Anda di halaman 1dari 140

Sumário

Misticismo de Aleph.......................................................................................................................................................... 2
Misticismo da Beit ........................................................................................................................................................... 14
Misticismo de Gimel........................................................................................................................................................ 24
Misticismo de Dalet ........................................................................................................................................................ 30
Misticismo de He............................................................................................................................................................. 41
Misticismo da Vav ........................................................................................................................................................... 46
Misticismo de Zayin ........................................................................................................................................................ 51
Misticismo do Het ........................................................................................................................................................... 56
Misticismo do Tet............................................................................................................................................................ 60
Misticismo do Yod ........................................................................................................................................................... 63
Misticismo de Kaf ............................................................................................................................................................ 67
Misticismo de Lamed ...................................................................................................................................................... 71
Misticismo de Mem ........................................................................................................................................................ 76
Misticismo da Num ......................................................................................................................................................... 80
Misticismo de Samekh .................................................................................................................................................... 88
Misticismo de Ayin .......................................................................................................................................................... 94
Misticismo de Peh ........................................................................................................................................................... 98
Misticismo de Tzadi....................................................................................................................................................... 101
Misticismo do Qof ......................................................................................................................................................... 105
Misticismo de Resh ....................................................................................................................................................... 119
Misticismo do Shin ........................................................................................................................................................ 122
Misticismo da Tav ......................................................................................................................................................... 130
Gematria: Letras Sagradas

Elder Gideon

Administrador do site

Misticismo de Aleph
# 1 Post Ter Jan 11, 2011 7:27 pm

‫א‬
Aleph: vento, respiração, mente, espírito, boi e o número 1.

Saudações, amigos!

Que os mistérios simples e belos sejam extraídos de dentro da experiência e da contemplação da primeira letra
do alfabeto hebraico : Alef.

Em todos os lugares encontramos palavras em traduções inglesas de hebraico e escrituras cristãs


sugerindo vento , respiração , mente , espírito , boi , e umEstamos ouvindo um ensinamento da essência desta carta
sagrada. Os exemplos são tão numerosos e profundos, que apenas uma amostra de versos será possível aqui, o que
certamente inspirará a sua própria memória de outros versos ligados a este mistério de Aleph. Vou me concentrar
em alguns versos sobre a palavra um , com a esperança de que os versos de outras palavras se sigam.

Um

Como você já deve saber, em hebraico não há números distintos de letras; números são letras e letras são
números. Enquanto as palavras aqui do Antigo Testamento hebraico do Novo Testamento grego
para um são achad e heis , respectivamente, o ensinamento de Aleph por trás dessas palavras é o mesmo: Um.

Portanto, um homem deixa seu pai e sua mãe e se agarra à sua esposa, e eles se tornam uma só carne. (Gênesis
2:24)

Agora toda a terra tinha uma língua e as mesmas palavras. [...] E o Senhor disse: 'Eis que eles são um só povo e todos
têm uma só língua; e isso é apenas o começo do que eles farão; Nada que eles proponham fazer agora será
impossível para eles. (Gênesis 11: 1, 6)

Ouve, ó Israel: O SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. (Deuteronômio 6: 4)

A luz do corpo é o olho: se, portanto, o teu olho for único, todo o teu corpo ficará cheio de luz. (Mateus 6:22 KJV)

Eu peço não só em nome destes, mas também em nome daqueles que acreditarão em mim através da sua palavra,
que todos eles possam ser um. Como tu, Pai, estás em mim e eu estou em ti, que também eles estejam em nós, para
que o mundo creia que tu me enviaste. A glória que me deste eu lhes dei, para que sejam um, como nós somos um
(João 17: 20-22)

E eles [a comunidade de cristãos], continuando diariamente com um acordo no templo, e partindo o pão de casa em
casa, comiam a sua comida com alegria e singeleza de coração. (Atos 2:46)

Pico de experiências místicas de uma miríade de terras e tradições e povos ensinam sobre uma unidade sagrada
fundamental, uma unidade que está dentro e por trás de todas as dualidades da experiência. Falar
de unidade e unidadeno entanto, muitas vezes soam vazias e pouco confiáveis hoje em um momento de severidade,
onde o reconhecimento é confundido para a realização. Demasiado fácil, as pessoas falam desta unidade e unidade
em reconhecimento, sem os frutos que tal realização tem.

Quais são essas frutas? Minha observação de Tzaddikim, por exemplo, me ensina sobre uma capacidade profunda,
às vezes alienígena, de ver através do sofrimento e da provação sua unidade vazia e singular. A partir dessa
percepção, tenho testemunhado o horror e a dor radicais transformados miraculosamente em um veículo de
transmissão profunda de fé, esperança e amor para muitos outros. Este poder milagroso que quebra a lei, que dobra
o carma, milagroso por trás de tudo que aparentemente se opõe à unidade e unidade é o fruto da realização de
Aleph.

Que nosso reconhecimento na fé seja nossa realização na gnose do Um.

Elder Gideon +

T
o
p
o

Phillip

# 2 Post Qua 12 de janeiro de 2011 8:32

Shalom!

Eu não posso deixar de ver a conexão neste "Um" para outra de suas idéias, "Respiração". Quase parece apontar
para um método nisto, que encontramos nossa unidade, nosso senso de conexão, essa totalidade de estar com e na
respiração.

Eu sei, isso é provavelmente muito simples e parece um pouco bobo, mas para mim, isso é muito profundo!

Phillip

T
o
p
o

Damiean

# 3 Post Qua Jan 12, 2011 2:01 pm

Shalom todos!

Vento

A idéia de vento nas Escrituras pode parecer ter inúmeras camadas e significados. Por todo o AT e NT, vemos a ideia
do vento de que se fala de várias maneiras. Aqui estão alguns exemplos:

Gênesis 1.2: a terra era um vazio sem forma e as trevas cobriam a face das profundezas, enquanto um vento de Deus
* varria a face das águas.

Êxodo 10.13 Assim Moisés estendeu o seu bordão sobre a terra do Egito, e o Senhor trouxe um vento oriental sobre
a terra todo aquele dia e toda aquela noite; quando a manhã chegou, o vento oriental trouxe os gafanhotos.
Êxodo 10.19: O Senhor transformou o vento em um vento muito forte do oeste, o qual levantou os gafanhotos e os
levou ao Mar Vermelho; * nem um único gafanhoto foi deixado em todo o país do Egito.

2 Reis 2.11: Enquanto eles continuavam andando e conversando, uma carruagem de fogo e cavalos de fogo
separaram os dois, e Elias subiu em um redemoinho para o céu.

Salmo 78.26: Ele fez o vento do leste soprar nos céus, e pelo seu poder ele conduziu o vento sul;

Provérbios 25.23: O vento norte produz chuva, e uma língua de boca aberta, olhares raivosos.

Mateus 24.31: E ele enviará seus anjos com um forte toque de trombeta, e eles reunirão seus eleitos dos quatro
ventos, de uma extremidade do céu para a outra.

João 3.8: O vento * sopra onde ele escolhe, e você ouve o som dele, mas você não sabe de onde vem ou para onde
vai. Assim é com todo mundo que é nascido do Espírito '.

Atos dos Apóstolos 2.2: E de repente veio do céu um som como o sopro de um vento violento, e encheu toda a casa
onde estavam sentados.

Há, claro, muitos, muitos mais que poderiam ser dados. Vendo isso e o que foi compartilhado em relação à ideia de
Um; também um aspecto desta carta, parece que algo está sendo falado sobre esses vários "ventos". Sua fonte é
tudo no Santo. E todos finalmente encontram o caminho de volta ao Santo. E que todos esses podemos dizer que
são ventos liberativos. Ou eles estão trazendo para um lugar de união com Deus, ou estão quebrando algo que
obstrui nossa capacidade de unir com o Santo. Esses ventos podem ser vistos como o início desse processo, a
experiência de um empoderamento nesse processo e até mesmo o possível veículo de fruição desse processo.

Assim, não importa o vento, edificante ou quebrando, podemos saber que esses movimentos em nossas vidas são
realmente a experiência do Santo em movimento. Podemos conhecer a alegria na elevação e o conforto nos
abalos. Para todos é o movimento do Espírito de Deus, para nossa iluminação e libertação!

Louvado seja nosso Oi Adonai, Amém.

Bênçãos e Shalom,
Damiean

Sheryl

Administrador do site

# 4 Post Qua 12 de janeiro de 2011 15:20

Cumprimentos a todos!

Eu acho intrigantes as contemplações neste segmento!

Ao ler o post do Élder Gideon +, encontrei-me dizendo aleph no lugar de 'one'.

... e eles se tornam carne.

... toda a terra tinha uma linguagem aleph.


... YHVH é Aleph.

... teu olho seja aleph.

... que todos possam ser aleph como somos aleph - eu em você e você em mim.

... com alegria e aleph de coração.

Que pensamentos mágicos surgem disso!

Shalom!

Sheryl

T
o
p
o

Smultronplockaren

# 5 Post Sex 14 de janeiro de 2011 6:43 am

Damiean escreveu:Assim, não importa o vento, edificante ou quebrando, podemos saber que esses movimentos em
nossas vidas são realmente a experiência do Santo se movendo. Podemos conhecer a alegria na elevação e o
conforto nos abalos. Para todos é o movimento do Espírito de Deus, para nossa iluminação e libertação!

Ao pensar sobre os aspectos místicos do vento, uma música que ouvi muitas vezes na minha juventude me veio à
mente - "Master of the Wind", da banda de heavy metal Manowar (que, além dessa música, tem muito bobagem e
profundamente "inconsciente". " Letra da música).
Eu sempre achei essa música profunda, mas agora, quando eu leio as letras novamente, eu encontro muito
simbolismo esotérico (provavelmente não intencional) nela.
Então procurei no Youtube e encontrei este vídeo de fã com cenas do lindo filme "O Rei Leão".

Então, por favor, dedique cinco minutos para assistir e ouvir as letras desta canção, para mais inspiração ao
contemplar o mistério do vento / aleph .

http://www.youtube.com/watch?v=l9nTyph1Jok

Louvado seja Deus!

"Quando você viu além de si mesmo, então você pode encontrar, a paz de espírito está esperando lá." - George
Harrison

T
o
p
o

Jon

Respiração
# 6 Post Sáb 22 de janeiro de 2011 11:44

Saudações Amigos,

Aleph como 'respiração' encapsula muitos ensinamentos e maravilhas. Olhando para o AT e NT, lemos isso em
relação à respiração :

Então o SENHOR Deus formou um homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego da vida, e o homem se
tornou um ser vivente. (Gn 2: 7)

Em suas mãos está a vida de todo ser vivente e o fôlego de todo ser humano. (Jó 12.10)

Que tudo que respira louve ao Senhor! Louve o Senhor! (Salmo 150: 6)

Para o destino dos seres humanos e o destino dos animais é o mesmo; como um morre, assim morre o outro. Todos
eles têm o mesmo fôlego e os humanos não têm vantagem sobre os animais; porque tudo é vaidade. (Eclesiastes
3:19)

"Agora me levantarei", diz o Senhor. "Agora serei exaltado; agora serei levantado. Você concebe palha, você produz
restolho; sua respiração é um fogo que irá consumi-lo." (Isaías 33: 10-11)

Então ele disse-me: "Profetiza ao sopro, profetiza, mortal e dize à respiração: Assim diz o Senhor Deus: Vem dos
quatro ventos, sopro e sopres sobre estes mortos, para que vivam". (Ezequiel 37.9)

Agora, quando o centurião, que estava de frente para ele, viu que desse modo ele respirou seu último, ele disse:
"Verdadeiramente este homem era o Filho de Deus!" (Marcos 15.39)

E então o iníquo será revelado, a quem o Adonai Yeshua destruirá com o sopro de sua boca, aniquilando-o pela
manifestação de sua vinda. (2 Thes 2.8)

21 Novamente Jesus disse: "A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, eu envio-te". 22 E com isso soprou sobre
eles e disse: "Recebei o Espírito Santo. 23 Se você perdoar os pecados de alguém, os pecados deles serão perdoados;
se você não os perdoar, eles não serão perdoados". (João 20: 21-23)

Quão maravilhoso é esse fôlego!

Respirar é Vida para Adão ...


Respirar é Vida para todos os seres vivos ... A
Respiração é Ruach Ha-Messias ... A

respiração é tão próxima de nós que podemos até passar o dia sem reconhecê-la; e se o fizermos, talvez por meros
momentos. Durante a maior parte do dia, tendemos a esquecer seu movimento. Imagine isso: "Todos os dias, você
respira aproximadamente 15 vezes por minuto, ou um total de 21.600 vezes." Sem dúvida, essa é uma média que
flutua entre a vigília, o exercício e o sono, mas, no entanto, é esse presente da Vida que a respiração atesta
continuamente e, ainda mais misteriosamente, atesta a própria Fonte da Vida.

Quando entro na respiração, um par de reflexões me vem à mente:

- é um ciclo que começa com um no-breath, seguido por um flow-in, depois outro no-breath, seguido por um flow-
out ... como um ciclo me faz lembrar de um círculo, ou de uma onda. Isso me lembra os ciclos e ritmos da Natureza
ao nosso redor: as estações como a respiração, os ventos como a respiração, até os movimentos dos átomos e das
galáxias como a respiração! E essa noção de ciclos está escrita no próprio tecido de tudo ao nosso redor ... até a
ordem dos anjos de Ophanim revela algo disso. Eu até li em algum lugar no fórum, que Aleph contém a totalidade do
Grande Nome YHVH, assim todos os 5 dos Olamot, os 5 Elementos, os 5 Respirações e os 5 Ventos são
representados e contidos em Aleph.

- a pausa ou 'não-respiração' entre a inspiração e a expiração parece ser um aspecto fascinante da própria respiração
... é como uma 'pequena morte' tanto dentro quanto fora, também no ciclo ... isso ' a morte me lembra do ciclo de
nascimento e morte e renascimento, como a morte é a entrada no Desconhecido, um lugar de descanso, um lugar
sem definição ... em uma palavra, para a qual tudo isso aponta, é Ain, não -Thingness. Então, nesta pausa, ou 'não-
respiração' e no retorno à inspiração ou expiração, ouço algo do movimento entre AIN - ANI - AIN - ANI - 'não-
egoísmo' - 'egoísmo' - 'não-egoísmo - "egoísmo". Assim, Aleph não é a primeira letra do Gênesis, porque a criação
(ANI) flui da Fonte da própria vida (AIN).

- a respiração está intimamente ligada ao coração, ao fluxo sanguíneo e ao enriquecimento das células do corpo:
"Respirar é uma função corporal involuntária na qual você inala oxigênio para suprir as células do seu corpo e exalar
dióxido de carbono que as células emitem como resíduo " ... assim, este Aleph revela ensinamentos concernentes à
profunda interconexão entre o Respirado Sagrado Radiante e o Sagrado Coração, como foi testemunhado em nosso
corpo físico, que é subtilmente entrelaçado com o Corpo de Luz Tríplice.

Com a respiração, podemos nos aproximar do nosso verdadeiro eu. Com a respiração, descobrimos como estamos
conectados aos outros, e mais ainda, ao Vivo!

Desenho em uma contemplação de + Malaquias deste fórum, aqui está o que ele tem a dizer sobre o Respiração
Sagrada Radiante :

"Este sopro sagrado que Elohim sopra no Humano - a exalação de Yahweh Elohim, enquanto sai de Yahweh Elohim
em Adam, permanece para sempre dentro de Yahweh Elohim, e exalando em Adam, Yahweh Elohim também inala, a
alma retornando ao Santo Um dos Seres de onde veio

Este radiante santo sopro é a própria essência do Continuum de Luz (Yahweh) e, como foi ensinado pelos mestres da
tradição, somos uma pessoa de luz, uma alma de luz. , que veio do Continuum de Luz, e que, de fato, nunca partiu do
Continuum de Luz - nós somos o sopro santo radiante de Deus, saindo de Deus e retornando a Deus, mas
permanecendo sempre em Deus, a emanação sagrada de Ruach Elohim, o Espírito de Deus.

Este sopro sagrado e radiante de Deus está em toda a criação - uma Inteligência e Espírito Fiery, e ainda assim, a
maior manifestação deste resplendor sagrado e radiante está em Adão, o Humano, e nas gerações de Adão, todos os
seres humanos, ao longo de todo o tempo. .

Este sopro sagrado radiante em nós e o poder da fala, o poder da oração que ele traz, é como nos apegamos a Deus
e nos unificamos com Deus - é o poder de encarnar a Santa Shekinah, a presença e o poder do Santo. "

E acrescente a isso uma passagem sobre a respiração de um dos meus livros favoritos chamados Os Sete Mistérios
da Vida (de Guy Murchie):

Sim, a vida como um todo respira e possui o céu comum e bebe a chuva mútua e todos nós estamos incorporados no
mar e nas nuvens e no fogo e floresta e terra ... É claro que todos nós respiramos o mesmo céu e nós estamos nos
tornando conscientes de que ele derrama através de nossos pulmões e sangue em poucos minutos, depois para
misturar e se refrescar no mundo ... cada vez que você inala você está atraindo para dentro de si uma média de
aproximadamente um átomo de cada das respirações contidas em todo o céu. Também, cada vez que você exala,
você está enviando de volta a mesma média para cada uma dessas respirações ... Com essa informação, você pode
aceitar mais facilmente o fato de que sua próxima respiração incluirá um milhão de átomos estranhos de oxigênio e
nitrogênio, soprados por Pitágoras, Sócrates. Confúcio, Moisés, Einstein ...

... até Adonai Yeshua, Madalena, Madre Maria, os apóstolos, até mesmo todas as criaturas que respiram vivos,
baleias, grilos, árvores e abelhas.

Nestes ensinamentos nós ouvimos como estamos intimamente interligados uns com os outros e com todos os seres
vivos ... com cada respiração ... (inspirar) ... nós pegamos ... (expiramos) ... nossas vidas, nossa própria vida está toda
interligada.

E ainda mais admirável, quão misteriosamente entrelaçados estamos na fonte de nossa vida, do Vivo. "Nós somos o
resplendor sagrado radiante de Deus" ... e nisso é motivo de grande alegria.

Pois uma respiração é uma oportunidade, um momento para entrar desperto com intenção e consciência, ...
(inspirar) ... para a relembrança da interconexão que compartilhamos com toda a Vida, a Unidade de Yahweh Elohim
.... (expire) ... E nesta relembrança, uma entrada e uma jornada para a plenitude do Mistério e da Alteza, como
revelado em, com e através de Ruach Ha-Messiah, o Respiração Sagrada e Radiante do Ungido.

Então, com isso em mente e coração, eu não posso deixar de sentir algo acelerar dentro de mim quando eu me
tornar consciente da sacralidade e plenitude de uma respiração, cada respiraçãona verdade: quando eu acordo, não
posso deixar de ser grata por essa respiração, o presente da Vida ... como eu ando de bicicleta para o trabalho todas
as manhãs, eu não posso evitar, mas com a respiração cantar e louvar o Viver Conectado Para a vida ao redor e
dentro ... e antes de adormecer, eu não posso evitar, com um suspiro, liberar as atividades do dia para deixar o 'eu'
elogiando o meu espírito como o Ressuscitado está nas mãos do Abba.

Tanto neste simples, muitas vezes esquecido, muitas vezes ignorado, mas potente Breath ... que mesmo isso é
apenas a ponta do iceberg quando eu começo a contemplar os mistérios de Aleph como Breath.

Que possamos entrar em cada momento acelerado pela respiração da Gnose no Vivo.

~ Jon ~

malochim

O Boi, tremendo poder de Aleph

# 7 Post segunda-feira, 24 de janeiro de 2011 14:35

Shalom,

Ox

Há apenas uma constante no universo e isso é mudança em si, tudo está em um fluxo constante, expandindo,
rodando, evoluindo. Quando se olha para a incrível diversidade da natureza e para a ingenuidade e sabedoria
inspiradoras incorporadas na vida biológica, vemos uma enorme quantidade de energia e força passadas ao longo de
incontáveis éons, e isso é apenas a ponta do iceberg, o universo de Assiyah. Que força incrível mantém esta gigante
roda de mudança girando? De acordo com a cabala, é o poder simbolizado por Aleph e Lamed.

"Alef significa literalmente" boi ", ou" jugo de um boi ", e é chamado de" Carta Mãe ", representando o elemento
primordial do ar, também indicando o Espírito de Deus. Lamed é a décima primeira letra do hebraico. Alef-Bet, que
ocupa o lugar da última letra da primeira metade do Alef-Bet, significa literalmente “aguilhão de boi” e implica o
poder motivador do Espírito de Deus, o Espírito de Deus. em movimento, como na criação.Um é lembrado de Ruach
Elohim, o Espírito de Deus, movendo-se sobre a superfície das profundezas primordiais no início da criação em
Gênesis.Assim, juntos, essas duas letras representam a misericórdia e graça de Deus, o derramamento do poder de
Deus na criação "

Como um quebra-gelo gigante, o Espírito de Deus prepara o caminho para a evolução da consciência, elaborando o
Tikkun de Olams e os indivíduos em uma malha de incrível complexidade e intrincados detalhes minúsculos.

Eu gosto de usar um ditado que do sueco traduz:


"Tudo funciona no final, às vezes só requer mais algum tempo", para mim isso capta a fortaleza e a perseverança de
Aleph e do boi. No entanto, a tremenda energia do boi precisa de orientação, é sempre uma evolução consciente,
uma dinâmica de entrega voluntária e proposital.

Nos é dito pelo Mestre Yeshua:

"Venha a mim todos vocês que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso. Tome meu jugo e
aprenda de mim, pois sou gentil e humilde de coração, e você encontrará descanso para suas almas. Para meu jugo é
fácil e meu fardo é leve ". - Mateus 11: 28-30

Ao deixar Cristo dentro de nós nos guiar e ser a força motriz por trás de nossa vida, nós vivemos de uma maneira
semelhante a Cristo, nos tornamos mais semelhantes a Cristo e somos transformados. Nós nos tornamos a
Carruagem de Deus, arando os campos da existência senciente.

Cristo nos ensina a aprender com ele, o que implica que seus ensinamentos devem ser usados como um jugo de vida
espiritual e prática que ara os campos de nossas mentes, fazendo deles um templo / carro apropriado para o Espírito
Santo. Quando o solo de nossas mentes e corações é negro e fértil, eles podem receber as sementes do Espírito e
dar frutos. Dizem que a letra Aleph parece uma escada, e é através dos humanos que o céu e a terra se unem. Aleph
é uma carta de Unidade e de Multiplicidade com o valor de 1 e 1000. Contém Perud e Yichud, Movement of Rest.

Bênçãos,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

malochim

Boi

# 8 Post segunda-feira, 24 de janeiro de 2011 14:48

Saudações novamente

A força evolucionária manifesta nos humanos como o poder da serpente. É esse poder que nos impulsiona pelas
alturas e está profundamente envolvido no processo evolutivo. Diz-se que a evolução progride em saltos,
esotericamente é também assim que a força ascende através das estrelas / chakras interiores. Conforme o poder da
serpente se move através de um centro / estrela, uma imensa onda de energia / energia evolutiva é acessada.

Um pensamento que me veio à mente foi que talvez a história de Moisés e do bezerro de ouro simbolize como
quando o homem retorna de um estado de mente expandida, freqüentemente encontra sua "mente de multidão"
começando a adorar os efeitos e poder do espírito santo na vida dos discípulos, apanhados na própria experiência
mística e "embriagados de poder", adorando o bezerro de ouro.

Outra interpretação seria que o bezerro de ouro simbolizava uma "era evolucionária" mais antiga, a Era de Touro
(Ox), acredita-se que Moisés esteve vivendo e representando a Era de Áries (Ram) (assim como Yeshua é o
representante e Messias que veio na Era de Peixes (Peixes))

Assim, adorar o símbolo de uma era anterior seria equivalente a usar poderes psíquicos de antigas evoluções
revertendo e não progredindo na evolução da forma e da consciência.

Bênçãos,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

simplicidade

Ahhh o Aleph!

# 9 Post Sáb 12 de março de 2011 16:56

Quanto mais eu espio em cada letra divina, mais admirada eu fico com uma beleza tão perfeita. As contemplações
aqui estão iluminando. Obrigado a todos e obrigado, Élder Gideon, por iniciar esta série sobre as cartas divinas. Eu
tenho estado bastante ocupada nos últimos meses, mas sua série está me atraindo de volta. . .

Recentemente, descobri um novo mistério do Aleph, que pode não ser novo para alguns de vocês, mas foi para
mim. Um site hospedado pelo Authentic Jewish Mysticism and Thought apontou o mistério da Criação contido no
Aleph. A forma do aleph é feita de dois yods com um tov separando-os. O yod superior representa o mundo superior
e o yod inferior representa o mundo inferior e o vav representa o “firmamento” de Gênesis 1: 7 entre eles.

A representação de um yod superior e um yod inferior “enganchado” junto com um “vav” sugere-me não apenas a
Criação, mas também a Cruz. Hmmm . . agora a contemplação fica ainda mais interessante. Para que o Aleph seja
Um e o Divino Sopro do Santo, podemos também contemplar o Cristo da Cruz como a “Palavra”. Agora vemos a
“Palavra” e até a “Cruz” como a “Única Respiração Divina”. Ahhhh . . !

"Milagres acontecem todos os dias e em todos os momentos. Quem não os vê é privado de um dos mais justos
presentes da vida" (St. Issa, os Anos Perdidos de Jesus)

T
o
p
o

Anna

# 10 Post Dom 11 de setembro de 2011 9:49

Bênçãos à Luz do Messias!


A forma de Aleph também lembra toda a exibição da involução e da evolução: a luz que desce na matéria e na
matéria é traçada a partir de baixo na Grande Ascensão. Há também uma sensação de energia alimentando essa
ascensão na manifestação microcósmica de indivíduos com a luz de cima guiando o Poder da Serpente de
baixo. Cada padrão de ciclos parece aninhado dentro do próximo padrão mais elevado, os mundos dentro dos
mundos. E tudo é um.
Shalom!
Anna

T
o
p
o

Anna

# 11 Post Qua Set 21, 2011 1:44 pm

Bênçãos de OX na Luz do Messias!


Ox tem sido ultimamente um objeto encantador de contemplação, criatura humilde que é, ainda que caracterizado
no significado da primeira letra da Criação!

Em Êxodo 29, o boi desempenha um papel importante na consagração dos sacerdotes:

10 Traze o novilho para a frente da tenda da revelação, e Arão e seus filhos porão as mãos sobre a cabeça. 11 Matar
na presença do Senhor na entrada da Tenda do Encontro. 12Pegue um pouco do sangue do touro e coloque-o nas
pontas do altar com o dedo e despeje o resto na base do altar. 13Então, pegue toda a gordura ao redor das partes
internas, a cobertura do fígado, e ambos os rins com a gordura sobre eles, e queime-os no altar. 14Mas queima a
carne do touro e sua pele e suas miudezas fora do acampamento. É uma oferta pelo pecado ".

Isso parece muito com uma oferta pessoal. Um padre deve deixar o ego e tudo o que deseja para servir como um
talismã para o povo e a terra. Também é interessante que essa criatura seja abatida “na presença do Senhor”,
lembrando um ato de sacrifício diante de Adonai, a Divina Presença conosco. Parece que na imposição das mãos,
Arão e seus filhos estão reconhecendo o touro como se fosse um representante de si mesmos, simbolizando o
sacrifício de suas vidas como sacerdotes santos para o Senhor. E assim parece que este touro poderia ser uma
referência para a nefesh, pois sua vida é sacrificada em prol da Grande Obra.

Êxodo 22:30

“Assim farás com os teus bois e com as tuas ovelhas; sete dias será com a mãe dele; no oitavo dia tu me darás.

Novamente, a oferta do boi, mas desta vez os oito dias lembram o oitavo Céu, como se dissesse que a fisicalidade,
ou talvez o apego à fisicalidade, deve ser entregue a fim de entrar neste céu, o lugar da Luz Superna. Há muitas,
muitas referências ao boi ou touro como sacrifício, mais provocativas se o boi representa o veículo do Santo.

Êxodo 32:35

“E o SENHOR feriu o povo com uma praga por causa do que fizeram com o bezerro que Arão tinha feito”.

Aqui vemos o resultado de adorar uma imagem em vez de Deus, a Luz Verdadeira. Este bezerro de ouro representa a
falsa imagem do eu? Isso significa o objeto de adoração no mundo? O que, de fato, é o deus dos nossos tempos, o
deus que parece governar neste tempo? O ouro sugere Mamom como a natureza essencial desse falso deus
comunal. O ouro também pode representar os valores do mundo, em oposição aos valores divinos. Talvez Touro
“governasse” o movimento das esferas no tempo do bezerro de ouro, mas quem realmente governa no mundo? Não
são os ricos, aqueles com dinheiro e, portanto, poder mundano, entrincheirados na consciência mundana, Nefesh
behamit?

Jó 39: 9

"O boi selvagem consentirá em atendê-lo? Ele ficará na sua manjedoura à noite?

Isso lança luz sobre a idéia de boi como veículo. Na invocação, quando colocamos o talit, pedimos que “nosso nefesh
deve estar sujeito ao nosso ruach, de modo que, em união, eles devem ser um vaso verdadeiro e sagrado de nossa
neshamah”. O boi selvagem parece falar de Nefesh behamit, o bestial. alma que precisa ser domada. Nefesh behmit
precisa de treinamento, assim como um boi selvagem precisa ser treinado para servir adequadamente. Uma vez
treinado, torna-se Nefesh elokit, a alma piedosa, a alma rendida, o veículo preparado para levar a Luz Divina ao
mundo.

Provérbios 12:10

"Um homem justo cuida das necessidades de seu animal, mas os atos mais bondosos dos ímpios são cruéis."

Aqui vemos que um homem justo se importa com o veículo que é o ponto de encontro do Céu e da Terra. Em outras
palavras, estou ouvindo que alguém deve se importar com o veículo físico e, expandindo-se desse pensamento para
o nosso tsadic, deve-se cuidar do veículo que é a nossa interface com o Santo, aquele através do qual vem a Luz de
Transmissão.
Esta mensagem vem ainda mais claramente na próxima passagem:
1 Timóteo 5:18

“Porque a Escritura diz: 'Não amordace o boi enquanto ele estiver debulhando o grão' e 'O trabalhador merece seu
salário'”.

Se o boi não estiver amordaçado, ele comerá como deseja do grão, o que está ajudando a fornecer. Parece que o
veículo que leva a Luz não deve apenas ser bem cuidado, mas também deve receber tudo o que deseja do bem que
os colaboradores nos trazem. Então, isso sugere que devemos cuidar e nutrir a exposição do corpo / vida que
carrega os Atributos Divinos, e também pode sugerir o mesmo para o tsadic que serve como nossa interface com o
Amado.

O boi como veículo da Luz Divina, individual e coletivamente, deve ser treinado e nutrido, e seus desejos bestiais
sacrificados em prol da Grande Obra. O veículo e a Luz tornam-se verdadeiramente Um, transportando a mente, a
respiração e o espírito Divinos, em incontáveis manifestações, implícitas por 1.000, o outro número associado a
aleph. Verdadeiramente, é um conceito evolucionário, essa criatura que evolui para se tornar consciente e crescer
em união consciente com o Santo!
Que Deus seja louvado!
Anna

T
o
p
o

Marion

# 12 Post Sex Out 14, 2011 7:47 am


Há um grande segredo contido em Aleph. É feito de um vau e dois yod, um superior e outro inferior. A ponta do yod
superior se inclina para cima - em direção a Deus. Da mesma forma, a ponta do yod inferior inclina-se para baixo, em
direção à terra. O vau é simbólico do firmamento que separa os mundos superior e inferior. Como já foi dito, o valor
numérico de Aleph é um. Por que então há três partes? Porque Ele e o Seu nome são um. Isto é, o reino celestial
está dentro e ao redor do plano material. Louve a Deus!

Agora, nisso, há um ensinamento sobre o Teshuva-arrependimento. Pode-se pensar na história em Midrashim


quando Deus decidiu fazer a criação. Os Anjos ficaram muito preocupados e disseram ao Santo, bendito seja Ele-
Ela. “Mas Senhor, eles pecarão contra você!” E Deus disse a eles: “É por isso que eu fiz o arrependimento da
Teshuva”. Como Deus fez isso? Fazendo a criação à sua semelhança e imagem, criando o mundo da luz interior
dentro e ao redor de tudo que surge aqui, de modo que você só precisa ter os olhos para vê-lo. Louve a Deus!

Quando Deus criou, ele começou com Bet. Ele disse para aleph “Você está na cabeça do Aleph-Bet como um
rei. Você é um, eu sou Um e a Torá é Um ”. Bet é o começo da Torá, mas Aleph começa a Torá escondida que será
revelada no mundo por vir. Para Aleph (aleph-lamed-peh) escrito ao contrário é Mystery (peh-lamed-aleph.)
Louvado seja Deus!

Aleph nos lembra que apesar de vermos uma miríade de formas aqui abaixo, elas são expressões do Santo. Aleph é
igual a um numericamente. Adonai (aleph-dalet-nun-yod) é o senhor, mestre (Aluph, aleph-lamed-vau-peh) do
universo. Aleph também começa o nome divino Elohim (aleph-lamed-heh-yod-mem), que significa um e muitos. É o
ensinamento que o Santo emana todos os tipos de seres divinos, porque se a força total do Santo viesse sobre a
criação, ela não poderia suportar. Então Deus constringe (tzim-tzum) Deus para que a criação possa vir a existir e
perceber a inseparabilidade de Deus e sua criação. Louve a Deus!

Aleph é aquele que não opera a partir do mundo ou das preocupações do mundo, mas olha para Deus (como o yod
superior). Tal um parece estar para trás aqui. Temos um grande exemplo disso em Yeshua Messiah, que às vezes
parece acolher a cruz. Quem mais faria tal coisa, exceto alguém que sabia que era para o bem de todos. Louve a
Deus!

Bendito seja o Santo para a Revelação dos Mistérios das Cartas Amém!

T
o
p
o

Irmão Brian

# 13 Post Sáb 15 Set 2012 7:50

Algumas coisas que chegam a contemplar esta manhã sobre o símbolo do Boi. Contemplando que às vezes o ego
pode ser como uma mula teimosa, mas essa mula teimosa é aquela que o Boi usa e dirige. Às vezes a mula vai virar a
cabeça e tentar morder e morder você, mas o boi é mais forte. Este Boi está aqui para usar a mula para arar e
espalhar o espírito de Cristo. Espalhe este conhecimento da presença interna de Cristo para todos aqueles que estão
dormindo, acordando-os para perceber que eles não são o ego, mas o Boi. O boi sendo aquele que realmente faz a
lavra.

Como já foi dito através de nossa linhagem, que o sacrifício de sangue é a revelação da natureza ilusória do que
chamamos de “realidade” e “morte”. Grande revelação de que somos Espírito no sangue e não o contrário.

Espírito no sangue também me lembra de Caim, Abel, Seth


Caim = escuridão
Abel = Luz
Seth = transcendência da Luz e da Iluminação
Tau = Luz da cruz.
Seth sendo um símbolo ardente de unificação de toda a dualidade. Consciência unificada. Auto-realização do
Humano de Luz. Messias sendo o resultado da integração de todos os níveis ou aspectos da consciência, consciência
superficial, razão finita, nome, ser mortal.

Parece que Aleph está em qualquer assunto de que falamos. A energia está em todas as coisas. Você é Luz, a
escuridão não é apenas lembrar. A luz está entrando em lembrança disto. Aleph é o tecido que tudo isso
transparece. Quando estamos respirando esta carta tão sagrada nos lembrando quem e o que somos. Se
esquecermos tudo o que precisamos fazer é respirar. A imagem de um Boi parado no frio do dia observando o Boi
respirar com força, com intenção de encenar os 13 atributos de El

Misticismo da Beit

# 1 Mensagem do Élder Gideon » Sáb 12 de fevereiro de 2011 9:10

‫ב‬
Bet: House, Temple, Matrix da Criação, Esposa, eo número 2.

Saudações amigos!

Que os mistérios simples e belos sejam extraídos de dentro da experiência e da contemplação da segunda letra
do alfabeto hebraico : Aposta.

Em todos os lugares encontramos palavras em traduções inglesas de escrituras hebraicas e cristãs


sugerindo Casa , Templo , Criação , Esposa e dois.Estamos ouvindo um ensinamento da essência desta carta
sagrada. Os exemplos são tão numerosos e profundos, que apenas uma amostra de versos será possível aqui, o que
certamente inspirará a sua própria memória de outros versos ligados a este mistério de Bet. Vou me concentrar em
alguns versos sobre a palavra dois , com a esperança de que os versos de outras palavras se sigam.

Dois

O número dois terá muitas implicações do que é primeiro dividido ou separado e reunificado novamente com
integridade consciente. Para se tornar conscientemente consciente da unidade primordial, representada por Aleph,
deve-se entrar no processo de toda a aparente dualidade representada por Bet.

E disse Deus: Haja uma cúpula no meio das águas, e separe as águas das águas. Então Deus fez a cúpula e separou as
águas que estavam debaixo da cúpula das águas que estavam acima da cúpula. E foi assim. Deus chamou o domo do
céu. E foi a tarde e a manhã, o segundo dia. (Gênesis 1: 6-8)

Deus fez as duas grandes luzes - a luz maior para governar o dia e a luz menor para governar a noite - e as
estrelas. (Gênesis 1.16)

E o Senhor disse-lhe:
'Duas nações estão em seu ventre,
e dois povos nascidos de vocês serão divididos;
um será mais forte que o outro,
o mais velho servirá ao mais novo. Gênesis 25.23

Agora Labão tinha duas filhas; o nome do mais velho era Lia e o nome do mais novo era Raquel (Gênesis 29.16)

. O Senhor te deu o sábado, pois no sexto dia ele te dá comida por dois dias; cada um de vocês fica onde estás; não
deixe o seu lugar no sétimo dia. (Êxodo 16.29)

Faça um querubim em uma extremidade e um querubim na outra; de uma só peça com o propiciatório, farás os
querubins nas suas duas extremidades. (Êxodo 25.19)

Quando Deus terminou de falar com Moisés no monte Sinai, deu-lhe as duas tábuas da aliança, tábuas de pedra,
escritas com o dedo de Deus.
(Êxodo 31.18)

'Ninguém pode servir a dois mestres; pois um escravo ou odiará um e amará o outro, ou será devotado a um e
desprezará o outro. Você não pode servir a Deus e à riqueza. (Mateus 6.24)

Novamente, em verdade vos digo que, se dois de vocês concordarem na Terra sobre qualquer coisa que pedirem,
isso será feito por vocês pelo meu Pai no céu. (Mateus 18.19)

Naquele momento a cortina do templo foi rasgada em duas, de cima para baixo. A terra tremeu e as rochas foram
divididas. (Mateus 27.51)

De repente, viram dois homens, Moisés e Elias, conversando com ele. (Lucas 9,30)

[A] [Lady Mirya] viu dois anjos de branco, sentados onde o corpo de Jesus estava deitado, um na cabeça e outro nos
pés. (João 20.12)

Jesus disse: "Este céu passará, e aquele acima dele passará.


Os mortos não estão vivos e os vivos não morrem. Durante os dias em que você comeu o que está morto, você fez
vir vivo. Quando você está na luz, o que você fará? No dia em que você era um, você se tornou dois. Mas quando
você se torna dois, o que você fará? "(Thomas, 11)

[...] Jesus disse a eles:" Quando você faz os dois em um, e quando você faz o interior como o exterior e o exterior
como o interior, e superior como o inferior, e quando você faz masculino e feminino em um único, de modo que o
macho não será homem nem a fêmea seja fêmea, quando você faz olhos no lugar de um olho, uma mão no lugar de
uma mão, um pé no lugar de um pé, uma imagem no lugar de uma imagem, então você entrará [no reino].
"(Thomas, 22)

Jesus disse:" Uma pessoa não pode montar dois cavalos ou dobrar dois arcos.
E um escravo não pode servir a dois senhores, senão aquele escravo honrará um e ofenderá o outro ... "(Tomás, 47)

Jesus disse:" Se dois fazem a paz um com o outro em uma única casa, eles dirão à montanha 'Mova-se daqui!' e
mover-se-á. "(Thomas, 48)

Como dois se manifestam em nossa experiência começa quando éramos uma vez um óvulo fertilizado - um zigoto -
na Aposta do ventre de nossa mãe, e então divididos. Desta primeira divisão, nossa todo o corpo formado, depois o
eu e o outro, o interior e o exterior, o céu e a terra

, que haja paz entre os dois na própria casa. ”

Elder Gideon +

Smultronplockaren

Mensagens: 5

Cadastrou-se em: 28 de outubro de 2010 23:26


Localização: Gotemburgo, Suécia

# 2 Post by Smultronplockaren » Qui 24 de fevereiro de 2011 02:07

Em relação ao número dois, gostaria de citar a inscrição da lápide do filósofo Immanuel Kant:

"Duas coisas preenchem a mente com admiração e admiração crescentes - os céus estrelados acima de mim e a lei
moral dentro de mim".

Kant considerou isso como um testemunho de que Deus existe tanto no céu quanto dentro de nós mesmos.

Para um buscador gnóstico, é bastante óbvio que o espírito de Cristo é algo que nos habita, mas eu penso que é
importante lembrar que Deus também está acima - nós não criamos a nós mesmos.
O panteísmo é uma bela idéia, mas para sentir a "crescente admiração e reverência" de que Kant estava falando,
acho importante ter em mente que o Senhor também está acima.

"Quando você viu além de si mesmo, então você pode encontrar, a paz de espírito está esperando lá." - George
Harrison

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Simultaneidade

# 3 Post by Elder Gideon » Sáb 26 de fevereiro de 2011 12:10

Saudações!

Uma bela visão de fato! O que me habita também está muito além de mim ao mesmo tempo; nem uma contradição
nem uma desigualdade, esses dois contextos muito dos quais você e tantos outros já observaram são em si mesmos
o ponto de intersecção, sobreposição e ligação: o Humano.

Gênesis 1 narra o desdobramento da Criação a partir de uma perspectiva transcendental, de sempre além, enquanto
Gênesis 2 narra a Criação a partir de uma perspectiva imanente, a partir do solo abaixo. Essas duas perspectivas são
simultâneas, surgindo como o céu e a terra co-surgindo ao mesmo tempo.

Observar isso, até mesmo estar ciente disso, é a imagem e semelhança de Elohim pelo qual somos feitos. Aquela de
Elohim que é Binah, unida com Hokmah, tudo que é revelado pelo Keter escondido, é transcendental e Supernal. O
de Elohim que se revelou como as Sete Sefirot da Construção abaixo - Hesed para Malkut - é imanente e
residente. Mais uma vez, nenhuma contradição, mas uma simultaneidade.

Nossa linhagem há muito abraçado este princípio de transcendência e imanência por meio do sefirot descrito acima,
o que só acontece em paralelo lindamente o Meister Eckardt chamado Deus e Deus : Aqui, Deus é transcendente,
repousou, e ser não-dual, contemplado como a tríade suprema da Árvore da Vida; Deusé imanente, em movimento
e tornando-se contemplado como as Sefirot da Construção. O mais misterioso de tudo é a sobreposição entre esses
contextos, Elohim, que é Criador e o que é criado, simultaneamente.

Que o sinal do Pai Vivo seja revelado dentro de nós: Movimento e repouso.
Shalom!

Elder Gideon +

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Beit, o ventre da criação

# 4 Post by malochim » Ter Mar 08, 2011 6:01 am

Quando olho para a forma da letra Bet, vejo o estômago de uma mulher grávida. E dentro da letra / estômago é um
pequeno ponto que é o coração do feto crescendo dentro. Há muitos ensinamentos e belas imagens místicas ligadas
à mulher de luz e a Cristo como a criança a quem ela dá à luz. E, de fato, o que mais é a criação, mas o templo e o
ventre de Deus? É para esse propósito que fomos criados para que a Shekinah de Deus pudesse habitar em nós.

"A glória completa da princesa está dentro" (Salmos 45:14)

Maria disse: "Deus deu à luz a criação sem um ventre? Não, de fato! Porque a criação está no ventre de Deus, e até
que esteja completa não deve emergir " (Evangelho de Maria, tradição oral de Sophian)

"Então ele percebeu:" Eu, de fato, sou essa criação; pois eu o derramei de mim mesmo. "Dessa forma, ele se tornou
essa criação. E, na verdade, quem conhece isso, torna-se criador nesta criação." (Upanishads)

A palavra Shekinah é usada também em versos bíblicos onde o verbo shakhan é usado em relação a Deus. Shakhan
significa "habitar" ou "armar a própria tenda". Durante o êxodo, a tenda foi usada como templo, mas o que distingue
uma casa ou morada de um templo?

A diferença gematrica entre casa (412) e templo (444) é 32, que é o valor numérico do coração. Para que uma casa
se torne um templo, ela deve estar imbuída / impregnada do ponto focal do coração. Nosso coração é nossos
desejos e, por extensão, nosso corpo energético que irradia como nossa exibição de vida.

O coração do homem (levavv) termina com uma aposta dupla, representando as duas inclinações ou desejos
conflitantes. O de Nefesh Behamit e Nefesh Elokit. Os desejos de nossa natureza bestialmente inferior, que é
inerentemente dirigida à sobrevivência do organismo físico e são orientados principalmente para o exterior, e os
desejos de nossa natureza humana que são dirigidos para dentro, protegidos por Deus. Ambas as inclinações
precisam ser trazidas para o serviço do Reino Celestial.

"Jesus disse: Bem-aventurado o leão que o homem come, e o leão se tornará homem; e maldito é o homem que o
leão come, e o leão se tornará homem".

À medida que entretemos vários pensamentos, emoções e nos engajamos no trabalho, nos ligamos a diferentes
forças espirituais correspondentes à energia que movemos e geramos por meio de ações mencionadas. Se olharmos
para a letra Bet, ela também pode representar uma morada, tenda ou casa aberta à esquerda. Como os hebreus
escrevem da direita para a esquerda, o lado esquerdo representa o futuro. E precisamos aguardar em antecipação à
sagrada Shekinah, permanecendo em pensamentos alegres, aproveitando a vida ao máximo, apegando-nos à Santa
Shekinah. Ser "bons hospedeiros" para a energia positiva, que por sua vez nos torna a morada das forças espirituais
correspondentes, de modo que os pássaros do ar vêm e se alojam em nossos ramos.

À medida que estudamos e praticamos a vida espiritual, nossas mentes se expandem e se tornam Batei Midrash, um
santuário de estudo e aprendizado, não apenas para nós, mas para todos os tipos de seres.

É através da experiência e do movimento nos reinos de Tornar-se que crescemos, e Bet é esse domínio, o ventre de
Deus em que todos nós temos o nosso Ser.

"Uma mente que é esticada por uma nova experiência nunca pode voltar ao seu antigo dimensões. " (Oliver Wendell
Holmes)

"O que for flexível e fluir tenderá a crescer, o que for rígido e bloqueado murchará e morrerá". (Tao Te Ching)

Bênçãos,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

Anna

Mensagens: 526

Ingressou: Sabado 18/06/2011 14:00

Local: Fredericksburg, VA

Esposa

# 5 Post por Anna » Dom Out 09, 2011 5:22 pm

Bênçãos à Luz do Messias!

Esposa

Rabi Munk nos diz que “a mulher foi separada do homem para se tornar ... literalmente uma ajudante contra ele -
isto é, um ajudante que, às vezes, deve se opor a ele”. Isso sugere que um bom parceiro nos ajuda a crescer e
mudar. Como um ministro costumava dizer: "Minha esposa e eu somos uma boa lixa um para o outro".

“Aquele que acha uma esposa encontra o que é bom e recebe favor do SENHOR.” Provérbios 18: 21-23
“Uma esposa de caráter nobre é a coroa de seu marido, mas uma mulher infeliz é como uma deterioração em seus
ossos”.
Provérbios 12: 3-5
“A tua mulher será como uma vinha frutífera dentro da tua casa; os vossos filhos serão como ramos de oliveira à
volta da vossa mesa. ”Salmo 128: 2-4

Uma esposa é uma grande bênção do Santo. Ela pode complementar e valorizar seu marido, prolongando inclusive
sua vida, segundo estudos científicos. Os dois se tornam mais do que a soma de suas partes; eles se tornam um, um
ser humano completo, por assim dizer. Parece que a intenção original da humanidade é parceria, uns com os outros
e com Deus.
“A Adão ele disse: 'Porque você ouviu sua esposa e comeu fruto da árvore sobre a qual eu lhe ordenei,' você não
deve comer dela '. Maldito é o solo por sua causa; por meio da labuta dolorosa, você vai comer a comida de todos os
dias da sua vida. Gênesis 3: 16-18

Aqui vemos o resultado de não trabalhar como parceiros. Adam se comporta irresponsavelmente fazendo o que sua
esposa lhe diz para fazer sem utilizar o poder de pensar e discutir as coisas. Talvez ele devesse ter recebido uma
segunda opinião sobre esse curso de ação, em vez de apenas ficar sem pensar.

As Escrituras falam de um benefício interessante que os cônjuges podem trazer ao lidar com a fisicalidade

“A esposa não tem autoridade sobre o próprio corpo, mas cede ao marido. Da mesma forma, o marido não tem
autoridade sobre seu próprio corpo, mas o entrega à sua esposa. ”1 Coríntios 7: 3-5.

Se os cônjuges não reivindicam seu corpo, mas o entregam ao outro, então eles não estão treinando em um tipo de
não-apego ao corpo? Essa é uma bênção interessante que pode nos ajudar a deixar nossa identificação com nossa
manifestação física. Oferecer nossa fisicalidade ao nosso cônjuge pode ajudar a nos preparar para oferecer nossa
fisicalidade ao Santo. Como Tau Malachi disse,

“Nos estados mais profundos de oração e meditação, a alma é despojada da fisicalidade e, no entanto, tudo num
mistério, embora haja uma experiência de consciência além do corpo, ao mesmo tempo, há um influxo de
consciência maior o corpo - a fruição da Transmissão de Luz. ”

Estas são apenas algumas contemplações sobre “esposa” como encontradas nas escrituras. Estou ansioso para mais
pensamentos sobre Bet, como o Espírito Mãe pode inspirar.

Shabat Shalom!
Anna

Marion

Mensagens: 365

Ingressou: Dom 01/08/2004 20:41

Localização: Nepal

Aposto, a casa de Deus

# 6 Post by Marion » Dom 30 de outubro de 2011 15:41

Shalom!

A aposta começa muitas palavras, incluindo "bereshit" - no começo.

Algumas outras palavras que a aposta começa são:


-Beah (bet-aleph-heh) -entrada a um prédio
-Beosh (bet-aleph-shin)
-fedir -Boho (bet-heh-vau) -emptimia, void
-Behal (aposta - tremeu para dentro, para ficar alarmado ou agitado, espantado ou desanimado.
-Bazah (bet-zaiyn-aleph) - para desdenhar, desprezar ou condenar
-Babel (bet-bet-lamed) -a torre
-Betach (bet-tet-chet) -para ser confiante, confiar, ser ousado
-Beten (bet-tet-nun) -hollow belly or womb
-Besher (bet-samech-resh) -uma uva não madura

Existem várias correntes de contemplação que surgiram enquanto estudava Bet. A primeira foi, enquanto eu lia o
livro do rabino Munk sobre as cartas. Houve um tema, percorrendo todo o capítulo sobre Bet. Foi um ensinamento
para não contaminar o que é puro. Na Torá, lemos “não sirva a nenhum outro deus diante de mim”. Isto é, não
contamine sua adoração do Santo com a adoração de outras divindades. Este mandamento também parece estar
dizendo, busque a verdadeira luz e siga a verdadeira luz. Não siga a inclinação do mal. Nós lemos no Evangelho de
São João, onde Yeshua diz: “Amem uns aos outros como eu os amei. Ninguém tem um amor maior do que este, que
dá a vida por seus amigos ”. Essa é uma visão inabalável do que significa manter o continuum. Yeshua manteve o
continuum porque ele deu tudo de si. Ele deu tudo que ele tinha.

Bet parece estar falando dessa convicção de seguir o Santo com toda a sua mente, todo o seu coração e todo o seu
corpo. Isso está relacionado a algo que venho contemplando nas últimas semanas. Como sabemos em nossos
corações o que é certo. Não só isso, mas sabemos interiormente como manter o contínuo. Se houver mesmo um
pequeno desvio desse caminho, isso geralmente cria um grande abismo. À medida que crescemos e amadurecemos,
o que significa manter as mudanças contínuas. Fica cada vez mais sutil à medida que avançamos pelo caminho.

Começamos na Lei da Torá, cumprindo os mandamentos e mantendo o Shabat. Estudando e contemplando os


mistérios. Isso estabelece essa fundação. Quando somos auto-sustentáveis, não estamos mais “fazendo” meditação,
etc ... mas, na verdade, nos tornamos a meditação, a contemplação, ou seja, nós a incorporamos. Não está mais fora
de nós. Manter a lei nos permite fazer isso. Por lei, não me refiro aos 613 mandamentos delineados na Torá. É uma
lei interior, é fé no Messias ressuscitado e no Espírito Materno. E mantendo essa fé.

Eu também estava me perguntando sobre essa palavra que começa com Bet: Besher (bet-samech-resh) - uma uva
verde. Isso me fez pensar em um Midrash que eu já ouvi antes sobre o fruto que Adão e Eva comeram. Basicamente,
o ensinamento é que Deus ordenou que Adão e Eva não comessem da árvore do conhecimento do bem e do mal,
porque o fruto ainda não estava maduro. Portanto, o pecado deles não era comer a fruta em si, mas comer frutas
não-kasher, ou seja, frutas que não eram maduras. Há uma bela tradição sobre quando se pode comer uma fruta
descrita no capítulo 19 de Levítico. A lei diz que durante três anos o fruto de uma nova árvore será proibido. Mas no
quarto ano você dará toda a colheita ao Senhor. Então, no 5º ano, você pode comer a fruta. Portanto,
presumivelmente, Adão e Eva não deram a colheita do 4º ano a Ha-Shem. Este é um bom ensinamento para nos
lembrarmos. Que sempre que tivermos algo, saibamos que é de Ha-Shem, ofereça-o ao Reino Divino e dê louvor e
agradecimento. Isso pode ser aplicado a tudo o que fazemos, todos os aspectos de nossas vidas podem ser
oferecidos dessa maneira.

Agora, há 22 capítulos no Evangelho de São João e 22 capítulos em Revelações. O Evangelho de São João começa
com a criação do universo. Portanto, os mestres da tradição disseram que o primeiro capítulo corresponde a Aleph,
o segundo a Bet e assim por diante. Revelações é sobre a destruição do universo e termina com a criação de um
novo. Portanto, os Mestres da Tradição disseram que o primeiro capítulo de Revelações corresponde a Tau, o
segundo com Shin e assim por diante. Se você olhar para o capítulo 2 do Evangelho de São João e o capítulo 21 de
revelações, há alguns mistérios intrigantes com relação a Bet.

O capítulo 21 de Apocalipse começa assim:

“1Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra haviam passado, e o mar já não
existia. 2E eu vi a cidade santa, nova Jerusalém, descendo do céu de Deus, preparada como uma noiva adornada por
seu marido. 3E ouvi uma voz alta do trono, dizendo: "Eis que a morada de Deus está com o homem. Ele habitará com
eles, e eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles como o seu Deus. 4 Ele enxugue toda lágrima de seus
olhos, e não haverá mais morte, nem haverá luto, nem choro, nem dor, pois as coisas anteriores já passaram.

Continua descrevendo esta nova terra e os doze portões, etc ... O que é mais intrigante sobre este capítulo é que diz
que Deus estará NAS pessoas, portanto não há templo nesta nova terra. A implicação é que as pessoas serão o
templo. Este é o presente que Yeshua trouxe. Antes de Yeshua, ninguém jamais conseguiu a unificação com o Santo
e permaneceu na terra. Parece que as revelações, se implicando o que os Mestres da Tradição disseram muitas
vezes. Que a segunda vinda marcará o advento da iluminação entrando em um segmento maior da humanidade.

O segundo capítulo do Evangelho de São João começa com o festival de casamento em Canna e termina com a
limpeza do Templo. Sabemos que ambos os cenários lidam com a purificação do corpo sutil. Na festa de casamento
em Canna, ouvi dizer que a água representa a força descendente do poder da serpente e o vinho representa a força
ascendente do poder da serpente. Yeshua diz a eles para encher os 6 potes com água. Que, a propósito, não é tarefa
fácil porque diz que estes frascos são 20-30 galões cada! Então, quando os servos derramam a água, descobrem que
ela foi transformada em bom vinho. Nesta história, não é Yeshua quem “faz” nada. Ele não toca nos frascos. Os
servos estão apenas fazendo o que ele manda. Eles, por sua vez, têm fé para seguir adiante. Esta história parece
pertencer especialmente a Bet porque existem 6 centros no corpo sutil propriamente dito. Na tradição, é ensinado
que os 6 frascos correspondem a esses centros. Yeshua diz a Mãe Maria: “Meu tempo ainda não chegou”. Eu estou
pensando se ele lhes diz para encher 6 jarros como um sinal do influxo de consciência no corpo. Isto é, o movimento
da força descendente, provocando a ascensão da força ascendente, que se une no coração. Este é o primeiro
movimento que corresponde à realização de um Adepto, se eu estiver me lembrando corretamente. Isso é antes da
cruz, então ainda não há sétimo jarro, correspondendo à coroa, talvez porque as forças ascendentes e descendentes
ainda não tomaram repouso no centro acima da cabeça? O jogo entre Mary, Yeshua e os servos nesta história
parecem ser paralelos entre o jogo entre o Espírito Santo, um Tzaddik e seus discípulos. Porque o Tzaddik é instruído
pelo Espírito Santo, e por sua vez, instrui seu discípulo, e seu discípulo deve ter fé e seguir a instrução.

Que nos saibamos como um lugar de habitação para o Santo, que possamos olhar e ver. Um homem!

Bênçãos e Shalom!

Marion

T
o
p
o

Irmão Brian

Mensagens: 147

Ingressou: Wed Sep 22, 2010 7:08 am

Localização: Tennessee

Aposta

# 7 Post de Brother Brian » Ter 25 de setembro de 2012 7:15 am

Contemplações esta manhã no Bet. Sendo uma casa (pequena aposta) dentro da casa maior. Tudo está dentro de
Deus. Yeshua nos diz para entrar no seu armário! Onde e o que é esse armário? É o coração, o espaço sagrado
dentro de todos nós. Todos nós temos santuários e lugares em casa onde estudamos, adoramos, rezamos,
cerimônias sagradas, etc., Alguns têm várias imagens neste lugar sagrado para nos levar a visualizar e experimentar
mais da energia que essas imagens retratam.
É uma grande bênção (apostar) saber que todas essas imagens e energia que experimentamos nesses espaços
sagrados são coisas que refletem o que é interior, em nossos corações! Quando entramos neste santuário interior
(em qualquer lugar ou a qualquer hora, não importa onde estamos), seremos estabelecidos! Somos todos -
abraçando ou como o que Yeshua proclamou ser perfeito para o seu Pai no céu é perfeito. Somos perfeitos sempre
que vivemos neste espaço sagrado! Esta casa dentro do nosso templo. Aposta

Este espaço sagrado dentro de nós está disponível em todos os momentos, nesta casa dentro de uma casa! Tudo o
que precisamos fazer é lembrar este lugar sagrado, saber, estar desperto, basta estar, tenha atenção a este espaço
sagrado dentro de nós. Esta luz desta lâmpada pode ser acesa a qualquer momento se apenas nos lembrarmos deste
espaço sagrado dentro de nossos corações onde Deus, os santos e os anjos estarão.

Isso me lembra do que torna uma casa uma casa? Um lugar de amor, relaxando, sendo, todos abraçando. Não
importa onde estamos no corpo, fora do corpo, onde quer que estejamos, este lar está dentro de nós. Nós só
precisamos ir para casa e ser! Quando vivemos neste espaço dentro de nossos corações, podemos dizer com razão:
“Eu sou o bom pastor”. Estaremos na experiência certa, na hora certa. Não importa o que está acontecendo
externamente. Quando estamos com outros, permanecendo neste espaço sagrado, tendo uma cobertura aberta
com aqueles com quem estamos presentes. Isso é o que é puro!

Shalom

T
o
p
o

Irmão Brian

Mensagens: 147

Ingressou: Wed Sep 22, 2010 7:08 am

Localização: Tennessee

Casamento

# 8 Postado por Brother Brian » Sex Set 28, 2012 9:44 am

No dia em que você foi um, você se tornou dois. Mas quando você se torna dois, o que você fará?

O Élder Gideon citou isso muitas vezes na outra noite em mentoria de Bet. Falei da experiência de separação que
tenho experimentado e recebi muitas coisas naquela sessão para contemplar coisas que são simplesmente lindas
para me despertar. Hoje eu estava estudando o versículo 11 de São Tomé e versículo 8. Eu me pergunto sobre o
desejo do meu coração! Qual é o meu maior desejo no coração? Qual é a diferença entre menor desejo e maior
desejo? Vindo para entender até que eu tenha (1) desejo sagrado, toda a minha energia será dispersa e fragmentada
como nosso abençoado Tzaddik diz no livro. Quando a energia do desejo é fragmentada, o poder da ignorância e do
esquecimento será forte.

Uma vez contemplando sobre isso Ma me mostrou que ela está no trabalho! Sem a Shekinah, como alguém poderia
saber sem ela revelar a abertura deste problema? Louvado seja Ma por sua paciência comigo e sua graça. O Espírito
Santo está no trabalho!

Cheguei ao verso 106 de Tomé, que Yeshua disse novamente: “Quando você tornar os dois em um, você se tornará
filho dos homens, e quando você disser: 'Montanha, afaste-se, ela se afastará. Malaquias diz na página 329 O
interior eo exterior devem ser trazidos para a união integral, os aspectos masculino e feminino de nós mesmos feitos
co-iguais e completos um no outro, a parte terrena e celestial da nossa alma unida, todos os fragmentos de
consciência integrados com o residindo em nós mesmos, nossa autêntica individualidade em Deus.

Ouvindo o Élder Gideon citar-me dizendo Mas quando você se tornar dois, o que você fará? e também os
ensinamentos do Evangelho Gnóstico de São Tomás uma escritura de Efésios 5: 30-32 veio à mente.
30. porque somos membros do seu corpo, da sua carne e dos seus ossos.
31. Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne.
32. Este é um grande mistério: mas eu falo acerca de Cristo e da igreja.

Quando eu era fundacionista, nunca consegui encontrar um verdadeiro significado para esse verso. Elogie Ma por
algo que acende hoje!

Eu estou ouvindo que esses “dois” se tornam um, “um” através do casamento. Eu posso olhar para o meu
casamento com minha esposa. Nós nos casamos 22 anos este ano e ele teve todas as suas bênçãos, obstáculos,
provações, etc. Para o mundo exterior eu sou meu nome para eles, ela é o nome dela mas através do casamento e
para todos (Estado do Tennessee) nós somos Um através do ato de casamento.

Isso parece ser algo de um mistério exterior que aponta para algo que acontece internamente, o casamento entre
marido e mulher apontando para fora, para os aspectos masculino e feminino de nossas almas e do que acontece
internamente a todos. O casamento abençoado de todos os aspectos de nós mesmos em um indivíduo
verdadeiramente autêntico de Cristo. Sabendo que todos os aspectos de nós mesmos são parte do (um). Esta
cerimônia abençoada acontece no dia em que o Espírito Santo nos revela isso. O dia em que alguém se torna Adonai
Yeshua Messiah!

Malaquias disse acima “O interior eo exterior devem ser trazidos para a união integral, os aspectos masculino e
feminino de nós mesmos feitos iguais e completos um no outro, a parte terrena e celestial de nossa alma unida, eu
estou ouvindo um casamento sagrado de todos aspectos do eu em um ser sagrado, até mesmo os eus de que não
gostamos, os eus que causam problemas, o eu que quer auto-gratificação, todas as partes do eu integradas e se
tornando casadas com o próprio Cristo. No versículo 33 da mesma passagem em Efésios, diz: "De qualquer modo,
cada um de vocês, em particular, ame sua esposa como a si mesmo: e a esposa veja que ela reverencia seu
marido". Parece que esse é o aspecto inferior do auto-ser submisso ao próprio Cristo. Gostaria de receber quaisquer
correções ou o que mais pode ser dito!

Eu gostaria de acrescentar mais alguma coisa que é parte disso também para mim. Os aspectos de nós mesmos que
parecem não são parte de Deus. Pode ser que o ego pense que tem um cantinho escuro em algum lugar onde ele
possa se afastar ou o mesmo que eu penso quando alguém se sente afastado ou separado de Deus. João 3:20
Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz; para que seus feitos não sejam reprovados. Mas
aquele que pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, assim como são feitas em
Deus.

Tudo isso trouxe à luz através do casamento. Parece que depois que o casamento acontece, não podemos mais
experimentar aqueles cantos escuros onde achamos que podemos nos esconder, ou sentir que não estamos na
presença de Deus. Estamos dentro do Bet. Como o Élder Gideon me disse que eles não estão em lugar algum para
correr ou ir! Estaremos sempre dentro de Bet, Binah!

Shalom
Misticismo de Gimel

# 1 Post by Elder Gideon » Ter Fev 22, 2011 9:08 pm

‫ג‬
Gimel: Camelo, Síntese, Jornada e o número 3.

Saudações, amigos!

Em um estudo contínuo com companheiros de um ciclo da netivot, compartilhamos uma série de idéias e
contemplações da escritura e da tradição sofia em relação a essa carta particularmente rica de Gimel. Enquanto suas
mesmas consoantes com vogais diferentes significam "camelo", sua posição na Árvore da Vida Cristã e sua gematria
de 3 implicam muitas, muitas outras possibilidades indiretas de contemplação.

De camelos, entendemos a capacidade de viajar por trechos de terra completamente letais para os humanos apenas
a pé. Além disso, os camelos nas antigas culturas do deserto permitem não apenas a troca de bens e idéias, mas
também viagens e contatos impossíveis. Enquanto a arca se movia sobre as águas do dilúvio, um camelo atravessava
um desperdício sem trilha. A contemplação do que preserva uma grande e perigosa distância para se transmitir está
presente em ‫ ג‬.

Sefirot ‫ ג‬ligações na nossa árvore de vida cristão são Keter e Tifaret. A extensão entre estas sefirot é a mesma
extensão que separa Hesed de Binah, assim como toda a Tríade Supernal (Keter, Hokmah e Binah) das Sete Raízes da
Construção (Hesed to Malkut) conhecida como o Abismo. O que éo abismo? Nossa tradição introduz isso de várias
maneiras e contextos. Aqui, vamos imaginar o Abismo como o da realidade manifesto como esperamos. Seja
acordando, sonhando ou morrendo, nossa experiência do esplendor de nossa mente se desdobra daquilo que
consciente e inconscientemente esperamos. Onde e como este Abismo está presente microcosmicamente em nossa
alma e macrocosmicamente na estrutura metafísica da grande Criação de Elohim é outra discussão completamente
detalhada ao longo deste fórum por Tau Malachi. Aqui, compreender o papel ‫ ג‬serve através de uma grande
extensão de expectativas em todos os nossos estados de nossa experiência, consciente e inconsciente: o Abismo, ou
toda a Escritura, 'profundo' ou 'deserto'.

Uma possível entrada final em ‫ג‬é por meio de seu número, 3, que também sugere síntese, integração, mediação e
equilíbrio entre os opostos. Se há uma tese ou proposição de qualquer tipo, então inevitavelmente há sua antítese
mutuamente definidora. Além dessas duas polaridades ou dualidades aparentemente contraditórias, há um terceiro
ponto sintetizador. Abaixo, por exemplo, a tradição judaica ensina que qualquer contradição aparente entre dois
pontos na escritura é resolvida por um terceiro ponto, 'superior'. Acima na criação, nos lembraremos do terceiro dia
quando:

E Deus disse: 'Deixe as águas sob o céu serem reunidas em um só lugar, e deixe a terra seca aparecer.' E foi
assim. Deus chamou a terra seca da Terra, e as águas que estavam reunidas ele chamou de mares. E Deus viu que
isso era bom. Então Deus disse: 'Deixe a terra colocar a vegetação: plantas produzindo sementes, e árvores frutíferas
de toda espécie na terra que dão frutos com a semente nela'. E foi assim. A terra produziu vegetação: plantas
produzindo sementes de todo tipo, e árvores de todo tipo dando frutos com as sementes nela. E Deus viu que isso
era bom. E foi a tarde e a manhã, o terceiro dia. (Gênesis 1: 9-13)

Deste terceiro dia, é chamado de "bom" duas vezes, pois este dia reconcilia e sintetiza o antagonismo da tese do
primeiro dia com a antítese do segundo dia. O terceiro dia como sefirah é Tifaret, a emanação do Santo pela qual
todas as outras sefirot, misericordiosas e severas, são integradas, harmonizadas e mantidas juntas por um núcleo e
coração. O conhecimento desta síntese, mediação, integração em nossa experiência foi bem falado como um
processo; Como sabemos e temos a certeza do Santo conosco, mesmo em tempos confusos ou solitários, é um
processo encontrado dentro e por trás do ser mental; entrar e viver de dentro sintetiza os opostos internos e
externos pelo próprio processo representado por ‫ ג‬.

Essas contemplações iniciais certamente convidam muito mais de vocês. À medida que procuramos nas escrituras
exemplos de jornada , de profundidade , de deserto , reconciliação e qualquer padrão de três , temos a certeza de
celebrar e gerar as bênçãos de Elohim de ‫ ג‬. Nas palavras do Yeshua Vivo, gravado por São Tomás, v. 48:

"Que dois façam a paz um com o outro em uma única casa e digam à montanha: 'Mova-se daqui!' e veja se mexer
".

Shalom!

Elder Gideon +

T
o
p
o

Phillip

Mensagens: 498

Idade: 47 anos

Registou-se: Sáb 25 de outubro de 2003 21:46

Localização: Sacramento, CA

# 2 Post by Phillip » Ter Mar 08, 2011 2:01 pm

Shalom Gideon!

Um post profundo e profundo, com muito para contemplar!

O que me impressiona é a idéia do Camelo e esse conceito da “nave do deserto”. No momento em que
contemplamos o número três, entramos na possibilidade do espaço. Três linhas de interseção se estendem para
gerar o cubo do espaço, três, geometricamente, o triângulo, a primeira forma, tecnicamente,
geometricamente. Então, com três nós temos a primeira geração de espaço.

Assim, este Abismo, falado entre Tiphereth e Keter, cujo caminho é atribuído a Gimel, três, pode aludir então a essa
transição significativa das dimensões abstratas e sublimes da realidade simbolizadas por um e dois. Com um,
geometricamente, temos o ponto, que quando contemplado como a singularidade está profundamente além da
concepção, já que procede a qualquer conceito de dimensão ou forma, muito mais sutil e sublime do que um ponto
em uma página.

Isto estendia-se à linha, implicada geometricamente por dois, e é igualmente difícil de compreender, já que
aprendemos que esta linha primordial também não tem dimensão real, mas sim a ideia de dois pontos infinitamente
pequenos, ambos existindo similarmente antes da dimensão entrar em cena. ser. Dimensão e espaço só surgem da
maneira mais básica com o número três, geometricamente. Assim, antes disso, uma contemplação do abismo pode
ser a contemplação da qualidade desconcertante de contemplar essas dimensões da realidade simbolizadas por um
e dois a partir de um ser que existe dentro de um reino do espaço. De certo modo, toda a criação como a
conhecemos e experimentamos ocorre dentro e depois desta idéia primordial de três, portanto, marca um limiar
para os seres do espaço e do tempo. Como os seres nascidos no espaço e no tempo podem até conceber um nível
tão sublime de realidade? Um mistério!

Shalom!

Phillip

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Tzaddikim sustenta o mundo

# 3 Pós por malochim » Thu 17 de marco de 2011 03:23

O camelo de Gimel caminha por terras áridas, traz consigo as águas vivas da vida. É água viva porque está em
contato com a fonte, é sempre fresca e refrescante, pois está sempre em movimento. Se o suprimento fosse cortado
da fonte, a água se tornaria pútrida e venenosa. O camelo é o contínuo leve à medida que se move de um sistema
mundial para outro, almas de tsadikim carregando a luz dentro de suas almas, trabalhando como portadores de luz
na Grande Obra, os pátios de vinho do Pai. Diz-se que a transmissão de luz passou por 26 sistemas mundiais antes de
chegar ao nosso sistema mundial. 26 sendo a soma numérica da letra do tetragramaton, o Continuum de
Luz; Yahweh

Os tsadikim sustentam o mundo, eles carregam a Luz dentro deles e sem a Luz nós estaríamos perdidos. É através de
seu calor espiritual que nosso mundo "descongela" e se junta à grande Ressurreição e Ascensão. Todos os tzaddikim
sendo Arks, preservadores da evolução e da onda de vida na Terra.

A história da arca, bem como a ressurreição e ascensão do Mestre Yeshua fala sobre o mistério da geração do Corpo
de Luz e do Corpo Triplo de Melquisedeque.

"De acordo com os mestres da tradição, as medidas da arca refletem algo desse processo de geração do Corpo Solar
e do Corpo Triplo - são trezentos côvados de comprimento, cinquenta côvados de largura e trinta côvados de altura;
essas são as letras Shin, Freira e Lamed, respeitosamente, por letras também são números em hebraico.

Shin é a “carta mãe” representando fogo primordial, e é uma carta que corresponde com a Santa Shekinah, a Mãe e
a Noiva, e com a Serpente do Fogo em nós - a força através da qual a geração do corpo de luz é possível. Sua própria
forma sugere os três canais pelos quais essa inteligência de fogo deve fluir e elevar-se para gerar o Corpo Solar, e os
três Yods que ele contém aludem ao corpo triplo. Integral a tudo que dissemos sobre a geração do corpo triplo está
o despertar da Serpente do Fogo ou Serpente representada por Shin.

Despertamos, sublimamos e elevamos este grande poder a fim de trazê-lo à cessação ou repouso - Nun representa
esta morte mística de cessação ou repouso; é o ventre da vacuidade, a Dissolução da Luz Clara, na qual o influxo
verdadeiro e pleno da Luz Superna ocorre, e através do qual ocorre o surgimento natural e espontâneo do corpo
triplo - este influxo e surgimento sendo representado por Lamed. "

Para encerrar, gostaria de compartilhar a seguinte citação de Tau Malachi

o surgimento de uma Divina e Superna Humanidade, o Messias de Deus. (Em conexão com as “pegadas na areia”
podemos contemplar o fenômeno do ivur - a impregnação de nossas almas por faíscas das almas dos sagrados
tzaddikim e maggidim, que servem para elevar e capacitar-nos na Grande Obra, e para facilitar nossa tikkune da
alma.) "

Bênçãos na Luz do Messias,


Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

Marion

Mensagens: 365

Ingressou: Dom 01/08/2004 20:41

Localização: Nepal

Gimel

# 4 Post por Marion » seg 07 de novembro de 2011 12:36

Saudações e Bênçãos à Luz do Messias!

Eu estava contemplando Lilith com relação a Gimel e algo me surpreendeu. Lilith é a primeira mulher. De acordo
com a igreja exterior, Eva é a primeira mulher, mas, na verdade, Lilith foi criada primeiro. Como o Evangelho de
Santa Maria Madalena diz: “Eva e Lilith são uma mulher, e ela é uma emanação supernal. Se uma mulher conhece a
si mesma, ela conhecerá a Mulher Sagrada, como se um homem conhecesse a si mesmo, ele conheceria o Adão
Supernal. Para adquirir esse conhecimento, você deve ser solteira, o que significa dizer não-dividido. ”Estou
imaginando se podemos ver isso como: Lilith teve que se banir para o deserto do deserto porque não poderia ser
recebida. Então outra mulher, Eva foi emanada para ser recebida, mas ela estava incompleta sem seu poder, que é
Lilith. É por isso que os sofistas falam sobre a necessidade da recepção de Lilith para o tikkune.

Eu estava contemplando como Gimel, é a síntese para a tese (Aleph) e antítese (Bet). No Sefer Yetzirah corresponde
a “Unir Inteligência”. Gimel corresponde com a Alta Sacerdotisa no Tarot Atu, que é dito ser o arquétipo da
feminilidade, com todas as outras figuras femininas no Tarot Atu sendo emanações dela. Eu sempre pensei em Lilith
ser o lado irado da Noiva (que une Eva-misericórdia e Lilith-severidade). Eu sempre pensei em Lilith como sendo do
lado de Gevurah. Enquanto contemplava esta carta, ocorreu-me que Lilith tem seu poder no Grande Abismo que fica
no lugar de Da'at no pilar do meio da árvore da vida. Portanto, Lilith tem sua raiz no pilar da compaixão! Isso fala um
mistério de Lilith, como ela é obscura para aqueles que não a conhecem, mas para aqueles que a conhecem,
Eu também estava pensando em como, quando há provações na vida, olhamos para trás mais tarde e vemos a
sabedoria que aprendemos através da experiência. Muitas vezes, quando há uma série de tentativas ou uma
profunda, depois disso, seremos uma pessoa diferente. Sabemos que este teste é uma manifestação de Kali Kallah (A
Noiva Negra). O que me impressiona é que o teste é realmente misericordioso! Porque muitas vezes, após uma
prova, haverá um influxo de energia divina. Eu sempre penso nisso como Lilatu limpando o caminho, nos limpando
para que um influxo maior seja possível. Assim, Lilith é completamente misericordiosa.

Eu também estava contemplando isso em termos de Gimel sendo uma letra dupla. Dizem que os dois atributos
associados a Gimel são Paz e Guerra. Se há uma impureza em si mesmo, é como se houvesse uma guerra interna. O
Nefesh não é totalmente subjugado ao Neshamah. Mas se o Nefesh é completamente submisso ao Neshamah, há
paz.

Eu também estava contemplando o Nefesh com relação ao significado de Gimel, que é Camel. Um camelo é uma
besta de carga Obediente. Assim como o nosso Nefesh. Nossa Nefesh é obediente a nossa Neshamah e nos
transporta pelo deserto do deserto, que é este mundo. É o nosso veículo para promulgar o maior Tikkune para o
mundo através da troca de faíscas. Assim como um camelo que facilita a troca de mercadorias para os povos do
deserto.

Eu também estava contemplando Gimel como Shabat. Porque é dito que no Shabat, um recebe uma porção dupla de
alma, e Gimel é uma letra dupla. Além disso, um camelo atravessa o deserto e o Shabat permite que se viaje durante
a semana na companhia de Ha-Shem. Eu estava visualizando-o como o Shabat como um vaso que contém
água. Toda semana voltamos ao vaso para pegar a água que precisaremos para a semana. O vaso é um veículo para
tirar água de um poço, que é o Santo.

A água está associada ao lado da misericórdia e a Hesed na árvore da vida. O rabino Michael Munk faz esta bela
conexão entre a cauda do Gimel que desce, até um jato de água de uma casa (Bet). Isto é como a abundante
misericórdia de Ha-Shem que é entregue a nós através do Shefa e Ruhaniyot das Sefirot.

Há uma palavra muito significativa com relação a Gimel, que é Gilgulim. É soletrado: gimel-lamed-gimel-lamed-yod-
mem. Tem uma porção dupla de gimel e uma porção dupla de lamed. Literalmente gilgulim significa "rodas" e às
vezes é usado no singular Gilgul como redemoinho, como o que tomou o profeta Elias. Sabemos então que Gilgilum
vem de Gimel e é o poder de Gimel. Isso está de acordo com a associação de Gimel com Lilatu. Uma de suas
manifestações é a de uma aranha. Uma aranha vive na web. Tudo é pego na web, exceto pela aranha. Porque a
aranha sabe que a teia vem deles e eles são mestres da web, então eles não aderem a ela. A Web é o Gigulim e a
aranha é ela que dominou a web.

Bênçãos e Shalom!

Marion

T
o
p
o

Anna

Mensagens: 526

Ingressou: Sabado 18/06/2011 14:00

Local: Fredericksburg, VA
# 5 Post by Anna » Sáb Dez 03, 2011 8:40 am

Saudações à luz do Messias!


Que fio adorável de contemplações em gimel! É estimular idéias intrigantes de água e integração. Acima de nosso
irmão, relacionava-se o Abismo à integração, que ligava a conexão do rabino Munk com o amadurecimento e o
desmame. O que me veio à mente foi o Salmo 131, particularmente o versículo 2, que diz: (de acordo com a
tradução fornecida por Tau Malachi na seção "Sabedoria dos Salmos" do Fórum),

“Mas acalmei e acalmei minha alma, como uma criança desmamada com sua mãe; minha alma é como o filho
desmamado que está comigo ”.

Aqui estou ouvindo maturação, desmame e também descobrindo que a história do evangelho de Yeshua e da
mulher samaritana no poço está alinhada com essa idéia de maturação espiritual.

10Jesus respondeu-lhe: 'Se você conhecesse o dom de Deus, e quem é que está dizendo a você,' Dê-me uma bebida
', você teria perguntado a ele, e ele teria lhe dado água viva.' 11A mulher lhe disse: 'Senhor, você não tem balde e o
poço é profundo. Onde você consegue essa água viva? 12 Tu és maior do que o nosso antepassado Jacó, que nos deu
o poço, e com os seus filhos e os seus rebanhos dele bebeu? 13 Disse-lhe Jesus: Todos os que beberem desta água
terão sede outra vez, 14 mas os que beberem da água que eu lhes darei nunca terão sede. A água que eu vou dar se
tornará neles uma fonte de água jorrando para a vida eterna '. 15A mulher disse-lhe: 'Senhor, dá-me esta água, para
que eu nunca tenha sede ou tenha que continuar a vir aqui para tirar água.'

Ao integrar a Luz em nossa pessoa e vida, em todos os níveis da alma, descobrimos que não precisamos mais "voltar
ao poço", por assim dizer. A luz viva brota dentro de nós. Parece também que no processo de integração, movendo-
se através do Abismo, é necessário que esta água viva flua dentro de nós, de modo que mesmo no que parece ser o
mais desafiador dos tempos durante este processo, as águas ainda são encontradas, ainda e somos abençoados com
esse fluxo que nos nutre e sustenta, graças a Deus!
Que as Águas Vivas do Messias Ressuscitado fluam e fluam dentro de nós, através de nós e ao nosso redor, para a
libertação de todos os seres!
Shalom!
Anna

T
o
p
o

Anna

Mensagens: 526

Ingressou: Sabado 18/06/2011 14:00

Local: Fredericksburg, VA

Oferta

# 6 Post by Anna » Qui Dez 08, 2011 10:00

O Santo nos dá tudo - tanto que, como não podemos responder, retribuindo de todas as maneiras possíveis, de
acordo com nossa capacidade e nossos dons? Eu me pergunto se insights poderiam ser compartilhados sobre esta
afirmação feita pelo Rabino Kushner: "No entanto, para cada um de nós há uma ação que não pode ser feita, mas
que devemos oferecer. Esse é o único caminho. Esforçar-se para completar o trabalho. , Gemara, conclusão ".
Que todos nós possamos dar glória ao Santo!
Shalom!
Anna

Misticismo de Dalet

# 1 Postado Sábado 12 de março de 2011 10:58do Élder Gideon »

Saudações e Shalom!

‫ד‬
Dalet: Porta, Portão, Entrada, Limiar e o número 4.

Continuando com alguns companheiros está um desdobramento da comunidade de cada uma das letras-netivot,
trazendo-nos aos mistérios que cercam esta quarta carta. Quando vemos as correspondências de qualquer letra,
como essa, entendemos uma maneira nova e dinâmica de contemplar as escrituras, pois onde quer que essas
correspondências de "palavras de busca" ocorram, estamos sendo enviados diretamente para o mistério por trás do
momento da escritura. .

Quando considero ocorrências significativas de quatro, estou simultaneamente considerando o valor numérico, o
significado e a exibição da direcionalidade.

Um rio flui para fora do Éden para regar o jardim e de lá ele se divide e se torna quatro ramos. (Gênesis 2.10)

O espírito do Senhor repousará sobre ele,


o espírito de sabedoria e entendimento,
o espírito de conselho e poder,
o espírito de conhecimento e o temor do Senhor.

Ele levantará um sinal para as nações,


e reunirá os párias de Israel,
e reunirá os dispersos de Judá
dos quatro cantos da terra. (Isaías 11.2,12)

Yeshua: "E ele enviará seus anjos com um forte toque de trombeta, e eles reunirão seus eleitos dos quatro ventos,
de uma extremidade do céu para a outra." (Mateus 24,31)

Quando olhei, um vento tempestuoso saiu do norte: uma grande nuvem com brilho ao redor e fogo flamejando
continuamente, e no meio do fogo, algo como âmbar reluzente. 5 No meio disso, havia algo como quatro seres
vivos. Essa era a aparência deles: eles eram de forma humana. 6 Cada um deles tinha quatro faces e cada uma delas
tinha quatro asas. 7 As suas pernas eram retas e as solas dos seus pés eram como a sola do pé de um bezerro; e eles
brilhavam como bronze polido. 8Em suas asas em seus quatro lados, eles tinham mãos humanas. E os quatro tinham
seus rostos e asas assim: suas asas se tocavam; cada um deles seguiu em frente, sem se virar enquanto se
moviam. 10Como aparência de seus rostos: os quatro tinham rosto de humano, rosto de leão à direita, rosto de boi à
esquerda,

Quando olhei para as criaturas vivas, vi uma roda na terra ao lado das criaturas vivas, uma para cada uma das
quatro. 16Como a aparência das rodas e sua construção: sua aparência era como o brilho de berilo; e os quatro
tinham a mesma forma, sendo sua construção algo como uma roda dentro de uma roda. Quando eles se moviam,
moviam-se em qualquer uma das quatro direções sem desviar enquanto se moviam. (Ezequiel 1: 4-10, 15-17)
Ele [Pedro] viu o céu aberto e algo como um grande lençol descendo, sendo abaixado até o chão pelos quatro
cantos. 12Eram todos os tipos de criaturas quadrúpedes e répteis e pássaros do ar. 13Então ouviu uma voz que dizia:
Levanta-te Pedro; mate e coma. 14 Mas Pedro disse: De maneira nenhuma, Senhor; porque nunca comi nada que
seja profano ou imundo. 15A voz disse a ele novamente, uma segunda vez, 'O que Deus fez limpo, você não deve
chamar profano'. (Atos dos Apóstolos 10.11-15)

Depois disso eu olhei, e lá no céu uma porta se abriu! E a primeira voz, que ouvi quando falava comigo como se fosse
uma trombeta, dizia: 'Vem até aqui e eu mostrarei o que deve acontecer depois disso.' 2Uma vez eu estava no
espírito, e lá no céu havia um trono, com um sentado no trono! 3E o que está sentado ali parece jaspe e cornalina, e
ao redor do trono há um arco-íris que parece uma esmeralda. 4Em torno do trono estão os vinte e quatro tronos, e
sentados nos tronos estão vinte e quatro anciãos vestidos de vestes brancas, com coroas de ouro na cabeça. 5Os
que vêm do trono são flashes de relâmpagos, e estrondos e trovões, e diante do trono queimam sete tochas de fogo,
que são os sete espíritos de Deus; 6e diante do trono há algo como um mar de vidro, como cristal.

Ao redor do trono, e de cada lado do trono, estão quatro seres viventes, cheios de olhos à frente e atrás: 7a primeira
criatura viva como um leão, a segunda criatura viva como um boi, a terceira criatura viva com um rosto como um
rosto humano e a quarta criatura viva como uma águia voadora. 8E os quatro seres viventes, cada um deles com seis
asas, estão cheios de olhos ao redor e por dentro. Dia e noite sem cessar eles cantam,
____ 'Santo, santo, santo,
____ o Senhor Deus Todo Poderoso,
____ quem foi e é e está para vir.' (Apocalipse 4.1-11)

A partir desses exemplos compartilhados, o número quatro nos escritos proféticos fala do mistério da
direcionalidade plana de Dalet. A Tradição Sophiana, como tantas tradições meditativas em todo o mundo, honra
estas quatro direções como sustentadas por uma cruz em um círculo sagrado: o visitante, cercado por quatro pontos
distintos, ou braços de orientação, está caminhando em uma direção em qualquer ponto espaço-tempo. Para os de
inclinação mística, essas direções são inteiramente significativas e experimentais, conforme detalhado em nossas
Ordens de São Gabriel e São Uriel. É alguma coincidência, então, que estas quatro direções, estas direções, também
sejam portões? O que é um portão, uma porta, uma passagem, logo será relacionado pela contemplação dos
companheiros.

Que todos que estão pedindo, recebam.


Que todos que estão procurando, encontrem.
Para todos os que estão batendo, que a porta do Cordeiro se abra.

Amém e amém!

Elder Gideon +

T
o
p
o

Damiean

Mensagens: 24

Ingressou: quinta-feira 12 de julho de 2007 13:47

Entradas e Limites
# 2 Post Thu Mar 17, 2011 9:09 ampor Damiean »

Saudações e Bênçãos à Luz do Messias!

No capítulo 18 de Gênesis, lemos sobre Abraão e sua experiência com três anjos que vêm até ele e falam da bênção
de que ele e Sara terão um filho.

No início do capítulo, lemos que Abraão havia sido circuncidado e também seu filho Ismael, bem como muitos de
seus escravos e servos. E depois dele, Abraão, está sentado à entrada da sua tenda. Esta parece uma declaração
muito curiosa.

Sabemos que a circuncisão está relacionada a Yesod e aos ensinamentos da energia do desejo e, especificamente, à
elevação dessa energia a seu fluxo e movimento adequados, oferecidos à Luz, sublimados. Assim, parece que esta
circuncisão, esta sublimação é uma ação que permite aproximar-se de uma entrada, um portão e ser
recebido. Também nesses mesmos ensinamentos sobre Yesod, sabemos que os guardiões dos portões são, de fato,
os próprios portões, e ainda mais o reino no qual esses portões se abrem e existem dentro, tudo em uma unidade
simultânea. Um mistério!

Sabemos através das atribuições das cartas à Árvore, que Dalet é dado a Netzach. E, no entanto, aqui estamos
explorando os mistérios de Yesod. Isso pode parecer confuso. No entanto, se olharmos para Netzach e até mesmo
algo de Hod, podemos ver que essas duas camadas estão, de fato, profundamente entrelaçadas. Para Hod, podemos
falar de ser um pensamento na mente. Uma experiência de pensamento e estados mentais. Netzach, poderíamos
dizer, é algo parecido com uma respiração no corpo. Algo sentido e conhecido no corpo. Um sentimento físico e
sensorial, em vez de algo mental ou conceitual.

Vendo isso, encontramos uma ideia muito interessante sobre entradas e limiares. Parece que se pode sentir, saber e
preceder isso pelo que é sentido no próprio corpo. Isso, em vez de uma percepção mental de movimento, é mais um
sentimento e estado de consciência.

No entanto, algo mais parece ser sugerido nesta passagem. Que enquanto deslocamos nossa energia de desejo, a
sublimamos e elevamos, e nosso senso e consciência desses limiares começam a despontar, podemos ver que mais
do que a percepção de um portão ou limiar fora de nós, que estamos, de fato, nos tornando o próprio limiar e
portão em si. O fato de infactirmos nos torna o espaço através do qual vários poderes e seres se movem e podem
até se manifestar em nossa visão e podemos experimentar a comunhão com eles. Que maravilha!

Há muito mais ensinamentos que podem ser extraídos desta misteriosa e maravilhosa carta, como a Transmissão de
Luz, a sucessão de Patriarcas / Matriarcas e até mesmo os Profetas. Tudo refletindo algo desse mistério em seu
próprio grau e compreensão. Além disso, nessa passagem podemos até mesmo ver indícios do Corpo Triplo, e os
ensinamentos do Corpo de Energia sugeriram. Que passagem profunda e em camadas! No entanto, deixarei isso
para outras pessoas que possam sentir-se inclinadas a falar delas ou a assumir quaisquer outros ângulos conforme se
sintam levadas.

Que todos os seres que buscam a entrada na União com o Continuum da Luz a encontrem e, ao serem encontrados,
sejam recebidos de acordo com sua capacidade e na recepção sejam abençoados com Habad. Na graça de Hayyah
Yeshua, Amém!

Shalom,
Damiean

T
o
p
o
simplicidade

Mensagens: 40

Ingressou: Sabado Sáb 06 fev 2010 9:29 am

Contato:

Simplicidade de contato

A porta pobre

# 3 Postado Sáb 19 de março de 2011 7:41pela simplicidade »

Shalom tudo!

Esses posts estão provocando muita contemplação para mim. Obrigado a todos.

Ao observar Gimel e Dalet juntos no alfabeto, os sábios judeus notaram o pé do Gimel se estendendo ao do Dalet
como um generoso doador para um pobre. Em A energia das letras hebraicas, o Rav Berg leva essa tradição e uma
outra um passo adiante. A tradição principal que o Rav Berg expande em seu livro é a tradição de cada letra,
começando no final do alfabeto, suplicando ao Senhor que inicie a Criação com ela. No desenvolvimento do Rav
Berg, Guimel e Dalet pleitear junto para começar a criação com eles. Dado que eles representam o equilíbrio perfeito
de “dar e receber”, eles argumentam que juntos eles fariam o time perfeito para iniciar a Criação. Claro que eles
perdem para a próxima carta, mas eles apresentam um argumento eloqüente.

Ao meditar sobre o relacionamento em letras de Gimel e Dalet, pude ver a lógica na riqueza do camelo, mas não
pude ver a pobreza da porta. Essencialmente, minha pergunta era: “Por que a porta seria pobre?”

Comecei considerando a bênção da pobreza: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos
céus” (Mt 5: 3). Somente através da pobreza podemos entrar nas riquezas do reino. Em seguida, considerei a “porta
estreita” para entrar nesta vida.

Mas esses posts estão apresentando uma chave que pode desbloquear ainda mais esse mistério. Se a "porta
estreita" é aquela porta para a Árvore da Vida que é guardada com espadas, então é claro que a "porta é pobre". É
pobre no sentido de que se deve suportar a "prova de fogo" de 1 Pedro 4: 12 para passar por ela, e nesta prova de
fogo, a pessoa é fraca, vulnerável e em sofrimento. Os fracos, vulneráveis e sofredores são “indigentes” que
precisam de força.

É neste momento em que o pobre pede ajuda ao divino. Nesse sentido, Gimel desempenha o papel dos tsadikim,
como descrito no post de Jonas sobre a discussão de Gimel.

Curiosamente, Gimel como um camelo representa o deserto, como Jonas também observou. Então agora temos o
paradoxo da “riqueza do deserto” ajudando a “pobreza da porta”. Conectando isso de volta à história de Israel, se o
Dalet / porta para a Terra Prometida é representado pela cidade de Jerico que Josué e seus seguidores tiveram que
derrubar, então Gimel / deserto é representado pelos 40 anos de peregrinação no deserto. Em outras palavras, esses
40 anos proporcionaram a Israel os recursos (riqueza) de que necessitavam para derrubar sobrenaturalmente os
muros de Jerico.

Sempre que entramos em nosso próprio deserto, podemos meditar neste deserto como a riqueza de Gimel nos
preparando para a porta de Dalet. Ao passar por essa "porta estreita", encontramos a "Terra Prometida" do Novo
Testamento e o "Reino dos Céus" do Novo Testamento.
Paz na jornada,
Karina

"Milagres acontecem todos os dias e em todos os momentos. Quem não os vê é privado de um dos mais justos
presentes da vida" (St. Issa, os Anos Perdidos de Jesus)

T
o
p
o

Tau Malaquias

Administrador do site

Mensagens: 5623

Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm

Localização: Grass Valley, Ca.

A porta vazia

# 4 Postado Sáb 19 de março de 2011 8:57por Tau Malachi ”

Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Se eu fosse contemplar a pobreza da porta, por si só a porta não é nada - uma porta é uma transição, e no meio,
completamente vazia de qualquer auto-existência independente ou substancial; mas então, é claro, isso é verdade
em tudo na criação, tudo o que é, na verdade, é vazio, vazio, não-coisa.

Aqui podemos dizer que a porta é para a casa e as pessoas que nela habitam, a casa, o povo, não são para a porta -
então, na verdade, é bem “pobre”.

O meio termo entre o interior e o exterior Esse limiar, no entanto, é uma contemplação muito intrigante - aí está
exatamente a nossa existência, neste limiar da vida exterior e interior, fundada sobre a não-coisa.

A pobreza é a humildade espiritual, a consciência de que nossa existência depende de tudo o que é e da fonte da
qual tudo surge, e assim também, “a pobreza é uma abertura e sensibilidade em uma rendição dinâmica - aberta a
Deus, o Verdadeiro Luz, fechada à falsa luz e escuridão.

Aberta, fechada, esta é a função significativa de uma porta, Dalet, e assim se torna uma contemplação central de
Dalet.

Se lemos a mensagem para a igreja na Filadélfia, nos deparamos com isso,“Estas são as palavras do santo, o
verdadeiro, que tem a chave de Davi (Malkut), que abre e ninguém fecha, que fecha e ninguém abre: 'Eu conheço
suas obras. Olha, eu coloquei diante de você uma porta aberta, que ninguém é capaz de fechar. Eu sei que você tem
pouco poder, mas você tem mantido minha palavra e não negou meu nome ” (Apocalipse 3: 7-8). Na mensagem para
a igreja de Laodicéia, lemos: “Ouça! Eu estou de pé à porta batendo; se ouvires a minha voz e abrires a porta,
entrarei e comerei contigo e contigo ” (Apocalipse 3:20).

Estes foram alguns pensamentos que me vieram à mente e alguns versos que eu lembrei quando li sua adorável
discussão, então me senti inclinado a compartilhá-los.

Que a porta do nosso coração seja aberta ao Adonai Messias. Amém.


Que a paz esteja com você!

Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

O ser humano agindo como portas para a dimensão física

# 5 Mensagem Seg 21 Mar 2011 13:35por malochim »

Shalom,

Quando eu contemplo Dalet como uma porta, minha mente é atraída para Bet, a casa. A porta sendo a transição
entre o que é projetado fora de nós, a exibição radiante de nossa mente e o que está acontecendo dentro de nós.

Temos uma prática de porta na tradição que nos vem à mente, ajuda-nos a cultivar a consciência e a atenção que,
por sua vez, pode ajudar-nos a discernir que tipo de emoções, palavras, pensamentos e atos deixamos entrar em
nossa vida.

Prática de Entrada

Estas são práticas de atenção - atenção e atenção - e cultivam a consciência. Pode ser surpreendente como essas
práticas simples podem ser difíceis; a dificuldade é lembrar de se pegar na porta.

Escolha um pé, ou pé, e por uma semana toda vez que você entrar por uma porta ou portão ou qualquer limiar,
deixe aquele pé ser o primeiro a atravessar.

Pelo menos uma vez por dia, reconheça uma porta pela qual você está passando. Pare no limiar, deixe de lado
quaisquer pensamentos ou emoções que possam estar ocupando sua mente e abra seus sentidos (vendo, ouvindo,
sentindo, cheirando e saboreando) para o espaço em que você está entrando. Abra totalmente o espaço em que
você está entrando e, em seguida, cruze o limite.

Quando você está passando por uma porta ou cruzando um limiar, visualize o Sol Espiritual em seu coração ao
entrar, carregando bênçãos e luz para esse espaço. Seja um portador de luz em todos os lugares que você entra ou
atravessa!
Se olharmos para o nome Adão, existem três letras hebraicas: Aleph, Dalet e Mem. Aleph sendo um símbolo do
espírito de fogo, Dalet sendo um portão ou uma porta e mem sendo água. Para mim, as cartas sugerem o nosso
papel como seres humanos, como portas / vasos (representados por Dalet) do Divino (representado por Aleph) aqui
na Terra e todo o reino do Devir (representado por Mem). Ao fazer isso, nos tornamos o corpo de Cristo, movendo a
presença e o poder divinos enquanto nos movemos; implementar o plano divino.

Essencialmente, há a dimensão material, e depois há dimensões astrais, e além do astral existem as dimensões
mental, superior vital, causal e espiritual, e além delas estão as dimensões supernas - todas ocupando o mesmo
espaço e o mesmo tempo, e todos se interpenetram, embora distintos um do outro pela freqüência vibratória na
consciência. As dimensões supernas são o Pleroma da Luz, o reino eterno, e as dimensões espiritual, causal, superior
vital, mental, astral e material são a totalidade, os campos da existência senciente no espaço-tempo.

Do ponto de vista da dimensão material, as forças dos seres espirituais são atraídas para as dimensões astrais das
dimensões internas ou “superiores” e, através do astral, essas forças espirituais ganham influência na dimensão
material - influenciando as mentes e os corações dos seres sencientes encarnados a dimensão material e, assim,
“entrar” na dimensão material através de seres sencientes encarnados (neste mundo, tipicamente através da
humanidade). As forças-seres espirituais são atraídas para o astral correspondendo aos pensamentos, palavras e
ações dos seres humanos (nossos desejos e medos), e da mesma forma, essas forças espirituais dos seres
influenciam os pensamentos, palavras e ações dos seres humanos - assim há um jogo oculto de seres espirituais -
forças nas dimensões astrais da terra,

Bênçãos,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

A alma se torna o que se ama ou deseja

# 6 Post Sat Abr 02, 2011 1:45 pmpor malochim »

Enquanto contempla Dalet como porta, o seguinte versículo vem à mente


"O que entra na boca de um homem não o torna 'impuro', mas o que sai de sua boca é o que o torna 'impuro'". -
Mateus 15:11

Somos formados e moldados pelos pensamentos, desejos e palavras que entretemos. É através deles que nossa
consciência é afetada e devemos ser muito cuidadosos com a energia por trás deles. Há um ditado dentro da
tradição "A alma se torna o que a pessoa mais ama ou deseja". De fato, quando nossos desejos são direcionados
para fora, estamos ligados a este mundo e somos compelidos à reencarnação e ao gilgulim. Se direcionarmos nossos
desejos interiormente, não há nada neste mundo para nos unir.

Há um ditado no evangelho de Filipos que espelha o dito acima:

"Não é possível que alguém veja nada das coisas que realmente existem a menos que ele se torne como elas. Este
não é o caminho com o homem no mundo: ele vê o sol sem ser um sol; e ele vê o céu e a terra e todas as outras
coisas, mas ele não é essas coisas ... Mas você viu algo daquele lugar, e você se tornou essas coisas Você viu o
Espírito, você se tornou espírito Você viu Cristo, você se tornou Cristo Você viu o Pai você se tornará Pai. Então,
neste lugar, você vê tudo e não se vê, mas nesse lugar você se vê - e o que você vê, você se tornará ".

Se amarmos e desejarmos alguma coisa, nos apegaremos a ela e estaremos cara a cara com aquilo que amamos. Em
união nos tornamos o que vemos diante de nós.

Todos os nossos pensamentos, palavras e ações são afetados por nossos desejos e amores. São as constantes
orações dirigidas para onde está nossa atenção. Se tivermos grandes Kavvanah e Devekut, nossas orações se
tornarão poderosas.

"No Zohar somos freqüentemente informados de que Deus espera as orações dos fiéis e eleitos a fim de realizar o
trabalho das maravilhas. Quando o Zohar diz isso, isto implica que os seres humanos devem ser co-criadores
conscientes de Deus e centros da atividade da presença e poder Divino - canais ou veículos do poder da Luz. Da
mesma forma, implica um princípio básico da Lei sobre a qual a criação e o mundo são fundados: para que um ser
espiritual influencie e entrar na dimensão material requer um ser físico através do qual influenciar e entrar.Isso é
verdade se a força-ser espiritual é Divina, misturada ou demoníaca - deve haver um veículo para entrar e agir.
veículos de forças espirituais na Terra.em oração nos tornamos veículos da presença e dos poderes divinos - agentes
conscientes da vontade e do reino divinos.

A oração em que nos tornamos um condutor da Graça (o Ungido e o Espírito Santo) só pode ocorrer através da
consciência da presença da Luz em nós, assim como a Luz além de nós; daí um sentido de auto-estima espiritual (ou
orgulho divino) e associado à humildade espiritual. Em outras palavras, através da oração de uma visão não-dualista,
ou pelo menos com fé na inseparabilidade de alguém do Ser Divino. Envolver-se em oração dessa maneira leva a
uma experiência de estados mais elevados de consciência e as condições necessárias para o trabalho de maravilhas,
e é esse tipo de oração que o Mestre Yeshua ensina a seus discípulos a entreter. "- Tau Malaquias

Bênçãos,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska
T
o
p
o

Karl

Dalet

# 7 Post sex Jul 01, 2011 6:28 pmpor Karl »

Shalom e bênçãos para todos.

Eu percebo que estou um pouco atrasado para esta discussão, mas eu queria contribuir com alguns pensamentos.

Eu li que no Zohar o dalet é lido como "aquilo que não tem nada próprio". Nesse sentido, dalet é verdadeiramente
"pobre": uma porta não pode se sustentar sozinha. Deve servir como um portal entre duas áreas e deve ser
suportado pela parede que delineia as duas. Curiosamente, dalet é a primeira letra do dirah que significa morada,
como na morada de Deus. Acrescente a isso as declarações de Yeshua que "" Bem-aventurados os pobres de
espírito, porque deles é o reino dos céus "(Mateus 5: 3) e" batam e a porta se abrirá para vocês "(Mateus 7: 7) e
podemos interpretar "pobre" como significando o humilde (em espírito) e o manso do espírito que batem à porta da
morada de Deus buscando a admissão não por mérito próprio, mas pela graça de Deus. Talvez o duplo significado de
"

Além disso, se considerarmos aquilo que é dado a dalet para não ser material, mas para ser de natureza espiritual,
isso muda nossa compreensão do dal, indigente, de carecer materialmente para carecer espiritualmente e buscar
conhecimento espiritual. Quantas vezes estamos de um lado e com que frequência estamos do outro? A maioria de
nós alterna os lados ao longo de nossas vidas e às vezes até em um único dia. Às vezes abrimos a porta para os
outros e às vezes alguém abre a porta para nós.

Espero que isso seja benéfico.

Karl

T
o
p
o

Martina

Mensagens: 629

Ingressou: Mon Jun 12, 2006 9:46 am

Localização: Alemanha

Contato:

Entre em contato com Martina

O portão e o bom pastor

# 8 Post Qui Nov 10, 2011 3:26 ampor Martina »


Saudações e Bênçãos à Luz do Messias!

Com relação a Dalet, eu estava recentemente contemplando esses versículos do Evangelho de João:

“Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Ele entrará e sairá e encontrará pastagem. O ladrão vem apenas
para roubar e matar e destruir; Eu vim para que eles possam ter vida e tê-la ao máximo. Eu sou o bom pastor. O bom
pastor dá a vida pelas ovelhas. ”(João 10: 9-11)

Essa passagem parece ter profundidade infinita para o que a porta pode significar: total compromisso com o
trabalho espiritual, apoiar os outros em seu caminho tanto quanto nós posso.

Eu também estava me perguntando, como é fácil cair em erro e se tornar um ladrão de luz?

Shalom,
Martina

Martina

T
o
p
o

Marion

Mensagens: 365

Ingressou: Dom 01/08/2004 20:41

Localização: Nepal

Dalet

# 9 Post Sun 20 de novembro de 2011 20:30de Marion »

Four- four-

dalet -door-caridade-véspera Da'ab (dalet-aleph-bet) Mourn ou tristeza


Dober (dalet-bet-resh) Pastagem ou manjedoura
Dag (dalet-aleph-gimel) Peixe
Doguaw (Dalet-vau- gimel-heh) Gancho de peixe
Pai (dalet-dalet) Peito
Daveh (dalet-vau-heh) Menstruação
Doach (dalet-vau-het) Purifica, purga, expulsa
Dor (dalet-resh) Habita
Dayah (dalet-yod-heh ) Urubu
Din (dalet-yod-nun) Jugamento
Dalal (dalet-lamed-lamed) Oprimido

Eu estava contemplando Dalet em termos da prática de dar de presente. Quando há um grande movimento na vida
ou antes de um movimento contínuo, existe a prática do dar-a-vida. De alguma forma, dar tem a ver com a proteção
de transições. Porque Dalet significa Porta, e uma porta é um ponto transitório na casa. A porta pode ser um ponto
fraco, porque é um lugar onde intrusos podem entrar. É também onde os ocupantes da casa podem entrar e
sair. Portanto, a porta deve ser guardada.
Dalet é associado com Eva, que é a mãe de todos os vivos. Poderíamos ver Eva como a mãe de todos os
justos? Porque existe o ensinamento na tradição de que Adão e Eva são o pai e a mãe de todos os justos e começam
a transmissão da luz sobre a terra. Eu estava pensando sobre a peça de Eva e Lilith e como Eva é a submissa. Eu
estava pensando em submissão, e parece implicar que ela estava dando tudo. Assim como uma mãe é para seu
filho. Uma mãe põe completamente sua vida de lado para cuidar de seu filho.

Eu queria saber se um paralelo poderia ser traçado entre Dalet e os quatro elementos. Porque tudo em asiyah é
composto dos quatro elementos. Portanto, imaginei se Gimel poderia ser visto como o quinto elemento do espaço
espiritual.
Eu também estava curioso se pudéssemos ver Dalet como o influxo de luz que acontece como resultado da
purificação? Eu estava vendo Gimel como este ato de purificação em nós mesmos, o que nos permite nascer de novo
na presença da luz, isto é através de Dalet. Dalet também inicia muitas palavras para Spring, Growth e Small
plants. Eu estava contemplando plantas e parece que podíamos ver nossas vidas e esses corpos como solo. O que
acontece quando as sementes caem no solo? então eles secam porque não tem água? Eles são comidos por
pássaros? eles brotam, mas depois murcham? ou crescem em plena maturidade e dão novas sementes? Parece que
Dalet é a energia que nos permite cultivar nosso jardim, ou seja, Corpo de Luz, para que as aves do ar (anjos) possam
ter um lugar para se empoleirar.

Que todos aqueles que procuram, sejam abençoados!


Amém e amém.

Shalom!
Marion

T
o
p
o

Anna

Mensagens: 526

Ingressou: Sabado 18/06/2011 14:00

Local: Fredericksburg, VA

# 10 Post Fri Jan 13, 2012 7:48 pmpor Anna »

Saudações e bênçãos para todos!

Estas são deliciosas contemplações sobre o dalet. O que vem à mente é o ensinamento da tradição judaica que gimel
é um homem rico que deve correr atrás do dalet, o pobre homem, e dar-lhe caridade, mas de uma maneira que não
envergonhe este para que ele não se sinta envergonhado. Há uma relação intrigante entre o homem rico e o pobre,
ambos essenciais para essa equação.

O rabino Munk diz que dar aos pobres é uma maneira de preservar a riqueza. Aprendemos na tradição que não
recebemos verdadeiramente até que também tenhamos dado. Aqui estou vendo dar e receber, um dependente do
outro, ambos indispensáveis a esse movimento de energia. Gimel foi relacionado ao tsadic em outro segmento e
leva ao receptor óbvio do que o tsadic tem a dar, discipulo. Então, estou vendo gimel e dalet como tsadic dando por
compaixão ao discípulo. A bem-aventurança "bem-aventurados os pobres em espírito" vem prontamente à mente
aqui, "pois deles está o reino dos céus". O vazio da porta fala do vazio do discípulo que recebe Transmissão de Luz e
ensinamentos do tsadic.
Lawrence Kushner menciona que o devekut, partindo, começa com dalet, e assim, anexando-se às bênçãos tzaddik e
a graça pode entrar no discípulo que se torna vazio ou pobre, para que haja espaço para receber o que o Santo
oferece através do tsadic.

O Santo do Ser constantemente derrama graça e nós recebemos de acordo com nossa capacidade e desejo de
receber. Que sejamos abençoados por nos esvaziarmos para que a Mãe nos encha e, por sua vez, possamos ser
abençoados para dar o que recebemos!

Shalom!
Anna

Misticismo de He

# 1 Post Wed 23 de março de 2011 19:11do Élder Gideon »

Saudações e Shalom!

‫ה‬
Ele: Janela, Microcosmo e o número 5.

Se alguém não notou no misticismo das letras hebraicas, os valores numéricos estão se acumulando em
complexidade. O que era quádruplo em todos os sentidos é agora cinco, que aqui explorará a interseção de quatro:
o quinto. O que cruza essas quatro direções é o Humano, a quem nossa linhagem chama de Grande Seth. Figurado
como "Um sentado no trono" na experiência profética, esta interseção das quatro direções é encarnada como o
próprio Tzaddik, o Justo, que para qualquer sortudo o suficiente para merecer, pode conhecer em qualquer grau de
intimidade como seu Amigo Sagrado.

Muito mais sublime do que qualquer guruismo distorcendo a relação entre um mestre espiritual e seu discípulo, o
Amigo Sagrado é uma presença inegável de dentro reconhecida de fora. Sempre que nosso Sagrado Amigo surge em
um sonho, por exemplo, sabemos que o Tzaddik dentro de nós está se comunicando muito diretamente. Do fundo
de mim à superfície de mim, meu Amigo Sagrado, o Tzaddik "de dia" é um talismã da mesma Righteous Habitante
que eu poderia encontrar na hora do sonho "à noite". Um é este Tzaddik, este Neshamah, que habita todas as
criaturas feitas à imagem e semelhança de YHVH Elohim.

Neshama é a presença do tsadic dentro e fora. O mérito de vidas anteriores facilita as condições de ver, conhecer e
talvez conhecer um portador de luz vivo, um Justo. O grau em que alguém pode reconhecer e perceber esta
presença de Tzaddik é um processo de purificação, que Tau Malachi, em nome de seu Tzaddik, Tau Elijah, lembra, "é
o todo da jornada espiritual". A purificação é tudo em reconhecer esta Presença Como Ela É, esclarecendo,
refinando, alinhando, focalizando e integrando quem eu pensava que era com o que eu realmente seria. Pelo mérito
de sua realização deste mesmo Tzaddik dentro deles, Neshamah, eles apressarão e acelerarão este processo de
reconhecer e realizar a mesma presença chamando o discípulo.

A purificação sendo vitalícia e tudo na evolução espiritual nos leva ao mistério de cinco e seu elemento
correspondente: o Espaço Espiritual. Seja do solo primordial de pureza, ou misturado em padrões cármicos,
históricos de impureza, este elemento de consciência, muito do que foi escrito neste fórum por Tau Malachi, é
essencial para desvendar muitos mistérios detalhados de como Yeshua acessou e encarnou Cristo. Um post clássico
é encontrado neste link: http://sophian.org/forum/viewtopic.php? ... th + element

Integrar algo de sua vastidão com o que é considerado é como o Ser Humano que habita em nós é nosso ser inato e
sem nascido, e imune ao condicionamento cármico, puro desde antes do começo sem princípio. A justiça do Justo, o
Tzaddik, o Quinto Elemento, é sua consciência e emanação do puro Espaço do Espírito como um indivíduo
distintamente desperto: o Microcosmo. Através de um indivíduo tão transparente, todos os fluxos.

Como ele contribui para mim novos insights para o Espírito Purificado O espaço vem de um ensinamento desta carta
no Sefer Yetzirah :

Consciência Estabilizadora: “Chama-se isso porque estabiliza a essência da Criação nas 'Trevas da Pureza'. Os
mestres da teoria disseram que esta é a Gloom [no Monte Sinai]. Este é o significado de "Gloom é seu casulo".

O rabino Aryeh Kaplan comenta perspicazmente sobre essa "melancolia" e ü como "o que cerca e mantém", como
tudo que se poderia contemplar do quinto elemento Spirit Space. Seja na pureza ou na impureza, o Espaço Espiritual
encurrala e sustenta tudo o que surge, seja internamente como pensamentos ou externamente como aparências. A
purificação desta escuridão, deste Espaço Espiritual, é a totalidade da vida e prática espiritual, facilitada por um
indivíduo desperto. Tal indivíduo é um centro do Espaço Espiritual purificado, um microcosmo através do qual, nas
palavras de Rumi, todo o oceano se derrama através de uma gota: o Tzaddik.

"Eu sou a luz que está sobre todas as coisas.


Eu sou tudo: de mim tudo saiu, e para mim todos atingidos.
Dividir um pedaço de madeira, eu estou lá.
Levante a pedra e você me encontrará lá. ”(Tomás 77)

Amém e Amém!

Élder Gideão +

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

A janela da alma

# 2 Post Sat Abr 02, 2011 12:00por malochim »

Shalom,

"Por ora, vemos através de um vidro, sombriamente; mas então face a face: agora eu conheço em parte; mas então
eu saberei como também sou conhecido". - 1 Coríntios 13:12

A palavra janela vem da antiga palavra norweigan vindauga, traduzida aproximadamente como windeye. Era um
buraco no topo da casa através do qual a fumaça podia subir e o vento podia entrar, também funcionava como uma
janela para acender a luz.
O que significa deixar entrar o vento / espírito / luz? De fato, tudo o que experimentamos são diferentes gradações
de luz superna, o que difere é nossa proximidade ou intimidade com essa luz. Se nós a experimentamos como um
reflexo em um espelho, através de um vidro, sombriamente ou em íntima intimidade face a face.

Emanuel Swedenborg fala sobre o Sol Espiritual sempre sendo centrado no zenit do céu aonde ele foi trazido em
seus sonhos lúcidos. Ele diz que a única diferença entre um pecador e um santo é que um santo se volta para o Sol e
recebe a luz, mas o pecador se afasta do Sol, virando as costas contra a luz, vivendo na escuridão e na
ignorância. Para sermos realmente íntimos, precisamos encarar nossos amados e despojados; completamente
transparente para a luz em um abraço amoroso.

"E por que você observa o grão de poeira no olho do seu irmão, mas não nota a madeira que está em seu olho?"

Dizem que o olho é a janela para a alma. É através de nossos sentidos que percebemos a exibição radiante de nossa
mente / alma. Mas uma janela pode ser falha e sujeita a distorção,

Limpando as janelas de nossa casa, lembrando a letra hebraica Ele no Grande Nome, e sua representação da Santa
Shekinah acima e abaixo, podemos manter a intenção da Santa Shekinah entre o povo, abençoando e elevando-
os, e da mesma forma, nós pode sustentar a intenção da remoção da visão cármica, a visão da ignorância, rezando
para que mais e mais almas sejam capazes de perceber a presença e o poder de Deus dentro e ao redor deles, ou
tornar-se consciente do reino dos céus espalhado sobre o face da terra. De maneira semelhante,
alternativamente, podemos ter a intenção de deixar entrar a luz do Sol Espiritual, o Messias, e uma oração pela
recepção daquela luz sagrada nas pessoas e na terra.

Bênçãos Tau Malachi ,


Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Espelhos obscuros e proféticos da profecia

# 3 Post Wed 06 de abril de 2011 04:03por malochim »

Saudações,

considerando Heh como a janela através da qual experimentamos a luz ou a emanação do Santo e, por sua vez, a
clareza dessa janela afeta nossa visão da realidade. Em essência, o que a janela representa é o estado de nossa
consciência e até que ponto realizamos e atualizamos o Ser Sem Nascimento. Isso se reflete em todos os estados de
consciência, incluindo os estados onírico e visionário. Na tradição há um conceito do "espelho nebuloso e claro da
profecia" sobre a natureza do sonho e da profecia, eu posso recomendar o seguinte tópico para ler mais sobre o
assunto.

http://www.sophian.org/forum/viewtopic.php?t=1750&view=previous&sid=04a041fb14cd71e4cd6f501ccafce37e

Bênçãos,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

Marion

Mensagens: 365

Ingressou: Dom 01/08/2004 20:41

Localização: Nepal

Heh: Abba-Imma

# 4 Post Sun 01 de janeiro de 2012 às 12:01de Marion »

Shalom!

Dizem que Ha-Shem usou o nome Yah (Yod-Heh) para criar o universo. Com o Yod, ele criou o mundo por vir e, com
o Heh, criou este mundo. Como se diz:
“Pela palavra do Senhor foram feitos os céus; e todo o exército deles pelo sopro da sua boca. ”(Salmo 33: 6). Dizem
que o “sopro de sua boca” se refere ao som da letra Heh - a expiração do Espírito.

Heh parece ter um papel integral na criação. Não é apenas Heh o sopro da boca de Deus pelo qual o mundo foi feito,
mas no Tetragramaton, Heh ocorre duas vezes. O primeiro Heh é associado com o Shekinah superior e Beriyah, e o
segundo Heh com o menor Shekinah e Asiyah. Isso me deixou curioso quanto a esses dois modos de Heh. Um parece
ser incognoscível, o outro em toda parte em nossa experiência.

Em relação a estes dois modos, algo muito fascinante acontece quando olhamos para o Tarot Atu associado a esta
carta. O Atu é o Imperador que é retratado como um homem mais velho de perfil sentado em um cubo de pedra. O
primeiro pensamento que me veio à mente foi: "Por que uma carta tão profundamente associada à Shekinah
representada por uma figura masculina?" Especialmente desde que em hebraico Heh colocou no final de um
substantivo feminiza e é dito para torná-la "frutífera". , Eu estou querendo saber se Heh tem a ver com o masculino
e o feminino? Eu estava pensando sobre o princípio do tzimtzum a esse respeito. Eu me pergunto se podemos
pensar em Deus como Deus é em Deus como o princípio masculino e o espaço que Deus cria em Deus como o
princípio feminino. O espaço que Deus cria parece muito feminino, como um útero. No Atu, o Imperador é visto de
perfil. Na Kabbalah, Arik Anpin, o Big Face, também é visto de perfil. O que tem um significado enquanto algo dessa
presença e poder pode ser visto através do Filho, permanece incognoscível. Como se diz "Ninguém verá meu rosto e
viverá". Diz-se também: "A Mãe nos mostra a face de nosso Pai". Então é na criação. Sem a constrição de Deus em
Misericórdia, nunca poderíamos vir a estar de modo a ficar cara a cara com Deus.

Eu estou querendo saber é este jogo entre o masculino e feminino está na forma da carta em si? Há um midrash que
diz que Heh foi criado quando o Yod deixou Aleph e se juntou a Dalet. Portanto, Heh é formado por um Dalet e um
Yod. Dalet é a Imperatriz no Tarô e diz-se que ela é a consorte do Imperador. Ele é o ordenador e dirige aquilo que
ela dá à luz. Podemos ver este jogo em Bereshit, onde é dito no início foi Caos e Vazio. Então um vento de Deus
varreu a face das águas. Começando assim a trazer ordem ao caos e ao vazio e ao começo da criação. Podemos ver
este "vento" como Heh? Além disso, é interessante que a palavra “luz” (ou Aleph-Vau-Resh) apareça cinco vezes na
história da criação. Eu estou querendo saber se a associação de Heh com a “luz” tem a ver com um princípio de
direção? Porque Heh está associado a Áries e Marte, que tem a ver com disciplina, ordem e também
discernimento. A Luz da Consciência é aquilo que nos permite ver o que é de Deus e o que é do Maligno. Também
nos leva a buscar a Deus, fortalecendo assim nosso Kavanah e Devekut. Porque se tivermos discernimento, por que
nos desviaríamos do abraço de nosso amado?

Estou curioso para saber se Heh tem que fazer especificamente com o Humano? Porque é interessante que existam
cinco níveis da alma. Existem também cinco elementos dos quais toda a criação é derivada. Há também cinco dedos
em cada mão e cinco dedos em cada pé e cinco apêndices do corpo. Também se torna intrigante quando você divide
Heh em Dalet e Yod. Dalet = 4 e Yod = 10. 4 + 10 = 14. Existem 14 ossos no rosto humano e 14 filangelos (ossos
longos) nas mãos e nos pés. Portanto, estou imaginando, podemos ver Heh como uma carta da presença e poder de
Deus dentro do Humano?

Dado isto, é interessante a enumeração de Heh: 5. o quinto elemento é o Espaço Espiritual e é Tzaddik, como é
belamente detalhado em outro lugar neste fórum. Portanto, é Heh o solo do qual o Humano surge? A este respeito,
é interessante notar que o Netivah para Heh vai entre Hokmah e Tiferet. O Pai e o Filho na árvore da vida. Podemos
ver isso como o Pai é o solo de onde o Filho surge? Este filho então parece ser uma pura emanação do Pai. Como
Yeshua diz: "Eu faço apenas o que vejo meu pai no céu fazendo".

Ao contemplar isso, João (Yohanan), o Batista, veio fortemente à mente. Yohanan era o tsadic do Messias. Então,
podemos dizer que, desta forma, Yohanan é o solo de onde Yeshua surge? Além disso, é interessante contemplar a
iniciação do Batismo. Nos Evangelhos, uma pomba desce sobre Yeshua depois que ele é batizado. Podemos ver isso
como a luz da consciência? Imediatamente após isso nos é dito que Yeshua é chamado para o deserto e é tentado
por Satanás lá. O que suscita a pergunta: O que acontece quando a luz da consciência surge? Não veremos tudo que
não é luz? Não é como ele mesmo? Se Yeshua é tentado por Satanás, este não é o jogo de seus próprios desejos e
medos que surgem? Ainda assim, conquistamos isso pela presença da consciência. Sempre atraindo o desejo ou o
medo para dentro e para cima - em direção a Deus, em vez de para baixo e para fora.

Eu estava contemplando ensinamentos sobre o poder da serpente com isso. Porque se diz que se esse poder
desperta em nós sem primeiro despertar a força descendente, ele pode se manifestar como uma força para baixo e
para fora. Amplificando nossos desejos e medos fraturados, conscientes ou inconscientes. Heh parece ser esse
princípio que nos permite ser totalmente solteiros e focados em nossa intenção. Nunca desviando do objetivo. Que
em última análise é União com o Infinito e Eterno ou Ain Sof.

Que nos tornemos sem corpo, de modo a ver o seu rosto Ha-Shem Amen e Amen.

Bênçãos e Shalom!

Marion
Misticismo da Vav

# 1 Post by Elder Gideon » Sáb 09 de abril de 2011 10:11

Saudações e Shalom!

‫ו‬
Vav: Prego, Hook, macrocosmo, a preposição ' e ', bem como o número 6.

Ciente de que este fórum específico que afecta gemmatria e letras hebréias, para compartilhar como grande um
número particular, como seis realmente atinge requer alguns detalhes sobre sua personificação em um particzuf
macrocósmico particular: o Filho. O movimento nas sagradas letras do hebraico de He para Vav pode ser mais
prontamente explorado como o movimento do microcosmo ao macrocosmo; como ‫ ה‬é 5 e ‫ ו‬é 6, assim também é o
indivíduo incorporado e a expressão do universal: Elohim.

Então Elohim disse: 'Façamos o Humano [Adão] à nossa imagem, de acordo com a nossa semelhança ...

Então Elohim criou o Humano na imagem [supernal],


na imagem de Elohim, ele os criou;
macho e fêmea s ele os criou. [...]

Elohim viu tudo o que ele fez, e de fato, foi muito bom. E foi a tarde e a manhã, o sexto dia. (Gênesis 1: 26,27,31)

Todos os indivíduos têm o seu ser, a sua imagem e semelhança, neste andrógino Humano, este Espírito no sangue,
este Adão, que é na verdade uma personificação angélica no misticismo judaico de toda a humanidade. Quando esse
mesmo misticismo postula que todo ser criado, até mesmo uma folha de grama, tem um "anjo", esse misticismo
ensina todo ser criado refletindo o arquétipo global e sem escape do qual o ser é uma reflexão única e irrepetível: o
Anjo. Em outras palavras, toda pessoa humana viva é uma expressão fenomenal do ser humano angélico. Neste
Humano estamos todos enraizados e relacionados.

Quão selvagem a beleza e a majestade dessa contemplação aumentam quando consideramos Mekubalim, recebeu
iniciados da Cabalá, ensinando a Pequena Face, Zer Anpin, que é uma expressão da imagem e semelhança de Aima-
Abba, Mãe-Pai Elohim. No Grande Nome ‫ יהוה‬a terceira letra, o ‫ו‬, representa esta Pequena Face do Pai ‫ י‬e Mãe ‫ה‬. Pai
aqui significa a realidade que é imutável e a mãe aqui significa a realidade que muda. Sem mudança está além do
espaço e do tempo, sem referência e imensurável; a mudança éreferenciados e medidos pelo espaço e pelo tempo,
envolvidos e tornando-se neste ciclo do ventre cósmico personificado pela Mãe. Seu Filho, essa Pequena Rosto, não
é "pouco", pois sua expressão numérica como Vav, 6, ensina as seis profundezas, ou eternidades, ou infinidades do
ventre materno do espaço-tempo: a superabundância, a longevidade, a longevidade, Behindness, Rightness e
Leftness.

Na Árvore da Vida em Atzilut, vemos essas mesmas direcionalidades nas seis sefirot que são Zer Anpin: A

profanidade é Netzach, a
Belovedess é Hod, a
Eastness é Tifaret, a
Westness é Yesod, a
Southness é Hesed e o
Northness é Gevurah,

Tifaret propriamente dito, a sexta sefira na Árvore da Vida, é essa fonte, interseção, harmonia e a expressão
dinâmica dessas outras sefirot. O centro de todas essas dimensões é a carinha acima, refletida abaixo pelo indivíduo
humano encarnado; do ponto de referência individual, a consciência sobe, desce, leste, oeste, sul ou norte, onde
quer que ele ou ela gire o olhar. Talvez isso pareça muito óbvio. Isto é! O que estamos olhando em qualquer direção
não é tão óbvio, mas é secreto e maravilhoso: O Filho que nos rodeia de todas as direções, sentindo-se em nossos
corpos, olhando para Si mesmo através de nossos olhos, saboreando-se em nossas bocas, cheirando a Si mesmo em
nossos sentidos. narinas, ouvindo-se através dos nossos ouvidos.

Quando este abraço macrocósmico é conhecido, compreendido e integrado num indivíduo microcosmo em
despertar, a separação do exterior macrocósmico e do interior microcósmico irá dissolver, fundir, juntar-se. Este é o
contexto macrocósmico do Messias, desenhado, mantido e ancorado pela primeira vez no indivíduo microcósmico
por Yeshua, em Yeshua e como Yeshua. Conhecer a Luz da qual Ele fala é experimentar algo deste Messias por si
mesmo. Este mesmo Messias, Habitante e Cósmico, é expresso por Vav.

Evangelho de Filipe: Vocês, que uniram a luz perfeita com o Espírito Santo, juntam-se aos anjos conosco como uma
única imagem.

Que possamos encontrar você, Rosto Pequeno, em nosso próprio rosto.

Shalom!

Elder Gideon +

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Vav, conectando os pontos

# 2 Post by malochim » Qui Abr 14, 2011 1:37 pm

Vav, Conectando os pontos

Segundo o Zohar O Santo Emana em existência como uma Mente Divina ou cérebro com numerosas camadas ou
membranas sobre membranas. Cada membrana age como um cérebro para a seguinte membrana. Na parte mais
interna da Mente de Deus, brota uma vontade ou desejo (Ratzon El Elyon). Este desejo surge como uma onda de
potencial e energia Divina através do Ser de se Tornar criando um movimento ondulatório, ressoando, vibrando,
dando origem a um padrão de interferência infinito; a matriz da luz.

Na verdade, nossos cérebros funcionam de maneira muito semelhante. Nosso cérebro é uma grande rede neural,
composta por quase 100 bilhões de neurônios. Pensamentos ou desejos estão na camada física transportada pelo
cérebro como impulsos elétricos e químicos.

Ao construir uma rede neural artificial, a complexidade do cérebro é reduzida enormemente. Em vez disso, apenas
um número limitado de neurônios artificiais é usado, bem como camadas de neurônios. Tipicamente, a rede neural
artificial possui uma camada de entrada, com nós / neurônios sensoriais. Estes são os nós / neurônios que irão
interagir com o ambiente em que a rede neural artificial é aplicada. Esses neurônios podem ter um valor entre 0 e 1,
dependendo da quantidade de estímulos aplicados. Cada neurônio de entrada é conectado a um neurônio em uma
camada adjacente que, por sua vez, é conectada a cada neurônio da camada que o segue e assim por diante. A
última camada é chamada de camada de saída. A maioria das redes neurais artificiais são treinadas por meio de
aprendizado supervisionado, o que significa que, por exemplo, se a rede O objetivo é identificar cogumelos
comestíveis e venenosos, a partir de, por exemplo, um conjunto de 8000 cogumelos conhecidos, 4000 deles são
“mostrados” para a rede. Cada característica do cogumelo é aplicada a um nó de entrada / neurônio. Se o estímulo
atingir um certo valor limiar, o neurônio de entrada disparará um impulso para os neurônios com os quais ele está
conectado. Cada neurônio receberá uma série de sinais de impulso de seus neurônios adjacentes, se a força de
impulso acumulado atingir o valor limiar daquele neurônio específico que irá disparar também e assim por
diante. No final do ciclo de disparo, os impulsos atingirão os neurônios de saída, cada um com um certo valor. Isso
representa a resposta da rede neural artificial e o supervisor dará um feedback dependendo da proximidade do valor
correto da rede. Este feedback será propagado para trás através da matriz inteira de neurônios e cada valor limite
será ligeiramente ajustado, dependendo do tamanho do erro. Dessa forma, toda a rede é sintonizada e ensinada
para aproximar a função do problema em questão. Pode, por exemplo, aprender com 97% de precisão quais
cogumelos são comestíveis e quais não são. No entanto, se você treinar a rede por muito tempo, ela será “super
equipada” / super treinada, o que significa que será muito boa para responder quais cogumelos são comestíveis ou
não do conjunto de treinamento, mas falharão completamente quando forem introduzidos a novos “ cogumelos
desconhecidos. A razão para isto é porque a função que aproxima o problema se tornou muito específica e “estreita”
para aproximar qualquer coisa fora da caixa estreita do conjunto de treinamento. Dessa forma, toda a rede é
sintonizada e ensinada para aproximar a função do problema em questão. Pode, por exemplo, aprender com 97% de
precisão quais cogumelos são comestíveis e quais não são. No entanto, se você treinar a rede por muito tempo, ela
será “super equipada” / super treinada, o que significa que será muito boa para responder quais cogumelos são
comestíveis ou não do conjunto de treinamento, mas falharão completamente quando forem introduzidos a novos “
cogumelos desconhecidos. A razão para isto é porque a função que aproxima o problema se tornou muito específica
e “estreita” para aproximar qualquer coisa fora da caixa estreita do conjunto de treinamento. Dessa forma, toda a
rede é sintonizada e ensinada para aproximar a função do problema em questão. Pode, por exemplo, aprender com
97% de precisão quais cogumelos são comestíveis e quais não são. No entanto, se você treinar a rede por muito
tempo, ela será “super equipada” / super treinada, o que significa que será muito boa para responder quais
cogumelos são comestíveis ou não do conjunto de treinamento, mas falharão completamente quando forem
introduzidos a novos “ cogumelos desconhecidos. A razão para isto é porque a função que aproxima o problema se
tornou muito específica e “estreita” para aproximar qualquer coisa fora da caixa estreita do conjunto de
treinamento. o que significa que será muito bom em responder que cogumelos são comestíveis ou não do conjunto
de treino mas falharão completamente quando introduzidos a novos cogumelos “desconhecidos”. A razão para isto
é porque a função que aproxima o problema se tornou muito específica e “estreita” para aproximar qualquer coisa
fora da caixa estreita do conjunto de treinamento. o que significa que será muito bom em responder que cogumelos
são comestíveis ou não do conjunto de treino mas falharão completamente quando introduzidos a novos cogumelos
“desconhecidos”. A razão para isto é porque a função que aproxima o problema se tornou muito específica e
“estreita” para aproximar qualquer coisa fora da caixa estreita do conjunto de treinamento.

Então, como isso tudo se relaciona com Vav?

Como um prefixo para um substantivo, vav significa "e". É uma carta de conexão, juntando ou “enganchando”
diferentes letras, palavras e frases juntas. Se olharmos para o processo de emanação do Olam de Adão Kadmon com
as inteligências primordiais de energia representadas pela Alephbet unidas no Olam da proximidade formando
nomes Divinos que por sua vez emanam como forças cósmicas, arc seres angélicos, que por sua vez emanam como
coros de anjos. No Zohar é dito que toda folha de grama tem um anjo correspondente. Esta interconexão, o padrão-
que-conecta implica Vav.

Sabemos como as redes neurais no cérebro estão conectadas, mas não temos idéia de como produz a consciência,
de alguma forma o que emerge é maior do que a soma das partes. Todo neurônio é único e essencial para o padrão
emergente ou para a mente maior que ele forma.
Nossa exibição de vida atual é uma emanação em um fluxo de consciência que se estende além do tempo, mas todas
as encarnações do passado convergem para onde você está hoje e o futuro nos guia no eterno agora.

Quando Vav é um prefixo para um verbo, muda o tempo do verbo do passado para o futuro. É através da Lei, do
continuum cármico e do gilgulim que passamos pela metanoia e somos realinhados, para estar em sintonia com
tudo o que é. E quem é o nosso professor? É o nosso eu futuro, o nosso Tzaddik Interior e o nosso Tzaddik Exterior,
que é uma emanação do nosso Tzaddik Interior. Se seguirmos a luz orientadora do nosso tsadic, transformaremos o
passado no futuro, sucesso perfeito. Nossa vitória em Cristo ressuscitado já está ganha, devemos lembrar e
incorporar.

Quando entramos em contato com uma tradição de sabedoria, mantendo dentro dela algo da transmissão de luz,
nossas almas são impregnadas com faíscas do (s) Tzaddik (s) e outras almas dentro da tradição, formando ligações
cármicas com elas etc. Este processo de formação de elos cármicos assim como ivurim também pode ser conectado
com Vav, como hook e a conjunção e.

“Há uma espécie de trocadilho em Nun e Tzaddik, pela letra Tzaddi, que começa com Tzaddik, como uma palavra
significa“ gancho ”, como em um anzol!

No processo de ensinar e iniciar indivíduos, é claro, o tsadic procura “pescar” a neshamá - eles procuram ajudar a
pessoa a extrair sua alma celestial, seu maior ser energético. “- Tau Malachi

Em relação ao ajuste excessivo de nossas redes neurais, isso corresponderia a ficar "viciado" em alguma coisa,
agarrando-se ao nome e à forma. Também é verdade de certos padrões comportamentais que desenvolvemos. Se
dermos energia a esse comportamento e o exercitarmos, ele crescerá em força, nossos cérebros formarão um
padrão neural mais forte ao redor desse comportamento, superpondo nossa rede neural, de modo que ficaremos
inclinados a reagir ou nos comportarmos dessa maneira. . Dizem-nos para sermos como criancinhas e estarmos
abertos e vazios de nós mesmos, para que possamos ser cheios de espírito. Isto é verdade também com nossas
mentes e cérebros,

“O que for flexível e fluir tenderá a crescer, o que for rígido e bloqueado murchará e morrerá. - Tao Te Ching

Somos ensinados a reprogramar nossos padrões neurais pelo Yeshua Messiah, fazemos isso por pólos
opostos. Aplicando amor nos tornamos menos odiosos. Ao dar esmola, nos tornamos menos gananciosos. Ao virar a
outra face, nos tornamos menos violentos.

Shalom,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

simplicidade

Mensagens: 40

Ingressou: Sabado Sáb 06 fev 2010 9:29 am


Contato:

Simplicidade de contato

Como acima, tão abaixo

# 3 Post by simplicity » Qui Abr 21, 2011 5:30 pm

Obrigado, irmãos, por seus pensamentos iluminadores no vav, junto com suas "conexões" com o Humano e muito
mais.

Ultimamente, tenho me encontrado contemplando o vav através da Estrela de Davi, e isso levou a uma série de
contemplações. Os dois triângulos da Estrela “unidos” através de vav representam para mim o encontro do Superior
com o Inferior: Como Acima, assim Abaixo. Eu imaginei o centro da Estrela a ser hospedado por Tiferet. Comecei
então a considerar os seis dias da Criação como também apontando para seis como uma “união” do céu e da
terra. Tudo isso levou a uma consideração dos cinco, levando a seis, e os sete emergindo dela.

Se os cinco, hei, são representados pela pirâmide, sentados na terra em quatro cantos e completando seu ápice no
topo, que é como um olho olhando para o céu, parece que cinco poderiam representar um vislumbre do céu: um
vislumbre do Alto do Baixo. Isso pareceu apropriado, dado que hei é a carta dada tanto a Abrão quanto a Sarai, os
primeiros patriarcas a verem os céus. Isso pode ser simbolizado quando Abraão é encorajado a olhar para os céus e
tentar contar as estrelas. No hei, ele teria um vislumbre das estrelas, mas o vislumbre seria muito nebuloso para ele
contá-las. Além disso, como uma “janela”, hei se apresenta como uma representação de um vislumbre do Inferior
para o Superior.

Voltando ao vav, pareceu-me que uma vez que se tenha vislumbrado o Superior do Inferior através do hei, o
próximo passo seria encontrar o Superior e o Inferior em vav. Desta forma, pudemos ver que enquanto o hei foi
dado a Abraão, Jacó pode ter recebido o vav, quando ele testemunhou a escada “unindo” o Alto e o Baixo. Ele então
experimentou essa reunião quando lutou com Deus. No vav, no entanto, esta reunião é apenas isso: uma reunião,
mas ainda não é um sindicato. Vemos a reunião no centro da Estrela, mas também vemos pela Estrela que a
completa sobreposição de união ainda está para se concretizar.

Dado isso, minhas contemplações me levaram a me perguntar se o próximo estágio após o vav traria uma união do
céu e da terra em zain? Neste ponto, se fosse possível, poderíamos contar as estrelas que Abraão só podia
ver. Então, fui induzido a me perguntar se a "revelação" de "sete" é em parte sobre esse movimento, de um
vislumbre (hei) a uma reunião (vav) a uma união (zain)? Eu considerei a Noiva vindo para a União como a cidade
santa e “descendo do céu de Deus” (Ap 21:10). Isto sugeriu-me que o Alto unisse-se ao Inferior no número do
Apocalipse, zain.

Se qualquer uma dessas reflexões pode ou não ser semelhante a qualquer um dos ensinamentos da Tradição, não
tenho certeza, portanto, quaisquer percepções ou insights seriam bem-vindos de bom grado.

Shalom para todos,


Karina

"Milagre
Misticismo de Zayin

# 1 Post by Elder Gideon » Dom 24 de abril de 2011 08:22

Saudações e Shalom!

‫ז‬
Zayin: Espada, Estrelas Interior, Hieros Gamos, Revelação, Conclusão, eo número 7.

Tendo associado a letra hebraica ‫ ו‬com o hexagrama permite mais um mistério de ‫ ז‬que está presente no hexagrama,
sendo seu centro e completude: Seis triangular extremidades ligadas a um hexágono central formam sete formas,
cada uma correspondendo às sefirot de Binah a Yesod. Binah é o triângulo mais alto, Hesed no canto superior
direito, Gevurah no canto superior esquerdo, Tiferet no hexágono central, Netzach no canto inferior direito, Hod no
canto inferior esquerdo e Yesod no triângulo inferior.

Cada uma dessas mesmas sete formas corresponde aos sete centros estelares interiores do nosso corpo energético
de experiência: Yesod é a estrela do umbigo, Hod é a estrela solarplexus, Netzach é a estrela do coração, Tiferet é a
estrela da garganta, Gevurah é a estrela da testa, Hesed é a estrela da coroa, e Binah é mais misteriosamente a
estrela raiz. Enquanto enraizada energeticamente nestas sefirot, Malkut neste contexto se sente como a aparência
de alguém, Binah sendo para Malkut o que o primeiro ‫ ה‬é para o final do Grande Nome ‫יהוה‬. As segunda e quarta
letras do Grande Nome Yahweh são as mesmas, mas Binah é a estrutura energética invisível estendida pelas seis
sefirot de Tiferet, manifestada na aparência como Malkut.

Tudo o que foi dito do Misticismo de Vav segurando o mistério dos seres humanos sendo criados à imagem e
semelhança de YHVH Elohim se aplica novamente em um contexto diferente do Misticismo de Zayin quando nós
mudamos esse padrão de sete sefirot, Binah para Yesod, para começar, em vez disso, em Hesed e terminar em
Malkut, que são classicamente as Sete Sefirot da Construção. Cada um destes, Hesed para Malkut, corresponde
com:

os sete dias da criação, sendo Hesed o primeiro dia,


os sete céus, sendo Hesed Arabot, o sétimo céu,
as sete estrelas interiores, sendo Hesed a estrela da coroa e
as sete mensagens. às igrejas (Ap 2-3), Hesed sendo a mensagem final para Laodicéia.

Nosso corpo energético como um microcosmo espelha toda a criação como um macrocosmo. Onde nossa linhagem
encontra estas sete Sefirot de Construção nas estrelas interiores do corpo de energia é pela realização de Tau
Miriam, a avó espiritual de Tau Malachi, que gerou este ensinamento muito profundo, maravilhosamente único nas
tradições ocidentais de mistérios. Enquanto alguém continua a explorar isso, a escritura é preenchida com este valor
numérico atribuído a um corpo mais sutil:

[Yeshua:]Quando o espírito imundo saiu de uma pessoa, ela vagueia por regiões sem água à procura de um lugar de
descanso, mas não encontra nenhuma. Então diz: “Eu voltarei para a minha casa de onde vim”. Quando chega, acha
vazio, varrido e colocado em ordem. Então vai e traz sete outros espíritos mais malignos que eles mesmos, e eles
entram e moram lá; e o último estado dessa pessoa é pior que o primeiro. Assim será também com esta geração má.
' (Mateus 12: 43-45)

Agora, depois que ele se levantou cedo no primeiro dia da semana, [Yeshua] apareceu primeiro a Maria Madalena,
de quem ele havia expulsado sete demônios. (Marcos 16: 9)

Quando o vinho cedeu [nas bodas de Caná], a mãe de Jesus disse-lhe: 'Eles não têm vinho'. E Jesus disse a ela:
'Mulher, que preocupação é essa para você e para mim? Minha hora ainda não chegou. Sua mãe disse aos servos:
'Faça o que ele disser'. Agora, de pé, havia seis jarros de água de pedra para os ritos de purificação judaicos, cada um
contendo vinte ou trinta galões. Jesus disse-lhes: 'Encha os jarros com água'. E eles os encheram até a borda. (João 2:
3-7)

Começando com a última referência de São João, nossa linhagem entende esses seis jarros como se referindo aos
seis centros de energia no corpo propriamente dito, enquanto a sétima estrela da coroa é tecnicamente um centro
de transição ligeiramente além do corpo, uma "porta de entrada" centrada na topo do crânio para o qual este
mesmo Evangelho aponta nos mistérios da Crucificação no Gólgota, o Monte da Caveira. Ambos os versos de Marcos
e Mateus falam de exorcismo, falho e completo, por meio de um princípio de sete. Se o corpo físico de alguém fosse
a morada de forças de seres misturados ou hostis, a medicina ocidental teria mais a dizer; porque outro corpo
energético dentro e ao redor do corpo físico é o veículo de todos os movimentos energéticos - divino, misturado e
demoníaco - a compreensão mais integrada de seteCom relação a esses dois exemplos, os evangelhos canônicos
derivam dos ensinamentos de estrelas interiores de Tau Miriam como as Sete Sefirot da Construção.

Introduzir o valor numérico 7 com ‫ ז‬nos abre para muitas conversas mais profundas e integradas em nossa linhagem
em relação a essa carta mágica, particularmente quando consideramos seus outros domínios de ensino: Espada,
Apocalipse, o Casamento Sagrado e Completude.

Assim os céus e a terra foram acabados, e toda a sua multidão. E no sétimo dia Elohim terminou a obra que Elohim
fez, e Elohim descansou no sétimo dia de toda a obra que Elohim fez. Então Elohim abençoou o sétimo dia e
santificou-o, porque nele Elohim descansou de todo o trabalho que Elohim tinha feito na criação. (Gênesis 2: 1)

Que todas as boas criaturas de Elohim descansem em sua inteireza inata em Elohim. Quão bom é!

Bênçãos do Sétimo Dia!

Elder Gideon +

T
o
p
o

BrandonLw

Mensagens: 90

Associou-se: Wed Sep 27, 2006 8:59 pm

Localização: Sacramento, CA

Sete, um e espada

# 2 Pós por BrandonLw » Sun 24 de abril de 2011 05:42

Eu me vejo curioso sobre a relação entre sete e um, particularmente no que diz respeito à espada.

Ocorre-me ao ler o post acima que os sete estão presentes na forma física da espada. A ponta da lâmina forma um
triângulo voltado para cima, os pontos do cabo e um triângulo virado para baixo. Talvez pudéssemos dizer que a
sétima direção está implícita no centro, muito parecida com a do hexagrama. Além disso, a espada termina, ou
clímax, em um único ponto focalizado.

A espada é lindamente completa em sua forma. O rabino Munk menciona em um livro sobre o Aleph-Bet, que sete ",
não é o produto de dois números inteiros além de si mesmo e um", e "nenhum é um fator primordial de qualquer
outro número entre um e dez. Sete e um, portanto, compartilham uma relação interessante entre os
números. Ambas implicam uma completude em si mesmas, um ponto de certeza e determinação absoluta.
Mas, pelo que entendi, sete não possuem as mesmas propriedades de dez em relação à finalidade. Uma espada não
se empunha. Talvez sete impliquem veículo ideal para Habad, ou três. Assim, como uma espada bem forjada,
corretamente equilibrada, nossos sete centros interiores podem convidar um movimento de orientação de Habad,
ou gnosis. Ou talvez sete, como na sétima sefirot Gevurah, possam representar um ponto em que um indivíduo
tenha se esforçado e encontrado um fim, onde o Espírito Santo possa entrar com toda a misericórdia para completar
o movimento.

Em um post de discussão sobre A Espada do Espírito, está escrito que sete é o número de iluminação espiritual e
fruição, e que a Espada do Espírito “é o poder das Sete Sefirot da Construção, que emanam de Ima, a Santa Mãe, a
Palavra que Abba, o Pai, falou nela. ”Sete, portanto, reflete um de uma maneira poderosa e misteriosa. Eu li a
declaração acima e ouvi que no mistério, sete é um e um é sete sem contradição.

“No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus e a Palavra era Deus.” João: 1: 1
“Tomai o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus.” Ef 6: 17

Há mais escrito sobre este tema em "A Espada do Templário e a Armadura de Deus" no fórum da Ordem de São
Miguel. Suponho que isso seja suficiente por enquanto, e há muito mais sobre o mistério de zayin, sete.

Shabat Shalom, que a paz do Shabat se estenda a todos os seus dias.

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

A quebra dos amantes abraça

# 3 Post by malochim » seg 30 de maio de 2011 12:49

Shalom,

Considere os seguintes segmentos de escritura no contexto de Zayin, a Espada, e número sete:

Apocalipse 1:16 Na sua mão direita segurava sete estrelas, e da sua boca saía uma aguda espada de dois gumes. Seu
rosto era como o sol brilhando em todo o seu brilho.

Apocalipse 19:15 Da sua boca saía uma espada afiada para derrubar as nações. "Ele os governará com um cetro de
ferro." Ele pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso.

Salmo 2: 9 Você irá dominá-los com um cetro de ferro; tu os despedaçarás como cerâmica. "
Mateus 10:34 Não penses que eu vim para trazer paz à terra. Não vim trazer a paz, mas uma espada.

Lucas 12:51 Acha que vim a trazer a paz na terra? Não, eu lhes digo, mas divisão.

Apocalipse 6: 4 Então saiu outro cavalo, um vermelho ardente. Seu cavaleiro recebeu o poder de tirar a paz da terra
e fazer os homens se matarem uns aos outros. Para ele foi dada uma grande espada.

Lucas 5: 36-39 Ele contou-lhes esta parábola: "Ninguém rasga um remendo de uma roupa nova e costura-a em um
velho. Se o fizer, rasgará a nova roupa, e o remendo do novo não Combine o velho. [37] E ninguém despeja vinho
novo em odres velhos. Se o fizer, o vinho novo arrebentará as peles, o vinho acabará e os odres serão arruinados.
[38] Não, vinho novo deve ser [39] E ninguém depois de beber vinho velho quer o novo, pois ele diz: 'O velho é
melhor'. "

Isso me lembra do processo de Shevirat Ha-Kelim a quebra dos vasos, o processo de emanação. É um processo de
restrição, em que severidade, Gevurah é o serfirah dominante.

Os vasos quebrados estão localizados no ventre de Ma, passando por ciclos de tikkun até o nascimento de uma nova
humanidade restaurada, a raça de Seth emerge do útero. A quebra também implica um aspecto erótico onde os dois
amantes (a carta de tarô associada a Zayin) masculinos e femininos estão voltados para trás, enquanto antes
estavam frente a frente em conjunção sexual.

Perdemos os amantes em busca de sua alma gêmea, que na culminação da jornada das almas será encontrada e
reunida novamente em um abraço de amantes.

Bênçãos,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

Bevan

Mensagens: 165

Juntado: ter 11 fev 2014 9:31

Re: Misticismo de Zayin

# 4 Post de Bevan » sáb 09 janeiro 2016 às 15:42

Shalom e obrigado a todos por essas contemplações em Zayin!

Eu tenho um de Gênesis 3:24: "Ele expulsou o homem [humano], e no oriente do jardim do Éden ele colocou o
querubim [chereb], e uma espada [kĕruwb] flamejante e girando para guardar o caminho para a árvore da vida ".

O que se destacou foram as palavras:

cher‫ ֶרב‬chereb, querubins da hoste de anjos de Yesod.


Ĕ‫ רּוב‬kĕruwb, que é espada.

Essas palavras parecem visualmente conectadas em inglês. Em hebraico, vejo um Dalet (porta) e Bet (casa) é
comum. Eles parecem simbolizar o ato de guardar, possivelmente a casa ou o vaso de transformação, de modo a não
voltar à Árvore da Vida sem possuir o que é necessário para fazer um retorno. Ocorre uma separação, pois o ser
humano escolhe entrar em um estado dualista, pois foi dito: "quando você comer dela, seus olhos serão abertos e
você será como Deus, conhecendo o bem e o mal". É este o movimento de uma casa velha para uma nova através de
uma porta / portão? Está tudo depois deste movimento da casa do 'bem e mal' para a casa da 'árvore da vida'
através da porta aberta do Messias?

Obrigado Santo para sua proteção em nossa jornada de retorno,

Bevan.

T
o
p
o

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Espada na mão de um querubim

# 5 Post by Elder Gideon » Qua 13 de janeiro de 2016 19:30

Irmão Shalom!

Esta é uma descoberta emocionante, cheia de possibilidades!

Você compartilhou:

Eu tenho um de Gênesis 3:24: "Ele expulsou o homem [humano], e no oriente do jardim do Éden ele colocou o
querubim [chereb], e uma espada [kĕruwb] flamejante e girando para guardar o caminho para a árvore da vida ".

O que se destacou foram as palavras:

cher‫ ֶרב‬chereb, querubins da hoste de anjos de Yesod.

Ĕ‫ רּוב‬kĕruwb, que é espada.

Eu vi a palavra para espada e kerub, mas não juntos compartilhando outras letras de forma semelhante. Kaf e Het
podem fazer o mesmo som gutural quando Kaf é suave, assim como outros pares de letras hebraicas compartilhando
o mesmo som.

Esta espada flamejante e girando para guardar o caminho para a árvore da vida significa literalmente que está em
brasa e sugere que ela está se movendo tão rápido a ponto de ser um campo invisível e giratório de pontas e
bordas. Nenhum que se apegue à forma-nome pode penetrar nesse campo e permanecer. Eu ouvi Tau falar dessa
espada como o poder de um seraf na mão do kerub, que é uma fascinante contemplação.
Quando alguém se lembra da mais íntima Presença que os serafim guardam, e que a transpiração de sua adoração
se torna o fogo dos infernos, isso me lembra do poder desta espada girando tão rápido que se torna um campo de
fluxo impenetrável. Somente aqueles dispostos a completar a auto-negação podem passar por este campo de
espada, o que torna a Árvore da Vida muito mais fascinante. De maneira alguma posso supor que eu consiga manter
quem e o que eu penso que estou para me aproximar e aproximar do Santo. Muito pelo contrário. Apenas negando
essas limitações de mim mesmo, posso aproximar-me de quem e do que eu sou no Santo: A Árvore da Vida.

Que as almas libertem o que liga e recebe o que liberta para uma nova vida.

Elder Gideon

Misticismo do Het

# 1 Post by Elder Gideon » Sáb 07 de maio de 2011 10:45

Saudações e Shalom!

‫ח‬
Het: Cerca, limite, borda, dentro / fora, linha de medição, transcendência e o número 8.

Sobre a casa da nossa vida há uma cerca que distingue a borda onde a tela termina e a outra começa. Essa borda
entre as exibições de vida, é claro, não existe inerentemente nos fundamentos moleculares, atômicos e subatômicos
da realidade, assim como as fronteiras e linhas políticas nos mapas desaparecem da face dessa terra boa quando
vistas do espaço exterior, uma experiência que move a consciência dos astronautas profundamente. O que
diferencia a borda da exibição de uma vida da de outra pessoa é inteiramente provisória, temporária e necessária
para conscientemente se individualizar em transcendência.

‫ ח‬é a cerca e a transcendência da cerca ao mesmo tempo. Precisamos da cerca do ventre de nossa mãe até sermos
viáveis para a vida fora do útero, assim como precisamos do nosso corpo neste mundo até sermos viáveis para a vida
além do corpo; se permanecermos muito tempo no ventre, o que uma vez nos protegeu nos matará; se
permanecermos apegados ao nosso nome e forma em sua inevitável dissolução, o que serviu como nossa âncora,
individuando a luz dentro de nós, se tornará uma fonte de grande tormento e sofrimento na transmigração de nossa
vida após a morte. O que protege e incuba serve a sua finalidade na criação de Ma quando somos viáveis para um
novo ciclo de crescimento da experiência. De dentro de nós, esta capacidade e viabilidade gesticula uma força, uma
fortaleza, uma integração interna capaz de entrar, duradoura,

Nascimento é transcendência do útero; andar é transcendência de engatinhar; falar é transcendência do


balbucio; outro é a transcendência de si mesmo; uma vida de fé é transcendência de uma vida mundana; A gnose é a
transcendência da fé. Assim, a transcendência é encontrada não apenas nas camadas mais amplas, cósmicas e
supernas da realidade, mas também nas pequenas particularidades de nosso próprio desenvolvimento humano na
jornada espiritual. Como um nome mais íntimo do Santo, Ain Sof , Sem Fim, aparentemente não há uma linha de
chegada, um teto, nem chegada final, mas sempre outro horizonte além e adiante. Existe apenas
crescimento. Crescer é transcender.

Em verdade, em verdade vos digo que, a menos que um grão de trigo caia na terra e morra, resta apenas um único
grão; mas se morre, dá muito fruto. Aqueles que amam sua vida a perdem, e aqueles que odeiam sua vida neste
mundo a manterão para a vida eterna. (João 12: 24-25) da

mesma forma:
'Ninguém costura um pedaço de pano não rasgado em um manto velho; caso contrário, o remendo se afasta dele, o
novo do antigo, e uma lágrima pior é feita. E ninguém coloca vinho novo em odres velhos; caso contrário, o vinho
estourará as peles, e o vinho se perderá, assim como as peles; mas um coloca vinho novo em odres frescos. (Marcos
2: 21-22)

e,

Porque sabemos apenas em parte, e só profetizamos em parte; mas quando o completo chegar, a parcial chegará ao
fim. Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança; Quando me
tornei adulto, acabei com os modos infantis. Por agora, vemos em um espelho, vagamente, mas depois vamos ver
cara a cara. Agora eu sei apenas em parte; então eu vou saber completamente, mesmo que eu tenha sido totalmente
conhecido. (1 Coríntios 13: 9-12)

e,

Jesus disse: "A pessoa idosa em dias não hesitará em perguntar a uma criancinha de sete dias sobre o lugar da vida, e
essa pessoa viverá. Para muitos dos primeiros será o último e se tornará um único ". (Thomas, 4)

A partir daqui, a conversa poderia chegar a uma variedade de direções: o oitavo dia de circuncisão de bebês do sexo
masculino, a natureza dupla de conchas, como até as emanações sagradas de 'sefirot' abaixo 'são' daquelas 'acima',
a necessidade da dualidade antes da não-dualidade, as fronteiras do templo em Jerusalém, a Lei (Torá) antes da
Graça (Evangelho), a expulsão-involução do Paraíso para a integração-evolução na Nova Jerusalém, e o duplo efeito
do Apocalipse, da Luz Transmissão, pronto ou não.

Que a palha caia, revelando o trigo. Que nossos corações cresçam e quebrem suas conchas.

Amém e amém!

Elder Gideon +

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Sombras das coisas por vir

# 2 Post by malochim » Qua 20 de jul. De 2011 13:35

Shalom,

Enquanto escutava o discurso do shabbat "Ruach; Nossa maior inteligência", ouvi nele um grande discurso de Chet.
Eu gostaria de começar citando Ken Wilber

"Cada coisa é uma perspectiva antes de qualquer outra coisa. E isso significa que, no mundo manifesto, não há
percepções, apenas perspectivas ... Tanto quanto sabemos ou podemos saber, o mundo manifesto é feito de seres
sencientes com perspectivas , não coisas com propriedades, nem sujeitos com percepções, nem potenciais de vácuo,
nem dharmas, nem cordas, nem hologramas, nem biofields, etc. Essas são todas as perspectivas relativas a algum ser
senciente ”.

De fato, tudo é a exibição radiante da mente, acontecendo por assim dizer na Grande Mente do TODO. Expandir a
mente pessoal é empurrar a fronteira da consciência para uma circunferência cada vez maior. A gnosis no tempo é a
lembrança do eterno. É através da ação do ruach que experimentamos algo de nossa sagrada Neshamah e o
que está dentro dela.

De dentro da forma antiga, uma nova forma surge, degraus ou degraus em uma escada de luz, em ascensão ao Um
sem fim. Com o tempo não há fim para esta jornada, na eternidade a jornada já aconteceu. Quando nossa mente se
expande, vislumbramos algo da Mente de Deus, a essência de toda a Mente.

Talvez a fronteira fale da consciência não-dual. As formas que surgem na exibição radiante da Mente são como os
objetos projetados / refletidos em um espelho. É da natureza de um espelho refletir / manter dentro de seus limites
todos os objetos antes dele. Como sempre os objetos em si não estão dentro do espelho, e eles não afetam o
próprio espelho. Assim, as coisas que experimentamos dentro da exibição radiante de nossas vidas não são o
absoluto real, mas uma sombra ou projeção dele. São as sombras das coisas por vir; a realidade, encontrada em
Cristo.

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

Anna

Mensagens: 526

Ingressou: Sabado 18/06/2011 14:00

Local: Fredericksburg, VA

Re: Misticismo do Het

# 3 Post by Anna » Dom 21 de junho de 2015 8:09 am

Shabat Shalom e Solstício de Verão Shalom!

Ao contemplar Het como limites, o versículo 6 do Salmo 16 surge para mim:

As linhas limítrofes caíram para mim em lugares agradáveis;


Eu tenho uma boa herança.
Quando ultrapassei os limites dos outros, ou outros ultrapassaram meus limites pessoais, os resultados geralmente
não são agradáveis. Assim, com Het e os "lugares agradáveis" em que as linhas limítrofes estão definidas, encontro
muita sabedoria para relações de sucesso com Deus, comigo e com todos os seres. Uma das lições que extraio da
sabedoria de estabelecer e honrar limites saudáveis em si e nos outros é a lição de firmeza e estar em paz com quem
eu sou em mim mesmo, bem como com quem eu sou em Deus. Neste centro pacífico, o que os outros pensam de
mim não direciona meus pensamentos, palavras e ações. É, de fato, um lugar agradável e pacífico quando não estou
servindo ao ego tentando fazer com que os outros pensem bem em mim. Há uma grande sensação de ser suficiente
no momento. Mesmo na forma da carta em si,

A natureza dual do klippoth mencionado acima pelo Élder Gideon também me intriga. Eu estou vendo klippoth como
fronteiras formadas na consciência, devido ao auto-agarramento, aversão e apego. Essas fronteiras na consciência
servem a uma função protetora temporária, como apontado acima, mas parece que, uma vez que superamos a
necessidade de uma "concha" ou klippa em particular, devemos passar para o outro lado dessa fronteira, que libera
energia que foi cultivado e comprimido dentro da casca protetora.

Do outro lado de tal limite, descobri a força oculta nas fraquezas, o atributo de Deus que finalmente está sendo
liberado ou realizado em minha vida. Ao enfrentar o medo, descobri a coragem e a fé - dons de Deus que me
esperam o tempo todo! Da mesma forma, ao encarar com inveja, descobri uma apreciação profunda dos dons dos
outros, bem como uma descoberta de que minha porção de Deus é um conjunto maravilhoso de presentes que são
especialmente adequados à minha parte única do tikkune do mundo! Hallelu-Yah! Eu poderia continuar por algum
tempo sobre esses padrões negativos se transformando em poderes positivos para servir ao Reino dos
Céus. Francamente, eu não acho que vou ficar sem nenhuma dessas cascas em breve ...

Então, eu me pergunto quais contemplações podem surgir em irmãs e irmãos sobre Het e sua mensagem de
proteção e expansão.

Que todos os seres permaneçam em paz, todos crescendo no ventre de mãe de Imma Gadol!
Anna

T
o
p
o

Irmão Brian

Mensagens: 147

Ingressou: Wed Sep 22, 2010 7:08 am

Localização: Tennessee

Re: Misticismo do Het

# 4 Post de Brother Brian » sex 26 de junho de 2015 8:21 am

Shalom Irmã Anna

Esta é uma linda contemplação que você tem aqui. Eu amo o que está escrito aqui no seu post:

"Do outro lado de tal fronteira eu descobri a força escondida nas fraquezas, o atributo de Deus que finalmente está
sendo liberado ou realizado em minha vida. Ao enfrentar o medo eu descobri coragem e maior fé - dons de Deus
esperando Da mesma forma, ao encarar com inveja tenho encontrado profunda apreciação dos dons dos outros,
bem como uma descoberta de que a minha porção de Deus é uma maravilhosa variedade de dons que são
especialmente adequados à minha parte única do tikkune do mundo! Hallelu-Yah! Eu poderia continuar por algum
tempo sobre esses padrões negativos se transformando em poderes positivos com os quais servir o Reino dos Céus.
Francamente, eu não acho que vou ficar sem nenhuma dessas cascas tão cedo. ..

Os ensinamentos nos dizem que não devemos fugir desses padrões negativos, mas mudá-los e usá-los e extrair o
bem. Tudo o que experienciamos na consciência que pode parecer negativo ou ruim, podemos usar em meios
habilidosos para curar e elevar todos os seres. Louvado seja Deus! Eu tenho pessoas me perguntando o tempo todo
sobre problemas com pensamentos surgindo quando eles estão praticando meditação e é falado a eles louvar a
Deus pelo dom da inteligência para poder experimentar esses pensamentos e observá-los enquanto eles dançam e
usam esses pensamentos elevando-os e usando-os para enviar bênçãos às pessoas. Que grande bênção essa energia
(pensamentos) pode ser para elevar as pessoas que extraem o bem de qualquer imagem que vem na consciência.

Nós nos tornamos muito desconfortáveis quando não permitimos que a pele velha se desprenda e experimente
novas. Isso me lembra a nossa resistência em não querer trabalhar para transformar algo dentro de nós, porque
estamos tão familiarizados e confortáveis com o que é às vezes, mas eventualmente isso pode nos tornar muito
infelizes. Eu me lembro do Élder Gideon afirmando que quando não permitimos que a eclosão (como uma galinha de
um ovo) ocorra, podemos ficar muito infelizes e desconfortáveis porque é a natureza da consciência se expandir e
mudar, mas ainda temos essa resistência dentro de nós. às vezes para ser consertado. Eu me lembro de Gideon
também declarando exatamente como uma filhota de bebê que esse movimento para ir e sair vem de dentro. Se
alguém tentar libertar o pintinho do lado de fora, ele pode prejudicar o filhote (morte). Isso nos faz lembrar que essa
ação que você mencionou acima é o grande trabalho e tikkune de nossa alma e de todos os seres. Quanto maiores
os obstáculos, maior o tikkune. Eu amo como o que você compartilhou acima e mostrando exemplos de como o
Espírito pode transformar isso em algo tão adorável. Que benção!

Esta carta me lembra da dança no aeroporto e da observação de todas as pessoas ocupadas indo e vindo. Você pode
ver aqueles que estão partindo deixando familiares e amigos às vezes tristes e chorando por causa da partida e, em
seguida, ao mesmo tempo você pode testemunhar uma multidão de amigos e familiares esperando uma alma para
sair do avião regozijando-se e tendo uma linda Tempo. Isso me lembra de abraçar ambos os fins dessas experiências
e louvar a Deus por ambos.

Que todos possamos abraçar a mudança para nos tornar mais e mais de quem somos e desfrutar a ação de se
tornar! Que todos os seres sejam abençoados!

Shalom
Brian

Misticismo do Tet

# 1 Post by Elder Gideon » Sáb 21 de maio de 2011 12:26

Saudações e Shalom!

‫ט‬
Tet: Serpente e o número 9.

Muitos mistérios intermináveis se reúnem particularmente dentro e por trás dessa letra sagrada - quando
investigamos a dualidade-unidade mais fundamental de nossa experiência: aquilo que nos liga, sendo literalmente o
mesmo poder que nos liberta. Essa dualidade na unidade é simbolizada pela serpente, ‫נָחָ ש‬, pronunciada nachash, a
quem Gênesis chama de "mais astucioso do que qualquer outro animal selvagem que o Senhor Deus fizera" (3:
1). Aparentemente, esta serpente costumava andar ou voar, pois somente depois de ter enganado Adão ha-Rashon
(antes divorciado como Adão e Eva) em comer o Fruto do Conhecimento do Bem e do Mal é amaldiçoado por YHVH
Elohim "entre todos os animais e entre todas as criaturas selvagens, sobre a tua barriga irás e pó comerás todos os
dias da tua vida. (v. 14) Quando consideramos a morte e a separação que é a experiência do conhecimento do bem e
do mal, então, nesse contexto, faz a serpente, a nachash, um princípio de impermanência, comer aquilo que "o
Senhor Deus formou [o Humano]". do pó do solo (2: 7) ... "Com o suor do teu rosto comerás o pão até que voltes ao
chão, pois de ti fostes roubados; tu és pó e ao pó voltarás. "(Gen 3:19)

A impermanência, assim como o poder, é personificada pela serpente no bastão, a arma que segura todas as outras
armas mágicas dentro dela. Isso nos é dito diretamente quando Moisés questiona Hashem, como farão e sua corte
de magos ouvirão a libertação dos Filhos de Israel.

O Senhor lhe disse: 'O que é isso na sua mão?' Ele disse: "Uma equipe". E ele disse: "Jogue no chão". Então ele jogou
o cajado no chão, e ele se tornou uma cobra; e Moisés recuou disto. Então o Senhor disse a Moisés: 'Estenda a mão e
agarre-a pela cauda' - ele estendeu a mão e segurou-a, e ela se tornou um cajado em sua mão - 'para que eles
possam acreditar que o Senhor, o Deus de seus ancestrais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó,
apareceram para você. (Êxodo 4: 1-5)

Quando contestado na presença do Faraó, o Senhor disse a Moisés que dirigisse Arão, que

deitou fora seu cajado diante do faraó e de seus oficiais, e isso se tornou uma cobra. Então o faraó convocou os
sábios e os feiticeiros; e eles também, os magos do Egito, fizeram o mesmo com suas artes secretas. Cada um jogou
seu cajado, e eles se tornaram cobras; mas o bastão de Arão engoliu a deles. (Êxodo 7: 11-12)

Como, por essa mesma arte, os feiticeiros egípcios sabiam que Moisés e Arão teriam estado em combate mágico, se
não por algum mesmo poder fluindo através de todos? Claramente, grandes poderes não se limitavam apenas ao
povo de Deus, mas eram exercidos pelos gentios também. Basta considerar os feiticeiros no Antigo e no Novo
Testamentos, começando com Labão, pai de Lia e Raquel, com quem Jacó se enredou por mais de quatorze
anos. Pode-se também considerar episódios entre José e Faraó, aos quais foi concedido grandes sonhos com esse
mesmo poder para Joseph interpretar. Adivinhos e feiticeiros como Balaão, Jezabel perseguindo os profetas e Simão
Mago desafiando os apóstolos estão todos enraizados no maior poder coletivo da Grande Besta e sua Prostituta de
Babilônia: a Serpente.

Poder em todos os aspectos é desejo. Como o desejo é dirigido é a expressão completa da identidade, orientação e
expectativa de alguém. Por esse mesmo poder de desejo, ou poder da serpente, um é fragmentado ou um é
integrado; fragmentado é o poder da serpente dirigido pela superfície da consciência de alguém, propiciando sua
identidade mais externa como uma forma-nome orientada por uma história pessoal de expectativas
futuras; integrado é o mesmo poder da serpente dirigido pelas profundezas da consciência de alguém, seu núcleo
mais profundo como consciência pura e radiante orientada sem pontos de referência de pai ou mãe ou princípio ou
expectativa, mas permanente, completa, inteira e em repouso. Direcionado externamente está para baixo ; dirigido
para dentro é para cima; out e down é este consenso mundial sem nós; dentro e acima está a luz de cima e por trás
do coração, onde o Santo nos habita e nos aconselha como com uma voz mansa e delicada.

Veja como essa mesma força de energia do desejo se manifesta para os filhos de Israel em sua peregrinação do
Egito.

Desde o monte Hor partiram a caminho do Mar Vermelho, para percorrer a terra de Edom; mas as pessoas ficaram
impacientes no caminho. O povo falou contra Deus e contra Moisés: 'Por que você nos tirou do Egito para morrer no
deserto? Pois não há comida nem água, e detestamos essa comida miserável. Então o Senhor enviou serpentes
venenosas entre o povo e mordeu o povo, de modo que muitos israelitas morreram. O povo veio a Moisés e disse:
'Pecamos falando contra o Senhor e contra você; ore ao Senhor para tirar as serpentes de nós. ' Então Moisés orou
pelo povo. E o Senhor disse a Moisés: 'Faça uma serpente venenosa e coloque-a em um poste; e todo aquele que for
mordido verá e viverá. Então Moisés fez uma serpente de bronze e colocou-a em um poste; e sempre que uma
serpente mordeu alguém (Números 21: 4-9)
Compare isso agora com o que acontece quando Adonai Yeshua se compara a essa mesma figura de bronze salvando
os filhos de Israel:

Em verdade, eu lhes digo, falamos do que sabemos e testemunhamos o que temos visto; ainda assim você não recebe
nosso testemunho. Se eu lhe falei sobre coisas terrenas e você não acredita, como você pode acreditar se eu lhe
contar sobre as coisas celestiais? Ninguém subiu ao céu, exceto aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. E assim
como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado, para que todo
aquele que nele crê tenha a vida eterna. (João 3: 11-15).

O que amarrou, fragmentou e condenou os filhos de Israel à destruição é essa energia de desejo orientada para
baixo e para fora; O que os libera, integra e abençoa é essa mesma energia de desejo orientada para dentro e para
cima. O poder dessa nachhash é literalmente igual ao Messias , ‫מָ שיח‬. Pela soma compartilhada de suas letras
hebraicas, que também são números, sua gemmatria compartilhada 358 nos diz que o que causa sofrimento e até a
morte também nos iluminará para a vida em todos os estados de vigília, sonho e morte, quando nos reidentificamos,
reorientamos e redirecionamos nosso desejo para a fonte de todo desejo: Gnose.

Algo dessa igualdade no poder da vida manifesta como nachash e Messias e sua fonte misteriosa deve ter sido
conhecida e questionada pela escola gnóstica autor do texto de Nag Hammadi chamado Sobre a Origem do
Mundo . Basicamente, uma olhada nos bastidores das narrativas da criação de Gênesis, tecendo um comentário
cosmologicamente antitético com a perspectiva judaica, insistindo que a criação é um domínio sob o
Demiurgos. Quem vai quebrar esse domínio? Quem vai atrapalhar seu feitiço de ilusões? Quem abre os olhos de seu
homem e mulher, para que possam conhecer o bem do mal como o Demiurgos? A serpente, curiosamente chamada
de instrutor.

E quando [o instrutor] viu a semelhança de sua mãe Eva, ele disse a ela: "O que Deus lhe disse? Foi: 'Não coma da
árvore do conhecimento'?" Ela disse: “Ele disse não apenas: 'Não coma dela', mas 'Não toque, para que não morra'.”
Ele disse a ela: “Não tenha medo. Na morte você não morrerá. ele sabe que quando você come dele, seu intelecto se
tornará sóbrio e você se tornará como deuses, reconhecendo a diferença que se obtém entre os homens maus e os
bons.Na verdade, foi com ciúme que ele disse isso a você, de modo que você não comeria disso ".

Comer deste Conhecimento destina o Humano à Gnose. Como um feto deve deixar o útero e um jovem deve deixar
sua casa, assim, pela dolorosa involução na dualidade, um cresce grau a ano, vida após a vida; por evolução em
polaridade, experimentando quão interdependente, mutuamente inclusivo e necessário tudo é como é, se torna
real, autêntico e verdadeiramente real. Para ter isso não é suficiente; é preciso dar. Saber disso também não é
suficiente; é preciso demonstrar isso. Quando a vitalidade da pessoa é orientada desta maneira, identificada com a
libertação dos outros e desejando servir profundamente, então o que se entende por Messias não se limita mais a
Yeshua e Mirya, mas é a mesma presença e poder nos apóstolos, chamando-nos para a mesma redenção da mesma
serpente.

Purifique a Serpente dentro de nós, Messias,


da multiplicidade à Unidade, da matéria ao fogo, das trevas pela luz, morte pela vida.

Elder Gideon +
Misticismo do Yod

# 1 Post by Elder Gideon » Sáb 11 de junho de 2011 9:48

Saudações e Shalom!

‫י‬
Yod: Mão aberta, uma semente de luz, e o número 10.

Quando chegamos à primeira letra hebraica que traz dois dígitos, 1 e 0, temos finalmente a oportunidade de discutir
algo muito óbvio e surpreendente: os dez primeiros as letras podem corresponder às dez sefirot da Árvore da
Vida. Esse glifo é em si um post inteiro de discussões.

__________________________ Keter

____________ Aleph
‫________ ב _______ ג‬

‫________ ד _______ ה‬
‫____________ ו‬
‫________ ז _______ ח‬

‫____________ ט‬

‫י ____________ י‬

_________________________ Malkut

Concentrando-se aqui na inteligência energética de Yod, que é dez, dá-nos profundas e novas percepções sobre por
que o Sefer Yetzirah diz que as emanações são "dez não nove, dez não onze". As razões para isso são muitas. Vamos
começar com 1 e 10; 1 sendo o potencial indivisível e 10 sendo seu indivisível real. Considere o nome
Divino ARARITA , que é um acrônimo de declaração Hebraica de louvor da unidade sagrada no Supremo e rituais
Menor do Hexagrama:

A Chad R eshitoh: Uma é o começo


A Chad R esh Y echidatoh: Um deles é o Permutation
T emuratoh A chad: O Santo é Um

De Malkut, Ararita é proclamado, a Soberania Divina manifestando a Árvore da Vida. Como Keter é a raiz, Malkut é o
fruto; o fruto é a intenção manifesta da árvore que gerou o fruto, tudo em segredo, escondido nas raízes. As raízes
são reveladas por seus frutos, tendo sementes em frutos de outras árvores que dão sementes em frutos de outras
árvores, sem fim. Uma miríade de pomares de árvores frutíferas, milênios passados, existe em uma semente simples
do presente momento; miríades de pomares de árvores frutíferas, milênios futuros, existem na mesma semente
simples do presente momento.

Desci até o pomar de noz,


para ver as flores do vale,
para ver se as videiras brotaram,
se as romãs estavam desabrochando.
Antes que eu soubesse, minha fantasia me deixou
em uma carruagem ao lado do meu príncipe. (Cantares de Salomão 6: 11-12)

Nesse sentido, somos lembrados de que Malkut é a experiência deste exato momento. Antes deste momento, um
infinito; além deste momento, um infinito. Este momento é o que é real de tudo o que sempre foi e é o potencial de
tudo que será. Este momento é o 10 do 1, a revelação do oculto, o real do potencial: a Filha de Deus que se torna a
Noiva Sagrada.

Ironicamente, ‫ י‬simutaneously nos aponta para a personificação divina do Pai, como no Grande Nome ‫ יהוה‬. O
universo Atsilut, Proximidade , é simbolizado por este ‫ י‬, e a sua ponta é o universo de Adam Kadmon, primordial
Uma Humano. O mistério para o qual tudo isto aponta é aquele que mudou para sempre nossa onda de vida na
Terra, intuído por místicos antigos, visionários e os maiores mestres do mundo: o que move a maior força está
oculto no que é o mais ínfimo de todos. O que é inconcebivelmente grande é fundado sobre o infinitamente
pequeno.

'Com o que podemos comparar [Malkut], ou que parábola vamos usar para isso? É como uma semente de mostarda
que, quando semeada no solo, é a menor de todas as sementes da terra; mas quando é semeado, cresce e se torna o
maior de todos os arbustos, e produz grandes ramos, de modo que os pássaros do ar podem fazer ninhos em sua
sombra. (Marcos 4: 30-32)

Não penses que vim abolir a lei ou os profetas; Eu vim não para abolir, mas para cumprir. Pois em verdade vos digo
que, até que o céu e a terra passem, nem uma letra, nem um golpe de letra, passará da lei até que tudo seja
cumprido. (Mateus 5: 17-18)

O que é convincente, então e agora, sobre esses dois versos, é como a grandeza, seja de uma árvore de mostarda ou
de toda a própria Criação, se desdobrou da mais ínfima semente, como da mais ínfima das letras hebraicas
Yod. Quando Yeshua diz, "não uma letra, nem um golpe de uma letra", nós entendemos tanto no Yod hebraico
quanto no Iota grego uma relação literal de ser simplesmente um traço, mas até mesmo dessas minúsculas cartas
tudo se desdobra. Nosso próprio sol é a luz e o calor que emanam de uma reação em cadeia incessante de átomos
em divisão. Um momento desse mesmo poder que geramos na Terra em bombas nucleares. Nossa jornada contínua
dentro dos núcleos atômicos é a base da física quântica, que revela leis inteiramente novas sob o físico. Unidades
ainda menores além do quanta, chamadas "cordas", cativam os pesquisadores

O ponto, trocadilho intencional, é que quanto mais fundo afundarmos no infinitamente pequeno, mais intensa será
a força encontrada. Mesmo o nosso ciclo cósmico, ainda em expansão, cerca de treze e meio bilhões de anos está
continuamente batendo de um ponto infinitamente pequeno, inconcebivelmente grande. Para encontrar este
mistério em nossa vida e jornada espiritual, precisamos considerar apenas as menores decisões nos momentos
aparentemente mais insignificantes, que continuamente nos levam à experiência deste mesmo
instante. Como se nós realmente conhecer as pessoas que mudaram para sempre a nossa vida? Qual pequeno
instante marca nossa maior mudança de carreira, criatividade ou direção da vida? Rastrear para trás, para trás e para
trás revelará como as maiores mudanças em nossa vida dependem das menores escolhas feitas no momento mais
simples e comum.

Extrair Yod ainda será bem-elogiado por qualquer coisa na terra (ou no céu) que se entende pela mão de Deus .

Eu sou a Luz que está acima de tudo.


Eu sou o todo.
De mim tudo alcança e
para mim tudo retorna.
Dividir um pedaço e eu estou lá.
Levante uma pedra e você me encontrará lá. (Thomas, 77 anos)
Elder Gideon +

Última edição por Elder Gideon em Mon Jul 16, 2012 8:31 am, editado 1 vez no total.

T
o
p
o

Damiean

Mensagens: 24

Ingressou: quinta-feira 12 de julho de 2007 13:47

A mão que dá

# 2 Post by Damiean » Qui 23 de junho de 2011 22:55

Cumprimentos a todos!

Aqui, nesta maravilhosa carta, Yod, junto com a próxima carta do Aleph-Bet, Kaf; Há um incrível movimento de dar e
receber, involução e evolução.

Pois, ao contemplar Yod, existe a idéia de que Yod, contém, contém, cerca tudo o que o Santo do Ser nos oferece, na
Graça. Vemos isso claramente na escritura de Deuteronômio

Deuteronômio 30.19: "Eu chamo céu e terra para testemunhar contra você hoje que eu coloquei diante de você vida
e morte, bênçãos e maldições. Escolha a vida para que você e seus descendentes possam viver".

Como será explorado mais tarde em posts sobre Kaf, esta próxima carta é tudo o que tiramos da Mão do Santo. As
escolhas que fizemos e seus resultados. Aqui dentro desta carta vemos, o momento do potencial, pré-escolha se
você quiser. O momento em que estamos à porta da escolha, vendo, decidindo, escolhendo o que desejamos. Como
o Élder Gideon + declarou tão bem, desde a menor escolha, muitas coisas aconteceram e aconteceram. Todos os
fluxos, refluxos, movimentos e correntes, chamamos vida, são o resultado de uma escolha. Ou feito nesta vida, ou
mesmo em um anterior.

Então, vemos aqui em Yod um profundo movimento de livre-arbítrio. É aqui que o Humano, com esta carta, decide
sua próxima experiência nesta vida e pode até estar colocando em movimento os eventos a serem desdobrados no
próximo. Que incrível! Como sabemos também, a letra Yod começa o Grande Nome. YHVH Então, enquanto nos
movemos e escolhemos e vivemos, e fazemos escolhas, estamos sempre recorrendo a esse nome. Com cada
pensamento, palavra e ação, estamos extraindo algo da energia desse nome, seja em bênção ou maldição. Eu acho
isso fascinante. E isso me dá uma pausa. Fala-me que é bom que sempre façamos o nosso melhor para procurar
estar conscientes do que pensamos, dizemos e fazemos em qualquer momento, da melhor maneira possível. Para
que possamos honrar o mandamento: "Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus em vão". De fato!

Então, quando contemplamos este Grande e Santo Nome, lembremo-nos de que somos a própria expressão
disso. Que estamos vivendo expressões deste Poder de Vida, expressas através de nossos pensamentos, palavras e
ações. Que este Nome não é tão removido de nós, mas é a própria essência de nós, e nossas experiências aqui,
escolhidas através do incrível dom do livre-arbítrio.

Que honremos o Nome do Santo com o melhor de nossa capacidade e nos lembremos de nossa vida em Cristo e
procuremos viver essa vida ao máximo de nossas habilidades. Para que possamos ser abrigados em misericórdia,
compaixão e bênçãos, sob a mão amorosa do Altíssimo. Amém e Amém!
Shalom,
Damiean

T
o
p
o

Anna

Mensagens: 526

Ingressou: Sabado 18/06/2011 14:00

Local: Fredericksburg, VA

# 3 Post by Anna » Dom 04 de dezembro de 2011 10:47

Saudações à luz do Messias!


Esta pequena "semente" lembra a correspondência da ponta do Yod com vontade ou desejo. Eu estou
impressionado com as possibilidades de manifestação através do desejo e o quanto pode ser realizado em
colaboração com o Espírito Materno com o desejo correto e devidamente focado. Muitas vezes nos perguntamos
por que nossas vidas se revezam maiores ou menores do que esperávamos ou esperávamos. Parece que, olhando
para o foco ou a falta de foco em nossos desejos, ou mesmo quanta energia colocamos em nossos medos, podemos
encontrar as pistas de como as coisas se manifestaram para nós. É uma boa maneira de realizar revisões de vida,
também, diariamente ou semanalmente, como Tau Malachi sugere em seus posts no hitbodedut. Na verdade,
suspeito que, se decretássemos uma revisão de vida tão frequente, o Santo nos ajudaria a ver como direcionamos
nossa energia de desejo, esse maravilhoso presente de livre arbítrio,
Que todos os seres encontrem a satisfação de seus desejos no Santo do Ser!
Shalom!
Anna

T
o
p
o

Martina

Mensagens: 629

Ingressou: Mon Jun 12, 2006 9:46 am

Localização: Alemanha

Contato:

Entre em contato com Martina

# 4 Post by Martina » Dom Dez 04, 2011 12:38 pm

Saudações e Bênçãos à Luz do Messias!

Muito obrigada por este post delicioso, irmã Anna. Isso lembra o quanto esta época do ano anterior à festa da Mãe e
do Filho é uma época de grande agitação de nossa energia de desejo. Muita energia de desejo nas pessoas e na terra
à qual estamos diretamente conectados é focalizada para baixo e para fora, especialmente agora. Como é fácil se
distrair.

Você escreveu: "É uma boa maneira de realizar revisões de vida, também, diariamente ou semanalmente, como Tau
Malachi sugere em seus posts sobre o hitbodedut." Na verdade, eu suspeito que, se decretássemos uma revisão de
vida tão frequente, alguém poderia nos ajudar a ver como nós dirigimos nossa energia desejo, este presente
maravilhoso do livre arbítrio, o que poderia dar origem a um maior foco deste poder não só para nós mas também
para as pessoas ea terra!"

Amém, irmã.

como oportuna que Tau Malaquias tem se concentrado no poder da serpente nos últimos dois Discursos do Shabat.
Elogie Nossa Mãe por prover o que é especialmente necessário em um momento pelo nosso Tzaddik!

Shabat Shalom,
Martina

Misticismo de Kaf

# 1 Postado Sábado Jun 25, 2011 2:14 pmdo Élder Gideon »

Saudações e Shalom!

‫ כ‬e sua forma final ‫ך‬


Kaf: Fechando a mão e os números 20 e sua forma final 500.

O que primeiro trouxe você para a vida espiritual? Como você se tornou consciente desses ensinamentos? Que
oportunidades você tirou da mão da Vida? As mãos dão e as mãos recebem. Yod ‫ י‬dá e Kaf ‫ כ‬recebe. Quando
examinamos a escritura, porém, percebemos rapidamente que mãos metafóricas são mais do que poderíamos
pensar literalmente, e fechar a mão sobre algo põe em movimento uma direção da vida que leva a mais do que
poderíamos imaginar.

Simplesmente considere todos os episódios das escrituras em que o personagem está participando. Nós vemos isto
primeiro com a Mãe de toda a Vida - Hava - Eva:

Assim, quando a mulher viu que a árvore era boa para a comida, e que isso era uma delícia para os olhos, e que a
árvore devia ser desejada para tornar um sábio, ela tomou seus frutos e comeu; e ela também deu um pouco ao
marido, que estava com ela, e ele comeu. (Gênesis 3: 4-5)

Por uma ação completamente oposta, considere Yeshua:

Enquanto eles estavam comendo, ele tomou um pedaço de pão, e depois de abençoá-lo ele quebrou, deu a eles, e
disse: 'Tome; Esse é o meu corpo.' Então ele pegou uma xícara e, depois de dar graças, deu a eles, e todos eles
beberam dela. Ele lhes disse: 'Este é o meu sangue do pacto, que é derramado por muitos. Em verdade vos digo que
nunca mais beberei do fruto da videira até o dia em que o beba de novo no reino de Deus. (Marcos 14: 22-25)

Nós nos colocamos em movimento e direção por aquilo que tomamos, o que aproveitamos, da mão da vida dando
poder, dando Deus. Mesmo quando cometemos um erro, isso também funciona misteriosamente para o bem
final. Quão bom é finalmente extraído, desde a mais simples e inoportuna preempção até as mais horríveis e
egoístas tragédias para os outros, é um mistério chave e íntimo na contemplação de ‫כ‬.

No Sefer Yetzirah, ‫ כ‬é chamado de Consciência Desejada e Procura: "Chama-se isto porque recebe o influxo divino de
modo a conceder sua bênção a tudo o que existe." Esse bem que extrai de toda decisão, toda ação, requer uma
visão tão ampla da vida e da evolução quanto se possa imaginar.

Olhando da perspectiva mais distante imaginável, tudo está sempre em frente, sempre crescendo. Esta é a intenção
libertadora por trás de toda a vida; sua forma final ‫ ך‬alcança 'abaixo da linha' no 'outro lado' da ignorância cósmica e
do mal mencionado na Cabalá. Todos estão em uma transmigração espiritual, mesmo em vidas nas quais se
ressentem de tudo sobre religião ou espiritualidade. Regressar é crescimento oculto. Assim como os próprios
malfeitores mudarão, as nações endossando atrocidades genocidas mudarão; se não pelo caminho mais longo, o
sofrimento exigirá que tanto os indivíduos quanto os coletivos se abram para um progresso mais sustentável e
mutuamente benéfico: ‫כ‬.

O mistério deste bem extraído é a essência de macr, manifestando-se macrocosmicamente a sefira Amorosa-
Bondade (Hesed), o arcanjo Tzadkiel, o Chasmalim e o planeta Júpiter, todos eles, em suas próprias gradações, são
agentes de expansividade, inclusividade e sensibilidade. Microcosmicamente, the é a Estrela da Coroa, o ponto de
transição ligeiramente acima da cabeça, através do qual se vislumbra e começa conscientemente a repousar no Ser
por trás de todo o devir.

Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito está dizendo às igrejas. Para todo aquele que conquista, darei permissão
para comer da árvore da vida que está no paraíso de Deus. (Apocalipse 2: 7)

Elder Gideon +

T
o
p
o

Sheryl

Administrador do site

Mensagens: 881

Ingressou na: Sab 14 fev 2004 11:56 am

Local: Grass Valley, CA

Contato:

Contatar com sheryl

Chamada para Reflexão

# 2 Post Sun 26 de junho de 2011 15:35por sheryl »

Shabat Shalom, Elder Gideon!

Nós nos colocamos em movimento e direção por aquilo que tomamos, o que aproveitamos, da mão da vida dando
poder, dando Deus.

Eu sou grato por este ensinamento. Eu tive que fazer uma pausa ao ler pela primeira vez, pois o que você está
dizendo apela à reflexão todo pensamento, palavra e ação que tomamos ou recebemos, e eu me encontrei diante da
questão, o que você está tomando, o que você está fazendo? dando, aqui e agora?
Que todos nós possamos fazer uma pausa para considerar este mistério de kaf.

Sheryl

T
o
p
o

Sheryl

Administrador do site

Mensagens: 881

Ingressou na: Sab 14 fev 2004 11:56 am

Local: Grass Valley, CA

Contato:

Contatar com sheryl

Recebendo o amado

# 3 Post Sat Jul 02, 2011 3:35 pmpor sheryl »

Cumprimentos a todos!

Minhas contemplações hoje cercam João 1, onde o apóstolo ensina:

Mas, a tantos quantos O receberam, Ele deu o direito de se tornarem filhos de Deus, para aqueles que crêem em Seu
nome: que nasceram, não de sangue, nem de a vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.

Esta palavra que é traduzida como recebida é bastante curiosa. Em grego é lambanōe muitas vezes é traduzido para
tomar, ou para tomar em si mesmo. Ao contemplar isso, pensei no ensinamento aqui no kaf - uma corrente de
pensamento que tem se movido através desta discussão recente sobre as Cartas Sagradas começando com yod,
chamando à mente a necessidade de nosso trabalho conjunto na jornada do devir. Receber implica participação
ativa - tomar algo dentro de si mesmo. Ainda mais interessante é a palavra hebraica traduzida como
recebida: laqach

lamed
kaf
chet

Aqui nós adicionamos outra dimensão ao mistério de receber. A carta final é chet, que significa cerca, fronteira, mas
também aponta para chupah ou o dossel do casamento - a união com o Amado.

Isso é recebê- lo, do qual o Apóstolo João fala - recebendo o Amado, levando-o para dentro de nós mesmos dentro
da Câmara do Casamento.

Uau. É um prazer retornar às escrituras de nossa juventude e ver o mistério por trás delas.

Que todos estejam preparados para laqach ou Recebendo o Amado.


Sheryl

T
o
p
o

Anna

Mensagens: 526

Ingressou: Sabado 18/06/2011 14:00

Local: Fredericksburg, VA

# 4 Post Dom 22 de abril de 2012 04:26por Anna »

Shabat Shalom!
Os mistérios de kaf lembrar do versículo 10 do Evangelho Secreto de Maria: "Maria disse: 'Dê o que você deseja
receber e você terá que tomar o que você deseja e ele vai ser roubado de você.'."
Há uma diferença feito aqui entre receber e receber. Fala-se de parte de um movimento completo de dar e receber,
enquanto o outro implica tomar o que não está sendo dado, talvez pela força, tomando o que não é parte de
alguém. É-nos dito que temos uma herança do Santo em 1 Pedro Capítulo 1:

3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo! Por sua grande misericórdia, ele nos deu um novo
nascimento para uma esperança viva através da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, e para uma herança
que é imperecível, imaculada e imperecível, mantida no céu para você, 5 que está sendo protegida pelo pecado.
poder de Deus através da fé para uma salvação pronta para ser revelada na última vez.

Isso lembra a menção da herança em 2 Macabeus:

17Ele é Deus que salvou todo o seu povo, e devolveu a herança a todos, e a realeza, o sacerdócio e a consagração,
18 como ele prometeu por meio da lei. Temos esperança em Deus que ele logo terá misericórdia de nós e nos
reunirá de todos os lugares do céu para o seu lugar santo, pois ele nos resgatou de grandes males e purificou o lugar.

Pelo contrário, vemos, como na verdade matar, a fim de roubar, na parábola dos arrendatários da vinha em Mateus
21.38:

Mas quando os inquilinos viram o filho, disseram a si mesmos: “Este é o herdeiro; venha, deixe-nos matá-lo e obter
sua herança.

Pode-se bem imaginar a retribuição que chegou a esses inquilinos por tirar a vida do filho amado na tentativa de
tomar sua herança, o que nunca foi destinado a ser sua parte. Certamente, era um plano mal concebido na melhor
das hipóteses!
No Salmo 16: 5 nós lemos:

O Senhor é minha porção escolhida e meu cálice;


você segura meu destino.

Aqui o Senhor não é visto apenas como nossa herança, a quem somos chamados a escolher, mas também vemos
que o Senhor é também a medida de nossa porção! Esta é uma contemplação alucinante! Nos ensinamentos,
ouvimos que recebemos de acordo com nosso desejo e capacidade de receber. No Senhor estou ouvindo que esse
desejo e capacidade são ilimitados! Realmente não há fim para o que podemos escolher receber como nossa porção,
mas isso deve ser feito em rendição a Ratzon Elyon, com humildade espiritual e orgulho espiritual.

O recebimento não está completo até que tenhamos dado, então estou vendo um ciclo interminável de dar e
receber sem limite. Assim, essa contemplação do kaf representa um "cenário de nós mesmos em movimento"
ilimitado, e infinitas possibilidades na evolução, infinitos ciclos de receber nosso Amado em medida cada vez maior à
medida que o desejo e a capacidade se expandem em Ain Sof.

Que todos os seres recebam a Amada Divina Iluminação!

Anna

Misticismo de Lamed

# 1 Postado por Elder Gideon » ter Jun 28, 2011 12:24 pm

Saudações e Shalom!

‫ל‬
Lamed: Ox-goad, Skillful Means, e o número 30.

Jesus disse a ele: 'Ninguém que põe a mão no arado e olha para trás é adequado para Malkut.' (Lucas 9:62)

O que guia o boi é o aguilhão de bois na mão do humano. As linhas de arado em um campo arável precioso devem
ser o mais paralelas possível, caso contrário, o recurso que gera e produz colheitas é desperdiçado do começo ao
fim. O aguilhão orienta o boi para frente, não permitindo movimento muito longe para a direita nem para a
esquerda. Entre a linha de arado já feita de um lado, enquanto antecipa a linha de arado ainda a ser feita por outro,
o humano anda pelo meio, guiando o boi cuja domesticação sustenta tantos.

Nós também, em nossa própria jornada, somos guiados por um aguilhão metafórico de dentro do poço, onde a
morada de Cristo fala como a voz mansa e delicada em misericórdia e brandura. Sintonizar essa voz, essa orientação,
essa orientação interna, é ouvir essa voz como um impulso, uma inspiração, uma motivação para agir, falar ou
pretender. Ouvir isto é ser orientado para dentro, voltado para dentro, onde Cristo habita como um Bom Pastor,
gentilmente nos tocando como uma ovelha jovem: "Desta forma , um pouco mais".

Quando orientados para longe da profundidade de nós e da audição da voz do Bom Pastor, estamos na superfície de
nós mesmos, que é aleatória, irregular, excessivamente pessoal e freqüentemente fragmentada. A voz do pastor é
abafada pela legião de muitas outras vozes debatendo sem parar consigo mesmas, manipulando verbos tóxicos e
acusatórios como deveria e deveria . Só se pode ser derrotado pelo portão agindo, falando ou pretendendo da
superfície da mente e do seu ego de muitas cabeças, pois a casa de si mesmo é dividida e construída na areia. O
aguilhão então chama a atenção não com toques, mas com cutucões mais afiadas, até mesmo uma greve de
despertar que salva vidas. WHAP!

Lamed é um instrumento só de amor: terno e duro. Como um pastor em um momento perigoso não pode negociar
segurança com suas ovelhas, então a vara é necessária; guiar suavemente e permitir que as ovelhas explorem será a
norma do Bom Pastor. Lamed é o todo deste amor em misericórdia e severidade, guiando gentil ou severamente,
para o bem das amadas ovelhas.

Nosso bem mais profundo é a direção de nossa vida, guiada por Lamed dentro de nós, tocando suavemente e
permitindo a exploração, desde que não nos arrisquemos a um compromisso ou sabotagem, quando a aguilhão
precisar cutucar. Em direção ao que a voz orienta, a parte de alguém nesta vida é um mistério. O que para um jovem
rapidamente se mudando para florescer e expandir em algum lugar longe de casa faria com que outro jovem
distraísse, debilitasse e potencialmente devastasse. Alguns precisam experimentar, arriscar e jogar com eles mesmos
para que Lamed lhes ensine seu limite, enquanto outros já intuíram Lamed ensinando-lhes o que não é da sua conta
tentar. A direção da vida para muitos é tão diferente porque a necessidade é tão diferente. A necessidade em
qualquer indivíduo de auto-realização é tão particular, tão pessoal, que as regras para todos não podem ser sempre
aplicadas, apenas exceções.

Ver o meu guia Tzaddik, tantos tipos diferentes de pessoas provenientes de espaços internos tão diferentes continua
a me surpreender; exceções são tão frequentemente a regra. Fico continuamente surpreso com uma resposta feroz
a um indivíduo quando tudo parece bem, ou por sua resposta calma quando um indivíduo parece hostil. Olhar e ver,
ouvir e ouvir, saber e sentir como Ma, a Shekinah, está conduzindo meu Tzaddik é observar sua dança
aparentemente contraditória da Louca Sabedoria, o que os budistas tibetanos como um elogio de qualidade e
capacidade de um verdadeiro Lama: Meios hábeis . Encontramos algo do que se entende por Meio Hábil na única
regra de nossa própria linhagem: A Presença da Consciência.

Em um instante, ou por um retiro inteiro, indo para dentro, vivendo de dentro, e abrindo para a luz que está acima é
a Presença da Consciência guiando a si mesmo e a outra perfeitamente: Meios Hábeis. Adonai Yeshua é
absolutamente um guru da Sabedoria Louca, pois suas respostas ao que as pessoas dizem ao redor dele nem sempre
são consistentes. Somos sábios e bem estudados para não simplificar demais ou generalizar demais seus
ensinamentos, que são seus meios habilidosos para indivíduos muito distintos. Seus métodos de cura não são todos
iguais, nem seus exorcismos ou maravilhas; seu musar, correção, está constantemente mudando em gradações de
severidade. Porque o contexto, o momento, está sempre mudando, o que é necessário, devido ou oportuno também
está mudando. Concentrar-se em um alvo em movimento, falar, agir e pretender uma outra alma com muita
precisão para essa alma é Habilidoso Significa discernir a dimensão da energia. Lamed é a orientação da dimensão
energética por trás de tudo, a princípio gentilmente, depois severamente.

Os fins do que são meios hábeis e justificados de Lamed são a integração de uma alma com toda a vida, liberada das
ilusões. Em nome do meu avô espiritual, Tau Elijah, "a vida não nos acontece. Estamos a acontecer a vida". Lamed é
a orientação da vida acontecendo.

Que todos despertem para Lamed como acontecimento da vida.

Bênçãos e shalom!

Elder Gideon +

T
o
p
o

Brooke
Re: Misticismo de Lamed

# 2 Post by Brooke » Qua 29 de junho de 2011 3:07 am

O Élder Gideon + escreveu:Jesus disse a ele: 'Ninguém que põe a mão no arado e olha para trás é adequado para
Malkut.' (Lucas 9:62)

Nós também, em nossa própria jornada, somos guiados por uma aguada metáfora de um boi que vem do fundo,
onde a habitação de Cristo fala como a voz mansa e delicada em misericórdia e mansidão. Sintonizar essa voz, essa
orientação, essa orientação interna, é ouvir essa voz como um impulso, uma inspiração, uma motivação para agir,
falar ou pretender. Ouvir isto é ser orientado para dentro, voltado para dentro, onde Cristo habita como um Bom
Pastor, gentilmente nos tocando como uma ovelha jovem: "Desta forma , um pouco mais".

Quando orientados para longe da profundidade de nós e da audição da voz do Bom Pastor, estamos na superfície de
nós mesmos, que é aleatória, irregular, excessivamente pessoal e freqüentemente fragmentada. A voz do pastor é
abafada pela legião de muitas outras vozes debatendo sem parar consigo mesmas, manipulando verbos tóxicos e
acusatórios como deveria e deveria . Só se pode ser derrotado pelo portão agindo, falando ou pretendendo da
superfície da mente e do seu ego de muitas cabeças, pois a casa de si mesmo é dividida e construída na areia. O
aguilhão então chama a atenção não com toques, mas com cutucões mais afiadas, até mesmo uma greve de
despertar que salva vidas. WHAP! "

Shalom, Gideon +.

A maneira como interpretamos o WHAP depende da nossa perspectiva e se dizemos "ai" ou "uau", um denotando
dor e o outro temor. Qual deles escolhemos depende de nós.

Também me lembro, em meu estudo original desta carta com você há alguns anos, o quanto Lamed se refere ao
nosso próprio desejo (o de Cristo interior) de se mover. Como nos movemos depende de nós. Nós nos movemos
para frente em ocupações de modo que sempre somos "dirigidos" e nunca vivemos no momento, ou avançamos de
uma forma que nos aproxima de nós mesmos como estamos em Nossa Mãe, andando ou nos movendo em uma
Presença de Consciência? Precisamos nos perguntar isso regularmente.

Reflexões sobre o meu passado me ajudam a ver como a ocupação e a motivação podem atrapalhar o crescimento
pessoal e a capacidade de viver o momento. Por outro lado, estou sentindo que aprender primeiro a viver no
momento - na Presença da Consciência - prepara um para assumir tarefas e até mesmo para ocupações de uma
forma que não é impulsionada tanto por um objetivo final quanto vivendo no agora, a serviço de Ha-Shem e da
Grande Obra.

Lamed nos leva além do "obstáculo" e às vezes Nossa Mãe precisa fazer uma cutucada ou até mesmo um WHAP
mais chamativo . Então, eu digo "uau" esta manhã e rezo para que todas as nossas relações possam ficar tão
impressionadas com os "whaps" de começar a seguir em frente, além de onde quer que seu emperramento os tenha
atrapalhado, em uma experiência mais completa de quem eles realmente estão na Presença da Consciência.

B.

T
o
p
o

Irmão Brian
Mensagens: 147

Ingressou: Wed Sep 22, 2010 7:08 am

Localização: Tennessee

Laminado

# 3 Post de Brother Brian » Dom 17 de março de 2013 15:21

Lamped

Uma maneira esta carta fala comigo hoje em contemplações é o impulso evolutivo dentro de toda a criação. É uma
grande bênção olhar e estar com a natureza e com nós mesmos e experimentar dessa maneira em que Deus
implantou esse impulso dentro de nós. Deus não parou apenas implantando este desejo dentro de nós para retornar
à unidade e unidade, mas também Deus está ativamente envolvido com todos e cada um na criação. Quão excitante
é que, se pudermos olhar para dentro e ser apenas podemos ver e saber que simplesmente Deus “É” ao
testemunhar esses impulsos e ações dentro de nossa consciência. Louve a Deus!

Isto parece ser onde Lamed é a atividade do Espírito Santo com toda a criação de Deus dentro e fora. A ação do
Espírito Santo de Deus nos guiando, corrigindo-nos, mantendo-nos no caminho que todos nós estamos destinados e
desejamos. Que bênção maravilhosa foi hoje estar em Hesed em Gnosis do Cristo Cósmico e experimentar as
bênçãos de “EL”

Ao ler este capítulo sobre os Treze Atributos de Hesed-El, ficou impressionado que Deus busca ativamente a
iluminação e a libertação de todas as almas vivas. Deus tanto deseja isso e fala tão alto através de Lamed. Muitos são
pegos na ilusão de que Deus está fora para lançar julgamento sobre eles! Deus nunca nos condena ou entretém as
idéias que consideramos como separadas e indignas. Nós somos aqueles que lançam essa auto-imagem negativa
sobre nós mesmos, “EL” está proclamando em voz alta que a justiça de Deus não é fundada sobre punição ou
vingança, mas antes visa sempre a reabilitação e redenção.

Mais sofrimento é invocado quando continuamos a não ouvir Lamed e preferimos experimentar a separação por
meio de atos egoístas de consciência e acreditar que estamos fugindo da Luz Sagrada que traz esse atributo divino
de El para nós. Sabemos que a severidade de Deus sobre uma alma que continua a se recusar a expandir-se e
caminhar em direção a essa percepção consciente parece julgamento, mas o julgamento é correção e está aí para
liberar nossas falsas idéias sobre quem e o que pensamos ser e nos levar à consciência de quem somos em Cristo,
que é um ato de libertação e graça. Isso nos move a mudar ou chamar nossa atenção quando tropeçamos e caímos
no esquecimento. Deus não nos entrega para adoção! O amor de Deus é muito para nós. Que pai amoroso!

Que tenhamos consciência disso quando conversamos com nossos irmãos e irmãs que estão passando por
dificuldades na vida e estão em caminhos diferentes do que estamos vivenciando nesta vida. Precisamos apenas
lembrá-los e a nós mesmos dessa voz de Deus interior. Se podemos nos sentar e sermos bem, podemos ser nutridos
e sermos curados. Parece que às vezes essas coisas mais simples são as mais difíceis para nós. Se fôssemos ficar
quietos e apenas escutássemos.

1. Deus, Unificação Consciente com Deus


2. Misericordioso, Desejo ou impulso interior para esta união.
3. Gracioso, Bênçãos que recebemos quando experimentamos essa Unidade.
4. Lenta, Esta encarnação é o campo de treinamento, as coisas não se manifestam imediatamente da exibição de
nossa consciência.
5. Raiva, Deus trabalha em nós para reabilitação e redenção.
6. Amor, amor sem fim, que esse amor leva à unificação consciente.
7. Verdade, as trevas que experimentamos serão conhecidas da verdadeira substância, que é a Luz.
8. Mantendo a Misericórdia, a Morte é um ato de misericórdia contínua, que nos libera neste caminho de volta a
Deus. Nos impede de estarmos presos a imagens falsas e estados fixos de consciência e traz uma nova consciência
para as experiências.
9. Mil gerações, a promessa de continuidade da vida (encarnações), cada encarnação, aproximando-nos mais da
Unidade da qual viemos.
10. Perdoar o Pecado, Deus nunca nos condenou ou nos condenará. Vivenciamos o perdão experimentando o EL,
que nos ensina que somos filhos de Deus e, ao ouvirmos essa voz interiormente, somos curados e iluminados.
11. Rebelião, o amor de Deus nos ensina a elevar todo o karma negativo, transformando-o em luz quando caímos.
12. Erro. Louve a Deus que aprendemos através de erros e que essa ação pode ser parte do plano para nos trazer de
volta à Unidade.
13. Limpeza, reabilitação e redenção de Deus na criação. Unidade com Deus.

Shabat Shalom!
Irmão Brian

T
o
p
o

Zhaphyr55

Mensagens: 136

Subscreveu: Sáb 31 de março de 2007 8:51

Localização: Norman, OK

Re: Misticismo de Lamed

# 4 Post by Zhaphyr55 » Ter 26 de novembro de 2013 20:52

Shalom,

parece uma hora importante para eu estar estudando Lamed. O que mais me impressionou ao ler isso foi como se
encaixa no discurso de Tau Malachi no último domingo. 24 de novembro de
2013, https://voicethread.com/#q.b5187434.i0.k0 . "Cultivando Consciência". Fazer as distinções entre os anjos
acusadores, onde alguém se torna perpetuamente identificado com as ações e a voz calma e ainda pequena,
guiando momento a momento, parece um meio habilidoso que deve ser cultivado, especialmente no final da vida
que se inicia.

Eu respeitosamente pergunto se mais poderia ser extraído em relação ao discurso de domingo e a letra Lamed?

Obrigado,

mensagem

Autor

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am


Misticismo de Mem

# 1 Post by Elder Gideon » Ter 12 de julho de 2011 06:54

And e sua forma final ‫ם‬


Mem: Água, Meio, Consciência, e o número 40 e sua forma final 600.

Saudações e Shalom!

Desde ‫א‬, Aleph, não encontramos outra Carta Mãe no Aleph-Bet Hebraico. As cartas maternas são três: ‫ א‬e ‫ מ‬e
‫ש‬. Eles são considerados no Sefer Yetzirah como "Mãe" por suas qualidades de ar, água e fogo,
respectivamente. Isso requer imaginação de nossa parte, no entanto, pois nenhum desses elementos é fisicamente
encontrado abaixo, mas são agregados da realidade virtualmente invisíveis, essenciais, até mesmo subatômicos
dentro de cima.

Em vez de ser confundido com o químico H2O, Mem aponta para as qualidades encontradas no fluxo literal de fluxo,
reflexão, transmissão e veículo ou meio. Como cada uma dessas qualidades aquosas é Mem, Mem assim diz algo
ainda mais profundo dessas mesmas qualidades: a própria consciência. Consciência, senciência, consciência dentro
dos seres vivos flui, reflete, transmite e é em si um veículo ou meio de pensamentos, sentimentos e
orientação. Através dessas qualidades, por meio dessas qualidades, estamos essencialmente contemplando a
própria consciência: Mem.

Veja o que acontece quando substituímos exemplos famosos de ambientes aquáticos em escrituras gnósticas e
canonizadas com Mem, com consciência:

No princípio, quando Elohim criou os céus e a terra, a terra era um vazio sem forma e as trevas cobriram a face das
profundezas, enquanto um vento de Elohim varreu a face da consciência . [...]

E Elohim disse: 'Haja uma cúpula no meio da consciência e deixe-a separar a consciência da consciência '. Então
Elohim fez a cúpula e separou a consciência que estava sob a cúpula da consciência que estava acima da cúpula. E foi
assim. Deus chamou o domo do céu. E foi a tarde e a manhã, o segundo dia.

Este exemplo me inspira profundamente, sugerindo que a história da Criação é exatamente como os Mekubalim
Judaicos a ensinam: a estruturação metafísica da consciência e da experiência. De um abismo desorganizado de caos
e vazio, Elohim está reordenando, estabilizando e até separando infinitos campos de consciência nos quais as
criaturas podem se individualizar e conscientemente retornar a Elohim.

As escolas gnósticas levam o movimento de Elohim e, na consciência primitiva, ainda mais longe. Na origem do
mundo, Elohim é Sophia, que, enquanto se move sobre o caos e vazio, encontra seu reflexo embaixo dela muito
distorcido. Essa distorção de si mesma é uma distração e a surpresa dessa distração faz com que ela vaze sua luz,
acidentalmente dando a distorção da vida. O que emerge é o falso deus Yaldabaoth, sendo seu reflexo distorcido nas
profundezas.

Podemos experimentar algo desse mistério sempre que tivermos consciência do que estamos criando, colocando em
movimento. Onde quer que eu coloque minha consciência, aí minha consciência anima, traz à vida, manifesta. O
poder da luz é a consciência e a consciência é o poder da luz. Sou eu quem me lança em reflexões claras ou
distorcidas, gerando experiências; se em reflexões distorcidas, estou em um estado de falta, ignorância e
inadequação; se em reflexões claras, estou em estado de centralização, consciência e plenitude.
Podemos ver ambos os estados de distorção e clareza em outro exemplo maravilhoso de ‫ מ‬no Evangelho de João 4,
onde uma mulher samaritana vê primeiro em distorção, depois em clareza:

A mulher samaritana veio tirar consciência , e Jesus disse-lhe: 'Dá-me de beber'. (Os seus discípulos tinham ido à
cidade para comprar comida.) A mulher samaritana disse-lhe: Como é que tu, judeu, me pedires uma mulher de
Samaria? (Os judeus não compartilham coisas em comum com os samaritanos.) Jesus respondeu-lhe: 'Se você
conhecesse o dom de Deus, e quem é que está dizendo a você,' Dê-me uma bebida ', você teria perguntado a ele, e
ele teria lhe dado consciência viva . A mulher disse-lhe: 'Senhor, você não tem balde e o poço é profundo. De onde
você tira essa consciência viva ? Você é maior que nosso ancestral Jacó, que nos deu o poço, e com seus filhos e seus
rebanhos bebeu dele? Jesus disse a ela: 'Todos que bebem distoa consciência voltará a ter sede, mas aqueles que
beberem da consciênciaque lhes darei nunca terão sede. A consciência que eu darei se tornará neles uma fonte
de consciência jorrando para a vida eterna '.

Essa consciência da qual o Mestre fala é exatamente a mesma que o Sefer Yetzirah diz sobre esse caminho,
chamando-a de Consciência Sustentadora: “Chama-se isso porque é o poder sustentador de todas as sefirot.” Talvez
Tau Malaquias possa esclarecer se próprio é o shefa, o fluxo constante, o veículo conduzindo o ruhaniyot, o próprio
das sefirot. Os Cabalistas analogamente anunciam este princípio de shefa e ruhaniyot na Árvore da Vida com árvores
físicas nas quais sua seiva (shefa) e vida (ruhaniyot) são transmitidas de raízes para folhas e folhas para raízes. Nós
também vemos o significado literal do nome Adão, que é Espírito no Sangue., lindamente segurando este mesmo
mistério, ‫ א‬no ‫ ;מ‬Assim como o sangue é o meio pelo qual o oxigênio é recebido em todos os tecidos do corpo, o
shefa transmite o ruhaniyot em nosso corpo espiritual e energético, facilitando cada vez mais os avanços na
consciência.

Que possamos beber da sua boca, Senhor Yeshua,


tornando-se como você e você gosta de nós,
revelando o que estava escondido o tempo todo.

Elder Gideon +

T
o
p
o

Tau Malaquias

Administrador do site

Mensagens: 5623

Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm

Localização: Grass Valley, Ca.

Mem = Embarcações

# 2 Post by Tau Malachi » Qua 13 de julho de 2011 12:07

Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Se considerarmos a palavra shefa, vemos que ela começa com shin e, portanto, shefa corresponde a shin, em vez de
mem. Shefa é a energia radiante ou poder espiritual de uma Sefirá, daí seu "influxo" ou "fluxo constante". Há uma
manifestação interna e externa de shefa, e dentro e por trás de shefa das Sefirot há ruhaniyot, o oculto, interno
essência das Sefirot.

Aqui podemos dizer que ruhaniyot corresponde a Eheieh, o shefa interior a Yahweh, e o shefa externo a Elohim, ou a
Adonai.

Ruhaniyot, que implica "respirações" ou "ventos", corresponde a alef. Shefa corresponde a shin. Se mem é
entendido como a substância de tudo, ou como veículo de transmissão que transmite energia, entãomem tem uma
correspondência com os Vasos Sagrados, as próprias Sefirot Sagradas .

Elohim é um Nome de Deus frequentemente usado para indicar a realidade das Sefirot e Partzufim, e, como tal, é
interessante notar que conclui em mem.

Shalom!

Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Mem o grande ventre da vida

# 3 Post by malochim » Qua 20 de julho de 2011 15:23

Shalom,

Mem como o útero da Mãe Cósmica

É bastante interessante que jornada incrível a semente masculina atravessa quando se aventura nos complexos
sistemas do órgão reprodutor feminino.

É bastante comum usar a concepção como uma analogia para descrever a função de Binah e Hokmah em conjunto,
formando Daath e através de Daath o raio de saída das 7 sefirot de construção. O fruto de Binah e Hokmah, através
da ação de Daath é Malkuth. Pode-se dizer que as sete sefirot de construção estão escondidas dentro de Daath
como o feto dentro do útero. Mas primeiro deve haver uma concepção.

A jornada começa com cerca de 250.000.000 de espermatozóides, dos quais 80% estão mortos ou não estão se
movendo. Aberta ao mundo exterior como o canal do parto, a vagina é vulnerável a ataques, protegendo-se com um
revestimento ácido que mata todos. Dentro de 30 minutos, 99% dos espermatozóides estão mortos.
Cerca de 60.000 dos espermatozóides atingem o colo do útero, que é um labirinto gigante. Alguns dos canais pelos
quais os espermatozoides devem passar são tão estreitos que somente os espermatozóides com o movimento
adequado e o tamanho da cabeça podem passar. O labirinto também está cheio de glóbulos brancos que defendem
o colo do útero de invasores alienígenas como o espermatozóide.

Cerca de 2000 espermatozóides vão além do colo do útero até o útero. Aqui eles devem encontrar as trompas de
falópio enquanto são caçados por glóbulos brancos.

Durante a maior parte do mês, a entrada na trompa de Falópio é bloqueada. Na ovulação, um tubo se abre
brevemente, mas, antes de o espermatozoide entrar, ele deve passar por outro processo de seleção. Eles devem se
mover da maneira correta e há também uma exigência de composição molecular que deve ser atendida.

Apenas 20 espermatozóides atingem as trompas de Falópio. Nas trompas de falópio, o espermatozóide passa por
uma mudança que lhes permite obter energia suficiente para penetrar e fundir-se com o óvulo. Aqui eles descansam
e absorvem nutrição, o que é crucial é o timing. O ovo tem um tempo de vida limitado, vive apenas 24 horas. Se
chegaram cedo ou tarde, a janela de oportunidade desaparecerá.

Apenas alguns espermatozoides chegam ao óvulo, uma vez que ele atinge a membrana externa do óvulo, o topo da
cabeça do espermatozóide explode, penetrando no óvulo interno a semente masculina e o óvulo feminino se
fundem e o bloco construtor / DNA do novo indivíduo formulários.

Se alguém olha para a jornada da alma de Daath através das 7 sefirot de construção e vice-versa, pode-se ver uma
jornada similar àquela da semente masculina. Um período de gestação dentro do ventre da mãe cósmica. Um
processo semelhante pode ser testemunhado no desenvolvimento de um corpo solar através da elevação / ascensão
do poder da serpente / esperma através das 7 estrelas interiores, finalmente sublimado e descansando em Golgatha
a estrela interior da testa para eventualmente passar através da estrela da coroa no momento. da morte na estrela
transcendente e no corpo solar e vida eterna.

Em certo sentido, a fusão com o óvulo feminino é a imortalização da semente masculina e feminina, sendo seus
genes transmitidos para inúmeras gerações futuras.

Apocalipse Ch. 12: "Um grande e admirável sinal apareceu no céu: uma mulher vestida de sol, com a lua sob seus pés
e uma coroa de doze estrelas na cabeça. Ela estava grávida e chorava de dor quando estava prestes a dar à luz "
Bênçãos,
Jonas
Misticismo da Num
# 1 Post by Elder Gideon » Dom 04 de setembro de 2011 09:44

‫ נ‬e sua forma final ‫ן‬


Freira: Peixe, Aparência, e o número 50 e sua forma final 700.

O que você semeia não ganha vida a menos que morra. E quanto ao que você planta, você não semeia o corpo que
deve ser, mas uma semente nua, talvez de trigo ou de algum outro grão. Mas Deus lhe dá um corpo como ele
escolheu, e para cada tipo de semente seu próprio corpo. Nem toda a carne é semelhante, mas há uma carne para os
seres humanos, outra para os animais, outra para os pássaros e outra para os peixes. Existem dois corpos celestes e
corpos terrestres, mas a glória do celestial é uma coisa, e a do terreno é outra. Há uma glória do sol e outra glória da
lua e outra glória das estrelas; de fato, a estrela difere da estrela na glória. (1 Coríntios 15: 36-41)

Lembrar a letra hebraica que precede ‫נ‬, que é de, chama a atenção para um mistério fascinante que o Sefer Yetzirah
atribui a esta carta: Consciência Aparicional. "É chamado assim porque fornece uma aparência para todas as
aparições criadas, em uma forma adequada à sua estatura."

Podemos contemplar esse mesmo exemplo de uma aparência que surge de seu contexto como um peixe, oriundo de
seu contexto de água, . Como todas as formas, todas as aparências, são inseparavelmente decorrentes de seu
contexto, então qualquer forma é um conglomerado condensado e concentrado da própria energia e vibração em
que sua aparência está embutida. Tudo surge de acordo com uma espécie de similitude com o seu ambiente, "em
uma forma adequada à sua estatura".

Dreamtime revela muito claramente o que é mais misticamente significado por um "peixe". No astral inferior, as
aparências muitas vezes são obscuras, vagas, elusivas e até mesmo hostis, todas expressando a vibração da
consciência do astral inferior. Do meio astral médio, as formas são muitas vezes semelhantes às nossas na
consciência desperta. As formas no astral superior são inteiramente luminosas, elevando o sonhador a estados
elevados de felicidade, alegria e êxtase avassalador. Em cada um desses estados oníricos, as formas que aparecem
são expressões da vibração de seu reino, emissários de seu ambiente.

As frequências vibracionais também mudam de forma, interdependentes com a consciência do observador. Em Atos
de Apóstolos não canonizados, tais como São João, Judas e muitos outros, a aparência de Yeshua é fluida de ser um
menino a ser muito madura em reflexão que só pode ser chamada de um sonho, mesmo no meio da vida
desperta. "Um pouco, e você não vai mais me ver, e novamente um pouco, e você vai me ver." (João 16:16) Opronto
são muitos que experimentam a aparição do Salvador ressuscitado, como Saulo no caminho de Damasco, bem como
os apóstolos em Pistis Sophia.. É uma figura brilhante que eles sabiam ser Yeshua? Aparentemente não, porque
Saulo cego pergunta: “Quem és o Senhor?”, Como fazem os apóstolos que até imploram à Luz que ponha de volta a
Yeshua. Formas são vibrações e vibrações são formas. À medida que a vibração acelera, as formas mudam de
estado.

Os estados mutantes das formas podem sugerir uma separação, mas este não é o caso, como a enumeração de
cinquenta de Nun nos lembrará. Os Cinqüenta Portões do Entendimento (Binah) são frequentemente contemplados
em nossa linhagem como cinquenta portais de formas evolutivas. Durante anos, minha audição limitou esse
ensinamento a formas evolutivas físicas capazes de manter maior inteligência. Embora isso seja verdade em parte,
um relacionamento mais dinâmico, fluido e não linear com os Cinqüenta Portões da Compreensão é esclarecido
pelos relatos evangélicos do Messias, que, ao contrário de Moisés, penetraram no quinquagésimo portão: Ain Sof
Ou. Separar uma aparência mutável de outra é tão impossível quanto separar a memória da revelação: a forma,
como a revelação, é uma revelação incessante que se desenrola telescopicamente a partir de si mesma.

Como nos lembraremos dos ensinamentos da Memória Cósmica mantidos em Tzaphkiel, Binah no nível de Beriyah, a
memória tem uma dupla função em nossa experiência. Enquanto a memória retém o que foi e é e será,
estabelecendo um contexto pelo qual as aparências podem conscientemente orientar e escolher evoluir sua
consciência, a memória também resiste à reorientação consciente. Em outras palavras, o que me prende é o que me
impede. Aparência é mudança constante, a experiência de resistência. Se a Memória Cósmica, a Torá de Beriyah, a
Lei, poderia ser analogizada ao filme em um carretel giratório, então a inteligência energética de Nun é o projetor: a
experiência da aparência.

Isso abre e introduz alguns dos muitos mistérios de Nun nas escrituras e na experiência, para os quais você está
convidado a contribuir. As implicações de sua forma final, 700, é em si outro post, 'Fathering' Joshua, o famoso
guerreiro campeão e sucessor profético de Moisés. Versos como estes abaixo aprofundam e amplificam o mistério
de Nun além do que nada:

Então alguns dos escribas e fariseus disseram-lhe: 'Mestre, queremos ver um sinal seu'. Mas ele lhes respondeu: Uma
geração má e adúltera pede um sinal, mas nenhum sinal será dado a ele, exceto o sinal do profeta Jonas. Pois assim
como Jonas foi durante três dias e três noites no ventre do monstro marinho, assim durante três dias e três noites o
Filho do Homem estará no coração da terra. O povo de Nínive se levantará no julgamento com esta geração e a
condenará, porque eles se arrependeram na proclamação de Jonas e, veja, algo maior do que Jonas está
aqui! (Mateus 12: 38-41)

Quando chegaram a Cafarnaum, os coletores do imposto do templo vieram a Pedro e disseram: 'O seu professor não
paga o imposto do templo?' Ele disse: "Sim, ele faz." E quando ele chegou em casa, Jesus falou primeiro,
perguntando: 'O que você acha, Simon? De quem reis da terra cobram pedágio ou tributo? De seus filhos ou de
outros? Quando Pedro disse: 'Dos outros', Jesus disse a ele: 'Então as crianças estão livres. No entanto, para não
ofendê-los, vá ao lago e lance um gancho; pegue o primeiro peixe que aparecer; e quando você abrir a boca,
encontrará uma moeda; leve isso e dê a eles para você e para mim. (Mateus 17: 24-27)

E ele disse: "A pessoa é como um sábio pescador que lançou sua rede no mar e a puxou do mar cheio de peixinhos.
Entre eles o sábio pescador descobriu um bom peixe grande. Ele jogou todos os peixinhos de volta o mar, e
facilmente escolheu o peixe grande. Qualquer um aqui com dois bons ouvidos tinha melhor ouvir! " (Thomas, 8)

De nossa tradição oral, um ditado atribuído à Madre Mirya:


"Se você duvida de alguma coisa neste mundo, duvide de sua aparência".

Que nos lembremos da nossa aparência escondida em você, Yeshua ben Nun.

Elder Gideon +

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Na barriga do grande peixe

# 2 Post by malochim » seg 12 de setembro de 2011 12:02


Shalom,

Quando a centelha Divina desce em estágios inferiores de manifestação, ela se envolve no material desse Olam
como se fosse engolido por ele. Para que a consciência funcione em um certo nível, ela deve ter um invólucro ou
peça correspondente. A vestimenta que envolve em si mesma é parte do mundo através do qual a consciência olha
ou opera. Assim como precisamos de um corpo e sentidos no mundo físico, precisamos também de um corpo nos
mundos superiores, até mesmo nos sentidos interiores.

"Pois o que está dentro de você é o que está fora de você,


e aquele que molda você do lado de fora
é aquele que moldou o interior de você.
E o que você vê fora de você, você vê dentro de você;
é visível e é a sua vestimenta. ", O Trovão, Mente Perfeita

Diz-se na tradição que a alma humana passa por várias fases de evolução nas quais os vários aspectos da alma da luz
são integrados e assimilados. A primeira dessas fases é a da humanidade bestial na qual o Nefesh é desenvolvido. A
próxima fase é a da humanidade psíquica ou mental em que o Ruach é desenvolvido. Há também vários graus de
almas dentro de cada grupo, assim como existem vários graus de Ruach, etc. Além da humanidade psíquica é a da
humanidade espiritual em que algo da Neshamah é "desenvolvido" ou desenhado em / acessado.

Talvez o signo de Yonah represente este período triplo de gestação no qual a Neshamah exterior é emergida no
Gilgulim. É um período de transformação, batismo, morte e renascimento. No final deste período de gestação a
velha forma morre e surge uma nova das cinzas. O antigo templo é destruído e a consciência é transferida para um
novo templo, feito sem as mãos.

"Enquanto a multidão pressionava Jesus, ele disse:" Esta geração do mal continua me pedindo para lhes mostrar um
sinal milagroso. Mas o único sinal que lhes darei é o sinal de Jonas ". - Lucas 11:29

"Jesus lhes respondeu:" Destrua este templo, e o ressuscitarei em três dias ". - João 2:19

"Nós o ouvimos dizer, eu vou destruir este templo que é feito com as mãos, e dentro de três dias eu vou construir
outro feito sem mãos." - Marcos 14:58

Se os peixes são as emanações ou a atualização de almas na totalidade, então o mar é a consciência do Todo em que
Nadamos, o Continuum de Luz.

"E ele disse:" O que os seres humanos se assemelham é um pescador inteligente que, tendo jogado sua rede no mar,
puxou a rede para fora do mar cheio de peixinhos. O pescador inteligente, ao encontrar entre eles um grande peixe,
jogou todos os peixinhos de volta ao mar, escolhendo sem esforço o peixe grande. Quem tem ouvidos para ouvir
deve ouvir! "- Evangelho de Tomé, dizendo 8

Uma vez que o peixe é grande o suficiente para comer, somos atraídos para fora do mar, porque Deus é um
devorador de homens.

Acredita-se que a carta Nun tenha vindo de um pictograma de uma cobra (a palavra hebraica para cobra, nachash
começa com uma freira e a cobra em aramaico é freira). Como tal, Nun também está associada ao poder da
Shekinah, o bom poder da serpente ou serpente e a geração do corpo de luz ou do corpo tríplice de
Melquisedeque. Talvez haja também uma relação entre a letra Nun e a letra Shin?

Talvez algo do mistério da Arca de Noé seja mencionado no relacionamento da carta Shin e Nun em relação à
geração do tríplice corpo de Melquisedeque.

"De acordo com os mestres da tradição, as medidas da arca refletem algo desse processo de geração do Corpo Solar
e do Corpo Triplo - são trezentos côvados de comprimento, cinquenta côvados de largura e trinta côvados de altura;
essas são as letras Shin, Freira e Lamed, respeitosamente, por letras também são números em hebraico.

Shin é a “carta mãe” representando fogo primordial, e é uma carta que corresponde com a Santa Shekinah, a Mãe e
a Noiva, e com a Serpente do Fogo em nós - a força através da qual a geração do corpo de luz é possível. Sua própria
forma sugere os três canais pelos quais essa inteligência de fogo deve fluir e elevar-se para gerar o Corpo Solar, e os
três Yods que ele contém aludem ao corpo triplo. Integral a tudo que dissemos sobre a geração do corpo triplo está
o despertar da Serpente do Fogo ou Serpente representada por Shin.

Despertamos, sublimamos e elevamos este grande poder a fim de trazê-lo à cessação ou repouso - Nun representa
esta morte mística de cessação ou repouso; é o ventre da vacuidade, a Dissolução da Luz Clara, na qual o influxo
verdadeiro e pleno de Luz Superna ocorre, e através do qual o surgimento natural e espontâneo do corpo triplo
ocorre - este influxo e surgimento sendo representado por Lamed. "- Tau Malaquias

Bênçãos,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

Irmão Brian

Mensagens: 147

Ingressou: Wed Sep 22, 2010 7:08 am

Localização: Tennessee

Freira

# 3 Post by Brother Brian » Sáb 06 de abril de 2013 04:25

Maria disse: “Deus Altíssimo se tornou Mãe e Pai para conceber e dar à luz ao Filho e ao Espírito Santo. E assim Deus
formou o útero primordial para dar à luz a imagem e semelhança de Deus. Aqueles que conhecem a Virgem Mãe
também experimentarão a concepção de Cristo, e o Espírito Santo se manifestará como eles. ”O Evangelho Secreto
de Santa Maria Madalena Verso 203

Este verso trouxe contemplações sobre como nós experimentamos o lugar de onde viemos. Isso foi tão
surpreendente para mim perceber que El Elyon foi levado a realizar esta ação mágica para que os Filhos da Luz
possam deslizar do topo do escorregador através do Olamot para o Asiyah. Como a carta que Nun chegou para ser
trazida para isto é como as criancinhas da Luz são capazes de fazer isso de novo e de novo. Como você pode
imaginar os pequenos brincando no recreio, nunca se cansando de subir novamente para descer.

Para que possamos subir de volta, devemos nascer de novo e de novo. Não apenas uma vez, mas em qualquer
momento ficamos presos ou fixos no que pensamos que somos. Devemos deixar ir para as formas como fomos
criados, o nosso nome, quem nós pensamos que somos como um indivíduo e perceber que eles são muito mais do
que os outros e até mesmo nós mesmos entendemos. Entrando neste lugar onde somos transformados e deixando
ir aquilo pelo qual crescemos karmicamente. Tornando-se como criancinhas no recreio que entretém tantos
personagens diferentes.

Não precisamos vincular ou acreditar que nossa criação modela e molda o presente. Se deixarmos ir para isso,
podemos experimentar essa transformação de nascer de novo e renascer continuamente. Isso traz a consciência de
deixar ir as conexões cármicas passadas e elevá-las à Luz.

Se e quando pudermos praticar isso cada vez que vivenciarmos essa transformação em um ser sem nascer, cada
"nascimento" trará diferentes perspectivas, personalidades e energias do mundo da Luz Superna de onde
viemos. Mais uma vez deixando ir tudo o que moldou o nascimento de Nefesh e nosso Ruach Inferior e desfrutando
de muitas manifestações diferentes de seres energéticos (nossa família) que vem de cima.

O corpo é um templo vivo para hospedar a Família Celestial, experimentando todos os nossos irmãos e irmãs como
diferentes emanações ou portais que levam a diferentes manifestações únicas de Shekinah.

Que grande alegria saber disso é que não precisamos ser um ser fixo ou estático, personalidade. Nascer de novo a
partir de cima a cada momento. Lembra-me de nos tornarmos este escorregador alto alcançando as supernovas que
chegam através dos céus e experimentando as almas supernais escorregando e subindo.

Na Gnose do Cristo Cósmico foi dito que Nun = Conexão entre Da'at e Yesod e a idéia da Luz Superna como a fonte
secreta da luz astral. O propósito final de Yesod é refletir e transmitir a luz celestial à criação através das planícies
astrais. (Deslizamento Astral) J

Isso me levou de volta a uma palavra (Adonai) que eu apreciei muitos anos atrás. Eu não sabia o que a palavra
significava, mas tinha apenas uma vibração que me atingiu muitos anos atrás.
Adonai = Aleph, Dalet, Nun, Yod
Aleph - Leste = Jugo do espírito (Nascimento)
Dalet - Sul = Porta da Vida (Vida)
Freira - Oeste = Portão da Morte (transformação)
Yod - Norte = Processo de realização (Realizando Ser neste Tornar-se)

Como nosso abençoado Tau disse “Adonai significa o indivíduo e a auto-realização do poder-espírito através destes
processos até que a plenitude divina de Yechidah seja despertada e realizada”. Freira sendo esse processo de deixar
ir e abrir se e quando nos tornarmos como criancinhas. Toda vez que ouço Joshua Son of Nun nas escrituras, isso me
leva a contemplar o poder na realização do ser sem nascido ou Josué Filho de Freira (Nada aqui abaixo).

Essas direções eram o que eu estava sentindo com a palavra Adonai, portanto, por favor corrija se estas (4) direções
estão erradas ou qualquer outra correção.

Mateus 18: 3
e disse: "Em verdade vos digo que, a menos que se convertam e se tornem como crianças, não entrarão no reino dos
céus.

Shalom

T
o
p
o

Irmão Brian

Mensagens: 147

Ingressou: Wed Sep 22, 2010 7:08 am

Localização: Tennessee

Re: Misticismo da Freira

# 4 Post de Brother Brian » Dom Out 06, 2013 5:02 am

Shalom Elder Gideon e todos.


Lembro-me de mentor que você afirmou algo sobre o peixe e a rapidez com que o peixe pode se multiplicar
rapidamente a partir da maneira como se reproduzem. (Acho que foi a partir deste mentoring em Nun) De qualquer
forma a contemplação surgiu hoje sobre a impregnação de uma alma humana.

É adorável contemplar quando uma alma humana é impregnada pelo resplendor sagrado radiante, a palavra e a
imposição das mãos dos tsadikim e testemunhamos que essa força consciente aparece na multiplicidade na
consciência à medida que ela surge. Nós ficamos grávidos de Anjos, Anfitrião dos Anjos, Inteligências. Isso é
maravilhoso de se contemplar, especialmente quando pensamos nas imagens da Asherah Tree.

Enquanto caminhamos como um templo de toda essa atividade, podemos nos tornar conscientes da beleza do
movimento de Shekinah, pois parece afetar apenas tudo o que nos tornamos em contato mesmo quando não
estamos cientes desse movimento.

À medida que nos tornamos cada vez mais transparentes, o Espírito Mãe pode gerar e criar mais e mais frutos nessa
árvore que inicia o processo novamente. Em Gênesis 1:28 “Frutificai e aumentai em número; encha a terra e
subjugue-a. É uma bela contemplação andando como se estivesse grávida disso tudo dentro e ao redor. Como é bom
saber que a única coisa que precisamos fazer é sentar, ficar quieto e estar atento e observar esse movimento de
Shekinah quando ela alcança todos os seres e põe em movimento esse movimento de crescente número! Hallelu
Yah!

Shabat Shalom
Irmão Brian

T
o
p
o

Bevan

Mensagens: 165

Juntado: ter 11 fev 2014 9:31

Re: Misticismo da Freira

# 5 Post by Bevan » Dom 17 de abril de 2016 19:17

Cumprimentos a todos!
Quando eu falo ou digito Amém e repito isso repetidamente, lentamente vejo seu poder diminuir. Indo mais fundo
no hebraico, esta palavra vem à vida. Tau Malachi diz:

Amém é composto de três letras: Aleph-Mem-Nun. Aleph é a Inteligência Fiery, Respiração Sagrada Radiante ou
Espírito Santo, e é dito que representa Keter. Mem é a água ou a substância da consciência / criação da qual todas as
coisas são formadas, e é dito que representa Hokmah. A freira é a inteligência energética do signo zodiacal de
Escorpião, que é um poder oculto ou oculto de fogo extraído de dentro da água, e é dito que representa
Binah. Assim, a palavra amém tem todo o poder das Supernais: Keter-Hokmah-Binah, ou mais apropriadamente
Hokmah-Binah-Da'at.
http://www.sophian.org/forum/viewtopic.php?f=2&t=216

A raiz dessa palavra sagrada é Aleph e parece atrair o poder de Keter, que entendo ser chamado de Ain, No-
thingness. Eu noto, Ain é composto de três letras também: Alef-Yod-Nun, que também corresponde às
Supernais. ( http://www.sophian.org/forum/viewtopic.php?f=2&t=3434 ) Além disso, Yod e Mem se relacionam com
Hokmah, Sabedoria. Qual é essa correspondência entre Ain e Amen? Ambos estão atraindo as Supernais para se
manifestarem no Reino de Deus?

Quando chego à segunda carta, Mem, considero consciência, que corresponde à água. Em Amém, as consciências
são um meio que transmite e reflete Aleph como Ratzon, a Vontade de Deus?

Finalmente, poderia Nun, que é sobre a aparência, ser sobre a exibição no Light Continuum da intenção e
experiência do falante? Eu fui atraído por um verso sobre Lady Magdalene, quando o Senhor Yeshua diz:

“Você não ungiu minha cabeça com óleo, mas ela ungiu meus pés com perfume. Por esta razão, digo-vos que os seus
pecados, que são muitos, foram perdoados, porque ela amou muito; mas aquele que é pouco perdoado, pouco ama.
”Lucas 7:46, 47

Assim como com Nossa Senhora, a força de nossa kavvanah (intenção consciente) e devekut (clivagem apaixonada)
determina quanto da vontade de Deus pode assumir uma forma na Terra através de Amen?

Eu também notei que Amen pode correr e retornar, descer e subir:

Yeshua Messiah falando um duplo Amém no Evangelho de São João, o que implica um influxo de Keter, a Coroa
Celeste, em Malkut, e o levantamento de Malkut em Keter; tudo isso acontece através de Tiferet, ou dos Seis, que
corresponde ao Rei dos reis, e Senhor dos senhores, Melekh
Messiah. http://www.sophian.org/forum/viewtopic.php?f=2&t=216

Que tudo seja entregue através do poder de Yahweh Elohim!


Amém e amém.
Bevan.

T
o
p
o

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am


Um homem

# 6 Post by Elder Gideon » Qua 08/06/2016 19:37 pm

Shalom Bevan:

Que palavra pode ser mais aceita como Amém ? Eu aprecio com você, irmão, como uma palavra que parece tão dada
pode, com um pouco de ensinamento como do nosso Tzaddik, sustentar tremendos mistérios:

A palavra "amém" é muito familiar. Na tradição judaica e cristã, as orações são tipicamente terminadas ou seladas
com essa palavra. No entanto, embora seja uma palavra comumente conhecida, poucos estão cientes de seu
significado místico e esotérico mais profundo. Como palavra hebraica, significa literalmente "fiel" e "assim seja", mas
também pode significar "na verdade" ou "verdadeiramente". Estas traduções da palavra amém assumem seu
significado mais profundo quando se entende que Amém é um nome alternativo para Keter (Coroa), a primeira
Sefirah na Árvore da Vida, pois então se torna consciente de amém como uma invocação da energia espiritual de
Keter Em outras palavras, amém é uma palavra de grande poder.

Amém e amém! Do Altíssimo! Grande Mistério! Inconcebível! Incognoscível!

Tau elaborou um profundo ensinamentoao relacionar as letras que soletram Ain — Alef, Yod e Nun — com as raízes
dos três primeiros Dias da Criação. Ain e Amen se espelham na primeira e na última carta que compartilham, a
diferença sendo o Yod em Ain e o Mem em Amen . Na ordem em que se encontram, soletram Yod-Mem, -im, como
na palavra para mar, yam e o plural masculino para a maioria dos coros angélicos. Este mistério seria o seu próprio
post em outro momento.

Concentrando-me em suas perguntas sobre AMeN, eu ouço como de Keter, Oculto de Oculto, tudo se revela, um
significado de Amém : Assim seja! Há ensinamentos clássicos da Cabalá que fazem um acrônimo de AMeN, que o
Rabino Munk cita em sua Sabedoria do Alfabeto Hebraico (152):

A-El (Deus)
Me-Melekh (Rei)
N-Na'amah (Confiável, Fiel)

Deus, o Rei Confiável . Revelando o que está escondido de dentro das vestes da santidade. A história da revelação
está nas próprias letras:

A-Alef-Espírito Invisível
Me-Mem-Consciência
N-Nun-Visível Aparência

AMeN: O movimento da invisibilidade através da consciência para a visibilidade. Que assim seja! Requintado que o
Nun-final correndo abaixo da linha 'escrita' atraia até mesmo o Outro Lado. De que outra forma qualquer coisa se
manifesta sem todo o resto? É o Um, o Eterno, movendo-se através de todas as vestimentas da consciência para se
manifestar de uma forma energética ou mesmo física, necessária e instrutiva para os seres. Eu até ouço neste algo
do Santuário Triplo:

Corpo da
N-Emanação do Corpo da Me-Glória Corpo da A-Verdade

Para adicionar duas outras letras a essa mistura, Vav e Heh, soletram uma palavra correspondente à fruição de
AMeN como Malkut: Emunah: ‫אֱמּונָה‬: Faith. De fé, a grande escritura Tzaddik aos Hebreus diz: Agora a fé é a
garantia das coisas que se esperam, a convicção das coisas não vistas (11: 1). Entre Amém e Emunah, Keter e
Malkut, é uma intensa contemplação do incognoscível tornar-se conhecível.

Que assim seja!

Elder Gideon

Misticismo de Samekh

# 1 Post by Elder Gideon » Sáb 17 de setembro de 2011 10:57

‫ס‬
Samekh: Suporte, Ajuda, Equilíbrio, Teste e Erro e o número 60.

Nenhum teste ultrapassou você que não é comum a todos. Deus é fiel, e ele não permitirá que você seja testado além
de sua força, mas com o teste ele também fornecerá o caminho para que você possa suportá-lo. (1 Coríntios 10:13)

Enquanto preparava um estudo desta carta para os diáconos, surgiu uma nova relação entre o que tanto nos testa e
nos apóia em nossa jornada, sintetizada por essa letra hebraica dinâmica ‫ס‬. Vamos primeiro considerar a primeira
aparição de ‫ ס‬na Torá:

Então o Senhor Deus disse: 'Não é bom que o homem esteja só; Eu vou fazer dele um Samekh como seu parceiro. [...]
o homem deu nomes a todo o gado, e às aves do céu, e a todo animal do campo; mas para o homem não foi
encontrado um Samekh como seu parceiro. (Gênesis 2:18, 20) O rabino Daniel Matt iguala o ezer hebreu , ajudante,
com Samekh por meio de um documento fonte Targum Onqelos,que processa o mesmo ezer em Samekh:
Help. "Então o Senhor Deus fez um sono profundo cair sobre o homem, e ele dormiu; então ele pegou uma de suas
costelas e fechou seu lugar com carne." (Gênesis 2:21) Esta palavra para o seu lugar, va-yisgor, é a primeira aparição
da letra ‫ ס‬na Torá; o que acabará por apoiar Adam Ha Rishon separado em Adão e Eva, os Rabinos do Zohar (1: 35a)
postulará com idéias mais selvagens do que esta breve introdução sobre a letra pode tratar. Simplesmente,
misteriosamente, o que aparentemente é mais desafiador é mais favorável ao mesmo tempo.

Como isso é o primeiro, então, é mais presente em nossa experiência o que é para ser homem e mulher em qualquer
momento ou lugar. O homem é tanto a experiência física do karma de seu papel herdado do passado animal, quanto
a dinâmica espiritual de transmitir, gerar; Do mesmo modo, a fêmea é sua própria experiência física do carma de seu
papel que se desdobra do passado animal, bem como sua dinâmica espiritual de receber, gestar. Como transmitir e
receber, gerar e gestar, são dinâmicas espirituais masculinas e femininas dentro de todos nós, assim também
estamos dominando seu equilíbrio interno, um teste incessante que ironicamente apóia, como veremos em breve.

Aquilo que está além do nosso corpo masculino e feminino, surgindo da morte além de "casar e dar em casamento,
mas como os anjos" (Marcos 12:25) é o nosso zelem, nosso corpo de luz. Enfrentar isto antes da morte é ressuscitar
antes que alguém morra: Transmissão de Luz. Como existem infinitas gradações da luz de Ain Sof Ou, também
existem infinitas gradações de Transmissão de Luz e de fortalecimento. A maneira como os indivíduos respondem
primeiramente a essa transmissão é, em si, um teste profundo e um indicador de como se está dentro ou fora do
equilíbrio interno que se tem ao ser espiritualmente masculino ou feminino.

O Pilar da Misericórdia é atribuído ao macho, já que o Pilar da Severidade é atribuído à fêmea. Abrangendo esses
pilares está o Pilar da Compaixão, a harmonia e o dinamismo do homem e da mulher em equilíbrio. Tiferet é o
centro deste Pilar do Meio, ligando a Yesod por meio da letra ‫ס‬. Ligando-se a Tiferet a Netzach (do masculino Pilar da
Misericórdia) e Tiferet a Hod (do Pilar Feminino da Severidade) há dois caminhos, cada um acentuando os
desequilíbrios, provações e desafios específicos de cada indivíduo que encontra a Luz de Transmissão: Tiferet.

Entre Tiferet e Netzach está a letra hebraica Nun; entre Tiferet e Hod é a letra hebraica Ayin. Freira, em desequilíbrio
com ‫ס‬, distorcerá uma experiência de Transmissão de Luz por meio de grande medo, recuo e aversão; não com
humildade, mas com pânico e pavor, o aspirante degradará a transmissão para si e para os outros que compartilham
tal momento. Ayin, em desequilíbrio com ‫ס‬, distorcerá a mesma experiência de Transmissão de Luz por meio de
intoxicação, bem-aventurança e apego; não com auto-estima, mas com engrandecimento e lisonja, o aspirante
degradará a transmissão para si e para os outros em tal maravilha. Para ambos os lados, em relação à primeira
transmissão de luz que se aproxima, medo ou intoxicação é teste, é o ‫ס‬.

O Sefer Yetzirah chama esse caminho ligando Tiferet e Yesod (em nossa Árvore da Vida Cristã)Testing
Consciousness : "É chamado assim porque é a tentação original através da qual Deus testa todos os santos." De
repente, o discurso dos rabinos sobre a primeira aparição na Torá sobre a separação de Adam Ha Rishon em Adão e
Eva começa a fundamentar como todos Testes em nossa experiência são fundados sobre este desequilíbrio dentro
de nós, este é Adão separado de Eva e Eva separado de Adão, este medo ou esta lisonja que nos testa a todos.

Se eu cair para os lados em um momento de fortalecimento, recebo uma visão preciosa do meu tikkune que poderia
permanecer oculto e inacessível por meses, até anos! Quanto mais intenso o empoderamento, maior a ampliação de
qualquer coisa fora de equilíbrio dentro de mim. Em um momento significativo de fluxo, se eu cair em elogios ou
culpados, ou se eu algum dia dominar ou sentir-me impotente, até mesmo os chamados "fracassos" oferecem
chaves inestimáveis que trabalham para o verdadeiro centro e centro além do elogio e da culpa: Empoderamento:
‫ס‬.

O empoderamento dentro do teste de apoio pode ser fundamentado em compromisso com uma comunidade
espiritual. Os extremos de se apoderarem dos outros ou de se sentirem impotentes, louvados ou culpados em
momentos críticos, são rapidamente expostos e imediatamente impactam os outros à medida que sua
multiplicidade espelha nossas forças e fraquezas individuais. É para este espelho íntimo que é a comunidade
espiritual, que impede muitos residentes espirituais de se comprometerem com as exigências de uma comunidade
harmoniosa. Testando o verdadeiro centro de cada indivíduo, equilibrando o insight de cada indivíduo para extremos
de medo ou bajulação, culpa ou elogio, a comunidade é o fundamento de todas as tradições místicas fundadas na
meditação e na vida interior, por essas razões mais orgânicas e dinâmicas.

A realização espiritual de uma pessoa vem mais rápida, eficaz e integralmente dentro do apoio de teste da
comunidade. Nosso surgimento mais rapidamente dentro da comunidade aponta para a jóia mais íntima desse
ensinamento: Growth Crescimento. O que mais me testa e me testa também me apóia e me amadurece, pois os dois
lados desse processo é o que significa crescer. Se eu estou sempre afirmado e dito o que quero ouvir, não vou
crescer; se eu nunca for testado ou desafiado, não crescerei. Ser apoiado é crescer. Para efetuar o crescimento é
para suportar julgamento. Se eu praticar um pouco mais quando a vida estiver me batendo, se eu chegar para servir
quando me sentir mais gasto, vou avançar para outra integração além da minha imaginação.

Até este estudo de ‫ס‬, eu não compreendi nem apreciei a profundidade do que o apoio e a generosidade em relação
a outro podem realmente significar: promover o crescimento. Quando vejo o que cultiva e estimula o crescimento, a
expansão e a incorporação de um potencial oculto, vejo ainda mais profundamente o que só posso chamar
de praticidade dos pilares que abençoam ou corrigem as bases do relacionamento entre o Mestre e o Discipulado
através das tríades moral e de ação. da árvore da vida. Entre o que me abençoa e o que me corrige é o próprio
crescimento, a transmissão e expressão do Meio e o mistério de ‫ס‬:

Meus irmãos e irmãs, sempre que enfrentarem provações de qualquer espécie, considerem isso apenas alegria,
porque vocês sabem que o teste de sua fé produz perseverança; e que a perseverança tenha seu pleno efeito, para
que você seja maduro e completo, sem nada. (Tiago 1: 2-4)

Suportar ensaios por uma questão de disciplina. Deus está te tratando como crianças; porque que filho há quem um
pai não disciplina? Se você não tem aquela disciplina em que todas as crianças compartilham, então você é ilegítimo
e não seus filhos. Além disso, tínhamos pais humanos para nos disciplinar e os respeitamos. Não deveríamos estar
ainda mais dispostos a sermos sujeitos ao Pai dos espíritos e vivermos? Pois eles nos disciplinaram por um curto
período de tempo, como lhes pareceu melhor, mas ele nos disciplina para o nosso bem, a fim de podermos
compartilhar sua santidade. Agora, a disciplina sempre parece dolorosa em vez de agradável na época, mas depois
produz o fruto pacífico da justiça para aqueles que foram treinados por ela. (Hebraico 12: 7-11)

Entre pelo portão estreito; porque o portão é largo e a estrada é fácil, que leva à destruição, e há muitos que a
levam. Pois o portão é estreito e a estrada é difícil que leva à vida, e são poucos os que a encontram. (Marcos 7: 13-
14)

'Todo aquele que ouve estas minhas palavras e age sobre elas será como um homem sábio que construiu sua casa
sobre a rocha. A chuva caía, as inundações chegavam e os ventos sopravam e batiam naquela casa, mas ela não
caía, porque fora fundada na rocha. E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será como o
homem insensato que construiu a sua casa na areia. A chuva caiu e as inundações chegaram, e os ventos sopraram e
bateram contra aquela casa, e caiu - e grande foi a sua queda! (Mateus 7: 2-27)

Que o teste de nossa fé leve a nossa perseverança,


e que a perseverança tenha seu efeito pleno, de
modo que possamos ser maduros e completos,
mais favoráveis aos outros:
sem nada.

Amém e amém!

Elder Gideon +

T
o
p
o

Marion

Mensagens: 365

Ingressou: Dom 01/08/2004 20:41

Localização: Nepal

Samech o ovo

# 2 Post by Marion » Ter 20 de setembro de 2011 8:33 am

Shalom!

Quanto mais eu contemplar Samech, mais parece ser o equilíbrio. Eu ouvi um ensinamento anos atrás que Samech
tem a ver com a abertura equilibrada das sete estrelas interiores no corpo sutil. Este ensinamento se encaixa com o
que o Élder Gideon estava falando no post original com Ayin para a direita e freira para a esquerda, e como eles
representam cair em êxtase e medo, respectivamente. Samech, estando no meio, é a capacidade de responder em
vez de reagir. A capacidade de não ter medo diante do inimigo e de não cair na inconsciência diante da luz.

As palavras que começam com Samech são:

Medir (Samech-Aleph-Heh)
Batalha (Samech-Aleph-Vau-Nun)
Guerreiro (Samech-Aleph-Nun)
Transportar, ser sobrecarregado, ser forte (Samech-Bet-Lamed)
Adoração ou prostrar-se (Samech-Gimel-Dalet)
Para ficar em silêncio ou para observar em silêncio (Samech-Kaph-Tau)
Para calar a boca, para fechar, para consertar (Samech-Gimel-Resh)
Para cercar, para cobrir, proteger, defender (Samech ou Shin-Kaph-Dalet)
Succoth, significando “cabana” (Samech-Kaph-Tau)
Perdoar (Samech-Lamed-Chet)

Em hebraico, os sons de Samech são semelhantes a Shin. Então as duas letras se tornam intercambiáveis. Algumas
palavras interessantes com Shin para notar são:
Shekinah, Sandalphon, Shalom, Shabat e Shin no meio do grande nome Yeshua.

No livro A Sabedoria do Alfabeto Hebraico, o Rabino Michael Munk fala sobre o relacionamento judaico entre
marido e mulher. Ele diz que o trabalho de uma esposa é apoiar o marido em suas decisões e ações. A menos que ela
veja que ele vai pecar, errar o alvo. Então ela vai intervir e oferecer críticas construtivas. Podemos ver esta peça na
Torá (Gênesis, cap. 27) no momento em que Rebeca diz a Jacó para vestir-se como seu irmão Esaú e ainda assim
abençoar seu pai. Eu ouvi dizer antes “Como Issac não sabia que era Jacó?” Ele até diz “a voz é que se Jacó ...” A
resposta é que ele sabia que era Jacó, ele também sabia que sua esposa Rebeca estava por trás do truque e ele
confiava em seu julgamento. Rebekah viu algo que era impossível para Issac ver. Eu, nossa Cabala Cristã, podemos
ver o marido como nossa alma terrena (Nefesh) e a esposa como nossa alma Sagrada (Neshamah). Às vezes, nossa
Nefesh não pode ver o quadro geral, então nossa Neshamah deve intervir e devemos estar conscientes o suficiente
para seguir sua orientação.

No Tarot Atu associado a esta carta, há um anjo como figura central. Nós sabemos que este anjo é o arcanjo
Miguel. Quem nós conhecemos é o comandante dos exércitos de Deus. Michael é o arcanjo que invocamos para
proteção. Michael é atribuído a Hod, mas também tem correspondência com Tiferet. Podemos ver essa atribuição
aludida na visualização tradicional de Michael na Tradição. O Arcanjo é visto como um guerreiro com a cabeça como
o sol.

Samech junto com Mem final são as únicas letras fechadas na aleph-bet hebraica. Isso, em um sentido prático, tem a
ver com tornar-se um recipiente apropriado do Espírito Santo. Ou seja, sem vazamentos energéticos! Caindo para os
lados da felicidade ou do medo está vazando energia. Também poderíamos dizer isso de outra maneira: tornar-se
uma vítima ou um agressor está vazando energia. Alguém me contou algo sobre isso que sempre ficou comigo. “Não
importa o que você diz, desde que você venha do seu coração. Porque se você vem do seu coração, o que você
disser será de Deus ”.

Em seu livro sobre as letras hebraicas, Paul Foster Case traz um ensinamento interessante: “A qualidade associada a
Samech é Ira, mas isso é cego. A palavra hebraica original significa Vibração do Som. ”Eu estava olhando em uma
concordância, palavras para ira e não consegui encontrar a palavra específica que Case está referenciando aqui. No
entanto, acho fascinante essa contemplação da vibração sonora em conexão com Samech.

Há um momento do Evangelho de João que estávamos contemplando no último domingo no discurso do Skype. John
ch. 10, 1-5:

- Eu lhe digo com certeza que apenas ladrões e ladrões passam por cima do muro, em vez de entrar pelo portão até
o curral de ovelhas. Mas o porteiro abre o portão para o pastor, e ele entra nele. As ovelhas conhecem a voz do seu
pastor. Ele chama cada um deles pelo nome e os conduz para fora.
Quando ele levou todas as suas ovelhas, ele caminha na frente deles, e eles seguem, porque eles conhecem a sua
voz. As ovelhas não seguirão estranhos. Eles não reconhecem a voz de um estranho, e eles fogem ”.
Eu estou imaginando, podemos ver Yeshua aqui como nossa alma santo nos chamando e nossa Nefesh e Ruach
como as ovelhas? Por isso, estaria dizendo que nossa Nefesh reconhece a freqüência da voz-energia-vibração ou
nossa Neshamah quando estamos abertos e dispostos a ouvi-la.
Parece que Samech também lida com questões de auto-estima. Estou pensando aqui sobre o que o Élder Gideon
apontou sobre cair à direita ou à esquerda com Nun e Ayin, respectivamente. Se alguém cai em Ayin, há auto-
engrandecimento e intoxicação. Por outro lado, se alguém cai para Nun, há medo e ódio por si mesmo. Por um lado,
não podemos ouvir a voz de Ha Shem porque achamos que sabemos tudo e, por outro, achamos que somos inúteis
e, portanto, não podemos ouvir. Samech é o caminho do meio. A capacidade de olhar para si mesmo objetivamente
e nem julgar ou ficar egoísta.
Desta forma, é interessante notar a forma de Samech. É oval, como um ovo. Se alguém segura um ovo frouxamente,
ele cairá e quebrará, se você o segurar muito apertado, irá esmagá-lo. Samech é a capacidade de segurar o ovo com
uma pressão medida.

Bênçãos,

Marion

T
o
p
o

Irmão Brian

Mensagens: 147

Ingressou: Wed Sep 22, 2010 7:08 am

Localização: Tennessee

Misticismo de Samekh

# 3 Post de Brother Brian » Qui Abr 18, 2013 4:58 pm

Samekh
Versículo 99 (O Evangelho Secreto de Santa Maria Madalena) Maria disse aos seus companheiros: “Pregue o
Evangelho a todas as boas criaturas, e carregue a luz em todos os reinos. Se o vento escutar, ensine o vento. Se um
fantasma busca a redenção, abençoe o fantasma. Fale a verdade a todos os espíritos e criaturas, pois no Ser Humano
todos são abençoados e todos são recebidos. ”A

contemplação de hoje em Samekh estava voltada para o apoio e apoio. Somos verdadeiramente abençoados com
apoio seja amigos, família, nossa comunidade espiritual. Somos verdadeiramente abençoados com o apoio apenas
se buscamos, mas hoje foi trazido ao meu coração para contemplar o trabalho em que as necessidades de minha
vida em dar apoio aos outros.

É muito importante como nos mantemos ao redor dos outros com a energia que estamos manifestando. Às vezes,
não precisamos falar nada com os outros, especialmente no trabalho. Você pode sentir como, quando mantém seus
níveis de energia positivos, como isso pode mudar toda uma sala de pessoas. Esta é uma grande bênção quando
percebemos isso e somos capazes de permanecer neste lugar positivo em nossos corações com nossos irmãos e
irmãs. Muitas vezes o silêncio é adorável e faz grandes maravilhas.

Parece que o Espírito Santo me imprimiu hoje para ser mais habilidoso com esta maravilhosa ferramenta que
chamamos de fala! (Nossas cordas vocais). Na maioria das vezes estou esperando com aqueles com quem estou,
para falar algo de Deus ou talvez esperançoso de que a conversa possa entrar em algo mais positivo e depois viajar
mais no evangelho, mas eu estou percebendo aqui ultimamente que isso raramente acontece. Quantas vezes eu
poderia ter usado a minha voz para trazer as pessoas para a lembrança de quem elas são e eu não tenho! Quantas
vezes eu poderia ter ajudado a Mãe Espírito a lembrar seus filhos e ajudá-los a relembrar quem e o que eles são no
continuum de luz? Deixar a Mãe Espírito usar minha voz para remover uma camada de esquecimento na consciência
das pessoas! Lembrando-lhes quem são em Deus.

Que bênção maravilhosa quando podemos usar nossas cordas vocais para vibrar a medicina para as pessoas e a
terra. Tzavaot foi algo que me mexeu hoje! Nós somos aqueles que foram ordenados para realizar Cristo em todas as
criaturas celestiais e terrenas. Proclamar Cristo a presença de Deus em todas as criaturas e também todas as
criaturas como uma manifestação da presença e do poder de Deus! Yahweh Elohim Tzavaot.

Podemos usar nossa voz para Ma de muitas maneiras, com habilidade. Para os fundamentalistas que usam a Bíblia e
os versos, eles estão bem conscientes de extrair luz de dentro deles. Para o ateu falando algo das maravilhas do
Universo e da bela terra que contemplamos todos os dias para tirar a luz deles. Para as pessoas simples e comuns
que não são nem religiosas nem ateus, lembrando-lhes que grande e maravilhosa alma elas são. Estas são coisas que
me despertaram hoje, algumas coisas que eu preciso incorporar. A imagem de um espelho veio à mente quando as
pessoas olham para ele e o espelho reflete a verdade de si mesmo e de todos os outros. Que possamos ser este
espelho que reflete Cristo!

Lembrei-me de Simeão Pedro e sua negação do Senhor três vezes nos evangelhos. Foi fácil para Pedro, na presença
do Senhor e dos discípulos, falar o evangelho, mas quando sozinho, ele falhou. Ele foi com a multidão. Eu posso me
identificar tanto com Peter. É fácil orar pelas pessoas, dar e receber com as pessoas, e estar perto das pessoas e
simplesmente ser, mas quando usamos nossa caixa de vibração para proclamar o evangelho, quanto mais
consciência isso traz para as pessoas com quem estamos? Humano One the One falando (M'dahber)?

Esta é uma maneira que a letra Samekh está falando comigo hoje. Sendo mais um apoio para a terra e as pessoas
não só com nossas orações e energias, mas também com a nossa voz.

Espírito Materno oramos para que sejamos corajosos e habilidosos em nossa voz e que sempre vibre a presença da
Luz e o poder da Luz para nossos irmãos e irmãs, o povo e a terra. Que possamos usar este presente que recebemos
para atrair aqueles para a sua morada!

Shalom
Irmão Brian

T
o
p
o

Sheryl

Administrador do site

Mensagens: 881

Ingressou na: Sab 14 fev 2004 11:56 am

Local: Grass Valley, CA

Contato:

Contatar com sheryl

Re: Misticismo de Samekh

# 4 Post by sheryl » Sáb 04 de maio de 2013 12:46

Shalom Caros irmãos e irmãs!


Em uma recente contemplação de Samekh, tomada com os ensinamentos em curso dos Anjos Divinos do Corpo
Vivo, algo novo está sendo visto que desejo oferecer aqui, para ajuste, correção ou elucidação, tudo como a Mãe
deseja.

A forma de Samekh é oval ou redonda, dando a impressão de que, sem apoio, ela simplesmente cairá, até mesmo
rolará. Munk ensina que a linha externa da forma ou círculo dessa letra representa Deus, a linha interna da forma ou
círculo representa Israel, e o espaço vazio no centro representa a Santa Shekinah.

Parece que é este jogo entre interior e exterior que mantém Samekh no lugar. E ao considerar Deus como os anjos
de Deus, talvez possamos dizer que, em última análise, são os anjos de Deus que apóiam o humano realizado, o
templo puro da Shekinah interior?

Assim, estou me perguntando se a jornada do devir pode ser essencializada com isso:

Quando acordamos, percebemos que a intenção por trás de nossos pensamentos, palavras e ações é o próprio
sustento, para sustentar o nosso eu - ou o próprio sustento da exibição da vida. Podemos até chegar a dizer,
inicialmente no caminho, que a motivação para nossa caminhada espiritual é a auto-sustentação, ter metas,
objetivos, até mesmo sentimentos e pensamentos no tempo e no espaço, em primeiro lugar para nos
sustentarmos. Não é que isso seja ruim, mas em Samekh, estou vendo que talvez estejamos caminhando para outra
coisa. De modo que, em vez da motivação para sustentar o eu estando dentro e por trás de tudo o que fazemos,
esse sustento é movido da linha interna do círculo para a linha externa, para Deus, para os Santos Anjos.

Junto com isso está nossa purificação interior, tornando o interior como o exterior - nós estamos nos movendo em
direção a sermos totalmente sustentados pelo santo equilíbrio que é criado, o Shekinah dentro, os anjos sem, todos
sustentando a linha interna que é a personalidade ou vida.

Este sustento então sendo o Maná que os discípulos não conheciam? Sendo este o maná escondido? Vindo talvez de
dentro e de fora, sustentando, mantendo a exibição de vida que era Yeshua em perfeito equilíbrio?

Shalom!

Misticismo de Ayin

# 1 Post by Elder Gideon » Sáb 01 de outubro de 2011 10:47

‫ע‬
Ayin: Olho, Percebendo, e o número 70.

Não é possível para qualquer um ver algo das coisas que realmente existem a menos que ele se torne como elas. Este
não é o caminho com as pessoas no mundo: eles vêem o sol sem ser um sol; e eles vêem o céu e a terra e todas as
outras coisas, mas não são estas coisas. Isso está de acordo com a verdade. Mas você viu algo desse lugar, e você se
tornou essas coisas. Você viu o Espírito, você se tornou espírito. Você viu a Cristo, você se tornou Cristo. Você viu o
Pai, você se tornará Pai. Portanto, neste lugar você vê tudo e não se vê, mas nesse lugar você se vê - e o que você vê
você se tornará. (Evangelho de Filipe)

Nós vemos como somos; experiência é expectativa.

Tal como acontece com a inteligência energética de ‫נ‬, onde as formas, aparições, surgem de acordo com a
consciência de seu contexto, assim o que vê as aparições está realmente vendo sua própria
consciência. Aparentemente, o que se vê é fora deles. No entanto, os mais íntimos ensinamentos de nossa linhagem,
a Ordem de Melquisedeque, dirão o oposto, que em tudo o que é percebido do lado de fora é apenas o esplendor da
mente.
Ao amanhecer, o sol está nascendo ou a terra está girando? Intelectualmente, sabemos que a Terra está girando em
torno de um sol estacionário; experiencialmente, no entanto, o sol claramente se eleva inegavelmente. O ponto de
vista do observador está inextricavelmente embutido em seu contexto. Aqui, o contexto é um observador em um
momento específico, em pé na curvatura de um planeta, na direção de sua estrela. Nós vemos como somos. O
nascer do sol que se está vendo é o surgimento desses eventos, é o esplendor da mente da pessoa.

‫ ע‬nos introduz a muitos mais mistérios quando consideramos a mudança da visão física da luz física com a percepção
interna do que irradia infinitamente da mente. Quando as luzes estão apagadas em uma sala, não há nada para
ver. Por mais óbvio que possa parecer, isso levanta uma bela questão do que se entende biblicamente na palavra
luz,ou , soletrado com ‫ע‬. De fato, o que se entende pela palavra hebraica ou , ‫עור‬, é o mesmo para o uso grego do
fósforo no Novo Testamento, :ς: consciência. "Luz" em ambos os Testamentos é muitas vezes mais do que física, mas
é espiritual, é a própria percepção.

Inovadoramente, a tradição hebraica até faz distinção entre a luz oposta às trevas e a luz que está além dessa
oposição. Esta distinção é o Primeiro Dia, do qual desdobra uma luz menor e sua escuridão oposta, então dia e
noite. A natureza dessa luz transcendente, nem brilhante nem sombria, nem de qualquer qualidade que possa ser
nomeada, foi simplesmente descrita por mestres conscientemente contatando-a como Clara.. A luz clara está
presente em toda a escritura, mais diretamente no Salmo 139:

Se eu disser: 'Certamente a escuridão me cobrirá,


e a luz ao meu redor se tornará noite',
mesmo a escuridão não é obscura para você;
a noite é tão luminosa quanto o dia,
pois a escuridão é tão leve para você. (12 a 13)

Luz Clara, ,‫ור‬, gradua-se em luz física. A luz física é graduada em formas físicas opacas. Como toda matéria é
essencialmente energia, toda a Criação é gradações infinitas de luz, claras a opacas. O que distingue entre qualquer
uma dessas gradações é a consciência do observador. Se um só permite aparência física, então a aparência física é
tudo o que se percebe; se outro permite a aparência metafísica, então uma aparência metafísica é o que se
percebe:

Jesus levou todos eles furtivamente, pois ele não aparecia como ele era, mas da maneira em que eles poderiam vê-
lo. Ele apareceu para todos eles. Ele apareceu para os grandes como grandes. Ele parecia ao pequeno como
pequeno. Ele apareceu aos anjos como um anjo e aos homens como homem. Por causa disso, sua palavra se ocultou
de todos. Alguns de fato o viram, pensando que estavam se vendo, mas quando ele apareceu para seus discípulos em
glória no monte, ele não era pequeno. Ele se tornou grande, mas ele fez os discípulos grandes, para que pudessem
vê-lo em sua grandeza. (Evangelho de Filipe)

Sabemos que a percepção do Messias em Yeshua exigiu daqueles que viram sua aparência um leve e vago
conhecimento do Messias dentro de si mesmos. Experiência é expectativa:

Jesus disse aos seus discípulos: "Compare-me com algo e diga-me como sou".

Simão Pedro disse a ele: "Você é como um mensageiro justo".

Mateus disse-lhe: "Você é como um filósofo sábio".

Thomas disse a ele: "Mestre, minha boca é totalmente incapaz de dizer como você é." (Gospel of Thomas, 13)

'Quem te recebe, me recebe, e quem me recebe, recebe aquele que me enviou. Quem receber um profeta em nome
de um profeta receberá a recompensa de um profeta; e quem recebe um justo em nome de um justo receberá a
recompensa dos justos; e quem dá até um copo de água fria para um desses pequeninos em nome de um discípulo -
na verdade, eu lhes digo que nenhum deles perderá sua recompensa.

Para este mesmo princípio de expectativa, ser o que se experimenta é como a Santa Noiva viu o que os discípulos do
sexo masculino não podiam, Bendita seja Ela:

Então os discípulos voltaram para suas casas. Mas Maria ficou chorando do lado de fora do túmulo. Enquanto
chorava, inclinou-se para olhar a tumba; e ela viu dois anjos de branco, sentados onde o corpo de Jesus estava
deitado, um na cabeça e outro nos pés. Eles lhe disseram: 'Mulher, por que você está chorando?' Ela lhes disse: 'Eles
levaram o meu Senhor e eu não sei onde eles o colocaram'. Quando ela disse isso, ela se virou e viu Jesus ali, mas não
sabia que era Jesus. Jesus disse a ela: 'Mulher, por que você está chorando? Para quem você está
procurando? Supondo que ele fosse o jardineiro, ela lhe disse: 'Senhor, se você o levou embora, diga-me onde o
colocou e eu o levarei'. Jesus disse a ela: 'Maria!' Ela se virou e disse a ele em hebraico: "Rabbouni!" (João 20: 11-16)

Como a Noiva Sagrada estava mais perto do Messias, então ela podia contemplar o Messias Ressuscitado pela
primeira vez desde o Primeiro Dia, renovando a Criação. Aqui está o fruto atribuído pelo Sefer Yetzirah como a
"Consciência Renovadora", renovando as criaturas e a criação com uma recepção mais profunda da percepção:
"Chama-se isto porque é o meio pelo qual o Santo Abençoado provoca todas as coisas novas que são trazidas. por
estar nesta Criação ”.

E aquele que estava sentado no trono disse: 'Veja, estou renovando todas as coisas'.(Revelação 21: 5) O que é
renovado, feito novo, não é renovar o familiar, mas se manifestar do que estava além da pré-condição, preconceito
ou expectativa kármica. Não é uma reforma que é nova, mas é em mim mesmo quem é feito novo. ‫ ע‬me lembra que,
se de fato eu quiser mudar alguma coisa do lado de fora, para renovar qualquer coisa ao meu redor, sou eu quem
deve mudar de dentro. É o feixe no meu olho que preciso remover antes que eu possa criticar a partícula em outro
olho. É o julgamento de mim a que devo responder antes de julgar corretamente outro. Se Elohim não mudou
através da história, mas nós que mudamos, então purificar nossa percepção é nossa renovação em cada estado de
existência dentro e além do corpo. Este é o empoderamento de ‫ע‬:

Através do Espírito Santo nós somos de fato gerados novamente, mas somos gerados através de Cristo nos
dois. Somos ungidos pelo Espírito. Quando fomos gerados, fomos unidos. Ninguém pode se ver na água ou em um
espelho sem luz. Nem mais você pode ver em luz sem espelho ou água. Por esta razão, é apropriado batizar nos dois,
na luz e na água. Agora a luz é o crisma.

'O olho é a lâmpada do corpo. Então, se o seu olho é saudável, todo o seu corpo estará cheio de luz; mas se o seu olho
não for saudável, todo o seu corpo estará cheio de escuridão. Se então a luz em você é escuridão, quão grande é a
escuridão! (Mateus 6: 22-23)

Mas a serpente disse à mulher: 'Você não morrerá; pois Elohim sabe que quando você come, seus olhos se abrirão e
você será como Elohim, conhecendo o bem e o mal. (Gênesis 3: 4-5)

Então Ananias foi e entrou na casa. Ele colocou as mãos em Saul e disse: 'Irmão Saul, o Senhor Jesus, que apareceu a
você aqui, me enviou para que você recupere sua visão e seja cheio do Espírito Santo'. E imediatamente algo como
escamas caiu de seus olhos e sua visão foi restaurada. (Atos 9: 17-18)

Que todos nós possamos ser abençoados e fortalecidos para ver a verdade,
humildemente vendo a partir de dentro:
Pois com você é a fonte da vida;
em sua luz, vemos a luz. (Salmos 36: 9)

Amém e amém!

Elder Gideon +
Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Ayin, o False Alef

# 2 Post by Elder Gideon » Dom 19 mai 2013 9:54 am

Shabat Shalom, Tau Malachi:

Como eu me lembro de ter ouvido mais de uma vez ao longo dos anos, que Ayin é um falso Alef, estou começando a
ver algo de como e por que isso pode ser assim. Considere as palavras

Luz e Pele, ‫ אור‬e ‫עור‬

Sheba e Sete, ‫ שבא‬e ‫שבע‬

El e Elyon, ‫ אל‬e ‫עליון‬

Há muitos outros exemplos, tenho certeza. Eu os vi em meus estudos e sou fascinado pelo que, além do óbvio som
de vogal similar, a linhagem diz a respeito de Ayin como um falso Alef.

Com gratidão,

Elder Gideon
Misticismo de Peh
# 1 Post by Elder Gideon » Sex 14 de outubro de 2011 18:45

‫ פ‬e sua forma final ‫ף‬


Peh: Boca, Palpabilidade, e o número 80 e sua forma final 800.

"Declaramos a você o que foi desde o começo, o que ouvimos, o que vimos com nossos olhos, o que parecemos e
tocamos com as nossas mãos, acerca da palavra da vida - "(1 João 1: 1a)

Tendo explorado os mistérios do que se pode olhar e ver com os olhos, naturally naturalmente transita para o que se
move e se move pela boca contemplando ‫פ‬.

Tanto ‫ ע‬como ‫ פ‬são aberturas no rosto medindo o espaço interno e externo. Ver é por meio da luz e falar é por meio
do som, ambos os quais são campos vibracionais da Criação. A história da Criação Judaica depende muito
fortemente de ambos os sensores, pois Elohim modula a luz primordial através do som com toda máxima criativa:
"Haja".

No corpo, através dos olhos e da boca, o fruto da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal entrou no
Humano. Aquilo que para sempre leva em seu corpo é uma questão de estrita observância nos ensinamentos
judaicos do que é limpo e impuro. O que é sagrado ou profano sustentou ou corrompeu todo o corpo de alguém. O
Messias Yeshua essencializou todo esse código pela prática mais rigorosa da dimensão energética manifestada
através da boca do Ser Humano ao pregar: "Não é o que entra na boca que contamina uma pessoa, mas é o que sai
da boca que os [...] contaminados, pois o que sai da boca procede do coração, e é isso que contamina ". (Mateus 15:
11,18)

A relação entre o coração e a boca enfatiza ainda mais a dimensão da energia criativa por trás da fala na figura de
uma árvore kármica de frutos: "Ou torna a árvore boa e seus frutos bons, ou torna a árvore má e seu fruto ruim; a
árvore é conhecida por seus frutos. Vocês criam víboras! Como você pode falar coisas boas, quando você é mau? Pois
da abundância do coração a boca fala. A boa pessoa traz coisas boas de um bom tesouro, e a pessoa má traz coisas
más de um tesouro mau Eu te digo que no dia do juízo você terá que dar conta de toda palavra descuidada que você
pronuncie, pois por suas palavras você será justificado, e por suas palavras você irá ser condenado ". (Mateus 12: 33-
37)

São Tiago segue a mesma dimensão energética do coração, movendo-se e movendo-se pela boca, quando avisa:
"Muitos de vocês não devem se tornar professores, meus irmãos e irmãs, pois sabem que nós que ensinamos serão
julgados com maior rigor. Para todos nós cometemos muitos erros. Qualquer um que não cometa erros em falar é
perfeito, capaz de manter todo o corpo sob controle com um freio. Se colocarmos pedaços na boca dos cavalos para
fazê-los obedecer, guiaremos seus corpos inteiros. Ou olhe para os navios: embora eles sejam tão grandes que são
necessários ventos fortes para dirigi-los, ainda assim eles são guiados por um pequeno leme onde quer que a vontade
do piloto dirija. Assim também a língua é um membro pequeno, mas se orgulha de grandes façanhas. Como uma
grande floresta é incendiada por um pequeno incêndio! E a língua é um fogo. A língua é colocada entre os nossos
membros como um mundo de iniqüidade; mancha todo o corpo, incendeia o ciclo da natureza e é incendiado pelo
inferno. Pois cada espécie de animal e ave, de réptil e criatura marinha, pode ser domada e domesticada pela espécie
humana, mas ninguém pode domar a língua - um mal inquieto, cheio de veneno mortal. Com isso, abençoamos o
Senhor e Pai, e com isso amaldiçoamos aqueles que são feitos à semelhança de Deus. Da mesma boca vem bênção e
maldição. Meus irmãos e irmãs, isso não deveria ser assim ”.(Tiago 3: 1-10)

Esses tons mais severos em torno de ‫ פ‬são apropriados para sua ressonância com a sefirah Gevurah e o interior
Brow Star, que compartilham um princípio de constrição. Gevurah separa a luz do primeiro dia na divisão dos
firmamentos superiores e inferiores; A Estrela da Sobrancelha emana os reinos de luz manifestados em severidade, a
exibição de Elohim na ira. Falar é por si só para restringir o que é ouvido, sentido ou lembrado em palavras cujos
significados estão vinculados a uma linguagem, momento e contexto específicos.
Governando Malkut, Gevurah contrai a luz mais severamente em realidades tangíveis e táteis, "congelando a luz" até
mesmo no toque físico: Palpabilidade, a consciência à qual o Sefer Yetzirah atribui essa energia de ‫פ‬, “porque a
consciência de todas as coisas criadas sob toda a esfera superior, assim como todas as suas sensações, foram criadas
através dela. Talvez aqui a dimensão de energia que Elohim fala através da boca se misture com os mistérios da luz
constrangidos em fisicalidade. A boca e a palpabilidade se encontram nesta exibição, envolvendo-nos de todas as
direções, historicamente perpetuadas por nossa fala.

Visto de outro lado da severidade da fisicalidade é a misericórdia escondida dentro da encarnação do Messias: "o
Verbo se fez carne, habitando entre nós". Se, como Meister Eckardt propõe, "todas as criaturas são palavras de
Deus", então é assim pela graça do Messias tornando-se visível, audível e palpável, revelando pela primeira vez o
que nos espera para nos despertar deste sonho físico de Elohim. . Um corpo como o do Messias ressuscitado, capaz
de ser visto e não visto, tocado e invisível, promete que a luz que nos veste é, em última instância, indefinida e
indeterminada, "cheia de graça e verdade".

Que nosso interior seja feito como o nosso exterior.


Que as palavras de nossa boca e
as meditações de nosso coração sejam
aceitáveis para você, ó Adonai,
nossa rocha e nosso redentor.

Elder Gideon +

T
o
p
o

Damiean

Mensagens: 24

Ingressou: quinta-feira 12 de julho de 2007 13:47

Discurso Interno

# 2 Post by Damiean » Dom Out 16, 2011 1:14 pm

Saudações do Shabat!

Esse ensinamento é uma bela lembrança de nossa necessidade de lembrar e conscientizar nossas palavras e ações, e
a necessidade do Santuário da Graça se manifestar em Hayyah Yehua. Realizado e mantido neste mundo, pela Santa
Noiva, Kallah Messiah. Bendito seja nosso IO Adonai!

Ao ouvir isso, também me lembro do ensinamento que nos diz que, antes que qualquer coisa seja pronunciada
exteriormente, toda a fala é formada e "pre-falada" interiormente. Que nós realmente falamos antes de
falarmos! Que os pensamentos e emoções, visões mantidas na mente / coração interior, são como profecia falante,
seja em vontade própria ou de acordo com a Ratzon (Vontade) do Santo do Ser. Assim, este ensinamento é um
maravilhoso lembrete de estar presente conosco mesmos, em cada momento. Um chamado para a conscientização
dos pensamentos e do diálogo interno que temos em cada momento. Por estas aparentes, pequenas nulidades, são
a base da nossa energia. A partir desses pequenos momentos de conversação criativa, formamos nosso dia, nossas
vidas, momento a momento. Levar adiante e pôr em movimento a energia que pode e muitas vezes se torna
realidade palpável para nós e para os outros.
Lembrando o verso na Escritura que fala. "e todas as coisas que estão escondidas serão reveladas", nós somos sábios
para sempre decretar purificação e autocontrole. Sempre se movendo de uma forma que é ao mesmo tempo
amorosa e humilde. Para quem entre nós, não teve um pensamento interno duro ou talvez cruel ou um momento de
fala interior que foi verdadeiramente carente de amor ou compreensão? Se formos honestos conosco mesmos, não
há um entre nós. E assim, buscamos a Graça do Messias, decretamos a purificação e buscamos o perdão, e, em
profunda misericórdia e amor, encontramos no sempre misericordioso e restaurador abraço do Messias.

"Para aqueles a quem muito é dado, muito será necessário." Para nós que fomos agraciados e abençoados para
sermos professores e guias no Caminho, nós que somos chamados de acordo com os propósitos do Santo, que hoje
possamos dar louvor e glória ao Santo, e que nosso discurso, tanto interior e exterior, elevar e capacitar todos os
seres, que nossos corações sejam incendiados com o temor e o amor de Yahweh, bênçãos sejam ditas para o povo e
para a terra, para que todos sejam iluminados no Santuário sagrado manifestado em Hayah Yeshua! Amém e
Amém!

Shalom!
Misticismo de Tzadi
# 1 Post by Elder Gideon » Sáb 29 de outubro de 2011 1:30 pm

‫ צ‬e sua forma final ‫ץ‬


Tzadi: Gancho, Pesca, Colheita, Retidão, Natureza Divina, e o número 90 e sua forma final 900.

"... Será que a matéria será totalmente destruída ou não?"


O Salvador respondeu: "Toda natureza, toda forma modelada, toda criatura existe em si e uns com os outros. Eles se
dissolverão novamente em suas próprias raízes. Pois a natureza da matéria é dissolvida no que pertence à sua
natureza. Qualquer um com dois ouvidos capaz ouvir deve ouvir!

Pedro disse-lhe: "Você tem explicado cada tópico para nós; conte-nos mais uma coisa. Qual é o pecado do mundo?"

O Salvador respondeu: “Não existe pecado, mas vocês são o que produz pecado quando você age de acordo com a
natureza do adultério, que é chamado 'pecado'. Por esta razão, o Bom veio entre você, perseguindo (o bem) que
pertence a toda natureza. Ele fixará dentro de sua raiz ". ( Evangelho de Maria , Karen King trns.)

‫ צ‬é uma carta vital para os magníficos princípios da Cabalá que soletram Tzaddik, o Justo, Tzedekah, Retidão e
Tzimtzum, Constrição. Vemos, desde o início do Livro de Atos, que o Messias de Adonai Yeshua ainda é chamado
Tzaddik, Justo, por São Pedro, através do qual a Presença tinha acabado de se mover de uma maneira
miraculosamente curativa

".(Atos dos Apóstolos 3:14)

e por Santo Estevão, através de quem a mesma Presença o encorajou a pregar até seu último suspiro martirizado:

"Qual dos profetas seus antepassados não perseguiram? Eles mataram os que predisseram a vinda de o Justo, e
agora você se tornou seus traidores e assassinos, " (Atos dos Apóstolos 7:52)

e novamente por São Paulo, lembrando as palavras do devoto Ananias através de quem a Presença restaurou a visão
de Paulo da conversão cegante em sua caminho para Damasco,

“O Deus de nossos antepassados escolheu você para conhecer sua vontade, para ver o Justo e ouvir sua própria
voz; porque tu serás o seu testemunho para todo o mundo do que viste e ouviste. " (Atos dos Apóstolos 22: 14-15)

Em todos esses casos, para todos esses os primeiros Apóstolos na sucessão que segue a Senhora Miryah de Madgala,
Yeshua é Adonai: Yeshua é Tzaddik. Assim como os fiéis e eleitos reconhecem um Apóstolo vivo fora de si mesmos,
eles percebem isso como um reflexo de sua própria natureza, Cristo habita neles o tempo todo.

A verdadeira natureza de alguém, a natureza divina de alguém, é central no misticismo de ‫צ‬, pois o Sefer
Yetzirah chama esse caminho de Consciência Natural: "Isso é chamado porque a natureza de tudo o que existe sob a
esfera do sol foi completada através dele." A conclusão aqui, é claro, é tikkunim, uma vida que traz o fruto da paz
profunda, Shalom, uma palavra que também significa plenitude, integridade. O que faz um todo não é adquirido,
mas lembrado.

O processo dessa lembrança é a vida e a prática espiritual, removendo os aditivos para uma pureza inalienável, o que
os budistas chamam perceptivelmente de "Grande Perfeição Natural". Todas as práticas em nossa linhagem ensaiam
essa verdade desde o começo: indo para dentro, vivendo de dentro, nós nos abrimos para a Luz de cima. Na prática
de "Dar e Receber", por exemplo, antes de sempre nos envolvermos com o que está sofrendo ou fuligem fora de
nós, começamos como um todo e completamos a Presença da Luz. Da mesma forma, em todas as meditações, nós
começamos em uma pureza inata livre de qualquer traço, mancha ou mácula do passado. Com o tempo e a
consistência, o início dessas práticas espelha toda a própria vida espiritual, o que Tau Elias diz ser um "caminho de
purificação". Quando me lembro de que a purificação é remover aditivos, então o mais alegre,

Dessa afirmação, alcançar outras almas, refletindo sua própria bondade para com elas, é o desejo íntimo do coração
dentro dos Justos, Tzaddikim: Que todas as boas criaturas parem em seu sofrimento sem objetivo e se lembrem de
sua perfeição inata, sua Raiz Sagrada e sejam libertadas . Para isso, Tzaddikim encarnou nos campos da existência
senciente em todas as formas de coleta, como quando Adonai Yeshua proclama,

"Você não diz: 'Quatro meses mais, então vem a colheita?' Mas eu lhe digo, olhe ao seu redor, e veja como os
campos estão maduros para a colheita. O ceifador já está recebendo salários e está colhendo frutos para a vida
eterna, para que o semeador e o ceifeiro possam se alegrar juntos. Um semeia e outro colhe. Eu te enviei para ceifar
aquilo para o qual não trabalhaste. Outros trabalharam e entraram no seu trabalho " (João 4: 35-38)

Ele disse-lhes:" Siga-me, e eu te farei pescar para pessoas." (Mateus 4:19)

"O [Tzaddik] é como um sábio pescador que joga sua rede no mar e a puxa do mar cheio de peixinhos. Entre eles o
sábio pescador descobriu um bom peixe grande. Ele jogou todos os peixinhos de volta ao mar. , e facilmente
escolheu o peixe grande. Qualquer um aqui com duas boas orelhas ouvir melhor! " (Thomas 8)

Neste ensinamento de St. Thomas, parte do corpo do Tzaddik é lançada nas profundezas enquanto outra parte
permanece acima, a bordo. Isso lembra o mistério de ‫ ץ‬em sua forma final, indo abaixo da linha na matéria e no
caos, enraizado acima da linha no Pleroma, o tempo todo.

Que possamos descer, nos


apegando ao Justo em nosso interior,
nossa Natureza Divina e imunidade ao pecado,
completando o Justo em tudo,
o tikkunim desta criação em ascensão.

Não eu, mas Cristo em nós!

Amém e amém!

Elder Gideon +

T
o
p
o

Bevan

Mensagens: 165

Juntado: ter 11 fev 2014 9:31

Re: Misticismo de Tzadi

# 2 Post by Bevan » Ter Jun 07, 2016 6:59 pm


Shalom!

Qual é a correspondência entre pe (peh) e ‫( צ‬tzadi)? Noto que cada um se une ao outro na Tríade de Ação, o que
sugere um forte poder manifestador neles.

As bocas dos justos profundos sabedoria (Salmo 37:30)

No entanto, eu entendo que os Tzaddikim só têm voz se há aqueles que podem receber sabedoria (hokmah-
iluminação)? Elogie Ma por Tzaddik e pela Comunidade Ungida que permitem dar através do recebimento de
ensinamentos e capacitações para as pessoas.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos. (Mateus 5: 6)

Para ser cheio de bondade, você precisa de uma boca (‫ )פ‬que possa receber quando um estômago vazio desperta
seu inato desejo de justiça (‫ ?)צ‬Se sim, aqueles que reconhecem sua necessidade de bondade buscarão e
participarão (integrarão com) o fruto (sefirot) da Árvore da Vida.

O fruto dos justos é uma árvore da vida,


E aquele que é sábio ganha almas.
(Provérbios 11:30

Depois de ser preenchido, você reconhece a sua natureza divina em união com a Fonte e se torna um Tzaddik,
pronto para continuar o ciclo de colheita da semeadura da justiça.

Semear com vista à justiça (Oséias 10:12)

Quaisquer correções ou esclarecimentos são bem-vindos.

Santo do Ser, que a Tua justiça esteja em nossas bocas e corações!

Bevan.

T
o
p
o

Bevan

Mensagens: 165

Juntado: ter 11 fev 2014 9:31

Re: Misticismo de Tzadi

# 3 Post by Bevan » Sex 24 de junho de 2016 17:18

Shalom!

Eu vi que tzadi pode estar na forma de um substantivo, como em 'um justo' (tzaddik - ‫)צדיק‬, mas também um verbo
como em 'justificar' ou 'reivindicar' [tzadak - ‫]צָ דק‬.

Se tiver alguma coisa a dizer, responda-me;


fale, pois quero vindicar [tzadak] você.
Mas se não, então me escute;
fica em silêncio, e eu te ensinarei sabedoria [hokmah]. ”
(Jó 33: 32,33)

Tzaddik é um indivíduo no estado de justiça, enquanto "reivindicar" é a ação de fazer justiça. Na passagem de Jó,
podemos ver que Yahweh usa sabedoria (Hokmah) e uma educação para co-criar essa mudança. Nós vemos este
processo de aprendizado no arco da história da vida de Jó.

Além disso, as letras em tzadak (‫ )דקָצ‬são: tzaddi-dalet-qof. É que Deus está facilitando um movimento justo através
da porta dos ciclos evolucionários?

É interessante em “Gnose do Cristo Cósmico” que Tau Malachi declara no capítulo sobre Hokmah, “Ratziel serve
como um guia e guardião da evolução humana, então também a ordem do Ofanim sob sua responsabilidade.” (P.
109 ) Como eu leio mais adiante, vejo Ofan significa 'roda' no contexto de ciclo e movimento. Eles ajudam a
realidade espiritual e física a interagir. Parece que Yah age através deles para justificar.

Você vê que um homem é justificado pelas obras e não somente pela fé. (Tiago 2:24)

No grego, justificado é dikaioō (δικαιόω). É uma palavra comparável a tzadak? Em James, vemos que temos um
papel a desempenhar no nosso processo de justificação.

Qualquer esclarecimento ou correção é bem-vindo.

Bevan.

T
o
p
o

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Fazendo certo

# 4 Post by Elder Gideon » seg 27 de junho de 2016 22:23

Shalom Bevan:

Fantástico achado! Louvado seja Ma! É completamente rico que um Justo seja tal pelo que faz: Tzadak .

Eu me lembro de como os atributos Divinos vêm da Persona Divina, ou personificação. Esses mesmos atributos são
sefirot. É tão simples que muitas vezes deixo de perceber como nossas ações são simplesmente sefirot ou klippot. O
que os seres humanos fazem é o que acontece, em misericórdia, julgamento ou compaixão.

Eu me lembro da intrincada discussão de São Paulo em Romanos de justiça antes que houvesse uma lei. Ele enfatiza
a fé pela qual Abraão e Sara são considerados justos. Midrashim deixa claro como eles fizeram isso através da
hospitalidade incansável para os viajantes. Por sua orientação, a justiça foi manifestada no mundo. Por serem tão
generosos, havia generosidade nesse plano. Assim, com todos os outros atributos divinos, tais como Severidade,
Compaixão, etc. Para realizá-los é manifestá-los para os outros.

Eu constantemente preciso da prática da justiça como algo que precisa ser feito: Tzadak. Acreditar nisso é apenas o
começo. Em um sentido simplista, se não for feito, não acontecerá. A idéia de que alguém espera que o Senhor
manifeste para si ou para os outros é muitas vezes imatura e até mesmo idólatra. Se eu não chegar a alguém que eu
conheço precisa, então não vai acontecer. Assim, com conforto, apoio material, solidariedade e
presentidade. Ignorar uma necessidade deixa a necessidade ignorada; Provavelmente, a necessidade será vulnerável
ao qlippot. Se o nosso tempo presente parece tão desequilibrado, é realmente para o ato de klippot, ao invés de
sefirot.

Tzadak é um verbo e me lembra que Tzaddik e tzedekahsão revelações de uma boa ação (tzedekah) promulgada pela
bondade humana (Tzaddik). A atividade de Tzaddik e tzedekah é o que todos podemos engajar de acordo com nossa
capacidade. Pode tornar-se uma segunda natureza ser útil, paciente ou profundamente presente. Eu aspiro a isso em
todas as maneiras pelas quais a Mãe continua a abençoar minha vida, retornando o que recebi. Somente através da
doação eu tenho.

Que o simples bem interior que cada um venha durar até o futuro. Que a fé seja creditada como justiça.

Elder Gideon

Misticismo do Qof

# 1 Post by Elder Gideon » Sex 11 de novembro de 2011 14:39

‫ק‬
Qof: A parte de trás da cabeça e o número 100.

Saudações!

Jesus disse: "Se a carne surgiu por causa do espírito, isso é uma maravilha, mas se o espírito surgiu por causa do
corpo, isso é uma maravilha de maravilhas. (Thomas 29)

O termo 'carne' ao longo das escrituras é entendido em nossa linhagem como nefesh behamit, alma bestial,
dirigindo o corpo, a guf, de modos muito mais parecidos com o passado mamífero do qual evoluiu do que muito da
humanidade confortavelmente admitirá. Ainda somos muito mais animais do que humanos. O que por séculos
dividiu os reinos animal e humano - ferramentas - a primatologista Jane Goodall fez uma ponte, sendo o primeiro a
observar os chimpanzés de Gombe, na África, manipular varas modificadas, inserindo-as em ninhos de cupins para
extrair e comer. A semelhança entre nós e chimpanzés é subjetivamente inegável em comportamentos enraizados
em complexas estruturas emocionais, familiares e sociais, como é objetivamente a partir do trabalho do Projeto
Genoma Humano, confirmando que, do mesmo genoma, compartilhamos 98,6%. Eu até ouvi o Dr.

Nosso próprio cérebro, em sua base, a medula oblonga, compartilha não apenas todas as funções vitais da
respiração e a regulação do coração com todos os vertebrados, mas os mesmos padrões instintivos do tipo mais
profundo. Por esta razão, sendo a parte mais antiga do cérebro de vertebrados, é chamado o cérebro de Reptillian:
Sobrevivência, dominância, acasalamento. A própria forma da letra ‫ ק‬me lembra esse radical: O ‫ כ‬é o cérebro, e seu
tronco, o ‫ו‬, corre abaixo da linha, profundamente em nosso passado primitivo, a resistência contra a qual ainda
estamos evoluindo. Calor na parte de trás do pescoço e cabeça, Tau Malachi me ensinou, é um aviso de ataque
qlippotic no corpo sutil e físico.
Da parte de trás da cabeça, Tau Malachi também escreveu: "Qof significa literalmente a 'parte de trás da cabeça', e
Nia é uma reversão de Ain, 'não-coisa'." A parte de trás da cabeça está associada a ciclos anteriores da evolução da
vida - o DNA humano, naturalmente, contendo o DNA de todas as formas de vida, o princípio do "ressurgimento
atávico" sugerindo que em um nível psíquico e espiritual podemos ser Poderiam acessar o conhecimento e o poder
de qualquer forma de vida, ou interiormente, experimentar diretamente alguma das percepções de outras
criaturas.Um exemplo de ressurgimento atávico seria encontrado nas tradições xamânicas, nas quais o xamã pode
invocar e incorporar poderes animais em o Espírito, a expressão mais radical do que é a capacidade lendária de um
xamã para realmente mudar de forma em uma forma animal ".

Como a luz está tão profundamente escondida dentro de conchas e barreiras, de modo a esquecer-se é o
fundamento do mistério do resgate que o Salvador veio revelar e redimir. A involução e constrição da luz infinita na
própria matéria certamente participa do mistério de ‫ק‬, que o Sefer Yetzirah chama de Consciência Física: "Isso é
chamado porque representa o crescimento de tudo que se torna físico sob o sistema das esferas [astrologia].
" Mesmo uma compreensão científica do crescimento natural, como a respiração, não se esgotou: a natureza física
cresce e respira de uma natureza metafísica que não pode ser nomeada, medida ou isolada. O cientista e o místico
estão próximos da fonte e da fundação apenas quando estão maravilhados.

Arthur C. Clarke fez uma metáfora visionária desta admiração esmagadora no roteiro 2001: Uma Odisséia no Espaço:
um monolito aparece do nada, nada dizendo, transmitindo aos nossos primeiros ancestrais primatas uma
inteligência infinita do além e dentro da nossa consciência física: ‫ק‬. Em torno do monolito a princípio, os primatas
simplesmente gritam e gritam, tagarelam e dançam, uma imagem de Tau Malachi compara com carinho líderes
religiosos à Revelação Divina. Então, no que é metaforicamente o primeiro lampejo epifânico nessa onda de vida,
elevando os primatas do inconsciente para a evolução consciente, um primata em particular reconhece a primeira
ferramenta em um osso. Usada vantajosamente para caçar presas, e depois para matar clãs competidores por
recursos, essa percepção singular que finalmente toca a Terra primitiva será catalisada no mundo humano,
alcançando todo o caminho até o espaço profundo, permeado pela mesma inteligência do infinito: o ‫ק‬.

E o Verbo se fez carne e viveu entre nós (João 1:14).

A plenitude dessa Inteligência Física, esta, é completa, significando dar frutos, quando um corpo físico finito é capaz
de estabilizar e transmitir luz infinita. A fisicalidade corresponde ao elemento Terra, que é talvez o elemento mais
misterioso quando contemplamos profundamente sua correspondência com a direção Norte e a Luz de El, Arcanjo
Uriel. Estrelas do céu noturno do espaço exterior são pontos inteiramente paralelos de núcleos do espaço interior
subatômico. Do fundo de tudo, envolvido por tudo, está um Continuum de Luz de gradações infinitas: YHVH.

E ele foi transfigurado diante deles, e seu rosto brilhou como o sol, e suas roupas tornaram-se brancas
deslumbrantes. (Mateus 17: 2)

No Antigo Testamento, a transfiguração ocorre apenas duas vezes com Enoque e Elias; para Enoque, não há
ninguém para receber, enquanto para Elias há apenas um para receber. De Adão a Adonai Yeshua, quarenta e dois
ciclos geracionais de crescimento, de ‫ק‬, são necessários para criar as condições para a plena recepção e transmissão
desta luz infinita a muitos, personificada pela Santa Noiva e sua Sucessão Apostólica.

A necessidade da encarnação do Messias e da promessa de Nossa Senhora de reencarnar na forma da mulher até o
tempo da Segunda Vinda, é a mais alta afirmação e elevação de estar aqui, sendo físico, pelo que é atualizado
abaixo, o que é acessado por um pode ser acessado por todos. Somente quando o Apocalipse é corporificado,
promulgado, ele é tocado. As razões para esse grande poder de atualização material são duas: a realização integra a
resistência: "O espírito está realmente disposto, mas a carne é fraca" (Mateus 26.41); rega, a lacuna pausal antes de
decidir invoca a Vontade Divina em manifestação: "Agora minha alma está perturbada. E o que devo dizer - 'Pai,
salve-me desta hora'? Não, é por essa razão que eu vim a esta hora ".(João 12:27) Por estes, resistência e rega, a
Consciência Física é um grande poder.

Tu és digno de levar o livro


e abrir os seus selos,
pois foste abatido e, pelo teu sangue, resgataste para
santos de Deus de todas as tribos e línguas, povos e nações;
tu os fizeste para
seres reino e sacerdotes servindo ao nosso Deus, e eles reinarão na terra.

Amém e amém!

Elder Gideon +

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Evolução da alma

# 2 Pós por malochim » Sat 12 novembro de 2011 02:08

Qof / Koof em Qof Shin Tau (Qeshet) como a evolução do Human One

"Koof é a" parte de trás da cabeça ", e como tal implica evolução, que no início é inconsciente, mas eventualmente
se torna consciente mais e mais como almas despertam. Basicamente falando, Koof representa o crescimento e
desenvolvimento que é o movimento para a frente da evolução. , mas também representa uma atração para baixo e
para trás, e o princípio do ressurgimento atávico:

Shin é a carta que representa a inteligência ígnea, a Shekinah e o Espírito Santo, e sabemos que as almas são
despertadas através do dom da inteligência ardente. que faz um verdadeiro ser humano espiritual de acordo com os
mestres gnósticos.

Tau, é claro, é a Santa Cruz e representa o Cristo ressuscitado ou "Ponto Ômega", a fruição da intenção original de
Deus na criação, a geração do Ser Humano de Luz, a imagem e semelhança de Yahweh Elohim.

Como se vê, Shin e Tau se juntaram para soletrar o Nome de Seth, o "Grande Seth", ou "Filho do Humano", sendo
um nome comum para o Messias - Koof precedendo Shin-Tau implica que a evolução criativa é inspirada e guiados
por esta santidade e beleza, e essa evolução criativa será redimida e culminará nesta Iluminação Divina. "- Tau
Malaquias

Minha intenção com este post é uma tentativa de esclarecer por mim mesmo os conceitos básicos da evolução da
alma e da geração do corpo de luz. Espero que algo mais do processo possa ser extraído na discussão a seguir.
No processo de Shevirat Ha Kelim (quebra dos vasos) os Olamot também são emanados em um movimento de
descida e restrição da luz superna. No entanto, em algum ponto do ciclo cósmico, existe também um movimento de
ascensão no qual o Olamot inferior é atraído para o alto e reintegrado no Olamot superior. Daqui Assiyah é
elaborado e integrado com Yetzirah; Yetzirah, por sua vez, em Beriyah e assim por diante. No movimento de descida
a luz superna é restrita e de Olam para outra consciência se move da unidade e simplicidade para maior
multiplicidade e complexidade. O movimento de ascensão é o inverso, da multiplicidade e complexidade à unidade e
simplicidade. É como se Deus estivesse respirando a criação dentro e fora da existência, um piscar dentro e fora do
Fundamento Primordial.

O tikkun (conserto / cura) da alma humana é completamente entrelaçado com o tikkun dos Olamot. Humanos são
seres multidimensionais que abrangem toda a totalidade em Ain Sof. Assim, quando consertamos nossos próprios
vasos quebrados e elevamos as faíscas amarradas na escuridão e na ignorância, também consertamos as sefirot dos
Olamot.

O conserto do Nefesh corresponderia ao universo de Assiyah (Adão e Eva depois de ser expulso do Jardim do Éden),
Ruach com Yetzirah (Adão e Eva depois de comer da Árvore do Conhecimento), Neshama com Beriyah (Adão e Eva
antes a queda), Hayyah com Aztilut (Adam Ha-Rishon, Adão e Eva em um corpo andrógino) e Yechidah com Adam
Kadmon
(Adão Primordial).

“Agora, as partes mais íntimas de nossa alma, yechidah, nossa essência única e hayyah, nossa força vital ou poder de
luz, são tiradas de Adam Kadmon e Adam Ha-Rishon, nossa essência raiz sendo extraída de uma Sefirah, ou
configuração. de Sefirot, de Atzilut, e, como tal, cada um de nós carrega tikkunim específicos que devemos provocar,
ou que temos um potencial celestial e espiritual específico que devemos realizar e realizar. Assim, com efeito, cada
um de nós tem a nossa parte no tikkune da Alma do Humano, ou na atualização e realização da Alma do Humano,
que é o nosso trabalho espiritual e missão como membros do Corpo dos Ressuscitados. Messias, e que é realizado
pelo Messias e Ruach Ha-Kodesh em nós. - Tau Malaquias "

Mas para o Humano ser um co-criador consciente que pode agir em todos os níveis da Totalidade, um veículo
adequado de consciência deve ser desenvolvido em cada nível / Olam.

Na terra, a evolução da forma ocorre em cinco reinos; o mineral, vegetal, animal, humano e humano-humano.

A consciência também passa pelas mesmas fases, no reino vegetal e animal a consciência vital e mental é
desenvolvida e no reino humano a maior parte da evolução está dentro do desenvolvimento da consciência
mental. É também dentro do reino humano que o próximo estágio / reino é iniciado e que é o reino humano-
celestial ao qual Cristo ou a consciência messiânica está associada.

Dentro do reino humano há também muitas gradações diferentes de alma. Dependendo do nível de
desenvolvimento, as almas podem ser agrupadas em seres humanos bestiais, psíquicos (fiéis) e espirituais
(eleitos). Atualmente, a maioria das almas da onda de vida humana na Terra está progredindo nos grupos bestial e
psíquico. Cada grupo geralmente também é subgrupo em 3 grupos, totalizando 9 grupos. O décimo grupo
representa o da humanidade celestial que é o primeiro trampolim em uma evolução além daquilo que normalmente
chamamos de homem. Na era atual há um grande influxo de jovens almas para o reino humano a partir do reino
animal, como um contrapeso, há também um influxo de almas avançadas das raças mais velhas. Almas que
progrediram muito além do desenvolvimento da alma humana média em nosso tempo atual em nosso sistema
planetário. Tais almas luminosas vêm como portadores de luz, tsadikim (santos) e maggidim (anjos) e educam e
elevam a consciência da humanidade, bem como estabelecem as tradições da luz contínua e da sabedoria, que
atuam como veículos no processo de iluminação. É através do contato com o Continuum de Luz que a inteligência de
fogo é acesa e é essa força evolutiva que nos transformará em algo mais do que humano, algo angelical e divino.
Quando a alma inicia seu desenvolvimento no reino humano, o ser vital / nefesh da alma ainda está em um estado
bestial, neste estado não regenerado é referido como nefesh behamit (alma bestial). Também o intelecto humano só
tem acesso ao ruach inferior, já que a maioria dos pensamentos e desejos são direcionados para o mundo e o
ego. Há também uma parte da nefesh que é direcionada para dentro, para o ruach superior e através de sua
mediação, o neshamah. É através do cultivo do ruach superior que o nefesh behamit é transformado em nefesh
elokit e nosso ser vital e mental é direcionado para dentro, para os Deuses. É também através do ruach superior e da
transformação do nefesh que a alma começa a acessar o neshamah, hayyah e yechidah.

Neste processo de transformação da inteligência ardente, o poder da serpente é despertado, elevado, sublimado e
levado à cessação. Através de sua elevação, ele passa através das sete estrelas interiores e completamente realinha
e equilibra nosso ser energético. Através deste processo os cinco elementos que no estado não generalizado são
expressos em forma impura são liberados e reintegrados na Fundação, surgindo como elementos puramente
primordiais. É também nesse processo que o corpo de luz, o corpo solar da ressurreição, é gerado.

Normalmente, este processo é descrito na tradição como o caminho de oito etapas da iniciação, que é descrito da
seguinte forma:

Nascimento - Corresponde ao elemento da terra e da estrela da raiz no corpo sutil.

Nosso nascimento espiritual no nível mais fundamental é o alvorecer da fé, e a fé representa a primeira gradação da
experiência de iluminação, pois é uma intuição da Verdade e da Luz, que invoca a experiência da Verdade e da Luz, e
é o sentido do Mistério nos leva em nossa Busca Sagrada. A própria fé é um grande mistério, pois ninguém pode
dizer por que uma pessoa tem fé e outra não; todavia, aparte da fé de alguma forma, ninguém pode
verdadeiramente entrar no Caminho da Auto-Realização. É semelhante ao nosso nascimento neste mundo em que
vem por meio da Divina Providência e é um dom do Espírito Santo, assim como é o nosso nascimento e vida neste
mundo.

No Santo Evangelho nos é dito que o Senhor Yeshua nasceu da Virgem Mãe através da Imaculada Conceição - que é
uma metáfora do Despertar Espiritual. O alvorecer da fé é como uma Semente Sagrada de Luz implantada no ventre
da Virgem da Luz - nossa própria personalidade e manifestação de vida, e nossos próprios corpos, sendo seu ventre
no qual o Indivíduo da Luz (Cristo) é concebido, gestado e nascido. A partir desta Imaculada Conceição através do
Espírito Materno, todos os ciclos da Iniciação Cristã se desdobram e estamos destinados a evoluir para a Divina
Plenitude de Cristo como filhos e filhas do Grande Seth, a Verdadeira Luz.

(Em outro nível, a história do nascimento virginal destina-se a transmitir que a alma encarnada como o Senhor
Yeshua foi Cristo antes da encarnação neste mundo e, portanto, aponta para o mistério da Ordem de
Melquisedeque - a Ordem Universal da Iluminação. digamos: A Sabedoria Divina é a Mãe de todos os Iluminados, daí
a Gnose do Cristo Cósmico.)

Batismo - Corresponde ao elemento da água e à estrela do umbigo no corpo sutil.

Na linhagem sofista do cristianismo gnóstico existe uma única iniciação, que assume uma forma exterior e interior. A
forma exterior, que corresponde à Igreja Exterior, é composta de batismo, crisma (unção) e a festa de casamento
(santa eucaristia). A forma interior, que corresponde à Igreja Interior, é comunicada por palavra viva, respiração
sagrada radiante e imposição de mãos. Essencialmente, a forma interna da Iniciação destina-se a extrair a dimensão
energética da forma exterior, e embora ocorra em dois pontos diferentes no espaço-tempo, é um e o mesmo
movimento da Graça Divina a partir da perspectiva do reino eterno. ou o Messias ressuscitado; portanto, em uma
única iniciação.

Isto descreve a Iniciação da Sucessão Apostólica Gnóstica esotérica, que é a base da Tradição Sophiana do
Cristianismo Gnóstico - um veículo da Transmissão Gnóstica e de Luz que abre o caminho para dirigir a experiência
espiritual e mística do Yeshua Vivo, o Salvador Ressuscitado. e a evolução da alma para a Consciência Superna ou
Messiânica. No entanto, a natureza da Iniciação transcende as formas externas que podem ser usadas para facilitá-la
e podem ocorrer independentemente de qualquer coisa externa. Em essência, a Verdadeira Iniciação, representada
pelo “batismo”, de uma perspectiva Gnóstica, é a recepção da Luz de cima e o despertar do Poder da Serpente
(chamado “Kundalini” no Oriente). Assim, no Santo Evangelho ouvimos falar de um tríplice batismo de água, fogo e
Espírito; a água representa a recepção da Luz de cima,

No início do Caminho Gnóstico, procuramos conscientemente nos abrir para a Força da Mãe - o Ungido e o Espírito
Santo; Especificamente, desejamos nos abrir para a Luz de cima e acolher e convidar a presença da Luz (Cristo) e o
poder da Luz (Espírito Santo) em nós e em nossas vidas. Nós não fazemos nada para forçar um despertar do Serpent
Power, mas aprendemos a esperar pelo Espírito do Messias, e deixar a Divine Grace despertar, elevar e redimir o
Serpent Power no devido tempo. Tipicamente falando, na medida em que nos abrimos e nos tornamos sensíveis à
presença da Luz, e nos entregamos à presença da Luz, o poder da Luz se move com, através de nós, e o Poder da
Serpente é despertado.

Existe uma Provação natural de Iniciação que vem com este Batismo Gnóstico - a Tentação. Você pode se lembrar,
após a recepção do Espírito do Messias, “a Luz do alto”, o Senhor Yeshua foi expulso para o deserto através do
Espírito Santo para ser tentado por Satanás (o Adversário). Isto representa o trabalho espiritual para integrar e
elevar o Serpent Power e a Primeira Noite Escura da Alma que ocorre naturalmente neste processo - literalmente,
alguém passa por uma morte e renascimento místicos. Não apenas existe a tentação de voltar à vida antiga e não
iluminada, como se quisesse voltar a dormir, mas há também a tentação de um mau uso do poder psíquico e
espiritual para a gratificação própria e o auto-engrandecimento, como se experimenta um influxo de níveis extremos
de energia de desejo e o poder total da alma passa a existir. O despertar do Poder da Serpente não é iluminação e
libertação em si, mas sim a Inteligência ígnea deve ser sublimada e conscientemente dirigida para dentro e para
cima - em direção a Deus.

Transfiguração - Corresponde ao elemento fogo e à estrela do plexo solar no corpo sutil.

A transfiguração representa a integração de nossa personalidade e demonstração de vida à presença da Luz, e o


movimento e integração total do Serpente; daí a abertura real da consciência a novas dimensões e a obtenção de
vários graus de consciência vital e mental superiores, juntamente com os níveis correspondentes de Gnose
Divina. Em essência, a transfiguração é composta de muitos graus diferentes da experiência de iluminação (Mochin
Gadlut - Grande Mente) no nível do nosso ser vital e mental, mas não é a iluminação real e a liberação da alma, nem
é o real obtenção de Consciência Superna ou Messiânica.

Este é o reino dos Iniciados Gnósticos, pois traz conhecimento íntimo do Messias ressuscitado; e é o reino do Zaken
(Ancião) ou Adepto, pois quando a Presença da Luz é incorporada e o Poder da Serpente é despertado e integrado, é
possível que uma pessoa sirva como veículo da Transmissão Gnóstica e da Luz para os outros. ou para facilitar algo
da experiência gnóstica com os outros.

Crucificação - Corresponde ao elemento ar e à estrela do coração no corpo sutil.

A transfiguração representa gradações superiores de consciência mental e vital, que vão da consciência mental e
vital comum à consciência cósmica - o ápice do ser mental e vital. No entanto, a fim de experimentar o avanço para a
Consciência Superna ou Messiânica, que é Supramental, a consciência vital e mental deve ser levada à completa
cessação - o Poder da Serpente deve ser colocado em repouso na estrela da coroa do corpo sutil. Isso representa
outra morte e renascimento místicos, e é a Segunda Noite Negra da Alma, pois as delícias da Gnose e da Comunhão
do Adepto devem ser sacrificadas para passar à Consciência Supernal ou Messiânica; daí a paixão e a crucificação.

Relativamente falando, para a maioria de nós nesta vida, nosso trabalho espiritual permanece no reino da Iniciação
entre Nascimento e Crucificação, pois muito poucos de nós estão prontos e dispostos a passar pelo ciclo de Iniciação
representado pela Paixão e Crucificação - mas aqueles que passam por este ciclo de Iniciação à Ressurreição entram
no reino do Tau Sagrado, e incorporam algo da presença da Luz Superna, a Força da Consciência Supernal, e são
justamente chamados de “Mestres Espirituais”.

Ressurreição - Isto corresponde ao elemento do espaço espiritual e da estrela da garganta no corpo sutil.

A ressurreição representa a aurora real da Consciência Superna ou Messiânica, e o influxo da presença da Luz
Superna, que pode potencialmente transformar todos os níveis de consciência - mental, vital e física, incluindo a
substância da matéria em si, como vemos no Ressuscitado. Salvador. É o pleno desenvolvimento da consciência além
do corpo e, ao mesmo tempo, uma completa infusão do corpo com a Consciência Superior - abre o caminho para a
unificação consciente com Deus e com a Divindade. (Esta é a geração inicial do Corpo Trino de Melquisedeque.)

Ascensão - Isto corresponde à semente do pai branco e à estrela da testa no corpo sutil.

A ascensão é semelhante à transfiguração em outro nível, pois representa a progressiva infusão e integração da
Força da Luz Superna nos níveis mental, vital e físico da consciência; portanto, a transformação real de todos os
níveis de consciência e a geração completa do Corpo Trino de Melquisedeque.

Unificação - Corresponde à semente da mãe vermelha e à estrela da coroa na cabeça do corpo sutil.

Isso representa uma unificação consciente com Deus e divindade - cristalização. Aquele que atinge esta União
Mística incorpora plenamente a Santa Shekinah do Messias.

Entronização - Corresponde à Essência da Luz Clara e à Estrela Transcendente.

Na verdade, nada pode ser dito sobre essa Sagrada Realização; representa os Iluminados que permanecem
perpetuamente no Corpo da Verdade. - Tau Malaquias "

Bênçãos na Luz do Messias,


Jonas

Editado pela última vez por malochim em dom novembro 13, 2011 5:52 am, editado 3 times no total.

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Evolução da alma

# 3 Pós por malochim » Sat 12 novembro de 2011 02:10


Shalom,

Neste processo do rompimento dos vasos e da emanação dos Olamot, quase parece que Malkuth decai de Adam
Kadmon até Assiyah, tornando-se Tiferet do universo abaixo na Grande Árvore da Vida, a ponte entre o águas
superiores e inferiores por assim dizer.

A evolução do corpo sutil começa mesmo antes da encarnação / evolução física na Terra? No sentido de que existem
ciclos de evolução na Terra em domínios superiores como Atzilut, Beriyah e Yetzirah antes da evolução física em
Assiyah? Em caso afirmativo, isso tem alguma conexão com os Aeons, como são descritos na cosmologia gnóstica?

Além disso, como funciona o processo de encarnação antes da individualização de um ser humano? É semelhante às
almas de grupo de Netzach discutidas no cristo cósmico com respeito à formação do indivíduo Nefesh / Ruach de um
humano encarnado?

Bênçãos,
Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

Martina

Mensagens: 629

Ingressou: Mon Jun 12, 2006 9:46 am

Localização: Alemanha

Contato:

Entre em contato com Martina

Níveis dentro dos níveis da alma

# 4 Postado por Martina » sab novembro 12, 2011 3:03 am

Saudações e Bênçãos à Luz do Messias!

Obrigado, irmão Jonas, por este esboço detalhado sobre os diferentes níveis da alma. É muito útil para contemplar o
que foi compartilhado no discurso do Skype das últimas noites. Louvor a Nossa Mãe por essa boa troca!

Lendo através do seu post um ensinamento na tradição veio à mente que cada nível de alma contém todos os cinco
níveis. Parece assim que algo dos níveis internos de nossa alma está sempre acessível a nós, mesmo em nefesh. Eu
acho isso um ensinamento muito edificante, pois sugere a multidimensionalidade da nossa alma e eu queria saber se
mais poderia ser compartilhado sobre isso.

Muitas bênçãos,
Martina

Martina

T
o
p
o

malochim

Mensagens: 86

Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am

Localização: Gotemburgo, Suécia

Contato:

Contato malochim

Qof, regredir para progredir

# 5 Post by malochim » Segunda-feira Dez 12, 2011 4:44

Shalom

Em um recente discurso de Shabat, Tau Malachi está falando sobre desejos e que os desejos são colocados em nós
também por Deus, mas junto com os desejos, Deus também coloca certos obstáculos ou obstáculos. Tau Malachi
também explica o propósito destes obstáculos, que eles estão lá para inflamar o nosso desejo e através das
provações de lutar com os obstáculos nos tornamos fortes o suficiente e geramos energia de desejo suficiente para
realmente atingir nosso objetivo e satisfazer o desejo. Algo sobre isso me falou sobre o mistério de Qof e como o
processo de progresso é semelhante a uma onda e, às vezes, temos regressões e, em uma aparente regressão,
podemos estar passando por uma progressão. O objetivo de tais regressões é descobrir certos "nós energéticos" ou
obstruções que nos impedem de reunir suficiente energia de desejo ou poder de luz para ascender ao próximo
estágio / estado. Também após um grande influxo de luz, há também um período de integração onde sombras e
sombras emergem e a luz precisa ser ancorada e atualizada, as tentações superadas. Um exemplo disso são os 40
dias e noites que Yeshua gasta no deserto sendo tentado por Satanás após seu batismo no rio Jordão e o grande
influxo de luz celestial. Disseram-me que isso também corresponde às 40 sefirot dos Olams de Atzilut a Assiyah. Se
olharmos para nossas vidas diárias e quando queremos introduzir uma mudança nos hábitos ou padrões mentais,
costuma-se dizer que leva cerca de 40 dias para o padrão neural se realinhar (isso pode variar um pouco
dependendo de quão fortemente o hábito é). Também é dito que 40 dias é o tempo em média que um humano
sobrevive sem comida. Em tudo isso, há um número que indica uma morte e um renascimento ou ressurreição de
algo antigo para algo novo. Uma atualização e ancoragem de nova luz.

O evangelho e a Pistis Sophia também falam sobre Yeshua se aventurar nos reinos do inferno para libertar as
centelhas divinas da escravidão lá. Em um nível isso também poderia ser interpretado como Yeshua reunindo-se em
poder da luz para que ele ascendesse.

Teremos que superar obstáculos e obstáculos para satisfazer nosso desejo, mas, quando os encontrarmos, devemos
vê-los como parte de nosso sucesso final. Dizem que o amor cresce à distância e, aplicando esse princípio de correr e
retornando, um profundo anseio por nossos emergentes Amados. Os obstáculos são a distância entre nós e nosso
desejo pelo Santo. Nós geramos um grande zelo para contorná-los e, uma vez nos braços de nosso Amado, o abraço
será ainda mais doce.

“A geração de uma intenção clara e consciente nos mantém focados e a consagração tende a remover demandas
vitais que podem causar um recuo vital e uma possível queda na negatividade. Envolver totalmente o espectro de
nossa energia nos abre ao fluxo da Graça Divina, pois quando esgotamos nossa energia, a Graça entra naturalmente.
Para que a Graça tome a ação, no entanto, é necessário que permaneçamos completamente positivos e que
cooperar com Grace para treinar qualquer distorção ou obstrução; daí esse quarto passo. Isso, por sua vez, leva a um
desempenho perfeito, como é expresso nos ensinamentos - um termo que tem muitas implicações ”.

Existe uma parábola budista que fala sobre o desejo de Deus em termos semelhantes.

Um eremita estava meditando em um rio quando um jovem o interrompeu. "Mestre, desejo tornar-me seu
discípulo", disse o homem. "Por quê?" respondeu o eremita. O jovem pensou por um momento. "Porque eu quero
encontrar Deus."

O mestre deu um pulo, agarrou-o pela nuca, arrastou-o para o rio e mergulhou a cabeça debaixo d'água. Depois de
segurá-lo ali por um minuto, com ele chutando e lutando para se libertar, o mestre finalmente o puxou para fora do
rio. O jovem cuspiu água e ofegou para recuperar o fôlego. Quando ele finalmente se acalmou, o mestre
falou. "Diga-me, o que você mais queria quando estava debaixo d'água?"

"Ar!" respondeu o homem.

"Muito bem", disse o mestre. "

O livro da revelação também fala sobre isso

“Então, porque você é morno - nem quente nem frio - eu estou prestes a cuspir você para fora da minha boca” -
Apocalipse 3:16.

Bênçãos na Luz do Messias,


Jonas

"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska

T
o
p
o

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Enumerações Dez Dobras

# 6 Post by Elder Gideon » seg 16 de julho de 2012 8:29

Shalom!

Era minha intenção meses atrás continuar compartilhando algo introduzido no Misticismo de Yod, onde as primeiras
dez letras hebraicas podem ser contempladas como as dez sefirot da Árvore da
Vida: http://www.sophian.org/forum/viewtopic.php t = 2189 . 1-10, Keter para Malkuth, são repetidos abaixo:

__________________________ Keter

____________ Aleph
‫________ ב _______ ג‬

‫________ ד _______ ה‬
‫____________ ו‬
‫________ ז _______ ח‬

‫____________ ט‬

‫י ____________ י‬

_________________________ Malkut

A partir disso, é possível e maravilhoso estender o valor de 10-100, Keter para Malkut, através da mesma estrutura
de dez vezes de sefirot. Olhe e veja!

__________________________ Keter

____________ ‫י‬
‫________ כ _______ ל‬

‫________ מ _______ נ‬
‫____________ ס‬
‫________ ע _______ פ‬

‫____________ צ‬

‫ק ____________ י‬

_________________________ Malkut

O que eu anseio ver é 100-1000, Keter para Malkut. Se as letras são difíceis de reconhecer no início, é necessário ter
familiaridade com suas formas finais: final do Kaf é 500, final do Mem é 600, final do Nun é 700, final do Peh é 800, e
final do Tzaddi é 900. Observe quantos deles vão 'abaixo da linha', alimentando o outro lado! Um Alef massivo em
hebraico enumera 1000.

__________________________ Keter
____________ ÷
ø ______ ‫________ ש‬

‫________ ת _______ ך‬
‫____________ ם‬
‫________ ן _______ ף‬

‫____________ ץ‬

‫א ____________ י‬

_________________________ Malkut

Todos os caminhos de YHVH são amor e fidelidade.

Elder Gideon +

T
o
p
o

Bevan

Mensagens: 165

Juntado: ter 11 fev 2014 9:31

Re: Misticismo do Qof

# 7 Post by Bevan » Sáb 25/06/2016 09:07

Shalom!

Eu me deparei com Qof como "fim", que é "qets" (‫)ץֵק‬. Essa palavra se encaixa na ideia de “ciclos” como um
componente nos ciclos da evolução da vida, detalhados acima, e nos ciclos da natureza que o rabino Munk fala. Há o
fim de uma era geológica ou o fim de um ciclo lunar.

“Senhor, faz-me conhecer o meu fim [qets]


E qual é a extensão dos meus dias;
Deixe-me saber como eu sou transitório. "
(Salmo 39: 3-6)

Aqui vejo “qets” falando da alma e conhecendo as limitações da nefesh, nome, forma e história pessoal. Pois nesta
sabedoria, o fim olha para o que é transcendente.

E o seu nome será chamado Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte,


Pai Eterno, Príncipe da Paz.
Não haverá fim [qets] para o aumento do seu governo ou da paz,
(Isaías 9: 6,7)
Com a vinda do Messias profetizado por Isaías, não há “fim”! Isso aponta para algo de Ain Sof. Todos os "finais"
existentes dentro de um movimento infinito de ciclos dentro de nossa Neshamah.

Os discípulos disseram a Jesus: "Diga-nos, como chegará o nosso fim?" Jesus disse: "Você encontrou o começo,
então, que você está procurando o fim? Veja, o fim será onde o começo está. Parabéns para aquele que está no
começo: aquele saberá o fim e será não gosto da morte ". (Evangelho de São Tomé, versículo 18)

Quão maravilhoso é esse impulso evolucionário de fim e começo que nos move em direção à liberação e à
iluminação. Mesmo isso eu entendo não tem fim.

Em referência ao post acima, ao estender o valor das Cartas de 10 para 100, Keter para Malkut, o Qof se torna um
“fim” em Malkut?

Eu também acho significativo que "qets" contenha as letras qof-tzadi. Isso implica que há uma retidão (tzadi) se
movendo em um final (qof).

Quaisquer correções ou esclarecimentos são bem-vindos.

Bevan.

T
o
p
o

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Combustível

# 8 Post by Elder Gideon » Qua 29 de junho de 2016 11:33 am

Shalom Bevan: Que

bom que você encontrou qetz . É como o hebraico fala do fim dos dias: Qetz Yamin .

É a lei que todos os princípios geram fins; eles coexistem o tempo todo. Quando o mestre ensina em St.
Thomas, você vê, o fim será onde o começo é,tantos princípios são reivindicados de uma só vez. Infinito é enrolado
como a cobra engolindo sua própria cauda, não uma linha como se poderia pensar em um glifo representando
Hokmah e Binah. Da mesma forma, como tudo neste mundo termina revela sua intenção mais privada desde o
início. Se, na Presença da Consciência, eu for capaz de reconhecer e me identificar com ain, eu posso literalmente
suportar o que acaba sem ser superado ou sobrecarregado. É bom olhar, ao invés de no final, pois, com essa
percepção, a consciência se moveu tão para o oeste que agora estão para o leste: Qedem .

A raiz primitiva ‫קָ דם‬, Qadam , é fascinante neste contexto de ciclos, conotando o que precede, vai em frente e
encontra. A partir daí, surge toda uma série de palavras relacionadas: Q'dume -ancient ouQadmon - primordial. É
completamente surreal para o ser mental relacionar o mais antigo, até mesmo primordial com o futuro, mas esta é a
experiência pela qual mekubalim e apóstolos descrevem uma proximidade cada vez maior da Presença. Ouvir o leste
como precedendo o final também é como a ordem de cura de São Rafael compreende doenças e enfermidades: uma
interrupção de quem e do que é mais verdadeiro já. Uma distorção no tempo veio entre mim como eu estou em
mim e em mim como estou no Eterno. Alinhar isso é curar. É o meu eu futuro que transforma meu eu atual.

Isso vai abaixo da linha descreve este processo purificador do qual falamos recentemente em seu mentoring nesta
carta hebraica. Para ir abaixo da linha é para o outro lado. Enquanto a ignorância e incapacidade de se relacionar é
igualmente sem começo, Tau Malachi ensina que há um fim para a ignorância, que é encontrada na Presença da
Consciência fora do tempo, ou seja, fora da história pessoal. Quanto mais próximo do momento em que eu possa
consistentemente permanecer, maior será a Presença de Consciência. Nesta Presença de Consciência, não há
pecado, como o Perfeito Mestre ensinou em Santa Maria, mas que você se mistura com o pecado, como em
adultério.Os fardos do meu passado são o que eu carrego comigo todos os dias, onde quer que eu vá. Libertar
consistentemente o mal-entendido da minha história pessoal traz o seu fim, o seu ‫קֵ ץ‬- qetz .

‫קֵ ץ‬: Ambas as letras chegam ao Outro Lado. Isso me ensina que o processo da liberação é pelo refinamento da minha
incompreensão do eu, metabolizando minha história pessoal no próprio combustível pelo qual eu mereço a
transcendência do eu. É bom, mesmo quando não foi. Quem e o que eu me torno por causa disso é mérito, a
liberação de faíscas de santidade que vêm somente no final, o qetz, de seu tempo.

Que todos os fiéis e eleitos de Deus encontrem propósito em sua dor para servir à Soberania com todo o seu
coração, mente, alma e força.

Elder Gideon
Misticismo de Resh

# 1 Post by Elder Gideon » Ter 03 de janeiro de 2012 11:34

‫ר‬
Resh: Face, estrutura, orientação e o número 200.

Saudações!

"Venha", meu coração diz, "procure seu rosto!"


Seu rosto, Senhor, eu procuro. (Salmo 27.8)

Em nossa infância, a primeira face que reconhecemos é a de nossa mãe e pai; podemos ouvi-los em algum lugar
próximo, talvez senti-los na sala, mas a confirmação mais primitiva de que estamos seguros é sentir o toque deles e
mais, ver o rosto deles. Dentro e por trás da pele, músculos e tecidos ósseos que estruturam essa face
completamente única de nossos pais, é a fonte invisível de tudo, uma dimensão energética de nosso próprio ser. Ver
o rosto deles é conhecer nossa orientação.

Mesmo quando crescemos, desenvolvemos, individuamos e até tentamos nos rebelar contra essa face parental, não
há como fugir do lugar que seu rosto ocupa em nossa consciência. Mesmo quando sua face física desaparece na
morte, a energia dentro e por trás dela permanece em nossa psique, a favor ou contra nós, como uma presença com
cada decisão nossa e redirecionamento na vida para nós mesmos, ou contra nós mesmos. De muitas maneiras
paralelas, os místicos hebreus encontraram na metáfora a face de Deus como um ponto de orientação que favorecia
ou desaprovava, a favor ou contra as escolhas feitas no interminável conjunto de livre-arbítrio.

Enquanto entendemos racionalmente que o Invisível, Inefável e Incognoscível não tem rosto, há inegavelmente uma
estrutura de visibilidade, comunicabilidade e conhecimento. Quando recordamos a primazia do rosto de um pai em
nossa experiência, orientando-nos mesmo sem dizer uma palavra, então uma estrutura metafísica maior nos
orientando, podemos chamar uma Face de maneira relevante. O rosto de Deus está nos envolvendo.

Trezentos e sessenta graus infinitos, em cada direção infinita de tridimensionalidade na terra e no espaço exterior,
são apenas um aspecto da Face: Hesed é a infinitude do Sul; Gevurah é a infinitude do norte; Tiferet é o infinito do
Oriente; Yesod é a infinidade do Ocidente; Netzach é infinito Acima; Hod é infinito Abaixo. A Potencialidade Infinita,
a Profundidade de Início em Hokmah e a Realidade infinita, a Profundidade do Fim em Binah, é a constante
transformação da Face em movimento através do tempo. O infinito do Bem, a similaridade, a proximidade em Keter,
ou a infinidade do Mal, dissimilaridade, longínqua em Malkut, é como a Cabalá descreve essencialmente a nossa
experiência humana do Rosto que se tornou ou desaprova nossos pensamentos, palavras e ações.

Enquanto três dimensões do espaço, uma dimensão essencial do Tempo, e a mais sutil dimensão da moralidade são
cinco aspectos primários do Rosto, como contemplado através das sefirot na Árvore da Vida, há ainda mais maneiras
quando consideramos o que o Sefer Yetzirah tem. para dizer sobre a inteligência de energia representada por esta
Consciência Geral, esta “ : “ Chama-se isto porque é o meio através do qual os 'generalizadores dos céus' reúnem as
suas regras relativamente às estrelas e constelações, formando a teoria que compreende as suas conhecimento das
Ofanim [rodas] das esferas. ” A Face, então, é também a maior estrutura macrocósmica que nos rodeia nos céus.

O rosto astronômico mais próximo de nós, centro da gravitação das rodas-anãs ao redor do qual nos voltamos, é o
sol. As plantas sabiam muito antes do que os animais e os seres humanos mais tarde aprenderam, que esse grande e
inegável rosto surgia e se punha em vida, gerando e sustentando. Nossos primeiros antepassados adoravam esse
rosto, um imenso poder do qual dependia toda a vida neste planeta. A iconografia egípcia de Amon perspicazmente
descreveu o deus-sol como uma esfera a partir da qual raios de fluxo, a extremidade de cada final com uma mão
pequena, afirmando o toque de vida de cada raio deste rosto.
Quando o monoteísmo começou a desafiar essa adoração de elementos físicos e astronômicos, a questão ainda mais
bonita do Rosto começou a enfocar toda a consciência humana: se o sol estava de fato dependente de outra fonte,
então, de onde está a fonte? Qual é o seu rosto? Aqui, na tradição judaica, isso é soberbamente respondido como
nossa orientação de dentro. Quando alinhado com a fonte de tudo, no fundo e sempre além, há misericórdia e
paz; quando desalinhado, fragmentado na superfície por medos e desejos, há severidade e sofrimento.

Dentro e por trás de toda a aparente severidade e sofrimento, o mais notável é como nossos antecessores ancestrais
mantiveram o Rosto, afirmando que essa Face mais sutil e sublime que dá vida é a própria fé. A fé manifesta é amar
o outro como um eu em todas as circunstâncias. "Amar outra pessoa é ver a face de Deus".

Nessa mais sutil contemplação de orientar com a nossa fonte, os momentos marcantes da escritura empregando a
metáfora do Rosto tornam-se ainda mais requintados, convidando suas inspirações:

"a terra era um vazio sem forma e a escuridão cobria a face das profundezas, enquanto o vento de Deus varreu a
face das águas. " (Gênesis 1.2)

"Então Jacó chamou o lugar de Peniel, [Face de Deus] dizendo: 'Porque eu tenho visto Deus face a face,(Gênesis
32.30)

"Moisés disse: 'Mostre-me a sua glória, eu oro.' E ele disse: 'Farei todos os meus bens passarem diante de ti e
proclamar-te-ei o nome YHVH, e serei misericordioso com quem serei misericordioso, e mostrar-me-ei misericordioso
em quem mostrarei misericórdia.' , ele disse, 'você não pode ver meu rosto, pois ninguém me verá e viverá' " (Êxodo
33: 18-20)

" Por quanto tempo, ó Senhor? Você me esquecerá para sempre? Por
quanto tempo você esconderá sua Por
quanto tempo devo suportar a dor em minha alma
e ter tristeza em meu coração o dia todo?
Até quando meu inimigo será exaltado sobre mim? (Salmo 13: 1-2)

"Quanto a mim, contemplarei a tua face em justiça;


quando acordar ficarei satisfeito, vendo a tua semelhança."(17:15)

"E [Yeshua] foi transfigurado diante deles, e seu rosto brilhou como o sol, e suas roupas se tornaram branco
deslumbrante." (Mateus 17: 2)

"Por agora, vemos em um espelho, vagamente, mas então vamos ver face a face. Agora eu sei apenas em parte,
então eu vou saber plenamente, mesmo que eu tenha sido totalmente conhecido." (1 Coríntios 13.12)

O Senhor te abençoe e te guarde;


o Senhor faça com que a sua face brilhe sobre ti e tenha misericórdia de ti;
o Senhor levante o seu rosto sobre você e dê-lhe paz. (Números 6: 24-26)

Amém e amém!

Elder Gideon +

T
o
p
o

Irmão Brian
Mensagens: 147

Ingressou: Wed Sep 22, 2010 7:08 am

Localização: Tennessee

Re: Misticismo de Resh

# 2 Post by Brother Brian » Qui 29 de agosto de 2013 5:53 am

Resh ao olhar para esta carta, especialmente a partir da perspectiva das letras hebraicas indo da direita para a
esquerda, seu rosto é para Shin. Isso me leva à contemplação de algo dentro de nós olhando para frente (evolução)
Shin ou virando nosso rosto para trás, para a carta de evolução de Koof (costas da cabeça) ou para trás. A
experiência de nossa Senhora me lembra desta carta olhando para frente na consciência para Shin em sua
experiência.

João 20: 11-18


Maria, porém, estava parada chorando sobre a tumba; e chorando ela inclinou-se e olhou para o sepulcro; 12 e viu
dois anjos vestidos de branco, um à cabeceira e outro aos pés. onde o corpo de Yeshua havia jazido.13 E disseram-
lhe: Mulher, por que choras? Ela lhes disse: Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram.

14 Quando ela disse isso, voltou-se para trás e viu Yeshua em pé, e não soube que era Yeshua.15 Yeshua disse-lhe:
Mulher, por que choras? quem é que procuras? Ela, supondo que ele fosse o jardineiro, disse-lhe: Senhor, se o
levares daqui, dize-me onde o puseste, e eu o removerei.16 Yeshua diz-lhe: Maria. Tornou-se ela e disse-lhe em
hebraico Rabboni; isto é, Mestre17. Yeshua disse-lhe: Não me toques; porque ainda não subi ao Pai; mas vai a meus
irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, e meu Deus e vosso Deus.18 Maria Madalena volta e diz
aos discípulos: Vi a Senhor; e que ele havia dito essas coisas para ela.

Maria de Magdala experimentou algo dentro dela que revelou essa consciência de unidade e amor que havia sido
ocultada em sua consciência. Este jardineiro que ela estava associando como outra pessoa finalmente se revela. O
Espírito Santo revelando esta presença e poder dentro dela. Esta mesma presença e poder que ela testemunhou
com seu Tzaddik Yeshua estava dentro dela o tempo todo. Ela experimentou um despertar completo dentro. Forma
e sem forma estavam unidos. A luz transcendente brilhou sobre ela, iluminando-a, e ela voltou ao seu lugar, olhando
para o céu cara a cara.

Isso lembra uma história no Zohar, onde o Santo criou Adão andrógino. Ele criou ele com duas faces. Então ele o viu
e deu-lhe duas costas, uma deste lado e outra sobre isso. Forma e ausência de forma O dia e a noite foram
separados para que pudessem olhar um para o outro cara a cara.
Gênesis Ch1: 3-5 E Deus disse: Haja luz; e houve luz.4 E Deus viu a luz, que era boa; e Deus separou a luz das trevas.5
E Deus chamou a luz dia, e a escuridão ele chamou Noite. E houve noite e houve manhã, um dia.
Poderíamos dizer que Maria Madalena, pela primeira vez em uma estrutura homo sapiens, experimentou essa
consciência de Ahava e Achad plenamente consciente e incorporando isso. Ela experimentou essa cara a cara
completamente como o verso diz e houve tarde e manhã, união dos dois. Shekinah consegue se reunir com Tiferet,
mas agora cara a cara, em vez de costas.

No Zohar, afirma que a Luz irradiava do lado direito, a escuridão do lado esquerdo. Ele então os separou, para que
eles se fundissem, como está escrito: Deus separou a luz das trevas (Gênesis 1: 4). Agora, se disser uma separação
real, não; em vez disso, o Dia veio do lado da luz, que é certo, e a Noite do lado da escuridão, que restou, e eles
emergiram como um. Ele os separou, dividindo-os ao longo de seus lados, para que pudessem olhar cara a cara,
entrando um no outro, todos se tornando um. Ele é chamado Dia ----- Ele o nomeia Dia ----- e Ela é chamada Noite,
como está escrito: e a escuridão Ele chamou Noite. (Gênesis 1: 5) porque a escuridão a agarra; Ela não tem luz
própria. Através de derivar do lado do fogo, que é a escuridão, ainda Ela é escura até iluminada do lado do dia. O dia
ilumina a noite, mas a noite não brilha até o tempo em que está escrito: a noite brilhará como o dia; a escuridão e a
luz serão as mesmas (Salmos 139: 12)

Elogie o Espírito de Mãe que Maria Madalena alcançou esta união de luz e escuridão experimentando a união de
Um, que é tarde e manhã! Ela experimentando isso cara-a-cara com ela proclamando que eu vi o Senhor! Ela agora é
um templo vivo da sagrada Shekinah no plano material. Sua consciência experimentando a luz sublime acima dos
céus e a luz superna no centro de cada partícula de matéria. Os dois anjos que ela testemunhou na tumba (sua
consciência) sendo Torahkiel Yahweh e Sandalfon emergindo como uma presença dentro de (Hua). Dia e Noite
juntos me lembram da palavra para Da'at onde pela primeira vez um ser humano neste planeta foi capaz de
comunicar esse conhecimento dia e noite (Da'at) com o poder que o Espírito Santo colocou neste planeta em
chamas com este conhecimento sagrado.

Que este mesmo fogo que Nossa Senhora, que foi o primeiro apóstolo em nossa linhagem, seja espalhado entre o
povo, a terra e todos os seres. Hallelu Yah!

Misticismo do Shin
# 1 Post by Elder Gideon » Dom 29 de janeiro de 2012 16:00

‫ש‬
Shin: O dente de Serpente, a inteligência ardente e o número 300.

Saudações!

Yeshua disse: "Eu lancei fogo sobre o mundo, e olhe, estou guardando até que ele apareça". (Thomas 10)

O fogo que queima tudo externamente não pode ser comparado com o fogo que queima tudo internamente, pois
esta vez acesa, que nos queima de dentro, não pode ser extinta. Tudo o que este fogo toca, consome, digere,
tornando tudo igual a si mesmo. A queima interior é o calor literal sentido no corpo físico quando a consciência
acelera em êxtase ou pânico, sendo as duas experiências desse calor um único fogo, iluminando ou digerindo. Este
mesmo fogo é aquele com o qual o Salvador ressuscitado se igualou a si mesmo, um fogo de proximidade, de
Atziltut, quando ele disse:"Quem está perto de mim está perto do fogo, e quem está longe de mim está longe de
[Supernal] Malkut." (Thomas 82)

Aceleração, movimento, são as qualidades mais sutis do elemento primordial de fogo para o qual esta carta da Mãe
Hebraica aponta. Não se deve confundir com a combustão, embora seja uma expressão física do que elevou nossa
espécie humana da cadeia alimentar há cerca de cem mil anos. Caindo do céu em relâmpagos, esse poder mais
misterioso que todos os animais temem ainda está sendo dominado até hoje, a fonte de todo o mundo humano,
iluminada pela inovação e degradada pelo consumo. ‫ ש‬é a epifania do que mais pode ser, amplificando, ampliando e
acelerando a identidade.

Os dois lados deste fogo primordial, este ‫ ש‬iluminando e consumindo, é exaustivamente contemplado nas palavras
hebraicas para o Messias e Serpente- nakashque ambos enumeram 358. A Serpente no Jardim do Éden iniciou o
Conhecimento-Da'at da dualidade dentro da existência que digere a morte e a destruição; O Messias dentro da
mesma Serpente iniciou o sagrado Conhecimento-Daat da existência não-dual atrás que ilumina a vida e a
liberação. Essas forças gêmeas não são opostas nem disputam, mas estão dentro de si em um processo o tempo
todo, uma ligação, a outra libertadora. O que digere se distingue do que se ilumina pela identidade: Se o poder do
fogo é meu, serei digerido; se o poder do fogo é de Deus, eu serei iluminado. O mundo servido por este fogo está
sendo digerido pelo mesmo fogo que primeiro iniciou o mundo; a alma a serviço deste fogo é iluminada pelo mesmo
fogo que primeiro despertou a alma.

O despertar e a aceleração da alma, isto, traz consciência para o que já foi, é e sempre será: YHVH. Do ponto de vista
das partes inferiores da alma, esse despertar é novo, surpreendente, indizível; da perspectiva das partes mais
elevadas da alma, esse despertar era inato, imutável, o tempo todo. O reconhecimento de que o eu exterior
encontra o seu eu interior é apenas o começo do processo de realizar, fundar, manifestar, esses planos simultâneos
de experiência que coexistem dentro do mesmo eu. O primeiro em nossa fé a completar e harmonizar todo o eu,
desde a ausência de nascimentos até o nascimento, é Adonai Yeshua, cujo nome é escrito diferentemente de Joshua,
por causa desse mesmo mistério da realização de YHVH: YHSHVH.

YHSHVH é um nome e um mistério da vida que entra na morte para viver para todo o sempre. O que é assim dentro
da realização do Mestre Perfeito de YHVH dentro de si mesmo é dentro do nosso reconhecimento de YHVH dentro
dele e de nós também. Despertamos para a fé de que nossa natureza, nossa essência, é inteiramente boa, santa e
sem história. Vivendo de acordo com esta fé, nós experimentamos o conhecimento sagrado - de quão bom, quão
santo, como sem história nós já fomos, somos e para sempre seremos. Dando e recebendo com isso, integrando-se a
isso, os opostos não mais nos digerem, mas são a paixão que nos ilumina.

Iluminação, então, é continuidade, é o Continuum de Luz, é YHVH. A energia que nos reconcilia, retifica e reintegra
com a continuidade, Continuum, é ‫ש‬, que o Sefer Yetzirahchama magnificamente a Consciência Contínua: “Por que
se chama isso? Porque ele direciona o caminho do sol e da lua de acordo com suas leis da natureza, cada um em sua
órbita apropriada ”. Em toda a Cabalá Zoárica, o sol é a luz e a glória do Santo, a lua esta boa terra. A terra não tem
luz ou vida própria, mas apenas o que o sol graciosamente concede. Quando internalizamos esse ensinamento,
encontramos o sol como a Presença da Luz dentro e por trás do nosso coração, iluminando a Lua, nosso nome e
forma.

Ainda mais internamente por trás disso, está o corpo sutil de luz, nosso corpo de energia que envolve nosso corpo
físico. Desse corpo energético, os Mestres da Tradição falam de três canais: solar, lunar e central. O solar
corresponde à orientação da nossa energia externamente, a lunar corresponde à orientação da nossa energia
internamente e a central corresponde à unificação e transcendência de tudo o que é interno e externo. Tau Malachi
recentemente compartilhou que o acesso ao Messias requer que todos os três canais estejam abertos, completos e
completamente alinhados. Quando isto é assim, como primeiro encarnado por Adonai Yeshua, não se experimentará
a morte. É por essa razão que a linhagem contempla os três canais na própria forma dos três yods da letra ‫ש‬. Juntos,

Abençoado é você, Vivendo Um,


segurando as chaves da Morte e do Hades.
Pelo seu corpo e pelo seu sangue,
podemos continuar com você na vida eterna.

Amém e amém!

Elder Gideon +

T
o
p
o

alex

Mensagens: 30

Ingressou: Sex Jan 29, 2010 9:57 pm

Localização: margens da cascata

# 2 Post by alex » Ter Dez 11, 2012 9:45 am


Shalom

Nesta contemplação de Shin representando fogo espiritual, eu não posso deixar de ser lembrado do décimo ditado
do evangelho de Tomé: "Eu lancei fogo sobre o mundo, e olhe, estou guardando até que ele apareça." Se minha
memória serve, lembro-me de Tau Malachi dizendo que a vinda do Messias na forma de Yeshua foi a primeira vinda
de Cristo no mundo, no entanto, este movimento provocou o que viria centenas de anos depois, a segunda
vinda. Podemos acrescentar também a essa contemplação o voto da Santa Noiva de continuar reencarnando na
forma da mulher até que tudo seja cumprido. Em tudo isso eu estou ouvindo Shin como uma força motriz do
Messias na Segunda Vinda, um fogo que faz todos os gostos. Eu quero perguntar se há mais a ser dito sobre Shin na
segunda vinda,

Shalom e bênçãos,
Alex

T
o
p
o

Sheryl

Administrador do site

Mensagens: 881

Ingressou na: Sab 14 fev 2004 11:56 am

Local: Grass Valley, CA

Contato:

Contatar com sheryl

Shin e Asherah

# 3 Post by sheryl » Qui Dez 13, 2012 10:59

Shalom Alex!

Sou grato pela sua pergunta, pois ela direcionou uma contemplação contínua para um lugar agradável.

Podemos encontrar Tau Malachi falando de Shin, o fogo incendiado que agora está queimando na Segunda Vinda,
em um post sobre trazer a paz. Lá nós somos presenteados com um Novo Ensinamento sobre o Shin de Asherah e
Sheba, a Rainha do Céu:

Em uma palavra, teshuvá é a Vida Divina, o continuum da vida e prática espiritual que mantemos a cada dia, a pedra
angular é lembrar e guardar o Santo Shabat, fundindo-se com a Rainha do Shabat, a Shekinah do Messias. Se e
quando o fizermos, andaremos em beleza e santidade na terra e no céu, e teremos um rosto alegre e santo radiante
(Asher), andando em Asherah, a Shekinah do Messias.

Aqui podemos notar que duas letras em nome de Sheba aparecem em Asherah, o Shin e Alef, juntaram-se a Resh e a
Ele em vez de Bet. O que Shin e Alef implicam? Implica o Ashim, "almas de fogo", ou melhor, almas no fogo com o
Espírito Santo, ou o Espírito do Messias (Ruach Elohim).

Ashim é o coro ou ordem dos santos anjos correspondentes a Malkut de Yetzirah, e há anjos desse nome; mas assim
também Ashim corresponde com as almas elevadas no Messias ressuscitado, aqueles que receberam a Unção de Luz
e Verdade Superna, e que estão em chamas, ou iluminadas, com o Espírito do Messias - almas no Corpo Vivo do
Segundo. Aparição de Cristo em Glória.

Ashim, Alef-Shin-Yod-Mem; todas as letras sagradas de shamaim se juntam a Alef, o Espírito ou Vento de Deus, e isso
implica o verdadeiro reino dos céus corporificado e manifestado na terra no Messias e no Corpo Vivo - o reino do
céu se aproxima, de fato! Muito próximo!

Ashim, maggidim, anjos, da Santa Shekinah e tsadikim, santos, no Messias, trazendo a paz entre os opostos, a paz de
Deus.

Se entendermos o coro de anjos chamado Ashim e entendermos seu conhecimento e poder, eles detêm o
conhecimento dos padrões de todas as coisas e o que liga todas as coisas, e o poder de formar padrões de acordo
com a palavra de Deus, e ligar e liberar. como Deus quer; portanto, conhecimento e poder da “organização” de todas
as coisas como elas são em Deus (Elohim) e como Deus (El) deseja e ordena. Como sabemos, o padrão das coisas na
Terra reflete o padrão das coisas no céu, “como acima e abaixo; como abaixo, assim acima. ”Nos santos que são
chamados de Ashim, ou nos Apóstolos da Luz, isso corresponde com o poder de ligar as coisas no céu e liberar coisas
na terra, e liberar e reter o pecado, ou o carma negativo; Daí, um conhecimento espiritual e poder semelhante ao
coro de anjos correspondentes a este nome.

Louvado seja o Espírito Materno por esses ensinamentos! Estou ouvindo que lancei fogo sobre o mundo, e olhe,
estou guardando até que brilhe de uma nova maneira. E se o fogo nestas palavras pelo Mestre fosse substituído pela
Noiva ? Dando-nos eu vim para lançar a Noiva sobre o mundo, e olhe, eu estou guardando isto até que apareça.

Ou com Asherah? Eu vim para lançar Asherah no mundo ...

Um favorito que está surgindo é: Eu vim para lançar o poder de formar padrões de acordo com a palavra de Deus, e
ligar e libertar como Deus quer no mundo ...

E eu vieram para lançar conhecimento e poder da “organização” de todas as coisas como elas são em Deus (Elohim)
e como Deus (El) quer e ordena ...

.... e eu estou guardando até queimar.

Isso nos oferece, talvez, uma compreensão mais profunda da bênção sobre o vinho na Festa do Casamento.

Bem-aventurado és tu, Adonai, que provoca a chuva que frutifica a videira, que alegra o coração do
homem; abençoado é você, Adonai.

Podemos dizer que o coração do humano se alegra com o conhecimento e o poder da “organização” de todas as
coisas como elas são em Deus (Elohim) e como Deus (El) quer e ordena ? Sendo esta a intenção Divina ou Vontade da
Inteligência Flamejante?

E podemos dizer que o Feminino Divino é esse poder de organização de todas as coisas como elas são em Deus?

Louvor e gratidão a Yahwh Elohim pelos Novos Ensinamentos que nos são dados na Segunda Vinda!

Sheryl

T
o
p
o

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Guardiões do Fogo

# 4 Post by Elder Gideon » Dom 16 de dezembro de 2012 15:56

Shabat Shalom!

Declaramos a você o que foi desde o começo, o que ouvimos, o que vimos com nossos olhos, o que vimos e tocamos
com nossas mãos, sobre a palavra da vida - essa vida foi revelada e vimos isso e testificai-o, e declarai-vos a vida
eterna que estava com o Pai e que nos foi revelada - declaramos-lhes o que vimos e ouvimos para que também
tenhais comunhão conosco; e verdadeiramente nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo. Estamos
escrevendo essas coisas para que nossa alegria seja completa. (1 João 1: 1-4)

O que Yeshua é na primeira vinda, nós estamos na segunda vinda. O fogo que o Messias lançou sobre o mundo, que
ele guarda até que ele arde, é de fato a Comunidade, personificada pela Noiva. Limitar a noiva a uma mulher
histórica chamada Mirya, de Magdal, perde o ponto; conhecer a Noiva hoje é conhecer a Comunidade, o Knesset,
pois é em nós, como nós, que Yeshua, o Evangelho e nossos ancestrais fiéis e ungidos são encontrados. Somos o
rosto, a voz, as ações e a jornada do mesmo mistério que chama Yeshua.

Shin é a primeira vinda, sua presença realizando YHVH em manifestação: YHSHVH. Nossa fé que Yeshua incorporou o
Continuum de Luz, YHVH, é compartilhado com todos os nossos irmãos e irmãs na igreja exterior. Mas o que abalou
a autoridade religiosa judaica no tempo de Yeshua é o mesmo que abalará a autoridade religiosa cristã em nosso
tempo: Como Yeshua é a primeira vinda, nós somos a segunda vinda. Falar em um lugar visível e público que
estamos no Messias e no Messias está em nós, que se alguém nos vê, vê o Messias, trará castigo, perseguição e até
ameaças violentas de todos os extremos evangélicos.

A causa da agitação e dissonância é o contraste da luz e da escuridão causada pelo fogo. O fogo com o qual o
Messias se comparou é mais do que um fogo químico que poderíamos desfrutar lá fora sob uma noite estrelada de
verão. Como as ligações peptídicas na fibra da madeira, liberadas como o calor e a luz em um incêndio químico, o
fogo que Shin representa é a liberação de energia contida em ligações, nós, cordas e constrições. O que quer que
seja inflamável, o que quer que seja quimicamente pegando fogo, até mesmo uma casa ou cidade, já está cheio de
fogo latente; os elos energéticos que mantêm átomos e moléculas juntos são absolutamente incríveis. Se com uma
vela acesa eu toco o pavio de uma vela apagada, estou apenas ativando o fogo latente dentro dela. Ver a luz e sentir
calor é ver e sentir a liberação desse fogo latente tornada literal e manifesta.

Quando a Madalena ficou tão tocada no túmulo vazio pelo fogo do Salvador Ressuscitado, esse mesmo fogo, essa
mesma gnose, tornou-se a união plena de consciência e energia. Por consciência aqui, entende-se o conhecimento, a
consciência, o Logos; por energia aqui, significa a aparência, a exibição, Sophia. Cristo, o Logos, ativa Cristo, a
Sophia. Cristo, a Sophia, exibe a Cristo o Logos. Consciência da energia. Energia da Consciência.

Consciência é para o Sol Espiritual que Energia é para a Lua. O Sol e a Lua são circuitos de definição mútua, suas
direções, o Sefer Yetzirahchama a Consciência Contínua: "Por que se chama isto? Porque dirige o caminho do sol e
da lua de acordo com suas leis da natureza, cada um em sua órbita apropriada." Internamente, o caminho do sol e
da lua são os canais que cruzam nosso corpo sutil chamado de Correntes Solar e Lunar. Movendo-se para baixo e
para fora, eles estão presos como a consciência e a energia do nosso eu superficial. Movendo-se para dentro e para
cima, eles são liberados como a consciência e a energia do nosso eu mais íntimo. O que é fundamental desta
liberação é Christos como a união da consciência e energia em si, a Transmissão de Luz, o Canal Central.

Por estas razões, três canais estão presentes na própria forma dessa letra hebraica Shin, chamada Consciência
Contínua, para quem promete retornar continuamente, mas Ela-Quem-Conjura-Enlouquece, sendo a primeira a
receber e transmitir completamente o fogo sagrado desta. habad? Nossa Amada Senhora Mirya, personificada neste
tempo por nós, o knesset, a ecclesia, que é a face da Segunda Vinda em união com o Tzaddik.

Este fogo está se movendo e não diminuirá a velocidade. Nada vai diminuir isso. Quando consideramos como a
inteligência ígnea está acelerando nosso próprio planeta e a onda de vida, deve haver uma relação muito misteriosa
com a expansão do cosmos, a qual, para o espanto dos físicos em meados da década de 1990, é agora compreendida
como acelerada. bem. Além disso, assim como nossa onda de vida luta para administrar mais e mais afluxo, um
"grande rasgo" teórico está estendendo o tecido cósmico do espaço-tempo além de suas ligações atômicas até
algum ponto inconcebível de ruptura.

O que está além desse tecido é revelado acima já por furos chamados estrelas, revelados abaixo por rachaduras que
são chamadas de raio, reveladas dentro e ao redor pela Transmissão de Luz chamada Christos:a luz da lua será como
a luz do sol, e a luz do sol será sete vezes, como a luz de sete dias. (Isaías 30.26)

Energia e Conscientização. Que esta santa luz e fogo seja o desejo do mais íntimo do coração.

Elder Gideon +

T
o
p
o

alex

Mensagens: 30

Ingressou: Sex Jan 29, 2010 9:57 pm

Localização: margens da cascata

# 5 Post by alex » seg 17 de dezembro de 2012 22:41

Shalom, e louvado seja a Mãe por estes ensinamentos e revelações!

Neste jogo de fogo latente e fogo manifesto, sinto que podemos paralelizar este fogo latente com Cristo, o Logos, e
o caminho do canal Solar, e podemos paralelamente manifestar fogo com Cristo, a Sophia, e o caminho do canal
lunar. Assim, se o caminho do canal lunar e o caminho do canal solar entrarem em união no canal central, podemos
dizer que é o fogo latente e manifesto que entra em união, criando a plenitude do fogo espiritual, ou a plenitude do
corpo de luz? Além disso, se fizermos um paralelo entre esses canais no corpo sutil e os três pilares da árvore da
vida, seria essa a plena realização de toda a árvore da vida? Eu estou ouvindo agora, Shin na segunda vinda é Deus
em união com o próprio Deus tornando-se inteiramente manifesto cada vez mais na evolução e tikkunim das almas
na criação.
Shalom e bênçãos,
Alex

T
o
p
o

Bevan

Mensagens: 165

Juntado: ter 11 fev 2014 9:31

Re: Misticismo de Shin

# 6 Post by Bevan » Dom 07/08/2016 13:57 pm

Jesus disse: "Talvez as pessoas pensem que eu vim para lançar a paz sobre o mundo. Eles não sabem que eu vim
para lançar conflitos sobre a terra: fogo, espada, guerra. Pois haverá cinco em uma casa: lá" Serão três contra dois e
dois contra três, pai contra filho e filho contra pai, e ficarão sozinhos ". Evangelho de São Tomás Dizendo 16

O mundo é um lugar de ignorância em que não há paz nem integridade. A tensão e a ansiedade aparecem como um
sinal desse fogo interior. Eu ouço neste verso um chamado para entrar diariamente nesta guerra para revelar a
ilusão da hostilidade e separação por trás do que percebemos dentro e ao redor de nós. O fogo da ansiedade indica
um bloqueio mais profundo de energia, e se podemos observar sem reagir, existe uma oportunidade para ver o que
é verdadeiro, e de Deus, e o que é falso, e de si mesmo. Nós podemos chamar:

Resgata-me e livra-me da mão dos estrangeiros [consciência superficial],


Cuja boca fala engano [‫]וְאָׁש‬
E cuja mão direita é a destra da falsidade [‫]קֶ רֶׁש‬.
Salmos 144: 11

É a inteligência energética de Shin encontrada em assumir plenamente a cruz para andar no caminho de Yeshua
(‫ )הֹ ָש ָוהְי‬Messias? Podemos dizer que a energia Shin é o processo da cruz e a energia Tau é a realização dela?

Se eu fizer o trabalho de ser franco e honesto consigo mesmo, encontrarei shalom (‫ )לֹוםָׁש‬levando à cidade da paz,
a Nova Jerusalém, o Reino dos Céus (‫)מיםָׁש‬. Pois já está lá esperando dentro de mim.

E a obra da justiça será paz,


e o serviço da justiça, a tranqüilidade e a confiança para sempre.
Isa 32:17

Eu antecipo qualquer esclarecimento ou correção.

Que possamos nos queimar até que o Messias seja completamente revelado dentro e ao redor de nós,
Bevan.

T
o
p
o

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363
Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Poder

# 7 Post by Elder Gideon » ter 09 de agosto de 2016 15:27

Shalom Bevan:

Eu aprecio muito a forma como você pergunta: "A inteligência energética de Shin foi encontrada em tomar
totalmente a cruz para caminhar no caminho do Messias Yeshua (‫ ?)הֹ ָש ָוהְי‬Podemos dizer que a energia Shin é o
processo da cruz e A energia tau é a realização disso? "

Seu relacionamento Apocalipse a Shin está presente no microcosmo da Paixão Yeshua modelado, cumprindo todas
as coisas através da auto-oferta. Tau é essa incorporação através da auto-oferta:

Agora, o traidor lhes dera um sinal, dizendo: 'Aquele que beijarei é o homem; prendê-lo. Imediatamente ele
aproximou-se de Jesus e disse: 'Saudações, rabino!' e o beijei. Jesus disse a ele: 'Amigo, faça o que você está aqui
para fazer.' Então eles vieram e puseram as mãos em Jesus e o prenderam. De repente, um dos que estavam com
Jesus pôs a mão na espada, puxou-a e atingiu o escravo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha. Então Jesus lhe
disse: 'Coloque sua espada de volta em seu lugar; porque todos os que tomam a espada perecerão pela espada. Você
acha que não posso apelar para meu Pai e ele me enviará mais de doze legiões de anjos? Mas como então as
escrituras seriam cumpridas, o que significa que isso deve acontecer dessa maneira? (Mateus 26: 48-54)

Quando recuamos e refletimos sobre suas três tentações no deserto, todos consideram o poder. Então, o que
Yeshua claramente se rendeu, purificou e elevou foi o fenômeno do poder. Suas palavras em Mateus nesta crise
dentro de seu círculo revelam que a tentação de usar o poder que se movia através dele ainda estava presente: Você
acha que não posso apelar para meu Pai e ele me enviará mais de doze legiões de anjos? No mesmo contexto,
considere: 'Agora minha alma está perturbada. E o que devo dizer: “Pai, salva-me desta hora”? Não, é por esta razão
que cheguei a esta hora (João 12:27).

Esse mesmo teste no macrocosmo parece estar confrontando nossa espécie. Como vamos usar nossa inteligência? O
que a inovação e a imaginação promovem? Enquanto vejo a grande e boa consciência global do sofrimento e da
injustiça, os problemas que se aproximam das gerações futuras, problemas que criamos sem saber o que fazemos ,
são problemas fundamentais de poder.

Shin é esse poder que se move como todos individualmente, de forma geracional e coletiva. O Mestre Perfeito
demonstra a única maneira pela qual maior e maior poder é gerenciado: Auto-oferta. Quando a insanidade move os
indivíduos e estados inteiros para a violência, como vemos em ondas sem precedentes ao longo do século XX, a
demonstração intemporal de sanidade do Mestre Perfeito foi sua não-violência. Tau Malaquias aplicou isso muito
diretamente na Gnose do Cristo Cósmico , lembrando que qualquer conflito manifesto externamente é por falhar em
resolver onde começou internamente. O que é esse conflito interno, mas um conflito de poder?

Se eu tiver força em minha alma para conter essa luta, me entregando em transparência a Grace, posso derrotar a
Grande Besta em mim. A Grande Besta está comendo este mundo. Se eu entendo dentro de mim onde o conflito
com a Grande Besta é resolvido, eu posso permanecer são em sua insanidade consumidora e incorporar meu
propósito imortal de servir. Para esta hora nós viemos! Elder Gideon
Misticismo da Tav

# 1 Postado por Elder Gideon » seg 20 de fevereiro de 2012 11:13

‫ת‬
Tau: Cruz, Culminação, Realização, Mérito e o número 400.

Cumprimentos da Lua Nova!

“Eu sou o [Aleph] e o [Tau]”, diz o Senhor Deus, “quem é e quem foi e quem virá, o Todo-Poderoso”. (Apocalipse 1: 8)

No Cubo Rosacruz do Espaço, inspirado nos ensinamentos do Sefer Yetzirah, a meditação no todo de todas as letras
hebraicas-netivot é bastante maravilhosa. Existem seis faces para um cubo, doze arestas e três eixos internos x, ye z,
abrangendo os lados internos. Aos seis rostos são atribuídas uma das sete letras duplas; às doze bordas são
atribuídas uma das doze letras únicas; para os eixos no interior são atribuídas as três cartas-mãe Aleph, Mem e
Shin. Onde esses três elementos primordiais Respirar, Água e Fogo, respectivamente, se cruzam, eles formam a terra
primordial, sendo a sétima 'face' do cubo e a última letra dupla: ‫ת‬.

As implicações deste mistério são tão profundas quanto vastas, falando o que pode ser o mistério mais sutil e
sublime de toda a netivot: A sabedoria de Ain encarnado, encarnado, realizado, que São João proclama: "foi feito
carne e habitou entre nós." Em nossa fé cristã e conhecimento, esta Palavra se fez carne e habitou entre nós no
Messias Yeshua e Mirya: Cristo o Logos e Cristo a Sophia. Como a sabedoria de Ain pode ser incorporada é um
processo que a Kabbalah diz que é, é e sempre será a mais íntima intenção do Espírito de criar. O Santo busca
lembrar-se e realizar-se no plano material, pois o que é verdadeiro no plano material é verdadeiro em todos os
planos além. Aqui só é atualização: ‫ת‬.

O Santo, no entanto, teve que restringir sua luz infinita em ciclos sucessivos de contração antes que sua luz se
tornasse estável e suficientemente estável para permitir o retorno consciente a si mesmo. Gênesis e involução é
literalmente a fragmentação do Santo espalhado por tudo; Revelação e evolução é a reunião do Santo disperso
através de indivíduos despertos que percebem a sabedoria dessa luz infinita em seus corpos literais. Yeshua e Mirya
estão em nossa linhagem, as primeiras a penetrar e incorporar a luz infinita; Além do mais, maior do que Enoque e
Elias, eles foram capazes de transmitir esse conhecimento sagrado para muitos, catalisando essa mesma luz infinita
dentro dos outros. Como uma árvore frutífera gerando outra árvore frutífera por suas sementes, a incorporação da
sabedoria desta luz infinita é totalmente incorporada,

Por essa razão única, os maiores detentores de linhagem de nossa tradição são todos chamados de Tau, pois eles
não apenas romperam toda a resistência que ocultava essa luz infinita dentro de tudo, mas também integraram essa
luz infinita em seus próprios corpos. Somente em graus de integração desta luz infinita com a luz material, o
conhecimento sagrado dessa luz pode ser transmitido aos outros. Para esta transmissão para os outros, Tau
vive. Para eles, não há nada além dessa luz e da urgência de compartilhar e transmitir com os outros. Se alguém é
tão abençoado em se apegar a tal Tau, dar caridade a um tau, até mesmo confessar e arrepender-se de toda a
ignorância de tal Tau, eles chegarão a algo do sagrado conhecimento daquele Tau, sabendo por si mesmos como a
luz infinita habita o próprio corpo durante todo o tempo em liberação espontânea: ‫ת‬.

O mérito que é necessário unir, dar caridade e falar confissão e arrependimento a um Tau é gerado em vidas
anteriores que transmigram através dos gilgulim. Quando se recorda que os gilgulim são transmigrações que as
almas fazem entre estados de existência encarnados e desencarnados, está-se contemplando como o continuum
kármico que transforma os gilgulim está sob o domínio dos sete planetas de Asiyah. Esses mesmos sete planetas
correspondem às sete letras duplas hebraicas e determinam astrologicamente a capacidade das sete estrelas
interiores do corpo sutil de experiência; a raiz dessas estrelas interiores é astrologicamente governada pelo planeta
Saturno (Shabbatai), que é o mesmo planeta correspondente à letra.
Segurando isso, o caminho do ‫ ת‬no Sefer Yetzirah éConsciência Admirada : “É chamado assim porque está preparado
para destruir todos os que se envolvem na adoração dos sete planetas.” Embora eu não possa dizer que cultivei
conscientemente planetas, posso dizer que me acalmei e me identifiquei profundamente. com meu nome e forma e
histórico pessoal determinado pelos planetas. Se isso é tudo com que eu me identifico, tudo o que eu já venera, meu
ego certamente será destruído; dissolvido na hora da morte, seus padrões compulsivos de desejos e medos
impedirão que se infiltre o Ain dentro e além de Ani (eu) o tempo todo. Viver, então, é ter recebido o conhecimento
sagrado de Ain e integrado em Ani, de modo que Ani saiba que é Ain e é transparente. Incorporação da sabedoria de
Ain integrado com Ani é transparência, libertação: ‫ת‬.

É esta transparência com a qual o Mestre Perfeito falou o Evangelho:

"Eu sou a luz que está sobre todas as coisas. Eu sou tudo: de mim tudo saiu, e para mim tudo alcançado. Dividir um
pedaço de madeira; eu estou lá. Levante a pedra e você me encontrará lá. " (Thomas 77)

Eu sou o pão da vida . (João 6.48)

Eu sou a luz do mundo. (João 8.12)

Antes que Abraão existisse, eu sou . (João 8.58)

Eu sou a luz do mundo. (João 9.5)

Eu sou o portão. (João 10.9)

Eu sou o bom pastor. (João 10.11)

Eu sou a ressurreição e a vida. (João 11.25)

Eu sou o caminho, a verdade e a vida. João 14.6

Eu sou a videira verdadeira. (João 15.1)

Que acreditemos em suas obras, Salvador Ressuscitado,


conhecendo a si mesmo em si mesmo, em si mesmo
e fazendo as coisas maiores que você nos prometeu.
Que essa luz que você revelou continue através de nós.

Amém e amém.

Elder Gideon +

T
o
p
o

MeganDon

Tau como Mark

# 2 Post by MeganDon » domingo, 28 de julho de 2013, 08:12


Shabat Shalom!

Contemplando Tau, fico intrigado com a incumbência de Gabriel de colocar um Tau ou marca nas testas dos
cidadãos de Jerusalém, dando vida a alguns e morte a outros. Dar maior Ruach para alguns e não para os outros? E,
no entanto, parece que estamos todos marcados pela morte para este mundo e selados ou marcados com o mundo
que virá através do Adonai Yeshua Messiah, tudo de acordo com a nossa vontade. E agora podemos dizer que há
alguns que estão marcados com a Consciência Supernal e outros que não estão? Alguns que estão marcados com
consciência cósmica e outros que não são? E assim por diante ... tal é a grande mistura em nosso mundo.

Esticando esta contemplação para a visita de Gabriel à Mãe Maria, talvez possamos dizer que Gabriel "marcou" seu
ventre, o que colocou sua vida em um movimento totalmente novo e lhe permitiu maior iluminação e
incorporação. Também é interessante notar que Madre Maria era conhecida por suas maneiras "quietas" de
compartilhar sabedoria, isto é, não através da pregação, mas simplesmente por sua presença. Esta é uma forma
muito parecida com um útero de transmissão de luz, saindo suavemente.

A questão então se torna, como estamos marcados? Especialmente à luz de nossas conversas sobre dons espirituais,
parece que cada um de nós está marcado de uma maneira única, com as Cartas talvez fornecendo ótimas pistas
sobre essas marcas e suas localizações específicas. Como foi falado no Chat na terça-feira passada, cada um de nós
se relaciona com as Cartas à nossa própria maneira. Ao explorar as Cartas, também encontramos nossos pontos
fortes e fracos, e como está sendo extraído em outros locais deste Fórum, estes são os portais para nosso
esclarecimento.
Contemplando Martha dessa maneira, vejo-a agora como a porta de entrada para a Iluminação pelo
Trabalho. Embora Martha se queixasse de sua ocupação e não estivesse buscando a sabedoria do Mestre, talvez ao
inverter isso para incorporar meditação, oração etrabalho, agora podemos lê-la em uma luz diferente e também lê-la
como "marcada" dessa maneira.

Deixo essa contemplação muito jovem e antiga para contemplar mais

Que todos os seres possam conhecer sua marca divina e terrena e trazê-la ao mundo para todos compartilharem e
desfrutarem!
Meghan

T
o
p
o

Tau Malaquias

Administrador do site

Mensagens: 5623

Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm

Localização: Grass Valley, Ca.

Re: Poder da Unção e Oração

# 3 Postado por Tau Malachi » seg Jul 29, 2013 11:05 am

Saudações e bênçãos na Luz do Messias!

No hebraico antigo diz-se que a letra Tau foi desenhada como uma cruz de braços iguais, e é dito que este é o sinal
com o qual o anjo marcou as almas para a salvação, selando os justos ou eleitos espirituais. Como sabemos, este é o
sinal sagrado com o qual somos ungidos em nosso rosto, o sinal de uma cruz cercada, quando recebemos a forma
exterior do Rito Triplo de Iniciação, e esse gesto externo corresponde à forma interna da Iniciação. , a experiência da
Transmissão de Luz, a Verdadeira Unção.

Tau é igual a 400, e isto corresponde com o ruhaniyot e shefa, ou poder espiritual, de todas as Sefirot dentro de
todos os Olamot, entendendo que cada Sefirah em cada nível contém todas as dez Sefirot; este é o poder espiritual
em nossa Unção e, portanto, Tau corresponde à nossa Unção como um seguidor do Caminho - Tau sendo um
símbolo do Caminho.

Nisto podemos considerar o chamado de Adonai Yeshua para seus discípulos: "Tome sua cruz [Tau] e siga-me em
meu caminho".

O sinal da cruz indica a união do céu e da terra, ou de Deus e do ser humano. Quando recebemos nossa unção,
recebendo e integrando o Espírito do Messias por completo, assim renascemos de cima, do céu, e o céu e a terra se
unem em nós, e o Espírito de Deus habita em nós.

Tau, a Santa Cruz, corresponde à incorporação ou auto-realização no Messias; daí, o título "Sagrado Tau" na tradição
para o Apóstolo Gnóstico ou Santo Tzaddik que serve como o coração do Corpo Vivo, com o Messias ressuscitado
como a cabeça.

Como sabemos, um dos títulos comuns do Messias é "Filho do Homem", "Filho de Adão" e corresponde ao nome
Seth, Shin-Tau; Shin é fogo, luz, e assim este nome indica uma "Cruz de Fogo", ou "Cruz de Luz", e indica a plena
incorporação de Ruach Elohim, o Espírito e Luz de Deus - Messias.

Como Tau é desenhado hoje, parece um recinto ou santuário, e sugere o Triplo Santuário da Graça que é
estabelecido no Ressuscitado Messias, o Grande Seth, e que é manifesto em cada geração, e na Segunda Vinda,
como Tzaddik e Comunidade Ungida.

Alef corresponde à Primeira Vinda e Tau corresponde à Segunda Vinda, a revelação completa do Messias, a
conclusão da salvação, ou iluminação e libertação. Essa é a perfeição de todos (Kol).

A conclusão da salvação, ou criação, corresponde à realização do Eterno Shabat, e assim o Shabat termina em Tau; O
caminho dessa realização é o arrependimento, ou o retorno a Deus - teshuvá, que produz o tikkune da alma, a cura e
a realização da alma. O tikkune da alma provoca o tikkune do mundo, e ainda mais, o tikkune do mundo dos anjos e
arcanjos, e o Mundo das Sefirot; este é o poder espiritual dentro do Tau - a redenção de todos, ou perfeição e
realização de todos.

O caminho da teshuvá é revelado na Santa Torá e no Santo Evangelho, a essência do coração da Torá. Se você se
envolver em oração, tefila e recitar Salmos, tehilim, com entendimento, aderindo ao Ressuscitado Messias, você o
encontrará, e o Espírito do Messias realizará Tikkune Gadol em você - o Grande Tikkune, Tikkune Ha-Kol ( Realização
de todos).

O atributo celestial de Tau é Shabbatai (Saturno), que tem uma correspondência com o Entendimento de
Binah; Nisto podemos saber que Tau tem uma correspondência secreta com Binah e Imma Shekinah, e com o fim
dos tempos, o Fim dos Dias.

Hoje, Tau é a última carta do Alef-Bet, mas no Fim-de-Dias é dito que outra carta sagrada aparecerá,
correspondendo ao Mundo-Para-Vem revelado através dela. Neste, talvez, você entenderá que Tau é um "fim sem
fim", revelação da verdade de Ain Sof, o Um-Sem-Fim.

Não há fim para a revelação e realização de Deus, pois Deus é Ain Sof, Infinito!

Com relação a suas percepções, querida irmã, elas são adoráveis, pois com Tau há conhecimento da unificação do
indivíduo e universal, ou "terra e céu", e o conhecimento da personificação única e singular dessa Unção, o Messias
residindo em cada um. um de nós. Na união do indivíduo com o universal, por um lado, é como se o indivíduo fosse
como uma gota de água salgada e o universal fosse como o oceano, e, fundindo-se, a gota de água salgada pingava
de volta no oceano; por outro lado, porém, na experiência da Consciência Superna ou Messiânica, ao mesmo tempo,
é como se todo o oceano se derramasse através da gota de água salgada - algo da Verdade Superna (Amet), ou o
Divino, "vem para baixo "e é incorporado.

Basicamente falando, o Messias e o Espírito Santo - esta presença de luz e poder de luz, toma a pessoa e a vida,
aparecendo como essa pessoa santa, e naturalmente essa pessoa santa é uma manifestação única e individual do
Messias e do Espírito Santo, como nenhum outro. Isso reflete a verdade (Amet) do Senhor Único, Yahweh, que é a
fonte de tudo, e a parte mais íntima da alma, yechidah, nossa centelha divina ou essência única, que emana de
Yahweh, e que Yahweh habita; por causa de nosso único Senhor e essência única, assim em nossa realização e em
nossa unificação, seremos um indivíduo único.

De um tsadic santo a outro, a presença da Luz e o poder da Luz são um e o mesmo, e, no entanto, cada um é uma
emanação única e individual, uma manifestação daquela Luz e Verdade Sagradas; como tal, cada um terá uma
missão única e obras espirituais únicas, e eles terão seu próprio caminho no jogo da Transmissão de Luz, ou
ensinando e iniciando - com cada um haverá novos ensinamentos e novas revelações dos Mistérios, o Caminho e O
divino.

Da mesma forma que cada ser realizado é único e individual, também o modo de realização de cada alma será único
e individual. Como sabemos, existem muitas correntes de Transmissão de Luz, muitas tradições autênticas de
sabedoria no mundo, o Espírito da Verdade ou o Espírito de Iluminação, estendendo-se a muitos e diversos povos; o
Caminho Uno se torna Muitos porque todos os povos, dada sua singularidade, não serão salvos ou iluminados,
através de um corpo único de ensino e revelação, ou um único Salvador. Da mesma forma, como vemos dentro da
nossa própria linhagem de Transmissão de Luz, assim como outros, dentro do Caminho existem Muitos
Caminhos; existe o Caminho da Perfeição, o Caminho da Trama, ou Transformação, e existe o Caminho do
Conhecimento, o Caminho do Poder, o Caminho do Amor e o Caminho do Trabalho. Através de qualquer um destes,
ou qualquer combinação destes,

Isso corresponde à Tiferet-Beleza de Deus, que é soletrada com dois Tau e é a Sefirah do Messias; de acordo com os
mestres da tradição, o primeiro Tau é a Única Verdade Superreal realizada por todos, e o último Tau é o único Habad
e a incorporação dessa Verdade em cada um que a realiza. Essa infinita diversidade ou singularidade na revelação e
realização é a manifestação direta de Tiferet, a Grande Beleza de Deus, o Senhor Único (Yahweh, Yeshua).

Agora, cada alma tem uma essência única, ou raiz, que é extraída de uma Sefirá, ou uma configuração de Sefirot, em
Atzilut, e cada alma é tecida de um arranjo único do Otiyot, ou Letras Sagradas - estas energias primordiais e
supernas -inteligências; isto corresponde à alma como é em Deus, o nome da alma, a imagem da alma, e o
conhecimento e poder da alma, como é em Deus, a Verdadeira Luz.

Em cada encarnação há uma única emanação, manifestação disso, e assim pode haver uma realização única desta
centelha divina de uma encarnação para outra; como uma centelha de Or Ain Sof, a Luz do Infinito, dentro de cada
alma existe o potencial para realização e realização infinitas, e corporificação, da Verdade Superna ou Divina.

Acima, mencionei que Tau começa a palavra para oração, tefila e, nessa contemplação, há algo a ser compartilhado
em relação à oração ou à invocação. Como sabemos, na Torá, o Humano é chamado de "Falando", o que equivale a
dizer um tecelão de letras e palavras, e neste, o Humano tem o poder de um co-criador e co-redentor com Deus,
Elohim, entendendo que a criação vem através da Divina Expressão, Deus Falando, e este poder de Deus foi colocado
no Humano, junto com o Espírito de Deus, Ruach Elohim. A forma mais elevada de fala no ser humano é a oração, a
invocação e os seres humanos são ordenados a orar por todas as criaturas, toda a criação; através dos influxos de
oração dos 32 Caminhos de Hokmah são atraídos para Malkut, e o Infinito Supernal de Malkut invocado para Este
Mundo,
Considere isto. Se temos, e somos, uma essência única e individual única, então deve haver preces únicas que
estamos capacitados e destinados a falar, correspondendo com quem somos em Deus e a missão de nossa alma, ou
nossa Verdadeira Vontade; portanto, deve haver orações que possamos oferecer, falar, que nenhuma outra alma
possa oferecer ou falar. Em outras palavras, todos nós temos orações especiais, invocações especiais, estamos
destinados a falar neste mundo, atualizando e realizando a Presença Divina e o Poder, e o Reino de Deus, neste
mundo.

Há orações em várias gradações de proximidade e há orações na experiência da união consciente; na proximidade,


as orações se aventuram em profecia e apocalipse, e em união elas se tornam a Divina Expressão, a Palavra Viva do
Divino Eu Sou.

Nossas orações únicas correspondem à nossa realização, realização e incorporação únicas da Presença e Poder
Divinos, do Messias e Shekinah.

Tau corresponde ao poder da oração, e se você contemplar o que foi compartilhado a respeito da oração, e você
entenderá que o poder da oração é muito maior do que imaginamos no princípio; quando nos apegamos e nos
aproximamos do poder do Espírito Santo, estamos em nossas orações, e quando clivamos é perfeito, e há unificação,
assim nossas orações se tornam Divina Expressão, ou o Messias em nós orando a El Elyon além de nós - daí, a
invocação de abundante misericórdia. Hallelu El! Louve a Deus!

Essa é a Sabedoria do Tau!

Isso parece suficiente por um tempo.

Ó Yahweh Elohim, Shaddai, louvamos e abençoamos o Seu Santo Nome, e invocamos o Seu Nome no Abençoado
Nome do Yeshua Messias, e oramos, falamos o nosso nome no céu, e as nossas orações sejam completas na
terra; O Adonai, capacita-nos a realizar a Tua Vontade, a nossa Verdadeira Vontade como somos em Ti, Atoh. Um
homem.

Paz para você do Senhor do Shabat ... Shabat Shalom!

Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia

+ David

Re: Misticismo da Tau

# 4 Post de + David » Ter 30 de julho de 2013 5:40 am

Saudações Irmão Mais Velho, Tau Malaquias

Se temos, e somos, uma essência única e individual única, então deve haver preces únicas que estamos capacitados
e destinados a falar, correspondendo com quem somos em Deus e a missão de nossa alma, ou nossa Verdadeira
Vontade; portanto, deve haver orações que possamos oferecer, falar, que nenhuma outra alma possa oferecer ou
falar.
Aaah, isso me fala como a intenção divina por trás da "Adoração Gifted". Deus declarando a si mesmo através de
nós?

... e cada alma é tecida de um arranjo único do Otiyot, ou cartas sagradas ...
Considerando a atribuição das Cartas Sagradas do Sefer Yezirah aos Sinais zodiacais de Mazlot e aos sete Planetas -
será que os nossos horóscopos nos dão alguma sugestão de quais Letras nós somos tecidos? E seria verdade que - se
e quando evoluíssemos, pela boa graça de Deus - outras Cartas se tornariam aparentes?

Contemplando isso, vejo a imagem da Rosa de 22 pétalas - florescendo e desabrochando.


"Deus colocou Adão no Éden para cultivar rosas".

T
o
p
o

Tau Malaquias

Administrador do site

Mensagens: 5623

Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm

Localização: Grass Valley, Ca.

Re: Tau e a verdadeira estrela

# 5 Postado por Tau Malachi » Ter Jul 30, 2013 10:41 am

Saudações e bênçãos na Santa Luz do Messias!

Tau, correspondendo com o Netivah final, é chamado de "Consciência Adora- da", e desta consciência é dito que
"Isto é chamado porque está preparado para destruir todos os que se envolvem na adoração dos
planetas". Podemos também dizer que é assim chamado porque corresponde à adoração dotada, que é a adoração
de Deus em proximidade e união; como foi estabelecido, Tau é teshuvá, retornando a Deus, aproximando-se de
Deus e, em seu retorno, há a experiência da unificação.

Orações na proximidade são tomadas pelo Espírito de Deus, Ruach Ha-Kodesh, e elas se tornam profecia e
apocalipse (revelação), e orações em união são com Deus falando, em e através de nós, e como nós, e elas se tornam
a Expressão. do divino; tais orações correspondem com adoração talentosa, ou adoração gnóstica, e tais orações
correspondem às orações únicas de uma alma, que são orações em verdadeira comunhão com o Messias e El Elyon.

A verdadeira adoração é aproximar-se, a experiência da proximidade de Deus e a unificação com Deus; é uma dança
do conhecedor e do conhecido que vem junto, e corresponde ao Conhecimento de Deus, Da'at, ou conhecendo
como Deus sabe, e assim é que o Da'at termina com Tau, correspondendo com a Consciência Adorada, ou
Consciência de adoração. Neste, talvez, poderíamos recordar um ensinamento de São Paulo: "Pois agora vemos em
um espelho, vagamente, mas então veremos face a face. Agora eu sei apenas em parte; mas então eu vou saber
completamente, mesmo como eu fui conhecido "(1 Coríntios 13:12). São Paulo, é claro, está falando do Da'at de
Atzilut experimentado no Mundo-Para-Vem, que é makifin neste Mundo, e ainda, na adoração verdadeira, e na
Consciência Supernal, a alma vislumbra e saboreia isto , pois, como os mestres da tradição nos ensinam, lembrando
e mantendo o Shabat sagrado, recebemos uma porção dupla da alma, e podemos vislumbrar ou saborear algo do
Mundo-Que-Está-Vindo. De acordo com um ensinamento, a porção dupla da alma corresponde a yechidá e hayyah,
que é a nossa alma no Mundo-Para-Vem, ou Eterno Shabat.

Olhe e veja! Tau ocorre cinco vezes nos nomes das Sefirot do Pilar do Meio. Está no centro do nome Keter, no final
de Da'at, no começo e no fim de Tiferet e no final de Malkut. Tau no centro de Keter corresponde a Ain Sof
completamente transcendente, e a Verdade (Amet) de Elyon que está escondida, oculta; Tau no final de Da'at, no
entanto, indica Da'at como tudo o que é revelado e conhecido do Santo e dos Mistérios, as Obras de Criação e Obras
da Carruagem. Os nomes de todas as Sefirot do Pilar do Meio têm Tau neles, exceto Yesod, mas Tiferet, a Sefirah do
Messias, a Unção, tem dois Tau; Yesod, como sabemos, é chamado o Tzaddik Sagrado, e de acordo com os mestres
da tradição, "Tiferet detém o Tau de Yesod" para indicar que os verdadeiros tsadikim, ou tsadikim perfeito, somente
surgindo através do Messias, a Unção com Luz Superna. Tau no final de Malkut indica a manifestação do Reino de
Deus na terra através da incorporação do Messias e do Conhecimento de Deus; daí, Ungido Tzaddik e Comunidade
Ungida.

Diz-se também que os cinco Tau correspondem aos cinco simodot, ou cinco elementos da consciência, surgindo em
sua pureza inata, e, portanto, dizem que aludem à Grande Visão e ao alvorecer da Consciência Superna ou
Messiânica; portanto, a verdadeira salvação, ou a iluminação e libertação das almas - a realização do ser sem nascer,
ou a vida eterna.

Agora, a Consciência de Adoração está preparada para destruir aqueles que adoram os sete planetas; isto
corresponde com a perfeição da adoração, ou perfeita devoção, dissolução da Luz Clara, União da Luz Clara, através
da qual a Grande Visão surge e a alma é iluminada e libertada; daí, reintegração completa com o Continuum de Luz,
Yahweh. Esta é a perfeição da adoração, e é dotada às almas pela Graça Divina, Graça Superior; portanto, através do
Espírito do Messias, Ruach Elohim, Ruach Yahweh.

Como este presente é dado é através da Santa Cruz, Tau!

Há algo mais, no entanto, concernente àqueles que adoram os sete planetas e sua destruição, e em seu post original
Gideon sugeriu isso.

Ouça e ouça e entenda! Existe a alma como é em Deus, sem pecado, e existe a alma como está no pecado ou no
continuum cármico; existe você, como você é em Deus, e você, como você é em você mesmo. Quando falamos da
alma que emana de Yahweh, sua raiz sendo extraída de Adam Kadmon, e a alma sendo tecida de uma configuração
única de Sefirot e Netivot (ou Otiyot) de Atzilut, isso corresponde aos aspectos internos da alma, yechidah, hayyah e
neshamah, ou você como você é em Deus, e isso não tem nada a ver com os planetas, ou as estrelas de seu
nascimento. Transcende-os. Na geração de nefesh e ruach, no entanto, ou você como você é em si mesmo, a
correspondência do Otiyot com as estrelas do seu nascimento entra em jogo; Nas estrelas do seu nascimento você
pode ver o seu carma, e ciente dos pontos fortes e fracos, e tal, você pode adquirir discernimento de um caminho
para o tikkune de sua alma. No final, porém, você deve transcender as estrelas de seu nascimento, e você deve unir
quem você é em Deus com quem você é em si mesmo. Nós não olhamos para as estrelas de nosso nascimento para
ver quem somos em Deus, ou o Continuum de Luz, mas sim, olhamos para nossas experiências de Transmissão de
Luz, nossa Unção, para ver, ouvir e saber quem somos em Deus, a verdadeira luz.

Aqui podemos compartilhar um segredo aberto. Há um caminho muito melhor de tikkune no Messias ressuscitado
do que aquele discernido através das estrelas de seu nascimento - um caminho rápido, um caminho de raio! O
caminho do tikkune nas estrelas do seu nascimento é um caminho sob a lei, mas o caminho do tikkune revelado na
experiência da Transmissão da Luz, ou a Unção, é um caminho na Graça Divina! Isso corresponde ao Evangelho da
Verdade (Amet), as boas novas de nossa unidade inata com Yeshua e Yahweh; portanto, a verdade do Divino Eu Sou
em nós.

Como sabemos, sob a lei ninguém foi "salvo", ou iluminado e libertado; somente através da Graça Divina são almas
libertas, elevadas na Grande Ressurreição e Ascensão - o Grande Êxodo!

No Messias, no Grande Seth, como sabemos, há o perdão do pecado, a negação do karma e a revelação de quem
somos no Continuum de Luz, Yahweh; esse perdão corresponde à negação das estrelas de nosso nascimento, e essa
revelação corresponde à nossa transcendência deles.

Essa negação, cessação e transcendência, ou essa unificação de quem somos em nós mesmos com quem somos em
Deus, está na grafia de Tau, Tau-Alef-Vau. Tau é a dissipação do pecado, karma, através da Santa Cruz, e Alef é a
comunicação do Espírito do Messias, a Luz Superna, e Vau é a unificação, a nossa realização da nossa verdadeira
essência e natureza, o nosso verdadeiro ser no Messias .

Olhe e veja! Se você reorganizar essas letras soletrando Tau, você terá "Alef e Tau", ou "Primeiro e Último", ou
"Início e Fim" - a verdade do Eu Divino ou do Ser Sem Nascido; daí, a realidade do Messias, neste mundo e no mundo
que está chegando.

Esta é a Sabedoria de Tau, e a essência desta Sabedoria Superna é a Sabedoria de Ain; o "Não-Coisa" de Todos (Kol).

Quando a Natureza Ain de si mesmo e tudo o que aparece é reconhecida e realizada, e a pessoa permanece naquela
cessação, o Fim dos Dias, então a alma surge na Grande Ressurreição e Ascensão, e há pleno Conhecimento de Deus
(Da ' Atzilut) como no Mundo-Para-Vem; Da'at Ha-Yichud, "Conhecimento da União".

Esta é a adoração que não é adoração e, portanto, há adoração verdadeira e perfeita; esta é a Sabedoria da
Consciência Adorada - Ser Iluminado! Hallelu Yah! Louve o Senhor!

Isso, é claro, não quer dizer que não há conhecimento, compreensão e sabedoria a serem obtidos por olhar para as
estrelas, como Abraão olhou, ou dançando entre eles, enquanto nossos irmãos mais velhos Yeshua e Mirya
dançavam; Juntamente com a Abundante Misericórdia permanece o jogo da Misericórdia Simples em meios
habilidosos, pois embora haja o Santuário da Graça, a lei permanece em vigor para muitos, e então há um jogo de
bênçãos medidas sob a lei, ou "sob as estrelas "

Da mesma forma, se incorporamos o Espírito do Messias, e o Espírito do Messias assume essa pessoa e vida, assim o
Espírito do Messias assumirá as estrelas de nosso nascimento; mas então, quando o Espírito do Messias faz isso, as
estrelas de nosso nascimento são reconfiguradas, pois renascemos de cima, e as estrelas de nosso nascimento são
reorientadas para nossa Verdadeira e Santa Estrela. Contemple isso e entenda bem!

Olhemos e dançemos, mas enquanto estivermos em movimento, permaneçamos em repouso, em repouso!

Esta é a Sabedoria do Sagrado Tau!

Ó Adonai, por favor, junte-nos em Você (Atoh) para que possamos vir de Você, andando em beleza e santidade
como um Ser Humano de Luz. Um homem.

Shaddai Shalom!

Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia

T
o
p
o

Elder Gideon

Administrador do site

Mensagens: 1363

Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Culto Superdotado na Consciência Adora

# 6 Post by Elder Gideon » Qui Aug 01, 2013 4:19 am


Amigos de Shalom!

Inspirado por seus insights neste misticismo de Tau, estou ouvindo algo muito refrescante:

Da mesma forma que cada ser realizado é único e individual, também o modo de realização de cada alma será único
e individual. Como sabemos, existem muitas correntes de Transmissão de Luz, muitas tradições autênticas de
sabedoria no mundo, o Espírito da Verdade ou o Espírito de Iluminação, estendendo-se a muitos e diversos povos; o
Caminho Uno se torna Muitos porque todos os povos, dada sua singularidade, não serão salvos ou iluminados,
através de um corpo único de ensino e revelação, ou um único Salvador. Da mesma forma, como vemos dentro da
nossa própria linhagem de Transmissão de Luz, assim como outros, dentro do Caminho existem Muitos
Caminhos; existe o Caminho da Perfeição, o Caminho da Trama, ou Transformação, e existe o Caminho do
Conhecimento, o Caminho do Poder, o Caminho do Amor e o Caminho do Trabalho. Através de qualquer um destes,
ou qualquer combinação destes,

Ocorre-me novamente que o caminho é a expressão da adoração dotada.

Tendo crescido em toda uma gama de denominações cristãs e experiências de domingo, sou muito grata por quão
integral a nossa linhagem é em relação à adoração. Ao contrário de muitas congregações, que separam serviços de
adoração tradicional, baseada em hinos, do culto “contemporâneo” baseado na música ao vivo em diferentes
horários, trabalhamos com ambos e, ainda assim, vamos além de hinários e tamborines. Não apenas o levamos para
fora, mas aplicamos isso em uma ou em uma combinação de maneiras citadas por Tau Malachi acima. Nosso
caminho de adoração é o nosso caminho! A sutileza de tudo quanto ao nosso Caminho como adoração dotada neste
contexto do misticismo do Tau, Consciência Adoradaé maravilhoso. Meu caminho não é apenas a minha parte, nem
é apenas como eu vou encarnar o Messias que habita em nós, mas o meu caminho é igualmente como eu já adoro o
Altíssimo.

Que o Santo seja abençoado e aumentado com o que é novo, vindo através da adoração talentosa do nosso
Caminho!

Elder Gideon

Elder Gideon

Administrador do site

Letras finais de hebraico

# 1 Postado Sáb Dez 05, 2015 5:14 pm

Shalom Tau Malachi:

Midrashim dos profetas pós-exílicos Ageu, Zacarias e Malaquias ensinam que esses rabinos não apenas
desenvolveram o que se tornaria a tradição rabínica da Torá Escrita praticada como sinagoga judaica hoje, mas
também as formas finais de quatro letras hebraicas :

Kaf is final é ‫ך‬

Nun final

final ‫ ן‬Peh ‫ פ‬final ‫ף‬

Tzaddi ‫ צ‬final é ‫ץ‬


Como essas formas finais, Qoof ‫ ק‬é uma letra que chega abaixo da linha de escrita, sugerindo que se baseia, ou
transforma, a influência de o Outro Lado, que a Cabala associa com barreiras, cascas, qlippot que dividem as pessoas
da lembrança de sua união inata com o Santo.

Que existem outras quatro letras hebraicas cuja forma final também fica abaixo da linha de escrita me inclina a
perguntar como elas podem ser contempladas com os quatro elementos da consciência. Como você e eu
conversamos mais sobre isso desde que este tópico surgiu no último Shabat da comunidade, fiquei fascinado ao
saber que:

Qoof ‫ ק‬é terra

Nun ‫ נ ן‬é água

Peh ‫ ף ף‬é fogo

Kaf ‫ ך ך‬é ar

Tzaddi ‫ ץ ץ‬é espaço

I ' Estou cheio de curiosidade sobre como podemos contemplar e estender isso ainda mais! Talvez você esteja
inclinado a compartilhar mais, pois os mistérios das letras finais alongadas são muito complexos e dinâmicos.

Com gratidão,

Elder Gideon

T
o
p
o

Anna

Re: letras finais em hebraico

# 2 Post Ter Dez 15, 2015 4:55 pm

Bênçãos de paz e graça para todos!

Que intrigante contemplação! Que peh corresponde ao fogo parece correlacionar diretamente com o que James diz
sobre a língua.

"E a língua é um fogo ... (ela) incendeia o ciclo da natureza e é incendiada pelo inferno." (Tiago 3: 6)

Eu também espero ansiosamente mais ensinamentos sobre essas cartas finais e suas correspondências com os
elementos da consciência.
Que possamos nos empoderar para engajar pensamentos, palavras e ações sagradas para a benção de todos os
seres!
Shalom!
Anna