Anda di halaman 1dari 3

Análise Matemática II E

Departamento de Matemática FCT-UNL

Ficha de Exercı́cios: “Funções de várias variáveis - Parte II”


1. Determine o gradiente de f no ponto P e a derivada direccional D~u f (P ):

(a) f (x, y) = sin(2x + 3y), P (−6, 4), ~u = 12

3i − j ;
2 √
(b) f (x, y) = yx , P (1, 2), ~u = 31 (2i + 5j).

2. Determine ∇f (P ) e a derivada direccional de f em P segundo a direcção indicada pelo ângulo θ:


π
(a) f (x, y) = x2 y 3 − y 4 , P (2, 1), θ = 4;

(b) f (x, y) = ye−x , P (0, 4), θ = 2π


3 .

3. Seja f : D ⊆ R2 → R uma função diferenciável em (x0 , y0 ) e ~u = u1 i + u2 j um vector unitário. Mostre


que a derivada direcional D~u f (x0 , y0 ) existe e é igual a ∇f (x0 , y0 ) · ~u.
Sugestão: Derive a composição g(s) = f (x0 + su1 , y0 + su2 ) no ponto 0.

4. Considere a seguinte função de R2 em R:

x2 y

 , se xy < 0
f (x, y) = x2 + y 2 .
log(xy + 1), se xy ≥ 0

(a) Estude a função f quanto à continuidade e diferenciabilidade emtodos os pontos de R2 com abcissa
e ordenada diferente de 0.
(b) Verifique que f é uma função contı́nua em qualquer ponto dos eixos coordenados.
(c) Determine fx (0, 0).
(d) Calcule, através da definição, a derivada direccional de f em (0, 0) segundo a direcção do vector
(1, −1).
(e) Sabendo que fy (0, 0) = 0, com base na alı́nea anterior, justifique que a função não é diferenciável no
ponto (0, 0).

5. Considere a seguinte função definida em R2 :


2
 2x y , (x, y) 6= (0, 0)

f (x, y) = x + y2
2 .
0, (x, y) = (0, 0)

(a) Determine o gradiente de f em (0, 0).


 
(b) Determine a derivada direcional D~u f (0, 0), sendo ~u o vector unitário √1 , √1 . Será f diferenciável
2 2
em (0, 0)? Justifique a resposta.

6. Uma formiga encontra-se na superfı́cie z = x3 − 3xy + exy no ponto (1, 0, 2). Se a formiga se desloca para
Nordeste (i.e., na direcção da recta x = y) a formiga desloca-se para cima ou para baixo?

7. Suponha que está a passear numa montanha cuja superfı́cie é o gráfico da função f (x, y) = x2 y − 2xy +
4x + 2y. Suponha que se encontra na posição (1, 0).

(a) A que altitude se encontra na posição actual?


(b) Se pretender caminhar na direcção paralela ao eixo dos x’s, qual é a inclinação do terreno que
encontra? E dos y’s?
(c) Qual a inclinação do terreno se pretender avançar para o ponto (2, 1)? E na direcção de (2, 1)?
(d) Em que direção deve avançar se pretender subir de modo mais rápido? E para descer mais rapida-
mente? E se pretender manter a altitude?
(e) Responda às questões anteriores partindo do ponto (0, −2).
(f) A função f tem extremos?

8. A Figura ?? mostra algumas isoclı́nicas referentes a uma montanha com dois pontos P e S representados.

Figura 1: Representação de isoclı́nicas

Indique o percurso iniciado em P até S que corresponde ao caminho ascendente de maior declive.

9. Seja g(x, y) = x2 + y 2 − 4x. Calcule o gradiente de g no ponto (1, 2) e use-o para determinar uma equação
da recta tangente a curva de nı́vel g(x, y) = 1 no ponto (1, 2).

10. Determine uma equação do plano tangente, e também da recta normal, ao gráfico de cada uma das funções
dadas no ponto indicado:

(a) f (x, y) = x2 − y 2 , P (4, 3, 7);


(b) f (x, y) = e3y sin(3x), P ( π6 , 0, 1).

11. Determine uma equação do plano tangente, e também da recta normal, a cada uma das superfı́cies dadas
no ponto especificado:

(a) x − z = 4 arctan(yz), P (1 + π, 1, 1);


(b) yz = log(x + z), P (0, 0, 1).

12. Seja 2x + y − 3z = 0 a equação normal do plano tangente o gráfico de f (x, y) no ponto (1, 1, −1).
∂f ∂f
(a) Calcule ∂x (1, 1) e ∂y (1, 1).

(b) Determine a equação da recta normal no ponto (1, 1, −1).

13. Em que pontos do parabolóide y = x2 + z 2 é o plano tangente paralelo ao plano x + 2y + 3z = 1?

14. Duas superfı́cies f (x, y, z) = 0 e g(x, y, z) = 0 dizem-se ortogonais num ponto de intersecção P se ∇f
e ∇g sã não nulos em P e as rectas normais às superfı́cies em P são perpendiculares. Mostre que se
∇f (x0 , y0 , z0 ) 6= 0 e ∇g(x0 , y0 , z0 ) 6= 0, então as superfı́cies f (x, y, z) = 0 e g(x, y, z) = 0 são ortogonais
em (x0 , y0 , z0 ) se e só se fx gx + fy gy + fz gz = 0 no ponto de intersecção (x0 , y0 , z0 ).

15. Seja h a função definida por h(x, y) = (y − x2 )(y − 3x2 ).

2
(a) Verifique que a restrição de h a qualquer recta que passe na origem tem mı́nimo local em (0, 0).
(b) Mostre que h não tem mı́nimo local em (0, 0). Sugestão: Estude h(a, 2a2 ) e h(0, b).

16. Determine os extremos locais de cada uma das funções indicadas:

(a) f (x, y) = x3 y + 12x2 − 8y; (c) f (x, y) = x3 − 3xy + y 3 ;


(b) f (x, y) = x4 + y 4 − 4xy + 2; (d) f (x, y) = x3 + y 2 − 2xy + 3x2 .

17. Para funções de uma só variável é impossı́vel uma função contı́nua, num intervalo limitado, ter dois
máximos locais sem ter um mı́nimo local. No entanto para funções com mais variáveis tal é possı́vel.
Mostre que a função
f (x, y) = −(x2 − 1)2 − (x2 y − x − 1)2

tem apenas dois pontos crı́ticos que correspondem a máximos locais.

18. Se uma função contı́nua de apenas uma variável tem apenas um ponto crı́tico correspondente a um máximo
local então tem de ser um máximo absoluto. Esta afirmação não é no entanto verdadeira para funções
com mais variáveis. Mostre que a função

f (x, y) = 3xey − x3 − e3y

tem apenas um ponto crı́tico correspondente a um máximo local mas que não é máximo absoluto.

19. Determine os extremos absolutos da função f no conjunto D:

(a) f (x, y) = 3 + xy − x − 2y, onde D é a região limitada pelo triângulo de vértices (1, 0), (5, 0) e (1, 4);
(b) f (x, y) = 4x + 6y − x2 − y 2 , onde D = [0, 4] × [0, 5].

20. Um Xeque Árabe pretende proceder à exploração de petróleo sob uma região D limitada pela curva
x2 + 4y 2 = 100. Os geólogos têm estudado o assunto e verificaram que o valor V do óleo obtido a partir
de um poço perfurado na região será dada pela fórmula V = 200 + 18y − x2 − y 2 .

(a) Determine o local de perfuração mais valioso, o local de perfuração menos valioso, e os valores
máximo e mı́nimo.
(b) Haverá um local mais lucrativo se a perfuração fosse autorizada a ser feita num local fora da região
D?

21. Determine o volume da maior caixa rectangular de lados paralelos aos planos coordenados que pode ser
x2 y2 z2
inscrita no elipsóide de equação 4 + 9 + 25 = 1.

22. (a) Mostre que a distância de um qualquer ponto do plano (x, y) à recta de equação y = x é dada pela
|x−y|
função f (x, y) = √ .
2

(b) Utilize o método de Lagrange para determinar o ponto (x, y) da parábola de equação x2 − y = −2
mais próximo da recta y = x.

23. Uma caixa rectangular está posicionada no primeiro octante de um sistema de eixos coordenados com um
canto na origem e as três faces adjacentes nos planos coordenados. O canto oposto à origem designando
por P (x, y, z) tem de pertencer ao parabolóide de equação x2 + y 2 + z = 1. Para que valores de P a caixa
tem maior volume? Comece por mostrar que o problema proposto é equivalente a maximizar a função
f (x, y) = xy − x3 y − xy 3 .