Anda di halaman 1dari 34

PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA: São Paulo, 09 de novembro de 2010: A CAMARGO CORRÊA DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO (“CCDI” ou “Companhia”;

Bovespa: CCIM3) anuncia seus resultados referentes ao terceiro trimestre de 2010. Os números devem ser lidos acompanhados com as Demonstrações
Financeiras da Companhia e respectivas Notas Explicativas.

LUCRO LÍQUIDO ALCANÇA R$116,4 MILHÕES NOS 9M10


As Vendas Contratadas do 3T10 atingem R$343,5 milhões e
ultrapassam a marca de R$850,0 milhões nos 9M10.
A CCDI aumenta significativamente o seu Banco de Terrenos no
segmento de Baixa Renda

DESTAQUES DO PERÍODO:
Lançamentos:
o Lançamentos dos 9M10 somam 4.812 unidades, totalizando R$971,0 milhões em VGV e correspondem a 72%
da base do guidance.
o Lançamentos dentro do Programa Minha Casa, Minha Vida representam 33% do total lançado nos 9M10.
Vendas Contratadas:
o Vendas Contratadas do 3T10 atingem R$343,5 milhões, 9,1% acima do trimestre anterior.
Banco de Terrenos:
o Banco de Terrenos da CCDI atinge R$9,1 bilhões.
o HM Engenharia aumenta significativamente seu banco de terreno com aquisição de R$636,2 milhões em VGV.
o CCDI fortalece a regional do Paraná com aquisição de terreno e estabelecimento de parceria com a JL
Construtora.
Destaques Financeiros:
o Receita Líquida do 3T10 alcança R$272,4 milhões, crescimento de 24,3% comparado ao 2T10.
o Margem Bruta do 3T10 é de 26,3% , com um aumento de 1,8 p.p vs o 2T10.
o Excluindo-se os efeitos não recorrentes, o percentual SG&A/ROL reduziu-se 5,6 pontos percentuais na
comparação 9M10 vs 9M09.

PRINCIPAIS INDICADORES OPERACIONAIS E FINANCEIROS


INDICADORES 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
CONSOLIDADO (R$ MM)
OPERACIONAL:
VENDA CONTRATADA 343,5 314,8 194,5 9,1% 76,6% 851,1 488,1 74,4%
LANÇAMENTOS 505,0 291,1 56,0 73,5% 801,8% 971,0 157,4 516,9%
FINANCEIRO:
RECEITA LÍQUIDA 272,4 219,2 103,9 24,3% 162,2% 755,2 347,0 117,6%
LUCRO BRUTO 71,6 53,7 5,5 33,5% 1190,9% 221,6 71,0 212,1%
MARGEM BRUTA (%) 26,3% 24,5% 5,3% 1,8pp. 20,9pp. 29,3% 20,5% 888,4%
EBITDA 46,2 36,6 (57,6) 26,0% --- 158,2 (29,6) ---
MARGEM EBITDA (%) 16,9% 16,7% -55,5% 0,2pp. --- 21,0% -8,5% ---
LUCRO LÍQUIDO 26,1 25,0 (61,8) 4,3% --- 116,4 (44,2) ---
MARGEM LÍQUIDA (%) 9,6% 11,4% -59,4% -1,8pp. --- 15,4% -12,7% ---
POSIÇÃO DE CAIXA (FINAL DO
284,6 281,7 139,9 1,0% 103,4% 284,6 139,9 103,4%
PERÍODO)
DÍVIDA LÍQUIDA (FINAL DO PERÍODO) (446,1) (376,4) (275,0) 18,5% 62,2% (446,1) (275,0) 62,2%

Release Financeiro 3T10 1


MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO

Neste trimestre completamos um ciclo de quatro trimestres consecutivos com geração de resultados positivos e
crescentes.

Lançamos 8 empreendimentos totalizando 2.615 unidades e representando R$505,0 milhões em Valor Geral de Vendas,
superando em 73,5% os lançamentos realizados no 2T10. As Vendas Contratadas atingiram 1.188 unidades no 3T10 e
somaram R$343,5 milhões, 9,1% acima do resultado obtido no 2T10.

Em termos acumulados, lançamos 4.812 unidades com VGV de R$971,0 milhões nos 9M10, resultado 516,9% acima dos
9M09. As Vendas Contratadas atingiram R$851,1 milhões distribuídas em 3.250 unidades, superando em 74,4% o
resultado dos 9M09.

No trimestre, a CCDI aumentou seu Banco de Terrenos, de R$8,7 bilhões para R$9,1 bilhões. Além do terreno do
empreendimento Vila Allegra que foi comprado pela CCDI e lançado no mesmo trimestre, a Companhia também adquiriu
um terreno no Paraná com VGV de R$72,1 milhões. A HM Engenharia adquiriu dois terrenos totalizando R$636,2 milhões
em VGV. Estes dois terrenos reforçaram o Banco de Terrenos exclusivo de empreendimentos de Baixa Renda, foco de
atuação da CCDI.

Iniciamos a operação da Célula de Construção Própria com a obra do empreendimento Chardonnay, no bairro Jardim Sul
em São Paulo.

Ao longo do terceiro trimestre, entregamos mais três empreendimentos, Cyprae, Ventura Corporate Towers Fase 2 1 e o
Residencial Casas do Parque. O empreendimento Cyprae está localizado em São Lourenço, no litoral de São Paulo, e possui
VGV total de R$46,1 milhões, distribuídos em 60 unidades. O Ventura Corporate Towers Fase 2 é um empreendimento de
Lajes Corporativas de padrão Triple A, o qual recebeu a certificação Green Building LEED® C&S na categoria Gold. O
Residencial Casas do Parque é um empreendimento de Baixa Renda, com 404 unidades e R$30,9 milhões de VGV.

Com a entrega de mais esses três empreendimentos, a CCDI e a HM Engenharia já entregaram em 2010 R$511,2 milhões
(parte CCDI), distribuídos em 10 projetos, totalizando 1.786 unidades.

Ainda no terceiro trimestre, a CCDI venceu o Prêmio Master Imobiliário 2010 na categoria Oportunidade Estratégica com o
empreendimento In Berrini, lançado em fevereiro de 2010. O Prêmio Master Imobiliário é reconhecido como o “Oscar” do
setor.

Os resultados financeiros do 3T10 acompanharam o crescimento operacional da Companhia e também apresentaram


incremento em relação ao trimestre anterior. Registramos Receita Líquida de R$272,4 milhões, Lucro Bruto de R$71,6
milhões e Margem Bruta de 26,3%. O Lucro Líquido alcançou R$26,1 milhões, com Margem Líquida de 9,6%.

1
A CCDI vendeu sua participação na SPE Projeto Rio (subsidiária responsável pelo desenvolvimento do Ventura Corporate Towers – fase 2) em dezembro
de 2009, e ficou responsável pelo acompanhamento de finalização da obra que ocorreu em agosto de 2010.

Release Financeiro 3T10 2


Encerramos o 3T10 com uma posição de caixa e aplicações financeiras de R$284,6 milhões, valor compatível com os
planos de crescimento da Companhia.

No início do quarto trimestre lançamos quatro empreendimentos no segmento de Baixa Renda. A CCDI e a HM Engenharia
estão bastante confiantes no alcance do guidance de 2010. Com os lançamentos de outubro, 87,3% da base do guidance
já foi realizada, sendo que 44,6% do total foi lançado no segmento de Baixa Renda.

De acordo com a premissa estratégica de reforçar a atuação da CCDI em suas regionais, prevemos no quarto trimestre um
maior volume de lançamentos nas regionais do Rio de Janeiro e do Paraná.

INFORMAÇÃO DE TELECONFERÊNCIA

DIA 10 DE NOVEMBRO DE 2010


Pela Internet: www.ccdi.com.br/ri
PORTUGUÊS INGLÊS Replay
09:00 horas (Brasília) 12:00 horas (Brasília) Disponível do dia 10/11 até o dia 16/11
Telefone: 5511-4688-6361 Telefones: 1-888-700-0802 (EUA) Telefone: 5511 4688-6312
Senha: CCDI 1-786-924-6977 (Outros Países) Senha Português: 47974
55 - 11-4688-6361 (Brasil) Senha Inglês: 47975
Senha: CCDI

Release Financeiro 3T10 3


DISCUSSÕES E ANÁLISES OPERACIONAIS2

LANÇAMENTOS

No 3T10, a CCDI e a HM Engenharia lançaram 8


empreendimentos totalizando R$505,0 milhões em Valor LANÇAMENTOS (R$ MM)
100% CCDI
Geral de Vendas, superando em 73,5% os lançamentos
HM
realizados no 2T10.
CCDI 971,0
38,2% dos lançamentos do 3T10 foram executados pela
318,9
HM Engenharia no segmento de Baixa Renda, dentro do
Programa Minha Casa, Minha Vida. A CCDI lançou R$312,1
505,0
milhões referentes a 2 empreendimentos, sendo um no
segmento Médio, unidades de R$200 mil a R$350 mil, e o 192,9
291,1 652,1
outro no segmento Altíssimo, unidades acima de R$1,0 102,0 157,4
milhão. Todos os lançamentos do trimestre foram 312,1
56,0 189,1 157,4
realizados no estado de São Paulo (Capital e Interior). 56,0
- -
3T09 2T10 3T10 9M09 9M10

Nos nove meses acumulados de 2010, os lançamentos atingiram R$971,0 milhões, 516,7% acima dos lançamentos do
9M09. De acordo com o guidance de lançamentos divulgado no início do ano, os lançamentos realizados nos 9M10
representam 71,9% da base do guidance. Os lançamentos no segmento de Baixa Renda correspondem a 32,8% do total
lançado.

Se considerarmos os lançamentos já realizados no 4T10, a CCDI e a HM Engenharia lançaram R$1.178,2 milhões, 87,3% da
base do guidance. Do total lançado, R$526,0 milhões ou 44,6% do total lançado até o momento, ocorreram no segmento
de Baixa Renda, seguindo a estratégia de lançamentos divulgada junto com o guidance. Abaixo segue quadro resumo dos
lançamentos já realizados em 2010:

No terceiro trimestre de 2010, a CCDI e a HM Engenharia lançaram 2.507 unidades residenciais, 80,2% acima das 1.391
unidades lançadas no trimestre anterior e 312,3% acima das 608 unidades lançadas no 3T09.

VGV - % CCDI
Empreendimento Localização Data de Lançamento Unidades Segmento Empresa
(R$ MM)
1 In Berrini São Paulo, SP fev/10 216 77,1 Médio-alto CCDI
2 Residencial Águas de Março Pedreira, SP fev/10 271 24,0 Baixa Renda HM
3 Pinot Noir São Paulo, SP mar/10 199 73,8 Médio-alto CCDI
4 Terras de São Pedro - Pátio do Engenho Santa Barbara D'Oeste, SP abr/10 312 32,0 Baixa Renda HM
5 Terras de São Pedro - Pátio do Barão Santa Barbara D'Oeste, SP abr/10 452 48,0 Baixa Renda HM
6 Portal Galeazzi - Varandas São José do Rio Preto, SP abr/10 118 11,0 Baixa Renda HM
7 Portal Galeazzi - Mirante São José do Rio Preto, SP abr/10 118 11,0 Baixa Renda HM
8 Vista Atlântico Vila Velha, ES mai/10 240 115,0 Alto CCDI
9 Terraço Empresarial Jardim Sul São Paulo, SP mai/10 271 74,1 Conjuntos CCDI
10 Residencial Quinta das Roseiras Cajamar, SP jul/10 45 5,0 Baixa Renda HM
11 Residencial Quinta das Oliveiras Cajamar, SP jul/10 187 20,0 Baixa Renda HM
12 Parque das Veredas Campinas, SP jul/10 600 51,0 Baixa Renda HM
13 Parque das Colinas Campinas, SP jul/10 420 35,0 Baixa Renda HM
14 Quinta do Loureiro Cajamar, SP jul/10 174 22,0 Baixa Renda HM

2
Os números aqui apresentados são gerenciais e não auditados.

Release Financeiro 3T10 4


15 Vila Allegra São Francisco São Paulo, SP set/10 271 55,8 Médio CCDI
16 Residencial Quinta das Pitangueiras Jaguariúna set/10 672 59,9 Baixa Renda HM
17 The Parker São Paulo, SP set/10 246 256,3 Altíssimo CCDI
18 Alameda dos Jacarandás Campinas, SP out/10 246 40,7 Econômico HM
19 Alameda das Aroeiras Campinas, SP out/10 530 87,6 Econômico HM
20 Porto Belo Condomínio Clube Sumaré, SP out/10 320 31,4 Baixa Renda HM
21 Vivenda Girassol Hortolândia, SP Out/10 496 47,5 Baixa Renda HM
Total de Lançamentos em 2010 6.404 1.178,2

O preço médio dos lançamentos do 3T10 ficou em R$201


UNIDADES LANÇADAS (CCDI + PARCEIROS)*
mil por unidade, abaixo do preço médio de lançamentos
PREÇO MÉDIO DE LANÇAMENTO (R$ MIL)
do 2T10 devido ao maior volume de lançamentos no
segmento de Baixa Renda. 347 255 269 500,0
2.400
192 128 201
2.200
78 92
A CCDI tem como parte de sua estratégia realizar 2.000
1.902 1.828 -

lançamentos em três segmentos de mercado: Baixa 1.800

Renda, através de sua subsidiária HM Engenharia, 1.600


718 1.511 (500,0)

1.400
1.303 2.098
segmento “Tradicional” que compreende 988
1.200 1.134 (1.000,0)
empreendimentos residenciais (unidades a partir de 1.000 1.000
400
R$130 mil) e salas comerciais e o segmento de Lajes 800
686 (1.500,0)
1.303 608
Corporativas. 600
1.184 271
400 840 734 (2.000,0)
608 511
200 415 409
Conforme a projeção de lançamentos 2010 divulgada -
- - (2.500,0)
pela Companhia em 15/04, CCDI irá aumentar ao longo
3T08 4T08 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10
de 2010 a importância relativa do segmento de Baixa
Renda em suas operações. Dos R$1,35 bilhão a R$1,55 CCDI HM Preço médio de lançamentos
bilhão, 45% a 55% dos lançamentos deverão ser
realizados pela HM Engenharia e Construções.
*Não houve lançamento no 1T09.

ENTREGA DE EMPREENDIMENTOS

No terceiro trimestre de 2010, a CCDI entregou os empreendimentos Cyprae e Ventura Corporate Towers Fase 2. O
empreendimento Cyprae está localizado em São Lourenço, no litoral de São Paulo, e possui VGV total de R$46,1 milhões,
distribuídos em 60 unidades. O condomínio conta com ampla área de lazer, piscina, churrasqueira, fitness entre outros.

O Ventura Corporate Towers Fase 2 é um empreendimento de Lajes Corporativas de padrão Triple A, o qual recebeu a
certificação Green Building LEED® C&S na categoria Gold. O VGV de lançamento total do projeto foi de R$480,0 milhões e a
área privativa construída foi de mais de 53 mil m², sendo 50% a parte da CCDI.

Ainda no terceiro trimestre, a HM Engenharia entregou o empreendimento Residencial Casas do Parque, com VGV de
R$30,9 milhões distribuídos em 404 unidades.

Com a entrega de mais esses três empreendimentos, a CCDI e a HM Engenharia já entregaram em 2010 R$511,2 milhões
(parte CCDI), distribuídos em 10 projetos, totalizando 1.786 unidades. A parte exclusiva da HM Engenharia é de 05
projetos, totalizando 1.370 unidades e R$95,0 milhões de VGV.

Release Financeiro 3T10 5


VENDAS CONTRATADAS

No terceiro trimestre de 2010, as Vendas Contratadas da


CCDI atingiram R$343,5 milhões, 9,1% superior às Vendas VENDAS CONTRATADAS (R$ MM)
100% CCDI
Contratadas do 2T10 e 76,6% superior aos R$194,5
HM
milhões registrados no 3T09. Vale ressaltar que as Vendas 851,1
Contratadas da HM Engenharia no 3T09 foram CCDI
162,6
excepcionalmente elevadas devido à consolidação do
Programa Minha Casa, Minha Vida lançado em Abril/2009
488,1
que resultou na venda de um elevado número de
unidades que estavam em estoque. No terceiro trimestre, 314,8 343,5
231,5
a CCDI realizou o lançamento dos empreendimentos Vila 60,4 688,5
60,3
194,5
Allegra e The Parker, os quais apresentaram excelente
117,1 254,5 283,1 256,6
comercialização no lançamento.
77,4

3T09 2T10 3T10 9M09 9M10

Nos nove primeiros meses do ano, as Vendas Contratadas atingiram R$851,1 milhões, volume 74,4% superior às Vendas
Contratadas dos 9M09. O aumento expressivo das Vendas Contratadas em 2010, deve-se à assertividade nos lançamentos
realizados e à maior eficiência no processo de contratação das unidades vendidas.

VENDAS CONTRATADAS DE VENDAS CONTRATADAS 3T10


LANÇAMENTOS E ESTOQUE Por período de Lançamento
Vendas de Lançamentos (%)
343,5 Até 2007
Vendas de Estoque (%) 314,8 3T10 23,7%
35,2%
27,3% 35,2%

194,5 185,0 192,9


3,3% 2008
33,1% 10,6%
42,1%
72,7% 64,9%
96,7%
57,9%% 66,9%
2T10
8,2% 2009
1T10 15,2%
3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 7,1%

Dos R$505,0 milhões lançados no 3T10, 23,9% foram comercializados no mesmo período. Analisando-se as Vendas
Contratadas do 3T10 por período de lançamentos, verifica-se que as vendas de unidades em estoque representaram
64,9% (R$120,7 milhões) das Vendas Contratadas totais. As vendas de estoque foram de R$222,8 milhões, representando
26,5% do estoque de R$841,4 milhões ao final do 2T10.

Release Financeiro 3T10 6


VENDAS CONTRATADAS 3T10
VENDAS CONTRATADAS 3T10 Por Localização
Segmento de Mercado Rio de
Paraná
Conjuntos; Baixa Renda; Minas Gerais 5,0% Janeiro
5,0% 18,1% e Espírito 1,5%
Santo São Paulo
1,1% (Interior +
Econômico; Litoral)
Alto e 5,5% 26,4%
Altíssimo;
36,8%

Médio;
23,6% São Paulo
(Capital +
RMSP)
Médio-Alto; 66,0%
11,0%

Em termos de segmento de mercado, as Vendas Contratadas do 3T10 foram maiores nos segmentos de alta e altíssima
renda (36,8%), devido aos lançamentos realizados nestes segmentos nos últimos meses. Os outros 63,2% foram
distribuídos em todos os segmentos de mercado em que a CCDI atua.

A análise por localização, indica que as vendas de unidades no Estado de São Paulo foram responsáveis por 92,4% das
vendas contratadas totais.

Em número de unidades vendidas, a CCDI e a HM


Engenharia venderam 1.123 unidades, sendo que 57,3% UNIDADES VENDIDAS (CCDI + PARCEIROS)*
PREÇO MÉDIO DE VENDAS (R$ MIL)
delas foram comercializadas dentro do Programa Minha 2.400
234 211 199 242 265 306 500
Casa Minha Vida, por intermédio da HM Engenharia. 2.200
172 128 123
2.000
0
O preço médio de vendas do 3T10 foi de R$306 mil por 1.800 1.684
unidades, 15,5% superior ao preço médio de venda do 1.600 1.478 -500
1.400
1.246 1.251 1.123
2T10 (R$265 mil). Na comparação 3T10/3T09, o preço 1.200
1.003 -1000
médio de vendas subiu 148,8%, devido principalmente ao 367 973
1.000
820 1.018 1.333 811 612
mix de produtos lançados ao longo do período. 800
465 644 -1500
600 400 687 443
400 879 -2000
538 639 479
200 420 460 351 368
286
- -2500

3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10


CCDI HM Preço médio de vendas
* Não considera Lajes Corporativas

ESTOQUE A VALOR DE MERCADO

O Estoque a Valor de Mercado é uma aproximação gerencial do montante total de unidades lançadas e não vendidas
(“estoque”) avaliadas ao seu valor individual de lançamento (“valor de mercado”).

Nestes cálculos, foram incluídas apenas as unidades “de varejo”, o que significa que, para fins desta análise, não estão
consideradas as unidades referentes ao Ventura Corporate Towers (segmento AAA) no 3T09.

Release Financeiro 3T10 7


ESTOQUE A VALOR DE MERCADO - CONSOLIDADO 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09
INÍCIO DO PERÍODO - R$ MM 841,4 815,0 571,6 3,2% 47,2%
FINAL DO PERÍODO – R$ MM 1.086,7 841,4 544,1 29,2% 99,7%

A CCDI encerrou o 3T10 com R$1.086,7 milhões de VGV em estoque; 29,2% superior ao estoque registrado em Junho de
2010 (R$841,4 milhões) e 99,7% superior ao estoque registrado no final do 3T09 (R$544,1 milhões). O aumento do
estoque no 3T10 está diretamente relacionado aos lançamentos do trimestre.

Em Setembro de 2010, o Estoque a Valor de Mercado da CCDI apresentava a seguinte distribuição: 1,3% em unidades
concluídas, 44,8% em unidades em construção e 53,9% em unidades na planta.

ESTOQUE A VALOR DE MERCADO 3T10


ESTOQUE A VALOR DE MERCADO 3T10
Por Período de Lançamento
Segmento de Mercado
Conjuntos;
0,1%
Baixa Renda; Até 2007;
25,6% 24,5%

Econômico; 2008;
Alto e 1,3% 2010;
7,0%
Altíssimo; 52,9%
56,9% Médio; 8,6%
2009;
15,6%
Médio-Alto;
7,5%

Em termos de segmento de mercado, o estoque está concentrado nos segmentos Alto e Altíssimo (56,9%). Na análise por
localização, 85,2% do estoque está localizado no estado de São Paulo, devido ao foco de atuação da CCDI e da HM
Engenharia.

Abaixo segue tabela com o estoque a valor de mercado exclusivo da HM Engenharia. Em Setembro de 2010, o Estoque a
Valor de Mercado da HM estava distribuído da seguinte forma: 0,4% em unidades concluídas, 17,5% em unidades em
construção e 82,1% em unidades na planta.

ESTOQUE A VALOR DE MERCADO – HM ENGENHARIA 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09


INÍCIO DO PERÍODO - R$ MM 130,1 72,1 185,6 80,5% -29,9%
FINAL DO PERÍODO – R$ MM 279,0 130,1 110,3 114,4% 153,0%

ANÁLISE DE MÉTRICAS DE VENDAS 3

A Velocidade de Vendas (VSO) da CCDI foi de 25,5% no 3T10, 2,9 pontos percentuais inferiores aos 28,5% registrado no
2T10. Na comparação com o 3T09, a Velocidade de Vendas do 3T10 reduziu 5,5 pontos percentuais. A redução da
Velocidade de Vendas deve-se ao fato de alguns lançamentos terem ocorrido no final do trimestre.

3
Todos os valores são 100% CCDI e não incluem os valores referentes ao Ventura Corporate Towers.

Release Financeiro 3T10 8


Na análise acumulada, o VSO dos 9M10 foi de 47,4%, 4,9 pontos percentuais superiores ao VSO dos 9M09.

CÁLCULO VELOCIDADE SOBRE OFERTA (VSO) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
A LANÇAMENTOS NO PERÍODO (R$ MM) 505,0 291,1 56,0 73,5% 801,8% 971,0 157,4 516,7%
B ESTOQUE TOTAL INICIAL (R$ MM) 841,4 824,1 571,6 2,1% 47,2% 824,1 990,4 -16,8%
C VENDAS CONTRATADAS (R$ MM) 343,5 314,8 194,4 9,1% 76,6% 851,1 488,1 74,4%
C/(A+B) VELOCIDADE SOBRE OFERTA (VSO) 25,5% 28,5% 31,0% -2,9pp. -5,5pp. 47,4% 42,5% 4,9pp.

A velocidade de vendas “VV”, que é calculada como a razão entre vendas e lançamentos realizados em um determinado
período, foi de 68,0% no 3T10. Quando comparado ao 2T10 e ao 3T09, a VV do 3T10 ficou abaixo devido ao menor volume
de lançamentos nos trimestres anteriores.

Nos 9M10, a VV foi de 87,7%, 222,3 pontos percentuais inferiores a VV dos 9M09, devido principalmente ao menor
volume de lançamentos em 2009.

CÁLCULO VELOCIDADE DE VENDAS (VV) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
A VENDAS CONTRATADAS (R$ MM) 343,5 314,8 194,4 9,1% 76,6% 851,1 488,1 74,4%
B LANÇAMENTOS NO PERÍODO (R$ MM) 505,0 291,1 56,0 63,2% 801,8% 971,0 157,4 516,7%
A/B VELOCIDADE DE VENDAS (VV) 68,0% 108,1% 347,2% -40,1pp. -279,2pp. 87,7% 310,0% -222,3pp.

A Velocidade de Vendas (“Speed of Sales” – SoS) captura o avanço das vendas médias mensais e se estas são suficientes
para absorver a velocidade de lançamentos da Companhia (levando-se em conta a performance comercial da Companhia
nos últimos 18 meses, para se expurgar efeitos eventuais de sazonalidade).

No 3T10, a CCDI obteve uma venda média mensal de R$126,7 milhões (móvel de 18 meses), 31,2% superior quando
comparada ao 2T10 e 133,3% superior ao 3T09.

Se o volume de vendas médias do período for mantido para os próximos períodos, desconsiderados novos lançamentos, a
Companhia venderá todo o seu estoque de unidades em 12,0 meses.

CÁLCULO VELOCIDADE DE VENDAS MÉDIA (SoS) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09
A VGV LANÇADO (ÚLTIMOS 18 MESES) - R$ MM 1.522,1 1.017,1 778,3 49,7% 95,6%
B MESES DE LANÇAMENTO 6,4 6,0 11,0 5,7% -41,9%
VENDAS DE UNIDADES LANÇADAS NOS ÚLTIMOS 18 MESES
C 807,4 581,9 595,8 38,8% 35,5%
ACUMULADA – R$ MM
C/B = D VENDA POR MÊS (MÉDIA) – R$ MM 126,7 96,6 54,3 31,2% 133,3%
(D*12)/A VELOCIDADE DE VENDAS MÉDIA (SoS) - % 99,9% 113,9% 83,7% -14,0pp. 16,2pp.
A/D GIRO (MESES PARA 100% DE VENDAS) 12,0 10,5 14,3 1,5 -2,3

HM ENGENHARIA

A “VSO” exclusiva da HM Engenharia ficou em 18,7%; 16,0 pontos percentuais inferior ao “VSO” do 2T10. Quando
comparado 3T09, o “VSO” reduziu 29,8 pontos percentuais. Tal redução deve-se ao maior volume de lançamentos no
3T10.

Na comparação acumulada, a VSO da HM Engenharia reduziu 19,3 pontos percentuais na comparação com os primeiros
nove meses de 2009, atingindo 40,0% nos 9M10.

Release Financeiro 3T10 9


CÁLCULO VELOCIDADE SOBRE OFERTA (VSO) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
A LANÇAMENTOS NO PERÍODO (R$ MM) 192,9 102,0 56,0 89,1% 244,5% 318,9 157,4 102,6%
B ESTOQUE TOTAL INICIAL (R$ MM) 130,1 72,1 185,6 80,5% -29,9% 87,3 233,1 -62,6%
C VENDAS CONTRATADAS (R$ MM) 60,4 60,3 117,1 0,1% -48,5% 162,6 231,5 -29,8%
C/(A+B) VELOCIDADE SOBRE OFERTA (VSO) 18,7% 34,7% 48,5% -16,0pp. -29,8pp. 40,0% 59,3% -19,3pp.

No indicador mais simples de velocidade de vendas (Vendas sobre Lançamentos -“VV”), o indicador da HM Engenharia foi
de 31,3% no 3T10, abaixo nos dois trimestres comparados. Na comparação acumulada, a VV foi de 51,0%, abaixo do
mesmo período do ano anterior.

CÁLCULO VELOCIDADE DE VENDAS (VV) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
A VENDAS CONTRATADAS (R$ MM) 60,4 60,3 117,1 0,1% -48% 162,6 231,5 -29,8%
B LANÇAMENTOS NO PERÍODO (R$ MM) 192,9 102,0 56,0 89,1% 244% 318,9 157,4 102,6%
A/B VELOCIDADE DE VENDAS (VV) 31,3% 59,2% 209,2% -27,9pp. -177,9pp. 51,0% 147,1% -96,1pp.

Na análise das vendas médias mensais exclusivas da HM Engenharia, verifica-se um aumento de 35,5% das vendas no 3T10
quando comparado ao 2T10 e 21,9% quando comparado ao 3T09. A Velocidade de Vendas Média do 3T10 reduziu quando
comparado ao 2T10 e ao 3T09 devido ao maior volume de lançamentos.

Se o volume de vendas médias do período for mantido para os próximos períodos, desconsiderados novos lançamentos, a
Companhia venderá todo o seu estoque de unidades em 14,4 meses.

CÁLCULO VELOCIDADE DE VENDAS MÉDIA (SoS) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09
A VGV LANÇADO (ÚLTIMOS 18 MESES) - R$ MM 512,4 319,4 327,9 60,4% 56,3%
B MESES DE LANÇAMENTO 7,5 8,0 7,5 -5,3% 0,1%
VENDAS DE UNIDADES LANÇADAS NOS ÚLTIMOS 18
C 267,5 208,3 219,2 28,4% 22,0%
MESES ACUMULADA – R$ MM
C/B = D VENDA POR MÊS (MÉDIA) – R$ MM 35,5 26,2 29,1 35,5% 21,9%
(D*12)/A VELOCIDADE DE VENDAS MÉDIA (SoS) - % 83,1% 98,3% 106,4% -15,2 pp. -23,4 pp.
A/D GIRO (MESES PARA 100% DE VENDAS) 14,4 12,2 11,3 2,2 28,2%

Release Financeiro 3T10 10


BANCO DE TERRENOS

No terceiro trimestre de 2010, conforme mencionado BANCO DE TERRENOS


(R$ BILHÕES)
anteriormente, a CCDI e a HM Engenharia lançaram 0,7
R$505,0 milhões em Valor Geral de Vendas. Os terrenos
referentes a esses empreendimentos estavam (0,3)
registrados no Banco de Terrenos no valor de R$303,0
milhões. Observa-se 2 fatores que explicam a valorização
de R$201,8 milhões na comparação VGV de Landbank x
VGV Lançado: 8,7 9,1
• O terreno referente o lançamento Vila Allegra
foi comprado no mês de julho e lançado no mês
de Setembro, sendo assim, os R$55,8 milhões
de VGV referentes a este projeto não estava
contemplado no Banco de terrenos do 2T10. Banco de Terrenos Aquisições 3T10 Lançamentos 3T10 a Banco de Terrenos
2T10 valor de Landbank 3T10

• Os R$146,0 milhões restantes referem-se à valorização do potencial de vendas dos projetos no momento de cada
lançamento. Um exemplo é o empreendimento The Parker que foi lançado com VGV de R$256,3 milhões e estava
registrado em nosso Banco de Terrenos com o valor de R$164,5 milhões.

No terceiro trimestre, além do terreno do empreendimento Vila Allegra que foi comprado e lançado no mesmo trimestre,
a CCDI e a HM Engenharia adquiriram três terrenos totalizando R$708,3 milhões em VGV.

O primeiro terreno comprado no trimestre foi em parceria com a JL Construções e está localizado na regional do Paraná,
na cidade de Curitiba. O VGV Total do projeto é de R$103,0 milhões e a participação da CCDI é de 70% (R$72,1 milhões). O
empreendimento contará com unidades residenciais e comerciais.

Os outros dois terrenos adquiridos foram através da HM Engenharia e Construções, nossa empresa dedicada
exclusivamente ao segmento de baixa renda, dentro do Programa Minha Casa, Minha Vida. O primeiro terreno está
localizado na cidade de Americana, no bairro de São Gonçalo, com área aproximada de 35 mil m². O VGV potencial do
projeto é de R$86,2 milhões, com previsão de lançamento ainda em 2010.

O segundo terreno situa-se na cidade de Campinas e possui área aproximada de um milhão e duzentos mil m². O
empreendimento, que será lançado em fases a partir de 2012, possui um VGV potencial de R$550,0 milhões e contará com
a oferta de apartamentos e salas comerciais.

Desta forma, o atual Banco de Terrenos da Companhia passou a ser de R$9,1 bilhões em valor geral de vendas (VGV) para
futuro desenvolvimento. Deste montante; R$1,9 bilhão refere-se a terrenos exclusivos da HM Engenharia.

É importante ressaltar que 70,5% do VGV potencial do Landbank da CCDI estão direcionados a projetos com preço unitário
até R$500 mil (nova faixa-teto do FGTS) e que 70,7% localizam-se no maior pólo econômico e demográfico do Brasil: São
Paulo (Capital e Região Metropolitana).

Release Financeiro 3T10 11


BANCO DE TERRENOS 3T10 BANCO DE TERRENOS 3T10
Por segmento Espírito Por localização
Lajes Santo, Rio de
Corporativas Paraná e Janeiro
13,8% Minas Gerais 1,5%
Baixa Renda
29,0% 6,1%

São Paulo
Outros (Interior +
São Paulo
15,6% Litoral)
Capital
21,7%
40,9%

Médio - Alto
4,2%
Econômico
Médio 21,1% RMSP
16,2% 29,8%

PRÊMIO MASTER IMOBILIÁRIO 2010

A CCDI venceu o Prêmio Master Imobiliário 2010 na categoria


Oportunidade Estratégica com o empreendimento In Berrini,
lançado em fevereiro de 2010. O Prêmio Master Imobiliário é
reconhecido como o “Oscar” do setor, é a maior homenagem
que a indústria imobiliária presta aos seus mestres e ao alto
nível de arquitetura, engenharia, construção, vendas e
marketing, entre outros.

Segundo o júri, a CCDI fez “uma aposta arrojada e bem


sucedida” com o In Berrini, transformando o projeto em “um
estrondoso sucesso de vendas”. A venda dos 216
apartamentos do empreendimento ocorreu no mesmo dia do
lançamento, totalizando um Valor Geral de Vendas (VGV) de
R$ 76 milhões.

Release Financeiro 3T10 12


DISCUSSÕES E ANÁLISES FINANCEIRAS
RECEITA LÍQUIDA, LUCRO BRUTO E MARGEM BRUTA

No 3T10, a RECEITA LÍQUIDA Consolidada atingiu RECEITA LÍQUIDA (R$ MM) 755,2
R$272,4 milhões, valor 24,3% superior aos R$219,2
HM 149,1
milhões registrados no 2T10 e 162,2% superior à Receita
Líquida do 3T09. O aumento da Receita Líquida em CCDI
relação ao trimestre anterior deve-se ao aumento de
reconhecimento de receita por maiores vendas e avanço
347,0
do andamento de obras. A Receita Líquida o 3T09 ficou
272,4 95,7 606,1
em patamares menores devido aos R$26,9 milhões de 219,2
62,0
ajustes realizados no trimestre em decorrência dos 54,4
103,9
efeitos dos distratos da totalidade das unidades do 210,4 251,3
38,5 164,8
empreendimento Cassis, a revisão de custos orçados, e 65,4
reclassificação da reversão do ajuste AVP. Excluindo-se
3T09 2T10 3T10 9M09 9M10
esses ajustes, a Receita Líquida do 3T09 teria sido de
R$130,8 milhões, ficando a Receita Líquida do 3T10
108,2% superior a Receita Líquida do 3T09.

Em termos acumulados, a Receita Líquida Consolidada aumentou 117,6% em um ano, atingindo R$755,2 milhões nos
9M10. Desconsiderando os ajustes na Receita Líquida do 3T09, a Receita Líquida dos 9M09 teria sido de R$379,0 milhões,
e desconsiderando a Receita da venda do terreno Itautec no 1T10, a Receita Líquida Consolidada dos 9M10 teria sido de
R$658,8 milhões, 73,9% acima da Receita Líquida dos 9M09.

A Receita Líquida exclusiva da HM Engenharia, subsidiária integral da CCDI dedicada ao segmento de Baixa Renda, foi de
R$62,0 milhões no 3T10, 13,9% superior a Receita Líquida do 2T10 e 60,9% superior a Receita Líquida do 3T09. A
participação da Receita Líquida da HM Engenharia na Receita Consolidada foi de 22,8% no 3T10, contra 24,8% no trimestre
anterior e 37,1% no 3T09. A redução da participação da HM Engenharia na Receita Líquida Consolidada de um trimestre
para o outro está diretamente relacionada ao aumento da Receita Líquida da CCDI no 3T10 em decorrência do aumento
das Vendas Contratadas do trimestre. Desconsiderando-se os ajustes do 3T09, a participação da HM Engenharia teria sido
de 29,4% na Receita Líquida do trimestre.

Em termos acumulados a Receita Líquida da HM Engenharia saiu de R$95,7 milhões nos 9M09 e atingiu R$149,1 milhões,
apresentando 55,8% de crescimento em um ano. O percentual da Receita Líquida da HM Engenharia nos 9M10 foi de
19,7%, valor inferior ao percentual da Receita Líquida dos 9M09 (27,6%) devido ao maior reconhecimento de receita da
CCDI no primeiro trimestre de 2010 por conta da venda do terreno Itautec. Se esta venda não tivesse ocorrido, a Receita
Líquida Consolidada seria de R$658,8 milhões nos 9M10, e a participação da HM Engenharia seria de 22,6%.
Desconsiderando-se os ajustes do 3T09, a participação da HM Engenharia nos 9M09 teria sido de 25,3% na Receita Líquida
do 9M09.

Vale ressaltar que, a CCDI reconhece sua receita com base no complemento físico-financeiro de cada um dos seus projetos
(conforme instrução 963 do Conselho Federal de Contabilidade) e reporta, desde o 4T08, seus números de acordo com as
normas da OCPC-01/08.

Release Financeiro 3T10 13


O LUCRO BRUTO Consolidado do 3T10 atingiu R$71,6 milhões; 33,5% superior ao Lucro Bruto registrado no 2T10 e
1190,9% superior ao registrado no 3T09. Excluindo-se os ajustes contábeis realizados no 3T09, o Lucro Bruto teria sido de
R$27,4 milhões, ficando o Lucro Bruto do 3T10 161,3% superior quando comparado ao Lucro Bruto do 3T09.

Em termos acumulados, o Lucro Bruto dos 9M10 atingiu R$221,6 milhões, 212,1% superior aos R$71,0 milhões registrados
nos 9M09. Desconsiderando-se os ajustes do 3T09, o Lucro Bruto dos 9M09 seria de R$102,3 milhões, e desconsiderando
a venda do terreno Itautec no 1T10, o Lucro Bruto dos 9M10 seria de R$169,1 milhões. Nesta comparação, o Lucro Bruto
Consolidado teria um crescimento de 65,4% em um ano.

A MARGEM BRUTA Consolidada do 3T10 atingiu 26,3%, 1,8 ponto percentual acima da Margem Bruta do trimestre
anterior e 20,9 pontos percentuais superiores a Margem Bruta do 3T09. Excluindo-se o efeito dos ajustes realizados no
3T09, a Margem Bruta teria sido de 20,9% ao final do 3T09. A CCDI e a HM estão trabalhando trimestre a trimestre para
aumentar a Margem Bruta dos projetos. É importante ressaltar que como a CCDI atua em todos os segmentos de
mercado, a Margem Bruta está relacionada ao mix de produtos, podendo ter variações ao longo dos períodos.

Em termos acumulados, a Margem Bruta dos 9M10 foi 29,3%, 8,9 pontos percentuais acima da Margem Bruta de 20,5%
nos 9M09. Desconsiderando a venda do terreno Itautec no 1T10, a Margem Bruta dos 9M10 teria sido de 25,7%.
Desconsiderando o efeito dos ajustes do 3T09, a Margem Bruta dos 9M09 teria sido de 27,0%.

CONSOLIDADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09

LUCRO BRUTO 71,6 53,7 5,5 33,5% 1190,9% 221,6 71,0 212,1%
MARGEM BRUTA (%) 26,3% 24,5% 5,3% 1,8pp. 20,9pp. 29,3% 20,5% 8,9pp.

O Lucro Bruto exclusivo da HM Engenharia e Construções foi de R$18,4 milhões no 3T10, 7,0% superior ao Lucro Bruto de
R$17,2 milhões registrado no trimestre anterior e 94,5% superior ao Lucro Bruto registrado no 3T09. Nos nove primeiros
meses do ano, o Lucro Bruto da HM Engenharia atingiu R$45,0 milhões, 90,9% superior ao Lucro Bruto dos 9M09. O
incremento do Lucro Bruto está relacionado ao crescimento operacional da Companhia.

A Margem Bruta exclusiva da HM Engenharia foi de 29,7% no 3T10, 1,9 ponto percentual inferior à Margem Bruta do
trimestre anterior, e 5,1 pontos percentuais superior à Margem Bruta do 3T10. A Margem Bruta do 2T10 foi acima da
Margem Bruta do 3T10 devido à conclusão de dois empreendimentos (Praças de Sumaré e Residencial da Mata) com
custos reais inferiores aos custos orçados. Nos nove primeiros meses de 2010, a HM Engenharia registrou Margem Bruta
de 30,2%, um crescimento de 5,6 pontos percentuais na comparação com a Margem Bruta dos 9M09.

HM ENGENHARIA (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09

LUCRO BRUTO 18,4 17,2 9,5 7,0% 94,5% 45,0 23,5 90,9%
MARGEM BRUTA (%) 29,7% 31,6% 24,5% -1,9pp. 5,1pp. 30,2% 24,6% 5,6pp.

A seguir, apresentamos a tabela de Conclusão Financeira Acumulada, Reconhecimento de Receita e Vendas Acumuladas:

Release Financeiro 3T10 14


Conclusão
Receita Vendas
VGV Financeira
Previsão Reconhecida Acumuladas
CCDI Acumulada
Empreendimentos Lançamento de Estágio* Unid. (R$ MM) (%)
(R$ (%)
Entrega*
MM)
3T10 2T10 3T10 2T10 3T10 2T10

Baixa Renda (até R$130 mil por unidade)


Quinta do Café dez/07 mai/11 Em construção 472 30,0 97% 87% 3,8 5,0 90% 88%
Praças de Sumaré fev/08 mai/10 Concluído 480 33,8 100% 100% 1,0 4,4 99% 97%
Residencial Alto de Rebouças mar/08 dez/10 Em construção 353 34,0 100% 82% 5,4 5,7 90% 91%
Residencial Casas do Parque mar/08 ago/10 Concluído 404 30,9 100% 89% 3,8 4,8 98% 98%
Portal Dumont jun/08 fev/10 Concluído 64 4,7 100% 100% 0,0 0,0 98% 98%
Residencial da Mata jun/08 mai/10 Concluído 192 14,0 100% 100% 0,1 0,4 99% 99%
Residencial Parque Cosmópolis jul/08 fev/10 Concluído 230 11,5 100% 100% 0,1 0,3 99% 99%
Araucária Cond. Club set/08 abr/11 Em construção 320 25,0 66% 50% 4,4 4,9 100% 99%
Quinta do Conde dez/08 set/11 Em construção 336 30,4 25% 13% 3,4 1,7 93% 94%
Bela Vista Varandas dez/08 nov/11 Em construção 544 42,4 25% 11% 6,6 2,1 97% 99%
Parque Campinas mai/09 jun/11 Em construção 784 56,2 50% 35% 8,0 7,3 93% 94%
Bela Vista Casas jun/09 mar/12 Em construção 519 45,2 45% 34% 4,8 4,6 97% 97%
Varandas Campinas jul/09 jan/12 Em construção 304 27,0 23% 18% 1,5 0,7 97% 99%
Vivenda Ribeirão1 set/09 dez/11 Em construção 304 29,0 12% 11% 1,0 0,0 96% 86%
Porto Feliz1 nov/09 dez/11 Em construção 400 36,0 14% 6% 2,8 0,2 87% 77%
Residencial Águas de Março fev/10 fev/12 Na planta 271 24,0 20% 20% 0,7 2,4 79% 64%
Terras de São Pedro - Pátio do Engenho abr/10 abr/12 Na planta 312 32,0 0% 0% 0,0 0,0 0% 0%
Terras de São Pedro - Pátio do Barão abr/10 abr/12 Na planta 452 48,0 13% 14% 1,3 2,4 62% 40%
Portal Galeazzi - Varandas abr/10 abr/12 Na planta 118 11,0 3% 3% 0,1 0,1 47% 35%
Portal Galeazzi - Mirante abr/10 abr/12 Na planta 118 11,0 0% 0% 0,0 0,0 0% 0%
Residencial Quinta das Roseiras jul/10 jul/12 Na planta 45 5,0 0% 0% 0,0 0,0 0% 0%
Residencial Quinta das Oliveiras jul/10 jul/12 Na planta 187 20,0 16% 0% 0,5 0,0 16% 0%
Res. dos Parques - Parque das Veredas jul/10 jul/12 Na planta 600 51,0 6% 0% 0,8 0,0 33% 0%
Res. dos Parques - Parque das Colinas jul/10 jul/12 Na planta 420 35,0 16% 0% 2,2 0,0 40% 0%
Residencial Quinta do Loureiro jul/10 jul/12 Na planta 174 22,0 0% 0% 0,0 0,0 0% 0%
Quinta das Pitangueiras set/10 mai/13 Na planta 672 59,9 6% 0% 0,1 0,0 4% 0%
Econômico (unidades entre R$100 mil e R$200 mil)
Jacob Emerich set/07 abr/11 Em construção 188 35,0 75% 64% 5,7 4,7 90% 86%
João Ramalho out/07 abr/11 Em construção 150 22,0 94% 90% 3,2 5,0 88% 82%
Innova São Francisco 1 e 2 dez/07 nov/11 Em construção 868 55,1 82% 66% 11,9 7,3 100% 100%
Interclube Parque Residencial 1 jan/08 jan/11 Em construção 406 32,9 75% 62% 4,3 3,6 95% 94%
Innova São Francisco 3 fev/08 nov/11 Em construção 422 27,8 51% 41% 4,0 1,9 100% 100%
Interclube Parque Residencial 2 mar/08 jun/11 Em construção 470 37,9 75% 62% 5,5 4,7 91% 89%
Innova São Francisco 4 mar/08 nov/11 Em construção 400 32,2 49% 40% 3,7 1,7 100% 100%
Cores Jardim Sul - Azul mai/08 jul/11 Em construção 272 38,7 53% 42% 6,0 3,4 97% 94%
Cores Jardim Sul - Vermelho set/08 out/11 Em construção 330 53,5 57% 49% 5,9 5,8 98% 98%
Brisa da Mata Cond. Resort set/08 dez/10 Em construção 168 28,9 94% 82% 3,5 4,1 98% 98%
Quinta das Laranjeiras out/08 dez/10 Em construção 108 13,5 100% 83% 2,1 2,1 100% 100%
Innova Blue out/08 jun/12 Em construção 840 73,4 22% 20% 2,0 1,8 100% 100%

Release Financeiro 3T10 15


Conclusão
Receita Vendas
VGV Financeira
Previsão Reconhecida Acumuladas
CCDI Acumulada
Empreendimentos Lançamento de Estágio* Unid. (R$ MM) (%)
(R$ (%)
Entrega*
MM)
3T10 2T10 3T10 2T10 3T10 2T10

Médio (unidades entre R$200 mil e R$350 mil)


Terra da Mata ago/03 dez/06 Concluído 112 37,0 100% 100% 0,8 0,0 100% 100%
Wave dez/06 fev/10 Concluído 162 50,9 100% 100% 1,8 (0,9) 99% 96%
Oficina dez/07 jun/11 Em construção 168 42,2 58% 49% 5,5 4,9 99% 98%
Ponta da Praia - Vila Marina dez/07 jul/11 Em construção 400 79,8 92% 85% 19,9 19,5 97% 87%
Antigua dez/07 jul/11 Em construção 148 48,9 51% 41% 6,4 1,9 97% 96%
Eco's Natureza Clube 1 e 2 dez/07 ago/11 Em construção 569 115,1 83% 71% 18,4 16,1 77% 73%
Admira Icaraí set/08 mar/12 Em construção 318 81,4 40% 37% 4,5 3,8 79% 75%
Aqua Clube Residencial set/08 mar/12 Em construção 384 82,2 34% 28% 6,1 5,6 100% 99%
Chardonnay dez/09 dez/12 Em construção 120 28,7 23% 22% 1,0 2,1 95% 85%
Merlot dez/09 abr/13 Em construção 152 48,9 27% 27% 3,4 3,8 79% 53%
Vila Allegra São Francisco set/10 mar/13 Na planta 271 55,8 22% 0% 4,8 0,0 42% 0%
Médio -Alto (unidades entre R$350 mil e R$500 mil)
Raizes da Mata set/03 nov/06 Concluído 120 53,4 100% 100% 0,0 0,0 100% 100%
Refúgio da Mata mar/05 ago/08 Concluído 104 50,7 100% 100% 1,2 0,1 100% 98%
Forte do Golf mai/05 mai/09 Concluído 294 141,1 100% 100% 0,8 0,1 99% 99%
Passeio de Itanhatim fev/06 dez/08 Concluído 80 33,0 100% 100% 0,0 0,6 99% 99%
Passarim dez/06 abr/10 Concluído 108 49,8 100% 100% (0,6) 2,1 94% 94%
Fotografia jun/07 dez/11 Em construção 108 44,1 50% 44% 5,0 5,0 93% 89%
Andorinha dez/07 mar/12 Em construção 155 63,1 31% 27% 3,2 0,2 27% 15%
Malbec dez/09 abr/13 Na planta 88 35,5 21% 21% 0,6 1,2 47% 39%
In Berrini fev/10 mar/13 Em construção 216 77,1 31% 31% 1,1 2,7 99% 98%
Pinot Noir mar/10 abr/13 Em construção 199 73,8 18% 18% 2,7 7,7 90% 71%
Outras Rendas (unidades acima de R$500 mil)
Luzes da Mata ago/04 nov/07 Concluído 90 55,0 100% 100% 0,1 0,1 100% 100%
Porto Pinheiros mai/06 set/09 Concluído 75 57,3 100% 100% (0,0) (1,4) 99% 99%
Cyprae nov/06 ago/10 Concluído 60 46,1 100% 100% 0,5 0,2 97% 97%
Corcovado dez/06 abr/10 Concluído 50 29,4 100% 100% 1,4 (1,3) 88% 84%
Viveiro Marília Vogt mai/07 fev/11 Em construção 40 29,1 87% 78% 4,6 4,5 98% 95%
Águas de Março jun/07 mar/12 Em construção 80 58,0 37% 32% 3,0 0,8 40% 35%
Cristais da Terra jun/07 abr/11 Em construção 150 97,1 85% 82% 10,4 10,4 78% 72%
Jardins de Vila Rica nov/07 mai/11 Em construção 44 30,0 74% 66% 2,2 4,3 75% 75%
Jardim Sul Ribeirão Preto dez/07 dez/10 Em construção 323 144,5 64% 61% 6,9 5,4 31% 27%
Luíza jul/08 ago/11 Em construção 152 82,5 55% 44% 8,9 6,2 61% 56%
Cassis fev/07 --- --- 71 71,4 0% 0% 0,0 0,0 21% 21%
ID Jardim Sul mar/08 jul/11 Em construção 46 50,0 71% 61% 9,2 7,5 80% 70%
Vista Pacaembú abr/08 abr/11 Em construção 31 37,1 77% 70% 3,7 5,5 97% 97%
Quartier out/09 nov/12 Em construção 162 127,6 26% 24% 5,7 5,0 76% 64%
Taman nov/09 nov/12 Em construção 212 117,0 18% 18% 1,0 1,8 41% 37%
Vista Atlântico mai/10 fev/13 Na planta 240 115,0 40% 41% 0,2 0,3 2% 1%
The Parker set/10 jan/14 Na planta 246 256,3 24% 0% 12,9 0,0 25% 0%
Salas Comerciais
Central Park dez/05 mar/08 Concluído 99 21,1 100% 100% 0,0 0,0 100% 100%
2
Empresarial Jardim Sul dez/07 mai/11 Em construção 260 64,0 91% 84% 6,2 (5,4) 100% 99%
Innova São Francisco 5 jun/08 mai/12 Na planta 5 1,6 67% 68% 0,0 0,8 100% 100%
Terraço Empresarial Jardim Sul mai/10 jun/13 Na planta 271 74,1 17% 17% 2,6 9,0 99% 82%

Release Financeiro 3T10 16


Conclusão
Receita Vendas
VGV Financeira
Previsão Reconhecida Acumuladas
CCDI Acumulada
Empreendimentos Lançamento de Estágio* Unid. (R$ MM) (%)
(R$ (%)
Entrega*
MM)
3T10 2T10 3T10 2T10 3T10 2T10
Lajes Corporativas
Ventura Corporate Towers I jun/06 ago/08 Concluído 36 186,8 100% 100% 0,0 0,0 100% 100%
Ventura Corporate Towers II jun/07 ago/10 Em construção 36 240,0 100% 100% 0,0 0,0 100% 100%
TOTAL 20.752 4.503,3 276,3 223,6
* Dados referentes à Setembro/2010.
Os projetos: Quinta do Café, Cristais da Terra, Ponta da Praia - Vila Marina, Eco's Natureza Clube, Innova Blue e Bela Vista Casas,
consideram a data de entrega da última fase do empreendimento.

ABERTURA DE CUSTOS

Os CUSTOS TOTAIS são uma combinação, por projeto, da porção reconhecida de custos de terreno, de obras e demais
custos diretos. A relevância relativa de cada componente dos custos totais depende do montante de vendas do período,
do avanço financeiro das obras e da incidência de custos de financiamento.

No terceiro trimestre de 2010 os custos totais reconhecidos aumentaram 21,3% em relação ao trimestre anterior e
aumentaram 104,1% relação ao mesmo período do ano passado.

Os custos relacionados a terrenos do 3T10 tiveram uma redução de 29,7% quando comparado ao 2T10. Tal redução deve-
se a reavaliação do valor contábil dos terrenos comprados em permuta financeira que é realizada semestralmente,
ocorrendo o impacto no segundo e quatro trimestres. Na comparação com o 3T09, o custo de terreno aumentou 570,8%
devido principalmente ao aumento das vendas e o avanço das obras.

Nos nove primeiros meses de 2010, o custo de terrenos atingiu R$93,7 milhões, 297,0% acima dos custos de terrenos do
mesmo período do ano anterior. Vale ressaltar que no 1T10, quando da venda do terreno Itautec, a CCDI reconheceu
R$43,9 milhões referentes a este terreno. Excluindo-se este efeito, o custo de terreno dos 9M10 teria sido R$49,8 milhões,
compatível com o aumento das vendas e do avança das obras.

Analisando a linha de custos relacionados à construção, verifica-se um aumento nos custos do 3T10 em relação aos
períodos anteriores. Este custo está relacionado ao avanço de obras. A mesma análise pode ser feita para a comparação
9M10/9M09.

Os custos de financiamento do 3T10 tiveram um aumento em relação aos períodos anteriores. Tal aumento está
relacionado à liberação de parcelas de financiamento dos empreendimentos que estão em construção. Em termos
acumulados, os custos de financiamentos aumentaram 114,8%, compatível com o aumento do número de
empreendimentos que estão em construção e com o avanço de obras dos mais antigos.

Em Setembro de 2010 a Companhia possuía 45 canteiros de obras sendo 32 da CCDI e 13 da HM Engenharia.

Release Financeiro 3T10 17


CONSOLIDADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09

CUSTOS DE TERRENO 16,1 22,9 2,4 -29,7% 570,8% 93,7 23,6 297,0%
CUSTOS DE CONSTRUÇÃO 177,4 136,8 93,6 29,7% 89,5% 423,1 246,1 71,9%
CUSTOS DE FINANCIAMENTO 5,6 4,2 2,3 33,3% 143,5% 13,1 6,1 114,8%
TOTAL DE CUSTOS DIRETOS 199,1 163,9 98,3 21,5% 102,5% 529,9 275,8 92,1%
OUTROS CUSTOS 1,7 1,6 0,1 6% 1600,0% 3,7 0,3 1133,3
CUSTOS TOTAIS 200,8 165,5 98,4 21,3% 104,1% 533,6 276,1 93,3%

DESPESAS, LUCRO E MARGEM OPERACIONAL

As DESPESAS COMERCIAIS consolidadas atingiram R$8,6 milhões no 3T10 representando, na comparação com o 2T10, um
aumento de 28,7% devido ao maior volume de lançamentos no período. Quando comparado ao mesmo trimestre do ano
anterior (3T09), as despesas comerciais do 3T10 reduziram 10,5%. Excluindo-se os efeitos dos ajustes contábeis do 3T09,
as despesas comerciais do 3T10 tiveram um aumento de R$56,0% em um ano, devido ao maior volume de lançamentos.

Nos nove primeiros meses do ano, as Despesas Comerciais alcançaram R$19,8 milhões, 3,3% inferiores as Despesas
Comerciais registradas nos 9M09. Excluindo-se os efeitos dos ajustes contábeis do 3T09, as Despesas Comerciais dos
9M10 aumentaram 20,8% quando comparada aos 9M09.

O índice que mede a eficiência comercial (Despesas Comerciais/ROL) atingiu 3,2% no 3T10, ficando em linha com o
trimestre anterior (2T10). Na comparação com o 3T09, as Despesas Comerciais tiveram uma eficiência operacional de 6,1
pontos percentuais devido ao baixo reconhecimento de receita por conta dos ajustes contábeis realizados no 3T09.
Excluindo-se estes ajustes, o índice que mede a eficiência operacional do 3T09 teria sido de 4,2%. Na comparação com o
3T10/3T09 ajustado, houve uma eficiência comercial de 1,1 ponto percentual.

Nos nove primeiros meses de 2010, o índice que mede a eficiência comercial foi de 2,6%, ficando 3,3 pontos percentuais
inferior ao índice registrado nos 9M09 (5,9%). Desconsiderando-se o efeito da venda do terreno Itautec no 1T10, o índice
que mede a eficiência operacional dos 9M10 teria sido de 3,0%. Desconsiderando os ajustes contábeis do 3T09, o índice
que mede a eficiência operacional seria de 4,3% nos 9M09. Sendo assim, podemos concluir que em um ano, houve uma
eficiência comercial de 1,3 ponto percentual.

CONSOLIDADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
DESPESAS COMERCIAIS (8,6) (6,7) (9,6) 28,7% -10,5% (19,8) (20,5) -3,3%
DESP. COMERCIAIS/ROL (%) 3,2% 3,0% 9,2% 0,1pp. -6,1pp. 2,6% 5,9% -3,3pp.

AJUSTADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
DESPESAS COMERCIAIS (8,6) (6,7) (5,5) 28,7% 56,0% (19,8) (16,4) 20,8%
DESP. COMERCIAIS/ROL (%) 3,2% 3,0% 4,2% 0,1pp. -1,1pp. 3,0% 4,3% -1,3pp.

Release Financeiro 3T10 18


As DESPESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS (G&A) do 3T10 atingiram R$17,8 milhões, registrando um aumento de 6,7%
em relação ao trimestre anterior. Na comparação com o 3T09 houve uma redução de 16,4%. Desconsiderando os ajustes
do 3T09, as Despesas Gerais e Administrativas teriam sido de R$18,5 milhões. Na comparação com o 3T10, o resultado
seria 3,6% inferior.

Nos nove primeiros meses de 2010, as Despesas Gerais e Administrativas atingiram R$51,5 milhões, valor 5,5% superior ao
número reportado nos 9M09. Desconsiderando-se os efeitos dos ajustes contábeis que ocorreram no 3T09, as Despesas
Gerais e Administrativas dos 9M09 teriam sido de R$46,0 milhões, ficando as Despesas Gerais e Administrativas dos 9M10
11,9% acima das apresentadas nos 9M09. Tal incremento corresponde ao crescimento operacional que a Companhia teve
no último ano.

O índice que mede a eficiência administrativa (G&A/ROL) da Companhia atingiu 6,5% no 3T10, melhorando 1,1 ponto
percentual em relação ao 2T10. Em relação ao 3T09, o índice teve um ganho de eficiência de 13,9 pontos percentuais.
Excluindo-se o efeito dos ajustes realizados no 3T09, o índice que mede a eficiência administrativa do 3T09 teria sido de
14,1%. Comparando este índice com o índice de eficiência operacional do 3T10, houve uma eficiência operacional de 7,6
pontos percentuais em um ano.

Em termos acumulados, o índice que mede a eficiência administrativa teve um ganho de 7,2 pontos percentuais na
comparação 9M10/9M09. Excluindo-se o efeito da venda do terreno Itautec no período, o índice dos 9M10 teria sido de
7,8%. Desconsiderando-se o efeito dos ajustes realizados no 3T09, o índice que mede a eficiência administrativa dos 9M09
teria sido de 12,1%. Na comparação dos índices 9M10/9M09 ajustado, houve um ganho de eficiência administrativa de 4,3
pontos percentuais.

CONSOLIDADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
DESP. GERAIS E ADMINISTRATIVAS (G&A) (17,8) (16,7) (21,3) 6,7% -16,4% (51,5) (48,8) 5,5%
G&A/ROL (%) 6,5% 7,6% 20,5% -1,1pp. -13,9pp. 6,8% 14,1% -7,2pp.

AJUSTADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
DESP. GERAIS E ADMINISTRATIVAS (G&A) (17,8) (16,7) (18,5) 6,7% -3,6% (51,5) (46,0) 11,9%
G&A/ROL (%) 6,5% 7,6% 14,1% -1,1pp. -7,6pp. 7,8% 12,1% -4,3pp.

As OUTRAS RECEITAS / DESPESAS OPERACIONAIS registraram um valor positivo de R$0,3 milhão no 3T10. Quando
comparado ao 2T10, o resultado do 3T10 ficou abaixo devido ao fato de no 2T10 ter sido realizada uma reavaliação das
estimativas de PIS e COFINS diferidos, o que resultou em crédito no valor aproximado de R$5,7 milhões classificados como
outras receitas/despesas por não se tratar de uma despesa recorrente. No 3T09, R$32,8 milhões representam as baixas
dos gastos de terrenos, incorporação e projetos contabilizados no estoque, geradas pela descontinuidade de projetos de
desenvolvimento nestes terrenos. Essas despesas são não recorrentes. Os nove primeiros meses dos anos de 2009 e 2010
possuem as mesmas explicações dos trimestres 3T09 e 2T10. Abaixo é possível observar as tabelas com e sem os efeitos
acima explicados.

Release Financeiro 3T10 19


CONSOLIDADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
OUTRAS DESPESAS/RECEITAS 0,3 5,7 (32,9) -94,0% --- 6,3 (32,9) ---
OUTRAS DESPESAS/ROL (%) 0,1% 2,6% -31,6% -2,5pp. --- 0,8% -9,5% ---

AJUSTADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
OUTRAS DESPESAS/RECEITAS 0,3 5,7 (0,1) -94,0% --- 6,3 - ---
OUTRAS DESPESAS/ROL (%) 0,1% 2,6% 0,1% -2,5pp. 0,0pp. 1,0% --- ---

O LUCRO OPERACIONAL da CCDI foi de R$45,6 milhões no 3T10, superior aos R$36,0 milhões registrados no 2T10. No
3T09 a Companhia registrou prejuízo operacional de R$58,2 milhões devido aos motivos acima explicados. Excluindo-se
estes efeitos, o Lucro Operacional do 3T09 teria sido R$3,3 milhões, ficando o Lucro Operacional do 3T10 R$42,3 milhões
acima do Lucro Operacional Ajustado do 3T09.

O Lucro Operacional da CCDI acumulado no ano de 2010 é de R$156,6 milhões (considerando o resultado da venda do
Itautec – R$52,4 milhões). Desconsiderando este efeito, o Lucro Operacional Acumulado seria de R$104,1 milhões. Nos
9M09 a CCDI registrou prejuízo de R$31,2 milhões. Desconsiderando-se os ajustes contábeis realizados no 3T09, o Lucro
Operacional dos 9M09 teria sido de R$39,7 milhões. Fazendo a comparação com os números ajustados, o Lucro
Operacional dos 9M10 teve um crescimento de 162,2%.

Por conta de todo o exposto acima, a MARGEM OPERACIONAL da CCDI foi de 16,7% no 3T10 contra uma Margem de
16,4% no 2T10 e -56,0% no 3T09. Excluindo-se os ajustes do 3T09, a Margem Operacional do 3T09 teria sido de 2,5%.

Em termos acumulados, a Margem Operacional foi de 20,7% nos 9M10 contra -9,0% nos 9M09. Excluindo a venda do
terreno Itautec no 1T10, a Margem Operacional dos 9M10 seria de 15,8%, e a Margem dos 9M09 sem os efeitos dos
ajustes contábeis seria de 10,5%. Sendo assim, a CCDI teve uma eficiência operacional de 5,3 pontos percentuais em um
ano.

CONSOLIDADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
LUCRO OPERACIONAL 45,6 36,0 (58,2) 26,4% -178,3% 156,6 (31,2) -601,1%
MARGEM OPERACIONAL (%) 16,7% 16,4% -56,0% 0,3pp. 72,7pp. 20,7% -9,0% 29,7pp.

AJUSTADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
LUCRO OPERACIONAL 45,6 36,0 3,3 26,4% 1270,4% 104,1 39,7 162,5%
MARGEM OPERACIONAL (%) 16,7% 16,4% 2,5% 0,3pp. 14,2pp. 15,8% 10,5% 5,3pp.

Release Financeiro 3T10 20


RESULTADO FINANCEIRO

No 3T10 o RESULTADO FINANCEIRO Consolidado foi de RESULTADO FINANCEIRO (R$ MM)


R$5,7 milhões negativos contra R$4,9 milhões negativos Consolidado
no trimestre anterior e R$6,8 milhão negativo no 3T09.
Nos 9M10, o Resultado Financeiro saiu de R$6,6 milhões
nos 9M09 e atingiu R$14,3 milhões nos 9M10. O
aumento do Resultado Financeiro deve-se (4,9) (5,7)
(6,8)
principalmente ao maior endividamento no período. (6,6)
(14,3)

As debêntures fazem jus ao pagamento semestral de


juros de CDI + 2,0%, sendo que o primeiro ocorreu em
23/06/2010 e o último ocorrerá em 23/12/2012. Os
recursos disponíveis em Caixa estão aplicados em CDB, 3T09 2T10 3T10 9M09 9M10
LFT e LTN.

LUCRO LÍQUIDO E MARGEM LÍQUIDA

O LUCRO LÍQUIDO consolidado do 3T10 atingiu R$26,1


LUCRO LÍQUIDO (R$ MM)
116,4 milhões, 4,3% superior aos R$25,0 milhões reportados
HM 21,8 no trimestre anterior. No 3T09 a Companhia
CCDI apresentou Prejuízo de R$61,8 milhões. Conforme
explicado anteriormente, o Lucro Líquido do 3T09 foi
94,6 impactado pelos ajustes contábeis no valor total de
25,0 26,1
9,3 8,4 R$58,9 milhões.
15,7 17,7
5,2 Em termos acumulados, o Lucro Líquido dos 9M10 foi
1,3

-63,1
-49,4 de R$116,4 milhões contra Prejuízo Líquido de R$44,2
milhões. Desconsiderando-se a venda do terreno
-44,2
-61,8 Itautec em Março de 2010, o Lucro Líquido dos 9M10
teria sido de R$67,1 milhões. Excluindo os efeitos dos
3T09 2T10 3T10 9M09 9M10
ajustes contábeis do 3T09, o Lucro Líquido dos 9M09
teria sido de R$24,0 milhões, ou seja, o Lucro Líquido
dos 9M10 apresentaria 179,6% de crescimento em
relação ao Lucro Líquido ajustado dos 9M09.

A MARGEM LÍQUIDA do 3T10 alcançou 9,6%, contra Margem Líquida de 11,4% no 2T10 e -59,4% no 3T09.
Desconsiderando-se os efeitos dos ajustes contábeis, a Margem Líquida do 3T09 teria sido de -2,2%.
Em termos acumulados, a Margem Líquida dos 9M10 foi de 15,4% contra Margem Líquida de -12,7% nos 9M09. Excluindo-
se os efeitos da venda do terreno Itautec, a Margem Líquida dos 9M10 teria sido 10,2%. Desconsiderando-se o efeito dos
ajustes contábeis do 3T09, a Margem Líquida dos 9M09 teria sido de 6,3%. Desta forma, a Margem Líquida teve um
incremento de 3,9 pontos percentuais em doze meses.

Release Financeiro 3T10 21


CONSOLIDADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09

LUCRO POR AÇÃO 0,23101 0,22139 (0,54657) 4,3% --- 1,03056 (0,39133) ---

EBITDA E MARGEM EBITDA

O EBITDA Consolidado da CCDI atingiu de R$46,2 milhões no 3T10. Na comparação com o trimestre anterior (2T10), o
EBITDA teve um incremento de 26,0%. Quando comparado ao 3T09, o EBITDA evoluiu de R$57,6 milhões negativos para
R$46,2 milhões no 3T10. Vale ressaltar que no 3T09 a CCDI realizou ajustes contábeis que impactou o EBITDA em R$ 53,7
milhões. Excluindo-se esses efeitos, o EBITDA do 3T09 teria sido de R$3,9 milhões, tendo o EBITDA do 3T10 superado
significativamente o resultado do 3T09.

Em termos acumulados, o EBITDA dos 9M10 atingiu R$158,2 milhões contra EBITDA negativo de R$29,6 milhões nos
9M09. Excluindo-se o efeito da venda do terreno Itautec no 1T10, o EBITDA dos 9M10 teria sido de R$105,8 milhões.
Excluindo-se o efeito dos ajustes contábeis no 3T09, o EBITDA dos 9M09 teria sido de R$41,3 milhões. Sendo assim, a
relação EBITDA 9M10/9M09 teria tido um incremento de 156,0%.

A MARGEM EBITDA do 3T10 atingiu 16,9%, resultado levemente superior à Margem de 16,7% apresentada no 2T10. No
3T09, a Margem EBITDA foi negativa em 55,5% devido aos ajustes contábeis realizados no período. Excluindo esses
efeitos, a Margem EBITDA do 3T09 teria sido de 3,0%.

Em termos acumulados, a Margem EBITDA dos 9M10 atingiu 21,0% contra Margem EBITDA negativa de 8,5% nos 9M09.
Desconsiderando-se a venda do Itautec no 1T10, a Margem EBITDA dos 9M10 atingiria 16,1%. Desconsiderando-se os
efeitos dos ajustes contábeis do 3T09, a Margem EBITDA dos 9M09 seria de 10,9%. Com esta comparação, a Margem
EBITDA teria um incremento de 5,2 pontos percentuais em um ano.

CONSOLIDADO (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09

LUCRO LÍQUIDO 26,1 25,0 (61,8) 4,3% --- 116,4 (44,2) ---
DESPESA (RECEITA) FINANCEIRA 5,7 4,9 6,8 16,7% -16,6% 14,3 6,6 115,6%
IMP. RENDA E CONTRIB. SOCIAL 13,8 6,1 (3,3) 123,9% --- 25,8 6,3 307,4%
DEPRECIAÇÃO/AMORTIZAÇÃO 0,6 0,6 0,5 2,9% 12,3% 1,7 1,7 1,5%
RESULTADO NÃO OPERACIONAL - - - --- --- - - ---
PARTICIPAÇÃO DE MINORITÁRIOS - - - --- --- - - ---
EBITDA 46,2 36,6 (57,6) 26,0% --- 158,2 (29,6) ---
MARGEM EBITDA (%) 16,9% 16,7% -55,5% 0,2pp. --- 21,0% -8,5% ---

RECEITAS, CUSTOS, RESULTADO E MARGEM A RECONHECER

Como mencionado anteriormente, a CCDI reconhece a receita apenas da parcela já construída (avanço físico-financeiro do
projeto) de cada uma de suas unidades vendidas. Isto significa que a Companhia tem RECEITAS A RECONHECER de
unidades que já foram vendidas, mas que ainda não tiveram suas obras completas. Da mesma maneira, para o percentual
do avanço financeiro do projeto ainda não realizado, correspondem CUSTOS A RECONHECER. Se as Receitas e Custos a

Release Financeiro 3T10 22


Reconhecer forem faturados, chega-se ao RESULTADO A RECONHECER, que é o resultado da vendas de imóveis a
apropriar em exercícios futuros.

O Resultado a Reconhecer é o “estoque de lucro” da incorporadora, que será reconhecido no resultado conforme
andamento das obras dos empreendimentos vendidos. As futuras vendas não são consideradas nesta resultado. Vale
ressaltar que esta conta é “off-books”, o que significa que não está computada em Balanço.

A CCDI compatibilizou o cálculo do Resultado de Exercícios Futuros (REF) com as práticas utilizadas no mercado imobiliário
brasileiro.

CONSOLIDADO (R$MM) 3T10 2T10 3T10/2T10

RECEITA CONTRATUAL DAS UNIDADES VENDIDAS 3.452,7 3.109,7 11,0%


RECEITA RECONHECIDA – ACUMULADA 2.262,7 1.986,8 13,9%
CUSTO TOTAL INCORRIDO – ACUMULADO (1.399,7) (1.223,5) 14,4%
CUSTO DO TERRENO PERMUTADO – ACUMULADO (172,2) (149,0) 15,6%
CUSTO DO TERRENO PERMUTADO NO PERÍODO (23,2) (18,9) 22,7%
RECEITA BRUTA CONTRATUAL A APROPRIAR 1.190,0 1.123,0 6,0%
CUSTO A APROPRIAR DAS UNIDADES VENDIDAS (826,6) (784,6) 5,4%
RESULTADO BRUTO DA VENDA DE IMÓVEIS A APROPRIAR (OFF BOOK) 363,4 338,4 7,4%
MARGEM SOBRE VENDA DE IMÓVEIS A APROPRIAR (%) 30,5% 30,1% 0,4pp.

RECEITA A APROPRIAR No 3T10 a Receita a Apropriar da CCDI somou


(R$ MM) R$1.190,0 milhões, valor 6,0% superior aos R$1.123,0
milhões registrados no 2T10, e 19,1% superior ao 3T09.
A Receita a Apropriar é bruta de impostos diretos, tais
como PIS e Cofins.

1.190,0
1.123,0
999,0

3T09 2T10 3T10

Release Financeiro 3T10 23


O Resultado a Apropriar variou de R$338,4 milhões
no 2T10, para R$363,4 milhões, no 3T10. Com relação RESULTADO A APROPRIAR
ao 3T09, a variação foi de 25,4%. (R$ MM)

363,4
338,4
289,7

3T09 2T10 3T10

Com isso, a Margem a Apropriar do 3T10 ficou 0,4


MARGEM A APROPRIAR
ponto percentual superior a Margem apresentada no (%)
2T10. Em relação à Margem apresentada no 3T09,
houve um aumento de 1,5 ponto percentual,
resultado do diferente mix de produtos e parcelas de
receitas e lucros a reconhecer.

29,0% 30,1% 30,5%

3T09 2T10 3T10

Ao final do 3T10, o Custo de Terreno Permutado contabilizado dentro dos Custos a Apropriar somava R$23,2 milhões.

POSIÇÃO DE CAIXA

A CCDI encerrou o terceiro trimestre de 2010 com uma POSIÇÃO DE CAIXA de R$284,6 milhões, valor 1,0% acima da
posição de caixa do final do 2T10.

Abaixo segue quadro da movimentação de Caixa:

MOVIMENTAÇÃO DE CAIXA (R$MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
SALDO DE CAIXA INICIAL (BANCO + APL. FINANC.) 281,7 362,7 112,4 -22,3% 150,6% 318,9 66,4 380,7%
FXCX – ATIVIDADES OPERACIONAIS (50,9) (96,5) (79,0) -47,3% -35,6% (92,4) (126,3) -26,8%
FXCX - INVESTIMENTOS 3,8 (26,2) 24,7 -114,4% -84,7% 26,0 (53,9) -148,3%
FXCX - INVESTIMENTOS (APL. FINANC.)* (9,2) 21,8 55,2 -142,2% -116,7% (33,9) 46,8 -172,5%
FXCX - FINANCIAMENTOS 59,2 19,9 114,2 197,3% -48,2% 63,0 179,5 -64,9%
SALDO DE CAIXA - FINAL DO PERÍODO 284,6 281,7 227,5 1,0% 25,1% 281,7 112,4 150,6%
*FXCX -INVESTIMENTOS - Referem-se às aplicações financeiras sem liquidez imediata de acordo com novo critério contábil (CPC nº 3)

Release Financeiro 3T10 24


No 3T10 a CCDI consumiu R$50,9 milhões em atividades operacionais, em linha com o consumo de caixa do 2T10, uma vez
que neste mesmo período, a CCDI recebeu a terceira e última parcela no valor de R$53,0 milhões da BTS Participações
pela venda da segunda fase do empreendimento Ventura Corporate Towers em dezembro de 2009.

O fluxo de caixa das atividades de investimentos foi positivo em R$3,8 milhões. O fluxo de caixa das atividades de
financiamento foi de R$59,2 milhões, devido principalmente à captação de financiamento a produção (SFH) no valor
aproximado de R$59 milhões.

ENDIVIDAMENTO

No final do 3T10, a DÍVIDA BRUTA da CCDI era de R$730,7 milhões contra R$658,1 milhões no 2T10. O incremento da
Dívida está relacionado à liberação de aproximadamente R$60 milhões de parcelas de financiamento à construção de
projetos que estão com obra em andamento e aos juros no valor de R$12,6 milhões, referentes à emissão de R$400,0
milhões em debêntures em Dezembro de 2009.

A Tabela abaixo detalha a evolução do saldo de financiamento à construção por projeto e capital de giro:

TAXA
EMPREENDIMENTO (R$ MM) 3T10 2T10 3T10/2T10 TIPO VENC.
(TR+ a.a.)
CYPRAE 9,9 17,3 -42,7% SFH 10,6% 2010
INNOVA I e II 17,2 12,7 35,5% SFH 9,0% 2010
SÃO VICENTE JACOB EMERICH 9,7 8,1 19,0% SFH 10,0% 2011
CRISTAIS DA TERRA 42,4 35,7 18,6% SFH 10,6% 2011
PRAÇAS DE SUMARÉ 18,9 18,6 1,5% SFH 10,9% 2011
RESIDENCIAL DA MATA 9,1 9,2 -1,2% SFH 10,9% 2011
SÃO VICENTE JOÃO RAMALHO 9,2 7,8 17,2% SFH 10,0% 2011
JARDINS DE VILA RICA 5,6 4,6 20,8% SFH 10,0% 2011
ECO'S NATUREZA CLUBE 32,1 26,4 21,9% SFH 10,5% 2011
JARDIM SUL RIBEIRÃO PRETO 24,4 22,0 10,9% SFH 10,5% 2011
EMPRESARIAL JARDIM SUL 13,2 11,3 16,0% SFH 10,8% 2011
MARÍLIA VOGT 8,7 6,6 32,1% SFH 10,6% 2012
PARQUE COSMÓPOLIS 1,5 1,5 0,0% SFH 6,0% 2013
BRISA DA MATA 4,5 4,5 -0,8% SFH 6,0% 2012
VISTA PACAEMBU 7,5 5,6 32,4% SFH 10,5% 2012
VILA MARINA 24,9 21,9 13,4% SFH 10,0% 2012
INNOVA III 3,9 1,9 102,4% SFH 9,0% 2011
QUINTA DO CAFÉ 1,7 - --- SFH 8,0% 2013
CASAS DO PARQUE - 0,9 --- SFH 8,0% 2012
QUINTA DAS LARANJEIRAS 0,7 0,4 61,1% SFH 8,0% 2012
ID JARDIM SUL 11,3 6,3 80,1% SFH 10,5% 2012
OFICINA 6,9 3,0 131,9% SFH 9,6% 2012
AQUA CLUBE 16,7 10,7 56,3% SFH 10,0% 2013
ARAUCÁRIA CONDOMÍNIO CLUBE 2,6 2,2 21,7% SFH 8,0% 2013
PARQUE CAMPINAS 4,0 1,8 125,4% SFH 8,0% 2013
ANTÍGUA 7,3 4,5 63,4% SFH 9,6% 2012
LUÍZA 18,4 12,0 54,0% SFH 10,5% 2013
INNOVA IV 1,2 1,2 0,6% SFH 9,0% 2011
CORES JARDIM SUL 3,3 - --- SFH 10,,5% 2011
QUINTA DO CONDE 0,9 - --- SFH 8,0% 2013
CORES VERMELHO 0,9 - --- SFH 9,9% 2014
BELA VISTA CASAS 0,2 - --- SFH 8,0% 2013

Release Financeiro 3T10 25


TOTAL FINANCIAMENTOS SFH 318,7 258,7 6,6% --- --- ---
OUTROS FINANCIAMENTOS 412,0 399,4 -2,4% Outros --- 2012
TOTAL DOS FINANCIAMENTOS 730,7 658,1 0,9% --- --- ---

Pela característica dos financiamentos tomados no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), o repagamento dos
valores em aberto ocorre após a entrega das obras, mediante a transferência, ao agente financiador, da carteira de
clientes dos projetos. A transferência, conhecida no mercado como “repasse”, pressupõe que, para cada unidade
assumida pelos bancos, a fração do financiamento correspondente seja amortizada a valor de face, i.e., sem desconto,
sendo que eventuais sobras são liberadas à incorporadora. A partir deste momento, os riscos relacionados com o
financiamento das unidades são totalmente vinculados aos agentes financiadores, sem recorrência à Companhia. Em
síntese, a liquidação dos financiamentos tomados não é efetuada com recursos provenientes do caixa da empresa, mas
sim com a redução das contas a receber (“dívida não-caixa”).

Nos trinta e dois projetos em que a CCDI tem contratos de financiamentos, o total das contas a receber é de R$676,5
milhões, o que lhe garante o total repagamento dos montantes desembolsados até o momento.

(R$ MM) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09

POSIÇÃO DE CAIXA E EQUIVALENTES 284,6 281,7 139,9 1,0% 103,4%


FINANCIAMENTOS (730,7) (658,1) (414,9) 11,0% 76,1%
DÍVIDA LÍQUIDA (446,1) (376,4) (275,0) 18,5% 62,2%
DÍVIDA LÍQUIDA/PL 56,3% 49,1% 46,9% 7,2pp. 9,4pp.
CONTAS A RECEBER DOS PROJETOS FINANCIADOS 676,5 515,5 293,1 31,2% 130,8%
(DÍVIDA) CAIXA LÍQUIDO PROJETADO 230,4 139,1 18,1 65,6% 1172,9%

A DÍVIDA LÍQUIDA da CCDI atingiu R$446,1 milhões ao final do 3T10, representando 56,3% do Patrimônio Líquido. A CCDI
não possui dívida em moeda estrangeira. Todos os recursos de caixa são aplicados em fundo exclusivo administrado por
instituição privada. A carteira é diversificada, com aplicações em ativos de renda fixa e variável de emissão pública e
privada.

HM ENGENHARIA: SUMÁRIO DAS DEMONSTRAÇOES FINANCEIRAS

Fundada em 1977 na cidade de Barretos (SP), a HM Engenharia é uma incorporadora e construtora com forte atividade no
segmento “Baixa Renda” (unidades de R$ 40 mil até R$ 130 mil). Com escritórios em Barretos e Campinas, a empresa
conta com mais de 1.600 colaboradores. Em 2007 a CCDI adquiriu 51% da HM e em 2008 os 49% restantes, passando a ser
controladora integral da HM Engenharia.

Abaixo apresentaremos um sumário das Demonstrações Financeiras da HM Engenharia:

HM ENGENHARIA (R$ MILHÔES) 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
RECEITA LÍQUIDA 62,0 54,4 38,5 13,9% 60,9% 149,1 95,7 55,8%
CUSTO (43,6) (37,2) (29,1) 17,1% 50,0% (104,1) (72,1) 44,3%
LUCRO BRUTO 18,4 17,2 9,5 7,0% 94,5% 45,0 23,5 90,9%
MARGEM BRUTA (%) 29,7% 31,6% 24,5% -1,9pp. 5,1pp. 30,2% 24,6% 5,6pp.
DESPESAS OPERACIONAIS LÍQUIDAS (8,2) (6,2) (7,0) 33,4% 18,0% (18,7) (15,5) 20,3%

Release Financeiro 3T10 26


LUCRO OPERACIONAL 10,2 11,0 2,5 -7,8% 309,7% 26,3 8,0 227,7%
IR E CS (1,8) (1,7) (1,1) 4,7% 55,0% (4,5) (2,9) 56,1%
LUCRO LÍQUIDO 8,4 9,3 1,3 -10,0% 528,1% 21,8 5,2 323,3%
MARGEM LÍQUIDA 13,5% 17,1% 3,5% -3,6pp. 10,1pp. 14,6% 5,4% 9,2pp.

A HM Engenharia lançou já lançou 15 empreendimentos até outubro de 2010, com VGV Total de R$526.1 milhões
distribuídos em 4.961 unidades. Todos os empreendimentos estão enquadrados dentro do Programa “Minha Casa, Minha
Vida” lançado pelo Governo Federal no início de 2009. Em termos de Vendas Contratadas, a HM Engenharia vendeu nos
primeiros nove meses de 2010 R$162,6 milhões e obteve uma velocidade de vendas (VSO) de 40,0%. Informações
operacionais e financeiras detalhadas sobre a HM Engenharia encontram-se ao longo deste release.

Desde o final do 1T10, a CCDI/HM está participando ativamente de projeto piloto da CEF, onde a empresa transfere parte
do processo de aprovação de crédito e emissão de contratos para seus correspondentes bancários. Verificou-se ao longo
dos últimos meses que houve uma eficiência no processo de contratação dos financiamentos para os clientes.

SUSTENTABILIDADE – Disseminação de práticas e sensibilização dos stakeholders

No terceiro trimestre a CCDI reforçou o tema Sustentabilidade para


todos os seus públicos estratégicos com ações de disseminação de suas
práticas e sensibilização em sua área de atuação. Veja abaixo algumas
das ações:

• Clientes: Envio de correspondência com dicas de sustentabilidade


para os clientes de empreendimentos entregues,
• Prospects: Realização de ações em lançamentos com distribuição
de eco-brindes e divulgação do código de conduta do Grupo
Camargo Corrêa;
• Profissionais: Criação de campanhas sobre consumo consciente
de água e energia, treinamento sobre conduta a 100% dos
profissionais e divulgação do código de conduta do Grupo nas
assinaturas de e-mail;
• Órgãos públicos: Criação de campo específico sobre as
compensações ambientais no site;
• Comunidade: Encarte em jornal da Associação de moradores do
Bairro Jd. Sul com dicas de sustentabilidade para ser afixado nos
condomínios e escolas do bairro;
• Fornecedores: Criação de metodologias de mensuração e práticas
de sustentabilidade em obras terceirizadas.

Estas ações iniciam um ciclo de comunicação sistêmica sobre o tema aos


diversos públicos da CCDI. Acreditamos que desta forma podemos
desenvolver um comportamento mais sustentável em nossas atividades
e influenciar no meio em que atuamos.

Release Financeiro 3T10 27


INFORMAÇÕES DE CONTATO

Leonardo de Paiva Rocha


Diretor de Finanças e Relações com Investidores Tel: (11) 3841-4824
ri.ccdi@camargocorrea.com.br
Camila Poleto Bernardi
Coordenadora de Relações com Investidores
Gabriel Barros Oliveira de Gaetano
Analista de Relações com Investidores

SOBRE A CCDI
A Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário, empresa de incorporação e construção imobiliária do Grupo Camargo Corrêa, atua da baixa renda até os segmentos mais
sofisticados de mercado, desenvolvendo empreendimentos residenciais e comerciais em várias regiões do Brasil. Desde 2008 é controladora integral da HM Engenharia,
empresa com mais de 100 mil unidades incorporadas e construídas em mais de 33 anos de experiência, com foco exclusivo para o segmento de baixa renda. A CCDI é
responsável pelo desenvolvimento de projetos de destaque no segmento imobiliário brasileiro, como o Ventura Corporate Towers, edifício de lajes corporativas de padrão
“AAA” localizado no centro do Rio de Janeiro; a linha de produtos residenciais “Innova”, cujo sucesso comercial ultrapassa a marca de duas mil unidades vendidas no segmento
econômico, o In Berrini, que ganhou o prêmio Master Imobiliário de 2010 devido a seu sucesso de vendas resultante de sua estratégia inovadora; e o “Bairro Jardim Sul”,
projeto de reurbanização do bairro de mesmo nome, na zona sul de São Paulo, que compreende mais de duas dezenas de empreendimentos residenciais lançados. A CCDI e a
HM Engenharia já lançaram mais de 21 mil unidades distribuídas em 22 cidades no Brasil. O Banco de terrenos para futuros desenvolvimentos soma R$9,1 bilhões.
O grupo Camargo Corrêa é um dos maiores conglomerados empresariais brasileiros. Atua em engenharia e construção (infra-estrutura, construções e edificações, construção
naval e incorporação); na indústria, controla um dos principais complexos de cimento da América do Sul (Cauê/Loma Negra); a maior fabricante de calçados do país
(Alpargatas); e está presente no setor têxtil com a Tavex, líder mundial em produção de denim. Participa também do bloco de controle da CPFL Energia, maior investidora em
energia elétrica do país; da CCR, concessionária que opera as principais rodovias brasileiras; e da Usiminas, a principal empresa de aços planos na América Latina. Tem, por fim,
participação relevante na Itaúsa, um dos maiores conglomerados financeiros nacionais. As suas empresas controladas empregam diretamente mais de 54 mil funcionários.

DISCLAMER
Este relatório contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas de crescimento da Camargo Corrêa
Desenvolvimento Imobiliário. Estas são apenas projeções e, como tal, baseiam-se exclusivamente nas expectativas da administração da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário em relação ao futuro
do negócio e seu contínuo acesso a capital para financiar o plano de negócios da Companhia. Tais considerações futuras dependem, substancialmente, de mudanças nas condições de mercado, regras
governamentais, pressões da concorrência, do desempenho do setor e da economia brasileira, entre outros fatores, além dos riscos apresentados nos documentos de divulgação arquivados pela Camargo
Corrêa Desenvolvimento Imobiliário e estão, portanto, sujeitas a mudanças sem aviso prévio.

Release Financeiro 3T10 28


ANEXO I - DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS –
3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
CONSOLIDADO (R$ MIL) - REPORTADO
RECEITA BRUTA DE VENDAS E/OU SERVIÇOS 281.464 227.015 108.174 24,0% 160,2% 782.773 360.699 117,0%
Venda de Imóveis 276.837 223.595 103.831 23,8% 166,6% 772.186 352.053 119,3%
Aluguéis de Imóveis - - - --- --- - - ---
Prestação de Serviços 2.790 1.554 3.517 79,5% -20,7% 5.865 5.259 11,5%
Outras Receitas 1.837 1.866 826 -1,6% 122,4% 4.722 3.387 39,4%

DEDUÇÃO DA RECEITA BRUTA (9.039) (7.865) (4.262) 14,9% 112,1% (27.599) (13.661) 102,0%

RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS E/OU SERVIÇOS 272.425 219.150 103.912 24,3% 162,2% 755.174 347.038 117,6%

CUSTO DE BENS E/OU SERVIÇOS PRESTADOS (200.817) (165.493) (98.365) 21,3% 104,2% (533.607) (276.049) 93,3%
Venda de Imóveis (199.098) (163.928) (98.225) 21,5% 102,7% (529.879) (275.755) 92,2%
Aluguéis de Imóveis (3.728) - - --- --- (3.728) 60 ---
Prestação de Serviços 2.009 (1.565) (140) --- --- - (354) ---

LUCRO BRUTO 71.608 53.657 5.547 33,5% 1190,9% 221.567 70.989 212,1%
MARGEM BRUTA (%) 26,3% 24,5% 5,3% 1,8pp. 20,9pp. 29,3% 20,5% 8,9pp.

(DESPESAS) RECEITAS OPERACIONAIS (26.042) (17.610) (63.729) 47,9% -59,1% (65.008) (102.232) -36,4%
Com Vendas (8.594) (6.675) (9.599) 28,7% -10,5% (19.828) (20.508) -3,3%
Gerais e Administrativas (17.448) (10.935) (54.130) 59,6% -67,8% (45.180) (81.724) -44,7%
Despesas Gerais e Administrativas (17.793) (16.674) (21.272) 6,7% -16,4% (51.510) (48.823) 5,5%
Outras (Despesas)/Receitas Operacionais 345 5.739 - -94,0% --- 6.330 - ---

(PREJUÍZO) LUCRO OPERACIONAL ANTES DO RES.


45.566 36.047 (58.182) 26,4% --- 156.559 (31.243) ---
FINANC.

RESULTADO FINANCEIRO (5.702) (4.885) (6.841) 16,7% -16,6% (14.336) (6.649) 115,6%
Receitas Financeiras 11.022 10.489 4.946 5,1% 122,8% 31.069 18.426 68,6%
Despesas Financeiras (16.724) (15.374) (11.787) 8,8% 41,9% (45.405) (25.075) 81,1%

RESULTADO ANTES TRIBUTAÇÃO /


39.864 31.162 (65.023) 27,9% --- 142.223 (37.892) ---
PARTICIPAÇÕES
IR E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL (13.762) (6.147) 3.261 123,9% --- (25.780) (6.328) 307,4%
PARTICIPAÇÕES MINORITÁRIAS - - - --- --- - - ---

LUCRO / PREJUÍZO DO PERÍODO 26.102 25.015 (61.762) 4,3% --- 116.443 (44.220) ---
MARGEM LÍQUIDA (%) 9,6% 11,4% -59,4% -1,8pp. --- 15,4% -12,7% ---

NÚMERO AÇÕES, EX-TESOURARIA


112.990.000 112.990.000 113.000.000 0,0% 0,0%112.990.000 113.000.000 0,0%
(unidades)
LUCRO POR AÇÃO 0,2310 0,2214 (0,5466) 4,3% --- 1,0306 (0,3913) ---

Release Financeiro 3T10 29


BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO

BALANÇO PATRIMONIAL - CONSOLIDADO (R$ MIL)


30/09/2010 30/06/2010 %
REPORTADO

ATIVO 2.508.605 2.343.197 7,1%


TOTAL DO CIRCULANTE 1.556.020 1.428.494 8,9%
Disponibilidades 276.831 281.683 -1,7%
Contas a Receber de Clientes 780.576 566.856 37,7%
Adiantamento a Fornecedores 10.127 7.498 35,1%
Imóveis a Comercializar 387.341 440.055 -12,0%
Despesas Antecipadas 341 443 -23,0%
Impostos a Recuperar 11.101 10.663 4,1%
Outros Créditos 89.703 121.296 -26,0%
TOTAL DO ATIVO NÃO CIRCULANTE 952.585 914.703 4,1%
Realizável a Longo Prazo 814.259 778.558 4,6%
Aplicações Financeiras 7.729 0 ---
Contas a Receber de Clientes 186.455 234.821 -20,6%
Imóveis a Comercializar 615.202 533.081 15,4%
Partes Relacionadas 13 16 -18,8%
IR e CS Diferidos 4.089 9.899 -58,7%
Despesas Antecipadas 9 9 0,0%
Outros Créditos 762 732 4,1%
Investimentos 6 6 0,0%
Participações em Controladas 0 0 ---
Outros 6 6 0,0%
Imobilizado 94.715 93.231 1,6%
Intangível 43.605 42.908 1,6%

Release Financeiro 3T10 30


BALANÇO PATRIMONIAL - PASSIVO

BALANÇO PATRIMONIAL - CONSOLIDADO (R$ MIL)


30/09/2010 30/06/2010 %
REPORTADO

PASSIVO 2.509.253 2.343.197 7,1%


TOTAL DO CIRCULANTE 566.052 431.766 31,1%
Financiamento para construção 225.263 147.885 52,3%
Debêntures 12.646 73 17223,3%
Obrigações pela compra de terrenos em espécie 47.816 42.827 11,6%
Obrigações pela compra de terrenos em permuta física 0 0 ---
Obrigações pela compra de terrenos em permuta financeira 196.524 158.164 24,3%
Fornecedores e contas a pagar 22.742 21.993 3,4%
Impostos e contribuições a recolher 9.010 10.902 -17,4%
Partes relacionadas 701 3.334 -79,0%
Salários e encargos a pagar 18.524 14.757 25,5%
Imposto de renda e contribuição social diferidos 0 0 ---
PIS e Cofins diferidos 607 1.205 -49,6%
Adiantamentos de clientes 17.265 16.402 5,3%
Dividendos propostos 3 3 0,0%
Outras contas a pagar 14.951 14.221 5,1%
TOTAL DO NÃO CIRCULANTE 1.150.963 1.145.436 0,5%
Financiamento para construção 93.424 110.964 -15,8%
Debêntures 399.359 399.144 0,1%
Imposto de renda e contribuição social diferidos 28.889 22.448 28,7%
PIS e Cofins diferidos 32.529 26.293 23,7%
Adiantamento de Clientes 36.970 36.970 0,0%
Partes relacionadas 0 0 ---
Obrigações pela compra de terrenos em espécie 6.599 3.020 118,5%
Obrigações pela compra de terrenos em permuta física 0 0 ---
Obrigações pela compra de terrenos em permuta financeira 552.359 543.844 1,6%
Fornecedores e contas a pagar 0 0 ---
Outras obrigações 834 2.753 -69,7%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO 792.238 765.995 3,4%
Capital social realizado 540.189 540.189 0,0%
Reservas de capital 85.128 84.987 0,2%
Ações em tesouraria (60) (60) 0,0%
Reserva de lucros 166.981 140.879 18,5%

Release Financeiro 3T10 31


FLUXO DE CAIXA CONSOLIDADO
FLUXO DE CAIXA - CONSOLIDADO (R$ MIL)
3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
REPORTADO
Lucro Líquido do Exercício antes do IR e CS 39.864 31.162 (65.023) 27,9% --- 142.223 (37.892) ---
Ajustes para conciliar o lucro líquido ao caixa oriundo das
atividades operacionais - - - --- --- - - ---
Depreciações e amortizações 601 584 535 2,9% 12,3% 1.680 1.655 1,5%
PIS e COFINS diferidos 5.638 (1.904) 2.902 --- 94,3% 6.537 8.037 -18,7%
Constituição (reversão) de provisões (188) 6.874 2.791 --- --- 6.599 779 747,1%
Encargos financeiros 19.297 16.524 8.063 16,8% 139,3% 50.749 18.263 177,9%
Baixa de ativo permanemte 30 31 237 -3,2% -87,3% 61 397 -84,6%
Contas a receber de clientes (165.067) (109.878) (43.669) 50,2% 278,0% (365.878) (186.442) 96,2%
Imóveis a comercializar (29.407) (27.849) 25.505 5,6% --- 20.107 32.903 -38,9%

Adiantamento a fornecedores (2.629) 1.813 (1.212) --- 116,9% (5.688) 3.141 ---
Despesas antecipadas 102 268 77 -61,9% 32,5% 494 739 -33,2%

Impostos a Recuperar (438) (3.389) (111) -87,1% 294,6% (2.264) 2.123 ---
Outros Créditos 31.563 6.562 (893) 381,0% --- 29.392 (3.140) ---
Fornecedores e contas a pagar 56.234 25.570 (17.169) 119,9% --- 42.123 (44.097) ---
Salários e férias a pagar 3.767 (848) 1.523 --- 147,3% 5.253 1.251 319,9%

Adiantamento de Clientes 215 4.534 - -95,3% --- 4.364 (1.170) ---


Impostos e contribuições a recolher (1.188) (1.818) 391 -34,7% --- (1.364) (466) 192,7%
Outras Contas a Pagar (1.189) 4.249 11.071 --- --- 4.247 11.920 -64,4%

Caixa Líquido usado nas atividades operacionais (42.795) (47.515) (74.982) -9,9% -42,9% (61.365) (191.999) -68,0%
Imposto de Renda e Contribuição Social pagos (2.215) (4.878) (1.035) -54,6% 114,0% (25.263) (3.928) 543,2%
Juros pagos para construção (5.862) (44.102) (2.946) -86,7% 99,0% (56.690) (9.370) 505,0%
CAIXA GERADO PELAS ATIVIDADES OPERACIONAIS (50.872) (96.495) (78.963) -47,3% -35,6% (143.318) (205.297) -30,2%

Fluxo de caixa das atividades de investimentos

Partes Relacionadas Líquidas (2.630) (687) (1.750) 282,8% 50,3% (3.769) (4.375) -13,9%
Resgates (Aplicações) de aplicações Financeiras 9.222 (21.831) 32.462 --- -71,6% 43.105 (14.292) ---
Ágio na aquisição de controlada - - (4.885) --- --- (2.250) (4.885) -53,9%
Aquisição de ativo imobilizado e intangível (2.812) (3.715) (1.101) -24,3% 155,4% (7.262) (5.591) 29,9%
CAIXA APLICADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS 3.780 (26.233) 24.726 --- -84,7% 29.824 (29.144) ---

Fluxo de caixa das atividades de financiamentos

Pagamento de dividendos - (13.774) - --- --- (13.774) (1.951) 606,0%


Captação líquida de financiamentos 58.977 33.522 114.164 75,9% -48,3% 135.409 295.624 -54,2%
Pagamentos / Amortização de financiamentos - (204) - --- --- - - ---
Amortização de custo na emissão de debêntures 214 367 - -41,7% --- 581 - ---
CAIXA APLICADO NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS 59.191 19.911 114.164 197,3% -48,2% 122.216 293.673 -58,4%

Aumento (redução) em caixa e equivalentes 12.099 (102.817) 59.927 --- -79,8% 8.722 59.233 -85,3%

Caixa e equivalentes no início do exercício 16.592 119.409 8.803 -86,1% 88,5% 19.969 9.497 110,3%

CAIXA E BANCOS NO FIM DO PERÍODO 28.691 16.592 68.730 72,9% -58,3% 28.691 68.730 -58,3%

Release Financeiro 3T10 32


DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO (DVA)

DEM. DO VALOR ADIC. - CONSOLIDADO (R$ MIL)


3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09
REPORTADO
RECEITAS 281.464 227.789 108.194 23,6% 160,1% 783.547 360.089 117,6%
Vendas de imóveis e serviços 279.627 225.149 107.498 24,2% 160,1% 778.051 357.789 117,5%
Outras receitas 1.837 1.866 676 -1,6% 171,7% 4.722 2.910 62,3%
Constituição de provisão para devedores
- 774 20 --- --- 774 (610) ---
duvidosos
INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS (199.676) (163.224) (145.238) 22,3% 37,5% (534.422) (331.496) 61,2%
Custo de imóveis , serviços vendidos, materiais,
(199.676) (163.224) (145.238) 22,3% 37,5% (534.422) (331.496) 61,2%
energia, serviços de terceiros e outros
VALOR ADICIONADO BRUTO 81.788 64.565 (37.044) 26,7% --- 249.125 28.593 771,3%
Depreciação e Amortização (601) (584) (535) 2,9% 12,3% (1.680) (1.655) 1,5%
VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA
81.187 63.981 (37.579) 26,9% --- 247.445 26.938 818,6%
ENTIDADE
Resultado de equivalência patrimonial - - - --- --- - - ---
Receitas financeiras 11.022 10.489 4.946 5,1% 122,8% 31.069 18.426 68,6%
VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM
11.022 10.489 4.946 5,1% 122,8% 31.069 18.426 68,6%
TRANSFERÊNCIA
VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR 92.209 74.470 (32.633) 23,8% --- 278.514 45.364 514,0%
--- --- ---
PESSOAL 21.161 14.347 12.718 47,5% 66,4% 48.113 32.948 46,0%
Remuneração direta 17.578 12.226 8.479 43,8% 107,3% 39.553 23.611 67,5%
Benefícios 2.423 1.183 3.411 104,8% -29,0% 5.742 7.116 -19,3%
FGTS 1.160 938 828 23,7% 40,1% 2.818 2.221 26,9%
IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES 27.543 18.432 3.578 49,4% 669,8% 65.711 28.671 129,2%
Federais 29.041 15.572 3.212 86,5% 804,1% 63.855 27.905 128,8%
Estaduais 12 3 (55) 300,0% --- 62 120 -48,3%
Municipais (1.510) 2.857 421 --- --- 1.794 646 177,7%
REMUNERAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS 17.403 16.676 12.833 4,4% 35,6% 48.247 27.965 72,5%
Juros 16.724 15.374 11.882 8,8% 40,8% 45.405 25.170 80,4%
Aluguéis 679 1.302 951 -47,8% -28,6% 2.842 2.795 1,7%
REMUNERAÇÃO DE CAPITAIS PRÓPRIOS 26.102 25.015 (61.762) 4,3% --- 116.443 (44.220) ---
Dividendos - - - --- --- - - ---
Lucros retidos do exercício 26.102 25.015 (61.762) 4,3% --- 116.443 (44.220) ---

Release Financeiro 3T10 33


ANEXO II – GLOSSÁRIO

BANCO DE TERRENOS OU LAND BANK: São os terrenos que a companhia possui para empreendimentos futuros. É medido pela
soma dos potenciais Valores Gerais de Venda (VGV) das unidades a serem desenvolvidas, considerando a parte CCDI sobre cada
uma.

CUSTOS A RECONHECER: custos relacionados com o percentual do avanço financeiro do projeto ainda não realizado.

CUSTOS TOTAIS: Combinação, por projeto, da porção reconhecida de custos de terreno, de obras e demais custos diretos. A
relevância relativa de cada componente dos custos totais depende do montante de vendas do período, do avanço financeiro das
obras e da incidência de custos de financiamento.

ESTOQUE A VALOR DE MERCADO: Aproximação do montante total de unidades lançadas e não vendidas (“estoque”) avaliadas a
valor atual de vendas (“valor de mercado”) de cada uma delas.

FINANCIAMENTO POR SISTEMA FINANCEIRO DA HABITAÇÃO (SFH): o pagamento dos valores em aberto ocorre após a entrega
das obras, mediante a transferência, ao agente financiador, da carteira de clientes dos projetos. A transferência, conhecida no
mercado como “repasse”, pressupõe que, para cada unidade assumida pelos bancos, a fração do financiamento correspondente
seja amortizada a valor de face, i.e., sem desconto, sendo que eventuais sobras são liberadas à incorporadora. A partir deste
momento, os riscos relacionados com o financiamento das unidades são totalmente vinculados aos agentes financiadores, sem
recorrência à Companhia.

LEI 11.638: A Lei nº 11.638/07 e a Medida Provisória nº 449/08 modificam a Lei nº 6.404/76 em aspectos relativos à elaboração e
divulgação das informações trimestrais. Essas leis tiveram, principalmente, o objetivo de atualizar a legislação societária
brasileira para possibilitar o processo de convergência das práticas contábeis adotadas no Brasil para aquelas constantes nas
normas internacionais de contabilidade (IFRS) e permitir que novas normas e procedimentos contábeis sejam expedidos pela
CVM em consonância com o IFRS.

MESES DE LANÇAMENTO: média do tempo disponível para vendas (lançamentos mais estoque), ponderada pelo VGV de
lançamento. Considera-se que todos os lançamentos foram feitos no meio de cada mês (ex.: Dezembro/08 equivale a 0,5 mês).

RECEITAS A RECONHECER: receita de unidades que já foram vendidas, mas que ainda não tiveram suas obras completas.

RESULTADO A RECONHECER: resultado da vendas de imóveis a apropriar em exercícios futuros.

SEGMENTOS DE MERCADO: A CCDI atua em três grandes segmentos de mercado: 1) Baixa Renda – unidades até R$130,0 mil, 2)
Tradicional – unidades a partir de R$130 mil e 3) Lajes Corporativas. O segmento tradicional é subdivido em: Econômico –
unidades de R$130 mil a R$200 mil, Médio – unidades de R$200 mil a R$350 mil, Médio-Alto – unidades de R$350 mil a R$500
mil, Alto – unidades de R$500 mil a R$1 milhão, Altíssimo – unidades acima de R$1 milhão e conjuntos comerciais.

VENDAS CONTRATADAS: Soma dos valores dos contratos de compra e venda assinados no período. O valor é acrescido da
correção monetária aplicada sobre contratos assinados em períodos anteriores, independente do prazo de pagamento.

VELOCIDADE DE VENDAS MÉDIA (SoS): A Velocidade de Vendas Média é uma aproximação utilizada pelo Mercado para verificar
qual o volume médio de vendas por mês, dada uma série histórica, e a velocidade de giro do estoque, dada esta mesma
velocidade média. Não estão computadas nestas contas as unidades lançadas e vendidas do Ventura Corporate Towes.

VELOCIDADE DE VENDAS (VV): A Velocidade de Vendas é a razão entre o que foi vendido em um determinado período e o que
foi lançado no mesmo período. Este índice serve para parametrizar a venda de estoque existente. Também para fins de análise,
não foram computados os lançamentos e as vendas referentes ao Ventura Corporate Towers Fases 1 e 2.

VELOCIDADE SOBRE OFERTA (VSO): A Venda sobre Oferta é o índice que mede o volume de vendas sobre o volume financeiro
de unidades à venda. Para fins de análise, utilizamos apenas as vendas e estoque de unidades de varejo. Não estão, portanto,
computados os valores lançados do Ventura (Fases 1 e 2) e as vendas contratadas do Ventura Fase 1.

Release Financeiro 3T10 34