Anda di halaman 1dari 12

DIREITO PROCESSUAL PENAL II – EXERCÍCIOS – PROFA.

SOLANGE RAMOS

1.(Promotor de Justiça - RN – 2001) Quanto à sentença penal, pode-se dizer:


I - no princípio da correlação deve haver correspondência entre o fato descrito na denúncia ou queixa e o fato pelo qual o réu é condenado, sob pena de nulidade da decisão.
II - considera-se publicada a sentença com a intimação pessoal do Ministério Público ou réu ou com a intimação pessoal ou pela imprensa do defensor constituído.
III - é nula a sentença penal em que o juiz não indica, no dispositivo, o artigo de lei aplicado, e nem resulta claro pelo conjunto da sentença que o acusado está sendo condenado
por determinado crime.
IV - o juiz poderá proferir sentença condenatória ainda que o Ministério Público, nos crimes de ação penal pública ou o querelante, nos crimes de ação penal privada, tenha
requerido a absolvição.
V - são requisitos formais da sentença, em sentido próprio, o relatório, a motivação e o dispositivo, salvo no procedimento sumaríssimo dos Juizados Especiais Criminais em que o
relatório é dispensado.

a) I, II e III estão corretas.


b) II III e IV estão corretas.
c) I, III e V estão corretas.
d) II, IV e V estão corretas.
e) I, IV e V estão corretas.

2. (Juiz de Direito - MG - 2006) Sentença "suicida", conforme doutrina, é aquela:

a) cuja parte dispositiva contraria as razões invocadas na fundamentação.


b) que não contém relatório.
c) que não indica o artigo de lei que deveria ser aplicado.
d) que não obedece ao critério trifásico para aplicação da pena.

3. (OAB - DF - Agosto - 2005) Em relação à sentença penal condenatória, marque a alternativa CORRETA:

a) Se no momento de proferir a sentença, o juiz reconhecer a possibilidade de ser dada ao fato delituoso descrito na denúncia uma nova definição jurídica diversa da que ali consta,
independentemente do resultado, baixará o processo para que haja prévia manifestação da defesa ou do Ministério Público.
b) Se no momento de proferir a sentença, o juiz reconhecer a possibilidade de ser dada ao fato delituoso descrito na denúncia uma nova definição jurídiica diversa da que ali consta,
baixará o processo para que haja manifestação da defesa apenas se, em conseqüência, tiver que aplicar pena mais grave.
c) Se no momento de proferir a sentença, o juiz reconhecer a possibilidade de ser dada ao fato delituoso descrito na denúncia uma nova definição jurídica diversa da que ali consta,
baixará o processo para manifestação da defesa caso a nova definição do fato decorrer de elementar provada nos autos, embora não contida na denúncia, que leve à aplicação de
pena mais grave.
d) Se no momento de proferir a sentença, o juiz reconhecer a possibilidade de ser dada ao fato delituoso descrito na denúncia definição jurídica diversa da que ali consta, não terá
que baixar o processo para manifestação da defesa ou do Ministério Público, ainda que, em conseqüência, tenha que aplicar pena mais grave.

4. (Promotor de Justiça - SP - 2005) A decisão que reconhece a exceção de coisa julgada, extinguindo o processo sem julgamento do mérito denomina-se

a) absolvição da instância.
b) cessação da instância.
c) substituição da instância.
d) prejudicial de mérito.
e) disjunção processual.

5. (Juiz de Direito - SP - 2005) Ticio foi denunciado como incurso no art. 180, § 3º, do Código Penal (receptação culposa), a denúncia foi regularmente recebida e o feito correu
normalmente até que, nas alegações finais, o titular da ação penal, entendendo procedente a denúncia, sustentou, todavia, tratar-se de receptação dolosa, pelo que pediu a
condenação do réu por infração do art. 180, caput, do mesmo Código. Recebendo os autos para sentença, e entendendo, em tese, viável essa pretensão em conseqüência de
prova existente nos autos, como deverá proceder o juiz?

a) Sentenciará desde logo o feito, impondo condenação por receptação dolosa, com apoio no art. 383, do Código de Processo Penal.
b) Determinará a abertura de vista à defesa para manifestação e eventual produção de prova testemunhal, nos termos do art. 384, caput, do Código de Processo Penal.
c) Baixará o processo para que o Ministério Público adite a denúncia, com subseqüente abertura de vista à defesa, na forma do art. 384, parágrafo único, do Código de Processo
Penal.
d) Sentenciará desde logo o feito, decretando a absolvição por falta de prova da acusação descrita na denúncia (art. 386, inciso VI, do Código de Processo Penal).

5. (OAB - DF - Agosto - 2005) A doutrina denomina de sentença penal absolutória imprópria aquela em que o juiz absolve:

a) Sumariamente em processo do tribunal do júri.


b) Aplicando medida de segurança.
c) Por insuficiência de prova.
d) Pelo fato ser atípico.

6. (Promotor de Justiça - SE - 2002) Se o tribunal, no julgamento de apelação interposta pela acusação, diminuir a pena aplicada ou absolver a pessoa condenada em primeiro
grau, haverá o que a doutrina e a jurisprudência denominam de

a) reformatio in pejus indireta.


b) reformatio in pejus direta.
c) reformatio in mellius.
d) reformatio in mellius indireta.
e) reformatio in pejus.

7. (Juiz de Direito - SP - 2005) É correto afirmar que a sentença de pronúncia é decisão interlocutória

a) mista não terminativa.


b) mista terminativa.
c) simples não terminativa.
d) simples terminativa.

8. (OAB - Nordeste - 2005/1) Sob o tópico - A sentença - , a exposição de motivos do Código de Processo Penal adverte: - O projeto, generalizando um princípio já consagrado pela
atual Lei do Júri, repudia a proibição de sentença condenatória ultra petitum ou a desclassificação in pejus do crime imputado -. Tal princípio trata da correlação entre a acusação e
a sentença, e norteou a redação de vários dispositivos do Código de Processo Penal. Neste diapasão, é correto afirmar que

a) para a aplicação de pena mais grave do que a indicada na denúncia, o magistrado deve, invariavelmente, determinar o aditamento da peça acusatória.
b) o juiz não poderá dar ao fato definição jurídica diversa da que constar da queixa ou denúncia.
c) na ação penal de iniciativa privada, o pedido de absolvição formulado pelo querelante não impede a prolação de sentença condenatória.

d) nos crimes de ação penal de iniciativa pública, o magistrado pode reconhecer, na sentença, agravante que não tenha sido indicada pelo Ministério Público na denúncia.

9. (Promotor de Justiça - MA - 2004) Assinale a alternativa correta.

a) A sentença penal condenatória, da qual não caiba mais recurso, sempre fará coisa julgada material.
b) Coisa julgada é a qualidade de imutabilidade dos efeitos da sentença.
c) A coisa julgada formal impede a análise do caso em qualquer outro grau de jurisdição,
d) o limite objetivo da coisa julgada diz respeito ao acusado no processo;
e) A preclusão pro judicato não existe no processo penal.

10. (Juiz de Direito - SC - 2003) Assinale a alternativa correta.


Como poderíamos classificar a sentença de pronúncia, que é um juízo de mera admissibilidade, nos processos de competência do Tribunal do Júri?

a) Sentença de natureza interlocutória simples.


b) Sentença de natureza suicida, como classificam alguns autores.
c) Sentença terminativa de natureza interlocutória mista.
d) Sentença terminativa de natureza subjetivamente plúrimas.
e) Sentença de natureza interlocutória mista não terminativas.
11. (OAB - DF - Março - 2006) No aspecto criminal, as sentenças são chamadas de subjetivamente plúrimas quando:

a) julgam diversos acusados.


b) proferidas pelo Tribunal do Júri.
c) proferidas pelas Câmaras dos Tribunais.
d) julgam diversos fatos conexos.

12. (Promotor de Justiça - SE - 2002) Na sentença criminal, o juiz

a) não pode dar ao fato definição jurídica diversa da que constar na denúncia ou queixa, para impor pena mais grave, sem prévio aditamento.
b) pode condenar quando o promotor pede absolvição.
c) só poderá admitir agravante ou atenuante se tiver sido alegada.
d) deve, se o réu foi condenado, determinar sempre a expedição de mandado de prisão.
e) nunca poderá dispensar o relatório, nem mesmo quando julgar infração de menor potencial ofensivo.

13. (OAB - Nordeste - 2005/1) Quanto à publicação da sentença, é incorreto afirmar que

a) será em mão do escrivão do cartório judicial da vara criminal.


b) a publicação torna desnecessária a intimação pessoal do acusado.
c) a publicação pode ser feita integral ou parcialmente.
d) após a publicação será efetuada a intimação das partes.

14. (Promotor de Justiça - MS - 2003) Assinale a alternativa correta:

a) Nos crimes de ação pública, o Juiz não poderá reconhecer agravantes, e não constarem da denúncia.
b) A sentença de pronúncia, após seu trânsito em julgado, pode ser alterada pela verificação superveniente de circunstância que modifique a classificação do crime.
c) A apresentação espontânea do acusado à autoridade impede a decretação da prisão preventiva nos casos em que a lei autoriza a constrição.
d) Nos processos de competência do Tribunal do Júri, a falta de prova da existência do crime importará na absolvição sumária do acusado.
15. (OAB - RJ - 30º Exame) Assinale a resposta correta:

a) Os atos inexistentes precisam ser declarados nulos pelo juiz.


b) O prejuízo é presumido em se tratando de mera irregularidade.
c) Preclusão e prejuízo são conceitos inerentes à nulidade relativa.
d) As nulidades absolutas exigem demonstração do prejuízo.

16. (Promotor de Justiça - RS - 2003) O réu foi absolvido sumariamente e o prolator da decisão recorreu de oficio. O Ministério Público e o defensor silenciaram. No Tribunal, o
Procurador de Justiça deu parecer pugnando pelo reconhecimento de nulidade absoluta por falta de fundamentação da sentença. O que deverá fazer o Tribunal?

a) Deverá anular o processo e devolver ao juiz para pronunciar o réu.


b) Deverá manter a decisão porque inexistente recurso do Promotor de Justiça.
c) Deverá manter a decisão para não efetivar "reformatio in pejus".
d) Deverá acolher o parecer do Procurador de Justiça e declarar a nulidade do processo.
e) Deverá remeter os autos para exame do primeiro substituto do prolator da decisão.

17. (Defensor Público - MG - 2004) Finda a instrução probatória num processo versando acerca de crimes de natureza eleitoral o MM. Juiz concedeu vista dos autos para alegação
finais, primeiro à defesa e em seguida à acusação. Nas aludidas alegações, a defesa requereu, em sede de preliminar, o reconhecimento de nulidades absoluta em face da ofensa
ao principio constitucional do contraditório, assim, na mesma peça, manifestou-se sobre o mérito. Apresentadas as alegações do Ministério Público, o magistrado entendeu por bem
rejeitar preliminar argüida pela defesa, proferindo sentença absolutória pelo mérito. Com base no problema acima, é CORRETO afirmar:

a) Não há que ser declarada a nulidade requerida pela defesa, pois o contraditório no processo penal implica apenas em concessão igualitária de oportunidades, o que houver no
caso em apreço.
b) Com a absolvição pelo mérito, não deveria realmente ser declarada a nulidade, pois apesar de presumido o prejuízo, sua declaração em nada seria proveitosa à defesa.
c) Por ofender garantia constitucional, a nulidade requerida pela defesa é absoluta, razão pela qual deveria ser declarada, abrindo-se nova vista às partes, primeiro para a
acusação.
d) o Ministério Público, por acumular no processo penal as funções de titular do Direito de ação e fiscal da aplicação da lei, sempre manifesta-se após a defesa.
e) O Ministério Público, por acumular no processo penal as funções de titular da ação e fiscal da aplicação da lei, obrigatoriamente, deveria, nas suas alegações, concordar com a
preliminar levantada pela defesa, havendo então o magistrado de novamente abrir vista às partes, primeiro para a acusação e por fim à defesa.

18. (Juiz de Direito - SP - 2003) A nulidade por falta do interrogatório do réu

a) estará sanada por ausência de argüição oportuna.


b) estará sanada se apresentada defesa escrita negando o teor da imputação.
c) representa mera irregularidade, imerecedora de proclamação, se não tiver causado prejuízo.
d) é insanável.

19. (OAB - SP - Abril- 2006) Segundo o Código de Processo Penal, é nulidade sanável a resultante de

a) omissão de formalidade que constitua elemento essencial do ato.


b) falta do exame de corpo de delito nas infrações que deixam vestígios.
c) falta de libelo nos processos de competência do júri.
d) falta do dispositivo na sentença.

20. (Promotor de Justiça - DF - 2004) Assinale a alternativa incorreta, no que se refere a nulidades.

a) A omissão da denúncia, relativamente à classificação do crime narrado, pode ser sanada no curso na instrução.
b) A deficiência de defesa é causa de nulidade absoluta do processo.
c) O reconhecimento de nulidade absoluta prescinde da demonstração de prejuízo.
d) A nulidade por ilegitimidade do representante da parte pode ser a todo tempo sanada, mediante ratificação dos atos processuais.
e) As nulidades ocorridas após a decisão de primeira instância podem ser argüidas nas razões de recurso, ou logo após de anunciado o julgamento do recurso e apregoadas as
partes.

21. (Defensor Público - MG - 2006) A Constituição da República estabelece um conjunto principiológico cujas balizas estabelecem um modelo de processo penal garantista, no qual
se objetiva a tutela dos direitos fundamentais do cidadão acusado de crime. A ofensa, pelos agentes públicos, a esse princípio causa a nulidade do ato ou todo o processo. No
mesmo sentido, de maneira expressa ou tácita, dispõem o Código de Processo Penal e os demais diplomas infraconstitucionais sobre a desobediência às suas precipitações.
Considerando a hermenêutica constitucional e a moderna doutrina processual penal sobre o tema de nulidade, assinale a alternativa INCORRETA.

a) A ausência de intimação pessoal do Defensor Público da pauta de julgamento de recurso nos Tribunais causa a nulidade do acórdão, mas somente se demonstrado que a
inexistência de sustentação oral compromete a efetividade da defesa.
b) Consoante o princípio pas de nullite sans grief, não se declara a nulidade do processo por ausência de interrogatório, estando o réu presente, se não demonstrado o prejuízo
para a defesa.
c) Inexiste nulidade em inquérito policial.
d) O ato processual inconstitucional, se não for juridicamente inexistente, será, em todos os casos, absolutamente nulos, porquanto ainda que as garantias processuais-
constitucionais sejam previstas em benefícios as partes, visam, primeiramente, o interesse público na observância do devido processo legal.

22. (Juiz de Direito - PR - 2006) Em se tratando de nulidades no Processo Penal, assinale a alternativa CORRETA

a) Segundo entendimento dos tribunais superiores, no Processo Penal, a defesa deficiente equivale-se à falta de defesa, e acarreta nulidade absoluta.
b) A nulidade, por ser questão de ordem pública, deve ser declarada sempre que ocorrer, mesmo que o ato a ser anulado não houver influído na apuração da verdade substancial
ou na decisão da causa.
c) É relativa a nulidade decorrente da inobservância da competência penal por prevenção.
d) A nulidade ocorrida durante o julgamento no plenário do Júri deve ser argüida nas razões de recurso.
23. (OAB - SC - Agosto - 2005) Assinale a assertiva correta:

a) Quando o titular do direito à reparação do dano for pobre, a execução da sentença condenatória ou a ação civil será promovida, independentemente de requerimento, pelo
Ministério Público.
b) Segundo o Código de Processo Penal a nulidade por ilegitimidade do representante da parte poderá ser a todo o tempo sanada, mediante ratificação dos atos processuais.
c) Assinado o termo de apelação, o apelante e, depois dele, o apelado terão o prazo de 10 dias cada um para oferecer razões, salvo nos processos de contravenção, em que o
prazo será de 3 dias.

d) A falta ou a nulidade da citação, da intimação ou notificação não poderá ser sanada, independentemente do interessado comparecer, antes do ato consumar-se, embora declare
que o faz para o único fim de argüi-Ia.

24. (Promotor de Justiça - SE - 2002) Das afirmações abaixo a que corresponde a súmu1a do Supremo Tribunal Federal sobre nulidade no processo criminal é:

a) O réu não pode alegar os defeitos da denúncia depois de ter sido proferida sentença condenatória.
b) É absoluta a nulidade do processo por falta de intimação do acusado a resspeito da expedição de precatória.
c) É nula a decisão do tribunal que acolhe, contra o réu, nulidade não argüiida no recurso da acusação, ressalvados os casos de recurso de oficio.
d) No processo penal, a falta de defesa só causará nulidade se houver prova de prejuízo para o réu.
e) A nulidade não pode ser argüida por quem a ela deu causa.

25. (Juiz de Direito - SC - 2003) Assinale a alternativa correta. Das afirmações abaixo a que corresponde a súmula do Supremo Tribunal Federal sobre nulidades do processo
criminal é:

a) O réu não poderá alegar os defeitos da denúncia depois de exarada a sentença condenatória.
b) É absoluta a nulidade do processo por falta de intimação do acusado da expedição de carta precatória para ouvida de testemunha de defesa.
c) nula a decisão do Tribunal que acolhe, contra o réu, nulidade não argüida no recurso de apelação interposto pela acusação, ressalvados os casos de recurso de ofício.
d) No processo penal, a falta de defesa só causará nulidade se houver prova de prejuízo para o réu.
e) A nulidade não pode ser argüida por quem a ela deu causa.

26. (OAB - DF - Agosto - 2006) No que diz respeito às nulidades do processo penal, assinale a alternativa INCORRETA:

a) a incompetência do juízo anula somente os atos decisórios, devendo o processo ser remetido ao juiz competente quando for declarada a nulidade.
b) as nulidades ocorridas posteriormente à pronúncia deverão ser argüidas na sessão de julgamento, por ocasião dos debates orais, pela parte prejudicada.
c) a falta ou nulidade da citação, da intimação ou da notificação estará sanada se o interessado comparecer, antes do ato consumar-se, ainda que somente para argüi-Ia.
d) as omissões da denúncia ou da queixa poderão ser supridas a qualquer tempo, antes da sentença final.

27. (Promotor de Justiça - DF - 2003) Assinale a alternativa incorreta, no que se refere a nulidades.

a) A omissão da denúncia, relativamente à classificação do crime narrado, pode ser sanada no curso na instrução.
b) A deficiência de defesa é causa de nulidade absoluta do processo.
c) O reconhecimento de nulidade absoluta prescinde da demonstração de prejuízo.
d) A nulidade por ilegitimidade do representante da parte pode ser a todo tempo sanada, mediante ratificação dos atos processuais.
e) As nulidades ocorridas após a decisão de primeira instância podem ser argüidas nas razões de recurso, ou logo após de anunciado o julgamento do recurso e apregoadas as
partes.

28. (Juiz de Direito - TRF - 4i Região - 2004) Assinalar a alternativa correta.


Mévio é denunciado por crime de descaminho e o juiz de primeiro grau rejeita a denúncia pelo acolhimento do princípio da insignificância, em face do valor dos tributos iludidos pelo
denunciado. Mévio sequer havia sido citado e, por isto, não foi intimado para contra-arrazoar o recurso do Ministério Público Federal. No Tribunal Regional Federal, o relator, por
cautela, nomeia defensor dativo para Mévio e a Turma provê o apelo e recebe a denúncia.

a) Não é nulo o processo, porque a presença do defensor dativo nomeado pelo Tribunal Regional Federal supriu a falta de intimação.
b) É nulo o processo pela falta de intimação do denunciado.
c) Não é nulo o processo, porque não houve prejuízo para Mévio, na medida em que o recebimento da denúncia é apenas o início da ação penal onde lhe deve ser assegurada a
ampla defesa.
d) É válido o processo, porque ainda não se constituíra a ação penal antes do recebimento da denúncia o que só ocorreu no Tribunal Regional Federal.

29. (OAB - MG - Abril- 2006) Com relação as nulidades no processo penal, é INCORRETO afirmar que:

a) pode o juiz de ofício a qualquer tempo reconhecer a incompetência relativa.


b) a nulidade absoluta a favor do réu poderá ser reconhecida a qualquer tempo por um pedido de desconstituição da coisa julgada.
c) pode o juiz militar se dar como competente para julgar militar por crime doloso contra a vida de vítima civil.
d) quando for reconhecida a nulidade por prerrogativa de função não podeerão ser aproveitados os atos não decisórios.

30. (Promotor de Justiça - MG - 2004) Assinale a alternativa CORRETA.

a) As nulidades da instrução criminal deverão ser argüidas na fase das alegações finais, nos processos de rito ordinário, de competência do juiz singular.
b) A autoridade policial disporá de 10 dias para a conclusão do inquérito policial do réu preso, nos casos dos crimes de tráfico de entorpecentes.
c) A autoridade policial lavrará Termo Circunstanciado de Ocorrência e com isto se dá por iniciado o procedimento sumaríssimo dos Juizados Especiais.
d) A busca pessoal dependerá de ordem judicial escrita e fundamentada, como qualquer medida cautelar restritiva de direitos.
e) A autoridade policial não poderá instaurar inquérito policial a partir de denúncia anônima, porque a Constituição da República veda a manifestação de pensamento através do
anonimato.

31. (OAB - MG - Abril- 2007) Sobre a teoria das nulidades, marque a alternativa CORRETA:

a) O ato irregular continua produzindo efeitos até a declaração de nulidade.


b) Na nulidade relativa, o prejuízo não precisa ser demonstrado.
c) A declaração de nulidade de um ato processual sempre alcança os atos pretéritos.
d) A nulidade absoluta deve ser argüida dentro do prazo determinado pela lei processual, sob pena de preclusão.

32. (Promotor de Justiça - MG - 2003) Sobre NULIDADES é INCORRETO afirmar que

a) sistema da instrumentalidade das formas é aquele em que se dá mais valor à finalidade pela qual a forma foi instituída e ao prejuízo causado pelo ato atípico, cabendo ao juiz,
diante de cada situação, verificar a conveniência de retirar a eficácia do ato praticado em desacordo com o modelo legal.
b) Dentre os princípios gerais adotados pelo Código de Processo Penal, para decretação de nulidades, os quatro que mais se destacam são: o da causalidade, o do prejuízo, o da
convalidação e o do interesse.
c) A nulidade dos atos da fase postulatória do processo se propaga para os demais atos, enquanto que a invalidade dos atos de instrução, não contamina os outros atos de
aquisição da prova validamente realizados.

d) compromisso das pessoas nomeadas para a realização da prova pericial, constitui formalidade essencial, de modo que sua falta implica em nulidade, cujo reconhecimento
independe da demonstração do prejuízo.
e) princípio da correlação entre a acusação e a sentença, liga-se ao princípio da inércia da jurisdição e, no processo penal, constitui garantia do réu, sendo certo que seu
descumprimento pode acarretar: decisões extra petita; ultra petita ou citra petita.

33. (OAB - MG - Março - 2005) A respeito das nulidades e irregularidades no processo penal, é CORRETO afirmar que

a) os vícios no inquérito policial não geram nulidade no processo penal.


b) o vício na intimação para oferecimento das alegações finais é mera irregularidade, não atingindo a sentença proferida sem as alegações.
c) a ausência do Ministério Público na audiência de oitiva de testemunha é mera irregularidade.
d) a ausência da intimação pessoal do acusado na fase da pronúncia é mera irregularidade.

34. (Procurador da República - 2002) Quanto às nulidades processuais:

a) todas são absolutas.


b) todas podem ser argüidas a qualquer tempo.
c) se decretadas ocasionam a nulidade dos atos subseqüentes.
d) só se dão na primeira instância.
35. (OAB - RJ - 30º Exame) Assinale a resposta correta:

a) A falta de legitimidade de quem promove a ação penal importa em nulidade relativa.


b) Nulidade não pode ser pleiteada pela parte que tem interesse.
c) A prolação de sentença convalida todas as eventuais nulidades do procedimento.
d) As nulidades somente podem ser reconhecidas mediante decisão judicial.

36. (Promotor de Justiça - SP - 2005) Assinale a alternativa incorreta.

a) A nulidade relativa pode ser reconhecida pelo juiz, de ofício, a qualquer tempo do processo.
b) A nulidade pode atingir todo o processo, desde o seu início, parte do processo ou apenas um ato, sem reflexo em qualquer outro.
c) A nulidade relativa considera-se sanada pelo silêncio das partes, pela efetiva consecução do escopo visado pelo ato não obstante sua irregularidade e pela aceitação, ainda que
tácita, dos efeitos do ato irregular.
d) O princípio da instrumentalidade das formas não admite o reconhecimento da nulidade que não tenha influído na apuração da verdade substancial ou na decisão da causa.
e) Nos termos da Súmula 156 do Supremo Tribunal Federal, é absoluta a nulidade do julgamento, pelo Júri, por falta de quesito obrigatório.

37. (OAB - SC - 2007/1) Em relação às nulidades no Direito Processual Penal, assinale a alternativa correta:

a) A utilização, pelas partes, de documento materialmente falso com a finalidade de induzir o convencimento do magistrado em erro, gera nulidade do processo, mesmo que o
documento não influa na decisão da causa, porque a sanção processual visa tutelar um interesse de ordem pública, qual seja, a normalidade do desdobramento da atividade
jurisdicional do Estado.
b) O Código de Processo Penal brasileiro estabeleceu o princípio da liberdade das formas processuais, pelo qual os atos procedimentais são válidos desde que atinjam a sua
finalidade e não ocasionem prejuízo às partes.
c) A falta de descrição do fato típico na denúncia ou na queixa-crime constitui nulidade de ordem relativa, sanável a qualquer tempo, antes da sentença final, - ex vi - do disposto no
art. 569, do CPP.

d) Na ação penal, a falta da defesa constitui nulidade absoluta, mas a sua deficiência só o anulará se houver prova de prejuízo para o réu.

38. (OAB - SC - 2007/1) No tocante às nulidades, pode-se afirmar que:

a) A ilegitimidade ad processum faz com que os atos praticados sejam visceralmente nulos, porque fica comprometida a própria relação processual.
b) As nulidades absolutas não exigem demonstração de prejuízo, porque nelas o mesmo é evidente. No tocante às nulidades relativas, o prejuízo não é constatado desde logo, em
razão do que se exige alegação e demonstração do dano.
c) Segundo o CPP, causa nulidade absoluta a falta de citação do réu para verse processar, o seu interrogatório, quando presente, e o prazo concedido à acusação e defesa.
d) A falta ou a nulidade da intimação ou notificação estará sanada, desde que o interessado compareça, antes do ato consumar-se, embora declare que ° faz com o único fim de
arguí-Ia. Em relação à citação, não supre o comparecimento espontâneo do acusado para o ato.

39. (OAB - SP - Maio - 2005) No sistema brasileiro, em relação à revisão criminal,

a) não cabe quando se trata de decisão proferida pelo Tribunal do Júri porque a Constituição Federal prevê a soberania de seus veredictos.
b) ela é possível tanto pro reo como pro societate.
c) não se permite que ela seja proposta depois de o condenado ter falecido, por falta de interesse em seu resultado.
d) poderá o condenado requerê-Ia, tendo o Supremo Tribunal Federal entendido que não o impede o fato de o artigo 10, do Estatuto da OAB, considerar ser privativa de advogado a
postulação ao Judiciário.

40. (Defensor Público - MA - 2003) Da decisão de denegação de recurso em sentido estrito cabe

a) carta testemunhável.
b) agravo de instrumento.
c) agravo regimental.
d) recurso especial.
e) recurso extraordinário.

41. (Juiz de Direito - PR - 2007) Da decisão que nega seguimento à correição parcial:

a) Cabe interposição de habeas corpus.


b) NÃO cabe recurso.
c) Cabe interposição de mandado de segurança.
d) Cabe carta testemunhável.

42. (OAB - Nordeste - 2005/1) Da denegação de recurso extraordinário e de recurso especial cabe

a) apelação.
b) recurso ordinário constitucional.
c) agravo regimental.
d) agravo de instrumento.

43. (Promotor de Justiça - TO - 2006) Rogério interpôs recurso especial perante o STF, quando deveria tê-Ia feito para o STJ. O STF, diante de tal fato, converteu para o Sn o
endereçamento que lhe havia sido feito, encaminhando o recurso àquele órgão. Nessa situação, o STF aplicou o princípio recursal da

a) voluntariedade.
b) conversão.
c) fungibilidade.

d) unirrecorribilidade.

44. (Defensor Público - MA - 2003) Conforme previsão da súmula 267, do Superior Tribunal de Justiça, a interposição de recurso

a) com efeito suspensivo, contra decisão condenatória, obsta a expedição de mandado de prisão.
b) com efeito suspensivo, contra decisão condenatória, não obsta a expedição de mandado de prisão.
c) sem efeito suspensivo, contra decisão condenatória, obsta a expedição de mandado de prisão.
d) sem efeito suspensivo, contra decisão condenatória, não obsta a expedição de mandado de prisão.
e) com ou sem efeito suspensivo, contra decisão condenatória, obsta a expedição de mandado de prisão.

45. (Juiz de Direito - SP - 2006) No julgamento a que RODRIGO foi submetido perante o Tribunal do Júri, os Jurados, ao proferirem seu veredicto, reconheceram a autoria do
homicídio, sua materialidade e duas circunstâncias qualificadoras. O Juiz Presidente, ao proferir a sentença, a pretexto de corrigir injustiça na aplicação da pena, desprezou as
qualificadoras e decretou a condenação de RODRIGO por homicídio simples. Houve recurso da acusação. Assinale a alternativa correta.

a) O julgamento deve ser anulado, por ofensa manifesta à soberania dos Jurados, provido o recurso para esse fim, vedado o exame direto da matéria pelo Tribunal, pena de
violação ao princípio do duplo grau de jurisdição.
b) O Tribunal de Justiça, ao examinar o recurso, poderá ajustar a decisão ao veredicto dos Jurados.
c) O Juiz Presidente do Tribunal do Júri, Magistrado togado, constatando clara injustiça na aplicação da lei penal pelos Jurados, frente aos fatos submetidos a julgamento, pode
corrigi-Ia, excepcionalmente, quanto às circunstâncias de majoração da pena e imposição de medida de segurança, de sorte que o recurso será improvido.
d) Havendo divergência entre o posicionamento dos Jurados e do Juiz Presidente do Tribunal do Júri, em matéria relevante, deve ser dissolvido o Conselho de Sentença, com a
designação de nova data para o julgamento, prejudicado o exame do apelo quanto ao tema de mérito.

46. (OAB - RS - 2006/2) Em relação à matéria recursal no processo penal brasileiro, assinale a assertiva incorreta.

a) O recurso poderá ser interposto pelo Ministério Público, pelo querelante e pelo réu.
b) O querelante não poderá desistir de recurso interposto.
c) Salvo hipótese de má-fé, a parte não será prejudicada pela interposição de um recurso por outro.
d) O Ministério Público não poderá desistir de recurso interposto.
47. (Promotor de Justiça - MA - 2002) Assinale a alternativa incorreta:

a) Quando cabível a apelação, poderá ser usado o recurso em sentido estrito, ainda que somente de parte da decisão se recorra.
b) O recurso em sentido estrito, de regra, não tem efeito suspensivo.
c) Nos processos por crime contra a organização do trabalho, a apelação criminal nunca terá efeito suspensivo.
d) A apelação interposta contra decisão do Júri, qualquer que seja o fundamento do recurso devolve ao Juízo ad quem não só o reexame da regularidade processual, mas também
o autoriza a decretar de ofício a extinção da punibilidade, se reconhecer ter esta ocorrido.
e) A carta testemunhável é o recurso interposto quando de negado o recurso em sentido estrito.

48. (Defensor Público - MA - 2003) Segundo as regras do Código de Processo Penal, da decisão de não recebimento da denúncia por inépcia proferida por juiz de direito é cabível

a) agravo de instrumento.
b) apelação.
c) recurso em sentido estrito.
d) carta testemunhável.
e) mandado de segurança.

49. (Juiz de Direito - SP - 2006) ARNALDO foi condenado por um roubo simples consumado à pena de 3 (três) anos de reclusão, abaixo, pois, do mínimo legal. O Ministério Público
não opôs embargos de declaração e não apelou. O Tribunal, examinando recurso da defesa e constatando o erro, pode corrigir a pena?

a) Não, porque a medida implicaria em "reformatio in pejus".


b) Sim, porque todo erro material constatado na sentença pode ser suprido a qualquer tempo, não caracterizando a correção "reformatio in pejus".
c) Sim, porque a sentença está em desacordo com a lei, razão suficiente para a alteração, considerando que o descumprimento desta não tem o condão de gerar direitos ou
sacramentar vícios.
d) Não, porque a hipótese não retrata erro, mas o exercício da livre e plena discricionariedade do Magistrado na aplicação da pena, segundo seu convencimento,
independentemente da observância dos limites estampados no tipo.

50. (OAB - MG - Março - 2005) O recurso cabível da decisão do juiz de primeiro grau que não conhece da apelação e não a remete ao Tribunal ad quem é:

a) agravo de instrumento.
b) recurso em sentido estrito.
c) carta testemunhável.
d) agravo regimental.

51. (Promotor de Justiça - MG - 2005) Assinale a alternativa CORRETA. De conformidade com a Constituição Federal, com as alterações produzidas pela Emenda Constitucional nº
45/2004:

a) os recursos extraordinário e especial serão dirigidos, respectivamente, ao Supremo Tribunal Federal e ao Superior Tribunal de Justiça, nos casos previstos na Constituição
Federal, objetivando a discussão da matéria de fato e de direito apreciadas na instância recorrida.
b) no recurso extraordinário o recorrente deverá demonstrar a repercussão geral das questões constitucionais discutidas no caso, nos termos da lei, a fim de que o Tribunal examine
a admissão do recurso.
c) caberá recurso especial quando a matéria em discussão comportar análise referente à negativa de vigência ao texto da Constituição Federal.
d) as decisões proferidas em última instância pelas Turmas Recursais dos Juizados Especiais podem ser impugnadas pelo recurso especial.
e) os recursos extraordinário e especial somente poderão ser interpostos depois de julgada definitivamente a revisão criminal.

52. (Defensor Público - RN - 2006) É possível conferir-se efeito extensivo a um recurso quando

a) for possível ao juiz alterar ou revogar a sentença anteriormente proferida.


b) no concurso de agentes, somente um dos co-réus recorrer, obtendo este o reconhecimento da renúncia ao direito de representação, sendo as situações de ambos idênticas no
processo.
c) o recurso se fundamentar em motivo de caráter exclusivamente pessoal.
d) for possível ao juiz estender a decisão proferida no juízo para outros processos da mesma natureza que tramitem na vara.

53. (Juiz de Direito - SC - 2003) Assinale a alternativa correta. Se o Tribunal de Justiça, no julgamento de apelação interposta pela acusação, diminuir a pena aplicada a pessoa
condenada, haverá o que a doutrina e a jurisprudência denominam de:

a) Reformatio in pejus.
b) Reformatio in pejus indireta.
c) Reformatio in pejus direta.
d) Reformatio in mellius.
e) Reformado in mellius indireta.

54. (OAB - DF - Dezembro - 2004) O habeas corpus:

a) Destina-se a sanar qualquer coação ilegal, mesmo que para sua demonstração se torne indispensável a dilação probatória.
b) Poderá ser impetrado de ofício pelo juiz, sempre que o ato por ele praticado configurar coação ilegal.
c) Poderá ser impetrado por qualquer pessoa, inclusive pelo membro do Ministério Público, em favor do réu, mesmo sem procuração.
d) Não é cabível para argüir nulidade processual, pois para esta finalidade o Código de Processo Penal destinou as alegações finais e as razões recursais.

55. (Promotor de Justiça - MG - 2006) Quanto ao instituto do habeas corpus é CORRETO afirmar:

a) O princípio da unirrecorribilidade das decisões veda a impetração simultânea do habeas corpus e do recurso de apelação para atacar o mesmo ato jurisdicional.
b) O interessado poderá substituir o recurso extraordinário contra a decisão denegatória do habeas corpus pelo Tribunal de Justiça, pelo habeas corpus originário, proposto perante
o Supremo Tribunal Federal;
c) Qualquer pessoa, maior ou menor, natural ou jurídica, nacional ou estrangeira, pode impetrar habeas corpus, em benefício próprio ou de terceiro.
d) Não poderá ser impetrado contra decisões com trânsito em julgado, tendo em vista que contra elas é admissível a revisão criminal.
e) A decisão denegatória de habeas corpus com trânsito em julgado, que declarou não comprovado o direito líquido e certo do paciente, faz coisa julgada e obsta a propositura de
medida idêntica e com o mesmo fundamento de fato e de direito.

56. (Defensor Público - RN - 2006) Sobre o recurso em sentido estrito é correto afirmar que

a) terá efeito suspensivo quando interposto da decisão que denegar a apelação.


b) será competente para apreciar o recurso o tribunal quando interposto da decisão que negar habeas corpus.
c) o juiz somente poderá exercer o exame de admissibilidade formal do recurso, não podendo alterar ou revogar seu despacho.
d) o prazo de interposição é de oito dias contados da ciência da decisão.

57. Segundo o Código de Processo Penal, em matéria recursal, assinale a alternativa INCORRETA:

a) Da decisão que indefere reabilitação, o juiz deverá recorrer de ofício.


b) A decisão que concede liberdade provisória, com fiança ou sem ela, poderá ser impugnada por carta testemunhável.
c) Da decisão do juiz que nega seguimento à apelação, embora presentes todos os seus pressupostos de admissibilidade, caberá recurso em sentido estrito,
d) Se o condenado fugir depois de haver recorrido, será declarada deserta a apelação,

58. (OAB - DF - Março - 2006) Sobre os recursos, é correto afirmar:

a) da decisão absolutória não unânime do tribunal, cabem embargos infringentes.


b) da decisão judicial que recebe a denúncia, com classificação delitiva diversa, cabe apelação.
c) da decisão judicial que declara extinta a punibilidade, pela prescrição, cabe recurso em sentido estrito.
d) da decisão judicial que revoga o benefício da suspensão condicional da pena cabe apelação.
59. (Promotor de Justiça - CE - 2001) A peculiaridade, sob a ótica do efeito, no recurso em sentido estrito, está em que

a) ele é regressivo.
b) ele é parcialmente devolutivo.
c) ele é plenamente devolutivo.
d) ele é extensivo.
e) ele é suspensivo.

60. (Defensor Público - RN - 2006) Ainda sobre os recursos escolha a alternativa correta.

a) Poderá o ofendido mesmo que não habilitado como assistente da acusação recorrer da sentença através de apelação, quando o Ministério Público não o fizer no prazo legal.
b) Nos casos em que couber apelação, poderá ser usado o recurso em sentido estrito, quando somente de parte da decisão se recorra.
c) Em matéria processual penal, o recurso extraordinário tem efeito suspensivo.
d) Decisão que obsta seguimento a recurso admitido para a instância julgadora é passível de carta testemunhável, que se processará na forma daquele e terá efeito suspensivo do
despacho recorrida.

61. (Juiz de Direito - PR - 2007) NÃO cabe interposição de recurso em sentido estrito:

a) Contra decisão que julga procedente exceção de suspeição.


b) Contra decisão que rejeita queixa-crime.
c) Contra decisão que julga deserta a apelação.
d) Contra decisão que nega o reconhecimento da prescrição.

62. (OAB - MG - Abril- 2006) A decisão do juiz que anular parte da instrução criminal, será impugnada por:

a) recurso em sentido estrito.


b) apelação.
c) carta testemunhável.
d) embargos infringentes

63. (Promotor de Justiça - DF - 2004) Julgue os itens abaixo acerca do Habeas Corpus.
I - A sentença que o concede, em primeiro grau, está sujeita a recurso necessário.
II - Se o ato reputado ilegal for praticado por Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, competente para conhecer da impetração é o Superior Tribunal de Justiça.
III - O Ministério Público pode manuseá-Io, excepcionalmente, para satisfazer o interesse da acusação, desde que não se ponha em risco a liberdade do paciente.
IV - É cabível, somente, enquanto não transitar em julgado a sentença condenatória.
V - Pode ser concedido, de ofício, na pendência de recurso da acusação em que se pede diminuição de pena.
O número de itens corretos é

a) 1.
b) 2.
c) 3.
d) 4.
e) 5.
64. (Defensor Público - RN - 2006) De acordo com entendimento do Supremo Tribunal Federal cabe habeas corpus contra

a) decisão em processo em que se apura infração penal a que a pena pecuniária seja a única cominada.
b) decisão que impõe pena de perda de função pública.
c) decisão em processo de extradição, em que o relator se omite quando a direito estrangeiro.
d) decisão que impede de prestar fiança, nos casos em que a lei permite.

65. (Juiz de Direito - SP - 2006) SÉRGIO foi condenado por homicídio duplamente qualificado (incisos I e IV) pelo Tribunal do Júri. Inconformado, apelou, fundado na contrariedade
do julgado à prova dos autos, quanto à qualificadora do motivo torpe (inciso I). O recurso foi provido, determinada sua submissão a novo julgamento. Os Jurados, no segundo
julgamento, reafirmaram, à unanimidade, a incidência daquela qualificadora discutida. Ele, então, uma vez mais inconformado, interpôs nova apelação, debatendo a mesma questão
qualificadora. É correto afirmar que

a) o caso é de não conhecimento da segunda apelação, por versar exclusivamente sobre a mesma matéria articulada na primeira.
b) o caso é de conhecimento da segunda apelação, porque, com a anulação do primeiro julgamento, fica aberta novamente a via recursal ordinária para o reexame do mesmo tema.
c) o caso é de conhecimento da segunda apelação e seu provimento, porque a decisão dos Jurados, insistindo no reconhecimento da qualificadora, acaba por afrontar acórdão do
Tribunal, que já pronunciou entendimento de que a decisão contrariava a prova dos autos.
d) o réu, nos processos afetos ao Tribunal do Júri, independentemente da reiteração e renovação da fundamentação fático-jurídica, sempre pode recorrer ao Tribunal, com
fundamento no princípio segundo o qual não se pode excluir da apreciação do Poder Judiciário violação a direito.

66. (OAB - MG - Abril- 2006) A respeito dos requisitos de admissibilidade no processo penal é CORRETO afirmar que:

a) tem o acusado legitimidade para interpor o recurso de apelação por termo nos autos.
b) é tempestivo o recurso de agravo à execução interposto no prazo de 8 dias.
c) o Ministério Público possui interesse em recorrer da sentença absolutória em ação penal privada mesmo que o querelante não tenha recorrido.
d) o recurso de apelação interposto sem as razões recursais não preenche o requisito da regularidade formal.

67. (Promotor de Justiça - SP - 2005) Assinale a alternativa incorreta.

a) O Habeas Corpus não poderá ser interposto quando houver ameaça de violência ou coação à liberdade de locomoção, por abuso de poder ou ilegalidade.
b) O Promotor de Justiça poderá impetrar ordem de Habeas Corpus.
c) O Magistrado jamais poderá impetrar ordem de Habeas Corpus em favor de terceiro, mas poderá conceder de ofício a ordem no processo que preside.
d) Não caberá intervenção do Assistente do Ministério Público no processo de Habeas Corpus.
e) Não se pode conhecer de impetração de Habeas Corpus apócrifa.

68. (Defensor Público - MG - 2006) Tendo em vista as regras legais sobre recursos criminais é INCORRETO afirmar

a) Que, apesar de o art. 581 do CPP enumerar taxativamente as hipóteses de cabimento do recurso em sentido estrito, entende-se que esta será o recurso cabível da decisão que
rejeitar o aditamento da denúncia ou queixa.
b) Que a revisão criminal pode ser requerida a qualquer tempo, mesmo depois de cumprida a pena ou após a morte do condenado.
c) Que caberá agravo de instrumento da denegação de recurso especial ou extraordinário.

d) Que recurso de apelação tem efeito regressivo.


e) Que os embargos infringentes e de nulidade são recursos exclusivos da defesa.

69. (Juiz de Direito - ES - 2003) Do despacho que admitir, ou não, o assistente do Ministério Público CABERÁ:

a) Recurso de apelação.
b) Recurso em sentido estrito.
c) Recurso de agravo.
d) Correição parcial.
e) Não caberá recurso.

70. (OAB - MG - Dezembro - 2005) Sobre os recursos no processo penal é CORRRETO afirmar que:

a) O recurso em sentido estrito será sempre encaminhado à instância superior através de traslado para não prejudicar o andamento do processo no juízo a quo.
b) O prazo para apelar no Juizado Especial Criminal é o mesmo daquele previsto no Código de Processo Penal.
c) A apelação fundada no argumento de que a decisão do juiz presidente do Tribunal do Júri foi injusta, se provida pelo Tribunal de Justiça, importará em novo julgamento.
d) Nos juízos criminais comuns, a apelação poderá ser interposta sem o uso de petição, somente por termo nos autos.
71. (Promotor de Justiça - SP - 2005) Q)lal o remédio cabível da denegação de seguimento do agravo em execução?

a) Recurso em sentido estrito.


b) Habeas Corpus.
c) Carta testemunhável.
d) Apelação.
e) Mandado de segurança.

72. (Defensor Público - SP - 2006) O direito a justa indenização no caso de prejuízos sofridos pelo acusado e reconhecidos em condenação rescindida por revisão criminal tem o
seguinte fundamento:

a) o Código de Processo Penal no título relativo à ação civil ex delicto.


b) a necessidade de prova exclusivamente de dolo dos representantes ou agentes do Estado.
c) a necessidade de prova de dolo ou culpa dos representantes ou agentes do Estado.
d) a Constituição Federal no capítulo dos direitos e deveres individuais e coletivos.
e) a Emenda Constitucional no 45, de 08.12.2004 que trata da reforma do Poder Judiciário.

73. (Juiz de Direito - MG - 2005) Segundo o Código de Processo Penal, a revisão criminal:

a) tem como pressuposto de cabimento a não-extinção da pena.


b) permite que seja alterada a classificação do delito ou que seja anulado o processo.
c) extingue-se, por perda de objeto, se, em seu curso, o réu, que a requerera, vier a falecer.
d) não enseja a reiteração do pedido.

74. (OAB - MG - Abril- 2007) Da decisão de primeira instância, que nega seguimento a recurso em sentido estrito ao Tribunal competente, pode ser interposto o seguinte recurso:

a) Apelação.
b) Recurso em sentido estrito.

c) Carta Testemunhável.
d) Agravo em execução.

75. (Promotor de Justiça - GO - 2005) Astrogildo foi condenado à pena de dois anos de reclusão, mais multa, em regime aberto, pela prática de fato tipificado no artigo 155, § 4º,
inciso I, do Código Penal, tendo-lhe sido concedida a suspensão condicional da execução da reprimenda, nos termos do artigo 77, do mesmo Diploma Legal. A defesa pretende
recorrer apenas desta última parte, pois entende que, ao invés do sursis, o julgador deveria substituir a pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, à luz do disposto no
artigo 44 do mesmo Codex. Neste caso, o recurso cabível é:

a) recurso em sentido estrito.


b) agravo em execução.
c) apelação.
d) embargos infringentes e de nulidade.

76. (OAB - MG - Dezembro - 2006) Quanto ao recurso de apelação, assinale a alternativa CORRETA:

a) O recurso de apelação, no processo penal, pode ser interposto por petição ou por termo nos autos.
b) A interposição do recurso de apelação, no processo penal, somente pode ser realizada pelo Advogado (constituído ou nomeado), não podendo fazê-Ia o próprio recorrente.
c) Há efeito regressivo (juízo de retratação) no recurso de apelação.
d) o recurso de apelação previsto no procedimento do Juizado Especial Criminal (Lei nº 9.099/95) tem prazo idêntico às demais hipóteses de utilização do referido recurso no CPP.

77. (Procurador do Estado - BA - 2003) A Carta Testemunhável deverá ser requerida:

a) ao Escrivão.
b) ao Presidente do Tribunal de Justiça.
c) ao Corregedor da Justiça.
d) ao Juiz de Direito.
e) ao Conselho da Magistratura.

78. (Juiz de Direito - MG - 2007) Caberá recurso, no sentido estrito, da decisão, despacho ou sentença que:

a) julgar procedente exceção de coisa julgada.


b) conceder, negar, arbitrar, cassar ou julgar inidônea a fiança, indeferir revogação de prisão preventiva ou decretá-Ia, conceder liberdade provisória ou relaxar a prisão em
flagrante.
c) rejeitar argüição de nulidade processual ocorrida na instrução criminal.
d) concluir pela competência do juízo.

79. (Promotor de Justiça - BA - 2001) Em se tratando do universo recursal brasileiro, há hipóteses em que cabem simultaneamente duas espécies de recursos, dependendo da
natureza e do conteúdo da decisão judicial a ser atacada. Num desses casos, o inconformismo da parte admite a possibilidade de interposição de concomitância recursal, reunindo
um recurso voluntário e um recurso de oficio pelo juiz. São as hipóteses de decisões ou sentenças que

a) concederem mandado de segurança em matéria criminal e concluírem pelo erro judiciário na fixação da pena.
b) impronunciarem o réu e proverem mandado de injunção no crime.
c) obstruírem o seguimento de recurso interposto e revogarem medida de segurança.
d) concederem habeas corpus e absolverem sumariamente o réu.

e) decidirem pela procedência da exceção de suspeição e aplicarem reclusão igualou superior a vinte anos, no Tribunal de Júri.

80. (OAB - RS - 2006/3) Maria, única testemunha presencial de um crime de homicídio, intimada para depor em juízo sobre os fatos, adentra a sala de audiência explicando ao
magistrado que somente irá relatar o que sabe se, além do réu, também forem retirados da sala o representante ministerial e a defesa, por entender ter o direito de testemunhar
somente na presença do juiz. Indagados pelo magistrado, o Ministério Público e a defesa concordam em retirar-se. Ouvida a testemunha e encerrada a instrução, o magistrado
profere sentença de pronúncia com base unicamente no depoimento de Maria. Não há interposição de recurso. O réu, submetido ao Tribunal do Júri, é condenado, e a sentença,
transitada em julgado. Diante dos fatos, assinale a assertiva correta.

a) É cabível a impetração de habeas corpus para o Tribunal de Justiça para . argüir nulidade absoluta a partir da audiência de inquirição da testemunha Maria porque em
desconformidade com os princípios constitucionais do devido processo legal, da ampla defesa e do contraditório.
b) É cabível a impetração de habeas corpus para o Tribunal de Justiça para argüir nulidade absoluta a partir do recebimento da denúncia porque em desconformidade com os
princípios constitucionais do devido processo legal, da ampla defesa e do contraditório.
c) É cabível a impetração de habeas corpus para o Tribunal de Justiça para argüir nulidade absoluta a partir do interrogatório do réu porque em dessconformidade com os princípios
constitucionais do devido processo legal, da ampla defesa e do contraditório.
d) Não é cabível a interposição de habeas corpus porque as decisões do Tribunal do Júri são soberanas.

81. (Procurador do Estado - SP - 2005) O Ministério Público oferece denúncia contra X por infração ao art. 160 do CP e propõe a suspensão condicional do processo, prevista pela
Lei nº 9.099195 pelo prazo de 4 anos. A defesa concorda com a proposta desde que a suspensão se dê por 2 anos, condição acatada pelo juiz. Ao Ministério Público

a) cabe a interposição de recurso de apelação para a Câmara Recursal, com fundamento no art. 593, II do CPP.
b) cabe a interposição de recurso de apelação para o Tribunal de Justiça, com fundamento no art. 593, II do CPP.
c) cabe a interposição de recurso de apelação para o Tribunal de Justiça com fundamento no art. 82 da Lei nº 9.099/95.
d) cabe a interposição de recurso de apelação para a Câmara Recursal com fundamento no art. 82 da Lei nº 9.099/95.
e) não cabe recurso algum.

82. (OAB - SP - Janeiro - 2006) Os embargos de declaração, no Código de Processo Penal, poderão ser opostos por qualquer das partes, no prazo de

a) 2 (dois) dias, para declaração de sentença ou de acórdão.


b) 2 (dois) dias, para declaração de acórdão somente.
c) 5 (cinco) dias, para declaração de sentença ou de acórdão.
d) 5 (cinco) dias, para declaração de sentença somente.
83. (Juiz de Direito - MG - 2005) Contra a sentença do juiz singular, cabe apelação, com efeito suspensivo, interposta pelo:

a) Ministério Público, em caso de absolvição.


b) Ministério Público, em caso de condenação.
d) alterar a classificação da infração penal.
e) determinar o arquivamento do processo.

84. (OAB - RS - 2007) Sobre matéria recursal, assinale a assertiva correta.

a) O Ministério Público poderá desistir de recurso que haja interposto.


b) No caso de concurso de agentes, a decisão do recurso interposto por um dos réus, se fundado em motivos que não sejam de caráter exclusivamente pessoal, aproveitará aos
outros.
c) Em qualquer caso, a parte não será prejudicada pela interposição de um recurso por outro.
d) O querelante não poderá desistir de recurso que haja interposto.

85. (Procurador do Estado - SP - 2002) O juiz de execução nega ao sentenciado a concessão de livramento condicional e concede a progressão de regime. Nesse caso, é cabível

a) recurso em sentido estrito.


b) apelação.
c) agravo de instrumento.
d) agravo de execução.
e) carta testemunhável.

86. (Juiz de Direito - MG - 2005) Marque a alternativa em que o recurso indicado, independentemente do resultado do julgamento, é o cabível:

a) quando o Juiz anula, em seu todo, o processo da instrução criminal - cabe apelação.
b) quando o Juiz julga improcedentes as exceções opostas - cabe recurso em sentido estrito.
c) quando o Juiz julga extinta a punibilidade - cabe recurso em sentido estrito.
d) quando o Tribunal, em decisão não unânime, julga recurso de apelação 8cabem embargos infringentes.

87. (Promotor de Justiça - SP - 2000) Contra a decisão judicial que determina a revogação da reabilitação cabe

a) recurso de apelação.
b) recurso de ofício.
c) correição parcial.
d) recurso em sentido estrito.
e) recurso de agravo.

88. (OAB RS 2005/2) No julgamento das apelações, é defeso ao Tribunal, à Câmara ou à Turma

a) dar ao fato definição jurídica diversa da que constar da queixa ou da denúncia, ainda que, em conseqüência, tenha de aplicar pena mais grave.
b) agravar a pena, quando somente o réu houver apelado da sentença. 616
c) proceder a novo interrogatório do réu.
d) reinquirir testemunhas.

89. (Procurador do Estado - SP - 2002) Na fase da pronúncia, o juiz entende não haver prova acerca da intenção de matar, desclassificando a imputação inicial constante da
denúncia - homicídio qualificado - para aquela prevista no artigo 129, § 3º, do Código Penal. Da decisão cabe

a) apelação que terá efeito suspensivo.


b) apelação que não terá efeito suspensivo.
c) recurso em sentido estrito que terá efeito suspensivo.
d) recurso em sentido estrito que não terá efeito suspensivo.
e) habeas corpus.

90. (OAB - SP - Agosto - 2006) A respeito da revisão criminal, assinale a alternativa correta.

a) Para que o Tribunal conheça da revisão criminal, o acusado não precisa recolher-se à prisão.

b) A decisão que julgar procedente a revisão criminal pode alterar a classificação da infração, alterar a pena ou absolver o réu, mas não poderá anular o processo.
c) A revisão criminal pode ser requerida somente pelo condenado.
d) Não será admitida, em sede de revisão criminal, a reiteração do pedido.

91. (Juiz de Direito - MG - 2006) Sobre o habeas corpus é INCORRETO afirmar que:

a) não é cabível contra decisão condenatória a pena de multa, ou relativo a processo em curso por infração penal a que a pena pecuniária seja a única cominada.
b) é a via adequada para questionar medidas constrangedoras, ainda que não vinculadas à liberdade de locomoção, como a autorização da quebra de sigilo bancário no bojo do
inquérito policial.
c) não é a via adequada para discutir a concessão da suspensão condicional da pena.
d) não é a via adequada para discussão de condenação baseada em prova ilícita, inclusive de escuta telefônica, quando a matéria desafia a visão ampla do conjunto de prova.

92. (Promotor de Justiça - DF - 2001) Assinale a opção incorreta a respeito dos recursos no processo penal.

a) O defensor público não é obrigado a interpor recurso contra a condenação do réu por ele assistido.
b) A apelação contra decisão prolatada pelo tribunal do júri é de fundamentação vinculada.
c) Anulado o processo, por vício da sentença monocrática, em recurso exclusivo da defesa, não poderá a segunda sentença impor pena superior à que fora anteriormente fixada.
d) A fuga do acusado, às vésperas do julgamento do recurso em sentido estrito interposto contra a decisão de pronúncia, implicará deserção.

93. (OAB - Nordeste - 2005/1) João foi condenado ao cumprimento de pena privativa de liberdade fixada em 12 anos, em regime fechado, com direito à progressão, decisão esta
que já transitou em julgado. Cumprido o lapso temporal e entendendo presentes ou requisitos de ordem subjetiva, o advogado de João pleiteou fosse o sentenciado transferido para
o regime semi-aberto, pedido que, no dia de ontem, restou indeferido pelo juízo em que tramita a execução. Diante desse indeferimento, a medida cabível à espécie é

a) o recurso de agravo, com efeito suspensivo.


b) o recurso em sentido estrito.
c) a revisão criminal.
d) o recurso de agravo, sem efeito suspensivo.

94. (Procurador da República - 2002) Caberão embargos divergentes e de nulidade:

a) da decisão não unânime de segunda instância que pronuncia o réu.


b) da decisão do juiz singular que condena o réu.
c) de qualquer acórdão que julgue apelação criminal.
d) da decisão do juízo "ad quem" que absolva o réu, desde que por maioria.

95. (OAB - SP - Agosto - 2006) Da decisão de pronúncia do réu, no procedimento do Tribunal do Júri, caberá

a) recurso de apelação.
b) recurso em sentido estrito.
c) recurso de agravo.
d) carta testemunhável.
96. (Juiz de Direito - SE - 2008) Quanto aos recursos no processo penal, assinale a opção correta.

a) A apelação contra a sentença absolutória não tem efeito suspensivo.

b) A apelação admite os efeitos extensivo e regressivo.


c) O recurso em sentido estrito admite a deserção.
d) Admite-se carta testemunhável da decisão que denega apelação.
e) Admitem-se embargos infringentes contra o julgamento do pedido de desaforamento.

97. (Promotor de Justiça - AP - 2005) Assinale a alternativa correta.

a) O recurso de apelação, em razão do princípio do duplo grau de jurisdição, pode ser interposto de forma a requerer a reforma total ou parcial da sentença.
b) Havendo dois ou mais apelantes, após, assinados os termos para recorrer, terão o prazo de 08 (oito) dias, sucessivamente, para apresentar as razões.
c) Os prazos para a interposição do recurso de apelação e para apresentação das razões são fatais.
d) Fabico de Tal, foi condenado em julgamento perante o Tribunal do Júri da comarca de Macapá a 20 (vinte) anos, pela prática de homicídio, e a 06 (seis) anos e 02 (dois) meses,
pela prática de atentado violento ao pudor, inconformado com a sentença condenatória, interpôs recurso de Protesto por novo júri.

98. (OAB - RS - 2005/1) Sobre recursos criminais e ações autônomas de impugnação, assinale a assertiva incorreta.

a) A ação de revisão criminal não possui prazo para ser exercida, podendo ser ajuizada ainda que a pena já tenha sido integralmente cumprida ou tenha falecido o réu.
b) A atual orientação do Supremo Tribunal Federal é no sentido da possibilidade de prisão do réu para apelar, desde que presentes os pressupostos e requisitos da prisão
preventiva.
c) O duplo grau de jurisdição é princípio inerente ao Estado Democrático de Direito, que exige controle de todo ato estatal, controle esse que também pode ser exercido por meio
das ações autônomas de impugnação de habeas corpus e mandado de segurança.
d) O recurso que indefere pedido da defesa sobre reconhecimento de causa prescricional durante a dilação probatória não tem efeito regressivo, uma vez que o juiz não pode
reconsiderar sua decisão.

99. (Juiz de Direito - SP - 2003) Em face de decisão judicial que, acolhendo requerimento do Ministério Público, determina o arquivamento de inquérito instaurado para a
investigação sobre crime de ação pública, o recurso que a vítima inconformada poderá interpor é

a) apelação.
b) em sentido estrito.
c) nenhum.
d) pedido de envio dos autos à Procuradoria Geral da Justiça, na forma do art. 28 do Código de Processo Penal.

100. (Promotor de Justiça - PR - 2002) No tocante aos recursos, é correto afirmar:

a) Da decisão absolutória não unânime do Tribunal, cabem embargos infringentes.


b) Da decisão judicial que recebe a denúncia, com classificação delitiva diversa, cabe apelação.
c) Da decisão judicial que declara extinta a punibilidade, pela prescrição, cabe recurso em sentindo estrito.
d) Da decisão judicial que revoga o benefício da suspensão condicional da pena cabe apelação.
e) Em juízo de retratação, o juiz que concluíra pela sua incompetência, reforma seu entendimento, dando-se por competente. Desta decisão cabe recurso em sentido estrito.

101. (OAB - MG - Abril- 2007) Sobre os recursos, marque a alternativa CORREETA:

a) Para cada espécie de decisão, existem pelo menos dois recursos cabíveis.

b) Todo recurso tem efeito extensivo.


c) Em nome da ampla defesa, o recurso não exige fundamentação.
d) Tem interesse em recorrer a parte que teve uma expectativa contrariada na decisão.

102. (Juiz de Direito - SP - 2005) Denegada a apelação no Juízo a quo, qual é o recurso cabível a ser interposto pelo apelante frustrado?

a) Recurso em sentido estrito.


b) Carta testemunhável.
c) Correição parcial.
d) Agravo de instrumento.

103. (Promotor de Justiça - RS - 2003) O recurso em sentido estrito é cabível:

a) Das decisões definitivas de condenação proferidas por juiz singular.


b) Das decisões do Tribunal do Júri manifestamente contrárias à prova dos autos.
c) Das decisões do Tribunal do Júri quando a sentença contrariar lei expressa.
d) Das decisões que reconhecerem a prescrição ou julgarem, por outro modo, extinta a punibilidade.
e) Das decisões definitivas de absolvição proferidas por juiz singular.

104. (OAB - MG - Março - 2005) A respeito dos requisitos de admissibilidade dos recursos no processo penal, é CORRETO afirmar que

a) tem legitimidade para interpor o recurso de apelação, a favor do acusado, somente o seu defensor.
b) a contagem do prazo para interposição do recurso de apelação a favor do acusado inicia-se sempre pela intimação do defensor do acusado.
c) pode o Ministério Público na fase das razões do recurso em sentido estrito desistir do recurso.
d) a apelação será considerada deserta quando houver a fuga do acusado.

105. (Juiz de Direito - SP - 2005) Qp.al é o prazo para apelação da sentença prolaatada nos feitos sujeitos ao rito procedimental da Lei n°. 9.099195 (Infrações Penais de Menor
Potencial Ofensivo)?

a) 15 (quinze) dias.
b) 05 (cinco) dias.
c) 10 (dez) dias.
d) 03 (três) dias.

106. (OAB - SP - Abril- 2007) Assinale a alternativa correta no que tange aos recursos.

a) O Ministério Público poderá desistir do recurso que haja interposto.


b) Caberá apelação da decisão que indeferir o pedido de reconhecimento da prescrição.
c) O réu não poderá apelar de sentença absolutória proferida em primeira instância.
d) O Juiz de 1 º grau deverá recorrer de ofício da sentença que conceder habeas corpus.

107. (Promotor de Justiça - SP - 2000) Com relação ao despacho judicial que admite, ou não, o assistente do Ministério Público, pode-se afirmar que

a) cabe recurso de ofício.


b) cabe recurso em sentido estrito.
c) não cabe recurso, mas do indeferimento é possível a interposição de corrreição parcial.
d) cabe agravo de instrumento.
e) não cabe recurso, mas do indeferimento é possível a interposição de manndado de segurança.

108. (OAB - Nordeste - 2005/1) Da decisão que julgar extinta a punibilidade do acusado, cabe o seguinte recurso:

a) apelação.
b) recurso em sentido estrito.
c) agravo em execução.
d) embargos de declaração.
109. (Juiz de Direito - PR - 2007) No tocante ao habeas corpus é correto afirmar:

a) Que sua interposição é válida para constrições de liberdade oriundas da esfera cível.
b) Que é cabível em processo por ilícito cuja pena cominada seja unicamente a pecuniária.
c) Que compete ao STJ o julgamento quando interposto contra decisão oriunda da turma recursal de juizados especiais criminais.
d) Que é cabível mesmo já extinta a pena privativa de liberdade.

110. (Promotor de Justiça - PB - 2003) A Carta Testemunhável deverá ser requerida:

a) ao Escrivão.
b) ao Presidente do Tribunal de Justiça.
c) ao Corregedor da Justiça.
d) ao Juiz de Direito.
e) ao Conselho da Magistratura;

111. (OAB - Nordeste - 2005/1) Quais os efeitos possíveis em se tratando de recurso em sentido estrito e agravo em execução?

a) Devolutivo, regressivo e, em alguns casos, o suspensivo.


b) Só devolutivo.
c) Regressivo e suspensivo sempre.
d) Devolutivo, regressivo, extensivo e suspensivo sempre.

112. Assinale a alternativa incorreta.

a) Da decisão que não recebe a denúncia cabe recurso em sentido estrito, conforme o Código de Processo Penal.
b) Cabe protesto por novo júri em caso de condenação a pena privativa de liberdade igualou superior a 20 anos.
c) Os embargos infringentes, no Código de Processo Penal, podem ser interpostos pelo acusado e não pelo Ministério Público.
d) Os embargos de declaração interpostos com base na Lei dos Juizados Especiais Criminais podem ser formulados no prazo de 5 dias.

113. (Promotor de Justiça - AM - 2001) Acerca dos recursos no processo penal, assinale a opção correta.

a) A apresentação das razões recursais extemporaneamente acarreta o não conhecimento da apelação, mesmo que tenha sido interposta no qüinqüídio legal.
b) Não se conhece recurso de apelação interposto pelo MP por cota nos autos.
c) No recurso em sentido estrito, é facultado ao recorrente arrazoar na instância superior.
d) O assistente de acusação não tem legitimidade para interpor recurso de apelação que objetive agravar a pena imposta ao réu.
e) .A interposição de recurso especial, bem como de extraordinário, não dá efeito suspensivo à decisão condenatória e não impede, por essa razão, a execução provisória do
julgado após ser confirmado em segundo grau de jurisdição.

114. (OAB - Nordeste - 2005/1) A carta testemunhável tem por finalidade provocar o reexame

a) da apelação e do protesto por novo júri.


b) do recurso em sentido estrito e do agravo em execução.
c) do recurso em sentido estrito e da apelação.
d) do agravo em execução e da apelação.

115. (Juiz de Direito - PR - 2008) Sobre a revisão criminal, assinale a alternativa correta:

a) Quando o Supremo Tribunal Federal dá provimento, em desfavor do réu, a recurso extraordinário interposto pelo Ministério Público, a competência para processar a revisão
criminal que questionar o julgamento da matéria constitucional ainda será do Tribunal de Justiça ou Tribunal Regional Federal.
b) No pedido de revisão criminal, o requerente não poderá formular pedido de indenização pelos prejuízos sofridos.
c) Em nenhuma hipótese será admitida a reiteração de pedido de revisão criminal.
d)Da decisão do relator que indefere liminarmente o pedido de revisão criminal por tê-Io como insuficientemente instruído, cabe recurso inominado ao órgão competente para julgar
a revisão.

116. (Promotor de Justiça - SP - 2000) Agindo em co-autoria, pai e filho, de dezoito anos, cometem crime contra o patrimônio e são julgados e condenados. Em apelação interposta
pelo filho, este consegue a diminuição da pena corporal aplicada, invocando apenas a atenuante da menoridade do agente. A decisão do Tribunal

a) deve ser estendida ao pai, diante do efeito extensivo da apelação.


b) não deve ser estendida ao pai, pois este não interpôs qualquer recurso.
c) deve ser estendida ao pai, pois os efeitos do recurso alcançam o co-réu, ainda que fundado em motivos de caráter exclusivamente pessoal.
d) deve ser estendida ao pai, diante do efeito regressivo da apelação.
e) não deve ser estendida ao pai, pois o recurso foi fundado em motivos de caráter exclusivamente pessoal.

117. (OAB - RS - 2006/1) Quanto aos recursos no processo penal, assinale a assertiva correta.

a) Na hipótese de o Tribunal prover o recurso de um dos réus no sentido de afastar a majorante atinente à utilização de arma de fogo no roubo, os demais, ainda que não tenham
recorrido, aproveitarão a decisão.
b) Há previsão legal de recurso de ofício da decisão de impronúncia.
c) Cabe protesto por novo júri da decisão que, em grau de apelação, majora a pena para 15 anos de reclusão por homicídio qualificado.
d) Da decisão que recebe a denúncia cabe recurso em sentido estrito.

118. (Juiz de Direito - MG - 2007) Se da sentença absolutória não for interposta apelação pelo Ministério Público no prazo legal:

a) o ofendido poderá interpor apelação no efeito suspensivo, se o crime for da competência do Tribunal do Júri.
b) o ofendido não poderá interpor recurso algum.
c) o ofendido poderá interpor apelação, desde que tenha se habilitado como assistente antes da prolação da sentença.
d) o ofendido poderá interpor apelação em até 15 (quinze) dias, cujo prazo correrá do dia em que terminar o do Ministério Público.

119. (Promotor de Justiça - DF - 2001) Acerca do habeas corpus, assinale a opção correta.

a) A lei determina que o Ministério Público deve emitir seu parecer sobre o caso, tanto no primeiro quanto no segundo graus de jurisdição.

b) Na hipótese de coação imputada a promotor de justiça do Distrito Federal (DF), o hábeas corpus deve ser julgado por uma das varas criminais da cirrcunscrição onde se praticou
o indigitado ato ilegal.
c) Tanto da concessão quanto da denegação do habeas corpus pelo juiz de direito, cabe recurso em sentido estrito.
d) É vedado ao tribunal, em recurso interposto exclusivamente pelo Ministério Público para agravar a pena imposta ao réu, conceder habeas corpus, de ofício, para trancar a ação
penal.

120. (OAB - RS - 2006/2) Em relação à impetração de habeas corpus, assinale a assertiva incorreta.

a) A impetração via fac-símile depende da entrega dos originais dentro do prazo legal.
b) A impetração por e-mail depende da entrega dos originais dentro do prazo legal.
c) É possível a impetração por telefone.
d) Não é possível a impetração por meios eletrônicos ou telefônicos.

121. (Promotor de Justiça - ES - 2005) Com relação ao chamado "recurso ex oficio", assinale a alternativa INCORRETA:

a) terá lugar quando o juiz proferir sentença que conceder o habeas corpus.
b) terá lugar quando o juiz arquivar inquérito policial instaurado para apurar crime contra a economia popular ou contra a saúde pública ou quando condenar o acusado em um
desses crimes.
c) não transita em julgado a decisão que omiti-lo.
d) terá lugar quando o juiz julgar procedente o pedido de reabilitação criminal.
123. (OAB - RS - 2006/3) É possível interpor recurso de apelação quando

a) houver erro ou injustiça na aplicação da medida de segurança.


b) o juiz denegar o recurso em sentido estrito.
c) o juiz deferir pedido de prisão preventiva.
d) o juiz paralisar o processo de forma injustificada.

124. (Promotor de Justiça - SP - 2000) Tratando-se de recurso em sentido estrito, subirá nos próprios autos o recurso interposto contra a decisão que

a) concluir pela incompetência do juízo.


b) absolver o réu, nos casos do art. 411 do CPP.
c) julgar procedente a exceção de suspeição.
d) indeferir requerimento de prisão preventiva.
e) denegar a apelação ou a julgar deserta.

125. (OAB - RS - 2007) Assinale a assertiva correta sobre embargos de declaração no processo penal.

a) São cabíveis somente em vista de acórdão, e não de sentença.


b) O prazo para sua interposição é de 15 dias.
c) Protocolada a petição de recurso, será aberto prazo de 2 dias para o oferecimento das razões recursais.
d) Qualquer das partes poderá, no prazo de 2 dias, pedir ao juiz que declare a sentença, sempre que nela houver obscuridade, ambigüidade, contradição ou omissão.

126. (Promotor de Justiça - AM - 2001) Acerca dos recursos no processo penal, assinale a opção correta.

a) A apresentação das razões recursais extemporaneamente acarreta o não conhecimento da apelação, mesmo que tenha sido interposta no qüinqüídio legal.

b) Não se conhece recurso de apelação interposto pelo MP por cota nos autos.
c) No recurso em sentido estrito, é facultado ao recorrente arrazoar na insstância superior.
d) O assistente de acusação não tem legitimidade para interpor recurso de apelação que objetive agravar a pena imposta ao réu.
e) A interposição de recurso especial, bem como de extraordinário, não dá efeito suspensivo à decisão condenatória e não impede, por essa razão, a execução provisória do
julgado após ser confirmado em segundo grau de jurisdição.

127. (OAB - RS - 2007) Em sede de processo penal, no recurso de apelação, o efeito que beneficia o co-réu não recorrente é

a) suspensivo.
b) translativo.
c) extensivo.
d) devo1utivo.

128. (Promotor de Justiça - MA - 2002) Q}1al dos recursos abaixo é de exclusividade do réu, não sendo dado interpô-lo o Ministério Público, o querelante, o ofendido ou o
assistente?

a) Habeas corpus.
b) Apelação criminal.
c) Embargos de declaração.
d) Embargos infringentes.
e) Carta testemunhável.

130. (OAB - RS - 2007) É correto afirmar que, em sede de processo penal, a interposição de embargos infringentes

a) é exclusiva da acusação.
b) é exclusiva da defesa.
c) pode ser de ofício pelo órgão julgador.
d) tem prazo de 10 dias, sendo 5 para a interposição e 5 para o oferecimento de razões.

131. (Promotor de Justiça - SP - 2000) Pelo sistema processual penal vigente, inexiste previsão legal de recurso de ofício para as sentenças

a) de absolvição sumária.
b) concessivas de habeas corpus.
c) absolutórias referentes aos crimes contra a economia popular.
d) de impronúncia.
e) de reabilitação.

132. (OAB - SC - Dezembro - 2006) O recurso da carta testemunhável:

a) É dirigido ao escrivão e visa ao seguimento dos recursos.


b) Terá o prazo de 5 dias, a contar da data da publicação em órgão oficial.
c) Pode substituir o recurso de apelação, por possuir os efeitos devolutivo e suspensivo.
d) É dirigido ao juiz da causa e visa atacar decisões interlocutórias.

133. (Promotor de Justiça - DF - 2004) Em matéria de recursos, assinale a alternativa incorreta.

a) O assistente tem legitimidade para recorrer da decisão que extingue a punibilidade.


b) O recurso em sentido estrito interposto contra decisão que denegar apelação é recebido no efeito suspensivo.
c) A fuga do acusado, depois de haver recorrido em sentido estrito, importa em deserção.

d) O efeito devolutivo de apelação contra decisões do Júri é adstrito aos fundamentos da sua interposição.
e) A renúncia do acusado ao direito de apelação, manifestada sem a assistência do defensor, não impede o conhecimento da apelação por este interposta.

134. (OAB - SC - Dezembro - 2006) Com relação aos recursos criminais, é certo afirmar:

a) O Ministério Público, por falta de previsão legal, não pode interpor a Revisão Criminal em favor do condenado.
b) Sendo o habeas corpus denegado pelo juízo de 1º grau, dessa decisão caberá Recurso em Sentido Estrito; não sendo esse recurso admitido pelo juízo a quo, caberá dessa
decisão agravo regimental para o juízo ad quem.
c) Sendo o Juiz Federal a autoridade coatora, o habeas corpus deve ser impetrado junto ao Superior Tribunal de Justiça em razão de dispositivo constitucional.
d) Quando do julgamento da Revisão Criminal, não poderá o Tribunal reconhecer o direito a uma justa indenização ao interessado se a acusação houver sido meramente privada.

135. (Promotor de Justiça - SP - 2002) Sendo o inquérito policial referente a crime de ação penal pública arquivado pelo Juiz de Direito, sem a manifestação do representante do
Ministério Público, caberá

a) pedido de reconsideração.
b) recurso em sentido estrito.
c) habeas corpus.
d) mandado de segurança.
e) correição parcial.

136. (OAB - SP - Dezembro - 2006) Em relação aos efeitos existentes nos recursos criminais, é certo afirmar:

a) A personalidade (que é a regra), consiste que todos os réus se aproveitam do recurso interposto por apenas um deles.
b) O efeito extensivo surge no caso de concurso de agentes, sendo que a decisão do recurso interposto por um dos réus, por todos será aproveitada, desde que não esteja
fundamentada em motivos de caráter exclusivamente pessoal.
c) Os efeitos devolutivo e suspensivo são observados nas sentenças absolutórias.
d) Os efeitos devolutivo e suspensivo são a regra.
137. (Promotor de Justiça - GO - 2005) Nas hipóteses de cabimento de apelação contra decisão do Tribunal do Júri, apenas uma não admite juízo rescisório, ou seja, se o Tribunal
der provimento ao recurso, seu acórdão não substitui o julgamento precedente. Assinale esta hipótese na relação abaixo:

a) quando houver nulidade posterior à pronúncia.


b) quando a sentença do juiz for contrária à lei expressa ou à decisão dos jurados.
c) quando houver erro ou injustiça na aplicação da pena.
d) quando a decisão dos jurados for manifestamente contrária à prova dos autos.

138. (OAB - SP - Abril- 2006) Sobre habeas corpus, é correto afirmar que

a) ele não serve para declarar a nulidade do processo porque, nesse caso, não há violação à liberdade de locomoção.
b) sem advogado, impetrar ordem de habeas corpus em seu favor.
c) o impetrante deve ser o paciente.
d) é expedido salvo conduto quando a ordem for concedida para evitar ameaaça de violência ou coação ilegal.

139. (Promotor de Justiça - SP - 2005) Assinale a alternativa incorreta.

a) Em regra, os recursos serão sempre voluntários.


b) Os recursos só poderão ser interpostos por petição.
c) Os efeitos do recurso são: devolutivo, suspensivo, extensivo e regressivo.
d) O despacho que determina o arquivamento do inquérito policial, a requerimento do Ministério Público, é irrecorrível.
e) O oferecimento das razões de apelação fora do prazo legal constitui mera irregularidade.

140. (OAB - SP - Abril- 2006) A revisão criminal é considerada pela doutrina mais recente e majoritária

a) recurso, como está tratada no Código de Processo Penal.


b) ação impugnativa, como está tratada no Código de Processo Penal.
c) ação impugnativa porque, apesar de mencionada como recurso no Código de Processo Penal, não tem essa natureza.
d) recurso porque, apesar de mencionada como ação impugnativa no Código de Processo Penal, não tem essa natureza.

141. (OAB - SP - Abril- 2007) Para interposição de Agravo de Instrumento contra despacho denegatório de seguimento de recurso especial e extraordinário em matéria penal, o
prazo é de

a) 05 (cinco) dias.
b) 08 (oito) dias.
c) 10 (dez) dias.
d) 15 (quinze) dias.

142. (OAB - SP - Abril- 2007) Qual O recurso cabível em face da decisão de um juiz de primeira instância que concede ou nega ordem de habeas corpus?

a) Recurso ordinário.
b) Apelação.
c) Recurso em sentido estrito.
d) Carta testemunhável.