Anda di halaman 1dari 11

ALFRED REGINALD RADCLIFFE-BROWN, F.B.A.

, 1881-1955: A MEMOIR

by MEYER FORTES, William Wyse Professor of Social Anthropology in the University of


Cambridge

O professor A. R. Radcliffe-Brown, professor emérito de antropologia social da Universidade


de Oxford e ex-membro do All Souls College, morreu em Londres em 24 de outubro de 1955,
em seu 75 ° ano. Ele ficou gravemente doente nos últimos cinco anos de sua vida. Enquanto
estava na Universidade de Rhodes, na África do Sul, em 1954, ele caiu e quebrou algumas
costelas e, apesar de ter feito uma recuperação notável, o acidente provavelmente agravou a
doença pulmonar que minava sua constituição. Ele nunca lamentou muito. Por mais doente
que estivesse, sempre se alegrava em ver seus amigos e conhecer antropólogos mais jovens.
Até o fim, ele permaneceu dedicado ao seu ideal ao longo da vida, o avanço da antropologia
social como uma disciplina científica e humanística. A carta póstuma sobre a organização
local australiana no American Anthropologist (Vol. LVIII, Parte 2 (1956), p. 363) foi escrita
em suas próprias mãos quando ele estava doente no hospital. É um fragmento, mas
autenticamente o trabalho do mestre, tão claro, pungente e infalível quanto seus primeiros
artigos controversos.

Quando o vi pela última vez, pouco antes de sua morte, ele falou com entusiasmo da
antropologia de Cambridge nos primeiros dias e de suas visitas aos Havelock Ellises quando
menino. A sra. Ellis, disse ele, com um lampejo da vaidade que era, nele, uma qualidade
simpática, costumava acusá-lo de ter engolido uma enciclopédia. Lembrei-me do meu
primeiro encontro com ele. Isso ocorreu em 1931, quando ele estava a caminho de Chicago, e
parou na Inglaterra para cumprir seus deveres como presidente da Seção H da Associação
Britânica para o Avanço da Ciência, que se reunia em Londres. Evans-Pritchard foi nosso
anfitrião. Ele voltou recentemente dos Nuer e logo chamou Radcliffe-Brown para uma
discussão sobre a organização social dos Nuer. Seguiu-se um comentário de improviso sobre
o conceito de linhagem, que foi minha primeira experiência com o grande presente de
exposição lúcida e radiante de Radcliffe-Brown.

Radcliffe-Brown recebeu duas vezes o tributo tradicional de homenagem e carinho dado a um


grande professor por seus colegas e alunos. O primeiro foi o volume de ensaios Antropologia
Social das Tribos Indianas da América do Norte, editado por Fred Eggan e apresentado a ele
quando deixou Chicago em 1937. A Introdução de Robert Redfield é, como Eggan diz em seu
prefácio à reedição ( 1955) do livro, "ainda a melhor avaliação breve de Radcliffe-Brown e
suas contribuições para a Antropologia." O segundo foi o volume de ensaios intitulados
Estrutura Social: Estudos Apresentados a AR Radcliffe-Brown, que tive o privilégio de editar
para apresentação para ele quando se aposentou da cadeira de Oxford em 1946. O Prefácio
complementa o de Redfield com um esboço da carreira de Radcliffe-Brown. Mais detalhes
são dados no Prefácio de Evans-Pritchard e Eggan à coleção dos trabalhos de Radcliffe-
Brown publicados em 1952 com o título Estrutura e Função na Sociedade Primitiva.

Das ações de Warwickshire, Radcliffe-Brown foi educada na King Edward's High School, em
Birmingham. Depois de um ano de ciências pré-médicas em Birmingham, ele ganhou uma
bolsa de estudos no Trinity College, Cambridge, em 1901, e a manteve até 1906. Ele me disse
que originalmente esperava ler para os Tripos de Ciências Naturais, mas escolheu Ciência
Mental e Moral no conselho do tutor. Naquela época, a Economia e a Psicologia Experimental
ainda estavam no currículo deste Tripos e Radcliffe-Brown recebeu uma boa base em ambos.
Ele se formou em 1904, com uma Primeira Classe, primeira divisão. Foi através de seu
trabalho em psicologia experimental que ele entrou em contato próximo com C. S. Myers e
W. H. R. Rivers e, por último, com antropologia e com A. C. Haddon. Ele registrou que ele
foi o primeiro aluno de Rivers em antropologia, em 1904. Seu nome está em primeiro lugar
em uma lista cronológica de 'nomeações conquistadas por ex-alunos' que Haddon incluiu em
um memorando de antropologia em Cambridge de 21 de junho de 1923. é o que Haddon diz:
'A. R. Brown, M.A., ex-membro do Trinity College, fez um trabalho absolutamente de
primeira classe em seus estudos e publicações sobre os andamaneses e em várias tribos
australianas. Ele foi eleito aluno de Anthony Wilkin em 1906 e novamente em 1909.
Atualmente, é professor de antropologia social na Universidade da Cidade do Cabo. '

O primeiro contato direto de Radcliffe-Brown com as partes do mundo em que seu trabalho
de vida acabou por se estabelecer foi em 1905. Ele acompanhou a Associação Britânica para o
Avanço da Ciência à sua reunião na África do Sul como um dos secretários da Seção H, da
qual Haddon foi o presidente. Os visitantes viajaram para o norte, até as Cataratas Vitória; e é
interessante notar que um dos artigos lidos na Seção H foi de Junod na Bathonga.

Reeleito Anthony Wilkin Student, ele foi para a Austrália em 1910. Os dois anos seguintes
foram gastos em pesquisa de campo. Os resultados foram descritos no artigo de 1913 no
Journal of the R.A.I. Essa investigação lançou as bases de seu profundo conhecimento da
organização social australiana e de seu estudo ao longo da vida dos sistemas de parentesco.

De volta à Inglaterra em 1913, Radcliffe-Brown concluiu sua revisão de The Andaman


Islanders, mas devido à eclosão da Primeira Guerra Mundial, ela não foi publicada até 1922.
Vale a pena registrar que ele deu um curso de palestras sobre Antropologia Social em
Birmingham Universidade durante dezembro de 1913 e janeiro de 1914. Isso surgiu da
reunião de 1913 da Associação Britânica para o Avanço da Ciência, realizada em
Birmingham. O Presidente da Seção H, Sir Richard Temple, dedicou a maior parte de seu
discurso presidencial a um apelo por estender o ensino de antropologia nas universidades e
propôs que a Universidade de Birmingham liderasse. Sua ênfase estava na utilidade dos
estudos antropológicos para aqueles cujo trabalho como administradores, missionários ou
comerciantes os levaria a partes estrangeiras e foi por isso que ele pensou que Birmingham,
com suas conexões comerciais em todo o mundo, era tão adequado como um centro para eles.
A resposta da Universidade foi convidar Radcliffe-Brown para dar este curso de palestras. A
alta opinião de Temple sobre Radcliffe-Brown é melhor vista na resenha que ele escreveu, em
1922 (MAN, 1922, 71), de The Andaman Islanders, que ele entusiasticamente saudou como
"uma teoria revolucionária da antropologia social".

As palestras foram publicadas na imprensa de Birmingham. Eles cobriram o mesmo terreno


do curso anterior de Cambridge. A nota encontrada é aquela que se tornou familiar mais tarde.
Na primeira palestra, Radcliffe-Brown explicou o que ele queria dizer com estudo científico
da sociedade, referindo-se como ilustração à política utópica. Foi um erro, ele disse, pensar
que mudanças na sociedade poderiam ser provocadas simplesmente fazendo a maioria dos
eleitores apoiar alguma legislação. Pois a sociedade humana era, para citar a reportagem do
jornal, "tanto o produto da lei natural quanto qualquer outro tipo de fenômeno no universo" e
as instituições sociais eram "o resultado de certos princípios que eles poderiam estudar
descobrir". A palestra compara "sociedades selvagens", em que "o número de pessoas em
contato social efetivo entre si era limitado" e "a estrutura social era muito simples", com
sociedades civilizadas complexas. O conceito de evolução social se distingue do conceito de
progresso social, que não é suscetível de solução científica e deve ser deixado para políticos e
reformadores. Ilustrando a evolução social por referência à linguagem, é relatado que ele diz
que, se fosse feito um esforço para tentar mudar algumas partes do sistema da sociedade. . . o
todo desmoronaria. . "Duas palestras tratam de" instituições morais e jurídicas "e ilustram" a
natureza da obrigação moral ... por referência a diferentes formas de família e clã ", e duas são
dedicadas a" instituições religiosas ". Radcliffe-Brown tinha o distinção duas vezes mais de
ministrar cursos especiais de palestras na Universidade de Birmingham. Ele deu as palestras
de Muirhead em 1946-47 e as palestras de Josiah Mason em 1952. Este último resumiu suas
idéias sobre cosmologia australiana e espera-se que qualquer material que ele tenha deixado
sobre esse assunto, sobre o qual ele era uma autoridade insuperável. , pode um dia ser
publicado.

Quando a Primeira Guerra Mundial estourou, Radcliffe-Brown estava na Austrália


novamente. A Associação Britânica realizou sua reunião naquele ano na Austrália e ele estava
entre os membros presentes. A seção H, naquela ocasião, apresentou uma seção transversal
única da antropologia britânica. Um olho profético pode ter discernido o padrão das coisas
que virão em seus membros e nos documentos oferecidos. Elliot Smith falou sobre
mumificação e megálitos como evidência da difusão das migrações do Mediterrâneo Oriental
para o Pacífico e até para a América. Rivers elaborou essas idéias em um artigo argumentando
que a cultura australiana é aliada às culturas melanésias e que ambos os tipos são o resultado
da infiltração de povos marítimos imigrantes. Ele deu um segundo artigo pretendendo
demonstrar que "todas as formas de casamento que seriam o resultado natural do monopólio
das mulheres jovens pelos homens idosos são agora conhecidas por acompanhar a
gerontocracia da Austrália".

Mas o que é muito mais revelador do nosso ponto de vista atual é o contraste entre os
trabalhos de Radcliffe-Brown e Malinowski. O artigo de Radcliffe-Brown é formal e
analítico. É uma proposta para classificar as variedades de totemismo australiano. Primeiro,
há uma tabulação dos diferentes tipos de totemismo, definidos como uma relação mágico-
religiosa especial entre um indivíduo ou um grupo social. . . e uma classe de objetos naturais. .
. . 'Assim, ele distingue diferentes formas de clã, grupo local, seção, sexo, pessoal etc.,
totemismo. Em seguida, ele usa essa classificação como base para determinar uma série de
tipos regionais. Ele lista nove tipos - Kariera, Burduna, etc. O tipo Kariera, por exemplo,
possui clãs totêmicos com descendência masculina, múltiplos totens, culto a Talu, sem
proibição de matar ou comer o totem. Os outros tipos são diferentes. A análise começa assim
estabelecendo quais são as variáveis compreendidas na instituição do totemismo e depois
distingue tipos regionais que variam de acordo com as diferentes maneiras pelas quais essas
variáveis são combinadas. Por mais curto e formal que seja o resumo do Relatório da 84ª
Reunião da Associação Britânica para o Avanço da Ciência, ele claramente prenuncia o
método usado em 'A Organização Social das Tribos Australianas'. O artigo de Malinowski,
por outro lado, é puro teoria e polêmica. Ele discute a distinção entre o sagrado e o profano
proposto nas Formas Elementares da Vida Religiosa, publicadas recentemente por Durkheim
(1912). Referindo-se às obras etnográficas de Spencer e Gillen, os Seligmans e Thurnwald,
ele conclui que a divisão não é uma 'característica essencial e fundamental da religião'.

A doença impediu Radcliffe-Brown de retornar à Inglaterra em 1914 e de continuar seu


trabalho de campo na Austrália. No início, ele ensinou em uma escola de gramática de
Sydney. Mais tarde, em 1916, ele foi para Tonga como Diretor de Educação e ficou lá até
receber ordens para sair em razão da saúde em 1919. Não era uma experiência que ele
gostasse, mas era valioso em lhe dar contato direto com uma sociedade polinésia. . Também
serviu para fortalecer o interesse pela antropologia aplicada, que ele produziu bons resultados
nos anos posteriores.

Em seguida, laços pessoais o levaram de volta à África do Sul, onde ele pôde visitar
Basutolândia. Logo depois, ele recebeu uma nomeação como etnólogo no Museu Transvaal,
em Pretória. Aqui ele estava quase totalmente ocupado com tecnologia e antropologia física.
Como aluno de Haddon, ele era bem treinado em ambos os ramos da antropologia, mas
também não estava interessado em nada.

Um grande ponto de virada ocorreu em 1921. A África do Sul estava mudando de uma
economia principalmente agrícola para uma principalmente industrial e urbana. Isso levou a
um rápido fluxo de mão-de-obra africana para as áreas industriais; e o histórico "Problema
nativo" tomou uma nova e mais intratável posição. Surgiu uma demanda, tanto dos círculos
políticos quanto acadêmicos, pelo estudo desapaixonado dos povos nativos da África do Sul;
e o primeiro passo foi o estabelecimento, em 1920, de uma cadeira de antropologia na
Universidade da Cidade do Cabo, como núcleo de uma escola de vida e línguas africanas.
Podemos apreciar esse ato perspicaz se lembrarmos que, naquela data, não havia um professor
de antropologia em tempo integral em nenhuma universidade britânica.

Radcliffe-Brown foi nomeado para o novo presidente. Foi um compromisso muito bem-
vindo. Sua Palestra Inaugural, proferida em agosto de 1921, foi discutida nos principais
artigos de todos os importantes jornais sul-africanos. "Todos os interessados na questão
nativa", disse o Cabo Argus (27 de agosto de 1921), ". . . ponderará o que ele tem a dizer
sobre esse assunto premente e sempre presente. ”O tema da palestra foram as mudanças
sociais emergentes devido às relações mútuas de White e Bantu, a necessidade de estudo
sistemático da 'mente nativa' como o os jornais colocam, e a maneira pela qual a antropologia
teórica encarava as questões. Ele repetiu o que havia dito em uma palestra pública um ano
antes, em Joanesburgo, que todos os vários costumes, instituições e crenças de uma sociedade
formavam juntos um sistema estreitamente conectado. . . mude uma parte do sistema social e
você inevitavelmente produzirá um movimento muito amplo. . . '(Rand Daily Mail, 8 de
setembro de 1920).

Radcliffe-Brown tinha cinco anos na Cidade do Cabo. Ele rapidamente se tornou uma das
personalidades acadêmicas mais conhecidas da África do Sul. Seu brilho como professor, seu
amplo aprendizado, seu conhecimento nas artes, sua defesa obstinada de uma abordagem de
questões políticas e sociais através da ciência e da razão, sua posição distinta, atraíram a
atenção dentro e fora da Universidade. Ele era muito procurado como palestrante em
celebrações acadêmicas (por exemplo, o Jubileu do Colégio Huguenote de Wellington) e em
conferências e reuniões públicas relacionadas a assuntos educacionais ou questões de política
social relacionadas aos povos bantus. Ele usou essas ocasiões para levar para casa a
necessidade do estudo sistemático da vida social bantu por estudantes treinados como base de
políticas esclarecidas. Um empreendimento particularmente útil foi a organização de cursos
de férias. Participaram missionários e administradores das Reservas e outros interessados nos
assuntos Bantu. Radcliffe-Brown ministrou palestras sobre Antropologia Social e Etnologia
da África e dos povos Bantu. Outros especialistas lecionaram sobre história e idiomas bantus,
e sobre problemas de direito, administração e educação bantu.

A palestra introdutória de Radcliffe-Brown ao segundo curso causou tanta impressão que foi
publicada na íntegra no Cape Times (9 de janeiro de 1924). Vale a pena se referir aos
exemplos que ele deu para ilustrar como o estudo científico se aplica à administração prática -
embora tenha sido cuidadoso ao insistir em que a aplicação do conhecimento antropológico
deve ser deixada para aqueles cuja tarefa profissional é essa. Por que, ele perguntou, houve
uma rebelião na Zululândia quando se tentou introduzir um imposto de votação? Foi porque
esse foi um ataque direto ao “princípio fundamental da organização familiar, um princípio tão
sagrado para os zulu quanto qualquer um de nós é para nós.” Esse é o princípio em que todo
membro de uma família, exceto o chefe real, está em uma posição de dependência, de
infância, no sentido jurídico. ”Impor uma taxa sobre uma pessoa assim é“ admitir uma relação
imediata entre ela e o Estado, em vez de mediar o pai ou o tutor. . . 'Ele falou também do
costume da lobola e descreveu sua teoria do preço da noiva como meio de estabelecer direitos
paternos sobre os filhos e como compensação pela perda da família da filha. Finalmente, ele
alertou contra a crença na bruxaria como devida apenas à ignorância. ‘A função da crença. . .
é . . . que fornece uma saída em ação para as paixões sociais ", isto é, a ansiedade e o
sofrimento provocados por coisas que dão errado.

O respeitado sábio Bantu, professor D. D. T. Jabavu, de Fort Hare, prestou um tributo


entusiasmado às palestras do curso de férias de Radcliffe-Brown em um artigo de jornal
elogiando especialmente as 'conclusões práticas e construtivas' que ele tirou. De fato, as
palestras eram apresentações populares de idéias teóricas que Radcliffe-Brown estava
explorando na época. Alguns deles aparecem nos famosos artigos sobre 'Methods' (1923) e
'The Mother's Brother' (1924); outros, como o contraste entre as relações "mediadas" e
"imediatas" com o Estado, estamos redescobrindo agora. Os ilhéus de Andaman foram
publicados em 1922, mas não são um produto desse período. Radcliffe-Brown mais tarde
lamentou que não tivesse tempo ou recursos para um trabalho de campo prolongado na África
do Sul. Ele foi, no entanto, capaz de fazer duas visitas aos Territórios Transkeianos, onde se
encontrou e teve discussões com os oficiais administrativos locais. Escrevendo para ele em
1925 para se arrepender ao ouvir sua iminente partida, o Magistrado Chefe dos Territórios
disse: ‘Posso garantir que você abriu novas vias de pensamento e investigação para nós. . . 'A
carta continua falando do' interesse mais profundo e inteligente nos problemas que tão
freqüentemente nos confrontam. . . ', Despertada pela visita de Radcliffe-Brown, e termina
com a esperança de que ele volte em breve à África do Sul.

Radcliffe-Brown renunciou ao cargo de professor na Cidade do Cabo ao ser convidado a


assumir a nova cátedra de Antropologia Social da Universidade de Sydney. Os jornais sul-
africanos expressaram a decepção amplamente sentida. Eles contrastaram a atitude
desagradável do governo sul-africano sobre os fundos para o ensino e a pesquisa
antropológica com a generosa provisão feita pelos governos australianos e pela Fundação
Rockefeller para o departamento de Sydney. A partida de Radcliffe-Brown, escreveu o Rand
Daily Mail, "é uma perda incalculável para o país." Ela deve "chamar a atenção para a
maneira madrasta pela qual uma de nossas ciências mais valiosas está sendo tratada pelo
público e pelo governo", disse o Cape. Times (23 de novembro de 1925). Não poderia haver
melhor testemunho do impacto que Radcliffe-Brown causou na vida intelectual sul-africana.

Radcliffe-Brown ficou cinco anos em Sydney. Sua chegada lá foi bem-vinda como um marco
na história acadêmica australiana. As razões estão bem expostas no seguinte comentário no
Sydney Morning Herald de 15 de junho de 1927. 'A Austrália se deve a uma cadeira que o
professor Radcliffe-Brown preenche não apenas por causa do trabalho de pesquisa que exige
ser feito antes que seja tarde demais. tarde entre as tribos que desaparecem rapidamente de
nossos próprios aborígines, mas também por causa do aumento de responsabilidades na Nova
Guiné. . Nesse clima de encorajamento, e com os fundos adequados à sua disposição,
Radcliffe-Brown logo estabeleceu o núcleo de uma escola de pesquisa, além de cursos de
graduação que se tornaram muito populares e cursos de treinamento para oficiais
administrativos com destino à Papua e Nova Guiné. . A revista Oceania foi fundada e, entre
suas primeiras publicações, havia uma série de artigos que mais tarde foram reeditados como
'A Organização Social das Tribos Australianas'. Ele retornou, neste artigo, ao seu interesse
anterior pela morfologia comparativa da organização social australiana, mas com uma nova
profundidade de insight teórico. Um artigo complementar sobre 'A Teoria Sociológica do
Totemismo', que ele deu no Quarto Congresso de Ciências do Pacífico em Java, em 1930,
aplica o mesmo método de análise ao problema esboçado no artigo de 1914 para a Associação
Britânica.

Em 1931, Radcliffe-Brown foi para a Universidade de Chicago. Sua carreira é melhor descrita
nas palavras de seus amigos e alunos mais próximos desse período, os professores Lloyd
Warner e Fred Eggan, de cujas memórias de obituário no Antropólogo Americano (Vol.
LVIII, Parte 3, 1956, pp. 544-6) Eu cito. "Pela primeira vez em muitos anos", dizem eles, "ele
não tinha encargos administrativos e maior lazer para escrever e ensinar. Ele renovou seu
conhecimento anterior com a organização social do índio americano, desenvolveu suas
concepções de lei primitiva e sanções sociais e estabeleceu a estrutura para o tratamento
moderno da linhagem. Ele sistematizou e expandiu sua concepção de antropologia social
como o estudo comparativo da sociedade em uma brilhante série de palestras e seminários, e
incentivou a aplicação de métodos antropológicos sociais às sociedades ocidentais e do
Extremo Oriente. Ele se tornou uma figura importante e controversa na antropologia
americana. '

Mas sua permanência em Chicago foi curta. Em 1937, ele retornou à Inglaterra para assumir a
recém-criada cadeira de Antropologia Social em Oxford. Aqui ele estava em seu elemento.
Sua tarefa não era como havia sido na Cidade do Cabo e Sydney, e até certo ponto em
Chicago, para estabelecer antropologia social na Universidade. Isso já tinha sido feito. Foi
para implantar a importância acadêmica e demonstrar a alta qualidade intelectual de seu
assunto. A guerra causou estragos com esses objetivos. De fato, ele estava fora de Oxford, no
Brasil, em uma missão cultural para o British Council, de 1942 a 1944. Apesar disso,
conseguiu um lugar de destaque para o estudo da antropologia social em Oxford, e a
influência da escola de Oxford foi amplamente sentiu.

O que às vezes é chamado de "escola britânica" de antropologia social do pós-guerra ganhou


seu principal impulso com Radcliffe-Brown durante esse período. Ele chegou a Oxford em
um momento crítico da antropologia social britânica. A rica colheita de intensa pesquisa de
campo estimulada por Malinowski estava chegando rapidamente. Isso provocou problemas
teóricos de organização social, que eram a especialidade de Radcliffe-Brown. Suas
publicações na década de 1940-1950 e suas palestras e seminários em Oxford forneceram os
fundamentos conceituais para lidar com esses problemas. Como professor, Radcliffe-Brown
se destacou. Ele aqueceu para uma platéia, especialmente se fosse jovem. Sua capacidade
excepcional de expor problemas difíceis com facilidade e clareza e seu prazer na análise
sistemática foram expressados com maior satisfação em suas palestras, ou melhor ainda nas
sessões informais com amigos e alunos sobre as bebidas que ele amava. Ele possuía um
conhecimento imponente e mundial da etnografia, que mantinha bem atualizado e também
mantinha contato próximo com o trabalho atual em filosofia e sociologia. Sempre ansioso
para saber o que os antropólogos mais jovens estavam fazendo e discutir problemas com eles,
seu pensamento estava sempre à frente de suas publicações infreqüentes e frequentemente
curtas. Algumas de suas idéias mais férteis foram apresentadas em palestras e conversas e
entraram em circulação através do trabalho de seus amigos e alunos.

Quando Radcliffe-Brown se aposentou de Oxford em 1946, foi convidado a estabelecer um


departamento de Sociologia na Universidade Farouk I, em Alexandria. Em 1950, ele foi eleito
Professor Visitante Simon na Universidade de Manchester e depois foi para a Universidade de
Rhodes, Grahamstown, primeiro como pesquisador e depois como professor visitante. Ele
retornou à Inglaterra em 1954, um homem muito doente, mas com uma ânsia inabalável de
manter seus contatos com a antropologia social. Um evento que será lembrado por muito
tempo foi sua presença na reunião da Associação de Antropólogos Sociais, em janeiro de
1955. Ele se levantou de seu leito doente em um hospital de Londres para presidir, e a ovação
que recebeu do encontro, que incluía uma considerável um número de jovens antropólogos
que nunca o conheceram o tocaram profundamente. Mas o que foi memorável foi o excelente
resumo da discussão e as idéias que ele lançou ao fazer seus comentários.

Este não é o lugar para tentar um balanço da contribuição de Radcliffe-Brown para a


antropologia social do século XX. Ter estabelecido a antropologia social como um estudo
acadêmico respeitável em algumas das universidades mais famosas do mundo anglófono, e
em outros lugares também, seria, por si só, uma reivindicação a um lugar de alta honra na
história das ciências antropológicas. Mas sua conquista é muito maior. Ele entrará na história
como um dos criadores da antropologia social moderna e sua parte nisso foi revolucionária.
Ou seja, ele desenvolveu métodos e generalizações que estabelecem novas tarefas e abrem
novas possibilidades na antropologia social. Por muito que devesse a seus antecessores, ele
fez acréscimos de tal originalidade ao corpo da ciência antropológica que ainda os estamos
assimilando. De fato, suas idéias e teorias são mais influentes hoje do que nunca. Isso se deve
ao fato de nunca se tornarem rígidos. Consistentes como seus objetivos e sua estrutura geral
de pensamento, permaneceram certos ao longo de sua carreira, seus métodos e hipóteses
específicas nunca se tornaram inflexíveis. Ele os aprimorou e modificou com todo avanço no
conhecimento. O que ele buscava, acima de tudo, era aumentar a precisão e a generalidade, e
ele alcançou um nível muito alto nesses aspectos. Tem sido freqüentemente observado que
Radcliffe-Brown escreveu pouco em comparação com outros antropólogos importantes de sua
geração. É importante acrescentar que tudo o que ele escreveu ainda é significativo. Isso vale
tanto para suas notas curtas, artigos controversos e resenhas quanto para os trabalhos mais
conhecidos e sistemáticos. Eles estão grávidos de idéias e idéias que inspirarão pesquisas e
teorias de campo por muitos anos.

A conexão de Radcliffe-Brown com o Royal Anthropological Institute remonta a 1909,


quando se tornou bolsista, e apoiou o instituto lealmente a vida toda. Foi presidente nos
difíceis anos 1940-1942 e, posteriormente, serviu com muita consciência no Conselho e nos
comitês do Instituto. Ele prestou serviço dedicado também a outros órgãos preocupados em
promover estudos e pesquisas antropológicas, por exemplo, o Instituto Africano Internacional.
O Royal Anthropological Institute conferiu-lhe várias honras. Ele foi premiado com a
medalha Rivers em 1938, foi eleito o primeiro palestrante Henry Myers em 1945 e recebeu a
medalha Huxley Memorial em 1951. Ele se orgulhava dessas honras e também de sua
presidência vitalícia da Associação de Antropólogos Sociais. Ele foi eleito membro da
Academia Britânica em 1950 e foi membro da Academia Real de Ciências da Holanda.

Que tipo de homem era 'R.-B.', como seus amigos e alunos costumavam chamá-lo? Ele era
alto e de aparência impressionante. Quando jovem, em Cambridge, ele tinha o apelido de
"Anarchy Brown". Esse foi um reconhecimento amigável do traço de indiferença nele e de
sua reputação de ter idéias um tanto sofisticadas em questões de arte, vida e literatura. Mas
embora ele sempre estivesse um pouco reservado e tivesse laços íntimos com apenas alguns
poucos amigos íntimos, não havia nada do recluso ou do erudito da torre de marfim sobre ele.
Ele gostava muito de dar e receber hospitalidade e era tão genial na companhia de um grupo
de estudantes quanto na sala comum de todas as almas. Ele teve o maior prazer em boa
comida, bom vinho e, acima de tudo, boa conversa. Embora ele pudesse ser severo a ponto de
desprezar o pensamento desleixado e fosse repelido por preconceito ou preconceito irracional
de qualquer tipo, ele era bastante incapaz de malícia. Ele foi infalivelmente útil para os alunos
mais jovens. Ele leu os manuscritos, deu-lhes conselhos e fez sugestões teóricas férteis para o
trabalho, sem tempo ou paciência. Ele era gentil com seus amigos e feliz em seu carinho. Para
um homem tão desapegado em seus relacionamentos pessoais e em sua filosofia de vida, seus
laços com eles eram muito próximos. Ele admirava e foi influenciado pela cultura e filosofia
clássicas chinesas e pelos escritores do Iluminismo francês. Ele era um político acadêmico
pobre, pois não queria procurar o poder. Mas ele será lembrado por aqueles que o conheciam
muito bem por sua devoção sincera e ao longo da vida ao avanço da antropologia e sua
capacidade de inspirar outras pessoas com esse ideal.

Bibliografia

Uma bibliografia completa das publicações de Radcliffe-Brown até 1947 é dada em Estrutura
Social: Estudos Apresentados a A.R. Radcliffe-Brown, Oxford (Clarendon Press), 1949. A
seguir, há uma lista de suas publicações de 1947 até a época de sua morte.
1949 ‘White’s View of a Science of Culture,’ Amer. Anthrop., N.S., Vol. LI, No. 3.

1950 ‘Introduction’ to African Systems of Kinship and Marriage, edited by A. R. Radcliffe-


Brown and Daryll Forde, Oxford University Press.

1951 ‘The Comparative Method in Social Anthropology’ (The Huxley Memorial Lecture
for 1951), J. R. Anthrop. Inst., Vol. LXXXI.

1951 ‘Murngin Social Organization,’ Amer. Anthrop., N.S., Vol. LIII, No. 1.

1952 ‘Introduction’ to Structure and Function in Primitive Society, by A. R. Radcliffe-


Brown, London (Cohen & West).

1956 ‘On Australian Local Organization,’ Amer. Anthrop., N.S., Vol. LVIII, No. 2.

This obituary first appeared as: Fortes, Meyer. 1956. 'Alfred Reginald Radcliffe-Brown,
F.B.A., 1881-1955 a Memoir'. Man Vol. 56, pp. 149-153. Reproduced with permission.
To cite this article: FORTES, MEYER. 1956. 'Alfred Reginald Radcliffe-Brown, F.B.A.,
1881-1955 a Memoir'. Man Vol. 56, pp. 149-153. (available on-
line: http://www.therai.org.uk/archives-and-manuscripts/obituaries/alfred-reginald-radcliffe-
brown).