Anda di halaman 1dari 107

1

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO


ESCOLA MARECHAL CASTELLO BRANCO

Maj Art JORGE ROBERTO DOS SANTOS SOUZA

A Nova Ordem Mundial, os Novos


Conflitos Internacionais e o Brasil.

Rio de Janeiro
2008
1

Maj Art JORGE ROBERTO DOS SANTOS SOUZA

A Nova Ordem Mundial, os Novos Conflitos


Internacionais e o Brasil.

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado à Escola de Comando e
Estado-Maior do Exército, como requisito
parcial para a obtenção do certificado de
Especialização em Ciências Militares.

Orientador: Maj Cav AMARO SOARES DE OLIVEIRA NETO

Rio de Janeiro
2008
2

Maj Art JORGE ROBERTO DOS SANTOS SOUZA

A Nova Ordem Mundial, os Novos Conflitos


Internacionais e o Brasil.

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado à Escola de Comando e
Estado-Maior do Exército, como requisito
parcial para a obtenção do certificado de
Especialização em Ciências Militares.

Aprovado em 10 de setembro de 2008.

COMISSÃO AVALIADORA

______________________________________________________
Amaro Soares de Oliveira Neto – Maj Cav – Dr. Presidente
Escola de Comando e Estado-Maior do Exército

______________________________________________________
Marco José dos Santos – Maj Inf – Dr. Membro
Escola de Comando e Estado-Maior do Exército

______________________________________________________
Raphael Moreira do Nascimento – Maj MB – Dr. Membro
Escola de Comando e Estado-Maior do Exército
3

À minha esposa Claudinéa e aos meus filhos


Arthur e Letícia pelo amor, carinho e
compreensão.
4

RESUMO

O presente trabalho explora as transformações ocorridas no mundo após a implosão


da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Tal fato, determinou o fim
do confronto Leste – Oeste que vigorava no mundo desde o fim da Segunda Guerra
Mundial, quando o mundo foi dividido em duas áreas de influência. Para tanto, a
Nova Ordem Mundial é analisada de acordo com os quatro principais Campos do
Poder, verificando as mais importantes tendências mundiais, buscando-se
caracterizar a multiplicidade de níveis de conflitos, bem como os novos tipos de
crises internacionais, que ganharam espaço com o novo sistema mundial. Neste
contexto, são identificados aspectos relativos a ONU, seu Conselho de Segurança e
as pretensões do Brasil em relação ao principal organismo internacional, bem como
suas respectivas funções nesse novo cenário. Diante desse novo cenário, são
abordados os possíveis reflexos do re-ordenamento internacional para o Brasil. O
desenvolvimento nacional deve ser facilitado em função das oportunidades surgidas
com o novo sistema, entretanto, a soberania nacional pode ser limitada, de acordo
com os novos interesses internacionais. Finalmente, conclui-se que a Nova Ordem
Mundial projeta condicionantes que advertem sobre a necessidade de o Brasil
desenvolver políticas e estratégias que limitem esses óbices e permitam a
consolidação de seus Objetivos Nacionais Permanentes no início do novo milênio.

Palavras-chave: A Nova Ordem Mundial, os novos conflitos e Brasil.


5

RESEÑA
El actual trabajo explora las transformaciones ocurridas en el mundo después de la
implosión de la Unión de Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Tal hecho,
determinó el final de la confrontación Este - Oeste que exisitió en el mundo desde
el final de la Segunda Guerra Mundial, cuando el mundo fue dividido en dos áreas
de influencia. De tal manera, el Nuevo Orden Mundial és analizado de acuerdo con
los cuatro campos principales de el poder, verificando las tendencias mundiales más
importantes. Luego, si busca caracterizar la multiplicidad de niveles de conflictos, así
como los nuevos tipos de crisis internacionales, que han ganado espacio con el
nuevo Sistema Mundial. En este contexto, se identifican los aspectos relativos a la
Organización de Naciones Unidas, el Consejo de la Seguridad y las pretensions del
Brasil en lo referente al principal organismo internacional de estos días, así como
sus funciones respectivas en este nuevo escenario. Delante de esta nueva escena,
se aborda los posibles efectos del reordenamiento internacional para el Brasil y
como el desarrollo nacional debe ser facilitado en función de las oportunidades que
van a surgir con el nuevo sistema, sin embargo, la Soberanía Nacional puede ser
limitada, de acuerdo con los nuevos intereses internacionales. Finalmente, se
concluye que el Nuevo Orden Mundial proyecta condicionantes que advierten la
necesidad de que el Brasil debe desarrollar políticas y estratégias que limiten esos
óbices y permitan la consolidación de sus Objetivos Nacionales Permanentes en el
incio del nuevo milenio.

Palabras clave: El Nuevo Orden Mundial, los nuevos conflictos y el Brasil.


6

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 – Guerra Fria – Otan x Pacto de Varsóvia ................................... 16


Figura 2 – Presença dos EUA no mundo .................................................... 22
Figura 3 – Blocos Econômicos.................................................................... 30
Figura 4 – Países industrializados .............................................................. 33
Figura 5 – A pobreza no mundo.................................................................. 36
Figura 6 – Divisão Norte Sul ....................................................................... 39
Figura 7 – Imigração - Europa .................................................................... 40
Figura 8 – A guerra ao terror....................................................................... 59
Figura 9 – Estrutura orgânico-funcional da ONU ....................................... 64
Figura 10 – A participação do Brasil em Missões de Paz ........................... 69
Figura 11 – Principais parceiros comerciais do Brasil................................. 76
7

LISTA DE ABREVIATURAS

ALCA Área de Livre Comécio das Américas

ALALC Associação Latino-Americana de Livre Comércio

ALADI Associação Latino-Americana de Integração

BIRD Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento

CSCE Conferência de Segurança e Cooperação Européia

CEE Comunidade Econômica Européia

CSNU Conselho de Segurança das Nações Unidas

CSN Comunidade Sul-Americana de Nações

CDH Comissão de Direitos Humanos

DEA Força Administrativa de Narcóticos do Departamento de Justiça


dos EUA.

FMI Fundo Monetário Internacional

NOM Nova Ordem Mundial

Mercosul Mercado Comum do Cone Sul

ONU Organização das Nações Unidas

OMC Organização Mundial do Comércio

OTAN Organização do Tratado do Atlântico Norte

OEA Organização dos Estados Americanos

ONG Organização Não-Governamental

PIB Produto Interno Bruto

UE União Européia

ZPCAS Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul

EUA Estados Unidos da América

URSS União das Repúblicas Socialistas Soviéticas


8

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO................................................................................. 09
1.1 TEMA............................................................................................... 15
1.2 PROBLEMA..................................................................................... 15
2. A NOVA ORDEM MUNDIAL........................................................... 15
2.1 ANTECEDENTES............................................................................ 15

2. 2 O NOVO SISTEMA POLÍTICO INTERNACIONAL.......................... 21

2. 3 AS CONSEQÜENCIAS ECONÔMICAS DA GLOBALIZAÇÃO...... 28

2. 4 AS CONSEQÜENCIAS SOCIAIS DA GLOBALIZAÇÃO............... 34

2. 5 AS AMEAÇAS INTERNACIONAIS E O NOVO PAPEL DAS FORÇAS


ARMADAS.................................................................................... 41

3. OS NOVOS CONFLITOS INTERNACIONAIS E A ONU............... 50


3.1 A GUERRA ASSIMÉTRICA............................................................. 50
3.2 A GUERRA DE QUARTA GERAÇÃO............................................ 56
3.3 A ONU, O CONSELHO DE SEGURANÇA E O BRASIL................ 63

3.3.1 Considerações Introdutórias....................................................... 63

3.3.2 O CSNU e o Brasil........................................................................ 66


4. REFLEXOS DA NOVA ORDEM MUNDIAL PARA O BRASIL.... 72
5 CONCLUSÃO................................................................................. 87

REFERÊNCIAS............................................................................. 101
9

1 INTRODUÇÃO

1.1 TEMA

As transformações ocorridas no cenário mundial a partir do fim da União


Soviética fizeram surgir uma Nova Ordem Mundial caracterizada pela multiplicidade
de níveis de conflitos. Assim, descobriu-se na década de 1990 um mundo bem mais
complicado a combinar de maneira inédita unilateralismo e negociações
multilaterais. Diante desse cenário, o Brasil, considerado potência emergente
necessita reavaliar os possíveis rumos de sua inserção internacional.
A partir desse ponto de vista, será objeto do presente estudo apenas o
período histórico a partir do último quartel do século XX. Além disso, este trabalho se
propõe a apresentar os possíveis reflexos para a nação brasileira e para a Defesa
Nacional das profundas transformações políticas, econômicas, sociais e militares,
ocorridas no referido período, quando o mundo experimentou, novamente, a
possibilidade real de mais um império global.

Foi a necessidade de financiamento das guerras que esteve na origem


desta convergência entre o poder e a riqueza. Mas desta vez, o encontro
dos “príncipes” com os “banqueiros” produziu um fenômeno absolutamente
novo e revolucionário: o nascimento dos “estados-economias nacionais”.
Verdadeiras máquinas de acumulação de poder e riqueza que se
expandiram a partir da Europa e através do mundo, numa velocidade e
numa escala que permitem falar de um novo universo, com relação ao que
havia acontecido nos séculos anteriores. (J.L.F. , “O PODER
AMERICANO”, Editora Vozes, 2004, P. 34).

Esse tema é clássico na geografia política, na geopolítica, na ciência política


e nos estudos de relações internacionais. Um dos mais importantes teóricos a
abordar esse tema foi o geógrafo e geopolítico inglês Halford J. MacKinder, que
produziu várias obras sobre o assunto no final do século XIX e no início do século
XX.
A idéia de uma Ordem Mundial pressupõe um espaço mundial unificado,
algo que só ocorreu a partir da expansão marítimo-comercial européia dos séculos
XV e XVI. Daí os autores clássicos, em especial aqueles do século XIX, terem
cunhado a expressão grande potência ou potência mundial, indissociavelmente
ligada à idéia de Ordem Mundial. Esta, normalmente é vista como uma situação de
equilíbrio de forças entre os Estados. Afinal é o Estado quem atua nas relações
internacionais e executa tanto a diplomacia quanto a guerra.
10

O conceito de soberania, historicamente, esteve vinculado à racionalização


jurídica do Poder, no sentido de transformação da capacidade de coerção em poder
legítimo. Ou seja, na transformação do Poder de Fato em Poder de Direito.
Bobbio1 indica que o conceito de soberania pode ser concebido de maneira
ampla ou de maneira estrita. Em sentido lato, indica o poder de mando de última
instância, numa sociedade política e, conseqüentemente, a diferença entre esta e as
demais organizações humanas, nas quais não se encontra este poder supremo.
Este conceito está, assim, intimamente ligado ao poder político. Já em sentido
estrito, na sua significação moderna, o termo soberania aparece, no final do Século
XVI, junto com o Estado Absoluto, para caracterizar, de forma plena, o poder estatal,
sujeito único e exclusivo da política.
Com a superação do Estado Absoluto e o conseqüente surgimento do
Estado Moderno, a soberania foi transferida da pessoa do soberano para a Nação,
seguindo a concepção racional e liberal defendida por pensadores como Emanuel
Joseph Sieyès2, expressa em sua obra A Constituinte Burguesa e sistematizada
através da sua teoria do Poder Constituinte.

Sieyès estabeleceu a doutrina da Soberania da Nação, dizendo que “em


toda Nação livre – e toda Nação deve ser livre – só há uma forma de acabar com as
diferenças que se produzem com respeito à Constituição. Não é aos notáveis que se
deve recorrer, é à própria Nação” Foi com essa posição que Sieyès concebeu,
racionalmente, o princípio da Soberania da Nação como instrumento de legitimação
para a instituição do Estado Moderno.
Assim, a proclamação da Soberania como independência ante qualquer
poder externo tornou-se uma manifestação característica e essencial do Estado
Moderno desde seu início. A consolidação do princípio democrático supôs a
reafirmação da soberania com relação ao exterior, passando a ser proibida
qualquer interferência nas decisões internas da comunidade, adotadas livremente
por esta. Em muitos casos, como nos movimentos pela independência colonial,
estavam unidas aspirações pelo estabelecimento do sistema democrático e a
consecução da independência nacional.

1
BOBBIO, Norberto et alii. Dicionário de política. p. 1179.
2
SIEYÈS, Emmanuel Joseph. A constituinte burguesa. p. 113.
11

A Soberania Nacional, nos tempos atuais, debate-se para conciliar-se com


um fato inegável: que as comunidades políticas – os Estados – fazem parte de uma
sociedade internacional, que é regida por normas próprias. O Estado Soberano
encontra-se, forçosamente, vinculado a obrigações externas junto com os demais
Estados, obrigações estas que podem ter origens muito diversas. Podem ser
resultado de tratados bilaterais, de convenções multilaterais ou podem ser resultado
da existência, reconhecida e consolidada, de uma prática costumeira no âmbito
internacional3.
É exatamente essa hierarquia que vai dos grandes Estados, as grandes
potências até os pequenos, esse sistema de países onde na prática há o exercício
do poder pela diplomacia ou, no caso extremo, pela força militar e pelas relações
cotidianas comerciais, financeiras e culturais, o que se convencionou denominar
ordem mundial. Por esse motivo, via de regra se define uma Ordem Mundial pela
presença de uma ou mais potências mundiais.
A relevância desta temática deve-se à necessidade de se refletir a cerca das
possíveis conseqüências, para o Brasil, dos novos parâmetros internacionais
surgidos após o fim da Guerra Fria. Cabe ressaltar que depois da queda do Muro de
Berlim, o bombardeio de Bagdá, em 1991, cumpriu um papel equivalente ao
bombardeio atômico de Hiroshima e Nagasaki, em 1945, definindo a nova estrutura
de poder e a hierarquia do sistema mundial e ao mesmo tempo, reafirmando a
condição hegemônica dos EUA. Contudo, dessa vez, não houve um acordo de paz,
nem havia outra potência com capacidade de negociar ou limitar o poder unilateral
dos Estados Unidos.
Nesse cenário, no qual a definição da política externa norte-americana torna-
se central para definir os próprios limites do sistema internacional, e os
constrangimentos e oportunidades a que estão dispostos os outros atores
internacionais, o tema revela-se fundamental para a compreensão das relações
internacionais do pós-Guerra Fria.

1.2 PROBLEMA
3
CRUZ, Paulo Márcio. Fundamentos do direito constitucional. p. 247.
12

Em uma rápida análise pode-se afirmar que a Nova Ordem Mundial surgiu
com a vitória do capitalismo e da democracia, particularmente, em função da vitória
dos Estados Unidos sobre a União Soviética, numa disputa de estados rivais com
sistemas políticos e militares diferentes. Sem dúvidas, foi exatamente a partir do
triunfo norte-americano que começou, em 1990, a grande transformação geopolítica
do sistema mundial, que segue em pleno curso, no início do século XXI.
Assim, com o fim da Guerra Fria, a democracia liberal teria superado os
totalitarismos e triunfado como o regime mais adequado ao progresso e à liberdade
humana. Por outro lado, os conflitos ocorridos já sob a égide da NOM, mostraram ao
mundo outra realidade. Assim, depois de vencer a Guerra do Afeganistão, os
Estados Unidos lideraram e venceram a Guerra do Iraque, em 2003, e após essas
duas vitórias, as forças norte-americanas não conseguiram reconstruir os dois
países, mostrando que suas intervenções militares não expandiram a democracia
nem os mercados livres.

A reedição do nacionalismo, em diversas regiões do mundo, parece ser a


característica mais marcante deste começo de século e está reorientando a
mudança de desenho da Ordem Internacional no presente. O que se imaginou num
certo momento em que a queda da União Soviética marcava o fim do mundo bipolar
e abria uma perspectiva de maior cooperação e descentralização de poder nas
relações internacionais, foi superado pela atitude dos EUA em busca da reafirmação
de sua hegemonia na cena mundial.

Além disso, não se pode esquecer que os países subdesenvolvidos, nos


quais vivem mais de três quartos da humanidade, são, com exceção de Cuba,
Coréia do Norte e Vietnã, todos democracias, ao menos formais. Desse modo, existe
uma série de problemas no mundo, grande parte deles criados pelo próprio sistema
político e econômico ocidental, que, ao invés de serem solucionados, estão se
agravando cada vez mais.
A solução desses problemas fundamentais passa, necessariamente, pelo
entendimento correto de como funciona o sistema político internacional e deve ser
buscada de forma perene pelos países em desenvolvimento, particularmente o
Brasil, uma vez que o atolamento militar americano no Oriente Médio, e a velocidade
gigantesca do expansionismo econômico chinês, estão provocando, em conjunto,
13

uma rápida fragmentação do sistema mundial, e a volta da luta pelas supremacias


regionais.
O referencial teórico, do presente trabalho, se concentra no movimento de
expansão e nas transformações estratégicas do poder global dos Estados Unidos e
tem por base bibliográfica, o desenvolvimento dos seguintes assuntos: o projeto
norte-americano de construção de um império global; a Nova Ordem Mundial; o
reaparecimento e a universalização dos estados nacionais; as novas ameaças
internacionais do pós-Guerra Fria; a estrutura e o papel da Organização das Nações
Unidas; o novo papel das Forças Armadas; os conflitos assimétricos e a política
externa brasileira.
Ao terminar o século XX, a distribuição geopolítica das novas bases militares
norte-americanas não deixa dúvidas sobre a existência de um novo “cinturão
sanitário”, separando a Alemanha da Rússia, e a Rússia dos países do Oriente
Médio, e sobre a existência de um novo poder militar global, com o controle
centralizado de uma infra-estrutura mundial de poder, com mais de 700 bases ao
redor do mundo, com acordos de apoio militar recíproco com cerca de 130 países,
com o controle soberano de todos oceanos, e com a capacidade de intervenção
quase instantânea, em qualquer ponto do espaço aéreo mundial.
O Brasil sempre teve um caráter não confrontacionista. Defende o princípio
da autodeterminação e seu corolário, a não-intervenção. Sempre foi a favor da
solução pacífica de contenciosos e sempre condenou o uso da força para a
obtenção de resultados externos.

Art. 4º (Constituição da República Federativa do Brasil ) A República


Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos
seguintes princípios:
I - independência nacional;
II - prevalência dos direitos humanos;
III - autodeterminação dos povos;
IV - não-intervenção;
V - igualdade entre os Estados;
VI - defesa da paz;
VII - solução pacífica dos conflitos;
VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo;
IX - cooperação entre os povos para o progresso da
humanidade;
X - concessão de asilo político.
14

Parágrafo único. A República Federativa do Brasil buscará a integração


econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à
formação de uma comunidade latino-americana de nações.

As modificações decorrentes de seu crescimento e dos novos parâmetros


mundiais exigem que se explicite, agora, uma nova postura, por ter sido o País
alçado a um plano de poder mais alto do que os seus vizinhos, o que o colocou em
um espaço menos tranqüilo da nova arena internacional.
As amplas bases demográfica e territorial, bem como a disponibilidade de
recursos naturais, assentadas na diversificada fisiografia nacional, conformam
cenários diferenciados que demandam, ao mesmo tempo, uma política geral e
integrada e uma abordagem específica para cada região brasileira, em face dos
novos desafios que se apresentam.
Certamente, um país com características deste tipo, tem um importante
papel a desempenhar no sistema internacional, ou mesmo no contexto regional.
Destarte, devem-se analisar os desenvolvimentos brasileiro e internacional, com
vistas a melhor compreender a inserção internacional do Brasil além das
interferências externas na formação do Estado e da sociedade brasileira.
Nesse contexto, o presente trabalho pretende: 1) verificar os parâmetros
internacionais surgidos com a Nova Ordem Mundial; 2) verificar os principais
conflitos internacionais do periodo pós-Guerra Fria; 3) verificar a Politica Externa
brasileira adotada em face da nova conjuntura internacional; 4) verificar as possíveis
conseqüências, para o Brasil, dos novos parâmetros internacionais surgidos após o
fim da Guerra Fria; e 5) concluir sobre os modelos alternativos de interpretação do
papel do Brasil como âncora regional na América do Sul e suas relações com os
atuais centros mundiais de poder.
15

2 A NOVA ORDEM MUNDIAL

2.1 ANTECEDENTES

O relacionamento soberano entre as nações, ao contrário do que faz


aparentar a retórica diplomática, são pautadas pelo interesse e poder dos Estados.
Quando fatos novos fazem modificar interesses ou uma relação de poder entre
países, modificam-se as suas alianças, alterando o conseqüente equilíbrio de forças.

A história dos últimos cinqüenta anos do século vinte foi inteiramente


condicionada pelos resultados da Segunda Guerra Mundial. Ao final dela, depois de
ter-se dissipado a fumaça e em meios aos escombros que cobriam 50 milhões de
mortos, os Estados Unidos conquistaram o título de única superpotência mundial. As
bombas atômicas, lançadas sobre o Japão, produziram um impacto psicológico
muito maior que material, direcionando o mundo à aquisição desta nova tecnologia,
que se tornou o marco divisor entre os EUA e os demais países.

Contudo, o título de única superpotência, o qual colocava os EUA em uma


posição ímpar, durou poucos anos. Em 1949 a então União Soviética explodiu sua
primeira bomba atômica e um novo episódio político teve início na história da
civilização, o capítulo histórico chamado de Guerra Fria, iniciado em 1945, ganha os
ares ameaçadores da corrida nuclear. Neste mesmo ano inicia a Revolução
Comunista na China. Agora, os EUA possuíam dois potenciais rivais grandes e
distantes.

No sábado, 3 de setembro de 1949, enquanto a maior parte dos EUA se


preparava para gozar o feriado do dia do trabalho, um bombardeiro B-29
adaptado fazia um vôo rotineiro de reconhecimento meteorológico entre o
Japão e o Alasca. Mas a meteorologia não era o único objetivo: por mais de
um ano, a força aérea dos EUA vinha retirando amostras da atmosfera em
busca de traços de radioatividade, para ajudar os cientistas americanos a
avaliar o progresso da pesquisa de armas atômicas da URSS. Era uma
precaução desnecessária, na opinião de muitos, convencidos de que faltava
aos soviéticos a tecnologia para fazer uma bomba e de que o monopólio
nuclear da América duraria anos. No entanto, 5.500 metros acima da
península Kamchatka, vestígios de um estranho pó fizeram os contadores
geiger dispararem. As amostras recolhidas pelo bombardeiro iriam estragar
o fim de semana do governo americano, de sua Comissão de energia
Atômica (CEA) e de suas equipes militares. É que os isótopos recolhidos
eram a prova de que a União soviética havia explodido uma bomba atômica
de tipo avançado, melhor do que o próprio trabalho inicial americano. A
liderança dos Estados Unidos tinha durado exatamente 49 meses. Agora,
também seu maior inimigo dispunha da terrível arma que destruíra
Hiroshima e Nagasaki em 1945. Para a União Soviética, os Estados Unidos
16

ameaçavam a paz mundial; a bomba russa simplesmente restaurava o


equilíbrio entre as grandes potências; a política norte-americana de
contenção e repressão aparecia como “exclusão” e “intimidação”.
4
(Adaptação do artigo de DAVID REYNOLDS ).

Nesse ambiente, instalou-se no mundo um sistema bipolar de forças, ficando


o bloco ocidental sob o regime capitalista, capitaneado pelos EUA e o bloco oriental
organizado sob regime comunista, liderado pela URSS. Esses dois países trataram
de armar-se, lançando-se na mais perigosa e custosa corrida armamentista de todos
os tempos.

Figura 1 – Guerra Fria – Otan X Pacto de Varsóvia

Fonte: http://www.arikah.net/enciclopedia-espanola/Guerra_Fr%C3%ADa

A chamada Guerra Fria se iniciou quando as duas superpotências tentaram


influenciar outros países acerca de seus sistemas políticos, econômicos e militares.
A União Soviética buscava implantar o socialismo em outros países para que
pudessem, supostamente, expandir a igualdade social e econômica, enquanto os
Estados Unidos tentavam influenciar outros países com o sistema capitalista que se
baseava na democracia e na economia de mercado.

Com esse propósito, as duas superpotências começaram a disputar


parceiros estratégicos por todo o planeta, financiando intervenções, criando
4
David Reynolds é membro e diretor de Estudos de História da Faculdade Christ – Universidade de
Cambridge.
17

organizações e fomentando guerras onde um tinha, de forma indireta, o outro como


rival. Enquanto isto, na Europa, iniciava-se o plano de contenção do socialismo,
pelo apoio ao Plano Marshal5 e, na Ásia, houve a intervenção americana, através do
Plano Colombo e participação nas guerras do Vietnã e Coréia.

Com tais condições, esse período histórico teve características peculiares e


paradoxais, pois, apesar da ausência de confronto, já que num eventual embate
pouco sobraria do planeta, a corrida armamentista não tinha fim, porque cada salto
tecnológico exigia renovação dos arsenais.

Em 1949, os Estados Unidos juntamente com seus aliados criam a OTAN


(Organização do Tratado do Atlântico Norte) que tinha como objetivo manter
alianças militares para que estes pudessem se proteger em casos de ataque. Em
contra partida, a União Soviética assina com seus aliados o Pacto de Varsóvia que
também tinha como objetivo a união das forças militares de toda a Europa Oriental.

Em 1973, após uma longa fase de provocações de ambos os lados, as


superpotências concordam em desacelerar a corrida armamentista, fato conhecido
como Política da Détente. Posteriormente, em 1985, com a subida ao poder do líder
soviético Mikhail Gorbatchov, a tensão e a guerra ideológica entre as superpotências
começam a diminuir.
Às vésperas do ano de 1990, ainda existiam duas Alemanhas e continuava
de pé o Pacto de Varsóvia, a aliança militar do bloco socialista da qual a Alemanha
Oriental fazia parte. Inicialmente, a proposta de reunificação não foi bem recebida
pela França, Grã-Bretanha e outros países europeus, que temiam o ressurgimento
da grande potência germânica, berço do nazismo e de ambições históricas de
hegemonia sobre a Europa. Dentro da própria Alemanha Ocidental, a oposição
argumentava que o lado capitalista teria de arcar com um preço muito alto para
modernizar as empresas obsoletas e adaptar as estruturas sociais da Alemanha
Oriental.

5
O Plano Marshall, também conhecido como O Programa de Reconstrução da Europa – foi
anunciado pelo secretário de Estado americano George C. Marshall em 5 de junho de 1947.
Dezesseis Estados Europeus – Áustria, Bélgica, Dinamarca, Irlanda, França, Grécia, Islândia, Itália,
Luxemburgo, Holanda, Noruega, Portugal, Suíça, Suécia, Turquia e Inglaterra – se tornaram
beneficiários do dinheiro norte-americanos. Embora as 16 nações (Mais a Alemanha Ocidental,
representada pelas forças aliadas), inicialmente tivessem requisitado $ 29 bilhões de dólares pra
cobrir o déficit de cada país, durante o período de 1948-52, somente $12.5 bilhões de dólares foram
enviados.
18

Em 7 de junho de 1990, o Pacto de Varsóvia anunciou que deixaria de


exercer suas funções militares, o que representava, na prática, o fim da aliança
socialista. Acabava, assim, o único grande obstáculo geopolítico à reunificação das
duas Alemanhas. Exatamente em 3 de outubro daquele ano, a Alemanha Oriental
deixava de existir.
Com o apoio dos Estados Unidos, a potência germânica renascia no coração
de uma Europa perplexa e preocupada. Nessa época, a União Soviética atravessava
uma das piores crises de sua história. O líder Mikhail Gorbatchev era acusado de
traidor por seus adversários. Além disso, ganhavam força os movimentos de
independência nas 15 repúblicas soviéticas. O país estava politicamente paralisado,
ao passo que uma crise econômica sem precedentes afetava o nível de vida da
população. A União Soviética ainda era uma potência militar, mas já não possuía a
estatura de uma superpotência.

Ainda nesse mesmo ano de 1990, a Conferência de Segurança e


Cooperação Européia ( CSCE ), encerrada com o Acordo de Paris, assinalou
oficialmente o fim do confronto entre a Otan e o Pacto de Varsóvia e iniciou o
processo de afirmação da Comunidade Econômica Européia ( CEE ), como pólo de
poder sob a liderança Franco-alemã.

O término do conflito reduziu a intensidade do aspecto político-militar no


relacionamento entre as nações, deixando de ser decisivos e passando a atuar mais
como elemento de dissuasão ou persuasão. Por outro lado, o domínio da ciência e
da tecnologia, o poderio econômico e a cultura, passam a ser fundamentais no novo
cenário mundial.

De acordo com esses novos parâmetros, o fim da Guerra Fria e o colapso da


URSS acarretaram uma profunda transformação no cenário internacional, com os
EUA assumindo a condição de única superpotência, apesar de certas limitações
políticas e econômicas que restringem, sem dúvida, a sua atuação imperial e os
levam a procurar, em alguns casos, o apoio da comunidade internacional e do
Conselho de Segurança da ONU. É, porém, a sua incontrastável superioridade
militar que assegura a sua hegemonia.

Ao ocupar tal posição hegemônica, os EUA passaram a adotar o combate ao


narcotráfico como a nova bandeira de luta do "bem contra o mal". Em nome dela, os
norte-americanos procuravam justificar ingerências na América Latina,
19

especialmente no Brasil, Colômbia, Bolívia, Peru e Equador. Enfim, nos países da


região da Amazônia internacional, uma reserva natural estratégica que, sem dúvida,
seria de importância crucial no próximo século.

A invasão do Panamá foi uma das primeiras ações internacionais norte-


americanas depois da queda do muro de Berlim. Naquele momento, já estava
evidente que a Casa Branca tinha nas mãos o poder de articular todas as iniciativas
na defesa de seus interesses.

Mas foi durante a crise do Golfo Pérsico que os Estados Unidos


consolidaram seu novo papel no cenário mundial. Em agosto de 1990, o ditador
iraquiano Saddam Hussein ordenou a invasão e ocupação do vizinho Kuwait, sob a
alegação de que historicamente o pequeno país fazia parte do Iraque.

O presidente norte-americano, George Bush, reagiu energicamente. Exigiu


que a Organização das Nações Unidas, a ONU, adotasse uma série de medidas
punitivas, incluindo um amplo boicote econômico ao Iraque. Hussein recebeu um
ultimato: teria de sair do Kuwait até o dia 15 de janeiro de 1991. A crise no Golfo
Pérsico evidenciava a nova postura diplomática dos Estados Unidos.

Foi dessa forma que os norte-americanos pretenderam convencer o mundo


de que os Estados Unidos, a grande potência vencedora da Guerra Fria, era
também a guardiã dos valores democráticos, dos valores ocidentais.( José
Arbex Jr. - Jornalista).

Nos tempos da Guerra Fria, as principais questões mundiais eram decididas


pelo Conselho de Segurança da ONU, um âmbito de decisões em que Moscou e
Washington exercitavam seu poder de veto de acordo com o vai-e-vem das tensões
entre as superpotências. Na crise do golfo, esse jogo já não existia. Os Estados
Unidos tomavam todas as iniciativas. Entre o a invasão do Kuwait, em agosto de
1990, e o fim do prazo para a retirada dos iraquianos, em janeiro de 1991, o
presidente Bush enviou 500 mil soldados americanos ao Golfo Pérsico.

Nesse ambiente de mudanças estruturais, os Estados alteram seus


interesses, na medida que se alteram suas demandas internas. A nova Ordem
Internacional imposta pelo fim da Segunda Guerra, influenciada inicialmente pela
Guerra Fria e depois pelos efeitos da derrocada do comunismo, viu seu equilíbrio ser
gradativamente alterado do pólo da competição militar para o da competição
econômica.
20

Na realidade, o fim da Guerra Fria deu lugar a duas tendências


diametralmente opostas, a da integração, nas regiões centrais e desenvolvidas,
caracterizada pela formação de blocos econômicos e a de desintegração advinda da
exacerbação de nacionalismos e de movimentos separatistas em diversas regiões
do mundo, particularmente nas periféricas.

Em função dessas tendências, a Nova Ordem Mundial apresentou, desde a


sua implantação, uma faceta geopolítica e outra econômica. Na geopolítica, houve
uma mudança para um mundo multipolar, no qual as potências se impõem mais por
seu poder econômico de que bélico. Na economia, o que aconteceu de novo foi o
processo de globalização e a formação de blocos econômicos supranacionais, os
quais passaram a ditar os novos rumos da humanidade.

De acordo com esses novos rumos, a partir da desintegração da própria


URSS, em 1991, o conflito entre capitalismo e comunismo cedeu lugar às
contradições existentes entre o hemisfério norte, que reúne os países desenvolvidos,
e o hemisfério sul, onde está a maioria dos subdesenvolvidos, nos quais se
encontram as maiores reservas naturais do planeta.

Assim, o fim da Guerra Fria deu ao neoliberalismo a hegemonia, econômica,


política, ideológica e militar do Planeta. O Século XXI começou com o mundo
economicamente globalizado e dividido por muros que separam as economias dos
mais pobres das dos países mais ricos. O conflito Norte X Sul ocupou o espaço
antes ocupado pela visão ideológica do mundo. Dois fundamentalismos ocuparam o
espaço global: o religioso e o de mercado.

Com o desaparecimento do conflito ideológico, as novas conjunturas


trouxeram novos desafios e ameaças aos países do hemisfério sul, sobretudo para
as nações sul-americanas que já possuíam antigos e variados problemas.
Entretanto, trouxeram também novas oportunidades políticas e econômicas que
criaram a possibilidade de uma ação conjunta para atender a interesses e a
problemas comuns.

Entre 1989 e 1991 os acontecimentos precipitaram-se de forma acelerada,


reformulando toda a estrutura das relações de poder no sistema
internacional, tendo a ordem unipolar substituído a bipolar (ALMEIDA e
RATO, 2004, P.39).
21

2.2 O NOVO SISTEMA POLÍTICO INTERNACIONAL

No início do século XXl, um dos maiores desafios que ainda permanece no


campo das relações políticas internacionais é compreender as transformações que
foram e vem sendo produzidas desde 1989 pelo fim da Guerra Fria.

Apesar de se ressaltarem as inúmeras tendências de transformação


presentes, continua-se a denominar este período como pós-Guerra Fria. Até hoje,
não foi criada uma nova denominação para o cenário e muitas foram às hipóteses
levantadas para explicá-lo, alternando-se fases de otimismo e pessimismo na
avaliação dos rumos da política mundial.

A partir dessas transformações, o Sistema Político Internacional pós-


bipolaridade tem apresentado como principal característica a dinamicidade e a
interdependência nas relações entre os Estados soberanos, decorrente do atual
processo de regionalização e globalização. Tal processo tem sido responsável pela
constante integração dos países mais desenvolvidos, formando verdadeiros pólos
econômicos concentradores da riqueza mundial.

Diante dessa conjuntura, ao mesmo tempo conflituosa e cooperativa, as


normas internacionais refletem sua fragilidade ou mesmo incapacidade de
acompanhar o poder intrínseco dos países que apresentam uma influência direta e
imediata nas relações internacionais.

No início da década de 1990, havia um relativo consenso sobre o poder


acumulado pelos EUA, tanto militar e político, quanto econômico e cultural. De fato,
o fim da União Soviética eliminava o que, durante décadas, foi considerada a
principal ameaça à segurança nacional norte-americana e de seus aliados
ocidentais.
Em função de sua alongada duração, a Guerra Fria projetou os EUA para a
linha de frente das crises internacionais em escala global. Assim, após o final da
Segunda Guerra Mundial, os norte-americanos descartaram de vez a sua tradicional
política isolacionista quanto aos assuntos internacionais, adotando uma nítida
política de comprometimento intervencionista em nível mundial.
22

Figura 2 – Presença dos EUA no mundo


Fonte:http://content.answers.com/main/content/wp/en/thumb/3/30/300px US_military_bases

Em decorrência dessa proeminência mundial, os EUA, praticamente,


assumiram, desde a Guerra do Golfo de 1991, o papel de polícia do mundo,
particularmente, nas áreas onde seus interesses diretos poderiam ser ameaçados.
Ao ocupar essa posição, os norte-americanos vêm desenvolvendo atitudes
visivelmente unilateralistas. De fato, ao longo das últimas décadas, suas políticas
começaram a parecer despóticas, auto-indulgentes e insensíveis com relação aos
interesses alheios, o que tem lhes conferido um alto preço a pagar.
Marca patenteada desse unilateralismo foi que as relações com grandes
potências como a China e a Rússia foram menosprezadas e a promoção da
democracia e dos direitos humanos fez-se de maneira desigual no âmbito regional.
O mesmo comportamento repetiu-se frente à negociação dos regimes internacionais
de baixa política, como o Protocolo de Kyoto ou a negativa norte-americana em
ratificar o Tribunal Criminal Internacional.
23

De acordo com Samuel Huntington6, os principais interesses dos EUA num


mundo não mais bipolar, seriam: primeiro, preservar a posição de única potência
global7; segundo, evitar o surgimento na Eurásia de outra potência que viesse a
desafiar ou ameaçar o poder norte-americano; e por último, proteger os interesses
econômicos norte-americanos, principalmente no Golfo Pérsico e América Central8.
De acordo com Francis Fukuyama9, na fase inicial desse novo período,
predominou o otimismo gerado pela queda do império comunista soviético e o
suposto desaparecimento desta ideologia, substituída pelos valores universais do
liberalismo e da democracia. Fortalecidos pela interdependência e globalização, os
princípios ocidentais consolidavam-se como a regra de comportamento político e
estratégico, indicando o fim da história e a emergência de um pensamento único.
Mesmo a Guerra do Golfo10 indicando que as motivações normais da política e do
confronto permaneciam.

Na verdade, esse conflito, ocorrido entre 1990 e 1991, foi percebido como
uma prova da disposição renovada da comunidade internacional em repudiar
violações às normas existentes. A eficiência da coalizão liderada pelos americanos
via Nações Unidas e materializada na Operação Tempestade do Deserto refletia um
consenso em direção à construção de um mundo unido.

Todavia, a questão Iraquiana não foi a única exceção para a comunidade


internacional. Logo depois da Guerra do Golfo, novas intervenções na África, Oriente

6
Nascido em 18 de abril de 1927, Samuel Phillips Huntington é cientista político, professor da
Harvard University. Ganhou notoriedade no meio acadêmico nos anos 1960, com a publicação de
Political Order in Changing Societies.
7
A definição de potência global atribuída aos Estados Unidos não desconsidera a ascensão de novas
grandes potências no pós Guerra Fria. Mas em meados da década de 1990, quando o cenário se
tornaria mais claro, observa-se que nenhuma tinha capacidade de rivalizar com os Estados Unidos
em todas as áreas, e em todas as regiões do mundo.
8
HUNTINGTON, Samuel P. “A Mudança nos Interesses Estratégicos Americanos”. Política Externa,
v.1, n.1, São Paulo: Paz e Terra, junho, 1992, pp.16-30.
9
O artigo de Fukuyama, com o título "The end of history” apareceu em 1989, na revista norte-
americana The national interest. Em 1992, Fukuyama lançou o livro The end of history and the last
man, editado no Brasil com o título “O fim da história e o último homem”, trad. Aulyde Soares
Rodrigues, Rocco, Rio de janeiro, 1992.
10
A Guerra do Golfo foi um conflito militar iniciado em 2 de agosto de 1990 na região do Golfo
Pérsico, com a invasão do Kuwait por tropas do Iraque. Esta guerra envolveu uma coalização de
forças de países ocidentais liderados pelos Estados Unidos da América e Grã Bretanha e países do
Oriente Médio, como a Arábia Saudita e o Egito, contra o Iraque.
24

Médio, ex-Iugoslávia e ex-repúblicas soviéticas vieram demonstrar que essas ações


se tornariam freqüentes.

Para as grandes potências tal procedimento tem vantagens evidentes. Por


um lado, atenua-se o estigma associado à ação unilateral arbitraria e
freqüentemente cruenta. Por outro, amplia-se a efetividade e o escopo do controle
sobre a conduta dos países menores. Sanções diplomáticas ou econômicas, por
exemplo, têm sua eficácia reduzida quando não são adotadas coletivamente.
Deve-se destacar que a premissa do declínio se manteve até o início da
década de 1990, tendo surgido em meados da década de 1980, baseada nos
crescentes déficits públicos e comerciais. Como os soviéticos, os americanos
haviam desviado muitos recursos de sua sociedade e economia para a Guerra,
ainda que ela fosse “fria”, e se encontravam esgotados depois do encerramento do
conflito não sendo possível reformar sua sociedade.

Assim, entre 1992 e 1993 tem início um período pessimista do pós-Guerra


Fria, na qual acumularam-se tentativas de contestar e transformar a ordem ocidental
que supunha-se intocável. Neste período, as hipóteses centrais foram as do choque
entre civilizações e a do declínio americano. Elaborada por Samuel Huntington, a
idéia do choque defendia a fragmentação do sistema, sustentando que o conflito
capitalismo / socialismo seria substituído pelas disputas civilizacionais, orientadas
segundo linhas culturais, étnicas e religiosas.

Por outro lado, as avaliações sobre o declínio, como as de Paul Kennedy11,


indicavam o desaparecimento no curto prazo da hegemonia americana e a sua
substituição por um equilíbrio de poder. Apesar de ainda participarem deste
equilíbrio, no qual também estariam presentes mais outras quatro potências a
Rússia (representante da ex-União Soviética), a China, o Japão e a União Européia
(ou a Alemanha), os EUA haviam encerrado a sua era de domínio. Ou seja, as
relações internacionais estavam inevitavelmente caminhando novamente para a
instabilidade.

Porém, o declínio não se tornou real, predominando a visão dos que


defendiam a possibilidade de recuperação da potência hegemônica, conhecida

11
Paul Kennedy : historiador inglês, Professor da Universidade Yale e autor do best-seller
Ascensão e Queda das Grandes Potências. Conhecido pela tese que desenvolveu na década de
1980 sobre a “superextensão imperial” dos Estados Unidos.
25

como renovacionistas. De fato, os EUA passavam por uma retração de poder, mas
poderiam facilmente se recuperar por meio de uma nova articulação de políticas
domésticas e externas, inexistindo desafiadores reais a seu poder global.

Com isso, a partir de 1994 inicia-se a última fase da década inicial de


transição, conciliando análises otimistas e pessimistas. Desmistificaram-se as
premissas do fim da história, da nova ordem ou desordem, mostrando sua
importância para entender o contexto como interpretações parciais, retomando-se os
debates sobre o futuro da estratégia e do poder dos EUA.

Em relação à desordem, passou-se a compreender que o encerramento da


bipolaridade havia provocado o descongelamento e não o fim da política
internacional, pois haviam sido eliminados os elementos que sustentaram o
equilíbrio do terror soviético / americano, os riscos da aniquilação mútua e também
os constrangimentos do alinhamento obrigatório Leste / Oeste.

Em decorrência disso, as relações internacionais retomaram seu curso


natural de cooperação, conflito e os enfrentamentos a sua natureza própria. Ao lado
das ameaças convencionais, perigos transnacionais foram ampliados, destacando-
se proliferação do domínio da tecnologia para produção de armas nucleares, o
terrorismo e o crime internacional.

Além dessas novas ameaças, tornou-se imperioso reconhecer que o


comunismo como fator de oposição sistêmica ao capitalismo havia se esgotado, mas
isso não significou o seu desaparecimento ou a consolidação do modelo liberal-
democrático. Desse modo, o comunismo é ainda uma ideologia presente e pode,
sofrendo adaptações, recolocar-se como uma alternativa viável.

De acordo com essa realidade, mesmo após o colapso da URSS, duas


novas vias de esquerda estariam ganhando força: a chinesa do socialismo de
mercado que concilia reformas econômicas graduais a uma estrutura política
tradicional e a propagada pela moderna esquerda européia liderada por Tony Blair12,
mesclando social-democracia e neoliberalismo.

12
Anthony Charles Lynton Blair é um político britânico, tendo ocupado o cargo de primeiro-ministro do
Reino Unido de 2 de maio de 1997 a 27 de junho de 2007, de líder do Partido Trabalhista de 1994 a
2007 e de membro do Parlamento Britânico de 1983 a 2007.
26

Por outro lado, em algumas regiões do mundo, ainda continua existindo uma
grande resistência e oposição às idéias ocidentais, assim como existem, dentro do
capitalismo, diversas formas de ação. Não há, portanto, uma homogeneização dos
Estados em torno de um referencial único, apesar da supremacia alcançada pelos
EUA, em 1989 com o fim da Guerra Fria.

Neste quadro, também passaram a ser percebida sem ilusões a transição


das ex-sociedades socialistas. Na ausência de instituições domésticas, somadas às
dificuldades das crises econômicas e políticas, as nações do centro e leste europeu,
e mesmo a russa, não conseguiram completar suas reformas, assistindo-se ao
desmanche do Estado anterior sem a sua substituição por outro arranjo.

Globalmente, o debate recuperou uma dimensão negligenciada: a da


continuidade das instituições políticas, econômicas e de segurança criadas pelos
EUA no pós-1945. Apesar de ajustes serem necessários, as estruturas de
cooperação e negociação haviam sobrevivido e o mundo não se encontrava imerso
na desordem ou totalmente desprovido de referenciais, bastando-se lembrar da
ONU, FMI, Banco Mundial, cujas atividades permaneceram e, até mesmo ganharam
força.

De fato, os norte-americanos, como organizadores do sistema capitalista


moderno, podem ser identificados como a autoridade máxima que rege o processo
de globalização através de sua política externa. Esta, atualmente, pode ser
identificada a partir do documento dado a conhecer em 20 de setembro de 2002 e
intitulado de “Estratégia para a Segurança nacional dos Estados Unidos”.

Por outro lado, a China, vem mantendo sua unidade nacional e preservando
suas altas taxas de desenvolvimento. Com isso, esse país vem alcançando um nível
de eqüipolência com os EUA, com enormes possibilidades de se tornar outra
superpotência. Da mesma forma, a Rússia, se persistir na linha de recuperação
nacional instituída por Vladimir Putin13 tende, dentro de algumas décadas, a
recuperar, em nível tecnológico muito mais alto, sua antiga posição de potência.

Dentro dessa perspectiva, uma possível nova polarização, em meados do


século XXI, pode se defrontar, como no caso da precedente polarização americano-

13
Vladímir Vladímirovitch Putin, foi diretor para assuntos externos da KGB da União Soviética. Em
1991 renuncia ao cargo da KGB e prossegue na carreira política. é o atual presidente da Rússia.
27

soviética, com a inviabilidade de um desfecho nuclear, iniciando-se, assim, um


perigoso e longo período de uma hostil coexistência. Esse equilíbrio poderá ser, da
mesma forma, rompido, como no precedente caso americano-soviético, pela
desarticulação de um dos novos blocos de poder que estão tomando forma.

Enquanto isso não acontece, o poderio econômico vem configurando um


regime de estratificação internacional que situa os países em três níveis. Na cúpula,
situa-se, como país dominante, os EUA, seguidos, em menor escala, pelo Japão e
pela União Européia. Na base, encontram-se quase todos os demais países, na
condição de países dependentes.

Dentro dessa estratificação internacional, encontram-se, em posição


intermediária os países que se poderia denominar de emergentes. Assim, além da
China, outras nações como a Rússia, a Índia e o Brasil, tendem a ocupar um espaço
no cenário internacional condizente com a situação de potências regionais.
Evitando-se, dessa forma que os EUA consigam converter sua atual
unimultipolaridade14 numa incontrastável unipolaridade, instituindo, por longo prazo,
uma Pax Universalis, como previra Kant15, em fins do século XVIII.

2.3 AS CONSEQÜÊNCIAS ECONÔMICAS DA GLOBALIZAÇÃO

A intensificação do processo de globalização, caracterizado pelo aumento do


comércio mundial, evidencia, cada vez mais, que essa realidade não é apenas mais
um desdobramento na ordem econômica mundial. Sua abrangência tem sido muito
maior e sua ascendência histórica se mostra diversificada e de grande riqueza. Seu

14
A expressão "unimultipolaridade" de refere-se ao sistema híbrido em que a potência hegemônica
articula com potências regionais menores no exercício de sua liderança coercitiva atualmente. Cf.
HUNTINGTON, Samuel. A superpotência solitária. Política Externa. São Paulo, Paz e Terra, março
de 2000. p. 18-19.
15
Immanuel Kant: estudou no Colégio Fredericianum e na Universidade de Königsberg. Em 1755,
doutorou-se em filosofia. Em 1770, tornou-se catedrático em matemática e lógica na Universidade
de Königsberg.
28

impacto alcança quase todas as atividades humanas. Seu rumo está orientando os
destinos da humanidade.

O atual processo se distingue da mundialização da economia à maneira do


século XVI, com a expansão marítima e comercial liderada por Portugal. Difere,
também, da segunda ou terceira onda do colonialismo no final do século XIX.
Ultrapassa a revolução do fordismo industrial da primeira metade do século passado.
É substancialmente mais complexa e mais profunda que esses importantes
antecedentes históricos, mas com eles guarda inegável grau de afinidade ou
parentesco.
Ainda está por ser completada a análise da globalização como uma segunda
onda da transnacionalização, onda acelerada pela revolução tecnológica e tornada
politicamente possível pelo vácuo deixado pelo colapso da URSS. O fim do
socialismo burocrático criou as condições necessárias à inauguração de nova etapa
do sistema mundial de mercado.

Com o fim do comunismo, os antigos países socialistas abriram suas


fronteiras e seus mercados. No ocidente, os países detentores de tecnologias
avançadas, como Alemanha e Japão, já não precisavam se submeter à lógica da
Guerra Fria e à liderança dos EUA. O resultado foi o início de uma feroz disputa pelo
mercado mundial. Em junho de 1991, os norte-americanos lançaram uma ofensiva
em seu comércio exterior com a "Iniciativa Para as Américas", um plano que
pretendia criar um mercado unificado do Alasca à Terra do Fogo.

No momento em que tais condições se materializavam, os países da


América Latina passavam por uma grave crise econômica, caracterizada por elevada
dívida externa, estagnação econômica, inflação, recessão e desemprego; em parte
causado pelo choque do preço do petróleo16 (1973 e 1979). Nesse quadro, a região
aparecia como um mercado consumidor atraente e poderoso. Apenas o Brasil,
sozinho, com todos os seus problemas, representava um mercado potencial de 140
milhões de habitantes, com o décimo Produto Interno Bruto do mundo, algo em torno
de 500 bilhões de dólares.

16
Embargo lançado pela Opep em 1973 pela Arábia Saudita e acompanhado pelos países árabes,
aos mercados dos EUA e da Europa.
29

Na realidade, não apenas os grandes aumentos do preço do petróleo


causaram o abalo na economia mundial. Na ocasião, estava sendo impulsionada a
última fase da Revolução Industrial, ou Revolução Tecnocientífica, caracterizada
pelo surgimento de inovações na área da informática, transmissão de informações,
da automação e da robotização dos processos produtivos, reduzindo o uso intensivo
de mão-de-obra, valorizando a qualificação do pessoal, adotando novos
procedimentos gerenciais e privilegiando a produtividade.

Em função dessas importantes inovações, o panorama internacional ao final


da década de 1990 apresentava um caráter paradoxal. Por um lado, predominava a
sensação de se estar vivendo uma profunda desordem econômica internacional.
Acontecimentos tais como a atual crise financeira, afetando a Ásia e a Rússia
geraram novas propostas para a regulamentação do sistema financeiro
internacional, e encontros internacionais tais como o Fórum Econômico Mundial
tornaram-se palcos de debate sobre a chamada “ordem internacional” e as
possibilidades de uma reforma que viesse disciplinar o pânico e o caos causado pela
instabilidade dos fluxos econômicos internacionais. Sob tal ótica, o sistema mundial
parecia cada vez mais fragmentado e desregulado.

Tal situação era o resultado de regimes internacionais desenvolvidos no seio


de instituições, tais como o G-7, o Fundo Monetário Internacional (FMI), a
Organização Mundial do Comércio (OMC), o Banco Mundial, a União Européia e a
Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que, desde o
início, são dominadas por alguns Estados apenas: os EUA, o Reino Unido, a
Alemanha, a França e o Japão.
Por outro lado, a essa época, outra característica marcante do atual sistema
internacional ganhava espaço, a formação de blocos de integração regional. Esta se
apresentou como uma tendência contrária a desregulação e fragmentação, levando
não só a um maior ordenamento e a uma institucionalização crescente das relações
econômicas internacionais como também, em alguns casos, a um processo gradual
de integração e cooperação política.

O tema comércio exterior é razão de uma clara clivagem entre os países


ricos e as nações em desenvolvimento. Como decorrência dessa situação, passou a
ser do interesse do Brasil e de seus parceiros sul-americanos avançar o quanto
30

antes em direção à integração continental para assegurar o maior número de aliados


possível, movimento gerador de tensão em suas relações com os EUA.
Em função desse processo, antagonistas no passado, Brasil e Argentina
passaram a ser países que, sem menosprezarem suas diferenças e divergências, se
percebem mutuamente como parceiros essenciais para seus respectivos projetos
nacionais e internacionais. De fato, cada um dos dois países passou a conceber e a
projetar o seu futuro em associação com o outro.

No âmbito global, na América do Norte, os EUA atraem o Canadá e o


México, formando o North American Free Trade Agreement (NAFTA). Na Europa, a
União Européia (UE) se consolida, sob a liderança da Alemanha e, finalmente na
Ásia, o Japão e a China polarizam vasta área de influência. Aos países do Terceiro
Mundo restam as opções de se integrarem a esses núcleos ou formarem suas
próprias associações.

Figura 3 – Blocos Econômicos

Fonte: staticblog.hi-pi.com/.../gd/1188467378.gif

Como conseqüência desses núcleos, a riqueza e o poder são, atualmente,


cada vez mais gerados por transações privadas que acontecem além das fronteiras
nacionais mais do que dentro delas. Com isso, torna-se difícil manter a imagem do
Estado como o ator principal a nível global, e as relações internacionais distanciam-
31

se da imagem de relações de poder entre os Estados, trata-se da lógica privada da


economia global.

Em função dessa lógica privada, existe uma intensa reestruturação das


relações de poder, da divisão internacional do trabalho e da riqueza, das regulações
que determinam o grosso das relações entre países, regiões ou blocos de países. As
estruturas da época da Guerra Fria desapareceram e são substituídas por um novo
ordenamento, em nível mundial e em nível interno de cada país.

Estes acontecimentos revelam o potencial de desordem da dinâmica que se


vem implantando, nas últimas décadas, sob o impulso da competição entre grandes
grupos multinacionais e o patrocínio da hegemonia das grandes potências e
corporações na difusão das políticas de desregulamentação dos mercados.

Por outro lado, o fantasma de um colapso semelhante ao de 1929, segundo


CORSI17 (1997), passou a rondar a economia mundial tendo sido evitado até agora,
em grande medida, pelo fato de os bancos centrais, das principais nações do
mundo, continuarem a garantir, em última instância, o sistema, e pela coordenação
das políticas dos países ricos.

É importante destacar que o processo de globalização da economia mundial


vem sendo imensamente acelerado e disseminado por todos os continentes pelos
novíssimos sistemas de telecomunicação por satélite, a microeletrônica e as novas
tecnologias de processamento de informações. Conforme observa Chesnais18.

... tais avanços dos meios de comunicação, monitoramento e controle,


permitem a expansão, praticamente ilimitada da propensão representada
pela capacidade de investir e desinvestir, empregar e desempregar,
19
contratar e destratar. (In: Martins , 1992, P.02).

De modo geral, nota-se então que o efeito mais evidente da globalização é


seguramente a interdependência dos sistemas financeiros nacionais num contexto

17
Francisco Luiz Corsi é Professor Assistente Doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de
Mesquita Filho. Tem experiência na área de economia, com ênfase em História Econômica.
Atuando principalmente nos seguintes temas: Estado Novo, Política Externa, Nacionalismo, Projeto
Nacional e Economia Brasileira.
18
François Chesnais, professor de economia internacional da Universidade de Paris. No Brasil,
Chesnais é conhecido, sobretudo pelo seu livro A Mundialização do Capital - lançado em 1994 na
França e em 1996 no Brasil.
19
MARTINS, C.E. Da globalização da economia à falência da democracia.
32

de crescente internacionalização dos mercados. Em razão disso, nações em


desenvolvimento, como o Brasil, em razão da grande dependência econômica,
financeira e tecnológica, acabaram perdendo parte considerável do poder de
manobra de suas políticas financeiras.

Do ponto de vista comercial, a inserção internacional dos países


corresponde a padrões muitos distintos. Enquanto uns são protagonistas ativos na
expansão do comércio internacional, mantendo taxas de crescimento de suas
exportações acima da média mundial, outros se ajustam passivamente e com
lentidão, perdendo participação nos mercados e conseqüentemente retardando sua
expansão econômica.

Em razão dessa nova realidade, atualmente, no mundo multipolar pós-


Guerra Fria, o poder é medido pela capacidade econômica do país, que envolve
disponibilidade de capitais, avanço tecnológico, mão-de-obra qualificada e elevado
nível de produtividade. Tais fatores tem colocado a China, o país de maior
população do planeta, como a locomotiva do crescimento mundial há mais de três
décadas.
33

Figura 4 – Países industrializados

Fonte: www.umicore.com.br/.../umicorenomundo_mapa.jpg

Da mesma forma, isso explica a emergência de Japão e Alemanha como


potências, e ao mesmo tempo, a decadência da Rússia. Embora esta seja dona de
um poderoso arsenal nuclear, o setor industrial é obsoleto e pouco produtivo, e o
país se encontra em crise social, política e econômica.

Assim, no mundo pós-Guerra Fria, pode-se afirmar que os países mais


poderosos do mundo são os Estados Unidos, Japão e Alemanha, os quais lideram o
G820. Em torno dessas grandes potências, formaram-se os megablocos econômicos,
os quais se constituem nos centros mundiais do poder.

Por tudo isso, pode-se inferir parcialmente que a hegemonia semimundial


americana é decisivamente beneficiada pelo atual processo de globalização. Este,
não é projetado por nenhum país ou grupo econômico. Tal processo se iniciou, não
apenas em função do fim da Guerra Fria, mas principalmente pelo extraordinário
progresso comercial, cientifico e tecnológico, bem como pela universalização dessas
inovações. Em função disso, o Brasil tem-se empenhado na construção de um
espaço econômico integrado na América do Sul, como forma de contribuir para a
formação de uma área de prosperidade compartilhada.
20
Grupo das sete maiores potências econômicas: EUA, Japão, Alemanha, França, Inglaterra, Itália e
Canadá. A Rússia participa como convidado especial.
34

2.4 AS CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS DA GLOBALIZAÇÃO

O conceito de globalização entrou em moda em meados da década de 1980,


seu uso saiu do campo da administração para inundar os demais campos de estudo.
No enfoque social, servindo-se da base tecnológica desenvolvida, redes de
comunicação e informação, expandiu-se com tendências homogeneizadoras dos
estilos de vida, o que aumentou a consciência dos particularismos culturais locais.
Isso findou por promover o surgimento de uma série de conflitos étnicos e religiosos
que estavam abafados até a Guerra Fria, tais como Bósnia, Angola e Timor Leste.
As condições concretas da cena política internacional, impregnadas da
lógica da Guerra Fria, acarretaram um determinado grau de ineficácia de várias
Convenções Sociais. Entretanto, a modificação estrutural das relações políticas
iniciadas com desmoronamento do bloco soviético recolocou na agenda
internacional não apenas novas Conferências Mundiais sobre direitos humanos,
como também aperfeiçoaram a aplicação e a prática desses instrumentos.

Foi nesta perspectiva que a ONU reuniu em Viena, em junho de 1993, na


conferência mundial sobre direitos humanos, um tabuleiro estatal com nova
geometria política. Essa conferência sucedeu a uma outra, sobre o meio-ambiente e
o desenvolvimento sustentável (Rio 9221), igualmente representativa de uma
alteração substantiva do quadro das relações interestatais, no qual doravante a
qualidade da vida individual e social tornou-se um fator de primeira ordem e não
mais uma variável secundária.

A conferência de Viena buscou sistematizar a agenda internacional na


passagem do longo itinerário teórico para uma prática enfim considerada urgente,
vale dizer, um valor normativo a ser observado como pauta comportamental de
indivíduos e de governantes. A generalidade dos direitos – que se pretendem

21
A ECO-92, Rio-92, Cúpula ou Cimeira da Terra são nomes pelos quais é mais conhecida a
Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD), realizada
em 1992 no Rio de Janeiro.
35

universais e que como tais são reafirmados em acelerado movimento globalizante –


ganha uma roupagem particularizada, na medida em que a cada Estado é posta a
exigência moral pública de os realizar, independentemente de questões de
soberania.

Essa certeza coletiva, advinda com a NOM, passa a incluir a concepção de


que o homem em sociedade tem, no respeito dos demais, a garantia da
consideração por sua dignidade própria. Além disso, o entendimento mútuo na
defesa da vida, da liberdade, da honra, da imagem, da educação, da saúde, do
trabalho e do lazer é penhor de vigência, na justa relação social e política, do valor
superior do ser humano e de sua comunidade.

Com efeito, constata-se que com o fim dos mais importantes regimes
socialistas totalitários, comuns durante a fase da guerra fria e do mundo ‘bipolar’ a
invocação de princípios morais, o apelo ao direito internacional – e a sua vigência
supranacional – e os argumentos éticos na prática jurídica se tornaram mais
freqüentes.

O desequilíbrio foi introduzido nas relações internacionais ao longo da


década de 1990, pela prevalência, doravante sem concorrentes notáveis, dos EUA.
Essa assimetria contrasta com a inércia política do cenário internacional. Tal cenário
está acostumado – se não treinado – a lidar com opções simples do gênero: quem
não está comigo está contra mim, desde o término da Segunda Guerra Mundial.

Por outro lado, a chamada NOM, até bem pouco tempo atrás, era vista com
enorme otimismo. Acreditava-se que o novo Sistema Internacional abriria múltiplas
perspectivas de desenvolvimento social e cultural e a humanidade estaria no umbral
de uma nova era da historia da sociedade moderna.

No entanto, essa visão otimista dissolveu-se no ar. Na última década do


século vinte, a situação mundial parecia bem distante desse quadro. Atualmente,
observa-se uma profunda desigualdade entre as diversas regiões do planeta, sendo
36

que muitas delas encontram-se à margem do processo de globalização, intensificado


com o novo sistema.

Figura 5 – A pobreza no mundo

Fonte: www.aeroglide.com/images/global_map.gif

A NOM representou a vitória do capitalismo e da democracia. Mas, até


mesmo os vencedores ainda apresentam vários problemas econômicos, tais como
elevado déficit público e elevado endividamento interno e externo. Tudo isso em
parte se deve a corrida armamentista desenvolvida durante a Guerra Fria.

É bem claro que o capitalismo é mais dinâmico e competitivo. Porem, não se


pode esquecer que os países subdesenvolvidos, com exceção da Coréia do Norte,
Cuba e Vietnã são todos capitalistas. Muitos problemas no mundo foram criados
37

pelo sistema capitalista, como o aumento da pobreza, desemprego e concentração


de renda, e estes aumentam em todo mundo.

Essas inseguranças e a necessidade de novas soluções, ignoradas pela


abordagem estatocêntrica, e que resultam de aspectos essenciais de
interdependência ecológica, econômica, entre outras, conduziram ao aparecimento
de novos conceitos, como o de segurança humana.

Este novo tipo de segurança, que tem como preocupação central à


dignidade humana, foi popularizado pelo Relatório sobre Desenvolvimento Humano
do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) de 1994.

Um dos problemas mais sérios é a desigualdade social. Este problema vem


se agravando até mesmo em países desenvolvidos. Com o aumento da
incorporação de novas tecnologias no processo produtivo, a oferta tem diminuído e
isso contribui e muito para se empobrecer a população. Também é cada vez maior o
buraco que separa os países ricos dos pobres. Esse é o chamado conflito Norte x
Sul, que é de natureza econômica, é não geopolítica, como era o caso do conflito
Leste x Oeste.

O mundo que emergiu da Segunda Guerra tinha pouca semelhança com o


cenário precedente. A derrocada européia e a emergência das superpotências
antagônicas anunciavam o conflito Leste/Oeste. A disparidade entre as economias
industriais e a periferia agromineral refletia a tensão Norte/Sul. A geografia procurou
captar a nova organização econômica e geopolítica do planeta formulando a
concepção da divisão do sistema internacional em três macro áreas. Nasciam o
Primeiro Mundo, o Segundo Mundo e o Terceiro Mundo.

O Primeiro Mundo correspondia ao grupo de países que, tendo realizado a


Segunda Revolução Industrial, dispunha de um parque industrial complexo, formado
pelos setores de produção de bens de capital e de bens de consumo duráveis.
Englobava, na Europa, na América do Norte e no Pacífico, os aliados políticos dos
Estados Unidos - potência líder do Ocidente.

O Segundo Mundo correspondia à União Soviética - que entrara em ruptura


com a economia mundial capitalista no período anterior- e sua zona de influência no
Leste europeu. Abrigava os países que optaram pela modernização industrial
acelerada, com base no monopólio estatal dos meios de produção e na Planificação
38

central da alocação de recursos. Era o mundo do "socialismo real" ou, ainda, do


socialismo totalitário.

O Terceiro Mundo correspondia aos países que não acompanharam a


arrancada industrial, cuja economia dependia da produção de bens primários
agrominerais. Em contraste com os países industrializados, apresentava fraca
urbanização, concentração demográfica no meio rural, elevado crescimento
vegetativo e alarmantes índices de pobreza.

O conflito entre o mundo capitalista e o mundo socialista (a disputa Leste-


Oeste) refletia a ruptura da economia mundial em sistemas econômicos
contrapostos e o isolamento acentuado dos países socialistas em relação aos fluxos
internacionais de capitais e mercadorias. Refletia, ainda, a rivalidade geopolítica das
superpotências nucleares e a constituição de esferas de influência diplomática e
militar.

As relações entre o Primeiro e o Terceiro Mundo refletiam a subordinação


econômica derivada da desigual distribuição do capital e da tecnologia. A troca de
mercadorias industriais por matérias-primas agrícolas ou minerais modelava as
estruturas econômicas dos países do Terceiro Mundo de acordo com as
necessidades dos mercados consumidores dos países do Primeiro Mundo. A
prosperidade social dos países desenvolvidos contrastava com a persistência da
pobreza e da miséria nos países subdesenvolvidos. Nisso consistia a tensão Norte-
Sul.

Entretanto, a emergência das empresas transnacionais remodelava os


antigos laços de dependência baseados no comércio de manufaturados e matérias-
primas. O deslocamento de filiais das empresas transnacionais para determinados
países do Terceiro Mundo - entre eles Brasil, México, Argentina, Chile e África do
Sul - provocava uma tendência à desconcentração geográfica da indústria. A
presença de vantagens comparativas (principalmente o baixo custo da força de
trabalho) e a formação de mercados internos consumidores de bens duráveis nesses
países constituíam atrativos para os investimentos diretos dos capitais
transnacionais.
39

Figura 6 – Divisão Norte Sul

Fonte: www.geoeconomia.net/.../mapas/spyk/spyk03.gif

De acordo com essa nova divisão, o bloco do Norte é composto por países
industrializados, desenvolvidos e produtores de novas tecnologias; é onde localizam-
se as matrizes das maiores multinacionais do mundo globalizado. Já no bloco Sul,
encontram-se países subdesenvolvidos, industrializados ou agrícolas, e
dependentes das tecnologias desenvolvidas pelos países do bloco do norte.

A principal arena de disputa entre estes dois blocos é a OMC, onde os


países do sul lutam pelo fim dos subsídios agrícolas, que consideram altamente
prejudiciais aos seus interesses no comércio internacional. Os países do norte têm
no G7 os seus principais representantes, enquanto os países do sul estão
representados no G20 22.

Um problema decorrente do conflito entre Norte x Sul é a migração em


massa. Milhões de pessoas a cada ano tem emigrado, principalmente para a Europa
Ocidental. Isto se deve ao aumento de desemprego, baixos salários, fome, que
estão aliados ao crescimento populacional, além de conflitos e guerras nos países
subdesenvolvidos.

22
O G-20 (grupo dos 20) é um grupo que consiste nas 19 maiores potências do mundo, junto com a
União Européia.
40

Figura 7 – Imigração - Europa

Fonte: static.flickr.com/32/61409553_ca2590cf02.jpg

Na tentativa de solucionar o problema, são feitas cada vez mais exigências


para diminuir a entrada de imigrantes e até mesmo de turistas nos países ricos.
Contudo, tais medidas não resolverão o problema, pois esse, é resultante de
desigualdade entre as citadas regiões, portanto, a solução definitiva pode ser
complexa e bem mais demorada.

A prioridade do Estado que, inicialmente, era o bem-estar, nas últimas


décadas, modificou-se, no sentido de adaptar as economias nacionais às exigências
da economia mundial, e o Estado tem se tornado meramente uma ponte entre a
economia mundial e a economia nacional, através da qual os grandes
conglomerados transnacionais são os beneficiados.

Deste modo, é inegável que o processo de globalização fragiliza o Estado-


nação, não apenas no que se refere à capacidade de implementar políticas
41

específicas relativas aos mercados, mas também, e talvez principalmente, a


determinadas capacidades "estruturais" relativas à questão social.

Estes acontecimentos revelam o potencial de desordem da dinâmica que se


vem implantando, nas últimas décadas, sob o impulso da competição entre grandes
grupos multinacionais e o patrocínio da hegemonia das grandes potências e
corporações na difusão das políticas de desregulamentação dos mercados.

Pelo exposto, é possível concluir parcialmente que com a instauração de


uma nova ordem política e econômica, o mundo passou a vislumbrar perspectivas
concretas de desenvolvimento social e cultural. Por outro lado, várias questões
internacionais adormecidas durante a Guerra Fria vieram à tona e com estas, novas
tensões. Assim, na vigência da NOM a capacidade financeira e tecnológica passa a
definir o poder, cristalizando as diferenças sociais entre ricos e pobres, o que
aumentou ainda mais a instabilidade e a desordem em diversas regiões do mundo.

2.5 AS AMEAÇAS INTERNACIONAIS E O NOVO PAPEL DAS FORÇAS


ARMADAS

A catástrofe humana resultante das duas grandes guerras mundiais,


ocorridas na primeira metade do século passado, não logrou êxito em desencorajar
ou mesmo abolir o "animus belligerandi" – o instinto agressor nato da humanidade.

A história é recheada de exemplos para comprovar que o mundo sempre


girou em torno dos mais fortes, que esse modelo se reproduz hoje, e que ainda
durante muito tempo comportamento desta natureza será observado entre os
diversos Estados. As diferenças de poder nunca deixaram de existir, ora de maneira
mais suave, ora mais acentuada, fazendo com que acordos e tratados sejam
escritos e cumpridos, na maior parte das vezes, segundo a concepção dos mais
poderosos, mesmo no contexto da interdependência, da globalização e dos regimes
internacionais, quando proliferam organizações internacionais e organizações não-
governamentais.

O sistema internacional, desta forma estruturado, é considerado legítimo,


porque existe um consenso entre as grandes potências que, ao ditar as regras de
funcionamento deste jogo, obrigam que as mesmas sejam seguidas por todos os
42

demais membros da comunidade. O Estado que se sentir prejudicado e desejar a


mudança de tais regras, usando o recurso da força, sabe que poderá pagar elevado
preço pela tentativa.

Dentro dessa lógica, percebe-se que o arcabouço do mundo pós-


bipolaridade tem-se revelado ainda mais sangrento, instável e imprevisível diante
das diversas áreas de turbulência herdadas com o fim da Guerra Fria em 1991 com
a implosão do Império Soviético.

Em face desse quadro, a manutenção dos EUA como única potencia global,
com sua rede de segurança, tornou-se fundamental para a segurança e estabilidade
da ordem internacional ao evitar novos conflitos entre as demais potências,
insatisfeitas com a ordem internacional, recorrendo unicamente ao uso de seu poder.
Desse modo, a ação externa dos norte-americanos tem priorizado evitar
competições entre Estados em regiões estratégicas ao promover uma ordem
benéfica a todos.
Nesse sentido, o ataque ao Iraque em 2003 teve como objetivo não apenas
evitar que o regime de Saddam Hussein continuasse a ameaçar a estabilidade da
região ou interrompesse o fornecimento de petróleo, mas principalmente evitar
futuras interferências de rivais potenciais (como China, Rússia, Europa e Japão) no
Oriente Médio. Os EUA ao garantirem a segurança da região evitariam que rivais
potenciais se armem para buscar tal objetivo.

Para apreciar porque nós estamos tendo tanto progresso, você precisa
entender as vantagens extraordinárias que nossas forças têm sobre as
Iraquianas. É uma questão de poder devastador. Nosso poder no ar é
inexorável. E o nosso poder na terra tem capacidade massiva de destruir o
inimigo com um mínimo de perda para nós. ( Harlan Ullman, um dos
autores da política de ‘choque e medo' para física e psicologicamente
destruir qualquer inimigo do imperialismo dos EEUU, exclamou no dia
3 de abril ao jornal New York Post ).

Além disso, ao invadir e ocupar o Iraque, os EUA deram um passo


importante para estabelecer o controle das rotas comerciais e de comunicação entre
a Europa e o Extremo Oriente, bem como possibilitou aos norte-americanos uma
excelente posição estratégica para um acerto de contas com o Irã, país vizinho do
43

Iraque. Não se pode esquecer que a Revolução Xiita, que derrubou o falecido Xá
Reza Parlevi em 1979 e elevou ao poder o Aiatolá R. Komehini, representou um
sério golpe nos interesses políticos, militares e econômicos dos EUA naquela região
do planeta, além, é claro, de ter sido um profundo golpe no orgulho norte-
americano23.
De acordo com esse objetivo, as principais ameaças à segurança dos EUA,
e também à estabilidade de diversas regiões do mundo, identificadas pelo país no
novo cenário passaram a ser: a proliferação de armas de destruição em massa e a
proliferação de mísseis balísticos e de cruzeiro; os chamados Estados parias, mais
especificamente Iraque, Irã e Coréia do Norte; e o terrorismo internacional.
O terrorismo é uma forma violenta de protesto (e de tentativa de
desestabilizar algum regime) conhecida desde a antiguidade. Existem referências a
atos terroristas desde a Grécia antiga, passando pelo Império Romano e por
inúmeros outros momentos da história.
Entretanto, o terrorismo atual, chamado de pós-moderno ou de global, é
diferente das formas anteriores. Os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001
simbolizam muito bem este novo terrorismo, em especial pelo planejamento e pelos
objetivos, pela natureza globalizada e pelo uso inteligente da mídia. O velho
terrorismo, em especial aquele do final do século XIX e inícios do XX, era formado
por organizações anarquistas ou nacionalistas que tinham propostas políticas bem
definidas e em geral assumiam os seus atos.
Desde 1945, a confrontação Leste-Oeste, - centrada em contraposições
militares, político-ideológicas e de organização social -, constituía a expressão
máxima da alta política e estratégia internacionais. Em toda a guerra fria, o grande
jogo estratégico mundial girou em torno do equilíbrio de terror nuclear, da
descontrolada carreira armamentista e da articulação de blocos rivais em múltiplas
áreas, inclusive no chamado Terceiro Mundo. As questões centrais eram, em
primeiro lugar, a da hegemonia e dominação globais e, com a exacerbação da
corrida nuclear e missilística, a própria sobrevivência da humanidade.

23
A Revolução Xiita criou profundos ressentimentos nos altos círculos do poder político e militar
norte-americanos, ressentimentos esses que ainda não foram totalmente absorvidos ou esquecidos
por segmentos importantes do governo americano. Some-se a isto o fato de que o Irã, desde a
derrubada do Xá, adotou uma notória política de apoio a grupos extremistas islâmicos em todo o
mundo árabe, bem como, mais recentemente, pôs em prática a construção de usinas nucleares e o
desenvolvimento da tecnologia de enriquecimento do urânio, o que pode, num futuro muito próximo,
dar àquele país o acesso a armas nucleares.
44

Entretanto, nas últimas décadas, as proporções inverteram-se. A integração


mundial das comunicações e a conseqüente reorganização da militância
revolucionária em redes de extensão planetária permitiu reduzir ao mínimo a função
bélica das armas e ampliar ao máximo a da guerra de informações. O princípio
subjacente a essa mudança é simples e baseia-se na regra clássica da arte militar
que mede a eficácia da ação armada segundo a relação custo-benefício que ela
guarda com os resultados políticos visados.
Quanto mais ampla a repercussão política que se pode obter com um
esforço militar reduzido, tanto melhor. Nesse sentido, batalhas inteiras da II Guerra
Mundial, com centenas de milhares de mortos, foram politicamente menos
relevantes do que alguns ataques terroristas comparativamente modestos realizados
nas últimas décadas, pela simples razão de que neste caso havia meios de alcançar
repercussão jornalística mais vasta e mais imediata, determinando decisões de
governo que em outras épocas necessitariam de um estímulo sangrento muito mais
eloqüente.

A NOM se caracterizou pelo surgimento de um esquema de


desenvolvimento das relações internacionais que substitui o sistema bipolar vigente
até então, o qual girava em torno do confronto entre duas superpotências, cuja
capacidade de destruição mútua garantia, paradoxalmente, que entre elas não se
produziria um enfrentamento cuja conseqüência seria seguramente a destruição ou
um custo intolerável mesmo para a potência supostamente vencedora.

Ressalve-se, desde logo, que a Guerra Fria, embora global em suas


ramificações, não esgotava o espectro político e estratégico, circunstância esta que
tem conseqüências importantes. Por exemplo, mesmo com o fim da Guerra-Fria,
nem tudo é mudança na esfera política, econômica e estratégica.

Christopher Coker,24 ao discutir o tema das mudanças internacionais,


apresenta a hipótese de que, com o fim da Guerra Fria, a guerra haja sido eliminada
da cena internacional observa sucintamente que:

As potências ocidentais, como garantes de sua própria "pax mundi",


desejarão afirmar um droit de regard (para não mencionar o devoir
d'ingérence - RMS) - sobre as nações menores, as lesser nations , o direito
de policiar as áreas de intranqüilidade, de implementar acordos de não-

24
Coker, Christopher, - "Post modernity and the end of the Cold War: has war been disinvented ?"
Review of International Studies (1992).
45

proliferação, de intervir nos casos em que o direito internacional possa


parecer estar sob ameaça.

Vale a pena deixar registrado que o fortalecimento do Estado com todos os


seus atributos, entre eles a necessidade de manter um sistema de defesa próprio,
diante das tendências que avançam para seu enfraquecimento, sem dúvida é um
elemento que contribui para paliar as conseqüências negativas que a nova realidade
impõe ao mundo.
Por outro lado, a nova situação internacional, junto com outros fatores que
também irrompem no cenário e não são necessariamente conseqüências diretas da
queda do muro de Berlim, contribuem para que se produza uma mudança
substantiva nas relações que unem os países situados no Cone Sul da América.
Em conseqüência disso, as políticas de defesa de um Estado enquadram-se
no que constituem as linhas mestras de sua política exterior, de maneira que os
movimentos ou as mudanças que nela ocorram vão influir decisivamente na
configuração das mesmas.

Cabe destacar que o atual ambiente estratégico internacional caracteriza-se


pela sua complexidade, evolução permanente e pelo aparecimento de novas
ameaças, das quais se realça o terrorismo transnacional. Estes fatores provocaram
uma mudança na atitude dos Estados relativamente às questões de Segurança e
Defesa, impactando diretamente em potencias emergentes, particularmente o Brasil.
Assim sendo, persistência de entraves à paz mundial requer a atualização
permanente e o reaparelhamento progressivo das Forças Armadas, com ênfase no
desenvolvimento da indústria de defesa, visando à redução da dependência
tecnológica e à superação das restrições unilaterais de acesso a tecnologias
sensíveis.

Diante desse cenário, em qualquer nação moderna, a indústria bélica e o


aparato militar são considerados setores estratégicos e diretamente relacionados
com a soberania do Estado. Assim sendo, nenhum país pode deixar de produzir os
próprios recursos de defesa, os quais devem ser compatíveis com sua realidade
política, econômica e social.

De acordo com essa realidade, após a Guerra Fria, houve um intenso


debate sobre a importância das Forças Armadas, particularmente, para a nação
brasileira, pois estava se cumprindo a última etapa da transição democrática,
46

coroada com a promulgação da Constituição e a retomada das eleições diretas para


Presidente da República. Assim, com ênfases distintas ou assemelhadas foi
produzido um número significativo de variações sobre o mesmo tema, tendo sido
elaborado o estatuto das Forças Armadas na América Latina e no Brasil (Oliveira
1987 e 1994).

Entretanto, é necessário um aprofundamento do problema, pois vale a pena


lembrar que desde a emergência dos Estados-nação seja qual for o regime
implantado, sempre houve e haverá Forças Armadas. A citação de Maquiavel25,
afirmando que “boas leis se fazem com boas armas” é básica para entender a
legitimidade do Estado no uso da força.

Diante disso, é importante considerar que, uma vez mantendo uma estrutura
política, as nações vão continuar necessitando das Forças Armadas seja na guerra,
seja na paz. Desse modo, mesmo com a discussão sobre a globalização e a queda
de barreiras entre os países, não há uma proposta efetiva de extinção das estruturas
militares nacionais.

Dentro deste quadro, surgem propostas de rediscussão do emprego das


Forças Armadas estendendo a sua utilização para a proteção da segurança pública.
Combater a criminalidade tradicional cada vez mais crescente e a sua nova
modalidade, o narcotráfico é clamar pela vigência “da lei e da ordem” como
justificativa necessária.

Nota-se também as pressões externas para que os militares lutem contra as


drogas como no caso do governo dos Estados Unidos através do Departamento de
Estado e da “Drugs Efforcement Agency” (DEA). Esta pressão abrange todo o
continente latino-americano por ser fornecedor de produtos do narcotráfico para os
Estados Unidos.

A questão do uso das Forças Armadas no combate ao narcotráfico se


deslocou do campo da segurança pública para o campo da defesa não somente por
causa da possível perda do monopólio do uso legítimo da força e da violência, com
jurisdição e códigos próprios, mas porque atinge o monopólio do uso exclusivo de
armamento militar das forças que executam a violência legítima em nome do Estado.
25
Nicolau Maquiavel, foi um historiador, poeta, diplomata e músico italiano do Renascimento. É
reconhecido como fundador do pensamento e da ciência política moderna, pela simples manobra
de escrever sobre o Estado e o governo como realmente são e não como deveriam ser.
47

Isto não é apenas uma questão técnica, mas, sim uma questão simbólica e
política. Os narcotraficantes passaram a ter um poder de fogo semelhante aos
militares, guardadas as devidas proporções. Este é um aspecto crucial para a
legitimidade do Estado e daqueles que são responsáveis por sua defesa. A
emergência desta situação afeta o caráter do Estado, enquanto Estado de Direito,
tornando o processo de construção da democracia mais difícil.

O Brasil é um país guiado por um sentimento de paz. Não abriga nenhuma


ambição territorial, não possui litígios em suas fronteiras e, tampouco, inimigos
declarados. Toda ação por ele empreendida nas esferas diplomática e militar busca,
sistematicamente, a manutenção da paz. Porém, tem interesses a defender,
responsabilidades a assumir, e um papel a desempenhar, no tocante à Segurança e
Defesa, em níveis hemisférico e mundial, em face de sua estatura político-
estratégica no concerto das nações.
Neste diapasão, o primeiro objetivo da Política de Defesa do Brasil, portanto,
deve ser a de assegurar a defesa dos interesses vitais da Nação contra qualquer
ameaça forânea. Não se pode precisar, a priori, a fronteira entre os interesses vitais
e os interesses estratégicos. Os dois devem ser defendidos com ênfase e
determinação. Essencialmente, os interesses estratégicos residem na manutenção
da paz no continente sul-americano e nas regiões que o conformam e o rodeiam,
bem como os espaços essenciais para a atividade econômica e para o livre
comércio (Setentrião Oriental, Costão Andino, Cone Sul e Atlântico Sul).
Fora deste âmbito, o Brasil tem interesses que correspondem às
responsabilidades assumidas nos Fóruns Internacionais e Organismos Multilaterais
e ao seu status na ordem mundial. Este é conformado por uma combinação de
fatores históricos, políticos, estratégicos, militares, econômicos, científicos,
tecnológicos e culturais.
Sem uma Defesa adequada, a Segurança Nacional e a perenidade desses
interesses estarão seriamente comprometidas e, conseqüentemente, não poderão
ser assegurados. Daí, ressalta-se a imperiosa necessidade de se contar com Forças
Armadas preparadas, suficientemente poderosas e aptas ao emprego imediato,
capazes de desencorajar qualquer intenção de agressão militar ao País, pela
capacidade de revide que representam.
48

Esta estratégia é enfatizada para evitar a guerra e exige, como corolário, o


fortalecimento da Expressão Militar do Poder Nacional, além de impor um excelente
grau de aprestamento e prontidão das Forças Armadas, desde o tempo de paz,
através da realização de treinamentos, exercícios operacionais dentro de cada Força
Singular, não sendo excluída a necessidade de Planejamento e do treinamento de
Operações Conjuntas e Combinadas no âmbito das Forças Armadas.

Indubitavelmente, para a consecução dessa tarefa, mister se faz uma


conjunção de esforços. Nesse sentido, somam-se, num processo sinérgico, o
imprescindível apoio do Presidente da República, a compreensão do Congresso
Nacional, a efetiva colaboração do Ministério da Defesa e de outras áreas do
Governo, a confiança e o respaldo dos Comandantes de Forças e a ativa
participação de todas as forças vivas da Nação.
Por outro lado, não se pode justificar a hipertrofia das Forças Armadas em
prejuízo do processo de desenvolvimento da Nação, mas não se pode admitir, por
ilógico e temerário, que a Expressão Militar do Poder Nacional seja colocada em
plano inferior – vivenciando um processo gradual de sucateamento e de
desmantelamento, devido à crônica insuficiência de recursos financeiros –, na falsa
concepção de que a prioridade absoluta deve ser dada ao Desenvolvimento.

Apesar de reconhecer que muito foi tentado e feito nos últimos cinqüenta ou
sessenta anos para se construir uma ordem política e social internacional mais justa,
a triste verdade é que não existe, na prática, uma motivação jurídica supra-estatal
que permita soluções eficazes e coerentes para os graves problemas internacionais
existentes neste início do século XXI.
Em conformidade com o discorrido, não existem nações desarmadas,
porque nenhuma delas seria capaz de desfazer-se de sua Expressão Militar para
merecer, por esse ato ingênuo, o respeito e a simpatia de todos os países. Não há
fórmula miraculosa capaz de manter a paz sem ameaças de conflitos internos ou de
guerra entre os povos.
Os mecanismos políticos e jurídicos criados após o fim da Segunda Guerra
Mundial em 1945 para a solução dos conflitos militares, manter a paz internacional,
bem como para reprimir a prática de crimes de guerra e do terrorismo internacional
49

em larga escala, se mostraram totalmente impotentes. Assim sendo, é importante


lembrar das sábias palavras do insigne Barão do Rio Branco26 – o Chanceler da Paz
–, que, de modo contumaz, enfatizava a imperiosa necessidade de o País possuir
um bom sistema de armas para respaldar as suas proposições no concerto das
nações.
Apesar do otimismo daqueles que entendem ser as organizações
internacionais o fórum indicado para resolver controvérsias, impedindo que as
demandas sejam atendidas através de meios violentos, o que a História tem
mostrado é que as políticas de poder têm sido utilizadas quotidianamente.

Pode-se então concluir parcialmente que as principais ameaças no âmbito


da Segurança e Defesa, resultam do cruzamento entre estados iníquos ou párias
com acesso a armas de destruição maciça e os grupos não estatais com acesso
potencial a essas armas. Essa conjuntura de instabilidade e assimetria internacional,
fator de estímulo para as beligerâncias, tem constituído focos de tensões
internacionais. Diante desse cenário, o papel que caberá às Forças Armadas
brasileiras, nas próximas décadas, deverá ser multifacetado, o que torna imperativo
racionalizar, modernizar e fortalecer o aparato defensivo brasileiro.

26
José Maria da Silva Paranhos Júnior (Rio de Janeiro, 20 de abril de 1845 — Rio de Janeiro, 10 de
fevereiro de 1912) foi um diplomata, ministro e historiador brasileiro. Era conhecido pelo título
nobiliárquico de barão do Rio Branco.
50

3 OS NOVOS CONFLITOS INTERNACIONAIS E A ONU

3.1 A GUERRA ASSIMÉTRICA

As transformações ocorridas no cenário mundial a partir do fim da União


Soviética fizeram surgir uma Nova Ordem Mundial caracterizada pela multiplicidade
de níveis de conflitos. Desse modo, descobriu-se na década de 1990 um mundo
bem mais complicado a combinar de maneira inédita unilateralismo e negociações
multilaterais.

O fim da União Soviética e da bipolaridade em 1991 abriu espaço para


novas iniciativas em política de desarmamento e limitação de conflitos regionais
através da solução negociada. No entanto, à medida que o “perigo comunista”
retrocedia como ameaça global, novas crises foram ganhando espaço.
Existem muitas divergências entre os estudiosos, quanto à afirmação de que
com fim da Guerra Fria uma revolução em assuntos militares vem se processando.
Contudo, há uma concordância nos estudos estratégicos modernos, no que diz
respeito ao aparecimento de novas causas de insegurança no cenário internacional,
decorrentes de um novo tipo de guerra, que tem se expressado claramente nos
grandes atentados terroristas e nos últimos conflitos deflagrados pelo mundo e que
vem sendo nomeada como Guerra Assimétrica.

O inimigo, empregando suas pequenas forças contra um país vasto, só


pode ocupar algumas cidades grandes, as principais linhas de
comunicações e parte das planícies. Portanto, existem áreas extensas no
território sob a sua ocupação que ele tem que deixar desocupadas e que se
constituem uma enorme arena para a nossa guerra de guerrilha (Mao Tse-
tung).

Mao Tse-tung é um dos praticantes de assimetria mais estudados. Na


citação acima, ele explica de que maneira grupos guerrilheiros podem tirar vantagem
do tempo e do espaço. Portanto, a guerra assimétrica não é um conceito novo; tem
origens tão antigas quanto a ocupação romana da Espanha e dos países do
mediterrâneo oriental.
51

A história apresenta muitos exemplos de fracassos de grandes potências no


contexto de conflitos assimétricos: os romanos na floresta da Teutoburg, os
britânicos na Revolução Americana, os franceses na Guerra Peninsular, na
Indochina e na Argélia, os norte-americanos no Vietnã e na Somália, os russos no
Afeganistão e na Chechênia.

No entanto, duas explicações são necessárias quando se generaliza o


fracasso de grandes potências em pequenas guerras. Primeiro, grandes potências
não perdem, necessariamente, pequenas guerras; elas simplesmente deixam de
vencê-las. Na verdade, elas conseguem, com freqüência, muitas vitórias táticas no
campo de batalha. Contudo, na ausência de uma ameaça à sua sobrevivência, a
incapacidade das grandes potências em obter rápida e decisivamente seus objetivos
estratégicos, fazem com que percam o apoio doméstico. Segundo, o oponente mais
fraco tem sido estrategicamente cauteloso e evitado o confronto simétrico em
guerras convencionais contra as grandes potências.

Nessas condições, a guerra assimétrica tem servido para anular a distância


entre nações ricas e pobres. Assim, países como a Coréia do Norte e Irã se providos
de armas de destruição em massa podem se colocar tão forte como os EUA, a
Rússia, ou a China. Desse modo, se tiver vontade e capacidade de conduzir uma
guerra assimétrica, pequenos países podem vir a se contrapor com êxito contra a
pretensa múltipla superioridade de uma potência ou mesmo de coalizões das
nações mais ricas do mundo.
Uma luta assimétrica implica que a guerra é total para os insurretos
autóctones, mas é inerentemente limitada para a grande potência. Esse fato ocorre
porque os insurretos não apresentam uma ameaça direta à sobrevivência da grande
potência.

Além disso, para a grande potência em uma situação assimétrica, uma


mobilização militar completa não é politicamente prudente nem necessária, do ponto
de vista militar. A enorme disparidade das capacidades militares e a certeza de sua
predominância em poder bélico fazem com que a grande potência espere a vitória.
52

Contudo, embora a força inferior possua meios limitados, seu objetivo é, de


qualquer forma, a expulsão da grande potência. A única opção para o Estado
oprimido é, literalmente, a vitória ou a morte.

Esse novo tipo de conflito tem se caracterizado não apenas pela radical
superioridade de forças, como aconteceu no Iraque e na Iugoslávia, mas pela
ausência de pelo menos um Estado constituído do outro lado. Assim, os EUA e a
Grã-Bretanha se valeram apenas da confissão do governo afegão de que Osama
Bin Laden estava no país e da negativa de entregá-lo para iniciar as operações com
bombardeios similares aos das duas guerras anteriores.

A ironia das novas ameaças internacionais é que as principais potências do


mundo nos últimos cinqüenta anos preparam-se no nível tecnológico nuclear mais
sofisticado prevendo o ataque de um inimigo global territorial-estatal. Esses ataques
poderiam vir dos soviéticos, chineses ou dos chamados estados delinqüentes (rogue
states), como se costumam chamar países hostis como Líbia, Síria, Cuba, Iraque,
Irã, Iraque, Sudão ou Coréia do Norte.

Tais ataques não aconteceram e, provavelmente, não acontecerão.


Entretanto, o que menos podiam prever os países do primeiro mundo é que ataques,
que Samuel Huntington poderia denominar com justa razão de civilizacionais, viriam
do nível não-estatal, originando-se de simples indivíduos armados de facas, estiletes
e canivetes, e com uma eficácia estarrecedora.

A questão torna-se mais dramática porque não existe independência entre


as variáveis política e econômica. A globalização liderada pelos EUA supõe a venda
de um modelo aberto de economia mundial que tem suas implicações para a
segurança nacional das nações mais poderosas do mundo.
De fato, a consolidação de uma sociedade democrática e aberta aos
capitais, aos imigrantes, às idéias criam, por sua vez, as condições ideais para que o
país seja agredido por inimigos assimétricos inteligentes e determinados, sugerindo
uma importante dicotomia entre atingir um equilíbrio razoável entre fronteiras abertas
e segurança nacional.
Esse é um equilíbrio difícil de se atingir na medida em que a globalização
promovida pelos países ricos não é percebida no exterior como um processo mais
amplo, produto de uma dinâmica secular de modernização, mas como um reforço do
próprio unilateralismo. Assim, se o objetivo de modernização não for atingido nos
53

países não-ocidentais, é muito provável que as nações mais poderosas, suas


empresas e cidadãos sejam culpados pelos custos sociais e políticos da integração
econômica.

O dilema é que atingir o equilíbrio segurança-globalização significará


também que os países ricos não se poderão furtar de intervir militarmente em teatros
de operações externos a seus territórios. Por outro lado, está cada vez mais claro,
como aconteceu nas recentes intervenções, que a sociedade nega-se a sacrificar a
vida de seus filhos em operações militares nas quais não esteja claro qual é e de
que maneira está em jogo o interesse nacional em termos de segurança nacional.

Paradoxalmente, isso tem trazido uma conseqüência inesperada na lógica


da guerra, como anotado recentemente por Eric Hobsbawn27: o soldado nega-se a
morrer e aquele que deveria ser protegido pela ação e pelo sacrifício deste, a
população civil, é quem mais está morrendo.

Na falta de uma autoridade global efetiva, conflitos armados no final do


século 20 embaralharam a distinção entre combatentes e não-combatentes
e fizeram dos civis as principais vítimas [...]. Por mais que seja verdade que
o armamento de alta tecnologia tenha tornado possível em alguns casos
restabelecer uma distinção entre alvos civis e militares e, portanto, entre
combatentes e não-combatentes, não há razão para duvidar de que as
principais vítimas da guerra continuarão a ser os civis (HOBSBAWN, 2002).

Além desses conflitos assimétricos, envolvendo as principais potências


mundiais, as décadas de 1980 e 1990 ficaram marcadas por profundas alterações
nas referências de análises de conflitualidade internacional. As chamadas novas
guerras, que ocorrem com maior incidência em estados colapsados, vêm contrastar
com um tipo de conflitualidade de matriz vestefaliana, que correspondeu, sobretudo
à construção do Estado moderno, territorial, centralizado e hierarquicamente
ordenado.
De fato, essas novas guerras correspondem a um novo tipo de violência
organizada que é diferente porque fazem com que não se vejam as diferenças entre
guerra (geralmente definida como violência entre Estados ou grupos organizados

27
Eric John Earnest Hobsbawm: nasceu no Egipto ainda sob o domínio britânico. Considerado um
dos mais importantes historiadores atuais. Um dos seus livros, em especial, rendeu-lhe
reconhecimento e prestígio: "A Era dos Extremos", lançado em 1994, na Inglaterra, tornou-se uma
das obras mais lidas e indicadas sobre a história recente da humanidade.
54

por motivos políticos), crime organizado (violência conduzida por grupos de


organização privada) e violações massivas de direitos humanos (geralmente por
parte de Estados ou por grupos politicamente organizados contra indivíduos).

Estas novas guerras, também denominadas “conflitos de baixa intensidade”,


guerras privatizadas ou guerras informais têm características substancialmente
distintas das guerras “tradicionais”. De fato, nestas novas guerras não é fácil de
estabelecer na prática a distinção entre o privado e o público, o estatal e o não
estatal, o informal e o formal, o que se faz por motivos econômicos ou políticos, ou
até mesmo, religiosos.

O Brasil é um exemplo claro de um país que vive este novo tipo de


conflitualidade. Trata-se de um país que não está envolvido em nenhuma guerra
oficial, mas que apresenta, não obstante (em algumas regiões), uma das taxas mais
elevadas de homicídio provocadas por armas ligeiras do mundo.

À semelhança das guerras irregulares e informais da segunda metade do


século XX, que não se ajustavam a uma determinada concepção de guerra, mas
que constituíram, no entanto, o prelúdio das novas guerras típicas dos anos 90, está
a emergir, agora à margem destas novas guerras, e ao nível global, um novo tipo de
conflitualidade violenta, que, por não se ajustar a nenhuma das concepções de
guerra já existentes, não é ainda considerada prioritária ou relevante.

Estes novos conflitos correspondem a uma dinâmica de disseminação física


da violência armada, a uma escala cada vez mais micro, e têm como cenários
privilegiados as periferias de grandes centros urbanos. Estas manifestações de
novíssimas guerras ocorrem em países que vivem formalmente em paz: seja em
sociedades que vivem processos de reconstrução pós-conflito, onde facilmente se
opera uma transferência da violência militar anterior para uma violência social
disseminada associada ao uso de armas de fogo, seja em situações de hiper-
concentração territorial de violência armada em contextos de paz formal e
institucionalizada.

O tema das novas formas de guerra aparece também como decisivo. Desde
a Guerra do Golfo, em janeiro-fevereiro de 1991, motivada claramente pelo duplo
fator geostratégico da economia do petróleo e da rede de segurança representada
55

pelas bases militares, vem-se encontrando – tanto no discurso como na ação – o


recurso à motivação humanitária.

Assim, o mundo esta presenciando o emergir de uma era de incertezas com


o advento de inúmeros conflitos étnicos, religiosos e nacionalistas e a formação e
expansão de muitos blocos econômicos. Dos escombros da Antiga Ordem Mundial
(Guerra Fria), nasce uma profunda insegurança nas relações internacionais.
O ambiente estratégico definido pelo fim do confronto bipolar sofreu uma
forte evolução devido a dois acontecimentos importantes, o 11 de Setembro de
200128 e a crise em torno da intervenção militar no Iraque, num contexto marcado
pela emergência das ameaças assimétricas e pela procura de novas formas de ação
estratégica para lhes fazer face. De acordo com Rodrigues Viana29, no novo
ambiente político-estratégico:

A probabilidade de ocorrência de um grande conflito entre as principais


potências diminuiu consideravelmente (2003, P.98), em virtude das
alterações na distribuição e natureza do poder mundial, reduzindo as
ameaças tradicionais de natureza militar. Em contrapartida “num mundo
marcado pela interdependência estrutural das relações internacionais e pelo
fenômeno do transnacionalismo, assistiu-se a uma alteração qualitativa da
natureza das ameaças e riscos.

As ameaças e os adversários do período da Guerra-Fria poderiam ser


caracterizados na descrição de Brian Jenkins 30 como:

...estáticos, previsíveis, homogêneos, rígidos, hierarquizados e resistentes


à mudança. Os adversários que atualmente se enfrentam são dinâmicos,
imprevisíveis, diversos, fluidos, em rede (networked) e em constante
evolução (2004, P.18).

Estes adversários apesar de não ameaçarem a destruição total do planeta,


receio este que existiu durante o período da Guerra-Fria, já demonstraram
capacidades para causarem níveis de destruição elevados.

28
Os atentados de 11 de setembro foram uma série de ataques contra alvos civis nos Estados Unidos
em 11 de Setembro de 2001.
29
Rodrigues Viana: nasceu em Lisboa, em 11 de Julho de 1952. É Mestre em Estratégia pelo ISCSP, tem
publicados vários trabalhos no âmbito técnico e nos domínios da História e da Estratégia.
30
Brian Jenkins, norte-americano, é um perito em terrorismo e estudioso do fenômeno da violência
política da Universidade Saint Andrews, da Escócia.
56

Por outro lado, em função dessas ameaças, a “guerra ao terror”,


implementada pelos EUA aponta até o momento algumas oportunidades para
desenvolver as forças armadas norte-americanas e redistribuí-las pelo mundo: como
por exemplo, o remanejo de tropas da Alemanha e Coréia do Sul, a implantação de
forças de ataque leves e rápidas e o aproveito de desenvolvimentos tecnológicos
que materializam sua incontestável superioridade militar global.

Comandantes da Marinha dos EEUU disseram ao jornal Washington Post


que antes mesmo de suas forças armadas atingirem as divisões Iraquianas
ao redor de Bagdá 5000 ou mais dos 11000 soldados Iraquianos ali
situados já haviam sido mortos ou feridos pelo ar, e 75% de seu
equipamento já havia sido destruído. Um oficial do Pentágono disse ao
jornal Guardian: ‘Eles estão sendo dizimados e nós os estamos eliminando
tanque por tanque. Eles parecem patos na lagoa.

Além disso, o posicionamento das tropas norte-americanas pelo mundo,


herança da Guerra Fria, tem permitido a continuada projeção de poder dos Estados
Unidos, agora sob o manto da guerra contra o “eixo do mal”.
De acordo com o exposto, pode-se inferir parcialmente que com o fim da
Guerra-Fria, variadas tensões regionais, contidas pela estrutura de poderes bipolar,
transformaram-se em diversos conflitos conducentes a um ambiente de
fragmentação geopolítica, definindo aquilo a que alguns autores denominaram como
o “arco de crise”: Ásia Central, o Médio Oriente, o Golfo Pérsico e Ásia-Pacífico,
perdendo assim a Europa, a África e a América Latina a importância geoestratégica,
detida durante o período da Guerra-Fria. Assim, O ambiente global de segurança
estratégica mudou dramaticamente nos últimos anos, e o aspecto convencional da
Guerra Fria, com grandes forças dispostas pelas planícies, deu lugar a um ambiente
dinâmico de novas ameaças, repleto de adversários irregulares combatendo em uma
guerra de estilo assimétrico.
57

3.2 A GUERRA DE QUARTA GERAÇÃO

Muito se tem falado sobre a chamada Guerra de Terceira Espécie ou de


Quarta Geração31. Aquela onde não haverá teatros de operações militares, senão
uma insólita e caótica violência na sociedade, principalmente nos centros urbanos.
Guerra para a qual os exércitos ainda não estão preparados e que hoje representa
um dos maiores desafios dos Estados Nacionais que, por sua vez, também não
estão preparados estruturalmente para enfrentá-la.
Estrategicamente, os pequenos Estados têm mudado de campanhas
militares apoiadas por operações de informação para campanhas de comunicações
estratégicas apoiadas por operações terroristas e guerrilheiras, utilizando todas as
redes disponíveis políticas, econômicas, sociais e militares para convencer os
líderes inimigos responsáveis pelas decisões políticas de que seus objetivos
estratégicos são inalcançáveis ou demasiadamente custosos quando comparados
aos benefícios percebidos.
Essa violência nasce e prospera em um ambiente social convulsionado. Por
isso, aqueles que se valem da “nova guerra” têm como chave para seu triunfo
estratégico a quebra de valores e a corrupção generalizada da sociedade, a par de
uma nefasta aliança com as estruturas políticas do Estado.
Sabe-se, também, que a Guerra de Quarta Geração se nutre das mazelas
que corroem os tecidos sociais. Dentre tantas, se destacam o baixo nível cultural, as
disparidades sócio-econômicas dentro da mesma sociedade e a corrupção
generalizada. Todas essas mazelas são alimentadas, dia após dia, pela mesma
sociedade organizada, pode-se dizer, pelo próprio Estado, que deveria combatê-las,
formando um nefasto vicioso.

31
Guerra de Quarta Geração. Esta teoria da guerra foi desenvolvida por William S. Lind e quatro
oficiais do Exército e do Corpo de Fuzileiros dos Estados Unidos (USMC). O Sr. Lind, que foi
assessor legislativo de dois senadores, é o diretor de um think tank conservador e autoridade em
guerra de movimento. A guerra de quarta geração é, primordialmente, uma teoria em nível tático que,
ocasionalmente, incursiona no nível operacional, e se situa na era moderna que vai da época do
Tratado de Westfália, em 1648, até o presente.
58

Diante desse quadro e, tomando essa realidade como algo inexorável, já


reconhecida por muitos estudiosos dos tempos atuais, fica claro que somente
combater o terrorismo doméstico com forças tradicionais as mais diversas e não
resolver os problemas estruturais que estão carcomendo os Estados, não vai
contribuir para a vitória nessa guerra, que já está em curso.
Os conceitos referentes à Guerra de Quarta Geração vem sendo empregados
para explicitar o tipo de conflito multidimensional, o qual envolve ações em terra, no
mar, no ar, no espaço exterior, no espectro eletromagnético e no ciberespaço. De
acordo com esse novo contexto estratégico, o inimigo pode não ser um Estado
organizado, mas um grupo terrorista ou outra organização criminosa qualquer.
Para se contextualizar esse novo tipo de guerra, é possível associar o novo
tipo de conflito à transição da morfologia bélica registrada no século XX,
identificando os grandes acontecimentos que marcaram o final e o início de três
gerações de conflitos. Dessa forma, como primeiro evento, destaca-se o ganho do
poder do fogo, associado ao desenvolvimento da arte tática, registrando que o poder
de fogo massivo substitui o poder humano massivo taticamente pobre.
Posteriormente, e como segundo, ao poder de fogo se adiciona uma maior
mobilidade. Assim, na seqüência, cada uma das três gerações identificadas amplia o
campo de batalha e a capacidade de manobra do antagonista.
Por outro lado, pode-se atribuir aos conflitos periféricos do período da Guerra
Fria a responsabilidade pelo desenvolvimento da Guerra de Quarta Geração. De
fato, o surgimento das armas nucleares em 1945 contribuiu para tornar a guerra
entre grandes potências demasiadamente perigosa. Desde então, os conflitos locais
ou regionais, envolvendo inclusive atores não-estatais, vêm se proliferando,
tornando-se cada vez mais comuns.
Nesta forma de pensamento, as Guerras de Quarta Geração reconhecem
como o campo de batalha o conjunto de uma sociedade, inclusive sua cultura,
buscando implodi-la. Assim, esses eventos não reconhecem limites claros entre a
guerra e a paz ou entre combatentes ou não-combatentes, nem permitem identificar
com precisão as frentes de batalha. Dessa forma, são eventos assinalados por uma
grande dispersão geográfica e valorizam em maior proporção do que em gerações
59

anteriores o papel das operações psicológicas e o controle dos meios de


comunicação social.32

A Guerra de Quarta Geração é também marcada por uma volta a um mundo


de culturas, não meramente de países, em conflito. Sob este enfoque, o mais antigo
e obstinado oponente do cristianismo ocidental, o Islã, vem se materializando como
um poderoso inimigo a enfrentar. De fato, após cerca de três séculos na defensiva
estratégica, seguindo-se ao fracasso do segundo cerco turco de Viena em 1683, o
Islã tem retomado a ofensiva estratégica, expandindo-se para fora em todas as
direções. Em função disso, na Guerra de Quarta Geração, a invasão de imigrantes
pode ser tão perigosa quanto a invasão do exército inimigo.
Neste cenário, o terrorismo fundamentalista pode ser encarado como uma
das manifestações do novo fenômeno bélico. Com efeito, os ataques ao World Trade
Center e ao Pentágono, em 11 de setembro de 2001, constituiram um ponto de
virada fundamental, na trajetória dos conflitos de quarta geração. Desde então, o
mundo tem vivido uma espécie de conflito de baixa intensidade permanente, sujeito
a surtos periódicos de média ou alta intensidade.

Figura 8 - A Guerra ao terror


Fonte super.abril.com.br/imagem/esp_todasasguerras

São exemplos desses surtos, as invasões do Afeganistão e do Iraque, por


coalizões lideradas pelos EUA. Nessas invasões, o emprego massivo e mal-

32
LIND, William; SCHMITT, John; SUTTON, Joseph e WILSON, Gary: “The Changing Face of War:
into the Fourth Generation”, Marine Corps Gazette (outubro de 1989): pp. 22-26.4.
60

sucedido das Forças Armadas contra ameaças terroristas, teve como conseqüência
a perenização dos combates irregulares e o agravamento das tensões não somente
nas regiões dos conflitos, mas no mundo como um todo.
Vale lembrar que ao invadir esses países e destruir completamente a
estrutura de seus Estados, eliminando o precário equilíbrio de forças interno, a
superpotência hegemônica e seus aliados estabeleceram o caos no território desses
países e criaram condições propícias à proliferação de grupos insurgentes de quarta
geração em toda a região, na qual o Estado, ainda que em condições precárias de
funcionamento, deveria ter sido preservado, pois historicamente sempre funcionou
como uma barreira entre a civilização e a barbárie.
Nessa linha de raciocínio, pode-se supor que a Guerra de Quarta Geração
traz no seu fundamento a crise universal da legitimidade do Estado. Assim, a
destruição de um Estado pode ser conseguida, intencionalmente ou não, por outros
meios que não os militares. Ou seja, a fim de "conquistar" um país, é possível
destruir sua economia e seu sistema político, assim como sua coesão interna e sua
identidade cultural, sem necessidade de empregar força militar.
De fato, no contexto da Guerra de Quarta Geração, os ataques à segurança
de um Estado podem partir de outros Estados, mas também de conglomerados
multinacionais, organizações terroristas ou cartéis de narcotraficantes. Desse modo,
uma coalizão de facções ideológicas ou criminosas, com ramificações internas e
externas, podem declarar guerra a qualquer Nação, inclusive ao Estado brasileiro.
Na América do Sul, nos últimos anos, os conceitos da Guerra da Quarta
Geração têm sido empregados intensivamente para explicar a conduta do
Presidente venezuelano Hugo Chávez em assuntos de defesa e segurança. Tais
conceitos, de acordo com seus partidários, servem para explicar a natureza da
agressão que a nação caribenha enfrenta, assim como as medidas preventivo-
dissuasivas que o seu Poder Executivo adota ao enfrentar essa contingência.
Não obstante, uma nova ameaça, contra a qual a força militar é inócua, é a da
guerra irregular ou Guerra de Quarta Geração praticada por agentes não-estatais,
como o aparato internacional de organizações não-governamentais (ONGs)
ambientalistas e indigenistas, cujas campanhas têm se revelado bastante eficazes
para obstaculizar iniciativas de desenvolvimento e utilização dos recursos naturais
pelos países-alvo. O Brasil tem sido um alvo especial dessa campanha
antidesenvolvimentista.
61

Exércitos convencionais têm se engajado em combates de Quarta Geração


ao longo da História. Entretanto, o desafio atual das forças militares é lutar através
de todo o espectro de conflito, no qual a tecnologia, embora não seja uma solução
tem se mostrado bastante útil. Sobretudo, pelo fato dos oponentes neste tipo de
conflito não reconhecerem, ao menos, as Convenções e os Protocolos de Genebra.
Sob o enfoque tecnológico, a nova idéia de Guerra centrada em redes
internacionais é uma atualização ultradispendiosa do velho conceito soviético de
centralização do planejamento e controle, exigindo bilhões de dólares em avançados
sistemas C4 (comando, controle, comunicação e computação).
Neste sentido, a Guerra de Quarta Geração vem adquirindo uma
complexidade cada vez maior, caracterizando-se não somente pelas grandes
mudanças em como o inimigo combate, mas também pela ampla abrangência de
quem está lutando e para que. Tais mudanças, tornam difícil, em combate,
diferenciar o amigo e o inimigo. Um bom exemplo é a mulher bomba-suicida. Além
disso, a mudança na forma de combater do inimigo tem inviabilizado as concessões
políticas que são necessárias para terminar a guerra.
De acordo com o escritor Lorenzo Carrasco33, o Brasil passou a ocupar uma
posição privilegiada nessa estratégia de guerra irregular a partir do final da década
de 1980, após o assassinato de Chico Mendes, cuja transformação em um fato de
proporções mundiais constituiu uma evidência cabal da intenção de apresentar o
País como o vilão ambiental número um do planeta.
Segundo Lorenzo Carrasco, o Brasil se viu no centro de uma inédita
campanha internacional de preocupações com a Amazônia, em particular, cuja
devastação passou a ser apresentada como iminente à opinião pública mundial,
acompanhada de fortes pressões políticas e diplomáticas para que o País aceitasse
os princípios de soberania restrita sobre a região.
Nessa estratégia de quarta geração, para se justificar a ingerência externa,
um modo de operar começa a se tornar evidente e repetitivo. Inicialmente, os meios
de comunicação internacionais desfecham um poderoso bombardeio de fatos
sensacionalistas sobre a opinião pública mundial, tentando evidenciar a

33
O jornalista mexicano Lorenzo Carrasco é dirigente do Movimento de Solidariedade Ibero-
americana (MSIa) e coordenador do livro "Máfia verde: o ambientalismo a serviço do governo
mundial”.
62

incapacidade e o descontrole dos governantes locais. Tudo isso ocorre,


desafortunadamente, com o apoio freqüente e acrítico dos principais meios de
comunicações nacionais.
Posteriormente, entram em campo as ONGs como autênticas forças de
ocupação territorial, ao interferir diretamente nas políticas governamentais referentes
à definição de grandes reservas naturais e indígenas e, igualmente, promovendo
ruidosas campanhas de propaganda contra projetos de infra-estrutura energética e
viária, além de tecnologias de ponta, tais como a energia nuclear e a biotecnologia.

Vale lembrar que o conceito de ONG foi desenvolvido dentro da Fundação


da Comunidade Britânica (Commonwealth Foundation), criada em 1966, com o
propósito explícito de desconstruir os Estados nacionais. Com esse propósito, a
explosão das ONGs, em âmbito mundial, pode ser vista como a expressão de um
novo pensamento sobre o papel dos governos, que devem ser mais gestores de
políticas do que fornecedores de bens e serviços.

Ainda envolvendo o Brasil, outra manifestação recente e emblemática


dessas pressões externas foi o assassinato da missionária norte-americana Dorothy
Stang, em fevereiro de 2005, ocorrido no Pará. Esse episódio motivou a implantação
imediata de um pacote verde pelo Governo Federal, o qual implicou na virtual
esterilização de mais de 12 milhões de hectares de terras no Estado do Pará, sem
qualquer consideração ou discussão com as populações diretamente afetadas.
A essa altura, fica bem claro que as ameaças de quarta geração não podem
ser enfrentadas por meios militares convencionais. Contudo, as Forças Armadas não
devem ser excluídas da resposta a elas, muito pelo contrário, terão um papel cada
vez mais preponderante. Mas o fato é que a batalha crucial deve ser travada no
terreno da inteligência, tomando-se a expressão no sentido mais amplo, tanto de
inteligência tática, no sentido de conhecer as reais intenções do inimigo, como de
inteligência estratégica, referente às idéias mais profundas desenvolvidas pelas
potenciais forças adversas.
O escritor Lorenzo Carrasco aponta que para se analisar a atuação do
movimento ambientalista e indigenista mundial como um instrumento geopolítico a
serviço de interesses hegemônicos, nas últimas décadas, é preciso enquadrá-lo em
um contexto estratégico mais amplo. De fato, a expressiva mobilização desse
aparato intervencionista de guerra irregular ocorreu no âmbito do fim da Guerra Fria
63

e da emergência da globalização financeira, como instrumentos eficazes para a


almejada consolidação da hegemonia unipolar norte-americana.
Essa nova ordem mundial, estrategicamente anunciada ao mundo pelo
presidente norte-americano George Bush por ocasião da primeira Guerra do Golfo
em 1991, tinha como um das suas principais premissas a debilitação e neutralização
dos Estados nacionais soberanos e a ascensão de atores não-estatais, como as
organizações não-governamentais (ONGs), na orientação e determinação das
políticas públicas internas e externas, estabelecendo as bases para regimes de
soberania restrita ou limitada.
Pode-se dizer que um desdobramento recente dessa estratégia foi o
reconhecimento da independência da província do Kosovo, a revelia do governo
sérvio e transformado em um protetorado da OTAN, com base em critérios étnicos.
Tal situação, representa um precedente perigoso para nações que têm
concentrações de populações culturalmente diferenciadas em certas áreas
geográficas, tais como determinadas tribos indígenas no Brasil.
Assim sendo, tem sido comum, entre as Forças Armadas dos países mais
desenvolvidos, designar o Conflito de Quarta Geração como o vale-tudo bélico do
terceiro milênio, o qual assimila e ultrapassa, por exemplo, a “blitzkrieg”, Guerra de
Terceira Geração desencadeada por Hitler, baseada não no poder de fogo, mas na
velocidade, surpresa e no deslocamento mental e físico do exército invasor, que
anula o monopólio da exploração do Estado sobre a guerra, hoje, a olhos vistos,
inquestionavelmente ordenada não mais pelos exércitos convencionais, mas por
forças e entidades em alguns casos transnacionais.
De acordo com tudo isso, a maior ameaça que as nações podem enfrentar
não é apenas o terrorismo, que é apenas uma opção tática na guerra. A real ameaça
é a chamada Guerra da Quarta Geração, um conflito bem mais amplo, contra o qual,
nenhuma força armada estatal, por mais bem equipada e adestrada que seja,
consegue derrotar militarmente seus oponentes. Esta realidade, torna a maior parte
dos Estados vulneráveis a este tipo de conflito.

3.3 A ONU, O CONSELHO DE SEGURANÇA E O BRASIL


64

3.3.1 Considerações Introdutórias

Tendo originalmente 51 Estados-fundadores que estiveram presentes na


Conferência de São Francisco de 25 de abril a 25 de junho de 1945 e com o total
hoje de 191 Estados-membros, sendo a Suíça e o Timor Leste os últimos a
ingressarem em 2002, a ONU atrai críticas ácidas, hesitantes elogios e dúvidas
concretas sobre sua real capacidade de efetivar os princípios e propósitos de sua
Carta.

Com sede em Nova Iorque, é o centro de um amplo conjunto de Organismos


Internacionais e agências especializadas em todos os continentes que, juntos,
compõem o Sistema da ONU. É um organismo internacional de segunda geração já
que a Liga das Nações (SDN) seria um organismo internacional de cunho político
global de primeira geração.

Figura 9 – Estrutura orgânico-funcional da ONU

Fonte: http://www.tareas-ya.com/web_anterior/www/recursos/h2_p_205.gif

Seu principal documento jurídico é a Carta da ONU, com 111 artigos, e o


Estatuto da Corte Internacional de Justiça, com 70 artigos – texto ipso jure à Carta –
que ambos delineiam suas funções, propósitos, missão e composição de seus
órgãos internos bem como disciplinam o relacionamento os Estados-membros,
65

organismos internacionais e agências especializadas atrelados ao Sistema da ONU


e o próprio Secretariado.

A ONU teve seus princípios, propósitos e sua estrutura política formulada


ainda durante a vigência da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) pelos Aliados em
uma séria de encontros de Cúpula, conferências internacionais e articulação direta
entre EUA, URSS e Reino Unido, a partir da assinatura do marco da Carta do
Atlântico de 1941.

Ao longo de seus sessenta anos, a ONU vem cativando o imaginário político


coletivo de forma imponente pelo seu histórico de acertos, erros, letargia e inanição
decisória, especialmente durante a Guerra Fria (1945-1991).

O principal objetivo da ONU, criada ainda em meio aos escombros humanos


e materiais da Segunda Guerra Mundial é, dessa forma, evitar nova guerra em
escala mundial que por duas vezes trouxe sofrimentos indizíveis à humanidade,
como consta no Preâmbulo da Carta da ONU.

Em que pese essa finalidade, tanto na guerra do Vietnã, quanto na invasão


da Checoslováquia, ou no Afeganistão na década de 1980, a voz da instituição não
se fez ouvir, porque o assunto sequer foi discutido no âmbito da ONU. Nem
adiantaria fazê-lo, sabendo-se de antemão os resultados.

Essas limitações sempre se constituíram em motivos para que críticas


intensas fossem feitas contra a capacidade da ONU para resolver conflitos, quando
os interesses das grandes potências estavam em jogo. Nesses casos, nada podia
ser feito, porque o controle do Conselho de Segurança pelos cinco grandes sempre
inviabilizou a tomada de medidas adequadas para atender a todas as demandas de
maneira favorável a contentar os agentes envolvidos.

Apesar dessas freqüentes críticas sobre a ineficácia da ONU para colocar


ordem no mundo, quando se encontram no centro das discussões, os interesses das
grandes potências, não resta dúvida de que ela é, até o presente momento, o maior
experimento já visto, em termos de instituições internacionais. Sua antecessora, a
Liga ou Sociedade das Nações, não teve sequer igual sorte mostrando-se, desde o
início, impotente para manter a paz e a segurança mundiais, frente a um cenário que
sempre se lhe apresentou pouco favorável.
66

Certamente, a ONU com seu papel nas Relações Internacionais pós-


bipolaridade e pós-11 de setembro de uma pesada carga de doutrinarismo antiterror
não deve se limitar, exclusivamente, a evitar ocorrência de novos flagelos bélicos em
escala mundial como os que ocorreram em 1914-1918 e entre 1939-1945. Ela deve
ter um papel bem maior e mais incisivo nos planos sócio-econômico, cultural,
comercial e humanístico.

3.3.2 O Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) e o Brasil

Durante a maior parte de sua existência a ONU cumpriu papéis que


derivavam diretamente da ordem internacional resultante da Guerra Fria. Entre suas
principais funções estava a de constituir um fórum de convivência pública entre as
duas superpotências. Nele, os EUA e a URSS, diretamente ou por intermédio de
seus aliados, protagonizaram a bipolaridade que caracterizou o período, vivendo
momentos de rivalidade e confrontação, mas também de cooperação.

A notável expansão das Nações Unidas em organizações setoriais, a


universalidade de sua agenda e o constante aumento do número de seus Estados-
membros, indicam o quanto a dimensão cooperativa sobreviveu, apesar de todo o
caráter polarizado da Guerra Fria. Assim, todas as tentativas de torná-la um
instrumento para a derrocada de um dos lados, ou para aprisionar ambas as
superpotências à chantagem dos não-alinhados, conheceram um sucesso apenas
mitigado. De modo que é possível sustentar a hipótese de que a ONU, no período
da Guerra Fria, manteve-se essencialmente a serviço da mútua contenção das
superpotências.

Esse conjunto de circunstâncias contribuiu para simultaneamente expandir a


agenda das Nações Unidas e inflar as expectativas com relação ao seu papel, sem
que a isso correspondesse um aumento proporcional de sua capacidade de
resolução. Precipitou-se, assim, uma grande insatisfação com a Organização, tanto
em seu aspecto político quanto administrativo. Tal insatisfação se manifestou em
termos de uma demanda de reforma.

Neste sentido, desde o fim da Guerra Fria vem se defendendo uma reforma
do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Vale destacar que mesmo na sua
criação, já houve uma desproporção entre o poder relativo de cada membro
67

permanente do Conselho de Segurança, pois, comparativamente aos Estados


Unidos e à União Soviética, a França tinha uma relação muito inferior, entrando
nessa categoria somente por pressão do Primeiro Ministro britânico Winston
Churchill34.

Existem várias propostas de ampliação do órgão, que abrangem diferentes


posições quanto ao número de assentos, à qualidade destes assentos (permanentes
ou não-permanentes), ao direito de veto aos possíveis novos membros
permanentes, dentre outros aspectos. A comissão está considerando dois modelos:
aumentar o número de assentos permanentes de cinco para onze e os não-
permanentes de dez para treze; aumentar nove assentos não-permanentes.

Muito se tem comentado na imprensa escrita e televisiva sobre a


candidatura do Brasil a membro permanente do CSNU. Historicamente, a primeira e
única reforma ocorrida até a agora no Conselho foi em 1965 quando 2/3 dos países,
incluindo os permanentes (EUA, URSS, França, Reino Unido e China), ratificaram a
emenda que aumentava de 11 para 15 os países rotativos.

Em 1995, uma comissão foi nomeada pelo Secretário-Geral da Organização


da ONU, Kofi Annan para estudar a reforma da estrutura do Organismo, inclusive do
Conselho de Segurança. Atualmente, o órgão conta com 15 membros, dos quais
cinco são permanentes e dez, rotativos, eleitos pela Assembléia Geral, por período
de dois anos, cuja função primordial é manter a paz e a segurança internacional, em
conformidade com os propósitos e princípios das Nações Unidas.

O Brasil defende a adição de cinco novos postos permanentes, sendo que


três seriam ocupados por Estados em desenvolvimento da África, Ásia e América
Latina e Caribe (África do Sul, Índia e Brasil, respectivamente – apesar de a África
do Sul não ter manifestado sua intenção de ocupar a função) e os outros dois seriam
ocupados por Estados industrializados (Alemanha e Japão).

Participar do Conselho de Segurança demonstra particular importância no


cenário internacional, na medida em que as decisões deste órgão são as únicas que
têm caráter obrigatório, e não recomendatório, como as da Assembléia Geral e as

34
Sir Winston Leonard Spencer Churchill foi um estadista britânico, escritor, jornalista, orador e
historiador, famoso principalmente por ser o primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda
Guerra Mundial.
68

dos demais organismos internacionais. Isto é, todos os Estados-membros da


organização estão obrigados a aceitar e cumprir as decisões do Conselho.

Neste sentido, tomar parte no Conselho de Segurança significa tomar parte


das decisões mais relevantes no âmbito internacional e ter aumentado seu poder.
Daí o interesse do Brasil e de outros países de integrar o corpo permanente do
órgão – e a explicação da oposição da Itália, Argentina, México e Paquistão: ela se
configuraria como uma tentativa de evitar a expansão do escopo de poder da
Alemanha, Brasil e Índia.

Para justificar sua candidatura ao possível assento permanente no Conselho


de Segurança, o Brasil vem participando de várias missões de paz internacionais,
como a missão do Timor Leste, em que participou ativamente da criação do novo
Estado, e a do Haiti, em que lidera a missão de paz da ONU (MINUSTAH), a fim de
aumentar sua visibilidade e importância na arena internacional. Com isso,
demonstraria liderança e capacidade de lidar com assuntos da agenda internacional.

Figura 10 – A participação do Brasil em Missões de Paz

Fonte: www.batalhaosuez.com.br/mapaMissoesBrasForcas...
69

É importante frisar que se de fato, o Brasil conseguir assumir um dos


assentos do Conselho de Segurança, é inegável que seu peso no cenário
internacional deve aumentar exponencialmente, pois o País vai passar a ter voz
mais ativa nas principais deliberações internacionais e, conseqüentemente, mais
poder, facilitando a conquista e a manutenção dos Objetivos Nacionais Permanentes
brasileiros.

Além disso, argumenta-se que com a reforma se diminuiriam as


disparidades de representação no Conselho de Segurança, aumentando sua
legitimidade, pois, sua composição reflete, ainda hoje, a ordem política internacional
da década de 1960, a qual pouco tem a ver com a instaurada no mundo após o fim
da Guerra Fria.

Neste sentido, a reforma da ONU e do Conselho de Segurança serviria


como adaptação à nova configuração mundial, em que se observam um aumento
considerável no número de países independentes (de 51, em 1963 para 191, em
2004), o fim da Guerra Fria, o fortalecimento de atores não-estatais e a ampliação da
agenda internacional.

Entretanto, não bastaria o aumento do número de países com assentos


permanentes no Conselho de Segurança para conseguir superar esses problemas.
É necessário modificar outros órgãos da Organização e as interações entre eles,
como defendeu Sérgio Vieira de Mello35 em artigo de jornal, quando da sua
nomeação para o cargo de representante do Secretário-Geral para o Iraque.

Para ele, seria necessário que no Conselho de Segurança os debates


fossem além da visão tradicional de que questões de segurança estivessem
limitadas às armas de destruição em massa, e na Comissão de Direitos Humanos
(CDH) se pudessem discutir os direitos humanos quando eles estivessem ligados
aos assuntos de segurança. Contudo, esse debate está sendo atropelado por novas
circunstâncias.

Ainda na perspectiva na análise do plano político-diplomático, um elemento


de enfraquecimento da candidatura é que o Brasil passou mais de duas décadas

35
Sérgio Vieira de Mello (Rio de Janeiro, 15 de março de 1948 — Bagdá, 19 de Agosto de 2003) foi
um diplomata brasileiro, funcionário da Organização das Nações Unidas por 34 anos. Morreu em
um atentado terrorista à sede local da ONU em Bagdad, juntamente com outros 21 membros de
sua equipe.
70

sem contribuir, em termos militares, para missões de paz e, somente na década de


noventa, voltou participar nas operações da paz da ONU e a defender reforma do
CSNU durante a primeira gestão de Celso Amorim36 no Itamaraty.

Por outro lado, o Japão e a Alemanha, por exemplo, há uma década vêm
sendo o segundo e o terceiro maior contribuidores para o orçamento regular da ONU
e preservam uma plataforma político-diplomática à vaga permanente do CSNU bem
mais coesa e alinhada com os EUA.

Em síntese parcial, pode-se concluir que dificilmente uma mera reforma de


composição venha a democratizar e legitimar o órgão que tem a principal função de
manter o “statu quo” da ordem mundial. Além disso, é necessário avaliar
criteriosamente, os custos políticos, militares e sociais de ser membro permanente
do CSNU.

36
Celso Luís Nunes Amorim é um diplomata brasileiro de carreira. Foi ministro das Relações
Exteriores por duas vezes: de 1993 a 1994, durante o governo de Itamar Franco, e desde 2003 até
atualmente, sob o governo de Luiz Inácio Lula da Silva.
71

4 REFLEXOS DA NOVA ORDEM MUNDIAL PARA O BRASIL

A intensificação do processo de globalização e as novas configurações do


quadro internacional criaram a necessidade de uma discussão e de uma reavaliação
dos caminhos até agora trilhados para a inserção do Brasil no cenário mundial.

Uma das conseqüências do novo quadro estratégico mundial foi que as


questões de segurança passaram a ser vistas menos sob o enfoque geopolítico, isto
é, decorrentes de fatores geográficos ou históricos, e mais sob o enfoque
geoeconômico, que envolve aspectos econômicos e sociais, tais como a situação
geral da economia do Brasil, o nível de coesão social e a capacidade brasileira de
enfrentar a competição econômica decorrente da globalização.37
A preocupação política internacional concentrou-se nos chamados “interesses
coletivos da humanidade”, como a proteção dos direitos humanos; a preservação do
meio-ambiente; a eliminação da miséria; o combate ao crime organizado, em
especial ao narcotráfico; o controle da proliferação das armas da destruição em
massa; a eliminação do terrorismo como instrumento de ação política; e assim por
diante.
Ora, embora em princípio essas questões sejam reconhecidas por todos como
relevantes, elas criam focos de tensão nas relações entre países desenvolvidos, em
desenvolvimento, dos quais o Brasil é um dos mais importantes representantes e
dos subdesenvolvidos, sobretudo porque as respectivas visões sobre elas são
divergentes, como é fácil perceber.
No que se refere ao tráfico de drogas, os países desenvolvidos, onde, sem
dúvida, estão os grandes consumidores, julgam que a solução para o problema está
na repressão policial ao plantio e refino da droga nos países do hemisfério Sul , que
são os grandes produtores; na avaliação destes, porém, a questão é mais social do
que policial, exigindo vultosos recursos que deveriam vir dos países ricos, os
grandes beneficiados com a erradicação do problema.

37
ALY, Abdel Monem Said. “From Geopolitics to Geo-Economics – Egyptian National Security
Perceptions”. In: Research Paper, New York/Geneve, United Nations Institute for Disarmament
Research (Unidir), (37): 109, 1995. O autor é diretor do Centro de Estudos Políticos e Estratégicos
da Fundação Al-Ahran, no Cairo (Egito).
72

A questão ambiental também gera antagonismos: os países industrialmente


mais avançados, indubitavelmente os maiores poluidores e consumidores dos
limitados recursos do planeta, estão impondo aos mais atrasados e aos emergentes
como o Brasil – aonde estão os recursos ainda disponíveis e o que resta para ser
preservado (as florestas tropicais, por exemplo) – medidas de proteção ao meio
ambiente que criam obstáculos adicionais ao desenvolvimento; para os
subdesenvolvidos, a maior poluição é a miséria, devendo ser procuradas fórmulas
que, sem agredir a natureza, não retardem o progresso.
Por outro lado, as crescentes dificuldades criadas pelos países mais
avançados para transferência de tecnologia de ponta para países do Terceiro
Mundo, sob a alegação de que essas tecnologias levam ao desenvolvimento de
armas de destruição em massa, representam um óbice para estes, já que, em geral,
essas tecnologias são de duplo uso, sendo muito importantes para acelerar o
desenvolvimento: a mesma tecnologia usada para a fabricação do veículo lançador
de satélites, de enorme importância para um país de dimensões continentais como o
Brasil, é a necessária para a produção de mísseis de longo alcance; o domínio da
tecnologia nuclear, que envolve o ciclo completo do combustível nuclear, serve tanto
à fabricação de armamento nuclear como a um número considerável de atividades
pacíficas significativas para o desenvolvimento.
Os países do Primeiro Mundo, premidos por crescentes custos dos encargos
sociais e às voltas com uma crise de desemprego de grandes proporções, estão
modificando as leis sobre imigração, tornando-as cada vez mais restritivas; o
imigrante, em geral proveniente de um país subdesenvolvido, passa a ser visto como
um intruso; as conseqüências têm sido o ressurgimento do racismo, o fortalecimento
dos partidos políticos de extrema direita nos países desenvolvidos – é o caso do
partido de Le Pen na França – e o aumento da má vontade para com os países em
desenvolvimento, fatores que agravam as tensões entre os dois grupos de países.
A globalização da economia, tendendo a criar um único mercado mundial,
beneficia os países detentores de capital e tecnologia, alargando o fosso já existente
entre ricos e pobres e, portanto, contribuindo para o agravamento das relações entre
eles.
73

Além disso, a NOM, enquanto fenômeno sócio-histórico, possibilitou a


introdução de novos atores no Sistema Internacional e modificou o escopo das
relações internacionais, influindo no papel dos Estados-nações. Este processo
constituiu um novo objeto de estudo em face das Teorias das Relações
Internacionais, estimulando a consecução de importantes adaptações pelo Estado
brasileiro.

A recente reformulação nas concepções estratégicas em segurança e


defesa que adveio de significativas mudanças nos contexto político mundial após-
Guerra Fria refletiu regionalmente na América do Sul e nacionalmente na introdução
de uma série de condicionantes à transformação da autonomia política e institucional
das Forças Armadas.

Em um cenário essencialmente dinâmico das relações internacionais, repleto


de mudanças que surgem e variam de magnitude e de características diante da
emergência de ameaças transnacionais, tornou-se impreciso interpretar a divisão
das ameaças entre as de origem externa e as de origem interna, uma vez que, em
um mundo globalizado, é cada vez mais difícil traçar uma linha divisória com este
critério, pois há uma presença latente e contínua de temáticas entre os países.

Além disso, com a formação da “Aldeia Global”, a circulação de pessoas e,


principalmente, a arrecadação e circulação de recursos financeiros para os grupos
terroristas a fim de tentar evitar o rastreamento dos serviços de inteligência, tornou-
se uma realidade, podendo se dar em qualquer parte do planeta, inclusive no Brasil.

Em face dessa nova ameaça, países como o Brasil passaram a ter que
desenvolver sua própria política antiterrorismo, não porque sejam alvos no momento,
mas porque muito possivelmente estarão na segunda categoria de países e,
portanto, passarão a sofrer pressões cada vez maiores se não adotarem medidas
efetivas para combater essa ameaça que agora se apresenta em escala global.

Pela Constituição Brasileira os princípios de autodeterminação e não-


intervenção ainda regem a política externa do País. Entretanto, se a maior ameaça
militar a países como o Brasil vem das grandes potências, cujo poder militar é
incomensuravelmente superior, a dissuasão passa a ser o principal objetivo
estratégico para o Brasil e para os países do Terceiro Mundo. Assim, suas Forças
74

Armadas passaram a ser desenvolvidas e preparadas levando essa realidade em


consideração.
É importante destacar que a capacidade de dissuasão de um país depende de
todas as expressões do seu Poder Nacional, e não apenas do seu poder militar. A
força de sua política, tanto no campo interno como no externo, a pujança da sua
economia, o caráter do seu povo e de seus dirigentes; o nível do seu
desenvolvimento científico-tecnológico, sua coesão social, são apenas alguns dos
muitos fatores que contribuem para uma maior ou menor capacidade de dissuasão.

Por outro lado, o Brasil, assim como toda América Latina, desde sua
independência se debatem para encontrar seu modelo de desenvolvimento completo
se encontram agora no "olho do furacão" da economia globalizada e se depararam
com dificuldades para vislumbrar alternativas de desenvolvimento, pelo menos a
curto e médio prazo.

Nas duas últimas décadas do século XX, o Brasil passou por um processo
paralelo de transformações. Enquanto, no plano político, os anos 1980 marcaram a
transição para os governos civis. No plano econômico o Brasil assistiu à exaustão do
modelo essencialmente autárquico de desenvolvimento. De fato, em conjunto com a
turbulência financeira, a estratégia de inserção à economia mundial sob controle do
Estado tornou-se crescentemente mais difícil.

De acordo com essas imposições, procurou-se construir um novo perfil para


o poder público brasileiro como no caso das privatizações das empresas estatais e
os cortes nos gastos, principalmente nos setores de infra-estrutura energética, viária,
transportes e comunicações. Pouco mais tarde, em 1994, a adoção do Plano Real
possibilitou a tão almejada estabilidade monetária da economia brasileira.

No campo político, a diluição das fronteiras e a “internalização” da economia


mundial como um novo fato, suscitaram conseqüências que representaram
importantes lições para a condução da Política Externa Brasileira. Embora no
passado o país tivesse buscado a autonomia possível através de um relativo
distanciamento do mundo, na virada do milênio a autonomia possível e necessária
para o desenvolvimento somente pode ser construída através de uma ativa
75

participação na formulação das regras e normas de conduta para o gerenciamento


da Ordem Mundial38.

Do lado econômico, com o objetivo de o país manter uma relativa margem


de manobra no plano externo, a distribuição diversificada da estrutura brasileira de
comércio exterior não só foi percebida como uma vantagem, como se procurou
mantê-la. Entretanto, o desafio de ampliação da participação do país no mercado
mundial impôs a necessidade de ações promocionais nos diversos continentes.

Figura 11 – Principais parceiros comerciais do Brasil

Fonte: www.faap.br/.../rel_03/images/img_04.jpg

38
A. HAMILTON, Report on the Subject of Manufactures, 1791. F. LIST, The National System of
Political Economy, 1841. Um dos argumentos contidos nessas obras era a idéia de que o livre
comércio pode ser benéfico para as economias situadas nas duas extremidades: as industrializados e
as de base primária.
76

Esse objetivo de universalização ou de diversificação de parcerias mostrou-


se constante nas bases da Política Externa Brasileira, representando um traço do
estilo diplomático brasileiro, o qual favoreceu a flexibilidade no processo decisório e
o alargamento das possíveis opções internacionais, de forma que a possibilidade de
escolhas futuras seja mantida em aberto.

Assim, em seu atual projeto de inserção internacional, o Brasil delegou à


região asiática, africana e sul-americana, um espaço especial, considerando-se a
grande demanda por investimentos e por acesso a tecnologias de ponta, bem como
por um mercado com alta capacidade de consumo.

Como em outros momentos da economia internacional, agora de novo, as


economias exportadoras sul-americanas estão acompanhando o ciclo expansivo da
economia mundial, liderado pelos Estados Unidos e a China.

Entretanto, existe uma grande novidade neste novo ciclo de crescimento sul-
americano: o peso decisivo das exportações, importações e investimentos asiáticos
no continente, em particular da China, que tem sido a grande responsável pelo
aumento das exportações sul-americanas, de minérios, energia e grãos. Ao mesmo
tempo, as exportações chinesas para a América Latina aumentaram 52%, em 2006,
enquanto as dos Estados Unidos só aumentaram 20%.

De acordo com essa nova dinâmica comercial, somente para o Brasil, as


vendas chinesas cresceram 53%, enquanto as exportações brasileiras para a China
cresciam um 32% no mesmo ano. Em 2006, o Brasil já importou mais da Ásia do
que de seus parceiros tradicionais, os EUA e a Europa, e a China já superou o Brasil
como maior fornecedor de produtos manufaturados, para os países da América
Latina.

Para comprovar a velocidade dessas mudanças, basta dizer que em 1990, o


Brasil fornecia 10% das importações de manufaturados do Chile, enquanto a China
fornecia 1%, e 15 anos depois, o Brasil fornece 13% e a China já chegou a 12%.
Mas, além do comércio, a China está ocupando um papel cada vez mais importante,
dentro da região, como investidor, competindo com as fontes tradicionais de capital
de investimento na América do Sul e no Brasil.
77

Agora, do ponto de vista interno da economia sul-americana, os novos


preços internacionais dos minérios e da energia, têm fortalecido a capacidade fiscal
dos estados produtores, e estão servindo para financiar alguns projetos ambiciosos
de integração física e energética, dentro do próprio continente. Além disto, as
vultuosas reservas em moeda forte, da Venezuela, já lhe permitiram atuar, duas
vezes, como emprestador em última instância, da Argentina e do Paraguai, criando
um novo tipo de relacionamento e integração absolutamente original, na história da
América do Sul.

É imperioso destacar que na nova geopolítica das nações, não há lugar para
alianças baseadas apenas em médias estatísticas, semelhanças sociológicas ou
analogias históricas. Desse modo, as coincidências ideológicas só operam com
eficácia, quando coincidem com as necessidades dos países, do ponto de vista do
seu desenvolvimento e de sua segurança.

Sob este enfoque, a formação de um espaço econômico unificado por


grandes fluxos comerciais e financeiros, entre a China, a Índia, o Brasil e a África do
Sul, é um fato novo e muito importante, e pode vir a ser a base material de algumas
parcerias setoriais, e localizadas, entre todos ou alguns destes quatro países.

Por outro lado, é muito pouco provável que, este simples nexo econômico,
sustente ou justifique uma aliança estratégica entre eles, de tipo geopolítico, e de
longo prazo. Por isto, a construção de uma agenda comum, entre China, Índia, Brasil
e África do Sul, deve partir do reconhecimento das diferenças existentes entre suas
distintas inserções e interesses, dentro do sistema mundial. São quatro países que
ocupam posição de destaque, nas suas respectivas regiões, devido ao tamanho de
seu território, de sua população, e de sua economia. Entretanto, esta semelhança
esconde diferenças muito grandes de interesses, de perspectivas estratégicas e de
capacidade de implementação autônoma de decisões, no campo internacional.

Além disso, existe uma convergência muito importante entre estes países, a
despeito das diferenças de suas estratégias econômicas, que é a prioridade que
vem sendo atribuída pelos seus atuais governos, à promoção da inclusão e da
eqüidade social. E neste sentido, se pode dizer que existe uma agenda de
preocupações sociais comuns, entre estes países, com o combate à fome e a
pobreza, e com a garantia da segurança alimentar, da saúde, do emprego, da
educação, dos diretos humanos e de proteção ao meio ambiente.
78

Dentro dessa perspectiva de Cooperação Sul-Sul, a política externa


brasileira nitidamente envolveu-se mais profundamente. Essa política claramente
representou, enquanto emblema, o envolvimento brasileiro com as perspectivas de
geração de uma nova ordem econômica internacional ou com sua política de
Terceiro Mundo39.

Assim, a mudança das relações econômicas entre a Ásia, a África e a


América Latina, lideradas pela China e pela Índia, é um fato de enorme importância
no redesenho econômico do sistema mundial. Pela primeira vez, na história do
sistema econômico mundial, as relações “Sul-Sul” adquirem uma densidade material
importante e expansiva, com capacidade de gerar interesses concretos, no mundo
do capital e do poder. Quase no mesmo espaço onde floresceram, no século XX, às
ideologias terceiro-mundistas, e o movimento dos países não alinhados”.

Na geopolítica das nações, não há lugar para alianças baseadas apenas em


médias estatísticas, semelhanças sociológicas ou analogias históricas. E as
coincidências ideológicas só operam com eficácia, quando coincidem com as
necessidades dos países, do ponto de vista do seu desenvolvimento e de sua
segurança.

Deste ponto de vista, a formação de um espaço econômico unificado por


grandes fluxos comerciais e financeiros, entre a China, a Índia, o Brasil e a África do
Sul, é um fato novo e muito importante, e pode vir a ser a base material de algumas
parcerias setoriais, e localizadas, entre todos ou alguns destes quatro países.

Independentemente das discussões sobre o momento inicial da tendência da


política externa brasileira de relacionamento com os países em desenvolvimento, aí
incluídos os também denominados de emergentes, como a China, Índia, África do
Sul e Rússia, não se têm dúvidas de que os governos brasileiros, na sua proposta

39
A Teoria dos Três Mundos contrapunha-se ao conceito de Zonas Intermediárias. No
conceito de Zonas Intermediárias, o mundo estaria dividido em três zonas, sendo a primeira composta
pelos países capitalistas, a segunda pelos países socialistas e a terceira pelos países em
desenvolvimento e pelos pequenos países capitalistas. Já a Teoria dos Três Mundos contrapunha-se
à divisão do mundo na perspectiva ideológica Leste-Oeste, considerando a divisão em termos de
níveis de desenvolvimento. Assim, o primeiro mundo seria composto pelos Estados Unidos e pela
União Soviética, o segundo pelos países desenvolvidos da Europa, mais o Japão, Austrália e
Canadá, sendo que o terceiro mundo seria composto pelos países em desenvolvimento.
79

de universalização, têm privilegiado, de maneira especial, o contato com esses


Estados.

De um lado, pode-se aventar a hipótese de que a principal motivação


decorre do fato de essas parcerias corresponderem a mercados emergentes, com
amplas possibilidades de absorção de produtos brasileiros e de fornecimento de
insumos ou de investimentos requisitados pelo Brasil. De outro lado, no entanto,
compreendem espaços políticos, com forte expressão regional e, precipuamente,
com perspectiva de atuação conjunta em organismos internacionais.

Essa última proposição reveste-se de significância a partir da percepção de


que, desde o final da Guerra Fria, desenvolve-se um processo de redefinição do
Sistema Internacional e similarmente de re-ordenamento internacional, com um
impasse contínuo na definição das regras que possam reger o comércio
internacional.

Nesse sentido, em adequação ao atual momento conjuntural das relações


internacionais, o que se busca é a formação de uma frente, entendida como um
processo de Cooperação Sul-Sul, para discussão e defesa conjunta de interesses
relativamente mútuos entre esses países frente aos desenvolvidos.

Sob nenhuma proposta, pode-se raciocinar que se tenha o objetivo de


constituição de um movimento em oposição ou de repulsa ao relacionamento com os
países desenvolvidos. O que se visa é uma estratégia de posicionamento comum
frente ao atual estágio de negociação nos diferentes fóruns multilaterais.

É oportuno destacar que a redefinição dos rumos e dos eixos que organizam
a política externa nem sempre é o resultado de estratégias racionalmente definidas
ou de intencionalidade previamente selecionadas. Freqüentemente, as condições
concretas nas quais um país está inserido, determinam a trajetória e a alternativa
aparece mais como algo imposta pela própria realidade.

É nestas condições que pode ser entendida a aproximação ocorrida entre a


Argentina e o Brasil, concretizada nos primeiros acordos assinados em 1986, e dos
quais resultou o Mercosul. O isolamento de cada um empurrou os dois para a
aproximação. Tal aproximação vem, desde o início enfrentando uma forte oposição
dos EUA que, além das pressões diplomáticas e da tentativa de isolamento, lançou a
80

proposta de uma área de livre-comércio das Américas, a ALCA, uma iniciativa que,
se concretizada, resultaria em desaparecimento da união aduaneira sul-americana,
Desde então, tornou-se claro que a inserção internacional do Brasil
dificilmente poderia ocorrer a partir de processos puramente internos. Foi necessária
a construção de uma política de alianças no plano externo para que a configuração
do quadro diplomático brasileiro pudesse começar a se inverter de modo mais
favorável, o que acabou ocorrendo de modo mais definitivo com os acordos que
criaram o Mercosul.
O Mercosul não é simplesmente um bloco econômico ou uma pura área de
livre comércio. Ele é também, e a importância disto não é menor, um pacto de
manutenção de uma institucionalidade democrática, entre os países que o integram,
agregando a isto uma cláusula de pleno restabelecimento de um Estado de direito
para que outros países possam integrá-lo de forma mais definitiva.
Outro ponto essencial refere-se à questão das tensões dentro do Mercosul,
e o modo mais adequado para enfrentá-las. Algumas conclusões precisam ser
tiradas a este respeito. Antes de qualquer coisa é preciso compreender que o Brasil
não é o dono do Mercosul, não obstante ser o país mais forte desta associação. Isto,
evidentemente, implica em assumir um certo número de responsabilidades.
Estas responsabilidades aumentam na medida em que, do ponto de vista de
sua ação externa, o Brasil está vivendo uma situação nova. Em meio século de
atividade diplomática passa por diferentes momentos; alinhamento automático,
política externa chamada independente, tentativa de quebrar o círculo do poder
mundial de modo a permitir o seu ingresso e o isolamento.

A atual fase de autonomia da política externa brasileira se, por um lado,


persegue com maior determinação objetivos que contribuam para a realização dos
interesses nacionais, por outro lado não pretende assumir uma posição de desafio à
hegemonia norte-americana. O pêndulo não se sustenta em suas situações
extremas, transitando quase todo o tempo por um estado intermediário.
Se a rigidez hierárquica do sistema internacional é um mito, a política
externa brasileira não tem por que se constituir como um desafio à potência
hegemônica dessa ordem instável, bastando agir com clarividência para aproveitar
as oportunidades que se abrem. Percebe-se aqui uma clara diferença entre a
posição brasileira e aquela da Venezuela sob a liderança de Hugo Chaves. Desse
81

modo, o Brasil jamais vai adotar um discurso antiimperialista à semelhança de seu


vizinho sul-americano.

Entretanto, para se chegar a uma avaliação mais global dos possíveis


reflexos da NOM para o Brasil, é importante considerar que mesmo na hipótese de
uma ampliação na América do Sul do Mercosul, este não é capaz de absorver ou de
esgotar todo o potencial da ação externa brasileira na era da globalização. Assim, é
preciso considerar outras possibilidades e trajetórias que estão se abrindo para o
País no cenário internacional pós Guerra Fria.
Nesse contexto, a União Européia é um campo de ação diplomática que tem
que ser explorado até o limite máximo de suas potencialidades. O processo de
globalização intensificou os fluxos de capital para o Brasil, e ao lado de investidores
tradicionais, como a Alemanha, a França, e a Suíça, novos investidores chegaram,
como é o caso da Espanha, cujos investimentos cresceram exponencialmente.
Todavia, a Europa tem os seus próprios problemas, que não são poucos. A
união monetária, que resultou na criação do Euro40, ainda tem um longo caminho a
percorrer, para sua consolidação. O ingresso de países do leste europeu na UE tem
provocado o surgimento de novas dificuldades para a plena integração destes
mesmos países.

Por enquanto, as parcerias fundamentais da Europa se dão dentro dela


mesmo, o que diminui e limita as possibilidades de uma inserção brasileira que
tenha como um dos seus eixos a Europa. Dessa forma, o Brasil tem negociado com
europeus, o que é diferente de lidar com a UE.
Limitações de outro tipo ocorrem quando se examina a alternativa que foi
colocada já há algum tempo, com países considerados estratégicos e que seriam, no
caso a Índia, a China e a Rússia. Existe, em relação a esses países, um elemento
potencial que deve ser aproveitado em benefício do Brasil, e que se situa no terreno
da cooperação científica e tecnológica.

Tanto a Rússia, como a Índia e a China, ainda que em termos desiguais,


seja em termos nacionais ou setoriais, tem tecnologias de ponta em algumas áreas

40
O euro (€) é a moeda oficial de 15 dos 27 países da União Europeia. O euro existe na forma de
notas e moedas desde 1 de Janeiro de 2002, e como moeda escritural desde 1 de Janeiro de 1999.
82

assim como um desenvolvimento científico que não pode ser ignorado. Em se


tratando de transferência de tecnologia em setores sensíveis, onde não há boa
vontade das grandes potências, acordos com estes países podem ser extremamente
profícuos. Mas é também evidente que não se pode basear uma política externa em
acordos de cooperação neste terreno.
Ganha relevo também, no final, a grande questão: o papel que tem os EUA e
o projeto que vinha sendo desenvolvido desde o governo Reagan, apoiado por Bush
e impulsionado por Clinton relativo a ALCA. É necessário, ter uma visão ao mesmo
tempo cautelosa e pragmática, uma vez que esse novo bloco pode estimular os
fluxos comerciais e de capitais no hemisfério americano, mas pode também destruir
segmentos inteiros da indústria dos países latino-americanos, incluindo-se aí o
Brasil.
Se a História ensina alguma coisa, ela tem mostrado que a postura norte-
americana frente à América Latina sempre se organizou em torno de duas vertentes:
do ponto de vista diplomático-estratégico, dentro dos parâmetros da Guerra Fria, a
negociação era coletiva, ou seja, os EUA percebiam a América Latina como uma
totalidade.
Do ponto de vista econômico a negociação era bilateral, o que significava
uma relação tête-à-tête entre os EUA e cada país interessado nesta negociação.
Esta postura norte-americana sofreu algumas alterações, a situação internacional
mudou, e os norte-americanos não precisam mais manter frente à América Latina
um multilateralismo estratégico. Mas, eles continuam preferindo um bilateralismo
econômico.
Neste contexto, o Mercosul é um obstáculo, porque do ponto de vista norte-
americano, a ALCA não deveria ser implantada nos quadros de uma negociação
com o Mercosul enquanto bloco. Nesta lógica, a estratégia dos EUA é clara: o
enfraquecimento e a eventual dissolução do Mercosul ajudam a ALCA. O
fortalecimento do Mercosul não impediria a implantação da ALCA, mas imporia
regras que talvez não fossem as melhores para a grande potência da América do
Norte.

Assim, a ALCA como projeto, não é senão uma outra maneira, mais
adaptada aos tempos atuais, de reestruturar um sistema interamericano sob a
83

hegemonia dos EUA, eliminados os parâmetros estratégicos que serviram para o


tempo quente da Guerra Fria. Mantém-se a hegemonia, só que em outros termos: a
dimensão estratégica seria substituída pela vertente econômica. A ALCA talvez seja
inevitável, mas o impacto negativo dela poderá ser, em alguma medida, neutralizado
pelo fortalecimento do Mercosul.
Em face disso, o Brasil tem e deverá ter uma política externa de natureza
global, ainda que a vertente que o empurra para o Mercosul e a América do Sul seja
predominante. Estas duas vertentes não são conflitantes e menos ainda
excludentes. Elas podem, inclusive, trazer benefícios recíprocos. O que é certo é
que o Brasil não poderá ser parceiro de um só país ou de um só bloco. A
diversificação globalizante da política externa brasileira é um imperativo do potencial
da ação externa do país. E esta dimensão global não pode ser abandonada sem
graves conseqüências para a presença brasileira no cenário internacional.
No complexo cenário político internacional, redesenhado após o fim da
Guerra Fria, o Brasil tem buscado consolidar sua posição de potência média. Dada a
sua condição atual de maior potência sul-americana, ele alcançou a liderança no
desenvolvimento de um espaço econômico forte e competitivo na América do Sul.
Mantendo sua primazia em face dos demais países sul-americanos, terá
possibilidades não só de sustentar, mas de ampliar essa liderança na região.
A Política Externa Brasileira tem sido coerente com o perfil de potência
média desejado pela nação e consoante com seu objetivo maior de liderar o
processo de integração regional, desde que este não implique em custos e nem em
riscos para a estabilidade política sul-americana. Desse modo, nos assuntos
referentes à Defesa, a diplomacia nacional tem procurado destacar, acima de tudo, o
perfil de uma potência pacífica.
Apelando para certos princípios, tais como não-intervenção,
autodeterminação e solução pacífica dos conflitos, a Política de Defesa Nacional só
admite explicitamente o emprego da força militar fora do território nacional, nas
operações de manutenção da paz. Procura-se, de certo modo, sustentar a
credibilidade internacional do Brasil pelo compromisso com tais princípios.

Entretanto, é imperioso considerar que um país só é reconhecido como


grande potência se tiver a determinação de afirmar sua autonomia estratégica no
contexto das relações de força, que lhe permita articular e comandar alianças
84

militares, criar e manter área de influência própria, repelir alinhamentos indesejáveis


– e, acima de tudo, defender seus interesses com a força militar, se necessário,
além de sua fronteiras. A autonomia estratégica é basicamente a luta constante pela
liberdade de ação no cenário internacional.
Neste cenário, a possibilidade de o Brasil vir a ser uma grande potência
regional é uma possibilidade real. Assim, tanto a política quanto a estratégia de
defesa devem ser formuladas considerando essa possibilidade. Nesse sentido, a
inserção político-estratégica do Brasil no plano regional, como potência média ou
grande potência regional, será na condição de ator principal, mantendo a primazia
sobre os demais países sul-americanos.

Cabe destacar que o Brasil como potência média está excluído do processo
de decisão mundial – mas, como grande potência regional, poderá ser convidado a
participar dele. Participar desse processo é deter parte do poder concreto que
resolve as grandes questões internacionais – aquelas questões que trazem
subjacente a perspectiva da guerra. Perspectiva que impõe a prontidão da força e
indica a possibilidade de seu emprego.

Por outro lado, a emergência do Brasil como país industrializado,


desenvolvido e socialmente resolvido não é motivo de colisão com os EUA. O que
não é desejável para eles é o Brasil liderar a integração sul-americana como grande
potência regional – com uma dimensão estratégica regional, não global, mas
significativa. Não há dúvida de que eles procurarão impor uma agenda para a
segurança hemisférica e estabelecer novos mecanismos de controle, antes que o
Brasil, mesmo com o atual perfil, consolide sua liderança e venha a ser bem-
sucedido na obtenção de um consenso estratégico sul-americano.

Não há dúvida de que para os EUA, preocupa a possibilidade de regressão


autoritária, que venha a configurar um quadro de instabilidade político-institucional
na América do Sul. Mas o que preocupa mais é a emergência de uma grande
potência regional fora de controle. É claro que essa preocupação não decorre da
possibilidade de o Brasil adquirir capacidade militar que possa desafiá-los. Crer
nisso seria pensar o impensável. Mas decorre do precedente criado na única região
onde eles exercem efetivamente a hegemonia. O Brasil com autonomia estratégica
seria um mau exemplo. Assim, os EUA devem ser vistos como ameaça a essa
autonomia, à liberdade de ação do Brasil nas relações de força regionais.
85

Pelo exposto pode-se concluir parcialmente que a NOM provocou


substanciais modificações à nação brasileira. Essa nova realidade impôs ao País
uma necessidade premente ao redesenhar o Estado, refazendo seus limites e
atribuições nos planos econômico, administrativo e social. Assim, sob a égide da
globalização, foi implementado o plano de abertura da economia brasileira ao
comércio internacional, ao mesmo tempo em foram introduzidas mudanças
significativas na estrutura econômica nacional, viabilizando sua adaptação às
transformações do Sistema Internacional.
86

5 CONCLUSÃO

O ambiente internacional caracteriza-se pela mudança contínua. Na década


de 1960, a corrida armamentista entre a OTAN e o Pacto de Varsóvia ocupava lugar
de destaque, ao lado de focos de tensão condicionados pela Guerra Fria nos vários
continentes. Entretanto, as forças que formatavam o cenário mundial tiveram um fim
abrupto e inesperado, o que promoveu um cenário ainda indefinível, no qual
predomina a disjunção na concentração de elementos nos centros de poder.

No período da Guerra Fria, Washington e Moscou concentravam várias


dimensões de poder (político, econômico, tecnológico e militar), todavia, hoje tais
centros encontram-se pulverizados pelo globo em se tratando da concentração
dimensional do poder. Atualmente pode-se apontar, por exemplo, a Costa Pacífica
da Eurásia, a Costa Atlântica Americana e a Costa Pacífica Americana como centros
de poder econômico, a Comunidade Européia como centro de poder político e
econômico, ao passo que a Rússia, ainda que não mais um centro de poder
econômico, continua a ser militarmente forte.
Neste inicio de século, a cenário mundial se apresenta muito diferente. O
Sistema Internacional bipolarizado deixou de existir e novos temas, como meio
ambiente, narcotráfico, as novas bases da competitividade internacional, direitos
humanos e conflitos étnico-religiosos passaram a ocupar lugar de destaque.

As relações internacionais passaram a conviver com um constante embate


entre a mais intensa participação de atores não-governamentais, tais como
empresas multinacionais e organizações não-governamentais, e dos Estados,
levando ao surgimento de novas formas de relacionamento tanto internacional
quanto entre o Estado e sua população, e, de outro lado, conservam formas antigas
de relacionamento, como o cristalizado CSNU ou mesmo da OTAN que, a despeito
da expansão do número de membros, possui uma estrutura rígida de poder.
O ambiente mundial, no cenário mais recente, se encontra muito distante da
constituição de uma Nova Ordem Mundial equilibrada e multipolar. Ao contrário,
permanecem, no início do século XXI, a verticalização das hierarquias de poder, a
disputa acirrada entre as nações, bem como as relações estratégicas e militares que
87

aprofundam os conflitos internacionais, como bem o demonstram os conflitos


assimétricos do Afeganistão, do Iraque e os atentados de 11 de setembro de 2001.
Com efeito, o desmantelamento da União Soviética em 1991 inaugurou uma
época de transição de ordem mundial ainda indefinida e grávida de crises, que pode
ser sucintamente resumida em forma de alternativa: ou a supremacia norte-
americana - nos campos econômico, militar e tecnológico - consolida-se em
hegemonia e unilateralismo nas relações internacionais, ou configura-se um mundo
multipolar, com diversos centros de poder, embora díspares.
Neste novo cenário, as questões relativas à segurança estratégica não
deixaram de ocupar posição de destaque, mas passaram a ser vistas de modo cada
vez mais integrado a esses novos temas da agenda internacional. De fato, toda uma
série de questionamentos de natureza política, econômica ou social, antes tratados
sem a mesma prioridade, ou mesmo inexistentes na agenda diplomática
internacional, ganharam em relevância, e passaram a ocupar o centro das atenções.

Em função desses novos temas, os primeiros anos do novo milênio têm se


caracterizado pela alta intensidade de mudanças de relevante importância e
impactos econômicos, políticos e sociais. Em épocas de transformações tão radicais
e abrangentes como essa, caracterizada pela transição de uma era industrial para
uma baseada no conhecimento, aumenta-se, em muito, o grau de indefinições e
incertezas.
Há algumas décadas, a maioria das análises produzidas nos anos 1990
sobre as relações internacionais sempre destacava a importância central do fim da
Guerra Fria como condicionante da política internacional. As razões eram muitas,
pois, sem dúvida, esse fato constituiu um evento central do final do século XX e
marcou mudanças importantes na maneira de se ver e conduzir a política
internacional.

No entanto, o fim da Guerra Fria não deve ser interpretado como um


episódio e sim como parte de um amplo processo de mudança. Eventos como a
queda do muro de Berlim e o colapso da União Soviética devem ser vistos por seu
sentido emblemático, como um referencial importante, que deixa claro o fato de que
o mundo passava a viver uma nova época.
88

Na condição de processo histórico, os eventos associados ao fim da Guerra


Fria formaram, na verdade, o epílogo de uma longa sucessão de fatos. De um lado,
porque, tanto a queda do muro de Berlim quanto o colapso da URSS, não teriam
acontecido se as bases políticas e econômicas que davam sustentação ao bloco
socialista não estivessem já deterioradas a ponto de tornarem inócuas quaisquer
tentativas de reforma do sistema.

Enquanto, por outro lado, também a disputa por áreas de influência pelos
dois pólos de poder já vinha perdendo impulso desde a segunda metade dos anos
1970 quando, não apenas a détente passou a marcar a política externa das grandes
potências, mas também, visivelmente, muitos eventos de destaque no cenário
internacional passaram a ter cada vez menos relação direta com a disputa
bipolarizada, típica da Guerra Fria.

Assim sendo, a análise das mudanças ocorridas no sistema internacional


deve considerar vários desenvolvimentos que ocorreram ao longo de, pelo menos,
duas décadas. Esses desenvolvimentos estavam associados a mudanças
tecnológicas e econômicas e, até mesmo, a transformações no quadro de valores
sociais, que faziam emergir um novo conjunto de referenciais para a política exterior
dos países.

Apesar de tudo, a Guerra Fria foi, ao longo de quatro décadas, ao mesmo


tempo, produto de uma época e também justificativa para a ação política. Estratégias
de segurança, programas internacionais de cooperação técnica e econômica e até
mesmo disputas políticas dentro dos países geralmente eram consideradas a partir
do entendimento da Guerra Fria como um referencial importante, às vezes central,
nos processos de tomada de decisão. Em conseqüência, o seu desaparecimento
trouxe também, para os analistas, a tarefa de encontrar novas explicações para as
possíveis forças que moveriam a política internacional.

É nesse contexto que se deve analisar a inserção brasileira no cenário


internacional em gestação. Entender o Brasil não é entender somente suas
características internas, é entender o Mercosul, a América Latina, o Ocidente, enfim,
o complexo relacionamento, dimensão estrutural, e posicionamento, dimensão
sistêmica, que forma as relações internacionais contemporâneas.
89

O século XX assistiu ao apogeu dos EUA como Estado predominante no


cenário internacional, seja no campo econômico, no político ou no militar. O Brasil,
com projeção geográfica privilegiada e nevrálgica no subcontinente sul-americano,
dotado de reservas biológicas e minerais estratégicas e grande população,
historicamente se constituiu como uma fonte de interesse na formação e
implementação da política externa norte-americana.

Quanto às questões de poder relativo, o desmantelamento do ex-império


soviético liquidou com o sistema de equilíbrio de poder militar e nuclear da época da
Guerra Fria. Os EUA, com apenas cinco por cento do seu PIB acumula mais de
quinhentos bilhões de dólares para despesas militares, o que o torna líder isolado e
capaz de operar autonomamente pelo menos dois conflitos regionais em partes
diferentes do mundo. Assim, em termos militares, trata-se de uma hegemonia
mundial norte-americana indiscutível e assim deverá permanecer por um bom
tempo.

A redefinição das relações de força no sistema internacional, decorrente do


esgotamento do arranjo bipolar, teve implicações significativas para as principais
alianças militares do mundo. Pautadas por um modelo de defesa coletiva que
privilegiava variáveis estratégicas que haviam desaparecido, essas Alianças não
davam mais conta dos imperativos de segurança da nova configuração sistêmica
internacional.

Em função desses novos parâmetros internacionais, durante o período da


Guerra Fria havia diversas regiões do planeta que possuíam importância militar e
estratégica e que eram constantemente disputadas pelas forças bipolarizadas
ideologicamente, com seu fim, essas questões praticamente deixaram de existir em
razão do surgimento de poderosas forças econômicas e da supervalorização dos
assuntos comerciais.
Ainda no enfoque desses embates protagonizados agora pelo poder
econômico, é possível notar uma menor assimetria entre os Estados Unidos, a nova
União Européia e a Ásia. Contudo, ainda assim, a predominância norte-americana
continua sendo insofismável, especialmente quando nela se engloba as corporações
transnacionais e o domínio tecnológico.
90

Outra consideração não trivial a fazer sobre a relativização das assimetrias


de poder tem a ver com o domínio completo do ciclo nuclear e a posse de arsenais
atômicos. Claro está que essa condição, embora problemática e discutível sob o
ponto de vista estratégico e moral, estabelece saltos relativos nos degraus do poder
mundial para aqueles países que a obtêm, como aconteceu com China e Índia e,
mais recentemente, com a Coréia do Norte.

O discurso hegemônico do pós-guerra fria, que garantia aos grandes países


da periferia como o Brasil, uma nova era de prosperidade a partir das políticas de
abrir, privatizar e estabilizar mostrou-se ineficaz. Os resultados foram, em geral,
decepcionantes e têm exigido orçamentos públicos muito apertados justamente no
momento em que os efeitos sociais perversos aparecem com toda força, reduzindo
ainda mais a legitimidade dos governos e das classes políticas.

Quanto à implantação do processo de globalização, releva notar que, em


face do novo Sistema Internacional, países como o Brasil vêem-se pressionados em
duas frentes: de um lado pelas exigências de um Estado minimalista, onde a
autonomia se reduz a opções restritas à aplicação das normas neoliberais; de outro,
pela desregulação dos mercados, pela privatização dos serviços e pela deterioração
progressiva do quadro social, que exigem um Estado forte e um aparato regulador
muito eficiente.

É necessário notar ainda, que, no campo social, o trabalho foi o maior


prejudicado na prevalência das novas dinâmicas globais. A abertura econômica
permitiu a circulação livre de todos os fatores de produção, exceto a mão-de-obra,
que permaneceu prisioneira formal de seus territórios originais. Os processos
radicais de automação e das novas tecnologias da informação reduziram empregos
e aumentaram a informalidade via intensa terceirização dos processos de produção,
que se espalharam pelo mundo afora em busca de mão-de-obra de baixo custo.

Com base nisso, pode-se afirmar que o contexto econômico da NOM


expressa uma crescente interdependência das economias nacionais e a emergência
de um sistema transnacional (financeiro, produtivo e comunicativo) que é dominante,
e cujo fortalecimento coincide com o enfraquecimento da soberania, particularmente
dos países em desenvolvimento, inclusive o Brasil.
91

O afunilamento do mundo das ideologias e o rompimento tecnológico das


tradicionais barreiras impostas à informação proporcionaram, na conjuntura
internacional, um ambiente favorável à sonhada integração econômica entre os
diversos mercados. Neste ínterim, o processo tecnológico foi fundamental para
viabilizar essa mundialização, onde se instalou o ambiente da livre competição entre
os países, entre empresas, e entre indivíduos.

Na nova lógica que forma relações do mundo atual, as fronteiras deixam de


ser indicadores políticos-burocráticos de limites territoriais e passam a ser um ponto
específico de contato e destarte transição. Por ter desempenhado durante toda a
existência do Estado-nação a idéia de limite nacional, passa a merecer um cuidado
especial a fim de se tornar um ponto de interação ativa e não mais defensiva,
acentuando as tendências integradoras.
Em função desse processo, não foram só as fronteiras brasileiras que
ficaram mais porosas, as novas tecnologias de rede abriram espaços virtuais para
um comércio internacional que o Estado não consegue mais controlar. O comércio
eletrônico eliminou distâncias e introduziu uma nova forma de mobilidade. E a trans-
nacionalização da produção deixou de ser uma decisão política voluntária, passando
a ser uma obrigação imposta pela lógica global.

Nos anos 60, o general De Gaulle, então presidente da França, se recusou


a receber o primeiro-ministro do Japão, dizendo que ele, o japonês, não
passava de um vendedor de transistores. Naquela época, a política era vista
como algo elevado, a política se referia à guerra. Muita água passou por
debaixo daquela ponte e hoje todos os estadistas, sem exceção, são
vendedores de transistores. Todos fizeram da economia, do comércio
internacional, um dos aspectos centrais de suas estratégias políticas. Há
algo muito irônico no fato de que o maior vendedor de transistores seja o
líder da principal potência militar do mundo, Bill Clinton. é Bill Clinton
seguindo uma trajetória de George Bush, que procura impor o comércio
administrado ao Japão, obrigando-o a comprar produtos americanos até
uma determinada cota limite. Na linguagem do governo dos Estados Unidos,
a segurança nacional é hoje, em grande parte, segurança econômica. Isso
significa abertura de mercados para produtos norte-americanos. O Brasil
não está fora da guerra comercial, nem o Mercosul. Ao Brasil interessa
evitar que os Estados Unidos consigam muito rapidamente rebaixar tarifas
de importação nas Américas, que é o projeto da Alca - Área de Livre
Comércio das Américas. A Alca foi lançada em 1990 por George Bush, e é
outro projeto a que Bill Clinton dá seqüência. (Demétrio Magnoli geógrafo,
doutor em Geografia Humana).
92

Diante dessa nova realidade, os organismos internacionais mais


importantes, tais como a ONU, o FMI, o Bird e a OMC, pouco pode contribuir para o
surgimento de uma nova ordem de legitimidade e poder. Assim, os Estados
nacionais tendem a se transformar em meros instrumentos a serviço do fluxo de
capitais e das cadeias produtivas e de consumo.

No ambiente pós Guerra Fria, se a capacidade bélica russa, maior herdeira


do legado militar soviético, ainda assombra os países vizinhos dado seu potencial
destrutivo, a partícula motivadora subjacente à manipulação com propósitos
ofensivos de um aparato de tal magnitude em uma investida contra os países
europeus dissipa-se. Permanecem os meios para realizar a ação, porém desvanece
o elemento capaz de dar sentido lógico à ação, de justificá-la. Devido a esta perda
da essência do ato de agressão, o problema da violação territorial perde
significativamente sua importância.

Reservar o uso da força para a autodefesa significa não contemplar a


possibilidade de intervir militarmente em ocasiões em que nem as ações preventivas
nem as negociações sejam bem sucedidas em findar uma crise. Além disso, há falta
de especificação com relação ao que se consideram momentos de instabilidade
capazes de interferir no interesse dos países aliados.

Em função disso, os governos brasileiros têm atribuído uma prioridade maior


para a estabilização da economia e ao atendimento dos problemas sociais, em
detrimento das necessidades de re-equipamento das Forças Armadas, ocasionado
em parte pela paz construída em torno das fronteiras brasileiras, pelo fortalecimento
da integração proporcionado pelo Mercosul, pelo estreitamento das relações com os
países vizinhos à região amazônica, pela consolidação da Zona de Paz e
Cooperação do Atlântico Sul41 (ZPCAS) e pela intensificação da cooperação com os
países africanos de língua portuguesa.

Entretanto, é necessário reconhecer que o cenário internacional, desde o


término da Guerra Fria, nunca se encontrou tão distante da constituição de uma

41
Estabelecida em 1986 pelos países da costa ocidental da África e os banhados pelo Atlântico Sul,
na América Latina (24 países). Ao Brasil, atende aos interesses de ampliar o espaço para a
cooperação econômica, comercial, científica e técnica; e para iniciativas de caráter político-
diplomático. Sítio do Ministério das Relações Exteriores.
Disponível em: <http://www.mre.gov.br/portugues/politica_externa/grupos/zona_paz/zona.asp>.
93

Nova Ordem Mundial equilibrada e multipolar. Ao contrário, permanecem, no início


do século XXI, a verticalização das hierarquias de poder, a disputa acirrada entre as
nações, bem como as relações estratégicas e militares que aprofundam os conflitos
internacionais, como bem o demonstram os conflitos assimétricos do Afeganistão, do
Iraque e os atentados de 11 de setembro de 2001.

No plano econômico, entretanto, durante as últimas décadas o Brasil vem


experimentando um incremento vigoroso das suas relações internacionais. Alguns
acontecimentos ajudam a explicar esse avanço. Em primeiro lugar, o processo de
integração envolvendo Brasil e Argentina no último quartel do século passado que,
ampliado, deu lugar ao Mercosul; em segundo lugar, a estabilidade econômica,
particulamente o controle do processo inflacionário e o ajuste gradual das contas
nacionais, que favoreceu a formulação de políticas externas em bases mais sólidas;
e, em terceiro lugar, o próprio processo de globalização / regionalização.

Como costuma acontecer em tempos de transição profunda, o País passou


a aspirar um papel de maior relevo no cenário internacional. Para tanto, passou a
expandir sua atuação em missões de paz patrocinadas pela ONU, o que pode
viabilizar sua reivindicação a uma vaga como membro cativo do CSNU. Tal objetivo
visa a aumentar seu grau de credibilidade no mundo, alçando o Brasil ao seu espaço
como potência media.

O Brasil não cultiva ambições de grandeza no plano político-estratégico. Ao


buscar um tratamento positivo para temas como democracia, direitos humanos, meio
ambiente, não-proliferação, integração comercial ou abertura econômica, em
sintonia com valores universais amplamente compartilhados, a diplomacia brasileira
atuou em sintonia com aquilo que a sociedade nacional deseja para o País e para o
mundo.

Após décadas marcadas pelo desenvolvimentismo e várias experiências de


política heterodoxa, o clima internacional na década de 1990, principalmente na
América Latina, foi marcado pela adoção generalizada do Consenso de Washington
94

42
e de políticas de ajuste estrutural, com o objetivo de obter o apoio dos países
desenvolvidos, centros mundiais do poder e dos organismos internacionais.

A construção de um mundo multipolar e de instituições internacionais


capazes de assegurar um mínimo de ordem e segurança, com o respaldo da maioria
das nações, pressupõe também a existência de uma União Européia, que, além de
potência econômica, desenvolva uma política externa e de defesa comum, bem
como de outros centros de poder, como a China e a Rússia, e, igualmente, de blocos
regionais, como o Mercosul.
Nesse contexto, o Estado brasileiro, que juntamente com a China, Rússia e
Índia, ocupa uma posição intermediaria de potência emergente na estratificação
internacional não pode, simplesmente, negar sua participação no processo de
integração econômica, porque esta pode ser uma saída viável para cumprir os
objetivos de erradicar a pobreza e garantir o desenvolvimento social. É o momento
de aproveitar o movimento de redimensionamento da economia mundial.
Isso não significa, porém que a inserção brasileira no mercado global deva
ser imediata, obrigatória, de maneira apressada e sem considerar a liderança
regional sul-americana que o País ocupa naturalmente. Neste particular, é que
reside a importância da Soberania Nacional e da capacidade de articulação
internacional, que asseguram a independência política e econômica brasileira entre
as nações.

Pode-se afirmar que o processo de globalização em curso não esta


conduzindo o mundo em direção a uma sociedade global regulada, entretanto, ele
não também não significa que o Estado brasileiro esteja sendo superado. Assim
sendo, embora cresça a importância e o papel da onda globalizante, o Estado deve
permanecer no coração da política sócio-econômica, ademais, o nível nacional da
política continua a ser o centro insubstituível da legitimidade coletiva e dos projetos
da sociedade de cada país.

42
O Consenso de Washington pode ser definido como um conjunto de políticas
macroeconômicas, reformas estruturais liberalizantes, tais como a liberalização do comércio, a
privatização das empresas estatais, desregulamentação dos mercados, reformas fiscais, promoção
de investimentos estrangeiros, assim como regras de condicionalidade aplicadas de forma cada vez
mais padronizada em vários países e regiões.
95

Mesmo porque, apesar de um discurso globalizante e liberal, a grande


maioria dos países tem feito o uso intenso de políticas que visem a desenvolver o
mercado local, a geração de tecnologia e a expansão das exportações. Logo, as
transformações e limites de uma economia globalizada implicam enormes desafios
para países que pretendem ampliar as suas condições de desenvolvimento
baseadas em uma inserção internacional ativa. Em muitos casos, isso significa
caminhar na contramão do consenso. É preciso, portanto, combinar as estratégias
de proteção ao mercado interno e fazer da globalização algo a favor dos objetivos
firmados pela sociedade brasileira.

É imperativo considerar que a análise das relações do Brasil com países


aspirantes a uma posição de proeminência na ordem mundial, como Rússia, China,
Índia e África do Sul, tem implicações teóricas importantes. A globalização gerou
espaços para a projeção de potências regionais, líderes de blocos econômicos, o
que contribui para reforçar a possibilidade de formação de um sistema mundial
multipolar, em lugar de uma neo-hegemonia norte-americana.

Por outro lado, graças ao ambiente de entendimento e harmonia que hoje


prevalece entre os países sul-americanos, o desafio do desenvolvimento passa a ser
visto como um objetivo a ser buscado de forma conjunta, em benefício de todos.
Generalizou-se a percepção de que a paz e o desenvolvimento em cada uma das
nações da América do Sul dependerão, em boa medida, da expansão da rede de
interesses recíprocos que as unem.
O projeto da integração sul-americana remonta às idéias de Simon Bolivar,
na primeira metade do século XIX. Contudo, a construção do mercado comum
regional começou na década de 1960, com a criação da Associação Latino-
Americana de Livre Comércio (ALALC), e teve dois momentos decisivos, com a
criação da Comunidade Andina, em 1969, e com a criação do Mercosul, em 1991.
Por fim, no dia 8 de dezembro de 2004, os países do Pacto Andino e do Mercosul,
assinaram a Declaração de Cuzco, lançando as bases da Comunidade Sul-
Americana de Nações(CSN).
Atualmente, a Política Externa Brasileira vem incentivando o
aprofundamento deste projeto de integração, mas enfrenta algumas limitações
importantes, pois o Brasil não é considerado um modelo de desenvolvimento de
sucesso a ser seguido pelo resto dos países do sub continente, sobretudo pela
96

pouca capacidade de atender às necessidades materiais dos seus vizinhos, como


acontece com a China e a Índia, no Sudeste e no Sul da Ásia.
Ainda assim, a especificidade geográfica da América do Sul vem
conduzindo, de modo natural, à definição de uma agenda comum de desafios e
oportunidades. Em uma série de temas, a adoção de um enfoque específico sul-
americano mais estruturado aportará um enriquecimento para o processo mais
amplo de integração. A articulação da América do Sul é, em suma, um jogo em que
todos têm a ganhar. O Brasil, portanto, deve trabalhar com prioridade nessa direção,
em parceria com os demais países da região.
Consoante às idéias colocadas, a América do Sul tornou-se, assim, a região
do mundo em que convergem, com graus de intensidade bastante equilibrados, as
duas prioridades que resumem a essência da tradição diplomática brasileira: a
defesa da paz e da estabilidade e a busca de parcerias externas que contribuam
para o desenvolvimento nacional.
Assim, em última instância, além do cenário sul-americano, sobressai para o
Brasil a importância da relação com os EUA. Trata-se de aspecto essencial da
política externa brasileira, pela posição daquele país como a única Superpotência do
cenário internacional, por seu papel na condução de assuntos hemisféricos (entre os
quais as negociações para a formação da Área de Livre Comércio das Américas),
por sua projeção em áreas geográficas contíguas ao Brasil, e, no plano estritamente
bilateral, por sua relevância para o desenvolvimento nacional.
Levando em conta esses imperativos, inserir-se no mundo globalizado não
implica em abrir as portas para a exploração do mercado nacional pelos principais
pólos econômicos mundiais, sem qualquer instrumento eficaz que proteja o produto
e o trabalhador brasileiro, tendo em vista as suas desvantagens competitivas. Para
competir, é preciso, antes, se preparar e criar os meios próprios e necessários, para
depois, levar adiante uma competição sadia e benéfica, sobretudo para as nações
em desenvolvimento.

O Brasil, de sua parte, tem ampla consciência de que o desenvolvimento é,


primordialmente, uma tarefa nacional, a ser levada a cabo com recursos próprios. A
complexidade do mundo atual exige, portanto que seja dada a devida atenção à
infra-estrutura e ao apoio macroeconômico, com vistas conseguir uma integração
97

entre as diversas regiões do Brasil e entre essas e as diversas regiões externas.


Tais mudanças promovem o melhoramento e o aparecimento de uma série de novos
centros de referência que podem, por si só, canalizar positivamente os fluxos
globais.
Dessa maneira, é vital persistir no caminho da estabilização e das reformas.
Não há inserção internacional, por mais favorável que seja, que possa compensar
atrasos internos nessas duas frentes. O País não mais se dedica a exercícios de
transferência de culpa para justificar seus próprios desacertos. Mas a conjuntura
externa continua a ser, evidentemente, fator importante para complementar os
esforços domésticos.
A globalização da economia é, hoje, uma tendência mundial real e
crescente. A tentativa de criar um único mercado no globo terrestre pressupõe a livre
competição entre todos os atores intervenientes, o que, desde logo, põem em
evidência as dificuldades dos países não desenvolvidos para enfrentarem a
competição com os mais desenvolvidos que possuem tecnologia e capacidade de
gerenciamento superiores e um acesso mais fácil ao capital.
Por outro lado, a não aceitação do processo deixaria o país fora da
economia mundial e condenado ao isolamento. O Brasil, gostando ou não, deve se
ajustar a esse novo modelo, procurando aproveitar as suas boas coisas e encontrar
soluções que representem o autêntico interesse nacional, para resistir aos seus
maus princípios e às ingerências abusivas das grandes potências.
Além dessas ingerências abusivas, o Brasil deve estar atento, ainda, a
outras práticas lesivas, tais como a utilização de resoluções da ONU para legalizar
intervenções de caráter pretensamente humanitário. O protocolo de Washington, que
modifica a carta da OEA, consagra intervenções em países com a finalidade de
preservar a democracia. Sabe-se que as palavras “democracia” e “direitos humanos”
ficam muito ao critério e ao sabor de quem as interpreta; na prática, acabam
servindo aos interesses daqueles que querem promover, com a intervenção, a sua
ingerência. Os Organismos Internacionais estão, como se pode observar, cada vez
mais a serviço dos países mais ricos e desenvolvidos.
Em face dessa realidade, a Amazônia, ao contrário do que se pensava, em
passado não muito distante, é, hoje, sim, objeto de grande preocupação face à
cobiça internacional. Existe uma campanha sistemática, insidiosa e permanente
buscando convencer a opinião pública mundial de que os brasileiros são
98

destruidores da flora e da fauna e que as questões da Amazônia são do interesse da


humanidade e não do Brasil.
Nessa atual conjuntura, as Forças Armadas Brasileiras vivem uma situação
peculiar. Ao mesmo tempo em que se tornaram alvos dos mecanismos e da
propaganda globalizante, de forma a torná-las inertes diante do processo, elas são
mantidas como réus da história e permanentemente questionadas, diante da opinião
pública, sobre seu papel, quer nas últimas intervenções históricas, que a vontade
nacional forçou-as a realizar, quer na sua própria destinação constitucional.
Nos últimos anos, essas Forças Armadas, prioritariamente voltadas para as
funções de defesas da Pátria e de fiel intérprete das aspirações do povo de onde se
originam, passaram a sofrer pressões externas para se direcionarem para os
problemas internos do País, assumindo missões policiais que, constitucionalmente,
não lhes cabem. A lógica da tese parece irretorquível; não existindo ameaças
externas, é necessário repensar o papel do segmento militar, tradicionalmente
voltado para segurança externa.

Entretanto, em que pese a existência de todas essas mazelas, pode-se


afirmar que a globalização veio para ficar e o Brasil não pode satisfazer-se com um
papel subalterno no Jogo de forças dessa Nova Ordem Mundial. Portanto, o desafio
brasileiro, neste momento, é saber, de forma patriótica, colocar os interesses
nacionais acima de tudo, aproveitar as oportunidades se criam e combater a lógica
perversa do sistema de relações de poder, que rege um mercado elaborado pelo
privilegiado “Grupo dos 8” e não por consenso de todos os povos.

Dessa maneira, as estratégias de inserção do Brasil têm que ser definidas


pela sociedade brasileira, levando em conta a sua realidade, seus valores e ideais.
Contudo, uma coisa é aceitar a incidência da globalização na economia, outra é
admitir que, por isso, o Estado Nacional deve abrir mão de seus valores
fundamentais.

No quadro global, fica evidente que soberania e autodeterminação são


princípios que passam a ser desconsiderados progressivamente, dando lugar aos
chamados Interesses Coletivos da Humanidade, que acabam representando os
interesses dos países do Primeiro Mundo.
99

Finalmente, o atual processo de globalização, ou integração econômica de


mercados, desloca fronteiras, despedaça a força política dos Estados e põe em
xeque o tradicional princípio da soberania nacional. A inclusão desse princípio na
Ordem Econômica e Financeira da Constituição de 1988 evidencia, porém, a
preocupação com a identidade nacional e com a realização dos fins do Estado e da
própria sociedade, a julgar pela coerência sistemática das disposições
constitucionais relativas aos processos de integração econômica, política, social e
cultural da sociedade brasileira com outros povos.

Esses compromissos internacionais, bem como, as alianças e acordos


constituem evidentemente limitações de soberania e limitações da autonomia da
vontade do Estado brasileiro, mas não constituem necessariamente limitações do
Poder Nacional, pelo contrário, o Poder Nacional de um Estado pode fortalecer-se e
ampliar-se com a conclusão de tais acordos e alianças, sobretudo por essas
potencializarem os meios e recursos disponíveis para a consecução de Objetivos
Nacionais do País, a despeito de antagonismos existentes.

Pelo exposto, pode-se concluir que em função da maior relevância atribuída


ao viés econômico, a inserção do Brasil na Nova Ordem Mundial está
inexoravelmente condicionada à adequação das instituições e empresas brasileiras
às demandas e particularidades do mercado global, o que vai tornar o País um
competidor plenamente qualificado. Além disso, o País precisa ocupar no cenário
internacional um espaço condizente com sua condição de país continente e líder
regional sul-americano. Tais conquistas devem ocorrer sem a submissão da
nacionalidade brasileira a outras, muito menos, com priorização de qualquer
interesse externo em detrimento de benefícios coletivos para a sociedade brasileira.

____________________________________
Jorge Roberto dos Santos Souza – Maj Art
101

REFERÊNCIAS

ABDENUR, Roberto. O Brasil e a nova realidade asiática: uma estratégia de


aproximação. Política Externa, 2 (3), p. 43-69, 1994.

ALVES, Francisco. Henry Kissinger: A diplomacia das grandes potencias. 3.ed.,


Rio de Janeiro: Univercidade editora, 2001.

AMIN, S. Capitalismo, imperialismo e mundialização, in SEOANE, J. e TADDEI,


E. (ORGS.) Resistências mundiais. Petrópolis: Vozes/Clacso/Lpp, 2001.

AMORIM, Celso. O Brasil e o Conselho de Segurança da ONU. Política Externa.


São Paulo: Paz e Terra, março de 1995.

ANDERSON, B. As promessas do Estado-nação para o início do século. In:


HELLER Agnes [et al.]. A crise dos paradigmas em Ciências Sociais e os
desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999. p. 154-170.

AUGUST, Ray. Public International Law: text, cases and readings. Englewood
Cliffs, Prentice Hall, 1995.

A CARTA DA ONU E O ESTATUTO DA CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA.


Nova Iorque, Departamento de Informações Públicas, 1993.

A MORE SECURE WORLD: OUR SHARED RESPONSIBILITY: Report of the


Secretary-General´s High Level Panel on Threats, Challenges and Change.
Disponível em http://www.un.org/secureworld. Acesso em dezembro de 2007.

A PALAVRA DO BRASIL NAS NAÇÕES UNIDAS (1945-1995). Brasília, FUNAG,


1995.

BARBOSA, Gibson. Depoimento em Reflexões sobre a Política Externa


Brasileira. Brasília: Funag, 1993.

BAHADIAN, Adhemar. A Tentativa do Controle do Poder Econômico das Nações


Unidas. Brasília, IPRI/FUNAG, 1992.

BERTRAND, Maurice. A ONU. Petrópolis: Vozes, 1995.


102

BOBBIO, Noberto et alii. Dicionário de Política. 4ª ed. Brasília: Editora da


Universidade de Brasília, 1992.

BOBBITT, Philip. A guerra e a paz na história moderna: O impacto dos grandes


conflitos e da política na formação das nações. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

BRAGA, J. Economia e Fetiche da Globalização Capitalista. Setembro de 2001.

CARRASCO, Lorenzo. Máfia verde: o ambientalismo a serviço do Governo


Mundial. Rio de Janeiro: EIR, 2001.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CAMARGO, Sônia de. Economia e Política na Ordem Mundial Contemporânea.


In Contexto Internacional. Vol. 19, n° 1, janeiro/junho 1997.

CASTRO, Thales. O Brasil e a ONU. Jornal do Comércio. Recife: 11 de janeiro de


2005.

COCCO, G. Trabalho e Cidadania: Produção e direitos na era da globalização.


São Paulo: Cortez, 2002.

CORSI, F.L.. Globalização e a crise dos Estados Nacionais. In: DOWBOR L,


IANNI, O. e RESENDE, P.E. A. (Orgs). Desafios da Globalização. Rio de Janeiro:
Vozes, 1997. p. 102-108.

COSTA FERREIRA, L. e VIOLA, E. (orgs.). Incertezas de Sustentabilidade.


Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2000.

CERVO, Amado. “MERCOSUR, ALCA y OMC: una perspectiva actual de las


políticas exteriores de los países sudamericanos”. III Jornadas Latinoamericanas
de Historia de las Relaciones Internacionales. Valparaíso e Viña del Mar, 23 a 25 de
noviembre (Clase Magistral), 2005.

CEPAL. América Latina e Caribe: políticas para melhorar a inserção na


economia mundial. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo. Cinqüenta anos de pensamento
na CEPAL. São Paulo: Record-CEPAL, 2000.
103

CHOMSKY, N. Uma nova geração define o limite: os verdadeiros critérios das


potências ocidentais para suas intervenções militares. Rio de Janeiro: Editora
Record, 2003.

FERON, B. 1999. Iugoslávia : a guerra do final do milênio. Das origens do


conflito aos bombardeios da OTAN. Porto Alegre : L&PM.

FONSECA JR., Gelson: A Legitimidade e outras questões internacionais -


Política e ética entre as nações. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1998.

FONSECA Jr., Gelson. O Brasil no Conselho de Segurança da ONU, 1998-1999.


Brasília: FUNAG, 2002.

GUEDES, Marcos. Repensando a unimultipolaridade: uma análise modelística


das Relações Internacionais contemporâneas. Brasil e EUA no Novo Milênio.
Recife: NEA/UFPE, 2004.

HABERMAS, Jürgen. O Estado-Nação Europeu Frente aos Desafios da


Globalização. In Novos Estudos CEBRAP, n° 43, novembro de 1995.

HOBSBAWN, E. 2002. A epidemia da guerra. Folha de S. Paulo, 14 Abr, caderno


Mais, p. 4-10.

HIRANO, Sedi. A América Latina dentro da hierarquização do mercado mundial.


In: SOLAR V. América Latina e Caribe e os desafios da nova ordem mundial. São
Paulo: PROLAM-USP, 1998, p. 139-150.

HUNTINGTON, Samuel. O choque de civilizações e a recomposição da Ordem


Mundial. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 1997.

IBANEZ, N. Globalização e Saúde. In: DOWBOR L, IANNI, O. e RESENDE, P.E. A.


(Orgs). Desafios da Globalização. Rio de Janeiro: Vozes, 1997. p. 215-230.

International Relations, Old and New. In GOODIN, Robert & KLINGEMANN, Hans-
Dieter. A New Handbook of Political Science. Oxford, Oxford University Press, 1998.

KENNEDY, P. Ascensão e queda das grandes potências. Rio de Janeiro: Editora


Campus, 1989.
104

KAUFMANN, J.N. Mundialização e globalização: desafios éticos-políticos. In: Ser


Social- Revista semestral do Programa de Pós-Graduação em Política Social.
Brasília: Ser/UNB, v.1, n.4, jun/1999. p. 09-42.

KEOHANE, Robert. International Institutions and State Power: Essays in


International Relations Theory. Boulder, Colorado Westview Press, 1993.

LAFER, Celso. “As novas dimensões do desarmamento: os regimes de controle


das armas de destruição em massa e as perspectivas para eliminação das
armas de destruição em massa". In "O Brasil e as Novas Dimensões da
Segurança Internacional", DUPAS, Gilberto; VIGEVANI, Tullo. Orgs. São Paulo: Alfa-
Omega, 1999.

LIMA, Maria Regina Soares de. Teses Equivocadas sobre a Ordem Mundial Pós-
Guerra Fria. In Dados. Revista de Ciência Sociais. Rio de Janeiro: Vol. 39, nº 3,
1996, p. 393-421.

MARTINS, C.E. Da globalização da economia à falência da democracia. In:


Economia e Sociedade. Capinas: Universidade Federal de Campinas – UNICAMP.
Instituto de Economia. n.1, agosto / 1992. p. 03-22.

MALONE, David, org. The UN Security Council: from the Cold War to the 21st
century. Boulder, Lynne Rienner Publishers, 2004.

MANDUCA, Paulo & MIYAMOTO, Shiguenoli. Segurança Hemisférica: uma


agenda inconclusa. GUEDES, Marcos (org). Brasil e EUA no Novo Milênio. Recife,
NEA/UFPE, 2004.

MAZZUOLI, Valério. Coletânea de Direito Internacional. 2 ed. São Paulo, Revista


dos Tribunais, 2004.

MELLO, Celso. Curso de Direito Internacional Público. 14a. ed. Rio de Janeiro:
Renovar, 2002.

MORGENTHAU, Hans J. A política entre as nações. A luta pelo poder e pela


paz. Brasília: Editora UnB, 2003.

MURPHY, Alexander B. International Law and the Sovereign State System:


challenges to the Status Quo. In: DEMKO, G.J. e WOOD, W.B. (org.). Geopolitical
Perspectives on the 21st Century. Oxford, Westwiew Press, 1999, pp.227-245
105

NAU, Henry - O mito da decadência dos Estados Unidos. A liderança americana


na economia mundial na década de 1990. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

NYE JR., Joseph- O paradoxo do poder americano – porque a única


superpotência do mundo não pode prosseguir isolada. São Paulo: Editora
UNESP, 2002.

REIS VELLOSO, J.P. & MARTINS, Luciano (orgs.) - A nova ordem mundial em
questão. Rio de Janeiro: José Olympo,1993.

REZEK, Francisco. Direito Internacional Público: Curso Elementar. 9a. ed. São
Paulo: Saraiva, 2002.

RICÚPERO, Rubens. Rio Branco: O Brasil no mundo. Rio de Janeiro:


Contraponto, 2000.

RICUPERO, Rubens: Visões do Brasil-Ensaios sobre a história e a inserção


internacional do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Record, 1995.

ROSATI, Jerel. The Politics of the United States Foreign Policy. Fort Worth:
Harcourt Brace, 1993.

ROURKE, John. International Politics on the World Stage. 5a ed. Hartford


Northeastern Publishing Co., 1995.

RYAN, Stephen. The United Nations and International Politics. Nova Iorque: St
Martin´s Press, 2000.

SARAIVA, José Flávio Sombra, org. Relações Internacionais: Dois Séculos de


História. 2 volumes. Brasília: FUNAG, 2001.

SARAIVA , José Flávio S. (org.) - Relações internacionais contemporâneas. Da


construção do mundo liberal à globalização. Brasília: Paralelo 15, 1997.

SANTOS, Milton et allii (orgs.) - Fim de século e globalização. São Paulo:


Hucitec/ANPUR. 1993.

SATO, E. 2000. A agenda internacional depois da Guerra Fria : novos temas e


novas percepções. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília: ano 43, n.
1, p. 138-169.
106

SEITENFUS, Ricardo. Manual das Organizações Internacionais. 2 ed. Porto


Alegre: 2000.

SIQUEIRA, H. S. G. Globalização e Autonomia - os limites e as possibilidades.


In: Extensão Rural - Revista do Mestrado em Extensão Rural. Santa Maria: UFSM,
n8, jan-dez/2002. p. 99-122.

TAVARES, Maria. C. A retomada da hegemonia norte-americana. Revista de


Economia Política, São Paulo, v. 5, n. 2, abr./jun. 1985.

UNITED NATIONS SECURITY COUNCIL. Disponível em http://www.un.org/sc.


Acesso em setembro de 2007.

VIZENTINI, Paulo G. F. (org.) - A grande crise. A nova (des) ordem mundial.


Petrópolis: Vozes, 1993.

VILLA, Rafael Antonio Duarte – Da crise do realismo à segurança global


multidimensional. São Paulo: Annablume/Fapesp, 1999.

VESENTINI, José William. Nova Ordem, Imperialismo e Geopolítica global.


Editora Papirus, 2003.

VESENTINI, José William. Novas geopolíticas. Editora Contexto, 2000.

VESENTINI, José William. A nova ordem mundial. Editora Ática, 1996.

WEISS, T. et al. The United Nations and Changing World Politics. 3a. ed. São
Francisco: Westview, 2000.

WALTZ, Kenneth N. "Teoria das Relações Internacionais". Lisboa: Gradiva, 2002.

WINES, Michael. Tragédia remodela as alianças no planeta. In: O Estado de


S.Paulo, 07 de outubro de 2001. (Disponível no site do jornal: www.estado.com.br).

WANDERLEY, L.E. Conjuntura: desafios e perspectivas. In: Revista: Serviço


Social & Sociedade. São Paulo, Cortez, 2001. p. 5-33.
107

WIGHT, Martin. "A Política do Poder". Brasília: Editora Universidade de Brasília,


Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais; São Paulo: Imprensa Oficial do
Estado de São Paulo, 2002.

ZAVERUCHA, Jorge. Frágil Democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,


2000.