Anda di halaman 1dari 3

SEMINÁRIO TEOLÓGICO BATISTA DE PRESIDENTE PRUDENTE

A GRAÇA COMUM
Professor Whitson Ribeiro da Rocha

INTRODUÇÃO
A palavra graça, em grego “káris”, significa presente, dom, alegria. Teologicamente,
ela significa as dádivas que Deus dispensa aos homens, independente de seus merecimentos.

GRAÇA COMUM E GRAÇA SALVÍFICA


Na Teologia, estudamos duas concepções de graça: a graça comum e a graça salvífica.
A graça comum é aquela que Deus concede a todos os seres humanos, sem exceção.
Independente se a pessoa é um crente em Jesus Cristo ou não, a graça comum vem da parte de
Deus para abençoá-lo nesta existência. A graça salvífica é aquela que Deus concede apenas e
tão somente aos salvos e que os capacita a se tornarem filhos de Deus. É através da graça
salvífica que somos livres da condenação eterna e temos a salvação por meio de Cristo.
A Bíblia fala muito mais da graça salvífica do que da graça comum. Isto ocorre por
causa de seu objetivo: a salvação dos homens. No entanto, a graça salvífica só se torna real
por causa da graça comum que está em ação. A graça comum é o campo de onde Deus colherá
os seus salvos.
A graça comum fala do ensino bíblico de que “Deus é bom para com todas as suas
criaturas”. A bondade de Deus é enfatizada na Bíblia:
Quando adentrarmos no assunto da revelação, vamos perceber que a revelação geral se
dá exatamente no contexto da graça comum. É bom refletirmos sobre a situação da
humanidade para que Deus se revelasse a ela.

MANIFESTAÇÕES DA GRAÇA COMUM NA HUMANIDADE


Alguns aspectos importantes da vida humana na Terra demonstram a graça comum de
Deus:
1) A capacidade humana de pensar / sentir / decidir
O ser humano é o único animal feito à imagem e semelhança de Deus (Gn 1.27). Ele é
parecido com Deus. O Senhor dá ao homem a capacidade de pensar. Ele pode fazer ciências,
pensar corretamente e chegar a conhecimentos. Ele pode entender racionalmente a revelação
de Deus e fazer teologia.
O ser humano é capaz de ter todas as gamas de sentimentos: amor, bondade, desejo de
justiça, misericórdia, altruísmo, coragem, entre tantos outros. Deus o fez assim (Mt 22.37-39).
O ser humano pode tomar decisões livres (Dt 30.19). Em muitas circunstâncias, ele pode
escolher entre o bem e o mal. Embora nem todos os acontecimentos que lhe envolvem
dependa dele, o que depende pode fazer tremenda diferença em sua vida.

2) A vida a cada dia e seu sustento


Deus dá subsistência diária a todos os seres humanos (At 17.25,28). Se falta subsistência a
alguns, a ponto de morrerem de fome, isto se deve à maldade humana. A Terra tem condições
de alimentar todos os seus habitantes. Outras necessidades como água potável, chuva, sol, etc.
estão em abundância sobre a Terra.
3) A natureza
Todos os materiais e alimentos necessários à vida humana estão presentes na natureza.
Alimentação vegetal, pecuária estão à sua disposição (Gn 4.2,20). Todos os minérios e outros
elementos que auxiliam a vida, estão na natureza (Gn 4.22).
Além disto a contemplação da natureza é fonte de alegria para o homem (Sl 8.3,4).

4) A família
Outra grande bênção de Deus para toda a humanidade é a possibilidade de formar famílias
(Gn 2.18,24). Independente de credos pessoais ou mesmo de ter fé ou não em Deus, a família
é necessária e útil para a felicidade humana. Em qualquer circunstância, devemos valorizar a
família e o casamento.

5) O governo
O governo, os Estados políticos, as nações, os povos e toda organização social humana
que distribua bem o poder entre seus membros fazem parte da graça de Deus (Rm 13.1,4).
Quando qualquer tipo de governo faz justiça a seus membros, auxiliando quem faz o bem
e punindo quem faz o mal, então este governo é ministro de Deus para colocar ordem na vida
humana.

6) As ciências
Junto com as capacidades humanas (item 1), Deus dá aos homens a capacidade de
entender a realidade e mudar tanto a natureza como o próprio ser humano (Ec 12.9-12). Além
das ciências que lidam diretamente com a natureza (biologia, engenharia, geologia, botânica,
zoologia, etc.) temos aquelas que lidam com o ser humano (medicina, psicologia, sociologia,
filosofia, direito, etc.).

7) Viver em liberdade
O desejo de viver em liberdade é uma aspiração humana universal (Lv 25.10). Todo tipo
de cativeiro degrada o ser humano. Este desejo por liberdade está de acordo com a capacidade
de escolha que Deus concede ao homem (I Co 7.20-24).
A mãe de todas as liberdades é a religiosa, onde cada pessoa pode escolher livremente o
Deus a que quer servir ou mesmo não crer em Deus algum. Outras liberdades importantes são:
a política, a econômica e as sociais (ir e vir, formar família, estudo, trabalho, etc.).

8) Solidariedade humana na ajuda ao próximo


Outra grande bênção da graça comum é a capacidade humana de ajudar o seu próximo
quando este se encontra em dificuldade (Lc 10.30-37).
Esta solidariedade manifesta-se a nível universal ou pessoal. A nível universal, a
solidariedade existe quando há grandes tragédias da natureza (terremotos, tsunamis,
incêndios, secas, inundações, etc.) ou tragédias feitas pela maldade humana (guerras, bombas,
terrorismo, genocídios, etc.). A nível pessoal, esta ajuda acontece quando uma pessoa ou
família ajuda outra.

9) A busca de Deus (religiosidade humana)


A busca por Deus é também um lindo aspecto da graça comum. Quase todos os povos que
já existiram e existem na Terra são religiosos. Há uma busca por uma divindade (At 17.27).
A busca por Deus, com certeza, refreia sentimentos maus que há nos homens e realça os
bons sentimentos e atitudes.
Embora todas as religiões humanas não alcancem Deus, o Espírito Santo pode usar esta
procura humana para que o homem conheça o verdadeiro Deus. Agostinho disse que nosso
coração tem um vazio que é do tamanho de Deus, só ele pode preencher.
LIMITES À GRAÇA COMUM
1) Não pode salvar
Apesar de aspectos tão positivos, a graça comum não pode salvar o homem. A Bíblia é
clara que o homem natural não pode entender as coisas de Deus (I Co 2.14). É necessária a
ação sobrenatural do Espírito Santo para salvar o homem.
No entanto, a graça comum prepara o homem para o Evangelho (At 17.30,31). Por causa
disto deveríamos, como crentes, valorizar todos os aspectos da graça comum na sociedade em
que vivemos e no mundo. Ao invés de criticarmos quando estes aspectos estão sendo
colocados em prática, dizendo que tudo é do pecado e da maldade humana, deveríamos juntar
forças com os descrentes para que as coisas aprovadas por Deus vencessem. Infelizmente,
nosso segregacionismo evangélico nos impede de agir, junto com Deus, em favor da
humanidade.

2) Todas as bênçãos são mal usadas por causa do pecado


Outra verdade bíblica que devemos estar atentos é que as bênçãos da graça comum
geralmente são mal usadas pelo homem.
O homem usa sua capacidade de pensar, sentir e decidir para o mal. Destroi a natureza e
deixa multidões morrerem de fome, enquanto outros vivem na obesidade. Procura acabar com
a família e o casamento, minimizando seu valor. Os governos muitas vezes são totalitários,
autocráticos e injustos, incapazes de ajudar as sociedades a viverem bem. As ciências são
usadas para o mal como, por exemplo, construção de armas de destruição, abortos,
“psicologias” extremamente liberais, etc. A escravidão e a servidão estão presentes em quase
todas as sociedades. A solidariedade é feita muitas vezes para desencargo de consciência e
para receber parabéns, ao passo que outros desviam a solidariedade para benefícios pessoais
ou grupais não-autorizados. A busca de Deus por si mesmo nunca chega ao Deus vivo.
Tudo isto ocorre por causa do pecado que há em cada ser humano (Mc 7.20,23) e na
sociedade em geral (Rm 3.9-18). Só Deus pode libertar o ser humano desta teia de corrupção.