Anda di halaman 1dari 299

Início dos Trabalhos

FIRMEZA DA TRONQUEIRA

E na porteira vou deixar meu / o sentinela,


Vou deixar seu Tranca Ruas tomando conta da cancela (2x)
Tem morador, de certo tem morador
Tem morador, de certo tem morador
Na porta aonde o galo canta de certo tem morador
E na porteira vou deixar meus / os sentinelas,
Vou deixar Todos Exús tomando conta da cancela.

Oh boa noite pra quem é de boa noite


Bom dia pra quem é de bom-dia
A benção, meu papai, a benção
Exú Tranca Ruas / Exú Caveira é o rei da nossa gira

Portão de ferro, cadeado de madeira (2x)


Ô no portão do cemitério,
Boa noite Exú Caveira ( 2x)
Exú toma conta, Exú presta conta
Seu Exú fecha a nossa porteira (2x)

Ô Zé quando vem de Alagoas


Toma cuidado com o balanço da canoa
Ô Zé faça tudo o que quiser
Só não maltrate o coração dessa mulher

Ooh Zé, oohh Zé enganador enganou a filha


alheia com palavras de amor, não fui eu quem enganei
ela foi ela quem me enganou, quando passava ela dizia
zé pilintra meu amor.

Arreda homem que ai vem mulher (2x)


Ela é a Maria Padilha rainha do cabaré
Tranca Ruas vem na frente pra dizer/mostrar como ela é...

Casa de 4 cantos
Maria Padilha tá na morada
Ela é moça faceira
Sem ela não se faz nada

Lá na casa das Marias só não entra quem não quer, (2x)


Ela é Maria Padilha, Maria Mulambo, Maria Mulher (2x)

Moça me dá um cigarro
Prá eu fumar
Que nem dinheiro
Eu tenho prá comprar (bis)
Vivo sozinha,
Vivo na solidão,
Maria Padilha
Me dê a sua proteção (bis)
ô moça, ô moça
ô moça me de um pouquinho da sua forca
ô moça, ô moça
ô moça me de um pouquinho da sua forca
Ô Ô Ô Ô Maria Padilha, Ô Ô Ô Ô minha donzela
Cadê Maria Padilha? Eu quero falar com ela,
Ô Ô Ô Ô Maria Padilha, Ô Ô Ô Ô minha donzela
Cadê Maria Padilha? Eu quero falar com ela,

Olha ela aí, olha ela aí Ô Ô Ô Ô Maria Padilha mulher que vem aí

SAUDAÇÃO ÁS ALMAS
Eu andava pelo mundo sem ter nada pra comer
Fui pedir a santas almas para vir me socorrer
Foi as almas que me ajudou, foi as almas quem me ajudou
O divino Espírito Santo
Gloria a Deus nosso senhor

https://www.letras.mus.br/clementina-de-jesus/1554399/

Eu andava perambulando
sem ter nada pra comer,
Fui pedir às almas santas
para vir me socorrer

"Foi" as almas que me "ajudou" (bis)


Meu divino espírito santo
Louvo a Deus Nosso Senhor (bis)

Quem pede às almas


as almas dá
filho de pembe é que não sabe aproveitar. (bis)

SAUDAÇÃO À OXALÁ
Oxalá meu pai
Tem pena de nós, tem dó
Se a volta do mundo e grande
Seu poder ainda maior

Oh dá licença Jesus de Nazaré,


Oh dá licença Oxalá para trabalhar,
Mas dizem quem a UMBANDA tem mironga,
Tem mironga preto velho no gongá (2x)

https://www.youtube.com/watch?v=_wkyJdWTzpA

Oxalá meu pai


tem pena de nós tem dó
se a volta no mundo é grande
seu poder ainda é maior [2x]

meu divino espírito santo lá no céu


venha nos ajudar
meu divino espírito santo lá no céu
venha nos ajudar

é na falange do divino espírito santo e da jurema


da jurema [2x]

Toque: Ruff
-----------------------------------------------------------------------------------------

DEFUMAÇÃO
Nossa Senhora incensou a Jesus Cristo Umbanda cheirou,cheirou, cheirou
Jesus Cristo incensou aos filhos seus Umbanda cheirou, cheirou defumador
Eu incenso eu incenso essa casa Salve a linha de ogum, sarava papai xangô
Na fé de Oxossi, de Ogum e Oxalá -2x Salve a Jurema, sarava todos orixás
Vou incensando, vou defumando
A casa do bom Jesus da Lapa Nossa senhora incensou o seu altar
Link:https://www.youtube.com/watch?v= Para neles seus filhos entrarem
Q_NBvHGhGpo Mais incensou a sua aldeia de caboclos
………………………………………………………… Pros maus saírem e os bons entrarem –2x
Defuma com as ervas da Jurema
Defuma com arruda e guiné -2x https://www.youtube.com/watch?v=83M
Alecrim, beijoim e alfazema se0CNSns&index=5&list=PLuC-
Vamos defumar filhos de fé, defuma i9OgqAOrPYf9cshigTVBrA_m9FNCp
Link:https://www.youtube.com/watch?v= Toque: Ijexa
L9te8G-QEbY ………………………………………………………………
Toque: Samba Cabula Corre gira pai Ogum
……………………………………………………………… Filhos quer se defumar
Como cheira a umbanda, cheira –2x Umbanda tem fundamentos
E preciso preparar jacutá
Com incenso e beijoim Da Bahia eu vim meus filhos, pra Bahia eu
Alecrim e alfazema vou girar
Defumai filhos de fé com as ervas da
Jurema https://www.youtube.com/watch?v=0kC
u1ZImX_c
https://www.youtube.com/watch?v=RD4 ....................................................................
pG3d_8WQ Se o rei da mata é Oxóssi
……………………………………………………………… E na pedreira é Xangô
Essa defumação foi Jesus é quem mandou Foi, foi Ogum quem mandou
Essa defumação é transporte de um Queimar folhas da jurema
sofredor Pra fazer defumador
A Umbanda cheirou,cheirou, cheirou https://www.youtube.com/watch?v=RF-
A Umbanda cheirou, cheirou defumador mdD6XQvQ&index=7&list=PLuC-
Salve a linha de Umbanda, sarava papai i9OgqAOrPYf9cshigTVBrA_m9FNCp
Xangô Toque: Samba cabula
Salve a Iemanjá, sarava todos Orixás ………………………………………………………………
Auê papai, vou abrir meu caico Meu Pai Oxossi
Vou pedir licença a Zambi Dá licença pra defumar
Vou abrir meu caicó Meu Pai Oxossi
……………………………………………………………… Dá licença pra defumar,
Quando os caboclos trazem as folhas da Eu defumo, eu defumo
Jurema Essa aldeia real
E os pretos velhos trazem arruda e guiné ………………………………………………………………
Eles vem trabalhar na lei de Umbanda A Umbanda cheirou, A Umbanda cheirou,
Tem licença de Aruanda, pra salvar a A Umbanda cheirou,
quem tem fé –2x Como cheira defumador,
Sabiá canta alegre na palmeira A Umbanda cheirou a guiné,
E Xangô lá nas pedreiras, os seus filhos A Umbanda cheirou Alecrim,
vem salvar A Umbanda cheirou alfazema,
Meu pai Ogum empunhando a sua espada A Umbanda cheirou a benjoim
Dando toque de alvorada toda linha vai
chegar Vamos defumar o terreiro
vamos defumar babá
https://www.youtube.com/watch?v=dC4 vamos defumar o terreiro
6y_Vxyu8 vamos defumar babá
………………………………………………………………
Defumei a minha banda defuma filhos de fé
Defumei a minha banda e firmei meu na fé de pai oxalá
jacutá defuma filhos de fé
Da Bahia eu vim meus filhos, pra Bahia eu na fé de pai oxalá
vou girar
Defumei a minha banda e firmei meu Toque: Congo de Ouro
jacutá https://www.youtube.com/watch?v=wX6
Da Bahia eu vim meus filhos, pra Bahia eu SS5X5_Co
vou girar Ver mais pontos de defumaçao
Defumei a minha banda e firmei meu
ANJO DE GUARDA
As almas acenderam o candieiro, Minhas almas
Ê ê lá no fundo do mar, santas almas
As almas acenderam o candieiro, olha a minha oração [2x]
Ê ê lá no fundo do mar,
Mas é as almas, almas benditas que se olha minhas santas almas
pesavam na balança de Miguel, mas é olha minha oração [2x]
as almas, almas benditas que se
pesavam na balança de Miguel. eu louvei louvei
………………………………………………………… eu louvei ao senhor
eu louvei as terras
de são salvador
Ponto após bater cabeça ou após acender vela de anjo de guarda

Um abraço dado de bom coração


É mais do que uma bênção NOSSA SENHORA
É uma bênção uma benção
Baixai, baixai como a rosa, )
Resposta: Maria nossa Mãe extremosa, ) bis
Ô Deus lhe pague Ah, venha ver os seus filhos de
Ô Deus lhe ajude aruanda,
Deus que te dê felicidade e saúde Trabalhando no Congá,
Pela nossa Lei de Umbanda.

SAO MIGUEL
e proteção
São Miguel, São Miguel Com São Miguel a frente, vai
São Miguel está chamando avançando a legião
Oi dai-me forças São Miguel Resplandecente, luz e coração
Oi pra chamar os caboclos da Salve a consciência divina, que é força
Umbanda. da criação
.................................................... Salve a consciência divina, que é força
Sob o comando de São Miguel, estou da criação
aqui para batalhar É pai, é mãe, é filho, consagrando
Sob o comando de São Miguel, estou forte união
aqui para batalhar É pai, é mãe, é filho, consagrando
Empunhando a espada do amor, que forte união
ao alto nos levará Nos exércitos de luz, firmo posição
Empunhando a espada do amor, que Nos exércitos de luz, firmo posição
ao alto nos levará Não caio, sempre avanço e levanto ao
Rogo a Senhora Aparecida, que é mãe meu irmão
e proteção Não caio, sempre avanço e levanto ao
Rogo a Senhora Aparecida, que é mãe meu irmão
Combatendo toda a densidade, Combatendo toda a densidade,
combatendo a irracionalidade combatendo a irracionalidade
Combatendo toda a densidade, Combatendo toda a densidade,
combatendo a irracionalidade combatendo a irracionalidade

Triunfo na fé, e conduzo para Triunfo na fé, e conduzo para


liberdade liberdade
Triunfo na fé, e conduzo para Triunfo na fé, e conduzo para
liberdade liberdade

Meu São Miguel, é uma honra estar Meu São Miguel, é uma honra estar
aqui aqui
Meu São Miguel, é uma honra estar Meu São Miguel, é uma honra estar
aqui aqui
Sob o seu comando, me mostre como Sob o seu comando, me mostre como
seguir seguir
Sob o seu comando, me mostre como Sob o seu comando, me mostre como
seguir seguir
Nos exércitos de luz, firmo posição
Nos exércitos de luz, firmo posição https://www.youtube.com/watch?v=R
Não caio, sempre avanço e levanto ao tOpuetErpo
meu irmão
Não caio, sempre avanço e levanto ao Sao Rafael
meu irmão Sao Gabriel

SAUDAÇÃO A YALORIXÁ (MÃE DE SANTO)


Filho de pemba bebe água no rochedo
Filho de Ogum corre campo e não tem medo –2x
Vou pedir ao criador que derrame o seu amor
Aos nossos guias e ao nosso babalaô –2x
ORIXÁS

OXALA

Abre a porta, oh gente A pedra deu pra Xangô


Que aí vem Jesus Meu pai, rei e justiceiro
Ele vem cansado As matas deu pra Oxóssi
Com o peso da cruz Caçador, velho guerreiro
Vem de porta em porta Grandes campos de batalha
Vem de rua em rua Deu pra Seu Ogum guerreiro
Pra salvar as almas Campinas Pai Oxalá
Sem culpar nenhuma Deu para Seu Boiadeiro
......................................................
Jesus Cristo é nosso Pai aruê Mar com pescaria farta
É filho da Virgem Maria aruê Ele deu pra Iemanjá
Lá do alto do calvário aruê Os rios para Oxum
É a estrela que nos guia aruê Os ventos para Oyá
………………………………………………… Lindos jardins com gramados
Oh quanta força tem meu pai no céu Deu pras Crianças brincar
quanta grandeza tem meu pai no mar Oxalá criou o mundo onde reinam os
oh quanta força quanta força tem meu Orixás
pai!
Quanta grandeza tem meu pai oxalá! Oxalá criou a terra
....................................................... Oxalá criou o mar
Meu Pai Oxalá Oxalá criou o mundo
É o Rei, venha me valer Onde reinam os Orixás (2x)
Meu Pai Oxalá
É o Rei, venha me valer O poço deu pra Nanã
O velho Omulu A mais velha Orixá
Atotô Baluaê E o Cruzeiro bendito
Atotô Baluaê Deu pras Almas trabalhar
Atotô Baluaê Finalmente deu as ruas
Atotô Baba Com estrelas e luar
Atotô Baluaê Pra Exus e Bombogiras
Atotô é orixá Nossos caminhos guardar
…………………………………………………..
Oxalá meu pai tem pena de nos tem Oxalá criou a terra
dó Oxalá criou o mar
que a volta do mundo e grande Oxalá criou o mundo
seus poderes são maior! (x2) Onde reinam os Orixás (2x)
………………………………………………… ........................................................
Oxalá criou a terra Abre a porta oh gente
Oxalá criou o mar que aí vem jesus
Oxalá criou o mundo ele vem cansado
Onde reinam os Orixás (2x) com o peso da cruz
Vem de porta em porta Oxalá, Oxalá, Oxalá
vem de rua em rua Abre os caminhos pra seus filhos
pra salvar as almas trabalhar
sem culpar nenhuma [2x] Que luz é essa que vem la do céu
........................................................ Que clareia a terra e o mar
Oxalá meu pai Que luz é essa que vem la do céu
tem pena de nós tem dó Que clareia a terra e o mar
se a volta no mundo é grande Que clareia as matas, a pedreira e
seu poder ainda é maior [2x] cachoeira
Meu divino espírito santo lá no céu E os nosso caminhos pra caminhar
venha nos ajudar ..............................................................
meu divino espírito santo lá no céu Que luz é essa que vem la do céu
venha nos ajudar Que clareia a terra e o mar
Que luz é essa que vem la do céu
É na falange do divino espírito santo e Que clareia a terra e o mar
da jurema É a luz divina do pai Oxalá
da juremaa [2x] Que vem pra iluminar o nosso gongá
........................................................ .............................................................
A estrela de Oxalá Quando Oxalá fundou a Umbanda
Brilhou, brilhou, brilhou Ogum tomou conta do Congá
Sua luz agora mesmo, Veio Oxum, Veio Iansa, veio Iemanjá
neste conga ela entrou Veio a Jurema para trabalhar
…………………………………………………… A caboclada iluminou todo o terreiro
Oxalá, meu pai E Oxalá abençoou
Tem pena de nós, tem dó, a Saravá seu sete espadas
A volta do mundo é grande, Nesse terreiro ele é o protetor
Seus poderes são maior Saravá seu sete espadas
....................................................... Nesse terreiro ele é o protetor
Oxalá é quem governa o mundo ..............................................................
Só ele pode Governar Oxalá nas oliveiras pediu ao senhor do
Foi ele quem nos deu a luz mundo
Clareou a Umbanda Que plantasse e semeá-se a caridade
Deu força aos Orixás que o pai determinou
...................................................... Como é lindo Oxalá, como é lindo
Senzala em festa Oxalá, como é lindo Oxalá
Umbanda em alegria em seu Congá
Senzala em festa ..............................................................
Umbanda em alegria Oxalá mandou, ele mandou a buscar
Oxalá o pai da verdade Todo povo da Jurema lá no Juremá
Chegou o nosso dia Seu Oxalá é rei no mundo inteiro
Oxalá o pai da verdade Manda ordem pra jurema
Chegou o nosso dia Manda seus capangueiros
.................................................... Minha cabocla Jurema
Oxalá é quem governa o mundo Com seus guerreiros está é a ordem
Só ele pode governa suprema
Foi ele quem no deu a luz https://www.youtube.com/watch?v=8
Clareou a Umbanda e nossos Orixás RmD82zrnF0
....................................................... consagrada
Na mata virgem tamborim tocou O Deus salve esta casa santa
Oxalá mandou O santa, o santa
Saravá Babalaô Onde Deus fez sua morada, morada
Na mata virgem tamborim tocou Onde mora o cálice bento e a Ostia
Oxalá mandou consagrada
Saravá Babalaô ………………………………………………………
Babalaô meu pai Bendito e louvado seja
Sua bandeira cobre os filhos de Oxalá O nome de Oxalá
E leva para o fundo do mar Iemanjá
É do lado de la Os pedidos dos filhos de Oxalá
Vem para o lado de cá Corre corre rio a baixo
É mensageiro do Amor Corre que Oxum mandou
É de Oxalá E leva para o fundo do mar Iemanjá
Vem do azul infinito Os pedidos dos filhos de Oxalá
Onde tem seu reino de paz Bendito e louvado seja
Vamos receber com ternura O nome de Oxalá
A mensagem que ele nos traz E leva para o fundo do mar Iemanjá
…………………………………………………… Os pedidos dos filhos de Oxalá
Eu quero ver o céu iluminar ………………………………………………………..
Iluminar a coroa de Oxalá Auê pai Oxalá, Salve a Umbanda
Eu quero ver o céu iluminar Salve todos os Orixás
Iluminar a coroa de Oxalá Salve Xangô meu pai é rei da pedreira
Eu quero ver a coroa de espinho Salve Oxum rainha da cachoeira
Radiando energia sobre os filhos do Salve Iemanjá Guerreira mãe Iansa
Congá Atoto, Salve vovó NaNã
Babá Oxalá é rei Auê pai Oxalá, Salve a Umbanda
Ele é o rei de todos os Orixás Salve todos os Orixás
Auê pai Oxalá, Salve a Umbanda
De longe eu ve a terra Salve todos os Orixás
De longe eu ve o mar Salve Ogum guerreiro de minha fé
De longe eu ve a terra Caboclo da mata virgem
De longe eu ve o mar Salve a folha da Guiné
De longe eu ve uma estrela e era ele Ibejada, preto velho quibandeiro
Meu pai Oxalá Salve os Exu e pomba gira no terreiro
………………………………………………………… Auê pai Oxalá, Salve a Umbanda
O Deus salve esta casa santa Salve todos os Orixás
O santa, o santa Auê pai Oxalá, Salve a Umbanda
Onde Deus fez sua morada, morada Salve todos os Orixás
Onde mora o cálice bento e a Ostia
OGUM
Se meu pai é Ogum Ogum iê
Vencedor de demandas …...........................................................
Quando vem de Aruanda é pra salvar Eu tenho Pé Ligeiro pra me defender
filhos de Umbanda –2x Eu tenho Ogum em minha companhia
Ogum, Ogum Yara –2x –2x
Salve os campos de batalhas Ogum é meu pai
Salve as sereias do mar Ogum é meu guia
Ogum, Ogum Yara –2x Ogum é meu pai
…........................................................... Sou filho de Zambi e da Virgem Maria
Ogum não precisa beber …...........................................................
Ogum não precisa fumar (2x) São Jorge gira na lua
A fumaça é a nuvem que passa Nós só gira na Aruanda –2x
E a cerveja é a espuma do mar (2x) São Jorge vence a guerra
…........................................................... Nós aqui vence as demandas
E quem está de ronda é São Jorge …...........................................................
Deixa São Jorge rondar Na minha porta bateram
São Jorge é guerreiro que manda na Passei a mão na pemba fui ver quem
terra, que manda no mar (2x) era –2x
Saravá meu pai, saravá meu pai Era são Jorge guerreiro minha gente
Girar é bom, girar é bom, girar é bom Cavaleiro na força e na fé –2x
È bom girar …………………………………………………………
…........................................................... Nesta casa de guerreiro, Ogum
Salve Ogum Megê, Ogum Rompe Vim de longe prá rezar, Ogum
mato, Ogum Beira mar –2x Rogo a Deus pelos doentes, Ogum
Ele trabalha na areia meu pai Na fé de Obatalá, Ogum
Ele trabalha no mar Ogum salve casa santa, Ogum
Ele trabalha na areia meu pai Os presentes e os ausentes, Ogum
Salve Ogum Beira mar Salve nossas esperanças, Ogum
…........................................................... Salve os velhos e crianças, Ogum
E sentinela de Oxum é remador de Nêgo véio ensinou, Ogum
Iemanjá Na cartilha de Aruanda, Ogum
Ogum Beira-Mar –2x Como vencer a quimbanda, Ogum
…........................................................... A tristeza foi embora, Ogum
E beira-rio, beira-rio beira-mar Na espada de um guerreiro
O que se ganha de Ogum só Ogum Ogum
pode tirar –2x E a luz do romper da aurora, Ogum
Seu Ogum de ronda Vai brilhar neste terreiro, Ogum
É quem veio gira .............................................................
E vem trazendo as folhas Pisa na linha de umbanda
Pra descarregar Q que eu quero ver
…........................................................... Ogum Sete Ondas
Ogum em seu cavalo corre Pisa na linha de Umbanda
E a sua espada reluz Que eu quero ver
Ogum, Ogum Megê Ogum Beira Mar
Sua bandeira cobre os filhos de Ogum Pisa na linha de Umbanda
Que eu quero ver Ele vem cavalgando
Ogum Yara, Ogum Megê É Ogum Matinata
...................................................... Ele é o defensor do Cruzeiro do Sul
Ogum já venceu, ………………………………………………….
Já venceu, já venceu Ogum beira-mar
Ogum vem de Aruanda o que trouxe do mar
E quem lhe manda é Deus Ogum beira-mar
Ele vem beirando o rio o que trouxe do mar
Ele vem beirando o mar Quando ele vem
Ô salve Santo Antonio da calunga vem beirando a areia
Benedito e Beira Mar na mão direita
..................................................... ele trás a guia da mamãe sereia
Ele jurou bandeira Quando ele vem
Ele tocou o clarim vem beirando a areia
E o exército todo na mão direita
É comandado por Ogum ele trás a guia da mamãe sereia
Salve Ogum Yara! ........................................................
Salve Ogum Megê! Beira-mar, auê beira-mar
Salve Ogum Matinata! beira-mar, auê beira-mar
Salve Ogum Naruê! Beira-mar, auê beira-mar
………………………………………………... beira-mar, auê beira-mar
Magia, magia que faz o meu corpo Ogum já jurou bandeira
tremer nos campos do humaitá
Magia, magia que chega em silêncio ogum já venceu demanda
Sem a gente ver vamos todos saravá
É o Senhor Ogum Beira-mar, auê beira-mar
É o rei da magia que vem nos socorrer beira-mar, auê beira-mar
É o Senhor Ogum Beira-mar, auê beira-mar
Quem vence a magia é Ogum Naruê beira-mar, auê beira-mar
Ogunhê! ......................................................
.................................................... Mandei fazer
Ô filhos de Umbanda um capacete de penas
Seu Sete Ondas vem do Humaitá para usar
Que bela surpresa antes da alvorada
Vem de Aruanda nos abençoar Vermelho e branco
Ô bela surpresa verde e azul
Bela surpresa como vai você esse capacete
Que bela surpresa tem as cores de ogum [2x]
Vem de Aruanda pra nos proteger De ogum megê
……………………………………………….. de ogum matinata
Que Ogum é aquele de ogum megê
Que vem cavalgando de ogum matinata
No Céu azul Quando uso o capacete
É Ogum Matinata ouço o toque da alvorada [2x]
Ele é o defensor do Cruzeiro do Sul .........................................................
Com a espada na cinta
Escudo no braço
Estava na beira da praia Abre a porta oh gente
mas quando eu vi que aí vem ogum
sete ondas passar [2x] com seu cavalo marinho
............................................... ele vem saravá [2x]

IANSÃ
Eram duas ventarolas
Duas ventarolas
Ventando no mar
Uma era Yansã, reparrê!
A outra era Yemanjá, Odociá

Yansã, Orixá de Umbanda


Rainha do nosso Congá
Saravá Yansã lá na Aruanda
Reparrê, reparrê Yansã
Venceu demanda
Yansã, saravá Pai Xangô
No céu o trovão roncou
E lá na mata o leão bradou
Saravá Yansã, Saravá Xango

Tanto mistério guardado


No coração dessa moça
É possessiva, é ciumenta
E se quer uma coisa ela briga demais
Tem a força do vento
É o forte temporal
No seu corpo moreno
Um jeito sensual
Ela é guerreira, e seu canto
É força contra o mau

Filha de Oyá
Força do vento
Bate o tambor pra viver alegria
Enxotar sofrimento

É moça caprichosa
É filha de Oyá
É vibrante, é faceira
É filha de Oyá
De vermelho ou de rosa
É filha de Oyá
Quando a força lhe chega
Eparrei Oyá

Filha de Oyá
Força do vento
Bate o tambor pra viver alegria
Enxotar sofrimento

IANSÃ TEM UM LEQUE QUE VENTA


PRA ABANAR DIA DE CALOR
IANSÃ TEM UM LEQUE QUE VENTA
PRA ABANAR DIA DE CALOR

IANSÃ MORA NA PEDREIRA


EU QUERO VER MEU PAI XANGÔ
IANSÃ MORA NA PEDREIRA
EU QUERO VER MEU PAI XANGÔ

IANSÃ ORIXÁ DE UMBANDA


RAINHA DO NOSSO GONGÁ [2X]

SARAVÁ IANSÃ LÁ NA UMBANDA, EPARREI


EPARREI IANSÃ VENCEU DEMANDA
IANSÃ, SARAVOU PRA XANGÔ
NO CÉU RELAMPEJOU

E LÁ NA MATA LEÃO BRADOU


SARAVÁ IANSÃ, SARAVÁ XANGÔ [2X]

OLHA QUE O CÉU CLAREOU


QUANDO O DIA RAIOU
FEZ O FILHO PENSAR

A MÃE DO TEMPO MANDOU


A NOVA ERA CHEGOU
AGORA VAMOS PLANTAR

DO HUMAITÁ OGUM BRADOU


SENHOR OXOSSI ATINOU
IANSÃ VAI CHEGAR

O OGÃ JÁ FIRMOU
ATABAQUE AFINOU
AGORA VAMOS CANTAR
[refrão]
A EPARREI ELA É OYÁ ELA É OYÁ
A EPARREI É IANSÃ É IANSÃ
A EPARREI
QUANDO IANSÃ VAI PRA BATALHA
TODOS CAVALEIROS PARAM
SÓ PRA VER ELA PASSAR

VENTOU, MAS QUE VENTANIA


VENTOU, MAS QUE VENTANIA

IANSÃ É NOSSA MÃE


IANSÃ É NOSSA GUIA [2X]

EPARREI DE ARUANDA
A NOSSA MÃE É IANSÃ [2X]

[refrão]
OH GIRA , DEIXA GIRA GIRAR [4X]

RAINHA LINDA DE UMBANDA


OH IANSÃ NÃO DEIXA EU SOFRER
SE A MINHA MÃE É SANTA BARBARA
OH IANSÃ NÃO DEIXA EU SOFRER

Eparrei Oyá
Dona dos ventos mensageira de Oxalá [2x]
[/refrão]

Saravá grande guerreira


Dona do Sol e da Lua
Minha Santa padroeira
Que me traz e me conduz

Proteção para esses filhos


Eparrei oh bela Oyá
Moça linda de Aruanda
Venha nos abençoar

[refrão]
Eparrei Oyá
Dona dos ventos mensageira de Oxalá [2x]
ME PROTEGI NO BAMBUZAL DE IANSÃ
DAS DEMANDAS QUE JOGARAM EM MIM

ELA É DO VENTO QUE TRAZ TODA BONDADE


E COM SEU RAIO DESTRÓI TODA MALDADE

EPARREI BELA OYÁ


VIROU O TEMPO, FOI PRA ELA GUERREAR
EPARREI BELA OYÁ
NA NOSSA UMBANDA ELA É GRANDE ORIXÁ

SONHEI UM SONHO LINDO


SONHO TÃO LINDO QUE ME ENCANTOU
EU ME BANHAVA COM AS ÁGUAS DA OXUM
QUE DESCIAM DA PEDREIRA DE PAI XANGÔ

O TEMPO VIRAVA
VENTOS E TROVOÊS RONCOU
ELA BELA OYÁ
QUE NO MEU SONHO , VINHA PARA ME AJUDAR

ELA BAILAVA SEM TER OS PÉS NO CHÃO


COM SUA ESPADA E SEU CÁLICE NA MÃO
ERA IANSÃ ME DANDO SUA PROTEÇÃO

Iansã… orixá de Umbanda

Rainha do nosso Congá

Saravá Iansâ lá na Aruanda,


Eparrei, Eparrei, Iansã
Venceu demanda
Iansã, saravá Pai Xangô
No céu o trovão roncou
E lá na mata o leão bradou
Saravá Iansã
Saravá Xangô
E lá na mata o leão bradou
Saravá Iansã
Saravá Xangô
Muito Axé.

Olha que o céu clareou


Quando o dia raiou
Fez o filho pensar

A Mãe do tempo mandou


A nova era chegou
Agora vamos plantar

Do humaitá Ogum bradou


Senhor Oxossi atinou
Iansã vai chegar

O ogã já firmou
Atabaque afinou
Agora vamos cantar

A eparrei ela é Oyá, ela é Oyá


A eparrei é Iansã, é Iansã
A eparrei
Quando Iansã vai pra batalha
Todos os cavaleiros param
Só pra ver ela passar
A eparrei ela é Oyá, ela é Oyá
A eparrei é Iansã, é Iansã
A eparrei
Quando Iansã vai pra batalha
Todos os cavaleiros param

Olha que o céu clareou


Quando o dia raiou
Fez o filho pensar

A Mãe do tempo mandou


A nova era chagou
Agora vamos plantar

Do humaitá Ogum bradou


Senhor Oxossi atinou
Iansã vai chegar

O ogã já firmou
Atabaque afinou
Agora vamos cantar

A eparrei ela é Oyá, ela é Oyá


A eparrei é Iansã, é Iansã
A eparrei
Quando Iansã vai pra batalha
Todos os cavaleiros param
A eparrei ela é Oyá, ela é Oyá
A eparrei é Iansã, é Iansã
A eparrei
Quando Iansã vai pra batalha
Todos os cavaleiros param
Só pra ver ela passer

Eparrei na Aruanda
A nossa mãe é Iansã
Gira deixa a gira, girar
Gira deixa a gira, girar
Oh deixa a gira, girar
Saravá Iansã
Meu Pai Xangô e Iemanjá
Eh oh, deixa a gira, girar

2-
A Iansã é rainha de Umbanda
Mais ela é dona do seu Jacutá
Oh Eparrei, Eparrei, Eparrei
Oh mamãe de Aruanda
Segura o terreiro
Que eu quero ver

3-
Chora na macumba Iansã
Chora na macumba Iansã
Estava na beira da praia
Iansã chorou, chorou, chorou

4-
Oh Santa Barbara de Nagô ela é
Oh Santa Barbara Nagô é, ela é
Santa Barbara é moça linda, ela é
Oh moça dos cabelos loiros, ela é

5-
Santa Barbara virgem
Dos cabelos loiros
Mora na pedreira
Na terra do ouro
6-
A Iansã é mulher guerreira
A Iansã é mulher guerra
A Iansã é mulher guerreira
A Iansã é mulher guerra

7-
Oh minha Santa Barbara
Kaô, Kaô
Oh meu São Jerônimo
Kaô, Kaô

8-
Eu sai a procurar
Um fundamento ninguém veio a saber
Oi abre a porta venha receber
A Iansã, Santa Barbara de Nagô

9-
Estava numa ladeira
Sem poder descer
Oh Santa Barbara virgem
Venha nos-vale

10-
Iansã tem um leque de pena
Pra abanar em dia de calor
Iansã mora nas pedreiras
Eu quero vê meu Pai Xangô

Iansã Orixá de Umbanda


Rainha do nosso congá
Saravá Iansã lá na Aruanda, Eparrei!
Eparrei Iansã venceu demanda
Iansã, saravou pra Xangô
No céu, onde se coroou
E lá nas matas leão bradou
Saravá Iansã
Saravá Xangô

12-
Oiá é moça rica,
Ela é filha de Xangô
Iansã chegou na Umbanda
O seu reino saravou

13-
Iansã, Iansã
Segura seu Erere, Iansã
Oh Iansã, oh Iansã
Segura seu Erere

14-
Oh venha me valer, Senhor
Santa Barbara está chamando e Xangô
Vá dizer a Santa Barbara
Pro vento continuar
Tenho pena mãe de Deus,
Eu vou para o congá
Eu vou para o congá

15-
Oh Eparrei minha mãe de Aruanda
Mais ela é dona do seu Jacutá

E re re re
E re re rá
Minha mãe de Aruanda
Tem mironga lá no mar

16-
Minha Santa Barbara
Que linda coroa
Pelo amor de Deus,
Santa Barbara não me deixe a toa

17-
Aê dim dim
Aê dim dá
E a matamba de Aruê
E a matamba de Aruá
18-
Olha a matamba eta deme
Olha a matamba eta deme

Caboclo é da morunganga eta deme


Oh Iansã olha a matamba eta deme

19-
Raio de luz clarão no céu
É ventania que vem lá
A noite inteira vento vem e vai
Rodopiando a bailar
Com a espada erguida ao luar
Surge a guerreira
É Iansã varrendo os males
É Iansã oh mãe valei-me
Levai nesses ventos os nossos tormentos
Levai minha dor
E quando sessar a tempestade
E eu vislumbrar um novo amanhã
Explode em meu peito um brado Eparrei
Oh mãe Iansã
Põe no tacho azeite pra ferver de Oiá
Põe meio tempero desse acarajé
Que possuir coragem pra seguir viajem
Filhos que tem fé

20-
Oh Oiá me chamou
Eu fui atender
Tava sentada Iansã
Na palha do dendê
Oh guerreio, guerreio relampejou
Oh voou cravo, voou rosa relampejou

Ventou, mas que ventania


Iansã é nossa mãe
Santa Barbara é nossa guia

22-
Iansã é a dona do mundo
Dona do fogo, da faísca e do trovão
Eparrei Iansã na Aruanda
Santa Barbara com a espada na mão

23-
Ela é matamba
Ela é Oiá
Ela é Iansã
Desse Jacutá
Ela é matamba
Do cabelo loiro
Senhora dos ventos
Da espada de ouro

24-
Saravá Iansã do cabelo loiro
No mar tem água, na sua pedra tem ouro
Le, le le e
Le, le le á
Saravá Iansã que é rainha do mar

25-
Saravá deusa maior
Iansã é moça rica
Iansã deusa dos ventos
Saravá moça bonita
Iansã é minha mãe
Rainha do Jacutá
Vem gritado Eparrei
Roda a saia que eu quero ver
Filho de Umbanda não tem querer

26-
Ventou nas matas
Ventou nas pedreiras
Que vento forte nas cachoeiras
Não era Oxossi, nem é Xangô
Era Iansã com seu batacotô
Deusa dos ventos e do trovão
Oh minha mãe quero sua proteção

27-
Iansã, Oiá divina no axé
Eparrei Oiá
Santa Barbara ela é
Já trovejou relampejou
Cadê Oiá Xangô
Iansã, Oiá divina no axé
Eparrei Oiá
Santa Barbara ela é
O Cálice Bento ela segurou
Sua espada sagrada ela arriou
Eparrei Oiá, Eparrei Oiá

28-
Eparrei, Eparrei
Eparrei bela Oiá
Iansã olha a matamba
Iansã olha a matamba

A minha santa guerreira venha me valer


Oh me sinto num abismo não sei o que vou fazer
Em meio a escuridão veio um raio clarear
Me mostrando o caminho que eu possa passar
Eparrei, Eparrei
Eparrei bela Oiá
Iansã olha a matamba
Iansã olha a matamba
Peço que nesse caminho bons ventos possa soprar
Afastando as nuvens negras que querem me derrubar
Se nele encontrar espinhos em flores eu vou pisar
Pois sou filho de Iansã poderosa Iabá

29-
Iansã é rainha dos ventos
Deusa dos raios do corisco e trovão
Eparrei, Eparrei Eparrei
Oh mamãe de Aruanda
Ela vem na Umbanda visitar seu ilê
Bate paô iaô, bate paô
Bate paô iaô, pra Iabá bate paô

30-
Oiá, Oiá olha a matamba
Olha seus filhos Iansã aqui na banda
Um banho de ervas de Iansã eu vou tomar
De joelhos eu imploro minha deusa bela Oiá
Os meus caminhos eu preciso seguir
Eu chamo por Iansã para vir me conduzir
Oiá, Oiá olha a matamba
Olha seus filhos Iansã aqui na banda
Deusa dos ventos rainha do bambuzal
Santa do acarajé livrai-nos de todo mal
Seus filhos pedem em nome de Oxalá
Oiá Iansã guerreira não deixa seus filhos tombar

31-
Sinda, sinda cóké
Vai na Angola gira
Samba lêlê, oh, quirombó
Santa Barbara do Jacutá

32-
Iansã chegou no reino
Chegou com chuva e com vento
Ela é dona de Jacutá veio saravá
Os filhos do congá

33-
Oh Iansã se ela é minha mãe
Se ela é minha mãe
Ah eu quero ver
Oi saravá Ogum Megê
Oi Iansã Eparrei Eparrei

34-
Eu vi Iansã e Xangô
Estavam sentados em cima da pedra
Estavam rezando por todos os seus filhos
Saravá Iansã e Xangô

35-
Numa bela noite eu caminhava
Sozinho pedindo proteção
Deu um relâmpago no céu
O céu clareou
Me ajoelhei e Iansã me abençoou
36-
Iansã rainha dos astros
Iansã é moça de imbera
Iansã é adelina
Iansã também é Oiá e Obá

37-
O ronco da pedreira e a trovoada
Ecoou lá na mata
Ecoou lá na serra
Todo o povo de Iansã
Todo o povo de Xangô
Chegou cá na Terra
Chegou para a guerra

38-
Oi Iansã de cabelos loiros
De espada na mão
Traz Ogum Megê
Como companheiro
E na calunga
Ela vem firmar

39-
Quando ela passa
Iansã vem cheia de graça
Com sua espada na mão
Minha mãe guerreira
Me ajuda a toda hora
Minha mãe guerreira
Me ajuda a vida inteira

40-
Ela é minha mãe guerreira
De cabelos loiros ela vem
Com trovoada e muito vento
Espada na mão
Ela vem, para guerrear
Ela é Iansã
E Iansã guerreira
Ela vem, para guerrear
41-
Corre vento
Trovoada tá no espaço
Tempestade não é brincadeira
Saravá Iansã guerreira

42-
Loira muito formosa ela é
Domina o vento e o trovão
Iansã guerreira
Não treme não

43
Iansã vem
Ela vem beirando o mar
Ela vem com trovoada
Ela vem com muito vento
Ela vem lá de Aruanda
Com a espada na mão
Ela vem trazendo vento

44-
Eparrei mamãe
Eparrei Iansã
Dona dos Eguns,
Mamãe vem girar,
Com Ogum Megê
Ela vem cruzando,
É no cruzeiro Mamãe, mamãe vai firmando,
Ela vem com o vento,
Ela vem com a água
Mamãe Iansã!
Veio saravá

45-
Saravá Iansã
Minha mãe querida
Com sua espada na mão
Ela vem trabalhar,
Saravá Pai Xangô,
Saravá Iansã
Trovoada roncou
Mamãe vem saravá

46-
Eu vi essa menina
Saravando no congá
Salve seu leque de pena
Rainha do Jacutá
Iansã é muito linda
Mais que linda que ela é
Iansã esta no terreiro
vem trazendo seu axé

47-
Moça rica com sua espada
Sua coroa é cravejada de brilhantes
Quimbanda, auê! Quimbanda auê

48-
Oh mamãe ela vem de Aruanda
Ela vem com chuva e com vento
Na terra ela vem firma

49-
Eram duas ventarolas
Duas ventarolas
Que voavam sobre o mar
Uma era Iansã Eparrei!
A outra era Iemanjá Odociaba

50-
Oh Iansã menina
Dos cabelos loiros,
Ela está sentada
Na mina de ouro.

51-
Ventou mais que ventania
Ventou mais que ventania
Iansã é nossa mãe
Santa Barbara é nossa guia

52-
Ela é minha mãe guerreira
Com seu cabelo cor de ouro
Com sua espada na mão
Ela é Iansã guerreira
Que chegou nesse congá

53-
Iansã sua espada é luminosa
Sua coroa enfeitada de rosas

Iansã sua espada é luminosa


Sua coroa enfeitada de rosas
Okê banda Odé
Okê banda Odé
Saravá a coroa de Iansã
Que ilumina nossa fé
Iansã senhora da banda
É a rainha do seu congá
Salve Iansã lá na Aruanda
Eparrei, Eparrei
Iansã vence demanda

54-
Espia o que vem pelo céu
Olha o que vem pelo mar
Ela é nossa mãe Iansã
Ela é a rainha desse congá
Iansã cruzou na linha de Xangô
Lá na mata leão bradou
Saravá Iansã lá na Aruanda
Eparrei, Eparrei
Iansã vence demanda

55-
Eu vi Santa Barbara e Xangô-ô
A trovoada roncou lá no mar
Olha a mujinga de congo ê, ê, ê
Olha a mujinga de congo ah, á, á
56-
Eu vi Santa Barbara e Xangô
Sentados em cima da pedra
Olha seus filhos que vão pra guerra
Olha seus filhos que vão pra guerra

57-
Iansã o seu leque é de ouro
Vem do céu, Oxalá quem mandou
Pra salvar os seus filhos Iansã
Na hora da agonia e da dor

58-
Oh Nanã
Nanã Buruquê
Iansã moça rica
Vem me socorrer

59-
Minha Santa Barbara crioula auê
Minha virgem santa
Quem manda e desmanda
É Deus

60-
Minha Santa Barbara venha me valer
Meus inimigos tão querendo me vencer
Não vence não porque Deus não quer
Minha Santa Barbara é a rainha de guiné

Iansã cadê Ogun,


Foi pro mar
Iansã cadê Ogun,
Foi pro mar
Iansã penteia, os seus cabelos macios
Quando a luz da lua cheia
Clareia as águas do rio
Ogun sonhava
Com a filha de Nanã
E pensava que as estrelas
Eram os olhos de Iansã
Mas Iansã cadê Ogun
Foi pro mar (bis)
Na terra dos orixás o amor se dividia
Entre um Deus que era de paz
E o outro que combatia
Como a luta só termina
Quando existe um vencedor
Iansã virou rainha da coroa de Xangô
Mas Iansã cadê Ogun

Ô Iansã menina Iansã Iansã


Ë do cabelo louro Segura seu arere Iansã – bis
Sua espada é de aço Oh Iansã – bis
Sua coroa é de ouro Segura seu arere Iansa

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

O Iansã oba Iansã


Sopra-me ê ê Orixá de Umbanda
O Iansã oba Rainha do nosso congá
Sopra-me ê ê Saravá Iansã lá na Aruanda
Sopra-me êê Iansã Eparrei, eparrei,
Sopra-me êê Iansã venceu demanda
Iansã
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Saravá pai Xangô
No céu o trovão roncou
Eram duas ventarolas E lá na mata o leão bradou
Duas ventarolas Saravá Iansã
Que ventavam o mar Saravá Xangô
Uma era Iansã
Arerê :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
A outra era Iemanjá
E eparrê Ventou nas matas
Ventou nas pedreiras
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: E ventou forte
Nas cachoeiras
Ela é, uma moça bonita Não era Oxossi
Ela é, dona do Jacutá Nem é Xangô
Parrê, parrê, parrê E Iansã com seu patacoto
Minha Mãe tá no reino
Com a pemba na mão :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
E eu quero ver
No amanhecer
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: É que a estrela brilha
No amanhecer, nos ilumina
Santa Bárbara virgem Iansã Senhora do amanhecer
Dos cabelos louros Sua espada brilha
Ela vem descendo Pra nos proteger
Pela escada de ouro
É Oiá Iansã com sua luz
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: É Oiá, Iansã quem nos conduz - BIS

Guena, Guena, pô pô Ao rodopiar traz o vento


Vai n’Angola gira E a chuva cai
Samba rê rê, oh ! quirombô Pra lavar a terra
Santa Bárbara do Jaracutá Semear a paz – bis

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: É Oiá Iansã com sua luz


É Oiá, Iansã quem nos conduz - BIS
Oh Inhacita, corre Umbanda
Oh Inhacita Milonguê É Santa Guerreira
(bis) Se preciso for
Pra acabar com a guerra
Semear o amor –bis

É Oiá Iansã com sua luz


É Oiá, Iansã quem nos conduz - BIS

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Quede quede Oia


Quede quede Oia
Oh mamãe de Aruanda já curimbou
Ai quede quede

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Iansã o seu leque é de ouro


Vem do céu, Oxalá quem mandou
Para salvar os seus filhos Iansã
Na hora da agonia e da dor

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Iansã cadê Oxum


Oxum está nas ondas do mar
Ela é dona de gongá
Salve Oxum Nanã

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Saravá Iansã
Dos cabelos louros
Seu luar tem prata
Sua coroa tem ouro
Ê, ê, ê, ê
Ê, ê, ê, á
Saravá Iansã
Rainha do Jacutá

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Santa Bárbara aonde mora


Mora dentro da lua
Mora dentro do lajedo
Mora dentro da lua

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

61- PONTO DE SUBIDA

Oh minha Santa Barbara


É hora
Filhos de Umbanda, mamãe
Sempre aqui choram

Iemanjá

Ó Santa de Azul Odoia, odoia, meu Orixá,


Ó Santa do mar Odoia, Iemanjá – bis
Vem ver seus filhos Levei pente espelho escova e pó
Iemanjá Fui pedir proteção pro meu ronco
Odo, odoia Joguei laço de fita seu moço
Iemanjá Eu de branco e de guia no pescoço
Saia do mar - bis Quanta gente na praia
Venha buscar A saudar
Sua Yaô A rainha sereia do mar
Odoia, odoia, meu orixá... bis
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Se escutava som de atabaque
Era barco saindo em procisão
Brilhou, brilhou brilhou no mar Ao meu lado escutei um surdo baque
O manto de nossa Mãe Iemanjá - bis Vi um corpo bolado no chão
Brilhou , brilhou no mar E o santo baixava em beira mar
E agora vai brilhar neste Congá Sarava Odoiá Iemanjá

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Saia do mar O mar é o meu remanso


Linda sereia Santa Bárbara é o meu tesouro
Saia do mar Nas ondas do mar eu vi
Venha brincar na areia Eu vi
Saia do mar Eu vi sete pingos de ouro
Sereia bela
Saia do mar :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Venha brincar com ela
Yemanjá, é a rainha do mar (4x)
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Salve o povo de Aruanda
Salve meu Pai Oxalá
Oh Dai-me licença ê, Salve Oxóssi , salve os guias
o dai–me licença Salve Ogum Beira Mar, (Yemanjá)
Alode Iemanjá Yemanjá, é a rainha do mar (4x)
Oh, Daí-me licença ê.. Vai Ter festa na Aruanda
Vai Ter reza no Gantois
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Vai Ter gira a noite inteira
E muitas flores no mar
Mãe d’água, rainha das ondas, Yemanjá
Sereia do mar,
Mãe d’água seu canto é bonito, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Quando tem luar
Iê, Iemanjá, Iê, Iemanjá, Retire a jangada do mar
Rainha das ondas, Mãe d’água mandou avisar
Sereia do mar. Que hoje não pode pescar
Como é lindo o canto, Pois hoje tem festa no mar
De Iemanjá, É, eh, eh Yemanjá
Faz até o pescador chorar, Ela é, ela é a rainha do mar
Quem ouvir a mãe d’água cantar, Traz pente traz espelho, o o o o
Vai com ela pro fundo do mar. Pra ela se enfeitar, o o o o
Traz flores traz perfume
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Enfeita todo o mar

Eu vou levar :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Vou levar flores ao mar
Eu vou levar – bis Eu sou filho de Yabá,
Uma promessa eu fiz Yabá é minha mãe,
Eu recebi vou pagar Hó rainha do tesouro,
Uma promessa eu fiz Oh doce Yabá do fundo do mar,
De levar flores ao mar Oh doce Yabá do fundo do mar,
Oh doce Yabá do fundo do mar.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vamos saravar, Mãe Iemanjá
Vamos todos juntos jogar flores no mar Foi na areia, foi na areia
É do mar, é do mar, é do mar Foi na areia, foi na areia
É do mar minha mãe sereia Fiz um pedido
Papai risca ponto na pedra Pra mãe sereia
Mamãe risca ponto na areia Pra Iemanjá para eu nunca mais penar
Foi na areia
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Numa noite na areia branca do mar
A lua branca no céu iluminou
No fundo do mar tem areia o meu divino mar
Areia no fundo do mar – bis Sereia, mamãe do mar, sereia.
No fundo do mar tem as ondas
As ondas que vão me levar :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Um barco enfeitado de flores
Para ouvir a sereia cantar Eu fui na beira da praia,
Iemanjá, Iemanjá - bis Pra ver o balanço do mar,
Eu vi um retrato na areia,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Me lembrei da sereia,
Comecei a chamar,
A marola do mar vem tombando Ó Janaina vem ver,
Sobre as águas do oceano (2x) Ó Janaina vem cá,
Receber suas flores,
Se vem trazendo o encarnado Que venho lhe ofertar.
É guerra
O verde, é esperança :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ela é a mãe d'água verdadeira

1- PONTOS DE YEMANJÁ

Retira a jangada do mar


Mãe d água mandou avisar
Que hoje não pode pescar
Pois hoje tem festa no mar
E, e, e, e, e, e Yemanjá
Ela é ela é a rainha do mar
Traz pente, traz espelho o, o, o, o
Pra ela se enfeitar o, o, o, o
Traz flores, traz perfumes
Enfeita todo o mar

2-
Yemanjá é a rainha do mar (refrão)
Salve o povo da Aruanda
Salve meu Pai Oxalá
Salve Oxossi, salve os guias
Salve Ogum Beira Mar
Yemanjá
Yemanjá é a rainha do mar (refrão)
Vai ter festa na ribeira
Vai ter reza lá no Cantúa
Vai ter samba a noite intera
E vai ter muitas flores no mar
Yemanjá

3-
Yemanjá
Você é o meu tesouro
Sua coroa é de conchas
Seu poder vale ouro
Ô canta mãe sereia
Ô canta sereia
Pescador quando ouvir
Vai se encantar
Odóia, odóciaba
O mar é sua casa
Hoje eu vim lhe visitar
Odóia, odóciaba
Seu poder é infinito
Ele veio de Oxalá

4-
Rosas pra Yemanjá
Rosas pra Yemanjá
Rosas pra Yemanjá
Eu vou levar
Eu vou levar eu vou
Yemanjá
Leva pro mar esta saudade
Da terra mãe distante
Minha vontade de chorar
Leva pro mar
Yemanjá
Quero curtir felicidade
Ser livre como as ondas
Grande como essa imensidão
Azul do mar
Rosas pra Yemanjá
Rosas pra Yemanjá
Rosas pra Yemanjá
Eu vou levar
Eu vou levar eu vou
Yemanjá
Dona do mar a divindade
No borbulhar das ondas
Ouço sua voz me abençoar
Linda sereia
Yemanjá
Meu orixá é só bondade
Protege tanto a gente
Com o seu manto azul de paz
Amor e luz

5-
Vou tomar banho de mar
La na praia da Jurema
Vou pedir pra Yemanjá
Pra me tirar desse dilema
Sarava Yemanjá
E as falanges do mar
Vou botar no seu presente
Rosa branca e espelhinho
Pó de branco e um pente
Pra ela abrir os meus caminhos

6-
Quando as águas do rio
Encontrarem as ondas do mar
Eu farei um pedido
Pra Cabocla na areia firmar
A lua no céu clareou
Os filhos de Yemanjá
Salve a mãe sereia
Saravá a Cabocla do Mar.

7-
Eu fiz um pedido à mamãe Sereia
A Yemanjá, para nunca mais penar
Foi na areia, numa noite linda
Na areia branca do mar
Oh lua clara no céu
Iluminou seu divino manto, Sereia.
Oh rainha do mar, Sereia.
Oh mamãe Yemanjá, Sereia.
Oh rainha do mar, Sereia.
8-
Mãe d’água, rainha das ondas Sereia do mar
Mãe d’água, seu canto é bonito
Quando faz chuá
Êh, Yemanjá
Rainha das ondas, sereia do mar
Como é lindo o canto de Yemanjá
Sempre faz o pescador chorar
Quem escuta a mãe d’água cantar
Vai com ela pro fundo do mar

9-
Eu vou à praia grande, eu vou pro mar
Levar botões de rosas à Yemanjá
Eu vou à praia, vou riscar ponto na areia
Vou pedir à Mãe Sereia
Todas as forças do mar
Que nos proteja
Com seu manto inteiro branco
Que nos cubra com os encantos
Que tem as ondas do mar

10-
Quem quiser viver sobre a terra
Quem quiser viver sobre o mar
Do mar salve as sereias
Salve as ondinas do mar
Ruê, ruê, ruê, ruá, ruá, ruá, Yemanjá

11-
Saia do mar, linda sereia
Saia do mar, venha brincar na areia
Saia do mar, sereia bela
Saia do mar, venha brincar com ela

12-
Salve as conchinhas de prata
Salve quem aqui está
Salve a Mãe Sereia
Rainha, Mãe Yemanjá.
13-
Eu fui na beira da praia
Pra ver o balanço do mar
Eu vi um retrato na areia
Me lembrei da sereia
Comecei a chamar
Oh Janaína vem ver
Oh Janaína vem cá
Receber suas flores
Que venho lhe ofertar

14-
Vamos saravar mãe Yemanjá
Vamos todos juntos jogar flores no mar
É do mar, é do mar, é do mar
É do mar minha mãe sereia
É do mar, é do mar, é do mar
É do mar, é nas águas, é nas areias
Vamos saravar mãe Yemanjá
Vamos todos juntos jogar flores no mar
É do mar, é do mar, é do mar
É do mar minha sereia
Papai risca ponto nas pedras
Mamãe risca ponto na areia

15-
O que é que me deram para levar
Pra dona Janaína no fundo do mar?
Frasco de cheiro, laço de fita
Pra dona Janaína que é muito bonita

16-
A onda do mar rolou
Saravá a rainha do mar
Saravá minha mãe Yemanjá
Mamãe Yemanjá

17-
Filha de Yemanjá, toda de azul
Filha de Yemanjá, de corpo azul

18-
Yemanjá é sereia do fundo do mar
Yemanjá, Yemanjá
Trabalha na areia junto com Beira-Mar
Ogum-yê, Ôdoiá
Rainha sereia, minha mãe Yemanjá

19-
A lua branca traz o mar
Para lhe enfeitar
Ela quer amor, ela quer a paz
Ela é harmonia em todo lugar
Filha de Yemanjá, Odocia
Filha de Yemanjá, vamos saravar
Ela é alegria aonde vai
No seu coração ela traz a paz
A lua branca traz o mar
Para lhe enfeitar

20-
E vem, vem, vem e vem beirando o mar
E vem a mãe Sereia para todo o mal levar
Chegou, chegou, chegou a mãe sereia
Para todo o mal levar
E foi , foi, foi e foi beirando o mar
E foi a Mãe Sereia para todo o mal levar

21-
Eu sou filha de Yabá
Yabá é minha mãe
A rainha do tesouro
Oh doce Yabá no fundo do mar 3x

22-
Yemanjá sobá, baba ebô
Baba ebô Yemanjá, baba ebô

23-
Yemanjá, sereia bonita, rainha do mar
Sereia bonita, rainha do mar, Yemanjá
Como é lindo o canto de Yemanjá
Ela faz o pescador chorar
Quem escuta a mãe d’água cantar
Vai com ela pro fundo do mar 20.
A estrela brilhou lá no alto mar
Quem vem nos salvar é nossa mãe Yemanjá

24-
Botei meu barco n’água para navegar
Pedi licença à primeira embarcação de Yemanjá
Yemanjá, ô Yemanjá,
Rainha das águas é Yemanjá

25-
Yemanjá, Yemanjá, Yemanjá
Venha me ajudar, Odoiá
Vem nas ondas do mar

26-
Sou filho do mar, das ondas do mar
Da espuma do mar, sou filho do mar
Minha mãe Yemanjá, Yemanjá minha mãe
Rainha ela é do mar

27-
Yemanjá coroou é de arariou
É de doce malembe é de arariou

28-
Yemanjá ô
Iô cindô rê rê Yemanjá

29-
Uma estrela lá no céu brilhou
E o clarão refletiu no mar
Era uma estrela guia
Que refletia o lindo manto de Yemanjá
Yemanjá, Yemanjá, Yemanjá.
Se nessas águas eu pudesse navegar
Eu traria um pedacinho do seu manto
E essa luz que brilha em seu olhar

30-
Com uma dúzia de velas,
Numa noite tão linda
Eu fui para o mar, rezando e chorando...
Fazer meus pedidos para Yemanjá
Ô Yemanjá, venha me ajudar
Ô mãe Oxum, venha me salvar
Sou peregrino trazendo flores
Frutas e velas pra mãe Yemanjá

1-
Ajoelhei-me na beira da praia
Pra pedir proteção a minha mãe Yemanjá
A água que me batia, Yemanjá respondia
Filho vou te ajudar.

32-
Yemanjá, Yemanjá.
Sou pescador, moro nas ondas do mar...
Também sou filho de Yemanjá
Quero morrer no mar
Nos doces braços de Yemanjá

33-
Quem vem vindo na crista da onda
É sereia, rainha do mar
Quem vem vindo na crista da onda
É sereia, mamãe Yemanjá
Vem senhora das águas do mar
Abençoe esse nosso Congá

34-
Oh, como é lindo as flores brancas de Yemanjá
Chegou a hora
Vindes com Deus e Nossa Senhora Yemanjá
Um buquê de rosas brancas, ê ê
Vou levar pra Yemanjá, ê á

35-
A minha mãe é mãe de mesa
É a rainha do mar
Pede a Deus a proteção
Para seus filhos salvar
36-
Yemanjá, Yemanjá,
No fundo do mar tem areia
Areia do fundo do mar
Em cima do mar tem as ondas
Ondas que vão me levar
Num barco enfeitado de flores
Pra ouvir a sereia cantar

37-
Mãe, mãe, mãe
Por que é que tu vives no fundo do mar?
Eu sou a mãe sereia, rainha de Oxalá
Eu venho trazer forças
Para os meus filhos salvar

38-
Brilhou, brilhou, brilhou, brilhou no mar
O manto da nossa mãe Yemanjá
Brilhou, brilhou no mar
E agora vai brilhar nesse Congá

39-
Como está tão lindo o altar
Com as flores de nossa mãe Yemanjá
Salve a caridade pura
Salve a sereia do mar

40-
Sereia, sereia, como ela nada no mar
Se minha mãe é sereia, oh sereia

41-
Se as ondas do mar são verdes
Me leva pro fundo do mar
Sereia, sereia...
Sereia é a mãe Guiomar

42-
Em cima de uma pedra
Em cima da pedra, outra pedra
Embaixo da pedra tem areia
Quem manda no mar sereia

43-
Como ela nada no mar
Com as ondas bem fundas
Como ela nada no mar

44-
A sereia canta, os peixinhos nadam
Levando o barco de Yemanjá
Êêêá

45-
Sereia, sereia, minha rainha do mar
Todo o mal de seus filhos, sereia
Leva para o fundo do mar

46-
Minha mãe é sereia, rainha do mar
Oh sereia tá no mar
Sereia tá no mar, sereia tá no mar

47-
Sereia, sereia
Olha a sereia que nada no mar
Ela é dona do reinar

48-
É vem, é vem, é vem, e vem beirando o mar
E vem a mãe sereia, chegou beirando o mar
Chegou, chegou, chegou, chegou a mãe sereia
Pra nos auxiliar
Baixou, baixou, baixou, beirando o mar
Baixou a mãe sereia pra todo o mal levar

49-
Minha jangada de vela
Corre um vasto do mar
De dia o vento é na terra
De noite o vento é no mar
Remai! Remai!
Nossa Senhora da Luz
Mãe do povo do mar
Levai a vossa barquinha
Pra Jesus adorar
Remai! Remai!

50-
Veio navegando pelas ondas do mar
Para saravar no recinto de Yemanjá
Viva mamãe Oxum, viva a sereia do mar

51-
No clarear de uma manhã
Eu tive um sonho tão bonito
Sonhei que as águas de Yemanjá
Me transportavam ao infinito
De suas águas generosas
As suas mãos me estendeu
E na carícia das marolas
A minha alma adormeceu

52-
Que caminho de espinho
Que caminho de areia
Saravá mãe Yemanjá
Nossa Senhora das Candeias

53-
Adormeceu, sob o amparo da mãe d’água
Sentindo o amor que não se esgota
Dessa fonte que é Deus, Yemanjá,
Doce Yemanjá
Sou pequenino grão de areia
Na imensidão desse seu mar
É a tua luz que me clareia
O caminho e o trabalho
Que Oxalá me concedeu
E é por isso que, serena,
A minha alma adormeceu
54-
Quando as ondas brancas vem rolar na areia
Eu sinto saudades da minha mãe sereia
E quando na Umbanda
Eu canto pra Yemanjá
Eu sinto saudades das águas rolando o mar
Odoiá minha mãe Yemanjá
Odoiá sereia do mar.

55-
A Rainha das Ondas é tão bela
Como bela nos campos é a flor
Salve Ogum Beira Mar, seu guerreiro
Ela é a Rainha do Amor
Salve, salve Yemanjá no terreiro
Salve os campos do seu jacutá
Salve Ogum Beira Mar, seu guerreiro
Ela é a Rainha do Mar

56-
Ela vem beirando o mar
Oi, ela vem berando a areia
Saravá a mamãe Yemanjá
Saravá a sua aldeia

57-
A onda do mar rolou 4x
Os filhos de Yemanjá
A onda do mar levou

58-
A marola do mar vai levando
Yemanjá é quem vai navegando
A marola do mar vai levando
E seus filhos ela vai deixando

59-
A onda que te trouxe
É que te leva para o mar
Auê, auê, auê Yemanjá
Vai com a onda vai
Vai com a onda vem
Vai com a onda vai
Que com a onda eu vou também

PONTOS DE IEMANJÁ

Oh que barco tão lindo


Que vem sobre as ondas do mar
Ele traz as vibrações
De nossa mãe Iemanjá –2x
Iemanjá, Iemanjá
Ela é a rainha do mar –2x

Brilhou, brilhou, brilhou


Brilhou no mar
O manto de nossa mãe Iemanjá –2x

A marola do mar vai levando


Iemanjá é quem vai navegando –4x

Eu sou filho de ia-bá, ia-bá é minha mãe –2x


Ô rainha do tesouro odô ciaba no fundo do mar
Odô ciaba no fundo do mar –4x

…...................................................................................................

Eram duas ventarolas


Duas ventarolas que sopravam sobre o mar (2x)
Uma era Iansã, Eparrê
A outra era Iemanjá, odoci-aba (2x)

XANGÔ PONTOS DE XANGÔ

Xangô meu pai na Umbanda, vem de Aruanda


Ele é meu Orixá, do alto de uma pedreira
Ele faz justiça pros seus filhos ajudar –2x
Xangô na sua aldeia, não há maldade só amor pode reinar
Tu me ensinaste a fazer a caridade
E pela terra a Umbanda exaltar
Meu pai com sua machada, ele não ataca é só para lhe guardar
E lá no livro ele escreve o meu destino, meu pai Xangô ilumina meu caminhos
Ele é Xangô, kaô, kaô
Vencedor de demandas, ele é meu protetor –2x

…...................................................................................................

Lá em cima daquela serra


Tem uma linda cachoeira –2x
É de meu pai Xangô
Que arrebentou sete pedreira –2x

…...................................................................................................

Dizem que Xangô, mora na pedreira


Mais não é lá sua morada verdadeira –2x
Xangô mora numa cidade de luz
Onde mora Santa Bárbara, Oxumaré e Jesus –2x

…...................................................................................................

Quem rola pedra na pedreira e Xangô –4x


Vibrou na coroa de Zambi –2x
Vibrou na coroa de Zambi é caô
Vibrou na coroa de Zambi –2x
Vibrou na coroa de Zambi é caô

Pedra rolou Xangô Seu Ariri, Ariri, Ariri


Lá na pedreira Seu Ariri ele é o Rei da Mata Virgem
Segura a pedra meu Pai Aonde o sabiá cantava
Na cachoeira Na pedra onde Xangô morava
Tenho o meu corpo fechado
Xangô é meu protetor :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Firma seu ponto meu Pai
Pai de cabeça chegou Quando a lua aparece
Leão na mata roncou
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: A passarada estremece
Olha a coral que piou, piou, piou
Xangô, ele rei da pedreira Olha a coral piou
Rei da pedreira ele é o rei de Umbanda Salve o povo de Ganga ô
Xangô ele é o nosso Pai Chegou seu Rei de Umbanda
E filhos de Xangô Saravá nosso Pai Xangô
Bambeia mas não cai
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
(pólvora)
Quem rola a pedra na pedreira é Xangô
Quem rola a pedra na pedreira é Xangô Lá no alto da pedreira
Viva a coroa de Zambi A faísca vem rolando
Viva o meu Pai é Xangô Agodô Agüenta a mão cabra de força
E aqui neste reino ele está Que a faísca vem queimando

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Estava sentado na pedra Minha mãe cadê Xangô


Esperando meu Pai Xangô Xangô foi passear
Xangô na Aruanda Minha mãe cadê Ogum
Xangô na quimbanda Foi pra guerra guerrear
Xangô na linha das almas
Com Ogum venceu demanda :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Lá em cima daquela pedreira


Tem um lírio que é de Xangô
Segura a pedra Xangô (bis)
Não deixa a pedra rolar Kaô, kaô, kaô, kabeci
Pega no livro e na pena
Para a justiça firmar :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Xangô meu Pai


Deixa essa pedreira aí
Eram seis horas (bis)
Quando o sino tocou Umbanda tá lhe chamando
Na Marambaia Deixa essa pedreira aí
Cidade da Jurema
Eram dez horas :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Quando o galo cantou
Com licença de Zambi Sua machado é de ouro, é de ouro
Saravá Pai Xangô (bis)
Machadinha que corta mironga
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: É machadinha de Xangô

Na pedreira da mata virgem :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Aonde mora meu Pai Xangô
Água minou, Nanã Borocô Meu Pai Xangô
Pedra rolou, saravá Pai Xangô Olhai seus filhos
Que eu também sou filho seu
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Kaô, Kabeci
Saravá gongá
Quem de lê, quem de lê Xangô (bis)
Ele filho da cobra coral
Olha preto está trabalhando :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Olha branco não está olhando
Xangô, Xangô, Xangô, Xangô meu Pai
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Foi o Senhor mesmo quem disse
Filho de Umbanda não cai
Ô Gino olha a sua banda
Ô Gino olha o seu gongá :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Aonde o rouxinol cantava
Na pedra onde Xangô morava Tererê Xangô, ô tererê Xangô
Ele Gino da cobra coral Na calunga,
Ele Gino da cobra coral Segura filhos de Umbanda
Ele Gino da cobra coral Não deixa filhos cair
Kaô
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Graças a Deus, meu Deus
Que pedreira tão alta Pelo dia de hoje
Que nem limo criou Louvado seja Deus
Oh não me quebra pedra Meu Pai Xangô, muito obrigado
Que a morada é de Xangô Que Deus nos dê muita luz
em nossos caminhos
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

1-
Xangô, ô, ô, ô, ô
Xangô, ô, ô
Meu Pai
Xangô Kaô
Aonde está o mistério dos índios
Aonde está o mistério dos índios
Está na mata virgem
Onde mora meu Pai
Babalaô aê, babalaô auê
Ô, ô, ô, ô, ô
Ô, ô, ô
Meu Pai
Xangô Kaô
Se macumba não deu saravá

2- PONTO DE XANGÔ
Lá no alto da pedreira
A faísca vem riscando
Agüenta mão Cabra de Força
Que a faísca vem queimando

3- PONTO DE XANGÔ

Quando a lua aparece


O leão da mata roncou
A passarada estremece
Olha a cobra coral piou, piou
Olha a cobra piou
Salve o povo de ganga ô
Chegou seu rei de umbanda
Sarava nosso Pai Xangô

4- PONTO DE XANGÔ

O ronco da pedreira
É uma trovoada
Já se ouviu no céu
Já se ouviu no mar
Oi salve a pedra de Xangô
Oi salve a Sereia do Mar
Oi salve Oxossi lá nas matas
Oi salve Ogum no Humaitá

5- PONTO DE XANGÔ

Xangô tem seu livro na pedra


Ogum tem a sua lança
Oxossi a sua flecha
E Miguel sua balança

6- PONTO DE XANGÔ

Ó Gino, olha sua banda


Ó Gino, olha seu conga
Aonde o rouxinol cantava
Aonde Xangô morava
Ele é Gino da cobra coral
Ele é Gino da cobra coral
Ele é Gino da cobra coral
Kaô

7-
Xangô é corisco
Nasceu na trovoada
Trabalha na pedreira
Acorda na madrugada
Longe, tão longe
Aonde o sol raiou
Saravá Umbanda
Oi, saravá Xangô

8-
Escureceu, a noite chegou
Firma ponto na pedreira, saravá Xangô
Saravá Xangô 3x

9-
Subi na pedreira, subi
Uma pedra rolou no corisco de Xangô
Dizem que Xangô mora na pedreira
Mas não é lá sua morada verdadeira
Xangô mora na cidade de Luz
Aonde está Maria e o Menino Jesus
Dizem que Xangô mora na pedreira
Mas não é lá sua morada verdadeira

10-
Lá em cima daquela pedreira
Tem um livro que é de Xangô
Kaô, kaô
Kaô é kabecile é de Xangô

11-
Deixei meu filho em cima da pedreira
E de repente ele escorregou
Me ajoelhei e olhei pra baixo
Estava nos braços de meu pai Xangô

12-
Meu pai Xangô
Deixa essa pedreira aí
A Umbanda está lhe chamando
Deixa essa pedreira aí
13-
Pedra rolou, Pai Xangô, lá na pedreira
Segura o ponto, meu Pai, na cachoeira
Tenho o meu corpo fechado
Xangô é meu protetor
Firma esse ponto, meu filho
Pai de cabeça chegou

14-
Xangô, meu pai, atende essa romaria
Dos filhos que vem de longe
E não podem vir outro dia

15-
Xangô mostrai a força que vós tendes
Xangô é o rei da justiça
E não engana ninguém
Xangô Kaô, Xangô Agodô 3x

16-
Meu Pai Xangô chegou no reino
Meu Pai Xangô já vai girar
Olha seus filhos lhe pedem meu pai
Não deixe os filhos tombar

17-
Na beira do Cariri, eu vi Xangô sentado
Yemanjá e Oxum e Santa Bárbara ao seu lado
Na beira do Cariri

18-
Xangô, Xangô, meu pai Xangô
Xangô mora na pedreira
Quem mandou relampejar
Kaô Kabecile, obá, Xangô
Saravá Xangô 3x

19-
Machadinha de cabo de ouro
De ouro, de ouro
Machadinha de cabo de ouro
É machadinha de Xangô

20-
Ele vem de Aruanda
Ele vem trabalhar
Ele vence demanda
Ele é seu Pangará
Kaô, kaô, kaô, kaô
A justiça chegou, Xangô
Ele vem de Aruanda
Ele vem trabalhar
Ele vence demanda
Ele é seu Arirá
Kaô, kaô, kaô, kaô
A justiça chegou, Xangô

21-
Quem rola pedra na pedreira é Xangô
Vivô a coroa de Zambi 2x
Vivô a coroa de Zambi é maior

22-
Xangô chegou na terra
Xangô girou na Umbanda
Com seu grito de guerra
Xangô venceu demanda

23-
Quebra pedra na pedreira
Quero ver arrebentar
Quem demanda com meus filhos
Eu também sei demandar

24-
Sentado na pedreira de Xangô
Eu fiz um juramento até o fim
Se um dia me faltar a fé em meu Senhor
Que role esta pedreira sobre mim
Meu Pai Xangô chegou do Reino
Meu Pai Xangô é Orixá
Olha, seus filhos lhe pedem meu Pai
Fé e proteção neste congá

25-
Senhor dono da casa
Me dá licença de entrar
Minha banda é de Xangô,
É de Zambi e Oxalá

26-
Xangô é rei de Yorubá
Xangô é rei da pedreira
Xangô é rei dos astros
Xangô é rei de Umbanda
Os teus filhos te chamam
Xangô, Xangô, Xangô Agodô

27-
Meu pai Xangô sentado na pedreira
Com sua machadinha
Cravejadinha de estrelas

28-
Naquele tempo em que Agodô escrevia
Pena de ouro ele trazia

29-
Meu pai Xangô, olhai seus filhos
Que eu também sou filho seu
Seu Agodô,
Yemanjá Sobá, Yemanjá Sobá
Seu Aganju,
Yemanjá Sobá, Yemanjá Sobá

30-
Oh, Gino. Olha a sua banda
Oh, Gino. Olha o seu Congá
Aonde o rouxinol cantava
Aonde Xangô morava
Oh, ele é Gino da Cobra Coral
31-
Eu vi Santa Bárbara e Xangô
Estavam sentados em cima da pedra
Estavam rezando para os seus filhos
Xangô é homem que vai pra guerra.

32-
Eu fui lá nas matas buscar minhas guias
E lá encontrei pai Xangô que dizia
Zum, zum, zum, pai Xangô é Kaô
Zum, zum, zum, pai Xangô é Agodô

33-
É na mesa de Umbanda
Que Xangô faz refeição
Xangô vem cuspindo fogo
Pra levantar filhos do chão

34-
Ecoou lá na mata da Jurema
Não muito longe, num pé de caneleira
Estou ouvindo o eco do infinito,
O que será?
É o ronco da pedreira,
Xangô, Kaô, meu pai
Me cubra com sua bandeira

35-
Xangô, Kaô
Xangô meu pai, venha me ajudar
Xangô é meu guia, Xangô é meu pai
A pedra na pedreira ela rola, mas não cai
Vem trabalhar Xangô, vem trabalhar
No terreiro ele é caboclo
Na pedreira ele é Orixá

36-
Eu pedi a meu pai Xangô
Que me tirasse desta aflição
Olha o seu bom filho
Ele tem fé e lhe traz no coração
Sofrer como eu sofri
Só mesmo um filho de fé
Hoje eu agradeço a Xangô
Eu tinha esperança
Que a bonança voltaria e voltou.

37-
Xangô mora na pedreira
Onde canta o rouxinol
Sua pedreira é tão linda
Pai Oxalá abençoou
Toda coberta de estrelas
Saravá meu pai Xangô

38-
Xangô, ele rei da pedreira
Rei da pedreira ele é o rei de Umbanda
Xangô ele é o nosso Pai
E filhos de Xangô
Bambeia mas não cai

39-
Estava sentado na pedra
Esperando meu Pai Xangô
Xangô na Aruanda
Xangô na quimbanda
Xangô na linha das almas
Com Ogum venceu demanda

40-
Segura a pedra Xangô
Não deixa a pedra rolar
Pega no livro e na pena
Para a justiça firmar

41-
Eram seis horas quando o sino tocou
Na Marambaia, cidade da Jurema
Eram dez horas quando o galo cantou
Com licença de Zambi, saravá Pai Xangô

42-
Na pedreira da mata virgem
Aonde mora meu Pai Xangô
Água minou, Nanã Buruquê
Pedra rolou, saravá Pai Xangô

43-
Que pedreira tão alta
Que nem limo criou
Oh não me quebra pedra
Que a morada é de Xangô

44-
Seu Ariri, Ariri, Ariri
Seu Ariri ele é o Rei da Mata Virgem
Aonde o sabiá cantava
Na pedra onde Xangô morava

45-
Lá no alto da pedreira
A faísca vem rolando
Agüenta a mão cabra de força
Que a faísca vem queimando

46-
Minha mãe cadê Xangô
Xangô foi passear
Minha mãe cadê Ogum
Foi pra guerra guerrear

47-
Meu Pai Xangô, olhai seus filhos
Que eu também sou filho seu
Kaô, Kabecilê, saravá congá

48-
Xangô, Xangô, Xangô, Xangô meu Pai
Foi o Senhor mesmo quem disse
Filho de Umbanda não cai

49-
Tererê Xangô, ô tererê Xangô
Na calunga,
Segura filhos de Umbanda
Não deixa filhos cair

50-
Xangô é dono da pedreira
Segura o meu destino até o fim
Se algum dia eu perder
A fé no meu Senhor
Rolai essa pedreira sobre mim
Meu Pai Xangô

51-
Oxossi é rei das matas
Xangô é da pedreira
Iansã da ventania
Mãe Oxum da cachoeira
Xangô, Xangô, Xangô, kaô, Kabecilê

52-
O Ganga ô
A terra é da Jurema
O leão é lá das matas
A pedra é tão forte
O rei, é Xangô

53-
Xangô veio das virgens matas
Com seu bastão de prata
Para nos salvar Xangô kaô
Xangô no reino é meu Senhor

54-
Graças a Deus, meu Deus
Pelo dia de hoje
Louvado seja Deus
Meu Pai Xangô, muito obrigado
Que Deus nos dê muita luz em nossos caminhos

55-
Cacheoria da mata virgem
Onde mora meu pai Xangô
Pedra rolou da cachoeira
Pedra rolou, saravá pai Xangô
Saravá, pai Xangô

56-
Eram seis horas quando o sino batia
Na Marambaia, cidade da Jurema
Eram seis horas quando o sino tocou
Com licença de Zambi, saravá Pai Xangô

57-
Xangô já vai
Já vai pra Aruanda
A bênção meu pai
Proteção pra nossa banda

58-
Camboteei lá na pedreira
E Xangô disse que sim
Quem tem Santo tem Caboclo
Tá na hora de subir

59-
Xangô de ouro e ouro ô
Xangô me coroou
Filhos de pemba, a Umbanda chora
É Xangô que já vai embora
A Umbanda gira, gira, girê
A Umbanda gira, gira, gira, girá

60-
Meu pai Xangô já berimbou na aldeia
Kaô, cunhanha, ô cunhanha
Kaô cunhanha

Dizem que Xangô Quem Rola pedra


Dizem que Xangô Meu pai Xangô
Mora na pedreira Olha seus filhos
Mas não é leva Que eu também sou filho seu
Sua morada verdadeira Seu agodô Yemanjá assobá
Xangô mora numa cidade de luz
Onde mora Santa Bárbara
Oxumaré e Jesus

http://www.pontosdeumbanda.com.br/category/xango

Oxumaré
OXUMARÊ, OXUMARÊ
ELE É FILHO DE NANÃ
É IRMÃO DE OBALUAÊ [2x]

COM SUA SERPENTE SAGRADA


QUE FICA EM SUA MÃO
A SUA DANÇA ENCANTADA
MOSTRA O CÉU E O CHÃO

SALVE O REI DO ARCO-ÍRIS


ARROBOBOI OXUMARÊ
NA CABECEIRA DE UM RIO
SETE CORES VI NASCER

OXUMARÊ, OXUMARÊ
ELE É FILHO DE NANÃ
É IRMÃO DE OBALUAÊ

http://www.pontosdeumbanda.com.br/oxumare/ponto-de-oxumare-filho-de-nana-
irmao-de-obaluae.html

Nanã

1-
Atraca, atraca
Que aí vem na onda, é Nanã
É Nanã, é Oxum,
É quem vem saravar, ei ah
É Nanã, é Oxum,
É a sereia do mar, ei ah

2-
São flores, Nanã, são flores
São flores, Nanã Burukê
São flores, Nanã, são flores,
Do seu filho Abaluaê
Nas horas de agonia
É ele quem vem nos valer
É ele, Nanã, é meu Pai,
É seu filho Abaluaê

3-

O mar roncava, entre as pedras se batia


Ao gemido da mãe d’água,
A sereia respondia
São flores, são flores...
São flores, Nanã Buruquê
São flores, são flores

4-

Minha mãe é Nanã


É o Orixá mais velho do céu
Nanã, oh Nanã Buruquê
Firma seu filhos, agora eu quero ver
Senhora Santana
Dai-nos vossa proteção
Valei-nos avó de Aruanda
Valei-nos com sua benção
Com seu manto consagrado
Com sua estrela bendita
Valei-nos senhora Nanã
Livrai-nos das horas aflitas

5-
Saravá Nanã, oi Nanã Buruquê
A sua saia é roxa
O seu telhado é de sapê.

6-

Nanã, oh minha mãe Nanã


Protege os seus filhos
Segure o meu Congá
Eu sou de Jurema
E eu quero trabalhar

7-

Nanã vem das neves,


Ela vem das ondas do mar
Saravá Oxumaré
Saravá a sereia do mar
Saravá Nanã Buruquê
Saluba

8-

Atraca, atraca, que eu vi Nanã


Bangu, Bangulê
Atraca, atraca, que eu vi Nanã auê
Atraca, atraca, que eu vi Nanã
Que eu vi Nanã Buruquê
Pergunte à sua canhanha
Se eu vi Nanã, se eu vi Nanã Buruquê

9-

Senhora Santana, mãe de misericórdia


Eu vou pedir a ela
Pra ela pedir a Deus
Oh, minha mãe, rogai por mim

10-

Nanã é mãe dos Orixás


Está na terra e na cachoeira e está no mar
Eu vou pedir à boa Nanã
Que abençoe seus filhos e seu Ogã

11-

Oh Nanã, cadê Oxum


Oxum tá nas ondas do mar
Ela é dona do reinar
Salve Oxum

12-

Oi nas ondas do mar eu vi Nanã


Oi Nanã Buruquê
Oi nas ondas do mar

13-

Oh Yemanjá, oh Yemanjá
Que linda sereia nadando
Areia nas águas do mar
Vai dizer pra Santana
Que toda semana eu rezo pra ela
Em seu louvor
É Nanã Buruquê

14-

Nas cachoeiras de Nanã Buruquê


Só se lava a cabeça do filho de Umbanda
Quando é pra valer
Mas se você não é, então não vai lá
Porque Nanã Buruquê, meu filho
Pode não gostar

15-

Maleime Velha Nanã


Maleime Deus é quem dá
Maleime Meu Pai Oxossi
Maleime
Maleime Deus é quem dá
Maleime Velha Nanã
Maleime Deus é quem dá
Maleime Meu Pai Xangô
Maleime
Maleime Deus é quem dá
Maleime Velha Nanã
Maleime Deus é quem dá
Maleime Meu Pai Ogum
Continua.......para todas as linhas
Nanã buruquê Atraca, atraca
Venha nos ajudar Que aí vem nanã ê á
Com a força das águas É nanã é oxum
Venha nos valer É a sereia do mar ê á
Saluba ê ê É nanã é oxum
Saluba nanã É mamãe iemanjá ê á
Saluba ê ê
Saluba ê ê :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Nana buruquê
Ó que santa tão velha
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ó que santa tão linda
É nanã, é nanã
oh nanã buruque É nanã buruque
Os seus filhos lhe pedem
seus filhos imploram :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Venha nos ajudar
E levar todo o mal Nanã, nanã
para a sua marola É nanã buruque
Saravá nanã aê A sua saia é roxa
saravá nanã êa A sua cinta é de sapê
Saráva nanã na beira do rio
Ô nas ondas do mar Nanã

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Eu vi nanã, eu vi nanã


Eu vi nanã, eu vi nanã
Se a minha mãe é saluba Aê vi nanã buruque
É o orixá Aê vi nanã buruque
Mais velho que há
ela é nanã :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
é nanã buruquê
Olha seus filhos Nanã buruque
Agora que eu quero ver Quando andava nos montes
Cada passo que dava
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Nascia uma fonte
Os anjos do céu
nana, eu não sei ler Bebiam água delas
nanã, quero aprender Ó que águas tão doces
Me empresta sua cartilha Ó que fontes tão belas
Que eu também
Quero aprender :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
é o "a", é o "a" é o "b"
é o "b", é o "b" é o "c" Ire Nana
Me empresta sua cartilha Ire Nana io, Nana ió
Que eu também Ire Nana
Quero aprender ire Nana ió Nana ió
Ire ire ire
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Nana buruque ire
Saluba velha Nana
Saluba ê Que habita o fundo do mar
Saluba ê nanã Salve Nana Buruque
Saluba ê No reino dos orixás
Ô nanã buruquê

SÃO FLORES NANÃ, SÃO FLORES


SÃO FLORES NANÃ BURUKÊ
SÃO FLORES NANÃ, SÃO FLORES
DO SEU FILHO OBALUAÊ [2X]
[/refrão]

NAS HORAS E AGONÍA


ELE SEMPRE VEM VALER
É SEU FILHO NANÃ, É MEU PAI
ELE É OBALUAÊ

+ refrão

A SENHORA SANTANA
É NANÃ BURUKÊ
É SEU FILHO NANÃ, É MEU PAI
SÃO ROQUE É OBALUAÊ

NANÃ NANÃ
ELA É NANÃ BURUQUÊ [2X]

A SUA SAIA É ROXA


A SUA CINTA É DE SAPÊ [2x]

SE A MINHA MÃE É SALUBA


MAS ELA É O ORIXA MAIS ANTIGO DO CÉU

NANÃ , NANÃ BURUQUÊ


QUEM É SEU FILHO
AGORA QUE EU QUERO VER [2x]

EU VI UMA SENHORA
LÁ NA BEIRA DA LAGOA
DE LONGE JÁ SE VIA
O BRILHO DA SUA COROA
[refrão]
ERA NANÃ BURUQUÊ
LAVAVA O MANTO DO SEU FILHO OXUMARÊ [2X]

CUBRA COM VÉU NANÃ


CUBRA COM VÉU NANÃ
CUBRA COM VÉU NANÃ BURUQUÊ
AS CHAGAS DO SEU FILHO
SÓ A SENHORA PODE VER [2X]
ELE ENTROU NAS MATAS
E AS MATAS LHE CUROU
ELE ENTROU NAS MATAS
E AS MATAS LHE CUROU
HOJE É ORIXÁ
E DEUS ABENÇOU [2X]

Pontos de Nana

É de Nanããã, é de Nanã
Sou de Nanããã, sou de Nanã

…........................................................................................................

Eu vi Nanã, eu vi Nanã
Eu vi Nanã, eu vi Nanã auê
È Nanã Buruquê, é Nanã Buruquê, é Nanã Buruquê

…........................................................................................................

Ô Nana cadê Iemanjá ?


Iemanjá ta nas ondas do mar -2x
Ela é dona de conga
Salve a sereia do mar -2x

…........................................................................................................

Saluba ê, saluba eu Nanã, saluba eu Nanã


Nanã Buruquê (2x)
Nanã é uma velha bem velha
Que mora no fundo do mar (2x)

Saluba Nanã, saluba Nanã, saluba Nanã


Que mora no fundo do mar (2x)

…........................................................................................................

Nanã Buruquê, seus filhos lhe pedem, seus filhos lhe imploram
Venha ver o terreiro e levar todo o mal na sua marola (2x)

…........................................................................................................

Senhora Santana quando andou pelos montes (2x)


Por onde passava deixava uma fonte (2x)
Os anjos que vinham beber água dela
Que água tão linda, senhora tão bela (2x)

Obaluae

Pontos de Obaluayê/Omulu

Ele é um grande orixá, ele é o chefe da calunga


Ele é seu atotô, Obaluayê (2X)

…....................................................................................................................................

São flores, Nanã, são flores


São flores, Nanã Buruquê
São flores, Nanã, são flores
De seu filho Obaluayê

Nas horas de agonia


È ele quem vem nos valer
São flores, Nanã, são flores
De seu filho Obaluayê

…....................................................................................................................................

Meu pai Oxalá é o rei, venha nos valer (2x)


E o velho Omulu, atotô Obaluayê (2x)
Atotô Obaluayê, atotô babá
Atotô Obaluayê, atotô é orixá (2x)

1-
É Obaluaê
É Obaluaê
É Atotô
É Obaluaê
É Obaluaê
Se você está sofrendo
no leito ou com frio e com dor
Com pipoca e com dendê
muita gente ele curou
Se seu corpo está ferido
e não pode mais suportar
Peça proteção á ele
que ele vai lhe ajudar!
OBALUAÊ!!!
É Obaluaê
É Obaluaê
É Atotô
É Obaluaê
É Obaluaê
Tenho segredo da vida
do começo e do fim
O meu senhor das palhas
tenha muita dó de mim
Na procissão das almas
que partem pro infinito
Ele vai mostrando á elas
outro mundo mais bonito!
Obaluaê
É Obaluaê
É Obaluaê
É Atotô
É Obaluaê
É Obaluaê

MORTE É COISA SÉRIA


ALÉM DA MATÉRIA
QUE SE PERDEU
E EU ?

VOU MAIS ALÉM


PRO ALÉM
É ONDE QUE O BEM
QUE A VIDA NOS DEU PRA LEVAR

É GANHAR ABERTURA
MULTICOLORIDA, NASCER DE UMA VIDA
SUBIR
BURILAR

É GALGAR PELOS CAMPOS


TALVEZ MEIO AZUL
NÃO SER PRETO NEM BRANCO
NÃO SER QUALQUER UM
É NA MORTE QUE TUDO É IGUAL
TEM VALOR
CAMINHO DE IDA, NÃO TEM DESCIDA
SÓ LEVA AO SENHOR

[refrão]
ATOTÔ OBALUAÊ
ATOTÔ OBALUAÊ
[/refrão]

E EU VER UM VELHO NO CAMINHO EU TOMO A BENÇA


SE EU VER UM VELHO NO CAMINHO EU TOMO A BENÇA

DEUS TE ABENÇOE
DEUS TE ABENÇOE
DEUS TE ABENÇOE OBALUAÊ
DEUS TE ABENÇOE [2x]

QUEM PROTEGE ESSE MEU VIVER


É MEU PAI OBALUAÊ
É MEU PAI OBALUAÊ

QUEM VAI CUIDAR DE MIM QUANDO EU MORRER


É MEU PAI OBALUAÊ
É MEU PAI OBALUAÊ

QUEM ESTÁ PRESENTE NA AUSÊNCIA DA ALEGRIA


NO MUNDO DA MAGIA ME DÁ FORÇAS PRA VENCER
É MEU PAI OBALUAÊ
É MEU PAI OBALUAÊ

QUEM DÁ A FÉ DE ESPERAR
ESPERANÇA DE SONHAR
E A FORÇA DE QUERER
É MEU PAI OBALUAÊ
É MEU PAI OBALUAÊ

SOU UMA CRIANÇA NESTE MUNDO DE ILUSÃO


MAS SEGURANDO A SUA MÃO
EU NADA TENHO A TEMER
É MEU PAI OBALUAÊ
É MEU PAI OBALUAÊ

SOU TÃO FELIZ


ENQUANTO EU VIVER EU VOU PEDIR A SUA BENÇÃO MEU PAI
SUA BENÇÃO MEU PAI OBALUAÊ
SUA BENÇÃO MEU PAI OBALUAÊ
SILÊNCIO, ATOTÔ..ATOTÔ..ATOTÔ OOO… (2X)
SUAS FLORES SAGRADAS SÃO DEBORÔ
QUE LIMPAM MEU CORPO E TIRAM A MINHA DOR
SUA PALHA DIVINA É SEU AJÊ,
ORIXÁ PODEROSO OBALUAÊ

SILÊNCIO ATOTÔ, ATOTÔ, ATOTÔ…

SENHOR DA TERRA,
SENHOR DA VIDA,
SENHOR DA CHAGA,
SENHOR DA PARTIDA…

SEU NOME SANTO


ME FAZ REFLETIR
DA VIDA O QUE LEVO
E O QUE DEIXO AQUI,

SILÊNCIO, ATOTÔ, ATOTÔ, ATOTÔ

SEU OMULÚ
ELE É ORIXÁ
SEU TESOURO É OSSO
OH CAIRÊ, CAIRÁ

SEU TESOURO É OSSO


OH CAIRÊ, CAIRÁ [2X]

ZUM ZUM ZUM


CADÊ A CHAVE DO BAÚ

ZUM ZUM ZUM


ESTÁ COM O VELHO OMULÚ

SETE ANOS NO DESERTO


SEM TER NADA PRA COMER [2x]

COM A SUA CABACINHA NO OMBRO


MAS SEM TER ÁGUA PRA BEBER [2x]
[refrão]
MAS ELE É ATOTÔ
OBALUAÊ [2x]

MORTE É COISA SÉRIA


ALÉM DA MATÉRIA QUE SE PERDEU
E EU VOU MAIS ALÉM
PRO ALÉM É A ONDE QUE O BEM QUE A VIDA NOS DEU PRA LEVAR

É GANHAR ABERTURA MULTICOLORIDA


NASCER DE UMA VIDA
SUBIR, BURILAR
É GALGAR PELOS CAMPOS
TALVEZ MESMO AZUL
NÃO SER PRESO NEM GRANDE
NÃO SER QUALQUER UM

É NA MORTE QUE TUDO É IGUAL


SEM VALOR
CAMINHO DE IDA…
NÃO TEM DESCIDA SÓ LEVA AO SENHOR.

Preto Velho

PONTO DE PRETOS VELHOS

PAI LEOPOLDO

Firma ponto minha gente


Preto-velho vai chegar
Ele vem de Aruanda
Ele vem pra trabalhar –2x
Sarava Pai Leopoldo
Sarava, sarava, sarava
Ele chegou no terreiro
Ele vem nos ajudar –2x

PAI JOAQUIM

Pai Joaquim cadê Pai Mane


Ta no mato apanhando guiné –2x
Pois diga a ele que quando vier
Que desça a escada na ponta do pé –2x
Pai Joaquim êê
Pai Joaquim êá
Pai Joaquim é o rei de Angola
Pai Joaquim é de Angola, angola
Pai Joaquim é o rei do espaço
Pai Joaquim veio trabalhar

PAI JOAO DAS MATAS

Pai João das matas com sua ternura


Sentado em seu toco ele rege as criaturas –2x
A estrela de Oxalá seu corpo iluminou
Sarava Pai João das Matas ele é o nosso protetor –2x

VOVÓ EVA

Vocês estão vendo aquela casinha tão longe


Foi lá que a vovó Eva morou –2x
Desde o tempo em que viveu aqui na terra
Jesus Cristo abençoou –2x

PAI JEREMIAS

Quem é aquele velhinho que vem pelo caminho andando devagar


Com seu cachimbo na boca puxando a fumaça e jogando pro ar –2x
Ele é do cativeiro
Ele é Pai Jeremias ele é mirongueiro –2x

….......................................................................................................

Lá vem vovó descendo a ladeira com sua sacola


Com seu patuá com seu rosário ela vem de Angola –2x
Eu quero ver, vovó, eu quero ver
Eu quero ver se filho de pemba tem querer -2x

….......................................................................................................

PAI JOSÉ
Ele tem a cabeça tão grande
Ele tem o olhar penetrante
Ele vem em uma nave de prata de um mundo distante
É o Pai José, que chega agora neste instante – 2x
….......................................................................................................

Preto Velho sentado no toco


Tirando a sua fumaça
Vem dá limpeza nos filhos
E lava para as onas do mar 2x

….......................................................................................................

Preto velho muitos anos trabalhou


Muitas doenças dos seus filhos ele curou
Mas ele é preto e rezado, sim senhor
È preto velho, filho de Nosso Senhor (2x)

….......................................................................................................

VÓ JOANA

Cantava Vovó Joana


Quando vinha para o congar
Traga pemba e o cachimbo que vovó vai trabalhar

VÓ CATARINA (Alessandra)

Você tem um congar que é uma beleza – 2x


Um altar todo enfeitado, muitas flores sobre a mesa – 2x

VÓ CATARINA (Dona Cliuce)

No cruzeiro das almas eu vi dois pretos velhos a rezar – 2x


Quero vê os velhos descer e seu badoque não balançar – 2x

PAI MANÉ BENEDITO

Quando a demanda for grande


Preto Velho eu vou chamar
Pai Mané Benedito chegou
Ele veio trabalhar
Ele ajuda seus filhos
Com seu alecrim na mão
Ele quebra feitiço
Riscando ponto no chão

VOVÓ MARIA CONGA E PAI JOAO

Os pretos velhos quando vem do cativeiro


Quando chegam no terreiro de cachimbo e pe no chão
Pega na pemba risca ponto faz mironga
Sarava Maria Conga
Sarava meu Pai João

Vovó não que casca de coco no terreiro –2x


Que é pra não lembra dos tempos do cativeiro –2x

….......................................................................................................

No dia 13 de maio
Meu São Benedito
O cativeiro se acabou
Meu São Benedito
O preto não é mais escravo
Meu São Benedito
O preto não tem mais senhor
Meu São Benedito –2x

….......................................................................................................

Olha chora meu cativeiro


Meu cativeiro meu cativerá –2x

….......................................................................................................

Vovó tira sua fumaça


Na sombra da bananeira
Auê, auê, na sombra da bananeira –2x

….......................................................................................................

Pretos velhos trabalham


Pretos velhos não brincam
Serviço de preto velho zi-fio
É serviço limpo

….......................................................................................................

No tempo da escravidão
Olha como o senhor me batia –2x
Eu gritava por Nossa Senhora ai meu Deus
Como as pancadas doíam –2x
….......................................................................................................

Vovó não quer casca de coco no terreiro – 2x


Que é para não lembrar do tempo do cativeiro –2x
….......................................................................................................

SUBIDA DE PRETOS VELHOS

Adeus vovô(a) de fé
Quando eu precisar eu chamo –2x
Zambi lhe trouxe, Zambi á de te levar –2x
Agradeço a toalha rendada de ouro
Que deixou nesse congá

Pisa na linha de Congo


Meu Filho, filho meu
Pisa na linha de Congo devagar
Filho Meu
Pisa na linha de Congo destemido
Filho meu
Pai Congo trabalha na Umbanda
Para lhe ajudar
Olha o Congo a girar

Firma o ponto minha gente


Preto velho vai chegar
Ele vem de Aruanda
Ele vem pra trabalhar
Saravá o Preto Velho
Saravá, saravá, saravá,
Ele chegou no terreiro
Ele vem nos ajudar
1-PAI ANTÔNIO

Dá licença Pai Antônio Que eu não vim lhe visitar


Eu estou muito doente Vim pra você me curar
Se a doença for feitiço Bulalá em seu congá
Se a doença For de Deus ai
Pai Antônio vai curar
Coitado de Pai Antônio
Preto Velho curador
Foi parar na detenção ai
Por não ter um defensor Pai Antônio é quimbanda, é curandor
Pai Antônio é quimbanda, é curandor É pai de mesa, é curandor
É pai de mesa, é curandor

2- PAI CIPRIANO

Bate tambor na Umbanda


Pra ver meu velho chegar
Ele é Pai Cipriano, ele é pai Cipriano
Mensageiro de Oxalá.

3-PAI CIPRIANO

Cipriano quimbandeiro, chorou no cativeiro


Hoje chora de alegria seu rosario de Maria
Chora, chora, saravando Angola (bis)

4-PAI CIPRIANO

Ele é Pai Cipriano, ele é Pai Cipriano


É um velho mandingueiro
Não tem medo de macumba,
não tem medo de quiumba
É um velho feiticeiro
Com a sua pemba na mão ela desafia
Com seu cachimbo na boca ele assobia

5-PAI CIPRIANO

Feitiço, mandinga, quebranto só ele sabe rezar


Sua bengala e seu cachimbo servem para trabalhar
Pai Cipriano das almas é um velho mandingueiro
Quando chega na Umbanda
Encruza todo o terreiro,
Ele é velho rezador com seu patuá de valia
Por Deus e Nossa Senhora, nos tira da agonia (bis)
6-PAI CIPRIANO

No cantinho de Pai Cipriano o caminho é da paz (bis)


Arrasto o toco, pega o toco e bota lá
Saravá Pai Cipriano que chegou nesse conga (bis)
Ele vai firmar, meu pai, ele vai firmar
Os quatro cantos desta casa
Com Ogum para guardar (bis)

7- PAI CIPRIANO

Segura com fé na mão de Cipriano


Pra colher flores ou espinhos retirar,
Ele nos traz a luz divina de Aruanda
O brilho da estrela guia a benção de Oxalá
Se o caminho é de paz, Cipriano é amor
Segura com fé na mão do meu vovô

8- MARIA CONGA

Todo dia era dia de choro e de muita dor


Mesmo assim uma escrava chegava de bom humor
Quem chorava passava a sorrir
Quem caia ficava de pé
Ela era a esperança o amor e a fé
Na passagem de um mundo pro outro seu povo sentiu
E aquela doçura e alegria não mais existiu
Ela disse que ia voltar precisando pode lhe chamar
Pra Aruanda o tambor pode tocar
Conga, Vó Maria Conga
Que saudades de você
Preta velha feiticeira rainha do Cateretê

9- VOVÓ ANA

Ela é vovó Anna, ela é do cruzeiro (bis)


Ela vem sarava, ela vem curiar nesse terreiro (bis)
Ela é de Nanã, é de Boruquê (bis)
Ela vem sarava, ela vem curiar pra ajudar você (bis)

10- VOVÓ ANA

Vovó Anna vem da praia no barquinho de Iemanjá


Ela vem firmar seu ponto pela fé de Oxalá
Oi tem areia oi, oi tem areia
na barra de sua saia tem areia. (bis)

11- PAI MANÉ

O senhor do Bonfim mandou, preto velho na banda


Ele vem da Bahia com seu rosário e seu patuá,
Ele vem trabalhar pra você (bis)
Pai Mané na banda agora é que eu quero ver.

12-CAMBINDA

Arriou na linha das almas


É Cambinda de fé oi babá (bis)
Velha feiticeira lá da Guiné,
Vem de muito longe pra curar filhos de fé. (bis)

13-PAI MIGUEL
Com sua balança que pesa
O bem o e mal que o filho faz (bis)
Ele é Pai Miguel, ele é Pai Miguel
Ele é Pai Miguel das Almas (bis)
Balança, como pesa a balança,
Balança como vai pesar (bis)
Com o amor de Xangô e a justiça na mão
Pai Miguel vem na umbanda salvar.

14- MARIA CONGA

Maria Conga, com suas folhas de guiné


Seu galhinho de arruda, o seu vence demandas,
Deixa o manacá em flor (bis)
Vem lá das matas, trabalhar com muito amor
Nesta Umbanda querida vem prestar a caridade
Para a Glória do Senhor (bis)

15-TIA MARIA

Liberdade ainda que tardia


assim rezava na senzala Tia Maria (bis)
Salve o triângulo divino salve o seu ponto riscado
Saravá Minas Gerais
Tia Maria de Minas chorando em oração
pedia a Zambi o fim da escravidão

16- PAI JOAQUIM

Chorar, chorar chorei


Cantar, cantar, cantei (bis)
Pai Joaquim senta no toco
filho de pemba não bambeia
procurei nos quatro cantos só pra ver se tem areia (bis)

17- PAI MANÉ

Pai Mané, é de Angola é (4x)


Ele vem de longe caminhando de mansinho
Pra ajudar seus filhos que procuram seu carinho (bis)

18-PAI BENGUELA

Vem das costas da Africa,


Pai Benguela vem trabalhar,
Vem das costas da Africa
No barquinho de Iemanjá (bis)
Vem firmar seu ponto na areia de Oxalá
Para sarava os seus filhos no conga (bis)

19-VOVÓ JOANA
Vem, vem, vem, quem vem no redemoinho (bis)
É vovó Joana que vem pitando seu cachimbo (bis)
Vem defumar os filinhos atendendo a Iemanjá
Tirando toda mandinga, levando pro fundo do mar (bis)

20-PONTO DE PRETO VELHO

Eu vi velho do rio sentado na pedra fria,


com o seu rosário rezando Ave Maria (bis)
Que susto eu tive, quando avistei
Aquele velho sábio me apaixonei (bis)

21-PAI FABRÍCIO

Meu Pai Fabrício, na Umbanda é curador


Vem pro terreiro abençoar nosso conga
Oi viva as almas viva a Deus viva a meu Pai,
Quem caminha com esse velho só balança mas não cai (bis)

22-PONTO DE PRETO VELHO

Meu Santo Antônio pequenino


Olha esse mundo como está
Quem me abraçava antigamente
Hoje quer me apunhalar
Olha seu cordão preto,
Meu Santo Antônio
Eu também sou filho seu
Afastai meus inimigos,
Meu Santo Antônio
Pelo santo amor de Deus

23-PONTO DE PRETA VELHA

Ah! Vovó das almas, não me deixe andar sozinho


Toma conta dos inimigos, abre os meus caminhos
Se eu sou filho de Omulú, meu Pai, Meu Pai é Santo
Santo do Meu Axé, Santo do meu encanto

24-CAMBINA

Cambina mamanhê, Cambina Mamãenhã


Oi segura a Cambina que eu quero ver
Filhos de Umbanda não tem querer

25-VOVÓ CAMBINDA

Vovó Cambinda tem sua guia,


Trabalha de noite e reza de dia.
Vovó Cambinda quer encruzá,
Ponto de pemba no meu “congá”

26-CAMBINDA

Agô pro Povo d’Angola,


Agô pro Povo de Mina,
Saravá as Santas Almas,
Agô pra Vovó Cambinda. (bis)

27-PONTO DE PRETA VELHA

Preta Velha que vem d’Aruanda,


Saravando atabaque e congá. (bis)
Oi Saravando seus filhos,
Na fé do Pai Oxalá. (bis)

28-PONTO DE PRETO VELHO


Eu adorei as almas, eu adorei
Eu adorei as almas
Eu adorei as almas, no dia de hoje
Eu adorei as almas
Almas, de PAI MANÉ, eu adorei
Almas, de MARIA CONGA, eu adorei
Eu adorei as almas, eu adorei
Eu adorei as almas
Eu adorei as almas, no dia de hoje
Eu adorei as almas
Almas, de VOVÓ CAMBINDA, eu adorei
Almas, de VÓ GUILHERMINA, eu adorei
Eu adorei as almas, no dia de hoje
Eu adorei as almas

29-VÓ CATARINA

Saudai essa estrela de Jesus


Ela guiou e aos seus filhos deu a mão
No terreiro de umbanda ela é a luz
Ela curou com sua vibração
A sua força vem lá do cruzeiro
A simplicidade é o que me fascina
A lágrima representa o cativeiro
Anjo de Deus, salve a velha Catarina (bis)

30-VÓ CATARINA

Oi daí-lhes forças Jesus de Nazaré


Oi daí-lhes forças para vir trabalhar (bis)
Mas dizem que a umbanda tem mironga
Se tem mironga Catarina tem congá
31-VÓ CATARINA

Ela traz a sua rosa branca


E também traz a cruz de oxalá
Ela traz a sua rosa branca
E também traz a cruz de oxalá
Salve a velha catarina, salve a velha catarina
Que chegou neste congá
Salve a velha Catarina, salve a velha Catarina
Que chegou p´ra trabalhar

32- PONTO DE PRETO VELHO

Lá vem vovó
Descendo a serra com sua sacola
É com seu patuá
É com seu rosário
Ela vem de angola
Eu quero ver vovó
Eu quero ver
Eu quero ver
Se filho de pemba tem querer (bis)

33-PAI JOAQUIM

Pai Joaquim ê ê, Pai Joaquim ê á


Pai Joaquim veio de angola
Pai Joaquim vem de angola, angolá

34- PONTO DE PRETO VELHO

Arriou na linha de congo


É congo, é congo aruê
Quem trabalha na linha de congo
Agora que eu quero ver

35-PONTO DE PRETO VELHO

Eu vi num terreiro de umbanda


Um velho a trabalhar
Ele trabalha com a pemba
Mas quem manda na pemba é oxalá

36-PONTO DE PRETO VELHO

Os quindins, os quindins,
Os quindins, ô mujongo
Olha lá no mar
Olha lá no mar, ô mujongo
Olha mujomgo no mar
Sua terra é muito longe, ô mujongo
Ninguém pode ir lá
Ninguém pode ir lá, ô mujongo
Olha mujongo no mar

37-PONTO DE PRETO VELHO

Vovô não quer


Casca de coco no terreiro (bis)
P´ra não lembrar do tempo do cativeiro (bis)

38-PONTO DE PRETA VELHA

Vovó tem sete saias


Na última saia tem mironga
Vovó vem da bahia
P´ra salvar filho de umbanda
Com seu patuá e figa de guiné
Vovó vem da bahia
P´ra salvar filho de fé

39-PONTO DE PRETO VELHO

Eu vi a mata estalando
Meu filho vá ver quem é
É a falange do congo
Que vem queimando guiné,

40-PONTO DE PRETO VELHO


Cadê a sua pemba
Cadê a sua guia
Sua terra é muito longe
Seu congá é na bahia (bis)

41-MARIA CONGA

Que baiana é aquela


Que vende na feira acarajé
E no seu balaio
Ela traz arruda ela traz guiné
Ela traz guiné é è
Ela traz guiné é é
Maria conga vem salvar filhos de fé

42-PONTO DE PRETA VELHA

Tia Maria Tia Mariana


Amarra a saia com a palha da cana
Se a palha da cana arrebenta
Preta velha você não se engana
Quê querê quê quê
Preta velha é de bom parecer
43-MARIA REDONDA

Filho se você precisar


É só pensar na vovó
Que ela vem te ajudar (bis)
É numa estrada longa, meu filho
Que você vai andar
Numa casinha branca, meu filho
A vovó está lá
Sentada num banquinho oco, meu filho
Com rosário na mão
Pensa na vovó Maria Redonda fazendo oração

44-PRETO VELHO

Eu já plantei café de meia


Eu já plantei canavial
Café de meia não dá lucro, sinhá dona
Canavial cachaça dá (bis)

45-CAMBINDA

Amarra o touro cambinda


Na porteira do mourão
O touro é bravo, cambinda
Amarra no portão

46-MARIA CONGA

Maria Conga!
O que é que você quer? (bis)
Quero pemba, quero guia,
Quero folha de guiné. (bis)

47-PONTO DE PRETO VELHO

Se não fosse as minhas almas


Meu cruzeiro se queimava (bis)
Ai ai ai meu cruzeiro se queimava (bis)
Se não fosse Pai Mané,
Meu cruzeiro se queimava
Se não fosse Maria Conga,
Meu cruzeiro se queimava
Se não fosse Guilhermina,
Meu cruzeiro se queimava
Se não fosse Vó Catarina,
Meu cruzeiro se queimava
Se não fosse Vovó Cambinda,
Meu cruzeiro se queimava
Ai ai ai meu cruzeiro se queimava (bis)

48-PONTO DE PRETA VELHA

Um galhinho de arruda
A vovó me deu
Um galhinho de arruda
Pra me proteger
Eu agradeço a essa linda Preta Velha
Um galhinho de arruda
Ela me ofereceu
Eu agradeço a essa linda Preta Velha
Pois em suas orações
Ela nunca me esqueceu

49-PONTO DE PRETA VELHA

A fumaça do cachimbo da vovó


Sobe bem alto
Só não ver quem não quer
O cachimbo da vovó tem mironga
Na barra da saia, Na sola do pé

50-PONTO DE PRETO VELHO


Pisei na pemba
A pemba balanceou
O mundo estava torto
Santo Antônio endireitou

51-PONTO DE PRETO VELHO

Meu Santo Antônio pequenino


Corre Umbanda devagar
Meu Santo Antônio pequenino
Corre Umbanda sem parar

52-PONTO DE PRETO VELHO

O Santo é que está de ronda


O meu Santo Antônio Aruandá
Na Aruandê,na Aruandê, na Aruandá
Santo Antônio na linha de Umbanda
É Ogum,
É o meu protetor
Santo Antônio é quem é meu padrinho
Neste mundo de Nosso Senhor

53- -PONTO DE PRETO VELHO


Meu Pai Antonio pequenininho,
mas não me deixa andar sozinho (bis)
Arreia Pai Antonio Clareia Meus caminhos (bis)

54- PONTO DE PRETO VELHO

Meu cachimbo está no toco


Manda moleque buscar (bis)
No alto da derrubada
Meu cachimbo ficou lá (bis)
Que arruda tão bonita
Que Vovó mandou arrancar (bis)
Mas não chore meu netinho
Que Vovó manda plantar (bis)

55- -PONTO DE PRETO VELHO

Guilhermina cadê Catarina?


Foi lá no mato apanhar guiné
Diga a ela quando vier
Que suba as escadas
E não bata o pé

56- -PONTO DE PRETO VELHO

Nessa casa tem quatro cantos


Cada canto tem um santo
Pai e filho, Espirito Santo
Nessa casa tem quatro cantos
Zum zum zum

57- -PONTO DE PRETO VELHO

Olha só Jesus quem é


Eu rezo para santas almas
Inimigo cai e eu fico de pé

58- -PONTO DE PRETO VELHO

O preto por ser preto


Não merece ingratidão
O preto fica branco
Na outra encarnação
No tempo da escravidão
Como o senhor me batia
Eu chamava por Nossa Senhora, Meu Deus!
Como as pancadas doíam

59- VOVÓ CAMBINA

Cambina mamanhê
Cambina mamãenhã
Oi segura a Cambina que eu quero ver
Filhos de Umbanda não tem querer

60-CAMBINA

O Povo de Cambina
oi quando vem pra trabalhar
Todo o povo vem por terra
Cambinda vem pelo mar
Todo o povo vem por terra
Cambina vem pelo mar

61-REI CONGO

Rei Congo, Rei Congo


Cadê preto-velho?
Foi trabalhar na linha de Congo
É Congo, é Congo, é Congo
é de Congo, é de Congo aruêe
É Congo, é Congo, é Congo
Agora que eu quero ver...

62- PONTO DE PRETO VELHO

Tira o cipó do caminho, oi criança


Deixa a vovó atravessar
Eles vem chegando
São os preto velhos que vem trabalhar (bis)

63- -PONTO DE PRETO VELHO

Preto velho senta no toco


Faz o sinal da cruz
Pede proteção a Zambi
Para os filhos de Jesus
Cada conta do seu rosário
É um filho que ali está
Se não fosse os pretos velhos não sabia caminhar

64- PONTO DE PRETO VELHO

Preto velho nunca foi a cidade, oh cidade.


Fala na língua de zambi, oh cidade!
Preto velho nunca foi a cidade, oh cidade,
Fala na língua de zambi, oh cidade!

65-VOVÓ CAMBINDA

Pai Mané escreveu uma carta


Pra Vovó Cambinda ler
Não tinha papel nem tinta como é que ia fazer
Escreveu na areia (bis)
Ela é Cambinda firma ponto e não bambeia (bis)

66-PAI JOSÉ

Vó Cambinda, cadê Pai José


Está lá na roça colhendo café
Diz a ele que quando vier
Que suba a escada, não bata com pé

67-MARIA CONGA
Olhei pro céu vi uma estrela brilhando
Lá na pedreira eu vi pedra rolar
E os caboclos brincavam lá na aldeia
Uma sereia eu ouvi cantar no mar (bis)
E no seu canto ela me dizia
Que só queria ter asas para voar
Pra ir ao céu buscar a estrela que brilha
Maria conga enfeita nosso conga (bis)

68-PONTO DE PRETO VELHO

Que fumaça cheirosa vovó


Sai do seu cachimbo
Não sei se é arruda, vovó, ou manjericão
Só sei que essa fumaça vovó
Faz bem pro meu coração

69-PONTO DE PRETO VELHO

Eu andava perambulando
Sem ter nada pra comer
Eu pedi às Santas Almas para vir me socorrer
Foi as almas quem me ajudou, foi as almas que me ajudou
Meu divino Espírito Santo, viva a Deus, nosso Senhor.

70-PONTO DE PRETO VELHO


Pam, Pam, Pam
Bateram na porta do céu
Pam, Pam, Pam
São Pedro abril pra ver quem é
Mas eram as almas Santas benditas
Que se pesaram na balança de Miguel.

71- PONTO DE PRETO VELHO

Foi, foi Oxalá, que mandou eu pedir


Que mandou implorar
Que as Santas Almas viessem me ajudar
Que eu fosse na calunga de joelho a implorar.

72- PONTO DE PRETO VELHO

Santo Antonio de Pemba,


Segura a curimba, segura o conga
Eu sou filho de Pemba
Não posso cair, e não posso tombar
Oi, como caminhou, meu pai, mas como caminhou
Santo Antonio de Pemba como caminhou

73- MALAQUIAS
Valei-me meu São Benedito
Saravá a sua coroa
Saravá meu Senhor do Bonfim
Meu senhor Malaquias
Saravá todo povo da Bahia

74-PAI MANÉ

Ele é pai de cabeça,


É o chefe do nosso conga
O vento que balança as águas na Bahia
Deixa o Pai Mané aqui passar
Hoje é dia de festa no terreiro do meu pai,
Sarava Pai Mané que ele é o nosso pai
Embala eu babá, embala eu
Embala eu babá, embala eu
Embala eu babá, embala eu
Embala eu babá, embala eu

75- PONTO DE PRETO VELHO

Eu fui na Bahia fazer uma promessa ao Senhor do Bonfim


Eu seguirei a minha banda até o fim
Me ajuda me dê paz e saúde, ó Senhor do Bonfim

76-PAI MANÉ

Pai, Pai Mané, nunca nos abandone


Toma conta do seu terreiro, toma conta do seu conga
Foi com almas, com as almas que eu conheci a macumba
Com as almas que eu conheci .........

77-CAMBINDA

No terreiro tem uma velha


Que não pode mais andar
Ela vai fazer macumba até o dia clarear
Dandá vovò
Segura o toro cambinda amarra no moira
Meu santo Antonio é paquenino, abra a porta do céu
Cambinda velha estremeceu, mas não saiu do moira
Bahia ô áfrica vem cá vem nos ajudar
Força baiana, força áfrica força divina vem cá
O barquinho de São Salvador
Chegou na Bahia todo carregado
Trouxe cravo, trouxe rosa
E a Vovó Rita que vinha do lado
Filho de fé vai esperar, esperar vovó
Chora meu cativeiro, meu cativero, meu cativerá
Quando batia 6 horas preta velha batia tambor
Ela ia pra sua urucaia saravá pai oxosse sarava pai xango
Chora meu cativeiro, meu cativero, meu cativerá
No tempo da escravidão cozinhava pra ela só
Preta velha não quer que eu coma
Abóbora, maxixe, quiabo e giló
Abóbora, maxixe, quiabo e giló
Desata o nó
Do caminho dos seus filhos
Eu plantei mandioca
Formiga comeu
Plantei, plantei não planto mais
Preto velho cadê seu borna, digui, na cancela ficou lá
Ontem eu sonhei que estava na Bahia....
Baiana do candomblé........
Cadê a rosa, rosa baiana....
Vamos à praia dendê, quero
Sai de babado pimenta da costa colares e guias
Ai como é lindo teu olhar
Ai como é lindo teu caminhar
Eu digo adeus
Está chegando a hora
Preto Velho se despede
E já vai embora

78- PONTO DE PRETO VELHO

Ai vovó eu tenho medo


Ai vovó eu tenho medo
Que a fumaça do cachimbo
descubra o meu segredo
Que a fumaça do cachimbo
descubra o meu segredo

79-PAI JOAQUIM

Meu senhor da Senzala, meu Senhorzinho


Ele vem Cansado, Meu Pai Joaquim
Um grito de Liberdade Negro ecoou,
Quando Oxalá chamou,
Recebeu toda Paz, pela Humanidade
Hoje ele nos traz A Caridade
Luanda, Ôh! Luanda,
Como é tão lindo
Pai Joaquim em nossa Banda
Ôh! Luanda

80-CAMBINDA

Vó Cambinda vem de longe


De tão longe, cansada de caminhar
Ela vem devagarzinho Sinhazia,
Quase que não pode andar
Vó Cambinda vem de longe
De tão longe, Mas até que aqui chegou
O seu corpo está marcado, coitadinha
Do chicote do sinhô
Seu caminho era de espinho
Só de espinho
Mas agora é só de flor
Mas, quanta dor, quanta tristeza
Que a velha traz no coração
Quando ainda ela se lembra
Do tempo da escravidão
Oh Deus lhe salve a estrela guia
Nos tempos da salvação
Isabel a redentora
Pôs a luz na escuridão

81-PAI JULIÃO

Pai Julião é tão pequenininho


Ninguém sabe a força que esse velho tem

82- PONTO DE PRETO VELHO

Adorei as almas
As Almas me atenderam
Eram as santas almas lá do cruzeiro

83- PONTO DE PRETO VELHO

As almas já acenderam o candieiro


Êeh lá no fundo mar

84-PAI GUINÉ

É o vento que balança a folha ô Guiné


Êeh Pai Guiné, é o vento que balança a folha

85- PONTO DE PRETO VELHO

Preto na senzala bateu sua caixa deu “Viva Nhanhá”


Preto na senzala bateu sua caixa deu “Viva Nhônhô”
“Viva Nhanhá”! “Viva Nhônhô”!
Viva Nossa Senhora, o cativeiro já acabou

86-CAMBINDA

Ecoou, um canto vindo de longe, ecoou


Um lindo dia uma luz no céu brilho
Sob a Estrela Guia, iluminada chegou
A preta velha de Aruanda, luz divina
Recebeu de Oxalá o nome Vovó Cambinda

87- PONTO DE PRETO VELHO

Auê meu cativeiro


Olha meu cativeiro
Meu cativerá
Auê meu cativeiro
Meu cativeiro
Meu cativerá
Preto velho tava cansado
Ia pra senzala batia o tambor
Preto velho dava viva a iaiá
Dava viva à sinhá
Dava viva ao senhor

88- PONTO DE PRETO VELHO

Preto Velho trabalha sentado


Se for preciso trabalha em pé
Mandinga de preto velho
É galho de arruda e folha de guiné

89-TIA MARIA

Foi numa noite de lua


Que eu vi Tia Maria chegar
Ela estava tão serena
Sentada em seu congá
Lere lere
Ela vem nos saravá
Lere lere
Pra seus filhos abençoar

90-TIA MARIA

Quando o galo canta


As almas se levantam
E o mar recua
Os anjos do céu dizem amém
Tia Maria diz aleluia
Diz aleluia, diz aleluia
Tia Maria diz aleluia

91- PONTO DE PRETO VELHO

Galo cantou
E eu vi uma coral piar
Segura pemba, passa a mão na ferramenta
Pra salvar povo de Umbanda
E vamos trabalhar
Tira daqui, meus infio
Tira de lá
No congá olha a pemba de pai Oxalá

92-VOVÓ CAMBINDA

Vovó Cambinda mandou


Apanhar o seu foité
Ela quer um poquinho de vinho
Seu cachimbo com fumo, arruda e guiné
Eu pergunto à Vovó
É pra fazer mironga?
Eu pergunto à Vovó
É pra demandar ?
Quem pergunta quer saber
Eu não sei se a Vovó vai dizer

Um galhinho de arruda Ele é dono de Terreiro


A vovó me deu Já firmou gongá
Um galhinho de arruda Saravá meu Pai Antônio
Pra me proteger Saravá seu Jacutá
Eu agradeço a essa linda Preta Velha
Um galhinho de arruda :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ela me ofereceu
Eu agradeço a essa linda Preta Velha Pai Antônio quando vem da Bahia
Pois em suas orações Ele traz Estrela Guia no peito
Ela nunca me esqueceu (bis)
Quem deu, quem deu
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Quem deu, quem dará
Foi nosso Pai Oxalá
Preto Velho
Vem de Minas :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Caminhou o ano inteiro
Carregou sete calungas Vou ralar meu coco
Para salvar o Terreiro Vou fazer dendê
Êêêê Vou botar na rua, baiana
Êêêa Pra você vender
A banda é boa
Banda de Minas Gerais :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: És tu meu Santo Antônio


És dono do meu gongá
Benedito é Preto, calunga Se não fosse Santo Antônio
Eu também sou Preto, calunga Não sabia corimbar
Ora viva os Pretos, calunga Se não fosse Santo Antônio
Eu também sou Preto, calunga Não sabia trabalhar
A minha Terra é de Preto, calunga
Eu também sou Preto, calunga :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Pisa no caminho devagar, Preto Velho


Pisa no caminho devagar
Sou Preto, sou Preto, Olha que o caminho tem espinho
Sou Preto só na cor Preto Velho
Na alma, na alma Pisa no caminho devagar, Preto Velho
Sou filho de Nosso Senhor
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
O Santo é que está de ronda
A fumaça do cachimbo da vovó O meu Santo Antônio Aruandá
Sobe bem alto Na Aruandê,na Aruandê, na Aruandá
Só não ver quem não quer Santo Antônio na linha de Umbanda
O cachimbo da vovó tem mironga É Ogum,
Na barra da saia É o meu protetor
Na sola do pé Santo Antônio é quem é meu padrinho
Neste mundo de Nosso Senhor
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vovó cochila
Seu cachimbo cai no chão Rei Congo Mujongo maravilha
Vovó cochila É quem manda aruê saravá
Seu cachimbo cai no chão Rei Congo mandou chamar
É no sopro da fumaça É quem manda aruê saravá
Que seus inimigos vão
É no sopro da fumaça :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Que seus inimigos vão
Cadê a sua pemba
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Cadê a sua guia
Ela é Vovó Maria
Vovó Catarina Seu gongá é na Bahia
É dona do reino
Vovó Catarina :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
É dona de gongá
Ela já está no Terreiro Se os Pretos Velhos têm
Ora vamos todos saravá Os Pretos Velhos dá
Corre gira Preto Velho
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Corre gira no gongá
Corre gira Preto Velho
Sou Pedro velho macumbeiro Com licença de Oxalá
Que me importa que falem de mim
Sou Pedro velho macumbeiro :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Com meu pai e minha mãe eu aprendi
Sou Pedro velho macumbeiro Santo Antônio de pemba
Minha filha cadê minha gongá Segura seus filhos
Sou Pedro velho macumbeiro Segura gongá
Minha filha olha cobra coral Eles são filhos de fé
Eles não podem cair
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Eles não podem tombar
Mas como caminhou, pemba
Ô Zé Miromba Mas como caminhou, pemba
Cadê sua dumba Mas como caminhou
Tá lá nas matas Santo Antônio de pemba
Tocando macumba Mas como caminhou

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Vovó Luiza que chora mironga (desobsessão)


Chora Luiza, mãe de Banguela
Vovó Luiza que chora mironga Meu Santo Antônio pequenino
Chora Luiza mãe de Banguela Olha esse mundo como está
Agora que eu quero ver Quem me abraçava antigamente
Vovó Luiza com a cuia na mão Hoje quer me apunhalar
Apanhando águas no rio Jordão Olha seu cordão preto,
Meu Santo Antônio
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Eu também sou filho seu
Afastai meus inimigos,
O meu Pai Antônio Meu Santo Antônio
O meu Pai Antônio Pelo santo amor de Deus
É um preto de fama
O meu Pai Antônio :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
O meu Pai Antônio
Ele vence demanda Meu cachimbo está no toco
Eu tenho fé Manda moleque buscar
Na Virgem Maria (bis)
O meu Pai Antônio No alto da derrubada
Seja o Nosso Guia Meu cachimbo ficou lá
(bis)
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Que arruda tão bonita
Que Vovó mandou arrancar
Pai Joaquim ê ê (bis)
Pai Joaquim ê á Mas não chore meu netinho
Pai Joaquim chegou de Angola Que Vovó manda plantar
Pai Joaquim é de Angola, Angolá (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Pai Joaquim cadê Pai Mané Santo Antônio de pemba


Tá lá nas matas apanhando guiné Caminhou sete anos
Diga a ele que quando vier A procura de um filho
Que suba as escadas Que aqui deixou
Não bata com o pé Como caminhou meu Santo Antônio
Como caminhou meu Santo Antônio
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vovó não quer
Casca de coco no Terreiro Tia Maria vem no Terreiro
Vovó não quer Com saia de merinó
Casca de coco no Terreiro (bis)
Traz lembrança com saudades No Terreiro de Pai Antônio
Dos tempos do cativeiro Eu vai sambar, eu vai sambar

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Lá vem Vovó descendo a serra Ela vai, ela vai


Com a sua sacola Ela vai pra Bahia
Ela trás a pemba Numa mão leva a pemba
Ela trás a toalha N’outra mão leva a guia
Ela vem de Angola Ela vai, ela vai
Eu quero ver Vovó Ela vai pra Bahia
Eu quero ver Vovó Vai levando o rosário
Eu quero ver se filho de Umbanda Da Virgem Maria
Tem querer ...
Ela foi, ela foi
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ela foi pra Bahia
Foi levando o rosário
Com o poder de minha Pai Da Virgem Maria
Minhas cafio
Não há quem possa duvidar :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Minhas cafio
Foi o poder que Deus te deu Estava na Bahia
Minhas cafio Mandaram me chamar
Ê, ê, ê, minhas cafio Me deram de presente
Tem Preto Velho no gongá Uma pemba e um gongá
Ê, ê, ê,
Minhas cafio :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Prá todos filhos saravá
Vovó quer
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Eu vou mandar buscar
Um galhinho de arruda
Preta Velha que fuma cachimbo Pra Vovó vir trabalhar
Preta Velha que cheira rapé
Preta Velha gosta de marafo :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Preta Velha Saracondé
Ô, viva Saracondé Está iluminada a sua banda
Ô, viva Saracondé Está cheio de flor o seu gongá
Meu Pai Antônio
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: É tudo que eu faço
Meu Pai Antônio
Quem vem lá Ilumina os caminhos por onde eu passo
Quem combate demanda
Filha de Congo é Maria Redonda :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Quem encosta em mim não cai, calunga


Foi o poder que Deus me deu, calunga
Oh já vai Preto Velho Nesse mundo não há, calunga
Subindo pro céu Um coração igual ao seu, calunga
E Nossa Senhora
Cobrindo com véu :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: É de ouro só,é de ouro só


É de ouro só o cachimbo da Vovó
Na beira da praia Com o seu cachimbo ela defuma a sua banda
Cortando seu guiné Vovó Maria que veio de Aruanda
(bis)
Pai Benedito :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Conhecido no Terreiro
Por gostar de moça branca Maria Conga o que é que você quer
Amansador de feiticeiro Maria Conga o que é que você quer
Quero pemba, quero rosa
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Quero folhas de guiné

Filho de Umbanda :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Por que tanto chora
Filho de Umbanda Neste mato tem folha
Por que tanto chora Tem rosário de Nossa Senhora
É vovó Carlota Aruê minha São Benedito
Que já vai embora São Benedito que nos valha dessa hora
...
Que já foi embora :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Tem vintém, mamãezinha


Não tem não minhas cafio
Tatá na Aruanda (bis)
Eu na calunga Olha Tia Maria como vem sambando
(bis) Olha Tia Maria como vem gingando
Olha quanta dumba
Zig, zig, zig :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Eu sem nenhuma
Santo Antônio é santo maior
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Santo Antônio é santo maior
Quem pode com ele é o filho de Zambi
Benedito é Preto, calunga Quem pode com ele é o filho de Zambi
Mora no roseiral Quem amarra e desata é Santo Antônio
Se ele é feiticeiro, calunga Quem amarra e desata é Santo Antônio
Chefe de gongá Quem pode com ele é o filho de Zambi
Quem pode com ele é o filho de Zambi
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Bahia ou África
Vem cá, vem cá, vem cá Terra zi que Terra, zi que Terra
Força baiana Zi calunga
Força africana Oi viva Congo, calunga
Força divina
Vem nos ajudar :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: São Benedito, é um santo padroeiro


São Benedito, é um santo padroeiro
Na Bahia Se não fosse Benedito
Ninguém pode com baiano Não acabava o cativeiro
(bis)
Quebra coco :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Arrebenta sapucaia
Vamos todos saravá Tem coco, tem coco, tem coco
Esse coco, tem dendê
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Quem quiser zorô bem feito
Dá baiana prá fazer
Oh meu Senhor do Bonfim
Valei-me São Salvador :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vamos salvar nossa gente
Povo da Bahia chegou Preta Velha que vem da Bahia
Corimba de noite
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Corimba de dia
Preta Velha com seu patuá
Arriou na linha de Congo Segura a banda de branco sinhá
É Congo, é Congo aruê
Arriou na linha de Congo :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Agora que eu quero ver
No Terreiro desse gongá
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Flor Branquinha está de pé
Viva a bandeira da Costa
Eu corro a minha gira Viva o povo de Guiné
Com Deus e Nossa Senhora Viva o povo de Aruanda
Eu corro a minha gira Saravá rainha de Umbanda
Com todo povo de Angola Viva o povo de gongá
Saravá meu Pai Oxalá
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
ARUÊ MINHA SÃO BENEDITO
A COROA DE ZAMBI Eu vim de Angola, bambaruê
Tem gongá Cheguei agora, bambaruê
Auê, auê, auê Com a mão na pemba, bambaruê
A coroa de Zambi Cantei vitória, bambaruê
Tem gongá
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Arriou papai, arriou a sua banda
E ora vamos saravá Seu Rei de Congo Salve o povo de calunga
E ora vamos saravá Seu Rei de Congo Salve o povo de Aruanda
Saravá ele pequenino que ele seja
Seu Rei de Congo ora vamos saravá :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Cadê a minha coco


De bater neste Terreiro
São Benedito na língua de Zambi Ai quem mexer com filho meu
Também sabe ler ê, ê, ê, ê, ê Tem que ver com feiticeiro
Se Mucambo é bom
Também sabe ler :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
(bis)
Eu vim, da Aldeia
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Brincar com Congo na areia
Brincar com Congo na areia
Preta Mina que vem lá da Bahia Brincar com Congo na areia
Quem, quem
Traz o rosário de Maria :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Quem, quem
É o rosário azul e branco Quando eu venho lá de cima
Quem, quem Eu passei à beira mar
Para salvar nossos irmãos Bota canga no sereno
Quem, quem Deixa canga serená

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Minha agulha, minha didá
Quem não tem agulha (pólvora)
Pra que quer didá
(bis) Eu plantei mandioca
Minha ponto é seguro no fundo do mar Formiga comeu
Minha ponto é seguro Mamãe Iemanjá Já plantei não planto mais
Minha ponto é seguro no fundo do mar Minhas zi filhos
Minha ponto é seguro meu Pai Oxalá Cadê minha gongá
Ô zing, zing, zing, zing
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Zing, zing, zing, zá
Eu sou baiana, sou baiana de Terreiro :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Eu sou baiana, sou baiana feiticeira
Com minha faca na cintura eu desafio Adeus minha pemba
Com meu balaio pra salvar Adeus minha guia
Todos meus filhos Minha Terra é muito longe
Meu gongá é na Bahia
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Minha galinho cantou
Minha galinho cantou Eu vim de Angola
Minha galinho cantou Eu trouxe figa de guiné
Ki qui ri Trouxe figa de guiné
Minha galinho cantou Para salvar filhos de fé

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Venho de longe Vou me embora


Venho de Minas Vou me embora
Samba rê, rê Maxicorê Vou daqui para a Bahia
Minha sete zi cambone (bis)
Minha sete zi mucama Bumba que bumba, que bumba ioiô
Samba rê rê Maxicorê Bumba que bumba, que bumba iaiá

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Meu Santo Antônio pequenino Mãe Maria lavadeira


Corre Umbanda devagar Lava roupa de sinhá
Meu Santo Antônio pequenino Lavou saia de renda
Corre Umbanda sem parar E depois foi entregar
Na Aruanda, na Aruanda
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Na Aruanda eu quero ver

Não tem saia, não tem saia :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Não tem saia, mas tem paletó
Chega Vovó, chega Vovó Andei sete noites
Chega Vovó é de Ganga Maior Andei sete dias
Chegou Maria Mina
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Que veio da Bahia
Chegou Maria Mina
Na Bahia tem, que tem orobi Dona de gongá
Que tem orobô Chegou Maria Mina
Que tem orobi, que tem orobô P’ros filhos salvar
Pimenta da Costa Pimenta da Costa
Macumba ioiô Azeite de dendê
Chegou Maria Mina
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Pros filhos benzê
É Congo, é Congo, é Congo :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
É Rei de Congo
É Congo, é Congo, é Congo O biju tá no tacho
Minha Pai é Congo Tá no ponto de virar
Marafo tá no coco
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Tá bom de tomar

Olha branco que sabe ler :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Olha branco que sabe escrever
Olha branco que ainda não sabe Eu venho da Bahia
Qual o dia em que vai morrer Com o pano da Costa, rosário e guias
Olha branco que sabe, sabe Orobi, orobô
Olha branco que é sabedor Com a mão nas cadeiras chamando ioiô
Olha branco que ainda não sabe
O poder de Nosso Senhor :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Bate na cumbuca


Repenica no gongá
Santo Antônio é santo de mesa Chama nosso povo
São Benedito é santo maior E vamos trabalhar
Quero ver, quero ver
Na mesa de Umbanda eu quero ver :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Aonde é que Preto Velho mora


Aonde é que Preto Velho gira
Ora baixa meu povo baixa Ele mora na beira do rio
Ora baixa devagar Onde o galo não canta
Quando o povo chega no reino Onde o pinto não pia
É pra todo mal levar
Povo da Costa é povo bom :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ele é povo de maçada
Quando chega na Aruanda Oi Cambinda de Umbanda
Fica todo ensarilhado Seu Pai é Congo
(bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Eu venho de longe
Sem conhecer ninguém Se ele é Congo
À procura de uma rosa Deixa Congo arriar
Que na roseira tem O le le, se ele é Congo
Deixa Congo trabalhar
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Congos e Cambindas,
Todos vem pra trabalhar Na sua Urucaia tem mungunzá
Olha Congo vem por terra Na sua Urucaia
Cambindá vem pelo mar Na sua Urucaia tem caruru
Na sua Urucaia
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Quem é da Bahia tem seu patuá
Na sua Urucaia
O vento deu no mar Meu Senhor do Bonfim é quem saravou
E a marola deu na areia Na sua Urucaia
Pai Antônio é um Preto
Que não bambeia :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Santo Antônio entrou no fogo


Com sapato de algodão
Os quindins, os quindins, os quindins O sapato pegou fogo
Ô Mujongo Mas o pé do santo não
Olha lá no mar tem mironga tem
Olha lá no mar ô Mujongo Tem mironga tem
Olha Mujongo no mar
A sua Terra é muito longe :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ô Mujongo
Ninguém pode ir lá Entrei na mata,
Ninguém pode ir lá, ô Mujongo Da mata saia pó
Olha Mujongo no mar Procurei Pai Joaquim
Só encontrei cobra cipó
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Santo Antônio era menino
Oi Benedito era rapaz Eu mandei fazer um baile
Corre, corre Santo Antônio Na fazenda do Sinhô
Eu quero ver quem corre mais Foi no dia 13 de maio
Quem tinha escravo chorou
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Bate calunga que eu quero vê
Bate calunga que eu quero vê João Batão, João Batelão
Pedra que muda não cria limo Tu és, tu és meu Pai São Pedro
Meu Santo Antônio é da nossa curimba João Batão, João Batelão
Meu Pai São Pedro em cima d’água
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Laranjeira nova que não dá laranja
Laranjeira nova que não dá laranja Estrela do Céu
chega terra nela criança Que me disse o Guaiá
que ela dá laranja Povo de Umbanda que povo será
Povo de Umbanda que está no gongá
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
É o vento que balança as folhas, Guiné
É o vento que balança as folhas
É, é, é, Pai Guiné
É o vento que balança as folhas

Ibejada

Pontos de criança

Vou pedir licença a Zambi


E ao sagrado coração
Vamos todos bater palmas
Pra São Cosme e Damião

…...................................................................................................

Têm bala de coco e peteca


Deixa a Ibejada brincar (2x)
Hoje é dia de festa, Ibejada vem saravá (2x)

…...................................................................................................

Lá no céu tem três estrelas


Todas três em carreirinha -2x
Uma e Cosme e Damião
A outra é a Joaninha

…...................................................................................................

Eu quero doce, eu quero bala


Eu quero mel pra passar na sua cara

…...................................................................................................

Mariazinha na beira da praia


Como é que sacode a saia -2x
É assim, é assim, é assim
É assim que sacode a saia

Ô Joãozinho na beira da praia


Como é que balança o boné ? -2x
É assim, é assim, é assim
É assim que balança o boné

…...................................................................................................
Fui no jardim colher as rosas
E a vovozinha deu-me as rosas mais formosas (2x)
Cosme e Damião oi Doum
Crispim, Crispiniano são os filhos de ogum (2x)

…...................................................................................................

Quando a lua brilha no céu, clareia Umbanda (2x)


Clareia a Ibejada que vem lá de Aruanda (2x)

…...................................................................................................

Cosme e Damião, ilumina meus caminhos


Com a sua força dê proteção pra nossa banda (2x)
Dê proteção pra nossa banda, dê proteção pro nosso irmão
Dê proteção com fé em Zambi, dê proteção em oração

…...................................................................................................

Ibejada está de ronda, São Jorge de prontidão (2x)


Salve o povo da Aruanda, salve Cosme e Damião

…...................................................................................................

Filho de fé estava doente


Filho de fé estava chorando
Filho de fé viu Ibejada
Filho de fé já está cantando

…...................................................................................................

1- PONTO DAS CRIANÇAS

Papai me manda um balão


Com todas as crianças
Que tem lá no céu
Tem doce Papai
Tem doce Papai
Tem doce lá no meu jardim

2- PONTO DAS CRIANÇAS


Voa, voa, Andorinha,
Voa, voa, bem ligeiro,
Traga Joãzinho e Cosminho,
Para brincar no terreiro. (bis)
Passando na cachoeira,
Me traga a Mariazinha,
Passando lá pela praia,
Me traga linda Rosinha.
Voa, voa Andorinha,
Voa, voa, e vai buscar,
As crianças para a Umbanda,
A festa vai começar.
Voa, voa, Andorinha,
Voa, voa, bem ligeiro,
Traga Joãzinho e Cosminho,
Para brincar no terreiro. (bis)
Tem bolo, bola e cocada,
Tem sodinha e guaraná,
Hoje é um grande dia,
Vamos todos festejar.

3- PONTO DAS CRIANÇAS

1 2 3 4 5 6 eu quero ver criança


Na cabeça de vocês

4- ROSINHA

Rosinha da praia quando chegar


Vai firmar ponto no congá
Com as bênçãos de Iemanjá
Rosinha da praia quando chega
Também gosta de brincar
Ela brinca com as conchinhas
Fazendo casinha com a areia do mar

5- PONTO DAS CRIANÇAS

Papai me mande um balão


Com todas as crianças que tem lá no céu
Tem doce papai, tem doce papai
Tem doce lá no jardim

6- ROSINHA

Rosinha da Praia
Como vem beirando o mar
Como vem beirando mar,
Mas como vem beirando o mar

7- PONTO DAS CRIANÇAS

Vai começar a brincadeira, é uma grande festa


O erê, O erê, onde está o erê? 2x
Onde está a Rosinha, está na cachoeira
Onde está o Trovão, mora na pedreira
Onde está o Folhinha, está na mata a caçar
Onde está o Pedrinho que eu não vejo chegar
O erê, O erê, onde está o erê? 2x
Onde está o Lazinho, com vovô a rezar
Onde está o Paulinho, foi conchinhas catar
Onde está a Aninha, no campo a passear
Onde está Mariazinha que eu não vejo chegar
O erê, O erê, onde está o erê? 2x
Onde estão os eres que eu não vejo chegar
Onde estão os eres venham logo brincar
Tira, tira o pé do chão

8- PONTO DAS CRIANÇAS

Cosme e Damião, Damião cadê Doum


Doum foi passear no cavalo de ogum (bis)
Dois dois sereia do mar
Dois dois meu pai Oxalá (bis)

9- PONTO DAS CRIANÇAS

Bahia é que é terra de dois


É terra de dois irmãos (bis)
Governador da Bahia
É Cosme e São Damião (bis)

10- PONTO DAS CRIANÇAS

A estrela e a lua eram duas irmãs


Cosme e Damião também são dois irmãos
Oxalá e Ogum guiam nossos passos
São os filhos de Umbanda que balançam, mas não cai

11- PEDRINHO
Pedrinho, Pedrinho,
Mensageiro de xangô
Pedrinho, Pedrinho,
A ibeijada é paz e amor (bis)

12- PONTO DAS CRIANÇAS

Hoje tem alegria


Hoje tem alegria
Hoje tem alegria
No Terreiro de Umbanda
Hoje tem alegria

13- MARIAZINHA

Lá no céu tem três estrelas


Todas as três em carreirinha (bis)
Uma é Cosme e Damião
A outra é Mariazinha (bis)

14- PONTO DAS CRIANÇAS

Estrelinha que brilha no céu (bis)


É a estrelinha que brilha no mar
Estrelinha que brilha na umbanda (bis)
É a estrelinha de mãe Iemanjá

15- MARIANA

Mariana conta um
Mariana conta um
É um, é um, é um, é Ana
Viva Mariana
Viva Mariana
Mariana conta dois
Mariana conta dois
É dois, é um, é dois, é Ana
Viva Mariana
Viva Mariana
Mariana conta três
Mariana conta três
É três, é dois, é um, é dois, é três, é Ana
Viva Mariana
Viva Mariana...
16- PONTO DAS CRIANÇAS

A ibeijada já chegou
Vai querer, vai querer (bis)
Vai querer, vai tomar guaraná
E depois ela vai brincar

17- PONTO DAS CRIANÇAS

Pula corda esquindo lê lê


Pula corda esquindo lá lá
Quem não sabe pular corda
Não sabe sapatear (bis)

18- MARIAZINHA

Mariazinha da beira da praia


Como é que sacode a saia?
É assim, assim, assim
Assim que sacode a saia
É assim, assim, assim
Assim que sacode a saia

19- MARIAZINHA

Mariazinha nasceu na beira do rio


Na beira do rio lá no Jurema
Aonde a lua brilha clareia a campina
Clareia a mata
Pra Ibejada brincar

20- PONTO DAS CRIANÇAS

Ele é pequinininho
Mora no fundo do mar
Sua madrinha é Sereia
Seu padrinho é Beira Mar
No fundo do mar tem areia
Seu padrinho é Beira Mar
Sua madrinha é Sereia

21- PONTO DAS CRIANÇAS


Fui no jardim colher as rosas
A vovózinha deu-me a rosa mais formosa
Cosme e Damião, ôoooh Doun
Crispim, Crispiniano
São os filhos de Ogum
Cosme e Damião, ôoooh Doun
Crispim, Crispiniano
São os filhos de Ogum

22- JUQUINHA

Juquinha da beira da praia


Como é se que abana o boné?
É assim, assim, assim
Assim que se abana o boné
É assim, assim, assim
Assim que se abana o boné

23- PONTO DAS CRIANÇAS

Catarina você tem um congá que uma beleza


O terreiro enfeitado
Muitos doces sobre a mesa

24- MARIAZINHA

No jardim do céu brincam as crianças


Quando elas vem na terra traz amor e esperança!
Venham crianças, nos ajudar!
A criança é uma flor e merece o nosso amor
Pai oxalá que as abençoe!
Sempre resta uma esperança quando chega uma criança!
Venham crianças, venham brincar!
Fecha roda Mariazinha vamos todos cantar!
Zum zum zum chupa chupeta Doum!
Mas veja que belezinha a saia da Mariazinha! (2x)

25- PONTO DAS CRIANÇAS

Os Anjos lá no céu cantavam,


Estrela Dalva clareou
Os Anjos lá no céu cantavam,
Estrela Dalva clareou
Sarava Cosme e Damião,
Neste Terreiro Oxalá lhe abençoou
Sarava Cosme e Damião,
Neste Terreiro Oxalá lhe abençoou

26- PONTO DAS CRIANÇAS

Eu quero doce, eu quero bala,


Eu quero mel pra passar na sua cara

27- PONTO DAS CRIANÇAS

Quando a lua brilha no céu, clareia Umbanda


Clareia Ibeijada que vem lá de Aruanda

28- PONTO DAS CRIANÇAS

Tem bala de côco e peteca,


Deixa Ibejada brincar
Tem bala de côco e peteca,
Deixa Ibejada brincar
Hoje é dia de festa,
Ibeijada vem sarava

29- PONTO DAS CRIANÇAS

Doum é amigo leal,


Sem Doum eu não posso ficar
Doum é amigo leal,
Sem Doum eu não posso ficar
Vadeia Cosme, não me leva no chão,
Vadeia Cosme, cadê Damião
Vadeia Cosme, não me leva no chão,
Vadeia Cosme, cadê Damião

30- PONTO DAS CRIANÇAS

Cai, cai, sereno, vai meu destino


Me leva agora,
Para brincar com os meninos
Vou pedir licença à Zamby
E ao Sagrado Coração
Vamos todos bater palmas
Pra São Cosme e Damião

31- PONTO DAS CRIANÇAS


Titia me deu cocada,
tio me deu guaraná
Titia me deu cocada,
tio me deu guaraná
Gostei foi do caruru
Que a mamãe mandou preparar
Gostei foi do caruru
Que a mamãe mandou preparar
Mamãe me deu caruru,
eu comi caruru de mamãe

32- PONTO DAS CRIANÇAS

Vamos brincar de roda


Cosme, Damião e Doum
Eles vem montados no cavalo de Ogum
Vem trazendo rosas pra Mamãe Oxum

33- PONTO DAS CRIANÇAS

Na Bahia tem um côco,


côco que faz a cocada
Côco que faz o manjar,
para dar para Ibejada
Doum, Doum, Doum, Doum,
Cosme e Damião
Doum, Doum, Doum,
brinca sentado no chão

34- PONTO DAS CRIANÇAS

Filho de Fé estava doente,


filho de Fé estava chorando
Filho de Fé viu Ibejada,
filho de Fé já está cantando

35- PONTO DAS CRIANÇAS

Ibejada está de Ronda,


São Jorge de prontidão
Salve o povo de Aruanda,
Salve Cosme e Damião
Tupãzinho Papai me mande um balão,
Oi com todas as crianças,
Tupã olha Seu Tupãzinho, Que tem lá no céu, bis
que desce lá do céu azul Tem doce mamãe,
Tupã olha Seu Tupãzinho, Tem doce mamãe,
que desce lá do céu azul Tem doce lá no jardim. bis

Trazendo a Luz dos Orixás, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


aqui pra dentro do Congá
Trazendo a Luz dos Orixás, Eu vi Doum,
aqui pra dentro do Congá Na beira d’água,
Comendo arroz bebendo água,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Eu vi Cosme e Damião,
Na beira d’água,
Criancinhas lá do Céu, Comendo arroz bebendo água,
Anjinhos de toda luz Eu vi as crianças,
Companheiros de Jesus, Na beira d’água,
vai trazer sua Orucaia, Comendo arroz bebendo água,
levantar minha Macaia
Companheiros de falange, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
foi Jesus quem ordenou
Com toda sua força, Cosme e Damião
nossa Gira segurou
Os Anjos lá no céu cantavam,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Estrela Dalva clareou
Os Anjos lá no céu cantavam,
Doum, Cosme e Damião Estrela Dalva clareou

Doum é amigo leal, Sarava Cosme e Damião,


sem Doum eu não posso ficar neste Terreiro Oxalá lhe abençoou
Doum é amigo leal, Sarava Cosme e Damião,
sem Doum eu não posso ficar neste Terreiro Oxalá lhe abençoou

Vadeia Cosme, não me leva no chão, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


vadeia Cosme, cadê Damião
Vadeia Cosme, não me leva no chão, Quando a Lua brilha no Céu,
vadeia Cosme, cadê Damião clareia a Umbanda
Quando a Lua brilha no Céu,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: clareia a Umbanda

Cosme, Damião, Doum, Crispim e Crispiniano Clareia Ibejada que vem, lá de Aruanda
Clareia Ibejada que vem, lá de Aruanda
Fui no jardim colher a rosa,
a vovozinha deu-me a rosa mais formosa :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Fui no jardim colher a rosa,
a vovozinha deu-me a rosa mais formosa Na Bahia tem um côco,
côco que faz a cocada
Cosme, Damião, oi Doum, Na Bahia tem um côco,
Crispim e Crispiniano são os filhos de Ogum côco que faz a cocada
Cosme, Damião, oi Doum,
Crispim e Crispiniano são os filhos de Ogum Côco que faz o manjar,
para dar para Ibejada
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Côco que faz o manjar,
para dar para Ibejada
Cai, cai, sereno, vai meu destino
Me leva agora, Doum, Doum, Doum, Doum,
para brincar com os meninos Cosme e Damião
Cai, cai, sereno, vai meu destino Doum, Doum, Doum, Doum,
Me leva agora, Cosme e Damião
para brincar com os meninos
Doum, Doum, Doum,
Vou pedir licença à Zamby brinca sentado no chão
e ao Sagrado Coração Doum, Doum, Doum,
Vamos todos bater palmas brinca sentado no chão
pra São Cosme e Damião
Vou pedir licença à Zamby :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
e ao Sagrado Coração
Vamos todos bater palmas Tem bala de côco e peteca,
pra São Cosme e Damião deixa Ibejada brincar
Tem bala de côco e peteca,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: deixa Ibejada brincar

Três estrelinhas, Hoje é dia de festa,


Todas três em carreirinha, Ibeijada vem saravar
Uma é minha, Hoje é dia de festa,
A outra é sua, Ibeijada vem saravar
A outra é da Mariazinha.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Titia me deu cocada,
Cosme e Damião, tio me deu guaraná
Cadê Doum, Titia me deu cocada,
Doum foi passear, tio me deu guaraná
No cavalo de Ogum.
Gostei foi do caruru
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: que a mamãe mandou preparar
Gostei foi do caruru
Cosme e Damião, que a mamãe mandou preparar
Sua casa cheira,
Cheira cravo, cheira rosa, Mamãe me deu caruru,
Cheira flor de laranjeira. eu comi caruru de mamãe
Mamãe me deu caruru,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: eu comi caruru de mamãe
Mamãe me deu caruru,
São Cosme e São Damião eu comi caruru de mamãe
São dois amigos leais Mamãe me deu caruru,
São Cosme brinca na areia eu comi caruru de mamãe
Damião brinca no mar
Cosme e Damião :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vem cá vem ver
Tenho uma batalha Mariazinha
Prá nós dois vencer
Mariazinha nasceu na beira do rio,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: na beira do rio lá no Jurema
Mariazinha nasceu na beira do rio,
Quando a lua brilha no céu na beira do rio lá no Juremá
Clareia a Umbanda – bis
Clareia Ibeijada que vem Aonde a Lua brilha e clareia a campina,
Lá de Aruanda - bis clareia a mata pra Ibejada brincar
Aonde a Lua brilha e clareia a campina,
clareia a mata pra Ibejada brincar

Subida das crianças

Ibejada já vai embora, Aruanda está lhe chamando (2x)


E vão prum jardim lá no céu, Oxalá está lhe esperando (2x)
Ibejada já foi embora, Aruanda estava chamando (2x)
E foram prum jardim no céu, Oxalá estava esperando (2x)

…...................................................................................................

Voa, voa, voa andorinha


Leva as crianças pro céu andorinha
Andorinha que voa, voa, andorinha
Leva as crianças pro céu andorinha

http://www.maeyemanjaebaianozeferino.com.br/pontoscantados/cosmedamiao/pc
antados_cosmedamiao.htm

Cigano

Pontos de Ciganos
Ganhei uma barraca velha
Foi a cigana quem me deu –2x
O que é meu é da cigana
O que é dela não é meu –2x
Ciganinha puerê, puerê, puerá –2x
O que é meu é da cigana
O que é dela não é meu –2x

…...................................................................................................

Vinha caminhando a pé
Para ver se encontrava a minha cigana de fé –2x
Ela parou e leu minha mão
E disse-me toda verdade
Só queria saber aonde mora
Pomba-Gira Cigana
Só queria saber aonde mora
Pomba-Gira Cigana

…...................................................................................................

Cadê meu baralho de ouro


Para ver a cigana jogar (2x)
Embaralha uê, uê, uê
Embaralha uê, uê, uá
Embaralha uê, oi deixa a cigana jogar (2x)

…...................................................................................................

Ela é uma cigana faceira, ela é


Ela é das sete linhas e não é de candomblé –2x
Ela vem de muito longe os seus filhos ajudar
Ela vem de muito longe saravá esse congá

…...................................................................................................

Ô ciganinha eu preciso de você –2x


Vamos jogar, o jogo da amarelinha -2x
Se eu perde você me ganha
Se eu ganhar você é minha

…...................................................................................................

Cigana, ciganinha da sandália de pau –2x


Quando ela chega no terreiro
Faz o bem e leva o mal –2x
…...................................................................................................

Rosa branca, rosa vermelha, rosa amarela


A cigana é faladeira todo mundo gosta dela –2x

…...................................................................................................

Quem nesse mundo nunca ouviu dizer?


E nesse mundo nunca ouviu falar? (2x)
De uma cigana que mora naquela estrada
Ela tem sua morada sob o clarão do luar (2x)

Cigana da Estrada, força poderosa


Me dê proteção e axé, ciganinha formosa (2x)

…...................................................................................................

À meia-noite eu passei na encruzilhada


Dona cigana já estava a me esperar (2x)
Com sete rosas, com sete lírios
Que me entregou pra minha vida enfeitar (2x)

…....................................................................................................

O cigano é como vento, gira aqui gira acolá


Mas agora estou chamando pra girar neste congá (2x)
Gira, girou cigano, o seu Pablo vem girar
Na magia dos ciganos, vamos todos trabalhar (2X)

Veja meu destino, oh! cigana!


Quero ser feliz!
Por onde passas
Sempre semeia raiz. (2x)

Eu caminhava na estrada
Sem saber aonde ir.
Me deparei com uma moça
Que firme olhou para mim.
Com seu vestido de lenço
E seu baralho na mão
Me disse que era cigana
E ia ler a minha mão.

Veja meu destino, oh! cigana!


Quero ser feliz!
Por onde passas
Sempre semeia raiz. (2x)

Ao ver as linhas cruzadas


Na palma da minha mão,
Ela mostrou meu caminho
E me deu a sua proteção.
Hoje me encontro feliz
Dentro da religião.
Eu sou um filho de Umbanda;
Tenho paz no coração.

Veja meu destino, oh! cigana!


Quero ser feliz!
Por onde passas
Sempre semeia raiz. (3x)

http://www.paimaneco.org.br/sites/default/files/u3/23_-
_apostila_terreiro_do_pai_maneco_-_ciganas.pdf

Subida de ciganos

O cigano vêm, o cigano vai (2x)


Nosso povo é valente, tomba tomba, mas não cai (2x)
A cigana vêm, a cigana vai (2x)
Nosso povo é valente, tomba tomba, mas não cai (2x)

Caboclo

PONTOS DE CABOCLOS

Oh Oh oh oh Oh Oh Oh Oh
Oxóssi gritou
Ogum ouviu
O guerreiro mandou 2x
O filho da lei
Ogum Oxossi
Oxossi Ogum
De um lado a espada
O bodoque na mão
Caboclo de Oxossi
A flecha atirou
Oxalá atendeu
E a flecha guiou

…........................................................................................................

Caboclo sou eu quem te chama


Vem atender meu chamado
Caboclo dentro do reino
Ele é o nosso advogado
Puxa a linha caboclo, caboclo de aruanda
Puxa a linha caboclo, caboclo venceu demanda

…........................................................................................................

Oxalá chamou, e já mandou buscar


Os caboclos da Jurema, pro seu jurema
Oxalá chamou
Pai Oxalá, e o rei do mundo inteiro
E já deu ordens pra Jurema
Mandar seus capangueiros
Mandai, mandaê
Minha cabocla Jurema
Os seus guerreiros
Essa é a ordem suprema

…........................................................................................................

A lua lá no céu brilhou


E as matas virgens estremeceram –2x
Por onde andam os mensageiros de Umbanda
Que ate agora não apareceram –2x

…........................................................................................................

Caboclos vem, vem ,vem, vem


Caboclos vem das suas matas vem
Os passarinhos já estão cantando
Lá nas matas virgem
Onde mora seu pai, caboclos vem

…........................................................................................................

Ainda tem caboclo debaixo da samambaia –2x


Vestimenta de caboclo e samambaia, é samambaia, é samambaia –2x
Pisa caboclo não se atrapalha saia do meio da samambaia –2x
…........................................................................................................

A corrente do mal quebrou


Quebrou pros caboclos passarem –2x
Eles giram, eles rodam
Eles pedem pra Deus ajudar
Eles giram, eles rodam
Eles levam pras ondas do mar
Eles vem beirando o mar –3x
Meus caboclos
Eles vem beirando o mar

…........................................................................................................
Ê Juremê, ê Jurema
Sua flecha caiu serena Jurema dentro desse conga –2x
Sua flecha caiu serena dentro desse conga
Oi salve a cabocla Jurema
Rainha do Juremá

…........................................................................................................

Estava na beira do rio sem poder atravessar


Chamei pelo caboclo, caboclo Tupinambá –2x
Tupinambá chamei
Chamei tornei chamar êá –2x

…........................................................................................................

Caboclo a sua mata é verde


È verde é da cor do mar
Arreia caboclo –3x
Da Juremá

…........................................................................................................

Ele atirou, ele atirou e ninguém viu (2x)


Só Pé Ligeiro é quem sabe aonde a flecha caiu (2x)

…........................................................................................................

Seu caçador na beira do caminho


Oi não me mate essa coral da estrada
Ela abandonou sua choupana, caçador
Foi no romper da madrugada (2x)

…........................................................................................................
Eu vi meu pai assobiar, ele mandou chamar (2x)
È de Aruanda auê, é de Aruanda auá
Todos caboclos de Umbanda é de Aruanda (2x)

…........................................................................................................

Quem manda nas matas é Oxossi


Protetor dos caboclos de umbanda... auê auê
Pé ligeiro é que vence demanda
Pé ligeiro é caboclo valente
Ele quebra a corrente meu pai Oxalá
Pé ligeiro e cacique de tribo
Derruba inimigo do lado de lá
Pé ligeiro é cacique de tribo
Derruba inimigo do lado de cá

…........................................................................................................

Salve Ogum Megê, Ogum Rompe mato, Ogum Beira mar –2x
Ele trabalha na areia meu pai
Ele trabalha no mar
Ele trabalha na areia meu pai
Salve Ogum Beira mar

…........................................................................................................

E beira-rio, beira-rio beira-mar


O que se ganha de Ogum só Ogum pode tirar –2x
Seu Ogum de ronda
É quem veio gira
E vem trazendo as folhas
Pra descarregar

….......................................................................................................

Ogum em seu cavalo corre


E a sua espada reluz
Ogum, Ogum Megê
Sua bandeira cobre os filhos de Ogum
Ogum iê

E beira-rio, beira-rio beira-mar


O que se ganha de Ogum só Ogum pode tirar –2x
Seu Ogum de ronda
É quem veio gira
E vem trazendo as folhas
Pra descarregar

….......................................................................................................

Ogum em seu cavalo corre


E a sua espada reluz
Ogum, Ogum Megê
Sua bandeira cobre os filhos de Ogum
Ogum iê

….......................................................................................................

Eu tenho Pé Ligeiro pra me defender


Eu tenho Ogum em minha companhia –2x
Ogum é meu pai
Ogum é meu guia
Ogum é meu pai
Sou filho de Zambi e da Virgem Maria

…........................................................................................................

Na minha porta bateram


Passei a mão na pemba fui ver quem era –2x
Era são Jorge guerreiro minha gente
Cavaleiro na força e na fé –2x

…........................................................................................................

Quando Oxalá fundou a Umbanda


Senhor Ogum tomou conta do conga
Veio Oxum veio Iansã veio Iemanjá
Veio a Jurema para trabalhar -2x
A caboclada iluminou todo o terreiro
E Oxalá abençoou
Oi sarava seu Sete Espadas
Nesse terreiro ele é o protetor –2x

…........................................................................................................

Seu Sete Flechas


Quando vem na aldeia
Ele traz na cinta uma cobra coral –2x
Ou é uma cobra coral -4x
…........................................................................................................

Quando os caboclos trazem as folhas da Jurema


E os pretos velhos trazem arruda e guiné
Eles vem trabalhar na lei de Umbanda
Tem licença de Aruanda pra salvar a quem tem fé –2x
Sabiá canta alegra nas palmeiras
E Xangô lá na pedreiras os seus filhos vem salvar
Meu Pai Ogum empunhando a sua espada
Dando toque de alvorada toda linha vai chegar (2x)
È de Aruanda auê, é de Aruanda auá (2x)
…........................................................................................................

Se meu pai é Oxossi


Quero ver balancear (2x)
Arreia, arreia capangueiro da Jurema
Ô Juremá (2x)

…........................................................................................................

Estrela D´Alva é sua guia


Ubirajara é caboclo valente
Ubirajara mora lá na mata
Lá na grota funda
Lá no fim do mundo (2x)

…........................................................................................................

Okê, okê caboclo


Seu Mata Virgem na raiz da Orucaia (2x)
Mas oh, que lindo caçador
Naquelas matas onde a coral piou (2x)

…........................................................................................................

Na Mata Virgem os tambores falam de amores


E os caboclos se juntam para saudar
Uma cabocla toda enfeitada de flores
Na magia das cores, faz a aldeia cantar, oh Jurema!

Jurema, oh Jureminha
Jurema, oh Juremá
Nas terras de Santa Cruz eu aprendi a amar (2x)

…........................................................................................................
Cadê a chave do seu Sete Porteira
Ele precisa passar, ele é seu Sete Porteira (2x)

Cheguei, cheguei pra trabalhar


Cheguei, cheguei pra ajudar
Eu não como, eu não bebo, eu não durmo
Enquanto esses filhos não curar (2x)

Vou abrir a porteira, vou abrir pra ele passar


Seu Sete Porteira é curador
Por isso veio pra nos ajudar (2x)

Subida de Caboclo

Caboclo apanha sua flecha pegue o seu bodoque


O galo já cantou –2x
O galo cantou lá na Aruanda
Oxalá quem chama para sua banda
Ô caboclo

Subida do Pé Ligeiro

A sua terra é longe e ele vai embora


E vai beirando o rio azul
Adeus Umbanda Pé-ligeiro vai embora
E vai beirando o rio azul

A sua aldeia é longe e ele vai embora


E vai beirando o rio azul
Adeus Umbanda Pé-ligeiro vai embora
E vai beirando o rio azul

A sua mata é longe e ele vai embora


E vai beirando o rio azul
Adeus Umbanda Pé-ligeiro vai embora
E vai beirando o rio azul

GUERREIRO DA MATA ESTRELA D’ALVA

Sou filho do Vento da Mata, Estrela D’Alva é nossa guia,


Do Vento que vem e que vai, Ilumina o mundo sem parar.
Oçanhe me olhe e me ajude, Ilumina a mata virgem,
Oxóssi que é o meu Pai. Cidade de Jurema.
Guerreiro da Mata eu sou, Vinde, vinde companheiros,
A vida me ensina a viver, Ai de mim tão só.
Sou filho do Vento da Mata, Companheiros de Jurema,
Coragem, se tens, vem me ver. Ai, de mim tem dó. (bis)

Sou filho do Vento da Mata... :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

A lança que eu trago, eu fiz, PONTO DE OXÓSSI


Meu arco não atira, em vão, (chamada de falange)
Na mata, onde eu sou feliz,
Levo sempre um escudo na mão. Oxóssi vem,
Vem chegando de Aruanda,
Sou filho do Vento da Mata... Oxóssi vem,
Vem salvar filhos de Umbanda. (bis)
Guerreiro de Tribo Valente,
A brisa da mata é meu ser, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Coragem eu trago na frente,
Que Oxóssi me dá, pra vencer. OXÓSSI BEIRA-MAR

Sou filho do Vento da Mata... Estava na minha praia,


Vi a sereia cantando,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: As ondas do mar chorando...
Iemanjá, Iemanjá!...
O LÍRIO DO CABOCLO Sou Beira-Mar, Beira-Mar,
Deixa a sereia cantar,
O lírio, o lírio ê, o lírio, o lírio ê, Não deixa as ondas chorar.
O lírio, o lírio ê, o lírio. (bis)
O lírio é uma flor tão linda, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Que enfeita o Juremá. (bis)
Seu Serra Negra apanhou, PONTOS DE OXÓSSI
O seu bodoque e a sua flecha,
Sua ema foi caçar. (bis) Atira, atira, eu atirei!
Atravessou toda a floresta, No Bambá vou atirar.
Numa noite de luar. (bis) Veado na mata é corredor.
O lírio, o lírio ê, o lírio, o lírio ê, o lírio, o lírio ê, o Oxóssi na mata é caçador.
lírio. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
O veado fugiu...
OXÓSSI O veado fugiu...
E Oxóssi na Bahia,
Quem mora na mata é Oxóssi, Segura o ponto,
Oxóssi é caçador, De Mamãe Sereia, no Mar. (bis)
Oxóssi é caçador.
Eu vi meu pai assobiar, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Eu mandei chamar.
Vem da Aruanda ê, Oxóssi é Rei no Céu,
Vem da Aruanda a, Oxóssi é Rei na Terra.
Pai Pena Branca, Ele não desce do Céu sem coroa,
Vem da Aruanda, E sem a sua munganga de guerra.
Vem na Umbanda. Ele não desce do Céu sem coroa,
E sem a sua munganga de guerra.(bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Oxóssi mora debaixo da Gameleira,
Debaixo da Gameleira, Ó, viva Oxóssi, - é...
Salve Rompe Mato, Ó, viva Oxóssi, - ah...
Salve Arranca Toco, Ele é caboclo do mato.
Salve o Tira Teima, Ó, viva Oxóssi, - é meu pai. (bis)
Ele é Caboclo,
Em qualquer lugar, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Firma seu ponto,
Sem medo de errar, PONTO DE OXÓSSI
Só não me toque, (na irradiação de Exú)
Nas palmas da Jurema,
Sem a Lei Suprema, Olha a água do meu rio,
Do Pai Oxalá. Olha a flor(flô) de minha mata,
Sou caboclo flechador(dô),
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Sai mironga, sai mironga,
Corre, corre, corredor(ô).
No tronco de uma árvore eu vi, Sou caboclo flechador(ô).
Eu vi amarradas suas mãos,
Era Oxóssi o Rei das Matas, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
O meu glorioso São Sebastião.
PONTO DE OXÓSSI
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Eu vi chover,
Cacique Oxóssi é Rei lá no sertão, Eu vi relampejar.
Baixou nessa Ceara, Mas mesmo assim,
Com a pemba na mão. O Céu estava azul.
Ensina os teus filhos a girar, Samborê pemba,
Ensina os teus filhos a girar. Folha de Jurema,
Oxóssi é dono do Maracajá. (bis).
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Oxóssi é dono do Maracajá. (bis)

Oxóssi ê ê, Oxóssi ê a, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Ele é o dono das matas,
Onde canta o sabiá, PONTO DE OXÓSSI
Ele é o dono das matas, (saudação)
Onde canta o sabiá,
Pena Branca mandou lhe chamar, Correu terra, correu mar,
Jaguarema e Tupinambá, Até chegou no meu país. (bis)
Oi lá nas matas onde canta a Iracema, Ora viva Oxóssi na mata...
Pra Oxóssi e pra Jurema, Que a folha de mangueira,
O seu ponto eu vou cantar. Ainda não caiu. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Oxóssi assobiou, oi lá no Humaitá, Naquela estrada de areia,


Oxóssi assobiou, oi lá no Humaitá, Aonde a lua clareou,
É Ogum quem está de ronda, Aonde os caboclos pararam,
Cavaleiro de Oxalá, (bis) Para ver a procissão de São Sebastião.
É Ogum quem está de ronda, Okê, okê, caboclo!
Na porta desse Congá, (bis) Meu pai caboclo é São Sebastião.
Ele só da entrada,
Para os filhos de Oxalá. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ó viva Oxóssiã!...
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ó viva Oxóssiã!...
Somos guerreiros de Umbanda.
Quem manda na mata é Oxóssi, Ó viva Oxóssiã!...
Oxóssi é caçador,
Oxóssi é caçador, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Eu vi meu Pai assobiar,
E eu mandei chamar, Ó! Viva Oxóssi, ê...
Vem de Aruanda vem, Ó! Viva Oxóssi, á...
Vem de Aruanda, Ele é caboclo do mato!
Seu Pena Verde, é de Umbanda, Meu Pai!
É de Aruanda é, é de Aruanda é. Ó! Viva Oxóssi, ê...

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

CABOCLO PENA BRANCA Foi lá no lago azul,


Que seu ponto ele firmou. (bis)
Pena Branca!... Pena Branca!... Ele é Oxóssi caçador,
Tem penas para voar!... (bis) Filho de Nosso Senhor. (bis)
Eu venho pra ver meu povo!... Sete anjos me acompanham,
E volto pra Oxalá.... (bis) Sete estrelas me iluminam. (bis)
Salve o meu anjo da guarda,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Salve a minha estrela guia. (bis)

Okê Caboclo!... Okê Caboclo!... Ouvi o tropel do seu cavalo...


Pai Pena Branca da raiz do Urucá. (bis) A sua espora tiniu...
Quanta beleza!... Com sua espada e sua lança...
Pai Pena Branca, O inimigo reduziu!
É um bamba no Congá,
Seu Pai Tupã, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Que é Rei das Matas,
Que lhe dê forças, Oxóssi está no mussambê,
Pra sempre nos ajudar. Oxóssi está no mussambê,
Oxóssi está no mussambê!
Okê Caboclo!... Okê Caboclo!... Na cidade da Jurema,
Pai Pena Branca da raiz do Urucá. (bis) Está no mussambê, está no arirê! (bis)
E nos meus versos!...
Eu ofereço toda a minha gratidão, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Grito bem alto, Okê Caboclo!...
Pai Pena Branca mora no meu coração. Oxóssi assobiou,
Lá no Humaitá! (bis)
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ogum venceu demandas,
Companheiro de Oxalá. (bis)
CABOCLO ARRANCA TOCO
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Caboclo Arranca Toco,
A tua luz é minha guia, PONTOS DE OXÓSSI
Tu és Oxóssi,
És filho da Virgem Maria, Correu terra, correu mar,
A tua luz ilumina no escuro, Até chegou lá no seu país. (bis)
Todos os filhos do Terreiro, Ora viva Oxóssi lá na mata...
Estão seguros. Que a folha da mangueira,
Ainda(inda) não caiu. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
CABOCLO VENTANIA
Eu vi chover,
Jurema sua flecha caiu, Eu vi relampejar.
E ninguém sabe, Mas mesmo assim,
E ninguém viu, O Céu estava azul.
Eu vou chamar, Firma seu ponto,
O Caboclo Ventania, Na folha de Jurema,
Só ele sabe, Que Oxóssi é bamba
Onde a flecha caiu. No Alaquajú. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Ogã segura o toque, CHAMADA DOS CABOCLOS


Com Deus e Virgem Maria, (bis)
Pôr Oxalá, meu Pai, Umbanda,
Saravá seu Ventania. (bis). Onde estão os seus caboclos...(bis)

015 Eles vem de longe,


Do centro do Juremá.
Oi, rouxinol ventania, Com seus saiotes de penas,
Rouxinol, ventania. Na Umbanda saravá,
Na raiz da arucáia, Umbanda.
Sua cobra é um segredo,
Ele mora no lajedo, Umbanda,
Sentado na beira-mar. Onde estão os seus caboclos...(bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

CABOCLA JANDIRA Vai, estrela tão brilhante,


Que ilumina este gongá... (bis)
Quem quer viver sobre a terra,
Quem quer viver sobre o mar, Vai buscar, estrela, vai buscar,
Salve a Cabocla Jandira, Com permissão de Oxalá.
Salve a Sereia do Mar. Vai buscar Seu Tupinambá,
Pra vir na Umbanda trabalhar.
Oê, oê, oê... oê, oê, oa...
Oê, oê, oê... Jandira. (bis) Vai, estrela tão brilhante,
Que ilumina este gongá... (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
CABOCLA JUREMA TRONQUEIRA
Oxóssi assobiou na mata, (bis)
A Estrela d'Alva lá no Céu apareceu, Ogum bradou no Humaitá,
As matas de Oxóssi iluminou... (bis) Filhos de Umbanda louvaram:
Jurema Tronqueira!... Saravá, Oxóssi, saravá. (bis)
Saia das matas com seus filhos,
O Juremedo. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Cabelos longos, olhar distante,
Sua galera enternecida, o Juremedo, Assobia, assobia...
Jurema Tronqueira!... Ele assobiou!... (bis)
Saia das matas com seus filhos, Cadê seu Oxóssi na mata,
O Juremedo. (bis) Que ainda não chegou!...(bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

CABOCLA JUREMA FLECHEIRA Oxóssi é Capitão de Marambaia,


Oxóssi é Capitão de Marambaia,
Jurema é flecheira, Oxóssi é Capitão de Marambaia,
Quem é, que diz, que não... Mas ele é Seu Oxóssi d’Arucaia.
É flecheira do fundo do mar,
Da Falange de Ubiratã. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: O vento na mata zuniu,


Folha seca balançou.
CABOCLA JUREMA Saravá Oxóssi nossa banda, saravá,
Ele vem com Deus Nosso Senhor.
Lindo cocar de pena,
Que ganhou, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
A Cabocla Jurema!...
Quem lhe deu, Banda é, banda é,
Foi meu Pai Oxalá!... Oxóssi é Rei da Mata,
Oê, oê, oá ... Banda é, banda é,
Oxóssi é Rei da Guiné. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
CABOCLA JUREMINHA
Oxóssi é bamba,
Ô Jureminha, Ele é caçador...
Urubatão está chamando... Oxóssi é bamba o clime,
Na sua mata virgem, É Rei Matalambô.
Uma coral piou... (bis)
Ôi firma o ponto Jurema,... :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Rainha do Juremá.
Ela é a Cabocla, PONTO DE OXÓSSI NO CANDOMBLÉ
Filha de Tupinambá. (bis)
Cambila qui uazá sála mucurê, orirê,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Um tatá camóla na Luanda aê,
Mamãe cambilá.
CABOCLA JUREMA Ai na Luanda aê, orirê,
Cambila qui uáza sála mucurê,
Cidade de Jurema teve um tiroteio, Mamãe gimbeuá.
Sua cabana ela abandonou,
Oi Juremê, oi Juremá, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
O Rei das Matas mandou lhe chamar.
Cambila tem pai,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Tem sim senhor.
Cambila tem mãe,
Eu já mandei fazer, Tem sim senhor.
Três capacetes de penas. (bis)
Um é pra Jupira, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Outro pra Jandira,
E o outro, pra Jurema. Cambila uá uá uá,
É cambila,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Cambila uá uá uá,
É cambila.
Companheiros da Jurema,
Não deixem suas matas sozinhas. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Lá tem coisas preciosas,
E a Jurema é a Rainha. (bis) Cambila é meu ,
Cambilá,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Oxóssi é meu,
Quilondirá.
Oxalá chamou,
Oxalá chamou... :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
E já mandou buscar,
Os Caboclos da Jurema, Oxóssi é táta no mussambê,
Oi lá no Juremá. Oxóssi é táta no arirê.

Mandai, mandai... :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Minha Cabocla Jurema,
Os seus flecheiros, Salarê, Odé orerê,
Essa é a ordem suprema. Lokê.
Odé mi salerôco,
Oxalá chamou, Odé como faqueran.
Oxalá chamou...
E já mandou buscar, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Os Caboclos da Jurema,
Oi lá no Juremá. Odé muchauerá,
Agô Lelê,
Pai Oxalá... Odé muchauerá,
Ele é o Rei do Mundo inteiro, Agô donan.
E já deu ordens pra Jurema,
Mandar seus capangueiros. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Oxalá chamou...
Oxalá chamou...Oxalá chamou... Farolodé fibô,
Odé fibô.
Farolamolodé,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Abacoché.
161

Ela é cabocla, Lomáta Quilondirá,


Ela é flecheira, Oxóssi é Mutalambô,
Bumba na calunga, Aê aê...
É caçadora de feiticeira, Lomáta Quilondirá. (bis)
Bumba na calunga,
Oi ela vai firmar seu ponto, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Bumba na calunga,
Oi vai firmar lá na Angola. Aruê, caçador,
Bumba na calunga. Cabaranguange matô sumaé,
Tauamí.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Aruê, caçador,
Cabaranguange matô sumaé,
No meio da mata virgem. Tauamí.
Uma linda cabocla eu vi,
Com seu saiote, feito de pena, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
É a Jurema, filha de Tupi,
Caça na Luanda,
Jurema, Jurema, Jurema, É coroa.
É a Jurema, filha de Tupi, Oxóssi é caçador,
Ela veio lá do Juremá, É coroa.
Vem firmar seu ponto nesse Congá.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
É Lua Branca leluá,
O Jureminha, Jurema do Juremá, Odé Queboangí.
Sua flecha caiu serena, É Lua Branca leluá,
Dentro desse Congá, Odé Queboangí.
Salve Ogum, que está de ronda,
Salve Cosme e Damião, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Salve a Cabocla Jurema,
Que nos trás a proteção, Eu tenho meu Pai, eu tenho,
O Jurema. Eu tenho meu beija-flor.
Eu tenho meu Pai, eu tenho,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Sou d’Oxóssi Mutalambô.

Bamba ruê, Eu vi a Lua,


A terra é de Jurema!... (bis) Eu vi a Lua,
Seu grito é muito forte, Eu vi a Lua e falei com ela,
O machado tem bom corte, Eu vi a Lua,
O leão veio das matas, Eu vi a Lua,
Seu Rei é Xangô. Mutalambô mora dentro dela.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Leão nas matas berrou, Oxóssi mora na Lua,


Jurema foi caçar, Só vem na mundo para clarear. (bis)
Jurema é caçadora, Queria ver um Oxóssi,
Seu pai foi trabalhar, Para com ele eu falar. (bis)
Jurema é caçadora,
Que veio saravá. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: PONTO DE OXÓSSI (CHAMADA)

Lá na Jurema, É Zâmbi que governa o mundo...


Debaixo de um pé de Ingá, Só Zâmbi pode governar.
Lá onde a lua clareia os caboclos, É Zâmbi que clareia as estrelas,
Eu vi o seu Pena Branca passar. È quem clareia Oxóssi lá no Juremá.
Jurema, Jurema, O que é Caboclo...
Salve o seu Juremá. (bis) O que é meu caboclo, o que é... (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Queria ver um sabiá cantar, Eles vem daquelas matas,


Mas não é um sabiá que está cantando, Do reino de Juremá.
É uma cabocla Jurema que está assobiando. (bis) Caboclos vem de Aruanda,
Vamos todos saravá! (bis)
Vem Jurema, o Jureminha, o Juremá,
Vem nesse terreiro, pra seus filhos ajudar. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Como são lindos os cabelos da Jurema,
A luz brilhante do seu olhar, Oxóssi quando vem lá de Aruanda,
Ela é Jurema da Mata Virgem, Trazendo forças pra seus filhos de Umbanda.
Veio no Reino pra trabalhar. Ele é caboclo,
Ele é Flecheiro Atirador,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Na Aruanda todo Oxóssi é caçador.

CABOCLO SETE FLECHAS :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Jurema sua flecha caiu, OXÓSSI DAS CACHOEIRAS


E ninguém sabe e ninguém viu,
Eu vou chamar o Caboclo Sete Flechas, Fez barulho na cachoeira,
Só ele sabe aonde a flecha caiu. Sobre a pedra ela rolou.
A flecha que subiu no ar e caiu no mar, Com sua flecha certeira,
Onde estava Iemanjá, É Oxóssi que chegou.
A flecha caiu tão serena,
Que riscou o ponto da Cabocla Jurema. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: PONTO DE OXÓSSI


(Demanda)
Rê, rê, rê... rê, rê, rê...
Rê, rê, rê... rê, rê, ra... Quero ver arder,
Saravá seu Sete Flechas, Quero ver queimar.
Ele é o Rei da Mata, Feiticeiro que atira,
Quando seu bodoque atira... Tem que saber atirar.
Caramba!...
Sua flecha mata. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Rê, rê, rê... rê, rê, rê... Corre, corre na cachoeira,


Rê, rê, rê... rê, rê, ra... Sobre a pedra ela rolou,
Caboclo Sete Flechas no Congá. (bis) É Oxóssi das Cachoeiras,
Que sua flecha atirou.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Naquela aldeia, tem sete coqueiros,
Tem sete cobras, todas a piar, PONTO DE OXÓSSI
Ele se chama Sete Flechas de Umbanda, (Chamada)
Sua mironga é lá do Juremá.
É caçador da beira do caminho,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ei, não me mate esta coral na estrada,
Pois ele abandonou sua choupana,
CABOCLO PENA VERDE Foi no romper da madrugada.

Um grito lá na mata ecoou, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Foi seu Pena Verde quem chegou,
Com sua flecha, com seu cocar, CABOCLA JACIRA
Seu Pena Verde vem nos ajudar.
Na fonte da água cristalina,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Uma bela cabocla se mira. (bis)
Dos cabelos correm pérolas douradas,
SAUDAÇÃO Tá na gira a Cabocla Jacira. (bis)

Caboclo não tem caminho para caminhar, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Caboclo não tem caminho para caminhar,
Caminha pôr cima da folha, CABOCLA JANDIRA
Pôr baixo da folha,
Em todo lugar, Okê Caboclo!... (bis) Seu cocar é de pena branca,
Ela é quem segura a gira. (bis)
Que lindo pisar que tem os caboclos, Saravá sua linda banda,
Pisando na areia no rastro dos outros, Saravá a Cabocla Jandira. (bis)
Salve Iemanjá e salve a Sereia,
Salve os Caboclos que pisam na areia. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: CABOCLA JUPIRA

CABOCLO TUPINAMBÁ Estava em festa,


Toda a floresta estava em festa,
Tupinambá, Tupinambá, Porque cantou o Uirapuru...
Filho de Umbanda, No seu cantar,
Tupinambá, Tupinambá, Ele veio anunciar,
Venceu demanda, Que a Cabocla Jupira vai baixar.
Tupinambá, Tupinambá, Na terra de Pai Olorum,
Chefe guerreiro, Ela vai baixar,
Tupinambá, Tupinambá, Pra nos ajudar,
Vem no Terreiro. Ela vai salvar,
A sua banda, a sua gira.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Saravá Pai Olorum, saravá,
Acaba de chegar,
Estava na beira do rio, A linda Cabocla menina.
Sem poder atravessar, Mas ela tem a beleza que encanta,
Chamei pelo Caboclo, O olhar de uma santa,
Caboclo Tupinambá... (bis) Que nos encanta.
Tupinambá chamei, chamei... Jupira, linda Cabocla menina,
Tornei chamar e a!... É portadora de uma mensagem divina;
Tupinambá chamei, chamei...
Tornei chamar e a!... (bis) Ela é, ela é, ela é,
A menina dos olhos do Cacique Aimoré. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
No alto da Serra Morena,
Eu vi uma coral piar, Jupira e Tatuíra,
Piava porque estava presa, Caboclo Arranca Toco,
Amarrada no botoque de Tupinambá. É um Caboclo valente.
Piou, pediu a Lei Nagô, Salve a sentinela de Umbanda, ô Jupira.
Piou, pediu a Lei Nagô, Deixa os Caboclos brincarem, ô Jupira.
Trazia um tira teima na testa, (bis)
Sinal de caboclo, ele ali girou.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
CABOCLA JUREMA
CABOCLO DA MATA VÍRGEM
Dona Jurema, ela nasceu,
Caboclo da mata virgem, Ela nasceu no Juremá. (bis)
Da mata cerrada, lá da Juremá, Saravá Cabocla no endá,
Quem manda na mata é Oxóssi, Na raiz do orucá. (bis)
Quem manda no Céu é Oxalá. (bis)
Rê, rê, rê, Caboclo, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Quero ver girar,
Quero ver Caboclo, Caiu uma folha na Jurema,
Na Umbanda arriar. (bis) Veio o sereno e molhou.
E depois veio o sol, enxugou, enxugou,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: E a mata ficou toda em flor. (bis)

Na sua aldeia, onde ele é Caboclo, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


É Rompe Mato, é Arranca Toco,
Na sua aldeia, lá na Jurema, Jurema,
Não se faz nada, sem a Lei Suprema. O seu saiote é tão lindo,
Seu capacete é azul,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Brilha como o diadema. (bis)
Jurema,
CABOCLO TUPIMIRIM Ô Juremê, juremá,
Abandona suas matas,
Tupimirim auê, Tupinambá!... E vem na Umbanda saravá.
Arranca Toco,
Traz a Jurema pra cá, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Mãe Iara, Mãe Sereia,
Jurema vem trabalhar. (bis) Jurema,
Com seu saiote de penas.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Da sua cabana suprema,
Sai e vem trabalhar...
CABOCLO ROXO Jurê, juremê, juremá,
Jurê, juremê, juremá,
Caboclo Roxo, Jurema é, filha de Tupinambá.
Da cor morena,
Ele é Oxóssi, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Caçador lá da Jurema.
Ele jurou, ele jurará, Lá na Jurema,
Pelos conselhos, Debaixo de um pé de ingá,
Que a Jurema veio dar. (bis) Lá na Jurema. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Aonde o luar clareia os Caboclos,


Deixa a Cabocla Jurema passar.
CABOCLO CACIQUE GUARANI
Jurema... Jurema...
Aí vem chegando o Cacique Guarani, Olha o seu Juremá. (bis)
Ó Deus permita que ele venha até aqui,
Salve Tupã, salve Iara e Potí, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Salve Tupã e viva o Guarani.
Salve o luar, salve o sol, salve o cruzeiro, Minha senhora lá das matas,
Salve o Guarani que baixou nesse terreiro. Me diga quem manda aí. (bis)
Venha pra perto pra ver,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Dona Jurema é do ariri. (bis)

Caboclo a sua mata é verde, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


É verde como a cor do mar,
Mas ele é casutão da Jurema, Lá na mata eu vi,
Ele é casutão da Jurema, Linda Cabocla de penas. (bis)
Ele é casutão da Jurema e Naruê. Era Dona Jurema,
Com sua flecha suprema,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Mas ela vem de tão longe,
Veio pra caçar a ema.
Encruza a espada e a lança,
Lá no reino da Jurema, Lá na mata eu vi... (refrão)
Ele é Rompe Mato Ogum,
Ele é Rompe Mato Ogum, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ele é Rompe Mato Ogum,
E eu também sou Tira Teima. O rio rolou na mata virgem,
Uma estrela brilhou na Aruanda. (bis)
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Saravá linda Umbanda,
Umbanda linda, saravá.
CABOCLO PENA VERDE Agora a Cabocla Jurema é quem manda.

Seu Pena Verde quando vem da aldeia, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Vem trazendo pemba,
Pra saudar filhos de Umbanda, A folha que a Jurema tem,
Ele é caboclo, ele é flecheiro, Mata e cura também. (bis)
Ele é de Oxóssi, ele é caçador. As águas lá da cachoeira,
Seu Pena Verde, Não matam a sede que a Jurema tem.
É um caboclo flecheiro, (bis)
Ele é cacique, ele é feiticeiro,
Ele vem girando, ele vem assobiando, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Sua flecha atirando, ele vem caçando,
Ele é o Rei das Matas, lá na Aruanda, CABOCLA JUREMINHA
E vem na Terra, pra salvar filhos de Umbanda.
Seu saiote carijó brilhou na mata,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Sua flecha de indaiá assoviou.
A Cabocla Jureminha,
CABOCLO XAPANÃ Rainha de Umbanda,
Nossa banda já saravou, saaravou.
Xapanã vem descendo de Aruanda,
Trazendo pemba pra salvar, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Filhos de Umbanda,
Ele é caboclo, é flecheiro atirador, Minha Cabocla é linda, orirá,
Lá na Aruanda Xapanã é um vencedor. (bis) Minha Cabocla é linda, orirá,
Sua luz bendita, quem lhe deu,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Quem lhe deu foi nosso Pai Oxalá.

CABOCLO UBIRAJARA PEITO DE AÇO :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Corta mironga, corta senhor, CABOCLA JUSSARA


Corta língua de falador,
Pôr onde ele passa, Clarão ilumina a mata,
Não tem embaraço, Chuva cai, rio não pára. (bis)
Chegou Ubirajara Peito de Aço. Saravá Umbanda linda,
O seu saiote tem pena dourada, Banda de Dona Jussara. (bis)
Seu capacete brilha na alvorada.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
PONTO DE CABOCLO
CABOCLO UBIRAJARA (Saudação)

Que penacho é aquele, Seu Ubirajara, saravá seu Pedra Negra.


Que penacho é aquele, Seu Ubirajara, saravá gongá.
É de arara, Oi,
Vem rompendo a mata virgem, Saravá Oxalá!
Vem rompendo a mata virgem, Saravá Oxalá!
É o Caboclo Ubirajara,
O seu saiote tem pena dourada, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Seu capacete brilha na alvorada.
PONTO DE LOUVOR PARA
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: DOIS CABOCLOS

CABOCLO OGUM DAS MATAS Lá na mata, sua mata,


Dois manos combinou.
Que cavaleiro é aquele , Salve a flecha e o bodoque,
Que vem cavalgando pelo céu azul, Viva Deus, Nosso Senhor! (bis)
É Caboclo Ogum das Matas,
Que vem defendendo o Cruzeiro do Sul. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ererê, o cangira, êrerá,
Ererê, o cangira, pisa na Umbanda (bis) PONTO DE CABOCLO
Seu Cangira é Rei de Umbanda, (pedindo identificação)
Seu Cangira vem saravá,
Seu Cangira trás para os filhos, Ô meu Caboclo, que mata é a sua,
A proteção de Oxalá, seu Cangira, Ô meu Caboclo, que mata é a sua,
Ererê, ô cangira, êrerá, Que mata é a sua,
Ererê, seu Cangira pisa na Umbanda. (bis) É a de cá ou é a de lá,
Onde pia a cobra,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Onde canta o sabiá ?

CABOCLA IARA :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Estrela, Sol e Lua, PONTOS DE CABOCLO


Que clareia o Juremá ( bis) (confirmado)
Oi que valha-me todos os Caboclos,
De flecha e botoque, Sua flecha a tiracolo,
Oi que me valha Iara. (bis) Foi Oxalá quem lhe deu. (bis)
Quem achou, achou,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Quem perdeu, perdeu. (bis)

CABOCLO GRAJAÚNA :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Eu sou caboclo, eu sou Tamoio, Disse quem disse,


Eu venho lá de Aruanda, Falasse quem falasse. (bis)
Eu sou caboclo, eu sou Tamoio, É meu, é meu,
Eu venho lá de Aruanda, Foi Oxalá quem me deu. (bis)
Eu sou caboclo, o meu nome é Grajaúna,
Eu sou Tamoio, eu sou Guerreiro de Umbanda, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Eu sou Tamoio, eu sou Guerreiro de Umbanda.
PONTO DE CABOCLO
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: (chamada)
Seu ....... sua banda lhe chama,
CABOCLO ROMPE MATO Seu ....... sua banda lhe implora.
Saudação Vem meu Caboclo de Nossa Senhora,
Venha com Deus que chegou a hora.
Hoje tem alegria,
No terreiro de meu pai, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Saravá seu Rompe Mato,
Que ele é chefe de gongá... PONTO DE CABOCLO
Embala eu babá!... (para confirmar)
Embala eu!...
Embala eu babá!... Ajoelha Caboclo,
Embala eu!... Você não é judeu. (bis)
Você tem um nome,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Foi Oxalá quem lhe deu.
CABOCLA IRACEMA :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Iracema vem descendo de Aruanda, PONTO DE CABOCLO


Trazendo pemba pra salvar filho de Umbanda, (alertando)
Ela é cacique, flecheira e atiradora,
Lá na Aruanda Iracema é vencedora. Caboclo segura o brabo,
Caboclo tu olha lá.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Tem um pau que quebra machado,
É o tronco da guaraúna.
FALANGE DE OXÓSSI
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Das minhas matas, venho chegando,
Com minhas cachoeiras descarregando, PONTO DE CABOCLO
Das minhas marolas, venho trabalhar, (para firmeza de ponto)
Com minhas falanges descarregar.
Ô couiza, ô cauiza. (bis)
Ai, minhas flechas, Eu vi Caboclo na mata, eu vi,
Ai, meu guiné, Eu vi Caboclo na mata, okê.
Ai meu Jesus, de Nazaré. (bis) Cabolco firma seu ponto que eu quero ver.
E mostre que é Caboclo do arirê.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
CABOCLO GIRASSOL
PONTO DE CABOCLO
Gira, gira, gira, (Linha cruzada)
Minha estrela no arrebol,
Vem chegando, vem girando, Lá no alto da serra,
O Caboclo Girassol. (bis) Tem uma linda floresta;
Também tem uma linda cabana,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Mas ela é do Caboclo Guiné. (bis)

OXÓSSI CACHOEIRINHA Saravá todos os Caboclos,


Salve o Seu Vence Demandas,
A trovoada lá no céu roncou, Saravá o Seu Vence Demandas.
A água na cachoeira rolou, Saravá todos os Caboclos,
Oi saravá seu Cachoeirinha, Que pertencem a esta linda Umbanda.
Oi saravá meu Pai Xangô. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Uma estrela cor de prata,
OXÓSSI DE PEMBA –VENTANIA Brilhando anunciou. (bis)
Era um Caboclo que chegava,
Óh ! Cadê a ôro pemba, Vinha a mando de Nosso Senhor. (bis)
Os meus caboclos pemba. (bis) Ele é Caboclo, ele é flecheiro,
Ele é caçador.
Veado no mato é corredor, Ele Caboclo Boiadeiro,
Oxóssi no mato é caçador, Ele é laçador.
Cadê o Caboclo Ventania,
Esse caboclo é o maior do dia. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: PONTO DE CABOCLO

TUPINAMBÁ Já dizia um Caboclo,


A Umbanda é pra quem tem fé.
Lá na mata tem guiné, Ai de mim, meu bom Caboclo,
Tupinambá se ajoelhou, ô, ô, ô, ... Sua força não engana ninguém.
Com sua flecha na mão, Se o Caboclo é bom,
Pedindo força e proteção. Bate palmas pra ele.
Se o Caboclo é bom,
Ao passar da meia-noite, Bate palmas pra ele. (bis)
Um clarim eu vi tocar,
São guerreiros de Aruanda, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vem saudar Tupinambá. (bis)
Caboclo na mata trabalha,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Com São Cipriano e Jacó. (bis)
Trabalha com chuva e com vento,
PANTERA NEGRA Trabalha com a lua e com o sol. (bis)
(Na linha de Oxóssi)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ele é Oxóssi da mata virgem,
E ele vem com seu florete na mão, Caboclo sua mata é verde,
Ele vem abençoar seus filhos, É verde, é da cor do mar. (bis)
Que aqui vieram pedir proteção. (bis) Saravá cassuté da Jurema,
Avança, avança, lanceiro, Saravá cassuté da Jurema,
Com seu florete na mão, Saravá cassuté da Jurema,
Quem não conhece o Pantera Negra, Jurema. (bis)
Ele é o chefe de toda a legião.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Que lindo Caboclo de penas, Panaiá,
SETE FLECHAS Que veio na Umbanda saravá,
É um panaiá. (bis)
Na mata virgem o sabiá cantou, É rei, é rei, é Rei do Panaiá.
A Estrela lá no céu brilhou, É rei, é rei, é Rei do Panaiá. (bis)
Oh! Caramba ( poranga),
Ele é o Rei dos Caçadores, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ele é o Rei do Juremá.
Saravá seu Sete Flechas, Lá no lajedo,
Ele é o dono do Congá. Aonde Caboclo mora. (bis)
Ê, ê, ê, á, Vestimenta de Caboclo,
Ogum venceu demanda, Samambaia é só. (bis)
Nos campos de Humaitá (bis) Samambaia é só, auê,
Samambaia é só.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
FESTA NA MATA
(Na irradiação de Oxóssi e Pantera Negra) Salve os Caboclos,
Quando vêm da aldeia. (bis)
Pantera Negra coroou, Eles vêm da aldeia, aldeiá,
Seu Sete Flechas na floresta. Vem firmar na areia, areiá. (bis)
E nesse dia toda a mata,
Era uma cidade em festa, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
E os caboclos se enfeitaram,
Com a folha da guiné. Caboclo comeu sapucaia,
E os caboclos curiaram, Caboclo se embriagou. (bis)
A chamar Quibandeodé, Com as ervas da Jurema,
Oh! Quibandeodé, Caboclo se levantou.
Oh! Quibandeodé, Malha dendê, caboclo,
Oh! Quibandeodé, Caboclo, malha dendê. (bis)
Oh! Quibandeodé.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ele veio da sua cidade,
OXÓSSI CAÇADOR Com a Estrela D’Alva no peito. (bis)
Quem foi que deu,
Quem manda na mata é Oxóssi, Quem dá, quem daria.
Oxóssi é caçador, Ele é filho da Virgem Maria. (bis)
Oxóssi é caçador,
Eu vi meu pai assobiar, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
E eu mandei chamar,
É na Aruanda é, De onde vêm os meus Caboclos,
É na Aruanda é, Mas eles vêm da cidade da Jurema. (bis)
Seu Pena Branca (Verde) de Umbanda, Mas eles vêm zuando, zuando,
É na Aruanda. (bis) Sacudindo seu penacho e levantando poeira. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

OXÓSSI Estrela, Sol e Lua,


Que clareia o juremá. (bis)
Eu corri terra, eu corri mar, Oi que valham-me todos os Caboclos,
Até que cheguei no meu país. De flecha e botoque,
Oh! Viva Oxóssi na sua mata, Oi que me valha Iara. (bis)
Que a folha da Jurema ainda não caiu.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Tem Caboclo no mato,
Ai não me toque na espada de Ogum, Chama, chama que ele vem.
Ai não me toque na machada de Xangô, Salve bacuro de Umbanda,
Ai não me toque na Linha de Oxóssi, Chama, chama que ele vem.
Que nas matas tem um velho caçador,
Que nas matas tem um velho caçador. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Que linda andorinha,


Tem no meu sertão.
OXÓSSI PENA BRANCA Todo pássaro voa, andorinha,
Só a ema não!
Ele atirou, ele atirou e ninguém viu,
Seu Pena Branca é quem sabe, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ande a flecha caiu. (bis)
Ele foi no mato caçar,
Se o seu saiote é carijó, Sirió, sirió,
A sua pena de ara, orô, Mas quando é noite de luar,
Ele é Oxóssi, é, Ele bate o pé, levanta o pó. (bis)
Oxóssi é Rei lá na mata,
Oxóssi é Rei na Guiné. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Caboclo que vem da mata,


Da mata traz seu poder. (bis)
CABOCLO DA MATA Arreia, Caboclo, arreia,
Arreia que eu quero ver. (bis)
A Coral é sua cinta,
A Jibóia é sua laça... (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ois qui bumba, ois qui bumba,
Ois qui bumba ê, Apanha maracanã,
Caboclo mora na mata. (bis) Ô mi táta, mirô,
Apanha folha por folha,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ô mi táta, mirô,
Ele é filho da Jurema,
FLECHEIROS Ô mi táta, mirô,
Não deixa cair no chão,
Flecha, flecha, flecha, flecha, Ô mi táta, mirô,
Flecha, flecha, flechador, Táta mirô!
Que na ponta de tuas flechas,
Vem a benção do Senhor. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Na sua aldeia têm os seus caboclos,


Na sua mata têm as cachoeiras,
CABOCLO CAJÁ No seu saiote têm penas douradas,
Seu capacete brilha na alvorada.
Caboclo das matas,
Que mata é a sua, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
É a de lá, é a de cá,
É das Tribos de Cajá, Ele veio de tão longe,
A onde pia a cobra, Veio saravá o endá. (bis)
Onde canta o sabiá. (bis) Bendito e louvado seja,
Ele é rei do apanaiá. (bis)
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Bate o bumbo lá na aldeia, ê á. (bis)

CABOCLO GUARÁ :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Guará ê ê... Guará, Vento ventou lá na mata,


Guará da Mãe de Deus, Guará, Balanceou, folha caiu. (bis)
Ê ê Guará, ê ê Guará. (bis) Quero ver, quero ver,
Quero ver quem inda não vi. (bis)
Você diz que é da lei, Guará,
No terreiro ele é rei, Guará, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Tem o seu corpo fechado, Guará,
O meu pai é Caboclo,
Guará, ê ê... Guará.... Quero ver balançar. (bis)
Areia, arreia,
Ele agora vai embora, Guará, Capangueiros da Jurema, ô Juremá. (bis)
Porque está chegando a hora, Guará,
Está perto a sua glória, Guará, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Porque conta com a vitória, Guará.
CABOCLO AIMORÉ
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Aimoré, Aimoré, odé,
CABOCLO ROXO É Rei da mata,
Aimoré, odé. (bis)
Caboclo Roxo, da pele morena, Quando ele chega no reino,
Ele é Oxóssi, é caçador lá na Jurema. (bis) Aimoré, odé,
Ele jurou, e ele jurará, Ele vem de Aruanda,
Pelos conselhos que a Jurema veio dar. (bis) Aimoré, odé.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

OXÓSSI CAÇADOR Aimoré é um caboclo valente,


Valente aqui ou em qualquer lugar.
Atira, atira, eu atirei, Aimoré mora lá nas matas,
No bambá, vou atirar. (bis) Na mata virgem, lá no Juremá.
Veado no mato é corredor,
Oxóssi na mata é caçador. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Caboclo velho maiondé,


Aê, aê, maiondé.
OXÓSSI DO MARACATÚ Caboclo velho maiondé,
Oi saravá seu Aimoré.
Eu vi chover, eu vi relampear,
Mas mesmo assim o céu ficou azul, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Firma seu ponto, na folha da Jurema,
Oxóssi é bamba no maracatú. (bis) Caboclo da manhangaba,
Ele é táta mirô.
O bombardeio que se deu na aldeia, Aimoré na sua vizáia,
Sua palhoça, Oxóssi quis abandonar, Ele é táta mirô.
Mas ele é um caboclo de demanda,
Vem de Aruanda, lá do Juremá. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: CABOCLO ÁGUIA BRANCA

OXALÁ E ODÉ (OXÓSSI) Seu Águia Branca é um guerreiro,


Seu Águia Branca é bambe odé,
Oxalá Velhinho, Seu Águia Branca é meu protetor,
Oxalá e com Odé, Ele é meu caboclo de fé.
Oxalá de Urumilaia,
Oxalá da Umbanda. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Quando sair o sol, CABOCLO ARARIBÓIA


Eu vou entrar na mata,
Vou falar com Oxóssi, Estava em plenas matas,
Jurema, Oxóssi é caçador. (bis) Quando tudo escureceu. (bis)
Trovejou lá no céu,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Mas chover não choveu. (bis)
Eu me perdi,
ÁGUIA BRANCA Seu Araribóia me achou. (bis)
Com sua flecha de ouro,
Águia Branca, vem de Aruanda, Meu caminho ele guiou. (bis)
Vem sozinho, vem sozinho trabalhar, O vento soprava forte,
Saravá, saravá, saravá, E para o céu ele olhou. (bis)
E a falange de Águia Branca vai baixar. E dando um brado mais forte,
A mata clareou. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
A mata clareou, a mata clareou,
LINHA DE OXÓSSI A mata clareou, a mata clareou.
(estribilho)
Ó viva Oxóssi, nas suas matas,
Na sua macaia é caçador, Saravá Araribóia,
Com sua flecha e seu bodoque, Nosso mestre e protetor. (bis)
Ai viva Deus, Nosso Senhor. (bis) Quem anda com esse caboclo,
Não e perde, não senhor. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
A mata clareou, a mata clareou,
LINHA DE OXÓSSI A mata clareou, a mata clareou.
(estribilho)
(Pode ser cantado em trabalhos especiais, pois o
ponto é um mantran que demonstra a força dos Ele é Araribóia,
guias espirituais) Nosso mestre de instrução. (bis)
Eu ando com este caboclo,
Caboclo não tem caminho, Dentro do meu coração. (bis)
Para caminhar, (bis)
Ele passa por cima da folha, A mata clareou, a mata clareou,
Por baixo da folha, A mata clareou, a mata clareou.
Em qualquer lugar... (estribilho)
Ele passa por cima da folha,
Por baixo da folha, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Em qualquer lugar...Okê Caboclo!
Um assovio passou na mata virgem,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Anunciando que raiava o dia. (bis)
Uma flecha linda riscou o firmamento,
BEREQUETÊ lá bem alto,
(Reza da Nação de Kêto – Linha de Cigano, na Do bodoque de Araribóia ela zunia.
vibração de caboclos ) Seu penacho é todo feito de estrelas,
Seu bodoque e sua flecha de indaiá,
Berequetê, berequetê, inhá, Saravá Caboclo Araribóia nesta banda.
Kiginalô, Kurimá, Ele é nosso mestre, nosso guia, saravá.
Berequetê Babá, (bis)
Kerequetê, ô ô
Kiginalô Kurimá, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Berequetê Babá (bis)
CABOCLO ARARANGUÁ
Aruê pam, aruê pam,
Aruê seu pam pam pam, Ele vem de longe,
Aruê pam. (bis) Do alto da serra morena. (bis)
Ele é Araranguá,
Lay lay lay lay lay lay, Rei cassuté lá da Juremá. (bis)
Lay lay lay ô laê,
Lay lay lay. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: CABOCLO ARAÚNA

OXÓSSI COBRA CORAL Ele é caçador, é caçador,


É caçador não é adivinhador. (bis)
Estrela d’Alva é nossa guia, Ele veio de longe,
Que corre o mundo sem parar .(bis) Veio caçar. (bis)
Alumia a mata virgem, Ele é seu Araúna que vem saravá.
E o terreiro de além mar. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Okê Caboclo chama seu Cobra Coral,
Okê Caboclo chama seu Cobra Coral, Eu vi Caboclo bradando,
Abre trabalho, na mata virgem , Eu vi a mata tremer. (bis)
Chama seu Cobra Coral. (bis) Ôi saravá Caboclo Araúna,
Nas aflitas venha me valer.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
TUPINAMBÁ :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Tupi, Tupinambá, queremos saravá, Caboclo Araúna é Rei,


Cantando sempre alegre, É Rei, Cacique, é Apanaiá. (bis)
O nosso Rei é Xapanã ! Quando chega em sua banda, ele brada,
Hei de vencer, hei de guiar, Saravá meu glorioso Oxalá. (bis)
Cantando sempre alegre,
O nosso Rei é Xapanã ! :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
O nosso Rei é Xapanã !
CABOCLO ARRANCA TOCO
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Seu Arranca Toco corou,
FLECHEIRO CAJAN Seu Tupi lá na Jurema.
Neste dia lá nas matas,
Cajan tu vem de Aruanda, Foi um grande dia de festa.
Cajan tu vem trabalhar... Todos os caboclos se enfeitaram,
Cajan tu vem de Aruanda, Com as folhas da Jurema.
Cajan tu vem é de lá. (bis) Oi saravá seu Arranca Toco,
Saravá seu bambi odé,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Oi que bambi o clime...
Oi que bambi odé. (bis)
FLECHEIRO CAJAN
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Saravá! O Povo de Umbanda,
Saravá!... Seu Arranca Toco é de Umbanda,
Saravá, o Flecheiro Cajan, É de maná zambê,
Que vai baixar, ô ô... Quando ele vem lá de Aruanda,
Saravá! Auê, auê, auê. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

LINHA DE OXÓSSI Caboclo bom


É irmão do outro,
Foi Zâmbi quem criou a terra, Um é Sete Flechas,
Foi Zâmbi quem criou o mar, Outro Arranca Toco.
Foi Zâmbi quem criou as estrelas,
Que iluminam Oxóssi lá no Juremá. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Canta meu bom Caboclo,


Brilha no seu endá. (bis)
REZA PRA ODÉ (OXÓSSI) Saravá seu Arranca Toco,
Bom Caboclo,
Aruê, cajador, Que ganhou linda estrela de Oxalá.
Lembarenguaje patozi baé,
Tawamy-aruê caçador, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Lembarenguaje patozi baé,
Tawá mi. CABOCLO ARRUDA

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Caboclo Arruda é um odé formoso,


Quando da Umbanda, saravá o endá.
PAI URUBATÃ
Ele é orirê,
La no alto da floresta, Ele é orirá. (esribilho, bis)
Da seara do Senhor,
É o Pai Urubatã, chefe guerreiro, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Que acaba de chegar,
Com sua machada ele é cacique, CABOCLO BOIADEIRO (na Jurema)
É o Rei do Juremá. (bis)
Ele é Boiadeiro,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: É caboclo na Jurema. (bis)
Ele passei nesta terra,
LINHA DE OXÓSSI É porque tem ordem suprema. (bis)

Luar oi, luar oi, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Segue seu andar ó luar...
Segue seu andar ó luar... É malandragem, moço,
O caboclo vem das matas, É malandragem.
Pra baixar neste congá, João Boiadeiro,
Ele vem lá da Aruanda, É um rei na malandragem, moço.
Para seus filhos salvar.
No alto daquela serra, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Onde canta o sabiá,
Onde Oxóssi é Rei da Mata, Na Jurema tem uma linda flor,
O caboclo mora lá! Oi... Na cachoeira brotou linda roseira,
Na mata virgem,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Seu Boiadeiro, ô Juremá,
Com o seu laço ele pega boi,
CABOCLO UBYRARA Ele ganga boi,
Ele quebra madeira.
Sou o Caboclo Ubyrara,
Filho de Zâmbi e Tupã, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Sou o Caboclo Ubyrara,
Gêmeo de Urubatã. CABOCLO BUGRE

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: O seu bodoque é de cipó,


A sua flecha é de indaiá.
CABOCLO AIMORÉ Meu Caboclo vem sereno,
Como o sereno é.
A água com areia, Saravá Caboclo Bugre,
Não pode demandar, Da sinda di mi santé.
A água vai embora,
Areia fica no lugar. (bis) Seu bodoque é de cipó,
Se é de zum zum zum, A sua flecha é de indaiá. (refrão)
Chegou o Aimoré,
Cacique guerreiro, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Pa salvar filhos de fé. (bis)
CABOCLO CAÇADOR
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Caça, caça, caçador,
CABOCLO TUPAÍBA Como é lindo ver caçar.
Caça, caça, caçador,
Nós somos dois irmãos guerreiros, Caçador do Juremá.
Dois irmãos unidos, Caça, caça, caçador,
Meu nome é Tupaíba, Caça, caça, caçador,
Sou filho de Aimoré, Oi caça aqui, caça acolá.
Lá nas tribos Guaranis,
Meu irmão chama Pery. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Atira, Caboclo, atira,


Atira pra não errar. (bis)
CABOCLO ARRANCA TÔCO Caboclo que atira na mata,
Seu Caçador, saravá o seu endá. (bis)
Na sua aldeia ele é caboclo,
É Rompe Mato é Arranca Toco, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Na sua aldeia, lá na Jurema,
Não se faz nada, O meu Pai é Caçador,
Sem a Lei Suprema. (bis) Que não nega o seu natural. (bis)
Ele é Caboclo das águas claras,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: E é Caboclo xetruá. (bis)

CABOCLO DO VENTO :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Peguei na pemba, Caçador que caçou,


E a pemba balanceou, O seu sabiá. (bis)
Peguei na pemba, Que pousava no galho,
E a pemba balanceou, No galho da sua macáia. (bis)
Cadê o Caboclo do Vento,
O Caboclo do Vento chegou. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: CABOCLO CACHOEIRINHA

LINHA DE ROMPE MATO A mata virgem escureceu,


Veio o luar e clareou.
Oi caêta, oi caêta, Foi quando ouvi,
Oi caêta, oi caêta, A linda voz do Senhor,
Eu vi o dono da mata, eu vi, Cachoeirinha é quem chegou. (bis)
Eu vi o seu Rompe Mato, eu vi,
Caboclo nasceu na mata, e ocê... Mas ele é rei, ele é rei, ele é rei,
Eu seu Rompe Mato no arerê...oi (bis) Ele é um rei na mata virgem, ele é rei.
(estribilho – bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
TUPI MIRIM
CABOCLO COBRA CORAL
Eu sou Tupi Mirim,
Nascido na beira do cais, Todos os Caboclos,
O meu babá, Tupinambá, Quando vêm da mata,
Minha babá, Yara. Trazem a cinta do Seu Cobra Coral.
Aquele manto que brilhou, (bis)
Lá no espaço, É do Seu Cobra Coral,
É o manto da babá Yara. (bis) É do Seu Cobra Coral. (estribrilho – bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

JUREMA Sucuri, jibóia,


Como vem beirando o mar. (bis)
Jurema saia das matas, Olha como brogoiô,
Vem pro Terreiro, pra trabalhar, Saravá seu Cobra Coral. (bis)
Trazendo seu Pena Branca,
E o Cacique Tupinambá. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Zuará, Caboclo lindo,


Cobra Coral é um panaiá. (bis)
JUREMA Arreia, Caboclo, arreia,
Cobra Coral é de Oxalá. (bis)
Entrei na mata e avistei um clarão,
De uma estátua de corpo inteiro no chão. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Não era Yara não, nem a Jandira, não,
Era a Jurema com seu bodoque na mão (bis) CABOCLO ESTRELA D’ALVA

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Vai estrela tão brilhante,


Que ilumina este gongá. (bis)
LINHA DE JUREMA
Oi vai buscar,
Meu passarinho azulão, Estrela, vai buscar,
Quando voa não senta no chão.(bis) Com a permissão de Oxalá,
Ai que linda caboclo de pena, Oi vai buscar Seu Estrela D’Alva,
Pena bonita, bodoque na mão. (bis) Pra vir na Umbanda trabalhar.
Estrela tão brilhante...
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vai estrela tão brilhante,
LINHA DE JUREMA Que ilumina este gongá. (bis)
(refrão)
Voou, voou, meu passarinho azulão,
Quem rola pedra é Xangô, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Afirma o ponto no chão,
É a Cabocla Jurema, CABOCLO FLECHEIRO
Com seu bodoque na mão.(bis) (Linha cruzada)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Com sua flecha de apanaiá,


Ele é ligeiro. (bis)
LINHA DE JUREMA – CHAMADA GERAL Saravá sua linha cruzada, odé,
Ele é o Caboclo Flecheiro. (bis)
Oxalá mandou,
Ele mandou buscar, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Todo o Povo de Jurema,
Lá do Juremá... (bis) O Seu Flecheiro passeava na Jurema,
Estrela D’Alva iluminava a mata virgem.
Seu Oxalá, (bis)
Que é o Rei do Mundo inteiro, Águas da Oxum corriam na cachoeira,
Manda ordem pra Jurema, Saravá meu Pai Flecheiro,
Mandar seus Capangueiros... É cassuté da Lei Suprema.

Baixai, baixai, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Minha Cabocla Jurema,
Com seus Capangueiros, Uma flecha zuniu no ar,
Essa é a ordem suprema... Quem seria tão forte arqueiro. (bis)
Quando estrela brilhou na mata virgem,
Oxalá mandou... Pude ver o Caboclo Flecheiro.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

LINHA DE JUREMA Linda barquinha nova,


Que vem do mar de Lisboa,
La naquela floresta, Nossa Senhora vem dentro,
Tem uma serra morena. (bis) Seu Flecheiro vem na proa.
Onde o luar clareia, pra saravá,
Todo o Povo de Jurema. (bis) PONTO EM HOMENAGEM AO CABOCLO PEDRA
Jurema do Juremê, Jurema do Juremá, LISA
Jurema do Juremê, Jurema do Juremá.
É uma cabocla de pena, Pisei na pedra,
Vamos todos saravá. E a pedra balanceou. (bis)
O piô, piô, o piá, piá... (bis) O mundo estava escuro,
Pedra Lisa clareou...
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: O mundo estava torto,
Pedra Lisa endireitou...(bis)
LINHA DE JUREMA
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
O leão urrou na mata,
Jurema foi caçar, PONTO EM HOMENAGEM A PANTERA NEGRA –
Jurema é caçadeira, LINHA DE OXÓSSI
E o seu pai foi saravá. (bis).
Ele é Oxóssi, da mata virgem,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: E ele vem com seu florete na mão.
Ele vem abençoar seus filhos,
CABOCLA IMEMBUY Que aqui vieram pedir proteção. (bis)

A Cabocla Imembuy, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Vem trazendo a estrela guia. (bis)
Cobrindo todos os seus filhos, PONTO EM HOMENGEM A PANTERA NEGRA – DIA
Com o manto da Virgem Maria. (bis) DE FESTA

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Pantera Negra coroou,


Seu Sete Flechas na floresta,
LINHA DE JUREMA E neste dia toda a mata,
Era uma cidade em festa,
Eu vi uma flecha zunir, E os Caboclos se enfeitaram,
Eu vi uma estrela brilhar, Com a folha da Guiné,
Eu vi o Povo de Jurema, E os Caboclos curiaram,
Querendo baixar. (bis) A chamar Quibandeodé...
Oi Quibandeodé,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Oi Quibandeodé,
Oi Quibandeodé,
JUREMA Oi Quibandeodé...

Jurema ! O Juremê, Juremá. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


É uma cabocla flecheira,
Que atirou flecha pro ar, PEDIDO DE BENÇÃO A OXÓSSI
Atirou numa Jibóia,
E matou cobra Coral. Seu capacete é todo branco,
E o seu saiote é carijó...
Ai como é lindo o cabelo de Jurema, Com a sua flecha e o seu bodoque,
A luz brilhante do seu olhar, Lá nas matas vive só...
Salve a Jurema, saiu das matas, Com a sua flecha e o seu bodoque,
Tá no terreiro, pra saravá. (bis) Lá nas matas vive só...

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

JUREMA – CHAMADA GERAL CHAMADA GERAL PARA CABOCLOS

Arreia capangueiros, Bate o tambor,


Capangueiros da Jurema, Eu quero ver quem é...
Arreia capangueiros, Bate o tambor,
Capangueiros da Jurema. (bis) Eu quero ver quem é...
São os Caboclos,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Que vem de Aruanda,
Saravá na Umbanda,
JUREMA Para seus filhos de fé. (bis)

Lá no caminho de jacutá, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Onde eu plantei minha roseira...
Foi no caminho de jacutá, TUPIMIRIM
Onde eu plantei minha roseira...
Jurema vai firmar seu ponto, Quem é aquele caboclo,
A Estrela d’Alva é nossa guia. (bis) Que vem lá tão longe...
É Tupimirim, filho de Tupinambá.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ele vem armado, ele vem flechado,
Ele vem salvar o Rei Babá.
FILHO DO SOL Quem é aquele caboclo,
(Na irradiação de Jurema) Que vem lá tão longe...
É Tupimirim, filho de Tupinambá.
No tronco de uma mangueira, Ele vem armado, ele vem flechado,
A Jurema me esperou. (bis) Ele vem salvar o Redentor
É o Filho do Sol,
Que a sua flecha atirou. (bis)
CHAMADA GERAL PARA CABOCLOS
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Bate o tambor,
LINHA DE JUREMA Eu quero ver quem é. (bis)

Jurema do Juremeiro, São os caboclos que vem de Aruanda,


Do Tronco de Juremá. (bis) Saravá na Umbanda,
Saravá Arranca Toco, Para seus filhos de fé. (bis)
E a Cabocla Giruá. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
CHAMADA GERAL PARA DESENVOLVIMENTO DE
LINHA DE JUREMA INICIADOS – HOMENS

Que lindo capacete de pena, Eh! Eeeeee... Luanda!


Ganhou a Cabocla Jurema. (bis)
Mas quem lhe deu, Oh! Oooooo... Luanda!
Foi Papai Oxalá, á á, Terra da macumba, do batuque e do cangerê. (bis)
Ê ê ê ê ê á, ê ê ê ê ê á... (bis)
Eu vou bater tambor!
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Eu vou bater tambor!
Vou fazer o meu batuque,
LINHA DE JUREMA Pra chamar teu protetor.
Vou fazer o meu batuque,
Salve a dona Duacema, Pra chamar teu protetor. (bis)
A dona de Goyá. (bis)
Salve a dona Duacema, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
A dona de Goyá. (bis)
CHAMADA GERAL PARA DESENVOLVIMENTO DE
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: INICIADOS – MULHERES

LINHA DE JUREMA É mamãe iê, é papai iá. (bis)


Firma a cangira que eu quero ver,
Nas suas matas, Filha de Umbanda não tem querer. (bis)
Minha Mãe é a Rainha,
A lei suprema de toda a Juremá, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vem óh! vem óh! Mãe Jurema,
Abençoar seus filhos, CHAMADA GERAL DE CABOCLOS
Que estão neste congá. (bis)
Tambor! Tambor!...
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Vai chamar quem mora longe, tambor... (bis)
Oxóssi nas matas,
PONTO DE FIRMAÇÃO DE TERREIRO NA ÉGIDE Xangô na pedreira,
PANTERA NEGRA Ogum no Humaitá,
Mamãe Oxum na cachoeira. (bis)
Tu és um príncipe de cavalaria,
Que não vê trevas, nem escuridão. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vou dar um brado de salvas,
A toda a sua legião. (bis) CABOCLO FLECHEIRO

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Bumba na calunga,


Ele é Caboclo, ele é flecheiro.
PONTO DE SAUDAÇÃO E FIRMAÇÃO DE TERREIRO Bumba na calunga,
A URUBATÃ Amansador de feiticeiro.
Bumba na calunga,
Aí vem a lua, Ele vem firmar seu ponto.
Surgindo no céu azul de Juremá, Bumba na calunga,
Aí vem baixando Urubatã, E vem firmar é na Angola.
Pra todos os seus filhos salvar...
Se ele é Rei de toda a Juremá, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vamos meus filhos, vamos saravá ! (bis)
CABOCLO FOLHA VERDE
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Folhas verdes da palmeira,
PONTO DE DEFUMAÇÃO Como brilham no luar. (bis)
Folha Verde é caçador,
Ê ê Pai Oxóssi !... Caçador da Jurema, do juremá. (bis)
Me dá licença pra defumar...
Eu defumo, eu defumo esta aldeia, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Pro mal sair e o bem entrar.
Ê ê, ê ê, ê á... (bis) Os rios da Oxum são muito largos,
Lagoas da Iara matam a sede. (bis)
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Saravá este Terreiro de Umbanda, saravá,
Saravá meu bom caboclo Folha Verde.
PONTO PARA FIRMAR UM TERREIRO – (bis)
ASSENTAMENTO DE ERVAS
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Caboclo do mato quem é você ?
Segura o terreiro, que eu quero ver ! (bis) Temporal passou na mata,
Zum zum bi aruê, Meu Deus, mas que ventania. (bis)
Segura o terreiro que eu quero ver. (bis) Era o Caboclo Folha Verde,
Que bradava ao romper do dia. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
CABOCLO JIBÓIA
CABOCLO GRAJAÚNA
Seu Jibóia tem sua cinta,
A Coral é sua laça. (bis) Voou, voou, meu passarinho azulão. (bis)
Óia zúa, quizúa, quizúa aê, Quem está na gira é caboclo,
Seu Jibóia mora na mata. (bis) Anjos do céu dão a mão.
Salve Caboclo Grajaúna,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Com sua flecha na mão.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Seu Grajaúna é caboclo valente,


Ele é Caboclo em qualquer lugar.
Mas só apanha a folha da Jurema,
Com ordem suprema de Pai Oxalá.

1- PONTO DE TUPINAMBÁ

A benção, a benção
A benção Tupinambá
A benção ó Pai
Ó benção Mãe
A benção Tupinambá

2- PONTO DE TUPINAMBÁ
Pisa firme no terreiro
Tupinambá é nosso Pai
Quem é filho de Tupinambá
Balanceia mais não cai

3- PONTO DE TUPINAMBÁ

Estava na beira do rio


Oi sem poder atravessar
Chamei, chamei pelo caboclo
Eu chamei Tupinambá

4- PONTO DE TUPINAMBÁ

Eu vi nas matas um dia


Tupinambá sentado em pedra fria
Ele cantava, ele assoviava
E lá no céu uma estrela brilhava

5- PONTO DE TUPINAMBÁ

Tupinambá é um caboclo das matas


E tem sua cabana lá no Juremá
Ele é oriê, ele é oriá
Ele é oriê, ele é oriá
Ele usa saiote de pena
E leva sua flecha
Quando vai caçar
Ele é oriê, ele é oriá
Ele é oriê, ele é oriá
Tupinambá é um caboclo direto
Ele gira nas matas e neste congá
Ele é oriê, ele é oriá
Ele é oriê, ele é oriá

6- PONTO DE PENA BRANCA

Ele atirou
Ele atirou ninguém viu
Seu Pena Branca é quem sabe
Aonde a flecha caiu

7- PONTO DE PENA BRANCA

Eu vi meu Pai assobiar


Ele mandou chamar
É de Aruanda ê
É de Aruanda ê
Seu Pena Branca
É de Aruanda ê

8- PONTO DE CABOCLO

Oxalá chamou
E já mandou buscar
Os caboclos da Jurema
No seu Juremá
Pai Oxalá
É o Rei do mundo inteiro
E já deu ordem pra Jurema
Mandar seus capangueiros
Mandai, mandai
Minha cabocla Jurema
Os seus guerreiros
Essa é a ordem suprema

9- PONTO DE PENA BRANCA

Seu Pena Branca se perdeu nas matas


Jurema achou e acabou de criar
É general, é flecheiro
É filho da Jurema
É neto da cobra coral

10- PONTO DE CABOCLO

Meu passarinho azulão


Quando voa não pousa no chão
Vem cá caboclo de pena
Peito de aço
E bodoque na mão

11- PONTO DE CABOCLO

Chegou agora do sertão do Paraná


Chegou agora do sertão do Paraná
Ele é caboclo, ele é flecheiro
Ele vem pra trabalhar
Salve, salve o Senhor Salvador
Salve, salve o Senhor Salvador

12- PONTO DE ARRANCA TOCO

Caboclo Arranca Toco


Sua luz é minha guia
Ele é Oxossi
Filho da Virgem Maria

13- PONTO DE ARRANCA TOCO E ROMPE MATO

Na sua aldeia ele é caboclo


Seu Rompe Mato
Seu Arranca Toco
Na sua aldeia
Lá na Jurema
Não se faz nada
Sem ordem suprema

14- PONTO DA JUREMA

Ô Juremê, ô Juremá
Esqueceu sua jangada , seu samurá
Seu pintassilga, sua cobra coral
Sua cobra caninana, seu tamanduá
Deu a volta na Jurema
E tornou a voltar

15-PONTO DE OXOSSI

Caça na Aruanda, ê coroa


Oxossi é caçador

16- PONTO DE CABOCLO

Caboclo da mata virgem


Da mata serrada
Lá do Juremá
Quem manda na mata é Oxossi
Quem manda no céu é Oxalá
Ô, ô, okê caboclo, quero ver girar
Quero ver caboclo
De Umbanda girar

17- PONTO DE PENA BRANCA

Estava na mata
Eu tava trabalhando
Seu Pena Branca
Passou me chamando

18- PONTO DE CABOCLO

Caboclo já tem caminho


Para caminhar
Ele caminha por cima da pedra
Por baixo de pau
Por todo o lugar
Seus caminhos estão abertos
Caboclo pode passar
Ele vai girar, ele vai girar
Ele vai girar, ele vai girar
Caboclo filho de Oxossi
Filho de Umbanda
E de Oxalá
Quando a lua surgir
Ele vai girar

19- PONTO DA JUREMA

Jurema, aonde está sua flecha


Jurema, cadê seu Juremá
Salve o sol, salve a lua
Salve o cruzeiro
Saravá filhos de Umbanda
Saravá o seu terreiro

20- PONTO DE CABOCLO

Ô caboclinho da mata virgem


Plantou raiz nasceu flor

21- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Que lindo capacete de pena


Que tem a cabocla Jurema
Mas ela é linda como a flor de oriá
Aê, lê, lê, lê á

22- PONTO DA CABOCLA JANAÍNA

Eu vi um peixe
Na beira d´ água
Solte os cabelos Janaína
E cai na água
Ela é princesa
E feminina
Vamos saravá
A cabocla Janaína
23- PONTO DE CABOCLO

Na mata virgem
Sapori cantou
E Oxalá mandou
Saravá babalaô

24- PONTO DE CABOCLO

Caboclo quando chega a aldeia


Mas ele vem, vem beirando a areia
Na aldeia, onde ele mora
Mora na saia da samambaia

25- PONTO DE CABOCLO

Ele é caboclo, ele é flecheiro


Oi bumba na calunga
É laçador de feiticeiro
Oi bumba na calunga
Ele vai firmar seu ponto
Oi bumba na calunga
E vai firmar nesse terreiro
Oi bumba na calunga

26- PONTO DO CABOCLO FLECHEIRO

Caboclo Flecheiro
Tu és a nação do Brasil
Tu és a nação brasileira
Auê, caboclo
Das cores da nossa bandeira

27- PONTO DO CABOCLO DA LUA

Eu sou Caboclo da Lua


Fui mandado por Ogum
No terreiro de Oxalá
Saravá babalaô

28- PONTO DO CABOCLO TUPINAMBÁ

Tupinambá é uma flor cheirosa


Tupinambá é uma flor cheirosa
Aonde vai Tupinambá
Eu vou pra aldeia agora

29- PONTO DE PENA BRANCA

Lá na Jurema
Embaixo de um pé de ingá
Lá onde a lua clareia, ô Jurema
Eu vi seu Pena Branca passar
Ele jurou e sempre jurará
Vem ouvir os conselhos
Que a Jurema veio dar

30- PONTO DO CABOCLO UBIRAJARA

Meu Deus, que penacho é aquele


É um penacho de arara
Mais quando rompe a mata virgem
Quem vem chegando
É o caboclo Ubirajara

31- PONTO DO CABOCLO UBIRAJARA

Corta língua, corta mironga


Corta língua de falador
Onde ele pisa não tem embaraço
Ele é seu Ubirajara
Do peito de aço

32- PONTO DE SUBIDA DE CABOCLO


E os caboclos vão embora
Aleluia, auê
Vão com Deus e Nossa Senhora
Aleluia, auê

33- PONTO DE SUBIDA DE CABOCLO

A benção meu Pai


Quando eu precisar eu chamo
Zambi lhe trouxe
Zambi vai lhe levar
Agradeço a toalha de chita
Que está no congá

34- PONTO DE SUBIDA DE CABOCLO

E os caboclos vão
E os caboclos vão
E as andorinhas
Vão cantando alegres
Pela mata virgem
Onde mora meu Pai

35- PONTO DE SUBIDA DE CABOCLO

Caboclo pega a sua flecha


Pegue seu bodoque
Que o galo já cantou.
Que o galo já cantou
Na Aruanda
Oxalá te chama
Para sua banda
Auê caboclo

36- PONTO DE SUBIDA DE CABOCLO

Oi pega a flecha
Pega o bodoque
Diga adeus
E os caboclos vão embora
Lê, lê, lê, tá na hora

37- PONTO DE CABOCLO

Caboclo quando é batizado


Ele arreia em qualquer lugar
Primeiro cumprimenta Zambi
E corre gira em todo lugar

38- PONTO DE OXOSSI

Eu vi chover, eu vi relampejar
Mas mesmo assim o céu estava azul
Samborê pemba
Folha da Jurema
Oxossi reina
De norte a sul

39- PONTO DO CABOCLO CAÇADOR

Seu caçador na beira do caminho


Oi, não me mate
Essa coral na estrada
Ela abandonou sua choupana caçador
Foi no romper da madrugada
Oi, caçador

40- PONTO DE CABOCLO

A coral é sua cinta


A jiboiá é sua lança
Oia, quizôa, quizôa, quizôa ê
Caboclo mora nas matas
41- PONTO DO CABOCLO SAMAMBAIA

Quanto tempo que eu não bambeio


E eu vim aqui pra trabalhar
Sou o caboclo Samambaia
Vim aqui pra trabalhar
Sou o caboclo Samambaia
Vim aqui pra saravá

42- PONTO DE PENA BRANCA

Seu Pena Branca


Quando vem da aldeia
Vem trazendo pemba
Pra salvar filhos de Umbanda
Ele é caboclo, ele é flecheiro
Ele é Oxossi
Ele é caçador

43- PONTO DE OXOSSI

Oxossi , Oxossi mora


Na raiz das caneleiras
Ogum mora na lua
Xangô lá nas pedreiras

44- PONTO DE OXOSSI

Oxossi é rei no céu


Oxossi é rei na terra
Ele não desce do céu sem corôa
Sem sua moamba de guerra

45- PONTO DO CABOCLO UBIRAJARA

Estrela d´alva é sua guia


Ubirajara é caboclo valente
Ubirajara mora lá na mata
Lá na grota funda
Lá no fim do mundo

46- PONTO DE OXOSSI

Oi não se mexe na espada de Ogum


Oi não se mexe na machada de Xangô
Oi não se mexe nas flechas de Oxossi
Que lá nas matas é rei é caçador

47- PONTO DE OXOSSI

Ele é Oxossi e dorme na lacaia


Ele é caboclo em qualquer lugar
Ele não apanha folha da Jurema
Sem ordem suprema de Pai Oxalá

48- PONTO DO PENA BRANCA

Galo cantou na serra


A mata estremeceu
Caboclo seu Pena Branca
Na cachoeira apareceu
Ele é caboclo guerreiro
Que mora no rochedo
Somente cobra coral
Conhece dele o segredo
Eu vi na margem do rio
Em linda manhã serena
Caboclo seu Pena Branca
Firmando ponto na areia

49- PONTO DO CABOCLO GENTIL

Ô Gentil vai buscar a sua flecha


Ô Gentil vai buscar a sua flecha
Eu não, eu não vou lá
Se eu for Ogum me pega
50- PONTO DO CABOCLO GENTIL

Gentil é um caboclo forte


Gentil é um caboclo gente
Gentil é da terra nova
Da aldeia de São Vicente

51- PONTO DE CABOCLO

Chama caboclo nas matas


É pra trabalhar
Caboclo da mata virgem
Caboclo vem trabalhar

52- PONTO DE CABOCLO FOLHA VERDE

Como é tão lindo


Assistir festa na mata
Ouvindo o som da cascata
O lindo canto do sabiá
Que noite linda
Que bela noite de luar
Foi no clarão da lua
Que eu vi seu Folha Verde chegar
A mata estava em festa
Toda coberta de flores
Ate os passarinhos cantavam
Meu caboclo eles cantavam em seu louvor
Oh, oh, oh, oh quanta beleza
Oh, oh, oh, oh que belo esplendor
Como é bom ter a certeza
Que seu Folha Verde é meu protetor

53- PONTO DO CABOCLO ROMPE MATO

É o rei, é o rei
É o rei do Panaiá e da Jurema
Lá na Jurema
Rompe Mato é o rei
É o rei do Panaiá e a Jurema

54- PONTO DO CABOCLO JUNCO VERDE

Quem manda nas matas é Oxossi


Oxossi é caçador
Oxossi é caçador
Eu vi meu pai assobiar
Eu já mandei chamar
É de Aruanda ê
É de Aruanda â
Seu Junco Verde é de Aruanda
É de Aruanda â

55- PONTO DO CABOCLO ROMPE MATO

Hoje tem alegria


No terreiro do meu pai
Saravá seu Rompe Mato
Que ele é chefe de congá
Embala eu baba
Embala eu

56- PONTO DE OXOSSI

Naquela estrada de areia


Aonde a lua clareou
Todos os caboclos paravam
Para ver a procissão
De São Sebastião
Okê, okê caboclo
Meu pai caboclo
É São Sebastião

57- PONTO DE OXOSSI

Aqui nessa aldeia


Tem um caboclo que ele é leal
Ele não mora longe
Mora aqui mesmo nesse canzuá

58- PONTO DE CABOCLO

Caboclo bradou
Louvando Oxalá
Lá na mata virgem
Eu vi caboclo bradar
Vi caboclo Sete Luas
Que nos guia passo a passo
E o valente Ubirajara
Que tem o peito de aço
E vi o grande guerreiro
Caboclo Tupinambá
Pai de toda a Jurema
Igual a ele não há
E vi o caboclo Tupã
Na corte celestial
Na beira de um grande rio
Eu vi seu Cobra Coral
Vi caboclo Pena Branca
Saudando Pai Oxalá
Caboclo Lira é a flor
Que nasceu no Jurema
E o caboclo bradou
Caboclo bradou
Louvando Oxalá
La na mata virgem
Eu vi caboclo bradar
Vi seu Itatu em pé
Caboclo de Urupá
Com sua jibóia do rio
Gritando seu forte bradar
Também menina Jupira
Cabocla de nossa fé
É a menina dos olhos
Do Cacique Aimoré
Também vi seu Girassol
E da tribo Tupiara
E nas matas da Jurema
São as nossas jóias raras
São caboclos de raízes
São do solo brasileiro
Vem com o Sete Encruzilhadas
Da umbanda o pioneiro

59- PONTO DO CABOCLO PENA BRANCA

Um grito da mata ecoou


Foi seu Pena Branca que chegou
Com sua flecha e seu cocar
Seu Pena Branca vem nos ajudar

60- PONTO DE OXOSSI


Lembrai de seu lírio verde lembrai
Lembrai que ele é nosso pai
Lembrai de seu lírio verde lembrai
Lembrai que ele é nosso pai
Ele é um caboclo cheio de pena
Entra mancinho nas folhas da Jurema

61- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Oh jureme, oh Jurema
Sua folha caiu serena
Oh Jurema
Dentro desse congá

62- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Salve São Jorge guerreiro


Salve São Sebastião
Salve a cabocla Jurema
Que nos deu a proteção

63- PONTO DO CABOCLO FLECHEIRO

Ele é caboclo ele é flecheiro


Bumba na calunga
E laçador de feiticeiro
Bumba na calunga
Mais ele vai firmar seu ponto
Bumba na calunga
E vai firmar nesse terreiro
Bumba na calunga

64- PONTO DE OXOSSI

Vermelho é a cor do sangue do meu pai


E verde é a cor da mata
Assobiou, assobiou, assobiou
Firma a cabeça que Oxossi vem ai

65- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Entrei na mata
Sem pedir licença
Só pra ver a força
Que a Jurema tem
Oh jureme, Oh Jurema
Capitão da mata
Mandou lhe chamar

66- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Jurema seu saiote é muito lindo


Seu capacete é azul
Como brilha o Diadema
Jurema ê, ê Jurema ê á
Jurema filha de Tupinambá
Ela sempre foi
E sempre será
Rainha lá das matas
Onde canta o sabiá

67- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Jurema
Oh jureme, oh juremá
É uma cabocla guerreira
Filha de Tupinambá
Ela atirou sua flecha
Ela atirou sem errar
É uma cabocla de pena

68- PONTO DE CABOCLO

Oh caça, caça eba, oba


Oh caça, caça eba, oba
Quero vê caçar eba, oba
Quero vê caçar eba, oba
Caboclinho da mata como brinca
Olha como brinca
Caboclinho da mata como brinca
Olha como brinca

69- PONTO DE OXOSSI

Oxossi esta no cruzambe


Oxossi esta no cruzambe
Na cidade da Jurema
Oxossi esta no cruzambe
Lá no cruzambe, lá no cruzambe
Lá no cruzambe, lá no cruzambe
70- PONTO DO CABOCLO CAÇADOR

Oh Caçador na beira do caminho


Oh não me mate essa coral na estrada
Ela abandonou sua choupana Caçador
Foi no romper da madrugada

71- PONTO DO CABOCLO MATA VIRGEM

Ele atirou, ele atirou e ninguém viu


Ele atirou, ele atirou e ninguém viu
Seu Mata Virgem é quem sabe
Aonde a flecha caiu

72- PONTO DE CABOCLO

Caboclo vem da mata virgem


E tem sua choupana na Jurema
Auê ele é caboclo ganga
Vem de Aruanda pra salvar filhos da banda

73- PONTO DE PENA BRANCA

Seu Pena Branca o caranga


Ta no congá o caranga
Seu Pena Branca o caranga
Ta no congá o caranga
Seu Pena Branca
O que mata é a sua
O que pia a cobra
Canta o sabiá e clareia a lua

74- PONTO DE SUBIDA DE CABOCLO

Caboclo apanha sua flecha


Apanha seu bodoque
Que o galo já canto
Caboclo apanha sua flecha
Apanha seu bodoque
Que o galo já canto
Que o galo já cantou na Aruanda
Oxalá te chama para sua banda

75- PONTO DE SUBIDA DE CABOCLO


Caboclo vai embora
Pra cidade da Jurema
O bom Jesus ta lhe chamando
Pra cidade da Jurema
Mais ele vai ser coroado
Na cidade da Jurema
Com a coroa de arerê
Na cidade da Jurema

76- PONTO DE CABOCLO

Na imensidão da mata escura


O caboclo olha pra lua
Da o seu brado de guerra
Da o seu brado de guerra
Ele é guerreiro da mata
Com seu arco e sua flecha
Sai pra caçar, sai pra caçar
Okê lindo caboclo
Lá da mata da Jurema
Onde seu brado dá
Okê lindo caboclo
Lá da mata da Jurema
Onde canta o sabiá
Orou, orou
Quando a sua caça acertou
Orou, orou
Quando a sua caça acertou
E agora vai chegar neste congá
Com a força de Oxossi
E a licença do Juremá
E agora vai chegar neste congá
Com a força de Oxossi
E a licença do Juremá

77- PONTO DE CABOCLO

A coral é sua cinta


A jibóia é sua lança
Quizuá, quizuá, quizuá ê
Caboclo mora na mata

78- PONTO DE ARRACA TOCO

Seu Arranca Toco é de Aruanda


É de namo Zambe
Quando ele chega de Aruanda
Auê, auê
79- PONTO DA CABOCLA JUREMA

A Jurema é muito linda


Com seu capacete de penas
Chama a Jurema, chama a Jurema
Pra salvar filho de pemba

80- PONTO DE CABOCLO

Ele veio de tão longe


Para atar a pauendá
Bendito louvado seja
Ele é rei do Panaiá
O bate bumbo lá na aldeia
Ê, ê
O bate bumbo lá na aldeia
Ê, ê

81- PONTO DA CABOCLA FLECHEIRA

Quem é filho da Jurema


Pede licença aos orixás
Pra defender os seus filhos
Dos perigos da terra e do ar
Ta na cabocla flecheira
Toda a força do seu Juremá
Vencedora de demanda
Cabocla flecheira vamos saravá

82- PONTO DA CABOCLA JUREMA

No centro da mata virgem


Ela vem girando pela mata a fora
No centro da mata virgem
Ela vem girando pela mata a fora
Meu Deus quem ela é
A cabocla Jurema
Filha de Nossa Senhora

83- PONTO CABOCLO ROXO

Caboclo roxo tem a cor tão linda


Da cor da flor do maracujá
Oh saravá caboclo Roxo
Oi salve a força de pai Oxalá
De joelhos peço atenção
Meu pai vem nos abençoar
Oh saravá caboclo Roxo
Oi salve a força de pai Oxalá

84- PONTO DO CABOCLO 7 FLECHAS

Caboclo 7 flechas nasceu


No jardim das oliveiras
Caboclo 7 flechas nasceu
No jardim das oliveiras
Trazia amarrado em sua cinta uma coral
Oh sucuri jibóia da aldeia
Oh sucuri jibóia
Quando vem beirando o mar
Oh sucuri jibóia
Quando vem beirando o mar
Olha como o branco olhou
Pra sua cobra coral
Segura essa cobra não deixa ela fugir
O nome dessa cobra é cobra sucuri
Segura essa cobra não deixa ela fugir
O nome dessa cobra é cobra sucuri

85- PONTO DO CABOCLO 7 FLECHAS

Curimbembe, curimbemba
Curimbembe, curimbemba
7 flechas é um grande orixá
Com 7 dias de nascido
A Jurema o encontrou
Deitado na folha seca
O caboclo ela criou
Curimbembe, curimbemba
Curimbembe, curimbemba
7 flechas é um grande orixá
Nasceu nas matas de Oxossi
Na aldeia do Juremá
O caboclo 7 flechas
Iluminado por Oxalá

86- PONTO DO CABOCLO TUPINAMBA

Estava na beira do rio


Sem poder atravessar
Chamei pelo caboclo
Caboclo Tupinambá
Tupinambá chamei
Chamei tornei chamar ê a

87- PONTO DE CABOCLO

Caboclo não tem caninho para caminhar


Caminha por cima da folha
Por baixo da folha por todo lugar

88- PONTO DE CABOCLO

Na beira do rio verde


Eu vi caboclo na areia
Pegando peixe miúdo
Pra levar pra sua aldeia
Caboclo pega o anzol
Em noite linda e clara
Vai pescar no rio verde
Por ordem de mãe Iara

89- PONTO DE CABOCLO

Oxalá chamou e já mandou buscar


Os caboclos da Jurema no seu juremá
Pai Oxalá é reino mundo inteiro
E já deu ordem pra Jurema mandar seus capangueiros
Mandai, mandai minha cabocla Jurema
Os seus guerreiros essa é a ordem suprema

90- PONTO DE OXOSSI

Oxossi é caçador
Caça aqui, caça acolá
Ele é caçador

91- PONTO DO CABOCLO ROMPE MATO

A sua terra é longe


E uma estrela brilhou
Mais os seus filhos de umbanda já lhe procurou
Oi já lhe procurou
Quem é seu Rompe Mato de umbanda
Que até agora ainda não chegou
92- PONTO DE OXOSSI

Se meu pai é Oxossi


Eu quero vê balancear
Arreia, arreia campagueiro da Jurema
Oh Juremá

93- PONTO DA CABOCLA JUREMA

No centro da mata virgem


Uma linda cabocla eu vi
Com seu saiote feito de penas
É Jurema filha de Tupi
Jurema, Jurema, Jurema
Ela é cabocla da lei suprema

94- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Caiu uma flecha na Jurema


Veio serena e molhou
E depois veio o sol enxugou, enxugou
E a sua mata se abriu toda em flor

95- PONTO DE SUBIDA

A sua aldeia é longe


E eles vão embora
E vão beirando o rio azul
Adeus umbanda que os caboclos vão embora
E vão beirando o rio azul

96- PONTO DA CABOCLA IARA

Iara amiga rainha


Que protege a nossa mata
Iara é na falange
A princesa da cascata
Tua beleza morena
Será por nos exaltada
És o orgulho da falange
Oh minha cabocla amada

97- PONTO DO CABOCLO 7 ENCRUZILHADAS

Chegou, chegou, chegou, com Deus,


Chegou, chegou,
O Caboclo das Sete Encruzilhadas
Ovelhas abnegadas do rebanho de Maria
Salve o Sete Encruzilhadas salve Estrela da Guia
Salvai, salvai o doce nome de Maria
A virgem da piedade há de ser a nossa guia

98- PONTO DE OXOSSI

Foi Zambi quem criou o mundo


Só Zambi pode governar
Foi Zambi quem criou
A estrela que ilumina
Oxossi lá no Jurema
Oke, Oke, Oke,Oke meus caboclos Oke

99- PONTO DE CABOCLO

Oxalá chamou e já mandou buscar


os caboclos de Jurema
Lá no Juremá
Pai Oxalá é o Rei do mundo inteiro
Ja deu ordens pra Jurema
Mandar seus capangueiros
Mandai, mandai
Minha Cabocla Jurema
os seus guerreiros
essa é uma ordem suprema!

100- PONTO DE CABOCLO

Jurema deu um estrondo


e toda a terra estremeceu
Onde estão os capangueiros da Jurema
que até agora não apareceu

101- PONTO DO CABOCLO ARRUDA

Quando ele vem,


Lá de Aruanda,
Mas ele vem com ordem de Oxalá!
Sua missão é muito grande,
É espalhar a caridade,
E aos seus filhos abençoar
Saravá Mamãe Oxum!
Saravá papai Oxalá,
Saravá Caboclo Arruda
Ele é nosso Chefe,
É dono desse jacutá.

102- PONTO DO CABOCLO ARRUDA

Está iluminada a nossa banda


Está cheio de flor o meu conga
Meu Pai Arruda é tudo que faço
Meu Pai Arruada
Ilumina os caminhos por onde eu paço

103- PONTO DO CABOCLO 7 ESTRELAS

Caboclo bom é aquele que mais brilha


Oi na coroa da Virgem Maria
Seu Capacete brilha de noite e de dia
No terreiro de Umbanda
Sete Estrelas é nosso Guia

104- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Jurema, oh Juremê Juremá


É uma cabocla de pena, filha de Tupinambá
Rainha da pontaria nunca se viu ela errar
Tem a pele bronzeada, os olhos cor do luar
Passa correndo nas folhas não se ouviu seu pisar
É uma cabocla de pena.

105- PONTO DO CABOCLO 7 FLECHAS

Foi numa tarde serena


No sertão lá da Jurema
Ouvi um caboclo Bradar
Quiô, Quiô, Quiô, Quiô quiera
A umbanda está em festa
Saravá seu Sete Flechas
Que ele é o Rei lá da Floresta

106- PONTO DE CABOCLO

Ouvi meu pai assobiar


Ele mandou chamar (bis)
Vem de aruanda ê, Vem de aruanda á
Todos os caboclos de umbanda
Vem de aruanda ê (bis)

107- PONTO DE CABOCLO


Na mata virgem uma coral piou
Ele atirou a sua flecha certeira (bis)
Ele atirou, ele atirou, ele atirou,
Atira caboclo lá nas matas da Jurema (bis)

108- PONTO DO CABOCLO 7 FLECHAS

Ê êeê Caboclo Sete Flexas no congá


Sarava seu Sete Flexas
Ele é o Rei das matas
A sua bodoque atira
Caboclo, a sua flecha mata.

109- PONTO DO CABOCLO BOIADEIRO

Quem vem lá sou eu


Quem vem lá sou eu
Quem vem lá sou eu
Boiadeiro eu sou

110- PONTO DE OXOSSI


Naquela estrada de areia,
Aonde a lua clareou,
Todos os caboclos pararam,
Para ver a procissão de São Sebastião.
Okê, okê, caboclo!
Meu pai Oxossi é São Sebastião.

111- PONTO DO CABOCLO ROMPE MATO

Vermelho é a cor do sangue do meu pai


e verde é a cor das matas
vermelho é a cor do sangue do meu pai
e verde é a cor das matas
Saravá seu Rompe Mato da Jurema
Saravá a mata onde ele mora

112- PONTO DO CABOCLO MATA VIRGEM E SEU COBRA CORAL

No meio da mata eu vi
Dois nomes cravados num toco de pau
De um lado era seu Mata Virgem
Do outro seu Cobra Coral
No meio da Mata Virgem eu vi
Os dois caboclos
Falavam a língua Tupi-guarani

113- PONTO DO CABOCLO TUPI


Auê cauena
Eu vi caboclo na mata eu vi
Caboclo dizendo que era Tupi,
Mas ele é o rei do arerê

114- PONTO DO CABOCLO MATA VIRGEM

Seu Mata virgem


Quando vem das matas
Ele traz na cinta uma cobra coral
Oi é uma cobra-coral

115- PONTO DO CABOCLO ARRANCA TOCO

Seu Arranca Toco é de aruanda,


é de nagô também
Quando ele chega na umbanda
auê, auê

116- PONTO DE CABOCLO


Ele veio de tão longe para sarava uendá
Bendito louvado seja ele é o Rei do Panaiá
Bate atabaque lá na aldeia aldeia

117- PONTO DO CABOCLO CAÇADOR


Seu caçador na beira do caminho
Ah não me mate a coral na estrada
Ele abandonou sua chopana caçador
foi romper da madrugada

118- PONTO DE CABOCLO

Caboclo, Caboclo ele é filho da guiné


Se seu pai é rei ele é príncipe é.

119- PONTO DE CABOCLO

Ele é caboclo da banda de lá


Quando vê a cobra, corre pra matar
Ele atirou a sua flecha mas errou, (bis)
Sentou-se na areia e pôs-se a chorar
Mas quando vê a cobra corre prá matar (bis)

120- PONTO DAS CABOCLAS

Eu mandei fazer,
Três capacetes de pena
Um é pra Jandira,
Outro é pra Jupira,
E outro é pra Jurema

121- PONTO DE CABOCLO

Jurema sua mata é verde,


É verde como a cor do mar
Auê, Caçador da Jurema, (3x)
Juremá

122- PONTO DE CABOCLO

Kokê kokê kokê à (bis)


Lá na Jurema, onde moram meus caboclos
Onde moram vencem demandas
Sucuri piou, sucuri piou

123- PONTO DO CABOCLO MATA VIRGEM

Seu Mata Virgem


Sua banda está em festa
O céu e o mar estão cantando em seu louvor
Olha a cobra coral, piou, piou
Cobra coral está cantando em seu louvor

124- PONTO DE CABOCLO

Sucuri jibóia
Quando vem beirando o mar (bis)
Olha como o branco olhou
A sua cobra coral (bis)
125- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Jurema o seu saiote é tão lindo


Seu capacete de penas
Como brilha o seu diadema
Jurema ê ê, Jurema ê á,
Jurema filha de Tupinambá (bis)
Ela sempre foi e sempre será
Rainha da Jurema onde canta o sabiá

126- PONTO DO CABOCLO FOLHA VERDE

Zum, zum, sou eu,


venha ver quem é
Ele é seu Folha Verde
Sua figa é de guiné

127- PONTO DO CABOCLO MATA VIRGEM

Sentado em baixo de um arvoredo,


No meio da mata virgem,
Uma coral piou
Era o Caboclo Mata Virgem
Que na coral se transformou
Foi aí que ele me disse
Numa linguagem guarani
Sou filho de luar descendente de Tupi.

128-PONTO DO CABOCLO MATA VIRGEM

Seu Mata virgem, lá nas matas da Jurema


Entrou no rio para se molhar
O seu saiote entrou dentro d água
Mas a água não quis lhe molhar
Eh, re re rê, Eh re re rá
Seu mata virgem porque será?

129- PONTO DO CABOCLO MATA VIRGEM

Okê, okê caboclo


Seu Mata Virgem é da raiz da Urucaia
Mas oh que lindo caçador
Naquelas matas onde a coral piou

130- PONTO DO CABOCLO ARRUDA

Como é bonito é
Assistir festa na mata
Ouvir o som da cascata
E o lindo canto do sabiá
Que noite linda Bela noite de luar
Foi no clarão da lua
Que eu vi Caboclo Arruda passar
A mata está em festa
Toda coberta de flor
Até os passarinhos cantam
Oh meu caboclo
eles cantam em seu louvor
ôooooo quanta beleza
ôooooo quanto esplendor
como é bom ter a certeza
que Caboclo Arruda
é nosso protetor (bis)

131- PONTO DO CABOCLO FOLHA VERDE

Um grito na mata ecoou,


Foi seu Folha Verde quem chegou
Com sua lança, com seu cocar,
Seu Folha Verde vem nos ajudar

132- PONTO DO CABOCLO PENA BRANCA

Galo cantou na serra, a mata estremeceu


Caboclo seu Pena Branca na Cachoeira apareceu
Ele é caboclo guerreiro que mora no rochedo
Somente Cobra coral Conhece dele o segredo
Saravá seu pena Branca, sarava seu abasé
Traz na o seu bodoque pra defender filhos de fé
ele vem de aruanda trabalhar nesse abasá
sarava seu pena branca o guerreiro de Oxalá
sua fecha vai certeira vai pegar o feiticeiro
que fez juras e mandingas para o filho do terreiro
Pega o arco atira a fecha que esse bicho é corredor
Mas deve ser castigado ele é merecedor

133- PONTO DO CABOCLO FOLHA VERDE

Eu vi na margem do rio, em linda manhã serena


Caboclo Seu Folha Verde, firmando ponto na areia
Galo cantou na serra, a mata estremeceu
Caboclo Seu Pena Branca, na cachoeira apareceu
Ele é Caboclo Guerreiro, que mora no rochedo
Somente Mata Virgem, conhece dele o segredo

134- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Oxossi encontrou Jurema


Na beira o igarapé (bis)
Cobriu com folhas verdes,
perfumou-a com guiné (bis)

135- PONTO DE CABOCLO

Seu irmão é Flor do Dia,


Flor da Manhã e Pena Dourada.(bis)
Ele é o Orvalho da Noite,
Sereno da Madrugada.(bis)
Mundera alumeia o mundo,
Elena a imensidão.(bis)
Papa ceia vem guiando,
O chefe guerreiro e o índio Jaguarão

136- PONTO DE CABOCLO

Quando eu ouvir o teu brado


Invadindo as matas
Eu saberei quem é você
Caboclo que nasceu na floresta
Hoje é teu grande dia
A tua mata está em festa
Caboclo quando tu souberes
Que a tua força vem das matas
Das folhas que recobrem toda a terra
Da água lá do alto das cascatas
O mar te brindará com suas ondas
O céu ficará todo estrelado
O vento te saúda nesta hora
Oi saravá caboclo iluminado

137- PONTO DA CABOCLA JUREMA

As ondas estouravam lá na praia


Quando a cabocla ali chegou
Surgiu um arco íris (bis)
Tão lindo que encantou
A Jurema deu seu nome e bradou
Depois do brado ela saudou
Iemanjá com muito amor
A Jurema foi lá na praia
Pra fazer festa no batuque do tambor
Quando a Jurema vem (bis)
Quando a Jurema vem,
Ela vem no batuque
Tirando as mandigas dos filhos que tem
Toca, toca o atabaque
A Jurema vai chegar
Ela vai firmar seu ponto
Com a força de Iemanjá
Toca, toca o atabaque,
A Jurema já chegou
Ela trouxe do astral
A bondade e o amor

138- PONTO DO CABOCLO VENTANIA

Eu vi lá na mata um dia (bis)


Seu ventania sentado na pedra fria
Ele bradava, ele assobiava (bis)
E lá no céu uma estrela brilhava

139- PONTO DO CABOCLO ARRUDA

Lembrai do Caboclo Arruda, lembrai


Lembrai ele é nosso pai
Ele é caboclo todo coberto de penas
Ele é cacique lá nas matas da Jurema

140- PONTO DE CABOCLO

A noite quando cai lá na aldeia,


E os caboclos começam a se reunir
Sob a luz da lua eles falam a zambi
fazendo oferendas cantando em guarani
Orixa xáeu Orixa Anauê

141- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Que linda cabocla coberta de penas


Capitão das matas mandou lhe chamar (bis)
Lá vem a força que a Jurema tem (bis)
Lá vem a força que a Jurema dá

142- PONTO DE OXOSSI

A mata estava escura


Os anjos anunciaram
No seio da mata virgem
O seu Oxossi aqui chegou
Mas ele é o rei, ele é o rei, ele é o rei
Mas ele é o rei na aruanda, ele é o rei (bis)

143- PONTO DE OXOSSI

Eu corri terra eu corri mar


Até que eu cheguei na minha congá (bis)
Olha viva Oxossi lá nas matas
Que a folha da Jurema ainda não caiu (bis)

144- PONTO DO CABOCLO GUINÉ

Quando aruanda girar


Eu quero ver quem é (bis)
É o teimoso de aruanda
É o caboclo rei guiné (bis)

145- PONTO DE CABOCLO

Caboclo não tem caminho,


Para caminhar. (bis
Caminha pôr cima da folha,
Pôr baixo da folha,
Em todo lugar.
Okê Caboclo!... (bis)

146- PONTO DO CABOCLO ARRUDA

Fui buscar no meu congá


Que eu deixei lá na aruanda
Aqui está o Caboclo Arruda
Pra vencer esta demanda
A falange do Arruda é de força é de ação
Da Virgem N. Senhora
Eles têm a proteção

147- PONTO DE CABOCLO

Caboclo, sua mata é linda


É verde da cor do mar,
Auê, Caçador da Jurema
oh Jurema

148- PONTO DE OXOSSI

Eu vi chover eu vi relampejar
Mas mesmo assim o céu estava azul
Firma seu ponto lá na folha da Jurema
Oxóssi é bamba no maracatu

149- PONTO DO CABOCLO PENA BRANCA

Nasci na mata
Da mata não tenho medo
Nasci na mata
Embaixo do arvoredo
Nasci na mata
Da mata não tenho medo
Nasci na mata
Embaixo do arvoredo
Seu pena Branca que nasceu na Jurema
Mãe Oxum apanhou e ajudou a criar
Mas ele é o Rei Caçador
Ele é filho da Cinda e da cobra coral.

150- PONTO DO CABOCLO 7 FLECHAS

Ô Calinza,
Nasceu na boca da mata eu sei
Nasceu na boca da mata eu vi
Caboclo que vem das matas
Ele é conque
Ele é seu Sete flechas do Arerê
Ô Calinza,

151- PONTO DO CABOCLO JURUÁ

Ai se não fosse a folha da Jurema


O que seria do Caboclo Juruá
Jurema, Jurema, Jurema
É a Jurema do Caboclo Juruá

152- PONTO DE OXOSSI

Se o seu saiote é carijó,


e a sua fecha é de indaiá,
os caboclos vem serenos, como sereno é
Oxóssi é rei da macaia,
Oxóssi é Rei da guiné
Ele atirou
Ele atirou e ninguém viu
Seu Pena Branca é quem sabe
Aonde a flecha caiu

153- PONTO DO CABOCLO FOLHA VERDE

Os rios da Oxum são muito largos,


Lagoas da Iara matam a sede. (bis)
Saravá este Terreiro de Umbanda, saravá,
Saravá meu bom caboclo Folha Verde.(bis)

154- PONTO DO CABOCLO FOLHA VERDE

Temporal passou na mata,


Meu Deus, mas que ventania. (bis)
Era o Caboclo Folha Verde,
Que bradava ao romper do dia. (bis)

155- PONTO DO CABOCLO PENA VERDE

Ele veio da sua mata,


Veio saravá o congá.
Sua suna é Pena Verde,
Aqui e em qualquer lugar.

156- PONTO DE OXOSSI


Caboclo Roxo da pele morena
É Seu Oxossi Caçador, caçador da Jurema
Ele jurou e torna a jurar
Pelos conselhos que a Jurema
Vem nos dar

157- PONTO DA CABOCLO JUREMA

Ê Juremê, Ê Jurema
Sua flecha caiu serena, ô Jurema
Dentro desse congá
Salve São Jorge Guerreiro,
Salve São Sebastião
Salve a cabocla Jurema
Com a sua proteção

158- PONTO DO CABOCLO PENA BRANCA

Quem manda na mata é Oxossi


Oxossi é caçador (bis)
Ouvi meu Pai assobiar
Ele mandou chamar
É na Aruanda ê
Seu Pena Branca de Umbanda
É na Aruanda ê

159- PONTO DE CABOCLO

Caiu uma folha na Jurema


Veio o sereno e molhou
E depois veio o sol
Enxugou, enxugou
E as matas se abriram
Toda em flor

160- PONTO DE CABOCLO

Estrela, matutina
Clareia o mundo, sem parar
Estrela que guiou os três reis magos
Mostrando para o mundo o salvador
Iluminai também nosso terreiro iluminai
Com fé esperança e amor

161- PONTO DO CABOCLO MATA VIRGEM

Com seis dias de nascido


Minha mãe me abandonou (bis)
Me deixou na mata virgem
Seu Mata Virgem me criou
Seu Mata Virgem é o rei
Que lá nas matas mora (bis)
Vem aqui ver seus filhos
Que tanto te adora (bis)

162- PONTO DE CABOCLO

Na mata virgem
Uma coral piou,
Ele atirou a sua fecha certeira
Ele atirou ele atirou ele atirou
Atira caboclo lá na mata da Jurema
163- PONTO DE OXOSSI

Naquela estrada de areia


Aonde a lua clareou
Todos os Caboclos param
Para ver a procissão De São Sebastião
Oke, Oke, Oke, Caboclo
Meu pai Oxossi é São Sebastião

164- PONTO DE CABOCLO

Vestimenta de Caboclo é samambaia,


É samambaia, é samambaia (bis)
Olha Caboclo não se atrapalha
Saia do meio da samambaia (bis)

165- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Dentro da mata virgem


Uma linda cabocla eu vi
Com seu saiote Feito de penas
É a Jurema filha de Tupi
Com seu saiote Feito de penas
É a Jurema filha de Tupi
Jurema. Jurema, Jurema
Linda cabocla, filha de Tupi
Ela vem, lá da Juremá
Vem firmar seu ponto
Nesse congar

167- PONTO DA CABOCLA JUREMA

Jurema deu um estrondo


que toda a terra estremeceu
por onde anda os companheiros da Jurema
que até hoje não apareceu
Jurema
ô juremê juremá
é uma cabocla de pena
filha de tupinambá
rainha das águas e areias
nunca atirou pra errar
é uma cabocla de pena

168- PONTO DO CABOCLO MATA VIRGEM


Ele atirou e ninguém viu
Só seu Mata Virgem é que sabe
A onde a flecha caiu

169- PONTO DE OXOSSI

Assobiou, assobiou, assobiou


Firma cabeça que Oxossi vem aí
Assobiou, assobiou, assobiou
Firma cabeça que Oxossi vem aí

170- PONTO DE CABOCLO

Oxalá chamou!
Oxalá chamou e já mandou buscar
Os caboclos da Jurema
Pro seu Juremá
Pai Oxalá
É o rei do mundo inteiro
Já deu ordens pra Jurema
Chamar seus capangueiros
Mandai, Mandai
Minha cabocla Jurema
Os seus guerreiros
Essa é a ordem suprema!

171- PONTO DO CABOCLO TUPINAMBÁ

Tava na beira do rio


Sem poder atravessar
eu chamei pelos caboclos
Caboclo Tupinambá
eu chamei pelos caboclos
Caboclo Tupinambá
Tupinambá chamei
Chamei tornei chamar eaahhh
Tupinambá chamei
Chamei tornei chamar eaahhh

172- PONTO DE CABOCLO


São três folhas
São três folhas que ele traz
São três folhas
Caridade, Amor e Paz

173- PONTO DO CABOCLO PENA BRANCA

Saravá seu Pena Branca


Saravá seu apache
Pega flecha e seu bodoque
Pra defender filhos de fé
Ele vem de Aruanda
Trabalhar neste cassuá
Saravá Seu Pena Branca
No terreiro de Oxalá
Sua flecha vai certeira
Vai pegar no feiticeiro
Que fez juras e mandingas
Para o filho do terreiro
Pega o arco, atira a flecha
Que esse bicho é caçador
Além de ser castigo
Ele é merecedor

174- PONTO DO CABOCLO TUPINAMBÁ

Tupinambá é canga na batalha


Tupinambá ee Tupinambá
Tupinambá guerreiro de Oxóssi
Tupinambá ee Tupinambá
Tupinambá vem defender seus filhos
Tupinambá ee Tupinambá
Só não apanha Folha da Jurema
Sem ordem suprema Do Pai Oxalá
Só não apanha Folha da Jurema
Sem ordem suprema Do Pai Oxalá
Eu vi na margem do rio,
Em linda manhã serena,
Caboclo Seu Pena Verde
Firmando ponto na areia

175- PONTO DE CABOCLO

Oi Salve o sol, Salve a Estrela Guia


Saravá seu ventania, umbanda vamos saudar
Oi salve a folha da macaia na Jurema
Salve cabocla de pena filha de Tupinambá
A lua brilha iluminando o mundo inteiro
Clariando o terreiro para caboclo passar
Quiô, Quiô, Okê, O quiô quiá
Salve a folha da macaia Umbanda vamos saudar!
Firmou seu ponto na raiz da Orucaia
Jurema e Cabocla Iara, Vieram pra confirmar
Bendito seja o nome deste caboclo
Saravá arranca toco saravá Pai Oxalá
Caboclo Arruda que chegou neste terreiro
Junto com João Mineiro Umbanda vamos Saudar
Seus filhos vibram com o brado do caboclo
Saravá Arranca Toco, Arruda e Tupinambá

176- PONTO DO CABOCLO PENA BRANCA

Seu Pena Branca que mata é a sua


Onde pia a cobra, canta o sabiá
E clareia a Lua

177- PONTO DO CABOCLO TUPINAMBÁ

Quando meu tambor rufar eu sinto a presença de Tupinambá


Deixa a folha cair,
Veja uma estrela brilhar
A macaia está em festa,
pra ver Tupinambá chegar
Ela é caboclo ele vem caçar,
ele é guerreiro
Ele é Tupinambá

178- SUBIDA DE CABOCLO

A sua terra é longe


E eles vão embora
E vão beirando o rio azul
Adeus a Umbanda que os caboclos
Vão embora
E vão beirando
O rio azul

179- SUBIDA DE CABOCLO

Caboclo apanha a sua flecha,


Apanha o seu bodoque,
O galo já cantou.
O galo já cantou lá na Aruanda,
Oxalá lhe chama,
Para a sua banda.

180- SUBIDA DE CABOCLO

Caboclos já vão embora,


Pra cidade de Jurema.
O bom Jesus ta lhes chamando,
Na cidade de Jurema.
Mas eles vão ser coroados,
Na cidade de Jurema,
Com a coroa do aiê iêu,
Na cidade de Jurema.

181- SUBIDA DE CABOCLO

Adeus meus Caboclos, adeus!...


A sua banda lhe chama,
E eles já vão ao ló...
E eles já vão ao ló...
Deixam penas e saudade,
Vão pra Aruanda, sua macaia,
Numa gira só, é numa gira só!...

Firmeza Curimba
Firma Ponto Caboclo

Firmeza de ponto do caboclo

Caboclo firma ponto num pedaço de cipó


Caboclo firma ponto num pedaço de cipó
É meia noite na lua –2x
É meio dia no sol

Abertura da Gira
Abrimos a nossa gira
Pedimos de coração
Ao nosso pai Oxalá
Para cumprir nossa missão

Eu abro a nossa gira


Com Deus e Nossa Senhora
Eu abro a nossa gira
Sandorê Pemba de Angola

Marinheiro
Pontos de Marinheiro

Eu não sou daqui (Marinheiro só)


Eu não tenho amor (Marinheiro só)
Eu sou da Bahia (Marinheiro só)
De São Salvador (Marinheiro só)

Oh marinheiro, oh marinheiro (Marinheiro só)


Quem te ensinou a navegar (Marinheiro só)
Ou foi o tombo do navio (Marinheiro só)
Ou foi o balanço do mar (Marinheiro só)

Lá vem, lá vem (Marinheiro só)


Como ele vem faceiro (Marinheiro só)
Todo de branco (Marinheiro só)
Com seu bonézinho (Marinheiro só)

…....................................................................................................................................

Saia do mar, saia do mar Marinheiro (2x)


Saia do mar marinheiro, vem trabalhar no terreiro

…....................................................................................................................................

Minha jangada vai sair pro mar, vou trabalhar, meu bem-querer
Se Deus quiser quando eu voltar do mar, um peixe bom eu vou trazer
Meus companheiros também vão voltar
E ao Deus do céu vamos agradecer

Subida de Marinheiro

Marinheiro, sua morada é no mar (2x)


Eu vou, eu vou remando, remando para o mar (2x)
Seu Marinheiro que balanço é esse? (2x)
È seu barquinho que vai para o mar
Levando cores belas pra mãe Iemanjá (2x)
…....................................................................................................................................

1-
Oh marinheiro, marinheiro
Marinheiro só
Quem te ensinou a nadar
Oh marinheiro só
Ou foi o tombo do navio
Marinheiro só
Ou foi o balanço do mar
Marinheiro só
Mais ele vem, vem, vem
Marinheiro só
Ele vem faceiro
Marinheiro só
Todo de branco
Marinheiro só
Com seu bonezinho
Marinheiro só
Mais eu não sou daqui
Marinheiro só
Eu não tenho amor
Marinheiro só
Eu sou da Bahia
Marinheiro só
De são salvador
Marinheiro só
Mais ele vem, vem, vem
Marinheiro só
Ele vem faceiro
Marinheiro só
Todo de branco
Marinheiro só
Ele vem trabalhar
Oh marinheiro só

SEI SEI SEI


SEI QUEM SOU EU

SEI SEI SEI


SEI QUEM SOU EU

SOU DAS ÁGUAS SAGRADAS


DE MÃE IEMANJÁ
SOU MARTIN PESCADOR
DO FUNDO DO MAR

SOU DAS ÁGUAS SAGRADAS


DE MÃE IEMANJÁ
SOU MARTIN PESCADOR
DO FUNDO DO MAR

Seu Marinheiro é hora


É hora de vir trabalhar
É céu é mar é terra
Oh marinheiro no balanço do mar

*******

Quem te ensinou a nadar


Foi, foi marinheiro
Foi os peixinhos do mar

******

As águas de Iemanjá
Não tem fim
Salve os peixinhos Dáguas
Salve seu Serafim

*******

Salve a marinha
Salve Iemanja
Salve as sereias
Do fundo do mar

*******

Quem nessa vida morre por amor


Tem que saber os segredos do mar
Jangadeiro em dois de fevereiro
Pega o saveiro
E se atira ao mar
Levando flores e pedras brilhantes
Para Janáina filha de iemanjá

******
Seu marinheiro eu não sei porque
Toda madrugada eu sonho com você
Marinheiro é bom aqui nesta corrente
Só um marinheiro pra salvar toda esta gente

*******

Seu Martim pescador que vida é a sua?


Bebendo cachaça e caindo na rua
Seu Martim pescador o que você faz?
Eu ando pra frente e caiu pra trás
Seu Martim pescador o que você quer?
Muita cachaça e muita mulher

*******

Rema a canoa marinheiro


Rema a canoa devagar
Essa canoa só foi feita
Pra Martim parangola.

*******

Eu bebo, eu bebo
Eu bebo muito bem
Eu bebo com meu dinheiro
E não é da conta de ninguém

*******

As ondas do mar que vai


Levando o nevoeiro
As ondas do mar que vem
Trazendo marinheiro
O marinheiro, o marinheiro
Nevoeiro vai e vem trazendo marinheiro
Quando entrar no mar
E ver aquele veleiro
Dando flores pra iemanjá
E também pros marinheiros

*******

Gente que vem de Lisboa


Gente que vem pelo mar
Laço de fita amarela
Na ponta da vela ,no meio do mar
Ei nóis que viemos de outras terras
De outros mares
Trago pólvora chumbo e bala
Nós queremos guerrear

*******

O cachaça para de ser besta


Te mando pra barriga
E você sobe pra cabeça

******

O marinheiro foi você quem trouxe


foi você quem trouxe
minha flor amada
o marinheiro das águas tão doces
leva minhas magoas pras águas salgadas

*******

Quando eu to bêbado
Todo mundo que me bater
Agora que eu to são
Bate em mim que eu quero ver

******

O dono do bar ficou nervoso


Porque eu não quis pagar
Eu falei pra ele
Que vou pagar com areia do mar

******

Oh marinheiro tu aqui chegou


Tu trouxe as águas que Iemanja mandou
Agora leve pro fundo do mar
Tudo o que não é deste lugar
Oh marinheiro , marinheiro , marinheiro só
Oi quem te ensinou a nadar
Marinheiro só
Oi foi o tombo do navio
Marinheiro só
Oi foi o balanço do mar
Marinheiro só
Lá vem , lá vem
Marinheiro só
Ele vem faceiro
Marinheiro só
todo de branco
Marinheiro só
Com seu bonezinho

*******

Oh marinheiro sua morada é no mar


Eu vou , eu vou remando
Remando para o mar
Oh marinheiro que balanço é esse
É o meu barquinho , que vai para o mar
Levando flores belas pra mãe Iemanjá

*******

Eu venho de longe pisando na areia


Na areia tenho que pisar!
Mas ele é seu Marinheiro verdadeiro...
Aqui em qualquer lugar!

*******

Ei Marinheiro
Seu barco estava afundando!
Ainda bem que ele foi salvo
Na jangada dos Baianos!

*******

Eu não posso pisar na areia


Eu não posso pisar no mar
Minhas pernas ficam bambas
E a cabeça começa a rodar

*******
O navio apitou, oh,oh
É de mar a fora
É a marujada que vem chegando agora
O navio apitou, oh,oh
É de mar a fora
É a marujada que vem chegando agora

*******

O marinheiro o jangadeiro
O que me traz nessa canoa
Eu trago ouro e trago prata
Mais também trago cachaça da boa...

*******

Minha jangada vai sair pro mar


Vou trabalhar meu bem querer
Se Deus quiser quando eu voltar do mar
Um peixe bom eu vou trazer
Meus companheiros também vão voltar
E a Deus do céu vamos agradecer

*******

Minha vida é no mar


Junto de mamãe sereia
O meu barco não afunda
Porque eu sou capitão
Eu sou filho de Iemanjá
E oxalá de coração...

*******

Canoeiro, canoeiro
O que traz nessa canoa
Trago Pemba, trago Guia
E o rosário vem na proa
Trago Pemba, trago Guia
E o rosário de Maria.
*******

A cachaça boa é do pau de alho


Aqui mesmo eu bebo
Aqui mesmo eu caio
*******

A minha cama é de areia,


Meu cobertor é as ondas do mar
Meu travesseiro é uma pedra fina
A onde mora oxum Apará

*******

E olha lá seu marinheiro


eu dou a vida pra quem anda no mar
Eu moro no riacho do meio
Em cima de uma pedra para não me molhar

*******

Eu vou pra cá, eu vou pra lá


Se a maré ta cheia eu não posso demora
Salve Iemanjá, salve a sereia do mar
Salve o marinheiro que não vai se demora.

*************
Ponto de subida dos Marinheiros

Adeus pessoal, adeus


Adeus que já vou embora
Foi no balanço do mar que eu vim
É no balanço do mar que eu vou agora

*******

O navio apitou
O relógio marcou hora
Adeus meu povo todo
Marinheiros vão embora

*******

Adeus, adeus
Pescador não se esqueça de mim
Vou rezar pra ter bom tempo marinheiro
Pra não ter tempo ruim

*******
Eu me chamo é Madalena
Sou Rainha da floresta
Na Jurema eu sou Mestra

*******

Nas prais do Maranhao


Tem três Falésias encantadas
É numa delas, é numa delas
Que Jarina é encantada

*******

Rei Salomao, bem que dizia:


A seus filhos juremados
Para entrar na Jurema Mestra
Tem que ter muito cuidado
Caruana, caruana
Força caruana
Caruana vem das águas
Força caruana

Baiano

Ponto de baiano(a)

Baiano é povo bom


Povo trabalhador -2x
Quem mexe com baiano
Mexe com Nosso Senhor -2x

…........................................................................................................

Ê Bahia
Bahia do Nosso Senhor do Bonfim
Ê Bahia peça a Oxalá por mim

Baiana da saia rendada


Seu tabuleiro tem axé
Baiana ta no terreiro
Sambando na ponta do pé
…........................................................................................................

Quando eu vim da Bahia


Estrada eu não via -2x
E cada encruza que eu passava
Uma vela eu acendia -2x

…........................................................................................................

Valei-me Senhora do Aparecida, porque tu és a grande padroeira


Valei-me Senhora do Amparo, Estrela Guia do meu povo da Bahia
Valei-me Senhor do Bonfim, e os baianos deste canzueiro
Valei-me Orixá formoso, que brilha, brilha, o tempo inteiro (2x)

….......................................................................................................

Êêêêê, maior é Deus


Êêêêê, maior é Deus e pequeno sou eu (2x)
E o que eu tenho, foi Deus quem me deu
Se eu dou o que eu tenho foi Deus quem me deu (2x)

…........................................................................................................

Cipriano contra o mal, lá nas matas da Bahia (2x)


Miolo de pau voava, cavaco de pau subia (2x)

…........................................................................................................

LUANDA

Quando eu venho de Luanda eu


não venho só
Quando eu venho de Luanda eu
não venho só

Trago meu corpo cansado


Coração amargurado
Saudade de fazer dó

Quando eu venho de Luanda eu


não venho só
Quando eu venho de Luanda eu
não venho só

Eu fui preso a traição


Trazido na covardia
E se fosse luta honesta
De lá, ninguém me trazia
Na pele eu trouxe a noite
Na boca brilha o luar
Trago a força e a magia
Presente dos orixás

Quando eu venho de Luanda eu


não venho só
Quando eu venho de Luanda eu
não venho só

Eu trago ardendo nas costas


O peso dessa maldade
Trago ecoando no peito
Um grito de liberdade
Um grito de raça guerreira
É grito da raça negra
É grito de capoeira

Quando eu venho de Luanda eu


não venho só
Quando eu venho de Luanda eu
não venho só

…........................................................................................................

Retirante ruralista, lavrador


Nordestino lampião, Salvador
Pátria sertaneja, independente
Antônio Conselheiro, em Canudos presidente
Zumbi em Alagoas, comandou
Exército de ideais, libertador

Eu sou mandinga, balaiada


Sou Malê
Sou búzios, sou revolta, arerê

Oh Corisco, Maria Bonita mandou te chamar


Oh Corisco, Maria Bonita mandou te chamar

É o vingador de Lampião
É o vingador de Lampião
Êta cabra da peste 2x
Esse cabra veio do nordeste

Êta, eta
Êta, eta taratatá
Êta, eta
Êta, eta taratatá

…........................................................................................................
Corisco (Osvaldo)
Se relar a curimba pia
Olha o facão, o capitão chegou
Seu Lampião ilumina a estrada
Não há olhos para ver esse senhor

É o Capitão
Capitão chegou

Relampo, relampiou 2x
Capitão Corisco chegou
…........................................................................................................

Subida de baiano

Baiano é bom, tem mironga no congá (2x)


Mandinga ele traz, feitiço no sambar (2x)
Samba baiano, samba sinhá
Baiano vai embora levando todos os males (2x)

Bahia, oh África
Venha nos ajudar
Povo baiano
Povo africano
Força divina
Vem cá, vem cá

*******

Oi quando eu vim lá da Bahia


Eu trouxe meu patuá
Terreiro que tem mironga
Baino vem trabalhar
Bahia êêê
Bahia êêá
*******
ZÉ BAIANO OU
ZÉ PELINTRA

Lá vem Zé, lá vem Zé


Oi, lá vem Zé lá da Bahia
Lá vem Zé, lá vem Zé
Oi lá vem Zé do Jurema
Chegou Zé, sarava, sarava
Chegou Zé, sarava, sarava

*******

Galo já cantou, é de madrugada


Já esta na hora de chamar a baianada
Porteira, porteira velha
Porteira balanceou
Porteira, porteira velha
Baiano velho chegou

*******
Ai, ai, ai meu Senhor do Bonfim
Valei-me São Salvador
Oi, vamos sarava minha gente
Que o povo da Bahia chegou

Ai, ai, ai se ele é baiano


Agora que eu quero ver
Comer pimenta da costa
Com azeite de dendê

Eu to chamando,eu to chamando
Eu to cansado é de chamar
Cadê meu irmão
Que não vem brincar mais eu

Com tanta abobora madura


Eu ao tenho farinha
Com tanto serviço bom
A minha faca ficou na Bahia

Quebra coco, quebra coco


Quero ver coco quebrar
Você brinca com baiano
Baiano não é de brincar
Vinte e cinco Pai Nosso
Uma Ave Maria só
Mais uma gira de baiano
Arrebenta qualquer nó

*******

Baiano bom
Baiano bom
Baiano bom
É o que sabe trabalhar
Baiano bom
É o que sobe no coqueiro
Tira o coco, bebe a água
E deixa o coco no lugar

*******

Na bahia tem
Ei já mandei buscar
Lampião de vidro
Sá Dona
Para clarear

*******

Quem tem baiano pisa


Eu quero ver pisar
Oh Jesus salve a baianada
Aqui deste conga

*******

Pisa baiano
Pisa lá, que eu piso cá
Pisa baiano quero ver você pisar
A pisada de baiano
Faz poeira levantar

*******

Quando eu cheguei da Bahia


Estrada eu não via
Oi cada encruza que eu passava
Uma vela eu ascendia
Oi cada encruza que eu passava
Uma demanda eu vencia
*******

Bahia é terra de dois


É terra de dois irmãos
Governador da Bahia
É São Cosme e São Damião

*******

Oi fizeram um feitiço
Na encruzilhada pra me derrubar
Só que não adianta
Eu também sou de lá
Eu também sou de lá oxente
Eu também sou de lá oxente

*******

Subi no coqueiro
Procurando um galho
Me segura baiano
Se não eu caio
Balaio, balaio, balaio
Oi me segura se não eu caio
Se eu cai
Eu me machuco
Se eu machuco
Eu não trabalho

*******

Baiano quando vem


Vem brincando a beira mar
Solta a pemba no terreiro
E deixa os filhos trabalhar
Auê, baiano da serra da Mantiqueira
Auê, baiano quebra coco e não bambeia

*******

Pemba, pemba de Angola


Atoto Obaluaiê
Que os baianos vêm agora

*******
Na Bahia tem
Eu já mandei buscar
Lampião de vidro
Sá Dona
Para clarear

*******
BAIANO ZEFERINO
Olha, eu camarada, camarada meu
Mais olha eu camarada, camarada meu
Sou Zeferino que chegou aqui agora
Candomblé toco no keto
Umbanda toco na Angola

*******

Oi na Bahia
Ninguém pode com baiano
Quebra coco
Arrebenta a sapucaia
Quero ver quem pode mais

*******

Eu fui a Bahia
E implorei ao meu Senhor do Bonfim
Que ele me ajudasse
A seguir na Umbanda
Meu caminho até o fim
Meu senhor do Bonfim me ajude
Eu preciso de paz e saúde

*******

Vamos baianada
Dançar o catimbó
Amarrar os inimigos
Na pontinha do cipó
Amarrei, amarrei
Amarrei e dei um nó
Amarrei os inimigos
Na pontinha do cipó

*******

Oi, um baiano bom


Não tem medo de arriar
Com a faca na cintura
E cigarro pra fumar
Eu vou sarava, eu vou sarava

*******
Dizem que baiano
Tem o pé rachado
Quem mexe com baiano
Tá doido ou ta danado
Dizem que baiano
Tem o pé rachado
Na direita ele é bonzinho
Na esquerda ele é danado

*******

Baiano é povo bom


É povo trabalhador
Quem mexe com baiano
Mexe com Nosso Senhor

*******

Abre os portões da Bahia


Deixa os baianos passar
Ela é Baiana do Atai
Ela Baiana do Atoá

*******

O Bahia
Bahia terra de São Salvador
O Bahia
Bahia terra de São Salvador
Na Bahia tem, tem dendê
Na Bahia tem vatapá
Na Bahia tem caruru
Que só as baianas sabem fazer

*******

A todos Orixas
Permissão para chamar
Os guerreiros do espaço
Para virem trabalhar
Tem Baiano que é da lua
Tem Baiano que de acolá
Tem baiano que vem na luz de Oxalá
Zé Baiano já chegou
Já chegou pra trabalhar
Firma o ponto no terreiro
E a fé em Oxalá

*******

No tabuleiro da Baiana
Tem coco tem cocada
Tem azeite de dendê
Acarajé e Marmelada
Sarava a Bahia e Toda a Baianada

*******

Quem não viu Baiano bom


Corre e venha ver agora
Ele quebra mandinga
Ele vence demanda
Ele vem de Aruanda
Vamos todos saravá

*******
Mas o facão bateu em baixo
E a bananeira caiu
Mas o facão bateu em baixo
E a bananeira caiu
Cai, cai, bananeira
E a bananeira caiu
Cai, cai, bananeira
E a bananeira caiu

*******

Lá na Bahia tenho morada


Seu Virgulino mora na beira da estrada
Derrubou casa sem muro
Navegou sem embarcação
Só não faço nesse mundo
É casar irmã com irmão
O terreiro lá de casa
Não se varre com vassoura
Varre com ponta de faca
Cangaceiro sou eu
Aqui em qualquer lugar
O meu nome é Virgulino
Carrego meu patuá
*******
Baiano que vem da Bahia
vem beirando beira mar ,
Bota a canga no sereno
ô deixa a canga serenar.
Auê baiano , baiano da laranjeira,
Auê baiano , na Serra da Mantiqueira "bis

*******

Oh, Baiana não me deixe assim


To com saudade de você perto de mim
Oh, Baianinha me apague o fogo
Sou seu baiano sou seu Zé do côco

*******

Na casa de Pai Chiquinho


Baiano vem pra sambar
Risca ponto, bebe um coquinho
Mas soa de trabalhar

*******
LAMPIAO

É lamp, é lamp, é lamp


É Lamp, é Lampião
O seu nome é Virgulino
Apelido é Lampião
Lampião tava dormindo
Acordou todo assustado
Deu um tiro na barata
Pensando que era soldado

********

Pontos das Baianas

MARIA DA MIRONGAS

Me chamo Maria das Mirongas


Me chamo vem trazendo o axé
A Umbanda já esta chamando
Seu Zé baiano é quem trouxe a fé
*******

Baiana só trabalha
Com azeite de dendê
Ela vem trabalhar
Na linha de Abaloaiê

*******

Oh baianinha esse seu tabuleiro sem nada


Que doce é esse o baiana
É cocada
Oh baianinha não me faça assim
Você fica na esquina
Olhando e sorrindo pra mim

*******

Ole mulher rendeira


Ole mulher renda
Tu me ensina a fazer renda
Que eu te ensino a namorar
Lampião desceu a serra
Com as sandálias de algodão
A sandália pegou fogo
E ficou de pé no chão

*******

O candeeiro se apagou
E o sanfoneiro cochilou
E a sanfona não parou
E o forró continuou
Oh amor não vai embora
Fique mais um bocadinho
Se você for seu nego chora
Fique só mais um pouquinho

*******

A flor de laranjeira
Alô Bahia
Cheira mais que aroeira
Alô Bahia
Vou mandar buscar
Vou mandar buscar
For de laranjeira
Pro meu bem vir-me cheirar

*******

Baiana da saia rendada


Seu tabuleiro tem axé
Ela vem se requebrando
Oi, quando dança o candomblé
Axé baiana
Salve o Senhor do Bonfim
Axé baiana
Oi, peça a Oxalá por mim

*******

Baiana faz e não manda


Nem tem medo de demanda
Baiana feiticeira
Filha de Nagô
Trabalha com pó de pemba
Pra ajudar Babalaô
Baiana sim
Baiana vem
Quebra mandinga
Com dendê
Baiana chegou na aldeia
Na noite de lua cheia
Estremece os corações
E a fé reencendeia
Pisa nele
Pisa manso
Meu nego
O lua cheia
Clareia o conga
O doía
Mamãe sereia
**********

Pontos de subida dos Baianos e Baianas

Ô Coqueiro do norte
Que está balançando
É a Bahia que está lhe chamando
*******

Despedida de Baiando
Faz chorar, oi
Faz chorar , faz soluçar
Faz chorar
Maré , maré , maré
Oi quem tem pemba joga fora
Maré , maré , maré
Que os Baianos vão embora.

*******

E os baianos vão embora


Eles vão La pra Bahia
Oi zumbará , que zumbará , que zumbará iê , iê
zumbará , que zumbará , que zumbará ia, ia

*******

Vai , vai , vai


Vai deixar saudades
Os Baianos vão embora
Eles vão deixar saudades

*******

Cadê sua pemba


Cadê sua guia
Os Baianos vão embora
Seu conga é na Bahia

Baiano é povo bom, Trepa no coqueiro


Povo trabalhador, Tira coco se quiser
Quem mexe com baiano, Vou chamar a baianada
Mexe com Nosso Senhor. Prá dançar no candomblé

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Quando eu vim da Bahia, Na Bahia tem um côco


Estrada eu não via, bis Neste côco tem dendê
Cada encruza que eu passava, Na Bahia tem um côco
Uma vela eu acendia. bis Me diga como é que se come este côco
Este côco é bom de comer
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
“Coquim”, “Coquim” Baiano
Coquim lá da Bahia Quando eu vim lá da Bahia
Coquim venceu demanda Eu trouxe meu patuá
Com a Senhora da Guia Terreiro que tem mironga
Baiano vai mirongar
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Nossa Senhora da Lapa Baiano Severino


Da Lapa de Bom Jesus
Baiano quebra a mandinga Estrela Dalva estrela matutina
Nos pés da Santa Cruz Oh Luz divina venha nos salvar – bis
Meu Jesus Cristo venha nos salvar
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Vou saldar Seu Severino
Na falange de Oxalá
Na Bahia tem
Vou mandar buscar :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Lampião de vidro, sá dona
Para clarear Zé Baiano

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Mas olha meu camarada,


Camarada meu,
Lá na Bahia, Sou Zé Baiano,
Ninguém pode com baiano, Que chegou aqui agora,
Quebra coco, Candomblé bato no Queto,
Arrebenta sapucaia , Umbanda bato na Angola.
Quebra coco,
Vamos todos saravar :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Estava no mato


Estava no mato
Bahia, oh África Oi tava bem escondinho
Venha nos ajudar- bis Estava no mato
Força baiana Estava no mato
Força africana Num dendê abaixadinho
Força divina vem cá
Vem cá :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Oi na Bahia corre água sem chover


Oi na Bahia corre água sem chover
O meu Senhor do Bonfim Nos todos somos baianos
Valei-me São Salvador Agora que eu quero ver – bis
Vamos saravar nossa gente Oi na Bahia tem gente que sabe ler
Que o povo da Bahia chegou
Bahia , Bahia de São Salvador :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Quem nunca foi à Bahia
Peça a Deus nosso Senhor Bahia, Bahia,
Zum zum zum Bahia de São Salvador,
Vai sambar mais um Quem nunca foi a Bahia,
Zum zum zum Peça Deus Nosso Senhor.
Vai tombar mais um
Vai tombar mais um – 4x :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vai tombar mais um
A dança não é brincadeira
Zum zum zum Ê...Baiana
É dança de capoeira Ê, ê, ê baiana baianinha
Quem entra na dança Baiana Boa, gosta de samba
Não pode cair deitado Entra na roda
Pra não passar vergonha E diz que é bamba
diante dos convidados Apronta a viola
Que ela quer sambar
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ela gosta de samba
Ela quer trabalhar
Oh oh a Bahia me chamou – 4x
Louvei meu pai de santo :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Sarava meu Pai Xangô
Oh oh oh Meu galo preto do pé amarelo,
A Bahia me chamou Canta meu galo e só faz o que quero,
Vou pagar uma promessa No pico da meia noite,
Ao meu Senhor do Bonfim Meu galo preto cantou,
Vou pedir ao meu Pai Xangô Ele veio tirar despacho,
Que não se esqueça de mim Que você pra mim mandou,
Oh oh oh oh Na direita tenho Deus,
A Bahia me chamou Porque nele tenho fé,
Bahiano de todos os santos Na esquerda tenho o meu galo,
Do poeta e compositar Que desmancha tudo com pé,
Bahia dos grandes vultos Meu golo preto do pé amarelo,
Que a natureza criou Canta meu galo e só faz o que quero,
Oh, oh, oh oh
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Tem areia oi, tem areia, tem areia oi, tem areia, tem
Oh Bahia areia
Bahia de Nosso Senhor do Bonfim No fundo do mar tem areia
Oh Bahia Lá na mata tem mironga
Pede a Oxalá por mim Eu quero ver
Baiana da saia rendada Lá na mata tem um povo
Tabuleiro de acarajé Esse povo tem dendè
Baiana tá no terreiro Tem areia, oi
Sambando no candomblé Tem areia
Tem areia no fundo do mar
Tem areia

1- PONTO DE BAIANOS

Bahia, oh África
Venha nos ajudar
Força baiana
Força africana
Força Divina
Vem cá, vem cá

2-
Tem areia oh, tem areia
Tem areia oh, tem areia
Tem areia no fundo do mar
Tem areia
Lá nas matas tem mironga
Eu quero vê
Lá nas matas tem um coco
Nesse coco tem dendê

3-
Se ele é baiano
Agora que eu quero vê
Dançar catira
No azeite de dendê
Eu quero vê
Os baianos de Aruanda
Trabalhando na umbanda
Pra quimbanda não vencer

4-
Quando eu cheguei da Bahia
E a estrada eu não vi
Cada encruza que eu passava
Uma vela eu acendi
5-
Oh na Bahia tem
Tem dendê
Oh na Bahia tem
Baiano trabalha bem

6-
Na Bahia tem um coco
Este coco tem dendê
Vem nega comer coco
Vê se come esse coco
Que esse coco é bom de comer

7-
Tava no mato, tava no mato
Tava bem escondidinho
Tava no mato, tava no mato
No dendê abaixadinho

8- PONTO DO BAIANO SEVERINO

Mas olha eu camará


Camarada meu
Sou Severino
Que chegou aqui agora
Candomblé bato no keto
Umbanda bato na angola

9-
Oi na Bahia corre água sem chover
Nos todos somos baianos
Agora que eu quero vê
Oi na Bahia tem gente que sabe lê
Também tem uns dois baianos
Que desmancha canjerê
10-
Baiano que vem da Bahia
Vem beirando a beira mar
Põem a conga no sereno
Oi deixa a conga serena
Aue baiano
Baiano que balanceia
Aue baiano
Na serra da mandingueira

11-
Oi vamos baianada
Pisar no catimbó
Pra amarrar os inimigos
Na pontinha do cipó

12-
Oh meu Senhor do Bonfim
Valei-me São Salvador
Vamos sarava minha gente
Que o povo da Bahia chegou
Bahia, Bahia, Bahia de São Salvador
Quem nunca foi a Bahia
Peça a Deus nosso Senhor

13-
Baiana da sai rendada
Seu tabuleiro tem axé
A baiana ta requebrado
Como dança no candomblé
Oh, Bahia
Bahia de nosso Senhor do Bonfim
Oh, Bahia
Terra de São Salvador

14-
Na Bahia tem
Vou mandar buscar
Lampião de vidro, oh sinhá dona
Para clarear

15- PONTO DO BAIANO SEVERINO

Estrela Dalva
Estrela matutina
Oh luz divina
Venha nos salvar
Seu Jesus Cristo venha nos salvar
Vou saudar seu Severino
A falange de Oxalá

16-
Ele é da Bahia
Esse baiano vale ouro
Ele é da Bahia
Salve o seu chapéu de couro

17-
Tava na estação
Quando o trem chegou
Cheio de baiana
De São Salvador

18-
É na Bahia que tem baiano
É na Bahia que tem azeite de dendê
Baiano, baiano
Estou lhe chamando
Pra você me defender

19-
Baiano é mau
Como surucucu, o ganga
Não mecha com ele, o ganga
Baiano zanga

20-
Ele veio da Bahia
Ele vem pra sarava
Ela veio da Bahia
Ele veio trabalhar
Veio cheia de mandingas
Veio sarava o congá

Exu

“Santo Antônio quem abre a canjira Santo Antônio na beira do Rio


Santo Antônio quem abre a canjira Chorava, chorava
Segura minha canjira meu Santo Antônio por que chora, por que chora
Não deixa banda virar.” Santo Antônio
Vem ver seus filhos que se acham em
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Aflição

“Oh, meu Santo Antônio :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Firma ponto e corre gira,
Dizem que pemba “Ora canga boi inê,
Vem salvar filhos de Umbanda. Ora canga boi Iná.
É pai, é pai, é pai Ora canga boi Tetê,
E no reino está. Ora canga boi tatá.
Oh, meu Santo Antônio, Santo Antônio é que canga boi...
Firma ponto e corre gira.” São Benedito é que vai carriá.”

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

“Santo Antônio é de Ouro Fino “Caboclo da Encruzilhada,


Ele vem de Aruanda, do Pai Oxalá Santo Antônio ele é
Ele traz missão para os filhos de Umbanda, Amarrador de feiticeiro,
Salve seus filhos, meu Pai Oxalá.” Com o cordão de sua fé.”

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

“Santo Antônio de Pemba caminhou sete anos, a “Vou abrir minha aruanda
procura de um anjo, vou abrir meu juremá
até que encontrou. Com a licença de mamãe oxum
Santo Antônio de Pemba caminhou sete e nosso pai oxalá
anos, a procura de um anjo, Santo Antonio é ouro fino arreia a bandeira
até que encontrou. e vamos trabalhar.”
Ah, como caminhou Pemba, a como caminhou,
Pemba, ah como caminhou, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Santo Antônio de Pemba,
ah como caminhou. “Santo Antonio é dono de terreiro
Auê, auê, quem demanda na terra é auê...” Santo Antonio é dono de Congá
Quem ata e desata é Santo Antonio
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Santo Antonio que venha desatar.”

“Santo Antônio entrou no fogo, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


com sapato de algodão.
O sapato pegou fogo, “Santo Antônio com São Benedito,
mas o pé do santo não Ma chamaram para curimbar.
Tem mironga tem, ai Santo Antônio é Santo de mesa,
Tem mironga tem.” São Benedito é de Gongá.”

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

”Santo Antônio de Lisboa, “Santo Antônio é santo de mesa


olha pro mundo como está. São Benedito é santo maior
Quem antes me abraçava e me beijava, Quero ver, quero ver
agora quer me apunhalar. Na mesa de Umbanda eu quero ver.”
Oh, saravá seu cordão preto,
meu Santo Antônio que eu sou filho seu :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Oh, livrai-me dos inimigos,
meu Santo Antônio, “Meu Santo Antônio pequenino
pelo amor de Deus...” Corre Umbanda devagar
Meu Santo Antônio pequenino
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Corre Umbanda sem parar.”

“Meu Santo Antônio pequenino :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Olha esse mundo como está
Quem me abraçava antigamente “Santo Antônio era menino
Hoje quer me apunhalar Oi Benedito era rapaz
Olha seu cordão preto, Corre, corre Santo Antônio
Meu Santo Antônio Eu quero ver quem corre mais.”
Eu também sou filho seu
Afastai meus inimigos, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Meu Santo Antônio
Pelo santo amor de Deus.” “És tu meu Santo Antônio
És dono do meu gongá
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Se não fosse Santo Antônio
Não sabia corimbar
“Se não fosse as minhas Almas, Se não fosse Santo Antônio
Meu Cruzeiro o que seria. Não sabia trabalhar.”
Meu Santo Antônio é Rei das Almas,
Ele é quem me defendia.” :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: “O Santo é que está de ronda


O meu Santo Antônio Aruandá
“Santo Antônio é de Lisboa Na Aruandê,na Aruandê, na Aruandá
Tem coroa de guiné, Santo Antônio na linha de Umbanda
Abençoa minhas Almas Santas, É Ogum,
Reforçai a minha fé.” É o meu protetor
Santo Antônio é quem é meu padrinho
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Neste mundo de Nosso Senhor.”

“Pai Jerônimo veio de longe :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Santo Antônio da Luandê
Pai Jerônimo vem saravá “Santo Antônio Pequenino,
É Santo Antônio na Luandá. Amansador de burro brabo,
Na Luandê, na Luandê, na Luandê, Quem mexer com Sto Antônio,
Na Luandê, na Luandê, na Luandá.” Ta mexendo com o diabo.
Rodeia, rodeia, rodeia,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Meu Santo Antônio rodeia. (bis)
Pomba Gira Rainha,
Gira a noite, gira o dia,
No embalo dessa gira,
Gira o Exu Ventania.

Rodeia, rodeia,...

PONTOS DE EXU

Oh boa noite pra quem é de boa noite

Bom dia pra quem é de bom dia

A bençao meu papai a bençao

Exu Mangueira é o rei da nossa gira

…...................................................................................................

O sino da igrejinha faz belém blem blom –2x


Deu meia noite o galo já cantou
Exu Mangueira que é dono da gira
Oi corre gira que Ogum mandou –2

…...................................................................................................
Exu Mangueira

Viva aleluia, viva aleluia


Exu Mangueira viva aleluia (2x)
Quando o galo canta, as almas se levantam
Exu Mangueira viva aleluia
Viva aleluia, viva aleluia
Exu Mangueira viva aleluia

…...................................................................................................

Exu Mangueira, me cubra com sua capa


Quem com sua capa escapa, quem com sua capa escapa
A sua capa, ela é feita de verdade
Ela encobre todo mundo
Só não encobre a falsidade

Exu Pantera Negra

Sultão das matas verdes


De noite e de dia, onde canta o sabiá
Guardião da noite, que se esconde no luar
Oi saravá ao Exu Pantera Negra (2x)

…...................................................................................................

Vermelho é a cor do sangue do meu pai


Verde é a cor das matas –2x
Oi sarava
Ao exu Pantera Negra
Oi sarava
As matas onde ele mora –2x

Exu Meia Noite

Exu da meia noite


Exu da madrugada –2x
Salve o povo da encruza
Sem exu não se faz nada

Exu Veludo

Ninguém pode comigo


Eu posso com tudo
Lá na encruzilhada
Ele é seu Exu Veludo

............................................................................................

Dizem que eu não valho nada


Mais eu posso com tudo (2x)
É nas sete encruzilhadas
Ele é Exu veludo (2x)

Exu Marabô

Marabô iê
Marabô ia -2x
Cadê Marabô, cadê Marabô
Cadê Marabô, Marabô ia –2x

Exu Giramundo

Girou, girou, girou Exu Giramundo


Girou, girou, Pomba Gira que vence demanda
Rainha da encruza, saravá Umbanda

Êêê, saravá Umbanda


Êêá, saravá Umbanda

Exu Caveira

Portão de ferro, cadeado de madeira –2x


Ao passar no cemitério
Boa-Noite exu Caveira –2x
.....................................................................................................

Quando vou ao cemiterio


Peço licença para entrar
Bato com o pé esquer
Pra depois eu SARAVÁ!
eu saldo Omulu
E seu Caveira também
Assim eu faço a obrigação
Para os filhos do além

.....................................................................................................

E Caveira
Afirma na folha da bananeira 2x
Exu caveira

Quando o galo canta é madrugada


Todo exu na encruzilhada, batizado com Dendê
Rezo uma oração de trás pra frente
Firma o ponto a chama ardente
É que esse exu é laroiê

Eu ouço a gargalhada é do Diabo


É Caveira o enviado do príncipe Lúcifer
É ele quem comanda o Cemitério
Catatumba tem mistério
Seu feitiço tem axé

E Caveira
Afirma na folha da bananeira 2x
Exu Caveira

Oooh
Na calunga quando ele aparece
Cada cruz eu rezo prece
Pra exu dono da rua
Sinto a força neste momento
E firmo meu pensamento

Nos quatro cantos da rua


E peço a ele que me proteja
Onde quer que eu esteja
Ao longo desta caminhada
Confio em sua ajuda verdadeira

Ele é exu caveira


Senhor das encruzilhadas, E Caveira;
E Caveira
A firma na folha da bananeira
Exu Caveira (x2)

Exu Tranca-rua das Almas


Oi salve ele, que segura a nossa banda
Oi salve ele, que espanta a nossa dor
Mas ele é ordenança de Ogum
E nos traz uma mensagem de amor

Por isso nós vamos cantar e bater palmas


Pra seu Tranca-Rua das Almas
Nosso amigo e protetor (2x)
..................................................................................................

Deu meia noite, a lua se escondeu


Lá na encruzilhada dando a sua gargalhada
Tranca-rua apareceu
É laroyê, é laroyê, é laroyê
É mojubá, é mojubá , é mojubá
Ele é odara dando a sua gargalhada
Quem tem fé em tranca rua é só pedir que ele dá

Exu Capa Preta

Ao ver Exu na encruza


Com ele não se meta
È ali que ele mora
Ele é o Capa Preta

Zé Pelintra

Seu Zé Pelintra onde é que o senhor mora?


Seu Zé Pelintra onde é sua morada ? -2x
Eu não posso lhe dizer
Porque você não vai me compreender
Eu nasci no juremá
Minha morada é bem pertinho de Oxalá

…...................................................................................................

Oi Zé, oi Zé enganador
Enganou filha aléia com palavras de amor –2x
Não fui eu que enganei ela
Foi ela quem me enganou
Eu cantava ela dizia: Zé pelintra meu amor
..........................................................................................................

Ponto de Exu
Na sua casa não tem parede
Não tem janela
E não tem nada -2x
Aonde é, aonde é que Exu mora ?
Exu mora na encruzilhada

Sete Porteiras

Cadê a chave do seu Sete Porteira


Ele precisa chegar, ele é seu Sete Porteira (2x)

Cheguei, cheguei pra trabalhar


Cheguei, cheguei pra ajudar
Eu não como, eu não bebo, eu não durmo
Enquanto esses filhos não curar (2x)

Vou abrir a porteira, vou abrir pra ele passar


Seu Sete Porteira é curador
Por isso veio pra nos ajudar (2x)

Exu

Sou exu trabalho no canto


Quando canto desmancho quebranto
Sete cordas tem minha viola
Vou na gira de lenço e cartola
Viola e tridente
Cigarro é charuto
Bebida é marafo
Sou sete da lira
Derrubo inimigo ponteiro de aço

Saudação aos guardiões da nossa casa

É mojubá Exu Mangueira é mojubá (bis)

Exu Mangueira no comando é mojubá


É mojubá Exu Mangueira é mojubá (bis)

Sete Porteira no retorno é mojubá


É mojubá Sete Porteira é mojubá (bis)

Dama da Noite na defesa é mojubá


É mojubá Dama da Noite é mojubá (bis)

Pantera Negra lá na mata é mojubá


É mojubá Pantera Negra é mojubá (bis)

Seu Meia Noite na magia é mojubá


É mojubá seu Meia Noite é mojubá(bis)

Seu Tranca Rua na Umbanda é mojubá


É mojubá Seu Tranca Rua é mojubá (bis)

Exu Veludo no inferno é mojubá


É mojubá Exu Veludo é mojubá (bis)

Exu Caveira na calunga é mojubá


È mojubá Exu Caveira é mojubá (bis)

É mojubá seu Marabô é mojubá


É mojubá seu Marabô é mojubá

Seu Gira Mundo na girada é mojubá


È mojubá seu Gira Mundo é mojubá

...............................................................................................................................

Subida de Exu

Todo Exu já vai embora


Vai pelos sete caminhos (2x)
Mas não nos deixa
Ficar aqui sozinhos (2x)
............................................................................................................

Cambono, camboninho, oh meus cambonos


Olha que Exu “vai ó ló” (2x)
Ele vai
Quando voltar, traga novidades para nos contar (2x)

..........................................................................................

PONTOS DE POMBA-GIRA

Arreda homem que ai vem mulher –2x


Ela é a Dama da Noite
Rainha da Umbanda é
Exu Mangueira vem na frente pra dizer quem ela é
…...................................................................................................

Casa de quatro cantos


Dama da Noite ta na morada
Ela é moça faceira
Sem ela não se faz nada

…...................................................................................................

Santo Antonio de batalha


Faz de mim batalhador –2x
Corre gira Pomba-Gira
Tranca-rua e Marabô –2x

…...................................................................................................

Vinha caminhando a pé
Para ver se encontrava a minha cigana de fé –2x
Ela parou e leu minha mão
E disse-me toda verdade
Só queria saber aonde mora
Pomba-Gira Cigana
Só queria saber aonde mora
Pomba-Gira Cigana

…...................................................................................................

De vermelho e preto
Vestida, à noite um mistério traz
De colar de cor, um brinco dourado a promessa faz
Se é preciso ir você pode ir
Peça o que quiser
Mais cuidado amigo ela é bonita ela e mulher –2x

E no canto da rua zombando, zombando, zombando está


Ela é moça bonita, e girando, e girando, e girando lá
Ô girando laroyê, ô girando laroyê, ô girando laroyê
Ô girando lá

…...................................................................................................

Já mandaram me chamar
Pomba gira vai girar
Pomba gira da calunga
Vem aqui pra trabalhar
A moça que está na praia
Peixinho sabe quem é
É vermelha a sua saia
Vai chegar exu mulher

…...................................................................................................

No caminho do terreiro eu encontrei uma mulher


Vinha linda e perfumada quis saber quem ela é
Pomba-gira cigana
Pomba gira ela é
Ela vem caminha
Ela chega girando na ponta do pé -2x

…...................................................................................................

Deu meia-noite a lua se escondeu na encruzilhada


Dando sua gargalhada,
A Padilha apareceu
É Laroiê, Laroiê, Laroiê
É Mojubá, Mojubá, Mojubá
Ela é Maria Padilha, quem tem fé em pomba-gira
É só pedir, que ela dá.

1- EXU DAS 7 ENCRUZILHADAS

Era meia noite


Quando o malvado chegou
Corre gira, corre gira
Vai chegar a madrugada
Salve exu, salve exu
Das 7 Encruzilhadas

2- EXU DAS 7 ENCRUZILHADAS

Odara morador da encruzilhada


Firma seu ponto com sete facas cruzadas
Filho de umbanda pede com fé
Pra seu 7 Encruzilhadas
Que ele dá o que você quer
3- EXU 7 ENCRUZILHADAS

Lua cheia iluminou


Na coroa de Oxalá
Vem chegando é madrugada
O seu 7 a curiar
Vou curiar, vou curiar
Exu seu 7
Na coroa de Oxalá

4- EXU 7 ENCRUZILHADAS

Exu quando chega no reino


Mais todo mundo quer saber seu nome
Mais ele é seu 7 Encruzilhadas
Ele pula de banda, ele pula de lado

5- EXU 7 ENCRUZILHADAS

Oh sete, oh sete
O sete Encruzilhadas
Toma conta e presta conta
No romper da madrugada

6- EXU 7 ENCRUZILHADAS

Oh meu senhor das armas


Disse que eu não valho nada
Olha lá que ele é exu
Rei das 7 Encruzilhadas

7- EXU PORTEIRA

Portão de ferro
Cadeado de madeira
Exu toma conta
Exu presta conta
Seu exu fecha nossa porteira
8- EXU 7 PORTEIRAS

Na estrada tem um ganga


Ganga não leva carreira
Quando a demanda é grande
Chama por Sete Porteira

9- EXU TRANCA RUA DAS ALMAS

Viva as almas
Salve a coroa e a fé
Salve exu das almas
Ele é Tranca Rua de fé

10- EXU TRANCA RUA DAS ALMAS

É ele quem segura a nossa banda


É ele quem segura este congá
Por isso vamos cantar e bater palmas
Seu Tranca Rua das Almas
Vamos homenagear
Ena, ena é mojiba, é mojuba
Ena, ena é mojiba, é mojuba
E no calor das nossas palmas
Seu Tranca Rua das almas
Vamos homenagear

11- EXU TRANCA RUA DAS ALMAS

De capa e cartola caminha na madrugada


Andarilho da estrada sempre combatendo o mal
Seu Tranca Rua é amigo e camarada
Dando forte gargalhada me livra de todo mal
Laroiê exu é mojuba
Melhor que Tranca Rua das Almas não há
Sete marafos coloquei na encruzilhada
Sete velas e charuto também levei um padê
A meia noite chamei por seu Tranca Rua
Ouvi forte gargalhada ele veio me valer
Laroiê exu é mojuba
Melhor que Tranca Rua das Almas não há
Faço um pedido no meio da encruzilhada
A Tranca Rua das Almas antes do galo cantar
Se o galo canta é sinal que ta na hora
Firma gira meu ogã que Tranca Ruas vai embora
Laroiê exu é mojuba
Melhor que Tranca Rua das Almas não há

12- EXU TRANCA RUA DAS ALMAS

Vocês tão vendo esse moço


Que no cruzeiro ele esta
Ele é o exu Tranca Rua
Filho das almas também
Preste a ele uma grande homenagem
Quando por ele passar
Ele é o exu Tranca Rua
Filho das almas também
Tome cuidado não vá se enganar
Reúna os caminhos ele poderá passar

13- EXU TRANCA RUA DAS ALMAS

Tem coroa formosa


É sua força firmada
Saravá, saravá
Saravá seu Tranca Rua das Almas
Ele é homem seguro
Ele é homem respeitado
É na quimbanda
Um quimbandeiro consagrado

14.- EXU 7 ENCRUZILHADAS

Salve exu rei da encruzilhada


Numa banda sem exu
Não se pode fazer nada
Em cima daquela mesa
Tem sete facas cruzadas
Salve tranca ruas
Salve sete encruzilhadas

15- EXU 7 ENCRUZILHADAS

Ogum mandou louvar exu,


Laroiê, laroiê, laroiê, laroiê
Ele é um tatá na calunga
Ele é bamba na encruza.
Laroiê, laroiê, laroiê, laroiê
Ele é meu amigo
É Sete Encruzilhadas
Laroiê, laroiê, laroiê, laroiê…

16- EXU TRANCA RUA

As curas de seu tranca ruas


São de uma beleza rara
Seu tranca ruas começa
Onde a medicina pára
É um fato consumado
Que ninguém mais ignora
Para o senhor tranca ruas
O câncer virou catapora

17- EXU TRANCA RUA

Sete, sete, sete


Sete favores eu pedi
Sete, sete, sete
Todos sete eu recebi
O primeiro pedi paz,
O segundo alegria
O terceiro igualdade,
O quarto a sabedoria
O quinto pedi saúde,
O sexto a prosperidade
O sétimo que eu fosse umbandista de verdade
Ele é seu Tranca ruas reina na encruzilhada
Gira na minha coroa sem ele eu não sou nada
Um exu iluminado com sete fontes de luz
Tem seu nome consagrado quem consagrou foi Jesus
18- EXU TRANCA RUA

Ó luar, ó luar (ó luar)


Mas ele é o dono da rua (ô luar)
Quem cometeu as suas faltas
Peça perdão a tranca ruas
Tanto sangue derramado
Espalhado pelo chão
Quem cometeu as suas faltas
Peça perdão a tranca ruas

19- EXU TRANCA RUA

Ele é filho do Sol,


Ele é neto da Lua
Quem cometeu as suas faltas
Peça perdão À Tranca Rua

20- EXU TRANCA RUA

Seu Tranca ruas, deu uma tesoura


Pra cortar língua de falador

21- EXU TRANCA RUA

Deu um clarão na encruzilhada


E do clarão surgiu uma gargalhada
Não era o Sol, não era a lua
O que brilhava era o mestre Tranca Ruas

22- EXU TRANCA RUA

Eu amei alguém, mas este alguém


Já não ama ninguém (bis)
Eu amei o sol, eu amei a lua,
Na encruzilhada eu amei seu Tranca Ruas (bis)

23- EXU TRANCA RUA

Seu Tranca Ruas


Que nasceu na rua
Se criou na rua
E na rua morreu
Seu Tranca Ruas
Seu Tranca Ruas
Seu Tranca Ruas
Ainda é dono da rua

24- EXU TRANCA RUA

Ele é Capitão da encruzilhada, ele é


Ele é ordenança de Ogum
Sua coroa quem lhe deu
Foi Santo Antonio
Sua divisa quem lhe deu Foi Omulu
Oi salve o céu
Salve o sol e Salve a lua
Saravá seu Tranca Ruas
Que corre gira no meio da rua
Ele ainda é mojubá (bis)
Saravá seu Tranca Rua
Que corre gira no meio da rua

25- EXU TRANCA RUA

Era madrugada
e o luar clareava toda rua
Um moço rico tão gabozo caminhava
Com sorriso me olhava
tinha fogo em seu olhar
Mas ele é meu amigo de fé
Meu exu camarada
O seu axé está na rua
o seu nome é Tranca Ruas
ele é o rei da encruzilhada

26- EXU TRANCA RUA

Batam palmas pra ele


O rei da festa chegou
Com sua capa e cartola
Na lei da umbanda Tranca Ruas ele é doutor
Vou demonstrar o meu carinho, gratidão com fervor
Batendo palmas pra ele seu Tranca Ruas ele é meu protetor
Laroiê exu
27- EXU TRANCA RUA

Seu Tranca Ruas é uma beleza


Eu nunca vi um exu assim
Seu Tranca Ruas é uma beleza
Ele é madeira que não dá cupim!

28-EXU MARABÔ
Marabô, ieê, Marabô ia, (bis)
Cadê Marabô, (3x)
Marabô ia

29- EXU MARABÔ

Seu Marabô, Seu Marabô


Ninguém deveria morrer,
Sem conhecer a razão
Com a força de um palmo de terra
Para jogar Seu Marabô no chão

30- EXU MARABÔ

Seu Marabô, ele é pequenininho


Mas pra mim ele grande demais
Todos pedidos que eu faço Marabô
Ele me satisfaz

31- EXU MARABÔ

No portão do cemitério
Eu vi um moleque lá
Pulava de cova em cova
Procurando onde morar
Que moleque é aquele
É seu marabô

32- EXU MARABÔ

Seu Marabô me cubra com sua capa,


Quem tem sua capa escapa,
A sua capa é um manto de caridade,
Sua capa cobre tudo, só não cobre a falsidade

33-PONTO DE EXU

Ó luar, ó luar (ó luar)


Todos são filhos da Lua
Oi saravá as Pomba giras
Seu Marabô e Tranca Ruas

34- PONTO DE EXU

Soltei meu pombo lá nas matas


Foi na pedreira e não pousou
Mas foi pousar na encruzilhada
E exu saravou
Mas foi pousar na encruzilhada
E pombagira saravou
Mas ela vai girar auê

35- PONTO DE EXU

Ê qua, qua, qua


Que linda risada
Que exu vai dar
Que linda risada
Que exu vai dar
De qua, qua, qua

36- PONTO DE EXU

Tava curiando na encruza


Quando a banda me chamou
Exu na encruza aí
No terreiro ele é doutor
Exu vence demanda
Exu é curado

37- PONTO DE EXU

O sino da igrejinha
Faz Belém blem blom (bis)
Deu meia noite o galo já cantou
Todos exus/As pomba giras são donos da gira (bis)
Oi corre gira que Ogum mandou
38- PONTO DE EXU

Santo Antonio de batalha


Faz de mim trabalhador (bis)
Corre gira a Padilha
A Mulambo e Marabô (bis)

39- PONTO DE EXU

O garfo de exu é firme


A capa de exu me rodeia
Passei pela encruzilhada
Exu não bambeia

40- PONTO DE EXU

Santo Antonio pequenino


Botou fogo no paiol ô ganga
Exu pisa no toco de um galho só (2x)
O galho balança, exu não cai
Ô ganga

41- PONTO DE EXU

Serra a madeira e serra o pau


Se serra o pau serra o tronco também
Me dá licença
A encruzilhada o cemitério
E a figueira também

42- PONTO DE EXU

Cemitério é praça linda


Ninguém quer lá passear
Catacumba é casa branca
Casa de exu morar

43- PONTO DE EXU

Exu que tem duas cabeças


Ele olha sua banda com fé
Uma é satanás no inferno
A outra é de Jesus Nazaré

44- PONTO DE EXU

Exu caninana
Quem te mandou, caninana
Foi a Maria Padilha (caninana)
Foi seu marabô (caninana)
Foi Maria Mulambo (caninana)
Foi quem me chamou (caninana)

45- PONTO DE EXU

Quando o galo canta


As almas se levantam
E o mar ecoa
Os anjos do céu dizem amém
E o pobre lavrador diz aleluia
Diz aleluia, diz aleluia
Seu Marabô, diz aleluia (bis)
Diz aleluia diz aleluia
Dona Mulambo diz aleluia

46 PONTO DE EXU

Sete porteiras,
Sete encruzilhadas
Exu é da banda cruzada
Auê é banda cruzada

47- PONTO DE EXU

Na beirada do caminho
Este congá tem segurança
Na porteira tem vigia
Meia noite o galo canta

48- PONTO DE EXU

Exu fez uma casa, sem porteira e sem janela


Exu fez uma casa, sem porteira e sem janela
Ainda não achou, morador pra morar nela

49- PONTO DE EXU


A sua casa não tem parede,
não tem janela e não tem nada
Aonde é, aonde é que exu mora?
Exu mora na encruzilhada.

50- PONTO DE EXU

Ogum exu pede licença pra seu povo ele arriar


Mas ele é o exu guerreiro
Vem trazendo força pra esse terreiro

51- EXU VELUDO

Salve o sol, salve a lua


Na encruzilhada
Posso com tudo
Porque eu sou exu veludo

52- EXU CAVEIRA

Portão de Ferro
Cadeado de madeira (bis)
Na porta do cemitério
Onde mora exu caveira (bis)

53- EXU MEIA NOITE

Exu da meia noite,


Exu da madrugada
Uma banda sem Exu
não se pode fazer nada

54- EXU CAVEIRA

Eu vi homem sentado
Embaixo da amendoeira (bis)
Era osso só,
era Exu Caveira (bis)

55- EXU CAVEIRA

Ê Caveira
Afirma a ponto na folha da bananeira
Quando o galo canta é madrugada
Foi Exú na encruzilhada, batizado no dendê
Rezo uma oração de trás pra frente
firmo o ponto, a chama ardente, aquece Exú ah laroiê
eu ouço a gargalhada de Tranca rua
O Caveira é o enviado, dos quatro cantos da rua,
é ele quem comanda o cemitério
catacumba tem mistério, seu feitiço tem axé,
Ê Caveira
Afirma seu ponto na folha da bananeira
E na calunga quando ele aparece,
Credo em cruz eu rezo prece pra o Exu dono da rua
Sinto a força desse momento
E firmo meus pensamentos nos quatro cantos da rua
E peço a ele que me proteja onde quer que eu esteja
Nessa longa caminhada
pois eu confio em sua ajuda verdadeira
Ele é o Seu Caveira, senhor da encruzilhada
Ê Caveira
firma seu ponto na folha da bananeira

56- JOÃO CAVEIRA

Ê puerê, ê puerá
Ê puerê, ê puerá
Em baixo da bananeira
só João Caveira

57- EXU 7 CATATUMBAS

Eu passei no cemitério
Às onze horas do dia
Os homens davam boa noite
As mulheres davam bom dia
Zum zum zum o cemitério tremia
Zum zum zum sete catacumbas sorria (bis)

58- JOÃO CAVEIRA

Aonde vai corcunda


com tanta carreira
No portão do cemitério
vai chamar João Caveira

59- EXU TOQUINHO


Já deu meia noite meus irmãos
Às 12 horas já bateu,
mas alevanta quem está sentado meus irmãos
para saudar Exu Toquinho

60- EXU VELUDO

Ê Veludo,
seu cabrito deu um berro
Entortou cerca de arame,
Estourou portão de ferro

61- EXU TIRIRI

Eu vi exu dando gargalhada,


Com tridente na mão e sua capa bordada
Ele é Exú Tiriri
Morador lá da calunga,
Vai firma seu ponto aqui (2x)

62- EXU TIRIRI

Ele é seu Tiriri mora na calunga


Se quiser falar com ele corre sete catacumba
Ele trabalha com o sol, trabalha com a lua, exú
Ele trabalha com o tempo, trabalha com o vento, exú

63- EXU DO LODO

Quando chega a madrugada


Exú do Lodo na Umbanda chega
Ele vem do cemitério
Vai sair a lua cheia
Quando chega a madrugada
Exú do Lodo na Umbanda chega
Ele vem do cemitério
Vai sair a lua cheia
Exú do Lodo é meu compadre na Umbanda
Exú do Lodo vem alegrar a nossa banda

1- POMBA GIRA CIGANA


Vinha caminhando a pé,
Para ver se encontrava,
A minha Cigana de fé!
Ela parou e leu minha mão,
E disse a mais pura verdade!
Eu só queria saber onde mora,
A Pomba gira Cigana!

2- PONTO DE POMBA GIRA

Arreda homem, que aí vem mulher (bis)


Ela é a Pomba gira
Rainha de quem tem fé
Seu Tranca Rua vem na frente
Pra dizer quem ela é
Ela é a Pomba gira
Rainha de quem tem fé

3- POMBA GIRA CIGANA

Bem que eu lhe avisei


Que você não jogasse
Essa cartada comigo
Você parou no valete
E eu parei na dama
Amigo você não me engana
Eu sou pomba gira cigana

4- PONTO DE POMBA GIRA

Foi uma rosa que eu plantei na encruzilhada


Foi uma rosa que eu plantei no meu jardim
Maria Mulambo, Maria mulher
Maria Padilha rainha de quem tem fé

5- POMBA GIRA CIGANA

Ganhei uma barraca velha


Foi a Cigana Quem me deu (bis)
O que é meu É da Cigana
O que é dela Não é meu
Ciganinha puerê, puerá.

6- PONTO DE POMBA GIRA


É uma casa de pombo (bis)
É de pomba gira
Auê auê auê auá (bis)

7- PONTO DE POMBA GIRA

Corre, corre encruzilhada


A pomba Gira já chegou (bis)
Da porteira ou da calunga virá
Do lado de Marabô (bis)

8- POMBA GIRA CIGANA

Ela é ciganinha
da sandália de pau.
Quando ela chega no reino,
Traz o bem e leva o mal

9- POMBA GIRA CIGANA

Ciganinha, Ciganinha
da sandália de prata.
Com um pandeiro na mão
E o baralho na outra a ciganinha desacata

10- MARIA PADILHA

Deu meia noite


A lua se escondeu
Foi lá na encruzilhada
Ouvi uma gargalhada
E a Padilha apareceu
Alaruê, alaruê, alaruê
É mojubá, é mojubá, é mojubá
Ela é Odara
quem tem é em pomba gira
É só pedir que ela dá

11- PONTO DE POMBA GIRA

Eu caminhava pela alta madrugada


Sob o clarão da lua
Ouvi uma gargalhada
Linda morena formosa
Me diga quem você é,
Tu és a dona da rosa, és Pombagira de fé
Pode abrir qualquer gira
Pode chegar quem quiser
És Pombagira de umbanda
Só não te conhece quem não quer

12- MARIA PADILHA

Dizem que Pombagira é uma rosa


É uma rosa que nasceu no meio do espinho
Maria Padilha, rosa sem espinho
segue os meus passos ilumina os meus caminhos

13- PONTO DE POMBA GIRA

Deu uma ventania (ô ganga)


No alto da serra
É a pombo gira (ô ganga)
Que vem girar na Terra

14- MARIA PADILHA

Abre a roda (bis)


Deixa a Maria Padilha trabalhar
Quando ela vem,
Ela tem peito de aço, (bis)
E o coração de um sabiá

15- MARIA PADILHA

Foi Iansã quem te deu força


Rainha de quem tem fé
Vamos saravá (bis)
Maria Padilha que mulher (bis)

16- MARIA MULAMBO

Olha a sai dela Olelê


É Mulambo só
Sua saia tem sete metros
Sete metros é farrapo só

17- MARIA MULAMBO

Olha Maria, caminhando na calçada


Ela gira dia e noite até alta madrugada
Quem não conhece sua ponteira e seu cigarro
Sua rosa e seu marafo que bebia a cada passo
Ela caminha sobre o fogo se quiser
Ela abre qualquer gira
Pra salvar filhos de fé
É a Maria, entre as Marias
E seu passo lá vai bambo
Olha a Maria Mulambo

18- PONTO DE POMBA GIRA

A Pombagira no alto de uma ladeira


Ela pulava em cima de uma fogueira (bis)
Ela pulava, dava uma gargalhada
Amarrava os inimigos na barra da sua saia (bis)

19- MARIA PADILHA

A sua catacumba tem mistério,


Mas, ela é a Rainha do Cemitério!
Mas, ela é loira, dos olhos azuis,
Maria Padilha, Filha de seu Omolu!

20- PONTO DE POMBA GIRA

Pombagira ganhou garrafa de marafo


E levou na capela pro padre benzer
Entregou pro sacristão
Na batina do padre tem dendê
Tem dendê (bis)

21- RAINHA DAS 7 ENCRUZILHADAS

Sua Coroa é de Ferro,


Sua Capa é Encarnada
Saravá Exus e pombagira!
Rainha das Sete Encruzilhada!

22- MARIA PADILHA

Padilha ó Padilha ó
A pedra do seu anel
Brilha mais do que o sol (bis)
Com sua saia, sua rosa no cabelo,
Como é bonito ver a Padilha no terreiro (bis)
23- POMBA GIRA CIGANA

Quem nesse mundo nunca ouviu dizer


Quem nesse mundo nunca ouviu falar
De uma cigana que mora naquela estrada
Ela tem sua morada sob o clarão do luar
Cigana da estrada força poderosa
Me dê proteção e axé ciganinha formosa

24- CIGANA ROSA

Quando ouvi pela primeira vez aquela gargalhada


Achei uma coisa tão linda senti uma força cigana
Olhando no meio da roda
Estava lá uma cigana formosa,
Ela é cigana o... cigana rosa...

25- MARIA MULAMBO

Maria Mulambo
Ela mereceu ganhar
Ganhar o que ganhou
Foram sete rosas na calunga
Sete marafos
E uma saia de cetim
E como tudo isso não bastasse
Ela ganhou uma coroa de atotô
Atotô meu pai atotô meu senhor
Maria Mulambo mereceu o que ganhou

26- MARIA MULAMBO

Mulambo rainha da encruza


A deusa encantada
Tem no seu conga a segurança
Ela tem sua história marcada
Caminhou num tapete de flores
E nem sequer se importou
Ela deixou
Os seus súditos chorando
E foi viver
No mundo da perdição
Ela é rainha, ela é mulher (bis)
Pedacinho de mulambo
É para quem tem fé
27- MARIA PADILHA DAS ALMAS

Choveu, choveu,
Só lá na calunga é que não choveu,
É que a Padilha Cruzeiro das Almas
Presta conta pra Deus

28- PONTO DE POMBA GIRA

De vermelho e preto
Vestindo a noite um mistério traz
De colar de ouro brinco dourado a promessa faz
Você pode ir você pode vir
Peça o que quiser
Mas cuidado amigo ela é bonita ela é mulher (bis)
E no canto da rua rodando rodando, rodando está
Ela é moça bonita girando girando, girando lá
Oi girando lá ô lê lê
Oi girando lá ô lá lá

29- MARIA PADILHA

Maria Padilha
Você é a flor perfeita
Que vem dentro desta seita
Para aqueles que tem fé...
Tú és a Rosa que perfuma a Umbanda
Vencedora de demandas,
Com amor e muito axé...
Maria Padilha não me deixe andar sozinho,
Põe a rosa sem espinhos
Nos caminhos aonde eu passar...
Ô pombo gire, ô pombo gira
Faça um tapete de rosas para que eu possa caminhar.

30- MARIA MULAMBO

Nasceu no cruzeiro das almas,


Uma roseira que já deu flor,
Entre elas uma rosa
Que em uma linda mulher se transformou
Praticando sua caridade com muito amor
Exalando harmonia como o perfume da flor
Ela é moça bonita
Ela é faceira e formosa
Mulambo da encruza é a mais bela das rosas
31- PONTO DE POMBA GIRA

Vinha caminhando pela rua


Quando uma moça bonita eu vi
Com sua sandália de prata sua saia dourada
Ela sorriu para mim
Eu perguntei a ela, onde fica a sua morada
Ela respondeu pra mim assim
Moro numa estrada sem fim
Moro numa estrada sem fim

32- MARIA MULAMBO

Mulambo, soberana da estrada


Rainha da encruzilhada
E também de quem tem fé,
Suprema é uma mulher de negro
Alegria do terreiro seu feitiço tem axé
Mas ela é ela é, ela é
Mulambo da encruza
Minha amiga de fé

33- MARIA MULAMBO

Mas que caminho tão escuro


Que vem passando aquela moça (bis)
Com vestidinho de chita
Estalando osso, osso por osso (bis)
Mas a pomba gira é a tatá molambo
Mas ela é a pomba gira é a tatá molambo
Com vestidinho de chita
Estalando osso, osso por osso
Com vestidinho de chita
Estalando osso, osso por osso

34- PONTO DE POMBA GIRA

Pombo Gira
Se tu és uma rosa
Que floresceu sob um monte de espinhos
Ô pombo gira abre os meus caminhos

35- ROSA NEGRA

É negra, soberana e poderosa


É a mais linda das rosas que encanta o jardim
La na encruza é luz que nos dá caminho
Nunca nos deixa sozinho
Sempre pronta para nos ajudar
É rica de energia e de beleza
É fonte de alegria aonde houver tristeza
Sua missão é praticar a caridade
Demonstrando lealdade trabalhando para o bem
Ajudando a quem precisa e a quem não precisa também
Mas se você não acredita um dia há de acreditar
Quando passar pela calunga e Rosa Negra estiver lá
Ri qua qua, ri qua qua,
é a pombo gira Rosa Negra na calunga a gargalhar
Ri qua qua, ri qua qua, é pombo gira Rosa Negra
Ena ena mojubá

36- POMBA GIRA CIGANA

Ó Ciganinha, eu preciso de você.


Ó Ciganinha, eu preciso de você.
Vamos jogar o jogo da amarelinha,
Se eu perder, você me ganha
Se eu ganhar, você é minha

37- FIGUEIRA

Foi em uma estrada velha, na subida de uma serra


Numa noite de luar (de luar, de luar)
pomba gira da Figueira, Moça bela e faceira
Dava o seu gargalhar
Ela é mojubá, Ela é mojubá, Ela é mojubá

38- MARIA PADILHA

Moça me dá um cigarro do seu pra fumar


Porque dinheiro
Eu não tenho prá comprar
Vivo sozinho, vivo na solidão
Maria Padilha me dê sua proteção
Ô moça, ô moça, ô moça
Me ajude com a sua força

39- MARIA PADILHA

Cemitério é praça linda


Que eu não quero passear (bis)
Lá tem sete catacumbas,
a Padilha mora lá
Mora lá, mora lá
a Padilha mora lá

40- PONTO DE POMBA GIRA

Era meia-noite,
Lá na calunga a Pomba gira apareceu,
Iluminada pela lua,
Com a sua pele nua um sorriso ela deu (bis)
Mas ela é, ela é, ela é pomba gira das Rosas
Misteriosa mulher...

41- MARIA MULAMBO

Quando tu vens chegando na Umbanda


Trazendo paz, energia e amor
Com tua fama, teu empenho e teu carinho
Vens chegando de mansinho do lado de Marabô
Mulambo da encruza que veio nos ver
Seu axé é poderoso e veio pra nos valer
Vem enfeitada e seu vestido não tem cores
Lá da encruza vem tirar a nossa dor
Ela nos cura e purifica nossa alma
Dá uma gargalhada e deixa saúde e amor
Mulambo da encruza que veio nos ver
Seu axé é poderoso e veio pra nos valer

42- CIGANA DA PRAIA

Noite tão linda,


Céu estrelado misterioso luar
Ondas que avançam pra areia
Beijando os pés da cigana a bailar
Com seu vestido rodado e uma rosa na mão
Linda cigana peço a sua proteção
Trazendo paz e alegria, cheiro de rosas no ar
Filha do vento vem saudar força do mar
Como gira na areia ô, como gira na areia
A Cigana da Praia bailando pra Mãe Sereia
Como gira na areia ô, como gira na areia
A Cigana da Praia bailando pra Mãe Sereia

43- MARIA MULAMBO


Joga flores no caminho,
não me deixa andar sozinho,
nesse mundo de meu Deus.. (2x)
Você que é uma rainha,
mais deixou tudo o que tinha,
pra viver com os plebeus… (2x)
Linda, formosa e vaidosa,
traz no cabelo uma rosa,
que alguém lhe ofereceu,
Morena, quem me contou foi um jogo,
você é Maria de José,
mas para nós tú és Molambo
hô abre a roda, deixa ela dançar,
ela é Maria Molambo aqui e em qualquer lugar (2x)

44- ROSA VERMELHA

Procurei sim!
Dias e noites sem fim.
Procurei Rosa Vermelha e encontrei nesse jardim.(2x)
Procurei por uma Rosa.
A mais bela e formosa.
E encontrei Rosa Vermelha.
divina e maravilhosa.
Num jardim de lindas flores.
Encontrei linda mulher.
Rosa Vermelha Encantada.
Linda Rosa ela é!

45- ROSA VERMELHA

Ela vem caminhando no cruzeiro


Ela vem dançando vestida de vermelho
Ela é a pomba gira, ela é rosa de amor
Eu caminhava só e triste no cruzeiro
E uma moça de vermelho de repente apareceu
Com sete rosas, sua cabeça coroada
E sua saia rodada que dançando não se vê
Muito bonita eu achei muito formosa
Quando chega a noite aflora o perfume de mulher
Mas, ela é Rosa Vermelha, Ela é uma linda flor
Ela é uma rosa cheia de amor (bis)
Rosa vermelha, rosa vermelha sagrada
Rosa vermelha a Pomba Gira das Sete encruzilhadas
Vive girando, rondando só pela rua
Rosa vermelha a Pomba Gira das Sete encruzilhadas
Bonita rosa, a encruzilhada, bonita rosa
Que vem dançando de madrugada

46- MARIA PADILHA

Sua gargalhada ecoa na madrugada


Maria Padilha não é cinzas ela é brasa,
Com sol ou lua louvamos com fé
Maria Padilha está pro que der e vier
Não mexa com a Padilha brincadeira ela não é
Transforma espinho em rosas se fores merecedor
Na barra da sua saia ninguém nunca encostou
Labareda de fogo queima, É o aviso que ela dá
Quem quer caminhos floridos com ela não vai brincar

47- MARIA PADILHA

Maria Padilha
Estou Cantando Em Seu Louvor,
Na Barra Da Sua Saia
Corre água E Nasce Flor

48- MARIA PADILHA

Umbanda sua rainha chegou


umbanda mais uma estrela brilhou (bis)
o salve, salve a Pomba Gira
que veio da encruzilhada
para alegra nossa gira,
o salve seu ponteiro de aço
salve a sua tesoura que
corta todo embaraço

49- MARIA PADILHA

Quem viu o sol se esconder


Quem viu a Lua brilhar
Quem viu o espinho da rosa
Também vai ver Maria Padilha chegar (bis)
Os seus olhos são verdes
Sua cor é mulata
Seus cabelos são negros
E a sandália é de prata
Numa mão tem perfume
Na outra tem a flor
Para Umbanda querida
Maria Padilha traz paz e amor

ABERTURA DOS TRABALHOS EXU

Eu abro a minha engira, A sua galo preto


Com Zâmbi e com Xangô! (bis) A sua capa encarnada (bis)
Saravá Seu Alafim! Santo Antônio da Limeira
Saravá Seu Agodô! Lhe chamou na Encruzilhada
Bis
Exú, também tem a sua lei, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Exú é mensageiro de Oxalá,
Salve Ordenança de Ogum, EXÚ GANGA
E salve a Banda,
Vem no terreiro de Umbanda trabalhar.. Eu fui no mato, Ganga,
Bis Colher cipó, Ganga,
Mas ele é, Capitão da Encruzilhada, ele é, Eu vi um bicho, Ganga,
Mas ele é, Ordenança de Ogum, Com um olho só, Ganga...
Sua coroa quem lhe deu foi Oxalá,
Sua divisa quem lhe deu foi Omulú, Exú Ganga, Exú Ganga é Marabô,
Mas ele é... Exú Ganga, Exú Ganga é Marabô
Bis
Salve o cruzeiro,
Salve o sol e salve a lua, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Saravá Povo da Rua,
E a Coroa de Oxalá. EXU REI

Salve o cruzeiro, A encruza é de Exu,


Salve o sol e salve a lua, Afirmo e não errei. (bis)
O seu Sete e Tranca-Ruas, Saravá povo de quimbanda,
E a Segurança desse endá. Saravá nosso Exu Rei. (bis)

Salve o cruzeiro, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Salve o sol e salve a lua,
Maria Padilha, Rainha da Rua, Exu táva curiando na encruza,
Com Pomba Gira vai baixar. Quando a banda linda lhe chamou. (bis)
Exu no Terreiro é Rei,
Salve o cruzeiro, Na encruza ele é doutor. (bis)
Salve a lomba, salve a rua,
Marabô, Destranca-Ruas, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
E a porteira desse endá.
EXU QUIROMBÔ
( chamada ) O sino da capela fez belém, blém, blom,
Deu meia-noite o galo já cantou. (bis)
Cambono segura a cantiga, Segura a banda que Ogum mandou. (bis)
Que está chegando a hora.
(bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Saravá toda a encruza,
Exu é quem manda agora. (bis) Exu Quirombô,
106 Vem do lado de lá. (bis)
Exu Quirombô é meu protetor,
O garfo de Exu é firme, Vem do lado de lá.
A capa de Exu me rodeia.
(bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Já passei na encruzilhada,
Vaguei pela madrugada, Quem matou, quem matou,
Exu não bambeia. (bis) Quem matou a cainana. (bis)
Foi Exu Quirombô,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Que ganhou sua demanda. (bis)

CHAMADA :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Senhores mestres do mundo, EXU PINGA FOGO


E deste mundo também. (bis)
Vamos chamar a encruzilhada, Pinga Fogo lá na encruza,
O cemitério e a figueira também. (bis) Pinga Fogo lá n a serra,
Abre a porta gente,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Pinga Fogo tá na terra.

CHAMADA :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Lá na porteira eu deixei um sentinela. (bis) Eu vi Exu Pinga Fogo,


Eu deixei Exú ..... (nomes) No alto do chapadão.
Tomando conta da cancela. (bis) Comendo jáca madura,
Jogando as verdes no chão.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
CHAMADA
EXU POEIRA
Já deu a meia-noite, meus irmãos,
Doze horas já bateu. (bis) Não pisa na caveira,
Levanta quem está sentado, Não pisa na caveira,
Meus irmãos, Quimbanda vai começar.
Para salvar os pontos seus. (bis) Não pisa na caveira,
Não pisa na caveira,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Exu Poeira vem trabalhar.

CHAMADA :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ogum, Exú pede licença, Meu Deus que ventania,
Para seu povo chegar. (bis) Meu Deus que temporal.
E saravá Seu Marabô (ou outro), Lalalá, lalalê,
Que vem trazendo força, Exu Poeira é Maioral. (bis)
Para este gongá. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
EXU VIRA MUNDO
CHAMADA / FIRMEZA
Exu não vem no clarão do sol,
Deu meia-noite o galo canta, Ele vem no clarão da lua. (bis)
Esta porteira tem vigia. (bis) Saravá Exu Vira Mundo,
Este gongá tem segurança, Ele é rei na madrugada,
Na fé de Oxalá e de Iemanjá. (bis) Junto com Seu Tranca Ruas. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

CHAMADA A volta que o mundo dá... (bis)


Auê, auê, seu Vira Mundo,
Mas já era meia-noite, Olha a volta que o mundo dá. (bis)
Quando o malvado chegou. (bis)
Com a casaca de ferro, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Dizendo que era doutor. (bis)
Mas ele é Exú, Auê, auê, auê,
Dizendo que era doutor. (bis) Vira Mundo vai chegar,
Auê, auê, auê,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Vai chegar pra trabalhar. (bis)

CHAMADA :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Cambone segura a curimba, EXU DOS VENTOS


Que está chegando a hora.
Cambone segura a curimba, Ventania balançou,
É Exú quem manda agora. Folha caiu na encruza. (bis)
Era Exu dos Ventos,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Com ele ninguém abusa.

SAUDAÇÃO :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Exú também tem sua lei, Exu é malelê,


Exú na terra, Exú é rei. (bis) Exu dos Ventos, quianga.
Ganga, num ganga, malecô,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Exu dos Ventos é quianga.

( firmeza ) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Missarandê, missarandê, EXU PAGÃO
Me fecha a porta, me abre o Terreiro.
Missarandê, missarandê, Exu Pagão vagou pela encruza,
Me fecha a porta, me abre o Terreiro. Vagou, vagou, até que chegou.
Ele vem girá, ele vem girá, ele vem girá..
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Exu, vem pra trabalhar. (bis)

SAUDAÇÃO / AFIRMAÇÃO :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Lá na beira do caminho, Ele não foi batizado,


Este gongá tem segurança. (bis) Não buscou a salvação. (bis)
Na porteira tem vigia, Mas ele é quem vence demanda,
A meia-noite o galo canta. (bis) Saravá Exu Pagão. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

REI DAS SETE ENCRUZILHADAS EXU PEDRA NEGRA

Seu Sete Encruzilhadas chegou no reino Sála, salá mucarrêro,


Trazendo a sua capa encarnada Sala legbára ô salá.
Quando ele chega cumprimenta a banda Saravá Pedra Negra,
Sarava as suas Sete Encruzilhadas Sála munganga ê salá.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

EXU SETE FACADAS EXU PEMBA

Sem Exu não se pode fazer nada Exu Pemba é homem forte,
Exu é homem das 7 encruzilhadas Promete pra não faltar. (bis)
7 facas bem cruzadas Quando corre pela encruza,
em cima de uma mesa Nossa demanda vem buscar. (bis)
Sarava Sete Facadas
O homem da Magia Negra Ele é Exu da promissão,
Ele sempre cumpre sua missão.(bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
JOÃO CAVEIRA
EXU PIMENTA
Moço, vou lhe apresentar,
Vou lhe apresentar, Exu é malelê,
Um espírito de luz, Exu Pimenta qui ganga,
Para lhe ajudar, Ganga num ganga malecô,
Oi moço, vou lhe apresentar, Exu Pimenta qui ganga.
Vou lhe apresentar,
Um espírito de luz, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Para lhe ajudar.
EXU MARABÔ
Ele é João Caveira,
Ele é filho de Omulú, Ele vem de longe, mas chega aqui...
Quem quiser falar com ele, E quando vem, alguém lhe chamou.(bis)
Alubandê Exú. (Bis) Vem salvando toda a encruza,
Já chegou Seu Marabô. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Portão de ferro,
Cadeado de madeira, Quem nunca viu,
No portão do cemitério, Venha ver...
Quem manda é o Exú Caveira. Marabô na encruza,
É de quenguerê.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
SETE CAVEIRAS
Vinha passando pela rua,
Seu Sete, Quando ouvi,
Meu amigo de alma, Seu Marabô me chamar. (bis)
Seu Sete, Louvei a encruza, louvei a lua,
Meu irmão quimbandeiro, Sarava Seu Marabô,
Girar, todo mundo gira, Que caminha pela rua.
O seu Sete é,
Da Coroa de Oxalá, lará... laiá... :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Girar, todo mundo gira,
O seu Sete é, Poeira, poeira,
Da Coroa de Oxalá. Poeira de Exu Marabô, poeira,
Oi seu Sete!... (bis) Poeira de Exu Marabô, poeira,
Poeira da encruzilhada, poeira,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Poeira, poeirá.

Você botou o meu nome, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Na boca de um bode,
Mas eu sou filho do seu Sete, Caminhei pela estrada deserta,
Comigo ninguém pode. Caminhei sem olhar para a lua.(bis)
Você botou, você mesmo vai tirar, Até que cheguei na minha morada,
É uma ordem do seu Sete, Sou Marabô da encruzilhada,
Você tem que respeitar. (bis) Sou um dos donos da rua. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

EXÚ REI Eu fui no cemitério


E vi um moleque lá
Exú Rei é o maioral, Ele pulava de cova em cova
Exú Rei é o maioral, Procurando um coração
Ele vem fazer o bem, Que moleque é aquele?
E também fazer o mal. É seu Marabô (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Sete pontas de faca, EXU MARABÔ TOQUINHO


Em cima de uma mesa,
Sete velas acesas, Ele é Marabô Toquinho,
Lá na encruzilhada, Dono do canto da rua.
Exú é Rei, Ele quando pega demanda,
Alubandê Exú, É sempre Ogum quem manda,
Exú é Rei, Pedaço por pedacinho. (bis)
Alubandê Exú,
Exú é Rei, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Lá nas Sete Encruzilhadas.
EXU VELUDO
Sete facas de ponta,
Em cima de uma mesa, Exu pode com fogo,
Sete velas acesas, Ele pode com tudo,
Lá na encruzilhada, Saravá Exu Veludo.
Exú é Rei, Quem demanda comigo,
Alubandê Exú, Não chove miúdo,
Exú é Rei, Saravá Exu Veludo.
Alubandê Exú,
Exú é Rei, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Lá nas Sete Encruzilhadas.
Auê, Veludo,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Seu cabrito deu um berro. (bis)
Rebentou cerca de arame,
Estava na encruza curiando, Estourou portão de ferro. (bis)
Quando a banda lhe chamou.
Bis :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Exú no terreiro é rei,
Na encruza ele é doutor. Descarrega, seu Veludo,
Bis Leva o que tem pra levar. (bis)
Exú pega demanda, Com sua força bendita,
Exú é curador. (Bis) Leva o mal para o fundo do mar. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

DESTRANCA RUA Deu meia-noite,


Quando o malvado chegou.
Destranca Rua, Deu meia-noite,
Destranca os meus caminhos, Quando o malvado chegou.
Que foi trancado, Era Exu Veludo,
Pelo Povo Pequenino. Dizendo que era doutor.
Bis Era Exu Veludo,
Bará da Rua, Dizendo que era doutor.
Bará o Exú, Mas ele é Exu, dizendo que é doutor,
Bará da Rua, Mas ele é Exu, irmão do Seu Marabô. (bis)
Saravá Destranca Rua,
Exú Bará da Rua, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Bará o Exú,
Bará da Rua, EXU MANGUEIRA
Saravá Destranca Rua,
Mas eu não saio na rua, Viva as almas,
Mas eu não volto da rua, Viva a coroa e a fé ( oi viva as almas).
Sem cumprimentar, Viva Exu nas Almas,
O meu Bará da Rua, Ele é Seu Mangueira de fé (oi viva as almas).
Bará da Rua,
Bará o Exú, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Bará da Rua,
Saravá Destranca Rua, Exu ganhou garrafa de marafo,
Exú Bará da Rua, E levou na capela pra benzer(ê),
Saravá Destranca Rua. (Bis) Seu Mangueira correu e gritou:
Na batina do padre tem dendê, tem!
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Tem dendê,
Na batina do padre tem dendê.
TRANCA RUA Tem dendê,
Na batina do padre tem dendê.
O sino da igrejinha,
Faz belém, blém... blóm... (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Deu meia-noite, o galo já cantou,
Seu Tranca-Ruas que é o dono da gira, Exu trabalha de pé,
Oi corre gira que Ogum mandou. (Bis) Não se senta na cadeira. (bis)
Seu Tranca-Ruas que é o dono da gira, Gosta de tomar marafo,
Segura a gira que Ogum mandou. (Bis) De brincar com o seu garfo,
Saravá Exu Mangueira. (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
VELUDO
EXU TRANCA TUDO
Exú da meia-noite,
Exú da Encruzilhada, Ele é Exu formoso,
No terreiro de umbanda, Sua capa é de veludo. (bis)
Sem Exú não se faz nada. Ê, ê, ê, povo de ganga,
Vai chegar Seu Tranca Tudo.
Comigo ninguém pode,
Mas eu posso com tudo, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Na minha encruzilhada,
Eu sou Exú Veludo. (bis) Trancou, trancou, ele vem trancar,
Trancou, trancou, ele vem trabalhar.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Sua quimbanda é muito forte,
Mas seu ponto é miúdo,
EXÚ GIRA-MUNDO Ele sabe sempre quem o faz,
Saravá Seu Tranca Tudo. (bis)
Comigo ninguém pode,
Mas eu posso com tudo, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Na minha encruzilhada,
Eu me chamo Gira-Mundo. (bis) EXU TRONQUEIRA

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Segura, filhos da banda,


Quimbanda vai começar. (bis)
EXÚ DO LÔDO Ogã segura cantiga,
Pai de Santo segura o gongá,
Exú pequenininho, Batedor segura o atabaque,
Dele não faça pouco, Seu Tronqueira vai chegar e saravar. (bis)
Olha lá que ele é Exú,
Ele é o Exú do Lodo. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Bis
Oi Exú do Lodo, Exu é, é, é,
Você não é brincadeira, Exu á, á, á,
Exú do Lodo, Exu é o legbára,
Você mora na ladeira, Sem Tronqueira é quá, quá, quá.
A capa p’ra Exú,
Que eu mandei fazer, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Não era p'ra Exú,
É p'ra Bará Lodê. EXU LÚCIFER
Oi a capa p'ra Exú,
Que eu mandei fazer, Deu meia-noite,
Oi não era p'ra Exú, Deu meia-noite já. (bis)
É p'ra Bará Lodê. (Bis) Sete facas encruzadas,
Em cima de uma mesa,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Quem atirou foi Lúcifer,
Pra mostrar quem ele é.
TRANCA RUA
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vocês estão esse moço,
Que no cruzeiro está, EXU MALÊ
Mas preste bastante atenção,
Quando por ele passar, Exu é malelê, é laroiê. (bis)
Oi reze uma grande homenagem, Povo da encruza é malelê,
Com todo o respeito que há, É Exu Malê. (bis)
Pois ele é o Exú Tranca Rua,
Filho das Almas também, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Cuidado gente,
Não vão se enganar, EXU TRANCA RUAS
Pois nossos caminhos,
Ele poderá trancar. (Bis) Soltaram um pombo lá nas matas,
Lá na pedreira não pousou,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Foi pousar na encruzilhada,
Seu Tranca Ruas quem mandou.
EXÚ TIRIRI LANÃ
Ena, ena, mojubá ê, é mojubá.
Exú Tiriri Lanã, Ena, ena, mojubá ê, é mojubá.(bis)
Lanã cadê o Tiriri,
Mais ele veio de Aruanda, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Pra salvar filhos de Umbanda,
Exú Tiriri Lanã. (bis) Seu Tranca Ruas nasceu,
Pra cumprir sua missão,
Oi já bateu a meia-noite, Pela sua ineligência,
Quero ver quem vem aí...(bis) Ganhou logo seu galão,
Vamos firmar nossa corrente, Ele é Exu muito delicado,
Que aí vem seu Tiriri. (bis) Mas se entra em demanda,
Baila que baila na porteira, Ele não quer sair mais não. (bis)
Ele bateu a meia-noite. (bis)
Bebe marafo que nem água, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Quem é que vai dizer,
Que o Tiriri não bebeu nada. EXU MOLAMBO
Bis Vejam seu terno branco,
É todo mulambo só. (bis)
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Mas ele é Rei de Quimbanda,
Seu Molambo não rejeita ebó. (bis)
ENÁ ENA É MOGIBÁ
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ena ena é Mogibá, ê...
É Mogibá, (bis) Exu Molambo é maroto,
Só olha pra moça bela,
Soltaram o pombo lá na mata, Com sua garrafa de oti,
Mas na pedreira não posou, Fica chamando na janela.
Foi pousar na encruzilhada,
Seu Sete Encruza quem mandou, Ele é Seu Molambo, é um Exu,
Foi pousar na encruzilhada, Seu fetiche leva pena de urubu. (bis)
Seu Tranca Rua quem mandou,
Foi pousar na encruzilhada, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Exú Veludo quem mandou.
EXU LALU
Ena ena é Mogibá, ê...
É Mogibá, (bis) Ele é Lalu, Lalu,
É laroiê.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ele é Lalu, Lalu,
É laroiê. (bis)
MEUS AMIGOS
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Seu Marabô, Tiriri,
Seu Tranca Rua, Ô embara, embará, embará. (bis)
Eu venho p’ra encruzilhada, Banda de Exu , embara, embará,
Pedir um ajuda sua. De Exu Lalu, embara, embará. (bis)
Bis
Seu Sete Capas, meu Exú, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Meu defensor,
Zé Pelintra na encruza, Lalu era anjo do céu,
Eu sei que tu é doutor. E do céu foi despejado. (bis)
Maria Padilha, Na tronqueira da calunga,
Rainha do Candomblé, Tem seu ponto confirmado.(bis)
Venha me valer agora, O seu ponto é firme, ele é Exu,
Eu preciso da senhora. O seu ponto é firme, ele é Exu Lalu. (bis)
Quiseram pôr fogo no meu barracão,
Esqueceram que eu também, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Tenho Exu e coração.
Bis EXU DO LODO
Grito bem alto,
Meus amigos da encruza, Na praia deserta e vi Exu,
Vocês vão me defender, Então meu corpo tremeu todo. (bis)
Com um pai ninguém abusa. Acendi minha vela e meu charuto,
Arriei minha marafo,
Quiseram pôr fogo no meu barracão, Saravei Exu do Lodo. (bis)
Esqueceram que eu também,
Tenho Exu e coração. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Bis
Grito bem alto, EXU LONAN
Meus amigos da encruza,
Vocês vão me defender, Embarabô,
Com um pai ninguém abusa. É mojubá, para lecoché. (bis)
Ele é Exu bará, bará lecoché.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Embarabô é mojubá.
Para obebé, Exu Lonan, Exu Lonan,
Alubandê Povo da Rua! Para obebé, Exu Lonan, Exu Lonan. (bis)
Alubandá, alubandê...
Alubandê Povo da Rua! :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
A demanda é feia,
Mas dá p'ra vencer. EXU TOQUINHO
Alubandê, seu Omulú,
Exú Rei, Destranca Rua, Seu Toquinho é bom,
Sete Encruza, Exú Veludo, É muito bom de coração. (bis)
Se é demanda nossa, Ele salvou seu pai e mãe,
É luta tua. Para ganhar a salvação. (bis)
Alubandê, Maria Padilha,
A encruza e a calunga é tua, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Maria Molambo, Maria Quitéria,
Se é demanda nossa, Exu matou seu galo,
É luta tua. Dividiu em pedacinhos. (bis)
Alubandê, Sete Caveiras, Depois de repartir,
Sete Encruzilhadas, Tranca Rua, Só ficou com um bocadinho. (bis)
Sete das Almas, Sete Capas,
Se é demanda nossa, Ele é Exu, mas é muito bom de coração,
É luta tua. Seu Toquinho gosta dos seus irmãos. (bis)
Alubandê, seu Exú Rei,
Gira Mundo, Bará da Rua, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Tiriri, Exú do Lodo,
Se é demanda nossa, EXU TRANCA GIRA
É luta tua.
Com seu terno preto,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Sua bengala de embira,
Ele é muito elegante,
LAMENTO A TRANCA-RUAS Saravá Seu Tranca Gira.
Ele vem na madrugada,
Oi que lindo luar, Com sua linda cartola,
Oi ! luar, Chega e dá logo boa noite,
Oh ! luar, Mas não gosta de quem lhe amola.
Mas ele é dono da rua,
Oh ! luar, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Quem cometeu os seus pecados,
Peça perdão ao Tranca-Ruas ! Táva dormindo,
Quando a banda me chamou. (bis)
E pelo sangue derramado, Se levanta, minha gente,
Oh ! luar, Tranca Gira já cheghou. (bis)
Em cima de uma catacumba,
Oh ! luar, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Quem cometeu os seus pecados,
Peça perdão ao Tranca-Ruas! Tranca, tranca, tranca,
Tranca, tranca, tranca,
Mas ele é filho do sol, Tranca, ele vem trancar,
E também é neto da lua, Tranca Gira, vai chegar. (bis)
Quem cometeu os seus pecados,
Peça perdão ao Tranca-Ruas! :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: EXU GIRA MUNDO

EXÚ BOIADEIRO QUERÊNCIO Ê girê, o girá,


Gira Mundo vai chegar.
Boa noite, meus senhores ! Ê girê, o girá,
Zá, izá, izá, Para todo mal levar.
Boa noite, venham cá ! Ê girê, o girá,
Eu me chamo Boiadeiro, Lá para o fundo do mar.
Zá, izá, izá, Ê girê, o girá.
Querêncio do Gravatá !
Zá, izá, izá. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: EXU KAMINALOÁ

EXU MARÉ Exu foi batizado,


E recebeu a sua cruz,
Exú Maré, Maré, Maré... Na falange de Dom Miguel,
Bis Kaminaloá nos defende,
Afirma o cabrito, nos conduz.
Levanta o quatro pé,
Afirma o seu ponto, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vem chegando Exú Maré
Bis Exu formoso, assim eu nunca vi. (bis)
Exú Maré, Kaminaloá é cheio de luz,
Pomba Gira da Praia, Na Linha de Mussurumi. (bis)
Exú na areia (Bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
EXU TIRIRI
Nagô ô ô, Nagô ô ô...
Eu sou filha do Rei Nagô ô ô... Exu que é Rei de Quimbanda,
Bis Tem sete obés de ouro. (bis)
Eu sou filha do Rei Oxalá, Saravá Seu Tiriri,
Do seu Sete e de Xangô, É meu Rei e meu tesouro. (bis)
Oi eu entro na gira,
E faço com fé, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Recebo força como filha de fé,
Mas o meu Pai sempre venceu demanda, Quando o galo canta,
Com ele não há nenhuma demanda, As almas se levantam,
O meu Pai vem de Aruanda, E o mar recua.
Seu Capa Preta entra na Umbanda. É quando os anjos do céu dizem amém,
E o pobre lavrador, diz Aleluia.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Viva a Aleluia, viva a Aleluia,
Seu Tiriri, viva a Aleluia.
EXÚ FEZ UMA CASA Viva a Aleluia, viva a Aleluia,
Seu Tiriri, viva a Aleluia.
Exú fez uma casa,
Sem porteira e sem janela, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ainda não achou,
Morador pra morar nela. Deu uma ventania, ô ganga,
Ainda não achou morador, No alto da serra. (bis)
Pra morar nela. Era, Rei Tiriri, ô ganga,
Ainda não achou morador, Que veio para a terra. (bis)
Pra morar nela.
Ainda não achou, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Morador pra morar nela. (bis)
Ele se chama Tiriri,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Se criou em Nazaré,
É filho de um xavante,
EBÓ DE EXÚ Neto de um navegante,
Rei Tiriri ele é.
Olha o Ebó de Exú
Quem quer, quem quer, É um Rei é, é um Rei é,
Quem vai querer!... É um Rei é, é um Rei é.
Você pode comer,
Você pode beber!... (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Olha o homem de chapéu preto


De terno branco com sua bengala
EU VOU CHAMAR MEU POVO Chegou Exu Tiriri na sala (3 vezes)
ô, não me perca a fé
Eu vou, eu vou, Não, não me perca a fé
Eu vou mandar chamar meu povo! o que a criança faz com a mão
Bis Exu Tiriri desmancha com o pé
Eu vou mandar chamar meu povo,
Lá nas sete encruzilhadas, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Eu vou mandar chamar meu povo,
Sem Exú não se faz nada! (bis) EXU TIRA TEIMA

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Exu Tira Teima é homem nobre,


Exu Tira Teima é homem nobre,
EXÚ VENTANIA Exu Tira Teima é homem nobre,
Na gira da Quimbanda é homem nobre.
(Ponto de Subida)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vento ventou,
Ventania vai embora!... Ganga ê, lelê,
Bis Ganga ê, lelá. (bis)
Vai pro lugar da paz, Gira com ganga é malelê,
Vai pro lugar do amor!... Exu Tira Teima é mojubá. (bis)
Bis
Vento ventou... :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: EXU TOCO PRETO

EXÚ VENTANIA Um dia eu táva na porteira, em pé,


Um dia eu táva na porteira, em pé,
Deu meia noite, Ali passou seu Toco Preto,
Na terra e no mar!... E beliscou meu pé.
No mato e na calunga, Ele é Exu Toco Preto,
Em todo lugar!... É Rei na encruzilhada,
Bis Na porteira onde ele mora,
Seu Ventania Todo o Exu dá gargalhada.
Não tem hora pra chegar!
Bis :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Depois da meia noite,
Chega em qualquer lugar!... Exu Toco Preto, o que é que manda?
Bis Exu Toco Preto, o que é que quer?
Deu meia noite... Seu charuto e sua cachaça,
E, se possível, uma mulher!
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
EXÚ VENTANIA
EXU GARGALHADA
Venta a noite, venta o dia,
Sou Exú da ventania!... Quem pensar que o céu é perto,
Bis Nas nuvens não vai chegar.
Na companhia de Exú Rei, Seu Gargalhada está rindo,
Ventania!... (bis) Do tombo que vai levar.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

EXÚ MARABÕ O luar brilhou na mata,


Gato miou na encruza,
Marabô ae, Marabô de ba o exú. Saravei seu Gargalhada,
Marabô ae, Marabô de ba o exú. É Exu meu camarada,
Com ele ninguém abusa.
Olha a ginga de malandro e,
Olha a ginga de malandro a... :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Cruz de ferro, pó de mico, Ri, quá, quá, quá,


Saravá seu Marabô! Olha Seu Gargalhada tá pra chegar.
Ele é chefe de terreiro, (bis)
Na linha de Nagô. Bis Banda de Exu vai começar,
E Exu Gargalhada que vai mandar.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
SETE ENCRUZILHADA
Quem ri na encruza é rei,
Aonde mora Encruzlhada, Quem brilha no céu é a lua,
Seu Sete Encruza já chegou. Exu Gargalhada baixou nesta banda,
Bis Dando suas gargalhadas,
Foi na porteira da calunga, Saravando sua rua.
exú,
Ele é exú de Marabô. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: EXU DAS MATAS


EXÚ JOÃO CAVEIRA Eu vi um clarão nas matas,
E pensava que era dia. (bis)
Ele mora na pedra dourada, Era o Exu das Matas,
Onde não passa água, Que fazia sua magia. (bis)
Onde não brilha o sol...
Bis :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Mas ele é João Caveira é,
É o exú das almas, EXU DA MEIA-NOITE
Da calunga auê... (bis)
Exu da Meia-Noite,
Caveira, Caveirinha, Exu da madrugada. (bis)
Quem te pede te paga, Salve o povo da quimbanda,
Caveira, Caveirinha, Sem Exu não se faz nada.
No portão da meia noite. (bis)
Aonde vai exú, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Vai correr carreira,
Lá no cimitério, Seu Meia-Noite, sereno cai,
Ele é o Exú Caveira. (bis) Cai, cai, sereno cai.
Seu Meia-Noite, sereno cai,
Caveira, Caveira!... Cai, cai, sereno cai.
Olha o teu povo te chamou,
Pra trabalhar. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Portão de ferro, Seu Meia-Noite, no ponto de Mina. (bis)


Cadeado é de madeira. Laroiê galo já cantou,
O dono da calunga, Laroiê, galo já cantou,
Ainda é o Exú Caveira. (bis) Laroiê galo já cantou. (bis)

Olha lá quem vem lá, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Descendo a ladeira,
Olha lá quem vem lá, Seu Meia-Noite na encruza,
É o Exú Caveira. (bis) Galo canta, gato mia. (bis)
Quem trabalha com Exu,
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Não tem hora, não tem dia.
Busca sempre a melhoria. (bis)
EXÚ MARÉ
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Maré, Maré!...
Vem do mar. EXU DO FOGO
Maré, Maré!...
Vem pra trabalhar. (bis) Valha-me meu Santo Antônio,
Quem se defende não é bobo. (bis)
Maré!... Eu me valho com Exu,
Teu povo te chama, Valha-me Exu do Fogo.
Maré!...
Teu povo a chamar. :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Maré, vem de Aruanda,
Maré, vem pra trabalhar. (bis) A encruza estremeceu,
Uma gargalhada soou no além.(bis)
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Salve Exu que é batizado,
Exu do Fogo não ataca ninguém.
EXÚ MARÉ
O Exu é bom não ataca ninguém.
Eu fui no mar!... O Exu é bom não ataca ninguém. (bis)
Eu fui na beira da praia,
Pra saudar Exú Maré, :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
E a Falange do Povo do Mar.
EXU GANGA
Exú Maré!...
Eu vim aqui pra te saudar... Ganga lelê, ganga lelê,
Exú Maré e Ele é Exu Ganga,
A Falange do Povo do Mar. Ganga lelê, ganga lelá,
Ele á Exu Gangá.
Você tem que ver!...
Você tem que acreditar!... :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Que a maior calunga é...
A calunga do fundo do mar! É qui ganga ê,
Bis É qui ganga ô,
Exú Maré... Exu Ganga é de quimbanda,
Ô qui Ganga ô.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
TRANCA RUA
EXU SETE SOMBRAS
Se quiser me ver,
Meia noite em ponto, Passeava pelas ruas,
Numa escuridão, Vagava pelas tronqueiras.
Debaixo do lampião. (bis) (bis)
Coral piou no mato alto,
O meu nome é Tranca Rua, Saravando Sete Sombras,
Em nome do meu irmão. Morador lá da Limeira. (bis)
Se quiser fazer macumba,
Põe aqui na minha mão. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: EXU TATÁ CAVEIRA

EXÚ VELUDO Exu pisa no toco, Exu pisa no galho,


Galho balança Exu não cai, ô ganga,
Auê Exú Veludo, É Exu, Exu pisa no toco de um galho só
Seu cabrito deu um berro.(bis) É Exu, Exu pisa no toco de um galho só
Rebentou cerca de arame, Marimbondo pequenino, bota fogo no paiol, ô ganga.
Estourou portão de ferro. É Exu, Tatá Caveira no toco de um galho só. (bis)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

EXÚ DO LÔDO Um pombo preto voou da mata,


Voou e pousou lá na pedreira. (bis)
Exú do Lôdo, Onde os Exus se reúnem,
Do Lôdo ele é odê. Mas o reino é de Tatá Caveira. (bis)
Quem é esse exú,
Agora eu quero ver. (bis) :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: EXU CORTA CORTA

EXÚ, PORTEIRO Se o seu obé é de aço,


O seu garfo é de madeira. (bis)
O porteiro ele é boêmio, Saravá sua mironga,
O porteiro ele é da noite, Seu Corta-Corta é de Quimbanda,
O porteiro ele é o exú, Ele mora na limeira. (bis)
Que vem trabalhar.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Ele gira aqui, oi gira,
Ele gira lá, Seu Corta-Corta,
Mas ele é o exú, Seu Corta-Corta,
Que vem trabalhar, Segura a gira. (bis)
Lá... lá... laia (bis)
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
STO ANTÔNIO PEQUENINO
TIRIRI LANAN
Santo Antônio Pequenino,
Hoje tem festa lá na praça, Amansador de burro brabo,
Lanan com seu Povo Cigano. Quem mexer com Sto Antônio,
Ta mexendo com o diabo.
Mas ele toca seu lindo violino,
Para saudar a Cigana do Jarro. (bis) Rodeia, rodeia, rodeia,
Meu Santo Antônio rodeia.
Mas ele toca para seu rei, (bis)
Para seu rei Tiriri Lanan. Pomba Gira Rainha,
Alupandê à Cigana do Jarro! Gira a noite, gira o dia,
Alupandê Tiriri Lanan. (bis) No embalo dessa gira,
Gira o Exú Ventania.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Rodeia, rodeia, ...

Boa-noite, gente, Maria Mulambo,


Boa-noite já. (bis) No meio da encruzilhada,
Olha o sapo que pula no chão, Convidou João Caveira,
Andorinha que voa ao luar. (bis) Dando uma gargalhada.
Rodeia, rodeia,...
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Tiriri matou um galo,
Exu louvei, E cortou em pedacinho,
Exu louvei a encruzilhada. Convidou Maria Padilha,
Louvei morada de Exu, Para não comer sozinho.
Louvei a rua e a madrugada.
Rodeia, rodeia,...
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Me convidaram,
Sala, salá, Pra pular amarelinha,
Mucarrêro, ê salá. Se eu perder você me ganha,
Sala, salá, Se eu ganhar você é minha.
Mucarrêro, legbará.
Rodeia, rodeia,...

PONTOS DE ZÉ PELINTRA
Oh Zé, oh Zé, oh Zé
Oh Zé da Brilhantina
Oh Zé, oh Zé, oh Zé
Namorado das meninas
Eu me chamo Zé Pelintra
Negro do chapéu virado
Seu Doutor, seu Doutor
Na direita eu sou bonzinho
Na esquerda eu sou danado
Seu Doutor, seu Doutor
Bravo Senhor,
Zé Pelintra chegou
Bravo Senhor,
Com os Poderes de Deus
Bravo Senhor
Zé Pelintra sou eu
Bravo Senhor

*******

Eu me chamo Zé Pelintra
Negro do chapéu virado
Quem mexer com Zé Pelintra
Está doido ou ta danado
Seu Doutor, Seu Doutor
Bravo Senhor

*******
O morro de Santa Tereza está de luto
Por que Zé Pelintra morreu
Ele morreu na porta de um cabaré
Com sete punhais no peito
Por causa de uma mulher

*******

Oi Zé quando for lá à lagoa


Toma cuidado com o balanço da canoa
Oi Zé faça tudo que quiser
Só não maltrate o coração dessa mulher

*******

Zé Pelintra , Zé Pelintra
Boêmio da madrugada
Vem na linha das almas
E também da encruzilhada

*******

Seu Zé tá bebo sim


Quem mandou ele beber
Troca de copo que a caneca ta furada
Zé Pelintra não bebeu nada

*******

Lá na Jurema
Zé Pelintra sentado
Fazendo seu Catimbó
Dava conta do recado

*******

Seu Zé Pelintra onde é que o Senhor mora


Seu Zé Pelintra onde é sua morada
Eu não posso te dizer
Por que você não vai me compreender
Eu nasci no Jurema
Minha morada é bem pertinho de Oxalá
*******

Jurema, jureminha , juremeira


Sarava seu Zé pelintra
Salve a folha da gameleira

*******

Com seu chapéu de palha


E seu lenço NE pescoço
Zé Pelintra esta em terra
Pra dizer boa noite moço

*******

Zé Pelintra no Catimbó
É tratado de Doutor
Quando abre sua mesa
Tem fama de rezador

*******

Tranca – Ruas e Zé Pelintra


São dois grandes companheiros
Tranca – Ruas na encruza
E Zé Pelintra no terreiro

*******

Conhecer a Boêmia
Tem que vir romper o dia
E ouvir a sua história
Que passou La na Bahia
Quem não conhece
Negro Zé alforriado
Seu terno branco, com um bom ferro engomado
Contando história que ele também foi doutor
Apesar da boêmia, ele só teve grande amor.

*******

http://www.umbandaconsciente.com.br/umbanda

1- ZÉ PILINTRA
Oh Zé quem você é
Oh Zé quem você é
Eu venho de Alagoas
Venho com samba no pé
Eu gosto de uma risada
Eu conquisto uma mulher
Zé Pilintra eu me chamo
E trago o meu axé
Você pensa que eu te engano
Só se engana quem quiser
Oh Zé quem você é
Oh Zé quem você é
Tenho meu chapéu de palha
Tenho um baralho no bolso
To terno ou de gravata
Às vezes me chamam de moço
Ando pela vida a fora
Sem rumo sem direção
Sei que minha trajetória
É só seguir meu coração
Oh Zé quem você é
Oh Zé quem você é
Gosto de tocar viola
Boêmio da madrugada
Se me meto numa briga
Te ganho com minha lábia
Muitos me chamam de Zé
De malandro e de doutor
Me chame como quiser
Zé Pilintra eu sei que eu sou

2-ZÉ PILINTRA

Vocês estão vendo


Aquela casa pequenina
Lá no alto da colina
É uma casa que tem amor
Aonde mora Zé Pilintra

3- ZÉ PILINTRA

Oi, Zé quando vier de Alagoas


Toma cuidado, oi Zé com o balanço da canoa
Oi, Zé faça o que quiser
Só não maltrate o coração desta mulher
Oi, Zé faça o que quiser
Só não maltrate o coração desta mulher

4- ZÉ PILINTRA

O morro de Santa Teresa está de luto


Porque Zé Pilintra morreu
Ele chorava, por uma mulher
Que não lhe amava

5- ZÉ PILINTRA

Bravo senhor bravo


seu Zé Pilintra chegou
ele salvou pai salvou mãe
salvou padrinho e madrinha
salvou um cego na estrada
e um aleijado na linha

6- PONTO DE MALANDRO

Tem um flagrante no morro


A policia vem ai
Malandro que é malandro
Se escondeu lá na figueira
Olha ele aí, olha ele aí.

7- PONTO DE MALANDRO

Às quatro da madrugada
Ela me acorda e eu não quero nada
Mas qualquer dia eu quebro esse seu despertador
Mas trabalhar eu não vou

8- PONTO DE MALANDRO

Estava sentado no muro


Fumando um bagulho a policia chegou
Joguei o bagulho pro alto
Sai no pinote e ninguém me pegou
Houve tiroteio, houve confusão
Parou na porta um camburão

9- PONTO DE MALANDRO
Se a rádio patrulha chegasse aqui agora
Seria uma grande vitória
Ninguém poderia correr
Agora que eu quero ver
Quem é malandro não pode correr

10- PONTO DE MALANDRO

Quando eu venho descendo o morro


A nega pensa que eu vou trabalhar
Eu boto meu baralho no bolso
Castiçal no pescoço e vou pra Barão de Mauá
Trabalhar, trabalhar
Trabalhar pra que
Se eu trabalhar eu vou morrer

Boiadeiro

Pontos de Boiadeiros

Cadê seu boiadeiro, aonde ele está


Ele está fechando o corpo para trabalhar (2x)
Tange muito gado, cura muita gente
Ele é seu boiadeiro, que cabra valente (2x)

…....................................................................................................................................

Aí vem seu boiadeiro com o seu chapéu de couro e o seu laço na mão
Boiadeiro é, meu amigo meu irmão (2x)
Boiadeiro é um caboclo que nasceu lá no sertão
Boiadeiro laça o boi com amor no coração
Boiadeiro é meu amigo, meu irmão (2x)

Subida de Boiadeiros

È hora, é hora
O galo canta, é hora é hora
Seu boiadeiro já vai embora
Com Deus e Nossa Senhora
1- PONTO DE BOIADEIRO

Seu boiadeiro por aqui choveu


Seu boiadeiro por aqui choveu
Choveu que água rolou
Foi tanta água que seu boi nadou
Foi tanta água que seu boi bebeu
Seu boiadeiro
Foi tanta água que seu boi nadou

2-
Mas ele veio pelo rio de contas
Vem caminhando pela aquela rua
Olha que beleza
Seu boiadeiro no clarão da lua

3-
Boa noite meus senhores
Boa noite meus senhores
Daí licença para um cavaleiro
Daí-me licença para um cavaleiro
Eu moro em mata serrada
Eu moro em mata serrada
O meu nome é caboclo vaqueiro
Boa noite meus senhores
Boa noite meus senhores
Daí licença para um cavaleiro
Daí-me licença para um cavaleiro
Deus nos salve casa santa
Deus nos salve casa santa
Onde Deus fez a morada
Onde Deus fez a morada
Boa noite meus senhores
Boa noite meus senhores
Daí licença para um cavaleiro
Daí-me licença para um cavaleiro
Onde mora os cálices bento
Onde mora os cálices bento
E a hóstia consagrada
E a hóstia consagrada

4-
Cadê minha corda
De lança meu boi
O meu boi fugiu
Eu não sei pra onde foi

5-
Toma lá vaqueiro
Toma jaleco de couro
Toma jaleco de couro
Na porteira do curral

6-
Na minha boiada me falta boi
Oi me falta um ou me falta dois
Na minha boiada me falta boi
Oi me falta dois ou me falta três

7-
Tava longe, tava longe
Tava longe dessa terra
Tava longe, tava longe
Tava longe tava em guerra

8-
Zai, zai, zai boa noite meus senhores
Zai, zai, zai boa noite e venham cá
Zai, zai, zai eu me chamo boiadeiro
Zai, zai, zai não nego meu natural

9-
Oh lá nas matas
Lá da Jurema
Oh lá nas matas
Lá da Jurema
É uma lei severa
É uma lei sem pena

10-
Em cima do meu lajedo
Eu bebi água no gravata
Sou boiadeiro
Eu bebi água no gravata
Sou gentileiro
Eu bebi água no gravata

11-
De manha cedo na capela bate o sino
Seu boiadeiro veio aqui para rezar
Trabalhador não tem noite não tem hora
Galo canto ta pronto pra trabalhar

12-
A menina do sobrado
Mandou me chamar, pois sou criado
Eu mandei dizer a ela
Estou vaquejando o meu gado
Olô boiadeiro
Eu gosto do samba arrochado

13-
Folha por folha
Na mangueira tem
Minha guiada
E, e, a

14-
Abalei minha roseira
Para tirar do caminho
Na aldeia de boiadeiro
Não se pisa em espinho

15-
São sete anos
São sete noites
Que eu andava na juremeira

16-
Com meu chapéu de couro
Com Deus abençoado
Ao chegar peço licença
Pra entrar no seu reinado

17-
Pedrinha miudinha
Pedrinha de Aruanda eh
Lajedo tão grande
Tão grande de Aruanda eh

18-
Oh meu lajedo é muito grande
De pedrinha miúda
De pedrinha miúda
Oh de pedrinha graúda

19-
Estrela Dalva é minha guia
Que ilumina sem para
Ilumina a mata virgem
Cidade do jurema

20-
De lá vem vindo
De lá vem só
De lá trazendo
As forças maior

21-
E lá no mato
Tem um boiadeiro
Ele é bonito e formoso
Como o raio do sol

22-
E como vai camarada
Eu vou indo
Eu venho aqui
Na tocada do sino

23-
A abelha que faz o meu
Também faz o são cura
Caboclo pega a sua flecha
Não deixa outro toma
E, e, e, e,
Guerreiro joga as flechas para o ar

24-
Mais um adeus
Aleluia adeus
Vou pra jurema
Quem vai se embora sou eu
Eu já vou, já vou
Eu já vou pra lá
Tupã pai me chama
Eu já vou a retirar

25-
E quem vem lá
É dois dois de ouro
Quem vem lá boiadeiro sou eu
A cancela do meio bateu
Sou eu, boiadeiro sou eu
Boiadeiro, boiadeiro
Sua boiada esparramada
Boiadeiro chama seu guia
E vai ver sua boiada

26-
Sou brasileiro, sou brasileiro
Sou brasileiro imperador
Sou brasileiro
O que, que eu sou
Eu sou brasileiro
Brasileiro imperador
Eu sou brasileiro
Brasileiro o que, que eu sou

27-
Oh lapa
Oh lapa de bom Jesus
Oh lapa terra sagrada
Boiadeiro é que nos conduz

28-
Sinhazinha já me vou
Galo cantou na serra
Salvei ioiô
Salvei sinhá
Bate o dia estrada a fora
Peço a Ogum pra me ajudar

29-
Água no pé da gruta
Na gruta da santa cruz
Seu boiadeiro é hora, é hora
Sua guiada é de Jesus

30-
To no caminho
Boiadeiro toca o sino
Ele é menino
Mais já sabe trabalha
Seu moço toca a guiada
Seu boiadeiro bom Jesus do Maria

31-
E com o laço de couro fino
Capote de pele quente
Seu vaquejada já ta saindo
Sua boiada partiu na frente

32-
Bóia boiadeiro
Boiadeiro bóia
Se eu contar minha vida
Boiadeiro chora

33-
Cadê seu boiadeiro
Aonde ele ta
Ele ta fechando o corpo
Para trabalha
Range muito gado
Cura muita gente
Ele é Zé boiadeiro
Que cabra valente

34-
É hora, é hora
Galo cantou é hora é hora
Seu boiadeiro já vai embora
Com Deus e nossa Senhora

35-
E boi, e boi, e boi
Eu vou buscar meu laço
Eu perdi minha boiada
Na virada do compasso
Eu fui boiadeiro
Eu fui sim sinhô
Mais perdi tudo o que eu tinha
Por causa de um grande amor

36-
Não toque nesse boi
Que esse boi é cruzado
Ele é de boiadeiro
Caboclo valente de peito afiado
Se você precisar
Boiadeiro esta aqui
Mais não toque no boi
Que a ponta da chibata pode lhe ferir

37-
Salve boiadeiro
Salve a boiada
Salve a virgem Maria
Salve esta morada
Salve a luz Divina
Um rei lá na chapada
Salve a Santa Cruz
Salve a virgem Imaculada

38-

Ele é caboclo ele é Flecheiro


Bumba na calunga
É caçador de feiticeiro
Bumba na calunga
ele vai firma seu ponto
Bumba na calunga
Oi firma aqui e lá na Angola
Bumba na calunga

39-

Sou boiadeiro da serra


Eu vim buscar minha boiada (bis)
Na mão direita meu laço
Na esquerda minha guiada
Não deixo meu boi fugir
Eu vou cantando na estrada
Laia laia lalauê (bis)

40-

Seu boiadeiro olha que linda boiada (bis)


Está faltando um, está faltando um,
Pra completar a boiada (bis)
Ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô (bis)
Lá vem seu boiadeiro
Tocando a sua boiada (bis)

41-

Chetruê, Chetruá
Minha corda é de laçar
Chetruê, Chetruá
Meu boi fugiu mandei buscar
42-

Vem, boiadeiro vem, gira seu laço na mão,


Seu boiadeiro toca boi, toca boiada,
De dia de madrugada ele é o rei lá do sertão,
Chapéu de couro, ele toca seu berrante,
Ele faz sua zuada nas bandas do Chapadão, seu boiadeiro

43-

Na instância de boiadeiro,
Eu bebi água de gravatá. (bis)
Eu bebi água de gravatá,
Seu boiadeiro,
Eu bebi água de gravatá. (bis)

44-

Bandeira Branca trago do Pai Forte,


Trago no peito uma Estrela brilhante,
Deus lhe salve tua Casa Santa.
E salve tua espada de guerreiro
Estrela D’Alva quem guiou meus passos,
Foi quem me trouxe neste terreiro,

45-

Atravessei o mar o mar à nado


Por cima de dois barris eu vinha ver a Juremeira
E os caboclos do Brasil

46-

Eu vim de Minas trazendo minha boiada,


Na beira da estrada eu parei pra descansar,
Boiadeiro, ê, boiadeiro há
Boiada boa como a de Minas não há.

47-

Ele é carreiro da Estação da Leopoldina,


Vinha carreando boi lá pro estado de Minas
48-

Quem samba fica quem não samba vai embora


Eu vou chamar seu boiadeiro que vai começar o samba agora...
49-

Boiadeiro joga o laço pra laçar seu Boi Tatá,


Se o cavalo é puro-sangue, o cavaleiro nem se fala...
Chetruê, chetruá

50-

Eu tenho meu chapéu de couro


Eu tenho a minha guiada
Eu tenho o meu lenço vermelho
para tocar a minha vaquejada

51-

Cadê seu Boiadeiro aonde ele tá,


Ele tá fechando o corpo
Para trabalhar
Tange muito gado, cura muita gente
Ele é João Mineiro que cabra valente.

João Boaideiro

Seu laço é forte


Seu varão toca boiada
Sou Joao Boiadeiro
Seu irmão
Seu camarada

*******

A fogueira eu vou ascender


Boiadeiro eu vou chamar
Trabalha, trabalha boiadeiro
Que é ordem de Oxalá

*******

A menina do sobrado
Mandou me chamar pelo seu criado
Eu mandei dizer a ela
Que estava vaquejando o gado
Sou eu boiadeiro
Oi que gosta, de um samba rasgado
Sou eu boiadeiro
Que gosta de um bom farreado

*******

Paranauê, paranauê, Paraná


Oi eu venho vindo
To chegando agora
Fui visitar Bom Jesus de Pirapora
Paranauê, Paraná

*******
Oi laça, laça laçador
Quero ver você laçar
Seu chapéu é de couro
Sua corda é de laçar

*******

Quando matar seu boi


O mocotó é meu
Pra pagar a carreirada
O Sá Dona, que seu boi me deu
Mata o boi
Tira o couro, não aceito desaforo

*******

Subi a serra a terra tremeu


Eu vim buscar meu boi
Que ainda não morreu
Jetruê, jetruá
Laço de laçar meu boi
Jetruê, jetruá
Se laça um que eu laço dois
Jetruê, jetruá
Minhas forças ninguém tira
Jetruê, jetruá
Somente Deus e os Orixás

*******

Há muito tempo eu escuto a sua voz


Está chamando, clamando
Por todos nós
Venham meus filhos
Ouçam que eu vou lhe dizer
Quem deve tem que pagar
Mereceu vai receber
Essa missão carrego pela vida a fora
Com humildade, carinho e muito amor
Mas esse amor tem que ser puro
E verdadeiro
Como é o coração desse velho boiadeiro

*******

Esse boi é meu


Esse boi é meu
Ninguém laça esse boi
Esse boi é meu
Na porteira do curral
Esse boi é meu
No sertão do Piauí
Esse boi é meu

*******

Seu boiadeiro cadê sua boiada ?


Minha boiada ficou em Belém
Chapéu de couro ficou lá também
Bóia, bóia boiadeiro
Boiadeiro bóia
Oi se eu contar a minha historia
Boiadeiro chora

*******

Zai, zai, zai


Boa noite meus senhores
Zai, zai, zai
Boa noite venha cá
Zai, zai, zai
Eu me chamo é boiadeiro
Zai, zai, zai
Arreio quem qualquer lugar

*******

Seu boiadeiro por aqui choveu


Choveu relampeou
Foi tanta água
Que seu boi nadou
*******

Vindo de longe lá na curva da estrada


Encontrei um boiadeiro
Tangendo sua boiada
Jogava o laço, sem olhar ele acertava
Oferecendo seus serviços
A quem nele confiava
Jetruê, Jetruá
Abre caminhos que nos queremos passar
Jetruê, Jetruá
Seu Sete Luas nós vamos acompanhar
Seu moço, eu peço afastar
Desse recinto
Os que aqui vêm perturbar
Os que querem trabalhar
Que os encaminham pra aprender lá na Aruanda
E um dia retornar, quando se regenerar

*******

E boiadeiro
Na pisada eu sou ligeiro
Na laçada eu sou certeiro
Caçador de feiticeiro

*******

Nas tranças dos seus cabelos


Eu bebi água no gravata
Eu bebi água no gravata
Seu boiadeiro
E no chapéu de couro

*******

Pedrinha miudinha
Pedrinha de Aruanda eê
Lajedo tão grande
Tão grande de Aruanda eê

*******
Só toca fogo
Quem sabe tocar
Meu ponto é seguro
Não pode falhar
Quem deu esse nó
Não soube dá
Desata esse nó
Desata já

*******

O salve sua boiada


Salve seu boiadeiro
Salve seu Zé do Laço
Que vem ajudar nesse terreiro
Se ele é boiadeiro
Ele vai laçar
Ele vai trazer a força
E a paz pra esse conga

*******

Eu to chamando lá da boiada
Seu Zé Jerônimo
Pra me ajudar
Ele vem de longe
Com seu chicote
Ele vem com alegria
Me trazendo a sorte

*******

Toma lá vaqueiro
Toma jaleco de couro
Toma jaleco de couro
Na porteira do curral

*******

Lá no céu uma voz


Que se ouvia
Quem vem lá, quem vem lá
É a voz
De um velho boiadeiro
Jetro, jetro, jetro
Pela boiada já fui ao Rei
Jetro, jetro, jetro
Boiadeiro sempre serei
Boiadeiro é
Meu amigo, meu irmao
Boiadeiro é
Meu amigo, meu irmao

*******

Pontos de Subida de Boiadeiro

Cambono fecha o laço


Que a boiada esta dormindo
Aruanda esta chamando
Boiadeiro esta subindo

*******

Eu não digo adeus


Eu digo até logo
Aqui mesmo eu vou
Aqui mesmo eu volto

http://www.umbandaconsciente.com.br/umbanda
http://www.genuinaumbanda.com.br/letra_de_pontos.htm
https://reidospontos.blogspot.com.br/p/pontos-de-malandros.html
http://www.pontosdeumbanda.com.br/category/marinheiro

Oxum
Ewá
Obá
Povo do Oriente
7 linhas

http://www.paimaneco.org.br/orientacoes/letras