Anda di halaman 1dari 13

Mecânica dos Solos I

(TEC00259)

Tensões Normais Devidas ao Peso


Próprio dos Solos

Prof. Manoel Isidro de Miranda Neto


Eng. Civil, DSc
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO
2. TENSÕES NORMAL, TANGENCIAL e NEUTRA
3. O PRINCÍPIO DA TENSÃO EFETIVA
4. TENSÕES GEOESTÁTICAS
5. CONDIÇÃO de REPOUSO
6. CAPILARIDADE e SUCÇÃO
7. EXERCÍCIOS
8. EXERCÍCIOS com ARTESIANISMO
INTRODUÇÃO

• No sistema particulado como o solo os esforços


são transmitidos grão a grão.
• A avaliação desses esforços nos contatos entre
grãos é virtualmente impossível.
CONCEITO

• Admitindo a mecânica do contínuo.


• O conceito de tensão em um ponto qualquer no
solo decorre da carga devida ao peso próprio e
da sobrecarga aplicada no solo.
DEFINIÇÃO

• Sobre um plano elementar com área A, no interior do


solo, os esforços atuantes podem ser decompostos em:
forças normais (N); e forças tangenciais (T).
• Define-se tensão normal s = N/A e tensão tangencial ou
cisalhante t = T/A como as tensões atuantes num plano
qualquer no interior da massa de solo.
• Nos solos saturados, define-se tensão neutra ou poro-
pressão ao estado de tensões atuante no fluído nos
interstícios do solo e denota-se pela letra u.
TENSÕES NOS SOLOS
• Tomando um plano elementar horizontal no interior de
uma massa de solo, pode-se verificar que esse plano
cortaria grãos e vazios e que as tensões atuantes nesse
plano seriam as tensões atuantes nas seções minerais
cortadas por esse plano e nos contatos entre grãos.
TENSÕES NORMAIS
• Admitindo um plano
ondulado tal que passe
pelos contatos entre os
grãos, o valor da tensão
normal nesses contatos
será elevadíssimo, da
ordem de 100 MPa, em
razão da área de contato
ser normalmente inferior a
1% da área total.
• Na prática da engenharia
geotécnica, onde os
valores de tensões
normais variam entre 1 a
1.000 kPa, adota-se a
área total para o cálculo
das tensões normais.
O PRINCÍPIO DAS TENSÕES
EFETIVAS
• As tensões em qualquer ponto de uma seção
numa massa de solo podem ser computadas a
partir das tensões principais totais s1, s2 e s3
que agem neste ponto.
• Se os vazios do solo estiverem preenchidos por
água sob uma pressão u, as tensões principais
totais consistem em duas parcelas.
• Uma parcela u que atua na água e nos grãos
sólidos em todas as direções com igual
intensidade. Esta parcela é chamada de
pressão neutra ou poro-pressão.
O PRINCÍPIO DAS TENSÕES
EFETIVAS
• As diferenças, s1’ = s1 - u; s2’ = s2 – u; e s3’ =
s3 - u, representam um excesso sobre a pressão
neutra e são suportadas exclusivamente pelo
esqueleto sólido do solo.
• Essas parcelas das tensões principais totais são
chamadas tensões principais efetivas.
• Todos os efeitos mensuráveis oriundos da
variação de tensões, tais como compressão,
distorção e mudança na resistência ao
cisalhamento, são exclusivamente devidas às
variações das tensões efetivas.
Tensão efetiva

Fonte: notas de aula do Prof. Ian Martins (COPPE/UFRJ)

Fonte: notas de aula do Prof. Ian Martins (COPPE/UFRJ)


Fonte: notas de aula do Prof. Ian Martins (COPPE/UFRJ)
Tensões Geoestáticas

Fonte: notas de aula do Prof. Ian Martins (COPPE/UFRJ)


Condição de Repouso

Fonte: notas de aula do Prof. Ian Martins (COPPE/UFRJ)


Tensão vertical

Fonte: notas de aula do Prof. Ian Martins (COPPE/UFRJ)

Fonte: notas de aula do Prof. Ian Martins (COPPE/UFRJ)