Anda di halaman 1dari 6

Caleidociclos

Ingo Valter Schreiner

A construção de caleidociclos
Num curso sobre o ensino de Geometria nos en-
é interessante do ponto de vis- sino fundamental e médio, realizado em Panambi
ta artístico e leva ao estudo de – RS, em setembro de 1984, o professor Luiz
Geometria Plana e Espacial. Márcio P. Imenes mostrou aos participantes dois
Para alunos do ensino funda- caleidociclos. Não conhecia esse material, que me
mental, além da parte lúdica e fascinou tanto do ponto de vista geométrico como
criativa, é possível trabalhar do ponto de vista artístico. Os dois caleidociclos
com ângulos, triângulos, áreas
e medidas.
eram decorados com motivos de Maurits C.
Escher (1898-1972), um artista gráfico dos Paí-
ses Baixos. Ao girar os caleidociclos de dentro
para fora ou de fora para dentro, apresentam-se
ao espectador ciclos de figuras diferentes.
A compreensão do funcionamento e a cons-
trução desses caleidociclos podem ser usadas
como aplicações interessantes e divertidas da
Geometria Espacial.

A construção de um caleidociclo
Para acompanhar este artigo, monte um
caleidociclo, observando as instruções a seguir:

1) Material necessário: régua, esquadro, tesoura,


lápis, borracha, cola e cartolina (ou qualquer
papel um pouco mais grosso que o comum).

2) Sobre a cartolina desenhe esta malha de


triângulos:
Nesta construção a precisão é importante. Ob-
serve que, com exceção de alguns, os triângulos
da malha são isósceles, de base a, e altura relati-
va à base é a também. Os demais triângulos são
retângulos, tendo catetos iguais a a e a/2.

106
O valor de a depende do pedaço de cartolina disponível. Não convém, por
razões práticas, fazer a menor do que 4 cm.
3) Recorte segundo a linha de traço forte.

4) Nas linhas de traço fino você fará dobraduras. Nas linhas verticais dobre
o desenho para dentro e nas inclinadas dobre para fora. Um detalhe prá-
tico: antes de dobrar convém vincar a cartolina. Isto pode ser feito com a
régua e uma faca sem ponta.

5) Após as dobraduras, a parte hachurada do desenho receberá cola, fican-


do, por isso, dentro do caleidociclo. Cole A’ sobre A, B’ sobre B e C’
sobre C.
Assim procedendo você obtém um conjunto de seis tetraedros em cadei-
ra. Eles se ligam por uma aresta comum.

6) Agora forme um elo, articulando o pri-


meiro tetraedro com o último. Cole D’
sobre D e E’ sobre E. Está pronto o
seu caleidociclo. Espere a cola secar
antes de brincar com ele.

107
4 Faces, 4 Giros
O caleidociclo que você construiu é composto de seis tetraedros. Mas é
possível construir outros, com maior número de tetraedros. De um modo
geral, um caleidociclo é formado por um número par 2k de tetraedros, sen-
do que k ∈ {3, 4, 5, ...}. No seu caleidociclo k = 3.
Tais tetraedros são congruentes e suas faces são triângulos isósceles
congruentes, de base a e altura relativa à base x.

Os 2k tetraedros têm, dois a dois, uma aresta de medida a em comum.

Com esta cadeia, como você viu, for-


mamos um ciclo fechado. Podemos gi-
rar este ciclo num sentido ou noutro,
como mostram as setas duplas.

108
Girando aparece um “buraco” estrelado no centro do caleidociclo. Em certo
momento este buraco desaparece. Nesse instante tetraedros vizinhos têm suas
faces superpostas. Nessa posição, note que o “contorno” de seu caleidociclo é
um hexágono regular. Observe ainda que, nessa posição, você está vendo uma
face de cada um dos seis tetraedros. Girando, reaparece o “buraco” estrelado,
até que, novamente, ele desaparece. Nessa nova posição revelam-se outras
seis faces dos tetraedros.
Faça uma marca numa destas faces e gire o caleidociclo. Perceberá que
ela reaparece depois de quatro giros.

A relação entre a e x
Na posição em que o “buraco” desaparece, a metade das arestas de medi-
da a está contida num mesmo plano π. As arestas restantes, que têm esta
medida, são perpendiculares a P. Nesta posição, podemos definir o contorno do
caleidociclo como sendo sua intersecção com o plano π. Este contorno é um
polígono regular convexo quando k = 3 ou k = 4, e um polígono regular estrela-
do quando k ≥ 5. É no centro deste polígono que, nesta posição, coincidem
alguns vértices dos tetraedros.

A intersecção do plano P com


cada tetraedro é um triângulo
isósceles de lados a, x e x.
Como o número de tetraedros
é 2k resulta:

109
Fica óbvio nesse momento porque k deve ser maior do que 2. Usando a lei
dos cossenos no triângulo acima, temos: a2 = x2 + x2 – 2.x.x.cos β, donde:

Esta expressão permite calcular a, em função de x, para qualquer


caleidociclo constituído de 2k tetraedros, com k ∈ {3, 4, 5, ...}.
Na tabela seguinte apresento os valores de α, β e a (em função de x),
para k = 3, 4, 5, 6.
k 3 4 5 6
2k 6 8 10 12
α 60º 45º 36º 30º
β 60º 90º 108º 120º
3
a x x 2 ≅1,62x x

A planificação
Num caleidociclo o número de faces triangulares é igual a 4 × 2k = 8k.
Como as arestas de medida a são comuns a dois tetraedros, podemos pensar
assim: juntando dois triângulos isósceles iguais pelas suas bases, obtemos um
losango (onde uma diagonal é a; a outra é 2x).

Portanto a planificação da caleidociclo é constituída de 4k losangos de


diagonais a e 2x. Os lados comuns destes losangos serão as outras arestas
(diferentes de a) dos tetraedros.
Na construção do caleidociclo não esqueça de deixar as partes que rece-
berão cola. Outro detalhe prático: levando em conta a espessura da cartolina,
é aconselhável tomar a ligeiramente menor que

110
(aproximadamente 2%).

Enfeitando fica mais bonito


Como escrevi no início deste artigo, os primeiros caleidociclos que vi, eram
decorados com motivos do artista Maurits C. Escher. Se quiser enfeitar o
seu, poderá pintar cada faixa de losangos com motivos e cores diferentes.
Girando o caleidociclo, de cada vez aparecerá um desenho diferente.

111