Anda di halaman 1dari 1

RESUMO - GE NEROS, SEXUALIDADE E IDENTIDADES E GE NERO: A

HISTORIA DE UM CONCEITO

Thuanny Castro

Ambos os textos trazem discussões sobre temas considerados tabus na nossa


sociedade. Os autores traduzem o conceito de gênero como uma forma de distribuição
social que parte da atribuição de sexo, onde homens e mulheres têm colocações e
atividades distintas, que foram criadas em um processo histórico que varia conforme
cada sociedade compreende a reprodução social. Os autores discorrem sobre as
transformações do movimento feminista e sobre a formação dos conceitos de gênero,
desde o seu início influenciado pelo movimento feminista, perpassando pelos estudos de
Freud, que foram contestados mais tarde por Simone de Beauvior e outras filósofas
feministas até chegar aos conceitos utilizados hoje. Essas novas teorias procuram
desnaturalizar os padrões de normalidade que uma visão androcêntrica impõe utilizar a
aparência de homens e mulheres para legitimar uma relação de dominação masculina.
Fala-se também sobre o patriarcado e sobre como nas sociedades patriarcais - aquelas
em que o modelo de família é monogâmico e heterossexual, tendo o poder centrado no
pai – a opressão e a subordinação das mulheres pelos homens a mulher passou a ser
desvalorizada, assim como seu papel na sociedade. Foram as feministas negras e de
terceiro mundo que, no final da década de 70, criticaram radicalmente o feminismo
branco, de classe média e heteronormativo, pois elas exigiam que gênero fosse pensado
como parte de sistemas de diferenças que devem considerar a interdependência das
relações de poder que perpassam diferenças de raça, sexo e classe. Nos textos, a
identidade de gênero está associada ao que é considerado individualmente como mulher,
homem ou transgênero/transexual e não ao sexo biológico (homem x mulher).
Finalmente, o conceito de gênero requer pensar não apenas nas distinções entre homens
e mulheres, masculino e feminino, mas em como as construções de masculinidade e
feminilidade são criadas na articulação com outras diferenças, de raça, de classe social,
nacionalidade, idade; e como essas noções se misturam no corpo de todas as pessoas.
Atualmente, os movimentos sociais como o feminismo e o LGBTQ+ buscam unir suas
lutas, mas mantendo divergências e desenvolvendo novas percepções políticas e
teóricas.

Bibliografia:

Sociologia em movimento. – 2º ed – São Paulo: Moderna, 2016. Vários autores.


Capítulo 14: 328 – 35.

PISCITELLI, Adriana. Gênero: A história de um conceito. In: Buarque de Almeida, H.


& Szwak, J(orgs). Diferenças, igualdades. SP: Berlendis & Vertecchia Editores, 2009.