Anda di halaman 1dari 3

ESCOLA SECUNDÁRIA CACILHAS-TEJO

Área de Integração Módulo 1 Tema 1.2

____
Ficha de trabalho 01 Base de trabalho: Documento 01

Correção.  Esta  ficha  serviu  como  teste  de  diagnóstico.  

Objectivos:
• Analisar o conceito de Pessoa
• Problematizar o conceito de Pessoa
• Relacionar os conceitos de ‘Pessoa’ e de ‘Ser humano’
• Interpretar o conceito de ‘Pessoa não humana’

GRUPO I
Análise do texto 1
1. Identifique os indicadores de humanidade apresentados no texto e, depois,
preencha o seguinte quadro:
Quadro 1
Indicador Definição Exemplo(s)
1. Autoconsciência. Ter conhecimento de si próprio. Quando me reconheço no espelho.
/Quando tomo consciência do que
estou a sentir.
2. Autodomínio. Ter a capacidade de controlar o seu Quando me comporto de acordo com as
comportamento.
regras.
Quando consigo controlar os meus
impulsos.
3. Sentido do futuro. Ter consciência de que o que fazemos Quando faço projetos para as férias.
no presente terá consequências. /Quando junto dinheiro para comprar
Saber que o que acontecerá depende do um jogo.
que já aconteceu e do que está a
acontecer agora.
4. Sentido do passado. Lembrar acontecimentos que já Quando me lembro do meu primeiro
dia na escola.
ocorreram.
Saber que temos uma história.
5. Capacidade de se Ter a capacidade de estabelecer Quando estou na sala de aula e
relações sociais.
relacionar com os participo com os meus colegas na

outros. atividades.
Quando converso com os amigos.
Quando partilho as refeições em
família.
6. Preocupação pelos Capacidade de sentir empatia Quando quero ajudar alguém que sofre.
/compaixão – o colocar-se no lugar
outros. Quando compreendo as decisões dos
do outro.
outros.
7. Comunicação. Capacidade de trocar informações com Quando converso com os amigos.
os outros. Quando mando uma sms.
Capacidade de escutar. Quando resolvo uma ficha de trabalho.
Capacidade de falar.
8. Curiosidade. Sentir a necessidade de saber o porquê Quando me interrogo sobre as causas de
das coisas e o motivo das ações. algo que aconteceu.
Quando procuro saber porque é que
alguém agiu de determinada forma.
2. Explique a figura 1, por palavras suas (sem copiar o texto).
A pessoa é um ser racional (tem a capacidade de pensar) e autoconsciente (tem consciência de si
próprio). Essa autoconsciência envolve a ideia de que o ser mantém a sua identidade ao longo do
tempo.
Podemos compreender a pessoa a partir de um conjunto de indicadores de humanidade que são
características fundamentais do ser pessoa: a autoconsciência; o autodomínio; a temporalidade (a
consciência do passado e do futuro); a empatia (a capacidade de se relacionar e de se preocupar com
os outros; a comunicação (a capacidade de trocar informações com os outros) e a curiosidade (a
necessidade de saber o porquê das coisas e o motivo das ações).
GRUPO II
Exploração do problema: “Será que um animal não humano pode ser uma pessoa?”

1. Procure nos textos 2, 3 e 4 informação relativa ao comportamento dos animais


que lhe permita preencher o seguinte quadro (pode transcrever passagens dos
textos):
Quadro 2 – Baseado nos indicadores apresentados na figura 1
Indicadores
Autoconsciência “A ciência tem demonstrado que a individualidade – a consciência de si próprio –
não é uma característica única do ser humano.”
“Os golfinhos têm consciência de si mesmos, reconhecem a sua imagem ao espelho.
Sabem quem são.”
“Serão os animais autoconscientes? Há hoje provas sólidas de que alguns o são.”
“Quanto à autoconsciência, Washoe não hesitou quando lhe mostraram a sua
imagem num espelho e lhe perguntaram "Quem é?", respondendo "Eu, Washoe".
“Em frente de um espelho, Koko faz caretas ou examina os seus dentes. Quando lhe
perguntaram "Quem é uma gorila esperta?", Koko respondeu: "Eu" Quando alguém
disse de Koko, na sua presença, "Ela é pateta!", Koko (talvez não compreendendo o
termo) disse por sinais: "Não, gorila."
Autodomínio “Washoe mudou-se para Ellensburg, no estado de Washington, onde viveu com
outros chimpanzés sob os cuidados de Roger e Deborah Fouts. Aí adoptou um
chimpanzé bebé e em breve começou não só a fazer-lhe sinais, como a ensinar-lhe
deliberadamente esses sinais, moldando as mãos para formar o sinal de "comida" no
contexto correto.”
Sentido da Os símios antropóides também usam sinais para se referirem a
temporalidade acontecimentos do passado ou do futuro, mostrando assim um sentido
do tempo.
“Koko, por exemplo, quando lhe perguntaram, seis dias após o
acontecimento, o que tinha acontecido no seu aniversário, assinalou:
"dormir, comer."
“Todos os anos, após o dia da acção de graças, Roger e Deborah Fouts
montavam uma árvore de Natal, enfeitada com ornamentos
comestíveis. Os chimpanzés usavam a combinação de sinais "árvore
doce" para se referirem à árvore de Natal. Em 1989, quando a neve
começou a cair logo a seguir ao dia da acção de graças, mas a árvore
ainda não fora montada, uma chimpanzé perguntou: "árvore doce?"

Empatia “Washoe mudou-se para Ellensburg, no estado de Washington, onde viveu com
outros chimpanzés sob os cuidados de Roger e Deborah Fouts. Aí adoptou um
chimpanzé bebé e em breve começou não só a fazer-lhe sinais, como a ensinar-lhe
deliberadamente esses sinais, moldando as mãos para formar o sinal de "comida" no

2
contexto correto.”

Comunicação “O casal Gardner decidisse tratar um jovem chimpanzé como se fosse um bebé
humano sem cordas vocais. Comunicaram com ele e entre si na sua presença usando
a linguagem gestual americana, uma linguagem usada correntemente pelos surdos
americanos. O chimpanzé, ao qual deram o nome de Washoe, aprendeu a
compreender cerca de 350 sinais diferentes e a usar corretamente cerca de 150.
Alinhava sinais para formar frases simples.”
“Francine Patterson começou a usar sinais e também a falar inglês com Koko, uma
gorila da planície. Koko possui agora um vocabulário prático de mais de 500 sinais
e usou cerca de 1000 sinais numa ou mais ocasiões. Compreende um número ainda
maior de palavras faladas em inglês. O seu companheiro, Michael, que entrou em
contacto com a linguagem gestual numa idade mais tardia, usou cerca de 400
sinais.”

Curiosidade “O político justificou a decisão com o facto de as investigações científicas mostrarem


que os golfinhos possuem um nível de inteligência superior à de outros animais.
“Muitos cientistas que pesquisaram o comportamento dos golfinhos acreditam que
eles possuem um nível de inteligência invulgarmente alto”, afirmou o ministro.”

2. Responda à seguinte questão com base nos dados recolhidos no quadro 2:


Os animais a que se referem os textos podem ser considerados pessoas? (Pode centrar-
se na análise da situação de Washoe e Koko).

Tendo em conta os dados recolhidos no quadro 2, podemos considerar como pessoas os animais a que
se referem os textos. Embora não façam parte da espécie humana (daí falar-se em pessoas não-
humanas) apresentam comportamentos que indiciam que possuem os indicadores de humanidade
apresentados no texto 1.
Os indicadores de humanidade são características próprias das pessoas. Talvez fosse melhor chamar-
lhes outra coisa: ‘características fundamentais das pessoas’, por exemplo, porque se eles estão presentes
em animais não-humanos não são específicos da espécie humana.
Contudo, isso não quer dizer que esses animais, essas pessoas não-humanas, estão ao mesmo nível dos
seres humanos. A espécie humana será muito mais evoluída. Mas isso não significa que esses animais
não devam ser respeitados como pessoas, com direitos inalienáveis ao gozo da sua liberdade e da sua
vida. Deverá ser proibida a sua caça, bem como o seu uso como cobaias, ou a privação da sua
liberdade.
Washo e Koko são exemplos muito pertinentes deste facto: têm autoconsciência, têm a capacidade de
comunicar de forma simbólica (que até há pouco tempo era considerada uma forma de comunicação
exclusiva dos seres humanos), têm consciência da temporalidade e são capazes de se relacionar de
forma profunda com outros seres(humanos ou da sua espécie).