Anda di halaman 1dari 130

Técnicas Agrícolas

Técnicas Agrícolas
Mensagem do Governo de Goiás

É com imensa satisfação que iniciamos a 2ª etapa do Bolsa Futuro, o maior programa
estadual de qualificação profissional do País. Nos próximos meses, você fará parte da
comunidade de 150.000 cidadãos de 110 municípios de Goiás que farão os cursos de
qualificação profissional inteiramente gratuitos do programa. Além dos cursos gratuitos, os
alunos matriculados que cumprirem a carga horária mínima de aulas (75% de frequência)
receberão R$ 75,00 por mês a título de incentivo financeiro.

A economia de Goiás vem crescendo acima da média nacional e tem exigido


trabalhadores cada vez mais preparados para o mercado de trabalho. Tão importante
quanto se qualificar é escolher o curso certo e com a formação esperada pelo mercado.
Por isso, o Programa Bolsa Futuro foi cuidadosamente concebido para atender às mais
diferentes demandas do setor produtivo de nosso Estado.

A minuciosa avaliação da demanda do mercado de trabalho de Goiás deu origem


à grade de cursos do Bolsa Futuro, composta por: técnicas de vendas; secretariado e
rotinas administrativas; recepção de hotel e atendente de bar; reprodução animal e
produtividade do gado bovino leiteiro; técnicas agrícolas; destilador de álcool; cuidador
de idosos e crianças; porteiro e zelador; básico em eletricista e encanador; e operador
de caldeiras.

Até o final de 2014, 200 mil pessoas farão os cursos gratuitos de qualificação
profissional do Bolsa Futuro e receberão o incentivo financeiro de R$ 75,00 por mês,
garantindo melhores empregos e salários e contribuindo ainda mais para o crescimento
da economia de Goiás. Paralelamente, outros 300 mil goianos farão, também
gratuitamente, os cursos nos Centros de Educação Profissional (CEPs) da Secretaria
de Estado de Ciência e Tecnologia (Sectec). Nesse primeiro módulo de aulas, você fará
aulas de Ambientação, Cidadania e Meio Ambiente que vão prepará-lo melhor para
o conteúdo específico dos dois cursos de qualificação profissional que você escolheu
quando fez sua matrícula.

Boas aulas e até a sua formatura!


Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação
Governo do Estado de Goiás
www.goias.gov.br www.sectec.go.gov.br
www.bolsafuturo.go.gov.br www.facebook.com/bolsafuturo

3
Governo do Estado de Goiás
Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia
Gabinete de Gestão de Capacitação e Formação Tecnológica
Núcleo Bolsa Futuro

Equipe de Elaboração

Gabinete de Gestão de Capacitação Núcleo Bolsa Futuro


e Formação Tecnológica
Chefe do Núcleo Bolsa Futuro
Chefe do GGCFT Carmem Sandra Ribeiro do Carmo
Soraia Paranhos Netto
Designer Educacional
Coordenação de Produção do Uélica Alves Braga
Material Didático Impresso
David José Manuel Velázquez Revisão de Língua Portuguesa
Daniella da Silva Porto Cavalcanti Danúzia Queiroz

Coordenador da comunicação visual Ilustração


Carlos Eduardo Reche Márcio Sousa
Daniel Motta
Autores
Olaff Behrend
Helena Maria Maltez
Paulo Henrique Nenevê
Diagramação
Designer Master Nelson Vieira Martins
Box Publicidade

4
SUMÁRIO

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA AGRICULTURA���������������������������������������������������������������11


1. ORIGEM E EVOLUÇÃO ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 11
1.1 Origem da agricultura e domesticação das plantas������������������������������������������������������������ 11
1.2 Surgimento da irrigação e da tração animal�������������������������������������������������������������������������� 16
2. HISTÓRIA DA AGRICULTURA NO BRASIL ������������������������������������������������������������������������������������ 19
2.1 A agricultura indígena e a chegada dos europeus ������������������������������������������������������������� 19
2.2 A Revolução Verde �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 21
3. A AGRICULTURA NO ESTADO DE GOIÁS������������������������������������������������������������������������������������� 26
3.1 A história���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 26

BASE CONCEITUAL�����������������������������������������������������������������������������������������������������31
1. ECOFISIOLOGIA DAS PLANTAS NAS REGIÕES TROPICAIS ���������������������������������������������������� 31
1.1 Como a planta forma as substâncias orgânicas?������������������������������������������������������������������ 31
1.2 Fatores importantes para um solo produtivo������������������������������������������������������������������������ 34
1.3 O abastecimento da planta com água������������������������������������������������������������������������������������� 37
2. RESPIRAÇÃO PELAS PLANTAS E DESENVOLVIMENTO DA RAIZ����������������������������������������� 40
2.1 A diminuição da respiração pelas plantas������������������������������������������������������������������������������� 40
2.2 A raiz����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 41
3. A MATÉRIA ORGÂNICA E A VIDA NO SOLO������������������������������������������������������������������������������� 47
3.1 A matéria orgânica no solo: importância e manejo ������������������������������������������������������������ 47
3.2 A vida do solo: entendendo o surgimento de “Pragas” e Doenças e como evitá-las�� 49

MÉTODOS, TÉCNICAS E PRÁTICAS – PARTE I����������������������������������������������������������55


1. MÉTODOS, TÉCNICAS E PRÁTICAS - PARTE I������������������������������������������������������������������������������ 55
1.1 Cerrado: contexto socioambiental��������������������������������������������������������������������������������������������� 55
1.2 Constantes presentes no Cerrado���������������������������������������������������������������������������������������������� 57
1.3 Planejamento da propriedade rural������������������������������������������������������������������������������������������ 58
2. TIPOS DE PLANTIO������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 64
2.1 Plantio de sequeiro�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 64
2.2 Consórcios para sequeiro (alguns exemplos)������������������������������������������������������������������������ 67

5
3. PLANTIO ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 73
3.1 Plantio de hortaliças������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 73
3.2 Plantio dos adubos verdes������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 74
3.3 Produção de mudas em ambiente protegido������������������������������������������������������������������������ 76

MÉTODOS, TÉCNICAS E PRÁTICAS – PARTE II���������������������������������������������������������80


1. SUCESSÃO ECOLÓGICA�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 80
2. PRODUÇÃO DE FRUTAS E MADEIRA�������������������������������������������������������������������������������������������� 85
2.1 A árvore na propriedade rural����������������������������������������������������������������������������������������������������� 85
2.2 Preparo do solo��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 87
2.3 Produção de biomassa������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 89
2.4 Sistemas agroflorestais������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 90
2.5 Produção de fertilizantes��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 91
3. CONTROLE ECOLÓGICO DE INSETOS E DOENÇAS������������������������������������������������������������������ 97
3.1 Controlando insetos e pragas������������������������������������������������������������������������������������������������������ 97
3.2 Algumas receitas para controlar as pragas���������������������������������������������������������������������������100
3.3 Sementes de árvores���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������101

GERAÇÃO DE RENDA E EDUCAÇÃO�����������������������������������������������������������������������105


1. GERAÇÃO DE RENDA E EDUCAÇÃO�����������������������������������������������������������������������������������������105
1.1 Como minimizar custos e maximizar a renda����������������������������������������������������������������������105
1.2 Agregando valor aos produtos com o processamento na propriedade rural����������111
1.3 Certificação orgânica e agroecológica�����������������������������������������������������������������������������������112
2. MAIS ASPECTOS DA AGRICULTURA��������������������������������������������������������������������������������������������117
2.1 Pagamento por serviços ambientais – PSA��������������������������������������������������������������������������117
2.2 Agricultor e agricultora pesquisadores����������������������������������������������������������������������������������119
2.3 Os mutirões como estratégia de fortalecimento da agricultura familiar�������������������123
2.4 O jovem rural na perspectiva agroecológica�����������������������������������������������������������������������124

6
LEGENDA
ÍCONES

Prezado(a) aluno(a),
Ao longo dos seus estudos, você encontrará alguns ícones na coluna lateral do material
didático. A presença destes ícones o ajudará a compreender melhor o conteúdo abor-
dado e também como fazer os exercícios propostos. Conheça os ícones logo abaixo:

Saiba Mais
Este ícone apontará para informações complementares sobre o assunto que
você está estudando. Serão curiosidades, temas afins ou exemplos do cotidi-
ano que o ajudarão a fixar o conteúdo estudado.

Importante
O conteúdo indicado com este ícone tem bastante importância para seus es-
tudos. Leia com atenção e, tendo dúvida, pergunte ao seu tutor.

Dicas
Este ícone apresenta dicas de estudo.

Exercícios
Toda vez que você vir o ícone de exercícios, responda às questões propostas.

Exercícios na Aula Interativa


Ao final das lições, você deverá responder os exercícios no seu livro e, poste-
riormente, responder o mesmo teste na Aula Interativa, no Ambiente Virtual
de Aprendizagem. Importante! Este exercício valerá nota para a sua média
final, não deixe de registrar as respostas na sua Aula Interativa.

Aula Interativa
A Aula Interativa é uma ferramenta muito importante para a fixação do conteú-
do. Quando aparecer este ícone, acesse a Aula Interativa do assunto estudado no
Ambiente Virtual de Aprendizagem. Desta forma você ficará expert no assunto!

Bons estudos!

7
8
INTRODUÇÃO
Caro(a) aluno(a),

O módulo de Técnicas Agrícolas deste curso foi organizado em 60 horas e está dividido
em cinco etapas:
1. Origem e evolução da agricultura
2. Base Conceitual
3. Métodos, técnicas e práticas - Parte I
4. Métodos, técnicas e práticas - Parte II
5. Geração de renda e educação

São objetivos deste módulo: apresentar os conceitos básicos para o desenvolvimento


de uma agricultura sustentável apropriada à agricultura familiar; proporcionar técnicas
de plantio e manejo de hortaliças, culturas de sequeiro e de sistemas agroflorestais no
contexto agroecológico. Também orientar a observação do meio e o planejamento da
propriedade rural; promover uma visão conservacionista no manejo da propriedade
rural e estimular a organização comunitária, o beneficiamento local e a comercialização
diferenciada visando ao aumento da renda.

Estimular a inovação e a geração de conhecimento na agricultura – o agricultor será


apresentado a novos meios para incrementar sua produção, que lhe renderão lucro
e ainda auxiliarão na questão da preservação do meio ambiente. Com base nestes
objetivos, você aprenderá como preservar, novas técnicas para diminuir o uso de
agrotóxicos e meios de melhorar a plantação. Terá contato com técnicas agrícolas
envolvendo a tecnologia atual e formas para substituí-las caso seu uso não seja possível.

Este módulo do curso é direcionado a você, que deseja aprender mais e melhorar sua
forma de ver a agricultura, e lhe mostrará diversas ferramentas que são necessárias para
trilhar um grande caminho profissional.

Bom aprendizado!

10
ORIGEM E EVOLUÇÃO DA AGRICULTURA

1. ORIGEM E EVOLUÇÃO

1.1 Origem da agricultura e domesticação das


plantas

Centros de origem e domesticação das plantas cultivadas

Os cientistas estimam que a espécie humana surgiu há cerca de 2 milhões


de anos. Durante muito tempo, a humanidade conseguiu seu alimento por meio
da caça de animais, da pesca e da coleta de frutos, sementes e raízes nas savanas
e florestas.

Foi há cerca de 10.000 anos, de acordo com os registros arqueológicos


existentes, com a domesticação das plantas, que a humanidade começou a
desenvolver a agricultura. Domesticar uma planta significa ter o controle sobre
o seu plantio, a sua reprodução e a sua colheita. O início da domesticação das
plantas atualmente cultivadas aconteceu provavelmente próximo do seu centro
de origem, que é o lugar onde a espécie surgiu por evolução biológica.

Acredita-se que as primeiras plantas a serem domesticadas foram o trigo


no Oriente Médio (na região onde hoje se localiza o Iraque, a Síria e a Jordânia),
por volta de 8.000 anos a.C. (antes de Cristo), e o milho, no México, por volta de
6.000 anos a.C.

Quando os europeus chegaram ao continente americano, há cerca de 500


anos, o cultivo do milho já se estendia do sul do Canadá até o sul da América
do Sul. Os povos nativos dessas regiões consideravam o milho uma “dádiva
dos deuses”, uma “planta sagrada”. A domesticação do milho pelos agricultores
nativos das Américas privilegiou a diversificação da espécie. Talvez essa seja uma

11
das espécies cultivadas hoje com maior número de variedades adaptadas aos
mais diferentes usos e ambientes de cultivo. Desde os primórdios, como alimento,
o milho era torrado, cozido, moído, “estourado” como pipoca, usado na forma de
canjica, tortillas e inúmeros outros pratos.

Tortillas:
O arroz foi encontrado em sítios arqueológicos da Tailândia entre 5.000
massa feita a 3.500 a.C. e provavelmente tem origem em alguma região do sudeste asiático.
de milho
Hoje, a produção mundial de arroz é cerca de 460 milhões de toneladas e o
que originou
muitas outras consumo per capita, segundo a FAO, é de aproximadamente 58 kg/hab por ano.
comidas
mexicanas, O trigo e a cevada constituíram a base de desenvolvimento da primitiva
como o taco
e o burrito.
civilização no Oriente Médio; o arroz foi o alimento que permitiu a criação de
Ela pode ser uma alta civilização no Extremo Oriente e constitui hoje o sustento básico de
servida fria,
quente, frita
mais da metade da humanidade; e o milho foi responsável pela formação das
ou tostada. antigas culturas nas Américas, alimentando os trabalhadores que construíram os
FAO: magníficos templos do México e do Peru nos tempos pré-históricos. Essas quatro
Organização gramíneas, juntamente com a aveia e o centeio, são os cereais mais conhecidos
das Nações
Unidas para a no mundo ocidental e sua domesticação é milenar.
Alimentação e
a Agricultura
(www.fao.org.
As gramas agriculturais cultivadas para a produção de alimento são chamadas
br). cereais. Os cereais constituem a fonte principal de calorias para seres humanos.
Gramínea: Incluem o arroz na Ásia, o milho no México e trigo e cevada na Europa e na América
também
conhecida
do Norte. Cereais são uma delícia e necessários à dieta humana. Bom saber, não?
como capim,
grama ou
relva, é uma
importante Exercitando o conhecimento...
família
botânica.
Grande parte das plantas atualmente cultivadas foi domesticada no
Velho Mundo (principalmente Oriente Médio e Ásia), mas algumas são
comprovadamente sul-americanas, como a batata, o tomate, a goiaba,
o abacaxi, o amendoim e a mandioca.

( ) Certo ( ) Errado

Provavelmente, foram as mulheres que começaram a colher as sementes,


plantá-las, colher os grãos, escolher os melhores e plantar novamente, enquanto
os homens se dedicavam à caça e à coleta de frutos.

12
Nos tempos modernos, cientistas e técnicos deram início ao processo de
melhoramento genético das plantas cultivadas, concentrando-se somente em 12 ou
13 espécies consideradas as mais importantes para a agricultura, desprezando uma
enorme riqueza potencial para diversificação das fontes de alimento e outros usos.

Das plantas ancestrais às plantas cultivadas

As plantas nativas ancestrais das plantas atualmente cultivadas


apresentavam grãos muito pequenos, baixa produtividade e tinham como
característica o fato de os grãos caírem individualmente das plantas assim que
ficavam maduros. Isso era ótimo para a dispersão das sementes na natureza, mas
indesejável para o ser humano.

Vamos saber por quê?

Com o simples ato de colher os grãos (ou sementes) que não caíam no chão Variabilida-
(ficavam um pouco mais de tempo presos às plantas-mãe), o ser humano começou, de genética:
se revela pela
ainda que inconscientemente, a seleção genética dessa característica. Cada diversidade de
vez que uma semente que ficava presa à planta-mãe era plantada novamente, formas, cores,
tamanhos,
passava essa característica para suas filhas, as novas sementes, aumentando o sabores e
número de plantas com essa característica na geração seguinte. Aos poucos, após cheiros que as
plantas apre-
várias gerações, todas as plantas dessa espécie que eram cultivadas seguravam sentam tanto
sua semente depois de madura. na parte vege-
tativa (caule
A base da evolução das plantas (e de qualquer ser vivo) é a variabilidade e folhas)
quanto na
genética. parte repro-
dutiva (flores
e frutos).

13
Essa variabilidade (ou diversidade) é dada pela composição e combinação
dos genes existentes no DNA daquela espécie. Os genes estão no núcleo de cada
uma das células de todos os seres vivos e são considerados a fonte da informação
DNA, Ácido
desoxirribonu-
de como cada espécie deve ser. Os genes são transmitidos de geração para
cleico: com- geração por meio da reprodução.
posto orgânico
cujas moléculas
contêm as A variabilidade genética está ligada às diferentes combinações do DNA,
instruções
genéticas que
sua mutação e a diferença de um para o outro. Imagina que caos seria se
coordenam o todos os DNA fossem iguais?!
desenvolvimen-
to e funciona-
mento de todos A variabilidade genética nas plantas surge de duas formas:
os seres vivos e
alguns vírus. 1) pela reprodução sexual, quando ocorre o cruzamento entre plantas
Mutação diferentes: o pólen de uma flor chega na flor de outra planta diferente e fecunda
genética: o seu ovário para dar origem ao fruto;
mudança
(espontânea ou
não) no gene
2) por mutação genética. Apesar da relativa estabilidade genética dos seres
que compõe o vivos (filhos de uma espécie se parecem e são da mesma espécie que os pais),
DNA de um ser
eventualmente acontece uma mutação genética que provoca uma mudança
vivo.
repentina do filho em relação aos pais. Um exemplo seria se, ao plantar uma semente,
Gene: é o que
compõe o DNA nascesse uma planta com folhas de coloração totalmente diversa da coloração das
vários genes folhas da planta-mãe que deu origem àquela semente. Isso poderia ter acontecido
juntos formam o
DNA. por causa de uma mutação no gene que determina a cor do pigmento da folha.

Quando há variabilidade genética, é possível escolher aquelas plantas que


são mais interessantes, cujo fruto ou semente tenha mais alimento ou o sabor seja
mais agradável. Se todas as plantas são iguais, ou seja, se não há variabilidade
genética, essa escolha não é possível.

Quando escolhemos e replantamos as sementes das plantas melhor


adaptadas aos nossos solos e ao nosso clima cujas sementes ou frutos são mais
saborosos ou apropriados ao uso que queremos fazer deles, aos poucos, geração
após geração, as plantas vão sendo modificadas de acordo com as características
que desejamos. A esse processo chamamos de seleção genética.

Foi por meio da seleção genética que agricultores e agricultoras de outrora


criaram as inúmeras variedades locais adaptadas aos mais diferentes tipos de
clima, solo e uso.

14
O exemplo do milho é muito ilustrativo. O parente mais próximo do milho e
que, provavelmente, lhe deu origem é o teosinto, uma gramínea rústica nativa do
México, da Guatemala e de Honduras e que agora vai se tornando rara. As duas
plantas se cruzam naturalmente, produzindo híbridos férteis.

Veja, na figura abaixo, como o milho foi sendo transformado pela


domesticação e pela seleção a partir do seu ancestral, o teosinto:

Por essa razão, é muito importante que, ao guardar as sementes de qualquer


planta cultivada de uma colheita para plantar no ciclo seguinte, sejam escolhidas
as sementes que vieram das plantas mais resistentes a insetos e doenças, mais
adaptadas ao tipo de solo da propriedade, cujos grãos são os mais adequados aos
usos desejados, mais nutritivos, mais resistentes ao armazenamento e qualquer
outra característica desejada. Somente depois de escolher e separar essas
sementes para o próximo plantio é que o resto da colheita deverá ser utilizado
no consumo próprio ou para venda.

Uma das técnicas utilizadas pelos cientistas para aumentar a variabilidade


genética necessária para se fazer a seleção é a “hibridação introgressiva”, nome
pomposo dado ao processo de cruzar uma variedade já selecionada com algum
ancestral nativo (silvestre). A partir da explosão de variabilidade provocada por esse
cruzamento, são escolhidas as plantas que possuem características interessantes.

A contradição e o desafio que se colocam são que essas plantas nativas ou


silvestres (as ancestrais das plantas atualmente cultivadas e de outras que podem
vir a ser interessantes para a agricultura no futuro) estão desaparecendo, pois os
ambientes naturais onde elas vivem estão sendo destruídos aceleradamente. Tais
plantas são comumente chamadas de “ervas daninhas”, “plantas invasoras” ou
simplesmente de “mato”. Consideradas inimigas da lavoura, as “ervas daninhas”

15
têm sido sistematicamente “controladas” ou eliminadas das áreas de plantio. Vale
lembrar que o centeio e a aveia, nos tempos pré-históricos, eram “ervas daninhas”
dos campos de cultura do trigo e da cevada. No norte da Europa, cresciam
melhor que o trigo e a cevada e, com o tempo, passaram a ser intencionalmente
cultivados, tornando-se afinal domesticados. Muitas têm se revelado excelentes
plantas medicinais. Quanto potencial pode estar sendo desperdiçado quando
eliminamos todas as plantas “daninhas” ou desconhecidas da nossa área!

1.2 Surgimento da irrigação e da tração animal


Dois passos muito importantes na história da agricultura foram o
desenvolvimento de sistemas de irrigação e o uso de animais no preparo do solo
para o plantio. A irrigação surgiu por volta de 5.000 a.C. no Oriente Médio e por
volta de 1.000 a.C. no México. O início do uso de animais na agricultura se deupor
volta de 3.000 a.C. no Velho Mundo.

Com a irrigação e o uso de animais, foi possível aumentar


consideravelmente a produção e sustentar uma população
numerosa, permitindo que outras pessoas dedicassem seu
tempo às artes, aos ofícios e à religião. Assim, foi possível
um impulso na formação das cidades. Ao deixar de plantar
seu próprio alimento, parte da humanidade começou a se
desconectar da natureza e de seus ciclos. Esse processo che-
gou hoje ao seu auge com a concentração da maior parte
da população vivendo nas cidades (entre 85% e 90%) onde
as crianças crescem sem saber de onde vem seu alimento
e como são as plantas que dão origem a esses alimentos.
Muitas doenças e aflições da humanidade hoje se devem à
essa desconexão, assim como o processo acelerado de des-
truição e poluição dos ambientes naturais.

A irrigação, por um lado, permitiu o plantio em lugares onde antes era


impossível e o aumento da produção, mas também contribuiu com o processo
de destruição de muitos solos. Sem drenagem adequada, a irrigação pode levar
ao acúmulo de sais no solo, impedindo o crescimento de muitas plantas. Esse

16
fenômeno tem sido observado atualmente em áreas irrigadas do Nordeste
brasileiro. No nosso País, hoje, cerca de 70% da água doce e potável é utilizada para
irrigação. Essa água é obtida tanto dos corpos d’água de superfície (rios e lagos) ,
quanto dos corpos d’água subterrâneos, como lençóis freáticos e aquíferos.

Conheçamos os prós e os contras da irrigação


Prós Contras
Por um lado, permitiu o plantio
Também contribuiu com o
em lugares onde antes era
processo de destruição de
impossível e o aumento da
muitos solos.
produção.

Exercícios
Questão 1 - O que é o centro de origem de uma planta domesticada? Muito bem!
Agora
a) O lugar onde se compra a semente. que você
b) O colo da planta, entre a raiz e o caule. finalizou
esta lição,
c) O lugar onde o seu nome foi inventado. responda
as questões
d) O lugar onde a espécie surgiu por evolução biológica. e depois
registre as
Questão 2 - A variabilidade genética é importante por quê: respostas
nos testes
a) aumenta a produtividade das plantas cultivadas; da sua Aula
b) aumenta o valor comercial das plantas cultivadas; Interativa.

c) permite a escolha de materiais genéticos mais interessantes para


o melhoramento;
d) facilita o desenvolvimento de novos insumos químicos para a
agricultura.

Questão 3 - Como surge a variabilidade genética?


a) Por mutação e reprodução sexual.
b) Pela reprodução vegetativa.
c) Com a criação de clones em viveiro.
d) Com a aplicação de fertilizantes químicos solúveis.

17
Questão 4 - Sobre a irrigação, assinale a alternativa falsa:
a) a irrigação agrícola consome cerca de 70% da água doce no Brasil;
b) a irrigação nunca deve ser usada em sistemas sustentáveis de
produção;
c) a irrigação permitiu o aumento considerável da produtividade;
d) um dos impactos da irrigação é a salinização de solos mal drenados.

Questão 5 - De acordo com os registros arqueológicos, quando a


humanidade começou a desenvolver a agricultura com a domesticação
das plantas?
a) Há cerca de 1.000 anos.
b) Há cerca de 10.000 anos.
c) Há cerca de 300 anos.
d) Há cerca de 50.000 anos.

18
2. HISTÓRIA DA AGRICULTURA NO BRASIL

2.1 A agricultura indígena e a chegada dos europeus


Quando os europeus chegaram ao Brasil, no
início do século XVI, viviam por aqui entre 1 e 10
milhões de habitantes que falavam cerca de 1.300
línguas diferentes. Epidemias, extermínio,
escravização, falta de condições para
sobrevivência e aculturação forçada
provocaram o extermínio deliberado
de vários povos indígenas. Essa perda
étnica levou, e tem levado, à perda
do refinado conhecimento que os
indígenas tinham, e muitos ainda
têm, sobre o funcionamento dos nossos ambientes naturais, sobre as espécies
nativas, seus usos e modos de cultivo.

Segundo Anderson e Posey (1987), a agricultura dos índios kayapó, por


exemplo, acompanha os processos naturais em vez de contrariá-los, como faz a
agricultura dita moderna. Suas técnicas de manejo respeitam as características Condições
microclimáti-
básicas das áreas manejadas e aumentam a diversidade que lhes é própria. cas: condições
Ao plantar, os kayapó parecem imitar a natureza. Quando iniciam uma roça, atmosféricas
de uma área
introduzem um grande número de espécies e variedades. Na aldeia de Gorotire, relativamente
Anderson e Posey (1987) encontraram em média 58 espécies de plantas diferentes pequena que
por roça. Em sua maioria, são representadas por diversas variedades, plantadas diferem da
zona exterior.
em condições microclimáticas bastante específicas. Cultivam pelo menos 17
variedades de mandioca e macaxeira, 33 variedades de batata-doce, inhame e
taioba, distribuindo-as segundo as condições do solo utilizado.

Quando aqui chegou, o colonizador europeu, que veio em busca de


madeira, ouro e especiarias, não compreendeu a riqueza desse conhecimento
e iniciou a ocupação dos territórios indígenas com a derrubada das florestas
nativas (processo que continua em curso até os dias de hoje) e sua substituição
por dois tipos de plantio:

19
- os plantios para suprimento das necessidades do mercado europeu,
principalmente cana-de-açúcar e café – em grandes monocultivos e utilizando a
mão de obra escrava indígena e negra;
Monocultivos:
sistema de - os plantios de grãos, frutas e hortaliças para a alimentação – realizados pelos
exploração
do solo com imigrantes de diversas origens que se estabeleceram principalmente no Sudeste
especialização e Sul do País.
em um só
produto. Esses agricultores estabeleceram aqui a mesma forma de plantio que
Lixiviação: realizavam na Europa e que era adaptada àquele ambiente e não aos solos
quando o
nutriente é e climas tropicais predominantes no Brasil. Um exemplo é o uso do arado. Na
carregado pela Europa a aração é necessária para revolver o solo congelado durante o inverno e
água para regi-
ões profundas acelerar o degelo para o plantio. Aqui a situação era completamente diferente e o
do solo. arado adquiriu nova função, muitas vezes sendo usado só por ser esse o jeito que
Pousio: perío- se sabia fazer, sem pensar se fazia sentido.
do geralmente
de um ano em À medida que a população se expandia e os imigrantes e seus descendentes
que as terras
são deixadas se misturavam com os povos nativos, se espalhava também um tipo de agricultura
sem seme- chamada de “corte e queima”, ou agricultura de “coivara”.
adura, para
repousarem. Nesse tipo de cultivo, uma clareira é aberta na floresta com a derrubada das
árvores. Depois de aproveitar parte da madeira, o resto é queimado. O plantio é,
então, feito na clareira aberta e adubada pelas cinzas. Na queimada, parte dos
nutrientes que existiam na floresta (em troncos, folhas, corpos dos animais, etc.) vai
para a atmosfera, e outra parte fica nas cinzas. É por isso que a cinza traz fertilidade
ao solo, mas é uma fertilidade temporária. Nas cinzas, os nutrientes estão muito
disponíveis, pois as estruturas complexas das quais eles faziam parte (os seres
vivos) desapareceram. Assim, soltos no solo, eles são rapidamente absorvidos pelas
raízes das plantas assim que alguma água de chuva carrega-os para dentro da terra.
As plantas crescem fortes e vigorosas no primeiro e, às vezes, no segundo ano de
plantio. O resto dos nutrientes das cinzas que não foi aproveitado pelas raízes e que
está solto no solo é perdido por erosão e por lixiviação, que é quando o nutriente é
carregado pela água para regiões profundas do solo.

No sistema de coivara ou “corte e queima”, depois que a fertilidade do solo


acaba, entre dois e três anos depois da derrubada da floresta, abandona-se a área
para o pousio e começa-se o processo em outro pedaço da floresta. Enquanto
isso, nas clareiras de plantios antigos, a regeneração natural traz a floresta de
volta. Surge então uma capoeira que vai ficando cada vez mais abundante em
vida até que um novo ciclo de corte e queima aconteça naquele lugar.

20
Esse tipo de sistema de plantio era viável quando as populações humanas eram
pequeníssimas e quando o espaço florestado parecia infinito. O tempo necessário
para voltar ao mesmo lugar e cortar e queimar novamente podia ser muito longo.
Dava tempo de a floresta se recuperar. Nesse ambiente, havia muita diversidade
de plantas e animais, entretanto, com o aumento da população e a diminuição dos
espaços de floresta disponíveis, o ciclo foi ficando cada vez menor a ponto de o tempo
entre um corte e outro da floresta no mesmo lugar não ser suficiente para a floresta
regenerar e quase toda a área ficar convertida em clareiras muito novas. No limite,
planta-se no mesmo lugar todo ano sem deixar a terra repousar.

Restou como herança do sistema de “coivara” o hábito de se limpar e queimar


a terra antes do plantio. Sem o tempo de pousio necessário à recuperação da
floresta, esse hábito perdeu o sentido. Apesar de facilitar o preparo do solo, o
fogo, em regra, tem um efeito devastador sobre o solo, causando degradação da
vida e morte, perda da fertilidade natural, secamento dos cursos d’água e erosão,
prejudicando os agricultores e sua família.

Nós, seres vivos, somos feitos basicamente de água. Quando uma floresta é
queimada, toda a água contida na vida que existia na floresta vira vapor e vai para a
atmosfera. Sem água não há vida. Mesmo que a água volte a cair na forma de chuva,
como o solo passa a ficar exposto e sem matéria orgânica que possa segurá-la, a
água foge. O ambiente vai ficando cada vez mais seco, desértico e hidrofóbico (que
expulsa a água). Somente solos com matéria orgânica são capazes de segurar a água
no sistema de produção de forma eficiente para que as plantas possam utilizá-la no
seu crescimento. A perda de fertilidade do solo e de biodiversidade, ao longo do
tempo, deixa de ser temporária e passa a ser permanente.

É por isso que não se usa o fogo em sistemas de produção sustentáveis.

2.2 A Revolução Verde


Revolução Verde é o nome dado ao processo de industrialização da
agricultura depois da Segunda Guerra Mundial, no início da década de 50.

Do ponto de vista técnico, a Revolução Verde se caracterizou pela introdução,


na agricultura, do seguinte pacote tecnológico: sementes “modernas” ou
geneticamente “melhoradas” em monoculturas, fertilizantes químicos solúveis,
agrotóxicos e mecanização.

21
Vamos conhecer melhor os itens deste pacote tecnológico?

• Sementes “modernas” ou geneticamente “melhoradas”. Com a


industrialização da agricultura, o melhoramento genético das plantas deixou de
ser prerrogativa de agricultores e agricultoras e passou a ser feito pelos cientistas,
principalmente com a produção de híbridos.

Híbridos da 1ª geração Híbridos da geração seguinte

Frequentemente apresentam
maior vigor (tamanho e Resultado do cruzamento
produtividade) do que qualquer entre híbridos.
um dos genitores.
SE PLANTADO
RESULTADO IMEDIATO Dará origem a uma planta
Vertiginoso aumento da muito menos produtiva
produtividade e da produção. e sem as características
benéficas do híbrido.

Os híbridos são produzidos pelo cruzamento entre duas linhagens


endogâmicas (que são linhagens obtidas por várias gerações de autocruzamento:
quando a planta é polinizada por ela mesma).

Esse grão não pode ser usado, portanto,


como semente, sendo necessário adquirir novas
sementes da indústria todos os anos. Além disso,
os híbridos são selecionados para o aumento
da produtividade em detrimento de outras
características, como a resistência a doenças e insetos. Os experimentos para
criação dos híbridos são realizados em condições de uso intensivo de adubos.
Consequentemente, para se beneficiar das vantagens (do vigor) do híbrido,
o agricultor tem que utilizar altas doses de fertilizantes químicos solúveis e de
agrotóxicos. O custo desses insumos, muitas vezes, acaba tirando do bolso do
agricultor as vantagens que seriam obtidas com o aumento da produção.

A adoção dos híbridos em massa pelos agricultores provocou a


uniformização genética das plantas no campo e a perda de inúmeras variedades
locais adaptadas por agricultores e agricultoras ao longo de milhares de anos. Ao

22
perder suas variedades locais, muitos agricultores se tornaram dependentes das
sementes industrializadas. Como essas sementes são altamente dependentes
de adubo e veneno, muitos agricultores, ao perderem a semente própria, se
tornaram também dependentes do uso desses insumos. Daí vem a crença de que
“não dá para produzir sem adubo e veneno”. Vale lembrar, que durante 10.000
anos, os agricultores plantaram sem esses insumos químicos que só surgiram há
cerca de 60 anos!

Os transgênicos constituem a nova geração de sementes


“modernas” ou geneticamente “melhoradas”. Depois de
muitos anos de embate, as empresas que produzem as
sementes transgênicas comemoraram em 2011 o aumento
de 19,3% na área de plantio de transgênicos. Apesar do
discurso ecológico, a realidade que vem sendo observada
é a contaminação de plantios não transgênicos e a perda
de variedades locais com alta variabilidade genética. Um dos
sinais da falta de controle sobre os transgênicos foi o anúncio de que o centro de
origem do milho no México estaria contaminado.

Exercitando o aprendizado...
O grão obtido pelo agricultor no campo na geração seguinte,
resultado do cruzamento entre híbridos, se plantado, dará origem
a uma planta muito mais produtiva e com todas as características
benéficas do híbrido.

( ) Certo ( ) Errado

• Fertilizantes químicos solúveis e agrotóxicos

A amônia, cuja síntese foi descoberta pelo químico alemão Fritz


Haber no início do século passado, pode ser transformada em nitritos e
nitratos, utilizados tanto na produção de fertilizantes nitrogenados quanto
de explosivos e armamentos. Esse composto e seus derivados, como o ácido
nítrico, foram empregados na produção de explosivos como a nitroglicerina
e o trinitrotolueno (TNT), durante a Segunda Guerra Mundial. Na indústria
moderna de fertilizantes, a produção da amônia é a base para a elaboração de
todos os outros fertilizantes nitrogenados.

23
O nitrogênio é um elemento fundamental para o desenvolvimento de
qualquer planta ou animal, pois ele faz parte das moléculas de proteína. Antes
da industrialização da agricultura, o nitrogênio era obtido a partir do esterco dos
animais domésticos e pelo favorecimento da atividade microbiana no solo. As
plantas não conseguem captar o nitrogênio abundante na atmosfera (cerca de
78%) e precisam dos micro-organismos do solo para fazer isso para elas. Com a
industrialização da agricultura por meio da Revolução Verde, o nitrogênio passou
a ser utilizado sob a forma de adubo químico solúvel. Se, por um lado, a adoção
dos adubos químicos solúveis provocou um aumento evidente da produtividade,
por outro, o seu uso abusivo tem gerado uma série de impactos ambientais e
sociais, como a contaminação dos solos e do lençol freático por nitratos e a
pauperização da agricultura familiar devido aos altos custos desses fertilizantes.

• Mecanização

Outra herança da indústria da guerra


aplicada à agricultura foi o desenvolvimento
tecnológico dos tratores, a partir dos tanques
de guerra.

Exercícios
Parabéns!
Agora Questão 1 - Qual alternativa a seguir não faz parte da agricultura
responda as indígena Kayapó?
questões e
registre-as a) Cultivo de dezenas de variedades de mandioca e batata-doce de
nos testes acordo com microclimas específicos.
da sua Aula
Interativa.

24
b) Uso de fertilizantes nitrogenados para acelerar o desenvolvimento
das plantas.
c) Enriquecimento do Cerrado com árvores úteis para alimentação,
fabricação de ferramentas e usos ritualísticos.
d) Inspiração na natureza para compreensão da forma como plantar.

Questão 2 - Que item caracteriza a Revolução Verde?


a) Queimada anual da área de plantio.
b) A reforma agrária como estratégia de reprodução da agricultura
familiar.
c) A diversidade de espécies na área de plantio.
d) Uso de sementes “melhoradas”, mecanização, fertilizantes químicos
e agrotóxicos.

Questão 3 - Qual o efeito do fogo sobre o solo?


a) Aumento da disponibilidade de água para as plantas.
b) Redução da matéria orgânica.
c) Aumento da biodiversidade microbiana.
d) Redução da erosão e lixiviação.

Questão 4 - Os híbridos são utilizados na agricultura industrial porquê:


a) propiciam o aumento da produtividade;
b) reduzem a necessidade do uso de fertilizantes químicos solúveis;
c) são resistentes a pragas e doenças;
d) suas sementes podem ser multiplicadas pelos agricultores diminuindo
a dependência com relação à indústria.

Questão 5 - Os fertilizantes químicos solúveis são utilizados na


agricultura industrial porquê:
a) reduzem a incidência de pragas e doenças;
b) aumentam a biodiversidade dos ecossistemas ao redor;
c) aumentam a produtividade;
d) são fabricados próximos aos locais de plantio.

25
3. A AGRICULTURA NO ESTADO DE GOIÁS

3.1 A história
Durante o ciclo do ouro, cujo apogeu foi entre
1751 e 1778, as tribos indígenas eram numerosas
no território goiano, apesar da passagem repetida
dos bandeirantes durante mais de 100 anos.
Silva e Souza citam 20 tribos diferentes “entre as
nações selvagens habitantes da capitania de Goiás”. Naquela época, as lutas com
os bandeirantes e colonos resultaram no massacre de milhares de indígenas. Os
indígenas remanescentes vivem hoje em três reservas: etnia Avá-Canoeiro (38,5
mil ha), nos Municípios de Minaçu e Colinas do Sul, no norte de Goiás; etnia Karajá
(1.666 mil ha), nos Município de Aruanã, no oeste de Goiás e Etnia Tapuia (1,7 mil
ha), nos Municípios de Rubiataba e Nova América, no noroeste de Goiás.

Até a década de 1970, reservas indígenas e diversas comunidades


quilombolas, onde viviam os calungas (ou Kalungas), descendentes de escravos
fugidos e libertos das minas de ouro, dividiam Goiás com a vegetação de Cerrado
e as áreas de pastagem, a principal atividade rural até essa época. Em algumas
regiões, mais ao sul e sudeste do estado, colonos vindos do sul do País viviam em
comunidades de agricultura familiar diversificada.

GOIÁS DIVIDIDO

Vegetação de Cerrado Áreas de pastagem


A partir da década de 1970, essas comunidades, assim como o bioma do
Cerrado, foram sendo aceleradamente substituídas pela agricultura industrial,
principalmente para o cultivo de soja em larga escala. O governo brasileiro fez

26
investimentos em infraestrutura, pesquisa agronômica e desenvolvimento de
programas de créditos especiais. Todas as áreas do Cerrado foram consideradas
aptas à produção agrícola. Consequentemente, 50,6 milhões de hectares de terras
foram incorporados ao processo produtivo (LABAIG, 1995). A biodiversidade
perdida nesse processo é incalculável.

A produção agropecuária

Segundo os dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab),o


Estado de Goiás colheu, em 2012, 18,6 milhões de toneladas de cereais, fibras e
oleaginosas, consolidando-se como o quarto maior produtor de grãos do País. A
área de soja a ser plantada em Goiás na safra 2012/2013 é estimada em cerca de
2,81 milhões de hectares com produção de 8,43 milhões de toneladas.

Além da soja, as lavouras de maior destaque em Goiás são: milho, arroz,


café, feijão, mandioca, sorgo, tomate, alho, algodão e cana de açúcar. Em 2009,
segundo Carvalho e Marin (2011), havia 33 unidades agroindustriais canavieiras
em funcionamento no estado. A produção de cana-de-açúcar está adentrando
em região de reconhecida importância da agricultura familiar. No entanto, pouco
se sabe acerca das repercussões sociais que esse processo pode desencadear.

A pecuária goiana, altamente expressiva, posiciona o estado entre os


maiores produtores do País. O rebanho bovino, o 4º no ranking brasileiro, é
formado por 21,3 milhões de cabeças, com participação de 10,2% no efetivo
nacional. Desse total, 75% é de bovino de corte, 20% de leite e 5% de aptidão
mista. A bacia leiteira é composta de 60 mil propriedades, que empregam 220 mil
pessoas. A produção goiana gira em torno de 3 bilhões de litros anuais. O estado
ocupa o terceiro lugar no ranking nacional, com 12% da produção brasileira.

27
A agricultura familiar em Goiás

Agricultura orgânica e agroecologia

Na década de 1980, os resultados desastrosos da


Revolução Verde começaram a se revelar sob a forma de
contaminação do solo e dos alimentos. Mostrou-se o efeito
cancerígeno de vários agrotóxicos comumente utilizados
na agricultura e provou-se a longevidade desses produtos
na natureza.

O que aconteceu após isso?

Começou a crescer o movimento em prol de uma agricultura livre de


insumos químicos, a agricultura orgânica. Várias linhas de trabalho e pesquisa
surgiram: a agricultura alternativa, a agricultura natural, a agricultura orgânica, a
agricultura biodinâmica, a agricultura biológica, a agrofloresta, entre outras. Em
comum, essas linhas de trabalho têm como objetivo eliminar os adubos químicos
e agrotóxicos do sistema de produção.

Atualmente, mais de 120 países desenvolvem agricultura de base ecológica,


com crescimento médio da área plantada entre 15% a 20% ao ano. Os maiores
produtores de alimentos orgânicos do mundo são os EUA, o Japão e a Alemanha.
No Brasil, o crescimento anual médio é de 30%.

28
A agricultura orgânica movimentou no mundo, em 2001, cerca de US$ 23,5
bilhões. O “prêmio” dado pelo mercado aos produtos orgânicos varia entre 30%
e 200% com relação aos produtos não orgânicos. Há no mundo atualmente mais
de 11 milhões de hectares cultivados com produtos orgânicos. O Brasil ocupa o
34º lugar no ranking da produção orgânica, com área plantada atual de 100.000
ha e 4.500 produtores e receita de US$ 200 milhões/ano.

A agroecologia consiste em uma proposta alternativa de agricultura


familiar socialmente justa, economicamente viável e ecologicamente sustentável.
A agroecologia agrega conhecimentos de diversas ciências, além dos saberes
populares e tradicionais provenientes das experiências de agricultores
familiares, de comunidades indígenas e camponesas. Segundo Altieri (2004), a
sustentabilidade não é possível sem a preservação da diversidade cultural que
nutre as agriculturas locais (ALTIERI, 2004). Na agroecologia, amplia-se muito
mais a perspectiva da sustentabilidade com a inclusão das dimensões humana,
cultural e econômica.

A Associação Brasileira de Agroecologia, criada em 2004 (http://www.aba-


agroecologia.org.br/), publica a Revista Brasileira de Agroecologia e os
Cadernos de Agroecologia que, assim como o seu site, são uma fonte muito
interessante de informação sobre esse tema.

Exercícios
Questão 1 - Qual o papel do cultivo da cana-de-açúcar no estado Você está
de Goiás? indo muito
bem!
a) Irrelevante. Responda
b) A produção já foi significativa no passado, mas vem diminuindo a as questões
desta
cada ano. lição e
c) Respondeu por 50% da renda obtida no setor rural goiano. registre as
respostas
d) Vem adentrando regiões de reconhecida importância da na sua Aula
Interativa.
agricultura familiar.
Questão 2 - Sobre a pecuária no estado de Goiás:
a) Goiás apresenta o maior rebanho nacional;
b) a maior parte do rebanho é de bovino para produção de leite;

29
c) é responsável pela produção de 3 bilhões de litros anuais de leite;
d) é responsável pela sobrevivência da agricultura familiar.

Questão 3 - Qual foi o motivo que levou os bandeirantes a explorarem


o território de Goiás?
a) A busca por madeira e ouro.
b) O desejo de estabelecerem comunidades rurais sustentáveis.
c) Alavancar a pecuária de corte.
d) Fortalecer a agricultura indígena e difundir os seus conhecimentos.

Questão 4 - Quando os bandeirantes chegaram à região onde hoje é


o Estado de Goiás encontraram:
a) terras nunca antes habitadas por seres humanos;
b) uma agroindústria canavieira em franca expansão;
c) uma agricultura dinâmica e desenvolvida;
d) áreas intocadas de Cerrado.

Questão 5 - Assinale o item que contém somente cultivos de


importância econômica para Goiás:
a) algodão em caroço, laranja e c) soja, milho e café;
cacau; d) feijão, banana e especiarias.
b) café, seringueira e gergelim;

30
BASE CONCEITUAL

1. ECOFISIOLOGIA DAS PLANTAS NAS


REGIÕES TROPICAIS

1.1 Como a planta forma as substâncias orgânicas?


As plantas são compostas por inúmeras células em que cada uma é
verdadeira “fonte” de substâncias orgânicas. O diferencial de várias dessas células
vegetais é a maravilhosa capacidade de transformar energia pura, a luz, em
matéria aproveitável por ela mesma e por outros organismos, tornando as plantas
a base de toda a vida no planeta. Para isso, as células vegetais necessitam de:

1. uma fonte de energia, neste caso o sol, ou seja, a luz solar;

2. água;

3. elementos simples como carbono (C), que ela capta do ar, hidrogênio
(H), que ela retira da água e oxigênio (O), que ela retira tanto do ar do solo e do
ar atmosférico quanto da água. Estes três elementos são a base para todas as
substâncias orgânicas como os açúcares, amidos, celulose e outros. Temos ainda
o nitrogênio (N), que os micro-organismos do solo retiram do ar, indispensável
para a formação das proteínas, e os nutrientes minerais que a planta retira do
solo, como o fósforo (P), o cálcio (Ca), magnésio (Mg), etc;

4. biocatalisadores para apressar a forma-


ção das substâncias. São também chamados de
“enzimas”. Para que possam funcionar, precisam
de ativadores, como o potássio (K) ou micronu-
trientes. Diz-se “micro” porque são necessários
somente em quantidades mínimas para o bom
funcionamento do metabolismo vegetal. São
eles especialmente: ferro (Fe), zinco (Zn), co-

31
bre (Cu) e boro (B). O magnésio, mesmo sem ser micronutriente, também atua
como ativador de enzimas. O magnésio e o ferro são indispensáveis à formação
da clorofila, que dá às plantas a cor verde e é responsável pela captação da ener-
gia do sol.

Como a planta obtém energia?

Com poucas exceções, o início da vida de uma planta se dá a partir de reservas


que a semente possui, daí a importância das sementes serem bem formadas e
nutridas. A planta forma as primeiras raízes e folhas ainda com as reservas da
semente, absorve água e inicia a fotossíntese. Para tanto, ela utiliza aberturas em
suas folhas, chamadas de estômatos, pelos quais sai a água transpirada e entra o
gás carbônico (CO2).

Com este gás carbônico, energia da


luz e água, a planta forma os primeiros
açúcares, como a glicose, o açúcar mais
comum. A planta decompõe, em parte,
a glicose para obter energia; outra parte
ela utiliza para formar substâncias mais
complexas, como as proteínas.

Quando a planta dispõe de suficiente oxigênio (O2) no solo, seu metabolismo se


dá de maneira ótima, e a planta recebe muita energia por cada molécula de glicose,
mas quando falta oxigênio no solo, ela fermenta esta glicose para obter energia.
Neste caso, pode acontecer de a planta receber 33 VEZES MENOS ENERGIA! Vemos
assim que o uso eficiente das substâncias produzidas pela fotossíntese depende da
presença de oxigênio suficiente no solo. Mais adiante voltaremos a falar sobre isso.

32
O processo pelo qual a planta decompõe os produtos da fotossíntese para
gerar energia é chamado de “respiração”.

A absorção de água pela planta

As plantas podem obter água por dois caminhos. Um é o caminho passivo ou


físico: a perda de água para o ar causa uma falta na folha, que se chama de “pressão
negativa” ou “tensão”. Essa pressão negativa ou tensão é a força de sucção com
que parte da água do solo entra na planta. A força de absorção física da água
depende da temperatura e da umidade relativa do ar. Quanto maior a temperatura
e menor a umidade relativa, tanto maior será a força de sucção da raiz.

Nos climas tropical e subtropical, com altas temperaturas, e em algumas


regiões, como no Centro-Oeste do Brasil, que tem longos períodos de estiagem,
esse processo precisa ser regulado e as plantas necessitam fechar seus estômatos,
por onde passam 90% da transpiração, para não desidratarem. Quando fecham
os estômatos, não há força suficiente para a absorção. Assim, nos trópicos, as
plantas absorvem boa parte da água pelo outro caminho de absorção, o caminho
ativo, fisiológico, ou seja, a pressão osmótica da raiz. Isso quer dizer que a
planta tem que criar energia de absorção. A pressão osmótica da raiz depende,
principalmente, do metabolismo vegetal, pois ele é quem fornece a energia de
absorção. Os vegetais são capazes de bombear água até 60 metros de altura por
pressão osmótica da raiz.

Osmose é a passagem de água de um meio menos concentrado, com menos


substâncias dissolvidas e mais água, para um meio mais concentrado, com mais
substâncias dissolvidas e menos água, por uma membrana semipermeável, como
a membrana das células. Dissolvidas:
soluto.
Em outras palavras, as células que estão cheias de nutrientes ficam tão Água:
densas que “chupam” a água ao redor para ficarem em equilíbrio. Portanto, uma solvente.
célula bem nutrida tem capacidade de se apoderar da água com muito mais força
do que uma célula mal nutrida. A planta mal nutrida sofre de seca muito antes do
que a planta bem nutrida.

Podemos perguntar: quando uma planta é bem nutrida?

Muitos responderão: quando houver o suficiente em nutrientes à disposição


no solo e quando forem absorvidos pela planta. Isso, infelizmente, não é o
suficiente. A planta somente é bem nutrida quando for capaz de metabolizar em

33
pouco tempo os nutrientes absorvidos! E essa metabolização deve chegar aos
produtos finais, mais complexos, como as proteínas e não parar nos aminoácidos
(estruturas menores que compõem as proteínas). A pressão osmótica da raiz
depende, principalmente, dos carboidratos acumulados nelas. Assim, além da
metabolização eficiente, a planta necessita de que os produtos do metabolismo
sejam transportados à raiz. Nesse transporte age especialmente o micronutriente
boro. Quando houver deficiência em boro, a raiz sempre será desprovida de
carboidratos. Por essa razão, uma adubação química simples (NPK), diferentemente
do que dizem muitos vendedores de adubo, não garante boas colheitas.
NPK:
Nitrogênio Da mesma maneira, sementes ricas em nutrientes germinam melhor. Isso
(N), Fósforo porque as sementes conseguem absorver, por meios físicos, somente uma parte
(P) e Potássio
(K) da água necessária para sua germinação. Existe um ponto a partir do qual a
absorção deve ocorrer pela osmose.

Em grãos muito deficientes em carboidratos, como os de milho chocho,


frouxos no sabugo, a germinação demora muito mais tempo, pela dificuldade da
planta em absorver água. Isso aumenta a possibilidade de ataque por fungos que
matam a semente. Acredita-se que o que deve ser feito para “proteger” as sementes
dos fungos é aplicar agrotóxicos. Essa ideia é fruto do desconhecimento de como
funciona a fisiologia da semente porque o uso de agrotóxicos não irá ajudá-las
a absorver água em solos compactados. Isso vale tanto para semente em grãos
quanto para estacas. Por esse motivo, é importante guardar para semente sempre
a melhor espiga de milho: a maior, a mais granada e mais bonita. Comumente, o
melhor grão vai para a panela ou para o mercado. Isso é um erro que deve ser
evitado. Somente o melhor pode servir de semente!

1.2 Fatores importantes para um solo produtivo


A temperatura e a produção vegetal

No clima tropical, as culturas podem sofrer com o efeito das temperaturas


elevadas quando existir, ao mesmo tempo, a dificuldade de absorção de água.
Esse efeito raramente ocorre em solos recém-plantados após a derrubada da
floresta. Isso acontece mais frequentemente em solos cultivados por muitos anos
sob a agricultura convencional e em pastagens mal tratadas.

34
Pense e reflita!
Mas por que isso ocorre?
Que características a vegetação original, a floresta, tem que permite
ao solo manter sua água e que se torna ausente na agropecuária
convencional?
Porque a floresta é capaz de produzir tanto em madeira, folhas, frutos
e animais quando comparado com a produção agropastoril?
Quais fatores criam este ambiente extremamente favorável ao
crescimento florestal?

FLORESTAS: MODELO PERFEITO DE PRODUÇÃO


As florestas são capazes de manter, aumentar
e regenerar sua produção sem nenhuma adição
de fertilizantes vindos de fora de seu sistema.
Nelas não existem surtos de pragas ou doenças
que a devastem mesmo sem aplicação de
agrotóxicos. Muitos animais se beneficiam de
uma mesma área e nela centenas de vegetais convivem harmonicamente. Seu solo
mantém ou melhora suas características ano após ano, sem necessidade de máquinas
ou ferramentas. Ao observar as florestas e os ambientes naturais do local em que
vivemos com vontade de aprender, podemos retirar ensinamentos preciosos para
uma produção agropecuária mais eficiente, limpa, saudável, barata e gratificante.
Partindo da observação dos ambientes naturais e da regeneração das florestas,
nasceu a agricultura, e a maioria das espécies vegetais e dos animais que manejamos
para produção de alimentos vem, originalmente, de ambientes florestais!

Qual a influência da temperatura sobre o desenvolvimento das plantas?


1. Aumenta a respiração vegetal. Isso significa que aumenta o metabolismo
o que, por sua vez, significa maior gasto de energia que pode gerar maior
produção, assim como ocorre nas matas.
2. Aumenta o crescimento das raízes. Isso acontece quando o solo não está
compactado.

35
3. Aumenta a transpiração e o gasto de água, dependendo assim de um
solo com boa capacidade de armazenamento de água.
4. Pode diminuir a fotossíntese, uma vez que, em altas temperaturas, os
estômatos se fecham para impedir a saída da água. Quando os estômatos estão
fechados, diminui também a entrada de gás carbônico.

Portanto, em solos compactados, onde a raiz tem dificuldade de crescer (e


com isso tem dificuldade de absorver água) e quando as plantas estão nutridas
de maneira incompleta, durante o calor do dia, a fotossíntese será muito reduzida.
Nessa situação, o vegetal gastará os produtos da fotossíntese e o crescimento
será lento. Em estados avançados, o murchamento é irrecuperável.

Cada hora que falta na fotossíntese faltará na produção de substâncias


vegetais. O desafio então é equilibrar a fotossíntese com a respiração!

O efeito benéfico da temperatura elevada, ou seja, o equilíbrio entre


respiração e fotossíntese depende:
1. da proteção contra um superaquecimento do solo e do ar. Esta proteção
do solo pode ser feita com seu sombreamento, seja por cobertura vegetal densa,
seja por cobertura morta. O superaquecimento do ar pode ser evitado com a
conservação ou plantio em áreas suficientemente grandes e bem distribuídas de
florestas pela propriedade;
2. de quantidades suficientes de água à disposição das plantas, o que
depende de um solo com boa estrutura e, por vezes, de irrigação;
3. de quantidade suficiente de ar no solo, o que depende da estrutura
grumosa do solo e da proteção destes grumos;
4. de nutrientes em quantidade certa à disposição das plantas. A
disponibilidade de nutrientes diminui quando forem poucos ou quando existirem
em concentrações muito elevadas, por adubações químicas frequentes.

As técnicas na agricultura tropical devem ser adaptadas a essas exigências.

36
1.3 O abastecimento da planta com água
Geralmente se acredita que o abastecimento da
planta com água depende somente de haver muita
chuva ou irrigação. É certo que este abastecimento
depende de quantidades suficientes no solo, mas sua
disponibilidade para as plantas não depende somente
de chuva ou irrigação.

Para que haja água disponível no solo, é


necessário que a água, antes de tudo, possa infiltrar no
solo, ou seja, penetrar nas camadas mais profundas do
solo. Além de existir a água, é necessário que a planta seja capaz de absorver esta
água. E isso depende da estrutura do solo. A água útil é aquela que se encontra nos
poros médios do solo, que não deixam a água descer, mas que a planta consegue
retirar do solo com facilidade. Nos solos do Cerrado, geralmente ricos em argilas,
a textura pode ser tão fina, retendo a água com tanta força, que planta nenhuma
consegue retirá-la do solo. A natureza sabe resolver este problema, formando
agregados com as argilas e formando grumos. O mais importante nesses grumos
é que sejam estáveis à água e não se desagreguem quando a primeira gota de
chuva cair.

Quem estabiliza esses grumos é a vida do


solo, como minhocas e também centenas de tipos
de bactérias benéficas que produzem substâncias
que grudam essas argilas. Por isso, para que a
vida no solo prospere, é indispensável a cobertura
permanente do solo, seja por cobertura vegetal, seja por cobertura morta.

A falta de água ocorre tanto pela falta de absorção quanto pelo gasto
excessivo. A quantidade de água gasta por uma planta varia muito segundo sua
nutrição, espécie e incidência de vento. Diversos testes verificam que o gasto de
água é maior em plantas mal nutridas. Deve ser ressaltado que a planta pode ser
bem nutrida em solo adubado, ou em solo mais pobre, quando puder expandir
suas raízes e explorar grande volume de solo.

37
Assim nas zonas subúmidas, como é o caso do Cerrado, é importante:
1. escolher culturas e variedades que produzam mais com menor quantidade de
água;
2. nutrir a planta de tal maneira que gaste o mínimo de água. Na maior parte das
culturas, uma boa nutrição inclui, além de calagem e adubação (quando for o caso),
uma estrutura granular do solo que facilite o enraizamento;
3. proteger a cultura de uma transpiração excessiva, baixando a
incidência de ventos pelo plantio de quebra-ventos e pela manutenção
ou recuperação de áreas florestadas.

Exercícios
Viu como Questão 1 - Qual a característica das plantas que as faz ser
você consideradas a base da vida no planeta?
consegue?
Registre a) Estar nas terras e nos mares.
suas
respostas b) Oferecer sombra, abrigo e alimento para os animais.
na Aula
c) Purificar a água.
Interativa.
d) Transformar a energia do sol em matéria útil para muitos tipos
de organismos.

Questão 2 - Qual das afirmações não está correta:


a) a fotossíntese é a reação realizada por células vegetais em que
elementos simples e energia do sol, com auxílio de enzimas, são
combinados para formar substâncias, como açúcares, proteínas e gorduras;
b) alguns dos elemento simples usados pelas plantas na fotossíntese
são carbono (C), hidrogênio (H), oxigênio (O) e nitrogênio (N);
c) enzimas servem para desacelerar as reações que acontecem nas
plantas, já que estas ocorrem rápido demais sem elas;
d) enzimas necessitam de ativadores como potássio e magnésio ou
de micronutrientes.

38
Questão 3 - A planta recebe o máximo de energia do açúcar
glicose quando:
a) tiver muita luz do sol;
b) existir suficiente oxigênio no solo;
c) existir muito adubo no solo;
d) tiver pouca competição com outras plantas.

Questão 4 - Escolha a alternativa certa:


a) as plantas sempre foram terrestres;
b) as plantas não necessitam de vasos para conduzirem a sua seiva;
c) a água compõe uma pequena parte das plantas em geral;
d) as absorção e perda de água pelas plantas são importantes para o
meio ambiente.

Questão 5 - Para absorção de água pela planta, é necessário:


a) a planta estar bem nutrida;
b) seus estômatos permanecerem fechados o máximo de tempo
possível;
c) um metabolismo fraco da planta;
d) uma boa adubação com NPK.

39
2. RESPIRAÇÃO PELAS PLANTAS E
DESENVOLVIMENTO DA RAIZ

2.1 A diminuição da respiração pelas plantas


O que mais estimula a respiração das plantas no
Cerrado é a temperatura. Uma paisagem com 40% da
área florestada raramente ultrapassa 30˚C, mas não
somente a temperatura do ar é importante, a do solo,
por vezes, é mais decisiva.

A temperatura do solo pode ser mantida a 24˚C, a temperatura ideal:


1) cobrindo o solo com cobertura morta;
2) conseguindo um sombreamento do solo por menor espaçamento da cultura,
ou melhor, com a consorciação de culturas;
3) quebra-ventos, isto é, faixas de árvores plantadas, que diminuem a velocidade
do vento, conservando mais a umidade do solo e mantendo-o mais fresco.

As capinas, que mantém “limpos” os campos de milho, feijão, mandioca,


etc. aumentam a respiração porque aumentam a insolação do solo, causando
Capinas: seu maior aquecimento. Ferem igualmente as raízes superficiais, o que contribui
ato ou efeito para o aumento da respiração. Não é raro, após a capina, os agricultores e
de capinar;
capinação; agricultoras observarem uma parada no crescimento das plantas, o que atribuem
carpa; ao “afrouxamento” das plantas.
mondadura.
Nematoi- Já sabemos que a capina é prejudicial e causa o ferimento das raízes.
des: vermes.
Entretanto, não somente o ferimento das raízes por capina é prejudicial.
O mesmo acontece quando são atacadas por nematoides, insetos ou micro-
organismos. A morte da planta por falta de água e respiração excessiva está próxima.

40
A saúde das raízes é um dos pontos mais importantes na agricultura tropical!

E para evitar isso, existem os caminhos:


1. nutrição completa e equilibrada;
2. restituição constante da matéria orgânica ao solo, mantendo-o
completamente coberto o tempo todo. Falaremos mais disso adiante;
3. a rotação e/ou sucessão de culturas que, pela diversidade de organismos
que as acompanham, regulam nematoides, bactérias e insetos.

Solos sem ar também provocam um aumento da respiração. Por falta de


oxigênio a planta inicia outro tipo de respiração chamada respiração fermentativa.
Nesse tipo de respiração, a planta produz muito menos energia.

Com isso, o que acontece?

Isso provoca a necessidade de acelerar a respiração ainda mais, gastando


rapidamente os produtos acumulados. O crescimento se torna lento e fraco. As
proteínas, que são formadas pelos aminoácidos, não se formam completamente
e os aminoácidos ficam livres nas plantas.

2.2 A raiz
Na agricultura, não se pergunta que planta melhor se desenvolveria
espontaneamente no terreno. Impõe-se uma determinada cultura, “defendendo-a”
com todos os meios contra a vegetação nativa, que sempre voltará a ocupar o campo
que lhe é próprio. Os que são nativos acabam sendo chamados de “invasores”.

Portanto, pergunta-se: qual a serventia da raiz? Você sabe?

Reflita um pouco!

A raiz serve para ancorar a planta no solo, para absorver água e nutrientes,
para produzir parte dos aminoácidos, para acumular substâncias produzidas
Mutualística:
e para excretar (eliminar, expulsar para fora da planta) o que não serve mais à é a relação
planta, mas que serve ao sustento da microvida que vive próxima às raízes. Essa em que os
microvida, composta por fungos e bactérias, é que digere a matéria orgânica, dois seres se
beneficiam,
disponibilizando os nutrientes para as raízes. Trata-se de uma relação benéfica e se ajudam;
mutualística entre raízes e microvida na qual ambos saem ganhando. os dois saem
ganhando.

41
A raiz não consegue absorver em toda sua superfície,
ou, pelo menos, muito pouco. O local principal de absorção está
logo após a ponta das raízes novas e finas, as radículas, na zona
onde já se formaram pelos, e onde a casca não está endurecida.
Isso significa que a raiz tem que formar permanentemente
pontas novas. A absorção intensa somente ocorre enquanto
a raiz cresce. Essa é a razão por que há morte e renovação
permanente das raízes, o que enriquece o solo com a matéria
orgânica. A raiz pode crescer, formando uma densa cabeleira
em local reduzido, como ocorre em solos chamados ricos,
ou se estender muito, nos chamados pobres, em busca de
nutrientes. Verifica-se que uma massa enorme de raízes se
destina a sustentar uma área, relativamente pequena, de
folhas. A extração paciente de uma planta de alho mostra
esta relação, como vemos na primeira figura.

Quando a raiz tem seu desenvolvimento livre, duplicando seu comprimento,


o espaço explorado pode ser até oito vezes maior. Quando a planta explora um
volume maior de solo, fica mais bem nutrida e abastecida com água. A segunda
figura demonstra esse efeito. Dobrando seu comprimento, a planta recebe oito
vezes mais água e nutrientes do que com metade de seu tamanho.

Pense e reflita!
Você sabe o que pode acontecer caso haja qualquer impedimento
ao livre desenvolvimento da raiz?

Qualquer impedimento ao livre desenvolvimento da raiz representa uma


diminuição considerável da produção vegetal.

O maior problema dos solos agrícolas é que, depois que é usado por algum
tempo pela agricultura convencional, estes perdem sua estrutura favorável,
ficando densos, compactados, devido à perda de seus grumos. As condições
normalmente encontradas em um solo agrícola são:
1. uma crosta dura superficial, que impede a infiltração da água, provocando
seu escorrimento e erosão;
2. uma camada solta logo abaixo, com cerca de 10 cm de espessura;

42
3. abaixo dessa camada solta, encontra-se uma camada adensada, cuja
espessura varia entre 6 cm e 15cm e com densidades diferentes, geralmente
constituindo uma barreira de efeito variável à penetração das raízes.

Essa situação significa que o solo, exposto ao ar e à chuva forte dos trópicos,
não resistiu ao impacto da chuva, desmanchando seus grumos. Quando isso
acontece, a parte fina é levada para as camadas mais profundas do solo, formando
os adensamentos. Na maioria dos solos “velhos” de cultura, a raiz fica restrita à
camada superficial, sofrendo de temperaturas extremas.

Quanto mais alta e densa a cobertura do


solo por matéria orgânica (folhas, galhos, troncos
cortados e dispostos sobre o solo), tanto menor a
radiação solar que o alcança. Quanto maior o calor
que alcança o solo, tanto mais prejudicial à raiz, que
não consegue se desenvolver na camada superior
do solo por absoluta falta de água.

Na figura, esquematizou-se o efeito de uma


crosta superficial no desenvolvimento das raízes. Essa crosta impede a infiltração
de água, mas é boa condutora de calor, de modo que cria uma camada de
aproximadamente 5 cm dura, seca e quente. Aqui a raiz não consegue formar
radículas. Segue uma camada fofa, bem enraizada, onde existe quantidade
suficiente de água para enraizar, e abaixo se encontra uma camada adensada,
Radículas:
barrando o desenvolvimento normal das raízes. pequenas
raízes.
Capinas e herbicidas, que mantêm o solo “limpo” de ervas indesejadas,
aumentam o efeito de seca e calor nesta camada.

Em um solo grumoso, o calor superficial faz que a


água suba, mantendo sua temperatura estável. Em solo
adensado, onde a infiltração é pouca, a seca é total e o
aquecimento se torna muito forte, como na figura.

É por isso que pode existir um aspecto desértico em


zonas com muitas chuvas, porém com solos encrostados
e adensados, de modo que não é sempre o clima que
provoca a falta de água e sim o manejo do solo!

43
Quando, porém o desenvolvimento radicular permanece superficial por
adensamentos, o aspecto é o outro, como mostra a próxima figura.

Embora existam máquinas


capazes de pulverizar o solo para
preparar o campo para semeadura,
esta “pulverização” dura pouco e
a primeira chuva forte já encrosta
a superfície. A restrição do espaço
enraizado significa restrição de água
e nutrientes à disposição. E esta
situação piora com o tempo, ou seja,
à medida em que as chuvas destroem
os grumos superficiais, as partículas
finas se sedimentam, formando uma
camada dura que “cresce” de baixo para cima.

As raízes nunca penetram em um solo adensado e seco e uma irrigação nem


sempre consegue molhar o solo profundamente. Todos conhecem as plantas
fracas que crescem onde as máquinas manobram, mesmo recebendo a mesma
irrigação e adubação.

O adensamento e o encrostamento do solo não prejudicam somente o


desenvolvimento das raízes, mas igualmente a germinação de plantas novas.
Estas, em solos sem estrutura grumosa, muitas vezes não conseguem romper a
compactação que a primeira chuva formou, e a falha na germinação nem sempre
é devida à má qualidade da semente, mas frequentemente à má condição do solo.

Podemos compreender com isso que uma bioestrutura mais favorável e


profunda é uma compensação para a relativa pobreza em nutrientes do solo
tropical. A planta explora assim um espaço de solo maior, podendo por vezes
penetrar suas raízes até o nível das águas subterrâneas, isto é, dos lençóis freáticos.
Assim, poderá obter quantidades iguais ou superiores de água e nutrientes que
as obtidas pela planta em solos com maior concentração de nutrientes, porém
mais rasos e com bioestrutura menos favorável. A vantagem está no fato de
poder absorver água e nutrientes mesmo quando a pressão osmótica da raiz for
fraca, o que ocorre facilmente em clima quente.

44
Exercícios
Muito
Questão 1 - Os efeitos benéficos de temperaturas elevadas nas bem! Mais
plantas dependem: uma lição
finalizada.
a) de água suficiente disponível para as plantas e de uma respiração Registre
suas
econômica; respostas
b) de uma capina bem feita, livrando o solo dos matos; na Aula
Interativa.
c) de adubação química constante;
d) de gradação pesada e aragem para deixar o solo “soltinho”.

Questão 2 - Escolha a alternativa correta:


a) devemos irrigar até o ponto de escorrimento da água, assim
sabemos que a planta está recebendo o máximo em água;
b) o vento não interfere em nada no abastecimento da planta com água;
c) solos com grumos que se desfazem quando apertamos, ou quando
caem as chuvas, são os melhores;
d) minhocas e bactérias são importantes para que a planta absorva água.

Questão 3 - Escolha a alternativa certa:


a) quanto mais a planta respirar, mais ela irá produzir;
b) só a temperatura do ar é importante para uma boa produção;
c) sombrear o solo, seja com cobertura morta, seja com cobertura
vegetal densa, melhora a produção;
d) é importante “afrouxar” um pouco as plantas na capina, para o sol
chegar até o “pé” das plantas.

Questão 4 - A saúde das raízes é certamente um dos pontos mais


importantes para a agricultura. Para que as raízes sejam saudáveis
necessitamos:
a) de constantemente repor a matéria orgânica do solo, fazer uma
adubação completa e equilibrada e fazer rotação e/ou consorciação
das culturas;

45
b) aplicar regulamente os herbicidas recomendados para
agropecuária;
c) ter atenção com qualquer inseto, buscando rapidamente aplicar
um defensivo quando desconfiar de problemas;
d) aplicar calcário no solo anualmente.

Questão 5 - Lembrando-se do que foi apresentado sobre as raízes,


escolha a alternativa errada:
a) as raízes excretam o que não serve mais à planta o que, infelizmente,
atrai muitas pragas e doenças;
b) as raízes ancoram as plantas no solo e absorvem água e nutrientes;
c) a maior parte da absorção realizada pelas raízes acontece nas
radículas;
d) as raízes podem produzir substâncias importantes para as plantas.

46
3. A MATÉRIA ORGÂNICA E A VIDA NO SOLO

3.1. A matéria orgânica no solo: importância e manejo


Sabemos que a matéria orgânica é indispensável para a manutenção dos
seres vivos do solo. E não há dúvida de que a bioestrutura e toda produtividade
do solo se baseiam na presença de matéria orgânica em decomposição ou
transformada em húmus.

Mas o que é matéria orgânica?


Húmus: par-
Matéria orgânica é substância morta no solo, quer venha de plantas, te superior do
solo caracte-
micro-organismos, adubos animais, corpos de seres que andavam dentro e rizada pela
sobre o solo. presença
de grande
quantidade
Raízes vivas não são matérias orgânicas, como também os animais vivos não são de matérias
de origem
matérias orgânicas. E não somente o húmus é matéria orgânica e nem toda matéria orgânica,
orgânica é húmus. predomi-
nantemente
vegetal,
Os benefícios da matéria orgânica em decomposição e do húmus decompostas
ou em de-
Já está constatado que a adubação química, por mais completa que seja, composição.
nunca consegue manter ou incrementar a produtividade do solo sem que exista
o retorno constante e eficiente da matéria orgânica.

A matéria orgânica fornece:


1. substâncias que agregam o solo, tornando-o grumoso, com bioestrutura
estável à chuva e protegendo-o da erosão;
2. aumento na capacidade do solo em armazenar água, diminuindo os
efeitos das secas;
3. aumento da população de minhocas, besouros, fungos benéficos,
bactérias benéficas e vários organismos que ajudam a produção;
4. fonte de carbono aos microorganismos de vida livre que fixam o
nitrogênio do ar, possibilitando assim que o nitrogênio fique no solo;
5. possibilidade de vida para os microorganismos que produzem substâncias
de crescimento com efeitos muito positivos sobre o desenvolvimento dos vegetais;

47
6. alimento aos organismos ativos na decomposição, produzindo
antibióticos que protegem as plantas de doenças.

Quanto mais a matéria orgânica for humificada maiores os benefícios que


ela traz ao solo:
Humuficada:
o solo 1. aumento da capacidade de troca de elementos químicos do solo;
fica assim
quando é
2. aumento do poder tampão, ou seja, a resistência contra modificações
transformado bruscas do pH, que é especialmente importante em terras com calagem e
pelos
organismos
quimicamente adubadas;
como 3. aumento da capacidade do solo em fornecer fósforo às raízes das plantas.
minhocas,
opiliões,
Sabe-se que, com o cultivo e pela aração do solo,
tatuzinhos de
jardim e larvas diminui a quantidade de húmus existente no solo.
de besouros
entre outros. O caboclo percebe isso quando diz: “Acabou a gordura
Calagem: da terra!”.
aplicação de
calcário. Em cultivos rotativos a perda é menor, uma vez que
Cultivos o rodízio tem por fim alternar plantas que consomem muito húmus, como
Sucessionais:
cultivos batatinha, mandioca, e feijão preto, com plantas recuperadoras, como forrageiras,
com alta milho, milheto, leguminosas forrageiras, e todas as culturas que deixam grandes
diversidade
de espécies,
quantidades de restos orgânicos no campo.
imitando a
floresta, onde Em cultivos sucessionais não encontramos esse problema, já que uma
cada planta cultura sempre deixa seus restos para cultura que vem a seguir e a quantidade de
tem um
ciclo de vida matéria orgânica produzida aumenta com o tempo, devido ao porte crescente
diferente. das plantas que dominam a plantação. Esse efeito é ainda maior com o manejo
Consórcio constante, que retira das plantas o que não lhes é mais útil, por meio de podas e
de Cultura:
acontece
capinas seletivas, e repõe o material no solo.
quando o
agricultor Uma cultura capinada a “limpo” deixa menos restos que um consórcio de
utiliza a cultura. No consórcio, há um sistema de enraizamento composto pelas culturas
mesma área
de plantio associadas. A cultura consorciada, quando colhida, deixa dentro do solo, nas
para duas ou entrelinhas, a matéria orgânica que resulta da morte e da renovação das suas raízes.
mais culturas/
espécies. Vamos entender o processo da palhada...

Diz-se que a palhada diminui o nitrogênio do solo, porém isso só ocorre


quando a palhada é enterrada. Palha na superfície, como cobertura morta ou
palha superficialmente incorporada (até 8 cm de profundidade) não diminui o

48
nitrogênio disponível para o crescimento das plantas.
É ideal esperar uma chuva forte após a aplicação da
palhada no campo antes da semeadura, para lavar
quaisquer substâncias indesejáveis que a palhada possa
conter devido à sua decomposição. Para apressar a
decomposição benéfica da palhada, quando se trata de
solos ácidos, como é a maioria dos solos do Cerrado, é interessante a aplicação
de um fosfato cálcico, especialmente termofosfatos, pois esses avivam bactérias
importantes.

O acolchoamento do solo com palhada não somente beneficia a microvida


e a estrutura do solo, mas, igualmente, provou ser um dos métodos mais podero-
sos de combate à erosão.

3.2 A vida do solo: entendendo o surgimento de


“pragas” e doenças e como evitá-las

Quase ninguém se dá conta de que bilhões de seres vivos povoam cada metro
quadrado de solo. Uma parte é composta por seres tão pequenos que somente
poderiam ser vistos com o auxílio de um microscópio (microvida). Outra parte é
visível a olho nu, mas ainda de tamanho tão pequeno que só podem ser vistos com
uma observação muito atenta (mesovida). Outra parte tem tamanho maior, como
as minhocas, centopeias e vários insetos (macrovida). Geralmente ninguém liga
para a vida do solo até que algo se torne identificado como uma “praga”. Ademais,

49
raramente alguém se pergunta o porquê de terem se tornado uma “praga”.
Simplesmente, combate-os com inseticidas de alta toxicidade, muitos já proibidos
em diversos países que se preocupam com sua população e seu ambiente.

Você sabe qual o real perigo dos agrotóxicos?

O maior perigo dos agrotóxicos é que os seres que se quer matar se tornam
resistentes, levando à produção de fórmulas cada vez mais tóxicas. A agricultura
se torna cada vez mais difícil, mais arriscada, mais cara e mais desastrosa, pondo
em risco todo o meio ambiente e, com isso, a sobrevivência dos seres humanos.
Apesar de todo o progresso tecnológico, o ser humano é e sempre será somente
parte da natureza!

Pense e reflita!
Reflita sobre as seguintes perguntas.

Mas o que aconteceu? Por que “pragas” e “pestes” têm se apresentado


com maior frequência? Por que os estragos aumentam a cada ano?

Se animais e micro-organismos se tornam “pragas”, há uma razão muito séria


para que isso aconteça. E a razão é que o ser humano, ignorando a existência de equi-
líbrios muito delicados que organizam toda a vida no planeta Terra, interferiu nesses
equilíbrios de maneira muito infeliz, e agora está colhendo os resultados da sua ação.

A luta contra a natureza é, portanto, a luta do ser humano contra si mesmo!

Os seres vivos no solo fazem parte dele, modificando-o e influenciando-se


mutuamente. O solo é formado por sua vida e a vida é típica às características
específicas do solo. O que quer dizer que o solo faz a vida que existe no solo e
essa vida faz o solo!

50
Apesar de o Brasil ser um dos maiores exportadores de minhocas do mundo,
não é tarefa fácil encontrar minhocas nas terras trabalhadas, porque estas não
suportam o calor da insolação direta e das queimadas. As queimadas, a lavração,
as capinas, o uso de adubos com amônia, os agrotóxicos, a exposição constante
do solo ao sol, fazem que desapareça a maioria da vida do solo. Porém, minhocas
e seres benéficos aparecem espontaneamente em solos cobertos, onde existe
um mínimo de cálcio e fósforo.

As minhocas melhoram substancialmente a produtividade do solo. Elas são


capazes de transportar para a superfície a argila que foi levada para as camadas
mais profundas melhorando a textura do solo superficial. As galerias construídas
pelas minhocas e outros animais, como larvas de insetos, insetos, e outros servem
à penetração das raízes, à infiltração de água e à circulação do ar. A atividade dos
animais não pode ser separada da atividade dos micro-organismos do solo, já
que muitas vezes os animais criam as condições necessárias para a microvida. Por
outro lado, as enzimas excretadas por minhocas, nematoides que se alimentam
da matéria orgânica morta (sim, existem nematoides benéficos), larvas de insetos,
etc. estimulam o crescimento das plantas. Por exemplo, enzimas de minhocas
estimulam o crescimento da soja. Já que as plantas não mastigam nem digerem
materiais, alguém tem que fazer isso por elas, e a micro, meso e macrovida do
solo são indispensáveis para esta tarefa.

Por essas e muitas outras razões, é possível afirmar que a visão comum que se tem
destes animais está equivocada e que uma nova abordagem sobre como conviver
com eles é imprescindível para uma agricultura mais gratificante.

O calor do fogo, da luz e a seca matam a maioria dos seres vivos do solo,
formando condições extremas. Condições de falta de ar no solo prejudicam
quase todas as espécies benéficas ao solo e às culturas. No limite, em campos
de monocultura capinados com herbicidas, só quem pode sobreviver são os
seres que se beneficiam daquela cultura, estando ausentes todos os sistemas de
controle naturais, formando as chamadas “pragas”. É um erro comum considerar
doenças e pragas de forma isolada e combatê-los de forma isolada. Não existem
seres isolados, mas sim comunidades, e estas comunidades são alteradas quando
alteramos quaisquer fatores no meio ambiente.

51
Quando surge uma doença ou inseto que está descontrolado a pergunta
não deve ser: como se mata esse bicho? Deve ser sempre: qual é a condição
ambiental que o meu manejo criou para que esse bicho se descontrolasse?
Sempre, invariavelmente, problemas ocorrem de técnicas agrícolas impostas,
que destroem o equilíbrio biológico, simplesmente porque o ignoramos.

Sabemos que a vida do solo se modifica rapidamente, segundo a matéria


orgânica que se acrescenta ao solo. De modo que a melhor maneira para se
mudar uma comunidade em associação no solo é plantar uma cultura diferente
e cobrir ou incorporar superficialmente os restos e a palha, reduzindo pragas e
eliminando situações extremas.

Exercícios
Questão 1 - Os ataques devastadores de insetos e doenças
Muito bem!
Agora que acontecem porque:
você finalizou a) são tempos difíceis para o agricultor e para a agricultora;
esta lição,
responda b) insetos e doenças são “pragas” que detestam os seres humanos;
as questões
e depois c) existe na seiva da planta, devido a desequilíbrios, o alimento
registre as necessário para os insetos e as doenças;
respostas
nos testes d) o agricultor ou agricultora não retirou de sua propriedade todas
da sua Aula florestas ou matos onde estas “pragas” procriam.
Interativa.
Questão 2 - Sobre a vida do solo é correto afirmar que:
a) sempre podemos contar com a tecnologia dos laboratórios de
defensivos, também chamados por alguns de agrotóxicos, que a cada
lançamento se tornam mais fortes;

52
b) com o progresso científico, o controle das pessoas do campo sobre
seus cultivos se torna cada vez maior, assim pestes e pragas são cada
vez mais raros;
c) cada ser vivo do solo, visível ou invisível, tem uma função e um
porque de estar naquele lugar;
d) queimadas controlam por muito tempo as pestes das lavouras.

Questão 3 - Sobre o que é a matéria orgânica podemos dizer:


a) que as raízes dos cultivos que estão no campo são o melhor tipo
de matéria orgânica;
b) que as minhocas e os insetos do solo são um tipo de matéria
orgânica muito importante;
c) somente depois que o material já virou húmus é que pode ser
chamado de matéria orgânica;
d) matéria orgânica são as substâncias mortas do solo, vindas de
qualquer fonte.

Questão 4 - O Brasil sofre um problema sério de erosão de seus


solos, perdendo anualmente quantidades inacreditáveis da parte mais
rica de suas terras.

Para evitarmos a erosão, o método mais eficiente é:


a) usarmos somente o arado, já que a grade é muito pesada e solta
demais a terra;
b) usarmos herbicidas ao invés do arado, assim não soltamos o solo
e a chuva não o leva;
c) plantarmos em curva de nível e compactarmos bem os terraços
sem cultivos;
d) acolchoarmos o solo com material orgânico alternando capins
com leguminosas.

Questão 5 - Ainda sobre a matéria orgânica, escolha a alternativa certa:


a) atrapalha em alguns casos o desenvolvimento dos vegetais, já que
ajuda a produzir antibióticos que “viciam” as raízes das plantas;

53
b) diminui a absorção do fósforo pelas plantas;
c) ajuda a controlar a acidez do solo;
d) contribui para diminuir os microorganismos, o que é muito
importante para a saúde das plantas.

54
MÉTODOS, TÉCNICAS E PRÁTICAS – PARTE I

1. MÉTODOS, TÉCNICAS E PRÁTICAS – PARTE I


1.1 Cerrado: contexto socioambiental
O Cerrado ocupava originalmente cerca de um quarto do território brasilei-
ro e constitui o segundo maior bioma do País.

Apesar de suas classificações em campo limpo, campo sujo, cerrado restrito,


cerradão, além das matas secas, de galeria e ciliar, os Cerrados não são idênticos.
Estas classificações somente dizem respeito à densidade, à altura, à localização e ao
comportamento da vegetação associado às estações do ano e à posição na paisagem.

Com relação ao solo, existe uma variedade tão grande de tipos, desde
latossolos e podsolos, até solos gleizados nas baixadas, que podemos dizer que
não existe um “solo do Cerrado”. Enquanto no Cerrado, campos limpos e sujos,
o solo cai em torrões grandes quando lavrado, o do tabocal desmancha-se com Latossolos:
são solos
facilidade em grumos e se apresenta bem estruturado. O solo do tabocal não é
minerais, não
necessariamente quimicamente mais favorável, ao contrário, possui maior teor hidromórficos,
em alumínio trocável, mas sua estrutura grumosa, devido à intensa atividade das profundos.

raízes da taboca, torna-o mais produtivo que os dos campos e do Cerrado. Podsolos:
podem ser
chamados de
Apesar do aspecto “típico” da vegetação, o Cerrado abriga espécies das podzólicos,
Florestas Amazônica e Atlântica, das Caatingas e dos campos. É praticamente também.
São solos
impossível falar de uma flora exclusiva do Cerrado. A fisionomia “típica”, que lembra
minerais, não
plantas de regiões secas, com plantas baixas de troncos retorcidos, muitas vezes saturados por
não corresponde somente a uma resposta às condições de escassez de água. Ao água e mais
rasos que os
contrário, mesmo árvores com casca suberosa (grossa) e folhas coriáceas (duras), latossolos.
muitas vezes também deformadas, possuem transpiração contínua durante o Solos glei-
calor do dia. zados: são
solos minerais
saturados por
Vários autores atribuem o aspecto da vegetação do Cerrado à deficiência
água. Ex.: solo
de minerais no solo e à presença de alumínio tóxico. As pessoas reconhecem os do mangue.
solos chamados de mais pobres pelo aparecimento do capim andropogon, e os
melhores pela presença de colonião, ambos capins que ocorrem nos Cerrados.

55
Capim colonião Capim andropogon

O capim colonião se desenvolve em solos ricos em nutrientes, já o capim andropo-


gon tem bom desenvolvimento em solos bem drenados, pobres em nutrientes e de
pH ácido. Sua aparência difere do colonião quanto às folhas, que são mais estreitas e
finas. Ambos podem crescer muito, chegando a 2 m ou mais.

Existem, pois, diferenças na riqueza mineral do solo, demonstradas por


análises laboratoriais. A deficiência de cálcio, fósforo, enxofre e nitrogênio, ao lado
dos micronutrientes zinco, cobre e boro são as mais generalizada. Pode ocorrer
a toxidez do alumínio, embora existam vastas áreas do Cerrado, como em Goiás,
onde não existe alumínio trocável no solo ou onde este não ultrapassa 1,0 me%.
Além disso, a vegetação está adaptada a estas condições e crescer em solos com
1,0 me%: pobreza de minerais não é exclusividade do Cerrado. Ao contrário, a mata geral
equivale a
1000 kg/ha. Amazônica, muitas vezes, cresce em solos mais pobres que os do Cerrado e com
alumínio trocável mais elevado.

Segundo muitos indícios, o Cerrado como conhecemos não existia quando


o Brasil foi descoberto. Nenhum historiador assim o menciona. Seu nome,
Cerrado, indica uma vegetação fechada, difícil de ser transposta, bem diferente
dos campos abertos que atualmente encontramos na região. Nosso mais famoso
sertanista, Villas Boas, disse: “Em muitas aldeias indígenas vi a mata transformar-
se em Cerrado quando foram obrigados a uma vida sedentária”.

56
1.2 Constantes presentes no Cerrado
As três constantes do Cerrado
1) O fogo
O fogo provoca uma seleção da vegetação. Resistem somente as plantas com
caules subterrâneos e/ou casca dura, espinhosa e seca. Os solos se tornam ácidos.
As pastagens onde se usa muito o fogo são tomadas por capim flecha (Trystachia
chrisothrix) que resiste à queimada endurecendo três a quatro semanas após a
brotação e secando somente no fim do segundo ano. Isso impede sua queimada
frequente, mas a lotação é extremamente baixa, chegando a um animal em cada
10 hectares. Quando o Cerrado é protegido do fogo, o capim-flecha cede lugar ao
capim-jaraguá (Hyparrenia rufa) ou ao capim-gordura (Melinis minutiflora), ficando
a vegetação do Cerrado mais densa e as árvores maiores.
Quando são retirados os incendiários, o campo limpo passa a campo sujo, que, por sua
vez, vira Cerrado, que, com os anos, vira floresta. Alguns experimentos de pesquisadores
protegendo áreas de Cerrado do fogo demonstram isso claramente. O contrário também
está documentado, como foi observado por Villas Boas e por tantos que viram muitas
áreas de Floresta Amazônica transformadas em Cerrados e campos limpos.
2) O vento
Com a estação seca definida e de relativa longa duração, a deficiência de água
no solo do Cerrado é pronunciada. As raízes superficiais secam a camada superior do
solo, transpirando a água em seguida. O vento incrementa a transpiração por remover
a umidade do ar e da superfície das folhas. Em estudos realizados no Havaí, quebra-
ventos conseguiram economizar até 750 mm de água, simplesmente por evitar que a
umidade seja levada pelo vento.
3) A camada adensada logo abaixo da superfície
A deficiência de água no solo é tanto mais pronunciada quanto mais rasa for a
camada explorada pelas raízes, quanto pior a drenagem de água para o subsolo e
quanto menor a sua capacidade de retenção de água. Todos os três fatores dependem
dos teores de matéria orgânica do solo. Muito cursos d’água desaparecem atualmente
como consequência de as águas das chuvas escorrerem sem penetrar no solo. Quando
penetra no solo, logo é impedida de infiltrar para maiores profundidades por causa
das camadas adensadas logo abaixo da superfície, a cerca de 35 cm.

57
Por causa dessa camada adensada subsuperficial, existe o costume de arar o solo
do Cerrado o mais profundo possível, na tentativa de eliminá-la, porém esta prática
inutiliza a pequena porção de matéria orgânica que estava concentrada na camada
superficial do solo, espalhando-a no volume de solo revolvido. Revolve igualmente
o subsolo “morto” ou “frio”, como é chamado pelo caboclo, para a superfície, e desta
forma elimina qualquer possibilidade de os grumos do solo resistirem ao impacto da
chuva. A próxima chuva encrosta a superfície, reiniciando o processo de adensamento
que se pretendia interromper.

Assim, vemos que a formação do Cerrado resulta: (1) do uso sistemático


do fogo, ou seja, pela queima (e perda) da matéria orgânica que não retorna ao
solo; (2) da exposição do solo descoberto ao calor do sol, ao efeito do vento e ao
impacto da chuva (que provoca a destruição da estrutura ativa na superfície do
solo); e (3) da formação de “lajes” adensadas em pouca profundidade.

Com o chamado melhoramento químico do solo do Cerrado, tem-se obtido


o aumento das colheitas das chamadas “grandes culturas”, porém o rendimento
Melhoramento econômico real não acompanha necessariamente este “melhoramento” do solo,
químico:
estrume, pois os custos são muito elevados e os efeitos pouco duradouros. Ao contrário,
composto, muitas vezes, em pouco tempo, as condições do solo ficam piores do que no início
fertilizante
químico; são do trabalho. Parece evidente que a simples mecanização, a calagem e a adubação
exemplos de dos Cerrados não removem os fatores que limitam a produção. A recuperação dos
modificações
para melhorar
solos do Cerrado não poderá se dar somente por artifícios químicos, mas antes
o solo para considerando os aspectos biológicos e físicos destas áreas, pois é a degradação
cultivo.
destes aspectos que causa os efeitos indesejados.

O solo do Cerrado deve ser recuperado principalmente pela adição de


matéria orgânica na presença de fosfato cálcico. Onde houver necessidade de
uma adubação nitrogenada, a adubação verde em conjunto com a calagem é a
mais vantajosa.

1.3 Planejamento da propriedade rural


Há três níveis de planejamento da propriedade rural. Primeiramente,
identifica-se o lugar mais apropriado para a localização das construções e estradas,
aqueles onde serão feitos os cultivos e as áreas de preservação. Fatores, como a
localização das vias de acesso à propriedade, a localização do ponto de captação

58
de água, a incidência dos raios solares (posição no
relevo) e a incidência de ventos, são alguns dos
fatores importantes a serem observados. A
direção principal do vento, por exemplo,
deve ser observada ao se construir os
currais dos animais de forma a evitar
que o cheiro chegue até a casa. As
estradas internas em desnível
devem ser construídas
de forma a evitar que se
transformem em condutores
de água da chuva e, mais tarde,
em pontos de erosão e vossorocas.

Ao longo das estradas, é geralmente necessário construir bacias laterais Vossoroca:


de captação para onde a água da estrada deve ser conduzida por meio de erosão
perigosa.
valetas e quebra-molas estrategicamente posicionados. Nessa primeira etapa de
Escavação
planejamento, é necessário alocar as áreas de preservação permanente e reserva profunda
legal como estratégia de conservação da biodiversidade na propriedade. Essas originada
pela erosão
áreas são importantes para a manutenção da saúde da paisagem rural e não subterrânea
devem ser encaradas como áreas perdidas. e superficial,
geralmente
em terreno
O segundo nível de planejamento da propriedade rural é a distribuição das arenoso; às
atividades produtivas de acordo com relevo, qualidade do solo (profundidade, vezes, atinge
drenagem, relação argila x areia, teor de matéria orgânica), distância das dezenas de
metros de
construções e direção do sol e do vento. Atividades que exigem manejo intenso profundidade
como as hortas, devem ser alocadas mais próximas das casas do que atividades de e centenas
de metros de
baixa intensidade de manejo, como o reflorestamento e os piquetes de animais. extensão.
Os solos mais férteis devem ser reservados para as culturas mais exigentes.

Nesse nível de planejamento, há que se decidir o que será plantado e onde. Não
adianta exigir que a terra produza aquilo que ela não está minimamente apta a
produzir. Nos solos menos férteis da propriedade, pode ser mais vantajoso plantar
culturas menos exigentes, como sorgo e feijão, mesmo que seu valor de mercado
seja menor, do que culturas muito exigentes, como milho e vagem que, apesar
de terem maior valor de mercado, têm um custo de produção também maior,
deixando um saldo menor de lucro para o produtor. Em vez de escolher a cultura e

59
depois utilizar artifícios químicos e mecânicos para obter uma produção razoável,
deve-se observar o solo, o relevo e a disponibilidade de água para então escolher
a cultura que melhor se desenvolverá no lugar com os recursos disponíveis. A
quantidade de insumo e energia a ser colocada no sistema será menor e o máximo
rendimento poderá ser obtido. Normalmente, quando a decisão é tomada dessa
forma, o sistema, quando bem manejado, vai se tornando cada vez mais fértil e
produtivo até que seja possível cultivar qualquer cultura que se deseje. É claro
que essa decisão também tem que passar por uma observação da capacidade de
inserção dos produtos no mercado, assim como pelas demandas da família por
produtos para seu próprio consumo.

No terceiro nível de planejamento, uma vez escolhidos o local de plantio


e a(s) cultura(s) desejadas, é necessário observar detalhadamente a paisagem e o
solo onde será feito o plantio. Plantas indicadoras podem dar uma dica sobre a
qualidade do solo.

Espécie Indicação
Capim-Carrapicho (Cenchrus Solo compactado e pobre em
echinatus L.) cálcio
Trapoeraba (Commelina
Solo úmido
benghalensis)
Beldroega (Purtulaca oleracea L.) Solo fértil
Caruru-rasteiro (Amaranthus
Solo fértil
deflexus L.)
Amendoim-bravo (Euphorbia
Excesso de N e deficiência de Mo
heterophylla L.)
Guanxuma (Sida santeremnensis L.) Solo compactado e duro
Solo ácido, adensado, anaeróbico,
Tiririca (Cyperus ferax Rich)
com carência de Mg
Solo de média fertilidade e
Picão preto (Bidens pilosa)
desequilibrado

Nesse nível de planejamento, é necessário:


(1) identificar quais são os insumos necessários e onde adquiri-los;
(2) descobrir onde encontrar a melhor semente/muda/estaca
adaptada à região;

60
(3) planejar a melhor época para o plantio e para as etapas de
tratos culturais e manejo;
(4) prever a necessidade de mão de obra em todas as etapas desde
o plantio e manejo até a colheita;
(5) planejar o escoamento e venda da produção.

Casos em que produções não são colhidas por falta de mão de obra
na época da colheita ou porque o preço de mercado não paga a colheita são
comuns. Evitá-los depende de um planejamento prévio no qual todas as etapas
do processo de produção são consideradas.

Respeitar a época correta de plantio e manejo, assim como a obtenção de


sementes sadias e de boa qualidade são fatores determinantes para uma boa
produção que exigem um planejamento criterioso antes do início dos plantios.

No caso de atividades agrícolas já existentes onde o que se deseja é a


melhoria da produtividade e/ou a redução dos químicos atualmente utilizados, é
importante identificar o fator limitante, ou seja, aquele fator que, se modificado
resultará na melhoria substancial do sistema levando a produção para outro
patamar. A identificação correta desse fator pode levar à economia de tempo e Gradagem
de dinheiro. Na maior parte das vezes, uma pequena mudança pode provocar é a etapa de
preparação
um grande resultado. Por exemplo: a baixa produtividade pode estar ligada à do solo para
falta de água na região das raízes das plantas. Instala-se um novo e moderno cultivo agrícola
posterior à
sistema de irrigação, aduba-se mais intensamente, se gasta muito e nada aração. Após a
acontece. Porque pode ser que o problema fosse somente a formação de uma aração, o solo
ainda poderá
crosta superficial impermeável no solo descoberto que faz com que a água toda conter muitos
escorra superficialmente apesar da chuva abundante. Como há irrigação, não se torrões, o que
dificultaria a
desconfia que o problema seja falta de água.
emergência das
sementes e o
Uma gradagem leve e a cobertura do solo com palha estabelecimen-
evitando o impacto das gotas de chuva que destroem os to das culturas.
Com a utiliza-
grumos do solo seriam a solução para o problema. Identificar ção do imple-
corretamente o fator limitante pode ser mais fácil quando mento grade,
os torrões são
chamamos agricultores ou técnicos mais experientes para desfeitos e a su-
observarem o terreno. A diversidade de olhares pode ajudar a perfície do solo
ver aquilo que sozinhos não conseguimos ver. torna-se mais
uniforme.

61
Exercícios
Parabéns!
Questão 1 - Assinale a frase que melhor define o Cerrado.
Agora a) O Cerrado é um bioma cuja vocação é a produção de grãos em
responda as
questões e larga escala.
registre-as
b) O Cerrado contém 1/3 de toda a biodiversidade brasileira e deve
nos testes
da sua Aula ser utilizado de forma responsável e sustentável.
Interativa.
c) O Cerrado não tem utilidade para a agricultura pois apresenta
solos muito pobres.
d) A maior limitação para o uso do Cerrado é a seca.

Questão 2 - Sobre o fogo no Cerrado, qual é a alternativa correta?


a) O fogo é natural no Cerrado.
b) O fogo sempre existiu no Cerrado.
c) O fogo é bom para o Cerrado.
d) O fogo no Cerrado se deve à ação antrópica (dos seres humanos).

Questão 3 - O que são plantas indicadoras?


a) São plantas que foram cultivadas em função da indicação de
alguém que já as conhecia.
b) São plantas das quais só existem alguns indivíduos na propriedade
rural.
c) São plantas que ocorrem naturalmente sozinhas, não aceitando a
proximidade de nenhuma outra planta ao redor.
d) São plantas que nos dão uma dica sobre a qualidade do solo pois
ocorrem em situações específicas.

Questão 4 - São plantas indicadoras que podemos encontrar em


solos que já foram muito cultivados e se encontram desgastados e
compactados:
a) capim-carrapicho, tiririca, guanxuma e andropogon;
b) trapoeraba, tiririca, caruru e picão preto;
c) caruru, guanxuma, beldroega e capim-carrapicho;
d) picão preto, caruru, beldroega e andropogon.

62
Questão 5 - Sobre a escolha das culturas e das áreas de plantio na
propriedade rural, é correto afirmar:
a) culturas que exigem cuidados diários podem ficar localizadas em
qualquer lugar da propriedade;
b) deve-se escolher a cultura com maior inserção no mercado,
independentemente de qualquer outro fator e plantá-la nos solos mais
férteis da propriedade;
c) alguns dos fatores a serem observados são: a fertilidade do
solo, a posição no relevo, as necessidades alimentares da família, a
disponibilidade de água, a facilidade de acesso ao longo do ano e a
facilidade de inserção no mercado;
d) deve-se sempre escolher culturas de alta produtividade
independentemente da demanda dessas culturas por insumos externos.

63
2. TIPOS DE PLANTIO

2.1 Plantio de sequeiro


Todos sabem que a fertilidade do solo do Cerrado
reside na camada superficial, porém, muitas vezes, no
preparo do solo para plantio, esta camada é raspada e
misturada junto com os “restos” da vegetação retirada do
local. Nas camadas inferiores, nem as sementes plantadas
com adubos químicos conseguem nascer, mas, se a camada superficial for
preservada, a primeira colheita poderá ser razoável se forem usadas as técnicas
de calagem e adubação equilibrada, e a segunda poderá ser ainda maior, se o
retorno da matéria orgânica ao solo for garantido.

A aração do solo, para mobilizá-lo, é técnica comum em muitos países.


Como visto no módulo 1, sobre a evolução da agricultura, a aração foi
desenvolvida e é vantajosa nos países de clima frio, onde o solo gelado do inverno
e molhado pelo degelo tem que ser aquecido e enxugado. Foi nesse contexto
que se desenvolveram arados de aiveca, e ,mais tarde, de discos, grades, tratores
para puxar os arados e as grades e, finalmente, todo este parque de máquinas
sofisticadas para preparar, cultivar e colher.

Aos países tropicais, incutiu-se pelo rádio e pela TV a ideia do subdesenvol-


vimento porque eram pouco industrializados e sua agricultura pouco mecanizada,
itinerante, baseada na recuperação natural dos solos abandonados. Quando as má-
quinas, que fizeram produzir no clima frio, chegaram para trabalhar os solos de cli-
ma quente, as técnicas para aquecer e enxugar a terra não melhoraram a produção.
Onde o arado passou, criaram-se desertos. Não somente na África onde o Saara avan-
ça a cada ano, mas também no Peru, no México, na Argentina, na Índia e no Brasil. É
o implemento agrícola mais apropriado para criar o adensamento e a compactação
do solo, promovendo a erosão, as enchentes e as secas. A aração correta é uma arte!

A aração: quando e como usá-la

Quando se faz a aração, o objetivo é o de afrouxar o solo e preparar o campo


para a semeadura. Nos trópicos, a camada “viva” do solo raramente ultrapassa 18
cm de profundidade e, quando revolvido profundamente, esta camada grumosa
é enterrada e o resultado é um crescimento desigual das plantas, como vemos na
figura a seguir.

64
A terra “inerte” foi virada à superfície. Pode até ser grumosa, mas não
resiste ao impacto das gotas de chuva, formando uma crosta superficial e um
adensamento subsuperficial. Os grumos que foram enterrados não podem se
manter neste ambiente pouco ventilado. Os poros são preenchidos por partículas
de argila levadas pela água solo adentro.

Na aração, vale o princípio de nunca arar mais profundo do que 2 cm abaixo


da camada grumosa. E, como determinar a profundidade exata da aração requer
prática, deve-se tomar por regra arar somente até 12 cm ou 15 cm de profundidade.
Se existir necessidade de uma aração mais profunda, deve-se utilizar o subsolador,
Subsolador:
cujo emprego será discutido mais adiante. ferramenta
utilizada
O grau de umidade para a aração é muito importante. Se o solo estiver para romper
úmido demais, o arado empastará a camada em que desliza formando a sola de a compac-
tação do
arado, acima da qual se formará uma camada adensada. A umidade do solo deve solo. Atua de
ser testada na profundidade em que se pretende arar e nunca na superfície. Se o uma forma
bem mais
solo for suficientemente seco, raramente se formará uma sola de arado. As raízes profunda no
conseguem penetrar além da camada arada, recuperando-a. solo que o
arado.

O ponto certo de umidade para aração ocorre quando a terra se esmigalha com
facilidade, sem sujar os dedos.

Para recuperar a camada grumosa, a grade se presta melhor, junto com


aproximadamente 250 kg/ha a 300 kg/ha de termofosfato, para induzir o
surgimento de uma microvida capaz de formar grumos estáveis à água na
superfície do solo.

Deve-se evitar a incorporação profunda da matéria orgânica das ervas e

65
dos restos da cultura anterior. A decomposição anaeróbica (sem oxigênio) da
matéria orgânica consome muito nitrogênio e libera toxinas nocivas às raízes das
plantas. É por isso que, às vezes, as plantas que crescem em terrenos onde foi
enterrada profundamente a matéria orgânica ficam amareladas, com sintomas
de deficiência de nitrogênio. A matéria orgânica deve ser colocada de preferência
sobre o solo, para protegê-lo da ação do sol e da chuva ou, quando isso for
impossível, incorporada superficialmente, com grade leve, até no máximo 8 cm
de profundidade.

Não é inteligente deixar o campo arado sem vegetação. Vale a regra que o
plantio deve coincidir com o início das chuvas regulares. O plantio tardio deixa
as plantas mais suscetíveis aos “veranicos” e o solo ao empobrecimento, por ser
lixiviado pela chuva e ao adensamento pela destruição dos grumos superficiais,
expostos ao impacto das gotas de água.

Subsolador

O subsolador só deve ser utilizado quando há


uma camada compactada subsuperficial que impede o
desenvolvimento das raízes. Ele não deve ser utilizado como
implemento de rotina. O ideal é evitar que essa camada adensada
se forme. Isso se faz evitando o uso indiscriminado da aração e da
gradagem. Quando necessária, a subsolagem deve ser realizada com a terra seca.
O trabalho feito em solo no “ponto de aração” é inefetivo e até prejudicial.

O subsolador não deverá revolver o solo, mas sim rompê-lo.

O trabalho do subsolador dá ótimos resultados onde existir uma camada


grumosa superficial para ser conservada, porém seu trabalho será aniquilado

66
pela chuva se o solo não for plantado imediatamente após a primeira chuva,
para que a terra afrouxada e rompida seja mantida aberta. A subsolagem traz os
efeitos desejados se as raízes das plantas forem capazes de entrar rapidamente
nas frestas abertas, eliminando definitivamente os adensamentos.

Em solo muito decaído, onde há pouca possibilidade de uma cultura


vingar, deve-se observar que espécie de gramínea vegeta tem ali, sendo muito
comum o capim andropogon nestas condições, e aumentar sua densidade,
quando necessário, por meio de plantio de sementes, consorciando-o com
uma leguminosa, como a Crotalaria spectabilis, fortificados por uma adubação
orgânica, e roçar sua palhada por um ano ou dois, antes de se iniciarem os cultivos.

2.2 Consórcios para sequeiro (alguns exemplos)

a) MILHO X FEIJÃO X ABÓBORA

Consórcio: neste caso, consórcio significa plantar duas culturas diferentes no mesmo
terreno, obedecendo ao espaçamento correto e à boa interação entre as plantas.

As culturas selecionadas para plantio de sequeiro devem ser culturas de verão.


O milho talvez seja a primeira cultura lembrada para os plantios de sequeiro. É de
fácil consorciação, ou seja, fácil de combinar com outras plantas e foi usado desta
forma durante muitos anos pelos agricultores antigos, sejam caboclos sejam
indígenas, antes da chamada Revolução Verde.

O trabalho com o milho se inicia com a seleção de um bom milho variedade,


que possibilite ao agricultor ou à agricultora a manutenção de suas sementes e
o livre efeito desconhecido e potencialmente perigoso dos transgênicos. Milhos
variedade ainda são encontrados nos mercados e também estão guardados
por agricultores/as guardiães de sementes. São importantes, pois são menos

67
exigentes em nutrientes e mais adaptados ao cultivo ecológico, já que não foram
selecionados sob uso de NPK, colheita mecanizada ou de agrotóxicos. São mais
resistentes a doenças e com porte adequado à consorciação.
NPK: Nitro-
gênio (N),
O consórcio mais tradicional de milho, registrado em diversas tradições
Fósforo (P) e americanas, combina o milho com o feijão e a abóbora. O milho plantado assim deverá
Potássio (K)
estar em um espaçamento maior do que nos monocultivos. Um espaçamento mais
geral que pode ser utilizado é plantar o milho com 1,2 m de distância entre linhas,
e três a quatro plantas por metro na linha, aplicando-se cerca de 2 kg de composto
orgânico por metro linear. As linhas deverão estar orientadas no sentido Norte-Sul,
garantindo uma insolação equilibrada entre elas. Uma adubação em cobertura
aos 45 dias, com 1/3 da quantidade utilizada no plantio dá ótimos resultados por
reforçar o nitrogênio que é rapidamente perdido.

Para o feijão, um espaçamento usual é 0,3m na linha e na entrelinha do


milho, com densidade aproximada de 12 plantas por metro quadrado, forrando
com isso o solo, o que evita a presença de plantas indesejadas e sua exposição.
Se for plantado em sulcos, recomenda-se 1 kg de composto por metro de sulco,
ou 350 g de composto por cova. Caso se utilize outros adubos orgânicos, como
estercos, recomenda-se a mesma quantidade do composto para esterco de gado
e metade da quantidade para esterco de aves. Uma cobertura aos 45 dias, com
1/2 da quantidade utilizada no plantio garante bons frutos.

A abóbora deve ser plantada em uma densidade um pouco menor que no


plantio solteiro, com espaçamento 4x4 m, para as abóboras-morangas ou seca,
com três a quatro sementes por cova. Para as abóboras híbridas, como as abóboras
japonesas, o espaçamento pode ser um pouco menor, podendo ser 3 m entre linhas
e 4 m entre plantas. Lembrando que as abóboras híbridas necessitam da presença
de outra variedade polinizadora. Tem-se utilizado a abóbora-moranga com sucesso.
Entretanto, pela diferença entre ciclos das culturas, deve-se proceder com o semeio
da moranga de 15 a 20 dias antes da abóbora híbrida, para coincidir os períodos de
floração. É necessário plantar uma cova de moranga para cada 6 covas da abóbora
híbrida. Recomenda-se fazer covas de 30 cm de raio por 30 cm de profundidade
para comportar o adubo orgânico e utilizar 2 kg de composto ou esterco de vaca
bem curtido, ou metade desta quantidade de esterco de aves curtido. É necessário
desbastar as abóboras, selecionando a melhor planta e deixando apenas uma por
cova. A abóbora também deverá receber aos 45 dias o adubo em cobertura, sendo
recomendado 1/3 da quantidade utilizada no plantio.

68
Após a dobra do milho, já sem o feijão no campo, deve-se semear lab-lab,
mucuna, calopogônio ou soja perene, que vegetarão no campo durante a estação
seca, protegendo o solo e adubando-o com nitrogênio orgânico, preparando
o campo para o novo plantio da estação chuvosa. Recomenda-se utilizar o
calopogônio, pois disponibiliza maiores quantidades de nitrogênio, podendo ser
semeado a lanço na densidade de 10 Kg/ha de sementes.

b) MILHO X JILÓ X AMENDOIM

Uma variação possível do consórcio descrito anteriormente tem o milho como


elemento comum, plantado com a mesma adubação e espaçamento, mas agora
acompanhado de amendoim, plantado na entrelinha do milho, com espaçamento
de 30 cm entre as linhas e 20 cm entre as plantas, deixando 2 plantas por cova.
Recomenda-se o uso de 2 kg de composto por metro quadrado, procedendo com
uma adubação de cobertura com 1/3 desta quantidade aos 45 dias.

No centro da entrelinha do milho, pode-se plantar o jiló. Para tanto, devemos


fazer mudas em copinhos plásticos de 200 ml, com um furo no fundo, preenchidos
com composto. Semeia-se 2 sementes por copo, deixando somente a planta mais
vigorosa em cada copo. O transplante para o campo é feito quando as plantas
tiverem 6 folhas, em covas semelhante às indicadas para abóbora. O espaçamento
é de 80 cm entre plantas, recebendo 1kg de composto por cova no plantio, e mais
uma vez esta quantidade é parcelada em três aplicações durante o ciclo. É necessário
tutorar a planta de jiló com estaca de 1,3 m, enterrando 30 cm e deixando cerca
de 1 m de altura para apoiar a planta. A desbrota, semelhante à feita no tomate,
melhora a produção. Após a colheita do jiló, procede-se com o plantio do lab-lab,
mucuna, calopogônio ou soja perene, para proteção e adubação do campo.

c) MILHO X QUIABO X BATATA-DOCE

Outro consórcio com a presença do milho é a combinação de milho, com


quiabo e batata-doce. Procede-se com o plantio do milho da mesma maneira
que nos exemplos anteriores, porém com espaçamento um pouco menor entre
as linhas de milho, sendo recomendado 1m de distância. No centro da entrelinha,
ergue-se uma leira com 25 cm a 35 cm de altura, para o plantio da batata-doce.
Recomenda-se a utilização da seção mediana das ramas, formando mudas Leira: um
com 3 ou mais nós, com 30 cm a 40 cm de comprimento em média. As ramas monte em
linha para
devem ser enterradas forçando sua parte central contra o solo. Para que não se depositar
quebrem no momento do plantio, essas ramas devem ter sido preparadas um sementes.

69
dia antes, de forma a estarem parcialmente
murchas. O espaçamento entre plantas será
de 40 cm. A adubação orgânica deve ser feita
na quantidade de 1 kg de composto por metro
quadrado, espalhado a lanço pela área de
plantio. O adubo será incorporado na ocasião
do levantamento das leiras.

O quiabo poderá ser plantado na leira,


com distância de 50 cm entre as covas, reforçando a adubação com 400 g de
composto por cova, ou metade desta quantidade de esterco de aves. Para
aumentar o período de colheita, pode-se melhorar a nutrição do quiabo com
uma adubação de cobertura aos 45 dias, com ½ da quantidade de composto
utilizada no plantio.

Para este consórcio, talvez sejam necessárias duas ou três capinas na linha
de plantas na leira, até que as ramas de batata-doce cubram totalmente a área. A
partir deste ponto, as culturas convivem bem com as ervas que eventualmente
cresçam no local.

Regras para fazer um consórcio

Há várias formas de combinar as plantas, mas alguns princípios básicos


devem ser respeitados:

1. definir a cultura principal, ou carro-chefe, e privilegiá-la, ou seja, escolher


as outras culturas de forma a colaborar com a cultura ou culturas principais;

2. combinar plantas que têm raízes profundas com outras de raízes mais
superficiais;

3. combinar plantas com tamanhos diferentes, sendo as mais altas em menor


densidade, as médias em média densidade e as mais baixas em alta densidade;

4. escolher uma cultura de porte baixo que “feche” o solo, evitando as


plantas indesejadas e a degradação do solo;

5. combinar plantas com exigências diferentes em nutrientes, evitando


repetir plantas da mesma família (ex. couve, couve-flor e brócolis são da família
das brássicas; tomate, pimentão e berinjela são da família das solanáceas, etc.);

70
6. escolher plantas capazes de fornecer matéria orgânica ou restos culturais,
para enriquecer o solo.

Exercícios
Você está
Questão 1 - Assinale a alternativa correta com relação à aração para indo muito
preparação do solo de Cerrado para o plantio: bem!
Responda
a) a aração destrói sempre o solo e nunca deve ser realizada; as questões
b) a aração é uma arte e deve ser feita com muito critério, apenas desta lição
e registre as
quando realmente necessária; respostas
na sua Aula
c) a aração deve ser sempre profunda para destruir a camada Interativa.
compactada subsuperficial;
d) devem ser feitas no mínimo duas arações para se ter certeza de
que todos os grumos do solo foram desfeitos.

Questão 2 - Quando deve ser feita a subsolagem do terreno?


a) No fim da época seca, antes do plantio, quando há uma camada
compactada subsuperficial que impede o desenvolvimento das raízes.
b) Todos os anos após a colheita.
c) Assim que começarem as chuvas, quando há uma camada
compactada subsuperficial que impede o desenvolvimento das raízes.
d) Sempre que as plantas pararem de crescer sem motivo aparente.

Questão 3 - São plantas que podem ser utilizadas como plantas


protetoras:
a) milho, feijão e abóbora;
b) arroz, quiabo e feijão-de-porco;
c) milheto, feijão-de-porco e Crotalaria junceae;
d) milho, hortaliças e Crotalaria junceae.

Questão 4 - Assinale a alternativa que apresenta um bom consórcio


entre plantas cujas funções e estratos se complementam:
a) milho, girassol e quiabo;

71
b) feijão, amendoim e vagem;
c) inhame, batata-doce e mandioca;
d) milho, jiló e amendoim.

Questão 5 - São princípios básicos que devem ser respeitados ao


se combinar as plantas em consórcios, exceto uma das alternativas
abaixo. Qual?
a) Combinar plantas que têm raízes profundas com outras de raízes
mais superficiais.
b) Escolher uma cultura de porte baixo que “feche” o solo, evitando
as plantas indesejadas e a degradação do solo.
c) Escolher plantas capazes de fornecer matéria orgânica ou restos
culturais, para enriquecer o solo.
d) Combinar plantas com as mesmas exigências em nutrientes,
dando preferência a plantas da mesma família.

72
3. PLANTIO

3.1 Plantio de hortaliças


O cultivo da maioria das hortaliças,
especialmente folhosas, é feito mais
comumente na época seca, já que
as chuvas torrenciais e o calor da
época chuvosa dificultam e encarecem
muito a produção. Assim, será necessário irrigar a produção, o que, aliado ao
uso intensivo de mão de obra, encarece muito os cultivos e, portanto, requer
um planejamento minucioso.

Preparo do solo

O preparo frequente e intenso do solo para hortaliças, associado ao uso


de insumos industrializados (adubos químicos e agrotóxicos), tem provocado
intensa degradação destes solos, encarecendo a produção, por torná-la cada vez
mais dependente destes insumos.

No cultivo ecológico de hortaliças destacam-se o Sistema de Plantio Direto


(SPD) e o cultivo mínimo como práticas importantes, com vistas a perturbar o
mínimo possível a estrutura física e a vida do solo. O SPD é o sistema com maior
conservação do solo, onde o plantio é feito diretamente sobre a palhada de
adubos verdes ou das plantas espontâneas (também chamadas de daninhas)
que crescem nas áreas de pousio.

No cultivo mínimo, substituem-se as operações convencionais de aração


e gradagem por duas gradagens, feitas em faixas, intercaladas por faixas de
plantas espontâneas, deixadas no campo como refúgio de biodiversidade e para
proteção e recuperação do solo. Nas faixas gradeadas, plantam-se as culturas de Gradagem:
interesse. Caso exista a laje subsuperficial, que como vimos é comum em solos do destorro-
amento,
Cerrado, emprega-se antes, com o solo seco, uma gradagem leve para incorporar nivelamento
a biomassa das ervas e, posteriormente, utiliza-se o subsolador nas faixas onde e eliminação
de espaços
serão plantados os cultivos. Depois, com o solo na umidade correta, procede-se vazios.
com as duas gradagens.

73
Características do plantio direto

O plantio direto possui três pilares de elevada sustentação ecológica:

1. ausência de revolvimento ou revolvimento mínimo do solo, restrito à


cova ou à linha de plantio;

2. aumento da biodiversidade, proporcionada pela diversidade de espécies


vegetais e pela rotação de culturas;

3. cobertura permanente do solo, pela presença de palhada na superfície do


terreno, principalmente no intervalo entre a colheita e o plantio da safra seguinte.

3.2 Plantio dos adubos verdes


Algumas opções para o plantio dos adubos verdes são:

(1) pode-se utilizar uma única espécie de leguminosas com resultados


satisfatórios, como a Crotalaria juncea ou a mucuna preta, com as desvantagens de
serem monocultivos e de não conterem gramíneas e espécies de interesse econômico;

(2) um sistema tradicional já muito empregado é o cultivo de milho com


mucuna preta (Mucuna aterrima). Faz-se o semeio da mucuna preta em sulcos,
distanciados 50 cm um do outro, numa densidade de 10 sementes por metro
linear. É recomendável a quebra de dormência das sementes de mucuna,
deixando-as imersas por 24 hs em água antes do plantio. O milho é plantado
entre as linhas de mucuna, na densidade de 10 sementes por metro linear. Após
a colheita do milho, no florescimento da mucuna, que se dá aos 150 ou 180 dias
do plantio, roça-se a biomassa, para se proceder ao plantio direto em covas ou
sulcos.

(3) uma opção mais complexa, porém com maior produção de biomassa é
fazer coquetel de adubação verde. Muitas espécies de planta de várias famílias
e com distintas finalidades serão empregadas, de modo a se obter a maior
diversidade possível. Assim, ocorre maior produção de biomassa e maior ciclagem
de nutrientes. No momento adequado, a massa vegetal poderá ser acamada
servindo de cobertura vegetal rica em nutrientes disponíveis para o próximo
cultivo, auxiliando muito no controle das plantas espontâneas. Para o coquetel
de adubação verde, adiciona-se 5 kg de fosfato natural para cada 100 kg de

74
sementes, com água suficiente para fixar o produto. Deixa-se secar por algumas
horas. Após o preparo do solo, semear a lanço, numa densidade de 100 kg de
sementes por hectare e incorporar com rastelo ou com grade leve.

A massa verde deve ser roçada e deixada sobre o solo como cobertura
morta no início do florescimento da mucuna, aos 150 ou 180 dias, quando se
obtém a máxima produção de biomassa, que pode ser de 50 t/ha a 70 t/ha
(acima de 20 t/ha já é considerado bom). A produção normal de uma espécie
isolada varia de 10 t/ha a 30 t/ha de massa verde (mucuna, por exemplo).
Portanto, com a prática do coquetel, podemos obter mais do que o dobro da
produção de massa verde por hectare.

Os efeitos benéficos do coquetel de adubação verde de verão sobre o


cultivo de hortaliças persistem por mais de um ano, eliminando ou reduzindo o
uso de outras fontes orgânicas de adubo em algumas situações.

Espécie Kg
Milho (porte alto) 24
Quantidade de sementes de cada
Mucuna preta 16 adubo verde no coquetel.
Feijão-de-porco 16
Fontes: SOUZA, J. L.; REZENDE, P.
Lab-lab 12
Manual de horticultura orgânica.
Guandu 10 Viçosa, MG: Ed. Aprenda Fácil, 2006.
Girassol 8 843p.
Crotalaria juncea 5
COSTA, M. B. B. et al. Adubação Verde
Mamona 5 no Sul do Brasil. AS-PTA, Assessoria
Milheto 2 e Serviços a Projetos em Agricultura
Leucena 2 Alternativa. 1992. 346p


É importante prever o manejo que será feito na adubação verde para não
desperdiçar este importante serviço. O implemento que tem demonstrado melhores
resultados é o rolo faca, que acama e tritura o material. Existem modelos puxados
por tração animal, microtratores e tratores. Uma alternativa são os trituradores
acoplados a tratores e microtratores. Por fim as roçadeiras, puxadas por trator ou
microtrator, e há também os modelos costais. Os serviços manuais também são
possíveis e, apesar de muito mais dispendiosos em mão de obra, têm acabamento
de maior qualidade.

75
Outra opção interessante é o plantio de adubos verdes em faixas. Nesse sistema,
destinam-se faixas de terra onde são plantados os adubos verdes, permanecendo
o restante da área com as culturas comerciais. Nos anos seguintes, as faixas são
deslocadas, com o objetivo de gradualmente ir promovendo a melhoria do solo de
toda a propriedade. Pode-se, com sucesso, utilizar estas faixas como quebra-ventos
para as áreas de cultivo.
Um exemplo já bastante utilizado é o plantio de faixas de aveia preta de
1,5 m de largura entre os canteiros de hortaliças. Utiliza-se a aveia preta, pois esta
espécie cresce bem no inverno. No próximo ciclo, o canteiro de hortaliças será
erguido na faixa de aveia, e a aveia plantada onde antes estava o canteiro.

3.3 Produção de mudas em ambiente protegido


Produzir mudas em estufas permite vantagens consideráveis, como
por exemplo:
• proteção contra o vento e o frio;
• diminuição da presença de insetos e doenças;
• formação de mudas em menor tempo; e
• obtenção de mudas mais uniformes.
A definição correta do local de instalação da estufa para produção das
mudas e o respeito a alguns critérios técnicos podem facilitar, sobremaneira, a
operacionalidade do sistema.
Substrato
Existem no mercado diversos substratos para produção de hortaliças,
alguns apropriados inclusive para produção de hortaliças orgânicas. O agricultor
Composta-
ou a agricultora deverá avaliar os mais adequados de acordo a sua realidade,
gem: técnica principalmente em relação aos custos de aquisição, pois muitas vezes pode-se
para decom-
posição de
produzir seu próprio substrato a custos muito baixos, a partir de compostagens
materiais a altas temperaturas. As melhores mudas são obtidas, usando-se composto puro
orgânicos.
peneirado ou em mistura com terra na proporção 1:1. Menores quantidades de
composto comprometem significativamente a qualidade e o padrão das mudas.

lembre-se que adubos químicos não são permitidos no sistema orgânico, mesmo
na produção de mudas.

76
Recipientes

Os recipientes mais utilizados são bandejas de isopor, alojadas sobre


bancadas suspensas, normalmente utilizando-se fios de arame para suportar as
bandejas. Dessa forma, ocorre a “poda área das raízes”, ou seja, elas param de
crescer em contato com o ar e a luz, pelo orifício inferior das células, evitando o
enrolamento das raízes e aumentando a emissão de raízes secundárias. Em caso
de utilização de bandejas de isopor com substrato orgânico feito na propriedade,
escolher por compostos puros peneirados, com bons teores de nutrientes, e
transplantar um pouco mais cedo para evitar o esgotamento dos nutrientes.

Para culturas mais exigentes e com sistema radicular maior, como o pepino
japonês, o tomate e o pimentão, é recomendável optar pela formação das
mudas em copos de jornal ou copos plásticos. Os copos de jornal apresentam
as vantagens de não produzirem lixo e podem ser colocados diretamente na
cova, evitando quebra de torrões, porém necessitam de mais irrigação, podem
se desfazer antes do período de transplante e requerem a mão de obra para
dobrá-los. Os copos de plástico devem ser perfurados no fundo, utilizando-se
ferro quente. Facilita muito posicionar os copos em caixas plásticas, do tipo para
verdura, de borda baixa. Estas agilizam as operações no viveiro, no transporte e
plantio no campo, além de permitir a drenagem dos copos. Depois do semeio ,
deve-se irrigar abundantemente, com regador de crivo fino, até que se perceba
que o substrato está uniformemente umedecido. Atenção: copos plásticos geram
resíduo poluente que não pode ser abandonado no campo.

As regas devem ser equilibradas, já que


o excesso de água é o principal causador
de problemas, como doenças foliares e de
raízes, baixo desenvolvimento das raízes e Microasper-
diminuição dos nutrientes do substrato. Uma são: Sistema
de irrigação
dica interessante é manter um reservatório que utiliza a
com água dentro da estufa para que a água gravidade a
de rega esteja na mesma temperatura das seu favor, o
que não agri-
mudas, evitando choques térmicos. O uso de regador de crivo fino é indispensável. de a muda.
Sistemas de irrigação por microaspersão também se prestam muito bem, sendo Costuma ser
econômico.
necessária a instalação de filtros que evitam o entupimento dos aspersores.

77
Havendo problemas nutricionais, pode-se utilizar adubos líquidos para
complementar a nutrição das mudas, tais como: biofertilizantes, chorume de
minhocário ou soluções de micronutrientes encontrados no mercado.

Exercitando o conhecimento...
Assinale a assertiva correta.

( ) Não é necessário o uso de substrato.

( ) É possível usar isopor, plástico e jornal como recipientes para


as mudas.

Exercícios
Viu como Questão 1 - Por que o plantio de hortaliças, especialmente folhosas,
você
consegue? no campo é feito preferencialmente na época seca?
Registre
a) Para que a colheita aconteça no início das chuvas.
suas
respostas b) Porque há muitas folhosas disponíveis no mercado na época das chuvas.
na Aula
Interativa. c) Porque na época da seca o preço das hortaliças nas Centrais
Estaduais de Abastecimento (Ceasa) é maior.
d) Porque as chuvas torrenciais e o calor da época chuvosa dificultam
e encarecem muito a produção.

Questão 2 - São vantagens do SPD (Sistema de Plantio Direto) no


plantio de hortaliças, exceto:
a) receptividade dos agricultores e das agricultoras que não conhe-
cem o sistema;
b) aumento da biodiversidade, proporcionada pela diversidade de
espécies vegetais e pela rotação de culturas;
c) cobertura permanente do solo, pela presença de palhada na
superfície do terreno, evitando a erosão do solo;
d) controle das ervas espontâneas (daninhas) pela palhada que é
deixada sobre o terreno.

Questão 3 - São espécies que trazem muitas vantagens quando


plantadas como adubo verde:

78
a) mucuna preta, feijão de porco e guandu;
b) leucena, Crotalaria juncea e mamona;
c) milheto, lab-lab e girassol;
d) todas as alternativas acima.

Questão 4 - São benefícios produzir mudas em estufas, exceto:


a) proteção contra o vento e o frio;
b) diminuição da presença de insetos e doenças;
c) formação de mudas em maior tempo;
d) obtenção de mudas mais uniformes.

Questão 5 - Assinale a frase incorreta sobre adubação verde:

a) um sistema tradicional já muito empregado é o cultivo de milho


com mucuna preta (Mucuna aterrima);
b) uma faixa de adubação verde pode também ter a função de
quebra-vento;
c) deve-se preferir utilizar uma única espécie para obter o melhor
resultado;
d) é interessante a utilização de várias famílias botânicas e com
distintas finalidades de modo a se obter a maior diversidade possível,
com maior produção de biomassa e maior ciclagem de nutrientes.

79
MÉTODOS, TÉCNICAS E PRÁTICAS - PARTE II

1. SUCESSÃO ECOLÓGICA

Um dos conceitos mais importantes para uma agricultura produtiva nos


trópicos é o da sucessão ecológica.

Nenhum ecossistema natural no planeta Terra fica estagnado, sem


mudanças. Os ecossistemas naturais são muito dinâmicos, transformando-se
ao longo do tempo. Nos trópicos, essas transformações são ainda mais rápidas,
graças ao calor e à umidade que aqui prevalecem.

O que acontece quando uma área que foi cultivada durante muitos anos
perde toda a sua fertilidade e é abandonada? Começa a sucessão ecológica.

Exemplo de sucessão ecológica de acordo com os anos

Primeiro, a área será ocupada por espécies capazes de colonizar ambientes


pobres, com poucos nutrientes, pouca água e muito sol, principalmente ervas
Biomassa: e capins bem rústicos, como o sapé, o andropogon, a guanxuma, o carrapicho,
é a matéria
formada o mata-pasto e a erva-lanceta. Aos poucos, essas plantas vão transformando o
pela vida, ambiente. O solo que era exposto e seco se cobre de verde. O lugar começa a
o material
orgânico
ficar um pouco mais úmido. Quando morrem, essas plantas cobrem o solo com
que existe sua biomassa.
em todos os
seres vivos. As raízes que se desenvolvem dentro da terra criam galerias pelas quais
a água consegue penetrar, permitindo a chegada de microorganismos e

80
bichinhos diversos. As condições vão se transformando até que plantas um
pouco mais exigentes em nutrientes conseguem se estabelecer: o capim Jaraguá,
a braquiária, o picão-preto, o amaranto. O acúmulo crescente de biomassa e a
diminuição da incidência de luz solar no nível do solo permitem que as sementes
de pequenos arbustos germinem: fumo bravo, mamona, fedegoso, entre outras.
O ambiente vai se tornando cada vez mais rico e complexo permitindo a chegada
de plantas cada vez mais exigentes. Pequenas arvoretas de rápido crescimento se
instalam até que árvores cada vez mais exigentes em fertilidade, maiores e mais
frondosas vão substituindo as árvores de ciclo mais curto. Em outras palavras, as
que vêm antes melhoram o lugar, gerando as condições necessárias para as que
vêm depois poderem se instalar. O acúmulo de vida é cada vez maior até que se
chega à formação de uma floresta cheia de biodiversidade em todos os níveis:
solo, plantas e animais. Essa floresta é tão produtiva que consegue até sustentar
animais maiores, como os mamíferos, e, entre eles, nós, os seres humanos.

A esse processo se dá o nome de sucessão ecológica. A sucessão ecológica leva a


um acúmulo, cada vez mais, de matéria, energia e complexidade.

Para impedir que a sucessão aconteça, é necessário grande gasto energético


(capina, roçagem, uso de veneno). Gastamos uma grande quantidade de energia
para impedir que a abundância aconteça, mas podemos, ao contrário, utilizar a
vocação que a natureza tem de caminhar para a abundância por meio da sucessão
ao nosso favor. Podemos criar sistemas de produção que imitem a lógica da
natureza, utilizando as plantas que nos interessam para nossa alimentação e para
a geração de renda. Na natureza, não existe o adubo químico nem o agrotóxico.
Mesmo assim, não há falta de nutrientes e a produção de vida, biomassa e
alimento é enorme.

Exercitando o conhecimento...
Assinale a assertiva correta.

( ) A sucessão ecológica leva a um acúmulo maior de matéria,


energia e complexidade.

( ) O primeiro passo da sucessão ecológica é o crescimento de


grandes árvores para ocuparem o lugar e protegerem o solo.

81
São três os princípios observados na natureza e que devemos aplicar nos
nossos sistemas de plantio:

1) Cobertura do solo

Observe o solo da floresta nativa do lugar onde você vive. O solo está
permanentemente coberto por folhas, galhos e troncos em decomposição. Essa é a
constante reposição de matéria orgânica que a natureza realiza. Levante um pouco
dessa cobertura (serrapilheira) e observe a quantidade de bichos que ali existem.

São esses bichinhos que vivem no solo que ajudam na liberação de todos
os nutrientes que as plantas precisam para se desenvolver.

As raízes das plantas buscaram nas camadas


de solo mais profundas os nutrientes que
foram levados solo adentro pela chuva, e,
ao caírem troncos, galhos, folhas, reciclam
os nutrientes. Mas são os bichinhos que
transformam galhos e folhas em alimento para as
plantas, assim como fazem os nutrientes que já estão no solo. Quando capinamos
e expomos o solo ao sol e quando aplicamos agrotóxicos, matamos todos esses
bichinhos. Sem eles, não há liberação de nutrientes para as plantas e precisamos
comprar adubo químico. Os adubos químicos mais utilizados se resumem a três
nutrientes: nitrogênio, fósforo e potássio. Entretanto, as plantas são formadas por
mais de 40 nutrientes diferentes, todos eles liberados pela micro e mesofauna
(pequenos bichinhos) do solo. Resultado: plantas desnutridas.

2) Biodiversidade

Quantas espécies de plantas e animais existem na floresta nativa do


lugar onde você vive? Milhares? É essa diversidade de plantas e animais que dá
sustentabilidade ao sistema. Cada planta e animal têm uma função no sistema.
Como acontece com nosso corpo, que é um sistema composto por vários
órgãos, cada órgão com uma função. O que acontece se não tivermos o fígado
ou os pulmões? Sobreviveremos? Da mesma forma, um monocultivo, com uma
única espécie, não tem como ser um sistema saudável porque faltarão funções
importantes para o sistema funcionar.

É a biodiversidade que impede que uma espécie se torne uma “praga”. Se


forem muitas as espécies, haverá equilíbrio. Se o ambiente é saudável, a doença

82
não consegue se instalar, assim como acontece com o corpo humano.

3) Sucessão

As espécies se substituem ao longo do tempo. Diferentes espécies, com


diferentes funções modificam o ambiente, deixando-o melhor para as espécies que
vêm a seguir. Quando na natureza uma planta morre, sempre deixa o lugar melhor
do que ele estava antes que ela chegasse. Como podemos fazer para que nossos
terrenos fiquem mais férteis depois que plantamos e colhemos nele? É nisso que
devemos pensar ao planejar nossos plantios. Quando planto mandioca solteira, em
monocultivo, como fica o lugar depois que eu colhi a mandioca? Mais abundante e
fértil do que era antes do meu plantio? Mas não precisa ser assim. Podemos colher
mandioca deixando o lugar mais abundante do que era antes. Como? Já vimos
algumas possibilidades no capítulo anterior e veremos mais nos tópicos a seguir.

Exercícios
Questão 1 - O que é sucessão ecológica? Muito
a) É o nome que se dá à relação entre espécies diferentes quando se bem! Mais
uma lição
encontram em determinado ambiente. finalizada.
b) É o processo em que espécies vão se sucedendo à medida que Registre
suas
os ambientes se tornam cada vez mais abundantes, biodiversos e respostas
complexos graças ao acúmulo crescente de matéria e energia. na Aula
Interativa.
c) É a forma como se organiza uma série de assuntos na área de
ecologia para explicar o significado dos fenômenos da natureza.
d) É a série de cientistas que estudam ecologia desde a criação dessa
ciência.
Questão 2 - Assinale a alternativa na qual as espécies abaixo estão
em ordem crescente de demanda de recursos. Em outras palavras, as
espécies devem estar na ordem em que ocorrem na sucessão ecológica.

Sendo:
1. capim jaraguá, braquiária, picão preto, amaranto;
2. ipê, baru, ingá, pequi;
3. fumo bravo, mamona, fedegoso, assa-peixe;
4. sapé, andropogon, guanxuma, carrapicho, mata-pasto.

83
Questão 3 - Assinale a alternativa que não mostra um princípio da
natureza aplicado à agricultura sustentável:
a) biodiversidade; c) cobertura do solo;
b) sucessão; d) competição.

Questão 4 – Em relação à serrapilheira, é correto afirmar que:


a) é necessário removê-la sempre, já que é só sujeira e insetos;
b) é uma cobertura de matéria orgânica que ajuda na renovação do solo;
c) só serve como proteção, não renova a matéria orgânica do solo;
d) serrapilheira só serve como depósito de folhas mortas e galhos secos.

Questão 5 – Assinale a alternativa falsa.


a) É a diversidade de plantas e animais que dá sustentabilidade ao
sistema.
b) É a biodiversidade que impede que uma espécie se torne uma
“praga”.
c) O monocultivo consegue se sustentar sozinho, não necessitando
de fertilizantes ou agrotóxicos.
d) A biodiversidade é como o sistema do corpo humano: não vive
bem sem seus órgãos.

84
2. PRODUÇÃO DE FRUTAS E MADEIRA

2.1 A árvore na propriedade rural


As árvores desempenham inúmeras funções
na propriedade rural. Todo o estado de Goiás era
originalmente coberto por ecossistemas que possuíam
a árvore como elemento principal. Com o avanço
da fronteira agrícola e do plantio de pastagens e
monocultivos de cereais e cana-de-açúcar, as árvores foram sumindo da
paisagem. Como consequência, o clima está mais seco, o calor aumentou e os
solos vêm sendo desgastados aceleradamente.

Além de embelezar a propriedade rural, as árvores ajudam a manter o


clima local ameno, alimentam a fauna nativa, fornecem madeira, moirões e
lenha, produzem frutos para a nossa alimentação, sendo a maior parte também
medicinais, além de muitas outras funções. O gado, por exemplo, aprecia muito
a sombra das árvores nas horas mais quentes do dia. Além da sombra, árvores
e arbustos, principalmente leguminosas, como a leucena, a moringa, o baru e o
guandu, são alimento com alto valor proteico para o gado.

As leguminosas, abundantes nas nossas florestas, têm a


característica importantíssima de fazer simbiose com um tipo de
bactéria chamada Rhyzobium. Essas bactérias se instalam em suas
raízes e são capazes de retirar nitrogênio do ar (não disponível Simbiose: é
diretamente para as plantas) e disponibilizá-lo diretamente uma relação
benéfica
para a raiz da leguminosa. Em troca, as leguminosas entre duas
fornecem os açúcares de que as bactérias necessitam para espécies
diferentes
seu desenvolvimento. Parte do N fixado pelo Rhyzobium nessa na qual há
associação é liberada no solo, ficando disponível para as plantas que uma fusão
física entre
crescem ao redor. Além disso, o N absorvido pelas leguminosas também pode os corpos
ser aproveitado pelo sistema quando podamos essas plantas e depositamos o dessas duas
espécies.
material orgânico sobre a terra.

As árvores podem cumprir o papel de cerca viva (na forma de moirão


vivo ou sebe), quebra-ventos e serem utilizadas para conter erosões. Para essas
finalidades, podem-se utilizar espécies que “peguem” bem por estacas, como

85
a gliricídia, o cajá, a eritrina e a munguba, e também sementes e/ou mudas de
espécies de rápido crescimento, como o eucalipto, acácia mangium, leucena,
mutamba, moringa e tapiá. Os quebra-ventos são fundamentais para proteger
nossos plantios. É importante que o quebra-vento somente diminua a velocidade
do vento ao invés de barrá-lo completamente. Conseguimos isso combinando
árvores de maior porte, em menor quantidade, com árvores de menor porte, em
maior quantidade.

Quase todas as fruteiras arbóreas e madeiras tropicais


tiveram sua evolução biológica na floresta. Somente
muito recentemente na história da humanidade é que
foram tiradas da floresta para serem plantadas em
monocultivo. Tirar a planta do seu ambiente natural
levou a uma série de consequências como a necessidade
de adubação química para substituir o trabalho feito pelos
bichos que vivem na serrapilheira da floresta, e o surgimento de
“pragas” e doenças que não existem no ambiente florestal.

Para potencializar a produção e aumentar a fertilidade dos solos, sugerimos


que frutas e madeira sejam plantadas em consórcios que associem diferentes
espécies, de forma a imitar o que acontece no ambiente natural. Faremos
algumas sugestões de consórcios e sugerimos a experimentação de diferentes
combinações para descobrir qual o melhor arranjo para o seu lugar de acordo
com as suas necessidades.

Exercitando o conhecimento...
O que fazer para potencializar a produção e aumentar a fertilidade
dos solos no plantio de fruteiras arbóreas?

________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________

As espécies que farão parte do consórcio devem ser escolhidas segundo


alguns critérios:

86
• escolher uma ou duas espécies que sejam o carro-chefe, ou seja, estarão
em maior densidade e serão destinadas ao mercado;

• no processo de transição para plantios ecológicos diversificados,


recomenda-se que o carro-chefe seja fruteiras e madeireiras sobre as quais já se
tenha algum conhecimento de plantio e tratos culturais. Aos poucos, ao pegar a
prática, é possível diversificar cada vez mais e experimentar novas culturas.;
Tratos cul-
• as outras espécies deverão ser escolhidas de forma a potencializar a turais: prin-
cipamente
produção do carro-chefe, complementando as funções necessárias para seu
podas.
maior crescimento e produtividade. Por exemplo, se escolher como carro-chefe
uma espécie que se desenvolve bem a meia-sombra, como o café, deverá prever
o plantio de árvores de rápido crescimento que possam sombrear o café e
que respondam bem à poda. Assim, poderá podá-las antes da floração do café
agregando matéria orgânica ao solo ao mesmo tempo em que fornecerá mais luz
para o café nessa época.

2.2 Preparo do solo


Preparo do solo mecanizado

Aplica-se, quando necessário, entre o fim de setembro e o início de


outubro, antes do início das chuvas, o calcário (de 1,5 t/ha a 3,8 t/ha de calcário
segundo a quantidade de alumínio trocável) e o termofosfato ou fosfato de araxá
(aproximadamente 250 kg/ha a 300 kg/ha), e passa-se uma grade superficialmente
(até no máximo 8 cm) para incorporar os minerais e a matéria orgânica das plantas
que vegetam no campo e seus restos. Depois, passa-se o subsolador, com solo
seco, para quebrar os adensamentos.

Preparo manual

Faz-se inicialmente uma roçada no campo e reserva-se o material para


posterior utilização. Substitui-se o subsolador pelo enxadão, afrouxando o solo
sem revirá-lo, golpeando o solo até a maior profundidade possível, afrouxando
e depois recortando, sendo importante não pisotear o que já foi afrouxado,
bem como evitar andar desnecessariamente pelo campo pelo mesmo motivo.

87
Verificar se o adensamento subsuperficial foi rompido com o auxílio do facão.
Após o plantio nos canteiros, o material da roçada que foi reservado servirá como
cobertura morta para o solo.

No momento do plantio, abre-se um berço 50cm x 50cm para cada muda e


mistura-se a terra com 10 l de esterco de gado curtido (ou metade disso de esterco
de aves) ou 10 l de composto. Para o plantio de sementes, utilize 10 l de esterco
de gado curtido (ou metade disso se for esterco de aves) ou 10 l de composto por
metro linear. O espaçamento entre os berços dependerá das espécies envolvidas
no consórcio e está indicado abaixo, variando entre 3 m e 8 m.

No espaço entre as linhas das árvores, devem


ser plantados os adubos verdes. Além de cobrir
o solo evitando o impacto da chuva, a erosão
e a insolação, esses adubos verdes deverão ser
utilizados na cobertura do solo ao redor das árvores
conforme mostrado na foto a lado. Podem ser
utilizados o guandu, a crotalária, o feijão-de-porco,
o capim napier, mamona, ou também um coquetel com várias desses adubos
plantados juntos conforme explicado no tópico de plantio de sequeiro. A puerária
e o calopogônio têm se mostrado uma ótima opção, formando excelente tapete
que protege o solo e fornece material para adubação das mudas por cobertura.

Exemplo de consórcio de fruteiras/madeireiras (em destaque, o carro-chefe)

1) Banana + citrus + ipê-roxo + abacate + café

Para uso em consórcios, recomenda-se plantar


a banana nanica, que pode ser plantada na mesma
linha que os citros, intercalada no espaçamento
de 3 metros entre citros e banana. Deve-se escolher
uma variedade resistente a doenças, bem adaptada à região
e observar a saúde das mudas, como observar bem se a muda não tem broca.
Após três a quatro anos a banana começará a ficar mais fraca e sairá do sistema.
Os citros que têm dado bons resultados no Centro-Oeste e têm se revelado
interessantes nesse tipo de consórcio são laranja-baía, mexerica Poncan e laranja-
lima. Além da produção de banana durante esse período, as bananeiras darão

88
melhores condições aos citros e fornecerão matéria orgânica para cobertura do
canteiro quando as touceiras forem manejadas. Os ipês-roxos são plantados a
cada 4 metros, entre os citros e a banana, a ½ metro de distância da banana. O
ipê perderá naturalmente as folhas na seca, favorecendo a floração e a adubação
dos citros. À medida que as árvores forem crescendo pode-se ralear o ipê até
o espaçamento aproximado de 14m x 21m. O espaçamento entre as linhas de
citros será de 7 m e no meio da entrelinha, ou seja, a 3,5 m das linhas de citros e
banana, planta-se uma linha de abacate consorciado com café. O abacateiro, além
de muito produtivo, fornece muita matéria orgânica quando submetido a podas
periódicas. Estes abacateiros deverão ser plantados a cada 12 m de distância, e,
entre as plantas de abacate, são plantados os cafeeiros, com 2 m de distância
entre eles. O café é uma planta muito útil nos consórcios de fruteiras devido ao
seu porte baixo. No próximo consórcio, em que ele é um dos carros-chefe, serão
apresentadas algumas de suas vantagens. O restante dos espaços deverá ser
cultivado com adubos verdes conforme explicado anteriormente. O adubo verde
será roçado e utilizado para cobrir os canteiros.

2.3 Produção de biomassa


O segredo da produção ecológica é o
fornecimento contínuo e abundante de biomassa
ao solo, que deverá ficar constantemente coberto.
É esse fornecimento de biomassa que fornecerá as
condições para a ciclagem de nutrientes e nutrição
adequada das plantas. Sem um aporte rotineiro de
biomassa, as plantas podem apresentar sintomas
de deficiência nutricional.

Nos primeiros estágios de desenvolvimento das plantas, a biomassa é


fornecida pelo adubo verde de ciclo curto plantado nas entrelinhas e nas linhas
das árvores. Em todos esses consórcios, podem (e devem) ser plantados guandu
ou Crotalaria spectabilis na linha das árvores para fornecimento de matéria
orgânica, assim como feijão-de-porco na borda do canteiro a cada 20 cm. Deverão
ser podados na floração e todo o material organizado sobre o solo, na projeção
da copa das árvores a serem adubadas.

89
À medida que as árvores forem crescendo, os adubos verdes das entrelinhas,
o feijão-de-porco da borda dos canteiros e o guandu e a Crotalaria plantados na
linha vão sendo sombreados e tendem a sair do sistema. Por isso, é importante
plantar árvores de rápido crescimento e que aceitam podas frequentes para
fornecerem a matéria orgânica que cobrirá o solo e adubará as plantas no futuro,
tais como: ingá, carvoeiro, mutamba, calabura, gliricídia, tapiá ou qualquer outra
que seja abundante na sua região e que tenha essas características. Leguminosas
são excelentes para essa função por fixarem N atmosférico via associação com
o Rhyzobium. Essas árvores podem ser plantadas no meio das entrelinhas do
consórcio, como no consórcio 2, e nas bordas do plantio cumprindo também a
função de quebra-vento.

2.4 Sistemas agroflorestais
Na bibliografia e na internet, há diversas definições de sistemas
agroflorestais. Consideraremos aqui sistemas agroflorestais a combinação de
diversas espécies de árvores, ocupando os diversos estratos do sistema, combinada
com o plantio de hortaliças, cultivos anuais (grãos) e cultivos semiperenes (como
mandioca, banana e abacaxi). O objetivo é a otimização no uso dos recursos (solo,
água e sol) e uma produção diversificada e escalonada no tempo. A ideia é que
haja sempre colheita ao longo do crescimento do sistema e ao longo do ano. São
sistemas de produção de alimentos na floresta.

Quando um recurso não é utilizado pelos nossos cultivos, outras plantas


se estabelecem para utilizá-lo. São as chamadas “plantas daninhas” ou “ervas
invasoras”. Em outras palavras, quando há “plantas daninhas” no nosso cultivo,
é porque há recursos sobrando. Portanto, há espaço para plantarmos em maior
densidade o que já estamos plantando ou incluir outras plantas que ainda não
colocamos no nosso sistema.

Ao enriquecer os plantios de frutíferas e madeira com espécies de ciclo


mais curto, ocupando os espaços que ainda existem, transformamos nosso
plantio em um sistema agroflorestal. Além disso, protegemos melhor o solo da
ação do sol e do vento e obtemos uma colheita adicional, ocupando o espaço
que seria ocupado pelas chamadas plantas daninhas. No início, enquanto as
árvores são pequenas, é possível plantar na linha das árvores diversos cultivos,
como milho, feijão, quiabo, gergelim, abóbora, jiló, algodão, mandioca ou

90
hortaliças mais rústicas e que possam ser plantadas na época das chuvas, como
tomatinho cereja, couve, salsa, rabanete e rúcula. Pode-se também plantar
abacaxi a cada ½ metro. Se o sistema for irrigado (neste caso, sugere-se irrigação
por gotejamento), pode-se incluir o inhame. Os critérios para escolha dos cultivos
e árvores a serem incluídos no sistema agroflorestal são: disponibilidade de
sementes e/ou mudas, já possuir a prática do plantio, uso na alimentação da
família, facilidade em produzir, potencialidade para o comércio, gerar matéria
orgânica para cobrir o solo. Sugerimos dividirem a área de plantio em talhões
para experimentar diferentes combinações e a inclusão de frutos do Cerrado
como murici, mamacadela, cajazinho, baru e pequi.

A mandioca é elemento que nunca deve faltar nos sistemas agroflorestais.


Além da produção de alimento, suas raízes melhoram a terra e sua copa é ótima
para “criar” as árvores enquanto são pequenas. Pode ser plantada dos dois lados
do canteiro entre as mudas de árvore.

2.5 Produção de fertilizantes


A nutrição das plantas no sistema ecológico de produção pode ser reforçada
com o uso de fertilizantes orgânicos preparados na própria propriedade rural.

Sintomas de deficiência nutricional podem aparecer, como amarelamento


das folhas (deficiência de nitrogênio), necrose (tecido morto) na borda das folhas
(deficiência de potássio), má formação de folhas novas e frutos (deficiência de
boro), folhas mais velhas arroxeadas (deficiência de fósforo), clorose (perda da cor)
das folhas mais velhas (deficiência de magnésio), clorose das folhas mais novas
(deficiência de enxofre, ferro ou manganês), manchas necrosadas na região entre as
nervuras das folhas (cálcio), diminuição do tamanho das folhas, queda das folhas,
crescimento geral reduzido, entre outros sintomas.

A deficiência nutricional pode ser responsável por danos causados por micro-
organismos, insetos e outros animais indesejados (doenças e “pragas”). Ou seja, o
surgimento desses seres pode indicar que nosso cultivo está deficiente em nutrientes.

Para evitar que a nutrição das plantas do nosso cultivo fique comprometida
quando o solo ainda está em processo de recuperação da sua fertilidade,
podemos adubar os cultivos utilizando fertilizantes orgânicos fabricados na

91
própria propriedade rural. Esses fertilizantes orgânicos, mais do que fornecer
os nutrientes em falta, agem como estimuladores da vida no solo, favorecendo
a decomposição da matéria orgânica que nele colocamos para a liberação dos
nutrientes que as plantas necessitam.

Deve-se favorecer o uso dos recursos locais para fazer os fertilizantes, como
o esterco dos animais criados na propriedade, restos do processamento de frutas
ou outros produtos, lixo orgânico doméstico, cinza, restos de ossos (farinha de
ossos queimados), restos de colheita e vegetais diversos encontrados na própria
área. Agricultoras e agricultores vêm desenvolvendo suas próprias receitas em
vários cantos do País, adaptando as receitas de acordo com a sua necessidade e
disponibilidade de recursos.

Apresentamos a seguir três formas de se aproveitar esses recursos: a


compostagem, a minhocultura e a produção de biofertilizantes.

Compostagem

Para fazer o composto, monta-se uma leira. O comprimento varia


dependendo da quantidade de recurso e da mão de obra disponíveis. O material vai
Leira: pilha sendo colocado em camadas, observando-se a relação carbono/nitrogênio (C/N)
de cerca de
1,2 m de lar-
do material acrescentado. Começando com camada de palha, folhas ou galhos
gura por 1,2 (ou qualquer material orgânico com alta relação C/N) de aproximadamente 20
de altura. cm, segue-se com uma camada de 5 cm de material rico em nitrogênio (esterco),
e depois mais uma camada de palha e restos vegetais diversos (sabugos, material
de poda, cascas, bagaços, etc.) e assim por diante até terminar com uma camada
de palha quando a composteira tiver entre 1,2 m e 1,5 m. A relação C/N deve
ser mantida na faixa de 30/1 para favorecer uma decomposição lenta e eficiente
do material. Quando há muito nitrogênio, a decomposição é rápida demais e
grande parte do material é perdida para a atmosfera. Quando há muito carbono,
a decomposição é lenta demais, favorecendo a proliferação de organismos não
desejados. Isso significa aproximadamente uma proporção de ¼ de esterco para
¾ de restos de plantas.

A composteira deve ser mantida sempre umedecida com água, mas sem
ficar encharcada. Na época das chuvas, convém cobrir a composteira com uma
lona para evitar o excesso de encharcamento, cuidando para não faltar oxigênio.

92
Pode-se enriquecer a composteira com pós de rochas, termofosfato, fosfato
de araxá ou cinza, resultando em um composto mais rico em elementos nutritivos.
Espalham-se 200 g por metro linear da pilha, sobre a camada de esterco.

Para ajudar na aeração, podem-se colocar varas ou bambus verticais no


meio da pilha enquanto o material estiver sendo colocado e depois retirá-las
deixando os orifícios para entrada de ar.

É natural a pilha de composto aquecer devido ao processo de fermentação.


Entretanto, se ao enfiar uma barra de metal no meio da pilha, a barra ficar tão
quente que não dê para segurá-la, é hora de revirar e molhar a pilha. Ainda que
a temperatura não esteja tão alta, a pilha deve ser revirada a cada 15 dias. O
composto fica pronto em aproximadamente três meses.

A composteira não forma cheiro, pois se trata de um processo aeróbio (na


presença de oxigênio), e caso haja mau cheiro é porque há algum problema,
como excesso de umidade ou falta de oxigênio no interior da leira causada pela
compactação do material. Além disso, como não há odor, não há o surgimento
de animais ou insetos. Prático e não incomoda!

Biofertilizantes

Outra opção para adubar os plantios são os biofertilizantes. Eles são


composições líquidas fermentadas que ativam a vida do solo, fertilizando-o.
Também podem ser usados em baixa concentração (2%) na pulverização das
folhas, contribuindo para reduzir a incidência de herbívoros (bichos que comem
plantas) indesejados.

93
Minhocultura (ou Vermicompostagem)

As minhocas são organismos-chave na decomposição


da matéria orgânica (restos vegetais) e sua transformação
em húmus. Muitas minhocas no solo é um bom sinal e
indica fertilidade. É possível cultivar minhocas e, por
meio da construção de minhocários, utilizar os restos
vegetais da propriedade, assim como o lixo doméstico para a
fabricação de húmus. Este é um fertilizante orgânico capaz de
melhorar atributos químicos (oferta, melhor retenção e ciclagem
de nutrientes), físicos (melhoria na estruturação e na formação de agregados) e
biológicos do solo (aumento da diversidade de organismos benéficos do solo).

Um minhocário pode ser qualquer recipiente onde seja possível colocar os


restos vegetais para serem digeridos pelas minhocas. Deve ser fechado para que
as minhocas não escapem, com furos na parte inferior para que o excesso de
água não se acumule. Deve ser coberto para evitar a insolação e o excesso de
chuvas. A minhoca mais indicada para esta atividade é a vermelha da Califórnia,
cujo nome cientifico é (Eisenia foetida), porque apresenta rápido crescimento,
possui maturidade sexual precoce e se adapta bem ao cativeiro.

Exemplo de Minhocário

Um exemplo de minhocário de baixo custo, construído com materiais


disponíveis na própria propriedade e que pode ser adaptado a diversas
condições, é o minhocário campeiro, desenvolvido pela Empresa Brasileira
de Pesquisa Agropecuária (Embrapa): “Sugere-se construir o minhocário com
bambus e adotar a largura máxima de 1 metro; o comprimento pode ser variável.
Os bambus devem ser colocados intercalados um sobre o outro de forma que
suas pontas se cruzem cerca de 5 cm. Para guarnecer as pontas, deve ser fixada
uma estaca de cada lado da cruz formada na junção. Os bambus devem ser
empilhados até atingirem a altura de 30 cm, embora esse limite possa ser maior
conforme a necessidade. O fato de não requerer o uso de arame na sua estrutura
Sombrite:
e de poder ter sua altura aumentada a qualquer momento, é o que diferencia esse
um tipo de minhocário de outros modelos também construídos com bambu. O interior do
sombreamento
minhocário deve ser forrado com sombrite ou filme plástico perfurado, para, ao
composto por
polietileno, mesmo tempo, conter o alimento e as minhocas e permitir a drenagem da água
feito de fios da chuva que por ventura venha a cair em seu interior. Para reduzir ao máximo o
entrelaçados.

94
efeito do impacto da gota da chuva sobre o minhocário, deve ser colocada uma
cobertura de folhas secas ou construir uma tampa com ripas de bambus cortadas
ao meio e revesti-la com lona plástica. O minhocário deve ser montado em um local
onde faça sombra durante a maior parte do dia. A área deve ter uma leve declividade,
para que a água da chuva ou de escorrimento não acumule em seu interior.”

A quantidade necessária de minhocas para iniciar a criação é de 1 litro,


aproximadamente 1.500 minhocas/m². Para um bom desenvolvimento do
minhocário, além de matéria-prima suficientemente rica para alimentar
as minhocas, devemos proporcionar um ambiente adequado para o bom
desenvolvimento e reprodução das minhocas, monitorando a temperatura
(entre 20°C-25°C), umidade (70%-85%), pH (pH 7,0), aeração e drenagem do meio
(o meio não deve ser compactado e nem encharcado). É interessante depois de
preenchido os canteiros com as diferentes fontes de matéria-prima semicurada,
cobrir os canteiros com folhas de bananeiras ou restos de capina para manutenção
de umidade e proteção contra incidência direta da luz solar, além de dificultar
fuga das minhocas. A minhoca possui alguns inimigos naturais que devem ser
controlados, entre eles galinhas, sanguessugas, pássaros e formigas lava-pés. Se
o ambiente natural não for favorável ao desenvolvimento das minhocas haverá
fugas delas, inviabilizando a produção do seu empreendimento.

O minhocário também pode ser construído de madeira ou alvenaria.

Exercícios
Questão 1 - Com relação ao Rhyzobium, é verdadeiro afirmar que: Muito bem!
Agora
a) trata-se de um fungo que provoca mancha nas folhas novas de que você
culturas, como o milho e o tomate; finalizou
esta lição,
b) trata-se de uma bactéria que estabelece uma relação benéfica responda
simbiótica com as leguminosas; as questões
e depois
c) as plantas que apresentam nódulos nas raízes podem estar registre as
contaminadas pelo Rhyzobium e devem ser eliminadas da área para respostas
nos testes
evitar a contaminação das plantas vizinhas; da sua Aula
Interativa.
d) trata-se de um vírus muito comum nos trópicos e costuma ser
transmitido às plantas pelo percevejo.

95
Questão 2 - A relação entre o gado e as árvores pode ser
caracterizada como:
a) complicada, pois o gado gosta de ficar no sol;
b) muito comum, pois todo pecuarista deixa árvores no meio da
pastagem;
c) benéfica para o gado, pois ele gosta de ficar na sombra e de se
alimentar dos frutos e folhas de diversas árvores;
d) prejudicial, pois quando o gado descansa sob a sombra das árvores
perde peso.

Questão 3 - Quando se planta fruteiras que tem origem na floresta


em monocultivo, o resultado é:
a) plantas saudáveis e bem adaptadas à nova situação;
b) as plantas se tornam mais resistentes a pragas e doenças;
c) aumento da produção com relação à produção em seu ambiente
natural mesmo sem a aplicação de adubos;
d) a necessidade de adubação e o ataque de pragas e doenças.

Questão 4 - Qual a principal função dos adubos orgânicos fabricados


na propriedade?
a) Fornecer NPK solúvel e altamente disponível para as plantas.
b) Agirem como estimuladores da vida no solo favorecendo a
decomposição da matéria orgânica que nele colocamos para a liberação
dos nutrientes que as plantas necessitam.
c) Reduzir a necessidade de irrigação.
d) Cobrir o solo para evitar a erosão.

Questão 5 - O bom desenvolvimento das minhocas quando se faz


um minhocário visando a produção de húmus, depende das seguintes
condições, exceto:
a) fornecer matéria-prima suficientemente rica para alimentar as
minhocas;
b) garantir uma temperatura entre 20° C-25° C;
c) manter a umidade em torno de 70%-85%;
d) garantir a incidência direta da luz solar.

96
3. CONTROLE ECOLÓGICO DE INSETOS E
DOENÇAS

3.1 Controlando insetos e pragas


Na agricultura ecológica, costuma-se dizer que doenças
e pragas são, na verdade, indicadores do nosso mau manejo.
Quando uma terra está saudável, quando as culturas que nela
crescem estão saudáveis, não existem doenças ou pragas.
Nas florestas naturais, não existem doenças ou pragas que
causem impactos visíveis. As doenças e as pragas surgem
como resultado do desequilíbrio causado por ambientes
degradados, desnutridos ou intoxicados.

Vejamos algumas situações típicas nas quais é comum encontrarmos


doenças e pragas:
- quando plantamos uma espécie muito exigente em um solo pobre,
compactado e degradado, ou espécies de determinado tipo de ambiente (por
exemplo, seco) em outro muito diferente (por exemplo, em solos encharcados);
- quando plantamos em monocultivo uma espécie cujo ambiente natural é
a floresta com alta diversidade;
- quando utilizamos adubos químicos solúveis, como o NPK, que provocam
fortes desequilíbrios nutricionais ;
- quando utilizamos agrotóxicos que matam os organismos benéficos que
vivem no solo;
- quando utilizamos agrotóxicos que matam os inimigos naturais dos
insetos indesejados (pragas);
- quando desmatamos tudo ao redor, não deixando áreas para a
multiplicação e a sobrevivência dos inimigos naturais das pragas; e
- quando utilizamos mudas ou sementes brocadas, etc.
Todas essas são situações que desequilibram o ambiente interno (tudo o
que acontece dentro da planta) ou externo (organismos que vivem no solo) dos
nossos cultivos.

97
Portanto, a melhor solução para nunca termos problemas com pragas e doenças
é mantermos e recuperarmos um ambiente saudável para nossas plantas:

- mantendo ou recuperando as áreas de reserva legal e áreas de floresta


protegidas;

- diversificando os sistemas de produção;

- adubando os cultivos com fertilizantes orgânicos;

- repondo sistematicamente a matéria orgânica do solo, seja por cobertura


morta, seja pela rotação ou sucessão de culturas produtoras de biomassa;

- reduzindo o uso de agrotóxicos, aprendendo sobre os tipos de insetos


que causam problemas e se é economicamente viável utilizar esses venenos
(pois muitas vezes é mais caro o uso do agrotóxico do que o prejuízo causado
pelo inseto), até que se perceba que venenos não são necessários;

- escolhendo as plantas mais adequadas para o lugar e o solo que vamos cultivar;

- escolhendo espécies que se complementam em suas funções para serem


plantadas juntas. Ex.: mamão (estrato emergente), mandioca (estrato médio) e
abacaxi (estrato baixo); e

- usando sementes e mudas sadias nos plantios.

Outra questão importante é que muitas vezes confunde-se pragas e


predadores. Muitos dos insetos que encontramos nos nossos cultivos, na
verdade, são predadores das nossas pragas. São amigos. Confundindo pragas
com predadores, fazemos de tudo para eliminar os predadores e provocamos o
aumento das pragas! Alguns exemplos de predadores já amplamente estudados
pelos pesquisadores:

- Baculovírus - um vírus que contamina e mata a lagarta da soja.

- Joaninha [Exochomus (Zagreus) bimaculosus] – predador nativo


que se alimenta, durante as fases de larva e adulto, de cochonilhas de
corpo mole e de carapaça, pulgões, ovos e lagartas de mariposas.

- Joaninha australiana [Cryptolaemus montrouzieri] - exerce função


predatória importante no controle biológico de várias espécies de cochonilhas
e afídeos (pulgões).

98
- Crisopídeos Chrysoperla externa – grande
predador encontrado em variadas culturas de
interesse econômico, como algodoeiro, citros,
milho, soja, videira, macieira, entre outras.
Podem se alimentar de ovos, lagartas, pulgões,
cochonilhas, moscas-brancas, ácaros e vários outros artrópodes de pequeno
tamanho e de tegumento facilmente perfurável.

Portanto, é importante saber distinguir quem é a praga e quem é o predador


antes de matar qualquer ser vivo encontrado nos plantios.

Além disso, há muitos pássaros, aranhas, lagartixas, sapos, pererecas e


lagartos que se alimentam de insetos e podem ser mortos quando são utilizados
os agrotóxicos.

Quando, entretanto, eles surgirem em nossos plantios, não vamos deixar


que eles ameacem os rendimentos. Nesse caso, até que nossos sistemas este-
jam em equilíbrio e saibamos ler o que a natureza quer nos dizer com sua pre-
sença, podemos lançar mão de métodos alternativos de controle. As principais
“pragas” que se alimentam dos nossos plantios são lagartas, besouros, moscas,
pulgões, ácaros, cochonilhas e lesmas. As doenças, por sua vez, são causadas
por seres microscópicos, como fungos, bactérias e vírus, e podem causar man-
chas, murchas, melas ou outros sintomas que prejudiquem parte das plantas
ou a planta toda. São provocadas por condições inadequadas para o desenvol-
vimento das plantas (por exemplo, excesso de umidade) e/ou são transmitidas
pelos insetos.

Exercitando o conhecimento...
Cite duas causas de típicas de doença/pragas e duas formas de
manter a plantação livre de pragas.

________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________

99
3.2 Algumas receitas para controlar as pragas:
Lesmas e lagartas do solo

Coloque alguns sacos molhados junto dos canteiros ou das plantas atacadas,
no fim da tarde. Essas pragas costumam se esconder debaixo dos sacos molhados
antes do amanhecer. De manhã, levante os sacos e mate as lesmas e lagartas.

Inseticidas e repelentes caseiros

- Calda de cinza como repelente: misturar 2 kg de cinza em 10 litros de água.


Deixar a mistura descansar por 1 dia. Coar. Pulverizar ou regar as plantas.

- Farinha de trigo e leite contra pulgões e ácaros: juntar 1 litro de leite


desnatado, 4 xícaras de farinha de trigo e misturar em uma lata (20 litros) de água.
Pulverizar ou regar as plantas, sempre mexendo o líquido.

- Repelente de arruda para diversos insetos e formigas: colocar 100 g de


folhas de arruda picadas em 2 litros de água. Deixar em repouso por 24h. Coar e
misturar com uma lata de água (20 litros). Pulverizar ou regar sobre as plantas ou
nos lugares onde aparecem as formigas.

O livro Manejo ecológico de pragas e doenças, de Ana Primavesi, e a


cartilha Práticas alternativas para a produção agropecuária – Agroecologia,
da EMATER-MG contêm muitas outras receitas e dicas de como lidar com esses
bichinhos indesejados.

Grãos e sementes: produção e armazenamento

Plantas anuais/grãos

A conservação dos grãos e das sementes depende da sua nutrição. Grãos e


sementes bem nutridas, pesadas e vítreas são fáceis de armazenar.

No caso do milho guardado no paiol, Ana Primavesi recomenda misturar


ramos e folhas de eucalipto entre as espigas. Para cada camada de 30cm-40cm
de espigas, uma camada de ramos e folhas de eucalipto. Conservam-se durante
seis a oito meses sem carunchar.

No caso do milho e feijão em grãos, misturam-se, entre os grãos, folhas de


louro e dentes de alho. O feijão se conserva melhor quando não foi limpo após a
trilha e quando for guardado com terra e cisco.

100
Plantas anuais/sementes

No primeiro módulo, já se falou sobre a importância da utilização de


sementes variedade ou crioulas adaptadas à região, evitando-se os híbridos e
os transgênicos. Também já foi dito o quão importante é guardar as melhores
sementes, colhidas das plantas que melhor se desenvolveram e que foram mais
resistentes para serem plantadas no ciclo seguinte. A autonomia na produção das
suas próprias sementes significa a independência do agricultor e da agricultora. A
semente é o começo da vida. Sem sementes não há agricultura. Ser dependente
das sementes da indústria significa escravidão. Se o agricultor ou a agricultora
não tem sua própria semente, a indústria pode colocar o preço que quiser,
pode escolher quais características ela quer que sejam plantadas que não são,
necessariamente, as características mais importantes para a agricultura familiar.
Além disso, a diversidade das sementes variedade é que proporciona o equilíbrio
necessário à sustentabilidade da agricultura familiar.

Para poder plantar as próprias sementes a cada ano, colhidas das suas
melhores plantas e, assim, desenvolver variedades cada vez mais adaptadas para
cada local específico, é necessário que as sementes sejam armazenadas com
muito capricho entre a colheita e o plantio seguinte.

As sementes devem ser armazenadas em frascos bem fechados, protegidos


da luz e da umidade. Garrafas PET têm se mostrado um bom recipiente para
armazenar grãos em pequena quantidade.

3.3 Sementes de árvores


A maior parte das sementes das árvores é coletada, estendendo-se uma
lona sob a árvore e balançando-a para as sementes caírem. Sementes leves e
aladas, como as sementes do ipê, devem ser coletadas enquanto os frutos já estão
maduros, mas ainda fechados, quase em ponto de abrirem-se. Outras sementes,
como o jatobá e o pequi, são coletadas dos frutos que caem no chão. Existem
hoje várias feiras e redes para troca e venda de sementes tanto de variedades
de cultivos anuais quanto de árvores. São espaços onde se podem conseguir as
sementes desejadas e também vender e trocar aquelas que conseguimos coletar.

101
A fim de proteger as sementes da germinação precoce, algumas espécies
desenvolveram, ao longo da sua evolução biológica, mecanismos de dormência. A
dormência ajuda a semente a esperar as condições ideais para que sua muda possa
se desenvolver. Essas sementes normalmente podem ser conservadas por longo
período sem comprometimento das suas taxas de germinação. Alguns exemplos
são: jatobá, barbatimão, pau-ferro, mulungu, tamboril, olho-de-cabra, entre outras.
As sementes dessas espécies precisam ter sua dormência quebrada antes do plantio.
Isso pode ser feito por meio de choque térmico: Ferver água e jogar as sementes na
água fervente. Contar até 20. Tirar da água fervente e jogar em água fria, ou deixá-
las imersas em água corrente (dentro de um saco de ráfia) por 48 horas. Depois de
quebrar a dormência das sementes, é necessário plantá-las rapidamente.

Outras sementes não possuem dormência, mas podem ser armazenadas


entre a colheita e a época de plantio (alguns meses), como: angico, mamão, ipês,
quina, paineira, mogno, etc.

Finalmente, há sementes que devem ser plantadas imediatamente após a


colheita, pois perdem a germinação quando secam (são as chamadas sementes
recalcitrantes): cagaita, mangaba, ingás, jabuticaba, abacate, manga, sapucaia.

Cagaita e sua semente

Essas não podem ser armazenadas. Se não for possível


plantar diretamente no campo, assim que colhidas, será
necessário fazer mudas.

Exercícios
Parabéns!
Agora Questão 1 - São vantagens dos sistemas agroflorestais, exceto:
responda as
questões e a) produção escalonada ao longo do tempo;
registre-as
b) a diversidade dá maior segurança ao agricultor, pois se um produto
nos testes
da sua Aula falhar, haverá outros tanto para o consumo quanto para o mercado;
Interativa.
c) produzem somente com o uso intensivo de adubos químicos e
agrotóxicos;
d) otimização no uso dos recursos naturais, como água, sol e nutrientes.

102
Questão 2 - Assinale a alternativa que não contém um critério para
escolha dos cultivos e árvores a serem incluídos no sistema agroflorestal:
a) disponibilidade de sementes e/ou mudas de boa qualidade;
b) o agricultor ou a agricultora já possuir a prática do plantio e manejo;
c) gerar matéria orgânica para cobrir o solo;
d) serem espécies exigentes em fertilidade do solo.

Questão 3 - Assinale a alternativa que indica condições favoráveis ao


surgimento de “pragas” e doenças nos plantios:
a) quando utilizamos variedades adaptadas à região;
b) quando utilizamos adubos químicos solúveis, como o NPK, que
provocam fortes desequilíbrios nutricionais;
c) quando mantemos protegidas as áreas de proteção florestal na
propriedade rural;
d) quando diversificamos os plantios, cultivando diferentes espécies.

Questão 4 - Assinale a alternativa que apresenta uma afirmação


incorreta:
a) todos os insetos que surgem na lavoura são potencialmente
danosos e devem ser controlados;
b) proteger e recuperar as áreas de reserva legal e áeas de floresta
protegidas é importante para a manutenção das populações dos
inimigos naturais das pragas dos nossos cultivos;
c) a recuperação da vida no solo ajuda no aumento das populações
de organismos benéficos para nossos cultivos;
d) deve-se preferir o uso de variedades mais resistentes e adaptadas
ao clima da região do que híbridos altamente demandantes de
adubos químicos solúveis se não desejamos fazer uso dos agrotóxicos
na propriedade.

103
Questão 5 - A dormência das sementes é uma estratégia desenvolvida
durante a evolução de determinadas plantas com o objetivo de:
a) aumentar a taxa de germinação;
b) garantir que os dispersores as carreguem para longe da planta mãe;
c) assegurar que só germinem quando as condições de insolação,
temperatura e umidade sejam ideais para o seu pleno desenvolvimento;
d) facilitar o melhoramento genético para produção de variedades
mais adaptadas localmente.

104
GERAÇÃO DE RENDA E EDUCAÇÃO

1. GERAÇÃO DE RENDA E EDUCAÇÃO


1.1 Como minimizar custos e maxi-
mizar a renda
Estamos na era da geração de renda e de educação,
portanto, pense um pouco: como minimizar os custos e
maximizar a renda? Vejamos adiante.

Quando analisamos a eficiência da atividade agrícola


de uma propriedade, ou seja, quando se compara quanto
está sendo investido com o quanto se recebe desses
investimentos, um aspecto fundamental para essa observação, especialmente para
o(a) produtor(a) ecológico(a), diz respeito à eficiência energética.
Eficiência
O trabalho humano empregado, o uso das máquinas, os insumos, tudo isso energética:
a utilização
pode ser quantificado em termos de energia. A energia, por ser o componente racional
básico da vida, apresenta papel fundamental e “soberano” na natureza. da energia,
por vezes
chamada
Os ecossistemas naturais captam e transformam energia constantemente
simplesmente
e, dependendo da forma que esse processo ocorre, podem ser mais ou menos de eficiência
eficientes no uso dessa energia. Os agroecossistemas representam uma forma energética,
consiste em
de manipulação humana da energia natural, ou seja, utiliza-se da agricultura para usar menos
converter energia solar em formas selecionadas de biomassa, que serão usadas energia para
fornecer
como alimento, ração, fibras e combustíveis. a mesma
quantidade
Todos os agroecossistemas – dos mais simples aos mais complexos – de valor
requerem uma contribuição de energia humana. Esta contribuição é necessária já energético.

que ocorre uma remoção pesada de energia dos agroecossistemas nas colheitas.

Nas últimas décadas, a chamada“modernização”da agricultura tem priorizado


a adição de quantidades cada vez maiores de energia nos sistemas produtivos para
aumentar a produção, com o agravante que grande parte dessa energia adicionada
tem origem, direta ou indiretamente, de fontes não renováveis, principalmente os
combustíveis fósseis, de altos custos energéticos. Isto impõe uma séria preocupação

105
para todos nós: a quantidade de energia investida na produção de alimentos, muitas
vezes, tem sido maior do que o retorno conseguido em valor energético dos alimentos,
ou seja, o saldo no balanço energético é negativo, comprometendo a continuidade
da produção de alimentos. Em outras palavras, coloca-se mais energia no sistema
do que se tira dele.

Insumos industriais Custo energético


Maquinaria (média para caminhões
18.000 kcal/kg
e tratores)
Gasolina (incluindo refino e frete) 16.500 kcal/l
Diesel (incluindo refino e frete) 11.450 kcal/l
GLP (incluindo refino e frete) 7.700 kcal/l
Eletricidade (incluindo geração e
3.100 kcal/Kwh
transmissão)
Nitrogênio (como nitrato de amônia) 14.700 kcal/kg
Fósforo (como superfosfato triplo) 3.000 kcal/kg
Potássio (como potassa) 1.890 kcal/kg
Calcário (incluindo mineração e
295 kcal/kg
processamento)
Inseticidas (incluindo fabricação) 85.860 kcal/kg
Herbicidas (incluindo fabricação) 111.070 kcal/kg

Agricultura sustentável. Porto Alegre: ed. Universidade/UFRGS, 2000. 653p. Retirado de:
SOUZA, J. L., REZENDE, P. Manual de horticultura orgânica. Viçosa/MG, Ed. Aprenda fácil, 2006. 843 pg.

A monocultura se apresenta como uma das maiores causas de redução de


eficiência energética dos sistemas de produção. Isto é provocado pela pequena
cobertura do solo (que induz perdas de água por evaporação e perdas de solo por
erosão), associado à grande dependência por insumos externos à propriedade
(adubos químicos e agrotóxicos, ambos com elevados custos energéticos).

Com isso, pode-se explicar porque a agricultura moderna, baseada na


mecanização, nos insumos industriais e nas monoculturas plantadas a partir de
sementes “melhoradas”, mesmo com aumento das colheitas por cultura, não

106
trouxe maior justiça social. O aumento da produtividade não resultou em melhoria
da qualidade de vida nem garantiu a preservação da cultura e dos ambientes.
Ao contrário, os rendimentos totais, descontados os custos, têm diminuído ano
após ano, enquanto o número de famílias que deixam suas terras, o número de
agricultores(as) intoxicados por agrotóxicos, as dívidas de agricultores(as) com
bancos, as denúncias de alimentos com contaminação por doses inadmissíveis de
agrotóxicos, as taxas de desmatamento e de extinção de espécies crescem ano após
ano. Que pese nesta análise o fato de que os custos da agricultura convencional só
tendem a aumentar, já que são grandemente baseados nos combustíveis fósseis e
em recursos minerais, que vem se esgotando ou se tornando de difícil exploração.
Todos acompanharam o salto nos custos dos adubos químicos nos últimos anos.
Também tem sido ignorado quanto custa para os(as) produtores(as) a perda da
fertilidade natural de seus solos, o custo do abandono de um talhão para o pousio,
a perda da biodiversidade que faz o controle natural das pragas e das doenças e os
problemas com erosões e diminuição da água útil.

No processo de mudança, ou de transição da agricultura convencional para


uma agricultura ecológica, ou seja, na transição agroecológica, alguns passos são
possíveis, respeitando a cultura, os desejos, a aptidão dos locais de produção,
entre outros fatores, todos buscando maior eficiência energética e econômica.

Observa-se que muitos agricultores(as), ao iniciarem neste processo, trazem


consigo a prática de basear seus planejamentos de produção nos insumos que
serão utilizados e buscam, neste princípio de mudança, substituir os insumos
industriais por insumos mais ecológicos. Assim, por exemplo, ao substituir
adubos químicos por compostos orgânicos ou outros fertilizantes orgânicos, os
custos tendem a ser significantemente menores, principalmente a médio e longo
prazo, já que a fertilidade do solo aumenta e é mantida com o passar do tempo.
Substituem inseticidas industriais por receitas caseiras ou baseadas em produtos
naturais, com menores custos, porém estudos demonstram que retornos realmente
significativos são obtidos quando se muda da mentalidade do uso de insumos, para
observação e utilização dos processos que geram, mantém e renovam a vida na
propriedade, na região.

Dessa forma, reforçamos que a adoção das práticas sugeridas ao longo do curso
são, inclusive, estratégias de redução de custos, aumento dos lucros e de autonomia
dos(as) agricultores(as) para as etapas do processo produtivo “dentro da porteira”.

107
Aqui estão os exemplos de estratégias para reduzir os custos:
1. fazer o redesenho dos agroecossistemas mantendo e/ou recuperando áreas
florestadas, para formação de um clima mais propício para os cultivos, o que reduz os
custos com irrigação e aumenta a produção, bem como propicia refúgio e renovação
de organismos que controlam naturalmente pragas e doenças das plantações,
evitando o uso de agrotóxicos caros e de alto custo energético;
2. incluir no redesenho destes agroecossistemas o plantio de fontes de matéria
orgânica (adubos verdes, como capim-elefante, guandu e outros já mencionados,
assim como árvores de rápido crescimento que aceitam podas regulares), para sempre
ser adicionada ao solo em cobertura. A adição constante de matéria orgânica sobre
o solo potencializa os efeitos dos adubos e melhora crescentemente a fertilidade do
solo, assim como sua bioestrutura. Quando o produtor(a) coloca, ao longo do ano,
matéria orgânica sobre o solo, pode claramente contabilizar o quanto de solo e água
ele deixa de perder para, ao contrário, perceber que o perfil do seu solo se mantém ou
cresce periodicamente, e que a necessidade de irrigação diminui;
3. utilizar adubos verdes em consorciação ou em rotação com as culturas principais,
para que cada talhão produza a maior parte de seu adubo, diminuindo a necessidade
de fertilizantes e diminuindo o elevado custo de mão de obra com as capinas;
4. adotar preferencialmente a prática do plantio direto sobre a palhada, ou do
cultivo mínimo, para diminuir significativamente os altos custos com preparo de solo,
com capinas e com a compra de herbicidas (que, além de caros, poluem o ambiente
e matam a microvida do solo);
5. utilizar consorciação de culturas para maior produção por área, melhor utilização
dos nutrientes, da irrigação e dos serviços;
6. integrar criações animais com os cultivos, para suprir quase toda a necessidade
de adição de adubos, que desta forma virá da propriedade ou das proximidades. Isso
reduz os custos, aumenta a eficiência energética do processo produtivo, colabora na
segurança alimentar e possibilita outras fontes de renda, já que os animais reciclam
vegetais, ou parte de vegetais, que não seriam aproveitados pela família ou pelo
mercado, em proteína de alta qualidade;

108
7. escolher cultivares adaptadas ao clima local com boa aceitação no mercado, com
menores exigências em irrigação e nutrientes. Realizar a seleção dos indivíduos mais
produtivos para o fornecimento de sementes, adaptando as cultivares à propriedade;
8. diversificar a produção, melhorando as possibilidades de comercialização
pela variedade de produtos e por poder compensar as flutuações de preços, mas,
principalmente, para garantir a segurança alimentar da família, com qualidade,
diminuindo custos com a aquisição de alimentos;
9. adotar o cultivo de árvores na propriedade. A eficiência energética e econômica
em uma área, quando ocupada por árvores, certamente será maior que quando
ocupada pela grande maioria dos cultivos anuais. Especialmente se as culturas
arbóreas forem consorciadas. Como exemplo, podemos citar o consórcio de abacate
com banana e café irrigados. A produtividade média do abacate em Goiás é de 17,8
t/ha, consorciado com bananeiras, que produzem nesse sistema cerca de 21 t/ha.
Somando-se a esses a produtividade média do café consorciado, que é de 20 sacas
de 60 kg/ha, temos a produção aproximada de 40 t de produtos por hectare, com
alto valor de mercado. Como vimos no capítulo anterior, este consórcio pode ser
ainda mais rico. Além disso, as árvores na propriedade cumprem grande parte das
estratégias sugeridas: ajudam a moderar o clima; produzem grandes quantidades de
matéria orgânica que, se submetidas a podas regulares, forram o solo melhorando
sua bioestrutura e fertilidade; têm custos mínimos com preparo de solo; permitem a
consorciação; são pouco exigentes, depois de estabelecidas, em irrigação e adubação;
e oferecem alimentos de alto valor nutricional para a família, além de outros recursos
valiosos, como madeira, energia, recursos medicinais, fibras, forragem, entre outros.

Na outra ponta da avaliação de eficiência econômica da propriedade, ou


ainda “pra fora da porteira”, temos a comercialização dos produtos. A prática tem
demonstrado que este tem sido o maior gargalo para aumento dos rendimentos na
agricultura familiar, seja porque as regras e convenções favorecem a produção em
grande escala, seja pelo isolamento das unidades familiares produtoras que dificultam
a cooperação entre os(as) agricultores(as) familiares, ou ainda pela grande distância
entre as unidades produtoras e os centros de consumo, entre diversas outras causas.

Ressaltamos os aspectos positivos possibilitados com os conhecimentos


adquiridos até aqui. Com a adoção de técnicas que diminuem custos e aumentam
a qualidade nutricional e de apresentação dos produtos, os(as) agricultores(as)
certamente ganham poder de negociação em quaisquer espaços de comercialização.

109
Como estratégias para melhorar a comercialização, sugerem-se:
1. fortalecer as organizações de agricultores e agricultoras familiares, já que assim
os grupos podem se beneficiar das vantagens da produção em escala e alcançar
outros mercados consumidores com qualidade diferenciada;
2. investir em um processo de comercialização eficiente, observando as demandas
dos consumidores, entendendo que o foco da agricultura familiar está na diversidade
de produtos e na qualidade diferenciada, especialmente dos produtos agroecológicos
e orgânicos, buscando espaços específicos no mercado;
3. investir na capacitação dos responsáveis pela comercialização, pois esta etapa
do processo produtivo é fundamental na manutenção do(a) produtor(a) no mercado e
é a mais regulada e fiscalizada. No link abaixo, se encontra uma cartilha de introdução
à capacitação comercial na agricultura familiar:
http://pt.scribd.com/doc/25808162/Comercializacao-na-Agricultura-Familiar
(Acesso em: 20 dez. 2012)
4. buscar a venda direta dos produtos para os consumidores, acrescentando ao
“valor” do produto a relação direta do(a) consumidor(a) com o(a) produtor(a), com
maior rentabilidade por unidade vendida;
5. valorizar a cultura alimentar local e a agrobiodiversidade goiana, pois há uma
demanda crescente por produtos que valorizam aspectos culturais, ambientais e
sociais da produção, além de possibilitar resgatar produtos abandonados ou não
considerados pela comercialização convencional, como a taioba, a araruta, o pequi, o
araticum, o buriti, etc.;
6. procurar, junto ao poder local, as possibilidades de financiamento para a
comercialização e de compras governamentais. Atualmente existem programas
governamentais de aquisição de alimentos que priorizam os produtos da agricultura
familiar, como o PAA (Programa de Aquisição de Alimentos) e o PNAE (Programa
Nacional de Alimentação Escolar), sendo uma forma de comercialização direta com
rendimentos médios superiores aos dos mercados convencionais. Existem, por meio
do Pronaf, linhas específicas de financiamento para comercialização, que possibilitam
o financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e da industrialização
da produção própria e/ou de terceiros, inclusive aquisição de embalagens, rótulos,

110
condimentos, conservantes, adoçantes e outros insumos, formação de estoques de
insumos, formação de estoques de matéria-prima, formação de estoque de produto final
e serviços de apoio à comercialização, adiantamentos por conta do preço de produtos
entregues para venda, financiamento da armazenagem e conservação de produtos para
venda futura em melhores condições de mercado. Além destes, o Serviço Brasileiro de
apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) oferece diversos serviços em qualificação
da comercialização específicos para agricultura familiar, com parte do custeio destes
serviços sendo feita pelo próprio Sebrae.

1.2 Agregando valor aos produtos com o processa-


mento na propriedade rural
Vimos até aqui estratégias para aumentar a
eficiência econômica, voltadas principalmente para
a comercialização de produtos in natura, porém
outras formas de beneficiamento e processamento
da produção, inclusive muitas já praticadas pelas In natura:
produtos que
famílias agricultoras, são opções interessantes para são somente
aumento de renda e inclusão da agricultura familiar colhidos,
higienizados
em mercados específicos. e embalados.
Não há
A implantação de agroindústrias é uma das alter- uso de
nativas econômicas para a permanência dos(as) agricultores(as) familiares no meio agrotóxicos
ou qualquer
rural e para a construção de um novo modelo de desenvolvimento sustentável, que produto
pensa o rural como um todo e não mais apenas ligado à produção agrícola. Dá opor- químico.
tunidade de inclusão social, promovendo a participação no desenvolvimento e a
igualdade, especialmente de segmentos menos privilegiados, como, por exemplo, as
mulheres, os idosos e os jovens. Para essas pessoas, pode representar o (re)início da
construção da cidadania, bem como uma oportunidade de resgate de valores sociais
e culturais, indo muito além do que usualmente é confundido com cidadania, a qual
pode ser entendida aqui principalmente como oportunidade de trabalho e, conse-
quentemente, de obtenção de renda suficiente para se viver com boa qualidade.

Compreende-se como agroindustrialização o beneficiamento e/ou


transformação dos produtos provenientes de explorações agrícolas, pecuárias,
pesqueiras, aquícolas, extrativistas e florestais, abrangendo desde processos
simples, como secagem, classificação, limpeza e embalagem, até processos mais

111
complexos que incluem operações físicas, químicas ou biológicas, como, por
exemplo, a extração de óleos, a caramelização e a fermentação. Inclui, também,
o artesanato no meio rural.

Por ser uma atividade complexa, a ausência de um planejamento e de apoio


adequados pode frustrar os agricultores familiares, pois poderiam proliferar
experiências negativas nesse processo.

Diversos debates em torno desse tema apontam alguns fatores que


são determinantes para o sucesso dos empreendimentos e que devem ser
considerados, entre os quais se destacam:
- estudos de viabilidade na implantação;
- economia de escala na comercialização e/ou adequação da escala da
agroindústria ao mercado;
- a disponibilidade de matéria-prima, a mão de obra, o capital e os
equipamentos e instalações;
- a padronização e a qualidade dos produtos; a continuidade da oferta;
- a capacidade gerencial em todas as etapas do processo produtivo;
- o processo de organização;
- a disponibilidade de infraestrutura pública;
- a adequação e/ou o conhecimento das legislações sanitária, tributária,
ambiental, previdenciária e trabalhista; e
- o suporte de crédito para a estruturação produtiva e o capital de giro.
1.3 Certificação orgânica e agroecológica
A qualidade dos produtos orgânicos produzidos
no Brasil é garantida de três diferentes maneiras:
com a Certificação, os Sistemas Participativos de
Garantia e o Controle Social para a Venda Direta
sem Certificação. Juntos, a Certificação e os Sistemas
Participativos de Garantia formam o Sistema Brasileiro de
Avaliação da Conformidade Orgânica (SisOrg) e são realizados por Organismos
de Avaliação da Conformidade Orgânica.

O mecanismo da certificação se dá por meio de empresas públicas ou


privadas, com ou sem fins lucrativos. Mais conhecidas como certificadoras, essas
empresas realizam inspeções e auditorias, seguindo procedimentos básicos
estabelecidos por normas reconhecidas internacionalmente.

112
A certificação também pode ser feita por Grupos de Produtores, desde
que sejam formados por pequenos produtores, agricultores familiares, projetos de
assentamento e outros grupos formados por ribeirinhos, quilombolas, indígenas
e extrativistas que possuam uma organização e estrutura suficientes para
assegurar um Sistema de Controle Interno dos procedimentos regulamentados.
No entanto, para que a Certificação em Grupo de Produtores possa ocorrer, é
necessário que seja realizado um acordo formal por todos os responsáveis pela
produção, com o objetivo de definir a responsabilidade do grupo e de seu Sistema
de Controle Interno.

Exemplos de certificação de um Grupo de Produtores

Os Sistemas Participativos de Garantia (SPG) caracterizam-se pelo


controle social e pela responsabilidade solidária, podendo abrigar diferentes
métodos para gerar a credibilidade adequada a diferentes realidades sociais,
culturais, políticas, territoriais, institucionais e econômicas.

O Controle Social é um processo de geração de credibilidade,


necessariamente reconhecido pela sociedade, organizado por um grupo de
pessoas que trabalham com comprometimento e seriedade. Ele é estabelecido
pela participação direta dos seus membros em ações coletivas para avaliar
a conformidade dos fornecedores aos regulamentos técnicos da produção
orgânica. Em outras palavras, o comprometimento deles com as normas exigidas
para esse tipo de produção.

O Organismo Participativo de Avaliação da Conformidade (Opac) é uma


organização que assume a responsabilidade formal pelo conjunto de atividades
desenvolvidas em SPG.

Os Sistemas Participativos de Garantia promovem as visitas de


Verificação da Conformidade. O objetivo é a troca de experiências entre os
participantes do sistema e a orientação aos fornecedores (agricultores(as)) para
que eles possam resolver possíveis não conformidades e melhorar a qualidade
dos sistemas produtivos.

Quando o fornecedor tem a conformidade de sua unidade de produção


aprovada, ele recebe do Organismo Participativo de Avaliação da Conformidade
o Atestado de Conformidade Orgânica. Este documento tem validade de um
ano a partir da data de emissão.

113
Controle social na venda direta sem certificação

A venda direta é aquela que acontece entre o produtor e o consumidor final,


sem intermediários. A legislação brasileira também aceita que a venda seja feita por
um outro produtor ou membro da família que participe da produção e que também
faça parte do grupo vinculado à Organização de Controle Social (OCS).

Uma OCS deve ter controle próprio, estar ativa e garantir que os produtores
a ela ligados garantam o direito de visita dos consumidores às suas unidades
de produção, assim como o livre acesso do órgão fiscalizador. Além disso, ela
também tem a obrigação de manter atualizadas as listas dos principais produtos
e quantidades estimadas por unidade de produção familiar.

Para que consumidores e produtores sérios não saiam prejudicados, a


legislação determina que a Organização de Controle Social se cadastre em um
órgão fiscalizador. Uma vez cadastrada, cada produtor da organização deve
receber uma Declaração de Cadastro para comprovar aos consumidores a sua
condição de produtor orgânico.

Na página do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA),


há uma seção dedicada ao segmento orgânico com publicações, legislações,
programas, entre outras informações: http://www.agricultura.gov.br/
desenvolvimento-sustentavel/organicos (Acesso em: 20 dez. 2012).

Para os produtores em transição agroecológica, ou que não pretendem


ser identificados como produtores orgânicos, existem as identificações
como ecológicas, naturais e diversas outras, porém, sem uma certificação ou
reconhecimento oficial. Elas têm características semelhantes ao controle social
como a abertura para visitas de consumidores e uma relação de proximidade,
confiança e venda direta entre produtores e consumidores.

O fortalecimento das organizações de agricultores/familiares facilita esta


etapa da comercialização, além de possibilitar uma rede de cooperação para
melhoria da qualidade dos produtos e da comercialização. Diversas iniciativas no
país organizaram rede de feiras de produtores familiares agroecológicos, ou grupos
de compra em que consumidores se organizam para adquirir produtos diretamente
dos produtores, com muitas vantagens para todos envolvidos, resgatando a
relação entre agricultores e agricultoras, além da cultura alimentar brasileira e a

114
agrobiodiversidade. Em Goiás, várias pessoas, de diferentes profissões, em busca
de viver e divulgar uma vida saudável, recomendam e divulgam feiras, locais e
produtores. Mesmo não sendo produtores, são aliados na busca da construção de
um mercado diferenciado para os produtos orgânicos da agricultura familiar.

Exercícios:
Questão 1 - Sobre a eficiência energética na chamada “modernização” Você está
da agricultura podemos afirmar: indo muito
bem!
a) a energia utilizada na agricultura é muito bem planejada e Responda
as questões
responsável com as futuras gerações; desta lição
b) o balanço energético (a diferença entre quanto de energia se e registre as
respostas
adiciona nos plantios e quanto de energia em alimentos se produz), na sua Aula
depois da “modernização” da agricultura, ficou maravilhosamente Interativa.
positivo, já que se passou a produzir muito mais;
c) a agricultura “moderna” gasta muita energia para produzir e assim
ameaça a continuidade da produção de alimentos;
d) a monocultura foi a melhor invenção para tornar a agricultura
mais econômica e eficiente.
Questão 2 - Sobre as práticas agroecológicas sugeridas no curso, que
inclusive ajudam a diminuir custos e aumentar os lucros, é errado dizer:
a) proteger as matas e reflorestar a propriedade nos ajuda a
economizar em irrigação e em controle de insetos e doenças, além de
aumentar a produção;
b) a produção de matéria orgânica na propriedade, de preferência
dentro de cada talhão, ajuda muito na operação de manter o solo
sempre coberto, o que melhora sua fertilidade;
c) consorciação entre culturas e com adubos verdes ajuda a colher
mais produtos por área, gastando menos com adubos e serviços;
d) deve-se diminuir o cultivo de árvores na propriedade, para facilitar
a organização da matéria orgânica sobre o solo.
Questão 3 - A agricultura familiar vem recebendo maior atenção da
sociedade. Sobre isso é errado dizer que:
a) a cultura alimentar local e a agrobiodiversidade goiana tem
sido cada vez mais procurada pelos consumidores, que valorizam os
aspectos sociais, culturais e ambientais da produção;

115
b) o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar
(Pronaf ) tem auxiliado as famílias a mudar a percepção da sociedade
sobre a agricultura familiar, que atualmente é mais valorizada que há
poucos anos;
c) o governo ainda não percebeu o potencial produtivo da agricultura
familiar, por isso não compra nada destes(as) produtores;
d) o SEBRAE tem acompanhado a sociedade e está mais atento
às necessidades dos agricultores familiares, com programas mais
adequados para estas pessoas.
Questão 4 - Sobre o processamento agroindustrial é errado dizer:
a) as agroindústrias dão oportunidade de trabalho e geração de
renda para as pessoas com mais dificuldade no mercado de trabalho
agrícola como mulheres, jovens e idosos;
b) a agroindustrialização dos produtos é muito difícil por ser uma
atividade muito diferente das praticadas normalmente;
c) processos simples, como seleção, higienização, secagem e
embalamento, são considerados agroindustrialização, bem como o
artesanato rural;
d) por envolver muitas coisas, devemos planejar com dedicação o
processo de implantação e condução de uma agroindústria.

Questão 5 - Sobre a certificação orgânica, assinale a alternativa certa.


a) Qualquer produtor pode vender seu produto como orgânico,
desde que não use NPK ou agrotóxicos na produção.
b) Para ter como certo que o produto é orgânico, qualquer empresa,
pública ou privada, pode dar um certificado para os produtores.
c) As visitas de verificação da conformidade nos Sistemas Partici-
pativos de Garantia servem para aplicar multas e outras penalidades
para os infratores.
d) Quando o fornecedor tem a conformidade de sua unidade
de produção aprovada, ele recebe do Organismo Participativo de
Avaliação da Conformidade o Atestado de Conformidade Orgânica,
que tem validade de um ano a partir da data de emissão.

116
2. MAIS ASPECTOS DA AGRICULTURA

2.1 Pagamento por Serviços Ambientais (PSA)


Genericamente, serviços ambientais (ou serviços
ecossistêmicos ou de ecossistemas) são os benefícios que as
pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços ecossistêmicos ou
ambientais, nesse sentido, seriam as funções e os processos
dos ecossistemas naturais relevantes para a preservação,
conservação, recuperação, uso sustentável, aumento da
produtividade dos cultivos agrícolas, melhoria do meio
ambiente e promoção do bem-estar humano, e que podem
ser afetados pela intervenção humana.

São exemplos de serviços ambientais prestados pelas florestas tropicais: a recarga de


aquíferos, a manutenção do clima regional, o fornecimento e proteção de polinizadores
das plantas cultivadas e predadores de herbívoros que se alimentam dessas plantas, a
proteção das margens dos rios contra o assoreamento e a fixação de carbono.

Os serviços prestados pelos ecossistemas são essenciais não só para a


sobrevivência humana, mas também para a redução da pobreza. A espécie
humana é parte dos ecossistemas, com os quais interage, assim como é
fundamentalmente dependente do fluxo de serviços ambientais.

A degradação desses serviços tem muitas causas, inclusive a demanda


excessiva por eles, decorrentes do crescimento da economia, da mudanças nos
tamanhos e nas composições das populações humanas e das escolhas individuais.

A combinação das demandas crescentes colocadas sobre ecossistemas cada


vez mais degradados diminui seriamente as perspectivas de um desenvolvimento
sustentável. Assim, o bem-estar humano é afetado não apenas pelas diferenças
entre a demanda e a oferta dos serviços ambientais, mas também pela crescente
vulnerabilidade de indivíduos, comunidades e nações. Enquanto ecossistemas
bem manejados reduzem os riscos e as vulnerabilidades, sistemas mal manejados
podem aumentar os riscos de enchentes, secas, perdas de safra, fome e doenças.
E esses riscos são particularmente maiores nas áreas rurais.

117
Os atuais processos de decisão, sejam coletivos ou individuais, muitas vezes
ignoram ou subestimam o valor dos serviços ambientais. A tomada de decisão
sobre os ecossistemas e seus serviços pode ser especialmente complicada porque
diferentes ciências, pontos de vista filosóficos e escolas de pensamento avaliam o
valor dos ecossistemas de diferentes maneiras.

O valor econômico total de um serviço ambiental pode ser estimado a partir


dos diferentes tipos de uso que a eles damos: uso direto, uso indireto e o valor de se
manter aberta a opção de usá-los mais tarde.

Existem diferentes esquemas de Pagamento por Serviços Ambientais


(PSA), sendo o esquema de pagamento direto o tipo mais comum. Nesses
casos, o governo, em nome da sociedade civil, remunera proprietários de terras
pela adoção de tecnologias capazes de possibilitar melhor gestão do solo e, assim,
resolver um problema ambiental específico. Normalmente esses esquemas são
financiados inteiramente pelo governo, em benefício da sociedade, mas podem
também incluir contribuições do setor privado.

Exemplo: um produtor rural mantém uma reserva da floresta original em


sua fazenda, preservando a nascente de um rio ou a fauna nativa. O governo o
remunera por estar fazendo um bem público.

Também existem esquemas de PSA baseados em produtos, em que


consumidores pagam um prêmio verde sobre o preço de mercado de um
produto ou serviço, para garantir um processo de produção ambientalmente
sustentável, comprovado mediante processo independente de certificação. Quando
consumidores decidem pagar esse valor adicional eles estão escolhendo pagar,
também, pelos serviços de proteção ambiental. Programas de certificação com selos
ecológicos têm sido desenvolvidos para uma variedade de produtos, tais como café
consorciado com espécies florestais, produtos orgânicos e madeira certificada.

Exemplo: “A cada novo carro vendido uma árvore será plantada”.

Os programas governamentais de PSA encontram-se em fase inicial, alguns já


sendo aplicados, porém a maioria ainda está na etapa de debates de como estes servi-
ços serão remunerados, qual a fonte dos recursos, quais as regulações, havendo diver-
sos projetos de lei para regulamentar estes pagamentos, muitos privilegiando a agri-
cultura familiar, que, contudo, ainda estão tramitando nas esferas do poder legislativo.

118
2.2 Agricultor e agricultora pesquisadores
O melhoramento sistemático de plantas
começou há, aproximadamente, 150 anos, a
partir das descobertas que Gregor Mendel (1822-
1884), monge agostiniano, agricultor, botânico e
meteorologista austríaco, fez cruzando diversas
espécies, como feijões, hortaliças, abelhas e,
principalmente, ervilhas cultivadas na horta
do mosteiro. Mendel é considerado o Pai da
Genética e criou as leis da hereditariedade
que, intuitivamente, agricultores e agricultoras
conheciam havia séculos.

Foi somente a partir de meados do século passado, com a Revolução Verde,


que se intensificaram as pesquisas para o melhoramento das plantas e dos animais,
visando ao plantio em larga escala, assim como iniciou o desenvolvimento da
indústria de insumos químicos (adubos sintéticos e agrotóxicos) com a criação de
uma rede de Centros Internacionais de Pesquisa Agrícola.

Portanto, durante milênios, plantas foram cultivadas ao redor do planeta


sem nenhum uso de insumos químicos, sustentando populações humanas
consideráveis, apenas usando o conhecimento sobre os ciclos da natureza,
sistemas de irrigação rudimentares, tração animal e adubos orgânicos como o
esterco de animais e restos de culturas.

Quanto mais complexos e tecnológicos os métodos, as práticas e os insumos


agrícolas produzidos pela ciência e tecnologia modernas, maior a dependência
do agricultor. Por exemplo, quando os tratores eram totalmente mecânicos, a
manutenção podia facilmente ser feita por mecânicos locais e até pelo próprio
agricultor, enquanto os tratores informatizados necessitam de assistência
técnica especializada, da mesma forma com as sementes. Sementes híbridas e/
ou transgênicas não podem ser produzidas ou multiplicadas pelo agricultor no
seu sítio, a sua patente é detida pelas empresas e/ou instituições de pesquisa
e todo ano há necessidade de comprar novas sementes. Como explicado no
primeiro módulo deste curso, essas sementes foram selecionadas para exigir
grande quantidade de insumos químicos. Resultado: dependência e poluição

119
ambiental. A geração de tecnologias e equipamentos cada vez mais complexos
para a irrigação e adubação química do terreno torna agricultores e agricultoras
cada vez mais dependentes de técnicos, agrônomos e empresas.

Somente com independência e autonomia é que a renda gerada pelo trabalho


no cultivo agrícola poderá ficar nas mãos de agricultores e agricultoras para a
melhoria da qualidade da sua vida ao invés de grande parte ser utilizada na compra e
na manutenção de equipamentos, máquinas e na aquisição de insumos e sementes.

Gerar essa tecnologia adaptada localmente é o papel do agricultor


pesquisador, juntando seu enorme conhecimento sobre a terra, as plantas, os
animais, os ciclos da natureza e as diversas etapas e processos envolvidos na arte
de cultivar a terra com uma atitude curiosa e um espírito experimentador. Mas
só conseguimos descobrir soluções novas se estivermos abertos ao desconhecido.
O simples fato de estar fazendo esse curso mostra que você tem esse espírito
curioso e que tem o desejo de aprender coisas novas. O primeiro passo está dado.
Vamos aos passos seguintes com algumas dicas que, esperamos, possam ajudá-
lo a trilhar o caminho da geração de conhecimento na propriedade rural.

1) Observar a natureza. Observe como as plantas e os animais se comportam


nas diferentes situações e a relação que se estabelece entre eles. Que planta cresce
a pleno sol e em terras ainda pobres e quais se desenvolvem somente quando há
sombra e umidade? Observe quais são as espécies que melhor se adaptam à região,
que crescem mais rápido, que produzem mais biomassa, que produzem mais
sementes. Observe que plantas espontâneas (invasoras/daninhas) surgem na área
do seu plantio. Repare por onde a água escorre quando chove, onde ela se acumula,
onde ela seca mais rápido. Anote onde as plantas cultivadas estão mais saudáveis e
onde estão mais fracas. Compare o solo em cada uma dessas situações. Observe quais
são os insetos que ocorrem em cada situação.
2) Fazer perguntas. Fazer uma boa pergunta é até mais importante de que saber
todas as respostas. A partir das suas observações, faça perguntas.
Suponhamos que você observou o ataque de um determinado inseto na sua
lavoura. Algumas perguntas que podem ser feitas são: Essa planta é sempre atacada?
Há situações em que não foi observado o ataque? Foi neste mesmo ano ou em anos
anteriores? Se foi em anos anteriores, o que aconteceu de diferente? As chuvas
foram maiores ou menores do que no ano anterior? O plantio foi feito na mesma

120
época? Foi usada a mesma semente? A semente usada em cada situação era híbrida
ou transgênica? Foram usados adubos químicos? Foram usados agrotóxicos? O solo
estava coberto com palha ou limpo? Houve, de fato, diminuição da produção ou o
inseto só causou dano às folhas deixando a lavoura “feia”, mas sem efeito real sobre a
produção de grãos ou frutos? Em que situação esse inseto se torna um problema real?
Se há plantas atacadas e outras que não estão atacadas, qual é a diferença nas duas
situações? Como está o solo quando a planta não é atacada? Os insetos que ocorrem
na lavoura são mesmo herbívoros (comem as plantas que foram cultivadas) ou são
predadores (comem os insetos herbívoros)? Que plantas espontâneas ocorrem onde
há maior ataque de insetos e quais aquelas que ocorrem onde há menor ataque de
insetos? A planta atacada é muito exigente em água? O plantio foi feito solteiro ou
em consórcio? Quando a planta é cultivada em consórcio, ocorre ataque também?
Suponhamos uma outra situação: os frutos, por exemplo, de graviola, ficam
pretos e “encruados”, caindo no solo antes de amadurecer. Algumas perguntas que
podem ser feitas são: Há quanto tempo vem acontecendo? Como foi o regime de
chuvas nesse ano? O plantio é irrigado? Que tipo de adubação foi feita? As entrelinhas
foram capinadas ou roçadas? O solo está limpo ou há cobertura de palha sob a copa
das árvores? O plantio é solteiro ou em consórcio? Houve adubação? Qual a incidência
do sol, nascente ou poente? Há insetos comendo as folhas? Foi aplicado algum tipo
de agrotóxico? Há alguma árvore com frutos saudáveis? Qual a diferença entre essas
árvores e as outras que geram frutos mal formados? Qual a melhor fonte de nutrientes
para obter frutos saudáveis?
3) Elaborar hipóteses. Isso significa pensar em várias respostas possíveis para cada
uma das perguntas que você fez. Por exemplo, para as perguntas sobre o ataque de
insetos, poderiam ser elaboradas as seguintes hipóteses:
- o ataque dos insetos acontece quando é utilizado adubo químico solúvel;
- os insetos causam danos nas plantas porque são seus predadores que estão
sendo mortos pelo uso de agrotóxicos;
e assim por diante...
Para as perguntas sobre a má formação dos frutos de graviola, algumas hipóteses
que podem ser formuladas são as seguintes:
- a má formação dos frutos tem uma relação com a cobertura do solo sob a copa
das árvores;

121
- a má formação dos frutos se deve à falta de nutrientes no solo;
- a má formação dos frutos se deve à contaminação por agrotóxicos.
4) Realizar experimentos. Agora, é necessário testar as hipóteses que você
formulou. É muito importante, nessa etapa, anotar tudo o que você fizer e os
resultados que obtiver. Esquemas e desenhos ajudam muito. Sem esses registros,
você nunca saberá se seu experimento deu certo e qual a melhor resposta para sua
questão. Além disso, os registros ajudam a compartilhar com outros agricultores e
com técnicos as suas conclusões e como você chegou até elas. É necessário abrir a
mente e usar a criatividade que todos temos. É necessário ser ousado. Comece sempre
em pequenas áreas para não correr riscos desnecessários.
Vamos a um exemplo: para testar a hipótese de que o ataque dos insetos acontece
quando é utilizado adubo químico solúvel, você pode criar diferentes tratamentos :
• tratamento um: nenhuma aplicação de adubo (testemunha);
• tratamento dois: aplicação só de adubos químicos;
• tratamento três: aplicação só de esterco de gado curtido.
Na colheita, divida as plantas de cada tratamento em categorias: muito atacadas,
pouco atacadas e não atacadas, anotando as quantidades em cada categoria e faça
a pesagem da produção em cada tratamento. Faça as somas de todas as plantas em
cada tratamento, compare e tire suas conclusões. É importante que nenhuma outra
variável, além do adubo, sejam mantidas idênticas entre os tratamentos (época de
plantio, preparo de solo, espaçamento, semente, tratos culturais, irrigação, etc.). Caso
contrário, não será possível saber se a diferença entre os tratamentos se deve ao tipo
de adubo utilizado ou a outro fator qualquer. Se a quantidade de plantas atacadas
for significativamente maior e, principalmente, a produção for significativamente
menor na área onde foi usado somente adubo químico, há fortes indícios de que sua
hipótese seja verdadeira e a presença e dano causado pelos insetos se devam ao uso
de adubos químicos solúveis.
Outra dica é procurar informações e experiências que possam inspirar suas
experimentações. Converse com outras pessoas. Troque ideias e sementes com
vizinhos. Se outros estiverem interessados no mesmo problema, vocês podem fazer
os mesmos experimentos em diferentes sítios/situações e assim ter mais dados para
chegar a conclusões mais seguras.

122
Comece seus experimentos sempre em pequena escala. Por quê?
- Exige menos investimento em tempo e recursos físicos (dinheiro, combustível,
sementes, ferramentas, insumos).
- Não gera tanta expectativa.
- Reduz o risco de perda financeira.
- Aprende-se assim a lidar com um sistema que não se conhece;.
- Há como comparar com o sistema com o qual já está acostumado.
- É possível testar mais tratamentos.

Quanto mais se pega o gosto de experimentar soluções para nossos


problemas, mais perguntas surgem e experimentadores mais criativos nos
tornamos. O caminho inevitável é a descoberta de soluções eficazes, novas,
interessantes e uma produção cada vez maior, além de maior autonomia e
independência. Se isso tudo for recheado de preocupação com a natureza, você
também terá um ambiente menos poluído e mais cheio de vida e biodiversidade.

Exercitando o conhecimento...
Cite três motivos para testar suas hipóteses em escala pequena.

__________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________

2.3 Os mutirões como estratégia de fortalecimento


da agricultura familiar
Antigamente, a terra era de posse e uso comunitário. Ainda é assim
é nas terras indígenas, em muitas áreas quilombolas e em comunidades
agroextrativistas. A posse privada e individual da terra é coisa muito recente
na história da humanidade. Onde a terra é de posse e uso comum, o trabalho

123
é feito de forma cooperativa e as responsabilidades são coletivas e partilhadas.
E quando a propriedade é individual e privada? Uma das heranças da cultura
comunitária e responsabilidade coletiva é a ajuda mútua sob a forma de “troca
de dia” e “mutirões”. Atividades como plantio, manejo e colheita são muito mais
rápidas e eficientes quando realizadas em curto espaço de tempo. Uma área
que levaria muitos dias para ser preparada e plantada por uma ou duas pessoas,
pode ser toda preparada e plantada em um ou dois dias por um grupo maior, sob
a forma de mutirão. Além da maior uniformidade no crescimento das plantas,
o que facilita o manejo e a colheita, essa estratégia também fortalece os laços
comunitários. Apesar de essas vantagens serem práticas tão tradicionais da vida
rural, as “trocas de dia” e os mutirões vêm sendo abandonados. A cultura urbana
individualista vem contaminando aos poucos o mundo rural. As facilidades
provocadas pelo monocultivo e pelo cultivo mecanizado vieram acompanhadas
de uma espécie de sensação de que não é necessário mais depender dos outros
para fazer sua lavoura.

A cooperação entre agricultores(as) pode se tornar uma estratégia


fundamental para obter melhores resultados, tanto devido ao incremento da
mão de obra nos momentos-chave do ciclo agrícola, quanto para a troca de
aprendizados. Além disso, o fortalecimento das relações comunitárias ajuda na
organização, que é fundamental tanto no acesso às políticas públicas quanto
nas etapas de processamento da produção, certificação e comercialização dos
produtos da agricultura familiar em mercados diferenciados.

2.4 O jovem rural na perspectiva agroecológica


Um dos principais desafios para a reprodução da agricultura familiar tem sido
a manutenção dos jovens no campo. Muitos livros, eventos, debates e centenas
de artigos e textos vêm se debruçando sobre esse tema. Há regiões inteiras do
Brasil onde a migração dos jovens para a cidade vem provocando o esvaziamento
do campo nas áreas onde predomina a agricultura familiar e o abandono de áreas
cultivadas devido à falta de mão de obra. Os jovens rurais vivem o conflito entre
o desejo de melhorar de vida por meio da busca de oportunidades na cidade, e o
compromisso e laços culturais que os ligam à família e modo de vida rural. Uma
pesquisa de Abromovay e colaboradores, realizada no oeste de Santa Catarina,
indicou que a maior parte (69%) dos jovens entrevistados deseja ser agricultor.

124
Em outro estudo, que Silva e colaboradores realizaram no Rio Grande do Norte,
“o campo é apontado pelos jovens como um lugar bom para se viver, mas não
oferece condições para o jovem permanecer morando nele.” Esse estudo revelou
que os jovens de Serra do Mel (filhos, 72,98% e filhas, 86,05%), em sua maioria
não desejam permanecer na zona rural.

Estudos mostram que há maior


propensão à evasão feminina, o que causa
o desgaste do tecido social do meio rural
que, além de envelhecer, se masculiniza. Sem
as novas gerações assumindo o papel das
antigas, a agricultura familiar corre o risco de
desaparecer e, com ela, uma cultura e modo
de vida rurais, variedades e sementes, práticas e conhecimentos.

Várias são as causas do êxodo rural de jovens, entre elas:


- a busca por educação, formação profissional, trabalho e renda na cidade sem
que haja retorno à zona rural. A educação urbana, desconectada da vida rural, tende
a levar os jovens ao êxodo;
- o processo sucessório na transmissão da posse da terra que impede que todos Êxodo rural:
abandono
os filhos fiquem na propriedade devido ao seu tamanho reduzido. Essa questão é do campo.
ainda mais grave para as mulheres já que, tradicionalmente, a sucessão privilegia os Patriarca:
herdeiros do sexo masculino no acesso à terra; chefe da
família,
- as atividades produtivas e reprodutivas realizadas pelas mulheres sofrem com geralmente
o pai.
o baixo reconhecimento e invisibilidade da participação, sendo associadas com os
baixos salários que lhes são destinadas ou até ausência de remuneração, o que leva
as jovens a buscar emprego nas cidades;
- a supervalorização, o glamour do modo de vida urbano, muito disseminado
pelos meios de comunicação;
- o sentimento de desvalorização por parte dos mais velhos e as limitações em
participar dos processos decisórios na unidade agricultora familiar tradicional onde,
geralmente, as decisões são tomadas pelo patriarca;
- a falta de atividades de lazer para os jovens na zona rural.

125
Exercícios:
Viu como
Questão 1 - Que qualidades são desejáveis para que um agricultor(a)
você se torne um bom pesquisador?
consegue?
Registre a) Curiosidade.
suas
b) Desejo de aprender coisas novas.
respostas
na Aula c) Abertura para o desconhecido.
Interativa.
d) Todas as alternativas anteriores.

Questão 2 - Sobre gerar conhecimento na propriedade rural, assinale


a alternativa incorreta:
a) é uma atividade que não cabe ao agricultor porque há institutos
de pesquisa que foram criados especialmente para a geração de
conhecimento;
b) pode gerar independência e autonomia para o agricultor;
c) ajuda a resolver problemas concretos do dia a dia da atividade agrícola;
d) exige habilidades como curiosidade e desejo de aprender.

Questão 3 - Quando vamos fazer uma nova experiência em


agricultura ecológica:
a) devemos começar em uma área grande para que os resultados
surtam efeitos;
b) devemos começar em uma área pequena já que não confiamos no
resultado que vamos obter;
c) devemos começar em uma área pequena para diminuir os riscos e
podermos testar um número maior de tratamentos;
d) devemos começar em uma área grande para que seja
economicamente viável.
Questão 4 - Sobre educação, assinale a alternativa correta:
a) educação acontece na escola quando somos criança;
b) quando somos adultos é tarde demais para começar a estudar;
c) estudar consome muito tempo e o resultado obtido não vale o esforço;
d) a educação é um processo que acontece durante toda a vida e em
todos os lugares.

126
Questão 5 - É correto afirmar, com relação à evasão dos jovens da
zona rural, que:
a) será bom para o País, pois teremos mais jovens acessando as
políticas públicas;
b) será bom para o País, pois isso permitirá a expansão do
agronegócio exportador;
c) será ruim para o País, pois significa tanto perda genética das
plantas cultivadas quanto perda da cultura ligada à agricultura familiar;
d) será ruim para o País, pois as áreas de floresta se expandirão com
o abandono das propriedades da agricultura familiar.

127
Bibliografia
ALTIERI, M. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável.
Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1998. 110p.
ANDERSON, A. B.; POSEY, D. A. Reflorestamento indígena. Ciência Hoje, v.6,
n. 31, p.44-50. 1987.
BUNCH, R. Duas espigas de milho: uma proposta de desenvolvimento
agrícola participativo. Rio de Janeiro, RJ: AS-PTA,1995. 220p.
CAPRA, F. Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo
sustentável. São Paulo: Cultrix, 2005. 312p.
CHAMBERS, R.; RICHARDS, P.; BOX, L. Agricultores experimentadores e
pesquisa. Rio de Janeiro, RJ: AS-PTA,1989. 44p.
COSTA, M. B. B. et al. Adubação Verde no Sul do Brasil. AS-PTA, Assessoria e
Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa. 1992. 346p
FRIEDRICH, K.; GOHL, B.; SINGOGO, L.; NORMAN, D. Desenvolvimento de
sistemas agrícolas. Rio de Janeiro, RJ: AS-PTA/FAO, 1995. 36p.
GAIFAMI, Andrea; CORDEIRO, Ângela (Org.). Cultivando a diversidade: re-
cursos genéticos e segurança alimentar local. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1994. 205p.
HILDEBRAND, P.; POATS, S.; WALECKA, L. Introdução a pesquisa e extensão
de sistemas agrícolas florestais. Gainsville, Florida, 1992. 23p.
KAMP. J VAN DER; SCHUTHOF, P. Geração participativa de tecnologias. Rio
de Janeiro, RJ: AS-PTA,1991. 94p.
LOVELOCK, J. Gaia: cura para um planeta doente. Cultrix, 192p.
PRIMAVESI, Ana. Manejo ecológico do solo: a agricultura em regiões
tropicais. 7. ed. São Paulo, SP: Nobel, 1984.
REIJNTJES, C.; HAVERKORT, B.; WATERS-BAYES, A. Agricultura para o futuro:
uma introdução para o futuro: uma introdução a agricultura sustentável e de
baixo uso de insumos externos. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1994. 324p.
SOUZA, J. L., REZENDE, P. Manual de hoticultura orgânica. Viçosa, MG: Ed.
Aprenda Fácil, 2006. 843p.
VIVAN, J. L. Agricultura e florestas: princípios de uma interação vital. Guaíba,
RS: Ed. Agropecuária LTDA, 1998. 207p.

128