Anda di halaman 1dari 4

História

Zehel, um celadrim de Encontro Eterno, uma criança precoce que absorvia o


conhecimento e sabedoria como uma esponja. Carece em força e isso o fez olhar para outro
horizonte, treinou sua destreza até onde se podia. Ficou claro que o menino é um gênio na
arte da espada. Grande senso e consciência aos sete anos de idade, sabedoria, lealdade,
observador e inteligente para que sempre fique um passo a frente com sua imcoparável
habilidade, e mesmo assim, mantendo a humildade. Neto de Rolim Durothil e Ava
Moonflower, filho de Zeref Durothil e Esplendiel Elestar. Zehel possui três irmãos mais velhos e
seis mais novos.

Em Encontro Eterno, mais precisamente em Nimlith, Zehel não precisava se esforçar


para se igualar com outros elfos na questão da arte da espada nas apresentações, brincadeiras
e campeonatos, além de treinar com seu pai, Zeref, ele também treinava sozinho, meditando e
refletindo como um sábio da espada faz. A sua mãe, Esplendiel, entrava com os ensinamentos
do cotidiano, pois mesmo se for o melhor espadachim de todo Toril não iria muito longe sem
saber ao menos se expressar. Zehel estudou e se esforçou para isso mesmo sendo chato e
também para agradar sua mãe.

Zehel tinha irmãos bem mais dotados de talentos e proezas mágicas e de força do que
ele e isso implicaram em ter mais tempo para reflexão. Sua família o apresentou aos melhores
Mentores e Sábios da região para melhorar as suas habilidades, se tornando assim um ser
ainda melhor. O jovem Zehel aprendeu a arte da guerra, aprendeu a utilizar sabedoria dentro
de um campo de batalha, analisar o oponente para melhorar a qualidade de seu ataque, se
aperfeiçoando para quando chegar numa determinado momento ele possa ter uma ampla
visão e uma gama grandiosamente maior de possibilidades e também ser capaz de escolher a
melhor de todas essas possibilidades.

Em um determinado dia, em uma apresentação de uma data comemorativa, apareceu


uma criatura gigantesca que brotava medo em muitos elfos, a criatura estava sendo
controlada por outro ser, mas, levando tempo para encontrar tal ser a criatura gigante atacava
e destruía as coisas no seu caminho. Zehel prontamente foi ao encontro de tal gigante
encarando desafio, a criatura tinha uma coroa de rei no lugar de sua mandíbula e tinha uma
pedra vermelha no meio de eu peito, Zehel arremessou uma adaga em seu peito na região do
rubi, mas não tinha efeito nenhum, se aquilo era realmente o ponto fraco dele a pobre criança
Celadrim não tinha como causar dano, Analisou a situação, e observando a criatura viu que
talvez pudesse deixa-la lenta, e esquivando-se dos ataques tentou acertar as pernas, mas, por
mais diversos ataques que ele tentava não causava dano algum. Prontamente depois de uma
breve reflexão, pensou em atrair a criatura para a floresta, assim o levaria para outro local. E
assim, foi feito, Zehel atraiu a criatura para a floresta onde a não conseguia realizar ataques
direito, tendo que tirar árvores do caminho, Zehel conseguiu usar o terreno a seu favor, e não
demorou em aparecer alguns Clérigos de Corellon que rapidamente transformou a criatura em
pó. O pouco tempo, em que os clérigos precisavam para aparecer, em que a criatura estivesse
na cidade o estrago seria bem maior se não fosse à atitude do nobre Celadrim. Mais a frente,
Zehel conseguiu ver o ser que estava por traz daquilo tudo, todos o viram preso e sendo
encaminhado para a sua punição, um elfo com roupas de artista, estava com uma máscara
quebrada em seu rosto, ele olhou para Zehel, seus olhos tinha algo de insano nele, um
psicopata talvez, o motivo de fazer aquilo é um mistério, não só Zehel como alguns outros
elfos ficaram com uns pensamentos estranhos e com a sua alma inquieta, aquele elfo é
estranho com aquela calmaria em seu semblante, o nobre Celadrim saiu do perto e se sentiu
melhor. Zehel recebeu uma medalha dada pela própria Rainha Amlaruil Moonflower pelos atos
de coragem e sabedoria em prol da proteção da cidade, recebeu também vários outros
presentes de outros elfos como enfeites dos símbolos das divindades do panteão Seldarine,
isso deixou todos de sua família contentes e orgulhosos.

Algum tempo se passou e Zehel continuou treinando, foi ao encontro de oito mentores
em Sumbrar, local que é uma fortaleza grandiosamente protegida, além de ser estratégica
possui vários tipos de possibilidades de defesas para qualquer eventualidade de ataques que
possa emergir, lá foi encontrado vários tipos de treinamentos, nada como antes, batera
saudades de como era tratado antes, pois um nobre cheio de privilégios, sua genialidade não
era o suficiente, além disso, teria que se esforçar ainda mais, brilhantismo era pouco para o
que estavam ao aguardo do jovem Celadrim. Para aprender seus ensinamentos teve que ir ao
alto da montanha, local que era difícil respirar, mas em troca a vista era de se admirar, dava
para ver muito além do que se imanava até para um elfo celadrim como Zehel, lá treinou o
suficiente para poder ter o pré-requisito para o próximo treinamento. Depois foi a Leuthilspar
aprender com mais doze mentores mestres da espada, a resistência foi testada agora, muitoas
meditações com provocações propositalmente postas, pois, qualquer deslize numa luta de
verdade poderia custar sua vida ou de alguém próximo. Templo de Corellon nos Bosque de
Corellon lá era o lugar em que o jovem Zehel costumava ir para descansar, lá encontrou seu
primo estudando as escrituras sagradas, o tempo de descanso era pouco e não prolongavam a
conversa, pois um precisa estudar as escrituras e outro tinha treinamento. O que mais
impressionava o jovem celadrim era que lá sua meditação e reflexão saiam mais naturalmente,
como se o local o ajudasse a realizar tais feitos, o Rio Ardulith era também bem acolhedor.
Treinou bastante nos arredores de Encontro Eterno até que fosse liberado de seus mentores,
agarrou todas as oportunidades de poder aprender, agora de maneira autodidata começou
seu treino na arte da espada, para assim obter seu estilo próprio.

Zehel agora continuava seus treinamentos autodidaticamente ou pegaria outro


caminho além da lâmina, pois não seria uma má ideia enxergar através de duas óticas, se
especializar em alguma outra área de combate ou até investir em treinamentos mágicos.
Começou a pesquisar sobre a história dos espadachins para ver se absorvia algo que pudesse
usar para ampliar suas habilidades, acabou achando uma elfa que tinha um perfil de luta bem
parecido com o seu combatendo com duas armas e ela parecia ser conhecida. Esse elfa que viu
no livro chamando-a de lendária fez crescer uma enorme vontade de conhecê-la e perguntar
se poderia aprender o seu estilo de luta.

A pesquisa agora foi para descobrir sobre o paradeiro do tal elfa lendária, elfa essa que
se chama Genkairiel, pesquisou em livros, anotações e com outros elfos e ninguém não
conseguia passar nenhuma informação, ou até se muito a conhecia, depois de algum tempo
descobriu-se que ela estava em Amn. Em casa meio que tentando achar alguma ideia para
progredir na sua iniciativa de achar a a Genkairiel, ficou perambulando pensativo em sua
enorme casa, e de repente, - Hein? Essa pintura... não pode ser? Sabia que ela era familiar!!!
Zehel, muito impressionado, viu uma pintura em sua casa, sua mãe com a lendária elfa em que
estava procurando. Sua mãe e seu pai ao saber da vontade de Zehel, entraram em contato
com a Genkairiel através de magia para saber onde estava e sobre a possibilidade de ser
mentora de Zehel, ao saber da aprovação a família começou com os preparativos e começou
uma espécie de várias aulas sobre o que pode ver e acontecer quando se sai de Encontro
Eterno, pois ele era muito novo e, além disso, não é comum um elfo sair assim, Evermeet
possui um extremo excesso de cuidado para com os outros de fora, ademais julgando que
Zehel precisava disso.

Eu estou viciado em aprender sobre a espada. Não vejo a hora de encontrar essa
minha nova mestra. Nunca passou pela minha cabeça em sair de Encontro Eterno. O que será
que Genkairiel faz fora da Ilha? ... Bom, não adianta pensar nisso, irei aproveitar esse meu
tempo com minha família nas festas que preparam para mim (:D). Depois de um tempo, festas,
percebo que meu primo resolveu sair de Encontro Eterno para espalhar a palavra de Corellon,
que nobre de sua parte ter essa honraria, agraciado pela divindade líder do panteão Seldarine.
Bom, então acredito que eu não vá sozinho para Amn.

Na embarcação, junto com meu primo, partimos para Amn. Já estava com saudades de
Evermeet (T.T). Mas, ficarei mais forte, irei transcender ainda mais meu estilo de luta. E foi
nesse ritmo que a viagem fio seguindo. Chegando a Amn, Genkairiel não perdeu tempo, estava
lá me esperando, me despedi de meu primo e de meus companheiros de convés e partir com
ela.

Ela me levou para um lugar onde não tinha pessoas, um templo destruído de algum
lugar por ali, e eu pensei “Agora vai começar o treinamento” ansioso. Ela começou a fazer
nada demais, sentamos e ficamos olhando um para o outro. Anoiteceu, amanheceu... De tarde
eu resolvi falar e apenas riu e continuou me olhando, eu não era bom com as palavras, queria
logo para as aulas, ou será que isso faz parte da aula? Esperei mais, só observando... quando
ela falou “você parece com sua mãe” eu a ataquei... Ou pelo menos tentei, mas, na verdade
meu ataque não saiu, pois ela tinha segurado a minha espada e sussurrou no meu ouvido
“menino avexado” e riu, estamos dentro da aula, eu me certifiquei. Abri meu leque de
manobras, mas eu não sabia onde ela estava...? Como assim? Ela está na minha frente! Como
não a consegui percebê-la nem com isso? ... Ainda nem mostrei tudo o que tenho, mas, vou
usar 100% para mostrar o meu valor! Uma luta se inicia e mesmo confiante na luta, Zehel
sempre não conseguia atingir sua mestra e ainda saia com alguns cortes.

A luta foi longa e ela nem cansou, e como não bastasse ela tinha feito duas sombras
onde uma estava contra mim e outra a meu favor no intuito de eu analisar a situação, uma
espécie de treino de percepção do qual eu devo identificar os meus verdadeiros aliados. Por
quê não consigo te tocar?! Perguntei e logo ela respondeu, “Você está usando os estilos de
luta dos meus alunos”. Impressionante isso! Nesse momento comecei a entender... e a partir
disso, comecei a usar umas táticas próprias, afinal, sou ou não sou um gênio da minha família
em questão de espada? Uma hora eu consegui acertá-la, com um chute, mas, eu certei (XD). O
chute só encostou, nem arranhou, ela prontamente começou a fazer uma anotação, achei que
era um ataque, mas não. Começamos a lutar novamente, ela com suas 9 espadas e eu com as
minhas duas e minhas pernas. Que destreza monstruosa é essa? Ser capaz de manusear as 9
com tanta maestria assim, ela saia pegando fazendo uma forma de malabarismo com as
espadas, e conseguia fazer ataques com elas ainda no ar e não se engane, ela também ataca
com as chutes, socos e até cabeçadas. Perdi as contas de quantas vezes eu apaguei nas lutas.

Bom, após bastante treinamento, Genkairiel resolve passar um “dever de casa”


dizendo que eu agora tinha que ficar um tempo com meu primo. De longe esse foi o mais
intenso treinamento que eu fiz na vida, Agradeço a minha mestra cordialmente, arrumo
minhas coisas e me despeço da velha elfa que nem parece ser velha, acabei apelidando ela de
velha, após saber que ela seria a mestra de todos que me ensinaram. E parti, e de maneira
inesperada eu recebi um presente dela, um par de espadas, ela me contou que utilizou
bastante essas espadas curtas élficas. Agradeci imensamente o presente e parti para encontro
do meu primo.

Continua...