Anda di halaman 1dari 10

Devemos verificar também a aderência do contra piso a base, para isto após 14 dias da

execução do serviço, bata levemente sobre a superfície com um martelo ou barra de aço.
O som cavo indica falta de aderência, neste caso é necessário refazer o contra piso na
região afetada.

Para contra pisos em solos, a execução deve seguir os seguintes passos: compactar bem
o solo, fazer a drenagem para eliminar pressão hidrostática sob a edificação áreas
adjacentes, colocar 15 a 20 cm de brita sobre o solo, nivelar, aplicar 8 cm de concreto
vibrado e curado e executar a regularização da superfície.

A importância do contrapiso para a colocação de pisos


vinílicos

Atualmente as obras requerem grande velocidade e perfeição na sua execução. Há


necessidade de várias atividades simultâneas, muitas vezes com dependência entre elas.
Para exemplificar, é impossível colocar um acabamento de piso sem que a laje esteja pronta
e regularizada com o contrapiso. E é disto que queremos falar, da importância do contrapiso
não só para colocação dos pisos vinílicos mas também para assentar cerâmicas e
acabamentos à base de madeira e outras fibras, como os carpetes.

Quando está contruindo, muita gente (inclusive os profissionais) pensa mais na cor e no tipo
de acabamento do piso e se esquecem da importância do contrapiso, que é a base para
aplicação dos revestimentos.

O contrapiso tem diversas funções dentro do sistema construtivo, dentre as mais


importantes, destacam-se:

• Servir de suporte para o revestimento de piso e seus componentes,


• Corrigir pequenos desníveis na laje do piso,
• Resistir às cargas atuantes durante a utilização, sem apresentar rupturas,
• Embutir tubulações elétricas e hidráulicas,
• Incorporar sistemas de impermeabilização,
• Complementar sistemas de isolamento acústico ou térmico,
• Proporcionar os caimentos necessários para os diversos tipos de uso dos ambientes,

O último ítem, em especial, é bem conhecido das donas de casa. Parece que muitos
pedreiros desconhecem a importância dos caimentos no piso, colocando o ralo sempre no
ponto mais alto do piso, e não onde deveria, que é justamente no local mais baixo
proporcionando o correto escoamento das águas. E é o contrapiso que faz esta função, o
acabamento de piso, seja qual for, é apenas uma “casquinha” que recobre o contrapiso e
pouco tem a ver com o caimento, que deve ser dado no contrapiso.

Nem todo piso precisa de caimento, este só é usado em locais que recebem grande
quantidade de água, como é o caso dos pisos de banheiros, cosinhas e áreas externas. Nos
outros ambientes, o contrapiso deve ser perfeitamente nivelado para que os móveis e
acabamentos sejam colocados com facilidade e dê aquele aspecto de obra bem feita.

Características do contrapiso

O bom desempenho do contrapíso está diretamente relacionado à algumas características e


propriedades que devem ser observadas em sua execução, tais como:
• Aspereza, determinada em função da granulometria da areia utilizada,
• Poucas Ondulações. O resultado esperado é obtido face ao método de desempeno utilizado e da habilidade e
capricho do profissional.
• Resistência mecânica, decorrente dos materiais utilizados e de suas dosagens. Recomenda-se argamassa com
traço de 1:3, respectivamente, para cimento e areia.
• Quantidade de água da mistura e etapas de execução. A água deve ser a estritamente necessária, nem mais
nem menos, e a argamassa deve ser espalhada em pequenas camadas, devidamente adensadas, se a
espessura a cobrir for superior a 2 ou 3 centímetros.
• Capacidade de absorver as movimentações naturais da estrutura.

A observação de algumas características do contrapiso tem fundamental importância na


durabilidade do revestimento nele instalado. Por isso, deve-se conhecer inicialmente o local a
ser revestido e o estágio de execução da obra. Com isso, será possível orientar ao executor
as características necessárias ou realizar a avaliação de um contrapiso já existente.

Passo a passo da execução

Agora que já vimos a importância e principais características dos contrapisos, vamos


literalmente por a mão na massa, vendo passo-a-passo como fazer um bom contrapiso. A
massa do contrapiso deve ser bem seca, parecido como uma farofa. Acompanhe:

1 Após limpar a base e retirar todos


os restos de argamassa, entulho
ou qualquer material aderido o
primeiro passo é fazer a
tranferência de nível com o auxílio
de um nível de mangueira (ou nível
laser) a partir do nível de
referência
2 Marcar a altura do contrapiso com o auxílio de uma trena

3 Sobre a superfície limpa, jogar uma mistura de água e adesivo


na área onde as taliscas serão executadas.

4 Polvilhar cimento sobre a mistura.


5 Com a ajuda de um vassourão, escovar a massa. Essa
mistura serve de ponte de aderência entre a laje e o
contrapiso

6 Colocar a argamassa sobre a superfície

7 Depois de nivelar a argamassa, colocar a talisca (um pedaço de


cerâmica ou madeira)
8 Com auxílio da trena e prevendo o caimento no sentido dos
ralos, conforme o projeto, confira a altura do nível do
contrapiso. Faça as outras taliscas do local

9 Com um fio esticado, confira a altura das taliscas

10 Aplicar sobre toda a base a mistura de aditivo e água


11 Em seguida, polvilhar cimento
sobre toda a base

12 Com o auxílio do vassourão, escovar toda a


área

13 Jogar a “farofa” do contrapiso


14 Com a ajuda de uma enxada,
preencher os intervalos entre as
taliscas, espalhando a argamassa
em movimentos contínuos, para que
não seque rápido demais

15 A argamassa deve ser compactada


com um soquete de madeira. Esse
processo deve ser feito até que a
argamassa de contrapiso chegue
no nível marcado com o fio.

16 Após compactar a argamassa, sarrafear


com movimento de vai-e-vem, apoiando a
régua de alumínio nas taliscas.
17 Sarrafear a sobra até que a
superfície alcance o nível das
faixas em todos os lados da área
do contrapiso.

18 Sobre as falhas e pequenos buracos,


colocar um pouco de argamassa e nivelar
a superfície até ficar totalmente lisa
19 Desempenar a massa, alisando e dando o
acabamento final no trabalho com o auxílio de
uma desempenadeira de madeira (ou de
alumínio, se necessário)

Conclusão

Não queremos que você, empreendedor, arquiteto ou engenheiro, vá fazer contrapisos. O


objetivo deste artigo é mostrar a importância de um bom contrapiso e como deve ser feito,
para que se possa acompanhar a obra e certificar-se de que o profissional que está
executando o contrapiso está seguindo as providências recomendáveis. Esperamos que
tenha sido útil!

Fonte: Boletim Técnico da Fademac, Edição número 1, fevereiro de 2007


Este artigo foi produzido com informações fornecidas pelo Departamento Técnico da Fademac, que pode ser
contatado através do telefone 0800-119122, de segunda à sexta-feira, das 10 às 16h. Ou pelo e-mail:
atendimento@fademac.com.br

Você conhece o "Curso a distancia IBDA - SitEscola? Veja os cursos disponíveis, e


colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Mais artigos sobre este mesmo tema:

• Revestimentos vinílicos para área molhadas, a solução da Tarkett Fademac


• A praticidade e o design do Piso Vinílico
• Como decorar o quarto do seu bebê. Qual o piso e outras dicas.
• Soluções em pisos vinílicos para ambientes esportivos e hospitalares
• Olhos atentos no chão, inovando com pisos vinílicos.
• Tarkett Fademac marca presença na Casa Cor Trio 2009
• Pisos vinilicos unindo sonho e fantasia
• Parece madeira, mas é piso Fademac
• FADEMAC, agora, TARKETT-FADEMAC
• FADEMAC apresenta novas cores na SPFW
• Pisos vinílicos auxiliam na questão da humanização hospitalar
• Fademac cria hot site para linha ABSOLUTE
• Pisos sustentáveis: Você sabe onde se está pisando?
• Pisos vinílicos : Quando valorizar a imitação significa respeitar a natureza
• Fademac inova em estilo para pisos vinílicos na Revestir
• Pisos vinilicos : um novo olhar!
• A importância do contrapiso para a colocação de pisos vinílicos
• Dúvidas mais comuns em relação aos pisos vinílicos
• Pisos vinílicos na Hospitalar 2006