Anda di halaman 1dari 35

QUESTÕES MEDCURSO maligna, qual das alterações laboratoriais abaixo poderia melhor

contribuir para a investigação diagnóstica deste distúrbio?


PSIQUIATRIA a) Clearance de creatinina da urina de 24h elevado.
b) Níveis de creatinoquinase elevado.
11 – Atendente de telemarketing de 36 anos, divorciada,previamente
c) Hiponatremia.
hígida, consultou por vir apresentando quadro de desânimo, abulia,
d) Níveis séricos reduzidos de ferritina.
tristeza e falta de apetite há 3 semanas. Negou ideação suicida ou
e) Leucopenia.
homicida e sintomas psicóticos. Relatou episódios de impulsividade e
abuso de cocaína no passado. Na última consulta na unidade de saúde,
52 – Constituem fatores associados ao maior risco de suicídio:
há mais de 1 ano, para coleta de material para exame citopatológico,
a) História de perda recente, idade avançada, viver só, ter doença física
queixara-se de irritação e ansiedade, acompanhadas de taquipsiquismo
crônica.
e construções mentais grandiosas. Com base nesse quadro, assinale a
b) Tentativa anterior, adolescente, solteiro, sem doença física crônica.
assertiva CORRETA:
c) Tentativa anterior, adolescente, com filhos, sem doença física
a) Farmacoterapia é o principal tratamento, embora psicoterapia
crônica.
associada possa complementá-lo; o manejo inicial pode ser realizado
d) História de perda recente, idade avançada, ser casado, ter doença
com lítio e fluoxetina.
física crônica.
b) É mais comum haver virada maníaca com o uso de inibidores da
recaptação da serotonina do que com antidepressivos tricíclicos.
57 – A depressão maior é definida como um estado de humor
c) Eletroconvulsoterapia não é efetiva nesta situação.
deprimido que perdura por um período mínimo de:
d) Os antipsicóticos não são utilizados pelo risco de acatisia.
a) 2 dias.
e) Quanto maior o tempo de acometimento, melhor resposta a
b) 5 dias.
paciente apresentará ao lítio.
c) 7 dias.
d) 10 dias.
19 – Homem, 74 anos, refere que há 3 meses vem apresentando perda
e) 14 dias.
de interesse e/ou prazer, fadiga, alteração do sono, sentimento de
culpa. Considerando a depressão como principal diagnóstico, assinale
60 – Mulher de 28 anos com diagnóstico de transtorno de humor
a alternativa que representa a terapêutica de primeira escolha:
bipolar possui litemia de 2,3 mEq/L (referência: 0,6-1,25 mEq/L). Qual
a) Antidepressivos tricíclicos.
dos efeitos colaterais abaixo pode ocorrer com maior probabilidade?
b) Eletroconvulsoterapia.
a) Mania.
c) Inibidores seletivos da recaptação da serotonina.
b) Tremor de extremidades.
d) Bloqueadores da recaptação de noradrenalina e dopamina.
c) Depressão.
e) Inibidores da monoaminoxidase.
d) Hiponatremia.
e) Leucopenia.
23 – Sobre o tratamento dos transtornos depressivos, assinale
a alternativa INCORRETA: GABARITO PSQUIATRIA
a) Venlafaxina pode ocasionar elevação da pressão arterial, 11- A 19-C 23-C 28-A 40-B 52-A 57-E 60-B
especialmente em doses superiores a 300 mg ao dia.
b) Bupropiona aumenta o risco de crise convulsiva, principalmente
quando utilizada em alta dose. ENDÓCRINOLOGIA DIABETES
c) Entre os inibidores seletivos de recaptação de serotonina, a
fluoxetina apresenta o menor risco de interação medicamentosa ao 1 – Homem de 65 anos de idade com diagnósticos de hipertensão
arterial sistêmica há 10 anos e diabetes mellitus há 8 anos, em uso de
nível do citocromo P450.
atenolol, enalapril, gliclazida e metformina em doses máximas e
d) Um efeito colateral que pode ocorrer com o uso da trazodona insulina NPH 10 UI à noite, retorna para consulta no ambulatório sem
em um paciente do sexo masculino é o priapismo. novas queixas. Refere uso regular de medicação. O exame clínico está
e) Os antidepressivos tricíclicos podem afetar o coração de forma normal. Trouxe exames solicitados na última consulta, há dois meses:
semelhante aos medicamentos antiarrítmicos quinidina e glicemia de jejum = 98 mg/dl; Hb glicosilada = 7,5%; ureia = 40 mg/dl;
procainamida, ocasionando um retardo na condução atrioventricular creatinina = 1,1 mg/dl; Na+ = 136 mEq/L; K+ = 3,9 mEq/L; colesterol
total = 252 mg/dl; LDL = 146 mg/dl; HDL = 23 mg/dl; triglicérides = 240
26 – Qual dos sintomas abaixo é necessário para o diagnóstico de mg/dl; urina tipo 1 = proteína +/4+; microalbuminúria: positiva;
peptídeo C: normal. Média dos controles de glicemia capilar:
depressão?
Deve ser acrescentado ao tratamento:
a) Humor deprimido ou perda de interesse. Jejum;Póscafé ;Pré almoço. Pós almoço Préjantar Pósjantar 03h
b) Desânimo ou apatia. 100 160 128 212 130 160 120
c) Dores vagas e indefinidas. a) Atorvastatina e insulina NPH no almoço.
d) Perda da libido. b) Sinvastatina e insulina regular no almoço.
c) Ciprofibrato, losartana e insulina NPH no almoço.
d) Ezetimibe, valsartana e insulina regular no almoço.
40 – Paciente de 33 anos, sexo masculino, portador de transtorno
2 – Os antidiabéticos orais que inibem a dipeptidil peptidase- 4 têm a
bipolar do humor diagnosticado há poucos meses, foi trazido pelos
vantagem de:
familiares após encontrá-lo torporoso, com febre alta e rigidez. a) Ter início rápido de ação.
Considerando a hipótese diagnóstica de síndrome neuroléptica b) Reduzir a glicemia pós-prandial.
c) Não causar hipoglicemia.
d) Dispensar ajuste de dose na insuficiência renal. a) Era o tipo de diabetes mais frequente na população pediátrica,
porém, em virtude de epidemia de obesidade infantil, foi superado
4 – Paciente do sexo masculino, 52 anos, com história familiar positiva recentemente pela diabetes tipo 2 nessa faixa etária.
para diabetes (pai e avós maternos), obesidade grau 1 (IMC 32 kg/m²), b) Apresenta um padrão de herança monogênica sem relação com
hipertenso, sedentário e tabagista. Ao realizar exames de rotina, foi fatores desencadeantes relacionados ao meio ambiente.
identificada glicemia de Jejum 124 mg/dl. Foi submetido a teste oral de c) Geralmente inicia-se de forma insidiosa, passando-se vários anos
tolerância à glicose (75 g de glicose anidra) com glicemia após duas com sintomas típicos (poliúria, polidipsia, polifagia) sem diagnóstico,
horas de 189 mg/dl. Com base nessas informações, o diagnóstico e a até sua evolução para cetoacidose, que é quando o diagnóstico é
conduta mais adequada são, respectivamente: realizado na maioria das vezes.
a) Tolerância diminuída à glicose; iniciar dieta, estimular atividade física d) Tem a cetoacidose como complicação aguda mais grave e mais
e suspender tabagismo. comum.
b) Diabetes mellitus tipo 2; solicitar hemoglobina glicada, estimular e) Seu tratamento exige dos pacientes monitorização glicêmica antes
mudanças de hábitos e iniciar uso de metformina associado à de todas as refeições, múltiplas aplicações de insulina ao longo do dia,
sulfonilureia. bem como prática de atividades físicas regulares.
c) Diabetes mellitus tipo 2; solicitar hemoglobina glicada, estimular
dieta, atividade física e perda de peso e iniciar insulina basal-bolus para 10 – Em relação às complicações crônicas do diabetes, é CORRETO
melhorar a glicotoxicidade. afirmar que:
d) Diabetes mellitus tipo 2; solicitar dosagem de peptídeo C para definir a) A Eletroneuromiografia (ENMG) é indispensável para o diagnóstico
a melhor abordagem medicamentosa e estimular mudanças de de neuropatia periférica do diabetes.
hábitos. b) Caracterizada pela presença de microaneurismas, a retinopatia
e) Tolerância diminuída à glicose; encaminhar paciente para a proliferativa pode reverter por meio do tratamento com
realização de cirurgia bariátrica. fotocoagulação.
c) A presença de proteinúria marca o primeiro estágio da
5 – Paciente de 45 anos veio à consulta por apresentar, há 2 semanas, nefropatia diabética.
diarreia líquida, com 3 evacuações diárias, sem sangue, muco ou pus. d) A retinopatia diabética tem como principais fatores de risco a
Negou outros sintomas. Havia iniciado o uso de metformina na dose de duração do diabetes e o controle glicêmico.
850 mg, por via oral, 3 vezes/dia, para tratamento de diabetes mellitus e) Na avaliação do risco cardiovascular, o paciente diabético com bom
tipo 2 dois dias antes do início da diarreia. Qual a conduta mais controle glicêmico apresenta risco igual ao indivíduo não diabético.
adequada?
a) Suspender imediatamente a metformina por suspeita de acidose 11 – Em relação ao Diabetes Mellitus (DM), assinale a alternativa
láctica. ERRADA:
b) Suspender a metformina, estabelecer o diagnóstico de intolerância a) Por ocasião do diagnóstico, a maioria dos pacientes com DM tipo 1
ao fármaco e prescrever outro anti-hiperglicemiante. possui anticorpos circulantes contra células das ilhotas pancreáticas e
c) Reduzir a dose da metformina e estabelecer um plano de aumento contra a descarboxilase do ácido glutâmico.
gradual, esclarecendo ao paciente que o sintoma provavelmente b) Os níveis séricos do peptídeo C encontram-se elevados nos pacientes
desaparecerá com o tempo. com DM tipo 1 e muito reduzidos nos casos de resistência à insulina
d) Manter a dose prescrita de metformina, esclarecendo ao paciente acompanhada de hiperinsulinemia.
que este efeito adverso é muito raro e que, provavelmente, c) Pelo fato de inibirem a Dipeptidil-Peptidase-4 (DPP-4), enzima que
desaparecerá com tempo. inativa o hormônio GLP-1 (Glucagon-Like Peptide 1), drogas
e) Manter a dose prescrita de metformina, esclarecendo ao paciente hipoglicemiantes como a sitagliptina e a vildagliptina são utilizadas no
que este efeito adverso é comum e que, provavelmente, não tratamento do DM tipo 2.
desaparecerá com o tempo. Entretanto o fármaco deve ser mantido, d) Nos pacientes com DM tipo 2 de longa duração, identifica- se, à
visto que é o único anti hiperglicemiante associado à redução de necrópsia, a substituição de grande parte das ilhotas pancreáticas por
mortalidade. um tipo de substância amiloide — a amilina, um polipeptídeo
armazenado, juntamente com a insulina, nos grânulos de secreção das
6 – Medicamento utilizado no tratamento do diabete melito tipo 2, que células beta.
tem como mecanismo de ação a inibição do cotransportador sódio-
glicose 2 (SGLT-2): 12 – Um menino, 10 anos de idade, chegou à UTI com quadro de
a) Liraglutida. Cetoacidose Diabética (CAD), com glicemia de 560 mg/100 ml;
b) Dapagliflozina. cetonúria 4+; pH = 6,9; PCO = 25 mmHg e [HCO3] = 5 mmol/L. Após a
c) Pioglitazona. sexta hora de tratamento, com boa evolução clínica, a criança começa
d) Nateglinida. a ficar torporosa e não responde mais a comandos verbais. Com relação
e) Acarbose. a esse caso clínico hipotético, assinale a alternativa CORRETA:
a) É consenso médico que o uso de solução de 50% de soro glicosado e
7 – Antônio, 46 anos, é advogado em Corrente-PI e veio à Teresina para 50% de soro fisiológico em vez de soro Fisiológico puro na hidratação
submeter-se a um check-up. Assintomático. Ele mede 160 cm e pesa 92 inicial dessa criança poderia ter evitado essa complicação.
kg; sua cintura mede 98 cm e sua PA é 140 x 90 mmHg. Os exames b) Essa é a complicação mais frequente da CAD.
mostraram glicemia em jejum = 112 mg/dl. Ele usa sinvastatina 20 mg. c) Uma das explicações possíveis para esse quadro é a ação dos corpos
Joga bola nos fins de semana, ocasião em que bebe cerveja. Não possui cetônicos sobre o metabolismo do neurônio.
familiares com diabetes. A conduta inicial é: d) Essa complicação ocorre em 50% dos casos.
a) Repetir a glicemia em jejum. e) Esse quadro, quando aparece por complicação da CAD, tem alta
b) Solicitar uma glicemia pós-prandial. mortalidade e costuma ser resistente ao tratamento habitual.
c) Solicitar um teste oral de tolerância à glicose.
d) Solicitar uma hemoglobina glicada. 13 – A diabetes mellitus não é uma única doença, mas um grupo
e) Iniciar dieta, exercício e metformina. heterogêneo de distúrbios metabólicos que apresenta em comum a
9 – Em relação a diabetes tipo 1 (DM1), qual a afirmação CORRETA? hiperglicemia, resultante de defeitos na ação da insulina, na secreção
de insulina ou em ambas. Observe as afirmativas abaixo e marque a
sentença CORRETA a respeito de diabetes mellitus nas crianças e
adolescentes: 26 – Um paciente diabético de 59 anos é admitido com pneumonia
a) A diabetes mellitus tipo 1 é caracterizada pela destruição reversível bacteriana adquirida na comunidade. O diagnóstico foi definido por
e autoimune das células ß das ilhotas pancreáticas. Ocorre geralmente quadro clínico de febre, tosse com expectoração, leucocitose com
antes dos cinco anos e a melhora geralmente ocorre após os 21 anos. desvio para a esquerda, nível sérico de proteína C-reativa muito
b) A diabetes mellitus tipo 2 é considerada uma doença poligênica, que elevado e opacidade pulmonar na radiografia de tórax. O controle
ocorre apenas em adultos, agravada por fatores ambientais, tais como prévio do diabetes era feito com metformina e gliclazida. A dosagem
baixa atividade física ou uma dieta rica em lipídios. de HbA1c, cinco dias antes do quadro agudo, foi de 9,8%. Em relação
c) A diabetes mellitus tipo 1 é caracterizada por níveis baixos ou ao controle glicêmico desse paciente durante a internação, assinale o
ausentes de insulina endogenamente produzida e dependência de plano de ação mais adequado a esta situação, dentre as opções abaixo:
insulina exógena para prevenir desenvolvimento da cetoacidose, uma a) Usar insulina NPH pela manhã e insulina regular ajustada por
complicação crônica que causa resistência insulínica. dosagens da glicemia.
d) A diabetes mellitus tipo 1 é uma doença que sempre se inicia na b) Aplicar insulina regular para corrigir as glicemias acima de 140 mg/dl,
primeira década de vida. O início acima desta idade só é encontrado em mantendo os hipoglicemiantes orais nas mesmas doses anteriores.
outros tipos de diabete. c) Iniciar insulina regular para corrigir glicemias acima de 180 mg/dl,
e) Nas diabetes secundárias à fibrose cística e à síndrome de Cushing, suspendendo os hipoglicemiantes orais.
não há associação com autoimunidade ou anticorpo anticélulas das d) Substituir os hipoglicemiantes orais por um esquema basal- bolus de
ilhotas pancreáticas. insulina com, pelo menos, duas doses de insulina NPH e doses pré-
prandiais de insulina regular ajustadas
18 – Em relação às complicações agudas no Diabetes
Mellitus (DM), é CORRETO afirmar que: 31 – Paciente do sexo feminino, 60 anos de idade, hipertensa,
a) Na cetoacidose diabética, os níveis baixos da glucagon são diabética, com quadro de vitiligo, procurou o médico da clínica de
fundamentais no seu desenvolvimento. saúde da família com queixa de parestesias em ambos os membros
b) No estado hiperosmolar não cetótico, caracteristicamente, os níveis inferiores há cerca de 18 meses. Faz uso regular de metformina,
glicêmicos não estão muito elevados. losartana e alfametildopa. Ao exame físico: hipoestesia em diversos
c) O estado hiperosmolar não cetótico acomete mais indivíduos com pontos avaliados pelo teste de Semmens-Weinstein = 5.07 em ambos
DM tipo 1 do que os portadores de DM tipo 2. os pés. O médico solicitou exames laboratoriais — hemograma:
d) A cetoacidose diabética não é uma complicação exclusiva do DM tipo hemoglobina = 14 mg/dl; hematócrito = 42%; VCM = 90 fl; leucograma:
1. 8.000 leucócitos/mm³, com contagem diferencial normal; glicose = 140
e) Na cetoacidose diabética, o bicarbonato deve ser sempre usado mg/dl; HbA1c = 8,0%; ureia = 30 mg/dl; creatinina = 0,8 mg/dl. Sobre o
caso acima, marque a opção CORRETA:
19 – Uma paciente de 48 anos com obesidade grau II procurou a) É provável que as lesões previamente diagnosticadas, como vitiligo,
atendimento médico relatando ter verificado glicemia capilar acima do sejam compatíveis com hanseníase, e o médico deverá encaminhar a
valor da normalidade. Negou perda ponderal, polifagia, polidipsia e paciente para avaliação em ambulatório especializado de hanseníase.
poliúria. A avaliação clínica não evidenciou lesões atribuíveis à b) Trata-se de caso de neuropatia diabética e a paciente poderá ser
alteração glicêmica. tratada com amitriptilina.
Contudo, o diagnóstico de diabetes mellitus poderá ser firmado se c) Trata-se de caso de neuropatia diabética. O dano neural nestes casos
houver: é irreversível e a única terapia indicada é controle glicêmico restrito,
a) Glicemia pós-prandial de duas horas de 160 mg/dl. evitando progressão da neuropatia.
b) Glicemia de jejum repetida de 120 mg/dl. d) Trata-se de caso de deficiência de vitamina B12, cuja causa deverá
c) Glicemia randômica de 180 mg/dl. ser investigada com exames complementares que incluem endoscopia
d) Hemoglobina glicada de 7%. digestiva alta, e cujo tratamento indicado é vitamina B12 por via
parenteral.
22 – Na abordagem de pacientes com cetoacidose diabética,é e) Os dados apresentados são insuficientes para a condução do caso.
CORRETO afirmar que: Exames complementares como ressonância nuclear magnética e
a) Nas primeiras 3h, devemos repor apenas 1 L de SF 0,9%. eletroneuromiografia são obrigatórios para melhor definição do caso.
b) A infusão contínua de insulina regular deve ser imediatamente
iniciada, independentemente do nível sérico de potássio. 34 – Sobre a retinopatia diabética, assinale a afirmativa INCORRETA:
c) A reposição intravenosa de potássio deve ser realizada logo que a) Retinopatia diabética define-se como a disfunção aguda da
identificamos que o nível sérico de potássio está abaixo de 6 mEq/L. vasculatura retiniana causada por hiperglicemia.
d) A glicemia capilar deve ser medida a cada 4h. b) 27% dos diabéticos tipo I que apresentam a doença de 5 a 10 anos e
e) Devemos diminuir a dose de insulina regular contínua quando a 71% a 90% dos que têm diabetes por mais de 10 anos têm retinopatia
glicemia estiver entre 150-210 mg/dl e a acidose resolvida. diabética.
c) Ocorre diminuição da sensibilidade corneana de forma proporcional
24 – Paciente do sexo masculino, de 36 anos de idade, veio para à duração da doença e à gravidade da retinopatia.
consulta de rotina. Encontra-se assintomático. Nega comorbidades. d) Ao exame oftalmoscópico, as lesões clássicas são os
História familiar de hipertensão arterial. Ao exame, apresenta: PA = 124 microaneurismas, os quais geralmente se desenvolvem no polo
x 78 mmHg; peso = 62 kg; estatura = 1,70 m; exame segmentar normal. posterior.
Traz exames: glicemia em jejum = 100 mg/dl; HbA1c = 6%; colesterol
total = 182 mg/dl; HDL colesterol = 55 mg/dl; triglicerídeos = 110 mg/dl. 37 – Assinale a única afirmação INCORRETA sobre a cetoacidose
A melhor estratégia preventiva e a conduta recomendada são, diabética:
respectivamente: a) Pode se manifestar por náuseas, vômitos e intensa dor abdominal,
a) Metformina / seguimento em 3 meses. simulando abdome agudo inflamatório.
b) Metformina / seguimento em 6 meses. b) Pode ser precipitada pelo uso de corticoides e agentes
c) Modificação intensiva do estilo de vida / seguimento anual. simpatomiméticos.
d) Modificação intensiva do estilo de vida / seguimento em 3 meses. c) Pode apresentar leucocitose com desvio à esquerda, mesmo na
e) Modificação intensiva do estilo de vida e metformina seguimento em ausência de processo infeccioso subjacente.
3 meses. d) É uma das causas de acidose metabólica com ânion-gap normal.
e) O tratamento deve incluir reposição volêmica e insulinoterapia, com UI antes do almoço e 6 UI antes do jantar. Esse paciente sempre esteve
concomitante vigilância e tratamento dos níveis séricos de potássio. muito bem controlado, porém, nos últimos dias, as medidas de glicemia
estão entre: jejum = 259-265 mg/dl; após café = 203-204 mg/dl; antes
38 – Uma senhora negra, de 58 anos, obesa (IMC: 39 kg/m²) deu do almoço = 138-139 mg/dl; após o almoço = 154-158 mg/dl; antes do
entrada no pronto-socorro da cidade por apresentar, nas últimas jantar = 102-110 mg/dl; após jantar = 97-100 mg/dl. A próxima medida
semanas, quadro álgico de membros inferiores, acompanhado de deve ser:
sensação de “agulhadas” nas pernas e pés, principalmente ao se deitar. a) Realizar glicemia às três da manhã.
Ainda citou poliúria, polidipsia e disúria, que acentuaram na última b) Introdução de metformina após café da manhã.
semana. Notou, também, perda de peso (em torno de 12 kg) no último c) Aumento da dose da insulina regular do jantar.
mês, mesmo sem fazer modificações na dieta. Ao contrário, no d) Aumentar a dose da insulina NPH da manhã e da noite.
inquérito alimentar, declarou ingerir maior quantidade de massas e e) Introdução de glimepirida à noite.
frituras. Não costumava fazer exercícios regulares. Exames do PS:
glicemia aleatória = 360 mg/dl. No dia seguinte, colheu exames em 52 – Assinale a alternativa que traga respectivamente um antidiabético
jejum, com os seguintes resultados: hemograma e ionograma normais; oral secretagogo e sensibilizador de insulina:
glicemia = 228 mg/dl; HbA1c = 10,8%; ureia = 44; Cr = 0,98; TGP = 46; a) Gliclazida e repaglinida.
TGO = 38; GGT = 58 e EAS com incontáveis piócitos. Baseado no caso b) Repaglinida e pioglitazona.
acima descrito, assinale a resposta CERTA. c) Acarbose e linagliptina.
No caso específico, de acordo com as diretrizes da Sociedade Brasileira d) Acarbose e metformina.
de Diabetes (SBD), o diagnóstico de DM 2 foi dado a partir de qual e) Exenatida e vildagliptina.
critério abaixo?
a) Pelos níveis de HbA1c > 6,5%. 53 – Na fisiopatologia da cetoacidose diabética, qual alternativa está
b) Pela glicemia ≥ 200 mg/dl, colhida 2h pós-sobrecarga de 75 g de ERRADA?
glicose. a) Nos estados de deficiência insulínica há tendência à glicogenólise e à
c) Devido aos sintomas de poliúria, polidipsia e perda ponderal, neoglicogênese, levando a um estado de hiperglicemia.
associado à glicemia casual ≥ 200 mg/d. b) Nessa situação há diminuição dos ácidos graxos livres e de
d) Glicemia de jejum ≥ 126 mg/d, sendo o diagnóstico confirmado pela aminoácidos no sangue.
repetição da glicemia no dia seguinte. c) O glucagon estimula a glicogenólise.
d) O cortisol promove a resistência periférica à ação insulínica.
43 – Em relação ao tratamento diabetes tipo 2, assinale a alternativa
INCORRETA: 54 – Menina de 7 anos é admitida no pronto-socorro com dor de
a) A metformina constitui primeira linha de tratamento. cabeça, visão turva, palpitações, sudorese, sensação de formigamento
b) A glimepirida promove redução da glicemia com a menor dose em e tremores de extremidades. Sua glicemia plasmática era de 40 mg/dl.
relação a qualquer outra sulfonilureia. Após administração venosa de glicose, apresentou melhora dos
c) As tiazolidinedionas (rosiglitazona e pioglitazona) são indicadas em sintomas. Assinale a alternativa que contenha uma CORRETA
pacientes com insuficiência cardíaca congestiva, uma vez que tem associação fisiopatológica com este quadro clínico:
moderado efeito diurético. a) A liberação de adrenalina diminui a produção hepática de glicose,
d) A acarbose é inibidor da alfaglicosidase, enzima que digere amido e ocasionando a hipoglicemia.
frutose na luz intestinal e reduz a hiperglicemia pós-prandial em 30% a b) A queda de glicemia desencadeia mecanismos contrarreguladores
50%. como liberação de glucagon, a falta deles leva a hipoglicemia.
e) A linagliptina é um inibidor da enzima DPP-4 e tem excreção primária c) A deficiência de insulina reduz a utilização da glicose, levando a perda
pelo fígado, não necessitando de ajuste posológico em pacientes com renal de glicose, ocasionando a hipoglicemia.
insuficiência renal. d) A queda da glicose intracelular desencadeia a lipólise que leva a
hipoglicemia e acidose metabólica.
45 – Sabendo que o diabetes mellitus corresponde à doença
endocrinometabólica mais comum atualmente no Brasil, o seu 57 – O rastreamento para Diabetes Mellitus (DM) deve ser feito em:
conhecimento é de suma importância em qualquer área da medicina. I – Todos os pacientes com idade a partir de 45 anos, sendo realizado a
De acordo com os conhecimentos atuais, indique a alternativa cada 3 anos;
CORRETA: II – Pacientes que tenham Índice de Massa Corporal (IMC) ≥ 25 kg/m² e
I. Para avaliar a existência de células betafuncionantes no diabetes tipo fatores de risco para DM, independente da idade;
1, dosa-se o peptídeo C sérico e este costuma manter-se positivo por III – Pacientes que tenham IMC ≥ 23 kg/m² e fatores de risco para DM,
cerca de 5 anos, após o diagnóstico; independente da idade.
II. O diagnóstico e tratamento do diabetes gestacional, em fase Estão CORRETAS:
precoce, diminui o risco de parto prematuro e nascimento de bebês a) Apenas II.
GIG; b) Apenas III.
III. Preconiza-se o uso da insulinoterapia intensiva no diabetes tipo 1, c) I, II.
pois, segundo o DCCT, este esquema diminui o risco de d) II, III.
desenvolvimento de retinopatia, nefropatia e neuropatia;
IV. O diabetes tipo MODY corresponde a uma entidade que responde GABARITO ENDOCRINO
bem apenas ao tratamento com insulinoterapia. 1B 2C 4A 5C 6B 7C 9E 10D 11B 12E 13E 18D 19D 22E 24C 26D 31B 34A
a) Somente a afirmativa II está correta. 37D 38C 43C 45B 46A 52B 53B 54B 57C
b) Somente as afirmativas II e III estão corretas. ENDOCRINO SUPRARRENAL
c) Somente as afirmativas I , II e IV estão corretas.
d) Somente as afirmativas I e II estão corretas. 11 – A droga que pode causar insuficiência adrenal primária é:
e) Todas as afirmativas estão corretas. a) Furosemida.
b) Piperacilina + tazobactam.
46 – Homem de 32 anos com diabetes há 16 anos está em uso de c) Propranolol.
insulina NPH nas seguintes doses: 60 UI antes do café da manhã e 30 d) Cetoconazol.
UI antes de dormir, e insulina regular: 6 UI antes do café da manhã, 6
14 – Paciente, 52 anos de idade, em investigação diagnóstica devido a b) Cortisol urinário livre (3 amostras) e ACTH plasmático.
quadro de obesidade centrípeta, estrias cutâneas largas em abdome, c) Cortisol urinário livre (3 amostras) ou cortisol salivar às 23 horas (3
equimoses em membros superiores e diabetes mellitus. Considerando amostras) ou teste de supressão com 1 mg de dexametasona.
o diagnóstico provável, a conduta inicial mais adequada é: d) Cortisol urinário livre (3 amostras) e teste da supressão com 8 mg de
a) Dosagem de cortisol após altas doses de dexametasona (2 mg a cada dexametasona.
6/6h) durante 2 dias.
b) Tomografia computadorizada de abdome e dosagem de cortisol 36 – Mulher, 34 anos de idade, com queixas de amenorreia e aumento
salivar às 8h da manhã. de peso nos últimos 6 meses. Negava a possibilidade de estar grávida.
c) Tomografia computadorizada de abdome e dosagem de ACTH e Ao exame físico: IMC = 28,2 kg/m²; PA = 145 x 95 mmHg; fácies de lua-
cortisol às 8h da manhã. cheia e pletora facial; presença de estrias violáceas abdominais.
d) Dosagem de cortisol, às 8h da manhã, após supressão noturna com Avaliação laboratorial revelou os seguintes resultados: glicemia de
dexametasona. jejum = 109 mg/dl; cortisol sérico basal às 8 horas = 3,5 μg/dl (VR: 5-
25); ACTH plasmático = 3.8 pg/ml (VR < 46); prolactina = 12 ng/ml (VR:
17 – Homem, 57 anos, negro, há 7 meses refere mal-estar, cansaço 2.8-29.2); beta-HCG negativo; TSH = 1.2 mcUI/ml (VR 0.45-4.5). TC de
fácil, fadiga, náuseas, diminuição do apetite e emagrecimento de 5 kg adrenal sem alterações. Assinale a alternativa CORRETA:
no período. Está em tratamento regular para hipertensão arterial a) A dosagem do cortisol salivar à meia-noite seria de grande utilidade
sistêmica com betabloqueador e inibidor de enzima conversora de neste caso.
angiotensina. É diabético em uso de insulina há 6 anos. Procurou o b) Síndrome de Cushing exógena é a etiologia mais provável.
pronto-socorro por duas vezes, pois sua pressão estava muito baixa e c) A dosagem do ACTH após estímulo com CRH ou DDAVP permitiria
desmaiou, sendo orientado a suspender o inibidor de enzima uma definição diagnóstica.
conversora de angiotensina. Exame físico: PA sentado = 90 x 62 mmHg; d) Doença de Cushing é o diagnóstico mais provável.
PA em pé = 70 x 58 mmHg; FC = 74 bpm; oximetria de pulso = 96% (em e) A dosagem de cortisol após 1 mg de dexametasona definiria o
ar ambiente); corado; hidratado. Pulmões: murmúrio vesicular diagnóstico.
presente sem ruídos adventícios. Coração: bulhas rítmicas
normofonéticas sem sopros. Membros inferiores: ausência de edema. 37 – Você está atendendo em um posto médico e chega uma paciente
Exames laboratoriais: Na sérico = 121 mEq/L; K sérico = 5,4 mEq/L; com queixa de excesso de peso. A paciente tem 31 anos, sem
glicemia = 67 mg/dl; creatinina sérica = 1,2 mg/dl e ureia sérica = 42 comorbidades conhecidas e sem uso regular de medicações. Ao exame
mg/dl. O DIAGNÓSTICO É: físico, apresenta uma pressão arterial de 140 x 90 mmHg, altura de 165
a) Insuficiência renal crônica. cm, peso de 90 kg, fraqueza para levantar da cadeira, acantose cervical
b) Insuficiência suprarrenal primária crônica. e pletora facial. Restante do exame físico normal. Trouxe exames
c) Hiperaldosteronismo primário. realizados há 1 mês com hemograma normal, glicemia de jejum de 120
d) Hipercortisolismo primário. mg/dl, funções renais e hepática normais, urina 1 normal. Qual (is) o (s)
diagnóstico (s) mais provável (eis)?
19 – Em relação ao cortisol, assinale a alternativa INCORRETA: a) Hipertensão arterial e diabetes mellitus.
a) É fabricado pela zona fasciculada das suprarrenais. b) Obesidade e diabetes mellitus.
b) O comando de fabricação se dá pelo ACTH (adeno-hipófise). c) Síndrome de Cushing.
c) A secreção apresenta ritmo circadiano, com pico às 16h. d) Hipertensão arterial e obesidade.
d) Até o primeiro ano de vida não há ritmo circadiano. e) Obesidade e osteoporose.
e) A metabolização ocorre no fígado e seus metabólitos têm excreção
renal. 38 – Paciente de 34 anos, submetida à tireoidectomia por suspeita de
câncer na tireoide, refere adormecimento perioral. Encontra-se no
22 – Paciente de 7 anos, com sinais de precocidade sexual primeiro dia de pós-operatório e está bastante ansiosa. É avaliada pelo
acompanhados de virilização. Os exames laboratoriais mostram médico que, ao realizar seu exame físico, encontra sinal de Chvostek
aumento dos níveis séricos de 17-hidroxiprogesterona e de levemente positivo. Qual o provável diagnóstico da paciente?
androgênios adrenais. O diagnóstico é: a) Alcalose metabólica secundária à hiperventilação devido a
a) Hiperplasia adrenal por deficiência de 11-hidroxilase. ansiedade.
b) Hiperplasia adrenal por deficiência de 21-hidroxilase. b) Crise aguda de hipotireoidismo devido a retirada da glândula
c) Tumor adrenal. tireóidea desencadeada por estresse.
d) Tumor virilizante. c) Hipocalcemia devido a hipoparatireoidismo iatrogênico.
d) Crise tireotóxica por manipulação da glândula.
30 – Norma, 43 anos, está sendo submetida à investigação diagnóstica
em função de obesidade centrípeta, hipertensão arterial sistêmica grau 39 – Homem de 43 anos vem com queixa de anorexia, náusea, perda
I, diabetes mellitus secundário e equimoses superficiais nos membros, de 8 kg e fadiga intensa há 2 anos. Refere tratamento para tuberculose
havendo a hipótese diagnóstica de síndrome de Cushing. Está pulmonar há 5 anos com esquema tríplice por 6 meses. Exame clínico:
realizando exames de imagem e dosagens hormonais. Sobre a letárgico; PA = 90 x 50 mmHg; FC = 98 bpm; peso = 63 kg (IMC = 21
investigação diagnóstica de pacientes em que se contempla a possível kg/m²) com hiperpigmentação cutânea e em mucosa oral. Exames
presença da síndrome de Cushing, pode-se afirmar que: laboratoriais: hemoglobina = 10,2 g/dl; sódio = 129 mEq/L; potássio =
a) Pacientes com incidentalomas de adrenal devem sempre ser 5,7 mEq/L; creatinina = 0,9 mg/dl; ureia = 60 mg/dl; albumina = 3,1 g/dl.
avaliados quanto à possível presença de síndrome de Cushing. Qual a principal hipótese diagnóstica?
b) Substâncias como álcool e medicamentos não atrapalham a a) Hipotireoidismo.
interpretação dos testes de avaliação para a síndrome de Cushing. b) Síndrome de Cushing.
c) Quando é causada por adenoma hipofisário, a síndrome está mais c) Insuficiência Adrenal.
comumente associada à presença de um macroadenoma. d) Tuberculose miliar.
d) A sua principal causa é a hiperplasia adrenal primária, em que as e) Paracoccidioidomicose.
glândulas se revelam difusamente aumentadas de tamanho.
42 – Paciente é encontrado inconsciente e trazido à emergência. Ao
34 – Qual a melhor opção para rastreio de síndrome de Cushing? exame, apresenta-se respirando lentamente; não cianótico; pupilas
a) ACTH plasmático (2 dosagens) e ressonância magnética de hipófise. isocóricas; PA = 90 x 60 mmHg; FC = 105 bpm; mucosa oral, áreas
expostas ao sol, mamilos, linhas verticais hiperpigmentadas. Considere 5 – Mulher, 17a, comparece à unidade básica de saúde relatando que
a afirmação: o melhor é administrar glicose hipertônica e manteve relação sexual desprotegida há 4 dias. Não tem parceiro fixo
hidrocortisonaEV, porque esse paciente encontra-se em crise e não usa nenhum método anticoncepcional regular. Relata que no
addisoniana. último ano já usou contraceptivo de emergência 3 vezes. A última vez
a) As duas afirmativas são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira. que usou foi há duas semanas, tendo apresentado sangramento vaginal
b) As duas afirmativas são verdadeiras, mas a segunda não justifica a aproximadamente 7 dias depois. Não deseja engravidar. A CONDUTA É:
primeira. a) Duas doses de anticoncepcional hormonal combinado oral, com no
c) A primeira afirmativa é verdadeira, e a segunda é falsa. mínimo 30 mcg de etinilestradiol, e 400 mcg de levonorgestrel, com
d) A primeira afirmativa é falsa, e a segunda é verdadeira. intervalo de 12 horas; orientar o uso de preservativo e esclarecimento
e) As duas afirmativas são falsas. sobre métodos anticoncepcionais.
b) Explicar a necessidade de uso de método contraceptivo regular,
53 – Que dado semiótico pode auxiliar na diferenciação de insuficiência orientar o uso de preservativo e iniciar o uso de anticoncepcional
adrenal primária da secundária? hormonal combinado oral no primeiro dia da próxima menstruação.
a) Pressão arterial. c) Duas doses de anticoncepcional hormonal combinado oral, com no
b) Coloração da urina. mínimo 50 mcg de etinilestradiol, e 250 mcg de levonorgestrel, com
c) Coloração da pele. intervalo de 12 horas; orientar o uso de preservativo e esclarecimento
d) Presença ou não de dor abdominal. sobre métodos anticoncepcionais.
e) Caracteres sexuais secundários. d) Levonorgestrel 1,5 mg por via oral dose única; orientar o uso de
preservativo e explicar a necessidade de uso de método contraceptivo
60 – Paciente, 19 anos, sexo masculino, internado no HECI após alguns regular.
atendimentos em rede básica e em pronto atendimento, há cerca de 1
mês com história de fraqueza e discreto edema de membros inferiores, 10 – Em relação aos contraceptivos hormonais combinados, a
além de manchas hipercrômicas mais notadamente em face e pernas. afirmativa CORRETA é:
Refere ter sido também diagnosticado diabético em uma dessas a) Quando os anticoncepcionais orais combinados são iniciados no
consultas de pronto atendimento, onde, além disso, era identificada primeiro dia do ciclo menstrual, não há necessidade de uso de outro
presença de hipocalemia. Nesses atendimentos era medicado com método contraceptivo para aumentar a segurança.
insulina e potássio e liberado para casa. Na admissão ao HECI, além das b) Os contraceptivos hormonais combinados de baixa dose estão
alterações já descritas, apresentava ainda hipertensão arterial (170 x contraindicados para mulheres diabéticas, não tabagistas, com menos
100). Exames laboratoriais iniciais mostravam hipocalemia grave (1,8), de 35 anos, sem doença vascular associada.
além de acentuada alcalose metabólica (bicarbonato de 50). Neste c) Tanto as apresentações orais quanto o adesivo transdérmico ou anel
caso, qual a melhor hipótese diagnóstica? vaginal só podem ser utilizados de forma descontínua.
a) Insuficiência suprarrenal (doença de Addison). d) O mecanismo de ação mais importante dos contraceptivos
b) Paralisia hipocalêmica periódica. hormonais combinados é a estimulação da ovulação por supressão dos
c) Uso inadequado de insulina nesses atendimentos anteriores de fatores liberadores de gonadotrofina hipofisária, o que impede a
pronto-socorro. secreção hipofisária de FSH e LH.
d) Acidose tubular renal. e) Mulheres que pesam mais de 90 kg apresentam um risco menor de
e) Síndrome de Cushing com produção ectópica de ACTH. gravidez com o uso do adesivo transdérmico.

GABARITO SUPRARRENAL 11 – Num programa de planejamento familiar, as mulheres recebem


11D 14D 17B 19C 22B 30A 34C 36B 37C 38C 39C 42A 53C 60E informações sobre todos os métodos contraceptivos, inclusive sobre o
uso de dispositivos intrauterinos. Em relação a esse método, é
CORRETO afirmar que:
GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA a) Mulheres portadoras de diabetes podem utilizar o método.
b) Mulheres que apresentam aumento do fluxo menstrual não podem
3 – Paciente, 40 anos de idade, IIIG IIIP normais, tabagista, hipertensa fazer uso de nenhum tipo de DIU.
e divorciada. Escolheu a esterilização cirúrgica como método c) Deve-se informar às usuárias em potencial desse método, do
contraceptivo. Essa paciente está apta? Qual alternativa informa aumento de gestação ectópica a ele relacionado.
CORRETAMENTE sobre a lei de esterilização cirúrgica no Brasil? d) No puerpério, esse método está contraindicado, devendo aguardar
a) Sim, idade mínima de 35 anos e 2 filhos. o retorno das menstruações.
b) Não, idade mínima de 25 anos e estado civil casada. e) Só se usa antibiótico na ocasião de sua inserção se estiver na vigência
c) Sim, idade mínima de 25 anos ou 2 filhos. de processo inflamatório pélvico.
d) Não, idade mínima de 35 anos e estado civil casada.
e) Sim, idade mínima de 35 anos e 3 filhos. 12 – Y.D.E., 26 anos, recém-formada em medicina, com vida sexual
ativa, deseja fazer residência médica. Não quer engravidar nos
4 – Mulher, com 27 anos de idade, procura unidade básica de saúde próximos 5 anos e por isso optou por fazer uso de um método
sem queixas e desejando fazer uso de contraceptivo. Mantém atividade anticoncepcional reversível, que é o mais eficaz de todos. Sua escolha
sexual há 3 meses com uso irregular de condom. Durante entrevista foi:
clínica, mostrou desejo de fazer uso de contraceptivo hormonal oral a) O adesivo.
combinado. Não apresenta nenhum elemento na história clínica que b) O anel vaginal
impeça o uso deste tipo de contraceptivo. Está no 5o dia do ciclo c) O DIU de LNG.
menstrual. Com base no enunciado acima, assinale a alternativa que d) O implante
contenha a informação mínima essencial antes da prescrição do e) Os injetáveis mensais.
medicamento:
a) Exame especular. 14 – Progestagênio utilizado em contraceptivos hormonais combinados
b) Colpocitologia orais MENOS associado ao risco de tromboembolismo:
c) Pressão arterial. a) Desogestrel. b) Drospirenona c) Levonorgestrel.
d) Teste de gravidez. d) Ciproterona. e) Gestodeno
18 – Paciente de 22 anos, nuligesta, refere ciclos oligomenorreicos d) Espironolactona entre o 5o e o 14o dia do ciclo, associado à
desde a menarca, que ocorreu aos 12 anos de idade. Apresenta orientação de dieta e atividade física.
diagnóstico prévio de síndrome dos ovários policísticos. Ao exame,
evidencia-se hirsutismo moderado e um Índice de Massa Corporal 23 – Mulher, 36 anos, nuligesta, comparece à unidade básica de saúde
(IMC) de 31 kg/m². Em relação a esse caso clínico, analise as assertivas para orientação contraceptiva. Apresenta enxaqueca sem aura. Faz uso
abaixo: de topiramato para controle das crises de enxaqueca (200 mg/dia).
I. Se a paciente não deseja engravidar, deve-se prescrever Nega outras doenças. Não tem vícios. Ao exame: PA: 110 x 70 mmHg;
anticoncepcional combinado oral para proteção do endométrio e IMC: 22 kg/m²; exame físico geral e segmentar normal. Exame
melhora do hirsutismo; ginecológico sem alterações. Considerando os critérios de elegibilidade
II. Deve-se indicar atividade física e rastrear síndrome metabólica. Se médica da Oms, assinale a alternativa que apresenta opções de
houver hiperinsulinismo, está indicada prescrição de metformina; métodos anticonceptivos que podem ser prescritos (categoria 1 e/ou
III. É recomendada a redução de peso corporal para a saúde metabólica 2) para o caso descrito:
e restauração dos ciclos ovulatórios. Se for necessária indução da a) Pílula de progestogênio, injetável trimestral e Dispositivo
ovulação, o citrato de clomifeno é a droga de escolha; Intrauterino (DIU) de cobre.
IV. Nessa paciente, encontraremos níveis séricos de progesterona b) Anel vaginal, adesivo e injetável mensal
baixo, Globulina Ligadora de Hormônios Sexuais (SHBG) diminuída e c) Implante, injetável trimestral e DIU liberador de levonorgestrel.
17(OH) progesterona elevado. Quais estão CORRETAS? d) Anel vaginal, injetável trimestral e implante
a) Apenas I e II.
b) Apenas II e IV. 25 – Mulher, 20a, procura unidade básica de saúde solicitando
c) Apenas III e IV. medicação para anticoncepção de emergência. Relata coito não
d) Apenas I, II e III. protegido há 50 horas. Refere ciclos menstruais irregulares e nega
e) I, II, III e IV. outra relação sexual desde a última menstruação. QUANTO À
ANTICONCEPÇÃO, A ORIENTAÇÃO CORRETA É:
20 – Paciente feminina, de 18 anos, menarca aos 10 anos, com vida a) A anticoncepção de emergência não está indicada pelo tempo
sexual ativa e sobrepeso, vem à consulta médica com relato de acne transcorrido.
severa e hirsutismo, desejando uma melhora do quadro. Apresenta b) A anticoncepção de emergência não está indicada porque os ciclos
ciclos menstruais irregulares, variando entre 20-60 dias. Traz menstruais irregulares são anovulatórios.
ultrassonografia transvaginal com ovários aumentados de volume, c) Aguardar a próxima menstruação para iniciar método
contendo mais de 12 folículos entre 5-10 mm. Qual a conduta mais anticoncepcional de escolha da paciente.
adequada, além de orientação para perda de peso? d) Prescrever anticoncepção de emergência para diminuira
a) Prescrever contraceptivo oral combinado. possibilidade de gravidez.
b) Indicar inserção de Sistema Intrauterino (SIU) liberador de
levonorgestrel. 26 – Paciente de 21 anos tem queixa de dismenorreia desde a menarca.
c) Encaminhar ao dermatologista para tratamento cosmético, medida Deseja também fazer anticoncepção por longo período. Assinale a
de primeira linha. alternativa que NÃO apresenta
d) Orientar calendário menstrual durante 6 meses, imaturidade do eixo um método indicado:
hipotálamo-hipófise-ovários. a) DIU de cobre.
b) DIU com levonorgestrel.
21 – Qual é o progestogênio considerado menos trombogênico? c) Implante subdérmico de etonogestrel.
a) Desogestrel de primeira geração. d) Anticoncepcional hormonal oral combinado.
b) Drospirenona de última geração. e) Anticoncepcional com progestogênio isolado.
c) Ciproterona de terceira geração.
d) Levonorgestrel de segunda geração. 27 – Paciente de 36 anos, Gesta II Para II, procura ambulatório de
e) Gestodeno de quarta geração. ginecologia desejando orientação contraceptiva. Na anamnese, a
paciente revela ser fumante e portadora de dismenorreia e
22 – Paciente de 24 anos, nuligesta, DUM = há 45 dias, hipermenorreia. A aferição da pressão arterial evidenciou níveis de 140
QP:aumento de pelos em face, abdome e pernas, que piorou há 2 x 90 mmHg. Com relação à orientação anticoncepcional dessa paciente,
anos.refere irregularidade menstrual desde a menarca. Também ganho é CORRETO afirmar que o(s):
de peso,aumento de 20 quilos nos últimos 3 anos. vida sexual ativa, em a) DIU de cobre seria uma indicação excelente.
uso regular de preservativo como método contraceptivo.Ao exame: b) Métodos de barreira são os únicos indicados para essa paciente.
imc= 29,75 kg/m²; PA = 120 x 80 mmHg; FC = 88 bpm; CA = 98 cm. Índice c) SIU-LNG (Sistema Intrauterino Liberador de Levonorgestrel) seria
de Ferriman-Gallwey = 13. Exame físico das mamas e ginecológico: sem uma opção adequada.
alterações. Foram solicitados exames hormonais para diagnóstico: TSH d) AOC (Anovulatórios Orais Combinados) não apresentam
= 2,2 mlU/ml (VN = 0,5 a 4,0 mlU/ml); FSH = 3,1 mlU/ml (VN = 2,8 a 10, contraindicação para essa paciente.
5 mlU/ml); prolactina = 18,0 ng/ml (VN < 25,0 ng/ml); testosterona =
118 ng/dl (VN < 80 ng/dl); 17-OH-progesteronA = 78 ng/dl (VN < 150 29 – Considerando o gráfico do ciclo menstrual, indique quais
ng/dl); DHEA-S = 101 g/dl (VN < 350 μg/dl). Lipidograma normal e TOTG afirmativas estão CORRETAS:
em tempo 0 = 89 mg/dl e em tempo 120min = 130 mg/dl. US I. Se o corpo lúteo for insuficiente, o ciclo menstrual será
transvaginal = útero AVF com 98 cm³; eco endometrial = 7 mm de proiomenorreico;
espessura; Ovário D = 11,2 cm³, com 14 folículos antrais iniciais e Ovário II. Se o número de folículos for pequeno, não ocorrerá o pico de LH,
E = 8,8 cm³, com 10 folículos antrais iniciais. A melhor conduta para o porque a quantidade de FSH é insuficiente para provocar o feedback
controle da doença, nesse caso, é prescrever: positivo do LH;
a) Metformina, pois a melhora da intolerância à glicose reduzirá o III. A progesterona é responsável pela fase proliferativa do endométrio;
distúrbio metabólico. IV. O crescimento insuficiente do folículo está diretamente relacionado
b) Contraceptivo combinado oral para melhora do hiperandrogenismo com a diminuição do LH;
clínico. V. Se não houver ovulação, o ciclo poderá ser polimenorreico ou
c) Progestógeno de segunda fase para controle do ciclo menstrual. espaniomenorreico.
a) Apenas I e V estão corretas.
b) Apenas I, III e IV estão corretas. b) Ele poderia efetuar a laqueadura pós-parto pela técnica
c) Apenas II, III, IV e V estão corretas. periumbilical.
d) Apenas I, II, III, V estão corretas. c) O obstetra cometeu uma infração e pode ser penalizado.
e) I, II, III, IV e V estão corretas. d) Ato legal, pois em grande multípara, outras gestações seriam
danosas à paciente, suprimindo a necessidade de autorização prévia da
30 – Sabe-se que as pílulas combinadas trazem benefícios secundários paciente.
à saúde da mulher, além da contracepção. Assinale a alternativa que e) Não há necessidade de credenciamento junto ao SUS para realização
contém esses benefícios: deste procedimento cirúrgico.
a) Prevenção de câncer de ovário e prevenção do câncer de colo
uterino. 40 – Com relação aos mecanismos de retrocontrole responsáveis pela
b) Prevenção de câncer de mama e tratamento de acne. regulação do ciclo menstrual e da ovulação, é CORRETO dizer que:
c) Prevenção de câncer de cólon e prevenção da doença inflamatória a) A inibina B produz feedback positivo para FSH durante a segunda
pélvica aguda. metade da fase folicular.
d) Tratamento do hiperandrogenismo e diminuição da infecção pelo b) O FSH aumenta progressivamente após a ovulação como resposta ao
HPV vírus. feedback positivo do estradiol e da progesterona.
e) Tratamento da enxaqueca menstrual e da enxaqueca com aura. c) A produção de estradiol aumenta gradualmente na fase folicular,
sendo estimulada por FSH e indiretamente pela inibina A.
31 – Sobre os métodos anticoncepcionais, é CORRETO afirmar que: d) Os níveis crescentes e mantidos de estradiol na fase folicular final
a) É uma característica inerente à categoria dos métodos hormonais o produzem feedback positivo para secreção LH, gerando o pico de LH e
aumento do risco de doença tromboembólica venosa. consequentemente a ovulação.
b) Os dispositivos intrauterinos aumentam as taxas absolutas de 44 – Sobre a esteroidogênese e o ciclo menstrual, assinale a alternativa
prenhez ectópica. CORRETA:
c) O principal mecanismo anticoncepcional do dispositivo intrauterino a) A maior parte dos esteroides sexuais circula em sua forma livre.
medicado com cobre é a inibição da ovulação. b) Em resposta ao FSH, as células da teca sintetizam androgênios.
d) Os métodos hormonais apenas de progestogênio apresentam menor c) Nas células da granulosa, ocorre a conversão de estrogênios em
número de contraindicações do que os combinados progestogênios.
d) O hipotálamo apresenta um sistema de retroalimentação curta com
33 – O comportamento das gonadotrofinas e dos esteroides sexuais a hipófise através de uma rede capilar portal hipofisária
varia de acordo com as fases do ciclo menstrual normal. Desse modo,
espera-se que: 46 – NÃO é efeito do estrogênio:
a) A progesterona aumente progressivamente a partir do 3o dia do a) Predominância de células superficiais no epitélio vaginal.
ciclo, atingindo o pico ao redor do 12o dia. b) Elevação superior a 0,5°C na temperatura corporal basal.
b) No início da fase lútea, o decréscimo de FSH estimule a liberação de c) Sangramento vaginal após administração de progesterona.
progesterona. d) Proliferação endometrial.
c) No início do ciclo, o FSH aumente progressivamente, devido à e) Efeito samambaia no muco cervical ressecado
diminuição do estrogênio folicular.
d) O pico de LH que ocorre no meio do ciclo estimule a produção de 49 – Paciente de 15 anos liga para seu médico relatando ter tido uma
FSH folicular. relação sexual desprotegida e está preocupada, pois não faz uso de
e) Na fase folicular ocorra progressivo aumento de progesterona e de nenhum método contraceptivo. Qual deve ser a orientação do médico?
estrogênio, induzindo o pico de FSH. a) Orientar o uso de contraceptivo oral de emergência nas primeiras 48
horas após o ato sexual e se a menstruação não ocorrer nos próximos
34 – O dispositivo intrauterino de cobre pode ser indicado como sete dias, o método foi ineficaz.
primeira opção contraceptiva para mulheres: b) Perguntar em qual fase do ciclo menstrual a paciente se encontra.
a) Com leiomiomas submucosos de até 4 cm. Se ela estiver na primeira fase do ciclo menstrual, orientar o uso de
b) Multíparas para diminuição de sangramento uterino. contraceptivo hormonal de emergência. Se na segunda, tranquilizar a
c) Jovens nuligestas como anticoncepção. paciente, já que o risco de gravidez é mínimo.
d) Com sangramento uterino estrutural. c) Orientar o uso de contraceptivo oral de emergência e que o mesmo
e) Com discrasias sanguíneas pode ser feito até 5 dias do ato sexual, pois a eficácia será a mesma.
d) Explicar que o uso de contraceptivos de emergência apresentam
35 – Sobre a realização de cirurgia para esterilização, assinale a altas doses de progestogênio e são contraindicados para adolescentes.
alternativa que está em acordo com a legislação brasileira vigente: Neste caso, deve-se dosar o beta-hCG e, se negativo, iniciar um
a) Pode ser realizada por meio de laqueadura tubária ou histerectomia contraceptivo hormonal oral.
ou ooforectomia. e) Orientar o uso de contraceptivo oral de emergência
b) É permitida em mulheres com capacidade civil plena, a partir dos 18 preferencialmente nas primeiras 72 horas após o ato sexual.
anos e com 2 filhos vivos.
c) No caso de laqueadura para esterilização, só é permitida a via 50 – Quanto aos componentes e respectivos mecanismos de ação dos
laparoscópica. anticoncepcionais hormonais orais, considere as afirmativas seguintes.
d) É permitida nos casos em que uma nova gestação traria risco à vida I - Progestacional: evita o pico de LH;
da mulher, quando o ato for testemunhado e assinado por dois II - Progestacional: estabiliza o endométrio;
médicos. III - Estrogênio: suprime a ação do FSH;
IV - Estrogênio: torna o muco cervical espesso.
36 – Em uma maternidade do Sistema Único de Saúde, um obstetra Está CORRETO apenas o contido em:
plantonista atende uma parturiente de 40 anos, com gestação de a) I, II e III. b) II e III. c) I e III. d) II e IV. e) IV
termo, grande multípara com partos normais, sem intercorrências
mórbidas. A pedido do casal realiza, sem vantagens financeiras, cesárea 54 – Os contraceptivos orais combinados (estrogênio/ progestogênio)
para a consecução da laqueadura tubária. Pode-se afirmar que: têm alguns benefícios claramente estabelecidos. Entre os benefícios
a) Não havendo legislação a respeito, o ato médico foi louvável. abaixo, assinale a afirmativa ERRADA:
a) Redução do câncer ovariano e endometrial
b) Menor risco de adenoma hepático. adota entre essas visitas faz toda a diferença. Estar alerta ao corpo e
c) Redução da dismenorreia. se manter saudável são medidas que contribuem – e muito – para
d) Menor incidência de anemia e maior regularidade dos ciclos uma gravidez tranquila, um parto seguro e uma recuperação mais
menstruais. rápida. Nesse contexto, marque a alternativa correta:

55 – Em relação ao ciclo menstrual, é INCORRETO afirmar que: a) Exercícios físicos devem ser desestimulados, uma vez que
a) O ciclo menstrual poderá sofrer alterações na sua periodicidade em aumentam o risco de parto prematuro e pioram a lombalgia.
decorrência da ocorrência ou não da ovulação, influenciada por b) As gestantes devem ser vacinadas pra rubéola durante o pré-natal,
estímulos psicológicos e/ou ambientais. uma vez que a infecção pelo vírus durante a gestação está
b) A produção de fatores liberadores de Gonadotrofinas (GnRH) se dá associada à Sínd. Rubéola Congênita, restrição de crescimento e
de maneira pulsátil na hipófise. óbito fetal.
c) O GnRH é um decapeptídeo sintetizado no núcleo arqueado do “Apesar de estudos mostrarem que a vacina contra a rubéola é segura,
hipotálamo. e mesmo se aplicada durante a gravidez não causa danos ao feto, a
d) O GnRH chega à hipófise através do sistema porta- -hipofisário. recomendação do Ministério da Saúde é não vacinar gestantes. Este
e) Condições que interferem na pulsatilidade do GnRH podem romper procedimento visa evitar dúvidas no diagnóstico de algum problema
o equilíbrio do eixo hipotálamo-hipófise-ovariano que venha a ocorrer com o bebê. As mulheres que estiverem grávidas
no período da Campanha deverão tomar a vacina contra a rubéola logo
56 – Em relação à fisiologia do ciclo menstrual e da esteroidogênese após o parto, na maternidade ou na unidade de saúde.
ovariana, analise os itens abaixo: As mulheres que engravidarem até 30 dias depois de tomarem a vacina,
I - Os estrogênios são sintetizados principalmente pelo estímulo do FSH, e também aquelas receberam a
e os androgênios, pelo LH; vacina sem saber que estavam grávidas devem ser acompanhadas com
II - O recrutamento folicular ocorre no final da fase lútea do ciclo toda a atenção.
anterior e está relacionado com a diminuição dos níveis de inibina-A e Como se pode prevenir a Síndrome da Rubéola Congênita (SRC)? A
estradiol, que permitirá a elevação dos FSH; prevenção é feita através da vacinação de todas as mulheres em idade
III - O FSH induz receptores de LH nas células da granulosa no folículo fértil, ou seja, que tenham entre 12 a 39 anos.”
dominante; c) A gestante deve ser orientada a reduzir o consumo de álcool
IV - O folículo dominante é o que apresenta a maior atividade da enzima durante o pré-natal. A dose diária não pode ultrapassar 10g de
aromatase, o maior nível estrogênico e o maior número de receptores álcool/semana.
de FSH. Estão CORRETOS: d) É importante a gestante receber informações sobre o
a) Somente os itens I e II. aleitamento e técnicas de amamentação durante as consultas de
b) Somente os itens I e III. pré-natal.
c) Somente os itens II e III. e) As vacinas constituídas por vírus vivos atenuados são indicadas
d) Somente os itens I, III e IV. na gestação pelo potencial teórico de causar infecção fetal e
e) Todos os itens placentária.

57 – Em relação ao mecanismo das duas células, principal responsável 2. Primigesta, 30 anos de idade, ciclos menstruais irregulares, foi
pela síntese de hormônios esteroides ovarianos durante a menacme, é demitida do trabalho em 23/06/2019. No mês de outubro,
CORRETO afirmar que: ingressou com ação trabalhista contra antigo empregador,
a) Tanto as células da teca quanto as da granulosa produzem estradiol afirmando que havia sido demitida grávida. Nos documentos
na dependência da gonadotrofina predominante em cada momento. anexos ao processo, existe uma US TV que identificou um embrião
b) O Hormônio Luteinizante (LH) se liga a receptores intranucleares de 10mm de comprimento cabeça-nádegas (compatível com 7
presentes nas células da teca. semanas de IG), no dia 06/08/2018. Foi solicitado ao médico que
c) O processo de aromatização é aquele que transforma estradiol em elaborasse um parecer, cujo conteúdo deverá ser:
testosterona e ocorre nas células da teca. a) Estava grávida no dia da demissão pois foi demitida após a
d) O Hormônio Folículo-Estimulante (FSH) se liga ao receptor de fecundação.
membrana presente nas células da granulosa. b) Estava grávida no dia da demissão pois foi demitida após a nidação.
e) O colesterol é o precursor para a formação de estradiol nas células c) Solicitar à gestante um US de 2º tri para datar a gravidez.
tecais d) Solicitar à gestante um US de 3º tri para datar a gravidez.
e) Não estava grávida no momento da demissão.
58 – Na dinâmica folicular ovariana, sobre os folículos primordiais: 06/08=7s; 30/07=6s; 23/07=5s; 16/07=4s; 09/07=3s; 02/07=2s;
I – São produzidos principalmente no período de 10-12 anos; 25/06=1s – NA VERDADE, MULHER OVULOU AQUI (período fértil até
II – Apresentam-se na prófase I da divisão meiótica; dia 27/06; 18/06=DUM – A MULHER NÃO ESTÁ GRÁVIDA NA DUM.
III – A quantidade permanece a mesma em toda fase da menacme;
IV – Em cada ciclo menstrual, de 1.000 folículos primordiais recrutados, 3. A gestação caracteriza-se por um período de grandes transformações,
999 sofrem processo de atresia folicular. Está CORRETO o contido em: propício para o desenvolvimento de ações preventivas e de promoção
a) I, II e III.b) I e III. c) II e IV.d) IV e) Todas. de saúde. Os exames complementares no pré-natal buscam identificar
situações e patologias que possam interferir diretamente na saúde da
GAB GO gestante e de seu filho. Com relação a este assunto assinale a
3C 4C 5D 10A 11A 12D 14C 18D 20A 21D 22B 23C 25D 26A 27C 2A9 30C alternativa correta:
31D 33C 34C 35D 36C 40D 44D 46B49E 50C 54B 55B 56E 57D 58C
a) Gestante com VDRL reagente (em qualquer título) deve ser
TBL Consulta de Pré-Natal tratada, assim como o seu companheiro.
1. No contexto da assistência integral à saúde da mulher, a assistência b) Aguardar resultado da Urocultura para depois iniciar o
pré-natal deve ser organizada para atender as reais necessidades da tratamento mesmo com sintomas de infecção urinária.
população de gestantes, mediante utilização dos conhecimentos c) Bacteriúria assintomática em gestante não necessita de
técnico-científicos existentes e dos meios e recursos disponíveis mais antibioticoterapia.
adequados para cada caso. Os cuidados na gravidez devem ir além d) O diag. de DMG é feito somente com TOTG (75g).
das consultas periódicas ao obstetra. O estilo de vida que a mulher
e) Se a gestante for Rh negativo, não é necessário solicitar Rh para d) São vacinas recomendadas para a gestante conforme a avaliação
o parceiro, por não interferir na conduta. de risco: hepatite A – 3 doses e meningite – dose única.
e) Todas estão corretas.
4. G3PV2A0, 34 anos, em acompanhamento pré-natal na 32ª semana de
gestação. Sem queixas. GS: A+. Sorologias no início do pré-natal 8. O que deve ser analisado na anamnese para a identificação dos
negativas para: toxo, HIV, sífilis. Paciente apresentava anticorpos IgG fatores de risco para complicações materna e fetal no pré-natal?
para Rubéola (anticorpos específicos – é imune à doença), HBSAg a) Idade materna, número de gestações anteriores, tabagismo.
positivo na 15ª semana e segue positivo (gestante soropositiva para b) Uso de medicações, fatores socioeconômicos, saneamento
Hep. B  solicita-se anti-HBs para saber se IMUNIDADE POR básico.
VACINA). Hemograma, glicemia e função hepática normais. Exame de c) Escolaridade, doenças pré-existentes, uso de álcool.
Urina normal. TSH 3,2 (lembrar que aumento do estradiol eleva d) Anteced. de doenças genéticas hereditárias, suplementação
fração total de T3 e T4 até 20s, enquanto que o excesso de HCG causa vitamínica, idade materna.
redução dos níveis e) Todas estão corretas.

5. séricos de TSH. Assoc. Americana de Tireoide – valores normais de 9. Durante uma anamnese obstétrica, uma gestante com 12
TSH: 1º tri= até 2,5 mlU/L; 2º tri= 0,2-3,0 mlU/L e 3º tri=0,3-3,0mlU/L.) semanas de gestação informou para o médico a seguinte
Exame Clínico: RR e bulhas normofonéticas. P.A.: 110/70MMhG. A.U.: história: 1 parto a termo com natimorto, 2 partos prematuros,
29cm. 1 parto gemelar e 2 abortamentos. O caso pode se classificar
Dorso à esquerda, com BCF de 140bpm. T.V.: G/P/F. Qual a conduta como:
obstétrica ideal? a) G4PV3A2.
b) G6PV5A2.
a) Realizar cesariana quando do termo da gravidez. c) G7PV4A2.
b) Aguardar o parto normal, imunizar RN para Hep. B e aplicar d) G7PV4A2.
imunoglobulina específica nas primeiras 12h de vida (previne 90% e) G5PV4A2.
das transmissões verticais).
c) Imunizar mãe contra Hep. B com 3 doses da vacina. 10. Segundo o MS, o diag. de gravidez pode ser feito pelo médico
d) Aguardar o parto normal e imunizar a mãe após o parto, já que a da UBS. No início da gestação, as mulheres informam ou
vacina é contraindicada em gestantes. identificam a presença de sinais conhecidos como: presuntivos,
e) Não há necessidade de nenhuma conduta pois todos os exames de probabilidade ou de certeza. Com relação a esse assunto,
estão normais. assinale a alternativa correta.

6. Assinale a alternativa que contém as afirmações corretas a) O aumento da freq. urinária e o aumento de náuseas da
relacionadas à imunização contra o tétano neonatal: paciente são sinais de probabilidade da gestação.
I – A gestante deverá sempre tomar as 3 doses do componente tetânico b) Amenorreia, fadiga e alterações mamárias, se relatadas pela
da vacina dT durante cada gestação para obter eficácia da proteção paciente, indicarão sinais de presunção da gravidez.
contra o tétano neonatal por meio de anticorpos passivamente c) Sinais de rechaço (manobras de Leopold), contrações de
transferidos pela placenta. Braxton Hicks e linha alba são considerados sinais de
II – A história vacinal prévia deverá ser levantada para determinar probabilidade da gestação.
quantas doses do componente tetânico são necessárias para cada d) São considerados sinais de certeza da gestação: coração fetal
gestante. audível por doppler, palpação de movimento fetal, evidência de
III – Caso a pcte. não disponha de registro de sua imunização, ela será US.
considerada não imunizada e serão aplicadas 3 doses do componente e) Nenhuma alternativa está correta.
tetânico, as 2 primeiras associadas ao componente diftérico e a última
delas associada tanto ao componente diftérico como ao componente 11. Ao atender uma pcte. em início de Trabalho de Parto, você
pertussis acelular. encontra as seguintes informações no cartão pré-natal sobre
IV – A vacina tríplice bacteriana com componente pertussis acelular a datação da gestação:
deverá ser aplicada após as 20 semanas de gestação para proteção - sem dados pela DUM;
passiva do concepto contra coqueluche. - Pelo exame físico da 1ª consulta pré-natal: 41 semanas;
a) Apenas I. - pelo eco de 10 semanas: 41 semanas;
b) Apenas I, III e IV. - pela A.U. na admissão na Maternidade: 34 semanas;
c) Apenas II, III e IV. - pela eco feita na Maternidade: 34 semanas.
d) Apenas IV. Com essas informações você define que a paciente encontra-se com qual
e) Apenas II e III. IG e qual a conduta?

a) 34 semanas, feto adequado para IG, em TPP, sedar trabalho


7. Assinale a alternativa correta com relação a assistência pré-natal e de parto.
à imunização da gestante: b) 35 semanas, feto adequado para IG, em TPP, sedar trabalho
de parto.
a) Gestante com esquema completo na ultima gestação há 3 anos c) 36 semanas, feto grande para IG, em trabalho de parto,
deve ser considerada imunizada e orientar a DTPa após a 20ª acompanhar o parto.
semana para evitar a coqueluche neonatal. d) 38 semanas, feto pequeno para IG, em trabalho de parto,
b) Especial importância deve ser dada à atualização das vacinas acompanhar o parto.
constituídas por vírus vivos atenuados no período pré- e) 41 semanas, feto pequeno para IG, em trabalho de parto,
concepcional, já que a negligência nessa imunização pode acompanhar o parto.
resultar em doença fetal grave ou mesmo óbito fetal.
c) São vacinas contraindicadas na gestação: tríplice viral, febre Gabarito:
amarela e varicela. 1D 2E 3ª 4B5C 6E; 7 E 8 C 9 D 10E.
1.Durante a gravidez, os níveis circulantes de gonadotrofina coriônica a) Antecedente de macrossomia fetal.
humana (hCG) aumentam rapidamente algumas semanas após a b) Altura menor do que 1,45 m.
implantação, atingindo posteriormente um pico e, depois da queda, c) Paciente em uso de anti-hipertensivo.
nivelam-se até o termo. Baseado nisso, a função primária do hCG é: d) Idade maior que 35 anos
a) Favorecer a diferenciação do citotrofoblasto em sinciciotrofoblasto.
b) Promover vasodilatação vascular uterina. 11.Durante o pré-natal, são frequentes queixas decorrentes das
c) Propiciar o relaxamento da musculatura miometrial. modificações relacionadas ao aumento da progesterona. Em relação a
d) Suportar o corpo lúteo no início da gravidez. este hormônio, é CORRETO afirmar que ele determina:
a) Aumento da frequência cardíaca e diminuição do trânsito intestinal.
2.Mulher de 28 anos, primigesta, está realizando acompanhamento b) Polaciúria e aumento do débito cardíaco.
pré-natal em unidade de saúde da família com gestação de baixo risco. c) Contrações de Braxton Hicks e diminuição do trânsito intestinal.
Apresenta várias dúvidas em função de modificações que nota em seu d) Diminuição do peristaltismo do ureter e relaxamento miométrio.
organismo e que seus familiares dizem ser “devido à gravidez”. Nesse
cenário, o médico tem papel importante em conhecer as modificações 13Sobre o acompanhamento pré-natal, é CORRETO afirmar que:
fisiológicas da gestação e distingui-las dos estados patológicos. Entre as a) Urinocultura não é exame rotineiro durante o pré natal.
modificações ocorridas no organismo materno, é CORRETO citar: b) Quanto à vacinação, a única recomendada na gravidez é a para gripe
a) Diminuição do hematócrito e da concentração de hemoglobina por c) É desnecessária a repetição de exame sorológico para toxoplasmose
queda na produção de eritrócitos. se a sorologia no início do pré-natal for IgG e IgM negativas.
b) Aumento do débito cardíaco e diminuição da resistência vascular d) Pacientes com epilepsia, diabetes insulinodependente e obesidade
periférica. requerem dieta rica em folato e suplementação diária de 5 mg de ácido
c) Diminuição da concentração de fibrinogênio e da contagem de fólico, com início ao menos 3 meses antes da concepção.
plaquetas.
d) Aumento do peristaltismo esofagiano, levando a náuseas e vômitos. 18Uma gestante chegou à maternidade no dia28/11/2016, sem cartão
de pré-natal, com queixa de dora cada 5 minutos e perda de líquido.
3.Dentre as opções abaixo, aquela em que se aponta alteração Informa que sua última menstruação acabou no dia 06/07/2016 e que
fisiológica da gravidez é: teve duração de 4 dias. Qual a idade gestacional da paciente na data do
a) Diminuição dos leucócitos. atendimento?
b) Redução de retorno venoso dos membros inferiores. a) 20 semanas e 5 dias.
c) Redução da taxa de filtração glomerular. b) 21 semanas e 6 dias.
d) Aceleração do esvaziamento gástrico. c) 21 semanas e 1 dia.
e) Redução dos fatores de coagulação. d) 21 semanas.
e) 21 semanas e 2 dias
5.Gestante de 18 anos, na 16a semana, apresenta carteira de vacinação
com esquema completo para difteria e tétano (última dose aos 15 20Uma mulher de 27 anos, G0P0, está planejando engravidar. Na
anos). Nessa situação, é recomendação preparação, seu obstetra conduz uma sessão de aconselhamento pré-
do Ministério da Saúde de 2014: concepção, avalia o estado para rubéola e prescreve suplemento de
a) Não há necessidade de complementar o esquema vacinal nesta folato. Qual das afirmativas a seguir é a melhor explicação do objetivo
gravidez. da suplementação de folato?
b) Vacinar contra difteria (adulto), tétano e coqueluche (acelular) na a) Evitar anemia megaloblástica.
20a semana. b) Diminuir anomalias fetais.
c) Vacinar contra difteria (adulto) e tétano na 20a semana e coqueluche c) Melhorar a absorção de ferro.
(acelular) na 27a semana. d) Aumentar a função imunológica materna.
d) Vacinar contra difteria (adulto), tétano e coqueluche (acelular) entre
27a e 36a semanas. 22 Configura-se alteração fisiológica da gravidez:
a) Diminuição do ritmo de filtração glomerular.
8.Em relação ao diagnóstico sorológico para toxoplasmose, assinale a b) Resistência vascular periférica elevada.
alternativa CORRETA: c) Redução do tônus do esfíncter esofágico inferior.
a) Paciente com IgG e IgM reagentes sempre terá elevado d) Volume sanguíneo reduzido.
risco de afecção fetal. e) Elevação da motilidade intestinal.
b) Paciente com soroconversão de IgG e IgM durante a gestação está
com quadro sorológico compatível com infecção aguda. 23.Com relação à assistência pré-natal, assinale a opção
c) Teste de avidez de IgG de 85% é compatível com infecção aguda. CORRETA:
d) Presença de IgG e IgM reagentes é sempre indicação para a) O ganho ponderal na gravidez poderá ser zero ou negativo, nas
tratamento fetal com sulfadiazina e pirimetamina. gestantes com obesidade, sem que isto prejudique o feto.
e) O teste de avidez de IgG é padrão-ouro para o diagnóstico de b) As medidas da pressão arterial de gestantes normais costumam ser
infecção fetal mais baixas no primeiro trimestre, subindo no segundo e caindo
novamente no terceiro trimestre.
9.Das vacinas existentes, aponte aquelas que são seguras e indicadas c) A anemia fisiológica da gestação se deve a um menor incremento da
durante a gestação normal: massa eritrocitária em relação ao aumento do volume plasmático.
a) Febre amarela e tétano. d) A medida da altura uterina é sempre o correspondente em
b) Sarampo e rubéola. centímetros da idade gestacional em semanas.
c) Hepatite B e varicela.
d) Tétano e difteria. 25.Primigesta, 16 anos, vem para a primeira consulta pré-natal após
teste de gravidez urinário positivo, com atraso de 11 semanas. Queixa-
10.De acordo com o Ministério da Saúde, há fatores de risco que, ainda se de náuseas, tontura, cansaço e sonolência durante o dia e dor nas
que presentes, podem permitir a realização do pré-natal pela equipe mamas. Refere palpitações eventuais e, ultimamente, sente-se com
de atenção básica. Sobre esses fatores, assinale a alternativa que constipação intestinal. Sem comorbidades, nega alergias.
contém um fatorque não se inclui entre esses: Exame físico: bom estado geral, PA = 90 x 60 mmHg; FC =
104 bpm; FR = 22 irpm; T = 36,7ºC. Semiologia pulmonar sem e) Alterações de memória e concentração são mais frequentes no
alterações. Semiologia cardiológica com presença de sopro sistólico último trimestre.
+/4+ multifocal e desdobramento da primeira bulha cardíaca. Abdome
flácido, RHA+, sem alterações, indolor, útero não palpável. Exame 33Em relação à imunização na gravidez, a vacinação:
ginecológico sem alterações. Em relação às queixas e achados de I - Pelo BCG não é indicada;
exame físico desta paciente, é CORRETO afirmar que: II - Contra febre amarela não pode ser utilizada;
a) A presença de sopro cardíaco pode ser um achado fisiológico na III - Antirrábica pode ser utilizada;
gestante, porém o mais frequente é a presença de sopro diastólico. IV - Contra hepatite B não deve ser utilizada.
b) Na gestação há um aumento fisiológico do débito cardíaco e da São CORRETAS:
frequência cardíaca maternas. A gestante também pode apresentar a) I, II, III. d) IV. b) I e III.e) Todas as assertivas.
uma “dispneia fisiológica” devido ao aumento do volume corrente. c) II e IV.
c) Mastalgia é uma queixa incomum em gestantes em período inicial da
gestação. 35A gestação caracteriza-se por um período de grandes
d) Constipação é frequente em gestantes, está associada aos níveis transformações, propício para o desenvolvimento de ações preventivas
hormonais de beta-hCG e tende a melhorar com a evolução da e de promoção de saúde. Os exames complementares no pré-natal
gestação. buscam identificar situações e patologias que possam interferir
e) A pressão arterial tende a cair no primeiro trimestre de gestação, diretamente na saúde da gestante e de seu filho. Com relação a este
mantendo-se em níveis mais baixos durante toda a gestação. Isso se assunto, assinale a CORRETA:
deve ao fenômeno de vasoconstrição na gestação. a) Gestante com VDRL reagente (em qualquer título) deve ser tratada,
assim como o seu companheiro.
28No contexto da assistência integral à saúde da mulher, a assistência b) Aguardar resultado da urinocultura para depois iniciar tratamento,
pré-natal deve ser organizada para atender às reais necessidades da mesmo com sintomas de infecção urinária.
população de gestantes, mediante utilização dos conhecimentos c) Bacteriúria assintomática em gestante não necessita de
técnico- científicos existentes e dos meios e recursos disponíveis mais antibioticoterapia.
adequados para cada caso. Os cuidados na gravidez devem ir além das d) O diagnóstico de diabetes gestacional é feito somente com exame
consultas periódicas ao obstetra. O estilo de vida que a mulher adota de teste de tolerância à glicose 75 g.
entre essas visitas faz toda a diferença. Estar alerta ao corpo e se e) Se gestante for Rh negativo, não necessita solicitar Rh para o parceiro
manter saudável são medidas que contribuem — e muito — para uma por não interferir na conduta.
gravidez tranquila, um parto seguro e uma recuperação mais rápida.
Nesse contexto, marque a afirmativa CORRETA: 40Na gravidez a termo, pode-se afirmar que:
a) Exercícios físicos devem ser desestimulados, uma vez que aumentam a) O volume corrente não se altera.
o risco de parto prematuro e pioram a lombalgia. b) A capacidade residual funcional é diminuída.
b) As gestantes devem ser vacinadas para rubéola durante o pré-natal, c) As alterações da capacidade residual funcional e do volume-minuto
uma vez que a infecção pelo vírus durante a gestação está associada à tornam mais segura a anestesia.
síndrome da rubéola congênita, restrição de crescimento fetal e óbito d) O volume-minuto está diminuído.
fetal. e) O volume de reserva expiratório está aumentado.
c) A gestante deve ser orientada a reduzir o consumo de álcool durante
o pré-natal. A dose diária não pode ultrapassar 10 g de álcool por
semana. 42o acompanhamento pré-natal permite o rastreio de infecções que
d) É importante a gestante receber informações sobre o aleitamento e podem comprometer a evolução da gestação ou ser transmitidas para
técnicas de amamentação durante as consultas de pré-natal. os fetos, sendo CORRETO, por isso, afirmar que:
a) A gestante vacinada para hepatite B não necessita de triagem
30.Em relação às alterações cardiológicas e fisiológicas da gravidez, laboratorial, já que se encontra imunizada.</p>
assinale a alternativa INCORRETA: b) O teste anti-HIV pode ser realizado somente no terceiro trimestre,
a) A presença de hiperpneia, cansaço fácil, diminuição da tolerância ao permitindo a profilaxia da transmissão durante o parto.
exercício, estertores basais que desaparecem c) A gestante não vacinada para hepatite B, com resultado negativo
com tosse ou respiração profunda e edema periférico comumente para HBsAG, deve ser encaminhada para vacinação.
ocorrem durante a gravidez em mulheres normais. d) Um único resultado IgM negativo para toxoplasmose é suficiente
b) No aumento do volume uterino, com o evoluir da gravidez, o coração durante o pré-natal.
é deslocado para a esquerda e rodado para uma posição transversal. e) A realização de urinocultura, durante a gestação, somente se justifica
Como resultado, o impulso apical é deslocado cefalicamente para o quando encontramos alteração no
quarto espaço intercostal e lateralmente para a linha médio-clavicular EAS, que deve ser realizado trimestralmente.
C) O aumento volumétrico das mamas e a distensão do abdome, com
o avanço da gravidez, tornam a palpação precisa do coração difícil, 43 Paciente gestante, secundigesta, veio à consulta pré-natal no dia
senão impossível 24/10/2014, pois teve sua última menstruação em 27/08/2014. A data
D) As alterações auscultatórias que surgem durante a gestação normal provável do parto e a idade gestacional desta paciente no dia da
são percebidas no final do primeiro trimestre. A terceira e a quarta consulta são, respectivamente:
bulhas estão presentes na maioria das grávidas a partir desse período. a) DPP: 03/06/2015; IG: 8 semanas 2 dias.
b) DPP: 02/06/2015; IG: 6 semanas 2 dias.
31Ana Paula, 38 anos, chega ao seu consultório com dúvidas em c) DPP: 03/05/2015; IG: 8 semanas 3 dias.
relação às mudanças que poderão ocorrer com seu organismo caso d) DPP: 03/04/2015; IG: 6 semanas 3 dias.
venha a engravidar. Assinale a alternativa INCORRETA: e) DPP: 02/05/2015; IG: 8 semanas 3 dias.
a) A massa eritrocitária terá um acréscimo.
b) Os níveis plaquetários médios estarão reduzidos em relação ao 54 Os exames laboratoriais que devem ser solicitados na primeira
estado não gravídico. consulta de pré-natal são:
c) O débito cardíaco estará aumentado. a) Grupo sanguíneo e fator Rh, Citomegalovírus (CMV), hepatite C,
d) Aumento dos níveis de iodo sérico devido à diminuição da taxa de sorologia para sífilis e HIV, EAS (parcial de urina) e urinocultura, glicemia
filtração glomerular. de jejum e sorologia para toxoplasmose.
b) Grupo sanguíneo e fator Rh, sorologia para sífilis e HIV, EAS (parcial bacterioscopia da secreção detectou diplococos Gram-negativos
de urina) e urinocultura, glicemia de jejum, sorologia para intracelulares.
toxoplasmose e sorologia para hepatite B (HBsAG). Qual a conduta mais adequada?
c) Grupo sanguíneo e fator Rh, Citomegalovírus (CMV), sorologia para a) Doxiciclina.
hepatite B, sorologia para sífilis e HIV, EAS (parcial de urina) e b) Ceftriaxona + azitromicina.
urinocultura, CMV e sorologia para toxoplasmose e PPD. c) Ciprofloxacino.
d) Grupo sanguíneo e fator Rh, sorologia para sífilis e HIV, EAS (parcial d) Penicilina benzatina + probenecida.
de urina) e urinocultura, hemoglobina glicada, função da tireoide,
sorologia para hepatite B (HBsAG) e sorologia para rubéola 7 – Mulher, com 22 anos, procurou o ambulatório de ginecologia com
queixa de corrimento vaginal e, no interrogatório clínico, referiu vida
56 Durante o pré-natal de Marina, 17 anos, em unidade básica de sexual ativa com múltiplos parceiros e muitas vezes sem uso de
saúde, ela está com várias dúvidas sobre as alterações que irão preservativo. Frente a um possível diagnóstico de infecção genital, é
acontecer em seu organismo durante a gestação. Assinale a alternativa CORRETO afirmar que:
INCORRETA: a) Se forem encontradas clue cells no exame, o diagnóstico será de
a) Durante a gravidez, há maior risco de necessidade de uso de infecção viral.
hormônio tireoidiano em relação ao estado não gravídico. b) Se presente a Chlamydia trachomatis, existe a possibilidade de
b) Na 20a semana de gestação, a altura uterina deverá estar na cicatriz acarretar doença inflamatória pélvica.
umbilical. c) Se a infecção for por gonococos, sua ascensão é por via canalicular e
c) A relação volume plasmático/massa eritrocitária diminui com o pelo epitélio escamoso do colo.
evoluir da gestação. d) As doenças sexualmente transmissíveis de etiologia bacteriana estão
d) Poderá ocorrer hipertrofia das glândulas sebáceas da mama, os em declínio pelo aumento das infecções virais.
tubérculos de Montgomery, e a formação de aréola secundária, e) A promiscuidade sexual é agravante para as infecções, porém
denominada sinal de Hunter. aumenta a sua resistência local, justificando a não ocorrência de
e) A hiperpigmentação da pele se deve aos altos níveis de manifestações clínicas.
progesterona, que aumentam a produção e secreção do hormônio
melanotrófico da hipófise. 11 – Paciente de 17 anos utiliza anticoncepcional hormonal combinado
oral. No 24o dia do ciclo, após relacionamento sexual com preservativo,
57 A gestação determina alterações fisiológicas sobre o organismo passou a apresentar prurido vulvar intenso e leucorreia, que se
materno. Sobre este tema, indique abaixo a alternativa INCORRETA: acentuaram há três dias. O diagnóstico mais provável e o tratamento
a) A taxa de filtração glomerular aumenta até 50% no início do segundo são:
trimestre. a) Vulvite alérgica e tratamento local com hidrocortisona.
b) Ocorre redução da contratilidade da vesícula biliar com aumento do b) Tricomoníase e tratamento específico, incluindo o do parceiro.
volume residual. c) Candidíase e uso de nistatinas ou semelhantes.
c) Durante a gestação ocorre aumento significativo de sensibilidade à d) Infecção por Gardnerella vaginalis e tratamento específico.
insulina.
d) A hiperlipidemia materna é intensa e deve-se principalmente aos 13 – Paciente de 26 anos de idade com queixa de caroço doloroso na
efeitos hepáticos do estradiol e progesterona. região inguinal direita há um dia. Refere que, antes do aparecimento
e) A proteinúria durante a gestação pode alcançar níveis de até 300 desse caroço, notou uma “feridinha” na vulva que desapareceu
mg/dia. sozinha. Ao exame físico, presença de linfadenomegalia na região
60Mulher gestante com Data da Última Menstruação (DUM) em inguinal direita, com sinais flogísticos e um ponto de flutuação. Órgãos
01/03/2012 e ultrassom de primeiro trimestre compatível com a DUM, genitais externos sem outras lesões. Qual é o agente etiológico?
refere ter 2 filhos (partos normais) e um abortamento espontâneo. a) Haemophilus ducreyi.
Chega ao pronto atendimento referindo perda de líquido via vaginal há b) Klebsiella granulomatis.
uma hora. Nega dor abdominal. Exame físico geral sem alterações. Ao c) Treponema pallidum.
exame obstétrico: na palpação abdominal, o feto encontra-se com seu d) Chlamydia trachomatis.
maior eixo concordante com o maior eixo uterino, a cabeça próxima ao e) Herpes simples tipo 2.
estreito superior da bacia, dinâmica uterina ausente, batimentos
cardíacos do feto: 148 bpm, especular mostra colo epitelizado, líquido 15 – Paciente de 22 anos queixa-se de ardor e prurido vaginal e dor ao
claro com grumos provindo do orifício externo do colo e acumulado em coito, acompanhados de corrimento esverdeado, em grande
fundo de saco posterior. Toque: colo dilatado para 1 cm, sendo possível quantidade, fluido e com mau odor. É nuligesta e usuária de
identificar o polo cefálico. Com base nesse caso clínico responda, contraceptivo oral combinado. Refere disúria importante desde o início
respectivamente, em relação ao número de gestações e paridades, qual do quadro. Pensando no provável diagnóstico, o conteúdo vaginal deve
a alternativa CORRETA? apresentar:
a) IV gestações; III paridades. a) pH vaginal ao redor de 6, teste das aminas positivo e organismos
b) II gestações; IV paridades. flagelados em movimento.
c) IV gestações; II paridades. b) Hifas e esporos em meio a infiltrado leucocitário, com pH acima de
d) III gestações; III paridades. 6.
e) III gestações; II paridades. c) Células-alvo em meio a células vaginais de descamação, teste das
aminas negativo e pH inferior a 4.
GABBBB d) Cocos Gram-positivos aos pares, infiltrado leucocitário discreto e
1D 2B 3B 5D 8B9D 10C 11D 13D 18E 20B 22C 23C 25B 28D 30D 31D 33ª teste do KOH negativo.
35ª 40B 42C 43ª 54B 56C 57C 60C e) pH ácido, infiltrado leucocitário intenso e bactérias
Gram-positivas.

3 – Homem, 56 anos, procurou atendimento médico com queixa de 17 – Paciente de 34 anos procurou ginecologista com queixa de
ardência e secreção uretral do tipo mucoide e levemente amarelada há corrimento amarelado, ardor nas relações sexuais e prurido vulvar. No
5 dias. Relatou ter tido relação sexual desprotegida há 10 dias. A exame especular, identificou-se conteúdo vaginal amarelo-esverdeado
e bolhoso. Foi feito o teste de Schiller, que mostrou múltiplas manchas
claras em fundo escuro no colo uterino. A principal hipótese gonococo. Os agentes etiológicos mais frequentes nas vulvovaginites e
diagnóstica é: vaginoses são os fungos, as bactérias anaeróbicas em números
a) Vaginite citolítica. d) Cervicite por clamídia. significativamente aumentados, o Trichomonas, que é um protozoário,
b) Vaginose bacteriana. e) Candidose. e até mesmo um aumento exacerbado da flora normal de lactobacilos.
c) Tricomoníase. Vamos analisar uma mulher que comparece ao ambulatório de
ginecologia com queixa de corrimento genital. Sobre a avaliação
19 – Paciente refere corrimento vaginal branco, com grumos e prurido clinicolaboratorial, assinale a alternativa CORRETA:
intenso. Teve cinco episódios em um ano, sendo detectada a presença a) O exame a fresco confirma o diagnóstico de tricomoníase e
de hifas no exame a fresco. Nega patologias prévias. O tratamento mais candidíase, mas não da infecção por clamídia.
adequado para remissão, em longo prazo, é: b) Na dúvida entre vaginose e tricomoníase, o pH vaginal deve ser
a) Nistatina creme, via vaginal, diariamente, por 1 mês. utilizado para o diagnóstico diferencial.
b) Fluconazol oral, uma dose semanal, por 6 meses. c) A presença de hifas ao exame a fresco pode ser mais bem observada
c) Cetoconazol oral, uma dose semanal, por 2 meses. com a adição de ácido acético a 5% na lâmina.
d) Clotrimazol via vaginal, uma vez por semana, por 4 meses. d) Uma paciente com corrimento cujo parceiro tenha secreção uretral
deve ser tratada imediatamente com antirretroviral.
20 – Paciente com queixa de secreção vaginal acinzentada, com odor e) A visualização de um colo friável e sangrante, com muco-pus, leva à
forte que piora após o coito e pH vaginal maiorque 4,5. Nega prurido suspeita clínica de uma infecção por candidíase.
ou ardor urinário. Ao exame microscópico da secreção, espera-se
encontrar: 36 – Paciente, 20 anos, refere ter iniciado um relacionamento há 1 mês
a) Numerosos lactobacilos. e informa que não utiliza preservativo durante as relações sexuais.
b) Numerosos leucócitos. Apresenta, ao exame especular, colo friável, com secreção
c) Leveduras e micélios. mucopurulenta em endocérvice. Qual o diagnóstico mais provável e o
d) Células-alvo. tratamento?
a) Vaginose bacteriana/ metronidazol creme vaginal.
25 – Correlacione teste de whiff e pH vaginal com o tipo de corrimento b) Candidíase/ miconazol creme vaginal.
vaginal: c) Tricomoníase/ metronidazol creme vaginal.
I. Whiff negativo; d) Cervicite por gonococo e clamídia/ ceftriaxona e azitromicina.
II. Whiff positivo; e) Vaginose citolítica/ bicarbonato de sódio.
III. pH: 4,8–5,5;
IV. pH > 4,5; 39 – Paciente de 30 anos de idade, com parceiro único, queixa-se de
V. pH: 3,8–4,2; secreção vaginal com odor fétido, esverdeada. Ao exame físico, foi
VI. pH: 4,3–4,9. identificada secreção vaginal verde bolhosa, com hiperemia de paredes
(__ e __) candidíase; vaginais e “colo em framboesa”. Nesse caso clínico, o tratamento
(__ e __) tricomoníase; envolve:
(__ e __) vaginose bacteriana; a) Fluconazol via oral para o casal, associado a creme vaginal de
(__ e __) corrimento fisiológico. miconazol.
a) I e III; II e IV; II e V; I e VI. b) Uso local de lactobacilos e orientação quanto a hábitos de higiene.
b) I e VI; II e III; II e IV; I e V. c) Creme vaginal com associação de metronidazol e miconazol.
c) I e V; I e III; II e VI; I e IV. d) Metronidazol creme vaginal apenas para a paciente, já que não se
d) II e IV; I e IV; II e V; II e VI. trata de infecção de transmissão sexual.
e) II e V; II e III; I e IV; II e V. e) Metronidazol via oral para o casal.

31 – Sobre a vaginose bacteriana, assinale a alternativa 47 – Paciente de 40 anos veio com queixa de corrimento de odor fétido,
INCORRETA: com piora após relação sexual. Ao exame especular, tem corrimento
a) O odor associado ao corrimento em geral piora após o coito. abundante, amarelo-esverdeado, bolhoso. Whiff test = positivo; pH >
b) Disúria, dispareunia e prurido podem acompanhar o quadro. 4,5. Exame a fresco: protozoário flagelado. Sobre a situação clínica
c) Clindamicina oral ou em creme vaginal é opção terapêutica. acima, marque a resposta CORRETA:
d) O metronidazol oral ou em creme vaginal se associa a baixos índices a) O diagnóstico padrão-ouro é feito pelos critérios de Nugent.
de cura. b) O tratamento acima deve ser feito com fluconazol.
c) O exame a fresco fornece o diagnóstico.
34 – Paciente de 32 anos, diabética, sem controle adequado, refere que d) Trata-se de uma vaginose bacteriana clássica.
há 10 dias vem apresentando corrimento branco, grumoso, e) Candidíase é a principal suspeita clínica.
acompanhado de prurido vulvar intenso e disúria terminal. Ao exame
ginecológico, foram evidenciados hiperemia importante do introito 49 – Paciente de 17 anos, sem vida sexual ativa, retorna da praia com
vaginal, escoriações perineais, corrimento branco em placas e queixa de corrimento branco, leitoso, com prurido vulvar intenso há 2
hiperemia vaginal. Qual o agente causador mais provável para esta dias, sem odor, nega doenças e refere ter usado antibiótico para
vulvovaginite? amigdalite há 10 dias. Qual é o diagnóstico MAIS provável para esse
a) Gardnerella vaginalis. caso clínico?
b) Trichomonas vaginalis. a) Vulvite química.
c) Candida albicans. b) Vaginose bacteriana.
d) Herpesvírus humano. c) Candidíase vaginal.
e) Papilomavírus humano. d) Tricomoníase vaginal.

35 – Vulvovaginites e vaginoses são a causa mais comum de corrimento 51 – O corrimento vaginal na tricomoníase tem as seguintes
vaginal patológico, responsáveis por inúmeras consultas aos características, EXCETO:
ginecologistas. São afecções do epitélio estratificado da vulva e/ou a) Aderente às paredes vaginais.
vagina, diferenciando-se das cervicites, que acometem a mucosa b) Cor amarelo-esverdeado.
glandular, onde as causas mais comuns são infecções por clamídia e c) Quantidade intensa.
d) Consistência homogênea e fluído-bolhosa. 5) sobre os efeitos colaterais e riscos da anticoncepção

58 – A vulvovaginite inespecífica é a causa mais frequente de consultas _ os efeitos colaterais mais comuns são náusea , cefaleia , mastalgia .
de crianças com corrimento e prurido genital, sendo decorrente de má dependem da dose de estrogênio usada e diminuem com o tempo.
higienização e contaminação fecal. O agente mais frequente associado Pode haver discreto ganho de peso por retenção hídrica, ligado a dose
à vulvovaginite na infância é: de estrogênio.
a) Escherichia coli. _ alterações na pressão arterial como aumento discreto e ate mesmo o
b) Klebsiella sp. areceimento de has podem ocorrer no primeiros 6 meses de uso de
c) Staphylococcus epidermidis. ACO em funçõ da progesterona utilizada e da dose de estrogênio,
d) Staphylococcus saprophyticus. devido a primeira passagem hepática do etinilestradiol.
_ os contraceptivos combinados podem ser utilizados em mulheres
amamentando com menos de 6 semanas após o parto sendo
GAB 3 considerado cat 2
3B 7B 11C 13D 15ª 17C 19B 20D 25B 31D 34C 35ª 36D 39E 47C 49C 51A _ os efeitos colaterais relacionados aos progestagenos androgênios são
: acne cabelos oleosose hirsutismo. Os compostos mais recentes
TBL ANTICONCEPÇAO E PLANEJAMENTO FAMILIAR apresentam poucos edeitos dessa ordem.
_ o risco de tromboembolismo venoso associado ao uso de CO esta
1) qual a correta relacionado a dose de estrogênio e aumenta com a idade da mulher .
a) os contraceptivos compostos pela combinação de estrogênio e de
progesterona atuam inibindo a síntese e a liberação das a) VVFVV
gonadotropinas hipofisarias. b) FVVFV
b) os contraceptivos com progesterona isolado a base de desogestrel c) VVFFV
75mg é capaz de inibir a ovulação, alterar o endométrio e o muco d) FVFVV
cervical, apresentando eficácia contraceptiva semelhante a dos e) VFFVV
contraceptivos orais.
c) o wstrogenio mais largamente utilizado nas formulações é o 6) Pcte feminino 23 solteira nulipara , quer contraceptico hormonal.
etinilestradiol EE esteroide sintético no qual se acrescentou um radical Esta acima do peso, tem veias varicosas e irma tem historia de TVP.
17 alfa do estradiol, evitando sua degradação intestinal. Qual a melhor progesterona pra ela ?
d) os estogenios são responsáveis por inibir a secreção de FSH, a) levonogestrel
proporcionar estabilidade ao endométrio e aumentae a concentração b) gestodeno
de receptores de progestagenos. c) norgestimato
e) todas estão corretas. d) acetato de ciproterona
e) drosperinona
2 para eleger um método contraceptivo, é importante a mulher:
a) Ter experiência anterior no uso do método 7 mecanismo de ação dos ACO
b) Discutir com seu parceiro sobre o uso do método
c) Receber informações necessárias sobre os diferentes _ os progestagenos suprimem a secreção e o pico de LH .
métodos contraceptivos consequentemente bloqueiam a ovulação
d) Não desejar mais filhos _ os estrógenos são responsáveis por ativar a secreção de fsh com
e) Ser maior de idade. consequente proliferação endometrial
_ aumento da viscosidade do muco cervical tornando-o espesso e
3) segundo os critérios de elegibilidade da oms, uma pcte com 40 anos impenetrável ao espermatozoide
e has controlada deveria usar apenas os seguintes métodos _o aumento da secreção e peristalse das trompas, dificultando a
contraceptivos pertencentes as categorias 1 e 2. migração de espermatozoidese captação do ovulo.
a) contraceptivos combinados de 3 geraçãoe minipílula
b) diu e contraceptivo mensal injetável a) FVFV
c) siu e contraceptivo oral combinado contendo drosperinona b) VFVF
d) minipílula e anel vaginal c) FFVV
e) qualquer método contendo progestogenio (minipílula, implante d) VVFV
Dmpa, SIU e) VFFV

4)analise as corretas 8)EM RELAçÃO A ESCOLHA DA FORMULAÇÃO DO aco ASSINALE A


I. o diu de progestogenio é um alternativa contraceptiva possível para CORRETA.
mulheres acima dos 40 anos com risco pra tromboembolismo
II. os ACO contínuos são uma boa opção no caso de dismenorreia em I atualmente não existe justificativa para o emprego de Acos de
mulheres jovens contracepção estrogenica alta, pois aqueles com menos de 0,05 mg de
III. existem contraindicações p uso de pílula de emergência com EE possuem a mesma eficácia cotraceptiva com definida redução de
levonogestrel risco de fenômenos tromboemboliticos.
IV enxaqueca com aura é uma contraindicação relativa ao uso de II. Em relação aos tipos de rogestogenos os compostos com
contraep hormonal combinado. levonogestrel (progestageno derivado da testosterona) parecem estar
associados com menor risco de trombose.
a) I III. o acetato de medroxiprogesterona de deposito e considerado uma
b) I, II, III contracepção segura , porem em decorrência de altas doses e por
c) I, II causa da ligação com o receptor de glicocorticoides,
d) II, III mineralocorticoides e androgênio, como efeitos colaterais descrevem-
e) I, II, III ,IV se retenção hídrica , ganho de peso, e redução da densidade mineral
óssea.
IV. o acetato de ciproterona é o progestageno com maior atividade
antiandrogenica , competindo diretamente no receptor androgênico
com a di-hidrotestosterona.

A) I, II
B) II, III,IV
C) I, III
D) I,III,IV
E) I, II, III, IV

9) quanto a ação do sistema intrauterino liberador de levonogestrel (siu


lng) e d o diu de cobre, assinale a incorreta.
a) SIU-LNG deixa o muco cervical espesso e hostil á penetração do
espermatozoide
b) a alta concentração de levonogestrel no endométrio impede a
resposta ao estradiolcirculante.
c) ambos apresentam elevada eficácia anticoncepcional e não
dependem da usuária
d)o mecanismo de ação mais aceito atualmente para diu de cobre é a
existência de um ambiente intrauterino espermicida , seja pelo cobre,
seja por citocinas e substancias inflamatórias liberadas no endométrio.
e) o diu de cobre esta associado com a redução do sangramento
menstrual em mulheres com hipermenorreia.

10. todas as situações abaixo podem reduzir a eficácia contraceptiva


dos ACO, EXCETO:
a) vômitos
b) uso irregular do método
c) dislipidemia
d) uso de babituricos
e) rifampicina

gab:1E 2C 3E 4B 5A 6A 7B 8E 9E 10C
PNEUMOLOGIA MEDCURSO II. O paciente deve ser avaliado quanto à gravidade do quadro,
considerando para tal a presença de hipercapnia, confusão mental e
3 – Mulher, 67 anos, faxineira, encaminhada para avaliação pré- disfunção ventilatória. Nesses casos, o paciente deve ser hospitalizado
operatória de colecistectomia. Há 2 anos com dispneia e tosse seca para otimizar o manejo;
desencadeadas por médios esforços. Relata despertares noturnos III. O uso de ventilação não invasiva nos pacientes com hipercapnia
devido falta de ar. Fumou (30 cigarros/dia) durante 41 anos, parou há (PaCO2 > 45 mmHg) reduz a mortalidade e a necessidade de intubação
4 anos. Trabalhou na colheita de café por 20 anos. É hipertensa. Teve e ventilação mecânica invasiva;
pneumonia há 1 ano. Medicações em uso: aminofilina 100 mg, 2 vezes IV. Para os pacientes que necessitam de internação hospitalar, a
ao dia; digoxina 1/4 cp ao dia; hidroclorotiazida 25 mg/dia. Exame prescrição de corticoides não reduz a permanência hospitalar e nem o
físico: BEG, eupneica, obesa, PA: 160 x 90 mmHg, murmúrio vesicular tempo de recuperação, apenas diminui a recorrência de novas
diminuído difusamente sem ruídos adventícios, sem outras alterações. exacerbações. Quais estão CORRETAS?
Espirometria pré-broncodilatador: CVF: 108% do previsto (4,14 L); VEF a) Apenas I e II.
: 62% (1,91 L); VEF1/CVF: 0,44; FEF 25- -75%: 53% (1,68 L/s). b) Apenas II e III.
Espirometria pós-broncodilatador: Depois de 15 minutos da inalação de c) Apenas III e IV.
salbutamol, 2 jatos, houve incremento de 0,17 L do VEF1, equivalente d) Apenas I, II e III.
a 9% do valor basal. O valor de CVF aumentou 2%. CVF: Capacidade e) Apenas II, III e IV.
Vital Forçada; VEF1: Volume Expiratório Forçado no primeiro segundo;
FEF 25-75% : Fluxo Expiratório Forçado dos 25 aos 75% da CVF. Qual é 26 – Em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica, padrão
o diagnóstico mais provável? enfisematoso, ocorre caracteristicamente, aumento:
a) Asma brônquica. a) Da capacidade pulmonar total.
b) Doença pulmonar obstrutiva crônica. b) Da razão: volume expiratório forçado no primeiro segundo/
c) Bronquiolite do fumante. capacidade vital forçada.
d) Insuficiência cardíaca. c) Da capacidade vital forçada.
d) Da retenção do CO2.
7 – É causa de doença pulmonar obstrutiva crônica não relacionada ao e) Do fluxo expiratório máximo.
tabagismo:
a) Sarcoidose. 27 – O derrame pleural se caracteriza pelo aumento do volume do
b) Deficiência de alfa-1-antitripsina. líquido pleural normal. Para classificá-lo em exsudato ou transudato,
c) Exposição à sílica. devem ser dosadas as seguintes substâncias:
d) Infecção a Necator americanus. a) Glicose e pH. b) pH e DHL. c) DHL e proteínas. d) Proteínas e glicose.
e) Pneumonia comunitária.

29 – Paciente, 63 anos, sabidamente portador de DPOCe com provas


8 – Em relação à Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), é de função pulmonar mostrando um VEF1 de 40% do previsto, vem
CORRETO afirmar que: regularmente à Unidade Básica de Saúde (SUS), apresentando
a) A interrupção do tabagismo reduz a perda de função pulmonar, exacerbações frequentes de seu quadro clínico. A SaO2 por oximetria
aumentando a sobrevida dos pacientes. de pulso é 91%. Qual dos seguintes esquemas terapêuticos é o mais
b) O tabagismo é o principal fator de risco, havendo relação direta e apropriado?
linear entre carga tabágica e VEF1. a) Salbutamol oral diariamente e fluticasona, inalada duas vezes ao dia.
c) Dispneia é o sintoma mais comum, devendo a presença de tosse b) Fluticasona inalada duas vezes ao dia, tiotrópio inalado, duas vezes
levar à suspeita de “crise de exacerbação”. ao dia, salbutamol inalado, conforme necessário e oxigenoterapia em
d) Os beta-agonistas de longa ação, antes associados a um índice maior domicílio.
de mortalidade, são hoje considerados drogas de segunda linha no c) Fluticasona inalada, duas vezes ao dia, tiotrópio inalado, duas vezes
tratamento. ao dia e salbutamol inalado conforme necessário.
e) A tomografia computadorizada de tórax, como rastreamento do d) Salmeterol inalado, duas vezes ao dia e salbutamol, conforme
câncer de pulmão, é recomendada, anualmente, No caso de pacientes necessário.
tabagistas. e) N.D.A.

15 – As causas mais comuns de derrame pleural Sanguinolento são as 32 – Homem de 62 anos, bancário, grande fumante (40 maços/ano),
seguintes, EXCETO: apresenta tosse cheia com secreção esverdeada, astenia e febre (37,5
a) Insuficiência cardíaca congestiva. °C) há 5 dias, após episódio gripal (sic), quando passou a apresentar
b) Tumor maligno. também dispneia (MRCm 3/4). O paciente refere que, há 4 meses teve
c) Embolia pulmonar com infarto. quadro semelhante. Ao exame físico, revela estado geral regular,
d) Tuberculose. dispneico (FR = 30 irpm), pletórico com sobrepeso e discreto edema de
membros inferiores. A ausculta pulmonar revela roncos difusos e sibilos
16 – Nas causas de derrame pleural exsudativo, triglicerídeos > 110 esparsos e a ausculta cardíaca apresenta os seguintes resultados:
mg/dl, sugere: hiperfonese de P2, FC de 110 bpm e PA 160 x 95 mmHg. O raio X do
a) Tumor maligno. b) Pancreatite. c) Quilotórax. d) Doença do tecido tórax revela hiperinsuflação pulmonar, aumento do tronco da
conjuntivo. pulmonar eespessamento das paredes brônquicas. Os resultados da
gasometria são: pH 7,32; PaO2 55 mmHg; PaCO2 45 mmHg. De acordo
17 – São possíveis causas de derrame pleural, EXCETO: com esses dados, o diagnóstico para esse caso é:
a) Insuficiência cardíaca congestiva. b) Pneumonia. a) Paciente com exacerbação de sua DPOC, devendo ser prontamente
c) Artrite reumatoide. d) Hipertireoidismo. instituído tratamento.
b) Paciente asmático não controlado, apresentando episódio gripal.
19 – Em relação às exacerbações agudas da doença pulmonar c) Paciente com pneumonia da comunidade, provavelmente por
obstrutiva crônica, analise as seguintes assertivas: germes atípicos.
I. No manejo inicial, a suplementação com oxigênio deve ser feita com d) Paciente com DPOC grau leve (tipo A).
o objetivo de manter a SaO2 ≥ 90%;
34 – Qual é o principal exame complementar para o diagnóstico da
doença pulmonar obstrutiva crônica e sua classificação de gravidade? 52 – Na DPOC, qual a definição de bronquite crônica?
a) Radiografia de tórax. a) É uma condição clínica caracterizada por tosse, dispneia e
b) Gasometria arterial. broncoespasmo nos períodos de inverno.
c) Espirometria. b) É uma condição clínica definida pela presença de tosse e produção
d) Tomografia de tórax. de escarro por pelo menos 3 meses ao ano, em 2 anos consecutivos.
c) É basicamente anatômica e refere-se à dilatação e distorção
38 – Homem, 66 anos chegou à (USF) apresentando dispneia intensa, irreversível dos brônquios, em decorrência da destruição dos
tosse produtiva. Nos últimos dias, após uma discussão com o filho, ficou componentes elástico e muscular de sua parede.
mais nervoso passando a fumar de 15 para 32 cigarros/ dia agravando d) É uma doença inflamatória crônica que se caracteriza por episódios
o seu quadro. Apresenta história de tabagismo desde os 22 anos e vem repetidos de tosse e sibilância.
realizando acompanhamento médico na USF por esse problema há 5 e) Nenhuma das anteriores.
anos, fazendo uso de formoterol para inalação, embora refira que o
medicamento só melhora na hora do uso. Não apresenta febre e 57 – Homem, 40 anos, vem apresentando há cerca de 4 meses dispneia
apresenta PA de 120 x 80 mmHg. Com base na história acima, assinale aos esforços, com episódios de sibilância e tosse. Nega tabagismo ativo
a alternativa com os possíveis achados ao exame físico, além de tórax ou passivo. Nega exposição a substâncias tóxicas. Nega outros
hiperinsuflado e respiração com lábios semicerrados: antecedentes. Tem irmão com quadro semelhante. Espirometria: VEF1
a) Tempo expiratório prolongado; na ausculta diminuição do murmúrio = 70%; VEF1/CVF = 0,5; Radiografia de tórax: sinais de hiperinsuflação.
vesicular, frequentes sibilos e estertores crepitantes raros. Redução da trama broncovascular e áreas de hipertransparência,
b) Tempo expiratório diminuído; na ausculta diminuição do murmúrio ambos de predomínio nas bases. Tomografia de tórax = simplificação
vesicular, raramente sibilos e raramente estertores crepitantes. da arquitetura pulmonar, redução da atenuação do parênquima e
c) Tempo expiratório diminuído; na ausculta diminuição do murmúrio diminuição do número e calibre dos vasos, principalmente nas bases.
vesicular, ausência de sibilos e estertores frequentes. O exame fundamental para o diagnóstico etiológico do quadro clínico
d) Tempo expiratório prolongado; na ausculta murmúrio vesicular acima é:
normal, sibilos e ausência de estertores crepitantes a) Alfa-1-antitripsina.
b) Anticitoplasma de neutrófilos.
c) Fator Antinúcleo (FAN).
40 – A espirometria é necessária para estadiar a gravidade da doença d) Antígeno Carcinoembrionário (CEA).
pulmonar obstrutiva crônica de acordo com os critérios GOLD. Relação e) Alfafetoproteína.
VEF1/CVF < 0,7 com VEF entre 30 a 50% do previsto, caracteriza DPOC:
a) Grave. b) Leve c) Muito grave. d) Moderada. e) Sob risco. 60 – Em relação à Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), é
CORRETO afirmar que:
41 – Mulher, 32 anos, vem ao clínico com queixa de tosse, dispneia, a) Histologicamente, na bronquite crônica observa-se dilatação dos
sobretudo à noite ou nas primeiras horas da manhã. Relata que os espaços aéreos distais.
sintomas são relacionados a odores fortes, exercício físico e ocorrem 2 b) O enfisema centrolobular acomete preferencialmente os lobos
vezes na semana. Apresentou sintomas semelhantes durante a pulmonares superiores, sendo praticamente restrito a fumantes.
primeira gestação há 4 anos. Considerando a principal hipótese c) A bronquite crônica associa-se diretamente e de forma
diagnóstica, qual o exame complementar mais importante que deve ser imprescindível à obstrução das vias aéreas.
solicitado? d) Pacientes com DPOC apresentam espirometria com redução na
a) Espirometria. resistência ao fluxo aéreo.
b) Polissonografia. e) Casos de enfisema panacinar acometem exclusivamente os lobos
c) Endoscopia digestiva alta. superiores.
d) Tomografia de tórax.
e) Eletrocardiograma. 63 – Quanto ao derrame pleural encontrado na insuficiênciacardíaca
congestiva, é ERRADO afirmar que:
45 – Um paciente idoso é internado com relato de dispneia progressiva a) É um exsudato rico em proteínas.
nos últimos dois dias, associada à tosse e expectoração amarelada b) Geralmente é bilateral.
abundante, sem febre. Diz ser portador de DPOC e ter sido internado, c) É comum na evolução da doença.
com crise semelhante, há seis meses. Com relação ao caso, assinale a d) Pode ser unilateral, e nessa situação geralmente é à direita.
alternativa ERRADA: e) O diagnóstico clínico geralmente é suficiente.
a) É provável que o paciente esteja no estágio 3, ou mesmo 4, da
doença pela classificação de GOLD. 64 – Em relação ao derrame pleural, qual pode ser considerado
b) Mesmo na ausência de febre, antibióticos estão indicados neste transudado?
caso. a) Tuberculose.
c) Prednisona oral deve ser utilizada por tempo indeterminado se b) Cirrose.
houver baixa tolerância aos esforços e VEF1 menor que 40% do previsto c) Derrame parapneumônico.
para sexo, idade e altura. d) Infecções virais.
d) Ventilação não invasiva deve ser considerada se houver dispneia e) Lúpus eritematoso sistêmico.
grave e aumento da pCO2.
66 – Um paciente de 58 anos, com diagnóstico de Doença Pulmonar
46 – Considere as condições a seguir presentes em pacientes com Obstrutiva Crônica (DPOC), há 3 dias apresentou piora da tosse e da
doença pulmonar obstrutiva crônica: expectoração, agora purulenta, associada à piora da dispneia, agora em
I - PaO2 ≤ 55 mmHg; repouso. Chega à emergência, lúcido e orientado, com FR: 38 irpm, uso
II - SaO2 ≤ 88%; de musculatura respiratória acessória, SatO2: 88% em ar ambiente e
III - Presença de policitemia, independentemente do valor da PaO2. murmúrio vesicular difusamente diminuído com sibilos finos difusos
Quais delas determinam a instituição de oxigenoterapia domiciliar bilaterais. Assinale a alternativa CORRETA:
prolongada? a) Na ausência de melhora clínica significativa com oxigenoterapia
a) Apenas I. b) Apenas II. c) Apenas III. d) Apenas I e II. e) I, II e III. cautelosa e broncodilatadores, a ventilação mecânica não invasiva está
indicada para aliviar a dispneia e prevenir a necessidade de intubação
orotraqueal. 80 – Homem, 70 anos, com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
b) Por se tratar de paciente com exacerbação de DPOC, está totalmente (DPOC) avançada, apresenta-se com intensa falta de ar, que tem
contraindicada a oxigenoterapia, pelo risco de narcose pelo gás durado dois a três dias. Há vários dias começou com tosse exacerbada
carbônico. e produção de escarro amarelo-esverdeado, que se tornou difícil de
c) A ventilação mecânica não invasiva só pode ser indicada após a expectorar. A dispneia progrediu e até para caminhar de um cômodo
análise de gasometria arterial. para o outro sentia dor em constrição no peito e edema de tornozelos.
d) A terapêutica inicial não pode ser estabelecida antes de ser realizada Ao exame físico apresenta taquipneia, com fase expiratória prolongada,
e avaliada a radiografia de tórax. taquicardia, cianose, tórax hiperinsuflado, sibilos agudos difusos no
e) Como os glicocorticoides sistêmicos têm ação instantânea, a final da expiração. Sopro sistólico leve na borda esternal inferior
ventilação mecânica não invasiva não pode ser iniciada antes da esquerda mais intensa na inspiração. As veias jugulares estão
administração deste tipo de droga. distendidas. Assinale a alternativa INCORRETA:
a) Apenas 15 a 20% dos fumantes tem DPOC clinicamenterelevante,
67 – Mulher, 65 anos, há 30 dias com dor torácica à direita e dispneia enquanto a exposição ambiental e a fumaça do tabaco aumenta o risco
aos esforços. Radiografia de tórax demonstra derrame pleural de câncer de pulmão.
volumoso à direita. Antecedente de mastectomia à direita por b) A DPOC pode ser definida por tosse, expectoração e história de
neoplasia de mama há 5 anos. Assinale a alternativa CORRETA: tabagismo.
a) A citologia total e diferencial apresentará predomínio de neutrófilos. c) A espirometria é o melhor exame para diagnosticar e quantificar a
b) A relação LDH do líquido pleural/LDH sérica deve ser 0,4. intensidade da DPOC. Dentre os parâmetros avaliados, a redução do
c) A biópsia de pleura com agulha de Cope tem positividade próxima de volume expiratório final é o mais sensível.
90%. d) No tratamento da DPOC são utilizados broncodilatadores,
d) A citologia oncótica tem bom valor diagnóstico e, por isso, uma glicocorticoides, antibióticos e oxigênio suplementar.
quantidade de líquido pleural deverá ser enviado para esse exame. e) No paciente acima, dentre os vários fatores que poderiam exacerbar
a DPOC, o infeccioso é o mais provável.
68 – Na Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), qual dos
medicamentos a seguir citados é o de maior relevância no seu GAB
tratamento? 3B 7B 8ªA15A 16C 17D 19D 26A 27C 29C 32A 34C 38A 40A 41ª 45C 46D
a) Broncodilatador. b) Corticosteroide sistêmico. c) Corticoide 52B 57ª 60B 63A 64B 66ª 67D 68ª 74C 77ª 79ª 80B
inalatório. d) Antibiótico. e) Anti-histamínico.
23 – Qual dos achados abaixo SUGERE o nódulo pulmonar maligno.
a) Nódulo com calcificação em “pipoca”.
74 – Em pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) o b) Nódulo com borda espiculada.
melhor indicador isolado de risco de exacerbações da doença é: c) Nódulo menor que 1,5 cm.
a) A PaO2. d) Nódulo de 2,5 cm sem crescimento em relação a nódulo visto em
b) O tempo de doença. radiografia de tórax do ano anterior.
c) História de exacerbações prévias.
d) O grau de obstrução do fluxo aéreo. 24 – “Tumores malignos de pulmão, localizados mais perifericamente,
e) A PaCO2. e que por esta razão são descobertos acidentalmente como uma lesão
periférica na radiografia de tórax. Em razão da invasão da parede
torácica ou pleural podem apresentar dor torácica e derrame pleural
77 – Em relação à Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), pode- mais frequentemente”. A descrição acima corresponde habitualmente
se afirmar que: a:
a) A história natural da DPOC desenrola-se ao longo de 20 a 30 anos até a) Carcinoma espinocelular.
que surjam as primeiras manifestações clínicas. b) Carcinoma de pequenas células.
b) Para pacientes com doença avançada, está indicado o uso contínuo c) Adenocarcinoma.
de prednisona 10 mg ao dia. d) Carcinoma broncoalveolar.
c) Não há associação entre infecções respiratórias recorrentes e o e) Carcinoma papilífero.
desenvolvimento de DPOC.
d) Em pacientes com doença estável, o uso de mucolíticos propicia 29 – Um paciente foi diagnosticado com neoplasia pulmonar em lobo
grande alívio sintomático. superior esquerdo, e possuía também derrame pleural esquerdo
volumoso. Foram realizadas drenagem pleural e análise citológica de
79 – Margareth, de 35 anos, dá entrada ao pronto-socorro com tosse, líquido coletado, sendo identificadas células neoplásicas. Frente ao
febre e dor torácica direita há duas semanas. Encontra-se desidratada, caso, pode-se dizer que a doença se encontra no estágio clínico:
dispneica e com febre de 39°C. RX de tórax demonstrou imagem de a) IIIB. b) IIA c) IIIA d) IIB e) IV.
hipotransparência em hemitórax à direita. À cirurgia, foi chamada para
fazer uma punção diagnóstica e, se necessário, realizar a drenagem 36 – A radiografia de tórax. É importante conhecer as lesões
torácica. Com relação à punção-drenagem, assinale a alternativa pulmonares para que não se protele algum procedimento cirúrgico
CORRETA: necessário, pois quanto mais precoce maior a chance de cura de lesão
a) Em derrames pleurais volumosos, a toracocentese deverá ser lenta, maligna. Sabemos que em torno de 10% das consultas pneumológicas
para evitar a expansão súbita do pulmão. são achados radiológicos sem significado clínico. Um nódulo pulmonar
b) Devemos drenar o tórax somente quando o derrame pleural ocupar solitário se caracteriza por:
50% da cavidade pleural. a) Lesão de até 3 cm de diâmetro, circundada por parênquima normal
c) A melhor posição para realização de uma drenagem torácica é com e mediastino sem linfadenomegalia.
o paciente deitado. b) Lesão de até 4 cm de diâmetro, circundada por parênquima normal
d) A punção na toracocentese deve ser sempre na borda inferior da e mediastino sem linfadenomegalia.
costela superior. c) Opacidade pulmonar arredondada, bem circunscrita, envolta por
e) A toracocentese diagnóstica deve ser realizada ao nível do 4o espaço parênquima pulmonar normal, com diâmetro ≤ 3 cm e não associada à
intercostal ao nível da linha hemiclavicular.
linfadenomegalia mediastinal, pneumonia, atelectasia ou derrame d) Tosse, disfagia e fraqueza.
pleural.
d) Lesão de até 4 cm de diâmetro, circundada por parênquima normal. 61 – Com relação ao câncer de pulmão, qual tipo histológico que se
e) Lesão de até 5 cm de diâmetro, circundada por parênquima normal apresenta com mais frequência em estágio avançado no momento do
e mediastino sem linfadenomegalia. diagnóstico?
a) Carcinoma de grandes células.
44 – Considere as manifestações clínicas do câncer de pulmão, b) Adenocarcinoma muco-produtor.
preenchendo os parênteses com V (Verdadeiro) ou F (Falso). c) Carcinoma de células escamosas.
( ) Atualmente, devido aos recursos disponíveis, a maioria dos casos são d) Carcinoma de pequenas células.
diagnosticados antes do aparecimento dos sintomas. e) Carcinoma bronquioloalveolar.
( ) Os sintomas mais comuns ocasionados diretamente pela lesão
primária pulmonar são tosse, dispneia e hemoptise. 65 – Em relação ao câncer de pulmão, analise as afirmativasbaixo:
( ) A rouquidão é mais comum na compressão do nervolaríngeo I. A síndrome de Horner é caracterizada por miose, enoftalmia e ptose
recorrente no lado direito do tórax. palpebral;
( ) Na síndrome de Pancoast ocorre dor no membro superior por II. Tomografia de crânio mostrando múltiplas imagens cerebrais
invasão do tumor nas raízes nervosas de C8, T1 e T2 do plexo braquial. compatíveis com metástases, em um adulto, tem como principal causa
( ) A síndrome da veia cava superior se manifesta com pletora e edema o câncer de pulmão;
de face e do membro superior do mesmo lado em que se manifesta o III. Ocorrendo síndrome da secreção inapropriada do hormônio
tumor. O CORRETO preenchimento dos parênteses de cima para baixo antidiurético, o achado mais frequente é a hipernatremia;
é: IV. Câncer de pulmão de pequenas células sempre leva à síndrome da
a) F – V – V – F – F. b) F – V – F – V – V. veia cava superior. Estão CORRETAS:
c) V – F – F – F – V. d) V – F - V – V – F. e) F – V – F – V – F. a) I e II, somente. b) I, II e III, somente. c) II e III, somente. d) I e III,
somente. e) III e IV, somente.
53 – Considerando o câncer de pulmão, assinale a opção CORRETA:
a) O carcinoma epidermoide é o subtipo mais provável em não 72 – O câncer pulmonar que mais está associado a metástases
fumantes. linfonodais é:
b) O carcinoma de pequenas células e o adenocarcinoma apresentam, a) Adenocarcinoma.
mais frequentemente, localização central. b) Carcinoma de pequenas células.
c) Cerca de 50% dos tumores do sulco superior apresentam histologia c) Carcinoma broncoalveolar.
carcinoma epidermoide. d) Carcinoma de células escamosas.
d) O carcinoma de pequenas células raramente apresenta metástases
no momento do diagnóstico. 77 – Os locais onde mais frequentemente ocorrem metástases
hemáticas do câncer de pulmão são:
51 – Em relação aos tumores malignos do pulmão, assinale a afirmativa a) Ossos, rins, pele, cérebro.
CORRETA: b) Fígado, tecido subcutâneo, cérebro, pulmões.
a) Hemoptise é o sintoma mais frequente e predomina nos c) Ossos, crânio, suprarrenais, pulmões.
adenocarcinomas. d) Fígado, ossos, cérebro, suprarrenais.
b) Dor torácica é o sintoma mais precoce, embora não seja, como regra, e) Pulmões, cérebro, fígado, ossos.
valorizado.
c) A mediastinoscopia videoassistida permanece como o melhor exame 78 – No mundo todo, o câncer de pulmão é responsável por
(padrão-ouro) no estadiamento mediastinal pré-operatório, devendo aproximadamente 13% de todos os tipos de câncer. O câncer de
ser realizada quando os exames de imagem deixam dúvida quanto ao pulmão é dividido em dois grupos histológicos principais: câncer
acometimento N1 da doença. pulmonar de células não pequenas e o câncer pulmonar de células
d) O PET-Scan pode gerar resultados falso-positivos (patologias pequenas. Em relação ao câncer de pulmão, considere as alternativas
infecciosas e inflamatórias), porém resultados falso-negativos não abaixo e marque a resposta CORRETA:
ocorrem nessa patologia. a) Os tumores periféricos são mais frequentemente associados a
e) A osteoartropatia hipertrófica pneumônica é um tipo de metástase sintomas de dispneia e sibilos.
óssea, que ocorre no periósteo dos ossos longos, predominando no b) O sintoma mais comum é a hemoptise secundária ao crescimento
tipo escamoso central. endobrônquico.
c) As síndromes paraneoplásicas de maior significado clínico estão
58 – Paciente de 58 anos, tabagista, procura atendimento por quadro ligadas à produção de hormônios, como o fator estimulador da tireoide
de tosse, hemoptise e perda de peso há dois meses. No exame físico e a calcitonina.
identifica-se circulação colateral em membro superior direito, discreto d) Na definição do estágio do câncer de pulmão a radiografia de tórax
edema de face e de membro superior direito. Nota-se também, é útil na detecção de linfadenopatia hilar ou mediastinal.
discreta turgência jugular. Qual padrão histológico de neoplasia e) Nódulo pulmonar solitário é uma lesão assintomática com menos de
pulmonar é mais envolvido com a síndrome paraneoplásica 3 cm de diâmetro, rodeado por parênquima pulmonar normal.
supracitada? GAB
a) Carcinoma epidermoide. 23B 24C29E 36C 44E 53C51C 58D 59B 61D 65ª 72B 77D 78E
b) Carcinoma bronquioloalveolar.
c) Carcinoma de grandes células. ENDÓCRINO HIPO/HIPER TIREOIDISMO MEDCURSO
d) Carcinoma de pequenas células.
e) Adenocarcinoma. 4 – Paciente do sexo feminino, 40 anos, com história de infecção viral
de vias aéreas superiores há cinco dias, quadro de astenia, mialgia e
59 – Os sintomas mais frequentes na apresentação do diagnóstico do febre baixa. Evolui nas últimas 24 horas para dor na região cervical
câncer de pulmão são: anterior de moderada intensidade, apresentando piora com a
a) Disfagia, fraqueza e baqueteamento digital. deglutição e com a movimentação do pescoço, irradiação para a região
b) Tosse, perda de peso e dispneia. mandibular e para o ouvido direito. Ao exame físico, apresenta
c) Hemoptise, fraqueza e febre. taquicardia sinusal (FC = 123 bpm); temperatura axilar 37,8ºC; tremor
de extremidade; pele quente e úmida. Tireoide aumentada de c) O anticorpo para o receptor de TSH geralmente está elevado nessa
tamanho, sem sinais flogísticos na pele ou flutuações. Exames doença.
laboratoriais: TSH < 0,01 mUI/L (0,5 a 4,78 mUI/L); T4 livre = 3,1 ng/dl d) A contaminação por iodo deve ser descartada.
(0,7 a 1,5 ng/dl); VHS = 62 mm/h (0 a 15); e anticorpos antitireoidianos
negativos. Ultrassonografia de tireoide sem nódulos. Cintilografia de 29 – Em relação ao hipertireoidismo, assinale a alternativa ERRADA:
tireoide com iodo apresentando captação < 1%. Com base no caso a) A tiroxina pode determinar o aparecimento de caquexia grave.
clínico, qual o diagnóstico mais provável? b) Alguns pacientes com hipertireoidismo podem desenvolver
a) Tireoidite autoimune (doença de Graves). hipotireoidismo espontaneamente.
b) Tireoidite linfocítica subaguda. c) Está formalmente contraindicado o uso de solução de iodo – lugol –
c) Doença de Plummer. em paciente em crise tireotóxica.
d) Tireoidite de Riedel. d) Nos testes de supressão de T3, os pacientes hipertireóideos não
e) Tireoidite subaguda dolorosa (tireoidite de De Quervain). conseguem suprimir a captação tireoidiana do radiofármaco quando
recebem T3 exógeno.
10 – Mulher, 42 anos, apresenta “incômodo na garganta” há alguns
dias, sem outros sintomas. Exame físico: aumento da glândula tireoide; 30 – Nos casos de tireotoxicose, quais são os grupos de sintomas e
superfície lisa; consistência elástica e indolor. Exames laboratoriais: sinais que aparecem em pelo menos 80% dos casos?
dosagem hormonal encontra-se normal a não ser por um leve aumento a) Nervosismo, hiperidrose e taquicardia.
do TSH. O diagnóstico mais provável e o exame a ser solicitado, a seguir, b) Palpitações, tremores e fibrilação atrial.
são: c) Perda de peso, aumento do apetite e diarreia.
a) Câncer de tireoide e ultrassonografia da tireoide. d) Fadiga, hipersensibilidade ao calor e esplenomegalia.
b) Doença de Graves e cintilografia da tireoide. e) Hipersensibilidade ao frio, fadiga e bradicardia.
c) Tireoidite de Hashimoto e dosagem de anticorpos antitireoide.
d) Deficiência de iodo e repetição das dosagens hormonais. 31 – Paciente do sexo feminino, 35 anos, com história de nervosismo e
fraqueza nos últimos 3 meses. Ao exame, apresenta bócio difuso, cujo
13 – Em um paciente em coma mixedematoso, verifica-se redução de crescimento foi observado há 6 meses. Apresenta PA elevada,
algumas funções e componentes fisiológicos, EXCETO de: taquicardia e exoftalmia bilateral. O provável achado de ultrassom de
a) Reserva adrenal. tireoide e cintilografia seria:
b) Absorção intestinal. a) Bócio nodular / tireoide aumentada hipercaptante.
c) Sódio corporal total. b) Bócio difuso hipervascular / aumento difuso de captação.
d) Temperatura corporal. c) Bócio difuso hipervascular / reduzida captação na cintilografia.
d) Bócio nodular hipervascular / tireoide aumentada hipocaptante.
16 – Paciente do sexo feminino, 40 anos, procura assistência médica e) Bócio difuso hipovascular / tireoide aumentada hipercaptante.
devido a dor de garganta de início há 1 semana. Refere episódio de
infecção das vias aéreas superiores há 20 dias. Exame físico com 35 – Sobre as tireoidites, pode-se afirmar que:
oroscopia normal, ausência de linfonodomegalia cervical e palpação da a) A de De Quervain é doença autoimume bastante comum, que resulta
tireoide dolorosa. Exame laboratorial com discreta leucocitose e VHS em aumento difuso da glândula.
(eritrossedimentação) = 88 mm. Qual o provável diagnóstico desse b) A forma aguda, de origem bacteriana, frequentemente passa
paciente? desapercebida.
a) Doença de Graves. c) Na forma granulomatosa, existe a presença de infiltrado linfocítico,
b) Faringite aguda estreptocócica. raramente levando a aumento glandular.
c) Faringite aguda viral. d) A de Hashimoto pode se associar com a fibrose retroperitonial.
d) Tireoidite subaguda (De Quervain). e) O carcinoma medular da tireoide geralmente está associado às
e) Tireoidite de Hashimoto. tireoidites.

20 – Pacientes com crise tireotóxica podem apresentar todos os 37 – Paciente de 57 anos foi internada para investigação de ascite
sintomas abaixo citados, EXCETO: referida há mais de seis meses. Após avaliação clínica e depois de vários
a) Hipotermia. exames complementares, foram evidenciadas alterações nos exames
b) Psicose. de tireoide, com elevação de TSH e redução nos níveis de T4 e T3,
c) Fibrilação atrial. caracterizando ascite mixedematosa, manifestação incomum de
d) Icterícia. apresentação clínica. Das manifestações clínicas descritas abaixo,
e) Insuficiência cardíaca congestiva. assinale a que não está ligada ao hipotireoidismo:
a) Bradicardia, derrame pericárdico e redução no débito cardíaco.
21 – Em uma mulher de 30 anos, foram evidenciados os seguintes b) Anorexia, absorção intestinal aumentada devido à constipação
achados: TSH: 0,001 mlU/L (VR: 0,3-0,5); T3: 300 ng/dl (VR: 70-200); T4 intestinal.
livre: 0,30 ng/dl (VR: 0,7-1,8); captação de iodo radioativo/24h: 3% (VR: c) Hiporreflexia profunda, parestesias e alopecia.
15-30%). Ultrassonografia de tireoide evidenciou nódulo misto de 0,5 d) Ataxia cerebelar, depressão e apneia do sono.
mm no lobo direito. Qual a hipótese diagnóstica mais provável?
a) Doença de Plummer. 39 – Homem, 59 anos, branco, procura ambulatório com queixas de
b) Tireotoxicose factícia por ingestão de T3. palpitações, tremores, polifagia e emagrecimento. O quadro teve início
c) Tireoidite aguda. há 30 dias. Refere tratamento para arritmia cardíaca com amiodarona
d) T3 toxicose. 200 mg/dia há seis meses. Nega outras comorbidades e/ou
e) Bócio multinodular tóxico. intercorrências Ao exame: PA = 120 x 80 mmHg; FC = 68 bpm; peso =
63,2 kg; altura = 1,76 m; IMC = 20,4 kg/m2; tireoide = normal; tremores
22 – Paciente de 37 anos apresenta bócio difuso discreto, elevação de de extremidades. Restante do exame físico dentro da normalidade.
T4 livre, supressão de TSH e captação de radioiodo elevada na 2a hora, Exames laboratoriais: TSH = 0,01 (0,35-4); T4L = 4,12 (0,7-1,8); TRAb =
mas normal da 24a hora. Considerando o caso clínico: negativo; anti-TPO = negativo; antitireoglobulina = negativo. US de
a) A tireotoxicose por tireoidite é o diagnóstico mais provável. tireoide = volume normal (11,6 g); heterogênea; hipovascular e sem
b) O uso de antitireoidiano por 18 a 24 meses quase sempre leva à cura.
nódulos. Cintilografia de tireoide: captação diminuída difusamente.
Qual a hipótese diagnóstica? 4) em relação as doenças da tireoide, é correto afirmar, EXCETO
a) Hipertireoidismo autoimune. a. hipotireoidismo pode ocorrer por insuficiência ou ressecação da
b) Tireoidite de Hashimoto. tireoide (hipotireoidismo primário) ou pela deficiência de TSH
c) Hipertireoidismo induzido por amiodarona tipo 1. hipofisario.(hipo secundário)
d) Doença de Basedow-Graves. b. a presença de bócio pode ser observada nos casos de deficiência de
e) Hipertireoidismo induzido por amiodarona tipo 2. iodo, medicamentos (amiodarona) e radioterapia da região da tireoide.
c. o anti-trab, normalmente funciona como um estimulo da função
48 – Mulher de 28 anos, refere três episódios de dor cervical nos tireoidiana e pode estar positivo nos pctes com d de graves
últimos dois anos, com sinais flogísticos e aumento do volume do d. a amiodarona contem alto teor do iodo e pode causar hipo
pescoço, tratada com sintomáticos. Atualmente apresenta aumento da clinicamente significativo em ptes que fazem uso de altas doses.
tireoide, de consistência endurecida e algo lobulada, referindo e. anti=tpo e anti-tireoglobulina podem estar elevados tanto na
sintomas de hipofunção glandular nos últimos meses. Qual o Hashimoto quanto em graves.
diagnóstico provável?
a) Doença de Graves. 5. Mulher , branca, 30ª, palpitação e falta de ar há um ano, perda de
b) Tireoidite de De Quervain. 8kg. Relata diag prévio de vitiligo. Taquicinesia, Fc=110, Pa 180x80,
c) Bócio multinodular atóxico. mãos tremulas, úmidas com onicólise em várias unhas, protrusão
d) Tireoidite de Hashimoto. ocular bilateral, discreto aumento difuso do volume tireoidiano, sem
dor a palpação. Qual diag?
59 – Letícia, 39 anos, tem emagrecido mesmo com apetite preservado, a. hipo por Hashimoto
além de estar nervosa e intolerante ao calor. Sua tireoide está b. tireotoxicose por Quervain
difusamente aumentada de volume, indolor e com sopro audível. Seu c.hipo por Riedel
nível de TSH é muito baixo. Assinale a alternativa CORRETA quanto à d. hiper por Graves
doença apresentada pela paciente: e. tireotoxicose por Plummer
a) Tireoidite de Hashimoto.
b) Bócio multinodular tóxico. 6. o melhor exame pra confirmar diag de hipertireoidismo primário é:
c) Tireoidite linfocítica. a. anti TPO b. TSH c. T4livre d. T3 e. T4 total
d) Doença de Graves.
e) Tireoidite viral 7. mulher 23ª, nervosismo, labilidade emocional, taquicardia, aumento
de evacuações e perda de 8kg nos últimos 2 meses. Imc 32, taquicardia,
60 – Qual é a causa mais comum de hipotireoidismo em todo o mundo? aumento da diferença entre pa sistólica e diastólica, pele quente,
a) Doença autoimune. b) Doença de Graves. c) Iatrogenia. d) úmida e tireoide não palpável. T4 L ,T3 aumentados, TSH diminuído,
Deficiência de iodo. e) Efeito colateral de medicação. anticorpo antitireoide negativo. Ausenciade captação de iodo. Qual a
tireotoxicose?
GAB a. d. graves
4E 10C 13C 16D 20A 21B 22C 29C 30ªA31B 35D 37B 39E 48D 59D 60D b. hashitoxicose
c. tumor hipofisario produtor de tsh
ENDÓCRINO HIPO E HIPERTIREOIDISMO -EXERCICIOS LILIAN d. ingestão excessiva de hormônios tireoidianos
1- pcte feminino 70 anos quadro de palpitação e falta de ar há um ano e.tireoidite linfocitica subaguda
com piora há um mês. refere emagrecimento de 5kg e prostação.
Ausculta cardiaca regular sinais de cardiopatia congestiva, bocio 8.entre os achados laboratoriais em hipotireoidismo 1, aquele com
multinodlar volumoso. hipotese de hipertireoidismo. quais os exames menor chance de ocorrer é:
fundamentais para confirmação desta hipotese? a. elevação tsh e redução t4 livre
a. dosagem serica de T4-L e TSH b.elevação de LDL colesterol e trigliceriodeos
b. TSH e anti-tireoglobulina c. hiponatremia e hipoglicemia
c. T4-L e anti TPO d. elevação da prolactina
d. tireoglobulina e ultra som de tireoide e. anemia microcítica
e. anti-TPO e anti- tireoglobulina
9.mulher, 38a, queixa de fadiga, aumento de peso de 5kg , constipação
2. Mulher, 32 anos tem tremores, emagrecimento e febre baixa que grave, toma laxativos. TSH elevado em 25. T4-L baixo. Ela quer saber pq
iniciaram há poucos dias. Tem dor na região cervical anterior que se esta com hipotireoidismo. Qual dos seguintes testes tem mais
irradia pra mandíbula . tremor fino de extremidades e aumento difuso probabilidade de diagnosticar a etiologia?
e assimetricoda tireoide, palpação dolorosa. Captação de iodo pela a. anticorpo anti-receptor de TSH(antitrab)
glândula esta abolida, tireoglobulina e t4 elevados , tsh muito baixo. b. anticorpo antitireoperoxidase
Leucocitose e VHS elevada. Qual diagnostico? c. cintilografia com captação de iodo radioativo
a. doença de graves d. nível sérico de tireoglobulina
b.doença de plummer e. ultrassonografia de tiroide
c.tireoidite de Quervain
d.tireoidite de Hashimoto 10. entre as manifestações clinicas do hipertireoidismo por doença de
e.carcinoma anaplasico de tireoide graves temos. EXCETO
a. sudorese excessiva e intolerância ao calor
3.Pcte mulher 22 anos emagreceu 4kg em 1 mês apesar de estar b. inquietação e nervosismo
comendo muito. nervosismo, insônia, palpitaçoes. FC=100 PA 150x90, c. fadiga, fraqueza e câimbras musculares
mãos quentes, úmidas, tremulas.tireoide aumentada difusamente, d. exoftalmia, bradicardia e hiporreflexia
móvel a deglutição. Qual diagnostico ? e diarreia e perda de peso
a. D. graves b.D. Plummer
c. treoidite subaguda d. tireoidite aguda GAB
e. ansiedade 1A 2C 3A 4B 5D 6B 7D 8 E 9B 10D
a) De forma esporádica.
b) Relacionadas à síndrome de Lynch I.
c) Relacionadas à síndrome de Lynch II.
d) Relacionadas à polipose adenomatosa familiar.
e) Câncer colorretal hereditário não polipose.

12 – Mulher, 59 anos, comparece ao serviço de urgência com


quadro de dor abdominal na fossa ilíaca esquerda há 3
dias, com piora há 1 dia, hiporexia e dois episódios de
febre de 38°C nas últimas 24h. Ao exame físico, apresenta
bom estado geral, FC de 88 bpm, abdome plano, doloroso à
palpação profunda da fossa ilíaca esquerda, com defesa
local e descompressão brusca positiva. RX de abdome
simples, ortostático e tórax com cúpulas não mostrou
alterações. Hemograma apresenta 16.000 glóbulos brancos
com 5% de bastões. Função renal normal. O exame mais
adequado para comprovação diagnóstica é:
a) Enema opaco.
b) Colonoscopia.
c) Tomografia de abdome.
d) Ultrassonografia de abdome.

14 – Homem, 75a, em investigação de anemia crônica e dor


abdominal leve sem localização preferencial, retorna à
consulta ambulatorial com resultado de endoscopia
digestiva alta normal. Do ponto de vista gastrointestinal,
a hipótese diagnóstica e o exame complementar para
prosseguir a investigação são:
a) Adenocarcinoma de cólon esquerdo, retossigmoidoscopia.
b) Adenocarcinoma de delgado, enteroscopia.
c) Adenocarcinoma de cólon direito, colonoscopia.
d) Divertículo de Meckel, enteroscopia.

15 – Na síndrome de Gardner, os pólipos intestinais são:


a) Hiperplásicos.
b) Adenomatosos.
c) Inflamatórios.
d) Fibróticos.
e) Fibromiomatosos.

19 – Paciente de 74 anos, portador de diabete melito e


hipertensão bem controlados, foi submetido à ressecção de
um tumor de intestino grosso localizado a 22 cm da margem
anal, seguida de anastomose colorretal primária. O exame
anatomopatológico da peça cirúrgica revelou um
adenocarcinoma moderadamente diferenciado, medindo 4 cm
de diâmetro e estendendo-se até a camada muscular própria.
Além disso, foram isolados 14 linfonodos, sendo detectada
uma metástase no linfonodo mais próximo ao tumor.
Considerando os achados clínicos, qual o estadiamento
tumoral (sistema TNM) e qual a conduta a ser adotada?
a) Adenocarcinoma de cólon estágio II; não há necessidade
de tratamento adjuvante.
b) Adenocarcinoma de reto estágio II; deve ser oferecida
radioterapia complementar.
c) Adenocarcinoma de cólon estágio III; está indicada
quimioterapia adjuvante.
d) Adenocarcinoma de reto estágio III; está indicado
COLOPROCTOLOGIA tratamento combinado com químio e radioterapia.
e) Adenocarcinoma de cólon estágio III; está indicado
8 – O câncer colorretal é o tumor mais comum do trato tratamento adjuvante com químio e radioterapia
digestivo no mundo ocidental. Do ponto de vista genético,
80% dessas neoplasias são:
20 – F.K.L., 54 anos, gênero feminino, florista, em d) A terapia neoadjuvante (quimiorradioterapia) no
colonoscopia de rotina foi encontrado pólipo séssil em tratamento do câncer de reto reduz a taxa de falha local,
cólon descendente, que foi ressecado. O exame além de permitir que o tumor diminua, aumentando a
anatomopatológico revelou adenoma com foco de carcinoma possibilidade de o procedimento ser curativo.
que se estendia até a muscular da mucosa. Em relação a e) O papel da radioterapia adjuvante no tratamento do
este caso, assinale a alternativa ERRADA: câncer de cólon é bem definido com dados que apoiam sua
a) A localização anatômica do pólipo no cólon é fator utilização sistemática como terapia.
prognóstico importante.
b) Não há risco de a paciente já estar com metástase. 39 – Em relação ao rastreamento do câncer de cólon em
c) Para ser classificado como carcinoma invasor, as pessoas sem patologias predisponentes (risco
células malignas deveriam se estender através da muscular habitual),ssinale a afirmativa CORRETA:
da mucosa. a) Após os 50 anos de idade, recomenda-se realizar
d) Por ser séssil, é bem provável que se tratasse de um colonoscopia anualmente.
adenoma viloso. b) Entre os 50 e os 75 anos de idade, recomenda-se realizar
colonoscopia a cada cinco anos e pesquisa de sangue oculto
23 – Quanto ao tratamento cirúrgico do câncer colorretal, nas fezes anualmente.
assinale a alternativa CORRETA: c) Entre os 50 e os 75 anos de idade, recomenda-se realizar
a) Os casos de tumores com fístula duodenocólica não devem colonoscopia a cada dez anos ou pesquisa de sangue oculto
ser operados, haja vista que invasão de duodeno é na fezes anualmente.
contraindicação cirúrgica. d) Entre os 55 e os 85 anos de idade, recomenda-se realizar
b) A via laparoscópica é contraindicada nos casos com pesquisa de sangue oculto nas fezes anualmente.
metástases hepáticas.
c) Tumores do ceco são mais apropriadamente tratados com 42 – Alfredo, 65 anos, com queixa de dor e sangramento às
hemicolectomia direita. evacuações e tenesmo retal. O exame proctológico
d) Nos tumores de retossigmoide com invasão do útero, evidenciou massa vegetante a 7 cm da borda anal, pouco
deve-se realizar ressecção multivisceral denominada móvel, ocupando os quatro quadrantes do reto, cuja biópsia
exenteração pélvica anterior. demonstrou ser adenocarcinoma invasivo. A melhor conduta
e) A ooforectomia profilática é sempre recomendada. no caso é:
a) Ressecção local do tumor e terapia adjuvante no pós-
27 – Qual o sintoma mais comum do câncer retal? operatório.
a) Tenesmo. b) Amputação de reto e terapia adjuvante no pós-
b) Distensão abdominal. operatório.
c) Hematoquezia. c) Retossigmoidectomia anterior com colostomia temporária
d) Dor abdominal. em ângulo hepático e terapia adjuvante no pós-operatório.
e) Alteração dos hábitos intestinais. d) Terapia neoadjuvante e, a seguir, amputação do reto.
e) Terapia neoadjuvante e, a seguir, retossigmoidectomia
29 – Paciente J.C.R., masculino, 63 anos, apresenta quadro anterior com colostomia de proteção.
de dor abdominal e alteração do hábito intestinal por
tumoração de cólon estenosante e intransponível ao 43 – O pólipo colorretal benigno mais comum é:
aparelho de colonoscopia. Foi submetido à colectomia total a) Pólipo hamartomatoso.
oncológica, não sendo evidenciado doença à distância. b) Pólipo hiperplásico.
Evoluiu com coleção purulenta pélvica com boa resposta à c) Adenoma tubuloviloso.
drenagem cirúrgica. Retorna ao consultório com o resultado d) Adenoma tubular.
da patologia, com invasão da serosa e metástase para 02 e) Adenoma viloso.
linfonodos em 41 ressecados. A classificação TNM e o
estádio deste paciente são: 44 – Uma senhora de 60 anos, apresentando perda ponderal,
a) T3 N1 M0 com estádio 3. alteração do ritmo intestinal e hematoquezia, foi
b) T4 N1 M0 com estádio 3. submetida à colonoscopia, que encontrou uma lesão de
c) T3 N2 M0 com estádio 3. aspecto ulcerado e friável, ocupando cerca de 50% da luz
d) T4 N2 M1 com estádio 4. do cólon sigmoide. O histopatológico confirmou
e) T4 N1 M1 com estádio 4. adenocarcinoma.
Após o estadiamento pré-operatório que não mostrou
30 – Quanto à terapia adjuvante do câncer colorretal, metástases à distância, esta paciente foi submetida a uma
marque a alternativa ERRADA: retossigmoidectomia oncológica. Houve a ressecção
a) O estádio 1 da doença apresenta excelente prognóstico completa do tumor que apresentava invasão da parede do
e o tratamento cirúrgico isolado é suficiente, não sendo cólon até os tecidos pericolorretais e metástase em dois
indicado o tratamento adjuvante. linfonodos regionais. Nesse caso, qual o estadiamento TNM?
b) O papel do tratamento adjuvante para a doença no estádio a) T2N1M0, IIIa.
2 é controverso. No entanto, em paciente de alto risco b) T3N1M0, IIIb.
(portadores T4, pouco diferenciados, obstrução, T3 com c) T2N2M0, IIIa.
perfuração, margens indeterminadas, amostras inadequadas d) T3N2M0, IIIb.
de linfonodos) deve ser considerado.
c) A quimioterapia adjuvante apresenta uma melhora na 47 – Paciente de 50 anos de idade com queixa de astenia,
sobrevivência no estágio 3 da doença. apresentando como única alteração laboratorial anemia
hipocrômica microcítica (Hb: 8,0 g/dl). Durante e) Todo o cólon.
propedêutica investigativa, foi submetido à tomografia
computadorizada de abdome, sendo evidenciada massa em 59 – Paciente J.B.S., 21 anos, masculino, branco,
topografia de cólon ascendente, medindo 5 cm em seu maior estudante universitário, apresenta-se em consulta de
diâmetro, sem metástases detectadas. Qual deve ser o exame rotina com queixa de dor em cólica abdominal episódica que
realizado neste momento para orientação da conduta e sua iniciou há 8 meses. Afirma piora progressiva da
respectiva justificativa? intensidade; relaciona a dor ao período pós-prandial, com
a) PET-scan (Tomografia com Emissão de Pósitrons), avaliar melhora após uso de antiespasmódico. Ao exame clínico,
se a lesão encontrada é ressecável ou irressecável. evidenciaram- -se lesões pigmentadas em pele,
b) Ecografia com Doppler das artérias mesentéricas, principalmente perioral e dor abdominal leve à palpação
avaliando irrigação tumoral e grau de invasão. sem irritação peritoneal. Realizou USG de abdome sem
c) Colonoscopia virtual, avaliando as dimensões precisas alterações e EDA com diagnóstico de pólipo hamartomatoso
do tumor, incluindo profundidade de invasão da parede ao exame histopatológico. Qual o provável diagnóstico
intestinal. desse paciente?
d) Ressonância magnética de abdome, avaliar em detalhes a a) Síndrome de Cowden.
irrigação tumoral, bem como a real extensão do tumor. b) Polipose juvenil familiar.
e) Colonoscopia, para confirmar o achado da tomografia e c) Síndrome de Peutz-Jeghers.
descartar presença de lesões sincrônicas. d) Síndrome de Turcot.

48 – Sobre as síndromes polipoides, indique a alternativa GABARITO COLOPROCTO


INCORRETA: 8-A 12-B 14C 15B 19C 20ª 23C 27C 29B 30E 39C 42E 43D 44B
a) A polipose adenomatosa familiar está associada à 47E 48B 51D 54D 55D 59C
mutação no gene APC, situado no braço longo do cromossomo ________________________________________
5q21. Essa mutação determina polipose gastrointestinal e
diversas manifestações extracolônicas. QUESTOES EPIDEMIOLOGIA
b) Desde a descrição original de polipose associada a
cistos epidermoides e osteoma, a combinação de polipose TESTE 01
adenomatosa familiar e manifestações extracolônicas é
conhecida como Síndrome de Turcot. 1) EM 01-01-16 exitiam 1800 casos de tb em tto em
c) Todas as células do epitélio colunar em portadores da poa, foram notificados 300 casos novos de tb e 450
polipose adenomatosa familiar possuem mutação germinativa pctes tiveram alta por cura. A pop era 960000.
do gene APC, por esta razão é indicado colectomia Qual prevalência no inicio e no final de 2016.
profilática. Qual incidência de tb em 2016.
d) A associação de pigmentação mucocutânea e polipose a) 18,7 casos/ 10000 hab, 17,2 casos /10000 hab
gastrointestinal é encontrada na síndrome de Peutz- 3,1casos /10000hab pessoas –ano.
Jeghers. O potencial de malignidade já foi descrita por
numerosos autores, acumulando evidências suficientes que
sugerem um risco aumentado para desenvolver neoplasias no
trato digestivo.

51 – Paciente, sexo feminino, 60 anos, refere hematoquezia


há 3 meses, sem outros comemorativos. Das opções abaixo,
qual a medida inicial mais adequada?
a) Solicitar colonoscopia.
b) Solicitar retossigmoidoscopia.
c) Dosagem de CEA (Antígeno Carcinoembrionário). 2) Fabrica A numero de empregados variou ao longo do
d) Realizar toque retal. ano.
A B
54 – Paciente, 59 anos, chega na unidade em que você Casos 40 60
trabalha relatando que seu pai faleceu recentemente por Empregados tota 1000 1000
câncer colorretal e foi orientado a procurar seu médico 12 meses 100 1000
para exames. Sua conduta é: 9 meses 200 0
a) Solicitar pesquisa de sangue oculto nas fezes. 6 meses 500 0
b) Solicitar sigmoidoscopia. 3 meses 200 0
c) Solicitar endoscopia digestiva alta.
d) Solicitar colonoscopia. A) Qual a medida de frequência mais adequada para
estimar o risco de acidente de trabalho ?
55 – Na isquemia mesentérica, quando são acometidos os - taxa mortalidade
vasos mesentéricos inferiores, as porções do intestino que - prevalecia
podem ser afetadas são:
a) Apenas cólon descendente e sigmoide. b) Calcule essa medida para cada uma das
b) Apenas cólon ascendente e parte do transverso. fabricas, indicando em qual delas houve maior
c) Apenas cólon descendente. risco de acidentes.
d) Terço distal do transverso, descendente e sigmoide.
- Fabrica A 7,2 casos/100 vs 6 casos/100 1)qual das opções abaixo define a hipótese de
pesquisa do estudo ?
- as informações contidas na declaração de nascido
vivo, prontuários hospitalares e em entrevistas
com as mães apresentam diferenças de registro
entre os nascimentos resultantes em óbitos
neonatais e em sobreviventes.

2)qual a hipótese alternativa e a definição de


3) Em uma comunidade a letalidade do sarampo foi de erro tipo I para o estudo.
10% ao ano de 2009. Ocorreram 50 obitos. Popo - os indivíduos pertencem a pop B com base na
17000. Qual o numero de casos de sarampo nessa media de altura, dizer que os habitantes da ilha
comunidade em 2009 e qual a taxa de mortalidade são descendentes de b , quando são de a.
de sarampo?
- 500 casos e 2,9 óbitos/ 1000hab 3)Qual a hipótese nula e a definição de erro tipo
II?
- os indivíduos pertencem a pop A com base na
media de altura , dizer que os habitantes da ilha
são descendentes de A quando são de B.

4) com base nos resultados, informe o tipo de


4) Prevalência de esquizofrenia 1000 casos em pop de hipótese alternativa do estudo , e a tomada de
2milhoes de hab. Taxa de incidência de 5 caso / decisão aequada do pesquisador ,
100000. Qual o percentual de novos diagnósticos - hipótese alternativa unilateral, rejeita-se a
entre os 1000 casos em 2003? hipótese nula.
- 5/100000 = 100/2000000  100 em relação a 1000
= 10% 6) O pesquisador em questão resolveu apresentar os
dados dos idividuos em estudo . quais as medidas
mais adequadas a serem utilizadas para
caracterização da altura?
- media e desvio padrão.
5) Pop 30-03-2003=183.000
Novos casos entre 1 jan e 30 junho 2003= 26 7) Imagine um pesquisador testou a eficácia de dois
Casos ativos em 31 dez de 2002=238 ttos e observou que a media do valor da pa
sistólica para as pessoas que utilizaram o tto A
a) Qual taxa de incidência de casos ativos para foi menor que a media para o tto B, e que após
o período de 6 meses ? realizar as analises estatísticas adeuqdas, o
14 casos/100000 = 26/ 183.000 pesquisador encontrou valor P=0,3; sendo que alfa=
0,05
10) considere as alternativas abaixo I- O valor P é a probabilidade de se
I- um indicador de saude é considerado válido se encontrar, por acaso um efeito tao ou mais
ele se mostra capaz de medir ou representar forte que o encontrado no estudo quando a
adequadamente o fenômeno de interesse. Ele deve hipótese nula é vdd.
apresentar simultaneamente boa sensibilidade e II- Conforme o valor P encontrado, a chance
especificidade, identificando variações reais do dessa diferença entre a medias de pressão
fenômeno bservado. ser devido ao acaso – e não efeito de um
II- os indicadores de saúde podem ser expressos tto- é de 30%. Ou seja, se o pesquidor
por razoes, proporções ou coeficientes –taxas afirmar que as diferenças entre as medias
III- Os indicadores de saúde expressos por ocorreram por causa dos ttos, ele tem 30%
proporções não fornecem uma indicação de risco de chance de estar enganado.
IV- O coeficiente geral de mortalidade se refere III- Conforme os dados apresentados no
a toda uma população, sendo calculado através do enunciado acima, o valor P da analise foi
quociente entre o total de óbitos e a população maior que o valor de alfa estabelecido, o
de uma área em um determinado período de tempo. que permite ao pesquisador afirmar que há
V- A padronização do coeficiente geral de uma diferença estatisticamente
mortalidade é desenvolvida em relação à composição significativa entre os ttos estudados.
etária das populações envolvidas, servindo para
que estas estejam comparáveis. acho que I eII

 Todas estão corretas. 8) Com o mesmo estudo da questão anterior, imagine


que um cara testou a eficácia de dois ttos e
TESTE 04 observou que a media da pa para tto A foi menor
que a media do tto B. no entanto ele informa que
após realizar as analises estatiticas ele
encontrou uma diferença entre as medias para a somente ao fator X não é é seguida pela ocorrência da
pade 1,5 mm/hg e apresentou intervalo de confiança doença , porem a doença nunca ocorre na ausência da
de 95% de 0,7 a 2,6 mmHg exposição ao fator X.
- com 95% de confiança o intervalo deve conter a
verdadeira diferença entre as medias para a pa na a) O fator X é: - uma causa necessária, porem não
coparação dos ttos; suficiente;

b)o fator A é : uma causa não necessária e nem


TESTE 05 suficiente

1) Com base nos postulados de Koch: 9) No modelo ECOLOGICO a doença é entendida como
I- mostram-se aplicáveis às doenças infecciosas e não fator de desequilíbrio no processo de intereaçõ
infecciosas. entre os seres humanos e o ambiente.
II – ao longo do sec XX satisfaziam a necessidade de 10) O modelo. Historia NATURAL DA DOENÇA entende-se a
estabelecer regras que guiassem a investigação de m.o como importância dos processos de adoecimento
possíveis agentes causais.
IV- Em uma situação onde o agente casador da doença e o
bacilo da TB, o postulado ( deve estar presente em TESTE 06
todas os casos da doença em questão) não é atendido 1) Se o risco relativo de uma associação entre um
. fator em estudo da doença é menor que o valor 1.
 Apenas II - o fator em estudo protege o individuo da doença.

2) uma equipe de pesquisadores ao final do estudo 2) Vários estudos tem mostrado que aprox. 85% dos
encontrou associação significativa entre fator F e casos de ca de pulmão são devido ao fumo. Essa
desfecho D. com base nisso os caras podem, exceto medida é um exemplo de
- Associação pode ser espúria e causal. - risco atribuível

3)considere o exemplo: os estudos demonstram que a 3) Supondo que a taxa de mortalidade de ca é 20 poe
incidência de ca de pulmão é 10x maior entre fumantes do 100000 nos fumantes e de 2 por 100000 nos não
que não fumantes, sendo essa uma evidencia forte de que o fumantes, qual o risco relativo e o risco
fumo causa ca de pulmão. atribuível dos fumantes em relação aos não
Quais dos critérios propostos por Austin Bradford Hill é fumantes de morrer.
atendido? -10 e 18 por 100000
- Força de associação 4) com base no estudo anterior, qual a interpretação mais
adequada para o risco atribuível ?
4 quando diversos estudos, conduzidos em épocas - a ocorrência de morte por ca é atribuível a tabagismo
diferentes, em lugares diferentes, com tipode de pctes em 18 individuos a casa 100000.
diferentes, aponta para uma associaão causal entre fumo e
ca pulmão, qual dos critérios de austin Bradford hill é 5. um estudo de caso controle comparou 20 pessoas doentes
atendido ? e 40 saudaveis. O fator A foi encontrado em 12 doentes e
- consistência em 24 saudaveis. Qual a chance de exposição entre os
doentes e entre os saudáveis?
5. se um virus causa uma doença crônica degenerativa, é - 12/8 24/16
mais fácil aceitar que um outro vírus cause degeneração
do sistema imune. Quais dos critérios do cara é atendido 6. com base na respost 5, qual a interpretação adequada
? do achado?
- analogia -a chance de exposição entre doentes é igual a chance de
exposiçõ entre os saudáveis.
6. dentre os critérios propostos por austin hill, qual
deles, quando não satisfeito, pode de forma definitiva 7. qual a medida mais adequada p verificar uma possível
afastar a hipótese de existenia de uma associação causal associação entre fumar e has ?
entre uma exposição e uma doença. - razão de prevalência
- temporalidade
8. qual a prevalência de has entre fumantes e prevalência
7)qual critério para caracterizar como causal a associação de has entre os não fumantes.
entre exposçaõ e uma doença, o critério que é satisfeito Com has Sem has Total
quando a associação encontrada corrobora com o que é Fumante 58 813 871
conhecido dobre a historia natural e a biologia a doença. Não fuma 18 570 588
- coerência Total 76 1383 1459

8)modelo de causalidade de Rotherdam. Os fatores AB ou C


podem, cada um individualmente causar uma determinada 11) Para exposição X e desfecho Y é determinado que o Risco
doença sem a presença dos outros dois fatores, mas apenas Relativo é de 0,85 (IC 95% 0,77-0,91). Isto indica que
quando seguidos pela exposição ao fator X. a exposição
a exposição se comporta como um fator de PROTEÇÃO para IV. tanto a exposição quanto o desfecho já ocorreram em
o desfecho, sendo que esta associação TEM SIGNIFICANCIA algum momento no passado.
ESTATISTICA. A interpretação adequada para o achado é A
PRESENÇA DA EXPOSIÇÃO X REDUZ EM 15% A PROBABILIDADE DO  Corretas:
DESFECHO Y.
TESTE 08
TESTE 07
1) Considere as seguintes assertivas a respeito de
1.Estudo para avaliar as tendências temporais na estudos de caso controle
mortlidade decorrentes dos acidentes de transito nas 5 V a seleção dos grupos controle é uma das maiores
regioes do br de 200 a 2010. É: ECOLOGICO dificuldades
F o calculo das taxas de incidência da doença são
2. estudo pra investigar se a exposição ocupacional a utilizados nesse tipo de estudo
radiações ionizantes constituiria um fator de risco para F o método não e indicado para a investigação de doeças
a ocorrência de anemia. No ambulatório de hemato encontrou raras
42 pctes com esse diag. O próximo passo sera encontrar V uma das limitações é que os dados de exposição no
mais 42 pessoas sem o diag. Qual o desenho do estuso e a passado podem ser viciados. –vies de memoria , viés
medida de associação usada? CASO CONTROLE E RAZAO DE de ruminação
CHANCES
2) Um estudo ecológico longitudinal realizado entre
3. no Rj em 2015 88 casos de febre foram analisados . 2000 e 2009, mostra que a atenção primaria reduziu
foram coletados exames no inicio do estudo. Foram em aproximadamente 40% a mortalidade relativa a
acompanhadas semanalmente . COORTE PROSPECTIVA doenças cardio . caract do estudo ecológico.
- estudo no qual a unidade de analise não é o
4.EXPOSIÇÃO -----A---DOENÇA individuo e sim a pop e os grupos são comparados
I ---B----- I quanto à exposição da doença.
--------------C---------------
3) Afirmações do estudo transversal
A- ESTUDO DE COORTE V um dos vieses a que esta sujeito esse tipo de estudo
B- CASO CONTROLE é o viés de prevalência
C- TRANSVERSAL V é um tipo de estudo possível de ser realizado em
situações de limitação de tempo e de recursos
5.qual das seguintes alternativas é uma vantagem dos V a relação cronológica entre os eventos pode não ser
estudos de coorte? CAPAZDE ESTABELECER SEQUENCIA LOGICA facilmente detectável
TEPORAL ENTRE CAUSA E DESFECHO.NAO É BARATO NEM RAPIDO. V a busca por exposições ocorridas no passado pode ser
NÃO É BOM PRA DOENÇAS RARAS. MAIS CHANCE DE PERDER AS o dado de maior importância para estabelecer relação
PESSOA NO MEIO causal com determinado desfecho.

6.I uma das vantagens nos estudos de coorte é q a 4. O estudo abaixo é: um investigador quer sabr qual
cronologia dos acontecimentos é facilmente determinada , a prevalência de infecção por clamídia na pop. Além
pois primeiro ocorre a exposição para depois ocorrer o disso ele também deseja saber qual a rela~ção da
desfecho clinico prevalenia com o uso de anticoncepcionais orais. Para
II. estudos do tipo coorte são uma subdivisão dos estudos isso definiram a pop de estudo como as mulheres
descritivos atendidas em um serviço de gineco. Em seguida
III nos coorte acompanha=se um grupo de indivíduos sadios selecionou uma amostra de200 mulheres. Foi realizada
, expostos e não expostos e um fator e observa quem vai UMA ÚNICA ENTREVISTA com cada uma das mulheres.
ou não desenvolver a doença; TRANSVERSAL
IV os estudos de coorte podem ser tanto do tipo prospectivo
quanto retrospectivo. 5. I . FALACIA ECOLOGICA ocorre quando são tiradas
conclusões improprias com base em estudos ecológicos,
 Certas: I, III, IV segundo os quais a associação observada entre as
variaveis no nível coletivo não representa
6) assinale as características de um estudo de coorte necessariamente a associação existente no nível
prospectivo. – estudo OBSERVACIONAL .conjuto de indivíduos II VIES DE PREVALENCIA ocorre quando há uma
sem a doença são acompanhados para se comparar a ocrrencia representação excessiva de pacientes com evolução de
da doença em cada grupo. longa duração e não são representados adequadamente
os falecidos após rápida evolução da doença e os
10. coorte retrospectivos paciente de cura rápida.
I. uma das dificuldades desse delineamento é o tempo de III VIES DE AFERIÇÃO/ RUMINAÇÃO ocorre quando os
seguimento longo realizado pelo pesquisador. doentes tem melhor noção de suas possíveis causas em
II os dados são coletados pelo próprio pesquisador (dado relação aos não donete, supervalorizando as exposições
primário) a que estiveram submetidos.
III os dados para esse tipo de estudo podem ser coleados
atraces de prontarios e ou por amannese.
6.um estudo indica haver uma associação fraturas decorrentes de queda. Os controles são pacientes
estatisticamente sig, entre imc >40 e diag de DM. dos mesmos hospitais internados por outras causas. Alguns
Razao de chances = 7,4 IC95% 6,4-8,5) comparado com investigadores sugeriram que os resultados não seriam
não diabético. O estudo iniciou selecionando validos pois os idosos que apresentaram fratura decorrente
indivíduos com dm. Depois selecionou indivíduos sem de queda tem maior probabilidade de recordar exposições a
DM . qual dos seguintes estudos é mais passível de ter medicamentos do que os que apresentaram tal desfecho. VIES
gerado esse resultado? DE MEMORIA/ SUSPEIÇÕ DA INFORMÇÃO
UM ESTUDO QUE CONSISTE EM 500 PCTES COM DM E 500 SEM
DM COMPARANDO IMC DOS INDIVIDUOS RESTROSPECTIVAMENTE 5. uma pesquisa avaliou a associação entre o habito de
EM AMBOS OS GRUPOS. fumar e acidentes fatais de moto. Encontrou-se que havia
associação entre fumar e acidente. No entanto também foi
7. Quais das seguintes é uma vantagem referente ao encontrada associação entre o fumar e não usar capacete .
delineamento caso controle o que pode acometer esse estudo ? CONFUNDIMENTO
PODE SER ULIZADO PARA ESTUDAR DOENÇAS RARAS!!!!!!
6.sao situações de confundimento
8. Pesquisadores querem avaliar associação entre vida I. em estudo sobre a ifluencia da poluição atmosférica em
na estação espacial por seis meses e uma redução da relação ao desenvolvimento de asma crônico, algumas
densidade mineral óssea. O melhor desenho de estudo variavais como classe social e fumar não foram
é: consideradas.
ESTUDO PROSPECTIVO DE COORTE II estudo sobre fármaco pra emagrecer os participantes do
grupo que recebeu o medicamento e os controle doram
9. Em um estuo de casos e controles, o cara decidiu pesados em balanças diferentes uma estava descalibrada.
induir três controles para cada caso admitido. Um da III. estudo de coorte avaliou efeito adverso de
própria instituição , outro do bairro de residência medicamento no desenv de complicação cardíaca, as
do caso e o terceiro da pop geral; ele fez isso pra variaveis idade, peso , ativi física não foram levadas em
que ? consideração.
- PARA ASSEGURAR A VARIABILIDADE DE EXPOSIÇÃO ENTRE  I e III estão corretas.
OS CONTROLE
7. em relação a questão anterior , uma ou mais assertivas
TESTE 09 apresenta situações não características de onfundimento,
A ASSERTIVA II INDICA SITUAÇÃO DE IES DE
1) Vieses de seleção são distorções nos resultados de um INFORMAÇÃO/AFERIÇÃO DIFERENCIAL
estudo epidemio decorrentes dos procedimentos utilizados
p seleção dos participantes ou de fatores que influenciam 8. Em estudo coorte sobre terapia de reposição hormonal e
a participação no estudo. São vieses de SELEÇÃO, exceto: o risco de DAC, a renda esta associada com o uso da
-VIES DE MEMORIA reposição e com o risco a DAC. A fim de evitar
confundimento, são sugeridas 3 estrategias.
2) As afirmativas que estão relacionadas com potenciais I. selecionar apenas indivíduos de uma determinada classe
vieses de informação/aferição são: econômica p participar. RESTRIÇÃO
I. em estudo caso controle sobre relação das concentrações II pra cada pessoa que usa reposição é identificado uma
séricas de homocisteina e o risco de DAC, as amostras dos pesso do grupo que não usa para comparação onde ambos
casos foram extraídas de soro congelado há 20 anos para possuem a renda. PAREAMENTO
medir os níveis . e para os controles foi utilizado amostra III a analise de dados do estudo é realizada conforme as
fresca. diferentes categorias para a variável renda ESTRATIFICAÇÃO
II. em um estudo caso controle da relação entre uma droga
redutora de colesterol e o risco de ca mama , os indivíduos 9. Em relação a questão anterior, se aplicada a
do controle são provenientes de campanha de rastreamento estrategiaI para controle do confundimento, isso pode
de has. afetar na VALIDADE EXTERNA do estudo.
III. em estudo caso controle a relação entre uma vida
estressante e a ocorrência de DAC , os casos são mais 10. estudo de coorte retrospectivo sobre o consumo decade
propensos do que os contoles a relatar os eventos e infarto, 5 xic ou mais estiveram associadas a risco
estressantes. relativo igual a 1,5 (IC95% 1.2-1.8). quando os dados
foram estratificados segundo o habito de fumar, tiveram
 I e III corretas os seguintes resultados.
Para fumantes : RR= 1.1 ( IC95 0.8-1.6)
3. qual o provável viés de um inquérito sobre dsts que Para não fumantes: RR= 0.8 (IC95 0.6- 1.2)
possuem aspectos estigmatizantes bseados em perguntas e O que ocorreu ? CONFUNDIMENTO
respostas entre pesquisador e sujeito de pesquisa? VIES
DE PREVARICAÇÃO . FALSO RELATO Teste 10

4. um estudo de caso controle para investigar a associação 1) Considerando ensaios clínicos, relacione o
de quedas entre idosos e o uso de medicamentos esta sendo significado dos termos abaixo com suas definições.
desenvolvido no município de RJ. Os casos são pessoas com
50 anos ou mais internadas em 6 hospitais do município por
1. Pra cada paciente em um grupo outro com as ECR EXPLANOTÓRIOS, testam a eficácia do tto em
mesmas caract é selecionado p o grupo d estudo em um cenário ideal, co pctes estreitamente
comparação. PAREAMENTO selecionados e condições experimentais mto controladas.
2. Fármaco ou procedimento inerte que não ECR PRAGMATICOS, testam a efetividade do tto em
apresenta efeitos fisiológicos. PLACEBO estudo em condições próximas a pratica de saúde usual sob
3. Base para incluir os individuos que irão condições experimentais mais flexíveis e menos restrição
participar da pesquisaCRITERIOS DE INCLUSAO aos participantes.
4. Numero de pctes que é necessário para executar
um tto especifico visando prevenir um evento 8)entre 2000 e 2008, 96% das gestantes foram acompanhadas
ou desfecho negativo add . NUMERO NECESSARIO da gestação ao pos parto. Pra testar associação entre pre
PRA TRATAR eclampsia e hemorragia pp. Acompanharam as mina por vários
5. Procedimento para impedir que o individuo qe meses . COORTE PROSPECTIVA
avalia o pctee ou o próprio pacte tenha
acometido de qual é seu tto. MASCARAMENTO 9) I. a revisão sistemática usa métodos padronizados para
6. Método pra que cada pcte tenha igual chance selecionar e revisar todos os estudos relevantes sobre um
de pertencer a qualquer um dos grupos de tópico especifico com o objetivo de eliminar vieses na
comparação do estudo. RANDOMIZAÇÃO analise critica e síntese.
II. as metanalises podem ser usadas para agregar os
2) Um ECR foi realizado em pcte HAS . entre 250 resultados de estudos epidemiológicos com diferentes
alocados pro tto com o novo fármaco em estudo, delineamentos.
ocorreram 10 AVC . enquanto que entre os 250 III. as etapas de uma revisão sistemática/ metanalise são:
alocados pra tto padrão, ocorreram 20 AVC. Qual a 1. Formulação da pergunta de pesquisa bem delimitada. 2.
redução absoluta de risco RAR e o numero Busca de estudos primários para inclusão na revisão. 3.
necessário para tratar NNT ? Avaliação dos estdos a serem incluídos e extração dos
0,04 e 25. dados destes. 4. Síntese dos resultados dos estudos. 5.
Interpretação e discussão dos resultados, juntamente com
a elaboração do relatório.
 TODAS SÃO VERDADE

TESTE 12

1)qual a definição de sensibilidade e especificidade ?


3)em estudo de intervenção para verificar a associação do A PROBABILIDADE DE UM TESTE SER POSITIVO EM PESSOAS QE TEM
uso de AAS com estreptoqiunase pra reduzir mortalidade pos DETERMINADA DOENÇA.
infarto, foi encontrado NNT =20. É correto afirmar: A PROBABILIDADE DE UM TESTE SER NEGATIVO EM PESOAS SEM A
- 20 PCTES DEVEM SER TRATADOS COM AAS E ESTREPTOQUINASE DOENÇA
PARA QUE UMA MORTE POS INFARTO SEJA EVITADA.
2)qual o termo utilizado para determinar a probabilidade
6) os ensaios clínicos com fármacos são classificados em de que um pcte , cujo resultado do teste dor negativo, não
4 fases principais de experimentação e avaliação de uma tenha a doença. VALOR PREDITIVO NEGATIVO
nova droga.
FASE 1= ensaios relacionados a segurança da droga onde o 3)um pesquisador descobriu que , de cada 100 pctes que
objetivo é determinar uma dose aceitável desta. Usualmente fazem um teste, 60 tem a doença, enquanto os outros 40
realizada com pop voluntaria. estao saudáveis. Dos 60 pctes que tem a doença, 45 tiveram
FASE 2= investigações com numero reduzido de participantes um resultado positivo e 15 tiveram resultado negativo do
que avaliam a segurança e eficácia da droga. teste. Dos 40 pctes q estão saudáveis, 30 tiveram
FASE 3= avaliação da eficácia da droga em larga escala, resultado negativo no teste e 10 tiveram resultado
utilizando como comparação o tto padrão disponível positivo; qualo valor preditivo positivo da doença?
FASE 4= conduzida após a droga ter sido aprovada p NUMERO DE REAL POSITIVOS 45 DIVIDIDO POR TODOS OS
distribuição e comercialização. POSITIVOS 45/55
4. uma nova medicação é muito efetiva em pcte com derrame
7)Os ECR podem ser classificados de acordo com os desenhos , mas fatal em pcte sem isso. Qual a caractereistica mais
do estudo. importante de um teste confirmatório para que assegure que
Os ECR FATORIAIS permitem a avaliação de varias o menor numero de pessoas sem derrame possível receba a
intervenções. Um exemplo é o estudo que avaliou o efeito medicação?
da aspirina e da estreptoquinase de ambas e de nenhuma das ALTA ESPECIFICIDADE
duas drogas em pctes com suspeita e IAM.
Os ECR EM PARALELO, são estudos no qual cada grupo 5.Se considerarmos que um teste tem sensibilidade de 100%,
de participantes é exposto a apenas uma das intervenções e a relação sensibilidade e especificidade , pode deduzir
em avaliação. que:
Os ECR EM CROSSOVER , os pcts receberão mais de ISSO SIGNIFICA QUE O TESTE IDENTIFICA TODAS AS PESSOAS COM
um tto , de forma alternada. A DOENÇA, MAS QUE PODE ERRONEAMENTE INDICAR QUE ALGUMAS
Os ECR também podem ser classificados de acordo com seu PESSOAS SAUDAVEIS TEM A DOENÇA.
desfecho de interesse.
6. um novo teste para a detecção de DM tem sensibilidade alocadas aleatoriamente ao grupo de intervenção ou ao
de 80% e especificidade de 75%. O teste doi feito em grupo grupo-controle. As participantes alocadas no grupo de
para o qual a prevalência da DM é de 25% e o VPP é de 52%. intervenção foram submetidas anualmente à mamografia
Se o teste for feito em um grupo com prevalência de 65%, durante os cincos primeiros anos de estudo, enquanto que
comparado com o grupo de pacientes onde a prevalência é as do grupo-controle não receberam essa intervenção. Ambos
de 25%, o que acontece? os grupos foram acompanhados durante 25 anos. A tabela que
se segue resume alguns resultados deste estudo:
O VALOR PREDITIVO POSITIVO AUMENTA. Tabela – Resultados do estudo de avaliação da triagem
QUANDO A PREVALENCIA DE UMA DONEÇA AUMENTA, O VPP AUMENTA. populacional com mamografia:
SE A PREVALENCIA DIMINUI O VPN AUMENTA. SENSIBILIDADE E Resultados GI GC
ESPECIFICICDADE NÃO SÃO ALTERADAS PELO CRESCIMENTO DA Número de participantes 44.925 44.910
PREVALENCIA N de casos de cA mama 666 524
N de óbitos por cA mama 180 171
OR de óbito: 1,05 (IC 95%: 0,85 – 1,30)
Obs.: GI – Grupo de Intervenção; GC – Grupo-Controle;
OR – Odds Ratio (razão de chances)
Como se denomina o delineamento do estudo descrito?
7. Estudo analisou o desempenho do teste do PSA no a) Estudo de caso-controle.c) Estudo de coorte.
diagnóstico de ca de próstata comparando com o teste b) Ensaio clínico. d) Estudo longitudinal.
padrão ouro e encontrou:
POSITIVO NEGATIVO 2 Num ensaio clínico randomizado e duplo-cego, durante o
PSA ALTERADO 124 72 período médio de seguimento de 10 anos, a insuficiência
PSA NORMAL 96 72 cardíaca (fatal ou não) ocorreu em 50 de 2.500 pacientes
Qual a especificidade ? 50% que receberam as drogas ativas e em 100 de 2.500 pacientes
que receberam placebo. Qual é o número necessário a ser
tratado em 10 anos para se evitar um caso de insuficiência
cardíaca?

a) 50. c) 100. e) 200. b) 75. d) 150.


8. Preocupados com o impacto do DM , é recomendado a
redução do limite superior de normalidade da glicemia de NNT=1/RAR
jujum de 110 pra 100, em 2003. Esta alteração no teste RAR=INCIDENCIA CONTROLE- INCIDENCIA INTERVENÇÃO
diagnostico resultou em: AUMENTO DA SENSIBILIDADE INCIDENCIA = CASOS NOVOS/ TODOS CASOS

9. pop 10.000. prevalência DM 25% no interior


Na capital, sensibilidade de 80 e especificidade de
95, sera utilizado no rastreamento. Partindo do
pressuposto que de que a prevalência da dm seja menor no 3.Quando presentes em estudos epidemiológicos, as
interior quando comparada a da capital. variáveis geradoras de confusão (confounders) podem
O RASTREAMENTO , PROVAVELMENTE VAI IDENTIFICAR MAIOR resultar em associações espúrias entre as variáveis
PROPORÇÃO DE FALSOS POSITIVOS DO QUE NO BAIRRO DA CAPITAL. independente e dependente, levando o observador a enxergar
relações causais inexistentes. Para ser considerada capaz
10. para melhorara a capacidade de diag de GM foiproposto de causar tal distorção em um estudo de associação, uma
o uso associado dos testes de glicemia de jujum e variável deverá cumprir os seguintes requisitos:
hemoglobina glicada. a) Ser fator de risco para a variável independente e para
a variável dependente, podendo ser consequência de ambas.
Teste Em Serie b) Ser associada à variável dependente e ser fator de
Teste Sensib Especi VPP VPN risco para a variável independente, não sendo consequência
Jejum 80 70 22,8 96.9 de nenhuma delas.
Glicada 90 90 50 98.9 c) Ser associada à variável independente e à variável
Combinados X Y Z W dependente, sendo consequência da segunda.</p>
d) Ser associada à variável independente e fator de risco
para a variável dependente, sem ser consequência da
O VALOR DE Y DEVE SER MAIOR QUE 90%
primeira.
X=72 Y=97 Z=73 W=98

4Com relação aos testes de triagem realizados no Centro


EXERCICIO MEDCURSO EPIDEMIO
de Testagem e Aconselhamento para DST/AIDS e hepatites
virais (CTA), sua principal característica é:
1.O diagnóstico precoce é considerado um dos fatores
A) Alta especificidade.
relevantes para o sucesso do tratamento do câncer. No
B) Alta sensibilidade
sentido de avaliar a triagem populacional com mamografia
c) Baixa sensibilidade.
para diagnóstico precoce e mortalidade dos cânceres de
d) Ter valor preditivo positivo elevado.
mama, foi realizado estudo no qual as participantes fora
e) Ter valor preditivo negativo elevado.
a) Série de casos.d) Ecológico. b) Ensaio clínico
5Estudo foi conduzido para identificar a incidência de randomizado. e) Coorte. c) Caso-controle.
doença respiratória em crianças nascidas num mesmo
hospital no primeiro ano de vida. Comparou dois grupos de 11.Ao interpretar o resultado do teste ergométrico de um
crianças — as nascidas a termo e os prematuros. O desenho atleta maratonista de 28 anos de idade, assintomático, o
epidemiológico deste estudo pode ser definido como:< médico deverá levar em consideração que este teste tem:
a) Caso-controle.b) Transversal. c) Ensaio clínico d) a) Alta confiabilidade.
Coorte. b) Baixa sensibilidade.
e) Ensaio de comunidade c) Valor preditivo negativo muito baixo.
d) Valor preditivo positivo muito baixo.
6.Em um estudo de acompanhamento de uma população de 1.000
pessoas por 5 anos, observou-se que, das 550 pessoas 15 Sobre os estudos epidemiológicos do tipo “coorte
expostas a um fator X, 40 adquiriram uma determinada prospectiva”, considere as afirmativas a seguir.
doença. Das 450 não expostas, 5 adquiriram a mesma doença. I. Em comparação com estudos “transversais”, são mais
Com essas informações, assinale a alternativa CORRETA: demorados;
a) Trata-se de um típico estudo observacional tipo caso- II. São indicados para avaliar fatores de risco para
controle doenças raras;
b) É um estudo observacional de baixo custo, ideal para III. A intervenção em análise é aplicada aleatoriamente
situações em que há restrição orçamentária. no início do estudo;
c) O risco atribuível é igual ao risco relativo nesse IV. Permitem identificar fatores de risco ou de proteção
caso. para o desfecho em estudo.
d) O risco relativo tende a diminuir com o passar dos anos Assinale a alternativa CORRETA:
e) A probabilidade das pessoas expostas ao fator X a) Somente as afirmativas I e II são corretas.
adquirirem essa doença é mais de 6 vezes maior do que as b) Somente as afirmativas I e IV são corretas.
não expostas. c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.
7Na cidade Y, realizou-se estudo para investigar e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas
associação entre nível de colesterol sérico e Doença
Isquêmica do Coração (DIC). Foram estudados indivíduos do
sexo masculino com idade entre 40 e 69 anos, sem DIC no 18 A capacidade de um teste de diagnóstico apresentar um
início do estudo (em 1989): 500 com colesterol elevado e resultado negativo em indivíduos que NÃO possuem a doença
1.500 indivíduos com colesterol normal. Entre esses 2.000 é conhecida como:
indivíduos, examinados em 1989 e seguidos até 1994, foram a) Sensibilidade.
diagnosticados 60 casos de DIC entre aqueles com b) Especificidade.
colesterol elevado e 50 casos entre aqueles com colesterol c) Valor preditivo negativo.
normal. O risco relativo da doença isquêmica do coração d) Valor preditivo positivo.
para os portadores de hipercolesterolemia é: a) 0,8. b) e) Acurácia
1,0 c) 1,8 d) 2,4.e) 3,6. ESPECIFIDADE É AVALIADA ENTRE OS NÃO DONETES ENQUANTO VPNÉ
ENTRE OS QUE DERAM NEGATIVO NO TESTE
8.Com relação aos estudos ecológicos, assinale a
alternativa INCORRETA: 20.Na análise da literatura médica, é preciso atentar-se
a) Comparam o consumo médio per capita com as taxas de à existência de erros aleatórios e erros sistemáticos que
mortalidade cardiovascular de diferentes países e regiões. porventura ocorram nos processos de pesquisa científica.
b) Os resultados obtidos baseiam-se em médias Em uma pesquisa, quando um medicamento é testado e se
populacionais, e não em medidas individuais. mostra ineficaz em comparação ao placebo, é possível que
c) Não estão mais sujeitos a viés, pois em alguns países isto se atribua a um número pequeno de pessoas no estudo,
uma pequena proporção de indivíduos pode consumir, em ou seja, a um tamanho de amostra pequeno. Mesmo se
grande quantidade, um determinado tipo de bebida, e a utilizando de modernas técnicas estatísticas, este é um
média pode não ser representativa da população. Em outros, erro que não pode ser totalmente evitado. Portanto, a
o consumo pode ser mais homogêneo. prática clínica, frequentemente, é modificada apenas após
d) Não permitem inferências para o nível individual vários estudos apontarem conclusões semelhantes. Estamos
(falácia ecológica). falando de um erro conhecido como:
e) Há a possibilidade de comparar diferentes populações e a) Viés de confusão. b) Viés de seleção.
diferentes períodos de tempo rapidamente e com menor c) Erro sistemático. d) Erro aleatório. e) Viés de
custo, do que permitem outros tipos de estudos, pois os aferição
dados já estão disponíveis e são bons para gerar
hipóteses.
25Um estudo recrutou 60 pessoas com certo tipo de câncer
9.Um estudo prospectivo, com um grupo grande de (grupo X) e 180 pessoas sem essa doença (grupo Y). Foi
participantes expostos e não expostos a determinados aplicado questionário em todas as 240 pessoas, que revelou
fatores de risco, foi desenhado com objetivo de o seguinte: no grupo X, 35% estavam expostos a um
identificar os fatores que contribuem para desenvolvimento determinado fator de interesse e, no grupo Y, 40%. O valor
de doenças cerebrovasculares após período longo de tempo. do OR bruto foi:
Esse tipo de estudo é classificado como: a) 2,79. d) 0,81. b) 1,24 e) 0,36. c) 0,11.
e) Risco relativo: 1,99.
26Um teste diagnóstico para uma determinada doença,com
sensibilidade (S = 98%) e especificidade (E = 70%), foi
aplicado em 1.000 indivíduos (doentes e não doentes)de 39.Um pesquisador acompanhou um grupo de adultos saudáveis
suas populações diferentes, a primeira com alta por 20 anos. Os participantes foram alocados em dois
prevalência da doença (P1 = 30%) e outra com baixa subgrupos de acordo com os níveis de ingestão diária de
prevalência(P2 = 10%). Ao se compararem os valores gorduras saturadas. Ao final do estudo, verificou--se a
preditivosobtidos nas duas populações, verificou-se que: diferença na incidência de doenças coronarianas de acordo
a) O valor preditivo positivo é igual nas duas populações. com a presença de fatores de risco. Este é um exemplo de
b) O valor preditivo positivo é maior na população P1. um estudo:
c) O valor preditivo negativo é maior na população P1. a) Caso-controle.
d) O valor preditivo negativo é igual nas duas populações. b) Ecológico.
c) Transversal individual.
30. Assinale a afirmativa INCORRETA: d) Coorte.
a) O objetivo das medidas de ocorrência (ou de frequência) e) Experimental.
é responder se existe uma associação entre uma exposição
e um desfecho. 42.A tabela abaixo mostra o resultado de uma investigação.
b) Risco relativo é uma medida de associação e corresponde DOENTE não doente
à razão entre os riscos dos indivíduos expostos e os riscos TOTAL
dos não expostos. Exposto 60 40
c) Quanto mais rara for uma doença, mais o Odds Ratio (OR) 100
se aproxima do Risco Relativo (RR). Não exposto 40 60 100
d) Razão de prevalência é a relação entre a prevalência Total 100 100
nos expostos dividida pela prevalência nos não expostos, Assinale a alternativa que mostra uma interpretação
e é a medida de associação característica do estudo INCORRETA do estudo:
transversal. a) O valor da razão de chances (Odds Ratio) obtido é igual
e) Em um estudo, 20% (0,20) dos doentes do grupo-controle a 2,25.
morreram, comparados a 15% (0,15) dos que receberam b) A exposição é um fator protetor em relação à doença.
o tratamento em avaliação (intervenção); assim, o valor c) A taxa de incidência da doença nos expostos é igual a
do Risco Relativo (RR) é 0,75. 0,6.
d) A taxa de incidência da doença nos não expostos é igual
33Na avaliação do desempenho de um novo teste diagnóstico, a 0,4.
seus resultados foram comparados aos do teste padrão-ouro,
e os valores, mostrados na tabela a seguir. 44.Os estudos epidemiológicos são estratégias
Teste padrão-ouro metodológicas que a epidemiologia utiliza para a
Teste novo Positivo Negativo Total elucidação de problemas relativos à saúde de populações.
Positivo 160 100 Analise as afirmativas abaixo referentes aos estudos de
260 caso-controle e coorte.
Negativo 40 1.700 I - Ambos são estudos analíticos;
1.740 II - Ambos necessitam de um grupo de comparação;
Total 200 1.800 III - Ambos são estudos longitudinais;
2.000 IV - Os vieses de recordação são comuns a ambos os tipos
Em relação à comparação, marque a alternativa ERRADA: de estudo;
a) A probabilidade de um indivíduo com o teste negativo V - Ambos são estudos observacionais.
ter a doença é de 2% e corresponde aos falso-negativos. Assinale a alternativa CORRETA:
b) A capacidade do novo teste detectar a doença quando o a) Todas estão corretas.
indivíduo realmente é doente é de 62% e se chama b) Apenas a IV está incorreta.
sensibilidade. c) Apenas a II está incorreta.
c) A probabilidade de um indivíduo sadio ter o resultado d) Apenas a III está incorreta
do novo teste negativo é de 94% e se chama especificidade. e) Existem duas incorretas.
d) A probabilidade de um teste negativo ser observado em
indivíduo sadio é de 98% e se chama valor preditivo 49.Um mesmo teste diagnóstico apresentou um valor
negativo. preditivo positivo de 38,2% em um grupo de pacientes e de
79,8% em outro. Essa variação pode ser explicada por:
36 Um estudo caso-controle foi conduzido para avaliar a a) Maior incidência da doença em questão no 1o grupo.
associação entre o uso de álcool para fins de limpeza b) Baixa acurácia do teste.
doméstica e a ocorrência de queimaduras graves em idosos. c) Baixa sensibilidade do teste.
Esta informação foi relatada por 56 dos 94 casos e por 63 d) Maior prevalência da doença em questão no 2o grupo.
dos 148 idosos do grupo-controle. Qual é a medida de
associação estimada no estudo? 52.Variáveis como gênero (masculino e feminino) e grau de
a) Risco relativo: 2,93. dor (grave, moderado e leve) podem ser classificadas,
b) Razão de chances (Odds Ratio): 1,99. segundo o tipo de medida, respectivamente, em categorias:
c) Razão de chances (Odds Ratio): 2,93. a) Ordinal e discreta.
d) Razão de prevalência: 2,93. b) Ordinal e nominal.
c) Nominal e ordinal.
d) Ordinal e contínua.
e) Nominal e discreta.

53.Dois pesquisadores decidiram estudar o impacto da


prescrição de progesterona vaginal na prevenção do parto
prematuro entre gestantes adolescentes assistidas em
Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade do Rio de
Janeiro. Para essa finalidade, desenvolveram uma pesquisa
na qual as gestantes que procuraram assistência na UBS de
Copacabana não receberam a medicação, enquanto aquelas
assistidas na UBS Engenho da Rainha receberam a droga. Em
relação ao delineamento do estudo, assinale a opção
CORRETA:
a) Trata-se de um estudo observacional e randomizado.
b) Trata-se de um estudo experimental e não aleatório
c) Trata-se de um estudo observacional e não randomizado.

d) Trata-se de um estudo experimental, duplo-cego e


randomizado.

60.Sobre o desempenho de testes diagnósticos, assinale a


alternativa CORRETA:
a) Um teste para rastreamento na população em busca de
doença com grande número de casos oligossintomáticos deve
ter alta especificidade.
b) Suspeita clínica, potencialmente grave que indica uma
intervenção invasiva, exige teste diagnóstico com alta
sensibilidade.
c) Testes diagnósticos em paralelo têm sua sensibilidade
aumentada comparada com testes em sequência.
d) Testes diagnósticos utilizados em sequência ou em
paralelo possuem o mesmo potencial para confirmação
diagnóstica.

GABARITO EPIDEMIO MEDCURSO


1B 2A 3D 4B 5D 6E 7E 8C 9E 11D 15B 18B 20D 25D 26B 30A 33B
36b 39D 42B 44B 49D 52C 53B 60C