Anda di halaman 1dari 3

1

5 TEÓLOGOS BATISTAS QUE TODO PASTOR DEVERIA LER


por Jeff Robinson

Irmão pastor, se você não leu profunda e amplamente no registro da história do batista,
coloque esses gigantes em sua lista de leitura.
Alguns anos atrás, eu tinha um amigo que partia do convívio batista para se juntar a
Presbyterian Church in America. Quando discutimos seu raciocínio para a mudança, ficou claro
que tinha menos a ver com o batismo do que a herança teológica. Em sua opinião, a ascendência
confessional e teológica dos batistas não era bem igual à dos presbiterianos.
Não há dúvida, nossos amigos presbiterianos - dos quais eu tenho muitos - possuem uma
forte herança confessional com uma lista conhecida de nomes que vão de Calvino e Knox a
Hodge, Warfield e Machen. Mas os batistas têm uma linhagem teológica robusta também. Como
pastores, devemos estar lendo e envolvendo figuras notáveis do nosso passado e, como surge a
oportunidade, devemos conscientizar nossas congregações de nosso rico legado confessional,
teológico e de púlpito.
Para esse fim, aqui estão cinco teólogos batistas do passado, eu recomendo como uma
leitura necessária para cada pastor batista.

1. BENJAMIN KEACH (1640-1704)


Keach serviu como pastor da igreja Horse-lie-down em Southwark, na Inglaterra. Ele
adotou a soteriologia reformada depois de inicialmente subscrever o Arminianismo. Keach
estava entre os signatários da Segunda Confissão de Londres de 1689, escreveu talvez o
catecismo batista mais amplamente utilizado, e argumentou com sucesso em favor do cântico
de hinos no culto congregacional.
As principais áreas de contribuição de Keach incluem a teologia da aliança em sua
expressão batista e justificação pela fé. Ele escreveu 43 obras, várias das quais permanecem
impressas. Leitura recomendada de Keach: o Catecismo de Keach, A Pregação dos Tipos e
Metáforas da Bíblia, As Viagens da Verdadeira Divindade, A Essência da Verdadeira Justificação
e Exposição das Parábolas.

2. JOHN GILL (1697-1771)


Muitas vezes, John Gill é acusado de hipercalvinista. Enquanto esse ponto é discutível
(Tom Nettles lida com isso neste livro clássico), durante muitos anos ele pastoreou a igreja
Horsleydown, a congregação que foi pastoreada por Keach e mais tarde Charles Spurgeon (que
eventualmente se tornaria Tabernáculo Metropolitano). Ele debateu com o famoso fundador do
Metodismo, John Wesley, sobre a predestinação e resistiu acusações de que sua teologia da
soberania de Deus equivalia ao Antinomianismo.
As principais áreas de contribuição de Gill incluem uma defesa das doutrinas da Graça, da
Lei e do Evangelho, teologia sistemática e da exposição das Escrituras. Leitura recomendada de
Gill: Compêndio Completo de Teologia Prática, Uma Exposição do Antigo e do Novo Testamento,
A Causa de Deus e a Verdade, A Aliança Eterna.

3. ANDREW FULLER (1754-1815)


Fuller poderia ser considerado o pai do movimento das missões modernas junto com seu
colega mais famoso, William Carey. Convertido sob a pregação de um pastor hipercalvinista
chamado "Sr. Eve", Fuller foi convertido e batizado em 1770 em Soham, Inglaterra, onde mais
2

tarde serviu como pastor de 1775 a 1782. Mudou-se para Kettering em 1782, onde permaneceu
como pastor até a sua morte em 1815. Fuller forneceu o fundamento teológico para missões
globais com seu livro Evangelho Digno de Inteira Aceitação, em que ele respondeu - em resposta
às críticas do hipercalvinismo - o que era então conhecido como "A Questão Moderna:" Cada
pessoa tem o dever de se arrepender dos pecados e acreditar em Cristo? Fuller respondeu
afirmativamente e enviou Carey para a Índia.
Fuller foi um firme defensor do calvinismo experiencial e evangélico e participou de várias
controvérsias teológicas importantes, incluindo debates com Robert Sandeman sobre uma forma
de crença fácil. Ele debateu com o batista geral Dan Taylor sobre a extensão da expiação. Fuller
foi o pai fundador da Baptist Missionary Society e serviu como seu secretário por 23 anos, até o
fim de sua vida. Ele produziu muitas obras e é uma leitura extremamente frutífera. De muitas
maneiras, Fuller e Spurgeon brilham como exemplos bíblicos preeminentes do pastor-teólogo.
Os trabalhos de Andrew Fuller permanecem disponíveis hoje em três volumes.

4. JOHN LEADLEY DAGG (1794-1884)


Dagg foi o primeiro teólogo escritor entre os batistas do sul. Nascido em Loudon County,
Virgínia, Dagg foi pastoreado na Filadélfia e, posteriormente, mudou-se para a Geórgia, onde
atuou como presidente da Mercer University. Os seus escritos exalam como o doce aroma de
Cristo ao articular um robusto calvinismo evangélico.
A sua magnum opus foi o Manual de Teologia, publicado em 1857, a primeira teologia
sistemática abrangente escrita por um Batista na América. A Nova Enciclopédia da Geórgia
escreve brilhantemente acerca do maior teólogo do Estado de Peach: Dagg é talvez a figura
teológica mais representativa entre os batistas antebellum nos Estados Unidos.
Para os seus contemporâneos, ele era “o venerável Dr. Dagg”, um homem de intelecto e
piedade, de honestidade e integridade, de clareza em pensamento e discurso. A sua gentileza e
cortesia foram frequentemente observadas. Uma pessoa escreveu: “Se alguma vez houve um
grande homem que não conhecia, ou conhecendo, não se importava com isso, esse homem é o
Dr. Dagg”.
Juntamente com o seu Manual de Teologia, em 1858, ele escreveu um tratado sobre a
ordem da igreja, um volume complementar do Manual sobre eclesiologia batista. Ambos
permanecem impressos e são necessárias leituras para pastores batistas.

5. JAMES P. BOYCE (1827-1888)


Como presidente fundador do Southern Seminary, Boyce estabeleceu uma visão
confessional para a educação do seminário com suas "Três Mudanças nas Instituições Teológicas"
que permanecem firmes até hoje. Boyce, um nativo da Carolina do Sul, foi pioneiro na educação
teológica batista do sul. Ele serviu como pastor da Primeira Igreja Batista de Columbia, S.C., e
também passou um breve período como editor do jornal denominacional na Carolina do Sul. Ele
era filho de um comerciante influente, e foi educado na Brown University e na Princeton
University, onde foi influenciado pelos famosos teólogos de Princeton.
Boyce escreveu um catecismo, mas a sua maior contribuição escrita foi o seu Resumo de
Teologia Sistemática, que permanece impresso. Como os dois volumes de Dagg, a teologia de
Boyce é uma leitura prazerosa do caloroso e experiencial Calvinismo.
Obviamente, isso deixa no banco dois gigantes que se destacam na paisagem batista, John
Bunyan e C. H. Spurgeon. Não há dúvida de que ambos se classificariam no topo de qualquer lista
de famosos batistas (se você concebe que Bunyan era um batista, e eu estou disposto a aceitá-
lo) pastores-teólogos. Eu os omiti da minha lista dos cinco melhores, simplesmente, porque
3

queria incluir homens que talvez fossem menos conhecidos de alguns. Vou assumir que a maioria
dos leitores conhecem a posição de importância de Bunyan e Spurgeon na leitura essencial para
todos os pastores - quer sejam batistas ou, de outros grupos. A maioria dos livros de Spurgeon
permanecem impressos, assim como a maioria dos seus sermões, e as obras de Bunyan estão
disponíveis em três volumes, bem como em edições críticas individuais.
Irmão pastor, se você não leu profunda e amplamente o registro da história batista,
coloque esses gigantes em cima de sua lista de leitura.

Extraído de http://equip.sbts.edu/article/5-baptist-theologians-every-pastor-read/
Traduzido por Rev. Ewerton B. Tokashiki