Anda di halaman 1dari 42

LIDERANÇA

BASEADA EM

PRINCÍPIOS

EstepCovey
Edição atualizada com novo prefácio
do autor
1 lê Edição
TRADUÇÃO
Astrid Beatriz de Figueiredo

REMSÑo TÉCNICA
Marco Antonio Imperador
Consultor Sênior franklinCoveyBrasil

ELSEVIER CAMPUS

Do original:
Principle-centered leadershiP
"Tradução autorizada do idioma inglês da edição publicada por Simon. Schuster,
Inc." Copyright 0 1990, FranklinCovey Company
1994, 2002, Elsevier Editora Ltda.

Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.


Nénhuma parte deste livro, sem autorização prévia por escrito da editora,
poderá ser reproduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados:
eletrônicos, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros.

Copydesk: Luciano Videira Monteiro


Editor#ão Eletrônica: RioTexto
Revisãõ Tipográfica: Andréa Campos Bivar e Jussara Bivar

Projeio Gtáfico
Elsevier Editora Ltda.
A Qualidade da Informação.
Ruã Sete dê Setembro, 111 — 162 andar
20050,006 de Janeiro RJ Brasil
FAX: (21) 2507-1 *mail: info@eisevier.com.br —scritório
São Paulo:
Rua Elvira Fe*ãZ, 198
04552-040 Vila Olímpia São Paulo SP
Tel.: (1.1) 3841 '8555

ISBN 13 978-85-352-1131-3
• ISBN 10: 85-352-1341-4
: (Edição original: ISBN 0-671-74910-2, Simon & Schuster, Inc. 1230 Avenue of the
Americas, New York, NY, USA

Nota: Muito zelo e técniéa foram empregados na edição desta obra. No entanto, podem ocorrer erros de
digi tação, impressão ou dúvida conceitual. Em qualquer das hipóteses, solicitamos a comunicação à nossa
Central de Atendimento, para que•possamos esclarecer ou encaminhar a questão.
Nem a editora nem o autor assumem qualquer responsabilidade por eventuais danos ou perdas a pessoas
ou bens, originados do uso desta publicação.
Central de atendimento
Te': 0800-265340
Rua Sete de Setembro, III, 162 andar — Centro — Rio de
Janeiro e-mail: info@elsevier.com.br site:
www.campus.com.br

C9141:- Covey, Stephen R.


Liderança baseada em princípios / Stephen R. Covey ;
tradução Astrid Beatriz de Figueiredo. — Rio de
Janeiro : Elsevier, 2002— 11 a reimpressão

Tradução de Principle-centered leadership


ISBN 85-352-1131-4

I. Liderança. 2. Sucesso nos negócios. 3. Sucesso —


Aspectos psicológicos. l. Título.

94-0264 CDD— 158.4


CDU — 174.4

Pe. Sátiro Cavalcante


A filosofia de Covey para criação de um relacionamento mais profundo
e um ambiente de trabalho bem-sucedido é algo que devemos perseguir
e implementar nas nossas atividades comerciais e industriais, em casa
ou em qualquer lugar, se esperamos ser compensados com alegrias e
um futuro pleno. Acredito fortemente que os valores que ele define em
LideranÇa baseada em princípios são fundamentais para
desenvolvermos um ambiente voltado para a qualidade total.
Sam Walton, da Wal-Mart Stores, Inc, autor de
Sam Walton Made in America (Campus)

O mundo está precisando profundamente de mudanças de paradigmas


em atitudes e valores. Sthephen Covey nos indica a direção para
criarmos melhores relações políticas, empresariais e pessoais e
produzirmos essa mudança fundamental. Tudo o que precisamos fazer
— e agir!
Catherine Crier, CNN News Anchór

Como se o primeiro livro de Covey, Os sete hábitos dastpessoas muito


efi cazes, não fosse suficiente, este novo livro tem de fato üma força
extra ordinária.
— Thomas R. Horton, presidente da
American Management Association

Consideramos Sthephen Covey um dos cinco mais importantes autores


que irão estruturar a próxima etapa do pensamento da qualidade.
— Joshua Hammond, presidente da
American Quality Foundation

Enquanto os trabalhos de Deming e Juran tiveram um grande impacto


na qualidade total, eles apenas indicaram suas partes — a parte das "coisas";
a perspectiva de Covey trouxe a parte "pessoas" — o elo que une as partes
—qüe fica por trás das "coisas" , e cria um impacto exponencial através do
fortalecimento das pessoas.
Willard Jule, gerente para a

Qualidade Total da
Westinghouse
Agradecimentos

mbora assuma total responsabilidade pelas idéias expressas neste


livro .com exceção dos cinco capítulos escritos em colaboração) , agi'a- deco
de coração a meu amigo e colega Ken Shelton por *ter tornado tudo isso
possível. Durante quase oito anos, Ken trabalhou Cômo editór em nossa
carta circular Executive Excellence, das quais esse material foi extraído. Ouviu
inumeráveis discursos, conduziu extensas entrévistas; editou muitos artigos e
em seguida preparou, para minha aprovação, o esboço final da maioria dos
artigos transcritos neste livro. Ele e George Link, que faz com que as coisas
aconteçam, amigo e associado criativo e valoriza dor, em conjunto com o
valioso encorajamento e perícia profissional de Bob Asahina, Vice-Presidente
e Diretor do Editorial da SummitDivision de Simon & Shuster, foram todos
instrumentos valiosos na elabpração e edição deste livro.
Este trabalho é fruto da sinergia interdependente, baseada em princípios
de mais de 300 associados no Covey Leadership Center e de todos os
envólvidos em nosso empreendimento, clientes, fornecedores, usuários.
Seu cempromisso com a nossa missão, com a vida baseada em princípios,
qualidade e excelência fornecem-me contínua inspiração, apoio e
oportunidade de aprender e aperfeiçoar-me. A eles minha mais profunda
admiraçãÕ e gratidão por suas fabulosas contribuições à humanidade.

Especificamente agradeço a estas pessoas especiais que contribuíram


para a elaboração deste livro:
Dr. Blaine Lee, por seu capítulo "O Poder Baseado em Princípios" ,
e por sua amizade e contribuições instrumentais a nossa firma e nossos
clientes.
Ak Roger Merril, por seu capítulo "Controle Organizacional Versus
Auto-Supervisão", e sua amizade e esforços sinérgicos.
Keith Gulledge, por seus capítulos "A Liderança da Qualidade
Total" e "Os Sete Hábitos e os 14 Pontos de Deming" , e por sua sede
de aprendizadp e atenção aos detalhes.
Chuck Farnsworth, por seu capítulo "Ambientes de Aprendizagem
Baseada em Princípios", e por sua apaixonada dedicação, juntamente
com meu dedicado irmão John Covey na aplicação da liderança baseada
em princípios a futuras gerações através de nossos educadores, alunos e
seus pais.
Robert Thele, por sua amizade encorajadora e por sua esplêndida
administração da firma que fornece a margem tão necessária para
propagar nossa missão; miñhas assistentes Marylin Andrews e Boyd
Craig por sua ajuda, e a meu querido filho Stephen por seu apoio
liberador e empático e por "colocar em prática o que diz".

PREFÁCI O À NOVA
EDI
screvi a edição original de Liderança Baseada em Princípios há
mais de uma década. Agora, estamos em um novo século e em um novo
mile nio. De lá para cá, muita coisa mudou em nosso mundci, O mercado
global substituiu os mercados locais e a Internet democratizou•a
infórmação. Neste novo ambiente, somos pressionados a pensar, a
optaye a agir na velocidade do pensamento. Assim, algumas pessoas
indagam a si próprias se os princípios da liderança também devem mudar
nesse novo mundo.
Estou convencido de que os princípios da liderança eficaz são pere
nes e que assim permanecerão ao longo dos séculos. Entretanto, a aplicação
deles na prática deve adaptar-se ao mundo em transfpfmação. Em termos
simples, três são as constantes confiáveis na vida; (1) mu dança, (2)
princípios, e (3) escolhas — o poder de que somos dotados para nos
adaptarmos e respondermos às duas primeiras constantes. Nossa grande
necessidade hoje. é por algo que não muda: princípios. Os princípios
imutáveis, como a bússola que sempre aponta para o norte, criam condições
para que naveguemos nos mares da mudança e da nova dinâmica do
mercado global.
A liderança é o cerne das iniciativas que alcançam o sucesso. Com
efeito, o bem-estar de qualquer organização, seja uma empresa, uma
institui-

ção educacional, um órgão público ou até mesmo a família, depeÃcle basi


Camente da eficácia e da integridade de sua liderança. Estamos muito fa
miliarizados com o tremendo efeito destrutivo da liderança corrupta nos
ambientes de negócios. Lastimavelmente, todos os setores da sociedade
estão sujeitos a diferentes graus de corrupção — dentro dos governos, das
famíkias, das escolas e até nos meios religiosos. A solução para esses
problemás está na liderança baseada em princípios.
Com o tempo, descobri que a liderança não se resume em simples
regra ou fórmula. Decerto, todos os grandes líderes apresentam muitas
característfças em comum — traços como disciplina, perseverança,
credibilidade e iliteligência. Mas, em última instância, a liderança
duradoura tem com um princípio elementar: comunicar o valor e
o potencial das pessoas cóni tanta clareza que as induza a perceber essas
qualidades em si próprias. Entoutras palavras, os grandes líderes
inspiram e ensinam os liderados a taml?ém serem líderes, pois
reconhecem que, como líderes, não podem sero centro do universo e o
legislador supremo. Em vez disso, os grandes líderes acreditam no
potencial humano e no poder de explorar a capacidade e os talentos de
cada indivíduo.
Çonforme esSá definição, liderança é a arte da capacitação, ou seja,
a aptidão para reforçar o poder das pessoas, mediante o aproveitamento
de seus recursos físicos, mentais, sentimentais e espirituais. Os líderes
que adotam esse paradigma vêem os indivíduos como seres humanos
integrais, conscientes de que o capital humano (intelectual e sócio-
emocional) é o ativo mais valioso de qualquer organização. Portanto, o
desafio para os líderes de hoje é liberar as mentes e os corações das
pessoas, em busca de maior criatividade e produtividade e de melhores
resultados. À medida que nos empenharmos na realização desse
objetivo, acabaremos empreendendo saltos quânticos em termos de
eficácia e produtividade.
Outra lição que aprendi ao longo dos anos é a seguinte: O fator
crítico de vigorosos avanços revolucionários é mudar a maneira como
se vê o mundo — envolvendo paradigmas e pressupostos. Todas as
grandes transformações da história resultaram basicamente de
mudanças de paradigma, ou seja, de alterações no modo como se
percebem as coisas. Assim, quando se almejam apenas pequenas
mudanças incrementais, o trabalho deve concentrar-se em
comportamentos e em atitudes. Entretanto, quando se aspira a
metamorfoses ou a aprimoramentos da magnitude de saltos quânticos,
o esforço deve convergir para os paradigmas.
Em seu livro Desafios Gerenciais para o Século XXI, Peter Drucker
observa:

A mais importante e, na verdade, a contribuição realmente


singular da gestão no século XX foi a quintuplicação da
produtividade do TRABALHADOR MANUAL nas empresas
industriais.
A contribuição mais relevante a ser feita pela gestão no
século XXI será aumentar do mesmo modo a produtividade do
TRABALHADOR DO CONHECIMENTO.
Saltos quânticos dessa grandeza serão possíveis apenas quando virmos
os indivíduos como pessoas integrais — dotadas de corpo, mente, coração e
espírito, e quando a liderança for exercida Qomo arte capacitante. O desafio
é Vatar todos os trabalhadores como tfabalhadores do conhecimento. Es ou
convicto de que o paradigma e o estilo de liderança_do supervisor ou d
gerente são os fatores que definem os:liderados como trabalhadores anuais ou
como trabalhadores do conhecimento. O líder que ve todo o seu pessoal como
trabalhadores do conhecimento e que lhes outorga poderes por meio da
instilação do senso de em todas as tarefas ficará surpreso com o
novo nível de energia dos liderados. Os indivíduos que atuam com autonomia
dirigida (em vez de serem controlados) e que definem seus próprios critérios,
métodos e ÚocesSos de avaliação quase sempre são mais rigorosos em
relação a si meãmos. Simplesmente deixe que as pessoas gerenciem seu
trabalho e permita que avaliem a si próprias com base em critérios
definidos em conjunto, resultados serão surpreendentes.
Liderança baseada em Princípios é uma compilação das lições que
aprendi em meus estudos, em minhas atividades docentes, em minhas
viagens e em minha vida pessoal. Lanço-lhe o desafio de aplicar na
prática os prinéjpios da liderança eficaz. Submeta-se ao teste. Veja se os
princípios são Válidos, experimentando-os em sua própria vida — em
casa e no trabalho. Estou certo de que, submetendo-se ao
verdadeiro•teste, você se conVencerá do enorme potencial desses
princípiós atemporais e univer-

sais para transformar nossa vida, de ruim para boa, de boa para ótima, e
daí por diante.
Em todos os momentos, usufruí intensamente minha jornada,
reconhecendo e adotando esses princípios. Obviamente, minha
atuação, na prática, não é perfeita, mas o processo é absolutamente
esclarecedor, gratificante e promissor. Espero que você empreenda
jornada semelhante e descubra por si próprio o poder duradouro da
liderança baseada em princípios. Independentemente de posição, raça,
gênero, religião, idade, etnia ou status socioeconômico, esses
princípios o nortearão como uma bússoIa, dando-lhe direção e força
para enfrentar os infindáveis desafios da vida.

STEPHEN R. COVEY
Sumário

PREFÁCIO
Uma abordagem baseada em princípios . . XIX

Parte I
EFICÁCIA PESSOAL E INTERPESSOAL
Introdução . .
CAPÍTULO 1
Características dos líderes baseados em princípios. .
CAPITU LO 2
Uma revisão dos sete hábitos . 15
CAPÍTULO 3
Três resoluções . 24

A grandeza essencial . . 34
CAPÍTU LO 5
Rompendo com o passado. . 46
CAPÍTU LO 6
Seis dias de criação. 60
CAPÍTU LO 7
Os sete pecados capitais . 68
CAPÍTU LO 8
A orientação moral . 76
CAPÍTU LO 9
O poder baseado em princípios. . 84
CAPÍTU LO 10
Desobstruindo os canais de comunicação . . 93
CAPÍTU LO 1 1
Trinta métodos de influência . 104
CAPÍTULO 1 2 Oito formas de enriquecer o casamento e as relações
familiares 116
CAPÍTU LO 13
Transformando seus filhos em campeões . . 132

Parte II
DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E
ORGANIZACIONAL
Introdução . . 143
CAPITULO 14
Administradores da abundância 147
CAPÍTU LO 1 5
Sete problemas crônicos . . 153
CAPÍTULO 1 6
Mudando o seu paradigma gerencial. 165
CAPÍTU LO 17 As vantagens do paradigma da liderança baseada em
princípios 174
CAPÍTULO 1 8
Seis condições para a delegação de poderes . 185
CAPÍTU LO 19
Administrando expectativas . 199
CAPfTU LO 20
Controle organizacional versus auto-supervisão. 208
CAPÍTU LO 2 1
Fazendo com que as pessoas se envolvam 216
CAPÍTU LO 22
Usando sistemas de informação das partes envolvidas . . 224
CAPÍTU LO 23
Trabalho executado pelos
assessores
CAPÍTU LO 24 Administrando com o lado esquerdo e liderando com
o direito. . . . 247
CAPÍTU LO 25
Princípios da qualidade total. .254

CAPÍTU LO 26
A liderança da qualidade total.
.
CAPÍTULO 27 Os sete hábitos . . 274
e os 14 pontos de Deming
CAPÍTU LO 28
Transformando um pântano num oásis . . . . 287
CAPÍTU LO 29
Constituições empresariais . . . 297
CAPÍTU LO 30
Declaração universal de missão. . . 305
CAPÍTU LO 3 1
Ambientes de aprendizagem baseada em princípios . . . 313
CONCLUSÃO
Aprendendo a pescar. . . . 325

Uma nota pessoal 337


Índice. . . 339

REFÁCIO
Uma abordagem baseada
em princípios

m meus seminários com freqüência convido as pessoas a


compartilhar seus mais complexos problemas e as dúvidas mais
perturbadoras. Inevitavelmente problemas e perguntas giram em
torno de conflitos e dilemas que não podem ser solucionados através
de abordagens convencionais. Aqui estão apenas alguns exemplos:

• Como poderei equilibrar a área profissional e a área pessoal de


minha vida em meio a crises e pressões constantes?

• De que forma poderei me sentir genuinamente feliz pelo sucesso e


competência de uma outra pessoa?

• Como manter o controle e ainda assim dar às pessoas a liberdade


e a autonomia de que necessitam para serem eficazes em seu
trabalho?

• Poderei conseguir que todas as pessoas em todos os níveis


internalizem os princípios de qualidade total e melhoria contínua
quando todas estão tão céticas em conseqüência dos resultados dos
programas do mês anterior?
Talvez você já se tenha feito essas mesmas perguntas ao enfrentar
os desafios da vida real em sua vida pessoal e em suas empresas. Ao
longo deste livro você adquirirá uma compreensão dos princípios
básicos da liderança eficaz.

Dê um peixe a um homem e o estará alimentando por um dia; Ensine-o a


pescar e o estará alimentando por toda a vida.

A compreensão lhe permitirá responder por si próprio a essas


perguntas e a outras ainda mais difíceis. Sem a compreensão sua
tendencia será utilizar abordagens imediatistas do tipo tentativa e erro
tanto em sua vida quanto para a solução de problemas.
Ultimamente, desde a publicação de meu livro Os 7 hábitos das
pessoas muito eficazes, tenho trabalhado com muitas pessoas
maravilhosas que buscam a melhoria da qualidade de suas vidas e da
qualidade de seus produtos, serviços e empresas. Mas, infelizmente,
tenho observado que muitas utilizam uma série de abordagens mal
orientadas em suas tentativas sinceras de melhorar suas relações e
alcançar os resultados desejados.
Muitas vezes, essas abordagens renetem exatamente o inverso dos
hábitos das pessoas eficazes. Na verdade, meu irmão John Covey,
professor em um curso de mestrado, algumas vezes refere-se a elas
como os sete hábitos das pessoas ineficazes:

• Seja uma pessoa reativa: duvide de si mesmo e culpe os outros.


• Trabalhe sem qualquer objetivo definido em mente.
• Faça primeiro o que for urgente.

• • Pense competitivamente, alguém ganha, alguém perde.


• Procure primeiro ser compreendido
• Se você não pode vencer, ceda.
• Tema as mudanças e protele o aperfeiçoamento.
Da mesma forma que as vitórias pessoais precedem as vitórias
públicas, quando as pessoas eficazes progridem ao longo de um
processo de amadurecimento contínuo, os fracassos pessoais
pressagiam fracassos
públicos embaraçosos, quando as pessoas pouco eficazes regridem ao
longo de um processo de imaturidade contínuo — isto é, quando passam
de um estado de dependência, em que os outros devem prover suas
necessidades básicas e satisfazer seus anseios e desejos, a um estado de
contradependência, onde adotam um comportamento do tipo lute ou
fuja,.e a um estado de co-dependência em que cooperam umas com as
outras de forma bastante destrutiva.
Vejamos, então, como as pessoas poderão abandonar tais hábitos e
substituí-los por novos? Como você e eu poderemos escapar ao
chamado do passado e reformular nossa personalidade e assim chegar a
uma alteracão significativa em nossas vidas pessoais e em nossas
empresas?
É a essas perguntas que este livro tenta responder. Na Parte I, vamos
tratar das aplicações pessoais e interpessoais dos princípios da eficácia;
na Parte II, trataremos das aplicações gerenciais e organizacionais.

ALGUMAS OBSERVAÇÕES SOBRE O PROBLEMA


Desejo compartilhar com você alguns exemplos do problema que
enfrentamos em nossa vida pessoal e profissional. Em seguida sugerirei
uma solução baseada em princípios.

Algumas pessoas justificam o uso da "mão pesada" em nome de


objetivos virtuosos. Afirmam que "negócio é negócio" e que "ética" e
"princípios" algumas vezes devem ceder o primeiro lugar aos lucros.
Muitas dessas mesmas pessoas não vêem qualquer correlação entre a
qualidade de suas vidas pessoais no lar e a qualidade de seus produtos
e serviços no trabalho. Por causa do ambiente social e político dentro
de suas organizações e dos mercados fragmentados do lado de fora,
acham que podem abusar de suas relações à vontade e ainda assim obter
resultados.

O treinador de um time de futebol profissional disse-me numa


determinada ocasião que alguns de seus jogadores não valem, na baixa
estação, o salário que lhes é pago. "Chegam totalmente fora de forma",
disse ele. "Imaginam que de algum modo poderão enganar a mim e à
Mãe natureza, formar o time e tomar parte nos grandes jogos. '
Em meus seminários, quando pergunto: "Quantos de vocês
considerariam verdadeira a afirmativa de que a maioria da mão-de-
obra existente possui muito mais capacidade, criatividade, talento,
iniciativa e expediente do que seus empregos atuais exigem ou
permitem que sejam utilizados?" a porcentagem de respostas
afirmativas é de 99 por cento. Em outras palavras, admitimos que
nossos maiores recursos estejam sendo desperdiçados e que um mau
gerenciamento de recursos humanos prejudica nossos resultados
finais.

Nossos heróis freqüentemente são pessoas que ganham muito


dinheiro. E quando algum herói, ator, apresentador, atleta ou outro
tipo de profissional, sugere que podemos conseguir tudo que
quisermos vivendo a vida segundo nossas próprias regras, nós
seguimos seus conselhos, especialmente se as normas sociais
reforçam o que dizem.

Alguns pais não dão a seus filhos a atenção necessária, achando que
podem fingir que são bons pais apenas para manter uma imagem
pública e em seguida gritam, berram e batem a porta. Ficam então
chocados quando esses filhos fazem uso de drogas, álcool e sexo para
preencher o vazio que existe em suas vidas.

Quando convidei um executivo a envolver todo seu pessoal e reservar


seis meses para a elaboração de uma declaração de missão para sua
empresa, ele me respondeu:
— Você não nos compreende, Stephen, vamos fazer "nascer este
bebê" rapidinho no fim de semana.
Vejo pessoas tentando fazer as coisas num fim de semana,
tentando reconstruir seus casamentos num fim de semana, tentando
reconstruir uma relação negligenciada com um filho num fim de
semana, tentando mudar o perfil de uma empresa em um fim de
semana, mas simplesmente algumas coisas não podem ser feitas num
fim de semana.
Muitos pais consideram a revolta e a rejeição dos adolescentes de
forma pessoal, simplesmente porque eles dependem emocionalmente
de serem aceitos pelos filhos, e o resultado é o estabelecimento de
uma situação de conluio onde uns necessitam das fraquezas dos ou
tros para validar as percepções mútuas e para justificar sua própria
necessidade de realização.

Em administração tudo muitas vezes é reduzido a medição. Julho


pertence aos operadores, mas dezembro pertence aos auditores. E os
números são muitas vezes manipulados no final do ano para que
pareçam favoráveis. Supõe-se que os números devam ser precisos e
objetivos, mas a maioria sabe que são, na verdade, baseados em
pressuposições subjetivas.

A maioria das pessoas é desestimulada pelos especialistas em


motivação que nada mais têm a oferecer além das histórias divertidas
entremeadas por alguns lugares-comuns açucarados. As pessoas
desejam conteúdo, processo. Desejam mais do que uma aspirina e um
band-aid como tratamento para uma dor aguda. Desejam solucionar
seus problemas crónicos e alcançar resultados a longo prazo.

Uma vez fiz uma palestra, para um grupo de executivos de primeiro


escaIão, em um curso de treinamento e descobri que se mostravam
descontentes porque o chefe do setor de treinamento "os forçara" a
"comparecer e a ouvirem durante quatro dias um monte de pensamentos
abstratos". Esses executivos eram parte de uma cultura paternalista e
dependente que encarava o treinamento como uma despesa, não como
um investimento. A organização a que pertenciam gerenciava pessoas
como se fossem meros objetos.

Nas escolas pedimos aos alunos que nos repitam o que lhes dissemos;
nós os testamos em nossas aulas. Eles conseguem entender como
funciona o sistema, divertem-se e ficam na malandragem, e, em
seguida, se acabam de estudar, respondem és perguntas para obter as
notas necessárias. Com freqüência acreditam que tudo na vida funciona
dentro do mesmo sistema de encurtar caminhos.
Alguns dos hábitos da falta de eficácia têm suas raízes em nosso
condicionamento social baseado num pensamento voltado para
soluções rápidas e a curto prazo. Na escola, muitos de nós vadiamos e
depois estudamos correndo e tiramos boas notas nas provas. Mas esse
sistema de fazer
•seossod sep ołuałm o o efiłauo opuuocł!l soułałmsa suod
'pug opmłnsa-l łoqpuł urn soułołał 'seossad se a sesłoo se woo
souuopua-lde as SEIN • oxnopemp ossaons tun saoła0!1E so opłgsłxo oeu
vjumfuoy eułnquou no gonod xarxnoq os 'SOQ5U01U1 seoq se a
opeł ap opuexła(l •ozud ofiuoł op!paons-ułaq -las płapod ogu 'esopvxnp
DPt1?1 -adtuoo 'no un SPUI 'ogasap na onb o ułaxozej seossad
-no sg ued sexopełnd!uuu a sefi?lensa na as

-ura sołenuoo snos op 'soQ3ep-1 sens op 'EPIA ens ap oałuao ou


soldpuud sassa anbołoo 'OlUËUOd •SOIOIËJ sonno -łanbsłenb ap
ałuaułuuapuadap -LII ILIZIado spănłpu soțdpu!łcl o sv •eupxoqos
Ełpqłoo ep y •ossoo -ns ap SEłnU119J ap opeqund urn a BAU!SOd
IEIUOUI opnłge eułn woo opm xeuasuoo a ałuaułepłcleł essod pnb
op 'opłcly-l olpqułox
un ałsgxo opu apep!łuap! ap asuo zułn .łnuaxyua ałuaosałope um
as opuenb no ołuaułgseo tunu 'ELUIOJ eułsauł • opjełnłguł
euałd ołuou1!AłoŔuasop a muoułpsoło o ołuałułgnpef oĘłua a
01-* -u 'sequ!ugp SEMO se '01-ĘN1łno '01-potuos 'Olos o xełed01d
oĂap
:gpuazey ep PI sodułał sop aooueuuod anb •eo!un V
•sgp souuooopoqo ap no epuełsłxa ens ap epuepsuoo
sounał op ałuoułałuopuodopu! ułuodo 'so!dpuud tua sepeaseq
's!exnłeu sv •soluaaax sołdpugcl no słełnłeu spl se souo(ns
soułgłso epu svod a eu V-łeuopuny
opu 'ep!dpx ułoaepxoqe y • Ăeuop -nłos ułapod
opu sunułoo se anb seułałqołd oes sasso sopoł

SOIdJONlUd vłnaN00 vns acnvd :oyônnos v

opănł)suł eoq eum ap souuoł ura


opuesseouy soułe(ałsa anb oułsauł 'sou1ECasap onb so%udłua so
sołu-unfi -osuoo ued 'soułeussaoou anb ap seułołdłp so a smou sg
soullô)qo Pled
-uoułepessude xepmsa ułaq ounuł soułapod ołuąqułe ou
SEUL op exed suoaepxoqe sessap sou1E!łapod -10łqo ued
muaułenpłe ouołno ou o opoł uła odułał o no eu
ap „noonbso„ 12Ałssod čołuaułeso!łny El-Ęquapło -1EjaŁuoo
opq ułn a xequapxo uns seueułos senp xessed 10A!ssod
čepuazEJ eunu euonuny sessałd se opm
Geralmente pensamos em mudança e desenvolvimento vindo de
fora para dentro e não de dentro para fora. Mesmo se reconhecermos a
necessidade da mudança interna, geralmente pensamos em termos de
aprendizado de novas técnicas, em vez da demonstração de maior
integridade em relação aos princípios básicos. Mas grandes conquistas
geralmente representam uma ruptura interna com as formas tradicionais
de pensar. A isso dou o nome de mudanças de paradigma.
A liderança baseada em princípios introduz um novo paradigma —
o de basearmos nossas vidas e a liderança que exercemos em nossas
organizações e sobre as pessoas, em determinados princípios de "norte
verdadeiro". Neste livro abordaremos a definição desses princípios, e o
porquê da necessidade de basearmos nosso comportamento em
princípios. Falaremos ainda sobre como alcançar essa qualidade. (A
propósito,esses capítulos originalmente surgiram como artigos
independentes na revista Executive Excellence, publicada pelo Institute
for Principle-Centered Leadership. Nos últimos oito anos, em
Executive Excellence, cerca de 500 colaboradores, representando o que
há de melhor em matéria de administração na América, validaram o
paradigma da liderança baseada em princípios).
Nossa eficácia é fundamentada em determinados princípios
invioláveis, leis naturais na dimensão humana que são tão reais, tão
imutáveis quanto as leis da gravidade na dimensão física. Esses
princípios estão entremeados na estrutura de toda sociedade civilizada
e constituem as raízes de toda família e instituição que tenha alcançado
a prosperidade.
Os princípios não são inventados por nós nem pela sociedade; são
as leis do universo referentes às relações e organizações humanas. Elas
fazem parte da condição, percepção e consciência humanas. A medida
que as pessoas reconhecem e vivem em harmonia com princípios
básicos, tais como justiça, eqüidade, integridade, honestidade e
confiança, condicionam seu percurso em direção à sobrevivência e
estabilidade de um lado ou desintegração e destruição de outro.
A experiência me ensinou que as pessoas instintivamente confiam
naqueles cuja personalidade é fundamentada em princípios corretos.
Temos prova disso nas nossas relações de longo prazo. Aprendemos
que a técnica é relativamente pouco importante quando comparada à
confian-
ça, que é o resultado de nossa confiabilidade ao longo do tempo.
Quando a confiança é elevada, nos comunicamos com facilidade, sem
esforço, instantaneamente. Podemos cometer erros e os outros ainda
assim compreenderão o que queremos dizer. Mas quando o grau de
confiança é baixo, a comunicação torna-se um processo exaustivo,
prolongado, pouco eficaz e extremamente difícil.
É relativamente fácil trabalhar as personalidades: basta aprender
alguma nova técnica, arrumar padrões de linguagem, adotar tecnologias
de relações humanas, empregar afirmativas para visualização ou
fortalecer nossa auto-estima. Mas é comparativamente difícil alterar
hábitos, desenvolver virtudes, aprender disciplinas básicas, manter
promessas e ser fiel a elas, exercer a coragem ou ter uma consideração
real para com os sentimentos e convicções dos outros. No entanto, esse
é o verdadeiro teste e a verdadeira manifestação de nossa maturidade.
Valorizar-se e, ao mesmo tempo, subordinar-se a propósitos e
princípios mais elevados é a paradoxal essência de uma humanidade
mais elevada e a base para uma liderança eficaz.

A LIDERANÇA ORIENTADA
Princípios corretos assemelham-se a bússolas: estão sempre indicando
o caminho. E, se soubermos como lê-los, não nos perderemos, não nos
sentiremos confusos nem seremos enganados por vozes e valores
conflitantes.
Princípios são leis naturais comprovadas e validadas por si próprias.
Eles não se alteram nem mudam, indicam o caminho do "norte
verdadeiro" a nossas vidas ao navegarmos os "meandros" de nossos
meio ambientes.
Os princípios se aplicam em todos os momentos e em todos os lugares.
Eles surgem sob a forma de valores, idéias, normas e ensinamentos que
elevam, enobrecem, satisfazem, fortalecem e inspiram as pessoas. A
lição histórica é que as pessoas e as civilizações prosperavam à medida
que operavam em harmonia com princípios corretos. Na raiz de todas
as decadências sociais estão práticas tolas que constituem violações de
princípios corretos. Quantos desastres econômicos, conflitos
interculturais, revoluções políticas e guerras civis poderiam ter sido
evitadas caso o compromisso com princípios corretos fosse maior?
A liderança baseada em princípios fundamenta-se na realidade de
que não podemos violar impunemente essas leis naturais. Acreditemos
ou não nelas, elas têm se mostrado eficazes durante toda a história da
humanidade. As pessoas são mais eficazes e as organizações mais fortes
quando guiadas e baseadas por esses princípios comprovados. Não são
soluções fáceis, rápidas para os problemas pessoais e interpessoais. Na
verdade, são princípios fundamentais que, quando aplicados
consistentemente, se tornam hábitos comportamentais permitindo
transformações fundamen tais em indivíduos, relacionamentos e
organizações.
Princípios, ao contrário dos valores, são objetivos e externos.
Operam em obediência a leis naturais, independentemente das
condições vigentes. Valores são subjetivos e internos. Valores
assemelham-se a mapas. Mapas não são os territórios, são apenas
tentativas subjetivas de descrever pu representar o território. Quanto
mais próximos estiverem, nossos valores ou mapas, de princípios
corretos, com as realidades do território, com as coisas como elas
realmente são, mais precisos e úteis eles serão. Entretanto, quando o
território está em constante alteração, quando os mercados apresentam
constante variação, qualquer mapa logo se torna obsoleto.
Um mapa baseado em valores poderá fornecer alguma descrição
útil, mas a bússola orientada por princípios fornece uma visão e uma
direção incomparáveis. Um mapa preciso constitui uma boa ferramenta
gerencial, mas uma bússola orientada para o princípio do "norte
verdadeiro" é uma ferramenta para a liderança e o fortalecimento. Ao
apontar para o norte verdadeiro a agulha reflete o alinhamento com as
leis naturais. Se nos limitarmos a administrar através de mapas,
desperdiçaremos inumeráveis recursos, vagueando sem destino ou
perdendo oportunidades.
Nossos valores com freqüência refletem as crenças de nossos
antecedentes culturais. Desde a infância desenvolvemos um sistema de
valores que representa uma combinação de influências culturais,
descobertas pessoais e scripts familiares. Estes se tornam "lentes"
através das quais contemplamos o mundo. Avaliamos, atribuímos
prioridades, julgamos e nos comportamos com base na visão da vida
que temos através destas lentes.
Um padrão de reação freqüente é viver a vida em compartimentos
baseados em valores, onde nosso comportamento é, em grande parte, o
produto de expectativas associadas a determinados papéis: esposa, pais,
filhos, executivo, líder comunitário e assim por diante. Uma vez que
cada
um desses comportamentos traz em si seu próprio sistema de valores,
as pessoas reativas muitas vezes se encontram tentando corresponder a
expectativas conflitantes e vivendo de acordo com diferentes valores,
segundo o papel ou ambiente em que estão num determinado momento.
Quando as pessoas alinham seus valores pessoais com princípios
corretos, libertam-se de percepções e paradigmas antiquados. Uma das
características dos autênticos líderes é sua humildade, evidente em sua
capacidade de retirar os óculos e examinar as lentes com objetividade,
analisando como seus valores, percepções, crenças e comportamentos se
alinham com os princípios do "norte verdadeiro". Quando existem
discrepâncias (preconceito, ignorância ou erro) realizam ajustes para um
realinhamento com a sabedoria maior. A centralização em princípios
inalteráveis traz permanência e força a suas vidas.

QUATRO DIMENSÕES
Centrar a vida em princípios corretos é a chave para o desenvolvimento
dessa rica força interna em nossas vidas, e com essa força seremos
capazes de realizar muitos de nossos sonhos.

Centros de Vida Alternativos

Segurança tação

Sabedoria Força
Uma base firme nos dá segurança, orienta e fortalece. Como o eixo de
uma roda, ela unifica e integra. Ela é o núcleo vital dás missões pessoais e
empresariais, é o alicerce sobre o qual a cultura se fundamenta. Ela ordena
valores compartilhados, estruturas e sistemas.
Qualquer que seja o foco central de nossas vidas ele torna-se a fonte
principal de nosso sistema de sustentação da vida. De uma forma ampla,
esse sistema é representado por quatro dimensões fundamentais:
segurança, orientação, sabedoria e força. A liderança e a vida baseadas em
princípios cultivam essas quatro fontes internas de energia.
Ao focalizarmos nossa vida em outros centros de interesse alternativos:
trabalho, prazer, amigos, inimigos, cônjuge, família, em nosso próprio eu,
igreja, posses ou dinheiro etc., nos enfraquecemos e desorientamos. Por
exemplo, se nosso foco principal for o espelho social, daremos às
circunstâncias e às opiniões alheias o poder de nos orientar. Quando nos
falta segurança e auto-estima, nossa tendência é nos tornarmos
emocionalmente dependentes dos outros. A falta de sabedoria nos leva a
repetir erros passados. A falta de orientação nos leva a seguir tendências e
a deixarmos inacabado o que começamos. Com a falta de força tendemos
a refletir sobre o que nos acontece e a reagir às condições externas e aos
estados de espírito passageiros.
Mas quando baseamos nossa vida em princípios corretos, nos tornamos
mais equilibrados, unificados, organizados, enraizados e com os "pés no
chão". Temos uma base firme para todas as nossas atividades, nossos
relacionamentos e nossas decisões. Adquirimos também um sentido de
organização e controle em todas as áreas de nossa vida, inclusive sobre
nossos talentos, nosso dinheiro, posses, relacionamentos, família e nosso
próprio corpo. Reconhecemos a necessidade de utilizá-los para bons
propósitos e, como administrador, a responder por tal utilização.
Ao basearmos nossas vidas em princípios, adquirimos segurança
suficiente para não sermos ameaçados por alterações, comparações ou
críticas; orientação para definir nossa missão, definir nossos papéis e
elaborar nossos roteiros e objetivos; sabedoria para aprender a partir de
nossos erros e buscar melhoria contínua, força para nos comunicarmos e
cooperarmos, mesmo em condições de estresse e cansaço.
SEGURANÇA. Segurança representa nosso sentido de valor,
identidade, apoio emocional, auto-estima e força pessoal.
Naturalmente vemos vários graus de segurança — num contínuo entre
um profundo senso de alto valor intrínseco, de um lado, e uma extrema
insegurança do outro, no qual a vida da pessoa é agitada por todas as
forças variáveis que atuam sobre ela.

ORIENTAÇÃO. Orientação é o direcionamento que adotamos na vida. A


maior parte desse direcionamento vem de padrões, princípios ou critérios
que governam nossas vidas atuando ou agindo sobre ela. Esse monitor
interno atua como consciência. As pessoas que atuam na extremidade mais
baixa do contínuo da orientação geralmente possuem fortes dependências
físicas e emocionais, condicionadas a viverem estilos de vida egoístas,
sensuais ou sociais. A parte média do contínuo representa o
desenvolvimento da consciência social — a consciência educada e cultivada
baseada nas instituições, tradições e rela ções humanas. Na parte mais
elevada do contínuo está a consciência espiritual, onde a orientação se
origina em fontes inspiradas ou inspiradoras — uma bússola cujo centro de
orientação são princípios verdadeiros.

SABEDORIA. A sabedoria sugere uma perspectiva sábia da vida, um


sen-tido de equilíbrio, uma aguçada percepção da maneira pela qual
as várias partes e os princípios se relacionam. Compreende a
capacidade de julgamento, discernimento e compreensão. E uma
unidade, uma unidade integrada. Na extremidade inferior do contínuo
da sabedoria estão mapas pouco precisos, que fazem com que as
pessoas baseiem seu modo de pensar em princípios distorcidos e
discordantes. A extremidade mais elevada representa uma orientação
de vida acurada e completa onde todas as partes e todos os princípios
estão adequadamente relacionados entre si. A medida que
caminhamos em direção à extremidade mais elevada, adquirimos um
sentido cada vez maior do ideal (das coisas como deveriam ser) bem
como uma abordagem sensível e prática das realidades (das coisas
como são). A sabedoria também inclui a capacidade de discernir entre
a alegria pura e o prazer temporal.
FORÇA. Força é a capacidade de agir, o poder e a coragem para realizar
alguma coisa. E a energia vital para fazer escolhas e tomar decisões.
Representa também a capacidade de vencer hábitos profundamente
enraizados e de cultivar outros mais elevados e eficazes. Na extremidade
inferior do contínuo da força encontramos pessoas essencialmente
fracas, inseguras, produtos do que lhes acontece ou aconteceu. São
extremamente dependentes das circunstâncias e dos outros. São reflexos
das opiniões e instruções dos outros. Não possuem qualquer
compreensão real da verdadeira alegria nem da verdadeira felicidade. Na
extremidade mais elevada do contínuo encontramos pessoas
disciplinadas e dotadas de visão, cujas vidas são produtos de decisões
pessoais e não de condições externas. Essas pessoas fazem com que as
coisas aconteçam; são proativas; escolhem suas respostas a situações
orientadas por princípios absolutos e padrões universais. Assumem a
responsabilidade tanto por seus sentimentos, estados de espírito e
atitudes, quanto por seus pensamentos e ações.
Estes quatro fatores — segurança, orientação, sabedoria e força — são
interdependentes. Segurança e orientação bem fundamentadas trazem
sabedoria, e a sabedoria transforma-se na centelha ou no catalisador para
a liberação e orientação da força. Quando esses quatro fatores estão
harmonizados, criam a grande força de uma nobre personalidade, um
caráter equilibrado, um indivíduo maravilhosamente integrado.

CENTROS ORGANIZACIONAIS
A liderança baseada em princípios incorpora os Sete Hábitos das Pessoas
Altamente Eficazes e princípios correlatos, práticas e processos de
aplicacão. Uma vez que a liderança baseada em princípios tem como foco
princípios e processos fundamentais, com freqüência ocorrem genuínas
transformações culturais.
Uma vez que você coloque os princípios como centro, compreende que
a única maneira de tratar as pessoas é da forma que você deseja que elas o
tratem. E encara seu concorrente como fonte de ensinamentos, como um
amigo capaz de mantê-lo afiado e ensinar-lhe onde estão suas fraquezas.
Sua identidade não é ameaçada por ele nem por outras condições externas,
pois você possui uma âncora e uma bússola. Mesmo no oceano turbulento
das alterações, você é capaz de manter a perspectiva e a capacidade de
julgamento. E a força virá sempre de seu interior.
Centros Organizacionais Alternados

Segurança Orientação

Sabedoria Força

Centros organizacionais alternados — lucro, fornecedor,


empregado, proprietário, cliente, programa, política, competição,
imagem e tecnolo,gia — são imperfeitos se comparados ao
paradigma que estabelece os princípios como centro. Da mesma
forma como ocorre com os indivíduos, as empresas que baseiam sua
filosofia em princípios possuem muito mais segurança, orientação,
sabedoria e força.
Por exemplo, se a segurança de uma organização vier de sua
imagem, ou de seu fluxo de caixa ou de comparações com
concorrentes ou ainda de opiniões de clientes, seus líderes tendem a
reagir exageradamente ou a omitir-se diante das notícias e dos
acontecimentos do dia. Além disso, tendem a encarar os negócios (e
a vida) como um jogo da soma zero; são ameaçados pelo sucesso e
reconhecimento dos outros, e alegram-se com os erros dos
concorrentes. Se nossa segurança estiver baseada nas fraquezas dos
outros, na verdade estaremos dando a essas fraquezas força suficiente
para controlar-nos.
A verdadeira força existe quando se possui os princípios e as
práticas compreendidas e aplicadas em todos os níveis da
organização. Práticas são o que fazer, aplicações específicas
adequadas a circunstâncias específicas. Princípios são o por
quefazer, os elementos sobre os quais as aplica-

ções e práticas são construídas. Sem a compreensão dos princípios de uma


determinada prática, as pessoas perdem sua capacidade de agir quando a
situação se altera, e diferentes práticas são necessárias ao suces-
so. Ao treinar as pessoas, freqüentemente ensinamos habilidades e práticas,
como executar determinada tarefa. Mas, ao ensinarmos práticas sem
princípios, as pessoas passam a depender de nós ou de terceiros para
receberem mais instruções e orientações.
Líderes que baseiam sua atuação em princípios são homens e mulheres
de caráter que trabalham com eficácia "em fazendas" com "semente e solo",
com base em princípios naturais, e colocam estes princípios no centro de
suas vidas, no centro de suas relações com os outros, no centro de seus
acordos e contratos, em seus processos administrativos e na definição de
suas missões.
O desafio é ser uma luz e não umjuiz; ser um modelo e não um crítico.
Quatro Níveis de Liderança Baseada em Princípios
Princípios-Chave

0 1991 Covey Leadership Center


Introdução

Há muito defendo uma abordagem ao desenvolvimento pessoal


natural, diária, passo a passo e seqüencial. Creio que qualquer produto
ou programa — seja a perda de peso ou o domínio de técnicas — que
prometa "resultados rápidos, grátis, instantâneos e fáceis" ,
provavelmente não se baseia em princípios corretos. No entanto,
virtualmente, toda a propaganda utiliza uma ou mais de uma dessas
palavras para nos levar a comprar. Não é de se admirar que muitos de
nós sejamos aficionados das abordagens que oferecem "soluções
rápidas" para o desenvolvimento pessoal.
Nesta parte sugiro que a verdadeira capacidade e o desenvolvimento
de habilidades estão irreversivelmente relacionados às leis naturais e aos
princípios regentes; quando os observamos, adquirimos a força
necessária para rompermos com o passado, vencer hábitos antigos,
alterar nossos paradigmas e alcançar a grandeza essencial e a eficácia
interpessoal.
Naturalmente, não vivemos sozinhos em ilhas, isolados de outras
pessoas. Nascemos em famílias, crescemos em sociedades; nos
tornamos alunos em escolas, membros de outras organizações. Uma vez
iniciada nossa vida profissional, descobrimos que nossos empregos
exigem nossa interação freqüente e eficaz com os outros. Se não
aprendermos e não
4 LIDERANÇA BASEADA EM PRINCÍPIOS

aplicarmos os princípios da eficácia interpessoal, podemos estar certos


de que nosso progresso se tornará lento ou cessará.
Assim, nesta seção vamos examinar as atitudes, habilidades e
estratégias necessárias à criação e manutenção de relações de
confiança com as outras pessoas. Na verdade, uma vez que nos
tornamos relativamente independentes, nosso desafio é sermos
capazes de uma interdependência eficaz com os outros. Para isso
precisamos praticar a empatia e a sinergia em nossos esforços para
nos tornarmos proativos e produtivos.

RESOLVENDO DILEMAS
Ao longo da história, as mais significativas descobertas foram
rompimentos com as velhas maneiras de pensar, com os antigos
modelos e paradigmas. A liderança baseada em princípios é um
paradigma inovador, uma nova maneira de pensar que auxilia a
solução de dilemas clássicos da vida moderna:

• Como alcançar e manter um equilíbrio sábio e renovador entre


trabalho e família, ambições pessoais e profissionais, em meio a
crises e pressões constantes?

• De que forma poderemos praticar a simplicidade no emaranhado


da terrível complexidade?

• De que forma poderemos manter um sentido de direção na selva


da vida moderna, onde mapas bem elaborados (estratégias e
planos) tornam-se inúteis devido às mudanças rápidas que
muitas vezes nos atingem quando menos esperamos?
' Como encarar a fraqueza humana com compaixão e compreensão
reais em vez de nos atermos a acusações e autojustificativas?

• Como substituir o preconceito (tendência a prejulgar e


categorizar as pessoas de forma a manipulá-las) por um
sentimento de reverencia e de descoberta de forma a promover
o aprendizado, a realização e a excelencia entre as pessoas?
' De que forma poderemos nos fortalecer (e aos outros) adquirindo
confiança e competência para solucionar problemas e saber apro-
Introclução 5

veitar oportunidades, sem nos tornarmos


descontrolados ou temermos agressões
alheias?

• Como estimular o desejo de mudança e


aperfeiçoamento sem criar mais dor do que
lucro?

• Como poderemos nos tornar membros ativos de


uma equipe que se completa com base no
respeito mútuo e na valorização da
diversidade e do pluralismo?

• Por onde devemos começar e como poderemos


recarregar continuamente nossas baterias
para mantermos um impulso constante em
direção à sabedoria, ao crescimento e
aperfeiçoamento?
A medida que você avançar na leitura desta
seção, irá adquirir uma compreensão dos
princípios básicos da liderança pessoal eficaz,
e essa nova compreensão lhe dará forças para
solucionar essas e outras difíceis questões por
si próprio.
QUATRO NÍVEIS, QUATRO PRINCÍPIOS
A liderança baseada em princípios é praticada
de dentro para fora em quatro níveis: (1)
pessoal (minhas relações comigo mesmo); (2)
interpessoal (minhas relações e interações com
os outros); (3) gerencial (minha
responsabilidade de concluir uma tarefa em
conjunto com outros); e (4) organizacional
(minha necessidade de organizar as pessoas, de
recrutá-las, treiná-las, remunerá-las, formar
equipes, solucionar problemas e criar uma
estrutura, uma estratégia e sistemas
concordantes).
Cada um desses níveis é "necessário porém
insuficiente". Isso significa que precisaremos
trabalhar em todos os níveis com base em
determinados princípios fundamentais. Nesta
seção focalizaremos os dois primeiros
princípios.

CONFIABILIDADE EM NÍVEL PESSOAL. A


confiabilidade baseia-se no caráter, naquilo
que você é como pessoa, e na competência,
naquilo que você pode fazer. Se você confiar no
meu caráter mas não na minha competencia, não
confiará em mim. Muitas pessoas boas e honestas
gradualmente perdem sua confiabilidade
profissional porque se tornam "obsole-
LIDERANÇA BASEADA EM PRINCÍPIOS

tas" em suas organizações. Sem caráter e competência não seremos


considerados confiáveis, nem demonstraremos grande sabedoria em
nossas escolhas e decisões. Sem um desenvolvimento profissional
significativo constante, haverá pouca confiabilidade ou confiança.

CONFIABILIDADE EM NÍVEL INTERPESSOAL. A confiabilidade


é a base da confiança. A confiança é a conta bancária emocional entre
duas pessoas que lhes permite chegar a um acordo de desempenho
ganhaganha [ou seja, com benefícios mútuos]. Se existe confiança entre
duas pessoas, baseada na confiabilidade de cada uma, elas poderão
gozar de uma comunicação clara, empatia, sinergia e interdependência
produtiva. Quando se é incompetente, o treinamento e o
desenvolvimento poderão auxiliar. Mas se houver uma falha de cará ter,
será necessário fazer e manter promessas para aumentar a segurança
interna, aperfeiçoar as habilidades e reconstruir a relação de confiança.

A confiança, ou a falta dela, está na origem do sucesso ou do


fracasso, nos relacionamentos e nos resultados finais de um negócio, de
uma indústria, do sistema de educação e do governo.
Características
dos líderes
baseados em
princípios

partir do estudo e da observação, e de meus próprios esforços,


isolei oito características perceptíveis nos líderes baseados em
princípios. Elas não apenas caracterizam os verdadeiros líderes, como
representam também sinais de progresso para todos nós. Neste capítulo
discutirei brevemente cada uma delas.
ESTÃO CONTINUAMENTE APRENDENDO
As pessoas que pautam suas vidas em princípios são continuamente
instruídas por suas experiências. Lêem, procuram treinamento, assistem
a aulas, escutam os outros, aprendem com os olhos e ouvidos bem
abertos. São curiosas e estão sempre fazendo perguntas. Sua
competência e capacidade para a realização de tarefas estão sempre em
expansão. Desenvolvem novas habilidades e novos interesses.
Descobrem que quanto mais sabem mais compreendem que nada
sabem; que à medida que seu círculo