Anda di halaman 1dari 18

Mecatrónica Automóvel

Materiais Ferrosos e não


ferrosos
Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

FACTORES DE SELECÇÃO DOS MATERIAIS

Características Técnicas: rigidez, resistência à corrosão, resistência ao uso,


condutividade térmica, etc.

Contabilidade: com os processos de fabrico automóvel: trabalhabilidade,


maquinabilidade, montagem, etc.

PREÇO: Um automóvel custa» 20 €/kg (avião comercial» 1125 €/kg) custo


primário, custo do fabrico (processamento + perda de matéria), embalagem,
montagem e estabilidade do preço.

DISPONIBILIDADE: sem rupturas de aprovisionamento.

CONFORTO: a sua estética, o seu toque e a sua durabilidade.

REUTILIZAÇÃO / RECICLAGEM

SUBSTITUIÇÃO DOS MATERIAIS

Alguns materiais tradicionais têm sido substituídos por outros que respondem
aos anseios dos consumidores e às necessidades dos construtores em
apresentarem produtos mais competitivos, mais seguros, mais resistentes,
mais duradoiros, de maior qualidade e mais recicláveis

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 2


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

EVOLUÇÃO DOS PLÁSTICOS

O uso plástico continua a aumentar, mas de forma mais moderada imposta


pela reciclagem que obrigou a uma diminuição da variedade de materiais
plásticos utilizados. Novas indústrias de desmantelamento,
recuperação e valorização dos diferentes plásticos permitem que a valorização
destes materiais não seja apenas energética (queima).

MATERIAIS UTILIZADOS

AÇO: Excelente compromisso entre as características mecânicas, a aptidão ao


trabalho e a capacidade de absorção de energia em choque;

Resistência limite de elasticidade

160 a 210 MPa (aço macio corrente)

450 a 600 MPa, (aço ligados: V, Ti, Nb)

Vantagens:

Conhecimentos acumulados durante décadas, preço, disponibilidade, 100%


reciclável

Inconvenientes:

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 3


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Elevada

sensibilidade à corrosão e o seu peso.

Os principais tipos:

Laminados a quente (em desuso), partes não expostas

Laminados a frio (mais utilizados)

Galvanizados (EG: electric galvanised e HDG: hot dip galvanised),

ALUMÍNIO:

Vantagens: Metal leve, bom comportamento à Corrosão, 100% reciclável

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 4


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Inconvenientes: Preço, Trabalhibilidade

Principais Ligas:

AS5U3 (5% Si, 3% Cu),

AS12 (12% Si, 1% Cu e 1% Ni)

MAGNÉSIO:

Vantagens: Muito leve, Excelente à corrosão, 100% reciclável, Elevada Fluidez

Inconvenientes: Preço, Baixa resistência (130 -140 MPa), Reage com O2 na


fase líquida.

Os principais Ligas:

AS41A (4% Al, 1% Si), AM60B (6% Al, <1% Mn)

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 5


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

PLÁSTICO:

Vantagens: Muito leves, Resistentes ao choque, Fabrico de monoblocos.

Inconvenientes: Reciclagem difícil.

Os principais tipos:

PP, PC, PA, PBT, PMMA, POM, Copolímero

(propileno – etileno), PP carregado com talco,

PP + fibras, etc.

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 6


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

FLUIDOS:

Os principais tipos: óleos, líquido de refrigeração, limpa-vidros, etc.

Manutenção das suas propriedades ao longo do tempo, evitando a sua


contaminação com micro-poeiras e diminuir os seus efeitos corrosivos

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 7


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

RECICLAGEM 1

Decreto Lei nº 196/2003; Directiva Europeia nº 2000/53 Criação de circuitos de


recepção e separação de substâncias perigosas e posterior envio para
reutilização ou reciclagem, desencorajando a sua deposição em aterros.
Materiais como o chumbo, mercúrio, cádmio, e crómio (hexavalente) estão
proibidas de serem utilizados.

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 8


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

90%
80%
70%
60%
50%
40% Reutilização+Reciclagem
30% Aterro
20% Valorização
10%
0%
Todos Veiculos Todos
veiculos Novos Veiculo
2006 2006 2015

Decreto Lei nº 196/2003; Directiva Europeia nº 2000/53

Os construtores devem utilizar para rotulagem e identificação de componentes


e materiais a nomenclatura das Normas ISO (a partir de 1 de Setembro de
2003).

Exemplos:

ISO 1043-1 e ISO 11469 (Plásticos);

ISO 1629 (borracha);

ISO 115 (alumínio);

ISO 23079 (magnésio);

ISO 185 (ferro fundido cinzento);

ISO 6929 (aço), etc.

PA66 poliamida 66

PA66-I poliamida 66 modificada por impacto

PC+PET-I policarbonato e politereftalato de etileno

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 9


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

PBT politereftalato de butileno (retardante de fogo/chama)

TENDÊNCIAS FUTURAS

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 10


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Órgãos Mecânicos (motor, caixa de velocidades, etc)

Diminuição do Peso:

Multiplicar as peças em alumínio (motor e caixa) e alumínio reforçado (discos


de travão);

Magnésio para peças do (cárter do motor, caixa, cabeça da colaça, etc.);

Compósitos para peças periféricas do motor (bomba de água, bomba de óleo,


etc.).

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 11


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Qualidade/Durabilidade:

Melhorar as prestações das peças sujeitas a fricção, reduzindo o desgaste


(nituração: carburação após cimentação);

Optimizar a composição dos fluidos prolongando a sua vida;

Optimizar a formulação dos elastómeros, permitindo a sua maior utilização e


duração nas tubagens dos fluidos.

Custos:

Hidro-vazamento de peças complexas em aço (reduzir nº ligações, maquinação


e montagem);

Fabricar monoblocos em compósito.

Chassis

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 12


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Segurança e Diminuição de Peso:

Desenvolver aços de muito elevado limite de elasticidade (>600MPa) para


aumentar a rigidez e manter a sua resistência ao choque (transversais,
longarinas, barras anti-intrusão nas portas, etc.);

Desenvolver alumínios para outras peças (longarinas, reforços locais);

Fabricar estruturas em multimateriais (aço/alumínio/compósitos) através de


técnicas avançadas (placas para o chão do automóvel, etc).

Rodas

Diminuição de Peso:

Utilizar aços de muito elevado limite de elasticidade, alumínios e multimaterais


(metal/compósito).

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 13


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Vidros

Diminuição de Peso:

Generalizar o policarbonato no fabrico de todos os vidros;

Conforto/Qualidade:

Desenvolver vidros multifunções (antenas radiofrequência, adiabáticos, de


opacidade variável, anti-gelo, hidro-dispersores, anti-intrusão etc.

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 14


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Carroçaria

Diminuição de Peso:

Desenvolver novos aços para o fabrico de chapas mais finas;

Utilizar materiais orgânicos para as alas laterais (termoplásticos), portas


(compósitos) e materiais insonirizadores (polímeros);

Aumentar o uso do magnésio;

Aumentar a aplicabilidade de compósitos de carbono;

Usar alumínio e plástico para peças como a porta da mala e parte inferior das
portas;

Iniciar o uso de perfis de aço revestidos a alumínio e/ou plástico em veículos de


gama alta ou de nichos de mercado.

Custos:

Fundir alumínio sobre pressão para conceber peças mais complexas como a
base monobloco;

Fabricar peças de carroçaria coloridas evitando posterior pintura;

Reciclagem:Usar misturas de plásticos reciclados para as cablagens,


braçadeiras, tampões das rodas, etc.

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 15


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Habitáculo

Diminuição de Peso:

Usar magnésio para o fabrico do volante, coluna de direcção, armadura dos


assentos, transversais do chão e base do painel de bordo;

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 16


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Utilizar multimateriais (metais/compósitos) para os assentos;

Utilizar fibras vegetais para os painéis das portas, tablier, ...

Conforto:

Desenvolver tecidos anti-odores, anti-transpiração, anti-bactérias;

Procurar texturas e cores mais estéticas para os plásticos;

Investigar o toque e odores em materiais alternativos.

Qualidade:

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 17


Materiais ferrosos e não ferrosos
2010

Fabricar peças por multi-injecção combinando os pontos fortes de diferentes


tipos de plásticos formando um material com estrutura rígida, formas
ergonómicas e de design apelativo.

Reciclagem:

Reduzir o número de plásticos utilizados para facilitar a sua valorização.

Filipe Brás Varanda Marquer nº6 Página 18