Anda di halaman 1dari 14

Curso de Música

N. Sra. Aparecida

Teoria Musical e Harmonia

Introdução à Música

Volume 1

1
Capítulo 1
ELEMENTOS DA MÚSICA

 ESCALA = é uma série de sons ascendentes (subindo) ou descendentes (descendo) no qual o


último som será a repetição do primeiro.

 ESCALA DIATÔNICA = é o conjunto de 7 notas (heptatônica) consecutivas, sem repetição,


começando e terminando na tônica e guardando entre si, geralmente, o intervalo de tom ou semitom.
O grau é a posição da nota na escala diatônica e é numerado por algarismos romanos. O oitavo grau é
apenas repetição do primeiro.

 INTERVALO = É a distancia entre duas notas quaisquer. Podem ser classificados quanto à forma
e quanto à estrutura.

 SEMITOM (ou 1/2 tom)= é o menor intervalo entre dois sons compreendido pelo ouvido humano;

 TOM = é o intervalo formado por dois semitons;

 SUSTENIDO (#) = eleva o som em um semitom; indica subida; ascendência;

 BEMOL (b) = abaixa o som em um semitom; indica descida; descendência;

 TÔNICA = é a nota que dá nome à escala e à tonalidade, sendo o principal grau;

 TONALIDADE MUSICAL = Toda música tonal possui um tom de acordo com a estrutura de
armadura que a mesma nos apresenta. Ou seja, pela ordem em que as notas e acordes se dispõem
na música, um determinado campo melódico-harmônico, se destaca, tornando-se o centro tonal por
aonde a música irá se movimentar, esse centro tonal chamamos de TONALIDADE MUSICAL.

DEFININDO A MÚSICA
Em uma definição mais operacional para quem quer aprender música, diria que “a música é o SOM no
TEMPO”. De fato, os dois parâmetros que usaremos para construir uma música e estudar sua teoria
são os elementos de natureza sonora e os de natureza rítmica que, juntos, irão moldar o objeto
música. À sucessão de sons musicais, um após outro, convencionamos chamar MELODIA (Priolli:
sucessão de sons formando sentido musical), enquanto aos sons dados simultaneamente chamamos
HARMONIA (“execução de sons ouvidos ao mesmo tempo, de acordo com as leis que regem os agrupamentos sonoros”) .
O RITMO é o movimento de sons regulados por sua maior ou menor duração, a própria
sucessão dos sons no tempo. Por isso, costuma-se dizer que a música é formada por melodia,
harmonia e ritmo.

 SOM
Todo som se origina de uma vibração: de uma coluna de ar, de uma lâmina, de uma corda esticada,
do próprio corpo. O número de vibrações de uma fonte sonora por minuto é denominado freqüência, e
a medida utilizada para ela é chamada decibel. A nota mais grave de um piano tem freqüência 30, a
2
mais aguda, 4000. Os sons chamados musicais são os que possuem freqüência de vibração definida.
Eles formam um desenho de ondas regulares e constantes, o som musical, diferente do som de um
motor ou de um fenômeno natural como o quebrar das ondas do mar. Estes produzem um feixe
irregular de ondas sonoras, que identificamos como ruído.

 TIMBRE, ALTURA, INTENSIDADE, DURAÇÃO E ANDAMENTO

a) Timbre: É a personalidade de cada som em cada instrumento. Cada instrumento possui sua
característica própria. Mesmo os instrumentos de mesma aparência podem diferenciar-se pelo tipo de
material, conservação, etc. O timbre da voz não pode ser mudado, apenas aperfeiçoado. E o timbre
tem haver com toda a estrutura do corpo do instrumento, seja corpo humano ou não.
b) Altura: Altura é a classificação da nota em grave (grosso/baixo) e agudo (fino/alto). Uma mesma
nota pode ser executada em alturas distintas. Essa altura não se refere ao baixo ou alto volume, mas a
sonoridade reproduzida na nota. Ao falarmos de altura, não podemos confundi-la com volume, pois a
altura se refere a uma nota ser atacada em pontos diferentes, gerando vibrações mais altas ou mais
baixas, ou seja, vibrações mais rápidas ou mais lentas.
c) Intensidade (ou volume, diferente de alto e baixo): (Dinâmica) É a propriedade do som de emitir
uma nota mais fraca ou mais forte. Quando tocamos um instrumento, temos que saber que na mesma
musica, as partes podem ser tocadas de forma mais forte ou fraca (intensidade). Com suavidade ou de
forma agressiva. Baixinho, quase que como um sussurro, ou gritante, com mais volume, a isso, dá-se
o nome de dinâmica. Nesse caso o volume é empregado, por se tratar da quantidade de som
projetado pelo instrumento e não pela alteração da altura ou freqüência da nota, que continua com a
mesma quantidade de vibrações.
Dinâmica é saber graduar a intensidade durante a execução da musica. Para o bom uso da
intensidade é necessário bom senso e o mínimo de percepção musical. A intensidade consiste em seu
grau de força (forte – fraco, onde o que chamamos som “alto” deveria ser “som intenso”). Enquanto a
altura depende da quantidade de vibrações, a intensidade depende da força das vibrações, chamada
amplitude sonora.
d) Duração: A música tem como unidade de medida o “tempo”. Pois bem, um mesmo som pode ter
durações diferentes, portanto, duração é o tempo em que se prolonga o som (nota). Quando
distribuímos e organizamos estes tempos dentro de uma pulsação (seqüência de tempos periódicos,
contínuos) temos o ritmo. A duração pode ser longa ou curta, para isso teremos as figuras musicais
(leitura musical) que nos ajudarão a ver e entender isso.
e) Andamento: É a velocidade em que a música é executada. Uma mesma canção pode ser cantada
ou tocada em várias velocidades. Aqui, vemos que andamento se refere à execução da música no que
diz respeito à velocidade, diferente de intensidade e de duração.

3
Capítulo 2
 NOTAÇÃO MUSICAL
As notas são maneiras de dividir e registrar os sons musicais, dando-lhes denominação e
operacionalidade. No mundo ocidental, adotamos um conjunto de doze notas musicais, cujas
principais, denominadas naturais, são sete:

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si.

Essa nomenclatura se deve ao monge italiano Guido D’Arezzo, que viveu de 992 a 1050. Ele foi
regente do coro da Catedral de Arezzo, na Toscana e aproveitou a letra de um canto gregoriano
cantado pelas crianças do coral para que São João as protegesse da rouquidão, usando a primeira
sílaba de cada verso para dar nome a uma nota da escala. O processo foi útil para o aprendizado do
solfejo porque a nota inicial de cada verso correspondia a uma nota da escala musical. A letra em latim
é de Paolo Diacono, que viveu de 720 a 790:

Ut queant laxis
Resonare fibris
Mira gestorum
Famuli tuorum
Solve polluti
Labi reatum
Sancte Ioannes

Que significa:

“Para que os teus servos possam cantar as maravilhas dos Teus Atos admiráveis, absolve as faltas
dos seus lábios impuros". Com o tempo, Ut mudou para Dó (provavelmente de “Dominus”) para maior
facilidade de solfejo, e San transformou-se em Si (de Sancte Ioannes).
As letras A a G usadas para representar as notas em cifras de violão e teclado e em geral nos países
de língua inglesa e alemã se baseiam na ordem com que as notas aparecem nos instrumentos de
teclados. A primeira tecla é um Lá =A, a segunda Si = B e assim por diante até Sol = G.

CIFRAGEM ALFA-NUMÉRICA
C D E F G A B
dó ré mi fá sol lá si

Existem ainda cinco notas intermediárias, cujos nomes são acrescidos dos chamados Sinais de
Alteração, o sustenido (#) e o bemol (b) de acordo com a direção da escala:

Dó – Dó # - Ré- Ré # - Mi - Fá - Fa # - Sol – Sol # - Lá – Lá # Si


Dó – Si – Si b – Lá – Lá b – Sol – Sol b – Fá – Mi – Mi b – Ré – Ré b

Essa sucessão completa dos sons disponíveis é chamada escala cromática. Com elas
construíram-se todas as linguagens musicais da civilização ocidental. A distância entre essas notas é
chamada semitom, enquanto que a distância entre um dó e um ré, por exemplo, é chamado tom, que

4
equivale a dois semitons. Como notamos a distância entre a nota mi e a nota fá e entre a nota si e a
nota dó é de um semitom, não necessitando do # ou b. Por isso são chamados semitons naturais,
enquanto os outros são semitons cromáticos ou artificiais.

 ASCENDENTES E DESCENDENTES

É a forma em que estão dispostas as notas e seus intervalos. Quando partem do grave para o agudo,
temos uma ascendência (subida), e quando voltam do agudo para o grave temos uma descendência
(descida).

 OITAVAS
É a distância que uma nota possui dela mesma, com alteração em sua altura, se tornando mais aguda
(alta e fina) ou mais grave (baixa e grossa). Na nossa escrita musical é muito comum confundirmos as
numerações das notas e acabarmos escrevendo errado. Por isso exige-se um pouco de atenção:

C D E F G A B
I II III IV V VI VII
VIII IX X XI XII XIII

 ACORDES

Os acordes são formados por uma estrutura básica, de três ou mais notas. Por tanto, um acorde é um
conjunto de notas relacionadas entre si, que tocadas juntas reproduzem uma determinada sonoridade
harmônica. Diferente da melodia que é formada pelas notas tocadas separadamente.

 CLASSIFICAÇÃO DOS INTERVALOS


CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA
a) ascendente ou descendente
Ascendente: primeira nota mais grave que a segunda.
Descendente: segunda nota mais grave que a primeira.
b) melódico ou harmônico
Melódico: formado por notas sucessivas.
Harmônico: formado por notas simultâneas.
c) simples ou composto
Simples: intervalo de, no máximo, uma oitava.
Composto: intervalo com mais de uma oitava.
d) conjunto ou disjunto
Conjunto: formado por notas consecutivas.
Disjunto: formado por notas não consecutivas.

CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ESTRUTURA


a) Numericamente
A classificação numérica é feita pela contagem de notas existentes no intervalo, levando em conta
também as notas que a compõem. De acordo com a quantidade de notas que possui, o intervalo é
classificado como:
Primeira (1ª) – se contém uma nota
5
Segunda (2ª) – se contém duas notas
Terça (3ª) – se contém três notas
Quarta (4ª) – se contém quatro notas
Quinta (5ª) – se contém cinco notas
Sexta (6ª) – se contém seis notas
Sétima (7ª) – se contém sete notas
Oitava (8ª) – se contém oito notas
Nona (9ª) – se contém nove notas
Décima (10ª) – se contêm dez notas
Etc.

 ARMADURA
É um conjunto de acidentes fixos, pertencentes a uma determinada escala, informando quais notas
são bemolizadas ou sustenizadas durante uma música, salvo indicação contrária por um acidente
ocorrente. Os acidentes são grafados na armadura de acordo com a ordem em que aparecem na
formação das escalas.

Ordem dos sustenidos: C = Nenhum D=## E=####


G=# A=### B=#####

Ordem dos bemóis: C = Nenhum Bb = b b Ab = b b b b


F=b Eb = b b b Db = b b b b b

Obs. Nas armaduras com sustenido a tônica (nome da escala) encontra-se um semitom acima do
último sustenido da armadura (sensível da escala). Já nas bemóis, basta achar o penúltimo bemol da
escala. Este corresponde a tônica.

 TONS RELATIVOS
Os relativos são como que dois irmãos gêmeos, com nomes diferentes e mínimas diferenças entre si.
Tecnicamente falando: São acordes que possuem a mesma estrutura na armadura. É sempre o 6º
grau ascendente da escala maior e o 3º grau descendente da escala menor. Para cada uma das 15
escalas Maiores, existe uma equivalente menor com as mesmas notas e mesma armadura, mas com
tônicas diferentes.
Ordem dos sustenidos ( # ) Ordem dos bemóis ( b )
n. de acidentes Maior menor Maior menor
0 Dó lá Dó lá
1 Sol mi Fá ré
2 Ré si Sib sol
3 Lá fá# Mib dó
4 Mi dó# Láb fá
5 Si sol# Réb sib
6 Fá# ré# Solb mib
7 Dó# lá# Dób láb
Obs.: o relativo de um acorde maior sempre será um acorde menor e vice-versa.

 TONS HOMÔNIMOS

6
São tons que possuem a mesma tônica e modos (intervalos) diferentes. É a mudança de um tom maior
para o mesmo tom menor, e vice-versa.
Ex: A mudança de tom de lá maior para lá menor em uma harmonia.

AD Bm E G9 E G9 E Am F G E E4 E A D Bm E

 ENARMONIA
São notas que possuem a mesma vibração e estão na mesma região sonora. Podem ser também
acordes de formas iguais, mas em sentidos diferentes (ascendentes ou descendentes).
# b
Ex: a nota de A é ascendente, e é igual à nota de B , que é descendente. É importante ressaltar que
sonoramente, não se altera nada, apenas o nome da representação sonora é que deve se re-arrumar
de acordo com a ordem do movimento. Nesse mesmo sentido podemos dizer que uma nota dó,
também pode ser chamada de Ré dobrado bemol, uma vez que o resultado desse dobramento será a
própria nota dó, como vemos na tabela abaixo:

Dó Dó# Dó
Rébb Réb Ré

Capítulo 3
 FORMULA DAS ESCALAS MAIORES E MENORES

Fórmula maior:
T T st T T T st
C D E F G A B C
De dó p/ ré De ré p/ mi De mi p/ fá De fá p/ sol De sol p/ lá De lá p/ si De si p/ dó

Fórmula menor:
T st T T st T T
A B C D E F G A
De lá p/ si De si p/ dó De dó p/ ré De ré p/ mi De mi p/ fá De fá p/ sol De sol p/ lá
LEGENDA: T: Tom st: Semi tom

 ENCADEAMENTO
É um conjunto de acordes que segue em ordem tonal respeitando a ordem das escalas de acordo com
a fórmula disposta em graus.

Fórmula encadeamento maior:


I IIm IIIm IV V VIm VIIm5-/7
C Dm Em F G Am Bm5-/7
D Em F#m G A Bm C#m5-/7
E F#m G#m A B C#m D#m5-/7
F Gm Am Bb C Dm Em5-/7
G Am Bm C D Em F#m5-/7
A Bm C#m D E F#m G#m5-/7
B C#m D#m E F G#m A#m5-/7

7
Fórmula encadeamento menor:
I IIº III IVm V VI VIIº
Am Bº C Dm E F G#º
Bm C#º D Em F# G A#º
Cm Dº Eb Fm G Ab Bº
Dm Eº F Gm A Bb C#º
Em Fº G Am B C D#º
Fm Gº Ab Bbm C Db Eº
Gm Aº Bb Cm D Eb F#º
*Encadeamento menor baseado na escala menor harmônica

 FÔRMAS
São desenhos de acordes que podem ser utilizados em diversos locais do instrumento alterando-se
apenas as notas. Para quase todos os acordes existem fôrmas possíveis. A começar pela nota mais
grave. Claro que é sugerido usar a que melhor se adequar ao som desejado.

 FORMAÇÃO DE ACORDES

Como visto anteriormente, o acorde é a união de três ou mais notas diferentes que possuem entre si
uma relação intervalar consonante ou dissonante, onde teremos a formação clássica de Tríade (três
notas distintas) ou Tétrade (quatro ou mais notas). Na formação triádica, nos utilizaremos dos

seguintes graus da escala em vigor: I - III - V. Esses graus vão gerar quatro possibilidades de
acordes, e serão eles o Acorde Maior, Acorde Menor, Acorde Aumentado e Acorde Diminuto, onde
estaremos tendo a alteração de uma ou mais dos graus da tríade, sempre se baseando na Tônica que
está regendo a tonalidade escalar. Ex:
Na tonalidade de sol maior, temos as seguintes notas: G A B C D E F# G
I II III IV V VI VII VIII
Seguindo a ordem dos Graus teremos, então:
Acorde Maior: G- B - D Tônica, terça maior e quinta justa
I III V

Acorde Menor: G - Bb - D Tônica, terça menor e quinta justa


b
I III V

Acorde Aumentado: G - B - D# Tônica, terça maior e quinta aumentada


I III V#

Acorde Diminuto: G - Bb - Db Tônica, terça menor e quinta diminuta


b b
I III V
Essas são as quatro formações triádicas possíveis com os três graus fundamentais da estrutura
de acordes. Já na formação tetracordal (tétrade) nos utilizaremos de quatro ou mais notas, aonde
acrescentaremos à tríade, mais um grau da escala em vigor, e o acorde receberá no nome, o
acréscimo do intervalo formado pela tônica e o grau acrescentado. Ex:

G - B - D - F# Tônica, terça maior, quinta justa e sétima maior (sétima da sensível)

I III V VII Este acorde se chamará, SOL COM A SÉTIMA MAIOR

8
Ou seja, o grau acrescentado foi a sétima maior e por isso, então, o nome do grau adicionado ao
acorde foi também adicionado a tríade. Para se montar corretamente os acordes, é importantíssimo
conhecermos as escalas que os geram:
ESCALA DIATÔNICA MAIOR
I II III IV V VI VII VIII
C D E F G A B C
D E F# G A B C# D
E F# G# A B C# D# E
F G# A B C D E F
G A B C D E F# G
A B C# D E F# G# A
B C# D# E F G# A# B

ESCALA DIATÔNICA MENOR HARMÔNICA


I II III IV V VI VII VIII
A B C D E F G# A
B C# D E F# G A# B
C D Eb F G Ab B C
D E F G A Bb C# D
E F G A B C D# E
F G Ab Bb C Db E F
G A Bb C D Eb F# G

 ACORDES INVERTIDOS
O acorde recebe o nome de sua nota mais grave, que também é a Nota Fundamental, ou seja, a nota
que qualifica os intervalos. Neste caso, eu posso dizer que o primeiro grau é a Tônica. Quando o
acorde se encontre no estado de I – III – V, dizemos que ele está em seu estado fundamental (E.F.).
Quando invertemos a nota mais grave do acorde, colocando outra da estrutura em seu lugar,
chamamos de INVERSÃO DE ACORDE. Nesse caso podemos ter o terceiro grau na tônica ou o quinto grau.
Ex:

Estado Fundamental Primeira Inversão Segunda Inversão


C–E–G E–G–C G–C–E
C – Eb – G Eb – G – C G – C – Eb
C – E – G# E – G# – C G# – C – E
C – Eb – Gb Eb – Gb – C Gb – C – E b

Ou seja, em qualquer classificação do acorde, podemos mudar o seu estado. Seja ele maior, menor,
aumentado ou diminuto. A diferença é que a função e a qualidade do acorde mudam de acordo com a
inversão, assim como o nome e a relação intervalar entre as notas que o compõe. Ex:
C = dó maior = E.F.
C/E = dó com baixo em mi = 1ª Inv.
C/G = dó com baixo em sol = 2ª Inv.
No caso dos acordes de primeira inversão, o terceiro grau é que está no baixo, já no acorde de
segunda inversão, teremos o quinto grau no baixo.

9
 FUNÇÃO DOS ACORDES

Dentro da estrutura harmônica, chamada de campo harmônico, os graus dos acordes exercem
funções específicas. Vejamos nessa progressão harmônica os acordes que aparecem, seus graus, e
suas funções:

Ex: C Em F G7 C Em F G7 C
Dm Bm(b5)7 Am Dm Bm(b5)7

Percebemos, nesse caso acima, que alguns graus podem ser substituídos por outros de função
parecida. Vejamos no modo maior:
I – Tônica
IIm – Relativo da Subdominante
IIIm – Mediante ou Relativo da Dominante ou Anti-relativo da tônica
IV – Subdominante
V7 – Dominante
VIm – Relativo da Tônica ou Anti-relativo da subdominante
VII° – Dominante sem a Fundamental

Vejamos no modo menor harmônico:


Im – Tônica
II° – Subdominante com Sexta
III – Relativo da Tônica ou Anti-relativo da dominante
IVm – Subdominante
V7 – Dominante
VI – Relativo da Subdominante ou Anti-relativo da Tõnica
VII° – Dominante relativo

Pensando assim, veremos que alguns acordes podem substituir outros, e uns são mais fortes que
outros. Por isso é importantíssimo conhecer as relações que regem as progressões harmônicas para
não utilizar os acordes de forma indevida. Vejamos numa harmonização simples como isso pode
acontecer.
C Am Dm G7
Em Am F G7
Am Em Dm Bm(b5)7 C

Na seqüência da progressão foi-se utilizando da troca dos graus com funções parecidas e
alterando a disposição da harmonia, assim como dando uma sensação sonora de maior
harmonização.

10
 ACORDES ALTERADOS

Os acordes Alterados serão basicamente montados desta forma:


No ACORDE MAIOR, nossa alteração na Quinta será UM SEMITOM A FRENTE, onde formaremos o
acorde Maior Aumentado. Ex: (C5#) DO, MI e SOL SUSTENIDO. No ACORDE MENOR, esta
alteração será VOLTANDO UM SEMITOM, onde formaremos o acorde Menor Diminuto. Ex: (C°) DO,
MI BEMOL e SOL BEMOL.
No Geral:
ACORDES MAIORES alterados transformam-se em ACORDES AUMENTADOS
ACORDES MENORES alterados transformam-se em ACORDES DIMINUTOS

Capítulo 4
 EMPRÉSTIMO MODAL

Os acordes de empréstimo modal são recursos da harmonia de grande interesse para composição
ou arranjo e análise harmônica. Sendo também muito importante para improvisação. Algumas das
situações são: empréstimos modais de musicas em tom maior para menor. Se compararmos os
campos harmônicos teremos uma visão mais ampla:

Do maior- I---- II -- III-- IV-- V-- VI-- VII


---------> C7+ Dm7 Em7 F7+ G7 Am7 Bm5b/7

Menor natural - I--- II ------ III--- IV ---V ---VI ---VII


-------------> Cm7 Dm5b/7 Eb7+ Fm7 Gm7 Ab7+ Bb7

Menor harmônica - I ----II -------III ------IV ---V -VI ---VII


----------------> Cm7+ Dm5b/7 Eb5+/7+ Fm7 G7 Ab7+ Bdim

Menor melódica- I ----II ---III------- IV- V- VI----- VII


--------------> Cm7+ Dm7 Eb5+/7+ F7 G7 Am5b/7 Bm5b/7
-------ou----> Cm6

Considerando uma composição em dó maior, com a tabela acima pode-se visualizar várias
combinações dos acordes do tom maior com o tom menor:

C7+ Am7 Ab7+ G7 C7+ / C7+ Fm7 Bb7+ C7+ / C7+ Dm5b/7 G7 Ab7+ Fm7 C7+

11
Empréstimo dos tons de Bb e Ab; (Aonde existe o acorde de Cm7 como graus II e III respectivamente),
sendo assim, possibilitam uma ligação com a tônica de dó maior, por aproximação de tom homônimo.

I II III IV V VI VII
Bb7+ Cm7 Dm7 Eb7+ F7 Gm7 Am5b/7
Ab7+ Bbm7 Cm7 Db7+ Eb7 Fm7 Gm5b/7

Usando-se acordes destes tons emprestados em uma seqüência de dó maior, teremos um efeito
muito semelhante ao empréstimo de tom maior para menor;
Alguns exemplos:
C7+ Ab7+ Db7+ C7+ / C7+ Fm7 Em7 Eb7+ Db7+ C7+ / C7+ Bb7+ Eb7/9 Ab7+ Db7+ C7+

 CADÊNCIA PICARDA

Cadência característica das tonalidades menores. A resolução é feita dominante - tônica, sendo o
acorde da tônica, maior. Vejamos o exemplo, utilizando-se do Acorde Napolitano:

i N6 i64 V I Am Bb/D Am/E E A


iv A.N Picarda

Um acorde napolitano é simplesmente uma tríade maior que é formada sobre uma nota
especial. Essa nota é o 2° (supertônica) rebaixado de uma escala maior ou menor. Sendo que a
utilização mais comum será como 1ª inversão, na substituição dos II ou IV graus do modo
maior ou menor, quando nessa inversão, o napolitano é geralmente chamado de um acorde de
sexta napolitana.
Por tanto, uma cadência picarda nada mais é do que uma terminação cadencial onde o acorde de
terminação muda do modo inicial menor, para o seu modo maior. Essa mudança de modo,
denominamos modulação para tons homônimos.

 TONS VIZINHOS
Os tons vizinhos são acordes que possuem uma relação aproximada com o acorde fundamental de
uma tonalidade. São eles:
Fundamental

Subdominante Dominante Relativo


Relativo Relativo

Ou seja: No caso de Dó maior teremos:


Dó Fá Sol
e seus relativos Lám Rém Mim

12
Numa modulação, as melhores opções são os tons vizinhos. Modular para tons afastados pode
não ser uma boa opção sonora, mas não é proibido.

 ANÁLISE HARMÔNICA FUNCIONAL


Analisar uma música exige o mínimo de conhecimento harmônico para se compreender o
movimento que a música está realizando, tratando-se da música popular moderna. O Primeiro passo
deve ser identificar se a música possui um centro tonal e qual é. Em seguida, analisar os graus e
verificar quais fazem parte do tom e quais não. Em seguida, determinar a função dos graus sejam eles
tonais ou de empréstimo, acordes invertidos ou dissonantes. Vejamos isso no exemplo abaixo:

Pétala
Djavan

A9 C#m7 D7+ D/E (E4/7/9) D#m7/5- Dm6


O seu amor Gosto em viver
A9 C#m7 D7+ A9 E/A (A7+/9)
Reluz que nem riqueza Por ser exato
G7/13 D7+ Dm6
Asa do meu destino O amor não cabe em si
A9 C#m7 D7+ A9 E/A (A7+/9)
Clareza do tino Por ser encantado
4/7/9
D/E (E ) D7+ Dm6
Pétala O amor revela-se
A9 C#m7 C#m7/G#
De estrela caindo Por ser amor
D#m7/5- Dm6 Dm6 C#/D A9
Bem devagar Invade e fim

A9 C#m7 D7+ D/E (E4/7/9)


Oh, meu amor
A9 C#m7 D7+ G7/13
Viver é todo sacrifício feito em seu nome
A9 C#m7 D7+
Quanto mais desejo um beijo

D/E (E4/7/9)
Um beijo seu
A9 C#m7
Muito mais eu vejo
13
 RE-HARMONIZAR

Re-harmonizar não é tarefa fácil. Uma re-harmonização para ser bem feita deve ser feita com
critérios claros. Determinar alguns objetivos ajudará nesse processo.

1. O instrumento ou instrumentos que irão executar a música: levando-se em


conta que se for uma música acústica ela terá critérios de harmonização diferentes de uma
música para teclado e voz, por exemplo.
2. A tonalidade: pode ou ser alterada de acordo com os instrumentos e a voz. Mas é
sempre bom pensar que para instrumentos acústicos certos tons não são práticos e
dificultam a melhor adequação dos acordes à execução.
3. Os graus: a identificação dos gruas da harmonia é fundamental, assim podemos
substituir alguns deles e até mesmo, excluí-los, utilizando outros acordes que funcionem
bem naquele determinado lugar.
4. As inversões: são um recurso bem interessante para gerar variações nas estrofes
e refrões.
5. Os empréstimos: podem funcionar como acordes suspensivos em finais de
cadências ou em meios de frases.
6. Os acordes alterados: os acordes alterados podem ser utilizados em substituição
aos graus comuns, nos lugares pré-determinados.
7. Acréscimo de acordes nos tempos longos: podem ser acrescentados acordes
de passagem nos tempos logos.
8. Dentre outros recursos não citados nesse estudo...

Para amadurecermos nosso processo de aprendizado, vamos re-harmonizar uma progressão


harmônica.

14