Anda di halaman 1dari 11

11/06/2019 AVA UNINOVE

Capacidade de carga de solos para


fundações rasas. Métodos Teóricos:
Terzaghi, Skempton. Métodos
Empíricos
MÉTODOS TEÓRICOS, TERZAGHI, SKEMPTON E MÉTODOS EMPÍRICOS

AUTOR(A): PROF. GUSTAVO GREGORUTI DOS SANTOS

Terzaghi (1925) foi o primeiro autor a apresentar fórmulas para o cálculo da capacidade de carga das
fundações superficiais e profundas. (VELLOSO e LOPES, 2010).
Para Terzaghi (1943), uma fundação rasa é aquela cuja largura  2b  é maior ou igual a profundidade  h.

Satisfeita essa condição, pode-se desprezar a resistência ao cisalhamento do solo acima do nível da base da
fundação, substituindo-o por uma sobrecarga  q = y h.  Com isso, o problema passa a ser o de uma faixa

(sapata corrida) de largura  2b, carregada uniformemente, localizada na superfície horizontal de um maciço


semi-infinito. (VELLOSO e LOPES, 2010).
A resistência ao cisalhamento do solo (s) é dada pela equação de Coulomb

Se o solo apresenta ruptura geral, a tensão de ruptura do mesmo ( ) pode ser obtida por: (ALONSO, 2010).
(FORMULA DE THERZAGHI)

onde:
c = coesão do solo;

 = peso específico do solo onde se apoia a fundação;


B = a menor largura da sapata;

q = a pressão efetiva do solo na cota de apoio da fundação;

 = os fatores de carga em função do ângulo de atrito interno 

 = fatores de forma
Para solos com ruptura local, usa-se a fórmula de Therzaghi adotando os fatores   (linhas

pontilhadas da figura abaixo) no lugar dos fatores de   e usando 2/3 da coesão real do solo

(ALONSO, 2010)

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 1/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

Veic (1975) tabelou alguns valores dos fatores de carga em função do ângulo de atrito
Tabela 1: Fatores de Carga

0 5,14 1,00 0,00 0,20 0,00

5 6,49 1,57 0,45 0,24 0,09

10 8,35 2,47 1,22 0,30 0,18

15 10,98 3,94 2,65 0,36 0,27

20 14,83 6,40 5,39 0,43 0,36

25 20,72 10,66 10,88 0,51 0,47

30 30,14 18,40 22,40 0,61 0,58

35 75,31 64,20 109,41 0,85 0,84

40 75,31 64,20 109,41 0,85 0,84

45 133,88 134,88 271,76 1,01 1,00

50 266,89 319,07 762,89 1,20 1,19

Tabela 2: Fatores de Forma

FATORES DE FORMA
FORMA DA FUNDAÇÃO

CORRIDA 1,0 1,0 1,0

QUADRADA 1,3 0,8 1,0

CIRCULAR 1,3 0,6 1,0

RETANGULAR 1,1 0,9 11,0

Conhecido o valor de  , dividindo pelo Fator de Segurança (FS), conheceremos a tensão admissível   .

Segundo a NBR 6122/1996, o fator de segurança (FS) a ser adotado nas fundações rasas é igual a 3

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 2/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

Legenda: FATORES DE SEGURANçA GLOBAIS MíNIMO

Quando não se dispõem de ensaios de laboratórios em que constem a coesão (c) ou o ângulo de atrito ( ),

podem-se em primeira aproximação, estimar esses valores por meio das tabelas abaixo (ALONSO, 2010).

Tabela 3: Coesão dos solos

ARGILAS SPT COSÃO (KPa)

Muito Mole <2 <10

Mole 2a4 10 a 25

Média 4a8 25 a 50

Rija 8 a 15 50 a 100

Muito Rija 15 a 30 100 a 200

Dura > 30 > 200

Tabela 4: Ângulo de atrito dos solos

AREIAS DENSIDADE RELATIVA (Dr) SPT

Fofas <0,2 <4 <30

Pouco Compacta 0,2 a 0,4 4 a 10 30 a 35

Mediamente Compacta 0,4 a 0,6 10 a 30 35 a 40

Compacta 0,6 a 0,8 30 a 50 40 a 45

Muito Compacta >0,8 >50 >45

TEORIA DE SKEMPTON.
No caso específico de argilas saturadas na condição não drenada (Ø=0), temos  e   , o que

simplifica a equação de capacidade de carga de Terzaghi para: (CINTRA et al, 2011)

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 3/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

Esta fórmula só é valida para solos puramente coesivos ( ) (ALONSO, 2010)

onde:

c=coesão do solo;

q=pressão efetiva do solo na cota de apoio da fundação

Alonso (2010), adota os valores de Nc conforme tabela abaixo.

Tabela 5:  =coeficiente de capacidade de carga 

Valores de 
h/B
Quadado, circular Corrida

0 6,2 5,14

0,25 6,7 5,6

0,5 7,1 5,9

0,75 7,4 6,2

1 7,7 6,4

1,5 8,1 6,5

2,0 8,4 7,0

2,5 8,6 7,2

3,0 8,8 7,4

4,0 9,0 7,5

> 4,0 9,0 7,5

O valor de h, corresponde ao valor de embutimento da fundação na camada de argila conforme figura

abaixo.

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 4/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

O calculo da tensão de ruptura para sapata retangular de lado AxB será:

Em que 

para 
para 

Conhecido o valor de  , a tensão admissível será obtida por: (ALONSO, 2010).

 (sapatas quadradas, circulares e corridas)

 (sapatas retangulares)

O Fator de segurança neste metódo também é adotado geralmente igual a 3. É importante observar que não

se aplica o FS no valor de q.

FORMULAS EMPIRICAS.
Com base nos ensaios de laboratórios (argilas), pode-se adotar como tensão admissível do solo o valor da

pressão de pré-adensamento (pa). (ALONSO,2010)

Com base no valor médio do SPT ( na profundidade de ordem de grandeza igual a duas vezes a largura

estimada para a fundação, contando a partir da cota de apoio), pode-se obter a tensão admissível por:

(ALONSO, 2010).
 esta fórmula vale para valores de SPT  20

SOLO ESTRATIFICADO.
Segundo Cintra et al (2011), não é raro que o maciço de solo se apresente estratificado em diversas camadas

distintas. Neste caso, pode-se admitir, para um cálculo prático e aproximado, que a propagação de tensões

ocorre de uma forma simplificada, mediante uma inclinação 1:2, conforme figura abaixo:
 

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 5/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

Legenda: PROPAGAçãO DE TENSõES SEGUNDO UMA INCLINAçãO 1:2

Portanto, a parcela de  de tensão propagada à distância z é aproimadamente: (CINTRA et al, 2011)

Assim, à profundidade z=2B abaixo de uma sapata quadrada de lado B, a parcela propagada de    da

tensão  aplicada pela base da sapata é dada por: (CINTRA et al, 2011)

o que justifica a utilização de z=2B como profundidade do bulbo de tensões. correspondendo à propagação

de 10% de  , sendo assim, não importa o solo que estiver além da profundidade z=2B (CINTRA et al, 2011).

Os parâmetros de coesão (c), ângulo de atrito ( ) e peso especifico do solo ( ), do subsolo situado abaixo da

fundação rasa, será considerado apenas na camada que for atingida pelo bulbo de tensões (CINTRA et al,

2011).

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 6/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

Legenda: PARCELA DE TENSãO PROPAGADA

DUAS CAMADAS.
Subjacente à camada superficial em que esta embutida a sapata, consideremos uma segunda camada com

características de resistência e compressibilidade diferentes da outra, ambas atingidas pelo bulbo de

tensões como mostra a figura abaixo. (CINTRA et al, 2011)

Legenda: SEGUNDA CAMADA ATINGIDA PELO BULBO DE TENSõES

Neste caso, primeiramente, deve-se determinar a capacidade de carga considerando apenas a primeira

camada ( ) e posteriormente para uma sapata fictícia apoiada no topo da segunda camada ( ) (CINTRA

et al, 2011)

Ao comparar os dois valores, 

Isso significa que a parte inferior da superfície de ruptura se desenvolve em solo mais resistente e, então,

poderemos adotar, a favor da segurança, que a capacidade do sistema é (CINTRA et al, 2011)

Se não houver ruptura da segunda camada, na iminência de a sapata aplicar esse valor de tensão, teremos:

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 7/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

ATIVIDADE FINAL

Determine o peso especifico do solo de apoio de uma fundação em

sapata quadrada de lados iguais a 2,6m apoiada a 3,0m de profundidade


de um solo argiloso com coesão igual a 75 kN/m² angulo de atrito igual

a 0 e tensão admissivel de ruptura igual a 559 kN/cm²

A.

B.

C.

D.

Nas fundações rasas, os esforços provenientes da estrutura são


transmitidos diretamente ao solo pela cota de apoio da fundação. Desse

modo, o engenheiro civil deve calcular a capacidade de carga do solo


para dimensionar a fundação que suporte a estrutura sem recalques

diferenciais prejudiciais a estrutura.


Utilizando a teoria de Skempton, verifique o Fator de Segurança
adotado para o dimensionamento da fundação com dimensões

quadradas de lado B=1,7m executada a 1,5m de profundidade, e tensão


no solo igual a 200 kN/m². O solo de apoio possui coesão de 80 kN/m² e

peso especifico igual a 17 kN/m³

A. FS=0,40

B. F=0,53

C. FS=2,90

D. FS=3,0

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 8/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

Calcular o fator de segurança da sapata quadrada de lado 2,0 m,

indicada abaixo, usando as teorias de Terzaghi e Skempton:

A. Terzaghi FS = 2,3

Skempton FS=2,9

B. Terzaghi FS = 2,26

Skempton FS=1,93

C. Terzaghi FS = 2,27

Skempton FS=2,5

D. Terzaghi FS = 584
Skempton FS=51,30

REFERÊNCIA
ALONSO, U. R. Exercícios de Fundações. 2 ed. Blucher. São Paulo, 2010

CINTRA, J. C. A. et al Fundações diretas: projeto geotécnico. Oficina de texto, 2011.

VELLOSO, D. A. e LOPES, F. R. Fundações: critérios de projeto, investigação do subsolo, fundações


superficiais, fundações profundas. Oficina de Textos. São Paulo, 2010.

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 9/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 10/11
11/06/2019 AVA UNINOVE

https://ava.uninove.br/seu/AVA/topico/container_impressao.php 11/11