Anda di halaman 1dari 4

Página 1

Trabalho afetivo (Michael Hardt)


Trabalho afetivo
Michael Hardt
A preocupação com a produção de afetividade no ambiente de trabalho e social tem servido como uma boa base para
desenvolver projetos anti-capitalistas dentro do discurso em torno de conceitos como desejo e valor e uso. Trabalho afetivo
constitui diretamente e em si a criação de comunidades e subjetividade coletiva. O circuito produtivo dentro do qual
As afeições se movem e os valores têm sido vistos em grande parte como um circuito autônomo de criação de subjetividade, um
alternativa ao processo de avaliação capitalista. Sistemas de pensamento que abordam Marx e Freud associam o conceito de trabalho
Afetivo com idéias como trabalhar dentro da família e cuidar dos outros. Cada uma dessas análises revela processos através de
que, dentro da atividade laboral, produzimos subjetividades coletivas, socialidade e que, em última instância, dão origem à sociedade
em si.
Este modo de conceber o trabalho afetivo hoje (aqui eu entro no assunto principal deste ensaio) deve, no entanto,
percebido em relação ao papel cambiante que o trabalho afetivo tem na economia capitalista. Em outras palavras, embora o
O trabalho afetivo nunca foi completamente estranho à produção capitalista, aos processos de pós-modernização econômica que
eles estão desenvolvendo nos últimos 25 anos, eles colocaram o trabalho afetivo em uma posição onde, não só ele produz capital
mas também está no topo da hierarquia das formas de trabalho. O trabalho afetivo é uma das manifestações do que
Eu chamarei de "trabalho intangível", que adquiriu uma posição predominante em relação aos outros tipos de trabalho dentro do
economia capitalista global. Afirmar que o capital incorporou e exalta o trabalho afetivo como uma das formas mais lucrativas
de trabalho produtivo de valor não significa que este tipo de trabalho, contaminado por sua relação com o capitalismo, não
lugar em projetos anticapitalistas. Pelo contrário, dado o importante papel que o trabalho afetivo desempenha como um dos
principais elos da cadeia da pós-modernização capitalista, seu potencial subversivo e sua autonomia só crescem.
Dentro desse quadro, reconhecemos o potencial biopolítico do trabalho, entendido como biopoder de acordo com a concepção de Foucault, que
O tempo é invertido. Eu quero prosseguir, portanto, em três fases: a primeira, para colocar o trabalho imaterial dentro da fase contemporânea de
pós-modernização capitalista; segundo, colocar o trabalho afetivo em relação a outras formas de trabalho imaterial; e finalmente,
explorar o potencial do trabalho afetivo em relação ao biopoder.
Pós-modernização
Hoje é muito comum perceber a sucessão de sucessivos paradigmas econômicos no âmbito dos principais países
capitalistas como um processo em três fases bem definidas, cada uma para um setor economicamente vantajoso: na primeira
paradigma, agricultura e obtenção de matérias-primas foram o motor da economia, no segundo, indústria e manufatura
de bens duráveis ocupavam posição privilegiada, e no terceiro, a manipulação de serviços e informações
núcleo da produção de capital. A posição hegemônica passou, portanto, do setor primário para o setor secundário e depois para o setor
terciario A modernização econômica foi a marca da primeira transição, da hegemonia da agricultura à da
industria Modernização era sinônimo de industrialização. A segunda transição, da hegemonia da indústria à da
serviços e informações poderiam ser chamados de pós-modernização da economia ou, para ser mais exato, de informatização.
Os processos de modernização e industrialização levaram à transformação e redefinição de todos os elementos
configuradores do plano social. Como a agricultura se modernizou em uma indústria, a fazenda deixou
tornando-se uma fábrica aplicando disciplina, tecnologia, relações salariais, etc. características deste. Em geral, o
a sociedade gradualmente se industrializou, até chegar ao ponto em que as relações humanas e a natureza também se transformaram.
A sociedade tornou-se uma fábrica. No início do século, Robert Musil fez uma bela reflexão sobre a transformação do
a humanidade nesta transição do mundo agrícola para a fábrica social. “Houve um tempo em que as pessoas naturalmente se adaptavam ao
condições que eles encontraram, e este foi um modo muito coerente de se tornar a si mesmo. Mas hoje, com todos
essa turbulência que separa as coisas da terra onde cresceram, mesmo quando se trata da produção de almas, realmente
Deveria, de alguma forma, substituir o artesanato tradicional pelo tipo de inteligência característica das máquinas e
as fábricas. ”[1] A humanidade e sua alma são produzidas dentro dos processos de produção econômica. O processo de
transformação em um ser humano e a própria natureza do ser humano interrompeu fundamentalmente a mudança qualitativa que

Página 2
Significava modernização.
Em nossos dias, no entanto, a modernização chegou ao fim, ou, como diz Robert Kurz, a modernização chegou
para baixo. Em outras palavras, a produção industrial não amplia mais sua área de controle sobre outras formas e fenômenos econômicos.
social. Um sintoma dessa mudança aparece nas mudanças quantitativas no campo do emprego. Enquanto os processos de
modernização se refletiram na migração do trabalho, agricultura e mineração (setor primário) para a indústria
(sector secundário), pós-modernização ou processos de informatização reflectem-se numa migração do emprego no
industrial ao setor de serviços (terciário), uma mudança que vem ocorrendo nos principais países capitalistas (especialmente
nos Estados Unidos) desde o início dos anos 70. [2] O conceito de “serviços” engloba uma ampla gama de atividades,
saúde, educação e cultura para o transporte, shows e publicidade. Jobs principalmente exigem
disponibilidade para viajar e adaptabilidade a diferentes funções. Mas, mais importante, eles também são caracterizados pela
papel essencial que o conhecimento, a informação, a comunicação e a emoção desempenham neles. A este respeito, podemos
referem-se à economia pós-industrial como uma economia da informação.
A declaração de que o processo de modernização acabou e que a economia global de hoje está na fase de
pós-modernização, focada na economia da informação, não significa que a produção industrial seja dispensada ou
que deixará de ter um papel predominante, mesmo nas áreas mais desenvolvidas do mundo. Da mesma forma que o
industrialização transformou a agricultura e impulsionou sua capacidade de produção, a revolução da informação
indústria e redefinirá e actualizará os processos de fabrico através da integração, por exemplo, de redes de informação
dentro dos processos industriais. O novo slogan sobre gestão é "tratar a indústria como um serviço". Então, para
À medida que as indústrias se transformam, a divisão entre fábrica e serviços é confusa. Da mesma forma que através do
modernização toda a produção foi industrializada, assim, através da pós-modernização, toda a produção tende a se tornar
a produção de serviços tende para a economia da informação.
O fato de que a informatização e a virada para o setor de serviços são mais claramente notadas nos principais países
capitalistas não deveriam nos levar a pensar sobre a situação econômica global em termos de fases de desenvolvimento, como se hoje
países dominantes eram economias baseadas em serviços e informações, seus subordinados eram governados por uma economia
industrial e depois destes foram os países da economia agrícola. Para os países subordinados, o fim da modernização
Significa, em primeiro lugar, que a industrialização não pode mais ser vista como o fator-chave para o desenvolvimento e a competitividade
econômico Algumas das regiões mais relegadas, como algumas áreas da África subsaariana, foram excluídas do movimento
de capital e novas tecnologias e, portanto, mesmo não têm a ilusão de estratégias de desenvolvimento e estão prestes a
morrer de fome (devemos, no entanto, estar cientes de que a pós-modernização determinou essa exclusão, mas não
cessa seu domínio sobre essas regiões). A competição para alcançar as posições intermediárias na hierarquia global é realizada
não através da industrialização, mas através da informatização da produção. Grandes países com economias heterogêneas, como
Índia, Brasil e Rússia podem simultaneamente hospedar todos os tipos de processos de produção: produção de serviços através do
Economia da informação, produção industrial de bens e produção artesanal, agrícola e mineira. Uma progressão não é necessária
histórico entre essas formas de produção, que simplesmente se misturam e coexistem: não é necessário passar pela modernização
antes de ingressar na informatização. A produção artesanal pode ser informatizada imediatamente; pode ser instalado
imediatamente telemóveis em aldeias de pescadores desconhecidas. Todas as formas de produção coexistem dentro das redes
do mercado mundial e sob o controle da produção informatizada de serviços.
Trabalho intangível
A transição para uma economia da informação implica necessariamente uma mudança na qualidade do trabalho e na natureza
de processos de trabalho. Esta é a conseqüência sociológica e antropológica mais imediata da transição entre paradigmas
econômico Informação, comunicação, conhecimento e afetividade têm papel fundamental no processo de
produção Para muitos, uma primeira faceta dessa transformação é constituída por mudanças no sistema de trabalho do
Fábricas com a indústria automotiva como um ponto de referência essencial - é assim que o modelo da Ford foi transferido para a Toyota. [4] O principal
mudança estrutural entre estes dois sistemas refere-se ao sistema de comunicação entre a produção eo consumo de bens, é
digamos, a transferência de informações da fábrica para o mercado. O modelo fordista estabeleceu uma relação “muda” entre produção e
consumo No modelo fordista, os modelos padrão de massa eram produzidos sabendo que havia uma demanda por eles, então
que não havia necessidade de "ouvir" atentamente o mercado. Um circuito de feedback de informação que ligou o
O setor de consumo com o setor de produção possibilitou que algumas mudanças no mercado gerassem mudanças na produção,
Página 3
mas essa comunicação era limitada (porque os canais de planejamento eram rígidos e muito compartimentalizados) e
lento (dada a limitação tecnológica e processos de produção em massa).
O modelo toyotista baseia-se em uma inversão do modelo fordista de comunicação entre produção e consumo. Idealmente
Com este modelo, uma comunicação contínua e imediata entre produção e planejamento de mercado seria estabelecida. Assim
as fábricas não teriam mercadorias em seus armazéns e as produziriam de acordo com a demanda que existe em determinado momento
Os mercados ativos Este modelo não requer apenas um circuito de comunicação mais rápido, mas também funciona na direção
pelo contrário, porque, pelo menos em teoria, a decisão de produzir vem depois que o mercado toma sua decisão. Dentro deste
contexto industrial, vemos as primeiras indicações do papel fundamental que a comunicação e a informação terão no
produção Pode-se dizer que a ação comunicativa e a ação instrumental estão intimamente ligadas dentro dos processos
Industrialistas da era da informação. (Seria interessante e útil considerar como esses processos alteram a divisão
estabelecidos por Habermas entre a ação instrumental e comunicativa, assim como fazem com a distinção que
Arendt cria entre "trabalho", "trabalho" e "ação".) [5]. Devo especificar que estamos nos referindo a uma concepção muito limitada de
comunicação, à mera transmissão de dados de mercado.
Os setores de serviços da economia têm um modelo de comunicação produtivo mais rico. De fato, quase todos
Os serviços são baseados na troca contínua de informações e conhecimento. Como a produção de serviços não resulta em
produção de bens materiais e duráveis, poderíamos chamar esse tipo de trabalho de 'trabalho imaterial', isto é, trabalho que
produz bens não materiais, como serviços, conhecimento ou comunicações. [6] Um aspecto do trabalho intangível pode
descrever com uma analogia com o funcionamento de um computador. O uso cada vez mais difundido de computadores desapareceu
redefinindo práticas e relações de trabalho (e paralelamente todas as práticas e relações sociais). Familiaridade com o
tecnologia da informação e a capacidade de lidar com isso estão se tornando requisitos básicos para acessar qualquer
trabalho nos países dominantes. Mesmo quando não há contato direto com computadores, o uso de símbolos e
A característica da informação da ciência da computação tornou-se difundida. Uma inovação fornecida pelo computador é que seu
A operação está em constante transformação através do seu uso. Mesmo as manifestações mais primitivas da inteligência
artificial permitem que o computador expanda e refine seu modo de operação baseado na interação com o usuário e seu ambiente.
Esse tipo de interatividade contínua caracteriza muitas das atividades produtivas contemporâneas em todos os setores do
economia, quer o equipamento informático intervenha ou não. Antigamente, os trabalhadores aprendiam a atuar como máquinas
dentro como fora da fábrica. Hoje, como o conhecimento social geral se torna um meio de produção
cada vez mais direto, nós pensamos cada vez mais como computadores e o modelo interativo de tecnologia de comunicação é um
cada vez mais parte essencial da nossa atividade de trabalho. [7] Dispositivos interativos e cibernéticos se tornam próteses
integrados em nossos corpos e mentes e constituem uma lente através da qual os redefinimos. [8]
Robert Reich chama esse tipo de trabalho imaterial de "serviços simbólico-analíticos" - trabalho que inclui entre outras tarefas
“Resolução de problemas, identificação de problemas e atividades de corretores estratégicos.” [9] Esse tipo de trabalho tem a
valor mais alto e, portanto, Reich identifica-lo como a chave para competir na nova economia global. Reconheça, no entanto, que
o desenvolvimento destes trabalhos baseados numa economia do conhecimento e que requerem uma manipulação criativa dos símbolos
implica a proliferação de infra-emprego que requer pouca capacidade de manipulação simbólica, que será rotineira, assim como a
caso de coleta de dados e processamento de texto. Assim começa a surgir uma divisão fundamental no setor de trabalho dentro
do campo dos processos imateriais.
O modelo computacional, no entanto, pode explicar apenas uma das facetas do trabalho comunicativo e imaterial que forma
parte da produção de serviços. A outra faceta do trabalho intangível é o trabalho afetivo que representa o contato e
Interação humana Este é o aspecto do trabalho intangível que os economistas estão menos propensos a falar sobre como
Reich, mas, na minha opinião, é o aspecto mais importante, o elemento unificador. Os serviços de saúde, por exemplo, são
principalmente com base no trabalho afetivo e cuidado de outros e da indústria do entretenimento e outras indústrias
Cultural também se concentra na criação e manipulação de afetos. Até certo ponto, esse trabalho afetivo tem um papel.
determinado nas indústrias de serviços, desde restaurantes de fast food até prestadores de serviços financeiros,
fundido com momentos de interação humana e comunicação. Este trabalho, mesmo quando corporal e emocional, é imaterial em
já que seus produtos são intangíveis: uma sensação de liberdade, bem-estar, satisfação, excitação, paixão e até a sensação
de estar conectado ou em comunidade. Categorias como serviços em pessoa ou de proximidade são frequentemente usadas
identificar esse tipo de trabalho, mas o essencial - seu aspecto "em pessoa" - é realmente a criação e manipulação de afetos.
Esta produção afetiva, esta troca e comunicação é geralmente associada ao contato humano, com a presença real

Página 4
de outro, mas esse contato pode ser real e virtual. Na produção de afetos na indústria do entretenimento, por exemplo,
o contato humano, a presença de outros, é principalmente virtual, mas não menos real. Este segundo aspecto do trabalho
Intangível, seu aspecto afetivo, vai além do modelo de inteligência e comunicação proposto pelo computador. Trabalho afetivo
É melhor compreendido a partir do que as análises feministas de "mulheres no trabalho" chamam de "trabalho no modo corporal". [10]
cuidar dos outros está certamente ligado ao corpo, ao somático, mas as afecções que gera são, no entanto, irrelevantes. Lo
que o trabalho afetivo produz são redes sociais, manifestações da comunidade, biopoder.
Aqui talvez possamos reconhecer mais uma vez que a ação instrumental da produção econômica se mistura com a ação
Comunicativa das relações humanas. Neste caso, no entanto, a comunicação não é empobrecida, mas a produção é
Ele enriqueceu o nível de complexidade da interação humana. Enquanto inicialmente, na informatização do
indústria, por exemplo, pode-se dizer que a ação comunicativa, as relações humanas e a cultura foram instrumentalizadas,
reificados e "degradados" ao nível das interacções económicas, devemos esclarecer rapidamente que, através de um processo
recíproca, neste segundo momento a produção tornou-se um processo comunicativo, afetivo e desinstrumentado e
foi "elevado" à categoria das relações humanas, mas, é claro, as relações humanas que se desenvolvem dentro do capital
e eles são dominados por este. (Aqui a divisão entre economia e cultura começa a desmoronar). Na produção e reprodução
dos afetos, dentro dessas redes de cultura e comunicação, ocorrem subjetividades coletivas que dão origem ao
mesmo que ambos possam ser explorados diretamente pelo capital. É aqui que podemos verificar o enorme potencial de
trabalho afetivo
Não pretendo argumentar que o trabalho afetivo em si é algo novo, nem acredito que seja o fato de que ele produz
valor As análises feministas, em particular, há muito reconhecem o valor social do trabalho afetivo,
família, criando filhos e outras atividades de uma mãe. O que é novo, pelo contrário, é até que ponto este trabalho
afetiva e imaterial está agora diretamente ligada à produção de capital, bem como ao escopo geral, que atinge
amplos setores da economia. De fato, como componente do trabalho imaterial, o trabalho afetivo atingiu uma posição
dominante de grande valor na sociedade da informação contemporânea. Em relação à produção de almas, como
Musil poderia dizer que não deveríamos voltar nosso olhar para a terra e o desenvolvimento orgânico, ou o desenvolvimento mecânico e fabril,
mas para as formas hegemônicas de produção econômica, isto é, a produção definida como uma síntese da cibernética e
afetividade
Este trabalho imaterial não é característico apenas de um ramo da população ativa, ou seja, programadores de computador e
enfermeiros, que constituiriam potencialmente a nova aristocracia trabalhista. Em vez disso, o trabalho intangível, em suas diferentes
Encarnações (informacionais, afetivas, comunicativas e culturais) tendem sempre a se espalhar por toda a população ativa e
tarefas como um componente, de maior ou menor peso, de todos os processos de trabalho. Dito isto, há abundantes
divisões dentro do campo de divisões do trabalho intangível por nação, sexo, raça, etc. Como Robert Reich diria, o governo de
os Estados Unidos lutarão o máximo possível para manter a barra do valor do trabalho intangível nas condições mais
Estados Unidos e exportar esses trabalhos de menor valor para outras regiões. É uma tarefa importante estabelecer claramente quais
são essas divisões do trabalho intangível, que, devo esclarecer, não coincidem com as divisões no trabalho para o qual somos
acostumados, especialmente aqueles relacionados ao trabalho afetivo.
Em resumo, podemos distinguir três tipos de trabalho imaterial que impulsionam o setor de serviços a ser colocado à beira do
Economia da informação A primeira classe trata da produção industrial e tem sido informatizada, incorporando tecnologia
de informação para que o próprio processo de produção industrial tenha sido transformado. Fabricação é entendida como um
serviço e trabalho material que representa a produção de bens duradouros é misturado com o trabalho imaterial e tende a
mesclar com este. Em segundo lugar está o trabalho intangível das funções analíticas e simbólicas, que, por sua vez, é subdividido
de um lado, na manipulação inteligente e criativa e, de outro, nas funções simbólicas rotineiras. Finalmente, um terceiro tipo de trabalho
imaterial lida com a produção e manipulação de afetos e requer contato humano e proximidade, seja real
ou virtual. Esses são os três tipos de trabalho que guiam a pós-modernização ou a informatização da economia global.
Biopoder
Por biopoder entendo o potencial do trabalho afetivo. Biopoder é o poder de criar vida, é a produção de subjetividades
coletivo, social e da própria sociedade. Afeta e afeta as redes de produção como o principal objeto de análise
Revela esses processos como processos de constituição social. O que é criado através de redes de trabalho afetivas é uma forma de

Página 5
vida
Quando Foucault analisa a ideia do biopoder, só o contempla de cima. É sobre os direitos dos pais, o direito de
pai sobre a vida e a morte de seus filhos e servos. Ou, mais importante, o biopoder é o poder das forças emergentes.
do governo potencial para criar, dirigir e controlar o poder da população para controlar a vida [11]. Outros estudos mais recentes
levou a ideia de Foucault ao determinar o biopoder como o reino do soberano sobre a "vida nua", a vida,
isolado de suas diversas manifestações sociais [12]. Em cada caso, o que está em jogo no poder é a própria vida. Este trânsito
política em direção à fase contemporânea do biopoder é paralela à transição econômica que constitui a pós-modernização do
capitalismo em que o trabalho intangível está na posição hegemônica. Também neste caso, na criação de valor e
Na produção de capital, o essencial é a produção de vida, criação, direção e controle da população. Isso
A perspectiva foucaultiana do biopoder, no entanto, apenas coloca a situação de cima, como a prerrogativa de um poder
soberano Quando olhamos para a situação do ponto de vista do trabalho envolvido na produção biopolítica, podemos
Comece a reconhecer o biopoder como se manifesta como visto de baixo.
A primeira coisa que notamos quando adotamos essa perspectiva é que o trabalho da produção biopolítica é fortemente
configurado como um trabalho organizado de acordo com o sexo. Além disso, muitas tendências teóricas feministas desenvolveram análises
em profundidade na geração de biopoder a partir das camadas inferiores. Uma inclinação do ecofeminismo usa o termo
biopolítica (de modo que pode parecer muito diferente do uso que Foucault dá ao termo) para se referir à política dos vários
manifestações biotecnológicas que as empresas transnacionais impõem às populações e aos ambientes, especialmente às regiões
do mundo subordinado [13]. A Revolução Verde e outros programas tecnológicos que foram apresentados como meio para
O desenvolvimento econômico capitalista significou tanto a violação do meio ambiente natural como o estabelecimento de novas
mecanismos de subordinação das mulheres. Esses dois efeitos são reduzidos a um. Segundo esses autores, o papel tradicional
das mulheres tem sido principalmente para cumprir a função reprodutiva. Este papel foi o mais afetado pela intervenção
Ecológico e biológico. Deste ponto de vista, portanto, mulheres e natureza são simultaneamente controladas, mas
Eles também cooperam contra o ataque de tecnologias biopolíticas, a fim de produzir e reproduzir a vida. Permanecendo vivo: vida
Tornou-se a questão crucial da política e a luta é a das altas camadas de biopoder contra as baixas. Em um contexto muito
diferentemente, vários autores feministas americanos analisaram o papel fundamental do trabalho das mulheres no
produção e reprodução da vida. Em particular, o trabalho emocional envolvido no trabalho materno (aqui nós criamos um
distinção entre o trabalho materno e a tarefa especificamente biológica de dar à luz) provou ser um motivo
extraordinariamente rico para a análise da produção biopolítica [14]. Neste caso, a produção biopolítica consiste
principalmente no trabalho envolvido na criação da vida. Eu não quero dizer a atividade de procriação, mas a criação da vida
precisamente através da produção e reprodução da afetividade. Aqui podemos reconhecer claramente como a fronteira entre
A produção e a reprodução estão caindo aos pedaços, como é o caso da distinção entre economia e cultura. O trabalho funciona
diretamente na afetividade, produz subjetividade, produz sociedade, produz vida. O trabalho afetivo, nesse sentido, é
ontológico, revela um trabalho vivo que constitui um modo de vida e, assim, demonstra novamente o potencial de produção
biopolítica [15].
Devo advertir, no entanto, que nenhuma dessas posições deve ser aceita sem qualificações, sem reconhecer os enormes perigos que
carregar. No primeiro caso, a identificação das mulheres e da natureza implica o risco de fazer a diferença entre o natural e o absoluto.
os sexos, acrescentando também uma definição espontânea da própria natureza. No segundo caso, a celebração do trabalho
materna pode ser facilmente um argumento que sustente a divisão do trabalho segundo o sexo e a estrutura familiar
Maestria edipiana e subjetivação. Mesmo nessas análises familiares do trabalho materno, fica claro quão difícil pode ser
acabam por separar o potencial do trabalho afetivo de ambas as construções patriarcais da reprodução e do buraco subjetivo
família negra. Estes perigos, independentemente da sua relevância, não podem negar a importância do potencial de trabalho
como biopoder, biopoder das camadas inferiores. O contexto biopolítico é justamente o campo de pesquisa sobre o
relação produtiva entre afetividade e valor. O que encontramos não é tanto a resistência do que poderíamos
denominam “trabalho necessário do ponto de vista emocional” [16], mas o potencial do trabalho afetivo necessário. Por um lado, o
trabalho afetivo, a produção e reprodução da vida é um fundamento profundo sobre o qual se constrói a acumulação capitalista e
a ordem patriarcal. Por outro lado, entretanto, a produção de afetividade, subjetividade e modos de vida apresenta um enorme potencial.
para circuitos de classificação autônomos e, talvez, lançamento.
Anotações
[1] Robert Musil, o homem sem qualidades, vol. 2, trans. Sophie Wilkins (Nova York: Vintage, 1996) 367

Página 6
[2] Para mais informações sobre mudanças no mundo do trabalho em países hegemônicos, ver Manuel Castells e Yuko Aoyama,
“Caminhos para a sociedade informacional: Estrutura de emprego nos países do G-7, 1920-90”, International Labour Review 133: 1
(1994): 5-33.
[3] François Bar, “Infraestrutura da Informação e Transformação da Manufatura”, em The New Information Infrastructure:
Estratégias para Política dos EUA, ed. William Drake (Nova Iorque: Twentieth Century Fund Press, 1995), 56.
[4] Para mais informações sobre a comparação entre o modelo da Ford e da Toyota, ver Benjamin Coriat, Penser à l'envers: travail et
organização dans l'entreprise japonaise (Paris: Christian Bourgois, 1994).
[5] Eu penso principalmente em Jürgen Habermas e sua Teoria da Ação Comunicativa, tradução inglesa de Thomas
McCarthy (Boston: Beacon Press, 1984); e Hannah Arendt, A Condição Humana (Chicago: University of Chicago Press, 1958).
Para uma excelente análise da divisão de Habermas entre ação comunicativa e instrumental no contexto de
pós-modernização econômica, consultar Christian Marazzi, O posto dei calzini: svolta dell'economia linguística e suoi effetti
nella politica (Bellinzona, Suíça: Casagrande, 1995), 29-34.
[6] Para uma definição e análise do trabalho intangível, veja Maurizio Lazzarato, “Trabalho Imaterial”, em Radical Thought in Italy,
ed. Paolo Virno e Michael Hardt (Minneapolis: Universidade de Minnesota Press, 1996), 133-47.
[7] Peter Drucker interpretou a transição para a produção intangível como a destruição completa das categorias de tradição.
estabelecido pela economia política. “O recurso econômico básico - os meios de produção” -, para usar o termo do economista, não
capital mais longo, nem recursos naturais (a "terra" do economista), nem "trabalho". É e será conhecimento. ”Peter Drucker,
Post-Capitalist Society, (Nova York: Harper, 1993), 8. O que Drucker não entende é que o conhecimento não é entregue, mas
produz e que esta produção implica novos meios de produção e trabalho.
[8] Marx usa o termo "general intellect" para se referir a este paradigma da atividade social produtiva. “O desenvolvimento de
O capital fixo indica em que medida o conhecimento social se tornou uma força direta de produção, e em que grau, portanto, o
as condições do processo de vida social estão sob o controle do intelecto geral e foram transformadas de acordo com
com isso. Em que medida os poderes da produção social foram produzidos, não apenas na forma de conhecimento, mas também
órgãos imediatos da prática social, do processo da vida real. ”Karl Marx, Grundrisse, trad. Martin Nicolaus (Nova Iorque: Vintage,
1973), 706.
[9] Robert Reich, O Trabalho das Nações: Preparando-se para o capitalismo do século XXI (New York: Knopf, 1991), p. 177.
[10] Veja Dorothy Smith, O Mundo Cotidiano como Problemático: Uma Sociologia Feminista (Boston: Northeastern University Press,
1987), 78-88.
[11] Ver principalmente Michel Foucault, The History of Sexuality, vol. 1, tradução inglesa Robert Hurley (Nova Iorque:
Vintage, 1978), 135-45.
[12] Ver Giorgio Agamben, Homo Sacer, (Turim: Einaudi, 1995); e "Form-of-Life", tradução em inglês de Cesare Casarino, em
Pensamento Radical na Itália, ed. Paolo Virno e Michael Hardt (Minneapolis: Universidade de Minnesota Press, 1996), 151-56.
[13] Veja Vandana Shiva e Ingunn Moser, ed., Biopolítica: Um Leitor Feminista e Ecológico (London: Zed Books, 1995); e em
termos mais gerais Vandana Shiva, Permanecendo Vivo: Mulheres, Ecologia e Sobrevivência na Índia (London: Zed Books, 1988).
[14] Veja Sara Ruddick, Maternal Thinking: Rumo a uma política de paz (New York: Ballantine Books, 1989).
[15] Para mais informações sobre as capacidades constitutivas ontológicas do trabalho, especialmente no âmbito da teoria
Feminista, veja Kathi Weeks, Constituindo Assuntos Feministas (Ithaca: Cornell University Press, 1998), 120-51.
[16] Veja Gayatri Chakravorty Spivak, "Espalhadas especulações sobre a questão do valor", em outros mundos (Nova York:
Routledge, 1988) 154-75