Anda di halaman 1dari 4

MATRICIAMENTO NASF

TEMÁTICA: PESSOA COM DEFICIÊNCIA


MÊS: ABRIL/2018

1- SOBRE QUAIS E QUANTAS PESSOAS ESTAMOS FALANDO?

PD MUNICÍPIO DE
ITAPEMA
DEFICIÊNCIA
FÍSICA
16%
DEFICIÊNCIA
34%
VISUAL
18%
DEFICIÊNCIA
AUDITIVA
32%
DEFICIÊNCIA
INTELECTUAL

2- COMO CADASTRAR NO BANCO DE DADOS, GERAR RELATÓRIOS E


VISUALIZAR AS PESSOAS NO MAPA DE ITAPEMA?

1
3- QUAL É A LEGISLAÇÃO QUE CLASSIFICA?

LEGISLAÇÃO: DECRETO Nº 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999.

Art. 3o Para os efeitos deste Decreto, considera-se:

I - deficiência – toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica,


fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para o desempenho de atividade, dentro do
padrão considerado normal para o ser humano;

II - deficiência permanente – aquela que ocorreu ou se estabilizou durante um período


de tempo suficiente para não permitir recuperação ou ter probabilidade de que se altere,
apesar de novos tratamentos; e

III - incapacidade – uma redução efetiva e acentuada da capacidade de integração


social, com necessidade de equipamentos, adaptações, meios ou recursos especiais para que
a pessoa portadora de deficiência possa receber ou transmitir informações necessárias ao seu
bem-estar pessoal e ao desempenho de função ou atividade a ser exercida.

Art. 4o É considerada pessoa portadora de deficiência a que se enquadra nas


seguintes categorias:

I - deficiência física - alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo


humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de
paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia,
triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia
cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades
estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções; (Redação
dada pelo Decreto nº 5.296, de 2004)

II - deficiência auditiva - perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis


(dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500HZ, 1.000HZ, 2.000Hz e
3.000Hz; (Redação dada pelo Decreto nº 5.296, de 2004)

III - deficiência visual - cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05
no melhor olho, com a melhor correção óptica; a baixa visão, que significa acuidade visual
entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória
da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60 o; ou a ocorrência
simultânea de quaisquer das condições anteriores; (Redação dada pelo Decreto nº 5.296, de
2004)

IV - deficiência mental – funcionamento intelectual significativamente inferior à média,


com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de
habilidades adaptativas, tais como:

a) comunicação;
b) cuidado pessoal;
c) habilidades sociais;
d) utilização dos recursos da comunidade; (Redação dada pelo Decreto nº 5.296, de
2004)
e) saúde e segurança;
f) habilidades acadêmicas;
g) lazer; e
h) trabalho;

V - deficiência múltipla – associação de duas ou mais deficiências.

2
LEGISLAÇÃO: LEI Nº 12.764, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

Art. 1o Esta Lei institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com
Transtorno do Espectro Autista e estabelece diretrizes para sua consecução.

§ 1o Para os efeitos desta Lei, é considerada pessoa com transtorno do espectro


autista aquela portadora de síndrome clínica caracterizada na forma dos seguintes incisos I ou
II:

I - deficiência persistente e clinicamente significativa da comunicação e da interação


sociais, manifestada por deficiência marcada de comunicação verbal e não verbal usada para
interação social; ausência de reciprocidade social; falência em desenvolver e manter relações
apropriadas ao seu nível de desenvolvimento;

II - padrões restritivos e repetitivos de comportamentos, interesses e atividades,


manifestados por comportamentos motores ou verbais estereotipados ou por comportamentos
sensoriais incomuns; excessiva aderência a rotinas e padrões de comportamento ritualizados;
interesses restritos e fixos.

§ 2o A pessoa com transtorno do espectro autista é considerada pessoa com


deficiência, para todos os efeitos legais.

4- QUAL É A REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA QUE POSSO CONTAR?

3.1. APAE – Casos de Deficiência Intelectual, exceto os leves, crianças até 06 anos
com Atraso Global do Desenvolvimento, Síndromes que apresentam uma das
deficiências como comorbidade. O encaminhamento pode ocorrer pela UBS ou
demanda livre, as triagens na Instituição ocorrem 2x/mês, às segundas-feiras, manhã e
tarde. Contato: (47) 3368.6542 (Débora).
3.2. EQUOVIDA – Atende 45 pessoas com deficiência gratuitamente, por meio de um
convênio com o CMDCA (recursos do FIA) e também no particular. Encaminhamentos
através da Atenção Básica, Especializada e Educação Especial do município. Email de
contato: equoterapia@gmail.com
3.3 ADI – Atendimento às pessoas com deficiência física do município. Realiza
reuniões mensais e o Projeto Vida na Praia (Rua 219 e 137). Telefone de contato: (47)
997376228 (Neuza - Presidente)
3.4 AMA – Atenderão 45 crianças com o diagnóstico de Transtorno do Espectro do
Autismo, da rede municipal de Ensino de Itapema. Previsão de início para segunda
quinzena de abril. Telefone de contato: (47) 3267.1400
3.5 CER/UNIVALI - Atende a demanda de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)
e/ou Deficiência Física. Existe um formulário próprio (anexo) a ser preenchido pela
UBS ou Serviços da Atenção Especializada de Saúde e que deve ser entregue ao TFD,
via UBS.
3.6 SASA/UNIVALI – Atendem a demanda de Deficiência Auditiva. Existe um
formulário próprio (anexo) a ser preenchido pela UBS ou Serviços da Atenção

3
Especializada de Saúde e que deve ser entregue ao TFD, via UBS. Fazem o processo
para aquisição de AASI, adaptação, grupos, monitoramento.
3.7 FUNDAÇÃO CATARINENSE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - Atende casos de baixa
visão e prótese ocular, no serviço ambulatorial de saúde visual. O encaminhamento
deve ser feito em formulário próprio (anexo), pelo médico clínico geral (prótese ocular)
ou oftalmologista (habilitação/reabilitação visual, orientação e mobilidade, avaliação
funcional da visão), e, entregue ao TFD.
3.8. NAESP – núcleo da educação especial que atende os alunos com deficiência
mediante apresentação de laudo. Oferece apoio de um professor em sala de aula e no
contra-turno para trabalhar adaptações necessárias. Telefone de contato: (47)
3267.1400
3.9 SERVIÇO DE PSICOLOGIA E FONOAUDIOLOGIA – Serviço que atende
demanda de infantil na Fonoaudiologia (até 12 anos) e infantil e adulto na Psicologia.
Apenas casos de Transtornos ou deficiência leves. A UBS, o NASF e especialistas da
área da saúde podem encaminhar. Telefone de contato: (47) 3267.1531.
3.10 SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA DO CERES - Atende a demanda de
transtornos ou deficiência leve a partir de 13 anos. Telefone de contato: (47) 3267.1536
3.11 SERVIÇO DE FISIOTERAPIA – Serviço que atende a demanda infantil e adulta
com alterações motoras. Encaminhamentos provenientes da Atenção Básica e
Especializada. Telefone de contato: (047) 3267.1539
3.12 CERES – Atendimento de Ortopedia, Neurologia, Otorrinolaringologia, Pediatria.
Telefone de contato: (47) 3267.1502
3.13 CEO - Atende pacientes especiais e que necessitam de procedimentos especiais
que a UBS não consegue suprir. Funciona toda as tardes e os agendamentos são
feitos pela UBS. Telefone de contato: (47) 3267.1536
3.14 CMDCA – Conselho Municipal da Criança e Adolescência, discute os direitos
dessa população, busca projetos que atendam as necessidades do município, gerencia
os recursos do FIA. Há reuniões ordinárias nas segundas quartas-feiras de cada mês,
às 9h, no Plenarinho.