Anda di halaman 1dari 20

L’ARTICOLO (PARTE 1)

-> SPECIE DELL’ARTICOLO

a) determinativi: definidos (o, a, os, as);


b) indeterminativi: indefinidos (um, uma, uns, umas).

-> DETERMINATIVI
Masculino Singular (o): il, lo, l’
Masculino Plural (os): i, gli, gl’

Feminino Singular (a): la, l’


Feminino Plural (as): le

-> INDETERMINATIVI
Masculino Singular (um): un, uno
Masculino Plural (uns): [dei, degli]

Feminino Singular (uma): una, un’


Feminino Plural (umas): [delle]

-> USO DEGLI ARTICOLI DETERMINATIVI


il e i – são usados somente diante de nomes masculinos começados por consoante (exceto z,
x, s impura, gn, ps), singular e plural respectivamente.
Es.: il cane, i cani; il suocere, i suoceri; il pioppo, i pioppi.

lo e gli – são usados somente diante de nomes masculinos que começam por z, x, gn, ps e s
impura, singular e plural respectivamente.
Es.: lo spavento, gli spaventi; lo zotico, gli zotici; lo psichiatra, gli psichiatri.

NOTA: diante do nome dei (deuses) se usa o artigo gli.


Es.: il dio, gli dei.

Porém o artigo lo se une aos nomes iniciados por vogais e é usado no lugar do artigo il;
Es.: l’uomo (lo uomo), l’esame (lo esame)

mas ele não se une aos nomes masculinos que iniciam pela letra i seguida por outra vogal.
Es.: lo iato (não l’iato), lo iettatore (não l’ietattore)

Já o artigo gli se une somente aos nomes masculinos plurais que iniciam pela letra i.
Es.: gl’Italiani, gl’indigeni.

la e le – são usados somente diante de nomes femininos, singular e plural respectivamente.


Es.: la fanciulla, le fanciulle; la scogliera, le scogliere.

Porém o artigo la se une aos nomes iniciados por vogais.


Es.: l’acqua (não la acqua), l’isola (não la isola).

mas ele não se une aos nomes femininos que iniciam pela letra i seguida por outra vogal.
Es.: la iarda (não l’iarda), la iattura (não l’iattura).

RESUMINDO:
-> os artigos definidos são:
il – para palavras masculinas singulares iniciadas por consoante, exceto z, s impura, gn, ps, x.
Es.: il cane, il ragazzo, il padre.
i – para palavras masculinas plurais iniciadas por consoante, exceto z, s impura, gn, ps, x.
Es.: i cani, i ragazzi, i padri.

lo – para palavras masculinas singulares iniciadas por z, s impura, x, gn, ps ou por vogais,
assumindo a forma l’ neste último caso, salvo quando a vogal for i seguida de outra vogal.
Es.: lo spirito, lo psichiatra, l’ospite, l’albergo, lo iota, lo iodo.

gli – para palavras masculinas plurais iniciadas por z, s impura, x, gn, ps ou por vogais,
assumindo a forma gl’ quando a vogal for i.
Es.: gli spiriti, gli psichiatri, gli ospiti, gl’Italiani, gl’indigeni.

la – para palavras femininas singulares, assumindo a forma l’ quando as palavras iniciam por
vogal, salvo quando a vogal for i seguida de outra vogal.
Es.: la madre, la sorella, l’eco, l’isola, la iarda, la iattura.

le – para palavras femininas plurais.


Es.: le madre, le sorelle, le isole, le iarde.

L’ARTICOLO (PARTE 2)
-> USO DEGLI ARTICOLI INDETERMINATIVI

un – é usado diante de palavras masculinas singulares que iniciam com consoantes (exceto s
impura, x, z, ps, gn) ou vogais, salvo quando a vogal for i seguida por outra vogal. Nunca se
usa apóstrofo com un.
Es.: un atomo, un otre, un prato, un uomo.

uno – usado diante de palavras masculinas singulares começadas por s impura, x, z, ps, gn.
Es.: uno zaino, uno pneumatico, uno spirito.

una – usado diante de palavras femininas singulares, assumindo a forma un’ diante de
palavras iniciadas por vogal.
Es.: una madre, un’oasi, un’idea, una sorella.

As formas plurais dos artigos indefinidos em italiano não existem! Em seu lugar são usados
artigos chamados de partitivos, coisa que vem duma influência francesa, mais do que de um
hábito italiano. Porém eles podem aparecer na língua. Entretanto eles não passam de uma
articulação entre a preposição di e um dos artigos definidos (di+i = dei; di+gli = degli; di+le =
delle, etc.).

Es.: Sono venute delle ragazze a cercarti. (Vieram umas meninas…)


OU: Sono venute alcune ragazze a cercarti. (Vieram algumas meninas…)

Es.: Dei bambini giocano in cortile. (Uns garotos…)


OU: Alcuni bambini giocano in cortile. (Alguns garotos…)

Es.: Degli uccelini cantano. (Uns passarinhos cantam.)


OU: Alcuni uccelini cantano. (Alguns passarinhos cantam)

Percebam que os partitivos podem ser substituídos pelas expressões alcuni, alcune (alguns,
algumas) as quais são mais bem vistas dentro do bom e correto italiano. E como se tratam de
uma junção entre preposição e artigo definido, eles seguem a mesma regra de utilização do
artigo ao qual se fundem.
Differenza tra ESSERE e STARE
O verbo stare é usado freqüentemente no lugar do verbo essere, sobretudo em frases que
exprimem o comportamento ou o estado de animo de uma pessoa: “Stare attento!”, “Stare in
ansia.”, “Stare sulle spine.”, ou mesmo em frases que contenham uma ordem ou uma
exortação: “Stia zitto!”, “Sta’ seduto.”, ou em frases feitas: “Se le cose stanno così…”.
Nestes casos o uso de stare no lugar de essere é legitimo e correto; em outros casos os dois
verbos não podem ser trocados, não se pode escrever: “Sto nervoso”, “Sta assente”, “Il
lavoro sta fatto bene.”.
O hábito de substituir stare por essere é de origem meridional; por isto características de
acentuada regionalidade são evitadas nos usos oficiais e formais.
Portanto, atento que as considerações que seguem valem para a língua nacional, não para os
italianos regionais (nos quais vingam usos variáveis).
No sentido de “encontrar-se em certo lugar”, referido a objetos, existe entre os dois verbos
certa sutileza: essere exprime a colocação referindo-se ao momento da enunciação;
enquanto stare denota a colocação habitual. Confrontando-se estas duas frases:

1- Le forbici sono nel primo cassetto a destra dell’acquaio. [indica-se onde estão agora, não
necessariamente de costume.]

2- Le forbici stanno nel primo cassetto a destra dell’acquaio. [indica-se onde são
normalmente colocados.]

Se se refere a pessoas, o verbo stare, no uso moderno neutro – diferente, em parte, dos usos
passados – tem geralmente o sentido de “passar um tempo em”, “ficar em”, “residir”, ou
indica a posição, ou, obviamente, as condições de saúde. Depois exitem as expressões
idiomáticas, inalteráveis.

Me parece que estas duas frases têm um significaddo levemente diferente:

1- “Sono contento de essere qui.” = “Sono contento di trovarmi qui [neste preciso
momento]”;

2- “Sono contento di stare qui.” = “Sono contento di soggiornare qui.”

Na primeira frase se exprime a colocação no espaço e no tempo; na segunda, se salienta ao


contrário a permanencia no lugar do qual se fala [portanto, convidado para jantar na casa de
amigos, eu usarei sempre a primeira; a segunda poderia ser mal interpretada por alguma
pessoa irritadinha).

As relações entre os dois verbos são complexas, e nem sempre claras, mesmo para as
influências regionais. Mas frases como “Dove stai?” (no sentido de “Dove ti trovi?”) ou “Non ci
sta nessuno” (para “Nessuno è presente.”) não são aceitáveis no italiano oficial.

I VERBI AUSILIARI
Os verbos “essere” e “avere” são ditos ausiliari (do latim auxilium = aiuto) porque têm a
particular função de dar auxílio a todos os outros verbos na formação dos tempos compostos.
Esempio:
Non abbiamo ascoltato i vostri consigli e ci siamo trovati in difficoltà.

Nem sempre, porém, os verbos essere e avere são usados como auxiliares, mas têm também
valore assoluto, como verbos em si e possuem uma conjugação própria; em tal caso indicam
respectivamente um stato o modo di essere (=essere) ou il possesso (=avere). Esempio:
Dio è (=esiste) in cielo, in terra e in ogni luogo.
Io sono (=sto) in classe.
Tu hai (=possiedi) un quaderno ordinato.
Voi avete (=possedete) una bella casa al mare.

O verbo essere tem, além disso, a função de copula entre o sujeito e o nome do predicado
(verbo de ligação). Esempio:
Quel libro è (=copula) interessante.
La formica è (=copula) un insetto laborioso.

ATENZIONE:

O verbo “avere” se usa como ausiliare dos verbos:


a) transitivos de forma ativa: Egli ha scritto.
b) e de alguns intransitivos: Tu hai cenato?

O verbo “essere” se usa como ausiliare dos verbos:


a) transitivos de forma passiva: Noi siamo temuti.
b) transitivos de forma reflexiva: Tu ti eri pettinato.
c) e de quase todos os verbos intransitivos: Io sono arrivato.

FORMA RIFLESSIVA
Osservate:

La mamma prepara la valigia. Forma Attiva


La valigia è preparata dalla mamma. Forma Passiva
La mamma si prepara. Forma Riflessiva

O verbo transitivo, além das formas ativa e passiva, tem uma terceira forma que se chama
Riflessiva, onde a ação cumprida pelo sujeito recai sobre o próprio sujeito; isto é quando o
sujeito é, ao mesmo tempo, o objeto sobre o qual recai a ação direta.

La mamma si prepara. La mamma = soggeto; prepara = predicato verbale; (si) se stessa =


complemento oggetto.

a) Forma Riflessiva Propria


Na forma riflessiva propria o verbo é sempre acompanhado pelos pronomes mi, ti, si, ci, vi
chamados de particelle pronominali riflessive: eles são o complemento do objeto, mas devem
sempre referir-se ao sujeito.

FORMA RIFLESSIVA FORMA NON RIFLESSIVA


Io mi lavo. Io lavo la biancheria.
Tu ti pettini. Tu pettini tua sorella.

b) Forme Riflessive Improprie


1. Es.: Io mi metto un bel vestito. = Io metto un bel vestito a me.
Nesta frase a particella pronominale “mi” não representa o complemento de objeto direto da
ação verbal, mas um complemento indireto. O verbo terá portanto uma forma riflessiva
apparente.
Le particelle pronominali: mi, ti, si;
significano: a me, a te, a sé.
2. Es.: Essi si salutarono cordialmente (l’un l’altro, reciprocamente).
Neste caso o verbo é chamado de forma riflessiva reciproca porque exprime a ação que dois
ou mais sujeitos trocam reciprocamente.

3. Es.: Egli si vergognò della sua cattiva azione.


Os verbos intransitivos “accorgersi, adirarsi, avvedersi, dolersi, lagnarsi, ostinarsi, pentirsi,
sedersi, vergognarsi, ecc.” não podem ser usados sem as particelle pronominali mi, ti, si,
ci, vi, as quais não têm alguma função lógica, mas fazem parte integrante do verbo. Estes
verbos são de forma intransitiva riflessiva pronominale.

4. Es.: Ora mi bevo un buon caffè. = Ora bevo un buon caffè.


Algumas formas verbais são por vezes acompanhadas pelas particelle pronominali que não
têm um valor reflexivo, portanto podem ser omitidas. Estas formas são chamadas
pleonastiche.
Elas dão, às vezes, uma maior vivacidade ao discurso e são por isso usadas sobretudo na
lingua falada.

Atenção aos diversos usos da particella “si”:


1) Riflessivo –> Egli si specializzerà in chirurgia.
2) Passivante –> Qui si vendono libri usati.
3) Impersonale –> Si dice che tu parli troppo.

Forma Attiva e Passiva


Osservate:

Il maestro loda lo scolaro. Lo scolaro è lodato dal maestro.


I Romani indossavano la toga. La toga era indossata dai Romani.
Una mareggiata danneggiò la diga. La diga fu danneggiata da una
mareggiata.

Nestas frases percebemos que as mesmas ações são expressas por duas maneiras diferentes:
Nos exemplos da primeira coluna, os sujeitos: il maestro, i Romani, una mareggiata
cumprem a ação, isto é agem;
Ao contrário dos exemplos da segunda coluna, onde os sujeitos: lo scolaro, la toga, la diga
são submetidos à ação expressa pelos predicados verbais.

O verbo será portanto:


a) Forma Attiva quando o sujeito cumpre a ação;
b) Forma Passiva quando o sujeito submete-se à ação.

Os verbos transitivos podem ter a Forma Attiva e a Forma Passiva; os verbos intransitivos têm
somente e sempre a Forma Attiva.

L'Aggettivo
O Aggettivo pode ser:
Qualificativo: que se atribui a uma qualidade.
Determinativo: Determina o valor do nome indicando a posse, a posição, a quantidade ou o
número.

L'AGGETTIVO QUALIFICATIVO:
1- Declinação dos adjetivos qualificativos:
A respeito da declinação, os adjetivos se dividem em dois grupos: declinabili (declináveis) e
indeclinabili (indeclináveis).
Os adjetivos declinabili se distingüem, por sua vez, em duas classes:

Classe Prima
Maschile Femminile
Singolare o (bello) a (bella)
Plurale i (belli) e (belle)
Classe Seconda
Maschile Femminile
Singolare e (forte)
Plurale i (forti)

Pertencem portanto à Primeira Classe os adjetivos que têm:


duas terminações no singular: -o, -a.
e duas terminações no plural: -i, -e.

Pertencem à Segunda Classe os adjetivos que têm:


uma só terminação no singular: -e.
e uma só terminação no plural: -i.

São adjetivos indeclinabili isto é, que têm uma só terminação invariável no gênero e no
número os seguintes:
a) dabbene, dappoco, dispari, impari, pari, perbene:
Es.: ragazzo dabbene; ragazza dabbene
numero pari; numeri pari

b) os nomes, usados como adjetivos, que indicam cor:


Es.: abito rosa, sciarpa rosa, abiti rosa, sciarpe rosa.

2- A Formação do Plural
Os adjetivos pertencentes à Primeira Classe são os mais numerosos, para a formação do plural
se aplica, em geral, as normas dadas para a formação do plural dos nomes pertencentes às
Primeira e Segunda Declinações, de acordo com a tabela acima. Recordemos entretanto que:
a) os adjetivos terminados em -co formam o plural em -chi se são paroxítonas:
Es.: stànco, stànchi.
Eccezioni: amìco, amìci; nemìco, nemìci; grèco, grèci.

e formam o plural em -ci, se são proparoxítonas:


Es.: cattòlico, cattòlici.

b) os adjetivos terminados em -go formam o plural em -ghi:


Es.: girovago, girovaghi.

c) os adjetivos terminados em -ìo (com o i aberto) formam o plural em -ìi:


Es.: pìo, pìi; restìo, restìi.

d) os adjetivos terminados em -io (com o i fechado) formam o plural em -i:


Es.: grigio, grigi; proprio, propri.

Os adjetivos pertencentes à Segunda Classe seguem, para a formação do plural, a regra dos
nomes da Terceira Declinação.
Es.: cuore forte, cuori forti; la gente forte, le genti forti.
Os adjetivos compostos (adjetivo + adjetivo) formam uma única palavra e mudam no plural
somente a desinência final:
Es.: il fanciullo sordomuto, i fanciulli sordomuti;

e assim também quando não formam uma única palavra, mas são unidas pelo travessão.
Es.: il patto anglo-americano, i patti anglo-americani.

L'Aggettivo - Parte II
3- Funções Lógicas do Adjetivo:
Brillava una palida luna.
Em uma frase, os adjetivos qualificativos e determinativos, que se atribui a um substantivo
para qualificá-lo ou melhor determiná-lo, se chamam attributi. Analizemos logicamente a
frase acima:
Una luna - soggetto, femminile singolare.
pallida - attributo del soggetto, femminile singolare.
brillava - predicato verbale.

Quando o adjetivo acompanha o verbo essere cumpre a função de predicato nominale.


Es.: La giornata era afosa.
La giornata - soggetto, femminile singolare.
era - copula (verbo de ligação)
afosa - predicato nominale, femminile singolare.

4- A Concordância do Adjetivo:
O adjetivo, quando não exerce a função de predicado nominal, concorda com o nome, ao qual
se refere, em gênero e número. Em particular:
a) quando o adjetivo se refere a um só substantivo, concorda com o nome ao qual se refere
em gênero e número.
Es.: bimbo capriccioso; bimbi capricciosi.
bimba capricciosa; bimbe capricciose.

b) quando o adjetivo se refere a mais substantivos do mesmo gênero, ele é usado no plural
deste gênero.
Es.: una candela e una lampada accese.
le candele e le lampade accese.

e também quando o adjetivo se refere a nomes em parte no singular e em parte no plural.


Es.: una candela e le lampade accese.
il tappeto e i quadri antichi.

c) quando o adjetivo se refere a nomes de gêneros diversos, mas todos no singular, usa-se
somente o plural masculino.
Es.: il fratello e la sorella studiosi.
il monte e la valle spopolati.

d) quando o adjetivo se refere a nomes de gêneros diversos, no plural ou no singular e plural,


ele concorda com o nome mais próximo.
Es.: porte e pavimenti lucidi. porta e pavimenti lucidi.
pavimenti e porte lucide. pavimento e porte lucide.

ou mesmo, se usa no plural masculino.


Es.: uomini e donne laboriosi.

5- A Colocação do Adjetivo:
O adjetivo em função atribuitiva pode preceder ou seguir o nome, mas nem sempre é
indiferente colocá-lo em qualquer posição, pois, a sua colocação pode mudar seu significado.
Vejamos:
un uomo povero = um homem indigente, desprovido do necessário.
un pover'uomo = um homem de nada (pode-se dizer de um rico).
un abito nuovo = uma roupa não usada, nova.
un nuovo abito = um hábito diferente, novas ações.

Geralmente o adjetivo, posto depois do nome, conserva todo o seu significado fundamental e
original; posto antes do nome aparece desprovido de uma parte do seu real significado.
Es.: un uomo buono = um homem cheio de bondade.
un buon uomo = um homem simples.
un uomo grande = um homem alto em estatura.
un grand'uomo = um homem famoso, importante.

L'Aggettivo - Parte III


6- Os graus do Adjetivo
Observem os seguintes exemplos:
1. Paola è intelligente.
2. Paola è più intelligente di Marcella, intelligente come Luciana, meno intelligente di
Chiara.
3. Paola è la più intelligente delle sue compagne di scuola.
4. Paola è intelligentissima.

Analisemo-os juntos:
1. Na primeira frase, se indica uma qualidade de Paola no modo mais simples e generico.
Neste caso o adjetivo chama-se: grado positivo.

2. No segundo exemplo se exprime uma comparação entre Paola e outras companheiras dela:
a) Paola è più intelligente di Marcella.
b) Paola è intelligente come Luciana.
c) Paola è meno intelligente di Chiara.
A comparação vem, portanto, sempre entre duas pessoas e estabelece um diálogo de
maggioranza (più intelligente di), de uguaglianza (intelligente come), de minoranza (meno
intelligente di) entre dois termos (Paola: 1º termo e Marcella, Luciana, Chiara:
respectivamente 2º termo)

3. No terceiro exemplo se exprime a qualidade de Paola no grau máximo, no grado


superlativo, mas relativamente ao grupo de suas amigas; de fato Paola poderia ser, colocada
em confronto com outras amigas, a menos inteligente. (la meno intelligente...)

4. Na quarta frase não se estabelece algum confronto; se afirma simplesmente uma qualidade
de Paola no grau máximo, qualidade considerada portanto em modo assoluto.
O aggettivo qualificativo tem, portanto, três graus:

positivo se exprime simplesmente uma


qualidade (leggero, noioso)
comparativo se estabelece uma comparação
entre duas pessoas, animais ou
coisas, que são denominados
respectivamente primeiro termo
de comparação e segundo termo
de comparação.
O grau comparativo pode ser de
3 tipos:
maggioranza; se a qualidade do
1º é superior à do 2º.
uguaglianza; se a qualidade dos
dois é igual.
minoranza; se a qualidade do 1º
é inferior à do 2º
superlativo se indica uma qualidade no seu
grau máximo.
Pode ser de dois tipos:
relativo: quando estabelece um
confronto entre um termo e
todos os outros da mesma
espécie;
assoluto: quando a qualidade é
considerada acima de qualquer
confronto.

* Observações sobre os graus do adjetivo:


O grau comparativo di maggioranza se forma colocando antes do adjetivo o advérbio più e
depois a preposição di (simples ou articulada) ou a conjunção che.
Es.: Il cane è più fedele del (che il) gatto.
Giovanni è più astuto che intelligente.

O grau comparativo di uguaglianza se forma pondo o adjetivo entre as particelle correlative


"così ... come", "tanto ... quanto", "non meno ... di (che)".

studioso come
così studioso come
studioso quanto
Alberto è tanto studioso quanto Paolo.
non meno studioso di (che)
studioso al pari di

O grau comparativo di minoranza se forma colocando antes do adjetivo o advérbio meno e


depois a preposição di (simples ou articulada) ou a conjunção che.
Es.: Il monte Rosa è meno alto del (che il) Monte Bianco.

O grau superlativo assoluto se forma acrescentando o sufixo -ssimo ao masculino plural do


adjetivo e concordando em gênero e número com o nome ao qual se refere.
Es.: Il panorama della costa amalfitana è bellissimo.
Quella piazza è bellissima.
O superlativo assoluto pode se formar também de outros modos:
a) colocando antes do adjetivo, de grau positivo, os advérbios: molto, assai, oltremodo,
sommamente, estremamente, infinitamente; ou as locuções: quanto mai, oltre ogni dire.

molto indulgente.
Il nostro professore è assai indulgente.
oltremodo indulgente.
quanto mai indulgente.

b) colocando antes do adjetivo de grau positivo um outro para reforçar o significado ou


repetindo o mesmíssimo adjetivo.
Es.: Sono arrivato a casa bagnato fradicio. (=bagnatissimo)
Camminava lento lento (=lentissimo) lungo il muro.
c) ou acrescentando ao adjetivo os prefixos: arci, ultra, sopra, super, stra.
Es.: Il cavallo tirava un carro stracarico di fieno.

L'Aggettivo - Parte IV
Attenzione:
Alguns adjetivos não têm o superlativo absoluto porque indicam, por si só, a qualidade no
grau máximo:
Es.: "gigantesco, colossale, immenso, enorme, pazzesco, meraviglioso, sublime, eterno,
infinito" ecc.

Não se põe entretanto os graus de comparação se a idéia representada pelos adjetivos não é
sujeita a graduações:

a) os adjetivos extraidos dos nomes usados na geometria;


Es.: lineare, triangolare, sferico, cubico, cilindrico, ecc.

b) os adjetivos que indicam tempo;


Es.: primaverile, invernale, giornaliero, settimanale, annuale, natalizio, pasquale, ecc.

c) os adjetivos que indicam materia;


Es.: aureo, ferreo, eburneo, bronzeo, vitreo, ecc.

d) e alguns adjetivos que indicam cores.


Es.: roseo, ceruleo, castano, violaceo, ecc.

7- Comparativos e Superlativos Irregulares

7.1- Alguns adjetivos têm, além das formas regulares, formas irregulares di comparativo e di
superlativo:

Aggettivo Comparativo Superlativo


regolare irregolare regolare irregolare

buono pìu buono migliore buonissimo ottimo


cattivo pìu cattivo peggiore cattivissimo pessimo
grande pìu grande maggiore grandissimo massimo
piccolo pìu piccolo minore piccolissimo minimo
alto pìu alto superiore altissimo supremo,
sommo
basso pìu basso inferiore bassissimo infimo

7.2- Outros adjetivos formam o superlativo mediante il suffisso -errimo:


acre = acerrimo aspro = asperrimo
integro = integerrimo misero = miserrimo

7.3- Os adjetivos "benefico, benevole, maledico, munifico, magnifico" fazem o superlativo


em:

beneficentissimo, benevolentissimo, maledicentissimo, munificentissimo, magnificentissimo,

mas são formas agora consideradas fora de uso e é de bom grado substituí-las pela forma
adverbial "molto benevolo, assai benefico, ecc.".
7.4- Aqui estão algumas formas de comparativos e de superlativos, de derivação latina, que
não têm uma forma positiva correspondente:

Comparativo Superlativo
esteriore estremo
interiore intimo
anteriore ---
posteriore postremo (forma rara)
ulteriore ultimo
--- prossimo
(priore) primo

Attenzione:
Maggiore, migliore já são comparativos; portanto é errado dizer:

è pìu migliore mas se dirá è migliore


è pìu maggiore mas se dirá è maggiore

assim, não se dirá:

il pìu migliore mas il migliore


il pìu minore mas il minore

pois ambos são superlativi relativi.

E do mesmo modo não se dirá:

il pìu ottimo mas l'ottimo


il pìu minimo mas il minimo
pois ambos são superlativi assoluti.
Ao invés de "migliore" e "peggiore" são às vezes adotados os advérbios correspondentes
"meglio" e "peggio". Tal uso pode ser seguido na língua falada e nos ditos populares (Il peggio
passo è quello dell'uscio; Il meglio fieno è il maggengo), mas é considerado errado na forma
literária.

I Pronomi Personali
Os pronomes pessoais substituem um nome de pessoa, animal ou coisa.
Eles podem indicar:
A pessoa ou as pessoas que falam: Io e Noi
A pessoa ou as pessoas a quem se fala: Tu e Voi
A pessoa ou as pessoas de quem se fala, diferentes das que falam e das que escutam: Egli,
Ella, Esso, Essa, Essi, Esse.

Attenzione:
Egli, Ella - refere-se somente a pessoa masculina e feminina respectivamente no singular.
Esso, Essa - refere-se somente a animais ou seres inanimados masculino e feminino
respectivamente no singular.
Essi, Esse - refere-se a pessoas, animais ou seres inanimados masculino e feminino
respectivamente no plural.

Os pronomes pessoais devem ser expressos se:


a) Queremos dar um destaque especial à pessoa.
Es.: Proprio tu mi dici questo!
b) Nas contraposições:
Es.: Noi abbiamo sofferto, voi no.
c) Quando o verbo é subententido.
Es.: Dici sul serio? Egli qui! (subent.: è)

Alguns ponomes são usados seja como sujeitos seja como complementos. São eles:
Singular: Lui, Lei, Esso, Essa.
Plural: Noi, Voi, Loro, Essi, Esse.
Os pronomes "lui, lei, loro" na linguagem familiar são usados também na função de sujeito,
enquanto geralmente se encontram na função de complementos.

ATTENZIONE:
Às pessoas amigas e aos parentes, se usa Tu; Voi é usado somente se referindo a autoridades,
em correspondências comerciais, referindo-se a sociedades, a empresas, etc.
Usamos Lei também quando nos referimos às pessoas que devemos respeito e consideração,
seja ela homem ou mulher; para o seu plural se usa Loro.
Esempi:
Vostra Eccellenza avrà la cortesia de ricevermi.
Mi rivolgo a Lei, Ingegnere, per chiedere aiuta.
In una corrispondenza:
Ci preghiamo di comunicarVi quanto segue:...

Apocope

L'apocope (do grego apocòpto = cortar fora, troncar) indica a retirada de uma vogal ou de
uma sílaba independentemente do encontro com outra palavra. é indicada com o apostrofo
nos seguintes casos:
1- Nos imperativos:
da' = dai
sta' = stai
ve' = vedi
di' = dici
te' = tieni
gua' = guarda
fa' = fai
to' = togli, prendi
va' = vai

2- Nas preposições articuladas:


a' = ai
co' = coi, cogli
da' = dai
ne' = nei, negli
de' = dei
pe' = pei, per i

3- Nas seguintes vozes poéticas:


fe' = fece
se' = sei
be' = bei
e' = egli
vo' = voglio
que' = quei
die' = diede
i' = il
4- com mo' = modo
e com po' = poco

TRONCAMENTO
Il troncamento é a perda de uma vogal ou de uma sílaba final de uma palavra diante de
outra, seja que comece por consante, seja por vogal.
Es.: buon amico (buono amico); buon padre (buono padre)

É necessário, para que o troncamento seja possível, que a letra precedente da vogal ou da
sílaba a eliminar seja: L, M, N, R
Es.: buono amico (buon amico); male d'aria (mal d'aria); sapore acidulo (sapor acidulo).
Se a palavra original tem dois L, ou dois N, se tronca a sílaba final.
Es.: bello (bel); sanno (san).

Não se troncam:
1- as palavras já troncadas ou monossilábicas:
Es.: città, tre.

2- as palavras diante de s impura, z, gn, ps, x:


Es.: uno straniero, quello zotico, bello gnomo, grande psicologo, uno xilofono.

3- os adjetivos femininos que terminam em a, com exceção do adjetivo sola na espressão


"una sol volta":
Es.: sola amica; dura educazione; precisa idea.

4- as palavras no plural:
Es.: gentili espressioni (e não gentil espressioni)

Se deve troncar:
1- a palavra uno e os seus derivados: alcuno, ciascuno, nessuno, ecc. e a palavra buono.
Es.: un anno, alcun premio, ciascun alunno, nessun elemento, buon amico, buon ragazzo.
Mas eles se apostrofam, no feminino, diante de vogal.
Es.: un'eclise, ciascun'edicola, nessun'orma, buon'azione.

2- as palavras quello, bello, santo, grande (grande se tronca também no feminino), que
diante de consoantes se tornam:
quel letto, bel figliolo, san Giorgio, gran cortile (masculino), gran chioma (feminino).

3- a palavra suora diante de vogal ou consoante.


Es.: suor Angelica, suor Gertrude.

4- a palavra frate diante de consoante e não de vogal.


Es.: fra Cristoforo, fra Galdino.

5- as palavras tale, cotale, quale, ora e seus derivados, allora, ancora, talora.
Es.: tal opera, tal coraggio, cotal affetto, cotal cortesia, qual era, qual saggio, or ecco, or
dunque, allor usciti, allor giunti, ancor avanti, ancor quando, talor esposti, talor liberi.
Le S
Specie de
elle Prepo
osizioni

As preposiçõ
ões são de d uas espéciess: próprias e imprópriass.

As prreposições prróprias se ussam unicameente em funçção de prepo osição; são eelas:


a) sim
mples: di, a,, da, in, su, per,
p con, traa ou fra.
b) artticuladas: issto é, as prep
posições simmples (exceto
o: tra e fra) unidas
u com o artigo
deterrminado. Já falei sobre estes
e no site .

As prreposições immpróprias são constituídaas de partes diversas do discurso e, ppodem ser usadas
u
como o tais. Podemm ter também m outras funnções gramatticais (advérbios, adjetivvos, particípios):
a) Av
vverbi (advérbios): sopra a(acima); sottto(sob); su(sobre); davaanti(diante); dietro(atráss);
accannto(ao lado); attorno(ao redor); intoorno(em torn no); presso(p
perto); entroo(dentro);
fuori((fora); contrro(contra); circa(cerca); dopo(depoiss); prima(priimeiro); oltre
re(além de);
senzaa(sem); ecce eto(exceto); malgrado(ap pesar de); trranne(salvo),, ecc.
b) Agggetivi(adjettivos): secondo(segundo)); lungo(long go); vicino(prróximo); lonttano(distantte),
ecc.

erbi(verbos) (geralmente
c) Ve e participios)): durante; mediante;
m rasente(rente));
nonosstante(embo ora); ecceto((exceto); esccluso(excluso
o), ecc.
Esemmpi:
Mi sono dovuto fe ermare davanti a casa. ( Devo parar diante
d da casa.)
o il tetto c'è un nido de rondini.
Sotto r (Sobb o teto tem um ninho dee rolinhas.)
Seconndo lui, io ho
o torto! (Seg
gundo ele, eu u estou errad
do!)
Durannte la cerimonia anch'io ero commossso. (Durante e a cerimônia também eeu estava
comoovido)
Cammminava rasen nte il muro per
p ripararsi dalla pioggia a. (Caminhavva rente ao m
muro para
prote
eger-se da ch huva.)

ATTEENZIONE:
Comoo distinguir um
u advérbio
o de uma preeposição imp
própria?
A pre
eposição acompanha sem
mpre uma pallavra e a reg
ge; o advérbiio é usado soozinho depoiis do
verbo
o.

Prepo osição Impró ópria:


Te lo riferirò dop po la riunione e. (Te o entrregarei depoois da reunião.)
Dietrro la chiesa c'era
c il cemittero. (Atrás d
da igreja tin
nha um cemittério.)
Il gatttino s'è nasccosto sotto laa poltrona. ((O gatinho see escondeu sob
s a poltronna.)

Advé érbio:
Te lo riferirò doppo. (Te o entregarei depoois.)
Tu vaai avanti, io rimango dietro. (Tu vaiss à frente, eu u fico atrás.)
Sali p
pure dalla noonna: io ti asspetterò sottto. (Sobes attrás da vovó:: eu te esperrarei embaix
xo.)
OSSERVAZIONI SULL'ARTICOLO DETERMINATIVO
1. O artigo definido com os nomes próprios de pessoa
a) O nome próprio, se masculino, não é precedido do artigo;
Es.: Che bravo ragazzo è Giulio!
Se, ao contrário, é feminino, pode-se colocar o artigo quando se trata de pessoa familiar.
Es.: la Carla, la Mariuccia, L'Ines, ecc.
Às vezes podemos encontrar alguns destes nomes precedidos do artigo, em tal caso não se
indica a pessoa, mas a sua obra ou o título de uma obra.
Es.: A scuola abbiamo letto l'Orlando. (il poema) (Na escola temos lido o Orlando.)
Ou mesmo se trata de sobrenomes ou de pessoas importantes:
Es.: il Griso; il Tintoretto, ecc.

b) O sobrenome, não precedido do nome, requer sempre o artigo;


Es.: il Leopardi, il Verga, il Carducci.
mas, com o nome, se dirá:
Giacomo Leopardi, Giovanni Verga, Giosué Carducci.
O artigo é obrigatório quando se designa uma mulher ilustre;
Es.: la Deledda, la Duse, ecc.
Mas os nomes de alguns homens célebres, particulamente caros ao povo ou de fama universal,
recusam o uso do artigo;
Es.: Cavour, Colombo, Garibaldi, ecc.

c) Não se põe o artigo na frente de nomes precedidos por titulos eclesiais, nobres,
honoríficos;
Es.: papa Paolo VI (e não "il papa Paolo VI"), re Baldovino (e não "il re Baldovino"), ecc.

2. O artigo definido com os nomes geográficos


a) Os nomes de cidades e países se usam, por regra, sem artigo;
Es.: Verona, Catanzaro, Parigi, Madrid, ecc.
Com exeção de:
La Spezia, L'Aquila, La Mirandola, L'Impruneta, L'Aia, Il Cairo, Le Havre, Il Pireo, La Mecca e
poucos outros.
Se, porém, os nomes de cidade estão acompanhados de adjetivos, levam o artigo;
Es.: la Firenze dei Medici (a Firenze dos Medicos), ecc.

b) Os nomes de continentes, estados, regiões, mares, montes, rios, lagos, ilhas, arquipélagos,
se usam com o artigo;
Es.: l'Australia, il Belgio, la Campania, il Tirreno, l'Etna, ecc.
As exceções são, de qualquer modo, frequentes: rejeitam o artigo os nomes de certas ilhas
pequenas (Malta, Capri, Corfù, Creta, Rodi, Giava, ecc) e de qualquer pequeniníssimo estado
(San Marino, Andorra, ecc)

3. O artigo definido com os nomes de parentesco


Os nomes de parentesco, no singular, (padre, madre, fratello, figlio, ecc) se precedidos de
um adjetivo possessivo (mio, tuo, suo, nostro, [non loro]) rejeitam o artigo.
Es.: mio padre, tua madre, suo figlio, ecc.
Ao contrário, é obrigatório o artigo:
a) se o possessivo segue o nome;
Es.: il padre mio, la madre tua, il figlio suo, ecc.

b) se os nomes estão no plural;


Es.: i miei figli, le tue sorelle, i vostri cugini, ecc.

c) se o possessivo é "loro";
Es.: il loro padre, la loro zia, ecc.

d) se os nomes estão acompanhados de um adjetivo qualificativo;


Es.: il mio buon fratello, la tua cara zia, ecc.
e) se os nomes sãão "babbo, mamma,
m figliiuolo(a), non
nno(a)" que são
s consideraados carinho
osos;
Es.: iil mio babbo
o, il tuo figliu
uolo, il vostrro nonno, eccc.

f) se os nomes esstão alteradoos;


Es.: iil tuo cugine
etto, la mia sorellina,
s la nostra ziettta, ecc.

4. O artigo defin nido com os nomes dos dias da sem mana


Não sse põe o artigo na frente e dos nomes indicantes dos
d dias da seemana quanddo se subinte
ende
"prosssimo" ou "sco
orso (passado)".
Es.: D
Domenica (prossima) parrtirò per Milaano.
Sabatto (scorso) ho
h avuto la fe ebbre.
Mas sse usa nos ouutros casos;
Es.: Il professore riceve il lun
nedì. (O proffessor recebe
e na segunda
a.)
Vado sempre ai concerti
c del venerdì.
v (Voou sempre aoos concertos da sexta.)

ATENNZIONE: Vão estudando que q já já tem m exercícios einh! Estude


em! rsrsr Arrrivederci!
Ah e Andrei se vcc tiver e quisser me passaa o seu msn depois
d ok?!

Tem
mpi Comp
posti (Tem
mpos Com
mpostos)

São a
assim chamaddos por serem formados por um verbbo auxiliar Esssere (Ser/Esstar) ou Avere
(Ter/
/Haver) acom
mpanhado po or um verbo no Participio
o Passato. Ess.: Ho amatoo, Ebbi amatto,
Sarò amato, ecc. Os tempos compostos ssão:

Passaato Prossimo
o: exprime uma
u ação acoontecida faz pouco, aindda em relaçãão com o presente
ou nã
ão totalmentte completa;; se usa às veezes no lugar do Passato Remoto parra faze-lo ma
ais
vivo, mais presen
nte para quem escuta. Ess.:
Ho apppena finito
o di pranzare
e.(Tenho já aacabado de almoçar.)
a
no Pa
assato Remoto: Appena finii
f di pranzzare. (Já aca
abei de almo
oçar.)

Trapaassato Prosssimo: exprim


me uma açãoo já concluída a ou ainda seendo cumpriida, de forma que
seus eefeitos perduram ao tem
mpo presente e. Es.:
Quando giunse l'aautunno, le rondini
r avev
vano abband donato i nidii. (Quando cchegou o outo
ono,
ndorinhas tinham abando
as an onado os ninh hos.)
Ero trriste perché non mi avev
vi detto la vverità. (Estav
va triste porque não me tinhas dito a
verdaade.)

Trapaassato Remo oto: exprime e uma ação qque foi feita no passado antes de um
ma outra, tam
mbém
essa ffeita no passsato. Este te
empo já caiu
u em desuso e é substituido, geralmeente, pelo Pa
assato
Remooto, mas aind
da pode ser encontrado em linguage em mais antigga. Es.:
Quand'ebbe dettto queste parrole, si cong edò. (Quanddo teve dito estas palavraas, se despe
ediu.)
assato Remoto: Quando disse
no Pa d queste
e parole, si congedò.
c (Quuando disse eestas...)

Futurro Anteriore e: exprime uma


u ação que e será feita antes de uma outra, tam
mbém essa fu utura;
se usaa também para indicar com
c incertezza um fato passado. A linnguagem com mum tende a
substtituir o Futurro Semplice pelo Futuro Anteriore. Es.:
E
Quando avrai pre eparato il pacco,
p lo porrterò a destinnazione. (Qu
uando tiveress preparado o
pacotte o levarei aoa destino.)
no Fuuturo Sempliice: Quando preparerai il pacco, lo porterò a de estinazione. (Quando
prepaarares o paco ote...)

Pron
nomi Perrsonali

Io - Eu
u
Tu - T
Tu
Egli o
ou Lui - Ele (p/
( pessoas)
Ella o
ou Lei - Ela (p/
( pessoas)
Esso - Ele (p/ aniimais e coisa
as)
Essa - Ela (p/ aniimais e coisa
as)
Noi - Nós
Voi - Vós
Essi - Eles (p/ qualquer coisa(pessoa ou aanimal) e umm modo mais formal)
Esse - Elas (p/ quualquer coisa
a(pessoa ou aanimal) e um
m modo maiss formal)
Loro - Eles, Elas (modo informmal e p/ quaalquer coisa((pessoa ou animal)

Não e
existe você nem
n vocês no
n Italiano poortanto proc cure sempre substitui-loss por tu e po
or voi
conju
ugando o verrbo de acordo com o pro nome. Perdo oem-me se nãon postei issso antes ou se
s já
poste
ei e não me lembro,
l rsrsssrsrs. No ma is, arrivederrci, fino a presto!
Falssos Cogna
atos

Quemm estuda ingllês já deve estar


e um pou
uco acostumaados com os Falsos Cognnatos ou false
friends como são chamados! Pra quem pe ensava que isso só existia
a no inglês, eengana-se, existe
e
em toodas as lingu
uas e no italiano tambémm! Vejamos um:
u

RE:
SALIR
Não é SAIR como muitos penssam e sim SU UBIR. E ainda
a é um verbo
o irregular! EEs.:
Tutti i giorni io sa
algo le scale
e del mio uffiicio.
Todoss os dias eu subo as esca adas do meu escritório.
Form
me Interrogative (Formas Interroga
ativas)

E; QUANDO; DOVE; PERCHÈ; QUALE


COME E; CHE; QUA
ANTO; CHI

Come e venite a ca asa? (Como vens


v pra casaa?)
Come e va'? (Como o vai?)
Quan ndo è nata Mariasol?
M (Quando nasceu u Mariasol?)
Da quuando sei a Verona?
V (Dessde quando estás em Ve erona?)
Dovee abitano Marria e Lusia? (Onde
( moram m Maria e Luusia?)
Da doove venite? (De( onde vens?)
Perch hé sei in rita
ardo? (Porquuê estás atraasado?)
Perch hé non venitte con me? (P Porquê não vens comigo o?)
Qual** è il tuo pae ese? (Qual é o teu país?)
Che m macchina ha a Tom? (Que carro Tom ttem?)
Quan nti** figli hai? (Quantos filhos
f tens?)
Chi vviene stasera a? (Quem vem m esta tardee?)

AL: Forma co
*QUA ontracta de QUALE,
Q usad
da nesta frasse para evitar o encontroo de duas vog
gais:
Quale
e è... ERRAD
DO; Qual è... CORRETO. Seu plural é QUALI (Qua ais).

**Plurral de QUAN
NTO (QUANTII: Quantos).
NE e CI

NE e CI sono partticelle avverrbiale e pron


nominali:
Osserrviamo:

NE:
ono rimasta incantata!
Ne so i
Sono rimasta inca
antata di cìo
o! (de algumaa coisa. Di cìo= disto, da
aquilo)

Ne paarlano con grande entusiiasmo.


Parla
ano di cìo con grande enttusiasmo.

Conosci Paolo? Sì, e ne sono rimasta


r entu
usiasta.
Conosci Paolo? Sì, e sono rima
asta entusiassta di lui.

NE: P
Pode substitu
uir di cìo, di lui ou di leii. (Di lui=delle; Di lei=della)

CI:
Credii a quello? Sìì, ci credo!
Credii a quello? Sìì, credo a cìo
o!

e in un futurro megliore? Sì, ci credo!!


Crede
Crede
e in un futurro megliore? Sì, credo in cìo!

Vieni qui domani?? Sì, ci vengo


o!
Vieni qui domani?? Sì, vengo qui!
q

Vai domani in ban


nca? Sì, ci va
ado!
Vai domani in ban
nca? Sì, vadoo lì!

Vai a Rio? Sì, ci vado!


v
Vai a Rio? Sì, vado là!

CI: a cìo, in cìo, qui,


q qua, lì, là.

m-se para "en


Usam ncurtar" a fra
ase como pod demos ver ac cima! É um pouco
p compllicado mas com
um pouco de temmpo entende--se! rsrsrsrsrr... qualquerr dúvida pode
e mandar!