Anda di halaman 1dari 27

U IVERSIDADE DE TAUBATÉ – U ITAU

CURSO:

DISCIPLI A:

ALU O (A):

PROFESSORA: Daniela Souza dos Anjos

2009

I STRUME TOS DE DESE HO TÉC ICO

1. Escalímetro ou régua graduada (30,00cm)

2. Compasso

3. Lapiseiras 0.3 e 0.5

4. Par de esquadros transparentes (45º e 60º)

5. Borracha macia

6. Pasta com plástico para pranchas

7. Bloco de papel A4

8. Flanela para Limpeza

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

1. NBR 5984 – Norma Geral de Desenho Técnico.

2. NBR 10068 – Folha de Desenho lay-out e Dimensões.

3. NBR 08402 – Execução de Caractere para Escrita em Desenho Técnico.

4. MICELI, M.T. Desenho Técnico Básico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 2001.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

1. Avaliações

2. Trabalho Prático

LEMBRETES

1. Fazer o possível para que dois pontos não fiquem muito próximos.

2. Escolher sempre o processo que tenha menor número de operações gráficas.

3. Não fazer operações desnecessárias e aproveitar, quando possível, traços já desenhados.

4. Ao traçar uma linha fazê-la de comprimento suficiente para não prolongá-la mais tarde.

5. Não usar linhas de construção pontilhadas ou tracejadas, pois o ponto procurado pode estar entre dois traços ou dois pontos.

6. Procurar usar sempre pontos, linhas e segmentos dados, ao invés dos obtidos para não acumular erro gráfico.

7. Traçar várias paralelas ou perpendiculares, referidas sempre a uma mesma reta base.

Formato

A0

A1

A2

A3

A4

Des. Téc.

nº da prancha

Des. Téc.

02-a

FORMATO DO PAPEL

Dimensões/mm

Margem/mm

Esquerda

Outras

841 x 1189

25

10

841

x 594

25

10

420

x 594

25

7

420

x 297

25

7

297

x 210

25

7

ome do Aluno

Assunto

25 7 297 x 210 25 7 ome do Aluno Assunto Formato do papel da 175

Formato do papel

da

175

175

178

178

178

Data

Visto

/ / 2011

papel da 175 175 178 178 178 Data Visto / / 2011 Dimensões, Divisões, Margens e

Dimensões, Divisões, Margens e Legenda

O formato básico de papel utilizado em desenho técnico o A0 (A zero) é o retângulo de lados medindo 841 x 1189 mm, tendo a área aproximada de um metro quadrado. Do formato básico derivam os outros formatos através de bipartição.

Comprimento Legenda/mm
Comprimento
Legenda/mm

Exercício: Utilize as informações da tabela acima para elaborar margem e legenda em uma folha de papel A4 e armazene junto às outras pranchas com a numeração 02-b.

Exercício: A partir de uma representação do formato básico de papel (A0) obtenha os formatos A1, A2, A3 e A4.

MODELO DE LEGE DA:

CALIGRAFIA TÉC ICA Em toda representação gráfica acompanhada de textos explicativos é utilizada a caligrafia
CALIGRAFIA TÉC ICA
Em toda representação gráfica acompanhada de textos explicativos é utilizada a caligrafia
técnica, como mostrada a seguir.
Maiúsculas:
A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, L, M, N, O, P, Q, R, S, T, U, V, W, X, Y, Z.
Minúsculas:
a, b, c, d, e, f, g, h, i, j, k, l, m, n, o, p, q, r, s, t, u, v, w, x, y, z.
Algarismos:
0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9.
Exercício:
Faça todas as letras do alfabeto (maiúsculas e minúsculas) e os algarismos de 0 à 9.
Des. Téc.
/
/ 2011
03
Caligrafia Técnica
 

FORMAS GEOMÉTRICAS ELEME TARES

 

São consideradas formas geométricas elementares o ponto, a linha e o plano.

 

Ponto

 

O

ponto é a figura geométrica mais simples. Não tem dimensão, isto é, não tem comprimento,

largura, nem altura. No desenho, o ponto é determinado pelo cruzamento de duas linhas. Para

 

identificá-lo, usamos letras maiúsculas do alfabeto latino, como mostram os exemplos:

 

Linha Geométrica

 
 

É

formada pela trajetória descrita por um ponto e pode ter diferentes posições:

 

Caso a trajetória do ponto percorra sempre uma mesma direção, ela dará origem a uma linha

reta.

Linha Reta ou Reta Você pode imaginar a Linha Reta como um conjunto infinito de pontos ilimitados e dispostos sucessivamente, logo não tem início nem fim. As Linhas Retas são identificadas por letras minúsculas do alfabeto latino, conforme representação:

Semi-reta Tomando um ponto qualquer de uma reta, dividimos a reta em duas partes, chamadas semi- retas. A semi-reta sempre tem um ponto de origem, mas não tem fim.

 

O

ponto A da origem a duas semi-retas.

 

Des. Téc.

   

/

/ 2011

 

04

Formas Geométricas Elementares

 
 

FORMAS GEOMÉTRICAS ELEME TARES

Segmento de Reta Tomando dois pontos distintos sobre uma reta, obtemos um pedaço limitado de reta. A esse pedaço de reta chamamos segmento de reta. Os pontos que limitam o segmento de reta são chamados de extremidades.

Planos

O plano é definido como sendo formado por um conjunto de retas dispostas sucessivamente numa mesma direção ou como o resultado do deslocamento de uma reta numa mesma direção. O plano é ilimitado, isto é, não tem começo nem fim. Apesar disso, no desenho, costuma-se representá-lo delimitado por linhas fechadas.

Para identificar um plano usamos letras gregas, como α (alfa) e β (beta), utilizadas nos planos representados acima. Todo plano tem duas dimensões, normalmente chamadas comprimento e largura. Se tomarmos uma reta qualquer pertencente a um plano, dividimos o plano em duas partes, chamadas semiplanos.

Des. Téc.

 

/

/ 2011

05

Formas Geométricas Elementares

 
 

DESE HO BÁSICO

Distância

1. Distância entre dois pontos é o comprimento determinado por um sistema de medida (metro, centímetro, milímetro, etc

2.

Distância entre ponto e reta é o segmento perpendicular à reta, contendo como extremidades o ponto

e o pé da perpendicular à reta considerada.

 

3. Distância entre duas retas paralelas é a distância entre um ponto qualquer de uma das retas, á outra.

a) Retas concorrentes: Possuem um ponto em comum, logo se cruzam.

 

Oblíquas: ângulo qualquer

Perpendiculares: ângulo reto

b)

Retas paralelas: Guardam a mesma distância entre s e t.

 

Des. Téc.

 

/

/ 2011

 

06

Desenho Básico

 
CO STRUÇÕES FU DAME TAIS PERPE DICULARES 1. Dados o ponto A e a reta
CO STRUÇÕES FU DAME TAIS
PERPE DICULARES
1. Dados o ponto A e a reta r, traçar a perpendicular à reta r que passe
pelo ponto A.
A ∈ r
A
+
r
2. Dados o ponto A e a reta r, traçar a perpendicular à reta r que passe
pelo ponto A.
A ∉ r
A
+
r
3.
Traçar uma perpendicular à semi-reta OA no ponto O sem prolongá-la
para a esquerda.
r
Des. Téc.
/
/ 2011
07
Perpendiculares
CO STRUÇÕES FU DAME TAIS PARALELAS 4. Dados o ponto A e a reta r,
CO STRUÇÕES FU DAME TAIS
PARALELAS
4.
Dados o ponto A e a reta r, traçar a reta s, paralela à reta r, que passe
pelo ponto A.
A
+
r
5.
Traçar uma reta s, paralela à reta r dada, tal que a distância entre elas
seja d.
d
r
MEDIATRIZ
6.
Obtenha a mediatriz do segmento AO dado
nota: mediatriz é a reta que divide um segmento de reta AO em duas partes
iguais
A
O
Des. Téc.
/
/ 2011
08
Paralelas e Mediatriz

CO STRUÇÕES FU DAME TAIS – Â GULOS

Duas semi-retas de mesma origem definem um ângulo plano.

Classificação dos ângulos Ângulo reto = 90º

Ângulo agudo < 90º

Ângulo obtuso > 90º e < 180º

Ângulo raso = 180º

Ângulo de volta cheia = 360º

CO STRUÇÃO DE Â GULOS

7. Construir ângulos de 30º, 45º, 60º, 75º, 90º e 120º

Des. Téc.

/ / 2011

09

Construção de Ângulos

CO STRUÇÕES FU DAME TAIS

TRA SPORTE DE Â GULOS

8.

Transportar o ângulo α dado para sobre a reta r dada.

α
α

r

BISSETRIZ

9.

nota: Bissetriz é a reta que divide um ângulo qualquer em duas partes iguais

Encontre a bissetriz do ângulo dado.

em duas partes iguais Encontre a bissetriz do ângulo dado. Construir a bissetriz de um ângulo

Construir a bissetriz de um ângulo dado, sem usar o vértice do mesmo.

A

de um ângulo dado, sem usar o vértice do mesmo. A B 10. C D Des.

B

10.

de um ângulo dado, sem usar o vértice do mesmo. A B 10. C D Des.

C

D

Des. Téc.

/

/ 2011

10

Transp. de Ângulos e Bissetriz

EXERCÍCIOS

11. Construir a poligonal, dados os ângulos e respectivos segmentos:

ângulos internos

B

C

D

E

F

G

= 120º

= 90º

= 300º

= 45º

= 105º

= 270º

segmentos AB = 70mm BC = 55mm CD = 45mm DE = 70mm EF = 90mm FG = 65mm GH = 45mm

Des. Téc.

/ / 2011

11

Exercício

EXERCÍCIOS

12. Desenhe um triangulo ABC sabendo que:

AB = 65 mm AC = 50 mm  = 75º

]

13. Reproduza a figura abaixo, de acordo com as medidas dadas em milímetros, em uma folha de papel A4 com margem e legenda, armazene junto às outras pranchas com a numeração 12-b.

A4 com margem e legenda, armazene junto às outras pranchas com a numeração 12-b. Des. Téc.

Des. Téc.

/ / 2011

12

Exercício

CO STRUÇÕES FU DAME TAIS

DIVISÃO DE SEGME TO 14. Dividir o segmento dado em um número dado de partes iguais.

Dados: AB = 70 nº de partes = 5.

Dados: AB = 75 mm nº de partes = 7

Des. Téc.

/ / 2011

13

Divisão de segmentos

 

ELEME TOS OTÁVEIS DO TRIA GULO

Baricentro – Encontro das medianas

 

Circuncentro – Encontro das mediatrizes

Incentro – Encontro das bissetrizes

Ortocentro – Encontro das alturas

Des. Téc.

 

/

/ 2011

14

Círculos

 
 

CÍRCULOS

15. Traçar o círculo circunscrito ao triângulo dado a partir do circuncentro.

 

16. Traçar o círculo inscrito ao triângulo dado a partir do incentro.

Des. Téc.

 

/

/ 2011

15

Círculos

 

CIRCU FERÊ CIA

17. Dados três pontos não colineares, traçar uma circunferência.

+

+

+

18. Dividir uma circunferência em partes iguais utilizando a regra de Bion.

r

n

= 45 mm = 7 partes

Des. Téc.

/ / 2011

16

Circunferências

 

POSIÇÃO RELATIVA

Reta e Circunferência Uma reta pode ser externa, tangente ou secante a uma circunferência:

 

Externa: Reta e a circunferência não possuem pontos em comum. Tangente: Reta e circunferência possuem um único ponto em comum. Secante: Reta e circunferência possuem dois pontos em comum.

Exemplos:

 

Externa

Tangente

Secante

19. Traçar uma reta tangente à circunferência a partir de um ponto P pertencente a ela.

 

r

= 20mm

20. Traçar as tangentes a uma circunferência a partir de um ponto P não pertencente a ela.

 

r

= 20mm

Des. Téc.

 

/

/ 2011

 

17

Circunferência: Posição Relativa

 

POSIÇÃO RELATIVA

Duas Circunferências Duas circunferências podem ser externas, internas, concêntricas, tangentes internas, tangentes externas ou secantes:

Externas: Não possuem pontos em comum. Internas: Não possuem pontos em comum. Concêntricas: Não possuem pontos em comum e possuem o mesmo centro. Tangentes internas: Possuem um único ponto em comum. Tangentes externas: Possuem um único ponto em comum. Secantes: Possuem dois pontos em comum.

Exemplos:

Externas

Internas

Concêntricas

Secantes

Tangentes Externas

Tangentes Internas

TA GE TES COMU S A DUAS CIRCU FERÊ CIAS

Circunferências externas: 4 tangentes comuns (2 exteriores e 2 interiores). Circunferências Tangentes externas: 3 tangentes comuns (2 exteriores e 1 interior). Circunferências Secantes: 2 tangentes comuns (exteriores). Circunferências Tangentes internas:1 tangente comum. Circunferências internas ou concêntricas: Não existem tangentes comuns.

Des. Téc.

/ / 2011

18

Posição Relativa

 

TA GE TES COMU S A DUAS CIRCU FERÊ CIAS

21. Trace as tangentes exteriores comuns as circunferências externas dadas. r 1 = 25 mm r 2 = 20 mm

 

d

(O 1 , O 2 ) = 55 mm

22. Trace as tangentes interiores comuns as circunferências externas dadas. r 1 = 25 mm r 2 = 20 mm

 

d

(O 1 , O 2 ) = 55 mm

Des. Téc.

 

/

/ 2011

 

19

Tang. Comum a Circunferências

 

CO CORDÂ CIA E TRE RETAS E ARCOS

Regra de Concordância: Diz-se que um arco e uma reta estão em concordância em um ponto A, quando a reta é tangente ao arco nesse ponto. Nesse caso, o segmento que liga o centro do arco O ao ponto A é perpendicular a reta tangente. O conjunto reta-arco deve formar uma só linha.

23. Concordar uma reta r em um ponto A com um arco que passe por um

ponto B dado.

+ B

A

24. Concordar duas retas concorrentes r e s com um arco de raio R dado. r = 15 mm

25. Concordar, nas suas origens, duas semi-retas paralelas com sentidos

contrários através de dois arcos.

r

A

B

s

Des. Téc.

/ / 2011

20

Concordância

 

CO CORDÂ CIA E TRE CIRCU FERÊ CIAS E ARCOS

26. Concordar duas circunferências de raios R1 e R2 externas uma a outra, por meio de um arco de circunferência de raio R.

 

R1 = 20 mm R2 = 28 mm

 

d(O1,O2) = 60 mm

 

R

= 30 mm

27. Concordar duas circunferências de raios R1 e R2 internas a um arco de circunferência de raio R.

 

R1 = 20 mm R2 = 15 mm

 

d(O1,O2) = 50 mm

 

R

= 60 mm

Des. Téc.

 

/

/ 2011

21

Concordância

 

EXERCÍCIOS

28. Reproduza a figura abaixo, em folha de papel A4 com margem, de acordo com os procedimentos adequados e as medidas dadas em milímetros e armazene junto às outras pranchas com a numeração 22-b.

e armazene junto às outras pranchas com a numeração 22-b. 29. Reproduza a figura abaixo, em

29. Reproduza a figura abaixo, em folha de papel A4 com margem, de acordo com os procedimentos adequados e as medidas dadas em milímetros e armazene junto às outras pranchas com a numeração 22-c.

dadas em milímetros e armazene junto às outras pranchas com a numeração 22-c. Des. Téc. /

Des. Téc.

/ / 2011

22

Exercícios

TRAÇADO DE OVAIS Oval é uma curva fechada, constituída pela concordância de arcos de circunferência e se classificam em Quanto aos eixos de simetria Regular – possui dois eixos de simetria (arredondada ou alongada) Irregular – possui um eixo de simetria

30. Traçar uma oval regular dados os dois eixos.

 

AB

= 55mm

CD

= 35 mm

31. Traçar uma oval regular arredondada dado o eixo menor.

 

AB

= 45 mm

Des. Téc.

 

/

/ 2011

23

Ovais

 

TRAÇADO DE OVAIS

32. Traçar uma oval regular alongada dado o eixo menor AB = 50 mm.

33. Traçar uma oval regular arredondada dado o eixo maior AB = 70 mm.

Des. Téc.

/ / 2011

24

Traçado de Ovais

 

TRAÇADO DE OVAIS

34. Traçar uma oval regular alongada dado o eixo maior AB = 80 mm.

 

35. Traçar uma oval irregular de 4 centros com AB = 60 mm.

Des. Téc.

 

/

/ 2011

25

Traçado de Ovais

 

36. Traçar uma oval irregular de 6 centros com AB = 70 mm.

37. Reproduza a figura abaixo, em folha de papel A4 com margem, de acordo com os procedimentos adequados e as medidas dadas em milímetros e armazene junto às outras pranchas com a numeração 26-b

dadas em milímetros e armazene junto às outras pranchas com a numeração 26-b Des. Téc. /

Des. Téc.

/ / 2011

26

Traçado de Ovais