Anda di halaman 1dari 2

UERJ – Faculdade de Formação de Professores.

Departamento de Geografia
Disciplina: Oficina de Leitura e Produção de Textos 1
Professor: Vinicius Seabra
Aluno: Sylvio Ribeiro Pinel

Atividade: Resumo do texto: “Espaço, um conceito chave na Geografia”.

CORRÊA, R . L . Espaço, um conceito chave na Geografia. In: CASTRO, I . E.; GOMES, P . C. C.;
CORRÊA, R . L . Geografia: conceito e temas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000. part.
1. p. 15 – 47.

O texto “Espaço, um conceito chave na Geografia” aborda o conceito de espaço e a diversas


variações dessa palavra, assim criando um ligação com o leitor fazendo a introdução ao tema.
No texto tomamos ciência que a geografia tem cinco conceitos chave, que são: paisagem,
região, lugar, território e espaço, e apesar desses temas já serem conhecidos, a geografia só se
tornou uma disciplina estabelecida na década de 1950 e conceitos como paisagem e região
tiveram privilégios em termos de debates e discursões. “De acordo com MORAIS (1990), o
espaço em Ratzel é visto como base indispensável para a vida do homem”, como o geógrafo e
etnólogo alemão Friedrich Ratzel travava o conceito de território e espaço vital ambos com
forte raízes na ecologia, o vinculo de espeço vital foi tomado por um determinado grupo,
enquanto o território expressa a necessidade de desenvolvimento social e tecnológico da
sociedade mas querendo manter um equilíbrio e os recursos naturais na própria razão do ser
Estado. O espaço na visão de Hartshorniana é o espaço absoluto com total independência, que
se identifica como receptáculo que contem as coisas. Na década 1950 a geografia teorético-
quantitativa introduziu diversas mudanças a geografia, onde foi adotado uma visão
epistemológica. Apesar das criticas à geografia teorético-quantitativa, é valido ressaltar que a
geografia passa a ser considerada como uma ciência social. A corrente geográfica, o espaço é
tido sob duas formas, como noção de Planície isotrópica e como representação matricial. A
Planície isotrópica apresentasse como um forma teórica o paradigma racionalista hipotético-
dedutivo. Na década 1970 vimos o surgimento da geografia critica vinda do materialismo
histórico e na dialética, que procurava romper com o lado da geografia tradicional e com a
geografia teorético-quantitativa e assim gerando intensos debates ente geógrafos marxista e
não marxista, no ramo desses debates o espaço reaparece como conceito-chave e questiona-
se se na obra de Marx o espaço está presente ou não, e na outra vertente, qual a natureza e o
significado de espaço. CLAVAL (1987), admite que o espaço tem se constituído centralmente
para os geógrafos neomarxistas. Na década de 1970 também vimos o surgimento da geografia
humanista, que na próxima década foi acompanhada retomada da geografia cultural,
contrariando as geografias críticas e teorético-quantitativa, “a geografia humanista está
assentada na subjetividade, na intuição, nos sentimentos, na experiência, no simbolismo e na
contingência, privilegiando o singular”. Os conceitos como paisagem e região tiveram uma
nova revalorizam, enquanto o conceito de território tem na geografia humanista como uma de
suas bases, na geografia humanista considerasse sedimentos espaciais e as povos sobre o
espaço a partir da experiência, segundo TUAN (1979) ele também se dedicou a seguir as ideias
de Micea Eliade sobre o sagrado e profano, porem para o mesmo um lugar tem um outro
significado, possui um espirito, uma personalidade. “No longo e infindável processo de
organização do espaço o homem estabeleceu um conjunto de práticas através dos quais são
criadas, mantidas, desfeitas e refeitas as formas e as interações espaciais.” As práticas
espaciais são as seguintes: A Seletividade Espacial é processo de organização de seu espaço o
homem; A Fragmentação-remembramento espacial é o processo de produção do espaço há
uma própria dimensão política que leva a diferentes formas de controle sobre o espaço, A
antecipação espacial constitui uma prática que pode ser definida pela localização de uma
atividade em um dado local antes que requisitos tenham sido concluídos; Marginalização
espacial é o valor atribuído a um dado lugar pode variar ao longo do tempo. (Razões de ordem
econômica, politica ou cultural pode alterar a sua importância) e Reprodução da região
produtora é o processo de valorização produtiva do espaço é necessário que se viabilize a
reprodução das condições de produção. Entendemos que o conceito de espaço é muito vasto e
denso, e conceitos do que são lugar e região são essenciais pois relava muito sobre nossa
sociedade e nossa visão geográfica.