Anda di halaman 1dari 5

Introdução a Patologia

Patologia (grego pathos: sofrimento, doença; logia: ciência, estudo) é o estudo das
doenças em geral sob determinados aspectos.
Ela envolve tanto a ciência básica quanto a pratica e enfoca o estudo das modificações
estruturais e funcionais das células, dos tecidos e dos órgãos que estão ou podem estar
sujeitos às doenças.

Doença: modificação nociva não compensada de estrutura ou da função de uma célula,


de um órgão, de um sistema, de um organismo, ou de uma sociedade.

Divisão da Patologia

Patologia geral: compreensão das reações básicas das células e dos tecidos a estímulos
anormais provocados pelas doenças. Descreve as características que definem o processo
de transição entre estado de saúde para estado de doença.
Patologia especial/sistêmica: analise de respostas especificas d órgãos e tecidos a
estímulos mais ou menos definidos.

Aspectos da doença estudados na patologia

· Etiologia/causas das doenças:


- classes de fatores etiológicos: intrínsecos/genéticos e extrínsecos/adquirido/ambientais
(infecção, nutricional, químico, físico).
· Patogenia/mecanismos do desenvolvimento da doença:
- a seqüência de eventos, na resposta da célula/tecido aos agentes etiológicos, desde o
estimulo inicial ate a expressão final da doença.
· Alterações morfologias / estruturais induzidas na célula pela doença:
- alterações / reações estruturais em células e tecidos características da doença ou
diagnosticas dos processos etiológicos.
· Significado clinico / conseqüências funcionais das mudanças morfológicas:
- a natureza e a distribuição das alterações nos diferentes tecidos influenciam o
funcionamento normal e determinam os sinais e sintomas (características clinicas), o
curso e o prognóstico da doença.

Morfostase; homeostase; agressões.

· Morfostase: equilibro na estrutura.


· Homeostase: equilíbrio na função.
- saúde
· Reações homologas do organismo:
- reações energéticas que obedecem a padrões de normalidade e são comuns a todos os
indivíduos de uma determinada espécieà reações de acordo com padrões de tempo, de
local e de intensidadeà estrutura e funções normaisà ordemà vida possível.
· Agressão: alteração não compensada da morfostase e da homeostase.
- doença
· Reações heterólogas:
- reações homologas em situação de anormalidade.
- distancia-se dos padrões de normalidadeà estabelecimento de processo patológicoà
modificações no tempo, no local e na intensidade das respostas orgânicas às agressões.
· Reações de heterocronia: o tempo da resposta do organismo é alterado.
· Reações de heterotropia: quando é desenvolvido um tecido em um local onde não é
comumente encontrado.
· Reações de heterometria: alteração na intensidade da resposta do organismo.

· Agressãoà resposta da célula/ tecido/ órgão


3tipos:
à Submissão ativa (inflamatória): o tecido participa ativamente em sua resposta à
agressão, isto é, há um gasto de energia (ATP) para alcançar a morfostase e a
homeostase.
à Submissão passiva (degeneração e infiltração): o tecido não dispensa energia (ATP)
nas alterações morfológicas e funcionais conseqüentes à agressão, ou seja, participa
passivamente.
à Submissão adaptativa (alterações de crescimento e neoplasias): o tecido adapta-se à
agressão, de forma ativa e passiva.

Adaptação celular

· Respostas celulares ao estresse e aos estímulos nocivos.


· Adaptação celular.
· A célula normal esta limitada em relação ao seu metabolismo, diferenciação a uma
variação de função e estrutura, devido à repressão das células vizinhas e pela
disponibilidade e substratos metabólicos.
· Porém, ela é capaz de lidar com as exigências fisiológicas normais, mantendo a
homeostasia.
· Estresses fisiológicos mais severos e estímulos patológicos podem desencadear
ADAPTAÇÕES CELULARES fisiológicas e morfológicas, alcançando novos níveis de
estabilidade, porem alterados, preservando a viabilidade celular e modulando sua
função.

Respostas celulares à agressão

· Adaptações celulares
- atrofia (diminui tamanho celular)
- hipertrofia (aumenta volume celular)
- hiperplasia (aumenta numero celular)
- hipoplasia (diminui numero de divisão celular)
- metaplasia (alteração celular-substituição)
- neoplasia (alteração em proliferação e diferenciação celular)

· A morte celular é o resultado final da lesão celular, sendo um dos eventos cruciais na
evolução da doença em qualquer tecido ou órgão.
· Ocorre por várias causas: isquemia, infecção, toxinas e reações imunológicas.
· É uma parte normal e essencial da embriogenese, desenvolvimento dos órgãos,
manutenção da homeostasia e objetivo do tratamento do câncer.
· EXISTEM DUAS FORMAS:
- Necrose: ocorrem após estresses anormais como isquemia e lesão química, sendo
sempre patológica.
- Apoptose: ocorre quando a célula morre devido a ativação de um programa de suicídio
controlado internamente. Para eliminar células indesejáveis (embriogenese) e processos
fisiológicos. Pode ocorrer em casos patológicos quando a célula não pode ser reparada e
principalmente se afeta o DNA celular.

Lesões

Lesão/processo patológico

· Conjunto de alterações morfológicas, moleculares e/ou funcionais que ocorrem nos


tecidos após agressões.
- Macroscópica
- Microscópica
- Submicroscopica

Processos patológicos

· As alterações molecularesà modificações morfológicasà detectadas por métodos


bioquímicos e de biologia molecular.
· Alterações da função de células, tecidos, órgãos ou sistemasà transtornos funcionais.
- Fenômenos fisiopatológicos.

Alvos mais importantes dos estímulos lesivos

1. Respiração aeróbica (mitocôndrias)


2. Membranas celulares
3. Síntese protéica
4. Citoesqueleto
5. Maquinaria genética

Ação dos agentes agressores

· Ação direta
- Modificações molecularesà alterações morfológicas.
· Ação indireta
- Mecanismos de adaptação (acionados para neutralizar/eliminar agressão)à induzem
alterações molecularesà alterações morfológicas.

Agressão, defesa, adaptação, lesão

· Mecanismos de defesaà gerar lesão no organismo.

AGRESSÃO
DEFESA
ADAPTAÇÃO
LESÃO
LESÃO

Resposta do organismo às agressões

· Em todas as agressões, as lesões têm um componente que resulta da ação direta do


agente agressor e de um elemento decorrente da ação dos mecanismos d defesa
acionados.
· Em muitas lesões são os mecanismos de defesa (inatos ou adaptativos) os principais
responsáveis pela lesão.
· Ex. doenças de natureza imunitária e infecçõesà mecanismos imunitários de defesaà
contra o agente infeccioso lesam também os tecidos.

Respostas celulares à agressão

· Lesão celular aguda:


- lesão reversível
- irreversívelà morte celular (necrose/apoptose)
· Lesão crônica:
- alterações subcelulares (intracelular) e inclusões celulares.
- acúmulos intracelulares (estocagem/ armazenamento de substancias)
- calcificação patológica ( acúmulo de cálcio, ferro, magnésio)

Mecanismo da lesão celular

· Resposta depende do tipo de estimulo, duração e severidade.


· Conseqüências dependem do tipo, estado e adaptabilidade celular.
· lesão resulta de anormalidade funcionais e bioquímicas de um ou mais componentes
celulares essenciais.

Etiologia das lesões

· Muitas causas de lesões e doenças (agressões/agentes lesivos):


- Exógeno (agentes físico/ químicos/químicos/biológicos e nutrição)
- Endógeno (genético/ resposta imune e fator emocional)
Causas de lesão celular

· Hipoxia e isquemia;
· Agentes físicos;
· Agentes químicos e drogas;
· Agentes infecciosos;
· Reações imunológicas;
· Distúrbios genéticos;
· Desequilíbrios nutricionais.

Causas da lesão celular

· Privação de oxigênio
- Hipoxiaà redução de oxigênio (deficiência cardio-respiratoria)
- Isquemiaà perda do suprimento sangüíneo (embolia)
· Agentes físicos
- Extremos de temperatura;
- Traumatismo mecânicos;
- Radiação (UVA, UVB);
- Choque elétrico;
- Alterações da pressão atmosférica.
· Agentes químicos
- Constituintes normais (glicose, sal, O2);
- Sociais (álcool, fumo);
- Venenos (arsênio, cianeto);
- Poluentes (CO);
- Inseticidas e herbicidas;
- Drogas narcóticas;
- Medicamentos.
· Agentes infecciosos
- Vírus;
- Bactérias;
- Fungos;
- Protozoários;
- Helmintos.
· Repostas imunes
- Autoimunidade;
- Reação anafilática (alergias);
- Resposta imune prolongada.
· Anormalidade genética
- Deficiências de enzimas (doenças de depósitos-lisossomiais);
- Substituição de aminoácidos (anemia falciforme);
- Doenças congênitas (síndrome de Down).
· Desequilíbrios nutricionais
- Excessos: obesidade (doença coronariana);
- Deficiência: vitaminas (A - xeroftalmia=olho ressecado, D - osteomalacia); proteína
(anorexia); minerais (ferro).