Anda di halaman 1dari 6

RADIOCOMUNICAÇÃO E ALARMES (RD&AL)

Conceito e Apresentação:

A comunicação é o processo através do qual podemos emitir, transmitir e


receber mensagens, através de métodos (fala, escrita) e/ou
sinais convencionados (gestos, sinais sonoros, mímicas etc.,).
No que tange a comunicação do dia-dia do profissional de segurança, o
equipamento de rádio comunicação é o mais utilizado, pelo baixo custo e por
atender às necessidades internas de um estabelecimento. No entanto a
tecnologia tem aprimorado cada vez mais esses equipamentos quanto à
funcionalidade, capacidade, alcance e recursos.
Em 1997 começou a NEXTEL começou a operar no Brasil, como forma
moderna de comunicação através de equipamento portátil, com dupla
função, radiocomunicação e telefone, oferecendo mais recursos, funções e
garantindo maior alcance nas comunicações. Hoje, além das funções
mencionadas, tal operadora de comunicação móvel oferece cobertura
nacional e internacional, havendo equipamentos que permitem acesso
internet e envia mensagens eletrônicas, possibilitando comunicação para
qualquer parte do mundo.
Considerando as peculiaridades da atividade de segurança, em diversos
casos os vigilantes utilizam meios naturais de comunicação, como por
exemplos sinais convencionados entre a equipe de segurança, que permite
maior discrição e sigilo das mensagens, funcionando inclusive como forma de
comando, nos deslocamentos, na atenção redobrada com a presença de
pessoas que despertem alguma suspeita etc.

12 REGRAS PARA UM BOM ATENDIMENTO TELEFONICO

1. Atenda ao primeiro toque


Você também não gosta de esperar. Isto demonstrará atenção e eficiência.

2. Não diga ALÔ. Identifique-se


Diga o nome da empresa, seu nome seguido do cumprimento oportuno:
“bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”. Quando se tratar de ligação interna,
identifique-se falando sua área e o seu nome.

3. Evite deixar esperando quem ligou


Ninguém gosta do famoso “um minutinho, por favor”. Quando não puder
fornecer a informação no momento, consulte quem está na linha para saber
se aguarda ou chama de novo, ou simplesmente anote o telefone e o nome da
pessoa, dizendo que logo que tiver a informação solicitada, você
retornará.

4. Atenda da melhor forma, falando somente o necessário


Fale naturalmente e claramente, somente o necessário, evitando a utilização
do telefone para fins pessoais.

5. Faça ou transfira você mesmo suas ligações


Mostre sua eficiência. Atenda com educação as ligações que, por algum
motivo, caíram no seu ramal por engano.

6. Utilize sua lista telefônica interna


Tenha sempre a relação de telefones úteis, bem como a relação de ramais,
visando prestar um serviço melhor.

7. Não utilize lápis ou caneta para discar


Você evitará ligações erradas e conservará o equipamento.

8. Não confie na sua memória


Tenha sempre à mão, papel e caneta para anotar instruções, nomes e
recados.

9. Evite interpelações bruscas


Evite interromper quem nos chama enquanto fala, pois poderá demonstrar
indelicadeza. Seja hábil e se perceber excitação e ansiedade em quem lhe
fala, procure cuidadosamente ajudá-lo a expressar-se.

10. Cuidado com a termologia e sigilo


Não utilize termos técnicos que pessoas fora de sua área não entendem. E
nunca transmita informações pessoais, bem como rotinas diárias de quem
quer que seja.

11. Não use expressões indesejáveis


Tratamentos pessoais (querida, amor, benzinho, etc.) e Gírias não devem
nunca ser usados. E nunca transmita informações sobre assuntos de
segurança;
12. Encerre cordialmente a conversa
Utilize as palavras mágicas de cortesia: OBRIGADO, POR FAVOR, ÀS
ORDENS, DESCULPE.

Radiocomunicação

Estações de Rádio
As estações de radiocomunicação podem sem classificadas em: Fixas,
Móveis e Portáteis, conforme segue:
• Estações Fixas: são aquelas instaladas nas dependências dos
prédios, com uso de antenas apropriadas;
• Estações Móveis: são aquelas instaladas em veículos terrestres,
aéreos e aquáticos,

• Estações Portáteis: São aquelas facilmente portadas por uma só


pessoa, mesmo quando se encontra em operação. Ex: HT.

Funcionamento:
Os equipamentos de radiocomunicação são dotados de microfone do tipo
“PUSH TO TALK” (aperte para falar). Ao comprimir a tecla ocorre o
desligamento da recepção do equipamento e o sistema de transmissão será
ativado.
Ao apertarmos a tecla PTT o aparelho passa a gerar e propagar ondas
através de sua antena. Ao falarmos, o microfone transforma nossa voz de
freqüência de áudio em sinal elétrico, mandando para o transceptor que fará
com que a onda portadora o transporte até o receptor. Em um transceptor
ligado e sintonizado para receber ondas portadoras de freqüência igual ao
do transmissor, ocorrerá o recebimento da onda portadora, através de uma
antena. Essa onda traz o sinal elétrico, que ao entrar no transceptor será
novamente transformado em freqüência de áudio (quando ouvimos o rádio).

Rádio Transceptor Portátil:


É um equipamento elétrico, portátil, que funciona através de ondas
magnéticas.

Regras a serem observadas na Radiocomunicação:

• Fazer as transmissões tão breves quanto possível, com o máximo de


abreviações (uso do código Q), de forma a ocupar a freqüência ou o canal
por um mínimo de tempo possível,
• A fim de evitar interferências na transmissão de outrem, o operador
deve escutar por algum tempo, antes de iniciar uma transmissão,
certificando que a freqüência ou canal está livre e desocupado,
• Transmitir sempre de forma clara e pausadamente;
• Somente usar a rede rádio para assuntos de serviço;
• Responder prontamente a qualquer chamado que exija resposta
imediata;
• Manter a efetiva disciplina na rede, não fazendo brincadeiras nem a
utilizando desnecessariamente com assuntos estranhos ao serviço, pois é
muito importante que a rede esteja livre em casos de eventuais
emergências ou solicitação de apoio por qualquer integrante da
segurança.
Código “Q”

O código “Q” é uma coleção padronizada de três letras, todas começando


com a letra “Q”. O Código “Q” original foi criado por volta de 1909 pelo
governo britânico, como uma lista de abreviações. O código “Q” facilitou a
comunicação entre operadores de rádios marítimos que falam línguas
diferentes, por isso foi adotado internacionalmente tão rapidamente. Um
total de quarenta e cinco códigos “Q” aparece na “lista de abreviações para
ser usadas na radiocomunicação”, que foi incluído no serviço de regulação
afixado à Terceira Convenção Internacional de Radiotelegrafia, que
aconteceu em Londres, sendo assinada em 5 de julho de 1912, entrando em
vigor em 1 de julho de 1913.

Códigos mais utilizados:

QAP – Na escuta, escutar. QSP – Ponte auxílio


QAR – Abandonar a escuta QTA – Cancele a ultima mensagem
QRA – Nome do operador QTC – Mensagem
QRM – Interferência QTH – Local, endereço
QRT – Parar de transmitir QTI – Rumo verdadeiro
QRU – Novidade, problema QTJ – Velocidade do veículo
QRV – Estou à disposição QTO – Sanitário
QRX Aguarde QTR – Hora certa
QSJ – Dinheiro QUB – Informar visibilidade
QSL – Entendido TKS – Obrigado, grato
QSM – Repita a mensagem NIHIL (NIL) – Nada, nenhum
QSO – Contato Pessoal

• Transmitir sempre de forma clara e pausadamente;


• Somente usar a rede rádio para assuntos de serviço;
• Responder prontamente a qualquer chamado que exija resposta
imediata;
• Manter a efetiva disciplina na rede, não fazendo brincadeiras nem a
utilizando desnecessariamente com assuntos estranhos ao serviço, pois é
muito importante que a rede esteja livre em casos de eventuais
emergências ou solicitação de apoio por qualquer integrante da
segurança.

Alfabeto Fonético

Embora aumente o tempo de transmissão, o alfabeto fonético se destina a


dar a precisão necessária em certos tipos de comunicação, como no caso de
transmissão de letras e de nomes pouco comuns.
A - Alpha J - Juliet S-
Sierra
B – Bravo K - Kilo T-
Tango
C - Charlie L - Lima U-
Uniform
D – Delta M – Mike (maique) V -
Victor
E – Echo (Eco) N - November W-
Whiskey
F – Fox-trot O - Oscar X –
Xingu
G – Golf P - Papa Y-
Yankee
H - Hotel Q - Quebec Z-
Zulu
I - Índia R – Romeu X-Ray
(Eksrey)

Numerais:
0 – Negativo, nulo.
1. Primeiro, Primo,
uno.
2. Segundo.
3. Terceiro.
4. Quarto.
5. Quinto.
6. Sexto, meia,
meia dúzia.
7. Sétimo.
8. Oitavo.
9. Nono

Operações com telefone, radiofonia e central de rádio:


Na operação com aparelho telefônico o profissional de segurança
obedecerá aos procedimentos de atendimento adotados pela empresa,
sem utilizar código “Q”.
No tocante à radiofonia e central de rádio o ideal é que a operação seja
breve e precisa, devendo sempre que possível codificar as mensagens,
empregando o padrão universal de comunicação (código “Q” e Alfabeto
Fonético Internacional).