante.

24
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
5.4.4.2 Temperaturas
b) Outros agentes de têmpera
a) Requisitos para PSL 1 a PSL 3: A faixa de temperatura de outros agentes de têmpera
O tempo à temperatura e os ciclos térmicos deverão deverá atender às especificações do fabricante.
atender às especificações de tratamento térmico do
fabricante.
5.4.5 Composição química
b) Requisitos para PSL 4:
5.4.5.1 Geral
Aplicam-se também os requisitos do PSL 1 a PSL 3. Os
níveis de temperatura para componentes do PSL 4 serão
Os materiais deverão atender às especificações escritas
determinados utilizando-se um dissipador térmico.
do fabricante.
O dissipador térmico será construído da mesma classe
de material se os componentes forem fabricados de uma
liga das seguintes classes: aço carbono, aço liga, aço a) O fabricante
nominal deverá
do material, especificar
incluindo a composição
tolerâncias química
na composição.
inoxidável, ligas à base de titânio, ligas de níquel-cobre, e
ligas à base de níquel. Para componentes que não se
b) A composição do material será determinada por corrida
enquadrem em uma das classes anteriormente citadas, o
(ou por lingote refundido para materiais de grau
dissipador térmico será construído da mesma liga do
componente. A seção ER de todos os dissipadores térmicos refundido), de acordo com uma norma reconhecida nacional
ou internacionalmente.
será determinada de acordo com os métodos descritos em
5.7.2. A ER do dissipador térmico deverá ser maior ou igual
à maior ER de qualquer componente individual em uma 5.4.5.2 Limites na composição
carga de tratamento térmico.
Como alternativa, uma peça de produção poderá servir As Tabelas 8 e 9 listam os limites por elemento (% em
como dissipador térmico, desde que sejam atendidos todos fração de massa) para aços carbono, de baixa liga e
os requisitos desta subcláusula. A ponta sensora de inoxidáveis martensíticos (a não ser dos tipos de
temperatura do termopar deverá ficar dentro da peça ou do endurecimento por precipitação) necessários para fabricar
dissipador térmico, e não mais próxima do que 25 mm (1”) corpos, tampas e conexões de extremidade/saída. Se a
de qualquer superfície externa ou interna. composição for especificada por referência a uma norma
industrial reconhecida, aqueles elementos especificados
5.4.4.3 Têmpera – Requisitos para PSL 2 a PSL 4 como residuais/traços não precisam ser indicados, desde
(para materiais temperados e revenidos) temperados daquele
que os limites dos elementos residuais/traços e revenidos)
padrão industrial estejam dentro dos limites desta norma
a) Têmpera em água internacional. As Tabelas 8 e 9 não se aplicam a outros
A temperatura da água ou do agente de têmpera utilizado sistemas de ligas. Os limites de composição de outros
para aproximar o grau de resfriamento da água não poderá sistemas de ligas foram propositadamente omitidos destas
exceder a 40°C (100°F) no início da têmpera. Para têmpera tipo tabelas, a fim de permitir ao fabricante liberdade para utilizar
banho, a temperatura da água ou do agente de têmpera não sistemas de ligas para a multiplicidade de requisitos
poderá ultrapassar 50°C (120°F) ao término da têmpera. encontrados.

Tabela 8 – Limites na composição do aço (% em fração de massa) para materiais de corpos,


tampas e conexões de extremidade/saída (PSL 2 a PSL 4)

Limitesa na composição –
Elemento Limites na composição – Limites na composição –
material 45K p/flanges de
de liga aços carbono e baixa liga aços inox. martensíticos pescoço
Carbono 0,45 máx. 0,15 máx. 0,35 máx.
Manganês 1,80 máx. 1,00 máx. 1,05 máx.
Silício 1,00 máx. 1,50 máx. 1,35 máx.
Fósforo (Vide Tabela 9) 0,05 máx.
Enxofre (Vide Tabela 9) 0,05 máx.
Níquel 1,00 máx. 4,50 máx. NA
Cromo 2,75 máx. 11,0 – 14,0 NA
Molibdênio 1,50 máx. 1,00 máx. NA

Vanádio 0,30 máx. NA NA


a
Para cada redução de 0,01% abaixo do teor máximo de carbono especificado (0,35%), é permitido um aumento de 0,06% de manganês
acima do máximo especificado (1,05%) até u m máximo de 1,35%.

25
ESPECIFICAÇÃO API 6A
__________________________ _________________________ _______________
Tabela 9 – Limites na concentração de fósforo 5.5.3 Processamento
e enxofre (% em fração de massa) – (PSL 2 a PSL 4)
5.5.3.1 Fusão, fundição e trabalho a quente
Elemento PSL 2 PSL 3-4
a) Processos de fusão
Fósforo 0,040 máx. 0,025 máx. O fabricante deverá selecionar e especificar as técnicas
Enxofre 0,040 máx. 0,025 máx. de fusão utilizadas para fabricar juntas de anel. A oficina de
fundição deverá adotar processos que produzam material
homogêneo, livre de trincas, bandagem (banding), vazios
(piping) e escamações (flakes).
5.4.5.3 Faixas de tolerância
b) Processos de fundição
A fundição centrífuga será o único método aceitável de
A Tabela
faixas 10 relaciona,
de tolerância parapara
os PSL 3 e PSL 4utilizados
elementos somente, na
as fundição para juntas de anel.
composição dos materiais descritos na especificação do
fabricante. Estas tolerâncias se aplicam apenas aos c) Processos de trabalho a quente
materiais compreendidos na Tabela 8. Os produtos forjados deverão ser trabalhados a quente
Se o fabricante especificar um material para PSL 3 ou uniformemente. As juntas de anel poderão ser fabricadas de
PSL 4 com requisitos de composição química seguindo um tubos trepanados (pierced tubing or pipe), anéis laminados,
padrão industrial reconhecido, o material deverá atender às ou barras ou chapas laminadas e soldadas.
faixas de tolerância daquele mesmo padrão. Se o fabricante
especificar uma composição química não amparada por 5.5.3.2 Tratamento Térmico
uma norma industrial reconhecida, as faixas de tolerância
deverão obedecer à Tabela 10. Estas tolerâncias se aplicam a) Qualificação do equipamento
somente aos materiais compreendidos na Tabela 8. Todo tratamento térmico de partes e CTQs deverá ser
executado com equipamento que atenda aos requisitos
especificados pelo fabricante.
Tabela 10 – Faixas de tolerância máxima (% em fração
de massa) para elementos de liga (PSL 3 e PSL 4) b) Método
As operações de tratamento térmico deverão ser
processadas conforme a especificação escrita do fabricante.
Aço carbono Aços inox. Material 45K As juntas de anel deverão ser recozidas, ou
Elemento p/flanges de
e baixa liga martensíticos normalizadas, ou tratadas por solubilização como último
pescoço
estágio do processamento do material antes da usinagem
Carbono 0,08 0,08 NA final.
Manganês 0,40 0,40 NA c- ? falta traduzir
Silício 0,30 0,35 NA
5.5.4 Composição Química
Níquel 0,50 1,00 NA
A composição química das juntas de anel deverá
Cromo 0,50 NA NA atender ao especificado na documentação do fabricante.
Molibdênio 0,20 0,20 NA
5.6 Cupons de teste (CT)
Vanádio 0,10 0,10 NA
5.6.1 Geral

As propriedades demonstradas pelo CT deverão


5.5 Juntas de anel representar as propriedades da resposta térmica dos
materiais que compreendam as peças de produção que ele
5.5.1 Material qualifique.
O material das juntas de anel deverá atender às Dependendo do grau de temperabilidade de um
especificações escritas do fabricante. determinado material, os resultados obtidos dos CTs
poderão nem sempre corresponder às propriedades dos
a) Ensaio de tração: Nenhum especificado. componentes efetivos em todas as locações ao longo de
b) Testes de impacto: Nenhum especificado. sua seção transversal.
Um CT único poderá ser usado para representar as
c) Requisitos de Dureza: propriedades de impacto e/ou tração da(s) parte(s)
produzida(s) da mesma corrida, desde que satisfaça aos
A dureza máxima deverá atender à tabela abaixo: requisitos desta especificação.
Somente para tratamento térmico de batelada: Se o CT
for um macho trepanado (trepanned core) ou um
Material Dureza máxima prolongamento removido de uma peça de produção, ou uma
Ferro doce 56 HRB peça de peças
somente produção de sacrifício,
de produção o CT poderá
que tenham o mesmoqualificar
ER ou
Carbono e baixas ligas 68 HRB menor. O CT deverá apenas qualificar material e peças
produzidas da mesma corrida.
Aço inoxidável 83 HRB Para material tratado térmicamente em um forno
Liga de níquel UNS N08825 92 HRB contínuo, o CT consistirá de uma peça de produção de
sacrifício ou um prolongamento removido de uma peça de
Outras CRAs Cfe. especificações produção. A peça de produção de sacrifício ou o CT de
do fabricante prolongamento deverá qualificar somente peças de
produção que tenham dimensão e formato idênticos. O CT
deverá qualificar somente material e partes produzidas da
mesma corrida e lote de tratamento térmico.
ESPECIFICAÇÃO API 6A
__________________________ _________________________ _______________
26
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

5.6.2 Seção circular equivalente


(ER = Equivalent A ER de uma peça fixada por prisioneiros será
Round) determinado usando-se T igual à espessura do flange mais
grosso daquela peça. A determinação da ER para estas
partes deverá estar de acordo com os métodos para peças
a) Seleção de formato complexo.
O tamanho de um CT para uma peça será determinado
utilizando-se os seguintes métodos de seção circular c) Requisitos dimensionais
equivalente (ER): A ER do cupom de teste deverá ser igual ou superior às
dimensões da peça que ele qualifica, exceto como segue::
b) Métodos de ER: 1. Forjado: o tamanho não deverá exceder 63 mm
(2½) de ER.
A Figura 3 ilustra os modelos básicos para 2. Fundido: o tamanho não deverá exceder àquele
determinação da ER de partes sólidas e ocas simples, e indicado na ASTM A703, Figura 1.
peças mais complicadas.
A ER de uma peça será determinada usando-se as Nota: A critério do fabricante, a ER do CT poderá atender ao
dimensões reais da peça na condição “conforme tratada código ASME, Seção VIII, Div. 2, AM-201 e AM-202, ao invés
dos requisitos acima.
térmicamente”.

Quando L for menor do que T, considerar a seção como uma chapa de espessura L. A área dentro das linhas tracejadas é
um envelope de ¼ T para remoção do corpo de prova.

Quando L for menor do que D, considerar como uma chapa de espessura T.

a) Seções/formatos circulares equivalentes (ER) geométricos simples, com comprimento


L

Quando todas as superfícies internas e externas durante o tratamento térmico estiverem numa faixa de 13 mm (1/2”) das
superfícies finais, ER = ¼ T. Quando todas as superfícies internas e externas durante o tratamento térmico não estiverem
numa faixa de 13 mm (1/2”) das superfícies finais, então ER = 2 T. Em componentes com flanges múltiplos, T será a
espessura do flange mais grosso.

Onde T for a espessura quando o componente é tratado térmicamente como em T(2), adotar a maior das duas dimensões
indicadas.

b) Corpos gerais flangeados para componentes de formato complexo da cabeça-de-poço

Figura 3 – Modelos de seção circular equivalente (ER)

28
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

a
Corpos com extremidades roscadas e abertas.
b
Envelope para remoção do corpo de prova.

c) Configuração de bloco de quilha, ERR= 2,3

Figura 3 – Modelos de seção circular equivalente (continuação)

5.6.3 Processamento 5.6.4 Qualificação do material

5.6.3.1 Fusão, fundição e trabalho a quente 5.6.4.1 Corpos de prova para testes de tração e
impacto
a) Processos de fusão
Em nenhuma hipótese o CT poderá ser processado Quando forem requeridos corpos de prova para testes
utilizando processo(s) de fusão mais refinado(s) (cleaner) do de tração e/ou impacto, eles deverão ser extraídos de um
que aquele do material que ele qualifica (ex.: Um CT feito de um CT após o ciclo de tratamento térmico final do CT. Poderão
material de grau refundido ou desgaseificado a vácuo não ser utilizados múltiplos CTs, desde que todos os requisitos
poderá qualificar material da mesma fusão primária que não aplicáveis desta norma sejam cumpridos e os CTs sejam
tenha passado por igual processo de fusão. O material de grau processados por tratamento térmico usando os mesmos
refundido removido de um lingote refundido individual poderá ser ajustes e tempos do forno.
usado para qualificar outro material de grau refundido que foi e é Os CPs deverão ser extraídos do cupom de teste de
da mesma fusão primária; nenhuma elaboração de ligas forma tal que o eixo da linha central longitudinal esteja
(alloying) adicional deverá ser realizada nestes lingotes
inteiramente dentro do envelope ¼T do núcleo central para
refundidos individuais.
um CT sólido, ou dentro de 3 mm (1/8”) da meia-espessura
b) Processos de fundição da seção mais grossa de um CT oco (Vide Figura 3). Para
O fabricante deverá empregar processo de fundição do CT CTs maiores do que o tamanho especificado em 5.6.2.c, os
idêntico àquele utilizado para as peças que ele qualifica, a fim de CPs não precisam ser removidos de uma locação mais
assegurar representação precisa. distante da superfície do CT do que seria necessária se o
tamanho do CT especificado fosse usado.
c) Processos de trabalho a quente Os CPs deverão ser extraídos do CT de tal forma que o
O fabricante deverá utilizar coeficientes de deformação a comprimento padrão do CP e a raiz do Charpy V-Notch
quente no CT que sejam iguais ou inferiores àqueles usados no estejam a uma distância de pelo menos ¼ T das
processamento das peças de produção que ele qualifique. O extremidades do CT.
coeficiente total de trabalho a quente do CT não deverá exceder Se uma peça de produção de sacrifício for usada como
aquele coeficiente total de trabalho a quente da(s) peça(s) que CT, os CPs deverão ser removidos de uma seção da peça
ele qualifica. que atenda aos requisitos dimensionais de um CP para
aquela peça de produção conforme definido em 5.6.2.
5.6.3.2 Soldagem Deverão ser utilizados CPs de tração com o tamanho
padrão de 12,7 mm (0,500”) para qualificar aços carbono, de
Não é permitida soldagem no CT, exceto para soldas do baixa liga e inoxidáveis, a menos que a configuração física
tipo fixação (attachment). do CT impeça seu uso. Neste caso, os CPs sub-
dimensionados padrão referenciados na ASTM A 370
5.6.3.3 Tratamento térmico poderão ser usados. Tanto CPs padrão de 12,7 mm
(0,500”),como de tamanho reduzido (vide ASTM A 370),
a) Qualificação do equipamento poderão ser utilizados para qualificar materiais CRA.
Todas as operações de tratamento térmico serão Deverão ser utilizados CPs padrão para teste de
executadas utilizando equipamento qualificado conforme 5.8.
impacto ode
quando 10mmforx insuficiente,
material 10mm de seção transversal,
então neste salvo
caso o CP de
b) Processo para tratamento térmico de batelada
O CT deverá ser submetido ao mesmo processamento padrão dimensional menor mais próximo extraível deverá
especificado da(s) peça(s) que ele qualifica. O CT será ser usado. Os CPs de impacto deverão ser removidos de tal
tratado térmicamente utilizando o(s) procedimento(s) forma que o entalhe esteja dentro do envelope ¼T.
especificado(s) pelo fabricante.
5.6.4.2 Ensaios de Dureza
c) Processo para forno contínuo
Para material tratado térmicamente em um forno Deverá ser executado pelo menos um teste de dureza
contínuo, o CT deverá ser da mesma corrida e lote de Rockwell ou Brinell no cupom de teste após o ciclo de
tratamento térmico do material que ele qualifica. tratamento térmico final.

29
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Os ciclos de TT do cupom de teste anteriores ao teste de 5.7.3 Processamento
dureza deverão ser exatamente os mesmos ciclos de TT a
que foram submetidos os CPs de teste de tração e impacto. 5.7.3.1 Fusão, fundição e trabalho a quente
Os testes de dureza serão executados conforme os
procedimentos especificados na ASTM E 10 ou ASTM E 18. a) Processos de fusão
Em nenhuma hipótese o CTQ poderá ser processado
5.7 Cupons de teste de qualificação (CTQ) utilizando processo(s) de fusão mais refinado(s) (cleaner) do
que aquele do material que ele qualifica (ex.: Um CTQ feito de
5.7.1 Geral um material de grau refundido ou desgaseificado a vácuo não
poderá qualificar material da mesma fusão primária que não
As propriedades apresentadas pelo CTQ deverão tenha passado por igual processo de fusão). O material de grau
representar as propriedades da resposta térmica dos materiais refundido removido de um lingote refundido individual poderá ser
compreendendo as peças de produção que ele qualifique. usado para qualificar outro material de grau refundido que foi e é
Dependendo do grau de endurecibilidade de um determinado da mesmapoderá
adicional fusão ser
primária; nenhuma
realizada nesteselaboração de ligas
lingotes refundidos
material, os resultados do CTQ poderão nem sempre individuais. Todavia, o material de grau refundido (processo de
corresponder às propriedades dos componentes efetivos em eletrodo consumível) usado para fabricar peças de PSL 4 deverá
todas as locações ao longode sua seção transversal. ser qualificado na base de lingote ref undido.
Um CTQ único poderá ser usado para representar as
propriedades de impacto e/ou tração da(s) parte(s) b) Processos de fundição
produzida(s) da mesma corrida, desde que satisfaça aos O fabricante deverá empregar processo(s) de fundição do
requisitos desta norma internacional. CTQ idêntico(s) àquele(s) utilizado(s) para as peças que ele
Somente para tratamento térmico de batelada: Quando qualifica, a fim de assegurar representação precisa.
o CTQ for um macho trepanado (trepanned core) ou um
prolongamento removido de uma peça de produção, o CTQ c) Processos de trabalho a quente
poderá qualificar somente peças de produção que tenham o O fabricante deverá utilizar coeficientes de trabalho a quente
mesmo ER ou menor. O CTQ deverá apenas qualificar no CTQ que sejam iguais ou inferiores àqueles usados no
material e peças produzidas da mesma corrida. processamento das peças de produção que ele qualifica. O
Para material tratado témicamente em um forno coeficiente total de deformação a quente do CTQ não deverá
exceder aquele coeficiente de deformação a quente total da(s)
contínuo, o CTQ consistirá de uma peça de produção de peça(s) que ele qualifica.
sacrifício ou um prolongamento removido de uma peça de
produção. A peça de produção de sacrifício, ou CTQ de 5.7.3.2 Soldagem
prolongamento, deverá qualificar somente peças de
produção que tenham dimensão e formato iguais. O CTQ É proibida soldagem no CTQ, exceto para soldas tipo
deverá qualificar somente material e partes produzidas da fixação.
mesma corrida e lote de tratamento térmico.
5.7.3.3 Tratamento térmico
5.7.2 Seção circular equivalente (ER)
a) Qualificação do equipamento
5.7.2.1 Seleção Todas as operações de tratamento térmico serão
executadas utilizando equipamento qualificado conforme 5.8.
O tamanho de um CTQ para uma peça será determi-
nado utilizando-se os métodos de ER descritos em 5.7.2.2. b) Processo de tratamento térmico por batelada
O CTQ deverá ser submetido ao mesmo processo de
5.7.2.2 Métodos de ER
: tratamento térmico especificado para a(s) peça(s) que ele
qualifica. O CTQ será tratado térmicamente utilizando o(s)
A Figura 3 ilustra os modelos básicos para procedimento(s) de tratamento especificado(s) pelo fabricante.
determinação da ER de partes sólidas e ocas simples, e Quando o CTQ não for térmicamente tratado como
peças mais complicadas. parte da mesma carga de TT da peça que ele qualifica, as
A ER de uma peça será determinada usando-se as temperaturas de austenitização, tratamento por solubilização
dimensões efetivas da peça na condição “conforme tratada ou endurecimento por envelhecimento (onde aplicável) para
térmicamente”. o CTQ deverão estar dentro da faixa de 14°C (25°F)
A ER de uma peça do tipo fixada por prisioneiros será daquelas para a(s) peça(s). A temperatura de revenimento
determinada usando-se T igual à espessura do flange mais
para a(s) peça(s) não poderá ser menor do que 14°C (25°F)
grosso daquela peça. A determinação da ER para estas abaixo daquela do CTQ. O limite superior não poderá estar
partes deverá estar de acordo com os métodos para peças acima do permitido pelo procedimento de TT para aquele
de formato complexo. material. O tempo do ciclo em cada temperatura não poderá
exceder àquele para a(s) peça(s).
5.7.2.3 Requisitos dimensionais
c) Processo de forno contínuo
A ER do CTQ deverá ser igual ou superior às Para material tratado térmicamente em um forno
dimensões da peça que ele qualifica, exceto como segue: contínuo, o CTQ deverá ser da mesma corrida e lote de TT
do material que ele qualifica.
a) Para PSL 2
1) Forjado: o tamanho não deverá exceder 63 mm 5.7.4 Qualificação do material
(2½”) de ER.
2) Fundido: o tamanho não deverá exceder àquele 5.7.4.1 Corpos de prova para testes de tração e impacto
indicado na ASTM A703.
Quando forem requeridos corpos de prova para testes
b) Para PSL 3 e PSL 4 de tração e/ou impacto, eles deverão ser extraídos de um
O tamanho não deverá exceder 125 mm (5”) de ER. CTQ após o ciclo de tratamento térmico final do CTQ.
Poderão ser utilizados múltiplos CTQs, desde que todos os
Nota: A critério do fabricante, a ER do CTQ poderá atender ao requisitos desta norma aplicáveis ao CTQ sejam cumpridos
ASME, Seção VIII, Div. 2, AM-201 e AM-202, ao invés dos e os CTQs sejam processados por tratamento térmico
requisitos acima. usando os mesmos ajustes e tempos do forno.

30
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Os CPs serão extraídos do CTQ de forma tal que o eixo O equipamento de TT “tipo produção” deverá ser
de sua linha central longitudinal esteja inteiramente dentro considerado como equipamento de utilização rotineira para
do envelope ¼T do núcleo central para um CTQ sólido, ou processar peças de produção que tenham uma ER igual ou
dentro de 3 mm (1/8!) da meia-espessura da seção mais superior à ER do CT de i nteresse.
grossa de um CTQ oco (Vide Figura 3).
Para CTQs maiores do que o tamanho especificado em 5.9 Qualificação do material
5.7.2.3, os corpos de prova não precisam ser removidos de
uma locação mais distante da superfície do CTQ do que Se esta subcláusula for referenciada nesta norma
seria necessária se o tamanho do CTQ especificado fosse internacional, o fabricante deverá especificar os métodos
usado. necessários para qualificar e testar materiais
Os corpos de prova deverão ser extraídos do CTQ de
tal forma que o comprimento padrão do CP e a raiz do 5.10 Bujões macho e bujões de remoção de válvulas
Charpy V-Notch estejam a uma distância de pelo menos ¼T
das extremidades do CTQ. Os requisitos de materiais para bujões macho e bujões
Se uma peça de produção de sacrifício for usada como de remoção de vãlvulas deverão ser, no mínimo, idênticos
CTQ, os CPs deverão ser removidos de uma seção da peça àqueles especificados para corpos, tampas e conexões de
que atenda aos requisitos dimensionais de um CTQ para extremidade/saída do PSL 3 (vide 5.4).
aquela peça de produção c onforme definido em 5.7.2.
Deverão ser utilizados CPs de tração com o tamanho 5.11 Válvulas de contrapressão
padrão de 12,7 mm (0,500”), a menos que a configuração
física do CTQ impeça seu uso. Neste caso, os CPs padrão Os requisitos de materiais para válvulas de
de dimensões reduzidas, referenciados na ASTM A 370, contrapressão deverão ser, no mínimo, idênticos àqueles
poderão ser usados. especificados para suspensores da coluna de produção do
Deverão ser utilizados CPs de impacto no padrão de PSL 3 (vide 5.3).
10mm x 10mm de seção transversal, salvo quando o
material for insuficiente, então neste caso o CP extraível de 5.12 Penetrações da zona de pressão
tamanho padrão menor mais próximo deverá ser usado. Os
CPs de impacto deverão ser removidos de tal forma que o Os requisitos de materiais para penetrações da zona de
entalhe esteja dentro do envelope ¼T. pressão serão conforme especificado pelo fabricante. As
penetrações da zona de pressão expostas diretamente ao
5.7.4.2 Testes de Dureza fluído do bore do poço e usadas em serviço corrosivo
(classes de material DD, EE, FF e HH), deverão satisfazer
O CTQ deverá ser submetido a pelo menos um teste de aos requisitos da norma NACE MR 0175.
dureza Rockwell ou Brinell após o ciclo final de tratamento
térmico (TT). 5.13 Buchas de desgaste
Os ciclos de tratamento térmico do CTQ anteriores ao
teste de dureza deverão ser exatamente os mesmos ciclos Os requisitos de materiais para buchas de desgaste
de
Os TT a que de
ensaios foram submetidos
dureza os CPs de em
serão realizados tração e impacto.
conformidade deverão serdeverá
do material conforme especificado
estar pelo fabricante.
entre 241 HBW e 321 HBW.A dureza
com os procedimentos da ASTM E 10 ou ASTM E 18.
5.14 Conectores de extremidade tipo cubo
(hub-end)
5.8 Qualificação do equipamento de tratamento
térmico Os requisitos de material para cubos, especificados
dimensionalmente na ISO 13533, serão idênticos àqueles
Todo tratamento térmico de peças, CTQs e CTs deverá estipulados para o equipamento ao qual o cubo é conectado.
ser realizado com equipamento “tipo produção” que atenda Os requisitos mínimos são aqueles para corpos, tampas e
aos requisitos especificados pelo fabricante. conexões de extremidade/saída do PSL 2 (vide 5.4).

31
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
6 Soldagem – Requisitos gerais 6.3.2.3 Qualificações do procedimento de soldagem

6.1 Geral a) Procedimento documental


A soldagem deverá ser executada atendendo a
Os requisitos estão estabelecidos em quatro grupos, especificações de procedimento (WPS) escritas e qualificadas
como segue: conforme Código ASME, Seção IX, Art. II. A WPS deverá
descrever todas as variáveis essenciais, não-essenciais e
a) Juntas soldadas não sujeitas à pressão (exceto essenciais complementares (estas últimas, se requeridas:
revestimen-tos com solda): PSL 1 a PSL 3. vide ASME, Seção IX).
O PQR deverá registrar todas as variáveis essenciais e
b) Juntas soldadas de fabricação sujeitas a pressão para essenciais complementares (quando requeridas) do
corpos, tampas, conexões de extremidade/saída, bujões procedimento de solda usado para o(s) teste(s) de
qualificação. Tanto a WPS como o PQR deverão ser
macho, bujõesPSL
contrapressão: de 1remoção
a PSL 3. de válvula, e válvulas de mantidos como registros, de acordo com os requisitos da
seção 7.5 desta norma.
c) Juntas soldadas de reparo sujeitas a pressão para
corpos, tampas, conexões de extremidade/saída, bujões b) Agrupamentos do metal base
macho, bujões de remoção de válvula, e válvulas de O fabricante poderá estabelecer um agrupamento de
contrapressão: PSL 1 a PSL 3. número-P para materiais não listados no ASME, Seção IX.

d) Recobrimento por solda para resistência à corrosão c) Condição do tratamento térmico


e/ou recobrimento superficial duro e outros controles da Todos os testes deverão ser realizados com a junta
propriedade superficial dos materiais: PSL 1 a PSL 4. soldada de teste na condição de tratamento térmico após
soldagem (PWHT). O PWHT da junta soldada de teste
6.2 Juntas soldadas não sujeitas a pressão, exceto deverá estar de acordo com as especificações documentais
revestimentos com solda (PSL 1 a PSL 3) do fabricante.

a) Procedimento/desempenho de soldagem d) Testes de dureza


As qualificações de procedimento e desempenho de Para materiais das Classes DD, EE, FF e HH, os testes
soldagem deverão estar em conformidade com o Código de dureza ao longo da sol da e da seção transversal da zona
ASME, Seção IX, Art. II e III. térmicamente afetada (ZTA) do metal base, deverão ser
executados e registrados como parte do PQR. Os resultados
b) Aplicação deverão atender aos requisitos da norma NACE MR 0175.
A soldagem deverá ser executada de acordo com O fabricante deverá especificar as locações do ensaio
procedimentos qualificados, por pessoal de soldagem de dureza a fim de determinar a dureza máxima. Os testes
qualificado. Os tipos e dimensões das juntas soldadas serão executados na solda e seção transversal da ZTA do
deverão atender aos requisitos de projeto do fabricante. metal base em conformidade com a ASTM E 18, Método
Rockwell; ou ASTM E 92, Método Vickers 10 kg. Os
c) Requisitos
A soldagem deeControle de Qualidade
as soldas terminadas deverão atender resultados serão convertidos
aplicável, conforme ASTM E 140. para Rockwell C, onde
aos requisitos da Tabela 12.
e) Testes de dureza (opcionais)
6.3 Juntas soldadas de fabricação sujeitas a pressão Propriedades mecânicas mínimas. Para os fins da inspeção
para corpos, tampas, conexões de de dureza e qualificação das juntas soldadas de produção, um
extremidade/saída, bujões macho, bujões de mínimo de três testes de dureza no metal de solda deverão ser
remoção de válvulas, e válvulas de contrapressão realizados e registrados como parte do PQR. Estes testes
deverão ocorrer através dos mesmos métodos utilizados para
6.3.1 Geral inspecionar juntas soldadas de produção. Estes testes poderão
ser usados paraqualificar metal de soldacom dureza inferior
Nenhuma solda de fabricação é permitida em bujões àquela indicada em7.4.2.1.3 c) de acordo com o método
macho e bujões de remoção de válvula. estabelecido em 7.4.2.1.3 b).
f) Ensaios de impacto
6.3.2 PSL 1 Quando forem requeridos testes de impacto para o
material base, os mesmos deverão ser executados
6.3.2.1 Desenho de junta conforme ASTM A 370 utilizando a técnica Charpy V-Notch.
O desenho das soldas em chanfro e em filete, com as Os resultados dos testes na solda e ZTA do metal base
respectivas tolerâncias, deverá ser documentado nas deverão satisfazer aos requisitos mínimos do material base.
especificações do fabricante. O Anexo E apresenta os desenhos Os registros dos resultados deverão fazer parte do PQR.
recomendados para chanfro de solda. Quaisquer repetições dos testes de impacto deverão
estar em conformidade com a ASTM A 370.
6.3.2.2 Materiais
6.3.2.4 Qualificação do desempenho do soldador
a) Consumíveis de Solda
a) Requisitos dos testes
Os consumíveis
especificações da AWSdeousolda deverão O
do fabricante. atender às
fabricante Os soldadores e operadores de solda deverão ser
deverá possuir um procedimento escrito para estocagem e qualificados de acordo com o ASME, Seção IX, Art. III.
controle dos consumíveis de solda. Os materiais do tipo b) Registros
“baixo hidrogênio” deverão ser estocados e utilizados Os registros dos testes de qualificação do desempenho do
conforme recomendado pelo fabricante do consumível, a fim soldador (WPQ) deverão estar de acordo com o ASME, Seção
de manter suas propriedades srcinais de baixo hidrogênio. IX.
b) Propriedades do metal de solda depositado 6.3.2.5 Requisitos de soldagem
As propriedades mecânicas do metal de solda depositado,
determinadas pelo registro de qualificação do procedimento a) Qualificações
(PQR), deverá atender ou exceder as propriedades mecânicas A soldagem deverá estar em conformidade com a WPS
mínimas especificados para o metal base. qualificada, e será executada por soldadores qualificados.

32
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
b) Utilização da WPS da largura maior da solda, será a espessura da solda ou 50
Os soldadores e operadores de soldagem deverão ter mm (2”) a partir da beira da solda, o que for menor. Não é
acesso a e atender aos parâmetros definidos na WPS. permitido o aquecimento do material através da incidência
de chama direta.
c) Soldas de projeto
Todas as soldas que forem consideradas parte do 6.3.4 PSL 3
desenho de uma peça de produção deverão ser
especificadas pelo fabricante a fim de descrever os 6.3.4.1 Geral
requisitos para a solda planejada.
Os requisitos para PSL 1 e 2 também se aplicam para
d) Preaquecimento PSL 3, além daqueles estabelecidos em 6.3.4.2 a 6.3.4.4.
O preaquecimento de conjuntos ou peças, quando
requerido pela WPS, deverá ser executado conforme os 6.3.4.2 Qualificação do procedimento de soldagem
procedimentos escritos do fabricante. 6.3.4.2.1 Tratamento térmico
6.3.2.6 Tratamento térmico após soldagem (PWHT) O PWHT da junta soldada de teste deverá estar na
mesma faixa de temperatura especificada na WPS. A faixa
O PWHT deverá ser executado em conformidade com a admissível para o tratamento térmico na WPS será uma
WPS qualificada aplicável. faixa de temperatura nominal, ±14°C (±25°F).
As soldas poderão ser submetidas a PWHT localmente.
O fabricante deverá especificar os procedimentos para 6.3.4.2.2 Análise química
utilização de PWHT localizado.
A análise química dos materiais base e metal de adição
6.3.2.7 Controles de soldagem para a junta soldada de teste deverá ser obtida do
fornecedor ou através de ensaios, e será parte integrante do
a) Procedimentos PQR.
O sistema de controle de soldagem adotado pelo
fornecedor deverá incluir procedimentos para monitoramento, 6.3.4.2.3 Ensaios de dureza
atualização e controle da qualificação de soldadores/operadores
de soldagem, bem como utilização das WPSs. Se o procedimento de soldagem tiver de ser qualificado
para uso em partes ou equipamentos utilizados nas classes
b) Calibração dos instrumentos de materiais DD, EE, FF ou HH, os testes de dureza
Os intrumentos de verificação de temperatura, voltagem deverão ser pelo método Rockwell conforme ASTM E 18, ou
e amperagem serão mantidos em condições de serviço e o método Vickers 10-kg. conforme ASTM E 92.
calibrados conforme as especificações do fabricante.
a) Método Rockwell
As locações do teste serão conforme mostrado na Fig. 4.
6.3.3 PSL 2 Para uma seção transversal de solda com espessura
6.3.3.1 Geral: inferior a 13 mm (1/2”) serão realizados quatro testes de
dureza no material base, na solda e na ZTA.
Para uma seção transversal de solda com espessura
Os requisitos para PSL 1 também se aplicam para PSL
igual ou superior a 13 mm (1/2”) seis testes de dureza cada
2, além daqueles estabelecidos em 6.3.3.2 a 6.3.3.4.
serão realizados no material base, na solda e na ZTA.
Para todas as espessuras, serão realizados testes de
6.3.3.2 Qualificaçãodo procedimentode soldagem
dureza na ZTA do material base numa faixa de 2 mm (1/16”)
da interface da solda, e pelo menos um de cada numa faixa
a) Agrupamentos do metal base
de 3 mm (1/8”) desde o topo e base da solda.
Cada material base que não esteja listado em um
agrupamento de número-P ou número-S no ASME Seção b) Método Vickers 10-kg
IX, deverá ser especificamente qualificado pelo fabricante. As locações do teste serão conforme Figura 5.
Para uma seção transversal de solda com espessura
b) Ensaios de impacto inferior a 13 mm (1/2”), serão realizados quatro testes de
Quando forem requeridos testes de impacto para o dureza cada no material base e na solda.
metal base, um conjunto de três corpos de prova (CP) Para uma seção transversal de solda com espessura
deverá ser removido do metal de solda e da ZTA do material igual ou superior a 13 mm (1/2”), seis testes de dureza cada
base. Pelo menos uma face de cada CP deverá estar numa serão feitos no material base e na solda.
faixa de 1/4T da superfície do material, onde T é a Para todas as espessuras, testes de dureza múltiplos na
espessura da junta soldada. A raiz do chanfro deverá ser ZTA, igualmente espaçados 3 mm (1/8”) entre sí, serão
orientada em sentido normal à superfície da junta soldada realizados em cada um dos materiais base numa faixa de
de teste e locada como segue: 0,3 mm (0,010”) da interface da solda, com pelo menos um
numa faixa de 1/16” (2 mm) desde o topo e base da solda.
1. CPs do metal de solda (3 de cada): 100% do metal
de solda. 6.3.4.3 Controles de soldagem
2. CPs da ZTA (3 de cada), incluir o máximo possível
de material da ZTA. Os instrumentos, medidores e calibradores usados para
verificar os parâmetros de soldagem deverão ser mantidos em
6.3.3.3 PWHT – Aquecimento em forno condição de serviço e calibrados conforme as recomenda-
ções do fabricante, através de equipamentos rastreáveis a um
O PWHT em forno deverá ser executado com equipamento padrão reconhecido nacional ou internacionalmente especifi-
que atenda aos requisitos especificados pelo fabricante. cado pelo fabricante. Os intervalos de calibração deverão ter
um máximo de seis meses, até que um histórico dos registros
6.3.3.4 PWHT – Aquecimento localizado de calibração possa ser estabelecido pelo fabricante. Os inter-
valos poderão ser alongados (em incrementos máximos de 6
O PWHT localizado consistirá no aquecimento de uma meses), ou encurtados com base no histórico registrado. Os
faixa circunferencial em volta da solda, a uma temperatura registros documentais deverão informar a data da calibração,
dentro da faixa especificada na WPS qualificada. A largura procedimento adotado, grau de precisão, freqüência, e
mínima da faixa controlada em cada lado da solda, na face resultados.

33
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1 Solda
2 ZTA dimensões em mm (pol.)
3 Base
a
Típico.

Figura 4 – Qualificação do procedimento de soldagem – Locações do teste de dureza Rockwell (PSL 3)

4 Solda
5 ZTA dimensões em mm (pol.)
6 Base
a
Típico.
Figura 5 – Qualificação do procedimento de soldagem – Locações do teste de dureza Vickers(PSL 3)

34
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
6.3.4.4 Aplicação d) A qualificação da solda de reparo deverá ser limitada
pelas seguintes variáveis essenciais para controles de
O PWHT da junta soldada de produção deverá ser na desempenho:
mesma faixa de temperatura daquela especificada na WPS.
O(s) tempo(s) do tratamento térmico de alívio de tensão sob - o diâmetro do furo usado para o teste de qualificação
temperatura das peças de produção deverá ser igual ou de desempenho é o diâmetro mínimo qualificado.
superior àquele da junta soldada de teste. Qualquer furo com um diâmetro superior àquele usado
para o teste será considerado qualificado.
6.3.5 PSL 4 - o coeficiente profundidade-a-diâmetro do furo de teste
qualificará todos os reparos em furos com o mesmo
Não é permitida soldagem, exceto para recobrimentos coeficiente profundidade-a-diâmetro ou menor.
com solda.
- o furo de teste de qualificação de desempenho deverá
6.3.6 Requisitos de controle de qualidade ter paredes paralelas retas. Se algum afilamento,
rebaixo ou outro recurso for utilizado para acentuar a
Os requisitos para soldas sujeitas a pressão são apre- configuração do furo do teste de desempenho, essa
sentados na Tabela 12. configuração será considerada uma essencial variável.

6.4 Juntas soldadas de reparo sujeitas a pressão para 6.4.3 PSL 4


corpos, tampas, conexões de extremidade e saída,
bujões de remoção de válvula, e válvulas de Não é permitida soldagem de reparo.
contrapressão
6.4.4 Requisitos de controle de qualidade
6.4.1 PSL 1
Os ensaio não-destrutivos (END) da solda deverão
a) Geral atender aos requisitos definidos pelo fabricante e por esta
Todos os procedimentos para soldagens de reparo norma internacional conforme mostrado na Tabela 12.
deverão definir os requisitos de WPS e END.
A soldagem será realizada conforme a WPS especificada. 6.5 Revestimento com solda para resistência à
corrosão e/ou revestimento por soldagem à
b) Material base resistência(hard facing), e outros controles da
Os requisitos do material base quanto a composição, propriedade da superfície dos materiais
designação do material especificado nesta norma,
resistência ao impacto (se requerida) e condições de 6.5.1 PSL 1
tratamento térmico, deverão ser conhecidos antes de ser 6.5.1.1 Canal para junta anel
selecionada uma WPS qualificada.
6.5.1.1.1 Geral
c) Fusão
Esta subcláusula se aplica a canal para junta anel para
A WPS
de forma tal selecionada e o fusão
que assegurem acessocompleta.
para reparo deverão ser conectores avulsos, e a conexões de extremidade e saída
integrais.
d) PQR (Registro de Qualificação do Procedimento)
A WPS selecionada deverá estar amparada por um 6.5.1.1.2 Qualificação do procedimento/desempenho
PQR conforme descrito em 6.3.2.3. da soldagem

e) Soldagem de reparo A qualificação deverá se processar conforme os Artigos


A soldagem de reparo de bujões macho, bujões de remo- II e III do ASME, Seção IX, para revestimentos com solda.
ção de válvula e válvulas de contrapressão, não é permitida.
a) Análise Química
f) Acesso Será realizada análise química no metal de adição, de
Deverá haver acesso para avaliar, remover e inspecio- acordo com os requisitos do ASME Seção IX, em uma
nar a condição não-conforme. Vide também 7.4.2.2.13. locação de 3 mm (0,125”) ou menos a partir da superfície do
metal base srcinal. A composição química do metal de
g) Qualificação do soldador/operador de soldagem adição depositado naquela locação deverá ser conforme
O soldador/operador de soldagem deverá possuir uma especificado pelo fabricante. Para aços inoxidáveis da série
qualificação válida, de acordo com 6.3.2.4. 300 ou austeníticos, a composição química deverá ser:

6.4.2 PSL 2 e PSL 3 Elemento Composição (%)

Os requisitos para PSL 1 também se aplicam para PSL Níquel 8,0 mínimo
2 e PSL 3, em adição aos seguintes requisitos para furo de Cromo 16,0 mínimo
parafuso, furo roscado, e reparo de furo cego usinado. Carbono 0,08 máximo
b) As soldas para uso em serviço com ácido sulfídrico
a) O soldador/operador de soldagem deverá executar um deverão atender aos requisitos da norma NACE MR 0175.
teste adicional
reparo de um
utilizando qualificação
modelo em de desempenho da solda
tamanho natural de
do furo 6.5.1.1.3 Aplicação
(mock-up hole).
a) Tratamento térmico após soldagem (PWHT)
b) O furo de teste para qualificação da solda de reparo As conexões de extremidade e saída com ranhuras
deverá ser qualificado por radiografia de acordo com circulares resistentes à corrosão inseridas por deposição de
7.4.2.2.14, ou seccionado transversalmente através da linha solda, serão submetidas a PWHT em conformidade com a
central do furo em dois pontos separados a 90°, e submetido WPS.
a ataque macrográfico para verificar fusão completa. Uma
superfície de cada um dos quatro segmentos combinantes b) Os canais para junta anel
será submetida a ataque macrográfico. Esta avaliação Os canais para junta anel deverão ser preparados para
deverá incluir a profundidade total do furo. soldagem de acordo com a Tabela 39.

35
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
c) Outras preparações para solda b) Propriedades Mecânicas
Outras preparações para solda poderão ser usadas se O fabricante deverá especificar os métodos que
as propriedades mecânicas do metal de solda depositado garantem estas propriedades mecânicas, e registrar os
igual e ou exceda àquelas do metal base. resultados como parte do PQR.
O material do metal base deverá manter as
6.5.1.2 Outros revestimentos resistentes à corrosão propriedades mecânicas mínimas após o PWHT.
Se o material do revestimento não for considerado como
6.5.1.2.1 Geral parte do critério de projeto do fabricante ou desta norma,
Esta subcláusula se aplica à utilização de revestimentos não serão requeridos teste de tração e teste de impacto
com solda resistentes à corrosão para corpos, tampas, daquele material.
conectores de extremidade tipo cubo, e conectores de Se o material do revestimento for considerado como
extremidade e saída para outras finalidades além de canais parte do critério de projeto do fabricante ou desta norma,
para anel. Estes requisitos não se aplicam a endurecimento serão requeridos ensaios mecânicos daquele material.
de superfície ou revestimento com solda dos mecanismos
de vedação do bore de válvulas, internos chokes , ou hastes c) Conformidade da solda à norma NACE MR 0175
de válvulas. As soldas para uso em serviço com ácido sulfídrico
deverão atender aos requisitos da NACE MR 0175.
6.5.1.2.2 Qualificação do procedimento/desempenho Se o procedimento de soldagem tiver de ser qualificado
da soldagem para uso em corpos, tampas ou flanges utilizados para as
classes de materiais DD, EE, FF ou HH, os testes de dureza
A qualificação deverá obedecer aos Artigos II e III da deverão ser realizados pelos métodos Rockwell conforme
ASME Seção IX para revestimentos com solda. ASTM E 18, ou Vickers 10-kg. conforme ASTM E 92. Os
a) Análise Química testes de dureza serão realizados em um mínimo de três
A análise química deverá ser realizada no metal de locações de teste cada: no material base, na ZTA, e em
solda conforme os requisitos do ASME Seção IX, na cada camada do revestimento até um máximo de duas
espessura mínima de camada especificada pelo fabricante camadas. Vide Figura 6 quanto às locações requeridas para
para o componente acabado. o teste de dureza.
Para aços inoxidáveis austeníticos, a composição
química será: d) Ensaios de dobramento dirigido
Os testes de dobramento dirigido e seus critérios de
Elemento Composição (%) aceitação deverão estar em conformidade com o ASME
Seção IX para atestar integridade de coesão do
Níquel 8,0 mínimo
revestimento de solda/material base.
Cromo 16,0 mínimo
Carbono 0,08 máximo 6.5.1.2.3 Conformidade do material base à NACE
MR0175
Para liga à base de níquel UNS N06625, a composição
química deverá atender a uma das seguintes classes: O material base deverá atender à norma NACE MR0175
Classe Elemento Composição (%) após o revestimento
térmicos subseqüentes.com solda e quaisquer tratamentos
Fe 5 Ferro 5,0 mínimo
6.5.1.3 Outros
Fe 10 Ferro 10,0 máximo
Para outras composições que devam se enquadrar nos O uso de revestimento com solda para outros fins além
requisitos da norma NACE MR0175, a análise química do daqueles indicados em 6.5.1.1 e 6.5.1.2 não requer uma
revestimento deverá atender aos limites da especificação qualificação do procedimento/desempenho da solda. O
aprovados pela NACE para os materiais correspondentes. fabricante deverá adotar um procedimento documentado
Para todas as outras composições, a análise química do que estabeleça controles para atendimento consistente das
revestimento deverá atender aos limites especificados na propriedades da superfície do material especificadas pelo
documentação técnica do fabricante. mesmo na condição usinada final.

1 Revestimento
2 ZTA dimensões em mm (pol.)
3 Base

Figura 6 – Locações do teste de dureza para revestimentos com solda

36
ESPECIFICAÇÃO API 6A
__________________________ _________________________ _______________
6.5.1.4 Reparo dos revestimentos com solda superficial por soldagem à resistência (hard facing), ou
outros tipos de revestimento, onde aplicável.
Os reparos dos revestimentos com solda incluindo
acumulação do metal base associado utilizando o material 6.5.2.3 Propriedades mecânicas
do revestimento, somente serão aceitáveis desde que:
O metal base deverá manter suas propriedades
a) sejam satisfeitos os requisitos srcinais aplicáveis mecânicas mínimas após o PWHT.
(6.5.1.1, 6.5.1.2 ou 6.5.1.3). O fabricante deverá especificar os métodos que
b. se o material do revestimento com solda e/ou garantam estas propriedades mecânicas, e registrar os
acumulação de metal base para o revestimento com solda resultados como parte do PQR.
forem considerados parte dos critérios de projeto do
fabricante ou desta norma, aquelas propriedades listadas 6.5.2.4 Ensaios de dureza para o revesti mento canais
nos critérios de projeto sejam atendidas.
de anel
c) os reparos do revestimento com solda e acumulação do
metal base associado, para uso em serviço de ácido Os ensaios de dureza serão realizados no metal base
sulfídrico, satisfaçam aos requisitos da norma NACE MR como parte dos testes de qualificação do procedimento. As
0175. Os reparos de solda do metal base que não sejam locações de teste deverão estar dentro de uma faixa de 3
associados com os revestimentos de solda, não são mm (0,125”) do material base srcinal. A média de três ou
permitidos para equipamentos do PSL 4. mais resultados deverá ser igual ou superior a 83 HRB, e
registrada como parte do PQR.
6.5.2 PSL 2 a PSL 4
6.5.2.5 Requisitos de controle de qualidade
6.5.2.1 Geral
Os requisitos de controle de qualidade para
Os requisitos para PSL 2 a 4 são idênticos àqueles para revestimentos de solda estão indicados na Tabela 12.
PSL 1, em adição aos requisitos indicados em 6.5.2.2 a Para o uso de revestimento com solda para outros fins
6.5.2.5. além daqueles estabelecidos em 6.5.1.1 e 6.5.1.2, não são
especificados requisitos para qualificação do procedi-
6.5.2.2 Qualificação do procedimento/desempenho de mento/desempenho da soldagem. O fabricante deverá
soldagem adotar um procedimento documentado que estabeleça
controles para atendimento consistente das propriedades
A qualificação se fará conforme os Artigos II e III do superficiais do material especificadas pelo mesmo na
ASME, Seção IX para revestimento com solda, recobrimento condição usinada final.
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
7 Controle de qualidade 7.4 Requisitos de controle da qualidade

7.1 Geral 7.4.1 Geral


Esta cláusula estabelece os requisitos para controle de 7.4.1.1 Tabelas de controle da qualidade
qualidade e para registros de controle da qualidade, para
equipamentos e materiais fabricados conforme esta norma. Esta subcláusula inclui tabelas que apresentam uma
matriz dos requisitos de controle da qualidade para partes e
7.2 Equipamentos de medição e ensaios equipamentos específicos.
7.2.1 Geral
7.4.1.2 Materiais
Os equipamentos utilizados para inspecionar, testar ou
A cláusula 5 apresenta requisitos de qualificação
examinar materiais
identificados, ou outroscalibrados
controlados, equipamentos, deverão sera
e regulados detalhados para suspensores de mandril da coluna de
intervalos específicos conforme as instruções documentadas produção e revestimento; corpos, tampas, conectores de
do fabricante, e compatíveis com padrões reconhecidos extremidade e saída; juntas de anel; bujões macho e bujões
nacional ou internacionalmente especificados pelo de remoção de v álvulas; válvulas de contrapressão; penetra-
fabricante, com a finalidade de garantir o nível de precisão ções da zona de pressão; buchas de desgaste; conectores
exigido por esta norma internacional. de extremidade tipo cubo; e c upons de teste de quali ficação.

7.2.2 Aparelhos de medição da pressão 7.4.1.3 Instruções de controle da qualidade

7.2.2.1 Tipo e grau de precisão Toda atividade de controle da qualidade deverá ser con-
trolada por instruções documentadas do fabricante que
Os aparelhos de medição da pressão deverão possuir incluam a metodologia apropriada e critérios de aceitação
uma precisão de pelo menos ± 0,5% da faixa de escala total. quantitativos ou qualitativos.
As instruções para END deverão ser detalhadas com
7.2.2.2 Procedimento de calibração respeito aos requisitos desta norma e àqueles de todos os
padrões aplicáveis reconhecidos nacional ou internacio-
Os aparelhos de medição da pressão deverão ser perió- nalmente, especificados pelo fabricante. Todas as
dicamente recalibrados com um aparelho de medição de instruções para END deverão ser aprovadas por um
pressão mestre ou um testador de peso morto a 25%, 50% e Examinador Nível III.
75% da escala total.
7.2.2.3 Intervalos de calibração 7.4.1.4 Condição de aceitação

Os intervalos de calibração serão estabelecidos para A condição de aceitação de todos os equipamentos,


partes e materiais será indicada ou nos equipamentos,
calibrações baseadas em repetitividade e grau de utilização.
partes e materiais, ou em registros rastreáveis aos mesmos.
Os intervalos poderão ser alongados, e serão encurtados
baseados no histórico dos registros de calibração. 7.4.1.5 Classes de materiais DD, EE, FF e HH
Os intervalos de calibração deverão ter um máximo de 3
Cada parte sujeita a pressão ou controladora de pressão
meses, até que um histórico de calibração possa ser a ser utilizada em serviço de H 2S deverá ser submetida
estabelecido pelo fabricante e novos intervalos mais longos
individualmente a teste de dureza, a fim de atestar que os
(incremento máximo de 3 meses) sejam determinados. valores de dureza da norma NACE MR 0175 tenham sido
7.3 Qualificações do pessoal de controle de qualidade atendidos (exceto para juntas de anel que possam ser objeto
de amostragem conforme 7.4.6.2). Caso os outros requisitos
7.3.1 Pessoal de ensaios não-destrutivos (END) de 7.4.1 satisfaçam a esta exigência, não serão necessários
testes ou exames adicionais.
O pessoal designado para a execução dos ENDs será
qualificado conforme os requisitos especificados nas normas
EN 473 ou ASNT SNT-TC-1A. 7.4.2 Corpos, tampas, conexões de extremidade e
saída, conectores de extremidade tipo cubo
7.3.2 Pessoal de exame visual (vide Tabela 11)

O pessoal designado para os exames visuais deverá ser 7.4.2.1 PSL 1


submetido anualmente a um exame de vista de acordo com
a EN 473 ou ASNT SNT-TC-1A. 7.4.2.1.1 Testes de tração

7.3.3 Inspetores de soldagem Conforme 5.4.2.2.

O pessoal designado para a inspeção das operações de 7.4.2.1.2 Testes de impacto (para classes de tempe-
soldagem e soldas acabadas deverá ser qualificado e ratura K e L)
certificado como segue:
Conforme 5.4.2.4.
• inspetor de soldagem certificado pela AWS; ou
7.4.2.1.3 Testes de dureza
• inspetor de soldagem senior certificado pela AWS; ou
a) Amostragem
• inspetor de soldagemassociadocertificadopela AWS; Conectores avulsos não requerem teste de dureza.
• ou inspetor de soldagem certificado pelo programa de Para corpos, tampas, conectores de extremidade/saída e
treinamento da qualidade documentado do fabricante. conectores de extremidade tipo cubo, com pressões de trabalho
de 13,8 MPa, 20,7 MPa e 34,5 MPa (2.000, 3.000 e 5.000 psi, a
7.3.4 Outros amostragem será conforme ISO 2859, Nível II, 4.0 AQL.
Para corpos, tampas, conectores de extremidade/saída
Todo pessoal incumbido de outras atividades de e conectores de extremidade tipo cubo, com pressões de
controle da qualidade que afetem a qualidade dos materiais trabalho de 69,0 MPa, 103,5 MPa e 138,0 MPa (10.000,
e produtos, deverá ser qualificado conforme os requisitos 15.000 e 20.000 psi), cada componente deverá ser subme-
documentados do fabricante. tido a teste de dureza.

38
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
b) Método de teste 7.4.2.1.5 Exame Visual
Os ensaios de dureza deverão ser executados conforme os
procedimentos especificados na ASTM E 10 ou ASTM E 18. a) Amostragem
A conversão de dureza para outras unidades de medida Cada componente deverá ser examinado visualmente.
deverá ser conforme ASTM E 140 e NACE MR 0175.
Os testes serão executados em uma locação determi- b) Método de teste
nada pelas especificações do fabricante e seguindo o último O exame visual de fundidos deverá obedecer aos proce-
ciclo de tratamento térmico (incluindo todos os ciclos de tra- dimentos especificados na MSS-SP-55.
tamento térmico de alívio de tensão) e toda usinagem externa. O exame visual de forjados deverá atender às especifi-
Se os corpos, conexões de saída/extremidade e cações escritas do fabricante.
extremidades em cubo tiverem designações de material c) Critérios de Aceitação
diferentes, cada componente deverá ser testado. 1. Fundidos: Conforme MSS-SP-55.
c) Critérios de aceitação -- Tipo
Tipos1:2 Nenhum
a 12: A eaceitável.
B.
As partes deverão apresentar os seguintes valores 2. Forjados: Conforme especificações do fabricante.
mínimos:
7.4.2.1.6 END da solda – Geral
Designação do material Dureza Brinell
36K, 45K HBW 140 Se for requerido exame (vide Tabela 12), as variáveis e
60K HBW 174 equipamentos de soldagem essenciais deverão ser monito-
rados para todos os tipos de solda; as atividades de solda
75K HBW 197
serão auditadas; e as juntas soldadas completadas [um
As partes fabricadas de materiais de alta resistência mínimo de 13 mm (1/2”) do metal base circundante e a solda
acessível inteira] serão examinadas em conformidade com
não-padronizados deverão satisfazer aos requisitos mínimos
de dureza indicados na especificação do fabricante. os métodos e critérios de aceitação desta subcláusula.
As partes que não atenderem a estes níveis mínimos de Os requisitos e critérios de aceitação para revestimen-
dureza serão aceitáveis se o valor medido satisfizer ao tos resistentes à corrosão em corpos, tampas e flanges
requisito abaixo: poderão ser diferentes daqueles para outros tipos de solda,
- O limite médio de resistência à tração, determinado e deverão atender às especificações do fabricante. A
especificação documental do fabricante para revestimento
pelos resultados dos ensaios de tração, será usado com as
com solda resistente à corrosão deverá incluir uma técnica
medições de dureza do QTC a fim de determinar os valores
mínimos de dureza aceitáveis para partes de produção para medição da espessura do recobrimento especificada.
fabricadas da mesma corrida. O valor mínimo de dureza 7.4.2.2 PSL 2
Brinell aceitável para qualquer parte será determinado por:
_ 7.4.2.2.1 Testes de tração
R R
HBWC = m, mín./ m, QTC (HBW QTC) ,
onde Os requisitos de testes de tração para PSL 2 são
idênticos àqueles para PSL 1.
HBWC, mín. é a dureza Brinell mínima aceitável para
o componente após o ciclo final de trata- 7.4.2.2.2 Testes de Impacto
mento térmico (incluindo os ciclos de Os requisitos de testes de impacto para PSL 2 deverão
alívio de tensão); atender ao especificado em 5.4.2.4.
R
m, mín é o limite mínimo aceitável de resistência 7.4.2.2.3 Testes de dureza
à tração para a designação de material
aplicável; Os requisitos de testes de dureza para PSL 2 são
_ idênticos àqueles para PSL 1, exceto que todas as partes
R deverão ser testadas.
m, QTC é o limite médio de resistência à tração
determinado pelos testes de tração do 7.4.2.2.4 Verificação dimensional
QTC;
Os requisitos de exame dimensional para PSL 2 são
HBWQTC é a média dos valores de dureza Brinell idênticos àqueles para PSL 1.
observados entre todos os testes realiza-
dos no QTC. 7.4.2.2.5 Rastreabilidade
É requerida rastreabilidade por job lot.
7.4.2.1.4 Verificação dimensional Será mantida identificação nos materiais e
componentes, a fim de facilitar a rastreabilidade, conforme
a) Amostragem estipulado nos requisitos documentados do fabricante.
A amostragem se fará em conformidade com a ISO Os requisitos de rastreabilidade documentados pelo
2859-1, Nível II, 1.5 AQL. Todas as roscas das conexões de fabricante deverão incluir dispositivos para manutenção ou
extremidade e saída deverão ser calibradas. substituição de marcas de identificação e registros de
controle de identificação.
b) Método de teste
As conexõesquanto
ser verificadas roscadas de extremidade
a assentamento ao eaperto
saída deverão
manual, 7.4.2.2.6 Análise química
mediante o uso dos medidores e procedimentos de aferição a) Amostragem
ilustrados nas Figuras 10, 11 e 12. A análise química deverá ser realizada por corrida.
c) Critérios de aceitação b) Método de teste
Os critérios de aceitação obedecerão à ISO 10422 ou A análise química deverá ser executada em conformida-
ASME B1.1 e ASME B1.2, onde aplicável. de com padrões reconhecidos nacional ou internacional-
O fabricante deverá especificar e verificar as dimensões mente especificados pelo fabricante.
críticas.
O critério de aceitação para as dimensões críticas deve- c) Critérios de Aceitação
rá ser conforme o requerido na especificação escrita do A composição química deverá satisfazer aos requisitos
fabricante. de 5.4.5 e às especificações escritas do fabricante.

39
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela 11 – Requisitos de controle de qualidade para corpos, tampas, conexões de extremidade e saída,
e conectores de extremidade tipo cubo – Subcláusulas de referência

Subcláusula de referência
Descrição
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 4

Testes de Tração 7.4.2.1.1 7.4.2.1.1 7.4.2.1.1 7.4.2.1.1

Testes de Impacto 7.4.2.1.2 7.4.2.1.2 7.4.2.1.2 7.4.2.1.2

Testes de Dureza 7.4.2.1.3 7.4.2.2.3 7.4.2.3.3 7.4.2.3.3


NACE MR 0175 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5

Verificação Dimensional 7.4.2.1.4 7.4.2.1.4 7.4.2.3.4 7.4.2.3.4

Rastreabilidade - 7.4.2.2.5 7.4.2.3.5 7.4.2.3.5

Análise Química - 7.4.2.2.6 7.4.2.2.6 7.4.2.2.6

Exame Visual 7.4.2.1.5 7.4.2.1.5 e 7.4.2.2.7 - -

END da Superfície - 7.4.2.2.8 e 7.4.2.2.9 7.4.2.3.8 7.4.2.3.8

END da Solda

Geral 7.4.2.1.6 7.4.2.1.6 7.4.2.1.6

Exame Visual - 7.4.2.2.11 7.4.2.2.11 Nenhuma soldagem


permitida, exceto para
END da Superfície - 7.4.2.2.12 7.4.2.2.12 e 7.4.2.3.11 revestimentos com
Soldas de Reparo - 7.4.2.2.13 7.4.2.2.13 solda (vide 7.4.2.4.9)

END Volumétrico - 7.4.2.2.14 7.4.2.3.12


Teste de Dureza - - 7.4.2.3.13

Seriação - - 7.4.2.3.14 7.4.2.3.14

END Volumétrico - - 7.4.2.3.15 7.4.2.4.11

7.4.2.2.7 Exame visual c) Critérios de aceitação


Aplicam-se os seguintes critérios de acei tação:
Os requisitos de exame visual para superfícies que não Inexistência de indicações relevantes com uma

tem contato com o fluido e que não são áreas de vedação dimensão maior igual ou superior a 5 mm (3/16”).
deve ser idênticas àquelas do PSL 1. As superfícies que
estão em contato com o fluido e áreas de vedação deverão Não mais do que dez indicações relevantes em

ser examinadas pelos métodos de END descritos em quaisquer áreas contínuas 40 cm² (6 pol²).
7.4.2.2.8 e 7.4.2.2.9 onde aplicável. Quatro ou mais indicações relevantes em uma linha

separada por menos de 1,6 mm (1/16”) (borda a


7.4.2.2. 8 END da Superfície– Materiais ferromagnéticos borda) são inaceitáveis.
Inexistência de indicações relevantes nas superfícies

a) Amostragem de vedação em contato com a pressão.


Todas as superfícies molhadas acessíveis e todas as
superfícies selantes acessíveis de cada componente 7.4.2.2.9 END da Superfície – Materiais não ferro-
acabado deverão ser submetidas a inspeção de partícula magnéticos
magnética após o tratamento térmico final e operações finais
de usinagem. a) Amostragem
Todas as superfícies molhadas acessíveis e todas as
b) Método de teste superfícies vedantes acessíveis de cada peça acabada
Todos os materiais ferromagnéticos deverão ser exami- deverão ser submetidas a inspeção por líquido penetrante
nados em conformidade com os procedimentos especifica- após o tratamento térmico final e operações finais de
dos na ASTM E 709. Ponteiros de prova (prods) não são usinagem.
permitidos em superfícies fluídas de poços ou superfícies de
vedação. b) Método de teste
Se as indicações forem consideradas como não- Todos os materiais não-ferromagnéticos deverão ser
relevantes, elas serão examinadas pelo método de líquido examinados conforme os procedimentos especificados na
penetrante, ou deverão ser removidas e inspecionadas para ASTM E 165.
comprovar sua não-relevância.

40
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
c) Critérios de aceitação 7.4.2.2.14 END da solda - Volumétrico
Aplicam-se os seguintes critérios de aceitação:
•Inexistência de indicações lineares relevantes. a) Amostragem
•Inexistência de indicações circulares relevantes com 100% de todas as soldas sujeitas a pressão deverão ser
uma dimensão maior igual ou superior a 5 mm (3/16”). examinadas, seja por radiografia ou por métodos ultra-
sônicos, após a conclusão de toda soldagem, PWHT e
•Quatro ou mais indicações circulares relevantes em
operações de usinagem. Todas as soldas de reparo onde
uma linha separada por menos de 1,6 mm (1/16”)
este último seja superior a 25% da espessura de parede
(borda a borda), são in aceitáveis.
srcinal ou 25 mm (1”), o que for menor, serão examinadas
Inexistência de indicações relevantes nas superfícies

por radiografia ou ultrasom após o término de toda
de vedação em contato com a pressão. soldagem e PWHT. Os exames incluirão pelo menos 13 mm
7.4.2.2.10 END da solda – Geral (1/2”) do metal base adjacente em todos os lados da sol da.

paraOs
PSLrequisitos
1. gerais para PSL 2 são idênticos àqueles b) Método
Os exames– Exame radiográfico
radiográficos serão executados conforme os
procedimentos especificados na ASTM E 94, a uma sensibi-
7.4.2.2.11 Exame da solda - Visual lidade equivalente mínima de 2%.
Tanto fontes radioativas de Raio-X como de raio gama
a) Amostragem são aceitáveis dentro das limitações de faixa de espessura
100% de todas as soldas deverão ser visualmente inerentes a cada uma. A tomada de imagens em tempo real
examinadas após o PWHT e operações de usinagem. e os métodos de registro/realce de imagem poderão ser
usados quando o fabricante possua prova documentada de
b) Método de teste que estes métodos resultarão em uma sensibilidade equiva-
Os exames incluirão um mínimo de 13 mm (1/2”) do lente mínima de 2%. Indicadores de qualidade de imagem
metal base adjacente em ambos os lados da solda. tipo fio (wire-type) são aceitáveis para uso em conformidade
com a ASTM E 747.
c) Critérios de aceitação
Aplicam-se os seguintes critérios de aceitação: c) Critérios de aceitação – Exame radiográfico
•Todas as soldas sujeitas a pressão deverão ter Os seguintes critérios serão aplicáveis:
penetração total de junta. Nenhum tipo de trinca, zona de fusão ou penetração

•As mordeduras de solda não poderão reduzir a espes- incompleta.


sura na área (considerando ambos os lados) até Nenhuma inclusão de escória alongada cujo

abaixo da espessura mínima. comprimento seja igual ou superior aos seguintes:


Porosidades na superfície e escória exposta não são

permitidos dentro de uma faixa 3 mm (1/8”) das Espessura da solda, T Comprimento da inclusão
superfícies de vedação. mm (pol.) mm (pol.)
7.4.2.2.12 END da solda - Superfície < 19,0 (0,75) 6,4 (0,25)
19,0 a 57,0 (0,75 a 2,25) 0,33 T (0,33T)
a) Amostragem
100% de todas as soldas de fabricação e revestimentos > 57,0 (2,25) 19,0 (0,75)
com solda, sujeitas a pressão, deverão ser examinads após • Nenhum grupo de inclusões de escória em uma linha
todas as soldagens, PWHT e operações de usinagem, seja com um comprimento agregado superior à espessura
pelo método de partícula magnética (no caso de materiais de parede T, em qualquer comprimento total de solda
ferromagnéticos) ou de líquido penetrante (no caso de de 12T, exceto onde a distância entre inclusões
materiais não-ferromagnéticos). sucessivas exceda a 6 (seis) vezes o comprimento da
inclusão mais longa.
b) Método de teste/aceitação- Exame dePartícula Magnética
Os exames deverão incluir um mínimo de 13 mm (1/2”) •Inexistência de indicações circulares excedendo
do metal base adjacente em ambos os lados da solda. àquelas especificadas no ASME Seção VIII, Divisão I,
O exame de partícula magnética deverá ser realizado Apêndice 4.
conforme descrito em 7.4.2.2.8, com os critérios de d) Método – Exame ultra-sônico
aceitação adicionais abaixo especificados: Os exames ultra-sônicos serão executados em
• Inexistência de indicações lineares relevantes. conformidade com os procedimentos especificados no ASME
• Inexistência de indicações circulares acima de 3 mm Seção V, Art. 5.
(1/8”) para soldas cuja profundidade seja de 16 mm
(5/8”) ou abaixo; ou 5 mm (3/16”) para soldas cuja e) Critérios de Aceitação – Exame ultra-sônico
profundidade seja superior a 16 mm (5/8”). Aplicam-se os seguintes critérios de acei tação:
• Inexistência de indicações cuja amplitude de sinal
c) Método de teste/aceitação -Exame de líquido penetrante exceda àquela do nível de referência.
Este exame deverá ser realizado conforme descrito em Inexistência de indicações l ineares interpretadas

7.4.2.2.9, com os seguintes critérios de aceitação adicionais: como trincas, penetração incompleta de junta, ou fusão
• Inexistência de indicações circulares acima de 3 mm incompleta.
(1/8”) para soldas cuja profundidade seja de 16 mm Sem indicações de escória com amplitudes que

(5/8”) ou abaixo; ou 5 mm (3/16”) para soldas cuja excedam o nível de referência cujo comprimento
profundidade seja superior a 16 mm (5/8”). ultrapasse o seguinte:
7.4.2.2.13 Soldas de reparo Espessura da solda, T Comprimento da inclusão
Todas as soldas de reparo serão examinadas utilizando- mm (pol.) mm (pol.)
se os mesmos métodos e c ritérios de aceitação adotados no < 19,0 (0,75) 6,4 (0,25)
exame do metal base ou metal de solda.
Os exames deverão 13 mm (1/2”) do metal base 19,0 a 57,0 (0,75 a 2,25) 0,33 T (0,33T)
adjacente em todos os lados da solda. > 57,0 (2,25) 19,0 (0,75)
As superfícies preparadas para soldagem serão exami-
nadas antes da soldagem, a fim de assegurar remoção de onde T é a espessura da solda sob exame. Se uma solda unir
defeitos a níveis aceitáveis. Os métodos e critérios de acei- dois membros com espessuras diferentes na solda,T é a mais
tação deverão atender ao descrito em 7.4.2.2.12. fina das duas espessuras.

41
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 12 – Requisitos de controle de qualidade para soldagem

Tipo de Solda Etapas PSL 1 PSL 2 PSL 3/PSL 3G PSL 4

Preparação - - a
Sujeita a pressão Nenhuma solda-
gem permitida
Conclusão - a, b, & (c ou d) a, b, (c ou d) & e

Preparação - - a
Não sujeita a pressão Nenhuma solda-
gem permitida
Conclusão - a a&e

Preparação - h h
Reparo Nenhuma solda-
gem permitida
Conclusão - a, b & (f ou g) a, b, e & (f ou g)

Revestimento com metal Preparação - - b b


de solda (ranhuras circu-
lares, hastes, mecanis-
mos de vedação dobore
da válvula, e internos do Conclusão - b b b
estrangulador)

Revestimento com liga de Preparação a a a a


metal de solda resistente
à corrosão (corpos,
tampas, conexões de
extremidade e saída) Conclusão a, b a, b a, b, i a, b, i

Nota: Preparação = Preparo da superfície, preparação da junta, encaixe e pré-aquecimento.


Conclusão = Após toda asoldagem, PWHT e acabamento.
a = Exame visual.
bc == Exame
Exame por
de líquido penetrante
radiação para
(radiografia oumateriais
tomada denão-ferromagméticos,
imagens). e de partícula magnética para material ferromagnético.
d = Exame ultra-sônico.
e = Teste de dureza (solda).
f = Exame ultra-sônico somente quandoa solda forsuperior a 25% daespessura da parede, ou 25 mm (1”), o que for menor.
g = Exame por radiação (radiografia ou tomada de imagem) somente quando a solda for superior a 25% da espessura de parede para PSL 2, ou
20% da espessura de parede para PSL 3, ou 25 mm (1”), o que for menor.
h = Líquido penetrante ou partícula magnética, conforme aplicável, somente para defeitos de material.
i = A medição da espessura do revestimento, teste de integridade daaderência e exame volumétrico, deverão atender àsespecificações do
fabricante. Se o revestimento for considerado parte dos critérios de projeto do fabricante ou dos critérios de projeto desta norma, o exame
volumétrico deverá ser conforme os métodos e critérios de aceitação estabelecidos em 7.4.2.3.15.

7.4.2.3 PSL 3/3G 7.4.2.3.5 Rastreabilidade


7.4.2.3.1 Testes de tração As partes fabricadas conforme PSL 3 deverão ser rastreá-
veis a uma corrida e lote de tratamento térmico específicos.
Os requisitos de testes de tração para PSL 3 são
idênticos àqueles para PSL 1.
7.4.2.3.6 Análise química
7.4.2.3.2 Testes de impacto Os requisitos de análise química para PSL 3 são idênti-
cos àqueles para PSL 2.
Os requisitos de testes de impacto para PSL 3 deverão
ser conforme o parágrafo 5.4.2.4. 7.4.2.3.7 Exame visual
7.4.2.3.3 Testes de dureza Nenhum requerido.

Os requisitos de testes de dureza para PSL 3 são 7.4.2.3.8 END da superfície


idênticos àqueles para PSL 2, exceto que um teste de dureza
será executado em cada parte acabada (corpo, tampa, e Os requisitos de END da superfície para PSL 3 são
conexões de extremidade), com testes adicionais em cada idênticos àqueles para PSL 2 (vide 7.4.2.2.8 e 7.4.2.2.9).
face da conexão de extremidade nas locações indicadas nos Adicionalmente:
documentos de projeto do fabricante. • Todas as superfícies acessíveis de cada parte acabada
deverão ser examinadas.
7.4.2.3.4 Verificação dimensional • Todos os exames de partícula magnética deverão
utilizar o método fluorescente úmido(wet fluorescent).
Os requisitos de verificação dimensional para PSL 3 são O END superficial será realizado em todas as superfíci-es
idênticos àqueles para PSL 1. Adicionalmente, deverá ser preparadas para “revestimento com metal de solda” (vide
efetuada verificação em todas as partes. Tabela 12).

42
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
7.4.2.3.9 END da solda - Geral um furo de fundo plano de 1,6 mm (1/16”) para
espessuras do metal até38 mm (1-1/2”), em um furo
Os requisitos gerais de END da solda para PSL 3 são de fundo plano de 3,2 mm (1/8”) para es-pessuras
idênticos àqueles para PSL 1. do metal de 38 mm (1-1/2”) até 150 mm (6”), e em
Os requisitos para solda de reparo para PSL 3 são um furo de fundo plano de 6,4 mm (1/4”) para
idênticos àqueles para PSL 2. espessuras do metal acima de 150 mm (6”).

7.4.2.3.10 Exame da solda - Visual 2) Critérios de aceitação


Aplicam-se os seguintes critérios de aceitação:
Os requisitos visuais para PSL 3 são idênticos àqueles Inexistência de aplicações simples excedendo a

para PSL 2. DAC.


Inexistência de indicações múltiplas excedendo a

7.4.2.3.11 END da solda - Superfície 50% da DAC de referência. Indicações múltiplas


são definidas como duas ou mais indicações (cada
Os requisitos para PSL 3 são idênticos àqueles para uma excedendo 50% da DAC de referência) dentro
PSL 2. Adicionalmente, deverá ser realizado exame de de uma faixa de 13 mm (1/2”) uma da outra em
partícula magnética pelo método fluorescente úmido. qualquer direção.
7.4.2.3.12 END da solda - Volumétrico c) Exame radiográfico
Os requisitos volumétricos para PSL 3 são idênticos 1) Método de teste
àqueles para PSL 2, exceto que todas as soldas de reparo, se O exame radiográfico de partes trabalhadas a quente
o reparo exceder a 20% da espessura srcinal de parede 25 será processado conforme os métodos especificados em
mm (1”) (o que for menor), ou se a extensão da cavidade for 7.4.2.2.14.
superior a aproximadamente 65 cm² (10 pol²), serão
examinadas por meio radiográfico ou ultra-sônico após 2) Critérios de aceitação
conclusão de toda a soldagem e PWHT. Os seguintes critérios de aceitação se aplicam a par-
tes trabalhadas a quente. . Par
7.4.2.3.13 END da solda – Testes de dureza • Inexistência de trincas, sobreposições (laps), ou
fendas internas(bursts).
a) Amostragem •Inexistência de indicações alongadas com compri-
100% de todas as soldas acessíveis sujeitas a pressão, mento acima de:
não sujeitas a pressão, e de reparo.
. Espessura,T Comprimento da inclusão
b) Métodos
Os testes de dureza serão executados em conformidade mm (pol.) mm (pol.)
com a ASTM E 10 ou ASTM E 18. < 19,0 (0,75) 6,4 (0,25)
Pelo menos um teste de dureza deverá ser realizado, tanto
19,0 a 57,0 (0,75 a 2,25) 0,33 T (0,33T)
na
todosolda como nos
tratamento metais
térmico base adjacentes
e operações não afetados, após
de usinagem. > 57,0 (2,25) 19,0 (0,75)
c) Critérios de aceitação • Nenhum grupo de indicações em uma linha com
Os valores de dureza deverão atender aos requisitos para um comprimento agregado maior do queT em uma
o material base especificados em 7.4.2.1.3. extensão de 12T.
A dureza registrada no PQR será a base para aceitação
caso a solda não seja acessível para os testes de dureza. 7.4.2.4 PSL 4
7.4.2.3.14 Seriação
7.4.2.4.1 Testes de tração
Cada parte e/ou peça individual do equipamento será
designada e marcada com um código exclusivo, a fim de Os requisitos de teste de tração para PSL 4 são idênticos
manter rastreabilidade e os registros associados. àqueles para PSL 1.

7.4.2.3.15 END Volumétrico 7.4.2.4.2 Testes de impacto


a) Amostragem Os requisitos de teste de impacto para PSL 4 deverão ser
Até onde praticável, o volume total de cada parte será conforme 5.4.2.4.
inspecionado volumétricamente (radiografia ou ultra-som),
após o tratamento térmico, quanto a suas propriedades 7.4.2.4.3 Testes de dureza
mecânicas, e antesdas operações de usinagem que limitem
a interpretação efetiva dos resultados do exame. Os requisitos de teste de dureza para PSL 4 são idênticos
Para produtos temperados-e-revenidos, a inspeção volu- àqueles para PSL 3.
métrica deverá ser executada após o tratamento térmico
quanto às suas propriedades mecânicas, exclusive dos trata-
7.4.2.4.4 Verificação dimensional
mentos de alívio de tensão ouretêmpera para reduzir a dureza.
b) Exame ultra-sônico Os requisitos de verificação dimensional para PSL 4 são
idênticos àqueles para PSL 3.
1) Método de teste
Partes trabalhadas a quente: O exame ultra-sônico

7.4.2.4.5 Rastreabilidade
destes componentes será realizado em conformi-
dade com os procedimentos de furo de fundo plano Os requisitos de rastreabilidade para PSL 4 são idênticos
(flat bottom hole) especificados na ASTM A 388 àqueles para PSL 3.
(exceto que o método de imersão poderá ser
usado) e ASTM E 428. 7.4.2.4.6 Análise química
Calibração: A curva de amplitude com a distância

(distance amplitude curve – DAC)será baseada em Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles para PSL 2.

43
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
7.4.2.4.7 Exame visual c) Calibração
Curva de amplitude pela distância (DAC) baseada em
Nenhum requerido. furo de fundo plano de 3,2mm (1/8”) (técnica de feixe direto) e
furo lateral de 1,6 mm (1/16”) com profundidade de 25 mm (1”)
7.4.2.4.8 END da superfície (técnica de feixe angular).

Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles para PSL 3. d) Critérios de aceitação
Os critérios de aceitação deverão estar em conformidade
7.4.2.4.9 END da solda com a subcláusula 7.4.2.3.15.

Nenhuma soldagem, exceto de revestimento, é permitida 7.4.4 Outras penetrações da zona de pressão (PSL 1 a
nas partes ou equipamentos do PSL 4. Os requisitos de END PSL 4)
de solda para revestimentos no PSL 4 são idênticos àqueles
para PSL 3. Os requisitos
penetrações da zonadedecontrole de qualidade
pressão serão controladospara outras
de acordo
7.4.2.4.10 Seriação com as especificações documentais do fabricante. As
propriedades do material deverão atender a 5.1 e 5.2.
Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles para PSL 3.
7.4.5 Mecanismos de vedação do bore da válvula e
7.4.2.4.11 END volumétrico internos do estrangulador (PSL 2 a PSL 4)
A tabela 14 relaciona os requisitos de controle da
Os requisitos de END volumétrico para PSL 4 são qualidade para os componentes acima referidos. Para os
idênticos àqueles para PSL 3, exceto: internos do estrangulador, aplicam-se somente o END da
superfície e seriação(serialization).O END da superfície não é
a) Critérios de aceitação –Exame ultra-sônico: requerido em juntas brasadas, montadas por prensagem
Os mesmos critérios de aceitação de PSL 3. Adicional- (press-fit)ou montadas a quente(shrink-fit). As indicações que
mente, nenhum agrupamento de indicações no mesmo plano, forem restritas a uma junta brasada, montada por prensagem
independentemente da amplitude, deverá ser encontrado sobre ou montada a quente, não são consideradas relevantes.
uma área de duas vezes odiâmetro da unidade de busca. Os requisitos indicados para os mecanismos de vedação
do bore da válvula são os mesmos dos corpos e tampas,
b) Critérios de aceitação – Exame radiográfico de partes exceto que as propriedades do material deverão atender às
trabalhadas a quente: exigências de 5.1 e 5.2 e o END volumétrico não é requerido.
• Nenhum tipo de trincas, sobreposições (laps), ou
fendas internas(bursts). 7.4.6 Juntas de anel (PSL 1 a PSL 4) (Vide Tabela 7.5)
• Sem indicaçõesalongadas excedendo 6,4 mm (1/4”).
• Não mais do que 2 indicações separadas por menos 7.4.6.1 Verificação dimensional
13 mm (1/2”).
a) Amostragem
7.4.3 Hastes (PSL 1 a PSL 4) Conforme requisitos documentados do fabricante.
7.4.3.1 Requisitos de controle de qualidade, métodos e b) Método de teste
critérios de aceitação Conforme procedimentos documentados do fabricante.
c) Critérios de aceitação
A tabela 13 relaciona os requisitos de controle de quali- Os critérios de aceitação deverão ser em conformidade
dade para hastes. As exigências indicadas para hastes são as com 10.4.2.1.
mesmas dos corpos e tampas, exceto que as propriedades do
material deverão satisfazer aos requisitos de 5.1 e 5.2. Os re- 7.4.6.2 Testes de dureza
quisitos de testes de impacto e critérios de aceitação para
hastes são os mesmos dos corpos, tampas, e conexões de a) Amostragem
extremidade/saída. Como mínimo, será realizada amostragem nas juntas
acabadas em conformidade com a norma ISO 2859-1, Nível II,
7.4.3.2 END volumétrico (PSL 3 e PSL 4) 1.5 AQL.

a) Amostragem b) Métodos
Cada tarugo ou barra dasquais as hastes foram usinadas, Um mínimo de um teste de dureza deverá ser realizado
serão inspecionadas volumétricamente utilizando processos conforme os procedimentos especificados na ASTM E 18. A
ultra-sônicos ou radiográficos. A inspeção deveráser realizada locação do teste de dureza será de acordo com a Figura 7.
após o tratamento térmico final (exclusive dos tratamentos de
alívio de tensão), e antes de operações de usinagem que e) Critérios de aceitação: Conforme tabela abaixo.
limitem a efetiva interpretação dos resultados doexame.
Material Dureza máxima
b) Método de teste Ferro doce 56 HRB
A inspeção será executada em conformidade com os
métodos descritos em 7.4.2.3.15 para produtos trabalhados. Carbono e baixas ligas 68 HRB
Se for realizada inspeção ultra-sônica, cada haste (ou barra Aço inoxidável 83 HRB
da qual as hastes são usinadas) será examinada por ultra-
som pelo diâmetro externo e extremidades, através da técnica Liga de níquel UNS N08825 92 HRB
de feixe direto(straight beam). As hastes que não possam ser Outras CRAs Deverá atender às especifi-
examinadas axialmente pelo processo de feixe direto serão cações do fabricante
inspecionadas usando a técnica de feixe angular.

44
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 13 – Requisitos de controle de qualidade para hastes

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 4
Testes de Tração 5.9 5.7 5.7 5.7
Testes de Impacto 5.9 7.4.2.1.2 7.4.2.1.2 7.4.2.1.2
Testes de Dureza 7.4.2.1.3 7.4.2.2.3 7.4.2.3.3 7.4.2.3.3
NACE MR 0175 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5
Verificação Dimensional 7.4.2.1.4 7.4.2.1.4 7.4.2.3.4 7.4.2.3.4
Rastreabilidade - 7.4.2.2.5 7.4.2.3.5 7.4.2.3.5
Análise Química - 7.4.2.2.6 7.4.2.2.6 7.4.2.2.6
Exame Visual 7.4.2.1.5 7.4.2.2.7 - -
END da Superfície - 7.4.2.2.8 e 7.4.2.2.9 7.4.2.3.8 7.4.2.3.8
END da Solda
Geral 7.4.2.1.6 7.4.2.1.6 7.4.2.1.6 Nenhuma soldagem
Exame Visual - 7.4.2.2.11 7.4.2.2.11 permitida, exceto
END da Superfície - 7.4.2.2.12 7.4.2.3.11 para revestimentos
Soldas de Reparo - 7.4.2.2.13 7.4.2.2.13 de solda
(vide 7.4.2.4.9)
END Volumétrico - 7.4.2.2.14 7.4.2.3.12
END de Dureza - - 7.4.2.3.13
Seriação - - 7.4.2.3.14 7.4.2.3.14
END Volumétrico - - 7.4.3.2 7.4.3.2

Tabela 14 – Requisitos de controle de qualidade para mecanismos de vedação da


passagem de válvulas e internos do choke

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 4
Testes de Tração - - 5.7 5.7
Testes de Dureza - - 7.4.2.3.3 7.4.2.3.3
NACE MR0175 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5
Verificação Dimensional - - 7.4.2.3.4 7.4.2.3.4
Rastreabilidade - - 7.4.2.3.5 7.4.2.3.5
Análise Química - - 7.4.2.2.6 7.4.2.2.6
END da Superfície - - 7.4.2.3.8 7.4.2.3.8
END da Solda
Nenhuma soldagem
Geral - 7.4.2.1.6 7.4.2.1.6
permitida, exceto
Exame Visual - 7.4.2.2.11 7.4.2.2.11
para revestimentos
END da Superfície - 7.4.2.2.12 7.4.2.3.11 com solda
Soldas de Reparo - 7.4.2.2.13 7.4.2.2.13 (vide 7.4.2.4.9)
Testes de Dureza - - 7.4.2.3.13
Seriação - - 7.4.2.3.14 7.4.2.3.14
Nota: Somente END da superfície e seriação são requeridos para os internos do estrangulador (vide 7.4.5).

45
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela 15 – Requisitos de controle de qualidade para juntas de anel

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 4
Verificação Dimensional 7.4.6.1 7.4.6.1 7.4.6.1 7.4.6.1
Testes de Dureza 7.4.6.2 7.4.6.2 7.4.6.2 7.4.6.2
MR 0175 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5
Acabamento da Superfície 7.4.6.3 7.4.6.3 7.4.6.3 7.4.6.3

7.4.6.3 Acabamento da superfície de/saída e conexões fixadas por prisioneiros, especificados


em 10.1. O controle de qualidade será realizado em
a) Amostragem conformidade com a Tabela 16 e os requisitos a seguir.
Conforme requisitos documentados do fabricante. (Outros prisioneiros e porcas deverão atender aos requisitos
de projeto de 4.3.4 e às especificações do fabricante).
b) Método de teste
Conforme procedimentos documentados do fabricante.
c) Critérios de aceitação
Os critérios de aceitação são os seguintes:

Tipo de junta Ra RMS


µm (µin)

a) Octogonal b) Oval
1 Locação do teste de dureza

Figura 7 – Locação do teste de dureza em juntas de anel

R 1,6 (63)
RX 1,6 (63)
BX 0,8 (32)

7.4.7 Prisioneirose porcas (PSL 1a PSL 4) (v. Tabela 16)


7.4.7.1 Geral
Os requisitos para prisioneiros e porcas se aplicam
somente àqueles usados para conectar flanges de extremida-
46
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
7.4.7.2 Testes de tração A amostragem deverá obedecer à especificação ASTM
aplicável, ou à especificação do fabricante para CRAs não
Os requisitos para testes de tração obedecerão aos cobertos por norma ASTM.
procedimentos especificados na ASTM A 193, ASTM A 194,
ASTM A 320, ou ASTM A 453 onde aplicável, exceto que a b) Método de teste
resistência ao escoamento deverá atender ou exceder aos O método de teste deverá obedecer à especificação
valores mínimos indicados na Tabela 49. ASTM aplicável, ou à especificação do fabricante para CRAs
não cobertos por norma ASTM.
7.4.7.3 Testes de impacto
c) Critérios de aceitação
Os testes de impacto deverão obedecer ao requerido na Os critérios de aceitação deverão satisfazer à especifi-
Tabela 49. cação ASTM aplicável, ou à especificação do fabricante para
CRAs não cobertos por norma ASTM.
7.4.7.4 Verificação dimensional
a) Amostragem

47
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 16 – Requisitos de controle de qualidade para prisioneiros e porcas

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 4
Testes de Tração 7.4.7.2 7.4.7.2 7.4.7.2 7.4.7.2
Testes de Impacto 7.4.7.3 7.4.7.3 7.4.7.3 7.4.7.3
Verificação Dimensional 7.4.7.4 7.4.7.4 7.4.7.4 7.4.7.4

Testes de Dureza 7.4.7.5 7.4.7.5 7.4.7.5 7.4.7.5


NACE MR 0175 7.4.7.5 7.4.7.5 7.4.7.5 7.4.7.5
Análise Química 7.4.7.6 7.4.7.6 7.4.7.6 7.4.7.6

7.4.7.5 Testes de dureza 7.4.7.6 Análise química

a) Corpos de prova A análise química será realizada em conformidade com


Os corpos de prova deverão estar em conformidade os procedimentos especificados na norma ASTM aplicável,
com a especificação ASTM aplicável. ou na especificação do fabricante para CRAs não cobertos
por norma ASTM.
b) Amostragem 7.4.8 Material de vedação não-metálico (PSL 1 a PSL 4)
A amostragem deverá satisfazer à especificação ASTM (vide Tabela 17)
aplicável. Adicionalmente, parafusos ASTM A 453 Grau 660 e
outros materiais de parafusamento CRA deverão ser subme- 7.4.8.1 PSL 1
tidos a testes de dureza individualmente.
7.4.8.1.1 Verificação dimensional
c) Método de teste
Os ensaios de dureza serão realizados em conformidade a) Amostragem
com a ASTM E 18 e ASTM A 370. A amostragem será realizada em selos não-metálicos
conforme a norma ISO 2859-1, Nível II, 2.5 AQL paraO-rings
d) Critérios de aceitação e 1.5 AQL para outras vedações.
b) Método de teste
Os critérios de aceitação para parafusamento exposto Cada peça da amostra deverá ser inspecionada dimensi-
deverão atendernaà NACE
são requeridos NACE MRMR 0175
0175.para
Ensaios de dureza não-
parafusamento não onalmente quanto à conformidade com as tolerâncias
especificadas.
exposto.
Todos os outros parafusamentos deverão atender à espe- c) Critérios de aceitação
cificação ASTM aplicável, ou à especificação escrita do Caso os métodos de inspeção produzam rejeições abaixo
fabricante para CRAs não cobertos por ASTM. do permitido na amostragem, a fornada será aceita.

Tabela 17 – Requisitos de controle de qualidade para materiais de vedação não-metálicos

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 4

Verificação Dimensional 7.4.8.1.1 7.4.8.1.1 7.4.8.1.1 7.4.8.1.1

Exame Visual 7.4.8.1.2 7.4.8.1.2 7.4.8.1.2 7.4.8.1.2

Dureza 7.4.8.1.3 7.4.8.1.3 7.4.8.1.3 7.4.8.1.3

Documentação - 7.4.8.2.4 7.4.8.3.4 7.4.8.4.4


Rastreabilidade da Fornada - - 7.4.8.3.4 a) 7.4.8.3.4 a)
Certificação da data da cura - - 7.4.8.3.4 b) 7.4.8.3.4 b)
Certificação da data de expi- - - 7.4.8.3.4 c) 7.4.8.3.4 c)
ração da vida útil

Dados das Propriedades Físicas - - - 7.4.8.4.4

48
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
7.4.8.1.2 Exame visual 7.4.8.3.4 Documentação

a) Amostragem Os requisitos de documentação para PSL 3 são idênticos


A amostragem será realizada conforme a norma ISO àqueles para PSL 2. Adicionalmente, a seguinte
2859-1, Nível II, 2.5 AQL paraO-rings e 1.5 AQL para outras documentação deverá ser incluída:
vedações.
a) Número de batelada;
b) Método de teste b) Data da cura/moldagem;
Cada peça da amostra deverá ser inspecionada dimensi- c) Data de expiração da vida útil.
onalmente de acordo com os requisitos escritos do fabricante.
7.4.8.3.5 Armazenamento e controle da vida útil
c) Critérios de aceitação
Caso os métodos de inspeção produzam rejeições abaixo O armazenamento de materiais de vedação não-
do permitido na amostragem, a fornada será aceita. metálicos deverá atender aos requisitos estabelecidos em 9.6.
7.4.8.1.3 Testes de dureza 7.4.8.4 PSL 4

a) Amostragem 7.4.8.4.1 Verificação dimensional


A amostragem será realizada conforme a norma ISO
2859-1, Nível II, 2.5 AQL paraO-rings e 1.5 AQL para outras Os requisitos de verificação dimensional para PSL 4 são
vedações. idênticos àqueles para PSL 1.

b) Método de teste 7.4.8.4.2 Exame visual


Os ensaios de dureza serão realizados conforme os pro- Os requisitos de exame visual para PSL 4 são idênticos
cedimentos especificados na ASTM D 2240 ou ASTM D1415. àqueles para PSL 1.
c) Critérios de aceitação
A dureza será controlada de acordo com a especificação 7.4.8.4.3 Testes de dureza
escrita do fabricante.
Os requisitos de ensaios de dureza para PSL 4 são
7.4.8.2 PSL 2 idênticos àqueles para PSL 1.

7.4.8.2.1 Verificação dimensional 7.4.8.4.4 Documentação


Os requisitos de verificação dimensional para PSL 2 são Os requisitos de documentação para PSL 4 são idênticos
idênticos àqueles para PSL 1. àqueles para PSL 3. Adicionalmente, a seguinte documen-
tação deverá ser incluída:
7.4.8.2.2 Exame visual
a) O fornecedor/fabricante deveráapresentar uma cópia dos
Os requisitos de exame visual para PSL 2 são idênticos resultados do teste de propriedades físicas do composto
àqueles para PSL 1. fornecido. As propriedades físicas deverão estar em conformi-
dade com as especificações do fabricante.
7.4.8.2.3 Testes de dureza b) Os dados de propriedades físicas para qualificação de
elastômeros homogêneos deverão incluir o seguinte:
Os requisitos de ensaios de dureza para PSL 2 são
idênticos àqueles para PSL 1. Dados Documentação de acordo com...

7.4.8.2.4 Documentação Testes de dureza ASTM D 1414 e ASTM D 2240


Testes de tração ASTM D 412 e ASTM D 1414
O fornecedor/fabricante deverá certificar que os materiais Alongamento ASTM D 412 e ASTM D 1414
e produtos finais atendem às especificações do fabricante. As Cj. de compressão ASTM D 395 e ASTM D 1414
certificações deverão incluir o número de peça do fabricante, Módulo ASTM D 412 e ASTM D 1414
número da especificação, e número do composto. Imersão em fluído ASTM D 471 e ASTM D 1414

7.4.8.3 PSL 3 c) Os dados de propriedades físicas para outros materiais


de vedação não-metálicos deverão atender às especificações
7.4.8.3.1 Verificação dimensional escritas do fabricante.
Os requisitos de verificação dimensional para PSL 3 são 7.4.8.4.5 Armazenamento e controle da vida útil
idênticos àqueles para PSL 1.
Aplicam-se ao PSL 4 os mesmos requisitos do PSL 3.
7.4.8.3.2 Exame visual
7.4.9 Equipamento montado (PSL 1 a PSL 4)
Os requisitos
àqueles para PSL de
1. exame visual para PSL 3 são idênticos 7.4.9.1 Geral
As Tabelas 20, 21, 22, 23 e 24 apresentam uma matriz
7.4.8.3.3 Testes de dureza dos requisitos de controle de qualidade e níveis de
especificação de produto para equipamentos montados. Os
Os requisitos de ensaios de dureza para PSL 3 são requisitos são determinados conforme o nível de
idênticos àqueles para PSL 1. especificação do produto.

49
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
O teste hidrostático do corpo deverá ser executado teste. Concluir os testes antes da pintura; todavia, se oscorpos
primeiramente. O teste dedrift será realizado após a válvula e outras partes sujeitas a pressão tiverem sido fabricados de
ter sido montada, operada e testada. A seqüência de outros material trabalhado, os testes poderão ser concluídos após a
testes ficará a critério do fabricante. pintura.
Conectores soltos, bujões macho e bujões de remoção de
7.4.9.2 Seriação do conjunto e registro de rastreabilidade válvula não requerem teste hidrostático.
O teste hidrostático do corpo para equipamento montado
7.4.9.2.1 Seriação do conjunto consistirá de três etapas:
a) PSL 1 • O período primário de retenção sob pressão.
Nenhuma requerida. • A redução da pressão a zero.
• O período secundário deretenção sob pressão.
b) PSL 2 a PSL 4 Conduzir os testes antes da adição da graxa de
enchimento do corpo. Lubrificação aplicada durante a
A tês,
poço, seriação de válvulas,
cruzetas, equipamentos
adaptadores da cabeça de
da cabeça-de-
coluna de montagem é aceitável.
produção, suspensores, estranguladores, válvulas de Ambos os períodos de retenção sob pressão não poderão
contrapressão e dispositivos de amostragem de fluídos, é ser inferiores a 3 minutos; não iniciar a contagem de tempo
requerida. até que a pressão de teste tenha sido atingida, o equipamento
e o instrumento de monitoramento da pressão tenham sido
7.4.9.2.2 Registros de rastreabilidade isolados da fonte de pressão, e as superfícies externas dos
a) PSL 1 e PSL 2 membros do corpo tenham sido completamente secas.
Nenhum requerido. Determinar a pressão de teste hidrostático do corpo pela
pressão nominal de trabalho do equipamento. As pressões
b) PSL 3 e PSL 4 de teste hidrostático serão conforme indicado na 19.
Será emiitido um relatório rastreável ao conjunto, identifi-
cando o corpo, tampa, haste, conexões de extremidade e b) Considerações especiais
saída, e mecanismos de vedação dobore da válvula. Para equipamentos cujas conexões de extremidade ou
saída tenham pressões de trabalho diferentes, usar a classe
7.4.9.3 Testes para PSL 1 de pressão de trabalho mais baixa para determinar a
pressão do teste hidrostático do corpo (exceto para
7.4.9.3.1 Teste de
Drift– Válvulas de passagem plena conectores de transição e estranguladores).
a) Método de teste Testar um conector de transição a uma pressão
Passar um mandril de drift conforme descrito na Tabela baseada na classe de pressão para a conexão superior.
18 através da passagem (bore) da válvula, após a mesma ter Aplicar a pressão de teste dentro e acima do packoff de área
sido montada, operada e testada à pressão. restrita da conexão inferior. A conexão inferior será testada
abaixo do packoff de área restrita a um nível baseado em
b) Critérios de aceitação sua classe de pressão.
O mandril dedrift deverá passar completamente pelobore Para estranguladores que tenham uma conexão de
da válvula. entrada com uma classe de pressão superior à da conexão

7.4.9.3.2 Teste de
drift – Árvores-de-natal (v. Tabela 18) de saída, desubmeter
conexão entrada oaté
corpo a teste
o ponto de hidrostático,
vedação do desde
corpo aà
válvula reguladora (bean) do assento substituível ou bean
a) Método de teste de fluxo, à pressão adequada para a conexão de entrada.
Passar um mandril dedrift através do bore principal dos Testar o restante do corpo, a jusante do ponto de vedação,
conjuntos de árvore-de-natal. à pressão adequada para a conexão de saída. Poderão ser
b) Critérios de aceitação utilizadas vedações de assento temporárias para facilitar os
O mandril dedrift deverá passar completamente pelobore testes.
principal da árvore-de-natal. As válvulas e estranguladores deverão estar na posição
parcialmente aberta durante os testes.
7.4.9.3.3 Teste hidrostático do corpo – Equipamento Testar individualmente cada orifício dos equipamentos
individual de passagens múltiplas.
a) Método de teste c) Critérios de aceitação
Submeter o equipamento montado a um teste hidrostático O equipamentos não deverá apresentar nenhum vaza-
do corpo, antes do embarque nas instalações do fabricante. O mento visível sob a pressão de teste. O vazamento pela
teste hidrostático do corpo será o primeiro teste de pressão rosca durante o teste hidrostático de um elemento roscado
executado. Não aplicar a pressão de teste como pressão da cabeça-de-poço, quando conectado por um dispositivo
diferencial através dos mecanismos de fechamento das de teste roscado, é permissível acima da pressão de traba-
válvulas. Usar água ou água com aditivos como fluído de lho da rosca.

50
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 18 – Diâmetro do drift para válvulas individuais e árvores-de-natal-de-natal

1 Cabo
a
Comprimento mínimo somente para válvulas individuais. dimensões em mm (polegadas)
b
Comprimento mínimo para árvores-de-natal.
c
Dimensão de extremidade a extremidade da válvula.

DN do flange DN do
bore

51
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela 19 – Pressão de teste hidrostático do corpo, MPa (psi)
Conexões de extremidade e saída
Classe de Roscas de tubos
pressão de Ø nominal do flange –mm (pol) Roscas do revestimento –mm (pol)
de condução e
trabalho 346 (13⅝”) 425 (16¾”) da coluna de 114,3 a 273,1 298,5 a 339,7 406,5 a 508,0
e menor e maior produção (4½ a 10¾ ) (11¾ a 13⅜) (16 a 20)
MPa (psi) MPa (psi) MPa (psi) MPa (psi) MPa (psi) MPa (psi) MPa (psi)
13,8 (2.000) 27,6 (4.000) 20,7 (3.000) 27,6 (4.000) 27,6 (4.000) 27,6 (4.000) 15,5 (2.250)
20,7 (3.000) 41,5 (6.000) 31,0 (4.500) 41,5 (6.000) 41,4 (6.000) 31,0 (4.500) - -
34,5 (5.000) 51,7 (7.500) 51,7 (7.500) 51,7 (7.500) 51,7 (7.500) - - - -
69,0 (10.000) 103,5 (15.000) 103,5 (15.000) 103,5 (15.000) - - - - - -
103,5 (15.000) 155,0 (22.500) 155,0 (22.500) - - - - - - - -
138,0 (20.000) 207,0 (30.000) - - - - - - - - - -

7.4.9.3.4 Teste hidrostático do corpo – Árvores-de- sentidos. Testar as válvulas unidirecionais no sentido
natal indicado no corpo, exceto válvulas de retenção que serão
testadas no lado a jusante.
Aplicam-se os mesmos requisitos de 7.4.9.3.3 - A pressão, após ter sido aplicada em um lado da gaveta
Equipamentos Individuais, exceto que as árvores montadas ou macho, deverá ser retida e monitorada por um período
inteiramente com equipamentos submetidos previamente a mínimo de 3 minutos.
teste hidrostático, com exceção de conectores avulsos, A seguir, abrir a válvula, exceto para válvulas de
precisam apenas ser testados à pressão nominal de retenção, enquanto sob pressão diferencial total.
trabalho. Repetir as duas etapas acima.
Em seguida, pressurizar um lado da gaveta ou macho,
7.4.9.3.5 Teste hidrostático do assento – Válvulas reter, e monitorar uma terceira vez por um mínimo de 3
minutos.
a) Método de teste Testar em seguida as válvulas bidirecionais no outro
Para válvulas bidirecionais, aplicar uma pressão lado da gaveta ou macho, adotando o mesmo procedimento
hidrostática de teste do assento, igual à pressão nominal de descrito acima. As válvulas de gaveta bipartida poderão ter
trabalho, a cada lado da gaveta ou macho, com o outro lado ambos os assentos testados simultaneamente.
aberto à atmosfera.
Para válvulas unidirecionais, aplicar a pressão no b) Critérios de aceitação – Teste do assento
sentido indicado no corpo, exceto para válvulas de retenção As válvulas não deverão apresentar nenhum vazamento
que serão testadas no l ado a jusante. visível durante cada período de espera.
Os períodos de retenção sob pressão para testes 7.4.9.5 Testes para PSL 3
deverão ter um mínimo de 3 minutos.
Reduzir a pressão a zero entre todos os períodos de 7.4.9.5.1 Teste de
drift– Válvulas de passagem plena
retenção.
Testar as válvulas no mínimo duas vezes em cada lado Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1.
da gaveta ou macho. 7.4.9.5.2 Teste de
drift – Árvores-de-natal
b) Critérios de aceitação Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1.
Nenhum vazamento visível poderá ocorrer durante cada
período de espera. 7.4.9.5.3 Registros dos testes de pressão

7.4.9.4 Testes para PSL 2 a) Um registrador gráfico será utilizado em todos os testes
hidrostáticos. O registro deverá identificar o dispositivo de
7.4.9.4.1 Teste de
drift– Válvulas de Passagem Plena
registro, e será datado e assinado.

Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1. b) Não é requerido registro gráfico dos testes a gás. Os
registros destes testes deverão documentar os parâmetros
7.4.9.4.2 Teste de
drift – Árvores-de-natal
de teste e aceitação.
7.4.9.5.4 Teste hidrostático (prolongado) do corpo –
Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1. Equipamento Individual
7.4.9.4.3 Teste hidrostático do corpo – Equipamento Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1. Adicional-
individual mente, este teste hidrostático requer um prolongamento do
período secundário de espera até um mínimo de 15 minutos.
Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1.

7.4.9.4.4 Teste hidrostático do corpo – Árvores-de- 7.4.9.5.5 Teste hidrostático (prolongado) do corpo –
Árvores-de-natal
natal
Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1. Adicional-
Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1. mente, este teste hidrostático requer um prolongamento do
período secundário de espera até um mínimo de 15 minutos.
7.5.9.4.5 Teste hidrostático do assento - Válvulas 7.4.9.5.6 Teste hidrostático (prolongado) do assento -
Válvulas
a) Método de teste
Aplicar a pressão hidrostática de teste do assento, a Aplicam-se os mesmos requisitos do PSL 1. Adicional-
qual é igual à pressão nominal de trabalho, a um lado da mente, este teste hidrostático requer um prolongamento do
gaveta ou macho da válvula, com o outro lado aberto à segundo e terceiro período secundário de espera até um
atmosfera. Testar as válvulas bidirecionais em ambos os mínimo de 15 minutos.

52
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 20 – Requisitos de controle de qualidade para válvulas de passagem plena

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 3G PSL 4
Teste de drift 7.4.9.3.1 7.4.9.3.1 7.4.9.3.1 7.4.9.3.1 7.4.9.3.1
Teste hidrostático . . . . .
corpo 7.4.9.3.3 7.4.9.3.3 - - -
assento 7.4.9.3.5 7.4.9.4.5 - - -
Teste hidrostático (prolongado) . . . . .
corpo - - 7.4.9.5.4 7.4.9.5.4 7.4.9.5.4
assento - - 7.4.9.5.6 7.4.9.5.6 7.4.9.5.6
Teste a gás . . . . .
corpo - - - 7.4.9.5.7 7.4.9.6.6
assento - - - 7.4.9.5.8 7.4.9.6.7
contravedação - - - 7.4.9.5.9 a 7.4.9.6.8
Rastreabilidade - - 7.4.9.2.2 b) 7.4.9.2.2 b) 7.4.9.2.2 b)
Seriação - 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b)
a
Opcional

Tabela 21 – Requisitos de controle de qualidade para válvulas de passagem normal e Venturi

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 3G PSL 4
Teste hidrostático . . . . .
corpo 7.4.9.3.3 7.4.9.3.3 - - -
assento 7.4.9.3.5 7.4.9.4.5 - - -
Teste hidrostático (prolongado) . . . . .
corpo - - 7.4.9.5.4 7.4.9.5.4 7.4.9.5.4
assento - - 7.4.9.5.6 7.4.9.5.6 7.4.9.5.6
Teste a gás . . . . .
corpo - - - 7.4.9.5.7 7.4.9.6.6
assento - - - 7.4.9.5.8 7.4.9.6.7
contravedação - - - 7.4.9.5.9 a 7.4.9.6.8
Rastreabilidade - - 7.4.9.2.2 b) 7.4.9.2.2 b) 7.4.9.2.2 b)
Seriação - 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b)
a
Opcional

53
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 22 – Requisitos de controle de qualidade para válvulas de retenção de produção

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 3G PSL 4
Teste hidrostático . . . . .
corpo 7.4.9.3.3 7.4.9.3.3 - - -
assento 7.4.9.3.5 7.4.9.4.5 - - -
Teste hidrostático (prolongado) . . . . .
corpo - - 7.4.9.5.4 7.4.9.5.4 7.4.9.5.4
assento - - 7.4.9.5.6 7.4.9.5.6 7.4.9.5.6
Teste a gás . . . . .
corpo - - - 7.4.9.5.7 7.4.9.6.6
assento - - - 7.4.9.5.8 7.4.9.6.7

Rastreabilidade - - 7.4.9.2.2 b) 7.4.9.2.2 b) 7.4.9.2.2 b)


Seriação - 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b)

Tabela 23 – Requisitos de controle de qualidade para cabeças do revestimento e da coluna de produção,


adaptadores da cabeça da coluna de produção, estranguladores, tês, cruzetas, dispositivos de amostragem
de fluídos, conectores de transição, e carretéis adaptadores e espaçadores

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 3G PSL 4
Teste hidrostático 7.4.9.3.3 7.4.9.3.3 - - -
Teste hidrostático (prolongado) - - 7.4.9.5.4 7.4.9.5.4 7.4.9.5.4
Teste a gás - - - 7.4.9.5.7 7.4.9.6.6
Rastreabilidade - - 7.4.9.2.2 b) 7.4.9.2.2 b) 7.4.9.2.2 b)
Seriação - 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b) 7.4.9.2.1 b)

Tabela 24– Requisitos de controle de qualidade para árvores-de-natal

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3/3G PSL 4

Teste de drift 7.4.9.3.2 7.4.9.3.2 7.4.9.3.2 7.4.9.3.2

Teste hidrostático 7.4.9.3.4 7.4.9.3.4 - -


Teste hidrostático (prolongado) - - 7.4.9.5.5 7.4.9.5.5

54
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
7.4.9.5.7 Teste a gás do corpo – Equipamento c) Critérios de aceitação
individual Nenhuma bolha visível deverá aparecer durante os
períodos de espera da válvula submersa na água. É aceitável
Em adição a um teste hidrostático (prolongado) do corpo uma redução da pressão do teste a gás de no máximo
para equipamento individual (conforme 7.4.9.5.4), será 2,0 MPa (300 psi), desde que não haja bolhas visíveis na
realizado um teste a gás do corpo, como segue: água durante o período de espera.

a) Método de teste 7.4.9.5.9 Teste a gás da contravedação para PSL 3G –


Conduzir o teste a temperaturas ambientes usando Válvulas Gaveta
nitrogênio como agente de teste. Realizar o teste com o
equipamento totalmente mergulhado em um recipiente com Um teste a gás da contravedação poderá ser realizado
água. em válvulas gaveta. O teste a gás da contravedação deverá
Válvulas e estranguladores deverão estar na posição ser realizado em conjunto com o teste a gás do corpo -
parcialmente aberta durante os testes. equipamentos individuais (vide 7.4.9.5.7) - e o teste a gás do
O teste a gás do corpo para equipamentos montados assento para válvulas (vide 7.4.9.5.8).
consistirá de um período único de espera sob pressão não
inferior a 15 minutos; não iniciar a contagem de tempo até que a) Método de teste
a pressão de teste seja atingida e o equipamento e o O teste será conduzido a temperaturas ambientes,
instrumento de medição da pressão tenham sido isolados da utilizando-se nitrogênio como agente de teste. Realizar o teste
fonte de pressão. com a válvula totalmente submersa em um recipiente com
A pressão de teste será igual à pressão nominal de água.
trabalho do equipamento. A área entre o engaxetamento primário e a contra-
vedação, ou outros recursos de renovação da caixa de
b) Considerações especiais (vide 7.4.9.3.3 b) vedação, deverá ser sangrada durante o teste.
As considerações especiais para os testes hidrostáticos O teste consistirá de um único período de espera.
do corpo também devem ser seguidas, onde aplicável, para O período de espera monitorado deverá ser à pressão
os testes a gás do corpo. nominal de trabalho.
O período de espera monitorado do teste terá uma
c) Critérios de aceitação duração mínima de 15 minutos.
Nenhuma bolha visível deverá aparecer durante o período
de espera do equipamento mergulhado em água. É aceitável b) Critérios de aceitação
uma redução da pressão do teste a gás de no máximo Nenhuma bolha visível deverá aparecer durante o período
2,0 MPa (300 psi), desde que não haja bolhas visíveis na de espera da válvula submersa na água. É aceitável uma
água durante o período de espera. redução da pressão do teste a gás de no máximo 2,0
MPa (300 psi), desde que não haja bolhas visíveis na água
7.4.9.5.8 Teste a gás do assento para PSL 3G– Válvulas durante o período de espera.

Umouteste
adição a gás do aassento
em substituição poderá
um teste ser realizado
hidrostático em
(prolongado) 7.4.9.6 Testes para PSL 4
do assento em válvulas (conforme 7.4.9.5.6), de acordo com o 7.4.9.6.1 Teste de
drift– Válvulas de passagem plena
procedimento abaixo.
Aplicam-se para PSL 4 os mesmos requisitos do PSL 1.
a) Método de teste
Aplicar pressão de gás em cada lado da gaveta ou 7.4.9.6.2 Teste de
drift – Árvores-de-natal
macho de válvulas bidirecionais, com o outro lado aberto à
atmosfera. Testar as válvulas unidirecionais no sentido Aplicam-se para PSL 4 os mesmos requisitos do PSL 1.
indicado no corpo, exceto para válvulas de retenção, que
serão testadas pelo lado a jusante. 7.4.9.6.3 Teste hidrostático (prolongado) do corpo –
Conduzir o teste a temperaturas ambientes. utilizando Equipamento individual
nitrogênio como agente de teste. Realizar o teste com o
equipamento totalmente mergulhado em um recipiente com
Aplicam-se para PSL 4 os mesmos requisitos do PSL 3.
água.
O teste consistirá de dois períodos de espera,
monitorados. 7.4.9.6.4 Teste hidrostático (prolongado) do corpo–
A pressão do teste primário será a pressão nominal de Árvores-de-natal
trabalho.
O período de espera monitorado do teste primário terá Aplicam-se para PSL 4 os mesmos requisitos do PSL 3.
uma duração mínima de 15 minutos.
Reduzir a pressão a zero entre os períodos de espera
7.4.9.6.5 Teste hidrostático (prolongado) do assento –
primário e secundário. Válvulas
A pressão do teste secundário deverá ser de 2,0 MPa
(300 psi) ± 10%.
Aplicam-se para PSL 4 os mesmos requisitos do PSL 3.
O período de espera monitorado do teste secundário
deverá ter uma duração
As válvulas deverão mínima de 15 minutos.
estar totalmente abertas e totalmente 7.4.9.6.6 Teste a gás do corpo – Equipamento individual
fechadas entre os testes.
A seguir, testar as válvulas bidirecionais no outro lado da a) Método de teste
gaveta ou macho, usando o mesmo procedimento descrito Conduzir o teste a temperaturas ambientes, usando
acima. Válvulas de gaveta bipartida poderão ter ambos os nitrogênio como agente de teste. Realizar o teste com o equi-
assentos testados simultaneamente. pamento totalmente submerso em um recipiente com água.

55
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Válvulas e estranguladores deverão estar na posição Reduzir a pressão a zero entre os períodos de espera
parcialmente aberta durante os testes. primário e secundário.
O teste a gás do corpo para equipamentos montados O segundo período de espera deverá ser a uma pressão
consistirá de um período único de espera sob pressão não superior a 5% e inferior a 10% da pressão nominal de
inferior a 15 minutos; não iniciar a contagem de tempo até que trabalho.
a pressão de teste seja atingida e o equipamento e o Soltar a contravedação, ou outros dispositivos de
instrumento de monitoramento da pressão tenham sido renovação do engaxetamento, entre os períodos de espera
isolados da fonte de pressão. sob alta e baixa pressão.
A pressão de teste deverá igualar a pressão nominal de
trabalho do equipamento. b) Critérios de aceitação
Nenhuma bolha visível deverá aparecer durante o período
b) Considerações especiais (vide 7.4.9.3.3 b) de espera do equipamento submerso na água. É aceitável
As considerações especiais para os testes hidrostáticos uma redução da pressão do teste a gás de no máximo
do corpo também deverão ser seguidas, onde aplicável, para 2,0 MPa (300 psi), desde que não haja bolhas visíveis na
os testes a gás do corpo. água durante o período de espera.

c) Critérios de aceitação 7.4.10 Mandris do suspensor de revestimento e da


Nenhuma bolha visível deverá aparecer durante o período coluna de produção (PSL 1 a PSL 4(v. Tab. 25)
de espera do equipamento submerso na água. É aceitável
uma redução da pressão do teste a gás de no máximo 7.4.10.1 PSL 1
2,0 MPa (300 psi), desde que não haja bolhas visíveis na
água durante o período de espera. 7.4.10.1.1 Testes de tração

7.4.9.6.7 Teste a gás do assento – Válvulas Conforme subcláusula 5.4.2.2.

a) Método de teste 7.4.10.1.2 Verificação dimensional


Aplicar pressão de gás em cada lado da gaveta ou macho
em válvulas bidirecionais, com o outro lado aberto à a) Amostragem
atmosfera. Testar as válvulas unidirecionais no sentido Todas as roscas de suspensão, de levantamento e da
indicado no corpo, exceto para válvulas de retenção, que válvula de contrapressão, deverão ser aferidas.
serão testadas pelo lado a jusante.
Conduzir o teste a temperaturas ambientes, usando b) Métodos de teste
nitrogênio como agente de teste. Realizar o teste com a Aferir as conexões quanto a verificadas quanto a
válvula totalmente submersa em um recipiente com água. acoplamento ao aperto manual, mediante o uso de calibres e
O teste consistirá de dois períodos de espera, técnicas de aferição ilustrados nas Figuras 10, 11 e 12.
monitorados. Verificar dimensionalmente perfis ACME e de outras roscas
A pressão do teste primário deverá igualar a pressão paralelas, de acordo com as especificações do fabricante.
nominal de trabalho.
O período
ser de de espera monitorado do teste primário deverá
60 minutos. c) Critérios de aceitação
Os critérios de aceitação deverão estar em conformidade
Reduzir a pressão a zero entre os períodos de espera com a especificação aplicável.
primário e secundário.
A pressão do teste secundário deverá ser superior a 5% e 7.4.10.1.3 Testes de dureza
inferior a 10% da pressão nominal de trabalho.
O período de espera monitorado do teste secundário a) Amostragem
deverá ser de 60 minutos. Cada componente deverá ser submetido a teste de dureza.
As válvulas deverão estar totalmente abertas e totalmente
fechadas entre os testes. b) Método de teste
A seguir, testar as válvulas bidirecionais no outrolado da Realizar os testes de dureza em conformidade com os
gaveta ou macho, usando o mesmo procedimento descrito procedimentos especificados na ASTM E 10 ou ASTM E 18.
acima. Válvulas de gaveta bipartida poderão ter ambos os Executar os testes em uma locação determinada nas
assentos testados simultaneamente. especificações do fabricante e em seguida ao último
tratamento térmico (incluindo todo os ciclos de tratamento
b) Critérios de aceitação térmico de alívio de tensão) e conclusão de toda a usinagem
Nenhuma bolha visível deverá ser observada durante o externa.
período de espera da válvula submersa na água. É aceitável
uma redução da pressão do teste a gás de no máximo c) Critérios de aceitação
2,0 MPa (300 psi), desde que não haja bolhas visíveis na Conforme especificação do fabricante.
água durante o período de espera.
7.4.10.1.4 Rastreabilidade
7.4.9.6.8 Teste a gás da contravedação – Válvulas
gaveta É requerida rastreabilidade por lote.
Deverá ser mantida identificação nos materiais e partes, a
a) Método de teste fim de facilitar rastreabilidade, conforme requerido nas
Testar com
renovação do gás a contravedaçãoConduzir
engaxetamento. ou outros orecursos
teste de
a especificações para
procedimentos do fabricante.
manutençãoTaisourequisitos deverão
substituição das incluir
marcas
temperaturas ambientes, usando nitrogênio como agente de de identificação e registros de controle de identificação.
teste. Realizar o teste com o equipamento totalmente
submerso em um recipiente com água. 7.4.10.1.5 Análise química
A área entre o engaxetamento primário e a contravedação,
ou outros recursos de renovação da caixa de vedação, deverá a) Amostragem
ser sangrada durante o teste. A análise química deverá ser realizada por corrida.
O teste consistirá de dois períodos de espera.
O tempo monitorado de espera para cada período deverá b) Métodos de teste
ser de 60 minutos. Efetuar a análise química em conformidade com padrões
O primeiro período de espera será à pressão nominal de reconhecidos nacional ou internacionalmente, especificados
trabalho. pelo fabricante.

56
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
c) Critério de aceitação Os critérios de aceitação para forjados deverão estar em
A composição química deverá atender aos requisitos conformidade com as especificações escritas do fabricante.
das especificações documentadas do fabricante.
7.4.10.2 PSL 2
7.4.10.1.6 Exame visual
7.4.10.2.1 Testes de tração
a) Amostragem
Cada parte deverá ser examinada visualmente. Deverão atender às subcláusulas 5.3.5.1 e 5.3.5.2.

b) Método de teste 7.4.10.2.2 Testes de impacto


Realizar o exame visual de fundidos em conformidade
com os procedimentos especificados na MSS SP-55. Deverão atender às subcláusulas 5.3.5.1 e 5.3.5.3.
Realizar o exame visual de forjados conforme as
especificações escritas do fabricante. 7.4.10.2.3 Verificação dimensional
Os requisitos para PSL 2 são idênticos àqueles do PSL 1.
c) Critérios de aceitação
Os critérios para fundidos deverão atender à MSS SP-55. 7.4.10.2.4 Testes de dureza
•Tipo 1: Nenhum aceitável.
•Tipos 2 a 12: A e B. Os requisitos para PSL 2 são idênticos àqueles do PSL 1.

Tabela 25 – Requisitos de controle de qualidade para mandris do suspensor de revestimento e da coluna de produção

Subcláusula de referência
Parâmetro
PSL 1 PSL 2 PSL 3 PSL 4

Testes de tração a 7.4.10.1.1 7.4.10.2.1 7.4.10.2.1 7.4.10.2.1


a
Testes de impacto - 7.4.10.2.2 7.4.10.2.2 7.4.10.4.2
Testes de dureza 7.4.10.1.3 7.4.10.2.4 7.4.10.3.4 7.4.10.3.4
NACE MR 0175 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5 7.4.1.5
Verificação dimensional 7.4.10.1.2 7.4.10.1.2 7.4.10.3.3 7.4.10.3.3
Rastreabilidade 7.4.10.1.4 7.4.10.1.4 7.4.10.3.5 7.4.10.3.5
Análise química a 7.4.10.1.5 7.4.10.1.5 7.4.10.1.5 7.4.10.1.5
Exame visual 7.4.10.1.6 7.4.10.1.6 - -
END da Superfície - 7.4.10.2.8 7.4.10.3.8 7.4.10.3.8
END da Solda - 7.4.10.2.9 -
Geral - 7.4.2.2.10 7.4.10.3.9 Nenhuma soldagem
Exame visual - 7.4.2.2.11 7.4.10.3.10 permitida, exceto
END da superfície - 7.4.2.2.12 7.4.10.3.11 para revestimentos
com solda
Soldas de reparo - 7.4.2.2.13 7.4.10.3.12
(vide 7.4.10.5)
END volumétrico - 7.4.2.2.14 7.4.10.3.13
Testes de dureza - - 7.4.10.3.14
Seriação - - 7.4.10.3.15 7.4.10.3.15
END volumétrico - - 7.4.10.3.16 7.4.10.5.2
a
Os critérios de aceitação deverão estar em conformidade com 5.1, 5.2 e 5.3, onde aplicável.

57
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
7.4.10.2.5 Rastreabilidade 7.4.10.3.13 END da solda – Volumétrico

Os requisitos de rastreabilidade para PSL 2 são idênticos Os requisitos serão de acordo com 7.4.2.2.14.
àqueles para PSL 1.
7.4.10.3.14 END da solda – Testes de dureza
7.4.10.2.6 Análise química
a) Amostragem
Os requisitos de análise química para PSL 2 são idênticos 100% de todas as soldas acessíveis sujeitas a pressão,
àqueles para PSL 1. não sujeitas a pressão, e de reparo, serão testadas.

7.4.10.2.7 Exame visual b) Método de teste


Realizar os testes de dureza conforme os procedimentos
Os requisitos para PSL 2 são idênticos àqueles do PSL 1. especificados na ASTM E 10 ou ASTM E 18.
Executar pelo menos um teste de dureza tanto na solda
7.4.10.2.8 END da superfície como nos metais de base adjacentes não afetados, após a
conclusão de todo tratamento térmico e operações de
Os requisitos serão conforme 7.4.2.2.8 e 7.4.2.2.9. usinagem.

7.4.10.2.9 Soldagem c) Critérios de aceitação


Os critérios de aceitação deverão estar em conformidade
Os requisitos serão conforme 7.4.2.2.10 a 7.4.2.2.14. A com as especificações do fabricante.
soldagem de reparo será de acordo com 6.4. O grau de dureza registrado no PQR será a base para
aceitação, caso a solda não seja acessível para os testes de
7.4.10.3 PSL 3 dureza.

7.4.10.3.1 Testes de tração 7.4.10.3.15 Seriação

Os requisitos para PSL 3 são idênticos àqueles do PSL 2. Os requisitos serão conforme 7.4.2.3.14;

7.4.10.3.2 Testes de impacto 7.4.10.3.16 END volumétrico

Os requisitos para PSL 3 são idênticos àqueles do PSL 2. Os requisitos serão conforme 7.4.2.3.15.

7.4.10.3.3 Verificação dimensional 7.4.10.4 PSL 4

Os requisitos para PSL 3 são idênticos àqueles do PSL 1. 7.4.10.4.1 Testes de tração
Adicionalmente, a verificação deverá ser realizada em todas
as partes. Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles do PSL 2.
7.4.10.3.4 Testes de dureza 7.4.10.4.2 Testes de impacto

Os requisitos para PSL 3 são idênticos àqueles do PSL 1, Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles do PSL
exceto que um teste de dureza será realizado em cada parte 2. Os critérios de aceitação serão conforme as especifica-
acabada, com testes adicionais nas locações especificadas ções do fabricante.
nos documentos de projeto do fabricante.
7.4.10.4.3 Verificação dimensional
7.4.10.3.5 Rastreabilidade
Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles do PSL 3.
As partes fabricadas conforme PSL 3 deverão ser rastreá-
veis a uma corrida e lote de tratamento térmico específicos. 7.4.10.4.4 Testes de dureza
7.4.10.3.6 Análise química Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles do PSL 3.
Os requisitos para PSL 3 são idênticos àqueles do PSL 1. 7.4.10.4.5 Rastreabilidade
7.4.10.3.7 Exame visual Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles do PSL 3.
Nenhum requerido.
7.4.10.4.6 Análise Química
7.4.10.3.8 END da superfície
Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles do PSL 1.
Os requisitos serão em conformidadecom 7.4.2.3.8.
7.4.10.4.7 Exame visual
7.4.10.3.9 END da solda - Geral
Os requisitos serão em conformidade com 7.4.2.2.10. Nenhum requerido.
7.4.10.3.10 Exame da solda – Visual 7.4.10.4.8 END da superfície
Os requisitos serão em conformidadecom 7.4.2.2.11. Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles do PSL 3.
7.4.10.3.11 END da solda – Superfície 7.4.10.5 END da Solda
Os requisitos serão conforme 7.4.2.3.11.
Nenhuma soldagem é permitida em partes ou equipa-
7.4.10.3.12 Soldas de reparo mentos do PSL 4. Os requisitos de END da solda para
revestimentos do PSL 4 são idênticos àqueles estabelecidos
Os requisitos serão conforme 7.4.2.2.13. para o PSL 3.

58
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
7.4.10.5.1 Seriação 7.4.11.3 Testes de impacto
Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles do PSL 3. Os testes de impacto serãoconforme 5.4.2.4.
7.4.10.5.2 END volumétrico 7.4.11.4 Testes de dureza
Os requisitos para PSL 4 são idênticos àqueles do PSL 3, Os testes de dureza serão conforme 7.4.2.1.3.
exceto:
a) Critérios de aceitação –Exame ultra-sônico 7.4.11.5 Verificação dimensional
Aplicam-se os mesmos critérios do PSL 3. Adicional-
mente, nenhum agrupamento contínuo de indicações no A verificação dimensional será de acordo com 7.4.2.1.4.
mesmo plano, independentemente da amplitude, deverá ser Adicionalmente, todas as roscas deverão ser calibradas.
encontrado sobre área de duas vezes o diâmetro da unidade
de busca. 7.4.11.6 Rastreabilidade
b) Critérios de aceitação –Exame radiográfico
O critério de aceitação será como segue: Os requisitos de rastreabilidade serão conforme 7.4.2.2.5.
Nenhum tipo de trinca,sobreposição, ou ruptura.

Sem indicações alongadas excedendo 6,4mm (1/4”).



7.4.11.7 Análise química
Não mais do que duas indicações separadas por

menos de 13 mm (1/2”). Os requisitos serão de acordo com 7.4.2.2.6.

7.4.11 Bujões macho, bujões para remoção de válvula e 7.4.11.8 Exame visual
válvulas de contrapressão (vide Tabela 26)
Os requisitos serão de acordo com 7.4.2.1.5
7.4.11.1 Geral
Ferro fundido não deverá ser usado. Reparo por solda 7.4.11.9 Teste hidrostático para v álvulas de
não é permitido. contrapressão

7.4.11.2 Testes de tração As válvulas de contrapressão serão submetidas a teste


hidrostático à pressão nominal de trabalho. Os critérios de
Os testes de tração serão conforme 5.4.2.3. aceitação serão em conformidade com 7.4.9.3.3.

Tabela 26 – Requisitos de
de válvulas,
controle de qualidade
e válvulas depara bujões macho, bujões de remoção
contrapressão

Mecanismo de Conjunto
Teste Corpo vedação da válvula
(válvulas de contrapressão) (válvulas de contrapressão)

Testes de tração a 7.4.11.2 - -


b
Testes de impacto 7.4.11.3 - -
Testes de dureza a, c 7.4.11.4 - -
NACE MR 0175 7.4.1.5 7.4.1.5 b -
Verificação dimensional 7.4.11.5 - -
Rastreabilidade 7.4.11.6 - -
Análise química d 7.4.11.7 - -
Exame visual 7.4.11.8 - -
Teste hidrostático - - 7.4.11.9
a
Critérios de aceitação conforme 5.4.2 para PSL 2 a PSL 4.
b
Critérios de aceitação conforme 5.4.2.4.
c Não são requeridos testes de dureza para aqueles materiais que não tenham restrição de dureza especificada na NACE MR 0175
ou não sejam tratados témicamente para obter um nível de resistência mínima especificado.
d
Critérios de aceitação conforme 5.4.5.

59
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
7.5 Requisitos para registros de controle da 4) Registros do tratamento térmico:
qualidade Temperatura efetiva.

Tempos efetivos à temperatura.


7.5.1 Geral Não é requerida certificação de conformidade.


7.5.1.1 Finalidade 5) Registros dos testes de dureza:
Dureza efetiva.

Os registros de controle da qualidade requeridos por esta


norma internacional são necessários para evidenciar que todos 6) Registros do processo de soldagem:
os materiais e produtos fabricados para atender à mesma Identificação do soldador.

estão em conformidade com osrequisitos especificados. Procedimentos de soldagem.


Tipo do material de adição.


7.5.1.2 Requisitos para registros conforme NACE Tratamentos térmicos após soldagem (PWHT)

7) Registros de verificação dimensional (aquelas


Os registros exigidos para evidenciar conformidade dos atividades requeridas em 7.4.2.3.4).
equipamentos das classes de materiais DD, EE, FF e HH aos
requisitos da NACE MR 0175, serão adicionais àqueles d) PSL 4
descritos em 7.5.2, a menos que os registros requeridos por
esta norma também satisfaçam às estipulações da NACE 1) Todos os registros requeridos deverão referenciar o
MR0175. número de série específico do componente.
2) Todos os registros requeridos para PSL 3 são
7.5.1.3 Controle dos registros
também exigidos para PSL 4.
a) Os registros de controle da qualidade exigidos por esta 3) Gráficos da temperatura efetiva do tratamento
norma internacional deverão ser legíveis, identificáveis, recu- térmico, indicando tempos e temperaturas.
peráveis e protegidos contra danos, deterioração, ou perda.
Registros de tratamento térmico não são requeridos.
b) Os registros aqui requeridos serão mantidos pelo fabri- 4) Processo de fusão utilizado (somente para corpos,
cante por um prazo mínimo de 5 anos a partir da data de fabri- tampas, e conexões de extremidade e saída).
cação marcada no equipamento associado com os registros.
7.5.2.2 Registros para juntas de anel
c) Todos os registros de controle da qualidade aqui
requeridos deverão ser datados e assinados. Nenhum registro é requerido.
7.5.2 Registros a serem mantidos pelo fabrica nte 7.5.2.3 Registros para prisioneiros e porcas
7.5.2.1 Corpo, tampa, conexões de extremidade e Nenhum registro é requerido.
saída, hastes, mecanismos de vedação da
passagem de válvulas,
do revestimento suspensor
e da coluna de mandril
deprodução 7.5.2.4 Registros para materiais de vedação
não-metálicos
a) PSL 1 Os registros para estes materiais são requeridos em
1) Registros dos testes do material: conformidade com 7.4.8.
Análise química

Teste de tração

7.5.2.5 Bujões macho, bujões de remoção de válvulas,
Teste de impacto (serequerido)

e válvulas de contrapressão
Teste de dureza

Registros dos testes de material requeridos:


2) Registros do processo de soldagem: • Análise química.
Especificação do procedimento de soldagem
• WPS)
( • Teste de tração.
Registro de qualificação do procedimento de

• Teste de impacto.
soldagem (PQR) • Teste de dureza.
Registro de qualificação de soldadoresWQR)
• (
3) Registros dequalificação dopessoal de END. 7.5.2.6 Registros para equipamentos montados
4) Teste de dureza (se aplicável).
a) PSL 1
Nenhum registro é requerido.
b) PSL 2
1) Todos os registros requeridos para PSL 1 são b) PSL 2
também exigidos para PSL 2. Registros de testes de pressão do equipamento montado:
2) Registros de ENDs: •Pressão de teste efetiva.
•END da superfície. Tempo de espera.

•END volumétrico dasolda. c) PSL 3



END das soldas de reparo.
3) Certificado de conformidade do tratamento térmico. 1) Todos os registros requeridos para PSL 2 são
também exigidos para PSL 3.
c) PSL 3
2) Adicionalmente, osseguintesregistrossão requeridos::
1) Todos os registros requeridosdeverão referenciar o Registros de rastreabilidade do conjunto.

número de série específico do componente.
Registros do teste hidrostático de pressão.

2) Todos os registros requeridos para PSL 2 são


3) Também são requeridos os seguintes registros do
também exigidos para PSL 3.
teste a gás para equipamento designado PSL 3G:
3) Registros de END volumétrico (exceto mecanismos Pressões de et ste efetivas.

de vedação da passagem da válvula). Tempos de esperaefetivos.


60
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
• d) PSL 4 b) PSL 4
• Os seguintes documentos deverão ser fornecidos:
1) Todos os registros requeridos para PSL 3 são • Registros dos ENDs
também exigidos para PSL 4. • Registros dos testes de dureza.
• Registros dos testes do material.
2) Adicionalmente,os seguintes registros dos testes • Registros do tratamento térmico.
a gás são necessários:
• Pressões de teste efetivas. 7.5.3.3 Registros para juntas de anel
• Tempo de espera efetivo.
Nenhum registro é requerido.
7.5.2.6 Registros dos internos do estrangulador 7.5.3.4 Registros para prisioneiros e porcas

a) PSL 1 e PSL 2: Nenhum registro é requerido.


Nenhum registro é requerido.
7.5.3.5 Registros para materiais de vedação
b) PSL 3 e PSL 4 não-metálicos
São requeridos registros dos ensaios não-destrutivos a) PSL 1 a PSL 3
(ENDs) da superfície. Nenhum registro é requerido.

7.5.3 Registros a serem fornecidos ao comprador b) PSL 4


Certificado de conformidade declarando que os materiais
7.5.3.1 Geral de vedação não-metálicos atendem ao PSL 4 desta norma
internacional.
Estes registros deverão ser fornecidos pelo fabricante ao 7.5.3.6 Registros para equipamentos montados
comprador srcinal de equipamentos construídos sob esta
norma internacional. a) PSL 1 e PSL 2
Estes registros, se aplicável, serão idênticos a ou conter Não é requerido o fornecimento de registros.
informações iguais àquelas empoder do fabricante.
Tais registros fornecidos pelo fabricante deverão indicar b) PSL 3
destacadamente o(s) número(s) de série do(s) ocmponente(s). Os seguintes registros deverão ser fornecidos:
•Certificado de conformidade declarando que o
equipamento atende ao PSL 3 desta norma, e às
7.5.3.2 Corpo, tampa, conexões de extremidade e classes de temperatura e material.
saída, hastes, mecanismos de vedação da
passagem de válvulas, suspensores de mandril
• Registros de rastreabilidadedo conjunto.
do revestimento e da coluna de produção, e • Registros dos testes de pressão.
válvulas de contrapressão c) PSL 3G e PSL 4
a) PSL 1 a PSL 3 Todosrequeridos
também os registros/certificações
paraPSL 3G e PSL exigidos para PSL 3 são
4. Adicionalmente,
Nenhum registro é requerido. deverão ser fornecidos relatórios dos testes a gás.

61
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
8 Marcação dos equipamentos “CRA” designando uma liga resistente à corrosão, ou “SST”
designando um aço inoxidável austenítico.
8.1 Requisitos para marcação
8.1.8 Testes de dureza
8.1.1 Geral Quando forem requeridos testes de dureza para corpos,
tampas, ou conectores de extremidade e saída, o valor
Os equipamentos deverão ser marcados na superfície efetivo do teste de dureza deverá ser estampado na parte
externa conforme especificado na Tabela 27. A marcação adjacente ao local do teste. É aceitável que a marcação da
deverá conter a designação “ISO 10423”, a classe de dureza seja encoberta por outros componentes após a
temperatura, a classe do material, o nível de especificação montagem.
do produto, o nível do requisito de desempenho, a data de
fabricação (mês e ano), e o nome ou marca do fabricante. 8.1.9 Outros conectores de extremidade
Outras
27 a 34.marcações obedecerão
A marcação ao especificado
para características nas Tabelas
que não existam a) Os outros conectores de extremidade deverão ser
em um produto não é aplicável. marcados com as iniciais “OEC” após a dimensão ou classe
de pressão.
8.1.2 Método de marcação
b) Conectores de extremidade tipo cubo serão marcados
A marcação utilizando estampas a baixa pressão “ISO 13533” em seguida à dimensão e classe de pressão.
(ponteamento, vibração, ou V arredondado) é aceitável. A
estampagem convencional em V pontudo é aceitável em 8.2 Equipamentos da cabeça-de-poço
áreas de baixa tensão, tais como o diâmetro externo de
flanges. A estampagem em V pontudo não é permitida em Alojadores da cabeça do revestimento, carretéis da
áreas sujeitas a grande tensão, salvo se submetidas cabeça do revestimento, carretéis da cabeça da coluna de
posteriormente a alívio de tensão a 590°C (1.100°F) mínimo. produção, carretéis de transição, alojadores da cabeça multi-
O método de marcação em placas de identificação é estágios. carretéis multi-estágios, e carretéis adaptadores e
opcional. espaçadores, serão marcados conforme especificado nas
Tabelas 27 e 28. O diâmetro dobore deverá ser precedido da
8.1.3 Placas de identificação palavra “Bore”.

Não são requeridas placas de identificação se a 8.3 Conectores e conexões


informação estiver permanentemente estampada no corpo Conectores de transição, adaptadores da cabeça da
ou conector. coluna de produção, conectores de topo, tês, cruzetas,
dispositivos de amostragem de fluídos, adaptadores e espaça-
8.1.4 Marcação encoberta dores, serão marcados conforme prescrito nas Tabelas 27 e
29. A marcação do requisito de desempenho não é exigida
A marcação requerida no OD de um conector que para conectores e conexões.
poderá ser coberta por braçadeiras ou outras peças do
conjunto do conector, será estampada em um local visível 8.4 Suspensores de revestimento e da coluna de
próximo do conector. produção
8.1.5 Marcação de roscas 8.4.1 Marcação de suspensores de mandril
A marcação dos tipos de roscas, conforme a ISO 11960, Se os suspensores do mandril tiverem roscas do topo e
deverá ser conforme abaixo: do fundo diferentes, ambas as roscas serão listadas com a
•Tubos de condução: LP rosca do fundo primeiramente, seguida da descrição da rosca
•Revestimento (rosca curta): STC do topo mais a palavra “TOPO”. Qualquer suspensor que
•Revestimento (rosca longa): LC possa ser instalado de cabeça para baixo terá as palavras
•Revestimento (escora): BC “PARA BAIXO” na extremidade que irá fazer face com o
•Revestimento (linha extrema): XL fundo do poço quando devidamente instalado. A marcação da
pressão nominal de trabalho e classe de carga é opcional para
• Coluna de produção (não recalcada): NU suspensores de mandril. Os suspensores de mandril serão
• Coluna de produção (com recalque externo):EU marcados conforme especificado nas Tabelas 27 e 30.
8.1.6 Marcação da dimensão 8.4.2 Marcação de suspensores deslizantes
(slip hangers)
A marcação da dimensão deverá incluir o tamanho nominal
e, se aplicável, o diâmetro do
bore restrito ou expandido. Qualquer suspensor que possa ser instalado de cabeça
para baixo deverá ter as palavras “PARA BAIXO” na
8.1.7 Revestimento com metal de solda extremidade que irá fazer face com o fundo do poço quando
devidamente instalado. A marcação da pressão nominal de
Quando o equipamento possuir ranhuras circulares trabalho e classe de carga é opcional para suspensores
revestidas com metal de solda resistente à corrosão, o tipo e deslizantes. Os suspensores deslizantes serão marcados
número da junta de anel deverá ser seguido das iniciais conforme especificado nas Tabelas 27 e 30.

62
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 27 – Requisitos para marcação e locações

Locação
Marcação Conectores Suspensores Válvulas
Equipto. de Conectores
e de revestº e e Atuadores
cabeça-de-poço avulsos
conexões col. produção estranguladores

Placa de ident. Placa de ident. Placa de ident. OD do Placa de ident. Placa de ident.
ISO 10423
e/ou corpo e/ou corpo e/ou corpo conector e/ou corpo e/ou corpo

Placa de ident.
Classe ou faixa e/ou corpo
Placa de ident. Placa de ident. Placa de ident. OD do Placa de ident.
de temperatura (atuadores
e/ou corpo e/ou corpo e/ou corpo conector e/ou corpo
(4.2.2) contendo fluído
retido)
Placa de ident.
Classe de e/ou corpo
Placa de ident. Placa de ident. Placa de ident. OD do Placa de ident.
material (atuadores
e/ou corpo e/ou corpo e/ou corpo conector e/ou corpo
(4.2.3) contendo fluído
retido)
Placa de ident.
Nível de espec. e/ou corpo
Placa de ident. Placa de ident. Placa de ident. OD do Placa de ident.
do produto (atuadores
e/ou corpo e/ou corpo e/ou corpo conector e/ou corpo
(1.4) contendo fluído
retido)

Nível de requisito
Placa de ident. Placa de ident. OD do Placa de ident. Placa de ident.
de desempenho -
e/ou corpo e/ou corpo conector e/ou corpo e/ou corpo
(4.1)

Ø nominal Placa de ident. Placa de ident.,


(bore se Placa de ident. OD do Placa de ident. Placa de ident.
ou corpo e OD corpo e OD do
requerido) do conector conector e/ou corpo conector e/ou corpo e/ou corpo

Ø da rosca Placa de ident. Placa de ident. Placa de ident. Placa de ident.


OD do
(só p/produtos ou corpo, e/ou ou corpo, e/ou e/ou próx. cada ou corpo e/ou -
roscados) próx. cada rosca próx. cada rosca conector conector próx. cada rosca
Ø conector de Placa ident. ou Placa ident. ou
extremidade corpo e OD de corpo e OD de - OD do Placa de ident. -
conector e/ou corpo
e saída cada conector cada conector
Placa ident. ou Placa ident. ou Placa ident. ou
Pressão nominal OD do
corpo, e OD de corpo, e OD de - corpo, e OD de -
de trabalho conector
cada conector cada conector cada conector

Tipo e nº da Próximo de Próximo de OD do Próximo de


junta de anel cada conector cada conector - conector cada conector -

Data de Placa de ident. Placa de ident. Placa de ident. OD do Placa de ident. Placa de ident.
fabricação e/ou corpo e/ou corpo e/ou corpo conector e/ou corpo e/ou corpo

Nome ou marca Placa de ident. Placa de ident. Placa de ident. OD do Placa de ident. Placa de ident.
do fabricante e/ou corpo e/ou corpo e/ou corpo conector e/ou corpo e/ou corpo

Série nº Placa de ident. Placa de ident. Placa de ident. OD do Placa de ident. Placa de ident.
(qdo. aplicável) e/ou corpo e/ou corpo e/ou corpo conector e/ou corpo e/ou corpo

Valores do
Adjacente à Adjacente à Adjacente à Adjacente à Adjacente à Adjacente à
Teste de Dureza
locação do teste locação do teste locação do teste locação do teste locação do teste locação do teste
(se. aplicável)

63
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela 28 – Marcação adicional para equipamen
tos c) Diâmetro nominal e orifício máximo para estranguladores
de cabeça-de-poço Os estranguladores serão marcados com seu diâmetro
nominal e orifício máximo, conforme especificado em 10.9.3.3.
Marcação Locação d) Afogadores dos estranguladores (choke beans)
Placa de identificação ou corpo, e Os afogadores dos estranguladores serão marcados
Preparação do fundo conforme especificado na Tabela 32, com o diâmetro do
OD do conector do fundo
orifício e o nome ou marca do fabricante em seu OD ou
Placa de identificação ou corpo, e extremidade.
Bore vertical mínimo
OD de cada conector
e) Válvulas preparadas para atuadores
Marcar a letra “V” após “ISO 10423”.
f) Válvulas desegurança de superfície e submersas
Tabela 29 – Marcação adicional para As válvulas de segurança que atendam aos requisitos de
conectores e conexões 10.20 serão marcadas com as letras “SSV” ou “USV” em
seguida a “ISO 10423”.
Marcação Locação
Ø do packoff do Placa de identificação ou corpo, e Tabela 31 – Marcação adicional para
revestimento OD do conector do fundo válvulas e estranguladores

Bore vertical mínimo


Placa de identificação ou corpo, e
OD de cada conector Locação
Marcação
Válvulas Estrangula-
dores
Tabela 30 - Marcação adicional parasuspensores Direção do fluxo
(somente p/válvulas Corpo Corpo
unidirecionais)
Locação
Marcação Direção do movimento
Suspensores Suspensores Volante Volante
para abrir
de mandril deslizantes
Diâmetros da passagema OD do conector
Bore mínimo
Placa ident.
- (somente válvulas de (vide Tabelas -
e/ou corpo passagens múltiplas) 60* e 61*)
Placa ident. e/ou
Tipo ou modelo a
Vide também 10.5.4.2.3
corpo (somente
da válvula de
contrapressão suspensores da
col. produção)
Ø do revestimento Tabela 32 – Marcação para afogadores de
Placa de ident. estranguladores(choke beans)
ou da coluna de -
e/ou corpo
produção
Marcação Locação
Pressão nominal de Placa ident. e/ou Placa ident. e/ou Nome ou marca do
trabalho (opcional) corpo (opcional) corpo (opcional) fabricante OD ou extremidade

Dados da capacidade Placa ident. e/ou Placa ident. e/ou Diâmetro


Diâmetro nominal do orifício OD ou extremidade
de carga (opcional) corpo (opcional) corpo (opcional) Diâmetro do afogador

Bore vertical mínimo


Placa de ident.
e/ou corpo -
8.6 Conectores avulsos [flangeados, roscados, outros
Orientação conectores de extremidade (OEC) e soldados]
“PARA BAIXO” Base do corpo Base do corpo
(se requerido) Os conectores com pescoço para solda, conectores
cegos, conectores roscados, conectores adaptadores e
conectores espaçadores serão marcados conforme
8.5 Válvulas e estranguladores
especificado na Tabela 27. A marcação do nível do requisito
Válvulas, válvulas múltiplas, válvulas atuadas, válvulas de desempenho não é exigida para conectores avulsos.
preparadas para atuadores, válvulas de retenção e estrangu-
ladores deverão ser marcados conforme especificado nas 8.7 Outros equipamentos

Tabelas 27 e 31. 8.7.1 Atuadores


a) Marcação adicional para válvulas múltiplas
As válvulas múltiplas serão designadas pelos diâmetros Os atuadores serão marcados conforme especificado na
nominais da passagem (bore) em tamanhos decrescentes Tabela 27. A marcação da classe de temperatura, classe de
(ex.: 3-1/16 x 2-1/16 x 2-9/16). Para válvulas com diâmetros material, e nível de especificação do produto, aplica-se
de passagem iguais, também é aceitável usar o diâmetro somente aos atuadores de fluído retido. As tampas montadas
nominal da passagem seguido do número de passagens nos atuadores serão consideradas como parte da válvula,
(ex.: 2-1/16 Quad). para fins de marcação. A marcação para atuadores elétricos
poderá ser feita em uma placa de identificação separada no
b) Volantes de válvulas atuador e deverá incluir, porém não se limitando, a
Os volantes de válvulas deverão ser marcados com a classificação de área, tensão, freqüência, amperagem (partida
direção do movimento para abertura da válvula. e funcionamento) e requisitos de isolação do motor.

64
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
8.7.2 Conjuntos de atuadores e válvulas preparadas 8.8.3 Marcação do teste de impacto
para atuadores
Se a temperatura do teste de impacto for diferente
As válvulas preparadas para atuadores, quando daquela especificada pela norma ASTM, a temperatura efetiva
montadas com o atuador, serão tagueadas com a informação do teste em graus centígrados (ou graus Fahrenheit) será
especificada na Tabela 34. estampada a metal diretamente abaixo do grau conforme
exigido pela especificação ASTM. As temperaturas do teste de
8.7.3 Juntas de anel impacto em graus centígrados (ou graus Fahrenheit) para
todos os prisioneiros de material CRA, serão estampadas a
As juntas de anel serão marcadas conforme indicado na metal diretamente abaixo da marcação “CRA”.
Tabela 33. O material da junta de anel será identificado pelas
seguintes marcações: 8.9 Árvores-de-natal

Material Marcação As árvores-de-natal


informações montadas
especificadas na Tabelaserão
34. tagueadas com as
Ferro doce D-4
Tabela 34 – Marcação para árvores-de-natal
Aço carbono e de baixa liga S-4
e conjuntos de atuadores e válvulas preparadas
Aço inoxidável 304 S304-4 para atuadores
Aço inoxidável 316 S316-4
Liga de níquel UNS N08825 825-4 Marcação Locação

Outros materiais CRA UNS número-4 Data da aceitação final Tag ou placa de identificação

Nome do montador Tag ou placa de identificação

Tabela 33 – Marcação parajuntas de anel Localidade do montador Tag ou placa de identificação

Marcação Locação
8.10 Bujões de remoção de válvulas
Data de fabricação OD da junta
Os bujões de remoção de válvulas serão marcados
Nome ou marca do fabricante OD da junta com “ISO 10423”, seguido do tamanho nom inal e “VR” para
pressão de trabalho de 69,0 MPa (10.000 psi) ou “HPVR” para
Tipo e n° da junta de anel OD da junta pressão de trabalho de 138,0 MPa (20.000 psi), classe de
material e nome ou marca do fabricante, no mínimo.
Material OD da junta
8.11 Bujões macho
_________________________________________________
8.8 Prisioneiros e porcas Os bujões macho serão marcados com “ISO 10423”
8.8.1 Marcação de prisioneiros seguido do tamanho nominal, classe de material e nome ou
marca do fabricante, no mínimo. Os bujões macho poderão
Os prisioneiros serão marcados em conformidade com a ser marcados na extremidade exposta ou na face do sextava-
ASTM A 193, ASTM A 320 ou ASTM A 453, onde aplicável. do, onde aplicável. Os bujões macho com um sextavado
Os prisioneiros de material CRA serão estampados a metal interno poderão ser marcados no sextavado menor não
com a numeração de UNS ou, se isto não estiver disponível, o exposto.
nome comercial da liga e a resistência ao escoamento
deverão ser marcados. 8.12 Válvulas de contrapressão

8.8.2 Marcação das porcas As válvulas de contrapressão serão marcadas com


“ISO 10423” seguido do tamanho nominal, classe de pressão,
As porcas serão marcadas conforme a ASTM A 194. classe de material e nome ou marca do fabricante, no mínimo.

65
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
9 Armazenamento e transporte 9.5 Juntas de anel

9.1 Drenagem após testes As juntas de anel avulsas deverão ser embaladas em
caixas ou embrulhadas durante otransporte e armazenamento.
Todo equipamento deverá ser drenado e lubrificado
após os testes e antes do armazenamento ou transporte. 9.6 Controle da vida útil de materiais não-metálicos
9.2 Prevenção contra ferrugem a) PSL 1 e PSL 2
Os procedimentos para controle da vida útil e proteção
Antes do embarque, as partes e equipamentos de materiais de vedação não-metálicos deverão ser docu-
deverão ter suas superfícies metálicas expostas protegidas mentados pelo fabricante.
com um produto anti-corrosivo que não se tornará fluído e
não escorrerá a uma temperatura inferior a 50°C (125°F). b) PSL 3 e PSL 4
Os requisitos especificados por escrito pelo fabricante
9.3 Proteção das superfícies de vedação para materiais de vedação não-metálicos deverão incluir no
As superfícies de vedação expostas deverão ser mínimo as seguintes i nformações:
protegidas contra danos mecânicos no transporte. • Armazenar em local abrigado.
• A temperatura máxima não deverá exceder a 49°C
9.4 Instruções de montagem e manutenção
(120°F).
O fabricante deverá fornecer ao comprador desenhos • Proteger da luz natural direta.
e instruções adequadas pertinentes à montagem de campo • Não armazenar sob tensão.
e manutenção dos equipamentos de cabeça-de-poço e • Manter longe do contato com líquidos.
árvores-de-natal, quando solicitados. Isto inclui, se • Protegido contra danos por ozonio e radiográficos.
relevante, um manual de operação do equipamento,
especificado no Anexo H. O fabricante deverá definir as condições e requisitos.

66
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10 Requisitos específicos ao equipamento especificado não deverá resultar em uma espessura da
parede da extremidade para solda inferior a 87,5% da
10.1 Conexões de extremidade e saída flangeadas espessura nominal da parede do tubo ao qual o flange
será montado.
10.1.1 Tipos de flanges e suas aplicações
2) Preparação da extremidade para solda: As dimen-
Três tipos de flanges de extremidade e saída são sões da preparação da extremidade para solda deverão
cobertos por esta norma internacional: Tipos 6B, 6BX e atender à Figura 9 (vide unidades-padrão americanas
segmentados. na Tabela B.9).
Os flanges tipos 6B e 6BX poderão ser usados como
flanges integrais, cegos, ou de pescoço. 3) Conicidade: Se a espessura na extremidade de
O tipo 6B poderá também ser usado como flange solda for 2,4 mm (0,09”) superior à espessura do tubo, e
as espessuras adicionais diminuirem o diâmetro interno,
roscado. serAlguns
também usadosflanges cegos do
como flanges de tipo
teste.6BX
Os poderão
flanges o flange deverá ter furos cônicos a partir da extremidade
segmentados são usados em poços de completação dupla, de solda a uma inclinação não excedendo 3 para 1.
NOTA: Devido às dimensões máximas menores do orifício,
e são integrais com o equipamento. os flanges de pescoço Tipo 6B não se destinam a serem
soldados aos equipamentos especificados nesta norma.
10.1.2 Projeto Sua finalidade é ser parafusado a outro flange 6B e
promover uma transição a ser soldada a um tubo.
10.1.2.1 Classes de pressão e faixas dimensionais dos
tipos de flanges 10.1.2.2.3 Face do flange
Os flanges tipos 6B, 6BX e segmentados são projetados A face do flange deverá ser plana ou com ressalto no lado
para aplicação nas combinações das faixas de tamanho da junta de anel, e ser totalmente usinada. A face posterior do
nominal e pressões nominais de trabalho indicadas na flange poderá ser totalmente usinada ou faceada por pontos
Tabela 35. nos furos para parafusos. A face posterior do flange ou faces
por pontos deverão estar paralelas à face frontal dentro de 1°,
10.1.2.2 Flanges Tipo 6B e a espessura após o faceamento atenderá às dimensões das
Tabelas 36*, 37* e 38*.
10.1.2.2.1 Geral
10.1.2.2.4 Juntas
Os flanges tipo 6B são do tipo junta de anel, e não são
construídos para montagem face-a-face. A força de Os flanges Tipo 6B utilizarão juntas Tipo R ou Tipo RX
parafusamento na montagem da conexão reage na junta de em conformidade com 10.4.
anel metálica. O flange tipo 6B será de construção com
parafuso passante ou para montagem por prisioneiro. 10.1.2.2.5 Ranhuras circulares resistentes à corrosão
10.1.2.2.2 Dimensões Os flanges Tipo 6B poderão ser fabricados com revesti-
a) Dimensões padrão mentos resistentes à corrosão em suas ranhuras circulares.
Antes da aplicação da camada de revestimento, a prepara-
As dimensões para flanges tipo 6B integrais, roscados e ção das ranhuras circulares deverá obedecer às dimensões
de pescoço, deverão atender às especificações das Tabelas da Tabela 39*. Outras preparações de solda poderão ser
36*, 37* e 38*. empregadas onde a resistência da liga do revestimento
NOTA: Os dados das tabelas marcadas com asterisco estão
repetidas em unidades-padrão americanas no Anexo B (com o iguale ou exceda a resistência do material base.
mesmo número de tabela do corpo principal desta norma
internacional, porém com o prefixo B). 10.1.2.2.6 Superfície das ranhuras circulares
As dimensões para flanges cegos Tipo 6B deverão
atender àquelas indicadas na Fig ura 8. Todas as superfícies a 23° das ranhuras circulares
As dimensões para ranhuras circulares deverão atender deverão ter um acabamento com rugosidade não superior a
à Tabela 50* ou Tabela 51*. 1,6 m Ra (63 inRMS).

b. Exceções aos flanges integrais 10.1.2.3 Flanges tipo 6BX


Os flanges Tipo 6B usados como conexões de extremi-
dade nas cabeças do revestimento ou da coluna de 10.1.2.3.1 Geral
produção poderão ter biséis de entrada, rebaixos ou
reentrâncias para receber os suspensores do revestimento e Os flanges Tipo 6BX são do tipo junta de anel, e são
da coluna de produção. As dimensões de tais biséis, construídos com uma face ressaltada. Dependendo das
rebaixos ou reentrâncias não estão c obertas por esta norma, tolerâncias, a força de parafusamento na montagem da
e poderão exceder a dimensão B das Tabelas 36* e 37*. conexão poderá reagir na face ressaltada do flange quando
c) Flanges roscados a junta tiver sido devidamente assentada. Este apoio evita
As roscas deverão atender aos requisitos de 4.2.1.2. danos ao flange ou junta resultantes de torque excessivo no
parafuso. Portanto, um dos flanges em uma conexão 6BX
d) Flanges de pescoço deverá ter uma face ressaltada. O flange Tipo 6BX deverá
1) Diâmetro do orifício e espessura da parede: O ser construído para montagem com parafusos passantes ou
prisioneiros.
diâmetro JL do orifício não deverá exceder aos valores Nota: O contato face-a-face não é necessário para o adequado
indicados nas Tabelas 36*, 37* e 38*. O orifício funcionamento dos flanges Tipo 6BX.

67
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 35 – Pressões nominais de trabalho e faixas dimensionais de flanges

Pressão nominal Faixa dimensional do flange


de trabalho Tipo 6B Tipo 6BX Segmentado Duplo
MPa (psi)
mm (pol.) mm (pol.) mm pol.
13,8 (2.000) 52 a 540 (2 1/16 a 21 ¼) 680 a 762 (26 ¾ a 30) - -
20,7 (3.000) 52 a 527 (2 1/16 a 20 ¾) 680 a 762 (26 ¾ a 30) - -
34,5 (5.000) 52 a 279 (2 1/16 a 11) 346 a 540 (13 ⅝ a 21 ¼) 35 a 103 x 108 (1 ⅜ a 4 1/16 x 4 ¼)
69,0 (10.000) - - 46 a 540 (1 13/16 a 21 ¼) - -
103,5 (15.000) - - 46 a 476 (1 13/16 a 18 ¾) - -
138,0 (20.000) - - 46 a 346 (1 13/16 a 13 ⅝) - -

NOTA 1: Consultar as Tabelas 36*, 37* e 38* quanto às dimensões B e T e outras dimensões não mostradas. Para as dimensões E,
consultar as Tabelas 50* e 51*.
NOTA 2: A face ressaltada e/ou rebaixo são opcionais.
a
Opcional
b
Rebaixo

Figura 8 – Flanges cegos tipo 6B

10.1.2.3.2 Dimensões 10.1.2.3.3 Face do flange

a) Dimensões padrão A face do flange no lado da junta de anel deverá ser


As dimensões para flanges integrais tipo 6BX deverão com ressalto, exceto para flanges montados por prisioneiros,
atender à Tabela 40* ou Tabela 41*, onde aplicável. que poderão ter faces planas. As faces frontais serão
As dimensões para flanges de pescoço tipo 6BX totalmente usinadas. A superfície de apoio da porca deverá
deverão atender à Tabela 42* ou 43*, onde aplicável. estar paralela à face da junta do flange dentro de 1°. A face
NOTA: Estes flanges não são disponíveis em todas as mesmas posterior do flange poderá ser totalmente usinada ou
classes de pressão e dimensões dos flanges integrais. faceada por pontos nos furos para parafusos. A espessura
As dimensões para flanges cegos e de teste tipo 6BX após faceamento deverá atender às dimensões das Tabelas
deverão estar em conformidade com as Tabelas 44*, 45* ou 40* a 45*, onde aplicável.
46*, onde aplicável.
10.1.2.3.4 Juntas
b) Exceções aos flanges integrais
Os flanges tipo 6BX utilizados como conexões de Os flanges tipo 6BX utilizarão juntas tipo BX em
extremidade em cabeças de revestimento e de colunas de conformidade com 10.4
produção para
recessos poderão ter suspensores
receber biséis de entrada, rebaixose de
de revestimento ou 10.1.2.3.5 Ranhuras circulares resistentes à corrosão
colunas de produção. As dimensões de tais biséis de
entrada, rebaixos e recessos não são cobertas por esta Os flanges tipo 6BX poderão ser fabricados com
norma, e poderão exceder a dimensão B das tabelas. revestimentos resistentes à corrosão em suas ranhuras
circulares. Antes da aplicação da camada de revestimento, a
c) Flanges de pescoço preparação das ranhuras circulares deverá obedecer às
As dimensões para a preparação da extremidade para dimensões da Tabela 39*. Outras preparações de solda
solda deverão estar em conformidade com a Figura 9 (vide poderão ser empregadas se a resistência da liga do revesti-
unidades-padrão americanas na Figura B.9). mento seja igual ou exceda a resistência do material base.

68
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

dimensões em milímetros

a) Para espessura
t de pescoço ≤ 22 mm b) Para espessura
t de pescoço > 22 mm

Figura 9 – Preparação da extremidade para solda para flanges de pescoço tipos 6B e 6BX
(vide unidades-padrão americanas no anexo B)

10.1.2.3.6 Superfície das ranhuras circulares 10.1.2.4.5 Ranhuras circulares resistentes à corrosão

Todas as superfícies a 23° das ranhuras circulares Os flanges segmentados não deverão ser construídos
deverão ter um acabamento com rugosidade não superior a com ranhuras circulares resistentes à corrosão.
0,8 m Ra (32 in RMS).

10.1.2.4 Flanges segmentados 10.1.2.4.6 Serviço com2SH


Estes flanges não poderão ser usados para serviço com
10.1.2.4.1 Geral ácido sulfídrico para classes de material DD, EE, FF e HH.

Os flanges segmentados são do tipo junta de anel, e 10.1.2.4.7 Montagem


são construídos com uma face rebaixada. Dependendo das
tolerâncias e quando a junta estiver devidamente assentada, Os flanges segmentados serão usados em conjuntos,
a força de parafusamento na montagem da conexão poderá i.e. dois flanges lado-a-lado para completações duplas. Os
reagir na superfície externa à face rebaixada do flange. manifolds deverão ser rigidamente unidos entre si para
Este apoio evita danos ao flange ou junta resultantes de adicionar estabilidade aos flanges.
torque excessivo no parafuso. O flange segmentado deverá
ser desenhado para montagem com parafusos passantes ou 10.1.2.4.8 Superfície das ranhuras circulares
prisioneiros.
NOTA: O contato face-a-face não é necessário para o adequado As superfícies a 23° das ranhuras circulares deverão
funcionamento dos flanges segmentados. possuir um acabamento com rugosidade não superior a
1,6 m Ra (63 in RMS).
10.1.2.4.2 Dimensões
10.1.3 Materiais
As dimensões dos flanges segmentados deverão
atender à Tabela 47*. As dimensões das ranhuras circu- Os materiais dos flanges deverão atender aos requisitos
lares deverão estar em conformidade com a Tabela 51*. da cláusula 5.
10.1.2.4.3 Face do flange 10.1.4 Testes
A face do flange deverá ser totalmente usinada. A Os flanges soltos fornecidos sob esta cláusula não
superfície de apoio da porca deverá estar paralela à face da requerem teste hidrostático antes da aceitação final.
junta do flange dentro de 1°. A face posterior poderá ser
totalmente usinada ou faceada por pontos nos furos para 10.1.5 Marcação
parafusos. A espessura após faceamento deverá atender às
dimensões da Tabela 47*. Os flanges serão marcados conforme a cláusula 8.
10.1.2.4.4 Juntas 10.1.6 Armazenamento e transporte
Os flanges segmentados deverão usar juntas tipo RX Todos os flanges serão armazenados e embarcados em
em conformidade com 10.4. conformidade com a cláusula 9.

69
ESPECIFICAÇÃO API 6A/ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 36 – Flanges tipo 6B para pressão nominal de trabalho de 13,8 MPa


(vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
dimensões em milímetros

NOTA A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,25 do desvio (runout) indicador total.
a
Dimensão de referência.
b
Quebrar cantos vivos.
c
Topo
d
Linha central do furo do parafuso localizada dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.
a) Seção de flange integral
dimensões em mm

(1) e (2) Diâmetro nominal e orifício do flange (7) Diâmetro da face ressaltada
(3) a (10) Dimensões básicas do flange (8) Espessura total do flange
(3) Orifício máximo (9) Espessura básica do flange
(4) e (5) Diâmetro externo do flange (10) Diâmetro do cubo
(6) Chanfro máximo

70
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 36 (continuação)
dimensões em mm

(11) a (17) Dimensões para parafusamento (14) e (15) Diâmetro dos furos dos parafusos
(11) Diâmetro do círculo dos parafusos (16) Comprimento dos parafusos
(12) Quantidade de parafusos (17) Número do anel
(13) Diâmetro dos parafusos
a
A tolerância mínima para o furo do parafuso é –0,5 mm.

71
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 36 (continuação)

b) Flange roscado c) Flange de pescoço para tubos de condução

(18) a (23) Dimensões do cubo e orifício


(18) Comprimento do cubo – flange roscado para tubos de condução
(19) Comprimento do cubo – flange roscado para revestimento
(20) Comprimento do cubo – flange de pescoço para tubos de condução
(21) e (22) Diâmetro do pescoço – flange de pescoço para tubos de condução
(23) Orifício máximo do flange de pescoço

72
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 37 – Flanges tipo 6B para pressão nominal de trabalho de 20,7 MPa


(vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
dimensões em mm

NOTA A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,25 do desvio (runout) indicador total.
a
Dimensão de referência.
b
Quebrar cantos vivos.
c
d Topo central do furo do parafuso localizada dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.
Linha

a) Seção de flange integral


dimensões em mm

(1) e (2) Diâmetro nominal e orifício do flange (7) Diâmetro da face ressaltada
(3) a (10) Dimensões básicas do flange (8) Espessura total do flange
(3) Orifício máximo (9) Espessura básica do flange
(4) e (5) Diâmetro externo do flange (10) Diâmetro do cubo
(6) Chanfro máximo

73
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 37 (continuação)
dimensões em mm

(11) a (17) Dimensões para parafusamento (14) e (15) Diâmetro dos furos dos parafusos
(11) Diâmetro do círculo dos parafusos (16) Comprimento dos parafusos
(12) Quantidade de parafusos (17) Número do anel
(13) Diâmetro dos parafusos
a
A tolerância mínima para o furo do parafuso é –0,5 mm.

74
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 37 (continuação)

b) Flange roscado c) Flange de pescoço para tubos de condução

dimensões em mm

(18) a (24) Dimensões do cubo e orifício


(18) Comprimento do cubo – flange roscado para tubos de condução
(19) Comprimento do cubo – flange roscado para revestimento
(20) Comprimento do cubo – flange para coluna de produção
(21) Comprimento do cubo – flange de pescoço para tubos de condução
(22) e (23) Diâmetro do pescoço – flange de pescoço para tubos de condução
(24) Orifício máximo do flange de pescoço

75
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 38 – Flanges tipo 6B para pressão nominal de trabalho de 34,5 MPa


(vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
dimensões em mm

NOTA A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,25 do desvio(runout) indicador total.
a
Dimensão de referência.
b
Quebrar cantos vivos.
c Topo
d
Linha central do furo do parafuso localizada dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.

a) Seção de flange integral


dimensões em mm

(1) e (2) Diâmetro nominal e orifício do flange (7) Diâmetro da face ressaltada
(3) a (10) Dimensões básicas do flange (8) Espessura total do flange
(3) Orifício máximo (9) Espessura básica do flange
(4) e (5) Diâmetro externo do flange (10) Diâmetro do cubo
(6) Chanfro máximo

76
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 38 (continuação)
dimensões em mm

(11) a (17) Dimensões para parafusamento (14) e (15) Diâmetro dos furos dos parafusos
(11) Diâmetro do círculo dos parafusos (16) Comprimento dos parafusos
(12) Quantidade de parafusos (17) Número do anel
(13) Diâmetro dos parafusos
a
A tolerância mínima para o furo do parafuso é –0,5 mm.

77
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 38 (continuação)

b) Flange roscado c) Flange de pescoço para tubos de condução

dimensões em mm

(18) a (24) Dimensões do cubo e orifício


(18) Comprimento do cubo – flange roscado para tubos de condução
(19) Comprimento do cubo – flange roscado para revestimento
(20) Comprimento do cubo – flange para coluna de produção
(21) Comprimento do cubo – flange de pescoço para tubos de condução
(22) e (23) Diâmetro do pescoço – flange de pescoço para tubos de condução

(24) Orifício máximo do flange de pescoço

78
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 39 – Detalhe de usinagem bruta para ranhura circular resistente à corrosão


(vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
dimensões em mm
rugosidade da superfície em micrômetros

a
Vide nota

dimensões em mm

(1) Número do anel


(2) Diâmetro externo da ranhura
(3) Largura da ranhura
(4) Profundidade da ranhura
NOTA: Deixar uma margem de 3 mm ou maior, para usinagem final do revestimento com solda
a
Vide 10.1.2.4.5.

79
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 40 – Flanges integrais tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de 13,8 MPa; 20,7 MPa;
34,5 MPa e 69,0 MPa (vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
dimensões em mm

NOTA A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,25 do desvio (runout) indicador total.
a
Linha central do furo do parafuso localizada dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máx. = E (Tabela 52);
Q” mín. = 3 mm;

c Q” poderá ser omitido em flanges montados por prisioneiros.


Quebrar cantos vivos
d
Topo

80
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 40 (continuação)
dimensões em mm

(1) e (2) Tamanho nominal e orifício do flange (7) Diâmetro da face ressaltada
(3) a (10) Dimensões básicas do flange (8) Espessura total do flange
(3) Orifício máximo (9) Diâmetro maior do cubo
(4) e (5) Diâmetro externo do flange (10) Diâmetro menor do cubo
(6) Chanfro máximo

81
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 40 (continuação) dimensões em mm

(11) a (19) Dimensões para parafusamento (15) Diâmetro dos parafusos


(11) Comprimento do cubo (16) e (17) Diâmetro dos furos dos parafusos
(12) Raio do cubo (18) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(13) Diâmetro do círculo dos parafusos (19) Número do anel
(14) Quantidade de parafusos

82
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 41 – Flanges integrais tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de 103,5 MPa e 138,0 MPa
(vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
dimensões em mm

NOTA A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,25 do desvio (runout) indicador total.
a
Linha central do furo do parafuso localizada dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máx. = E (Tabela 52);
Q” mín. = 3 mm;
Q” poderá ser omitido em flanges montados por prisioneiros.
c
Quebrar cantos vivos
d
Topo

83
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 41 (continuação)
dimensões em mm

(1) e (2) Tamanho nominal e orifício do flange (7) Diâmetro da face ressaltada
(3) a (10) Dimensões básicas do flange (8) Espessura total do flange
(3) Orifício máximo (9) Diâmetro maior do cubo
(4) e (5) Diâmetro externo do flange (10) Diâmetro menor do cubo
(6) Chanfro máximo

84
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 41 (continuação)
dimensões em mm

(11) a (19) Dimensões para parafusamento (15) Diâmetro dos parafusos


(11) Comprimento do cubo (16) e (17) Diâmetro dos furos dos parafusos
(12) Raio do cubo (18) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(13) Diâmetro do círculo dos parafusos (19) Número do anel
(14) Quantidade de parafusos

85
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 42 – Flanges de pescoço tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de 69,0 MPa e 103,5 MPa
(vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
dimensões em mm

NOTA A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,25 do desvio (runout) indicador total.
a
Linha central do furo do parafuso localizada dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máx. = E (Tabela 52);
Q” mín. = 3 mm;
c
Quebrar cantos vivos.
d
Topo.

86
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 42 (continuação)
dimensões em mm

(1) e (2) Tamanho nominal e orifício do flange (7) Diâmetro da face ressaltada
(3) a (10) Dimensões básicas do flange (8) Espessura total do flange
(3) Orifício máximo (9) Diâmetro maior do cubo
(4) e (5) Diâmetro externo do flange (10) Diâmetro menor do cubo
(6) Chanfro máximo

87
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 42 (continuação)
dimensões em mm

(11) a (19) Dimensões para parafusamento (15) Diâmetro dos parafusos


(11) Comprimento do cubo (16) e (17) Diâmetro dos furos dos parafusos
(12) Raio do cubo (18) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(13) Diâmetro do círculo dos parafusos (19) Número do anel
(14) Quantidade de parafusos

88
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 43 – Flanges de pescoço tipo 6BX para pressão nominal de trabalho de 138,0 MPa
(vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
dimensões em mm

NOTA A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,25 do desvio (runout) indicador total.
a
Linha central do furo do parafuso localizada dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máx. = E (Tabela 52);
Q” mín. = 3 mm;
c Quebrar cantos vivos.
d
Topo.

(1) e (2) Tamanho nominal e orifício do flange (8) Espessura total do flange
(3) a (12) Dimensões básicas do flange (9) Diâmetro maior do cubo
(3) Orifício máximo (10) Diâmetro menor do cubo
(4) e (5) Diâmetro externo do flange (11) Comprimento do cubo
(6) Chanfro máximo (12) Raio do cubo
(7) Diâmetro da face ressaltada

89
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 43 (continuação)
dimensões em mm

(13) Diâmetro do círculo dos parafusos (16) e (17) Diâmetro dos furos dos parafusos
(14) Quantidade de parafusos (18) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(15) Diâmetro dos parafusos (19) Número do anel

90
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 44 – Flanges cegos e de teste Tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de69,0 MPa e 103,5 MPa
(vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
(dimensões em mm)

NOTA: A ranhura circular deverá estar concêntrica com o furo dentro de 0,25 do i ndicador total de desvio.
a
Eixo do furo do parafuso localizado dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máximo = E (Tabela 52); Q” mínimo = 3 mm.
c
Quebrar cantos vivos.
d
Este furo é opcional.
e
Topo.
f
Conexão de teste. Vide Figura 22.
g
Tubo de condução ½” ou roscas NPT (máx. pressão de trabalho de 69,0 MPa).

91
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 44 cont inua ão

(1) e (2) Diâmetro nominal e furo do flange.

(3 a (12) Dimensões básicas do flange:


(3) Furo máximo
(4) Diâmetro externo (OD) do flange
(5) Tolerância no OD do flange
(6) Chanfro máximo
(7) Diâmetro da face ressaltada
(8) Espessura total do flange
(9) Diâmetro maior do cubo
(10) Diâmetro menor do cubo
(11) Comprimento do cubo
(12) Raio do cubo
(13) a (19) Dimensões do parafusamento
(13) Diâmetro do círculo dos parafusos
(14) Número de parafusos
(15) Diâmetro dos parafusos
(16) Diâmetro dos furos dos parafusos
(17) Tolerância nos furos dos parafusos
(18) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(19) Número do anel

92
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 45 – Flanges cegos e de teste Tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de103,5 MPa e 138,0 MPa
(vide unidades-padrão americanas no Anexo B)
(dimensões em mm)

NOTA: A ranhura circular deverá estar concêntrica com o furo dentro de 0,25 do indicador total de desvio.
a
Eixo do furo do parafuso localizado dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máximo = E (Tabela 52); Q” mínimo = 3 mm.
c
Quebrar cantos vivos.
d
Este furo é opcional.
e
Topo.
f
Conexão de teste. Vide Figura 22.

93
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 45 (continuação)

(1) e (2) Diâmetro nominal e furo do flange.

(3) a (12) Dimensões básicas do flange:


(3) Furo máximo
(4) Diâmetro externo (OD) do flange
(5) Tolerância no OD do flange
(6) Chanfro máximo
(7) Diâmetro da face ressaltada
(8) Espessura total do flange
(9)
(10) Diâmetro
Diâmetro maior
menordo
docubo
cubo
(11) Comprimento do cubo
(12) Raio do cubo

(13) a (19) Dimensões do parafusamento


(13) Diâmetro do círculo dos parafusos
(14) Número de parafusos
(15) Diâmetro dos parafusos
(16) Diâmetro dos furos dos parafusos
(17) Tolerância nos furos dos parafusos
(18) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(19) Número do anel

94
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 46 – Flanges cegos Tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de 13,8; 20,7; 34,5; 69,0; 103,5; e 138,0 MPa
(vide unidades-padrão americanas no anexo B)

a Rebaixo
b Inclinação máxima

(1) (2) (3) (4) (5)

Nota: Para as dimensões não listadas, consultar Tabelas 40 a 45 onde aplicável


(1) Tamanho nominal do flange
(2) Espessura do flange
(3) Diâmetro do cubo
(4) Profundidade do rebaixo
(5) Espessura do cubo adicionada

95
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 47 – Dimensões para flanges segmentados com pressão nominal de trabalho de 34,5 MPa para completação dupla
(vide unidades-padrão americanas no anexo B)
(dimensões em mm)

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o furo dentro de 0,25 do indicador total de desvio.
a
Eixo do parafuso localizado dentro de 0,8 mm do BC teórico e espaçamento igual.
b
Furos dos parafusos:L, M.
c
Topo.

(1) e (2) Tamanho nominal e furo do flange (pol. e mm). (8) Raio mínimo
(3) a (13) Dimensões básicas do flange: (9) Diâmetro do cubo
(3) Furo máximo (10) Tolerância no diâmetro do cubo
(4) Diâmetro externo (OD) do flange (11) Diâmetro do rebaixo
(5) Tolerância no OD do flange (12) Profundidade do rebaixo
(6) Espessura total do flange (13) Nº do anel
(7) Distância do plano ao centro

96
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 47 (continuação)

(14) a (24) Dimensões do parafusamento


(14) Diâmetro do círculo dos parafusos
(15) Diâmetro dos furos dos parafusos
(16) Tolerância no diâmetro dos furos dos parafusos
(17) Número de furos dos parafusos
(18) Graus
(19) Graus
(20) Graus
(21) Diâmetro do parafuso
(22) Comprimento do prisioneiro de dupla extremidade
(23) Comprimento do prisioneiro roscado
(24) Dimensão igual furo-a-furo

97
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.2 Conexões de extremidade e saída roscadas 10.2.2.3 Rebaixos da rosca

10.2.1 Geral As conexões de extremidade e saída, dotadas de roscas


internas, poderão ser fornecidas com ou sem um rebaixo de
Os requisitos para conexões de extremidade e saída entrada da rosca. As roscas internas, fornecidas sem rebaixo,
soltas e integrais de equipamentos, incluindo suspensores deverão ter os ângulos externos de 45° a uma profundidade
da coluna de produção e do revestimento, se aplicam mínima de P/2 conforme ilustrado na figura relativa à Tabela
somente àquelas que sejam roscadas conforme ISO 10422. 48* e Figura 10. As roscas internas, fornecidas com rebaixo,
Outras conexões roscadas soltas de extremidade e saída deverão atender às dimensões do rebaixo especificadas na
não são abrangidas por esta norma. Tabela 48*, e a base do rebaixo deverá ser chanfrada a um
ângulo de 45*. Como alternativa, as dimensões do rebaixo
10.2.2 Projeto poderão ser conforme especificado na ISO 10422.

10.2.2.1 Geral 10.2.2.4 Alinhamento da rosca

As dimensões e tolerâncias internas e externas das As roscas deverão se alinhar com o eixo da conexão de
roscas deverão atender à ISO 10422 ou ASME B1.20.1 se extremidade, com uma tolerância de ± 5,0 mm/m (± 0,06
aplicável (vide 10.2.2.3). pol/pé) ou 0,3° do eixo projetado.

a) Comprimento das roscas 10.2.2.5 Diâmetrodo acoplamentode extremidade/


saída

O comprimento das roscas internas não poderá ser O diâmetro do acoplamento de saída deverá ser
inferior ao comprimento efetivo L2 da rosca externa suficiente para fornecer integridade estrutural da parte
especificado na figura pertencente à Tabela 48* e conforme roscada à pressão nominal. Este diâmetro não poderá ser
estipulado na ISO 10422. inferior ao da junta tabulada ou diâmetro de acoplamento
para a rosca especificada.
b) Roscas NPT internas e externas conforme ASME B1.20.1
10.2.3 Testes (calibração)
As roscas de tubos, aplicação geral (polegadas), poderão
ser usadas para roscas de tubos de condução nas dimensões Os calibres de rosca deverão atender aos requisitos dos
de 38 mm (1½”) e menores. calibres de trabalho estipulados em 4.2 a 4.6 da ISO 10422.
As roscas serão aferidas quanto a ajuste no aperto manual.
NOTA: Enquanto as roscas de tubos de condução conforme ISO Para roscas fabricadas conforme esta norma, utilizar as
10422 e as roscas NPT são basicamente intercambiáveis, a técnicas de aferição ilustradas nas Figuras 10, 11 e 12. Para
pequena variação no formato da rosca poderá aumentar o roscas fabricadas conforme ISO 10422, adotar as técnicas
desgaste e a tendência para descamação após várias montagens. de calibração especificadas naquela mesma norma.
10.2.2.2 Folga da rosca
10.2.4 Marcação
Uma folga de comprimento mínimoJ, conforme ilustrado Os conectores roscados deverão ser marcados em
na ISO 10422, deverá ser provida em todos os equipamentos conformidade com a cláusula 8.
roscados internamente.

Tabela 48 – Dimensões do rebaixo e engate da rosca de tubos (vide dimensões


L1 L2 e L4 na norma ISO 10422)

a
1 Plano do engate ao aperto manual Dimensão de referência
b
2 Plano do comprimento efetivo da rosca Comprimento da rosca interna
c
3 Plano do ponto de fuga Sem rebaixo
d
Com rebaixo

98
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 48 (continuação)

(8)

(1) Tamanho nominal da rosca


(2) Comprimento: plano do ponto de fuga ao plano de aperto manual
(3) e (4) Engate ao aperto manual:
(3) Rosca sem rebaixo
(4) Rosca com rebaixo raso
(5) Comprimento: face do rebaixo ao plano de aperto manual
(6) e (7) Rebaixo:
(6) Diâmetro
(7) Profundidade
(8) Roscas para tubos de condução.

99
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 48 (continuação)

(8)

(9)

(10)

a
Somente roscas curtas do revestimento (roscas longas do revestimento não abrangidas).

(1) Dimensão nominal da rosca (6) e (7) Rebaixo:


(6) Diâmetro
(2) Comprimento: plano do ponto de fuga ao
(7) Profundidade
plano de aperto manual
(8) Roscas do revestimento longas e curtas
(3) e (4) Engate ao aperto manual:
(3) Rosca sem rebaixo
(9) Roscas da coluna de produção não-recalcadas
(4) Rosca com rebaixo raso

(5) Comprimento: face do rebaixo ao plano de (10) Roscas externas da coluna de produção recalcadas
aperto manual

100
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

NOTA: Vide ISO 10422 para as dimensões de L1, L2, L4, S e S1.

1 – Plano do ponto de fuga 6 – Calibrador macho


2 – Plano do engate ao aperto manual 7 – Rosca do produto
3 – Plano da extremidade do tubo 8 – Rosca do produto sem rebaixo
4 – Calibrador de anel master de referência certificado 9 – Rosca do produto com rebaixo raso
5 – Calibrador macho master de referência certificado 10 – Rosca do produto com rebaixo fundo

Figura 10 – Procedimentos decoluna


calibração para roscas
de produção, de tubosaodeaperto
montagem condução, de tubos do revestimento e de tubos da
manual

101
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

a) Sem rebaixo b) Com rebaixo raso

1 Entalhe do calibrador no alinhamento com a base do chanfro, dentro da tolerância


2 Calibrador macho de trabalho
3 Folga do rebaixo

Figura 11 – Aplicação do calibrador macho de trabalho às roscas da válvula e conexão com folga no recesso interno

a) Sem rebaixo b) Com rebaixo raso

1 Entalhe do calibrador no alinhamento com a base do chanfro, dentro da tolerância


2 Calibrador macho de trabalho
3 L2 (mín.) mais tolerância da rosca

Figura 12 – Aplicação do calibrador macho de trabalho às roscas da válvula e conexão com folga na rosca

102
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.3 Prisioneiros e porcas dureza máxima deverá atender aos requisitos da norma
NACE MR 0175.
10.3.1 Geral k
NOTA: Alguns materiais poderão ser suscetíveis a trincamento
Os requisitos para prisioneiros e porcas se aplicam ambientalmente assistido.
somente àqueles utilizados para conectar flanges de
extremidade e saída e conexões montadas por prisioneiros, O parafusamento usado com flanges isolados em
conforme especificado em 10.1. Para cálculo do serviço corrosivo deverá estar em conformidade com
comprimento do parafuso vide o anexo C, e para os torques 10.3.3.3 (vide NACE MR 0175, Seção 6).
do parafuso do flange vide o anexo D.
10.3.3.3 Parafusamento NACE exposto (baixa
10.3.2 Construção resistência)

Os requisitos de construção para prisioneiros e porcas a) ASTM A 193 Grau B7M


estão apresentados na Tabela 49. Os prisioneiros e porcas
deverão atender às exigências da especificação ASTM O material ASTM A 193 Grau B7M é aceitável a uma
aplicável, salvo onde indicado em contrário. As dimensões e resistência ao escoamento mínima de 550 MPa (80.000 psi)
passo da rosca deverão atender à norma ASTM A 193 para para os flanges listados na Tabela 49 somente para
prisioneiros, e ASTM A 194 para porcas. As propriedades parafusamento exposto conforme NACE MR 0175 (baixa
mecânicas especificadas na Tabela 49 têm precedência resistência).
sobre aquelas requeridas pela ASTM.
b) ASTM A 320 Grau L7M
10.3.3 Materiais
O material ASTM A 320 Grau L7M é aceitável a uma
10.3.3.1 Geral resistência ao escoamento mínima de 550 MPa (80.000 psi)
para os flanges listados na Tabela 49 somente para
O parafusamento deverá satisfazer aos requisitos das parafusamento exposto conforme NACE MR 0175 (baixa
especificações ASTM aplicáveis indicadas na Tabela 49. resistência).
Materiais alternativos poderão ser usados, desde que as
propriedades mecânicas atendam aos requisitos 10.3.3.4 Parafusamento NACE não exposto
apresentados na Tabela 49.
a) ASTM A 193 Grau B7
a) Resistência ao escoamento
O material ASTM A 193 Grau B7 é aceitável para
A resistência ao escoamento deverá atender ou exceder serviço não exposto para os flanges listados na Tabela 49
aos valores mínimos indicados na Tabela 49. somente para parafusamento não exposto conforme NACE
MR 0175.

b) Limitações dimensionais b) ASTM A 320 Grau L7 ou L43


As limitações dimensionais do material especificadas na
ASTM A 320 para Grau L7M poderão ser excedidas se os O material ASTM A 320 Grau L7 ou L43 é aceitável para
requisitos do material forem atendidos. serviço não exposto para os flanges listados na Tabela 49
somente para parafusamento não exposto conforme NACE
10.3.3.2 Parafusamento NACE exposto MR 0175.

a) ASTM A 453 Grau 660 10.3.3.5 Porcas conforme NACE

O materiail ASTM A 453 Grau 660 tratado por a) ASTM A 194 Grau 2HM
solubilização e endurecido por envelhecimento é aceitável a
uma dureza de HRC 35 e abaixo, e a uma resistência ao O material ASTM A 194 Grau 2HM é aceitável para
escoamento mínima de 725 MPa (105.000 psi) para todos os tamanhos de flanges e pressões nominais de
diâmetros até 63,5 mm (2,5”) ou 655 MPa (95.000 psi) para trabalho.
dimensões superiores.
b) Parafusamento NACE exposto
b) Materiais de ligas resistentes à corrosão (CRA)
Poderão ser utilizadas porcas de material ASTM A 453
Outros materiais CRA poderão ser utilizados desde que Grau 660 ou CRA com parafusamento NACE exposto,
satisfaçam aos requisitos mecânicos mínimos de somente se forem tomadas medidas para evitar
parafusamento da ASTM A 453 Grau 660, exceto que a descamação.

103
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 49 – Requisitos de parafusamento para flanges de extremidade

CLASSE DE MATERIAL
Requisito

CLASSE DE TEMPERATURA

Não exposto Não exposto Exposto


Todos os(baixa resistência)
flgs. 13,8 e 20,7 MPa Exposto
Todas
Dimensões e Todas Todas Todas Todas
pressão nomi- Flanges 34,5 MPa <1 13 ⅝
nal de Flanges 69,0 MPa < 4/116
trabalho Flanges 103,5 MPa < 2/16
Todos os flanges 138,0 MPa

Parafusamento
Graus e mate-
riais ASTM

Res. escoamtº
mínima (MPa)

Res. escoamtº
mínima (ksi)

Dureza cfe. Não Não Não Não Sim Sim Sim


NACE MR 0175
Charpy requerido Não Sim Não Sim Não Sim Não

Porcas

Matl. e graus
ASTM, pesado

Dureza cfe. Não Não Não Não Sim Sim Sim


NACE MR 0175
Charpy requerido Não Não Não Não Não Não Não

104
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.4 Juntas de anel b) Furo de passagem de pressão RX

10.4.1 Geral
Todas as juntas BX deverão ter um orifício de
passagem de pressão perfurado ao longo de sua altura,
As juntas tipos R e RX deverão ser usadas em flanges
conforme indicado na Tabela 52*.
tipo 6B. Apenas as juntas tipo BX serão utilizadas com
flanges tipo 6BX. As juntas RX e BX proporcionam uma
vedação ativada à pressão, porém não são intercambiáveis. 10.4.2.4 Reutilização das juntas

10.4.2 Construção As juntas de anel possuem um valor limitado de


interferência que assegura que as juntas serão cunhadas
10.4.2.1 Dimensões
até uma ser
deverão relação de selagem nas ranhuras. Estas juntas não
reutilizadas.
As juntas de anel deverão atender às dimensões e
tolerâncias especificadas nas Tabelas 50*, 51* e 52*, e
serão planas dentro de uma tolerância de 0,2% do diâmetro 10.4.3 Materiais
externo do anel até um máximo de 0,38 mm (0,015”).
a) Material da junta:
10.4.2.2 Juntas R e RX
Deverá atender à cláusula 5.
a) Acabamento da superfície
b) Revestimentos e chapeamentos
Todas as superfícies em 23° das juntas R e RX deverão
ter um acabamento com rugosidade não superior a 1,6 m
Ra (63 pol. RMS).
Revestimentos e chapeamentos são empregados para
auxiliar no assentamento da vedação ao mesmo tempo em
que minimizam descamação, e a fim de prolongar a vida útil.
b) Furo de passagem de pressão RX
Esses revestimentos e chapeamentos deverão ter uma
espessura máxima de 0,013 mm (0,0005”).
Juntas RX de determinados tamanhos deverão ter um
orifício de passagem de pressão perfurado ao longo de sua
altura, conforme indicado na Tabela 51*. 10.4.4 Marcação

10.4.2.3 Juntas BX
As juntas deverão ser marcadas conforme a cláusula 8.
a) Acabamento da superfície
10.4.5 Armazenamento e transporte
Todas as superfícies em 23° das juntas BX deverão ter
um
(32 acabamento
pol. RMS). com rugosidade não superior a 0,8 m Ra As juntas com
conformidade deverão ser armazenadas
a Cláusula 9. e embarcadas em

105
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 50 – Juntas de anel tipo R


(dimensões em milímetros)

a) Octogonal b) Oval c) Ranhura

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

(1) Número do anel (7) Raio no anel octogonal


(2) Diâmetro do passo do anel (ranhura) (8) Profundidade da ranhura
(3) Largura do anel (9) Largura da ranhura
(4) Altura do oval do anel (10) Raio na ranhura
(5) Altura do octogonal do anel (11) Distância aproximada entre os flanges montados
(6) Largura do plano do anel octogonal

106
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 50 (continuação)

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

(1) Número do anel (7) Raio no anel octogonal


(2) Diâmetro do passo do anel (ranhura) (8) Profundidade da ranhura
(3) Largura do anel (9) Largura da ranhura
(4) Altura do oval do anel (10) Raio na ranhura
(5) Altura do octogonal do anel (11) Distância aproximada entre os flanges montados
(6) Largura do plano do anel octogonal

107
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 51 – Juntas de anel tipo RX ativadas à pressão


(dimensões em milímetros)

a
O orifício de passagem da pressão ilustrado na seção transversal do anel RX se aplica somente aos anéis RX-82 a RX-91. O eixo do
furo deverá ser localizado no ponto intermédio da dimensão C. O diâmetro do orifício será de 1,5 mm para os anéis RX-82 a RX-85, 2,25
mm para os anéis RX-86 e RX-87, e 3,0 mm para os anéis RX-88 a RX-91.
(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12)

(1) Número do anel (7) Altura do anel


(2) Diâmetro do passo do anel e ranhura (8) Raio no anel
(3) Diâmetro externo do anel (9) Profundidade da ranhura
(4) Largura do anel (10) Largura da ranhura
(5) Largura do plano (11) Raio na ranhura
(6) Altura do chanfro externo (12) Distância aproximada entre os flanges montados

108
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

a
Tabela 51(continuação) (vide nota sobre na tabela anterior)

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12)

a 0
A tolerância destas dimensões é − 0,38
b + 0,5
A tolerância destas dimensões é
0
c
É permitida uma tolerância de 0,20 mm a maior para a largura A e a altura H, desde que a variação na largura o u altura de qualquer anel
não exceda 0,10 mm através de sua circunferência tota l.

(1) Número do anel (7) Altura do anel


(2) Diâmetro do passo do anel e ranhura (8) Raio no anel
(3) Diâmetro externo do anel (9) Profundidade da ranhura
(4) Largura do anel (10) Largura da ranhura
(5) Largura do plano (11) Raio na ranhura
(6) Altura do chanfro externo (12) Distância aproximada entre os flanges montados

109
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 52 – Juntas de anel tipo BX ativadas à pressão


(dimensões em mm)

O raio R será 8% a 12% da altura H da junta. É requerido um orifício de passagem da pressão por gaxeta no eixo.
(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

a
É permitida uma tolerância de 0,20 mm a maior para a largura A e a altura H, desde que a variação na largura ou altura de qualquer
anel não exceda 0,10 mm através de sua circunferência total.

(1) Número do anel (7) Largura do plano


(2) Diâmetro nominal (8) Diâmetro do furo
(3) Diâmetro externo do anel (9) Profundidade da ranhura
(4) Altura do anel (10) Diâmetro externo da ranhura
(5) Largura do anel (11) Largura da ranhura
(6) Diâmetro do plano

110
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.5 Válvulas 10.5.3.4 Limitações das válvulas roscadas
10.5.1 Geral As válvulas roscadas somente poderão ser fornecidas
nos diâmetros de 52 mm a 103 mm (2 1/16” a 41/16”) e
Os requisitos estabelecidos abaixo são para válvulas pressões nominais de trabalho de 13,8 MPa, 20,7 MPa e
incluindo válvulas múltiplas, de interrupção por atuador e de 34,5 MPa (2.000, 3.000 e 5.000 psi), em conformidade com
retenção, e para válvulas com pressões nominais de 4.2.1.
trabalho iguais ou superiores a 13,8 MPa (2.000 psi). As
válvulas deverão atender aos requisitos da cláusula 4. 10.5.3.5 Caixas de vedação
As válvulas poderão ser utilizadas para controle do
poço, controle da linha de fluxo, repressurização e serviços Não são permitidos rasgos abertos em sobrepostas ou
de ciclagem. flanges da caixa de vedação.

10.5.3.6 Renovação da caixa de vedação


10.5.2 Requisitos de desempenho
Todas as válvulas gaveta deverão ser dotadas de uma
As válvulas deverão atender aos requisitos gerais de contravedação, ou outros meios para renovação da caixa de
desempenho apresentados em 4.1 quando operadas
vedação enquanto a válvula estiver em serviço e à pressão
conforme indicado na Tabela 53. Isto inclui válvulas
máxima para a qual a válvula foi construída.
acionadas manualmente e válvulas construídas para
atuadores.
10.5.3.7 Sentido de operação
Tabela 53 – Requisitos de ciclo operacional p/válvulas
As válvulas operadas mecanicamente deverão ser
PR 1 PR 2 giradas no sentido anti-horário para abrir, e no sentido
Ciclos de operação 3 ciclos 200 ciclos horário para fechar.

10.5.3 Construção 10.5.3.8 Mecanismos de operação

10.5.3.1 Dimensões As válvulas gaveta deverão ser fornecidas com um


volante. As válvulas macho serão fornecidas com um
a) Diâmetro nominal mecanismo de operação por chave (ou alavanca), ou com
um mecanismo de engrenagem acionado por volante. Todos
As válvulas serão identificadas pelo seu diâmetro os volantes deverão ser raiados e substituíveis quando em
nominal indicado nas Tabelas 54* a 59*. operação.

b) Dimensões face-a-face 10.5.3.9 Engrenagens de operação


A construção do mecanismo de operação por engre-
1) Geral nagem deverá permitir a abertura e fechamento da válvula à
A dimensão face-a-face é definida como a maior pressão diferencial máxima de trabalho sem o auxílio de
distância geral medida no eixo horizontal da válvula ferramentas ou alavancas.
entre as superfícies usinadas.
10.5.3.10 Documentação
2) Válvulas flangeadas
As dimensões face-a-face flangeadas corresponde- Os fabricantes deverão documentar as características
rão às dimensões indicadas nas Tabelas 54* a 59* de vazão e queda de pressão para válvulas de passagem
onde aplicável. reduzida.

3) Válvulas com qualquer outro tipo de conector de 10.5.3.11 Material


extremidade a) Corpo, tampa, e conexões das extremidades
Não existem requisitos para dimensões face-a-face
destas válvulas. Estes componentes deverão estar em conformidade
com a cláusula 5.
(4) Válvulas gaveta de passagem reduzida b) Outras partes
Não existem requisitos para dimensões face-a-face
destas válvulas. Os materiais para os componentes dos internos da
válvula, tais como gavetas, machos, assentos e hastes,
c) Válvulas de passagem plena deverão atender aos requisitos da cláusula 5.

Todas as válvulas de passagem plena deverão ter 10.5.3.12 Testes


orifícios de passagem circulares através dos corpos,
assentos, gavetas ou machos, e conexões de extremidade. a) Teste de drift
O diâmetro da passagem do corpo deverá atender às Todas as válvulas montadas de passagem plena
dimensões indicadas nas Tabelas 54* a 59*. O diâmetro do deverão ser submetidas a teste de drift conforme descrito
orifício dos assentos, gavetas, machos ou outros em 7.4.9.3.1.
componentes internos pertinentes, deverá ter as mesmas
dimensões ou acima. b) Outros testes
Todas as válvulas montadas deverão apresentar
10.5.3.2 Flanges das extremidades resultados satisfatórios em todos os testes aplicáveis
requeridos e descritos em 7.4.9.
Os flanges das extremidades de válvulas deverão
atender aos requisitos de 10.1 10.5.3.13 Marcação
As válvulas serão marcadas conforme a cl áusula 8.
10.5.3.3 Conexões das extremidades
10.5.3.14 Armazenamento e transporte
As válvulas roscadas deverão ter as roscas dos tubos
de condução, do revestimento e da coluna de produção, em As válvulas deverão ser armazenadas e embarcadas
conformidade com 10.2. em conformidade com a cláusula 9.

111
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 54 – Válvulas de macho e gaveta flangeadas para pressão nominal de trabalho de 13,8 MPa
(dimensões em milímetros)

Orifício de Comprimento face-a-face da válvula ± 2


passagem plena
Diâmetro nominal da válvula Válvulas de macho
Válvulas gaveta
de passagem Válv. esfera
Válv. macho passagem
+ 0,8 Válv. macho plena
0 plena passagem plena passagem
reduzida
e passagem
reduzida

Tabela 55 – Valvulas de macho e gaveta flangeadas para pressão nominal de trabalho de 20,7 MPa
(dimensões em milímetros)

Orifício de Comprimento face-a-face da válvula ± 2


Diâmetro nominal passagem plena Válvulas de macho
da válvula
Válvulas gaveta
+ 0,8 de passagem Válv. esfera
Válv. macho passagem
Válv. macho plena
0 plena passagem plena passagem
reduzida e passagem
reduzida

112
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 56 – Válvulas de macho e gaveta flangeadas para pressão nominal de trabalho de 34,5 MPa
(dimensões em milímetros)

Orifício de Comprimento face-a-face da válvula ± 2


Diâmetro nominal passagem plena
da válvula Válvulas de macho
Válvulas gaveta
+ 0,8 de passagem Válv. macho Válv. esfera
Válv. macho passagem plena e
0 plena passagem plena passagem
reduzida e passagem
reduzida

Tabela 57 – Válvulas de macho e gaveta flangeadas para pressão nominal de trabalho de


69,0 MPa(dimensões em milímetros)

Válvulas de passagem plena


Diâmetro nominal Orifício Comprimento
+ 0,8
face-a-face ± 2
0

113
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 58 – Válvulas de macho e gaveta flangeadas para pressão nominal de trabalho de 103,5 MPa

Válvulas de passagem plena


Diâmetro nominal Orifício Comprimento da válvula face-a-face ± 2
+ 0,8
0
Padrão curto Padrão longo

Tabela 59 – Válvulas de macho e gaveta flangeadas para pressão nominal


(dimensões em milímetros)
de trabalho de 138,0 MPa

Válvulas de passagem plena


Diâmetro nominal Orifício
+ 0,8 Comprimento
0 face-a-face ± 2

10.5.4 Válvulas múltiplas b) Dimensões extremidade-a-extremidade


10.5.4.1 Geral Não são estabelecidos requisitos dimensionais de
extremidade-a-extremidade para v álvulas múltiplas.
As válvulas múltiplas são de passagem integral, tipo
gaveta ou macho. Elas são utilizadas em completações 10.5.4.2.3 Locações do orifício
duplas, triplas, quádruplas e quintuplas de colunas paralelas
para controle da produção do poço, repressurização e
As dimensões são medidas a partir do centro do
serviços de ciclagem. conector da extremidade.
Baseado no eixo das conexões da extremidade, os
10.5.4.1 Construção
vários orifícios da válvula múltipla poderão ser localizados
10.5.4.2.1 Geral de acordo com as Tabelas 60* e 61*.

As válvulas múltiplas são um arranjo composto das 10.5.4.2.4 Determinação do diâmetro do conector da
válvulas indicadas em 10.5.3. As válvulas múltiplas têm os extremidade
condutos dos vários orifícios terminando em, se integrando
com, ou permanentemente montados a, conexões simples A dimensão da conexão da extremidade é determinada
em cada extremidade. As válvulas múltiplas deverão atender pelo diâmetro nominal da cabeça da coluna de produção ou
a todos os requisitos de construção das válvulas de 10.5.3, adaptador cabeça-coluna de produção ao qual a válvula
exceto onde indicado em contrário. mais baixa da árvore será montada.

10.5.4.2.2 Dimensões 10.5.4.2.5 Vedações do orifício

a) Diâmetro da válvula Esta norma não é aplicável às vedações do orifício.

As Tabelas 60* e 61* especificam o diâmetro máximo da 10.5.4.2.6 Furo para teste
válvula para um determinado orifício centro-a-centro, ou
centro do flange ao centro do orifício. Válvulas de diâmetro A conexão da extremidade inferior deverá possuir um
nominal menor poderão ser fornecidas no centro-a-centro furo para teste, estendendo-se de um ponto na face do
especificado. O flange mostrado é o mínimo requerido para conector entre as vedações do orifício e vedação do
um centro-a-centro especificado. Poderá ser usado um conector da extremidade até o OD do conector. Este furo
flange maior. para teste deverá ser conforme especificado em 4.4.4.

114
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.5.4.2.7 Locação da furação dos parafusos para os b) Outros testes
flanges
Todas as válvulas múltiplas montadas deverão atender
Um par de furos para parafusos em ambas as extremi- satisfatoriamente a todos os testes aplicáveis requeridos e
dades deverá transpor a linha de centro comum. descritos em 7.4.9.
10.5.4.2.9 Marcação
10.5.4.2.8 Testes
As válvulas múltiplas serão marcadas em conformidade
a) Teste de drift com a cláusula 8.
10.5.4.2.10 Armazenagem e transporte
Todas as válvulas múltiplas montadas deverão atender
satisfatoriamente a um teste de drift conforme descrito em As válvulas múltiplas serão armazenadas e embarcadas
7.4.9.3.1. em conformidade com a cláusula 9.

Tabela 60 – Distâncias centrais dos furos de tubulações para válvulas de orifícios duplos paralelos, para pressões
(dimensões
nominais de trabalho de 13,8 – 20,7 – 34,5 – e 69 MPa em mm)

(1) (2) (3) (4) (5) (6)

(1) Diâmetro nominal


(2) Centro do furo a centro do furo
(3) Centro do furo maior a centro da conexão da extremidade
(4) Centro do furo menor a centro da conexão da extremidade
(5) Diâmetro mínimo da conexão da extremidade
(6) Diâmetro básico do revestimento

115
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 61 – Distâncias centrais dos furos de tubulações para válvulas de orifício paralelo triplas, quádruplas e
quíntuplas(dimensões em mm)

(1) (2) (3) (4) (5)

(1) Diâmetro nominal


(2) Diâmetro máximo da válvula
(3) Centro do flange a centro do furo
(4) Diâmetro mínimo da conexão da extremidade
(5) Diâmetro básico do revestimento

10.5.5 Válvulas atuadas e) Marcação


a) Geral As válvulas atuadas deverão ser marcadas em
conformidade com a cláusula 8.
As válvulas atuadas são dotadas de um atuador para
abrir ou fechar automaticamente a válvula. As válvulas f) Armazenagem e transporte
atuadas podem ser do tipo gaveta ou macho flangeadas,
roscadas, ou com outros conectores de extremidade, de
passagem plena ou passagem reduzida. As válvulas atuadas deverão ser armazenadas e
embarcadas de acordo com a cláusula 9.

b) Construção 10.5.6 Válvulas preparadas para atuadores


As válvulas deverão atender aos requisitos de 10.5.3.
Os atuadores deverão satisfazer aos requisitos de 10.16.3. a) Geral
c) Material As válvulas, inclusive múltiplas, preparadas para
atuadores, deverão incluir todos os componentes necessári-
O material das válvulas atuadas deverá satisfazer aos os para funcionamento correto quando montadas com o
requisitos da cláusula 5 ou 10.16, onde aplicável. atuador. O conjunto da tampa da válvula incluindo peças
d) Testes associadas, tais como haste e vedações, deverão ser parte
ou da válvula ou do atuador. A válvula preparada para
As válvulas atuadas montadas deverão atender atuador, se montada com este último, deverá atender a
satisfatoriamente a todos os testes aplicáveis requeridos e todos os requisitos de 10.5.5. As especificações do atuador
descritos em 7.4.9. estão contidas em 10.16.

116
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
b) Construção b) Dimensão face-a-face

As válvulas preparadas para atuadores deverão atender A dimensão face-a-face para válvulas de retenção
aos requisitos para válvulas atuadas de 10.5.5. flangeadas corresponderá às dimensões mostradas nas
Tabelas 62*, 63*, 64*, 65, 66 e 67.
c) Material
c) Orifícios
As válvulas preparadas para atuadores deverão satisfa-
zer ao estipulado em 10.5.3.11. 1) Passagem plena

d) Testes Todas as válvulas de passagem plena deverão


possuir passagens circulares através do corpo e
As válvulas preparadas para atuadores deverão atender assentos. O diâmetro do orifício deverá atender às
satisfatoriamente a todos os testes especificados em 7.4.9. dimensões indicadas na Tabela 64*.
Se um conjunto de tampa não for incluído com a válvula
como uma unidade, não será necessário teste da 2) Passagem reduzida
contravedação, porém este será executado na montagem
com o atuador. Os testes requeridos poderão ser realizados As válvulas de retenção tipo horizontal e de
usando os dispositivos de teste em lugar da tampa e do portinhola normais, e as do tipo wafer, são comumente
atuador. fabricadas com orifícios reduzidos através do assento, e são
dimensionadas a critério do fabricante.
e) Marcação
10.5.7.2.3 Flanges das extremidades
As válvulas preparadas para atuadores serão marcadas
em conformidade com a cláusula 8. As válvulas flangeadas deverão satisfazer aos requisitos
da cláusula 10.1.
f) Armazenagem e transporte
10.5.7.2.4 Válvulas de passagem reduzida
As válvulas preparadas para atuadores deverão ser
armazenadas e embarcadas conforme a cláusula 9. Para válvulas de passagem reduzida, os fabricantes
deverão documentar as características de vazão e queda de
10.5.7 Válvulas de retenção pressão.

10.5.7.1 Geral
10.5.7.3 Material
As válvulas de retenção são dos tipos de portinhola e
horizontal (pistão), ou do tipo wafer. As válvulas poderão ser Todo material deverá estar em conformidade com a
cláusula 5.
de passagem plena ou passagem reduzida, e são utilizadas
para permitir a vazão do fluído em uma só direção. 10.5.7.4 Testes
10.5.7.2 Construção
a) Teste de drift
10.5.7.2.1 Geral
As válvulas de retenção não requerem este tipo de teste.
As válvulas de retenção poderão ser fornecidas nos
seguintes tipos: b) Outros testes
• Tipo portinhola normal (vide Figura 13). Todas as válvulas de retenção montadas deverão
• Tipo portinhola de passagem plena (vide Figura 14). atender satisfatoriamente a todos os testes aplicáveis
• Tipo horizontal normal (vide Figura 15). requeridos e descritos em 7.4.9.
• Chapa simples, tipo wafer, padrão longo (vide Figura 16).
• Chapa simples, tipo wafer, padrão curto (vide Figura 17). 10.5.7.5 Marcação
• Chapa dupla, tipo wafer, padrão longo (vide Figura 18).
As válvulas de retenção deverão ser marcadas em
10.5.7.7.2 Dimensões conformidade com a cláusula 8.
a) Diâmetro nominal
10.5.7.6 Armazenagem e transporte
As válvulas de retenção serão identificadas pelo seu
diâmetro nominal indicado na coluna 1 das Tabelas 62*, 63*, Todas as válvulas de retenção serão armazenadas e
64*, 65, 66 e 67. embarcadas conforme a cláusula 9.

117
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1) Prisioneiros e porcas da tampa


2) Tampa
3) Corpo
4) Disco
5) Anel do assento
6) Aletas de apoio ou pés
a
Dimensão face-a-face
b
Sentido do fluxo

Figura 13 – Válvula de retenção tipo portinhola normal

1) Prisioneiros e porcas da tampa


2) Tampa
3) Corpo
4) Disco
5) Anel do assento
6) Aletas de apoio ou pés
a
Dimensão face-a-face
b
Sentido do fluxo

Figura 14 – Válvula de retenção tipo portinhola, passagem plena

118
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1) Prisioneiros e porcas da tampa


2) Tampa
3) Corpo
4) Pistão
5) Anel do assento
a
Dimensão face-a-face
b
Sentido do fluxo

Figura 15 – Válvula de retenção tipo horizontal normal

1) Corpo
2) Conjunto do prisioneiro da placa de fechamento
3) Dobradiça
4) Porca
5) Pino da dobradiça
6) Retentores do pino da dobradiça
7) Anel do assento
8) Espaçadores de apoio
a
Sentido do fluxo

Figura 16 – Válvula de retenção wafer


tipo típica, placa simples, padrão longo

119
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1) Corpo
2) Disco basculante
3) Pino
4) Vedação do disco basculante
5) Assento do corpo
6) Olhal de içamento
a
Sentido do fluxo

Figura 17 – Válvula de retenção wafer


tipo típica, placa simples, padrão curto

1) Corpo
2) Placa de fechamento
3) Pino de encosto
4) Mola
5) Pino da dobradiça
6) Assentos da lingüeta da placa
7) Assentos da lingüeta do corpo
8) Retentores do pino de encosto
9) Retentores do pino da dobradiça
a
Sentido do fluxo

Figura 18 – Válvula de retenção wafer


tipo típica, placa dupla, padrão longo

120
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 62 – Válvulas de retenção tipo portinhola e horizontal, flangeadas, passagem normal e passagem plena,
para pressões nominais de trabalho de 13,8 MPa, 20,7 MPa e 34,5 MPa em mm)
(dimensões

Comprimento ace-a- ace


Diâmetro nominal ±2
Padr ão curto Padr ão lon o

Tabela 63 – Válvulas de retençãowafer


tipo , placas simples e duplas, para utilização com flanges
para pressões nominais de trabalho de 13,8 MPa, 20,7 MPa e 34,5 MPa em mm)
(dimensões

Com rim ento face-a - ace± 2


Diâmetro nominal

Padrão curto | Padrão longo | Padrão curto | Padrão longo | Padrão curto | Padrão longo

Tabela 64 – Diâmetros mínimos do orifício para válvulas de retenção de passagem plena,


(dimensões
para pressões nominais de trabalho de 13,8 MPa, 20,7 MPa e 34,5 MPa em mm)

+2
Diâmetro mínimo do orifício
Diâmetro nominal 0

121
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 65 – Válvulas de retenção flangeadas tipo portinhola e horizontal, passagem normal e passagem plena,
(dimensões
para pressões nominais de trabalho de 69,0 MPa (10.000 psi) em mm)

Diâmetro nominal Comprimento face-a- ace da válvula


± 1 5 mm ± 0 06”

Tabela 66 – Válvulas de retenção flangeadas tipo portinhola e horizontal, passagem normal e passagem
(dimensões
plena, para pressões nominais de trabalho de 103,5 MPa (15.000 psi) em mm)

Diâmetro nominal Comprimento face-a- ace da válvula


± 1,5 mm (± 0,06”)

Tabela 67 – Válvulas de retenção flangeadas tipo portinhola e horizontal, passagem normal e passagem
plena, para pressões nominais de trabalho de 138,0 MPa (20.000 psi) em mm)
(dimensões

Diâmetro nominal Comprimento face- a- ace da v lvula


± 1,5 mm (± 0,06”)

122
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.6 Cabeças de revestimentoe da coluna de produção b) Conectores flangeados ou fixadas por prisioneiros
10.6.1 Geral Os conectores de saída flangeados ou fixados por
prisioneiros deverão estar em conformidade com 10.1. Além
a) Alojadores e carretéis da cabeça do revestimento disso, saídas flangeadas ou montadas por prisioneiros, de
Os alojadores da cabeça do revestimento são montados 79 mm (3⅛”) e abaixo, serão fornecidas com preparação de
na extremidade superior do revestimento de superfície. Os bujão para remoção da válvula. Saídas flangeadas ou
carretéis da cabeça do revestimento são montados no montadas por prisioneiros, de 103 mm (4 1/16”) ou acima,
conector de topo dos alojadores ou outros carretéis. Ambos poderão ser fornecidas com ou sem preparação de bujão
são projetados para aceitar mecanismos de suspensão e para remoção da válvula.
guarnição que suspendem e vedam as colunas do revesti- As preparações para remoção da válvula deverão
mento. atender ao especificado no anexo L.
c) Saídas roscadas ISO 10422
b) Carretéis da cabeça da coluna de produção
As saídas roscadas ISO 10422 deverão atender aos
Os carretéis da cabeça da coluna de produção são requisitos de 10.2.
montados no conector de topo dos alojadores ou carretéis
da cabeça do revestimento. Os carretéis da cabeça da d) Outros conectores de extremidade
coluna de produção são projetados para aceitar
mecanismos de guarnição que vedam as colunas do revesti- Deverão estar em conformidade com 10.18.
mento e mecanismos de suspensão e guarnição qu e podem 10.6.3.4 Rebaixos dos flanges
ser usados para suspender e vedar as cadeias da coluna de
produção. Esta norma não se aplica ao diâmetro e profundidade
de rebaixos super-dimensionados destinados a receber
10.6.2 Requisitos de desempenho buchas de desgaste e mecanismos de vedação. Todavia, se
tais rebaixos forem usados em conectores flangeados ou
Os produtos mencionados em 10.6.1 com penetrações fixados por prisioneiros, o fabricante deverá assegurar que a
deverão atender aos requisitos de 10.17 em adição aos de preparação super-dimensionada não provoque tensões no
4.1. flange que excedam aos li mites permissíveis em projeto.

10.6.3 Construção 10.6.3.5 Furos verticais

10.6.3.1 Cargas a) Furo vertical de passagem plena

As seguintes cargas deverão ser consideradas na A fim de permitir a passagem interna de ferramentas ou
elaboração do projeto das cabeças: equipamentos do fundo do poço, o furo vertical mínimo dos
corpos da cabeça-de-poço deverá ser 0,8 mm (0,03”)
superior ao diâmetro de drift (Tabela 68*) do maior
• cargas tubulares em suspensão;

cargas tubulares térmicas; revestimento
Os corpos sobre
da ocabeça-de-poço
qual o c orpo seráque
utilizado.
atendam a este
• cargas de pressão derivadas dos testes do BOP e requisito são considerados como tendo furos de abertura
testes de pressão no campo de mecanismos de total. O furo vertical mínimo de passagem plena do corpo da
vedação do suspensor; cabeça-de-poço, para o diâmetro máximo do revestimento
• cargas axiais e fletoras externas consistentes com as com o qual os corpos possam ser usados, deverá ser
capacidades dos conectores de extremidade nas conforme mostrado na Tabela 68*.
cabeças.
b) Furo vertical de passagem reduzida
10.6.3.2 Conectores de extremidade
Os furos verticais especificados na Tabela 68* poderão
a) Geral ser adaptados a tamanhos de revestimento menores do que
aqueles listados na tabulação, através de roscas de redução
Todas as extremidades das cabeças que usam adequadas, anéis pilotos, etc. O furo passante destes
conectores de extremidade flangeados deverão ser elementos deverá ser 0,8 mm (0,03”) superior ao diâmetro
flangeadas ou fixadas por prisioneiros, em conformidade de drift do revestimento sobre o qual a unidade será usada.
com 10.1. Ilustrações típicas de tais adaptações são mostradas na
Figura 19. Os furos verticais reduzidos poderão também ser
b) Alojador da cabeça do revestimento com conector de fornecidos para pesos do revestimento superiores àqueles
fundo roscado listados na Tabela 68*. Os furos verticais reduzidos para
esta aplicação serão 0,8 mm (0,03”) superiores ao diâmetro
Os conectores de fundo roscados para alojadores serão de drift da parede de revestimento mais pesada sobre a qual
tratados em conformidade com 10.2. eles serão usados.
c) Outros conectores de extremidade c) Furo vertical de passagem expandida

Os outros conectores de extremidade deverão atender A fim de aceitar buchas de desgaste e mecanismos de
aos requisitos de 10.18. vedação, o furo vertical poderá ser alargado acima dos
valores da coluna 6 da Tabela 68*. Todavia, é responsabili-
NOTA: Esta norma não é aplicável a preparações para solda dade do fabricante assegurar que a preparação super-dimen
do alojador à coluna do revestimento. sionada não provoque tensões no corpo que excedam aos
limites permissíveis em projeto.
10.6.3.3 Conectores de saída
10.6.3.6
a) Geral – Classe de pressão
A pressão nominal de trabalho das cabeças deverá
A classe de pressão dos conectores de saída deverá estar em conformidade com 4.2.1. Deverão ser levadas em
ser consistente com aquela do conector da extremidade conta as limitações da pressão nominal de trabalho para os
superior. conectores roscados baseadas na dimensão e tipo de rosca.

123
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1 Corpo da cabeça-de-poço 6 Furo de passagem plena reduzido


2 Furo de passagem plena normal 7 Rosca do revestimento
3 Conexão do fundo roscada 8 Revestimento de diâmetro menor
4 Conector do fundo 9 Furo integral, adaptador ou piloto
5 Diâmetro máximo do revestimento (montado ou embaixo do corpo)

Figura 19 – Furo vertical de passagem reduzida típico

124
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 68 – Furos verticais mínimos de abertura plena do corpo, e diâmetros do revestimento máximos

Conector nominala Revestimento embaixo do corpo Furo vertical


mínimo de
Massa de passagem plena
Pressão nom. Ø de drift da cabeça-de-
Ø nominal e furo do conector de trabalho Letreirob densidade linear
b especificado poço

a
b Conexões da extremidade
Dimensão máxima e massasuperior
mínima do
do corpo da cabeça-de-poço.
revestimento sobre o qual o furo é baseado.

125
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.6.3.7 Conectoresde teste, respiro,injeção e medição 10.7 Suspensores de revestimento e da coluna de
produção
a) Geral
10.7.1 Geral
Os conectores acima referidos deverão atender aos
requisitos de 4.4.4.
10.7.1.1 Características do suspensor do revesti-
b) Requisitos especial de orifício de teste mento e da coluna de produção

Os carretéis da cabeça do revestimento e os carretéis a) Grupo 1


da cabeça da coluna de produção com uma vedação
secundária ou uma vedação transversal, deverão ser • suspende tubos;
providos de um orifício de teste no conector inferior. • não possui vedação anular.
c) Pressão retida b) Grupo 2
Deverão ser providos recursos para que qualquer • suspende tubos;
pressão atrás de um conector de teste, respiro, injeção e • veda pressão a partir de uma direção.
medição, possa ser aliviada antes de abrir a conexão.
c) Grupo 3
10.6.3.8 Carretéis de transição
• suspende tubos;
Se os carretéis da cabeça do revestimento ou da • veda pressão do topo e fundo com ou sem selo de
cabeça da coluna de produção forem usados como carretéis isolação de junta de anel e li nhas do fundo do poço.
de transição, eles deverão atender aos requisitos de 10.14.
d) Grupo 4
10.6.3.9 Buchas de desgaste
Idem ao Grupo 3, e o suspensor é mantido no lugar por
As buchas de desgaste deverão ser conforme meios mecânicos aplicados a um recurso de retenção. A
especificado no anexo H. retenção do suspensor é independente de qualquer membro
subseqüente ou componente da cabeça-de-poço
10.6.3.4 Materiais
e) Grupo 5
a) Corpos, flanges e outros conectores.
Idem ao Grupo 4, e o suspensor receberá uma válvula
O material utilizado para corpos, flanges e outros de contrapressão.
conectores deverá atender aos requisitos da cláusula 5.

b) Outras partes 10.7.1.2 Requisitos gerais de desempenho

O material de parafusos de pressão e outras partes a) Grupo 1


deverá estar em conformidade com a cláusula 5.
• deverá ter a capacidade de suspender a carga
10.6.5 Fabricação – Bases de assentamento (alojador nominal especificada pelo fabricante sem deixar cair
da cabeça do revestimento) os tubulares abaixo do diâmetro de drift;
• os conectores roscados deverão atender aos requi-
As bases de assentamento para alojadores da cabeça sitos de retenção da pressão.
do revestimento deverão ser montadas ao corpo do alojador
de acordo com as especificações escritas do fabricante. b) Grupo 2
Esta norma não é aplicável às bases de assentamento.
Idem ao Grupo 1. Adicionalmente, a carga de pressão
10.6.6 Testes deverá ser considerada com a carga de suspensão.

Todas as bases deverão atender satisfatoriamente aos c) Grupo 3


testes requeridos e descritos em 7.4.9. Idem ao Grupo 2. Adicionalmente:
- todas as vedações deverão reter a pressão nominal
10.6.7 Marcação de qualquer direção;
- se uma vedação de transição for incluída no
a) Geral suspensor, ela deverá sustentar a maior pressão
nominal de trabalho a partir de cima;
Todas as cabeças serão marcadas conforme cláusula 8. - se forem incluídas linhas do fundo do poço, elas
deverão sustentar a pressão nominal de trabalho do
b) Carretel de transição suspensor, e quaisquer efeitos da carga de pressão

Todos os carretéis da cabeça do revestimento e os deverão ser incluídos no limite operacional de


carga.
carretéis da cabeça da coluna de produção usados como
carretéis de transição, deverão ser adicionalmente d) Grupo 4
marcados em conformidade com a cláusula 8.
Idem ao Grupo 3. Adicionalmente, a capacidade
10.6.8 Armazenamento e transporte mínima de retenção de carga do recurso de retenção do
suspensor deverá ser igual à força gerada pela pressão de
Estas operações deverão atender à cláusula 9. trabalho na área do anular.

126
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
e) Grupo 5 lho do suspensor. Quaisquer efeitos da carga de pressão
serão incluídos no limite operacional de carga.
Idem ao Grupo 3. Adicionalmente:
- a capacidade mínima de retenção de carga do recurso f) Requisitos de desempenho para suspensores
de retenção do suspensor deverá ser igual à força deslizantes do Grupo 4
gerada pela pressão de trabalho atuante na área total
da vedação do suspensor maior;
Os suspensores deslizantes do Grupo 4 deverão
- as preparações da válvula de contrapressão deverão
atender aos requisitos gerais de 4.1. Eles deverão
ser capazes de sustentar a pressão nominal de
proporcionar vedação da pressão nominal máxima acima e
trabalho a partir de baixo;
abaixo da vedação anular, à capacidade de carga nominal
para aquela pressão. Eles também deverão selar a pressão
Os limites operacionais de carga e pressão para os
nominal máxima desde abaixo da vedação anular enquanto
suspensores do revestimento e da coluna de produção
poderão ser uma função do grau tubular do material e seção oretenção.
suspensor
Se éum sustentado
pack-off nodebojo com ofor
transição dispositivo
incluído de
no
da parede, bem como do equipamento de cabeça-de-poço
suspensor, ele deverá sustentar a maior pressão nominal de
no qual eles são instalados. Os fabricantes terão a respon-
trabalho a partir de cima. Se forem incluídas linhas do fundo
sabilidade de fornecer informações sobre os limites
do poço, elas deverão sustentar a pressão nominal de traba-
operacionais de carga/pressão de tais suspensores.
lho do suspensor, e quaisquer efeitos da carga de pressão
serão incluídos no limite operacional de carga.
As pressões de teste de campo poderão ser diferentes
da pressão nominal de trabalho de um suspensor devido a
restrições de colapso do revestimento ou limites de apoio da
carga. Tabela 69 – Requisitos de desempenho
para suspensores deslizantes
Nada nesta subcláusula deverá ser interpretado como
sendo um requisito de um suspensor da coluna de produção
do tipo totalmente envolto por vedação. PR1 PR2

10.7.2 Requisitos de desempenho específicos 1 ciclo à carga 3 ciclos à carga


Capacidade de nominal mínima até nominal mínima até
10.7.2.1 Suspensores deslizantes
(slip hangers) carga a carga nominal a carga nominal
máxima máxima
a) Capacidade de carga

A capacidade de carga para suspensores deslizantes


deverá ser conforme especificado na Tabela 69.
10.7.2.2 Suspensores de mandril
b) Limite operacional de temperatura

O limite operacional de temperatura dos suspensores a) Capacidade de carga


deslizantes será de acordo com 4.2.2. A seleção da faixa de A capacidade de carga para os suspensores de mandril
temperatura é da responsabilidade final do usuário. Ao fazer deverá ser conforme especificado na Tabela 70. Eles
estas seleções, o usuário deverá considerar a temperatura deverão vedar a pressão nominal máxima internamente, à
que o equipamento irá experimentar nos serviços de capacidade nominal de carga.
perfuração e/ou produção.
NOTA: O limite operacional de temperatura do suspensor desli- b) Requisitos de desempenho para suspensores de
zante poderá ser inferior àquele da cabeça de produção e/ou mandril do Grupo 1
árvore.
Os suspensores de mandril do Grupo 1 deverão atender
c) Requisitos de desempenho para suspensores deslizan- aos requisitos gerais de 4.1, exceto que eles não são
tes do Grupo 1 requeridos a possuir integridade de pressão.

Os suspensores deslizantes do Grupo 1 deverão c) Requisitos de desempenho para suspensores de


atender aos requisitos gerais de 4.1, exceto que eles não mandril do Grupo 2
são requeridos a possuir integridade de pressão.
Os suspensores de mandril do Grupo 2 deverão atender
d) Requisitos de desempenho para suspensores deslizan- aos requisitos gerais de 4.1. Eles deverão estabelecer
tes do Grupo 2 vedação da pressão nominal máxima em uma direção ao
longo da vedação anular, à capacidade de carga nominal
Os suspensores deslizantes do Grupo 2 deverão para aquela pressão.
atender aos requisitos gerais de 4.1. Eles deverão assegurar
vedação da pressão nominal máxima em uma direção ao
longo da vedação anular, à capacidade de carga nominal d) Requisitos de desempenho para suspensores de
mandril do Grupo 3
para aquela pressão.
e) Requisitos de desempenho para suspensores Os suspensores deslizantes do Grupo 3 deverão
deslizantes do Grupo 3 atender aos requisitos gerais de 4.1. Eles deverão
estabelecer vedação da pressão nominal máxima acima e
Os suspensores deslizantes do Grupo 3 deverão abaixo da vedação anular, à capacidade de carga nominal
atender aos requisitos gerais de 4.1. Eles deverão assegurar para aquela pressão. Se um pack-off de transição for
vedação da pressão nominal máxima acima e abaixo da incluído no suspensor, ele deverá sustentar a maior pressão
vedação anular, à capacidade de carga nominal para aquela nominal de trabalho a partir de cima. Se forem incluídas
pressão. Se um pack-off de transição for incluído no linhas do fundo do poço, elas deverão sustentar a pressão
suspensor, ele deverá sustentar a maior pressão nominal de nominal de trabalho do suspensor, e quaisquer efeitos da
trabalho a partir de cima. Se forem incluídas linhas do fundo carga de pressão serão incluídos no limite operacional de
do poço, elas deverão sustentar a pressão nominal de traba- carga.

127
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
e) Requisitos de desempenho para suspensores de conformidade com 10.2. Outras conexões roscadas deverão
mandril do Grupo 4 atender ao item 10.18.

10.7.3.3 Diâmetro máximo


Os suspensores de mandril do Grupo 4 deverão atender
aos requisitos gerais de 4.1. Eles deverão proporcionar
O diâmetro externo máximo de qualquer suspensor
vedação da pressão nominal máxima acima e abaixo da
destinado a assentar através de um BOP não deverá
vedação anular, à capacidade de carga nominal para aquela
exceder aquele indicado na Tabela 71.
pressão. Eles também deverão selar a pressão nominal
máxima desde abaixo da vedação anular enquanto o
10.7.3.4 Furo vertical
suspensor é sustentado no bojo com o dispositivo de
retenção. Se um pack-off de transição for incluído no
O furo vertical passante de um suspensor da coluna de
suspensor, ele deverá sustentar a maior pressão nominal de
produção deverá promover abertura total ao diâmetro de
trabalho
do poço, aelas
partir de cima.
deverão Se forem
sustentar incluídas
a pressão linhas de
nominal do traba-
fundo drift do tubular suspenso ou da barra de drift da árvore, o
que for menor. Os suspensores do revestimento serão de
lho do suspensor, e quaisquer efeitos da carga de pressão abertura total ao diâmetro de drift do tubular suspenso. A
serão incluídos no limite operacional de carga.
preparação da válvula de contrapressão também deverá
atender a este requisito de furo passante.
f) Requisitos de desempenho para suspensores de
mandril do Grupo 4
10.7.3.5 Pressão nominal de trabalho

Os suspensores de mandril do Grupo 4 deverão atender 10.7.3.5.1 Suspensores tipo mandril, roscados, do
aos requisitos gerais de 4.1. Eles deverão estabelecer revestimento e da coluna de produção
vedação da pressão nominal máxima acima e abaixo da
vedação anular, à capacidade de carga nominal para aquela a) Sem pescoço de vedação prolongado
pressão. Eles também deverão selar a pressão nominal
máxima vinda de baixo com o ID do suspensor tapado e A pressão nominal de trabalho para o corpo do
sem nenhum tubo suspenso, enquanto o suspensor é suspensor e vedação primária deverá ser igual à pressão de
sustentado no bojo com o dispositivo de retenção. As trabalho da cabeça na qual ele é assentado, no caso de não
preparações da válvula de contrapressão deverão ser ser provido pescoço de vedação prolongado.
capazes de sustentar a pressão nominal de trabalho vinda
de baixo. Se um pack-off de transição for incluído no b) Com pescoço de vedação prolongado
suspensor, ele deverá sustentar a maior pressão nominal de
trabalho a partir de cima. Se forem incluídas linhas do fundo O limite operacional máximo de pressão para o corpo do
do poço, elas deverão sustentar a pressão nominal de traba- suspensor e pescoço de vedação prolongado, caso seja
lho do suspensor, e quaisquer efeitos da carga de pressão provido um selo tipo de transição, deverá ser a pressão de
serão incluídos no limite operacional de carga. trabalho da próxima cabeça de revestimento ou coluna de
produção, ou adaptador da cabeça da coluna de produção

Tabela 70 – Requisitos de desempenho acima do suspensor.


para suspensores de mandril c) Limitação

Os suspensores poderão ter uma limitação na faixa


PR1 PR2 operacional de pressão, devido às limitações de pressão
dos conectores roscados.

1 ciclo à carga 3 ciclos à carga 10.7.3.5.2 Suspensores de revestimento tipo desli-


Capacidade de nominal mínima até nominal mínima até zante
carga a carga nominal a carga nominal
máxima máxima Não há requisitos de limite operacional de pressão para
suspensores tipo deslizante.

10.7.3.6 Soldas
10.7.3 Construção
O projeto de qualquer solda deverá satisfazer aos
10.7.3.1 Cargas requisitos de projeto de 10.7.3.
As seguintes cargas deverão ser consideradas na
elaboração do projeto de qualquer suspensor: 10.7.3.7 Dimensões dos tubos

● cargas radiais no corpo do suspensor devido à forma Os suspensores do tipo deslizante e os sistemas de
cônica do rebaixo de assentamento; vedação ao selo do revestimento ou da coluna de produção
● cargas de tração através do corpo do suspensor devido deverão ser projetados para acomodar a tolerância no OD
ao peso dos tubulares sustentados; do tubo especificada na ISO 11960.

● cargas no
pressão impostas
campo.ao suspensor devido ao teste de ATENÇÃO: Lembramos aos fabricantes e usuários que
as tolerâncias dos diâmetros externos do revestimento
10.7.3.2 Conectores roscados e da coluna de produção variam consideravelmente
entre as várias edições das normas API 5CT e ISO 11960.
As roscas dos suspensores roscados tipo mandril, do Em geral, a tolerância tem aumentado com o tempo; isto
revestimento e da coluna de produção, deverão estar em poderá afetar a intercambiabilidade dos equipamentos.

128
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 71 – Diâmetro externo máximo de suspensores para cabeças-de-poço

Ø nominala e furo passante Pressão nominal de trabalho Diâmetro externo máximo


mínimo de equipto. de do suspensor
perfuração

a
Diâmetro nominal da conexão de extremidade superior do corpo da cabeça-de-poço na qual o suspensor é usado.

10.7.4 Materiais 10.8 Adaptadores da cabeça da coluna de produção

Todos os materiais deverão atender aos requisitos da 10.8.1 Geral


cláusula 5. A seleção de materiais deverá determinar uma
resistência de junta nas roscas do suspensor igual ou Os adaptadores da cabeça da coluna de produção à
superior àquela do revestimento ou da coluna de produção. válvula mestra poderão ser integrais com a válvula mestra
como seu conector da extremidade inferior, ou como uma
10.7.5 Fabricação – Soldagem peça independente do equipamento. As configurações são
dependentes do método de completação a ser adotado. Em
A soldagem deverá atender aos requisitos da cláusula 6. adição a servirem como adaptadores, eles poderão também
prover um meio de conectar e vedar o(s) furo(s) da coluna
10.7.6 Testes de produção àquele(s) da válvula mestra, ou suspender a(s)
cadeia(s) da coluna de produção. Os adaptadores da coluna
Os suspensores não necessitam ser submetidos a teste de produção – cabeça indicados no Grupo 1 selam o furo do
hidrostáticos, porém deverão ser capazes de atender poço pelo anular. Os adaptadores do Grupo 2 selam o furo
satisfatoriamente a um teste hidrostático igual à pressão do poço pelo anular e suspendem a coluna de produção.
nominal de trabalho. 10.8.2 Requisitos de desempenho
10.7.7 Marcação a) Requisitos dedesempenho para adaptadoresdo Grupo 1
Os suspensores deverão ser marcados em conformida- Estes produtos deverão atender aos requisitos gerais de
de com a cláusula 8. As cunhas (slips) de um suspensor 4.1, e terão capacidade de desempenho conforme estabele-
deslizante serão marcadas em seqüência no caso de não cido na Tabela 72.
serem i ntercambiáveis.
b) Requisitos dedesempenho para adaptadoresdo Grupo 2
10.7.8 Instalação
Estes produtos deverão atender aos requisitos gerais de
Para ferramentas de assentamento e recuperação de 4.1, e terão capacidade de desempenho conforme estabele-
suspensores de revestimento e coluna de produção, vide o cido na Tabela 73.
anexo H.
10.8.3 Construção
10.7.9 Armazenamento e transporte
10.8.3.1 Cargas
Os suspensores serão armazenados e embarcados em
As seguintes cargas deverão ser consideradas na
conformidade com a cláusula 9. Os calços de um suspensor
elaboração do projeto de adaptadores da cabeça da coluna
deslizante deverão ser estocados e embarcados como um
de produção:
conjunto.

129
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
• cargas tubulares de suspensão e térmicas nos 10.8.3.5 Adaptadores de transição
adaptadores que incorporam mecanismos do
suspensor; Caso sejam utilizados adaptadores da cabeça da coluna
• cargas axiais e fletoras externas consistentes com as de produção como adaptadores de transição, eles deverão
capacidades dos conectores de extremidade. satisfazer aos requisitos de 10.14.

10.8.3.6 Penetrações
10.8.3.2 Conectores de extremidade
Os produtos com penetrações deverão atender ao
a) Conector inferior estabelecido em 10.17.
Os conectores inferiores flangeados ou fixados por 10.8.4 Materiais
prisioneiros deverão estar em conformidade com 10.1.
Outros conectores obedecerão a 10.18. Todos os materiais deverão atender à c láusula 5.
b) Conector superior 10.8.5 Testes
O conector superior de um adaptador independente Todos os adaptadores da cabeça da coluna de produção
deverá ser flangeado ou fixado por prisioneiros em confor- deverão atender satisfatoriamente aos testes requeridos e
midade com 10.1, ou roscado conforme 10.2, ou ter um descritos em 7.4.9.
conector na outra extremidade conforme 10.18, ou ainda
conectores de extremidade com rebordo de acordo com ISO 10.8.6 Marcação
13533 ou flanges rotativos conforme ISO 13628-4. Os
orifícios dos conectores superiores roscados cujas roscas Os adaptadores da cabeça da coluna de produção
macho dos tubos de condução tenham um diâmetro nominal deverão ser marcados em conformidade com a cláusula 8.
de 2½”, 3 ou 4”, não poderão exceder a 53 mm, 65mm,
80,36 mm (2,09”, 2,59” e 3,16”), respectivamente. As tole- 10.8.7 Armazenamento e transporte
râncias destas dimensões são + 0,8 mm (+ 0,03”).
0 0
Os adaptadores serão armazenados e embarcados
conforme a cláusula 9.
Tabela 72 – Requisitos de desempenho para 10.9 Estranguladores
adaptadores da cabeça da coluna de produção do Grupo 1
10.9.1 Geral
PR1 PR2 Estranguladores positivos e ajustáveis são aqueles que
incluem restrições ou orifícios para controlar a taxa de vazão
Integridade de dos fluídos. Os estranguladores não são destinados a uso
1 ciclo 3 ciclos
pressão
como válvulas de bloqueio.
Deverá suportar a pressão nominal máxima internamente. a) Estranguladoresajustáveis

Os estranguladores ajustáveis possuem um orifício de


área variável controlado externamente, acoplado com um
Tabela 73 – Requisitos de desempenho para mecanismo indicador da área do orifício, conforme mostrado
adaptadores da cabeça da coluna de produção do Grupo 2na Figura 20. Os atuadores para estranguladores ajustáveis
estão cobertos sob o item 10.16.

PR1 PR2 b) Estranguladorespositivos

Integridade de Os estranguladores positivos acomodam peças substituí-


1 ciclo 3 ciclos veis com dimensões do orifício fixas, que são comumente
pressão
chamados de afogadores(flow beans), conforme mostrado na
Capacidade de Figura 21.
1 ciclo 3 ciclos
carga a
10.9.2 Requisitos de desempenho
Deverá suportar a pressão nominal máxima internamente.
a
À carga nominal mínima até a carga nominal máxima. Os estranguladores deverão atender aos requisitos gerais
de desempenho do item 4.1, e ter a capacidade de apresentar
um desempenho conforme estabelecido na Tabela 74. Isto
inclui estranguladores positivos, estranguladores acionados
manualmente, e estranguladores projetados para atuadores.
10.8.3.3 Pressão nominal de trabalho
10.9.3 Construção
A pressão
produção dosestar
deverão adaptadores da cabeça
em conformidade comda coluna
4.2.1. de
Dever- 10.9.3.1 Geral
se-á levar em conta as limitações da pressão nominal de
trabalho para conexões roscadas, se aplicável. Os estranguladores deverão atender aos requisitos da
cláusula 4, em adição àqueles estabelecidos em 10.9.3.2 a
10.8.3.4 Conectores de teste, respiro e injeção 10.9.3.8.

Os conectores referidos acima, utilizados em adaptado- 10.9.3.2 Conectores de extremidade


res da coluna de produção, deveráo estar em conformidade
com 4.4.4. Estes conectores deverão atender a 10.1, 10.2, ou 10.18.

130
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.9.3.3 Diâmetro nominal Tabela 74 – Requisitos de desempenho para estranguladores

A designação do diâmetro nominal do estrangulador será PR1 PR2


o diâmetro do conector de entrada, seguido do diâmetro do
orifício máximo para aquele estrangulador em unidades de Ciclos de operação a 3 ciclos 200 ciclos
0,5 mm (1/64”). Se o orifício do estrangulador não for um Vedação do assento
orifício circular único, o diâmetro máximo mostrado será o ao corpo 1 ciclo 3 ciclos
diâmetro de um círculo [incrementos de 0,5 mm (1/64”)] cuja a
área seja igual à área do orifício total do estrangulador. Os ciclos não se aplicam a estranguladores positivos.

1 Diâmetro máximo do orifício 7 Conexão de saída


2 Assento removível 8 Área do orifício
3 Ponta da haste 9 Haste
4 Corpo 10 Conexão de entrada
5 Tampa 11 Direção do fluxo
6 Mecanismo indicador (o tipo é opcional) 12 Volante ou alavanca

Figura 20 – Estrangulador ajustável típico

131
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1 Niple da gaiola (opcional) 6 Conexão de saída


2 Afogador removível 7 Corpo
3 Comprimento do orifício 8 Conexão de entrada
4 Diâmetro do orifício 9 Direção do fluxo
5 Bujão ou tampa
NOTA: Para dimensões A e B, vide Tabela A 11.

Figura 21 – Estrangulador positivo típico

10.9.3.4 Pressão nominal de trabalho 10.9.3.7 Afogadores para estranguladores positivos

a) Conectores das extremidades com pressões nominais


As peças do orifício substituíveis de estranguladores
de trabalho iguais positivos são definidas como afogadores(flow beans).
Para estranguladores cujos conectores das extremida-
O diâmetro do orifício de qualquer afogador de produção
des tenham a mesma pressão nominal de trabalho, a
individual, bem como o incremento entre diâmetros, são
pressão nominal de trabalho do estrangulador deverá ser a
opcionais com o fabricante, porém deverão ser especificados
pressão nominal de trabalho dos conectores das extremida-
em incrementos de diâmetro de 0,4 mm (1/64”).
des.

b) Conectores das extremidades com pressões nominais 10.9.3.8 Mecanismo indicador dos estranguladores
de trabalho diferentes ajustáveis
Para estranguladores que possuam um conector da
extremidade a montante de pressão nominal de trabalho Os estranguladores ajustáveis deverão ser equipados
superior ao conector da extremidade a jusante, o estrangula- com um mecanismo visível de indicação da área do orifício, a
dor deverá ter uma pressão nominal de trabalho em duas fim de definir a área do orifício a qualquer ponto regulado do
partes, consistindo da pressão nominal de trabalho do estrangulador através de sua faixa de operação. Este
conector da extremidade a montante e a pressão nominal de mecanismo deverá ser calibrado para indicar os diâmetros dos
trabalho do conector da extremidade a jusante [ex.: 20,7 MPa orifícios circulares cujas áreas sejam equivalentes às áreas de
x 13,8 MPa (3.000 psi x 2.000 psi). fluxo mínimas a qualquer regulagem do estrangulador
ajustável. Estas marcações serãoem incrementosdiametrais
10.9.3.5 Projeto do fluxo inteiros de
atuador não1 necessitam
mm (1/32”). serEstranguladores
equipados comoperados por
mecanismos
Os estranguladores serão projetados para dirigir o fluxo indicadores.
para longe da tampa de estranguladores ajustáveis e do
tampão, ou bujão obturador, de estranguladores positivos. 10.9.4 Materiais
10.9.3.5 Requisitos para respiro
a) Corpos, tampas, bujões ou tampões, e conectores de
Todos os estranguladores serão projetados para aliviar a extremidade
pressão retida antes de soltar o conector corpo-tampa em
estranguladores ajustáveis, ou o conector corpo-tampão em Os materiais para estes componentes deverão estar em
estranguladores positivos. conformidade com a cláusula 5.

132
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
b) Outras partes b) Exceções

Os materiais para todas as outras partes deverão Orifícios de entrada superdimensionados de 81 mm e 108
satisfazer as exigências da cláusula 5 ou 10.16, onde mm (33/16” e 4¼”), com tolerância de + 0,8 0 mm (+ 0,03 0”),
aplicável. Adicionalmente, materiais, coberturas ou são admissíveis para diâmetros nominais de 79 mm e 103 mm
revestimentos especiais resistentes à corrosão e abrasão, (3⅛” e 41/16”) nas pressões nominais de trabalho de 13,8 MPa,
deverão ser usados para pontas de haste de estranguladores 20,7 MPa e 34,5 MPa (2.000 psi, 3.000 psi e 5.000 psi) para
ajustáveis e afogadores de estranguladores positivos. utilização com válvulas de orifícios superdimensionados
listados nas Tabelas 54*, 55* e 56*.
10.9.5 Testes
10.10.2.2 Conectores de extremidade
Os estranguladores montados deverão atender satisfato-
riamente aos testes requeridos e descritos em 7.4.9. Todos os conectores de extremidade deverão atender ao
requerido nos itens 10.1 ou 10.18.
10.9.6 Marcação
10.10.2.3 Dimensões
Todos os corpos dos estranguladores e afogadores
deverão ser marcados conforme a cláusula 8. As dimensões do orifício e linha de centro-à-face deverão
estar em conformidade com aquelas mostradas nas Tabelas
10.9.7 Armazenamento e transporte 75* e 76*.

Os estranguladores serão armazenados e embarcados 10.10.3 Materiais


conforme a cláusula 9.
Os materiais para tês e cruzetas deverão satisfazer aos
10.10 Tês e cruzetas requisitos da cláusula 5.

10.10.1 Geral 10.10.4 Testes

Esta subcláusula abrange requisitos adicionais para tês e Os tês e cruzetas deverão atender satisfatoriamente aos
cruzetas. testes requeridos e descritos em 7.4.9.

10.10.2 Construção 10.10.5 Marcação

10.10.2.1 Diâmetro nominal e classe de pressão Os tês e cruzetas deverão ser marcados conforme a
cláusula 8.
a) Geral
10.10.6 Armazenamento e transporte
Os diâmetros nominais e classes de pressão para tês e
cruzetas deverão ser conforme especificado nas Tabelas 75* Os tês e cruzetas serão armazenados e embarcados
e 76*, exceto como estabelecido a seguir. conforme a cláusula 9.

Tabela 75 – Cruzetas e tês flangeados para pressões nominais de trabalho de


13,8 MPa, 20,7 MPa, 34,5 MPa, 69,0 MPa, 103,5 MPa e 138,0 MPa

(a tabela correspondente às figuras acima encontra-se na página seguinte)

133
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 75 (continuação)

(1) (2) (3) (4) (5) (1) (2) (3) (4) (5)

(1) Diâmetro nominal e orifício


(2) Vertical (3) Saída

(4) Sentido vertical centro-a-face

(5) Sentido horizontal centro-a-face

(dimensões em milímetros)

134
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 76 – Cruzetas e tês fixados por prisioneiros para pressões nominais de trabalho de
13,8 MPa, 20,7 MPa, 34,5 MPa, 69,0 MPa, 103,5 MPa e 138,0 MPa

(a tabela correspondente às figuras acima encontra-se na página seguinte)

135
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 76 (continuação)
(1) (2) (3) (4) (5) (1) (2) (3) (4) (5)

(1) Diâmetro nominal e orifício


(2) Vertical (3) Saída

(4) Sentido vertical centro-a-face

(5) Sentido horizontal centro-a-face

(dimensões em milímetros)

136
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.11 Conexões de teste e calibração para Tabela 77 – Requisitos de desempenho para
equipamentos de 103,5 MPa e 138,0 MPa dispositivos de amostragem de fluídos
(15.000 e 20.000 psi)
PR1 PR2
10.11.1 Geral
Integridade de pressão 1 ciclo 3 ciclos
Esta subcláusula compreende as conexões de teste e
medição para uso em equipamentos de 103,5 MPa e 138,0 Deverá vedar a pressão nominal máxima i nternamente.
MPa (15.000 psi e 20.000 psi). As conexões para equipa-
mentos de pressões menores estão descritas em 4.4.4.

10.11.2 Construção 10.12.3 Construção


a) Tipos
a) Conectores de extremidade
As conexões dos tipos I, II e III são definidas e ilustra-
das na Figura 22. Os conectores de extremidade deverão estar em confor-
midade com 10.1, 10.2 ou 10.18.
b) Dimensões
b) Diâmetro nominal e classe de pressão
As conexões dos tipos I, II e III deverão atender às
dimensões indicadas na Figura 22. O diâmetro nominal e classe de pressão do dispositivo
de amostragem deverá ser aquele da(s) conexão(ões) da(s)
c) Roscas extremidade(s).

Todas as roscas paralelas deverão estar em conformi- c) Conector de amostragem


dade com ASME B1.1. As roscas macho deverão ser da
classe A, e as roscas fêmea da classe B. O conector de amostragem será roscado internamente
em conformidade com 10.2, e não deverá ter menos da
d) Componentes de engate metade do diâmetro nominal da tubulação ou NPT.

Os componentes montados às conexões dos tipos I, II e d) Dimensões


III deverão atender aos métodos de projeto de 4.3.1 ou 4.3.3.
Não há requisitos dimensionais para dispositivos de
10.11.3 Materiais amostragem, exceto para flanges e roscas fabricados
conforne esta e outras normas internacionais.
Para aplicações na pressão nominal de trabalho de
103,5 MPa ou 138,0 MPa (15.000 psi ou 20.000 psi), os e) Condições de serviço
materiais deverão ter 78 HRB mínimo. Para materiais das
classes DD, EE, FF e HH, o material deverá também Os dispositivos de tomada de amostras deverão ser
atender à norma NACE MR 0175. projetados para as classes de material CC, FF ou HH, todos
os quais são destinados a serviço altamente corrosivo.
10.11.4 Testes
f) Detalhes
O equipamento fornecido sob esta subcláusula não é
normalmente sujeito a teste hidrostático, porém deverá ser Esta norma não é aplicável a detalhes de arranjos para
classificado para o teste hidrostático descrito em 7.4.9. limpeza/desobstrução (clean-out), válvulas de amostra,
poços de termômetros, etc.
10.11.5 Marcação
Não há requisitos para marcação de conexões de teste 10.12.4 Materiais
e medição.
O material do corpo e conector da extremidade, e o
10.11.6 Armazenamento e transporte material para outros componentes, deverão atender aos
requisitos da cláusula 5.
Estes conectores serão armazenados e embarcados em
conformidade com a cláusula 9.
10.12.5 Testes
10.12 Dispositivos de amostra gem de fluídos
Todos estes dispositivos de tomada de amostras
10.12.1 Geral deverão ser submetidos, com resultados satisfatórios, aos
testes requeridos e descritos em 7.4.9.
Esta subcláusula abrange os dispositivos utilizados para
tomada de amostras do fluído do poço. Os dispositivos de
amostragem que possuam conectores de extremidade e 10.12.6 Marcação
corpos deverão satisfazer a todos os requisitos para corpos
e conectores de extremidade de 10.6. Estes dispositivos serão marcados conforme a cláusula 8.
10.12.2 Requisitos de desempenho
10.12.7 Armazenamento e transporte
Estes produtos deverão atender aos requisitos gerais de
4.1, e ter a capacidade de desempenho conforme estabele- Estes dispositivos deverão ser armazenados e embar-
cido na Tabela 77. cados conforme a cláusula 9.

137
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Dimensões em milímetros (polegadas)


Rugosidade da superfície em micra (micropolegadas)

a) Conexão tipo I b) Conexão tipo II c) Conexão tipo III

d) Preparação fêmea e) Detalhe do assento

1) Anel
2) Preme-gaxeta
3) Tampão
4) Macho x macho
5) Acoplamento

a
Profundidade mínima rosca fêmea perfeita.
b
Furo para respiro opcional, mas recomendado.

Figura 22 – Conexões de teste e calibração para 103,5 MPa e 138,0 MPa (15.000 psi e 20.000 psi)

138
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.13 Árvores-de-natal c) Adaptador de transição

10.13.1 Geral Um adaptador de transição será usado entre dois


carretéis de revestimento, ou entre carretéis da coluna de
revestimento ou da coluna de produção, a fim de permitir um
Esta subcláusula abrange os requisitos para árvores-de- aumento do limite de pressão entre os carretéis.
natal, incluindo aquelas para instalações em cadeia de
colunas simples e múltiplas, e as árvores-de-natal em bloco d) Adaptador detransição dacabeça dacoluna deprodução
para instalações em cadeia de colunas simples e múltiplas.
Um adaptador de transição da cabeça da coluna de
10.13.2 Construção produção deverá ser usado entre uma árvore e a cabeça da
coluna de produção, a fim de permitir um aumento no limite
de pressão entre os dois.
Vide requisitos de projeto para equipamentos.
10.14.2 Requisitos de desempenho
10.13.3 Materiais
Os conectores de transição deverão satisfazer aos
Vide requisitos de materiais para equipamentos. requisitos de 4.1, e ter a capacidade de desempenho
conforme descrito na Tabela 78.
10.13.4 Fabricação – Montagem
Tabela 78 – Requisitos de desempenho
Todos os componentes e equipamentos deverão para conectores transversais
atender aos requisitos desta norma internacional antes de
serem montados como árvores-de-natal. PR1 PR2
10.13.5 Testes Integridade de pressão 1 ciclo 3 ciclos

As árvores deverão atender satisfatoriamente aos testes Deverão vedar a pressão nominal máxima internamente.
requeridos e descritos em 7.4.9.

10.13.6 Marcação 10.14.3 Construção


A marcação obedecerá ao disposto em 8.9. 10.14.3.1 Geral
Os conectores de transição serão projetados para
10.13.7 Armazenamento e transporte utilização em um conjunto conforme ilustrado nas Figuras
23, 24, 25 ou 26.
As árvores-de-natal deverão ser armazenadas e embar-
cadas em conformidade com a cláusula 9. Nenhum compo-
nente ou equipamento de uma árvore montada poderá ser 10.14.3.2 Conectores de extremidade

removido ou substituído
porte, a menos durante
que a árvore seja or etestada
armazenamento ou trans-
satisfatoriamente Os conectores
requisitos dasou
de 10.1, 10.2 extremidades
10.18. deverão atender aos
e, a seguir, retagueada. O conector superior de um carretel de transição deverá
ser pelo menos de uma faixa de pressão acima da do
10.14 Conectores de transição conector inferior.

10.14.1 Geral 10.14.3.3 Pressão nominal de trabalho – Corpo


Os conectores de transição incluem carretéis de A seção do corpo acima do pack-off de área restrita de
transição, carretéis de transição multi-estágio, adaptadores um conector de transição deverá ser projetada para
de transição e adaptadores de transição da cabeça da sustentar a pressão nominal de trabalho do conector
coluna de produção. Os carretéis de transição e os carretéis superior. As seções abaixo do pack-off de área restrita
serão projetadas para sustentar a pressão de trabalho
de transição multi-estágio deverão satisfazer aos requisitos daquela seção mais quaisquer cargas induzidas por pressão
de 10.6. Os adaptadores de transição e os adaptadores de resultantes da pressão superior agindo sobre o pack-off de
transição da cabeça da coluna de produção deverão atender área restrita.
aos requisitos de 10.8. O pack-off de área restrita e os seus meios de retenção
serão projetados de forma tal que as cargas induzidas por
a) Carretel de transição pressão, transferidas da contenção da pressão total de
trabalho pelo conector superior e/ou qualquer estágio
superior, não permitam que os requisitos de 4.3.3 sejam
Um carretel de transição deverá suspender e vedar em excedidos em qualquer parte do corpo ou conector inferior.
sua volta uma coluna de revestimento ou uma coluna de Vide Figuras 23, 24 e 25.
produção, e será apropriadamente descrito como um
carretel de revestimento de transição ou um carretel da 10.14.3.4 Pack-off de área restrita
coluna de produção de transição. O carretel será dotado de
recursos de vedação de área restrita na ou próximo da face Cada carretel de transição, carretel de transição multi-
do conector inferior, permitindo um limite de pressão estágio, adaptador de transição, e adaptador de transição da
superior
acima dosaorecursos
limite dedepressão
vedaçãododeconector inferior na seção
área restrita. cabeça
um da coluna
pack-off de restrita.
de área produção, deverão possuir pelo menos
Os pack-offs de área restrita utilizados para vedação no
revestimento ou coluna de produção, serão projetados para
b) Carretel de transição multi-estágio acomodar as tolerâncias no OD do tubo especificas na
norma ISO 11960.
Um carretel de transição multi-estágio deverá suspender
e selar em sua volta cadeias múltiplas de revestimento e/ou ATENÇÃO: Lembramos aos fabricantes e usuários que
da coluna de produção. O carretel de transição multi-estágio as tolerâncias dos diâmetros externos do revestimento
será dotado de recursos de vedação de área restrita em
cada estágio, permitindo um aumento de um ou mais limites e da coluna de produção variam consideravelmente
de pressão superiores ao do estágio ou conector entre as várias edições das normas API 5CT e ISO 11960.
imediatamente abaixo. O conector superior deverá ser de pelo Em geral, a tolerância tem aumentado com o tempo; isto
menos uma faixa de pressão superior à do conector inferior. poderá afetar a intercambiabilidade dos equipamentos.

139
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1 Conector superior 4 Conector inferior 7 Limite de pressão inferior


2 Pack-off de área restrita 5 Carretel 8 Revestimento interno
3 Junta de anel 6 Limite de pressão superior 9 Orifício de teste

Figura 23 – Carretel de transição pack-off


com de área restrita suportado pela cabeça inferior

1 Conector superior do carretel 4 Conector inferior 7 Limite de pressão inferior


2 Pack-off de área restrita 5 Carretel 8 Revestimento interno
3 Junta de anel 6 Limite de pressão superior 9 Orifício de teste

Figura 24 – Carretel de transição pack-offs


com de área restrita suportado pelo carretel superior

140
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1 Conector superior do spool 7 Segundo limite de pressão


2 Pack-off de área restrita 8 Cross-over
3 Junta de anel 9 Limite de pressão inferior
4 Segundo conector 10 Conector inferior
5 Carretel 11 Revestimento interno
6 Limite de pressão superior

Figura 25 – Flange de transição


(cross-over flange)

141
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1 Conector superior 7 Estágio 3


2 Saída 8 Limite de pressão superior
3 Pack-off de área restrita 9 Estágio 2
4 Conector inferior 10 Limite de pressão intermediário
5 Coluna interna 1 11 Estágio 1
6 Coluna interna 2 12 Limite de pressão inferior

Figura 26 – Carretel de transição multi-estágio

10.14.3.5 Conectores de transição e


pack-offs de área 10.14.5 Testes
restrita
Os conectores de transição deverão atender
Os componentes acima referidos deverão ser satisfaforiamente aos testes requeridos e descritos em 7.4.9.
projetados para atender ao estipulado em 4.3.3.
10.14.6 Marcação
10.14.3.6 Conectores de teste, respiro, medição, e
Os conectores de transição serão marcados conforme a
injeção
cláusula 8.
Os componentes acima referidos, localizados acima do
pack-off de área restrita em conectores de transição,
10.14.7 Armazenamento e transporte
deverão possuir um limite de pressão igual ou superior
àquele da maior pressão nominal de trabalho. Os conectores
embarcados conformedea cláusula
transição9. serão armazenados e

10.14.4 Materiais 10.15 Carretéis adaptadores e espaçadores


a) Os componentes sujeitos a pressão que venham a ter 10.15.1 Geral
contato com os fluídos internos deverão atender aos requisi-
tos da cláusula 5. Os carretéis adaptadores e espaçadores são seções da
cabeça-de-poço que não possuem recursos para suspensão
b) Os elementos estruturais e de vedação deverão satisfa- de membros tubulares, e que podem não ter nenhum
zer às especificações escritas do fabricante (vide 5.2). dispositivo para vedação de membros tubulares.

142
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
a) Os carretéis espaçadores possuem conectores de 10.16.3 Construção
extremidade do mesmo diâmetro, e de mesma pressão
nominal de trabalho e desenho. 10.16.3.1 Geral

b) Os carretéis adaptadores possuem conectores de Os atuadores deverão atender aos requisitos da


extremidade de diâmetros, limites de pressão e/ou cláusula 4 além daqueles especificados em 10.16.3.2 a
desenhos, diferentes. 10.16.3.8.
10.16.3.2 Pressão
10.15.2 Construção
Os atuadores hidráulicos e pneumáticos deverão ter
a) Pressão nominal de trabalho uma pressão nominal de trabalho igual ou superior à
pressão máxima suprida pelo meio de atuação. Os
A pressão nominal de trabalho do carretel adaptador ou
espaçador será o limite mais baixo dos conectores de atuadores movidos
conjuntamente para por fluídos
pressão do poço serãode
e compatibilidade projetados
fluído. A
extremidade e saída do adaptador. condição da pressão do teste hidrostático deverá ser consi-
derada no projeto. As partes do atuador sujeitas a pressão
b) Conectores de extremidade e saída incluem componentes como:
Os conectores de extremidade e saída poderão ser • cilindro e tampa do cilindro;
flangeados ou fixados por prisioneiros em conformidade com • pistão;
10.1, roscados conforme 10.2, ou com outros conectores de • caixa do diafragma;
extremidade de acordo com 10.18 ou cubos conforme a • haste.
norma ISO 13533.
Estas peças do atuador deverão conter fluídos do poço
10.15.3 Materiais na ou abaixo da pressão total da linha (acionamento por
fluído retido), ou fluídos de controle (acionamento pneumá-
Os materiais deverão estar em conformidade com a tico ou hidráulico).
cláusula 5.
10.16.3.3 Conectores hidráulicos
10.15.4 Testes
Os conectores hidráulicos deverão estar em conformida-
Todos os carretéis adaptadores e espaçadores deverão de com 4.4.4. Os atuadores pneumáticos ou hidráulicos
atender satisfatoriamente aos testes de 7.4.9. poderão ter conexões menores do que a metade do diâme-
tro nominal da tubulação ou NPT.
10.15.5 Marcação
10.16.3.4 Classe de material
Todos estes componentes serão marcados conforme a
cláusula 8. Os componentes dos atuadores deverão ser capazes de
funcionar enquanto submetidos a fluído de teste consistente
10.15.6 Armazenamento e transporte com a classe de material especificada na Tabela 3.

Todos estes componentes serão armazenados e embar- 10.16.3.5 Alívio de pressão


cados em conformidade com a cláusula 9.
Em atuadores de operação pneumática, um dispositivo
10.16 Atuadores de alívio deverá ser provido para aliviar a pressão a um nível
não superior à pressão nominal de trabalho do atuador. Os
10.16.1 Geral atuadores com pressões máximas de trabalho iguais ou
inferiores a 0,2 MPa (30 psig) não requerem um dispositivo
Esta subcláusula compreende atuadores hidráulicos, de alívio. Todos os atuadores serão projetados para evitar
pneumáticos e elétricos para equipamentos de cabeças-de- acúmulo de pressão dentro da caixa do atuador devido a
poço e árvores-de-natal. Estes incluem atuadores lineares vazamento da válvula, estrangulador ou atuador.
de ação simples e ação dupla e atuadores rotativos de giro
limitado. Se o atuador for fornecido com as partes associa- 10.16.3.6 Especificações elétricas
das da válvula ou estrangulador (tampa, haste, vedações), Os componentes elétricos deverão obedecer aos requi-
estes componentes serão considerados como parte sitos da norma API RP 14F ou padrões aplicáveis da
integrante do atuador e deverão atender aos requisitos de IEC/CENELEC. A potência para o fecho de controle (manter
10.5 ou 10.9 respectivamente. O atuador, se montado com aberto) será de acordo com as especificações escritas do
uma válvula preparada para atuador, deverá satisfazer às fabricante. O motor deverá possuir proteção térmica.
estipulações de 10.5.5.
10.16.3.7 Forças de acionamento
10.16.2 Requisitos de desempenho
As forças de saída do atuador deverão atender ou
O limite superior da faixa nominal de temperatura para exceder aos requisitos de operação especificados pelo
atuadores hidráulicos e pneumáticos deverá ser pelo menos fabricante da válvula ou estrangulador.
de 65°C (150°F).
temperatura para O limite superior
atuadores da faixa
acionados nominal
por fluído de
retido 10.16.3.8 Requisitos de interface
deverá ser pelo menos a classe limite superior de
temperatura do equipamento ao qual serão acoplados. Os Os componentes deverão estar em conformidade com
atuadores deverão ter a capacidade de desempenho as dimensões da interface aplicáveis e outros requisitos
estabelecida na Tabela 79. especificados pelo fabricante da válvula.

Tabela 79 – Requisitos de desempenho 10.16.4 Materiais


para atuadores
10.16.4.1 Atuadores movidos por fluído retido
PR1 PR2 Os materiais molhados por fluídos retidos e usados em
atuadores conectados aválvulas ou estranguladores do PSL
Ciclos de operação 3 ciclos 200 ciclos 1 ou PSL 4 deverão estar em conformidade com 5.2 e 5.4.
143
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.6.4.2 Atuadores de acionamento pneumático ou penetrante ou partícula magnética onde aplicável, somente
hidráulico para defeitos de material.

Os materiais metálicos e não-metálicos usados em 10.16.6 Testes


atuadores, expostos somente a fluidos de controle adequa-
dos para uso com material da classe AA (Tabela 3), exigirão 10.16.6.1 Teste hidrostático
especificações de material escritas. As especificações docu- As partes sujeitas a pressão serão submetidas a um
mentadas do fabricante deverão definir o seguinte: teste hidrostático para atestar a integridade estrutural. As
partes sujeitas a pressão poderão ser testadas hidrostatica-
• requisitos de propriedades mecânicas; mente simultânea ou separadamente. No caso em que a
• composições químicas; tampa da válvula a acoplar forme parte integrante de um
• procedimento de tratamento térmico. atuador solto, a tampa deverá atender aos requisitos de 10.5
Os valores de impacto deverão estar em conformidade e 10.9. As hastes
O fluído não precisam
de teste serágua
poderá ser testadas
comseparadamente.
ou sem aditivos,
com 5.4.1 b), requisitos de PSL 1. gas ou fluído hidráulico.
10.16.4.3 Atuadores elétricos a) Atuadores movidos por fluído retido
Os materiais usados para atuadores elétricos deverão A pressão de teste será determinada pela classe de
satisfazer às especificações escritas do fabricante. pressão de trabalho da válvula ou estrangulador nos quais o
atuador é montado. Os testes serão conduzidos em conformi-
10.16.4.4 Rastreabilidade dade com o teste hidrostático do corpo (vide 7.4.9) para o PSL
aplicável.
As partes de atuadores sujeitas a pressão cuja pressão
de trabalho máxima seja superior a 2,6 MPa (375 psig) b) Atuadores pneumáticos,hidráulicos ou elétricos
exigem rastreabilidade de material. A rastreabilidade será
A pressão de teste será um mínimo de 1,5 vezes a
considerada suficiente se o componente puder ser rastreado
a um lote de serviço (job lot) que identifique o(s) lote(s) de pressão de trabalho máxima para atuadores com uma
pressão de trabalho máxima inferior ou igual a 138 MPa
corrida incluídos. Todos os componentes de um lote multi-
(20.000 psi); acima de 138 MPa (20.000 psi), a pressão de
corridas serão rejeitados se algum lote da corrida não
teste será um mínimo de 1,25 vezes a pressão de trabalho
atender às especificações escritas do fabricante. Se a máxima. O teste consistirá de três partes:
rastreabilidade do lote de corrida for mantida, apenas os
lotes de corrida não-conformes precisam ser rejeitados. • período primário de retenção da pressão;
Para atuados acionados por fluído retido, a rastreabilidade • redução da pressão a zero;
deverá obedecer à subcláusula 7.4.2 para o PSL aplicável. • período secundário de retenção da pressão.
10.16.4.5 Materiais para serviço sujeito a fissuração Ambos os períodos de manutenção da pressão não
mecanoquímica por sulfeto(sulfide stress poderão ser inferiores a 3 minutos. O período de teste não
cracking) será iniciado até que a pressão de teste tenha sido atingida
e estabilizada, o equipamento e o aparelho de controle da
Os atuadores movidos por fluídos do poço ou fluídos de pressão tenha sido isolado da fonte de pressão, e as super-
controle que possam causar fissuração mecanoquímica por fícies externas das partes tenham sido completamente
sulfeto, deverão atender aos requisitos de 7.4.1. secas.
10.16.4.6 Elementos de vedação não-metálicos c) Critérios de aceitação
a) Geral O equipamento não deverá apresentar nenhum
vazamento visível durante cada período de retenção da
Os materiais de vedação não-metálicos deverão ser pressão.
capazes de suportar a pressão de trabalho máxima dentro
do limite de temperatura especificado pelo fabricante, e 10.16.6.2 Testes de funcionamento
serão compatíveis com o serviço designado.
Cada atuador deverá ser submetido a um teste funcio-
b) Materiais elastoméricos nal para demonstrar montagem e operação adequadas. O
atuador poderá ser testado com o equipamento para o qual
Os elementos de vedação deverão ser controlados em está destinado, ou separadamente. O agente de teste para
conformidade com 7.4.8. atuadores pneumático será um gás, como ar ou nitrogênio.
O agente de teste para atuadores hidráulicos será um fluído
10.16.5 Requisitos de soldagem hidráulico adequado ou um gás, como ar ou nitrogênio. A
energia para teste suprida a atuadores elétricos deverá estar
a) Atuadores acionados por fluído retido de acordo com os requisitos do projeto elétrico.
a) Teste parao selodos atuadoreshidráulicos epneumáticos
A soldagem em partes sujeitas a pressão, de atuadores
acionados por fluído do poço conectados a válvulas ou Os selos do atuador deverão ser testados à pressão
estranguladores do PSL 1 ou PSL 3, deverá estar em em duas etapas, aplicando-se as pressões de 20% e 100%
conformidade com 6.3 e 6.4 para o PSL correspondente. da pressão de trabalho máxima ao atuador. Nenhum
Não é permitida soldagem em atuadores conectados a vazamento vizível é permitido. A duração mínima do teste
válvulas ou atuadores do PSL 4. para cada pressão de teste será de 10 minutos a 20% da
pressão, e 5 minutos a 100% da pressão para atuadores
b) Atuadores pneumáticos, hidráulicos ou elétricos pneumáticos; 3 minutos em cada pressão de teste para
atuadores hidráulicos. Os períodos de teste não serão
A soldagem em componentes que atendam à classe de iniciados até que a pressão de teste tenha sido atingida e
material AA (Tabela 3) deverá estar em conformidade com estabilizada e o aparelho de controle da pressão tenha sido
6.3, exceto que os requisitos de controle de qualidade isolado da fonte de pressão. A leitura e o tempo da pressão
consistirão de exame visual para soldas de fabricação. As de teste no início e término de cada período de retenção da
soldas de reparo deverão incluir exame com líquido pressão deverão ser registrados.

144
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
b) Teste operacional 10.17.2 Requisitos de desempenho

O atuador deverá ser testado quanto à sua correta Estes produtos deverão atender aos requisitos de 4.1, e
operação ciclando-se o atuador, desde a posição normal até ter a capacidade de desempenho estabelecida na Tabela 80.
a posição final do curso, por um mínimo de três vezes. O
atuador deverá operar suavemente em ambas as direções. Tabela 80 – Requisitos de desempenho para os
A montagem final do atuador à válvula ou estrangulador mecanismos de vedação de parafusos travantes,
deverá ser testada em conformidade com 7.4.9 para o PSL pinos de alinhamento e parafusos retentores
correspondente do equipamento. As demandas de energia
para o mecanismo de fecho (manter aberto) de atuadores PR1 PR2
elétricos deverão ser testadas durante os
testes exigidos em 7.4.9.
Integridade de pressão 1 ciclo 3 ciclos
c) Teste a gás da contravedação
Deverá vedar a pressão nominal máxima através da junta.
Se a tampa e o atuador forem fornecidos como uma
unidade para válvulas do PSL 4, deverá ser executado um
teste em conformidade com 7.4.9.6.8. Se a tampa e o atua-
dor forem fornecidos como uma unidade para válvulas do 10.17.3 Construção
PSL 3G, será executado um teste conforme 7.4.9.5.9.
a) Requisitos para a cabeça da coluna de produção
10.16.7 Marcação Os parafusos travantes, se instalados nas cabeças da
coluna de produção, deverão ser em quantidade adequada
Todos os atuadores serão marcados em conformidade e ter dimensões e resistência compatíveis para suportar
com a cláusula 8. uma carga equivalente à pressão de trabalho do carretel
atuante sobre a área total da vedação primária do maior
10.16.8 Armazenamento e transporte suspensor da coluna de produção.
10.16.8.1 Atuadores movidos por fluído retido b) Penetrações
Estes atuadores deverão ser armazenados e embarca- Esta norma não se aplica ao projeto de penetrações por
dos conforme os requisitos da cláusula para o PSL aplicável. parafusos travantes. Todavia, se tais penetrações forem
feitas em conectores flangeados especificados nesta norma,
10.16.8.2 Atuadorespneumáticos,hidráulicose elétricos é da responsabilidade do fabricante assegurar que as
penetrações não venham a causar nos flanges tensões que
Estes atuadores serão armazenados e embarcados excedam às admissíveis no projeto.
conforme segue:
c) Pressão retida
a) Drenagem após os testes (não se aplica a atuadores
elétricos) Na para
meios instalação da cabeça
permitir de poço,pressão
que qualquer deverãoatrás
ser providos
de um
Os atuadores serão drenados e lubrificados após os testes parafuso travante, pino de alinhamento e parafuso retentor
e antes do armazenamento ou embarque. possa ser aliviada antes de serem liberados.
b) Tratamentoanti-corrosivo 10.18 Outros conectores de extremidade (OEC)
Antes do embarque, as superfícies metálicas expostas de 10.18.1 Geral
partes e equipamentos serão protegidas com um produto anti-
corrosivo que não venhaa se tornar fluído e escorrer a uma Esta subcláusula cobre outros conectores de extremi-
temperatura inferior a 50°C (125°F).Os materiais inerentemente dade que possam ser usados para unir equipamentos
resistentes à corrosão não requerem proteção. sujeitos a pressão ou controladores de pressão e cujas
dimensões não estejam especificadas nesta norma.
c) Proteção das superfícies de vedação
10.18.2 Requisitos de desempenho
As superfícies de vedação expostas deverão ser
Estes produtos deverão atender aos requisitos gerais de
protegidas contra danos mecânicos durante o transporte.
4.1, e ter a capacidade de desempenho apresentada na
Tabela 81.
d) Desenhos e instruções
Tabela 81 – Requisitos de desempenho para
O fabricante deverá fornecer ao comprador desenhos e
outros conectores de extremidade (OECs)
instruções adequadas referentes à montagem de campo e
manutenção dos atuadores, se requeridos.
PR1 PR2
10.17 Mecanismos de vedação de parafusos travantes, Integridade de pressão a 1 ciclo 3 ciclos
pinos de alinhamento e parafusosretentores
Momentos fletores b b
10.17.1 Geral c c
Make-and-break
Esta norma internacional não é aplicável a parafusos a
Deverá vedar a pressão nominal máxima internamente.
travantes, pinos de alinhamento e parafusos retentores. Os b
Deverá suportar os momentos fletores nominais do
mecanismos de vedação, todavia, deverão ser capazes de fabricante, se aplicável.
manter uma vedação à prova de vazamento à pressão c
Deverá suportar os ciclos de make-and-break do
nominal de trabalho da cabeça. fabricante, se aplicável.

145
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.18.3 Construção 10.19.4 Dimensões

a) Geral a) Os conectores de topo que utilizem conexões de


extremidade especificadas nesta norma deverão satisfazer
Os OECs serão projetados em conformidade com 4.3.3 aos requisitos de 10.1, 10.2 e 10.4.
e 4.3.4, onde aplicável.
b) Os conectores de topo que utilizem outras conexões de
b) Diâmetro nominal e limite de pressão operacional extremidade deverão atender às exigências de 10.18.

Os OECs serão construídos com os mesmos diâmetros c) Para dimensões recomendadas do tampão, colar e
nominais e limites de pressão operacional indicados em 10.1 conexão superior do conector de topo, vide anexo K.
ou, se apropriado, os diâmetros apresentados em 10.2.
10.19.5 Soldagem
c) Dimensões
a) Qualquer soldagem executada nas partes do conector
Não existem requisitos dimensionais para as OECs, de topo sujeitas a pressão deverá atender aos requisitos de
exceto conforme b) acima. 6.3 e 6.4.

10.18.4 Materiais b) Qualquer soldagem executada nos membros estruturais


do conector de topo deverá satisfazer ao estabelecido em 6.2.
Os materiais das OCEs deverão satisfazer aos requisi-
tos da cláusula 5. 10.19.6 Controle de qualidade

10.18.5 Testes a) Os requisitos de controle de qualidade para partes do


conector de topo sujeitas a pressão deverão estar em
Os equipamentos que utilizem OECs deverão atender conformidade com o estipulado em 7.4.2.3 (PSL 3).
satisfatoriamente aos testes requeridos em 7.4.9 e o
subitem aplicável da cláusula 10. OECs soltos não precisam b) Os requisitos de controle de qualidade para os membros
ser testados. estruturais do conector de topo deverão estar em
conformidade com o estipulado em 7.4.7 (prisioneiros e
10.18.6 Marcação porcas).

Os OECs serão marcados conforme a cláusula 8. 10.19.7 Teste hidrostático

10.18.7 Armazenamento e transporte Os conjuntos do conector de topo serão testados a 1,5


vezes a pressão nominal de trabalho (vide Tabela 19). Os
Os OECs serão armazenados e embarcados em critérios de aceitação obedecerão ao sub-item 7.4.9.3.3.
conformidade com a cláusula 9.

10.19 Conectores de topo 10.19.8 Marcação


A marcação deverá atender ao requerido na cláusula 8.
10.19.1 Geral
10.19.9 Armazenamento e transporte
Este subitem abrange conectores de topo que permitem
acesso ao orifício da árvore-de-natal. As roscas de
Os conectores de topo serão armazenados e embarca-
elevação em conectores de topo não são projetadas para
contenção de pressão, e deverão ser usadas para fins de dos em conformidade com os requisitos da cláusula 9, e
deverão ser equipados com um bujão de sangria.
elevação somente. Esta norma não se aplica a estas roscas
de elevação.
10.20 Válvulas de segurança e atuadores de
10.19.2 Construção superfície e submarinas

a) Os conectores de topo deverão ser projetados para 10.20.1 Geral


satisfazer as condições de serviço especificadas em 4.2.
Esta subcláusula abrange as válvulas de segurança e
b) Os conectores de topo deverão ser projetados para atuadores utilizados na posição mestra secundária, em
atender aos requisitos de 4.3.3 e 4.3.5. aplicações de cabeça-de-poço de superfície e submarinas.
As válvulas de segurança são válvulas atuadas não
c) Estes conectores deverão atender aos requisitos de 4.4, roscadas, construídas para fechar na perda do suprimento
4.5, 4.6 e 4.7. de energia. Incluem conjuntos completos, válvulas
adaptadas para atuadores, atuadores e dispositivos de trava
d) Deverão ser previstos meios para possibilitar que na posição aberta sensíveis ao c alor.
qualquer pressão sob o conector de topo possa ser aliviada
antes da liberação desse conector. a) Válvulas

10.19.3 Materiais As válvulas de segurança deverão satisfazer aos requi-


sitos definidos em 10.5 para PR2 e aqueles especificados
a) Os componentes sujeitos a pressão do conector de para PSL 2. Estas válvulas deverão ainda atender às
topo, que venham a entrar em contato com os fluídos exigências de desempenho apresentadas no Anexo I e
internos, deverão satisfazer aos requisitos da cláusula 5. aquelas indicadas na Tabela 82.

b) Os elementos estruturais e de selagem do conector de b) Atuadores


topo, tais como tampões, colares, porcas-martelo (hammer
nuts), braçadeiras e parafusos, deverão estar em conformi- Os atuadores deverão atender aos requisitos mínimos
dade com as especificações escritas do fabricante (vide 5.2). de desempenho especificados em 10.16.2.

146
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela 82 – Requisitos para ciclos de 10.20.2.5 Dispositivos de travamento aberta sensíveis
operação de válvulas de segurança ao calor
Estes dispositivos deverão manter a válvula SSV na
PR2 classe I PR2 classe II posição totalmente aberta a temperaturas atmosféricas de
Ciclos de operação 500 ciclos 500 ciclos até 65°C (150°F), com o corpo da SSV pressurizado à sua
pressão nominal de trabalho e o cilindro do atuador da SSV
Média Água ou outro 2% mistura areia sangrado às condições atmosféricas. O disposito de trava-
fluído adequado e lama (vide mento aberta será projetado de tal forma que qualquer peça
(vide 10.20.4.3 a) 10.2.4.3 a) componente liberada no acionamento do dispositivo não se
apresente como perigo potencial ao pessoal de operação.
As seguintes condições de atuação da temperatura deverão
10.20.2 Construção ser atingidas:
10.20.2.1 Geral a) O dispositivo de travamento aberta deverá permitir que
a SSV se feche automáticamente somente pelas forças do
As válvulas de segurança de superfície (SSV) e as atuador da SSV (i.e., nenhuma pressão no corpo da SSV ou
válvulas de segurança submarinas (USV) projetadas e fabri- suprimento de energia ao cilindro do atuador da SSV) dentro
cadas em conformidade com esta norma deverão ser de 6 minutos apõs ter sido submetida e mantida a uma
construídas de materiais que satisfaçam à cláusula 5, e temperatura ambiental controlada de 540°C ± 14°C (1.000°F
apresentar desempenho satisfatório nos testes requeridos ± 25°F).
em 10.20.4. A SSV/USV deverá ser de construção
normalmente fechada. A SSV/USV será projetada para b) Os materiais eutéticos usados deverão satisfazer aos
operar, sem danos à válvula SSV/USV ou atuador da requisitos de projeto do fabricante para fusão dentro de uma
SSV/USV, quando a energia à SSV/USV for instantanea- faixa de temperatura de ± 10% em torno do ponto de fusão
mente aplicada ou perdida sob qualquer condição de nominal. O dispositivo termo-sensível será projetado para
pressão do corpo da válvula SSV/USV dentro de seu limite atuar a uma temperatura máxima sustentada de 200°C
operacional de pressão. Os critérios de projeto das USVs (400°F).
também incluirão a profundidade máxima da água. Se for
requerido graxa ou selante no corpo ou área da haste da 10.20.3 Material
válvula SSV/USV, deverão ser previstos meios para injetar a a) Válvulas
graxa ou selante sem reduzir a pressão na válvula SSV/USV.
Os materiais para partes sujeitas a pressão e controla-
10.20.2.2 Projeto da válvula SSV doras de pressão deverão satisfazer à cláusula 5.

Uma válvula do tipo múltiplo ou em bloco se qualifica b) Atuadores


como uma SSV de cabeça-de-poço para o requisito de Os materiais para atuadores das SSVs/USVs deverão
desempenho PR2, para serviço-padrão e serviço do anexo I atender aos requisitos de 10.16.4.
classe I ou II, sem teste de verificação, se ela for da mesma
construção interna de uma válvula SSV dentro da linha de 10.20.4 Testes
produtos do fabricante, e tenha passado no teste de
verificação do anexo I. Tais válvulas serão fabricadas e forne- 10.20.4.1 Teste de
drift
cidas em conformidade com outros requisitos aplicáveis desta
norma. Todas as válvulas de segurança montadas ou válvulas
de segurança adaptadas para atuadores com tampas simu-
ladas, deverão ser submetidas com resultados satisfatórios
10.20.2.3 Projeto da válvula USV a um teste de drift conforme descrito em 7.4.9.3.1.
Os projetos das válvulas USV deverão atender aos 10.20.4.2 Outros testes
mesmos requisitos de projeto das válvulas SSV, com as
seguintes exceções: Todas as válvulas de segurança montadas ou válvulas
de segurança adaptadas para atuadores com tampas simu-
• As válvulas USV poderão utilizar os flanges e juntas de ladas, deverão ser submetidas com resultados satisfatórios
anel especificados na ISO 13628-4. a no mínimo todos os testes requeridos e descritos em
• As USVs poderão ter orifícios e/ou comprimentos face- 7.4.9. Todos os dados dos testes executados serão registra-
a-face fora dos padrões normais. As conexões de extre- dos em uma folha de dados similar àquela mostrada na
midade deverão atender a todas as outras exigências Tabela 83.
desta norma. As passagens de fluxo de abertura reduzi-
da da USV deverão ser dimensionadas após considera- 10.20.4.3 Testes de verificação
ção das operações TFL (through flowline)especificadas
na norma ISO 13628-3. a) PR2, serviço classe I e II
Para verificar uma válvula específica para serviço
10.20.2.4 Projeto do atuador padrão de um projeto de SSV/USV, o fabricante deverá
satisfazer aos testes da classe I ou II de acordo com o
anexo I.
Os Aatuadores
10.16.3. deverão atender
força de fechamento aosdeverá
do atuador requisitos de
ser sufici- b) Requisitos de teste
ente para fechar a válvula SSV/USV quando ela estiver sob
as condições mais severas de fechamento de especificadas Qualquer alteração significativa no projeto ou materiais
no projeto do fabricante da válvula. Os componentes de construção que possa afetar o mecanismo de vedação
internos deverão ser resistentes à corrosão ambiental, o da passagem de válvulas SSV/USV, exigirá re-qualificação
agente (medium) de operação, e o fluído da corrente do através de testes de verificação. A qualificação de uma SSV
poço, se expostos sob condições normais de operação. Os qualifica a USV com o mesmo mecanismo de vedação da
dispositivos de travamento aberta (lock-open) permanente- passagem da SSV, e vice-versa. A válvula poderá ser testa-
mente montados não são permitidos em atuadores da SSV. da com ou sem o atuador.

147
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.20.5 Marcação
b) instruções escritas e gráficas para hook-ups no campo;
As válvulas SSV/USV deverão ser marcadas em
conformidade com a Tabela 27 e subitem 8.5. c) procedimentos de teste apropriados.

10.20.6 Armazenamento e transporte 10.20.7.3.3 Instalação

a) Válvulas Os métodos apropriados de instalação deverão ser


claramente estabelecidos por escrito e ilustrados conforme
Todas as válvulas SSV/USV serão armazenadas e necessário. Qualquer lubricação ou engraxamento
embarcadas conforme a cláusula 9. preliminar necessário deverá ser especificado em detalhes.
Avisos indicando risco potencial ao pessoal, ou alertas para
b) Atuadores indicar risco potencial ao equipamento, deverão ser
claramente marcados “Aviso” ou “Cuidado”.
Os atuadores das SSV/USV serão armazenados e
embarcados conforme o subitem 10.16.8. 10.20.7.3.4 Operação e manutenção

c) Todas as SSV/USV montadas As seguintes informações mínimas sobre operação e


manutenção deverão ser incluídas:
Todos os conjuntos de SSV/USV montados deverão ser
armazenados e embarcados conforme a cláusula 9. a) requisitos de manutenção, incluindo intervalos recomen-
dados para manutenção.
10.20.7 Requisitos para registros de controle da quali- b) técnicas de operação apropriadas;
dade
c) instruções de desmontagem e montagem;
10.20.7.1 Geral
d) diagrama de montagem mostrando partes individuais
Os requisitos para registro das válvulas SSV/USV deve- em relacionamento próprio umas com as outras;
rão estar em conformidade com 7.5 e as exigências adicio-
e) instruções e precauções sobre reparos, incluindo uma
nais indicadas em 10.20.7.2 e 10.20.7.3. listagem dos sintomas, provável(is) causa(s) do problema, e
reparos necessários.
10.20.7.2 Registros a serem fornecidos ao comprador
10.20.7.3.5 Reparos e refabricação
a) Folhas de dados dos testes de funcionamento
Os requisitos para reparos e refabricação de
Cada SSV/USV será entregue ao comprador com uma equipamentos SSV/USV estão especificados no anexo J.
folha de dados dos testes funcionais da SSV/USV,
devidamente preenchida, em conformidade com aTabela 83. 10.21 Bujões macho
b) Relatório de embarque 10.21.1 Geral

Deverá ser fornecido ao comprador um relatório de Os bujões macho deverão atender aos requisitos espe-
embarque de acordo com a Tabela 84. cificados para conectores avulsos.

c) Manual de operação 10.21.2 Construção


10.21.2.1 Geral
Deverá ser fornecido ao comprador um manual de
operação atendendo aos requisitos de 10.20.7.3. Os materiais e construção dos bujões macho e conexões
roscados serão considerados na determinação da pressão
10.20.7.3 Conteúdo mínimo de um manual de operação de trabalho e capacidade de carga externa.

10.20.7.3.1 Dados de projeto 10.21.2.2 Dimensões

As seguintes informações mínimas do projeto deverão Os bujões macho deverão atender às dimensões e tole-
ser incluídas: râncias indicadas na Tabela 85*. As conexões roscadas
deverão satisfazer ao subitem 10.2. Esta norma não é apli-
a) Tipo, modelo e dimensão para os quais o manual é cável a bujões macho menores do que a metade do
aplicável; diâmetro nominal ou diâmetro NPT e maiores do que quatro
vezes o diâmetro nominal do tubo.
b) Requisitos de desempenho para os quais estes tipos,
modelos, e tamanhos são adequados; 10.21.2.3 Pressão nominal de trabalho
A pressão nominal de trabalho máxima para bujões
c) faixas de temperatura e pressão de trabalho para as macho com roscas de tubos de condução ou NPT de
quais a(s) unidade(s) foram projetadas; 12,7 mm a 50,8 mm (½” a 2” ), deverá ser conforme espe-
d) desenhos e ilustrações apresentando dados dimensio- cificado na Tabela 1. Esta norma não é aplicável a bujões
macho de materiais mais resistentes, dimensões de rosca
nais da(s) unidade(s), conforme requerido, para instalação maiores e/ou construções de maior porte que sejam classi-
ou operação; ficadas para pressões de trabalho superiores.
e) lista de peças sobressalentes. 10.21.2.4 Engate da rosca
10.20.7.3.2 Inspeção e testes As conexões roscadas deverão estar em conformidade
com 10.2. Bujões macho com roscas de tubo de condução
As seguintes informações mínimas sobre inspeção e conforme ISO 10422, serão montados com partes
testes deverão ser incluídas: acopláveis em conformidade com a Tabela 86. Compostos
de rosca testados de acordo com a ISO 13678 deverão ser
a) lista de verificação parainspeção visualantes dohook-up; usados.

148
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela 83 – Modelo de folha de dados de teste funcional da SSV/USV

Dados da válvula SSV/USV:


Fabricante _______________________________________________________________________________________________
Catálogo ou nº de modelo da válvula_______________________ Série N°_________________ Diâmetro___________________
Pressão nominal de trabalho______________________________ Classe de temperatura________________________________
Orifício da válvula______________ Classe de material________________ PSL_______________ Classe PSL 2______________
Órgão executante do teste de desempenho da SSV/USV Classe II___________________ Relatório de teste N°_______________
Dados do atuador da SSV/USV:
Fabricante_______________________________________________________________________________________________
Catálogo ou nº de modelo do atuador_______________________ Série N°_________________ Diâmetro___________________
Pressão nominal de trabalho______________________________ Classe de temperatura________________________________
Classe de material do orifício da válvula_____________________ PSL_______________ Classe PR 2_____________________
Dados do teste de funcionamento:
I. Teste do selo do atuador da SSV/USV _____________________________ Executado por____________________________
Pneumático_______________________________________________________ Hidráulico_______________________________
A 20% do limite da pressão de trabalho
Hora de início_________________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Hora de término_______________________ Leitura do manômetro de teste____________________
A 100% do limite da pressão de trabalho
Hora de início_________________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Hora de término_______________________ Leitura do manômetro de teste____________________
II. Verificação de drift
OD do mandril de drift________________________
Inspeção visual_____________________________________________________ Executada por__________________________
III. Teste operacional do atuador da SSV/USV______________ __________ __ por__________________________
Executado
Número de ciclos completados_________________
IV. Teste hidrostático do corpo e tampa da válvula SSV/USV executado por_______________________________________
Pressão de teste requerida__________________________________________________________________________________
Período primário de retenção da pressão
Hora de início_________________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Hora de término_______________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Período secundário de retenção da pressão
Hora de início_________________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Hora de término_______________________ Leitura do manômetro de teste____________________
V. Teste do assento da válvula SSV/USV executado por________________________________________________________
Tipo da válvula SSV/USV: Unidirecional_____________________________ Bidirecional_________________________________
Pressão de teste requerida_______________________________________
Teste primário do assento (pressão aplicada da extremidade a jusante)
Hora de início_________________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Hora de término_______________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Teste secundário do assento (pressão aplicada da extremidade a jusante)
Hora de início_________________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Hora de término_______________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Teste terciário do assento (pressão aplicada da extremidade a jusante)
Hora de início_________________________ Leitura do manômetro de teste____________________
Hora de término_______________________ Leitura do manômetro de teste____________________

Certificado por________________________________________ Empresa___________________________________________


Cargo_______________________________________________ Data______________________________________________

149
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 84 – Modelo de relatório de embarque de válvula de segurança de superfície (SSV) ou


de válvula de segurança submarina (USV)

Dados da válvula SSV/USV:


Fabricante________________________________________________________________________________________________
N° de catálogo ou modelo_________________________ Série N°______________________ Diâmetro______________________
Limite de pressão de trabalho______________________ Limite de temperatura: Máx._______________Mín._________________
Classe de material_______________________________ PSL_________________________ Classe PR 2___________________
Data de fabricação (mês e ano)_______________________________________________________________________________
Órgão executante do teste de desempenho da SSV/USV PR 2_________________________ Relatório N°___________________

Dados do atuador da SSV/USV:


Fabricante________________________________________________________________________________________________
N° de catálogo ou modelo_________________________ Série N°______________________ Diâmetro______________________
Limite de pressão de trabalho______________________ Limite de temperatura: Máx._______________Mín._________________
Classe de material_______________________________ PSL_______________________________________________________
Data de fabricação (mês e ano)_______________________________________________________________________________
Cliente________________________________________ Ordem de Compra N°_________________________________________
Data do teste de funcionamento____________________ Data de embarque___________________________________________
Inspecionado por_______________________________

10.21.3 Materiais deverão estar em conformidade com a Tabela 26.


O material do bujão macho deverá atender a 5.2 e os 10.21.5 Marcação
requisitos de material de PSL 3. Esta norma não é aplicável
a bujões macho e conexões roscadas com componentes Os bujões macho deverão ser marcados conforme 8.11.
inferiores à designação de material 60K.
10.21.4 Controle de qualidade 10.21.6 Armazenamento e transporte

Os níveis de especificação do produto não são aplicáveis Os bujões macho serão armazenados e embarcados
a bujões macho. Os requisitos de controle da qualidade em conformidade com a cláusula 9.

150
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 85 – Bujões macho (vide norma ISO 10422 quanto a dimensões e tolerâncias da rosca)

a) Bujão redondo b) Bujão com cabeça sextavada


interna

c) Bujão com cabeça sextavada externa

1 Orifício para teste ou calibração (opcional)

151
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela 85 (continuação) – dimensões em mm

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12)

(1) Diâmetro nominal da rosca (7) a (9) Bujões com cabeça sextavada externa
(2) a (5) Todos os bujões macho: (7) Dimensão da cabeça (através dos lados planos)
(2) Diâmetro da cabeça redonda (8) Altura da cabeça
(3) Comprimento mínimo da rosca até o ponto (9) Comprimento do bujão incluindo a cabeça sextavada
de fuga (10) a (12) Bujões com cabeça sextavada interna
(4) Profundidade do rebaixo (10) Dimensão do sextavado interno
(5) Diâmetro do rebaixo (11) Profundidade do sextavado
(6) Bujões de cabeça redonda – Comprimento total (12) Comprimento do bujão incluindo o sextavado interno

Tabela 86 – Procedimento recomendado para instalação de bujões macho

Giros mínimos recomendados além


Diâmetro da condição de aperto manual

½, ¾ e 1 1½
2a4 2

Os compostos para rosca testados conforme ISO 13678 deverão ser usados, e serão mantidos em condição de utilização a fim de
proporcionar um desempenho isento de vazamentos.

NOTA: Os giros recomendados além do aperto manual são normalmente suficientes para conter a pressão nominal de trabalho e
pressões de teste até 103,5 MPa. Todavia, o reaperto em até um ou dois giros adicionais poderá ser necessário em alguns casos.

152
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
10.22 Bujões de remoção de válvulas atender aos requisitos gerais de 4.1 e, quando instaladas
em equipamentos, deverão ser capazes de desempenhar a
10.22.1 Geral função para a qual foram designadas conforme as exigênci-
as de PR1 ou PR2 para o equipamento no qual serão usadas.
As preparações para remoção de válvulas e tampões de
remoção de válvulas estão especificadas nesta subcláusula 10.23.3 Construção
e no anexo L. Existem quatro diâmetros e duas classes de
pressão. Esta norma não é aplicável ao projeto de outras pene-
trações da zona de pressão. Todavia, é da responsabilidade
10.22.2 Construção do fabricante especificar outras penetrações da zona de
pressão que tenham sido qualificadas para atender aos
As válvulas de retenção de alívio de pressão internas, requisitos de desempenho.
as conexões roscadas e outros dispositivos internos são
permitidos para tampões de remoção de válvulas, porém 10.23.4 Materiais
não estão especificados nesta norma.
O material do corpo deverá atender aos requisitos
10.22.3 Dimensões estabelecidos nas especificações escritas do fabricante, e
será compatível com o fluído do poço.
As dimensões de tampões de remoção de válvulas, e as
dimensões de preparações para tampão de remoção de 10.23.5 Marcação
válvulas nos corpos, deverão atender ao especificado no
anexo L. Não existem requisitos de marcação para estes compo-
nentes.
10.22.4 Materiais
10.23.6 Armazenamento e transporte
O material do corpo do tampão de remoção de válvulas
deverá atender aos requisitos de 5.2 e 5.10, exceto que não Deverão estar em conformidade com a cláusula 9.
será exigido teste de impacto. O material deverá estar em
conformidade com a designação 60K para pressões de 10.24 VÁLVULAS DE CONTRAPRESSÃO
trabalho de 13,8 MPa (2.000 psi) a 69,0 MPa (10.000 psi), e
75K para pressões de trabalho de 103,5 MPa (15.000 psi) a 10.24.1 Geral
138,0 MPa (20.000 psi). Os tampões de remoção de válvulas
deverão ser da classe de material DD, FF ou HH. As válvulas de contrapressão deverão satisfazer aos
requisitos dos suspensores da coluna de produção.
10.22.5 Controle de qualidade
10.24.2 Construção
Os níveis de especificação do produto (PSL) não são
aplicáveis
de controlea tampões de remoção
de qualidade deverãodeestar
válvulas. Os requisitos
em conformidade Vide 10.21.2.
com a Tabela 26, PSL 2. Não é requerido teste de pressão 10.24.3 Materiais
para preparações de remoção de válvulas e tampões de
remoção de válvulas. O material do corpo deverá atender aos requisitos de
5.11. O material para os demais componentes deverá estar em
10.22.6 Marcação conformidade com as especificações escritas do fabricante.

A marcação deverá estar em conformidade com 8.10. 10.24.4 Controle de qualidade

10.22.7 Armazenamento e transporte Os níveis de especificação do produto não são aplicáveis


a válvulas de contrapressão. Os requisitos de controle de
Os tampões de remoção de válvulas deverão ser arma- qualidade deverão atender à Tabela 26.
zenados e embarcados conforme a cláusula 9.
10.24.5 Marcação
10.23 Outras penetraçõesda zona de pressão
A marcação deverá estar em conformidade com 8.12.
10.23.1 Geral
10.24.6 Armazenagem e transporte
As outras penetrações da zona de pressão deverão ser
capazes de manter uma vedação hermética à pressão e Deverão atender ao estabelecido na cláusula 9.
temperaturas nominais de trabalho.
11 Reparos e refabricação
10.23.2 Requisitos de desempenho
Os requisitos para reparos e refabricação estão especi-
As outras penetrações da zona de pressão deverão ficados no anexo J.

153
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

ANEXO A
(informativo)

Orientações para compra

A.1 Geral
Este anexo apresenta orientações para consulta e
compraEstas
natal. de equipamentos de cabeças-de-poço
orientações consistem de folhas ede
árvores-de-
dados a O PSL
práticas 2 inclui atualmente
adicionais todos os requisitos do PSL 1, mais
em implementação por
serem preenchidas pelo comprador, uma série de configura- diversas indústrias para uma faixa específica das condições
ções típicas de cabeças-de-poço e árvores-de-natal-de-natal, de serviço descritas neste anexo A.
e uma árvore de decisões para determinação dos níveis de
especificação do produto. O PSL 3 inclui todos os requisitos do PSL 3, mais
práticas adicionais atualmente em implementação por
As folhas de dados foram elaboradas para desempenhar diversas indústrias para uma faixa específica das condições
duas funções: de serviço descritas neste anexo A.

a) assistir ao comprador em decidir o que ele deseja; O PSL 3G inclui todos os requisitos do PSL 3, mais
práticas adicionais atualmente em implementação por
b) assistir ao comprador em comunicar suas necessidades diversas indústrias para uma faixa específica das condições
e exigências particulares, bem como informações sobre o de serviço descritas neste anexo A. A designação PSL 3G é
ambiente do poço, ao fabricante, para seu uso no projeto e utilizada naquelas cláusulas e tabelas somente quando
produção do equipamento. necessária para definir os requisitos adicionais de testes a
gás para o equipamento que possa ser submetido a tais
Para utilizar este anexo A, uma cópia das folhas de testes.
dados deverá ser preenchida da forma mais exata possível.
As configurações típicas deverão ser consultadas, conforme O PSL 4 inclui todos os requisitos do PSL 3G, mais
a necessidade, para selecionar o equipamento requerido. A determinadas exigências adicionais, e é destinado a aplica-
árvore de decisão, Figura A.3, juntamente com suas instru- ções que excedam as condições de serviço usualmente
ções, apresenta a prática recomendada quanto a sob qual identificadas dentro do escopo desta norma; é normalmente
PSL cada componente do equipamento deverá ser utilizado apenas para equipamentos primários.
fabricado. Uma cópia da folha de dados será então anexada
à ordem de compra ou solicitação de proposta. A Figura A.3 mostra o nível de especificação recomen-
dado
rios depara
um equipamentos primários. Os equipamentos
conjunto de cabeça-de-poço primá-
incluem no mínimo:
A.2 Folhas de dados
• cabeça da coluna de produção;
As seguintes páginas contêm questões e informações • suspensor da coluna de produção;
que poderão ser usadas para selecionar equipamentos de • adaptador da cabeça da coluna de produção;
cabeça-de-poço, incluindo estranguladores e atuadores. A • válvula mestra inferior.
Tabela A2 contém informações gerais que são pertinentes
ao poço inteiro. As tabelas A.3 a A.12 foram elaboradas Todas as outras partes da cabeça-de-poço são classi-
para serem usadas para cada tipo de equipamento. ficadas como secundárias. O nível de especificação para
equipamentos secundários poderá ser igual ou inferior ao
Os efeitos de cargas externas (i.e. momentos fletores, nível para equipamentos primários.
trações, etc.) na montagem de componentes, não estão
explícitamente direcionados por esta norma (vide 4.2.1.3). O A seleção do PSL deverá ser baseada em uma análise
comprador deverá especificar quaisquer configurações quantitativa de risco, que é uma abordagem formal e siste-
excepcionais de carga. mática para identificar eventos de risco potencial, e para
avaliar a probabilidade e conseqüências a pessoas, ambien-
O comprador deverá indicar se os procedimentos de te e recursos, de acidentes resultantes destes eventos.
verificação de desempenho do anexo F são aplicáveis.
Os seguintes comentários se aplicam às questões
A.3 Configuraçõestípicas de cabeças-de-poço básicas formuladas na Figura A.3.
e árvores-de-natal A.4.2 NACE?
Exemplos de configurações típicas de cabeças-de-poço Isto se aplica nos casos em que a pressão parcial do
e árvores-de-natal são mostrados nas Figuras A.1 e A.2.
Também são incluídos exemplos de programas de revesti- ácido
da ao sulfídrico (H2S)especificado
valor mínimo no fluído produzido se iguale
pela NACE ou exce-
MR 0175 para
mentos e brocas que são consistentes com as cabeças-de- serviço corrosivo.
poço ilustradas.
A.4.3 Alta concentração de H2S
A.4 Níveis de especificação do produto (PSL) Indicar “Sim” se a concentração de H2S do fluído
produzido for tal que em ar uma alta concentração de H2S
A.4.1 Geral de 70 x 10-6 (70 ppm) possa se desenvolver em caso de
vazamento (o sentido humano do odor não consegue
detetar concentrações superiores a 70 x 10 -6).
O PSL 1 inclui práticas que estão sendo atualmente
implementadas por uma ampla faixa da indústria para as Alternativamente, indique “Sim” se o raio de exposição
condições de serviço recomendadas neste anexo A. (ROE) a 100 ppm de H 2S for superior a 15 m (50 pés) a
154
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
partir da cabeça do poço. O ROE é definido na Texas Para determinação da locação do ROE para 500 ppm:
Railroad Commission, Rule 36, vide A.4.4. Outros métodos
de calcular o ROE poderão ser aplicáveis, dependendo dos X = [(0,454)(fração molécula-grama de H2S)(q)]0,625 8
regulamentos locais. onde:
O exposto acima requer o conhecimento da taxa de X é o raio de exposição, em pés;
vazão aberta ajustada de poços desalinhados (offset wells). q é a taxa de vazão volumétrica máxima
Se este elemento não estiver disponível, porém se há previ- deterrminada a ser disponibilizada para escape,
são de ácido sulfídrico, poderá ser assumido um ROE de em pés cúbicos por dia;
100 ppm igual a 1.000 m (3.000 pés). H2S é a fração molécula-grama de ácido sulfídrico na
mistura gasosa disponível para escape.
A.4.4 Proximidade imediata A.4.5.3 A taxa de vazão volumétrica usada como taxa
Usuários que estejam habituados à aplicação do c oncei- de escape na determinação do raio de exposição será aque-
la especificada abaixo, onde aplicável:
to de proximidade imediata e raio de exposição poderão
substituir proximidade imediata por poço de gás na Figura A.3. a) Para poços novos em áreas desenvolvidas, a taxa de
escape será determinada usando-se a atual taxa de vazão
A avaliação de proximidade deverá considerar o impacto aberta ajustada dos poços desalinhados, ou a taxa média
potencial de uma emissão descontrolada de H 2S ameaçando atual de vazão aberta ajustada de campo, prevalecendo a
a vida e o ambiente próximo da cabeça do poço. A seguinte que for maior.
lista de itens poderá ser utilizada para determinação do risco
potencial: b) A taxa de escape usada para determinar o raio de expo-
sição deverá ser corrigida às condições-padrão de 14,65
a) O ROE a 100 ppm de H2S é superior a 15 m (50 pés) da psia e 60°F (16°C).
cabeça do poço, e inclui qualquer parte de uma área A.5 Corrosividade do fluído retido
pública, exceto uma rodovia pública. O ROE é definido em
A.4.5. Por área pública entende-se uma habitação, domicílio A fim de selecionar a classe de material desejada da
comercial, lugar de adoração, escola, hospital, parada de Tabela 3, o c omprador deverá determinar a corrosividade do
ônibus escolar, edifício governamental, estrada pública, todo fluído retido, produzido ou injetado, através da considera-
ou qualquer setor de um parque, cidade, vila, ou outras ção dos diversos fatores ambientais e variáveis de produção
áreas similares que possam estar habitadas. Por rodovia relacionados na Tabela A.2. A corrosão geral, a fissuração
pública entende-se quaisquer ruas ou estradas possuídas por corrosão conjugada à tensão (stress corrosion cracking,
ou mantidas para acesso ou uso público; SCC), a erosão-corrosão, e a fissuração mecanoquímica por
sulfeto (sulfide stress cracking, SSC), são todas
b) O ROE a 500 ppm de H2S é superior a 15 m (50 pés) do influenciadas pela interação dos fatores ambien-tais e as
poço, e inclui qualquer parte de uma área pública incluindo variáveis de produção. Outros fatores e variáveis não
uma rodovia pública; rmencionados na Tabela A.2 poderão também influir na
corrosividade do fluído.
c) O poço está localizado em uma área ambientalmente
sensível, como um parque, um refúgio de vida selvagem, O comprador deverá determinar se os materiais
limites municipais, etc. atenderão à norma NACE MR 0175 para serviço corrosivo.
A NACE MR 0175 é voltada apenas aos requisitos para
d) O poço está localizado num raio de 46 m (150 pés) de materiais metálicos para evitar fissuração mecanoquímica
uma chama aberta ou equipamento aceso; por sulfeto e não com resistência a corrosão geral. Também
deverá ser levada em conta a pressão parcial de dióxido de
e) O poço está localizado num raio de 15 m (50 pés) de carbono, que geralmente se relaciona com a corrosividade
uma rodovia pública; em poços mostrada na Tabela A.1. Esta tabela é apenas
para fins orientativos.
f) O poço está localizado em ou próximo de águas interio-
res navegáveis; A análise dos fluídos produzidos poderá não prever o
desempenho de campo de materiais metálicos ou não-
metálicos.
g) O poço está localizado na ou perto da superfície de
suprimentos de água domésticos; A pressão parcial mínima do dióxido de carbono
requerida para iniciar a corrosão e o efeito relativo do
h) O poço está localizado num raio de 107 m (350 pés) de aumento das pressões parciais na taxa de corrosão, são
qualquer habitação. fortemente influenciados por outros fatores ambientais e
variáveis de produção, tais como:
Estas condições são considerações mínimas recomen-
dadas. Quais exigências regulamentares locais deverão ser a) temperatura;
observadas. b) nível de H2S;
c) pH;
d) concentração de íons de cloreto;
A.4.5 Raio de exposição (ROE) de H2S e) produção de areia;
f) produção e composição da água;
A.4.5.1 As seguintes informações foram obtidas da g) tipos e quantidades relativas dos hidrocarbonetos
Regra 36, da Texas Railroad Commission. As equivalências produzidos.
métricas não estão indicadas, pois o método de determina-
ção do ROE é utilizado somente nos Estados Unidos. Finalmente, o comprador deverá considerar a
Outros métodos de cálculo do ROE poderão se aplicar, manutenção futura do poço ao selecionar uma classe de
dependendo dos regulamentos locais. material. Isto não deverá se limitar às modificações previstas
nas pressões parciais de gás ácido para produção ou
A.4.5.2 Para determinação do ROE para 100 ppm: aumento da produção de água com ou sem aumento do teor
de cloreto, porém também incluirá consideração de operações
X = [(1,589)(fração molécula-grama H2S)(q)]0,625 8 tais como acidificação ou outros tratamentos do poço.

155
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.1 – Corrosividade relativa dos fluídos retidos indicada pela pressão parcial
2 de CO

Pressão parcial de CO
2
Fluídos retidos Corrosividade relativa
MPa (psia)
Serviço geral não-corrosivo < 0,05 (< 7)
Serviço geral levemente corrosivo 0,05 a 0,21 (7 a 30)
Serviço geral moderadamente a altamente corrosivo > 0,21 (> 30)
Serviço corrosivo não-corrosivo < 0,05 (< 7)

Serviço corrosivo levemente corrosivo 0,05 a 0,21 (7 a 30)


Serviço corrosivo moderadamente a altamente corrosivo > 0,21 (> 30)

Tabela A.2 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Geral

Nome do poço e localização: _________________________________________________________________________________


Pressão máxima de operação: ________________________________________________________________________________
Pressão de fechamento prevista da cabeça do poço: ______________________________________________________________
Faixas de temperatura previstas: ______________________________________________________________________________
Temperatura ambiente mínima: _______________________________________________________________________________
Temperatura máxima do fluído vazante na cabeça do poço: _________________________________________________________
Composição prevista dos fluídos produzidos: CO2___________ (mg)____________ Cloretos_____________ (mg)_____________
H2S___________ (mg)____________ Outros_______________________________
Completação ou manutenção futura ou operações de recuperação previstas que possam afetar pressão, temperatura ou conteúdo
do fluído_______________________________________________________________________________________________
Novos valores: ____________________________________________________________________________________________
Existem regulamentos governamentais que se aplicam ou devem ser cumpridas por este equipamento?______________________
Em caso positivo, quais?___________________________________________________________________________________
pH da água ou salmoura: ____________________________________________________________________________________
A norma NACE MR 0175 se aplica?____________________________________________________________________________
Serão usados inibidores de incrustações, parafina, corrosão, ou outros?_______________________________________________
Tipo de inibi dor:_________________ Condutor do inibidor:_______________ Batelada ou inibição contínua?________________
Será realizada acidificação?______________________________ Tipo de ácido:________________________________________
Taxas de produção previstas: _____________________________ m³/d de óleo/condensado
_____________________________ m³/d de gás
_____________________________ m³/d de areia e água
Poderá ocorrer erosão? _____________________________ Causa:_____________________________________________
Revestimento de proteção externo? Sim, tipo____________________________________ Não____________________________
Revestimento de proteção interno? Sim, tipo____________________________________ Não____________________________
Requisitos de entrega:______________________________________________________________________________________
Instruções especiais de embarque, embalagem e armazenamento:___________________________________________________

Projeto do revestimento:

Junta de topo na coluna


Diâmetro kg/m Grau Conexão Peso total deTamanho da
(OD) (lb/pé) suspensão broca
da coluna mm (pol)
daN (lbs)
Condutor ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________
Revestimento de superfície ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________
Revestimento de proteção ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________
Revestimento de produção ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________
Coluna de produção ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________
Tipo de completação:
simples ou múltipla ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________

156
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela A.3 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Alojador da cabeça do revestimento

Alojador da cabeça do revestimento PSL:________________________ PR:______________________


Conexão do fundo: Diâmetro:_____________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________
Conexão do topo: Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________

Tipo:__________________________________________________
Saídas Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________
Número:_______________________________________________
Equipamentos para as saídas: Tampão de remoção de válvula:____________________________
Válvulas (internas): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Válvulas (outras): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Flanges companheiros: Quant.______ PSL:_______
Bujões macho: Quant._____________
Niples: Quant.___________________
Válvulas agulha: Quant.___________
Medidores: Quant._______________
Parafusos travantes? Sim_________ Não_________________ Função dos parafusos travantes:___________________________
Requisitos da placa de base:__________________________________________________________________________________
Requisitos especiais de material:_______________________________________________________________________________
Suspensor do revestimento:
Diâmetro: ___________________
Tipo:_______________________
PSL:_______________________
PR:________________________
Limite de temperatura (Tabela 2)_______________________________________________________________________________
Classe de material (Tabela 3)_________________________________________________________________________________
Corrosividade do fluído retido (Tabela A.1):______________________________________________________________________
Testemunho? Sim_______ (neste caso, indicar qual e por quem) Não___________________________________
Revestimento de proteção externo? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Revestimento de proteção interno? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Requisitos do parafusamento do flange (Tabela 49) - Não exposto______ Exposto_____ Exposto (baixa resistência)____________
Série principal (prisioneiros)____________________ (porcas):_______________________
Saída interna (prisioneiros)_____________________ (porcas):_______________________
Outros da saída (prisioneiros)___________________ (porcas):_______________________
Equipamentos auxiliares e de teste:
Bucha de desgaste:____________________________________________________________
Ferramentas de assentamento e recuperação:_______________________________________
Bujão de teste:________________________________________________________________
Outros requisitos:__________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________

157
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.4 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Carretel da cabeça do revestimento

Carretel da cabeça do revestimento PSL:________________________ PR:______________________


Conexão do fundo: Diâmetro:_____________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________
Conexão do topo: Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________

Tipo:__________________________________________________
Saídas Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________
Número:_______________________________________________
Equipamentos para as saídas: Tampão de remoção de válvula:____________________________
Válvulas (internas): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Válvulas (outras): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Flanges companheiros: Quant.______ PSL:_______
Bujões macho: Quant._____________
Niples: Quant.___________________
Válvulas agulha: Quant.___________
Medidores: Quant._______________
Parafusos travantes? Sim_________ Não_________________Função dos parafusos travantes:___________________________
Requisitos especiais de material:______________________________________________________________________________
Dimensão do pack-off do carretel do revestimento do fundo:________________________________________________________
Tipo:________________________________________________________________________________
PR:_________________________________________________________________________________
Suspensor do revestimento:
Diâmetro: ___________________
Tipo:_______________________
PSL:_______________________
PR:________________________
Limite de temperatura (Tabela 2)_______________________________________________________________________________
Classe de material (Tabela 3)_________________________________________________________________________________
Corrosividade do fluído retido (Tabela A.1):______________________________________________________________________
Testemunho? Sim_______ (neste caso, indicar qual e por quem) Não___________________________________
Revestimento de proteção externo? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Revestimento de proteção interno? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Requisitos do parafusamento do flange (Tabela 49) - Exposto___________Não exposto_________
Saída interna (prisioneiros)_____________________ (porcas):_______________________
Outros da saída (prisioneiros)___________________ (porcas):_______________________
Equipamentos auxiliares e de teste:
Bucha de desgaste:____________________________________________________________
Ferramentas de assentamento e recuperação:_______________________________________
Bujão de teste:________________________________________________________________
Outros requisitos:__________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________

158
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.5 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Carretel da cabeça da coluna de produção

Carretel da cabeça da coluna de produção PSL:________________________ PR:______________________


Conexão do fundo: Diâmetro:_____________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________
Conexão do topo: Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________

Tipo:__________________________________________________
Saídas Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________
Número:_______________________________________________
Equipamentos para as saídas: Tampão de remoção de válvula:____________________________
Válvulas (internas): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Válvulas (outras): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Flanges companheiros: Quant.______ PSL:_______
Bujões macho: Quant._____________
Niples: Quant.___________________
Válvulas agulha: Quant.___________
Medidores: Quant._______________
Parafusos travantes? Sim_________ Não_________________Função dos parafusos travantes:___________________________
Requisitos de material:______________________________________________________________________________________
Pack-off do carretel da coluna de produção do fundo:
Diâmetro:___________________
Tipo:_______________________
PR:________________________
Suspensor da coluna de produção:
Diâmetro: ___________________
Tipo:_______________________
PSL:_______________________
PR:________________________
Tipo da válvula de contrapressão:_________________________________________________________
Linhas de controle da v álvula de sub-superfície controladas da superfície:_________________________
Limite de temperatura (Tabela 2)_______________________________________________________________________________
Classe de material (Tabela 3)_________________________________________________________________________________
Corrosividade do fluído retido (Tabela A.1):______________________________________________________________________
Testemunho? Sim_______ (neste caso, indicar qual e por quem) Não___________________________________
Revestimento de proteção externo? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Revestimento de proteção interno? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Requisitos do parafusamento do flange (Tabela 49) - Exposto______Não exposto______ Exposto (baixa resistência)___________
Série principal (prisioneiros)_____________________ (porcas):_______________________
Saída interna (prisioneiros)_____________________ (porcas:________________________
Outros da saída (prisioneiros)___________________ (porcas):_______________________
Equipamentos auxiliares e de teste:
Bucha de desgaste:____________________________________________________________
Ferramentas de assentamento e recuperação:_______________________________________
Bujão de teste:________________________________________________________________
Outros requisitos:__________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________

159
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.6 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Flange de transição

Flange de transição PSL:_____________________ PR:__________________________


Conexão do fundo: Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:_______________________________
Tipo:__________________________________________________
Conexão do topo: Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:_______________________________

Tipo:__________________________________________________
Tipo de pack-off:____________________________________________________________________________________________
Diâmetro:_________________________________________
Limite de temperatura (Tabela 2):_______________________________________________________________________________
Classe de material (Tabela 3):_________________________________________________________________________________
Corrosividade do fluído retido (Tabela A.1):_______________________________________________________________________
a
Testemunho? Sim__________________________________ Não______________________________________________
Revestimento de proteção externo? Não__________________ Sim___________, tipo_______________________________
Revestimento de proteção interno? Não__________________ Sim___________, tipo_______________________________
Requisitos do parafusamento do flange (Tabela 49) Não exposto_______ Exposto________Exposto (baixa resistência)_______
Série principal (prisioneiros)___________ Porcas____________

a
Em caso positivo, especificar qual e por quem

Tabela A.7 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Adaptador da cabeça da coluna de produção

Adaptador da cabeça da coluna de produção PSL:_____________________ PR:__________________________


Conexão do fundo: Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:_______________________________
Tipo:__________________________________________________
Conexão do topo: Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:_______________________________
Tipo:__________________________________________________
Saídas da válvul la de segurança de sub-superfície controlada da superfície:____________________________________________
Número:_________________________________________
Diâmetro:________________________________________
Conector de alimentação el étrica?______________________________________________________________________________
Requisitos especiais de material:_______________________________________________________________________________
Limite de temperatura (Tabela 2):_______________________________________________________________________________
Classe de material (Tabela 3):_________________________________________________________________________________
Corrosividade do fluído retido (Tabela A.1):_______________________________________________________________________
a
Testemunho? Sim__________________________________ Não______________________________________________
Revestimento de proteção externo? Não__________________ Sim___________, tipo_______________________________

Revestimento de proteção interno? Não__________________ Sim___________, tipo_______________________________


Requisitos do parafusamento do flange (Tabela 49) Não exposto_______ Exposto________Exposto (baixa resistência)_______
Série principal (prisioneiros)___________ Porcas____________

a
Em caso positivo, especificar qual e por quem

160
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.8 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Árvore-de-natal e estrangulador

:
Árvore-de-natal Simples_____ Dupla________ Bloco inteiriço:_______ Em feixe (stacked)_______

Revest° Requisitos
externo? parafusamento Tipo da
Testemu- Se sim, do flangec junta de
Ø Material a PSL PR nho? b indicar tipo Pris. Porcas anel
Válvula mestra inferior________________________________________________________________________________________
Válvula mestra superior_______________________________________________________________________________________
Válvula de pistoneio__________________________________________________________________________________________
Válvula lateral – interna_______________________________________________________________________________________
Válvula(s) lateral(is) – outras___________________________________________________________________________________
Tê/cruzeta (circular um)_______________________________________________________________________________________
Estrangulador______________________________________________________________________________________________
Flange da extremidade_______________________________________________________________________________________
Flanges companheiros_______________________________________________________________________________________
Flanges de instrumentos______________________________________________________________________________________
Capa da árvore/conexão de topo_______________________________________________________________________________
Pressão nominal de trabalho__________________________________________________________________________________
Corrosividade do fluído retido (Tabela A.1)_______________________________________________________________________
Limite de temperatura (Tabela 2)_______________________________________________________________________________
Classe de material (Tabela 3)__________________________________________________________________________________
Válv. mestra superior preparada p/atuador: Sim_________ Não_______ Se sim, especificar classe I ou II abaixo da coluna PR
Válvula lateral – interna, preparada p/atuador: Sim_________ Não_______ Se sim, especificar classe I ou II abaixo da coluna PR
Válvula lateral – outras, preparadas p/atuador: Sim_________ Não_______ Se sim, especificar classe I ou II abaixo da coluna PR
Estrangulador : ajustável ou fixo________________________________________________________________________________
Diâmetro do orifício:________________________________________ Diâmetro nominal:__________________________________
Perda de pressão:__________________________________________________________________________________________
Conexão da linha de fluxo: Diâmetro:_____________________________
Tipo:_________________________________
Requisitos especiais de material:_______________________________________________________________________________
Outros requisitos:___________________________________________________________________________________________
Requisitos do tipo de atuador da válv. mestra superior: Pneum./pistão_________ Hidr./pistão___________ Elétrico____________
Pressão/voltagem de suprimento_________________ Pneum./diafragma_____ Hidr./diafragma________ Elétrico____________
Ar____________________ Gás__________________
Requisitos do tipo de atuador da válvula lateral: Pneum./pistão_________ Hidr./pistão___________ Elétrico____________
Pneum./diafragma_____ Hidr./diafragma________ Elétrico____________
Pressão de suprimento:_________________________
Outros:___________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________

a
Definir ou especificar os requisitos de material e, se materiais de cladding ou outros materiais resist entes à corrosão tenham de ser
embutidos, informar o tipo do material-base/tipo do material clad, ex.: 4130/625.
b
Em caso positivo, especificar qual e por quem.
c
Indicar o parafusamento requerido para as classificações de f luído retido e temperatura aplicáveis, es pecificadas na Tabela 49.

161
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.9 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Alojador compacto da cabeça do revestimento

Alojador compacto da cabeça do revestimento

A. Conexão do fundo: PSL:________________________ PR:______________________


Diâmetro:_____________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________
Saídas Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________
Número:_______________________________________________
Equipamentos para as saídas: Tampão de remoção de válvula:____________________________
Válvulas (internas): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Válvulas (outras): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Flanges companheiros: Quant.______ PSL:_______
Bujões macho: Quant._____________
Niples: Quant.___________________
Válvulas agulha: Quant.___________
Medidores: Quant._______________
Parafusos travantes? Sim_________ Não_________________Função dos parafusos travantes:___________________________
Requisitos da placa de base: ________________________________________________________________________________
Testemunho? Não____________________ Sim__________ (neste caso, indicar qual e por quem)_________________________
Requisitos especiais de material:______________________________________________________________________________
Dimensão do pack-off do carretel do revestimento do fundo:________________________________________________________
Diâmetro_____________________________________________________________________________

Tipo________________________________________________________________________________
Suspensor do revestimento:
Diâmetro: ___________________
Tipo:_______________________
PSL:_______________________
PR:________________________
Limite de temperatura (Tabela 2)_______________________________________________________________________________
Classe de material (Tabela 3)_________________________________________________________________________________
Corrosividade do fluído retido (Tabela A.1):______________________________________________________________________
Revestimento de proteção externo? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Revestimento de proteção interno? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Requisitos do parafusamento do flange (Tabela 49) - Exposto______Não exposto_____ Exposto (baixa resistência)____________
Saída interna (prisioneiros)_____________________ (porcas):_______________________
Outros da saída (prisioneiros)___________________ (porcas):_______________________

Outros requisitos:__________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________

(a Tabela A.9 continua na página seguinte)

162
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.9(continuação)

Alojador compacto da cabeça do revestimento

B. Conexão do topo: Diâmetro:_____________________________________________


Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________

Saídas Diâmetro:______________________________________________
Pressão nominal de trabalho:______________________________
Tipo:__________________________________________________
Número:_______________________________________________
Equipamentos para as saídas: Tampão de remoção de válvula:____________________________
Válvulas (internas): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Válvulas (outras): Quant.__________ PSL:_______ PR:________
Flanges companheiros: Quant.______ PSL:_______
Bujões macho: Quant._____________
Niples: Quant.___________________
Válvulas agulha: Quant.___________
Medidores: Quant._______________
Parafusos travantes? Sim_________ Não_________________Função dos parafusos travantes:___________________________
Requisitos especiais de material:______________________________________________________________________________
Suspensor do revestimento:
Diâmetro: ___________________
Tipo:_______________________
PSL:_______________________
PR:________________________
Limite de temperatura (Tabela 2)_______________________________________________________________________________
Classe de material (Tabela 3)_________________________________________________________________________________
Corrosividade do fluído retido (Tabela A.1):______________________________________________________________________
Testemunho? Sim_______ (neste caso, indicar qual e por quem) Não___________________________________
Revestimento de proteção externo? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Revestimento de proteção interno? Não______________ Sim________ (neste caso, indicar tipo)______________________
Requisitos do parafusamento do flange (Tabela 49) - Exposto______Não exposto______ Exposto (baixa resistência)___________
Saída interna (prisioneiros)_____________________ (porcas):_______________________
Outros da saída (prisioneiros)___________________ (porcas):_______________________
Equipamentos auxiliares e de teste:
Bucha de desgaste:____________________________________________________________
Ferramentas de assentamento e recuperação:_______________________________________
Bujão de teste:________________________________________________________________
Outros requisitos:__________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________

163
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.10 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Válvulas de segurança

Válvulas de segurança da cabeça-de-poço

Geral

Condições ambientais especiais___________________ Ambiente ou temperaturas de operação incomuns, ou condições


atmosféricas indutoras à corrosão, ou uso submarino.
Revestimento de proteção________________________
Instruções de embarque_________________________

Válvula SSV/USV
Órgão executante do teste de desempenho
(válvula SSV/USV do PR 2)_______________________
Fabricante____________________________________ Modelo e tipo_________________________________________
Diâmetro_____________________________________
Pressão nominal de trabalho______________________
Limite de temperatura___________________________

Atuador da SSV/USV
Fabricante____________________________________ Modelo e tipo_________________________________________
Pressão nominal de trabalho do cilindro_____________
Pressão de operação___________________________ O comprador deverá especificar a pressão de suprimento
disponível, se aplicável.
Limite de temperatura___________________________
Dispositivo de travamento na posição aberta_________
USV_________________________________________ Profundidade da água na operação.

164
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.11 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Dimensionamento do estrangulador

Aplicação
Fluído
Quantidade
Conexões da extremidade/dimensões A&B a
Limite operacional de pressão: Entrada Saída
Entrada
Limite de temperatura
Classe de material Corpo Internos
PSL PR
Condições de serviço em: Vazão máx. (unidades) Vazão normal (unidades) Vazão mínima (unidades)
Entrada
Pressão
Saída ou ∆ P
Temperatura na entrada
Taxa de vazão
Óleo
S.G. (se disponível)
Taxa de vazão
Gás ou G.O.R.
S.G. (se disponível)
Taxa de vazão
Líquido
S.G. (se disponível)

Manual/atuada
Tipo/marca/modelo do atuador
Alimentação
Override manual

Indicador de posição Local Transmissor remoto/posição


Posicionador

Comentários adicionais:

a
Vide Figuras 20 e 21.

165
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela A.12 – Folha de dados de equipamento da cabeça-de-poço – Atuador e tampa

Quantidade Quantidade Quantidade


Pneumático _________ Hidráulico _________ Elétrico __________
Convencional Haste ascendente
Diafragma Simples Haste não-ascendente
Duplo Fluído retido Haste ascendente
Haste não-ascendente
Pistão Simples Corta-fio (wirecutter) _________ Bitola do fio/cabo ______
Duplo
Autônomo (self-contained) _________ Alimentação ______
Requisitos/especificação de utilidades:
Pneumáticas Hidráulicas
Disponibilidade ________________________ MPa (psi) Disponibilidade ____________________________ MPa (psi)
Máx.__________________ Mín.____________________ Máx.____________________ Mín._________________
Ar puro___________________ Fluído do poço
Nitrogênio_________________ não-NACE____________________ NACE_______________
Gás do poço_______________ não-NACE____________ Autônomo (self-contained)_________________
Outros___________________ NACE ____________ Outros_________________________________

Elétrica
Voltagem_______________ DC_______________ AC_________________ Fases______________ Freqüência______________
Corrente disponível__________________________________ Outros________________________________________________

Requisitos do atuador: Dados do campo:


Especificações Atuador Cliente______________________________________________________
Limite de temperatura (Tabela 2) Localização do campo__________________________________________
Fluído retido (Tabela A.1) Plataforma___________________________________________________
Classe de material (Tabela 3) Campo n°____________________________________________________
Revestimento externo? Pressão da cabeça da coluna de produção fechada___________MPa (psi)
Não_______
Sim_______, tipo______________________ Acessórios:
Dispositivo fusível para manter em posição aberta____________________
Dispositivo manual para manter em posição aberta___________________
Válvula de descarga rápida______________________________________
Indicador de posição a) local____________________________
b) remoto__________________________

Requisitos da tampa:
Dimensão________________________________ Especificação PSL
Modelo__________________________________ SSV PR2 ________ 2 _________
Pressão de trabalho máxima_________MPA (psi) 3 _________
3G _______
4 _________

Classe de material: _______________________________ Limite operacional de temperatura:_______________________

166
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

1 Flange de 34,5 MPa (5.000 psi) do topo da cabeça da coluna de produção.


2 Flange de 20,7 MPa (3.000 psi) ou 34,5 MPa (5.000 psi) do topo da cabeça do revestimento.

PROGRAMAS TÍPICOS

Programado revestimento | Programada broca | Flange do topo da cabeça | Flange do topo da cabeça
do revestimento da coluna de produção

Figura A.1 – Configuração típica de cabeça-de-poço e árvore para pressão nominal de trabalho de 34,5 MPa (5.000 psi)

167
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Figura A.2 - Configuração típica de cabeça-de-poço e árvore para pressão nominal de trabalho de 69,0 MPa (10.000 psi)
(a tabela correspondente a esta figura encontra-se na página seguinte)

168
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

PROGRAMAS T PICOS(sistema métrico)

(1) (2) (3) (4) (5)

PROGRAMAS TÍPICOS
(unidades-padrão americanas)

(1) Programa do revestimento


(2) Programa da broca
(3) Flange do topo do alojador da cabeça do revestimento
(4) Flange do topo do carretel da cabeça do revestimento
(5) Flange do topo da cabeça da coluna de produção

Figura A.2 - Configuração típica de cabeça-de-poço e árvore para pressão nominal de trabalho de 69,0 MPa (10.000 psi)
(continuação)

169
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Iniciar
aqui

Pressão nomi- Alta


nal de trabalho concentração
≥(15.000
103,5 MPa
psi) de H2S?

Poço de gás

Alta
concentração Pressão nominal Poço de gás
NACE? de H2S? de trabalho

Pressão
Poço de gás nominal
de trabalho

Pressão
nominal
de trabalho

Pressão
nominal Poço de gás
de trabalho

Figura A.3 – PSL mínimo recomendado para componentes primários dos


equipamentos de cabeças-de-poço e árvores-de-natal

170
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Anexo B
(informativo)

Tabelas e dados em unidades-padrão americanas desta norma internacional


B.1 Informações gerais polegada quadrada, utilizando ao mesmo tempo
números convenientemente simples:
B.1.1 Finalidade
MPa psi

Este anexo
expressos apresenta asamericanas
em unidades-padrão dimensõesquee possam
dados 13,8 2.000
ser usados como unidades alternativas àquelas 20,7 3.000
unidades Sistema Internacional de Medidas (SI) 34,5 5.000
utilizadas no corpo desta norma.
69,0 10.000
Os valores dimensionais obtidos pela aplicação das 103,5 15.000
regras de conversão deste anexo são diferentes dos
resultados que seriam obtidos pela conversão exata dos 138,0 20.000
valores dimensionais apresentados no corpo desta
norma. B.2.2 Diâmetros nominais
B.1.2 Regras de conversão Os diâmetros nominais dos orifícios de flanges nesta
norma foram convertidos dos valores arredondados das
As dimensões em unidades SI foram obtidas pela unidades-padrão americanas a valores em unidades SI,
conversão das tabelas dimensionais da especificação até o milímetro mais próximo. Assim, os seguintes
API 6A de acordo com a norma ISO 31. A conversão é diâmetros nominais são equivalentes:
ilustrada no seguinte exemplo:

a) Primeiramente, converter de polegada decimal para mm polegadas


fração exata. Então, expressar isto como um valor
decimal exato. Isto é feito levando-se em conta o 46 1 13/16
fato de que os projetos da API tiveram srcem no
sistema de fração de polegada. Assim, uma 52 2 1/16
dimensão de 4,31 polegadas na tabela significa 9
efetivamente 45/16 ou 4,312 5 polegadas. 65 2 /16
78 ou 79 3 1/16 ou 3 1/8
b) A seguir, multiplicar a equivalente decimal exata 103 4 1/16
resultante da dimensão em fração de polegada por
25,4 para obter a dimensão exata em milímetros. 130 4 1/ 8
179 7 1/16
EXEMPLO 4,312 5 pol. = 109,537 5 mm
228 9
NOTA: A vírgula é sempre usada como sinal decimal. 279 11
c) Em seguida, fazer o arredondamento indicado para 346 13 5/8
a dimensão específica. As regras de arredondamen- 425 16 3/4
to diferem para dimensões diferentes, dependendo
da aplicação da dimensão. 476 18 3/4
527 20 3/4
EXEMPLO Se a dimensão fosse arredondada para
os mais próximos 5 mm rasos, a dimensão resultante seria 540 21 1/4
110 mm.
680 26 3/4
Resumindo, a conversão é feita em três etapas, como 762 30
segue: 4,31 pol. ≈ 4,312 5 pol. ≈ 109,537 5 mm ≈ 110 mm.

Em todos os casos, a intercambialidade prevalece


sobre a conversão matemática.
B.2.3 Dimensões de flanges tipo 6B – Intercambi-
abilidade
O mesmo é verdadeiro para conversões de unidades
dimensionais métricas de equipamentos especificados A construção de flanges tipo 6B é baseada no
futuramente em unidades-padrão americanas. projeto da ASME B16.5 para flanges de aço. Este con-
junto comum de dimensões permite alguma intercambia-
bilidade entre as duas construções no caso de flanges
B.2 Flanges 6B e 6BX de junta de anel serem usados nos flanges ANSI
correspondentes. Por esta razão, foi decidido preservar-
B.2.1 Limites operacionais de pressão se a intercambiabilidade ao se considerar as dimensões
de flanges métricos ANSI anteriormente publicadas no
Os limites de pressão em megapascal foram conver- estabelecimento das dimensões métricas desta norma.
tidos das tabelas dimensionais da API 6A de forma a Isto resultou em diâmetros das furações de parafusos
preservar a razão dos limites de pressão em libras por ligeiramente diferentes dos que resultariam usando-se
171
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
as regras de arredondamento de B.2.5, já que os flanges h) Locação dos furos dos parafusos
ANSI métricos são utilizáveis com elementos de fixação
métricos. Outras dimensões foram arredondadas pela Tolerância: 0,8 mm.
adoção das regras de B.2.5, resultando em uma
precisão ligeiramente maior nas espessuras de flanges e i) Círculo dos parafusos
dimensões do círculo dos parafusos, mas que ainda
estão bem dentro da faixa de tolerância das dimensões Arredondar para o 0,1 mm mais próximo.
da ASME B16.5 anteriormente publicadas.
j) Diâmetro dos furos dos parafusos
B.2.4 Elementos de Fixação – Dimensões
Arredondar para o milímetro par próximo.
Os flanges métricos deverão ser usados com Tolerâncias como segue:
elementos de fixação em polegadas. A adoção de
elementos de fixação métricos em flanges 6BX não é Ø do furo tolerância
prática devido à construção compacta dos flanges, e
também pelo fato de que os elementos de fixação métri-
cos com resistência equivalente são ligeiramente maio- ≤ 42 mm (+ 2 − 0,5) mm
res do que os elementos de fixação em polegadas.
O uso de elementos de fixação métricos em flanges 6B é > 42 mm (+ 3 − 0,5) mm
possível, porém tais elementos em dimensões métricas,
com os requisitos de resisistência e dureza necessários para
atender aos requisitos desta norma, são difíceis de obter. k) Comprimento dos prisioneiros

B.2.5 Regras de arredondamento Recalcular em unidades métricas e arredondar para


os 5 mm mais próximos.
As seguintes regras foram adotadas para desenvol-
ver as dimensões de flanges: l) Dimensões de flanges segmentados:

a) Diâmetro máximo do orifício As dimensões destes flanges são conforme segue:

Arredondar para o 0,1 mm mais próximo. • Dimensão E: Arredondar para o 0,1 mm mais
próximo.
EXEMPLO 1: 2,09” ≈ 2,093 5” ≈ 53,181 25 mm
≈ 53,2 mm • Dimensão F: 0,12” se transforma em 3 mm.
• Dimensão K: Arredondar para o 0,1 mm mais
b) OD do flange próximo. Tolerância: (+ 0,5 0) mm.
• Dimensão Q: Arredondar para o 0,01 mm mais
Arredondondar
está consistentepara os práticas
com as 5 mm mais
ANSI.próximos. Isto próximo. Tolerância: + 0,25 mm.
m) Dimensões da usinagem brutade ranhuras circulares
EXEMPLO: 8,12” ≈ 8,125” ≈ 206,375 mm ≈ 205mm. embutidas:
Tolerância: 0,06” ≈ 2 mm; 0,12” ≈ 3 mm.

c) Bisel máximo Arredondar todas as dimensões até o 0,5mm mais


próximo. Tolerâncias: + 1 mm.
EXEMPLO 3: 0,12” ≈ 3 mm; 0,25” ≈ 6 mm.
n) Dimensões da junta de anel e ranhuras circulares
d) Diâmetro da face ressaltada
Convertar exatamente para o próximo 0,1 mm, exce-
Arredondar para o 1mm mais próximo. Tolerância: + 1 mm. to para o diâmetro de orifício D das juntas de anel
RX e BX.
e) Espessura do flange
Arredondar para o próximo 0,1 mm. Tolerância: + 3 mm B.3 Outras dimensões dos equipamentos
f) Dimensões J1, J2 e J3
B.3.1 Dimensões extremidade-a-extremidade das
Arredondar para o 0,1 mm mais próximo. Tolerância válvulas – Intercambiabilidade
em J1: − 3 mm.
Para todas as válvulas com dimensões extremidade-
g) Raio na contra-face a-extremidade correspondentes na ASME B16.34, as
dimensões métricas da citada norma foram usadas. Para
Converter como segue: todas as outras válvulas, a dimensão está arredondada
para o 1 mm mais próximo, com uma tolerância de 2 mm.
mm polegadas
10 0,38 B.3.2 Dimensões extremidade-a-extremidade de
16 0,62 cruzetas e tês
19 0,75
21 0,81 Estas dimensões estão arredondadas para o 0,5 mm
25 1,00 mais próximo, com uma tolerância de ± 0,08 mm.

172
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
B.3.3. Espaçamento da linha de centro de comple- B.4.3 Energia de impacto
tações múltiplas
1 libra-pé (lb-pé) = 1,355 818 joule (J)
Estas dimensões estão convertidas e expressas a
B.4.4 Torque
duas decimais. A dimensão e tolerância resultantes
deverão ser selecionadas de forma a que a dimensão
1 libra-pé (lb-pé) = 1,355 818 newton metro (N-m)
física fique sempre dentro da faixa de tolerância de
0,005” quando uma tolerância de 0,12 mm for aplicada. B.4.5 Temperatura
EXEMPLO: Dimensão 1,390” do centro do flange ± 0,005”.
As alternativas seguem abaixo: Celsius = 5/9 (Fahrenheit – 32)

Limite inferior: 1,385” ≈ 35,179 mm (35,18 ou 35,19). B.4.6 Força


Centro: 1,390” ≈ 35,306 mm (35,30 ou 35,31).
Limite superior: 1,395” ≈ 35,433 mm (35,42 ou 35,43). 1 libra-força (lbf) = 4,448 222 newton (N)
Selecionar a primeira dimensão central, 35,30 mm, pois é
um número redondo. B.4.7 Massa

B.4 Fatores de conversão 1 libra-massa (lbm) = 0,453 592 37 kg exato.

B.5 Tabelas e figuras em unidades-padrão


B.4.1 Comprimento americanas
1 polegada (pol.) = 25,4 milímetros (mm) exatos As versões das unidades-padrão americanas dos
dados das tabelas e figuras indicadas em unidades SI
no corpo principal desta norma, estão incluídas neste
B.4.2 Pressão/tensão anexo para evitar uma desordem nas tabelas ou figuras
com mais números do que possam ser lidos fácilmente
1 libra-força por polegada quadrada (psi) = sem confusão. Para conveniência do usuário, as figuras
0,006 894 757 megapascal (MPa) e tabelas estão numeradas neste anexo usando
números idênticos àqueles do corpo principal porém com
1 megapascal (MPa) = 1 newton por milímetro quadrado o prefixo B. Os usuários deste anexo deverão analisar
(N/mm²) todas as notas e explanações que acompanham a
mesma tabela especificada no corpo principal desta
NOTA: 1 bar = 0,1 MPa. norma internacional.

Dimensões em polegadas

a) Para espessura de pescoço ≤ 7/8” b) Para espessuras de pescoço > 7/8”

Figura B.9 – Preparação da extremidade de solda para flanges de pescoço tipos 6B e 6BX
(unidades-padrão americanas)

173
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.36 – Flanges tipo 6B para pressão nominal de trabalho de 2.000 psi ( unidades-padrão americanas)
(dimensões em polegadas)

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Dimensão de referência.
b
Eliminar cantos vivos.
c
Topo.
d
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.

a) Seção do flange integral


(dimensões em polegadas)

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange. (6) Diâmetro da face ressaltada


(2) a (9) Dimensões básicas do flange (7) Espessura total do flange
(2) Diâmetro máximo do orifício (8) Espessura básica do flange
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (9) Diâmetro do cubo
(5) Bisel máximo

174
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.36 (continuação)

(dimensões em polegadas)

(10) a (16) Dimensões do parafusamento (13) e (14) Diâmetro dos furos dos parafusos
(10) Diâmetro do círculo dos parafusos (15) Comprimento dos prisioneiros
(11) Quantidade de parafusos (16) Número do anel
(12) Diâmetro dos parafusos
a
A tolerância mínima no furo do parafuso é –0,02.

175
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.36 (continuação)

b) Flange roscado c) Flange de pescoço para tubos de condução


(dimensões em polegadas)

(17) a (22) Dimensões do cubo e orifício (19) Comprimento do cubo – flanges de


(17) Comprimento do cubo – flanges de pescoço para tubos de condução
tubos de condução roscados (20) e (21) Diâmetro do pescoço – flanges de
(18) Comprimento do cubo – flanges do pescoço para tubos de condução
revestimento roscados (22) Ø máximo do orifício – flanges de
pescoço

176
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.37 – Flanges tipo 6B para pressão nominal de trabalho de 3.000 psi ( unidades-padrão americanas)
(dimensões em polegadas)

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Dimensão de referência.
b
Eliminar cantos vivos.
c
Topo.
d
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.

a) Seção do flange integral


dimensões em ole adas

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange. (6) Diâmetro da face ressaltada


(2) a (9) Dimensões básicas do flange (7) Espessura total do flange
(2) Diâmetro máximo do orifício (8) Espessura básica do flange
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (9) Diâmetro do cubo
(5) Bisel máximo

177
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.37 (continuação)

(10) a (16) Dimensões do parafusamento (13) e (14) Diâmetro dos furos dos parafusos
(10) Diâmetro do círculo dos parafusos (15) Comprimento dos prisioneiros
(11) Quantidade de parafusos (16) Número do anel
(12) Diâmetro dos parafusos
a
A tolerância mínima no furo do parafuso é –0,02.

178
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.37 (continuação)

a) Flange roscado b) Flange de pescoço para tubos de condução

(17) a (22) Dimensões do cubo e orifício (20) Comprimento do cubo – flanges de


(17) Comprimento do cubo – flanges de pescoço para tubos de condução
tubos de condução roscados (21) e (22) Diâmetro do pescoço – flanges de
(18) Comprimento do cubo – flanges do pescoço para tubos de condução
revestimento roscados (23) Ø máximo do orifício – flanges de
(19) Comprimento do cubo – flanges da pescoço
coluna de produção

179
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.38 – Flanges tipo 6B para pressão nominal de trabalho de 5.000 psi (unidades-padrão
americanas)

dimensões em mm

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Dimensão de referência.
b
Eliminar cantos vivos.
c
Topo.
d
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.

a) Seção do flange integral


(dimensões em polegadas)

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange. (6) Diâmetro da face ressaltada


(2) a (9) Dimensões básicas do flange (7) Espessura total do flange
(2) Diâmetro máximo do orifício (8) Espessura básica do flange
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (9) Diâmetro do cubo
(5) Bisel máximo

180
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.38 (continuação)

(10) a (16) Dimensões do parafusamento (13) e (14) Diâmetro dos furos dos parafusos
(10) Diâmetro do círculo dos parafusos (15) Comprimento dos prisioneiros
(11) Quantidade de parafusos (16) Número do anel
(12) Diâmetro dos parafusos
a
A tolerância mínima no furo do parafuso é –0,02.

181
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.38 (continuação)

a) Flange roscado b) Flange de pescoço para tubos de condução

(17) a (22) Dimensões do cubo e orifício (20) Comprimento do cubo – flanges de


(17) Comprimento do cubo – flanges de pescoço para tubos de condução
tubos de condução roscados (21) e (22) Diâmetro do pescoço – flanges de
(18) Comprimento do cubo – flanges do pescoço para tubos de condução
revestimento roscados (23) Ø máximo do orifício – flanges de
(19) Comprimento do cubo – flanges da pescoço
coluna de produção

182
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.39 – Detalhe de usinagem bruta para ranhuras circulares resistentes à corrosão
(unidades-padrão americanas)
Dimensões em polegadas
Rugosidade da superfície em micro-pol.

NOTA: Deixar uma folga de 1/8” ou maior para usinagem final do revestimento de solda.
a
Vide 10.1.2.4.5.

183
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.40 – Flanges integrais t ipo 6BX para pressões nominais de trabalho de 2.000, 3.000,
5.000 e 10.000 psi (em unidades-padrão americanas)
dimensões em polegadas

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máxima = E (Tabela B.52).
Q” mínima = 0,12 polegada
Q” poderá ser omitida em flanges fixados por prisioneiros.
c

Eliminar cantos vivos.


d
Topo.

184
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.40 (continuação)

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange (7) Espessura total do flange


(2) a (11) Dimensões básicas do flange (8) Diâmetro maior do cubo
(2) Diâmetro máximo do orifício (9) Diâmetro menor do cubo
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (10) Comprimento do cubo
(5) Bisel máximo (11) Raio do cubo
(6) Diâmetro da face ressaltada

185
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.40 (continuação)

(12) a (18) Dimensões do parafusamento (15) e (16) Diâmetro dos furos dos parafusos
(12) Diâmetro do círculo dos parafusos (17) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(13) Quantidade de parafusos (18) Número do anel
(14) Diâmetro dos parafusos
a
A tolerância mínima no furo do parafuso é –0,02.

186
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.41 – Flanges integrais tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de 15.000 e 20.000 psi
(em unidades-padrão americanas)

Dimensões em polegadas

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máxima = E (Tabela B.52).
Q” mínima = 0,12 polegada
Q” poderá ser omitida em flanges fi xados por prisioneiros.
c
Eliminar cantos vivos.
d
Topo.

187
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.41 (continuação)

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange (7) Espessura total do flange


(2) a (11) Dimensões básicas do flange (8) Diâmetro maior do cubo
(2) Diâmetro máximo do orifício (9) Diâmetro menor do cubo
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (10) Comprimento do cubo
(5) Bisel máximo (11) Raio do cubo
(6) Diâmetro da face ressaltada

188
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.41 (continuação)

(12) a (18) Dimensões do parafusamento (15) e (16) Diâmetro dos furos dos parafusos
(12) Diâmetro do círculo dos parafusos (17) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(13) Quantidade de parafusos (18) Número do anel
(14) Diâmetro dos parafusos

189
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabeça B.42 – Flanges de pescoço para solda tipo 6BX para pressões de trabalho de 10.000 e 15.000 psi
(em unidades-padrão americanas)

dimensões em polegadas

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máxima = E (Tabela B.52).
Q” mínima = 0,12 polegada
c

Eliminar cantos vivos.


d
Topo.

190
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.42 (continuação)

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange (7) Espessura total do flange


(2) a (11) Dimensões básicas do flange (8) Diâmetro maior do cubo
(2) Diâmetro máximo do orifício (9) Diâmetro menor do cubo
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (10) Comprimento do cubo
(5) Bisel máximo (11) Raio do cubo
(6) Diâmetro da face ressaltada

191
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.42 (continuação)

(12) a (18) Dimensões do parafusamento (15) e (16) Diâmetro dos furos dos parafusos
(12) Diâmetro do círculo dos parafusos (17) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(13) Quantidade de parafusos (18) Número do anel
(14) Diâmetro dos parafusos

192
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.43 – Flanges de pescoço para solda tipo 6BX para pressão nominal de trabalho de 20.000 psi
(em unidades-padrão americanas)

dimensões em polegadas

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máxima = E (Tabela B.52).
Q” mínima = 0,12 polegada
c
Eliminar cantos vivos.
d
Topo.

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange (7) Espessura total do flange


(2) a (11) Dimensões básicas do flange (8) Diâmetro maior do cubo
(2) Diâmetro máximo do orifício (9) Diâmetro menor do cubo
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (10) Comprimento do cubo
(5) Bisel máximo (11) Raio do cubo
(6) Diâmetro da face ressaltada

193
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.43 (continuação)

(12) a (18) Dimensões do parafusamento (15) e (16) Diâmetro dos furos dos parafusos
(12) Diâmetro do círculo dos parafusos (17) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(13) Quantidade de parafusos (18) Número do anel
(14) Diâmetro dos parafusos

194
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.44 – Flanges cegos e de teste tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de 10.000 e 15.000 psi
(em unidades-padrão americanas)

dimensões em polegadas

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máxima = E (Tabela B.52).
Q” mínima = 0,12 polegada
c

Eliminar cantos vivos.


d
Este furo é opcional.
e
Topo.
f
Conexão de teste. Vide figura 22.
g
Roscas de tubos de condução ou NPT de ½” (pressão máxima de trabalho 10.000 psi) .

195
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.44 (continuação)

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange (10) Comprimento do cubo


(2) a (11) Dimensões básicas do flange (11) Raio do cubo
(2) Diâmetro máximo do orifício (12) a (18) Dimensões do parafusamento
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (12) Diâmetro do círculo dos parafusos
(5) Bisel máximo (13) Quantidade de parafusos
(6) Diâmetro da face ressaltada (14) Diâmetro dos parafusos
(7) Espessura total do flange (15) e (16) Diâmetro dos furos dos parafusos
(8) Diâmetro maior do cubo (17) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(9) Diâmetro menor do cubo (18) Número do anel

196
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.45 – Flanges cegos e de teste tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de 15.000 e 20.000 psi
(em unidades-padrão americanas)

dimensões em polegadas

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.
b
Q” máxima = E (Tabela B.52).
Q” mínima = 0,12 polegada
c

Eliminar cantos vivos.


d
Este furo é opcional.
e
Topo.
f
Conexão de teste. Vide figura 22.

197
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.45 (continuação)

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange (10) Comprimento do cubo


(2) a (11) Dimensões básicas do flange (11) Raio do cubo
(2) Diâmetro máximo do orifício (12) a (18) Dimensões do parafusamento
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (12) Diâmetro do círculo dos parafusos
(5) Bisel máximo (13) Quantidade de parafusos
(6) Diâmetro da face ressaltada (14) Diâmetro dos parafusos
(7) Espessura total do flange (15) e (16) Diâmetro dos furos dos parafusos
(8) Diâmetro maior do cubo (17) Comprimento mínimo dos prisioneiros
(9) Diâmetro menor do cubo (18) Número do anel

198
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.46 – Flanges cegos tipo 6BX para pressões nominais de trabalho de
2.000, 3.000, 5.000, 10.000, 15.000 e 20.000 psi (em unidades-padrão americanas)

a
Rebaixo
b
Inclinação máxima
dimensões em ole adas
(1) (2) (3) (4) (5)

(1) Diâmetro nominal (3) Diâmetro do cubo (5) Espessura do cubo adicionada
(2) Espessura do flange (4) Profundidade do rebaixo
NOTA: Para dimensões não listadas, vide Tabelas B.40 a B.45 onde aplicável.

199
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.47 – Dimensões de flanges segmentados para completação dupla, para pressão nominal
de trabalho de 5.000 psi (em unidades-padrão americanas)
dimensões em polegadas

NOTA: A ranhura circular deverá ficar concêntrica com o orifício dentro de 0,010 do desvio indicador total.
a
Linha de centro do furo do parafuso localizada dentro de 0,03” do BC teórico e espaçamento igual.
b
Furos de parafusos: L, M.
c
Topo.

(1) Diâmetro nominal e orifício do flange (7) Raio mínimo


(2) a (12) Dimensões básicas do flange (8) e (9) Diâmetro do cubo
(2) Diâmetro máximo do orifício (10 Diâmetro do rebaixo
(3) e (4) Diâmetro externo do flange (11) Profundidade do rebaixo
(5) Espessura total do flange (12) Número do anel
(6) Distância do plano ao centro

200
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.47 (continuação)

(13) a (23) Dimensões do parafusamento (20) Diâmetro do parafuso


(14) e (15) Diâmetro dos furos dos parafusos (21) Comprimento do prisioneiro de dupla extremidade
(16) Quantidade de furos dos parafusos (22) Comprimento do prisioneiro roscado
(17) a (19) Graus (23) Dimensão igual furo-a-furo

201
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.48 – Dimensões do rebaixo e assentamento da rosca do tubo (vide ISO 10422 para dimensões
L1, L2 e L4) (em unidades-padrão americanas)

1 Plano de engate ao aperto manual


2 Plano do comprimento efetivo da rosca
3 Plano do ponto de fuga
a
Dimensão de referência
b
Comprimento da rosca interna
c Sem rebaixo
d
Com rebaixo

202
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B-48 (continuação)

(8)

(1) Diâmetro nominal da rosca


(2) Comprimento: plano do ponto de fuga ao plano de aperto manual
(3) e (4) Assentamento ao aperto manual
(3) Rosca sem rebaixo
(4) Rosca com rebaixo raso
(5) Comprimento: face do rebaixo ao plano de aperto manual
(6) e (7) Rebaixo
(6) Diâmetro
(7) Profundidade
(8) Roscas de tubos de condução

203
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.48 (continuação)

(8)

(9)

(10)

(1) Diâmetro nominal da rosca


(2) Comprimento: plano do ponto de fuga ao plano de aperto manual
(3) e (4) Assentamento ao aperto manual
(3) Rosca sem rebaixo
(4) Rosca com rebaixo raso
(5) Comprimento: face do rebaixo ao plano de aperto manual
(6) e (7) Rebaixo
(6) Diâmetro
(7) Profundidade
(8) Roscas do revestimento longas e curtas
(9) Roscas da coluna de produção não-recalcadas
(10) Roscas da coluna de produção recalcadas externas
a
Somente roscas do revestimento curtas (roscas do revestimento longas não estão incluídas).

204
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.50 – Juntas de anel tipo R (em unidades-padrão americanas)

dimensões em polegadas

a) Octogonal b) Ovalada c) Chanfrada

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

(1) Número do anel (7) Raio no anel octogonal


(2) Diâmetro do passo do anel (chanfro) (8) Profundidade do chanfro
(3) Largura do anel (9) Profundidade do chanfro
(4) Altura do oval do anel (10) Raio no chanfro
(5) Altura do octogonal do anel (11) Distância aproximada entre os flanges montados
(6) Largura do plano do anel octogonal

205
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela B.50 (continuação)

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

(1) Número do anel (7) Raio no anel octogonal


(2) Diâmetro do passo do anel (chanfro) (8) Profundidade do chanfro
(3) Largura do anel (9) Profundidade do chanfro
(4) Altura do oval do anel (10) Raio no chanfro
(5) Altura do octogonal do anel (11) Distância aproximada entre os flanges montados
(6) Largura do plano do anel octogonal

206
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.51 – Juntas de anel ativadas à pressão tipo RX (em unidades-padrão americanas)

(dimensões em polegadas)

a
O orifício de passagem da pressão ilustrado na seção transversal do anel RX se aplica aos anéis RX-82 a RX-91 somente. O eixo do
orifício será localizado no ponto central da dimensão C. O diâmetro do orifício será de 0,06” para os anéis RX-82 a RX-85, 0,09” para os
anéis RX-86 e RX-87, e 0,12” para os anéis RX-88 a RX-91.
(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12)

(1) Número do anel (7) Altura do anel


(2) Diâmetro do passo do anel e chanfro (8) Raio no anel
(3) Diâmetro externo do anel (9) Profundidade do chanfro
(4) Largura do anel (10) Largura do chanfro
(5) Largura do plano (11) Raio no chanfro
(6) Altura do chanfro externo (12) Distância aproximada entre os flanges montados

207
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.51 (continuação)

O orif cio de passagem da press o ilustrado na seç o transversal do anel RX se aplica aos an is RX-82 a RX-91 somente. O eixo do
orifício será localizado no ponto central da dimensão C. O diâmetro do orifício será de 0,06” para os anéis RX-82 a RX-85, 0,09” para os
anéis RX-86 e RX-87, e 0,12” para os anéis RX-88 a RX-91.
(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12)

a 0 b + 0,02
A tolerância nestas dimensões é A tolerância nestas dimensões é
- 0,015 0
c
É permitida uma tolerância de 0,008” a maior para a largura A e a altura H, desde que a variação ou altura de qualquer anel
não ultrapasse 0,004” através de sua circunferência total.

(1) Número do anel (7) Altura do anel


(2) Diâmetro do passo do anel e chanfro (8) Raio no anel
(3) Diâmetro externo do anel (9) Profundidade do chanfro
(4) Largura do anel (10) Largura do chanfro
(5) Largura do plano (11) Raio no chanfro
(6) Altura do chanfro externo (12) Distância aproximada entre os flanges montados

208
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.52 – Juntas de anel ativadas à pressão ipo BX (unidades-padrão americanas)

(dimensões em polegadas)

O raio R será 8% a 12% da altura H da junta. É requerido um orifício de passagem da pressão para cada junta, na linha central.
a
Eliminar canto vivo.
(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

a
permitida uma tolerância de 0,008” a maior para a largura A e a altura H, desde que a variação ou altura de qualquer anel não
ultrapasse 0,004” através de sua circunferência total.

(1) Número do anel (7) Largura do plano


(2) Diâmetro nominal (8) Diâmetro do orifício
(3) Diâmetro externo do anel (9) Profundidade do chanfro
(4) Altura do anel (10) Diâmetro externo do chanfro
(5) Largura do anel (11) Largura do chanfro
(6) Diâmetro do plano

209
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.54 – Válvulas macho e gaveta para pressão nominal de trabalho de 2.000 psi
(unidades-padrão americanas)
dimensões em polegadas
(3)

(1) (5)
(2)
(4)
(8)
(6)
(7)

(1) Diâmetro nominal (5) Válvulas macho


(2) Orifício da válvula de passagem plena (6) Válvulas macho de passagem plena
(3) Comprimento face-a-face da válvula ± 0,06 (7) Válvulas macho de passagem reduzida
(4) Válvulas gaveta de passagem plena (8) Válvulas esfera de passagem plena e passagem
reduzida

210
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.55 – Válvulas macho e gaveta para pressão nominal de trabalho de 3.000 psi
(unidades-padrão americanas)
dimensões em polegadas

(3)
(5)
(1)
(2)
(4) (8)
(6)
(7)

(1) Diâmetro nominal (5) Válvulas macho


(2) Orifício da válvula de passagem plena (6) Válvulas macho de passagem plena
(3) Comprimento face-a-face da válvula ± 0,06 (7) Válvulas macho de passagem reduzida
(4) Válvulas gaveta de passagem plena (8) Válvulas esfera de passagem plena e passagem
reduzida

211
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.56 – Válvulas macho e gaveta flangeadas para pressão nominal de trabalho de 5.000 psi
(em unidades-padrão americanas) (vide legendas das colunas na Tabela B.55)
dimensões em polegadas

Tabela B.57 – Válvulas macho e gaveta flangeadas para pressão


nominal de trabalho de 10.000 psi (unidades-padrão americanas)
dimensões em polegadas

(1)
3
(4)

(1) Diâmetro nominal


(2) Válvulas de passagem plena
(3) Diâmetro do orifício
(4) Comprimento face-a-face da válvula ± 0,06

212
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabea B.58 – Válvulas macho e gaveta flangeadas para pressão nominal de trabalho
de 15.000 psi (unidades-padrão americanas)
dimensões em polegadas

Tabela B.59 – Válvulas gaveta flangeadas para pressão nominal


de trabalho de 20.000 psi (unidades-padrão americanas)
dimensões em polegadas

213
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.60 – Distâncias centrais dos diâmetros internos de tubulação para válvulas de orifícios
paralelos duplos para pressões nominais de trabalho de 2.000, 3.000, 5.000 e 10.000 psi
(unidades-padrão americanas) dimensões em polegadas

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7)

(1) Diâmetro máximo da válvula


(2) Centro do orifício a centro do orifício
(3) Centro do orifício maior ao centro do conector da extremidade
(4) Orifício menor ao centro do conector da extremidade
(5) Diâmetro mínimo do conector da extremidade
(6) Diâmetro básico do revestimento – OD
(7) Diâmetro básico do revestimento – massa de densidade linear em lb/pé

214
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.61 – Distâncias centrais dos diâmetros internos de tubulação para válvulas de orifícios
paralelos triplos, quádruplos e quíntuplos(unidades-padrão americanas)
dimensões em polegadas

Ø máximo Centro do flange Ø mínimo do Diâmetro básico do revestimento


da válvula ao centro do furo conector da
extremidade

Tabela B.62 – Válvulas de retenção normais e de passagem plena, tipo portinhola e pistão vertical,
para pressões nominais de trabalho de 2.000, 3.000 e 5.000 psi (unidades-padrão americanas)

Diâmetro Comprimento face-a-face da válvula ± 0,06


nominal
Padr ão curto Padr ão lon o

dimensões em polegadas

215
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.63 – Válvulas de retenção tipo wafer de chapa simples e dupla, para uso com flanges de pressões
nominais de trabalho de 2.000, 3.000 e 5.000 psi (em unidades-padrão americanas)

dimensões em polegadas

Diâmetro Comprimento face-a- ace da válvula ± 0,06


nominal
Padrão curto Padrão lon o Padr ão curto Padr ão lon o Padrão curto Padr ão lon o

Tabela B.64 – Diâmetro mínimos do orifício para válvulas de retenção de passagem plena, para
pressões nominais de trabalho de 2.000, 3.000 e 5.000 psi (em unidades-padrão americanas)

Ø mínimo do orifício
Diâmetro
nominal

dimensões em ole adas

216
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela B.68 – Orifícios verticais de passagem plena do corpo e diâmetros máximos do revestimento

(1) (2) (3) (4) (5) (6)

a
Conexões da extremidade superior do corpo da cabeça-de-poço.
b
Dimensão máxima e massa mínima do revestimento sobre os quais o furo é baseado.

(1) e (2) Conector nominal a


(1) Diâmetro nominal e orifício do conector
(2) Pressão nominal de trabalho
(3) a (5) Revestimento sob o corpo
(3) Letreiro
(4) Massa de densidade linear nominal b
(5) Diâmetro de drift especificado
(6) Furo mínimo vertical de passagem plena do corpo da cabeça-de-poço

217
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.75 – Cruzetas e tês flangeados para pressões nominais de trabalho de 2.000, 3.000, 5.000,
10.000, 15.000 e 20.000 psi (em unidades-padrão americanas)

218
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.75 (continuação)


dimensões em polegadas

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8)

(1) e (2) Diâmetro nominal e orifício


(1) Vertical
(2) Saída
(3) Sentido vertical centro-a-face
(4) Sentido horizontal centro-a-face

(5) e (6) Diâmetro nominal e orifício


(5) Vertical
(6) Saída
(7) Sentido vertical centro-a-face
(8) Sentido horizontal centro-a-face

219
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.76 – Cruze as e tês fixados por prisioneiros, para pressões nominais de trabalho de 2.000, 3.000,
5.000, 10.000, 15.000 e 20.000 psi (em unidades-padrão americanas)

220
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.76(continuação) dimensões em polegadas


(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8)

(1) e (2) Diâmetro nominal e orifício


(1) Vertical
(2) Saída
(3) Sentido vertical centro-a-face
(4) Sentido horizontal centro-a-face

(5) e (6) Diâmetro nominal e orifício


(5) Vertical
(6) Saída
(7) Sentido vertical centro-a-face
(8) Sentido horizontal centro-a-face

221
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.85 – Bujões macho (vide ISO 10422 quanto a dimensões e tolerâncias
de rosca)

a) Bujão redondo b) Bujão com sextavado interno

c) Bujão com sextavada externo

1 Orifício para teste ou calibração (opcional)

222
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela B.85 (continuação) dimensões em polegadas

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12)

(1) Diâmetro nominal da rosca


(2) a (5) Todos os bujões macho
(2) Diâmetro da cabeça
(3) Comprimento mínimo da rosca até o ponto de fuga
(4) Profundidade do rebaixo a
(5) Diâmetro do rebaixo b
(6) Bujões redondos – Comprimento total b
(7) a (9) Bujões com sextavado externo
(7) Dimensão da abertura da cabeça sextavada
(8) Altura da cabeça sextavada b
(9) Comprimento do bujão incluindo a cabeça sextavada
(10) a (12) Bujões com sextavado interno
(10) Dimensão do sextavado interno
(11) Profundidade do sextavado
(12) Comprimento do bujão incluindo o sextavado interno

223
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Anexo C
(informativo)

Método de cálculo dos comprimentos de prisioneiros para flanges tipos 6B e 6BX

C.1 Cálculo

C.1.1 Geral
As fórmulas abaixo foram utilizadas para estabelecer os comprimentos de prisioneiros listados nas tabelas, e são aquí
incluídas para facilidade do usuário na determinação dos comprimentos não indicados nas tabelas.
NOTA: Os equivalentes métricos não estão incluídos neste anexo, pois estes cálculos são aplicáveis somente a elementos de fixação
roscados conforme ASME B1.1.

C.1.2 Comprimento calculado dos prisioneiros

LCSB = A+n

onde

LCSB é o comprimento calculado do prisioneiro (comprimento efetivo da rosca, excluindo as ponteiras)

A é o 2 (T + 0,50t + d) + S (i.e., comprimento do prisioneiro excluindo a tolerância negativa do comprimento, n).

T é a espessura total do flange

t é a tolerância a maior da espessura do flange

d é a espessura da porca pesada (igual ao diâmetro nominal do parafuso – vide ASME B18.2.2).

S é o afastamento (standoff) da face do flange. Vide dimensão S nas Tabelas 50* e 51* para valores de
afastamento R e RX; S é igual a zero para conjuntos BX. Vide C.4 e Figura C.1.
n é a tolerância negativa no comprimento do prisioneiro: 1/16” para comprimentos até 12” inclusive; 1/8” para
comprimentos acima de 12” até 18” inclusive; ¼” para comprimentos acima de 18”.

C.1.3 Comprimento especificado dos prisioneiros

LSSB = Comprimento especificado do prisioneiro (comprimento efetivo da rosca, excluindo as ponteiras), que é LCSB
arredondado para o comprimento comercialmente disponível mais próximo.

C.2 Procedimento para arredondamento


Se LCSB for 0,010” (ou mais) superior a qualquer incremento de ¼”, arredondar para cima para o próximo incremento de
¼”; se inferior a 0,010”, arredondar para baixo para o próximo incremento de ¼”.

C.3 Altura da ponteira dos prisioneiros


A ponteira é aquela parte de um prisioneiro além da rosca, de formato chanfrado ou arredondado. A altura de cada
ponteira não poderá exceder aos valores indicados na Tabela C.1.

224
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

a) Flange tipo 6B b) Flange tipo 6BX

c) Prisioneiro com porcas


a
Sem afastamento
b
Altura da ponteira
Figura C.1 – Montagem do flange e comprimento do prisioneiro

Tabela C.1 – Altura da ponteira de prisioneiros

Ø do parafuso Altura máxima da ponteira


pol. mm pol.

1/2 a 7/8 3,0 (0,12)


Acima de 7/8 até 1.1/8 4,8 (0,19)
Acima de 1.1/8 até 1.5/8 6,3 (0,25)
Acima de 1.5/8 até 1.7/8 7,9 (0,31)
Acima de 1.7/8 até 2.1/4 9,6 (0,38)

C.4 Valores de afastamento da face do flange, S


A distância aproximada entre as faces de flanges montados, S é indicada nas Tabelas 50* e 51* para juntas de anel.
Considerando que os valores de S para flanges 6B montados com juntas tipo RX são superiores aos valores de S quando
os mesmos flanges são montados com juntas tipo R, é recomendado que os valores de S para juntas RX sejam utilizados
no cálculo dos comprimentos dos prisioneiros, a fim de permitir um comprimento amplo do prisioneiro para qualquer dos
dois tipos de junta de anel.

225
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Anexo D
(informativo)

Torque recomendado para parafusamento de flanges

D.1 Geral

Os valores de torque indicados nas tabelas deste anexo têm demonstrado ser os valores aceitáveis para uso em
flanges tipos 6B e 6BX para algumas aplicações. O usuário deverá consultar as especificações do API nº TR 6AF, TR 6AF1,
TR 6AF2 e 6FA quanto aos dados sobre os efeitos no desempenho do flange, da tensão de pré-carga do parafuso e outros
fatores. Deve-se levar em conta que o torque aplicado a uma porca é apenas um dos diversos meios de aproximar a tração
e tensão em um elemento de fixação.

D.2 Base das tabelas

As tabelas deste anexo se destinam somente a facilitar o usuário, e são baseadas em cálculos que assumem determi-
nados coeficientes de fricção para a fricção entre os prisioneiros e as porcas, e entre as porcas e a face do flange.

Alguns fatores que afetam a relação entre o torque da porca e a tensão do prisioneiro são:

• dimensões e formato da rosca;


• acabamento da superfície dos prisioneiros, porcas, e da face do flange;
• grau de paralelismo entre a face da porca e a face do flange;
• tipo de lubrificação e revestimentos das roscas e das áreas da superfície de contato da porca.

As tabelas utilizam dois coeficientes de fricção. Um coeficiente de fricção de 0,13 aproxima a fricção com as roscas e
as superfícies de contato da porca sendo metal nu bem lubrificado com um composto para rosca testado conforme ISO
13678. Um coeficiente de fricção de 0,07 aproxima as roscas e a face da porca revestida com material de fluoropolímero.

As tabelas mostram propriedades de material equivalentes a ASTM A 193 Graus B7 e B7M, que são as mais
comumente usadas. Os valores de torque para materiais com outros níveis de resistência poderão ser obtidos
multiplicando-se o valor de torque tabulado pela razão da resistência ao escoamento do novo material à resistência ao
escoamento do material tabulado.

D.3 Equações

As seguintes equações são utilizadas para cálculo dos valores das Tabelas D.1 e D.2:

onde
As é a área de tensão, em milímetros quadrados ou polegadas quadradas
D é o diâmetro maior da rosca, em milímetros ou polegadas
E é o diâmetro do passo da rosca, em milímetros ou polegadas
F é a força por prisioneiro, em newtons ou lbf
f é o coeficiente de fricção
H é a dimensão do sextavado (porca) = 1,5 D + 3,175 mm (0,125”)
K é o chanfro interno da porca = 3,175 mm (0,125”)

226
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
1
P é o passo da rosca = ___________________________________ , em milímetros ou polegadas
número de roscas por comprimento unitário

S é a secante 30° = 1,154 7


T é o torque
σ é a tensão no prisioneiro

O torque obtido utilizando-se unidades de milímetros e newtons será em unidades de newton-milímetros, e poderá ser
dividido por
unidades de1.000 para se obter
polegada-libra força,newton-metros (N-m). por
e poderá ser dividido O torque obtido
12 para usando-se
se obter pé-libraunidades de polegadas e libras será em
força (ft-lbf).
NOTA: As tensões destes cálculos são baseadas na área de tensão, e não na área da raiz da rosca requerida para os cálculos de tensão
indicados em 4.3.4.

D.4 Recomendação para flanges específicos

Os seguintes flanges não deverão ser montados sob tensões nos prisioneiros além de 275 MPa (40.000 psi), devido a
tensões potencialmente elevadas nos flanges:

346 mm (13.5/8”) – 13,8 MPa (2.000 psi)


425 mm (16.1/4”) – 13,8 MPa (2.000 psi)
540 mm (21.1/4”) – 13,8 MPa (2.000 psi)
346 mm (13.5/8”) – 20,7 MPa (3.000 psi)

227
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela D.1 – Torques recomendados para parafusamento de flange (em unidades SI)

(1) (2) (3) (4) (5)

(1) Diâmetro do prisioneiro


(2) Passo da rosca
(3) Prisioneiros com Sy = 550 MPa; tensão do parafuso = 275 MPa
(4) Prisioneiros com Sy = 720 MPa; tensão do parafuso = 360 MPa
(5) Prisioneiros com Sy = 655 MPa; tensão do parafuso = 327,5 MPa

228
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Tabela D.2 – Torques recomendados para parafusamento de flange (em unidades-padrão americanas)

(1) (2) (3) (4) (5)

(1) Diâmetro do prisioneiro


(2) Roscas por polegada
(3) Prisioneiros com Sy = 80 ksi; tensão do parafuso = 40 ksi
(4) Prisioneiros com Sy = 105 ksi; tensão do parafuso = 52,5 ksi
(5) Prisioneiros com Sy = 95 ksi; tensão do parafuso = 47,5 ksi

229
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Anexo E
(informativo)

Dimensões de projeto recomendadas do chanfro para solda


dimensões em mm (polegadas)

a) Chanfro em V

b) Chanfro em U

a
c) Chanfro em V em parede grossa
Desalinhamento máximo

Figura E.1 - Soldas de topo em tubos

230
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

dimensões em mm (polegadas)

a
Desalinhamento máximo (salvo se removido por usinagem).
b
Remover até o metal são por usinagem.
c
Desalinhamento máximo.
d
Reforço a ser removido. O material deverá ser compatível com o material base.

Figura E.2 – Soldas de ligação

231
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

dimensões em mm (polegadas)

a
A razão de d1 para D2 não poderá exceder 1,5:1.
b
Profundidade necessária para manter uma razão máxima de 1,5:1 da profundidade (d1) para o diâmetro (D2).
a) Reparo de furo

1 Lateral
2 Extremidade
a
Área srcinal.

b) Escavação para reparo (remoção de exemplos de descontinuidades no metal de solda e no metal base)

Figura E.3 - Reparos

232
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

dimensões em mm (polegadas)

a) Cavidade da bucha/assento (W) b) Ranhura circular (X)

c) Cavidade do corpo (Z) d) Reparo do corpo (Y)


1 Camadas adicionais são opcionais
a
Espessura da solda após usinagem a aproximadamente 5 (3/16).
b
Espessura da solda após usinagem.
c
Solda máxima após usinagem (aproximadamente).
d
Por 19 (3/4) de largura.
e Acumulação mínima.
Figura E.4 – Reparo e revestimento por solda, seqüências típicas do cordão de solda

233
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________

Anexo F
(informativo)

Procedimentos para verificação de desempenho

F.1 Verificação de desempenho – Requisitos gerais

F.1.1 Aplicação
F.1.1.1 Geral

Este anexo estabelece os requisitos para verificação de desempenho para qualificação de equipamentos especificados
por esta norma, que deverão ser aplicados se requerido pelo fabricante ou comprador.

Os requisitos de desempenho se aplicam a todos os produtos em fabricação e entregues para serviço (vide 4.1). Os
procedimentos de verificação de desempenho deste anexo deverão ser aplicados aos projetos de produtos, incluindo
alterações de projeto. Os testes de verificação especificados neste anexo se destinam a ser executados em protótipos ou
modelos de produção (vide também 4.7).

F.1.1.2 Procedimentos alternativos

Outros procedimentos poderão ser utilizados, desde que os requisitos de teste deste anexo sejam atendidos ou
excedidos.

F.1.1.3 Outros testes de verificação

Os testes de verificação que tenham sido realizados conforme os requisitos de testes de verificação da especificação
API 6A, durante sua validade, deverão satisfazer às determinações deste anexo F.

F.1.2 Efeito das alterações no produto

a) Alterações de projeto

Um projeto que venha a sofrer uma modificação substancial torna-se um novo projeto exigindo verificação de
desempenho. Modificação substancial é aquela alteração identificada pelo fabricante que afeta o desempenho do produto
na condição de serviço para a qual foi projetado. Isto poderá incluir alterações no encaixe, forma, função, ou material.

NOTA: O encaixe, quando definido como a relação geométrica entre partes, deverá incluir os critérios de tolerância adotados
durante o projeto de um componente e seus elementos acopláveis. O encaixe, quando definido como o estado de ficar ajustado a
ou formatado para, deverá incluir os critérios de tolerância utilizados durante o projeto de um selo e de seus elementos acopláveis.

b) Materiais metálicos

Uma alteração em materiais metálicos poderá não requerer nova verificação de desempenho, no caso em que a
adequação do novo material possa ser evidenciada por outros meios.

c) Vedações não-metálicas

Uma alteração em materiais não-metálicos poderá não requerer nova verificação de desempenho, no caso em que a
adequação do novo material possa ser evidenciada por outros meios. Alterações substanciais na configuração srcinal
documentada do projeto de vedações não-metálicas, resultantes de um novo projeto, exigirão verificação de desempenho
em conformidade com F.1.13.

F.1.3 Conformidade
Todos os produtos avaliados nos testes de verificação de desempenho deverão satisfazer aos requisitos de projeto
aplicáveis desta norma. Os artigos de teste serão testados hidrostáticamente conforme PSL 1, antes dos testes de verifica-
ção de desempenho.

234
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
F.1.4 Produtos para os testes de verificação

F.1.4.1 Geral

Os testes de verificação de desempenho, se aplicáveis, serão executados em protótipos ou modelos de produção do


equipamento fabricado conforme esta norma, a fim de comprovar que os requisitos de desempenho especificados para
pressão, temperatura, carga, ciclos mecânicos e fluídos de teste padrão, sejam atendidos no projeto do produto.

F.1.4.2 Produto para testes

Os testesasdedimensões
representem verificaçãoespecificadas
de desempenho
para serão conduzidos
os respectivos em produtos
componentes do ou dispositivos
produto deverificação,
final sob tamanho integral que
salvo onde
especificado em contrário neste anexo.

F.1.4.3 Dimensões do produto

As dimensões reais do equipamento submetido aos testes de verificação deverão estar dentro da faixa de tolerância
admissível para as dimensões especificadas para equipamento normal de produção. As condições mais desfavoráveis para
as tolerâncias dimensionais deverão ser informadas ao fabricante, dando ênfase a preocupações como vedação e
funcionamento mecânico.

F.1.4.4 Pintura ou revestimento externos

O produto utilizado em qualquer teste de pressão deverá estar isento de tinta ou outros revestimentos que possam
impedir a detecção e/ou observação de vazamentos.

F.1.4.5 Procedimentos de manutenção

Os procedimentos recomendados de manutenção publicados pelo fabricante poderão ser utilizados no equipamento,
incluindo lubrificação de válvulas.

F.1.5 Segurança

A segurança de pessoal e equipamentos deverá ser devidamente considerada.

F.1.6 Critérios de aceitação

F.1.6.1 Geral

Os testes de verificação do produto deverão incluir todos os requisitos de testes do PSL aplicável neste anexo.

F.1.6.2 Integridade estrutural

Os produtos testados não deverão sofrer deformações permanentes até o limite em que nenhum outro requisito de
desempenho seja atendido. Os produtos que sustentam tubulares deverão ser capazes de suportar a carga nominal sem
permitir que os tubulares cedam até abaixo do diâmetro de drift.

F.1.6.3 Integridade de pressão

a) Teste hidrostático à temperatura ambiente

O teste hidrostático à temperatura ambiente é satisfatório se não ocorrer nenhum vazamento vizível durante os
períodos de retenção sob pressão especificados do teste. A alteração de pressão observada no aparelho medidor de
pressão durante o período de retenção deverá ser inferior a 5% da pressão de teste ou 3,45 MPa (500 psi), prevalecendo o
que for menor.

b) Teste a gás à temperatura ambiente

O teste a gás à temperatura ambiente será aceitável se não forem observadas bolhas sustentadas. Caso seja
observado um vazamento, a taxa deverá ser inferior aos níveis indicados na Tabela F.1, medida à pressão atmosférica,
durante os períodos de retenção sob pressão especificados.

235
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
Tabela F.1 – Critérios de aceitação de vazamento no teste a gás à temperatura ambiente

Equipamento Tipo de vedação Vazamento admissível


30 cm³/hora, por 25,4 mm do diâmetro
Válvulas gaveta e de macho Através do orifício
nominal do orifício
Vedação da haste 60 cm³/hora
Estática (vedação da tampa, conexões das 20 cm³/hora
extremidades)

Válvulas de retenção Através do orifício 5 cm³/minuto,


nominal por 25,4 mm do diâmetro
do orifício
Vedação da haste 60 cm³/hora
Estática (vedação da tampa, conexões das
20 cm³/hora
extremidades)
Estranguladores Dinâmica (vedação da haste) 60 cm³/hora
Estática (vedação da tampa, conexões das
20 cm³/hora
extremidades)
Todas as vedações retentoras de fluído do
Atuadores 60 cm³/hora
atuador
Pack-off do anular ou pack-off do 10 cm³/hora, por 25,4 mm do diâmetro da
Suspensores
revestimento de fundo/coluna de produção coluna de produção/revestimento

Adaptador da cabeça da Fechamento externo 20 cm³/hora


coluna de produção, outras
conexões de extremidades,
dispositivos de amostragem
de fluídos, fechamentos
conforme esta norma

c) Testes de temperatura mínima/máxima

Os testes hidrostáticos ou a gás a temperaturas altas ou baixas serão aceitáveis se a alteração de pressão observada
no aparelho medidor de pressão for inferior a 5% da pressão de teste ou 3,45 MPa (500 psi), prevalecendo o que for menor.

F.1.6.4 Compatibilidade de fluídos de vedações não-metálicas

Os critérios de aceitação para compatibilidade do fluído de teste padrão de vedações não-metálicas deverão atender ao
especificado em F.1.13.6.

F.1.6.5 Exame após o teste

O protótipo testado deverá ser desmontado e inspecionado. Todos os itens relevantes serão fotografados. O exame
incluirá uma declaração escrita de que o produto e projeto dos componentes não contêm defeitos até o limite em que
qualquer requisito de desempenho não seja atendido.

F.1.7 Testes hidrostáticos

a) Agente de teste

O agente de teste será um fluído adequado para as temperaturas dos testes. Água com ou sem aditivos, gás, fluído
hidráulico, ou outras misturas de fluídos, poderão ser usados como agente de teste. O agente de teste será um fluído que
permaneça no estado líquido ou gasoso durante os testes.

b) Substituição do gás

O fabricante poderá substituir o gás por líquido se for especificado teste hidrostático, desde que o método de teste e os
critérios de aceitação para testes a gás sejam utilizados.

F.1.8 Testes a gás

a) Agente de teste

Poderão ser utilizados ar, nitrogênio, metano, ou outros gases ou misturas de gases.

236
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
b) Equipamento para 69,0 MPa (10.000 psi) e acima

São requeridos testes a gás em equipamentos para pressões nominais de trabalho de 69,0 MPa (10.000) e acima.

c) Detecção de vazamentos

Os testes a gás à temperatura ambiente serão conduzidos com um método para detecção de vazamentos. O produto
poderá ser completamente submerso em um líquido, ou poderá ser inundado nas áreas de vedação sendo verificado que
todos as possíveis vias de vazamento sejam cobertas. O produto poderá ser montado com uma extremidade de um tubo
ligada a um conector cego cobrindo todas as possíveis vias de vazamento sendo verificadas. A outra extremidade do tubo
será imersa em um líquido ou montada a um dispositivo de medição de vazamento. Outros métodos que permitam detecção
precisa de vazamentos são aceitáveis.
F.1.9 Medição da temperatura

a) Local da medição da temperatura

A temperatura será medida em contato com o equipamento sendo testado e dentro de 13 mm (0,5”) do orifício
passante, onde aplicável, e dentro de 13 mm (0,5”) da superfície molhada pelo fluído retido em outros equipamentos.

Como alternativa para medição da temperatura máxima, a temperatura do fluído usado para aquecimento poderá ser
explorada, desde que a peça não seja resfriada artificialmente. As condições ambientais serão a temperatura ambiente.

b) Aplicação de aquecimento para medição da temperatura máxima

O aquecimento para medição da temperatura máxima poderá ser aplicado internamento no furo passante ou
externamente. O aquecimento será aplicado de forma tal que o furo passante inteiro ou a superfície molhada equivalente
esteja na ou acima da temperatura máxima, ou que todo o fluído usado para aquecimento contido dentro dos artigos de
teste esteja na ou acima da temperatura máxima.

c) Aplicação de resfriamento para medição da temperatura mínima

O resfriamento para medição da temperatura mínima será aplicado à superfície externa total do equipamento.

F.1.10 Períodos de retenção da pressão

a) Início dos períodos

Os períodos de retenção deverão ter início após ter ocorrido estabilização da pressão e temperatura, e o equipamento
com dispositivo de monitoramento da pressão ter sido isolado da fonte de pressão. O tempo especificado para os períodos
de retenção deverá ser o mínimo.

b) Estabilização da pressão

A pressão será considerada estabilizada quando a taxa de alteração não exceder a 5% da pressão de teste por hora,
ou 3,45 MPa/h (500 psi/hora), prevalecendo o que for menor. A pressão deverá permanecer dentro de 5% da pressão de
teste ou 3,45 MPa (500 psi), o que for menor, durante o período de retenção.

c) Estabilização da temperatura

A temperatura será considerada estabilizada quando a taxa de alteração não exceder a 0,5°C por minuto (1°F por
minuto). A temperatura deverá permanecer no ou além do extremo durante o período de retenção, porém não poderá exce-
der ao extremo em mais do que 11°C (20°F).

F.1.11 Ciclos de pressão e temperatura

F.1.11.1 Ciclos de pressão/temperatura

Os ciclos de pressão/temperatura serão realizados conforme especificado em F.1.11.3, salvo especificado em contrário
em F.2 para o produto específico sendo testado.
F.1.11.2 Pressão e temperatura de teste

Os extremos da pressão e da temperatura de teste serão conforme especificado em 4.2.

F.1.11.3 Procedimento de teste (vide Figura F.1)

A pressão será monitorada e controlada durante a alteração da temperatura. O procedimento abaixo deverá ser
observado. As letras dos itens das etapas do procedimento correspondem às letras mostradas na Figura 1.

a) Iniciar à temperatura ambiente com a pressão atmosférica, e elevar a temperatura até o máximo.

237
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
b) Aplicar a pressão de teste, manter por um período mínimo de 1 hora, a seguir aliviar a pressão.

c) Baixar a temperatura até o mínimo.

d) Aplicar a pressão de teste, manter por um período mínimo de 1 hora, a seguir aliviar a pressão.

e) Elevar a temperatura ao nível ambiente.

f) Aplicar a pressão de teste à temperatura ambiente, e manter 50% a 100% da pressão de teste enquanto eleva a
temperatura até o máximo.

g) Manter a pressão de teste por um período mínimo de 1 hora.


h) Reduzir a temperatura ao mínimo, mantendo ao mesmo tempo 50% a 100% da pressão de teste.

i) Manter a pressão de teste por um período mínimo de 1 hora.

j) Elevar a temperatura ao nível ambiente, enquanto mantém 50% a 100% da pressão de teste.

k) Aliviar a pressão, em seguida elevar a temperatura até o máximo.

l) Aplicar a pressão de teste, manter por um período mínimo de 1 hora, a seguir aliviar a pressão.

m) Reduzir a temperatura até o mínimo.

n) Aplicar a pressão de teste, manter por um período mínimo de 1 hora, a seguir aliviar a pressão.

o) Elevar a temperatura até o nível ambiente.

p) Aplicar a pressão de teste, manter por um período mínimo de 1 hora, a seguir aliviar a pressão.

q) Aplicar 5% a 10% da pressão de teste, manter por um período mínimo de 1 hora, a seguir aliviar a pressão.

= Temp. máxima

Temp. ambiente

= Temp. mínima

Pressão atmosférica
Pressão de teste
Figura F.1 – Procedimento de testes

F.1.12 Carga e ciclos mecânicos

Os testes de carga e os ciclos mecânicos serão realizados conforme especificado em F.2 para o produto específico
sendo testado.

F.1.13 Testes de vedações não-metálicas

F.1.13.1 Vedações não-metálicas

Vedações metálicas que forem expostas a fluídos, seja produzidos de ou injetados dentro de um poço, deverão ser
submetidos ao procedimento de verificação de desempenho descrito nesta subcláusula.

238
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
F.1.13.2 Finalidade do procedimento

A finalidade deste procedimento é verificar o desempenho da vedação para a classe de fluído de teste padrão
especificada em F.1.13.4, e não o desempenho dos produtos contendo a vedação. As vedações de tamanho natural serão
testadas conforme especificado em F.1 ou F.2 a fim de determinar desempenhos sob temperatura e pressão.

F.1.13.3 Temperatura de registro

A temperatura de registro será a temperatura estabilizada medida em contato com o dispositivo especificado em F.1.9.

F.1.13.4 Agente de teste

O agente de teste será o fluído de teste padrão especificado na Tabela F.2 para a classificação de materiais.
F.1.13.5 Desempenho termoquímico dos materiais da vedação

F.1.13.5.1 Geral

A compatibilidade de fluído dos materiais da vedação para o serviço designado será verificada através de um teste
demonstrando a resposta do material da vedação à exposição ao fluído de teste padrão, na ou acima da temperatura nomi-
nal máxima da vedação.

F.1.13.5.2 Teste de imersão

Será realizado um teste de imersão por amostragem, comparando as propriedades físicas e mecânicas antes e após
exposição aos fluídos de teste padrões, temperatura e pressão indicados abaixo. Este teste será adicional aos testes de
pressão e temperatura em escala natural especificados em F.1 ou F.2.

a) Fluído de teste

Os fluídos de teste padrões para as classes de material estão listados na Tabela F.2. O material não-metálico sob
análise será totalmente imerso no líquido de hidrocarboneto. Uma quantidade de líquido de hidrocarboneto igual a 60% do
volume do vaso de teste deverá ser carregada no vaso de teste. Água igual a 5% do volume do vaso de teste também será
carregada no vaso de teste. O líquido de hidrocarboneto será sobrepressurizado com o gás ou mistura de gás apropriado
para o fluído de teste padrão.

Tabela F.2 – Fluídos de t este padrões para vedações não-metálicas

Classe de material | Fase de líquido de | Fase de gás


hidrocarboneto

Será adicionada água à fase líquida.


a
A fase de líquido de hidrocarboneto é selecionada a critério do fabricante, podendo incluir, porém não se limitando a,
combustível de jato, diesel, querosene, etc.

b) Temperatura

A temperatura de teste será a faixa de temperatura máxima especificada para a classificação de temperatura sendo
testada (F.1.9). Alternativamente, a temperatura de teste será a temperatura máxima no local da vedação do equipamento
à classificação de temperatura de teste máxima do produto do teste, conforme estabelecido pelos testes do produto e/ou
análise do projeto.

c) Pressão

A pressão final de teste, após aquecimento à temperatura de teste, será de 6,9 MPa ± 0,7 MPa (1.000 psig ± 100 psig).

d) Período de exposição

O período de exposição do teste será um mínimo de 160 h. (F.1.10).

239
ESPECIFICAÇÃO API 6A / ISO 10423
__________________________ _________________________ _______________
F.1.13.5.3 Teste em acessório