Anda di halaman 1dari 25

www.cers.com.

br 1
120 CASOS DE IDENTIFICAÇÃO DE PEÇAS

1. Damião é paciente cardiopata e economicamente hipossuficiente, pois não possui recursos para arcar com
tratamentos especializados em hospitais particulares. Após longos anos de tratamento, conseguiu equilibrar suas
taxas nos exames de sangue para finalmente realizar uma angioplastia visando a colocação de um “stent”, já que
possui um laudo médico que afirma a possibilidade de cura com a realização da cirurgia. Ocorre que a mesma só
é realizada em hospitais da rede do SUS fora do seu domicílio. Entretanto, ao se dirigir à assistência social do
hospital (Hospital Federal HHH) a fim de solicitar encaminhamento para que fosse capaz de agendar o procedi-
mento cirúrgico, Damião foi surpreendido com a negativa verbal injustificada do Diretor do Hospital, além de ter
sido humilhado por ele. Diante de tal situação, indique a medida judicial adequada à tutela dos direitos de Damião,
levando em consideração o tratamento hostil recebido pelo mesmo no hospital federal, bem como seu desejo de
pleitear danos morais em razão do ocorrido.

2. Joana Ruth, enfermeira do Hospital Estadual do Estado dos Felizes, objetivando documentar sua vida profissio-
nal para requerer sua aposentadoria, pleiteou ao setor responsável da mesma, certidão comprobatória de seu
tempo de serviço. Por escrito, lhe foi negada a certidão, pelo Diretor do hospital, sob a alegação de que tal infor-
mação encontra-se sob sigilo no banco de dados. Na qualidade de advogado (a) de Joana, identifique a medida
judicial pertinente.

3. A Governadora do Estado da “Conquista”, Sra. Magalona Costa, pressionada pela oposição, sancionou a Lei
Estadual 1.111/19, que promoveu a investidura de profissionais da área de educação em cargos públicos efetivos
sem a realização de concurso público. O Partido Político “Meu Brasil Brasileiro”, com um representante na Câmara
dos Deputados, indignado, destacou que na atual ordem constitucional, a investidura em cargo ou emprego públi-
co depende da prévia aprovação em concurso e que as exceções a essa regra estão taxativamente previstas na
Constituição Federal – e não se justificam no caso da Lei em questão –, como ocorre nas nomeações para cargos
em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração ou no recrutamento de servidores temporários.
Dessa forma, o Partido sustenta que a Lei Estadual 1.111/19 violou dispositivos constitucionais basilares e, então,
já anunciou na imprensa nacional que questionará a qualidade da Lei Estadual em destaque. Na qualidade de
advogado (a) do partido político, indique a peça cabível.

4. Um relatório da CGU (Controladoria Geral da União) a que Sérgio teve acesso apontou um superfaturamento
de nove milhões em um contrato do Ministério do Esporte com a Fundação Econômica X para apoio à Olimpíada
do Rio-2018. Um dos objetivos da contratação da Fundação, que foi realizada sem licitação, desrespeitando a
Constituição e a Lei 8.666/93, era justamente obter economia nos gastos com as obras dos Jogos. Em consulta a
advogado especialista, e após meses de análise do contrato e até mesmo de alguns aditivos, o mesmo esclareceu
a Sérgio que não houve nenhum evento imprevisível que justificasse o montante a ser pago pelo Dr. Paulo, Minis-
tro do Esporte, e destacou que restou comprovado o superfaturamento apontado no relatório, o que gerou dano
aos cofres públicos. Sérgio lhe procura afirmando que, na qualidade de cidadão, se sente no dever de tomar as
devidas providências a fim de invalidar o contrato celebrado pelo Ministério do Esporte. Em face dessa situação
hipotética, na qualidade de advogado (a) contratado (a) por Sérgio, aponte a petição inicial da ação cabível.

5. Pietra, alemã, casada, residente na cidade de Florença, encontra-se de férias no Rio de Janeiro com sua famí-
lia a fim de comemorar seus 50 anos de idade recém-completados. Ocorre que, nos primeiros dias de viagem,
Pietra sentiu-se mal, vindo a ser atendida pelo setor de emergência do hospital público estadual XGY, tendo sido
diagnosticada com dengue, estando a doença em estágio avançado, sendo necessária a sua internação para
sucesso no tratamento. Entretanto, após preencher requerimento de leito no setor de internação do hospital, rece-
beu resposta escrita do diretor do mesmo, negando a vaga pretendida sob a justificativa de que tendo em vista
que o hospital se encontrava superlotado em razão do surto de dengue na cidade, o atendimento no setor de in-
ternação do mesmo seria prestado apenas aos brasileiros, devendo os estrangeiros deixar as dependências do
hospital. Diante do caso apresentado, na qualidade de advogado (a) contratado (a) por Pietra, aponte a ação ade-
quada para defesa do seu direito à saúde, levando-se em conta que há necessidade de tutela de urgência e que a
ação deve ser proposta no mesmo dia em que houve o indeferimento do pedido de internação.

6. José Ricardo adquiriu doença respiratória grave e irreversível, passando a necessitar de medicamentos de alto
custo. Em razão da ausência de recursos próprios suficientes, recorreu ao sistema de fornecimento público de
medicamentos, mas não obteve êxito, pois não conseguiu retirá-los nas farmácias credenciadas. A fim de solucio-
nar seu problema contratou um advogado que, com base na Lei Federal 111/15, que garante a distribuição dos
medicamentos gratuitamente, atribuindo a responsabilidade a todos os entes federados, propôs ação de obriga-

www.cers.com.br 2
ção de fazer contra o Estado PPP, tendo obtido procedência na sentença. Entretanto, o Estado apresentou apela-
ção questionando, de forma incidental, a constitucionalidade da referida Lei, pugnando pela reforma da sentença.
A 2ª Turma do Tribunal de Justiça do Estado declarou a inconstitucionalidade da mesma, reformando a sentença
para julgar improcedente o pedido do autor. Sabendo-se que a decisão do referido órgão violou o art. 97 da Cons-
tituição Federal, e que não há obscuridade, omissão ou contradição na mesma, na qualidade de advogado de
José Ricardo, aponte a peça cabível para impugnar a decisão judicial citada.

7. Marina, aprovada no concurso público para o cargo de Juíz Federal, apresentou um requerimento administrati-
vo ao presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região tendo em vista a alegação de violação do art. 37, IV
da CRFB/88 (“IV - durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação, aquele aprovado em concurso
público de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados para assumir
cargo ou emprego, na carreira;”), uma vez que a autoridade reputada coatora não a nomeara para o cargo pleite-
ado, embora tivesse sido aprovada dentro do número de vagas anunciadas pelo edital do concurso. Em resposta
administrativa, o presidente do Tribunal alegou que não há direito líquido e certo à nomeação em concurso público
e sim uma mera expectativa de direito. Marina, então, procura um escritório de advocacia para que seja apresen-
tada ação adequada na defesa do seu direito e o advogado impetra um mandado de segurança, de competência
originária do referido Tribunal. O remédio foi denegado sob o argumento da inexistência do referido direito líquido
e certo. Aponte a peça cabível para impugnar a decisão judicial citada.

8. O Partido Político ABC ajuizou ADPF perante o STF com o objetivo de ver não recepcionada determinada nor-
ma infraconstitucional anterior à Constituição Federal de 1988. Ao ser publicado o acórdão, constatou-se que os
ministros do STF, por unanimidade, acolherem a tese sustentada pelo Partido, o que rendeu um voto longo do
relator no sentido de declarar a não recepção pretendida. Entretanto, ao ler toda a decisão atenciosamente, o
advogado responsável pelo departamento jurídico do Partido Político ABC, se deparou com a seguinte frase ao
final: “Julgo improcedente a ADPF...”. Sem entender tamanha distorção presente na decisão, o advogado apre-
sentará nova peça capaz de sanar tal contradição. Aponte qual será a peça apresentada pelo mesmo.

9. Isabella Marcondes tentou contrair um empréstimo junto ao Banco BBB, tendo sido surpreendida com a negati-
va em razão de seu nome constar no Serviço de Proteção ao Crédito (“SPC”) da cidade dos Sonhos, em razão do
não pagamento de débito junto a empresa de telefonia “COM FRONTEIRAS”. Indignada, já que nunca celebrou
qualquer contrato com a mesma, dirigiu-se ao SPC e pleiteou a retificação do seu nome do cadastro de inadim-
plentes sob o argumento de que jamais contratara com a referida empresa.
Tendo em vista que Isabella não obteve êxito em razão da recusa por parte da autoridade administrativa, na qua-
lidade de advogado (a) da mesma, identifique a ação judicial cabível para solucionar o seu caso.

10. Esculápio da Silva, brasileiro, casado, engenheiro, domiciliado na capital do Estado de WYK, é comunicado
por amigos que a Administração do Estado está providenciando um plano de obras custosas e pretendendo que
elas sejam entregues, independentemente de licitação, a empresas com vínculos pessoais com dirigentes do seu
partido político. Os valores correspondentes às obras são incluídos no orçamento, observado o devido processo
legislativo. Quando da realização das obras, aduz a necessidade de urgência diante de evento artístico de grande
repercussão a realizar-se em aproximadamente um ano, o que inviabilizaria a realização de procedimento licitató-
rio e designa três empresas para repartir as verbas orçamentárias, cabendo a cada uma realizar parte da obra
preconizada. As empresas Mastodonte S.A., Mamute S.A. e Dente de Sabre S.A. aceitam, de bom grado, o en-
cargo e assinam os contratos com a Administração. O valor das obras corresponde a um bilhão de reais. Incon-
formado com esse fato, Esculápio da Silva, cidadão que gosta de participar ativamente da defesa da Administra-
ção Pública e está em dia com seus direitos políticos, procura orientação jurídica e, após, resolve ajuizar a compe-
tente ação. Na qualidade de advogado, aponte a peça cabível.

11. Após meses de debates sobre a necessidade de construção de anel rodoviário no Estado Colorido, o Gover-
nador do mesmo, Sr. “Robertíssio” anunciou à população a concretização e aprovação de um projeto para início
de obras, já no próximo mês, em uma determinada localidade, afirmando tratar-se de um empreendimento deno-
minado “Anel Robertíssio”, que trará grandes benefícios aos cidadãos. Anna Carolina, cidadã residente no Estado,
interessada no projeto, teve acesso ao mesmo, vindo a descobrir que a área em que será construído o referido
anel rodoviário possui diversos museus e um grande centro histórico, o que obstaria tal construção, segundo a Lei
1234/12, que protege o patrimônio histórico e cultural do Estado Colorido. Em face dessa situação hipotética, na
qualidade de advogado (a) contratado (a) por Anna Carolina, aponte a petição inicial da ação cabível.

www.cers.com.br 3
12. Eliane Luma trabalhou durante trinta anos como policial no Estado da Batalha, exercendo, no desempenho de
suas tarefas, na maior parte de sua carga horária de trabalho, atividade de alto risco. Em conversa com um advo-
gado, Eliane descobriu que poderia requerer aposentadoria especial, com base no inciso II, § 4º do art. 40 da
Constituição Federal de 1988. Após tentativa administrativa, o seu pedido foi negado pelo Poder Público sob a
alegação da falta de lei complementar regulamentando a aposentadoria especial. Em face dessa situação hipoté-
tica, aponte a petição inicial da ação cabível para a defesa dos interesses de Eliane.

13. Ticiane é paciente tetraplégica e economicamente hipossuficiente, não possuindo recursos para arcar com
tratamentos especializados em hospitais particulares. Após longos anos de espera, conseguiu um atendimento em
hospital federal onde foi surpreendida por um laudo médico que afirma a possibilidade de tratamento bem sucedi-
do. Ocorre que tal tratamento somente seria possível em hospitais da rede do SUS fora do seu domicílio. Ao se
dirigir à assistência social do hospital a fim de solicitar encaminhamento para outro que fosse capaz de iniciar seu
processo de cura, Ticiane foi surpreendida com a negativa verbal injustificada, além de ter sido humilhada até
mesmo pela direção daquele. Diante de tal situação, aponte a medida judicial adequada à tutela dos direitos de
Ticiane, levando em consideração o tratamento hostil recebido pela mesma no hospital federal, bem como seu
desejo de pleitear danos morais em razão do ocorrido.

14. O Governador do Estado CCC sancionou a Lei 1234/2019, que assim dispõe: “Os postes de sustentação à
rede elétrica, que estejam causando transtornos ou impedimentos aos proprietários e aos compromissários com-
pradores de terrenos, serão removidos, sem qualquer ônus para os interessados, desde que não tenham sofrido
remoção anterior”. O partido político KKK pretende questionar a qualidade da referida lei, pois afirma que a mes-
ma violou dispositivos constitucionais, tais como: artigos 21, XII, “b”; 22, IV e 175. Na qualidade de advogado (a)
do partido político, aponte a peça cabível.

15. Ana Laura, que figura como autora no processo 111-222, já em grau de recurso, em razão do acórdão proferi-
do pelo TRF da 11ª Região, que contrariou o disposto na Lei Complementar Federal 789/19, interpôs Recurso
Especial perante o Superior Tribunal de Justiça. Ontem foi publicada uma decisão proferida pelo Presidente do
referido Tribunal recorrido que inadmitiu o seu recurso. Sabendo que a decisão não está fundada na aplicação de
entendimento firmado em julgamento de recursos repetitivos, na qualidade de advogado de Ana Laura, aponte a
peça cabível.

16. Thobias, servidor do Itamaraty lotado no Uruguai, foi submetido a exames psiquiátricos, que fazem parte da
avaliação funcional anual. Em razão dos resultados, foi considerado pelo Ministro das Relações Exteriores não
habilitado ao exercício das atividades funcionais. De volta ao Brasil por conta da referida avaliação, Thobias ten-
tou obter acesso aos dados administrativamente, o que lhe foi denegado, sob a alegação de que as informações
desejadas seriam de uso interno e exclusivo do referido órgão estatal. Tendo em vista a clara violação ao direito
fundamental à intimidade e acesso aos dados, ela contratou advogado que impetrou Habeas Data em face do ato
do Ministro perante o Superior Tribunal de Justiça, que negou provimento à ação, sustentando a mesma posição
alegada pela autoridade administrativa. Na qualidade de advogado de Thobias, aponte a peça jurídica mais ade-
quada ao caso relatado na situação hipotética para defender o direito da sua cliente e pleitear que ela possa
acessar o dado pretendido.

17. Gomercindo, Governador do Estado da Persistência, preocupado com a comercialização e estocagem de pro-
dutos perecíveis, sancionou a Lei 111/18 que proíbe a importação de arroz, trigo, feijão, cebola, cevada e aveia e
seus derivados de outros países, para consumo e comercialização no Estado, que não tenham sido submetidos à
análise de resíduos químicos de agrotóxicos ou de princípios ativos usados, também, na industrialização dos refe-
ridos produtos. O partido político JKL afirma que Gomercindo não poderia se envolver em questões de comércio
exterior, e lhe contrata como advogado (a) para que aponte a peça cabível para atacar a referida lei.

18. Determinado Deputado Federal pagava os salários de sete jogadores e do supervisor do time de futebol do
“Esporte Clube dos Campeões”. Todos eles foram contratados por meio do gabinete do deputado Edmar Pereira,
presidente do clube na década de noventa, que confirmou ter contratado os jogadores pelo gabinete. Em razão de
tais acontecimentos e partindo da premissa de que é inconstitucional e lesivo ao patrimônio público o pagamento
de remuneração, com verba pública, em situação de ofensa aos princípios da finalidade e da moralidade, a
Associação “Corrupção Não”, em funcionamento há dez anos, lhe contrata para que sejam adotadas as medidas
cabíveis. Na qualidade de advogado (a) da referida associação, por meio de seu representante legal, Toby,
identifique a ação judicial cabível.

www.cers.com.br 4
19. Luiz Felipe, portador da doença de Crohn, enfermidade inflamatória crônica que pode afetar todo o sistema
digestivo, encontra-se sob os cuidados do Hospital Federal A, localizado no Estado TUV, e necessita de sulfasa-
lazina e mesalazina, medicamentos necessários ao tratamento da doença, e inseridos na lista do Sistema Único
de Saúde – SUS, mas em falta nos hospitais. Tendo esgotado todas as tentativas na busca pelos referidos remé-
dios e em razão de sua impossibilidade para custear as despesas com os mesmos, Joaquim lhe contrata para
solucionar o caso. Na qualidade de advogado (a) de Luiz Felipe, identifique a medida judicial adequada à tutela de
seus direitos, levando em conta o descaso que o mesmo recebeu do Poder Público.

20. Aline Nogueira foi aprovada no concurso público que realizou para concorrer ao cargo de psicóloga no hospital
municipal GGG. Apesar de aprovada e classificada dentro do número de vagas previstas no edital, foi surpreendia
com a publicação de novo instrumento editalício visando preencher vagas para o mesmo cargo (psicólogos no
hospital municipal GGG), a despeito daquele certame ainda estar no prazo de validade. Tal medida foi por ela
questionada, levando o seu advogado a impetrar um Mandado de Segurança contra ato do Secretário do Municí-
pio GGG, tendo em vista que o mesmo manifestou-se por escrito com a negativa da nomeação de Aline, alegando
que o ente federativo tem discricionariedade para decidir o melhor momento de convocar novos candidatos aos
cargos vagos através de edital publicado em Diário Oficial. O MS foi impetrado face do ato do Secretário, para
julgamento pelo juiz de direito da Vara Cível da Comarca de GGG, o qual denegou, no mérito, a segurança pre-
tendida. Na qualidade de atual advogado de Aline, aponte a peça cabível contra a decisão que denegou a segu-
rança.

21. Máximo de Oliveira, Governador do Estado X e no segundo mandato consecutivo é casado com Maria das
Graças há 10 anos. Na iminência de ocorrer as eleições do Município Y, situado no referido Estado, sua esposa
tenta realizar o registro da candidatura para Prefeita, entretanto a Justiça Eleitoral não permite tendo em vista o
disposto no art. 14, δ7°, da CRFB/88. Sabendo da intenção de Maria das Graças de se candidatar e da possibili-
dade de manutenção do poder familiar depois de findo o seu mandato, Máximo propõe a ela que se divorciem
para afastar o vínculo conjugal, permitindo assim a sua candidatura. Com o novo pedido de candidatura, recém-
divorciada, a Justiça Eleitoral concede o registro requerido por Maria. João da Silva, também candidato ao cargo
de Prefeito do Município Y apresenta uma Ação de Impugnação de Registro de Candidatura, mas não obtém êxi-
to, nem na instância inferior, nem perante o Tribunal Superior Eleitoral. Sabendo da existência da Súmula Vincu-
lante 18 e que a decisão ainda não transitou em julgado, na qualidade de advogado de João aponte a peça judici-
al cabível diretamente ao STF para fins de manutenção dos efeitos vinculantes da referida súmula.

22. ABC Construções Eficientes ME., pessoa jurídica de direito privado com sede no Estado da Lua, resolveu
participar de procedimento licitatório para construção de monumento público em tal estado. Foi vencedora, tendo
ficado em primeiro lugar na lista de empresas classificadas, vindo a apresentar toda a documentação exigida pelo
edital no prazo estabelecido. Entretanto, dias após a finalização dos trabalhos, a comissão de licitação voltou a se
reunir e decidiu pela desclassificação da empresa, dando como vencida a segunda colocada, sustentando que
não se admitiria uma micro empresa como contratada – fato não previsto no instrumento editalício e nem mesmo
encontra amparo na legislação pertinente. Inconformado, Paulo, representante legal da mesma, ajuizou ação de
procedimento comum em face do Estado da Lua, com quem seria celebrado o contrato, de competência de vara
comum, com pedido liminar, na qual requereu (i) a anulação do ato administrativo que desclassificou a empresa; e
(ii) que lhe fosse deferido o direito de celebrar o contrato nos termos do edital. O juízo de 1ª instância indeferiu o
pedido liminar, em decisão publicada ontem, pelos seguintes motivos: 1. Os pedidos de anulação do ato de des-
classificação e de celebração do contrato não seriam possíveis, pois significariam atraso no início das obras; 2. A
Administração Pública possui poder discricionário para decidir quais são as restrições aplicáveis aos futuros con-
tratados, de forma que o autor deverá provar que a decisão foi equivocada. Diante do exposto, e supondo que
você seja o advogado da ABC Construções Eficientes ME., aponte a medida judicial cabível contra a decisão pu-
blicada ontem, com pedido de urgência, visando defender os interesses de seu cliente.

23. A Associação das Empresas de Transporte Urbano ajuizou ação direta de inconstitucionalidade na qual se
questiona a compatibilidade do art. 39, caput, da Lei n°. 10.741, de 1º.10.2003 (“Estatuto do Idoso”), que assim
dispõe: “Art. 39. Aos maiores de 65 (sessenta e cinco) anos fica assegurada a gratuidade dos transportes coleti-
vos públicos urbanos e semi-urbanos, exceto nos serviços seletivos e especiais, quando prestados paralelamente
aos serviços regulares.” em face do art. 230, § 2º, da Constituição da República, “Art. 230. A família, a sociedade
e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defenden-
do sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida. (...) § 2º Aos maiores de sessenta e cinco anos é
garantida a gratuidade dos transportes coletivos urbanos.” . A pretensão da Autora é de ver afastada a aplicação
do art. 39 da Lei nº. 10.741/2003 em relação às empresas que exploram o serviço de transporte urbano sob o

www.cers.com.br 5
regime de concessão ou permissão. Insiste a Autora que esse direito do idoso não seria de primeira, mas de se-
gunda ou até mesmo de terceira dimensão, que a proteção constitucional é norma de eficácia limitada programáti-
ca e que a lei abala o equilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão de serviço público. À luz dos prin-
cípios constitucionais de proteção aos direitos sociais, da eficácia e aplicabilidade da norma constitucional citada
no caso sob análise e do direito adquirido em face de uma nova Constituição, apresente a sua opinião jurídica, na
qualidade de advogado, se a pretensão da Autora merece prosperar.

24. Em razão dos escândalos na política brasileira, que demonstraram o envolvimento de diversos chefes do po-
der executivo e parlamentares em atividades corruptas e criminosas, e diante da preocupação nacional com a
punição dos mesmos, com muito empenho de grupos de parlamentares que atenderam ao clamor social, foi san-
cionada a lei federal 1234/18 (Lei da Punição), que estabelece punições nunca antes pensadas para as condutas
citadas. O Partido Político da oposição, em reação, criou departamento próprio para efetuar pesquisas sobre a
aplicação da referida lei no seu primeiro ano de existência e pôde atestar um percentual significativo de decisões
judiciais que entendiam pela não aplicação da referida lei, sustentando a inconstitucionalidade de algumas penas
lá estabelecidas. Inconformado com as decisões conflitantes encontradas na jurisprudência, que ora aplicam a
referida lei, ora afastam sua incidência, o presidente do Partido Político com representação no Congresso Nacio-
nal, deseja, em nome do partido, ver declarada a harmonia da lei para com o texto constitucional, a fim de que
seja alcançado efeito para todos os indivíduos no território brasileiro. Afirma, ainda, a necessidade de solução
urgente, já que há outras inúmeras ações pendentes de julgamento. Na qualidade de advogado, aponte a peça
cabível.

25. Valéria, candidata a Vereadora do município da Consolação, distribuiu televisores digitais a eleitores que são
moradores de comunidades locais em troca de votos. Logo após vencer o pleito a mesma foi diplomada ao referi-
do cargo. Priscila, também candidata ao cargo, mas vencida, em posse de inúmeros documentos que registraram
a referida compra dos televisores, bem como a entrega à população, resolve ingressar com uma ação para invali-
dar a diplomação de Valéria. Na qualidade de advogado contratado por Priscila, e levando-se em conta que houve
a diplomação de Valéria há dois dias aponte a peça cabível.

26. Rafaela, brasileira, casada, servidora pública estadual que deseja se aposentar pelo regime especial previsto
no art. 40, § 4º, I da CRFB/88, constatou que há uma informação incorreta quanto ao período laborado como bi-
bliotecária na Universidade do Estado U, o que prejudica o seu pleito no que tange à aposentadoria. Para sanar a
incorreção referida, requereu administrativamente ao Secretário estadual da Educação a retificação de seus da-
dos, tendo o mesmo denegado o pedido administrativo sob o argumento de que não há nenhum prejuízo que justi-
fique a necessidade de retificar os dados de Rafaela. Tendo em vista o acima narrado, em razão do último ato
praticado pelo Secretário, na qualidade de advogado (a) de Rafaela, aponte a petição inicial da ação a ser propos-
ta para retificação dos dados pessoais indicados.

27. A imprensa nacional tem divulgado nas últimas semanas, documentos, vídeos e registros fotográficos que
comprovam, junto com relatórios do Tribunal de Contas, que o Sr. Caio Silva, Governador do Estado da Aprova-
ção, envolvido com as empresas Comida na Mesa LTDA. e Entregas Conferidas LTDA. é um dos responsáveis
pelo funcionamento de um grande esquema de compras de produtos sem observância ao procedimento licitatório
exigido pela lei, em que os envolvidos praticam o superfaturamento dos preços de merendas escolares e cestas
básicas compradas pelo Estado da Aprovação para serem distribuídas às escolas públicas estaduais, orfanatos e
abrigos públicos, causando um prejuízo ao erário que soma três bilhões de reais. Indignada com os fatos, Ana,
estudante de sociologia e engajada na defesa do patrimônio público, decide procurar um escritório de advocacia
com o objetivo de invalidar os contratos administrativos de fornecimento de produtos assinados com as duas em-
presas. Na qualidade de advogado de Ana, cidadã, aponte a peça cabível.

28. Saulo foi diagnosticado com doença renal há alguns anos. Hoje, com sessenta anos de idade e sem condi-
ções financeiras de arcar com os custos do tratamento adequado, se trata na clínica da família e, quando neces-
sário, vai ao Hospital Federal G. Na semana passada, Saulo foi internado após ter se sentido mal e está, até a
presente data, aguardando um leito adequado para iniciar a hemodiálise (único procedimento eficaz para o seu
caso, segundo laudos médicos). Diante da falta de leito, permanece no corredor do hospital federal referido, deita-
do em um banco de madeira, com roupa de cama levada por sua família. Ao solicitar à assistência social do hospi-
tal um leito apropriado para iniciar seu tratamento, que foi prescrito pelos médicos em caráter de urgência, Saulo
foi surpreendido com a negativa verbal injustificada do Diretor do Hospital, além de ter sido humilhado por ele.
Diante de tal situação, aponte a medida judicial adequada à tutela dos direitos de Saulo, levando em consideração

www.cers.com.br 6
o tratamento hostil e humilhante recebido por ele no hospital, bem como seu desejo de pleitear danos morais em
razão do ocorrido.

29. Em decisão de mérito em sede de ADI, publicada em maio de 2018, o Plenário do STF assentou o entendi-
mento de que a Lei 888/17, do Estado do Amor, que impôs a prestação de serviço de segurança em estaciona-
mento a toda pessoa física ou jurídica que disponibilize local para estacionamento no âmbito do Estado é inconsti-
tucional, por tal matéria ser de direito civil, de competência privativa da União, conforme art. 22, I da CRFB/88 e,
ainda, por violar a livre iniciativa, fundamento do Estado brasileiro, de acordo com o art. 1º, IV, da CRFB/88. O
Tribunal de Justiça do Estado do Amor, ontem, em sede de recurso, proferiu decisão aplicando expressamente a
Lei 888/17, já declarada inconstitucional pelo STF, conforme narrado acima, condenando a loja Enfeites LTDA., ao
pagamento de indenização por danos morais e materiais a determinada cliente, fundamentando a decisão exclusi-
vamente na citada lei. Diante da clara violação à decisão do STF na ADI mencionada, aponte o instrumento pro-
cessual constitucional adequado para levar o caso da sua cliente, loja Enfeites LTDA., representada por Aline,
sócia-diretora, diretamente perante a Corte Constitucional.

30. O Governador do Estado da Positividade, Sr. Gustavo, sancionou a Lei Estadual 456/2017, que tornou obriga-
tória a prestação de serviços de empacotamento nos supermercados localizados no estado, exigindo, ainda, que o
serviço seja prestado por funcionário do próprio estabelecimento. O Presidente do partido político “JJJ”, com re-
presentação no Congresso Nacional, indignado, destacou que na atual ordem constitucional, o princípio da livre
iniciativa deve ser considerado em primeiro plano. E, também, que os entes devem respeitar as regras de reparti-
ção de competências. Dessa forma, o Partido sustenta que a Lei Estadual 456/2017 violou dispositivos constituci-
onais basilares e, então, já anunciou na imprensa nacional que questionará a qualidade da referida legislação. Na
qualidade de advogado (a) do partido político, aponte a peça cabível.

31. O Partido Político da Alegria, tendo conhecimento de um discurso inflamado do Governador do Estado Felici-
dade, que defende o direito de tal ente federativo de se retirar da Federação, fundamentando tal tese no art. 6º da
Lei Federal 123/1986, que trata do direito de secessão, trazendo, inclusive, os requisitos a serem observados para
que seja exercido o referido direito, decide adotar providência judicial visando um controle objetivo da citada nor-
ma legal. Tendo em vista que o Partido Político da Alegria possui representação no Congresso Nacional, e infor-
ma que o seu departamento jurídico já constatou que a norma federal está em dissonância com a Constituição
Federal de 1988, e que pretende uma análise urgente do tema, na qualidade de advogado (a) do mesmo, aponte
a medida judicial de controle objetivo cabível.

32. Antônio Sávio deseja matricular sua filha, de apenas quatro anos, em escola pública federal próxima da sua
residência, pois não possui condições de arcar com os seus estudos através do ensino particular em razão de
estar desempregado. Não obstante, fora impedido pelo Ministro da Educação, através de resposta administrativa,
sob o argumento de que não há vagas disponíveis, sustentando o princípio da reserva do possível e afirmando
que nem todas as crianças conseguiriam ingressar no sistema do ensino público por falta de recursos públicos.
Indignado, Antônio Sávio procurou um escritório de advocacia para que fosse apresentada ação adequada na
defesa do direito à educação, tendo o advogado impetrado um Mandado de Segurança, de competência originária
do Superior Tribunal de Justiça. O remédio fora denegado, no mérito, sob o argumento da inexistência do referido
direito líquido e certo mencionado pelo Impetrante, Antônio. Na qualidade de advogado (a), aponte a peça cabível,
contra a decisão que denegou a segurança.

33. O Tribunal de Justiça do Estado do Êxito julgou improcedente Representação de Inconstitucionalidade Esta-
dual – RI Estadual – proposta pelo Prefeito do município da Saúde, tendo o acórdão declarado constitucional nor-
ma da lei orgânica municipal que dispôs que “Somente se admitida a acusação contra o Prefeito, por dois terços
da Câmara dos Vereadores, será ele submetido a julgamento perante o Tribunal de Justiça nas infrações penais
comuns.” No prazo recursal foram ofertados embargos declaratórios, improvidos. Contratado como advogado pelo
Prefeito do Município da Saúde, após a decisão proferida nos embargos declaratórios, indique a peça cabível.

34. Aline Souza, portadora de Esclerose Lateral Amiotrófica – ELA, em posse de exames, laudos e receituários
médicos que comprovam a doença, impetrou mandado de segurança em face do Secretário do Município da Con-
quista, objetivando a entrega dos medicamentos dos quais necessita. Os remédios estão inseridos na lista do
Sistema Único de Saúde, mas não se encontram disponíveis nos postos de saúde locais. Aline teve a segurança
denegada pelo juiz de primeiro grau que sustentou, basicamente, que em razão do princípio da reserva do possí-
vel, não haveria medicamentos disponíveis em razão da falta de recursos do Município.

www.cers.com.br 7
Na qualidade de advogado (a) de Aline, aponte o recurso cabível da decisão de mérito que negou provimento ao
mandado de segurança, abordando toda a matéria de direito processual e substancial pertinente ao caso apresen-
tado.

35. Em novembro de 2017, o Ministério Público abriu inquérito civil para checar atos de improbidade administrativa
realizados pelo Prefeito de Onda Mar, município situado no interior do Estado X. Esses atos de improbidade con-
sistiriam na obtenção de vantagens patrimoniais indevidas em razão do exercício do cargo e envolveriam atua-
ções do próprio Prefeito e do chefe do gabinete civil. Ficou comprovado, no curso das investigações, que o chefe
do gabinete civil recebeu vantagem econômica, em dinheiro, de vários empreiteiros que contratavam com o poder
público. Ficou comprovado, também, o aumento patrimonial do chefe do gabinete civil, desproporcional aos seus
ganhos, mas não o do Prefeito. Com isso, já agora em janeiro de 2018, o Ministério Público ajuíza ação civil públi-
ca em face do Prefeito, do Município e de seu chefe de gabinete, fazendo menção a todos os atos de improbidade
realizados por esse último, perante o Tribunal de Justiça do Estado X. Transtornado com a ação proposta, o Pre-
feito – cujo nome é José da Silva – procura você para apresentar a sua defesa. Aponte a peça cabível.

36. Em decisão publicada no dia 2 de agosto de 2018, o STF declarou a inconstitucionalidade, com efeitos ex
tunc, do parágrafo único do art. 77 da Constituição estadual do Piauí, que impõe a edição de lei complementar
para disciplinar o Estatuto dos Servidores Públicos Civis e dos Servidores Militares, a Lei Orgânica da Administra-
ção Pública, o Estatuto da Polícia Civil e o Estatuto Administrativo do Fisco Estadual. Asseverou-se que os dispo-
sitivos impugnados ofenderiam o princípio da simetria, pois exigiriam lei complementar para regulação de matérias
para as quais a Constituição Federal prevê o processo legislativo ordinário.
O Tribunal de Justiça do Piauí, em sede de Apelação cível, ontem, com fundamento na aplicação do Estatuto da
Polícia Civil do Estado, negou provimento ao recurso impetrado por Caio da Silva, brasileiro, casado e policial.
Diante da clara violação à decisão do STF na ADI mencionada, aponte o instrumento processual constitucional
adequado para levar o caso de Caio diretamente perante a Corte Constitucional.

37. Francisca Rocha foi aprovada em concurso público estadual para ocupar o cargo de enfermeira em hospital
público do Município de Campos Belos, tendo sido a primeira colocada na lista de classificação. O edital do con-
curso previa como disponíveis duas vagas para o referido cargo, mas, mesmo após a homologação do mesmo, o
Município omitiu-se na prática dos atos de nomeação dos aprovados no limite das vagas ofertadas, desrespeitan-
do o investimento dos examinandos, em termos financeiros, de tempo e emocionais, bem com as suas legítimas
expectativas quanto à assunção do cargo público. Diante da situação, pretendendo sua nomeação, Francisca
contratou um advogado que optou por ingressar com ação de procedimento comum com obrigação de fazer em
face do Prefeito do Município de Campos Belos, onde pleiteou a tutela antecipada, tendo juntado à petição inicial
documentos suficientes para comprovar o alegado: o direito subjetivo ao provimento no cargo. Em decisão, o Juiz
competente denegou a tutela pretendida, por entender que a Autora não havia comprovado cabalmente o seu
direito, tendo em vista que não foi feita prova suficiente que justificasse a pretensão de urgência. Na qualidade de
advogado (a) contratado (a) para assumir o caso acima apresentado, aponte a peça cabível contra a decisão do
Juiz de Direito que rejeitou a concessão da medida de urgência.

38. Joaquim Alves, portador da doença de Crohn, enfermidade inflamatória crônica que pode afetar todo o sistema
digestivo, ingressou com uma ação de procedimento comum com obrigação de fazer em face do Secretário de
Saúde do Município Y para entrega dos sulfasalazina e mesalazina, medicamentos necessários ao tratamento da
doença, e inseridos na lista do Sistema Único de Saúde – SUS, mas em falta nos postos de saúde do referido
Município. A tutela antecipada pretendida foi denegada pelo Juiz de Direito competente, sob a alegação de que
não foi feita prova suficiente do estado de saúde de Joaquim para justificar a pretensão de urgência. Ressalte-se
que ele apresentou na petição inicial laudos médicos e documentos suficientes para comprovar o alegado. Aponte
o recurso cabível da decisão que rejeitou a concessão da medida de urgência.

39. O Tribunal de Justiça do Estado XYZ julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo
Conselho Seccional da OAB, tendo o acórdão declarado constitucional norma estadual que dispõe que o Tribunal
de Contas do Estado pode determinar diretamente a sustação de contratos administrativos irregulares e determi-
nar a quebra de sigilo de dados bancários dos investigados. A decisão da Corte estadual não contém obscurida-
de, omissão ou contradição. Aponte a peça cabível para impugnar a decisão judicial citada.

40. Rosa da Silva, solteira, estudante de Odontologia, é portadora de rara patologia nos rins, necessitando de
medicamento importado, conforme comprovado por laudos médicos. Rosa solicitou à Secretaria do Município da
Esperança o referido medicamento, mas a mesma manifestou-se negativamente por escrito, já que o remédio não

www.cers.com.br 8
faz parte do Programa de Medicamentos Excepcionais do SUS. Rosa, através de um advogado, impetrou um
mandado de segurança em face do ato do Secretário para julgamento do juiz de direito da Comarca de Esperan-
ça, o qual denegou, no mérito, a segurança pretendida. Identifique a peça cabível contra a decisão que denegou a
segurança.

41. Após mais de 40 (quarenta) dias de intensa movimentação popular, em protestos que chegaram a reunir mais
de um milhão de pessoas nas ruas de diversas cidades do Estado, e que culminaram em atos de violência, vanda-
lismo e depredação de patrimônio público e particular, o Governador do Estado X edita o Decreto nº 1967. A pre-
texto de disciplinar a participação da população em protestos de caráter público, e de garantir a finalidade pacífica
dos movimentos, o Decreto dispõe que, além da prévia comunicação às autoridades, o aviso deve conter a identi-
ficação completa de todos os participantes do evento, sob pena de desfazimento da manifestação. Além disso,
prevê a revista pessoal de todos, como forma de preservar a segurança dos participantes e do restante da popu-
lação. Na qualidade de advogado do Partido Político “Frente Brasileira Unida”, de oposição ao Governador, você
ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, perante o Tribunal de Justiça do Estado X, alegando a violação
a normas da Constituição do Estado referentes a direitos e garantias individuais e coletivos (que reproduzem dis-
posições constantes da Constituição da República). O Plenário do Tribunal de Justiça local, entretanto, por maio-
ria, julgou improcedente o pedido formulado, de declaração de inconstitucionalidade dos dispositivos do Decreto
estadual, por entender compatíveis as previsões constantes daquele ato com a Constituição do Estado, na inter-
pretação que restou prevalecente na Corte. Alguns dos Desembargadores registraram em seus votos, ainda, a
impossibilidade de propositura de ação direta tendo por objeto um decreto estadual. Entendendo que a decisão da
Corte estadual, apesar de não conter obscuridade, omissão ou contradição, foi equivocada, e que não apenas as
disposições do Decreto são inconstitucionais como também a própria interpretação dada pelo Tribunal de Justiça
é incompatível com o ordenamento jurídico nacional, os dirigentes do Partido pedem que você aponte a medida
judicial cabível a impugnar aquela decisão.

42. O Presidente da República editou o Decreto nº 111/18, estabelecendo a obrigatoriedade, como exigência à
obtenção do diploma de graduação em engenharia, de um elevado aproveitamento nas disciplinas do curso, e,
para inscrição nos Conselhos Regionais, a conclusão de uma pós-graduação com carga horária mínima de 480
horas de aula. A medida tem por objetivo conferir maior controle sobre a formação do profissional, num momento
de expansão das obras de infraestrutura no país. A Confederação Sindical dos Engenheiros, entidade que reúne
18 (dezoito) Federações de sindicatos em diferentes Estados, cada uma com ao menos 10 (dez) sindicatos, pro-
cura os seus serviços para impugnar o Decreto expedido pelo Presidente da República, salientando que o mesmo
viola diretamente a Constituição, sendo certa a urgência na obtenção de um provimento judicial favorável, tendo
em vista a aproximação do final de ano, época em que, tradicionalmente, são formados milhares de bacharéis em
todo o território nacional. Considerando a hipótese acima, indique a peça adequada.

43. O “Partido Político Brasileiro” ajuizou ADI perante o STF com o objetivo de ver declarada a inconstitucionalida-
de da expressão “invalidez”, constante no art. 18, I, a, e em alguns outros dispositivos enumerados, todos previs-
tos na lei 8.213/91, que dispõe sobre os planos de benefícios da previdência social. Em síntese, Joana, represen-
tante do “Partido Político Brasileiro”, afirma que a palavra empregada pela lei para se referir aos doentes que ne-
cessitam de aposentadoria é inadequada e pejorativa, vez que ao se referir a um indivíduo como “inválido” fere a
sua dignidade, que tem proteção constitucional, sendo fundamento da República previsto no art. 1°, III da
CRFB/88. Ao ser publicado o acórdão, Joana recebe a notícia de que os ministros do STF, por unanimidade, aco-
lherem a tese sustentada pelo Partido, o que rendeu um voto longo do relator no sentido de declarar a inconstitu-
cionalidade pretendida. Entretanto, ao ler toda a decisão atenciosamente, Joana se depara com a seguinte frase
ao final: “Julgo improcedente a ADI...”. Sem entender tamanha distorção presente na decisão, Joana procura um
advogado que lhe informa que sua ação fora julgada improcedente não havendo possibilidade de recurso, por
tratar-se de decisão irrecorrível. Ela então lhe procura para que, em nome do “Partido Político Brasileiro”, seja
indicada a peça correta capaz de sanar a incongruência da decisão.

44. Hélio, representante do “Partido Político FGH”, derrotado nas eleições, recebeu em seu gabinete envelope
com provas de irregularidades que ocorreram no período eleitoral para prefeitura do “município da terrinha”. Após
examinar os documentos e fazer contato com algumas das pessoas citadas nos mesmos, Hélio confirmou a exis-
tência de fraude e que, dentre outras irregularidades praticadas, Marcos, prefeito reeleito e já diplomado, filiado ao
“Partido Político 123”, utilizou-se do trabalho de vários servidores públicos municipais e de cabos eleitorais para
fazer visita às residências de famílias carentes, promovendo cadastro das mesmas e prometendo-lhes doar valo-
res em reais mensais caso fosse reeleito. Indignado com a conduta de Marcos, tendo em vista que houve influên-
cia na vontade dos eleitores do “município da terrinha”, com a captação ilícita do sufrágio, além de fraude em ur-

www.cers.com.br 9
nas eletrônicas, afetando a normalidade e legitimidade das eleições, o “Partido Político FGH” pretende tomar as
devidas providências. Na qualidade de advogado contratado pelo Partido, representado por Hélio, e levando-se
em conta que houve a diplomação de Marcos há dois dias aponte a peça cabível.

45. Servidores públicos do departamento de transporte do estado X, tendo em vista as condições precárias de
trabalho e, principalmente, diante da falta de pagamento dos últimos salários pretendem promover a paralisação
do serviço. Para tanto, se dirigem ao departamento jurídico a fim de conhecerem todos os requisitos que deverão
ser cumpridos no decorrer da greve, mas são surpreendidos ao receberem a informação de que não há lei regu-
lamentadora tratando da matéria. A notícia se espalhou entre os servidores do mesmo departamento dos outros
estados do país e a “Confederação Nacional do Transporte” se comprometeu a tomar providências. Na qualidade
de advogado da “Confederação Nacional do Transporte” aponte a peça cabível, do controle objetivo de constituci-
onalidade, para assegurar, diante da omissão total, que seja regulamentado o direito de greve, previsto no art. 37,
VII da CRFB/88.

46. Kátia Helena, funcionária da Autarquia Federal ABC, foi demitida em dezembro de 2014 depois de ter sido
submetida a diversos exames psiquiátricos pela Presidência da mesma. Lúcia, sua amiga de longos anos, inte-
grante da Diretoria da mesma, disse à Kátia que soube dos resultados de seus exames, afirmando que um deles
havia apontado o seu perfil como sendo “prejudicial à empresa”, o que motivou a decisão de demissão. Inconfor-
mada com a notícia, Kátia Helena buscou acesso a sua pasta funcional, a fim de verificar os resultados dos exa-
mes para atestar a veracidade da informação, já que nunca apresentou doenças psiquiátricas e deseja buscar a
reintegração ao quadro da empresa. Entretanto, lhe foi negado o acesso às informações pessoais em todas as
instâncias administrativas. A última decisão foi do próprio Presidente da referida autarquia. Na qualidade de advo-
gado (a) contratado (a) por Kátia Helena, aponte a peça cabível.

47. Maria Inês foi aprovada no concurso público que prestou no Estado ABC e, por ter se classificado dentro do
número de vagas, em quinto lugar, começou a se preparar para assumir o cargo que tanto almejou, pois precisava
se demitir de seus empregos em razão da incompatibilidade de horários e também mudar-se para um local mais
próximo do hospital que trabalharia. Ocorre que foi surpreendida com uma publicação no Diário Oficial que nome-
ava unicamente a sexta colocada no concurso. Seu irmão, estudante de direito, lhe aconselhou a juntar todos os
documentos que comprovariam o seu direito e contratar um advogado para solucionar o caso, pois seria necessá-
rio recorrer ao Poder Judiciário. Na qualidade de advogado (a) contratado por Maria Inês, aponte a peça cabível.

48. O Estado TUV divulgou uma ‘parceria’ com a empresa privada “Acesso Já”, informando que a empresa passa-
ria a promover cursos de informática para a população carente interessada, sem nenhum custo mensal. Joaquim,
um dos assessores do Governador do Estado, desconfiado, passou a observar o funcionamento da empresa, e
conseguiu ter acesso ao documento que fora formalmente assinado com a mesma. Percebeu que não se tratava
de uma parceria, mas sim de um contrato celebrado entre eles sem que tivesse havido prévia licitação. Vale res-
saltar que a empresa “Acesso Já” tinha como proprietário o filho do Governador, e que o contrato estipulava pa-
gamentos mensais abusivos, sendo cada mensalidade de aluno equivalente ao dobro do valor cobrado por inúme-
ras escolas de informática das proximidades. Ademais, o contrato permitia o uso de prédios públicos para instala-
ção das salas de aula, sem qualquer contraprestação. Joaquim lhe procura afirmando que, na qualidade de cida-
dão, se sente no dever de tomar as devidas providências. Em face dessa situação hipotética, na qualidade de
advogado (a) contratado (a) por Joaquim, aponte a petição inicial da ação cabível.

49. José Afonso, que figura como autor em uma ação de cobrança, já em grau de recurso, em razão do acórdão
proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado HH, que entendeu ser constitucional e aplicou a Lei Estadual 123/19,
que foi contestada em face de dispositivo da Constituição Federal de 1988, interpôs Recurso Extraordinário peran-
te o Supremo Tribunal Federal. Anteontem foi publicada uma decisão proferida pelo Presidente do referido Tribu-
nal recorrido que inadmitiu o seu recurso. Sabendo que a decisão está equivocada, na qualidade de advogado de
José Afonso, aponte a peça cabível.

50. Após longos anos de debates sobre a necessidade de construção de um novo aterro sanitário no Estado En-
cantado, o Governador do mesmo, Sr. Ubiraci, anunciou à população a concretização e aprovação de um projeto
para início de obras, já no próximo mês, em uma determinada localidade, afirmando tratar-se de um empreendi-
mento denominado “Centro de Tratamento de Resíduos Ubiraci”, que trará grandes benefícios aos cidadãos. Seus
aliados políticos já divulgaram amplamente tal projeto, enfatizando a tecnologia que será utilizada para construção
do aterro, e já espalharam placas por todo o Estado com fotos do Governador, divulgando o “Centro de Tratamen-
to de Resíduos Ubiraci”. Josefina Augusta, cidadã residente no Estado, interessada no projeto, teve acesso ao

www.cers.com.br 10
mesmo, e veio a descobrir que a área em que será construído o aterro possui diversos museus e um grande cen-
tro histórico, o que obstaria tal construção, segundo a Lei 7654/12, que protege o patrimônio histórico e cultural do
Estado Encantado. Em face dessa situação hipotética, na qualidade de advogado (a) contratado (a) por Josefina
Augusta, aponte a petição inicial da ação cabível.

51. Alice Ferraz, brasileira, em união estável, é servidora pública da autarquia federal BBB e precisa complemen-
tar um dado pessoal, relacionado à sua saúde, em sua ficha funcional, que foi gerado por uma avaliação psiquiá-
trica realizada pela própria autarquia, pois seu médico, neurologista, a orientou no sentido de esclarecer a consta-
tação de uma doença congênita, juntando exames e laudos médicos esclarecedores, baseados em diversos arti-
gos científicos, que apontam, de forma unânime, que tal enfermidade não tem a capacidade de comprometer sua
saúde e sanidade mental, tendo em vista que a não complementação dessas informações pode vir a prejudicar a
sua permanência no serviço. Apesar de ter requerido administrativamente ao Presidente da autarquia federal
BBB a complementação do dado, recebeu a denegação, sem qualquer fundamentação plausível, sob a justificati-
va de que não aceitaria qualquer anotação, independentemente de haver qualquer prejuízo que justificasse.
Tendo em vista o acima narrado, em razão do último ato praticado pelo Presidente da referida autarquia, na quali-
dade de advogado (a) de Alice Ferraz, aponte a petição inicial da ação a ser proposta para complementação do
dado pessoal.

52. A empresa Vieira Fernandes teve suas atividades suspensas pela Administração Fazendária federal, especifi-
camente por ato do Coordenador Geral de Fiscalização Tributária, pela circunstância de ter deixado, continuada-
mente, de recolher tributos federais. A atuação do Fisco se fundamentava no Decreto-Lei 1234, editado em de-
zembro de 1987. De acordo com o Decreto, para executar o débito tributário, a Administração não estaria adstrita
ao ajuizamento de ação de execução fiscal, mas poderia adotar medidas de maior restrição à livre iniciativa. Vieira
Fernandes deseja retomar as suas atividades empresariais com a maior brevidade possível, embora não disponha
de recursos suficientes para promover o imediato pagamento dos valores devidos. Sabendo-se que a suspensão
das atividades não está em consonância com os preceitos constitucionais da CRFB/88, e que o ato do Coordena-
dor Geral de Fiscalização Tributária viola direito líquido e certo de continuidade das atividades da empresa, de-
vendo o débito deve ser cobrado normalmente via execução, indique a peça processual adequada, na qualidade
de advogado contratado para defender os interesses da empresa Vieira Fernandes.

53. A renomada rede hoteleira Vale Paraíso noticiou a construção, em Restinga das Flores, de resort cujo prédio
principal teria 15 andares. No anúncio, a empresa ressaltava, sobretudo, a importância do empreendimento para
se promover a emancipação econômica da região, tradicionalmente desamparada pelo poder público. Eduardo,
presidente da Associação de Amigos da Restinga das Flores, passou a investigar em que título se apoiava a pre-
tensão da Vale Paraíso. Descobriu que o empreendimento tinha sido autorizado por ato administrativo, desprovido
de qualquer fundamentação, de autoria do presidente do Instituto Estadual de Proteção do Patrimônio Ambiental.
Inconformado, Eduardo, na qualidade de cidadão, deseja impugnar judicialmente a construção do hotel, por se
tratar de construção em área situada em reserva ambiental. Na qualidade de advogado de Eduardo, escolha, den-
tre os instrumentos discriminados no art. 5.º da Constituição Federal de 1988, o mais adequado à situação hipoté-
tica apresentada e indique a petição inicial da ação a ser proposta, com seu patrocínio.

54. O Secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro edita Resolução que fixa o horário de funcio-
namento de bares e restaurantes situados na cidade do Rio de Janeiro. A Resolução dispõe que tais estabeleci-
mentos não poderão funcionar depois das 22h. Os comerciantes locais, surpreendidos, solicitam à consultoria
jurídica da Associação Comercial que investigue o fundamento de validade do ato. Constatam, então, que o ato
pretende retirar fundamento de validade diretamente da Constituição, que valora positivamente o bem jurídico
"segurança pública", e que sequer existe lei determinando tal providência. A empresa "Restaurante FF" resolve
impetrar mandado de segurança contra a ordem escrita do Secretário de encerramento das atividades comerciais
às 22 h, perante o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, para poder garantir o seu funcionamento de-
pois do horário estabelecido. Contudo, não obtém sucesso, tendo em vista a denegação da ordem pelo juiz de 1º
grau. Indique a peça cabível.

55. O Presidente da República apresenta ao Congresso Nacional proposição legislativa que trata de criação,
transformação em estado ou reintegração ao estado de origem de territórios federais. O trâmite da proposição tem
início na Câmara dos Deputados. Após análise nas comissões específicas, que não veem vício de qualquer natu-
reza na proposição legislativa, esta segue para votação em plenário. Durante uma sessão tumultuada, com a au-
sência de 213 deputados federais e sob protesto da bancada oposicionista presente, a proposição é votada com o
seguinte resultado: 197 votos favoráveis, 95 votos contrários e 8 abstenções. A proposição é, então, dada por

www.cers.com.br 11
aprovada em 31/09/2018, e encaminhada para análise e deliberação do Senado Federal. Ainda quando em trâmi-
te no Senado Federal, Fábio, parlamentar federal, procura os serviços de um advogado, tendo em vista a consta-
tação de diversos vícios no curso do processo legislativo citado e, ainda, informa que a proposição legislativa será
votada no Senado Federal em um prazo de sete dias.
Fábio é o seu cliente e deseja saber qual a peça cabível para o caso narrado.

56. O governo brasileiro, preocupado com os índices crescentes de ataques terroristas no mundo, vinculou-se à
Convenção sobre os Direitos Humanos das Vítimas de Atividades Terroristas, convenção internacional, de âmbito
multilateral, que estabelece restrições aos direitos dos presos condenados por crimes resultantes de atividades
terroristas. O presidente da República assinou o tratado e o enviou ao Congresso Nacional, conforme disposição
do art. 49, I, da Constituição Federal e, não, de acordo com o § 3.º do art. 5.º dessa Carta, e, em poucos meses, o
Congresso Nacional aprovou o texto do tratado na forma de decreto legislativo. Após isso, o presidente da Repú-
blica editou decreto promulgando e ratificando o tratado. Já estando internamente em vigor o referido decreto,
percebeu-se que vários juízes, em todo o território nacional, aplicavam plenamente o art. 22 do tratado, no qual se
lê: “as presas condenadas por crimes resultantes de atividades de terrorismo, logo após darem à luz, deverão
deixar seus filhos sob a responsabilidade de entidade pública de assistência social até que cumpram integralmen-
te a pena”. Visando a impossibilitar, de algum modo, a aplicação do referido artigo, sob o argumento de sua in-
constitucionalidade, o presidente do Partido Político ABCD com representação no Congresso Nacional procurou,
em nome do partido, os serviços advocatícios de um(a) profissional, pretendendo uma solução urgente e uniforme
para o caso, de modo que, com apenas uma ação, seja alcançado efeito para todos os indivíduos no território
brasileiro. Indique a peça cabível.

57. Aline laborou, durante vinte e seis anos, como enfermeira do quadro do hospital universitário ligado a determi-
nada universidade federal, mantendo, no desempenho de suas tarefas, em grande parte de sua carga horária de
trabalho, contato com agentes nocivos causadores de moléstias humanas bem como com materiais e objetos
contaminados. Em conversa com um colega, Aline obteve a informação de que, em razão das atividades que ela
desempenhava, poderia requerer aposentadoria especial, com base no § 4.º do art. 40 da Constituição Federal de
1988. A enfermeira, então, requereu administrativamente sua aposentadoria especial, invocando como fundamen-
to de seu direito o referido dispositivo constitucional. No dia 30 de setembro de 2018, Aline recebeu notificação de
que seu pedido havia sido indeferido, tendo a administração pública justificado o indeferimento com base na au-
sência de lei que regulamente a contagem diferenciada do tempo de serviço dos servidores públicos para fins de
aposentadoria especial, ou seja, sem uma lei que estabeleça os critérios para a contagem do tempo de serviço em
atividades que possam ser prejudiciais à saúde dos servidores públicos, a aposentadoria especial não poderia ser
concedida. Nessa linha de entendimento, Aline deveria continuar em atividade até que completasse o tempo ne-
cessário para a aposentadoria por tempo de serviço. Inconformada, Aline procurou escritório de advocacia, objeti-
vando ingressar com ação para obter sua aposentadoria especial. Indique a peça cabível.

58. Na assembleia legislativa de determinado estado da Federação, um terço dos seus parlamentares subscreveu
documento, requerendo abertura de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar, por prazo certo,
determinado fato. Os líderes dos partidos da base do governo, visando impedir a instauração da comissão, firma-
ram acordo no sentido de que nenhum partido indicasse o respectivo representante para integrar a referida CPI.
Instalado o impasse, a mesa diretora da Casa, por seu presidente, entendeu que a criação da CPI deveria ser
submetida à deliberação do plenário, arguindo falta de previsão regimental para regular a espécie. Levada a maté-
ria ao plenário, a maioria da Casa opôs-se à criação da CPI. Após a decisão proferida pelo presidente, o deputado
estadual Marco, um dos parlamentares que solicitaram a criação da CPI, não se conformou com a situação. Em
face dessa situação hipotética, na qualidade de advogado(a) constituído(a) pelo parlamentar inconformado, apon-
te a medida judicial cabível.

59. O Partido Político X ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal,
visando a declaração de inconstitucionalidade da Lei Federal 123/19. Ocorre que ontem foi publicada uma decisão
do relator da referida ação que indeferiu, liminarmente, a petição inicial, alegando a sua inépcia. O departamento
jurídico do Partido Político analisou a petição e constatou que ela não é inepta. Na qualidade de advogado contra-
tado pelo Partido Político X, aponte a peça cabível para impugnar a decisão proferida pelo relator.

60. Aline Ramos, depois de muito se dedicar aos estudos, foi aprovada na fase preliminar do concurso público que
realizou para concorrer ao cargo de arquivista na Secretaria Federal da Educação MMM. Apesar da aprovação em
tal etapa, foi eliminada do certame por não ter apresentado o seu diploma para exercer o cargo no ato de inscrição
no concurso, embora tenha afirmado que poderá apresentá-lo em data posterior, até mesmo antes da posse. A

www.cers.com.br 12
eliminação precoce, antes da realização da segunda etapa do concurso, foi por ela questionada, levando o seu
advogado a impetrar um Mandado de Segurança contra ato do Ministro da Educação, de competência originária
do Superior Tribunal de Justiça, tendo em vista que o mesmo manifestou-se por escrito apontando a eliminação
de Aline. O remédio fora denegado, no mérito, sob o argumento da inexistência do referido direito líquido e certo
de Aline de realizar a segunda etapa do concurso, vindo a apresentar o seu diploma na data da posse, caso apro-
vada. Na qualidade de advogado contratado por Aline, indique a peça cabível contra a decisão que denegou a
segurança.

61. O secretário de administração do estado-membro ABC, com a finalidade de incentivar o aprimoramento profis-
sional de certa categoria de servidores públicos, criou, por meio de lei específica, tabela de referências salariais
com incremento de 10% entre uma e outra, estando a mudança de referência baseada em critérios de antiguidade
e merecimento. O pagamento do mencionado percentual seria feito em seis parcelas mensais e sucessivas. Os
servidores que adquiriram todas as condições para o posicionamento na referência salarial subsequente já haviam
recebido o pagamento de três parcelas quando sobreveio a edição de medida provisória revogando a sistemática
estabelecida na lei. Assim, no mês seguinte à edição dessa medida, o valor correspondente à quarta parcela foi
excluído da folha de pagamento. Em decorrência dessa exclusão, os servidores requereram à Secretaria Estadual
de Planejamento e Gestão a respectiva inserção na folha de pagamento, sob pena de submeter a questão ao
Poder Judiciário. Em resposta, o secretário indeferiu o pedido, fundado nos seguintes argumentos: a) em razão da
revogação da lei, promovida pela medida provisória, os servidores não mais teriam direito ao recebimento do per-
centual; b) seria possível a alteração do regime remuneratório, em face da ausência de direito adquirido a regime
jurídico, conforme já reconhecido pelo Supremo Tribuna Federal; c) os servidores teriam, na hipótese, mera ex-
pectativa de direito, e não, direito adquirido; d) não cabe ao Poder Judiciário atuar em área própria do Poder Exe-
cutivo e conceder o reajuste pleiteado, sob pena de ofensa ao princípio constitucional da separação dos poderes.
Em face da situação hipotética apresentada, na qualidade de advogado(a) contratado(a) pelo sindicato dos servi-
dores, aponte a medida judicial cabível para impugnação do ato da autoridade que determinou a exclusão do pa-
gamento dos servidores dos percentuais previstos em lei.

62. Almir, sócio-diretor da empresa ABCD Ltda., foi surpreendido com uma notificação do Município X para pagar
multa de R$ 10.000,00 (dez mil reais) e encerrar as atividades empresariais na cidade em um período de até 90
(noventa) dias. Atônito, Almir, ao ler a notificação, descobre que foi aberto um processo administrativo para apurar
denúncia de violação ao Decreto Municipal nº 5.678, de 2014, sem lastro em prévia lei municipal, que veda a ins-
talação de lojas de produtos eletrônicos em bairros de perfil residencial, determina a aplicação de multa e estabe-
lece um prazo de até 90 (noventa) dias para o encerramento das atividades empresariais no Município. Após a
abertura do processo e instrução com registro fotográfico, foi proferida decisão, pelo Secretário de Posturas do
Município, sem prévia oitiva da empresa, determinando a aplicação da multa, no valor indicado, bem como fixando
o prazo de 90 (noventa) dias para o encerramento das atividades empresariais, sob pena de interdição e lacre do
estabelecimento, na forma do Decreto Municipal. A notificação vem acompanhada de cópia integral daquele pro-
cesso administrativo. Você foi contratado como advogado para indicar a medida necessária à defesa dos interes-
ses do cliente – afastar a exigência da multa e garantir a permanência das atividades empresariais. Aponte a peça
adequada, considerando-se aquela que tem, em tese, o rito mais célere e considerando que, desde o recebimento
da notificação, já se passaram 60 (sessenta) dias, tendo transcorrido in albis o prazo para eventual recurso admi-
nistrativo.

63. A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou projeto de lei, de iniciativa parlamentar, estabelecen-
do parcelamento em doze vezes de débitos tributários vencidos, decorrentes do imposto estadual sobre proprie-
dade de veículos automotores (IPVA). Remetido o projeto à sanção do Governador do Estado, este lhe apôs veto
total, por razões de inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público. Devolvido o projeto de lei à As-
sembleia, esta rejeitou o veto. Promulgada e publicada a lei, o Governador do Estado declara que não irá cumpri-
la e ajuíza ação direta visando a declaração de sua inconstitucionalidade, alegando a existência de vício de inicia-
tiva (art. 61, § 1º, II, “b”, da Constituição da República). Considerando a jurisprudência predominante do Supremo
Tribunal Federal, na qualidade de advogado de determinado Partido Político, indique a viabilidade ou não de pro-
cedência da referida ação.

64. Tício de Tal, brasileiro, casado, trabalhou durante trinta anos como engenheiro químico do quadro do hospital
universitário ligado à Universidade Federal Y, mantendo, no desempenho de suas tarefas, em grande parte de sua
carga horária de trabalho, contato com agentes nocivos causadores de doenças, bem como com materiais e obje-
tos contaminados. Em conversa com um advogado, Tício descobriu que poderia requerer aposentadoria especial,
com base no inciso III, § 4.º do art. 40 da Constituição Federal de 1988. Após tentativa administrativa, o seu pedi-

www.cers.com.br 13
do foi negado pelo Poder Público sob a alegação da falta de lei complementar regulamentando a aposentadoria
especial. Em face dessa situação hipotética, na qualidade de advogado contratado por Tício, aponte a petição
inicial da ação cabível para a defesa dos interesses de seu cliente.

65. Rosa da Silva, solteira, estudante de Música, é portadora de “hiperinsulinismo congênito”, rara patologia que
cursa com a liberação exacerbada de insulina pelas células beta do pâncreas, cujo tratamento necessita da utili-
zação do medicamento Diazóxido, fabricado no Canadá, conforme comprovado por laudos médicos. Como o pro-
duto não é produzido no Brasil e não possui recursos para adquiri-lo, Rosa solicitou à Secretaria do Município Y o
referido medicamento, mas a Secretaria manifestou-se por escrito acerca da ausência do Diazóxido por não fazer
parte do Programa de Medicamentos Excepcionais do SUS. Ademais, nesse documento, o Secretário alegou que
o ente federativo em referência tem envidado esforços no sentido de prover a população dos serviços de saúde de
forma ampla e eficiente, inclusive o fornecimento de medicamentos em geral; todavia, os recursos públicos são
limitados, o que impele o gestor público a adotar uma política que atente aos princípios da economicidade das
ações e do custo-benefício dos tratamentos. Além disso, ao ser compelido a adquirir medicamentos fora de suas
atribuições como elemento de um sistema único, objeto da Lei 8.080/90, toda a coletividade será prejudicada,
pois, valendo-se do exemplo do caso concreto, estar-se-ia atendendo uma necessidade individual em detrimento
do equilíbrio financeiro do sistema em relação à coletividade. Rosa, que depende desse medicamento para man-
ter a taxa de glicemia em níveis controlados e levar uma vida sadia, procurou um escritório de advocacia que im-
petrou um mandado de segurança em face do ato do Secretário para julgamento do juiz de direito da Comarca de
Y, o qual denegou, no mérito, a segurança pretendida. Na qualidade de atual advogado de Rosa, indique a peça
cabível contra a decisão que denegou a segurança.

66. O Prefeito do Município de Harmonia, localizado no Estado WKX e candidato à reeleição, determinou a insta-
lação de outdoors na cidade com o símbolo da campanha eleitoral e ainda dispensou o procedimento licitatório
para contratar a empresa “Rápido Expresso” para colocação dos referidos outdoors. O chefe do Executivo ainda
admitiu, diretamente, no serviço público, sem concurso público, Mévio, Caio e Tício, para ajudar na campanha
eleitoral. A “Associação Força Contra a Corrupção” procura o seu escritório de advocacia, por meio de seu repre-
sentante legal, Esculápio Neves, para fins de ajuizamento de uma ação em face dos danos causados ao patrimô-
nio público do Município de Harmonia. Aponte a ação judicial cabível.

67. Em Decreto publicado recentemente, o Prefeito do Município de Alegria do Norte, localizado no Estado da
Felicidade, anunciou o fechamento de um contrato administrativo com a Empresa Star, ganhadora do procedimen-
to licitatório para a construção de um grande estabelecimento comercial na área de reserva ambiental da cidade.
O Prefeito justificou a decisão sob a alegação de que o Município receberá nos próximos anos de Copa do Mundo
e de Olimpíadas muitos turistas e que o comércio na região precisa ser fomentado. Além do mais, o estabeleci-
mento gerará novos empregos e movimentará as indústrias locais. Para ser lembrado por todos os munícipes
quando deixar o cargo, o governante ainda resolveu denominar o novo shopping de “Real”, em homenagem ao
seu sobrenome. Os moradores, revoltados com o referido contrato e com a denominação do shopping, dizem que
a reserva é um parque importante e uma área de compensação ambiental, onde foram plantadas diversas árvores
e que com a construção do shopping, mais de 2.000 árvores serão derrubadas, além do mais, há milhares de
orquídeas e outras flores raras espalhas pela localidade e que serão igualmente destruídas com a referida cons-
trução. Mévio e Tício, irmãos e cidadãos engajados na defesa do meio ambiente decidem procurar um escritório
de advocacia com o objetivo de invalidar o contrato administrativo citado. Na qualidade de advogado dos irmãos,
indique a peça cabível.

68. O Partido Político LLL, tendo conhecimento das intenções do novo Presidente da República, empossado no
dia 1º de janeiro deste ano, no sentido de acabar com o Princípio da imunidade tributária recíproca entre os entes
da federação, fundamentando tal tese no art. 23 da Lei Federal 444/1985, que trata dessa matéria, trazendo, in-
clusive, os requisitos a serem observados para que seja exercido o referido direito de cobrança entre os entes,
decide adotar providência judicial visando um controle objetivo da citada norma legal. Tendo em vista que o Parti-
do Político LLL possui representação no Congresso Nacional, e informa que o seu departamento jurídico já cons-
tatou que a norma federal está em dissonância com a Constituição Federal de 1988, e que pretende uma análise
urgente do tema. Na qualidade de advogado (a) do mesmo, aponte a medida judicial de controle objetivo cabível.

69. Servidores públicos do departamento de transporte do Estado X, tendo em vista as condições precárias de
trabalho e, principalmente, diante da falta de pagamento dos últimos salários, pretendem promover a paralisação
dos serviços. Para tanto, se dirigem ao departamento jurídico a fim de conhecerem todos os requisitos que deve-
rão ser cumpridos no decorrer da greve, mas são surpreendidos ao receberem a informação de que não há lei

www.cers.com.br 14
regulamentadora tratando da matéria. A notícia se espalhou entre os servidores do mesmo departamento dos
outros Estados do país e o “Sindicato dos Servidores do Transporte” se comprometeu a tomar providências. Na
qualidade de advogado do referido Sindicato indique a peça cabível para assegurar, diante da omissão total, que
seja regulamentado o direito fundamental de greve, previsto no art. 37, VII da CRFB/88, para que os servidores
públicos da área do transporte possam usufruir do seu direito constitucionalmente protegido.

70. A rede hoteleira PARAÍSO noticiou a construção, na Praia da Reserva, no Rio de Janeiro, de resort cujo prédio
principal teria 60 andares. No anúncio, a empresa ressaltava, sobretudo, a importância do empreendimento para
se promover a emancipação turística da região, principalmente em função dos eventos esportivos internacionais
que ocorrerão na cidade nos próximos anos. Esculápio de Sousa, cidadão, morador da região, passou a investi-
gar em que título se apoiava a pretensão da rede hoteleira e descobriu que o empreendimento tinha sido autoriza-
do por ato administrativo do Governador do Estado, desprovido de qualquer fundamentação. Além do mais, a área
onde o resort será construído é de proteção ambiental e agrega considerável fauna e flora nacionais. Inconforma-
do, Esculápio deseja impugnar judicialmente a construção do hotel, já autorizada pela autoridade estadual e pelo
Instituto de Defesa do Meio Ambiente do Estado. Na qualidade de advogado indique a petição inicial da ação a ser
proposta, abordando, ainda, a conveniência de obstar, desde logo, o prosseguimento do processo de edificação,
mediante requerimento da providência judicial apropriada.

71. Ana da Silva, casada, estudante de História, é portadora de “hiperinsulinismo congênito”, rara patologia que
cursa com a liberação exacerbada de insulina pelas células beta do pâncreas, cujo tratamento necessita da utili-
zação do medicamento Diazóxido, fabricado no Canadá, conforme comprovado por laudos médicos. Como o pro-
duto não é produzido no Brasil e não possui recursos para adquiri-lo, Ana solicitou à Secretaria de Saúde do Es-
tado ZMF o referido medicamento, mas a Secretaria manifestou-se por escrito acerca da ausência do Diazóxido
por não fazer parte do Programa de Medicamentos Excepcionais do SUS. Ademais, nesse documento, o Secretá-
rio de Saúde do Estado alegou que o ente federativo em referência tem envidado esforços no sentido de prover a
população dos serviços de saúde de forma ampla e eficiente, inclusive o fornecimento de medicamentos em geral;
todavia, os recursos públicos são limitados, o que impele o gestor público a adotar uma política que atente aos
princípios da economicidade das ações e do custo-benefício dos tratamentos. Ana, que depende desse medica-
mento para manter a taxa de glicemia em níveis controlados e levar uma vida sadia, procura o seu escritório de
advocacia, objetivando ingressar com ação para obter com urgência o referido medicamento, levando em conside-
ração a ampla prova documental que possui. Em face dessa situação hipotética, na qualidade de advogado con-
tratado por Ana, aponte a petição inicial da ação cabível para a defesa dos interesses de sua cliente.

72. Joaquim Alves, portador de doença celíaca que causa prejuízo na absorção dos nutrientes, vitaminas, sais
minerais e água, ingressou com uma ação de procedimento comum com obrigação de fazer em face do Secretário
de Saúde do Município Y para entrega do medicamento Glúten Free, inserido na lista do Sistema Único de Saúde
– SUS, mas em falta nos postos de saúde do referido Município. A tutela antecipada pretendida foi denegada pelo
Juiz de Direito competente, sob a alegação de que não foi feita prova suficiente do estado de saúde de Joaquim
para justificar a pretensão de urgência. Ressalte-se que ele apresentou na petição inicial laudos médicos e docu-
mentos suficientes para comprovar o alegado. Aponte o recurso cabível da decisão que rejeitou a concessão da
medida de urgência.

73. Efigênia Rocha, brasileira, casada, mãe de Maria Paula, que acaba de completar dois anos de idade, deseja
se inserir no mercado de trabalho e, para tanto, precisa matricular sua filha em creche estadual próxima de sua
residência. Tendo sido apresentado requerimento administrativo de vaga na referida creche, Efigênia fora surpre-
endida com a negativa pelo Diretor do estabelecimento de ensino, sob o argumento de que não haveria direito a
tal vaga, já que não seria dever do Estado a atuação na educação infantil. Aponte a peça cabível.

74. Jonas, cidadão engajado na defesa e proteção dos animais, teve acesso a um Decreto publicado há uma se-
mana pelo Prefeito do município de Prosperidade que anunciava a construção de uma indústria de cosméticos em
grande área do município. O prefeito anexou ao Decreto um mapa, destacando a área exata onde se daria a cons-
trução: no zoológico municipal de Prosperidade. Seus aliados passaram a afirmar que a construção traria muitos
benefícios à população, pois geraria empregos e riquezas em toda região. Entretanto, Jonas produziu um grande
estudo sobre os impactos trazidos pela instalação da indústria no município, demonstrando que fazia parte do
plano de estruturação da área a aplicação de injeções letais nos animais para o esvaziamento da mesma, e, ain-
da, o desmatamento de grande área florestal em torno do local. Vale ressaltar que a lei ambiental n° 674/2012 não
permite a construção de indústrias naquela área, por gerar impacto prejudicial à saúde da população do município.
Aponte a peça cabível a ser apresentada por Jonas.

www.cers.com.br 15
75. Rafael, Deputado Federal em seu terceiro mandato, lhe contrata como seu advogado para que apresente a
peça judicial cabível visando defender o seu direito de ser ouvido na qualidade de testemunha em sede de Comis-
são Parlamentar de Inquérito, já que está sendo investigado em razão de um grande esquema de compra de vo-
tos, do qual afirma nunca ter participado, e sabe que as provas colhidas em sede de CPI poderão instruir uma
futura ação penal, que poderá culminar em uma condenação por pena privativa de liberdade. Aponte a peça cabí-
vel.

76. Efigênia, brasileira, casada, técnica de enfermagem, titular de cargo técnico de enfermagem no hospital muni-
cipal FGH, foi aprovada recentemente em outro concurso público para ocupar cargo de função técnica no hospital
municipal MNO. Não obstante, fora impedida pelo Prefeito do município, através de resposta administrativa, de
ser empossada no novo cargo, ao argumento de que havia incompatibilidade de horários entre os cargos, o que
não corresponde à realidade, já que Efigênia demonstra, através de planilha com simulação de escala de plan-
tões, que os dias de trabalho serão absolutamente conciliáveis. Indignada, então, Efigênia procurou um escritório
de advocacia para que fosse apresentada ação adequada na defesa de seu direito a posse no cargo, tendo o
advogado impetrado um Mandado de Segurança, de competência originária do Tribunal de Justiça do Estado dos
Sonhos. O remédio fora denegado sob o argumento da inexistência do referido direito líquido e certo mencionado
pela Impetrante. Na qualidade de advogado (a), aponte a peça cabível, contra a decisão que denegou a seguran-
ça.

77. Esculápio Costa logrou êxito no vestibular de Direito da Universidade Pública Federal da Felicidade, e quando
apresentou a documentação necessária à matrícula na referida instituição foi surpreendido com a cobrança de
uma suposta “taxa de matrícula”, em que pese se tratar de um estabelecimento oficial, mantido pelo Estado. Escu-
lápio então procurou um advogado que, com base no art. 206, IV, da CRFB/88, decidiu pela impetração de um
mandado de segurança contra ato do Reitor da Universidade para garantir a gratuidade da matrícula. A justiça
federal de primeiro grau negou provimento ao pedido sob a alegação de que as taxas são necessárias para as
Universidades públicas e que funcionam como “ajuda de custo” para compra de materiais de limpeza, higiene e
demais utensílios de escritório, como papéis, canetas, lápis etc. Diante da situação hipotética apresentada, na
condição de advogado de Esculápio, aponte a peça judicial adequada para apresentar o caso diretamente à análi-
se do Supremo Tribunal Federal.

78. Mévio das Neves, brasileiro, casado, tem impedimentos físicos de longo prazo em razão de acidente sofrido
na infância e trabalhou durante trinta anos como médico do quadro do hospital universitário ligado à Universidade
Federal ABC. Em conversa com um advogado, Mévio descobriu que em razão da deficiência física poderia reque-
rer aposentadoria especial, com base no inciso I, § 4º do art. 40 da Constituição Federal de 1988. Após tentativa
administrativa, o seu pedido foi denegado pelo Poder Público sob a alegação da falta de lei complementar regu-
lamentando a aposentadoria especial. Em face dessa situação hipotética, na qualidade de advogado contratado
por Mévio, aponte a petição inicial da ação cabível para a defesa dos interesses de seu cliente.

79. Ivanilda Cardoso, brasileira, divorciada, enfermeira, é portadora de hemoglobinúria paroxística noturna (HPN),
rara patologia que causa a destruição dos glóbulos vermelhos no sangue, cujo tratamento necessita da utilização
do medicamento Eculizumab, conforme comprovado por laudos médicos. Como o produto não é produzido no
Brasil e não possui recursos para adquiri-lo, Ivanilda solicitou à Secretaria de Saúde do Estado TUV o referido
medicamento, mas a mesma manifestou-se por escrito acerca da ausência do Eculizumab, por não fazer parte do
Programa de Medicamentos Excepcionais do SUS. Ademais, nesse documento, o Secretário de Saúde do Estado
alegou que o ente federativo em referência tem envidado esforços no sentido de prover a população dos serviços
de saúde de forma ampla e eficiente, inclusive o fornecimento de medicamentos em geral; todavia, os recursos
públicos são limitados, o que impele o gestor público a adotar uma política que atente aos princípios da economi-
cidade das ações e do custo-benefício dos tratamentos. Ivanilda, que depende desse medicamento para manter-
se viva, procura o seu escritório de advocacia, objetivando ingressar com ação para obter com urgência o referido
medicamento, tendo em vista que o documento denegando o remédio foi recebido ontem. Em face dessa situação
hipotética, na qualidade de advogado contratado por Ivanilda, indique a petição inicial da ação cabível com rito
especial para a defesa dos interesses de sua cliente.

80. Em decisão em sede de ADI publicada no dia 29 de outubro de 2018, o Plenário do STF assentou o entendi-
mento de que o art. 78 do ADCT, incluído pela Emenda Constitucional nº 30, de 13/09/00, ao admitir a liquidação
“em prestações anuais, iguais e sucessivas, no prazo máximo de dez anos” dos “precatórios pendentes na data
de promulgação” da emenda, violou o direito adquirido do beneficiário do precatório, o ato jurídico perfeito e a
coisa julgada e atentou, ainda, contra a independência do Poder Judiciário, razão por que suspendeu a eficácia do

www.cers.com.br 16
art. 2º da Emenda Constitucional n. 30/2000, que introduziu o art. 78 no Ato das Disposições Constitucionais
Transitórias. O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, em sede de Apelação cível, ontem, com funda-
mento na aplicação do referido dispositivo negou provimento ao recurso impetrado por Mévio, beneficiário de pre-
catório atingido pela referida emenda. Diante da clara violação à decisão do STF na ADI mencionada, aponte o
instrumento processual constitucional adequado para levar o caso de Mévio diretamente perante a Corte Constitu-
cional.

81. O Partido Político da Alegria, com representação no Congresso Nacional, interessado nas discussões relacio-
nadas aos planos de saúde, pretende questionar a qualidade da Lei Estadual 777/18, que fixou prazos máximos,
segundo a faixa etária dos usuários, para a autorização de exames pelas operadoras de plano de saúde.
Um dos líderes do Partido, advogado estudioso, sustenta que a referida lei pretendeu regulamentar relações con-
tratuais, o que não seria possível. Na qualidade de advogado (a) do partido político, aponte a peça cabível.

82. Tícia, brasileira, casada, é hipertensa, cardiopata, portadora de marca-passo, e necessita, sob risco de vida,
de diversos medicamentos de uso contínuo, conforme indicado, documentalmente, pelo médico do hospital muni-
cipal LMN que a acompanha. Em razão dos altos custos dos medicamentos, Tícia tentou junto ao Sistema Único
de Saúde (SUS) e farmácias populares obter os mesmos, sem êxito. Após diversos contatos com a Prefeitura bem
como requerimentos formais, em razão do seu péssimo estado de saúde, a mesma recebeu resposta administrati-
va do Prefeito do Município da Fé, afirmando que os medicamentos estariam em falta, não sendo possível atender
seu pleito. Indignada, então, Tícia procurou um escritório de advocacia para que fosse apresentada ação adequa-
da na defesa de seu direito, tendo o advogado impetrado um Mandado de Segurança, de competência originária
do Tribunal de Justiça do Estado da Perseverança. O remédio fora denegado, no mérito, sob o argumento da ine-
xistência do referido direito líquido e certo mencionado pela Impetrante. Na qualidade de advogado (a), aponte a
peça cabível, contra a decisão que denegou a segurança.

83. Caio, brasileiro, farmacêutico, precisa realizar uma artroplastia a fim de sanar grave problema na coluna cervi-
cal. Nesse procedimento, o disco lesionado é retirado e substituído por uma prótese articulada, que estabiliza e
tenta reproduzir o movimento normal da coluna. Apesar de já ter conseguido agendar o procedimento pelo Siste-
ma Único de Saúde – SUS, Caio dependia da prótese modelo TTT, de alto custo, para realização da mesma. En-
tretanto, não obteve êxito, pois o Estado HHH sustentou que não forneceria tal objeto. A fim de solucionar seu
problema, contratou um advogado que, com base na Lei Federal 111/13, que garante a liberação ao SUS de inú-
meras próteses gratuitamente, inclusive a referida, atribuindo a responsabilidade a todos os entes federados, pro-
pôs ação de obrigação de fazer contra o Estado TTT, tendo obtido procedência na sentença. Entretanto, o Estado
apresentou apelação questionando, de forma incidental, a constitucionalidade da referida Lei, pugnando pela re-
forma da sentença. A 2ª Turma do Tribunal de Justiça do Estado declarou a inconstitucionalidade da mesma, re-
formando a sentença para julgar improcedente o pedido do Autor. Sabendo-se que a decisão do referido órgão
violou o art. 97 da Constituição Federal, e que não há obscuridade, omissão ou contradição na mesma, na quali-
dade de advogado de Caio, aponte a peça cabível para impugnar a decisão judicial citada.

84. O Governador do Estado da “Determinação”, cumprindo promessa que fez quando ainda candidato ao cargo,
sancionou a Lei Estadual n° 5678/18, que garante prioridade, em qualquer instância, de tramitação processual
para as causas em que for parte mulher vítima de violência doméstica. O partido político Unidos pelo Brasil, da
oposição, pretende questionar a qualidade da referida lei, pois afirma que a mesma violou dispositivos constitucio-
nais. Na qualidade de advogado (a) do partido político, aponte a peça cabível.

85. Tribunal de Justiça do Estado OPQ julgou improcedente apelação que pretendia modificar a sentença do juiz
de primeiro grau que determinou o depósito prévio, como requisito de admissibilidade da ação judicial onde Maria
das Dores pretendia discutir a exigibilidade de um crédito tributário. Indignada com a decisão, Maria das Dores lhe
contrata para assumir o caso. Sabendo-se da existência da Súmula Vinculante 28, na qualidade de advogado (a)
da mesma, aponte a peça judicial cabível diretamente ao STF para fins de manutenção dos efeitos vinculantes da
referida súmula.

86. O Tribunal de Justiça do Estado da Fé julgou improcedente a Representação de Inconstitucionalidade n°


000/2018 proposta pelo Partido Político da Esperança, tendo o acórdão declarado constitucional norma estadual
que dispõe que o Governador do Estado, na vigência do seu mandato, não poderá ser responsabilizado por atos
estranhos ao exercício de suas funções, trazendo uma verdadeira cláusula de irresponsabilidade penal relativa
para o Chefe do Poder Executivo Estadual. A decisão da Corte estadual não contém obscuridade, omissão ou
contradição. Na qualidade de advogado do Partido, aponte a peça cabível para impugnar a decisão judicial citada.

www.cers.com.br 17
87. Felisberto da Silva foi considerado depositário infiel em razão de não ter devolvido o bem que estava em seu
poder, alegando o seu perecimento. No mês passado, foi surpreendido por uma decisão judicial que determinou a
sua prisão civil e, desde então, Felisberto saiu de sua cidade para passar uns tempos na casa de sua irmã, a fim
de evitar a privação de sua liberdade. O Tribunal de Justiça do Estado X decidiu, em grau de recurso, que a prisão
deveria ser efetuada, embora Felisberto sustentasse a existência da Súmula Vinculante 25 do STF. Diante da
situação hipotética apresentada, na condição de advogado (a) de Felisberto da Silva, aponte a peça judicial ade-
quada para apresentar o caso diretamente à análise do Supremo Tribunal Federal.

88. João, brasileiro, professor, teve sua apelação julgada improcedente pelo Tribunal de Justiça do Estado da
Superação, tendo sido analisada pelo órgão julgador a sua alegação, devidamente comprovada, de violação ao
ato jurídico perfeito pela Lei Federal 888/14, sancionada pelo Governador do Estado JK, réu na ação de procedi-
mento comum ajuizada pelo autor. Importante destacar que tal decisão afetará um considerável número de pro-
fessores também atingidos pela referida lei, que prevê, dentre outras violações, o desfazimento de contratos tem-
porários sem pagamento de salários atrasados. Sabendo-se que a decisão violou o art. 5º, XXXVI da Constituição
Federal, e que não há obscuridade, omissão ou contradição na mesma, na qualidade de advogado de João, apon-
te a peça cabível para impugnar a decisão judicial citada.

89. Jailson Augusto, seu cliente, encontra-se preso cautelarmente por decisão do Juiz de primeiro grau da Justiça
Estadual que, com base exclusivamente em uma interceptação telefônica determinada pelo Delegado de Polícia
que conduziu as investigações, ordenou sua prisão. Sua cunhada, estudante de Direito, cursando apenas o 2º
período da faculdade, mas extremamente dedicada, lhe afirmou que existe alguma medida judicial que pode ser
adotada para que seja posto em liberdade, apontando sua prisão como sendo “absurda”. Diante da situação hipo-
tética apresentada, na condição de advogado (a) de Jailson Augusto, aponte a peça judicial mais apropriada ao
caso a ser apresentada ao órgão competente.

90. Felisberto da Silva é comerciante no pequeno município de pássaros. No mês passado, foi surpreendido por
uma decisão judicial que pôs fim a uma disputa entre ele e o Estado X. O litígio se deu em razão de uma discus-
são acerca da competência para fixação do horário de funcionamento de estabelecimentos comerciais, pois o
Estado X teria determinado que os mesmos deveriam encerrar suas atividades as 18 h, e não mais as 20 h. O
Tribunal de Justiça do Estado decidiu que cabia ao Estado X determinar os horários de funcionamento dos esta-
belecimentos, embora Felisberto sustentasse a existência da Súmula Vinculante 38 do STF.
Diante da situação hipotética apresentada, na condição de advogado de Felisberto da Silva, aponte a peça judicial
adequada para apresentar o caso diretamente à análise do Supremo Tribunal Federal.

91. Em razão de fatos escandalosos envolvendo corrupção em contratos celebrados com a empresa CCUP divul-
gados pela imprensa nacional nos últimos dias, foi instalada uma Comissão Parlamentar de Inquérito pelo Con-
gresso Nacional. Buscando dar respostas rápidas a sociedade que clama por justiça, e em razão de já estarem
programados inúmeros protestos e passeatas pelas ruas do país em razão dos fatos citados, a CPI decidiu, por
maioria absoluta dos seus membros, expedir diversos mandados de prisão preventiva contra diretores e membros
de conselhos da empresa. Adalberto Silva, um dos diretores da CCUP lhe contrata como advogado e afirma que-
rer providências para que não venha a ser preso em razão da decisão da CPI. Identifique a peça judicial cabível
na defesa dos interesses de seu cliente.

92. Carla Carolina, cidadã brasileira e defensora da moralidade, ao tomar conhecimento de irregularidades ocorri-
das em diversas nomeações para cargos públicos no Estado PQR, ajuizou ação popular contra Flávio Gomes
Neves, Deputado Estadual responsável por tais atos ilegais e imorais, perante o Tribunal de Justiça do Estado
PQR. Entretanto, o Deputado Estadual citado na referida Ação Popular, por um equívoco do advogado contratado
por Carla Carolina, foi o Sr. Flávio Neves Gomes, que não tem qualquer ligação com os fatos narrados na inicial.
O erro material fora cometido em razão da semelhança em seus nomes. O Tribunal de Justiça do Estado PQR,
sem ter conhecimento do equívoco, determinou, regularmente, que Flávio Neves Gomes se manifestasse sobre a
ação. Na qualidade de advogado (a) de Flávio Neves Gomes, aponte a medida judicial mais apropriada em sua
defesa.

93. O Partido Político da Transparência, interessado na discussão sobre as biografias autorizadas, pretende ques-
tionar os arts. 20 e 21 do Código Civil, que possuem a seguinte redação:
“Art. 20. Salvo se autorizadas, ou se necessárias à administração da justiça ou à manutenção da ordem
pública, a divulgação de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição ou a utilização
da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas, a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que

www.cers.com.br 18
couber, se lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade, ou se se destinarem a fins comerciais.
Parágrafo único. Em se tratando de morto ou de ausente, são partes legítimas para requerer essa prote-
ção o cônjuge, os ascendentes ou os descendentes.”
“Art. 21. A vida privada da pessoa natural é inviolável, e o juiz, a requerimento do interessado, adotará as
providências necessárias para impedir ou fazer cessar ato contrário a esta norma.”

Objetivando defender não ser necessário o consentimento da pessoa biografada para a publicação ou veiculação
de obras biográficas, literárias ou audiovisuais, o Partido Político da Transparência pretende questionar a qualida-
de de tais dispositivos, pois afirma que os mesmos devem ser interpretados em harmonia com o texto constitucio-
nal. Na qualidade de advogado (a) do partido político, aponte a peça cabível.

94. Antônio Paulo, professor, casado, cidadão brasileiro em dia com suas obrigações tributárias, tentou obter
acesso aos dados concernentes ao pagamento de seus tributos, constantes no Sistema de Conta Corrente de
Pessoa Jurídica (Sincor), mantido pela Secretaria da Receita Federal. Tais dados são de seu interesse e necessá-
rios para serem utilizados como prova em futura ação judicial. Tendo em vista a negativa da referida informação
em todas as instâncias administrativas, por escrito e fundamentada no sigilo, em razão do último ato praticado
pelo Ministro da Fazenda, na qualidade de advogado (a) de Antônio, indique a petição inicial da ação a ser pro-
posta para acessar os dados.

95. Alessandra, cidadã engajada na política, tomou conhecimento de informações relacionadas a um procedimen-
to licitatório realizado pela Autarquia Federal HIJ, organizado pelo Presidente da mesma, Sr. Alberto Gomes. Ao
desenvolver o procedimento em desacordo com as regras disciplinadas na lei geral de licitação, a referida Autar-
quia, prejudicou a Administração Pública e a realização de uma concorrência sadia e vantajosa para a sociedade,
de maneira a propiciar proposta mais interessante e consoante com o interesse público. A forma como foi desen-
volvido o procedimento licitatório impediu a participação de eventuais interessados, já que não foram respeitados
os prazos e atos tidos como necessários pela legislação pertinente. Tendo em vista que não se admite a ocorrên-
cia de sucessivos vícios formais em uma licitação de tamanho vulto (cem milhões de reais) e de extrema relevân-
cia para a sociedade brasileira, e informando a necessidade de urgência em razão de já ter sido celebrado o con-
trato com a empresa vencedora: “ABC empreendimentos”, Alessandra lhe contrata como advogado (a). Sabe-se
que os vícios ocorridos no procedimento pretendiam apenas favorecer a empresa “ABC empreendimentos”. Os
prejuízos calculados em razão do ocorrido chegam a cem milhões de reais. Indique a petição inicial da ação cabí-
vel.

96. Ana, estudante de Direito no décimo período da faculdade é filha de Joana, advogada especializada em Direi-
to Público. Enquanto Ana estuda Direito Constitucional para a segunda fase do Exame de Ordem a ser prestada
no próximo mês, Joana a desafia com casos concretos divulgados pela imprensa. Ontem a mesma deixou na
mesa de estudos de Ana o seguinte recorte de jornal:
“A fiscalização do TCU apontou irregularidades no orçamento e contrato das obras na reforma do Ladetec,
laboratório oficial que será usado durante o evento e que fará todos os controles antidopagem das Olimpí-
adas e Paraolimpíadas. Entre os problemas encontrados, a análise do TCU mostrou ‘quantitativos subes-
timados na planilha orçamentária em comparação com o projeto executivo, além de execução da obra em
dois turnos ao invés de três, como previsto em contrato’. Segundo o TCU, a diferença nestes quantitativos
permitiria a solicitação de aditivos no contrato, o que poderia ocasionar sobrepreço (em bom português,
superfaturamento).”
Ana deverá responder a mãe qual peça jurídica poderia ser apresentada por um cidadão que pretendesse invali-
dar o referido contrato, tendo em vista a sua lesividade ao patrimônio público. Qual deverá ser a resposta de Ana?

97. Antônio Maurício foi diagnosticado com “melanoma lentiginoso acral”. O malanoma é um dos tumores mais
perigosos, com a capacidade de invadir qualquer órgão, criando metástases, inclusive no cérebro e coração. Por-
tanto, é um câncer com grande letalidade. Antônio necessita realizar coleta de tecido para biópsia mais profunda,
para que seja enviado para uma avaliação histológica em hospital municipal. Dessa forma, solicitou agendamento
do mesmo junto a Secretaria do Município ABC, já que não tem condições financeiras de arcar com os custos do
exame. Entretanto, a Secretaria manifestou-se por escrito com a negativa, alegando que o ente federativo em
referência tem envidado esforços no sentido de prover a população os serviços de saúde de forma ampla e efici-
ente, inclusive a realização dos exames; todavia, os recursos públicos são limitados, o que impele o gestor público
a adotar uma política que atente aos princípios da economicidade das ações e do custo-benefício dos tratamen-
tos. Antônio procurou um escritório de advocacia que impetrou um mandado de segurança em face do ato do Se-
cretário, para julgamento pelo juiz de direito da Comarca de ABC, o qual denegou, no mérito, a segurança preten-

www.cers.com.br 19
dida. Na qualidade de atual advogado de Antônio, indique a peça cabível contra a decisão que denegou a segu-
rança.

98. Joaquina Souza, brasileira, casada, com vinte anos, deseja se matricular no ensino fundamental de escola
pública municipal próxima da sua residência, pois não teve a oportunidade de dar continuidade aos seus estudos
nos últimos anos em razão de problemas familiares graves. Não obstante, fora impedida pelo Prefeito do municí-
pio, através de resposta administrativa, de matricular-se, sob o argumento de que havia poucas vagas disponíveis
e, então, as mesmas seriam ocupadas pelos alunos que ininterruptamente seguiam no sistema educacional, em
detrimento dos que tentavam novo acesso ao mesmo. Indignada, então, Joaquina procurou um escritório de ad-
vocacia para que fosse apresentada ação adequada na defesa de seu direito a educação, tendo o advogado im-
petrado um Mandado de Segurança, de competência originária do Tribunal de Justiça do Estado da Prosperidade.
O remédio fora denegado, no mérito, sob o argumento da inexistência do referido direito líquido e certo menciona-
do pela Impetrante. Na qualidade de advogado (a), indique a peça cabível, contra a decisão que denegou a segu-
rança.

99. Roberto Vieira foi aprovado no concurso público que prestou no Estado PPP para ocupar o cargo de enfermei-
ro no Hospital Estadual X. Em razão de sua aprovação dentro do número de vagas estabelecidas no edital, come-
çou a se preparar para assumir o cargo que tanto almejou, tendo comparecido ao local indicado para levar docu-
mentação exigida no edital do concurso.
Algumas semanas após ter levado pessoalmente os documentos indicados, recebeu telegrama do Governo do
Estado PPP que comunicava a sua desclassificação no concurso em razão de uma tatuagem classificada como
“de pequeno tamanho”, mas incompatível com o cargo pretendido. Diante disso, Roberto contratou um advogado
que ajuizou uma ação de procedimento comum contra o Estado, pretendendo a sua nomeação bem como indeni-
zação por danos morais. Em sentença, o juiz de primeiro grau sustentou que não havia, no caso, direito à nomea-
ção em razão da tatuagem. Na qualidade de advogado (a) de Roberto, aponte o recurso cabível da decisão de
mérito que julgou improcedente a ação.

100. A Sociedade Empresária TTT, do ramo de suprimentos de materiais de escritório, participou de licitação pú-
blica realizada pelo Estado da Esperança e foi declarada como vencedora por ter apresentado o melhor preço e a
melhor proposta. Mesmo com toda documentação devidamente apresentada e tendo sido cumpridas todas as
exigências do instrumento editalício, o Sr. Décio TTT, sócio-diretor da empresa, recebeu notificação assinada pelo
Governador do Estado, informando a exclusão de sua empresa do procedimento licitatório já concluído – sem
especificar as razões para tanto – com a notícia de que a empresa que havia ficado em segundo lugar na ordem
de classificação fora declarada vencedora.
Indignado, então, Décio procurou um escritório de advocacia para que fosse apresentada ação adequada na de-
fesa do direito da sociedade empresária TTT de permanecer como primeira classificada e vencedora do procedi-
mento licitatório, tendo o advogado impetrado um Mandado de Segurança, de competência originária do Tribunal
de Justiça do Estado da Esperança. O remédio fora denegado, no mérito, sob o argumento da inexistência do
referido direito líquido e certo mencionado pela impetrante. Na qualidade de advogado (a), indique a peça cabível,
contra a decisão que denegou a segurança.

101. O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios julgou improcedente apelação que pretendia modi-
ficar a sentença do juiz de primeiro grau que determinou que seria cabível a exigência de realização de exame
psicotécnico em Artur, aprovado em primeiro lugar no concurso público para exercer o cargo de escrivão, mesmo
diante da ausência de previsão legal do exame como condição para habilitação do candidato ao referido cargo
público. Indignado com a decisão, Artur lhe contrata para assumir o caso. Sabendo-se da existência da Súmula
Vinculante 44, que assim dispõe: “Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habilitação de candidato a
cargo público”, na qualidade de advogado de Artur, aponte a peça judicial cabível diretamente ao STF para fins de
manutenção dos efeitos vinculantes da referida súmula.

102. André, aprovado no concurso público para o cargo de soldado da Polícia Militar de São Paulo teve o seu ato
de nomeação negado pela autoridade reputada coatora, tendo sido eliminado do certame por ter tatuagem na
perna, embora tivesse sido aprovado em primeiro lugar no concurso. Em resposta administrativa publicada ontem,
o Governador alegou que o edital estabeleceu, de forma objetiva, parâmetros para admissão de tatuagens, mas
que o candidato não se enquadrava nessas normas. André, então, procura seu escritório de advocacia para que
seja apresentada ação adequada na defesa do seu direito. Indique a peça cabível.

www.cers.com.br 20
103. Celina é deficiente auditiva em razão da perda total da audição causada por má-formação, causa genética,
nas estruturas que compõem o aparelho auditivo. Contornando as dificuldades e utilizando-se dos meios tecnoló-
gicos disponíveis na medicina, Celina sempre teve uma vida normal, sendo realizada profissionalmente, tendo
trabalhado durante trinta e dois anos como servidora pública da AGU (Advocacia Geral da União). Em consulta a
um advogado constitucionalista, Celina descobriu que poderia requerer aposentadoria especial, com base no art.
40, § 4º, I, da Constituição Federal de 1988. Após tentativa administrativa, o seu pedido foi negado pelo Poder
Público sob a alegação da falta de lei complementar regulamentando a aposentadoria especial. Em face dessa
situação hipotética, na qualidade de advogado contratado por Celina, aponte a petição inicial da ação cabível para
a defesa dos interesses de sua cliente.

104. O Estado do Progresso, preocupado com a mobilidade urbana, decidiu realizar obras visando instalar e colo-
car em operação Veículos Leves sobre Trilhos – VLTs. Tal meio de transporte, extramente moderno e custoso,
representa o símbolo da mudança na dinâmica social e econômica vivida pelo estado nos últimos anos, sendo um
projeto que permite a interligação de várias cidades, de uma forma mais rápida, segura e sustentável. Seis meses
após iniciada a primeira etapa das obras para a referida instalação dos VLTs, uma auditoria do Tribunal de Contas
do Estado do Progresso apontou superfaturamento nas obras. Segundo o relatório do TCE, acompanhado de inúme-
ras provas documentais e até mesmo periciais, o Governador do Estado pagou R$ 100 (cem) milhões de reais pela pri-
meira etapa da obra, com um superfaturamento de R$ 20 (vinte) milhões de reais. Concluiu-se que não foi aberto proce-
dimento licitatório para a contratação da empreiteira MODERNIDADE LTDA., e que foram assinados inúmeros aditivos
ao contrato inicial, autorizando despesas adicionais já na primeira etapa. Saulo, professor, indignado com a notícia e
em posse dos documentos que lastreiam o relatório, na qualidade de cidadão, se sente no dever de tomar as de-
vidas providências judiciais.
Em face dessa situação hipotética, na qualidade de advogado (a) contratado (a) por Saulo, aponte a petição inicial
da ação cabível.

105. Em decisão de mérito em sede de ADI, publicada no final de 2018, o Plenário do STF assentou o entendi-
mento de que a Lei 2222/17, do Estado B, que instituiu o depósito prévio de 100% do valor da condenação para a
interposição de recurso nos juizados especiais cíveis do Estado é inconstitucional, por tal matéria processual ser
de competência privativa da União, conforme art. 22, I da CRFB/88. A Turma Recursal da 22ª circunscrição judici-
ária de Alvarenga, no Estado B, ontem, proferiu decisão inadmitindo o recurso impetrado por Alessandra Alves em
razão de a mesma não ter efetuado o depósito prévio de 100% do valor da condenação para interposição do re-
curso, aplicando expressamente a Lei 2222/17, já declarada inconstitucional pelo STF, conforme narrado acima.
Diante da clara violação à decisão do STF na ADI mencionada, aponte o instrumento processual constitucional
adequado para levar o caso de Alessandra diretamente perante a Corte Constitucional.

106. Tendo em vista os dois decretos do Governo do Estado F, que concedem benefícios, como a redução do
imposto e o pagamento de montante a titulo de custeio das gratuidades de passagens, a Barcas Montes Brancos
S/A., responsável pela administração deste tipo de transporte no estado, João Paulo Pedro Jr., cidadão engajado
na política, resolveu efetuar pesquisas a fim de entender a motivação da concessão de tais benefícios. Em consul-
ta a advogado especialista, e após meses de análise de contratos e respectivos aditivos, o mesmo esclareceu a
João que, na época, não houve “nenhum evento imprevisível” que justificasse o montante a ser pago a titulo de
custeio das gratuidades, já que estas eram previstas na época da celebração do contrato. Ademais, destacou-se
que a redução da alíquota do ICMS é ilegal, tendo sido causado prejuízo ao Estado F, em razão dos valores que
deixaram de ser recolhidos aos cofres públicos. João lhe procura afirmando que, na qualidade de cidadão, se
sente no dever de tomar as devidas providências. Em razão do relatado, o prejuízo apurado é de aproximadamen-
te 500 milhões de reais. Sabe-se que os decretos que se pretende anular são os de número 1111/2015 e
2222/2015. Em face dessa situação hipotética, na qualidade de advogado (a) contratado (a) por João, aponte a
petição inicial da ação cabível.

107. Ana Paula na semana passada sentiu fortes dores abdominais e constatou que era chegada a hora do nas-
cimento de sua filha, pois estava em trabalho de parto. Dirigiu-se, então, ao Hospital Municipal GG, que é uma
fundação pública municipal, para que fosse feito o procedimento, conforme orientação médica. Depois de esperar
por mais de oito horas por um atendimento médico, sentindo fortes dores, ignorada por todos os funcionários do
hospital, Ana Paula, no chão frio da recepção, sem direito a sala de parto, cama e qualquer assistência de médi-
cos ou enfermeiros, deu à luz uma menina, Camila, que acabou nascendo com problemas graves em razão da
demora na realização do parto e precisaria ficar no hospital sendo acompanhada. A negativa do atendimento à
Ana Paula se deu logo que chegou, quando o próprio Diretor do hospital afirmou que não havia condições de rea-
lizar o procedimento e que ela teria que aguardar. Posteriormente, negou também que Camila ficasse internada,

www.cers.com.br 21
contrariando parecer de um médico que avaliou a recém-nascida após toda aquela situação. Indignada, Ana Paula
procurou um escritório de advocacia para que fosse apresentada ação adequada na defesa do direito à saúde de
sua filha Camila, pleiteando, ainda, indenização por danos morais, tendo o advogado ajuizado uma ação de pro-
cedimento comum, perante o juiz de primeiro grau, em face do Diretor do Hospital Municipal GG e do Hospital
Municipal GG. A sentença julgou o pedido improcedente, no mérito, sob o argumento da inexistência do referido
direito. Na qualidade de advogado contratado, indique a peça cabível contra a referida sentença.

108. Em decisão de mérito em sede de ADI publicada no final de 2018, o Plenário do STF assentou o entendimen-
to de que a Lei 789/17, do Estado da Positividade, que dispensou o pagamento de juros e multas de tributos e
títulos obrigacionais vencidos no período de paralisação por greve, é inconstitucional, por tal matéria tratar de
direito civil, de competência privativa da União, conforme art. 22, I da CRFB/88. O Tribunal de Justiça do Estado
da Positividade, ontem, em sede de recurso, proferiu decisão dispensando o pagamento de juros e multas de de-
terminado título obrigacional, cujo beneficiário é a CJF Construções LTDA., aplicando expressamente a Lei
789/17, já declarada inconstitucional pelo STF, em prejuízo da referida pessoa jurídica. Diante da clara violação à
decisão do STF na ADI mencionada, aponte o instrumento processual constitucional adequado para levar o caso
da CJF Construções LTDA., representada por Ana, sócia-diretora, diretamente perante a Corte Constitucional.

109. A Governadora do Estado da Aprovação, Sra. Luiza, sancionou a Lei Estadual 123 de abril de 2018, que
estabelece a prerrogativa de foro funcional para o Governador do referido Estado em caso de cometimento de
crime de responsabilidade, onde o Tribunal de Justiça será competente para o julgamento. O Presidente do Parti-
do Político da Constitucionalidade, com representação no Congresso Nacional, indignado, destacou que na atual
ordem constitucional, tal matéria não poderia ter sido tratada pela referida lei estadual, e, também, que os entes
devem respeitar as regras de repartição de competências. Dessa forma, o Partido sustenta que a Lei Estadual
123/2018 violou dispositivo constitucional basilar e, então, já anunciou na imprensa nacional que questionará a
qualidade da referida legislação. Na qualidade de advogado (a) do partido político, aponte a peça cabível.

110. A Confederação Sindical MMM ajuizou uma Ação Declaratória de Constitucionalidade perante o Supremo Tribu-
nal Federal, visando a declaração de constitucionalidade da Lei Federal 888/19. Hoje foi publicada uma decisão do
relator da referida ação que indeferiu, liminarmente, a petição inicial, alegando a ausência de fundamentação da
mesma. Na qualidade de advogado contratado pela referida Confederação, aponte a peça cabível para impugnar a
decisão proferida pelo relator, tendo em vista que a petição inicial se encontra irretocável e devidamente fundamenta-
da.

111. Romualdo Costa, brasileiro naturalizado, em união estável com Solange Cavalcanti é servidor público e pre-
cisa corrigir uma informação oficial quanto ao início do seu período laborativo enquanto Técnico de Enfermagem
no Hospital Estadual HHH, tendo em vista que a incorreção prejudica o seu pleito no que tange à aposentadoria.
Apesar de ter requerido administrativamente ao Secretário estadual da Saúde a retificação do dado, recebeu a
denegação, sem qualquer fundamentação plausível, sob a justificativa de que não haveria qualquer prejuízo que
justificasse a retificação pleiteada por Romualdo. Tendo em vista o acima narrado, em razão do último ato pratica-
do pelo Secretário, na qualidade de advogado (a) de Romualdo Costa, aponte a petição inicial da ação a ser pro-
posta para retificação dos dados pessoais indicados.

112. Aldo Almir se envolveu em um acidente de automóvel em rodovia próxima de sua casa, tendo sofrido uma lesão
na coluna em razão do forte impacto, precisando colocar, urgentemente, através de procedimento cirúrgico, parafu-
sos, pinos e hastes, a fim de evitar que sofra maiores complicações e venha a perder alguns movimentos. Aldo, que
se encontra internado no Hospital Federal da Saúde, está em posse de laudos médicos, lastreados por exames, que
comprovam a necessidade da cirurgia com a máxima urgência. Entretanto, o Diretor do referido hospital afirmou, por
escrito, ontem, que tal procedimento cirúrgico é desnecessário, negando-o, alegando ainda que a União tem envidado
esforços no sentido de prover a população dos serviços de saúde de forma ampla e eficiente, todavia, os recursos
públicos são limitados, o que impele o gestor público a adotar uma política que atente aos princípios da economicida-
de das ações e do custo-benefício dos tratamentos, contrariando todos os laudos já mencionados. Aldo não possui
recursos para realizar o procedimento cirúrgico em hospital particular e precisa ser operado com a máxima urgência,
tendo contratado o seu escritório de advocacia, objetivando ingressar com uma ação judicial. Em face dessa situação
hipotética, na qualidade de advogado contratado, aponte a petição inicial da ação cabível, de procedimento célere,
para a defesa dos interesses de seu cliente.

www.cers.com.br 22
113. O atual Presidente da República, Sr. Antônio, sancionou a Lei Federal 888/2018, que determina que os jorna-
listas que pretendam se utilizar da trucagem, da montagem ou de outros recursos de áudio e vídeo como técnicas
de expressão da crítica jornalística, em especial nos programas humorísticos, até mesmo para difundir opinião
favorável ou contrária a candidato ou partido político, devem enviar o material jornalístico previamente ao órgão
federal JJ, para que este autorize aquela determinada pauta a ser televisionada. O Presidente do Partido Político
da Liberdade, com representação no Congresso Nacional, indignado, destacou que na atual ordem constitucional,
o princípio da livre expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação deve ser considerado
em primeiro plano. E, também, que a citada lei não se preocupa com matérias jornalísticas que façam propaganda
política, mas sim pretende censurar um estilo peculiar de fazer imprensa, o que não é possível na atual ordem
constitucional. Dessa forma, o Partido sustenta que a Lei Federal 888/2018 violou dispositivos constitucionais
basilares e, então, já anunciou na imprensa que questionará a qualidade da referida legislação. Na qualidade de
advogado (a) do partido político, aponte a peça cabível.

114. Paulo, brasileiro, solteiro, deseja que sua filha, de apenas dois anos, Bianca, frequente creche pública muni-
cipal próxima de sua residência, pois trabalha em tempo integral e não conta com a ajuda de familiares para cui-
dar da menor. Não obstante, após tentativa de matrícula, recebeu resposta verbal negativa do Prefeito do municí-
pio da Educação, sob o argumento de que não havia vaga disponível para crianças com essa faixa etária e que,
em razão da falta de recursos públicos, o município apenas estava garantindo o acesso de crianças a partir dos
quatro anos de idade. Paulo, decepcionado com a resposta recebida, procurou um escritório de advocacia para
que fosse apresentada ação adequada na defesa do direito à educação de sua filha Bianca, tendo o advogado
ajuizado uma ação de procedimento comum, perante o juiz de primeiro grau, em face do Prefeito do município da
Educação e do Município da Educação. A sentença julgou o pedido improcedente, no mérito, sob o argumento da
inexistência do referido direito à educação. Na qualidade de advogado (a), aponte a peça cabível, contra a referida
sentença.

115. Determinado estado da Federação, por intermédio de seu poder constituinte derivado decorrente, repete em
sua Carta norma similar à contida nos §§ 3º e 4º, do art. 86 da Constituição Federal, conferindo ao Governador
prerrogativa equivalente à estabelecida para o Presidente da República. Entende o Poder Legislativo estadual que
tal norma, por tratar de relação entre as funções decorrentes do Poder estatal, a qual pugna pela independência e
harmonia entre elas, é de observância obrigatória pelas unidades federadas. O Partido Político ABC lhe contrata
para que seja analisada a questão da constitucionalidade de tal dispositivo inserto em Carta estadual, confrontan-
do-a com o Princípio Republicano, o qual postula a responsabilidade dos governantes, bem como a competência
legislativa para dispor sobre restrição da liberdade dos agentes políticos.

116. Damião, cidadão engajado na luta contra a corrupção, teve acesso a relatórios produzidos por órgãos com-
petentes para fiscalização de obras no Estado do Rio de Janeiro. Um deles, o de obras de suprimento de energia
para as olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, apontou atrasos no Parque Olímpico da Barra e a falta de licitação
para esses serviços no Complexo Esportivo de Deodoro. O relatório aponta, ainda, que o Consócio Público que
coordena o planejamento das obras, formado pelo governo federal, governo do Rio e prefeitura do Rio, lançou
mão de “tomada intempestiva de decisões importantes”, que provocou uma série de irregularidades já consubs-
tanciadas nas obras do Parque Olímpico da Barra, como contratação direta de obra, sem licitação, aprovação de
projeto básico deficiente, e atrasos reais na execução das obras. Inconformado, Damião, cidadão residente no
Estado, deseja impugnar judicialmente a contratação direta de obra, já autorizada pela Administração do Consór-
cio Público. Na qualidade de advogado aponte a petição inicial da ação a ser proposta.

117. Lúcia Alves, brasileira, casada, servidora pública, requereu administrativamente ao Ministro da Fazenda, na
qualidade de contribuinte, o direito de acessar os dados concernentes aos pagamentos de seus tributos, constan-
tes de sistemas informatizados de apoio à arrecadação dos órgãos da administração fazendária da União, a fim
de calcular tributos pagos indevidamente. O Ministro denegou o pedido administrativo sob o argumento de que já
havia franqueado a ela o acesso a algumas informações e que não disponibilizaria os documentos novamente.
Tendo em vista o acima narrado, Lúcia ingressou com um Habeas Data em face do Ministro perante o Superior
Tribunal de Justiça, que denegou o pedido de acesso ao dado pessoal, sob o argumento de que os documentos
solicitados estavam protegidos pelo sigilo de Estado. Na qualidade de advogado de Lúcia, indique o recurso perti-
nente para que ela possa finalmente acessar a informação pretendida.

118. A Assembleia Legislativa do Estado da Paz edita, em 1º de março de 2018, a Lei nº 8888, que estabelece
que a concessionária exploradora do serviço de fornecimento de energia elétrica no território do Estado fica obri-
gada a remover, sem qualquer ônus para os interessados, os postes de sustentação à rede elétrica que estejam

www.cers.com.br 23
causando transtornos aos proprietários e aos promitentes compradores de terrenos. Ressalta-se que não há qual-
quer Lei Complementar que autorize excepcionalmente ao Estado da Paz dispor sobre a questão, sendo certo
que, ao contrário, no âmbito federal existe norma expedida pela agência reguladora que autoriza a remoção des-
ses postes de energia, cujo serviço fica às expensas dos usuários interessados. Há notícia também de que o Go-
vernador do Estado da Paz vetou integralmente o projeto de Lei Estadual, mas restou superado pela vontade da
Assembleia Legislativa do Estado, que, ao final, promulgou a referida Lei. Diante da relevância e da urgência da
questão, o partido político “Para Cima Brasil” – PCB, representado unicamente por um Deputado Federal, procura
os seus serviços para objetar contra a Lei Estadual, por entender que a norma estadual viola diretamente a Cons-
tituição Federal. Considerando os dados acima, indique a peça adequada.

119. Pablo Vieira, seu cliente, encontra-se preso cautelarmente por decisão do Juiz de primeiro grau da Justiça
Estadual que, com base exclusivamente em provas obtidas por meios ilícitos, ordenou sua prisão. Sua irmã, Ga-
briela, estudante de Direito, cursando apenas o 2º período da faculdade, mas extremamente dedicada, lhe afirmou
que existe alguma medida judicial que pode ser adotada para que seja posto em liberdade, apontando sua prisão
como sendo “absurda”. Diante da situação hipotética apresentada, na condição de advogado (a) de Pablo Vieira,
aponte a peça judicial mais apropriada ao caso a ser apresentada ao órgão competente.

120. O prefeito do município de Cachoeiras, Sr. Edilberto Vasques, se uniu aos empresários do setor de teleco-
municações para discutir a viabilidade de um sistema de “wi fi” que promovesse o acesso amplo e irrestrito à po-
pulação, visando proporcionar a todos os munícipes o serviço de internet gratuita. Ocorre que, burlando o proce-
dimento licitatório, as três empresas locais atuantes no setor, ABC LTDA, WJF LTDA e XCV LTDA, em reunião
com o Sr. Prefeito, acertaram um sistema de rodízio, ficando estabelecido que a cada semestre uma delas presta-
ria o serviço. A Associação “Brasil Moral”, em funcionamento há cinco anos, atuando na defesa da moralidade,
afirma que houve ilegalidade no sistema de contratação, pois não foi observado o procedimento licitatório estabe-
lecido em lei e, ainda, que o sistema de rodízio combinado afeta a eficiência na prestação do serviço, sendo imo-
ral a conduta do Prefeito, que não permitiu a participação de outras empresas prestadoras de serviço, não tendo
sido respeitados os princípios da publicidade e da competitividade. Diante do caso apresentado, na qualidade de
advogado (a) da Associação “Brasil Moral”, por meio de seu representante legal, Mário da Silva, sabendo-se da
prática de um ato inconstitucional lesivo à moralidade administrativa, que constitui patrimônio moral da sociedade,
e ao patrimônio material do Poder Público, aponte a ação judicial cabível.

www.cers.com.br 24
www.cers.com.br 25