Anda di halaman 1dari 5

Pesquisa e desenvolvimento

Anal Sac adenocarcinoma; Um cancro escondida

Os tumores da região perianal ocorrem frequentemente em cães (Bennett et al. 2002),


doença metastática
com adenomas benignos que compreende 5,896% de tumores neste local Em muitos casos, a lesão primária pode ser assintomático e o cão apresenta
(Turek & Withrow 2013). Em alguns casos, estes podem transformar a com sinais consistentes com metástases para os nódulos linfáticos regionais
tornar-se adenocarcinomas perianal malignas, e estes devem ser distinguidos (ilíaca medial, sacral, hipogástrico, etc. pélvica) (Williams et al. 2003; Polton &
dos adenocarcinomas que derivam do epitélio secretor apócrina dentro da Brearley 2007; Wouda
parede dos sacos anais (Polton & Brearley et al. 2013). doença metastática nesta região pode apresentar-se como
dificuldade em passar fezes, esforço para defecar, postura anormal ou fecal
2007). Neoplasia do revestimento epitelial escamosa do saco anal é incomum forma alterada. Embora menos comum, metástase para os ossos podem ser
(Polton et al. 2006; Mellett et al. 2014). adenocarcinomas Anal glândula / SAC vistos. Um relatório único caso de um cão jovem apresenta com ataxia dos
(ASA) representar de 2% de todos os tumores da pele e subcutânea em cães, membros traseiros progressiva e paresia, piorando à paralisia durante um curto
e cerca de 17% de todas as malignidades perianal (Bennett et al. 2002; Turek & período de tempo, foi atribuída a um adenocarcinoma sac anal com metástase
Withrow 2013; Potanas et al. 2015). Eles são clinicamente importantes devido para as vértebras e fraturas patológicas subseqüentes (Bray de 2011).
ao seu alto potencial metastático e associação com hipercalcemia
paraneoplásica; Esta avaliação incidirá, assim, este tipo de tumor (Polton et al. 2006
.; Wouda et al. 2013).

Signalment
Anal adenocarcinoma sac comumente afeta cães mais velhos, com a idade
média de diagnóstico sendo aproximadamente 10 anos (Bennett et al. 2002;
Williams et al. 2003; Polton & Brearley 2007). Apesar de relatos históricos que
ligam sac anal adenocarcinoma de fêmeas mais velhas,
estudos recentes têm
não confirmou esta predileção por sexo (Williams et al. 2003). Mais recentemente,
Polton et al. ( 2006), encontraram um risco aumentado de doença em machos
castrados. As razões por trás disso não são claras, mas a hipótese de que a ausência
de hormônios sexuais podem tornar os indivíduos menos propensos a anular seus
sacos anais e predispor à estagnação do conteúdo glândula anal (Polton et al.

2006). Certas raças tendem a ser sobre-representados com Cocker Spaniel


Inglês considerados de alto risco, mas Springer Spaniel, Cavalier King Charles
Spaniel e cães pastor alemão também estão sobre-representados. Há algumas
sugestões na literatura de uma possível predisposição genética (Bennett et al. 2002;
Polton et al. 2006).

Figura 1. direito lados adenocarcinoma da glândula anal, dorsolateral ao ânus.


Apresentação e sinais clínicos
Embora pequenos nódulos assintomáticos pode ser detectado como achados
incidentais, ASA também pode estar associada com sinais clínicos. Estes
sinais clínicos estão relacionados com quer a presença física da massa do Brearley 2007; Wouda et al. 2013). Anal adenocarcinoma do saco é o segundo a
saco anal primário, ou secundário à doença metastática substancial, ou podem
resultar de hipercalcémia de malignidade (Bennett et al. 2002; Turek & Withrow
2013; Bowlt et al. 2014).
metabólicas de um síndroma paraneoplástico (Williams et al. 2003; Polton &

Mass primária Figura 2. Anal saco adenocarcinoma apresentando como abaulamento do períneo.
de um primário de tumor metastático, mas resultam de consequências
Se for suficientemente grande, a massa pode manifestar-se anal com sinais
associados a desconforto glândula anal, por exemplo de uma via subcutânea
inchaço em torno da região perianal (Figura 1 e 2), fugindo comportamentos, Hipercalcemia de malignidade
desconforto com sentado ou lamber persistente em torno da região anal. Em 25-55% dos casos, os sinais clínicos não são atribuíveis à presença física
Ocasionalmente sangramento perianal pode ser observado ou uma lesão mais
ulcerativa erosão através da derme (Williams et al. 2003; Polton & Brearley 2007;
Turek & Withrow 2013; Wouda et al. 2013).

38 Revista Internacional da Saúde Animal Volume 2 Problema 4


Pesquisa e desenvolvimento

causa mais comum de hipercalcemia de malignidade após linfoma (Messinger et


al. 2009; Bray 2011; Turek & Withrow 2013; Potanas et al. 2015). Os sinais
clínicos de hipercalcemia tendem a melhorar após a cirurgia, no entanto, muitas
vezes hipercalcemia retorna com recorrência do tumor (Ross et al. 1991; Williams et
al. 2003).

Os sinais clínicos de hipercalcemia mais comumente incluem polidipsia e


poliúria, náuseas, vômitos, anorexia e constipação. Letargia, fraqueza e
tremores musculares também pode ser notado. Ocasionalmente cálcio total
pode ser normal e cálcio ionizado pode ser necessária para avaliar os
verdadeiros níveis de cálcio no corpo (Boag 2007).

Em ASA, hipercalcemia é geralmente causada pela produção de uma proteína


relacionada com a hormona paratiróide (PTHrp). Esta proteína, produzido pelas
células tumorais, mimetiza a acção natural da hormona paratiroideia e leva a Figura 3. citologia típica de adenocarcinoma do saco anal, mostrando jangadas /
um aumento das concentrações de cálcio no soro (Bray 2011; Turek & Withrow aglomerados de células epiteliais malignas.

2013). Nem todos os adenocarcinomas saco anal irá produzir a PTHrp, e sua anal adenocarcinomas da glândula em quatro estágios clínicos com base no tamanho
produção não parece estar ligada ao tamanho do tumor ou para correlacionar com do tumor, o tamanho do nódulo linfático regional, e presença ou ausência de
o comportamento biológico do tumor (Williams et al. 2003). metástases distantes, tem sido descrita (Figura 4) (& Polton Brearley 2007).

Diagnóstico

diagnóstico preliminar dos ASA é conseguido principalmente através de exame


clínico, por vezes, por inspeção visual da região perianal, mas mais geralmente
por exame retal. A maioria das massas das glândulas anais são unilateral,
glândulas afectadas bilateralmente ocorrer menos frequentemente, em menos de
10% dos casos reportados (Emms 2005; Potanas et al. 2015). exame retal
normalmente revela uma área espessa ou irregular dentro da glândula anal. Brearley
Muitas vezes, o tumor primário é pequeno, e pode ser apenas milímetros de 2007).
diâmetro (Polton & Brearley 2007). Pode ser notado como um achado incidental
no exame rectal rotina ou esvaziamento rotina de sacos anais, com tantos como Potanas et al. 2015). saco
adenocarcinomas Figura 4. tabela
anal de teste
têm elevado (modificado
potencial a partircom
metastático de 46-90%
Polton &
39% dos tumores reconhecidos desta maneira (Williams et al. 2003; Bray 2011; de tumores metastizada pelo tempo de diagnóstico para os nódulos linfáticos
Turek & Withrow 2013). Reconhecimento de sinais clínicos como sendo suspeito regionais e / ou locais distantes (Figura
de ASA é muito importante para que um exame clínico completo pode então ser 5) (Ross et al. 1991; Williams et al. 2003; Bray 2011; Turek & Withrow 2013;
realizada.

O diagnóstico definitivo deve ser feita por citologia ou exame histopatológico.


aspirados de agulha fina pode ser realizada de forma segura pelo posicionamento
da massa contra a pele usando palpação rectal com a mão não-dominante e
inserindo a agulha através da pele perianal. Citologia mostra tipicamente folhas ou
aglomerados de células poliédricas com redonda uniforme ou núcleos ovais e uma
quantidade moderada de citoplasma granular acinzentado-azul (Figura 3).
Características comuns de malignidade pode ser sutil, mas incluem um elevado e
variável nuclear: relação citoplasmática, anisocariose e nucléolos proeminentes
(Turek & Withrow

2013). características malignas são geralmente visível, mas pode não ser tão óbvia
como carcinomas de outras origens (Bray de 2011).

encenação

Após o diagnóstico estadiamento clínico definitivo ou presuntivo é recomendado para


avaliar a extensão da disseminação do tumor para os linfonodos regionais e locais
distantes. O estadiamento é vital para determinar se a metástase ocorreu e para Figura 5. Ainda imagem de ultra-sons de 2,4 centímetros de diâmetro nódulo no corpo
adequar as opções de tratamento em conformidade. A categorização sistema de do baço.
estadiamento

40 Revista Internacional da Saúde Animal Volume 2 Problema 4


Pesquisa e desenvolvimento

As radiografias abdominais podem ser suficientes para ver a evidência de


doença avançada e linfadenomegalia regional; no entanto ultra-som abdominal
é superior para avaliar linfoadenomegalia regionais (Figuras 6 + 7) (Turek &
Withrow
2013). tamanho do nó de linfa é o principal marcador da neoplasia (Llabrés-Diaz
2004; De Swarte et al. 2011) com outras mudanças na forma do linfonodo ou
ecogenicidade mostraram ser pouco fiáveis ​indicações de metástase.

Figura 8. múltiplos nódulos de tecido bem definidas arredondados moles apresentam


nos lobos pulmonares caudal direita, ao nível do sexto e sétimo nervura, indicativo de
metástase pulmonar.

Um total de encenação trabalho-up também incluem um hemograma


completo, bioquímica (incluindo um nível de cálcio ionizado) e exame de urina
para avaliar a presença de doença concomitante ou paraneoplásica.
Figura 6. Ainda imagem de ultra-som de nó alargada direito medial linfáticos Hipercalcemia, em particular, pode afetar a função renal (Aronson 2012) com
ilíacos (1,3 centímetros de diâmetro). O nó aparece heterogénea com áreas calcificação renal visto microscopicamente em cerca de 90% dos casos
hipoecóicos. hipercalcémicas (Capen 2001). Avaliação de parâmetros renais, é importante
nestes casos.

Tratamento
Cirurgia
excisão cirúrgica do tumor primário (sacculectomy anal), e também mettases
regionais, se presente, é o tratamento de escolha para a ASA (Bennett et al. 2002;
Williams et al. 2003; Emms 2005; Turek & Withrow 2013; Wouda et al. 2013).
Embora a cirurgia é recomendada, ele não incorrer relativamente elevada
morbidade e mortalidade (Ross et al. 1991; Bennett et al.

2002). cirurgia extensiva locais em torno do ânus acarreta o risco de


incontinência fecal se houver trauma para o esfíncter anal ou nervos rectais
caudal durante a cirurgia, e é mais provável de ocorrer se a remoção do tumor
primário necessita anoplasty parcial (Aronson 2012). incontinência fecal foi
relatada em 33% dos cães submetidos a cirurgia (Aronson de 2012), embora
estudos mais recentes têm encontrado a incidência ser menor (Hill & Smeak
2002; Charlesworth 2014). Anal estreitamento devido a cicatrizes, prolapso
rectal e o risco inerente de infecção devido à localização da ferida, também são
factores importantes de morbidade.
Figura 7. Ainda imagem de ultra-som de um linfonodo peri-aórtico alargada
com ecogenicidade malhada e aparência heterogénea, indicativo de
metástase.
linfonodos sublombar são muitas vezes situado perto de grandes vasos
radiografia torácica permite a avaliação dos pulmões para a metástase sanguíneos e o risco de hemorragia intra-operatória é alta (Bennett et al. 2002; Bray
pulmonar e avaliação dos gânglios linfáticos e do mediastino pré-esternais, que 2011; Wouda et al. 2013). Acesso para os nódulos linfáticos regionais pode ser difícil
drenam o abdómen craniana. metástases pulmonares são raros, ocorrem em e pode exigir uma osteotomia pélvica (Emms 2005). Estreita proximidade com os
20% dos cães que se apresentam com ASA (Figura 8) (Bray 2011). nervos locais pode significar que as técnicas cirúrgicas agressivas implicam um
risco de paralisia do nervo ciático e incontinência urinária

www.animalhealthmedia.com Zoossanitário Internacional Journal 41


Pesquisa e desenvolvimento

após a cirurgia também tem sido relatada (Ross et al. 1991; Emms 2005). quimioterapia adjuvante pode ser benéfico. Turek et al
Estudos recentes têm mostrado baixas taxas de complicação com a excisão (2003) utilizaram radioterapia curativa-intenção em combinação com a
cirúrgica do tumor primário, no entanto, complicações mais elevados mitoxantrona, após a remoção cirúrgica do tumor primário (Turek et al. 2003), um
associados com o nó de linfa extirpação (Bennett et al. 2002; Wouda et al. 2013; protocolo que apareceu ambos bem tolerada e bem sucedido em que se prolonga o
Potanas et al. tempo de sobrevivência mediano. Neste estudo, no entanto, nenhum dos coorte
2015). Apesar disso, a cirurgia primária agressiva continua a ser o tratamento de tinha evidência de metástases à distância, o que pode explicar a alta tempo de
escolha. Em muitos casos, a cirurgia por si só é insuficiente para a doença sobrevida global mediana.
controlar, com 20-50% dos cães que mostram evidência de recorrência local
após cirurgia como terapia única (Ross et al. 1991; Bennett et al. 2002; Emms 2005;
Aronson 2012; Wouda et al. 2013). As taxas de recorrência são pensados ​para ser Gestão de hipercalcemia
seguintes ressecções marginais mais elevados (Ross Se o tumor primário e as metástases são removidos com sucesso, hipercalcemia
paraneoplásica deve resolver rapidamente. Enquanto se aguarda pela cirurgia, a
et al. 1991; Bennett et al. 2002; Turek & Withrow 2013). gestão a curto prazo da hipercalcemia pode ser conseguida com a terapia de
fluido, diuréticos de alça ou prednisolona. Se a remoção do tumor primário e as
Terapia adjuvante metástases não é possível e doença bruto continua a ser, a hipercalcemia pode
Para prevenir a recorrência local e metástases, terapia adjuvante é ser administrado de forma mais eficaz a longo prazo com os bisfosfonatos tais
recomendada após a excisão cirúrgica para o tratamento de ASA (Turek et al. 2003;
como o pamidronato ou zoledronato.
Emms 2005; Polton & Brearley 2007; Wouda et al. 2013).

Cuidado paliativo
Muitos agentes quimioterapêuticos diferentes foram testadas em conjunto Os cuidados paliativos é muitas vezes discutida em animais onde a cirurgia
com a cirurgia, tal como a carboplatina, a doxorrubicina, agressiva não é possível, devido à idade, co-morbidades ou limitações
epirubicina, mitoxantrona e melfalano financeiras. Ele gira em torno de gestão de sinais clínicos, em particular
(Bennett et al. 2002; Williams et al. 2003; Turek et al. tenesmus fecal, uso de laxantes, laxantes e alívio da dor, se necessário.
2003; Emms 2005; Polton & Brearley 2007). A falta de padronização nesses Hipercalcemia também terá de ser gerido para evitar problemas renais.
estudos torna difícil comparar protocolos de quimioterapia individuais
diretamente, mas nenhum protocolo específico tem sido comprovada para dar
tempo de sobrevida mediana superiores. É geralmente aceite que a Prognóstico
quimioterapia é um benefício quando se segue a remoção cirúrgica da doença tempos de sobrevivência mediana para pacientes com ASA diferem enormemente
bruto (Bennett et al. 2002; Williams et al. 2003; Emms 2005; Polton & Brearley dependendo da data de estudo, apresentando sinais e opções de tratamento, no
entanto, na maioria dos estudos que variam de seis a 22 meses (Ross et al. 1991;
2007), com tempos médios de sobrevivência de cirurgia e quimioterapia adjuvante Bennett et al. 2002; Turek et al. 2003; Emms 2005; Polton & Brearley 2007; Wouda et al. 2013).
superior a esses relatórios históricos de cirurgia sozinha (Bennett et al. 2002; Emms Na maioria dos casos, a eutanásia ou morte foi devida a progressão do tumor física
2005). Recentemente, no entanto, um estudo realizado por Wouda et al. ( 2,013) ou sinais clínicos relacionados, que afectou a qualidade de vida (Bennett et al. 2002;
comparado directamente a cirurgia por si só para a cirurgia e carboplatina adjuvante e Wouda et al. 2013; Potanas et al.
não encontrou nenhuma diferença estatística no tempo para a progressão da doença ou
tempo de sobrevivência global entre estes dois grupos. É claro que mais estudos em 2015).
terapia adjuvante, com os números de coorte adequados, são necessários para
determinar a terapia adjuvante óptima para cirurgia. Há pouco consenso sobre fatores prognósticos; no entanto, a fase do tumor
parece ser importante. O sistema de teste do tumor (etapas 1-4) utilizado por
Polton et al. ( 2007) é útil para prever o tempo de sobrevida global, um estágio
O uso da quimioterapia parece ter benefício mais potencial naqueles superior indicativo de uma sobrevivência média mais curto.
indivíduos com comprometimento dos linfonodos (Bennett et al. 2002; Polton &
Brearley 2007) e quimioterapia é freqüentemente usada em indivíduos que têm
doença metastática mais avançada ou óbvio. A presença de doença o tamanho do tumor primário pode também ser significativa, com tumores

metastática, no entanto, reduz substancialmente o tempo de sobrevivência > 10 centímetros, resultando em tempos de sobrevivência diminuiu (Williams et al.
mediano (Ross et al. 1991) e esta selecção de polarização para a terapia 2003; Polton & Brearley 2007). A presença de metástase linfonodal (Polton &
adjuvante conduz a dificuldade em comparação dos dados. Brearley 2007; Potanas et al. 2015) é um indicador de prognóstico negativo, em
alguns estudos, no entanto, isto não foi o caso em todos os (Williams et al. 2003;
Emms 2005). Há um consenso geral de que a presença de metástases distantes,
Além de agentes quimioterapêuticos convencionais, o novo inibidor da particularmente para os pulmões, é um factor de prognóstico pobre e resulta em
tirosina-cinase, toceranib fosfato (veterinário), também tem sido utilizado para tempos de sobrevivência médios mais curtos (Williams
tratar os adenocarcinomas do saco anal, uma vez que estes tumores expressam
derivado de plaquetas de crescimento beta do receptor do factor (PDGFR-B), que et al. 2003; Emms 2005; Polton & Brearley 2007).
toceranib pode ter como alvo, além para c-Kit (Brown et al. 2012). Em 87,5% dos
casos, que já tinha falhado outras terapias, Palladia demonstrou benefício clínico, Também tem havido muito debate sobre a presença de hipercalcemia como
usado off-licença e em doses padrão (Londres et al. 2012). Nenhum dos cães neste um indicador negativo. Os primeiros estudos (Ross et al. 1991; Williams et al. 2003;
estudo, entretanto, alcançaram a remissão completa. A adição de radioterapia Hobson et al. 2006) mostram que a hipercalcemia estava ligada aos tempos
local da cirurgia e sobrevida média reduzidos, porém este não foi encontrada em estudos mais
recentes

42 Revista Internacional da Saúde Animal Volume 2 Problema 4


Pesquisa e desenvolvimento

(Bennett et al. 2002; Emms 2005; Polton & Brearley 2007; Wouda et al. 2013). cães. Journal of pequeno Prática Animal, 56 (março).

16. Messinger, JS, Windham, WR & Ward, CR, 2009. Ionized hipercalcemia em cães: um estudo

retrospectivo de 109 casos (1998-2003). Journal of Veterinary Internal Medicine, 23 (3),

O outro factor de prognóstico pobre amplamente aceite é a falta de pp.514-519.

tratamento, particularmente falta de cirurgia (Williams et al. 17. Polton, GA et al., 2006. Raça, sexo e estado castração de cães britânicos com carcinoma da glândula
sac anal. Veterinária e Comparativo Oncologia, 4 (3), pp.125-131.
2003; Polton & Brearley 2007), com maiores tempos de sobrevivência mediana sendo
alcançados em cães que recebem terapia multimodal (Wouda et al. 2013). Curiosamente,
um estudo realizado por Bennet et al. 18. Polton, GA & Brearley, MJ, 2007. Clinical fase, terapia, e prognóstico no carcinoma da glândula

(2002) mostra os tempos de sobrevivência médios comparáveis ​em cães que receberam saco anal canino. Journal of Veterinary Internal Medicine, 21 (2), pp.274-280.

piroxicam como uma terapia paliativa (8,7 meses), para aqueles que tiveram a cirurgia
sozinha (7,9 meses), indicando que a cirurgia não é necessariamente a resposta em 19. Potanas, CP, Padgett, S. & Gamblin, RM, 2015. A excisão cirúrgica de anal saco apócrinos

cada caso. adenocarcinomas da glândula com e sem quimioterapia adjuvante em cães: 42 casos

(2005-2011). Jornal da Associação Médica Veterinária Americana, 246 (8), pp.877-884.

Conclusão
Anal adenocarcinoma do saco é um cancro altamente metastático, que pode 20. Ross, JT, Scavelli, TD & Patnaik, AK, 1991. Adenocarcinoma do apócrinas Glândulas da Anal Sac

apresentar em uma variedade de formas; como tal, o exame retal deve ser parte de em cães: Uma revisão de 32 casos. Journal of the American Animal Hospital Association.

cada exame clínico completo. A detecção precoce, cirurgia e terapia agressiva


adjuvante são recomendados como tratamento padrão de ouro. tempo de sobrevida 21. De Swarte, M. et al., 2011. Comparação de aspectos ultra-sonográficos de gânglios linfáticos profundos

mediana pode variar drasticamente, mas se detectado precocemente, o bom controle benignas e neoplásicas em cães. Radiologia Veterinária e ultra-som, 52 (4), pp.451-456.

da doença pode ser alcançado por um período significativo de tempo.


22. Turek, MM et al., 2003. Pós-operatório radioterapia e mitoxantrona para adenocarcinoma sac anal
no cão: 15 casos (1991-2001). Veterinária e Comparativo Oncology, 1 (2), pp.94-104.

Referências

1. Aronson, LR, 2012. reto, ânus e períneo. Cirurgia Veterinária: Animal pequeno. pp. 23. Turek, MM & Withrow, SJ, 2013. Perianal Tumores, p423-435. Em Small Animal Clinical

1.564-1600. KM Tobias & SA Johnson, eds. Oncology. 5ª Edição Withrow, SJ, Vail, DM, Página, RL

2. Bennett, PF et al., 2002. Canine adenocarcinomas saco anal: apresentação clínica e resposta à 24. Williams, LE et al., 2003. Carcinoma das glândulas apócrinas do saco anal em cães: 113 casos

terapia. Journal of Veterinary Internal Medicine, 16 (1), pp.100-104. (1985-1995). Jornal da Associação Médica Veterinária Americana, 223 (6), pp.825-831.

3. Berrocal, um et al., 1989. perineal Canine tumores. Zentralblatt fur 25. Wouda, RM et al., 2013. Avaliação da quimioterapia adjuvante carboplatina no tratamento de

Veterinärmedizin. Reihe A, 36 (10), pp.739-749. cirurgicamente excisadas saco anal glândula apócrina adenocarcinoma em cães. Veterinária e

4. Boag, A., 2007. O electrólito e o equilíbrio ácido-base p46-56. Manual de caninos e felinos de Comparativo Oncologia, pp.13-16.

emergência e cuidados intensivos. BSAVA 2ª edição. LG King & A. Boag, eds.

5. Bowlt, K., Starkey, M. & Murphy, SUE, 2014. Oncology Update - Canine Anal Sac adenocarcinomas.

Número de Veterinária, Número 3 - 21.1.14

6. Bray, J., 2011. Os tumores do p223-228 região perianal. Manual de caninos e felinos

Oncologia BSAVA 3 ª edição. JM Dobson & BDX Lascelles, eds.

7. Brown, RJ et al., 2012. Expressão de PDGFR-B e Kit em canino anal saco apócrina glândula

adenocarcinoma usando imuno-histoquímica de tecidos. Veterinária e Comparativo Oncology,

10 (1), pp.74-79. Jo Morris completou uma residência oncologia na


8. Capen, CC, 2001. Sistema Endócrino. patologia veterinária especial de Thompson. pp. Universidade de Cambridge (1993), seguido por uma
279-324. MD McGavin, WW Carlton, e JF Zachary, eds. FRCVS por exame e um PhD no cancro da mama
9. Charlesworth, TM, 2014. Fatores de risco para complicações pós-operatórias seguintes (1997). Em 2003, ela tornou-se chefe do serviço de
sacculectomy anal fechada bilateral no cão. The Practice animal Journal of pequeno, 55 (7), referência Oncologia na Universidade de Glasgow e é

pp.350-4. um especialista e ECVIM-CA Diplomat RCVS em

10. Emms, SG, 2005. Anal tumores sac do cão e a sua resposta à cirurgia citorredutora e
Pequenos Animais Oncology. Email:
Joanna.Morris@glasgow.ac.uk
quimioterapia. Australian Veterinary Journal, 83 (6), pp.340-343.

11. Hill, LN & Smeak, DD, 2002. aberto versus sacculectomy anal bilateral fechado para o tratamento de

doença do saco anal não neoplásico em cães: 95 casos (1969-

1994). Jornal da Associação Médica Veterinária Americana, 221 (5), pp.662-665.


Katie McNaught graduado pela Universidade de
Glasgow em 2008 com elogios. Ela passou 6 anos
12. Hobson, HP, Brown, MR & Rogers, KS, 2006. Cirurgia de metastático adenocarcinoma sac anal em
na prática mista antes de voltar a Glasgow University
cinco cães. Cirurgia Veterinária, 35 (3), pp.267-270.
Hospital de Pequenos Animais em 2014,
13. Llabrés-Diaz, FJ, 2004. Ultrassonografia dos nodos linfáticos ilíacos mediais do cão. inicialmente como um
Radiologia Veterinária e ultra-som, 45 (2), pp.156-165. rotativa estagiário e posteriormente como estagiário
14. Londres, C. et al., 2012. A evidência preliminar para a actividade biológica de fosfato toceranib especialista em Oncologia. Email:
(veterinário) nos tumores sólidos. Veterinária e Comparativo Oncology, 10 (3), pp.194-205. 0305494M@student.gla.ac.uk

15. Mellett, S. et al., 2014. O carcinoma de células escamosas dos sacos anais em três

www.animalhealthmedia.com Zoossanitário Internacional Journal 43