Anda di halaman 1dari 166

CADERNO DE TESTES – ADVOGADO

440 QUESTÕES COM GABARITO


DIREITO CONSTITUCIONAL:
LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO

01. Sobre a disciplina constitucional dos Partidos Políticos, e considerando as alterações


empreendidas pela Emenda Constitucional no 97/2017, assinale a alternativa correta.
a) A partir das eleições de 2020 será vedada a celebração de coligações nas eleições proporcionais,
permanecendo, apenas, a possibilidade de coligação partidária para eleições majoritárias.
b) Há obrigatoriedade de verticalização nas coligações, de modo que se uma coligação for formada em
âmbito nacional, vinculará as eleições estaduais e municipais.
c)É facultado aos partidos políticos receberem recursos financeiros de entidade ou governo estrangeiro.
d) Terão direito a recursos do fundo partidário os partidos políticos que tenham elegido pelo menos trinta
Deputados Federais distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação.
e) Os partidos políticos adquirirão personalidade jurídica após o registro de seus estatutos no Tribunal
Superior Eleitoral.

02. A respeito dos direitos e garantias fundamentais, assinale a alternativa correta.


a) Os tratados de direitos humanos aprovados por processo legislativo ordinário são incorporados no direito
brasileiro com natureza supralegal, suspendendo a eficácia das normas infralegais que com eles sejam
conflitantes.
b) Os direitos fundamentais têm por objetivo principal impedir abusos do Estado frente aos cidadãos, razão
pela qual não são aplicáveis em relações privadas.
c)O princípio da proibição da proteção insuficiente tem por objetivo impedir que as intervenções a direitos
fundamentais sejam realizadas de forma excessiva, infringindo o seu núcleo essencial.
d) O princípio da proporcionalidade decorre, no direito brasileiro, no princípio do devido processo
substantivo, podendo o seu uso regular tanto o exercício de poderes de parte do Estado, como dirimir
conflitos de regras constitucionais.
e) O princípio da não retroatividade dos direitos fundamentais impede que novas regras afetem direitos em
perspectiva de aquisição.

03. As constituições que resultam dos trabalhos de um órgão constituinte sistematizador das ideias
e princípios fundamentais da teoria política e do direito dominante naquele momento são
denominadas constituições
a) dogmáticas.
b) pactuadas.
c) democráticas.
d) semânticas.
e) ecléticas.

04. A respeito da teoria do poder constituinte e dos processos formais e informais de modificação
constitucional, assinale a alternativa correta.
a) O poder constituinte decorrente é exercido no âmbito dos Estados e Municípios e consiste no poder de
auto-organização conferido aos entes federativos.
b) Representam limitações ao poder constituinte decorrente as normas de observância obrigatória, os
princípios constitucionais sensíveis e os princípios constitucionais estabelecidos.
c) Consiste em limitação material ao poder de reforma a alteração de norma constitucional que trate de
direitos ou garantias constitucionais.
d) Por se tratar de posicionamento que limita a atuação do Poder Legislativo, a doutrina não reconhece,
em regra, a existência de cláusulas pétreas implícitas.
e) A mutação constitucional é o processo de modificação informal da constituição, podendo ser realizada
mediante interpretação que extrapole o limite constante da regra formal.

05. Suponha que determinado ente federativo pretenda instituir lei que obrigue o uso de cinto de
segurança em perímetro urbano. É competente para legislar sobre o assunto
a) União, Estados, Distrito-Federal e Municípios.
b) União.
c) Estados, Distrito-Federal e Municípios.
d) Municípios.
e) Estados e Distrito-Federal.

06.No ano de 2017, o Ministro Relator Luís Roberto Barroso suscitou, no âmbito do Supremo
Tribunal Federal, uma questão de ordem na Ação Penal (AP) 937, defendendo a tese de que o foro
de prerrogativa de função deve ser aplicado somente aos delitos cometidos por um deputado
federal no exercício do cargo público ou em razão dele. O julgamento se encontra suspenso por um
pedido de vistas, mas, se prevalecer o entendimento do Ministro Relator, haverá uma mudança de
posicionamento do Supremo Tribunal Federal em relação ao instituto do foro de prerrogativa de
função, que ocorrerá independentemente da edição de uma Emenda Constitucional. A hermenêutica
constitucional denomina esse fenômeno de
a) força normativa da Constituição.
b) princípio da concordância prática.
c) mutação informal da Constituição.
d) maximização das normas constitucionais.
e) interpretação sistêmica.

07. A iniciativa popular no processo de reforma da Constituição Federal de 1988


a) não é contemplada pelo texto constitucional vigente, posto que este prevê que todo poder emana do
povo, que o exercerá exclusivamente por meio de representantes eleitos.
b) é vedada pelo texto constitucional vigente, que prevê que a participação popular se dará exclusivamente
por meio do voto, do plebiscito e do referendo.
c) é prevista expressamente pelo texto constitucional, podendo ser exercida pela apresentação de proposta
subscrita por, no mínimo, cinco por cento do eleitorado nacional.
d) não é prevista expressamente pelo texto constitucional, muito embora seja admitida por alguns autores,
com fundamento em uma interpretação sistemática da Constituição Federal.
e) é prevista expressamente pelo texto constitucional, podendo ser exercida pela apresentação de proposta
subscrita por, no mínimo, um por cento do eleitorado nacional.

08.Considere a seguinte situação hipotética:


Na ausência de lei federal sobre um determinado tema, de competência legislativa concorrente, em 1995,
o Estado do Rio Grande do Sul exerceu sua competência legislativa em matéria de proteção e defesa da
saúde, nos termos da Constituição Federal, editando lei estadual que proibiu o uso de determinada
substância no território estadual. Em 2007, a União editou lei federal que regulou o uso dessa mesma
substância, permitindo-o, ainda que de forma restrita. No entanto, a lei federal foi objeto de Ação Direta de
Inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal. Não foi suspensa a aplicação da norma federal,
no entanto, ela foi declarada inconstitucional, em 2017.

Com isso, a lei estadual deve ser considerada


a) inválida, pois no âmbito da competência legislativa concorrente, caberia ao Município – e não ao Estado
– legislar sobre proteção e defesa da saúde, sobretudo se o uso da substância for relacionado ao interesse
local.
b) válida, pois a superveniência de lei federal apenas suspende a eficácia da lei estadual no âmbito da
competência concorrente, de modo que, com a declaração de inconstitucionalidade da lei federal, a norma
estadual teve sua eficácia restabelecida.
c) inválida, pois a declaração de inconstitucionalidade da lei federal não restabelece a eficácia da lei
estadual, tendo como efeito apenas a devolução da competência ao Estado para legislar sobre normas
gerais enquanto não for editada nova lei federal.
d) válida, pois a lei federal não revoga nem suspende a eficácia da lei estadual; em casos em que as
normas federal e estadual forem incompatíveis, caberá ao Supremo Tribunal Federal decidir qual delas é
aplicável.
e) inválida, pois a competência legislativa concorrente permite que o Estado exerça sua competência
suplementar somente após a União exercer plenamente sua competência de legislar sobre normas gerais.

09.Assinale a alternativa que corretamente discorre sobre o Conselho Nacional de Justiça.


a) O Conselho Nacional de Justiça poderá exercer o controle abstrato de constitucionalidade, declarando,
em tese e como questão principal de eventual procedimento de controle administrativo, a
inconstitucionalidade de lei ou ato normativo.
b) Sem prejuízo da competência disciplinar e correicional dos Tribunais, o Conselho Nacional de Justiça
pode avocar processos disciplinares e determinar, dentre outras sanções cabíveis, a perda do cargo de
membro do Poder Judiciário.
c) O fato de o Conselho Nacional de Justiça ser composto por algumas pessoas estranhas ao Poder
Judiciário fere a independência desse poder, tanto que o Supremo Tribunal Federal já declarou
inconstitucionais os dispositivos que versam sobre a composição do Conselho.
d) A Constituição Federal determina que a União crie ouvidorias de justiça, que serão competentes para
receber reclamações e denúncias contra membros do Poder Judiciário e encaminhá-las aos respectivos
Tribunais, mas não diretamente ao Conselho Nacional de Justiça.
e) O Conselho Nacional de Justiça não tem nenhuma competência sobre o Supremo Tribunal Federal e
seus ministros, sendo esse o órgão máximo do Poder Judiciário nacional, a que aquele está sujeito.

10.Conforme já decidido pelo Supremo Tribunal Federal, em matéria de controle de


constitucionalidade,
a) se os órgãos fracionários dos tribunais não submeterem ao plenário, ou ao órgão especial, a arguição
de inconstitucionalidade, quando já houver pronunciamentos destes ou do plenário do Supremo Tribunal
Federal sobre a questão, haverá violação da cláusula de reserva de plenário.
b) aqueles que integram o processo em primeira instância na qualidade de terceiros – como assistentes,
denunciados à lide ou chamados ao processo – não podem suscitar, pela via difusa, questão prejudicial de
constitucionalidade.
c) a ação civil pública ajuizada para resguardar direitos difusos ou coletivos pode substituir a ação direta,
própria do controle concentrado das normas, não cabendo, no entanto, tal substituição se a ação civil
pública versar sobre direitos individuais homogêneos.
d) tanto as normas constitucionais originárias quanto as normas constitucionais derivadas podem ser objeto
de controle difuso, pela via de defesa, e de controle concentrado, a ser exercido pelo próprio Supremo
Tribunal Federal.
e) inexiste usurpação de competência do STF quando os Tribunais de Justiça analisam, em controle
concentrado, a constitucionalidade de leis municipais ante normas constitucionais estaduais que
reproduzam regras da Constituição Federal que sejam de observância obrigatória.

11.A Constituição Federal de 1988 propicia amparo a alguns grupos sociais vulneráveis, sendo um
exemplo disso
a) a garantia de acesso e locomoção adequados às pessoas portadoras de deficiência, sendo a construção
ou adaptação dos logradouros públicos e privados de responsabilidade do Estado.
b) a proteção especial de crianças e adolescentes órfãos ou abandonados, por meio de acolhimento
institucional, que será mantido com os recursos oriundos do salário-família.
c) a posse permanente, pelos índios, das terras por eles tradicionalmente ocupadas, cabendo-lhes o
usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes.
d) a garantia de gratuidade nos transportes coletivos às pessoas com idade igual ou superior a 60
(sessenta) anos.
e) o conceito de família, estabelecido na Carta de 1988, de caráter limitado à comunidade entre ambos os
pais com os respectivos filhos, como base da sociedade e destinatária de proteção especial do Estado.

12.A Súmula Vinculante no 49 afirma que a lei municipal que impede a instalação de
estabelecimentos comerciais do mesmo ramo em determinada área é
a) inconstitucional, porque compete privativamente à União legislar sobre atividades financeiras,
econômicas e comerciais.
b) inconstitucional, porque viola o princípio da livre concorrência, previsto como princípio expresso da
ordem econômica na Constituição Federal de 1988.
c) inconstitucional, porque um dos princípios da ordem econômica na Constituição Federal de 1988 é a
redução das desigualdades regionais e sociais.
d) constitucional, porque os Municípios são competentes para legislar sobre assuntos de interesse local
conforme prevê o texto da Carta da República.
e) constitucional, porque no âmbito da ordem econômica da Constituição Federal de 1988, a intervenção
do Estado deve coibir o abuso do poder econômico.

13. Assinale a alternativa que corretamente contempla um exemplo de aplicação do conceito de


dimensão objetiva dos direitos fundamentais.
a) Decisão do Supremo Tribunal Federal em que foi firmado o entendimento de que a revista íntima em
mulheres em fábrica de lingerie, ou seja, empresa privada, constitui constrangimento ilegal.
b) Habeas Corpus que se fundamenta no argumento de que a liberdade de um indivíduo suspeito da prática
de infração penal somente pode sofrer restrições se houver decisão judicial devidamente fundamentada.
c) A previsão da Constituição Federal que afirma que “é livre a expressão da atividade intelectual, artística,
científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.
d) Propositura de ação, com pedido de tutela de urgência, por indivíduo que pleiteia que o Poder Público
forneça medicamentos dos quais necessita e não possui condições de adquirir.
e) Mandado de injunção em que é questionada omissão normativa que inviabiliza o exercício de
prerrogativas inerentes à nacionalidade, pleiteando-se decisão judicial que afaste as consequências da
inércia do legislador.

14. Suponha que o órgão incumbido da previdência social teimasse em entender que a mulher
desempregada, mas ainda em período de graça, não tem direito ao salário-maternidade. O poder
judiciário, no entanto, já teria reconhecido esse direito, o que teria suscitado a edição de uma
súmula vinculante pelo supremo tribunal federal. A partir dessa situação hipotética, aponte a
afirmativa correta:
a) Pode o servidor do órgão previdenciário que indeferiu o benefício reconsiderar a decisão, caso concorde
com a alegação de violação ao enunciado da súmula vinculante, contida em recurso administrativo.
b) Súmulas vinculantes não são cabíveis para controvérsias relacionadas à Administração Pública e sim
apenas para aquelas que envolvam órgãos do Poder Judiciário.
c) Se a negativa do benefício previdenciário contrariar a súmula aplicável ou a aplicar indevidamente, das
seguradas não se pode exigir o exaurimento dos recursos administrativos para a utilização de reclamação.
d) Caso uma segurada interponha recurso administrativo, sob o fundamento de que foi violado o enunciado
da súmula vinculante, cabe ao servidor que indeferiu seu pedido de salário-maternidade explicitar, após o
encaminhamento do recurso à autoridade superior, por que deixou de aplicar a súmula.

15. No título referente à Ordem Social, o constituinte dispôs o seguinte: “o Estado promoverá e
incentivará o desenvolvimento científico, a pesquisa, a capacitação científica e tecnológica e a
inovação”. Considerando-se a classificação das normas constitucionais quanto a sua eficácia, é
correto afirmar que tal dispositivo é uma norma
a) de eficácia plena.
b) de eficácia contida.
c) exaurida.
d) auto executável.
e) programática.

16. A ação constitucional que tem o cidadão como legitimado ativo e que objetiva defender interesse
difuso para anular ato lesivo ao patrimônio público, à moralidade administrativa, ao meio ambiente
e ao patrimônio histórico e cultural denomina-se
a) mandado de segurança.
b) habeas data.
c) habeas corpus.
d) ação civil pública.
e) ação popular.

17. A respeito das funções essenciais à justiça, julgue os seguintes itens.


I. O Ministério Público estadual possui legitimidade ativa autônoma para ajuizar reclamação no Supremo
Tribunal Federal (STF), desde que haja ratificação da inicial pelo procurador-geral da República.
II. A Defensoria Pública possui legitimidade ativa para ajuizar ação civil pública e defender interesses
transindividuais — coletivos stricto sensu e difusos — e interesses individuais homogêneos.
III. Os procuradores dos estados, que possuem remuneração estabelecida exclusivamente por subsídio
fixado em parcela única, exercem funções de consultoria jurídica e representação judicial dos respectivos
entes federados.

Assinale a opção correta.


a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas o item II está certo.
c) Apenas os itens I e III estão certos.
d) Apenas os itens II e III estão certos.
e) Todos os itens estão certos
18.Maria, ocupante do cargo de assistente social do estado do Rio Grande do Sul, prestou concurso
público para o emprego de enfermeira em uma sociedade de economia mista federal. Há
compatibilidade de horários no exercício cumulativo das duas funções.
Conforme o entendimento do STF, nessa situação Maria
a) não pode acumular as duas funções, pois a Constituição Federal de 1988 (CF) apenas permite a
acumulação remunerada de cargo público quando um deles é de nível médio.
b) não pode acumular as duas funções, pois o cargo de assistente social não é considerado cargo da área
da saúde.
c) pode acumular as duas funções, pois a situação está abarcada nas hipóteses excepcionais de
acumulação remunerada de cargos e empregos públicos.
d) pode acumular as duas funções, pois a proibição constitucional de acumulação apenas abarca cargos e
empregos no âmbito de um mesmo ente federativo.
e) pode acumular as duas funções, uma vez que a Constituição Federal de 1988 (CF) permite a acumulação
remunerada de um cargo de profissional de saúde com outro técnico ou científico.

19.Conforme o STF, no que se refere às carreiras de segurança pública, o exercício do direito de


greve é
a) vedado aos policiais civis e a todos os servidores públicos que atuem diretamente na área de segurança
pública.
b) permitido aos servidores públicos civis e aos militares.
c) permitido apenas aos policiais civis, salvo em caso de estado de sítio e estado de defesa.
d) permitido apenas aos policiais civis que atuem diretamente na área de segurança pública.
e) vedado aos policiais civis, salvo se essa atividade for suprida por órgão da iniciativa privada.

20.Emenda à Constituição de determinado estado da Federação que extinga os tribunais de contas


dos municípios desse ente federado será
a) inconstitucional, porque a CF proíbe expressamente tanto a criação quanto a supressão desses órgãos,
se existentes.
b) inconstitucional, porque a extinção por norma estadual atenta contra o pacto federativo.
c) constitucional, porque a CF não proíbe a extinção de tribunais de contas dos municípios.
d) constitucional, uma vez que não haverá prejuízo ao controle externo, pois o Tribunal de Contas da União
assumirá suas funções.
e) inconstitucional, porque, em decorrência do princípio do controle fiscalizatório, financeiro e patrimonial,
é proibida a extinção de tribunais de contas dos municípios.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:

21.Assinale a opção que apresenta o entendimento firmado em jurisprudência do STF a respeito do


julgamento de governador por crimes comuns e da competência legislativa.
a) É permitido à unidade federativa instituir norma constitucional que condicione a instauração de ação
penal contra o governador por crime comum à prévia autorização da casa legislativa, cabendo ao STF
dispor sobre a aplicação de medidas cautelares penais.
b) É vedado à unidade federativa instituir norma constitucional que condicione a instauração de ação penal
contra o governador por crime comum à prévia autorização da casa legislativa, cabendo ao tribunal de
justiça local dispor sobre a aplicação de medidas cautelares penais.
c) É vedado à unidade federativa instituir norma constitucional que condicione a instauração de ação penal
contra o governador por crime comum à prévia autorização da casa legislativa, cabendo ao Superior
Tribunal de Justiça dispor sobre a aplicação de medidas cautelares penais.
d) É permitido às unidades federativas instituir norma constitucional que condicione a instauração de ação
penal contra o governador por crime comum à prévia autorização da casa legislativa, cabendo ao tribunal
de justiça local dispor sobre a aplicação de medidas cautelares penais.
e) É permitido à unidade federativa instituir norma constitucional que condicione a instauração de ação
penal contra o governador por crime comum à prévia autorização da casa legislativa, cabendo ao Superior
Tribunal de Justiça dispor sobre a aplicação de medidas cautelares penais.

22. Determinado estado da Federação incluiu, por meio de emenda constitucional, dispositivo na
sua Constituição prevendo que, na análise das licitações estaduais, serão considerados, para a
averiguação da proposta mais vantajosa, entre outros itens, os valores relativos aos impostos
pagos à fazenda pública do estado. Conforme a jurisprudência do STF, caso seja ajuizada ação
direta de inconstitucionalidade contra a referida emenda, o STF deverá
a) extinguir a ação sem resolução de mérito porque não cabe perante o STF controle de constitucionalidade
em face de emenda constitucional estadual.
b) pronunciar-se pela procedência da ação porque as constituições analíticas não podem conter matéria
alheia a tema inerente ao direito constitucional.
c) arquivar a ação porque não cabe controle de constitucionalidade em face de emenda constitucional.
d) julgar a emenda inconstitucional por afrontar o princípio da isonomia.
e) decidir pela constitucionalidade da emenda por atender aos princípios da finalidade pública e legalidade.

23. À luz da ordem jurídica vigente e considerando a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal,
pode propor ação declaratória de constitucionalidade:
a) O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, sendo necessária a comprovação de
pertinência temática, podendo também propor mandado de segurança coletivo para a defesa de direito
líquido e certo de seus filiados compatível com as finalidades institucionais da entidade,
independentemente de autorização especial de seus membros.
b) Partido político, ainda que não tenha representação no Congresso Nacional, sendo desnecessária a
comprovação de pertinência temática, podendo também propor mandado de segurança individual, desde
que esteja em funcionamento há pelo menos um ano.
c) Entidade de classe de âmbito nacional, sendo necessária a comprovação de pertinência temática,
podendo também propor mandado de segurança coletivo para a defesa de direito líquido e certo de seus
filiados compatível com as finalidades institucionais da entidade, independentemente de autorização
especial de seus associados, mas desde que a entidade esteja em funcionamento há pelo menos um ano.
d) Entidade de classe, ainda que não seja de âmbito nacional, sendo necessária a comprovação de
pertinência temática, podendo também propor mandado de segurança individual desde que esteja em
funcionamento há pelo menos um ano.
e) Sindicato, ainda que não atue em âmbito nacional, sendo desnecessária a comprovação de pertinência
temática, podendo também propor mandado de segurança coletivo para a defesa de direito líquido e certo
de seus filiados compatível com as finalidades institucionais da entidade, independentemente de
autorização especial de seus membros e de comprovação de tempo mínimo de funcionamento.

24. Proposta ação direta de inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal,


a) o autor poderá desistir da ação apenas enquanto não juntado aos autos do processo o parecer emitido
pelo Procurador-Geral da República.
b) o Advogado-Geral da União não será citado para a defesa do ato normativo impugnado quando esse
tiver sido editado em âmbito estadual.
c) a decisão sobre a constitucionalidade ou a inconstitucionalidade do ato normativo impugnado poderá ser
tomada na hipótese de estarem presentes na sessão apenas oito Ministros, podendo ser declarado
inconstitucional, com efeitos vinculantes, pelo voto de cinco dos presentes.
d) o Tribunal poderá conceder medida cautelar com eficácia contra todos, mas não para alcançar atos
jurídicos praticados anteriormente à decisão judicial.
e) a concessão de medida cautelar pelo Tribunal torna aplicável a legislação anterior acaso existente, salvo
expressa manifestação em sentido contrário.

25. Determinado Estado da Federação editou lei instituindo gratificação financeira mensal, a ser
acrescida ao subsídio pago ao Governador e ao Vice-Governador, sendo devida em razão do
exercício de segundo mandato eletivo no mesmo cargo. Essa norma inspirou a previsão em Lei
Orgânica Municipal de igual vantagem econômica para beneficiar Prefeito e Vice-Prefeito.
Considerando a Constituição Federal e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal − STF,
a) apenas a lei municipal contraria a Constituição Federal, mas não poderá ser objeto de ação direta de
inconstitucionalidade perante o STF, ainda que possa ser objeto de arguição de descumprimento de
preceito fundamental.
b) ambas as leis são compatíveis com a Constituição Federal, mas a gratificação somente poderá ser paga
aos titulares dos mandatos eletivos se observado o limite remuneratório máximo imposto pela Constituição
Federal aos agentes políticos beneficiados.
c) ambas as leis contrariam a Constituição Federal, mas, na hipótese de violarem também a Constituição
do respectivo Estado, caberá apenas ao Tribunal de Justiça, e não ao STF, o exercício do controle abstrato
e principal de sua constitucionalidade, sendo permitida a interposição de recurso extraordinário contra o
acórdão proferido pelo Tribunal estadual.
d) ambas as leis contrariam a Constituição Federal, podendo a lei estadual ser objeto de ação direta de
inconstitucionalidade perante o Tribunal de Justiça caso a Constituição do respectivo Estado reproduza a
norma da Constituição Federal que dispõe sobre a matéria.
e) apenas a lei estadual contraria a Constituição Federal, podendo ser objeto de ação direta de
inconstitucionalidade perante o Tribunal de Justiça caso a Constituição do respectivo Estado reproduza a
norma da Constituição Federal que dispõe sobre a matéria, sendo permitida a interposição de recurso
extraordinário contra o acórdão proferido pelo Tribunal estadual.

26. Considerando a ausência de lei federal na matéria, determinado Estado editou lei, de iniciativa
parlamentar, para o fim de exigir que os ônibus que realizam o serviço público de transporte coletivo
municipal e intermunicipal de passageiros contem com equipamentos redutores de estresse aos
motoristas e cobradores. Trata-se de norma que, à luz da Constituição Federal e da jurisprudência
do Supremo Tribunal Federal, revela-se
a) inconstitucional, uma vez que apenas poderia dispor sobre equipamentos dos ônibus que realizam o
serviço de transporte coletivo intermunicipal de passageiros, já que o transporte coletivo municipal se insere
no âmbito da competência municipal.
b) constitucional, uma vez que, embora disponha sobre transporte, matéria de competência privativa da
União, a ausência de lei federal permite aos Estados legislar sobre questões específicas de seu interesse.
c)constitucional, uma vez que dispõe sobre matéria de competência legislativa concorrente entre União e
Estados, que poderão exercer a competência legislativa plena na ausência de norma federal.
d) inconstitucional, uma vez que dispõe sobre matéria de iniciativa legislativa privativa dos Chefes do Poder
Executivo estadual e municipal.
e) inconstitucional, uma vez que dispõe sobre matéria de competência privativa da União, que poderia ser
objeto de lei estadual apenas na hipótese de lei federal autorizar os Estados a legislarem sobre questões
específicas na matéria.

27. Determinado Município editou lei para fixar o horário de funcionamento de estabelecimentos
comerciais de venda de bebidas alcoólicas de modo incompatível com o horário de funcionamento
estabelecido por lei do respectivo Estado. De acordo com a Constituição Federal e considerando a
jurisprudência do Supremo Tribunal Federal − STF, a referida lei municipal
a) ateve-se aos limites constitucionais de sua competência legislativa, muito embora a lei estadual deva
ser regularmente aplicada aos estabelecimentos comerciais situados em Municípios que não têm disciplina
legislativa sobre a matéria.
b) invadiu competência dos Estados, podendo ser objeto de arguição de descumprimento de preceito
fundamental perante o STF por violação do princípio federativo.
c) invadiu competência dos Estados, podendo ter sua constitucionalidade discutida apenas em sede de
controle difuso e incidental de constitucionalidade, já que a aferição da compatibilidade da lei municipal
com a ordem jurídica constitucional demanda o exame do ato normativo estadual infraconstitucional.
d) ateve-se aos limites constitucionais de sua competência legislativa, sendo inconstitucional a lei estadual,
que poderá ser objeto de ação direta de inconstitucionalidade perante o STF, mas não poderá ser objeto
de reclamação constitucional, ainda que a lei estadual tenha contrariado súmula vinculante editada na
matéria.
e) ateve-se aos limites constitucionais de sua competência legislativa, sendo inconstitucional a lei estadual,
que poderá ser objeto de ação direta de inconstitucionalidade perante o STF, bem como de reclamação
constitucional, visto que a lei estadual contrariou súmula vinculante editada na matéria.

28. Considere que certo Município não cumpriu ordem judicial do Tribunal de Justiça do Estado,
expedida em demanda ajuizada por sindicato de servidores públicos municipais titulares de cargos
públicos efetivos, em que se determinou o imediato pagamento de vencimentos atrasados devidos
aos servidores filiados ao autor. Frustradas as medidas judiciais ordinárias para que a ordem
judicial fosse cumprida pelo Município, foi proposta representação interventiva perante o Tribunal
de Justiça, que deu provimento ao pedido e cientificou o Governador do Estado para que tomasse
as providências cabíveis. Considerando a Constituição Federal e a jurisprudência do Supremo
Tribunal Federal − STF,
a) o Tribunal não deveria ter conhecido da representação, uma vez que a intervenção estadual fundada no
descumprimento de ordem judicial depende de requisição do STF, e não de provimento à representação
proposta perante o Tribunal de Justiça.
b) a representação interventiva não poderia ter sido proposta perante o Tribunal de Justiça, que não é a
corte competente para julgá-la, uma vez que a medida fundou-se no descumprimento de ordem proferida
pelo próprio Tribunal.
c) o Tribunal deveria ter negado provimento à representação interventiva, uma vez que a ordem judicial
determinando o pagamento de salários atrasados foi proferida por juízo incompetente, sendo competente
para julgar a matéria uma das Varas da Justiça do Trabalho.
d) o Município, caso entenda que o acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça na representação interventiva
tenha contrariado a Constituição Federal, poderá impugná-lo por meio de recurso extraordinário.
e) o Tribunal de Justiça é o órgão competente para julgar a representação interventiva, tendo o Governador
atribuição para decretar a intervenção no Município, ocasião em que poderá determinar o afastamento das
autoridades municipais e nomear interventor se essas providências forem necessárias ao estabelecimento
da normalidade.

29. De acordo com as normas vigentes da Constituição Federal em matéria de previdência social,
a) professor universitário do sexo masculino, titular de cargo público efetivo, com 55 anos de idade,
25 anos de serviço público, 25 anos de contribuição, há 5 anos no cargo efetivo que atualmente
ocupa, preenche todos os requisitos constitucionais para a aquisição da aposentadoria voluntária.
b) ao servidor titular de cargo público efetivo empossado em 2018 não poderá ser concedida aposentadoria
em valor superior à remuneração no cargo efetivo em que se der a aposentadoria.
c) é vedado aos Estados legislar sobre o tema, uma vez que a matéria está sujeita à competência legislativa
privativa da União.
d) servidor público ocupante exclusivamente de cargo público em comissão, de livre nomeação e
exoneração, deve aposentar-se compulsoriamente aos 70 anos de idade ou, na forma da lei complementar,
aos 75 anos de idade.
e) servidor público ocupante exclusivamente de cargo público em comissão, de livre nomeação e
exoneração, pode optar entre aderir ao Regime Geral da Previdência Social ou ao Regime Próprio de
Previdência Social.

30. Lei complementar estadual, fruto de projeto de iniciativa do Governador, instituiu região
metropolitana constituída por Municípios limítrofes, a fim de integrar a organização, o planejamento
e a execução de funções públicas de interesse comum, entre as quais a de construção de moradias
e a de saneamento básico. Referida lei ainda determinou que essas funções públicas seriam
exercidas pelos Municípios em consonância com as normas editadas pela autoridade estadual
nomeada pelo Governador. À luz da Constituição Federal e da jurisprudência do Supremo Tribunal
Federal, a referida lei estadual
a) não poderia ter instituído região metropolitana que tenha como objeto a integração, o planejamento e a
execução das funções de construção de moradias, uma vez que essa atividade se insere no âmbito da
competência privativa dos Municípios.
b) pode ser alterada por lei ordinária, uma vez que a Constituição Federal não exige lei complementar
nessa matéria.
c) foi regularmente editada, sendo formal e materialmente compatível com a Constituição Federal.
d) não poderia ter atribuído exclusivamente à autoridade estadual a competência para editar as normas
que regerão a execução das funções de interesse comum, tendo em vista que a instituição de região
metropolitana não pode afastar o princípio constitucional da autonomia municipal.
e) não poderia ter instituído região metropolitana que tenha como objeto a integração, o planejamento e a
execução das funções de saneamento básico, uma vez que essa atividade se insere no âmbito da
competência privativa dos Municípios.

31. Projeto de Lei estadual de iniciativa do Chefe do Poder Executivo cria órgão incumbido da
realização de exames médicos em crianças e adolescentes, bem como cargos públicos com
atribuições voltadas para essas atividades, tendo sido apresentada emenda parlamentar que
acrescentou às competências do referido órgão a realização gratuita de teste de maternidade e de
paternidade aos beneficiários da Assistência Judiciária Gratuita. Paralelamente foi apresentado
projeto de lei de iniciativa parlamentar para obrigar o Poder Público a realizar, gratuitamente, teste
de maternidade e de paternidade aos beneficiários da Assistência Judiciária, sem indicar o órgão
estadual competente para desempenhar essa função. À luz das disposições da Constituição Federal
sobre processo legislativo,
a) o primeiro projeto de lei é constitucional, inclusive no que toca à apresentação da emenda parlamentar,
sendo, no entanto, inconstitucional o segundo, por tratar de matéria de iniciativa exclusiva do Chefe do
Poder Executivo.
b) a emenda parlamentar é constitucional, assim como o segundo projeto de lei.
c) o primeiro projeto de lei é constitucional, inclusive no que toca à apresentação da emenda parlamentar,
sendo, no entanto, inconstitucional o segundo por criar despesa para o Poder Executivo.
d) ambos os projetos de lei são constitucionais, inclusive no que toca à apresentação da emenda
parlamentar.
e) a emenda parlamentar é inconstitucional, uma vez que implicou aumento de despesas em projeto de lei
de iniciativa exclusiva do Chefe do Poder Executivo, sendo constitucional o segundo projeto de lei.

32. Certo Estado, ao editar lei dispondo sobre a estrutura dos órgãos do Poder Executivo,
determinou, entre outras medidas:
Art. 1º O Chefe do Poder Executivo poderá, mediante decreto, promover as reformas necessárias à
adequação dos órgãos, entes e unidades integrantes das suas estruturas básica e operacional,
compreendendo:
I. criação e extinção, fixando-lhes as respectivas competências, denominações e atribuições;
II. vinculação, denominação e estrutura operacional;
III. a criação e as atribuições de cargos públicos.

À luz da Constituição Federal, trata-se de lei que se mostra


a) inconstitucional no que toca à autorização para que Decreto crie e extinga órgãos públicos, e que fixe
as respectivas competências e atribuições, bem como para que crie cargos públicos e que defina suas
atribuições.
b) constitucional, uma vez que cabe ao Poder Executivo dispor sobre as matérias que a Lei delegou à
disciplina por Decreto, sendo esse o instrumento normativo adequado para instituir regulamentos para a
fiel execução das leis.
c) inconstitucional apenas no que toca à autorização para que Decreto crie cargos públicos, uma vez que
as demais matérias se inserem no âmbito da competência constitucional do Governador para discipliná-las
mediante Decreto.
d) inconstitucional no que toca à autorização para que Decreto crie e extinga órgãos, bem como para que
crie cargos públicos, embora possa a Lei delegar ao Governador a fixação das atribuições de cargos
públicos por Decreto.
e) inconstitucional apenas no que toca à autorização para que Decreto crie cargos públicos, bem como
para que defina suas atribuições, podendo delegar ao Governador a disciplina das demais matérias por
Decreto.

33. Suponha que em 31 de dezembro de 2017 foi editada lei de iniciativa do Tribunal de Contas da
União aumentando a remuneração dos respectivos servidores, embora tenha sido constatado que
o projeto de lei não estava amparado em prévia dotação orçamentária suficiente para arcar com a
vantagem remuneratória no exercício de 2018. A falta de previsão de dotação orçamentária para
fazer frente às despesas criadas pela lei fundamentou o ajuizamento de ação direta de
inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal contra o referido ato normativo federal.
Nessa situação, considerando o disposto na Constituição Federal e a jurisprudência do Supremo
Tribunal Federal, a lei federal mostra-se
a) compatível formal e materialmente com a Constituição Federal, não sendo exigível a prévia dotação
orçamentária para que a lei seja aplicada no exercício de 2018.
b) incompatível com a Constituição Federal, por ter sido aprovada sem prévia dotação orçamentária
suficiente, o que, embora não autorize sua declaração de inconstitucionalidade em sede de ação direta,
impede que seja aplicada em 2018.
c) incompatível com a Constituição Federal, devendo ser declarada formalmente inconstitucional, uma vez
que o projeto de lei tratou de matéria de iniciativa privativa de uma das Casas do Congresso Nacional.
d) incompatível com a Constituição Federal, devendo ser declarada formalmente inconstitucional, uma vez
que o projeto de lei tratou de matéria de iniciativa privativa do Presidente da República.
e) incompatível com a Constituição Federal, por ter sido aprovada sem prévia dotação orçamentária
suficiente, devendo ser declarada inconstitucional por esse motivo.

34. A Constituição de determinado Estado determina que as Secretarias de Estado serão


assessoradas juridicamente por advogados de livre nomeação e exoneração, cabendo-lhes o
desempenho de atividade de consultoria jurídica, ao passo que a representação judicial da unidade
federada será exercida por Procuradores do Estado admitidos por concurso público e organizados
em carreira. Trata-se de norma estadual que se mostra
a) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que a consultoria jurídica referida deve ser exercida
por Procuradores do Estado admitidos por concurso público e organizados em carreira, embora a
Constituição Estadual pudesse ter atribuído exclusivamente a ocupantes de cargos em comissão, de livre
nomeação e exoneração, a representação judicial da unidade federada.
b) compatível com a Constituição Federal, uma vez que cabe ao Estado, no exercício de sua autonomia
organizacional e administrativa, estabelecer as normas aplicáveis à sua advocacia pública.
c) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que a matéria se insere no âmbito da iniciativa
legislativa do Governador, não podendo, portanto, ser disciplinada na Constituição do Estado.
d) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que a consultoria jurídica referida somente poderia
ser exercida por advogados ocupantes de cargos públicos em comissão caso não fosse prevista na própria
Constituição do Estado a instituição da carreira de Procurador do Estado.
e) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que a consultoria jurídica e a representação judicial
referidas devem ser exercidas por Procuradores do Estado admitidos por concurso público e organizados
em carreira.

35. Determinado Estado da Federação extinguiu órgão público que prestava serviços de saúde
diretamente a uma parcela da população, decidindo, por razões de economicidade, atribuir a
execução dessa atividade à entidade privada. Trata-se de medida que se revela, à luz da
Constituição Federal e da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal,
a) constitucional, não se aplicando à entidade privada a exigência de concurso público para a contratação
de seus empregados, nem a lei que disciplina o procedimento licitatório para as contratações firmadas pela
Administração Pública.
b) inconstitucional, uma vez que os serviços públicos de saúde não podem ser prestados diretamente ao
cidadão por entidade privada.
c) constitucional, desde que o acordo seja firmado com entidade filantrópica ou sem fins lucrativos, que
poderá participar do Sistema Único de Saúde de forma complementar, podendo o Ministério Público
fiscalizar a aplicação dos recursos públicos recebidos pelo parceiro privado.
d) constitucional, devendo, no entanto, a entidade privada contratar seus empregados mediante concurso
público realizado pelo ente federado e submeter suas contratações ao procedimento licitatório estabelecido
em lei para a Administração pública, sempre que as respectivas despesas forem pagas com recursos
financeiros públicos.
e) constitucional, devendo, no entanto, as contratações da entidade privada ser submetidas ao
procedimento licitatório estabelecido em lei para a Administração Pública, sempre que as respectivas
despesas forem pagas com recursos financeiros públicos, não cabendo, todavia, ao Tribunal de Contas
fiscalizar a aplicação dos recursos públicos recebidos pela entidade privada.

36. Suponha que certo Estado editou, em dezembro de 2017, lei aumentando a alíquota da taxa
judiciária devida pela prestação do serviço jurisdicional, o que ensejou a edição de ato pela
Corregedoria do Tribunal de Justiça determinando aos servidores da Justiça a aplicação da nova
alíquota a partir de janeiro de 2018. O Conselho Nacional de Justiça − CNJ, todavia, ao julgar
representação proposta contra o referido ato do Tribunal local, afastou sua validade por entendê-lo
inconstitucional e determinou ao Tribunal de Justiça que, ao aplicar a lei, observe o prazo de 90
dias contados de sua publicação para exigência da nova alíquota. Considerando as disposições da
Constituição Federal e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, o CNJ decidiu
a) incorretamente, uma vez que a taxa judiciária é preço público, a ela não se aplicando o princípio
constitucional da anterioridade, não cabendo ao CNJ, ademais, afastar a aplicação do ato do Tribunal de
Justiça incompatível com a Constituição Federal, uma vez que essa atribuição foi reservada
exclusivamente ao Poder Judiciário.
b) incorretamente, uma vez que, embora a taxa judiciária tenha natureza tributária, a ela se aplicando o
princípio constitucional da anterioridade, não cabe ao CNJ afastar a aplicação do ato do Tribunal de Justiça
incompatível com a Constituição Federal, uma vez que essa atribuição foi reservada exclusivamente ao
Poder Judiciário.
c) corretamente, uma vez que a taxa judiciária tem natureza tributária, a ela se aplicando o princípio
constitucional da anterioridade, cabendo ao CNJ declarar a inconstitucionalidade do ato do Tribunal de
Justiça pelo voto da maioria simples de seus membros presente a maioria absoluta.
d) corretamente, uma vez que a taxa judiciária tem natureza tributária, a ela se aplicando o princípio
constitucional da anterioridade, cabendo ao CNJ afastar a aplicação do ato do Tribunal de Justiça e
determinar que o Tribunal se adeque às normas da Constituição Federal.
e) incorretamente, uma vez que a taxa judiciária é preço público, a ela não se aplicando o princípio
constitucional da anterioridade, embora caiba ao CNJ afastar a aplicação do ato do Tribunal de Justiça
incompatível com a Constituição Federal.

37. Relativamente ao Mandado de Segurança, considere:


I. Não se concederá mandado de segurança quando se tratar de ato do qual caiba recurso administrativo
com efeito suspensivo, independentemente de caução; também não se concederá mandado de segurança
de decisão judicial da qual caiba recurso com efeito devolutivo.
II. O titular de direito líquido e certo decorrente de direito, em condições idênticas, de terceiro poderá
impetrar mandado de segurança a favor do direito originário, se o seu titular não o fizer, no prazo de trinta
dias, quando notificado judicialmente.
III. Não cabe mandado de segurança contra os atos de gestão comercial praticados pelos administradores
de empresas públicas, de sociedade de economia mista e de concessionárias de serviço público.
IV. Quando o direito ameaçado ou violado couber a várias pessoas, a impetração do mandado de
segurança ficará condicionada à formação de litisconsórcio necessário, podendo, porém, ser ajuizada ação
declaratória autônoma sem o preenchimento desse requisito.

Está correto o que se afirmar APENAS em


a) II, III e IV.
b) II e III.
c) I e II.
d) I e III.
e) I e IV.

38. Dentro do sistema de proteção e preservação do meio ambiente, na forma prevista na


Constituição Federal, emerge o instituto dos espaços territoriais especialmente protegidos, cuja
instituição
a) não se sujeita à reserva de lei, porém, uma vez criados, ainda que por decreto, a proteção ambiental
assim instituída somente pode ser suprimida por lei em sentido formal.
b) importa sempre em vedação à utilização da área correspondente para qualquer atividade privada, bem
como a realização de intervenções ou obras, sendo erigida à categoria de parque nacional.
c) deve estar adstrita às normas editadas pela União sobre unidades de conservação, vez que todas
terão status de federais, observados os requisitos correspondentes a cada categoria.
d) se dá, obrigatoriamente, por lei de âmbito estadual, no exercício da competência concorrente para dispor
sobre normas gerais em matéria ambiental.
e) somente pode se dar mediante lei da União, no uso da competência privativa para legislar sobre direito
civil, dado que o instituto não corresponde a restrição ambiental stricto sensu, mas sim a restrição à
propriedade.

39. O princípio da separação de poderes, erigido como cláusula pétrea da Constituição da


República, traduzindo o sistema de freios e contrapesos do regime democrático, impõe restrições
à atividade do Poder Legislativo, entre as quais,
I. inconstitucionalidade de leis de iniciativa parlamentar instituindo programas de governo, que estabeleçam
competências ou atribuições específicas para órgãos da Administração.
II. vedação à apresentação de projetos de lei que gerem despesa, salvo na forma de emenda à Lei
Orçamentária Anual.
III. restrição ao poder de emendar projetos de iniciativa privativa do Chefe do Executivo quando a emenda
não guarde pertinência temática com a proposição original, apresentando matéria diversa.

Está correto o que se afirmar APENAS em


a) I e II.
b) I.
c) I e III.
d) III.
e) II e III.

40. A implantação de um conjunto habitacional de baixa renda por determinado Estado deve
a) passar por todas as instâncias de aprovação existentes, municipal, estadual e federal, em face da
inexistência de hierarquia entre os entes, não cabendo a exigência de observância da legislação ambiental
no caso de se tratar de empreendimento financiado pelo programa Minha Casa Minha Vida.
b) obedecer a legislação ambiental vigente, dispensada, no entanto, a submissão às normas municipais,
especialmente zoneamento e plano diretor, por se tratar de ente público hierarquicamente superior.
c) se submeter à legislação que rege o parcelamento do solo, dispensada, no entanto, a previsão de áreas
verdes e institucionais em razão da natureza do empreendimento.
d) observar a legislação municipal vigente, tendo em vista que inexiste hierarquia entre os entes federados,
devendo ser respeitada a repartição de competências constitucional.
e) se submeter às normas gerais federais que tratam sobre uso e ordenação do solo, em face da hierarquia
federativa, dispensada a observância de normas estaduais e municipais, porque inferiores àquelas.

Respostas:
21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33: 34:
35: 36: 37: 38: 39: 40:

41. Constituição de certo Estado, ao disciplinar a responsabilidade do Chefe do Poder Executivo,


I. estabeleceu a possibilidade de o Governador perder o cargo por prática de crime de responsabilidade
previsto exclusivamente na Constituição do Estado.
II. atribuiu ao Tribunal de Justiça a competência para o processo e julgamento do Governador por prática
de crime comum.
III. condicionou a instauração de processo judicial por prática de crime comum cometido pelo Governador
à licença prévia da Assembleia Legislativa.
IV. permitiu ao Governador permanecer no exercício de suas funções após o recebimento de denúncia ou
queixa-crime pelo Tribunal competente, por entender o constituinte estadual que cabe ao Poder Judiciário
decidir sobre a aplicação de medidas cautelares penais, inclusive sobre eventual afastamento do cargo.

São compatíveis com a Constituição Federal e com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal
a(s) norma(s) referida(s) APENAS em
a) IV.
b) II e III.
c) I.
d) I e IV.
e) III.

42. A respeito de mandado de injunção, é correto afirmar que


a) a decisão no mandado de injunção coletivo, em regra, faz coisa julgada com efeito erga omnes.
b) a insuficiência de uma norma regulamentadora para o pleno exercício de um direito é hipótese de
cabimento de mandado de injunção.
c) a impetração de mandado de injunção é cabível para garantir isonomia salarial entre categorias de
servidores públicos.
d) os legitimados para a impetração de mandado de injunção coletivo são os mesmos que os da ação direta
de inconstitucionalidade.
e) a competência para julgamento de medidas dessa natureza é exclusiva do STF.

43. Com relação ao conceito, às espécies e às características do poder constituinte decorrente,


assinale a opção correta.
a) Trata-se do poder incumbido aos estados-membros de auto-organização.
b) Classifica-se como originário se incondicionado ou derivado quando se resume a alterar texto pré-
existente.
c) Possui as mesmas limitações materiais que o poder constituinte originário.
d) O Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal de 1988 é manifestação do
poder constituinte decorrente.
e) O poder constituinte decorrente reformador manifesta-se por intermédio do Congresso Nacional por
ocasião das emendas à Constituição Federal de 1988.

44. A respeito dos mecanismos de proteção aos direitos humanos previstos na Constituição Federal
de 1988 e dos remédios constitucionais, assinale a opção correta.
a) A ação popular é remédio constitucional para assegurar o conhecimento de informações relativas ao
impetrante, constantes de registros ou de bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter
público.
b) O mandado de segurança coletivo caracteriza-se por ter dois ou mais impetrantes, que sejam pessoas
físicas ou jurídicas, no polo ativo.
c) O habeas data visa anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à
moralidade administrativa e ao patrimônio histórico e cultural.
d) Mandado de injunção é o instrumento constitucional a ser utilizado na hipótese de a ausência de norma
inviabilizar o exercício de direito ou de liberdade constitucional referente à cidadania ou à soberania.
e) A finalidade do habeas corpus é proteger direito líquido e certo quando o responsável pela ilegalidade
ou pelo abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do
poder público.

45. Com base no tratamento constitucional conferido à Defensoria Pública e no entendimento do


Supremo Tribunal Federal (STF), julgue os itens a seguir, relativos à autonomia administrativa e
financeira do órgão.
I. É atribuição concorrente do defensor público-geral e do chefe do respectivo Poder Executivo a iniciativa
de lei que trate de alteração no número de membros da Defensoria Pública, da criação e da extinção de
cargos e da fixação de subsídio dos defensores públicos.
II. Lei estadual que vincule a Defensoria Pública à respectiva administração pública direta ou que atribua
ao governador de estado competência para a nomeação de ocupantes dos diferentes cargos de sua
estrutura administrativa viola a autonomia administrativa do órgão.
III. Além da elaboração de proposta para a lei orçamentária anual, a iniciativa de proposta orçamentária da
Defensoria Pública alcança a necessária participação do órgão na elaboração da lei de diretrizes
orçamentárias.
IV. É privativa do presidente da República a iniciativa de projeto de emenda constitucional que trate de
matéria relacionada à autonomia administrativa e financeira das defensorias públicas.

Estão certos apenas os itens


a) I e II.
b) I e IV.
c) II e III.
d) I, III e IV.
e) II, III e IV.

46. A respeito do procedimento da arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF),


assinale a opção correta.
a) A concessão de medida liminar em sede de ADPF será limitada à suspensão dos feitos e julgamentos
que versem sobre a mesma matéria.
b) A decisão final em sede de ADPF terá, em regra, efeito ex nunc, salvo decisão de dois terços do plenário
do STF para a modulação dos efeitos.
c) O ajuizamento da ADPF deve atender à subsidiariedade, sendo proposta quando inexistir outro meio
idôneo para instrumentalização da pretensão de sanar lesão a preceito fundamental.
d) O objeto da ADPF restringe-se às leis federais e estaduais.
e) O objeto da ADPF deve restringir-se à legislação posterior à promulgação da Constituição Federal de
1988.

47. A Constituição Federal de 1988 elenca como atribuição do presidente da República


a) dispor, por decreto, sobre o funcionamento da administração pública federal, ainda que isso implique
aumento de despesa.
b) conceder indulto e comutação de penas.
c) autorizar empréstimos contraídos pela União no exterior.
d) celebrar e referendar acordos internacionais, na condição de chefe de Estado.
e) celebrar a paz, com referendo do Senado Federal.

48. No procedimento da ação direta de inconstitucionalidade, é cabível


a) o objeto da ação ser um ato administrativo de efeito concreto emanado da Presidência da República.
b) o parâmetro da ação constituir-se do preâmbulo da Constituição Federal de 1988.
c) a oposição de embargos de declaração, com o objetivo de obter a modulação dos efeitos da decisão.
d) a ação rescisória, por se tratar de controle difuso.
e) o objeto da ação ser um enunciado de súmula do STJ.

49. No âmbito do Poder Legislativo Federal, as comissões parlamentares de inquérito


a) podem investigar fatos referentes a questões de interesse de um estado-membro, ou seja, sem
relevância nacional.
b) podem determinar medida de arresto e sequestro de bens de investigados.
c) têm poderes para determinar medida de busca e apreensão domiciliar e interceptação telefônica.
d) podem determinar que um investigado não se ausente do país.
e) têm poderes para quebrar sigilo de dados telefônicos.
50. As medidas de discriminação reversa que, com o objetivo de proteger grupos historicamente
discriminados ou vulneráveis, promovem políticas compensatórias focais são denominadas
a) liberdade de consciência.
b) ações afirmativas.
c) movimentos raciais.
d) segregação positiva.
e) igualdades materiais.

51. Denominam-se princípios constitucionais sensíveis os princípios


a) correlatos à limitação ao poder de tributar.
b) constitucionais passíveis de supressão por emenda constitucional.
c) garantidores de direitos sociais.
d) constitucionais implícitos.
e) constitucionais que, se não observados por determinado estado da Federação, ensejem a decretação
de intervenção federal nesse estado.

52. A colisão entre dois ou mais direitos fundamentais resolve-se com a aplicação preponderante
do princípio
a) da força normativa.
b) da dignidade da pessoa humana.
c) da concordância prática.
d) da eficiência.
e) do efeito integrador.

53. Considerando que liberdade econômica consiste na possibilidade de o cidadão poder exercer
um papel como agente econômico e escolher como usar a sua propriedade, julgue os itens a seguir.
I. A melhora social e econômica do Brasil nas últimas décadas não se reflete plenamente na moradia e no
saneamento básico: milhões de brasileiros ainda vivem em aglomerados subnormais e sem acesso a
saneamento.
II. O rompimento do ciclo intergeracional da pobreza pode ser atingido por meio de políticas públicas que
promovam a autonomia e a liberdade econômica e financeira da mulher, como o acesso igualitário ao
mercado de trabalho, a provisão de creches e o apoio aos familiares idosos.
III. A ordem econômica determina que se observe a função social da propriedade e que, ao mesmo tempo,
se respeite o bem-estar da sociedade, porém não garante o direito do indivíduo sobre a propriedade.

Assinale a opção correta.


a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas o item II está certo.
c) Apenas o item III está certo.
d) Apenas os itens I e II estão certos.
e) Apenas os itens II e III estão certos.

54. A Defensoria Pública de determinado estado da Federação encaminhou ao Poder Executivo local
proposta de orçamento anual da instituição. Consolidada com cortes de despesas de pessoal e de
custeio, a proposta foi inserida no corpo do projeto de lei orçamentária anual do estado, que foi
enviado à Assembleia Legislativa para apreciação. Com referência a essa situação hipotética,
assinale a opção correta à luz da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF).
a) A proposta orçamentária da Defensoria Pública é meramente sugestiva; compete ao Executivo a sua
consolidação, adequação e envio ao Poder Legislativo.
b) Os limites da autonomia da Defensoria Pública permitem que o governador decida, unilateralmente, por
cortes nas despesas de pessoal previstas na proposta de orçamento anual recebida.
c) O governador poderia propor cortes, unilateralmente, apenas em relação às despesas de custeio.
d) O governador poderia efetuar o corte das despesas indicadas na proposta de orçamento e não previstas
na lei de diretrizes orçamentárias.
e) Na apreciação da proposta de orçamento da Defensoria Pública, a Assembleia Legislativa poderá
aprová-la ou rejeitá-la integralmente, não lhe cabendo fazê-lo apenas parcialmente.

55. Com referência às disposições constitucionais aplicáveis aos agentes públicos, julgue os
seguintes itens, com base no entendimento do Supremo Tribunal Federal.
I. Não viola o princípio do concurso público a denominada cláusula de barreira que, constante do edital,
seleciona apenas os concorrentes mais bem classificados nas fases iniciais, limitando o número de
candidatos para as fases subsequentes do certame.
II. Os empregados das sociedades de economia mista estão submetidos ao teto remuneratório previsto na
Constituição Federal de 1988, ainda que essas entidades não recebam recursos da União, dos estados,
do Distrito Federal nem dos municípios para o pagamento de pessoal.
III. O Poder Judiciário não tem competência para aumentar vencimentos de servidores públicos com
fundamento em isonomia.
IV. A aposentadoria compulsória por idade para os servidores públicos, prevista na Constituição Federal
de 1988, não atinge os ocupantes de cargos exclusivamente em comissão.

Estão certos apenas os itens


a) I e II.
b) II e IV.
c) III e IV
d) I, II e III.
e) I, III e IV.

56. A relação entre a Constituição e as normas jurídicas (constitucionais ou infraconstitucionais)


anteriores não pode ser reduzida a um único fenômeno, além de implicar diferenciados efeitos. Há
de se levar em conta o fato de se tratar tanto de uma nova ordem constitucional quanto de uma
reforma constitucional que venha a se manifestar em relação ao direito constitucional originário ou
mesmo em relação à legislação infraconstitucional. Ingo Sarlet, et al. Curso de Direito Constitucional. São Paulo:
Revista dos Tribunais, 2012, p. 187 (com adaptações).

Entre as situações que podem ocorrer no contexto descrito pelo texto, o Supremo Tribunal Federal
(STF) admite a
a) recepção de lei anterior, desde que materialmente compatível com a nova Constituição.
b) constitucionalidade superveniente de lei ordinária originalmente inconstitucional, por meio de emenda
constitucional posterior.
c) manutenção de status constitucional de norma constitucional anterior, ainda que a nova Constituição
seja omissa sobre o assunto.
d) inconstitucionalidade superveniente de lei anterior em relação a Constituição posterior, para fins de
ajuizamento de ação direta de inconstitucionalidade.
e) desconstitucionalização de norma constitucional anterior, ainda que não haja previsão expressa sobre o
assunto na nova Constituição.

57. Caracterizará exercício do controle abstrato de constitucionalidade


a) decisão do STF que julgue procedente mandado de injunção no caso de omissão legislativa que torne
inviável o exercício do direito de greve.
b) incidente de inconstitucionalidade julgado pelo órgão especial dos tribunais de justiça mediante a
observância da cláusula de reserva de plenário.
c) a suspensão, pelo Senado Federal, da execução de lei declarada inconstitucional pelo STF.
d) a concessão de medida liminar pelo STF, no âmbito de arguição de descumprimento de preceito
fundamental, para suspender os efeitos de lei federal já revogada, em razão da verificação de lesão a
preceito fundamental.
e) a apreciação da constitucionalidade das leis e atos normativos do poder público pelos tribunais de
contas, desde que no exercício de suas atribuições.

58. Acerca do movimento da constitucionalização do direito, julgue os itens a seguir.


I. Uma das consequências da constitucionalização do direito é a chamada eficácia horizontal dos direitos
fundamentais.
II. No contexto do Estado constitucional, são legítimos a atuação discricionária do juiz e o controle judicial
dos critérios de oportunidade e conveniência do gestor público.
III. O aumento da importância das Constituições democráticas, com a irradiação de suas normas para todo
o ordenamento jurídico, ampliou a liberdade de conformação do legislador.
IV. A constitucionalização do direito engloba a constitucionalização-inclusão e a constitucionalização-
releitura.

Estão certos apenas os itens


a) I e II.
b) I e III.
c) I e IV.
d) II e III.
e) III e IV.

59. O instituto da medida provisória pode ser utilizado pelo presidente da República para
a) criar novas condições de inelegibilidade, a fim de proteger a probidade administrativa.
b) abrir crédito extraordinário para atender a despesa imprevisível e urgente, como as decorrentes de
calamidade pública.
c) regular as limitações constitucionais ao poder de tributar.
d) estabelecer normas gerais de organização das Defensorias Públicas estaduais.
e) aumentar a pena de determinado tipo penal.

60. Considerando-se as normas constitucionais e a jurisprudência do STF, compete


a) aos municípios legislar sobre o horário de funcionamento de estabelecimentos que comercializam
bebidas alcoólicas.
b) ao Distrito Federal organizar e manter a polícia civil distrital.
c) aos estados legislar sobre normas de processo e julgamento dos crimes de responsabilidade praticados
por governadores.
d) privativamente aos estados-membros promover políticas públicas voltadas à saúde e à assistência
pública das pessoas com deficiência.
e) ao Distrito Federal legislar de forma concorrente sobre sistemas de sorteios, como bingos e loterias.

Respostas:
41: 42: 43: 44: 45: 46: 47: 48: 49: 50: 51: 52: 53: 54:
55: 56: 57: 58: 59: 60:

61. Em relação à instituição, a Lei Maior assegurou uma série de garantias e prerrogativas (...), de
modo a evitar pressões e interferências de ordem externa. No tocante aos seus membros,
assegurou a liberdade para o exercício de suas funções, impedindo uma subordinação que não seja
à Constituição, às leis ou à sua própria consciência. Marcelo Novelino. Direito Constitucional. 6.ª ed. Rio de
Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2012, p. 974-5 (com adaptações).

O princípio institucional referido no texto, aplicável ao Ministério Público e às Defensorias Públicas,


é o princípio da
a) independência funcional.
b) autonomia administrativa.
c) unidade.
d) indivisibilidade.
e) subordinação legal.

62. Julgue os itens a seguir, com base na jurisprudência do STF.


I. Independentemente da natureza do cargo, é inconstitucional a exigência de idade mínima nos concursos
públicos na administração pública direta e indireta.
II. Para que sejam cumpridos, os mandatos constitucionais de criminalização previstos no art. 5.º da CF
impõem ao legislador o dever de observar o princípio da proporcionalidade, como proibição de excesso e
proibição de proteção insuficiente.
III. O direito à liberdade de expressão abrange o denominado discurso de ódio.
IV. É possível utilizar, em processo administrativo disciplinar, provas emprestadas, incluindo-se
interceptações telefônicas autorizadas judicialmente para fins de investigação criminal, desde que
respeitados a ampla defesa e o contraditório.

Estão certos apenas os itens


a) I e II.
b) I e III.
c) I e IV.
d) II e III.
e) II e IV.
63. Com o intuito de exercer o controle popular das contas públicas, determinado cidadão solicitou,
com base no seu direito constitucional à informação, cópias de documentos relacionados à
execução de convênio celebrado entre determinado estado e uma associação, referente à
capacitação dos professores da rede estadual de ensino. Ao analisar o requerimento, o secretário
de Educação indeferiu o pedido, alegando que as informações requeridas eram sigilosas. Com base
nessa situação hipotética e nas normas constitucionais, o indeferimento do pedido
a) poderá ser questionado por meio da ação constitucional de habeas data.
b) foi correto, pois, o direito à petição aos poderes públicos não abrange a defesa de informações de
interesse público.
c) poderá ser questionado por meio de mandado de segurança, pois configura ato estatal ilegal violador de
direito líquido e certo.
d) baseou-se em motivo impertinente, uma vez que a Constituição não admite a atribuição de sigilo a
documentos públicos.
e) não violou o princípio da publicidade, pois as informações requeridas só poderiam ser divulgadas após
a aprovação das contas do convênio.

64. Após o devido processo legislativo, o prefeito de um município promulgou lei reduzindo direitos
fundamentais trabalhistas, com o objetivo de aumentar o número de empregos na localidade.
Considerando-se essa situação hipotética e tomando-se como parâmetro do controle de
constitucionalidade a Constituição Federal de 1988, é possível questionar a referida lei municipal
por meio de
a) ação declaratória de constitucionalidade ajuizada no tribunal de justiça, desde que haja previsão na
constituição estadual.
b) arguição de descumprimento de preceito fundamental ajuizada no STF.
c) ação direta de inconstitucionalidade ajuizada no STF.
d) mandado de segurança impetrado no juízo de primeira instância.
e) ação direta de inconstitucionalidade ajuizada no tribunal de justiça respectivo, independentemente de a
matéria ser de reprodução obrigatória na constituição estadual.

65. Devido à ocorrência de calamidade natural de grandes proporções em determinado município,


o presidente da República, após consultar exclusivamente o Conselho da República e o Conselho
Nacional, decretou o estado de defesa naquela localidade. Com base nessa situação hipotética e
considerando as normas previstas na Constituição Federal de 1988 (CF), assinale a opção correta.
a) As medidas coercitivas previstas na CF para aplicação em casos como esse incluem a ocupação e o
uso temporário de bens e serviços.
b) O tempo de duração do estado de defesa não poderá ser superior a noventa dias, sendo vedada a sua
prorrogação.
c) Se houver fatos que comprovem a ineficácia das medidas tomadas durante o estado de defesa, este
será automaticamente convertido em estado de sítio.
d) Durante o estado de defesa, o controle das prisões será político, exercido pelo Congresso Nacional, e
judicial, exercido pelo STF.
e) O decreto presidencial é inconstitucional, uma vez que não houve autorização prévia do Congresso
Nacional.

66. Foi proposta, por um terço das assembleias legislativas das unidades da Federação, emenda
constitucional com o objetivo de alterar dispositivo referente à Defensoria Pública, visando-se
aprimorar a estrutura orgânico-institucional desse órgão. Votada em dois turnos nas duas casas do
Congresso Nacional, a emenda foi aprovada mediante três quintos dos votos dos membros de cada
uma delas. Nesta situação hipotética, a referida proposta deve ser considerada
a) constitucional, pois o tema tratado na emenda respeita as limitações formais e materiais ao poder
constituinte derivado reformador.
b) inconstitucional, já que a emenda fere limitação formal ao poder constituinte derivado reformador.
c) inconstitucional, pois a emenda fere cláusula pétrea da separação dos poderes.
d) inconstitucional, uma vez que a emenda fere cláusula de reserva de iniciativa do chefe do Poder
Executivo.
e) constitucional, porquanto o poder constituinte derivado é ilimitado.

67. A Constituição Federal de 1988 veda a instituição de impostos sobre patrimônio, renda ou
serviços relacionados às finalidades essenciais dos partidos políticos, dos sindicatos e das
instituições de educação e de assistência social sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei.
De acordo com a classificação tradicional da eficácia das normas constitucionais, tal norma é de
aplicabilidade
a) imediata, embora de eficácia contida.
b) diferida, pois de eficácia limitada.
c) diferida, pois de eficácia contida
d) imediata, pois de eficácia plena.
e) imediata, embora de eficácia limitada.

68. À luz do entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), julgue os seguintes itens, acerca do
controle incidental de constitucionalidade.
I. Admite-se o controle difuso de constitucionalidade em ação civil pública, desde que a alegação de
inconstitucionalidade não se confunda com o pedido principal da causa.
II. Não se admite a modulação temporal de efeitos em controle difuso de constitucionalidade.
III. A cláusula de reserva de plenário se aplica às turmas recursais dos juizados especiais.
IV. A regra da reserva de plenário não se aplica a julgamento de competência singular, podendo o juiz,
mesmo de ofício, deixar de aplicar preceitos normativos que considere contrários ao texto constitucional.

Estão certos apenas os itens


a) I e III.
b) I e IV.
c) II e III.
d) II e IV.
e) I, III e IV.

69. Com base no princípio da igualdade, o STF julgou constitucional a Lei das Cotas Raciais (Lei n.º
12.990/2014), que reserva para negros o percentual de vinte por cento das vagas oferecidas nos
concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos. De acordo com o
STF, contudo, tal percentual abrange apenas a administração
a) direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo federal.
b) pública federal direta e indireta, no âmbito dos três Poderes.
c) pública federal, estadual, distrital e municipal, no âmbito do respectivo Poder Executivo.
d) direta do Poder Executivo federal.
e) direta e indireta do Poder Executivo federal.

70. Estado-membro editou lei instituindo requisito novo de habilitação, não previsto na lei federal
de licitações e contratos administrativos, o qual passou a ser exigido aos interessados em
participar nas licitações estaduais. Nessa situação hipotética, de acordo com o entendimento do
STF acerca do tema, a referida lei deverá ser julgada
a) constitucional, porque a matéria é de competência concorrente da União e dos estados.
b) constitucional, pois compete aos estados suplementar a legislação federal por meio de normas
específicas, de acordo com as suas particularidades.
c) inconstitucional, já que é exclusiva da União a competência para legislar sobre licitação.
d) inconstitucional, pois é privativa da União a competência para legislar sobre normas gerais de licitação.
e) constitucional, já que estados podem legislar sobre assuntos de interesse local.

71. Um juiz federal determinou que a União implantasse determinado direito do autor de ação
judicial. A União, após ser intimada da decisão por meio do advogado da União, não cumpriu a
determinação judicial. Nessa situação, o advogado da União, atuando no exercício de suas
funções,
a) não poderá ser responsabilizado administrativamente, juntamente com a autoridade pública, pelo
descumprimento de determinação judicial, mas poderá ser preso.
b) deverá ser preso pelo descumprimento de determinação judicial.
c) deverá ser responsabilizado judicialmente pelo descumprimento de determinação judicial.
d) deverá ser responsabilizado judicialmente, juntamente com a autoridade pública competente, pelo
descumprimento de determinação judicial.
e) não poderá ser responsabilizado judicialmente pelo descumprimento de determinação judicial nem
poderá ser preso.

72. Se a medida provisória não for apreciada em até quarenta e cinco dias contados de sua
publicação, entrará em regime de urgência, subsequentemente, em cada uma das Casas do
Congresso Nacional, ficando sobrestadas, até que se ultime a votação, todas as demais
deliberações legislativas da Casa em que estiver tramitando. Constituição Federal, art. 62, § 6.º.

Considerando o artigo referido e interpretando o limite do sobrestamento das deliberações


legislativas, o STF fixou entendimento de que o sobrestamento alcança projetos de
a) lei ordinária sobre temas passíveis de regramento por medida provisória.
b) decreto legislativo da casa em que estiver tramitando a medida provisória.
c) lei complementar e de lei ordinária que tratem de temas não incluídos no âmbito de incidência das
medidas provisórias.
d) emenda constitucional e lei complementar.
e) resolução e emenda constitucional.

73. De acordo com o STF, eventual ajuizamento de ação judicial proposta em razão da demora na
expedição de diploma de conclusão de curso em instituição privada de ensino superior deverá ser
processada e julgada pela justiça
a) estadual, se a instituição for mantida por pessoas de direito privado.
b) estadual, porquanto não há interesse da União.
c) federal, ainda que a instituição seja privada.
d) federal, desde que haja repasse de verba federal para a instituição.
e) estadual, se a instituição for administrada por pessoas de direito privado.

74. Compete à justiça federal processar e julgar


a) prática, por militar do Exército da ativa, de crime previsto na Lei n.º 8.666/1993 — Lei de Licitações e
Contratos —, praticado contra a administração militar.
b) crime de furto praticado em agência do Banco Postal.
c) crime de estelionato praticado em prejuízo do Banco do Brasil.
d) crimes de divulgação pornográfica de adolescentes nas redes sociais.
e) queixa-crime proposta por particular contra particular, quando este prestar depoimento na sede do
Ministério Público do Trabalho.

75. A respeito dos indígenas e suas terras, do regime jurídico dos recursos minerais e dos terrenos
de marinha, assinale a opção correta de acordo com a doutrina e a jurisprudência vigentes.
a) A propriedade exclusiva da União dos recursos minerais, inclusive os do subsolo, não implica domínio
do resultado da lavra de jazidas de petróleo, de gás natural e de outros hidrocarbonetos fluídos: a União
pode atribuir a terceiros a exploração desses recursos, sem qualquer ofensa à reserva de monopólio para
pesquisa e lavra.
b) Segundo entendimento do STJ, o procedimento de demarcação dos terrenos de marinha produz efeito
meramente declaratório da propriedade da União sobre as áreas demarcadas; o registro de propriedade
no registro de imóveis faz prova absoluta do direito alegado, sendo oponível à União.
c) Segundo o STF, para efeitos de demarcação de terras indígenas, deve ser considerado o marco temporal
de promulgação da Constituição Federal de 1988, perdendo-se a tradicionalidade da posse nativa no caso
de renitente esbulho possessório de terceiros à época da promulgação da Carta Magna.
d) Após regular conclusão da demarcação de terras indígenas — cujo processo demarcatório compete à
União instaurar, sequenciar e concluir formalmente, bem como efetivá-lo materialmente —, poderá haver
revisão administrativa para ampliar ou reduzir a terra indígena, com fundamento no princípio da autotutela
administrativa, nos termos de entendimento do STF.
e) O usufruto das riquezas do solo, dos rios e dos lagos em terras indígenas devidamente demarcadas
pela União não poderá ser relativizado: no desenvolvimento do processo demarcatório, a União já teve a
oportunidade de analisar o interesse público nas eventuais riquezas presentes nas terras demarcadas.

76. A respeito da disciplina constitucional do direito à saúde, do Sistema Único de Saúde (SUS), do
papel do Poder Judiciário na efetividade das políticas públicas sanitárias e da improbidade
administrativa, assinale a opção correta.
a) Por entender que a substância fosfoetanolamina sintética (a pílula do câncer) é ineficaz para o tratamento
contra o câncer, o STF declarou a inconstitucionalidade da lei que autorizou a sua produção, distribuição e
dispensação no país.
b) Segundo o STJ, configura-se bis in idem a condenação por acórdão do TCU e por sentença condenatória
em ação civil pública de improbidade referente ao mesmo fato e com imposição de sanção de
ressarcimento ao erário.
c) Situação hipotética: A ausência de prestação de contas do prefeito de determinado município importou
na sua condenação por ato de improbidade administrativa, devendo o prefeito ressarcir o valor integral do
dano apurado. Os seus direitos políticos foram suspensos e ele ficou proibido de contratar com o poder
público por três anos. Assertiva: Conforme entendimento do STJ, após a interposição de recurso, é possível
a redução da penalidade aplicada, considerando-se o princípio da proporcionalidade.
d) Entende o STF que a concessão judicial de medicamento de alto custo não previsto nos protocolos do
SUS está condicionada, em regra geral, ao registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária e à
ausência de tratamento alternativo eficaz.
e) Ao colegiado do Conselho de Saúde compete, em âmbito municipal, formular estratégias e controlar a
execução da política de saúde, excluindo-se os aspectos econômicos e financeiros.

77. Por entender insuficiente a proibição de lei federal para o cultivo de organismos geneticamente
modificados (OGMs) em determinadas áreas, determinado estado-membro editou lei mais rigorosa,
ampliando o rol relativo aos tipos de áreas em que tal atividade é vedada no seu território. Além
disso, o estado-membro criminalizou condutas relacionadas ao cultivo de OGMs, que, na esfera
federal, são consideradas meras infrações administrativas. Essa lei estadual é
a) ilegal quanto à ampliação do rol de áreas de cultivo proibido e constitucional na parte criminal.
b) ilegal em relação a ambos os aspectos, por violação a lei federal.
c) constitucional em relação aos dois aspectos, em decorrência do exercício de competência legislativa
suplementar.
d) inconstitucional em relação a ambas as inovações, por vício de competência.
e) constitucional quanto à ampliação do rol de áreas de cultivo proibido e inconstitucional na parte criminal.

78. Assinale a alternativa INCORRETA quanto ao mandado de segurança.


a) Em mandado de segurança, o pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em
sentença a servidor público da Administração direta ou autárquica federal, estadual ou municipal somente
será efetuado com relação a prestações que se vencerem desde o ajuizamento da ação.
b) A denegação de mandado de segurança sem decisão de mérito não impede que o impetrante pleiteie
os seus direitos e respectivos efeitos patrimoniais em ação própria.
c) Se, concedida a medida liminar em mandado de segurança, o impetrante criar obstáculo ao normal
andamento do feito ou deixar de promover, no prazo legal, os atos e diligências que lhe competirem, o juiz
decretará a perempção ou caducidade da medida.
d) A autoridade coatora não pode recorrer da sentença concessiva de segurança.
e) Não impede a concessão de mandado de segurança a existência de controvérsia sobre questão de
direito.

79. A escolha dos representantes dos Ministérios Públicos Estaduais, que irão compor o Conselho
Nacional do Ministério Público, após a indicação de um nome, pela Instituição, de cada unidade
federativa correspondente, é realizada
a) por associação privada.
b) pelo Presidente da República.
c) pelo Senado Federal.
d) pelo Procurador-Geral da República.
e) pelo Supremo Tribunal Federal.

80. A Constituição Federal atribui, de forma expressa e direta, legitimidade ativa para a propositura
de ação civil pública para a defesa de interesses difusos, ao Ministério Público,
a) assim como às Pessoas Políticas e à Defensoria Pública.
b) assegurando-lhe a privatividade de tal iniciativa.
c) assim como às Associações Civis.
d) permitindo a instituição de concorrência de iniciativas no âmbito legal.
e) assim como às Pessoas Políticas e às Associações Civis.

Respostas:
61: 62: 63: 64: 65: 66: 67: 68: 69: 70: 71: 72: 73: 74:
75: 76: 77: 78: 79: 80:

81. Durante investigação realizada em inquérito civil, o Promotor de Justiça do Estado de São Paulo
conclui que os fatos devem, em verdade, ser investigados pelo Ministério Público do Estado de
Minas Gerais, local em que o dano ocorreu. Em face de tal premissa, deverá o Presidente do
inquérito civil, após fundamentar o seu entendimento, remeter o inquisitivo
a) diretamente ao Ministério Público de Minas Gerais.
b) ao Procurador-Geral de Justiça de São Paulo, que exercerá controle de mérito sobre a decisão, podendo
revê-la.
c) ao Procurador-Geral de Justiça de São Paulo, que, na qualidade de representante da Instituição perante
outros Órgãos, realizará o encaminhamento sem exercer controle de mérito sobre a decisão.
d) ao Colégio dos Procuradores de Justiça do Ministério Público de São Paulo, que terá a possibilidade de
rever a decisão.
e) ao Conselho Superior do Ministério Público de São Paulo, que poderá rever a decisão.

82. A primeira Carta de Declaração de Direitos moderna, assim definida por conferir a suas normas
eficácia jurídico-positiva mais elevada, inserindo as garantias das liberdades individuais em
documento constitucional que delimitava a própria atuação reformadora do Poder Legislativo, foi a
a) Magna Carta inglesa, do Rei João Sem Terra.
b) Carta da Colônia Americana da Virgínia.
c) Bill of Rights inglesa, de 1689
d) Declaração francesa dos Direitos do Homem e do Cidadão.
e) Carta Constitucional alemã da República de Weimar.

83. Quanto à iniciativa legislativa em matéria ambiental, é correto afirmar que


a) pode ser exercida pelo Município apenas em face da presença de peculiar interesse e desde que seus
preceitos se harmonizem com as leis federais e estaduais atinentes ao mesmo tema.
b) pode ser exercida pelo Município em face da presença de peculiar interesse, circunstância que a faz
predominar, inclusive, sobre as normas editadas pela União e pelo Estado.
c) é concorrente entre a União e os Estados-membros, possuindo estes plena liberdade para tratar do tema
enquanto não for editada a lei geral pela União, sendo certo que a superveniência desta ensejará a
revogação dos dispositivos da lei estadual que se mostrarem com ela incompatíveis, vedada a atuação
suplementar dos Municípios.
d) é concorrente entre a União, os Estados-membros e os Municípios quanto ao tratamento de temas de
relevância geral, devendo prevalecer, ante a existência de conflito, a norma que permita a mais abrangente
proteção aos recursos ambientais.
e) é concorrente entre a União e os Estados-membros, competindo àquela editar a lei geral acerca da
matéria e, a estes, suplementá-la, vedando-se aos Municípios a possibilidade de legislar a propósito.

84. O Ministério Público propôs, em face da Fazenda Pública do Estado, demanda coletiva, visando
condená-la em obrigação de fazer, consubstanciada na realização de obras estruturais
emergenciais necessárias para assegurar a integridade física dos detentos de determinada unidade
prisional.
Em contestação, a Fazenda arguiu a incidência de discricionariedade administrativa, da teoria da
reserva do possível e da inexistência de previsão orçamentária para os gastos pertinentes.
O Magistrado culminou por julgar improcedente a demanda, acolhendo, para tanto, as teses
defensivas aqui mencionadas. Ante tais premissas, e em consonância com posicionamento firmado
pelo Supremo Tribunal Federal, o entendimento correto é que a sentença
a) deve ser confirmada em virtude dos três argumentos lançados pela Fazenda Pública em sua
contestação.
b) deve ser confirmada, vez que não é dado ao Poder Judiciário interferir na execução do orçamento
público, determinando a utilização de verbas para finalidades distintas daquelas originariamente constantes
da lei orçamentária em cumprimento.
c) merece prestígio caso o Estado venha a provar que efetivamente realiza o possível para o atendimento
dos direitos fundamentais mas que, apesar disso, a sua capacidade econômica é insuficiente para suprir
todas as demandas sociais existentes.
d) deve ser confirmada, vez que o tema se encontra na esfera do mérito do ato administrativo, infenso,
portando, ao controle jurisdicional.
e) comporta reforma, vez que a assecuração do postulado da dignidade da pessoa humana sobrepuja a
margem de discricionariedade conferida ao Administrador Público e direciona o investimento de recursos,
inviabilizando a adoção da teoria da reserva do possível.

85. O conflito de atribuições entre Órgãos de Execução que integram Ministérios Públicos de
Estados diversos será dirimido pelo
a) Superior Tribunal de Justiça.
b) Conselho Nacional do Ministério Público.
c) Supremo Tribunal Federal.
d) Procurador-Geral da República.
e) Procurador-Geral de Justiça dos Estados envolvidos, por prevenção.

86. Com a imunização dos direitos e das garantias fundamentais ante o arbítrio do legislador,
mostrava-se necessária a instituição de órgãos, instrumentos e procedimentos tendentes a
concretizá-los, a conferir efetividade às normas jurídicas constitucionais. Refere-se a doutrina a
três ordens de garantias que têm por objetivo assegurar concretude às regras constitucionais:
as sociais, as políticas e as jurídicas. São exemplos da adoção de cada uma dessas ordens de
garantias, observada a sequência em que se encontram descritas:
a) a ação popular, o contraditório e o devido processo legal.
b) a iniciativa legislativa partilhada entre o Congresso e o Executivo, o sistema de freios e contrapesos e a
ampla defesa.
c) a liberdade de associação, a tripartição das funções que emanam do Poder do Estado e a
inafastabilidade da jurisdição.
d) a soberania, a dignidade da pessoa humana e as ações de controle de constitucionalidade.
e) a cidadania, o Ministério Público e a ordem econômica.

87. Segundo o Supremo Tribunal Federal, dentre as atuações do Poder Legislativo a seguir
arroladas, decorrentes de emendas às Constituições Federal e Estaduais por iniciativa legislativa
própria, a única que não viola o princípio da interdependência e harmonia entre as funções
inerentes ao Poder do Estado, tal como concebidos pelo art. 2° da Constituição da República, é a
de
a) prever o controle, pelo Poder Executivo, da administração e rendimentos da conta única de depósitos
judiciais.
b) aprovar a indicação de presidentes de sociedades de economia mista e empresas públicas que explorem
atividade econômica.
c) prever a indicação, pelo Poder Legislativo, de integrante do Conselho Federal ou Estadual de Educação.
d) limitar o princípio da autotutela da Administração, sujeitando-o a controle jurisdicional.
e) aprovar a indicação de presidentes de autarquias e fundações públicas que prestem serviços públicos.

88. Considere os seguintes conceitos:


– Consiste na transmissão de valores e experiências entre as gerações, permitindo às mais novas alcançar
perfeita interação social, propiciando-lhes meios e instrumentos para que possam manter, aprimorar e,
posteriormente, retransmitir a seus sucessores o arcabouço cultural, os valores e os comportamentos
adequados à vida em sociedade e indispensáveis para o processo de evolução social rumo a um efetivo
Estado Democrático de Direito, que deve ter por premissa a consagração da Dignidade da Pessoa
Humana.
– Desenvolve-se sistematicamente, segundo planos formais que incluem conteúdos e meios previamente
traçados para atingir objetivos intencionalmente determinados, sendo de regra ministrado em unidades
educacionais da rede pública ou privada.
– Constitui o traço identificativo de um povo, marco de sua união, de costumes e desígnios comuns. É
formado por valores atribuídos a bens materiais ou imateriais pelos seres humanos, em virtude de seus
predicamentos intrínsecos ou extrínsecos.

Tais conceitos referem-se, respectivamente, aos direitos


a) à cultura, à educação e ao ensino.
b) à educação, ao ensino e à cultura.
c) ao ensino, à educação e à cultura.
d) à cultura, ao ensino e à educação.
e) à educação, à cultura e ao ensino.

89. Vinte e oito Senadores da República Federativa do Brasil firmaram, em conjunto, requerimento
para a instauração de Comissão Parlamentar de Inquérito, com o objetivo de investigar fato
determinado, por prazo certo. Suponha que o Presidente da Casa Legislativa, em face de hipotético
preceito constante do respectivo Regimento Interno, tenha determinado fosse o tema previamente
submetido ao Plenário, sede em que a maioria dos Senadores votou contra a Instauração da CPI, o
que levou ao arquivamento do pleito formulado. A propósito, é possível afirmar que a decisão de
arquivamento se encontra:
a) correta, vez que o Plenário é o órgão deliberativo máximo do Senado Federal, competindo-lhe decidir
de forma soberana acerca de qualquer questão da alçada da Casa Legislativa que seja submetida a seu
crivo, vinculando o Presidente.
b) correta, pois a Constituição Federal confere ao Senado o poder de livremente dispor, em seu Regimento
Interno, sobre a instauração e o funcionamento das Comissões Parlamentares de Inquérito, submetendo-
se o Presidente, no caso, à decisão da maioria.
c) incorreta, vez que o número de Senadores requerentes não atingiu o quórum mínimo previsto pela
Constituição Federal, motivo por que a matéria sequer poderia ser submetida ao Plenário da Casa.
d) incorreta, vez que, inexistindo óbice de outra natureza, é direito subjetivo das minorias parlamentares
requererem a instauração de Comissões Parlamentares de Inquérito, vedando-se a interferência do
Plenário no sentido de derrubar a iniciativa pelo critério da maioria.
e) correta, vez que o número de Senadores requerentes não atingiu o quórum mínimo previsto pela
Constituição Federal, motivo por que a respectiva remessa ao Plenário ocorreu exclusivamente em virtude
da hipotética previsão regimental citada.

90. O Plano Nacional de Educação, aprovado por Lei em 2014 e com vigência de dez anos,
contempla metas e estratégias em seu anexo.
A Meta 1 do anexo ao Plano consiste na previsão da universalização, até 2016, do acesso ao ensino
infantil para crianças entre 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade, assim como na ampliação “da oferta
de educação infantil em creches de forma a atender, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) das
crianças de até 3 (três) anos até o final da vigência deste PNE”. Em face de tal postulado, é correto
afirmar que
a) os Municípios e os Estados, responsáveis solidários pela oferta do ensino infantil em creches, possuem
a obrigação de atenderem integralmente à demanda respectiva de forma imediata e conforme ela se
apresente, vez que o acesso ao ensino infantil em creches é direito público subjetivo assegurado em norma
de eficácia plena pela Constituição Federal.
b) os Municípios e os Estados, responsáveis solidários pela oferta do ensino infantil, foram aquinhoados
com prazo suplementar para o atendimento de crianças com até 3 (três) anos em creches, motivo por que
petizes até mencionada faixa etária não possuem direito líquido e certo de acesso imediato à rede pública
de ensino, possuindo a norma constitucional pertinente natureza programática.
c) os Municípios, responsáveis principais pela oferta de ensino infantil em creches, possuem a obrigação
de atenderem integralmente à demanda respectiva de forma imediata e conforme ela se apresente, vez
que o acesso ao ensino infantil em creches é direito público subjetivo assegurado em norma de eficácia
plena pela Constituição Federal.
d) a União, os Estados e os Municípios possuem responsabilidade solidária pela oferta do ensino infantil
em creches, podendo dispor, na esfera infralegal, acerca do prazo necessário para a universalização do
atendimento da demanda respectiva, vez que o acesso ao ensino infantil em creches é direito público
subjetivo assegurado em norma programática pela Constituição Federal.
e) os Municípios, responsáveis principais pela oferta do ensino infantil, foram aquinhoados com prazo
suplementar para o atendimento de crianças de até 3 (três) anos em creches, motivo por que infantes até
mencionada faixa etária não possuem direito líquido e certo de acesso imediato à rede pública de ensino,
possuindo a norma constitucional respectiva natureza programática.

91. Com relação à ação popular em defesa do patrimônio público, é correto afirmar que
a) a pessoa jurídica de direito público ou de direito privado cujo ato seja objeto de impugnação não poderá
atuar ao lado do autor.
b) qualquer pessoa, responsável ou beneficiada pelo ato impugnado, cuja existência ou identidade venha
a ser conhecida no curso do processo, será incluída no polo passivo da relação processual, desde que no
feito não tenha sido proferida a decisão de saneamento do processo.
c) o autor popular não precisa estar representado por advogado.
d) qualquer cidadão pode habilitar-se como litisconsorte ou assistente do autor da ação popular.
e) a ação popular que objetive a defesa do patrimônio público municipal não pode ser proposta por eleitor
inscrito em município diverso.

92. Quanto ao mandado de segurança coletivo, assinale a alternativa INCORRETA.


a) Os direitos individuais homogêneos protegidos por mandado de segurança coletivo devem ser líquidos
e certos.
b) A sentença proferida em mandado de segurança coletivo faz coisa julgada apenas quanto aos membros
do grupo ou categoria substituídos pelo impetrante.
c) A entidade de classe pode impetrar mandado de segurança quando a pretensão interessar a toda a
categoria ou apenas a uma parte dela.
d) O partido político com representação no Congresso Nacional tem legitimidade para impetrar mandado
de segurança coletivo na defesa de seus interesses legítimos relativos a seus integrantes ou à finalidade
partidária.
e) Para ajuizamento de mandado de segurança coletivo, por entidade de classe em favor de seus
associados, é necessária autorização especial.

93. A Convenção Internacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência foi ratificada e aprovada pelo
Congresso Nacional sob o rito previsto pelo art. 5°, § 3°, da Constituição Federal.
De seu texto, destaca-se o art. 24, que traz obrigações aos Estados signatários quanto ao direito ao
ensino formal.
A partir de estudos psicossociais e diagnóstico médico, ficou demonstrado que a criança X, em idade para
cursar o ensino fundamental, é portadora de autismo, apresentando certo grau de dificuldade para integrar-
se em sala de ensino regular da rede pública, para o que dependeria, em caráter permanente, do
acompanhamento individualizado de professor auxiliar, inclusive para a elaboração de tarefas extraclasse.
Frente a tais premissas, o Estado, por seus órgãos de ensino, destinou à criança acompanhamento
especializado, em classe especial e própria, formada por infantes portadores da mesma síndrome,
entendendo ser este o melhor método pedagógico em face das condições peculiares de X. Com lastro na
Convenção citada, o Ministério Público aforou demanda com o escopo de obrigar o Estado a realizar a
inserção da criança X em sala de ensino regular, assim como a designar profissional auxiliar de ensino
para atendê-lo de forma individualizada, durante o horário das aulas e na elaboração das tarefas
extraclasse, formulando pleito de tutela de urgência, sob pena de multa diária.
O Magistrado deferiu parcialmente o pedido de cautela, sem a prévia oitiva da parte contrária, impondo ao
Estado o dever de inserir a criança em sala de ensino regular, com o acompanhamento por profissional
auxiliar durante o expediente letivo, sob pena de multa diária; porém, negou o pleito de urgência quanto
aos tópicos que pediam que o acompanhamento fosse individualizado e, também, que se estendesse à
elaboração das tarefas extraclasse, realizadas além da grade horária da sala em que X estivesse inserida.

Em relação ao comando judicial, afirma-se que é INCORRETO, pois


a) o deferimento da tutela de urgência deveria ser antecedida da prévia oitiva do Poder Público, no prazo
de 72 (setenta e duas) horas, além de mostrar-se inviável a estipulação de multa diária contra a Fazenda
Pública, segundo a jurisprudência dominante do Superior Tribunal de Justiça.
b) o Estado possui discricionariedade para dispor acerca da forma mais adequada de atendimento à
criança, podendo optar, nos termos da Convenção, por realizá-la em salas regulares ou especiais, desde
que assegurado o suporte necessário para o efetivo aproveitamento do processo pedagógico pelo aluno,
sendo vedado ao Judiciário intervir no debate respectivo, sob pena de violação aos princípios da
independência e harmonia entre os Poderes.
c) não se pode restringir o atendimento especializado somente ao horário letivo quando o efetivo
aproveitamento pedagógico venha a depender, também, do acompanhamento de um auxiliar em ocasiões
diversas para a realização de trabalhos extraclasse.
d) não se pode impor o dever de atendimento individualizado à criança X, em face da ausência da pertinente
previsão no texto da Convenção e em virtude de ferimento ao princípio da isonomia, mercê da concessão
a X de privilégio que não se estende a seus pares que apresentem necessidades do mesmo jaez.
e) a Convenção Internacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência está inserida, em nosso ordenamento
jurídico, na seara supralegal – porém infraconstitucional –, sendo certo que a Constituição Federal, ao tratar
do direito à educação da pessoa com deficiência, não permite a imposição ao Estado de obrigações do
jaez daquelas estipuladas pelo Magistrado, donde a incompatibilidade vertical entre os textos citados.

94. O mandato eletivo pode ser impugnado perante a Justiça Eleitoral:


a) no prazo de trinta dias da eleição, verificada a ocorrência de abuso político ou econômico.
b) a qualquer tempo, em razão da condenação transitada em julgado por crime hediondo ou equiparado.
c) até a data da diplomação, sempre que ocorrer crime, abuso do poder econômico ou fraude.
d) no prazo de quinze dias da diplomação, por abuso do poder econômico, corrupção ou fraude.
e) no prazo de quinze dias da eleição, quando da ocorrência de fraude ou violação de urna.

95.
Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:
I – direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho;
Art. 37. (...)
I – os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos
estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei;
Art. 216. (...)
§ 3.º A lei estabelecerá incentivos para a produção e o conhecimento de bens e valores culturais.
Constituição da República Federativa do Brasil.

Quanto ao grau de eficácia, as regras constitucionais anteriormente apresentadas classificam-se,


respectivamente, como regras de eficácia
a) plena, limitada e contida.
b) limitada, contida e programática.
c) contida, plena e limitada.
d) plena, contida e limitada.
e) plena, programática e contida.

96. Conforme estabelecido na CF, o poder constituinte derivado reformador


a) não sofre limitações materiais.
b) pode ampliar as cláusulas pétreas.
c) é poder jurídico, também sendo denominado poder constituinte difuso.
d) pode ser limitado em determinadas circunstâncias.
e) não pode ampliar os direitos fundamentais.

97. Quanto à forma, o Estado brasileiro é classificado como


a) democrático, embasado no princípio da igualdade.
b) republicano, fundamentado na alternância do poder.
c) republicano, sendo essa forma protegida como cláusula pétrea.
d) Estado democrático de direito.
e) federativo, sujeito ao princípio da indissolubilidade.

98. De acordo com as súmulas vinculantes do STF, será constitucional lei estadual que disponha
sobre o(a)
a) utilização de índice federal de correção monetária para reajustar vencimentos de servidores estaduais.
b) valor de depósito prévio para admissibilidade de recurso em ente público estadual.
c) vedação do pagamento de auxílio-alimentação aos servidores estaduais inativos.
d) estabelecimento de bingos e loterias no âmbito estadual.
e) horário de funcionamento de estabelecimento comercial.

99. De acordo com a CF e a jurisprudência do STF, o procurador-geral de estado


a) perderá o cargo efetivo apenas em virtude de sentença judicial transitada em julgado, caso seja
integrante da carreira de procurador estadual.
b) deve, necessariamente, ter sido aprovado em concurso público de provas ou de provas e títulos, caso
seja integrante da carreira de procurador estadual.
c) goza da garantia de inamovibilidade.
d) ocupa cargo comissionado de livre nomeação e exoneração pelo governador do estado.
e) tem competência para a iniciativa de lei ordinária sobre a organização da procuradoria-geral do estado.

100. À luz da disciplina estabelecida na CF, poderá ocorrer intervenção dos estados em seus
municípios
a) se não houver sido aplicado o mínimo exigido da receita municipal na manutenção da segurança pública.
b) para manter a integridade nacional.
c) caso as receitas tributárias constitucionalmente previstas deixem de ser entregues aos estados.
d) caso deixe de ser paga, por dois anos consecutivos e sem motivo de força maior, a dívida fundada.
e) para pôr termo a grave comprometimento da ordem pública.

Respostas:
81: 82: 83: 84: 85: 86: 87: 88: 89: 90: 91: 92: 93: 94:
95: 96: 97: 98: 99: 100:
DIREITO ADMINISTRATIVO:
PARTE GERAL
01. O desenvolvimento dos serviços públicos, campo de atividades do Estado que são exercidas
por ele ou mediante delegação a particulares, obedece a princípios próprios, que são
a) serviços administrativos próprios ou impróprios.
b) imutabilidade e continuidade.
c) generalidade, modicidade de tarifas, mutabilidade e continuidade.
d) generalidade, serviços administrativos próprios, serviços comerciais e industriais.
e) modicidade de tarifas, continuidade, imutabilidade das tarifas e serviços comerciais.

02. Com o Programa Nacional de Desestatização e com o objetivo de reduzir o déficit público,
passou-se à iniciativa privada atividades que eram dispendiosas para o Estado, transferindo a
prestação de serviços a entidades privadas, com a intenção de reduzir gastos e buscar uma maior
eficiência na execução das atividades, criando-se então, as
a) autarquias profissionais.
b) autarquias territoriais.
c) fundações públicas.
d) empresas públicas.
e) agências reguladoras.

03. Um servidor público municipal e chefe de um determinado setor emitiu um ofício aos seus
subordinados, em caráter oficial, contendo normas administrativas para a organização mais
eficiente no trabalho. O ato administrativo emitido classifica-se como
a) normativo.
b) enunciativo.
c) negocial.
d) ordinatório.
e) determinante.

04. A Lei Federal no 9.784/99, que trata do Processo Administrativo, determina que: “quando a
matéria do processo envolver assunto de interesse geral, o órgão competente poderá, mediante
despacho motivado, abrir período de consulta pública para manifestação de terceiros...”. Sobre a
consulta pública para os fins previstos na referida Lei, é correto afirmar que
a) é uma característica da consulta pública a facultatividade, pois a Administração Pública não é obrigada
a abrir período de consulta sempre que a matéria do processo envolver assunto de interesse geral, mas
nada impede que lei especial a preveja em caráter obrigatório.
b) a ausência de prejuízo para a parte interessada deve ser interpretada de forma ampla e irrestrita e,
nomeadamente, em relação ao prejuízo à celeridade do processo, quando já se sabe que ele se encaminha
para um resultado harmonizado entre as partes.
c) a motivação é uma prerrogativa da Administração Pública, pois o despacho que justifica a realização de
consulta pública não precisa ser acompanhado da explicitação do fundamento de interesse geral.
d) a abertura de consulta pública não precisa ser objeto de divulgação pelos meios oficiais, mas é
necessário fixar prazos para o oferecimento de alegações escritas.
e) a Administração Pública não pode impedir o acesso aos autos, objeto de consulta pública, sem restrições
a informações neles contidas, no que diz respeito aos direitos constitucionais.

05. A respeito do dever de probidade na atuação dos agentes públicos e a ação de improbidade,
assinale a alternativa correta.
a) Os atos de improbidade administrativa importarão a suspensão dos direitos do cidadão, a perda da
função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma e gradação previstas
em lei, sem prejuízo da ação civil cabível.
b) A ação de improbidade administrativa tem natureza criminal e, sendo o agente condenado
criminalmente, após o trânsito em julgado da sentença, será instaurada a ação civil pública, conforme
entendimento jurisprudencial.
c) A presença de indícios de cometimento de atos ímprobos, por si só, não autoriza o recebimento
fundamentado da petição inicial, devendo prevalecer no juízo preliminar o princípio do in dubio pro réu.
d) É uma peculiaridade da ação de improbidade administrativa, quando estando a inicial em devida forma,
o juiz mandar autuá-la e ordenar a notificação do requerido para oferecer manifestação por escrito, dentro
do prazo de quinze dias, como defesa preliminar antes do recebimento da inicial, citação, contestação e
demais atos.
e) O Supremo Tribunal Federal vem decidindo ser viável a propositura de ação civil de improbidade
administrativa exclusivamente contra o particular, até porque, nessas ações é cabível o litisconsórcio
passivo.

06. Considerando a disciplina legal e jurisprudencial da invalidação dos atos administrativos e, em


especial, o previsto na Lei federal no 9.784/99, a anulação de ato administrativo ampliativo de
direitos
a) decorre do exercício do poder de polícia administrativa a fim de garantir segurança jurídica e estabilidade
das relações entre Administração e administrado.
b) só pode se dar por força de decisão judicial, observados os prazos de prescrição previstos no Código
Civil.
c) decorre do exercício do poder de autotutela administrativa e independe de procedimento em que seja
assegurado contraditório e ampla defesa do beneficiário dos efeitos do ato anulável sempre que houver
má-fé.
d) só pode se dar pela Administração Pública, no exercício do poder hierárquico, e não pode alcançar
terceiro interessado de boa-fé.
e) só pode se dar no prazo de até cinco anos, pela própria Administração Pública.

07. Um determinado ente da federação, na execução de sua política para o agronegócio, pretende
contratar pessoa jurídica que exerce atividade de pesquisa, de reconhecida capacidade tecnológica
no setor, com vistas ao desenvolvimento de produto hábil a controlar de forma imediata, eficiente
e sustentável (não poluente), pragas que estão atacando as plantações de uma determinada espécie
frutífera típica daquela localidade. O valor estimado da contratação é de R$ 55.000.000,00 (cinquenta
e cinco milhões de reais). Considerando que os padrões de desempenho e qualidade da contratação
envolvem especificações não usuais no mercado, bem como que a pesquisa de preços realizada
não localizou a existência de solução similar, essa contratação
a) poderá se dar de forma direta somente se a pessoa jurídica contratada for fundação que, regimental ou
estatutariamente, tenha por finalidade apoiar órgão da Administração Pública direta e indireta, nos termos
da lei.
b) poderá se dar de forma direta, mediante dispensa de licitação, desde que o objeto da contratação,
segundo critérios técnicos constantes do processo administrativo correlato, caracterize produto para
pesquisa e desenvolvimento, nos termos da lei.
c) deverá ser precedida de audiência pública e subsequente licitação, na modalidade concorrência, nos
termos da lei.
d) deverá ser precedida de licitação, na modalidade pregão.
e) deverá ser precedida de concurso para seleção do melhor projeto.

08. Decisão proferida pelo Conselho Superior de Agência Reguladora estadual, órgão máximo de
direção da autarquia, que mantém aplicação de sanção ao concessionário de serviço público por
ela regulado em razão do descumprimento de cláusula contratual,
a) pode ser objeto de recurso administrativo interno, dirigido ao Dirigente Superior da Agência Reguladora.
b) é ilegal, por desbordar os limites da competência das agências reguladoras, autarquias submetidas ao
princípio constitucional da estrita legalidade.
c) salvo disposição específica em contrário, é irrecorrível no âmbito administrativo, especialmente por se
tratar de atividade finalística da agência reguladora.
d) pode ser objeto de recurso hierárquico, dirigido ao Chefe do Poder Executivo estadual.
e) é inconstitucional, porque sanções aplicadas ao particular só podem decorrer de lei em sentido estrito e
não de contrato de concessão de serviço público, do qual o órgão regulador não é parte.

09. De acordo com a Constituição Federal, a respeito dos agentes públicos, é correto afirmar que
a) é vedada a percepção acumulada de proventos de aposentadoria do regime próprio de previdência
social ou militar com a remuneração de cargo, emprego ou função pública, inclusive cargo em comissão
declarado em lei de livre nomeação e exoneração.
b) somente os empregados públicos previamente aprovados em concurso público podem adquirir
estabilidade após o período de três anos de efetivo exercício.
c) os cargos, empregos e funções públicas não são acessíveis a estrangeiros, exceto cargo de professor
ou pesquisador junto a instituição de ensino.
d) é vedada a acumulação remunerada de cargos, empregos e funções, exceto quando houver
compatibilidade de horários, a de dois empregos em empresa pública, sociedade de economia mista, suas
subsidiárias e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público, observado, em qualquer
caso, o limite máximo de remuneração no setor público.
e) as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, destinam-
se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento.

10. Pelas obrigações assumidas por consórcio público:


a) nos termos da lei, respondem solidariamente os entes públicos consorciados, observadas as disposições
do seu estatuto.
b) responde subsidiariamente o ente público líder do consórcio.
c) respondem pessoal e subsidiariamente os agentes públicos incumbidos da gestão do consórcio,
observadas as disposições do seu estatuto.
d) respondem subsidiariamente os entes públicos consorciados.
e) nos termos da lei, respondem pessoal e solidariamente os agentes públicos incumbidos da gestão do
consórcio, observadas as disposições do seu estatuto.

11. A respeito do tombamento, é correto afirmar que


a) o Supremo Tribunal Federal já afirmou que a hierarquia verticalizada dos entes federados prevista
expressamente na Lei de Desapropriação (Decreto-lei no 3.365/41) não se estende ao tombamento, não
havendo vedação a que Estado possa tombar bem da União, tampouco que Município possa tombar bem
estadual ou federal.
b) se constitui mediante decreto expedido pelo Poder Legislativo Federal, Estadual, Distrital ou Municipal,
reconhecendo o valor histórico, artístico, paisagístico, turístico, cultural ou científico de um bem ou bens,
individual ou coletivamente considerados, culminando com ato administrativo de registro em livro próprio.
c) se recair sobre bem particular, sua instituição pelo Poder Público, em regra, admite pagamento de
indenização por limitação de uso da propriedade.
d) se recair sobre bem público, poderá ser provisório ou definitivo, conforme a fase do procedimento
administrativo, que se conclui com a inscrição do bem no competente Livro do Tombo.
e) se recair sobre bem público, poderá se dar de ofício pela autoridade competente e a prévia notificação
do ente proprietário constitui condição de validade do ato administrativo de tombamento.

12. Um determinado Estado celebrou contrato, precedido de licitação, com a empresa RS Ltda.,
tendo por objeto a execução de reforma de edifício público. Durante a execução do contrato,
sobreveio determinação legal para adaptação do imóvel, de forma a torná-lo acessível às pessoas
com deficiência, havendo necessidade de modificar o projeto licitado. Ao adequar o projeto, o
Estado constatou aumento do valor orçado em R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais), montante
equivalente a 50% do valor original do contrato. Nesse caso, é correto afirmar que o contrato deverá
ser
a) rescindido amigavelmente, por motivo de força maior caracterizada pela verificação técnica de
inaplicabilidade dos termos contratuais originários, sendo devidas ao contratado as parcelas da obra já
executadas até a data da rescisão, além de pagamento do custo de desmobilização.
b) modificado para reajustar os preços previstos de acordo com o novo projeto adaptado, já que, nos termos
da lei, o contratado é obrigado a aceitar o acréscimo na obra de reforma até o limite de 50% do valor original
ajustado.
c) modificado para adequação técnica do projeto e correspondente restabelecimento do equilíbrio
econômico financeiro inicial ajustado.
d) revogado por razão de interesse público decorrente de fato superveniente devidamente comprovado,
sendo devida indenização ao contratado, além do pagamento pelas parcelas já executadas.
e) rescindido unilateralmente pelo Estado, em razão da superveniência de fato novo, a justificar relicitação
do projeto adequado, sendo devidas ao contratado as parcelas da obra já executadas.

13. A respeito dos poderes administrativos, assinale a opção correta.


a) O exercício do poder disciplinar não admite delegação ou avocação de atribuições.
b) O exercício do poder disciplinar pode ser observado na imposição de multas de trânsito.
c) O poder regulamentar é o poder de a administração pública editar leis em sentido estrito.
d) A possibilidade de a administração pública restringir o gozo da liberdade individual em favor do interesse
da coletividade decorre do poder de polícia.
e) O poder hierárquico pode ser exercido pela União sobre uma sociedade de economia mista da qual ela
seja acionista.
14. Quanto aos convênios firmados pela administração pública, assinale a opção correta.
a) Da celebração do convênio surge uma personalidade jurídica de direito privado distinta de seus
signatários.
b) A celebração de um convênio por entidade pública deve ser precedida de procedimento licitatório.
c) Os valores remanescentes repassados pelo órgão público podem permanecer com o outro participante,
a título de taxa de administração, por ocasião do fim do convênio.
d) Para a assinatura de convênio pela administração pública, é necessária autorização legislativa
específica.
e) Diferentemente do que ocorre nos contratos administrativos, nos convênios há convergência de
propósitos entre os signatários.

15. No que se refere ao pregão, regulado pela Lei n.º 10.520/2002, assinale a opção correta.
a) A realização do pregão pode se dar em até três dias úteis a partir da publicação do ato convocatório.
b) Para a realização do pregão, é imprescindível que seja constituída uma comissão de licitação.
c) As disposições da Lei n.º 8.666/1993 não se aplicam ao pregão, nem mesmo de forma subsidiária.
d) Em se tratando da modalidade pregão, avalia-se somente a habilitação do licitante vencedor.
e) É possível a alienação de bens públicos por pregão.

16. Determinado prefeito exarou ato administrativo autorizando o uso de bem público em favor de
um particular. Pouco tempo depois, lei municipal alterou o plano diretor, no que tange à ocupação
do espaço urbano, tendo proibido a destinação de tal bem público à atividade particular. Nessa
situação hipotética, o referido ato administrativo de autorização de uso de bem público extingue-se
por
a) revogação.
b) anulação.
c) contraposição.
d) caducidade.
e) cassação.

17. Para a responsabilização do agente público por ato de improbidade administrativa,


a) é suficiente a ofensa a princípios da administração pública.
b) é possível o ajuizamento de ação judicial a qualquer tempo.
c) exige-se a ocorrência de dano ao erário.
d) exige-se a ocorrência de enriquecimento ilícito do agente público.
e) exige-se o dolo.

18. Vencedora em regular processo licitatório, determinada sociedade empresária assinou contrato
com a administração pública para a execução de determinada obra. No início dos trabalhos,
constatou-se a presença de muitas rochas, fator que dificultaria e encareceria a fixação das
fundações. Essa informação não foi indicada no projeto apresentado pela administração pública.
Nessa situação hipotética, a presença das rochas
a) permite ao contratado rescindir o contrato.
b) permite ao contratado a revisão do contrato, em razão de sujeição imprevista.
c) é considerada caso fortuito, o que afasta a necessidade de revisão do preço contratual.
d) é considerada força maior, o que afasta a necessidade de revisão do preço contratual
e) é um fato da administração, que dá ensejo à revisão do preço contratual.

19. Assinale a opção que apresenta característica comum às sociedades de economia mista e às
empresas públicas.
a) Estão sujeitas ao regime de precatórios, como regra.
b) Não gozam de privilégios fiscais não extensíveis ao setor privado.
c) Não precisam realizar procedimento licitatório, a fim de viabilizar a atuação no mercado competitivo.
d) São criadas por lei.
e) Não estão sujeitas à fiscalização dos tribunais de contas.

20. A previsão em lei de cláusulas exorbitantes aplicáveis aos contratos administrativos decorre
diretamente do princípio da
a) publicidade.
b) moralidade.
c) legalidade.
d) eficiência.
e) supremacia do interesse público.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:

21. Na gestão dos contratos administrativos, repactuação é a


a) alteração bilateral do contrato, visando a adequação dos preços contratuais aos novos preços de
mercado, observados o interregno mínimo de um ano e a demonstração analítica da variação dos
componentes dos custos do contrato, devidamente justificada.
b) alteração bilateral do contrato, formalizada a qualquer tempo, visando promover o reequilíbrio
econômico-financeiro, na hipótese de sobrevirem fatos imprevisíveis, ou previsíveis, porém de
consequências incalculáveis, retardadores ou impeditivos da execução do ajustado.
c) alteração unilateral do contrato, determinada a qualquer tempo pela contratante, com vistas a promover
modificação do projeto ou das especificações, para melhor adequação técnica aos seus objetivos.
d) atualização anual da contraprestação monetária, com base em índice previamente estabelecido no
contrato, passível de registro por simples apostila, dispensando a celebração de aditamento.
e) alteração unilateral do contrato, determinada a qualquer tempo pela contratante, quando necessária a
modificação do valor contratual em decorrência de acréscimo ou diminuição quantitativa de seu objeto, nos
limites permitidos pela lei.

22. Custódio Bocaiúva é Chefe de Gabinete de uma Secretaria de determinado Estado. Certo dia,
em vista da ausência do Secretário Estadual, que saíra para uma reunião com o Governador,
Custódio assinou o ato de nomeação de um candidato aprovado em primeiro lugar para cargo
efetivo, em concurso promovido pela Secretaria Estadual. No dia seguinte, tal ato saiu publicado
no Diário Oficial do Estado. Sabendo-se que a legislação estadual havia atribuído ao Secretário a
competência de promover tal nomeação, permitindo que este a delegasse a outras autoridades
hierarquicamente subordinadas, é correto concluir que o ato praticado é
a) válido, pois havia direito subjetivo do candidato a ser nomeado para o cargo efetivo.
b) inexistente, haja vista que não reúne os mínimos elementos que permitam seu reconhecimento como
ato jurídico.
c) válido, em vista da teoria do funcionário de fato, amplamente reconhecida na doutrina administrativa.
d) inválido, pois, segundo a Constituição Federal, a nomeação de servidores é atribuição exclusiva e
indelegável do Chefe do Poder Executivo, regra sujeita à observância em âmbito estadual, por conta do
princípio da simetria.
e) inválido, porém sujeito à convalidação pelo Secretário de Estado, desde que não estejam presentes
vícios relativos ao objeto, motivo ou finalidade do ato.

23. Após promover a construção de linha de Veículo Leve sobre Trilhos − VLT para integração da
malha metropolitana de transporte, o Governo do Estado pretende que a operação da linha seja
gerida de forma descentralizada. Considerando-se a natureza do serviço e o fato de que haverá
cobrança de tarifa dos usuários, NÃO é solução adequada a
a) outorga do serviço a entidade especializada da Administração Indireta.
b) celebração de contrato de gestão com organização social.
c) constituição de parceria público-privada.
d) outorga do serviço a consórcio público, constituído para esse fim específico.
e) delegação mediante concessão de serviço público.

24. Ao instituir e regulamentar a modalidade licitatória do pregão, a Lei Federal n o 10.520/2002


dispõe que
a) somente é possível aos licitantes interpor recurso administrativo após a declaração do vencedor pelo
pregoeiro.
b) serão adotados os tipos de licitação menor preço e técnica e preço, para julgamento das propostas.
c) o autor da oferta de valor mais baixo e os das ofertas com preços até 20% superiores àquela, no curso
da etapa competitiva do pregão presencial, poderão fazer novos lances verbais e sucessivos, até a
proclamação do vencedor.
d) o pregoeiro procederá à abertura do invólucro contendo os documentos de habilitação de todos os
licitantes classificados, encerrada a etapa competitiva e ordenadas as ofertas, para verificação do
atendimento das condições fixadas no edital.
e) o edital poderá exigir garantia de proposta, como dado objetivo de comprovação da qualificação
econômico-financeira dos licitantes, limitada a 1% do valor estimado do objeto da contratação.

25. Uma gleba de terras devolutas estaduais foi arrecadada por ação discriminatória e o Governo
do Estado, por meio de lei, declarou-a como indispensável à proteção de um relevante ecossistema
local, incluindo-a na área de parque estadual já constituído para esse fim. Tal gleba deve ser
considerada bem
a) privado sob domínio estatal.
b) público dominical.
c) público de uso comum do povo.
d) público de uso especial.
e) privado sob regime especial de proteção.

26. Estevão Artacho, candidato em concurso público para a carreira policial, foi considerado inapto
por exame médico oficial, realizado em 24 de março de 2017, pela constatação de que sofria de
sopro no coração, isto é, uma alteração nas válvulas coronárias. Por essa razão, não pôde tomar
posse na data marcada para a investidura dos candidatos, 11 de abril de 2017. Inconformado,
Estevão ajuizou ação ordinária, questionando o ato administrativo que o considerou inapto e
pleiteou, a título de indenização, o valor correspondente aos vencimentos do cargo, computados
desde a data fixada para a posse. Citada a Fazenda Estadual e contestada a pretensão, determinou-
se realização de prova pericial, que constatou, por meio de exames mais detalhados, que se tratava
de variedade benigna da anomalia, não impeditiva do exercício da função pública. O juiz prolatou
sentença de procedência, no tocante ao pedido de empossamento no cargo público. No tocante à
pretensão relativa à indenização, a sentença seguiu a jurisprudência dominante do STF, que dispõe
que
a) não é devida indenização, salvo em situação de flagrante arbitrariedade do ato que impediu a posse.
b) a indenização é devida, computada desde a data em que deveria ter ocorrido a posse.
c) tal pretensão deve ser deduzida em ação própria.
d) a indenização é devida, computada desde a data do ajuizamento da ação.
e) a indenização é devida, computada desde a data da citação da Fazenda Pública.

27. O Governo do Estado decidiu construir um conjunto habitacional popular em área urbana,
situada na região metropolitana de Palmas. Para tanto, verificou-se a existência de um terreno de
dimensão adequada, situado em área incluída no plano diretor e declarada passível de edificação
compulsória por lei municipal. Embora notificado há dez anos para promover a edificação no
terreno, o proprietário quedou-se inerte, sendo que há mais de cinco anos vem sendo aplicado o
IPTU progressivo no tempo. Nesse caso, o Governo do Estado
a) deve encaminhar pedido de autorização à Assembleia Legislativa para a desapropriação do terreno,
visto que se trata de bem sob domínio municipal.
b) poderá promover desapropriação por interesse social do imóvel, todavia mediante justa e prévia
indenização, em dinheiro.
c) está impedido de promover a desapropriação do terreno, em vista da exclusiva competência municipal
para promover a desapropriação de áreas urbanas destinadas à habitação popular.
d) poderá promover a desapropriação-sanção do terreno, com o pagamento de indenização em títulos da
dívida pública de emissão previamente aprovada pelo Senado Federal, com prazo de resgate de até dez
anos, em parcelas anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor real da indenização e os juros legais,
por se tratar de terreno situado em região metropolitana.
e) poderá editar decreto de desapropriação por interesse social, em benefício do município em que está
situado o imóvel, que ficará responsável pelo pagamento da indenização em títulos da dívida pública de
emissão previamente aprovada pelo Senado Federal, com prazo de resgate de até 10 anos, em parcelas
anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor real da indenização e os juros legais.

28. A Lei de Processo Administrativo − Lei Federal no 9.784/1999 − estabelece que, no tocante à
comunicação dos atos processuais aos interessados,
a) o desatendimento da intimação pelo interessado importará em confissão ficta.
b) somente deve ser objeto de intimação a produção de provas requeridas pelo próprio interessado.
c) a intimação dos atos processuais é feita por publicação em Diário Oficial, cabendo ao interessado
acompanhar os assuntos de seu interesse.
d) as intimações serão nulas quando feitas sem observância das prescrições legais, mas o comparecimento
do administrado supre sua falta ou irregularidade.
e) a intimação observará a antecedência mínima de 10 dias úteis quanto à data de comparecimento.

29. Sobre a responsabilidade do agente público e de particulares a ele associados por atos de
improbidade, é correto afirmar, à luz da legislação pertinente e da jurisprudência dominante dos
Tribunais:
a) Em vista do silêncio da Lei Federal no 8.429/1992, considera-se imprescritível a pretensão de impor
sanções aos particulares que atuarem em conluio com os agentes públicos em atos de improbidade.
b) É cabível o trancamento de ação de improbidade por meio de habeas corpus.
c) Por força de norma vigente do Código de Processo Penal, aplicam-se à ação de improbidade as regras
relativas à prerrogativa de foro em razão do exercício de função pública.
d) É nula a abertura de inquérito civil para apuração de ato de improbidade, em razão de indícios obtidos
a partir de denúncia anônima.
e) A decretação da indisponibilidade de bens do demandado, quando presentes fortes indícios de
responsabilidade pela prática de ato ímprobo, independe de comprovação do periculum in mora.

30. O Governo do Estado pretende que a iniciativa privada administre, mediante contrato, os
terminais de ônibus intermunicipais existentes no Estado, sendo que, em contrapartida dos gastos
de manutenção, os empresários possam explorar, por prazo determinado, a área dos terminais com
a construção de lojas, escritórios, hotéis etc. Pelas características anunciadas, o negócio deve ser
enquadrado como
a) autorização de uso de bem público.
b) concessão de uso de bem público.
c) permissão de uso de bem público.
d) direito de superfície.
e) outorga onerosa de potencial construtivo.

31. Considere que determinada Municipalidade precise desapropriar um terreno para instalação de
um equipamento público. Durante a avaliação pericial da área para identificação do valor do imóvel
foi apurado que o terreno apresentava contaminação do solo, decorrente da destinação pelo
proprietário para atividades não autorizadas. O ente público expropriante
a) poderá pleitear a dedução do custo de descontaminação do valor da indenização, já que havia
responsabilidade do dono do terreno pela observância da legislação ambiental vigente.
b) poderá desistir da desapropriação, diante do vício de legalidade, cabendo, contudo, indenização em
favor do proprietário do terreno, por não ter dado causa à desistência da área, esta que constituiu decisão
discricionária do ente.
c) deverá necessariamente arcar com os custos de descontaminação, que não podem ser imputados no
valor da avaliação, sendo inerentes ao risco da aquisição.
d) pode pleitear que a indenização devida ao proprietário da área seja posterior à desapropriação, e não
prévia, como usual, em razão da necessidade de ser incluído o custo de descontaminação da área.
e) deve desistir da desapropriação, já que o valor estimado da indenização será necessariamente superado
em razão do custo de indenização.

32. Acerca das modernas correntes doutrinárias que buscam repensar o Direito Administrativo no
Brasil, Carlos Ari Sundfeld observa:
Embora o livro de referência de Bandeira de Mello continue saindo em edições atualizadas, por volta da
metade da década de 1990 começou a perder aos poucos a capacidade de representar as visões do meio
– e de influir [...] Ao lado disso, teóricos mais jovens lançaram, com ampla aceitação, uma forte contestação
a um dos princípios científicos que, há muitos anos, o autor defendia como fundamental ao direito
administrativo [...]. (Adaptado de: Direito administrativo para céticos, 2a ed., p. 53)

O princípio mencionado pelo autor e que esteve sob forte debate acadêmico nos últimos anos é o
princípio da
a) presunção de legitimidade dos atos administrativos.
b) processualidade do direito administrativo.
c) supremacia do interesse público.
d) moralidade administrativa.
e) eficiência.

33. O Governo do Estado pretende instituir uma entidade dedicada a prestar serviços relacionados
ao turismo no Estado e encaminha à Assembleia Legislativa o respectivo projeto de lei autorizativa.
Sabe-se que tal entidade terá capital social dividido em quotas. O Governo estadual criará uma
a) sociedade de economia mista.
b) autarquia.
c) fundação de direito privado.
d) associação pública.
e) empresa pública.

34. Na hipótese de um servidor público patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado


perante a Administração, dando causa à instauração de licitação ou à celebração de contrato, cuja
invalidação vier a ser decretada pelo Poder Judiciário,
a) o agente terá praticado crime de advocacia administrativa, previsto no art. 321, do Código Penal.
b) em razão do crime ser de menor potencial ofensivo, são cabíveis a transação penal e a suspensão
condicional do processo.
c) o delito praticado é punível tanto na modalidade dolosa como na culposa.
d) a instauração de licitação é mero exaurimento do crime, não sendo obrigatória a sua ocorrência para a
consumação do crime.
e) o delito praticado é punível com reclusão.

35. Considerando-se as novas formas de desestatização da prestação de serviços públicos de


caráter social, as pessoas jurídicas de direito privado sem fins lucrativos que, atendidos os
requisitos previstos em lei, firmam parceria com o poder público, por instrumento de contrato de
gestão, para a execução de atividades de interesse público — especialmente ensino, pesquisa
científica, desenvolvimento tecnológico, proteção e preservação do meio ambiente, cultura e saúde
— recebem a qualificação de
a) agência executiva.
b) fundação pública.
c) organização social.
d) organização da sociedade civil de interesse público.
e) serviço social autônomo.

36. No que se refere à classificação dos atos administrativos e suas espécies, assinale a opção
correta.
a) Parecer é exemplo de ato administrativo constitutivo.
b) Licença para o exercício de determinada profissão é exemplo de ato administrativo vinculado.
c) Autorização administrativa é exemplo de ato de consentimento administrativo de caráter irrevogável.
d) Decisão proferida por órgão colegiado é exemplo de ato administrativo complexo.
e) Cobrança de multa imposta em sede de poder de polícia é exemplo de ato administrativo autoexecutório.

37. Com relação a parceria público-privada (PPP), assinale a opção correta.


a) Para a contratação de PPP, deverá ser realizada licitação, obrigatoriamente, na modalidade de
concorrência ou na modalidade convite.
b) A modalidade de PPP direcionada à prestação de serviços públicos ou obras públicas, que envolve,
adicionalmente à tarifa cobrada dos usuários, contraprestação do parceiro público ao parceiro privado,
classifica-se como concessão administrativa.
c) É vedado o contrato de PPP que tenha como objeto único o fornecimento de mão de obra ou o
fornecimento e a instalação de equipamentos.
d) É cláusula essencial do contrato de PPP a repartição de riscos entre as partes, salvo aquelas referentes
a caso fortuito, fato do príncipe ou a álea econômica extraordinária.
e) É obrigatória a constituição prévia de sociedade de propósito específico incumbida de implantar e gerir
o objeto da PPP, podendo a administração pública ser titular da maioria do capital votante da referida
entidade.

38. Com relação à disciplina dos bens públicos, assinale a opção correta.
a) À exceção dos bens dominiais não afetados a qualquer finalidade pública, os bens públicos são
impenhoráveis.
b) A ocupação irregular de bem público não impede que o particular retenha o imóvel até que lhe seja paga
indenização por acessões ou benfeitorias por ele realizadas, conforme entendimento do Superior Tribunal
de Justiça.
c) Aos municípios pertencem as terras devolutas não compreendidas entre aquelas pertencentes à União.
d) As terras tradicionalmente reservadas aos índios são consideradas bens públicos de uso especial da
União.
e) Bens de uso comum do povo, destinados à coletividade em geral, não podem, em nenhuma hipótese,
ser privativamente utilizados por particulares.

39. À luz da jurisprudência dos tribunais superiores, assinale a opção correta acerca das formas de
ressarcimento do erário.
a) Fiscalização contábil e conclusão de procedimento junto ao tribunal de contas, com formação de título
executivo extrajudicial, impedirão a propositura de ação de improbidade administrativa.
b) O ressarcimento ao erário não depende da formação de título executivo de nenhuma natureza.
c) O ressarcimento do erário dá-se somente com a formação de um título executivo judicial, por intermédio
de ações coletivas.
d) Tanto o título executivo judicial quanto o extrajudicial formado no âmbito do tribunal de contas são
instrumentos hábeis para o ressarcimento ao erário, podendo os dois coexistir.
e) A fiscalização do tribunal de contas será obstada caso se ajuíze ação de improbidade administrativa
com o intuito de formar título executivo judicial para o ressarcimento do erário.

40. A prefeitura de determinado município concedeu licença a um comerciante para que o


restaurante dele funcionasse em determinado imóvel. Alguns meses após a concessão da licença,
o comerciante decidiu transformar seu restaurante em uma boate. Considerando-se essa situação
hipotética, a administração municipal deverá proceder à
a) revogação da licença.
b) cassação da licença.
c) rescisão unilateral da licença.
d) invalidação da licença.
e) anulação da licença.

Respostas:
21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33: 34:
35: 36: 37: 38: 39: 40:

41. Caio, detento em unidade prisional do estado de Alagoas, cometeu suicídio no interior de uma
das celas, tendo se enforcado com um lençol. Os companheiros de cela de Caio declararam que,
mesmo diante de seus apelos, nada foi feito pelos agentes penitenciários em serviço para evitar o
ato. A família de Caio procurou a Defensoria Pública a fim de obter esclarecimentos quanto à
possibilidade de receber indenização do Estado. Nessa situação hipotética, à luz da jurisprudência
do Supremo Tribunal Federal, o defensor público responsável pelo atendimento deverá informar a
família de Caio de que
a) será necessário, para o ajuizamento de ação de reparação de danos morais, provar que as condições
de cumprimento de pena eram desumanas.
b) é cabível o ajuizamento de ação de reparação de danos morais em face do estado de Alagoas.
c) não houve omissão estatal, pois o suicídio configura ato exclusivo da vítima.
d) houve fato exclusivo de terceiro, pois o dever de evitar o ato cabia aos agentes penitenciários em serviço
no momento.
e) não cabe direito a reparação de qualquer natureza, por não ser possível comprovar nexo causal entre a
morte do detento e a conduta estatal.

42. Assinale a opção que apresenta a entidade da administração pública indireta que deve
obrigatoriamente ser constituída com personalidade jurídica de direito público.
a) sociedade de economia mista
b) serviços sociais autônomos
c) autarquia
d) fundação pública
e) empresa pública
43. Com o intuito de dar apoio logístico à obra de construção de um hospital municipal, o prefeito
de determinada cidade exarou ato declaratório informando a necessidade de utilização, por tempo
determinado, de um imóvel particular vizinho à obra, o qual serviria como estacionamento para as
máquinas e como local de armazenamento de materiais. Nessa situação hipotética, a modalidade
de intervenção do ente público na propriedade denomina-se
a) ocupação temporária.
b) desapropriação.
c) requisição administrativa.
d) servidão administrativa.
e) limitação administrativa.

44. Por imperícia, um policial militar disparou, acidentalmente, sua arma de fogo, ao manuseá-la em
via pública, ferindo um transeunte. No que tange à responsabilidade civil do Estado nessa situação
hipotética, assinale a opção correta.
a) A responsabilidade civil do Estado independe da análise da culpa da conduta estatal.
b) A responsabilidade do Estado é objetiva, devendo ele e o policial figurar no polo passivo da demanda
em litisconsórcio necessário.
c) A responsabilidade do Estado é subjetiva, e há litisconsórcio facultativo.
d) Não há responsabilidade civil do Estado, visto que o policial agiu com culpa, devendo, por isso, responder
pessoalmente.
e) O Estado responde civilmente em razão da conduta culposa de seu agente, fixando-se a
responsabilidade civil subjetiva estatal.

45. Determinado município notificou uma concessionária de transporte público municipal por
inadequação do serviço prestado e por paralisação do serviço sem justa causa, dando prazo para
que as irregularidades fossem sanadas. Diante da inércia da concessionária, foi instaurado
procedimento administrativo, com direito a ampla defesa, para a extinção do contrato administrativo
de concessão. Nessa situação hipotética, o contrato de concessão deverá ser
a) extinto por caducidade, e o ente municipal deverá indenizar o concessionário proporcionalmente aos
bens usados na prestação de serviço, descontados multa e eventuais danos causados.
b) rescindido, de forma unilateral, pelo ente municipal, não sendo cabível indenização para o
concessionário.
c) extinto por encampação, e o ente municipal deverá indenizar o concessionário proporcionalmente aos
bens usados na prestação de serviço, descontados multa e eventuais danos causados.
d) extinto por caducidade, não cabendo indenização a ser paga ao concessionário.
e) extinto por encampação, em razão do inadimplemento do concessionário.

46. Os serviços sociais autônomos


a) são beneficiados pelos privilégios processuais de dilação de prazo recursal.
b) devem ser criados mediante autorização por lei.
c) são alcançados pelos sistemas de precatórios.
d) possuem personalidade jurídica de direito público.
e) estão obrigados a realizar procedimentos licitatórios.

47. Aparelho de ressonância magnética adquirido pela prefeitura de determinado município e


localizado em hospital de mesma municipalidade classifica-se, quanto à sua destinação, como bem
público
a) dominical.
b) desafetado.
c) de uso especial.
d) municipal.
e) de uso comum do povo.

48. Constitui ato de improbidade administrativa que importa enriquecimento ilícito


a) concorrer, por qualquer forma, para a incorporação ao patrimônio particular, de pessoa jurídica, de bens
integrantes do acervo patrimonial da administração direta estadual.
b) permitir a utilização, em obra particular, de material que seja de propriedade de pessoa jurídica da
administração direta estadual.
c) doar à pessoa jurídica, ainda que sem fins patrimoniais, verbas do patrimônio de pessoa jurídica da
administração direta estadual.
d) permitir que pessoa física utilize renda integrante do acervo patrimonial de pessoa jurídica da
administração indireta estadual.
e) exercer atividade de consultoria para pessoa jurídica que tenha interesse suscetível de ser atingido por
ação decorrente das atribuições do agente público, durante a atividade.

49. Acerca da administração indireta, das formas de intervenção do Estado e do direito


administrativo econômico, assinale a opção correta.
a) Segundo o STF, o tratamento constitucional favorecido para empresas de pequeno porte resguarda o
acesso aos programas de benefícios fiscais mesmo a empresas de pequeno porte que tenham débitos
fiscais.
b) Situação hipotética: A autarquia X, vinculada ao Ministério Y, foi instituída para fiscalizar as atividades
desenvolvidas pelo setor Z. Assertiva: Nessa situação, a transferência de recursos do ente instituidor é
vedada à autarquia X, visto que esta possui personalidade jurídica de direito público e autonomia
administrativa e financeira.
c) Situação hipotética: Em razão de grave crise hídrica que assola o estado X, o governo local instituiu
empresa subsidiária da empresa de abastecimento primária para atuar nos problemas emergenciais de
abastecimento de água. Assertiva: Nessa situação, houve descentralização do serviço por delegação,
sendo legal a instituição de subsidiária da empresa de abastecimento.
d) Situação hipotética: Com base em competência constitucional, o Ministério X proibiu, por meio de
portaria, a venda de combustíveis para transportadoras e revendedoras do tipo Y, com o objetivo de
combater o transporte clandestino de combustíveis e regulamentar o mercado em defesa do
consumidor. Assertiva: Conforme entendimento do STF, a referida portaria é inconstitucional, por ofensa
ao princípio da livre iniciativa.
e) Conforme o STJ, embora seja permitido o exercício do poder de polícia fiscalizatório por sociedade de
economia mista, é vedada a possibilidade de aplicação de sanções pecuniárias derivadas da coercitividade
presente no referido poder.

50. Em cada uma das opções a seguir é apresentada uma situação hipotética acerca das formas de
intervenção do Estado na propriedade, seguida de uma assertiva a ser julgada. Assinale a opção
correspondente à assertiva correta.
a) O comprador de um imóvel com restrição pretende ser indenizado por ter sofrido limitação administrativa
preexistente constante em nota non aedificandi — proibição de construir — referente a parte do imóvel, em
razão de normas ambientais. Nesse caso, é indevida a indenização pretendida, pois não há perda da
propriedade, mas apenas restrições de uso.
b) Um imóvel de propriedade privada situado às margens de um rio navegável que atravessa todo o estado
foi objeto de decreto expropriatório. Nessa situação, é devida ao proprietário a indenização de toda a
propriedade, incluindo-se a área situada às margens do rio.
c) Uma propriedade particular foi objeto de decreto expropriatório para a construção de um parque público
no local. No entanto, o desabamento de uma escola pública situada em área de risco levou o estado a
construir emergencialmente uma escola na referida propriedade. Nessa situação, o particular cujo bem foi
expropriado poderá utilizar-se da retrocessão para readquirir a sua propriedade, considerando-se a
alteração da finalidade do decreto expropriatório.
d) Decreto do presidente da República instituiu estado de defesa em determinado estado da Federação,
em razão de fortes chuvas que causaram destruição e fizeram muitos habitantes desabrigados em
determinada região. Em virtude do decreto, foi possível a ocupação temporária de uma propriedade privada
próxima ao local mais afetado. Nessa situação, considerando-se a relevância do interesse público e a
urgência da situação, a União não responderá pelos custos decorrentes da ocupação temporária.
e) Um imóvel de propriedade da União situa-se no centro histórico de um município e conserva todas as
características históricas e arquitetônicas da época colonial. Nesse caso, o município é impedido de efetuar
o tombamento desse imóvel, pois, apesar de se tratar de hipótese de exercício de competência
concorrente, incide o princípio da hierarquia federativa.

51. Acerca da responsabilidade civil, assinale a opção correta de acordo com a doutrina e a
jurisprudência dos tribunais superiores.
a) Situação hipotética: Uma autarquia federal, por meio de processo licitatório, celebrou contrato com
empresa para a prestação de serviços de limpeza em sua sede. A referida empresa não honrou com as
obrigações trabalhistas com os seus empregados, que realizavam os serviços na sede do ente
público. Assertiva: Nessa situação, incide a responsabilidade objetiva extracontratual da União, nos termos
do entendimento do STF.
b) Situação hipotética: Lei de determinado estado da Federação estabeleceu a responsabilidade do estado
durante a realização de evento internacional na capital dessa unidade federativa: o estado assumiria os
efeitos da responsabilidade civil perante os organizadores do evento, por todo e qualquer dano resultante
ou que surgisse em função de qualquer incidente ou acidente de segurança relacionado ao referido evento,
exceto na situação em que organizadores ou vítimas concorressem para a ocorrência do dano. Assertiva:
Conforme entendimento do STF, a referida lei estadual é constitucional, pois a Constituição Federal de
1988 não esgota matéria relacionada à responsabilidade civil.
c) Situação hipotética: Um professor de escola pública foi agredido por um aluno em sala de aula, tendo
sido atingido por disparo de arma de fogo. Assertiva: Nessa situação, incide a responsabilidade subjetiva
estatal devido à conduta omissiva do Estado pelo não oferecimento de segurança adequada aos seus
servidores.
d) Em caso de dano causado por servidor público, o Estado tem o dever de indenizar a vítima,
independentemente da licitude da conduta, cabendo, ainda, ação regressiva contra o servidor, fundada na
responsabilidade objetiva e em razão da teoria do risco administrativo.
e) Particular que tenha sofrido danos materiais e morais provocados por servidor público no exercício de
suas atribuições poderá ingressar com ação diretamente contra o servidor na busca de reparo pelos
prejuízos sofridos, aplicando-se a teoria da imputação volitiva com incidência da responsabilidade objetiva
no tocante à comprovação do dano.

52. A respeito de agentes públicos, assinale a opção correta.


a) Conforme entendimento do STF, para a concessão de licença prêmio na forma de indenização a servidor
público, deverá ser considerada a remuneração bruta do servidor, sem a limitação constitucional do teto,
em razão do seu caráter indenizatório.
b) Caso um ente público com participação em determinada sociedade de economia mista não aporte, para
a sociedade, recursos para despesas de pessoal ou custeio em geral, será legítimo que os diretores dessa
sociedade percebam remuneração além do teto constitucional.
c) Servidor público federal que ingresse no serviço público após a instituição da previdência complementar
no âmbito da União deverá, obrigatoriamente, aderir ao regime de previdência privada.
d) Situação hipotética: Empregado público ingressou no quadro de servidores de determinada empresa
estatal, sem concurso público, seis anos antes do advento da Constituição Federal de 1988. Assertiva:
Nesse caso, ele adquiriu a estabilidade excepcional garantida por artigo do Ato das Disposições
Constitucionais Transitórias, no entanto a efetividade no cargo só será obtida por concurso público.
e) Servidor público que tenha aderido a plano de previdência complementar administrado por entidade
fechada de previdência complementar e que deseje contribuir com 10% acima do valor estabelecido pela
entidade administradora do plano somente poderá fazê-lo se a contribuição do ente público ao qual esteja
vinculado for também suplementada, a fim de atender ao princípio constitucional da paridade contributiva.

53. Acerca de licitações e contratações na administração pública, assinale a opção correta.


a) No processo de licitação, a classificação é ato administrativo vinculado mediante o qual a comissão
acolhe as propostas apresentadas nos termos e nas condições do edital e, se for constatada fraude nessa
etapa, os membros da comissão respondem solidariamente, independentemente de posições individuais
divergentes registradas em ata.
b) Situação hipotética: Uma autarquia federal vinculada à área de educação pretende contratar pessoa
jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, para a prestação de serviços de educação. Assertiva: Nessa
situação, a qualificação da futura contratada como organização social para as atividades de ensino
contempladas no contrato de gestão possibilita a contratação com dispensa de licitação.
c) Situação hipotética: Uma autarquia federal publicou edital para a contratação, pelo regime diferenciado
de contratação (RDC), de empresa fornecedora de canetas da marca X. No entanto, um fornecedor de
canetas similares, mas de outra marca, solicitou que o instrumento convocatório fosse
impugnado. Assertiva: Nessa situação, a impugnação é indevida, já que a indicação da marca é legal, por
se tratar de RDC.
d) Situação hipotética: Lei estadual fixou normas para regular os procedimentos licitatórios em seu âmbito
de atuação. Adotou os parâmetros gerais da Lei de Licitações e, de forma específica, estabeleceu que,
para a aquisição de bens ou serviços, a empresa licitante deva ter fábrica no respectivo estado da
Federação. Assertiva: Conforme entendimento do STF, tem caráter constitucional a referida exigência,
devido às singularidades existentes no estado e ao interesse de fomentar o desenvolvimento industrial
local.
e) Na hipótese de uma empresa pública pretender vender imóvel desafetado a entidade pertencente ao
terceiro setor, configura-se dispensa de licitação, considerando-se o interesse público presente na
alienação e as características do imóvel.
54. Acerca do regime jurídico das agências reguladoras, da concessão de serviços e da parceria
público-privada (PPP), assinale a opção correta.
a) Situação hipotética: A empresa privada X adquiriu a concessão de determinado serviço público, mas,
para a regular prestação do serviço, faz-se necessária a desapropriação de alguns imóveis de
particulares. Assertiva: Nessa situação, cabem exclusivamente ao poder concedente a declaração de
utilidade pública dos imóveis a serem desapropriados, a efetivação da desapropriação e a consequente
indenização, estando a participação da concessionária nesse processo proibida em razão de sua natureza
privada.
b) Situação hipotética: O estado X firmou uma PPP, na modalidade patrocinada, com a empresa Y: o objeto
é a concessão de uma rodovia estadual. Nos termos das cláusulas de reajustes do contrato de concessão,
a concessionária aumentou o valor do pedágio, o que causou forte insatisfação popular. Assertiva: Nessa
situação, é legalmente permitido ao estado X revogar o reajuste com alteração da equação econômico-
financeira e pagar à concessionária os valores correspondentes.
c) Ato regulamentar de determinada agência reguladora é passível de questionamento por meio de recurso
hierárquico dirigido à instância de governo à qual a agência seja vinculada.
d) Situação hipotética: Em determinada rodovia federal explorada por meio de concessão, o tráfego foi
suspenso, em caráter emergencial, em razão de fortes chuvas que assolaram a região e impossibilitaram
a circulação de veículos; a concessionária do serviço não adotou qualquer medida para solucionar o
problema. Assertiva: Nessa situação, após instauração de regular processo administrativo, deverá ser
decretada a intervenção na concessão, bem como extinto o referido contrato, a fim de se realizarem as
obras de recuperação da rodovia.
e) Situação hipotética: O estado X pretende realizar obra de restauração no parque estadual com a
construção de pistas de corrida, quadras poliesportivas e parque aquático. Em decorrência de restrição
orçamentária, o estado pretende firmar uma PPP para tal fim. Assertiva: Nesse caso, é vedada a realização
da PPP, por se tratar exclusivamente de contrato de execução de obra pública.

55. Acerca dos atos administrativos, do poder regulamentar e do poder de polícia, assinale a opção
correta.
a) Para o STJ, as balanças de pesagem corporal oferecidas gratuitamente a clientes por farmácias são
passíveis de fiscalização pelo INMETRO, a fim de preservar as relações de consumo, sendo, portanto,
legítima a cobrança de taxa decorrente do poder de polícia no exercício da atividade de fiscalização.
b) Situação hipotética: Um servidor público efetivo indicado para cargo em comissão foi exonerado ad
nutum sob a justificativa de haver cometido assédio moral no exercício da função. Posteriormente, a
administração reconheceu a inexistência da prática do assédio, mas persistiu a exoneração do servidor,
por se tratar de ato administrativo discricionário. Assertiva: Nessa situação, o ato de exoneração é válido
por não se aplicar a teoria dos motivos determinantes.
c) Conforme o STF, o Poder Judiciário não detém competência para substituir banca examinadora de
concurso público para reexaminar o conteúdo das questões e os critérios de correção utilizados, admitindo-
se, no entanto, o controle do conteúdo das provas ante os limites expressos no edital.
d) A homologação é um ato administrativo unilateral vinculado ao exame de legalidade e conveniência pela
autoridade homologante, sendo o ato a ser homologado passível de alteração, em virtude do princípio da
hierarquia presente no exercício da atividade administrativa.
e) Situação hipotética: Lei ordinária instituiu a criação de autarquia federal vinculada ao Ministério X, com
o objetivo de atuar na fiscalização e no fomento de determinado setor. Publicada a referida lei, o ministro
expediu decreto estabelecendo a estrutura organizacional e o funcionamento administrativo da nova
autarquia. Assertiva: Esse caso ilustra a constitucionalidade do decreto regulamentar por delegação do
presidente da República.

56. Acerca dos princípios constitucionais e legais que regem a administração pública, assinale a
opção correta.
a) Situação hipotética: Lei de determinado estado da Federação estipula programa de incentivo fiscal
exclusivamente para atletas nascidos no estado e que tenham a melhor classificação no campeonato
estadual. Assertiva: Nessa situação, para o STF, a fixação de condições formais para a concessão de
benefício fiscal exime a lei estadual de resguardar o tratamento isonômico no que se refere aos
concidadãos.
b) Conforme o STJ, o princípio da continuidade dos serviços públicos não impede a interrupção do
fornecimento de energia elétrica destinada à iluminação pública de hospital municipal inadimplente.
c) Situação hipotética: Uma autarquia federal constatou, a partir de denúncia, que servidor efetivo com dois
anos de exercício no cargo havia apresentado documentação falsa para a investidura no
cargo. Assertiva: Nessa situação, conforme o STF, os atos praticados pelo servidor até o momento são
válidos, em razão dos princípios da proteção à confiança e da segurança jurídica.
d) Não configura ofensa ao princípio da moralidade a nomeação de esposa de magistrado, devidamente
concursada, para função de confiança diretamente subordinada ao juiz cônjuge.
e) Todo ato administrativo emitido por agente público submete-se ao princípio da legalidade; quando o ato
atende exclusivamente à legalidade, exclui-se do controle judicial o juízo de conveniência e oportunidade.

57. Em um processo administrativo instaurado com a finalidade de separar terras devolutas da


União de imóveis particulares, a comissão especial responsável pela instauração do procedimento
realizou, na forma da lei, convocação dos interessados para a apresentação de título e documentos.
Entretanto, diversos interessados não atenderam nem ao edital de convocação, nem à notificação
para celebrar termo com a União. Nessa situação hipotética, de acordo com a legislação vigente,
para que ocorra a devida identificação do imóvel da União, com efeito de registro como título de
propriedade,
a) deverá ser proposta ação de divisão e demarcação de terras, conforme procedimento previsto no CPC.
b) o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária deverá ajuizar ação discriminatória.
c) deverá ser proposta ação reivindicatória de propriedade, porque a lei presume que os imóveis pertencem
ao particular convocado.
d) a União deverá propor ação, pelo procedimento comum, com pedido de tutela provisória, já que não há
procedimento especial previsto para esse caso.
e) será dispensável o ajuizamento de ação judicial, porque se presume a renúncia em razão da inércia dos
interessados.

58. Analise as afirmações a seguir e, com fundamento na Lei n° 8.429/92 (Lei de Improbidade
Administrativa), assinale a alternativa correta.
a) A suspensão dos direitos políticos só se efetiva após o trânsito em julgado da sentença que condenou
o réu a essa sanção.
b) A indisponibilidade de bens pode ser decretada quando houver indícios de responsabilidade por ato de
improbidade administrativa e prova de que o réu esteja dilapidando o seu patrimônio, ou de que esteja na
iminência de fazê-lo.
c) O sucessor daquele que causar lesão ao patrimônio público ou se enriquecer ilicitamente não está sujeito
às cominações da Lei.
d) As sanções previstas na Lei n° 8.429/92 não podem ser aplicadas se o responsável por ato de
improbidade administrativa já foi demitido do serviço público.
e) A autoridade judicial ou administrativa competente poderá determinar o afastamento do agente público
do exercício do cargo, emprego ou função quando a medida se fizer necessária à instrução processual ou
à garantia da ordem pública.

59. Quanto à ação de responsabilidade por ato de improbidade administrativa, prevista na Lei n°
8.429/92, assinale a alternativa INCORRETA.
a) O juiz poderá rejeitar a ação, em decisão fundamentada, se convencido da inexistência do ato de
improbidade administrativa, da improcedência do pedido ou da inadequação da via eleita.
b) Contra a decisão que receber a petição inicial cabe agravo de instrumento.
c) Ajuizada a ação, e estando a petição inicial em ordem, o juiz determinará a notificação do requerido para
oferecer manifestação escrita, que poderá ser instruída com documentos e justificações, no prazo de 15
(quinze) dias; a inércia do réu importa revelia.
d) A sentença que condenar o réu ao ressarcimento do dano determinará o pagamento em favor da pessoa
jurídica prejudicada pelo ato de improbidade administrativa.
e) A propositura da ação prevenirá o juízo para todas as ações intentadas posteriormente, que possuam a
mesma causa de pedir ou o mesmo objeto.

60. Assinale a alternativa correta.


a) A autoridade competente para a prática de um ato administrativo tem sempre, em razão de seu poder
hierárquico, a possibilidade de delegação e avocação
b) Nos atos discricionários, o Poder Judiciário não pode, em hipótese alguma, apreciar o mérito do ato,
assim considerada a análise da conveniência ou oportunidade.
c) O ato administrativo, praticado por autoridade incompetente, investido irregularmente no cargo, não
produz qualquer efeito.
d) A revogação dos atos administrativos é sempre possível, não havendo limites para tanto, uma vez que
cabe à Administração apreciar as razões de oportunidade e conveniência.
e) No caso de ato vinculado, praticado por autoridade incompetente, a convalidação é obrigatória pela
autoridade competente se estiverem presentes os requisitos para a prática do ato.

Respostas:
41: 42: 43: 44: 45: 46: 47: 48: 49: 50: 51: 52: 53: 54:
55: 56: 57: 58: 59: 60:

61. Assinale a alternativa correta.


a) A responsabilidade por prejuízos causados a terceiros na execução do serviço público é objetiva e
exclusiva do concessionário.
b) Nos contratos de concessão de serviço público, o poder concedente pode introduzir alterações
unilaterais no contrato, mas tem que respeitar o seu objeto e assegurar o equilíbrio econômico-financeiro.
c) No contrato administrativo, a Administração comparece como Poder Público, o que lhe dá prerrogativas
que garantem sua supremacia sobre o particular e a possibilidade de rescisão unilateral por motivo de
interesse público sem obrigação de indenizar.
d) No contrato administrativo, o contratado não pode usar da exceptio non adimplenti contractus, ou
suspender a execução do contrato, em consequência dos princípios da continuidade do serviço público e
da supremacia do interesse público sobre o particular.
e) A permissão, que tem a concorrência como modalidade de licitação obrigatória e só pode ser feita a
pessoa jurídica, por ser ato precário, pode ser alterada ou revogada a qualquer momento pela
Administração, por motivo de interesse público.

62. Assinale a alternativa correta.


a) A lei prevê a possibilidade de revogação e anulação da licitação. A primeira se dá por interesse público,
e a segunda, por ilegalidade, e necessariamente acarretam a obrigação de indenização.
b) É dispensável a licitação nas hipóteses de licitação deserta e licitação fracassada.
c) Os casos de dispensa de licitação, que não se confundem com os casos de inexigibilidade, são sempre
facultativos e decorrem da competência discricionária da Administração.
d) O edital de licitação poderá conter exigência discriminatória desde que seja pertinente ou relevante para
o específico objeto do contrato, aplicando-se o princípio da razoabilidade.
e) Em obediência ao princípio da adjudicação compulsória, concluído o procedimento da licitação, o
vencedor tem reconhecido o direito à atribuição da licitação e ao contrato imediato.

63. Assinale a alternativa correta.


a) O poder de polícia tem como característica a discricionariedade, pelo que a Administração, ao expedir
alvarás de autorização ou de licença, aprecia livremente a oportunidade e conveniência da medida.
b) A autoexecutoriedade, um dos atributos do poder de polícia, permite que a Administração ponha em
execução as suas decisões sem precisar recorrer ao Poder Judiciário, independentemente de autorização
legal.
c) O poder de polícia, atividade estatal que limita o exercício dos direitos individuais em benefício do
interesse público, é exercido privativamente pelo Poder Executivo.
d) O poder de polícia, exercido pela polícia administrativa, não se confunde com o exercido pela polícia
judiciária porque a primeira atua preventivamente e a segunda repressivamente.
e) O poder de polícia é indelegável a pessoas jurídicas de direito privado por envolver prerrogativas próprias
do poder público, insuscetíveis de serem exigidas por particular sobre o outro.

64. Assinale a alternativa correta.


a) Cabe reclamação administrativa ao Supremo Tribunal Federal, independente do esgotamento da via
administrativa, quando o ato administrativo contrariar enunciado de súmula vinculante, negar-lhe vigência
ou aplicá-la indevidamente.
b) O direito de acesso ao processo administrativo, que decorre do princípio da publicidade, assegura o
direito de vista ao processo a quem demonstre seu interesse individual, ou aponte o interesse coletivo que
pretende defender.
c) No processo administrativo, para a garantia do princípio da ampla defesa e do contraditório, exige-se a
obediência aos procedimentos, além da presença da defesa técnica.
d) A sindicância, meio sumário para a apuração de irregularidade praticada por funcionário público, pode
acarretar em aplicação de penalidade pelo princípio da verdade sabida.
e) No processo administrativo, em que o princípio da pluralidade das instâncias decorre do poder de
autotutela, não é possível alegar em instância superior o que não foi arguido no início, reexaminar matéria
e fato e produzir provas novas.
65. Assinale a alternativa correta.
a) O prazo de validade de concurso público é de dois anos, prorrogável até o preenchimento de todos os
cargos pelos candidatos aprovados.
b) A sujeição do candidato a cargo público a exame psicotécnico fica a critério discricionário da
Administração.
c) Em concurso público, é possível limitar a idade dos candidatos quando esta limitação se justifica pela
natureza das atribuições do cargo a ser preenchido.
d) O vencimento dos servidores pode ser determinado por lei ou ser objeto de convenção coletiva.
e) É possível a vinculação do reajuste de vencimento de servidores estaduais e municipais a índices
federais de correção monetária.

66. Assinale a alternativa correta.


a) No recurso administrativo, com efeito suspensivo, é possível a exigência de depósito prévio para a
admissibilidade do recurso.
b) O recurso hierárquico próprio, dirigido à autoridade imediatamente superior, dentro do mesmo órgão em
que o ato foi praticado, decorre do princípio da hierarquia e independe de previsão legal.
c) O controle sobre as atividades exercidas pelos órgãos da Administração Direta e da Administração
Indireta decorre do poder de autotutela, é ilimitado e permite a revisão dos próprios atos quando ilegais,
inoportunos ou inconvenientes.
d) Cabendo recurso administrativo com efeito suspensivo, não se admite o ingresso em juízo para o pleito
de revogação ou anulação de ato administrativo.
e) O recurso administrativo extemporâneo não será conhecido e a decisão só poderá ser modificada em
caso de revisão.

67. Assinale a alternativa correta.


a) A servidão administrativa tem como característica a perpetuidade, pelo que é impossível sua extinção.
b) Para fins de cálculo de indenização, serão consideradas apenas as benfeitorias necessárias, desde que
hajam sido autorizadas pelo expropriante.
c) A desapropriação por descumprimento da função social da propriedade é de competência privativa da
União, aplica-se à propriedade rural e o pagamento da indenização é feito em títulos da dívida pública.
d) Para a imissão provisória na posse, é indispensável que o poder expropriante alegue urgência, efetue o
depósito da quantia fixada em lei e a requeira no prazo de cento e vinte dias a contar da alegação de
urgência.
e) A desapropriação indireta, por constituir forma de esbulho, só pode ser obstada por meio de ação
possessória, não gerando para a Administração obrigação de indenizar.

68. Assinale a alternativa correta.


a) Os bens dominicais e os bens públicos de uso comum só podem ser outorgados a particulares por meio
de autorização e concessão, institutos sujeitos ao regime de direito público.
b) A concessão, contrato administrativo pelo qual a Administração faculta ao particular a utilização privativa
do bem público para que a exerça conforme sua destinação, depende de licitação e impõe a fixação de
prazo.
c) A autorização, permissão e concessão de uso privativo de bens públicos são atos administrativos que
apresentam como características comuns a unilateralidade, a discricionariedade e a precariedade.
d) A autorização, ato administrativo em que a Administração consente que o particular se utilize de bem
público com exclusividade, depende de licitação e cria para o usuário um dever de utilização.
e) A permissão de uso, ato administrativo pelo qual a Administração faculta a utilização de bem público,
para fins de interesse público, tem sempre a forma onerosa e tempo determinado.

69. Assinale a alternativa correta.


a) Nos atos comissivos, a responsabilidade do Estado pode incidir sobre os atos lícitos e ilícitos, desde que
causem prejuízo a terceiros.
b) Nas hipóteses de força maior, assim entendidos como acontecimentos imprevisíveis e inevitáveis, fica
excluída a responsabilidade do Estado pelos danos causados.
c) A responsabilidade civil do Estado pelos danos causados por seus agentes na prestação de serviços é
objetiva e independe de prova de nexo de causalidade entre o serviço prestado e o dano causado.
d) O Estado não pode ser responsabilizado por danos decorrentes de leis e regulamentos porque são
normais gerais e abstratas, dirigidas a toda a coletividade.
e) Em razão da responsabilidade objetiva do Estado, a culpa concorrente da vítima ou de terceiro é
indiferente e não interfere na obrigação de indenizar e em seu montante.

70. Com relação à administração indireta, assinale a opção correta.


a) O consórcio público poderá ter personalidade jurídica de direito público ou privado, sendo que, em ambas
as formas, terão de ser observadas as mesmas normas de direito público para o regime de pessoal.
b) É possível criar uma empresa pública com capital minoritário de sociedade de economia mista, desde
que a maioria do capital daquela pertença ao ente federativo que a instituir.
c) Na contratação de parceria público-privada, a administração pública pode assumir a titularidade da
maioria do capital com direito a voto das sociedades de propósito específico.
d) Salvo os documentos e informações classificados como sigilosos pelas empresas públicas e sociedades
de economia mista, os órgãos de controle externo têm direito ao acesso irrestrito aos dados mantidos por
aquelas entidades.
e) As normas gerais sobre licitações e contratos administrativos devem ser aplicadas primariamente às
empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de serviços públicos.

71. Acerca do poder regulamentar e do regime jurídico das agências reguladoras e executivas,
assinale a opção correta.
a) O STJ entende que a aplicação de multas previstas em resoluções editadas por agência reguladora do
setor de aviação civil ofende o princípio da legalidade.
b) A autonomia de gestão das agências executivas torna dispensável a celebração de contrato de gestão
com o ministério supervisor para o seu funcionamento.
c) O período de quarentena, que é condição legal para ex-dirigentes iniciarem o exercício de atividade na
iniciativa privada, tem como objetivo evitar transtornos e prejuízos à fiscalização das agências reguladoras.
d) Observada a especificidade de sua atuação, as agências reguladoras têm competência para instituir
modalidades próprias para a licitação e contratação de obras e serviços.
e) A existência de subordinação hierárquica das agências reguladoras ao governo é exemplificada pela
possibilidade de o interessado interpor recurso na pasta ministerial competente.

72. À luz do entendimento dos tribunais superiores, assinale a opção correta no que tange à
disciplina normativa sobre os direitos e deveres dos servidores e empregados públicos, inclusive
quanto ao regime previdenciário.
a) A contratação temporária de pessoal por tempo determinado é possível, desde que sejam demonstrados
o interesse público profissional e a imprescindibilidade da contratação, ainda que a excepcionalidade dos
casos não esteja prevista em lei.
b) Norma estadual que preveja a redução de vencimentos de servidores públicos afastados de suas
funções enquanto estes responderem a processo criminal não violará a cláusula constitucional de
irredutibilidade de vencimentos.
c) Ocorre, em cinco anos, a prescrição do fundo do direito quanto à pretensão do servidor público de pleitear
a cobrança de remuneração não paga pelo poder público.
d) O candidato aprovado em concurso público cuja classificação entre as vagas oferecidas no edital se der
em razão da desistência de candidatos mais bem classificados no certame não terá direito subjetivo à
nomeação.
e) A percepção do adicional de periculosidade por servidor público não constitui elemento suficiente para
o reconhecimento do direito a aposentadoria especial.

73. Com referência às formas de limitação da propriedade, à proteção do patrimônio histórico,


artístico e cultural e à desapropriação, assinale a opção correta.
a) Após o prazo fixado na lei que define a área sujeita ao direito de preempção, não viola o direito de
preferência a venda de imóvel a particular mediante proposta diferente da apresentada ao poder público,
ainda que sem previamente consultá-lo.
b) Em virtude da aplicação do princípio da isonomia, incide o prazo prescricional de três anos à pretensão
do proprietário para a reparação de prejuízos decorrentes da requisição.
c) Enquanto a requisição administrativa pode ser gratuita ou remunerada, a ocupação temporária, devido
ao seu caráter precário, será sempre gratuita.
d) Admite-se a instituição de servidão administrativa de bem da União por município, desde que declarada
a utilidade pública e observado o procedimento da desapropriação.
e) Segundo o STJ, não incide o princípio da hierarquia federativa no exercício da competência concorrente
para o tombamento de bens públicos, o que autoriza um município a tombar bens do respectivo estado.
74. À luz da doutrina e da jurisprudência sobre a intervenção do Estado na propriedade, assinale a
opção correta.
a) Situação hipotética: Determinada propriedade rural é produtiva e cumpre sua função social em metade
de sua extensão, ao passo que, na outra metade, são cultivadas plantas psicotrópicas
ilegais. Assertiva: Nessa situação, eventual desapropriação recairá somente sobre a metade que se
destina ao cultivo de plantas psicotrópicas ilegais.
b) Situação hipotética: Um estado emitiu decreto expropriatório para a construção de um hospital. Após a
execução do ato expropriatório, a região foi acometida por fortes chuvas, que destruíram um grande
número de escolas. Assertiva: Nessa situação, se determinar a alteração da destinação do bem para a
construção de escolas, o estado não terá obrigação de garantir ao ex-proprietário o direito de retrocessão.
c) Situação hipotética: Maria adquiriu um apartamento na cobertura de um edifício. Após a aquisição do
imóvel, com a averbação do registro, Maria pleiteou indenização contra o estado, considerando a prévia
existência de linha de transmissão em sua propriedade. Assertiva: Nessa situação, Maria terá direito a
indenização, desde que o prejuízo alegado não recaia também sobre as demais unidades do edifício.
d) Situação hipotética: Um imóvel com área efetivamente registrada equivalente a 90% da sua área real,
de propriedade de Pedro, foi objeto de desapropriação direta. Assertiva: Nessa situação, o pagamento de
indenização a Pedro deverá recair sobre a totalidade da área real do referido imóvel.
e) Um imóvel rural produtivo, mas que não cumpre a sua função social, poderá ser desapropriado para fins
de reforma agrária, segundo a CF.

75. À luz da doutrina e da jurisprudência pertinentes, assinale a opção correta acerca da


responsabilidade civil do Estado e da improbidade administrativa.
a) Se um secretário de Estado autorizar a aquisição de equipamentos eletrônicos na loja de um irmão seu,
sem licitação, mas com preços aquém dos praticados no mercado, não se configurará a prática de ato de
improbidade administrativa, porque se trata de cargo em comissão e não haverá prejuízo ao erário.
b) Um governador de estado que realizar operações financeiras irregulares e sem a observância das
normas legais estará sujeito às sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa, ainda que tenha
as suas contas aprovadas pelo tribunal de contas pertinente.
c) Caso um motorista de concessionária de serviço de transporte coletivo atropele um ciclista, a
responsabilidade civil dessa concessionária será subjetiva, haja vista o fato de, nessa hipótese, o ciclista
não ser usuário do serviço público.
d) Inexistirá responsabilização estatal por latrocínio que for praticado logo após a fuga de presos, uma vez
que o dano não terá ocorrido enquanto os criminosos se encontravam sob a custódia estatal.
e) Uma empresa, concessionária de serviço de transporte aéreo, não terá direito a indenização estatal em
decorrência de prejuízos extensivos e inviabilidade de desempenho do serviço após a regular edição de lei
que impuser o congelamento de preços de tarifas aéreas, haja vista que, não havendo vícios na edição da
lei, toda a sociedade deve submeter-se às alterações no cenário econômico advindas dessa intervenção
estatal.

76. Acerca do regime de licitações e contratações na administração pública, assinale a opção


correta.
a) Se o TJ/SE adquirir computadores por meio de ata de registro de preços, com bons preços de mercado,
o estado de Sergipe poderá fazer aquisição semelhante, mediante adesão à referida ata. Nesse caso, em
atenção aos princípios da eficiência e economicidade, será desnecessária a anuência do TJ/SE.
b) Caso opte pelo regime diferenciado de contratação para a contratação de determinado serviço de
engenharia, a administração pública poderá, mediante a devida justificativa formal, selecionar licitantes
pela marca dos produtos a serem utilizados no serviço, mas não poderá exigir requisitos de
sustentabilidade ambiental.
c) Se o estado de Sergipe e o governo federal pretenderem firmar um contrato de programa para a gestão
associada de serviço de saúde nas regiões carentes desse estado, ter-se-á, nesse caso, uma hipótese de
inexigibilidade de licitação.
d) Caso um estado da Federação realize um pregão para a aquisição de material de expediente, a
classificação das propostas, nesse caso, poderá ser feita pelo critério de melhor técnica.
e) É hipótese de inexigibilidade de licitação a contratação de serviço técnico especializado, de natureza
singular, executado por profissional de notória especialização, sendo imprescindível a justificativa dos
preços contratados.

77. Considerando o entendimento jurisprudencial e a legislação pertinentes a agentes públicos,


assinale a opção correta.
a) Decreto estadual que autorizar a criação de novos cargos públicos para a função de médico plantonista
na rede pública de saúde deverá ser declarado inconstitucional.
b) A nomeação, por governador, de um irmão dele para o cargo de secretário de Estado de turismo
tipificaria caso de nepotismo e violaria a CF.
c) Conforme o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado de Sergipe, um servidor em estágio
probatório, ocupante de cargo efetivo nesse estado, poderá ser redistribuído para uma autarquia estadual.
d) Procurador do estado de Sergipe poderá exercer cargo de professor em instituição estadual, respeitados
os requisitos constitucionais tanto de cumulatividade quanto o de teto para a soma das remunerações
percebidas pelo exercício dos dois cargos.
e) Segundo o atual entendimento do STF, a admissão de empregados públicos será considerada
constitucional se for feita por órgão da administração direta.

78. Com relação aos crimes previstos na Lei de Licitações e Contratos da administração pública,
a) o crime de frustrar, mediante ajuste, o caráter competitivo do procedimento licitatório, com o intuito de
obter para si vantagem decorrente da adjudicação do objeto da licitação, pode ser imputado somente a
funcionário público.
b) todos os crimes tipificados na referida lei são de ação penal pública condicionada, não dependendo,
para sua promoção, do MP.
c) é incabível, nas hipóteses dessa legislação, a propositura de ação penal privada subsidiária da pública
uma vez que a mencionada lei se refere a crimes de ação penal pública.
d) é incabível a aplicação da substituição da pena privativa de liberdade.
e) o crime de dispensa ou inexigibilidade de licitação fora das hipóteses legais configura-se pela exigência
do dolo específico de causar dano ao erário e do efetivo prejuízo à administração pública.

79. Considerando os princípios constitucionais e legais, implícitos e explícitos, que regem a


atividade da administração pública, assinale a opção correta.
a) Os princípios da legalidade e da indisponibilidade do interesse público guiam a atuação do administrador,
de modo que apenas o juízo discricionário excepciona-se ao controle judicial.
b) Em decorrência do princípio da reserva legal, a administração pública está autorizada a fazer apenas
aquilo que não seja legalmente proibido.
c) De acordo com o STJ, o princípio da continuidade dos serviços públicos não impede a interrupção do
fornecimento de energia elétrica para município inadimplente, ainda que o valor cobrado esteja sob
questionamento em sede administrativa.
d) Em virtude dos princípios da proteção à confiança e da segurança jurídica, entende o STF que podem
ser considerados válidos os atos praticados por agente público ilegalmente investido.
e) Por ser um princípio estruturante implícito da atuação da administração pública, na prática, a supremacia
do interesse público é um conceito jurídico indeterminável.

80. Sobre o ato administrativo, é correto afirmar:


a) Os atos que apresentarem defeitos sanáveis, em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão
ao interesse público nem prejuízo a terceiros, serão convalidados pela própria Administração com
efeitos ex nunc.
b) O órgão competente para decidir o recurso administrativo poderá confirmar, modificar, anular ou revogar,
total ou parcialmente, a decisão recorrida, se a matéria for de sua competência, dispensando-se a oitiva
do recorrente na hipótese de reformatio in pejus.
c) O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os
destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé,
sendo certo que, no caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo decadencial contar-se-á da percepção
do primeiro pagamento.
d) O poder de revogar atos administrativos fundamenta-se juridicamente na normal competência de agir
da autoridade administrativa e tem como características nucleares a renunciabilidade, a transmissibilidade
e a prescritibilidade.
e) Pode haver revogação de ato administrativo vinculado, a exemplo da licença.

Respostas:
61: 62: 63: 64: 65: 66: 67: 68: 69: 70: 71: 72: 73: 74:
75: 76: 77: 78: 79: 80:

81. Avizinhando-se o período de eleições para governador, policiais civis e auditores fiscais de um
determinado estado-membro promovem greve, com a finalidade de influenciar a não reeleição do
candidato da situação. Diante de tais fatos, segundo o entendimento do Supremo Tribunal Federal
− STF,
a) a Lei de Greve aplicável ao setor privado deve balizar o movimento paredista de servidores públicos,
enquanto o Poder Legislativo não normatiza a matéria, devendo a greve de servidores públicos ser avisada
com antecedência mínima de noventa e seis horas.
b) o exercício do direito de greve, muito embora seja vedado, sob qualquer forma ou modalidade, a policiais
militares, é admitido aos policiais civis e aos auditores fiscais.
c) caso seja instaurada mediação pelos órgãos classistas das carreiras de segurança pública, para
vocalização dos interesses da categoria, será obrigatória a participação do Poder Público na tentativa de
solução consensual de conflito.
d) a Administração pública não pode proceder ao desconto dos dias de paralisação decorrentes do
exercício do direito de greve pelos servidores públicos, porque estes possuem uma relação estatutária com
o Estado, a qual não é interrompida pela greve.
e) a supremacia do interesse público gera a necessidade de continuação do serviço público, que não
poderá ser prejudicado, interrompido ou paralisado por policiais militares, por auditores fiscais nem por
policiais civis, sendo-lhes vedado o exercício de greve.

82. Em matéria de responsabilidade civil extracontratual do Estado, é correto afirmar:


a) O caso fortuito, a força maior e a culpa concorrente da vítima rompem o nexo causal e, por conseguinte,
afastam a responsabilidade civil objetiva do Estado.
b) No âmbito do Superior Tribunal de Justiça, prevalece o entendimento de que o prazo prescricional para
a propositura da ação indenizatória é de três anos contados da ocorrência do evento danoso.
c) A responsabilidade dos concessionários de serviços públicos, de acordo com a jurisprudência mais
recente do Supremo Tribunal Federal, não se sujeita à aplicação da teoria objetiva quanto a danos
causados a terceiros não usuários.
d) A expressão “nessa qualidade”, prevista no art. 37, § 6° , da CF/88, significa que somente podem ser
atribuídos à pessoa jurídica os comportamentos do agente público levados a efeito durante o exercício da
função pública, em razão do que os danos causados por servidor público em seu período de férias, em
princípio, não implicam responsabilização objetiva do Estado.
e) A imunidade relativa a opiniões, palavras e votos, em sede de atos legislativos, prevista no texto
constitucional de 1988, não afasta o direito de regresso do Estado contra o parlamentar.

83. A respeito dos poderes da Administração pública, é correto afirmar:


a) O poder de rever atos e decisões e de decidir conflitos de competência entre subordinados são
desdobramentos ou decorrências do poder disciplinar.
b) As multas decorrentes do poder de polícia devem ser executadas na via administrativa.
c) Compete privativamente ao Presidente da República dispor, mediante decreto, sobre (i) organização e
funcionamento da Administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou
extinção de órgãos públicos; e (ii) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos.
d) Em matéria de poder de polícia, suspende-se a prescrição da ação punitiva por qualquer ato inequívoco
que importe em manifestação expressa de tentativa de solução conciliatória no âmbito interno da
Administração pública federal.
e) É da competência exclusiva da Câmara dos Deputados sustar os atos normativos do Poder Executivo
que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legislativa.

84. À luz da legislação em vigor e da jurisprudência dos tribunais superiores, acerca do serviço
público e dos contratos administrativos, assinale a alternativa correta.
a) Aplica-se aos contratos administrativos o instituto da exceptio non adimpjeti contractus tal qual aplicável
no Direito Civil.
b) Diante de situação motivada por razões de ordem técnica, ainda que não emergencial, é possível a
interrupção do serviço público, dispensado, neste caso, o prévio aviso.
c) A divulgação da suspensão no fornecimento de serviço de energia elétrica por meio de emissoras de
rádio, dias antes da interrupção, satisfaz a exigência de aviso prévio.
d) O exercício do direito de greve exercido por policiais civis é hipótese cabível de descontinuidade da
execução de serviço público por eles executado.
e) Reversão é o instituto por meio do qual a Administração Pública poderá por fim a uma delegação de
serviço público por ela transferido a outrem, por razões de interesse público.

85. Acerca do instituto Desapropriação, uma das formas de aquisição de bens pelo Poder Publico,
assinale a alternativa correta.
a) A propriedade produtiva poderá ser objeto de desapropriação para fins de reforma agrária.
b) É possível a desistência da desapropriação pela Administração Pública, a qualquer tempo, mesmo após
o trânsito em julgado, desde que ainda não tenha havido o pagamento integral do preço e o imóvel possa
ser devolvido sem alteração substancial que impeça que seja utilizado como antes.
c) Onde forem localizadas culturas ilegais de plantas psicotrópicas ou a exploração de trabalho escravo na
forma da lei será expropriado e destinado à reforma agrária e a programas de habitação popular, sem
qualquer indenização ao proprietário e sem prejuízo de outras sanções previstas em lei, cuja expropriação
irá recair, apenas, sobre a parcela do imóvel em que tenha ocorrido o cultivo ilegal ou a utilização de
trabalho escravo.
d) A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão desapropriar, por interesse social, para
fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa
indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo
de até vinte anos a partir do segundo ano de sua emissão, e cuja utilização será definida em lei, porém, as
benfeitorias úteis e necessárias serão indenizadas em dinheiro.
e) Na ação de desapropriação por utilidade pública, a citação do proprietário do imóvel desapropriado não
dispensa a do respectivo cônjuge.

86. Conforme jurisprudência dos Tribunais Superiores, acerca da Administração Direta e Indireta e
das entidades em colaboração com o Estado, é correto afirmar que
a) a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) goza de imunidade tributária recíproca mesmo
quando realiza o transporte de bens e mercadorias em concorrência com a iniciativa privada.
b) o Tribunal de Justiça não detém legitimidade autônoma para impetrar mandado de segurança contra ato
do Governador do Estado em defesa de sua autonomia institucional.
c) não é aplicável o regime dos precatórios às sociedades de economia mista prestadoras de serviço
público próprio do Estado, ainda que de natureza não concorrencial.
d) as entidades paraestatais gozam dos privilégios processuais concedidos à Fazenda Pública.
e) os serviços sociais autônomos estão sujeitos à observância da regra de concurso público para
contratação de seu pessoal.

87. De acordo com o texto a seguir o direito público tem como objetivo primordial o atendimento ao
bem-estar coletivo.
[...] em primeiro lugar, as normas de direito público, embora protejam reflexamente o interesse
individual, têm o objetivo primordial de atender ao interesse público, ao bem-estar coletivo. Além
disso, pode-se dizer que o direito público somente começou a se desenvolver quando, depois de
superados o primado do Direito Civil (que durou muitos séculos) e o individualismo que tomou
conta dos vários setores da ciência, inclusive a do Direito, substituiu-se a ideia do homem como
fim único do direito (própria do individualismo) pelo princípio que hoje serve de fundamento para
todo o direito público e que vincula a Administração em todas as suas decisões [...]. Dl PIETRO, Maria
Sylvia Zaretla. Direito Administrativo. 30.ed. Sao Paulo: Atlas, 2017, p 96.

Diante disso, as "pedras de toque" do regime jurídico-administrativo são


a) a supremacia do interesse público sobre o interesse privado e a impessoalidade do interesse público.
b) a supremacia do interesse público sobre o interesse privado e a indisponibilidade do interesse público.
c) a indisponibilidade do interesse público e o princípio da legalidade.
d) a supremacia da ordem pública e o princípio da legalidade.
e) a supremacia do interesse público e o interesse privado e o princípio da legalidade.

88. A Lei n° 8.429/1992, que dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de
enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na administração pública
direta, indireta ou fundacional, apregoa, mais especificamente, no artigo 2°, que: "Reputa-se agente
público, para os efeitos desta lei, todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem
remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de
investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nas entidades mencionadas no artigo
1°". Destarte, quanto aos agentes públicos, assinale a alternativa correta.
a) O servidor público efetivo adquirirá estabilidade após três após de efetivo exercício, independentemente
de aprovação em avaliação de desempenho.
b) O candidato aprovado em concurso público para provimento de cargo efetivo, preterido na ordem de
nomeação, tem direito subjetivo à nomeação.
c) Os cargos públicos são acessíveis aos brasileiros e aos estrangeiros, na forma da lei complementar.
d) Delegados de Polícia são agentes políticos.
e) As funções de confiança destinam-se apenas às atribuições de direção e chefia.

89. O artigo 98, do Código Civil em vigor, dispõe que "são públicos os bens do domínio nacional
pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares, seja
qual for a pessoa a que pertencerem". No que se refere a bens públicos, assinale a alternativa
correta
a) Os bens dominicais são disponíveis.
b) Os bens de uso especial do povo encontram-se à disposição da coletividade, desnecessária a
autorização para seu uso.
c) Os bens públicos podem ser adquiridos por usucapião.
d) A permissão de uso de bem público é ato bilateral, discricionário e precário.
e) Os bens públicos podem ser hipotecados.

90. Quanto aos poderes da Administração Pública, assinale a alternativa correta.


a) O Poder Hierárquico é pressuposto do Poder Disciplinar.
b) O Poder Hierárquico pode ser exercido pela regulamentação de prática de ato em razão de interesse
público concernente à segurança.
c) O Poder Disciplinar pode ser exercido por meio do disciplinamento de liberdade.
d) O Poder de Polícia pode ser exercido por meio da expedição de decretos autônomos.
e) A possibilidade de delegar e avocar atribuições decorre do Poder Disciplinar.

91. Leia o texto a seguir.


O direito administrativo constitui uma seção, qualificada por seu conteúdo, da ordem jurídica total, aquela
seção que se refere à administração, que regula a administração. Se introduzirmos nesta acepção
brevíssima do conceito de direito administrativo o conceito de administração, o que significa como função
de determinados órgãos, o direito administrativo se apresenta como aquela fração da ordem jurídica que
deve ser aplicada por órgãos administrativos, isto é, órgãos executivos com competência para fixar
instruções ou dever de obedecê-las. Se transpusermos a definição do orgânico ao funcional, poder-se-á
definir o direito administrativo como conjunto de normas jurídicas que regulam aquela atividade executiva
condicionável pelas instruções, ou - aceitando, por certo, que toda a atividade executiva está composta de
funções jurídicas-, o conjunto de normas jurídicas que regulam aquelas funções jurídicas determináveis
mediante as instruções. MERKL. Adolf. Teoria general dei derecho administrativo. Granada: Cornares, 2004 apud ALMEIDA,
Fernando Dias Menezes de. Conceito de direito administrativo. Tomo Direito Administrativo e Constitucional. (PUC-SP), 1. ed., p.
13, 2017

Quanto à administração pública indireta, assinale a alternativa correta.


a) As fundações públicas de direito privado devem ser criadas por lei específica.
b) As fundações públicas de direito público devem ser criadas por lei específica.
c) A imunidade tributária recíproca não se estende às fundações.
d) As sociedades de economia podem revestir-se de qualquer das formas admitidas em direito.
e) As empresas públicas só podem explorar diretamente atividade econômica, se tal exploração for
necessária à segurança nacional ou relevante para o interesse coletivo, na forma de lei complementar.

92. Leia o texto a seguir.


[...] a improbidade não está superposta à moralidade, tratando-se de um conceito mais amplo que abarca
não só componentes morais com também os demais princípios regentes da atividade estatal, o que não
deixa de estar em harmonia com suas raízes etimológicas. Justifica-se, pois, sob a epígrafe do agente
público de boa qualidade somente podem estar aqueles que atuem em harmonia com as normas a que
estão sujeitos, o que alcança as regras e os princípios. GARCIA, Emerson; ALVES, Rogério Pacheco. Improbidade
Administrativa. 6. ed. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2011, p. 125.

Acerca das sanções pela prática de ato de improbidade administrativa, segundo a lei vigente, é
correto afirmar que
a) as ações voltadas ao ressarcimento do erário por danos decorrentes de atos de improbidade
administrativa prescrevem em cinco anos após o término do exercício de mandato, de cargo em comissão
ou de função de confiança.
b) a prática de ato de improbidade administrativa decorrente de concessão ou aplicação indevida de
benefício financeiro ou tributário é punida, também, com multa civil de até três vezes o valor do benefício
financeiro ou tributário concedido.
c) a prática de ato de improbidade administrativa que importe enriquecimento ilícito é punida, também, com
a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios,
direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo
prazo de cinco anos.
d) os prefeitos municipais não se submetem à Lei de Improbidade Administrativa, mas, sim, ao Decreto-Lei
n° 201/1967.
e) a prática de ato de improbidade administrativa que causem prejuízos ao erário é punida, também, com
a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios,
direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo
prazo de dez anos.

93. Sobre a extinção de contrato administrativo de concessão de serviço público por caducidade, é
CORRETO afirmar:
a) Deriva estritamente da inexecução do contrato por inadimplemento do concessionário ou supressão de
requisito indispensável à manutenção do instrumento contratual.
b) Destina-se, como finalidade principal, a punir o concessionário.
c) A definição literal de caducidade na Lei de Licitações é defeituosa por nao abrigar todas as circunstâncias
motivadoras que juridicamente podem ser reconhecidas para a sua implementação fática.
d) Acarreta a supressão do direito de o concessionário ser indenizado.
e) Sua decretação será precedida única e exclusivamente por processo administrativo.

94. Assinale a alternativa que, em relação ao tema da improbidade administrativa, DISCREPA do


entendimento jurisprudencial consolidado nos Tribunais Superiores.
a) O particular não pode responder isoladamente nas ações de improbidade administrativa.
b) Os agentes políticos municipais se submetem aos ditames da Lei de Improbidade Administrativa, sem
prejuízo da responsabilização política e criminal estabelecida em outros diplomas legais.
c) Os bens de família do demandado em ações de improbidade administrativa não podem ser objeto de
medida de indisponibilidade.
d) O ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública não requer
a demonstração de dano ao erário ou de enriquecimento ilícito, mas exige a demonstração de dolo.
e) O magistrado não está obrigado a aplicar cumulativamente todas as penas previstas no artigo 12 da Lei
8.429/92, podendo fixá-las e dosá-las, mediante adequada fundamentação, segundo a natureza, a
gravidade e as consequências da infração cometida em concreto.

95. Assinale a alternativa INCORRETA quanto ao poder de polícia.


a) É constitucional a atribuição às guardas municipais do exercício do poder de polícia de trânsito, inclusive
para a imposição de sanções administrativas previstas em lei.
b) As atribuições da guarda municipal previstas na Constituição da República são definidas em sentido
exemplificativo, e não exaustivo.
c) O poder de polícia se manifesta exclusivamente por intermédio de deveres de abstenção ou obrigações
de não fazer acometidas aos particulares.
d) O poder de polícia não se limita à atuação do Estado no concernente à prestação de segurança pública
direcionada à coletividade.
e) Até mesmo instituições policiais podem cumular funções típicas de segurança pública com exercício de
poder de polícia.

96. Dentre as alternativas abaixo, conflagra-se como exemplo concreto predominante de


exigibilidade de ato administrativo
a) guinchamento de carro parado em local proibido.
b) requisição de bem móvel particular para combater evento danoso da natureza.
c) inutilização de medicamentos vencidos.
d) dispersão de manifestação pública violenta com prática de atos de vandalismo.
e) aplicação de multa e de advertência.

97. Sobre a proteção de bens de valor histórico e artístico, é CORRETO afirmar:


a) O tombamento de bens móveis impõe, dentre outras, restrição a sua circulação;
b) O tombamento, quando compulsório, dá causa ao direito de indenização do proprietário da coisa
tombada.
c) O reparo de bens tombados dependerá apenas de notificação à autoridade competente.
d) O tombamento só dá causa à obrigação de conservação da coisa pelo proprietário quando se dê em
caráter definitivo, após sua inscrição em livro próprio.
e) A proibição de destruição, demolição ou mutilação de bens tombados implica restrições ao direito de
propriedade, que podem ser afastadas apenas com autorização administrativa específica.

98. Considerando os contratos administrativos e as disposições da Lei de Licitações e Contratos


da Administração Pública (Lei n. 8.666/93), analise as seguintes assertivas:
I - O poder de alteração unilateral, no caso de ser necessária a modificação do valor contratual em
decorrência de acréscimo ou diminuição quantitativa de seu objeto, submete-se a limites estabelecidos na
lei.
II - A aplicação das penalizações financeiras decorrentes das condições de pagamento previstas no
contrato administrativo, apesar de não caracterizar alteração do contrato, exige a celebração de
aditamento.
III - A lei prevê que, por mútuo acordo, serão admitidos acréscimos e supressões nas obras, compras ou
serviços excedentes dos limites por ela previstos.
IV - O contratado não poderá invocar a exceção do contrato não cumprido e suspender o cumprimento de
suas obrigações, ainda que haja atraso no pagamento devido pela Administração, seja pela falta de
previsão legal, seja pelo princípio da continuidade do serviço público.

Assinale a alternativa CORRETA:


a) Apenas a assertiva I está correta.
b) Apenas as assertivas I, II e III estão corretas.
c) Apenas as assertivas II e IV estão corretas.
d) Apenas as assertivas III e IV estão corretas.
e) Não respondida.

99. Analise as assertivas abaixo:


I - A Administração Pública direta compreende os serviços imediatamente integrados na estrutura
administrativa do chefe do Poder Executivo, a qual, no caso da esfera federal, é dirigida pelo Presidente
da República, com auxílio dos Ministros de Estado, por aquele livremente escolhidos e exonerados. Na
Administração Pública direta da esfera federal são ainda incluídos o Conselho da República e o Conselho
de Defesa Nacional, órgãos consultivos do Presidente da República e constituídos exclusivamente por
autoridades públicas.
II - A Administração Pública indireta dos entes federados pode compreender as seguintes entidades:
autarquias; empresas públicas, sociedades de economia mista e fundações públicas.
III - Não integra a Administração Pública indireta da esfera federal a Ordem dos Advogados do Brasil, que
é um serviço público independente, categoria ímpar no elenco das personalidades jurídicas existentes no
direito brasileiro.
IV - A exploração direta de atividade econômica pelo Estado somente será permitida quando necessária
aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, ressalvados casos previstos na
Constituição da República. Em todos os casos, a exploração direta de atividade econômica pelo Estado
será exclusivamente realizada mediante empresa pública, sociedade de economia mista e suas
subsidiárias.

Assinale a alternativa CORRETA:


a) Todas as assertivas estão corretas.
b) Apenas as assertivas I e IV estão corretas.
c) Apenas as assertivas II, III e IV estão corretas.
d) Apenas as assertivas I, III e IV estão corretas.
e) Não respondida.

100. Acerca dos atos administrativos, assinale a alternativa INCORRETA:


a) É correto definir ato administrativo como aquele editado no exercício de função administrativa, sob o
regime de direito público e traduzindo uma manifestação de vontade do Estado.
b) A doutrina administrativista majoritária considera a imperatividade e a autoexecutoriedade como
elementos, pressupostos ou requisitos do ato administrativo.
c) A lei, ao definir a atuação do Poder Público, determinará se a atuação administrativa será vinculada ou
discricionária, pois, consoante o princípio da legalidade estrita aplicado ao Direito Administrativo, a lei
poderá estipular a atuação vinculada do agente de forma objetiva, ou ao agente conceder algum espaço
discricionário de escolha, neste caso também observando os limites legais.
d) A motivação é a exteriorização dos motivos do ato administrativo e, uma vez realizada, passa a integrá-
lo, ou seja, caso os motivos apresentados sejam viciados, o ato será ilegal. Trata-se da teoria dos motivos
determinantes.
e) Não respondida.

Respostas:
81: 82: 83: 84: 85: 86: 87: 88: 89: 90: 91: 92: 93: 94:
95: 96: 97: 98: 99: 100:

101. Sobre o preceito que consagra a responsabilidade extracontratual do Estado, considerando a


Constituição da República e a jurisprudência dominante do Supremo Tribunal Federal, assinale a
alternativa INCORRETA:
a) Consagra direito fundamental dos cidadãos, representando uma repulsa ao dogma da infalibilidade do
Estado e dos seus representantes e agentes.
b) Viabiliza o direito dos cidadãos de serem indenizados por ações iníquas do Poder Público geradoras de
lesões aos seus bens jurídicos, ainda que tais lesões sejam de ordem metaindividual ou estritamente moral,
cuja responsabilidade será configurada independentemente de comprovação de culpa lato sensu daquele
poder.
c) Permite a sua incidência tanto para responsabilizar o Poder Público quando pratica danos aos cidadãos
em decorrência de seus atos ilícitos, quanto para aqueles gerados por atos lícitos; sendo relevante, nesta
hipótese, aferir acerca da anormalidade e da especialidade dos danos.
d) É abrangente o suficiente para viabilizar a sua incidência aos atos danosos praticados contra terceiros,
particulares ou consumidores, decorrentes da exploração direta de atividades econômicas pelo Estado,
prescindindo-se de aferir acerca da oficialidade da atividade causal lesiva.
e) Não respondida.

102. Considerando a problemática da responsabilidade da Administração Pública por encargos de


natureza diversa gerados pelo inadimplemento de empresa terceirizada, tomem-se os seguintes
aspectos:
I - É vedada a responsabilização automática da Administração Pública pelos encargos trabalhistas, só
cabendo a sua condenação se houver prova inequívoca de sua conduta omissiva ou comissiva na
fiscalização dos contratos.
II - A Administração Pública responde solidariamente com o contratado pelos encargos previdenciários
resultantes da execução do contrato.
III - O inadimplemento dos encargos trabalhistas dos empregados do contratado não transfere
automaticamente ao poder público contratante a responsabilidade pelo seu pagamento, seja em caráter
solidário ou subsidiário.

Das assertivas acima, estão corretas


a) apenas a I e a II.
b) apenas a III.
c) apenas a I e a III.
d) apenas a II e a III.
e) a I, a II e a III.

103. Considere as seguintes afirmativas sobre as ações de ressarcimento oriundas de ilícitos,


praticados por qualquer agente, que ocasionem prejuízos ao erário.
I - Possui repercussão geral a controvérsia relativa à prescritibilidade da pretensão de ressarcimento ao
erário, em face de agentes públicos, em decorrência de suposto ato de improbidade administrativa.
II - O Supremo Tribunal Federal já fixou entendimento no sentido de que é prescritível a ação de reparação
de danos à Fazenda Pública decorrente de ilícito civil.
III - Situada a premissa da imprescritibilidade das ações de ressarcimento oriundas de ato de improbidade
administrativa que causem prejuízos ao Estado, é razoável apontar para o consectário lógico de que
referido tratamento igualmente abrangeria as ações de ressarcimento de danos decorrentes de ilícitos
penais.
IV - A interpretação que embasa a tese da imprescritibilidade da ação de ressarcimento ao erário por ato
de improbidade administrativa decorre literalmente da hipótese normativa isolada constante do artigo 37,
§5°, da Constituição da República de 1988.

Estão CORRETAS apenas as afirmativas:


a) I e III.
b) II e III.
c) III e IV.
d) I, II e III.
e) I, II, III e IV.

104. As cláusulas dos contratos de parceria público-privada não necessariamente devem prever
a) a repartição de riscos entre as partes, inclusive os referentes a caso fortuito, força maior, fato do príncipe
e álea econômica extraordinária.
b) os critérios objetivos de avaliação do desempenho do parceiro privado.
c) as formas de remuneração e de atualização dos valores contratuais, bem como o prazo de vigência do
contrato, compatível com a amortização dos investimentos realizados, respeitando-se os marcos temporais
mínimo e máximo previstos em lei.
d) a possibilidade de eventual prorrogação contratual.
e) nenhuma das alternativas anteriores responde ao comando da questão.

105. Para a configuração dos casos de nulidade de atos administrativos que traduzam lesão aos
bens jurídicos tutelados pelo direito pátrio, serão observadas as seguintes normas, EXCETO:
a) O desvio de finalidade se verifica quando o agente pratica o ato visando a fim diverso daquele
explicitamente previsto na regra de competência.
b) A ilegalidade do objeto ocorre quando o resultado do ato importa em violação da legislação em vigor.
c) A inexistência dos motivos se verifica quando a matéria de fato ou de direito, em que se fundamenta o
ato, é materialmente inexistente ou juridicamente inadequada frente ao resultado obtido.
d) A incompetência fica caracterizada quando o ato não se incluir nas atribuições legais do agente que o
praticou.
e) O vício de forma consiste na omissão ou na inobservância incompleta ou irregular de formalidades
indispensáveis à existência ou seriedade do ato administrativo.

106. Sobre o processo administrativo, considere as assertivas a seguir.


I - A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar viola a Constituição
Federal.
II - Aos litigantes, em processo administrativo, asseguram-se o contraditório e a ampla defesa, com os
meios e os recursos a ela inerentes, demandando-se a presença de advogado para a elaboração de defesa
técnica.
III - O processo administrativo, inclusive aquele que pode concluir pela pena de aposentadoria compulsória
ou pela demissão do servidor público, é passível de revisão judicial.
IV - É assegurado ao servidor o direito de acompanhar o processo pessoalmente, arrolar e reinquirir
testemunhas, produzir provas e contraprovas e formular quesitos, quando se tratar de prova pericial.

Estão CORRETAS apenas as assertivas:


a) I, II, III e IV.
b) I, II e III.
c) I, II e IV.
d) I, III e IV.
e) III e IV.

107. De acordo com o atual panorama interpretativo verificado na jurisprudência dos Tribunais
Superiores, pode-se afirmar sobre o direito subjetivo à nomeação do candidato aprovado em
concurso público fora do número de vagas disciplinado pelo certame de que participou:
a) O cadastro reserva revela-se por si como medida inidônea para o aproveitamento dos candidatos
aprovados durante a validade do concurso.
b) Os aprovados dentro do cadastro reserva não têm expectativa de direito à nomeação, muito menos
direito subjetivo a serem chamados para o preenchimento da vaga.
c) Incumbe à Administração, no âmbito de seu espaço de discricionariedade exercido de forma livre, avaliar
a conveniência e a oportunidade de novas convocações durante a validade do certame.
d) O direito subjetivo à nomeação do candidato surge, dentre outras hipóteses, quando, ao surgirem novas
vagas ou ao ser aberto novo concurso durante a validade do certame anterior, ocorre a preterição de
candidatos de forma justificada e motivada por parte da Administração.
e) Demonstrada a existência de vagas e a necessidade de serviço, não pode a Administração deixar
transcorrer o prazo de validade a seu bel prazer para nomear outras pessoas que não aquelas já aprovadas
em concurso válido.

108. É correto afirmar, no que se refere à disciplina legal concernente ao acompanhamento dos
contratos de serviços continuados que podem ser contratados de terceiros pelo poder executivo
do Estado do Acre:
a) Os serviços continuados que podem ser contratados de terceiros pela Administração são aqueles que
apoiam a realização das atividades essenciais ao cumprimento da missão institucional do órgão ou
entidade, havendo alocação contínua de empregados nas dependências da Administração para executar
serviços que seguem uma rotina específica.
b) A contratação deverá ser precedida e instruída com plano de trabalho, aprovado diretamente pela
autoridade máxima do órgão ou entidade, cujo teor deverá atender a alguns requisitos mínimos definidos
pelo ato normativo.
c) Como regra, é defeso aos agentes públicos a prática de atos de ingerência na administração da
contratada, salvo em circunstâncias explicitamente previstas na norma jurídica estadual.
d) Não se admite a participação de cooperativas no certame licitatório de convocação de interessados em
prestar referidos serviços.
e) A prorrogação de contrato, quando vantajosa para a Administração, deverá ser promovida mediante
celebração de termo aditivo antes de ser perfectibilizada como ato jurídico perfeito.

109. Sobre a doutrina da discricionariedade administrativa e do controle jurisdicional, considere as


seguintes assertivas:
I - A discrição administrativa pode decorrer da hipótese da norma, no caso da ausência de indicação
explícita do pressuposto de fato, ou no caso de o pressuposto de fato ter sido descrito através de termos
ou expressões que ilustram conceitos vagos, fluidos ou imprecisos.
II - A noção de discricionariedade não se prende somente ao campo das opções administrativas disponíveis
efetuadas com base em critérios de conveniência e oportunidade, no chamado campo do mérito do ato
administrativo.
III - A hipótese de discricionariedade administrativa sempre corresponderá uma situação concreta em que
se identifica que a decisão do administrador é tida como intangível, pois corresponderá a uma opção de
mérito cuja escolha se sintoniza com o espectro de possibilidades antevisto pela norma jurídica aplicável.
IV - A abstrata liberdade de atuação conferida no âmbito textual da norma jurídica aplicável define de
antemão o espaço da discricionariedade administrativa a ser concretizado pelo agente público.

São CORRETAS
a) apenas a I, II e III.
b) apenas a II, III e IV.
c) apenas a I e II.
d) apenas a I, III e IV.
e) apenas a I e IV.

110. Assinale a alternativa INCORRETA sobre o modelo constitucional de responsabilidade civil do


Estado.
a) A responsabilidade civil estatal subsume-se à teoria do risco administrativo, tanto para as condutas
estatais comissivas quanto para as omissivas, uma vez rejeitada a teoria do risco integral.
b) A omissão estatal exige nexo de causalidade em relação ao dano sofrido pela vítima nos casos em que
o poder público ostenta o dever legal e a efetiva possibilidade de agir para impedir o resultado danoso.
c) A responsabilidade civil do Estado, por ser objetiva, não resulta afastada mesmo nas hipóteses em que
o poder público comprova causa impeditiva da sua atuação protetiva de modo a romper com o nexo causal
entre sua omissão e o resultado danoso.
d) A morte de detento gera responsabilidade civil do Estado pela inobservância do seu dever específico de
proteção previsto na Constituição, admitindo-se a comprovação pelo poder público de causa excludente
do nexo de causalidade entre a sua omissão e o dano sofrido pela vítima.
e) Nenhuma das alternativas anteriores responde ao comando da questão.

111. O contrato de gestão é o instrumento firmado entre o poder público e a entidade qualificada
como organização social para fins de formação de parceria entre as partes com o ânimo de fomento
e de execução de atividades relativas a determinadas áreas previstas em lei, dentre as quais NÃO
se inclui
a) o ensino e a pesquisa científica.
b) a cultura.
c) a saúde.
d) o desenvolvimento tecnológico.
e) nenhuma das alternativas anteriores responde ao comando da questão.

112. Sobre o instituto constitucional da expropriação e suas implicações, mostra-se adequado


concluir, considerando as suas atuais repercussões normativas e jurisprudenciais:
a) A única hipótese fática prevista na Constituição para a implementação de tal instituto recai sobre as
propriedades de qualquer região do País onde forem localizadas culturas ilegais de plantas psicotrópicas,
as quais serão imediatamente expropriadas.
b) A expropriação pode ser afastada desde que o proprietário do imóvel comprove que não incorreu em
culpa, ainda que in vigilando ou in elegendo.
c) Em caso de existência de condomínio no imóvel onde se evidencia o plantio de drogas, é necessária a
demonstração de responsabilidade de todos os proprietários para autorizar a expropriação da totalidade
do bem.
d) A função social da propriedade aponta para um dever do proprietário de zelar pelo uso lícito do imóvel,
salvo quando este não esteja em sua posse direta, encargo que competirá exclusivamente ao respectivo
possuidor ou quem lhe faça as vezes.
e) A expropriação estatal deverá se cingir à área do imóvel efetivamente comprometida com a prática das
ilegalidades combatidas pelo ordenamento jurídico nacional.

113. Assinale a alternativa CORRETA no que se refere à acumulação de cargos públicos.


a) O teto remuneratório é aplicável ao conjunto das remunerações ou ao somatório dos ganhos percebidos
de forma cumulativa.
b) A proibição constitucional de acumular estende-se apenas a empregos e abrange autarquias, empresas
públicas, sociedades de economia mista e fundações mantidas pelo poder público.
c) Há vedação legal no ordenamento jurídico vigente quanto à acumulação de cargos públicos em
entidades ou órgãos situados em unidades distintas da Federação.
d) A existência de norma jurídica que estipula limitação de jornada semanal dos cargos a serem
acumulados constitui óbice ao reconhecimento do direito à acumulação prevista na Constituição.
e) Nos casos de acumulação autorizados pelo texto constitucional, deve-se levar em conta, para a
aplicação do teto remuneratório, separadamente cada um dos vínculos formalizados.

114. Existem diversas alternativas possíveis quanto às hipóteses abstratas de extinção dos atos
administrativos, EXCETO
a) o decurso do tempo.
b) a renúncia do interessado.
c) a revogação pelo Poder Judiciário.
d) a invalidação pela própria Administração.
e) o desaparecimento do pressuposto fático.

115. Considerando-se o regime jurídico dos bens públicos, pode-se afirmar que
a) a eles não se aplica o princípio da função social da propriedade, em razão do regime de
impenhorabilidade, inalienabilidade e imprescritibilidade.
b) a eles se aplica, com grau diferenciado, o princípio da função social da propriedade, em relação aos
bens de uso comum do povo.
c) a eles se aplica o princípio da função social da propriedade, em grau diferenciado, em relação aos bens
dominiais.
d) a eles se aplica o princípio da função social da propriedade que incide indistintamente e com mesmo
grau de intensidade, dada sua função normativa, sobre todo o ordenamento jurídico e sobre o domínio
público e particular.

116. O conteúdo jurídico do princípio da moralidade administrativa pode ser conceituado como
a) aquele referido na ética da legalidade ou, em outros termos, os valores éticos que ela consagra sem
espaços para outros juízos axiológicos senão aqueles objetivados e explicitados nas normas-regras e,
portanto, sem autonomia específica.
b) aquele que vincula a administração pública a um comportamento ético, conforme discurso da
modernidade, com dimensão autônoma em relação ao princípio da legalidade.
c) a resultante da moral social de uma época a vincular a atuação da Administração pública.
d) referente às regras da boa administração e às regras internas visando normatizar o poder disciplinar da
Administração.

117. O motivo do ato administrativo pode ser conceituado como:


a) a normatividade jurídica que irá incidir sobre determinada situação de fato que lhe é antecedente.
b) a ocorrência no mundo fenomênico de certo pressuposto fático, relevante para o direito, que vai postular
ou possibilitar a edição do ato administrativo.
c) a explicitação dos fundamentos de fato e de direito que levaram à edição do ato administrativo e sem a
qual o ato é nulo.
d) o móvel ou intenção do agente ou, em outros termos, a representação psicológica que levou o
administrador a agir, e que tem especial importância no plano dos atos discricionários.

118. Sobre as agências reguladoras, é correto afirmar:


a) embora possuam natureza jurídica de autarquia, são dotadas de regime especial, consistente em alto
grau de autonomia, mandado fixo e estabilidade de seus dirigentes e poder de regulação mediante a edição
de normas gerais e abstratas de natureza infralegal, em matérias de suas competências, e subordinada ao
princípio da legalidade.
b) possuem natureza jurídica de autarquia – o que impõe criação e extinção por lei – e desenvolvem, sob
regime jurídico de direito público, atividades próprias do Estado e com certa autonomia em relação à
administração central, não diferindo, portanto, de suas congêneres.
c) por sua conformação constitucional distinta, não se subordinam ao modelo das autarquias, uma vez que
possuem alto grau de autonomia que se expressa no mandato fixo e estabilidade de seus dirigentes e, no
poder normativo, com possibilidade de inovar na ordem jurídica com edição de normas abstratas e gerais
nas matérias de suas competências.
d) são dotadas de autonomia administrativa e financeira e hierárquica em relação à Administração Direta,
como os demais entes autárquicos, mas dotadas de regime especial que se expressa na previsão de
mandatos fixos e estabilidade de seus dirigentes.

119. Sobre a impenhorabilidade dos bens públicos, pode-se afirmar que


a) tem natureza absoluta por decorrerem da inalienabilidade que os caracterizam.
b) é absoluta, com exceção da hipótese de concessão de garantia da União em operações de crédito
externo, nos termos do artigo 52, VIII, da Constituição Federal de 1988.
c) é absoluta, com exceção da hipótese de sequestro de bens ao teor do artigo 100, parágrafo 6°, da
Constituição Federal de 1988.
d) admite exceção para a hipótese de sequestro de bens, nos termos do artigo 100, parágrafo 6°, da
Constituição Federal de 1988, e para a concessão de garantia, em condições especialíssimas, em
operações de crédito externo, cabendo ao Senado Federal dispor sobre limite e concessões, nos termos
do artigo 52, VIII, da Constituição Federal de 1988.

120. Particularmente, no tocante ao processo administrativo, é correto afirmar:


a) ao processo administrativo disciplinar são asseguradas todas as garantias do processo penal, inclusive
a defesa técnica, não se aplicando nesse aspecto a restrição sumulada pelo Supremo Tribunal Federal.
b) orienta-se pela informalidade, não se aplicando as garantias próprias do processo penal, no tocante à
ampla defesa e contraditório.
c) deve ter as garantias do contraditório e da ampla defesa, mas não a defesa técnica quando se tratar de
processo disciplinar de natureza civil, conforme orientação sumulada pelo Supremo Tribunal Federal.
d) nada obstante a orientação do Supremo Tribunal Federal, a ele deve ser aplicado o princípio da defesa
técnica, uma vez que se trata de garantia de direito individual e a orientação da jurisprudência do STF não
é vinculativa.

Respostas:
101: 102: 103: 104: 105: 106: 107: 108: 109: 110: 111:
112: 113: 114: 115: 116: 117: 118: 119: 120:

DIREITO CIVIL:
01. Com base na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, marque a alternativa CORRETA.
a) O período de vacatio legis de uma lei de direito material é diferente quando se trata de norma de direito
processual.
b) As organizações destinadas a fins de interesse coletivo, como as sociedades e as fundações, obedecem
à lei do Estado em que se constituírem.
c) Dependendo da importância da lei, o legislador deve estabelecer um período de vacatio legis mais
extenso, de 1 (um) ano para os Códigos e Leis Complementares.
d) Uma lei nova não modifica a anterior se for com ela incompatível ou tratar sobre a mesma matéria.
e) A equidade é sempre uma forma de integração quando houver omissão da lei.

02. À luz das disposições do direito civil pertinentes ao processo de integração das leis, aos
negócios jurídicos, à prescrição e às obrigações e contratos, julgue o item a seguir.
O conflito de normas que pode ser resolvido com a simples aplicação do critério hierárquico é
classificado como antinomia aparente de primeiro grau.
( ) Certo ( ) Errado

03. Até 07 de abril de 2017, vigorava, no Município X, a Lei 01, que estipulava em trinta dias prazo
para interposição de recursos à própria administração municipal contra atos praticados por seus
servidores. Na referida data, entrou em vigor a Lei 02, que alterou o referido prazo para quarenta
dias e revogou, neste ponto, a Lei 01. Contudo, atendendo a pleito local, o Município editou a Lei
03, de 07 de março de 2018, com o seguinte e único texto: “Art. 1º: Revoga-se Lei 02”. Quanto a
essa situação, é correto afirmar que:
a) no dia da publicação da Lei 03, a Lei 01 volta a vigorar;
b) trinta dias após a publicação da Lei 03, a Lei 01 retorna a vigorar;
c) quarenta e cinco dias após a publicação da Lei 03, a Lei 02 deixa de vigorar;
d) no dia da publicação da Lei 03, a Lei 02 deixa de vigorar;
e) trinta dias após a publicação da Lei 03, a Lei 02 deixa de vigorar.

04. Assinale a alternativa CORRETA:


a) A repristinação restabelece os efeitos da lei revogada com eficácia ex tunc (retroativa).
b) Com o advento da Emenda 66/10, o reconhecimento do divórcio realizado no estrangeiro não se
subordina a prazo.
c) O casamento perante agente consular, de brasileiros que regressaram ao País, será provado, em regra,
pelo traslado no cartório do registro civil do domicílio.
d) Na sucessão por comoriência serão reunidas, em acervo único, as heranças provindas da morte
simultânea dos cônjuges.

05. Conforme preconiza a Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro, é correto afirmar:
I. Ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando que não a conhece.
II. Salvo disposição contrária, a lei começa a vigorar em todo o país noventa dias depois de oficialmente
publicada.
III. Na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum.
IV. As correções a texto de lei já em vigor consideram-se lei nova.

A sequência correta é:
a) Apenas as assertivas I e IV estão corretas.
b) Apenas a assertiva III está correta.
c) As assertivas I, II, III e IV estão corretas.
d) Apenas a assertiva II está incorreta.

06. Segundo a Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro será executada no Brasil a sentença
proferida no estrangeiro, que reúna os seguintes requisitos, EXCETO:
a) Haver sido proferida por juiz competente e terem sido as partes citadas ou haver-se legalmente verificado
à revelia.
b) Ter passado em julgado e estar revestida das formalidades necessárias para a execução no lugar em
que foi proferida.
c) Estar traduzida por intérprete autorizado.
d) Ter sido homologada pelo Superior Tribunal de Justiça.

07. Ao dizer que, salvo disposição em contrário, a lei revogada não se restaura por ter a lei
revogadora perdido a vigência, a Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro está referindo-
se à
a) anterioridade legal.
b) resilição.
c) retroação da lei.
d) repristinação.
e) sub-rogação.

08. Sobre a elaboração, redação, alteração e consolidação das leis, previstas na Lei Complementar
no 95, de 26 de fevereiro de 1998, bem como a Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro,
assinale a alternativa correta.
a) As leis que estabelecem período de vacância entram em vigor no primeiro dia útil subsequente à
consumação integral do prazo.
b) Para contagem do prazo de leis que estabelecem período de vacância, exclui-se a data de publicação e
inclui-se o último dia do prazo.
c) As cláusulas de revogação de lei podem ser genéricas.
d) Nos estados estrangeiros que não tiverem tratado de reciprocidade, a obrigatoriedade da lei brasileira
se inicia três meses depois de oficialmente publicada. Nos demais estados estrangeiros, em regra, a lei
entra em vigor imediatamente.
e) Em razão do princípio da vigência sincrônica, as leis começam a vigorar em todo o País quarenta e cinco
dias depois de oficialmente publicadas, salvo disposição em contrário.

09. A Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro – LINDB traz regras quanto à vigência e
eficácia das leis, conflito de leis no tempo e no espaço, dentre outras. Quanto às disposições da
referida lei, analise as afirmativas a seguir.
I. As correções a texto de lei já em vigor consideram-se lei nova.
II. Salvo disposição em contrário, a lei revogada não se restaura por ter a lei revogadora perdido a vigência.
III. Não se destinando à vigência temporária, a lei terá vigor até que outra a modifique ou revogue.
IV. A lei posterior revoga a anterior quando expressamente o declare, quando seja com ela incompatível
ou quando regule inteiramente a matéria de que tratava a lei anterior.

Em relação à LINDB estão corretas as afirmativas


a) I, II, III e IV.
b) I, II e III, apenas.
c) I, III e IV, apenas.
d) II, III e IV, apenas.

10. “A Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro estatui expressamente que quando a lei for
omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com __________________.” Assinale a alternativa que NÃO
completa corretamente a afirmativa anterior.
a) analogia
b) costumes
c) princípios gerais do direito
d) fins sociais a que a lei se dirige

11. Tendo em vista a Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, é correto afirmar que:
a) Se, antes de entrar a lei em vigor, ocorrer nova publicação de seu texto, destinada a correção, o prazo
para o início do vigor conta-se a partir da publicação da primeira lei, desconsiderando-se a publicação
corretiva.
b) De acordo com a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, é cabível Recurso Especial por violação
do art. 6º da LICC, uma vez que os princípios nele contidos - direito adquirido, ato jurídico perfeito e coisa
julgada -, apesar de terem conteúdo constitucional, encontram-se previstos em norma infraconstitucional.
c) A concepção encartada na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, ao estabelecer que
somente em havendo omissão da lei o juiz poderá se valer da analogia, dos costumes e dos princípios
gerais do direito, é fruto de uma visão pós-positivista do direito, em que os princípios são alçados à condição
de norma jurídica obrigatória.
d) A Constituição Federal e a Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro não proíbem absolutamente
a retroação da lei. Estabelecem, no entanto, que nas hipóteses em que a lei retroagir deve haver respeito
às balizas do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada.
e) O estatuto pessoal vinculado à nacionalidade (adotado pelo Brasil na Lei de Introdução às Normas do
Direito Brasileiro) e não ao domicílio é mais igualitário, quando se tem em vista a consolidação da proteção
internacional dos direitos humanos, no qual todos são iguais, não importando origem ou nacionalidade.
12. De acordo com a LINDB, no tocante ao fenômeno da repristinação, salvo disposição em
contrário, a lei
a) nova que estabeleça disposições gerais a respeito de outras já existentes não revogará leis anteriores.
b) revogada voltará a vigorar se a lei que a revogou for declarada inconstitucional em controle difuso.
c) revogada não se restaurará se a lei revogadora perder a vigência.
d) nova que estabeleça disposições especiais a respeito de outras já existentes não revogará leis
anteriores.
e) nova revogará a anterior se regular inteiramente a mesma matéria.

13. Denomina-se vacatio legis.


a) O período de tramitação da lei no Congresso Nacional.
b) O instituto de direito não regulamentado por lei.
c) O intervalo entre a data da publicação da lei e a da sua entrada em vigor.
d) A situação jurídica dos fatos regulamentados por lei revogada.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13:

01. Maria decidiu alugar um imóvel de sua propriedade para Ana, que, no momento da assinatura
do contrato, tinha dezessete anos de idade. Nessa situação hipotética, o contrato celebrado pelas
partes é
a) nulo, uma vez que foi firmado por pessoa absolutamente incapaz, condição que pode servir de
argumento para Ana extinguir o contrato.
b) anulável, portanto passível de convalidação, ressalvado direito de terceiros.
c) válido, desde que tenha sido formalizado por escritura pública, visto que tem por objeto um imóvel.
d) nulo, porque Ana deveria ter sido representada por um de seus genitores.
e) válido, ainda que Ana não possua capacidade de direito para celebrar o contrato de aluguel.

02. Elemento acidental do negócio jurídico, a condição possui, entre outras, as seguintes
características:
a) impositividade e certeza.
b) acessoriedade e voluntariedade.
c) legalidade e futuridade.
d) involuntariedade e incerteza.
e) legalidade e brevidade.

03. Sobre capacidade civil, assinale a alternativa INCORRETA.


a) Pela Lei nº 13.146 de 06.06.2015, a deficiência não afeta a plena capacidade civil da pessoa, inclusive
para casar-se e constituir união estável.
b) Pela Lei nº 13.146 de 06.06.2015, a deficiência não afeta a plena capacidade civil da pessoa, inclusive
para exercer direitos sexuais e reprodutivos.
c) Pela Lei nº 13.146 de 06.06.2015, a deficiência não afeta a plena capacidade civil da pessoa, inclusive
para conservar sua fertilidade, sendo vedada a esterilização compulsória.
d) Nos indivíduos “relativamente incapazes”, cabe ao perito determinar quais os atos da vida civil ficarão a
cargo do curador e quais serão mantidos pelo o avaliado.
e) Pela Lei nº 13.146 de 06.06.2015, a deficiência não afeta a plena capacidade civil da pessoa, inclusive
para exercer o direito de decidir sobre o número de filhos e de ter acesso a informações adequadas sobre
reprodução e planejamento familiar.

04. O Estatuto da Pessoa Com Deficiência (Lei nº 13.146 de 06.06.2015), modificou os artigos 3º e 4º
do Código Civil. Sobre as mudanças ocorridas, é CORRETO afirmar:
a) Nenhuma mudança importante em relação aos quadros psiquiátricos.
b) Os indígenas deixaram de ser citados na nova redação.
c) Os “ébrios habituais e os viciados em tóxicos” deixaram de ser citados na nova redação.
d) Com a nova redação, não há mais a definição de “absolutamente incapaz” para o exercício dos atos da
vida civil, por diagnósticos médicos.
e) Na nova redação, se mantém a definição: “São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os
atos da vida civil os menores de 18 anos”.
05. Representa a hipótese de nulidade dos negócios jurídicos previsto em nosso ordenamento
jurídico:
a) simulação.
b) lesão.
c) coação.
d) estado de perigo.
e) erro.

06. Sobre os institutos de prescrição e decadência, de acordo com o previsto no Código Civil e com
entendimento sumulado pelos Tribunais Superiores, assinale a alternativa correta.
a) A prescrição pode ser interrompida mais de duas vezes, desde que as causas de interrupção sejam
diversas.
b) O pedido de pagamento de indenização à seguradora interrompe o prazo de prescrição até a prolação
da decisão administrativa.
c) A interrupção da prescrição produzida contra o devedor principal prejudica o fiador.
d) O prazo decadencial, referente ao pedido de anulação de alterações de contrato social, é de 4 (quatro)
anos.
e) Nas obrigações divisíveis, a suspensão da prescrição em favor de um dos credores solidários aproveita
aos demais.

07. Julgue o item seguinte, relativo à desconsideração da personalidade jurídica, à responsabilidade


civil e à ausência. A sentença que determinar a abertura da sucessão provisória de bens de ausente
não produzirá efeitos imediatamente, necessitando de um lapso temporal de cento e oitenta dias,
contado da sua publicação; exceção a essa determinação ocorre quando há testamento, sendo os
efeitos da sentença produzidos logo após o trânsito em julgado do procedimento de abertura
testamentária.
( ) Certo ( ) Errado

08. Acerca das obrigações, dos direitos de personalidade e do negócio jurídico, julgue o item
subsequente. A anulação do negócio jurídico restituirá as partes ao estado em que antes dele elas
se achavam, mas, se isso não for possível, elas terão de ser indenizadas pelo equivalente.
( ) Certo ( ) Errado

09. Acerca das obrigações, dos direitos de personalidade e do negócio jurídico, julgue o item
subsequente. A doutrina classifica os direitos da personalidade em três grupos não exaustivos: o
de direitos à integridade física, o de direitos à integridade intelectual e o de direitos à integridade
moral.
( ) Certo ( ) Errado

10. Considere as seguintes afirmativas a respeito do domicílio da pessoa natural:


I. Tem como regra geral o lugar onde a pessoa estabelece a sua residência com ânimo definitivo.
II. Considera-se também como domicílio da pessoa natural, quanto às relações concernentes à profissão,
o lugar onde esta é exercida.
III. Se houver exercício da profissão em lugares diversos, o local da contratação constituirá domicílio para
as relações que lhe corresponderem.
IV. Muda-se o domicílio, transferindo a residência, com a intenção manifesta de o mudar. A prova da
intenção resultará do que declarar a pessoa às municipalidades dos lugares, que deixa, e para onde vai,
ou, se tais declarações não fizer, da própria mudança, com as circunstâncias que a acompanharem.

Estão CORRETAS apenas as afirmativas:


a) I, II e III.
b) I, II e IV.
c) I, III e IV.
d) II, III e IV.

11. De acordo com o disposto no Código Civil a respeito dos bens, é CORRETO afirmar:
a) A lei não pode determinar a indivisibilidade do bem, pois esta característica decorre da natureza da coisa
ou da vontade das partes.
b) A regra de que o acessório segue o principal tem inúmeros efeitos, entre eles, a presunção absoluta de
que o proprietário da coisa principal também seja o dono do acessório.
c) Para os efeitos legais, considera-se bem imóvel o direito à sucessão aberta.
d) Pertenças são obras feitas na coisa ou despesas que se teve com ela, com o fim de conservá-la,
melhorá-la ou embelezá-la.

12. Sobre a prescrição e a decadência, é CORRETO afirmar:


a) A interrupção da prescrição é comum, aproveitando, em qualquer caso, a todos os credores ainda que
somente um a tenha promovido.
b) A prescrição está ligada às ações constitutivas e desconstitutivas; já a decadência está relacionada às
ações condenatórias.
c) As ações declaratórias, por serem direitos pessoais, estão sujeitas ao prazo prescricional de 5 anos.
d) Se a decadência for convencional, a parte a quem aproveita pode alegá-la em qualquer grau de
jurisdição, mas o juiz não pode suprir a alegação.

13. Amanda tem 15 anos de idade. Mateus, por deficiência mental, não tem o necessário
discernimento para a prática pessoal dos atos da vida civil. Tício é excepcional, sem
desenvolvimento mental completo.
De acordo com o Código Civil e o Estatuto da Pessoa com Deficiência, considera(m)-se
absolutamente incapaz(es) de exercer, pessoalmente, os atos da vida civil:
a) Amanda e Mateus.
b) Amanda.
c) Mateus e Tício.
d) Mateus.

14. Sobre as pessoas jurídicas no direito brasileiro, é correto afirmar:


a) Organizações religiosas e partidos políticos são pessoas jurídicas de direito privado.
b) Autarquias e associações, públicas ou privadas, são pessoas jurídicas de direito privado.
c) O direito de anular a constituição de pessoas jurídicas de direito privado por defeito do ato respectivo
prescreve em dois anos.
d) Associações são constituídas pela união de pessoas que se organizam para fins econômicos e não
econômicos.
e) Não se aplica às pessoas jurídicas a proteção dos direitos da personalidade, sendo necessário
regramento específico.

15. Fernando, atualmente, com 17 (dezessete) anos de idade, nasceu sem o movimento das pernas.
Quanto a personalidade e capacidade de Fernando, podemos afirmar:
a) que Fernando possui incapacidade absoluta, o que acarreta a proibição total do exercício dos atos da
vida civil, por si só;
b) a personalidade jurídica e capacidade de fato de Fernando tiveram início no dia que este nasceu com
vida;
c) possui incapacidade relativa apenas em razão do critério etário;
d) sendo Fernando uma pessoa moral passou a ter personalidade jurídica no dia do registro no cartório
que confeccionou sua Certidão de Nascimento;
e) possui incapacidade absoluta em virtude de ser pessoa com deficiência.

16. Marque a alternativa CORRETA no que tange aos bens:


a) Os veículos à venda em uma concessionária são considerados bens consumíveis.
b) delegacia são considerados bens imóveis em decorrência da lei.
c) A delegacia é considerada um bem público de uso comum do povo.
d) As portas, janelas de um determinado imóvel, bem como as armas que se encontram em exposição são
considerados bem móveis.
e) O dinheiro é considerado um bem infungível.

17. Mateus em contato telefônico com uma empresa X, consentiu que ela lhe enviasse um contrato
de publicidade para destacar sua empresa em um determinado site. Segundo as informações
repassadas via telefone foi a de que Mateus pagaria R$ 15,00 (quinze reais) mensais durante 12
(doze) meses. Estabelecido o negócio jurídico, Mateus recebeu o contrato via email, assinou e
encaminhou a empresa, não tendo percebido que a referida Empresa procedera, intencionalmente
a substituição do valor inicialmente avençado para cada parcela, fazendo constar o importe de R$
150,00 (cento e cinquenta reais) por mês. Diante da situação posta, é possível afirmar acerca do
negócio jurídico:
a) Uma vez assinado o contrato, Mateus deverá honrar, pois não houve vício que possa fundamentar a
nulidade ou anulação do negócio jurídico.
b) Mateus poderá anular o negócio jurídico, por encontrar-se defeituoso, na figura do dolo, pois a empresa
X se utilizou de expediente astucioso, a fim de que Mateus assinasse o contrato, levando-o a crer que as
condições pactuadas via contato telefônico estariam mantidas.
c) Mateus poderá anular o negócio jurídico fundamentado no instituto da reserva mental, uma vez que o
que se passava na sua mente era o pagamento de R$ 15,00 (quinze reais) mensais e não R$ 150,00 (cento
e cinquenta reais).
d) O negócio jurídico deve ser considerado inexistente, em face da inexistência de vontade efetiva de
Mateus quanto aos efeitos decorrentes do referido contrato.
e) Houve lesão, caracterizado o fato pela manifesta desproporção entre a prestação informada via contato
telefônico e a que se estabeleceu no contrato enviado por Mateus, que por sua vez, credita-se inexperiente.

18. Celso é agente diplomático brasileiro e se encontra exercendo sua profissão em outro país. Em
visita ao Brasil, envolveu-se em um imbróglio pessoal com Manuel, resultando deste um possível
litígio, tendo posteriormente Celso retornado ao país onde exerce sua profissão. Em relação ao que
dispõe o Código Civil de 2002 sobre o domicílio, assinale a alternativa correta.
a) Diante da profissão exercida por Celso, apenas poderá ele ser demandado judicialmente no país onde
exerce sua função, o que se justifica em razão de ser nesse país o seu domicílio.
b) Considerando o imbróglio que versa o enunciado, em eventual ação judicial movida por Manuel, citado
Celso no estrangeiro, diante de alegação de extraterritorialidade por este, sem designar onde tem, no país,
o seu domicílio, poderá ser demandado no Distrito Federal ou no último ponto do território brasileiro onde
o teve.
c) Tendo-se em vista a profissão exercida por Celso ser equiparada a da pessoa denominada de marítimo,
não é possível atribuir-lhe domicílio. Portanto eventual demanda judicial de interesse de Manuel contra
Celso restará impossibilitada de ajuizamento.
d) Diante do interesse de Manuel em ajuizar ação em face de Celso, este deverá ser demandado
essencialmente no Distrito Federal, por ser considerado este o local necessário de domicílio de funcionários
públicos a serviço com atividade no exterior, sem exceções.
e) Caso Manuel pretenda acionar Celso judicialmente em razão do imbróglio, não será levado em conta a
profissão exercida por Celso para que seja definido o possível domicílio onde possa este ser demandado,
visto ser vedado pelo Código Civil a utilização das relações concernentes à profissão para definir o
domicílio.

19. Referente aos temas Negócio Jurídico, Condição e Termo, assinale a alternativa correta.
a) Tem-se por termo o acontecimento futuro e incerto que subordina a eficácia do negócio jurídico.
b) Apesar de subordinarem a eficácia do negócio jurídico, tanto o termo quanto a condição não possuem o
condão de suspender a exigibilidade de título executivo extrajudicial.
c) A existência de apenas condições contraditórias ou incompreensíveis não são suficientes para invalidar
o negócio jurídico.
d) Diante de condição suspensiva ou resolutiva, o direito eventual não é passível de atos de conservação
praticados por aquele que o detém, sendo possível tal prática apenas por aquele que possui a obrigação
de transferência do direito, em razão de ainda não tê-lo transferido.
e) Os negócios jurídicos entre vivos que não possuam prazo estipulado podem ser exequíveis desde logo.

20. Caio pretende constituir em seu nome uma empresa de comércio de calçados. Ana pretende
constituir em seu nome uma igreja de sua religião para propagar sua fé. Fernanda pretende criar
um partido político. Diante do intuito de cada um dos sujeitos fictícios deste enunciado e
considerando os ditames da legislação civil, assinale a alternativa correta.
a) O partido político de Fernanda não será classificado como pessoa jurídica de direito privado, em razão
de os partidos políticos serem tratados apenas em legislação específica e não serem regulamentados pelo
Código Civil de 2002.
b) A constituição da igreja de Ana não estará sujeita ao regime das pessoas jurídicas de direito privado,
tendo-se em vista tratar-se de instituição religiosa, que é regulamentada pelo clero, que goza de normativa
própria para tanto.
c) Os partidos políticos são definidos como “sui generis”, ou seja, de aspecto próprio, singular ou
inclassificável, não se enquadrando, portanto, nem como pessoa jurídica de direito público nem como
pessoa jurídica de direito privado.
d) Caso a empresa de Caio possua administração coletiva, seu contrato social não pode definir o modo de
tomada de decisões que não seja pela maioria de votos presentes.
e) Constituída a empresa de comércio de calçados de Caio, em caso de desvio de finalidade ou em caso
de confusão patrimonial, pode o juiz decidir que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações
sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:

21. Haverá simulação a gerar invalidade do negócio jurídico quando:


a) Aquele que recebeu documento assinado com texto não escrito no todo ou em parte formá-lo ou
completa-lo por si ou por meio de outrem, violando o pacto feito com o signatário.
b) A parte alterar documento mediante a supressão ou interpolação unilateral de texto.
c) O negócio aparentar conferir direitos a pessoas diversas às quais efetivamente eles se conferem.
d) O ato envolver a transmissão gratuita de bens ou remissão de dívida quando já insolvente o devedor;
ou a tal condição reduzido pelos referidos atos.

22. Sobre os defeitos e invalidades do negócio jurídico, analise as assertivas abaixo.


I. É anulável, pela configuração de estado de perigo, o negócio jurídico praticado pelo agente que se
encontra com fundado temor de dano iminente aos seus bens.
II. Os negócios jurídicos nulos não podem ser confirmados, ainda que contenham os requisitos de outro.
III. A sentença que anular o negócio jurídico praticado com dolo alcançará credor solidário.

Está correto o que consta APENAS de:


a) III.
b) II.
c) I.
d) I e III.
e) I e II.

23. Pela leitura dos enunciados normativos do Código Civil brasileiro, assinale a alternativa
INCORRETA.
a) Com exceção dos casos previstos em lei, o exercício dos direitos de personalidade não pode sofrer,
voluntariamente, limitações, observada a característica da irrenunciabilidade de tais direitos.
b) Além da possibilidade legal de realização de transplantes e exceto por determinação médica, é defeso
o ato de disposição sobre o próprio corpo quando importar diminuição permanente da integridade física,
ou contrariar os bons costumes.
c) Não se pode usar o nome de outrem em propaganda comercial sem a devida autorização.
d) Salvo se necessária à manutenção da ordem pública, a utilização da imagem de uma pessoa falecida
poderá ser proibida, exclusivamente a requerimento de seus ascendentes ou descendentes, se se destinar
a fins comerciais.
e) A intimidade da pessoa natural é inviolável, e o juiz adotará as providências para fazer cessar ato
contrário a esta norma.

24. Tratando-se do domicílio, conforme tipificado no Código Civil brasileiro, analise as seguintes
assertivas:
I. Se a pessoa jurídica possuir diversos estabelecimentos em lugares diferentes, será considerado domicílio
aquele fixado por último, independentemente do local em que praticado o ato jurídico em análise.
II. Corresponde ao de seu domicílio, o lugar onde for encontrada a pessoa natural que não tenha residência
habitual.
III. Nos contratos escritos, poderão os contratantes especificar domicílio onde se exercitem e cumpram os
direitos e obrigações deles resultantes.
IV. A prova da intenção de alteração de domicílio corresponde ao que declarar a pessoa a seu cônjuge,
descendente ou ascendente, se outra coisa não houver sido dita quando da própria mudança, com as
circunstâncias que a acompanharem.

Quais estão corretas?


a) Apenas I e IV.
b) Apenas II e III.
c) Apenas III e IV.
d) Apenas I, II e III.
e) Apenas I, II e IV.

25. Conforme disciplina normativa do Código Civil brasileiro, NÃO são bens públicos:
a) Os dominicais, ainda que alienáveis.
b) Os de uso especial destinados a autarquias.
c) Os terrenos destinados a serviços da administração territorial ou municipal.
d) Os bens sujeitos a usucapião.
e) Os dominicais, quando objeto de direito pessoal de entidades de direito público.

26. À luz das disposições do direito civil pertinentes ao processo de integração das leis, aos
negócios jurídicos, à prescrição e às obrigações e contratos, julgue o item a seguir. Será viável a
anulação de transmissão gratuita de bens por caracterização de fraude contra credores, ainda que
a conduta que se alegue fraudulenta tenha ocorrido anteriormente ao surgimento do direito do
credor.
( ) Certo ( ) Errado

27. À luz das disposições do direito civil pertinentes ao processo de integração das leis, aos
negócios jurídicos, à prescrição e às obrigações e contratos, julgue o item a seguir. Embora
estabeleça como regra o prazo prescricional de três anos para a cobrança de dívida decorrente de
aluguel de prédio urbano, a lei prevê a possibilidade de as partes pactuarem contratualmente prazo
prescricional maior que este, até o limite de cinco anos.
( ) Certo ( ) Errado

28. Quanto à prova dos fatos jurídicos, analise as seguintes assertivas:


I. A confissão é irrevogável, mas pode ser anulada se decorreu de erro de fato ou de coação.
II. A escritura pública, lavrada em notas de tabelião, é documento dotado de fé pública, fazendo prova
plena, desde que observado o cumprimento das exigências legais e fiscais inerentes à legitimidade do ato.
III. O instrumento particular, quando assinado por quem esteja na livre administração de seus bens, faz
prova e opera seus efeitos, a respeito de terceiros, independentemente de qualquer registro público.
IV. As declarações constantes de documentos assinados se presumem verdadeiras em relação aos
signatários apenas se confirmadas, no mesmo documento, por duas testemunhas.

Quais estão INCORRETAS?


a) Apenas I e IV.
b) Apenas III e IV.
c) Apenas I, II e III.
d) Apenas I, II e IV.
e) Apenas II, III e IV.

29. Lucas, polêmico radialista da Rádio ABC Ltda., foi acometido de mal súbito que ceifou sua vida.
Além de Carla, sua viúva, Lucas deixou Rodrigo, filho do casal, que contava com 15 anos. Após o
falecimento e a abertura de seu testamento, viu-se a propagação em redes sociais de inúmeras
inverdades sobre Lucas, de autoria de desafeto conhecido. Nessa situação, tem legitimidade para
tutelar o direito de personalidade de Lucas:
a) o espólio de Lucas;
b) a Rádio ABC Ltda.;
c) o inventariante do espólio de Lucas;
d) Carla e/ou Rodrigo;
e) o testamenteiro indicado por Lucas.

30. Assinale a alternativa INCORRETA:


a) A mudança de gênero deve observar a prévia cirurgia de redesignação sexual do interessado na
alteração do registro público.
b) No casamento avuncular (entre colaterais de terceiro grau) in extremis ou articulo mortis(nuncupativo),
o assentimento do nubente enfermo pode ser inferido por gestos, desde que confirmada a vontade pelas
testemunhas.
c) A paternidade socioafetiva pode ser reconhecida voluntariamente na via administrativa, ainda que no
assento de nascimento conste o vínculo paterno-filial biológico.
d) Na união estável envolvendo pessoa maior de setenta anos, a existência de pacto antenupcial
excepciona a obrigatoriedade do regime de separação de bens.
31. Assinale a alternativa INCORRETA:
a) Os aspectos essenciais da personalidade humana são caracterizados pela imaterialidade.
b) O companheiro homoafetivo ocupa, na linha sucessória, a mesma condição jurídica do cônjuge.
c) A condição, o termo e o modo são elementos acidentais do negócio jurídico, cuja inclusão depende da
vontade das partes.
d) Como causa de impossibilidade da comunhão de vida, a tentativa de morte observa o preceito
constitucional da presunção de inocência.

32. Assinale a alternativa INCORRETA:


a) A morte baseada na ausência de todas as funções neurológicas define, em regra, o fim da personalidade.
b) O testamento vital, como diretiva antecipada da vontade, é forma consentida de ortotanásia.
c) A honra engloba os predicamentos que distinguem a dignidade pessoal e o desfrute do estado social do
indivíduo.
d) Não se admite a retificação do nome do filho pela mudança havida no patronímico do(a) genitor(a) pelo
divórcio.

33. Considerando o que dispõe o Código Civil acerca de negócios jurídicos e contratos, julgue o
item a seguir. É nulo o negócio jurídico quando uma parte se obriga, por inexperiência, a prestação
excessivamente onerosa, não sendo possível, nesse caso, uma revisão judicial desse negócio
jurídico, uma vez que o erro prejudica sua validade.
( ) Certo ( ) Errado

34. Considerando o que dispõe o Código Civil acerca das obrigações e dos institutos da prescrição
e da decadência, julgue o item que se segue. A prescrição pode ser alegada em qualquer grau de
jurisdição e interrompida por qualquer interessado, na forma da lei.
( ) Certo ( ) Errado

35. Considerando o que dispõe o Código Civil acerca das obrigações e dos institutos da prescrição
e da decadência, julgue o item que se segue. Em regra, aplicam-se à decadência, no que couberem,
as normas de suspensão e interrupção da prescrição.
( ) Certo ( ) Errado

36. Em relação aos bens, responda as questões:


I. São benfeitorias os melhoramentos ou acréscimos sobrevindos ao bem, com ou sem a intervenção do
proprietário, possuidor ou detentor.
II. Somente após separados do bem principal, os frutos e produtos podem ser objeto de negócio jurídico.
III. Os negócios jurídicos que dizem respeito ao bem principal abrangem as pertenças, salvo se o contrário
resultar da lei, da manifestação de vontade, ou das circunstâncias do caso.

Assinale a correta:
a) Todas as assertivas são falsas.
b) Apenas as assertivas I e III são verdadeiras.
c) Apenas a assertiva I é verdadeira.
d) Todas as assertivas são verdadeiras.

37. São móveis os bens suscetíveis de movimento próprio, ou de remoção por força alheia, sem
alteração da substância ou da destinação econômico-social. São exemplos de bem
móveis, EXCETO:
a) Os direitos pessoais de caráter patrimonial e respectivas ações.
b) O direito à sucessão aberta.
c) As energias que tenham valor econômico.
d) Os direitos reais sobre objetos móveis e as ações correspondentes.

38. No tocante aos direitos da personalidade,


a) pode-se exigir a cessação da ameaça ou lesão a direito da personalidade; se pleiteadas perdas e danos,
será vedado requerer outras sanções preventivas ou punitivas.
b) é válida a disposição gratuita do próprio corpo, com objetivo científico, para depois da morte; é defesa a
disposição com objetivo altruístico.
c) é admissível a limitação voluntária do exercício de direitos da personalidade, quaisquer que sejam,
embora sejam intransmissíveis e irrenunciáveis por sua natureza.
d) de acordo com o Código Civil, salvo por exigência médica, é defeso o ato de disposição do próprio corpo,
quando importar diminuição permanente da integridade física, ou contrariar os bons costumes; o ato de
disposição será admitido para fins de transplante, na forma prevista em lei especial.
e) o nome da pessoa não pode ser empregado por ninguém em publicações que a exponham ao desprezo
público, salvo se não houver intenção difamatória ou injuriosa.

39. Pimpão é um palhaço de circo itinerante. Para efeitos legais,


a) o domicílio de Pimpão é o endereço do sindicato ou associação que represente sua categoria
profissional.
b) o domicílio de Pimpão é o endereço do circo constante em seu registro como pessoa jurídica.
c) o domicílio de Pimpão é o último local em que Pimpão residiu.
d) Pimpão não possui domicílio.
e) o domicílio de Pimpão é o lugar em que Pimpão for encontrado com o circo.

40. Sobre a prescrição e a decadência, é correto afirmar:


a) contra os ébrios habituais, os viciados em tóxico e aqueles que, por causa transitória ou permanente,
não puderem exprimir sua vontade, a prescrição e a decadência correm normalmente.
b) antes de sua consumação, a interrupção da prescrição pode ocorrer mais de uma vez; aplicam-se à
decadência as normas que impedem, suspendem ou interrompem a prescrição, salvo disposição legal em
contrário.
c) a prescrição e a decadência legal e convencional podem ser alegadas em qualquer grau de jurisdição,
podendo o juiz conhecê-las de ofício, não havendo necessidade de pedido das partes.
d) é válida a renúncia à prescrição e à decadência fixada em lei, desde que não versem sobre direitos
indisponíveis ou sobre questões de ordem pública ou interesse social.
e) os relativamente incapazes e as pessoas jurídicas têm ação contra os seus assistentes ou
representantes legais que derem causa à prescrição ou não a alegarem oportunamente; no que se refere
à decadência, a lei não prevê a referida ação regressiva.

Respostas:
21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33: 34:
35: 36: 37: 38: 39: 40:

41. Egídio descobre que sua esposa Joana está com um câncer. Ao iniciar o tratamento, o plano de
saúde de Joana se recusa a cobrir as despesas, em razão da doença ser preexistente à contratação.
Em razão disso, o casal coloca à venda um imóvel de propriedade do casal com valor de mercado
de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) por R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil reais), visando
obter, de forma rápida, valores necessários para o pagamento do tratamento de saúde de Joana.
Raimundo, tomando ciência da oferta da venda do imóvel de Egídio e Joana, não tendo qualquer
intenção de auferir um ganho exagerado na compra e nem causar prejuízo aos vendedores, apenas
aproveitando o que considera um excelente negócio, compra o imóvel em 01.01.2015. Em
02.01.2018, Egídio e Joana ajuízam uma ação judicial contra Raimundo, na qual questionam a
validade do negócio jurídico.

Assinale a alternativa correta.


a) O negócio jurídico é anulável. Em razão da doença de Joana, o casal estava numa situação que os levou
à conclusão de um negócio jurídico eivado pelo vício da lesão que poderia ser decretada para restituir as
partes à situação anterior, mas que não poderá ser realizada em razão do decurso do prazo decadencial
de 3 (três) anos.
b) O negócio jurídico é anulável. Em razão da doença de Joana, o casal estava numa situação que os levou
à conclusão de um negócio jurídico eivado pelo vício do estado de perigo que, entretanto, não pode ser
reconhecido em razão do decurso do prazo decadencial de 2 (dois) anos.
c) O negócio jurídico é válido e eficaz. Não há qualquer norma que impeça um vendedor, por livre e
espontânea vontade, de alienar um bem por valores abaixo dos praticados no mercado, em razão do
princípio da autonomia da vontade que prevalece, principalmente no presente caso, onde não se verifica
que uma das partes seja hipossuficiente em relação à outra.
d) O negócio jurídico é nulo de pleno direito por ilicitude do objeto. Não existe uma contraprestação válida,
tendo em vista o valor da prestação, comparada ao preço real do bem adquirido, bem como pela ausência
de vontade válida, podendo a nulidade ser declarada a qualquer tempo.
e) O negócio jurídico é anulável. Em razão da doença de Joana, o casal estava numa situação que os levou
à conclusão de um negócio jurídico eivado pelo vício da lesão que pode ser desconstituído; caso Raimundo
concorde em suplementar o valor anteriormente pago, o negócio pode ser mantido.

42. No tocante à personalidade e à capacidade, conforme previsão do Código Civil, é correto


afirmar:
a) A existência da pessoa natural termina com a morte; presume-se esta, de maneira absoluta, quanto aos
ausentes, nos casos em que a lei autoriza a abertura da sucessão provisória.
b) A personalidade civil da pessoa começa com o registro de seu nascimento no Cartório competente.
c) São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil os ébrios habituais e os
viciados em tóxicos.
d) Entre outros, são incapazes, relativamente a certos atos ou à maneira de os exercer, aqueles que, por
causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade.
e) Pode ser declarada a morte presumida, sem decretação de ausência, exclusivamente na hipótese da
extrema possibilidade de morte de quem se encontrava em perigo de vida.

43. Pedro de Oliveira, maior e capaz, quer acrescer a seu nome o pseudônimo “Marisco”, pois é
pescador e deseja candidatar-se a vereador usando o nome pelo qual é conhecido em Cananeia, o
que é notório na cidade, passando a chamar-se Pedro Marisco de Oliveira. Sua pretensão
a) será indeferida, porque o acréscimo do pseudônimo não é permitido após a maioridade, a fim de
resguardar direitos de terceiros.
b) será indeferida, porque “Marisco” é nome de um animal marinho, não podendo ser utilizado como
pseudônimo
c) poderá ser deferida, mas somente para fins sociais, estritamente, não gozando da proteção legal dada
ao nome na mesma extensão.
d) será indeferida, porque o pseudônimo não tem previsão legal de acréscimo ao nome.
e) poderá ser deferida, gozando o pseudônimo, adotado para atividades lícitas, da mesma proteção que
se dá ao nome.

44. Em relação aos bens,


a) os materiais destinados a alguma construção, mesmo que ainda não empregados, já são considerados
imóveis em razão de sua finalidade.
b) consideram-se imóveis para os efeitos legais o direito à sucessão aberta.
c) são consumíveis os bens móveis que podem substituir-se por outros da mesma espécie, qualidade e
quantidade.
d) os naturalmente divisíveis conservam sua divisibilidade em qualquer situação, nada obstante a lei ou a
vontade das partes em sentido contrário.
e) os negócios jurídicos que dizem respeito ao bem principal como regra abrangem as pertenças, salvo
disposição da lei ou do contrato em sentido diverso.

45. Com relação à prescrição


a) sua interrupção, produzida contra o principal devedor, não prejudica o fiador, pois este se obriga
autonomamente.
b) sua interrupção, produzida por um credor aproveita aos outros; do mesmo modo, a interrupção operada
contra o codevedor, ou seu herdeiro, prejudica aos demais coobrigados.
c) pode ser interrompida por qualquer interessado.
d) ocorre em cinco anos, quando a lei não lhe haja fixado prazo menor.
e) suspensa em favor de um dos credores solidários, só aproveitam aos outros se a obrigação for divisível.

46. Analise as seguintes assertivas:


I. Em ação investigatória, a recusa do suposto pai a submeter-se ao exame de DNA induz presunção
relativa de paternidade, devendo ser complementado com outros meios de provas.
II. Quanto aos direitos da personalidade, a tutela da dignidade da pessoa humana na sociedade da
informação inclui o direito ao esquecimento.
III. Independe de prova do prejuízo a indenização pela publicação não autorizada da imagem da pessoa
com fins econômicos ou comerciais. Esse entendimento é aplicável às hipóteses de divulgação de imagem
vinculada a fato histórico de repercussão social.
IV. O Superior Tribunal de Justiça admite, de modo excepcional, a desconsideração da personalidade
jurídica de forma “inversa”, por meio de interpretação teleológica do art. 50 do Código Civil.
V. A lesão de que trata o art. 157 do Código Civil exige dolo de aproveitamento.
Assinale a alternativa correta:
a) Somente as assertivas I, III e IV estão corretas.
b) Somente as assertivas II, III e V estão corretas.
c) Somente as assertivas II e IV estão corretas.
d) Somente as assertivas I, III e V estão corretas.
e) Somente as assertivas II, IV e V estão corretas.

47. Considere como verdadeiras (V) ou falsas (F) as proposições a seguir:


I. Quanto aos bens reciprocamente considerados, podemos afirmar que a pertença é um acessório sobre
o qual não incide o princípio da gravitação jurídica.
II. Na hipótese da inexecução de contrato, não é possível a cumulação da perda das arras com a imposição
da cláusula penal compensatória, sob pena de ofensa ao princípio do non bis in idem.
III. É imprescritível a ação de investigação de paternidade e a de petição de herança, por abordar direito
fundamental, conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal.
IV. Os juros moratórios fluem do evento danoso tão somente nos casos de responsabilidade aquiliana.
V. A correção monetária do valor da indenização do dano moral incide a partir da citação válida.

Assinale a alternativa correta da sequência:


a) V, V, F, F, V
b) V, F, V, V, V.
c) F, V, F, F, F.
d) F, F, V, V, V.
e) V, V, F, V, F.

48. Considere como verdadeiras (V) ou falsas (F) as proposições a seguir:


I. Quanto à Lei dos Registros Públicos, podemos afirmar que a naturalidade poderá ser do Município em
que ocorreu o nascimento ou do Município de residência da mãe do registrando na data do nascimento,
desde que localizado em território nacional, e a opção caberá ao declarante no ato de registro do
nascimento.
II. A extinção das obrigações do falido, em decorrência da aplicação do art. 158, III, da Lei 11.101/05 (“III -
o decurso do prazo de 5 (cinco) anos, contado do encerramento da falência, se o falido não tiver sido
condenado por prática de crime previsto nesta lei.”), não extingue e nem impede o prosseguimento de
execução ajuizada contra avalista e devedor solidário.
III. De acordo com a Lei 12.318/10, considera-se ato de alienação parental a interferência na formação
psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós e irmãos,
mesmo que não tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, para que repudie genitor, outro
membro da família, ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este.
IV. O cancelamento de pensão alimentícia de filho que atingiu a maioridade está sujeito à decisão judicial,
mediante contraditório, ainda que nos próprios autos.
V. A ação de alimentos gravídicos não se extingue ou perde seu objeto com o nascimento da criança.

Assinale a alternativa correta da sequência.


a) V, V, F, F, V.
b) V, F, V, V, V.
c) F, V, F, F, F
d) V, F, V, V, V
e) V, V, F, V, V.

49. De acordo com a disciplina constante do Código Civil acerca dos vícios de vontade dos negócios
jurídicos, assinale a alternativa correta.
a) O erro de indicação da pessoa ou da coisa a que se referir a declaração de vontade viciará o negócio,
mesmo se, por seu contexto e pelas circunstâncias, for possível identificar a coisa ou pessoa cogitada.
b) O silêncio intencional de uma das partes a respeito de fato ou qualidade que a outra parte haja ignorado,
nos negócios jurídicos bilaterais, constitui omissão culposa, provando-se que, sem ela, o negócio não teria
sido celebrado, ou o seria de outro modo.
c) A coação, para viciar o negócio jurídico, deve incutir ao paciente temor de dano iminente à sua pessoa,
à sua família, aos seus bens ou a terceiros, devendo ser levados em conta o sexo, a idade, a condição, a
saúde e, no temor referencial, o grau de parentesco.
d) Configura-se o estado de perigo quando alguém, premido da necessidade de salvar-se, ou a pessoa
pertencente ou não à sua família, de grave dano conhecido ou não pela outra parte, assume obrigação
excessivamente onerosa.
e) Se for oferecido suplemento suficiente, ou se a parte favorecida concordar com a redução do proveito,
segundo os valores vigentes ao tempo em que foi celebrado o negócio jurídico, não se decretará a anulação
do negócio, nos casos de lesão.

50. A respeito da prescrição e decadência, assinale a alternativa correta.


a) Violado o direito, nasce para o titular a pretensão, a qual se extingue pela prescrição; a exceção
prescreve nos prazos processuais previstos em lei especial, não havendo coincidência com os prazos da
pretensão, em razão da sua disciplina própria.
b) A renúncia à prescrição pode ser expressa ou tácita, e só valerá, sendo feita, sem prejuízo de terceiro,
antes de a prescrição se consumar; tácita é a renúncia quando se presume de fatos do interessado,
incompatíveis com a prescrição.
c) Os prazos de prescrição podem ser alterados por acordo das partes; a prescrição pode ser alegada em
qualquer grau de jurisdição pela parte a quem aproveita e, iniciada contra uma pessoa, continua a correr
contra o seu sucessor.
d) A interrupção da prescrição pode se dar por qualquer interessado, somente poderá ocorrer uma vez e,
após interrompida, recomeça a correr da data do ato que a interrompeu, ou do último ato do processo para
a interromper.
e) Não corre a prescrição entre os cônjuges e/ou companheiros, na constância da sociedade conjugal,
entre ascendentes e descendentes, durante o poder familiar, bem como contra os relativamente incapazes.

51. O negócio jurídico simulado gera todos os efeitos abaixo elencados, EXCETO o que está
previsto na alternativa:
a) O negócio jurídico simulado é nulo, mas preservam-se em face dos contraentes do negócio os direitos
de terceiros de boa-fé.
b) O vício do negócio jurídico, se não alegado pelo terceiro interessado, convalesce pelo decurso do tempo.
c) A nulidade do negócio jurídico simulado pode ser alegada por qualquer interessado, ou pelo Ministério
Público, quando lhe couber intervir.
d) A nulidade deve ser pronunciada pelo juiz, quando conhecer do negócio jurídico ou dos seus efeitos,
não lhe sendo permitido supri-la.

52. Nicolas, agindo com dolo, induziu Erick a lhe vender um veículo por valor muito menor que o de
mercado. Erick, ao descobrir que havia sido induzido em erro, ratificou expressamente o ato,
permanecendo com o veículo. Passado um ano e meio, Erick
a) não poderá ajuizar ação de anulação, pois a confirmação expressa do ato anulável implica extinção de
todas as ações, ou exceções, de que o credor dispusesse contra o devedor.
b) poderá ajuizar ação declaratória de nulidade, pois o dolo gera a nulidade do ato, não sendo passível de
confirmação, ainda que expressa, nem convalesce com o passar do tempo.
c) poderá ajuizar ação anulatória, pois o ato anulável não é passível de confirmação.
d) não poderá ajuizar ação declaratória de nulidade, pois, depois de um ano da celebração do contrato,
operou-se a decadência.
e) não poderá ajuizar ação de anulação, pois, depois de um ano da celebração do contrato, operou-se a
prescrição.

53. Considere as proposições abaixo, a respeito do tema prescrição e decadência:


I. Se a parte não alegar prescrição na contestação, opera-se a preclusão, sendo vedado que o faça em
grau de recurso.
II. O falecimento do devedor interrompe o curso do prazo prescricional.
III. A prescrição não corre entre os cônjuges, mesmo depois do fim da sociedade conjugal.
IV. É possível a renúncia à prescrição, expressa ou tácita, desde que não traga prejuízo a terceiros e desde
que seja realizada depois de se consumar.

Está correto o que se afirmar APENAS em


a) I, II e III.
b) I e IV.
c) III e IV.
d) IV.
e) II.
54. Considere as proposições abaixo, a respeito do tema domicílio.
I. O código Civil não admite pluralidade de domicílios.
II. No que concerne às relações atinentes à profissão, considera-se domicílio o local em que esta é
exercida.
III. Residência e domicílio são conceitos sinônimos.
IV. O domicílio da União é o Distrito Federal, assim como da pessoa natural que não tenha residência
habitual.

Está correto o que se afirmar APENAS em:


a) II.
b) I e III.
c) I e IV.
d) II e III.
e) IV.

55. De acordo com o Código Civil, uma praça, um quadro assinado por renomado pintor e as
energias que tenham valor econômico são considerados, respectivamente, bem
a) público de uso especial, bem fungível e bem imóvel.
b) público de uso comum do povo, bem infungível e bem móvel.
c) particular dominical, bem infungível e bem imóvel.
d) público de uso comum do povo, bem infungível e bem imóvel.
e) público de uso comum do povo, bem fungível e bem móvel.

56. Temendo a desaprovação moral de seu pai, por quem nutre profundo respeito, Pedro matriculou-
se no curso superior de Direito, mesmo não sendo esta sua vontade verdadeira. De acordo com o
Código Civil, tal ato é
a) anulável, pois foi praticado mediante coação, que pode ser física ou moral.
b) nulo, pois foi praticado mediante coação, que pode ser física ou moral.
c) insuscetível de anulação, pois o mero temor reverencial não vicia a declaração da vontade.
d) nulo, pois o temor reverencial, embora não configure coação, também constitui vício do negócio jurídico.
e) anulável, pois o temor reverencial, embora não configure coação, também constitui vício do negócio
jurídico.

57. Antes de falecer em terrível acidente automobilístico, um empresário do ramo de educação


destinou, em testamento, parte de seus bens à constituição de uma fundação para promoção da
ética, da cidadania, da democracia e dos direitos humanos. Considerando a disciplina jurídica das
fundações no Código Civil de 2002,
a) se tais bens forem insuficientes para a finalidade pretendida, e se o instituidor nada tiver dito a respeito
dessa possibilidade, eles serão incorporados em outra fundação que se proponha a fim igual ou
semelhante.
b) se tais bens forem insuficientes para a finalidade pretendida, e se o instituidor nada tiver dito a respeito
dessa possibilidade, eles serão incorporados em outra fundação ou associação que se proponha a fim igual
ou semelhante.
c) se a finalidade a que visa a fundação tornar-se ilícita, impossível ou inútil, somente o órgão do Ministério
Público lhe promoverá a extinção.
d) para que se possa alterar o estatuto da fundação é mister que a reforma seja deliberada por um terço
dos competentes para gerir e representar essa fundação.
e) o Ministério Público do Estado onde a fundação foi constituída velará por ela, mesmo se a fundação
estender a atividade por mais de um Estado.

58. Considere o estatuto da associação X que estabelece vantagens especiais para algumas
categorias de associados. Sobre essa situação hipotética, e de acordo com o Código Civil de 2002,
a) a possibilidade de instituir categorias com vantagens especiais só se aplica a associações com finalidade
recreativa ou esportiva.
b) o estabelecimento de vantagens especiais é indevido, pois impede que os associados mantenham
direitos e obrigações recíprocas.
c) o estatuto da associação X é nulo, por violação do princípio da igualdade de direitos entre os associados.
d) o estatuto poderá instituir categorias com vantagens especiais somente pelo prazo de 180 dias, contados
da assembleia geral.
e) os associados de X devem ter iguais direitos, mas o estatuto poderá instituir categorias com vantagens
especiais.

59. Comprovada a hipótese de desvio de finalidade, o patrimônio particular dos sócios da empresa
ZZ, J. e G., foi atingido para responder por certas e determinadas obrigações assumidas pela pessoa
jurídica. Nessa situação, de acordo com o Código Civil de 2002, ocorreu
a) desconsideração da personalidade jurídica, diante da configuração do abuso da personalidade jurídica.
b) desconsideração da personalidade jurídica, que ocorre por desvio de finalidade, inadimplemento
obrigacional ou confusão patrimonial.
c) dissolução judicial da pessoa jurídica com consequente extinção da personalidade da empresa ZZ.
d) extinção judicial da pessoa jurídica em razão do desvio de finalidade.
e) extinção legal da pessoa jurídica por ato abusivo decorrente do desvio da finalidade.

60. J. celebrou com R. contrato de compra e venda de um valioso apartamento na cidade do Rio de
Janeiro. Um ano após a celebração do contrato, J. alega que realizou o negócio pelo temor de
desagradar R., que fora seu admirável professor no curso de arquitetura. Acerca da situação
apresentada, e de acordo com o Código Civil, o contrato de compra e venda
a) poderá ser anulado por coação moral, ainda que não tenha sido irresistível.
b) não poderá ser anulado, pois o simples temor reverencial não é considerado coação moral para anulá-
lo.
c) poderá ser considerado nulo pela ocorrência da coação moral.
d) poderá ser considerado nulo pela ocorrência do erro causado pela reserva mental.
e) poderá ser considerado nulo pela ocorrência da lesão causada pelo temor reverencial.

Respostas:
41: 42: 43: 44: 45: 46: 47: 48: 49: 50: 51: 52: 53: 54:
55: 56: 57: 58: 59: 60:

61. Assinale a alternativa correta. Considere que, na atualidade, há grande apelo para as doações
de órgãos e tecidos humanos e para atender a essa necessidade a lei civil estabelece que, com o
objetivo exclusivamente altruístico, ou científico pode o cidadão dispor para depois de sua morte:
a) Do próprio corpo, do todo ou em parte, a qualquer título.
b) De partes do corpo, a título gratuito ou oneroso.
c) De partes do corpo, apenas a título oneroso.
d) Apenas de partes do corpo, a título gratuito, sendo irrevogável tal disposição.
e) Do próprio corpo, no todo ou em parte, sendo tal disposição revogável e gratuita.

62. À luz da doutrina e da jurisprudência contemporâneas aplicáveis ao direito das famílias, assinale
a alternativa correta.
a) A constitucionalização do civil representou um indevido intervencionismo estatal nas relações privadas.
b) O interesse na entidade familiar se superpõe ao interesse da pessoa.
c) No direito das famílias a ofensa aos direitos da personalidade não ocasiona a reparação de danos.
d) Em virtude de as relações familiares se fundamentarem no afeto a estas não se aplica as normas da
responsabilização por dano.
e) O princípio da solidariedade familiar que implica em cooperação e respeito mútuos em relação aos
membros das famílias, quando violado, justifica a imposição de reparação de danos.

63. A partir de 1988, muito se falou no Brasil da influência da Constituição Federal nos demais ramos
Direito. Em 2002, o Código Civil, sob a égide do Direito Constitucional, introduziu importantes
modificações no Direito Privado Brasileiro, destacando-se aquelas relativas aos direitos da
personalidade, à privacidade, à imagem, à integridade física entre outros relevantes direitos
regulados na parte geral do referido diploma legal. Considere os preceitos normativos ali contidos
e julgue as seguintes afirmativas, assinalando a alternativa correta.
I - Os direitos da personalidade são intransferíveis com exceção dos casos previstos em lei.
II - Para proteger a imagem do morto, ou da pessoa declarada ausente, são partes legítimas para requerer
a reparação, nos termos da lei: o cônjuge, os ascendentes, os descendentes ou os colaterais até o quarto
grau porque foram estes indiretamente lesados. Sugestão: Colocar a expressão entre vírgulas ou retirar
todas as vírgulas.
III - Em qualquer hipótese, a lei civil protege o pseudônimo adotado contra atentados por este se equiparar
ao nome para fins de proteção.
IV - No direito brasileiro, é permitido ao cidadão doar em vida órgãos ou tecidos para fins de transplante ou
terapêuticos, desde que a doação não diminua permanentemente a integridade física do doador.
V - A personalidade jurídica tem início no momento em que ocorre o nascimento que, em todos os casos,
permite a aquisição de direitos e obrigações na esfera civil, preservando, a nossa lei, os direitos do
nascituro.

a) I e IV.
b) I e II.
c) II e IV.
d) IV e V.
e) I e III.

64. Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta.


I – Ao Ministério Público cumpre fiscalizar as fundações do Estado onde de achem localizadas.
II – O Ministério Público tem o dever funcional de examinar e aprovar os estatutos das fundações e fiscalizar
os atos praticados por quem as administre.
III – Cabe ao Ministério Público elaborar o estatuto de fundação se este não for elaborado no prazo
estipulado pelo instituidor.
IV – Somente o Ministério poderá requerer a extinção de fundação na hipótese de ilicitude de seu
funcionamento.
V - A reforma de estatuto de fundação deve ser aprovada pela maioria absoluta de seus gestores e
representantes e aprovada pelo Ministério Público.

a) I, II e III.
b) I, IV e V.
c) II, III e IV.
d) II, IV e V
e) I, III e V.

65. Tendo em vista a matéria relativa aos contratos, analise as seguintes afirmações e assinale a
alternativa correta.
I – No plano da eficácia do negócio jurídico estão a suspensão ou resolução dos direitos e deveres.
II – Para a validade do negócio jurídico é necessário a presença de certos requisitos, entre estes a
qualidade de o contratante ser sujeito de direito. Verificar o entendimento da questão. Falta um verbo de
ligação?
III – A simulação acarreta a anulabilidade do negócio jurídico.
IV – A eficácia de um contrato está relacionada aos seus efeitos, porém a falta de um dos elementos
essenciais não interfere na sua validade.

a) As assertivas I e II estão corretas.


b) As assertivas I e III estão corretas.
c) As assertivas II e III estão corretas.
d) Somente a assertiva I está correta.
e) As assertivas III e IV estão corretas.

66. Assinale alternativa correta.


Branca de Neve, mulher, viúva, 75 anos, perdera seu marido num acidente de veículo há apenas um
mês, procurou a Promotoria de Justiça da Comarca X, alegando que seu marido lhe deixou uma
pensão no valor de 01(um) salário mínimo mensal e que o falecido contraíra empréstimos bancários
com o banco Y, cujo gerente afirmou que, para receber a pensão, teria de assinar um termo
comprometendo-se a pagar a prestações relativas ao empréstimo consignado. Na qualidade de
Promotor (a) de Justiça orientaria Branca de Neve, afirmando:

a) Que tem obrigação de pagar as parcelas do empréstimo em virtude do contrato firmado por seu marido.
b) Que não tem obrigação de pagar as parcelas porque essa modalidade de obrigação não é transmissível.
c) Que o documento assinado não a obriga a pagar porque se trata de negócio jurídico nulo e não produzirá
nenhum efeito.
d) Que o documento assinado não a obriga ao pagamento por se tratar de negócio jurídico firmado por
pessoa idosa, podendo requerer reparação de danos.
e) Que o negócio jurídico é anulável e ela decidirá sobre sua arguição e requerimento perdas e danos.
67. Em relação ao direito de família e ao direito das sucessões, julgue o item subsequente. O bem
de família é constituído voluntariamente e visa proteger o ente familiar, de maneira que, se
dissolvida a sociedade conjugal, fica extinto o bem de família.
( ) Certo ( ) Errado

68. À luz da legislação e da jurisprudência dos tribunais superiores, julgue o item a seguir, a respeito
dos direitos da personalidade, do direito de família, dos direitos reais e da prescrição.
O companheiro sobrevivente tem legitimidade para requerer medida judicial para que cesse lesão
a direito da personalidade da pessoa falecida com quem possuía união estável.
( ) Certo ( ) Errado

69. À luz da legislação e da jurisprudência dos tribunais superiores, julgue o item a seguir, a respeito
dos direitos da personalidade, do direito de família, dos direitos reais e da prescrição.
Prescreve em cinco anos, a contar do dia seguinte ao do vencimento da prestação, o prazo para a
cobrança de taxa condominial ordinária ou extraordinária constante em instrumento público ou
particular.
( ) Certo ( ) Errado

70. À luz da jurisprudência dos tribunais superiores, julgue o seguinte item, relativo a direito do
consumidor, desconsideração da personalidade jurídica, registros públicos e contratos bancários.
Na hipótese de desconsideração da personalidade jurídica, pode haver a responsabilização de
todos os sócios da sociedade anônima em razão da utilização abusiva da empresa.
( ) Certo ( ) Errado

71. Para salvar a vida de seu marido, Marta assumiu, perante Pedro, obrigação excessivamente
onerosa em outubro de 2013. Em janeiro de 2018, Marta decide processar Pedro para reaver o valor
pago. Nesse caso,
a) Marta decaiu do direito de reaver o valor pago e Pedro não pode renunciar à decadência, devendo o juiz
reconhecer de ofício.
b) Marta decaiu do direito de reaver o valor pago, mas Pedro pode renunciar à decadência.
c) Marta decaiu do direito de reaver o valor pago, mas por ser um direito potestativo, o juiz não pode
declarar a decadência de ofício.
d) o direito de Marta cobrar o valor pago excessivamente em razão do vício da vontade conhecido como
estado de perigo está prescrito.
e) o direito de Marta cobrar o valor pago excessivamente não está prescrito, considerando o prazo geral
de dez anos previsto no código civil.

72. A capacidade civil da pessoa natural constitui a aptidão para adquirir direitos e exercer por si,
ou por outrem, atos da vida civil; a incapacidade é uma restrição legal ao exercício desses atos.
Acerca desse conceito, assinale a alternativa correta.
a) São absolutamente incapazes os pródigos e eles são representados pelos respectivos pais, tutores e
curadores.
b) São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil os menores de 16 anos de
idade.
c) São absolutamente incapazes aqueles que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir
a própria vontade.
d) São relativamente incapazes quanto a certos atos ou à maneira de os exercer os maiores de 16 anos
de idade, e menores de 18 anos de idade e são eles representados pelos respectivos pais, tutores e
curadores.
e) São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil os ébrios e os viciados em
tóxico, sendo, portanto, representados pelos respectivos pais, tutores e curadores.

73. Que tipo de defeito do negócio jurídico ocorre quando alguém se obriga, em razão de
necessidade ou inexperiência, a uma prestação manifestamente desproporcional?
a) Erro ou ignorância
b) Dolo
c) Estado de perigo
d) Coação
e) Lesão

74. Quando alguém obtém lucro exagerado, desproporcional, aproveitando-se da situação de


necessidade real e notória do outro contratante, configura-se o vício do negócio jurídico
denominado
a) abuso de direito.
b) lesão.
c) dolo de aproveitamento.
d) coação.
e) estado de perigo.

75. Um homem decide ajudar seu afilhado a iniciar carreira de motorista particular, doando-lhe um
de seus carros. Para não contrariar sua esposa, que não concorda com essa ajuda, o padrinho
celebra com o afilhado contrato de compra e venda para encobrir a doação do automóvel. Dois anos
após se divorciar do marido, a agora ex-esposa descobre a verdade e ingressa com ação judicial
pretendendo o desfazimento do contrato de compra e venda de bem móvel realizado entre padrinho
e afilhado. Nessa situação, verifica-se, de acordo com o Código Civil de 2002, a ocorrência de
simulação
a) absoluta, e o contrato poderá ser anulado ou confirmado por vontade das partes.
b) absoluta, e o negócio jurídico nulo será suscetível de confirmação.
c) absoluta, e o contrato será nulo e insuscetível de confirmação.
d) relativa, e subsistirá a doação, se válida for na substância e na forma.
e) subjetiva, que é um vício de consentimento, que gera a anulabilidade do contrato.

76. Ana contraiu um empréstimo no valor de quarenta mil reais com o Banco Z. Após o pagamento
de duas parcelas, no valor de cinco mil reais cada, não conseguiu realizar o pagamento das demais.
Antes que o Banco Z buscasse judicialmente o cumprimento da obrigação, Ana transferiu seu carro,
único bem que possuía em seu nome, à sua tia, que sabia de toda sua situação financeira. Diante
do caso hipotético, assinale a alternativa que corresponde ao defeito do negócio jurídico e ao
respectivo prazo de decadência.
a) Dolo; prazo de decadência de quatro anos, contados da data em que Ana contraiu o empréstimo.
b) Fraude contra credores; prazo de decadência de quatro anos, contados da data em que Ana transferiu
o seu carro.
c) Coação; prazo de decadência de cinco anos, contados da data em que cessar a coação de Ana em sua
tia.
d) Simulação; prazo de decadência de quatro anos, contados da data em que Ana transferir o carro para o
seu nome.
e) Estado de perigo; prazo de decadência de quatro anos, contados da data em que cessar a dívida de
Ana.

77. Pedro é dono de um laticínio que fornecia queijos para o restaurante de Paulo. Um certo dia,
Paulo encomendou duzentos quilos de queijo para a realização de um grande casamento, mas
Pedro não realizou a entrega. Paulo, dois anos após o incidente, ajuizou ação de reparação de danos
materiais e morais contra Pedro, alegando o enriquecimento sem causa e exigindo a reparação civil
dos danos experimentados. Após análise do caso hipotético, é correto afirmar que a pretensão de
Paulo
a) está prescrita, considerando que o prazo para ressarcimento de enriquecimento sem causa é de um
ano.
b) não está prescrita, considerando que o prazo para ressarcimento de enriquecimento sem causa é de
cinco anos.
c) está prescrita, mas o prazo pode ser alterado por acordo entre as partes.
d) não está prescrita, considerando que o prazo para ressarcimento de enriquecimento sem causa é de
três anos.
e) não será conhecida em juízo, considerando a extinção do direito pelo decurso do tempo.

78. Sobre a teoria geral e meios de prova, assinale a alternativa correta.


a) A escritura pública, lavrada em notas de tabelião, é documento dotado de fé pública, fazendo prova
plena.
b) O fato jurídico não pode ser provado por presunção.
c) A confissão pode ser revogada quando restar comprovado arrependimento da parte.
d) As declarações constantes de documentos assinados presumem-se verdadeiras em relação aos
signatários, desde que as assinaturas sejam reconhecidas em cartório.
e) Apenas nos negócios jurídicos cujo valor seja inferior a trinta salários mínimos, a prova testemunhal é
admissível como subsidiária ou complementar da prova por escrito.

79. De acordo com o Código Civil, toda pessoa tem direito ao nome, nele, compreendidos o prenome
e o sobrenome. A lei de registros públicos e a atual jurisprudência do STJ admitem alteração
a) no prenome, desde que substituído por apelido notório no ambiente familiar.
b) no prenome, em caso de fundada ameaça decorrente da colaboração com a apuração de crime, por
determinação administrativa de juiz.
c) de nome nos dois primeiros anos após ter atingido a maioridade civil, desde que não prejudique os
apelidos de família.
d) de prenome e do sexo/gênero dos transexuais mesmo sem a realização da cirurgia de
transgenitalização.
e) de prenome e sobrenome suscetíveis de expor ao ridículo os seus portadores, sendo necessária
audiência do Ministério Público para os menores de dezesseis anos.

80. Em 2013, ao atravessar o cruzamento com o sinal vermelho, uma moça foi atropelada
acidentalmente por um motociclista. Diante da gravidade dos ferimentos, a moça só se recuperou
integralmente em 2014. Durante esse período, os dois iniciaram um relacionamento e, em 2015,
casaram-se. Em 2017, o casamento chega ao fim. A moça, então, decide ingressar com ação
indenizatória para obter a reparação dos danos sofridos no acidente. Com base na situação narrada,
de acordo com o Código Civil de 2002, a
a) contagem do prazo prescricional ficou suspensa durante a constância da sociedade conjugal e voltará a
correr com o divórcio do casal.
b) pretensão da moça à reparação prescreverá três anos após o divórcio, por força de causa impeditiva.
c) pretensão da moça à reparação civil frente ao rapaz prescreveu três anos após o acidente.
d) pretensão da moça prescreverá em 2018, já que o seu casamento interrompeu a contagem do prazo
prescricional.
e) pretensão da moça à reparação civil prescreverá três anos após o divórcio, já que a ocorrência de causa
interruptiva faz recomeçar a contagem do prazo prescricional.

Respostas:
61: 62: 63: 64: 65: 66: 67: 68: 69: 70: 71: 72: 73:
74: 75: 76: 77: 78: 79: 80:

81. Mário adquiriu um pequeno sítio em área próxima ao Município de Água Branca do Amapari,
onde pretendia realizar cultivo agrícola para o sustento de sua família. Entretanto, após a conclusão
do negócio, veio a descobrir que o imóvel se encontra em uma área de reserva permanente, de
modo que não poderá utilizar o imóvel da maneira como deseja. Neste caso, existem elementos
para afirmar que o negócio pode ser anulado por
a) lesão.
b) erro acidental.
c) erro essencial.
d) estado de perigo.
e) onerosidade excessiva.

82. A respeito das disposições gerais do negócio jurídico e da prova dos fatos jurídicos, de acordo
com o Código Civil atualmente em vigor,
a) as declarações constantes de documentos assinados presumem-se verdadeiras em relação aos
signatários e terceiros mencionados.
b) a escritura pública é essencial à validade dos negócios jurídicos que visem à constituição, transferência,
modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis de qualquer valor.
c) salvo os casos expressos, a prova exclusivamente testemunhal só se admite nos negócios jurídicos cujo
valor não ultrapasse o décuplo do maior salário mínimo vigente no País ao tempo em que foram celebrados.
d) o instrumento particular, feito por terceiro e somente assinado por quem esteja na livre disposição e
administração de seus bens, prova as obrigações convencionais de qualquer valor.
e) a cópia fotográfica de documento, conferida por tabelião de notas, valerá como prova de declaração da
vontade, e, ainda que impugnada sua autenticidade, dispensa a exibição do original.
83. No Direito Civil brasileiro atual, a prescrição
a) se interrompe e é contada desde o seu início, no caso de morte do credor.
b) admite renúncia tácita, quando se presume de fatos do interessado, incompatíveis com a prescrição.
c) não pode ser reconhecida de ofício pelo juiz, salvo para beneficiar incapaz.
d) não corre entre os cônjuges até o momento do divórcio ou de outra causa extintiva do matrimônio.
e) se interrompe pela citação válida.

84. A respeito das regras dispostas no Código Civil quanto aos negócios jurídicos e aos contratos,
julgue o item a seguir.
Situação hipotética: Decidido a comprar automóvel ofertado por seu vizinho Pedro, João procurou-
o para fechar negócio. Em virtude de comportamento malicioso, Pedro conseguiu fazer João pagar
pelo bem quantia significativamente acima do valor de mercado. Assertiva: Nesse caso, o
comprador tem direito à invalidação do negócio jurídico em razão da existência de dolo na conduta
do vendedor.
( ) Certo ( ) Errado

85. Julgue o item a seguir, acerca de pessoa jurídica e desconsideração de sua personalidade,
direitos da personalidade e prova do fato jurídico, de acordo com o disposto no Código Civil.
Situação hipotética: Em ação de investigação de paternidade foi demonstrado que o réu
investigado, o qual se recusou a realizar o exame de DNA, manteve relacionamento íntimo com a
mãe do autor. Diante da recusa do investigado, o magistrado considerou a referida conduta como
suficiente para suprir a prova que se pretendia obter com o exame. Assertiva: Nessa situação, a
decisão do magistrado foi equivocada, uma vez que o réu possui direito a não produzir prova que
possa lhe prejudicar.
( ) Certo ( ) Errado

86. Julgue o item a seguir, acerca de pessoa jurídica e desconsideração de sua personalidade,
direitos da personalidade e prova do fato jurídico, de acordo com o disposto no Código Civil.
O ordenamento assegura a liberdade de criação e funcionamento das organizações religiosas, mas
isso não impede que o Poder Judiciário analise a compatibilidade dos atos praticados por essas
instituições com a lei e com seus respectivos estatutos.
( ) Certo ( ) Errado

87. Julgue o item a seguir, acerca de pessoa jurídica e desconsideração de sua personalidade,
direitos da personalidade e prova do fato jurídico, de acordo com o disposto no Código Civil.
A proteção do pseudônimo, nome por meio do qual autor de obra artística, literária ou científica se
oculta, é expressamente assegurada se sua utilização for para atividades lícitas.
( ) Certo ( ) Errado

88. No que diz respeito ao instituto da prescrição, o Código Civil Brasileiro de 2002 dispõe que
prescreve
a) em um ano a pretensão dos profissionais liberais em geral, procuradores judiciais, curadores e
professores pelos seus honorários, contado o prazo da conclusão dos serviços, da cessação dos
respectivos contratos ou mandato.
b) em dois anos a pretensão para haver juros, dividendos ou quaisquer prestações acessórias, pagáveis,
em períodos não maiores de um ano, com capitalização ou sem ela.
c) em três anos a pretensão do beneficiário contra o segurador, e a do terceiro prejudicado, no caso de
seguro de responsabilidade civil obrigatório.
d) em cinco anos a pretensão contra os peritos, pela avaliação dos bens que entraram para a formação do
capital de sociedade anônima, contado da publicação da ata da assembleia que aprovar o laudo.

89. Em 20/03/2017 a Fazenda Pública do Estado de Tocantins ajuizou ação indenizatória em face do
causador de um acidente de trânsito, ocorrido em 20/02/2014, do qual resultou a destruição de uma
viatura oficial. Na sentença, de ofício, reconheceu-se que o prazo prescricional para a pretensão de
reparação civil era de 3 anos, razão por que se julgou improcedente o pedido. Em recurso de
apelação, poderá o Procurador do Estado alegar a não ocorrência de prescrição,
a) se estiver demonstrado que, desconsiderados os períodos em que houve suspensão dos prazos
processuais, o prazo trienal não se consumou.
b) exclusivamente pela impossibilidade de seu reconhecimento de ofício, por ser a autora a Fazenda
Pública.
c) fundando-se no Decreto no 20.910/1932, aplicável por isonomia, o qual estabelece que o prazo
prescricional nas ações contra a Fazenda Pública é quinquenal, existindo recentes julgados do Superior
Tribunal de Justiça neste sentido.
d) se estiver demonstrado que, descontado o tempo em que tramitou sindicância interna para apuração de
responsabilidade do condutor da viatura oficial, não se completou o triênio prescricional.
e) se estiver demonstrado que desde a notificação extrajudicial do réu, por meio da qual solicitou o
pagamento da indenização, não se completou o triênio prescricional.

90. De acordo com o Código Civil e considerando o entendimento doutrinário acerca das pessoas
naturais, das obrigações e da prescrição e decadência, julgue o item a seguir.
O companheiro do ausente na ocasião do desaparecimento deste deve ser considerado como seu
curador legítimo e possui preferência, em relação aos pais ou descendentes da pessoa
desaparecida, para exercer essa função.
( ) Certo ( ) Errado

91. De acordo com o Código Civil e considerando o entendimento doutrinário acerca das pessoas
naturais, das obrigações e da prescrição e decadência, julgue o item a seguir.
A renúncia a prazo decadencial fixado em lei somente será considerada válida se for feita de modo
expresso e na forma escrita.
( ) Certo ( ) Errado

92. Determinada entidade bancária ofereceu a um cliente a oportunidade de financiar dívida vencida
de trinta mil reais, informando que, caso não ocorresse a regularização da situação de
inadimplência, tomaria as medidas cabíveis para a inclusão do consumidor em cadastro de
devedores.
Nessa situação hipotética, embora a oferta de financiamento seja válida, a cobrança da dívida está
viciada pela presença do vício de consentimento denominado coação.
( ) Certo ( ) Errado

93. É correto afirmar sobre a posse:


a) A deterioração da coisa, quando acidental, afasta a responsabilização do possuidor de má-fé.
b) O possuidor não responde pela perda ou deterioração da coisa, a que, mesmo de má-fé, não der causa.
c) As benfeitorias compensam-se com os danos, e só obrigam ao ressarcimento se ao tempo da evicção
ainda existirem.
d) O possuidor de boa-fé será ressarcido, somente, pelas benfeitorias necessárias, poderá reter as úteis e
levantar as voluptuárias.
e) O possuidor de má-fé tem direito de retenção pelas benfeitorias úteis, mas não lhe assiste a possibilidade
de levantar as necessárias.

94. A Construtora Imóveis Novos Ltda. (CIN) contrata com Loteamentos Urbanos Ltda. (LU) a
permuta de determinado lote de propriedade da LU com o direito de quatro unidades no prédio de
dez andares que CIN incorporará no local. Antes de iniciar a obra, CIN solicita autorização para
construção junto à municipalidade, que, no entanto, nega, sob o fundamento de que naquela área
apenas é possível realizar a construção de edificação de até três andares com três unidades
imobiliárias, conforme legislação vigente antes mesmo da permuta. Diante da negativa
administrativa, o negócio jurídico é:
a) eficaz, mas poderá ser anulado por erro de direito;
b) inválido, pois viciada a vontade das partes;
c) eficaz, não sendo possível o desfazimento, tendo em vista que a ninguém é dado desconhecer a lei;
d) inexistente, por ausente o motivo;
e) válido, porém ineficaz, ante o vício sobre o motivo.

95. O silêncio circunstanciado


a) é vedado no ordenamento jurídico pátrio.
b) implica na ausência de vontade e, por via de consequência, na inexistência do negócio jurídico.
c) pode produzir efeitos jurídicos.
d) ocorre quando o declarante omite sua vontade real ao celebrar um negócio jurídico.

96. Com relação ao instituto da representação, assinale a alternativa correta.


a) A representação pode ter origem na lei ou na manifestação de vontade do representado.
b) A representação também ocorre no caso da entrega de um documento por um colaborador, no qual o
interessado haja declarado sua vontade.
c) A representação legal pressupõe uma declaração de vontade unilateral do representado.
d) A extinção da representação voluntária ou convencional por ato unilateral do representante é
denominada revogação.

97. Por meio de escritura pública, Juscelino institui Fundação Pró-Meio Ambiente (FPMA), que tem
por objeto a pesquisa de tecnologia para o desenvolvimento sustentável. Destinou, para a pessoa
jurídica, determinado número de bens, os quais, no entanto, verificou-se que são insuficientes para
a constituição da FPMA. Tendo em vista que nada se dispôs no estatuto acerca dessa hipótese,
sobre o destino dos bens da Fundação, é correto afirmar que:
a) serão destinados a outra fundação de livre escolha a ser efetuada por Juscelino;
b) incorporarão o patrimônio do Município em que foi constituída;
c) serão destinados a fundo próprio do Ministério Público Estadual;
d) retornarão ao patrimônio de Juscelino, pois é condição resolutiva tácita de sua constituição a existência
de bens suficientes para suas atividades;
e) serão incorporados ao patrimônio de fundação que possua finalidade semelhante.

98. Mineração S/A contratou seguro de responsabilidade civil com Seguradora S/A, que tinha como
objeto a garantia de indenização por eventuais danos ambientais que a contratante viesse a
ocasionar. Dentre as cláusulas contratuais, as partes estabeleceram, sob pena de perda da garantia,
que na hipótese de ocorrência de qualquer dano passível de indenização, Mineração S/A deveria
comunicar o ocorrido em até 30 (trinta) dias. Também ajustaram reduzir os prazos prescricionais
pela metade, tudo com o intento de adequar o valor do prêmio. A respeito de ambas as cláusulas, é
correto afirmar que:
a) são nulas, visto que não se faculta às partes alterar prazos decadenciais e prescricionais;
b) é válida a disposição acerca do prazo decadencial;
c) são válidas, pois tratam de condições do negócio jurídico;
d) é válido o ajuste quanto ao prazo prescricional;
e) são nulas, pois encerram condições meramente potestativas para o segurado.

99. Não dispondo a lei em contrário, a escritura pública é essencial à validade dos negócios
jurídicos que visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre
imóveis
a) quando o valor da transação for superior a 20 (vinte) vezes o maior salário-mínimo vigente no país.
b) de valor superior a 30 (trinta) vezes o maior salário-mínimo vigente no país.
c) quando o valor da transação for superior a 30 (trinta) vezes o maior salário-mínimo vigente no país.
d) de valor superior a 20 (vinte) vezes o maior salário-mínimo vigente no país.

100. Sobre os Defeitos e a Invalidade dos Negócios Jurídicos, analise as afirmativas a seguir.
I. O falso motivo só vicia a declaração de vontade quando expresso como razão determinante.
II. Nos negócios jurídicos bilaterais, o silêncio intencional de uma das partes a respeito de fato ou qualidade
que a outra parte haja ignorado, constitui omissão dolosa, provando-se que sem ela o negócio não se teria
celebrado.
III. Vicia o negócio jurídico a coação exercida por terceiro, se dela tivesse ou devesse ter conhecimento a
parte a que aproveite, e esta responderá solidariamente com aquele por perdas e danos.
IV. É anulável o negócio jurídico simulado, mas subsistirá o que se dissimulou, se válido for na substância
e na forma.
V. Quando a anulabilidade do ato resultar da falta de autorização de terceiro, será validado se este a der
posteriormente.

Estão corretas apenas as afirmativas


a) I, IV e V.
b) I, II, III e IV.
c) I, II, III e V.
d) II, III, IV e V.
Respostas:
81: 82: 83: 84: 85: 86: 87: 88: 89: 90: 91: 92: 93: 94:
95: 96: 97: 98: 99: 100:

DAS MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES:


01. Julgue os itens seguintes, a respeito do pagamento e de sua disciplina no Código Civil.
I. O credor não pode se recusar a receber pagamento parcial.
II. O pagamento pode ser feito por terceiro não interessado.
III. Se forem designados dois ou mais lugares para o pagamento, a escolha caberá ao credor.

Assinale a opção correta.


a) Nenhum item está certo.
b) Apenas o item I está certo.
c) Apenas o item III está certo.
d) Apenas os itens I e II estão certos.
e) Apenas os itens II e III estão certos.

02. Nas obrigações negativas, o devedor é considerado inadimplente:


a) a partir da sua citação.
b) a partir da sua constituição em mora pelo credor.
c) a partir do ajuizamento da ação pelo credor.
d) desde o dia em que executou o ato de que se devia abster.

03. Considere as seguintes afirmativas a respeito do direito das obrigações:


I. O credor de coisa certa não pode ser obrigado a receber outra, ainda que mais valiosa.
II. Não incorre na obrigação de indenizar perdas e danos o devedor que recusar a prestação a ele só
imposta, ou só por ele exequível.
III. Na obrigação de dar coisa incerta, antes da escolha, não poderá o devedor alegar perda ou deterioração
da coisa, ainda que por força maior ou caso fortuito.
IV. Quando a obrigação é indivisível, os devedores são solidários, de sorte que a remissão de um aproveita
a todos, extinguindo a dívida.

Estão CORRETAS apenas as afirmativas:


a) I e III.
b) I e IV.
c) I, II e IV.
d) II e III.

04. Tício, empreiteiro, realizou contrato de prestação de serviços com Mévio. O instrumento
contratual dispunha a obrigação de Tício em construir um muro, no prazo de 5 (cinco) dias, em volta
de todo o terreno onde se encontra construída a casa de Mévio. O contrato previa que a
contraprestação pelo serviço realizado seria o pagamento, em dinheiro, de Mévio para Tício, no
valor R$ 10.000,00 (dez mil reais) no prazo de 10 (dez) dias após concluída toda a construção, sob
pena de 10% de multa sobre o valor do serviço. Restou acordado, ainda, que Mévio forneceria os
materiais necessários para a conclusão da obra. Diante das situações hipotéticas a seguir, assinale
a alternativa que condiz com o disposto na legislação civil.
a) Caso Mévio não cumpra com sua obrigação, os ônus do não cumprimento incluem: multa contratual,
correção/atualização monetária e juros remuneratórios.
b) Se Tício não cumprir com sua obrigação no prazo contratual e a prestação se tornar inútil a Mévio em
razão de contratação de outro profissional para tanto, poderá Mévio rejeitar a prestação e cancelar o
contrato, o que lhe impedirá de requerer que as perdas e danos que eventualmente tenha sofrido sejam
satisfeitas.
c) Caso Mévio pratique ato que impeça Tício de realizar os serviços no prazo estipulado, este não incorrerá
em mora e poderá, ainda, requisitar em juízo o que eventualmente possa ter efetivamente deixado de
lucrar.
d) Em caso de a obrigação pelo fornecimento dos materiais não constar estipulada no contrato, a obrigação
será sempre do empreiteiro, por assim decorrer do disposto na legislação civil sobre o contrato de
empreitada.
e) Em razão da vinculação pessoal e especificidade da produção técnica, apenas o empreiteiro que elabora
o projeto pode executá-lo, evitando assim divergências interpretativas, sendo que, em caso de necessidade
de execução por outro profissional empreiteiro, outro projeto deve ser elaborado.

05. Sobre as obrigações indivisíveis é CORRETO afirmar:


a) A remissão da dívida por um dos credores não extingue a dívida para com os demais.
b) A indivisibilidade e solidariedade são fenômenos iguais, na medida em que, se a prestação não for
divisível e houver mais de um devedor, cada um será obrigado pela totalidade.
c) Havendo mais de um credor, é vedado a apenas um deles receber a prestação por inteiro.
d) Elas podem se configurar mesmo quando o objeto seja prestação consistente em fazer, e ainda que a
obrigação de fazer posteriormente se resolva em perdas e danos.

06. Em matéria de solidariedade, é INCORRETO afirmar:


a) Se um dos credores solidários falecer, cada qual dos herdeiros só terá direito de exigir e receber a quota
do crédito que corresponder ao seu quinhão, salvo se a obrigação for indivisível.
b) Decisão judicial desfavorável a um dos credores solidários, ressalvada exceção pessoal que o devedor
possa invocar em relação a qualquer daqueles, não pode prejudicar os demais.
c) A propositura de demanda pelo credor somente em face de um ou de alguns dos devedores solidários
configura renúncia tácita à solidariedade.
d) Impossibilitando-se a prestação por culpa de um dos devedores solidários, só o culpado responderá por
eventuais perdas e danos.

07. Sobre as obrigações assumidas solidariamente em razão de contrato, é INCORRETO afirmar:


a) A propositura de ação pelo credor contra um ou alguns dos devedores importará renúncia da
solidariedade.
b) O devedor demandado individualmente pela obrigação pode opor ao credor as exceções que lhe forem
pessoais e as comuns a todos.
c) Os devedores solidários respondem pelos juros da mora, ainda que a ação tenha sido proposta somente
contra um.
d) Tendo ocorrido pagamento parcial da obrigação, todos os demais devedores persistem obrigados
solidariamente pelo que restar inadimplido da obrigação.

08. Assinale a alternativa correta sobre os requisitos da dação em pagamento.


a) São requisitos da dação em pagamento: que a coisa dada em pagamento seja a mesma que a estipulada
como objeto da prestação e que o credor dê sua concordância a tal substituição
b) São requisitos da dação em pagamento: que a coisa dada em pagamento seja outra que não o objeto
da prestação e que o credor dê sua concordância a tal substituição
c) São requisitos da dação em pagamento: que a coisa dada em pagamento seja outra que não o objeto
da prestação e que seja dada autorização judicial a tal substituição
d) São requisitos da dação em pagamento: que a coisa dada em pagamento seja a mesma que a estipulada
como objeto da prestação e que seja dada autorização judicial a tal substituição

09. Considerando a legislação vigente e a jurisprudência do STJ, julgue o seguinte item,


concernentes a locação de imóveis urbanos, direito do consumidor, direitos autorais e registros
públicos.
Segundo o STJ, é devida a cobrança de direitos autorais em razão da transmissão de músicas por
meio da rede mundial de computadores mediante o emprego da tecnologia streaming, nas
modalidades webcasting e simulcasting.
( ) Certo ( ) Errado

10. À luz das disposições do direito civil pertinentes ao processo de integração das leis, aos
negócios jurídicos, à prescrição e às obrigações e contratos, julgue o item a seguir.
Se o devedor solidário de uma dívida divisível falecer e deixar três herdeiros legítimos, tais
herdeiros, reunidos, serão considerados como um devedor solidário em relação aos demais
devedores, mas cada um desses herdeiros somente será obrigado a pagar a cota que corresponder
ao seu quinhão hereditário.
( ) Certo ( ) Errado
11. A respeito da propriedade, da posse e das preferências e privilégios creditórios, julgue o item
subsequente.
De acordo com o Código Civil, na hipótese de insolvência de devedor pessoa natural, o crédito
referente a custas judiciais gozará de privilégio especial.
( ) Certo ( ) Errado

12. Considerando o que dispõe o Código Civil acerca das obrigações e dos institutos da prescrição
e da decadência, julgue o item que se segue.
Nas obrigações de dar coisa certa, caso a coisa restituível se deteriore por culpa do devedor, o
credor poderá aceitar a coisa no estado que estiver, com direito a reclamar indenização por perdas
e danos.
( ) Certo ( ) Errado

13. Sobre a transmissão das obrigações, assinale a correta:


a) Na cessão de crédito o cedente não responde pela solvência do devedor, salvo estipulação em contrário.
b) Na cessão de crédito não se abrangem os seus acessórios, salvo disposição em contrário.
c) Na assunção de dívida, o novo devedor pode opor ao credor as exceções pessoais que competiam ao
devedor primitivo.
d) O cessionário somente poderá exercer os atos conservatórios do direito após o conhecimento da cessão
de crédito pelo devedor.

14. Quando duas pessoas forem ao mesmo tempo credoras e devedoras uma da outra, as duas
obrigações extinguem-se, até onde se igualarem. A este instituto do direito Civil damos o nome de:
a) Imputação do Pagamento.
b) Novação.
c) Dação em Pagamento.
d) Compensação.

15. Conforme preconiza o Código Civil Brasileiro, no que se refere a Obrigações Solidárias, é correto
afirmar:
I. Há solidariedade, quando na mesma obrigação concorre mais de um credor, ou mais de um devedor,
cada um com direito, ou obrigado, à dívida toda.
II. Importará renúncia da solidariedade à propositura de ação pelo credor contra um ou alguns dos
devedores.
III. Cada um dos credores solidários tem direito a exigir do devedor o cumprimento da prestação por inteiro.
IV. O credor não pode renunciar à solidariedade em favor de um, de alguns ou de todos os devedores.

A sequência correta é:
a) Apenas as assertivas II e IV estão incorretas.
b) Apenas as assertivas I e II estão corretas.
c) Apenas a assertiva IV está correta.
d) As assertivas I, II, III e IV estão corretas.

16. Considerando o que dispõe o Código Civil acerca das obrigações e dos institutos da prescrição
e da decadência, julgue o item que se segue.
A cobrança de encargos e parcelas abusivas não impede a caracterização da mora do devedor, que
deverá realizar o pagamento e reclamar, posteriormente, indenização por perdas e danos.
( ) Certo ( ) Errado

17. André devia a quantia de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) em dinheiro a Mateus. Maria era
fiadora de André. Mateus aceitou receber em pagamento pela dívida um imóvel urbano de
propriedade de André, avaliado em R$ 60.000,00 (sessenta mil reais) com área de 200 m2 e deu
regular quitação. Entretanto, o imóvel estava ocupado por Pedro, que o habitava há mais de cinco
anos, nele estabelecendo sua moradia. Pedro ajuizou ação de usucapião para obter a declaração
de propriedade do imóvel que foi julgada procedente. Na época em que se evenceu, o imóvel foi
avaliado em R$ 65.000,00 (sessenta e cinco mil reais). A respeito dos efeitos da evicção sobre a
obrigação originária, é possível afirmar que a obrigação originária
a) foi extinta com a dação em pagamento. André será responsável perante Mateus pelo valor
correspondente ao bem imóvel perdido, na época em que se evenceu. Maria está liberada da fiança
anteriormente prestada.
b) foi extinta com a dação em pagamento. André será responsável perante Mateus pelo valor
correspondente ao bem imóvel perdido, na época em que houve a dação em pagamento. Maria está
liberada da fiança anteriormente prestada.
c) é restabelecida, mas não contará mais com a garantia pessoal prestada por Maria. Em razão da evicção,
a obrigação repristinada terá por objeto o valor equivalente ao bem na época em que se evenceu.
d) é restabelecida, pelo seu valor original, em razão da evicção da coisa dada em pagamento, mas sem a
garantia pessoal prestada por Maria, tendo em vista que o credor aceitou receber objeto diverso do
constante na obrigação originária.
e) é restabelecida, em razão da evicção da coisa dada em pagamento, inclusive com a garantia pessoal
prestada por Maria. Contudo, em razão da evicção, a obrigação repristinada terá por objeto o valor
equivalente ao bem na época em que se evenceu.

18. João emprestou a José, Joaquim e Manuel o valor de R$ 300.000,00 (trezentos mil reais); foi
previsto no instrumento contratual a solidariedade passiva. Manuel faleceu, deixando dois
herdeiros, Paulo e André. É possível afirmar que João poderá
a) cobrar de Paulo e André, reunidos, somente até o valor da parte relativa a Manuel, ou seja, R$
100.000,00 (cem mil reais), tendo em vista que o falecimento de um dos devedores extingue a solidariedade
em relação aos herdeiros do falecido.
b) cobrar a totalidade da dívida somente se acionar conjuntamente todos os devedores, tendo em vista que
o falecimento de um dos devedores solidários ocasiona a extinção da solidariedade em relação a toda a
obrigação.
c) cobrar de Paulo e André a totalidade da dívida, tendo em vista que ambos, reunidos, são considerados
como um devedor solidário em relação aos demais devedores; porém, isoladamente, somente podem ser
demandados pelo valor correspondente ao seu quinhão hereditário.
d) cobrar o valor da totalidade da dívida de José, Joaquim, Paulo ou André, isolada ou conjuntamente,
tendo em vista que, após o falecimento de Manuel, resultou numa obrigação solidária passiva com 4
(quatro) devedores.
e) cobrar de Paulo ou André, isoladamente, a importância de R$ 100.000,00 (cem mil reais) tendo em vista
que o quinhão hereditário de Manuel é uma prestação indivisível em relação aos herdeiros.

19. Considere como verdadeiras (V) ou falsas (F) as proposições a seguir:


I. Quanto aos bens reciprocamente considerados, podemos afirmar que a pertença é um acessório sobre
o qual não incide o princípio da gravitação jurídica.
II. Na hipótese da inexecução de contrato, não é possível a cumulação da perda das arras com a imposição
da cláusula penal compensatória, sob pena de ofensa ao princípio do non bis in idem.
III. É imprescritível a ação de investigação de paternidade e a de petição de herança, por abordar direito
fundamental, conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal.
IV. Os juros moratórios fluem do evento danoso tão somente nos casos de responsabilidade aquiliana.
V. A correção monetária do valor da indenização do dano moral incide a partir da citação válida.

Assinale a alternativa correta da sequência:


a) V, V, F, F, V
b) V, F, V, V, V.
c) F, V, F, F, F.
d) F, F, V, V, V.
e) V, V, F, V, F.

20. Supondo que uma obrigação de fazer, abarcada por contrato de prestação de serviço técnico
especializado em informática, reste descumprida pelo prestador de serviço. Considerando a
disciplina do direito das obrigações e dos contratos, é INCORRETO afirmar que
a) a culpa do devedor da obrigação é irrelevante, por se tratar de obrigação de origem contratual.
b) não poderia o credor da obrigação mandar executá-la à custa do devedor em mora, devendo buscar
tutela jurisdicional para satisfazer a obrigação ou pleitear o dano decorrente do descumprimento.
c) não seria possível a incidência in casu da exceção do contrato não cumprido para eximir o credor da
obrigação equivalente de pagar quantia certa.
d) o devedor responderá por perdas e danos se o descumprimento da obrigação se deu por sua culpa.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:
21. À luz da legislação e da jurisprudência dos tribunais superiores, julgue o item a seguir, a respeito
dos direitos da personalidade, do direito de família, dos direitos reais e da prescrição.
De acordo com o Código Civil, uma vez constatada a inadimplência, o condomínio poderá proibir o
condômino de usar a área comum destinada ao lazer.
( ) Certo ( ) Errado

22. Uma obrigação foi extinta em virtude da constituição de uma nova obrigação — com novo
devedor — que ocupou o lugar da primeira. Nesse caso,
a) a nova obrigação será inválida se o débito primitivo estiver sujeito a termo.
b) a nova obrigação representará renúncia a sua invocação se estiver prescrito o débito primitivo.
c) será lícito ao novo devedor alegar as exceções que beneficiariam o devedor anterior.
d) a dívida será satisfeita pelo devedor primitivo em caso de insolvência do novo devedor.
e) a exigência do primeiro débito ficará suspensa até a extinção da dívida atual.

23. Alberto e José realizaram um contrato de compra e venda, no qual Alberto deveria entregar seu
veículo, ano 2017, marca X, modelo Y para José mediante o pagamento de cinquenta mil reais. José
realizou o pagamento e Alberto deverá entregar, no prazo de trinta dias, o veículo determinado. Se,
no vigésimo dia do prazo, ou seja, antes da entrega efetiva, o veículo for
a) furtado, sem culpa de Alberto, a obrigação fica resolvida, devendo José receber o valor equivalente a
perdas e danos.
b) furtado, com culpa de Alberto, além do valor do veículo, José deverá receber o valor equivalente a perdas
e danos.
c) reformado e tiver melhorias acrescentadas, Alberto poderá exigir aumento no preço. Caso José não
concorde, Alberto deverá resolver a situação e indenizar José em eventuais perdas e danos.
d) deteriorado por uma forte chuva, sem culpa de Alberto, a obrigação fica resolvida, devendo José receber
o equivalente a perdas e danos.
e) deteriorado por uma forte chuva, por culpa de Alberto, José poderá aceitar o veículo abatido de seu
preço o valor que se perdeu, sem a exigência do valor equivalente a perdas e danos.

24. A respeito das regras dispostas no Código Civil quanto aos negócios jurídicos e aos contratos,
julgue o item a seguir.
A existência de encargo em negócio jurídico somente suspende a aquisição ou exercício do direito
se for expressamente imposto como condição suspensiva pela disponente.
( ) Certo ( ) Errado

25. O banco Tubarão Monetário celebra contrato de mútuo com três devedores: Roberto, Renato e
Olavo. O dinheiro é para um empreendimento comum e os três tornam-se devedores solidários.
Tendo havido a inadimplência, Tubarão Monetário decide exigir somente de Olavo o valor total, por
considerá-lo com patrimônio suficiente para satisfação do crédito. Essa atitude está
a) correta, pois o credor tem o direito de escolha para cobrar de um ou alguns dos devedores, a dívida
comum, total ou parcialmente, sem que isso importe renúncia da solidariedade em relação aos demais.
b) incorreta, uma vez que, em se tratando de empreendimento comum, o débito necessariamente deve ser
exigido dos três devedores em uma única demanda.
c) correta quanto à possibilidade de o credor escolher qualquer um dos devedores para exigir o débito, mas
o fato implicará renúncia em relação aos demais devedores.
d) incorreta, porque inexiste solidariedade senão em decorrência de lei e, no caso, a responsabilização
solidária deu-se pela via convencional, o que é vedado em contratos onerosos.
e) incorreta, pois a escolha do devedor é possível, mas só poderá ser exigido de Olavo um terço do débito,
cobrando-se o remanescente de Renato e Roberto por meio de ações autônomas.

26. De acordo com o Código Civil e considerando o entendimento doutrinário acerca das pessoas
naturais, das obrigações e da prescrição e decadência, julgue o item a seguir.
Nas obrigações de prestações sucessivas, a quitação da última parcela acarreta a presunção
absoluta de que as anteriores foram pagas.
( ) Certo ( ) Errado

27. A Incorporadora Bens Imóveis Ltda. (IBI) juntamente com a Construtora Cimento Forte Ltda.
(CCF) contrataram a entrega de um elevador por Elevadores Ágeis Ltda. (EA), que poderia ser um
elevador do modelo ‘A’ ou ‘B’. No dia convencionado para a entrega do bem, EA transportou o
elevador ‘A’ para o local de pagamento da obrigação. Lá chegando, encontrou o preposto de IBI,
mas não viu presente a CCF. Nessa hipótese, para bem haver a quitação da dívida, o administrador
da EA deve:
a) entregar o bem à IBI, visto que as contratantes são solidárias;
b) exigir, para entrega do bem, uma caução de ratificação pelo preposto de IBI;
c) disponibilizar ambos os elevadores para a entrega, sob pena de incorrer em mora;
d) consignar em pagamento qualquer um dos elevadores para haver a quitação judicial;
e) entregar o bem à IBI, pois, ainda que não sejam solidárias, as sociedades contrataram conjuntamente.

28. O ato da criação de uma obrigação com a finalidade de extinguir uma obrigação antiga encerra:
a) Novação.
b) Transação.
c) Imputação em pagamento.
d) Compensação.

29. Com relação à mora, é correto afirmar:


a) havendo retardo no cumprimento da obrigação, sempre estará caracterizada a mora.
b) o cumprimento integral e tempestivo da obrigação pode configurar mora na hipótese de o devedor,
culposamente, cumprir a obrigação fora do lugar ou de forma diversa do estabelecido.
c) por regra de boa-fé objetiva, a purgação da mora sempre é possível, ainda que a prestação seja inútil
ao credor.
d) o instituto da mora não se aplica ao credor.

30. João e Pedro, na qualidade de credores solidários, emprestaram a Ana a quantia de R$ 1.200,00.
No entanto, o credor João veio a falecer, deixando como herdeiros Mário e Carolina. Diante disso,
é correto afirmar que
a) cada herdeiro só terá direito a exigir e receber da devedora a quota do crédito que corresponder ao seu
quinhão hereditário.
b) cada herdeiro terá direito a exigir e receber da devedora, independentemente de autorização dos demais,
a integralidade do crédito.
c) nenhum dos credores terá direito de exigir e receber da devedora a integralidade do crédito.
d) enquanto algum dos credores solidários não demandar a devedora, não poderá esta, sob pena de multa,
realizar o pagamento.
e) o débito automaticamente será reduzido à metade.

31. Joaquim fez com Norberto contrato de promessa de compra e venda para adquirir deste um
imóvel por R$ 200.000: Joaquim deu R$ 150.000 de sinal e pretendia conseguir financiamento dos
R$ 50.000 restantes em uma instituição bancária. Segundo cláusula do contrato que regulava o
negócio, em caso de inexecução por culpa do comprador, este perderia o sinal em favor do
vendedor. Por desídia de Joaquim, que não apresentou todos os documentos exigidos pela
instituição bancária, o financiamento não foi aprovado, de maneira que o contrato não pôde ser
cumprido. Joaquim buscou ajuda na justiça comum. Considerando essa situação hipotética,
assinale a opção correta de acordo com a legislação pertinente e a posição dos tribunais superiores.
a) Joaquim deverá alegar prejuízo para exigir de Norberto a devolução do sinal, mesmo existindo previsão
contratual.
b) Já que Norberto recebeu os R$ 150.000 adiantados e teve a oportunidade de aplicá-los no mercado de
capitais, Joaquim deverá ser restituído do valor dado de sinal acrescido de correção com base no
rendimento da caderneta de poupança.
c) Mesmo que comprove perdas e danos pelo negócio não concluído, Norberto não poderá exigir
indenização suplementar.
d) Joaquim perderá os R$ 150.000 para Norberto e não há, por parte do juiz da causa, a possibilidade de
se reduzir o montante perdido.
e) Conforme o STJ, é possível reduzir a perda de Joaquim, já que, nesse caso, a diferença entre o valor
inicial pago e o total do negócio pode gerar enriquecimento sem causa para Norberto.

32. Sobre a remissão, assinale a alternativa correta.


a) Se um dos credores remitir a dívida, a obrigação indivisível ficará extinta para com os outros que não
mais a poderão exigir, mesmo descontada a quota do credor remitente.
b) O credor solidário que tiver remitido a dívida ou recebido o pagamento responderá aos outros pela
totalidade da obrigação, tendo em vista a indivisibilidade da obrigação solidária.
c) O pagamento parcial feito por um dos devedores solidários e a remissão por ele obtida não aproveitam
aos outros devedores, senão até à concorrência da quantia paga ou relevada.
d) A remissão concedida a um dos co-devedores extingue a dívida na parte a ele correspondente; porém,
reservando o credor a solidariedade contra os outros, pode cobrar destes a totalidade da dívida.
e) A devolução voluntária do título da obrigação sem pagamento prova a remissão, ficando desonerados o
devedor e seus co-obrigados, mesmo que o credor não seja capaz de alienar, e o devedor capaz de
adquirir.

33. Médici celebra contrato de comissão com Borracharia Seringueiras Ltda. com prazo de três
anos, fixando-se uma comissão anual no valor de R$ 900.000,00 (novecentos mil reais) em favor do
comissário. O contrato contém cláusula de exclusividade que impede Médici de atuar como
comissário para qualquer concorrente de Borracharia Seringueiras Ltda., bem como cláusula penal
que estipula o pagamento de R$ 700.000,00 (setecentos mil reais) para o descumprimento
contratual, não prevendo direito à indenização suplementar.
Durante o segundo ano de vigência do contrato, Médici recebe proposta para atuar como
comissário de sociedade concorrente de Borracharia Seringueiras Ltda. A concorrente oferece
expressamente o quádruplo do valor anual pago a Médici, que aceita a proposta, descumprindo a
cláusula de exclusividade. Pelo descumprimento, Médici paga à Borracharia Seringueiras Ltda. o
montante estipulado de R$ 700.000,00.

Com base nessas informações, assinale a afirmativa correta.


a) Se o prejuízo exceder o previsto na cláusula penal, pode a Borracharia Seringueiras Ltda. exigir
indenização suplementar de Médici, mesmo não tendo sido convencionado.
b) Ainda que o prejuízo exceda o previsto na cláusula penal, não pode a Borracharia Seringueiras Ltda.
exigir indenização suplementar de Médici, porque assim não foi convencionado.
c) A cláusula penal é o limite máximo indenizatório pré-fixado; portanto, a Borracharia Seringueiras Ltda.
não poderia exigir indenização suplementar de Médici, ainda que o prejuízo superior tivesse sido
demonstrado e convencionado.
d) A cláusula penal é o limite mínimo indenizatório pré-fixado; portanto, para a Borracharia Seringueiras
Ltda. exigir a pena convencional, é necessário que alegue prejuízo.
e) Como foi estipulada a cláusula penal para o caso de total inadimplemento da obrigação, e a prestação
pode ser superior ao prejuízo pré-fixado, com ou sem convenção, a obrigação se converte em alternativa
em benefício de Médici.

34. Jamari celebrou contrato de compra e venda de seu apartamento com Jorge. No contrato, foi
previsto que Jamari poderia resolvê- lo no prazo de dezoito meses, desde que pagasse o preço
recebido pelo imóvel e reembolsasse as despesas que Jorge tivesse com ele. Ao final de dezoito
meses, Jamari notificou Jorge de que desejaria retomar o imóvel, oferecendo o pagamento do valor
do preço mais as despesas realizadas. Jorge, porém, recusou o recebimento das quantias. Com
base nas informações do enunciado, é correto afirmar que Jamari poderá
a) realizar o pagamento em consignação, diante da recusa sem justa causa de Mário em receber o valor
do imóvel e o reembolso das despesas.
b) pleitear a compensação da obrigação, por se tratar de dívidas líquidas, vencidas e de coisas fungíveis.
c) requerer judicialmente a imputação do pagamento do preço do imóvel no montante das despesas
efetuadas por Jorge.
d) promover ação de remissão de dívida em face de Jorge em virtude do implemento da condição
resolutiva.
e) demandar indenização pela recusa do aceite de sua proposta por parte de Jorge, por lhe faltar o ânimo
de novar.

Respostas:
21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33: 34:

DOS CONTRATOS EM GERAL:


01. Quanto à evicção e aos vícios redibitórios,
a) nos contratos onerosos, o alienante responde pela evicção, salvo se a aquisição se houver realizado em
hasta pública, quando então não subsiste a garantia.
b) como a responsabilidade pelo vício redibitório é objetiva, o alienante do bem restituirá o valor recebido
com perdas e danos, conhecendo ou não o defeito da coisa por ocasião da alienação.
c) a responsabilidade do alienante subsiste ainda que a coisa pereça em poder do alienatário, se perecer
por vício oculto, já existente ao tempo da tradição.
d) as partes podem, por cláusula expressa, reforçar a responsabilidade pela evicção, mas não diminuí-la
ou excluí-la, dado seu caráter cogente.
e) se a evicção for parcial, caberá somente direito indenizatório ao evicto, seja qual for a extensão do
desfalque sofrido.

02. Contrato de prestações certas e determinadas no qual as partes possam antever as vantagens
e os encargos, que geralmente se equivalem porque não envolvem maiores riscos aos pactuantes,
é classificado como
a) benéfico.
b) aleatório.
c) bilateral imperfeito.
d) derivado.
e) comutativo.

03. Em um contrato, as partes pactuaram livremente o prazo de trinta dias para o exercício de
eventual direito de arrependimento. Esse prazo possui natureza
a) prescricional e pode ser reconhecido de ofício pelo juiz.
b) prescricional e somente pode ser suscitado pelas partes.
c) decadencial e pode ser reconhecido de ofício pelo juiz.
d) decadencial e somente pode ser suscitado pelas partes.
e) diversa da prescricional ou decadencial.

04. Referente aos temas Negócio Jurídico, Condição e Termo, assinale a alternativa correta.
a) Tem-se por termo o acontecimento futuro e incerto que subordina a eficácia do negócio jurídico.
b) Apesar de subordinarem a eficácia do negócio jurídico, tanto o termo quanto a condição não possuem o
condão de suspender a exigibilidade de título executivo extrajudicial.
c) A existência de apenas condições contraditórias ou incompreensíveis não são suficientes para invalidar
o negócio jurídico.
d) Diante de condição suspensiva ou resolutiva, o direito eventual não é passível de atos de conservação
praticados por aquele que o detém, sendo possível tal prática apenas por aquele que possui a obrigação
de transferência do direito, em razão de ainda não tê-lo transferido.
e) Os negócios jurídicos entre vivos que não possuam prazo estipulado podem ser exequíveis desde logo.

05. Em matéria de extinção dos contratos é CORRETO afirmar:


a) Considerando os postulados da boa-fé objetiva e da função social do contrato, é eventualmente possível,
mesmo diante do inadimplemento, recusar-se a resolução do contrato pela invocação da teoria do
substancial adimplemento.
b) Na resolução do contrato por onerosidade excessiva, segundo a lei, os efeitos da sentença que a
decretar retroagirão ao momento da ocorrência dos acontecimentos tidos por extraordinários e
imprevisíveis.
c) A resilição unilateral é vedada e deve ser juridicamente qualificada como violação do contrato a justificar
sua resolução por justa causa.
d) Não havendo no contrato expressa cláusula resolutiva, não há como presumir que exista disposição
tácita de tal natureza.

06. Considerando o que dispõe o Código Civil acerca de negócios jurídicos e contratos, julgue o
item a seguir.
Nos contratos de adesão, as cláusulas que estipulem renúncia antecipada do aderente a direito
resultante da natureza do negócio serão consideradas abusivas, sendo, portanto, nulas.
( ) Certo ( ) Errado

07. Considerando o que dispõe o Código Civil acerca de negócios jurídicos e contratos, julgue o
item a seguir.
Nos contratos onerosos, a responsabilidade do alienante pela evicção pode ser excluída por convenção
das partes em cláusula expressa.
( ) Certo ( ) Errado
08. Sobre os vícios redibitórios, assinale a alternativa correta.
a) O adquirente que já estava na posse do bem decai do direito de obter a redibição ou abatimento no
preço no prazo de trinta dias se a coisa for móvel, e de um ano se for imóvel.
b) No caso de bens móveis, quando o vício, por sua natureza, só puder ser conhecido mais tarde, se ele
aparecer em até 180 dias, terá o comprador mais 30 dias para requerer a redibição ou abatimento no preço.
c) Somente existe o direito de obter a redibição se a coisa foi adquirida em razão de contrato comutativo,
não se aplicando aos casos em que a aquisição decorreu de doação, mesmo onerosa.
d) O prazo para postular a redibição ou abatimento no preço, quando o vício, por sua natureza, só puder
ser conhecido mais tarde, somente começa a correr a partir do aparecimento do vício, o que pode ocorrer
a qualquer tempo.
e) No caso de bens imóveis, quando o vício, por sua natureza, só puder ser conhecido mais tarde, o prazo
é de um ano para que o vício apareça, tendo o comprador, a partir disso, mais 180 dias para postular a
redibição ou abatimento no preço.

09. Considere como Verdadeiras (V) ou Falsas (F) as proposições a seguir:


I. Quanto aos bens reciprocamente considerados, podemos afirmar que a pertença é um acessório sobre
o qual não incide o princípio da gravitação jurídica.
II. Na hipótese da inexecução de contrato, não é possível a cumulação da perda das arras com a imposição
da cláusula penal compensatória, sob pena de ofensa ao princípio do non bis in idem.
III. É imprescritível a ação de investigação de paternidade e a de petição de herança, por abordar direito
fundamental, conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal.
IV. Os juros moratórios fluem do evento danoso tão somente nos casos de responsabilidade aquiliana.
V. A correção monetária do valor da indenização do dano moral incide a partir da citação válida.

Assinale a alternativa correta da sequência:


a) V, V, F, F, V
b) V, F, V, V, V.
c) F, V, F, F, F.
d) F, F, V, V, V.
e) V, V, F, V, F.

10. Em relação aos contratos em geral, assinale a alternativa correta.


a) Na revisão judicial de disposições contratuais de execução continuada, em razão de excessiva
onerosidade da prestação, com extrema vantagem para a outra parte, em face de acontecimentos
extraordinários e imprevisíveis, poderá o devedor pedir a resolução do contrato, retroagindo os efeitos da
sentença à data da celebração do negócio jurídico.
b) A aplicação dos institutos da supressio e da surrectio constituem figuras concomitantes, podendo ser
comparadas como verso e reverso da mesma moeda.
c) A doação pura feita ao nascituro e ao absolutamente incapaz valerá sendo aceita pelo seu representante
legal, com presunção jure et jure.
d) O direito de demandar pela evicção supõe, necessariamente, a perda da coisa adquirida em contrato
oneroso, por força de decisão judicial.
e) O Código Civil de 2002 adotou a teoria da base objetiva do negócio jurídico, inspirado na doutrina alemã
desenvolvida por Karl Larenz.

11. Para salvar a vida de seu marido, Marta assumiu, perante Pedro, obrigação excessivamente
onerosa em outubro de 2013. Em janeiro de 2018, Marta decide processar Pedro para reaver o valor
pago. Nesse caso,
a) Marta decaiu do direito de reaver o valor pago e Pedro não pode renunciar à decadência, devendo o juiz
reconhecer de ofício.
b) Marta decaiu do direito de reaver o valor pago, mas Pedro pode renunciar à decadência.
c) Marta decaiu do direito de reaver o valor pago, mas por ser um direito potestativo, o juiz não pode
declarar a decadência de ofício.
d) o direito de Marta cobrar o valor pago excessivamente em razão do vício da vontade conhecido como
estado de perigo está prescrito.
e) o direito de Marta cobrar o valor pago excessivamente não está prescrito, considerando o prazo geral
de dez anos previsto no código civil.

12. Sobre a extinção dos contratos, assinale a alternativa correta.


a) Para os casos de distrato, não há que se falar em atendimento ao princípio do paralelismo entre as
formas.
b) No caso de um contrato em que houve investimentos consideráveis por uma das partes, a denúncia
unilateral só produzirá efeitos após o transcurso de prazo compatível com a natureza e valor dos
investimentos.
c) Tanto a cláusula resolutiva tácita quanto a expressa dependem de interpelação judicial.
d) Nos contratos bilaterais, não é permitida a alegação de exceptio non adimpleti contractus caso um dos
contratantes, antes de cumprida a sua obrigação, exija o implemento da obrigação do outro.
e) Nos contratos por execução continuada, a resolução por onerosidade excessiva só poderá ser alegada
em casos de extrema vantagem para uma das partes, decorrentes de eventos previsíveis.

13. A respeito das regras dispostas no Código Civil quanto aos negócios jurídicos e aos contratos,
julgue o item a seguir.
Em decorrência do princípio da autonomia da vontade, podem as partes de contrato oneroso
pactuar, de forma expressa, pela exclusão de responsabilidade pela evicção, mas, mesmo nessa
situação, o evicto terá direito a receber o preço que pagou pela coisa perdida se desconhecia o
risco efetivo de evicção à época do contrato.
( ) Certo ( ) Errado

14. No Código Civil, para que se dê a resolução contratual por onerosidade excessiva, será preciso
o preenchimento dos requisitos seguintes:
a) os contratos devem ser de parcelas sucessivas, ou diferidos no tempo, exigindo-se a onerosidade
excessiva à parte prejudicada e vantagem extrema à outra, mas não a imprevisibilidade dos
acontecimentos.
b) a natureza dos contratos é irrelevante, bem como a vantagem a uma das partes, bastando a onerosidade
excessiva à parte prejudicada e os acontecimentos extraordinários e imprevisíveis.
c) os contratos devem ser bilaterais e as prestações sucessivas, bastando a onerosidade excessiva a uma
das partes, sem se cogitar de vantagem à outra parte mas exigindo-se a imprevisibilidade dos
acontecimentos.
d) na atual sistemática civil, basta a onerosidade excessiva, não se cogitando seja de vantagem à outra
parte, seja da imprevisibilidade dos eventos.
e) os contratos devem ser de execução continuada ou diferida; e à onerosidade excessiva a uma das partes
deve corresponder a extrema vantagem à outra, em virtude de acontecimentos extraordinários e
imprevisíveis.

15. João contratou Marcenaria da Família para fabricar móveis sob medida e instalá-los em sua
casa. Ajustaram os contratantes que o pagamento do preço se daria em duas parcelas: a primeira,
correspondente à metade, na data da assinatura do instrumento; e a segunda, referente à outra
metade, quando da entrega do serviço, que deveria ocorrer em até seis meses. João efetuou o
pagamento da primeira prestação, mas, ao término do prazo de seis meses estipulado, Marcenaria
da Família não concluiu o serviço. Neste caso, João
a) somente poderá pleitear judicialmente a rescisão do contrato, além de perdas e danos.
b) deverá consignar em pagamento o valor faltante, porque o prazo de pagamento de sua dívida está
vencido.
c) poderá reter o pagamento da importância faltante, até que o serviço seja entregue, e, se cobrado em
Juízo, não poderá opor exceções, senão aquelas de natureza processual, porque sua dívida está vencida.
d) poderá reter o pagamento da importância faltante, até que o serviço seja entregue, e, se cobrado em
Juízo, opor exceção substancial prevista em lei.
e) terá de pagar o valor faltante para exigir judicialmente o cumprimento da obrigação assumida pela
contratada, sob cominação de multa diária.

16. Souto aceitou transportar mercadorias que lhe foram entregues por Sátiro. Foi estipulado no
contrato por Sátiro que a carga deverá ser entregue a Amélia, que não é parte no contrato.
Consideradas essas informações e o disposto na legislação civil sobre estipulações contratuais em
favor de terceiros, é correto afirmar que:
a) somente Sátiro, na condição de estipulante, pode exigir o cumprimento da obrigação de entrega da carga
perante o transportador Souto;
b) somente Amélia, na condição de terceiro em favor de quem se estipulou a obrigação, pode exigir o
cumprimento da entrega da carga perante o transportador Souto;
c) se à Amélia for atribuído o direito de reclamar do transportador a entrega da carga, poderá Sátiro
exonerar Souto dessa obrigação;
d) tanto o estipulante Sátiro quanto a destinatária Amélia poderão, individual ou conjuntamente, exigir o
cumprimento da obrigação de Souto e alterar as condições e normas do contrato;
e) Sátiro, na qualidade de estipulante, pode reservar-se o direito de substituir a destinatária da carga,
Amélia, independentemente da sua anuência e da do transportador.

17. Carlos, devedor de Paula, oferece à sua credora, na data prevista para o pagamento, o automóvel
XYZ para solver a dívida de R$ 30.000,00 (trinta mil reais). Paula aceita a oferta, mas, após 60
(sessenta) dias da tradição e registro da transferência do veículo na autarquia de trânsito, o bem
veio a ser apreendido pela autoridade policial.
No dia seguinte, Paula descobriu que, após o registro da transferência, a autarquia de trânsito
recebeu ordem judicial de apreensão do veículo, por força de sentença transitada em julgado que
reconhecera ser Joaquim o proprietário do automóvel. Diante desses fatos, Paula faz jus:
a) à indenização a ser paga por Joaquim, que corresponderá ao valor da dívida extinta;
b) ao valor da dívida, acrescida de juros legais incidentes a partir da data da perda do bem, a ser cobrada
de Carlos;
c) à retenção do veículo, até recebimento da indenização pelo valor do veículo, a ser paga por Carlos ou
Joaquim;
d) ao pagamento do valor da dívida por Carlos, acrescido dos encargos moratórios a partir do vencimento;
e) a reaver o valor da dívida de Carlos, sob pena de enriquecimento sem causa do ex-devedor.

18. Assinale a alternativa correta, a respeito dos contratos.


a) Não pode ser objeto de contrato a herança de pessoa falecida.
b) A oferta ao público equivale a proposta quando encerra os requisitos essenciais ao contrato, ainda que
o contrário resulte das circunstâncias ou dos usos.
c) Na estipulação em favor de terceiro, o estipulante pode reservar-se o direito de substituir o terceiro
designado no contrato, exceto se houver oposição do outro contratante.
d) Na evicção tem direito o evicto a receber o preço que pagou pela coisa evicta, se não soube do risco da
evicção, ou, dele informado, não o assumiu, salvo no caso de cláusula de exclusão da garantia contra a
evicção.
e) O contrato preliminar, exceto quanto à forma, deve conter todos os requisitos essenciais ao contrato a
ser celebrado.

19. À luz da disciplina dos vícios redibitórios no Código Civil, é correto afirmar:
a) Tratando-se de venda de animais, não se caracterizam vícios redibitórios.
b) O adquirente decai do direito de obter a redibição ou abatimento no preço no prazo de noventa dias se
a coisa for móvel, e de um ano se for imóvel.
c) O adquirente da coisa viciada poderá se valer de uma das ações edilícias.
d) Se o alienante conhecia o vício da coisa, restituirá ao adquirente o que recebeu sem perdas e danos.
e) Não se aplica às doações onerosas, por expressa previsão legal, nenhuma disposição relativa aos vícios
redibitórios.

20. Sobre a boa-fé nas relações contratuais, assinale a alternativa correta.


a) A boa-fé dá origem a obrigações não constantes expressamente do contrato. Em razão da conduta das
partes, surgem, independentemente da vontade destas, os denominados “deveres laterais” que podem
servir de fundamento para pretensões no âmbito da relação contratual.
b) A boa-fé é protegida durante a relação contratual. Dessa forma, antes da formação do vínculo contratual
e após o cumprimento da prestação objeto do contrato, não há que se falar em proteção à boa-fé, tendo
em vista a inexistência de relação jurídica, salvo se ocorrer qualquer hipótese que possa ensejar
responsabilidade aquiliana.
c) As cláusulas contratuais vinculam as partes. Se estas começarem a se comportar, durante a relação
contratual, de forma diversa da pactuada, não pode qualquer delas demandar qualquer pretensão
decorrente deste comportamento, tendo em vista que a boa-fé não é apta a alterar o ajustado
expressamente no contrato.
d) A boa-fé protegida no âmbito das relações contratuais é a denominada boa-fé subjetiva. Dessa forma,
mesmo que as partes tenham agido segundo o padrão de conduta esperado, se uma delas tiver uma
expectativa subjetiva diversa da decorrente dos termos da relação contratual, existe pretensão a ser
exercida visando ao reequilíbrio contratual.
e) Se o contrato prevê a resolução em razão de inadimplemento, mesmo ocorrendo adimplemento
substancial, deve o mesmo ser resolvido, tendo em vista que não se pode alegar boa-fé contra cláusula
expressa como justificativa para a manutenção da relação contratual.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:

21. A garantia contra evicção e vícios redibitórios vigora em todos os contratos abaixo, à EXCEÇÃO
do contrato de:
a) dação em pagamento.
b) compra e venda.
c) permuta.
d) doação pura e simples.

22. Maria locou um apartamento de propriedade de João, pelo valor mensal de R$ 3.000,00 (três mil
reais), por um prazo de 120 meses. Foi previsto no contrato a aplicação de índice de correção
monetária oficial, a ser aplicado anualmente. Contudo, todo o contrato foi cumprido, mediante o
pagamento mensal do valor de R$ 3.000,00 (três mil reais), sem qualquer correção monetária, e sem
qualquer oposição do locador. Após o termino do contrato, foi o imóvel entregue. Contudo, após
dois anos da entrega do imóvel, Maria recebeu uma citação decorrente de um processo judicial, no
qual o locador pretendia reaver a correção monetária não paga durante todo o período do contrato.
A pretensão do locador deve ser julgada
a) procedente, tendo em vista que o contrato previa a obrigação de pagamento com correção monetária,
incidindo o princípio da força obrigatória dos contratos.
b) improcedente, tendo em vista a prescrição dos valores devidos, cujo prazo é de um ano, contado do
término do contrato.
c) improcedente, tendo em vista a configuração do instituto da supressio, decorrente do princípio da boa-
fé.
d) parcialmente procedente, tendo em vista o prazo prescricional de três anos, contados da data de
vencimento de cada mensalidade do aluguel.
e) procedente, tendo em vista que a correção monetária apenas recompõe o valor da moeda, não podendo
a locatária se beneficiar da sua torpeza (venire contra factum proprium).

23. Estabelecido contrato de fornecimento de insumos para empresa que comercializa produtos
químicos, será juridicamente possível o fornecedor pedir, de acordo com a lei civil, a resolução do
contrato, se a sua prestação se tornar excessivamente onerosa,
a) com extrema vantagem para a outra parte, por acontecimento extraordinário, ainda que previsível.
b) por acontecimento extraordinário, ainda que sem proveito para a outra parte.
c) com vantagem extrema para a outra parte em razão de acontecimento extraordinário e imprevisível.
d) por acontecimento extraordinário, ainda que não imprevisível.
e) por acontecimento extraordinário, ainda que não imprevisível, provocado por fato do príncipe.

24. Quanto ao momento da formação dos contratos, há que se distinguir aqueles que se formam
entre presentes e entre ausentes. A dificuldade em se precisar em qual momento se deve considerar
formado o contrato entre ausentes, apresenta algumas teorias. Dentre elas, se considerar não haver
retratação do aceitante, o Código Civil adota a teoria da
a) informação propriamente dita.
b) informação da subespécie cognição.
c) declaração propriamente dita.
d) declaração da subespécie cognição.
e) declaração da subespécie expedição.

25. Entre outros aspectos, é motivo capaz de ensejar revisão ou rescisão contratual, com base na
teoria da imprevisão,
a) o dolo do contratante que obtém vantagem excessivamente onerosa.
b) a onerosidade do contrato de natureza continuada ou diferida.
c) a dificuldade financeira do devedor, proveniente de desempregado involuntário.
d) o fato de o contrato ser de execução instantânea.
e) a previsibilidade de acontecimentos futuros.
26. Assinale a alternativa CORRETA:
a) De acordo com o entendimento do Superior Tribunal de Justiça, a renegociação de contrato bancário ou
a confissão da dívida impede a possibilidade de discussão sobre eventuais ilegalidades dos contratos
anteriores, sendo vedada a revisão em contratos findos.
b) Não é possível a revisão ou resolução por excessiva onerosidade, em contratos aleatórios, quando o
evento superveniente, extraordinário e imprevisível não se relacione com a álea assumida no contrato.
c) Não dispondo a lei em contrário, a escritura pública é essencial à validade dos negócios jurídicos que
visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis de valor
superior a trinta vezes o maior salário mínimo vigente no País.
d) A manifestação de vontade subsiste ainda que o seu autor haja feito a reserva mental de não querer o
que manifestou, inclusive se dela o destinatário tinha conhecimento.

27. Marque a alternativa CORRETA:


a) Referente ao instituto da condição, segundo a lei civil, sobrevindo a condição resolutiva, extingue-se,
para todos os efeitos, o direito a que ela se opõe; mas, se aposta a um negócio de execução continuada
ou periódica, a sua realização, salvo disposição em contrário, não tem eficácia quanto aos atos já
praticados, desde que compatíveis com a natureza da condição pendente e conforme aos ditames de boa-
fé.
b) Com base na Teoria da Lesão no âmbito do direito civil, ocorre a lesão, quando uma pessoa, sob
premente necessidade, ou por inexperiência, se obriga a prestação proporcional ao valor da prestação
oposta.
c) Os negócios jurídicos de transmissão gratuita de bens ou remissão de dívida, se os praticar o devedor
solvente, poderão ser anulados pelos credores quirografários, como lesivos dos seus direitos, bem como
serão igualmente anuláveis os contratos onerosos ou gratuitos do devedor quando insolvente.
d) Haverá erro nos negócios jurídicos quando aparentarem conferir ou transmitir direitos a pessoas diversas
daquelas às quais realmente se conferem, transmitem, ou quando contiverem declaração, confissão,
condição ou cláusula não verdadeira.

28. Entre as alternativas abaixo, assinale a CORRETA:


a) A ausência de denunciação à lide ao alienante, na evicção, impede o exercício de pretensão reparatória
por meio de via autônoma.
b) O devedor demandado pode opor ao credor as exceções que lhe forem pessoais e as comuns a todos,
e, no caso, também aproveita as exceções pessoais a outro codevedor.
c) O abuso de direito é uma categoria jurídica autônoma em relação à responsabilidade civil. Por isso, o
exercício abusivo de posições jurídicas desafia controle independentemente de dano.
d) Sendo a simulação causa de nulidade do negócio jurídico, sua alegação necessita de ação própria.

29. De acordo com a doutrina civilista, os conceitos correlatos à boa-fé objetiva devem ser utilizados
como função integrativa, suprindo lacunas do contrato e trazendo deveres implícitos às partes
contratuais. A esse respeito, assinale a única resposta CORRETA:
a) O tu quoque está relacionado à proteção de uma parte contra aquela que pretende exercer uma posição
jurídica em contradição com o comportamento assumido anteriormente.
b) A surrectio refere-se a um direito que não exercido durante determinado lapso de tempo não poderá
mais sê-lo, por contrariar a boa-fé.
c) A surrectio é considerada a outra face da supressio, ou seja, acarreta o nascimento de um direito em
razão da continuada prática de certos atos.
d) O venire contra factum proprium proíbe que uma pessoa faça contra outra o que não faria contra si
mesmo, consistindo em aplicação do mesmo princípio inspirador da exceptio non adimpleti contractus.

30. Considere as afirmações abaixo a respeito da teoria do adimplemento substancial.


I. Embora não esteja expressamente prevista na legislação, a jurisprudência, com base na doutrina, tem
admitido esta teoria para evitar a rescisão do contrato.
II. Foi expressamente prevista na legislação civil e sua adoção evita a resolução do contrato, quando
ocorrer inadimplemento mínimo.
III. Caso adotada, apesar de a obrigação contratualmente estabelecida não ter sido cumprida totalmente,
se ela foi adimplida substancialmente, apenas se admitirá a resolução do contrato, mas impede a
condenação em indenização por perdas e danos, se o devedor agiu de boa-fé.
IV. Se adotada, não impedirá o credor de receber o que lhe é devido.
V. Apesar de prevista em lei, com a vigência do Código Civil de 2002, foi abandonada, em razão da regra
que impõe a observância da boa-fé.

Está correto o que se afirmar APENAS em


a) I e IV.
b) II e IV.
c) I e III.
d) II e III.
e) IV e V.

31. Leopoldo trabalha na empresa Calçados de Navegantes Ltda. e, no mês de maio de 2017, não
trabalhou dia algum e não apresentou qualquer justificativa. Chegando o dia 5 de junho de 2017,
quando os colegas começaram a receber o salário do mês de maio e nada foi entregue a Leopoldo,
ele questionou o pagamento do salário do mês em questão. Diante da situação concreta, de acordo
com os princípios gerais que regem os contratos, é correto afirmar que:
a) está errado o empregado, pois a teoria rebus sic stantibus determina que somente trabalhando mais de
metade do mês há direito a salário;
b) ambas as partes estão erradas, pois não agiram de boa-fé, a despeito de a conduta reta e honesta ser
um princípio basilar dos contratos no Direito Civil;
c) está correta a empresa, pois, em razão da exceptio non adimpleti contractus, o empregador não precisa
cumprir a sua obrigação se o outro contratante não cumpriu a sua parte;
d) está errada a empresa, pois vigora o princípio da pacta sunt servanda, pelo que ela é obrigada a cumprir
a sua parte no contrato;
e) está correto o empregador, em virtude da cláusula resolutória implícita existente em qualquer contrato
formulado nos moldes do Código Civil.

32. Em relação aos contratos, as características que melhor se adequam ao contrato de trabalho
são:
a) sinalagmático, comutativo e de trato sucessivo;
b) complexo, gratuito e de atividade;
c) unilateral, consensual e de direito privado;
d) de adesão, real e instantâneo;
e) oneroso, aleatório e intuitu personae.

33. Em 20/5/2014, o carro conduzido por Fernando foi atingido na traseira pelo automóvel conduzido
por Rafael, o qual não respeitou sinalização de parada obrigatória. Os dois convencionaram que
Fernando apresentaria a Rafael três orçamentos dos reparos no automóvel e que Rafael lhe pagaria
o de menor valor. No dia 2/6/2014, Fernando, então, apresentou os três orçamentos, mas Rafael
recusou-se a efetuar o pagamento, sob o argumento de que os valores estavam muito altos. Em
10/6/2014, Rafael fez contraproposta, que não foi aceita por Fernando. Fernando, então, ingressou
com ação de cobrança e, em 14/6/2014, Rafael foi citado. Após o regular trâmite do processo, o juiz
reconheceu a culpa de Rafael e o condenou, em 2/3/2015, a pagar quantia certa a Fernando.
Considerando-se o disposto no Código Civil e a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça,
nessa situação hipotética o termo inicial dos juros de mora é
a) 14/6/2014.
b) 2/3/2015.
c) 20/5/2014.
d) 2/6/2014.
e) 10/6/2014.

34. Assinale a alternativa correta sobre contratos.


a) A proposta de contrato não obriga o proponente, se o contrário não resultar dos termos dela, da natureza
do negócio, ou das circunstâncias do caso.
b) O contrato de seguro não se enquadra, essencialmente, no conceito de contrato aleatório.
c) A cláusula que diminuir ou excluir a responsabilidade pela evicção deve ser redigida em destaque, sob
pena de nulidade.
d) Nos contratos por adesão celebrados na relação cível paritária, não são nulas as cláusulas ambíguas
ou contraditórias.
e) Nos contratos preliminares é presumida a existência de cláusula de arrependimento em benefício de
todos os contratantes.
35. A empresa 123 Eventos e Fábio firmaram, no ano 2000, contrato de prestação de serviços, por
prazo indeterminado, por meio do qual Fábio prestava assessoria em informática para a empresa.
Uma das obrigações contratuais de Fábio era enviar, quinzenalmente, um relatório descritivo das
tarefas realizadas naquele período. Fábio nunca enviou os relatórios e o representante legal da
empresa também nunca os exigiu. Em 2017, a 123 Eventos exigiu todos os relatórios, desde o início
da prestação dos serviços, ameaçando cobrar a multa estipulada em cláusula penal caso Fábio não
atendesse à solicitação. Fábio apontou que não poderia atender ao pedido e argumentou que
durante os 17 (dezessete) anos de vigência do contrato, tal obrigação jamais havia sido exigida.
Desse modo, concluiu Fábio que a obrigação contratual não seria mais exigível. A argumentação e
conclusão de Fábio têm suporte, em tese,
a) na vedação ao comportamento contraditório.
b) na teoria do adimplemento substancial.
c) na função social dos contratos.
d) na presumida vulnerabilidade do fornecedor pessoa física.
e) no instituto da suppressio.

36. É certo afirmar:


I. As pessoas capazes de contratar poderão valer-se da arbitragem para dirimir litígios relativos a direitos
patrimoniais disponíveis e indisponíveis.
II. Se, durante a locação, se deteriorar a coisa alugada, sem culpa do locatário, a este caberá pedir redução
proporcional do aluguel, ou resolver o contrato, caso já não sirva a coisa para o fim a que se destinava.
III. Por regra geral prevista no Código Civil, o aval posterior ao vencimento do título de crédito produz os
mesmos efeitos do anteriormente dado.
IV. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: os direitos reais e pessoais sobre imóveis e as ações
que os asseguram; o direito à sucessão aberta.

Analisando as proposições, pode-se afirmar:


a) Somente as proposições II e III estão corretas.
b) Somente as proposições I e IV estão corretas.
c) Somente as proposições II e IV estão corretas.
d) Somente as proposições I e III estão corretas.

37. É certo afirmar:


I. Aleatório é o contrato quando os contratantes celebram uma relação em que recebem a vantagem e
prestam a obrigação, consistente em coisa certa e determinada, embora sem escapar aos riscos relativos
à mesma, nem à oscilação sobre o seu valor.
II. Os contratos coligados também são chamados de “união de contratos”, mas não surge a unidade em
uma única figura, ou seja, em um único instrumento, permanecendo autônomos quanto aos seus efeitos,
mas com dependência recíproca.
III. O contrato comutativo pode ser definido como aquele no qual uma ou ambas as prestações apresentam-
se incertas, porquanto a sua quantidade ou extensão fica na dependência de um fato futuro e imprevisível,
o que torna viável venha ocorrer uma perda, ou um lucro para uma das partes.
IV. O contrato misto resulta da combinação de elementos de diferentes contratos, formando nova espécie
contratual não esquematizada na lei.

Analisando as proposições, pode-se afirmar:


a) Somente as proposições III e IV estão corretas.
b) Somente as proposições II e IV estão corretas.
c) Somente as proposições I e III estão corretas.
d) Somente as proposições I e II estão corretas.

38. É certo afirmar:


I. Vícios redibitórios e vícios de qualidade e quantidade tratam da mesma espécie de defeito.
II. A estipulação em favor de terceiro é o negócio jurídico por meio do qual se ajusta uma vantagem
pecuniária em prol de pessoa que não o celebra, mas se restringe a colher seus benefícios.
III. A lei consumerista adotou o mesmo critério do Código Civil, uma vez que estabelece que os prazos de
reclamação pelo vício intrínseco são de natureza decadencial, pouco importando se o pedido deduzido em
juízo será o da redibição ou da estimação.
IV. Uma das regras básicas da promessa de fato de terceiro é de que uma vez notificado, o terceiro deve
declarar se concorda ou não em integrar o vínculo, na condição de devedor de uma obrigação de fazer.

Analisando as proposições, pode-se afirmar:


a) Somente as proposições II e IV estão corretas.
b) Somente as proposições III e IV estão corretas.
c) Somente as proposições I e III estão corretas.
d) Somente as proposições I, e II estão corretas.

39. Segundo o Código Civil vigente a liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da
função social do contrato. A respeito do tema podemos afirmar:
I. Nos contratos de adesão, são anuláveis as cláusulas que estipulem a renúncia antecipada do aderente
a direito resultante da natureza do negócio.
II. É defeso às partes estipular contratos atípicos, mesmo que observadas as normas gerais fixadas no
Código Civil.
III. Não pode ser objeto de contrato a herança de pessoa viva.
IV. Quando houver no contrato de adesão cláusulas ambíguas ou contraditórias, dever-se-á adotar a
interpretação mais favorável ao aderente.

A sequência correta é:
a) Apenas as assertivas II, III, IV estão corretas.
b) Apenas as assertivas III e IV estão corretas.
c) As assertivas I, II, III e IV estão corretas.
d) Apenas a assertiva IV está correta.

40. Considere as seguintes afirmativas sobre o tema dos contratos no âmbito do Código Civil.
I - Não pode ser objeto de contrato a herança de pessoa viva.
II - Se o contrato for aleatório, por dizer respeito a coisas ou fatos futuros, cujo risco de não virem a existir
um dos contratantes assuma, terá o outro direito de receber integralmente o que lhe foi prometido, mesmo
que de sua parte tenha agido com dolo ou culpa, ainda que nada do avençado venha a existir.
III - O contrato preliminar, exceto quanto à forma, deve conter todos os requisitos essenciais ao contrato a
ser celebrado.
IV - No momento da conclusão do contrato, pode uma das partes reservar-se a faculdade de indicar a
pessoa que deve adquirir os direitos e assumir as obrigações dele decorrentes.

Estão CORRETAS apenas as alternativas


a) I e II.
b) II e III.
c) II e IV.
d) I, III e IV.
e) II, III e IV.

Respostas:
21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33: 34:
35: 36: 37: 38: 39: 40:

41. Se, em cumprimento a cláusula de uma relação contratual, uma das partes adota determinado
comportamento e, tempos depois, ainda sob a vigência da referida relação, passa a adotar
comportamento contraditório relativamente àquele inicialmente adotado, tem-se, nesse caso, um
exemplo do que a doutrina civilista denomina
a) exceptio doli.
b) supressio.
c) surrectio.
d) venire contra factum proprium.

42. Julgue o item subsecutivo com base em conhecimentos relativos ao direito civil.
Apesar das disposições legais sobre a impenhorabilidade do bem de família, o STJ enunciou que é
válida a penhora de bem de família pertencente a fiador de contrato de locação.
( ) Certo ( ) Errado
43. José da Silva firmou um contrato de promessa de compra e venda de uma área rural de 500
hectares com Geraldo Coelho. Meses depois, feita a quitação, foi lavrada e devidamente assinada e
registrada a Escritura Pública de compra e venda. Seis meses depois, José da Silva descobriu que
aquele imóvel estava sendo avaliado pela INCRA para fins de desapropriação já há mais de um ano
e que isso lhe foi omitido pelo vendedor. Diante disso, ingressou com uma ação de rescisão
(resolução) do contrato de promessa de compra e venda contra Geraldo Coelho, alegando que
houve vício no negócio e que queria devolver o imóvel e receber o seu dinheiro de volta. Diante
dessa situação, é correto afirmar que:
a) É possível a resolução (rescisão) do contrato pelo princípio da boa-fé objetiva, uma vez que, nos termos
do artigo 422 do CC, “Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em
sua execução, os princípios de probidade e boa-fé” e isso faltou ao vendedor.
b) Não é caso de rescisão do contrato de promessa de compra e venda, pois foi substituído pela escritura
de venda e compra, aquele contrato está resolvido, pois atingiu o seu objetivo, que era justamente a
transferência de propriedade imóvel, com o registro de escritura de venda e compra no cartório
competente.
c) É viável a rescisão, já que a lavratura e assinatura com registro da escritura pública não elimina os efeitos
do contrato de promessa de compra e venda, pelo contrário, é um ato derivado deste que foi o primeiro
documento firmado entre as partes, portanto prevalece como meio legal de se restabelecer o estado
anterior.
d) Tem direito à rescisão contratual e a devolução do valor pago, porque foi induzido a erro e, assim, deve
prevalecer o princípio de acesso à justiça e nenhuma lesão de direito está imune à apreciação do poder
judiciário.

44. Pessoa jurídica obteve empréstimo junto a certa instituição financeira, pelo qual recebeu
determinada quantia, com a obrigação de devolvê-la com correção e juros de 12% ao ano.
Exclusivamente à luz dos dados fornecidos e da visão dominante, classifique o contrato citado:
a) Bilateral imperfeito, de adesão e feneratício.
b) Unilateral, real e oneroso.
c) Bilateral, oneroso, formal e de adesão.
d) Bilateral, real, de adesão e oneroso.
e) Unilateral, puramente consensual (não real), benéfico e oneroso.

45. À luz do Código Civil, no que concerne aos contratos em geral,


a) havendo estipulação em favor de terceiro, se ao terceiro, em favor de quem se fez o contrato, se deixar
o direito de reclamar-lhe a execução, poderá o estipulante exonerar o devedor.
b) encaminhada uma proposta de contrato pelo proponente, a aceitação fora do prazo, com adições,
restrições, ou modificações, não importará nova proposta.
c) o contrato preliminar deve conter todos os requisitos essenciais ao contrato a ser celebrado, observando
inclusive a sua forma.
d) as partes podem, por cláusula expressa, reforçar ou diminuir a responsabilidade pela evicção, mas
jamais exclui-la.
e) a proposta feita sem prazo por telefone deixa de ser obrigatória se não foi imediatamente aceita.

46. Assinale a alternativa INCORRETA quanto aos Contratos.


a) A boa-fé objetiva deve estar presente tanto na conclusão como na execução do contrato, ou seja, em
todas as fases do negócio jurídico. Na fase negocial, a proposta vincula o proponente, deixando de ser
obrigatória, se, feita sem prazo à pessoa presente, não for imediatamente aceita.
b) O contrato de compra e venda será anulável no caso de a venda recair sobre bem de família instituído
de forma convencional ou voluntária.
c) Os contratos de transação e doação somente admitem interpretação restritiva.
d) Para a configuração de sua legitimação, os curadores não poderão dar em comodato bens confiados à
sua guarda, sem antes obterem autorização judicial, com a prévia oitiva do Ministério Público.
e) Os fiadores exoneram-se da garantia prestada no contrato de locação, bem como da solidariedade em
relação ao locatário, se não houve anuência em relação ao pacto moratório.

47. A respeito do princípio da boa-fé e do abuso de direito, assinale a alternativa correta.


a) O Código Civil (CC) determina que os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do
contrato como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé. Com base nesse último princípio -
boa-fé -, a doutrina dominante tem entendido que a violação dos deveres anexos constitui espécie de
inadimplemento, o qual depende de comprovação de culpa do inadimplente.
b) O princípio da boa-fé objetiva assegura que o credor deve evitar o agravamento do próprio prejuízo,
conhecido como princípio duty to mitigate the loss.
c) Os princípios da probidade e da boa-fé contratuais não são de ordem pública, restringindo-se à relação
privada entre as partes contratantes, embora seja obrigação do ofendido demonstrar a existência da
violação.
d) O contratante lesado pelo inadimplemento pode pedir a resolução do contrato, se não preferir exigir-lhe
o cumprimento, cabendo, em qualquer dos casos, indenização por perdas e danos. Por isso mesmo, tanto
a doutrina como a jurisprudência têm rechaçado a teoria do adimplemento substancial, por compreendê-la
como incompatível com a função social do contrato e com o próprio princípio da boa-fé objetiva.
e) A boa-fé constitui cláusula geral, que deve ser interpretada à luz do sistema do CC, sem que se possam
fazer conexões sistemáticas com outros estatutos normativos, na medida em que parte majoritária da
doutrina e o entendimento iterativo do Superior Tribunal de Justiça não aceitam a aplicação da teoria do
diálogo das fontes.

48. Com relação aos contratos, assinale a alternativa correta.


a) Nos contratos de consórcio, as administradoras têm liberdade para estabelecer a respectiva taxa de
administração, salvo se fixada em percentual superior a 10%.
b) A penhora de bem de família pertencente a fiador de contrato de locação é inválida.
c) No caso de herança de pessoa viva, é lícito às partes tornar o referido acervo hereditário objeto de
contrato, à luz da autonomia de vontade consagrada nas relações entre sujeitos privados.
d) Para o Superior Tribunal de Justiça, é inválida cláusula contratual que transfere ao promitente-comprador
a obrigação de pagar a comissão de corretagem nos contratos de promessa de compra e venda de unidade
autônoma em regime de incorporação imobiliária, desde que previamente informado o preço total da
aquisição da unidade autônoma, com o destaque do valor da comissão de corretagem.
e) Em relação jurídica de natureza contratual, pode-se resolvê-la em face de inadimplemento antecipado.

49. Joana, comerciante, celebra verbalmente com Sapatos e Acessórios Ltda. contrato de compra
e venda de lote contendo 105 (cento e cinco) pares de sapatos, no valor total de R$ 4.000,00.
Recebidos os sapatos, Joana começa a revendê-los em sua loja, mas percebe que os 6 (seis)
primeiros pares vendidos apresentaram defeito (quebra do salto), sendo devolvidos pelos
consumidores. Diante desse cenário, é correto afirmar que:
a) se trata de vício do produto, regulado pelo Código de Defesa do Consumidor, sendo garantido a Joana
pleitear, à sua escolha, a substituição do produto por outro da mesma espécie, a restituição imediata da
quantia paga, sem prejuízo de eventuais perdas e danos, ou o abatimento proporcional do preço;
b) se trata de vício redibitório, regulado pelo Código Civil, podendo Joana redibir todo o lote, não se
sujeitando ao mero abatimento no preço dos sapatos que, comprovadamente, apresentaram vício oculto;
c) o contrato encontra-se maculado por erro substancial quanto à qualidade essencial do objeto, podendo
Joana postular sua anulação, com o retorno à situação original;
d) se trata de vício redibitório, regulado pelo Código Civil, e Joana poderá devolver os 6 (seis) pares de
sapatos defeituosos, com o abatimento proporcional do preço, mas não poderá redibir todo o lote,
considerando o baixo percentual de pares de sapatos que apresentaram defeito, a atrair a incidência do
art. 503 do Código Civil, segundo o qual, “nas coisas vendidas conjuntamente, o defeito oculto de uma não
autoriza a rejeição de todas”;
e) o vício que atinge a relação é o erro, vez que houve falsa percepção da realidade, mas Joana não poderá
postular a anulação do contrato, pois, sendo comerciante experiente, deveria conferir as mercadorias antes
de efetuar a compra, sendo tal erro inescusável.

50. Tício, costureiro renomado, celebra, em dezembro de 1998, contrato de compra e venda para a
aquisição de equipamento importado, de alta tecnologia, destinado à confecção. O valor avençado
com o vendedor do equipamento foi de US$ 50.000,00 (cinquenta mil dólares americanos),
parcelado em 5 (cinco) prestações de US$ 10.000,00 (dez mil dólares americanos) cada uma. A
primeira, com vencimento 2 (dois) meses após a assinatura do contrato, e a última, a 10 (dez) meses
desta. Diante da maxidesvalorização do real em face do dólar, ocorrida a partir de janeiro de 1999,
Tício paga apenas a primeira parcela, ingressando em seguida com ação judicial pleiteando a
revisão do contrato mediante a aplicação da teoria da imprevisão, para a alteração das cláusulas de
modo a converter as parcelas para moeda nacional, com observância do Índice Nacional de Preços
ao Consumidor - INPC.
Seguindo a orientação consolidada no Superior Tribunal de Justiça, quanto à pretensão de Tício, é
correto afirmar que:
a) deve ser negado o pedido revisional, considerando que a possibilidade de revisão dos contratos assume,
no direito brasileiro, caráter excepcional, por representar restrição ao princípio da autonomia da vontade, o
qual deve orientar axiologicamente a interpretação do Código Civil;
b) deve ser privilegiado o conteúdo originalmente ajustado, negando-se a revisão contratual, já que, não
obstante o fato imprevisível que alterou a base do contrato de compra e venda, a função social do contrato
impõe a manutenção dos contratos firmados em moeda estrangeira, privilegiando o interesse coletivo de
garantir eficiência máxima às trocas econômicas;
c) deve ser aplicado o princípio do equilíbrio contratual, de modo que a superveniência de fato, imprevisível
ou não, que determine desequilíbrio na relação contratual diferida ou continuada, afigura-se suficiente para
que se reconheça a possibilidade de revisão do contrato;
d) embora inaplicável o Código de Defesa do Consumidor, deve ser aplicada a teoria da imprevisão,
conforme previsto no artigo 317 do Código Civil, tendo em vista a ocorrência de mudança superveniente
das circunstâncias iniciais vigentes à época da realização do negócio, oriunda de evento imprevisível, que
comprometeu o valor da prestação;
e) a teoria da imprevisão não deve ser aplicada ao caso, já que a variação cambial integra, nos contratos
firmados com base na cotação da moeda norte-americana, o risco objetivo da contratação, especialmente
ao se considerar o histórico inflacionário do país na década de 1990.

51. Assinale a alternativa INCORRETA:


l - As benfeitorias voluptuárias serão indenizáveis, podendo ser levantadas pelo locatário, findo a locação
desde que sua retirada não afete a estrutura e a substância do imóvel, pagável.
ll - Em se tratando de alienação de mais de uma unidade imobiliária, o direito de preferência incidira sobre
a totalidade dos bens objeto da alienação.
lll – Os depósitos efetuados em juízo pelos locatários e sublocatários não poderão ser levantados,
mediante ordem judicial, para realização das obras ou serviços necessários à regularização.
lV - O locatário é obrigado restituir o imóvel, findo a locação, no estado em que o recebeu, salvo as
deteriorações decorrentes do seu uso normal.
V - Seja qual for o fundamento do término da locação a ação do locador para reaver o imóvel è de despejo.

a) Somente as alternativas ll e V são incorretas.


b) Somente as alternativas l e lV são incorretas.
c) Somente as alternativas l e lll são incorretas.
d) Somente as alternativas ll e lV são incorretas.

52. Com base no Código Civil, analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta as corretas.
I. O princípio da gravitação jurídica dispõe que, em não havendo previsão legal ou estabelecida em
contrário entre as partes contratantes, a propriedade do bem acessória seguirá a do bem principal.
II. Um bem público construído pela Prefeitura em uma praça é um bem de uso comum do povo e dispensa
permissão especial de uso, mas poderá ser oneroso se assim definido pela administração.
III. Em um negócio jurídico a nulidade ou anulabilidade da obrigação principal também afeta as obrigações
acessórias, mas, do contrário, em sendo nulas ou anuláveis as obrigações acessórias, não
necessariamente o será a principal.
IV. Em um negócio jurídico, subordinando-se a eficácia do negócio jurídico à condição suspensiva,
enquanto ela não ocorrer não se adquire o direito a que ela visa. De outro modo, na condição resolutiva,
enquanto ela não se realizar, vigorará o negócio jurídico, podendo exercer-se desde a conclusão deste o
direito por ele estabelecido.
V. Haverá uma condição suspensiva determinando a cessação dos efeitos da compra e venda de um bem
imóvel, cujo contrato trouxer cláusula que estabelece o pagamento integral do preço ao registro da baixa
da hipoteca no cartório de registro de imóveis.

a) Apenas I, II, III e IV.


b) Apenas II e IV.
c) Apenas I, III e V.
d) Apenas II, III e V.
e) Apenas I e IV.

53. Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta.


I. Deixa de ser obrigatória a proposta se, feita sem prazo a pessoa presente, não foi imediatamente aceita.
II. Deixa de ser obrigatória a proposta se, feita sem prazo a pessoa ausente, tiver decorrido tempo suficiente
para chegar a resposta ao conhecimento do proponente.
III. Deixa de ser obrigatória a proposta se, feita a pessoa presente, não tiver sido expedida a resposta
dentro do prazo dado.
IV. Deixa de ser obrigatória a proposta se, antes dela, ou simultaneamente, chegar ao conhecimento da
outra parte a retratação do proponente.
V. A oferta ao público equivale a proposta quando encerra os requisitos essenciais ao contrato, ainda que
o contrário resultar das circunstâncias ou dos usos.

Assinale a alternativa correta sobre os itens apresentados acima, considerando as normas da Lei
Federal nº 10.406, de 10/01/2002 (Código Civil).
a) Apenas os itens I e III estão corretos
b) Apenas os itens II e IV estão corretos
c) Apenas os itens I e IV estão corretos
d) Apenas os itens III e V estão incorretos
e) Apenas os itens IV e V estão incorretos

54. No tocante a formação dos contratos o Código Civil - Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 –
estabelece que a proposta de contrato obriga o proponente, se o contrário não resultar dos termos
dela, da natureza do negócio, ou das circunstâncias do caso. Em contrapartida esclarece que essa
obrigatoriedade deixa de existir em determinadas situações. Assinale abaixo a alternativa
CORRETA no tocante a essas exceções.
a) Se, feita com prazo a pessoa ausente, tiver decorrido tempo suficiente para chegar a resposta ao
conhecimento do proponente
b) Se, feita a pessoa ausente, não tiver sido expedida a resposta dentro do prazo dado
c) Se, depois dela, ou simultaneamente, chegar ao conhecimento da outra parte a retratação do
proponente.
d) Se, feita a pessoa ausente, tiver sido expedida a resposta dentro do prazo dado
e) Se, feita sem prazo a pessoa presente, não foi imediatamente aceita. Considera-se também presente a
pessoa que contrata por telefone ou por meio de comunicação semelhante

55. Sobre a supressio ou o comportamento contraditório, é possível afirmar que


a) não se aplica à Administração Pública.
b) é um instituto sem fundamentação no Código Civil.
c) pode ser considerado como abuso de direito por omissão reiterada.
d) é uma infração a uma norma jurídica para obter um benefício posterior.
e) equivale à prática da boa-fé objetiva.

56. No próximo item, é apresentada uma situação hipotética a respeito de extinção dos contratos,
direito de posse e aquisição da propriedade, seguida de uma assertiva a ser julgada.
Mauro firmou contrato com determinada empresa, por meio do qual assumiu obrigações futuras a
serem cumpridas mediante prestações periódicas. No decurso do contrato, em virtude de
acontecimento extraordinário e imprevisível, as prestações se tornaram excessivamente onerosas
para Mauro e extremamente vantajosas para a referida empresa. Nessa situação, Mauro poderá
pedir a resolução do contrato, a redução da prestação ou a alteração do modo de executá-lo.
( ) Certo ( ) Errado

57. Assinale a alternativa correta sobre a formação dos contratos, após analisar os itens a seguir e
considerar as normas da Lei Federal nº 10.406, de 10/01/2002 (Código Civil).
a) Deixa de ser obrigatória a proposta se, feita sem prazo a pessoa ausente, tiver decorrido tempo suficiente
para chegar a resposta ao conhecimento do proponente
b) A proposta de contrato obriga o proponente, ainda que o contrário resultar dos termos dela, da natureza
do negócio, ou das circunstâncias do caso
c) Deixa de ser obrigatória a proposta se, feita com prazo a pessoa presente, não foi imediatamente acita
d) Deixa de ser obrigatória a proposta se, feita por telefone, não tiver sido expedida a resposta dentro do
prazo dado
e) Permanece obrigatória a proposta se, antes dela, ou simultaneamente, chegar ao conhecimento da outra
parte a retratação do proponente

58. Assinale a alternativa INCORRETA sobre a evicção, após analisar os itens a seguir e considerar
as normas da Lei Federal nº 10.406, de 10/01/2002 (Código Civil).
a) Nos contratos onerosos, o alienante responde pela evicção. Subsiste esta garantia ainda que a aquisição
se tenha realizado em hasta pública
b) Podem as partes, por cláusula expressa, reforçar, diminuir ou excluir a responsabilidade pela evicção
c) Não obstante a cláusula que exclui a garantia contra a evicção, se esta se der, tem direito o evicto a
receber o preço que pagou pela coisa evicta, se não soube do risco da evicção, ou, dele informado, não o
assumiu
d) Salvo estipulação em contrário, tem direito o evicto, além da restituição integral do preço ou das quantias
que pagou à indenização dos frutos que tiver sido obrigado a restituir
e) Para poder exercitar o direito que da evicção lhe resulta, o adquirente notificará do litígio o alienante
imediato, ou qualquer dos anteriores

59. José é pessoa muito idosa e seu filho, João, deseja negociar, com terceiros, um dos bens da
herança que virá a receber. Em estando José vivo, este bem
a) poderá ser objeto de contrato, mas a transmissão do bem somente se dará com a homologação da
partilha, se o bem for atribuído a João.
b) poderá ser objeto de contrato se João tiver a concordância dos demais herdeiros de José.
c) não poderá ser objeto de contrato, tendo João mera expectativa de direito, pois a herança se transmite
com a homologação da partilha.
d) não poderá ser objeto de contrato, tendo João mera expectativa de direito, pois a herança se transmite
com o falecimento.
e) não poderá ser objeto de contrato, tendo João mera expectativa de direito, pois a herança se transmite
com a abertura do inventário.

60. Ricardo firmou com Emanuel contrato por meio do qual adquiriu safra de milho que viria a colher
no ano seguinte. Em referido contrato, estabeleceu-se preço certo e inalterável, a ser pago quando
do dia previsto para a colheita, não importando a quantidade de milho colhida, se maior ou menor
do que a originalmente esperada. Estipulou-se, ainda, que o pagamento seria devido mesmo que,
por qualquer causa, nenhum grão viesse a ser colhido. As partes expressamente assumiram o risco
de o contrato ser mais ou menos vantajoso a qualquer uma delas e também quanto à possibilidade
de que os grãos não viessem a ser colhidos. Referido contrato
a) é nulo, porque o Código Civil não admite a compra e venda de coisa futura.
b) tem como objeto coisa futura, o que é admitido pelo Código Civil, e obriga as partes ainda que nenhum
grão venha a ser colhido, tendo em vista tratar-se de contrato aleatório.
c) tem como objeto coisa futura, o que é admitido pelo Código Civil, mas somente obriga as partes se os
grãos vierem a ser colhidos, tendo em vista a vedação a que se firmem contratos aleatórios.
d) é inexistente, porque o Código Civil não prevê a compra e venda de coisa futura.
e) tem como objeto coisa futura, o que é admitido pelo Código Civil, mas não obriga as partes se os grãos
não vierem a ser colhidos, tendo em vista a vedação ao enriquecimento sem causa.

Respostas:
41: 42: 43: 44: 45: 46: 47: 48: 49: 50: 51: 52: 53: 54:
55: 56: 57: 58: 59: 60:

DIREITO DAS COISAS / DIREITOS REAIS:


01. João propôs ação de usucapião extraordinária em uma das varas cíveis da comarca de Fortaleza
– CE. Nessa situação hipotética,
a) a sentença servirá de título para registro no cartório de imóveis, em caso de procedência da ação.
b) a petição inicial deve conter comprovação dos requisitos de boa-fé e do justo título de João.
c) o requisito temporal não pode ser completado no curso do processo, em nenhuma hipótese.
d) o juiz deverá verificar se o autor comprovou a posse ininterrupta por pelo menos cinco anos.
e) o período de posse precária poderá ser considerado para fins de verificação do cumprimento do requisito
temporal dessa modalidade de usucapião.

02. A respeito da posse, é CORRETO afirmar:


a) A posse de boa-fé só perde esse caráter quando do trânsito em julgado da sentença proferida em ação
possessória.
b) É assegurado ao possuidor de boa-fé o direito à indenização pelas benfeitorias necessárias e úteis.
Quanto às voluptuárias, estas, se não forem pagas, poderão ser levantadas, desde que não prejudiquem
a coisa.
c) Obsta à manutenção ou à reintegração da posse a alegação de propriedade, ou de outro direito sobre a
coisa.
d) Sendo possuidor todo aquele que tem de fato o exercício, pleno ou não, de algum dos poderes inerentes
à propriedade, não é possível adquirir posse mediante representação.

03. Assinale a alternativa correta envolvendo os temas Penhor, Anticrese e Hipoteca.


a) Dos temas descritos no enunciado, possuem natureza jurídica de Direitos Reais apenas a hipoteca e a
anticrese, visto que a natureza jurídica do penhor é de Direito das Coisas, em razão de exercer-se apenas
a posse por meio desse direito.
b) Anticrese é uma modalidade de título executivo extrajudicial, assim como a duplicata e a letra de câmbio.
c) De acordo com o Código Civil de 2002, o penhor pode recair apenas sobre bens móveis.
d) O penhor decorre essencialmente de determinação judicial.
e) Bens imóveis podem ser oferecidos como garantia em juízo, mas não em instrumentos particulares de
contrato.

04. O Condomínio Edilício, cuja característica é a existência, em edificações, de partes que são
propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum dos condôminos, devido às suas
peculiaridades, está disciplinado em Capítulo próprio do Código Civil, distinto daquele destinado
ao regramento do Condomínio Geral. No que diz respeito ao Condomínio Edilício,
a) as despesas relativas a partes comuns de uso exclusivo de um condômino incumbem, por igual, a todos
os condôminos.
b) a realização de obras voluptuárias depende do voto da maioria dos condôminos.
c) a construção de outro pavimento depende da aprovação da maioria absoluta dos condôminos.
d) as obras ou reparos, ainda que necessários, dependem de prévia autorização para serem realizadas.
e) o adquirente de unidade responde pelos débitos do alienante, em relação ao condomínio, inclusive
multas e juros moratórios.

05. É direito do credor hipotecário:


a) Impedir que sobre o prédio hipotecado se constitua penhor rural.
b) Sendo ele credor de segunda hipoteca, promover a execução sobre o imóvel mesmo antes de vencida
a primeira, ainda que não seja insolvente o devedor.
c) Celebrar hipoteca para garantia de dívida futura ou condicionada, ainda que não seja indicado o valor
máximo do crédito a ser garantido.
d) Sendo ele credor de hipoteca legal, exigir do devedor que reforce a garantia com outros bens, se
demonstrar a insuficiência dos imóveis especializados.

06. Considerando que o possuidor de bem imóvel possua justo título, é CORRETO afirmar que
a) nessa hipótese, não seria admitida composse.
b) o justo título é requisito inafastável para a posse de boa-fé.
c) o justo título somente gera efeito para fins de contagem do prazo para aquisição mediante usucapião.
d) sua boa-fé é presumida, salvo prova em contrário, ou quando a lei expressamente não admite esta
presunção.

07. Assinale a alternativa correta sobre a noção de propriedade e a questão que envolve sua
distinção entre plena e limitada.
a) Propriedade plena é aquela que reúne os seus direitos elementares no do proprietário
b) A propriedade é plena ainda que exista ônus real sobre o bem
c) A propriedade é plena ainda que seja resolúvel
d) Toda propriedade é plena e a existência de ônus real representa sua ausência

08. A respeito da propriedade, da posse e das preferências e privilégios creditórios, julgue o item
subsequente.
O ordenamento jurídico ora vigente admite a possibilidade de conversão da detenção em posse, a
depender da modificação nas circunstâncias de fato que vinculem determinada pessoa à coisa.
( ) Certo ( ) Errado
09. Em 2003, Marcelo construiu pequena edificação em uma praça e, desde então, explora
comercialmente o imóvel com atividade de alimentação e bebidas. Após quinze anos de uso
ininterrupto do bem, Marcelo recebe notificação do Município, requerendo que fosse demolida a
edificação e devolvido o terreno. Acerca da pretensão do Município, é correto afirmar que:
a) é abusiva, pois Marcelo exerceu a posse do bem por prazo suficiente para sua aquisição;
b) é indevida, visto que Marcelo bem cumpre a função social da propriedade;
c) procede, uma vez que Marcelo jamais exerceu a posse sobre o bem;
d) procede, pois, embora passível de usucapião, não transcorreu o prazo para configurá-la;
e) improcede, tendo em vista que a praça é bem público de todos e, inclusive, de Marcelo.

10. Assinale a alternativa CORRETA:


a) Na usucapião, a perda do direito de propriedade é forma de prescrição extintiva, salvo quanto à posse
qualificada.
b) Nos termos do enunciado, é alternativa a responsabilidade civil pela reparação de danos acarretados
pela publicação de matéria veiculada pela imprensa (Súmula nº 221/STJ: “São civilmente responsáveis
pelo ressarcimento de dano, decorrente de publicação pela imprensa, tanto o autor do escrito quanto o
proprietário do veículo de divulgação”).
c) A lei corretiva para o saneamento de imperfeições técnicas ou erros materiais havidos em texto vigente
no ordenamento jurídico observa, no silêncio da cláusula de vigência, a vacatio legis (vacância da lei) de
quarenta e cinco dias.
d) Com o advento do Estatuto do Idoso, a senilidade, por si, autoriza a proteção judicial da curatela no caso
de abrigamento asilar.

11. Em relação ao condomínio, assinale a correta:


a) Não pode o condômino eximir-se do pagamento das despesas e dívidas, renunciando à parte ideal.
b) Não podem os condôminos acordar que fique indivisa a coisa comum por prazo determinado, sendo
lícito exigir a divisão da coisa comum a qualquer tempo.
c) O condomínio de coisa indivisível não pode vender a sua parte a estranhos, se outro consorte a quiser,
tanto por tanto. Sendo muitos os condôminos, preferirá o que tiver benfeitorias de maior valor e, na falta de
benfeitorias, o de quinhão maior.
d) Cada condômino pode usar da coisa conforme sua destinação, sobre ela exercer todos os direitos
compatíveis com a indivisão, reivindicá-la de terceiro, defender a sua posse e alhear a respectiva parte
ideal, ou gravá-la, bem como dar posse, uso ou gozo dela a estranhos, independente do consenso dos
outros.

12. Em Relação ao penhor, assinale a correta:


a) Os sucessores do devedor podem remir parcialmente o penhor ou a hipoteca na proporção dos seus
quinhões.
b) O credor pignoratício tem direito a apropriar-se dos frutos da coisa empenhada que se encontra em seu
poder.
c) A propriedade superveniente não torna eficaz as garantias reais estabelecidas por quem não era dono.
d) Caso excutido o penhor, e o produto não bastar para pagamento da dívida e despesas judiciais, não
continuará o devedor obrigado pelo restante.

13. Todo aquele que, não sendo proprietário rural nem urbano, possuir como sua, por (___) anos
ininterruptos, sem oposição, área rural contínua, não excedente de 25 (vinte e cinco) hectares, e a
houver tornado produtiva com seu trabalho e nela tiver sua morada, adquirir-lhe-á o domínio,
independentemente de justo título e boa-fé, podendo requerer ao juiz que assim o declare por
sentença, a qual servirá de título para transcrição no Registro de Imóveis.
a) 5 (cinco) anos.
b) 10 (dez) anos
c) 25 (vinte e cinco) anos.
d) 15 (quinze) anos.

14. Situação hipotética: Roberto e Antônia residem em uma pequena propriedade rural no oeste de
Pernambuco, e há aproximadamente 40 anos, passam pelo imóvel do atual vizinho de Humberto em
uma estrada que dá acesso à sua propriedade, sem qualquer oposição dos proprietários anteriores.
Esta estrada é o melhor acesso à via pública, dela tendo ciência Humberto quando adquiriu sua
propriedade. Todavia, Humberto impediu o acesso à estrada por seus vizinhos, colocando cadeado
com chaves em uma das porteiras, também fazendo buracos no leito da estrada, além de uma cerca
de arame farpado.
Roberto e Antônia, em virtude da conduta de Humberto, viram-se obrigados a utilizar um caminho
por meio de pastagens, onde será construído um mineroduto, o que os impedirá de ter qualquer
acesso ao seu imóvel. Tendo em vista a situação hipotética narrada, está sendo violado o direito
de:
a) servidão, que deve ser exercido na plenitude para o qual foi criado enquanto não contestado pelo legítimo
proprietário, cujos atos que embaracem a servidão serão considerados legítima defesa da propriedade.
b) usufruto, não podendo Humberto embaraçá-lo, pois se cuida de legítimo direito de uso. Caso Humberto
continue impedindo a correta utilização da estrada, é possível que Roberto e Antônia peçam indenização
em caso de prejuízo.
c) usufruto, que se extinguiu com a chegada de novo proprietário ao terreno vizinho, apenas sendo válido
o exercício de tal direito caso Humberto não tivesse adquirido a propriedade.
d) servidão de passagem, que é um direito real sobre coisa alheia, instituído para aumentar a comodidade
e a utilidade do prédio dominante, não estando condicionado, portanto, à inexistência de saída para a via
pública, fonte ou porto.
e) posse, que se dá quando expressa a vontade dos proprietários, por testamento ou pelo exercício
incontestado da posse por mais de 50 anos, que pode levar à usucapião.

15. José era proprietário de uma extensa área urbana não edificada, com mais de 50.000 m2. Essa
área não era vigiada e nem utilizada para qualquer finalidade. O imóvel foi ocupado, no mês de
janeiro de 2010, por um considerável número de pessoas, que construíram suas moradias. Os
ocupantes, por sua própria conta, em mutirão, além de construírem suas casas, realizaram a
abertura de viários posteriormente reconhecidos pelo poder público municipal, bem como
construíram espaços destinados a escolas e creches que estão em pleno funcionamento. Cada
moradia tem área superior a 350 m2. Em março de 2016, José ajuizou uma ação reivindicatória que
deverá ser julgada
a) improcedente, tendo em vista que o juiz deverá declarar que o proprietário perdeu o imóvel reivindicado,
em razão das obras de interesse social realizadas pelos moradores, fixando a justa indenização devida ao
proprietário; pago o preço, valerá a sentença como título para o registro do imóvel em nome dos
possuidores.
b) procedente, tendo em vista que ainda não houve o prazo para a aquisição mediante usucapião. Dessa
forma, os moradores deverão ser retirados, sem qualquer direito a indenizações por benfeitorias e
acessões, tendo em vista a posse de má-fé.
c) procedente, tendo em vista que ainda não houve o prazo para a aquisição mediante usucapião
constitucional. Dessa forma, os moradores deverão ser retirados, mas terão direito à retenção do imóvel
até serem indenizados pelas benfeitorias e acessões, tendo em vista a posse de boa-fé.
d) improcedente, tendo em vista que o imóvel foi adquirido por usucapião especial coletivo; José, assim,
foi penalizado pelo não cumprimento da função social da propriedade, bem como em razão da
preponderância do direito social à moradia sobre o direito de propriedade.
e) improcedente, tendo em vista que o juiz deverá declarar que o proprietário perdeu o imóvel reivindicado,
em razão das obras de interesse social realizadas pelos moradores, não havendo qualquer direito à
indenização, tendo em vista o não cumprimento da função social da propriedade e a preponderância do
direito social à moradia sobre o direito de propriedade.

16. Considere como verdadeiras (V) ou falsas (F) as proposições a seguir:


I. defeso o réu alegar a usucapião como matéria de defesa.
II. Entre cônjuges, na constância da sociedade conjugal, não correrão os prazos de usucapião. Exceção a
essa regra é a modalidade de usucapião urbano, para os casos de abandono do lar.
III. Não há perda de objeto da ação de usucapião proposta em juízo cível na hipótese em que juízo criminal
decreta perda do imóvel usucapiendo, em razão de ter sido adquirido com proventos do crime, face a
usucapião ser modo originário de aquisição da propriedade e a sua sentença ter natureza declaratória.
IV. Obsta o pedido declaratório de usucapião especial urbana o fato de a área do imóvel ser inferior à
correspondente ao “módulo urbano”, previsto previamente na lei que regulamenta o plano diretor da cidade.
V. A decisão que reconhece a aquisição da propriedade de bem imóvel por usucapião prevalece sobre a
hipoteca judicial que anteriormente tenha gravado o referido bem.

Assinale a alternativa correta da sequência.


a) F, V, F, F, V.
b) V, F, F, V, V.
c) F, V, F, F, F.
d) F, F, V, F, V.
e) V, F, V, V, F.

17. Com relação à posse, assinale a alternativa correta.


a) A posse direta, de pessoa que tem a coisa em seu poder, temporariamente, em virtude de direito pessoal,
ou real, não anula a indireta, de quem aquela foi havida, podendo o possuidor direto defender a sua posse
contra o possuidor indireto.
b) Tendo em vista que a posse somente é defendida por ser um indício de propriedade, obsta à manutenção
ou reintegração na posse a alegação de propriedade, ou de outro direito sobre a coisa.
c) Não autorizam a aquisição da posse justa os atos violentos, senão depois de cessar a violência;
entretanto, se a coisa obtida por violência for transferida, o adquirente terá posse justa e de boa-fé, mesmo
ciente da violência anteriormente praticada.
d) É de boa-fé a posse, se o possuidor ignora o vício, ou o obstáculo que impede a aquisição da coisa. O
possuidor com justo título tem por si a presunção de boa-fé, mesmo após a ciência inequívoca que possui
indevidamente.
e) O possuidor turbado, ou esbulhado, poderá manter-se ou restituir-se por sua própria força, a qualquer
tempo; os atos de defesa, ou de desforço, não podem ir além do indispensável à manutenção, ou restituição
da posse.

18. À luz da legislação e da jurisprudência dos tribunais superiores, julgue o item a seguir, a respeito
dos direitos da personalidade, do direito de família, dos direitos reais e da prescrição.
De acordo com o Código Civil, uma vez constatada a inadimplência, o condomínio poderá proibir o
condômino de usar a área comum destinada ao lazer.
( ) Certo ( ) Errado

19. Tendo como referência a jurisprudência dos tribunais superiores relativa a desapropriação,
improbidade administrativa e processo administrativo, julgue o seguinte item.
Conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça, o ente público desapropriante responderá
pelos tributos incidentes sobre o imóvel desapropriado, mesmo que o período de ocorrência do
fato gerador seja anterior ao ato de aquisição originária da propriedade.
( ) Certo ( ) Errado

20. A Associação dos Amantes do Turismo (AAT) recebeu, a título de usufruto instituído pelo
associado Jorge, um imóvel de sua propriedade. As partes convencionaram, no título de instituição,
que o usufruto seria pelo prazo de vinte anos. Decorridos dez anos da instituição, os associados,
sem a participação de Jorge, que morrera há dois anos, deliberaram, em assembleia, ceder
gratuitamente o usufruto do imóvel à Associação de Agentes de Viagem (AAV), em reconhecimento
a serviços recebidos pela AAT. A cessão, feita sem prazo determinado, é considerada:
a) válida, pois, consolidada a propriedade com a morte de Jorge, a AAT poderia destinar o bem da forma
que lhe aprouvesse;
b) inválida, pois a cessão gratuita do usufruto dependeria da autorização de Jorge;
c) válida e vigerá até o término do prazo previsto no ato de instituição do usufruto por Jorge;
d) ineficaz, pois o instituto do usufruto não permite cessão gratuita;
e) válida e vigerá por trinta anos a partir da instituição do usufruto por Jorge.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:

21. Alessandra, ao passar ao lado do prédio em que se encontra estabelecido o Condomínio do


Edifício Praia Bonita, é atingida por um carrinho de brinquedo, proveniente do alto da edificação.
Ao olhar para cima, vê crianças saindo da janela do apartamento 502, mas não pode afirmar ao certo
de onde veio o objeto. Nessas circunstâncias, responde pelos danos sofridos por Alessandra:
a) o síndico do condomínio;
b) o morador do apartamento 502;
c) o responsável pelas crianças do apartamento 502;
d) ninguém, pois inimputáveis os prováveis autores do dano;
e) o condomínio.
22. Sobre o direito real de servidão, assinale a alternativa correta.
a) A servidão não pode ser removida de um local para outro, por se tratar de direito real relativo ao imóvel.
b) Uma das hipóteses de extinção da servidão é pela morte do titular do prédio serviente.
c) A servidão predial, em regra, é automaticamente dividida em caso de divisão dos imóveis, devendo
apenas posteriormente ser levada a registro.
d) O dono do prédio serviente é obrigado a sofrer a imposição de maior largueza à servidão no caso de
necessidade da indústria do prédio dominante, mas tem direito a ser indenizado pelo excesso.
e) Quando constituída para certo fim, pode se ampliar para outro, desde que com o pagamento das
despesas e indenização correspondente.

23. Por meio de escritura pública devidamente registrada, Pedro concedeu a Rodolfo a propriedade,
por prazo determinado, de construção que efetuar em área de seu terreno. Essa relação reflete o
direito de
a) superfície.
b) servidão contínua contratual.
c) uso.
d) usufruto temporário.
e) habitação.

24. Usufruto é o direito real de fruir as utilidades e frutos de uma coisa sem alterar-lhe a substância,
enquanto temporariamente destacado da propriedade. Sobre esse direito real, é correto afirmar que
a) o usufruto pode recair em um ou mais bens, desde que imóveis.
b) em regra, o usufruto não se estende aos acessórios do imóvel e seus acrescidos.
c) o usufruto pode ser transferido por alienação.
d) se o acessório do usufruto for consumível, o usufrutuário deve restituir os acessórios que ainda houver
e indenizar os acessórios consumidos com o valor estimado ao tempo da constituição do usufruto.
e) o usufruto do imóvel, quando não resultar de usucapião, constituir-se-á mediante registro no Cartório de
Registro de Imóveis.

25. Ao deslocamento de uma porção de terra, por força natural violenta, desprendendo-se de um
prédio para se juntar a outro, dá-se o nome de:
a) Aluvião.
b) Álveo.
c) Achado.
d) Avulsão.

26. Paulo doou o imóvel em que reside a Fábio, seu filho mais novo, reservando para si o direito de
usufruto. No ato de doação, não foi colhido consentimento de Rafael, o filho mais velho.
Posteriormente, Fábio veio a se desentender com a nova companheira de seu pai, Valquíria, ocasião
em que a ofendeu. Todos os envolvidos são maiores e capazes. Diante desta situação,
a) embora Fábio seja o proprietário do imóvel, é Paulo quem pode alugar a casa e, caso o faça, não
precisará repassar os valores ou prestar contas a Fábio.
b) Rafael tem direito à anulação da doação feita em prol de seu irmão mais novo sem o seu consentimento,
por ser o negócio jurídico anulável nesta hipótese.
c) Valquíria tem direito à anulação da doação feita por Paulo em razão do ato de ingratidão do donatário.
d) Paulo pode pleitear a anulação da doação por vício do consentimento referente ao erro essencial quanto
à pessoa do donatário.
e) Fábio tem direito a exigir a extinção do usufruto em razão da superveniência da união estável do
usufrutuário Paulo com Valquíria.

27. Nos termos do Código Civil Brasileiro de 2002, o usufruto é um direito real limitado de gozo e
fruição, assegurando, durante um determinado período de tempo, a uma pessoa física ou jurídica a
ocupar a coisa alheia. O usufruto poderá se extinguir mediante o cancelamento do registro no
Cartório de Registro de Imóveis pela extinção da pessoa jurídica, em favor de quem o usufruto foi
constituído, ou, se ela perdurar, de quando se começou a exercer, pelo decurso de
a) trinta anos.
b) quarenta anos.
c) cinquenta anos.
d) cem anos.
28. O proprietário de um imóvel onde foi edificado um galpão comercial de grandes dimensões
precisa otimizar as receitas decorrentes da exploração desse bem. Uma das alternativas que lhe
foram apresentadas foi a construção de um espaço para a realização de feiras e eventos, atraindo,
assim, mais interessados em utilizar também o galpão comercial. Considerando que não há área
livre de terreno suficiente para a edificação do espaço pretendido, o proprietário
a) poderá transferir o direito de construir de seu terreno para que o adquirente o exerça em outro imóvel,
considerando a impossibilidade de aproveitamento do imóvel para a finalidade pretendida.
b) poderá edificar a construção no espaço aéreo do galpão comercial, desde que tecnicamente possível e
que seja o responsável direto pela exploração, vedada a cessão a terceiros.
c) poderá conceder onerosamente o direito de superfície de seu imóvel, sendo permitido ao superficiário
construir e explorar o espaço de eventos no espaço aéreo do galpão, revertendo ao dono do terreno as
acessões e benfeitorias ao fim do contrato.
d) deverá providenciar projeto de reforma do galpão comercial, para fins de ampliar a dimensão de área
construída e então viabilizar a destinação das acessões para o segmento de feiras e eventos.
e) deverá outorgar a terceiros o direito de construir em seu terreno, de forma que não seja responsável
pelos investimentos necessários para implantação do projeto, remanescendo com o direito de retomar o
domínio pleno do imóvel quando da extinção do contrato.

29. São defesos os atos que não trazem ao proprietário qualquer comodidade, ou utilidade, e sejam
animados pela intenção de prejudicar outrem. Esse enunciado normativo diz respeito
a) à onerosidade excessiva.
b) à lesão.
c) ao enriquecimento sem causa.
d) à comutatividade.
e) ao abuso de direito.

30. É correto afirmar sobre a posse:


a) A deterioração da coisa, quando acidental, afasta a responsabilização do possuidor de má-fé.
b) O possuidor não responde pela perda ou deterioração da coisa, a que, mesmo de má-fé, não der causa.
c) As benfeitorias compensam-se com os danos, e só obrigam ao ressarcimento se ao tempo da evicção
ainda existirem.
d) O possuidor de boa-fé será ressarcido, somente, pelas benfeitorias necessárias, poderá reter as úteis e
levantar as voluptuárias.
e) O possuidor de má-fé tem direito de retenção pelas benfeitorias úteis, mas não lhe assiste a possibilidade
de levantar as necessárias.

31. Sobre o reconhecimento extrajudicial da usucapião, considere:


I. O pedido será processado diretamente perante o cartório do registro de imóveis da comarca em que
situado o imóvel usucapiendo, a requerimento do interessado, que não precisará estar representado por
advogado.
II. O pedido deverá ser instruído com ata notarial lavrada pelo tabelião, atestando o tempo de posse do
requerente e seus antecessores, conforme o caso e suas circunstâncias.
III. Se a planta não contiver a assinatura de qualquer um dos titulares de direitos registrados ou averbados
na matrícula do imóvel usucapiendo ou na matrícula dos imóveis confinantes, o titular será notificado pelo
registrador competente, pessoalmente ou pelo correio com aviso de recebimento, para manifestar
consentimento expresso em quinze dias, interpretado o silêncio como concordância.
IV. O oficial de registro de imóveis dará ciência à União, ao Estado, ao Distrito Federal e ao Município,
pessoalmente, por intermédio do oficial de registro de títulos e documentos, ou pelo correio com aviso de
recebimento, para que se manifestem, em quinze dias, sobre o pedido.
V. Não é lícito ao interessado suscitar o procedimento de dúvida, mas a rejeição do pedido extrajudicial
não impede o ajuizamento da ação de usucapião.

Está correto o que se afirmar APENAS em


a) II e IV.
b) IV e V.
c) I e III.
d) I e II.
e) III e V.
32. Roberto adquiriu, mediante o pagamento de R$ 15.000,00 (quinze mil reais), a posse que era
exercida, sem título, por Pedro sobre imóvel de propriedade da União. Enquanto Roberto refletia
sobre o uso do bem, o imóvel veio a ser ocupado por Francisco, que assumiu sua posse, por julgar
estar o bem abandonado. Sessenta dias após ter ciência, por terceiros, do exercício da posse por
Francisco, Roberto retorna ao imóvel e constata, pessoalmente, o esbulho. Inconformado, a
Roberto caberá:
a) assumir o prejuízo, visto que o imóvel não poderia ser cedido;
b) valer-se do desforço possessório e retirar, por conta própria, Francisco do imóvel;
c) reaver indenização do cedente pela perda da posse;
d) ajuizar ação judicial própria em face de Francisco para reaver a posse;
e) pleitear indenização da União, por força de responsabilidade civil por conduta omissiva.

33. Em relação à imissão provisória de posse em processo de desapropriação judicial, assinale a


alternativa correta.
a) Por se tratar de ato de transmissão de posse e não de propriedade, a mesma não poderá ser objeto de
registro, mas tão somente de averbação.
b) Por ser ato meramente processual, não há previsão de ingresso no registro.
c) Quando houver expressa concordância do expropriado, ela pode ser registrada na matrícula, como
aquisição do domínio pelo expropriante, mesmo em caso de contestação do valor ofertado como
indenização.
d) Somente quando se tratar de implementação de projetos habitacionais ou de regularização fundiária,
em área urbana ou de expansão urbana, poderão ser unificados dois ou mais imóveis, mesmo quando
imitidos em favor do expropriante em processos distintos; todavia, a unificação não poderá abranger imóvel
contíguo, cuja propriedade já tenha sido adquirida pelo mesmo expropriante.

34. Com relação à posse, é correto afirmar:


a) a posse não pode ser adquirida por representante do possuidor ante a necessidade de atos materiais
de apreensão da coisa.
b) posse precária é a exercida de forma velada, sem publicidade, não ostensiva.
c) mesmo tendo o possuidor de boa-fé tomado conhecimento inequívoco da existência de vício na
aquisição de sua posse, esta permanece de boa-fé, em consideração ao momento de sua aquisição.
d) a denominada posse violenta tem natureza jurídica de detenção.

35. Com relação ao usufruto, é correto afirmar:


a) o usufruto não pode ter por objeto bens consumíveis ou fungíveis.
b) o direito de usufruto não pode ser adquirido por usucapião.
c) no usufruto simultâneo ou conjuntivo, o direito de acrescer entre os usufrutuários, ocorrendo o
falecimento de um deles, depende de estipulação expressa.
d) o exercício do usufruto é impenhorável.

36. Configurado o inequívoco abandono pelo proprietário de bem imóvel com valor superior a trinta
salários-mínimos, nos termos do Código Civil, é correto afirmar:
a) a perda da propriedade por abandono não tem aplicação com relação aos imóveis com valor superior a
trinta salários-mínimos.
b) a perda da propriedade imóvel somente ocorrerá após o registro do abandono no Registro de Imóveis.
c) a eficácia do abandono dependerá da concordância do Município, do Distrito Federal ou da União,
conforme a localização do imóvel.
d) há perda da propriedade.

37. No âmbito dos Direitos Reais de Garantia previstos no Código Civil, é correto afirmar que o
direito de preferência
a) é absoluto, não sofrendo exceções por outras leis.
b) não é uma característica presente em todos os direitos reais de garantia.
c) é extinto, caso o devedor venha a cair em insolvência ou falir.
d) encerra a noção do vínculo real a que se prende.

38. Sobre as regras da usucapião urbano constitucional, assinale a alternativa INCORRETA.


a) Esse direito não será reconhecido ao mesmo possuidor mais de uma vez.
b) A área deve ser de até duzentos e cinquenta metros quadrados e o possuidor deve utilizá-la para sua
moradia ou de sua família.
c) O título de domínio e a concessão de uso serão conferidos ao homem ou à mulher, ou a ambos,
independentemente do estado civil.
d) O possuidor deve estar na área por cinco anos, ininterruptamente e sem oposição e adquirir-lhe-á o
domínio, mesmo que seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural.

39. Sobre a aquisição da propriedade móvel e imóvel, assinale a alternativa INCORRETA.


a) Adquire-se a propriedade imóvel, entre vivos, por meio do registro do título translativo no cartório de
registro de imóveis competente.
b) A aluvião diz respeito aos acréscimos formados, sucessiva e imperceptivelmente, por depósitos e aterros
naturais ao longo das margens das correntes, ou pelo desvio das águas destas, os quais pertencem aos
donos dos terrenos marginais, sem indenização.
c) Aquele que possuir coisa móvel como sua, contínua e incontestadamente durante três anos, com justo
título e boa-fé, adquirir-lhe-á a propriedade.
d) O imóvel urbano que o proprietário abandonar, com a intenção de não mais o conservar em seu
patrimônio, e que se não encontrar na posse de outrem, poderá ser arrecadado, como bem vago, e passar,
três anos depois, à propriedade da União.
e) Aquele que exercer, por 2 (dois) anos ininterruptamente e sem oposição, posse direta, com
exclusividade, sobre imóvel urbano de até 250m² (duzentos e cinquenta metros quadrados) cuja
propriedade dívida com ex-cônjuge ou ex-companheiro que abandonou o lar, utilizando-o para sua moradia
ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio integral, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano
ou rural.

40. A propriedade dos automóveis só se adquire com a (o):


a) inscrição no DETRAN.
b) pagamento do preço.
c) tradição.
d) quitação.
e) registro.

Respostas:
21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33: 34:
35: 36: 37: 38: 39: 40:

41. Francisco comprou, em janeiro de 2014, um lote de 240 m2 de Antônio, que se apresentou como
proprietário do imóvel. Francisco construiu uma casa de alvenaria, instalando-se no local com sua
família. Depois de três anos de posse mansa e pacífica, Danilo, o verdadeiro proprietário, ajuizou
ação para reaver a posse do imóvel. Só então, Francisco descobriu que fora vítima de uma fraude,
pois Antônio havia falsificado os documentos para induzi-lo a erro. Considerando essa situação
hipotética, assinale a opção correta.
a) Francisco não poderá adquirir o terreno mediante pagamento de indenização a Danilo, ainda que a
construção exceda consideravelmente o valor do terreno.
b) Não tendo observado a fraude no momento da contratação, Francisco não poderá pleitear indenização
em face de Antônio.
c) Danilo perderá o terreno em favor de Francisco, cabendo-lhe apenas o direito à indenização.
d) Francisco adquiriu, em 2017, a propriedade do imóvel pela usucapião especial urbana, ficando, nesse
caso, dispensado de pagar indenização a Danilo.
e) Francisco, que agira de boa-fé, perderá em favor de Danilo os direitos sobre as construções realizadas
no terreno, devendo, no entanto, ser indenizado.

42. Roberto abandonou o lar e sua companheira, Francisca, no Recife – PE e foi para São Paulo –
SP, deixando um imóvel urbano de 120 m2, adquirido onerosamente na constância da união estável,
mas registrado no cartório de imóveis apenas no nome de Roberto. Francisca não tinha outra
propriedade imóvel e residiu no local ininterruptamente e sem oposição. Após três anos, Roberto
voltou ao Recife – PE com o propósito de retirar Francisca do imóvel. Considerando essa situação
hipotética, assinale a opção correta.
a) Francisca não terá direito ao imóvel, uma vez que o bem estava registrado apenas no nome de Roberto.
b) Francisca terá direito à metade do imóvel caso comprove que contribuiu financeiramente para a sua
aquisição na constância da união estável.
c) Roberto, por ter abandonado o lar, não terá direito ao imóvel, porque Francisca usucapiu o bem.
d) Roberto terá direito ao imóvel, porque, para Francisca usucapir o bem, ela teria de atender ao requisito
temporal mínimo de cinco anos.
e) A residência do casal deverá ser partilhada na proporção de 50% para cada companheiro, tendo em
vista que, em se tratando de união estável, aplica-se o regime de comunhão parcial de bens.

43. Sobre o direito de vizinhança, assinale a alternativa CORRETA:


a) O confinante, que primeiro construir, pode assentar a parede divisória até meia espessura no terreno
contíguo, sem perder por isso o direito a haver meio valor dela se o vizinho a travejar, caso em que o
primeiro fixará a largura e a profundidade do alicerce.
b) O dono do prédio que não tiver acesso a via pública, nascente ou porto, pode, sem qualquer
contraprestação, constranger o vizinho a lhe dar passagem, cujo rumo será judicialmente fixado, se
necessário.
c) Em se tratando de vãos, ou aberturas para luz, seja qual for a quantidade, altura e disposição, o vizinho
poderá, a todo tempo, levantar a sua edificação, ou contramuro, desde que não lhes vede a claridade.
d) Nas cidades, vilas e povoados cuja edificação estiver adstrita a alinhamento, o dono de um terreno pode
nele edificar, madeirando na parede divisória do prédio contíguo, se ela suportar a nova construção; mas
terá de embolsar ao vizinho o valor correspondente da parede e do chão correspondentes.

44. Sobre condomínio, assinale a alternativa INCORRETA:


a) O proprietário que tiver direito a estremar um imóvel com paredes, cercas, muros, valas ou valados, tê-
lo-á igualmente a adquirir meação na parede, muro, valado ou cerca do vizinho, embolsando-lhe metade
do gasto havido com a obra.
b) Cada condômino pode usar da coisa conforme sua destinação, sobre ela exercer todos os direitos
compatíveis com a indivisão, reivindicá-la de terceiro, defender a sua posse e alhear a respectiva parte
ideal, ou gravá-la.
c) Cada condômino responde aos outros pelos frutos que percebeu da coisa e pelo dano que lhe causou.
d) Deliberando a maioria sobre a administração da coisa comum, escolherá o administrador, que poderá
ser estranho ao condomínio; resolvendo alugá-la, preferir-se-á, em condições iguais, o condômino ao que
não o é.

45. Determinado indivíduo, não sendo proprietário rural nem urbano, possui como sua, por mais de
cinco anos ininterruptos, sem oposição, área rural contínua de vinte hectares. Tal indivíduo tornou
a área produtiva com seu trabalho e nela fez sua morada. Nessa situação, o referido indivíduo
poderá adquirir o domínio da referida área rural mediante o instituto denominado
a) enfiteuse.
b) anticrese.
c) averbação rural.
d) procedimento sumário.
e) usucapião especial.

46. Em 2011, Vilhena, proprietário de uma casa, outorgou em favor de Pimenta o usufruto vitalício
sobre ela. Em seguida, o outorgante requereu a averbação do direito real junto à matrícula do imóvel
no Registro de Imóveis de Guajará-Mirim.
Em 2014, Pimenta cedeu o exercício do usufruto por título gratuito a Costa, por contrato escrito e
pelo prazo de um ano. Vencido o prazo, Costa restituiu a casa a Pimenta, retomando este o exercício
do usufruto.
Em novembro de 2017, falece o nu-proprietário, e seu único herdeiro, Andreazza, exige que Pimenta
desocupe o imóvel.

Diante da situação descrita, assinale a opção que apresenta a solução correta para o caso.
a) Pimenta não poderia ceder o exercício do usufruto, por se tratar de direito real personalíssimo; a morte
do nu-proprietário extingue o usufruto de pleno direito.
b) Pimenta somente poderia ceder o exercício do usufruto a título oneroso; a morte do nu-proprietário
extingue o usufruto de pleno direito.
c) Pimenta poderia ceder o exercício do usufruto tanto por título gratuito quanto oneroso; a morte do nu-
proprietário não extingue o usufruto, podendo o usufrutuário permanecer no imóvel.
d) Pimenta não poderia ceder o exercício do usufruto, porque este é vitalício; a morte do nu-proprietário
extingue de pleno direito o usufruto, devendo o imóvel ser desocupado.
e) Pimenta poderia ceder o exercício do usufruto a título gratuito; vencido o prazo de cessão do exercício
do usufruto, o imóvel deveria ter sido restituído ao nu-proprietário ou, na sua falta, ao herdeiro.
47. Considere as proposições abaixo acerca da hipoteca.
I. É valida a cláusula que proíbe ao proprietário alienar imóvel hipotecado.
II. Só aquele que pode alienar poderá hipotecar, mas a propriedade superveniente torna eficaz, desde o
registro, a hipoteca estabelecida por quem não era dono.
III. A coisa comum a dois ou mais proprietários não pode ser dada em garantia real, na sua totalidade, sem
o consentimento de todos, mas cada um pode individualmente dar em garantia real a parte que tiver,
independentemente da concordância dos demais.
IV. Somente bens imóveis podem ser objeto de hipoteca.
V. O dono do imóvel hipotecado não pode constituir outra hipoteca sobre ele, salvo se houver concordância
do titular do crédito garantido pela primeira hipoteca.

Está correto o que se afirmar APENAS em


a) I e IV.
b) I e V.
c) II e III.
d) II e V.
e) III e IV.

48. Considera-se bem imóvel, para os efeitos legais,


a) o direito à sucessão aberta.
b) o automóvel que, por defeito irreparável do motor, é insuscetível de movimento próprio.
c) a energia que tenha valor econômico.
d) o direito pessoal de caráter patrimonial.
e) o direito real sobre objetos móveis.

49. Em relação às disposições inerentes aos Direitos Reais, é INCORRETO afirmar que
a) dentre outros previstos, são direitos reais o usufruto, o penhor e a hipoteca.
b) o proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem
quer que injustamente a possua ou detenha.
c) aquele que semeia, planta ou edifica em terreno próprio com sementes, plantas ou materiais alheios,
adquire a propriedade destes; mas fica obrigado a pagar-lhes o valor, além de responder por perdas e
danos, se agiu de má-fé.
d) o descobridor responde pelos prejuízos causados ao proprietário ou possuidor legítimo, quando tiver
procedido com culpa ou dolo.

50. Um devedor pretende transferir a seu credor, a título de garantia, a propriedade resolúvel de
determinado bem móvel infungível. Nessa situação,
a) a garantia será desfeita caso o objeto já integre o patrimônio do devedor.
b) a exigência de outras garantias será considerada cláusula não escrita.
c) o credor poderá manter a coisa caso haja inadimplemento absoluto.
d) o devedor poderá ceder o direito eventual que advém do contrato
e) a propriedade será constituída com a entrega ao credor da coisa que é objeto do contrato.

51. Antônio e Ricardo são proprietários, em condomínio, de um imóvel, sendo que a parte do
primeiro supera a do segundo. Nesse caso, a constituição de hipoteca
a) dependerá do consentimento de ambos os condôminos e deve incidir, necessariamente, sobre a
integralidade do imóvel, por tratar-se de garantia real.
b) não poderá incidir apenas sobre a parte pertencente a Antônio caso se trate de bem indivisível.
c) poderá ser feita individualmente por Ricardo sobre a integralidade do imóvel, ou apenas sobre sua
própria parte, desde que, em ambos os casos, exista o consentimento de Antônio.
d) poderá ser feita individualmente por Antônio sobre a integralidade do imóvel, ou apenas sobre sua
própria parte, independentemente, em qualquer dos casos, do consentimento de Ricardo.
e) dependerá do consentimento de ambos os condôminos caso incida sobre a integralidade do imóvel, mas
cada um pode individualmente dar em hipoteca a parte que tiver, independentemente do consentimento do
outro.

52. Helena é engenheira, maior, solteira e especialista em programação, e, por conta de suas
habilidades técnicas, acaba desenvolvendo avançado aplicativo para aparelhos celulares que
permite que mulheres ativem redes de contatos pessoais, e, inclusive, a polícia militar e a polícia
civil, caso se encontrem em situação de grave ameaça por conta de qualquer tipo de violência que
estejam sofrendo ou em vias de sofrer. No entanto, para que ela possa lançar o aplicativo no
mercado de forma adequada, ela precisa de capital, e, portanto, precisa obter acesso à linha de
financiamento perante alguma instituição bancária ou fundo investidor, credores esses que, no
entanto, lhe exigirão algum tipo de garantia. Helena tem mãe viva, mas está hospitalizada em estado
grave. Também tem duas irmãs.

Assinale a alternativa que traz uma garantia válida, que poderá ser ofertada e utilizada rapidamente
por Helena perante uma instituição bancária ou um fundo investidor.
a) Uma nova hipoteca sobre um imóvel de sua exclusiva propriedade e que já está hipotecado ao banco,
para garantir empréstimo anteriormente tomado para custear a faculdade de Helena e de seu mestrado no
exterior.
b) A herança que Helena receberá de sua mãe, que está internada na UTI, em coma e em estado grave.
c) A hipoteca integral de um imóvel do qual é uma das proprietárias, juntamente com suas duas outras
irmãs, as quais, no entanto, não concordam com esse oferecimento.
d) O penhor sobre as valiosas joias de sua mãe, as quais não estão sendo usadas, haja vista que ela se
encontra internada no hospital, em coma e em estado grave.
e) O penhor sobre o quadro de Pablo Picasso, exposto no MASP, que era de seu falecido pai e que foi
herdado por Helena e suas duas irmãs.

53. Carlos pegou o metrô e ao sentar-se no vagão, observa a existência de uma carteira cheia de
dinheiro esquecida no banco ao seu lado. De acordo com a legislação civil brasileira, assinale o que
ele deve fazer com a sua descoberta.
a) Entregar a carteira imediatamente para o segurança da empresa privada que presta serviços de
segurança dentro do metrô, mediante comprovante de entrega.
b) Permanecer com a carteira por 72 horas, aguardando que o dono da carteira o procure durante esse
intervalo de tempo, após o qual poderá permanecer com ela.
c) Devolver a carteira ao seu dono ou possuidor, ou, caso não o conheça, deverá tentar encontrá-lo ou
entregar a coisa achada às autoridades competentes.
d) Permanecer com a carteira, porque achado não é roubado, haja visto que a legislação civil autoriza que
a descoberta seja mantida com quem a encontra.
e) Deixar a carteira no banco ao seu lado e nada fazer com ela.

54. A garantia por hipoteca


a) será extinta caso morra o garantidor.
b) extingue-se pela alienação da coisa hipotecada.
c) é uma obrigação restrita às partes contratantes.
d) faz que o credor assuma a propriedade da coisa hipotecada se a dívida não for paga no vencimento.
e) afeta o objeto da garantia em caráter absoluto, podendo o credor, desde que não preferencial, se
opor erga omnes.

55. Ana Lúcia, brasileira, solteira, ocupante e usufrutuária de um único imóvel residencial, sem
nenhum outro bem, adquiriu dívida, decorrente de um cheque não quitado, junto a uma empresa de
cosméticos. Esta ajuizou execução judicial do título de crédito e, ciente de que o imóvel tinha
usufruto, pediu a penhora deste.
No entanto, a nua propriedade do imóvel de Ana Lúcia, antes do ajuizamento da execução, havia
sido doada a sua filha, Patrícia, com a devida reserva do usufruto vitalício a Ana Lúcia. Na escritura
de doação, que também foi registrada antes da propositura da execução, foram previstas cláusulas
de inalienabilidade, impenhorabilidade, incomunicabilidade e reversão do imóvel. Nessa situação
hipotética,
a) o usufruto deverá ser considerado impenhorável, pois o bem foi declarado inalienável.
b) caso Patrícia seja proprietária de outro imóvel residencial, a nua propriedade do imóvel ocupado por Ana
Lúcia poderá ser penhorada.
c) a nua propriedade do imóvel não poderá ser penhorada, mesmo se a alienação for anulada em ação
autônoma de fraude contra credores.
d) a nua propriedade do imóvel poderá ser penhorada, já que houve fraude na execução.
e) o usufruto poderá ser penhorado, pois configura direito sobre o imóvel, mas não sobre a propriedade do
imóvel em si.
56. Carlos, proprietário de um terreno, concedeu a Pedro, mediante escritura pública registrada, o
direito de cultivar esse terreno pelo período de três anos. Nessa situação hipotética, de acordo com
o que dispõe o Código Civil,
a) em caso de falecimento de Pedro, o direito poderá ser transferido a seus herdeiros ou a terceiros.
b) Carlos poderá alienar o direito de cultivo durante o prazo estipulado, mas não poderá alienar o imóvel
objeto da concessão.
c) Pedro poderá fazer obra no subsolo para guardar em depósito os insumos destinados à plantação.
d) caso o imóvel seja desapropriado, Pedro também fará jus à indenização.
e) Carlos continuará obrigado ao pagamento dos tributos que incidirem sobre o terreno.

57. Aquele que receber, de forma indevida, mas de boa-fé, pagamento relativo a um contrato
a) responderá pela deterioração da coisa.
b) não terá direito de retenção de valores relativos às benfeitorias necessárias.
c) estará desobrigado de restituir a coisa caso o indébito tenha natureza objetiva.
d) fará jus aos frutos decorrentes da coisa recebida.
e) não terá direito à indenização por benfeitorias úteis.

58. Sobre os direitos reais, conceito jurídico delimitado pelo Código Civil, analise os itens abaixo:
I. O Direito real de propriedade abrange o solo. Este, por sua vez, compreende o espaço aéreo e subsolo
correspondentes, em altura e profundidade úteis ao seu exercício, podendo o proprietário opor-se a
atividades que sejam realizadas espaços, sendo sua realização, portanto, precedida de autorização
expressa daquele.
II. O usucapião de coisa móvel se verifica quando determinado indivíduo, de boa fé, ter a coisa como sua,
de forma contínua e incontestada, pelo prazo de 4 (quatro) anos.
III. A avulsão ocorre quando o indivíduo, trabalhando em matéria-prima em parte alheia, obtiver espécie
nova cuja propriedade será sua.
IV. É vedado ao dono do prédio que não tiver acesso a via pública constranger o vizinho a lhe dar
passagem, mesmo que por meio de pagamento de indenização.

Assinale a alternativa correta.


a) Apenas I é incorreto
b) II e III são corretos
c) I e II são corretos
d) Apenas II e IV são incorretos
e) I, II, III e IV são incorretos

59. No que tange ao direito real de usufruto, assinale a alternativa correta.


a) Caracteriza-se pela transferência ao usufrutuário dos direitos de uso e gozo da coisa, concedendo-lhe
inclusive o direito de alienar o bem a quem desejar.
b) O bem gravado com usufruto não poderá ser alienado pelo nu proprietário, considerada a existência do
aludido direito real pertencente a outrem, o usufrutuário.
c) A constituição do direito real de usufruto imobiliário dispensa registro no pertinente Registro de Imóveis,
bastando a exteriorização da posse.
d) Tanto as despesas ordinárias de conservação quanto os tributos que recaírem sobre o bem gravado
serão suportados, com exclusividade, pelo usufrutuário.
e) O doador que se reservar na condição de usufrutuário terá que prestar caução real ou fidejussória.

60. A posse, segundo a mais relevante doutrina, em suma, nada mais é do que a exteriorização do
direito de propriedade. Sobre o instituto em referência, é correto afirmar que
a) a truculência contra a coisa com o escopo de aquisição da posse torna-a violenta.
b) é expressamente vedada em nossa legislação a aquisição da posse por meio de terceiro que não ostente
instrumento de mandato.
c) admite a legislação o uso do desforço imediato em caso de turbação e de defesa da posse em caso de
esbulho.
d) para efeitos de aquisição da propriedade por prescrição aquisitiva, a posse exercida com animus
domini pelo sucessor soma-se à do antecessor.
e) o possuidor de boa-fé terá direito à indenização por benfeitorias necessárias e úteis, mas não gozará do
direito de retenção.
Respostas:
41: 42: 43: 44: 45: 46: 47: 48: 49: 50: 51: 52: 53:
54: 55: 56: 57: 58: 59: 60:

DIREITO DO CONSUMIDOR:
1. NÃO se inclui entre os direitos contratuais do consumidor
a) a interpretação mais favorável das cláusulas contratuais.
b) o recebimento imediato pelo consumidor do valor eventualmente pago pelo produto, monetariamente
atualizado, após o exercício do direito de arrependimento.
c) a redação clara e compreensível das cláusulas contratuais, em vernáculo pátrio.
d) o pagamento em cheque, a ser sempre aceito pelo fornecedor do produto ou serviço por se tratar de
ordem de pagamento à vista.
e) o efetivo conhecimento do conteúdo do contrato, com a clara especificação dos direitos e deveres de
ambas as partes.

2. São direitos básicos do consumidor, exceto:


a) a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem
como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços.
b) a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de
quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem.
c) a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no
processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente,
segundo as regras ordinárias de experiências.
d) a participação e consulta na formulação das políticas que os afetam diretamente, e a representação de
seus interesses por intermédio das entidades públicas ou privadas de defesa do consumidor.
e) a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão
em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas.

3. São direitos básicos do consumidor a


a) modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações injustas ou sua revisão em razão de
fatos preexistentes que as tornem onerosas.
b) prevenção de danos extrapatrimoniais individuais.
c) participação e consulta na formulação das políticas que o afete diretamente.
d) educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços.
e) proteção da vida e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos
derivados de recursos naturais disponíveis.

4. Não constitui direito básico dos consumidores:


a) a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de
produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos;
b) a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade
de escolha e a igualdade nas contratações;
c) a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de
quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem;
d) a informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de
comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados;
e) a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no
processo civil e trabalhista, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele
hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências.

5. Considera-se direito básico do consumidor:


a) a facilitação da defesa do consumidor em juízo, garantindo, a qualquer público, gratuidade da Justiça.
b) a célere prestação dos serviços públicos em geral.
c) a prevenção contra danos difusos, sempre que for possível alguma lesão a consumidor específico.
d) a divulgação no produto sobre sua periculosidade em, no mínimo, duas línguas, sendo uma
necessariamente a do país onde se coloca à venda o produto.
e) a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão
em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas.
6. São direitos básicos do consumidor, exceto:
a) A proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de
produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos.
b) Educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade
de escolha e a igualdade nas contratações.
c) A informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de
quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos
que apresentem.
d) A proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem
como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços.
e) A impossibilidade modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais
ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas, devendo
sempre ser rescindido o contrato.

7. São direitos básicos do consumidor:


a) a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade
de escolha e a distinção nas contratações.
b) facilitação da defesa dos direitos dos consumidores, inclusive com a inversão do ônus da prova a seu
favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação e for ele hipossuficiente,
segundo as regras ordinárias de experiências.
c) informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de
quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos
que apresentem.
d) a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão
em razão de fatos presentes ou pretéritos que as tornem excessivamente onerosas.
e) a proteção do consumidor contra métodos comerciais coercitivos ou desleais, contrapropaganda, bem
como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços.

8. Considerando que certa loja tenha veiculado, em um programa de televisão, publicidade,


suficientemente precisa, em que ofertava celulares por preço promocional, julgue os itens
seguintes. O fornecedor criou um direito potestativo para o consumidor.
( ) Certo ( ) Errado

9. São direitos básicos do consumidor, dentre outros:


a) a educação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, com ênfase à igualdade de trocas.
b) os previstos no Código de Defesa do Consumidor e outros decorrentes de tratados internacionais de
que o Brasil seja signatário, excluindo-se regulamentos internos e a analogia.
c) a efetiva reparação de danos extrapatrimoniais coletivos e individuais homogêneos, com exclusão da
responsabilidade do profissional liberal.
d) a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.
e) a proteção da segurança contra os riscos surgidos por práticas no fornecimento de serviços
considerados inadequados.

10. Acerca dos direitos básicos do consumidor, afirma-se que


a) há possibilidade de modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações
desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos surgidos antes da formação do contrato e que as tornem
iníquas.
b) a educação e a divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços configuram um desses
direitos, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas contratações.
c) eles não excluem outros que derivem de tratados ou convenções internacionais de que o Brasil seja
signatário, dispensando-se aqueles resultantes dos costumes e equidade.
d) a informação adequada sobre os diferentes produtos deve ser clara quanto à especificação das
características e qualidade, sem a menção a tributos incidentes e preço.
e) tendo mais de um autor a ofensa, responderá pela reparação do dano aquele que a ele deu causa,
culposamente.

11. Em relação à prescrição e decadência no direito do consumidor,


a) a reclamação do consumidor perante o Procon obsta a decadência.
b) em caso de vício aparente ou de fácil constatação, o prazo decadencial inicia-se da data da compra do
produto ou da contratação do serviço.
c) em caso de fato do produto ou serviço, o prazo prescricional inicia-se a partir do conhecimento do dano
e de sua autoria.
d) o prazo para reclamar perante o fornecedor é prescricional, em caso de vício do produto ou serviço.
e) o prazo prescricional é de três anos, tratando-se de acidente de consumo.

12. Sobre os direitos do consumidor, é correto afirmar:


a) Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário
final.
b) A criação de delegacias de polícia especializadas no atendimento de consumidores vítimas de infrações
penais de consumo não constitui instrumento para a execução da Política Nacional das Relações de
Consumo
c) Não se equipara a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo
nas relações de consumo.
d) Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, exceto as de
natureza bancária, financeira, de crédito e securitária.
e) É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios legislar sobre
responsabilidade por dano ao consumidor

13. Com relação aos direitos do consumidor e ao CDC, julgue os itens a seguir. O direito do
consumidor é um direito e garantia individual no Brasil.
( ) Certo ( ) Errado

14. Ficam excluídas da definição de consumidor


a) apenas as pessoas jurídicas de direito privado com fins econômicos.
b) todas as pessoas jurídicas, ainda que utilizem o produto ou o serviço como destinatárias finais.
c) apenas as pessoas jurídicas de direito público interno.
d) as pessoas físicas não consideradas hipossuficientes, segundo os critérios legais.
e) as pessoas físicas ou jurídicas que utilizem o produto ou o serviço como bens de produção.

15. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, a cobrança indevida acarreta o direito de o
consumidor:
a) obter indenização correspondente ao dobro do valor cobrado indevidamente, independente do efetivo
pagamento.
b) ser restituído do valor pago em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, na hipótese de
engano justificável do credor.
c) receber pagamento em dobro do valor demandado, salvo a hipótese de justificável engano do credor.
d) pleitear indenização por perdas e danos materiais e morais, fixada pela lei no valor igual ao dobro do
que foi indevidamente cobrado.
e) ser indenizado por perdas e danos materiais e morais somente nos casos em que o consumidor prove
o efetivo pagamento do valor indevido.

16. Quanto aos direitos do consumidor, é INCORRETO afirmar que o Código de Defesa do
Consumidor
a) define produto como sendo qualquer atividade material ou imaterial fornecida no mercado de consumo,
mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as
decorrentes das relações de caráter trabalhista.
b) define fornecedor como sendo toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira,
bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividade de produção, montagem, criação,
construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou
prestação de serviços.
c) define consumidor como sendo toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço
como destinatário final.
d) estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social.

17. São direitos básicos do consumidor definidos pelo Código de Defesa do Consumidor, EXCETO:
a) Adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.
b) Efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos.
c) Modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em
razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas.
d) Participação e consulta na formulação das políticas que os afetam diretamente, e a representação de
seus interesses por intermédio das entidades públicas ou privadas de defesa do consumidor.

18. Em relação aos direitos do consumidor e à defesa do consumidor em juízo, assinale a opção
correta.
a) É incompatível com o sistema de responsabilidade civil estabelecido no CDC cláusula contratual de não
indenizar que impossibilite, exonere ou atenue o dever de indenização do fornecedor pessoa física.
b) Prevalece na doutrina e na jurisprudência o entendimento de que não se aplica aos contratos celebrados
via Internet o prazo de arrependimento.
c) Caso fortuito e força maior excluem a responsabilidade do fornecedor de serviços ou de produtos.
d) A doutrina é uníssona no sentido de que o momento de inversão do ônus da prova é o do julgamento da
causa.
e) No campo das ações consumeristas individuais, o ajuizamento da ação de responsabilidade civil do
fornecedor de produtos e serviços poderá ser no foro do domicílio do consumidor autor, mesmo se o foro
de eleição for outro, apenas quando se tratar de contrato de adesão.

19. Nos termos do Código de Defesa do Consumidor (Lei no 8.078/90), são direitos básicos do
consumidor:
a) A proteção da personalidade, da honra, da saúde e da segurança contra os riscos provocados por
práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos.
b) A informação adequada e clara sobre os produtos e serviços, com especificação do fornecedor e do
produtor da matéria-prima, inclusive do prazo de validade do bem perecível industrializado.
c) A proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem
como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços.
d) A adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral, a identificação do agente ou servidor
público, a obtenção de habeas data e o direito de ingresso em todos os edifícios públicos que prestam
serviços.
e) A facilitação da defesa de seus direitos, com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo
judicial e a assistência da Defensoria Pública, pois presumida a sua hipossuficiência.

20. Em relação ao conceito de consumidor e aos direitos básicos do consumidor, assinale a opção
correta.
a) A vulnerabilidade, pressuposto de aplicação do CDC, é presumida para o consumidor pessoa física, ao
passo que, para a pessoa jurídica, tal situação deve ser demonstrada e aferida casuisticamente.
b) Para se aplicar o conceito de consumidor equiparado, tem de haver prévio ajuste contratual com o
fornecedor do produto ou serviço.
c) A inversão do ônus da prova depende da análise dos requisitos legais pelo juiz no caso concreto e de
requerimento expresso da parte nesse sentido.
d) Os requisitos para a inversão do ônus da prova são alternativos, razão pela qual pode o juiz aplicar tal
instituto quando presente a hipossuficiência do consumidor, ainda que o fato alegado seja inverossímil.
e) Segundo entendimento do STJ, o CDC incide na relação jurídica estabelecida entre o estudante e a
pessoa jurídica responsável pelo gerenciamento do Fundo de Financiamento Estudantil do governo federal.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:

1. NÃO se inclui entre os direitos contratuais do consumidor


a) a interpretação mais favorável das cláusulas contratuais.
b) o recebimento imediato pelo consumidor do valor eventualmente pago pelo produto, monetariamente
atualizado, após o exercício do direito de arrependimento.
c) a redação clara e compreensível das cláusulas contratuais, em vernáculo pátrio.
d) o pagamento em cheque, a ser sempre aceito pelo fornecedor do produto ou serviço por se tratar de
ordem de pagamento à vista.
e) o efetivo conhecimento do conteúdo do contrato, com a clara especificação dos direitos e deveres de
ambas as partes.

2. São direitos básicos do consumidor, exceto:


a) a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem
como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços.
b) a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de
quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem.
c) a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no
processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente,
segundo as regras ordinárias de experiências.
d) a participação e consulta na formulação das políticas que os afetam diretamente, e a representação de
seus interesses por intermédio das entidades públicas ou privadas de defesa do consumidor.
e) a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão
em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas.

3. São direitos básicos do consumidor a


a) modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações injustas ou sua revisão em razão de
fatos preexistentes que as tornem onerosas.
b) prevenção de danos extrapatrimoniais individuais.
c) participação e consulta na formulação das políticas que o afete diretamente.
d) educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços.
e) proteção da vida e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos
derivados de recursos naturais disponíveis.

4. Não constitui direito básico dos consumidores:


a) a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de
produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos;
b) a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade
de escolha e a igualdade nas contratações;
c) a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de
quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem;
d) a informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de
comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados;
e) a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no
processo civil e trabalhista, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele
hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências.

5. Considera-se direito básico do consumidor:


a) a facilitação da defesa do consumidor em juízo, garantindo, a qualquer público, gratuidade da Justiça.
b) a célere prestação dos serviços públicos em geral.
c) a prevenção contra danos difusos, sempre que for possível alguma lesão a consumidor específico.
d) a divulgação no produto sobre sua periculosidade em, no mínimo, duas línguas, sendo uma
necessariamente a do país onde se coloca à venda o produto.
e) a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão
em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas.

6. São direitos básicos do consumidor, exceto:


a) A proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de
produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos.
b) Educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade
de escolha e a igualdade nas contratações.
c) A informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de
quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos
que apresentem.
d) A proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem
como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços.
e) A impossibilidade modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais
ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas, devendo
sempre ser rescindido o contrato.

7. São direitos básicos do consumidor:


a) a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade
de escolha e a distinção nas contratações.
b) facilitação da defesa dos direitos dos consumidores, inclusive com a inversão do ônus da prova a seu
favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação e for ele hipossuficiente,
segundo as regras ordinárias de experiências.
c) informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de
quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos
que apresentem.
d) a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão
em razão de fatos presentes ou pretéritos que as tornem excessivamente onerosas.
e) a proteção do consumidor contra métodos comerciais coercitivos ou desleais, contrapropaganda, bem
como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços.

8. Considerando que certa loja tenha veiculado, em um programa de televisão, publicidade,


suficientemente precisa, em que ofertava celulares por preço promocional, julgue os itens
seguintes. O fornecedor criou um direito potestativo para o consumidor.
( ) Certo ( ) Errado

9. São direitos básicos do consumidor, dentre outros:


a) a educação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, com ênfase à igualdade de trocas.
b) os previstos no Código de Defesa do Consumidor e outros decorrentes de tratados internacionais de
que o Brasil seja signatário, excluindo-se regulamentos internos e a analogia.
c) a efetiva reparação de danos extrapatrimoniais coletivos e individuais homogêneos, com exclusão da
responsabilidade do profissional liberal.
d) a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.
e) a proteção da segurança contra os riscos surgidos por práticas no fornecimento de serviços
considerados inadequados.

10. Acerca dos direitos básicos do consumidor, afirma-se que


a) há possibilidade de modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações
desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos surgidos antes da formação do contrato e que as tornem
iníquas.
b) a educação e a divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços configuram um desses
direitos, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas contratações.
c) eles não excluem outros que derivem de tratados ou convenções internacionais de que o Brasil seja
signatário, dispensando-se aqueles resultantes dos costumes e equidade.
d) a informação adequada sobre os diferentes produtos deve ser clara quanto à especificação das
características e qualidade, sem a menção a tributos incidentes e preço.
e) tendo mais de um autor a ofensa, responderá pela reparação do dano aquele que a ele deu causa,
culposamente.

11. Em relação à prescrição e decadência no direito do consumidor,


a) a reclamação do consumidor perante o Procon obsta a decadência.
b) em caso de vício aparente ou de fácil constatação, o prazo decadencial inicia-se da data da compra do
produto ou da contratação do serviço.
c) em caso de fato do produto ou serviço, o prazo prescricional inicia-se a partir do conhecimento do dano
e de sua autoria.
d) o prazo para reclamar perante o fornecedor é prescricional, em caso de vício do produto ou serviço.
e) o prazo prescricional é de três anos, tratando-se de acidente de consumo.

12. Sobre os direitos do consumidor, é correto afirmar:


a) Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário
final.
b) A criação de delegacias de polícia especializadas no atendimento de consumidores vítimas de infrações
penais de consumo não constitui instrumento para a execução da Política Nacional das Relações de
Consumo
c) Não se equipara a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo
nas relações de consumo.
d) Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, exceto as de
natureza bancária, financeira, de crédito e securitária.
e) É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios legislar sobre
responsabilidade por dano ao consumidor
13. Com relação aos direitos do consumidor e ao CDC, julgue os itens a seguir. O direito do
consumidor é um direito e garantia individual no Brasil.
( ) Certo ( ) Errado

14. Ficam excluídas da definição de consumidor


a) apenas as pessoas jurídicas de direito privado com fins econômicos.
b) todas as pessoas jurídicas, ainda que utilizem o produto ou o serviço como destinatárias finais.
c) apenas as pessoas jurídicas de direito público interno.
d) as pessoas físicas não consideradas hipossuficientes, segundo os critérios legais.
e) as pessoas físicas ou jurídicas que utilizem o produto ou o serviço como bens de produção.

15. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, a cobrança indevida acarreta o direito de o
consumidor:
a) obter indenização correspondente ao dobro do valor cobrado indevidamente, independente do efetivo
pagamento.
b) ser restituído do valor pago em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, na hipótese de
engano justificável do credor.
c) receber pagamento em dobro do valor demandado, salvo a hipótese de justificável engano do credor.
d) pleitear indenização por perdas e danos materiais e morais, fixada pela lei no valor igual ao dobro do
que foi indevidamente cobrado.
e) ser indenizado por perdas e danos materiais e morais somente nos casos em que o consumidor prove
o efetivo pagamento do valor indevido.

16.Quanto aos direitos do consumidor, é INCORRETO afirmar que o Código de Defesa do


Consumidor
a) define produto como sendo qualquer atividade material ou imaterial fornecida no mercado de consumo,
mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as
decorrentes das relações de caráter trabalhista.
b) define fornecedor como sendo toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira,
bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividade de produção, montagem, criação,
construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou
prestação de serviços.
c) define consumidor como sendo toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço
como destinatário final.
d) estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social.

17. São direitos básicos do consumidor definidos pelo Código de Defesa do Consumidor, EXCETO:
a) Adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.
b) Efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos.
c) Modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em
razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas.
d) Participação e consulta na formulação das políticas que os afetam diretamente, e a representação de
seus interesses por intermédio das entidades públicas ou privadas de defesa do consumidor.

18. Em relação aos direitos do consumidor e à defesa do consumidor em juízo, assinale a opção
correta.
a) É incompatível com o sistema de responsabilidade civil estabelecido no CDC cláusula contratual de não
indenizar que impossibilite, exonere ou atenue o dever de indenização do fornecedor pessoa física.
b) Prevalece na doutrina e na jurisprudência o entendimento de que não se aplica aos contratos celebrados
via Internet o prazo de arrependimento.
c) Caso fortuito e força maior excluem a responsabilidade do fornecedor de serviços ou de produtos.
d) A doutrina é uníssona no sentido de que o momento de inversão do ônus da prova é o do julgamento da
causa.
e) No campo das ações consumeristas individuais, o ajuizamento da ação de responsabilidade civil do
fornecedor de produtos e serviços poderá ser no foro do domicílio do consumidor autor, mesmo se o foro
de eleição for outro, apenas quando se tratar de contrato de adesão.
19. Nos termos do Código de Defesa do Consumidor (Lei no 8.078/90), são direitos básicos do
consumidor:
a) A proteção da personalidade, da honra, da saúde e da segurança contra os riscos provocados por
práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos.
b) A informação adequada e clara sobre os produtos e serviços, com especificação do fornecedor e do
produtor da matéria-prima, inclusive do prazo de validade do bem perecível industrializado.
c) A proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem
como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços.
d) A adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral, a identificação do agente ou servidor
público, a obtenção de habeas data e o direito de ingresso em todos os edifícios públicos que prestam
serviços.
e) A facilitação da defesa de seus direitos, com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo
judicial e a assistência da Defensoria Pública, pois presumida a sua hipossuficiência.

20.Em relação ao conceito de consumidor e aos direitos básicos do consumidor, assinale a opção
correta.
a) A vulnerabilidade, pressuposto de aplicação do CDC, é presumida para o consumidor pessoa física, ao
passo que, para a pessoa jurídica, tal situação deve ser demonstrada e aferida casuisticamente.
b) Para se aplicar o conceito de consumidor equiparado, tem de haver prévio ajuste contratual com o
fornecedor do produto ou serviço.
c) A inversão do ônus da prova depende da análise dos requisitos legais pelo juiz no caso concreto e de
requerimento expresso da parte nesse sentido.
d) Os requisitos para a inversão do ônus da prova são alternativos, razão pela qual pode o juiz aplicar tal
instituto quando presente a hipossuficiência do consumidor, ainda que o fato alegado seja inverossímil.
e) Segundo entendimento do STJ, o CDC incide na relação jurídica estabelecida entre o estudante e a
pessoa jurídica responsável pelo gerenciamento do Fundo de Financiamento Estudantil do governo federal.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:

21. O Direito do Trabalho na 4ª edição revista e atualizada da Classificação Decimal de Direito de


Dóris de Queiroz Carvalho, conforme previsto na edição anterior foi transportado para a categoria
de:
a) Direito Público;
b) Direito Previdenciário;
c) Direito do Consumidor;
d) Direito Privado;
e) Direito Econômico.

22. O Código de Defesa do Consumidor


a) estabelece a responsabilidade objetiva do fornecedor pelos defeitos causados por riscos que
legitimamente se espera do produto.
b) isenta a responsabilidade do fornecedor direto por vício de produto in natura, caso seu produtor seja
claramente identificado.
c) é lei de ordem pública e exclui outros dispositivos legais que tratem de direitos e deveres do consumidor.
d) estabelece a responsabilidade objetiva dos fornecedores de serviços, ainda que liberais.

23. Ingressando o Ministério Público com ação coletiva de consumo contra laboratório fabricante
de produtos farmacêuticos, para obrigá-lo a retirar do mercado determinado medicamento, por
alegado risco à saúde ou à segurança dos consumidores, objetiva tal demanda judicial tutelar
a) interesses ou direitos individuais homogêneos de consumidores.
b) interesses ou direitos difusos de consumidores.
c) interesses ou direitos individuais heterogêneos de consumidores.
d) interesses ou direitos coletivos lato sensu de consumidores.
e) interesses ou direitos eventualmente coletivos de consumidores.

24. Assinale a alternativa que contém a afirmação correta em relação ao assunto indicado Código
de Defesa do Consumidor.
a) A violação do princípio da identificação dá causa à publicidade abusiva.
b) Conforme jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, o Código de Defesa do Consumidor adotou a
denominada teoria menor da desconsideração da personalidade jurídica.
c) A proibição da prática de condicionar, em qualquer caso, o fornecimento de produtos a limites
quantitativos configura proteção legal do consumidor em relação à denominada venda casada.
d) O credor, que no exercício do seu direito expõe o consumidor a constrangimento ou humilhação, deve
devolver em dobro os valores que venham a ser pagos.
e) A abertura de ficha em cadastro de consumidores só pode ser feita quando autorizada previamente pelo
interessado.

25. Nos termos do Código de Defesa do Consumidor,


a) as pessoas jurídicas de direito público não podem ser consideradas fornecedoras.
b) somente entes personalizados (isto é, pessoas físicas ou jurídicas) podem ser considerados
fornecedores.
c) a pessoa jurídica não pode ser considerada consumidora.
d) é considerada consumidora a pessoa que adquire o produto como destinatária final, mas não a que
meramente o utiliza nessa condição.
e) equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas
relações de consumo.

26. No sistema protetivo do consumidor


a) os serviços públicos são excluídos, já que objeto de leis próprias.
b) o acesso ao Poder Judiciário é sempre gratuito aos consumidores, para facilitação da defesa de seus
interesses.
c) haverá, sempre, a inversão do ônus probatório em benefício do consumidor, em face de sua presumida
hipossuficiência, que é absoluta.
d) as cláusulas de eleição de foro são tidas por inexistentes em qualquer hipótese, não gerando efeitos
jurídicos.
e) é garantido o direito de modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações
desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente
onerosas.

27. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, considera-se consumidor


a) toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final, a ele se
equiparando, para fins de responsabilização civil, a vítima de dano decorrente da relação de consumo,
ainda que dela não tenha participado.
b) toda pessoa física ou jurídica que adquire produto ou serviço para atividade-meio ou como destinatário
final, a ele se equiparando, para fins de responsabilização civil, a vítima de dano decorrente da relação de
consumo, desde que dela tenha participado.
c) a pessoa física que adquire ou utiliza produto como destinatário final, a ele se equiparando, para fins de
responsabilização civil, a vítima de dano decorrente da relação de consumo, desde que dela tenha
participado.
d) a pessoa física que esteja em situação de hipossuficiência em relação ao fornecedor, ainda que não se
trate do destinatário final do produto ou serviço.
e) a pessoa física ou jurídica que esteja em situação de hipossuficiência em relação ao fornecedor, ainda
que não se trate do destinatário final do produto ou serviço.

28.As cláusulas abusivas no Código de Defesa do Consumidor são


a) nulas de pleno direito e previstas em rol taxativo.
b) anuláveis e previstas em rol fechado.
c) tidas por inexistentes.
d) nulas de pleno direito e previstas em rol meramente exemplificativo.
e) anuláveis e previstas em rol elucidativo.

29. Acerca do direito do consumidor, assinale a opção correta.


a) A oferta ou a veiculação de mensagem publicitária que ressalte as qualidades ou características de
determinado produto ou serviço e defina condições e preços para a sua aquisição tem força vinculante em
relação ao fornecedor que a promove ou dela se utiliza.
b) Para caracterização da publicidade enganosa, exige-se que o anunciante tenha conhecimento de que
as informações publicitárias são falsas, que são capazes de induzir ao erro e que provocam prejuízo ao
consumidor.
c) Quando forem fornecidos produtos potencialmente perigosos ao consumo, ainda que não tenha havido
dano, incide cumulativamente a responsabilidade pelo fato do produto e pelo vício ou impropriedade do
produto, também por perdas e danos, além das sanções administrativas e penais.
d) Na contratação para fornecimento de produto ocorrida fora do estabelecimento empresarial, o
consumidor pode desistir da avença no prazo de sete dias a contar do recebimento do produto. Nessa
hipótese, os valores eventualmente pagos devem ser restituídos, deduzindo-se, apenas, o valor gasto com
o transporte da mercadoria.
e) O profissional liberal fornecedor de serviços será pessoalmente responsável pela reparação dos danos
causados aos consumidores, por defeitos relativos à prestação de seus serviços, independentemente de
apuração da culpa.

30. Acerca do direito do consumidor, assinale a opção correta.


a) A teoria da desconsideração da personalidade jurídica adotada pelo CDC é a teoria maior, sendo
possível a aplicação da disregard doctrine nas hipóteses de abuso da personalidade por confusão
patrimonial ou desvio de finalidade.
b) Em regra, a inversão do ônus da prova implica que a parte requerida deve arcar com as custas da prova
solicitada pelo consumidor, consoante jurisprudência do STJ.
c) Juridicamente, são reconhecidos quatro tipos de vulnerabilidade: a técnica, a jurídica, a fática e a
informacional, sendo todo consumidor presumivelmente vulnerável, embora não seja, necessariamente,
hipossuficiente, não se tratando, pois, de expressões sinônimas.
d) Apesar de, às vezes, serem considerados sinônimos, o vocábulo propaganda é mais utilizado para a
atividade comercial, enquanto o vocábulo publicidade é expressão mais ampla, de uso reservado para ação
política, religiosa, de disseminação ideológico-filosófica.
e) Exercido o direito de arrependimento (prazo de reflexão), no prazo de sete dias a contar de sua
assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, o consumidor tem direito de receber 80% do
valor desembolsado de forma imediata e atualizado monetariamente.

31. Ainda em relação ao direito do consumidor, assinale a opção correta.


a) Embora tenha a atribuição constitucional de defender os interesses sociais e individuais indisponíveis, o
MP não tem legitimidade para propor ação coletiva (ação civil pública) na defesa de interesses individuais
homogêneos.
b) O prazo de trinta dias para que o fornecedor promova o saneamento do vício do produto ou serviço
aplica-se aos denominados vícios de qualidade e quantidade, bem como ao vício decorrente de disparidade
com a oferta ou publicidade.
c) Nas ações coletivas para a defesa de interesses individuais homogêneos, a sentença será certa e
específica para cada vítima, ressaltando-se que sua execução poderá ser promovida pela própria vítima,
seus sucessores e demais legitimados previstos no CDC.
d) O CDC adota, como regra, a responsabilidade civil objetiva e solidária, e a subjetiva em relação aos
fornecedores profissionais liberais, não havendo previsão legal no aludido diploma da responsabilidade
subsidiária.
e) A isenção de custas processuais prevista no artigo do CDC, referente à defesa coletiva do consumidor
em juízo, não abrange as execuções individuais decorrentes de pedidos julgados procedentes em ações
coletivas.

32. Assinale a opção correta com relação ao direito do consumidor.


a) Segundo doutrina e jurisprudência pacificada do STJ, a responsabilidade civil objetiva estabelecida no
CDC é a do risco integral, razão pela qual o caso fortuito e a força maior não excluem a responsabilidade
do fornecedor.
b) O recall, expressamente previsto no CDC, é um instrumento por meio do qual o fornecedor busca impedir
que o consumidor sofra algum dano ou perda em função de vício que o produto ou o serviço tenha
apresentado após sua comercialização.
c) A defensoria pública, assim como o MP e outros legitimados, é parte legitimada para propor ação civil
pública na defesa coletiva dos direitos dos consumidores, conforme previsão expressa do CDC.
d) O direito à reparação pelos danos causados por fato do produto ou do serviço decai em cinco anos, a
partir do conhecimento do dano e de sua autoria.
e) A tutela específica em uma ação envolvendo relação consumerista, bem como o cumprimento de
obrigação de fazer e não fazer, pode ser obtida por meio de tutela inibitória (astreintes), desde que
requerida pelo autor.

33. Assinale a opção correta com relação ao direito do consumidor.


a) É legal a suspensão no fornecimento de energia elétrica nos casos de dívidas contestadas em juízo e
decorrentes de suposta fraude no medidor, não configurando o fato constrangimento ao consumidor que
procure discutir no Poder Judiciário débito potencialmente indevido.
b) A jurisprudência do STJ é unânime no sentido de estar a devolução em dobro condicionada à existência
de má-fé ou de culpa do fornecedor na cobrança pelo preço das mercadorias ou serviços, não sendo devida
a devolução por simples engano justificável.
c) A jurisprudência do STJ tem mitigado os rigores da teoria finalista para autorizar a incidência do CDC
nas hipóteses em que a parte (pessoa física ou jurídica), embora não seja tecnicamente a destinatária final
do produto ou serviço, se apresente em situação de vulnerabilidade.
d) Não se aplica o CDC aos casos de indenização por danos morais e materiais por má prestação de
serviço em transporte aéreo, que são regulados por norma específica no ordenamento jurídico brasileiro.
e) A jurisprudência do STJ sedimentou-se no sentido da possibilidade de inversão do ônus da prova em
hipóteses que versem acerca de saques indevidos em conta bancária, desde que haja o reconhecimento
da hipossuficiência técnica do consumidor e da verossimilhança das alegações

34. Acerca dos institutos de direito do consumidor, assinale a opção correta.


a) A contribuição de intervenção no domínio econômico sobre combustível é tributo indireto, razão pela
qual o consumidor final tem legitimidade ativa ad causam para o pedido de restituição da parcela de preço
específica.
b) Não é lícita a aplicação a fornecedor, por mais de um órgão de proteção e defesa do consumidor, de
sanções decorrentes da mesma infração
c) As ações que, ajuizadas pelo consumidor contra concessionária de telefonia, visem ao questionamento
da cobrança da assinatura básica mensal e à devolução dos valores cobrados a esse título não podem ser
processadas nos juizados especiais cíveis.
d) As cooperativas de crédito não integram o Sistema Financeiro Nacional e não estão sujeitas às normas
do CDC.
e) Tratando-se de ação que objetive reparação dos danos causados pelo tabagismo, a prescrição é
regulada pelo Código Civil e não, pelo CDC.

35. Com relação ao direito do consumidor e ao CDC, assinale a opção correta.


a) A tutela da informação ao consumidor decorre da boa-fé subjetiva e é resguardada pela necessidade da
prestação de informação clara e adequada pelo fornecedor acerca dos produtos e serviços disponibilizados
no mercado de consumo.
b) Para revisão de cláusulas contratuais em favor do consumidor, é preciso comprovação de fato
superveniente que as tornem excessivamente onerosas, além de demonstração, ao juiz, da inexperiência
do consumidor ou da necessidade deste de contratar.
c) O CDC relativiza a autonomia privada dos contratantes e autoriza o Poder Judiciário a conhecer de ofício
a abusividade de cláusulas contratuais nos contratos bancários.
d) A proteção do consumidor como direito fundamental aplica-se ao consumidor pessoa física, pois, em
relação à pessoa jurídica consumidora, há o limitador da livre inciativa da atividade econômica.
e) O princípio da vulnerabilidade, que orienta a aplicação do CDC e tem como fundamento a fragilidade
dos consumidores no mercado de consumo, restringe-se ao aspecto econômico.

36. Assinale a alternativa correta sobre o direito do consumidor.


a) A cláusula contratual considerada abusiva, inserta em um contrato de consumo, também seria viciada
em um contrato civil caso redigida de forma idêntica.
b) A garantia estabelecida contratualmente pelas partes substitui a fixada em lei.
c) Para atendimento do dever de informação, as cláusulas que restringem direitos do consumidor devem
ser destacadas na redação do instrumento contratual.
d) Conforme entendimento do STF, fere a garantia constitucional da isonomia a norma do CDC que
determina a interpretação das cláusulas contratuais de forma mais favorável ao consumidor.
e) Conforme determinação legal, as condições gerais dos contratos de consumo passam por um controle
administrativo abstrato e preventivo.

37. Acerca dos direitos básicos do consumidor, assinale a opção correta.


a) Os direitos previstos no Código de Defesa do Consumidor não excluem outros decorrentes de tratados
de que o Brasil seja signatário, exceto os derivados do costume.
b) A desconsideração da personalidade jurídica da empresa deverá ser decretada pelo juiz sempre que
houver abuso de direito ou em casos de falência, com eventual inatividade da pessoa jurídica.
c) A modalidade de culpa empregada na sistemática dos direitos do consumidor será sempre objetiva,
ainda que seja o produto ou serviço prestado por construtor estrangeiro ou por importador de mercadorias
no Brasil.
d) Os direitos previstos no Código de Defesa do Consumidor não excluem outros decorrentes de legislação
interna ordinária, excetos os derivados da analogia.
e) A eventual ignorância do fornecedor sobre vícios de qualidade por inadequação do produto ou do serviço
poderá, desde que devidamente comprovada em juízo, eximi-lo da responsabilidade.

38. Acerca dos princípios e direitos básicos do consumidor é correto afirmar que:
a) O reconhecimento da nulidade de uma cláusula contratual abusiva que estabeleça prestação
desproporcional, ou a torne excessivamente onerosa, invalida todo o contrato firmado entre fornecedor e
consumidor, acarretando o reconhecimento de sua invalidade;
b) É nula de pleno direito a cláusula contratual que determine a utilização compulsória de arbitragem para
a resolução dos litígios entre consumidor e fornecedor;
c) O Código de Proteção e Defesa do Consumidor – Lei 8.078/90 veda expressamente a instituição de
compromisso arbitral e a realização de arbitragem, mesmo que de comum acordo entre consumidor e
fornecedor;
d) Não caracteriza o dano moral passível de reparação a simples devolução indevida de cheque por
instituição financeira, cabendo ao consumidor comprovar que o ato causou-lhe desconforto, transtorno ou
prejuízo.

39. A respeito dos direitos do consumidor, assinale a opção correta.


a) A contagem do prazo de decadência para a reclamação de vícios do produto inicia-se após o
encerramento da garantia contratual.
b) Para que se desconsidere a personalidade jurídica, não basta a prova da insolvência da pessoa jurídica
em relação ao pagamento de suas obrigações, sendo necessário demonstrar ter havido desvio de
finalidade.
c) De acordo com a jurisprudência pacificada, há responsabilidade do fabricante de bebida alcoólica por
dano material a consumidor que, tendo-a ingerido por vários anos, se torne dependente químico do produto.
d) A prova inequívoca de falha no processamento de dados afasta a responsabilidade do banco pela recusa
de pagamento de cheque regular.
e) A agência de turismo que tiver vendido pacote turístico não responde pela indenização por dano
decorrente do mau serviço prestado pelo hotel contratado no pacote.

40. Sobre o exercício dos direitos pelos consumidores, assinale a afirmativa correta.
a) No caso de um produto vencido que tenha provocado lesão à saúde do consumidor, este terá o prazo
de trinta ou noventa dias para reclamar ao fornecedor, conforme o caso.
b) Conforme jurisprudência unânime dos tribunais superiores, o prazo para pretensão de revisar cláusulas
abusivas é de até cinco anos da assinatura do contrato.
c) Quando exista a contratação de garantia contra vícios, o prazo ajustado fluirá em período distinto da
garantia prevista em lei.
d) O prazo para interposição de ação indenizatória é de cinco anos, salvo quando as perdas e danos
decorrerem de vício do produto ou do serviço.
e) Os prazos previstos para este fim no CDC, não admitem suspensão ou interrupção.

Respostas:
21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33: 34:
35: 36: 37: 38: 39: 40:

41. A proteção contratual do consumidor no direito brasileiro compreende:


a) a vedação legal ao estabelecimento de cláusulas contratuais limitativas de indenização em quaisquer
situações.
b) a nulidade das cláusulas consideradas abusivas, sempre mediante requerimento do interessado, na
hipótese de violação do equilíbrio contratual.
c)a proibição, nos contratos de adesão, de cláusula resolutória.
d) a integração judicial de lacunas surgidas da nulidade de cláusulas abusivas, visando à manutenção do
contrato.
e) a proibição, nos contratos de adesão, de cláusula limitativa de direitos do consumidor.

42. Assinale a alternativa correta em matéria de Direito do Consumidor.


a) A convenção coletiva de consumo torna-se obrigatória a partir da sua publicação no Diário Oficial.
b) A convenção coletiva de consumo obrigará a todos os fornecedores do ramo comercial objeto do acordo.
c) As relações de consumo não podem ser objeto de convenção coletiva.
d) Apenas as associações de fornecedores e os sindicatos de categoria econômica podem regular, por
convenção escrita, as relações de consumo.
e) Não se exime de cumprir a convenção coletiva de consumo o fornecedor que se desligar da entidade
signatária em data posterior ao registro do instrumento.

43. Assinale a alternativa correta em matéria de Direito do Consumidor.


a) A pessoa jurídica de direito público estrangeira pode ser fornecedora.
b) Pessoa jurídica não pode ser considerada consumidora.
c) Bem imóvel não se enquadra no conceito de produto.
d) Toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço é considerada consumidor.
e) Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de
natureza bancária, financeira, de crédito, securitária e as decorrentes das relações trabalhistas.

44. Assinale a alternativa correta em matéria de Direito do Consumidor.


a) Os produtos e serviços colocados no mercado de consumo não poderão acarretar nenhum tipo de riscos
à saúde ou segurança dos consumidores.
b) Após posto o produto no mercado, cabe exclusivamente ao revendedor prestar as informações acerca
dos riscos à saúde ou segurança dos consumidores.
c) O fornecedor de produtos e serviços que, posteriormente à sua introdução no mercado de consumo,
tiver conhecimento da periculosidade que apresentem, deverá comunicar o fato até trinta dias às
autoridades competentes e aos consumidores, mediante anúncios publicitários.
d) O fornecedor não poderá colocar no mercado de consumo produto ou serviço que sabe ou deveria saber
apresentar alto grau de nocividade ou periculosidade à saúde ou segurança.
e) Após aprovado e incluído o produto no mercado, o fornecedor não possui mais responsabilidade
nenhuma sobre eventuais vícios que possam aparecer.

45. Assinale a alternativa correta em matéria de Direito do Consumidor.


a) São sinônimos fato e vício do produto ou do serviço.
b) No caso de fornecimento de produtos in natura, será responsável perante o consumidor o fornecedor
imediato, exceto quando identificado claramente seu produtor.
c) Consideram-se vício do produto os defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem,
fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento, bem como por informações insuficientes ou
inadequadas sobre sua utilização e riscos.
d) O consumidor tem o prazo de noventa dias para reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação,
tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos não duráveis.
e) O prazo decadencial para o consumidor reclamar pelos vícios aparentes é suspenso pela execução dos
serviços de repação.

46. Assinale a alternativa correta em matéria de Direito do Consumidor.


a) As sociedades consorciadas respondem subsidiariamente à causadora pelo dano em matéria do
consumidor.
b) A responsabilidade das sociedades coligadas é solidária ao fornecedor autor do dano ao consumidor.
c) As sociedades consorciadas só responderão por culpa.
d) A falência e o estado de insolvência não são causas suficientes para a quebra da personalidade jurídica
da sociedade.
e) As sociedades integrantes dos grupos societários e as sociedades controladas são subsidiariamente
responsáveis pelas obrigações consumeristas.

47. Quanto aos direitos do consumidor, a fixação de prazo de garantia contratual


a) exime o fornecedor da garantia legal nos contratos paritários.
b) constitui modalidade de prescrição convencional.
c)pospõe o termo inicial dos prazos de reclamação atinentes à garantia legal.
d) escapa à exigência de clareza nas informações do conteúdo quando gratuita.
e) é válida tanto feita oralmente quanto por escrito.

48. De acordo com a jurisprudência do STJ sobre direito do consumidor,


a) nos contratos bancários, é possível ao julgador conhecer, de ofício, da abusividade das cláusulas.
b) da anotação irregular em cadastro de proteção ao crédito, cabe indenização por dano moral, ainda
quando preexistente legítima inscrição.
c) a Defensoria Pública, na tutela coletiva dos consumidores, só tem legitimidade para atuar quando tratar
de direitos individuais homogêneos.
d) não se aplica o Código de Defesa do Consumidor quando o serviço prestado pelo banco tratar de política
governamental, desfigurando a relação de consumo, como no caso de financiamento estudantil.
e) as instituições financeiras respondem subjetivamente pelos danos gerados por fortuito interno relativo a
fraudes e delitos praticados por terceiros no âmbito de operações bancárias.

49. Com relação ao direito do consumidor, assinale a opção correta.


a) A disregard doctrine não tem aplicação no Código de Defesa do Consumidor.
b) A teoria menor da desconsideração da personalidade jurídica, adotada excepcionalmente no direito do
consumidor, aplica-se com a mera prova de insolvência da pessoa jurídica para o pagamento de suas
obrigações.
c) Demonstrando os sócios e/ou administradores da pessoa jurídica uma administração isenta de culpa ou
dolo, ficam isentos de qualquer responsabilidade por eventual dano causado ao consumidor por ela.
d) A teoria maior da desconsideração da personalidade jurídica, adotada como regra geral pelo Código de
Defesa do Consumidor, exige, além da demonstração de estar a pessoa jurídica insolvente para cumprir
suas obrigações, também prova do desvio de finalidade, ou a demonstração de confusão patrimonial.

50. No que tange ao direito do consumidor, assinale a alternativa correta.


a) O Código de Defesa do Consumidor é uma lei de ordem privada, tutelando as relações entre particulares.
b) O Código de Defesa do Consumidor, apesar de ser uma lei principiológica, pode ser derrogado por uma
lei especial que trate especificadamente de um setor da relação de consumo.
c) Os direitos previstos no Código de Defesa do Consumidor não excluem outros decorrentes de tratados
ou convenções internacionais de que o Brasil seja signatário, da legislação interna ordinária, de
regulamentos expedidos pelas autoridades administrativas competentes, bem como dos que derivem dos
princípios gerais do direito, analogia, costumes e equidade.
d) Nas relações de consumo, o fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador
respondem, desde que se comprove a existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos
consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas,
manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações
insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos.
e) A responsabilidade pessoal do médico que causar danos ao consumidor é imputada independentemente
desse profissional liberal ter agido culposamente.

51. O direito de arrependimento previsto para as relações de consumo significa que o consumidor
a) pode desistir do contrato, ao assiná-lo ou no ato de recebimento do produto ou serviço, desde que dentro
do prazo de garantia legal, que para os produtos duráveis será o de noventa dias.
b) pode desistir do contrato, no prazo de sete dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do
produto ou serviço, sempre que a contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do
estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio.
c) pode desistir do contrato, em sete dias, contados do ato de aquisição do bem ou serviço, ainda que a
contratação tenha ocorrido no interior do estabelecimento comercial, nesse caso sem necessidade de
provar vício de qualidade do bem ou serviço.
d) pode desistir do fornecimento de produtos remetidos periodicamente, a qualquer tempo, desde que o
contrato seja resilido mediante notificação ou aviso prévios, defeso exigir-se sanção pecuniária do
consumidor.
e) pode retratar-se dos contratos celebrados para entrega de bens garantidos fiduciariamente, devolvendo
os bens ao credor fiduciário, que os avaliará segundo o valor de mercado para composição de eventuais
perdas e danos.

52. Sobre os direitos do consumidor, assinale a alternativa correta.


a) A Anatel é parte legítima nas demandas entre a concessionária e o usuário de telefonia decorrentes de
relação contratual.
b) Poderá ser desconsiderada a personalidade jurídica da sociedade sempre que sua personalidade for,
de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores.
c) A ignorância do fornecedor sobre os vícios de qualidade por inadequação dos produtos e serviços o
exime de responsabilidade.
d) Enquanto não promover a contrapropaganda exigida, o fornecedor, além de multa diária e outras
sanções, ficará impedido de efetuar, por qualquer meio, publicidade de seus produtos e serviços.
e) As instituições financeiras não respondem pelos danos gerados por fortuito interno relativo a fraudes e
delitos praticados por terceiros no âmbito de operações bancárias.

53. Em relação ao tema do Direito do Consumidor, é INCORRETO afirmar:


a) O Ministério Público tem legitimidade para promover ação civil pública cujo fundamento seja a ilegalidade
de reajuste de mensalidades escolares.
b) Nas ações coletivas de defesa dos interesses dos consumidores e das vítimas, o Ministério Público, se
não ajuizar a ação, atuará sempre como fiscal da lei.
c) É nula de pleno direito a cláusula contratual que possibilita a renúncia do direito de indenização por
benfeitorias necessárias.
d) É indispensável o aviso de recebimento (AR) na carta de comunicação ao consumidor sobre a
negativação de seu nome em bancos de dados e cadastros.
e) É direito básico do consumidor a educação e a divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e
serviços, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas contratações.

54. Para a defesa dos interesses e direitos dos consumidores, é INCORRETO afirmar que:
a) São interesses ou direitos individuais homogêneos, assim entendidos os decorrentes de origem comum.
b) Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo
nas relações consumo.
c) Os interesses ou direitos difusos são aqueles transindividuais, de natureza indivisível, de que sejam
titulares pessoas indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato;
d) Os interesses ou direitos coletivos são aqueles transindividuais, de natureza indivisível de que seja titular
grupo, categoria ou classe de pessoas ligadas entre si ou com a parte contrária por uma relação jurídica
base.
e) São legitimados à defesa dos interesses e direitos dos consumidores, a título coletivo, apenas, o
Ministério Público, a União, os Estados, os Municípios, o Distrito Federal, a Defensoria Pública, as
entidades e órgãos da Administração Pública, direta ou indireta, ainda que sem personalidade jurídica.

55. A respeito do direito do consumidor, assinale a opção correta.


a) Ao tratar da desconsideração da pessoa jurídica, o CDC estabeleceu que as sociedades integrantes dos
grupos societários, as sociedades controladas e as consorciadas são solidariamente responsáveis pelas
obrigações decorrentes do diploma legal já mencionado.
b) Omitir dizeres ou sinais ostensivos sobre a nocividade ou a periculosidade de produtos ou serviços
corresponde ao tipo penal de um crime próprio ou direto previsto no CDC, cuja pena é de detenção de seis
meses a dois anos, acrescida de multa, não sendo admitida a modalidade culposa.
c) A demanda coletiva, ajuizada em face da publicidade de um medicamento emagrecedor milagroso, visa
tutelar os denominados interesses difusos, também denominados transindividuais, de natureza indivisível,
de que sejam titulares pessoas indeterminadas e indetermináveis, ligadas por circunstâncias fáticas, não
se devendo falar em relação jurídica anterior entre os titulares desse tipo de direito.
d) Caso o consumidor tenha proposto uma ação individual de responsabilidade civil em face do fornecedor,
mas queira se beneficiar dos efeitos de uma ação coletiva proposta com o mesmo objeto, deve, no prazo
de trinta dias, a contar do primeiro despacho proferido na ação coletiva, requerer a suspensão do processo
individual.
e) Nos termos da legislação consumerista, o consumidor cobrado judicial e extrajudicialmente em quantia
indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido
de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.

56. Assinale a opção correta acerca do direito do consumidor.


a) As sanções administrativas na relação de consumo podem ser de natureza pecuniária, a exemplo da
multa, bem como de natureza objetiva e subjetiva, destacando-se que as duas últimas não admitem a
aplicação cumulativa.
b) Nos termos da jurisprudência consolidada do STJ, é abusiva a cláusula contratual de plano de saúde
que limita no tempo a internação hospitalar do segurado, coadunando-se tal entendimento com o CDC.
c) O CDC pode ser invocado por aquele que não participou diretamente da relação jurídica de consumo,
mas que, a exemplo do consumidor direto, também foi vítima do evento danoso, provocado por um defeito,
denominado também de acidente de consumo. É o que a doutrina chama de consumidor standard ou stricto
sensu.
d) São espécies de excludentes da responsabilidade civil objetiva do fornecedor, pelo fato do produto ou
serviço, expressamente previstas no CDC: a culpa exclusiva ou o fato exclusivo do consumidor ou de
terceiros, além da culpa concorrente do consumidor e do fornecedor.
e) Consoante o entendimento pacificado e atual do STJ, caso o nome do consumidor seja indevidamente
inserido nos órgãos ou cadastros de proteção ao crédito, existindo outras restrições devidas, o consumidor
lesado tem o direito de pleitear indenização por danos morais, todavia com valor reduzido.

57. Assinale a alternativa correta em relação ao direito do consumidor:


a) A inclusão de cláusula no formulário (contrato) desconfigura a sua natureza de adesão, porquanto
modificado por iniciativa das partes contratantes.
b) Desde que expressa contratualmente, admite-se a cláusula que transfere responsabilidade a terceiro,
quando precisamente identificado.
c) O prazo de decadência é de trinta dias para os produtos não duráveis e de noventa dias para os duráveis.
d) Eximir-se-á o fornecedor da responsabilidade caso resulte comprovado que ignorava os vícios de
qualidade por inadequação dos produtos e serviços.

58. Analisando o direito do consumidor, indique a alternativa correta.


a) O fabricante, o construtor, o produtor ou importador não será responsabilizado civilmente quando
demonstrar força maior ou caso fortuito.
b) A ação redibitória prevista no Código de Defesa do Consumidor apresenta um prazo de prescrição, que
pode ser interrompido.
c) A instauração de inquérito civil pelo Ministério Público não é causa suspensiva da decadência do direito
de reclamar pelos vícios aparentes.
d) O prazo para a ação de indenização é o de três anos do novo Código Civil, por se tratar de lei posterior
ao Código de Defesa do Consumidor.
e) Para que o consumidor tenha direito à revisão do contrato, basta que haja onerosidade excessiva para
ele, em decorrência de fato superveniente.

59. Para a defesa dos direitos dos consumidores são legitimados concorrentes, exceto:
a) União
b) Estados
c) Municípios
d) Distrito Federal
e) Confederação Sindical

60. Assinale a opção correta acerca dos direitos do consumidor.


a) De acordo com o CDC, o devedor poderá pedir a resolução do contrato de execução continuada se a
prestação de uma das partes tornar-se, em virtude de acontecimento extraordinário, excessivamente
onerosa, com extrema vantagem para a outra.
b) Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, que desenvolve
atividade de produção, montagem, criação, distribuição ou comercialização de produtos, excetuando-se o
camelô, que não tem personalidade jurídica.
c) Segundo a jurisprudência do STJ, a responsabilidade civil das companhias aéreas por má prestação de
serviços subordina-se ao CDC, e não à Convenção de Varsóvia.
d)Segundo a teoria finalista, embasada no conceito jurídico de consumidor, o destinatário final é somente
o destinatário fático do produto, não importando a destinação econômica do bem.
e) O reconhecimento da hipossuficiência do consumidor no mercado de consumo, a racionalização e a
melhoria dos serviços públicos constituem princípios expressos da Política Nacional das Relações de
Consumo.

Respostas:
41: 42: 43: 44: 45: 46: 47: 48: 49: 50: 51: 52: 53: 54:
55: 56: 57: 58: 59: 60:
DIREITO PROCESSUAL CIVIL:
1. De acordo com o Código de Processo Civil em vigor, é correto afirmar, no tocante aos prazos
processuais, que:
a) devem eles ser contados em dias corridos;
b) o ato processual praticado antes de seu termo inicial deve ser reputado intempestivo;
c) ficam eles suspensos entre os dias 24 de dezembro e 07 de janeiro, inclusive;
d) não havendo regra legal ou prazo fixado pelo juiz, será de cinco dias o prazo para a prática do ato a
cargo da parte;
e) salvo disposição em contrário, são eles contados incluindo-se o dia do começo e o do vencimento.

2. Define-se a prevenção do juízo para processar e julgar duas ações conexas, propostas perante
órgãos jurisdicionais distintos, pela:
a) distribuição da petição inicial;
b) prolação do despacho liminar positivo;
c) prolação de qualquer despacho, ainda que se limite a determinar a emenda da petição inicial;
d) citação válida;
e) citação, ainda que inválida.

3. Determinada empresa pública federal, que recebe recursos financeiros para pagamento de
despesas de pessoal, foi condenada em processo administrativo, instaurado por órgão federal de
fiscalização das relações de trabalho, ao pagamento de multa por não ter cumprido norma de
proteção à saúde do trabalhador. A empresa pública propôs ação judicial perante a Justiça Federal
para anular essa penalidade, não tendo obtido sucesso. Na sequência, um de seus empregados
ajuizou ação indenizatória, perante a Justiça do Trabalho, pleiteando a condenação da empresa ao
ressarcimento dos danos morais e patrimoniais por ele sofridos em razão do descumprimento da
norma de proteção à saúde do trabalhador, tendo o pedido sido julgado procedente para o fim de
condená-la ao pagamento de indenização fixada em valor superior ao subsídio dos Ministros do
Supremo Tribunal Federal. Mostra-se INCOMPATÍVEL com a Constituição Federal
a) a propositura, perante a Justiça do Trabalho, da ação judicial pelo empregado público, uma vez que
compete à Justiça Federal julgá-la e processá-la, bem como o recebimento, pelo empregado público, de
indenização em valor superior ao subsídio pago aos Ministros do Supremo Tribunal Federal, sendo
competente a Justiça Federal para processar e julgar a ação proposta pela empresa.
b) a propositura, perante a Justiça do Trabalho, da ação judicial pelo empregado público, uma vez que a
competência para processá-la e julgá-la é da Justiça Federal, mas o texto constitucional não impede o
empregado público de receber indenização em valor superior ao subsídio pago aos Ministros do Supremo
Tribunal Federal, sendo competente a Justiça Federal para processar e julgar a ação proposta pela
empresa.
c) o recebimento, pelo empregado público, de indenização em valor superior ao subsídio pago aos Ministros
do Supremo Tribunal Federal, tendo em vista o limite máximo de remuneração previsto na Constituição
Federal para os servidores da Administração Pública, tendo sido as ações ajuizadas perante a Justiça
constitucionalmente competente.
d) a propositura, perante a Justiça Federal, da ação judicial pela empresa pública federal, uma vez que a
competência para processar e julgar essa causa é da Justiça do Trabalho, bem como a propositura, perante
a Justiça do Trabalho, da ação promovida pelo empregado público, por ser de competência da Justiça
Federal, embora lhe seja permitido receber indenização em valor superior ao subsídio pago aos Ministros
do Supremo Tribunal Federal.
e) a propositura, perante a Justiça Federal, da ação judicial pela empresa pública federal, uma vez que a
competência para processar e julgar essa causa é da Justiça do Trabalho, sendo compatível com o texto
constitucional a propositura, perante a Justiça do Trabalho, da ação judicial promovida pelo empregado
público, que poderá receber indenização em valor superior ao subsídio pago aos Ministros do Supremo
Tribunal Federal.

4. Marcelo, menor absolutamente incapaz, devidamente representado, sem requerer o benefício da


gratuidade de justiça, propôs uma ação de indenização em face de uma empresa particular, pedindo
o ressarcimento de dano material de 50 mil reais. Funcionando como fiscal da ordem jurídica, o
Ministério Público requereu a produção de prova pericial para a instrução do feito. As partes não se
opuseram ao requerido pelo Ministério Público, tendo o perito estipulado o valor de seus honorários
em dez mil reais para a elaboração de sua perícia técnica, o que foi deferido pelo juízo. Nesse
sentido, incumbe:
a) ao autor adiantar os dez mil reais referentes ao valor da perícia;
b) ao Ministério Público adiantar os dez mil reais referentes ao valor da perícia;
c) à empresa ré adiantar os dez mil reais referentes ao valor da perícia;
d) ao Poder Judiciário adiantar os dez mil reais referentes ao valor da perícia;
e) ao Poder Executivo adiantar os dez mil reais referentes ao valor da perícia.

5. Citado regularmente, o réu ofereceu contestação no quinto dia do prazo de que dispunha para
tanto. Mas, depois de protocolizada a sua peça de bloqueio, lembrou-se ele de outra tese defensiva
que lhe seria aproveitável, não suscitada em sua contestação e tampouco sendo cognoscível ex
officio pelo juiz. Assim, optou o demandado por ofertar nova contestação, o que fez no décimo
segundo dia após o da juntada do mandado de citação. Nesse cenário, deve o juiz:
a) deixar de receber a segunda contestação, em razão da preclusão temporal;
b) deixar de receber a segunda contestação, em razão da preclusão lógica;
c) deixar de receber a segunda contestação, em razão da preclusão consumativa;
d) receber a segunda contestação, já que apresentada dentro do prazo legal;
e) receber a segunda contestação, em homenagem às garantias da ampla defesa e do contraditório.

6. Maria e Fátima foram citadas em uma demanda indenizatória proposta por João, sob o rito
comum. Após audiência de mediação, que restou infrutífera, apenas Maria constituiu procurador,
que apresentou contestação. O juiz decretou a revelia de Fátima e, finda a fase instrutória, julgou
procedente o pedido formulado por João em face de ambas as rés. Maria, para interpor o recurso
de apelação, deverá observar o prazo:
a) simples de 10 dias úteis;
b) simples de 15 dias úteis;
c) dobrado de 20 dias úteis;
d) dobrado de 30 dias úteis;
e) dobrado de 30 dias corridos.

7. Sobre a competência no Código de Processo Civil, assinale a afirmativa correta.


a) A reunião de ações conexas pode se dar a qualquer tempo, independentemente da prolação de sentença
em algum dos processos.
b) As decisões do juízo absolutamente incompetente são nulas.
c) A cláusula de eleição de foro abusiva pode ser decretada ineficaz de ofício pelo juiz a qualquer tempo.
d) Quando houver continência, as ações serão necessariamente reunidas.
e) Serão reunidos, para julgamento conjunto, os processos que possam gerar risco de prolação de decisões
conflitantes ou contraditórias caso decididos separadamente, mesmo sem conexão entre eles.

8. Quanto ao cabimento do agravo de instrumento no Código de Processo Civil, não cabe agravo
de instrumento em face da decisão interlocutória no processo de conhecimento que versar sobre
a) indeferimento de meio de prova.
b) admissão ou inadmissão de intervenção de terceiros.
c) tutela provisória.
d) mérito do processo.
e) exibição ou posse de documento ou coisa.

9. Sobre a tutela provisória, analise as afirmativas a seguir.


I. Para a concessão da tutela de urgência, o juiz pode, conforme o caso, exigir caução.
II. Uma vez estabilizada a tutela antecipada antecedente, pode o interessado propor ação rescisória no
prazo de dois anos.
III. O indeferimento da tutela cautelar não obsta a que a parte formule o pedido principal, nem influi no
julgamento desse, salvo se o motivo do indeferimento for o reconhecimento de decadência ou de
prescrição.

Está correto o que se afirma em


a) II, apenas.
b) I e II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III.

10. Uma vez proposta uma demanda, relativamente à sua modificação, o Código de Processo Civil
estabelece que o autor poderá,
a) até a citação, aditar ou alterar o pedido, mediante o consentimento do réu.
b) até a citação, aditar ou alterar a causa de pedir, mediante o consentimento do réu.
c) até o saneamento do processo, aditar ou alterar o pedido, com consentimento do réu, assegurado o
contraditório.
d) após o saneamento do processo, aditar ou alterar o pedido e a causa de pedir, com consentimento
judicial.
e) até o saneamento do processo, aditar ou alterar a causa de pedir, sem o consentimento do réu.

11. O Tribunal de Justiça negou provimento aos recursos interpostos pelo Ministério Público em
ação civil pública ajuizada pela Instituição, o que resultou na improcedência do pedido formulado.
No entender do Ministério Público, o acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça negou vigência a
lei federal. Para o caso, se preenchidos os demais requisitos exigidos, é cabível a interposição de
recurso
a) extraordinário, a ser julgado pelo Superior Tribunal de Justiça.
b) extraordinário, a ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal.
c) especial, a ser julgado pelo Superior Tribunal de Justiça.
d) ordinário, a ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal.
e) especial, a ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

12. O Direito Processual brasileiro possui diversos instrumentos para a tutela coletiva de direitos.
Sobre as ações coletivas, assinale a afirmativa correta.
a) Não se admite litisconsórcio entre os Ministérios Públicos da União, do Distrito Federal e dos Estados
na ação civil pública, em razão da unidade do Ministério Público.
b) Nas ações coletivas para defesa de direitos difusos do consumidor, a coisa julgada é ultra partes, salvo
na improcedência por falta de provas.
c) Nas ações coletivas para defesa de direitos individuais homogêneos do consumidor, a coisa julgada
é erga omnes, na procedência do pedido.
d) As associações são legitimadas a propor ações civis públicas, bastando, para tanto, sua pré-constituição
há, pelo menos, um ano.
e) Nas ações civis públicas, não pode o Poder Público atuar como litisconsorte ao lado do autor.

13. Após as providências preliminares de saneamento, o juiz decidiu parte do mérito da causa
antecipadamente, por considerar que alguns pedidos formulados eram incontroversos. Nessa
situação, o juiz exerceu
a) cognição exauriente: a sentença é, necessariamente, líquida e o recurso cabível será a apelação.
b) cognição sumária: a sentença é ilíquida e o recurso cabível será a apelação.
c) cognição exauriente: o recurso cabível será o agravo de instrumento, independentemente de a decisão
ter sido líquida ou ilíquida.
d) cognição exauriente: a decisão é, necessariamente, líquida e o recurso cabível será o agravo de
instrumento.
e) cognição sumária: a decisão é, necessariamente, líquida e o recurso cabível será o agravo de
instrumento.

14. A fixação de calendário para a prática de atos processuais


a) vincula as partes, mas não o juiz.
b) torna dispensável intimação para a audiência cuja data esteja designada no calendário.
c) é uma convenção processual e, portanto, não pode ser firmada pela fazenda pública.
d) deve assumir a forma determinada em lei para evitar falha que gere nulidade.
e) é uma convenção processual que, se estipular confidencialidade, permitirá que o processo tramite em
segredo de justiça.

15. Julgue os seguintes itens, acerca dos poderes do juiz.


I. Como regra geral, o juiz pode dilatar os prazos processuais dilatórios, mas não os peremptórios, e alterar
a ordem de produção dos meios de prova.
II. O juiz exerce poder hierárquico quando, por exemplo, indefere o pedido de pergunta do advogado.
III. Incidirá a pena de confesso sobre a parte que, intimada, não comparecer ao interrogatório designado
pelo juízo para aclarar pontos sobre a causa.

Assinale a opção correta.


a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas o item II está certo.
c) Apenas os itens I e III estão certos.
d) Apenas os itens II e III estão certos.
e) Todos os itens estão certos.

16. Com base no CPC, é correto afirmar que o valor da causa


a) não servirá de base de cálculo para a fixação de multa por ato atentatório à dignidade da justiça caso
seja irrisório ou demasiado elevado.
b) é um requisito legal da petição inicial, mas não da reconvenção.
c) não poderá ser corrigido de ofício pelo juiz, mesmo se verificado que a monta indicada não corresponde
ao conteúdo patrimonial em discussão.
d) pode ser corrigido a qualquer tempo se comprovada alteração superveniente de fato ou de direito,
oportunidade na qual será complementado o seu pagamento, se necessário.
e) corresponderá, em causa relativa a obrigação por tempo indeterminado, à soma das parcelas vencidas
mais o valor de uma prestação anual relativa às parcelas vincendas.

17. A reclamação é um instrumento jurídico que


a) busca garantir a autoridade das decisões de tribunais e tem cabimento restrito ao STF e ao STJ.
b) pode ser proposta em até dois anos após o trânsito em julgado da decisão reclamada.
c) cabe para garantir a observância de acórdão de recurso extraordinário com repercussão geral
reconhecida, quando não esgotadas as instâncias ordinárias.
d) pode gerar, se julgada procedente, a cassação de ato jurisdicional, mas não a sua revisão.
e) tem natureza recursal, uma vez que poderá reverter a decisão reclamada.

18. Em sentença, foi julgado procedente o pedido autoral, com base em fundamento suficiente. Em
recurso, o réu pediu a apreciação de outros argumentos da defesa que não haviam sido
considerados na sentença. O tribunal conheceu do recurso e, ao julgá-lo, verificou uma questão de
ordem pública que não havia sido cogitada até então na demanda. Com base nessa questão de
ordem pública, prolatou-se acórdão que reformou a sentença. Com relação aos efeitos recursais no
caso hipotético apresentado, são verificados, respectiva e cronologicamente, os efeitos
a) regressivo, translativo e expansivo.
b) regressivo, devolutivo e translativo.
c) devolutivo, expansivo e translativo.
d) devolutivo, translativo e substitutivo.
e) devolutivo, translativo e regressivo.

19. O autor da ação poderá alterar o pedido inicial


a) até o saneamento do processo, desde que haja consentimento do réu.
b) até o término da fase postulatória, independentemente do consentimento do réu.
c) a qualquer tempo, sempre subordinado ao consentimento do réu.
d)após a citação do réu e independentemente do seu consentimento, se este for revel.
e) enquanto houver citações pendentes no caso de litisconsórcio passivo, desde que haja o consentimento
dos réus já citados.

20. O negócio jurídico processual adquire eficácia a partir


a) da homologação do negócio pelo juízo antes do trânsito em julgado.
b) da verificação da existência e da validade do negócio, em respeito às normas de ordem pública.
c) da verificação da licitude do negócio e de sua forma, que deve ser permitida ou não vedada por lei.
d) da homologação do negócio pelo juízo, desde que verse sobre direitos disponíveis.
e) da homologação do negócio pelo juízo antes da prolação da sentença.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:
21. Luís ingressou com uma demanda contra Natanael, sendo que a sentença determinou a parcial
procedência desse pedido. Nesse momento o advogado de Luís acaba de ser intimado da sentença.
Diante dessa situação, assinale a alternativa correta.
a) Caberá recurso de agravo de instrumento para ambas as partes, tendo em vista que houve sucumbência
recíproca, tendo 15 dias para interporem o recurso, cada qual referente à parte que perdeu.
b) O advogado de Luís poderá orientá-lo a não recorrer nesse momento, alertando-lhe da possibilidade de
fazer uma apelação adesiva, que terá total independência do recurso eventualmente proposto por
Natanael.
c) Antes de interpor recurso de apelação, como condição de admissibilidade desse recurso, Luís deverá
prequestionar os fatos por meio de embargos de declaração.
d) O recurso a ser manejado por Luís, caso pretenda ter total independência de julgamento, é o de
apelação, cujo juízo de admissibilidade deve ser feito pelo Tribunal.
e) Interposta a apelação, obrigatoriamente serão conferidos os efeitos devolutivo e suspensivo,
independentemente da matéria discutida por Luís e Natanael nos autos.

22. Em um processo que tramita pelo procedimento comum foi determinada a citação por oficial de
justiça. De posse do mandado, o oficial precisa cumprir a ordem. Nesse cenário, é correto afirmar
que
a) somente com autorização judicial a citação poderá ser realizada antes das seis horas ou após as vinte
horas, em dias não úteis.
b) a citação não pode ser realizada durante o período de férias forenses, por expressa determinação legal
de suspensão de todos os atos processuais.
c) não poderá efetuar a citação se constatar, no momento da prática do ato, que o cônjuge do réu tiver
falecido há menos de dois dias.
d) se por três vezes o oficial procurar o réu sem sucesso em sua residência ou domicilio, havendo suspeita
de ocultação, poderá intimar qualquer pessoa da família ou, na falta, um vizinho, de que no próximo dia útil
retornará a fim de efetuar a citação, na hora que designar.
e) essa modalidade de citação somente ocorrerá se primeiramente for frustrada a tentativa de citação pelo
correio.

23. Situação hipotética: Emílio, ao ser nomeado para o cargo de Oficial de Justiça em Santa Catarina,
decide mudar-se com a família para o Estado. Ao chegar, conhece o senhor Antônio, engenheiro
aposentado, que mora sozinho em um apartamento ao lado do seu. Ao observar que o veículo do vizinho,
em bom estado, não era utilizado, lhe faz uma proposta de locação, com pagamento mensal de R$1.000,00
(mil reais), além de responsabilizar-se pelas revisões e eventuais despesas que fossem necessárias, o que
é aceito e formalizado através de contrato de locação. Ao sair do Fórum, Emílio reencontra Roberto, seu
amigo de infância, que acabara de chegar em Santa Catarina e fica sensibilizado ao saber que o
conterrâneo estava desempregado, então propõe que Roberto utilize o veículo locado durante o dia para o
transporte de passageiros, uma vez que o bem fica estacionado durante seu horário de expediente,
estabelecendo com este uma sublocação no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais) mensais.
Passados alguns meses, Emílio deixa de cumprir o acordado com o senhor Antônio, causando embaraços
para devolver-lhe o automóvel. Após inúmeras tentativas de resolver a questão amigavelmente, o idoso
decide propor ação cabível em face de Emílio. Roberto, que estava pagando a sublocação corretamente,
ao saber do risco de voltar a passar dificuldades com sua família, ingressa no processo como assistente
de Roberto.

A respeito do tema Intervenção de Terceiros no código de processo civil e considerando a situação


hipotética narrada, pode-se afirmar:
a) Caso Emílio opte por formalizar um acordo com o proprietário do veículo e este seja homologado,
Roberto, na qualidade de seu assistente, precisará anuir, podendo inclusive, recorrer.
b) Roberto é denominado como assistente litisconsorcial, pois possui relação jurídica com Antônio, ainda
que diferente da discutida no processo, sendo também afetado pela decisão.
c) Em caso de sucumbência, tanto Emílio, quanto Roberto, deverão suportar os ônus processuais que
advirem.
d) Poderá Roberto, na qualidade de assistente na demanda, interpor recurso, tempestivamente, contra a
sentença proferida, ainda que contrário à vontade de Emílio, em razão da repercussão que esta possui em
sua própria esfera de direito.
e) Após transitar em julgado a sentença desfavorável do processo em que atuou como assistente de Emílio,
Roberto poderá, agora como autor, discutir a justiça da decisão, oportunidade em que irá expor os fatos e
comprovar os prejuízos ocasionados pela decisão.
24. Situação hipotética: Marta, aproveitando as férias em Florianópolis com sua mãe, dona Augusta,
e seu único filho, Lucas, decide levá-los para conhecer uma famosa praia da ilha, para tanto,
utilizam-se do ônibus da empresa X que faz este percurso. No caminho, o motorista, ao tentar
desviar de um buraco na pista, perde o controle do veículo, capotando diversas vezes, o que fez
com que Marta fosse arremessada para fora, ferindo-se gravemente e evoluindo a óbito antes
mesmo da chegada da ambulância. Seu filho Lucas aciona o Judiciário pleiteando indenização por
danos morais em decorrência do falecimento de sua mãe, e dona Augusta, por sua vez, com outra
ação indenizatória de dano moral em razão do falecimento de sua filha, ambos em face da
concessionária operadora da linha na qual aconteceu o acidente. No caso narrado, há identidade
de pedidos e de causa de pedir, a justificar também a reunião dos processos. Considerando o caso
hipotético narrado, e o tema litisconsórcio à luz do Código de Processo Civil de 2015, a alternativa
que melhor se coaduna com o tema é:
a) Caso dona Augusta, em sede de recurso, peça a majoração dos honorários arbitrados em sentença,
somente a esta aproveitará.
b) Presumir-se-á intimado Lucas, no caso de efetiva intimação recebida por dona Augusta, para que
compareçam a determinado ato processual, dada a natureza da ação.
c) Lucas e sua avó não poderiam ingressar com as respectivas demandas no Juizado Especial, haja vista
o procedimento, ainda que mais célere, possuir menos formalismo, não sendo admitido litisconsórcio.
d) É denominado litisconsórcio quando duas ou mais pessoas litigam, no mesmo processo, em conjunto, e
ativamente restando configurado hipótese de cúmulo subjetivo no processo.
e) Caso uma das partes tenha ingressado primeiro com a ação, por tratar-se de hipótese de conexão pelo
pedido ou pela causa de pedir, o que possibilita a formação de litisconsórcio, a outra demanda poderia ser
distribuída ao mesmo juízo a fim de que fossem julgadas conjuntamente, o que propiciaria celeridade
processual.

25. Situação hipotética: Luiza Silva, desempregada, solteira, 53 anos de idade, após o falecimento de
sua genitora, mudou-se para o imóvel da mãe sob o pretexto de cuidar de seu irmão Manoel, 33 anos de
idade, esquizofrênico, com a anuência do irmão mais velho, Raimundo, que a priori sentiu-se agradecido
pela generosidade da irmã e sua disponibilidade em cuidar de Manoel.
Luiza, que já havia se informado sobre a possibilidade de obter, em nome de Manoel, o Benefício de
Prestação Continuada da Assistência Social – BPC-LOAS, junto ao INSS, orientada pela Defensoria
Pública para requerer a curatela, ajuíza ação com pedido de Interdição do incapaz, fazendo a juntada dos
documentos que comprovaram a doença de Manoel, sendo posteriormente deferidos pelo magistrado a
interdição e o benefício.
Após algum tempo, Luiza passou a desvirtuar a finalidade do benefício recebido, que seria a manutenção
de condições mínimas de uma vida digna ao curatelado, ignorando seu dever e desrespeitando normas de
direito, não se preocupando com a higiene, saúde e alimentação de Manoel, utilizando o dinheiro para
comprar bebidas, fazer festas, apropriando-se como se seu fosse.
Certo dia, ao chegar em casa, Luiza se depara com Manoel em surto, em virtude da interrupção de seu
tratamento com antipsicóticos e por falta de acompanhamento médico, uma vez que faltara a todas as
consultas agendadas.

Sobre o instituto da Curatela, e considerando a situação hipotética narrada, é possível afirmar que:
a) Tendo a curatela cunho protetivo da pessoa incapaz, e considerando que Luiza não está cumprindo com
o múnus assumido, Raimundo poderá requerer sua remoção da curatela, não havendo imposição da
observância da forma legal pelo caráter de urgência e de provisoriedade de que se reveste a medida, mas
é exigido para sua concessão que Luiza seja intimada para se defender no processo em obediência ao
devido processo legal e ampla defesa.
b) Luiza poderá, com a anuência de seu irmão Raimundo, promover a internação de Manoel em um asilo,
devendo, no entanto, comprovar que a renda de Manoel está revestida na manutenção de suas despesas.
c) Findo o prazo em que Luiza está obrigada a servir como curadora, caso não haja mais interesse, ela
terá 10 (dez) dias para requerer sua exoneração do encargo, caso contrário, será reconduzida tacitamente
à função.
d) A juntada de laudos atualizados e outros documentos devidamente assinados por profissional
competente são eficazes para formar o convencimento acerca da necessidade de interdição, o que não
obsta ao magistrado solicitar novo laudo em caso de suspeita acerca da veracidade dos documentos.
e) O Ministério Público, como defensor dos direitos individuais indisponíveis, também seria considerado
legitimado, em concorrência com os demais, para promover a interdição de Manoel, dada a necessidade
de ordem social.
26. Os formandos de um determinado curso de ensino superior tiveram problemas em relação à
contratação com a empresa de formatura que realizaria suas solenidades festivas. Ocorre que a
empresa não realizou o evento na data contratada. A má prestação dos serviços da empresa de
formatura acarretou ajuizamento de ação judicial por vinte dos formandos contra a empresa. Diante
do exposto e considerando a legislação processual civil vigente, assinale a alternativa correta.
a) Caso o magistrado julgador do caso disposto no enunciado entenda que a quantidade de pessoas no
polo ativo da ação pode prejudicar a rápida solução do litígio, poderá limitar o litisconsórcio.
b) Diante da inexistência de comunhão de direitos ou obrigações, no caso em tela o litisconsórcio não é
permitido, devendo cada um dos litigantes manejar ação própria.
c) Tendo-se em vista que no caso exposto pelo enunciado ocorre apenas afinidade de questões por ponto
comum de fato ou de direito, o litisconsórcio é necessário.
d) Intimado um dos litisconsortes, todos serão dados como intimados, independentemente de como regem-
se suas representações em juízo, o que se justifica em razão da conexão de direitos que os une.
e) Ao realizar o juízo de admissibilidade da petição inicial, o juiz elegerá um litisconsorte como principal
para gerir o andamento do processo, sendo que apenas este assim poderá fazê-lo.

27. Mateus realizou um contrato escrito para compra de um veículo de propriedade de Gabriel, no
qual aquele pagaria a este o valor de dez mil reais pelo bem, no prazo de trinta dias da entrega, em
dinheiro e diretamente na residência de Gabriel. Ocorre que Gabriel encontrava-se de mudança e,
na pressa de perfectibilizar o negócio, realizou a entrega do bem, porém não informou seu novo
endereço. Diante da impossibilidade de realizar o pagamento conforme disposição contratual,
Mateus buscou a tutela jurisdicional estatal para se ver livre de sua obrigação, depositando o valor
em juízo. De acordo com o Código de Processo Civil de 2015, em sede de Ação de Consignação em
Pagamento, em relação à defesa do réu, assinale a alternativa correta.
a) Poderá alegar, diante de inexistência de tentativa de consignação em pagamento extrajudicial por parte
do autor, que estará este eivado pela falta de interesse de agir.
b) Poderá alegar a inexigibilidade do título ou inexequibilidade da obrigação.
c) Poderá solicitar a condenação do autor em perdas e danos e indenização de frutos, com base na mora
no pagamento.
d) Poderá alegar que foi justa a recusa, o depósito não se efetuou no prazo ou no lugar do pagamento, ou
o depósito não é integral.
e) Poderá requerer a revisão do contrato ou negócio jurídico celebrado.

28.De acordo com o Código de Processo Civil de 2015, quanto à Ação de Embargos de Terceiro,
assinale a alternativa INCORRETA.
a) Essa modalidade de ação presta-se ao livramento de constrição de patrimônio de terceiro não envolvido
com a lide principal.
b) Essa modalidade de ação viabiliza proteção possessória ou dominial em relação à sua função.
c) Essa modalidade de ação é cabível diante de gravame judicial e atos administrativos.
d) Contra os embargos do credor com garantia real, o embargado somente poderá alegar que: o devedor
comum é insolvente; o título é nulo ou não obriga a terceiro; outra é a coisa dada em garantia.
e) A sentença de procedência determinará o desfazimento da constrição, determinará ordem de
manutenção/reintegração de posse, levantamento da caução, se houver, e declarará o domínio.

29. Determinado Estado criou, para funcionarem no âmbito da Justiça estadual, juizados especiais,
providos por juízes togados e leigos, com competência para a conciliação, o julgamento e a
execução de causas cíveis de menor complexidade e infrações penais de menor potencial ofensivo.
Criou, ainda, justiça de paz, remunerada, composta de cidadãos eleitos pelo voto direto, universal
e secreto, com mandato de quatro anos e competência para celebrar casamentos, verificar, de ofício
ou em face de impugnação apresentada, o processo de habilitação e exercer atribuições
conciliatórias, sem caráter jurisdicional. Nesse caso, foram criados em conformidade com a
disciplina da matéria na Constituição Federal
a) apenas os juizados especiais, já que a criação da justiça de paz é de competência da União.
b) apenas a justiça de paz, já que a criação dos juizados especiais é de competência da União.
c) os juizados especiais, em relação à matéria cível, apenas, e a justiça de paz, em relação à sua
competência, mas não quanto à sua composição.
d) tanto os juizados especiais quanto a justiça de paz.
e) os juizados especiais, em relação à matéria penal, apenas, e a justiça de paz, em relação à sua
composição, mas não quanto à sua competência.
30. Sobre o pedido, como elemento da petição inicial, é CORRETO afirmar:
a) Tratando-se de prestações sucessivas, elas se reputam incluídas independentemente de declaração do
autor e serão abrangidas pela condenação as que se vencerem até julgamento em segundo grau de
jurisdição.
b) É lícito ao autor formular pedidos alternativos, para que o juiz conheça do posterior quando não puder
acolher o anterior.
c) É lícito ao autor cumular pedidos, desde que eles sejam compatíveis entre si, que haja uniformidade
procedimental e que o juízo não seja relativamente incompetente para qualquer um dos pedidos.
d) A interpretação do pedido deverá ocorrer no contexto geral da postulação.

31. Sobre a jurisdição é CORRETO afirmar que:


a) Ela é invariavelmente uma atividade estatal a cargo do Poder Judiciário.
b) Seu escopo social é a pacificação mediante a eliminação dos conflitos.
c) Seu escopo jurídico abrange a descoberta da verdade e a formação da coisa julgada material.
d) Ela é sempre uma atividade voltada à atuação do direito objetivo em concreto.

32. No cumprimento de sentença, afigura-se CORRETO afirmar que:


a) A decisão judicial sujeita a recurso desprovido de efeito suspensivo poderá ser levada a protesto, depois
de transcorrido o prazo para pagamento.
b) É título executivo judicial a decisão homologatória da autocomposição judicial, sendo que essa última
pode versar relação jurídica que não tenha sido deduzida em juízo, desde que se limite aos sujeitos já
presentes no processo.
c) O cumprimento provisório, a ser realizado da mesma forma que o definitivo, corre por iniciativa e
responsabilidade do exequente, e será iniciado mediante prestação de caução.
d) Em se tratando de quantia certa, não ocorrendo o pagamento voluntário no prazo legal, o débito será
acrescido de multa e de honorários advocatícios, ambos no percentual de dez por cento (10%) cada.

33. Relativamente à gratuidade no processo civil, indique a afirmativa INCORRETA:


a) Ela compreende, dentre outros, as taxas judiciais, os depósitos exigidos para interposição de recurso ou
propositura de ação e, ainda, os honorários de perito e advocatícios, inclusive aqueles decorrentes da
sucumbência.
b) Sua concessão poderá ocorrer apenas em relação a algum dos atos processuais e poderá consistir em
parcelamento de despesas.
c) No caso de assistência por advogado particular, a gratuidade não abrange o preparo de recurso que
verse exclusivamente sobre valor de honorários de sucumbência fixados em favor daquele primeiro.
d) Quando houver recurso contra a decisão que a indeferir ou revogar, o recorrente estará dispensado do
recolhimento de custas até decisão do relator sobre a questão, preliminarmente ao julgamento do recurso.

34. Sobre o incidente de desconsideração da personalidade jurídica é CORRETO afirmar que:


a) Sua instauração impede atos de invasão patrimonial até que a questão sobre a desconsideração seja
resolvida
b) Se o pedido for acolhido, o marco considerado pela lei para eventual fraude de execução é o da citação
da pessoa jurídica cuja personalidade se pretende desconsiderar.
c) O julgamento favorável ao credor, pelo mérito do incidente, não impede que a pessoa jurídica cuja
personalidade se busca desconsiderar rediscuta o mesmo tema pela via dos embargos de terceiro.
d) Se a desconsideração for requerida na inicial, não haverá suspensão do processo e a questão deverá
ser obrigatoriamente resolvida ao final da fase de conhecimento, pela sentença.

35. Sobre a penhora é CORRETO afirmar:


a) Poderá haver requerimento de substituição quando a penhora incidir sobre bens de baixa liquidez, exceto
se observada a ordem legal de nomeação.
b) Quando se tratar de ativos financeiros, a determinação de indisponibilidade que precede a conversão
em penhora dar-se-á mediante prévia ciência do ato ao executado.
c) No caso de penhora de crédito, se o terceiro negar o débito em conluio com o executado, a quitação
dada pelo terceiro será considerada inválida perante o processo.
d) A penhora de percentual de faturamento de empresa, segundo a lei, é medida subsidiária e será
determinada se o executado não tiver outros bens penhoráveis ou se eles forem insuficientes ou de difícil
alienação.
36. Marlene ajuizou ação de indenização por danos morais contra Salete, sendo que seu pedido foi
julgado procedente, condenando a ré em dez mil reais. Transitada em julgado a sentença, Salete
não realizou o pagamento, mesmo diante de intimação solicitada por Marlene para que viesse a
cumprir sua obrigação definida em sentença. Diante da inadimplência, Marlene requereu a
instauração da fase de cumprimento de sentença visando forçar o cumprimento da obrigação
definida pelo título judicial. De acordo com o Código de Processo Civil de 2015, quanto ao
procedimento de Cumprimento de Sentença Por Quantia Certa, assinale a alternativa correta.
a) Caso Salete realize impugnação ao cumprimento de sentença manejado por Marlene, não poderá ela
se valer de pedido de suspensão do cumprimento de sentença, visto que o Código de Processo Civil de
2015 veda tal possibilidade.
b) Caso Salete realize impugnação ao cumprimento de sentença manejado por Marlene, limitando sua
alegação a excesso de execução sem apresentar memória de cálculo do valor que entende devido, sua
impugnação sofrerá rejeição liminar.
c) Para que possa Marlene manejar seu cumprimento de sentença, poderá ela realizar a mera alegação
do valor que se entende devido, sendo tal ato suficiente para basear o pedido de instauração do
cumprimento de sentença de pagamento de quantia, cabendo ao alegado devedor discutir o valor, caso
equivocado.
d) Caso Salete verifique a possibilidade e interesse de manejo de impugnação ao cumprimento de
sentença, será ela obrigada a realizar a garantia do juízo, sendo aceitas tanto a caução quanto eventual
penhora já realizada nos autos.
e) Caso Salete verifique a possibilidade e interesse de manejo de impugnação ao cumprimento de
sentença, terá ela o prazo de 15 (quinze) dias para tanto, contados da intimação para cumprir a sentença.

37. De acordo com o Código de Processo Civil de 2015, em relação ao Processo de Execução,
assinale a alternativa correta.
a) Em que pese a característica de devedor, este não estará obrigado a arcar com as consequências da
mora como juros e atualização monetária, tendo-se em vista que a mora é um assunto de direito material
e não processual, não podendo, portanto, ser trazido à tona em procedimento executório.
b) A execução deve suprir a necessidade do credor, visando ao adimplemento, sempre da maneira mais
completa possível, independentemente das consequências que resultem ao devedor/executado.
c) No processo de conhecimento, oferecida a contestação, não é possível ao autor alterar o pedido ou
desistir da ação sem o consentimento do réu. De outra monta, desconsiderando a existência de embargos
à execução, no processo de execução, ocorre uma maleabilidade desta regra processual de base, sendo
que o credor poderá desistir de toda a execução, de parte dela ou até mesmo de determinados atos
executivos.
d) A execução deve propiciar ao exequente exatamente aquilo que obteria com o adimplemento voluntário
do devedor, ou seja, exatamente o que consta no título, não sendo, portanto, cabível a substituição por
perdas e danos nos casos de impossibilidade de entrega de coisa ou recusa da prestação de fazer ou não
fazer.
e) São exemplos de atos expropriatórios: penhora, arresto, exibição de documentos, busca e apreensão,
imissão de posse.

38. Júlio manejou procedimento de execução contra Marco com base em título executivo
extrajudicial contendo obrigação de pagamento de quantia. Marco perdeu o prazo para embargos à
execução e deixou de realizar o cumprimento da obrigação a ele imputada. Diante do exposto e de
acordo com os ditames da legislação processual civil, assinale a alternativa INCORRETA.
a) Caso Marco aliene seu patrimônio a fim de impossibilitar o pagamento da obrigação, poderá incorrer em
fraude à execução, o que poderá gerar a ineficácia da alienação em relação ao exequente Júlio.
b) As atitudes de Marco que dificultem a realização de penhora poderão ser classificadas como ato
atentatório à dignidade da justiça, podendo acarretar em multa de até 20% (vinte por cento).
c) Caso Marco aliene seu patrimônio a fim de impossibilitar o pagamento da obrigação, poderá incorrer em
fraude contra credores, o que poderá gerar a anulação da alienação com efeitos erga omnes.
d) Caso Marco houvesse manejado embargos à execução e obtido sucesso nesse procedimento com a
declaração de inexistência da obrigação que deu ensejo à execução, Júlio teria a obrigatoriedade de
ressarcir eventuais danos causados pelo procedimento executivo.
e) Tendo-se em vista que Marco não manejou embargos à execução, Júlio pode desistir de toda a
execução, independentemente da concordância de Marco.

39.Assinale a alternativa CORRETA:


a) Tramitando determinada demanda previdenciária nos Juizados Especiais Federais e se fazendo
necessária a realização de prova técnica para o deslinde da controvérsia, se, após a apresentação do laudo
médico, as partes controverterem sobre as conclusões científicas do perito nomeado, deverá o Juízo
declinar da competência para processo e julgamento do feito para a vara federal comum, sob o argumento
da complexidade da matéria envolvida.
b) Tramitando determinada demanda previdenciária nos Juizados Especiais Federais, após a prolação de
sentença de improcedência que se fundou em laudo médico, na análise do recurso contra ela interposto,
poderá monocraticamente o relator, na Turma Recursal, ao não se sentir suficientemente esclarecido pelas
conclusões do perito, determinar a realização de nova perícia, sem, entretanto, anular o julgado, com
fundamento na aplicação subsidiária do disposto no CPC.
c) Tramitando determinada demanda previdenciária nos Juizados Especiais Federais, após a realização
de perícia médica que concluiu contrariamente ao alegado pelo autor, é direito subjetivo seu a realização
de novo exame técnico, de forma a subsidiar o deslinde da controvérsia.
d) Tramitando determinada demanda previdenciária nos Juizados Especiais Federais e havendo a
condenação do INSS na implantação de determinado benefício e no pagamento dos valores atrasados é
possível, se apurado que o valor devido supera os 60 (sessenta) salários mínimos, que o exequente opte
pela expedição de RPV no valor do limite máximo e pela expedição de precatório dito complementar para
pagamento do montante excedente.

40. Assinale a alternativa que contém tese jurídica NÃO APRECIADA pelos Tribunais Superiores na
sistemática dos recursos excepcionais repetitivos:
a) O estigma social a que submetido o portador do vírus HIV é suficiente à demonstração da incapacidade
temporária ou permanente do segurado na análise e concessão do auxílio-doença e da aposentadoria por
invalidez.
b) Necessidade de fixação da data de início do benefício por incapacidade no momento do requerimento
administrativo ou, na falta deste, na citação.
c) Renúncia ao benefício previdenciário já implantado, com a consequente concessão de outro mais
vantajoso, calculado com base também nas remunerações recebidas pelo segurado aposentado pelo
exercício de atividade laborativa após a inatividade.
d) O desemprego do segurado é suficiente a lhe atribuir a condição de baixa renda e, portanto, suficiente
ao preenchimento do requisito necessário à concessão do auxílio-reclusão.

Respostas:
21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33: 34:
35: 36: 37: 38: 39: 40:

41. Sobre o ato de citação, é CORRETO afirmar:


a) O gerente de filial ou agência presume-se autorizado pela pessoa jurídica estrangeira a receber citação
para qualquer processo.
b) Nos casos de litisconsórcio passivo necessário, o juiz de ofício determinará diretamente a citação de
todos que devam ser litisconsortes.
c) No caso de ação possessória em que figure no polo passivo grande número de pessoas, a citação será
feita por edital.
d) A procuração geral para o foro, salvo se previstos poderes especiais específicos, não habilita o advogado
a receber citação, o que vale inclusive para a hipótese de reconvenção, por ter esta natureza jurídica de
ação.

42. Sobre a coisa julgada é INCORRETO afirmar:


a) A decisão concessiva de tutela antecipada estabilizada, segundo a lei, não faz coisa julgada material,
ainda que a estabilidade só possa ser afastada mediante a propositura de ação própria que busque a
revisão, reforma ou anulação do que se decidiu.
b) A decisão que determina a expedição de mandado monitório, se não for cumprida a prestação pelo
requerido, nem forem apresentados embargos, enseja a formação de coisa julgada material e, portanto,
ação rescisória.
c) Como regra, a improcedência por insuficiência de provas não impede nova propositura da mesma
demanda e julgamento do mérito respectivo se o interessado apresentar novos elementos de prova, desde
que não ocorra prescrição ou decadência.
d) Em ação de dissolução parcial de sociedade, segundo a lei, a pessoa jurídica ficará vinculada pela coisa
julgada, ainda que não citada, desde que todos seus sócios o sejam.
43. Relativamente à suspensão do processo, é INCORRETO afirmar:
a) Ela não ocorrerá quando se arguir impedimento ou suspeição do membro do Ministério Público, quando
este atuar como autor da demanda.
b) É causa autorizadora da suspensão o parto ou adoção, quando a advogada responsável pelo processo
constituir a única patrona da causa.
c) Suspende-se a execução se os bens penhorados não forem alienados por ausência de licitantes, por
um ano, após o que começará a correr o prazo de prescrição intercorrente.
d) Se o conhecimento do mérito depender da verificação de fato delituoso, o juízo cível poderá examinar
incidentalmente a questão prévia se, proposta a ação penal, decorrer o prazo de um ano sem
pronunciamento do juízo criminal.

44. Sobre os embargos de declaração é CORRETO afirmar:


a) Eles não são via processual adequada para a correção de erro material uma vez que esse tipo de vício
não está sujeito a preclusão.
b) Se opostos contra decisão unipessoal, podem ser conhecidos como agravo interno, a ser julgado
também monocraticamente.
c) Se eles forem rejeitados ou não houver alteração de resultado, o recurso interposto pela outra parte
antes da publicação do julgamento dos embargos precisará ser ratificado, sob pena de preclusão lógica.
d) Na reiteração de embargos manifestamente protelatórios, haverá elevação da multa e a interposição de
qualquer recurso fica condicionada ao depósito prévio do valor, mas essa condição não se aplica ao
beneficiário da justiça gratuita.

45. Em tema de prova pericial afigura-se CORRETO afirmar:


a) O critério para que o juiz determine a produção de prova técnica simplificada é a prevalência da oralidade
no processo.
b) Se o laudo for inconclusivo o juiz poderá reduzir a remuneração do perito.
c) No caso em que as partes, de comum acordo, escolham o perito, compete exclusivamente àquelas a
formulação de quesitos.
d) Sendo vedado ao perito ultrapassar os limites de sua designação, ele deve se abster de emitir opiniões
pessoais que excedam o exame técnico ou científico do objeto da perícia, de ouvir testemunhas ou de obter
documentos que estejam em poder da parte.

46. Preencha as lacunas e assinale a alternativa correta.


Para o Novo Código de Processo Civil, são exemplos de títulos executivos judiciais
_____________________ e ______________________, não se enquadrando na mesma classificação
____________________ e ______________________.
a) decisão homologatória de autocomposição extrajudicial / sentença arbitral / o crédito decorrente de foro
laudêmio / o contrato de seguro de vida em caso de morte
b) certidão de dívida ativa formal / certidão de partilha / a sentença arbitral / a nota promissória
c) sentença penal condenatória / instrumento de transação referendado pelo ministério público / warrant /
cheque
d) sentença estrangeira homologada / decisão interlocutória / o acordo referendado pelo MP / a sentença
arbitral
e) escritura pública / certidão expedida por serventia notarial / a letra de câmbio formal / a certidão de
partilha

47. O Código de Processo Civil de 2015 trouxe inovação reservando à Defensoria Pública um título
próprio (artigos 185 a 187), afirmando a importância da Instituição na efetivação da assistência
jurídica integral dos necessitados.
Nesse contexto, julgue o caso concreto:
Defensor Público no exercício da função, em ação de guarda, representando judicialmente a parte autora,
não consegue estabelecer contato com esta, mesmo após ter enviado correspondência para
comparecimento na Defensoria Pública, para dar-lhe ciência de que deverá atender determinação do juiz
no sentido de comprovar, no prazo de 30 dias, o início do tratamento recomendado na avaliação psicológica
realizada nos autos.

Nesse caso, o Defensor Público deverá requerer ao juiz


a) que seja expedido ofício ao Conselho Tutelar para que este diligencie junto ao endereço da parte autora,
a fim de verificar a situação familiar.
b) a suspensão do processo para que se aguarde o comparecimento espontâneo da parte assistida.
c) a intimação pessoal, sob pena de extinção, porque o não atendimento à carta expedida faz presumir o
desinteresse no prosseguimento da ação.
d) que seja dada vista ao Ministério Público.
e) a intimação pessoal da parte porque a providência somente por ela pode ser realizada ou prestada.

48. Sobre o recurso de Agravo de Instrumento e suas disposições no Código de Processo Civil, é
correto afirmar:
a) Caberá agravo de instrumento, dentre outras hipóteses, contra decisões interlocutórias proferidas na
fase de liquidação de sentença ou de cumprimento de sentença, no processo de execução e no processo
de inventário.
b) Quer sejam eletrônicos os autos do processo, quer sejam físicos, a petição de agravo de instrumento
será instruída obrigatoriamente com cópias da petição inicial, da contestação, da petição que ensejou a
decisão agravada, da própria decisão agravada, da certidão da respectiva intimação ou outro documento
oficial que comprove a tempestividade e das procurações outorgadas aos advogados do agravante e do
agravado.
c) O juízo de primeiro grau pode atribuir efeito suspensivo ao recurso de agravo de instrumento, desde que
o agravante demonstre a probabilidade de provimento do recurso ou, sendo relevante a fundamentação,
se houver risco de dano grave ou de difícil reparação.
d) A má formação do instrumento de agravo por ausência de peça obrigatória só é sanável por motivo de
força maior que, se não comprovado, enseja a imediata inadmissão do recurso.
e) A juntada aos autos do processo, pela parte agravante, de cópia da petição de agravo de instrumento,
do comprovante de sua interposição e da relação dos documentos que o instruíram é facultada ao
agravante no prazo de 03 dias, contados da efetiva interposição, mas a omissão dessa providência não
autoriza a inadmissão do recurso.

48. Em relação ao Capítulo das Provas no Código de Processo Civil, considere as seguintes
afirmações.
I. A parte que alegar direito municipal, estadual, estrangeiro ou consuetudinário provar-lhe-á, de imediato,
o teor e a vigência.
II. A distribuição diversa do ônus da prova pode ocorrer por convenção das partes, antes ou durante o
processo.
III. Os fatos notórios dependem de prova, quando controvertidos por alguma das partes.
IV. Caberá ao juiz, mediante requerimento da parte, determinar as provas necessárias ao julgamento do
mérito.

Está correto o que consta APENAS de:


a) I e II.
b) I e III.
c) II.
d) II e IV.
e) III e IV.

50. Segundo o Código de Processo Civil vigente, NÃO é correto afirmar:


a) A confissão judicial faz prova contra o confidente, comunicando-se aos litisconsortes o que disser
respeito a esses.
b) A desnecessidade de produção de prova autoriza o juiz a julgar antecipadamente o pedido, proferindo
sentença com resolução de mérito.
c) A produção antecipada da prova é admitida no caso em que o prévio conhecimento dos fatos possa
justificar ou evitar o ajuizamento de ação.
d) Na contestação, a reconvenção pode ser proposta pelo réu em litisconsórcio com terceiro.

51. Em face de petição inicial cujo pedido de mérito denotar pretensão contrária a enunciado de
súmula do Superior Tribunal de Justiça, é CORRETO afirmar:
a) A decisão acerca da improcedência liminar do pedido deve ser precedida de audiência de conciliação.
b) Da decisão judicial da primeira instância que julgar liminarmente improcedente o pedido caberá agravo
de instrumento.
c) Mediante manifestação do réu em sede de contestação, o juiz julgará liminarmente improcedente o
pedido.
d) Se a causa dispensar a fase instrutória, o juiz, independentemente da citação do réu, julgará
liminarmente improcedente o pedido.
52. Assinale a alternativa correta sobre o termo inicial do prazo para contestação nos casos em que
a citação seja realizada por ato do escrivão ou do chefe de secretaria.
a) A data da juntada da certidão nos autos
b) A data de ocorrência da citação
c) 5 (cinco) dias após a ocorrência da citação
d) A data em que o juiz homologar a citação

53. Assinale a alternativa correta sobre as consequências do julgamento da ação principal e da


denunciação da lide.
a) Se a ação principal for julgada em desfavor do denunciante a denunciação da lide será julgada podendo
a resolução se dar pela procedência ou improcedência
b) Se a ação principal for julgada extinta sem resolução do mérito a denunciação da lide será julgada pela
procedência
c) Se a ação principal for julgada em desfavor do denunciante a denunciação da lide deverá ser julgada
pela procedência
d) Se a ação principal for julgada em favor do denunciante a denunciação da lide deverá ser julgada pela
improcedência

54. Tendo sido formulados na petição inicial dois pedidos, o juiz, após encerrada a fase postulatória,
pronunciou, quanto a um deles, a prescrição do direito subjetivo afirmado pelo autor, designando
audiência de instrução e julgamento em relação ao outro pedido. Esse capítulo da decisão é
impugnável por:
a) apelação;
b) mandado de segurança;
c) agravo de instrumento;
d) agravo interno;
e) nenhum recurso, pois se trata de matéria irrecorrível antes da sentença.

55. Carlos, domiciliado na Comarca A, intentou, ali, ação de cobrança de uma obrigação contratual
em face de Pedro, domiciliado na Comarca B. Por entender que a demanda deveria tramitar no foro
onde tem domicílio, Pedro deverá suscitar a matéria através de:
a) exceção de incompetência relativa;
b) exceção de incompetência absoluta;
c) preliminar em contestação;
d) reconvenção;
e) nenhuma via, devendo aguardar a apreciação judicial ex officio do tema.

56. No que se refere ao impedimento e à suspeição, é correto afirmar que:


a) o juiz pode declarar-se suspeito por motivo de foro íntimo, sendo-lhe obrigatório, para tanto, indicar as
suas razões;
b) é vedada a criação de fato superveniente a fim de caracterizar o impedimento do juiz;
c) os motivos de impedimento e suspeição do juiz não se aplicam aos oficiais de justiça;
d) a suspeição do juiz pode dar azo à propositura de ação rescisória da sentença de mérito por ele proferida;
e) se o tribunal acolher a arguição de impedimento do juiz, formulada pela parte, determinará a remessa
dos autos ao seu substituto legal, sem condenar o magistrado nas custas.

57. A modalidade de intervenção por meio da qual o terceiro, devedor solidário de uma obrigação,
se integra ao processo por iniciativa do réu que tenha sido demandado pelo credor para pagar a
dívida comum, é:
a) denunciação da lide;
b) assistência simples;
c) assistência litisconsorcial;
d) amicus curiae;
e) chamamento ao processo.

58. Em uma audiência de instrução e julgamento, os procuradores do autor e do réu perceberam a


possibilidade de se obter uma composição extrajudicial do feito, uma vez que esta não era possível
naquele momento. Assim, convencionaram, em conjunto, pelo sobrestamento dos atos do processo
pelo prazo de um ano, por considerarem que esse seria o tempo máximo necessário para que
obtivessem junto aos seus clientes a solução amigável do conflito. Nesse quadro, deverá o
julgador:
a) admitir a suspensão do feito pelo prazo de um ano, pois há que se fomentar a atividade de composição
dos conflitos;
b) inadmitir a suspensão do feito pelo prazo pretendido, uma vez que o prazo máximo, nessa hipótese,
seria de seis meses;
c) inadmitir a suspensão do feito e designar nova data para a audiência, intimando todos os presentes
desta decisão;
d) extinguir o feito, uma vez que a hipótese em tela seria equivalente à paralisação do feito por negligência
das partes;
e) extinguir o feito, uma vez que a hipótese em tela é tratada como abandono da causa por parte do autor.

59. Fernando, servidor público estadual, por intermédio de seu procurador, propôs ação de
cobrança em face do Estado de Alagoas, pleiteando valores pecuniários decorrentes de
gratificações não pagas e que são estabelecidas no estatuto do servidor. Não havendo necessidade
de fase instrutória, e com base em enunciado de súmula do próprio Tribunal de Justiça alagoano,
no sentido contrário ao afirmado pelo autor, o julgador:
a) poderá julgar liminarmente improcedente o pedido, independentemente da citação do réu;
b) poderá julgar extinto o feito, por ausência de interesse processual, sem citação do réu;
c) deverá julgar liminarmente procedente o pedido, independentemente da citação do réu;
d) deverá determinar a citação do réu para, após enfrentar o mérito da causa;
e) deverá determinar a citação do réu e designar audiência de conciliação ou mediação.

60. Na petição inicial o autor indicou o pedido, os fatos e os seus fundamentos jurídicos, mencionou
também o desinteresse na realização de eventual audiência de conciliação ou mediação e requereu
ao juiz diligências necessárias para a obtenção do endereço eletrônico, o domicílio ou a residência
do réu. Nesse cenário, a petição inicial:
a) será indeferida, pois cabe ao autor diligenciar na obtenção dos requisitos necessários para seu
recebimento;
b) poderá ser deferida, pois o autor não pode ter seu direito de acesso à justiça impedido por falta dessas
informações;
c) poderá ser deferida, ficando impedida a citação do réu até a obtenção destas informações, ainda que
esta já fosse possível;
d) será indeferida, pois não cabe ao autor demonstrar desinteresse pela realização de audiência de
conciliação ou mediação;
e) será indeferida, pois somente se poderia diligenciar na busca do endereço eletrônico, mas não em
relação ao domicílio ou à residência do réu.

Respostas:
41: 42: 43: 44: 45: 46: 47: 48: 49: 50: 51: 52: 53: 54:
55: 56: 57: 58: 59: 60:

61. O Ministério Público ajuizou ação de anulação do casamento em face dos irmãos João e Maria.
João conhecia o referido impedimento, pois sabia que Maria era sua irmã. Todavia, esta
desconhecia completamente o grau de parentesco entre eles. Nesse sentido, a ação deverá ser
proposta:
a) em litisconsórcio passivo, originário, necessário e simples;
b) em litisconsórcio passivo, eventual, necessário e comum;
c) em litisconsórcio passivo, originário, necessário e unitário;
d) em litisconsórcio passivo, originário, facultativo e unitário;
e) apenas em face de João, eis que somente este estava com má-fé.

62. Manuel propôs uma ação de separação judicial em face de Fernanda. Após a citação e já
ultimada a fase instrutória, as partes peticionaram, em conjunto, apresentando requerimento de
homologação de proposta de acordo de divórcio, partilha e alimentos entre si. Nesse cenário:
a) poderá o juiz homologar o acordo, uma vez que não está obrigado a observar o critério de legalidade
estrita;
b) poderá o juiz homologar o acordo apenas quanto à partilha e alimentos, pois inéditos, e indeferir o
divórcio;
c) poderá o juiz homologar o acordo apenas no tocante ao divórcio, pois tem a mesma causa de pedir já
estabilizada;
d) não poderá o juiz homologar o acordo, uma vez que os pedidos têm ritos diferenciados;
e) não poderá o juiz homologar o acordo, uma vez que a demanda é de separação e já se estabilizou.

63. O autor, na petição inicial, formulou o pedido principal de restituição de seu automóvel, que
estava na posse do réu e que lhe custou 100 mil reais. Todavia, ante o receio de que esse pedido
não fosse mais passível de acolhimento, formulou um pleito subsidiário de perdas e danos, no valor
de 100 mil reais. Fixou o demandante, então, o valor da causa em 200 mil reais, resultado da soma
dos valores dos dois pedidos. Nesse quadro:
a) agiu corretamente o autor, pois no caso há uma cumulação simples, e o valor de 200 mil reais representa
a soma dos dois pedidos;
b) agiu corretamente o autor, pois a fixação do valor da causa é livre, podendo o autor atribuir o valor que
entender correto, devendo o réu, se discordar, impugná-lo;
c) agiu corretamente o autor, pois a cumulação sucessiva no caso importa na soma dos valores de todos
os pedidos formulados;
d) agiu equivocadamente o autor, pois na cumulação subsidiária o valor da causa deve corresponder
apenas ao valor pretendido no pedido principal;
e) agiu equivocadamente o autor, pois no caso há uma cumulação alternativa, devendo ser fixado o valor
de 100 mil reais, correspondente ao bem de maior valor.

64. O exequente obteve uma certidão de que a execução por ele proposta foi admitida pelo juiz. Ato
contínuo, averbou a referida certidão no registro de imóveis, onde consta inscrito um apartamento
do devedor. Antes da sua citação no processo, o executado alienou a propriedade do referido bem
para um terceiro. No curso do processo, percebe-se que esse apartamento, que fora indicado pelo
exequente para penhora, não pertencia mais ao patrimônio do devedor. Nesse contexto:
a) a alienação não configura fraude à execução, pois o executado não tinha ciência do processo;
b) a alienação é eficaz, pois o registro é ato capaz de ensejar a ciência do processo;
c) a alienação efetuada após a averbação é presumida em fraude à execução;
d) a averbação é indevida, pois não se admite emissão de certidão para esse fim;
e) a averbação é indevida, pois só se a admite após a extinção da execução.

65. Em relação ao divórcio litigioso é de se afirmar, EXCETO:


a) Trata-se de direito potestativo que independe de causa jurídica determinante do pedido ou de motivação
fática.
b) É pretensão subordinada à arguição de culpa do outro em uma das formas previstas na separação
judicial contenciosa.
c) Não requer a prévia divisão patrimonial ditada pelo regime de bens adotado no casamento.
d) Extingue a sociedade conjugal e o vínculo matrimonial, admitindo a modalidade desjudicializada.

66. Analise as seguintes assertivas sobre o procedimento especial previsto no CPC:


I. Estando a petição inicial devidamente instruída, o juiz deferirá, sem ouvir o réu, a expedição do mandado
liminar de manutenção ou de reintegração, caso contrário, determinará que o autor justifique previamente
o alegado, citando-se o réu para comparecer à audiência que for designada.
II. O inventariante removido entregará imediatamente ao substituto os bens do espólio e, caso deixe de
fazê-lo, será compelido mediante mandado de busca e apreensão ou de imissão na posse, conforme se
tratar de bem móvel ou imóvel, sem prejuízo da multa a ser fixada pelo juiz em montante não superior a
três por cento do valor dos bens inventariados.
III. O juiz nomeará curador especial: ao ausente, se não o tiver; ao incapaz, se concorrer na partilha com o
seu representante, desde que exista colisão de interesses.
IV. Admitido o processamento, a oposição será apensada aos autos e tramitará simultaneamente à ação
originária, sendo ambas julgadas em sentença distinta.

Somente está CORRETO o que se afirma em:


a) I, II, III e IV
b) I, II, III
c) I, IV
d) IV

67. Com relação aos recursos cíveis previstos no CPC é INCORRETO afirmar, EXCETO:
a) Quando o resultado da apelação for não unânime, o julgamento terá prosseguimento em sessão a ser
designada com a presença de outros julgadores, que serão convocados nos termos previamente definidos
no regimento interno, em número suficiente para garantir a possibilidade de inversão do resultado inicial,
assegurado às partes e a eventuais terceiros o direito de sustentar oralmente suas razões perante os novos
julgadores.
b) O agravante poderá requerer a juntada, aos autos do processo, de cópia da petição do agravo de
instrumento, do comprovante de sua interposição e da relação dos documentos que instruíram o recurso.
Se o juiz comunicar que reformou inteiramente a decisão, o relator dará provimento liminar ao agravo de
instrumento.
c) O recurso extraordinário e o recurso especial, nos casos previstos no CPC e na Constituição Federal,
serão interpostos diretamente aos tribunais competentes para julgá-los, em petições distintas que conterão:
a exposição do fato e do direito; a demonstração do cabimento do recurso interposto; as razões do pedido
de reforma ou de invalidação da decisão recorrida.
d) O recurso interposto por um dos litisconsortes a todos aproveita, salvo se distintos ou opostos os seus
interesses. Havendo solidariedade passiva, o recurso interposto por um devedor aproveitará aos outros
ainda que as defesas sejam contrárias.

68. Analise as assertivas abaixo:


I. O juiz não pode decidir, em grau algum de jurisdição, com base em fundamento a respeito do qual não
se tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, a exceção de matéria sobre a qual deva decidir de
ofício.
II. Quando houver continência e a ação continente tiver sido proposta anteriormente, no processo relativo
à ação contida será proferida sentença com resolução de mérito, caso contrário, as ações serão
necessariamente reunidas.
III. Contra a decisão que indeferir a gratuidade ou a que acolher pedido de sua revogação caberá agravo
de instrumento, ainda que a questão seja decidida na sentença.
IV. É admissível a assunção de competência quando o julgamento de recurso, de remessa necessária ou
de processo de competência originária envolver relevante questão de direito, com grande repercussão
social, sem repetição em múltiplos processos.

Somente está CORRETO o que se afirma em:


a) I, II, III e IV.
b) II e III.
c) I, II e IV.
d) IV.

69. Analise as seguintes assertivas:


I. Para a validade do processo, é indispensável a citação do réu ou do executado, mesmo se tratando de
indeferimento da petição inicial ou de improcedência liminar do pedido.
II. O comparecimento espontâneo do réu ou do executado supre a falta ou a nulidade da citação, fluindo a
partir desta data o prazo para apresentação de contestação ou de embargos à execução.
III. O juiz corrigirá, de ofício e por arbitramento, o valor da causa quando verificar que não corresponde ao
conteúdo patrimonial em discussão ou ao proveito econômico perseguido pelo autor, caso em que se
procederá ao recolhimento das custas correspondentes.
IV. Nos casos em que a urgência for contemporânea à propositura da ação, a petição inicial pode limitar-
se ao requerimento da tutela antecipada e à indicação do pedido de tutela final, sem a necessidade de
exposição da lide, do direito que se busca realizar e do perigo de dano ou do risco ao resultado útil do
processo.

Somente está CORRETO o que se afirma em:


a) I, II, III, IV.
b) I, II.
c) II, III.
d) IV, III.

70. Assinale a alternativa INCORRETA sobre Mediação e/ou Conciliação (CPC e Lei n. 13.140/2015):
a) A mediação e a conciliação são informadas pelos princípios da independência, da imparcialidade, da
autonomia da vontade, da confidencialidade, da oralidade, da informalidade e da decisão informada. No
tocante à confidencialidade, tem-se que ela é estendida a todas as informações produzidas no curso do
procedimento, cujo teor não poderá ser utilizado para fim diverso daquele previsto por expressa deliberação
das partes.
b) A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios criarão câmaras de mediação e conciliação, com
atribuições relacionadas à solução consensual de conflitos no âmbito administrativo, tais como promover,
quando couber, a celebração de termo de ajustamento de conduta.
c) Pode ser objeto de mediação o conflito que verse sobre direitos disponíveis ou sobre direitos
indisponíveis que admitam transação. O consenso das partes envolvendo direitos indisponíveis, desde que
sejam transigíveis, deve ser homologado em juízo, sendo dispensada a oitiva do Ministério Público.
d) De acordo com o Código de Processo Civil, a audiência de conciliação ou de mediação deverá ser
realizada, salvo quando não se admitir a autocomposição, ou se ambas as partes manifestarem,
expressamente, desinteresse na composição consensual. Nessa última hipótese, havendo litisconsórcio, o
desinteresse na realização da audiência deve ser manifestado por todos os litisconsortes.

71. Analise as seguintes assertivas com relação ao papel do Ministério Público, nos termos do
Código de Processo Civil:
I. O Ministério Público pode arguir incompetência relativa, pode suscitar conflito de competência e tem
legitimidade para propor ação rescisória.
II. O Ministério Público, não sendo o requerente de incidente de resolução de demandas repetitivas, deverá
intervir obrigatoriamente, assumindo a sua titularidade em caso de desistência ou de abandono. Pode,
inclusive, proferir sustentação oral no julgamento desse incidente.
III. O Ministério Público pode interpor recurso na qualidade de fiscal da ordem jurídica. Também pode
apresentar reclamação com o intuito, por exemplo, de preservar a competência do tribunal ou de garantir
a autoridade das decisões do tribunal.
IV. O juiz poderá dispensar a produção das provas requeridas pela parte cujo advogado não tenha
comparecido à audiência, aplicando-se a mesma regra ao Ministério Público.

É CORRETO o que se afirmar em:


a) I, II, III e IV.
b) Apenas em I, II e III.
c) Apenas em I, III e IV.
d) Apenas em II e IV.

72. Assinale a alternativa INCORRETA sobre Provas:


a) A teoria estática do ônus da prova continua sendo a regra geral do sistema probatório. A teoria dinâmica
tem lugar quando, por exemplo, existir impossibilidade ou excessiva dificuldade de cumprir o encargo
estabelecido pelo legislador como regra geral; todavia, é preciso que o magistrado assim o faça de forma
fundamentada, e que permita que a parte possa produzir as provas necessárias de modo a se desincumbir
do ônus que lhe foi atribuído. Além disso, tal decisão não pode gerar situação em que a desincumbência
do encargo pela parte seja impossível ou excessivamente difícil.
b) As partes podem, por meio de negócio jurídico processual, distribuir o ônus da prova de forma diversa
da que foi estabelecida pelo legislador, desde que não recaia sobre direito indisponível da parte, ou que
torne excessivamente difícil a uma parte o exercício do direito.
c) O direito à produção antecipada de prova será cabível quando a prova a ser produzida seja suscetível
de viabilizar a autocomposição ou outro meio adequado de solução de conflito, bem como quando o prévio
conhecimento dos fatos possa evitar ou justificar o ajuizamento de ação.
d) O modo de existir e a existência de algum fato podem ser atestados ou documentados, a requerimento
do interessado, mediante ata lavrada por tabelião. Dados representados por imagem ou som gravados em
qualquer tipo de mídia também poderão constar da ata notarial.

73. A respeito dos interesses supraindividuais passíveis de proteção pelo processo coletivo,
é INCORRETO afirmar:
a) a distinção entre as posições ou situações concretas de vantagem protegidas juridicamente como
“direitos” ou “interesses” supraindividuais tem como consequência, tanto no plano normativo substancial
quanto processual, exame distinto pelo processo coletivo brasileiro.
b) são passíveis de tutela em detrimento de direitos subjetivos.
c) a conflituosidade a eles inerente será menor nos litígios coletivos de difusão global e maior nos de difusão
irradiada.
d) Não se enquadram na clássica dicotomia que divide os interesses em privados e públicos,
consubstanciando-se numa terceira categoria caracterizada pela relação com um bem não susceptível de
apropriação e gozo exclusivo e por atribuir uma posição igualitária a qualquer sujeito, resultando, em
concreto, titular em relação ao conjunto dos sujeitos coenvolvidos na fruição de um mesmo bem comum.

74. A autocomposição de litígios encontra sua validade na necessidade de acesso aos direitos pela
via adequada de composição, e rompe com o paradigma da justiça estatal como único ou superior
meio para solução de conflitos. No que concerne à utilização da autocomposição para a tutela dos
direitos supra individuais, assinale a alternativa INCORRETA:
a) A regra do artigo 841 do novo Código de Processo Civil, que estabelece a possibilidade de transação
exclusivamente quanto a direitos patrimoniais de caráter privado, não é óbice à autocomposição nos litígios
de massa.
b) O processo duplamente coletivo admite autocomposição, mas não admite a renúncia ao direito sobre o
que se funda a ação coletiva.
c) Associações podem valer-se do compromisso de ajustamento de conduta como meio de
autocomposição extrajudicial de litígios que versem sobre direitos transindividuais, ou fazê-lo no curso da
ação coletiva (autocomposição judicial), desde que estejam constituídas há pelo menos 1 (um) ano nos
termos da lei civil e incluam, entre suas finalidades institucionais, a proteção ao patrimônio público e social,
ao meio ambiente, ao consumidor, à ordem econômica, à livre concorrência, aos direitos de grupos raciais,
étnicos ou religiosos ou ao patrimônio artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico.
d) No compromisso de ajustamento de conduta, instrumento de autocomposição de litígios coletivos,
podem ser pactuados deveres e obrigações tanto para os legitimados ativos quanto para os legitimados
passivos.

75. A ação coletiva para tutela de direitos individuais homogêneos possui características próprias,
que a distingue das demais ações coletivas. Analise as proposições a seguir e assinale a
alternativa INCORRETA:
a) Na sentença de mérito, a cognição será exauriente sobre o aspecto horizontal, e limitada, sob o aspecto
vertical.
b) Na sentença de mérito, as questões enfrentadas são unicamente as que concernem ao núcleo de
homogeneidade dos direitos individuais afirmados na demanda.
c) A repartição da atividade cognitiva é uma característica inerente ao respectivo procedimento.
d) A feição coletiva das ações para tutela de direitos individuais homogêneos somente se dá a partir da
desconsideração das peculiaridades agregadas à situação pessoal e diferenciada de cada interessado.

76. Em relação as “audiências” no processo de conhecimento, procedimento comum, é correto


afirmar que:
a) Conforme as regras do código de processo civil, a audiência de conciliação ou de mediação será
realizada após a apresentação de defesa do réu, com o escopo do Estado promover, sempre que possível,
a solução consensual dos conflitos.
b) O juiz, em decisão de saneamento e de organização do processo, se a causa apresentar complexidade
em matéria de fato ou de direito, deverá designar audiência para que o saneamento seja feito em
cooperação, oportunidade em que, se for o caso, convidará as partes a integrar ou esclarecer suas
alegações.
c) O conciliador, que atuará preferencialmente nos casos em que houver vínculo anterior entre as partes,
auxiliará aos interessados a compreender as questões e os interesses em conflito, de modo que eles
possam, pelo restabelecimento da comunicação, identificar, por si próprios, soluções consensuais que
gerem benefícios mútuos.
d) O mediador, que atuará preferencialmente nos casos em que não houver vínculo anterior entre as partes,
poderá sugerir soluções para o litígio, sendo vedada a utilização de qualquer tipo de constrangimento ou
intimidação para que as partes conciliem.

77. Em relação as normas legais do direito probatório, no Diploma Processual Civil, é INCORRETO:
a) O juiz poderá distribuir de ofício o ônus da prova de forma diversa daquela prevista na regra geral, em
qualquer fase do processo, inclusive, durante a fase decisória, pois se trata de norma de juízo e, não
prevista em lei.
b) A produção antecipada da prova não torna prevento o juízo para a ação que, eventualmente vier a ser
proposta.
c) Na prova empresta, observado o contraditório, o juiz poderá admitir a utilização de prova produzida em
outro processo, atribuindo-lhe o valor que considerar adequado.
d) A ata notarial é prova típica a qual constata a existência e o modo de existir de algum fato podem ser
atestados ou documentados, a requerimento do interessado, mediante ata lavrada por tabelião. Os dados
representados por imagem ou som gravados em arquivos eletrônicos poderão constar da ata notarial.
Trata-se de documento público.

78. Em relação a tutela provisória no Código de Processo Civil, é INCORRETO:


a) Na tutela da evidência será exigido conforme norma expressa no Código de Processo Civil, a
demonstração de perigo de dano ou de risco ao resultado útil do processo.
b) Na tutela de urgência, deferida em caráter antecedente, o réu será citado e intimado para audiência de
conciliação ou de mediação, e não havendo autocomposição, o prazo para contestar terá sua fluência da
negativa de acordo.
c) Na tutela de urgência, independente da natureza da medida, cautelar ou antecipada os requisitos legais
para devida concessão são respectivamente, a probabilidade do direito e o risco de dano ou resultado útil
do processo, podendo ser dispensada a caução, caso a parte interessada comprove a sua hipossuficiência.
d) As decisões interlocutórias que dizem respeito a tutela provisória serão recorríveis via agravo de
instrumento, já as sentenças que confirmam, concedem, ou revogam a tutela provisória serão recorríveis
por meio de apelação, a qual será desprovida de efeito suspensivo.

79. Em relação ao procedimento comum é correto afirmar que:


a) A prescrição e decadência são causas de indeferimento da petição inicial, com base na segurança
jurídica.
b) Na atual sistemática processual, a formulação pelo autor de pedido indeterminado, independentemente
da natureza jurídica da causa, acarretará a inépcia da petição inicial.
c) Incumbe ao réu, antes de discutir o mérito, alegar na contestação a incompetência absoluta e relativa,
já a indevida concessão do benefício de gratuidade da justiça deverá ser impugnada via peça processual
apartada, sob pena de nulidade.
d) Caso não disponha o autor dos dados completos do réu, poderá o mesmo na petição inicial, requerer ao
juiz as diligências necessárias à sua obtenção, não sendo motivo para seu indeferimento.

80. O juízo estadual, verificando que certa ação de ressarcimento de danos é proposta em face de
Mévio e da Caixa Econômica Federal, dá-se por incompetente e remete os autos ao juízo federal
que, por sua vez, após ouvir as partes, exclui do processo a referida empresa pública e devolve os
autos ao juízo estadual. Nessa situação, segundo dispõe o Código de Processo Civil de 2015, o
juízo
a) estadual, se discordar da decisão do juízo federal, deverá a este reenviar os autos, expondo as razões
do seu convencimento.
b) federal, após excluir a Caixa Econômica Federal do feito, deveria ter suscitado conflito negativo de
competência.
c) estadual, se discordar da decisão do juízo federal, deverá suscitar conflito negativo de competência, no
prazo preclusivo de 5 dias.
d) federal agiu acertadamente ao devolver os autos ao juízo estadual após excluir a Caixa Econômica
Federal do feito, não se cogitando, no caso¸ de conflito de competência.
e) estadual, ao verificar que a relação processual envolvia a Caixa Econômica Federal, deveria desde logo,
ter suscitado o conflito de competência perante o Tribunal competente, sobretudo se, de acordo com o seu
pensamento, a Caixa Econômica Federal fosse, sim, parte legítima no feito.

Respostas:
61: 62: 63: 64: 65: 66: 67: 68: 69: 70: 71: 72: 73: 74:
75: 76: 77: 78: 79: 80:

81. Se Lucrécia interpôs recurso com o manifesto intuito de protelar a solução final do processo,
a) fica caracterizada a litigância de má-fé, caso em que, de ofício ou a requerimento, o juiz a condenará a
pagar multa, a indenizar a parte contrária pelos prejuízos que esta sofreu e a arcar com os honorários
advocatícios e com todas as despesas que efetuou.
b) fica caracterizada a litigância de má-fé, caso em que − e somente se houver requerimento a esse respeito
− o juiz poderá condená-la a pagar multa e a indenizar a parte contrária pelos prejuízos que esta sofreu.
c) não fica caracterizada a litigância de má-fé, eis que não atingida a dignidade da Justiça, razão pela qual,
de ofício ou a requerimento, o juiz a condenará a pagar as custas do processo a que indevidamente deu
causa, ainda que se saia vencedora.
d) fica caracterizada a litigância de má-fé, sendo que o juiz, de ofício, poderá aplicar-lhe uma multa, com
base no valor atualizado da causa, e, se somente houver requerimento expresso, poderá condená-la a
indenizar a parte contrária pelos prejuízos que esta sofreu e a arcar com os honorários advocatícios e com
todas as despesas que efetuou.
e) não fica caracterizada a litigância de má-fé, porque o princípio da ampla defesa confere à parte o direito
de se utilizar dos recursos cabíveis para fazer valer o seu direito.

82. Com amparo no Código de Processo Civil de 2015, é correto afirmar:


a) A citação válida, ainda quando ordenada por juízo incompetente, sempre induz litispendência, torna
litigiosa a coisa e constitui em mora o devedor.
b) Para a validade do processo é indispensável a citação do réu no caso de improcedência liminar do
pedido.
c) Se o réu comparece espontaneamente para alegar a inexistência de citação, esta deverá ser feita em
Cartório, na pessoa de seu advogado.
d) É absolutamente vedada a citação do militar em serviço ativo na unidade em que estiver servindo.
e) A indispensabilidade da citação do réu ou do executado para a validade do processo comporta
exceções.

83. Em relação a tutela executiva ditada pelo Código de Processo Civil é correto afirmar:
a) No cumprimento definitivo da sentença, que delimita condenação em quantia certa, ou já fixada em
liquidação, e no caso de decisão sobre parcela incontroversa, a requerimento do exequente, sendo o
executado intimado para pagar o débito, no prazo de 10 (dez) dias, acrescido de custas, se houver. Não
ocorrendo pagamento voluntário, no referido prazo, o débito será acrescido de multa de quinze por cento
e, também, de honorários de advogado de dez por cento.
b) No cumprimento da sentença, a impugnação depende de prévia garantia do juízo sob pena de
indeferimento liminar.
c) Na fase executiva, é lícito ao réu, antes de ser intimado para o cumprimento da sentença, comparecer
em juízo e oferecer em pagamento o valor que entender devido, apresentando memória discriminada do
cálculo. Nesse sentido, o autor será ouvido no prazo de 5 (cinco) dias, podendo impugnar o valor
depositado, sem prejuízo do levantamento do depósito a título de parcela incontroversa.
d) No cumprimento provisório da sentença condenatória ao pagamento de quantia certa não caberá verba
honorária.

84. Pendendo causa entre 2 (duas) ou mais pessoas, o terceiro juridicamente interessado em que a
sentença seja favorável a uma delas poderá intervir no processo para assisti-la. A este instituto do
direito civil damos o nome de:
a) Denunciação da lide.
b) Chamamento ao processo.
c) Amicus Curiae.
d) Assistência.

85. Os atos processuais são públicos, todavia tramitam em segredo de justiça os processos:
I. Em que constem dados protegidos pelo direito constitucional à intimidade.
II. Que versem sobre casamento, separação de corpos, divórcio, separação, união estável, filiação,
alimentos e guarda de crianças e adolescentes e Usucapião.
III. Em que o exija o interesse público ou social.
IV. Que versem sobre arbitragem, inclusive sobre cumprimento de carta arbitral, desde que a
confidencialidade estipulada na arbitragem seja comprovada perante o juízo.

A sequência correta é:
a) Apenas a assertiva IV está incorreta.
b) Apenas as assertivas I, III e IV estão corretas.
c) Apenas as assertivas II e IV estão incorretas.
d) As assertivas I, II, III e IV estão corretas.

86. Compete à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações em que:


I. O réu, qualquer que seja a sua nacionalidade, estiver domiciliado no Brasil.
II. O fundamento seja fato ocorrido ou ato praticado no Brasil.
III. De alimentos, quando o credor tiver domicílio ou residência no Brasil.
IV. Decorrentes de relações de consumo, quando o consumidor tiver domicílio ou residência no Brasil.

A sequência correta é:
a) As assertivas I, II, III e IV estão corretas.
b) Apenas as assertivas II e IV estão incorretas.
c) Apenas a assertiva IV está incorreta.
d) Apenas as assertivas I e IV estão corretas.

87. Relativamente ao título das nulidades, disposto no Código de Processo Civil – CPC/15, podemos
afirmar que:
I. Quando a lei prescrever determinada forma sob pena de nulidade, a decretação desta pode ser requerida
pela parte que lhe deu causa.
II. A nulidade dos atos deve ser alegada na primeira oportunidade em que couber à parte falar nos autos,
sob pena de preclusão.
III. É anulável o processo quando o membro do Ministério Público não for intimado a acompanhar o feito
em que deva intervir.
IV. Ao pronunciar a nulidade, o juiz declarará que atos são atingidos e ordenará as providências
necessárias a fim de que sejam repetidos ou retificados.

A sequência correta é:
a) As assertivas I, II, III e IV estão corretas.
b) Apenas as assertivas II e III estão incorretas.
c) Apenas a assertiva IV está incorreta.
d) Apenas as assertivas II e IV estão corretas.

88. São títulos executivos extrajudiciais:


I. A escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor.
II. O contrato de seguro de vida em caso de morte.
III. O crédito decorrente de foro e laudêmio.
IV. A certidão expedida por serventia notarial ou de registro relativa a valores de emolumentos e demais
despesas devidas pelos atos por ela praticados, fixados nas tabelas estabelecidas em lei.

A sequência correta é:
a) Apenas as assertivas II e III estão incorretas.
b) Apenas a assertiva IV está incorreta.
c) As assertivas I, II, III e IV estão corretas.
d) Apenas as assertivas II e IV estão corretas.

89. Cabem embargos de declaração contra qualquer decisão judicial para esclarecer obscuridade
ou eliminar contradição, suprir omissão de ponto ou questão sobre o qual devia se pronunciar o
juiz de ofício ou a requerimento e corrigir erro material. De acordo com as novas diretrizes do
Código de Processo Civil vigente os embargos de declaração serão opostos em:
a) 15 (quinze) dias.
b) 8 (oito) dias.
c) 5 (cinco) dias.
d) 10 (dez) dias.

90. Consoante as diretrizes do Código de Processo Civil – CPC/15, são cabíveis os seguintes
recursos, entre outros, EXCETO:
a) Agravo de instrumento.
b) Agravo em recurso especial ou extraordinário.
c) Agravo interno.
d) Agravo retido.

91. Os atos processuais serão realizados em dias úteis:


a) Das 8 (oito) às 20 (vinte) horas.
b) Das 7 (sete) às 19 (dezenove) horas.
c) Das 6 (seis) às 18 (dezoito) horas.
d) Das 6 (seis) às 20 (vinte) horas.

92. Quando a sentença condenar ao pagamento de quantia ilíquida, proceder-se-á à sua liquidação,
a requerimento do credor ou do devedor. Acerca da liquidação de sentença é correto afirmar:
I. A liquidação de sentença se dará por arbitramento, quando determinado pela sentença, convencionado
pelas partes ou exigido pela natureza do objeto da liquidação.
II. Quando na sentença houver uma parte líquida e outra ilíquida, ao credor é lícito promover
simultaneamente a execução daquela e, em autos apartados, a liquidação desta.
III. Na liquidação é permitido rediscutir a lide ou modificar a sentença que a julgou.
IV. É vetado promover a liquidação na pendência de recurso.

A sequência correta é:
a) Apenas as assertivas I e II estão corretas.
b) As assertivas I, II, III e IV estão corretas.
c) Apenas a assertiva IV está incorreta.
d) Apenas as assertivas II e IV estão incorretas.

93. Assinale a alternativa INCORRETA sobre Cumprimento de Sentença e/ou Processo de


Execução:
a) O Código de Processo Civil não dispõe expressamente, nos Títulos e Capítulos destinados à disciplina
do cumprimento de sentença e do processo de execução, se o prazo para pagamento espontâneo pelo
devedor, seja no cumprimento da sentença que reconhece a exigibilidade de obrigação de pagar quantia
certa, seja no processo de execução por quantia certa, deve ser contado em dias úteis ou corridos.
b) No cumprimento de sentença que reconheça a exigibilidade de obrigação de prestar alimentos, verificada
a conduta procrastinatória do executado, o juiz deverá, se for o caso, dar ciência ao Ministério Público dos
indícios da prática do crime de abandono material.
c) A alienação ou a oneração de bem é considerada fraude à execução quando, ao tempo da alienação ou
da oneração, tramitava contra o devedor ação de conhecimento capaz de reduzi-lo à insolvência.
d) O executado, independentemente de penhora, depósito ou caução, poderá se opor à execução por meio
de embargos à execução. O prazo é de 15 (quinze) dias, e, quando houver mais de um executado, o prazo
para cada um deles embargar conta-se a partir da juntada do respectivo comprovante da citação, salvo no
caso de cônjuges ou de companheiros, quando será contado a partir da juntada do último. Por fim, se no
polo passivo da execução existirem litisconsortes com diferentes procuradores, de escritórios de advocacia
distintos, o prazo acima será contado em dobro.

94. Sendo a sentença ilíquida, para efeito de execução, será necessário efetuar sua liquidação.
Acerca do tema, é possível asseverar que:
a) As partes deverão ser previamente intimadas para a apresentação do cálculo de liquidação, excluída a
contribuição previdenciária incidente.
b) O juiz pode conceder 10 dias para o executado contestar os cálculos apresentados pelo exequente sob
pena de preclusão, caso em que não poderá atacar a sentença homologatória ao final.
c) Na liquidação, não se poderá modificar ou inovar a sentença liquidanda, sendo possível discutir apenas
a matéria principal.
d) No processo do Trabalho, a liquidação de sentença poderá ser realizada de duas formas: por cálculo ou
arbitramento.
e) O executado será citado para cumprir a decisão ou pagar o valor devido no prazo de 24h.

95. Compete ao juiz, de acordo com o novo código de processo civil, exceto:
a) Determinar, a qualquer tempo, o comparecimento pessoal das partes, para inquiri-las sobre os fatos da
causa, hipótese em que não incidirá a pena de confesso.
b) Decidir sempre com equidade.
c) Velar pela duração razoável do processo.
d) Determinar todas as medidas indutivas, coercitivas, mandamentais ou sub-rogatórias necessárias para
assegurar o cumprimento de ordem judicial, inclusive nas ações que tenham por objeto prestação
pecuniária.
e) Exercer o poder de polícia, requisitando, quando necessário, força policial, além da segurança interna
dos fóruns e tribunais.

96. Segundo o CPC, será (ão) representadas em juízo, ativa e passivamente:


a) A União, diretamente pelo procurador federal.
b) A autarquia e a fundação de direito público, por quem a CF determinar.
c) A massa falida, por seu curador.
d) Os Estados e o DF, por seus respectivos governadores.
e) O condomínio, pelo administrador judicial ou síndico.
97. Leia os trechos a seguir:
"Coator é a autoridade superior que pratica ou ordena concretamente e especificamente a execução
ou inexecução do ato impugnado e responde pelas suas consequências administrativas; executor
é o agente subordinado que cumpre a ordem por dever hierárquico, sem se responsabilizar por ela.
Exemplificando: numa imposição fiscal ilegal, atacável por mandado de segurança, o coator não é
nem o Ministro ou o Secretário da Fazenda que expede instruções para a arrecadação de tributos,
nem o funcionário subalterno que cientifica o contribuinte da exigência tributária; o coator é o chefe
do serviço que arrecada o tributo e impõe sanções fiscais respectivas, usando o seu poder de
decisão." Hely Lopes Meirelles, in "Mandado de Segurança, Ação Popular, ...", 28ª ed., atualizada por Arnoldo Wald e Gilmar
Ferreira Mendes, Malheiros Editores, São Paulo, 2005, p. 63.

“Ao nosso sentir, o polo passivo no mandado de segurança é ocupado pela pessoa jurídica, e não
pela autoridade coatora. Afinal, é a entidade, e não o servidor, que responde ao comando judicial
emanado da sentença do mandado de segurança, ou seja, as consequências jurídicas (e
financeiras) da demanda são suportadas pela pessoa jurídica a que pertence a autoridade. De igual
modo, a coisa julgada se forma entre o impetrante e a pessoa jurídica.” BARROS, Guilherme Freire de Melo.
Poder público em juízo para concursos. Mandado de Segurança. 3ª Edição. 2013. P. 245.

Os trechos transcritos acima tratam da legitimidade passiva no Mandado de Segurança. Acerca


deste tema, não se pode afirmar:
a) A petição inicial do Mandado de Segurança deverá preencher os requisitos estabelecidos pela lei
processual, ser apresentada em 2 (duas) vias, com os documentos que instruírem a primeira reproduzidos
na segunda, e indicar, além da autoridade coatora, a pessoa jurídica que esta integra, à qual se acha
vinculada ou da qual exerce atribuições.
b) A teoria da encampação é aplicável ao mandado de segurança tão-somente quando preenchidos os
seguintes requisitos: (1) existência de vínculo hierárquico entre a autoridade que prestou informações e a
que ordenou a prática do ato impugnado; (2) ausência de modificação de competência estabelecida na
CRFB/88; e (3) manifestação a respeito do mérito nas informações prestadas.
c) As autoridades administrativas, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas da notificação da medida liminar,
remeterão ao Ministério ou órgão a que se acham subordinadas e ao Advogado-Geral da União ou a quem
tiver a representação judicial da União, do Estado, do Município ou da entidade apontada como coatora,
cópia autenticada do mandado notificatório, assim como indicações e elementos outros necessários às
providências a serem tomadas para a eventual suspensão da medida e defesa do ato apontado como ilegal
ou abusivo de poder.
d) Constitui crime de desobediência o não cumprimento das decisões proferidas em mandado de
segurança, em prejuízo das sanções administrativas.
e) O Mandado de Segurança combate ilegalidade ou abuso de poder quando o responsável for autoridade
pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público.

98. Em relação às modificações de competência,


a) o foro contratual eleito pelas partes é personalíssimo e, portanto, não obriga os herdeiros e sucessores
das partes.
b) a determinada em razão da matéria, da pessoa ou do valor é inderrogável por convenção das partes.
c)quando houver continência e a ação continente houver sido proposta anteriormente, no processo relativo
à ação contida será proferida sentença sem resolução de mérito, caso contrário, as ações serão
necessariamente reunidas.
d) a abusividade da cláusula de eleição de foro deve ser alegada pela parte a quem aproveita, não podendo
ser examinada de ofício pelo juiz, salvo em relações consumeristas
e) serão reunidos para julgamento conjunto os processos que possam gerar risco de prolação de decisões
conflitantes ou contraditórias caso decididos separadamente, desde que haja conexão entre eles.

99. A fim de agilizar o curso dos processos em sua Comarca, um dos juízes de Jundiaí determina
que os prazos para contestação nas ações de procedimento ordinário serão de dez dias. Faz isso
de forma geral, unilateralmente, e a circunstância passa a constar em todos os mandatos de citação,
para que o réu não alegue ignorância ou prejuízo. Essa conduta, em face do Código de Processo
Civil, é
a) equivocada processualmente, pois não é dado ao juiz reduzir nenhum prazo, em nenhuma hipótese,
salvo se pleiteado pelas partes de comum acordo em negócio jurídico processual.
b) correta processualmente, pois prestigia o princípio da duração razoável do processo, mostrando-se
irrelevante a natureza do prazo.
c) correta processualmente, uma vez que os réus estão cientificados dos mandados de citação e não
podem alegar ignorância ou prejuízo.
d) correta processualmente, uma vez que se trata da redução de um prazo dilatório e não peremptório, não
havendo assim necessidade de anuência das partes.
e) equivocada processualmente, pois é defeso ao juiz reduzir prazos peremptórios e sem anuência das
partes.

100. Considere as afirmações a seguir, que concernem à produção das provas processuais.
I. Os fatos afirmados por uma parte e confessados pela parte contrária, bem como os notórios, necessitam
ser provados nos autos.
II. O juiz poderá admitir a utilização de prova produzida em outro processo, atribuindo-lhe o valor que
considerar adequado, observado o contraditório.
III. Caberá ao juiz, de ofício ou a requerimento da parte, determinar as provas necessárias ao julgamento
do mérito, indeferindo, em decisão fundamentada, as diligências inúteis ou meramente protelatórias.
IV. As partes têm o direito de empregar todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, desde
que especificados na norma processual civil, para provar a verdade dos fatos em que se funda o pedido e
influir eficazmente na convicção do juiz.
V. A distribuição do ônus da prova pode ocorrer de forma diversa pela vontade das partes, desde que a
convenção respectiva seja celebrada durante o curso do processo, necessariamente.

Está correto o que se afirmar APENAS em


a) III, IV e V.
b) I, II e V.
c) II, III e V.
d) II e III.
e) I e IV.

Respostas:
81: 82: 83: 84: 85: 86: 87: 88: 89: 90: 91: 92: 93: 94:
95: 96: 97: 98: 99: 100:

101. Recebida a petição do recurso extraordinário, o recorrido será intimado para apresentar
contrarrazões no prazo de 15 (quinze) dias, findo o qual os autos serão conclusos ao presidente ou
ao vice-presidente do tribunal recorrido, que deverá
a) aplicar a súmula impeditiva de recurso, do tribunal local, se for o caso.
b) remeter os autos ao STF, independentemente de juízo de admissibilidade.
c) verificar se o recurso contraria súmula ou jurisprudência dominante do STF.
d) reconhecer se há repercussão geral das questões constitucionais discutidas no caso, sob pena de não
admiti-lo.
e) sobrestá-lo se versar sobre controvérsia de caráter repetitivo ainda não decidida pelo STF.

102. O pedido de suspensão ao recurso especial poderá ser formulado por requerimento dirigido
a) ao presidente do tribunal local, no caso de prejuízo processual comprovado à parte recorrida.
b) ao presidente ou ao vice-presidente do tribunal recorrido, no período compreendido entre a interposição
do recurso e a publicação da decisão de admissão do recurso.
c) ao relator original do acórdão recorrido, se já distribuído o recurso.
d) ao tribunal superior respectivo, no período compreendido entre a interposição do recurso e sua
distribuição, ficando o relator designado para seu exame prevento para julgá-lo.
e) ao vice-presidente do tribunal local, após a admissão do recurso e antes de sua distribuição no STJ.

103. O juiz resolverá o mérito da ação quando:


a) homologar a desistência da ação.
b) indeferir a petição inicial.
c) verificar a ausência de legitimidade de parte.
d) verificar a impossibilidade jurídica do pedido.
e) em caso de morte da parte, a ação for considerada instrasmissível por lei.

104. O ente sem personalidade jurídica


a) poderá ingressar em juízo por possuir personalidade judiciária.
b) não poderá ingressar em juízo sem representação especial.
c) não poderá ingressar em juízo em nome próprio.
d) não poderá ingressar em juízo por não responder patrimonialmente.
e) poderá ingressar em juízo desde que autorizado em seus estatutos.

105. O executado por título executivo extrajudicial, independentemente de penhora, depósito ou


caução, poderá se opor à execução por meio de embargos, cujo prazo será contado, no caso de
execuções por carta, da juntada
a) na carta, da certificação da citação, quando versarem unicamente sobre vícios ou defeitos da penhora,
da avaliação ou da alienação dos bens.
b) do último comprovante de citação, quando houver mais de um executado.
c) do último comprovante de citação, que será contado em dobro no caso de litisconsortes com advogados
diversos.
d) das respectivas citações, no caso de companheiros, sem contrato de união estável.
e) nos autos de origem, quando versarem sobre a nulidade da citação na ação de obrigação de pagar.

106. Quanto à arbitragem em geral, assinale a alternativa correta.


a) Terá efeito suspensivo a apelação contra sentença que julga procedente o pedido de instituição de
arbitragem.
b) O juiz poderá conhecer de ofício sua existência para extinguir a ação.
c) Cabe agravo de instrumento contra decisão interlocutória que rejeita a alegação de convenção de
arbitragem.
d) Tramitam em segredo de justiça todos os processos que versem sobre arbitragem.
e) Haverá julgamento de mérito quando o juiz colher a alegação de existência de convenção de arbitragem.

107. Sobre o incidente de desconsideração da personalidade jurídica, é correto afirmar que


a) como efeito do acolhimento do pedido de desconsideração, passarão a estar sujeitos à execução os
bens do responsável limitado a sua cota social.
b) é uma forma de intervenção de terceiros, podendo criar-se um litisconsórcio passivo facultativo.
c) instaurado na petição inicial, ocorrerá a suspensão do processo, independentemente do requerimento
do interessado.
d) resolvido o incidente em sentença, que julgar o mérito da demanda, caberá agravo de instrumento quanto
a esta questão.
e) o Ministério Público poderá requerer o incidente, podendo ser instaurado de ofício pelo juiz, se o caso.

108. Quanto à ação revisional de aluguel, assinale a alternativa correta.


a) Na ação o juiz poderá homologar acordo de desocupação, que será executado mediante expedição de
mandado de despejo.
b) O aluguel fixado na sentença retroage à data do reajuste anteriormente pactuado.
c) A sentença não poderá estabelecer periodicidade de reajustamento do aluguel diversa daquela prevista
no contrato revisando.
d) No curso da ação, o aluguel provisório não será reajustado.
e) Em ação proposta pelo locatário, o aluguel provisório não poderá ser inferior ao aluguel vigente.

109. A respeito da ação individual ser convertida em coletiva, é correto que


a) não será possível quando verificar-se sua ineficácia.
b) será possível em razão da tutela de bem jurídico difuso ou coletivo.
c) será possível a pedido do Ministério Público ou da Defensoria Pública.
d) não será possível porque o tema exige disciplina própria.
e) será possível quando atendidos os pressupostos da relevância social.

110. Analise os enunciados a seguir, relativos à competência:


I. Argui-se exclusivamente, por meio de exceção, a incompetência relativa.
II. Determina-se a competência no momento do registro ou da distribuição da petição inicial, sendo
irrelevantes as modificações do estado de fato ou de direito ocorridas posteriormente, salvo quando
suprimirem órgão judiciário ou alterarem a competência absoluta.
III. Quando o réu não tiver domicílio ou residência no Brasil, a ação será proposta no foro de domicílio do
autor, e, se este também residir fora do Brasil, a ação será proposta em qualquer foro.
IV. Acolhida a alegação de incompetência absoluta, que se refere à matéria, à função e à pessoa, o
processo será extinto sem resolução do mérito, interrompida porém a prescrição.
V. O registro ou a distribuição da petição inicial torna prevento o juízo.

Está correto o que se afirmar APENAS em


a) II, III e V.
b) I, III, IV e V.
c) I, II e IV.
d) II, IV e V.
e) II, III, IV e V.

111. Em relação à citação, é correto afirmar:


a) Para a validade do processo é indispensável a citação do réu ou do executado, em qualquer hipótese.
b) A juntada aos autos de procuração com poderes para receber citação equivale ao comparecimento
espontâneo do réu, desde que tenha o advogado a potencial possibilidade de ter acesso aos autos do
processo.
c) É anulável a citação feita sem obediência às formalidades legais.
d) O juiz não pode, de ofício, reconhecer a falta ou nulidade da citação, dependendo de provocação da
parte nesse sentido, em obediência ao princípio da inércia jurisdicional.
e) A citação será sempre pessoal, por se tratar de ato formal e solene, não podendo em nenhuma hipótese
ser realizada na pessoa de terceiros, ainda que representantes legais, neste último caso excepcionada a
citação na figura dos pais, curadores ou tutores de incapazes.

112. Dispõe o CPC que o juiz decidirá o mérito nos limites propostos pelas partes, sendo-lhe vedado
conhecer de questões não suscitadas a cujo respeito a lei exija a iniciativa da parte. Esse enunciado
compreende os princípios:
a) da adstrição ou congruência e da persuasão racional.
b) do impulso oficial e dispositivo.
c) da adstrição ou congruência e dispositivo.
d) da persuasão racional e do livre convencimento.
e) do livre convencimento e da eventualidade.

113. No tocante às intimações,


a) presumem-se válidas as intimações dirigidas ao endereço constante dos autos, ainda que não recebidas
pessoalmente pelo interessado, se a modificação temporária ou definitiva não tiver sido devidamente
comunicada ao juízo, fluindo os prazos a partir da juntada aos autos do comprovante de entrega da
correspondência no primitivo endereço.
b) serão feitas preferencialmente por oficial de justiça; frustrado o ato por esse meio, realizar-se-ão por
meio eletrônico ou pelo correio.
c) somente as citações podem ser feitas por hora certa ou edital; já as intimações podem eventualmente
realizar-se por edital, defeso porém o ato com hora certa.
d) é obrigatório aos advogados promover a intimação do advogado da outra parte, por via postal, juntando-
se aos autos em seguida cópia do aviso de recebimento.
e) o juiz determinará, a requerimento das partes, as intimações em processos pendentes, defeso o ato de
ofício.

114. No cumprimento definitivo da sentença que reconhece a exigibilidade de obrigação de pagar


quantia certa, em relação à impugnação, é correto afirmar:
a) As questões relativas a fato superveniente ao término do prazo para sua apresentação, assim como
aquelas relativas à validade e à adequação da penhora, da avaliação e dos atos executivos subsequentes,
podem ser arguidas por simples petição, tendo o executado, em qualquer dos casos, o prazo de quinze
dias para formular esta arguição, contado da comprovada ciência do fato ou da intimação do ato.
b) Se atribuído apenas efeito devolutivo à impugnação, e somente nessa hipótese, é licito ao exequente
requerer o prosseguimento da execução, oferecendo e prestando nos próprios autos, caução suficiente e
idônea a ser arbitrada pelo juiz.
c) A concessão de efeito suspensivo à impugnação deduzida por um dos executados sempre suspenderá
a execução também contra os que não impugnaram, por questão de isonomia processual.
d) É defeso ao réu, antes de ser intimado para o cumprimento da sentença, comparecer em juízo e oferecer
em pagamento o valor que entender devido, apresentando memória discriminada do cálculo.
e) A concessão do efeito suspensivo à impugnação obsta à efetivação dos atos de substituição, de reforço
ou de redução da penhora e de avaliação de bens, mantendo-se como válida porém a constrição já
ocorrida.

115. São devidos honorários advocatícios, nos termos do Código de Processo Civil:
a) por quem deu causa à extinção, nos casos de perda de objeto.
b) nos procedimentos de jurisdição voluntária.
c) na apelação de sentença denegatória de mandado de segurança.
d) pelo Fundo Público, no caso do vencido ser beneficiário da justiça gratuita.
e) no cumprimento provisório de sentença.

116. Na execução por quantia certa, em relação à penhora de bens:


a) A penhora de crédito representado por letra de câmbio, nota promissória ou cheque far-se-á pela
apreensão do documento, desde que este se encontre em poder do executado.
b) São impenhoráveis quaisquer móveis, pertences ou utilidades domésticas que guarnecem a residência
do executado, bem como os pertences de seu uso pessoal.
c) O rol de bens a serem penhorados na execução segue ordem compulsória e é taxativo.
d) Não se procederá à segunda penhora, salvo, exclusivamente, se a primeira for anulada ou o produto da
alienação dos bens for insuficiente.
e) Será admitida a redução ou a ampliação da penhora, bem como sua transferência para outros bens, se,
no curso do processo, o valor de mercado dos bens penhorados sofrer alteração significativa.

117. Analise as proposições a seguir sobre a natureza jurídica do processo.


I. A obra de Oskar Von Bülow foi um marco definitivo para o processo, pois estabeleceu o rompimento do
direito material com o direito processual e a consequente independência das relações jurídicas que se
estabelecem nessas duas dimensões, passando o processo a ser visto como uma relação jurídica de
natureza pública que estabelece entre as partes e o juiz, dando origem a uma reciprocidade de direitos e
obrigações processuais.
II. James Goldschimt construiu sua teoria acerca da natureza jurídica do processo de uma nova
perspectiva: o processo como conjunto de situações processuais pelas quais atravessam as partes até
chegar a uma sentença definitiva. Na concepção de Goldschimt, a função do processo se constitui na
obtenção de uma sentença com força de coisa julgada, estando os sujeitos processuais, presididos por
esse objetivo, em uma situação essencialmente dinâmica.
III. Para Elio Fazzalari o contraditório se destaca como elemento central do conceito de processo. O
contraditório é visto em duas dimensões, como direito à informação e reação (igualdade de tratamento e
oportunidades), sendo que todos os atos do procedimento são pressupostos para o provimento final, no
qual são chamados a participar todos os interessados (partes).

Assinale a alternativa correta.


a) Somente o enunciado I está correto.
b) Os enunciados II e III estão corretos.
c) Somente o enunciado II está correto.
d) Somente os enunciados I e III estão corretos.
e) Todos os enunciados estão corretos.

118. Os juízes e os tribunais, ao proferir sentenças e acórdãos, deverão observar preferencialmente


a ordem cronológica de conclusão, conforme dispõe o caput do art. 12 do CPC. O art. 12, § 2º, inciso
VII, do CPC, exclui dessa regra de preferência, entretanto, as metas estabelecidas pelo Conselho
Nacional de Justiça. Assinale a seguir a alternativa que contém apenas matérias priorizadas pelo
Conselho Nacional de Justiça para o ano de 2018:
a) Julgamento dos processos relativos à corrupção e à improbidade administrativa, o julgamento dos
recursos repetitivos e o julgamento dos processos relativos ao estado de pessoa e direitos da
personalidade.
b) Julgamento dos processos relativos à corrupção e à improbidade administrativa, o julgamento das ações
coletivas e o julgamento dos processos dos maiores litigantes.
c) Julgamento dos processos em fase de execução, o julgamento das ações coletivas e o julgamento dos
processos relativos ao estado de pessoa e direitos da personalidade.
d) Julgamento dos processos relativos à corrupção e à improbidade administrativa, o julgamento dos
recursos repetitivos e o julgamento dos processos de Fazenda Pública e Registros Públicos.
e) Nenhuma das alternativas anteriores.
119. A respeito da sentença judicial, analise as afirmações que seguem.
I. A sentença de mérito, quando proferida sem a integração do contraditório, será ineficaz, se a decisão
deveria ser uniforme em relação a todos que deveriam ter integrado o processo.
II. A sentença de procedência valerá como título executivo em favor do réu que satisfizer a dívida, a fim de
que possa exigi-la, por inteiro, do devedor principal, ou, de cada um dos codevedores, a sua quota, na
proporção que lhes tocar.
III. Considera-se carente de fundamentação a sentença que não enfrentar todos os argumentos deduzidos
no processo capazes de, em tese, infirmar a conclusão adotada pelo julgador.
IV. Publicada a sentença, o juiz somente poderá alterá-la ou corrigi-la por meio de embargos de declaração.

De acordo com as regras positivadas no Código de Processo Civil, assinale a alternativa correta:
a) Todas as afirmações estão corretas.
b) Apenas as afirmações I, II e III estão corretas.
c) Apenas as afirmações II e III estão corretas.
d) Apenas as afirmações I, II e IV estão corretas.
e) Todas as afirmações estão incorretas.

120. A tutela provisória pode fundamentar-se em urgência ou evidência. A esse respeito,


é correto afirmar:
a) A tutela cautelar de urgência não pode ser efetivada mediante arresto, sequestro ou arrolamento de
bens, porquanto sujeitos a procedimento cautelar específico.
b) Nos casos em que a urgência for contemporânea à propositura da ação e a petição inicial pode limitar-
se ao requerimento da tutela antecipada e à indicação do pedido de tutela final, se concedida a tutela
antecipada, o autor deverá aditar a petição inicial, com a complementação de sua argumentação, a juntada
de novos documentos e a confirmação do pedido de tutela final, em quinze dias ou em outro prazo fixado
pelo juiz.
c) A tutela de evidência será concedida se demonstrado perigo de dano ou de risco ao resultado útil do
processo, quando ficar caracterizado o abuso do direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório da
parte ou se as alegações de fato puderem ser comprovadas apenas documentalmente e houver tese
firmada em julgamento de casos repetitivos ou em súmula vinculante.
d) A petição inicial, na ação judicial que pleiteia tutela cautelar em caráter antecedente, indicará a lide e o
seu fundamento, a exposição sumária do direito que se visa assegurar e o perigo de dano ou risco ao
resultado útil do processo, porém será a petição inicial indeferida se o pedido tiver natureza antecipatória.
e) Concedida a tutela cautelar, o pedido principal terá de ser formulado pelo autor no prazo de trinta dias,
em autos apartados e mediante a complementação de custas processuais.

Respostas:
101: 102: 103: 104: 105: 106: 107: 108: 109: 110: 111: 112:
113: 114: 115: 116: 117: 118: 119: 120:

DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL:


1. No curso de ação penal em que Roberto figurava como denunciado, entrou em vigor lei que
versava sobre processamento de ação penal em procedimento comum ordinário, com conteúdo
exclusivamente processual penal, prejudicial ao réu. O técnico judiciário, no momento de auxiliar
no processamento do feito, deverá aplicar a:
a) lei processual penal em vigor na época dos fatos, em virtude do princípio da irretroatividade da lei mais
gravosa, não admitindo o Código de Processo Penal interpretação extensiva ou analógica da lei processual;
b) lei processual penal em vigor na época dos fatos, em virtude do princípio da irretroatividade da lei mais
gravosa, admitindo o Código de Processo Penal interpretação extensiva, mas não aplicação analógica da
lei processual;
c) lei processual penal em vigor na época dos fatos, em virtude do princípio da irretroatividade da lei mais
gravosa, admitindo o Código de Processo Penal interpretação extensiva e aplicação analógica da lei
processual;
d) nova lei processual penal, ainda que desfavorável ao réu, respeitando-se os atos já praticados, admitindo
o Código de Processo Penal interpretação extensiva, mas não aplicação analógica da lei processual;
e) nova lei processual penal, ainda que desfavorável ao réu, respeitando-se os atos já praticados, admitindo
o Código de Processo Penal interpretação extensiva e aplicação analógica da lei processual.
2. Acerca dos princípios penais constitucionais e dos direitos fundamentais do cidadão à luz da CF,
julgue os itens a seguir.
I. São princípios processuais penais expressos na CF a presunção de não culpabilidade, o devido processo
legal e o direito do suspeito ou indiciado ao silêncio.
II. O direito processual penal compreende o conjunto de normas jurídicas destinadas a regular o modo, os
meios e os órgãos do Estado encarregados do exercício do jus puniendi.
III. A CF determina que o Brasil se submeta à jurisdição do Tribunal Penal Internacional, porém veda
absolutamente a entrega de brasileiro naturalizado a jurisdição estrangeira.
IV. De acordo com o princípio da irretroatividade da lei processual penal, a regra nova não pode retroagir,
mesmo quando eventualmente beneficiar o réu.

Estão certos apenas os itens


a) I e II.
b) I e IV.
c) II e III.
d) I, III e IV.
e) II, III e IV.

3. Julgue os itens a seguir, a respeito do inquérito policial e das disposições preliminares do Código
de Processo Penal.
I. Aos processos em curso, a lei processual penal será aplicada imediatamente, mantendo-se, todavia, os
atos praticados sob a égide da lei anterior.
II. Caso tome conhecimento da existência de novas provas, a autoridade policial poderá determinar o
arquivamento do inquérito e proceder a novas diligências.
III. Ocorrendo o arquivamento do inquérito por falta de fundamentos para a denúncia, a autoridade policial
poderá dar continuidade à investigação se tiver notícia de outras provas.
IV. A autoridade policial poderá manter o indiciado incomunicável por até cinco dias se essa medida for
indispensável à investigação.

Estão certos apenas os itens


a) I e II.
b) I e III.
c) III e IV.
d) I, II e IV.
e) II, III e IV.

4. Em havendo conflito entre o Código de Processo Penal e uma lei especial que contenha normas
processuais, a solução será a
a) aplicação da norma que for mais recente, independentemente de eventual benefício ao réu.
b) aplicação da lei especial e, quando omissa, subsidiariamente do Código de Processo Penal.
c) aplicação do que for mais favorável ao acusado, independentemente da data de promulgação.
d) conjugação de ambos os diplomas, aplicando-se as normas que forem mais benéficas ao acusado.
e) prevalecência da regra geral do Código de Processo Penal, em virtude da proibição constitucional dos
juízos de exceção.

5. Aplicar-se-á a lei processual penal, nos estritos termos dos arts. 1o, 2o e 3o do CPP,
a) aos processos de competência da Justiça Militar.
b) ultrativamente, mas apenas quando favorecer o acusado.
c) retroativamente, mas apenas quando favorecer o acusado.
d) desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.
e) com o suplemento dos princípios gerais de direito sem admitir, contudo, interpretação extensiva e
aplicação analógica.

6. Em relação à aplicação da lei processual penal, é correto afirmar que a lei


a) nova será aplicada sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.
b) processual penal não admitirá aplicação analógica.
c) processual penal não se sujeitará a tratados, convenções ou regras de direito internacional.
d) nova e mais gravosa ao réu terá aplicação imediata somente para os novos processos que se tiverem
iniciado depois de sua promulgação.
e) nova será aplicada aos fatos pretéritos que eram regulados pela lei revogada.

7. Acerca da aplicação da lei processual no tempo e no espaço e em relação às pessoas, julgue os


itens a seguir.
I. O Brasil adota, no tocante à aplicação da lei processual penal no tempo, o sistema da unidade processual.
II. Em caso de normas processuais materiais — mistas ou híbridas —, aplica-se a retroatividade da lei mais
benéfica.
III. Para o regular processamento judicial de governador de estado ou do Distrito Federal, é necessária a
autorização da respectiva casa legislativa — assembleia legislativa ou câmara distrital.

Assinale a opção correta.


a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas o item II está certo.
c) Apenas os itens I e III estão certos.
d) Apenas os itens II e III estão certos.
e) Todos os itens estão certos.

8. Acerca da aplicação da lei processual penal no tempo e no espaço, assinale a opção correta.
a) Não se aplica o princípio da retroatividade da lei mais benéfica às normas de caráter híbrido ou normas
mistas.
b) Lei nova que altere procedimento previsto no Código de Processo Penal, criando novas hipóteses de
aplicação do benefício da suspensão condicional do processo, não retroagirá em decorrência da regra da
aplicação imediata.
c) Norma que altere o Código de Processo Penal e crie nova hipótese de suspensão do prazo prescricional
não deve ser aplicada a fatos ocorridos em data anterior a sua vigência.
d) O Código de Processo Penal brasileiro adotou a regra da territorialidade absoluta e o princípio da
aplicação imediata da lei nova em vigor.
e) A imunidade de jurisdição plena que rege as relações diplomáticas decorre da aplicação da regra da
territorialidade adotada pelo Código de Processo Penal brasileiro.

9.Sobre a aplicação da lei processual penal no tempo e no espaço, analise os itens a seguir.
I. A lei processual penal entra em vigor e passa a ser aplicada imediatamente, mesmo nas hipóteses em
que o delito já tenha sido cometido, o acusado já esteja sendo processado e extinga modalidade de defesa.
II. Aplica-se a lei processual penal brasileira quando o crime é cometido por cidadão brasileiro no exterior
e ali o autor passa a ser processado.
III. Nos crimes cometidos em embarcações estrangeiras privadas estacionadas em portos brasileiros,
aplica-se a lei processual penal de seu país de origem.
IV. O cumprimento de sentença penal condenatória emitida por autoridade estrangeira não se submete a
exame de legalidade e correspondência de crimes, cabendo ao juiz criminal aplica-la de imediato.

Assinale a alternativa correta.


a) Apenas I e II estão corretos
b) Apenas I e IV estão incorretos
c) Apenas II e III estão incorretos
d) Apenas III e IV estão corretos
e) I, II, III e IV estão incorretos

10. Com relação às regras da lei processual no espaço e no tempo, o Código de Processo Penal
vigente adota, respectivamente, os princípios da lex fori e da aplicação imediata. Com base nessa
informação, é correto afirmar que
a) as normas do Código de Processo Penal vigente são inaplicáveis, ainda que subsidiariamente, no âmbito
da Justiça Militar e aos processos da competência do tribunal especial.
b) delegado de polícia estadual, que é informado, sobre a prática de crime cometido por promotor de justiça
estadual, está autorizado expressamente por lei, a instaurar inquérito policial para a apuração dos fatos.
c) é possível a prisão em flagrante de magistrado estadual por delegado de polícia estadual, quando se
tratar de crime inafiançável, sendo obrigatória apenas a comunicação ao presidente do tribunal de justiça
a que estiver vinculado para evitar vício do ato.
d) a lei processual penal tem aplicação aos processos em trâmite no território brasileiro, contudo, uma
hipótese de exclusão da jurisdição pátria é a imunidade dos agentes diplomáticos e seus familiares que
com eles vivam.
e) a lei processual penal atende a regra do tempus reígit actum, porém a repetição de atos processuais
anteriores é exigida por lei em observância da interpretação constitucional, além disso, não é possível
alcançar os processos que apuram condutas delitivas consumadas antes da sua vigência.

11. Considerando a legislação processual penal e o entendimento jurisprudencial pátrio, assinale a


opção correta.
a) Em matéria penal, o MP não goza da prerrogativa da contagem dos prazos recursais em dobro.
b) Interrompe-se a prescrição ainda que a denúncia seja recebida por juiz absolutamente incompetente.
c) Havendo mais de um autor, ocorrerá renúncia tácita com relação àqueles cujos nomes tenham sido
omitidos da queixa-crime, ainda que de forma não intencional.
d) A CF prevê expressamente a retroatividade da lei processual penal quando esta for mais benéfica ao
acusado.

12. Analise as afirmativas abaixo, quanto aos princípios do Processo Penal:


I. O princípio da ampla defesa implica em que a defesa técnica seja indisponível e efetiva. Assim, o STF
tem entendimento consolidado de que a deficiência da defesa constitui nulidade absoluta, que independe
da constatação de prejuízo para o réu.
II. A atração por continência ou conexão do processo do corréu ao foro por prerrogativa de função de um
dos denunciados não viola os princípios do juiz natural, da ampla defesa e do contraditório.
III. O princípio nemo tenetur se detegere tem aplicação apenas em relação ao mérito do interrogatório, pois
o réu tem o dever de informar seu nome e endereço, não sendo aplicável o direito ao silêncio quanto aos
dados de qualificação.
IV. Segundo o princípio tempus regt actum os atos processuais praticados sob a égide da lei anterior são
considerados válidos e as normas processuais têm aplicação imediata, independentemente da data do fato
imputado na denúncia.

Está correto apenas o que se afirma em:


a) I e III.
b) II e IV.
c) I, II e IV.
d) II e III.

13. Quanto a lei processual no tempo, marque a alternativa CORRETA.


a) Um processo que tiver sido encerrado sob a vigência da lei processual anterior deverá ser revisto.
b) Se há um processo penal a ser iniciado, deverá ser regido pela nova lei processual, para que seu atos
se tornem válidos e eficazes.
c) Caso o processo penal já tenha sido iniciado, os atos praticados deverão ser refeitos e, todos os
posteriores deverão ser praticados conforme a nova lei.
d) No Brasil é adotado no processo penal o sistema da unidade processual, um complexo de atos
inseparáveis uns dos outros, isto é, em todo o processo apenas poderá ser aplicada uma lei processual.
e) Os atos processuais regidos pela lei processual penal anterior não são considerados válidos.

14. Dr. Frederico, juiz da 1ª Vara Criminal de Teresina-PI, após a denúncia do Ministério Público e
toda a sequência de atos processuais que permeiam o processo, julgará o acusado. Quanto à
aplicação e eficácia da lei processual no tempo e no espaço, marque a alternativa CORRETA.
a) O Código de Processo Penal possui validade em todo território brasileiro e, também, no estrangeiro,
desde que o crime tenha sido cometido por brasileiro.
b) A lei processual penal brasileira aplica-se a todas as infrações cometidas em território brasileiro ou em
solo estrangeiro.
c) Os tratados e convenções internacionais sobre matéria processual não podem ser aplicadas no Brasil,
em nenhuma hipótese.
d) O processo penal da competência da Justiça Militar não será regulado pelo Código de Processo Penal.
e) Aos crimes previstos em leis especiais não se aplica o Código de Processo Penal.

15. Relativamente à aplicação da lei processual penal no tempo e no espaço e aos princípios
processuais penais constitucionais, assinale a opção correta.
a) O Código de Processo Penal normatiza o processamento das relações processuais penais em curso
perante todos os juízos e tribunais brasileiros, aplicando-se, em caráter subsidiário, as normas
procedimentais que versem sobre matérias especiais.
b) Segundo entendimento expendido pelo STF, a atração por continência ou conexão do processo do
corréu ao foro por prerrogativa de função de um dos denunciados constitui violação das garantias do juiz
natural e da ampla defesa.
c) A gravação ambiental por meio de fita magnética, de conversa entre presentes, feita por um dos
interlocutores sem o conhecimento do outro é considerada prova ilícita, pois viola preceito constitucional.
d) O princípio da extraterritorialidade adotado pelo direito processual penal brasileiro não ofende a
soberania de outros Estados, já que os ordenamentos jurídicos de todas as nações convergem para o
combate às condutas delitivas.
e) A lei processual penal tem aplicação imediata e é aplicável tanto nos processos que se iniciarem após
a sua vigência, quanto nos processos que já estiverem em curso no ato da sua vigência, e até mesmo nos
processos que apurarem condutas delitivas ocorridas antes da sua vigência.

16. Assinale a opção correta acerca do processo penal e formas de procedimento, aplicação da lei
processual no tempo, disposições constitucionais aplicáveis ao direito processual penal e ação
civil ex delicto, conforme a legislação em vigor e o posicionamento doutrinário e jurisprudencial
prevalentes.
a) No momento da prolação da sentença condenatória, não cabe ao juízo penal fixar valores para fins de
reparação dos danos causados pela infração, porquanto tal atribuição é matéria de exclusiva apreciação
do juízo cível.
b) Sendo o interrogatório um dos principais meios de defesa, que expressa o princípio do contraditório e
da ampla defesa, é imperioso, de regra, que o réu seja interrogado ao início da audiência de instrução e
julgamento.
c) É cabível a absolvição sumária do réu em processo comum caso o juiz reconheça, após a audiência
preliminar, a existência de doença mental do acusado que, comprovada por prova pericial, o torne
inimputável.
d) Lei processual nova de conteúdo material, também denominada híbrida ou mista, deverá ser aplicada
de acordo com os princípios de temporalidade da lei penal, e não com o princípio do efeito imediato,
consagrado no direito processual penal pátrio.
e) Nos crimes comuns e nos casos de prisão em flagrante, deverá a autoridade policial garantir a
assistência de advogado quando do interrogatório do indiciado, devendo nomear defensor dativo caso o
indiciado não indique profissional de sua confiança.

17. Em relação ao direito processual penal, assinale a opção correta.


a) De acordo com o procedimento especial de apuração dos crimes de responsabilidade dos funcionários
públicos contra a administração pública, previsto no CPP, recebida a denúncia e cumprida a citação, o juiz
notificará o acusado para responder a acusação por escrito, dentro do prazo legal.
b) A interceptação telefônica será determinada pelo juiz na hipótese de o fato investigado constituir infração
penal punida com pena de detenção.
c) A decisão que autoriza a interceptação telefônica deve ser fundamentada, indicando a forma de
execução da diligência, que não poderá exceder o prazo legal nem ser prorrogada, sob pena de nulidade.
d) A lei processual penal brasileira adota o princípio da absoluta territorialidade em relação a sua aplicação
no espaço: não cabe adotar lei processual de país estrangeiro no cumprimento de atos processuais no
território nacional.
e) A lei processual penal não admite o uso da analogia ou da interpretação extensiva, em estrita
observância ao princípio da legalidade.

18. Quanto à eficácia temporal, a lei processual penal


a) aplica-se somente a fatos criminosos ocorridos após a sua vigência.
b) tem aplicação imediata, sem prejuízo da validade dos atos já realizados.
c) vigora desde logo, tendo sempre efeito retroativo.
d) tem aplicação imediata nos processos ainda não instruídos.
e) não tem aplicação imediata, salvo para beneficiar o acusado.

19. Acerca dos princípios aplicáveis ao direito processual penal e da aplicação da lei processual no
tempo, no espaço, analise as assertivas e indique a alternativa correta:
I - A lei processual penal tem aplicação imediata, nos termos do art. 2º do Código de Processo Penal. O
legislador pátrio adotou o princípio do tempus reget actum, não existindo efeito retroativo.
II - A lei processual penal se submete ao princípio da retroatividade in mellius, devendo ter incidência
imediata sobre todos os processos em andamento, independentemente de o crime haver sido cometido
antes ou depois de sua vigência, desde que seja mais benéfica.
III - A busca pela verdade real constitui princípio que rege o Direito Processual Penal. A produção das
provas, porque constitui garantia constitucional, pode ser determinada, inclusive pelo Juiz, de ofício,
quando julgar necessário.
IV - O princípio da verdade real comporta algumas exceções, como o descabimento de revisão criminal
contra sentença absolutória.
V - A lei processual penal não admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, mas admitirá o
suplemento dos princípios gerais do direito.

a) Apenas as assertivas II, III e IV são verdadeiras.


b) Apenas as assertivas I, II e IV são verdadeiras.
c) Apenas as assertivas I, III e IV são verdadeiras.
d) Apenas as assertivas III, IV e V são verdadeiras.
e) Apenas as alternativas I, III, e V são verdadeiras.

20. Sobre os princípios do processo penal, assinale a alternativa correta.


a) A lei processual penal mais nova aplica-se retroativamente, determinando a necessidade de repetição
de todos os atos instrutórios já realizados sob a vigência da legislação revogada.
b) As provas obtidas ilicitamente, segundo a atual jurisprudência dominante no Supremo Tribunal Federal,
poderão ser valoradas em prejuízo do acusado quando da prolação da sentença, haja vista a supremacia
do interesse público em face dos direitos e garantias fundamentais.
c) O princípio do duplo grau de jurisdição estabelece a obrigatoriedade de que todas as decisões de mérito
sejam submetidas à apreciação de corte de hierarquia imediatamente superior, devendo o juiz, de ofício,
remeter os autos do processo à segunda instância ainda que as partes não interponham qualquer recurso
contra a decisão proferida.
d) O princípio da obrigatoriedade da ação penal pública incondicionada estabelece que ao Ministério
Público é vedado qualquer juízo discricionário quanto à pertinência ou conveniência da iniciativa penal,
sendo, todavia, o instituto da delação premiada uma hipótese de exceção ao referido princípio no
ordenamento jurídico brasileiro.
e) A interposição de um recurso incabível em lugar daquele legalmente previsto para impugnar determinada
decisão, ainda que protocolizado tempestivamente, segundo a atual jurisprudência dominante do Superior
Tribunal de Justiça, tem como consequência prática o não conhecimento da irresignação da parte em
decorrência do princípio da unirrecorribilidade.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20:

21. Acerca dos princípios aplicáveis ao direito processual penal e a aplicação da lei processual no
tempo e no espaço, analise as assertivas abaixo e indique a alternativa correta:
I. A lei processual penal não se submete ao princípio da retroatividade in mellius, devendo ter incidência
imediata sobre todos os processos em andamento, independentemente de o crime haver sido cometido
antes ou depois de sua vigência ou de a inovação ser benéfica ou prejudicial.
II. Não fere o direito ao contraditório o fato de uma só das partes ser informada acerca de novo documento
juntado aos autos.
III. A lei processual penal não admite aplicação analógica, em obediência ao princípio da legalidade estrita
ou tipicidade expressa.
IV. São exemplos de princípios do processo penal: da publicidade, da verdade real, da identidade física do
juiz, do favor rei e da indisponibilidade.

a) Apenas as assertivas I e II são verdadeiras.


b) Apenas as assertivas I e IV são verdadeiras.
c) Apenas as assertivas II e III são verdadeiras.
d) Apenas as assertivas II e IV são verdadeiras.
e) Apenas as assertivas III e IV são verdadeiras

22. Em 09 de abril de 2009, em uma festa de aniversário, A, maior, relatou ter sido estuprada por B,
irmão da aniversariante. Foi oferecida queixa-crime aos 08 de outubro de 2009, a qual foi recebida
em 03 de novembro do mesmo ano, tendo o Juiz determinado, de ofício, a realização de exame de
sangue de B, para comparar com os vestígios de sêmen encontrados na vítima. O acusado recusou-
se a fazer o exame, suscitando seu direito ao silêncio. Ao final, B acabou condenado, sob o
fundamento de que, ao se recusar a fornecer material genético, houve inversão do ônus da prova,
não tendo provado sua inocência. A respeito do caso, assinale a alternativa correta.
a) O processo não é nulo, pois, ainda que ao tempo da propositura da inicial, a ação penal fosse
condicionada à representação, ao tempo do crime, a ação era de iniciativa privada, não se aplicando a Lei
n° 12.015/2009, de 07 de agosto de 2009, nesta parte.
b) O juiz, em sede penal, não pode ordenar a realização de provas, pois não há mais espaço para poderes
instrutórios, reminiscência do sistema inquisitorial.
c) O processo é nulo, pois a ação penal é de iniciativa privada, e o recebimento da queixa deu-se após o
prazo decadencial, de seis meses.
d) O processo é nulo, por ilegitimidade de parte, pois o crime de estupro, com as alterações advindas da
Lei n° 12.015/2009, de 07 de agosto de 2009, passou a ser processável mediante ação penal pública,
condicionada à representação da vítima.
e) Acertada a condenação proferida, haja vista que a recusa em oferecer material genético acarreta
inversão do ônus da prova.

23. A respeito dos princípios gerais do direito processual penal e do inquérito policial, assinale a
opção correta.
a) Lei processual que, de qualquer modo, altere rito procedimental, de forma a favorecer o acusado, aplica-
se aos atos processuais praticados antes de sua vigência.
b) A incomunicabilidade do indiciado somente será permitida quando o interesse da sociedade ou a
conveniência da investigação o exigir.
c) O arquivamento do inquérito policial embasado no princípio da insignificância faz coisa julgada material,
o que impede seu desarquivamento diante do surgimento de novas provas.
d) Expressamente previsto na Constituição Federal, o princípio do promotor natural garante a todo e
qualquer indivíduo o direito de ser acusado por órgão imparcial do Estado, previamente designado por lei,
vedada a indicação de acusador para atuar em casos específicos.
e) Diplomata de Estado estrangeiro que cometer crime de homicídio dentro do território nacional será
processado conforme o que determina a lei processual brasileira.

24. A lei processual penal,


a) não admite aplicação analógica, salvo para beneficiar o réu.
b) não admite aplicação analógica, mas admite interpretação extensiva.
c) somente pode ser aplicada a processos iniciados sob sua vigência.
d) admite o suplemento dos princípios gerais de direito.
e) admite interpretação extensiva, mas não o suplemento dos princípios gerais de direito.

25. Assinale a alternativa incorreta:


a) Segundo o entendimento do Supremo Tribunal Federal, constitui nulidade a falta de intimação do
denunciado para oferecer contrarrazões ao recurso interposto contra a rejeição da denúncia.
b) É possível o oferecimento de nova acusação na hipótese de rejeição da denúncia por inépcia, sem que
ocorra violação ao princípio ne bis in idem.
c) A autoridade judiciária, de ofício, não poderá decretar a prisão temporária de suspeito de cometimento
de crimes considerados hediondos.
d) É ilícita a investigação criminal oriunda de elementos de informação produzidos mediante gravação
ambiental de conversa não protegida pelo sigilo legal realizada por apenas um dos interlocutores e sem o
conhecimento do outro.
e) O princípio da lex fori admite relativização no processo penal.

26. Assinale a alternativa correta:


a) A lei processual penal que entrar em vigor, alterando as regras de competência, não é aplicável aos
processos em curso.
b) Se o ato processual for complexo e iniciar-se sob a vigência de uma lei de natureza processual penal e,
antes de se completar, outra for promulgada, modificando-o, devem ser obedecidas as normas da lei antiga.
c) A lei processual penal deverá retroagir se for mais favorável ao acusado.
d) Se a lei nova tiver natureza mista sua aplicação é imediata e irretroativa, posto que prejudicial ao
acusado.
e) Todas as alternativas estão incorretas.

27. A lei processual penal brasileira


a) admite interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como o suplemento dos princípios gerais de
direito.
b) aplica-se desde logo, em prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.
c) retroage no tempo para obrigar a refeitura dos atos processuais, caso seja mais benéfica ao réu.
d) não admite definição de prazo de vacatio legis.
e) será aplicada nos atos processuais praticados em outro território que não o brasileiro, em casos de
extraterritorialidade da lei penal.

28. Antônio está sendo processado pela prática do delito de furto qualificado. É correto dizer que,
caso haja mudança nas normas que regulamentam o procedimento comum ordinário,
a) a nova lei se aplica ao processo no estágio em que se encontra, se concluída a fase de instrução.
b) a nova lei apenas se aplica se benéfica ao acusado.
c) os atos praticados sob a vigência da lei anterior são válidos.
d) a nova lei se aplica ao processo no estágio em que se encontra, apenas se ainda não recebida a
denúncia contra Antônio.
e) os atos praticados sob a vigência da lei anterior precisam ser ratificados, caso contrário não serão
considerados válidos.

29. No que tange a convenções, tratados de direito internacional relativos ao processo penal e
relações jurisdicionais com autoridade estrangeira, assinale a opção correta.
a) A regra para a produção de provas em Estado estrangeiro é a expedição de cartas rogatórias, nas quais
deverá constar a necessidade de nomeação de defensor ao réu, pelo juízo rogado, caso a defesa
constituída não compareça ao ato
b) Para que possa aplicar a Convenção de Mérida, o Estado requerente deve demonstrar que os delitos
mencionados em sua requisição causaram-lhe dano ou prejuízo patrimonial.
c) De acordo com a Convenção de Mérida, pode haver, antes mesmo de decisão transitada em julgado no
Estado requerente, restituição de ativos confiscados no Estado requerido
d) Os pedidos de auxílio direto e de cooperação jurídica internacional para prática de atos no território
nacional devem ser analisados pelo STJ e exigem a reserva material do procedimento mediante carta
rogatória e exequatur.
e) Embora a sentença penal estrangeira possa obrigar o condenado a reparar o dano na esfera cível, ela
não produz os efeitos da reincidência penal nem pode resultar em aplicação de pena ou medida de
segurança a cidadão brasileiro.

30. A Constituição da República e o Código de Processo Penal preveem regras e princípios para
solucionar conflitos no tema “a lei no tempo”. À lei puramente processual penal aplicam-se os
seguintes princípios:
a) da irretroatividade da lei prejudicial ao réu e da retroatividade da lei benéfica;
b) da aplicação imediata e do tempus regit actum (tempo rege o ato);
c) da inalterabilidade e da ultratividade da lei benéfica;
d) da ultratividade e da retroatividade da lei benéfica ao réu;
e) da retroatividade da lei prejudicial e da ultratividade da lei benéfica.

31.Em relação à aplicação da lei processual penal no tempo, é correto afirmar:


a) Aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.
b) A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que
decididos por sentença condenatória transitada em julgado.
c) O processo penal reger-se-á, em todo o território brasileiro, pelo Código de Processo Penal (Decreto-Lei
nº 3.689/1941).
d) A lei processual penal excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua duração ou
cessadas as circunstâncias que a determinaram, aplica- se ao processo iniciado durante sua vigência.
e) A lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como o suplemento
dos princípios gerais de direito.

32. Em relação à lei processual penal, é correto afirmar que, em regra,


a) admite suplemento dos princípios gerais do direito e aplicação analógica.
b) a lei anterior tem ultratividade para beneficiar o acusado.
c) admite interpretação extensiva, mas não aplicação analógica.
d) os atos realizados sob a vigência da lei anterior devem ser refeitos.
e) tem aplicação imediata, mesmo em período de vacatio legis e ainda que menos benéfica.
33. Assinale com V (verdadeiro) ou com F (falso) as seguintes afirmações.
( ) A legislação processual penal não admite interpretação extensiva, ou mesmo aplicação analógica,
em relação à lei processual penal, a não ser quando favorável ao réu.
( ) A constituição de defensor independerá de instrumento de mandato, se o acusado o indicar por
ocasião do interrogatório.
( ) O assistente de acusação, ainda que habilitado judicialmente nos autos, não é considerado sujeito
essencial da relação jurídica processual penal.
( ) É extensivo aos peritos, no que lhes for aplicável, o disposto sobre suspeição dos juízes.

A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é


a) V – F – V – V.
b) F – V – V – V.
c) F – V – V – F.
d) V – V – F – F.
e) F – F – F – V.

34.Jovem holandesa é presa em flagrante no aeroporto, ao tentar embarcar com considerável


quantidade de heroína. Ela indica aos policiais o lugar onde se encontra a pessoa para quem
trouxera drogas do exterior, na semana passada, e descreve a mala usada. Chegando a hotel no
Centro, a polícia encontra o senhor de nacionalidade asiática indicado pela jovem e, com ele, a mala
por ela descrita, completamente vazia. O asiático disse que só falaria em juízo. Analise as
assertivas:
I - Devem os policiais efetivar a prisão do asiático em flagrante, a ser homologado pelo juiz e convertido
em prisão preventiva, já que se tem a situação denominada de quase flagrante;
II - Preso o asiático em flagrante, a prisão deve ser relaxada ante a evidente ausência de flagrância;
III - A autoridade policial federal pode representar pela prisão temporária do asiático, considerados os fortes
indícios da prática do crime de tráfico transnacional de drogas, a ausência de residência fixa e a
indispensabilidade da segregação cautelar para a investigação;
IV - A autoridade policial pode representar pela prisão preventiva do asiático, considerada a prova da
materialidade do delito, consistente na droga apreendida com a jovem, e os poderosos indícios de autoria,
quanto ao asiático, com fundamento na garantia da ordem pública (evitar a reiteração da prática criminosa),
por conveniência da instrução criminal e para assegurar a aplicação da lei penal (estrangeiro não residente
e sem vínculos com o país);
V - Eventualmente homologado o flagrante, sem o relaxamento da prisão, com sua conversão em
preventiva pelos fundamentos acima expostos, descaberia discutir, em momento posterior, para efeito
penal, eventual ilegalidade do flagrante, na medida em que a segregação cautelar teria sido mantida já
agora por outro título prisional, de forma fundamentada.

a) Apenas a assertiva V está correta.


b) Apenas a assertiva II está correta.
c) Todas as assertivas estão corretas.
d) Somente a assertiva I está errada.
e) Todas as assertivas estão incorretas.

35. De acordo com o Código de Processo Penal, assinale a alternativa correta.


a) A lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como o suplemento
dos princípios gerais de direito.
b) A polícia judiciária será exercida pelas autoridades policiais no território de suas respectivas jurisdições
e terá por fim a apuração das infrações penais e da sua autoria.
c) Nos crimes de ação pública o inquérito policial será iniciado somente mediante requisição da autoridade
judiciária ou do Ministério Público ou a requerimento do ofendido ou de quem tiver qualidade para
representá-lo.
d) O inquérito, nos crimes em que a ação pública depender de representação, poderá ser iniciado por
determinação da autoridade policial.
e) Nos crimes de ação privada, a autoridade policial não poderá proceder a inquérito quando for a
requerimento apenas da vítima, pois depende da aprovação do representante do Ministério Público.

36. Acerca das hipóteses de cabimento do habeas corpus, das nulidades e das relações
jurisdicionais com autoridade estrangeira, assinale a opção correta.
a) A sentença penal condenatória estrangeira será aplicável automaticamente no Brasil,
independentemente de homologação ou de qualquer outra formalidade, ainda que imponha sanção penal
vedada no ordenamento brasileiro, diante da soberania do Estado estrangeiro.
b) A falta de defesa ou a sua deficiência importam em nulidade absoluta do processo, ainda que não seja
comprovado prejuízo para o réu, como no caso de sentença absolutória.
c) É possível a utilização de habeas corpus para questionar a condenação do acusado ao pagamento de
multa, mesmo que não tenha sido imposta pena privativa de liberdade.
d) O trânsito por via diplomática de documento apresentado pela autoridade estrangeira constituirá prova
bastante de sua autenticidade.
e) Em caso de empate na votação acerca da concessão da ordem de habeas corpus pelo órgão julgador,
após a colheita de todos os votos dos seus integrantes presentes, prevalecerá o ato impugnado, mesmo
que desfavorável ao paciente.

37. Quanto à norma processual penal, é INCORRETO afirmar:


a) São normas instrumentais as processuais, pois regulam a imposição da regra jurídica específica e
concreta pertinente à determinada situação litigiosa (critério de proceder).
b) Tem como objetivo disciplinar o modo processual de resolver os conflitos e controvérsias, disciplinando
o poder jurisdicional, visando, ainda, regular as atividades das partes litigantes, que estão sujeitas ao poder
do juiz.
c) Normas procedimentais dizem respeito às maneiras de proceder, inclusive quanto à estrutura e
coordenação dos atos processuais que compõem o processo.
d) A lei processual penal aplicar-se-á desde logo: sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a
vigência da lei anterior. A lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem
como o suplemento dos princípios gerais de direito.
e) O processo penal reger-se-á, inclusive nos casos de prerrogativas constitucionais do Presidente da
República, dos ministros de Estado, nos crimes conexos com os do Presidente da República, e dos
ministros do Supremo Tribunal Federal, nos crimes de responsabilidade, quando as leis especiais que os
regulam não dispuserem de modo diverso.

38. Com relação à aplicação da lei processual no tempo, assinale a opção correta.
a) Lei processual penal anterior à nova lei continuará a ser aplicada nos processos que se iniciaram sob a
sua vigência.
b) Nova lei processual penal retroage para alcançar os atos praticados na vigência da lei processual penal
anterior.
c) Nova lei processual penal tem incidência imediata nos processos já em andamento.
d) Atos processuais realizados sob a vigência de lei processual penal anterior à nova lei serão considerados
inválidos.
e) Nova lei processual penal será aplicada apenas aos processos que se iniciarem após a sua publicação.

39. A lei processual penal


a) tem aplicação imediata, sem prejuízo dos atos realizados sob a vigência de lei anterior.
b) somente pode ser aplicada a processos iniciados sob sua vigência.
c) tem aplicação imediata, devendo ser declarados inválidos os atos praticados sob a vigência de lei
anterior.
d) tem aplicação imediata, devendo ser renovados os atos praticados sob a vigência da lei anterior.
e) é retroativa aos atos praticados sob a vigência de lei anterior.

40. Relacionado ao Código de Processo Penal é correto afirmar:


a) O inquérito policial deverá terminar no prazo de 10 (dez) dias, se o indiciado estiver sido preso em
flagrante, ou estiver preso preventivamente, contado o prazo, nesta hipótese a partir do dia em que se
executar a ordem de prisão, ou no prazo de 30 dias quando estiver solto, para todos os crimes.
b) A extinção da punibilidade não poderá ser declarada de oficio pelo juiz.
c) No caso de morte do ofendido ou quando declarado ausente por decisão judicial, o direito de oferecer
queixa ou prosseguir na ação penal passará ao cônjuge, ascendente, descendente ou irmão, ou ao
Ministério Público, se não houver parentes próximos.
d) Em relação ao espaço, a norma processual segue o princípio da territorialidade. Em se tratando da
aplicação da lei processual penal no tempo, o Código de Processo Penal adotou, em seu art. 2º, o princípio
tempus regit actum, ou seja, a lei processual penal tem aplicação imediata, sendo o ato processual penal
regulado pela lei que estiver em vigor no dia em que ele foi praticado.
Respostas:
21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33: 34:
35: 36: 37: 38: 39: 40:

1. A doutrina majoritária conceitua crime como o fato típico, ilícito e culpável. Por sua vez, o fato
típico envolve o elemento subjetivo do tipo, que pode ser o dolo ou a culpa. Sobre o tema, é correto
afirmar que:
a) o agente que pretende causar determinado resultado e tem conhecimento de que, com sua conduta,
causará, necessariamente, um segundo resultado e, ainda assim, atua, responderá por dolo eventual em
relação ao segundo resultado;
b) os tipos culposos estão sujeitos ao princípio da tipicidade, somente podendo ser punidos quando
devidamente prevista em lei a punição a título de culpa;
c) o agente que não quer diretamente o resulto, mas o prevê e aceita sua ocorrência a partir de sua conduta,
poderá ser responsabilizado pelo tipo culposo;
d) o tipo culposo exige a previsibilidade objetiva, mas se houver efetiva previsão, haverá dolo, ainda que
eventual;
e) o tipo culposo próprio, se presentes todos os demais elementos, admite a punição na modalidade
tentada.

2. Com relação ao Direito Penal e as Súmulas do STJ e STF, é CORRETO afirmar, no entendimento
sumulado que:
a) Há crime, mesmo quando ocorre a preparação do flagrante pela polícia, havendo então a prova de que
ocorreu a consumação.
b) O crime de extorsão consuma-se quando se prova a obtenção da vantagem indevida.
c) Há crime de latrocínio, quando o homicídio se consuma, quando há prova de que ocorreu a subtração
de bens da vítima.
d) Não se admite continuidade delitiva nos crimes contra a vida.
e) A sentença concessiva do perdão judicial é declaratória da extinção da punibilidade, subsistindo ainda
efeito condenatório.

3. Tendo em conta a teoria geral do crime, assinale a alternativa correta.


a) Os partidários da teoria tripartida do delito consideram a culpabilidade como pressuposto da pena e não
elemento do crime.
b) Os partidários da teoria tripartida do delito consideram elementos do crime a tipicidade, a antijuricidade
e a punibilidade.
c) A tipicidade, elemento do crime, na concepção material, esgota-se na subsunção da conduta ao tipo
penal.
d) O dolo, na escola clássica, deixou de ser elemento integrante da culpabilidade, deslocando-se para a
conduta, já que ação e intenção são indissociáveis.
e) Os partidários da teoria funcionalista da culpabilidade entendem que a culpabilidade é limitada pela
finalidade preventiva da pena; constatada a desnecessidade da pena, o agente não será punido.

4. Doutrinadores nacionais admitem que a reforma de 1984 da Parte Geral do Código Penal,
especialmente no que concerne ao “conceito de crime”, aderiu ao “finalismo”. Quem é considerado
o criador de tal sistema jurídico-penal?
a) Hans Welzel.
b) Claus Roxim.
c) Von Liszt.
d) Günther Jakobs.
e) Cesare Beccaria.

5. No exercício de suas atribuições, um funcionário público prestava atendimento a um cidadão


quando necessitou buscar, no interior da repartição, um documento para concluir um
procedimento. Por descuido do funcionário, um laptop da instituição, que estava sendo utilizado
por ele, ficou desvigiado, às vistas do cidadão que recebia o atendimento. Quando o funcionário
retornou, não encontrou o cidadão e observou que o laptophavia sumido. Posteriormente, as
investigações policiais concluíram que aquele cidadão havia furtado o laptop, que não foi
recuperado. Nesse caso, o funcionário público
a) não praticou crime, uma vez que não anuiu à conduta delituosa.
b) foi partícipe do crime de furto praticado e, por isso, será condenado às penas cominadas para esse
crime, na medida de sua culpabilidade.
c) praticou peculato culposo, podendo a punibilidade ser extinta caso ele repare o dano ao órgão até o
trânsito em julgado da sentença penal condenatória.
d)cometeu crime de peculato-furto, pois concorreu para a realização do furto, podendo ser reconhecida a
atipicidade do fato pelo princípio da insignificância.
e) responderá por peculato impróprio desde que o cidadão seja condenado por furto.

6. Sobre o iter criminis, é correto afirmar:


a) A aferição do início do ato de execução do crime independe do elemento subjetivo do tipo.
b) O Código Penal brasileiro adota a teoria subjetiva pura na aferição do início do ato de execução.
c) A Lei Antiterrorismo (Lei n° 13.260/2016) prevê a punição de atos preparatórios de terrorismo quando
realizado com o propósito inequívoco de consumar o delito.
d) A punição da tentativa de crime culposo depende de expressa previsão legal.
e) Em verdadeira regressão garantista, o Superior Tribunal de Justiça firmou entendimento de que a posse
mansa e pacífica é necessária à consumação do roubo.

7. Majoritariamente entende-se que, de acordo com o conceito analítico, crime é um:


a) Fato típico e antijurídico.
b) Fato antijurídico e culpável.
c) Fato típico, antijurídico e culpável.
d) Fato típico, antijurídico, culpável e punível.

8. De acordo com o Código Penal, assinale a alternativa correta:


a) Não se comunicam as circunstâncias e as condições de caráter pessoal, ainda que elementares do
crime.
b) Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como
quando se produziu ou deveria produzir-se o resultado.
c) A extinção da punibilidade de crime que é pressuposto, elemento constitutivo ou circunstância agravante
de outro não se estende a este. Nos crimes conexos, a extinção da punibilidade de um deles impede,
quanto aos outros, a agravação da pena resultante da conexão.
d) Tratando-se de Medida de Segurança, a fixação do período de internação ou tratamento ambulatorial
não comportará tempo determinado, perdurando enquanto não for averiguada, mediante perícia médica, a
cessação de periculosidade. O prazo mínimo, contudo, deverá ser de 1 (um) a 3 (três) anos.

9. Sobre a doutrina da ação finalista, tal qual formulada por Hans Welzel, é correto afirmar que:
a) o tipo, para Welzel, é objetivo e neutro, ao passo em que o injusto é uma criação normativa, propiciada
por juízos de valor que teriam como norte o objetivo almejado pelo legislador, seja a proteção de bens
jurídicos, seja outra situação estatal de conveniência.
b) para a teoria finalista de Welzel. ação é uma manifestação da personalidade, que abrange todos os
acontecimentos atribuíveis ao centro de ação psíquico-espiritual do homem, não distinguindo a
manifestação da personalidade da realização de um propósito.
c) a direção final de uma ação se dá em duas fases, que nas ações simples se entrecruzam, a saber, uma
que ocorre na esfera do pensamento, com a antecipação do fim a realizar, a seleção dos meios necessários
à sua realização e a consideração dos efeitos simultâneos decorrentes dos fatores causais eleitos; e a
concretização da ação no mundo real, de acordo com a projeção mental.
d) ora a ação é apresentada como comportamento humano socialmente relevante, ora como fenômeno
social, em modelos nos quais a finalidade humana é apresentada como um fator formador de sentido da
realidade social.
e) a teoria foi desenvolvida a partir de modelos ditados pelo método científico de Descartes, com as
contribuições positivistas de pensadores como Comte, resultando em uma formulação na qual o conteúdo
da vontade é dissociado do processo causal que desencadeia à vontade no mundo exterior.

10. Considere as regras básicas aplicáveis ao Direito Penal e ao Direito Processual Penal para
assinalar a alternativa correta sobre as espécies de infração penal.
a) Crime e contravenção penal são sinônimos
b) No caso de contravenção penal, admitem-se penas de reclusão e detenção, enquanto que, para os
crimes, admite-se prisão simples
c) No caso de crime, admitem-se penas de reclusão e detenção, enquanto que, para as contravenções
penais, admite-se prisão simples
d) No caso de contravenção penal, admite-se pena de reclusão, enquanto que, para os crimes, admite-se
detenção
e) No caso de contravenção penal, admite-se pena de detenção, enquanto que, para os crimes, admite-se
reclusão

11. Por teoria da ratio essendi entende-se o (a):


a) estruturação do direito penal sob o princípio da intervenção mínima, que orientará iniciativas político-
criminais pelo prisma da ultima ratio.
b) ingresso pelo agente nos atos executórios de um crime, quando este se posta, de acordo com sua
idealização, em atividade imediata e diretamente coligada à realização do tipo.
c) possibilidade de punição da punição da participação em sentido estrito quando o agente da conduta
principal é um adolescente-infrator, bastando que este aja de forma típica e antijurídica.
d) concepção da culpabilidade como uma relação psicológica entre o autor e o fato por ele praticado, de
sorte que dolo e culpa, para a teoria, são espécies de culpabilidade.
e) fusão entre dois substratos do conceito analítico de crime, a saber, a tipicidade e a antijuridicidade,
sendo aquela reconhecida como a razão de ser desta; assim, o crime é composto pelo fato antijurídico
(injusto) e pela culpabilidade.

12. No que tange ao conceito de crime, nos termos do Código Penal brasileiro, é CORRETO afirmar:
a) A tentativa é punida mesmo quando, por ineficácia absoluta do meio ou por absoluta impropriedade do
objeto, é impossível consumar-se o crime.
b) A omissão é penalmente relevante quando o omitente devia e podia agir para evitar o resultado.
c) Considera-se crime tentado quando nele se reúnem todos os elementos de sua definição legal.
d) O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução ou impede que o resultado se
produza, responde nas mesmas penas aplicáveis ao crime consumado.

13. Em relação aos elementos do crime, assinale a opção correta.


a) Na sistemática brasileira penal, o erro de proibição inevitável afasta a ilicitude da conduta
b) De acordo com a teoria adotada pelo CP, em regra, a consciência da ilicitude é requisito essencial do
dolo.
c) O crime culposo, considerando-se o seu elemento subjetivo, não admite a participação, seja dolosa, seja
culposa.
d) A embriaguez culposa é causa excludente de culpabilidade.
e) A aferição de um resultado classificado a título subjetivo de preterdolo exige a constatação efetiva da
previsibilidade subjetiva.

14. Ainda com relação aos elementos do crime, assinale a opção correta.
a) A impropriedade relativa do meio leva ao que se denomina crime putativo.
b) A coação física, assim como a coação moral irresistível, constitui excludente de culpabilidade.
c) O tipo aberto indica adequação indireta.
d) No crime omissivo próprio, verifica-se uma relação normativa entre o resultado e a omissão, enquanto
que, no omissivo impróprio, deve-se observar a relação física de causalidade.
e) No crime comissivo por omissão, admite-se a forma tentada.

15. A teoria finalista da ação, adotada pelo Código Penal em sua Parte Geral, concebe o crime como
um fato típico e antijurídico. A culpabilidade diz respeito à reprovabilidade da conduta. O dolo, que
integrava o juízo de culpabilidade, para esta teoria é elemento estruturante do fato típico. Essa
adoção pretende corrigir contradições na teoria
a) da equivalência dos antecedentes causais.
b) da responsabilidade objetiva.
c) da causalidade normativa.
d) do domínio do fato.
e) da imputabilidade.

16. Após a leitura dos enunciados abaixo, assinale a alternativa correta:


I- A teoria finalista, no conceito analítico de crime, o define como um fato típico e antijurídico, sendo a
culpabilidade pressuposto da pena.
II- A teoria clássica, no conceito analítico de crime, o define como um fato típico, antijurídico e culpável.
III- A teoria clássica entende que a culpabilidade consiste em um vínculo subjetivo que liga a ação ao
resultado, ou seja, no dolo ou na culpa em sentido estrito.
IV- A teoria finalista entende que, por ser o delito uma conduta humana e voluntária que tem sempre uma
finalidade, o dolo e a culpa são abrangidos pela conduta.
V- A teoria finalista entende que pode existir crime sem que haja culpabilidade, isto é, censurabilidade ou
reprovabilidade da conduta, inexistindo, portanto, a condição indispensável à imposição e pena.

a) Somente o II e o III são verdadeiros.


b) Somente o I e o IV são verdadeiros.
c) Somente o I, IV e V são verdadeiros.
d) Somente o I e II são verdadeiros.
e) Todos são verdadeiros.

17. No tipo do crime descrito no art. 319 do Código Penal “Retardar, ou deixar de praticar,
indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer
interesse ou sentimento pessoal”, a expressão “para satisfazer interesse ou sentimento pessoal”
constitui
a) elemento normativo do tipo.
b) elemento subjetivo do tipo.
c) circunstância qualificadora.
d) elemento objetivo do tipo.
e) elemento descritivo do tipo.

18. Quanto ao crime, é INCORRETO afirmar:


a) Nas descriminantes putativas, a isenção de pena abrange os crimes dolosos e culposos.
b) Salvo nos casos expressos em lei, ninguém pode ser punido por fato previsto como crime, senão quando
o pratica dolosamente.
c) Em qualquer das hipóteses de excludente de ilicitude, o agente responderá pelo excesso doloso ou
culposo.
d) Se o fato é cometido sob coação ou em estrita obediência a ordem, não manifestamente ilegal, de
superior hierárquico, só é punível o autor da coação ou da ordem.

19. Nos termos do Código Penal considera-se causa do crime


a) a ação ou omissão sem a qual o resultado não teria ocorrido.
b) a ação ou omissão praticada pelo autor, independentemente da sua relação com o resultado.
c) exclusivamente a ação ou omissão que mais se relaciona com a intenção do autor.
d) a ação ou omissão praticada pelo autor, independentemente de qualquer causa superveniente.
e) exclusivamente a ação ou omissão que mais contribui para o resultado.

20. Majoritariamente, a doutrina conceitua crime como sendo um fato típico, ilícito e culpável. Como
elementos do fato típico estão a conduta, o resultado, o nexo de causalidade e a tipicidade. Com
relação a tais elementos, assinale a afirmativa correta.
a) Não há crime sem resultado jurídico.
b) Na teoria finalista da ação, o dolo e a culpa devem ser analisados na antijuridicidade.
c) A coação moral irresistível, diferentemente da resistível, afasta a própria conduta e, assim, a tipicidade.
d) Para que seja reconhecida a tipicidade material, basta a simples adequação da conduta ao tipo penal.
e) A superveniência de causa relativamente independente que, por si só, produza o resultado, faz com que
o agente apenas responda pelo resultado a título de culpa.

Respostas:
01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14:
15: 16: 17: 18: 19: 20: