Anda di halaman 1dari 24

boletim

ISSN - 0103-6688

ABNT
Maio 2013 | volume 10 | nº 129

Normas do dia a dia


Dentro de casa, em todos os ambientes, as normas técnicas estão
sempre presentes, promovendo a qualidade, o bem-estar e a
segurança no cotidiano da sociedade.
Cursos
Destaques de junho e julho de 2013
Acessibilidade a edificações, vias públicas e sistemas de transporte Capacitação de RD (Representante da Direção) para Sistemas de
coletivo - Interpretação da ABNT NBR 9050:2004 gestão da qualidade
São Paulo - 12, 13 e 14/06 São Paulo – 05/07
Rio de Janeiro - 29/07
Instalações elétricas de baixa tensão I - ABNT NBR 5410:2004 - Pro-
teção e segurança Cálculo de incerteza de medição
São Paulo – 25 a 28 /06 Rio de Janeiro - 25 e 26/06
São Paulo – 22 e 23/07
Gestão de continuidade de negócios - Parte 1 Código de prática -
ABNT NBR 15999:2007 e Parte 2: Requisitos - ABNT NBR 15999-2: Diretrizes para treinamento - ABNT NBR ISO 10015:2001
2008
Rio de Janeiro - 24/06
São Paulo - 27 e 28/06
São Paulo - 10/07
Gestão de riscos - Princípios e diretrizes - ABNT NBR ISO 31000:2009
Responsabilidade social - ABNT NBR 16001:2012 e ABNT NBR ISO
Rio de Janeiro – 10 e 11/06
São Paulo – 11 e 12/07 26000:2010
São Paulo - 10 e 11/06
Passivo ambiental em solo e água subterrânea: Avaliação Prelimi-
nar - ABNT NBR 15515-1:2007 Versão corrigida: 2011 SASSMAQ - Sistema de avaliação de segurança, saúde, meio ambi-
São Paulo – 18 e 19 /06 ente e qualidade
São Paulo - 26/06
Passivo ambiental em solo e água subterrânea: Investigação confir-
matória - ABNT NBR 15515-2:2011 Sistema de gestão da segurança e saúde ocupacional - OHSAS
São Paulo – 05 a 06/06 e 17 a 18/07 18001:2007
Salvador - 11 e 12/06
Gases Efeito Estufa - Princípios e requisitos para a quantificação e Rio de Janeiro - 13 e 14/06
elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito
estufa (GEE) - ABNT NBR ISO 14064:2007 Auditoria interna da saúde e segurança ocupacional - (OHSAS
São Paulo - 11 e 12/06 18001:2007) - Diretrizes para auditoria de sistema de gestão - ABNT
NBR ISO 19011:2012
Requisitos para validação e verificação de gases de efeito estufa Salvador - 13 e 14/06
para uso em acreditação e outras formas de reconhecimento - ABNT
NBR 14065:2012 Auditoria interna do SGSI - Sistema de gestão da segurança da in-
São Paulo – 22 e 23/07 formação (ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006) - Diretrizes para audito-
ria de sistemas de gestão - ABNT NBR ISO 19011:2012
Portaria MS Nº 2914/2011 - Procedimentos de controle e de vigilân-
São Paulo - 17 e 18/06
cia da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de
potabilidade
Rio de Janeiro - 19/06 Indicadores de desempenho do sistema de gestão da segurança da
informação - ABNT NBR ISO/IEC 27004:2010
Gestão dos aspectos e impactos ambientais - conforme a ABNT NBR São Paulo - 19/06
ISO 14001:2004
Rio de Janeiro – 06 e 07/06 Análise de riscos em atividades industriais, comerciais e ambientais
São Paulo – 22 e 23/07 - Técnicas de identificação de perigos e riscos
São Paulo - 24 e 25/06
Minicurso -Programa de educação ambiental
Rio de Janeiro - 18/06 Técnicas APP (Análise preliminar de perigos) & WHAT IF na identifi-
cação de perigos
Minicurso - Compras Verdes São Paulo - 05/06
Rio de Janeiro - 18/06
Avaliação de processo - ABNT NBR ISO/IEC 15504
Cerflor - Manejo Florestal - Cadeia de Custódia: Interpretação, São Paulo - 05/07
implantação e certificação (ABNT NBR 14790:2011 e ABNT NBR
14789:2012) Governança corporativa de tecnologia da informação – ABNT NBR
Rio de Janeiro - 20 e 21/06 ISO/IEC 38500:2009
São Paulo – 16 e 17/07
Inserção das Organizações no ambiente da inovação com base nas
diretrizes para o sistema de gestão da pesquisa, desenvolvimento e
Otimização das compras de têxteis hospitalares
inovação propostas pela ABNT NBR 16501:2011
São Paulo - 18 e 19/06
São Paulo – 03 e 04/07
Transporte terrestre, rotulagem e documentação de produtos
Gestão da qualidade por processos
Salvador - 05/06 químicos e resíduos perigosos - Normas brasileiras e legislação
Rio de Janeiro - 21/06 São Paulo - 27 e 28/06

Diretrizes para a documentação de sistema de gestão da qualidade Meios de hospedagem – Sistema de gestão da sustentabilidade –
- ABNT ISO/TR 10013:2002 Requisitos - ABNT NBR 15401:2006
São Paulo - 19/06 São Paulo - 13 e 14/06

Veja a programação completa no site: www.abnt.org.br


Informações e inscrições: cursos2@abnt.org.br Tel.: (11) 2344 1722 / 1723
{ Editorial

Qualidade e segurança em todo


lugar

A
normalização se faz presente em todos os ambientes domésticos.
Seus benefícios podem ser verificados nas instalações elétricas,
nos dispositivos contra incêndio, nos aparelhos eletrodomésticos,
nas camas, nos boxes dos banheiros, nas tintas utilizadas para as
paredes, entre incontáveis produtos e processos cotidianos.

A aplicação de normas técnicas tem por objetivo minimizar as consequências


de possíveis acidentes, contribuindo para a proteção da integridade física da
população. Elas podem ser identificadas no desempenho de um produto ou
sistema, com resultados diretos na qualidade, quando seus requisitos míni-
mos são atendidos.

As normas podem estabelecer requisitos de qualidade, de desempenho, de


segurança (seja no fornecimento de algo, no seu uso ou mesmo na sua desti-
nação final), mas também podem orientar procedimentos, padronizar formas,
dimensões, tipos, usos, fixar classificações ou terminologias e glossários, sím-
bolos, marcação ou etiquetagem, embalagem, definir a maneira de medir ou
determinar as características, como os métodos de ensaio. Por isso, ao utilizar
uma norma, o fabricante ou o prestador de serviços economiza em estudos
e pesquisas e praticamente elimina riscos de errar. E o grande beneficiado é
o consumidor.

Ricardo Fragoso
Outro aspecto importante da norma técnica é que ela abre portas para o co-
Diretor-geral
mércio internacional, ao possibilitar a avaliação de conformidade. Não por
acaso, torna-se cada vez mais comum, nas operações de exportação e impor-
tação de produtos, a exigência de algum tipo de certificação ou etiquetagem,
evitando barreiras técnicas e aumentando a competitividade nos mercados.

A maior parte da sociedade jamais folheou uma norma técnica, desconhece


sua importância e o alcance que esse documento pode ter em seu cotidiano.
São exceções os profissionais que precisam utilizar normas sobre produtos,
processos e sistemas em seus ambientes de trabalho ou de estudos.

Esses documentos são disponibilizados pela Associação Brasileira de Normas


Técnicas (ABNT) e sua aplicação resulta em qualidade e segurança no dia a
dia da sociedade. Eles orientam fabricantes, prestadores de serviços e, princi-
palmente, protegem os consumidores. Com mais de 70 anos de existência, a
ABNT empenha-se para que as normas funcionem como uma referência téc-
nica adequada em todo lugar.

www.abnt.org.br Boletim ABNT | Maio/2013 | 3


} Expediente
{ Sumário
CONSELHO DELIBERATIVO:

Presidente do Conselho Deliberativo: Dr. Pedro Buzatto Costa 05 Consumidor


Vice-Presidente: Dr. Walter Luiz Lapietra
Sem riscos na cozinha
São Membros Natos: MINISTÉRIO DA DEFESA – Secretaria de Ensino, Logística, Mobilização e Ciên-
cia e Tecnologia – Departamento de Logística, Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP),
Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP), Confederação Nacional da indústria
(CNI), Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Sindicato da Indústria de Apare-
06 Capa
lhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Estado de São Paulo (SINAEES), Instituto de Pesquisas Normas do nosso dia a dia
Tecnológicas (IPT), Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO), Petróleo

12 Dúvidas
Brasileiro S/A (PETROBRAS), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE),
SIEMENS Ltda., Sindicato da Indústria de Máquinas (SINDIMAQ), WEG Equipamentos Elétricos S/A
/ Sócio Coletivo Contribuinte: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos
(ABIMAQ), Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE), Associação Brasileira
da Indústria de Materiais de Construção (ABRAMAT), Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial
(CTA), Instituto Aço Brasil (IABr), Schneider Eletric Brasil, Serviço Nacional de Aprendizagem In-
dustrial (SENAI), Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SINDUSCON)
/ Sócio Contribuinte Microempresa: MÉTRON Acústica Engenharia e Arquitetura Ltda., / Sócio
14 Institucional
Colaborador: Mario William Esper / São membros eleitos pelo Conselho Técnico - Presidente do
Conselho Técnico: Haroldo Mattos de Lemos - Comitês Brasileiros: ABNT/CB-03 – Eletricidade,
ABNT NBR 17505 tem nova versão
ABNT/CB-04 – Máquinas e equipamentos mecânicos, ABNT/CB-18 – Cimento, concreto e agrega- Um guia para aplicação da ABNT NBR 15575:2013
dos e ABNT/CB-60 – Ferramentas Manuais e de Usinagem
A marca ABNT em evidência
CONSELHO FISCAL
Para seu conhecimento
Econormas, uma contribuição para o desenvolvimento
Presidente: Nelson Carneiro. São membros eleitos pela Assembléia Geral - Sócio Coletivo Man-
tenedor: Instituto Nacional do Plástico (INP). Sócio Coletivo Contribuinte: Associação Brasileira do Mercosul
da Indústria Têxtil (Abit) / Sócio Coletivo Contribuinte Microempresa: Associação das Empresas ABNT nas redes sociais
Reformadoras de Pneus do Estado de São Paulo (Aresp) / Sócio Individual Colaborador: Marcello
Lettière Pilar

CONSELHO TÉCNICO:
19 MPE
Presidente: Haroldo Mattos de Lemos (ABNT/CB-38) Com o suporte das mídias sociais

Negócios
DIRETORIA EXECUTIVA:

Diretor Geral – Ricardo Rodrigues Fragoso/ Diretor de Relações Externas – Carlos Santos Amorim
20
Júnior/ Diretor Técnico – Eugenio Guilherme Tolstoy De Simone/ Diretor Adjunto de Certificação -
Antonio Carlos Barros de Oliveira/ Diretor Adjunto de Negócios – Odilão Baptista Teixeira
Produção de própolis
Novas instrutoras na Capacitação
ESCRITÓRIOS:

20 Novos Sócios
Rio de Janeiro: Av. Treze de Maio, 13 – 28º andar – Centro – 20031-901 – Rio de Janeiro/ RJ –
Telefone: PABX (21) 3974-2300 – Fax (21) 3974-2346 (atendimento.rj@abnt.org.br) – São Paulo:
Rua Minas Gerais, 190 – Higienópolis – 01244-010 – São Paulo/SP – Telefone: (11) 3017-3600
– Fax (11) 3017.3633 (atendimento.sp@abnt.org.br) – Minas Gerais: Rua Bahia, 1148, gru-
po 1007 – 30160-906 – Belo Horizonte/MG – Telefone: (31) 3226-4396 – Fax: (31) 3273-4344
(atendimento.bh@abnt.org.br) - Brasília: SCS – Q. 1 – Ed. Central – sala 401 – 70304-900 –
Brasília/DF – Telefone: (61) 3223-5590 – Fax: (61) 3223-5710 (atendimento.df@abnt.org.br) –
21 Feiras, Eventos e Apoios
Paraná: Rua Lamenha Lins, 1124 – 80250-020 – Curitiba/ PR – Telefone: (41) 3323-5286 (atendi-
mento.pr@abnt.org.br) – Rio Grande do Sul: Rua Siqueira Campos, 1184 – conj. 906 – 90010-001

Normalização em movimento
– Porto Alegre/RS – Telefone: (51) 3227-4155 / 3224-2601 – Fax (51) 3227-4155 (atendimento.

22
poa@abnt.org.br) – Bahia: Av. Sete de setembro, 608 – sala 401 – Piedadde – 40060-001 – Salva-
dor/BA – Telefone: (71) 3329-4799 (atendimento.ba@abnt.org.br)
Novas Comissões de Estudo
EXPEDIENTE – BOLETIM ABNT:
Consulta nacional
Produção Editorial: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) / Tiragem: 5.000 exemplares /
Publicidade: imprensa@abnt.org.br / Coordenação, Redação e Revisão: Monalisa Zia (MTB 50.448) Pão francês
e Priscila Souza (MTB 69.096) / Oficina da Palavra / Colaboração: Léia Tavares (MTB 50.166) / Assesso-
ria de Imprensa, Redação e Revisão: Oficina da Palavra / Jornalistas Responsáveis: Denise Lima (MTB
10.706) e Luciana Garbelini (MTB 19.375) / Boletim ABNT: Maio 2013 – Volume 11 – Nº129 / Perio- Errata:
dicidade: Mensal / Projeto Gráfico, Diagramação e Capa: RP Diagramação (rpdiagrama@gmail.
com) / Impressão: Type Brasil.
No Boletim de abril, página 8, onde se lê Informática uma
PARA SE COMUNICAR COM A REVISTA: alidada da saúde, leia-se Informática uma aliada da saúde.
www.abnt.org.br – Telefone: (11) 3017-3660 – Fax: (11) 3017-3633

4 | Boletim ABNT | Maio/2013 www.abnt.org.br


Consumidor {

Sem riscos na COZINHA


O
uso de utensílios como fogão, forno, forno de micro ABNT, destacam-se as normas ABNT NBR 11823:2011 - Uten-
-ondas e panela de pressão faz parte da rotina do- sílios domésticos metálicos — Panela de pressão; e ABNT NBR
méstica. Qualquer que seja a frequência da utiliza- 15684:2011 - Utensílios domésticos metálicos - Peças de re-
ção, esses artigos jamais podem oferecer riscos aos posição para panela de pressão.
usuários. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) A ABNT NBR 11823:2011 especifica os requisitos para fa-
disponibiliza em seu acervo uma série de normas para esses bricação de panela de pressão, com pressão interna, para ser
aparelhos, estabelecendo requisitos de segurança e desem- usada em fonte externa de calor, com pressão de vapor (pres-
penho. são nominal de trabalho máxima) compreendida entre 70 kPa
A ABNT NBR IEC 60335-2-6:2012 - Aparelhos eletrodomés- e 120 kPa e capacidade volumétrica até 30 litros. Já a ABNT
ticos e similares — Segurança - Parte 2-6: Requisitos parti- NBR 15684:2011 estabelece os requisitos para as peças de re-
culares para fogões estacionários, fogões de mesa, fornos e posição a serem utilizadas em panelas de pressão.
aparelhos similares, por exemplo, trata da segurança de fo- Outra norma, a ABNT NBR NM IEC 60335-2-25:2006 - Segu-

gões elétricos, fogões de mesa, fornos e aparelhos similares rança de aparelhos eletrodomésticos e similares - Parte 2-25:

estacionários para uso doméstico, cuja tensão nominal não


Requisitos específicos para fornos micro-ondas, refere-se à
segurança de forno micro-ondas para uso doméstico, cuja
seja superior a 250 V para aparelhos monofásicos e 480 V para
tensão nominal não ultrapasse 250 V.
outros aparelhos.
Entre as orientações para a utilização segura e eficiente
A norma ressalta a proteção contra riscos elétricos, mecâ-
do aparelho, a norma adverte que o consumidor não deve
nico, térmico, incêndio e radiação desses aparelhos, quando
aquecer líquidos e outros alimentos em recipientes selados
operados pelo usuário conforme as instruções fornecidas
por serem suscetíveis à explosão. Pelo mesmo motivo, jamais
pelo fabricante.
deve cozinhar ovos com cascas no aparelho. Outro alerta im-
Há também as normas ABNT NBR 13723-1:2003 - Aparelho
portante: o uso do aparelho por crianças, sem supervisão, só
doméstico de cocção a gás - Parte 1: Desempenho e segu-
é permitido quando as instruções adequadas tiverem sido
rança e a ABNT NBR 13723-2:1999 - Aparelho doméstico de
dadas e quando as mesmas forem capazes de utilizá-las com
cocção a gás - Parte 2: Uso racional de energia. A primeira fixa
segurança e entender os riscos.
as características de construção e desempenho, bem como os
Todos esses aparelhos - fogão, forno, micro-ondas e pa-
requisitos e métodos de ensaio para a segurança e identifica-
nela de pressão – têm certificação compulsória exigida pelo
ção de aparelhos domésticos de cocção a gás, embutíveis e
Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia
não embutíveis, tais como fogão e grelhadeira.
(Inmetro), conforme as normas técnicas ABNT. Por sinal, em
A segunda estabelece os requisitos e os métodos de en- agosto de 2012, o Inmetro emitiu a Portaria nº 400, que revisa
saio para a utilização racional de energia dos aparelhos os requisitos de avaliação da conformidade na fabricação de
domésticos de cocção a gás, conforme a ABNT NBR 13723- fornos e fogões a gás de uso doméstico.
1:2003. Com base nas orientações contidas nessas normas, O objetivo é aumentar o isolamento térmico desses apare-
tais aparelhos domésticos devem ser rigidamente montados, lhos para reduzir o risco de acidentes. Por isso, fornos e fogões
para que nenhuma peça escape com facilidade duran- que já eram classificados quanto ao desempenho energético
te seu manuseio; sua fabricação deve levar em conta (eficiência no consumo de gás), com etiquetas afixadas no
também a segurança e facilidade para limpar as peças produto identificando variações entre A (mais econômico) a
e realizar manutenção. Além disso, as normas alertam E (menos econômico), serão avaliados quanto ao isolamento
que os aparelhos não podem sofrer superaquecimento, térmico de suas laterais e porta frontal. Essas informações de-
tampouco permitir o vazamento de gás durante o uso. verão ser publicadas junto da mesma etiqueta de eficiência
Garantir a segurança do consumidor também é fundamen- energética. O consumidor, por sua vez, terá ainda mais segu-
tal quando o assunto é a panela de pressão. No acervo da rança.

www.abnt.org.br Boletim ABNT | Maio/2013 | 5


{ Capa

Normas do nosso DIA A DIA


A normalização técnica não está presente apenas em instalações industriais. Ela
também pode ser identificada no cotidiano das pessoas, dentro de casa, visando seu
conforto e sua segurança.

A
simples menção ao termo ínicio de uma nova era para as tintas proporcionam maior confiabilidade às
“normas técnicas” pode, num imobiliárias, pois foi a primeira norma escolhas feitas pelo consumidor”, de-
primeiro momento, remeter oficial de especificação técnica para clara Dilson Ferreira.
a algo complicado e restrito esse tipo de produto aprovada no Bra-
a grandes projetos e instalações indus- sil, em 2004. Além de ter sido pioneira, Cuidado com a eletricidade
triais. No entanto, esses documentos a norma tem importância capital por
disponibilizados à sociedade pela As- abranger as tintas látex, que represen- O superintendente do Comitê Bra-
sociação Brasileira de Normas Técni- tam a maior parte do volume de tintas sileiro de Eletricidade (ABNT/CB-03),
cas (ABNT) são onipresentes nos mais para construção civil produzidas no engenheiro José Sebastião Viel, afirma
diversos ambientes, até mesmo dentro Brasil. que a grande preocupação das Comis-
de casa, promovendo a qualidade e a Desde a sua publicação, o mercado sões de Estudo do setor elétrico é a
segurança numa imensa variedade de evoluiu muito e tornou-se mais orde- segurança dos usuários, além da eco-
produtos e processos cotidianos. nado, em função do estabelecimento nomia de energia e a confiabilidade do
Há normas para camas, móveis esto- de requisitos mínimos de qualidade produto.
fados, tomadas, tintas para construção, que as tintas imobiliárias fabricadas e Mais de 50 aparelhos eletrodomésti-
para a segurança de aparelhos eletro- comercializadas no Brasil devem aten- cos estão presentes em nosso dia a dia
doméstico, boxes de banheiro, papel der. Por exemplo, poder de cobertura e, por consequência, diversas normas
sanitário, persianas, folhas de alumínio, de tinta seca e de tinta úmida, relacio- também, sempre visando à qualidade
entre outros incontáveis itens presen- nados com o seu rendimento; e resis- desses produtos e à segurança dos
tes no dia a dia das pessoas. Afinal, as tência à abrasão, que indica a viabilida- usuários. Um exemplo é a ABNT NM
normas funcionam como uma referen- de e a durabilidade da tinta. NBR 60335-1:2010 - Segurança de apa-
cia técnica, estabelecendo requisitos A ABNT NBR 15079:2011 passou por relhos eletrodomésticos, que engloba
para fabricantes e projetistas. Como revisões que a aprimoraram e adequa- produtos como refrigeradores, apare-
consequência, o mercado pode traba- ram à nova realidade do mercado e à lhos de ar condicionado, lavadoras de
lhar com a garantia de segurança em evolução tecnológica, em um processo roupas, cafeteiras, liquidificadores, for-
nível internacional. permanente de melhoria. Uma das re- nos elétricos, entre outros.
Para Dilson Ferreira, superintendente visões que merece destaque foi a inclu- “Essa norma cobre além de requi-
do Comitê Brasileiro de Tintas (ABNT/ são dos níveis de classificação Standard sitos de segurança mecânicos (pro-
CB-164), a sociedade também é bene- e Premium na norma, que inicialmente teção a partes móveis, tombamento
ficiada com a existência de normas téc- abrangia apenas as tintas látex econô- etc), como também requisitos elétricos
nicas, pois as empresas que assumem o micas. (acesso a partes vivas, choque elétri-
compromisso com a qualidade normal- “Em resumo, podemos dizer que as co, aquecimento etc) e resistência de
mente seguem princípios éticos, cum- normas técnicas relacionadas às tintas matérias (ao fogo, deformações, tri-
prem a legislação e têm a preocupa- imobiliárias contribuem para a eleva- lhamento etc). Além disso, todos os
ção de incorporar as tecnologias mais ção do nível de qualidade dos produtos produtos abrangidos por estas normas
avançadas e sustentáveis. disponibilizados no mercado, ofere- devem ser certificados compulsoria-
A norma ABNT NBR 15079:2011 - Tin- cem boas informações sobre o desem- mente conforme Portaria 371/2009 do
tas para construção civil representou o penho dos diferentes tipos de tintas e Inmetro”, enfatiza Viel.

6 | Boletim ABNT | Maio/2013 www.abnt.org.br


Capa }

Outra preocupação do setor elétrico cabelo, alguns tipos de equipamentos mais seguras e eficientes do mundo”,
são os plugues e tomadas para uso do- comerciais, alguns tipos de ferramen- assegura o engenheiro Viel.
méstico, que estão presentes em todos tas elétricas etc.
os ambientes, e sempre em grande - os plugues: Na hora do banho
quantidade e com fácil acesso. c) de 10A têm pinos com diâmetro de
A norma ABNT NBR 14136 – Plugues 4,0mm: são de 2 polos (2P) e também O chuveiro elétrico exige uma ins-
e Tomadas para uso doméstico e análo- de 2 polos + contato de terra (2P+T). talação absolutamente específica, com
go até 20A/250V em corrente alternada d) de 20A têm pinos com diâmetro de disjuntores diferenciais, para evitar que
4,8mm: são de 2 polos (2P) e também o usuário sofra um choque. Mas há ou-
estabelece uma padronização brasilei-
tras preocupações na hora do banho,
ra de plugues e tomadas com a seguin- de 2 polos + contato de terra (2P+T).
como o tão utilizado boxe de banheiro.
te abrangência de utilização: - as tomadas:
Entre os produtos com vidro mais
- em aparelhos/equipamentos elétricos e) tomada de 10A: não aceita plugues
presentes em nosso dia a dia, o boxe
e eletroeletrônicos que consomem até de 20A (para evitar sobrecarga na insta-
de banheiro desde 1998 conta com
20A , seja em 127V, seja em 220V (inclu- lação elétrica).
uma norma específica, atualizada em
sive aqueles comumente conhecidos f) tomada de 20A: aceita plugues de
2009, a ABNT NBR 14207 – Boxes de
como “bivolt” ou “autovolt”). 10A e 20A.
banheiro fabricados com vidros de se-
- os plugues e as tomadas são de 2 ti- “Após anos de discussão, essa pa-
gurança. Nela podemos encontrar os
pos: de 10A e de 20A. dronização foi elaborada para oferecer requisitos gerais para avaliação, exe-
a) para cargas de até 10A de consu- ao consumidor produtos adequados cução e instalação do produto, para
mo - compreende a maioria dos equi- de utilização segura, visando prote- uso em apartamentos, casas, hotéis e
pamentos eletroeletrônicos utilizados; ger a sua integridade e seus bens de outras residências.
b) para cargas de até 20A de consu- consumo. A geometria adotada ao “A publicação desta norma impôs ao
mo - para alguns poucos tipos de apa- atendimento aos ensaios e requisitos mercado uma prática importantíssima
relhos como, por exemplo, os fornos normativos de desempenho e segu- para o consumidor: o fornecimento
elétricos, torradeiras, máquinas de rança de níveis internacionais faz com pelos fabricantes de um manual de ins-
lavar com aquecimento, secadores de que nossa padronização esteja entre as truções, com informações sobre o uso,

www.abnt.org.br Boletim ABNT | Maio/2013 | 7


} Capa

teza total de estarem comprando bens


de consumo que lhe trarão conforto,
confiabilidade e tranquilidade no seu
uso”, explica Ivo.
“O setor moveleiro conta com a nor-
ma ABNT NBR 16045 – Móveis — Ca-
mas de uso doméstico, que especifica
os requisitos de segurança mecânica e
os ensaios de todos os tipos de camas
de adultos, incluindo todos os elemen-
tos, componentes, como estrutura e
base da cama.
Outra norma desse setor é a ABNT
NBR 15164 – Móveis estofados – Sofá,
que especifica as características físico-
mecânicas de materiais para sofás, bem
como estabelece os métodos para de-
terminação de estabilidade, resistência
e durabilidade, independentemente
de seu desenho, materiais utilizados e
processo de fabricação.

Folhas de alumínio
manutenção e cuidados com o boxe timos que os produtos normalizados
de banheiro”, comenta Wilson Júnior, possuam um termo de garantia, para A Norma ABNT NBR 14761:2001 – Fo-
gestor do Comitê Brasileiro de Vidros que seus consumidores tenham a cer- lhas de alumínio e suas ligas em bobi-
Planos (ABNT/CB-37).

Camas e móveis estofados


Para Ivo Cansan, presidente da Asso-
ciação das Indústrias de Móveis do Es-
tado do Rio Grande do Sul (Movergs),
todas as normas que são trabalhadas
para a qualificação e definição da for-
ma como devem ser produzidos quais-
quer tipos de móveis para uso domés-
tico têm como prioridade a defesa dos
interesses dos consumidores, que, por
sua vez, acabam adquirindo produtos
sem ter o mínimo de conhecimento e
somente com o uso dos produtos aca-
bam percebendo a qualidade e defei-
tos que possuem.
As normas garantem tranquilidade
aos consumidores, pois na sua cons-
trução debatemos cada item destes
produtos, até chegarmos a um deno-
minador que seja bom ao fabricante e
ótimo ao consumidor. Também garan-

8 | Boletim ABNT | Maio/2013 www.abnt.org.br


Capa }

– Requisito foi elaborada visando à exterior, para propiciar melhor apro- O lado brilhante da folha, por ter
preservação da qualidade do produto, veitamento do produto, tanto para o uma rugosidade menor (é mais lisa),
tanto na fabricação como na comercia- fabricante como para o consumidor. propicia menor aderência de alimentos
lização, para uso doméstico e institu- A explicação técnica sobre o fato de e substâncias na sua superfície. Além
cional, por meio da racionalização e da o produto ser brilhante de um lado e disso, o seu índice de refletividade ao
uniformização dos valores de grandeza fosco do outro é que, em virtude da calor é maior, o que pode aumentar
das medidas lineares de comprimento, baixa espessura final da folha, ela é la- um pouco o tempo de cocção dos ali-
largura e espessura. minada duplada, ou seja, uma folha é mentos. Assim, tecnicamente, o ideal é
Inicialmente especificando 18 mi- sobreposta à outra para aumentar sua utilizar-se o lado brilhante para dentro,
crômetros (padrão usual europeu), a espessura e aumentar sua resistência, a para melhor aproveitamento da fonte
norma brasileira hoje estabelece a es- fim de evitar que ela se quebre durante de calor. O fato, porém, de se utilizar
pessura de 11 micrômetros, considera- o processo de laminação. um lado ou outro em contato com ali-
da segura e funcional para o manuseio Nessas circunstâncias, as superfícies mentos não ocasiona qualquer prejuí-
doméstico. As empresas nacionais for- externas das folhas que entram em zo à saúde do usuário.
necedoras das folhas de alumínio têm contato com os cilindros de laminação Em relação a eventuais manchas que
mantido essa espessura em seus pro- adquirem brilho, enquanto as super- podem aparecer na superfície do pro-
dutos, enquanto os importados muitas fícies que estão em contato entre si duto, são devidas à oxidação da folha,
vezes apresentam entre 9 e 10 micrô- ficam foscas. Após o processamento muitas vezes por serem armazenadas
metros. de laminação, as folhas são separa- em local úmido como, por exemplo,
O estabelecimento de um compri- das, refiladas e cortadas nos tamanhos embaixo da pia da cozinha. Estas man-
mento mínimo de 7,5 m e de larguras padronizados para comercialização, chas de oxidação não indicam a pre-
de 300 mm e 450 mm também acom- segundo o especificado na ABNT NBR sença de bactérias, já que não se trata
panha os produtos comercializados no 14761:2001. de material orgânico.

www.abnt.org.br Boletim ABNT | Maio/2013 | 9


} Capa

“As normas técnicas trazem importantes benefícios para o consumidor, pois proporcionam a ele a
oportunidade de distinguir quem segue e quem não segue os requisitos mínimos de qualidade. Sendo
parâmetros claros, concretos e científicos de avaliação, as normas que se referem às tintas imobiliárias
permitem identificar claramente os produtos com qualidade reconhecida e ajudam o usuário a saber,
exatamente, o resultado que pode esperar de sua aplicação. Além disso, com o mercado mais ordena-
do em função da existência de normas técnicas, os fabricantes de tintas contam com um forte incen-
tivo para investir em pesquisa e desenvolvimento, o que resulta em produtos melhores e mais inova-
dores, trazendo vantagens adicionais para os consumidores. Destacamos que as normas técnicas são
essenciais para a Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (Abrafati) levar adiante a sua missão
de promover o desenvolvimento setorial sustentável.” Dilson Ferreira, superintendente do Comitê
Brasileiro de Tintas (ABNT/CB-164).

“Mais que cumprir o peculiar objetivo de unificar informações, padronizar processos e produtos, a nor-
ma técnica é um instrumento de segurança para a sociedade, que serve tanto de proteção ao con-
sumidor, ao fornecedor e a setores econômicos como um todo. Para o setor do alumínio, as normas
técnicas são importantes para assegurar a qualidade dos processos e produtos fabricados, garantindo
que o consumidor adquiriu um bem de qualidade e que atende às exigências mínimas de conforto,
segurança, funcionalidade e, dessa forma, evitar danos à imagem do alumínio e sua indústria. As nor-
mas técnicas ainda protegem setores inteiros da competição internacional”. Ayrton Filleti, gestor do
Comitê Brasileiro do Alumínio (ABNT/CB-35).

“São de extrema importância as normas técnicas de produtos para o consumidor, principalmente por-
que ele poderá adquirir produtos que possuam um mínimo de qualidade. Com estas normas o consu-
midor poderá também traçar referência de comparações e concluir a melhor compra, trazendo para
casa produtos mais seguros e confiáveis. Há também parâmetros para que sejam exigidos nos pontos
de vendas, conforme código de defesa do consumidor”. Ivo Cansan, presidente da Associação das
Indústrias de Móveis do Estado do Rio Grande do Sul (Movergs).

“A grande preocupação das Comissões de Estudo é a segurança do usuário. As normas de produtos


desenvolvidas pelo ABNT/CB-03 contemplam prioritariamente o consumidor”. José Sebastião Viel, su-
perintendente do Comitê Brasileiro de Eletricidade (ABNT/CB-03).

“Desde 1998, quando foi fundado o Comitê Brasileiro de Vidros Planos (ABNT/CB-37), sediado na Asso-
ciação Brasileira de Distribuidores e Processadores de Vidros Planos (Abravidro), o consumidor conta
com poderosas referências técnicas para utilizar o vidro com segurança, além de poder explorar o pro-
duto em todas as potencialidades. Atualmente, são 35 normas vidreiras vigentes, sete delas em revisão
e quatro novos projetos em andamento no comitê”. Wilson José Farhat Júnior, gestor do Comitê Bra-
sileiro de Vidros Planos (ABNT/CB-37).

10 | Boletim ABNT | Maio/2013 www.abnt.org.br


{ Dúvidas
1. Gostaria de saber qual é a norma da ABNT que trata de estar embutidos, enterrados ou aparentes, a serem emprega-
solidez de cor de materiais têxteis ao ferro de passar roupas. dos em instalações elétricas de edificações alimentadas sob
uma tensão nominal igual ou inferior a 1 000 V em corrente
Paula Santos – Beckhauser Ind. Com. de Malhas Ltda – alternada, com frequências inferiores a 400 Hz, ou a 1 500 V
Tubarão – SC em corrente contínua. Os eletrodutos objetos desta Norma
também devem ser utilizados em linhas de sinal (telefonia, TV
A ABNT responde: Existe a ABNT NBR 10188:1988 - Materiais têx- a cabo etc.).
teis - Determinação da solidez de cor à ação do ferro de passar
a quente - Método de ensaio, que prescreve o método pelo Esta Norma estabelece que os eletrodutos e as conexões (com-
qual devem ser executados os ensaios de solidez da cor à ação plementos dos eletrodutos) devem ser estocados, transporta-
do ferro de passar a quente. dos, instalados e aplicados permanentemente em temperatu-
ra entre -5 °
C e 60 °
C.
Os ensaios consistem em simular condições de uso, subme-
tendo corpos de prova à ação do calor de um “ferro”, verifi- 4. Gostaria de saber se existe alguma norma da ABNT que ori-
cando-se posteriormente as alterações e transferências de cor. ente a elaboração de relatórios técnicos.
De acordo com o estado do corpo de prova, são indicados os
procedimentos a seco, a úmido ou molhado. O material têxtil a Angela de Alcântara – Weblink Informática –
ser ensaiado e/ou sua utilização final determinam qual proce- Brasília – DF
dimento deve ser adotado.
A ABNT responde: Dispomos da ABNT NBR 10719:2011 - Infor-
2. Informem, por favor, qual é a norma da ABNT atualmente mação e documentação - Relatório técnico e/ou científico –
em vigor para composição de uma brigada de incêndio. Apresentação, que especifica os princípios gerais para a ela-
boração e a apresentação de relatório técnico e/ou científico.
Joaldo Cattai – Técnico de Seg. do Trabalho – Para outros tipos de relatórios (administrativos, de atividades,
Itabuna – BA entre outros) que não são objetos desta norma, sua aplicação
é opcional, quando oportuna. Nesse caso, os documentos de-
A ABNT responde: Dispomos da ABNT NBR 14276:2006 - Brigada vem sujeitar-se, tanto quanto possível, ao disposto nesta nor-
de incêndio – Requisitos, que estabelece os requisitos míni- ma.
mos para a composição, formação, implantação e reciclagem
de brigadas de incêndio, preparando-as para atuar na preven- 5. Existe alguma norma da ABNT que contenha informações
ção e no combate ao princípio de incêndio, abandono de área sobre correntes de transmissão?
e primeiros-socorros, visando, em caso de sinistro, proteger a
vida e o patrimônio, reduzir as consequências sociais do sinis- José Barros – Telmac Com., Import. e Export. Ltda. –
tro e os danos ao meio ambiente. Ribeirão Preto – SP

Esta Norma é aplicável a toda e qualquer planta. A ABNT responde: Existe a ABNT NBR 6390:1995 Versão Corri-
gida:2009 - Correntes de transmissão, de precisão, de rolos e
3. Preciso saber se a ABNT possui alguma norma para eletro- com passo curto e rodas dentadas correspondentes – Dimen-
dutos plásticos, tanto rígidos como flexíveis. sões, que padroniza as correntes de precisão, de rolos, com
passo curto, de fileiras simples e múltiplas, próprias para a
Carlos Pelanda – Komand Com. de Prod. Automotivos – transmissão de potência mecânica e aplicações conexas, bem
Londrina – PR como as formas do vão dos dentes e dos perfis dos aros das
rodas dentadas correspondentes. Engloba as dimensões, tole-
A ABNT responde: Está à disposição a ABNT NBR 15465:2008 - râncias, cargas de medição e cargas mínimas de ruptura.
Sistemas de eletrodutos plásticos para instalações elétricas de
baixa tensão - Requisitos de desempenho, que fixa os requisi- As dimensões especificadas na norma permitem a intercam-
tos de desempenho para eletrodutos plásticos rígidos (até DN bialidade completa de qualquer tamanho de corrente, incluin-
110) ou flexíveis (até DN 40), de seção circular, podendo estes do a de elos individuais para fins de conserto.

Envie sua dúvida para cit.sp@abnt.org.br

12 | Boletim ABNT | Maio/2013 www.abnt.org.br


{ Institucional

ABNT NBR 17505 tem NOVA VERSÃO


A norma sobre armazenamento de líquidos Inflamáveis e combustíveis, com sete

A
partes, foi lançada em São Paulo.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Élcio Blanco, membros da Comissão de Estudo. Eles já anun-
lançou no dia 2 de abril, em parceria com o Instituto ciaram a próxima revisão para 2015 e informaram que a nor-
Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), ma á praticamente um guia, hoje adotado nos procedimen-
a norma ABNT NBR 17505:2013, que trata de arma- tos de vários Corpos de Bombeiros do país.
zenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis. Cerca de Claudio ainda observou que por muito tempo a norma
30 pessoas compareceram ao evento, realizado no auditório era confundida com a NR 20, do Ministério do Trabalho e Em-
da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). prego e que trata de procedimentos para pessoas. Hoje, a NR
O diretor de Relações Externas da ABNT, Carlos Santos remete à ABNT NBR 17505.
Amorim Junior, fez a abertura do evento e destacou a impor- Com sete partes, a norma compreende desde requisitos
tância da atualização do acervo, que atualmente reúne perto para recipientes até orientações para proteção contra incên-
de 8 mil normas. “As normas com até cinco anos de publica-
dio. São as seguintes as partes:
ção hoje são 75% de acervo. Cada vez mais, a inovação entra
• ABNT NBR 17505-1:2013 Versão Corrigida:2013 - Arma-
no dia a dia das organizações, assim como a sustentabilidade,
zenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis. Parte 1:
e é preciso que o acervo seja compatível com a economia bra-
Disposições gerais;
sileira”. Ele agradeceu à Comissão de Estudo (CE) pelo empe-
• ABNT NBR 17505-2:2013 Versão Corrigida:2013 - Arma-
nho, além do IBP e da Fiesp.
zenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis. Parte 2:
A norma foi elaborada no âmbito do Organismo de Nor-
Armazenamento em tanques, em vasos e em recipientes por-
malização Setorial de Petróleo (ABNT/ONS-34), cuja Secreta-
táteis com capacidade superior a 3.000 l.;
ria Técnica é exercida pelo IBP. João Batista Sarmet Franco,
• ABNT NBR 17505-3:2013 Versão Corrigida:2013 - Armaze-
chefe de Secretaria, disse que a ABNT NBR 17505 é o trabalho
namento de líquidos inflamáveis e combustíveis. Parte 3: Sis-
mais importante daquele comitê, assim como a sua revisão,
temas de tubulações;
a cargo da Comissão de Estudo de Distribuição e Armazena-
• ABNT NBR 17505-4:2013 - Armazenamento de líquidos in-
gem de Combustíveis.
Por sua vez, Paulo de Tarso Martins Gomes, presidente da flamáveis e combustíveis. Parte 4: Armazenamento em reci-

Associação Brasileira de Transportes e Logística de Produtos pientes e em tanques portáteis;


Perigosos (ABTLP) e relator da Comissão, explicou o processo • ABNT NBR 17505-5:2013 - Armazenamento de líquidos in-
de normalização e de revisão, que durou quatro anos, e o fun- flamáveis e combustíveis. Parte 5: Operações;
cionamento dos grupos de trabalho envolvidos. Ele também • ABNT NBR 17505-6:2013 - Armazenamento de líquidos in-
contou um pouco da história da norma, que em sua primeira flamáveis e combustíveis. Parte 6: Requisitos para instalações
versão, em 1972, era identificada como NB 216, tornando-se e equipamentos elétricos;
ABNT NBR 7505 em 1995 e posteriormente ABNT NBR 17505. • ABNT NBR 17505-7:2013 Versão Corrigida:2013 - Armaze-
A apresentação da norma, que tem quase 400 páginas em namento de líquidos inflamáveis e combustíveis. Parte 7: Pro-
suas sete partes, foi feita por Claudio José Freitas Cardoso e teção contra incêndio para parques de armazenamento com
tanques estacionários.

14 | Boletim ABNT | Maio/2013 www.abnt.org.br


Institucional }

Um Guia para aplicação da ABNT NBR


15575:2013
A publicação, coordenada pela CBIC, foi lançada junto com a norma técnica em even-

A
to no Distrito Federal.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Durante o evento, o presidente da ABNT, Pedro Buzatto
e a Câmara Brasileira da Indústria da Construção Costa, observou que a Norma de Desempenho, como é co-
(CBIC) lançaram no dia 10 de abril, no Distrito Fe- nhecida, vem mobilizando o setor da construção civil desde
deral, a ABNT NBR 15575:2013 - Edificações Habita- a publicação da sua primeira versão, em 2008, e que passou
cionais - Desempenho e o Guia Orientativo para Atendimento a vigorar em 2010. “A sua revisão prolongou-se por mais de
dois anos, em um trabalho desafiador coordenado pelo enge-
à Norma de Desempenho. O evento teve a participação de
nheiro Fábio Villas Boas, com o apoio do superintendente do
cerca de 180 pessoas, entre elas, a secretária nacional de Ha-
Comitê Brasileiro da Construção Civil, professor Paulo Eduar-
bitação do Ministério das Cidades, Maria Inês Magalhães; o
do Fonseca de Campos”, destacou.
presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Fontes Hereda;
Para Buzatto Costa, com a iniciativa da CBIC de publicar o
e o gerente geral do Banco do Brasil, Hamilton Rodrigues da
Guia Orientativo “demonstra-se alto grau de maturidade da
Silva.
engenharia e da arquitetura de nosso país”. Pela primeira vez,
A Norma Brasileira, publicada no dia 19 de fevereiro, é fru- afinal, uma Norma Brasileira associa a qualidade de produtos
to do trabalho da Comissão de Estudo de Desempenho de ao resultado que eles conferem ao consumidor, com instru-
Edificações, criada no âmbito do Comitê Brasileiro da Cons- ções claras de como fazer essa avaliação.
trução Civil (ABNT/CB-02) e apoiada pelo SindusCon-SP, que O presidente da CBIC, Paulo Simão, está confiante de que
sediou várias reuniões do grupo de especialistas. Seus requi- a ABNT NBR 15575:2013, com suas seis partes, possibilitará a
sitos passarão a ser exigíveis a partir de 19 de julho, ou seja, harmonização das relações entre os diferentes atores da ca-
150 dias após a data de sua publicação. Portanto, os projetos deia produtiva. “É uma norma pensada para o morador, que
que forem protocolados para aprovação nos órgãos públicos diz o que ele tem que receber em termos de segurança, con-
a partir dessa data terão de atender a essas exigências. forto e qualidade. Facilita inclusive a fiscalização”, afirmou.
A CBIC coordenou a publicação do Guia, com o objetivo A ABNT NBR 15575:2013 estabelece parâmetros técnicos
de contribuir com a disseminação da nova norma junto ao para vários requisitos importantes de uma edificação, como
mercado imobiliário e da construção civil e possibilitar uma desempenho acústico, desempenho térmico, durabilidade,
melhor compreensão das principais definições relacionadas garantia e vida útil, e determina um nível mínimo obrigatório
ao tema do desempenho. para cada um deles.
www.abnt.org.br Boletim ABNT | Maio/2013 | 15
} Institucional
Segundo o superintendente Paulo Campos, o maior dife- usuários. Fica claro o compartilhamento da responsabilidade
rencial da norma é estabelecer como metodologia o conceito sobre a edificação ao longo do tempo.
de desempenho da edificação, alinhado às tendências inter- São as seguintes as partes da ABNT NBR 15575:2013 - Edifica-
nacionais, em complemento às antigas normas prescritivas. A ções Habitacionais – Desempenho:
abordagem de desempenho está ligada ao comportamento ABNT NBR 15575-1 - Requisitos Gerais;
que se espera de uma edificação quando em uso, dentro de ABNT NBR 15575-2 - Sistemas estruturais;
determinadas condições, tendo como foco as necessidades ABNT NBR 15575-3 - Sistemas de pisos;
de seus usuários ao longo do seu tempo de vida útil. ABNT NBR 15575-4 - Sistemas de vedações verticais internas
A norma traduz tecnicamente as necessidades da socieda- e externas;
de brasileira no que se refere à aquisição de imóveis, levan- ABNT NBR 15575-5 - Sistemas de coberturas;
do em conta o estágio técnico e socioeconômico do Brasil. ABNT NBR 15575-6 - Sistemas hidrossanitários.
A norma também tem como características estabelecer as A norma pode ser adquirida por meio do site www.abnt.
responsabilidades de cada um dos atores ligados a uma edi- org.br/catalogo. Já o Guia Orientativo ficará disponível para
ficação – construtores, incorporadores, projetistas, fabrican download gratuito em http://www.cbic.org.br/arquivos/
tes de materiais, administradores condominiais e os próprios guia_livro/Guia_CBIC_Norma_Desempenho.pdf

A marca ABNT em EVIDÊNCIA

A
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) doviária atraiu compradores e venderes de produtos, equipa-
tem aproveitado todas as oportunidades de di- mentos e serviços voltados à construção, manutenção, reparo
vulgar seus produtos e serviços em feiras e outros ou gestão de vias e rodovias. incluindo pavimentação, sinali-
eventos, cumprindo assim a sua missão: dissemi- zação e monitoramento, obras de arte como túneis, pontes
nar a normalização técnica aos mais diversos setores da so- e viadutos. O estande da ABNT foi visitado por 294 pessoas.
ciedade. Além de apresentar as normas ao público, também
distribui em seus estandes boletins, gibis e folders sobre cur- • 3ª Feira Industrial de Serviços e Negócios Grande ABC (Fei-
sos e oferece informações sobre os sistemas ABNTColeção e ra Grande ABC 2013), de 21 a 23 de março, no Pavilhão Vera
ABNTCatálogo. Cruz, em São Bernardo do Campo (SP). Iniciativa da Agência
Apenas na segunda quinzena de março, a ABNT esteve de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC, a feira tem
presente em quatro eventos: como principal objetivo desenvolver um ambiente de negó-
cios entre os sete municípios que compõem aquela região,
• Feira Internacional de Máquinas, Matérias-Primas e Aces- focando as micro, pequenas e médias empresas. A ABNT fez
sórios para a Indústria Moveleira (FIMMA Brasil 2013), de 18 49 atendimentos em seu estande e encerrou a sua participa-
a 22 de março, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves , no ção, no dia 23, com a palestra “A importância das Normas Téc-
Rio Grande do Sul (RS). Foi a 11ª edição do evento, que é o nicas para o seu negócio”, a cargo do coordenador do Centro
quinto maior do mundo no setor, destinado a mostrar a van- de Informações Tecnológicas (CIT), Rafael Antonio Sorrija.
guarda dos insumos e equipamentos para a cadeia produtiva
da madeira e móveis. A ABNT recebeu em seu estande cerca • Feira do Empreendedor de Curitiba (PR), de 21 a 24 de mar-
de 300 visitantes. ço no espaço ExpoUnimed. Como parte do convênio firmado
com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Em-
• Brazil Road Expo 2013, de 19 a 21 de março, no Transaméri- presas (Sebrae), o gerente de Articulação Nacional da ABNT,
ca Expo Center, em São Paulo (SP). Este evento Internacional Roberto Silva Santos, ministrou a palestra “A importância das
de tecnologia em pavimentação e infraestrutura viária e ro- Normas Técnicas para Micro e Pequenas Empresas”, no dia 21.

PARA SEU CONHECIMENTO


Esta seção é destinada à divulgação de processos, termos e apreciação e aprovação por parte de uma comunidade, téc-
curiosidades utilizados na Associação Brasileira de Normas nica ou não. A finalidade desse processo de consenso é a de
Técnicas (ABNT) e relacionados à normalização. Nesta edição atender aos interesses e às necessidades da coletividade, em
destacamos o que significa consenso na normalização. seu próprio beneficio. Não é uma votação, mas um compro-
Consenso é o processo pelo qual um Projeto de Norma misso de interesse mútuo, não devendo, portanto, ser con-
deve ser submetido, compreendendo as etapas de análise, fundido com unanimidade.

16 | Boletim ABNT | Maio/2013 www.abnt.org.br


Institucional }

Econormas, uma contribuição para o


desenvolvimento do MERCOSUL
A ABNT sediou seminário sobre o projeto que visa ao aprofundamento da integração
econômica.

U
m seminário foi realizado no dia 9 de abril, no audi- Dividido em duas partes, sendo o período da manhã para o
tório da Associação Brasileira de Normas Técnicas setor elétrico e o da tarde para o setor metalomecânico, o se-
(ABNT), em São Paulo, para apresentação dos re- minário ofereceu aos participantes uma visão global dos tra-
sultados da análise comparativa do contexto nor- balhos que estão sendo desenvolvidos desde 2009. Além de
mativo (normas, regulamentos técnicos e procedimentos de informações sobre o projeto, a atuação de peritos e a meto-
avaliação da conformidade) do Mercosul e da União Europeia dologia utilizada em seu trabalho, houve uma palestra sobre
para produtos selecionados dos setores elétrico e metalo- Acreditação conforme a ISO/IEC 17025, que trata da compe-
mecânico. Parte das atividades do Projeto Econormas, visa tência de laboratórios de ensaio e calibração.
ao aprofundamento do processo de integração econômica e Depois da apresentação do Banco de Dados desenvolvi-
de desenvolvimento sustentável do Mercado Comum do Sul do para o projeto e dos resultados da análise comparativa, o
(Mercosul), o evento reuniu aproximadamente 30 pessoas. evento foi encerrado com um debate com o público. A har-
A análise comparativa dos documentos normativos foi monização de normas técnicas e regulamentos para o Mer-
realizada pela Associação Espanhola de Normalização e Certi- cosul resulta na eliminação de barreiras técnicas ao comércio,
ficação (Aenor), em colaboração com a ABNT. facilitando a livre circulação dos bens e a integração regional.

ABNT nas REDES SOCIAIS


Presente no Facebook e no Twitter, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) está despertando a atenção dos seguidores.
Confira os assuntos mais comentados no mês de abril de 2013:

• EMBALAGEM PLÁSTICA PARA ÁGUA MINERAL E POTÁVEL DE MESA


• PRODUTOS PLANOS DE AÇO PARA FINS ELÉTRICOS
• RÓTULO ECOLÓGICO ABNT
• CÓDIGOS DE CUIDADO USANDO SÍMBOLOS
• ETANOL HIDRATADO COMBUSTÍVEL

Acompanhe a ABNT: Facebook (Abnt Normas Técnicas) e Twitter (@abntoficial)

www.abnt.org.br Boletim ABNT | Maio/2013 | 17


MPE {

Com o suporte das MÍDIAS SOCIAIS

C
om a facilidade de comunicação por meio das redes bém visualizar coleções setoriais sobre diversos temas, como
sociais, que temos atualmente, diversas empresas Cadeia Apícola, Cerâmica Vermelha, Confecção, entre outros
têm crescido divulgando seus produtos e serviços. que estão disponíveis para acesso gratuito pelas MPE.
Um meio de divulgação que exige pouco investi- Essas coleções setoriais são compostas de normas desen-
mento financeiro quando falamos de mídias sociais como, volvidas pelos próprios setores e focadas no produto e no
por exemplo, facebook, twitter, linkedin ou youtube, tem au- processo, para possibilitar que as empresas inovem e se tor-
mentado a visibilidade de grandes e pequenas empresas. nem mais competitivas em seus mercados.
Mesmo as micro e pequenas empresas (MPE) que não pos- Para mostrar como as normas podem ajudar essas empre-
suem uma verba específica para investir em grandes projetos, sas, a ABNT também produziu seis vídeos de casos de suces-
como um portal e material impresso, podem estar presentes so, que foram disponibilizados nas mídias sociais. O retorno
na web e se tornarem muito conhecidas por meio da divulga- dessa divulgação tem sido muito bom.
ção certa de suas atividades. Chegamos a ter mais de 600 visualizações em nosso canal
Mas chamar a atenção dos consumidores e atraí-los para do youtube (Abntweb) e recebemos muitos emails de pesso-
conhecer a sua marca ou serviço não é tão simples assim. Não as parabenizando pelo trabalho e incentivo dado aos empre-
basta comunicar, a empresa tem que apresentar um diferen- sários participantes. Não pudemos realizar esse trabalho com
cial e é aí que as normas técnicas aparecem. todas as empresas que obtiveram sucesso após a aplicação
A ABNT e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Peque- da norma, mas temos certeza de que a iniciativa já alavancou
nas Empresas (Sebrae) firmaram um convênio que possibilita muitas outras.
às MPE, após breve cadastro, a aquisição de normas técnicas Em nossas redes sociais é possível visualizar esses vídeos.
brasileiras por 1/3 do seu preço de mercado. O grande objeti- Siga-nos e faça da sua empresa também um caso de su-
vo dessa parceria é, além de fazer com que as MPE conheçam cesso.
melhor as normas técnicas, auxiliá-las a adequar seus produ-
tos e serviços e torná-los mais competitivos. ABNT nas mídias sociais: Facebook (ABNTOficial); Twitter (@
Na página criada para divulgar o convênio (www.abnt.org. ABNTOFICIAL); Linkedin (ABNT - Associação Brasileira de Nor-
br/paginampe) é possível obter mais informações e tam- mas Técnicas); e Youtube (Abntweb).

Transforme suas ideias em um negócio de sucesso


A ABNT e o SEBRAE firmaram um convênio que possibilita às MPE, após breve
cadastro, o acesso às normas técnicas brasileiras por 1/3 do seu preço de mercado.
Conheça também nossas coleções setoriais, acesse nosso site.

Nossa norma é
ajudar você a crescer

Parceria ABNT e SEBRAE

www.abnt.org.br/paginampe
{ Negócios

Produção de própolis
A natureza produz e a ABNT especifica os requisitos
para instalação do apiário, manejo das colmeias, coleta,
acondicionamento, transporte e armazenamento da pró-
polis. A norma é a ABNT NBR 16168:2013 - Apicultura —
Própolis — Sistema de produção no campo.
A própolis é um produto de natureza resinosa, gomo-
sa, balsâmica, elaborado pelas abelhas a partir da coleta
de substâncias biológicas existentes em brotos, botões
florais, gemas e exsudados de plantas. Na elaboração do
produto, as abelhas acrescentam secreções salivares, cera
e pólen.

Novas instrutoras na Capacitação


A Gerência de Capacitação conta com duas novas instruto- de Empresas e Engenharia de Produção, pós-graduação pela
ras este ano. Uma delas é Maria Claudia Pestana, com gradua- Universidade Federal de São Carlos - Departamento de Enge-
ção em Biblioteconomia pela Fundação Escola de Sociologia nharia de Produção (MSC. DSc.), na área de qualidade, produ-
e Política de São Paulo (1997). É bibliotecária da Universidade tividade e inovação. É diretoria executiva do Centro Latino-
de São Paulo, atuando principalmente nos seguintes temas: Americano de Excelência para Qualidade (CLAEQ) e diretora
normalização, documentos eletrônicos, administração de bi- da Rede Metrológica de São Paulo.
Ambra participou da elaboração da norma ABNT NBR
blioteca e planejamento estratégico.
16501:20011 na Comissão de Estudo Especial de Gestão da
Na ABNT, Maria Claudia atua desde 1998 nas Comissões de
P,D&I (ABNT/CEE 130) e realizou auditoria interna no Instituto
Estudo do Comitê Brasileiro de Informação e documentação
de Pesquisas Eldorado, em Campinas, sendo este o primei-
(ABNT/CB-14) e veio substituir Rosa Corrêa, falecida no final
ro organismo do gênero certificado na norma de Sistema
do ano passado, ministrando os cursos de Trabalhos Acadê-
de gestão da pesquisa, desenvolvimento e inovação. A nova
micos e Padronização de livros e periódicos. Teve sua estreia instrutora vem ministrar o curso intitulado “Inserção das Or-
como instrutora da ABNT no mês de abril e foi muito elogiada ganizações no ambiente da inovação com base nas diretrizes
pelos 17 alunos que participaram do curso. para o sistema de gestão da pesquisa, desenvolvimento e
Passou também a integrar o quadro de instrutores da inovação propostas pela ABNT NBR 16501:2011”, cuja primei-
ABNT Ambra A. Nobre, com graduação em Administração ra turma está prevista nos dias 3 e 4 de julho, em São Paulo.

{ Novos Sócios
16/03/2013 a 31/03/2013

Nome / Razão Social Categorias


Artman Abc Industria Comercio E Automacao Ltda . Coletivo Contr. C

Ezly Tecnologia Ltda. Coletivo Contr. C

Lipesa do Brasil Especialidades Quimicas Ltda. Coletivo Contr. C

D-Edge Comércio e Serviços Ltda ME Col. Contr. Microempresa

Sextante Ltda. Col. Contr. Microempresa

Douglas Sousa Amaral Individual Estudante

20 | Boletim ABNT | Maio/2013 www.abnt.org.br


Feiras, Eventos e Apoios {
EVENTOS 04 de junho de 2013
SEMINÁRIO ISO 26000 E ABNT NBR 16001: Local: Millenium Centro de Convenções
Rua Dr. Bacelar, 1043 - Vila Mariana - São Paulo/SP
CONVERGÊNCIAS, OPORTUNIDADES E DESAFIOS Para mais informações: regionais@saebrasil.org.br
DAS NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Visite o site: http://www.saebrasil.org.br/regional/SP/2013/simpo-
04 de junho de 2013 sio-novos-materiais/oquee.html
Local: Federação das Indústrias do Estado da Bahia – FIEB
Rua: Edistio Pondé, 342 – Stiep
Para mais informações e inscrições: marketing@abnt.org.br
CONSTRUCTION EXPO 2013
2ª Feira Internacional de Edificações & Obras de Infraestrutura
Serviços, Materiais e Equipamentos0
EXPONORMA 2013 – CONGRESSO E EXPOSIÇÃO 05 a 08 de junho de 2013
30 e 31 de outubro de 2013 – 09 h às 19 h
Centro de Exposições Imigrantes
Local: Centro de Convenções Frei Caneca
Rod. dos Imigrantes Km 15 - São Paulo – SP
Rua Frei Caneca, 569 – 4º andar
Para maiores informações: http://www.constructionexpo.com.br/
Para mais informações: www.abnt.org.br/exponorma

FEIRAS SEMINÁRIO ABCIC: “DESEMPENHO E


CONFIABILIDADE DAS ESTACAS PRÉ-
HOSPITALAR 2013
20ª Feira Internacional de Produtos, Equipamentos, Serviços e Tecnologia
FABRICADAS DE CONCRETO COMO SOLUÇÃO DE
para Hospitais, Laboratórios, Farmácias, Clínicas e Consultórios. FUNDAÇÕES PROFUNDAS”
Data: 21 a 24 de maio de 2013 (12h às 21h) ABCIC (Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto)
Local: Pavilhões do Expo Center Norte 06 de junho das 14h às 18h
Rua José Bernardo Pinto, 333 - Vila Guilherme - São Paulo Local: Centro de Exposições Imigrantes
Para mais informações: http://www.hospitalar.com/hospitalar/infos. Rod. dos Imigrantes Km 15 - São Paulo/SP
html Para maiores informações: http://www.constructionexpo.com.br/

MOVEXPO 13º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE


5ª Feira Nacional de Móveis para a Região Nordeste IMPERMEABILIZAÇÃO
21 A 24 de maio de 2013 (16h às 22h) 10 e 11 de Junho 2013
Local: Centro de Convenções de Pernambuco Local: Espaço APAS - Centro de Convenções
Av. Professor Andrade Bezerra, s/nº, Salgadinho em Recife/PE Rua Pio XI, 1.200 - Alto da Lapa - São Paulo/SP
Para mais informações: http://www.movexpo.com.br/ Para mais informações: http://www.ibibrasil.org.br/simposio2013/

FITAC 9º EDIÇÃO DE REDES SUBTERRÂNEAS DE


II Feira da Indústria de Tapetes e Carpetes
27 a 29 de maio de 2013 (11h às 18h)
ENERGIA ELÉTRICA/2013
10 a 12 de junho de 2013
Local: Centro de Convenções Frei Caneca
Local: Centro de Convenções Frei Caneca
Rua Frei Caneca 569 – Consolação - São Paulo – SP – Brasil
Rua Frei Caneca, 569 – Consolação - São Paulo /SP
Para mais informações: http://www.fitac.com.br/
Para mais informações: http://www.rpmbrasil.com.br/eventos.aspx-
?eventoID=57
SIMPÓSIO SAE BRASIL DE NOVOS MATERIAIS E
NANOTECNOLOGIA 2013 - SEÇÃO SÃO PAULO
www.abnt.org.br Boletim ABNT | Maio/2013 | 21
ILUMEXPO/2013 Local: Novotel São Paulo - Morumbi
2ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Rua Min. Nélson Hungria, 450 - Morumbi, São Paulo/SP
10 a 12 de junho de 2013 Para mais informações: http://www.conep-br.com.br/nav/default.asp
Local: Centro de Convenções Frei Caneca
Rua Frei Caneca, 569 – Consolação - São Paulo – SP – Brasil MAC&TOOLS
Para mais informações: http://www.rpmbrasil.com.br/eventos. 2ª Feira de Máquinas e Ferramentas da Indústria Metal-Mecânica
aspx?eventoID=58 18 a 21 de junho de 2013 (15h às 22h)
Local: Centro de Convenções Goiânia
BRASIL OFFSHORE Rua 30, Nº 885 – Centro - Goiânia – Go
11 a 14 de junho de 2013 Para mais informações: http://www.feiramactools.com.br/
Local: Macaé Centro
Rodovia Amaral Peixoto s/n – Macaé/RJ COTEQ – CONFERÊNCIA SOBRE TECNOLOGIA DE
Para mais informações: http://www.brasiloffshore.com EQUIPAMENTOS
18 a 21 de junho de 2013
CONEP – CONGRESSO NACIONAL DE ESCRITÓRIO Local: Enotel Porto de Galinhas
Rodovia PE-09 Gleba 6 BA - Porto de Galinhas - PE
DE PROCESSOS Para maiores informações: http://www.abendi.org.br/coteq/
11 e 12 de Junho de 2013

{ Normalização em Movimento
Consulta Nacional
Novas Comissões de Estudo Florestas Urbanas - O Projeto de Norma 103:000.00-003/01
(Florestas urbanas – Manejo de árvores, arbustos e outras
Foi instalada, no dia 16 abril, em São Paulo, a Comissão de Estudo plantas lenhosas – Parte 1: Poda), da Comissão de Estudo
de Projetos para Sistemas de Saneamento (ABNT CE 177:001.01). A Especial de Manejo Florestal, será encaminhado novamente
CE, oriunda de diversas Comissões, como a de Projeto de Sistema de para Consulta Nacional por 30 dias.
Abastecimento de Água e Instalação Predial de Fossas Sépticas, tem Cadeiras Plásticas - A Comissão de Estudo de Cadeiras Plásti-
como escopo a normalização no campo de projetos para sistemas de cas Monobloco está em fase final dos trabalhos para encami-
saneamento, que compreende água e esgoto, no que diz respeito a nhar o Projeto 15:002.01-005 - Banqueta plástica monobloco
terminologia, procedimentos e requisitos. Na reformulação, a ABNT - Requisitos e métodos de ensaio para Consulta Nacional. O
CEE-73 foi incorporada à Comissão. documento resulta de uma solicitação do Instituto Nacional
Também no dia 16 de abril foi instalada em São Paulo a Comissão de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) sobre a
de Tubos e Conexões de Poliolefínas (ABNT CE 177:002.02). Esta CE qualidade das banquetas, semelhante ao que ocorreu com as
teve origem nas Comissões de Estudo de Tubos de Polietileno PE 5 cadeiras plásticas monobloco para adultos e infantis. Quem
(CE-02:111.06), de Tubos Corrugados de Polietileno e Acessórios para tiver dúvidas sobre o projeto deve contatar o analista técnico
Sistemas Enterrados (CE 02:111.14) do ABNT/CB-02 e na Comissão de da ABNT, Guilherme Guelfi, responsável por esta Comissão de
Estudo Especial de Tubos e Acessórios de Polietileno para Sistemas Estudo, pelo e-mail: gguelfi@abnt.org.br.
Enterrados para Redes de Distribuição e Adução de Água (ABNT/CEE-
73).
O escopo da Comissão de Estudo engloba normalização no campo
Pão francês
de tubos e conexões de poliolefínas para sistemas de saneamento, Foi publicada, no dia 24 de abril, a ABNT NBR 16170:2013 -
no que concerne a terminologia, requisitos e métodos de ensaio. Panificação – Pão tipo francês – Diretrizes para avaliação da
qualidade e classificação, elaborada pela Comissão de Estudo
Especial de Pão Tipo Francês.

22 | Boletim ABNT | Maio/2013 www.abnt.org.br


COLETÂNEA DE NORMAS TÉCNICAS COLETÂNEA DE NORMAS TÉCNICAS
EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE BENS
AGENDE-SE
Conheça produtos e serviços que atendem
às normas técnicas e oferecem qualidade,
segurança e eficiência.

Centro de Convenções Frei Caneca


Rua Frei Caneca, 569 - 4º andar
São Paulo - SP

www.abnt.org.br/exponorma