Anda di halaman 1dari 11

LIÇÃO 6 - O CUIDADO COM AS FALSAS DOUTRINAS III

Colossenses 2:8-15

ESBOÇO DA LIÇÃO

I - Introdução.
II - Doutrina: Conceito.
III - O Cuidado com as Falsas Doutrinas - Como identificar uma Falsa Doutrina.
IV - A Falsa Doutrina dos Judaizantes.
V - A Falsa Doutrina dos Gnósticos.
VI - Conclusão.
I - INTRODUÇÃO

O Cuidado com as Falsas Doutrinas é o assunto desta Lição. São tantas as Falsas
Doutrinas que grassam no mundo cristão, e fora dele, que neste espaço destinado a
uma aula de Escola Dominical não podemos, sequer, fazer referencia a todas elas.
Assim, vamos procurar nos circunscrever à esfera do que estava ocorrendo na Igreja
de Colossos.

II - DOUTRINA - CONCEITO.

Preliminarmente, para que o assunto se torne mais inteligível, vamos procurar fixar
bem o Conceito de Doutrina.
Doutrina deriva-se da expressão latina “doctrina”, que, por sua vez, provém do verbo
“docio”, significando ensinar, instruir, ou educar. Temos, ainda, diversas
expressões derivadas, como “doctos”, instruído, sábio; “doctor”, o que ensina.
Assim, numa Escola, incluindo, é claro, também, nossa Escola Dominical, temos o
Corpo Docente, formado pelo conjunto de Professores, ou seja, daqueles que
ensinam, e o Corpo Discente, formado pelo conjunto de Alunos, ou, daqueles que
estão ali para aprender.

Como Definição, Doutrina é um conjunto de princípios em que se baseia um sistema


religioso, político, ou filosófico.
Doutrina Bíblica é, pois, a revelação da verdade tal como se encontra na Bíblia. Será
uma Doutrina Bíblica Ortodoxa ( onde “orthódoxos”, no grego, significa verdadeiro,
correto) se mantiver fidelidade absoluta aos princípios da Palavra de Deus.

O Estudo da Doutrina Bíblica denomina-se TEOLOGIA, que é a ciência que trata do


nosso conhecimento de Deus e das suas relações com o homem; ou tudo quanto se
relaciona com Deus e com seus propósitos.
Literalmente, Teologia deriva-se das expressões grega “théos”, significando Deus e
“logia”, estudo.

III - O CUIDADO COM AS FALSAS DOUTRINAS

1 - Visto o que é uma Doutrina Bíblica, sabemos, então, o significado de uma Falsa
Doutrinária Bíblica. Uma Falsa Doutrina Bíblica é aquela que, embora baseada na
Bíblia, apresenta uma interpretação incorreta, distorcida da verdade aceita como
original, ou ortodoxa.
Esta interpretação errônea, ou distorcida da verdade, pode acontecer por ignorância
do intérprete, ou por má fé, visando interesses espirituais, quer pessoais, quer de
grupos.
Assim, talvez se possa entender porque todo o clero, alto e baixo, da Igreja Católica
Romana e muitos Obreiros de algumas Denominações ditas evangélicas, insistem em
permanecer vivendo e proclamando Falsas Doutrinas Bíblicas.
Uns proclamam Doutrinas Bíblicas Falsas por falta de conhecimento ou por
ignorância das Doutrinas Bíblicas Verdadeiras, embora estando com a Bíblia
Sagrada, nas mãos. São pessoas bem intencionadas, como era o Apóstolo Paulo
quando antes de seu encontro com Jesus; perseguia, espancava, prendia os cristãos,
conforme ele declarou - “Bem tinha eu imaginado que contra o nome de Jesus, o
Nazareno, devia eu praticar muitos atos; o que também fiz em Jerusalém. E,
havendo recebido poder dos principais dos sacerdotes, encerrei muitos dos
santos nas prisões; e, quando os matavam, eu dava o meu voto contra eles. E,
castigando-os muitas vezes por todas as sinagogas, os obriguei a blasfemar.
E, enfurecido demasiadamente contra eles, até nas cidades estranhas os
persegui”- Atos 26:9-11.

Paulo era, no entanto, um religioso e um Teólogo sincero. Quando praticava todas


barbáries contra os cristãos, imaginava estar a serviço de Deus e no exercício de uma
Doutrina Verdadeira.
Desta mesma forma muitos Sacerdotes Católicos, de ontem e de hoje, bem como
muitos Obreiros chamados “evangélicos”, também praticam e ensinam Falsas
Doutrinas Bíblicas por ignorância, porém, bem intencionados, visto que, embora
tendo a Bíblia Sagrada, nas mãos - São condutores cegos, pois - “...o deus deste
século cegou o entendimentos dos incrédulos, para que não lhes resplandeça a
luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”- II Coríntios 4:4.

Outros, no entanto, são malandros mesmo, e agem de má fé. Sabem que estão
ensinando Doutrinas Bíblicas Falsas, mas fazem do Sacerdócio e do Ministério uma
Profissão, um meio de vida, sendo que neles se cumpre A Palavra de Deus - “E, por
avareza, farão de vós negócio com palavras fingidas...”, ou, como diz A Bíblia, na
Linguagem de Hoje - “Em sua ambição pelo dinheiro, esses falsos mestres vão explorar
vocês, contando histórias inventadas...”- II Pedro 2:3.

Convém, pois, atentarmos para o conselho de Paulo aos Colossenses - “Tende


cuidado para que ninguém vos faça presa sua...”- Colossenses 2:8.

Assim, diríamos que as Falsas Doutrinas são divulgadas por dois tipos de pessoas -
No primeiro grupo estão aqueles Pregadores e Mestres que pregam e ensinam
doutrinas de homens, ou Falsas Doutrinas, por falta de conhecimento das
Verdadeiras Doutrinas Bíblicas. São pessoas bem intencionadas, tal como Paulo era
antes de seu encontro pessoal e real com Jesus, aquele que disse - “Eu sou ...a
verdade...”- João 14:6. Para estes o Senhor Jesus diria- “...Errais, não conhecendo
as Escrituras, nem o poder de Deus”- Mateus 22:29.

No segundo grupo estão aqueles que sabem que estão errados, que têm consciência de
que estão “torcendo” a Bíblia, mas, que, como Profissionais da Fé, prosseguem na
defesa de seus interesses pessoais, e carnais - “...sobre os quais já de largo tempo
não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita”- II Pedro 2:3.

2 - Como identificar as Falsas Doutrinas

“Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade”- II Coríntios 13:8.
Para que possamos confirmar e combater uma Falsa Doutrina, precisamos conhecer a
Doutrina Verdadeira - Se não conhecermos uma moeda verdadeira, então não
podemos identificar uma moeda falsa. Esta é uma verdade.
A Verdadeira Doutrina, aquela que nos leva ao conhecimento de Deus e das suas
relações com o homem só pode ser encontrada na Bíblia Sagrada.
É nela que vamos encontrar as onze grandes verdades doutrinárias:a Doutrina das
Escrituras; a Doutrina de Deus; a Doutrina dos Anjos; a Doutrinado Homem; a
Doutrina do Pecado; a Doutrina de Cristo; a Doutrina da Expiação;a Doutrina da
Salvação; a Doutrina do Espírito Santo; aDoutrina da Igreja e a Doutrina das Últimas
Coisas.

O conhecimento deste Sistema Doutrinário não será obtido por revelação e nem
por oração. É necessário ouvir, ler, estudar. Requer esforço e dedicação por parte de
quem quer aprender.
Este aprendizado não é ministrado, diretamente, pelo Espírito Santo, mas,
indiretamente, através de seus instrumentos humanos. Perceba que foi aos homens
que o Senhor Jesus disse - “...Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda
criatura”- Marcos 16:15. “...Ide, ensinai todas as nações...”- Mateus 28:19. Portanto,
Pregar e Ensinar é um trabalho do homem.
Todavia, para Pregar e Ensinar é preciso, antes aprender. Há um adágio que diz que
“aquele que não assenta para aprender, não pode levantar para ensinar”- Isto
é Verdade!

Dissemos que o conhecimento bíblico não é obtido por revelação e nem por oração.
Então você poderá contra-argumentar com a afirmação contida em Tiago 1:5- “E, se
algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá
liberalmente e não o lança em rosto; e ser-lhe-á dada”.
Isto se aplica quando o crente ouve, lê, estuda, porém tem dificuldade para guardar,
para aprender,
para entender, o que ouviu, o que leu, o que estudou. Então ele tem o privilégio de
poder pedir a Deus sabedoria, ou seja, capacidade para guardar, para aprender,
para entender o que ouviu, o que leu, o que estudou.
Isto não se aplica ao preguiçoso, ao negligente que não quer ir ao Culto de Doutrina, à
Escola Dominical, que não tem disposição para ler e nem vontade de fazer um Curso
Bíblico.
Neste caso, com a Bíblia fechada e sem disposição, sequer, para ouvir - não adianta
pedir sabedoria. CONCORDA COMIGO?
Assim, quem quiser identificar uma Doutrina Falsa, precisa, então, conhecer A
Verdadeira Doutrina Bíblica.

IV - A FALSA DOUTRINA DOS JUDAIZANTES

Os Cristãos Judeus tiveram dificuldades para entenderem o papel, ou a função da Lei


de Moisés. Os próprios Apóstolos, incluindo Pedro, demoraram para entender que após
o Sacrifício de Jesus, como Cordeiro de Deus, nenhum ritual da Lei necessitava
mais ser observado.

Os Cristãos vindos do judaísmo, e principalmente os Mestres judaizantes não estavam


conseguindo entender que a Lei, na verdade, “...é santa; e o mandamento, santo, justo
e bom”- Romanos 7:12, mas, que “...o fim da lei é Cristo para justiça de todo
aquele que crê”- Romanos 10:4, e que “...a lei nos serviu de aio, para nos
conduzir a Cristo, para que, pela fé, fossemos justificados”- Gálatas 3:24.
Assim, a Doutrina dos Judaizantes tinha sido verdadeira durante a vigência da Lei,
mas, agora, na Dispensação da Graça, a Igreja do Senhor que estava em Colossos, e
para a Igreja que está, hoje, em todas as partes da terra, é uma Doutrina Falsa.
A Verdadeira Doutrina Bíblica ensina que o Senhor Jesus Cristo “...havendo
oferecido um único sacrifício pelos pecados...”, ou seja, com um sacrifício, ou na
expressão bíblica “...com uma só oblação, aperfeiçoou para sempre os que são
santificados”- Hebreus 10:12,14.
Isso significa que Jesus “...pode salvar perfeitamente os que por ele se chegam
a Deus...” Hebreus 7:25. Foi neste sentido que Paulo, escrevendo aos Colossenses,
afirmou - “Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a
qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-
a na cruz...Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por
causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, que são sombras das
coisas futuras...”- Colossenses 2:14,16,17.

Segundo A Verdadeira Doutrina Bíblica, o Sacrifício Vicário de Jesus, realizado na


Cruz do Calvário, foi completo e perfeito. Não necessitando de qualquer ato
complementar que deva ser praticado pelo homem para alcançar a Salvação.
Biblicamente - “...pela graça sois salvo, por meio da fé; e isso não vem de vós; é
dom de Deus”- Efésios 2:8.
Era isto que os Crentes de Colossos, gentios, na sua maioria, precisavam entender,
visto que os Judaizantes estavam ensinando ser necessário a observância de parte da
lei de Moisés, como a circuncisão, a guarda do sábado, a abstinência de certos
alimentos, etc, etc.

Assim, será Falsa a Doutrina que exigir, como condição para ser salvo, a observância
de qualquer ritualismo da Lei de Moisés, incluindo a guarda do sábado, ou qualquer
outro dia; que exigir a prática de penitência visando mortificar o Corpo, para libertar o
espírito; que exigir o exercício da caridade através da realização de boas obras, de
esmolas, para obter perdão de pecados; que exigir adoração, veneração, ou culto a
qualquer criatura, no papel de intermediário, ou mediador entre Deus e o homem,
seja Maria, sejam os Apóstolos, seja qualquer outro nome, ou mesmo que sejam os
Anjos; que exigir a permanência por tempo determinado ou indeterminado num lugar
fictício, criado pelo homem, sem qualquer apoio bíblico, chamado de purgatório; e de
tantas outras invencionices sem qualquer fundamento na Verdadeira Doutrina
Bíblica.
Por esta Epístola, Paulo procurou fazê-los entender A Verdadeira Doutrina Bíblica
para a Igreja, nesta Dispensação da Graça, a qual não está estruturada em
“...filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os
rudimentos do mundo...”, mas, que está estruturada na Pessoa de Cristo -
“porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade.

Assim, a circuncisão da carne, o sinal de Deus para a Nação de Israel não lhes era
necessário, visto que eles já estavam marcados, ou sinalizados “com a circuncisão
não feita por mão no despojo do corpo da carne: a circuncisão de Cristo.

V - A FALSA DOUTRINA DOS GNÓSTICOS

O Gnosticismo é uma derivação da expressão grega “gnosis”, que significa


conhecimento.
Especialmente nos dois primeiros séculos, o gnosticismo englobava diversas Escolas
de Pensamento. A tentativa de transformar o Cristianismo numa dessas Escolas,
causou sérios prejuízos à Igreja e muitas dificuldades aos Cristãos.
A Igreja de Colossos estava envolvida nesta tentativa, daí o pronto atendimento dado
por Paulo, enviando a Epístola conhecido como Colossenses, a qual estamos
estudando neste Trimestre. Nela Paulo procura salientar os princípios da Verdadeira
Doutrina da Salvação, completamente oposta ao ensino dos gnósticos.
Para o Gnosticismo a Salvação era privilégio apenas de alguns, ou seja - daqueles que
conseguissem alcançar o “conhecimento”, no sentido esotérico. Por este
“conhecimento” chegariam a um verdadeiro entendimento do Universo, pelo qual
seriam salvos deste mundo da matéria.
Algo bastante confuso e que estava confundindo o entendimento dos crentes de
Colosso, os quais não possuíam embasamento suficiente na Palavra de Deus. Vamos
considerar, aqui, algumas das aberrações doutrinárias que eram ensinadas pelos
gnósticos, verdadeiras Falsas Doutrinas.

1 - Era Falsa a Doutrina de Deus ensinada pelos Gnósticos

Os Gnósticos ensinavam que Deus é um Espírito essencialmente Santo e Perfeito -


isto é verdade, pois está de acordo com a Doutrina Bíblica.

Deus é Espírito - foi o próprio Jesus quem fez esta declaração - “Deus é Espírito, e
importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade”- João 4:24.

Deus é Santo - foi o próprio Deus quem fez esta afirmação quando, falando com
Moisés disse - “Fala a toda a congregação dos filhos de Israel e dize-lhes;
Santos sereis, porque eu, o Senhor, sou Santo”- Levíticos 19:2.

Deus é Perfeito - Moisés disse ao Povo - “Perfeito serás, como o Senhor, teu
Deus”- Deuteronômio 18:13. Mais tarde também o Senhor Jesus diria - “Sede vós,
pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai, que está nos céus”- Mateus 5:48.

Até aqui os Gnósticos estavam certos. Pedro afirmou que os “falsos doutores”
introduziriam “encobertamente heresias de perdição”- Pedro 2:1. Satanás sabe que
negando a existência de Deus não enganará os Cristãos; agredindo sua Santidade, não
atrairá a atenção dos crentes. É preciso começar afirmando um Principio Verdadeiro
para depois introduzir as “heresias de perdição”.

1.1 - Assim era Falsa a Doutrina de Deus ensinada pelos gnósticos, pois ensinavam
que Deus não era o Criador da Matéria, ou seja, O Criador do Universo, da Terra e
do homem.
Afirmavam que Deus sendo Espírito, sendo Santo e Perfeito não podia ser O Criador
da Matéria, visto que a matéria era essencialmente má.
Porém, segundo A Verdadeira Doutrina Bíblica, para os que crêem na Bíblia, Deus é
o Criador do Universo e ele considerou ser boa toda a obra de sua criação - “No
principio, criou Deus os céus e a terra”- Gênesis 1.1. “E viu Deus tudo quanto
tinha feito, e eis que era muito bom...Assim, os céus, e a terra foram
acabados”- Gênesis 1:31 e 2:1.
Pelo exame feito por Deus, não foi constatado qualquer maldade no mundo material. O
mal não se originou da matéria.

Caso a matéria fosse essencialmente má, como ensinavam os gnósticos, Deus não
teria reivindicado sua propriedade sobre a terra. Porém, falando com Moisés, Deus
disse - “...toda a terra é minha”- Êxodo 19:5.
A Bíblia Sagrada vai mais além, ao afirmar que - “Do Senhor é a terra e a sua
plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam”- Salmo 24:1.
Mesmo o ouro e a prata que os gnósticos praticantes do Ascetismo, desprezavam, são
propriedade de Deus, conforme ele próprio declarou - “Minha é a prata, e meu é o
ouro...”- Ageu 2:8. Assim, segundo a Bíblia, Deus não apenas é o Criador, como
também é o Dono de todas as coisas. Era, pois, Falsa a Doutrina dos Gnósticos
em relação a Deus.

2- Era Falsa a Doutrina do Homem, ensinada pelos Gnósticos.

Afirmavam os Gnósticos que o Homem, sendo matéria, não podia ter sido criado
por Deus, por ser a matéria essencialmente má. Assim, ensinavam que o homem teria
sido gerado pela materialização
de um “aeon” que eram seres espirituais formados por emanações provindas de Deus
e que iam se tornando cada vez mais inferiores, ou mais maus, na medida em que se
distanciavam de Deus.
A Teoria gnóstica da criação do homem era uma Doutrina Falsa visto que a
Verdadeira Doutrina Bíblica declara que o homem foi criado por Deus, em
perfeição e santidade, pois, foi criado a imagem e semelhança de Deus conforme a
Bíblia declara - “E disse Deus: façamos o homem à nossa imagem, conforme a
nossa semelhança...E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o
criou; macho e fêmea os criou. E Deus os abençoou...”- Gênesis 1:26-28.

Assim, criado à imagem e semelhança de Deus e abençoado por ele, o homem não
poderia ser o resultado de uma emanação muito distante e que viera a se materializar,
sendo a matéria essencialmente má. Biblicamente, tal como fora criado, o homem era
perfeito, inclusive, em santidade.

Era Falsa a Teoria dos gnósticos sobre a Criação do Homem, como também é
Falsa a Teoria moderna dos Evolucionistas que ensinam que o homem é o produto
da evolução de seres inferiores.

2.1 - Era Falsa a Doutrina dos gnósticos quando afirmavam que o Homem, sendo
matéria, era essencialmente mau, não podendo comunicar-se com Deus, que era
Espírito, e essencialmente Santo e Perfeito.
Que, em conseqüência, havia entre o Homem e Deus uma distância quase infinita e
que, portanto, essa comunicação só poderia ser feita através dos “aeons”, que eram
seres espirituais criados através das emanações, espécies de ondas, que saiam de
Deus e que iam se tornando cada vez mais imperfeitos tanto quanto eram formados
mais distantes de Deus.
Estes “aeons” agiam como “guias espirituais” intermediando o relacionamento entre
o homem e Deus, bem como promovendo a aproximação entre ambos.

A Doutrina Gnóstica afirmando que era impossível o contato direto entre o Homem e
Deus era uma Falsa Doutrina visto que A Verdadeira Doutrina Bíblica afirma que
Deus, pessoalmente, abençoou e transmitiu ao homem as suas instruções - “E Deus
os abençoou e Deus lhes disse: frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra, e
sujeitai- a...”-Gênesis 1:28.

A Verdadeira Doutrina Bíblica afirma ainda que Deus continuou mantendo contato
direto e pessoal com o homem que ele criara - “E ouviram a voz do Senhor Deus,
que passeava no jardim pela viração do dia; e escondeu-se Adão e sua mulher
da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim. E chamou Deus a
Adão e disse: Onde estás?”- Gênesis 3:8-9.
Pela Verdadeira Doutrina Bíblica sabemos, pois, que se alguém fugiu e se escondeu,
evitando o contato direto e o diálogo, esse alguém não foi Deus.

2.2 - Era Falsa a Doutrina dos Gnósticos quando afirmavam que o espírito do
homem ia-se evoluindo e caminhando em direção a Deus, na medida em que ia se
libertando do corpo, ou da matéria; e, que para esta libertação e aperfeiçoamento o
homem necessitava da ajuda dos “guias”, que eram espíritos menos e mais evoluídos,
na medida em que se situassem mais ou menos distantes de Deus; que esses seres
precisavam ser bem tratados para não se ofenderem, o que acabava gerando a prática
de Culto aos mesmos, como era o caso do Culto aos Anjos, que também, segundo os
gnósticos, eram “aeons”, ou espíritos intermediários.
Era Falsa a Doutrina dos Gnósticos sobre a evolução, ou aperfeiçoamento do
espírito na medida em que este ia se libertando do corpo, por ser este matéria e por
ser a matéria essencialmente má, como também é Falsa a Doutrina do Espiritismo,
hoje, que também ensina sobre a evolução do espírito e necessidade de sua libertação
da matéria.

2.3 - Era Falsa a Doutrina dos gnósticos sobre a existência de uma “corrente” de
seres intermediários entre o Homem e Deus, e da necessidade de se tratar bem esses
intermediários, até mesmo prestando-lhes Culto, ou adorando-os como se fossem
deuses menores, como também é Falsa a Doutrina da Igreja Católica Romana que
ensina sobre a existência de mediadores, ou intermediários entre Deus e o homem a
quem eles dão o nome de “Santos”, inclusive prestando-lhes culto, como faziam os
gnósticos.

A Verdadeira Doutrina Bíblica condena a existência destes “mediadores”, proibindo


qualquer espécie de Culto aos mesmos, sejam eles Anjos, Arcanjos, Querubins ou
Serafins, sejam imagens de homens, quer se chamem Pedro, João, Paulo, ou Maria,
pois, a Bíblia Sagrada diz - “...ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás”-
Mateus 4:10 e Deuteronômio 6:13.

Sobre a existência de intermediários ou mediadores, a Bíblia Sagrada declara que -


“...há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens...”, e, para não
deixar qualquer dúvida sobre esse “mediador”, a Bíblia registra o seu nome como
sendo “...Jesus Cristo...”- I Timóteo 2:5.
Assim, é Falsa a Doutrina do Homem que era ensinada pelos gnósticos, se
comparada com A Verdadeira Doutrina Bíblica.

3 - É Falsa a Doutrina dos Gnósticos sobre a pessoa de Jesus.

Uma corrente do Gnosticismo ensinava que, sendo a matéria essencialmente má,


então Jesus não poderia ter nascido como homem, tomando um corpo material.
Se foi revestido de matéria, não podia ser Deus. Assim, afirmavam que seu
nascimento, de Maria, foi aparente, ou simbólico. Na verdade ele era apenas um
espírito.

Outra corrente afirmava que Jesus, na verdade, era um homem, possuía um corpo
material. Mas, que no Batismo, lá no Jordão, Cristo desceu sobre ele, e ele se tornou
Deus. Todavia, lá na Cruz, Cristo ausentou-se, e Jesus, morreu, como homem.
Para a primeira corrente Jesus era um espírito evoluído, ou seja, era um “deus”,
mas, não era o Deus Criador de todas as coisas.
Esta Falsa Doutrina foi desfeita pela Verdadeira Doutrina Bíblica ensinada por
Paulo, quando afirmou - “Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da
divindade”- Colossenses 2:9. e que ele, Jesus, “...é imagem do Deus invisível,...”,
ou seja, ele é a revelação visível do Deus invisível - Colossenses 1:15.

Ele não é um “deus”; ele não é quase Deus; ele é o próprio Deus, em quem
“...foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e
invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam
potestades; tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas,
e todas as coisas subsistem por ele”- Colossenses 1:15-17.
Mais tarde o Apóstolo João complementando a Verdadeira Doutrina Bíblica sobre a
divindade de Jesus e o seu nascimento, como homem, tendo um corpo humano, o qual
era feito de matéria e que podia ser tocado, escreveu - “No principio, era o Verbo, e
o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”, ou seja, ele não era um “deus”,
mas, “era Deus”.
Ele não era um “aeon”, ou um espírito evoluído; ele não era quase Deus, mas, era o
Deus que criou todas as coisas - “Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele
nada do que foi feito se fez”.
O seu nascimento não foi aparente, ou simbólico; foi real, e literal - “E o Verbo se fez
carne e habitou entre nós...”- João 1:1-2, 14.
Ele não era apenas um espírito, mas, era real, o seu corpo era matéria e podia ser visto
com olhos carnais e tocado com as mãos do homem - “O que era desde o principio,
o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos
tocaram da Palavra da vida”- I João 1:1.
Continua, portanto, sendo uma Falsa Doutrina aquela que negar a Divindade de
Jesus.
Continua sendo uma Falsa Doutrina aquela que colocar qualquer criatura como sendo
igual, ou superior a ele, mesmo que essa criatura tenha sido Sua Mãe, no plano
material.

A Verdadeira Doutrina Bíblica afirma que - “...Deus o exaltou soberanamente e


lhe deu um nome que é sobre todo o nome, para que ao nome de Jesus se
dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e
toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai”-
Filipenses 2:9-11.
Quando a Bíblia diz: “todo joelho” e “toda língua”, significa que nenhuma criatura
poderá deixar de reconhecer que “Jesus Cristo é o Senhor”.

Nesta declaração está incluído o poderoso Arcanjo Miguel, está incluído Satanás e todo
seu exército, estão incluídos os Apóstolos, está incluída Maria, estamos incluídos, eu,
e você. Assim afirma a Verdadeira Doutrina Bíblica.
É, pois, Falsa a Doutrina dos gnósticos em relaçãoa Jesus.

4- Era Falsa a Doutrina dos gnósticos em relação ao Corpo Humano.

Como vimos, para os gnósticos, Deus, sendo Espírito, era essencialmente Santo e
Perfeito; a matéria, por estar muito longe de Deus, era essencialmente má. Não fora
criada por Deus e nem podia haver contato direto entre Deus e a Matéria.
A Terra seria uma grande prisão para a humanidade, e o Corpo Humano era uma prisão
individual para cada espírito. Assim, era preciso que o espírito se libertasse do corpo
material a fim de poder seguir para o mundo espiritual. Desta forma quanto antes o
Corpo Humano fosse destruído, melhor seria para o espírito.

Duas formas eram utilizadas para a destruição do Corpo - a prática desregrada da


libertinagem num extremo e o Ascetismo, no outro.

4.1 - Era Falsa a Doutrina dos gnósticos sobre a prática da libertinagem como
meio de destruição do Corpo.
A prática da Libertinagem, ou licenciosidade como meio de destruição do corpo, por
ser matéria, e pelo fato da matéria ser má, não era visto como pecado, mas, como um
beneficio para o espírito.
Segundo a Doutrina gnóstica quanto mais o homem se entregasse à libertinagem ou
à licenciosidade, ou seja, quanto mais pecasse, afundando-se em todas as espécies
de vícios, nas orgias sexuais, tanto melhor seria para seu espírito, que mais depressa
iria se livrar de sua prisão, representada pelo Corpo.
Pecar não acarretava prejuízo de ordem espiritual. Esta filosofia de vida provinha dos
gregos. Estes criam na imortalidade da Alma, mas não criam na ressurreição do
Corpo. Assim, como o Corpo se desfaria na terra, não haveria nenhuma conseqüência
de caráter espiritual o que o homem praticasse com o seu Corpo.
Em relação ao sexo, afirmavam que a atividade sexual tinha o mesmo efeito da
necessidade de alimento para o Corpo.
Era uma necessidade que não devia ser evitada. Paulo escrevendo aos Coríntios
rebateu este principio pagão, assegurando que - “Os manjares são para o ventre e
o ventre para os manjares...Mas o corpo não é para a prostituição, senão para
o Senhor, e o Senhor para o corpo” - I Coríntios 6:13.
Assim, era Falsa a Doutrina dos gnósticos em relação aos benefícios da prática do
pecado como meio para destruir o Corpo, por ser matéria, libertando dele o espírito,
visto que a Verdadeira Doutrina Bíblica não considera o Corpo como sendo mau,
mas, como propriedade de Deus e Templo do Espírito Santo - “Ou não sabeis
que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós,
proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes
comprados por bom preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo, e no vosso
espírito, os quais pertencem a Deus”- I Coríntios 6:19-20.

Pela Doutrina Bíblica o Corpo deve ser conservado e não destruído - “ o mesmo
Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e Corpo,
sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor
Jesus Cristo”- I Tessalonicenses 5:23.
Assim, pela Verdadeira Doutrina Bíblica, espírito, alma e Corpo se equivalem.

4.2 - Era Falsa a Doutrina dos gnósticos sobre a prática do Ascetismo


O Ascetismo situa-se no extremo contrário à libertinagem, ou licenciosidade.
Ascetismo é a doutrina moral dos Ascetas, que são pessoas que se dedicam à devoção
e penitência.
Ascese se define como prática de exercício espiritual de devoção, de mortificação do
Corpo e de meditação religiosa.
O Ascetismo é praticado por todos os monges das diversas seitas de todo mundo.
O asceta devota desprezo pelo Corpo e por todos os bens materiais, procurando,
muitas vezes viver isolado do convívio social e do contato com as coisas do mundo.

Assim, enquanto que uma corrente dos gnósticos procurava a destruição do Corpo
pela prática desenfreada do pecado e dos prazeres da carne, a outra entregava-se ao
Ascetismo, privando o Corpo de alimentos, de sexo, de tudo que lhe proporcionasse
prazer, com o objetivo de mortificá-lo, enfraquecendo-o, para que fosse destruído.
Sabemos que era Falsa a Doutrina dos Gnósticos sobre a prática do Ascetismo,
pois de acordo com o que nos revela a Verdadeira Doutrina Bíblica, o Senhor Jesus
nunca foi um Asceta.
Vejamos alguns exemplos bíblicos que atestam esta verdade.

A - Ele estava sempre cercado pelas multidões e não deixava de atender todos que o
procuravam - “E alguns dias depois entrou outra vez em Cafarnaum, e soube-se
que estava em casa. E logo se ajuntaram tantos, que nem ainda nos lugares
junto à porta cabiam, e anunciavam-lhes a Palavra”- Marcos 2:1-2.

B - Assentava-se com publicanos e pecadores e comia com eles - “E aconteceu que,


estando ele em casa sentado à mesa, chegaram muitos publicanos e
pecadores, e sentaram-se juntamente com Jesus e seus discípulos. E os
fariseus, vendo isto, disseram aos seus discípulos: por que come o vosso
Mestre com os publicanos e pecadores?”- Mateus 9:10-11. O Senhor Jesus comia e
bebia como um homem normal, sendo por isto criticado pelos religiosos de seu tempo.
Ele não era um Asceta - “Veio o Filho do homem, que come e bebe, e dizes: eis
ai um homem comilão, e bebedor de vinho, amigo dos publicanos e
pecadores”- Lucas 7:34.

C - Ele entrava também na casa de um mestre religioso para comer com ele - “E
rogou-lhe um dos fariseus que comesse com ele; e, entrando em casa do
fariseu, assentou-se à mesa”- Lucas 7:36.
O Senhor Jesus não era um Asceta.

D - Na outra ponta, entrava, também, na casa de um chefe dos publicanos, um homem


rico e desonesto - “E eis que havia ali um chefe dos publicanos, e era rico...E
quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, disse-lhe: Zaqueu,
desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa. E vendo todos
isto, murmuravam, dizendo que entrara para ser hospede de um homem
pecador”- Lucas 19:2,5,7.
O Senhor Jesus não era um Asceta.

Em sua Epístola aos Colossenses, Paulo referindo-se ao Ascetismo, diz: “as quais
tem, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária,
humildade e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum, senão para
satisfação da carne”- Colossenses 2:23.

Era Falsa a Doutrina dos Gnósticos sobre a prática do Ascetismo.


Continua sendo Falsa toda Doutrina que ensinar sobre a necessidade de castigar o
Corpo para purificar o espírito, pois, a Verdadeira Doutrina Bíblica diz que a única
coisa capaz de purificar o pecado é o sangue de Jesus - “...o sangue de Jesus
Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado”- I João 1:7.

Continua sendo Falsa toda Doutrina sobre a necessidade de castigar o Corpo como
sacrifício para alcançar o perdão e a Salvação.
A Verdadeira Doutrina Bíblica afirma que, na Cruz do Calvário, foi realizado um
Sacrifício suficiente, pelo próprio Filho de Deus - “Mas este, havendo oferecido um
único sacrifício pelos pecados, está assentado à destra de Deus”- Hebreus 10:12.
Pela Salvação e pelos pecados será inútil qualquer sacrifício do Corpo. O homem tem,
apenas, que aceitar, gratuitamente, o Sacrifício Vicário de Jesus.

Continua sendo Falsa toda Doutrina sobre a necessidade do isolamento do homem,


da sociedade. Será sacrifício de tolo viver confinado em mosteiros, em conventos, ou
em qualquer outro lugar, com o propósito de se dedicar à vida religiosa.
A Verdadeira Doutrina Bíblica afirma que Deus quer os seus filhos em contato direto
com a sociedade, pois, o Senhor Jesus afirmou - “Vós sois o sal da terra...vós sois a
luz do mundo...”- Mateus 5:13-14.
Sal, sem contato com a massa, não tem utilidade; luz escondida debaixo de um cesto,
ou “alqueire”, não ilumina a casa.
O Senhor Jesus deixou bem claro, quando, em oração pediu que seus discípulos não
fossem tirados do mundo mas, guardados do mal - “Não peço que os tires do
mundo, mas que os livres do mal”- João 17:15.

VI - CONCLUSÃO

Outras Falsas Doutrinas dos Gnósticos, bem como outras Falsas Doutrinas como a
Astrologia, bem como As Doutrinas de Homens baseadas, lá em Colossos, em
“filosofias e vãs sutilezas”, segundo a tradição dos homens, e hoje, entre nós, nos
usos e costumes, poderiam ser analisadas.
Porém, não o faremos para não nos alongar mais.

Colaboração para o Portal EscolaDominical : Prof. Antonio Sebastião da Silva